Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08531


This item is only available as the following downloads:


Full Text

Auno oe
1847.
luina*fer

71M/HO pul.lic"te tejo os Has, que alo
O //'"'"-' > .e00 di asignatura lie de
orein 'le Su*r' i ,,,> adiantadoi. Os an-
4|n8rS^'.i'n.nlM srulnwridM rasSode
nuncios no *)n rt ern tT[,0 liilfcrcntc, e as
'' ".!\"r ,;Vi.'meuHe. Os que nno f.rem asj.'g-
rt-pei';ue* "'. o rJ uorlinha, e too em tjpo
^r^rc^cUpubUc.c.o.
PIIASES DA LA NO MEZ DE SE'PEMBRO.
i. > I a 6 \\ons t 4 min. da tarde.
Mite"""*' N0J J8 min. da tarde.
!:ua !St I'. 5 l,on" d* l,,"de-
PARTIDA DOS C0RRE10S.
floiaonac Paraliyl,, i% seguidas -i-.ti.aj (ein...
Rio-Crandc-iln.Norte quintas feiras aomeio-dia.
Cabo, Serinliem, Uio-Formoso, Poilo-Calvo e
)1 necio, no l.*, a i t'e li de cada raei.
Garanliuns e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Floras, a l S e 18.
Victoria, as quintas feirai,
Olinda, todos os das.
PREA.MA.1 DE HOJE.
Primeira, s 10 lio-u M minutos da tarde.
Segunda, s ll llorase 18 minutos da manha.
ie
Setembrc. Anno 2KIV.

197*
DAS DA uBHNA.
mi'. ;. (laudencio. And. da .l.Hos o.
phoa do.. de. da ? v. e do M. da .' v.
Si Terra. S. Raymundo Nonato. Aud. rto J do
, civ.'da I. v. e do J. de |ia/. do i. diat. de t.
I l.lnarta. \ Kgidio. Aud. do J do civ. 1.
c do .'. de paz do i dist. de t.
? (,'uinta. 8. Elerao. And do J. de orpli. e
doJ. municipal da I, vara.
J Salla. S. Eufemn. Aud do I- do civ da I.
v. e do I. de pai do I. dist del.
4 Sabbarto. 5, Candi la. Aud. do J. do civ.
da I. v. e do J dapar rio I dist. de t.
i Domingo, Nossa Seuhoi da l'cnha.
CAMBIOSNOMMA BE SETEMBRO.
Cambio s>l.rr Laa bM i W i r P-* d'*,
a Pns JW r. "or franco.
Lisboa '06 a 110 deprende,
Doic. de lauras de boas lirm de V, a I Va "**
0,,--O .cal !. pMlfaoh. -VHI a-JI
MqrdM allfl? vclli.
de Situ nov .
, da *00.....
I'rnta PaUcoet.........
Paaos coluwnare...
a Dito mexicanos
,'.10 a l'.^tWO
MI00 i
Idilio a
I#9J0 a
lft'10 a
Hilada............ "I'0
,CfS0O
ojitv.
t)MO
1 <.<>
ti
nimia.....-.......I "I __.
Acfes dicomp.do Heberibe dt >0#000 r. o p*
DIARIO DE
PAUTE OtFICIAL.
BISI'ADO DE PEUNAMBUC.
/). yodo da IHirifieaeHo Margues l'erdigio, conego *-
grante de Santo-Agostinh, por graca de Dos e da
tanta s apostlica, bispo de l'ernambuco, do conce-
Iho de S. M. 1. eC, etc., ele etc.
A todos os nossos diocesanos sade, paz e'benQo.
Tendp-nos sido enviada urna circular dosanlis-
gimo padre 'io IX, ora presidente na groja itniver-
sar, (sua diocese) por intermedio do Kxm. delegado
ila santa s, (corroborada pelo governo, que Ihe
prestou seu assentoi paraqtioos prelados do orbo
calholico coin seu respectivo clero diiijain divina
miseraqfio fervorosas preces n favor ilos habitantes
da Hibornia extraordinariamente opprimidos pola
fume, que tem sacrificado maltas victimas, lio do
nosso ilcvcr communicar esta pontificia insinuacin
aos nossos diocesanos, em cumprimeuto do precei-
tu da obediencia que Ihe devemos.
Ns.poilairto, animados do mesmo espirito que
reina no coracHo do successor-do principe dos apos-
lolos, cuja caidade tlesejamos imitar, bem como o
exemplo que prximamente manifestou a favor da-
quelles habitantes,, fazendo remetter-lhes quanlias
pecuniarias para minorar tilo espantosa calamida-
tlo, mandando ao mosmo tempo que na ciliado de
Itoma se enviassem publicas preces Eterna Cle-
mencia por tres dias, determinamos que os reve-
rendos parochos das freguezias de nossa diocese,
(sob a obediencia que devem tributar ao prelado
dos prelados e a nos) congreguen) o reverendo cle-
ro das respectivas freguezias por tres dias na hora
que Ihcs parecer inais commoda, para cantarem as
preces prescriptas no ritual romano, dirigidas ao
lim indicado pelo chefe da igreja calholica, quo,
querendo animaros povos a intervirem ueste acto,
Ibes concede setc anuos de indulgencia porcada
vez que assistircm ao referido acto das preces, c
aos que neslc comparecerem em todos os tres dias,
indulgencia plenaria, recorrendo ao sacramento da
penitencia, o recebendo a sacralissima Eticharislia
no espaco da semana, omaque so cantarem as mes-
illas preces. .
Por esta occasiiio, e para cumprirmos a insinua-
cTo do pastor dos cordeiros e das ovelhas un I ver-
saes, exhortamos os nossos diocesanos (que pode-
rom dispensar alguma quantia pecuniaria)* que se
csrorcem a fazft-la remetler, pelos tncios ao seu al-
cance, quclles em favor dos quaes vamos praticar
os actos, ora por nos indicados, devendo ser exer-
cidos nesta capital e na cidade de Olinda nos dias
9,10 e || dosetembro prximo futuro. Na matriz da
lina-Vista presidiremos a esto acto pelas 10 horas
Em virtudo da disposieflo do santissimo padre,
igualmente exhortamos os nossos diocesanos, para
que, coniparccciido nasj mencionadas preces, sup-
pliqnem tambeni ao co os soccorros o proteccao,
com quenecessita ser munida a santa igreja na po-
ca em que seus4ilhos a devem considerar agitada
pela atroz persiguicfln no tempestuoso mar da in-
subordinado segundos deploravel oxienenc.a
Ibes Taz ver, posto que profundamente convencidos
de sira inhahalavcl o inconcussa permanencia ale ao
lim dos seculo, porvirlude dos solidos fundamen-
tos em que sua lrmo c.itabilidadc fot decretada.
Parece-os estar salisleilo o designio do enere ua
grey cothblica disseminada por todo o orbe; olios,
animados pelos vestigios de tilo excellento candado,
rogamos aos nossos diocesanos queiram unir seus
sentimenloaos do pai commum dos fiis. Conliaiulo
lia religiosa piedade dos III los do nossa predilecto,
esperamos que elles recorram ao presidio da oracao,
unindo lambem ao exercicio desla alguns actos de
penitencio, que sua dCvoc/io lhes inspirar, para que
suas rogativas sejam mais elTlcaznicnte Hendidas,
persuadindo-so haver portentosa conveniencia na
junccilo da oraijao com o jejum, designado na sa-
grada escriptura por toda a qualidade de niorlifica-
quo ou penitencia, absolutamente necessaria para
FOL
MEMORIAS DE UM MEDICO. '(*)
pon aicjranDrc j^uma?
SECUNDA PARTE.
esa 3&.&!.e
CAPITULO XXIV.
COHTINUA A MATSBIA DO ANTrCEDENTE.
Eis-ahi o cao morto de apoplexia, nao he i' dis-
sc AlthoUs, urna bella nioi le que nao faz padecer por
muito lempo.
Heverdade. .
_ ESt elle bem morto?
Sem duvida.
*- N3o me pareces bem convencido, Acharati
Pelo contrario.
(*) Vide Diario n. 193.
VI-
,lo-
aplacar ajusticia olfendida, e repellir a indignar;
provocada, para ser substituida pela piedade de u
Dos, que omnmodamente promovo asalvacSo d
poccadores.
Serpossvel, porm, que se verifiquen) os dig-
nos designios a prQl da mise.ra humanidade, quando
a irreligiaocbegou aoscu maioraugo pela perpe-
tragno dos mais enormes crinies? Ccrtamonte nao
O' vos que professais a religiao calholica apostolic
romana (posto que apparentemente), assassinais, po
rm, os seus ministros, sangrando-os e corlando
Ibes as orelhas posteriormente sua inexistencia,
coinoolllcialmenlc nos tem sido communicado
vos que roubais com a maior fcil idade, o sem o
menor temor, a vida a vossos irmnos, e sem quo
dcsta si'iais o autor, ou sobre ella dominis, mili
albeios da cariilade fratertia, que o segundo precei-
loda lei divina vos prescievc, sem attonderdes ao
diere de familia, cujos projni/.os occasionais, e pe-
los quaes seis responsaveis I at quando deixareis
de sacrificar s vossas execraveis paixes tantas vic-
timas al quando enviareis para o fogo inexlin-
guivel as almas, que poderiam conseguir a eterna
gloria, so vos as nHo privosseis dos soccorros espi-
i lunes no ultimo periodo, no qual a crcaturadeve
comparecer na prescito" do Creador para ser julgada-/
PtjnsW que a espantosa impunidirdo vos isontar
da formidolosa responsabilidade le quo sois reos
no inexoravel tribunal, quo vos espera, se omiltir-
des aquella penitencia que consiste na retractadlo
dos gravissimosexcessos coiniiieltidos ?
Reflecli na pavorosa sontenga de Josus-Christo, fal-
lando clarameilto por San-Matheus : -- So n;lo h-
zerdes penitencia, lodos pereceris eternamente.
A mosmasortc, e com mais severa justica, suppor-
tanlo aquellos que a Providencia constiluio no po-
der e auloridade legal, para refrearem o roprimi-
rem a horrorosa ousadia dos que pelas leis Ihos estao
subordinados, so negligentes forem na exaccilo de
SeUS develes
Dilectos diocesanos, nao aceleremos a justa vin-
ganca. NnoBmontocmos dividas sobre dividas, ro-
cordando-nos dos maravillosos prodigios que a
Providencia nos tem prodigalisado, anda as po-
cas em que menos temos merecido su proteccao,
da qual nos temos constituido desmerecedores De
qttantas publicas calamidades nos mo tem ella pre-
servado .' l)iga-o Pernambuco Mas poique a Pro-
videncia nos he benigna, devoremos negar-lhe nos-
so reconhecimento abusando de sua minuta bon-
dade ? Quando senlo mais quo su(Hcientes os males
quo attrahimos sobre nos mesmos .'Qual sena nossa
sorte se a divina justica nSo suspendesse os tcmveis
elTeitos do sua ndignacao .' O temor de Dos, prin-
cipio da sabedoria, esteja semprc impresso nos nos-
sos coracOes, certos deque a falta deste tem sub-
mergido a niuitos no profundo abysmodos males,
nuo infaustamente lecm experimentado. Por vossas
palavras e exemplos, excitai vossos concidad;los a
observancia do sublimissimo preceito da dileccflo
do prximo, qual a eterna sabedoria cquiparou ao
do amor de Doos, para nos significar sua grande im-
portancia.
Ctiefes de familias, nos vos recommendamos al-
tenlamente e com a maior vehemencia a eltgiosa e
civil cduca3o de vossos filhos, e fmulos que vos
estao subjeitos pois que desla inteiramente de-
pendeobem da religiao c a prosperidade do esta-
do, bem como a conservadlo da sociedade. Jamis
deixeis de ter em vista vossa formidavel responsabi-
lidade. Lembrai-vos, que, se do religioso esclarcci-
mento o da civil nstruccao do vossos filhos vos re-
sulta inauferivel gloria, sua estupidez o msciencia
vos grangearSo o maior opprobioeconfusao, diz o
Espirito-Santo.
a Senhor Des, nos vos apresentamos os dolidos
commeltidos, para que os perdocis pelas enlranbas
de vossa misericordia, c vos ofTerecemos as chagas
que ellos nos causaram, para que as medicinis com
o salutfero balsamo da verdadeira dr e sincero ar-
rependimento. Se nos recordamos da miquidade
pralicada, menores devemos reputar os nossos sof-
i
frimentos, maiores devem ser os flagellos merecidos.
Os excessos commeltidos silo mais graves que as
tribuales toleradas Nos comprehondemos,. quan-
to> lie possivel quao merecidas sao as, penas que
supportamos; mas, por nossa infeliz condieao, nao
evitamos a pertinacia na culpa. Posto quo a enfer-
midade humana soja humilliada pelos supplicios que
nos enviis para nossa correcto, todava esta nao
so tem roalisado! A inlelligencia humana he, em
verdade, atormentada, porm a dureza de coradlo
persevera! Seos nossos delictos sao por vos benig-
namente censurados, promettemos cumprir nossos
deveres; se, porm, nos protegis, nao cxeciilamos
nossas promessas, esquerendo-nos das lagrimas
derramadas depnis da recepc.;lo de vossa inollavel
benevolencia So vossa indignadlo desee sobre nos.
supplicamos indulgencia, se dissimulais os criines,
nos constituimos insensiveis a vossa mui reconbe-
ci.la piedade, dignos de reiterada nagollac.lo 0-
rCfldO santissimo padro Urbano VIH, por nos tra-
duzida e explicada para csclarecimonlo dos que
'erem.
Conccdei, Senhor, que esta pa recor.lac.ao seja
para nos un poderoso incentivo e medicinal preser-
vativo ao nosso transado o actual procodimento a-
lim de mo mais desmorecermos vossa hcnigindade,
quando a vos recorrermos com aquella mesma te,
qnevosdignasles ologiarpara nosso exemplo. Pos-
to quo convencidos do nosso demerito em vossa
presenca, nos supplicamos a carencia de novas dis-
scncOes entre lllhos e irmaos da familia hrasiloira.
Dignai-vos enviar sobre o vosso povo vossa propicia-
cao, e por esta misericordiosamente minorar as que
supportamos, occorrendo s que no porvir podem oc-
correr. Mara Santlssima, mfti, protectora e advoga-
da dos desvalidos, a quem constituislcs dispensado-
ra dos celcstiaes lliesouros, por vos confiados a sua
distribuidlo, gozando junto do vos aquello supremo
grao de sublimo gloria, mais excellento, quo a do
toda a corto celestial, e somonte menor que a vossa,
nos proteja.
Palacio da Soledade, em 29 de agosto de 1847.
Joo, hispo diocesano.
nrDMIiiinuttA
"nni?*Jaivi0 ?vj\j.
Oh' he quo lu condeces os meus recorsos.
SuppOes que achei a nsulllaco, quo dizes? esso
problema que consiste em fazer circular a vida com
ar, cm um corpo intacto, como se pode fazer em
lim odre que nao est furado, nao he isto ?
Ntlo, nao supponho nada; creio que o c9o esta
morto, e mais nada.
Nao importa, para mais seguranza vamos ma-
ta-lo segunda vez. Levanta o pncuma, Acharat.
Este levantou o apparclho de cristal, o cao nao se
bolia ; as palpebras eslavam cerradas, o coradlo nao
Ihe balia mais. ,
Toma este escalpelo, c deixando o larinx intac-
to, corla-lhe a columna vertebral.
lio s por obedecer-lbo.
Etambem para acabar com o pobre anima no
caso de quo n3o esteja bem morto, respondeu Altho-
Us com esse sorriso de obstinacilo particular dos!
velhos. .
Balsamo deu um golpe s com a corUnlo lamina ;
a incisaoseparou a columna vertebral, a duas pollc-
gadas do cerebello pouco mais ou menos, e abri
ma larga ferida ensanguentada.
O animal, ou para melhor dizer o cadver do ani-
mal, ficou immovel.
Sim, por minha fe que estava bem morto, disse
Alihotas, nfio se agiU urna fibra, n3o treme um
msculo, nao se insurge um alomo de carne contra
este npvo atlcnlado. Est ou ntlo esta morto e bem
m Rcconheco-o quantas vezes Vm. quizer, disse
impaciente Balsamo.
RKNDIMENTO DA MESA DA RECEBEDORIA DE REN-
DAS INTERNASCERAES, NOMEZ DE AGOSTO PR-
XIMO EINDO.
A SaBER !
Eros de terrenos de marinha ....
Laudemios.............
Segunda dcima de nulo mora ....
Decima urbana...........
Siza dosbens de ra.iz.........
Dircitosnovse velhos.........
Ditosdochaneellaria........ .
Dizima da mesma...........
Sello lixo ...............}
Dito porporcional..........."
Einolumeiilos decertidOes.......
Premios dus depsitos.........
Imposto de casas de modas......
Ditotle caixeiros eslrangeiros.....1
Imposto de lojas abortas........
Dito de seges o carrinhos.......
Taxas de escravos...........
1,675
85,00
218,106
30,510
.972,351
:120,469
8,200
888,590
;397,78S
; 708,020
6,240
40,300
200.000
:44O,OO0
638,400
12,800
434,000
Rs.....12:708,349
Uccebcdora, l.'dcsclembro de 1847.
O escriv3o,
Estanislao l'ereira de Oliveira.
iimm) he PER.\AUBur.fi
RZCIFE, 1." DE SETEMBBO DE 1847.
Pelo vapor mperatris, chegado hoje dos porlos do
norle, recebemos diversos jomaos.
Eabi est um animal inerte, fri, para sempie
_t IT^J. n.,n.i Iaak Aniilpo o limi'lta iIkvi' (i>
Os doCear alcangam a 25 do agosto ultimo.
Anda funecionava a assemb lea provincial. A acU
da sessilo de 16 dejiilho, tnica quo traz o Cearent*,
mais que muiui authi nliea o jnizo- qu acerca do
seus trabalhosemittimos em os numero* 175 e192
deste/Mario. Fix.ic3o da frca policial para o an-
no vindouro ; transfeienca da sede da igreja ma-
triz de Sat.la-Quitoria pura acapella deSant'Anna
da llarra-ilo-Macaco ; concessao de urna lotera es-
polia do Xussa-Soiiliu! a-da-Conceicao-do-Oitero, na
Prainha ; cis o de que so occtipavam os projectos,
que, aprescutados nesse di, loiain julgados ohjecto
do deliberadlo. Mas quem desconhecera que em
urna provincia como a do Cear, onde ha tantas cou-
sas Importante, que reelamam prompto remedio,
nailasignicam esses projeclos, exceptuado o quo
entende com a polica i' l'areee-nos quennguem;
porquanto tamben) pensamos, qiiencnhum homem
deixar de reconheccr que nada faz o poder legisla-
tivo de um pai/. qualquer, quando trata de prover a
necessidades tao secundarias quanlo essas quo II-
cam indicadas, sem quo so lembre de estender mo
protectora a lavoura quj delinba, e u industria que
se aniquila; sem que se esforc por melhorar as vas
do communicacao; sem que so cmpcnlic por derra-
mar a institicc.no por sobre aqtielles que o consti-
tuirn) ; sem que, cmfini, mostie-se desejosode fa-
zor participar do progresso bem entendido a trra
cujos primeiros inlercsses foran. confiados aos seus
cuidados.
N3o he somonte, poreni, a esses projeclos que se
refero a acta em quo a principio fallamos ; ella, por
igual, menciona i ivaapreaenU&aa dwDDUoOes" do
doiis cidadilos que querem ser favorecidos, um com
lugmento de ordenado* e nutro com a pormissao do
pagar cm sois anuos i bagatela do mus costos novb-
CENTOS E SESSESTA Mil. NOVECKNTOS E QUABEMA I SEIS
mus, em que esl debitado para com os quasi ex-
haustos cofres cnuronses ou a orara do solver
do prompto esse emponho com apolices-da divida
provincial; 2.", a npprovac3o do um requorimento
que propunia a nomeacao de urna commiss3o revi-
aora das postura da cmara da cidade da Fortaleza ;
3., oasscntimenliniento da casa a um parecer da
conimssao respectiva acerca do certos arligos das
resoluces da miinicpalidadc do Ipil; 4., finalmen-
te, a adopcffo, em segunda discuss3o, de cerlo pro-
jecto cuja materia nao menciona, o de diversos
outros, quasi lodos relativos a negocios municipaes,
com declaraofu) das emendas oflerecidas oapprova-
das, entre as quaes nos merecen particular atten-
eflo a que nliriga os miseros agricultores a pagarem
6,400 rs. cmara do Crato por cada '*m dos enge-
nhosque quierem levantar nesse municipio; deter-
mina que sejam aferidas as caixas de rapadura desses
engenhos; ostiplapara cada aferiejo o prego do
200 rs.; iinpoc a mulla de dez mil res aos que, pela
primeira vez, leixarem de cumprir essas disposi-
ccs; e subjeita ao pagamento de 15,000 rs. os que
reiiicidirem na falla.
Diemos queessa emenda nos merecer particu-
lar allencao: releva, pois, que demos a rasilo por
que atientamo-la mais que a lodasoulras. Ei-la:
O Cear acaba do lutar com extraordinaria sec-
ca ; ainda agora comeca a sabir dos embaracos em
que ocollocira esse flagcllo, que custou-lhe Un-
tas vidas o fortunas ; he sabido quo, semprequo
esse mal so manifesla, he a lavoura a que mais sof-
fre : logo, nao he esta a poca mais azada para so-
brecarregar-se do tributos essa fonte perenne da
riqueza das nacOes ; porquanto, quasi inanida, o
' ."til Ulll Ulll"ll aaa'. *w, J I-----------_------J
mmovel. Nada prevalece contra a morte, dissele
tu. Ninguem tem o poder do restituir a vida, e at
nem a apparencia da vida ao pobre bicho?
Ninguem, excepto Dos!
Sim, mas Dos nilo sor 13o inconscquenlc que
o faga. Quando Dos mata, he porque tem urna ras&O
ou beneficio em matar. Um assassino, que u3o sei
mais como se chama, lie quo diziaisto, o era mu le
bem dito : A nalurcza tem interesse na morte.
Assim, eis-aqui unidlo lao morto quanlo podo
ser, e a natureza tirou delle o seu interesse.
Altholas cravou em Balsamo os ollios penetrantes.
Este, cansado desoffrer osdesparates do vellio, por
nica resposta abaixou a cabeca.
__ Ora bem! que diras tu, continuou Altholas,
se esle c3o abrsso os olbos e olbasarpra ti ?
Admirar-me-hia muito, nicslre/fespondeti Bal-
sa mosorr indo.
Adinirar-tc-hias?1 Ab anda bem!
E ditas estas palavras, com o seu riso fingido e lu-
gubro, puchou ovilhopara opdoeao um ippare-
Ibo com posto de pecas de metal, separadas por al-
lofadas de panno ; o centro desse apparclho tocava
cm utna mistura d'agoa acidulada; as duas extre-
midades, ou polos como lite chaman), sahiam do
Que olho queros lu que abra o dio, Acharat?
perguntou o volito.
O direito.
Encostou o velho as duas extremidades appro-
ximadas, mas separadas por um pedaco de seda, a
um msculo do pesclo do cao.
lmmediatamenlc abrio-sc o olho direito do ani-
mal, eo olhar filou-se em Balsamo, quo recuou as-
sustado.
I'asscmos agora bocea, queres i
Nada respondeu Balsamo: estava tomado do pro-
funda admiradlo.
Tocn Alihotas outro msculo, o om lugar do olho
queso tornara a fechar, foi a bocea que se abri,
deixando veros alvos e agudos denles em cuja raz
a vermelha gongiva estremeca como na vida.
Balsamo leve medo, e n3o podo occultar asua
emoc3o. ,,
__Oh! islo he extraordinario, disse elle.
__V como a morte he pouca cousa, disse Altho-
las triumpbanto com o embaimento do discpulo,
pois que um velho como eu, que eslou em breve a
pertencer-lhe, a faz desviar do seu inexoravel ca-
minho.
E do repente com estrondoso c forte riso :
Toma cuidado, Acharat, disse elle, ah osU um
cilo morto quo anda ha pouco quera morJer-te,
- que agora vai correr atrs de ti; toma cuidado.
E com elTeito o ello, com o pesclo corlado, a boc-
ea aherta, e um olho a tremer, crgueu-sc de impro-
viso, e com a cabera horrivclmento pendurada, va-
cillou sobre os quatro ps.
Balsamo senlio arripiarcm-sc-lhe os cabellos; o
suor corria-lbe pelo rosto, e recuando foi pr-se so-
bre o al<;.i|.a Ora vamos la, nao iiuero, procurando instruir-.




&
or oonsegunte incapaz do supporla-los, ella suc-
ctimhir : o entilo tnnlio o infructfero ser o arre-
pend ment dnc|imlles que tiverem eoneorrido para
a sna aniqnilaciTo, porque os ais, os gemidos, os la-
mentos, os protestos de inexperiencia o boa f, nfio
seriTo snHiciontes para restituir-lhe as fi>rcas (fio
promptamente qnanto he de mislcr que ns recobre
para que a miseria nflnenvolva coni o sen negro e
pesado veo os quehouvorem tido a imprudencia de
cerca-la de dilllculdades, de nogar-lhe os recursos de
que precisava para robustccer-se e tomar-sc flores-
cente.
Postos assim em resenha os actos da assemblea
cearense em a sessiTo que indicamos, passemns as
temis noticias da provincia. I
O viee-presdento convocara a nova assembla por
portara de 21 do preditoagosto, e marcara o da 10
de dezembro prximo futuro para a eleicfio dos seus
memhros.
O doutor Liberato de Castro Carrera, que, como
se recordarlo os loitores, usara doetber sulphurico
para preparar certa prcta a no padecer dores na am-
putacilo de una das peinas, annuncira que cssa
prela se achava interamente boa, sem que nenbum
i conveniente bouvesse apparecMo no tralanioulo
que subseqiienlemenlc Ihc Ma administrado.
O Cearense publica mu ollicio em que o subdelega-
do supplente dcMccejnna participa ao ebefe de poli-
ca, que, por niloconstituir prava oque depoze/.am
nslestemunhas, decahira o proresso quo so instau-
rara pelo acontecimento occorrido na rnesma povoa-
Cfio, ile que nos necupmos em o segundo dos n-
meros deste Diario, que mais cima citamos! .' !
Al binas do Maranhfio ebegam a 21 do menciona-
do agosto.
A LIGA cada vez se tornava mais poderosa, a dcs-
peto das intrigas dos exclusivistas: em Itapicur-Mc-
rim, Codo, Mearim, Guimarfies, Brejo, Chapada, Ca-
xias, Pastos-Bons, Alcntara, Futoya, Iguar, Rosa-
rioolcal; em todos esses lugares, dizomos, tre-
niulava a sua bandeira rodeada dos mais conspicuos
o judiciosns cidadfios.
Segundo o relalorio da dirocefio do banco com-
niercial inaranhense, csso ostalieleciinciilo promet-
tia muitoaos queconcorreram para que se elle fun-
dusse. Km menos do II mozos descontara lettras
no valor de 582:633,921 ris, e oblivera o lucro de
22:736,921 res, que, deduzidas as despezas caro
serva de 1:203,693, coucorrera para que a cada necio
coubesao o dividendo de 11,000 re., ou 7 1/3 por'*/.
do respectivo valor.
Fallecer na capital o negociante Antonio Jos da
Silva Gomes.
Ovigarioda freguezia de San-Louronco Carnudo
Ribeiro de Brillo, Jon.i do llego Falefio o Gnncalo
Mendca linbam sido pronunciados, os dous pi unci-
ros como man.lanas o o segundo como mandatario
do homicidio perpetrado na pessoa de Egidio Anto-
nio Tava res.
Pora sanecionada a le que intonsa a presidencia a
mandar Jos TellFerrfioestudar agricultura nos Es-
tados-Unidos, ou as Antilhas.
Np Brejo, recebera tres cacetadas, oslando a corta
da loja, um caixoirodo delegado do lugar, do fime
Bernardo Jos Gomos do .Minaos.
Em Iturily, o criminoso Bufo Francisco Soares
suecumbra a um tiro que Ihe dosfocbara um solda-
do da escolta que lora prcnd-lo, coni o (lm do obs-
tar que elleassassiiias.se a um companheiro da dili-
gencia, sobro o qual j liiilia alirado algumaa fa-
cadas.
(i cambio sobro Londres era dc27 a 28 d. por
1,(100 ris ; o sobro Portugal, do 100 a 1*02 por "/ -
Sacava-so sobre esta provincia do Pernambuco ao
premio del a 5 por"/,.
\u Para nada linlia occorrido do extraordinario.
O ultimo oxemplar do7rc;erfe Maio vom datado
de 11 do inez que liuilou lioiitcin..
('IV: I ,; CJ V.I&,
Sis Redactores. Leudo no Diario de l'ernambun
n.MTwocommunieado assignado poloSr. Ilr. Fer-
reira, ou antes a ohservacfio da cura da aneurisma
inguinal do Sr Polycarpo, lilho do Sr. Antonio Lniz
Goncalves Ferreira j nelle encontramos algumas as-
scrges inexactas, que attribuimos ralla do apon-
lamentos da historia daquella doenca, o que bem se
evidencia, confessnndo o Sr. Dr. Ferreira no dito
oommunicado, que, por incommodado, deixara de
scrassuluo em visitar o Sr. Polycarpo, e por conse-
cuencia pao podia estar par de todas as oceurren-
ciasquenclla tiveram lugar; sendo urna das
MI llilUJ
mais
le, fazer-te morrer de medo, disse Allhotas repellin-
do o cadver c o apparclbo galvnico : basta de ex-
periencias como osla.
Logo que o cadver ileixou de estar em contacto
com o instrumento, tomn acahifrio o inimnvel
comodantes.
Terias tu acreditado islo da morto, Acbarat,
c a suppunhas do tilo fcil accomniodar, dizo?
He com cubito extraordinario, maravilhoso,
disse Balsamo chegando-se.
- Vis, meu filbo, que se pode ebegar aoqueou
di/ia, oi|ue o|irimeiro passo osla dado. O que lie
prolongar a vida, quando j se conseguo annullar
a morle!
Mas isso he oque ningiicm sabe inda, objee-
lou Balsamo, porque cssa vida que Vm. Ihe dou he
appa rente.
Tenbamos tempo, e acharemos a vida real.
Nilo leste tu nos poetas romanos que Cassides resti-
tua a vida aoscadveres?
Nos poetas, siII).
Os Bomanos cbamavam aos poetas tatei, mcu
amigo, nfio te esquejas disto.
Mas, diga-me todavia.....
Anda uina objectjio!'
salientes noxacoes aflrmar oSr. Dr. Ferreira, que
a operaefio da ligadura da artera iliaca externa n!to
fAra praticada, poraue o Sr. Polyearno nao so quize-
ra sabjeitar : quando este Sr. no sestevo resolvi-
doa MiPmetter-so a dita operaefio, mas at chegou
a pedir com instancia quolh'a praticassemos, ose
eom elTeiloiiflose realisou, foi porque nunca o en-
contramos omestado desnnporta-la, oomal antes
disso tove do ceder, como algumas vezes acontece,
ao Iralamenloque Ihe oppuzemos, A principio com
a nlencfio de o curar, o no fim com a de o proparar
para a mesma operaefio. E como quer que o senhor
doeote securasso sem n ligadura, e aquella inexac-
ta asserefio poss inculir no publico, que houve da
parto dos que a propozeram, desejo de fazer opera-
ccs, ou ignorancia dn materia ; justo he quepas-
sernos dar aquella observaefio os esclarecimentos
nooessarios, afim do que o publico tenha della exac-
to conhecimento ; esclarecimentos cuja veracidade
estamos proniptos a provar, com algumas particula-
ridades mais, que aqu omltlimos do proposito, com
tcstcmunhns ou documentos, caso por algucm se-
jam contestados.
Me verdade que na doenca do Sr. Polycarpo duas
grandes conferencias SO lzeram, digo grandes rela-
tivamente a outras em que so conferenciamos, com
um dos Srs. f)rs. Ferreira, Arbuck e Dornellas; na
priineira inlervicram os Srs. Drs. Sarment, Ferrei-
ra o cu, na qual concordamos em se em pregar pr-
meiramente o tratamento anlipblogistico (sangra,
sanguesugas, gelo, etc., meioa estos com osquaos
o Sr. Ilr. Ciiorn.'Larrey o outros teem conseguido
curar dooncas tees, cujos factos soachsm registra-
dos nos annacs da sciencia); c s depois do esgotada
osla medicaefio, se lancasse mfio d'alguma das opera-
Cfles que semelhanles doeneas reclamain frequente-
niente : nesfa occasifio foi oSr. Dr. Ferreira deopini-
fio que so praticasse a operadlo dagalvano-punctura,
citando em sen apoio as-roccnles ODS6rvac0B8, publi-
cadas polo Sr. Dr. Ptroquin na dsela Medica do Pa-
rs; e entre as rasos que expender, dice que preten-
da mandar vir de Franca urna pilba galvnica, por
que a que oxislia no pajz, por grande 11 fio servia para
ocaso. OSr. Dr. Sarniento o ou, apezar de nfiodissi-
mularmoso perigoda ligadura 'pois um do nos at
fez delle urna triste COmparacfiOJ todavia domos a esta
a preferoncia ; o entre as rasos em que fundamenta-
mos o iiiisso parecer, referimos a seguinlo passa-
gem, que so lo na segunda ediefio da medicina ope-
ratoria, do un dos 11.ais celebres einirgies franee-
zes, oSr. Dr. Velpoail : A ligadura da ilaca exter-
na he una das oporaces iisuaes da cirurgia, e do
setenta o tantos casos do ligadura desla arteria,
tem-se calculado pcnler-sc um enfermo sobro qua-
tro.
Desdo cssedia comecou o tratamento debilitante,
e o gelo sobro o'tumor, continuando-so porespaco
deum mez pouco mais ou menos, apenas eonse-
guindo-se com ello alguma diminuiefio na frca das
palpitados, que sempro foram isochronas s do pul-
so c mui freqlenles como as deste ; diminuiefio que
so poda attnbuir antes, as sangras c dieta, que ro-
ca rain pelo tratamento de Va Isa I va, do que ao uso
doglo quo evidentemente tnba exasperado todos
os symptomas e o tumor que pareca mais desenvol-
vido para aparte superior o interna do baixo von-
tre; oque obrcou o Sr. Dr. Ferreira a convocar
nutra conferencia, alim de dicidir-se se o gelo de-
veria ser suspendido, o praticar-se alguifias dasopc-
racoes propostas.
Comparecendo na segunda conferencia os Srs
Drs. Gomes, May, Ferroia, Arbuck c cu, foram os
dous pri'meirosSrs. o cu deopiniflo que sesospen-
desse o uso do glo, e nilo se defei isso limito a liga-
dura, om rasao do augmento que o tumor pareca lor
adquerido com elle, augmento que a progrodir
tornara esta maisnerigosa ou iuipossivel; oSr. Dr.
Ferreira volou pela gaivano-punclura, o o Sr. Dr.
AlbUCk Contra ambas, fundando-so estes dous ulti-
mo, Srs para volarcm contra a ligadura, em dizer
queo tumor oceupava quasi toda a fossa iliaca di-
rcila, o por isso nfio haveria especo su (licin to para
a ligadura da iliaca externa; objecgfio que levo do
nosem resposta, quojulgavamoshaver bastante es-
paco para ligar-se osla arteria, o caso nao bouves-
se, podamos sem imprudencia ligar mais em cima
8 iliaca primitiva, como ja bavia feito V. Mott do
New-1 ork, com feliz resultado.
Anda aqui o Sr. Polycarpo nao so pronuncia pola
operagfio mas o Sr. Teiseira, que na familia do se-
nhor docnle goza do merecido conceito prollssional,
visilando-o tambem aconselha a ligadura, econse-
gue pcrsuadi-lo queso subjeitasse; no outro dia
dando-nos ello parto da visita oopiuifiodoSr. Tei-
xcira, dice-nos, pela primeira vez, posto que muito
receloso, que eslava resolvido a submelter-se liga-
dura ; iiouco depois visitando-o coumosco o Sr. Di
Dornellas, com algica irresislivel que o caracteri-
za, acaba de convencilo da uecessidado della; en-
tretanto seus padcimenlos augmentam gradual-
mente, o chegam a tal poni, que, n'uma dessas noi-
tes, o sonhordoenlepede a son mano, oSr. Anto-
nio (.oncalves, que nos mandasso chamar, para a-
quelius mesnias horas Ihe praticarnios a ligadura da
arteria.
.No dia inmediato, visitando o Sr. Polycarpo, da-
nos elle parte do occorrido na passada noilo, o, ou
fosse pelo recelo de Veriflcar-se o prognostico quo
Bom, bom, exclamou o volbo com alegra
balando as palmas, eis-ahi onde teeu esperava,
Entfio, se meesperaya ah, respo.noa-me.
Nilo quero outra cousa.
Impedir o elixir que una chainin caia sobre
urna cabeca, quo una hala alravesse de banda
banda um homcm, que um cavallo rasgue com um
couce o veutre ao caValleiro?
Allhotas encarava Balsam, como deve oespi
chini olharpara oeeu adversario em posigfio qut
permiti feri-lo.
Nilo, lulo, nilo, disse ello, o lu s vordadoia-
niente lgico, meu charo Acliarat Nem achangu,
ne:ii a bala, nem o cotice podorfio ser evitados, em-
quanto liuuveroin casas, espingardas ocavallos.
lio verdade quo Vm. rossuscilar os morios:'
Por inojnenlvs, sim, indefinidamente, nilo. Pa-
ra isso fru preciso priuieiro que ou achasse o lugar
do corpo onde reside a alma, c isso poderia sor um
pouco longo; mas impedira que essa alma sahisse
lo corpo pela ferida que se Ule bouvesse feito.
haviam feito cinco dos pFaticos mais rcconimenda-
velsdesta cidade, quo comnosco volaram pela liga-
dura, ou fosse effeito da desesperadlo em que se a-
cjiava pela exacerbaQo de seus padecimentos, ou
por estes motivos reunidos ; o corto he quo nesse
dia o sonhor doente nos pedio com instancia que
Ihe praticassemos aquella operaefio por nfio poder
soffror mais lanos tormentos, dizondo-nos quena-
da Ihe fallnva para esse fim, pols naqucllo ns'.ante
acabava de recober o Santo Viatico.
Aqui tratamos do iranquillisa-lo, pelaafflicQfio em
que o vimos, assegurando-lhe que nfio o considera-
vamosem estado tilo desasperado como elle magi-
nava, que se fazia necessario antes disso submet-
ter-seaum tratamento prepamtivo para favorecer
o bom xito da operadlo; o retirando de cima do
liirnora bexg.i com o gelo, quo anda conservavn,
pelo parecer do Sr. Dr. Ferreira, tizemos substitui-
lo por um linimento, em que entrava acetato do
morphina, e a applicaco de 16 sanguesugas no ano;
e internamente prescrevemos-lbo urna porfi cal-
mante, leudo por base agoa de loureiro cerejo; me-
dicamentos quo foram por nos receitados, porque a
este tempo o Sr. Dr. Forreira, por incommodado,
deixra de sor assiduo em vislaro Sr. doente, co-
mo elle mesmo assevra no seu communcado. O
Sr. Antonio Gongalvcs nessa occasifio falla-nos sobre
os effeitos do cthor as operadles, c onlfio lembra-
ino-nos do o irensaiando, nfio s afim de vftr, se, reu-
nido aos demas moiosj prescriptos, consegucria-
mos mais depressa calmar os symptomas nervosos,
principalmente a insonia que durava ha mutosdias
como tambem so poderiainos contar com a etherisa-
Bo no acto da operagfio. O elber foi roceitado, c fo- moraos, por causa da accumulacfio dos cogulos fc.
Besta-nos ainda fazer urna observaefio e vema
ser, que, comquanto nfio partilhernos interamente
a theoria dos observadores, alias respeitavew, q1)e
proclamam a doutrina da nalureza Lnflamma'toria
dos aneurismas, todava no caso deque se trata nos
inclinamos a crer que o fosse pelas rasoes seguintc.,
i.', por urna especie no Sr. ilocntc, excessivas dores que experimentar
no tumor, e" oxtromidado inferior rnrrespondoiite
iuliltracfio dessa mesma extremidad, ele., ote
symptomas estes que acompanham asnrteritos; 2''
pola forte contusfio quo elle soffrCra algum lempo
antes no mosmo lugar, onde so desenvolveu o tu.
mor anourismatico, e natureza das outras c.iusas, a.
que o expunham a vida martima quo oxerca; 3.1
pela exasperacilo da doenca com o uso do gelo e su
rpida cura com o tratamento antiphlogistico o se-
dativo ou calmante, logo que aquello foi suspendido.
E para corroborara nossa opiniflo transcrevemos
aqu o seguinlo trecho, traduzido de urna das obras
do illuntrc autor das Plilegmasias crhonicas: Passe-
iiios s inflaminnces extensas do systema arterial
exterior, molestias menos conhecidas que as 'aneu-
rismas, sobre as quacs Scarpa fez indagacoes tfio od-
miraveis, que nada dcixou a desojar, dobaixo da re-
laco anatmica o cirurgical. Ello mui bam vio qu0
nfio ha aneurisma sem a/fecio da artera, so elle ti-
vesse dito sem inflammacdo a ideia teria sido com-
pleta, i) Continuando o mosmo autor a fallar das,ir-
lerites ou iiillamiiiaces das arterias, diz: u Se se nia-
nifestassom alguns tumores, que reelamassem um
tratamento cirurgico, sera necessario resolver u
doente a submetter-se-lho. Elles sfio raramento
Gomo i
Fechando-a.
Mesmo quando a ferida cortasse urna arteria t
Sem duvida.
Ah quizera ver isso.
Pois bem! olha, disseovelho.
E antes que Balsamo podesso acodir-llie, picou
una vela do braco esquerdo com urna lanceta.
Bestava tilo pouco saligue no corpo do vcilio,
Sim. Se o seu elixir do vida estivesse compos-
10, e \m. o lizcsse tomar a esse dio, vivira elle en-
tfio eternamente r"
- k'seel'echisse as mfios de um exnormoni iw!,ti0 PUC Sa"S{"> cor|' do vcil,'0' ev,l como u ds P"'*nos da idado meda, nu fibras
" H b'sc. lempo cinchegar aos labios da funda ; mascmlim/das machadinhas: para isto basta que um Allhotas
rain-no buscar botica do Sr. Sum; o Sr. Juvencio,
mano do Sr. Polycarpo, vem a nossa casa, eleva o
poquono apparelho para esse fim; o Sr. Antonio
LuiZ, pai (lestes Srs., convidando o Sr. Dr. Gomes
para assislira operaefio, retira-se para o campo, por
nfio querer se adiar naqucllo acto, segundo nos af-
firmaram os mesmosSrs. Antonio Goncalves e Po-
lycarpo, n'um daqucllcs das, em que suppunham ihe
lizessemosa ligadura.
No dia 21 do main, leudo pela manilla visitado o
Sr. Polycarpo, das 4 para as 5 horas da larde reco-
bemos pelos manos desteSr.tresrecados successivos,
que ello nos pretenda fallar; edirigindo-nos sua ca-
sa encontramos o Sr. Dr. Ferreira que all se achava
a nossa espera, afim do concordaron om pralicar-
soa gaivano-punclura por Ihe parecer aquella occa-
sifio 11 mais opportuna para isso; reproduzindo os
mesmos argumentos a favor desla, oohjecQes contra
a ligadura, cinittidas as precedentes conferencias,
sendo dontre ollas a de mais peso, que esta era im-
praticavel por o tumor oceupar quasi toda a fossa
iliaca; ao que replicamos dizendo-lho, que, lendo o
tumor duas o meia pollegadas do extensfio, meia a-
baixo o duas cima do ligamento do Fallopo, que pa-
reca dvidi-lo em duas partes dosiguaes, e a arteria
iliaca externa quatro a cinco pollegadas de compr-
manlo, claro tica quo temos mais do duas pollegadas
para com seguranca praticar-se a ligadura desta ar-
teria; que a gaivano-punclura nfio era tilo innocen-
te como a inculcavam, pois que nesse pequeo nu-
mero de ohsorvaees, quo so lem na Gazetla Medica
do Pars, um foi seguido da n orle do enfermo, ou-
tro de gangrena da pelle, e n'outro falhara completa-
mente, como j bavia acontecido em 1838, as mfios
do habilissimo cirurgifio ingle/ o Sr. Dr. Listn, que,
empregando-aSem proveitoemum caso d'aneuris-
iiiii da subclavoa, recorreu a ligadura, com que cu-
rou o doento: linalmeiito concluimos fazendo-ll;e
ver que a occasifio nilo pareca favoravel para so pra-
licar operaQfio alguma, vista das intonsas dores
que o Sr. doente aecusava sofTrerno tumor, e extre-
indado inferior do mesmo lado do tumor, calor da
pelle augmentado, frequencia do pulso, etc.; que
acliavainos mais prudente continuar-se como mes-
mo tratamento em que elle eslava j com algum
provoito, lornando-se mais enrgico pula addicso
de uina cataplasma narctica, em quo i-ntras.se a
dgilalis, e mais 20 sanguesugas no anus; c logo
que oessasse esse estado de exasperadlo em quu elle
so achava, e que seria o momento de pralioarse algu-
ma das i.pe aeoes em qucstfio; ontao se convocasse
uina conferencia definitiva, para se asscnlar na es-
culla de una dolas, o em seguida os mesmos con-
feroiilcs assisliriiim aquella, a qo dessem a prefe-
rencia. A este parecer aniiuio o Sr. Dr. Forreira, o
nem era do esperar outra cousa dos seus conheci-
mcnlos protissionaes. E retirando-nos acompanha-
ram-nos at as oseadas os Srs. Lieuthior o Antonio
Connives, o qual porgunlando-nos so por acaso nao
cessasse aquello oslado do irritacao quecontraindica-
va a oporacioda galvanb-punctura nfio se poderia pra-
tioar a ligadura. Bespondomos-lhe que nfio. Entfio
morro, o doenle? nos replicou elle. Equoremedio, Ihe
tornemos nos; a menos quenfio queirantos concorrer
directamente para sua morte: para tanto nfio esta-
mos autorisados. .
Nesta noitc, tendo-se feito ludo quanlo haviamos
aeonsi.-lhailo, ja o Sr. doenle dorniitou algumas llo-
ras, e com a contnua<;fio deste tratatnonlo dimi-
nuirain tfio rpidamente todos os symptomas Irrita-
livos, de surto que no dia 26 do maio tinham total-
monto dosapparecido as palfitages do tumor, res-
laudo tfio .somonte o cngorgitamento das paredes do
kyalo e os cogulos fibrinosos, que, obliterando a
arteria, oporarain a cura da aueursina.
apparoceu, o aberta esta passagem, para logo sabio
0111 abundancia.
Mcu Dos! exclamou Balsamo.
Entilo! que ha? disse Allhotas,
Vm. est (brido, o gravemente. '
J quo s como S. Thoin, e s crs.vendo o to-
cando, forcoso be fazer-to ver o tocar.
Toinou entfio um frasquinho, que po'zera i mfio,
o derramando algumas guitas sobre a ferida :
Olha, disse elle.
Na presenca dessa agoa quasi mgica, o sanguese-
paiou-sc, a caino ligou-se cerrando a voia, oa feri-
da toruou-sc uina-picada tfio aperlada que cssa car-
no liquida, que se chama sangue, nfio se poda es-
capar.
Nessa occasifio olhava Balsamo estupefacto para
o velho.
Eis-aqu una cousa que tambem descobri; que
dizesa ella, Acliarat i1
Oh mestre, digo que Vm. he o mais sabio dos
bomciis.
E quo se nfio venc interamente a morto, dei-
l.heao menos um golpe, de quo" Ihe ser dillicil le-
vanlar-so. VOs, meu lilho, o corpo humano toni os-
sos Irageis, e quo se podom quebrar : tornarei esses
ossos tfio duros como o ac,o ; o corpo humano lein
sangue, que quando se escapa leva comsigo a vida :
iopedrei que o sangue sabia do corpo; a carne lio
mullo o fcil de ser penetrada : fa-la-bei invulnera-
hrinosos que podom ser tfio consideravois, quea arte-
ria nfio admjlta mais sangue, e se oblitere Intera-
mente; o quoconstitue curas espontaneas, exempls
dados pela nalureza aos cirurgifios, que so tcm dito- '
logo quo a natureza cura as arteras aneuresmaticas
obliterando-as, obliteremo-las tambem. E elles o teni
feito pela compressfio, ligadura, etc. ( Lices de Pa-
thofagia e Therapeulica Geiaet).
Bogamos-lbes, Srs. Bedactores, a inscrciio destas
toscas linhas, com que muito obrigarfio ao seu cons-
tante leitor
Jos Francisco Pinto Cuimardes.
8kul>icao a pedido.
Certifico que a fl. 163 v. do livro dos exames cons-
ta queo Sr Antonio Pedro de Fgueiredo fez exame
de geometra em 13 de marco de 1840, e foi oppro-
vado plena mente. Em certeza do quo passei a pre-
sente. Secretaria da academia jurdica de Oliuda,
1." de setembro do 187. O hacharel Eduardo Soa-
res de Albergara, secretario inlorino. Gratis.
commnco,
Alfandegi.
BENDIMENTO DO DIA l............ 8:336,469
Descarregam hoje, 2.
Escuna Flor-de-Angelim ~ fumo e charutos.
Escuna Deslandes merradoras.
Itrguo -- A'e/ie- Mathilde idem.
Brigue Maria-Pelit idem.
Sumaca Sanio-Antonio-de-Padua fumo o cha-
rutos.
Consulado.
BENDIMENTO DO DIA !.
Coral.........
Divorsas provincias.
934,320
1,152
935,472
loviment do Porto.
Navios entrados no dia 1.
Portos do norto ; 14 das, e do ultimo porto 14 1 2
horas, barca de vapor mperalris, de quatrocen-
tos e sessenta sete toneladas, commandante o ca-
pitiio-lenentc Josuino Lamego Costa, equipagem
trinla. Passageiros : para esta provincia Do-
mingos Jos Perera Pacheco, Jos Antonio Pere-
ra Pacheco, Mauoel Antonio da Bocha Jnior, Joa-
quim Teixeira l.eito, Thentnnio Coc lio Cerqueira,
Gcraldo Correia Lima e D. Maria da Penha de Fran-
ca Miguis com quatro (ilhos menores ; para a Ba-
bia, Fr. Ildefonso do Genova, mssionaro ; para o
Rio-dc-Jaiieiro, ocapitfio-lencnte Filippe Jos Fer-
reira o o 2. lente Candido Januario Passos.
Galsgow; 42 das, brigue ingle/ Yarmouth, de 151 to-
neladas, capillo Williiim Forsylh, equipagem 8,
carga plvora o fazendas ; 11 Adamson & llowio.
Parahiba; 6 dias, hiato brasileiro Santa-Cruz, de21
toneladas, capillo Antonio Manuel Alfonso, cqui-
pagom 4, carga toros de mangue; ao capitfio.
Navio sahido no mesmo dia.
Una; hiato brasileiro Novo-Destino, capitfio Estovfio
Ribeiro, arga varios goneros. Passageiros, Mano-
BBBPHHBM
viva tresentos annos. E d-me o quo te peco, quo
vivere mil. Oh! meu querido Acliarat, isso depende
de ti. Restitue-mc a mocdado, o vigor do ebrpo, a
verdura das ideias, c vers se temo a espada, a bala,
a parede que (lasaba, ou o bruto que morde ou cs-
coueea. a niinha quarta jiivenlude, Acharat, isto
he, antes quo eu tenha vivido a dado do quatro ho-
mens, terei renovado a face da torra, e, sou eu quo
l'o digo, terei feito para mim epara ahumanidade
regenerada uin inundo a meu goito, un) mundo sem
Ichamines, sem espadas, sem balas, sem cavallos quo
escoucem ; porque onlfio os honiens compreliende-
rao, que he niclhor vivoroni, ajudarem-so recipro-
camente, o so amarom, do que so dilaceraren! e des-
truirem.
lie verdade, ou polo menos he possivel, mestre.
Pois bem, entfio traze-me o menino.
Deixe-mo redoctir anda, e reflicta Vm. mesmo.
Allhotas lancu ao seu adopto um olhar de sobo-
rano desprezo.
Vai 1 disso elle, vai I eu to convencerei depois;
aloro de que o sangue do homcm nfio he tfio precioso
ingrediente, quo se nfio possa talvez substituir por
outra materia. Vai I procurarei, eacharoi. Nfio pre-
ciso de li, vai!
Balsamo bateu com o p noalgapo, o desccu ao
aposento inferior, mudo, immovel, c curvado ao ge-
nio dosse homcm, que obrigava a crer o m cousas '
fjzcndo ello mesmo essas cousas ira*
mpossiveis,
possiveis.
(Conlinuar-st-ka).
______


&
I cavalcantc com stia familia, Jolo Francisco de
ytahide, Miguel Araujo Canavarro e Jos Al ves Pe-
reira, Brasileros.
I jeelai-acocs.
O vapor Imperatriz recebe as malas pa-
ra os portos do snl, hoje (2i do corren-
te a urna hora da tardo: depois desla
hora as cartas que vierem pagaro o
porto doiirailo at '" e de pois desta 11S0 ra-
so ccberilo mais.
/ uta das carias vindasdo norte pelo vapor Imperatriz,
no 1. de setembro de 1847.
Augusto Pater Cesar, Antonio Bernardo Vaz de
i irvallio, Antonio Francisco Pereira do C., Antonio
Francisco de Olivoira, Antonio Goncalves da Silva,
Anlonin Jos deMagalhfles.
' Francisco Paula Souza Loao, Francisco Regos do
LeiloCarneiro.
Herculano Lopes Araujo S.
joaquim Jos dos Santos, Jolo Lopes Ribeiro, Jos
Antonio Azcvedo Mello, Jos Antonio Figueiredo,
jse Francisco Silva lioaventura, Jos Jacintho Sil-
va Jos Mendos Souza, Jos Vicente Durto B.
' i.uiz liento Bodrigues de Castro.
Miguel Marlins Costa II. Marcos Antonio Rodri-
gues Souza, Manoel Antonio Silva, Manoel Jos L.
Lisboa, Manoel Rodrigues Neves.
O arsenal de guerra compra nzeito de carrapa-
tcedecco, fio do algodilo e pavios : quemtaes
eneros quizer fon.cccr mandar sua proposta em
carta fechada a directora do mesmo arsenal, ateo
ilia 6 do correte mez.
Arsenal de guerra, l.'de setembro de 187.
Joo Ricardo da Si ka.
Amanuense.
le Flor-do-Becife, pregado o forrado de Cobre, a de
boa marcha: quem nelle quizer carregar, ou ir lo
passagem, dirija-se a ra do Vigario, n. 5.
Para o Cear tcm de"scguir viagem o hriguc-es-
enna Henriqveta mestre Jos Joaquim Alvos lia
Silva: quem nelle pretender carregar, dirija-so ao
mesmo mestre, no trapiche novo, ou a ra da Ca-
deia-Velha n. 19, segundo andar.
- Para o Aracaty tem de seguir viagem o hiato
Novo-Olinda, mestre Antonio Jos Vianna : quem
nelle pretender carregar, dirija-se ao mesmo mes-
tre no trapiche novo.
Para o Porto sahe, imprcterivclmcnte at o dia
12 do correnle a veleira escuna Gatanle-Maria ; re-
cebe anda alguma carga : para a mosma o passa-
geiros para o que tem escolenles commodos, tra-
ta-se com Silva t Grillo, na ra da Moedade, n. 11.
Para o Aracaty, ou Cear sahir, a sumaca
S.-Antonio-de-l'adua : quem quizer carregar, ou ir
de passagem, dirija-se a ra do Vigario, n. 5.
Leiit s.
Contratos a celebrarem-se com a thesouraria das rendas
provinciaes no correnle me: de setembro.
DIA 25.
Oda conlinuacilo da obra do caes do Ramos, ava-
hada em ris 7:182,000. Os Irabalhos far-so-hflo
deeonformidadecom os riscoso ornamentos j ap-
provados; encelar-so-liflo dous mezes depois do va-
lidado o contrato, e findar-sc-hio no cabo de seis
mezes. O pagamento realisar-se-ha na forma do
disposto no artigo 15 do regulamento das arremata-
cOes. 0 prazo do responsabilidade ser do um au-
no. Fixar-se, cinfim, o contrato com aquello dos
concurrentes que por menor preco se comprometter
a fazera obra.,
DIA 30. -
Odoestabelecimento do urna linha de mnibus,
que, na forma da le provincial n. 191, facilite o
transporte desta cidido a qualquer dos seus arrabal-
des e de Olinda.
Objectos que a thesouraria das rendas provinciaes quer
comprar para o carpo de polica. *
339 mochilas'; 294 corrcias para cssas mochilas;
403 ditas para malotes; 532 marmitas pequeas; 517
crrelas para essas marmitas ; 565 canlis ; 441 cor-
roas'para esses cantis ; 751 hornaes ; 454 cscovi-
nhaseagulhetas com correias; 6 marmilOes. Quem
qur que tonha estes objectos, ou queira enearrc-
gar-sc da sua manufactura, do ve. comparecer na se-
cretaria da predita thesouraria no dia 3 do corrento
setembro, ao meio dia, com as propostas e amostras.
Objectos que a repartido das obras publicaj pretende
comprar.
Quinze alquoires do cal preta ; 6 taboas de assoa-
Iho; 12 lagos de cantara de Lisboa, com cinco pal-
mos de comprimonto e 2 do bjrgura ; 44 galos
bronze; 4 canoas de arcia ; 40 alqueires deca;
6D0 lijlos de alvenaria.
Cadeira vaga de primeiras leltras.
A de Caruar, cujo concurso lera lugar no dia 9
de. setembro correufe.
hteravos apprchendidos pela polica.
Joaquim que declarou pertoncer a Joaquim Mar-
ques do Santiago, o Jeronymo que (iisseserdo pa-
dre Miguel Joaquim, vigario de .San-.Miguel-dc-l.am-
pos. Acham-sc na cadoia desti. cidade, e serilo en-
tregues vista de ttulos legaes, aprcsenlados na
subdelegada da freguezia do Becfe.
THEATROP7bLICO.
DOMINGO, 5 Dli SETEMBRO,
a beneficio do ador Antonio da Cunlia, so represen-
ta um novo drama chegado de Lisboa,
OPADBECASIMIBO,
ou
O GUKBUILIIEinO ISTRRPWO.
Dividido em 4 actos e seis quadros.
Primeira paiteAs aldclis portuguozas
Segunda
intitulado
Leilflo que faz Joaquim Pinheiro Jacomc, do
urna porgSo de caixtiesde passas: no caes d'Alfande-
ga, defronte do arinazom do Sr. Annes: hoje, pelas
9 horas da manhfa.
O corrector Oliveira far loilio, por ordem e em
presenca do 111 ni. Sr. cnsul da Franca, e por conta
o risco de quem pertencor.de 7 barricas comer,
50 caixas com velas, 99 ditas com vdros, o de 392
garrafes, salva los do bordo do hiato San-JoSo,
mestre Jos Antonio da Silva, encamado por forca
maior do mar na praia de Pitimin, na actual via-
gem que fazia deste porto com deslino ao da Babia:
hoje, 2 de setembro, as 10 horas da manhaa, no lar-
go daalfaudega.
Avisos diversos
O LIDADOR N. 212,
est a venda hojo ao moio-da : narra a violencia
inaudita contra o Sr. Dr. Caldas, exercida pela po-
lica do Coianna. Osns 210e2tl que nao foraman-
nunciados tambem se aehnm a venda
A pessoa que precisar alugar nina preta liel pa-
ra oservico de urna casa de pouca familia, dirija-so
a roa do Hospicio, n. 15, casa do escrivio Alcanfo-
rado.
Quero precisarle urna mulhercom muito bom
leite, o queja tem pratica de criaefio, dirija-se a ra
do Padrc-Floriano, n, 10.
Precisa-se de urna miilhcr quo saina cozinhar,
e que seja do boa conduela, para ama, a qual s se
pretende para cozinhar : no pateo de N. S. do Terco,
n.16.
Precisa-se do um preto bom, para se ler clrec-
tivamenteemeasa, e para trabalhar em um sitio:
quem o quizer alugar, ouannuncie para ser procu-
rado, ou dirija-se a ra Augusta, n. 60.
I'recisa-se de um homem brasiloiro ou portu-
guez que tenha boa lettra e conhecimento para
passar a limpo urna escripturnclo commercial:
quem esliver neslas circumslancias, onlendn-so
cun I.uiz Antonio de Scqucira, na ra da Cadeia do
Becife.n. 21.
-- Aluga-se, ou vende-se um preto : na ra Nova,
loja n. 58. Na mesma loja compram-se sapaloeso
spalos brasilciros : sendo obra bem fcila c de dir-
igientes tamanhos pagam-se bem.
--O Sr. Antonio de Souza Araujo lem una carta
na ra do Crespo n 3 vinda de Portugal, da |>o-
voacflo de S.-Pedro-da-Cova.
Precisa-se de um criado na ra do Crespo, n.
14, primeiro andar.
'--Francisco Xavier das Chagas, visto so achar. sivos do queixo superior
sera
Terceira
Quarta
Quinta
Sexta
ausente do deposito gcral a preta Ira, crioula avi-
sa a qualquer autoridade do polica ou capitao
de campo, que, pegando-a podera recolhe-la
a cadeia desta cidade visto ja tor despacho do mi-
nistro. O carceroiro poder receber e passar recibo.
Furlaram na nniledo 31 de agosto para o pri-
meiro de setembro, do sitio de Jo0 Baptista ller-
bster na Capunga um cavallo novo de 7
pouco mais ou menos, castanlio-oscuro .
e cauda bastante compridas, ca regador baixo c
meio. Quem dclle tiver noticia queira por fa-
vor participar a sen dono o Sr. Bolli no dito sitio,
mi na ra da Cruz do Becile, n. 40, que
gratificado. .
Joa n l'icrrc Arnol e son lilho de igual nomo se-
guem para Franca com escala pelas provincias do
Maninioc Para.
Pretendcm-so alugar por semana, ou por mez,
conforme seajuslar duas pretas forras, ou capti-
vas que sejam liis, e que tenham pralica de ven-
der na ra : quem as livor annuncie por esta falla ,
ou dirija-se a ra da Mangucira que lica na frente
da porta da igreja da Gloria na Boa-Vista casa de
Antonio Cornos Pessoa.
I'recisa-se de 500,000 rs. a juros de dous por
cento sobre hypolhcca em una casa : na ra de
liortas, n. 52. .
D-se dinheiro a premio sobre penhoros ue ou-
ro e prata ou hypolhecas em casas trras : na ra
cstreita do Rozario, n. 30, segundo andar se dir
A morledo'valonte padre Casimiro. qUcm d.
-A guerrilha do padre Mimoso
A junecao dos partidos.
A entrada do barao de Casal na ci-
dade de Braga.
A morte do general Macdonald.
Nesle precioso drama far. o actor Santa-Roza a
parte de um donato de San-Bento-de-Lorvflo, que
servia de balisa no batalhSo da patulea da cidade ue
Braga. Sen nome he Alfonso Melgaco.
Puhlicacao Mueraria.
PORTUGAL.
Becordacdet do anno di 1842, pelo principe l.ichnonslsy,
traducido do allemdo segunda edicto correcta e an-
uotada.
O consumo rpido da primeira edicto e a sua
procura por muitas pessoas que ficaram sem ella ,
nduzio o traductor a fcimpresso d esta obra cu-
riosa, quo conten a apreciaco dos caracteres mais
notaveis do paiz, dos seus acontec montos polti-
cos monumentos e lugares principaea fc.tai por
esse principe prussiano, quealli v.ajou no a. no
citado. Esta interossante obra, que conte.n^220 pa-
ginas vende-se por 1,000 rs.
7, segundo andar.
na ra da Cruz n.
visos martimos.
Para a Babia sahe, o mais brevo possivel, o hia-
Precisa-se de um amassador que enlonda de
cortar massa: na ra Dircita, n. 26.
Aluga-se o primeiro andar da casa da ruado
Queimado, n. 6, com commodo para pequea fa-
milia : a tratar na loja da mesma
--Na loja da ra do Queimado, n. 30, de Jos
Joaquim de -Novaes alm do sortimento ja annun-
ciado de obras feilas e fazendas ha chapeos da ul-
tima moda chogados ltimamente de Franca ; min-
io boas casimiras ; chapeos do Club muito tinos;
caixas de perfumarlas sortidas muito pronrias pa-
ra toucadordesenbora pelo barato preco de 5,000
rs.; lencos de cassa para mlo de senhora e pescoco
de homem ; muito bous cortes de chita.
-Precisa-se do um.apazportuguez, que ter lia
pratica de loja do rerragens: na rualNova, n. ib.
-I'recisa-se de um caixeiro que tenha conheci-
montos sulficienles para tomar conta do unta pada--
ria por balanco ; sendo hbil da-se bom salario : na
ra Imperial, n. 37.
Perdeu-sc, da ruaa pracinha do Livramenlo ,
ao meio-dia um brinco roliso com diamantes :
auem o achou querendo restituir dirija-so a ra
larga do Rozario n- 30 loja de allaiato, que sera re-
compensado. .
Aluga-se o grande armazem n. 34 da ra de
Apollo, com o extenso terreno que tem polo lado
do detrs. Os pretendentes dinjam-sea Jos Vello-
zo Soares, na mesma ra.
Offerec-seuma mulher do idade para ama do
urna casa de homem soltciro ou do pouca familia ,
Lsendo capaz: om Fra-dc-Portas, casan. 28, ao
correr da igreja do Pilar.
SOCIEDADE
!>riI!,0-TERP.SICH<)RE.
O primeiro secretario avisa aos Srs. socios, que
hoje 2 do correnle, lia sessilo da sociedade as 6
lloras da tarde.
F. Cellicr vai para o Bio-de-Janeiro : as pessoas
que titerem contas com elle, dirijam-so a ra Im-
perial n.7
--L. G. Ferreirac Companhia teem constituido
seus bastantes procuradores aos Sis. Antonio de
Moraes Gomes Ferreira e Frederico Augusto Dosc.
Aluga-se urna casa torrea com bons commodos,
sita na travessa do Pcixoto, a qual so achacaia.la
o pintada : a tratar na ra Direita sobrado n. 29.
--Oabaixoassignado avisa aos carregadores do
hiato braslleiro San-Jodo, do que he mestre Urba-
no Jos dos Santos, que seguia viagem para a Babia,
e arribando, a esto porto, por forca maior, descar-
regou-se, e acha-so a carga em seu podor, quo no
prazo de oitodias da dala destocomparecam para as
receber, o pagar as despezasque so lizeram com
a mesma. Pitimin 2desolembro do 1847. O
subdelegado Jodo da Costa Hezcrra.
O dentista C s-ingrador,
Jos Adelo, tcm a honra de annunciar ao respoi-
tavel publico, e especialmente aos seus freguc/.os o
amigos, que elle so ada prompto para praticar
qualquer operaqilo pertencente a sua arte, para o
que poder ser procurado das 6 horas da mandila as
(iila larde, em sua casa, na ra estrella do Rozario,
n. 7, junto a igreja.
O annunciaiite toma a liberdade de declarar ao
mesmo publico, que a longa pratica que tem, de 16
anuos, o tem habilitado a oxeoutar qualquer das di-
tas opcracOcs com toda a delicadeza o perfeico, mes-
mo parante qualquar medjeo ou cirurgiilo. Ojjtio
sim, para obviar qualquer duvida, o mesmo annun-
ciante julga conveniente declarar aqu os precos por
que se obriga a la?er qualquer das operaefles refe-
ridas; acrceseentaiio, que, quando o maudarem clia-
mar para osle lim, Ihc doveriio mandar a indicaeflo
do lugar a quo lio chamad.), nome da ra, numero
da casa, ele, viudo logo adiantado o importe da o-
peracito quo se quizer, alim do que venha mais
promptaiuonte : nilo obstante, porm, lica iivre a
a quem quizer usar de generosidade depois de pra-
ticadaa mosma operadlo. Advorte tambem, que, sen-
do chamado e indo ao lugar ao qual o.cbamarem, o
ahi nilo platicando a operaQilo, por nfiosor mais pre-
cisa, ou por alguma circunislaucia independente da
sua volitado, lem ganho o seu jornal.
Precos das operacSes praticadas nos barros do liecfe,
Boa-Vista e San-Josr.
Tirar delicadamente um dente, ouuma raiz 4,000
Sangrar delicadamente, porcada vez 4,000
Apartar perfoitamonte08 quatro denles inci-
sivos do queixo superior 10,000
dem do queixo inferior 10,000
Chumbar um dente com qualquer metal
branco 4,000
dem com ouro, sendo preciso 5,ooo
Porcada apnlicacilo de ventosas seccas, ou
sarjadas 10,000
Preco* dos mesmas operacOes no liairio de. S.-Antonio.
Tirar delicadamente um dente, ou urna raiz
Sangrar delicadamente, por cada vez
Apartar pcrleilamenle os quatro denles inci-
2,000
2,000
8,000
8,000
dem do queixo inferior
Chumbar um dente com qualquer metal
branco 4.000
dem com ouro, sendo preciso S,000
Por cada npplicacQo de ventosas seccas, ou
sarjadas 10,000
Precos das mesmas operaroes platicadas em casa.
Tirar delicadamente um denlo, ou una raiz 1,000
Sangrar delicadamente, por cada'vez 1,000
Apartar perfeilamente os qualro denlos inci-
sivos do queixo superior 6,000
liem do queixo inferior 6,000
Chumbar um dente com qualquer metal bran-
co, do 1,000 a 2,000
dem com ouro, sondo picciso 5,000
Por cada applicacilo de ventosas seccas, ou
sarjadas 6,000
N. B. Sendo chamado fra da cidade vencer na
rasfui do 10,000 rs. por cada legoa, alm dos precos
da operado que lizor, que serilo os niesmos que em
casa.
Na mosma casa cima se aclia a venda a muito a-
Ci'edilada na Europa, agua imperial, de Mr. Gariot,
cx-ciriirgio dentista do rei da llcspaulia, a qual h o
mellior especifico (|iie so lem descoberto para a lini-
peza e asscio dos denles; a qual, conservando-Ibes o
esmalle e dando consistencia as gengivas, deixa na
bocea um ebeiro agradavel o previne as dores do
denles.
Cada frasco vai aeompanhado do' um improsso
que ensilla o melhodo por que se deve usar da refe-
rida agoa.
Vendo-so nicamente na casa cima indicada a
1,280 rs, o frasco.
Aluga-se um bom sitio porto da praca por ser
no principio da estrada dos Aflictos, com boa casa,
estribara ecocheira, boas baixas para capim e Ier-
ras para planlaglo, boa agoa para beber e lavar,
o muitasarvores de fructos : a fallar na ra da Praia,
n.46
No dia 3 do correnle, porta do Sr. doutor
Silva Nevos, na ra Nova, se ha de arrematara
casa n. 31, da ra do Vigario, com 117 palmos de
fundo, que deita para a do Burgos, e tem 137 de fron-
te oni chaos proprios. Sendo este o dia da ultima
LO RIA DOTHBATRO:
A venda dos billictes desta lotera que com tan-
ta rapidez segua, a que deixavasuppftrqneaa ros
pertivas rodas andariim tambem rpidamente, vi
sofriendo alguma demora tanto que depois oo
ultimo .innuiicio pelo qual se designou o da .57
correnle, para o andamento das ditas rodas, bem
ponco adianlou-so a mesma venda "'""J0 '"
lanto nm nilo pequeo numero de MlItMM p<
vender anda. Por esta causa que nilo esta ao al-
cance do thesoureiro remever, deixou oslo do uzei
elTectivoo referido andamento no dia cima IBOT-
sionado marcando uovamente o dia 15 do corren-
to mez de setembro para reilisacflo desse acto,
que so tornara iulallivel, seos mlcressados nosio
jugse ptopozercm, como be do esperar, a coa"Ju
varo mesmo thesoureiro nos ineios do compieiar-
soasobredita venda. .
Alugam-se dias pequeas casas te-reas
na Trempa. na ra do Sebo-, M. 52 e 54, P* *r
rs. mensaes : a tratar no escriptorio de F. A. de Oli-
veira na ra da Aurora, n. 26.
Jos Pradies, ciiloleiro amo-
lador,
avisa ao rospeitavol. publico destl cidade, quo so
acha eatabelocido na ra Jo Cabogi n. 12, onde
sempre oslara prompto para fazor qualquer ferra-
menla ou instrumento de cirurgia trinchantes o
outros : tambem conccrla espingardas, 1'azfreios
para cavallos, esporas de ludas as modas c ludo o
mais quo forconcernente a o seu ofllcio. Amla as
tercas, quintas a sabbados.
Reirt s coloridos de daguer-
rotyp
Carlos D. Fredricks lem a honra do annunciar ao
rcspetavcl publico, que, estando breve a seguir via-
gem para a corte deste imperio com os ltimos des-
CObrimontos desta famosa irte, s so podera de-
morar nesla cidade por um curto ospaco de lempo :
a por isso roga a todas as pessoas, o particularmen-
te as familias que eslo para retirar-se da cidade,
aproveitem-se desla bella occasiflo para tirarem
os seus relalos do urna niancia a mais perfoita que
se ha visto.
O artista, para que o publico conbec 0 mrito do
seus Iraliallios.s pode dizer que na cidade do Mara-
iiliio ; de onde se retirara ha 3 me/cs tirn mais do
Ires mil retratos.
Retratos copiados e tambem se tirain retratos pa-
ra meilalhas o alunles. Trabalha-se com a mesma
fcil idade com sol ou sem elle das 9 horas da ma-
nhaa as dnas da tardo.
As pessoas que quizerem podem ir examinar os
retratos que sempre tem amostra em sua casa,
na ra da Cadeia-Nova, n. 26.
Precisa-se alugar um sobrado de um andar,
que soja grande o tenha quintal om as mis mau
publicas do bairro de S.-Antonio ou Boa-Vista os
mesmoalgum sitio com bons commodos, sendo
no Hospicio Corrodor-do-Biapo Estancia ou em
algiim lugar muito perto desla praca: na esquina
doLivramentO loja de 6 portas, do Sr. (labriol
Goncalves Lomba, se dir quem precisa.
.Na ra Vclha, n, 94, precisa-se do urna ama sec-
ca para (azor todo o servico de urna casa de pou-
co familia.
--Quem quizer dar 300,000 rs. a premio sobro
hypolhcca em urna boa morada de casa, annuncie.
- Aluga-se o sobrado de dous andares, om Fora-
de-Porlas n. 83 com muito bons commodos pin-
tado o concertado ha pouco i a tratar na mesma ra,
n. 85, com Iodo Marques Correia.
Na ra do Trapiche-Novo, casa n. 8, precsa-so
de urna mulher que atiba cozinhar.
POMHATEAU, CUTF.LF.IBO NO ATEBBO-DA-
110 A-VISTA,
lem a honra de avisaran1 publico, quo mudou o
seu cstabolecimento da ra do Atorro-da-Boa-Vsta,
n. 5, para o sobrado novo, n 16, da mesma ra.
Na sua loja sempre o publico adiar como de cos-
tme um grande sortimenlo Af. cAelerias finas e do
todas as qualiilades ; bem como pistolas de viagem,
o armas para caca. Contina a concertar todas as
qualidades da armas o ferragons, o amla as quar-
las-feiras e sabbados.
- lie clicgado un lindo .soilimcnto de
tsboase pranchdes de pinho da Suecia ,
de io a 3o palmos de coinpiimento, pro-
priaa para um lindo assoallioou forro de
casas, para quem tiver bom gosto, pois
s3o as mais lindas que a este mercado
teem viudo : a fallar atrs do theatro ,
com Joaquim Lopes de Vlmeda, caixei-
ro do Sr. Jo3o Watheus. A ellas que
se acaben).
Pelo novo destino que deu ao edificio da sua
residencia na ra do Hospicio, poder o doutor
Sarniento receber emsiia casa (lenles que desejem
virlratar-se nesla cidade. Serilo recebidos DlO so
os (lenles do qualquer seso e condicflo que sejam,
mas lanibeni as pessoas, ou familias, que os qui-
zerem acompanhar.
bem
II. S.
awsoi, de;.'lista
conhecido
dourador,
fahrica
na
de
praca.
Ca umon t,
na Aova 11. 5'i ,
candieiros de gaz o outros, doura, prata e bronzea
,lo dilTerontes cores todos os metaos, sejam de igreja,
militares, ou particulares; concerta e torna a por do
novo lodos os objectos do metal; pOe os candieiros
de azeile promptos para gaz; troca e compra todas as
qualidades de bronze, por prego rasoavcl.
A pessoa que annunciou no Diario de 31 de
agosto, querer comprar quatro caixas de tartaruga,
nesla provincia, leudo agora chegado da Europa o
leudo visitado as capitaes do Londres o Pars, don-
de trouxe os melhores objectos da sua prohssilo quo
t boje se conhecem, como novos instrumentos,
denles e mais necessarios para qualquer oporacilo
da sua arte; oTeroroseus servicos aos Ilustres ha-
bitantes desla cidade, conformo a sua tabella fixa,
e prouielte fazer lodos os esforcos para agradar as
s.'iihoras, ou senhores, que o quizerem procurar,
das 9 horas da manhaa ate as 3 da tarde na ra do
Trapiche no Becifc n. 4, segundo andar.
lompras.
Iude drigir-se a ra de liortas, loja de tartarugueiro I achaques anda
por baixo do sobrado n. 30, que as encontrar dasldo Cabuga n. 1,
melhores o mais bem trabalhadas que at hoje aqu I -- Compra-se
tem apparecido. Ifllho na ra Nova, loja n. 3.
Compram-se 4caixas redondas para rap, do
casca de tartaruga, dessas viudas do Aracaty : quem
tiver annuncie.
Compra-se urna escrava moga sem vicios nem
que nSo Icnha habilidades : na ra
segundo andar.

co" ''ueFracfsco Jopinto drtxu'ar \*a3-\ melhores o mais bem trabalhadas que al hoje aquij
xoi'ro desde 31 de agosto.



I

'
i
l !
I
' I
I
I
|
<
Compra-se um preto que seja bom canoeiro ,
moco e sem vicios : na ra da Praia-do-S.-Rita, n.
25, ou annuncie.
Compra-se urna escrava moca de boa ligura,
3ue saiba cozinhar e lavar, o nlo tenha vicio: ogra-
ando paga-se bem: na Boa-Vista, ra Velha, n. 18.
Quom a tiver, devc apparecer das 11 horas da ma-
rihfla as 3 da tardo.
Vendas.
-- Vende-se um escravo de nago muito mogo
e robusto, proprio para engnho, ou para lora da pro
vincia : na ra da Lingoeta, n. 3, so dir quem
vendo.
Vende-sc um bonito preto na ra do Collegio,
n. 15, segundo andar.
Vemdcm-sc6 escravos mn">s, de bonitas, figu-
ras ; sendo alguns dellos bous vaqueiros e carroi-
ros e que nlo teem vicios nem achaques : vcndcm-
sc para pagamento de dividas, o muito cm oonla ,
por nito sercm do ganhadores: na ra la Concor-
dia paseando a pontezipha a direita, segunda ca-
sa Ierre* se dir quem vende.
Na ra Nova, loja n. 58, contina a haver obra
do pala para vender por proco commodo bom
como: sapatOese sapatos para hoinem ; sapatos
l ,.:a senhora ; ditos para meninos e meninas ; cou-
ros do cabra ; liezerro ; sola ; mnrroquin ; romo do
lustro; e inais algtima cous
Lotera do
Bio-de-Janeiro*
lotera a benc-
dc Niclheroy :
loja do cambio
>
do

Itilbcles c meios ditos da oitava
lirio do Iheatro da imperial cidade
vendem-se ni ra da Cadoia, n. 38
de Manoel Comes.
IVa ra do Crespo,
ii. 11
vende-so pido baralissimn proco de 3,51)0 rs > a pe-
ga decambraia do cores com 13 varas muito pro-
pria para vestidos c cortinados do cama.
Casa da F
na r na estrella do Llozario, n. (i.
Nesto eslabclecimcnto acliani-so a venda as bem
acreditadas cautelas da lotoria do Iheatro publico
dosla cidade cujas rodas andam no da 15 de se-
tombro. O cautolisla espera que os seus freguemos
enneorram a comprar o resto das ditas cautelas ,
lias quaos so espera linas surtos pola OXCelleilte 68-
colha que se fez dos nmeros para sorem divididos
em cautelas. A ellas quesHo poucase boas : l'iecos
os lo costuine.
Vende-se, por precisfo, una parda de 17 an-
uos que engomma, cozinba e cose chfio ; un nio-
leootc de 19 a 20 annos bom trabalhador decam-
po: na ra das Cinco-Pontas, largo da forca, junto
a nova matriz, n. 3
Vondem-sc 40 acgOes da compaiibia de lleboi i-
lie : na ra da Madre-dc-Ucos, loja n. 34.
Vonde-se um carneiro muito grande e bonito,
capado o muito manso, que anda sollo na ra atrs
da pesso que o conduz, sollado com o dono em ci-
ma. Todo o pal, portento, que quizer ensinara son
filbo a cavallciro, o o quizer comprar, dirija-so a
esta typographia, queso dir qume vende.
Vende-se um superior, exeollenlc e muito bom
acabado eiironomelro, (cito por um dos priinoiros e
distinguidos fabricantes de Londres, sendo este o
nico em Pernambuco, que anda por OITO DAS:
quem quizer compra-lo e vi'-lo podor diiigir-sea
bordo da galera ingleza Columbas, aonde se arha
prescnteir.ente, alim de ser regulado.
Velas Na ra da S.-Cruz> n. 96, casa com frente para a
rus da Alegra vendem-se as mais bom l'oitas volas
de carnauba a 7,600 rs. a arroba e a libra a 260
rs. \ ollas, anles que se acaben).
Veiidein-se quoijos loildrinos 0 presuntos in-
glezos : na ra Nova, n. 3, casa do Antonio Torrara
lima.
Vende-se um molcquede 14 anuos c urna ca-
lila com habilidades, propria para ama de rasa;
ludo cm conla porseu dono se querer retirar : na
ra eslreita do llozario, del'roiitc da groja por
cima dobarbeiro, n. 4.
- Vendcm-se dous lindos moloques de 18 a 20
anuos, sendo um dellos oflioial do alfaite e co/.i-
iihoiro; dous pretos um oflicial de sapateiro e o
oulro proprio para lodo o servido ; dous pardos ,
um bom carreiro c o oulro proprio para pageni de
16 a 18annos ; duas pardas urna do 20 anuos com
habilidades c a ontra com 12 muios, propria para
se educar ; duas pelas, com olgumas habilidades ;
duas negrinhasde 11 a 13 anuos, com principios
de habilidades : na ra do Collegio n. 3, segundo
andar, sed ir quem vende.
Vende-se una canoa de cair-ira aborta ,
propria para familia grande, do muito boa cous-
trurco nova c que ache-SO no porto da ra Nova :
a tratar no mesmo porto rom Manoel de Castro da
Assumpgflo ou na ra do Collegio n. 13, as hi-
jas.
Vcndcm-sc duas caixas de tartaruga branca
preta obra bem taita no Aracaly; e uns mappas
geographicos, cm quadros, por commodo pceo : na
ruado Queimado, n.46.
Vende-se um preto de nomc Augusto : na ra do
Vigario n. 17.
Vendo-so urna linda mulalinha recolhida, de
18 anuos ptima paro mucama que cuse e engom-
ma e lie de cxcellente conducta : na ra eslreita do
llozario, n. 31, primeiro andar.
Vcndem-sc resmas de papel almaco bronco, de
primeira qualidade; ditas de segunda qualidade,
branco e azul; ditas do peso azul ; biros de fil de
linho de padrcs modernos, o de todas as larguras;
milheiros de peonas do eserevor de boa qualidade, o
tudo por prego roais barato do que em outra parte :
na praga da Independencia, loja de miudezas n 4.
Vendem-se duas barretinas, sendo urna de seda
e outra de oleado, para oflicial de guarda nacional;
urna banda; um par-de escamas; e urna canana: tudo
por proco commodo : na ra das Trincheiras, n 46.
Vende-se urna escrava da Costa, moga, vende-
deira de ra : ao comprador se dir o motivo da
venda: no becco-do Carcereiro, n. 15.
Vendc-sc um bom escravo do idade de 25 ali-
os, muito sadio e de bonita figura: na ra da Cruz
do Rccife, n. 43.
Vende-se estopa, propria para saceos : na ra
to Trapiche, n. 8.
ATTENCA'!
Vende-se arroz branco supe-
rior: na ra do Queimado, n. 4.
Yendem-se 5 titeiros pata loja
por proco muito commodo : na na
Cabug) loja n. 6.
Vende-se um cxcellente molccole do 20 an-
nos com alguma pratica de padariu o principios de
cozinheiro muito sadio robusto c de bonita figu-
ra : na na da Cadoia doltocife loja de Manoel Gon-
vos da Silva se dir quem o vendo.
Vcndc-se, na livraria da ra do Crespo, n. II,
a resposta do gcnoral Abrcu o Lima 1 v. por 1,000
rs.; Horacio cm bom uso por 2,000 rs.; um dic-
cionario de Constancio, em bom uso, por8,000 rs. ;
Selectas, a 1,000 rs. cada nina; Instituices ora-
torias, dc.M.F. Quintiliano 2 v. por 2,000 rs.
Obras de Voltaire, em 5 v. por 3,200 rs.
Vende-seo resumo de arilhmctica extrahido
de l.acroix para uso das nulas do primeiras lettras,
porS. II. do Albuquerque : na esquina defronte do
Collegio, a 610 rs.
Vende-so um melliodo de piano, por Viguera,
em bom'uso : na praga da Independencia,'n. 4 por
4,000 rs.'
Vcnde-se urna escrava do bonita figura que
engomma perfeilamente coso chao, lava bem, tan-
to de sabfio como de varrella o cozinha soflrivel-
mentoo diario do urna casa : na ra da Gloria na
Roa-Vista, n. 87, primeiro andar, 8 quulquer hora
do dia, so dir porque vende.
-- Vende-se urna cama de Jacaranda com muito
pouco uso, com seus competentes eolches c enxer-
gOes, ou sem ellos por commodo prego : na ra
ila Cruz, no Rocife n. 18, segundo andar.
Vendem-se encerados pequeos, mui bem fri-
tos e pintados, proprios para cobrir cargas de as-
sucar ou carne secca por prego mais commodo
do que em outra qualqiier parlo : na ra da Cruz ,
no Rocife, n. 18, segundo andar.
Vendem-se pecas de niadapol.lolinipo com 20
varas a 2,400 rs. ,e a seis vintens a retalho: na
ra eslreita do llozario n. 10, terceiro andar.
Vendem-se 19 cadeiras um soph un jogo
do bancas; ludo de Jacaranda e quasi novo; 4
mangas de vidro bordadas e grandes, por prego-i
muito em cunta : na ra Augusta, n. 60.
Vendoin-so caixas decha hysson de 6, 12e13
libras em poicos, ou a retalho ; caixas de volas
do espermaecto de5 e 6 em libra : na ra da Alfan-
doga-Vellia n. 36, cmrasa do Miitheus Austin & C.
Vende-se ral virgeni de Lishi,
em barris da melhor que lia no merca-
do por proco milito rasonvel : na na
Jo Trapicho, n. 17.
A setecentos rs. a
vara.
Na loja de GuimarOesSerafim & Companbia ven-
de-se brim Irangado francez bastante encorpado
e de puro linho, polo barato prego de 700 rs. a vara.
Usa fa/onda se torna recommendavel pela boa qua-
lidade.
AO BOM E BAKATO.
Na nova loja de Francisco Jos
Teixeira Bastos, nos qualro-ean-
los da ra do Queimado, n. 20 ,
vende-se panno preto, verde, cor
de cafe e azul de superior Ola*
e por preyo mais com-
do (jueem onda qualipier
Na mesma
elo soiiimenlo
ocovado; princeza muito fina, a 1,000 u. o cova-
do; ooutras muitas fazendas que pelo seu diminu-
to prego nlo desagradar3o aos seus freguezes.
Potassa russiana.
Cunlia & Amorim teem para vender
potassa da Russia, de superior qualidade,
na ra da Cadeia, n. 5o.
Casimiras clsticas, a l$00 rs.
o covado.
Vendem-se superiores casimiras elsticas pelo
barato prego de 1,000 rs. p covado; ditas muito fi-
nas (Yancezas a 1,280 rs. o covado; dita de su-
perior qualidade clstica, muito fina, e preta a
3,500 rs o covado : na ra do Cocgio, loja n. 1.
m Na ra Direita, sobrado n. 29, vende-so um QJ
J casal de escravos do servigo de campo, por i*
Q 800/ rs., a prcla tambem he lavadeira e vende- S*
deira; c por300/rs. um preto do servico de flg
gjjj campo. jjj
Lotera do Rio-dc-Janeiro.
Na ra da Cadeia-Velha, n. 2!),'casa de J. O. Elster,
vendem-se bilhetes e meios ditos da lerccira lote-
ra a beneficio da fabrica de papel, viudos no ultimo
vapor.
Vendem-se latas com bolachinhas de herva-do-
ce l'oitas do manila muito novase muito baratas;
batatas boas pelo barato prego de 1,600 rs. a "arro-
ba : no armazem do Bacelar, defronte dacscadinha
da alfandcga.
Vendem-se casaesde pombos grandes mui-
to bonitos, bous batedores e do ptima raga por
reg commodo : na ra da Florentina, n. 16. A el-
los que so estilo so acabando.
-Vendem-sc tres escravos para servigo de cam-
po, por seren acoslumados a trahalharem na lavou-
ra equererem ir mesmo para o mallo: na ra 'lo
Queimado, loja n. 42.
Vende-so um escravo mogo, de 22 annos sem
achaques nem vicios : em Fra-le-Porlas n. 95
Vendem-se mu bem feitos vasos para llores;
pias para preservaras formigas; pequeos cacos
para vender llores ; jarras e outras muitas obras,
todas de muito bom barro, e mais baratas do quo
naslnjis de louga desta cidade: bem como una
porg.lo de botijas vidradas, propriBS para azeile, ou
outra qualquercousa : na ra do Florentina, n. 16.
Vende-se um piano de armario de Jacaranda ,
por prego commodo : no ra do Cabug n. 12, loja
doculeleiro Pradines.
Vcnde-se cha preto muito superior, em caixas
de 16 libras proprio para familia : na ra do Tra-
picho, n. 8.
Vcndem-sc qualro mastros de pinho: na rna
do Trapiche n. 8.
Vcnde-se ferro da Suecia ; folln de Flandres;
cobre para forro de navio ; dito para caldcireiro em
porgOos grandes e pequeas : na ra de Apollo ar-
mazn n. 6.
Vcudc-se carne de vocea salgada, em barris :
na ruado Trapiche, n.8.
Vende-so fio da ludia, proprio para coser sac-
eos : na ra do Trapiche, n. 8.
Vendem-se 191 pegas de cabo de Cairo: na ra
do Trapiche, n. 8
lidade
modo
parle.
compl
por presos rasoaveis
loja lia um
de fazendas
\ I #000 r<.
As niclhores luvas de pellica brancas o elsticas :
na ra larga do lio/ario, n. 24.
Utencao!
Vendem-se superiores chitas francezos, de vara de
largura e de cftres Ras, a 280 rs. o covado; ditas
linas oscuras o decoros fixas leudo algumas que
serven) para lulo a 5,000 rs. i pega ; meios chales
de cassa de quadros a 440 rs.; cortes de lanzinha,
para senhora com IScovados, a 3,600 rs. ; panno
preto lino para pannos do prctas a 3.000 rs. o co-
vado ; chalos de lila o seda muito finos a 5,500 o
7,000 rs.; /.liarlo do vara de largura, a 210 rs. o
covado ; cortos de cambiaia lisa muito fina c com
( varas c meia a 5,000 rs. ; superior brim tranca-
do pardo, de puro linho a 610 e900 rs a vara ; di-
to atiiarcllo muito fino, a 900 e 1,000 rs. ; dito
trangado de linho branco multo superior a 1,000,
1,280 e 1,600 rs. a vara; cliadrezes do linho para
jaqueta a 400 rs. o covado; riscadinhos trnngados,
a 240 rs. o covado ; hamburgo de linho, a 260 rs. a
vara ; meios para senhora a 240 rs. o par ; c outras
muitas fazendas por barato prego : na ra do Col-
legio, loja n. 1.
Cortes de pello do diabo, a
1,400 rs.
Vendem-se, superiores corles da fazenda chama-
da pelle do diabo com 3 covadose meia pelo ba-
rato prego de 1,400 rs o corte sendo da mais supe*
rioa que tem apparecido : na ra do Collegio loja
n. 1.
Na loja nova do Passeo-Pu-
blico,!), 10-, de Mauoel Joa-
quina Pascoal filamos,
Aondom se pegas de madapolito, a 2,000 e 2,400 rs.,
o a vara a 100, 120 o 140 rs.; chitas, a 120, 140 e
160 is. o covado ; pelle do diabo a 200 rs o cova-
do ; chales de metim a 1,000 rs.; pegas de algo-
dSozinho, a 1,280 rs. ; ciscados francezes a 200 rs.
Vende-se, na ra da
Cadeia, n. 37,cera em ve-
las, de superior qualida-
de, fabricadas no Kio-de-
Janeiro, en> caixas pe
quenas, sorlimenlos ao
goslo do comprador,
e por prego mas bralo
do que cm oulra qualqiier
ifi l^le.
tes tapadoras ; mn relogio do parede comcaixa ;
dous cabides com 24taboas para deitar pflo; urna
balanga de pesar farinha com diflerentes pesos ; e
outros objectos pertenccnles a padnria : ludo por
commodo prego : na ra da Cadeia ue S.-Antonio,
serrara n. 13.
Vende-se umaporgo de canos de zinco mui-
to bem feitos o quasi novos, proprios para conduc-
gilo d'agoa por prego mutissinio commodo: na
ra da Cadeia de S.-Antonio n. 13.
Vcnde-scum molcque de 18 a 20 annos de
bonita figura sem vicios, e que cozinha bem o
dario de urna casa: na ra do Crespo loja n. 14.
Vende-se, por prego commodo um sobrado de
dous andaros e sot.lo na ra da Guia, n. 55 : a tra-
tar na ra Nova n. 65, primeiro andar.
Camas ele vento.
Na ra do Queimado, loja de ferragens de Antonio
Jos Rodrigues de Souza Jnior, junto ao boceo da
Congregagio, vendem-se superiores camas de ven-
to tanto de amarello como de louro por prego
mais commodo do queem outra qualquer parto.
AoSrs. sapateiros
Na ra do Qoimado loja de ferragens de Anto-
nio Jos Rodrigues do Souza Jnior, junto ao becco
da Congregago vehdem-se magos com 12 pegas do
fita branca o preta muito superior para debrunhar
sapalos por prego mais commodo do que cm outra
qualqiier parto : bem como fio de sapateiro.
Vende-se urna parda com urna cria recem-nas-
cida com muito e excollcnte leite e por isso pro-
pria para crior; tem boas habilidades que se d-
rflo ao comprador, o tambem o motivo por que so
vende : no ra atrs da matriz da Boa-Vista n. '2i.
Lotera do Rio-de Janeiro.
Aos 0:000,000 de res.
Na ra da Cadeia do llecife, loja de cambio do
Vieira vendem-se bilhetes e meios ditos da oitava
lotera a beneficio do imporial thoalr da cidade de
Niclheroy. Estos bilhetes vilo assignados por Vieira
da Silva. Aelles, antes que chaguo o vapor coma
lista.
Vendem-se os porlencos de urna venda o
urna balanga grande com 5 arrobas e 20 libias do
pesos : na ruu de llortas, n. 52.
IMPERIAL
DE RAPE FINO
F.MRH'l
NACIONAL
a:
A grande extracgflo que tem tido esto rap, depoi-
que foi exposto a venda he prova incontestavel do
bom acolhimenio que tem merecido. 0 nico des
psito he na ra do Trapiche, n.34, e a fttalho
vende-se na's lojas dos Srs. J. J. de Carvalho Meraes,
A. F. Pinto & Inulto A. Ii. Vaz de Carvalho, Cu-
nba & Amorim Pontos & Sampaio na ra da Ca-
deia do Recife ; A. I). de Oliveira Reg na ruada
Madre-de-I)eos; Campos & Almcida, na ra do
Queimado; T. A. Fonseca, Umbelino Maximin,
de Carvalho, na ra do Cabug ; C. G. Breckemfeldo
praga da Independencia ; Caetano L. Ferreira Tho-
maz P. M. Estima e Antonio Percira da Costa o
Cama Aterro-da-Boa-Vista.
Deposito de
da ra
da fabrica
vinagre
Imperial, n. 7.
na fabrica do licores, de Frederico Chaves, no Aler-
ro-da-lioa-Vista, n. 17, onde se achar sempre
grande porgilo e por proco commodo.
Na ra de Agons Verdes, n. l\0,
vendem-se por precisSo 3 bonitos escravos, de
17 a 19 anuos ; 2 lulas para lodo o servigo ; um bo-
nito casal de molcquinhos ; 3 esclavas para todo o
servigo por commodo freg:
Vcndem-sc riquissimos cortes de cambraia
f de seda propria poro bailes, a melhor fo-
t zonda que tem vindo ao mercado tanto cm
| gosto como cm qualidade : na ra Nova n.
H 8, loja do Amaral.
#lWI<#illWilliWWIilWiliiliililiil|||l
Vende-se a venda da ra da Praia n. 39 com
os fundos a vonlade do comprador, ou smente
cotnarmagfo: a tratar na ra do Rangel, venda
n 50.
Vendem-se pentes de tartaruga alenos e li-
sos, da modo, ede marrafas feilos na Ierra : lam-
ben) se faz toda obra desle genero, lano nova como
de concert desmancham-se pentes velhos o fa-
zem-se novos: na loja de lartarugueiro, no pateo
do Carino sobrado da esquina que volla para a ra
das Triqcheiras loja n. 2.
Vende-seo Juleu Errante, por Eugenio Sue ,
traducgSo portugueza, por prego commodo : na ra
larga do llozario, n. 24.
Vendcm-soduas masseiras para amassar p5o.
Continua a estar fgido desde o dia 14 de Janeiro
docorrente auno o preto de nomeSalvador, nago
da Costa, que representa tcr50 onnos de idade,
com os signaes seguintes: bastante alto, secco do
corpo, um dedo mininio de urna das mitos aleijado,
ps grossos, peinas linos, poura barba : quem o
pegar leve-o a praga da Independencia, loja n. 3,
quo ser generosamente recompensado.
Fugiran no dia 9 do passado dous escravos,
do engenho Vcrniolho na comarcado Rio-Formo-
so com os signos seguintes : um de nome Semio;
representa 20 a 25 annos sem barba nariz afilado,
ventas largas olhos grandes e amortecidos, queixo
fino cara larga ps tambem largas cintura fina;
quando anda declina o corpo para dianlc c mexe-
sc muito; tem peinas arqueadas, ps grandes e
dedos torios ; una marca de fci ida em urna das per-
nas : oulro de nome Antonio, cor fula, de 20 an-
uos olhos grondes, beigos grossos ; he gago ; tem
testa acarncirada peinas linas, ps apellidados, as
costas e nadegas cicatrizadas de surtas, por ser fu-
jto : quem os pegar leve-ao referido engenho, a
seu senhor Clemente da Rocha. Wandcrley, ou a
Manoel Gongalvesda Silva na ra da Cadeia do Re-
cife.
Acha-se, desde o dia 16 do passado fgida a
pela Joanna, de nagio Bengucla de 30 anuos pou-
co mais ou menos ; he bem conhecida por usar de
de vender sapalos para senhora, fruclas, bolos, ele.:
he alia, secca do corpo cor fulla rosto coniprido,
olhos fundos, nariz un tanto afilado denles lima-
dos beigos grossos ; tem urna marca antiga no la-
do esquerdo do rosto proveniente de una denta-
da quo lhe deram bracos finos e compridos ps
seceos e tambem compridos, pomas cheias do veias
e cncarogadas; he bastante ladina. Esta preta,por ter
muitos conhecimenlos, julga-se estar acoitada : por
isso protesla-se usar de todo o rigor da lei conlr
quem admitli-la cm sua casa e muito se recont-
mcuda as autoridades policiaes, capilSesde campo
e mais pessoas do povn a captura da mesma escrava,
proinettendo-sj aos ltimos boa recompensa, sea
leyarem ao Atcrro-da-loa-Vista n. 17 fabrica do
licores de Frederico Chaves. .
Fugio urna preta de nomc Josepha de 40
annos pouco mais ou menos, altura regular; tem
urna belida no olho direito, beigos grossos bocea
grande, barriga tambem grande ; tem urna marca
meia apagada na inflo dircira e outra na perna do
mesmo lado chegando ao p ; sahio com um tabo-
Iciro cooi uvas, suia de chita azul panno da Costa.
Esta preta he bem conhecida por vender peix,e ha
muitos annos. Quem a pegar leve a Fra-de-Portas,
a Francisco Xavier Pardelhas. (
leiiuciii-juuuos iiiassL-iiia para amassar pao, ,.
muito bem feitas, de amarello, com as competen-IPR '< KA tvp. dem. f.de fabia. Jo47"


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EB0RZC1CE_V1MQKI INGEST_TIME 2013-04-26T21:21:44Z PACKAGE AA00011611_08531
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES