Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08557


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1847.
Sexta-feira
f) OtltlO pUir.fte Indo o dial IJUS. nao
f'-e-ri le utrli : o preco d* a'si^miur.i 'ie He
4JQC rs. un quirtcl. pn'eot ai'ititM'M. Os mi-
DIIQCM dos IMt-tnaetes s, .mendos:! mslo.le
Jo rs.-p .rlii'ia, 10 i em tva fitTaeeaWi "
repel; i lino. Os que n"'6 f rfc!KJ
nsntes pataro 10 ri por liu'ia, 181 em lypo
dillcrepte, porcad piiulicie'.>.
pha'srb Da lu nv mk dr noveuhho.
|.\m non,! 4, nos &t minutos d maiiha.
Orejente a 16 s libras e a min.d tai de.
l.ua cheia a 21. ai 1 botas e 45 inin. da larde.
M Uuoaiite a J9, al hora e 2 telo, da Urde.
PART i) V -DOS CORtTEfOS.
:ioiimcPars'ivl>sjeund ou 1 -ande-do. Norte quintas leirasao meio-lia
jhn, Serinh.lem, Rio l'ormoso, Poito-Calvo e
UaceM no l.\ a 11 e li du cada mti.
i; ira ilitms e Itoutto, a 8 e 2,3.
lia-Vi'i 6 Flores, a lJe-J.8.
Victoria, .'u quiTii n-feiras.
i (luid, lodos os das.
PHEAMArl 1>E HOJE. .
l'rcmeira, s 2 hora e 0 mininos da inaolii
Segunda, s 2 lio ra e 3 minutos da tarde
.le Xoven?. >ro. ^uno XXIY.
4
V
**C
HAS 04 EMANA.
Segonda. >!*. Fasta de todos os Santos.
2 Terra. S. Victorino. Aud.doJ dociv da I.
v e'do I. de paz do 2. disl di- t.
3 (,Mamw' S. Valaquiai A ud. do I. dociv. da
V. v. e do I. de paz do t. dil de t.
.t ijutnia. S. Cnrt s llorromro and doJ.de
o'miIi. i" i municipal da I. rara.
I Sexta. S. Zacaras And do do cir. da I.
v.e do J. de pus do I. dist de t.
H Sablwdo. 8. Severo Aud. doJ. dociv.
da 1. r. a do .1. de p*z do 1 disl. de l.
7 Domingo. S. Florencio
CAMBIOS NO DA v DE NOVSMBRO.
iSolire Londres a 28 d por I4"00 rs. a 60 dia*.
?-ns 3a0 rs por Iranco.
T,;slA< IOS a lio de premio..
Dcsc. de latirs de lioas firmal I '7. Jw- -.
0ro-0.,cl.e,p...hol.....a8li J*
Meadas de o -m velh IBjlOfl \*00
da S^ion nov ion '',n"
de4<00..... 91 'o a
Prala Pataces........... '#
Pesos columnares... lid" a
Ditos meilcano.... I|"
Minda............ 1|50
i*-0
l|880
11740
Acces dacomp. do tleberibede iOf000 rs.aopar
TST IR TA TV PF1IW A.MBCQ
INTEWOR.
PARLAMENTO BKASILlilKO.
CMARA DOS 8RK. DF.PUT \l)OS.
IH se tirso proferido pelo Sr. Jone Bruto
iln f iiii fin JFiguHredo na netmao de 2 de
netembrode 1847.
CnEDITO I'ABA HXF.RCICIOS PINDOS.
O,Sr. Jote liento :-Sr..presidente, nio estou an-
da resolviilo a votar pelo crdito, porque considero-
o urna medida de confianQa, senflo no todo, ao mo-
no* om parte. Sendo urna medida ile confiancat cs-
to dnvidoso de votar por ella, vislo quo estou mui
desconfiado do govdrno, nao s pelo quo ello tos
pronictteu no nroSramma hoje defunio. e que nflo
cumprio, como'pela que nos promelte.ho program-
ma vigente, no prograinma circular; porquanto, Sr.
presidente, infelizmente nilo posso ter a f robusta
de uai nobre ileptilado que liontem allou em pri-
meiroluftar, quando diwe que n5o poda concebor
que liotivesso governo 13o tlesmoralisado que aprc-
sentasso iim prograinma para nflo execula-lo. Creio
que o nobre deputado a quem me redro eslava de-
masiadamente indulgente; porque, couheceilor, co-
mo lie, da historia parlamentar do nosso pail, estou
que elle nio ignorar que ate boje n3o foi anda
presentado no parlamcuto progranuua nlgum que
tivesse fiel c inteira cxccucflo portanto, digo eu,
Sr. presiJente, que parece-me que o nobre deputado
eslava em multo bom humor. Acustumado a lor
(n3oa ouvir) programmas mui lindos c engenhosa-
mento descriptos na tribuna, e mais cngenbosa c h-
bilmente invertidos tiapratica pelos seus proprios
autores, eu apenas ontrei tiesta casa disseque con-
sideiva os programmas como pivsepes do sombra,
como narcticos ; mas o progranuua do uobro ex-
minislro do imperio o Sr. Paula Suma foi tracado
com cores to bel fas o tuoconstitucionaes, que, con-
fesso a V. lOxc., deixci-nie*eiluzir por elle. Com ef-
leito, pioniessa solemne de ;uiico a todos, dehoer-
da.de de voto e u cv-jnoinis, ;;;" .rmessa ,a. em
tempos tilo calamitosas He sem duvida mui propria
para lisongear, o mesmo animar a todos os opprimi-
dot, a lodos os conttibuintes o a lodo o cidadSo justo
e honesto Ora pois, Jigo a V. Exc. que dcixei-me
seduzir pelo programma, e Uve minha fe de que
fosse realisado, por ser proferido e apiesentado, nao
por un avenluiT.iro poltico, ou por um honiem a-
costumado a fnltar aosseos empenbos, mas por um
cidadao de ptimos precedentes, por urna persona-
ge m importante, desinleresaada a toda prova, o an-
da vi rgcm nostraquejosda uilministracilo. Massup-
liunbacu, Sr. presidente, quo o governo, ccrlo Jo
scepticismo universal que reina a respeilo Jos pro-
giainmas, tratasso logo de apadrinbar o scu com os
factos; que, leudo vontade sincera de favorecer a
Hbordade dbvolo,-mandasse immetliatamcnle para
as provincias presidentes a quem com ar de severi-
dadedissesse :Idcs governar tal provincia, mas
mo vmsdcveis inroiuCUer em eleicdos, tiem como
governo, ncm mesmo como opinio. Nflo como gover-
no, para que a tal pretexto nflo se lome o governo o
oppressorde urna parle de cidadfios para exaltara
outra ; para que o governo possa manter-so napo-
sicao neutra e in parcial em que so lleve sem pro con-
servar, o nflo represente as lulas polticas dos par-
tidos o papel de comparsa, e Sim odejuiz severo;
para que, einllu, n&ocomluza o governo ao parlu-
mento'iion.ens que o venham coi leja r como sei vos;
para que o governo nflo so torno o promotor da iui,-
moralidadeobrigandoa csses homens onasufToca-
re'm osentiuieniodcgratidflo, ou suSlcnUrem, seja
como for, o governo, truhindo umitas vezes os sa-
grados deveres de representantes da nacflo. I'ensei,
Sr. presidente, que fossem logo o logo mandados
para algumas provincias administradores a quem se
Uissesse : Covornai. mas nflo vos inlromoltais as
eleigoos, iiem n.esmo como opin'io. Mesmo nest
qualidade, Sr presidente, nao devo o governo, em
nossascirctiinstancias peculiares, tomar parle nas
cleices; em um paiz onde a opiniflo publica nao
sabe apreciar (levidatnente at onde se estende a ac-
flo ligitima do governo, pode ser perigosa a inter-
veitcflo do governo nas eleicoes, mesmo como opi-
nio; por.que muita genle se persuado queno se po-
de ser governista sem ser escravo dos quegover-
nam ; e por isso, quando nas eloiflc* apparecea lis-
ta chamada do governo, julgam multo que a dovein
lugo adoptar, sob pena de seren inmediatamente
reputados conspiradores, anti-inonarcliislas, ou de
seie*m perseguidos; eassim ja tem acontecido. Em
um paiz onde todos nflo estflo liem cooipeoetrados
de que a votaefiu perleuce ao povo o nflo ao governo,
lio mui lo justo que o gove'mo, ou antes os agentes
do governo, sojam excluidos do loda e qualquer n-
lluencia naseleicOes, porque padem subornar es-
pantosamente..... Kis-aqui, pois, V. Exc., porque
entenda eu quo o governo, para dar ciimpriinonlo
aoseu programma, devia cuidar logo da reforma dos
presideiiles; mas rctirou-se do iniulsterio o Sr. |au-
labuuza, nada fez ueste sentido; ou nflo quiz ou
n&Vijdu fazer, ou quiz o nflo pode, ou podo e nao
i.Sis. I). Mmele S. Hamos :-- Quiz e nflo pode.
O Sr J. Vento: O certo lio que vimos aselei-
eOos dodous senadores por l'crnambuco baterom as
portas, e o presidente cliefo da oleigflo passada, o
presidente candidato, o presidente que anida tema
importuna missao de impr oulro cuudialo, aindu
dispOe os dosluios de l'ernambueu.
U Sr. C. de Uendonca ; Uueiii dispOe s5 s Per-
nambucanos.
O Sr J. Bento : Mas boje, Sr. presidente, j so
nflo fazconta da provincia de Pernambuco, para
quem seolhava com lano respeito quando so exi-
ga della grandes sacrificios para a pacificaQflo do
nortee do sul do imperio; apenas so Icnihram da
minha provincia para opprimirerrf-na ; anida nflo ro
o nom ser demitlido o presidente de Pernambu-
co !!... E qual p motivo disto? Que myslenos sflo es-
tes, Sr. presidente ?
O Sr. M. da Cunha: Logo ha de ser demitlido,
e s'ou cu que o vou substituir [hilaridadc).
OSr. J. fenlo : A Baha, quo nflo tem soffrido
oquel'oinamliuco tem solTVido, j conta eom um
novo presidente, e tal vez o ten.h, porque a Baha,
honra Ihc seja feita, nflo aceita imposicOeado govor-
no. Qual sera o presidente do Ccar ? Dizem-me que
para la val oSr. senador Menear. Forticaram o Sr
CMchorro pelo lado do sul, agora querem-o escoltar
pelo lado do norte; lica, pois, o Sr. Clncliorro mu se-
guro no centro, por isso que tcm-se a conscioncia de
que em Pernambuco trata-se deexercer urna especie
de tjrannia, impondo-se dous canditlatos eslranhns
para a senatoria ; e entflo fie necessario..... [Ha al-
guns aprtese grande susurro.) Ora, Sr. presidente, na
verdade he um argumento mui valenle o com que o
nobre deputado que me deu apartes, esobretudoos
nobres deputados por l'crnambuco, pretendem atte-
nuar ou dourar a odiosidado dessa iniposicflo. Di-
zcm.que no senado existom sonadores cleilos por
piovincias a que nflo perlenciam: Sr. presidente,
podo ser que em outro lempo, .em oulras circuns-
tancias, estes factos podessem ser indilTerentes ;
quando 0 circulo da instrucqao provincial era mais
estreilo, quando o governo linha unja aceflo mais
cenlralisada, estes factos podiam ser justificados;
mas hoje quo o circulo da iustrucco provincial he
mais largo, boje que gozamos do um syslema quasi
federativo em virtudo do qual cada provincia tem
urna vida propria, una vida sua, bem que intcrcs-
sada com vida geral do imperio; hojediiei que
jigo dcvnm ellas deixar do ter nos dous grandes cor-
pus polticos, principalmente no corpo vitalicio,
seus representantes ualuracs, que, alm de conhe-
ccrem os inleresses da uniflo, conhecam tambem os
inleresses da locaiidade e os.defendam com dedica-
tivo sincera Porlanlo, nflo he imiiTerento que aejffl
actualmenle eleitos senadores homens de provin-
cias eslranhas, porque os inleresses do locaiidade
nflo podem ser cabalmente comprehendidos c defen-
didos por meio de representantes adoptivos, cuja
amabilidade, cujos protestos se findam logo dcpois
que se concluein as eleicoes.....
O Sr. M. da Cunha : Islp mesmo be amor o ter-
O r. J. lenlo : Islo lie urna verdade, Sr. presi-
dente, que os nobres deputados que. protegen! esta
eleicflo nflo podem dcsconheccr; estou certo que el-
les boje carregam esta gravosa imposicSo com mul-
tase multiplicadas ladigas..... deque lalvez sequi-
zesscm alliviar.....
O Sr. V. de A/enrfonca : -- Prest ni pcao e agoa tien-
ta cada um toma como lhc parece.
OSr. J. liento: ..... Se ellos se encarregaram
de urna missflo muilo odiosa, sem duvida foi por mo-
tivos mui ponderosos; eslou certo, Sr. presidente,
que os nobres deputados nao carregariam com ma-
deiro tilo pesado se nio scachassetn compromeltidos
al nflo mais. E qual seria, sonhores, o motivo quo
obrisou aos nobres deputados a apresentarem em
suas listas candidatos esiranhos ? Qual o motivo que
os constrangeria a eliminarem do sua chapa a cor-
religionarios anligos e mui devotados chefes do seu
partido, a quebrsrem estreilos lapos de amizade, e a
excluirem mesmo muitos daquelles que i achara
Ibida ligados aos nobres depulados, equoter.am a
capacidade de representar a sua provincia no hon-
roso lugar de senador? Q^l sena, uois.Sr. presi-
dente, este motivo tao ponderoso? Seria a cora,
porventura, quearrastou os nobres deputados ais-
so.' Acora.nSo; porque a coroa, senhores, gjra
em urna esphore milito elevada f a cora sabe que o
scu mais firme a,.oid he o voto l.vre; a cora cobro
a lodos os Brasileiros, como hontem aqu disse o
nobre deputado por Minas ; por consogu.ntei nao de-
via querer o nem quecera que pelo inleresse de um
ou ttous individuos sejam coinpromettidos os inle-
resses reaes de urna provincia inteira.
OSr. Presidente :-JVo posso admillir asexpres-
scs do nobre deputado ; sflo contrarias ao regimen-
t (apoiados).
Sr. J. liento : Eu quizera que V. Ex. tivesse a
bon'dado de me dizer fin que estou fra da ordem :
creio quo V. Ex. nflo percebcu bm oqueeu disse
O Sr. Presidente :-- Ouvi o Sr. deputado dizer que
a cora nflo podia querer.....
OSr. Urbano : Quonflo devia.
OSr. Presidente : Ou que nflo devia querer que
pelo inleresse de um ou dous individuos losscm
comprometidos os inleresses do urna provincia......
O Sr. J. Denlo : Eu nflo vejo no que disse cousa
que podesse ofTcnder a cora ; o que disse foi que a
cora,- gyrando n'uma espliora mu alia, edevondo
colnia todos.nfloera de presumir que quizesse por
causa do interesse particular de um ou de outro in-
dividuo comprometer os inleresses de urna provin-
cia inteira, o quo por isso reputava urna calumnia
_ iioalo de quo a imposicflo de que lenho fallado
partisse da cora.
Ima toa : Islo he contra o regiment.
O Sr.J. fenlo : -- O caso he que o Sr. ex-ininislro
do imperio, sondo nlerpollado a.esto respeito, nada
disse, nflo defendeu a corea, eeu a estou dolendcn-
deudo, suppondo que se llie allribue una calumnia,
e trato de coinbat-la; faco mais do quo fez o Sr.
ex-miuistro do imperio.
O Sr. Urbano : Mesmo a hypollioso lie contra o
regiment. ., ,, ..
O Sr. J. Bento : Portante, Sr. presidente, V. h\.
esl na rigorosa obrigaco de restituir o meu crdi-
to, declarando que eu eslava em ordoin.
Nao foi, portanto, a cora o motivo desla imposi-
eflo, porque a cora..... :.,:. i
.Sr.Vreiidente:-.- Eu nflo posso adm.ltir esta
discussao apoiados). O nebro deputado podo fallar,
mas nflo traga a cora a discussflo.
OSr.R do, Santos:- He contra o regiment, e
contra a decencia da cmara.
O Sr.J. fenlo:- Ora, contra a deconcia da ca-
sa !..... Pois bem, irei adianto. Mas qual o motivo
que levou os nobres deputados a accitarcm a luipo-
siQiio? Foi um,Sr. prcsidenle.foi ode ***&*-
lar o partido a todo o transo? Mas os nobres depu-
tados sacrlicaram-se muilo por osla paixflo quo nao
sei se poderoi chamar poltica ; sacrifica rain gran-
demente os inleresses reaes e permanentes do sua
provincia por inleresses momentneos, deixaram-
se Iludir pelo canto ta serea, e nflo repararan! que
ha homens que desejam soprar o alimentar asdis-
Sunses nas provincias, que as desejam mesmo nu-
milhar c abater, o para isso soguem a reprovada po-
litica do principe de Machiavel dividir para rei-
nar c reinar despeilosamonle : deixaram-se ven-
cer..... e tomaram um encargo que deviam repellir
com toda a dignidade, epor dignidadc da sua pro-
vincia...... ,
O Sr. C. de Nendonca : Para que tem pena do
nos ? ...
O Sj. J. liento : foi, portanto, o desejo de
montar" o partido, fosso como fosse, que cegu os
nobres depulados. Mas, Sr. presidente, se o minis-
terio pretende sustentar a liberdade do voto, como
he que ha de sustenta-la em una provincia cujo pre-
sidente tem por systema abater um partido e exal-
tar o outro?- Como mantera a liberdade de voto um
governo que tem inmediato inleresse, e inleresse
proprio, nas eleicoes? Porventura ignorara o go-
verno que o presidente de Pernambuco tem demit-
lido dos ompregos provinciaesa todos quantos sup-
pe que nflo pertencem ao partido denominado
praieiro? Fez una nvcrsflo geral, nflo dcixou po-
Sanlos : Est na ordem do seus
amigos.
O Sr.'J. fenlo : Mo sigo a doutrina dos amigos.
.Nao he publico, e liolorio quo o presidente do Per-
nambuco, depois de demitlir todos os empregados
provinciacs, Te-Ios substituir por homens que con-
sidera pcrleiicenles ao partido praieiro? E quem
nao satic quo os empregos pblicos silo boje a mola
real das eleices, uinda mesmo aquellos que nao
leem ordenado, como oscommandanles superiores
da guarda nacional, os ofliciaes da guarda nacional,
e ate os insperlores de quarteirao? Aquclle, portan-
to, que poder aconar com os empregos, ou que po-
der demittir os que se acham empregados, dominara
as eleicoes, iissim tetilla a dcliberacflo ecoragem do
presidente de Pernambuco, oSr. Antonio Pinto Chi-
chorro da Cama he, pois, contraria a liberdade do
voto a conservado do Ul presidente; o governo
roiiseivaiido-o nflo Taz mais do quo alimentar o seu
capricho, nflo faz senflo toruar-se tambem capricho-
so e eu nflo duvido, Sr. presidente, quo dosle ca-
pricho resulto a perturbaeflo da ordem publica na
provincia de Pernambuco ; Ionio a annunciar este
meu prescutimenloemalla voz.....
Os Srs. C. de Mendonca c Urbano: --iNflo temos susto
disto. ,
[Lonttnuar-se-na.j
canto, tabelliflo publico do judicial e notas nes-
ta cidado do Recife. capital da provincia de Per-
nambuco, por sua M. 1. que Dos guardo, etc.Cer-
tifico que, depois do dia 18 do sntembro prximo
passado leste anuo, reconheci dous papis de trato
earrendamento do um annazeni, ou casa na ra
Nova desta cidado, celebrados entre partos Joaquim
Jos l.ourcnco da Costa o sua mulher, e madama
Poirsoii;etonlio lembraiica que uollos estavam as-
signados Manool Alvos Cuorra, e parece-me que
tambem Nicolao Cadault, sem que esleju agora no
conliocimento quaesforam as tostemunlias ; o que
afnrmocmf do meu ofno nosla cidado do lle-
cifo aos >2 do outubro do 8i7. Escrovi e assignei.--
Em f de verdade.Guilherme Patricio fetsrra la-
valcanlc.
.'i,.., ...i .j,,
OSr. f. dos
Corresposulencia. .
Srs. liedactares.Em resposla ao anuuncio doSr.
Cuilhermc Patricio UezerraCavalcanle, inserido no
seu jornal de honiem, do correte, rogo-lhesa bon-
dadede iiiserirein o presente requerimonto e altes-
lado. .
E em quaulo a rapidez com que o mesmo Sr. i.ui-
Ihcrmediz ou lhc exig essa cortidSo, perde-nie
que llio lembrequeerain 9 horas da manhfla juan-
dolhoentreguei o dito requerimonto, e que so m'o
voltou as 3 -i para as horas da tarde.
Eu achava que melhor loria sido, para tirar toda
a duviila einque se acha oSr. Cuilhcrme a respeito
da cerlidflo em quostflo, que nielhor fura, digo,tcr a-
prcsenlado.o papel original do tal arrcndamenlo feito
em favor da senhora Poiison, do qual o Sr. Cuilher-
ino reconheceu as assignaturas ; o assim so teria of-
foolivamento visto, se era islo engao, ou talvez
se loria confundido o fillio com o pai ou o pai
com o lilho; o pai chama-se Nicolao Cadault, o hlho
chama.-suHypolito Cadaull. leo quo tenho a res-
ponder ao BT. Cuilherine; o quo faco por elle mo
exigir. Seu ele.
. Ajfonso Saint-warh'i.
Alfonso Saint-niartiii a beili de seu direilo pre-
cisa que o tabclIJuo publico do notas, Cuilliormo Pa-
tricio Uczcrra Cavalcaule Ihe declare ao p desto
qnaes as Icsleniunhas.cujas firmas Ihe fo rain a pre-
sentadas para reconhecer, quo estavam assignadas
no escripto particular do arreudainento da casa onde
leem loja do fazendas fraucezas llypolitoSaiiit-mar-
lin & C, celebrado ultiinamenle pelos administra-
dores da casa de Car tacho c a senhora Adclle l'oir-
son, e que Iho declare quando foi feito dito reco-
nheeiment ; assim : Pede a V. s., senhor doutor
juiz do civel da primeira vara, se digne assim man-
dar ao dito talielliflo. Erecebera merc.Affonso
Saint-murliH. Passe.-ltccife -21 de outubro de 1847.
Silva Heves. Guilherme Patricio Bezerra Caval-
ilERCtO.
i3;ttt,0tt
Alfandega.
ItF.NDIMENTODO DIA i.........
Descarregain hoje, 5 de novembro.
Brigue-escuna Laura breu e alhos.
Barca Mary-Queen-of-Scots carvflo e ferro.
Briguc Primavera viudos.
Bn'gue HelwpoUs mercadorias.
Consulado.
RENDIMENTO DO DIA *.
'.eral...........
Diversas provincias.
1:416.ti..
2,867
1:459,492
PERNAMBUCO, 4 DE NOVEMBRO DE 1847.
AO ME10-D1A.
Itua da Cadeia do Recife, n. 34, loja de cambio
de correlagens PRECOS COItRENTES DE HOJE.
Moa de prala. Compras.
Pntaccs brasileiros----------
Pesos columnares------------
Ditos, da patria -------------
Modas de francos----------
Ditas de 2 patacas------------
D,las de 1 dita......
1,960.....
1,940 ------
1,760 ......
1,600 ---,--
1,280 ......
640 -.....
Vend*.
1,980
1,960
1,780
1,620
1,290
660
Modas deouro.
Pecas velhas........16,100......16,200
Ditas novas........16,000......16,100
Modas de4,000rs.----------9,000......9,200
Oncas hcspanholas----------28,500......28,800
Ditas da patria.......28,300......28,600
Soberanos.........8,900......8,9a0
Por procuraeflo de C. A. deOlivoira
Manoel Joaquim Silveira. ,.a
xjmK-MMaiBaaaisiyssMiMsaaMiMB
ioviiuenlo do Porto.
Navio entrado no dia 4.
Babia; 5 dias, brigue inglez Itunnymedes, de200 to-
neladas, capitflo Tbomas Walters, equipagem 13,
carga lastro; a Jamos Crabtree & C.
Navios sahidos no mesmo dia.
Bilboa ; barca hespanhola Isurabet, ca^ilSo Andre
Cortnc, carga a mesma que trouxe.
Una ; liiale brasileiro Novo-Destino, capitflo Estevao
Bibciro, carga varios gneros. Passageiros, os ha-
chareis Esperidiao Eloy de Barros, Ricardo Perei-
ra da Rocha Lina, Aboli Jos Tavares da Silva,
Flix da Costa Moraes, padre Jacintho Candido de
Mendonca, Joaquim Ignacio da Silva Guiarte, An-
tonio Francisco, Jos Alexandro Pereira, Brasi-
Terra-Nova ; briguc iuglcz liunnymedes, capitflo Tho-
mas Walters, em lastro.
IDITAES.
CURSO JURDICO.
Faco saber a quem convier, que, para regularida-
de dos oxames preparatorios, ficam estes impretori-
velmento distribuidos pelos'dias da semana da ma-
neira seguinte :
Sogunda-foira. das9as 11 da manhaa-GeographiB.
Das 11 a 1 da lardeLalim.
Tcrca-fcrra, las a as ll--Plulosopliia.
Das 11 a 1 Inglez.
Quarta-feira, das9s IIGeometra.
Das 11 a 1Francez.
Sexta-feira, das 9 s 11Khelonca.
Das 11 a 1Latim.
Sabbado, das 9s 11Ceographia e historia.
Das 11 a 1Francez.
.V. /(. O dia impedido, por ser santo, passar a ser
comoa quinta-foira.
Olinda, 3 de novembro de 184".
Padre Miguel do Sacramento Lopes Getmi,
Director.

T


A
V
-
H

!
f

..
_ Faco saber a quem convipr que nos pxiitips Ip 1a-
tlmdn fim ilo armo prximo, alm le Tilo Livid p
Morapio, sitio os i si iifnl.-s examinados indistine
lamente, oas Gergicas, Buclicas, na Eneida <)<-
Virgilio, pm Salustiu o em (|ua1quor das oraches de
Cta*ro.
(Huida, .11) novembro de 1817.
O padre Miguel da Sacramento Lepen Gama,
Dieclor.
Judo Xavier Carneiro da Cunha, fidalgn cavalteiro da
casa imperial, cavalleiro da ardem de Chrittn, e admi-
nistrador da meta do constilaJo desla provincia, por
S. IH. o Imperador, que Dos guarde, ele.
Faz saber que no da 9 docorrente mez, a 1 hora
da tarde, su lulo de arrematar em praca, na porta
desta reparliQflo, 2 saccas do ulgodfio con 3 arro-
bas e 17 libras, deprimera qualidude, a 6,800 rs.
a arroba, e 5 arrobas e 27 libras de refago, u 5,800 rs.
II arroha. anm ,.|,,....l,,l ,,,; 0 ;>Cla da !!')CC"iS" iiiii
feilur eeonferonte Prxedes da Ponseca Cotlinlte.
por ralsificacflo do genero : sendo a rrematacilo li-
vredo despeza eo arrematante.
Mesa do consulado do l'ernambuco, 4 de novem-
ii rio tn4r
Jiro de 184
O administrador,
Jo/o Xavier Carneiro da Cunha.
Para Trieste o ca mirto Tbiliripe Blanipied, da
psenna insleza Ditlandu. pre'i me tomar a frele 70
a 80 toneladas dp parpa : qn-i.n qnizerilar linja-se
nos consignatarios,Chrstophors& Donaldson, ra do
Trapiche, M 40.
O hiigup-eseuna Amazonts sepue para o Rio-
de-Janeiro liojp, 4 loSmneiile imprpterivelmen-
te : ijari (lassayeiros e oscravos drjam-se a ra
do Vigario n. 5.
Para Lisboa sabe impretenivelmcnte no dia 9
do eorrente o brigue pnrtiisunz Robim ; anda ro-
cebe alguma carga o passageiros : trata-se com o
capililo na praca do Commercio, ou com o consig-
natario Thomaz do Aquino Fonseea, na ra do
Vigario, n 19.
I'ara Lisboa sahe, com toda a brevidade, a bar-
ca portugueza Tejo, de quobe capitfo Silverio Ma-
noel dos Reis : qiiem ha mesma quizer carregar ,
ou ir de passagem para o que lem os inais Minia-
dos commodos-, dirija-se aos seus consignalarios ,
Oiiveira inmios & companhia ou ao capilflo, na
praca do Commercio
-Parao Itio-Crande-do-Sul segu, com brevida-
de o brigue Dom-Pedro-Sequnda ; recebe carga c
escravos a fete o tom excellenlcs commodos para
passageiros : os pretendentes dirijam-se a Joao
Francisco da Cruz na ra da Cruz, n. 3.
I____
I)
eclartreoes.
Em consequencia de terem de estar presentes
lias suas parochias, para votarem na eteicflo prima-
i ii que se procede oesla provincia no dia 7 do cor-
rente mez, todas as pessoas matriculadas em diffe-
lenles ramos da vida do mar, manda o lllm. Sr. ca-
pitfio do porto declarar i|uo (cam dispensas de
comparecer oeata capitana revista, que, a nilo ser
esse motivo, deveria ha ver nesse inesmo dia, na for-
ma determinada no seu regulamenlo.
Capitana do porto de l'ernambuco, 3 de novcin-
l>rodel847. O secretario,
Alixundre Rodrigues dos Anjos.
- O lllm. Si. inspector do arsenal de marinha
manda fazer publico, que, no dia 6 do correte,
contratar o forneciment de carne verde para as
emharcacoes da armada e enfermara de marinha,
pelo lempo de tres meses, ou por mais se a isso con-
vidar o prego pelu qual offereca-sc fazer o forneci-
mento; devendo os prptendentes apresentar suas
propostas em cartas fechadas no reforido dia at s
11 horas da manhila.
Secretaria da inspcccilo do arsenal de marinha de
l'ernambuco, 3 de novembro de 1847.
O secretario,
Alexandre Rodrigue dos Anjos,
-- A administradlo ge ral dos estabcleciiiienlos de
caridade manda fazer publico, que, nilo se tendo cf-
lectuado no dia 30 de oulubro prximo passado a
arrematadlo das rendas da casa n. 17 da ra do No-
gueira, fica transferida para o dia 8do corrente, pe-
las 4 horas da tarde, na sala das suas sessoes. Admi-
nistradlo gcral dos estabelecimcntos de caridade 3
de novembro de 1847. O cscripturario, Francisco
Antonio Cava/cante Coutseiro.
l.cilao.
iodoReller & Companhia farflo lolio, por n-
lervencio do corretor Oiiveira de lindo sorlime'nto
de fazendaa do seda lila linbo c doalgodilo,
tanto 1 nglozascomo francezas: boje, 5 docorren-
te, as 10 horas da manhaa no seu armazem da
ra da Cruz.
sOCIEMDE
PHILO-DRAMATCA
O primeiro Jtocrntano avisa aos Srs. socios ,
os hilliPtes para a recita de boje, 5 do corrente
que
1 *
Etcravos apprehendidus pela polica.
.Manuel, preto ; e un moleque que representa a
idadede quinzeannos. Oprimeiro veio de Cari-
ris-Novos, conduzido por Jos Percira dellrito, que
procurou vende-lo ; mas declarou que partencia a
Antonio l.uiz Correia ule Sanl'Anua, residente na
Serra-do-Matto, ou no Cajueiro : o segundo diz que,
sendo propriedado de Jos de Moura, morador em
I'ianco, fra furlado e vendido nesta praea a um tal
Manuel, de I ura-de-Portas. Ambos clles se acliam
lecolhidos cadeiadesta cidado, edevem de ser re-
clamados na subdelegacia dos Afogados
--Joaquim, preto.--Declarou perlencer a Manoel
Percira Cuimariles, echar-se furlado desde 1831. -
Est na cadeia desta cidade, e foi apprehendido pe-
Ja subdelegacia do Recite.
Publicaran Litteraria.
Sabio a luz, e acha-sc a venda na botica da ra
da Cadeia Vclha do Roe i fe, n.3, o romance origi-
nal Noss* Senhoiu dos GoARASArasi em dous
volumes, prego 4:000 rs.
O autor quo mui cordialmcnto ama l'ernambuco ,
esla bella provincia, que tilo generosamente o ac-
colheu na sua desgraca, por um esfarco, em ver-
dado superior ao seu talento, aventurou a sua pr-
nieira producto Iliteraria ueste genero, dedicando-
si a objectos pernambucanos. O assuinplo era digno
lepenna mais aparada; parm, se ella o nao des-
creveu, como elle pedia, servir eo menos de in-
centivo a ouras para mclhor 11 tratarein.
Cantor nilo pede indulgencia; antes conta ees-
pera que os judiciosos crticos o advirtam, para que
possa corrigir as muitas inadvertencias, de que,
como est convencido, ha de abundar este seu tra-
ballio : nao so ufana elle do romancista, nilo ; por-
quanto condece quo para o ser Ido falta, alm do
genio sublime, a somma de materiaes para isso
indispensavois. Ser tachado de empreliendedor ou-
sado, e com rasflo; n.lo o descoohece : mas, se seu
animo o impellea taes emprezas, tambem esl dis-
posto a receber o merecido castigo da cordata cri-
tica dos sabios, e mesmo dos entendidos e da des-
temperada maledicencia daquelles que crilicam lu-
do e de ludo.
Recife, 22 de oulubro de 1847.
Ilernardino Freir de Figueiredo Abre e Castro.
wisos martimos.
Avisos diversos,
ATTENCAO."
Oabaixoassignado conforma-se como anniincin
queapparccciio Diarto A* 2 do corrente, em Dome
de sua milllier, 1). Atina Francisca do Res, e declara
que pela mesma raso ningiiem pague leltras, com-
pre ou faca transaccTo algumacom a referida sua
mulher, a qual pela sua leviandade, loucura ou' ca-
duquice se evadi de casa, levando com sigo todo
o inheiro, leltras, penhores, ouro e mesmo es-
criptura de hypolheca: declara mais quo nilo bou-
vemotivo algum dado por elle marido, e se houve
oi dado por ella, o que se provar em tribunal
competente, se a tanto for elle obrigado : declara
que a conduela da sua referida mulher nao leve ap-
provaeflo iicm apoio de um s de seus prenles c
so um estranho aconselhar para to errados pas-
sos.oque nilo aconteria se ella nHo tivesse levado
todas as preciosidades j declaradas. Igualmente
declara que quanto ella obra he por seduccao e por
eslar coacta. Quanto pode um srdido interesse .'.'.'.'
Combinc-se o referido annuncio com o documento
que vaiabaixo transcripto e ver-se-ba qual de nos
lem rasBo: confrontem-se os annuncioseconliece-
raoa conduca franca, lel c honesta do abaixo assic-
ludo. B
O capitfo Philippe Ulampicd, da escuna ingle-
za Detlandet, arribada a este porlo com agoa aberta
na sua viagem deMacei para Triesle, tendo feit
os precisos reparos; o pora competente vistora de-
clarada em bom estado o capaz de levar urna ca -a
le assucar para o dito porto de seu destino, preci-
sando de dous ou trescontos de res para pagar as
suas despezas, tomar tal quantia a risco martimo-
sobre quilha, casco e todos os apparelhos do seu di-
to navio, sobre a carga que Ihe resta para carregar
e o rrcle da mesma : quem os quir.er adianlar, diri-
ja-se aodilo capiUlo com as condicOes, ou casa
os consignatarios, Chrstophers & Donaldson. ra
do Trapiche, n. 40. '
oJ7iA b,aTC^ Prlu8ueza Espirito-Santo sahe para a
cidado do Porlo coma maior brevidade possivel
quem na mesma quizer carregar ou ir de passagem
dinja-seao consignatario, Francisco Uves da Cu-
nha, na ra do Vigario, n. 11, ou ao capitflo na
praca do Commercio. t-i
Antonio Manoel de Mornes da Mesquitu I'imenlel.
DOCUMENTO.
" Xr- Jox! SimBes de Mtigalhdes. Serve a presente
de o certificar que minha mulher rctirou- se de casa
levando com sigo dnheiro, leltras, joias, ouro, hy-
polhecas, etc., e entre as referidas lettrasfram duas
aceitas por voss, estaido urna vencida, e por isso
lulo as pague, caso algucm Ibes aprsente, visto
qiienenhuma dellas teni o paguc-se meu. Afilelos
20 do oulubro de 1847.--Seu venerailor allencioso-1
Antonio Manoel de Moraes da Mesquita Pimentel.
lllm. Sc.--l)eclaro-lhe qiio j aqu veio o Sr.
Manoel Gregorio da Silva upresenlar-me una jet-
tra vencida, o repugnei pagar por ,nflo ver nofla o
perlence, posto por V. S.; c lico qerto de nao as pa-
gar se nilo a V. S.: e no maissou de V. S. aliento
venerador o criado -Jos SimOet de Magalhar.
Francisco de Freitas Gamboa faz publico que
esla pago esatisfeito de una letlra da quantia de
200,000 rs. que aceitou o Sr. Exequiel de Souza Ca-
valcante, c endocou o Sr. Francisco Antonio Cous-J
seiroe Silva, proveniente do benelicio que o dito
Sr. Excquicl fez no llicatro, na noite de 28 de oulu-
bro ; e por nao ter a dila letlra inilo, por eslar no
sitio sua senbora, e esta ter as chaves do lugar on-
de se acba a dita letlra, por isso faz dila declaracDo
a inorrer e a viver.
O abaixo assignado, oulr'orn alferes do sexto
batalhSo de cacadores, boje do stimo da mesma ar-
ma, tendo de retirar-se desla provincia no da 6 do
corrento mez para a cidade de Maccui, convida a to-
da e qualquer pessoa, a quem por ventura o mesmo
deva alguma quantia, para que seapresse em aprc-
sentar-lhp sua conta, na ra -Nova, n. 69, 1." a-
ilar, alim'de ser inmediatamente salisfeila ; persua-
dnlo, todavia,#abaixo assignado de achar-se quile
com aquellas pessoas com quem tratou negocios em
todo o tempo que residi nesta praca.
Berardo Joaquim Correia.
OSr. J. D. S., para inelhor por em pralica as
suas promessas, pague priineiro 4,700rs. que deve
a um credor queollendeu.
-Afra. I). Francisca Firmina Moura eiNovaes vai
a Portugal, eleva em sua con.panbia qualro lilhos
menores c urna criada de nomo Maria, Rrasileira.
~ Antonio Jos de Araujo embarca para o Rio-dc-
Janciro os seus escravos Ignacio cabra, e Mariana de
Angola.
OtTerece-se urna ama para casa dchomem sol-
teiro ou pequea familia, que sabe cozinhar o diario
da mesma e engommar com muita perfeigao : na ra
das Ciucu-Ponlas, n 17.
PARA AS PESSOAS QUE TENCIO.NAM SECLIR
VIAGEM.
Na ra do Rangel, n. 9, conlinuam-se a lirarpas-
saporles para denlru o fura Ho imperio, despacham-
sc escravos ecoirem-sc faldas ludo com brevida-
de, e por precomuitoe muilu commodo, do que
ja se lemdailo exuberante prova no decurso de seto
anuos.
Quem precisar de urna ama de leile, dirija-se
a ra da Cadeia do Recife, 11. I, casa de Jos Con-
Qalves Torres.
Quem tiver na ilba do S.-Miguel alguma pro-
priedadede Ierras ou quintas livres o desemba-
racada, quequeira vender, dirija-so
acliam em casa do Sr. IhPS'iureiro.
Oulro sLm, que a eommissfio para approvacHo de
eiivi lados se acba reunida a casa do thoatro, das
10 horas da mantisa as 3 da larde depois las quaes
nao se attcmler roclamaglo alguma. *
O moco portuguez que sabe tratar le melos o
mais horlalices dirija se a ra Imperial, n, 79.
Quem tlvcr para alugar um preto para todo o
servico de urna casa o juntamente tima ama que
saiba engommar, cozinhar e-lavar, dirija-so a ra
da Cadeia de S.-Antonio n. 19.
ATTENCAO'.
!oga-se aos amantes da msica. cc:s especisli-
dadeaosSrs. lian listas, quo concorram para a com-
pra de urna valsa pulada para flauta com acom-
paiibamento para violilo quo acharloa venia na
ivraria da praca na Independencia ns. 6 e8, o em
olinda, na ra do Amparo, botica doSr. Soaros Ra-
puzo pelo commodo prego de 320 rs. cada ejem-
plar.
Perdeu-so, quarta-feira 3 do corrente, a noi-
te, entre a ra da Cruz do Recife e o Atcrro-da
Boa-Vista una carteira grande de marroquim
preto contendo pOucos papis de nenhuma impor-
tancia : qbem a tiver adiado o quizor restitui-la ,
dirija-se a ra da Cruz, n. 2, quo ser recompen-
sado.
O Sr. que annuncinu, no Diario le 3 do corren-
In, querer alugar um sobrado de dous andares e
lujas no Aterro-da-Roa-Visla ou em outro lugar
que lenba inar por letras, sendo queira um com
dous andares grande solio e loas lojas, com ma-
r por diante e por detras e bons portos atrsela
igreja de S.-Concalo, entenda-se com Anacido
Jos de Men de Mira lia mi'Miia casa, II. 2.
-- O moco portuguez que, no Diario de Pernam-
buco de 4 do corrente se propfie a tratar de me loes
u otaras plantas de quo tcm pralica, sendo quei-
ra ser feitor de um sitio dirija-se a Casa-Forte, ou
a ra larga do Rozario a fallar com o doutor Lo-
pes Netto.
Martins llover retira-se para fra desta pro-
vincia.
Precisa-se alugar urna preta forra, ouescrava,
para o servico de um homem solteiro : na ruado
Rangel, n. 59, primeiro andar.
Offerccc-se un homem portuguez para feitor
le sitio, oucngenho, loque lem pratica: na ra
larga do Rozario, n. 52.
Manoel Antonio da Silva Motta tem canoas pa-
ra conduceflo de trastes e outros quaesquer objec-
tos no porto las canoas no Recife. -
No dia 8 do corrento pelas 4 horas da tardo ,
porta do Sr. doutor juiz de^orphilos no Alerro-
la-Boa-Vista se ha de arremar por venda, a quem
mais der o sitio denominado Agoazinba, em lle-
bcribe, cujo Cscripto se ada em m3o do porleiro.
Olierccc-se, para ama de casa de um bnmcni
solteiro, ou de pequea familia una criopla for-
ra que cozinha com toda a perfoicao : que a pre-
tender dirija-so aobceco doSarapatel, 11 7.
Precisa-se de urna ama de leito para acabar de
criar urna menina de 5 mezes : na ra larga do Ro-
zario que segu paia o qilartel, u. 20, lercoiro an-
dar.
Aluga-scurna casa terrea com mudos commo-
dos e muilo fresca sita no inelhor local do Poco-
da-l'anella : a tratar na ra doQueimado, loja n. 8.
Aluga-se um preto queseja bom padeiro e fiel,
para entregar piles em vendas : na padaria das Cin-
co-Pontas n. 30.
A 11 mandado da Senbora do l.i vi -amento desla
cidade, nutrindo desejos de solemnisar, quanlglhe
for possivel, o dia 6 do corrente mez, por ter lugar
ueste lia a benefio da igreja o imagen), assim como,
nos lias 13 ol, festa la mesma Senbora, ruga aos
moradores prximos a igreja, hsjam.de Iluminar
as frentes de suas casas; por cujo obsequios dita
rmandado Ibes Picar assaz grata.
- Alugam-se: na Trempc una casa terrea com
quintal, cacimba c mais commodos para grande
familia, na ra la Soledde, 11. 35, por 12 000rs.
nicnsaes; duas litas mais pc|uenas na ra do Sebo,
ns. 52 e 54, por 7,000 rs. mensaes : quem preten-
der dirija-se ao escriptorio de F. A. de Oiiveira, na
ra da Aurora, n. 26.
Roga-se amigavclmenle a pessoa que pegou
urna cachorra grande, d'agoa.com o pello aparado,
que faca o favor dea soltar, ou quem souber onde
existe queira dar parte na ra da Moda, 11. 21, que
ser recompensado.
Precisa-se de urna ama para casa de homem
solteiro : na ra estreila do Rozario, nv45, fabrica
de charutos.
Aluga-se o sitio do Calddreiro,
inargem do rio Capiharibe, com commo-
dos para grande familia: quem o prelen-
dei dirija-se ra lo Trapiche, armazem
n. 19, a tratar com Domingos Sorianno
Goncolves Forreira.
-r- A Inga se urna padaria, em boa ra,
e com sullicieuies commodos: qucmypor-
tan to, carecer de um lal eslabclecimeiiio,
procure no paleo do Carmo, venda 11^*9
que olii se dir quem aluga.
O TRIBUNO.'
Os. ns. 37 e 38 esta""" venda na praea da Indepen-
lencia ns; (! e 8, milito interessa'ites: deixaram de
ser avisados bonlen.
Os Srs. assignante.s do tribuno quando se mu-
darom lignem-se avisar na livra'ia ns. 6 o 8 da
r.raca da Independencia, afim lo nao soffrerom
falta.
Precisa-se alujar urna pserava. para urna casa
ie pouc familia, que saiba cozinhar e engommar :
qnom a tiver e quizer alugar, fallo com Jos f.arva-
Iho la Costa, no Recife, rua do Trapklie, casa n. 30,
de fronte do caes da l.ingoeta.
Quem precisadlo una ama secca para todo o
servico de una casa, a qual he bom procedida, podo
lirigir-se a praca da Independencia, loja n 3.
Furtaram do Forle-do-.Maltos, junto ao esta-
eiro do fallecido Jos Pinto dos Santos novecarre-i
las.de ferro, le engenho. Desconlia-so de. certa pes-
soa que 110 diado dcsapparecimenlo do dilosobjec-
los iui ViSta 1: ijiiu pm uia lian se deeiuia u que so
far breve caso nfi fmando i inmediata mente res-
tiluir depois la publicado deste annuncio. Roga-
se a todos os donos de fundieres ou outras quaes-
quer pessoas, que nilo enrnpretil e nem facain ne-
gocio algum sobre as mosmas carretas; pois pro-
testa-so contra quem talo fizer. Outro sim oCTere-
ce-sc recompensar generosamente a quem as des-
cobrir, ou apprehcnde-las : devendo dirlgir-se a
rua da Conceicflo da Boa-Vista n. 9.
Na praca da Boa-Vista, sobrado n. 13 precisa-
se de urna pessoa para cozinheir.
O Sr. Manoel Diasde Oiiveira Nunes tem una
carta viuda do Porlo, pela barca Espirito-Santo ,
na rua da Cadeia do Recife, loja do niiudezas 11. 9 ,
de Antonio Lopes Percira do Mello.
Os abaixo assignados fazem scienle ao com-
mercio desta praca, quo dissolveram a sociedsdo
que tinham na loja do mimle/.as da rua do Cabug
11. 4, sobro a firma de Simos & Castro, (Cando a li-
quidacilo, tanto do activo como do passivo da extinc-
ta firma a cargo lo socio Castro, o o socio SimOes
sem mais responsabil'rdade alguma. Racife, 28 de
outubro de 1847.
Francisco Antonio SimOe.
Manuel Joaquim Dia de Catiro.
Antonio Rodrigues Setto retira-se para Lis-
boa.
OSr. doulor Loorenco Bezerra
Carneiro <)a Cunlit queira ler a bonia-
de de dirigir-se rua do Cabug-, loja
n. 6, a-negocio que Ihe diz respeito.
Precisa-se de um caixeiro para venda : no boc-
eo da Carvalha, venda da esquina do Sr. Pavilo.
Furtaram da casa do abaixo assignado pe-
las 7 { horas da noite, pouco mais ou menos do
dia primeiro docorrente, urna carteira de viagem,
toda chapeada de metal com msica contento
dentro da mesma algumas cartas diversos papis
um livro o Mez de Maria una chapa de cobro
com o nome do mesmo abaixo assignado e alguns
bilhetesde visita tirados da dila chapa : quem a
apprchender ou dclla der noticia na rua do Trapi-
che, 11. 34, ser recompensado.
Manoel Francisco da Silva Novaes.
No paleo do Paraizo, n. 4, precisa-se de um co-
zinheiro forro ou captivo.
Dentista.
THE A ERO DAPOU.O.
A direceflo avisa aos Sis. socios, ;que tem marcado
o dia 6 do corrente mez para a recita do mesmo
thealro, c assim poilem maullar receber os seus bi-
lhetes, que serflo distribuidos desde odia 4 at.o
mencionado 6, das 10 lloras da manhila s 4 da tar-
de, 110 armazem do actual tbesoureiro, Jos Teixci-
ra Bastos, rua do Trapiche, n. 17. As pronosts se-
rilo mandadas naquelles das com as formalidades
do costume, afim do serum approvadas al ao 'melo-
da do da recita, podendo ellas ser entregues ao
mesmo tbesoureiro, e ser procuradas no salao do
thealro at as 3 horas da tardo. Adverle-se que os
bilhetes levam a dala do 23 do mez passado, para o
qual eslava esta recita determinada.
1'recisa-se alugar urna ama crioula robusta,
forra ou captiva, para cozinhar o diario de una ca-
M. S. Mawson, dentista bem conhecido nesta pro-
vincia, tendo agora chegado da Europa, e tendo vi-
sitado ascapilaes de Londres e Pars, donde trouxe
os melhores objectos da sua profisslo que at hoje
se conheccm, como novos instrumentos, denles e
mais necessarios para qualquer operacao da sua ar-
to olTereco seus servicos aos Ilustres habitantes
desta cidade, conforme a sua tabella lixa, e promet-
i fazer todos osesforcos para agradar s senhoras,
011 senderes, que o quizerum procurar, das 9 horas
da manhaa al 3 dn tarde na rua do Trapiche-No-
vo do Recife, n. 8, segundo andar.
Atlencao !
Na loja da rua do Quema'do, n. 30, de Jos Joa-
quim de Novaes, contina a haver um surtiincnto
de obras feilas ; chapeos de lodas as. qualidades ;
litos para meninos e meninas ; ricos diales de
mantas de seda ; leudos de tudas as quafidades ; o
oulros inuilos objectos que lia [Mira venjJer.
Egidio llcnriques da Silva ensina rhetorica,
geometria e geographia, a 5,000 rs. mensaes; e -
quelles que nilo estiverem as circumstancias le
poder pagar o prego, ensinar dous los ditos ramos
pelos mesmos 5,000 rs. meiises. Quem se quizer
utilisar do seu prestiino o procuro na rua de
Hurtas, no primeiro sobrado da casa n. 22, das 8
horas da manhila at as 7 da noite.
O professor de inglez o francez do collegio S -
Antonio ila lices as ditas liornas um Casas parti-
culares: quem de seu presumo se quizer ulilisar
dirija-se a loja do livrusdo pateo do Collegio, n. 2.
--O abaixo assignado, enca'rrcgado do
deposito do rap l'rincrza-deLisboa
faz scienle ao rcspeitavel publico, que,
tendo viudo ordens positivas (Jo contrato
para nao se Vender o rapa fiado, por isso
de buje em diante e se ni exceptu de
pessoa, s vender o dito rap a quem
Ihe pagar visti ; o que faz publico para
1 buco,
1
a rua do Colr
et'i'i!L!'J' 1 Isa e comprar na rua 2 no caso do que sirva s-
de"u deufio^.r ^7, !"" lo'',Ic""-k000 a 10.000 w. mensaes; assim como ex g'e-so
P?,,^ '', '' balacll- prelernido-soolque lave alguma ruupa 2 na rua d'.VIegria, ... 36.
que entender de padaria, e que der liado, a sua con- Perdeu-so no domingo, no Corpo-Santu, um
duela :
J precisa.
10 palco da S-Cruz n r, s .lira niYm loi,.i."a"'"'i '" "T '7......?"' "" w'i"^i"""Yi u'" exisiem nesta praca, us quaes so vendem em sua
a s. ruz, 11. 6, se dir queinjcbale deseda em punlu pequeo: quem o acbou ejbotica, na rua da Cadcia-Vellia, 11. 61.
coniecimenlo de lodos, rernanil
de novembro de 1847.
Antonio Francisco de Moraes.
O abaixo assignado faz scienle ao rospeitavel
publico, que pelo brigue americano Olinda, viudo
le Boston, entrado noste porto em 22 do pretrito
mez le setenibro, ha recepido novo provimeuto de
niluias vegelaes do llr. Braiulrolb. Eslas piiulatf, ou-
jo autor basta para gaianlir sua excellencia, tor-
liam-se muilo rucoilimendaveis por ser u.m tnedica-
mento inleirainente inolTensvo, pudendo applicar-
seats crianzas recem-naseidas ; ullimamoite se
teoin applicailo a nina inlinidade de molestias jul-
gadas incuraveis, decuja applicacilo se lem tirado
tao felzes resultados que parece cada vez mais re-
sulvido o problema de um remedio universal. Ao
annuiiciante calua gloiia do asseverar ao|>ublico,
que as ditas pfalas* silo as nicas vordailciras quo
existen nesta praca, as
quizer restituir, dirija-se a rua do Vigario, n. 14.
Fcente Jote de rito.


,3<
-- Alugn-se, para se psssar a festa urna grande
casa terrea na pnvoaca dn Monleirn nom qualro
quarlos, coziuha fra, cacimba, estriba na para 2
cavallos iIimis quintaos murados rom salinia para
0 i O, quai -tu para r-scravos : a tratar na Ira veas o
Vera .sobrado n. 15.
LOTUUA OOTHBuTRO
Temi Afora pessoa, no da 2 do corenle, compra-
do o reato de todos os bilheles que existam por ven-
der, com a conciigao de nlo ser transferido odia
marcado para o andamento das rodas ; o Ihesoiirci-
ru desta lotera declara pelo presente, qno scmelhan-
to da heinalteravel, c que portanto as ditas rodas
correrflo, sem a menor falta ou eslorvo, a 16desto
moz.
I)ao-se 5o'ooo rs.de gratificarlo,
e se pagaro todas as unis'despe-
zasejue se tenliam feito, a quem
dr noticia do calioclinho escra-
vo por oom Vicente de seis
unos, pouco mnis ou menos, sec-
co Jo corpo; tem no anus duas f-
tidas de liobas, e he tti tanto le-
so,, por ser novato nestn praca; te-
vo vestido camisa de algodao da
lena um tanto suja ; desencami-
nhou-se da na do Vigaiio, n. i!\,
aonde >e poder dirigir a pessoa
que soulier, ou na da Lladeia
James Crabtreo& Companhia declaram ao res-
pcitavel publico, que despedirn! o Sr. I. S. Hearne
desua Casa, no din 2 do crlente, e nfo so respon-
sabilisam porconla nenliuma clelle.
O reverendo. Jacintlio Messins Pcixoto, (com a
devida venia) que at boje assim se nssigna, faz sci-
te ao respeitavel publico que d'boje om (liante se as-
signar com o nome de padre Jacintho Messias
Feij.
-Aluga-se urna casa terrea na ra Augusta com
bastantes commodos para grandes familia, pelo pro-
co de 10,000 rs. : na ra do Crespo, n. 15, a fallar
com Antonio da Cimba S. Guimaraes.
'No ultimo dia de schrisma, perdeu-se, na igre-
ja do Corpo-Santo, um par de brincos de filagrana,
envolto enium lenco de seda azul. Quem o tiver a-
chadoequizer restituir, dirija-se a ra das Cruzes,
n, 20, segundo andar, quo ser gratificado.
-- Precisa-se de urna escrava que saiba cozinhar
o engommar, o de urna ama que tambem saiba en-
gommar e cozinhar para una casa de pouca fa-
milia : na ra do Crespo, loja de miudezas, n 11.
--Auseiilou se, nodia primeiro do corrente, um
moleque de nome Jos, de 14 anuos pouco mais
ou menos ; levou camisa de algodiloznho calcas
de algodao de quadros ; tem urna costura no bei-
coe oiflra pequea sobro a sobraticolha : quem o
pegar leve-o a Fra-de-Portas, ra dosCuaraiapes,
n. 6, que ser gratificado.
Aluga-se um primeiro andar em Fora-de-Por-
tas, por cima da segunda venda : a tratar na mes-
nia venda.
-- Quem tiver dous andares ou mesmo um an-
dar com lojns para alugar no Aterro-da-ltoa-Vista,
do lado do mar ou mesmo em oulra parle mas
que tenha mar por detras, annuncie por esta lolba;
crtenle que o prelenclenle nio olba a proco.
-- O doutor Casanova medico franco/ con tina
a receitar em sua casa na ra Nova, n. 7, primei-
ro audar, defronto do oilao da matriz de S.-Auto-
nio, das 7 al as 9 boras da mandila ; e depois dis-
to esta prompto a qualqucr hora para fazer visitas
a qualquer doenlo que do seu preslimo se quizer
ulilisar. *
Precisa-so do urna inulber branca, do boa
conducta, para ama de urna casa de pouca lamilla :
na ra Nova, n. 25.
Antonio de Olivoira Cuimar3cse Narciso Alvos
Monleiro Brasileiros adoptivos-, rcliram-se para
Portugal., a tratar desua sade.
Aluga-so a prensa do Forte-do-Mattos n. 7 ,
prOpria para um bom armazem do reculher: a tra-
tar na ra do Vgario ns. 5 o 7.

Vende-se una parda, perfeita engoroma-
doira cozinheira e doccira de loda a quali-
dade de fruta e que he do muilo boa con-
ducta, n.uilo desembarazada e hbil pa-
ra reger qualquer casa de familia; urna mu-
latinl.a recolliida, de. 13 anuos com princi-
pios do costura, o que be de muilo boa con-
duela por ser tem educada ; 4 escravas de
bonitas figuras muilo mogas c com ai-
gomas habilidades ; 4 motecotes de 16, 18 e
20 anuos de bonitas figuras muilo habis
e sem vicios ; um pardo de 22 anuos com
principios de alfaiale : todos estes escravos
se vendoni por preco muilo coinmodo : na
ma do Vgario n.24, se dirquem vende.
"J
i
S
i
I
131
H'C'H-\ PKOS Dtt SOL |
lt/u do I*msei"Pblico, n. i>.
Joilo l.oiihet participa ao respeitavel publico, que
receben, por estes ullimosnavios frniice/.cs, um com-
pleto sorlimcnto do chapos deso, de seda, amis
rica e superior qualidade; furta-cores e nutrs mili-
tas coiihecidas, tanto para homeiis, como para Sras
b mwitHOS. No mesmo cstabelecimento ha om sort-
mento de chapeos do sol de paninno, dos mais mo-
dernos; ditos niuito grandes, pioprios para homens
decampo : tambem tem-chapeos de sol de paninho
para meninos e meninas, por seren muilo linos: po-
dem-sc chamar cliapos do economa. Na mesma loja
ha sorlimeiito de bengalas, bengaliiihas e chicotes
muito n.odci nos; cobro-so qualquer armaciio de clia-
pos deso, com sedas do tudas as cores e qualida-
des Na mesma casa ha um grande sortimenlo de
paimiiilios trancado* e lisos, imitando seda, para
cobriros mcsmOs: desta fazenda se vendo arolalliu.
Concerta-so todo qualquer rha|)00 do sol, por ha ver
um completo sorliinento do todos os pertencos para
os meamos, com toda a perfeicio e brevidade.
--Aluga-se urna preta mota, capaz para servir
i casa de familia ', de portas a fra, e que aeja bol.
em
as Cinco-I'ontas n. 32.
m
(-
Coipra*.
Compra-se um rologio patente inglez de pra-
la ou de ouro : no Alerro-da-Boa-Vista venda
n. 2.
Compra-se urna canoa de um so pao propna
para transporte, em um rio ao sul desta praca, dos
passageiros que por all transi'am com cargas de
assucar etc. : na ra do Vigario, n. 5 ou 7.
Compram-se, para fra da provincia 2 molo-
ques quo lonham 12a 18 anuos, o duas pretas, ou
pardas com algumas habilidades; na ra Nova ,
loja n. 18, se dir quem compra.
Compram-seolllciaes do carpina, pedreiros ,
forroiros e carpinteiros, para fra da provincia;
pagam-se bom, agradando : na ra da Cruz, no Re-
cife, u. 49.
Compra-se umjogo doga milo com tabulas le
marlini: na ra da Praia, armazem R. 18, ou an-
nuncie.
Vendas.
Vcnham, que esl se aca-
bando
OS sapaloes de be/erro para bomeni, obra boa a
1,280 rs. : no Alnro-da-lloa-Vi-la, luja n. 78.
Venderse um ricafsorlimenio
de frocos de tols ur corea, clie-
j.'idos de prximo/ na loja de
Maya llamos & C/na ra Nova,
n. 0.
--Vende-se umarmazom muilo grande e novo, na
ra de Apollo, n. 32, em quo os Sis. llego & Compa-
nhia teem osen estabcleciuiento a tratar na mes-
ma ra, com Manoel Antonio da Silva Molla e para
tomar informaces com o Sr. Jos Concalves Torres.
A casa de modas francezas de M. Mil-
lochau no Aterro-da-Boa-Vista,
n. t, primeiro andar,
recebeu pelo ultimo navio vtulo de Franca um
grande sortimeuto do chapeos de palha de todas as
qualdades o da ultima moda, para senhora o meni-
nas ; bonetes e chapeos de palha da Italia, inulto
alva., para meninos e meninas; um completo sor-
timeuto de.lilas ricas e elegantes o do bico verda-
dero e imitante; collannhose camisinhas borda-
das, para vestidos singados c de montara chapeos
de pbantazia. para senhora ; vestidos bordados para
bailes; ricos filos brancos de linho, bordados o
lisos; liras e entre-moios bordados; cinturas e
gravalinhas de lilas com franjas para senhora ;
cambraias bordadas ; filos do seda preta bardados
para mantaletas visitas o mantas ; creps ; cam-
braias jaconas ; flores ricas e sedas de boas qualda-
des o de todas as cores para chapos do senhora.
M. Millochau faz sempro chapos e vestidos de se-
nhora da ultima moda e por preco rasoavel.
Na loja de .fos Waiioel Won-
leii o Bra^a na ra do Cres-
po n. 16, esquina que vira
para a na das Crnzes,
S* vendem-soas mais lindas cambraias de seda
para vestido desenlila, polo barato prego de 40
rs. ocovado; ditas de algodio muilo linas a 480
rs. o covado do muilo lindos padres ; chal s de
seda de todas as qualidades; inanias do .-.eda ; e ou-
l ras muitas fazendas de goslo.
Batatas ,
recentemente chegadas do Porto na barca Espiri-
lo-ianlo, em canastras de arroba e mota pelo di-
minuto preco de 2,000 rs. cada canastra : no caes
da Alfandega, arma/.em n. t.
a ra do Crespo, loja n. 1U,
de Jos Joaquim da Silva
Maya,
vendem-se muito lindos cliapos para meninas,
lano de seda como de palhinha chegados ltima-
mente de Pars ; chapos de seda para senhora;
cortes de crambraia do soda do ricos gostos.por
preco muito commodo ; cortes de vestidos de cain-
braia ecassa-chitasde dill'eieiites quididades, por
precos baratos; ditos com urna pinta do mofo e
sem elle a 2,000 e2.500 rs. cada corte-; mantas de
seda e lila para senhora das mais modernas quo
tcetn vindo a esta praqa a 5,000 rs. cada una ;
mantas chales do soda de varias qualidades e ba-
ratos; alpaca preta a 80O o 1,600 rs. o covado;
panno do linho a 400 rs. a vara ; casimiras fran-
cezas e elsticas para calcas a 5,000 rs o corte;
fusl6.es; sotiiise velludos para coilete, por preco
muilo em conta ; bom como um sortimeuto de nu-
tras muitas fazendas, que se veudem polo baratle-
___Vendem-se superiores velas de carnab,
alvas e bem feitas, do 6, 8 o i om libra, tanto em
porcAo como a retalho, por proco commodo : na ra
doHangcl, n. 17.
CF.MA 1)0 IllO-DE-JANiilftO E DE MSBOA.
Vende-se completo sortimento mais barato do que
em parte alguma, pof liqu-idac,3o : na ra da Son-
zalla-V'clha, armazem, u. 110.
Vende-se urna mulata de bonita figura, de ida-
do pouco mais ou menos do 20 anuos, com muito
boas habilidades : quem a pretendei dirija-se a ra
du Liviaii.ont, n. 34.
Vende-se um mulato moco com principio de
pedreiro c bom cozinheiro, por prcc,o commodo :
na ra do Trapiche, n. 34, lerceiro andar.
Pichincha na loja do nicho.
Na esquina do Liviamcnto, loja do nicho, ven-
dem-so novas prineczinas de varios padroes e ox-
qnesilos goslos, a 12,000 rs, o corte; dita rxa o lur-
la-corea com vara de largura a 320 rs. o corado ;
liscadmhosem cassa com listras do seda a 360
rs. o covado ; lencos proprios para meninos a 40 ,
80eiaors.
Vende-so urna prcla
des. n. 44.
Vende-se cal virgem em barris chegados pr-
ximamente de Lisboa, por proco mais barato doque
em nutra qualquer parlo: na ra da Moda, arma-
zem. n 17.
Vende-se urna ptima crnula para mucama ,
por ser bonita e de boa conducta : no pateo de S.-
Pedro, sobrada de.un anda" n. 1.
Vende-se cera de carnauba; dita amarella ,
por preqo commodo ,ero porcjAo e a retalho : na ra
da Cadeia-Vclha n. 2, venda de Jos Coucalves da
l'outo.
ilistuiias dos meninos.para quem nao Cor
enanca.
Esto livro faceto e curioso, que acaba de chegar a
livraria da esquina do Collegio contm o seguinto :
a no'ite das comadres com os frads ; a madruga-
da do frado; o anjo no convento; o Josozinho da
villa ; a pocessa pejada pelo confessor-; Sror Fe-
duncia ; Dclambida o um hysope ; Gregorio Robles
feito Senlior dos Psaos ; a viWa raubada pelo con-
fv-S criada ; oabbadeastucioso; o propriotario
desabusado; o frado pojado ; a beata escrupulosa ;
a ro^a cozinheira ; o re Miguel o seu horte!3o ; a
bella roubadora ; o arrieiro o o frado denunciante ;
e nutras muitas : 1 v. grosso cusa 3,000 rs.
Tapioca.
Vende-se muito superior tapioca vnda do Ma-
ranhuo pelo briguo laura, por preco muito em
conta : no caes da Alfandega, armazem n. 1.
Dramas recem-chegados, e a ven-
da na livraria dn esquina do
Collegio.
A Madre Silva, por Mendes Leal em 5 actos,
1847 ; a Pobre das ruinas, em 3 actos, 1846 ; o Pa-
gan! de Aljubarrota, em 3 actos por Mendes Leal ,
1846 ; Duas ilhas em 3 actos, por Pereira da Cu-
nta ; 0 Magrico, 1846 ; 1). Mara de Alencastro, om
3 partes, por Mendes Leal, 1846; a Enjeitada ; o
Humen: da mascara negra ; o Coudo JoSo; a Itainba
ea Aveutureira por C. de Lacerda ; collecclo de
pecas representadas no thealro do I). Mara II: Ca-
pilfo Paulo, em 3 actos por A. Dumas ; Voltio de
25 anuos ; Alfonso III ; Virginia tragedia de Alfie-
ri; Captivo do Fez; Dous renegados; e alguns ou-
tros.: assim como urna colleccHo de novos o varia-
dos entremezes e tarcas do boa escolha : tambem
um sortimeuto de bilheles de thcatro de differen-
tes cores.
. Vende-so urna venda com poneos fundos e
bastantes commodos: na ra das Cnco-Poutas ,
n. 66.
na ra de Agoas-Ver-
mt
*
~-.
tiesta loja vendem-se pannos linos, pretos e
de Ciros a 2,500, 3,000 3,500, 4,000, 4,500 o
5,000 rs. o muito fino, pro va do limito a 6
e 7,000 rs.; casimira preta a 3,000' rs. o
muito (Superior, a 3,500 o 4,000 rs. ; casine-
ta de duas larguras a 1,000 o 1,500 rs.; me-
rino preto a 2,000 e 2,500 rs. ; cortes de
colletesdo selim decores e de velludo a
2,000 o 2,500 rs. ; brins do puro linho su-
perior tazenda, a 800, 1.000 c 1,500 rs. a va-
ra ; madapolfio, a 2/, 2,500, 3/, 3,500 o 4/
rs. ,o muito lino a 4,500 e 5,000 rs. a pe-
ca; chitas finas e do cores lixas ,j5/, 5,500
e 6,000 rs., e muilo fina a 7,000 i s. a pe-
ca o o covado a 140, 160,180 o 200 rs. c
muilo lina a 220 rs. Alm dostas ha ou-
tras muitas fazendas novas, proprias para a
festa', como sejam : ricos chales do bellos
padres, decoros lixas, e do varias quali-
dades a 2,000, 2,500 o 3,000 rs. ; cassas de
cores lixas, a 2,000, 2,500 e 3,000 rs. o corte.
Corramos a a prove lar as pe-
eiunchasdoantigo barateiro,
poiselle vende or pouco di-
nheiro.
O antigobaraleiroest venciendo na* sua nova lo-
ja do miude/.as da ra do Collegio n. 9 papel al-
ma?o mudo fino a 2.600 3,000 c 3,200 rs. a res-
ma ; litas.de relroz de todas as cores, a 560 rs. a
peca ; ditas de laco de sapato, a 440 rs. a peca; pen-
les de tartaruga para marrafa a 960 rs. a parclha;
bolOesde osso furados a 200 rs. a groza ; ditos de
madre-peola a 480rs. a groza ; ditos grandes, a
400 rs. medidas para alfaiato, a 60 rs cada urna ;
tamancos para homem, a 320 rs. o par; macos de
coi dao do todas as grossuras para vestidos a 320
rs. o mago ; escovas para dentes a 80 rs. ; ditas li-
nas, a 240 c 320 rs. cada urna; ditas de escovar rou-
pa a 320 o 400 rs. cada urna ; ditas de limpar peo-
tes a 80 rs. cada una ; caixas do linhas do marcar,
a 120 rs. cada una caxa; macos, de filas de linho
de 12 pecas a 200 rs. o maco ; torcidas do todas
as larguras para candioiros, a 100 rs. a duzia ; cai-
xinhas.de agulhas franeczas, a 280 rs. cada urna;
caixas iie tai taruga para rap, a 1,200 e 1,600 rs.
cada una ; ( estflo se acabando; caixinhas de pos
do aliar navulhas, a 200 n-is cada una; pon-
tos do premier cabello, a 80 rs. cada un; cartas
com utna groza de pares de clchelos a 320 rs.
Carla ; caivetes de urna folba muilo linos de ca-
bo de viado a 200 rs. cada um ; lesouras muilo
linas com toque de IVrruu-.in a 120 e 160 rs. cada
urna ; ivelas de ac para colletes e caigas a 100 rs.
cada urna; riquissimos brincos pretos e gargant-
illas de filagrana : brincos pretos com enfeites (Ino-
rados, da muda a 960 rs. o par; e nutras muitas
diversidades de galanteras de todas as qualidades :
ludo so vender por precos que agradaran aos fre-
guezesanligos e modernos: por isso cheguem de
pressa antes que se acabem as pechinchas.
. Vendcm-so borvilbas muito boas e proprias
para scinear,por serem muilo novas: na ra da Praia
n. 20.
Vende-se fio do vela; pregos caixaes, do 17 li-
bias cada millieiio ; machados de 3 i libras; pan-
no de linho; coeiros .le algodio ; bo(6es pre os
osso : ludo do Porto : mercurio doce, le Llgj
o.n caixinhas de 3 libras; velas de cera o Lisboa,
em eaixoles pequeos de bem sortimenlo na ra.
la Cruz, no Itecife, n. 54, primeiro andar.
Casimiras clsticas c finas, a
7^000 rs.
Vendem-se superiores casimiras elsticas Bnas e
do cores, pelo baratissimo preco de 7,009 rs. o cor-
te de caiga. Esta fazenda be recommendavel pela
sua qualidade tanto em fazenda orno om goslos ,
por serem os mais modernos; casimiras P1"01**
superior fazenda por serem muito linas a 2, 3 e
3,500 rs. o covado : na ra do Collegio, loja n. 1.
- Vende-se estanlio em vergninhas:
chumbo em lenc.es sorlido e vrni,
em casa de Bussell Mcllors & C, na ra
s
do Vi
."
rio= n
..
Veodo-so essencia de aniz estrellado, superior,
em garrafas de 22 ticas, por preco commodo: na
ra da Cruz no itecife, 1.18, segundo andar.
- Vende-so, para lora ca provincia, um preto
croulo, de 20 anuos, do bonita figura : na ra d
Agoas-Verdes, n. 44.
FRESQUINHO.
Chegou pelo briguo Bom-Jesus, vindo do Rio-de-
Janeiro, urna remessa do superior rape grosso e
mein-grosso, da fabrica do Eslcvilo Casso. Os dig-
nos freguezes encontrarfo no deposito da ra da
Crnz do Recita, n. 38, a quantidade o sortimento
qiicquizerom. seu pre?o he jsabido : 1,280 rs.,
sendo de 5 libras para cima.
-Vendem-se paios novos a 120 rs.: na ra da San-
ta-Cruz, n. 1. Nito so julguo da qualidade deste ge-
nero pola sua barateza pois o desejo de obter
prompta yenda, incita o dono a acabar por tal mo-
do a grande porco que ltimamente recebeu do
Lisboa.
--Vende-se, por preco commodo, una casa terrea
sita na ra Imperial n. 2 : quem a pretender diri-
ja-so a na das Cinco-Pontas, n. 21, que achara com
quem tratar. .
Vende-se cora de carnauba a 2,000 rs. a arrooa:
na ra da Santa-Cruz, n. I.
Por mudauca do armazem, vendom-se alguns
depsitos para assucar, muito baratos, pipase bar-
ricas vasas : na ra da Senzalla-Velha, n. 110.
Idfftiraveis nava-
Ihas ele acoda China
que teem a vantagem do cortar o cabello sem offen-
sa da pello, doixando a cara parecendo oslar na
sua brilhanlo mocidado.
Esto ac vem exclusivamente da China, eso nei-
le trabalham dous dos melhores e mais abalisados
cutileiros da nunca excedida c rica cidado de Pe-
kim, capital do imperio China.utor.SAan.
N. I!. He reconhecido o uso deslas navallias
maravlhosas por todas as sociedades das scicn-
cias medico-cirurgicas. tanto da Europa como da
America Azia e. frica, n-So s para prevonir as mo-
lestias das cutis, anas tambem como um moto cos-
mtico.
Vendem-se as vordadeiras sc> na ra larga do Ro-
zario, n. 24.
Loteria do Uio-de-Janeiro.
Vendem-se bilheles c meos ditos da terceira lo-
teria a beneficio ilo convento do S.-Antonio : na ra
da Cadeia, loja de cambio, n. 38, de Manoel Gomes.
Vendem-se superiores queijos Ion
drinos : presuntos inglezes ; conservas ;
cha preto : passas iniudas ; Irtictas para
fazer pudins ; latas com salmn e outras
inuilas conservas de carne ; hervilhas car-
ro Is ; carry-powder ; latas com seidlilz,
tonto grandes como pequeas ; jigos com
batatas inglesas ; loticinlio dito ; ago'ar-
detilede Franca ; vinho do l'orto, Madei-
ra, Constancia o Clierry; lijlos para lim-
par lacas : no armazem da ra do Trapi-
che, n. 44-
MEZ MARIANO A 1,000 RS.
Vendo-so na livraria Ja praca da Independencia ,
ns, 6 o 8 o Novo Moz Mariano, accroscentado com o
l.auspcrcnne do Santissimo Rozario.
Vendem-se pegas de madapolfio limno com
20 varas a 2,500 rs.; pecas de chitas escuras e de
Odres lixas muito enenrpadas o fortes a 5,500 rs.,
o a meia pataca a retalho na ra eslrota do Roza-
ro, n 10, lerceiro andar.
Vendem-se boas laranjas, a 240 rs. o cento ,
e a retalho a 6 por um vi a tem ; no porto da ra No-
va em urna canoa.
U BAKATEIRO.
&a nova loja da ra do Cres-
po ao p do arco de S-An-
tonio n.4, de Ricardo Jos
de Freitas Itibeiro,
vendem-se cliapos do creps para senhora a 4/
rs. ; ditos de seda, os mais modernos que teem vin-
do, a 12,000 rs. ; os mais modernos chapeos de
massa franeezea para homem a 7,000 rs.; um no-
vo sortimento de cambraiasoscocezase cassas sus-
sas de varios gustos, tendo urna vara de largura ,
de cores muilo lixas a 320 rs. o covado ; corte*
de fustlo de gosto moderno, o de Odres lixas a 800
rs. ; muilo ricos chales de seda muilo superiores e
grandes, a 12,000 r*. chales de garQa tecidos com
istias do soda muito lindos a 3,200 rs. cada um ;
um novo e rico sortimento de loncos do seda o de sa-
l Ui lavrado de cores muito lindas, a 2,000 e 3,500
rs. interos; ricas mantas para grvalas de ho-
mem com ricos lavles a 2,000 rs. islo lie pe-
chiiicba ; cortes do gorgurSo do soda para col lelo ,
muito ricos,a 3,500 rs. Igualmente ha uinVortimento
de chitas finas e de cores fixas a 190 e 240 rs. ;
covado ; cortos do cassa de cores fixas, a 2,560 e
3,000 rs. ; ditos de cambraia branca o de cores ,
pata bailes, de4,800 al 7,000 rs.






I


t

A
Vende-se iim terreno rom 117 palmos de Fren-
te e 89 ditos de fundo entestado ile se edificar ,
or nilo precisar aterro em rujo terreno pmlem-so
Inzer tres ptimas mei'ago..s, sito na ra ito i'i-
lar em Fra-dc-l'ortas do linio da mar grande ;
na mesma ru, pateo do Pilar, n. II, das 6 as 8 lio-
ras da mantilla.
Vendem-se bengalas grossas, (ingindo canna da
India pplo diminuto prego de 480 rs. cada urna :
na ru* da Cadeia ilo Recito, loja de miudezas, n. 9,
le Antonio Lopes Pereira de Mello.
Vendem-sc chapeos de palha americanos : cm
casa de L. G. Ferreira & Companhia.
AGENCIA DA-FUND"CA0'DELOW-M00R.
Na ra da Senzalla-.Nova n. 42, contina a haver
um completo sortimento de moendas e machinas de
vapor para engenhos de assucar : bem como tai-
xas de ferro batido e coado de todos os tamanhos:
tudo por preco commodo.
VonJeni-se duas ou j casuhas terreos, novas,
em chitos proprios, quintal murado sitas na ra
de JoSo-Fernandes-Vieira na estrada i|uo vai da
Soledade para o Manguinho, por prego commodo:
a tratar no mesmo lugar, ou na na do Gollegio ,
botica n.6, dcCvpriartno Luiz da Paz.
Potassa.
Vende-se a verdadeira e superior po-
tassa da Kussia a mais nova que existe
no mercado : na ra da Cadeia do lteci-
fe, armazem n, ia, de Bailar liveira.
f-M n^immmmtmmmmmm.mmmm9
i
<'[
Mu Ha alteiscao. .
Na ra da Cadeia, loja defronte da ra da |
Madre-de-Deos n. 50, de Cunta & Amorim ?
vendem-se pecas do madapolo lino, a -fe
2,800, 3,200, 3,700 e 4,000 rs.1; panno msela- if?
do para palitos, fazenda superior, tanto om ,:r
qualidadeeomoen gosto, a 4,200 rs.>; sedas |!
de cores proprias para vestidos de senhora e &
meninas a 800 rs. o covadu; mantas do gar- ?
ca para senhora, a 2,200 rs. cada urna ; brim ir
trangado de cores para caigas a 1,200 rs. a *
vara ; chitas de cores oscuras fazenda quo F
nlo desbota, a 150 e 160 rs. o covado; pannos i
de cores para calcas, a 240 e 280 rs. o covado; H
panno fino preto a 2,600 e 3,500 rs.; dito B
azul, a 3,400 rs. o covado ; mantas e chales ;$
doscda.de muito gosto; chapos de massa p
francezes ; cassa pintada do muitas qualida-
de ; cambraias com flores de seda para vesli- ;j
dos de senhora : tudo por menos prego do que j
em outra qualquer paite.
Vende-se. ou troca-so por casas nesta praga, um
terreno com 412 palmos de frente e 150 do fundo,
silo por detras do covento do Carino : a tratar com
o seu proprielario no Manguinho segundo sitio
depoisdacapellade S.-Jose.
Casa da K
ii.i ra estrella do llozirio, n. 0.
Neste estabelecimenloacham-sea venda as bem
acreditadas cautelas da lotera do thealro publico
desta cidade, cujas rodas andam no dia 16 de no-
vembro. cautelista espera que os seus reguezes
concorram a comprar o resto das ditas cautelas ,
nasquaesseesperam boassortcs, pela excellenle es-
colha que se fez dos nmeros para serem divididos
em cautelas. A ellas que sflo poucase boas, l'recos
os do costume.
A 5,7000 rs.
Na loja nova da ra do Quei-
mado, n. H A, de Kaymun-
do Carlos Leile ,
ha um novo sortimento de fazendas finas e baratas ;
iiem como uns lindos corles de chitas fraucezas
linas, ornadas com lindas barras, a5,000rs.
do este o ultimo gosto de l'aris.
Cadeirasa p;>lka, a 1^600 rs.,
vendem-se noarmazem de Guimaraes no caes da
Alfandega e em casa de J. J. Tasso Jnior na ra
do Amorim, n. 35.
Vende-se gomma de mata rana a mais superior
que pode haver a 480 rs. a libia : na ra do Ro-
zarioda Boa-Vista, n. 22, se dir quem vende.
Luvas de pellica.
Afianca-seas boas qualidades destas luvas. Ha de
todas as cores tanto para homem como para se-
nhora. Vendem-se mais em conta do que em ou-
tra qualquer parte. Na ra larga do lio/ario, n. 24.
Sao de patente c smente se
vendem no Aterro-da-Boa-
Vista, loja n, "* 8,
excel lentes bonetes de verdadeiromarroquim, pre-
tas c cor de ganga, de modelo muito engranado ,
obra franceza cujo gosto pode ser bem avallado
vendo-sea fazenda forrados o com linissimas pa-
las envenizadas ; c s3o tilo decentes, que podem ser
usados por qualquer personagem : para meninos ha
igualmente.bonetes de merino decores bordados
e tamliem de excellenle gosto.
Vendem-se ao apolices da com pa-
nilla de Bcbenbe : na ra do Trapiclie-
Novo n. io, casa de Jones Patn &
Gempaitbia.
Vcnde-se urna csc a va de 30 annos que cozi-
*.i engomma bem e n3o tem vicios nein mo-
lestias : no pateo da S.-Cruz, n. 10 se dir quem
vende.' Na mesma casa precisa-se alugur duas re-
las para venderem na ra.
Vende-se urna morada de casa de sobrado, sita
na ra do Amorim n. 31 em chaos proprios
a tratar no pateo do (armo, com Flix Francisco de
Souza Magalhcs.
Vendem-se o
de muito boas figuras
achaque : duas pretas e urna parda de
, nen-
io annos pouco mais ou menos que sao
lavadriras e costureiras; 3 pardos da
mesma idade, entre os quacs um lie bom
s>patfiro e outro allaiate c todos pro-
prios para pagens ; um tnoleque de n
anuos ; um pardo de 14 a t(5 ai-nos ; mu
mu Inili.) de n para 8 annos proprio
para andar com criancas: na ra do Cres-
po, loja n. a A, se dir quem vende.
Na rua de A goas-Verdes,
n 46 ,
~ Vende-se, por seu senhor relirar-sc para fra,
urna excellenle parda com todas as habilidades,
e que he ptima deceira; 3 escravas para todo o sor-
vico ; urna dita ptima lavadeira o quitandeira ,
por 250,000 rs. ; 2 moleques de riacho, de 16 a 18
annos; 3 pardos do 15 a 20 annos; 2 escravos de
meia idade, por commodo preco.
Vcnde-se um preto de nacio, de 40 annos, de
bonita figura, por ser muito corpolento : nlo tcm
vicios ncni achaques : vende-se para comprar urna
preta ou tamliem se troca : na rua da Concordia,
passando a polcziuha a direila, segunda casa ter-
rea.
Vendem-se, no armazcm de Fernando Jos
Braguez, ao pe do arco da Conccigio do Itecife ,
bar iscom carne salgada, por preco commodo.
Cartas para volt-
rete,
as melliorcs o mais baratas : vendem-se na rua lar-
ga do Rozario n 24.
Vendem-se 4 lindos moleques de 18 a 20 an-
nos ; 5 pretos sendo um ollicial dosapateiro, outro
de pedreiro ,eos outrosproprios para todo ose/vi-
co ; dons pardos um bom carreiro e o outro pro-
prio para pagem de 16 a 18 anuos ; duas pardas ,
una ile 20 anuos, com habilidades, e, a outra de 12
annos, propria para ser educada ; 5 pretas de 20 a
30annos com habilidades; duas ucgrinlias de 11
a 12 annos com principios de habilidades: na.rua
do Gollegio, n. 3, segundo andar se dir quem
vende.
Vendem-se 3 moleques do 12 a 16'annos;
ptimos mulalinhos para fagCns ; 4 multinlias
muito lindas ; 3 escravas mocas, ptimas para to-
do o servigo : na rua Direila, n. 3.
\a i. ja nova da rua do Quei-
mado, ii. II A, dcltaymun-
do Carlos Leile ,
aeha-se um novo sortimento do meias eruas o finas,
a 5,000 rs. a duzia ; ditas do linho, linissimas, a
5,800 rs,; a rica fazenda intitulada fazenda do
norte, lecida ile linho c seda, cores escuras c
proprias para todo o trago; mantas de sedado pa-
drees modernos a 3,000 10,000 16,000 e 20,000
rs. ; chales de seda ede lila e seda : tudo por prego
baratissimo.
Vende-se urna parda de 20 a i 4 annos, propria
para mucama, que engomma solfrivel 0 cosech.lo :
em Fra-de-Porlas, na dos Cuaiarapcs n. 20.
Pannos finos.
Vendem- so superiores pannos finos a prova de
limSo preto, a 3,000, 4,500,5,500 e 6.500 rs. ; di-
to azul, a 3,000 rs. o milito lino, a 4,500 rs. F.stes
pannos sao novos o pela sua baratez*, altendendo
asuaboa qualidade, tornam-se recommendaveis.
Na rua do Gollegio, n. 1.
Venderse unta preta crioula, de muito boa fi-
gura que cose c engomma com perfeigao faz la-
varinto e renda muilo bom, cozinha faz todo o
servico de sala he recolhida e tein 20 annos : na
rua da Trompe, n. 1, de mantilla at as 9 horas e
de tarde das 3 em vanto.
Vendem-se 5 pretos de boas figuras sendo
dous carreiros o vaqueiros o um carpina ; um mo-
loque e um molecao para todo o servico ; tambores;
rodetes; caldciras e agilhes antigos : no llm da
rua da Aurora, n. 4.
Nalivraria da rua do Crespo, n. 11, vendem-se
Telemacos novos e usados ; grammatica portuguo-
zadeSevene: ludo por preco commodo.
Vendem-se dous casaes do rolas meslicas de
Ihimbiirgo, pelo diminuto preco de 1,000 n. cada
casal : na roa da Sen/alia-Velha n, 70 primeiro
andar.
-- Clu isloplurs & Donaldson anda teem para ven-
der, de seus bem couhecidos e superiores vinhos :
agoardente cognac, em cascos e garrafas ; curve-
ja : tambem vendem 2 pianos inglezcs a afamados:
na rua do Trapichean. 40.
nos, de bonita figura, que cozinha o diario d
urna casa, o tnm principios de costura e engom-
niado : na rua do Aragilo, n. 29.
Belrniras.
Vendem-se superiores cortes da fazenda nova
denominada belmira para vestidos do senhora ,
pelo barato prego de 4,500 e 5,000 rs. o corte. Esta
fazenda he nova e de muito sublimes gostos, sen-
ilo as suas cOres mui apreciaveis |or serem ci^r de
lirio, rosa operla. Aclles, antes que se acabem.
Na rua do Collegio, loja n. 1.
Vende-so urna carteira de duas abas, para es-
critorio : na rua da Cadia-Velha, n. 25.
toleria do Rio-de-Janeiro, a be-
neficio do covento de S.-Anto-
nio da corte.
Vendem-sc bilhetes desta lotera em casa de J.
0. Elster, na rua da Cadeia-Velha n. 29.
Uvas, amci.xas e passas ,
ludo novo, chegado ltimamente c de qualidade
superior : no armazem de Dias Ferreira no caes da
Alfandega.
8980

A 160 rs. o covado.
Itiscadns francezes, a 160 e 200 rs. o co-
gS) vado ; damasco de algodilo, a 640 rs. o co-
^ vado; cobcrfts de dito muilo largo, a
' 3,500 rs. cada\urna ; meias casimiras, a
2,240 rs. o crt^; ditas elsticas, a 2,500 o
\ 3,000 rs. ; panno lino de todas as cores, a
B\ 4,000 rs,; cortes |le cassa-chita de bons
V gostos ,-a 2,500 e 3,000 ; uovas casimiras
[*\ elsticas, de bonitos padres; cortes do
m
seguales escravos ,
sem vicios nem
5Ula do Qneiiliado,ii I O,
nova loja de Sitgueiro.
Lima
vnde uniformes militares, para todas
as patentes de legislo ravallaria e in-
fantaria da guarda nacional5 galOcs de
ourooprala; espadas plateadas, com
roca o sem ella.
Vendem-se 6 escravos sendo: 4 d 13, 16, 18
e 22 annos, de bonitas figuras e que silo proprios
para o servigo de campo ou mesmo da piagu ; una
linda e elegante mulatinha de 18 annos, que en-
gomma cose chao e faz todo o servigo de urna ca-
sa ; urna crioula de 26 annos com habilidades que
se dirao ao comprador: na rua das Cruzes n. 22 ,
segundo andar.

chita o mais lino possivel; cortes de cassa
de padres muilo modernos ; alpaca mui-
lo lina ; dita de cordio o de varias cores ;
coitos do panno bordados para sapalos ; i
novo sortimento le corles de cassa-seda /
do novos goslos; chapeos francezes da ul- ij
lima moda jeoutras muitas fazendas Ii- /.
as: tudo por monos prego do que em ou- "
Ira qualquer loja : na rua do Queimado (
loja nova da casa amartilla n. 29
$
Vende-se urna morada do casa terrea sita na
rua Velha, n. 24: na rua da Concordia, a tratar com
Jos Antonio Correia Jnior.
Vende-se urna casa terrea na ruada Gloria ,
n. 114 : na rua da Alegra n. 5.
Vende-se urna escrava crioula de 24 annos pou-
eo mais ou menos, e mais alguns escravos, com
algumas habilidades : na rua do Itangel, n. 75.
Vendem-se toneis com azeite de carrapato, por
prego commodo : a fallar na alfandega com o Sr.
Domingos Caldas Pires Ferreira,. que tambem aluga
o armazem da rua do Collegio, n. 18.
AOBOiVl GOSTO PARA AFES-
TA DO NATAL.
Na nova loja do Pttsseio.pu-
buco, n. 19, de llanoel Joa-
quim l'ascoal Ramos ,
vendem-se cortes de casimira franceza, a 3,000 rs. ;
brins de quadros e de listras a 1,200 rs. a vara ; di-
to luanco de puro linho a 1,600 rs.; mantas de se-
da de bonitos padres a 9,000 rs. ; chales de seda ,
a 2,500 c 8,000 rs.; panno fino pelo, a 5,000 rs. ;
dilo azul, a 4,500 rs. ; chapos de sol, de seda pela
ejde cores a 7,500 rs.; longos de seda para grvala,
a 810 e 420 rs. ; ditos a 1,440 o 1,600 rs.; ditos de
relroz da ultima moda para senhora, a 3,200 rs. ;
corles (lecamhraia a 3,000 rs. ; dita a 800 rs. o
covado ; chitas muito finas a 280 320 e 400 rs. ;
riscados francezes de bonitos padres a 200 rs. O
covado ; esgoiflo muilo fino, a 2,000 rs. a vara ; bre-
lanha lina, a 800 o 1,000 r.; sarja preta hespanhola,
a 2,000 rs.; setim preto, a 1,000 rs. o covado.
Na loja nova da rua d > Quei-
mado, 11. 11 A, de iiaymun-
do Cario.* 8,cite
anda ha o sortimento de todas as fazendas ja an-
nunciadas bem como guardanapos de puro linho,
com urna lis Ira azul lecida a 800 rs. cada um; cor-
tes de vestidos de la de ricos padres; chapeos
francezes finos ; um ptimo sorlimento de pannos
finos pretos e de cores : os quaes so tornam recom-
mendaveis, riflo s pelas boas cores e qualidades,
como por serem novos na loja : tudo por prego
muito rasoavel.
Vomicoso um carro do duas rodas novo e mui-
to forle: tambem vende-se um cavallo para o dito
carro : na l'assagem-da-Magdalena silio do Ca-
jueiro.
Vende-se excedente vinho tinto e
UfiSiUranco de Bordeaus em caixas de du-
zia : 111 roa da Se'nzalla-Nova, n. i38.
Vcnde-se urna esclava de elegante figura, de
13annos, sem vicios nem achaques, e que lem
principios de costura : na rua do Itangel, n 43.
~ Vendem-se os superiores charutos fama-va ,
regala do s-Flix, cigarros do la llavana nao
plusullra primores marca de fogo, c outras umi-
tas qualidades, por prego commodo : na nova fa-
brica da rua estreiu do llozario n. 45.
Na lija da rua do Queimado,
n. 1 de Gaspar Antonio VI-
eira Guimaraes & Compa-
nhia,
sB
a
iIVIIT.T -
Vendem-sc na rua da Cru?., n. 26, 3 escravas
boa?, com algumas habilidades; duas lindas mole-
cas ile 12 annos ; Ires escravos ; sola ; cauros niin-
dos ; he/.erros ; esleirs ; sapalos u botins; sebo e
cera de carnauba.
Venderse um moloque sapnteiro 1I0 18 annos,
e de bonita figura : na rua da Sm/alla-Velti 1, n. 60.
das 6 as 8 horas da mantilla, e das 3 as 6 da larde.
w tu
* Vende-se urna parda de 30 annos, com um r
5? ilho muito lindo, de9 annos: a parda cose, $
jjjj faz la vario to e doces, engomma o cozinha: jwj
u na rua das l.arangeiras, n. 14, segundo andar. VT.
i as
Vendem-se, na rua do Trapiche-Novo, n. 6
14escravos, sendo: duasnegrinhasde 10 a 12 an-
nos ;4 moleques de 10 a 16 annos ,4 mulalinhos d<>
8a 14 annos; duas pardas costureiras, e que co-
zinnam o diario de urna casa ; 2 pretos de 35 an-
uos muito proprios para o servico de campo : to-
dos se vendem por prego commodo, por seu dono
se retirar para fra da provincia:
DEPOSITO DE CALYIRGIiM.
Na rua do Trapiche n. 17, lia sem-
pre cal virgem de Lisboa, cm Larris pe-
queos, e ltimamente chegada mui-
to superior e por preco rasoavel.
Vendem-se caixas de cha hysson, do 13 libras,
cm porges ou a retalho ; caixas de velas do es-
permacctode5e 6 em libra : na rua da Alfandega-
Vf Iha, n. 36, cm casa de Matheus Austin & C.
Escravos Fgidos.
Ausentou-se, ha dias, da casa de seu senhor o
cscravo Joo pardo trigueiro de 15 a 17 anuos ,
cara grande, olhos regulares bons denles ; bem
corihecido por andar frequenlemenlefardado: quem
o pegar leve ao Mondego a sen senhor, Luiz Go-
mes Ferreira que recompensar generosamente.
Fugio, no dia 26 desolembro prximo passado,
do engenho Gindahy, da comarca do llio-Formoso ,
um escravo cabra do 22 annos pouco mais ou me-
nos de nomo Pedro baixo grosso o vermclho ,
cabellos pegados falla branda e descansada meio
cangueiro no andar sem barba ; levou calcas
azues, do linho o camisa de nlgodaoziiiho cha-
peo do palha e bata encarnada ; desconfia-so que
fugira pura o sertio por ter sido do Ico : quom o
pegar leve ao dito engenho Cindady, a seu senhor,
Francisco Este\es de Mello, ou uesla cidade do len-
le, a Jos Antonio Basto, na rua da Cadeia,que grati-
ficarilo. .
~ Fugiram, no dia 30 de outubro do corrento au-
no, pelas 8 horas da noile os escravos ; Joflo do
nagfio Mogambiquc, quo reprsenla ter paramis
de40 anuos; lio alto, puxa pela peina direila
quandoanda : Felisberto de nagio Angico lam-
liem do moja idade, estatura ordinaria. Este escra-
vo foi comprado ao Sr. Francisco Jos Duarte. Quem
os pegar levea rua Direila, n. 21, que ser recom-
pensado.
.Fugio, na nolede27 do passado, de bordo do
patacho Dou-de-Agoito, um escravo marinheiro do
nome Luiz crioulo. de 30 annos pouco mais ou
menos altura regular, magro, cor bem preta; tem
signaes de bexigas ; levou caigas o camisa de zuar-
tcazul chapeo de bacta c igualmenlo urna pur-
ea o de roupa usada; provavclmenle j ter muda-
do de tragos.-Hoga-se as animidades policiaca e
ca pilaos de campo, que o prendara e levem-no a
bordo do dilo patacho ou a rua da Cadeia 11. 45 ,
que sero gratificados.)
Altenco!
TltASTF.S NOVOS E QUASI NOVOS.
Vende-se urna grande porgflo de cudeiraa de oleo J
ede palliinlia ; ricos sophs do angico,
existe um completo sortimento do ricos cortes de.
princezinas o cambraias de seda com palmus de cr
.. marque/.as, I ricos chales e mantas de seda escoce/a, do melhor
armarios, mesas redondas e elsticas, camas, ele : gosto que tcm viudo e por prego mais commodo
tambem se vendem alguns escravos escolhidos, por do quo em outra qualquer parlo pois he o eos-
prego commodo : para ver e iralar, na rua da Ca- turnedesla loja.
doia do Kecife, loja de miudezas, n. 19. { Vende-so superior panno de algod3o da ierra
-r- vende-se urna escrava crioula, de 14a 15 an-'na rua do Crespo, n. 23.
Fugio, no dia 23 de outubro prximo passado,
da casa de Manoel Antonio do Azevodo a sua es-
crava de nome Benedicta, crioula*, de .estatura
baixa grossa do corpo, denles limados; temos
peitos desproporcionados a sua idade; representa
ter 16 a 18 annos ; levou dous vestidos um de chi-
ta branca com ramos miudos o outro do riseado
azul imitando chila ; tambem levou panno da Cos-
ta j usado ; consta ler andado na estrada do Man-
guinho al a l'onte-de-l'cba e tem sido vista do
noile cm algumas vendas do. bairro da Boa-Vista.
Boga-se as autoridades policiacs c cap tiles decam-
po, que apprehendam e levem-na ao Aterro-da-
Boa-Vista loja de fazendas n. 10, ou ao sobrado
grande da Soledade, que se gratificar generosa-
mente.
Fugiram na imito do dia 2 do con ente, dous
pretos, ambos de nome Caetano : um lie fulo, re-
presenta 20 annos; he baixo e gordo ; tem os ps in-
diadas ; levou camisa eceroulasdo algodilo da tr-
ra um sacco de estopa vcllio o sujo de tinta : d
outro representa 40 annos ; tambem levou camisa
e caigas brancas bastante sujas o 1 surrlu do cou-
ro^do carnelro. Quem os pegar leve-osa roa da Ca-
deia-Velha n. 33, que sera recompensado.
Contina a estar fgido, desde 183C o cabra
Joao, que di/i'in te 1 mudado o nome com 0 titulo de
forro ; he de altura regular, de 36 anuos, com uns
pannos polo rosto, sem barba raliega comprida
para irs ; usava de brinco na orelha ; lem os denles
abertos; he bastante desembaragado na falla, bem
como para lodo o servigo de cinipo; he carreiro;
lem um deleito em a unlia do de.lo grande de um
p. Hoga-se as aulhoridaees polioiaes, ou pessoas
particulares quo o apprehendam e lovem-noa rua
da Madre-de-Deos 11. 31, casa de Autonio Aunes Ja-
comc Pires.
Fugio, no dia primeiro do correte o preto
Constantino de 19 annos estatura regular, bas-
tante rcfprgado ; falta-lile um dente na frente ; tem
falla despedida; cosluma Ira baldar de pedrei-
ro ; e he de uagao Mogambiquc : quem o pegar leve-
o a rua Imperial, 11. 67, a Vicente Tiloma/, dos San-
tos que dar boas alvigaras.
Fugio, no ilia 3 do crrente, um preto Cagan-
gej. delrinta o lanos anuos; he bastante preto;
tem rosto comprido ; do lado esquoido sigua I do
urna lisio la leu'i os ps bastante grosss o alguma
cousa tollos paia dentro ; sabio pura vender pilo
na freguezia do S.-Antonio do liccife ; levou caigas
do algodn traugado azul o camisa de algodozinlio
branco : quem o pegar levo-oa rua Direjla, 11. 69,
quesera 1 compensado.
a: it:.
J?kn. : f\ ttf va m. r. ve rARlA.* ib4^.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EB55RX2FA_U2B5N3 INGEST_TIME 2013-04-26T21:35:08Z PACKAGE AA00011611_08557
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES