Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08542


This item is only available as the following downloads:


Full Text
A nno de 1847.
Qunta-feira 16
tWltl II JjyjiaatiaaMBMmi^a^B^^w
O fUMO publicase to.lo os d, (flia "f
.ronda rwrl : 0 pre 'I s.fsnjturn lio di
im rX T-,r.ci,'f.,:V -ffiA'S
difirante, porcacfa piiMieac.o.
PHASBS DA LuT^ NM DE 3ETEHBR0.
Mingo. I. '".e *tda t"'de-
Lucilo .4, *"*.
PARTim DOS CORREIOS.
(oiann-ie Parabvba, s segundas c sextas feiro.,,.
Rio-Urande-dn-Xortc quintas feiras ao me\o- (."abo, Scrinliein, Rio-Formoso, Poito-Calvo e
Macot, no l., a II c 21 de cada mez.
(iuranliuns Bonito, a. 3 o 23.
Raa-Vista c Flores, a 13 c 38.
Victoria, s quintas l'cii as.
(>lillda, todos os das.
PREAMA.4 DE HOJE.
Priineira, s 10 horas e 6 minlos da niauha.
Segunda, al 10 doras e SJ minutos da tarde.
le Setembro.
\nno XXIV.
y. 208.
wwwmiinw inwwf "w i w 11......i i i
MAS D\ SEMANA
13 Se; inda. i. Kilippe. .Yu.1. do l.dos or(i!i
i'oJ. I Terca. j, Halante, AuI. do J do civ. da I
v e do J. de paz do 2. disl. de t.
16 Qluarla. S. Nicomedes. Aud. do 1. (lo civ
da V. e do J. de paz do 2. rfilt. de l.
1(1 Quinta. 8. Pedio de Atbues. Aud do J. <
orph. edoJ. municipal da I. vara.
17 Scla. S. Corneiio. Aud do do civ. da i;
v. e lo J. ile paz do I. dist. de l.
18 Sabbado. S, Kustorquio. Aud. do J. do civ,
da I. r. e do J. de paz to I dist de t,
9 Domingo. S. Janiiariii.
CUIMONO DA I*DE SETEMIIRO.
C-intbio sobreLomlref aW d |>. D"
a P.ris 3 MI rs. por franco.
a Lilboa IMa lo pre-
Dejo, ilclctti-.ii ( l)oaslirm..s da '/ '
DuroQneas L-espanhoU.... 3i&no
MoedaidaUf Uitel'1 I
doUltOi' no lOJMO
p delfOOft.----- 9*100
fruta l'aces...... '#9iu
u Pesos coliiiniiaies... IJ900
Ditos mexicanos ... #S00
Miuda............. i50
Acetesdacomp.do Itelieriliede SOfOOO
. a St das.
i .
v no mez
a 3IJ0OO
11; j mu
i IOJ400
a 9J200
a IBBO fwo
a
a IJS20
rs.aoparl
HH
DIARIO DE FE1MAMBUGO.
PABTE OFFICML
MlMSTElUO DA MARINHA.
AVISO DO PA 14 PE AGOSTO PE 18*7.
Di providencias sobre a mannr de te fazer o fornecl-
mento aos navios da armada, e de comprarse oque
fr necessario para as diversas seccei.
Hlm. e Exm. Sr.--Cohvindo cstabelecer a mais
rigorosa economa em lodos os ramos de que se com-
pite a reparligfio da mantilla da corle, e sondo ne-
cessario, para que islo se consiga, empregar a mais
acurada fiscalisag.lo, e corlar todas as despeaos que
lo forem de absoluta necessidade, sem que todava
"alte ao preciso para occorrer cotn promptidilo nos
supprimenlos de que caretja n armada ; determina
S. M. o Imperador que V. Esc. observe d'ora em di-
ante o seguinte :
I.* Que os pedidos fcitos do bordo dos navios pa-
ra fornecimento dequaesquer ohjectos sejam sem-
pro cotejados com as tabellas respectivas, afim de so
niio admittirem aquellos que comprehenderem ob-
jeclos excossivos ou (ora do designado as mosmas
tabellas.
2.0Quecsses. pedidos nunca deixcm dcscracotn
panbadosde um mappa do qu ainda poisa existir a
tordo, o qual, alm das assignatufas do costume,
devora ter o--visto--do commandante ; c quando
acontece nada ha ver do que se pede, isso iftesmo se
declaro no respectivo (Muido, assignando essa nota
o escrivto e o ofllcial immediato.
3." Que todas as vezes que se apresenlarem guias
de entrega do bordo dos navios da armad? coutendo
objeclos em grande quantidadb, ou que se conbecn
que, porter havido deleixo na.sua arrecadaeflo, foi
elle estragado, se d disso parte ininediatamenle a
esta secretaria do estado para so investigar sobre as
causas de semelhantes entregos c de qttem procede
o deleixo indicado.
4." Que os pedidos feilos pelo almoxarifado, cm
consequencia de outros das olllcinas ou dos navios,
sejam tambem acompanhados de urna nota do que
possa ainda existir as seccoes relativamente os
cujelos pedidos, ou decaiiiij-u nenes le nada i
ver, rubricada peloalmoxarife e escrivflo.
5. Que as compras que se tivercm do fazer cm vir-
tude de lacs.pedidos, ou, segundo as conveniencias
doservico naval, sejam effectuadas cotn aquella par-
cimonia que as acttiacs circuinsloncias recio mam,
que de nada se faca 8(;glomerario nos armazons.que
entre s o indispensavel, equo este seja comprado
u dinheiro, na forma das ordens queexistem, por so
di'versupprqiic- assim so compre mais barato.; to-
dava, estas mosmas compras se niio tflectuario sc-
nio na forma proscripta pelo regulamenlo do 13 de
Janeiro de 1831, e precedendo ordoin dcsta secreta-
ria de estado. E como para isto scconsoguir be ms-
ter que tenha desdo jii un.- perfeita ideia do que
existo nos differentes arniazens, -unipre que V. Exc
mande organisar por cada una scccHo rolacOes cir-
cumstanciadas re todos os gneros nellas arrecada-
dos at o fin dejullio ultimo, com declaracHo dos
sctis valrese comas classificacOesconvenientes, e
os remella a esta secretaria de estado.
6. Que as compras que so costumam azer pelo
comprador dos armazens sejam por elle effectuadas,
devendo V. Exc. ter sempre em Vista oque a cale
respeilo determina o citado regulamenlo.
7 o k finalmente que, devendo ser conhecidos as
reparticOessubjeitas a V. Exc. os rogulamentos o or-
dens acerca dos processos e da iiscalisaQno relativa
aos diversos fornecmentos, ocioso be agora recom-
mcnda-los, por se suppr quo he tudo litteralmcntc
cumpriilo ; todava, ordeno nesla data aoquartcl-
gencral da marinha einspeceno, a queni se da ro-
nliecimento deslas dsposicOes, (|uc expegam as pre-
cisas ordens na parto quo Ibes diz respeilo; e bem
assim rccoinmcndo contadoriii geral que baja to-
do o escrpulo as conferencias dos resumos men-
saes das despezase na tomada dascontas, quer do
lliosoureiroe almoxarifes, qurdos navios, dando
loco parte a esta secretaria de estado de qunlquor
ibtiso ou infraceflo de lei, ou ordens que exislam
rolalivas a lacs cintas.
Pees guarde a V. Exc. Paco, cm 1* de agosto de
<8*7. -- Candido llaplista de Ulheira. Sr: Miguel de
Souza Mello cAlvini.
EXTERk-lt.
NOTICIAS DE MONTEVIDEO.
I,K LMUl'S OFFICUGS.
ministerio da guerra e marinha. Montevideo, 19
de agosto de 1847.
Exm Sr. O tremendo confiic\o, a quo bonlem es-
leve exposla a defensa elraiiquillldade .le Montevi-
deo torna do met dever etpr succiiilaineiito os
fados que o produziram, para quo V. Exc. c o publi-
co, seogovono o enlender coiivenienle, julguenl
com conhecimonto de causa.
Na tarde do dia 15. oabaixo assignado receben do
commandante das armas o documonlo n. i, lando
coU de que o batalliflo do linl.a n. -1 recusara dar
un" Piquete do 30 bomens que se Ihe pedan, para a
rorlilcza do Cerro. Juntas a CSM ofi.c,,. achoia V.
Esc as notas rocadas con. o ex-comman.lanle La -
raya sobre este incidente, O comman. an e a -
mas pedia que se reprim.sse aquella nwkorAna-
cao, e V. Esc. e todo o governo, a quem n.Mbrita
inente communiquei o occorrido. me man. osla, au
a necessidade absoluta de fazer entrar aquelle corpo
na oliediencia com toda a brevidade. Sendo o caso
urgente, fui immediatamente ao quartel-general pa-
ra de mais perto examinar as cousas e otivir a opi-
nin do commandante das armas. Soubn alli que o
hatolbfio linba tomado urna atlitude hostil, conser-
vando-so aquartelado para com resistencia armada
impr a sua vonlade ao governo. Comprebendondo
logo asdiliculdades quo se nos proparavain, enfO
querendo poupar esforco olgum para conjurar a tor-
menta, tonici a rejiucHo de ir ao quortel para con-
vencer o ebefe, ou para Irazer os soldados ordem.
Expuz particularmente e cm poucas palavras a 1.ar-
raya as consequencias do passo que dora e o mal que
ia fazer causa, tratando de excitar os senlimentos
do dever o da honra. Respondeu-me que niio con-
sentira que a sua honra fosse offendida, e outras
cousas quen.lo vinham ao caso, masque, proferi-
das em altas vozeseouvidos do fra, tiibam por in-
teneno fazer crer que mo impunba com seus gritos.
I.evanlei-mc intflo, imperiosamente o (iz calar, e s.i-
hindo ao palco ordenci-lha que mandasso locar a
chamada c formar o balalhilo.
Cumprida a minha ordem, fallei sobro os deveres
do soldado, da boa reputagao quo tinha tido aquel-
le corpo cm outros lempos, devida exclusivamente
subordinacilo e disciplina quo Uvera ; mostrei a
necessidade forcosaque tinjia do voltor aquella sen-
da, curnpruiilo no dia seguinto a orden) que so Ibes
havia dado, e promelti, em nomo do governo, o ee*
quecimento das oncurroncias daquclla manhila so se
subordinasfiem. Culando-me, responderam-ino en.
gritos quo queriam^r lodos, ou nenhum. Com a in-
dignaefio natural afeiei-lhes a sua conducta, tratan-
do-a de infame; disso-lhesquc afrente do inimigo
niio haviam do ser os valenles do outr'ora, porque
nflo pode existir verdadeiro valor na tropa sem su-
bordinocio; o apostroph'ando o chefe e ofllcioos,
disse que o procedimonto do balalhilo era a sua des-
honra, eque o nico caminho que Ihcsiestava para
rehabilitareilMe era o de fazer que atropa conhe-
cosse os seus deveres submetlcndo-so no dia se-
guinte.
Ilem que isto Ihes dissesse, j eu sabia entilo que
todos osofTIciaes cslavam desgostados com o com-
mandante e com dous subalternos, porque niio tra-
tavain wttlK) de minar os soldados, dizendo-lhes cou-
sas quo s os podiain irritar, excitando-os contra o
governo porque Ibes nao pagava, e explorando o
senlinieiito ruim do odio aos estrangeiros. Sabia
Sr., na vspero tinha cu mandado diier a alguns of-
liciaes que uno queriam voltar para o corpo, que fos-
sem.que eu a tudo dara remedio, e que contava com
a sua cooperiieilo.
Depois quo mo relirci doquaitel, nao querendo
precipitar nada, suspend toda e qualquer medida,
contando que no dio seguinte, a niio cumprir o ba-
lalhilo a ordein, o furin marchar todo para outro
quartel. .
Como no dia 16 no mudaram deopiniao, orde-
nou o commandante das armas que o corpo sahisse
formado para recober ordens sobro o novo alojamen-
lo que so Ibes deslinava. Entilo respondeu o Sr. Lar-
raya, quo o corpo nAo quera sabir do quartel cm-
quanto o governo no respondesse a um requeriincn-
to quo ia dirigir-lhe. Interrogailo por inim o aju-
danle, para dizer se Larrayo linl.a" conimtinicado aos
soldados a ordem de mndanca de quartel, assegu-
rou-nic quocstrs'nada sabiam, e que Larra y a res-
ponder sem os consultar. lima hora dopois com-
municava eua V. Exc. o occorrido, quando chegou
ao forte o mesmo ajudanlc com orequoi ment jun-
io, sol n. 2. c com ordem de dizer-me veibalmen-
lo que o coiiimandante, logo quo levo conhecimcnlo
da pcrgunla quo eu Ihe fizera, mandara formar o
corpo o ihe intimara a ordem de mndanca do quar-
tel, eque unnimemente respondern o soldados
que nflo sabirain do quartel de Ramrez.
A sua desobediencia reiterada, e o loor do reque-
rimento man i testa va m claramente que queriam pro-
vocar o conflicto. S Heos sabe com que inteneflo.
Maiidoii-sc-lbcs dizer quo o governo nfio ilevia ali-
mcnlar a Iropa que nflo obedeci, e o commandante
das armas, ouvidos os mais chefes, tomoii outros
medidas de seguranza, exigidas pelas circtimslan-
cias.
Enlflo dirig a V. Exc. o met officio do da n, n.
3, ao qual respondeu V. Exc. na niesma dala pelo tn-
nislero do interior, Copia n. 4.
Eu comprchendia, que, na necossidado de lomar as
u:edidas coercitivas para que V. Exc. plenamente mo
atitorisavo, convinha lomo-las quanto antes; mas
por oulra parto tinha o maior desojo de dar occasiiio
a alguns ou antes maior parte dos olliciacs que eu
sabia cstarcm alli violentados, para separarcni-so
do corpo. .
Vendo que era vfla a minha esperance, clelcrniinei
hontcm atacar o quarttl, passando ao cominandan-
lo das armas o offfcio n. 5, ordenando-lhe que hzes-
se a inlimaeflo cobrga.*e o balalhilo a rendor-se.
Inleipreto fiel das ordens de V. Exc., consignei nes-
se olllco os sentnienlos generosos o paternacs Uo
governo.
Quasi ao mesmo lempo que so Tazia a intimacao,
chegou um ajudanlc d'ordens do Sr. coutra-almi-
rantc Leprcdour, ofTerecendo a interposieflo dcsto
ofilcial general urna vez que se garantissem as vidas;
o ochando isso mesmo nos interesses do governo,
autorsei-o a cumplir a sua missilo. ....
0 Sr Larra ya respondeu que se renda debaixo da
aianlia fianceza. Mandei-llic dizer que sahisse c
foSSe oceupar o antigo quartel do batalbflo; mas, chc-
KandociilaooSr. almiraulo Lcpredour ao quarle-
lencral, fez-lhes saber que alli os esperava, e isto
Ihes deuazas parase dosdzorom em parte da sua
primoira entrega, exigindo entilo para se renderom
que o Sr. almirante garantisso ao commandante o
eos ofllcaes que quizessom sahirdo paiz os quatro
mezes de sold quo tinham podido, som oque mo
disse o ajudante quo Larraya niio sahiria do quartel;
quo nao o intimidava o nosso apparato de forca o ar-
llharia, porque eslava resolvido a fazer morrer to-
dos os seus debaixo das ruinas.
Repugnando ao Sr. almirante dar tflo inesperada
garanti, disse cu ao ajudanto que vollassc para o
quartel, que eu Ihes promettiaom nomo do governo
o soccorioqtic fosse possivcl dar-Ibes; mas que o
presidente da repblica nunca trepidara em azer
lodos os sacrificios de dinheiro que podesse para sal-
var as vidas dos seus antigos soldados.
Aqu terminara esta narracHo, a nflo ter occorrido
um incidente que julgo necessario'mencionar. Co-
mo tnarchasso 0 batalbflo a toque de tamblos, pare-
cen mo inconveniente que entiasse assim na ci 'ade
depois do occorrido, e (le ordem para que so calas-
sem as coixas. Larraya rospondeu-mo com arro-
gancia quo nflo deixai iam de tocar, o Justamente ir-
ritado com osla nova desobediencia, arrojei-mo pes-
soalmonte para fazer cumprir o minha ordem, o pa-
ra desarmar o conimaiidantc frente do balalhilo,
como desleal e indigno de cingir a espada do cum-
ulando. Mandoiao batalbflo que lizesso alto e. fren-
te, e no momento em que Ihe intimava a ordem para
entregar-nie a espada, chegou o Sr. Lcpredour, c
dando-lho a presenca leste protector bros para le-
vantar a voc, recusou novamente obedecor-me.
P.-oduzio islo un. momento critico, no qual os sol-
dados, cegos ainda c exaltados por um dos seus olli-
ciacs, inlentHram fazer uso das armas engallhan-
do-as; mas a prudencia e os esforcos dos dentis
olliciacs conseguirn! restabelecer a ordein, seguin-
do logo O balalhilo para o scu quariel, separado j
do couiniando oSr. Larraya. Esto ullimo altcnl ido
eslava fra da garanta dada pelo Sr. almirante:
mas os respe)loa a consideracOos, que sc quer o go-
verno Iributar-llie, mo indtiziram a ceder s instan-
cias que fez para cobri-lo com a sua prolcccflu.
Itesto-uic so dizer que o coinmandanlo das arma's
me asscgurou, e cu mesmo o presencie!, ter encon-
trado a mais eflicaz cooperacilo nos Srs. chefes das
egioes o mais oreas da capital, unindo todos-us seus
esforcos para fazer respeitar as autoridades. Dos
guarde a V. Exc. muilos anuos. lourenco fattle.
Ixm. Sr. presidente da repblica, I). Joaquim
Soaroz.
Jornal do Commercio.)



cisflo (lo jury, rondemna o reo a 16 anuos de ga-
les na Iba do Kcrnando-de-Noronha ; multa cor-
resnondonte a melado do lempo; na perda da moeda
adiada ; ejias cusas.
As8 horas da noite, levanta-so asessio.

DItR10 Di PBRMBPnO.
::/
17 de marco do
d
J lili Y 1)0 LtEGlFK.
SESSAO EM 13 PESETEMIlllO PE 1847.
PBKSinP.NCI* DO SENHOR DOUTOB CEHVAZIO GONQAL-
VES l.A SILVA.
Ao moio-dia, faz-se a chamada, e verifica-se cs-
tarcm presentes 39 senhoresjurados.
O Sr. Juii Presidente declara aberla a sessilo.
Silo apregoados os reos e as testemunhas.
OSr.Jui: Presidente diz quo so vai proceder ao
sorteio do concelho quo tem do julgar ao roo Jos
Comes Villar, acensado de haver introduzido cdu-
las falsas na cireulaeflo.
Sorteado o concelho, presla o juramento do es-
lylo.
* O Sr. Juh Presidente faz ao reo o seguinle
IMCHHOGATOBIO.
Jais: Como se chama ?
lto : Jos Gomes Villar.
Juiz: Onde se. ochavo no dia
corrcnlc anno f
fo : No Mondego, na minha casa, defronlo
Luiz Gomes Fcrreira.
Juis : Sabe qual foi o motivo da sua prisflo ?
fo : Ignoro.
Juiz: Conhece Inflo Jos Comes do Olivcira p
iro -.somonte de vista.
JuiMi Sabe por que este bomem osla preso .'
Ilco : Sei, sim, Sr.
Juiz : E a rasflo de sua prisflo, qual he '
fo : Ouco dizer que he porque forao appre-
hendidas em sen poder ninas cdulas falsas.
Juta OSr. Villar nao tinha relacOcs com este
individuo, e nflo lYoquontuva a casa delle?
Mo : Nflo, Sr.: fui algumas vozes, isto be, dos
ou lies, fallar com Francisco Puarto Moulouo, que
Diorava no fundo de um armazem em que moravao
dito Oliveira, eque ine pagava o aluguel delle.
Juiz : Eo l unas duas ou tres vezes somcnle .
Itco : Sim, Sr. ....
Juiz: E o Sr. Villar nflo deu a este Jflo Jos
Gomes de Oliveira una poreflo de cdulas falsas pa-
ra passar, medanle um ganho do 50 por cont i
fo : Nflo, Sr. : nunca tive relacOcs com esto
liomcm. .
Juis: O Sr. niio esteve cm Lisboa r
Ico Nflo, Sr. : eslive no Porto.
. Jui* : Em quo navio vcio ?
fo : No rentura- Felit.
Lindo aqui o interrogatorio, passa-se a leitura las
pecas do processo, e s allcgaccs pro e contra o reo.
Terminadas essas allegacocs,
O ir. Juiz Presidente faz o rclalorio da causa c
entrega 4 quesitos ao presdante do concelho, que,
havendo-so rccolhido com esto sala das conlc en-
cas, volts a dos debates, ao cabo de mais de una
hora, com resposla aos mesmos quesitos.
0 Sr. Juis Presidente, conformando-se cora o de-
riECirS, 15 BE SETEMBRO DE 18*7.
0 paquete ingles /'naun,quc acabo de ancorar
n.'Ste porto, trouxe-nos um dos exemplares dn7r-
naldi Commercio que foram poblirados na corte em
o lia l. docorronle ; quatro nmeros do Commercio
da Babia, dosquaeeo ultimo vem datado de 10 do
referido mez ; e tres do Guaytmr, de data mais enli-
ga que a dos peridicos dessa provincia (|tie recebe-
mos pelo vapor San-SebastiSo.
Na primoira das precitadas gazetas deparamos nos
com o decreto do 8 do agosto prximo passado, quo
concede ao Exm. Sr. Paula Souza a demissflo que
pedir do cargo do ministro c secretario de estado
dos negocios do ni pe io ; c declara que S. Exc. fun-
damentara seu pedido as enfermedades quo soflria,
allegando quo ellas eram taes, que, anda mesmo
queconseguisse alguma inelhora, nflo.podoria con-
tinuar cm somelhanto cargo, sem por em risco a
asistencia.Se, lo feto, oulra niio foi a causa que
obrgouS. Exc. o resignar a pasta: se, melindroso,
como elle he, nflo foi smente com reccios de offen-
der o amor proprio de seus collegas, que deixou do
dizerquesoreliravado posto do honra em quo tilo
csperancososecollocro, porque esses collegas ne-
gavam-lho a coadjuvac.flo de que precisava para rea-
lisar o nobre ponsamenlo quo manifestara no bri-
Ibante discurso om que tracara o plano segundo o
qual o paiz ia ser goveruado; so nflo sao verdicos os
diversos boatos, quo acerca dos verdadeiros motivos
da retirada de S. Exc teten chegado at nos ; se foi,
com elTeito, por estar gravemente enfermo, repeti-
mo-lo, quoS. Esc. so rosolvcu a esquivar-se do lu-
gar que tilo dignamente oceupava entro os conse-
Ihciros da corda, nflo podemos dcixar de lamentar o
mo fado que persegue o Rrasil, ecomo quo mgi-
camente inllue para quo dcsappa'egam da gerencia
I dos negocios pblicos, logo que nella assomam, os
lliomens quo parecem destinados pela Provipeucia
paraencaminhar-nosao alvo a que tveramos toca-
do, porsoni duvida, so esse phenomeno se nflode-
ra.Mas, quaesquerque fossom as oceurroncias quo
cooperaram para que o eximio Caulista se recolhcsse
110 respectivo gabinete, supi omos que acertamos em
assoverar-lbe, que toda a genlc sensata do imperio
0 aprecia levidameitle, e o considera como um dos
santelmos que hilo de fulgurar no nosso horizonte
poltico quan do a Ierra da santa-cruz se adiar em
perigo ainda mais niminentc do que csse em quo
ora esl.
Alm iesso decreto, em que, por do certo, nflo fal-
lramos se nflo tveramos o proposito de fazer sobro o
seu conledo as reflexOes quo mais cima deixamos
esaradas,els o que vimos na citada folha, que nos pa-
receu digno do especial meneflo : os discursos quo
se proferirn! no senado, ao aprecar-se pola segun-
da vez a resolucflo que proroga o orcamento actu-
al a sessflo da cmara dos Srs. dcpulados cm 30
do predto agosto ; um pequeo artigo, etn que so
noticia que a 31 ficra adiada na mesma cmara a
resolucflo que augmenta o numero dos depulados do
Ro-dc-Janero, c continuara adiscussflo do ade-
mento do crdito para cxcrcicios lindos; um ou-
tro artigo cm que, aecusando-se recepcjlo de jornaes
(leMon tcvulool 19,dz-so que fra demittidoo 11-
cava a bordo da fragata IVanceza Charle, juntamenlo
com dous olliciacs, o coinmandanlo do balalhilo de
lnha n. 2, (juo so sublevara, como consta da narra-
tiva transcripta na parte exterior; que com a entra-
da do Sr. O bruno Ms para a pasta da fazenda, o do
Sr. coronel llatlle para a da guerra, completara-seo
ministerio montevideano) que, om liuenos-Ayres
nada occorrra de iuteresse at odia 18; que a pro-
vincia de Corrientes se pozera novamente em armas
e expedir para Avalos toda a tropa, constante de
5,000 a 5,500 bomens ; que o general P. Joflo Mada-
riaga fra doiniltido do coniniando do exordio pelo
proprio irmilo; quo o Paraguay augmentava suas
frcas sobro 83 fronleiras, sem que todava se Uves-
so verificado o fado, de haverem ellas passado o Pa-
ran; oque o general L'rquisa nao lzera o menor
movmento hostil em Entre-Rios.
Na Rabia oceupava muilo as attencAes o requeri-
mento que abaixo copiamos :
1 Competindo esta cmara a convocacilo daas-
h sembla provincial, quando o nflo .tenna foito o
presidente da provincia seis mezes antes do prazo
u marcado para as scssAes da mesma asseutbla,
conforme a disposieflo do1. artigo '4 do acto
addicional, o nflo leudo ainda sido convocada pelo
presidente da provincia a nova assembla provin-
1 cial, que se deve reunir no dia a de fovereiro do
MUTILADO


/
T



i

18*8, segundo o artigo 1.da le provincial n. 15;
nem mesmo havendo. chegado ao conhecimento
desta cmara communicagfo alguma justificando
a falta decumprirnenro desso preceito constitu-
cional: requeiro que com urgencia se participe
" ao governo da, provincia, que, tendo a cmara do
" exercer esaa attrbuigffo, ouc Iho he confiada pola
constituido do imperio, tica s a espera da res-
posta do mesmo governo, para que ulteriormente
proceda, como Ihecunipre. Babia em cmara, 25
de agosto de 1847. O vereador Filgueiras.
-
Correspondencias.
.Senhores Redaclorei. Eu aprecio muito a a miza-
de, o anda mais a justica : e conseguiulemente nflo
posso verem silencio, que um meu amigo seja injus-
tamente deprimido e vilipendiado por um Tacto,
oue, supposto mcrega algum reparo, por falta de de-
licadeza para com terceira pessoa, comtudo, sendo
lilho de sua convicgflo, nflo merece censura, e urna
censura acrimoniosa. Quero fallar, Senhores Redac-
tores, do communicado, sob a epigraplte ALAGO-
AS--, deseu Diario n. 02, cm queso offerecc ao pu-
blico a correspondencia ollicial entre o juiz muni-
cipal de Macei, o l)r. Antonio Buarquo do Cusmflo,
eojutz dedireito da mesma comarca, o |)r. Jos
Telles de Menezes.
Depois do winmun/cnn haver 1'eito um elogio ao
Dr. Telles, alias bem merecido, diz ello que oulro
tanto nflo pode platicar para com o Dr. Ruarq.uc ;
porque no seu officio roe de prelo ao capitn ano-
el Agostinlio, o chama mata-presidente ao mesmo e
os sousoompanheiros de processo. Quanto ao pri-
meiro ponto da accuaacflo, posso auTrmar, sem te-
mor ilc errar, que ha engao nos (|iie peusam que o
lir. I'.uarque seria capaz deum somelhanto ataque
para com um homeni, que, alm das considerages
do sen posto, de mais amis se achava debaixo de
Miajurisdicc.iio, caso om i|tie o hoinem bem educa-
do, como he o Dr. Buarquo, deve tratar bem a qual-
quer, quanto mais a um liomom condecorado. E sai-
ba. pois, o communicante, que o Dr. Buarquo sem-
ine respeilou ao merecimento dos individuos que
Ihe communlcam, sem dislinoc.n de incidente, pois
que o lenbo visto militas wzes ligado Intimamente
oom pessoas do incidente do capitn .Manuel Agos-
linbo. Se os que leeni analysado o ollicio do Dr. Ilu-
arque, se tivossem dado ao Irabalho de recordar as
roera da hermenutica, achariam que o mais natu-
ral era que o termo pelo -- nao Tora a Intencflo
do Dr. Buarquo, mas sim um engao no correr da
penna, pondo, em lugar de preso, a palavraprelo.~
A dilR-rcnga (lestes dous nomos be quasi nenliuma.
lie mosmo ossenoial i|iie um juiz, sempre que te-
lilla de tratar ollicialmeiile de um individuo quose
aclia em processo, mostr o estado do mosmo : isto
be, se se acba sollo ou preso; c foi isto que praticou
o Dr. Huarque.
Vejamos o segundo ponto.
Aexpressaomala-presidente--, deque se servio
o Dr. Huarque no sen ollicio ao Dr. Telles, fui sem
Imilla pouco melindrosa para com este : porni ja-
mis se pode dizer que ossa expressao ataca ao par-
tido do comiiiunicante, ou anda mosmo aos seus
amigos processados. Ilavendoo Dr. liuarquo susten-
tado a pronuncia dos individuos processados por cri-
mesdosodigao, etc., para ser consequenle coma
sua seutenca, deve de oslar convencido de que os
acensados sao criminosos, enibora ellos rossem des-
pronunciados pelo juiz do dircito. o homom de bem
deve rospeilar as convicefiea nlheias, mxime as de
um juiz quando julga. Seo Dr. Telles moroco elo-
gio por lia ver sustentado sua dccisflo em dospeito do
vice-prcsidenlo, oslou que nflo merece censura o
Dr. Buarquo por sustentara sua conviceflo, deque
os acensados eram para elle criminosos, no que be
conforme com a sua sen tenca.
Ora, a vista deoousas tao sim|ilos e rasoavois, co-
mo o desenvolver-se tilo graves accusacOes contra
i meu amigo, o Dr. Huarque i'.' Nao notou O com-
municante, (|ue be muito mo a applicacfio aos
ou tros de termos injuriosos, qual oque suppunha
haver o Dr. liuarquo empregado contra o capullo
Mnnoel Aguaitado? E porque praticou o mesmo que
loprovava, pondo ao Dr. ltuarquc do exeommunga-
do, a de outros opitholos que re pugna m o bom sen-
Mi. Quodtibi non ts fieri, altcri neftecrit. Mflo defon-
do o Dr. ltuarquc das impulacoes (|uo Ihe irroga o
eotiiinunicanle, porque estou bom convencido que
tildo isso nao passa de um desabafu perdoavel do
communicante, pelo que bo lem pralicado as Ala-
gas contra os seus correligionarios: corto deque,'
un cuso cm questflo, o culpados silo antes os que
se empenhavam pela appellagflo da despronuncia
de seus amigos ; no quo o Dr. ltuarquc, como juiz
municipal, jamis poda inlorvir.
Recite, Hdesetembro de 18*7.
quo me pareca, que, nflo tendo o tumor augmenU1"
do de volumo, cas pulsngfles apresentando-so mais
fracas, nflo linba desesperado de o salvar com a-
qucllc mesmo tratamento proscripto; mas quo, to-
mando cm eonsideracio o parecer dos meus Ilustres
collegas, decidase de sua lvio e espontanea vonta-
de. (i Sr. Polyearpo constantemente afllrinou-mo,
que, una vez que ihe nflo garanta o resultado feliz
da operaeflo, nflo .quera suhjeitar-se a ella,* prefe-
ra morrer do progesso da molestia, vivendo mais al-
gum lempo, do quo xpor-sc a contingencia do suc-
cumbir cm pouoos (lias, caso a operagflo me tivosse"
o resultado desejado. Eis o que sabia. E quando tive
do publicar a observaeflo, primeiramente a li ao Sr.
Polyearpo, que me alfirmou estar em tu.lo exacta, c
agora mesmo dopois que sabio a correspondencia do
Si. Pinto.
Espero, portanto, qucoSr. Polyearpo dar asde-
vidascxplicagoes. OSr. Pinto, do Tacto de terou di-
to que a laqueaeflo so nflo Tez porseoppdr o Sr. do-
ente, e torclle lirado curado soin olla, doduz (no a-
U\ucUh asserc"o piide inculir no publico, que houve da
parle dos que a propozeram desejo de fazer uperacoes, ou
ignorancia da materia. GonfessQ que nflo espora va
esta lingoagom do Sr. Pinto; porque iiinguem ha
que so persuada quose fazein operages por diver-
timento, nem que julgue ignorantes os Srs. faculta-
tivos quo assist'.ram as conferencias, por nflo lerom
o mesmo pensamento; a repulagflo que merecida-
monto gozaui, no numero dos quaos contemplo o Sr.
Pinto, era mais que sullicionle para l.flo se poder a-
venlurar urna semclhante proposiefio, Ficarel aqu
na parte da correspondencia quo mais mo custou
responder, por ter de tratar do faclos pessoaes, o
(|ii(t nada toem com a importancia da observaran A-
gor passarei pro va r oquedisse no communicado,
relativamenteo cura do anourysma, e que oSr. Pinto
conlestou.
Se quizesse escrever como o Sr. Piulo, dira lain-
bem que nflo foi exacto em sua emenda; porque,
nflo sendo o assistente, nem visitando o doento se-
nao as conferencias, e quasi no lim do tratamento,
sendo eu que dirig o curativo, diz: queomal tece
de ceder ao Ii almenlo qae Ihe opposemos, a principio
com a intenrdo de o curar, e no fim com a de preparar
para a mesma operapio. Como he que O Sr Piulo cha-
ma a si a diroccffo, o descreve a historia sem ter as-
sistido ao tratamento desdo o principio?*
Va primeira conferencia fui de parecer, com os ou-
tros meus Ilustres collegas, que se lancasse inflo dos
metes que ou j liavia proscripto,dassangrias,glo
dieta tenue, 6;c., e que so nao se conseguase curar
lor este mcio, enlflo so empregaria a galvano-nunc-
tara,
Srs. lledactores. Percorrendo o Diario de quin-
ta-feira, 2 do corrente, com admiragfio deparci
com urna correspondencia assignada pelo Sr. Jos
Francisco Pinto Cu i maraes, na qual me lacha de
inexacto na observaeflo que publiquei ueste mosmo
Diario em o numero 167. Esta acensado julguei do
tanta monta, quo, nao obstante a repugnancia que
lenbo do entrar cm polmica com oSr. Pinto, atien-
tas asrclaciOesde amizado que entre nos exfstem,
nao pude deixar de responder o mosliar-lhe, que
prezo muito a ininlia honra eo meu crdito, para
publicar- factos que nflo estejam revestidos, de
todo criterio da verdade. Quando dei luz 'aquella
observaefio, nflo tive oulro lim senflo levar ao conhe-
cimento do publico um facto, que, por muito extra-
ordinario c de urna immensa importancia pola sua
rardade, mereca aercondecido; porque, nflo exia-
tindo muitas observacoos de grandes nneurvsmas
curados por aquello methodo, era do minba obriga-
c.loexpora histeria e o tratamento seguido, para
quo outros collegas om semellwnlcso omprogasscni
com mais conlianca. Sou o primeira a confessar, que,
nao leudo tomado notas diarias acerca da molestia
do Sr. Poljcarpo, poda acontecer escaparem-nie al-
guuias pequeas circumstancias, ou enganar-me no
da quo sobroveio alguma niuuaiica na molestia;
mas do corto me nflo enganei no essencial da obser-
vaco, o se bouve inexactulflo em dizer que o Sr.
Polyearpo nflo quiz subjoitar-se a operaeflo, ella Ib i
dovida ao Sr. Pinto, que, sendo convidauo jiara ver o
doento por consollio meu, o teudo-o visitado nos l-
timos lempos em meus impedimentos, nao quiz par-
ticipar-ine essa oceurrencia, nflo obstante ser cu o
asistente- e lainbem ao Sr. Polyearpo, que depois
da segunda conferencia manou-nio chamar
mullas vezos
por
llSo
gaivano-piinc
para o que maullara vir una pilha apropriada
de Pars. tem so v, que, leudo de mandar buscar
em Franca urna pilha para oslo lim, nflo poda ser de
opinifioque se praticasseagalvano-puiiclura na mes-
ma occasiflo, como quor dar a entender o Sr. Pinto
Quiz tambem provar o Sr. Pinto que o aneurysma do
Sr. Polyearpo tinha sido inflammatorio, poique be
geralmenleadmitlido, nessescasos, que a conlusUo
obra mais dilacerando as membranas, alterando a
sua textura, e produzindo o aneurysma pelooffoito
physico, do que pela inllaminaco consecutiva A
terceira rasflo.Tui dizer o Sr. Pinto : pela exasperaedo
da doenca com o uso do{&*glo e sua rpida cura com
o tratamento anliphtogistico sedativo ou calmante lo"o
que aquello foi suspendido. Noste teiceiro argumen-
to, quo produzio o Sr. Piulo para provar a natureza
inllammaloria do aneurysma, cabio em urna contra-
diccao manifesla: leudo dito ao principio, que con-
cordou em seempregar primeiramente o tratamento an-
tiphlogislico, (sanguesugat, sangras, fj^glo, e/c.;nflo
quer depois considerar o gelo como anliphlogistico
nflo obstante Broussais, quo, eomquanto livesso o ce-
rebro bastante irritado, para ver iullammacoes por
toda a paile, e que o Sr. Pinto citou em sou apote
nao deixasso de acouselliar o golo ; mas nesla parte
o Sr. Pinto aparlou-se dadoulrina do citado autor,
c quiz que o gelo Tosse excitante c auliphlogistico ao
mesmo lempo. A'visla disto, creio queoSr. Pinto
deixou-se preoecupar, por ter nterpreladq mal o
sentido das minhas palavraa, e por isso quiz comba-
ler-me sem rasllo, e sustenta que o gelo exacerbou
a molestia, porque eu havia dilo que tinha sido o
principal agente da cura. Pois a dr quo natural-
mente produz o glo, oque eu relat! na observa-
eflo, he urna exacerbado da molestia i' A diminuicao
do impulso das palpilacOes, a maior dureza do tu-
mor nao bo urna nielbora, posto que nflo se devesse
aogelo? Quando se Taz a injeceflo do um liquido
denlro dacavidado tnica vaginal, para curar urna
hydrocello, a dOrqueapparece emeonsequencia do
Contacto do liquido sobre a serosa he uina exaspe-
raffio da molestia A indammacSo consecutiva no-
Cessara para fazer adherir as duasfolhas da mem-
brana, he ummalp No tratumenlo do aneurysma os
antipblogislicos, que se coste mam empregar, nflo
teem por lim combaler a inllammagao imaginaria
com raras excepces, mas com a sangra quer-sc di-
minuir massa Uosangue eo calor, tornar o impul-
so do coraeflo mais fraco, o repouso favorecer a ex-
lagn(8o do sanguc no tumor, a dieta tirar o princi-
pal agento da reparacao do sangue e do calor, e com
o fri causar nos vasos um embaraco no mov mente
dos glbulos sanguneos, como urna ai terile: diz que
,e inclina a ora", que fosse pelas rostes seguinles: 1 .o, por
urna especie defebre que sempre notou no Sr. do'enle
excessivas dores que experimntala no tumor, e exlremi-
dade inferior correspondente,en/ilti(ico desta mesma ex-
Iremidade, etc. Permilla-uie que nao parlilhu o seu
modo de pensar, eomquanto apoiado cm Ibeorias dos
autores respeitaveis. Pens quo a nflammacaoem
qualquer orgflo ou teciuo podo causar-Ibes taos
modilieacOes, que os predisponbain a conlrahir qual-
quer molestia, produzir diversas alteracOes o at
degenerecencias mas querer ludo explicar por
mel da iiifiaminaciio, hecousa.de que boje ninguem
se lembra; e applicando ao caso actual, lembro ao
Sr. Pinto, que, quando vio o doento ao principio, ail-
los de entrar em lialameiilo, nao exista esta especie
de Cebra, a dr no tumor e no raembro ora modera-
da, o a enliltraiao era a consequencia necessaria da
compressflo uos >usos na passagom da verilha, o que
anda hoja existo om pequeo grao, por ter diminui-
do o volumo do tumor, mas existir o ncleo, que
embarace livrecirculando dos lquidos iiomein-
bro, dovendo atlribuir-.se a dr que sentia ao princi-
pio a comprussflo dos ervos pelo tumor, e a dcslen-
jfio do mosmo, e depois a aceflo do fri do'glo, quo
causa dores insuppoi lavis, o que por isso muilos
doentes o abaudonam, e lodos os autores concordain
em mandar suspcud-lo por momentos para mitigar
os padecimentos dos doentes, o ltimamente a reac-
c.io, queappareceu cm consequencia da suspeusao
do Trio ; foi este o motivo de eu dizer na observaeflo,
que nao lena obtido senielbante resultado, se o Sr.
ontts no mesmo lugar, onde se desenvolveu o tumor aneu-
<">Jsmalico, etc. OSr. Pinto enganou-so em ntlribuir
a urna contusflo, porque o doente nunca confessou
ter soffrido alguma violencia sobre a verilha; e tanto
assim foi, quo o Sr. Pinto na primeira conferencia,
nifo podondo atinar com a causa, inclinava-se a cror
quo o vicio escurbut'co linha sido a causa do amol-
lecimento das membranas da arteria, o propoz O ja-
ropo anti-escorbutico, molestia esta que est mul-
lo longe de sor inflammatoria; o quando mesmo
houvesse cstcgolpo no lugar, nflo era urna rasflopara
crcr-se a natureza as experiencias do Hunler 6 de
Mr. Poiseuille. Ura, nflo se conseguindo a cura dos
aneurysmas senflo pela obliteradlo dos vasos dila-
tados, claro est, que quanlo menor Cor a quant ida-
de do sanguc que circular o impulso qu" o fizer gy-
rar, e mais forte o meio de obstar-lhe o curso, c ao
mesmo tompo favorecer a formaeflo dos coalbos,
melhorser o Iratamento; assim fosse ello sempre
seguido de bom resultado. O Sr. Polyearpo foi bas-
tante sangrado, applieou gClo sobro o lumor, con-
servou-se em dieta muito tenue porespaco de inez
o meio pouco mais ou menos, e com este tratamento
formaram-se coalbos dosanguo dentro do tumor,
antes de desapparocer completamente a circulacflo,
como observou o S7. Pinto no dia 21 de maio, e que
quiz altrihuir ao augmento do tumor, nflo obstante
eu o adiar mais baixo, c ter dito aos Srs. Antonio
l.uiz e Antonio Goncalvcs, que tinha muitas espo-
rancas de salvar o Sr. Polyearpo, vista daquelle
estado: verdade he que ne'ssa occasiflo j se havia
suspendido o uso do gelo/e que a reaccffo proveni-
ente da suspeusflo do fri, como ordinariamente
acontece, tinha j appareciilo, o causado urnaIrrita-
gflo no sacco ancurysmalico, e uina dAr intensa em
toda peina ; mas esta reacflo s servio de acabar
de completar a obliteraeflo da arteria, fazendo aecu-
miilar novas carnadas de febrina sobre aquellas que
j existiam, o toroaram a circulacflo diflicultosa,
como se observava antes da suspensilo do glo. Todo
esto tratamento sendo empregado ao mesmo lempo,
como so pode separar a parle que teve o tralamcn-
to debilitante da do glo, como fez o Sr. Pinto ?
E que nflo salisfeito com esta istiuccfln, quiz cha-
mar a si a gloria da cura, quando cabe a Indos ; mas
que Ihe cedo a minha parte, nflo Ihe permitlindo
porm quo julgue ter obtido do linimento com mor-
phina com que mandn fomentar a perna para cal-
mar a dr, ((liando eu ja liavia feito, cinprcgando-a
pelo methodo endermico; assim como a applica(flo
das bichas no anos, o a agoa de louro cerejo em be-
bida ; pudendo apenas aquellas servirom de benefi-
cio na cura, o o mais como meios palliativos. Uina
outra injuslica do Sr, Pinto foi rcbaixar agalvano-
punctura, quando foi o mesmo que instou coinmi-
go para a por cm exocuQflo, dizendo-mo queexperi-
mentasse com esta mesma pilha que aqu exista,
urna voz que nflo havia lempo de esperar pola que
devia chegar da Europa, e isto depois da segunda
conferencia, por se nflo querer subjeitar laqueaeflo
o Sr. doente; o para melhor formar o seu juizo a
respailo, oSr. Pinto pedio-me as gazotas medicas de
Paris, em que viirlium as observages do emprego
da galvano-punclura no tratamento dos aneurysmas,
o que lliefranqueci com prazer. OSr. Piulo, tendo
lido diversos casos de cura, e apenas alguna revezos,
disse-mo quo julgava esta questflo estar naordom
(lalilhotripsia para com a lalha, isto he, que a gal-
vano-punclura Ihe pareca uina operaeflo do mui
grande importancia,mus quo, emquantos nflo aper-
leicoasseni os meios, nflo julgava applieavej em to-
dos os casos, o que a ligadura abrangia a maior par-
lo, mas que assim mesmo nflo repugnara empregar
naquella ciroumstancia, Este juizo he digno dovor-
dadeiro practico que o emitlioro eu o partilho com-
Dec taraces.
plutaineiitc. A'vista do quo lenbo expendido, julgo
lor provado (|ue nflo fui inexacto na observagflo,
nem tive intencflo, com aquella punlicaeflo, de des-
acreditar alguem ; ese combato aqui asopiniesdo
Sr. Pinto, he porque, tondo-mo chamado discussflo
nflo podia deixar de aceitar; e ao mesmo lempo qu
sou o primeira a fazcr-lhc a devida justica, que mo-
recc como dislincto facultativo.
De niuitos outros pontos da questflo que suscilou
o Sr. Pinte poderia tratar ; mas, os considerando de
pouca importancia, nflo lomarei o Irabalho de dis-
cut-tes para nflo tornar mais extensa esta minha
resposta, j bastante fastidiosa. Rescrvo-me para
dizer mais alguma cousa, se lor a issocompellido
por qualquer contestaQflo que o Sr. Pinto se digno
dar. Espero quo o Sr. Pinto recebar esta resposta
com a mesma benevolencia com quo acoln as suas
refloxos. Queirain por obsequi, Srs. Itedacloros,
dar publicidade a estas minhas obsorvaces, com
quo muito obrigarflo ao seu assignanle
Dr. Judo terrena da Silva.
Itccifo, 6 de selembro de 18*7.
i.0 administrador da mesa da recobedoria do
rendas geracs internas avisa aos collectados pelo
imposto de caixeiros est'angeiros dos bairros do
Santo-Antonio e llo-Vista, para virom pagar o q0
estivercm a dever do dilo imposto, do anno proxL
mo (indo, al o ultimo do corrente tocz, sob pen4
de se proceder cobranza execulivamento.
Recebedoria, 1* de setombro de 18*7.
Francisco Xavier Cavalcante de Albuquerque.
Lista geral das cartas existentes na administrado do
coneio, entradas em todo o mesdeagosto de 18*7.
(Continuacflodo n. 203.)
Joanna Eduardo Portella, Joflo Almeida, Joilo An-
tonio Lopes C., Joflo Uaplisfa Rocha,. Jofio Costa Tor-
res, Joflo Cruz Pinheiro, Jofl Cypriano llnngel, Joo
!)ias Cunha, 3oflo Ferreiru Rarboza, Joo Kerreira
Santos, Joflo Francisco ItaziKo C, Joflo Jos Ma-
ra, Joflo I.uiz Oliveira F., Joflo Lopes Silva, Joflo
Luiz Riboiro, Joflo Luiz Salgado, Joflo MariaFerrei-
ra, Joflo Magalhflos, Joflo Slartins Goncalvcs, Joflo
Mostr, Joflo Molta Rotollio, Joflo Oliveira Guimn-
rfles, Joflo Pereira, Joflo Paulo Maciel M., Joflo Peres
Almeida L., Joflo Pedro Rocha, Joflo Querino Aguilar
Joflo Riboiro Gomes, Joflo Silva Le te, Joflo Smiles,'
Joflo Souza Molta, Joflo Vasques, Joflo Venancio Ma-
chado V., Josc Alvos Roncas, Jos Alvos Cunha, Jos
Antonio Alvos llrito, Jos Antonio Alves Neiva, Jos
Antonio Ferreira, Jos Antonio Costa, Jos Antonio
Costa S, Jos Antonio S Guinarflos, Jos* Alves 0-
liveira, Jos Rorgcs Das, Jos Cactano Carvalho
Jos Cardoso Silva, Jos Caetano Morera, Jos Ca-
valcante Fon tes, Jos Cunha, Jos Das Carmo, Jos
Faustino Lemos, Jos Francisco Santos B., JosFer-
nandes, Jos Ferreira Fon tes, Jos Francisco Araujo
GuimarTes, Jos Francisco Praga Jos Francisco
Dores, Jos Francisco Estevcs, Jos Gomes Haptisla,
Jos Gomes Silva, Jos Goncalvcs Ruarle, Jos Gon-
galves Faria, JosGoncalves, Jos llenrique de C&
valho, Jos Joaquim Carvalho V., Jos Joaquim Li-
ma Bairflo, Jos Joaquim Moracs C, Jos Luiz Fer-
nandes, Jos Luiz Ferreira, Jos Maya, Jos Martina
Ayres, Jos Marlins Santos, Jos Mendos Almeida,
Jos Montciro Almeida, Jos Oliveira Lcssa, Jos
Pinto Barros, Jos Ramos Conceicflo, Jos Ribeiro
Pontes, Jos Rodrigues Andrade, Jos Rodrigues Ai-
roso, Jos Rodrigues Pinheiro, Jos Souza Jos
Souza Bclchior, Jos Souza Piulo, Jos Zelirno Sil-
ve ra.
Lambert, Lima Jnior, Luiz Antonio Goncalves,
Laurcntino Antonio P. Carvalho, Leonardo Rocha,
Luiz Carlos Maccdo, Luiz Joaquim Silva, Luiz Mo-
rera CarValho.
Margarda Jess, Mariana Dorolhea, Maria Carmo,
Mara Eugenia C. Gomes Mara Roza Jess Mar-
cellino llcnrquo Pereira, Marcellino Jos Galvflo,
Miguel Goncalvcs Brilo, Miguel Martina Cavalcanli
R., Miguel Pereira Leal, Manoel Souza Silva, Ma*
noel Teixoira.
Narcizo Antonio Oliveira.
Placido Santos Magalhfles.
Roza Maria Uozario, Rczendo Ferreira Silva.
Severino Alves Carvalho, Scrafim Gongalvcs F. J-
nior, Cypriano Madeira.
Theotonio Flix, Thomaz Dionisio C, Theotono
Flix Mello, Tertuliano Costa Pinheiro.
Umbelino Tiberio Silva.
W. Cocks, VV. Toggs.
Vicente Goncalves Ribeiro, Victorino A Rocha,
Victorino Pereira.
COMMEftCIO.
ga.
Aifuutie
RE.NDI.Mi:.\TO DO DIA 15........... 8:*97
Dcscarregum hoje, 16.
Rrigue -- Pedro I Tumo.
Patacho Ksperanca abito.
Rriguo Yarmoulh ferro o barricas vasias.
Consulado.
RENDIMEiVCO DO DIA 15.
Cera I. .
Diversas
irovincias.
2:561,0*5
30*,2*9
2:865,29*
Contratos a celebrarem-se com a thesouraria das rendas
provinciaes no corrente me: de selembro.
DIA 25.
Oda continuaeflo da obra do caes do Ramos, ava-
hada cm ris 7:182,000. Os trbateos Tar-se-hflo
deconCormidadecomosrisco.se ornamentos j ap-
provados; cncetar-sc-hflo dous mezes depois do va-
lidado o contrate, e fiular-sc-hflo ao cabo de seis
mezes. O pagamento realisar-se-ha na Corma do
disposto no artigo 15 do regulamcnlo das arrcmala-
gOes. 0 prazo de rcaponsabilidade ser do um au-
no. Fixar-sc, emfim, o contrato com aquello dos
concurrentes que por menor prego se comiiromcllcr
a Cazcra obra.
DIA 30.
Odoestabcleeimcnlo de una linha do mnibus,
quo, na Corma da Ici provincial n. 191, Cacilitoo
transporte desta cidade a qualquer dos seus arrabal-
dos e de Olnda.
Apprehensdo feila pela polica.
A 7 dcsto mez foi apprehendido pela subdelegada
da Roa-Vista um ravallo pequeo. Ser entregue
a quem qur que der os signacs cerls delle.
Pii blicrea Ltterarias.
PORTUGAL.
RecordacSes do anno de 18*2, pelo principe I.ichnonsky,
tradusido do allemdo segunda edico correcta e en-
notada.
O consumo rpido da primeira edigflo e a sua
procura por muitas pessoas que ficaram sem ella ,
induzio o traductor rcimpressflo d'esta obra cu-
riosa, que conten a apreciagflo dos caracteres mais
nolaveis do poiz, dos seus acontccimeiitos polti-
cos, monumentos e lugares principacs foita por
esse principe priissiauo, que all vajou no anno
rilado, lisia interessante obra, que contm 220 pa-
ginas vondo-sc por 1,000 rs., na ra da Cruz n.
7, segundo andar.
para perguntar se julgava que
succunibina das consequencias da
quo sempre Ihe respond que a
Mitori2roV^rteWS^!i?,,i ^f^wn-inutepwprovar a natureza .ullammatoria
tu ue viua ou moitt su decidira em poucos das; e| mc-se pela forte contusa que ellesoffrra algum lempo
la laqucagflo, ao Polycuri o, com constancia pouco nalural,iiao livesso
ligadura ora o meio | supportao o Iraluincnlo. A segunda rasflo do Sr
, mas quo a sua sentn- i Pinto para provar
.ISmiitieiilo do l*orto
Navio entrado no dia 15.
Ro-de-Janeiro e Babia ; 1* dias, c do ultimo porto 3,
paquete uigl.cz l'enguin, connnaiidaiile Sevainson.
A'aiioi sabidos no mesmo dia.
Macei e Baha ; brigue do guerra brasileo Canope,
commandante o captflo-teneute Elizario Antonio
dos Santos.
Pa rali iba ; hiute brasileiro Conoeicdo-Flor-das-Virlu-
des, capitflo Elias do Rozario,' carga faz-ndas c
mais gneros.,
(Jbservacdo.
Enlrou para o Mosqueiro obligue inglez Olinda
capitflo Henry Thompson, que linba Tundeado no
Lumen.lo a 13do corrente.
'Prospecto.
Um resumo da historia do Brasil, que pelo seu
prego possa chegar classe menos abastada do nos-
so paiz, e que igualmente sirva para a leitura dos
meninos as escolas de instrucgflo primara; eis a
empreza que tomou sobre seus debis hombros o
professor publico Salvador llenrique de Albu-
querque.
Sea importancia da obra excede a capacidad
do autor, venceu esta difiiculdado o desejo que elle
nutre de ser til ao seu paiz; e he indubitavel que
anda que elle nflo desempenhe cabalmente a trela
de que se encarregou, todava o seu Irabalho sempre
sera de alguma ulilidado.
O resumo de que se trata, alm de contero mais
nteressanto da uossa historia, vai intermediado por
bellas estancias do poema Caramur composi-
gflodo nosso patricio Fr. Jos de Santa Rita Durflo;
c para darnios una ideia da cscolha que o autor
do resumo fez das estancias do poema, citaremos
a seguinte, collocada no lugar cm que trata da mu-
MUTILADO I


Canga do nomo de Ierra da- *~!gA
seu descubridor -- Cabral, para o uo
... Terra, porm. depois chamou *&
Do Bra.il nao da CY., porquea.l. aluda .
IVutro leuho as Untas exce lente,
Selembranie,.o.do,ueofoldavlda.
AMlm ,,a o.norial o bem presente.
Aishn o noine esq.iece que o convida
Aos interesse,s da futura gloria,
Aos bens atiento s da transitoria.
Este resumo leva no fin qualro ndices chro-
nologicos; umdos res de Portugal, desde D. Alfonso
llcnriquescmtl28alD. Jo.lo VI; outro dos gover-
nadores-geraes e vice-reis do Brasil, desde Thom
dcSouza ein 1549 t D. Marcos de Noronha e Itrito
em 1808; outro dos papas desde Alexandre VI em
1492 at o SS. padre rio IX, que actual e felizmente
. .! i i i-i i mot i i> ii.i. iiuniii ii -irpt.k wnne itn
ItltlSII, w --------------V ------i-------------t r--------
rem, as datas em quo estes Ibram creados e aquel
les nomoados, etc.
Alm disto, acham-se tambem dotis mappas est
. na ra de Hortas, n. 28.
Perdeu-se. na tarde do dia i* do corrente da
praca da Boa-Vista aoCiqui, indo polo Aterro-dos-
" P_1_J__ ..^-____*-I__.....I.....L. ,1 rnl,: ,,,.,,. A
Alm disto, acham-se tambem dous mappas esta f">v '""-"" """" "T- '"""-
autor que ser a mus limpa possivel, em milito bom generosamente recompensado.
rerdeu-se, o*"'*
papel eem formato de oitavo francez.
Assigna-se para esta obra as livrarias dos Srs.
Fi"ueira, nn praca da Independencia, e Dr. Couti-
nho, esquina defronte do Collegio, na ra da Cadeia
do llecife, loja do Sr. Carduzo Ayics; eemOlinda,
ra do Matbias Ferreia, em casa do inesmo autor.
0 preco de cada assignatura ser tres mil ris
pagos a o receber a obra.
visus martimos.
Aluga-se urna harcaca que pega do 10 a 20 cai-
xasde assucar: quein tver anntincie.
__Saho para Loanda, no dia 2* do corrento im-
nretcrvolinonto, o brguc portuguez Hoza, de quo he
capito Jos Francisco da Cosa Bxo : para o resto
da carga niuda ou passageiros, trala-se eoln o mes-
mo en pilSo, ou com os sous consignatarios, Francis-
co SeverUno Babello &Filho, no larga da Assenibla
Provincial.
Para a Babia sabir, imprcterivclmento no dia
16 do corrente, o hiato l'lor-do-Recife: quem quizer
ir do passagem, dirija-se a ra do Vigario, n. 5.
Para o Aracaty lem de seguir viagem, al o dia
24 do corrente, o hiatc Noio-Olinda, por j ter gran-
de parte do seu carregamento proni|rta: os mais
pretendontes a carregarem se cntenderflo com o
mostr do mesmo, Antonio JosVianna, no Trapi-
che-Novo.
Para o Hio-Crande-do-Sul tenciona sabir breve
o briguc Mercantil; pode receber alguma carga, as-
sim como escravos c passageiros : quem no mesmo
quizer cai'rcgnr podo cntender-se com Amorim li-
maos, ra da Cadeia, n. 43.
Para o Uio-Grandc-do-Sul o Porto-Alogre pre-
deen sabir em poucos dias o briguc Flor-do-Sul, o
qual recebe nicamente escravos a frete : quem pre-
tender pode entender-sc com Amorim Irmflos, ra
da Cadeia, n. 45.
Para a Babia sabe com milita brevi.ladc a su-
maca l'lor-do-Angelim: para carga e passageiros,
lrata-se com o mestre, Bernardo do Souza, ou com
l.uiz Jos de S Araujo, na ra da Cruz, n. 26.
Para o Ass a barca nacional Tentativa-Fei* est
a sabir al o dia 25 do concille: para carga ou passa-
geiros, para oque lem osmelbores commodosj tra-
ta-sc com Silva & Grillo, na ra da Moeda, n. 11.
Para o Rio-de-Janeiro sabir com a niaior bre-
vidade possivel o briguc Kero; recebe carga o escra-
vos a frele : quotn pretender qualquer das cousas,
enlenda-se com Leopoldo Jos da Costa Araujo, na
ra da Moeda, 11. 7.
Jesdc a l'asssgcm-da-
.. Magdalena at o beoco do Capim no
Kecife, imi mllio com cinco chaves ,
sendo nina maior qne as ontras: quem
o tiver adiado e quizer restituio-lo di-
rija-se a rna da Cadeia do Uecifc, n. 57,
que ser generosamente graliicado.
- Dito-sc 500,000 rs. a juros sobre hypotheca em
urna morada de casa para so morar, Picando os ju-
ros pelo o aluguel, sendo a dita casa nos palcos do
Carmo, S.-Pedro Paraizo l.ivramenlo ras das
Crtizcs, Rangel, Trincbciras e l.arangeiras quem
quizer annuncie.
~ O secretario da irmandadode N. S. do Rozario
do bairro da Boa-Vista, segundo o estatuido no com-
promiso convdanos irmaos para compareeereni
no dia 21 do corrento pelas 7 horas da manbila, na
dila igreja paraos votos da nova mesa.
-- Jos Antonio Ribeiro relira-sc para fura da pro-
vincia. r
Aluga-se un armazem atrs do thea-
tro excellente para oflicina de inaicc-
neiro, ou para outra qualquer oceupa-
cao, por ser gran de : a tralar na na do
( respo loja n. 15,
Guimaraes.
Leilac.
--- O correlor Olivera far leilflo de ptima mobi-
lia, consislindo em cadeiras, consolos, sofs, mesas,
Icito do ferro, guarda-vestidos, almarios, um lindo
piano inglcz, quudrns riquissimos, loucas, vidros,
iitensiiios de cozinha, algunas obras de prata, e
muitosoutros objeclos : boje, 16 do corrente, as 10
'oras da mifnhfla, na ra do Trapiche-Novo, casa
n. 8, segundo andar.
Avisos diversos.
LOTiKlA DOTIK/vTIU).
As rodas desla lotera nflo poderam ter andamento
no dia 13 do corrente, para esso fim marcado, por-
que a vonda do reslo dos bilhetes que existem, qua-
si que se tem conservado parausada. Comporto de
metade do capital da lotera em ser, nflo be possivel
fazer andaras respectivas rodas, c por isto o llie-
soureiro designa novamcnlo o da Io dcoutuhro maos .. nrensas para a dita.
prximo futuro para o referido andamento cuja "' Pa*0] 0ara
lealisacilo mais de una vez se tem affirmado que
s depende da completa venda dos bijhotcs, sem a
(|ual nilo pode a lotera correr.
l'ermiita-se um pequeo sitio, ni .li-
to prximo matriz da .Vanea, c ao rio
Capiliaribc com casa d vivtnda que
conle'in (las salas, quatro qualtose es-
tribara, con limitas uivores lYticiiLras,
e tima baixa, por urna casa terrea nesta
quem o faz.
__joao Francisco Barboza Cordeiro va para o
OLIDADORN. 216,
acha-se venda descreve minimciosamente os a-
conlecimentos do baile dos artistas, e as violencias
contra o voto do cdadSo.
D Maria Magdalena l'opp da Sil-
va, viuva-dc Jos Antonio Al ves da Sil-
v.', de accordo com os demais berdeiros
desle, tem resolvido continuar as mes
mas relacoes coinmcrciaesque tinba o fi-
nado, sob a firma Viuva Alves da Sil-
va & Filhos sendo socio gerente seu
genro, o bacbarel Francisco Joao Carnei-
ro da Cunba.
Joaqum Francisco l.ima, Portuguez, relira-se
para o Ro-Grande-do-Sul.
Offeicie-se una muiher forra para ama de ca-
re.ua -e outro H.ia muiiUs dus bspos e arcebispos do ,,,ce-se una mu ner lorra pn.a .., ue t-
Perdeu-so um instrumento docirurgia a qu
chamam trcate : quem o tiver adiado o quizer rus
tilur, o poder entregar na ra Nova, loja do ferra-
gens do Jos Pereira Toiieira, onde, se dir a quem
portenco, e se (loar muio agradecido.
iiein precisar de um bom coznihcro que lio
perito em sua arte dirija-se a ra Vellia, n. 31.
Atrs do theatro publico, da parle da mar*, ha
tuna coclieraem quo se traa muitobom de cavallos,
do todas as pessoas do malto quo venham a praca
Unibem ha bous cavallos para sealugar.
Jos Gomes Leal, como procurador do Icnonte-
coronel Lourenco Dantas Correia de Ges, da pro-
vincia da Parabiba, embarca para oRo-do-Janoro,
o seu escravo pardo, do nomo Candido.
Pordcu-scuma carleira do algibeira, com al-
guna instrumentos de cirurgia algumas cdulas
miudas e varios papis: quem a restituir nesta typo-
grapbia onde, alm da quantia que contmba, recc-
uer uuira igu! graticHV'u.
5. de A. da Cunba S.
Fuvto.
Furlaram na noite do dia 14 para 15 do corrente,
do copiar da casa n. 8, da ra do Sebo, duas tea-
Ibas de madapalo, duas ditas de bnm urna1 dita
do algodnozinbo trancado, unas com a marca 111) I
e as outras IIP, um chapeo prcto, 4 frangos e urna
gallinha preta. Roga-sc a qualquer pessoa que for
olTerecido qualquer desles objectos. que o appre-
henda : bem como a quem descobrir o aulor, que
avise na mesma casa, ou 110 Aterro-da-ltoa-Vista ,
n. 14, que se gratificar. Promclte-se guardar sc-
gredo
Fibrict de machiiins e fundi-
yao de ferro na ra Briim, no llecife.
McCallum&Companbia, engenheiros machinis-
las c Tundidores de ferro, mui respcitosamcnte an-
nunciam aos Srs. proprictarios de engenhos fazen-
deiros, negociantes, fabricantes c ao rcspeitavcl
publico, que o seu estabeleciinento do Ierro, mo-
vido por machina de vapor, se acha em elleclivo
oxercicio, e completamente montado com appare-
Ihos de primeira qualidade para a perreila coniec-
efio das maiores pecas do machinismo.
Habilitados para cmprchenderquiiesquer obras ua
sua arte Me Callum & Companlua desejam mais
particularmente chamara attencilo publica paia as
seguintes porserem ellas da maior extracciio nesia
provincia, as quaes construidas na sua fabrica po-
demeompotircmasrabricadasem paz esirangei-
ro tanto em proco como na qualidade das materias
drimas e mlo dobra, a saber :
Machinas do vapor.
Mocndasdecannaspar engenhos movidas a va-
por, poragoa, 011 animacs.
Rodas d'agoa e serraras.
Manejos inilependentcs para cavallos.
Rodas dentadas.
AguilhOes, brohzese chumaceiras.
CavilhOes o parafusos (Ib todos os taannos.
Taixas, irivos e boceas de fornalha.
Moinhos de mandioca movidos a mfo 011 por ani-
_ igual gratiiicHi,''
~ No dia 5 do corrente mez, pelas horas do dia,
desencamnhou-so da ra de S.-Francisco um me-
nino croulo, de noine Saturnino, de 10 a 12 anuos,
cheiodo corpo bocea grande, beicos finos; quan-
do falla pestaneja bastante; levou camisa de 111a-
dapollo, o calcas de casimira J rolas c curtas. I.s-
tc menino em pequeo padecou de ar de vento, do
que anda hoje he aflectado. Quem o pegar leve a rc-
linac'in do pateo do Hospital.
Tiapassa-sc a loja da ra do Queinfado 11. 18,
com as fazendas ou smente com a annacilo a
tratar na nusma loja.
Precisa-se de urna ama que salba bem co/.inhar,
para ser umpregada nesse nico servieo em iN.-S.-
do-Tercn, n. 16.
CASA DE MODAS FRANCF./.AS.
Hundo Alrri-o-da-Boa-Pista, n. 1, primeiro andar.
M. Millochau,
tem a honra de participar a suas freguezas, que
acaba de receber um bonito soi ti monto do modas ,
bem como : cortes de vestido do melhor gosto de
giiimgomp, cambraias, Harenes garcas tle seda e
ueUlaedc casamentos; collarinhoa o cainislnhas
ile cambiaia ede lil; eaboc.Oes bordados, muilo
ricos ; bicos de blondo; chapeos para senhoia, de se-
lla crep luco, ele. ; ditos do pllha de todas as
qualidades declina de arroz, de Italia de pa-
Iha aborta c lisa ; ditos para meninos e meninas de
palhada Italia lisos o enfeilados ; bonetes de dita
para meninos de 2 a 10 anuos ; toucas para bailes;
lencos de cambraia de linho, bordados o lisos ; lu-
vas de malla aborta ; fitas para cintura e chapeos ;
capellas de laiangeira llores linas; guarnieres de
boles, novas para vestido : fil de seda e de linho
branco prcto e de lodas as qualidades ; crep; ren-
das ; bicos ; e mais fazendas que todas se vndenlo
por preco rasoavel.
Aluga-se urna casa no Montciro, a beira do rio
Capibaribo com duas salas, corredor ao meio e ou-
Iro ao lado 6 quartos, un dellcs tem pratelheiras e
serve de dispensa, cozinha f-ra, estribaria para dous
cavallos 11111 quario com tarimba para prelos, e ou-
tro quarto no fundo do quintal, quo ser?e para des-
pejo quintal murado : a halar no Aterm-da-Boa-
Vista 11. 37, lercciio andar.
POMMTEMJ, CTELEIKO NO ATF.RRO-DA-
BOA-VISTA,
lem a honra de avisar ao publico, que mudou o
seu eslabclcciuienlo da ra do Atcrro-ila-Boa-\ isla,
n. 5, para o sobrado novo, 11 16, da mesma ra.
Na sua loja semprc o publico achara como do eos-
tumo um grande sortimento de cutelc is finas c de
lodas as qualidades ; bem como pistolas de viageni,
carinas para caga. Contina a concertar todas as
qualidades de armas e ferragens e amla as quar-
las-feirasesabbados
-Furtaram.iia noite do dia 13 para 13 docoi ren-
te da estribara de Jos Marques Vianna um ca-
vallo de estribara com os signaos SCguintCS : ruco-
rodado ; levou estocada de sola com argola de
ferro o corda grossa.cabeca comprido e un lano
pellada ao p do olho ; lem um signal verinelho dc-
baixode una nio ; acha-se muilo gordo e beca-
vallo Taca. Quem o pegar leve a ra de S.-.\maro,
n. 10, que ser recompensado com 40,000 rs.
Aluga-so una casa terrea na ra Bella, com
duas salas, 3 quartos cozinha fra, quintal e ca-
cimba : a tratar na ra do Collegio, n. 15, segundo
andar.
Precisa-se do um Portuguez solleiro para lei-
torisar o servio de campo dando fiador a sua
conducta : na ra Nova, botica do Sr. Pinto.
Preesa-se de um rapaz le 14 a 16 annos para
caxcirodo venda, e que lenha pralica de negocio:
narua da Senzalla-Nova, n. 7, se dir quem prc-
cisa- ....
--Quem se julgar com dircitoa dous quarlaos ,
sendo um ruco o um nielado que foram pegados,
ambos com cangalhas, dirija-so a barrena da pon-
te da Magdalena, que, dando os signaes cortos, llie
seriio entregues.
Jos Fernandes Ribeiro faz scicnto ao arrema-
tante do consumo de ago'ardente que desde o da
c mo sedas, setns, velludos, fustes impressos c1 bor
dados, proprios para colloles ; urna completa eolioc
Cao de figurinos das modas as mais recontei1 OB
Paris. No mesmo estal.eleeimcnto so encontrara
sempre um grande sortimento do roupa eita para
todos os tamanhos, bonetes do velludo para aenlio-
ra proprios para montara 0 varios olectos 110
phantasia : ludo mo,!crno o da melhor qdi.
Preesa-se de um andar para pequea fami-
lia, em urna boa ra na Boa-Vista, ou S.-Antonio
a tratar na ra da Cadeia-Vclha, n. 52.
Aluga-se, parase passara festa, una casa ter-
rea, na ra de San-Francisco da cida.le do Ulinua,
qual he muilo pe.rto dos bauhos salgados : quem a
pretender falle naquella cidade com o esenvao oa
dcima, na ra do Boin-Successo.
Antonio Carlos Pereira de Burgos Ponco do
Len faz publico, que mudou a sua residoncia 11 a
ra Diroita. sobradon. ->. para a Solodadn. juno
da Cscala, do Exm. Sr. naro do itamaraca; porlan-
to quem com elle se quizer entender, dingir-se-na
ao dito sitio, 011 nesta praca a casa de seu procura
dnr, o Sr. Manuel Jos de S;int'Anna Araujo, na tra-
vessa do Sarapatel, sobrado n. 16.
Compras.
Cnmpra-se um sitio porto desta cidade, que le-
nha ar vores de fructo, culo valor nao exceda de
2:400,000 de rs ; ou permuta-se por duas casas ter-
reas na freguezia da Boa-Vista : os prelendentes
dirijam-so a ra do llozario da Boa-Vista casa n.
22. ou na Praca,11. 6
Conipram-sc meas garrafas o diversos frasqui-
iihosvasos : na na Nova, 11. 42. *
-Compra-se Tilo Litio, traduzdo ao p da let-
tra : quem tiver annuncie.
-Compra-se, 011 aluga-se nina canOa do condu-
cir agoa,que seja grande : na ra Nova, n. 42.
Comprani-sedous pranchoes do tres costados ,
qucsejamdcamarcllo, louro Oiticica cedro ou
pao-carga, anda que soja ni pedacos que lenliam
de 19 a 15 palmos : na ra do Queimado, 11. 18.
__Compra-seuma osciava moca de boa figura,
que saib CMiuliar 6 lavar, e llf0 lenlia vicio: agra-
dandopaga-se bem: na Boa-Vista, ra Vollia.n. i.
Quem a livor, dovo apparecer das II Uqras da 111a-
nhila s 3 da tardo. ^___
Fogeso fornos para cozinha.
Canos de ferro, torneiras de ferro o bronze.
Bombas para cacimbas e de repuxo.
Guindastes, guinchse macacos.
Prensas hydraulicas c de parafuso.
I'erragcns para navios, carros, obras publicas, ele.
Columnas, varandase grades.
Prensas de copiar cartas ede sellar.
Camas do ferro, ele.
Alm da perfccHo das'suas obras, Me Callum
.;oinpanhia garaitem a mais exacta conformidade
cornos moldes edesenhos remettdos pelos Srs. que
e Ulna UUIXil, liui urna iitaa imiii ui."i. com OS moiucs e ucsuiiiioa icmiiiiuua r-'""-" t.
cidade i volt ndo-se de u,a ou de ot.tra ^^^J^!^^^^\S^
parle o juc se convencional-: quem llie
lando a occasiao para agradecer aos seus benvolos
amigos o freguezesa preferencia com que tcem si-
ronvier este nrirncib, dirija se ra es- do por elles honrados, c assegurar-llies que n.10
conyei este 11 y j po'parao esforQos ncm diligencias para contii.ua-
l.ozano, n. 19, 01.de se dir .en'a merecer avsua confianga.
-- O novo proprietario da barca dos
Inflo Francisco llariioza i.onieiro voi paia u ', ;i.,i
ffar novn vSan-Sakador, levando em sua com- banhosten, a honra do fazer secn 0 ao respeta el
Cc?La!.no.v"?.- \.,"L ,i,. < 1 ,.i, e inflo. Diiblico nue sua barca se acha pintada de novo,
iiaiiba os seus escravos de nomes l.uiz e Joao.
-Il-so-um cont doris a premio sobre penlio-
res de o uro e prata 011 hypotheca en. casas terreas
em boas ras i na ra Dreila, n. 50,scdira quem da.
AVISO PARA AS PESSOAS QUF. TENGIONAM
SEGUIR VttGEM. .
Na ra do Rangel, sobrado n 9, continuare a ti-
rar passaportcs para dentro o fura do imperio, des-
pael.r-sc escravos e correr-se folhas, ludo con. bre-
vidade, e por preco muilo c minio commodo: do que
se tem dado exubcranle prova no decurso de seto
annos.
lldllllt'3 llalli ,,v,.,n xiv ..... > ..v.w...w .- ..-,----------------
publico que sua barca so acha pintada do novo,
c com 4 banheiros promptos com muilo asscio fal-
tando os das senhoras os quaes (cando promptos,
se annunciara por este jornal.
__Precisa-se alugar um sobrado de um andar,
as seguintes ras: Cadeia de S.-Antonio. Nova,
estreitac larga do Rozario, Collegio, Queimadoc
Cruzes : quem tiver annuncie.
-- Quem precisar de um rapaz brasileo, para cai-
xeiroderua, o qual tem pralica eda conhecimento
los pairos que lem tido dirija-se a ra da Ca-
deia-Velha do Recife, n. 41.
24 dejunlio prximo passado nao vende mais o
dito genero, como fez ver ao mesmo Sr. em o da
primeiro jullio, do que aprsenla testeniunhas.
I). Maria Claudina tle Jess Lima rolira-se para
lora da provincia levando em sua companhia urna
lilil, c dous filhos menores.
Precisa-se do um rapaz portuguez de 12 a 14
anuos, para caixeiro de urna loja distante desla
praca 6 a 7 legoas : na ra larga do Rozario. n. 22.
Aluga-so um primeiro andar do sobrado da
ra do Rangel defroiite da botica : a tratar na ra
do Cabug, loja de Joaqun. Jos da Costa Fajo/e.
-- Aluga-se, ou arrenda-so unta das mclhores ca-
sas doCaldeireiro, com quintal e cacimba de muilo
boa agoa de beber, con. cinco janellis de fenlo, sa-
la do frente e duas alrovas, gabinete com alcova, sa-
la de detrs com duus quartos e gabinete, junto SO
sitio do Sr. Jos lligino : tratase na ra do Queima-
do, 11. 37.
AOBOM TOM PARISIENSE.
RUA NOVA, N. 56-
Tem pe lie & C, alfaiale,
uem a honra de avisar ao respcitavel publico e
com especialidade aos seus freguezes que muda-
ra ni o seu estabeleciinento sito na ra Nova, n. 7,
para a mesma ra n. 56, onde contmuarao assi-
Iluos a servirem os seus antigos freguezes e aquel-
es que os quizeiem honrar Aproveitam esta oc-
casiflo para paiticiparem que se acham prvidos de
UUi bello sortimento de fazendas recentemcntochc-
gada* de Franca pelo ultimo navio como sejam :
pannos prelos e de cores para calcas ; casimiras-se-
-Vende-se um casal de mualos, de idadede 33 a
35 annos, e u molatfaho do 11 anuos, lodos uo
habilidades : na Roa-Vista, ruada GoncoiQao, n. 18.
SSSF. .
Vcndem-se barricas c meias barricas de larinha
SSSF de raii.inbo: no armazemdc Joaqum Lopes de
Almeid. caixeiro do Sr. Inflo Matheus, atraz do
theatro.
Medicina universal.
Pillas vegetaes de James Morison.
\ medicina vegetal universal he o resultado de 2o
annos de invesligacf>es do celebre James Morison.
Por meio tiestas pilulas conscguio seu autor inn-
meras e dmiraveis curas, desde as affccces que
atacam as enancas do peilo ate as molestias chro-
nicas do anciflo.
A Europa saudou este remedio como remedio uni-
versal para todas as doencas e ale boje anda nao
foi desmentido tal titulo.
Esta medicina vem acompanhada de urna receita
que ensina o facilita a sua Bpploac3b. Consiste'eni
tres preparacoes a saber : duas qualidades de pi-
llas distinctas por nmeros, o um p6 cada qual
goza de modoseaccOes diversas.
Aspilulas 11.I silo aperitivas; purgain sem abala
os humores biliosos e vicosos, e os cxpulsam com
eflicacia.
Asden. 2 cxpulsam com csses liumorcs, igual-
mente com grande forca os humores serosos, acres
o ptridos, de que o sangue se ada 11 muido infecta-
do; percorreni todas as parles do corpo, c so cessam
de obrar quando tccm'expulsado todas as impurezas.
A terceifa preparado consiste em una limonada
vegetal sedativa: lio aperitiva, temporanto e1 ado-
bante : torna-so em coinmuin com as pilulas e racili-
ta-lhes os melhoieseffeitos.
A posieflo social do Sr. Morison a sua fortuna in-
(lepcndenle repollcm toda a ideia de charlatanis-
mo ; cas admiraveis curas, operadas com o sou
svstema no collegio desande de Londres, sflo mais
nue garantes da ellicacia do seu remedio.
Hccoiniiionda-se esta medicina, que nflo pedo nom
resguardo de lempo, nein de poaioOo da parto do
doenlo a lodosos que atacados de molestias jul-
gadasincuraveis, se quizerein desengaar da sua
virtude. ., .. _
Oxal que ahumanidadefecbcos ouvidos aos in-
teressadoscm desacreditar estes remedios tao sim-
ples tito commodos e ISo verdeiros.
Vcndem-se smente em casa do nico e yerda-
deiroagenlc J. 0. Elster, na ra da Cadcia->elha ,
n.29. .
Fredeiico Chaves, abricante
de licores, chocolate c es-
pililos, no Aterro-cla-Boa-
Vista, 11. 17,
toma honra de participar ao respcitavel publico e
com parliciilaridade aos seus freguezes, que tem
semoro grande sortimento do bem conbecido cho-
colate dcsadc canella baunilha c ferruginoso,
este multo approvado para as pessoas que padecen
(Ineslamagoefrialdade, por ser muilo lomeo. O
loniconceilnquetcmlidoeste chocolate faz com
"hoje participe as pessoas que anda nflo f.zeram
uso defla, o igualmenteawieua freguezes, que o
leein procurado, e por inconvenientes o nao teetu
adiado. Os precos sflo sempre os n.esmos, saude ,
canella e baunilha a 400 rs. a libra, o ferruginoso,
a 1 000 rs. Tambem vende ago'ardente do reino o
Franca, de primeira qualidade; espirito do 36 graos,
sem chebo, em garrafal c em caadas; genebra
em botijas eem caadas ago'ardente de aniz e da
caima; vinagre tinto ago'ardente em pipas, nos)
graos que quizercm; licores em garrafas pretas o
brancas com ricas tarjas douradas c bocea pratea-
da : essencia de aniz em oncase garrafas.
Deposito de vinagre da fabrica
da ra Imperial, n. 7.
ua fabrica de licores, de Frederico Chaves, no Ater-
ro-da-lloa-V'ista, n. 17,' onde se adiar sempre
m
I
I


pannos prelos ede cores para calcas ; casimiras-se- ro-ua-m.-.., ... .., u..uo o .
tim ; dita elstica : ludo do ultimo gosto ; bem co-1 grande porcito e por preco commodo.
II !


f
^
I
...

I

I
/
4
rs*"?;
Ksto
Vendem-se dous prelos, um le servigo de cam-
po e oulro bom canoeiro ; umn parua milito pren-
dada : lodos se vendem por precisffo : no largo das
Cinco-Pontas,, ra Imperial, n. 3.
Vendem-se caixas do cha hysson de 13 libras,
cm porgOes ou a relallio ; caixas do velas de 08-
permacctcdeSc 6 em libra : na rua da Alfandcga-
Vclba n. 36, cm casa do Matlicus Austin & C.
]\a loja nova do Pas-
seo-PuWico,n.l7,
vcndein-so cortes de Claudias para vestido de senho-
s teem merecido geral aceitagfio cid I morrnagias. internas, como sanguc pela bocea, ou
fazenda he de 19a, porm muito lina e proveninente da bexiga, e sobretodo as hcmorrha-
ra os quaes
Lisboa, lista
de ricos padrOes os mais moderaos que teom ap-
parccido. K cites antes que se acabem porque s
custam o diminuto preco de8,000 rs. Igualmente ha
urna porgfio de cortes de colletes de velludo de cores
o de bonitos padrOes, a 2,500 rs. o c-i te ; hem como
um rosto de cortes de cassa de cores, a 2,000 rs.
A I^OOO rs.
As melhores luvas de pellica brancas e elsticas :
na ra larga do Hozarlo, n. 94.
Casimiras elaslieas, a P#00 rs.
o covado.
Vendeni-sc superiores casimiras elsticas, pilo
barato precede 1,000 rs. o covado; (lilas muito li-
nas, lYaricezas a 1,280 rs. o ovado ; dita de su-
prior qualidade clstica, muiloflna, c preU, a
.1,300 rs. o covado : na ra do Colleglo loja n. 1.
p5 Na ra doSarapali'l, sobrado n. 16,\eude-sc I &
)A casal de escravos do servigo ilc campo, por ;;
-- 800/rs.,aprctalauibem lio lavadoira o vendo- g
S dcira;e por 300/rs. um preto do servico de jfj
C ca"ipo. -^
Vcndem-so d/ias canoas de cancha quasi no-
vas ; um scllim juna montarla de senliora; urna
espingarda do dous canos ;e difieren les cascos va-
stos : na ruada Svuzalla-Vellia, 11. 110.
(renles r.rtigos mui circumstanciadamente.
singular medicamento he verdaderamente especi-
fico eiriTallivel no curativo de todas as feridas, sc-
jam ellas pelo instrumento cortante, sejam por ar-
mas de fogo, ou provenientes de queimadnrss.
Quaesqucr que sejam os accidentes que as com-
pliquem, todos elles desappareeem cotn summa fa-
cilidade, ssrando a frula dentro de poneos tlias sem
suporacffo, sem inflammagfio esomdor. /Anda que
baja perda do substancia e ferimentos das mais con-
sideravois arterias, cimo a cartida ou oulra, nilo
s a perda do substancia se recupera, mas a hemor-
rhagia arterial est curada dentro de 30 a 40 minu-
tos, regenerando-so as lunicas da arteria offendida,
pormeio deum trnbalho orgnico particular. Nfio
lie menor n efficacia do mesmo medicamento as he-
gias de ulero, quefazem a descsperagflo dos medi-
cse o tormento dos ocntos. Na* inslmcgoes prs-
ticas, que se vondem com o remedio, so ver coni a
extonso necessaria a mancra do applica-lo o os
casos em que convm. O proco do cada frasco he do
2,000 ris, e das insIrucgOes 2,000 ris. Os preten-
dentcs dirijam-sc ra da Madre-de-Deos, bolica
numero 1.
- Vendem-se brincos dourados, d ornis moder-
no o delicado gosto que tcm nppareeido, pelo di-
minuto prego de 640 rs. cada par: na ra da Cadeia-
Velha, n. 5.
Vendc-sc a venda da rua da l'raia, n. 39, com
os fundos queronvicrem ao comprador, ou S a ar-
mncio : na ra do itangcl, venda n. 50.
Ucnca l
Vendem-so superiores chitas francezas, do vara de
largura e decores lixas, a 280 rs. o covado; dilas
finas, escurase decores lixas leudo algumas que
servem para luto a 5,000 rs. a peca ; meios chales
de cassa de quadros a 4*0 rs.; cortes de lanzinha,
para senliora.com 15covados, a 3,600 rs. ; panno
preto lino para pannos de prelas a 3.000 rs. o co-
vado ; chafes do lilao seda, muito linos, a 5,500 c
7,000rs.; zuarledevara de largura, a 240 rs. o
covado ; cortes de cambraia lisa muito fina o com
6 varas c meia a 5,000 rs. ; superior brim tranca-
do pardo, de puro linlio a 640 e 900 rs a vara i di-
to amarello muito fino, a 900 c l.OOO rs. ; .lito
trancado de linho brauco, muito superior a 1,000,
1,280 e 1,600 rs. a vara; cha.lrezcs de linho para
jaqueta a 400 rs. o covado ; riscadinhos trancados,
i 240 rs. o covado ; haniburgo de linho. a 26o
vara ; meias para senliora a 240 vs. o par ; e oulras
mu/Ua razendas por barato preco: na ra do Col-
legio, loja n. 1.
Cortes de pelle do diabo, a
1,400 rs.
Vendem-se superiores corles da fazenda chama-
os pello do diabo, coiii3 covadose mcia .pelo ba-
rato pceo de i.ioo rs o coito sendo .la mais supe-
noa que tcm apparecido : na ra do Cullcgio loja
Na roa da Cadeia do Itecife, n. 48 armazem
oe James Ryder & C. vende-se chumbo de muni-
cao, cm bom sorlimonto; dito em lencesje es-
tando em verguinhas.
-Vende-se flandrcs em Iblha cm muito bom
son.ment : na ra da Cadeia do Itecife
niazem de James Itvder & C.
7.4
Vende-se o maior e melhor sortimento
do cortes de cambraia de seda, de ricos
padrOes; fil de linho liso e lavrad; cor-
les de chita de novos padrOes ingind
seda ; luvas do pellica bordadas, parase- -
I na ; meias casimiras do bonitos po- O
,irOcs pira calcas; alpaca muito fina; cor- m\
les de sapatos a turca ; pannos finos prc- 55?
j8i tose do cores; chapeo* de masas, franco- ;;r
*r zes, da iillima moda : beni como um sor- 'w

&
Vende-se arroz b"ico pilado, superior, a 8,000
rs o alquciro da mouida velha i na travessa do Quei-
mado, n. 3.
Queijos do Alentejo,
muito frescaes :' vendem-se no
armazem do caes da Alandeg,
n. I. confronte aescadinhn.
Francisco Xavier das ChagasSicupira vendo 21
moradas de casas, entro grandese pequeas .sendo
no balrro da Boa-Vista, rua de Cotovello, n. 19;
ra de S.-Thcrcza, n. 17 ; rua Augusta ns. 53, 55,
57, 59 e 61 ; rua Imperial, ns. 44, 46, 48 104 106 ,
110, 112,114, 116, 118, 120, 122, 124 e 126; 3 ca-
noas; urna libra do ouro om diversas obras; urna
escrava de nome Iria, presa na cadeia e penhorada
por dcimas de casas f um chito proprio na cidade
de Onds com aliceres, orna rua de Malhias-
Ferreira, com oitflo mcieiro com a Senhora Oio-
nizia : tudo livre odescinbaragado : a tratar na rua
Imperial, n. 61.
Vendem-se bichas prelas muito baratas, aos
ceios e a retalho, viudas de Lisboa
Cruz, n. 62.
-- Vende-se urna escrava da ("osla ,
do muito boa figura ,' que lava bem de
sabao, cozinba o diario de una casa,en-
sata :
g.'imma
e arruma bein nm
20 anuos, que lava bem de
O
lmenlo completo le fazondas linas ludo
mais barato do que cm outra qualquer
parte : na nova loja de Jos Morcira
Lopes & Gompanliia narua do Qoeima-
do, nos qualro-cantos casa amarella ,
n. 29.
2
n. 48, ar-
Vende-se a verdadeira furiiiba SSSF
de raminho chegada no dia 5 do cor-
renlc : a tratar com J. J. Tasso Jnior.
Vendem-se escravos baratos, na rua das
I.arangciras ,_n. 14, segundo andar
, 4
*?

oflicio do
conduela
molecotes, de bonitas figuras; um bo-
nito preto de 25 annos; um dito do 26
anuos, por450,000 rs. ; um pardo com
pedreiro de linda figura e de ptima
um dito carreiro. de ptima conducta; 1
dito com oflicio de sapateiro, sem vicios nem acha-
ques, este iroca-se por una piula que seja moca, e
nfloseja achacada ; um preto de nagfio, muito forte,
por 400,000 rs. ; um dito por 250,000 rs. ; um pe-
la de 25 annos, que cose muito bem sem vicios
nem achaques ; una mulalinha do 12 anuos; urna
negrinha de 10 annos propria para ser educada;
una preta muito forte, do boa figura o de 3b an-
uos por 260,000 rs. ; urna dita do liacflo que en-
tendo de cozinba alguina cousa de muito boa con-
duela escm vicios nem achaques, por 420,00.
POTASSA
Voinle-se a verdadeira e superior no-
tas* da Unssia a mais nova r
no mercado : no
fe, armazem n.
veiro.
Vende-se superioi
Apollo, armazem n. 18.
"|(ii! existe
rua da Cadeia do Heri-
ia, deBallbar & fli-
OPT3IAS NAVAI.HAS,
pelo processodas lemperasdas
mellioros fahrieasde Giii
ii! araos.
ENCLLENTE FABRICA EM
LISBOA.
Estas navalhassfo feitas do mais fino ac da Sue-
cia e temperadas em agoa que conten os mea-
mos principios que se ncontram na mui afamada
de Guimarfles, c para provara sua superior quali-
dade, bastar dizer-se que sao preferidas por quem
una vez as experimentou a qunnlas veem de Ingla-
lorra, Franca e outros paizes,onde a arte de culeleria
est inquestionavelmenteem grande adianlamcnto.
Teem mais as supraditas navalhas a importante
circumstancia de conservarem por muilo Uuupoa
nliacao, de cortarem com rapidez os cabellos da bar-
ba e finalmente de nao oflendereir. nem levant-
ronla pello; o que as (orna mui recommendaveis.
Vcndem-se nica mente na rua do Crespo, loja
u. 8 de Campos & .Maxa onde nao so duvida da-las
para os irelendenles as experimentar.
Yend. nisi; as seguintes obra.
estampas
cm portu-
5 v. ; I).
ISO
urna parda .
sabao cozinba bem o diario de umn ca
s.i e be muilo entendida e viva par.i
qualquer servico : tanto una como ou-
tra nao teem vicios nem acbaque- de qua-
lidade algumat o motivo da venda se di-
r ao comprador; na rua do Crespo ,
n. ii.
Vende-se superior tabaco simonte da Ilahia ,
em latas de urna e duas libras : cm Fra-de-l'ortas ,
ns 145 o 147 vendas de JosConcalvos Bcltrio.
--- Vende-so um sobrado c sitio pequono mura-
do com polillo c urna cozinba ,a mafgem do rio
Capibaribc : na rua Nova n. 52; primeiro andar.
Vendem-se os incomparaveis charutos primo-
res ; cigarros de la llavana ; os verdadoiros marca
do fogo ; trabttquellos ou mimos de moga ; regala
de S.-Flix ; c oulras militas qualidades, por pre-
go commodo : no novo deposito de charutos da Ila-
hia na rua estreita do Rozario, n. 45.
Vende-se, por prego commodo, um sobrado
do dous andares e slito, em chitos propros, sito
Vonde-se urna prela do naglo .Jo bonita f2u
ra sem vicios o que cozinba bem engomma h
va do sabio c Vurrella, be muito fiel o teni niii
bom genio o motivo da venda so dir ao comn
dor : na rua do Cabug esquina da rua dasl.araii"
geiras .primeiro andar de varanJa de ferro.
Vendem-se 250 oitavas do prala, sem reitio
na rua do Caes, loja do Sr Francisco Gongalves '
Vcndem-se caivetes do mola para aparar non
as de urna s voz; boles prctos para casaca 0s
mais .modernos ; caixas do tartaruga, quadra.la's
redondas a 3,000 rs. cada urna ; suspensorios do
borracha ; pentes virados para prender cabello g-
bonetcs para barba; luvas prctas para seuhra-
relogios dourados a 200 rs. cada um para meni-
nos ; esporas para salto; botes para camisa j
ultimo gosto; caixas de baleia grandes, para' ta-
baco; brincos o collares para luto; meias prelas
para senhora ; oculos do 2 o 4 vid ros para todas n
vistas: ludo muilo em conla por sor para liquida-
go; na rua larga do Rozario, loja de miudezas
baratas n. 35.
Vende-se um jogo de bancas do angico.eni
segunda inflo; urna dita de mcio do sala ; urna es-
la rua da laute pequea ; urna'duzin do cadeiros de Jacaran-
da; urna mesa redonda de dito para moio desala'
meias commodaso loucadores de dito, noves; ca-
dcirasdebalango ; duas carteiras do amarello ;c
diversos trastes: ludo por prego commodo: na ruada
Cadeia de S.-Antonio, n. 18.
Vende-so no armazem do taccllnr, defronlo da
escadinba d'alfandega, farelos muilo frescos e mui-
to novos, pelo mdico prego de 3,500 rs. a barrica.
a tratar na rua Nova n. 65,
T
cmac i em fiinccz, rom
Diccionario de Constancio
om franco/.
uez
Vollairc
Joao de
na rio
Casi
o
cliccio-
1 V. j
5 Tra-
llisto-
inglez
i v.
loja de
en-
polassa nova na rua de
rL0'"|em"Se '"eias ""'casde farinha de SSSF de
< um"!n'es.n0Cae8lla A,f8,,d* > rmazcm n. 1, do
.ne"ieWdeCi'ar,ir8aV1l& ':" ^T' ,l0 ,ccc,lCr *"***
8 "'"a porgno de fraseos da famosa a-
o
goa heiuuautica de troutiicri, de cujas virlm
Jornat do Commtrcio do Rio jalera tratado
, em porliigucz ;
portugus por Fonsera ,
Fbulas de Niedro; Virgilio, 3 v.
lado de educa?fio pata meninos ,
ria doscrimos do governo
na praca ra Independencia
cadernaefio, n. la
Lotera do Uio-de-Janeiro.
Aos 20:000^000 de ris.
Chegnram, pelo vapor San-Stbaitiau hilheteso
meios ditos da primeira lotera a beneficio do con-
servatorio de msica da'corlo que deveria ser cx-
Iraluda de 12 a 15 do correte : na rua da Cadeia do
Itecife loja de cambio do Vieira u. 24. A ellos
antea quechogue o vapor com a lista.
j Vende-se cera de carnauba de muilo boa
: qnalidadc, lano a retalbo como em porgflu: %
naiiiadas I.arangciras, n. 14, segundo andar. S
nwmwm
Vonde-se por prccisSo,urna prela de 28 an-
uos, sem vicios nem achaques, que coziuhii o dia-
rio de una casa c ho muito boa quilamlcira na
rua do tlolovello, n. 85, das 6 horas da nianlifa as 3
horas da larde.
Vcmdem-se, por prcciso 5 escravos: um
erioulo dJB 7 anuos ; e 4 pardos de 18 a 20 anuos na
rua da Senzalla-Wllia, n. 132.
Na rua liireila, botica n. 31, vondem-se algalias
de gomma elstica do melhor autor que ha em
Parta.
No Aterro-dos-Afogados, casa Ierren do lado da
mar grande n. 171 com lampeffo na esquina,
antes do ebegar a fabrica de sabilo ha um tronco
lorio do sicupira, para vender.
na rua da Cuia n. 55
primeiro andar.
Vende-se um pardo de bonih figura, por pre-
go commodo: no caes da Alfandcga armazem do
Bacelar.
Vende-so una espada prateada talim, cana-
na, barretina o larda para guarda nacional de in-
farrtaria : ludo anda novo, por ter pouco uso por
prego em conta : na rua Nova, n, 35, se dir quem
vende.
Vendo-se na porta da alfandcga no arma-
zem n. 20 una porgo do saccas com caf do csco-
llia e urna porgfio de caixas com vidros, por prego
muito commodo.
Vendem-se, na rua do Crespo, loja de miude-
zas, n. 11, pistolas do alcance, a l.iioii rs.
Vendom-so ealugam-se bichas do llarribur-
RO : na rua do Kozario da lloa-V^ta, tonda do bar-
beiro, n. 60.
Vendem-so 4escravas sendo : urna parda de
20 annos, que Cozinba, cose, engomma, etem muito
boa figura ; urna preta de bonita figura de 28 an-
nos que ho quitandeira c lavadeira de varrella ;
urna dita do 25 anuos propria pura qualquer serv-
go cquetem principios do coslura : um mulati-
nho do9 annos, proprio para pagem ou aprender
_ j qualquer ollicio : todos sem defeilos nem achaques
'i | no paleb da S.-Cruz, n. 10, se dir quem vende.
Potassa da llussia.
Cunha & Amorim teem para vender polassa da
llussia de superior qualidado : na rua da Cadeia
n. 50.
Vcndem-se chapos de palhinha da Italia
muilo finos para homem c meninos, por prego
mui rasoa'
chuposn
Lotera do Rio-de-Janeiro.
Vondcm-sebilhctese meios ditos da quinta.lote-
ra a beneficio da nova fregucza de N.-S.-da-Glo-
ria; narua da Cadeia loja de cambio, n. 38, de
Manuel (ionios.
Aetico!
Na rua Direila, n. 50, loja do pintor, ha um
completo sorliinnto de vidros para vidragas ; .Irlos
com agopara cspelho. O mesmo vidraceiro se offe-
re para bota-Ios por prego commodo, e tem tam-
hem urna porgfio de caixilhos propros para envi-
dragarurna loja.
Lotera do llio-de-Janeiro, a fa-
vor da nova fregueza de N.
S.-da-Gloria.
Vondem-se bilheles desta lotera: omcasadeJ.
0 Elstor, na rua da Cadeia-Vclha n. 29.
Vendo-so una raboca : na rua da Praia, n. 70.
Vende-so urna muito bonita negrinha da Costa,
de 13 annos, que cose muito bem, engomma liso,
cnsaboa muito bem, arruma bom urna sala; he mui-
to viva para ludo muito ncolh.la o nTo tom vi-
cio algum o que se alianga : o motivo da venda se
diraocoin|irador : na venda da esquina d% ruado
Collegio n. 25, so dir quem vende.
Chttttpag'ic verdad tira,
marca cometa,
vende se na rua do Vigario, n 4 arma-
zem de Rol be e Bi.i- uiae.
Vendem-se 490 meios do sola a 1,100 rs., a di-
nhero, para saldar una conta : na rua dos Tanoei-
ros, armazem de couros, n. 5.
Vendc-sc urna porgfio de la boas proprias para
estacada, por prego commodo : na rua do Vigario,
n. 5.
Vende-se nina flauta nova, com
oilo cbaves de
tima
prala,
sendo de bano,
e com excellentes vozc*: n.vsiin
A os 20:000^ deis
Vcndem-se meios bilheles da primeira lotera
conservatorio de nuisic do ltio-de-Jan"eiro, que
cava a correr no dia 15 'do corrento seteinhro :
em dif-lruado Collegio, loja n. 1.
: na rua da Cadeia do Rccife loja de
36.
MUITO HA HATO.
Vendem-se os ulensis completos da padaria da rua
dos Burgos (no Forte-do-Mallos) : a tratar na rua
da Sensalla-Vclha, n. 142, primeiro andar.
VELAS DE CF.RA DF, LISBOA E DO RIO-DE-JANF.IRO.
Vcndo-sc completo sortimento ao gosto do com-
prador, por barato prego, para liquidagfio : tani-
bem ha brandes, bogias e lochas : na rua da Sen-
zalla-Velha, armazem i>. 110, de Alves Vanna.
RAPE' 1'BINCF.ZA NOVO-LISBOA.
Chegou, pelo ultimo vapor, urna porgfio deste cx-
cclleuleaap c vende-se no deposito da rua da
Senzalla-Vellia, n. lio, o nos mais lugares j an-
nunciados.
Vcnde-sc, na livraria da rua do Crespo, n. II
um rico sortimento de novas obras, bem como Sa-
grada Paixfio de N0SS0 Scnhor Jesus-Christo; a bis-
torla da iinperatrizPorcini.i/dlta da princeza Mama-
lona ; dita de Roberto do Diabo; e grande sortimen-
to de cnliemezcs e oragoes, taimadas c cartas para
meninos, pelo mais mdico prego possivcl. lie por (er
grande sortimento que aniiuncia aos freguezes da
boa pechncha, c a.lverle que ludo liechega.lo pelo
ultimo navio viudo de Lisboa.
Vende-so um lindo moleque, dell annos. o um
preto de 25, ambos bem parecidos, sem vicios, nem
achaques : no pateo da matriz de Sanlo-Aiilonio, so-
hradon. 4, se dir quem Vende.
Vondc-se urna liteira com arreos, ludo novo
por prego commodo : na rua do Queiniado, n 19
Vendem-so 7 escravos : sendo dous 'esravos
de 18 a 20 anuos, do bonitas figuras o para todo o ser-
vico de campo, ou mesmo d praga ; 4 lindos molo-
ques de 11, 13, 14 a 16 annos, o urna croula com
bonita figura, de 20 annos c com algumas habilida-
des : na rua das Cruzes, n. 22, segundo andar.
Vendem-so duas escravasde nacio, por proco
muito commodo, proprias para o servico de campo
na rua de Hurlas, sobrado de um andar, n. 14.
do Vende-se marmelada muito su -rior do llio-
n-j Grande propria para doentcs por ser de encom-
na monda por prego commodo : na rua da Praii
1 inazeui n. 20.
no/o iiicllnulo
como um
para a moma, ludo por
preco com modos : quem a pielender,
queira anuunciur por esta lbllia.
Kscravos Fgidos.
ar-
- Ao amaiihecer do dia 8 do corrente desap-
pareceu de bordo do briguo l'aqucte-de-1'ernam-
buco, fundeado na praia do Collegio um escravo
marinheiro j idoso.de nome Felicianno bastan-
te alto comsuissas brancas; levou roupa suja de
alcalrSo : quem o pegar leve a bordo do mesmo bri-
gue ou na rua da Mbcda n. 7, quesera recompen-
sado.
Fugio no dia 10do corrente a es nava Auna,
croula ; representa ter 25 annos, altura regular;
orelha rasgada no lugar que prende o brinco ; quan-
do Talla imita muito cer preta do Angola; levou
vestido de chitn : quem a pegar levo a rua Nova,
n. 38, que ser gratificado.
Fugio, no ola 10 do corrente una prela de
nomo Hara cornos signaos seguitcs : altura re-
gular chcia do corpo cor retinta nariz chalo,
(lentes alvos; levou vestido novo, do chita roxa,
saia prela de alpaca c panno fino preto ; consta an-
dar pelas nas do bairro do S.-Antonio e Boa-Visla ,
.quema pegar leve a rua da Cadeia-Vclha, n. 41,
segundo andar, quesera recompensado.
- Roga-sc as autoridades policaes, pessoas par-
liculares c rapilfes do campo a apprnhensffo do ino-
leqnc Iclix, croiil, cor fula, que hoje reprsenla
ter 16 anuos, de bonita figura sem deleito algum;
o quilina muito hrcofa, se aefia fgido, oufurta-
dorflesdo 28 de fevereiroile 1844, e tom sido visto
andar pela villa do Cabo. Qneni delle souber c levar
a sen senhor Antonio Aunes Jacome, morador na
rua Augusta, sobrado n. 94, ser recompensado com
cen mil rs.
-- Fugio, no da 8 do correte a piala da Costa ,
do nomo Felicia de estatura regular; da cintura
para cima he maisgrossa do que para baixo paitos
grandes cara hechigosa ; lem urna bordadora era
cima do nombro esquerdo quechega at ao espi-
nhago; tem urna argola de latSo em um dos bra-
cos : quem a pegar leve a rua Imperial padaria n.
43 defrontc do chafariz, que" ser generosamente
recompensado.
Fugio, no dia 9 do corrento o escravo Ray-
mundo, erioulo; representa ter 30 anuos; levou
calgus de estopa camisa de algodilo azul o chapeo
do palha oleado ; he alto do boa grossura; tem os
pes e mos grossus: quemo pegar leve ao becco
do Veras* casa n. 15, que ser gratificado.
PKHIV; A TIP. DE M.
k.DL TA&IX. IS7-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EH9JIQZMA_T36X1P INGEST_TIME 2013-04-27T00:05:39Z PACKAGE AA00011611_08542
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES