Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08521


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno dP 18*'''.
Sabbado 21
n PIARIO poWierte todos o dias, que nlo
forcm ?""' "i Mt'n<-a IjOOfl M.poi 1"." n',J, |3a inseridos rafia de
nuneoi n em .y,,0 dill'erenlc, e II
jii i*. |>">- '''"" cllde. o que mo f-rem aislg-
"%%*> p''linh"'e ""*ein 'yp
PHASES DA LOA NO ME* DE AGOSTO.
a 3 '' l|OI'a '' ^ """ *'' manl> ,:l-
HIOgOMlW,^ (i ^ johoraJeT min.da manliaa
|,u no a 19_' s 2 horas e Jimio, da manlia
Cr"ch'r '*>'* 3 ,IOr"5 '8 m'n- d,""n!,a-
PART3t DOS CORREIOS.
(lOiannn 6 Paralivha, ai segundas escitas feiras.
Rio-(rande-iln. Norle quimas feiraj aomeio-ilia.
%lin, Serinliiem, Uio-Forrnoso, Poito-Calvo e
MaceiA. no I.", a 11 e 51 de cada mei.
(araultuns c Ronito. a 10 e 21.
Boa-Vista e Flores a I 3 c 28.
Victoria, as quinina feiras."
Olinda, todos os dias.
PHEAMAil Dfe MOJE.
Prmeira, i, I horas e 18 minutos da maulia.
Segunda, as I lioras e 42 miuulos da larde.
DIARIO DE
de Asfosto.

Anno XXIV.
N. 187.
DI Al. DA SEMANA.
18 Segunda. J.Jtoquir. Aud. di I.
^ (lliOS do J. doc. i!a ? V.
d
F (JO J M. I '' VI
II Terra. 8. Mamede.-Aiul do J do civ. da
I. v. e do J. de |ia/. do 1 diil de l.
is Quatta S. Floro. Aud. di', do civ.
iv c do .1. de par. do 2 dist. del,
l!) Quinta, S. I.uit. Aud do Ja c orpli, t
(UiJ. municipal da I. vara.
2(1 SeiU. S. Heanlo. And flo I- do civ. di
1-v.edo.l. ile ni/, do I dist. de I.
51 Suhliarto. S UiubrlinadeLovolla. Aud. do I
do civ.da I. v. ediiJ de paz do I dist di' I
22 Domingo. S Joaquina Pai de Nossa Scoboar.
CAMlilOS NO DI \ 2n DE AGOSTO.
Cambio solirc Lsudrasa '.'7 d p. I| rs.a diaj.
n Paria ttil n porfraocoi
i, i. I.iOim IOS a 110 de |ire'iiio.
i Irse, do ledras de UOM fiie*l d V a I "/ ao mra
OajroOncaiheipanhola.... JR#0"0 a 28J500
MoedasdflOI -u vclli. i< ,, ,le (ftnn nov IMI00 i .f">
de 4100(1..... "I 9l2fll'
/ma Palacial....... I#040 a l*0
Pesos enlumnaics... IfOOO a 1|"s
u Ditos mexicanos ... i#7*1 IJ800
Viuda.......... I#" '*9,
Acroesda comp.do lli-liei ilie de SOfOOO rs. ao par"
"F.
>CO.
JUKY 1)0 KECIFB.
5." SESSAO DA TERCEIRA ORDINARIA EM 9 DE
AGOSTO DE 18*7.
. nnESIDENCIA DO SR. FEDREIIU COMES.
(Continuaro do numero antecedente.)
0 Sr. forges da Fonttca (continuando): Sonho-
s o ministerio publico veio aqu Icr-vos, para ag-
ua Lar i aCCUSSCflo, o Nazareno le 7 ile setembro de
18iG p s agora foi que o vio, lie o n. 50; s ago-
ra foi'que conlieceu que elle he contrario ao sysle-
ma artual; ou s agora foi que o seu homem"\mpar-
ci'ul Ih'o aiivertio. He tarde, ou foi o promotor ne-
elicenle, para passar por esse n. que agora vos de-
nuncia e ir ver o n. 64 de 27 de nnveniliro dosse
,1110'anno de 1816 Que horror, diz o aeeusador
ico! dizerqtio odia 7 de selembro foi fatal lia-
mos
rao 'iialz:!..'.... De pouco se admira o Sr Sampaio .
Diail raaSo tenho cu para ad.nirar-iue desua levian-
dadej maiarasHo tenho eu para accusa-lo inda Ja
sua negligencia, visto como apenas o ni seulihello
ri'i'onlicce. a s aggi avante do 4.* do artigo 16 do
cdigo criminal ; quando, por esta sua conducta, de-
vraaqui reconheccr lambem as aggravanlos dos,
3.,7.ce8.' Sea viuda aqui dessesNazarenos he pa-
ra determinar a reincidencia, e della se nflo occu-
pa o ministerio publico, quer entm> favorecpi-ine
.raga-a, scnhor, para iiilo iaverduvida na condem-
nacao, econdemnac,noquedevescr no mximo, pa-
ra honra c gloria do presidente da provincia, e de
lodosesseaque formara seu squito. Nada de favo-
res, Senhor promotor, quando ninguem Ih'os agra-
decer.
Antes, porm, de tratar desta materia, seja-me
pi'iinittido, senhorcs, responder ao acusador publi-
co um insulto que me laucn. Elle disse que a mi-
nba liberdade era um calculo parafteapar nasagoas
lunas. E foi a mini que islo disse o Senhor Sam-
paio ? Mgucm ja me vio de um instante a oiitro mu-
dar meu punsamento, segundo as cousas figuram f
Tenlio-me, ao contrario, demittido de todos os em-
pregosque hei servido, sompre que nao pude estar
COIII II gOVCIIIO.
Senhorcs jurados, triste he a situatjfo em que me
veio por o promotor publico com esse seu pescarnos
agoas luna, Frc,a he, poi, que cu diga dcmimal-
guma cousa que os mcus nobfes amigos ignoram;
porque he de mili) que menos me oceupo com meus
amigos. Toda a desculpa agora merejo Nao poda
o promotor publico oiTendcr-mo mais gravemente
do que o fez. En sou pescador das agoas turras Erga-
80 o paiz intoiro para aecusar-me de um so acto de
ambicio; lovantem-setodos oshdmons queesuve-
rain commigo nesses nioviuientos populares em que
que me tenho adiado, com mais ou menos influen-
cia, e me ajccusem de una s rregularidade, de um
s facto attentatorio contra a seguranza individual
edeprpriedade. Tendes um fado, senhor promo-
tor? Apresentai-o, a occasiao be opportuna ; esma-
gai-me com provas desta ordem ; matai no meu co-
ra^lo este orgulho, esta vaidade, que tanto me en-
tile, que tanto me satisfaz.
preservado ; o menor insulto se nao fez a pessoa al-
guma : mas cu pesco as aguas larvas .'.'......
Eram oito horas da noite quando a tropa se amo-
tinen no quartel ; antes das dez estava ella cercada
pelo povo em massa, 0 se conservoii no quartel em
estado hostil t ao amanhecer, ape/.ar dos meus es-
forcos para chama-la ordem, e tambern dos calr-
eos do Sr. capitio Pessoa, entilo de nimba inteiraa-
mizadeeconlianca. \'s oito horas do da 14 estava a
ordem reslabclccida ; as nove se casligivam os mais
pronunciados da revolta. E que motlcAo tito oppor-
tuna para um pescadornas agoas lurvis.' Senhorcs, vos
declaro, quo tul he minha desordem, lito mal guia-
das andam mlnhas paixOes, que nunca procure de
individuo ou corpor<;fio algunia Ul)l attestad:) do
meu procedimento nessas diversas pocas em que
servi ao meu paiz comi pude, 0 Dos me ajudoii. Na-
da possuo, nada tenho para detxar a mcus hllios; es-
pero ao menos nao legar-lhcs um nome deshonrado:
'por merc de Dos) e he s nisto que ponlio todo O
meu cuidado ; o confio que Ibes deixare este legado
o que alies o torito como grande e preciosa neranoa,
porque me imam com milita ternura.
A tal historia de pescar nasagoas lurvas me iiieom-
moila milito. S ha ordem onde est a 11 Denla de j
onde nflo ha liberdade ha tyrannia, e onde ha tyran-
nia ha desorden); a porque tenho esta conviocao mul-
to enraizada, be que proclamo a liberdade, o nao
por motivos ignoheis, indignos de una alma bemla-
zeja. Este meu pensanicnlo esla multo robustecido
com aopinilo do nobre ministro do imperio. He
notave), que, como nfloapoio a desordem.dos que
estilo no poder, me mandam elles acensar de desor-
doiro, me mandam chamar pescador as agoas lui-
rs OSr. Nunes Machado j me disse, que o nieu
erro era nflo cuidar de me elevar, como todos
fa/.em........
Mas o 7 de selembro !!! Que atrocidade Dizer o
Nazareno que o (lia 7 de setembro de 1822 loi um Ola
fatal? Sera islo um crime? Em quo cdigo ro elle
qualiicado? O cdigo criminal so pune a provoca-
CfiO directa, como cu j vos mostr.); e aqu nao na
nem ao menos urna provocaeflo indirecta. Nam ao
menos se tolera o que o nosso cdigo perniilte : 0
artigo 9. U.o diz : Nflo se julcarao criminosos os
que fizrem analyses rasoaveis da coi.sl.tuiQflo,
.. nflo se atacando as suas bases fundamntate ; e
. das leis existentes, Do so provocando a ^esohed -
encil a ellas. Eu sel que asta disposieao ... te
vigor ueste lempo, e que a le he a ventado de quem
coverna ; mas seja-o assim, nunca se me comen-
SrSqu" quele artigo sobre o 7 desee,,, bro,
que 0 aeeusador publico leu com tanta cmpbasc, con-
lm em si alguma cnmmalidadc. M-\rn .u
Que da! dia fatal, no qual o povo I, .. n -
negou o uso de sua raso, para subnictlci-sc o-
tade de um l.omem, que. para bem ewrnecer.nos
ousou proclamar-se- aVr #WP" do "
non emijuanto quiz o-novoImperador e defensor
perpetuo, que, outro Hurbid, uaurpou BObera-
nia, mas que, dnsgracadamonto. o Brasil oito puni
Instantneamente,como no Mxico Azara o povo a-
(inelle seu usurpador. Vos todos sabes que a sobe-
rana assembla constituinte do Brasil, no momen-
to em que se nflo submettora ao principe I). IV tro,
IV.ra dissolvida. E quom a disolvera, a nao teross-
tidoesse dia 7 de selembro, no qual o henleirode
Braganc.ucomoc.ou suas usurpa^Oes, proclamndo-
se imperador, quando a nacflo inda nao linda ro-
solvidoa forma do seu governo? Foj, pois, osaa dia
raala origom doestabelecimonto do systomaospe-
cial, do governo monarchico om nossa larra e as-
sim, ningnein me pode contestar o direilo de amai-
dieoaresso dia, a mim que sou repuhlico, a mim
que conheco os males quo noslrouxe a monarenia,
a mim que conhego ludo quanlo se fe/, no primetro
reinado para corrompor-nos o perder-nos. como se
nos corrompeu o perdou; da que sancclonou oos-
tabelecimento desses principios reudaes aqu na
America, e no secuto XIX, quando a Europa inteira
lula para extingui-los.
Pode alguem ilizerqueha crime om moralisarum
relo da n.issa historia Pode alguem di/.er, que,
criticando o dia 7 de selembro, oommelte alguem
um crime ? O fado ahi esta para mostrar cono elle
foi fatal naeflo; poisquepor amor dollefol usur-
pada nossa soberana, a um principe ousou, arma-
do com seu exordio de mercenarios, dizer ao Itra-
il *TouMi esta conntituicilo quevoiaou, estacarla,
ou huieis demorrer toiot: ahi esla esta committo mili-
lar para vos faicr en fincar, n
Mas diz-se: Nao podis fallar nisto, porque atarais
o rondador do imperio, o augusto pai do Sr. I>. Pedro
II. Oh .' senhores, be um direito novo O fundador do
imperio j he morto, e pertenee a historia. Com tal
servilismo, a,des, mil vezes antes essa velba tyran-
nia oriental. NoEgyloos reis nao entravam para o
seu sarcophago antes deouvirom a relajo do sua
vida, antes de seren louvados por BOUS actos me, i-
lorios, e vituperados pelos maos : e era islo um cor-
rectivo multo seguro ; e esse <^"*^,^"3~
do razia tremer os reis no seu llirono Aqu, poi l ni,
contar o que se passa, condemnira maldado do pr-
meira reinado, nao he um favor para o segundo ; lie
um insulto, una injuria, ama calu.....a.
Senhores, be ines.no por tero duque de llrag.inca
creado um imperio aqui, que I lie tenho averio, qu
amaldicosua memoria; porque, a nao se. elle, nao
me adiara aqui agora respondondo por estes sup-
posios crin.es. Sou franco, senhoros; nito possoser
InonarchisU, eonflo posso ser, porque nflo ruicu
au0 moflz, n.i Dos, e minlia organnacflo he tal,
;!!en,efazVe|,ugnarto,laideia,le,e,, loilanciade
Java toreado na sltuacflo, que era contra seus prin-
cipios a desordenada perseguefio desso preso, etc.,
ele ,clc. Mas nflo he pescador de agoas turras aquel-
lo que, leudo opportunidade, lana quanta outros a
tiveram, paSSOU por todas as aedicOes do seu pai/.
gem tirar dellas mais que trabalhos Nao me acensa
a consciencia, esta ella tranquilla ; e se nao en. lo-
ros para tanto, venhan, os fados. He co... elles o S
rom elles que deven) argumentar mcus miseraveis
inimigos. ,.
Nflo direiuma palavra reapeito aomeu Drocedi-
mentodurantes revolueflo de abril de lJUcor
te, o commercio do Rio-de-Jane.ro, os HdMMt>
nistros actuaes do imperio c jusl.ca, que levaiitem de
la con ira mim nina palavra de aecusacao W o po-
dem : c se no verdor dos .neos anuos todo o meus
trabalhos foram. nossa poca, i Ordom ***,
boje que mais de tres lustros bao pMHdO poi sobre
...i.n, boje que tenho una familia e uns hlhos a ,,ul i
mullo amo, boje que n.elbor ooid.eco aaoriu eos
homous, nflo be que he, de ser pescador *"*
vas. E o que autorisa este excesso, eate ,ns lo do
minislerio publico? Onde na redaccBo fOaurm>
urna palavra de anarchia e de sangue ? ^"fa.rFe
varieadores o ladrOes, esligmatr/ar a prostituido o
*" ssiuo hodnvcr de todo escriptor que leu. o.
vista a regeneracilo do seu paiz ; e o que ass.m faz,
loiiaeTdequerer f*car nasagoas iarvf, prumove a
fica d-iiuslicaio estabeleeimenlo da morahdade
Sn ovo .J (iCareno so fui mao dopois V-
nouH,ex,,rave.|la,,con,oS=egd^,;.^
rrUmbre1-eiiroT,'o,:;,euUCadau1.,de nos es-
^u'esUvVnfarahiba en. 13dese.embro de .831,
lug
do ambicioso lilho deJerobaal, quo
ra (edeflo. .. _,. .
Dizer OU que nflo he para mim bou. o da desa-
te ni bro, porque licito se estalieleceu a moaareliia,
nflo he jamis, nem nunca ser um cr.me para .. nii,
nem para pessoa alguma. He un. ponsamenlo m
que nflo alfecta a ordem publica, e que, se operar a
intelligencia, ha de ser com tanta morosidadiI, qui
a OKlem ea paz publica serflo sempre prWM^U.
Felizmente a nossa poca pare e iniciar mipo.lanle
trabalhos liara a paz universal. .
Quando declaramos nossa independencia nesso da
7 de setembro de 1822, polsque nflo nos haviamos
constituido, eslava o povo com o exercicio da sobe-
rana, e na combina?;,.) do modo por que a devia
delegar, 0 no exanie dos principios por que se devia
recular; e nflo leudo nesse momento poder alguiii
direitaniciile constituido, ora delle a sua conslilui-
eflo, e essa constituido teria certamente sido repu-
blicana. Mas uessa occaiflo appareceu um Abime-
lecb, esse Pedro I, que soduzindo o povo com seos
excessos demaggicos, que, insinuando- he g e .,
de exterminio c de morte a seus .rumos de alen,-
mar, se assenhorcou do poder, e dadarou-M nape-
lo,-antes que apparecesse a consl.tuicao nacio-
nal, par* saber a volitada da ..aeflo e o povo se
deso levar, porque a bocea larga SOdizia ElSO
eme do Ipianga.i Para o Ihasile.ro a,u,go ,lo seu
paiz, istos baslava para amaldicoar o lia d -
emlro, quando as conseqnenc.as resultan es dese
lado ; o Voran to atrozes. Triste i lusflo .' 0 povo
emeuopovo, e nflo quiz la no Jiiie.ro a proteccao
do Koneral Jorge de Avilcz para asor embarcar.,
.......:... um lado natural, co
um senhor
demais seres,
todos (is
na nicn-
A ideia de um ser superior
nflo ser Dos, nflo me cabe
le; Heos, sim, be senhor de mim, a do mundo in-
teiro ; mas um homem, formado, como ..dos os
:,u\,,,:s,|,, iMMO.Iatcria, eaquemoSiMd... 'o-
assorru sobre se, rosto um assopro de vida, ni
vhratt das Miras santal sobre a ci cacao, nao; poi-
.. ln, de todos sermos tollos a semo hauca de
B seu assopro, que nos deu alma e vida, lo, uu,
8 Sra'^nhores, o ata......lo .**fi3*
1846, .ara repollir a ide.a de n.oiiarchia m- Brasi, e
para lastimar a sua existencia, dase entilo o soguin-
e- 11 iodos sadam este chamado primeiro
diado imperio do ltrasil.es-, nos o lamonlamos,
ci nos, recomidos en. nos mesmos sentimos to-
, do o peso con, que elle nos acahruuha; nos OS d -
, ocraUS,uqsOS republicanos, .,e sabemos le.
sidoum mal, un, grande mal,sua ^^
< miecom elle coexiste a monarchia, esta monar-
cl.ia, (|t.e nos t.-.ai ciieludo ,!, males,, pie i
K coberto ,
a um iiii'i,i
mo, e que o queriam ueste soculo XIX, e na Ameri-
ca: esla America que Dos abcncoiiu: esla America
predestinada, como ierra de promissflo, para o res-
gate do mundo, dessas torras todas que elle igual-
menie creou: esia America nunca manchada com es-
ses privilegios, ciiin esses sysleuias, OU instiluicrtes
horrorosas, que crian, povo no povo, estado no esta-
do; instituirnos que criant un. principe, que eriam
urna corte com lanos nomos vitos, quantos Ibe con-
vm para l'a/er o brilbantismo do seu llirono; que
criam um ro para dominar a hun,anidado, quando
Dos le/ o hoineni para presidir apenas aos peiXOS
lo mar, as aves do eco, as heslas e a lo los os replis
queso movem sobre aterra; quando Deis le/, o bo-
mem para dominar em toda a torra, islo he, para sor
senhor da torra, que be commiini para a liumanidade,
e nflo patrimonio de umou oulro individuo .'.'
l'.u esligmatiso o ditas, o ve le que nflo son eu 0 nico que reconheCO a
incompatihilda lo da constituieflo com n monarehia:
a constituido importa o governo de mullos, a mo-
narehia o governo do un, s; e taes principios ," so
podn, combinar. Eu me lembro sempre do urna re-
gia de Dezout, que aprend quando dei arithmeliea,
c he guanlidadas ketorogeneas se nao sommam.
Nunca me esquoci disto; e vosconfesso que sou tflo
acanhado e ignorante, que nunca pude ver a eorrela-
{Ki existente entre o munielpalismo e o individua-
lismo, entre a domocracia e a monarehia; salvo a
coirolaoao inoial existente entre o direilo e o dover.
Has umrel nio querterdeverj um re, quer ser se-
nhor Segundo pensam o dlzem os monarchistaa, a
sociedade, o povo, lie quero, somonte tem deveres.
Os reis, senhores, i este respeto. toem sido minio
francos, lis signatarios dosse tratado, deque rallo,,
represenlanles de quatro testas cornadas, que at-
liando-se, chrismaram sua allianca de santa, sao os
primeiros a reconhecerem a incompatibilidade da
doutrina da soberana do povo ron, o direito alvi-
no do rei ; sao elles os primeiros bi prorlamarem a
mpossibiliaadi do governo representativo com a mo-
narebia: e uois ntto he em mim um rlme dizer a-
qulllo mesmo que os reis dizem ; e so inulta mal-
dade inculpara principios ISo comcsinhos, e quo
estflo ao alcance de todos.
Io"o todos concorda, flo quo o pnme.ro impera-
dor, de aecordo com esses seus Irmflos 0 primos da
Sania Mlianca, leon entre nos para sulfocar 0 espi-
rito republicano. Elle boro disse no da 9 de.ia.io.ro:
Como he para bem de toen, fico.u Sim, fien, porque
he para bem dos ,eis, que cahirflo por .su.) vez, sea
America bir una o.{informe. E ficou, o tribalbou,
e niassacrou o povo, o dissolveu a constituinte, o
ostabeleceu monarehia ; e a nflo estabelecau ab-
soluta, porque o lirado de Pornamhiieo poz barreira.
a seus desmandos. Epara prava de toda nerfldia
los res, da sua franqueza loro/, ah con-, esa car-
ta do Luiz XVIII da Franca, retonndada por Miele,
a mu irmSo leiiiaudo Vil da Hesnanlia ; na qual, dc-
pois de ter aconsolhado o eslabeleciment da tno-
narchiaconstitucional, assim so exprs!
,, oorcamento satisfaz a ludo, oeiso que he o
Koverno representativo, que tanto tomes. Loueura,
criancada, meu primo, nada ha melhor no mundo.
, para montar esta machina no VOSSO dominio, o
n-la em moviineulosom o menor pon -e da VMS
!,.,,| pessoa, vos enviaroi, SO qUZOrdcs, 0 Sr. defi/-
lels homom admiravol, ou qualquer oulro de nossos
amados, com urna vintena de prefeitos. Fiai-vosnel-
e.s- emanando o diabo esfroga o olbo elles vos te-
o oraanaado duas cunaras, o um minialeno, a-
.... .......I.. I.i.ili i i iiii ii'ir i
nos le,ii eiieiiuniin: nuil. i"*; ---
le trapos, que ha reduzido este bello paiz
nlflodo ruinas. > Onde aqu a provoca-
dsu'ago/ade'lo,i;ra":bm-,ade-c(..npativel cu,
emisor ,lo maior numero o do povo; se entre nos se
W^rSuZi: co.no lzeram; com m.u>r
perfidia o atrocidado. Sigamos esse lado do nossa
Lnienendencia, ou paamiiiemos seriamente as con-
sequencias dessa dia 7 do seloinbro ; o teromos que
olio nos foi muitoe muito latal.
Tinha sido convocado a assembla coustiltiinte .
era a ella a quom cumpria decielar a lorma de go-
verno que a nacao cotiviesso ; o a soberana assom-
/
. 80 contrario, oeVi ,,o erosos con, que lutam as sociedades modo -
a^^ Endamentc'oiV.,, agora trazido pelo
ministerio publico, osunos termos da le.
O Nazareno escreveu lactus, clon um artigo do
irfido^secreto de Verana c.n addic/.o ao da Santa
tuaZsZtm, Pdo qual quatro reis se compro-
,etia,n a aeaba'r com a' liberdade nos paizes uov.,S.
'"'"\rtiB0l.0 As altas potencias contratantes, con-
. o svsten.a de governo representa -
,-jssa i
campo e
-se emagoas .wiw ",,. ,,,........ noie o novo se pronuuummii >,....- -
"8U itt&JSSlmSaS SW S*-' rei"""'cl"
5!Ss5SrSffl:-7=5
Franca Chateaubriand.
rasara -- Btrutkt.
ussia Nessetrode. >
publico diz que he )sto um
o que a nacflo foi Iludida, e
iuJdu os foros, por estar de, acc.
18 tvraiinos, que so quere.noabsoiui
framonlos de mesa. .
kOutliorgai, meu primo, outl.orgai urna carta
constitucional, e ludo .piando se Ibe segu, direito
jecloicflo, jury, liberdade deimprensaj consent,
nao vos embarace nada sobretodo iMdmi
misturar urna nova nobroza com antiga, outra es-
pecie de divertimontoque vos consefvark vosaobom
.. e sade por multo lempo. Seni isto as
rSlheias, nos pereceriamos.lo nausea. Quando
ualdado, eneliei-os
ttulos enovospergaminlios :
{hh-sintis incommodo, quan
cohoi lo do Sandios Paucaa j
do cu anos, eoliri-os devellios
lepois vos desalo a
lo virdes toda essa
or sua equipagem, es-
l'armas ; lw propnamontca
quartelar sou ***^rZm comedia que un-
MUTILADO
...
;
MK Cpodom assim fallar, teemllbera.de
i i., ,, Ww, que repro.luz. estes pensa-
-,,"'i'l '"' '. no Ucnla contra B monarehia. Nflo
"";;; I;,, ^^{ilVntedehoje; nflo sel se vivo 1,0
, i es> he nue o /Ico acabou com a liberdade
'Vinas Aambemcm a hberdade .lo Portugal;
caso be que o /Ico nos tirn at p s.mulacro de nos-
sa nacionlidade, como esse Halado entro o pa, o o
lho, re.to aos 29 de agosto .le 83, o rat.l.cado no
dia segulnte pelo Imperador Pedro l.
F.i-Io, senhores:
> trilito i." Sua Magcstadc l'idelissima reconnece
.. u,as[| na categora de imperio independente, ese-
. a do dos reinos de Portugal o M& *s
,,.. sobre lodos muito amado e prezado filho D. Pedro
que a nacao 101 "^jJ^S? 0 imperador, cedendo e transferido do sua 1> von-
os foros, por estar de ceordo | poMra V^J^ ^ dRo impe|.io ao mesm0 $eu filho, 4



2,
M
.

a seus legtimos successorcs. S. M. F. loma smcnle,
c reserta para a sua pessoa o mesmo titulo.
O'iereis mais? Ecomo so nio quer vista disto que
se toque no Masado, e se oriente a niiijflo.' Senhores,
nio oomprohondo romo cm um paiz que cunta qua-
tro milhoes de habitantes livres, s um homem te-
lilla capacidade para governar ; nfo comprehendo
que no Rr.isil a capacitado de S. M. o Imperador so-
ja a primeira, a unir, e que todas as mais inteli-
gencias Ihe esleja ni inferiores: pens que no Brasil
existem muitas rapacidades transcendentes aptas pa-
ra o governar, eque estilo esquocidas ou desoonhe-
cidas, porque vivemos ueste meio social. Se, po-
rm, na verdade, s temos por nos vasta compre-
hensivo de S. M., entilo tenhamos ao menos juizo pa-
ra di?er-lhe :
Senhor, o nosso bem depende gmente de vos :
acabai rom esta constiluicflo, que nos anarebisa e
vos perde; sede o nosso soberano
Eu nilo faco esta injuria ao paiz : e por isso rnen-
nheoo que o mal provm daquclle fatal dia 7 de so-
tembro.
[Conlinuar-st-ha.)
Correspondencia,
1if
rajunior, Jn^ Joaquim da Silva Maia, Luiz Antonio
ila Cunha, Jos Antonio de Carvalho, Manoel Jos da
Silva llrag, Amonio Jos Perejra deMendonca, Den-
lo Joj*'7la Silva Magalhfles, Jos Camello do Regn
afros, losJoaquim da Silva, Antonio Luiz dos
Sanios, Manoel Pereira de Castro, Manoel Ignacio de
piiveira Lobo, ArcenioFurtunato da Silva, Joaquim
Srs. Redactores. A publicarlo dos nomos das pes-
soas que assignaram a carta que Ibes remeltojie um
deverque a gratidflo me impfle ; porque be esta a
melhor occasiflo que se me offercce para rernnbecer
essa prova de COnsideraCflO que me ellas ileram, c
agradecer-lhes o obsequio com que me trataran).
Aproveito tamben) esta occasiflo para pedir-Ibes
que insiram em sen jornal os documentos que Ibes
remello com a dita carta.
Son, etc.
Jote Thomaz Sabuco de Araujo Jnior.
Os abaixo assignados, saliendo com sorpreza o
profundosentiment a leinoeflo, que soflYeu oSr. I)r.
Jos Thomaz Nsbueo de Araujo Jnior, do luiz da se-
gunda vara desta cldade, e desojando dar-lhe publico
e espontaneo teslemunbo da eonsideracflo e estima,
que justamente mereca pela honra, probidade, nilo
vulgar inlelligencia o incansavel zelo, com que exer-
cia as arduas funcefles de julgador, despachando as
partes com promplidflo, removendo a chlcana, regu-
larisando o foro e Inspirando geral, pronunciada
conlianca a todos que pera n lo elle litiga va m, o f.i/.en-
docom que a adiniiislracfln da justica fosse nina
realidadc; vem ofTerecer-lhe a sincera deinonstracflo
de seus sentimentos j agradecer-lhe os relevantes
servidos que prestou ao foro de l'ci nainbu'o em par-
ticular, eaadmlnistracSoda justica em geral; pa-
gar este tributo de gralidilo e de rccouheciineiilo ao
scu mrito, aos seus servicos, as suas apreciaveis
qualidades, j como magistrado, ja como particular;
e asscverar-lbe que jamis esquecerfio as eminentes
qualidades do magistrado probo e inlelligente, que
merece a estima e sympathia geral, sympatbia que
assenta em motivos reaes, e que bem apreciada
permanece no coragflo dos abaixo assignados.
Antonio Joaquim deSouza Ribeiro, Amorim Innilos,
Joilo Jos de Carvalho Moraes, Jos l'ereira da Cu-
nta, Caudino Agostiubo de Barros, Francisco Seve-
rianno Rabello & Filho, Joilo Pinto de l.emos 6 F-
Iho, Jos Jernimo Mouleiro, Manuel Goncalves da
Silva, Jos Antonio Bastos, Joilo Vieira Lima, Jos
Joaquim de Oliveira, Machado & l'inheiro. Angelo
Francisco Carneiro, Manoel Goncalves da Cruz, Pedro
Alcxandino Comes, Jos Antonio Gomes Jnior,
Joilo Jos da Cruz, Jos Antonio da Silva Grillo, Vi-
cente Jos de Brilo, Jos Das da Silva, Manoel Joa-
quim Soares, Luiz de Olireira Lima, Manoel Das,
Jos Gomes Leal, Joilo Nepomuceno Barroso, Jos
Alfonso Moreira, Joaquim AlFonso dosReis, Joaquim
Jos de Amorim, Nascimento &. Amorim, Oliveira Ir-
mflos& Companbia, Gmese; Irmflo, Antonio Bols-
illo Pinto Mosquita,Manoel l'ereira Rozas,Manoel Joa-
quim Ramos e Silva, Antonio Pedro das Neves, Jos
Rodrigues de Araujo Porto, Joan Francisco da Cruz,
Jos Francisco ColIares.Joilo da Cunha Magalhflcs.An-
lonio Luiz (encalves Ferreira, Francisco Severianno
Rabello Jnior, Manoel Ignacio de Oliveira, Jofio Vaz
de Oliveira, Manoel Luiz Concalves Jnior, Vicente
Cardozo Ayres, Gregorio Antunes do Oliveira, Manoel
Comes da Cunha Silva, Antonio Lopes Per oir de
Medio, Antonio Bernardo Vaz de Carvalho, Fonscca
* Silva, Jos Francisco Ribeiro da Silva, Joffo Xavier
Ribeiro de Andrade, Manoel Cardozo Ayres, Carnu-
do F.migdio l'ereira Lobo, Jos Fernandos da Cruz
Joaquim Pinheiro Jacome, l'ereira y Sanios, Luiz
Antonio Siqueira, Victorino de Castro Honra Lou-
renco Jos das Neves, Augusto Ferreira Piulo Jos
Carlos Ferreira Soares Jnior, Francisco Alvos da
Cunha, Manoel Jos do Souza Carneiro, Antonio Jos
Pimcnta da Conreicilo, Miguel Antonio da Cosa a
Silva Joan i.oite de Azevedo, Jos Toixeira bastos
,ardozo Ayres, Jos Francisco .la Silva. Manoo
Manoel Francisco de Souza Santos. Norberlo Joaquim
Jos Cundes, Manoel Jaequosda Silva, Domingos Jo-
s da Costa Guimares, JOBO da Silva Regadas, Ma-
l lias de Azevedo Villarouco, Joilo de Siqueira Ferriio,
Henrique Jorge, Antonio de Azevedo Villarouco, Joilo
Raptista Laseri, Joaquim Bernardo da Cunha, Anto-
nio da Cimba S Cu i na riles, Manoel Gomes da Cruz,
Joaquim do uiiveira Maia, Agostinhe Henriques da
Silva, Manoel Joaquim Ferreira, Salustiano Augusto
Cimenta do Souza Peres, Joaquim Goncalves Vioira
Cuimarilcs, Simulo da Silva Leito. Joaquim da Silva
l.oyo, Francisco Jos Silveira, Manoel Cardozo da
Fonseca, lialtar & Oliveira, Jos Saporili, Manoel
I Jos Lopes Braga, Bernardo Lasserre, N. O. Biebcr
*& Coinpanhia, A. S. Corbert/Lenoir Puget&Com-
.' paulna, Luiz Comes Ferreira & Companbia, Fox Bro-
thers, C. Rourgar, J. P. Adour & Coinpanhia, Me.
Calinont & Companbia, Rowsley e Raimond, Rich
Royle & Companbia, J. O. Klster, Cbristophers &
Donaldson, JoSo Sluart, Rolhe& Bidoulac, Daniels,
Le Bretn Schramm & Companbia. Adamison Howie
& Companbia, Brender a Brandia & Companbia,
Itidgway Jamisson Coinpanhia, Cco: Konworlhy
; Companbia, I. 1). Wolfhopp & Compauhia, T. II.
Lutlkens, James Crabtreei Coinpanhia, Avrial & Ir-
iuflos,Shacflleltlin&Tober, por ItolliF. II. Lutlkens,
J. Sonle, A. R. Fernandos Vioira, J.Keller & Com-
pauhia, Kalkiuann & Rosenmund, Cesar Kruger, B.
J S., Henrique Stcpple, G.e"Southall, Deane Youle
& Compauhia.
Diz o bacharel formado Jos Thomaz Na buco do
Araujo Jnior, que a bem do sen direito Ihs convom
que V. S. mande que os escriviles, que serviam pe-
rantn juizo do civel desta cidade e scu termo, ccr-
tiflque ao p desta, se osupplicante, largando a se-
guma vara docivel queexercia c da qual foi remo-
vido, deixou sem des|>acho alguna autos quo Ihe cs-
livessem conclusos; quantos deixou sem despacho,
o em que da Ihe foram conclusos os autos que ello
nilodespachou. P. a V. S., lllm. Sr. juiz municipal
o interino da primeira vara do civel, se digno o de-
ferir. E. R. M. Jos Thomaz Nabuco de Araujo
Jnior.
C. Recife, 31 de julho de 18*7. Silva Neves.
Foram distribuidas, no anno de 1846, pelo juizo do civel I resumo fez das estancias do poema, citaremos
da segunda vara desta cidade as accSes abaixo.
Luidlos................ 114
Crditos-"----------------------------------- 258
l'enboras e despejos--------------------- 146
Juramentos d'alma----------------------- 54
Notificares-------------------------- .43
Justificaces, e para.embargos-------- 112
M,Hulados por confissflo no juizo de
paz---------------------------------------- 57
('recatonas--------------------------------- 19
Frca----------.--._-_---------- i
Inventarios-----------------^----------- 15
Ditos amigaveis--------------------------- 4
Requerimentosciveis-------------------- 74
Ditos para confirmaeflo de doaces- 3
Protestos martimos-----------.... 9
Fretes c salarios--------------------- ,- 4
Feitos que passam do juizo da paz e
deoutros juizos para lerem exe-
cueflo----------------------- --------- 5
AppellacOes que desceram para serem
avahadas--------------------------------- 2
Total------920
Jote Joaquim Pcreira de Oliveira-
Foram distribuidas, no anno de 1816, pelo )uizo da pri-
meira vara do civel desta cidade as acedes abaixo.
Libellos.............------ 68
Crditos.......-.......- 119
Penhoras e despejos--------------------- 96
Juramcnlns d'alma--------------------- 43
Notificares-------------------------------- 12
Justificaccs, e, para embargos--------- 152
Mandados para confissflo no juizo de
paz-------------------------.....- 40
Prccatorias--------------------------------- 20
Inventarios-------------------------------- 10
guin
ca do
a se-
Certifico que do mou cartorio s deixaram de ser
julgados uns autos de Huello, que haviam sido con-
clusos aos 22 do julho corren te, osquaos me foram
entregues hojeSI de julho de 1847.Recife, da cera
declarados. Km f de verdade. O dscrivilo, Fran-
cisco Jos do liego.
Certifico que todos os processos do meii car-
torio foram despachados pelo juizo da segunda vara
docivel. Recife, 31 de julho do 1817. Km f de
verdade. Manoel Jos aa Molla.
Certifico que do mou cartorio s deixaram de
ser julgados tros autos, os quaes foram conclu-
sos no dia vintedous do corrento mez de julho.
Recife, 31 de julho de 1847. Em f de verdade.
Joaquim Jos l'ereira dos Santos.
Certifico que ao supplicante, quando deixou
doexercer avara que dignamente oceupou, no-
nhiiiisautos Rcaram por despachar na sua conclusivo,
pertencentes a meu cajlorio. O que allirm.0 em f de
verdade. Itecife, : de agosto de 1847. O escrivflo,
l'edro -Ignucio da Cunha.
Certifico que do meu cartorio achavam-se na
conclusfio do Dr. juiz de direito do civel da segunda
vara Iresautos, osquaos me foram entregues e des-
pachados, sendo OS mesnios conclusos no dia 21 de
julho ; o que alirnio em f do verdade. Recife, 2 de
agosto de 1847. O escrivo, Jos Justino Fernandes
Souza.
Ditos amigaveis--------------------------- 1
Requer montos civeis------------------- 85
Rcquermentos para conlirmaco de
doaces---------------------------------- 1
Protestos martimos--------------------- 7
Fretes e salarios------------ --- 3
Feitos que passam do juizo do paz, e
deoutros juizos para lerem exe-
cuces------------------------------------ 3
AppellacOes quo desceram para serem
avalladas-------------------------- 1
662
te, collocada no lugar em que trata da mudan
o nomo de trra da Vera-Cruz dado iX
seu descubridor Cabral para o de trati
Terra, pon'in, depuis chainou a gpnic
l'o llrasil nao da Cruz, porque aitralida
D'outro Icnho nas (iotas "'flfllimt,
Selembra mcHotdof|ur o foi da vida:
Assim ama o mortal o bem presente,
Aisiin o uonie esmiece que o convida
Aos "interesses da futura gloria,
Aos beps ltenlo s da transitoria.
Este resumo leva no liin. quatro ndices chronolo-
gicos; um dos reis de Portugal, desde D. Alfonso
Henriques em.l 128 at D. Joilo VI; outro dos gover-
nadores-geraes o vce-reis do Brasil, desde Thom
de Souza em 1549 at D. Marcos de Moronas c iii0
em 1808; outro dos papas desde Alexandre VI em
1492atoSS. padre Po IX, que actual e felizmente
reina; e outro finalmente dos bispos e arcebispos i|n
Brasil, com declaraQlo dos bspados a que perlen-
cem, as datas em que estes foram creados e aquella
nomcados, etc.
Alm disto, acham-se tambem dous mappasesta-
tisticos dos hachareis formados nas duas academias
jurdicas de San-Paulo e de Olnda, e atinal a lista de
todas as pessoas quo se dignarem contribuir para a
impressfododito resumo, a qual promette o autor
que ser a mais limpa possivel, em muito bom papel
e cm formato de otavo francez.
Assgna-sa para esta obra nas livrarias dos Srs. F-
guera, na praoa da Independencia, e Dr. Couti-
nho, esquina defronte do Collegio; eem Olnda ra
deMathasFerreia, emeasa do mesmo autor.
O preco de cada assignatura ser tres mil res pa-
gos ao recebera obra.
Jos Joaquim Pereira de Oliveira.
Francisco da Silva .Novaos, Antonio Ferreira Lima,
Jos Rodrigues Paiva, Jos Goncalves Torres, A. Is
T.", Manoel Ruarla Rodrigues, Jos Joaquim Dia.
Fernandes, Joaquim Ferreira Ramos, Francisco Go-
mes de Oliveira, Francisco Joilo do Barros, Antonio
Hilarle de Oliveira Rogo, Manoel Ferreira Pinto, Joflo
Manoel Rodrigues Valonea, Francisco Vas Pereira
Manoel da Cunha Cumiarnos, Joflo da Costa Lima
Jnior, Pedro Marcianno.Joaquim Jos deSeixas.l.u-
co Rodrigues Pereira, Jos Baplista da Fonseca J-
nior, Firmino Jos Flix da Rusa, Manoel Firmno
Ferreira, Antonio Rodrigues Lima, Onolre Jos da
(.osla, Delbno dos Mijos Toixeira, Joflo Ignacio de
Medeiros Reg, Antonio Francisco Lisboa, Francisco
Das Ferreira, Joaquim do Paula Lopes, JosMarcel-
lino da Rosa, Joflo Alvos do Carvalho Porto, Jos loa -
quim Alves Toixeira, Domingos da Silva Toixeira
Antonio Jos da Costa Araujo, Manoel l'meira Caldas'
Manoel Ferreira da Silva Ramos, Silva & Grillo Mi-
guel Augusto de Oliveira, Manoel Ribeiro da ciiha
Oliveira, Joflo Evangelista da Costa e Silva Jos
Francisco Marrano, Jos Goncalves da Fonte. | uiz
Antonio Vieira, Francisco Augusto da Cosa Guima-
rfin Francisco Martins de Lomos, Leopoldo Jos da
r ir,u- MtnJ?el PerJ$n '""^0, Joflo Baplista
Fragoso Jnior, Thomaz Ibas Sonto, Joaquim da Cos-
a Moroira, Mano,d da Silva 5,to8, Antonio deSo
Certifico quo os autos dcste cartorio da pro-
vedoria de capellas e residuos, que so acbnvam na
conclusilo do Dr. juiz de direito da segunda vara do
civel. foram todos despachados; o que adirmo em f
do verdade. Itecife, 9 de agosto de l47. Oescri-
vflo, Galdino Temistoclcs Cabial de F'asconcellos.
Certifico o mesmo na ccrtidflo retro, na quali-
dade de escrivflo da l'azenda. Recife, era ut supra,
Em f de verdade. l'edro Jos Cardoso.
CAUSAS JUI.GADAS Z^*l)FAINITirA UENT'h ,}
pilo juizo da segunda vara docivel Jos: Thomaz
Nabuco de Araujo Jnior, no anno de 1846.
COMME^CIO,
A-ifatideg.
RE.NDIMKNTO DO DIA 20........... 15:107,429
Descarregam hoje, 21.
Galera 6'o/um6us ferro e picarrns.
Escuna Ida taboadoe ferro.
Barca Esther-Ann mercaderas.
Consulado.
RENDIMENTO DO DIA 20.
G?l......................... 608,576
Diversas provincias............... 20,047
628,623
.Uovinicnlo do Porto.
Navio tahido no dia 20
Philadelphia 5 brigue americano Cowperlhtcait, ca-
pillo L. I. Cassen, carga assucar e couros.
NOVO DICCIONARIO DA LINGOA NACIONAL.
Um diccionario nilo he obra que de urna vez posu
sabir perfeita : as diversas ediccOes, o os variados a
lores que existem, provam o que deixamos dilo.
para se tocar a mxima perfeiifflo, e anda mesmo
Para se ir apurando, exigem-se os trahalhos succes-
sivos de muitos hoinens eruditos e laboriosos. Sem
noscomprehendermos no numero dcstes, comtudo
nos atrevemos a carregar urna pedra para este mo-
numento, e so nilo innovamos cousa alguma ao que
j existe, ao menos compilamos em urna sobra o
que est espalhado por muitas, o demanda cabedal
avultado para se possuir.
Vamos, pois, lancar ao prelo um novo diccionario
da lingoa nacional, que levo por base a ultima edic-
cffo do diccionario do muito digno llteralo oSr.
Moraes, publicada cm Lisboa no anno de 1844, e que
por certo nilo tem as faltas que o Sr. Constancio llio
notou na sua edicQilo de Paris de 1845. Segumos
em todo nsystema daquclle eximio lexicograplio,
porque sua autoridade, j por si s bastante res-
peilavel accresce hoje a edicto sobre que funda-
mos nosso trabalho, a dos Ilustres Fr. Francisco da
San-Luiz Souza Monteiro c padre Castro. Ajunta-
mos-lhe alguns vocabulos que se achato cm o Sr.
Constancio, e cm outros autores mais antigos; e
bem assim um diccionario dos termos homnimos, e
outro de synonimos.
Porm, pequeo ser o resultado da existencia de
una obra tilo til como a de que se trata, se o seu
prego nilo for tal, que habilito a lodos para poderem
oble-Ha. Comtudo anda nos ufanamos por ter conse-
guido a resolucilo deste problema, por isso que o
preco por assignatura ser o de 20,000 rs., pagos em
duas preslaces.
Assigna-so em casa do editor, na ra Formosa, nu-
mero 2.
>t'claia urna
uucm
sua 1 tu
NUMKROS
QUALIUAUB HAS CAUSAS. DKLLAS.
Libellos---------------------------------------------------
Assignacfles de. dez das--------------------.____
Juramentos d'alma---------------------------------.
Embargos se.xecucOes.....--------.____
Arrostres----------------------------------------,____
l'enboras- executivas---------------------------..
A'otilieaces cominatorias-------------------.-.
Despejos------------------------_______...
Inventarios------------------------------.____
Fdrca -....................II
Cessflo de bens------------------------------------------
Justilicaces-----------------------------------1____
ll'recatonas----------------------------------------------
114
154
6
70
22
19
20
11
5
"1
2
-- A cmara municipal desta cidade faz sessflo ex-
traordinaria boje, 21 do correte.
--O arsenal de guerra compra 24 costados de pao
d olbo em pranchOes do 28 palmos de comprimenlo
eumemeodilo do largura; 48 duzias de limas
sorlidas ; 4 ditas de limates de 4 pollegadas
arroba de verde crome ; cem pellos de cabra
ditos gneros quizer fornecer mandar
posta em caria fechada, a directora do mesmo ar-
senal at o dia 23 do corente mez. Arsenal de
guerra, 19 do gosto de 1847. Jo.o Ricardo da Sil-
va amanuense.
-A administraco geral dos cstabelecimenlos de
candado manda azer publico, quo no dia 23 do
crreme pelas 4 horas da larde na sala das suas
scsscs, iraapraca a rendadas casas abaixo de-
claradas, pelo lempo que decorrer do da da arre-
nutaefloa 30 dejunho de 1850.
Ra da Vjracflo, n. 7 ; travessa de S.-Jos n. 11 :
ruadcManoel-Coco, n 32; ra do Padre-Fiorian-
110, n. VI ; cm Fra-de-l'ortas, n. 73.
Administraco geral dos estabelecimentos de ca-
ndado 16 de agosto de 1847, Francisco Antonio
'.acalcante. Cousseiro, escripturario
Cadeira raga de primeiras Ultras.
A de Caruar, cujo concurso lera lugar no dia 9
uesclembro prximo futuro.
PORTUGAL.
RecordacSes do anno di 1842, pelo principe Lichnonskg,
traduzido do alemelo segunda edieo correcta 1 an-
nolada.
O consumo rpido da primeira edieflo e a sua
procura por muitas pessoas que ficaram sem ella ,
induzio o traductor rempressilo d'esta obra cu-
riosa, quo conten a apreciaeflo dos caracteres mais
notaves do paiz, dos seus aconlocimontos polti-
cos, monumentos e lugares principaes feita por
esse principe prussiano quealli vajou no anuo
citado. Esta interessante obra, que conten 220 pa-
ginas, vende-so por 1,000 rs., na ra da Cruz n.
7, segundo andar.
HISTORIA DK PORTUGAL
POR
Alexandre llerculano.
Os senhores assignantes quejram mandar buscar
ra da Cruz, casa n. 7, segundo andar, o segundo vo-
luble desta interessante obra, cujo prcQO he o mes-
mo que do primeiro (3,000 res).
Publie'ces Littelaras.
l'RoSPEUm
Jos
Almeida,
francisca Mamede do Almeida, Ma......
SnortSL^8*! llu,ino Jos ^neia'd
manoel Joaquim Go
neiroMontei
Peres F
guel Ca
Francisco
Sehasliflo, "i'encalves Agra;"A7,lo
martimos--------.....______..
9S de petices-----'---._________
fretes e ordenados-----------------------
iissos---------------------------------.____
Insinuacfls JedoacSo--------------------------------
Di'tnaicaQilo-----------------------------------------
Artigos de habilitaeflo----------------------------I.
Cartas de testamentos c notlicaces relativas a
testamentos---------------------._______
Capellas............
Total de todas as ac^Oos supra-------- 502
Um resumo da historia do Brasil, que pelo seu
1 proco possa chegar classe menos abastada do nosso
5 I paiz, e que igualmente sirva para a leitura dos me-
ninos nas escolas de instrucQflo primaria; eis a em-
pieza que tomou sobro seus debis hombros o pro-
lessor publico Salvador Ilenriq'ffe de Albuquerque.
Se a importancia da obra excede a capacidade do
autor, vencen esta difllculdadeo dMejo que elle nu-
tre de ser til ao seu paiz; e be ndubitavel qpe an-
da que elle nilo desempenhe cabalmente a tarefa de
quo se encarregou, todava o seu trabalho sempre
serde alguma utilidade.
O resumo de que se trata, alm de contero mais
interessante da uossa-historia, vai intermediado por
bellas estampas do poema Caramur composi-
co do nosso patricio Fr. Jos de Santa Rita Durilo-
epara darmosuma ideia da escolha que o autor d
1
4
4
3
7
_'
I
I
S
U
2i
ios pas de familia, capiteles de navios,
> faiendeiros 'e a lodos em geral.
Orgauon c'e Ilahneman), ou exposi-
copo das doulriaa hotuccopatliicas, 1 vo-
luirres perjuenos.
Manual Je pai do familia* do capito
de navio e mentares da liomoeopathia, coutendo a
acrao dos i\ j)iincipaes medicamenlos
ho moco pa tilicos, 1 volume pequeo.
Vcnde-se por preco coininodo, no se-
gundo andar da casa n. y. da ra ta
Cruz
THEATIO PUBLICO.
BENEFICIO DO MESTRE DE MSICA,
MANOKL FILIPI'E.
HOJE, 21 DO COIIIil-NTK,
representar-se-ha a grande peca JOS II lio tribu-
nal de Witoniberg, ou a justga oxemplar. A
msica bidlica preencher sobre a scena os interval-
los, rematando o espectculo com a linda farca
O CKCO FINGIDO
\ vjsis man tunos.
Para a Baha subir cora brevidade o veleiro pa-
tacho Dom-Amigos: quem no meSmo quizer carre-
gar pode entender-so com os consignatarios,Ame
rini lrmflos, na ra da Cadeia, n. 45.
ILEGVEL f


- A sumaca Carlota, mestro Joilo Antonio da Sil-
va segu viagem para o Aracaty no da 22 do cor-
ren te S recebe alguma carga miuda e passa'goiros:
liata-'se com o mesmo mestre,- ou com Luiz Jos de
S Araujo, na ra da Cruz, n. 26.
__p.,ra o Aracaty pretende sahir at 7 do vindou-
ro com a carga que ti ver a bordo, o brigue-escuna
Henriqutta, mestre Jos Joaquim Alves da Silva.-
quem nello pretender carregar ou ir de passagem,
so entender com o mesmo mestre no Trapiche-No-
vo, ounarua da C.adea-Velba, n. t9, segundo an-
dar.
_ Para o Ccar e Aracaty segu viagom at o flm
do corrente mez, o hiate nacional Varia-Firmina:
para carga c passageiros, trata-so na ra da Cadeia
dollecife, n. 34.
j 5
LOT^RfA DOTHR/iTRO.
Avisos diversos
AOS
Pernambucanos.
Amanhila, 22 do corrente, pelas 10 horas da ma-
nlifia, haver reuniilo na sala da sociedade Phii.o-
TnursiciionE, roa da Praia, n. 29, para tratar-se da
elcicHo dos dous senadores que esla provincia lem
de apresentar escolha ilo poder moderador, nfim
de se precncliercm as yagas dcixadas pelos falleci-
dos concelheiro Antonio Carlos Ribeiro de Andrada
Machadoe Silva, o coronel Jos Carlos Mairink da Sil-
va l'errflo. Todos os Pernambucanos, que, empenha-
dus em sustentar os foros, a diguidade e a considera-
cao da patria, enlcndem do sen dever nilo subscrever
o scu abalimento e humllbacfio cm assumpto de ta-
nianha importancia, mas sim defender a liberdade
do votoem todas a sua pureza, o polos meios cons-
'titucioTiaes preservar l'ernanibco doavillanientoeda
infamia, que se Iho pre;iaram, impondo-se-lbe can-
didaturas odiosas om detrimento do suas affeicOes
lcaos; silo convidados por este a assistir a essa legal
reuniflo,qualquer que seja o lado poltico que por-
toncam, e a discutir o importiinto objecto da mesma,
com toda a franqueza, Icaldade c decencia, de que
nos dio excmplos os paizes mais adiantados na car-
rcira da civilisaclo.
Desappareceu urna canoa meia aberla, que po-
ga 400 lijlos : quem della tiver noticias, annuncie
para ser procurado, ou dirija-sc a estrada novsJla>l
Magdalena, no prime!ro portfio de ferro do lacio di-
reito, qau ser gratilicado.
Pcrdeu-se, na noile do dia 19 do corrente, urna
subscripto, desde a ra do Cnllegio at o pateo da
Pcnlia, cuja subscrpiQfto foi feita no anuo de 1839, e
se achava assignada pelo vigarin l.uiz Cava lea n :
roga-se encarecidamente a quem a adiar, de a levar
a sua dona, moradora na ra Direita, n, 30, terceiro
andar, que se Meara agradecido.
Desappareceu, no dia 17 do corren'.e, do sitio do
Sr. George Kenworthy em San-Jos do Manguinlio,
uin cachorro inglcz, preto, da ra<;a galgo, que he (no
do corpo e tom as peritas, focinho e rabo compridos:
roga-se, portento, aquemdelle souher o favor do
entrega-lo no dito sitio, ounarua da Cruz do Rcci-
fe, casa n. 2, que ser mu lo beni recompensado.
Sabio boje a luz o n. 1 do peridico A Barca de
Viga, preso 20 re., impreaso na typographia liberal,
acha-se venda nos lugares do costume : boje as 1
horas da tarde sahe a luz o n. 2 do peridico O Pro-
letario, preso 40 rs., impresso na mesma typogra-
phia, o nos lugares ditos ser encontrado. Tudo es-
la bom, tem artigos ptimos: quem t*m bom gosto,
a ellos, a elles. a ra das Agoas-Verdes, n. 48 na
typographia tambom se vondem.
-*- Nao se podendo reunir a irmanda-
da de San Jos d'Agonia, eni o dia 15 do
coirenle, para tratar definilivamen'e de
sua transferencia para o convento do Car-
ino, como fui annuuciado, por nao ter si-
do possivel ao provincial djquelle conven-
to mandar no mesmo dia os arligos em
resposta os que se llie ofl'ereceram ; o
secretario da mesma innandade de novo
No da 27 do corronte mez andam impreterivcl-
mente as rodas desla lotera, visto que be de espe-
rar quo para esse dia inuito poucos ou nenhuns In-
moles restein por vender. Km conseqoencia do que,
o respectivo thesoureiro allirma novamenln que,
- --..v "iiiiuia iM'iii'i" i"- *|
anula Meando alguns bilhctesem pequeo numero
as rodas da lotera no dcixarflo do ter andamento.
Concurram, portanlo, os que ainda nilo teom'bilhetes
a se provorem delles emquanlo he tempo tendo
em vista o plano que ofTerece muito bons promios.
O I.IDAUOR N. 207
traz o segundo discurso do Sr. Dr. Jos Bento.
O TRIBUNO N. 6,
estar ao meio-dia a venda nos lugares do costme*
nos niinoa se sssigna a 500 rs. por mez, bom como em
milo dos dcstribuidores.
Fabrica de machinas e fund*
cao de ferro na ra do
Bru, no Recife.
Me Callum& Companhia, engenheiros machinis-
tase fundidores de ferro, mu respetosamente an-
nunciain aosSrs. proprietarios de engenhos fazen-
que
mesma
convida a lodos os raos, especialmente
aquel les que j oceuparnm differentes
cargos, a comparecercm imprelerivelineii-
te em o dia a a do correte, pelas 9 horas
da manliaa, afn) de, em mesa geral, se
tomar urna decisao final.
Permuta-so a casa terrea n. 3, sita na ra do
llom-Sucesso em Olinda com sitio soffrivel, por
oulraqualquer nos bairros de S.-Antonio, ou Boa-
Vista : na preea da Boa-Vista botica 11. 6.
- Arrendarse o sitio denominado Cscala
no lugar da Solcdade, com diversas arvores de fruc-
lo, e urna elegante casa de sobrado, com muitos
bons commodos, estribara, tanque, e muito boa a-
goa de beber; tendo, alm disto, oulros arranjos pro- Vista.
prios para grande familia, ou algum senlior neg- --Quem tiver um sitio com commojosj
ciante, por ser milito perto da praga; lrala-se na ra
de Hurtas, n. 140.
JosJaquim de Mesquita annuncia ao publico,
deiros, negociantes, fabricantes e ao respeitavel
publico, que o seu estabelecimcnlo de ferro, mo-
vido por machina de vapor, se acha em efleetivo
exercicio e completamente montado com appare-
Ihos de primeira qualidade para a perfeita confec-
Sfiodas niaiores pesas de machinismo.
Habilitados para emprehender quaesquer obras da
sua arte Me Callum & Companhia desejam mais
particularmente chamar a atlens-lo publica para as
segu ules por seren ellas da maior oxtracslo nesta!
provincia, as quacs-construidas na sua fabrica po-
dcmcompctircomasfabricadaseni paiz estrangei-
ro tanto em preso como na qualidade das materias
drimas e milo d'obra, a saber:
Machinas de vapor.
Moendas decannaspara engenhos movidas a va-
por, por agoa, ou animacs.
Rodas d'agoa e serraras.
Manejos ndependentes para cavallos.
Rodas dentadas.
Aguilhes, bronzese chumaceiras.
CayilbOes o parafusos d j todos os tamanhos.
Taixas, crivos c boceas de fornalha.
* maos e p......"l'g'|'r*T-*-*Yn ,
Foges e fornos para cozinha. -.. .
Canos de ferro, torneiras de ferro e bronze.
Bombas para cacimbas e de repuxo.
Guindastes, guinchse macacos.
Prensas hydraulicas e de parafuso.
Ferragens para navios, carros, obras publicas, etc.
Columnas, varandas e grades.
Prensas de copiar cartas e de sellar.
Camas do ferro, etc.
AliMn da prfeislo das suas obras, Me Catlum &
Companhia garantem a mais exacta conformidado
com os moldes e desenhos rcmcltidos pelos Srs. que
sedignaremde fazer-lhes encommendas ; iprove-
tando a occasiio para agradecer aos seus benvolos
amigse freguezes a preferencia, com que teem si-
do por elles honrados. e. assegurar-lhcs que nfo
pouparSo esforsos nem diligencias para continua-
ren) a merecer a sua confiansa.
, Obilheteda segunda parte da 17.' lotera a fa-
vor das obras do theatro publico, 11. 814, pertence
aoSr. Rafael Antonio Milhilo do Maranhflo ; c um
meioditoda mesma lotera, n. 1171, ao Sr. Joaquim
Francisco da Cruz de Lisboa.
Prccisa-se de 300,000 rs. a premio o d-se por
garanta nina boa propriedado : quem quizer dar
annuncio.
Quem precisar de um homem perfeilo amassa-
ilorde pilo dirija-se a ra da Scnzalla-Nova, n. 40,
primeiro andar, das 9 horas em dianle.
--Sea pessoa que annunciou vender Caloadas
ordena religiosas e militares, a quizer trocar pelo
Tratado de Rcligiilo vertido om portuguez, e com
nina estampa annuncie com brevdade.
Moje, pelas 4 lloras da tarde ,a portado Sr. juiz
municipal supplenle da segunda vara do civel, se ha
de arrematarle ronda annual.o sobrado do 1 andar,
sito na ra da Cipria avaliado em 750/rs. por an-
uo a requerimento do depositario, Manoel Pires
Kerrcira. As condises da arrematasfio constam do
cscripto quej est cm mSo do portero.
Quem precisar de urna ama para lodo o servio
de urna casa de pouca familia ou do homem soltei-
ro dirija-se aolhecco da Viracho n. 3.
Quem precisar de urna ama com muito bom lei-
te, dirija-sc a ra da Praia, n. 32, que se dir
quem he, 011 annuncie.
O cirurgiilo do segundo batalhiio do artilhana
mudou a sua residencia para a ra do Mondego,
11. 44.
Sociedade Euierpineiise
Hoje(21) lera lugar a partida do corrente mez ,
no primeiro andar do sobrado 11. 45 do Aterro-da-
-Na loja da ra do Qucimado, n. 30, de Jos
Joaquim de Novaos alm do sortimento j annun-
ciado de obras fcitas o fazendas, ha-chapeos da ul-
tima moda chegados ultimamenlede Franca; mili-
to boas casimiras ; chapeos do Chili muito linos ;
Callas de perfumarlas sortidas muito proprias pa-
ra tbuoador da senhora pelo barato preso de 5,000
rs.; lencos do cassa para milo do senhora e pescoso
de homem; muito bonsciles de chita.
O distribuidor doste Diario na cidade de Olin-
da faz publico que ello se encarrega da entrega 'le
cartas, papis o pequeas encommendas para a mes-
ma cidade, medanlo urna pequea gratificago, a-
lein das cartas serem franqueadas; incumbe-so de
tirar provisOcs para oratorio, conlissilo e qualquer
outras; de obter despachos das autoridades da mesma
cidade e tirar ocrlidOes de quali|uer rcpartis1o ; 15-
sim como de conduzir papis do importancia elle
partir lodos os das das as 7 huras da manhfia,e no
dia segunle s mesmas horas dar soluso do que
llie for ehcarregado.As pessoas, que se quizerem uti-
lisar de seu prestimo, dirjam-se, no Recife i praga
da Independencia, livraria na. e 8, a qualquer hura
do dia, e om lindu, na sua residencia, ra do Am-
paro.
(>. (1 $
I A o annuncio que se tem publica- #>
g do em os ns. i83, 184 e i85 desle |
t>; Diario, com as iniciaes J. F. M.G., (>
i s poder responder oSr. 0". A. M. J
O Anlropophago. a
- Vendem-sc dous lindos moleques *J*JJ
anuos, sendo um delles nflicisl de alfaite o co/innei
dous prctos un, oflleial de sanao.ro o ontr .
ro ; ooiis preius uuiimn.i ........._.-.- .
proprio para todo o servico ; dous pardoij senoo,,
bom oarrelro e o outro proprio para pagem, '^
a 20 anuos; duas pardas una do 22 annos
labilidades e a outra de !-> anuos com prll
iropriiis vara se eficar ; 3 pretal do 20 a 30 1
m habilidades ;\liia< nenrinlias com princir
i
Roga-se ao Sr. director interino da sociodado
[flStrncoflo o Recreo o obsequio do attender de
prompto s roelamasies que Ibes teein sido foitas ,
por parte de alguns socios, para convocar ( como
lia muito devra ter feito | a sociodado alim do llie
apresenlaro estado da mesma, ij coulas da sua
administrasilo e proceder-sea eleigo da novadi-
recso : isto llie pede um socio, em nome de muitos
outrus, que usaro dos muios compelentcs se o
mcsmckSr. nao cumplir oscu dever.
SUC1EADE
REGREIO JUVENIL.
O primeiro secretario avisa aos Srs. socios 0111 ge-
ral que domingo, 22 do corrente, ha sessilo da so-
ciedade, as 5 horas da tarde na casa da mesma so-
tiedade.
O Sr. J. R. 5. q-ntM-a, ate o dia 15, ir ou mandar
pagar o que deve na cidade de WiwAa ra de Ma-
tbias-Ferreira ; do contrario passara pelo 4?.'ms-
to de ver.o seu nome por extenso.
Jcronymo Joaquim Fiusa de Oliveira embarca
para os portos do sul o seu escravo Jos de nago
Costa.
Avisa-se ao Sr. estudante que est devendo a
quantia de 9,080 rs., importe de sorveto, no buhar
ilu Passeio, baja de, no prazo de 3 dias, ir pagar: do
contrario, vera seu nonio por extenso ncslo jornal.
Precisa-so do urna pessoa hbil, e que louha ns
99 a unos, r?m
com principios
annos,
unidos do
habilidades, de 11 a 12 anuos: amado ColloglO,
11.3, segundo andar, se dir quem vende.
Vende-seuuia negra Je idade de 26 a JO an-
nos, que sabe bom lavar roupa c Tuzer varrella : na
ra da Caileia do Recife, por cima do cambio uo
Sr. Vieira, 1.* andar.
-Vcmdcm-se ptimos guardanapos de puro 11-
nho, os mais modernos que teem vio lo de Portugal,
a800rs r:n|a um: o 11111 novo sortmieulo .lo panno*
Unos de todas as cores, por diminuto preco na lo-
ja nova de Ravmundo Carlos l.eite. roa do Queima-
do, 11. 11 A.
0 9^9^99
Vendem-sc os mais ricos cortes
de cau.liiaia de seda, do- mais
modernos nadrOcsque teem ap-
pa re cid o e muito propri s
para bailes ; crep de todas as
cores ; (orles de eliilas muito n-
nas e de novo padres, que pa-
recem seda ; leos de c imbraia
delinlio, para senhora ; cliapeos
de inassi l'raneezala mais supe- '0)
rior aualidade e de bonitas r- ,@)
mis,- beni como outras mnitns fa-
zendas lints : tudo mais em con-
O
o
o
o
o
o

0
0)
O
ta do
paite :
reir I
pie em
na nova
outro qualtpicr
oa de Jos Mo-
ma do (hieima-
'<>
la Je ferro, por 5*2 j? rs.
sendo do costo de 42,000 rs. : na ra larga do Roza-
rio ns (i o 8 a fallar com Joo Duhois a qualquer
hora.
KUA [)0 GOLLEGIO, N 9.
e toriieni se
Dcsc^anero-8e
a
precisos conheciinentos para lomar conta e dira-
Silodc urna escripia commercial : na ra da C.advni,
loja de fazendas n.
Compras.
que, tendo cm sou poder urna lettra sacada por V.
I.etellier, e aceita por Thomaz Pereira deMatlos Es-
lima oCaetano l.uiz Ferreira, a vencer em 18 de no-
vembro do presente anno, a qual lettra passou por
transacQilo da mio daquelle V. I.etellier para a do
aiinuiiciante, o inundando-a este apresentar aos a-
coitantcs por um seu caixeiro de nome>Mauoel c isto
por ter visto o annuncio do dito F.slima exigindo a
sua .iproscnlacao, para paga-la, nao okslaote nilo
estar vencida, aconlcccu que o dito scu caixeiro a
perdesse; o por isto o annunciaute faz o presento an-
nuncio, para que os aceitantes nfo paguom dita let-
tra a quem a apresentar, pois disto mesmo ja estilo
scientcs; o ninguem fa?a negocio a respail dessa
leltra, porque nlnguem tem dircito a ella seniio o
annunciaute.
--Sahbado, 14 do corrente, das9 para as 10 ho-
ras do dia da lpja.de foflo Chardon no Atcno-da-
Boa-Visla n. 3, lurtaram una pulseia de ouro, de
corrente chata com uina pedia azul de cada lado,
e una pe ola no meio. Roga-se a quem fof offereci-
da de toma-la c manda-la a dita loja que se paga-
r odobrado valor do peso da dila pulseira.
Ceorge Burnell, que foi capito da barca ingle-
za Achiltet, condemnaua ueste porto, pretende reti-
rar-se para Europa,o pede que se llie aprsenlo qual-
quer conta da dita barca, dentro de tres dias, no es-
.eriptoiiodeMc. Calmont&C, no largo do Corpo-
riiIo, n. 11, alim de ser ajustada: na falta, nao
* se responsabilisa.
Jos l,ra voceas de leite annuncie ou dirija-sc ac largo do
Terso, sobrado de um andar, n.11
O bilhete u. 3,373 da segunda parle da 17' lote-
ra do theatro pertence a Jus Flix da Cmara Pi-
mcntel, c lica em poder de Antonio Alves Toixeira
Bastos. .
Manoel Itulino, subdito hespanhol, com sua
familia vai a Lisboa.
-- Precisa-sede um feitor que trbame enlen.ia
de arvoredo, borla e vaccas : na Magdalena, estra-
da nova primeiro sitio com porlSo do ferro.
Jos Nunes do Abren llrasilelro, relira-se para
Portugal, a tratar de sua sade.
cnliieii o amo-
lador,
avisa ao respeitavel publico dcsla cidado, que se
acha eslabelucido na ra do Cabug n. 12, onde
sempre estar prompto para fazer qualquer forra-
menta ou instrumento do cirurgia trinchantes c
oulros: tanibem roncera espingardas, fazfreios
para cavallos, esporas de todas as modas e ludo o
mais que for concernento ao seu officio. Amla as
tersas, quintas e sabbados.
-O Sr. que foi a pasda Independencia, n. 34,
vei umaclarincla, querendo pelo que offereceu, ap-
iiaiee.i. .
Algam-se cavallos bou carregadores-baixo
c esquipadores: tanibem se recebem-para sercm tra-
tados : na cocheira de Joao da Cunha Reis atrs do
theatro Na mesma se da rancho a algum comboio
do sei Uo, ou a qualquer que se quizer utilisar.
Contina-se a comprar forro fundido, cobre e
bronze velho : na ra do llrum, n. 8.
Compra-so una fazenda de gado, sendo cm
bom soi tilo: no becco do Sarapatel sobrado n. 16.
Compra-sc una esciava mosa de boa figura,
que saiba cozinharc lavar, e nfio leilha vicio: agr-
liando paga-so bem: na Roa-Vista, ra Velba, n. 18.
Quem a tiver, devo apparecer das 11 horas da ina-
nhaa as 3 da tarde.
Coinprau-se 9 moleques de I i a 20 anuos, com
principios de ollieio do sapateiro e sabeudo mc-
Ihor; lambcni secnmpiain mo saliendo,', 0 urna preta
da mesma idade, com habilidades: sendo de boni-
tas figuras e nio tendo vicios nem achaques, uo se
olba a preso na ra da Concordia passando a pnn-
tczinlia a direila, segunda casa terrea.se dir
quem compra.
Compra-so um methodo do flauta, por Vienno :
quem tiver annuncie.
Compram-se, para una eiicommeiida, algumas
esclavas e moloques quo loiihain de 12 a 20 anuos :
na ra .Nova, loja de ferragens, n. 16.
-- Compra-sc um ponteiro de ouro bom : no lar-
go do Terso, sobrado de uin andar, u. 11.
Compra-su una casa terrea que csteja em bom
estado, nfio precise de colicortos o que tenha
quintal murado e cacimba, no bairro da Boa-Vista,
em bom local : quem tiver aanuncie.
:is.
que ormtigo baritel ro nfio delxa de tonar na sua
novn ioja de miudezas caixns de tartaruga para
r>,> a 2,000 rs. cada una ; ditas mais pequeas ,
a 1.000 rs. cada una. A ellas, antes que so acabem.
i'.iiixinhas de agnlhas (raneezas, muito Tnias, a 280
rs cada urna; pentes do tartaruga, para marraras,
a 960 rs. a parelha ; caixinhas com pos do aliar na-
valhas a 200 rs. cada una ; botOos de madre pero-
la a480rs. a groza; ditos grandes, a 400 rs. a
groza ; masos de fita de linho com 12 pesas a 200
rs o maso; dito ilecordo para vestido, do todas
asgrossuras, a 320 rs. o maso; cartas com urna groza
de pares ile clcheles, de todos os nmeros a 320
rs. cada carta ; torcidas para candiciro a 100 rs. a
duzia de toilas as larguras ; papel almaso a 1,600
e 2,560 rs. a resma ; linhas de marcar, azuese en-
carnadas, a 120 rs. a caixinha ; fita de velludo, para
cabello, a 80 rs a vara e mais larga a 100 rs.; bo-
tocs de ac, para calcas, forados, a 200 rs. a groza ;
tesourasunas,com ferrugem.a 120o 2oo rs cada
urna ; caixas de madeira de rai/. de buxo, a 1.920 rs.
a duzia ; pentes de prender cabello, a 80 rs. cada
um ; luvas para meninas a 120 rs. cada par ; esco-
vas para lato, limito linas a :1_'0 o 400 rs. cada urna;
ditas |iara cabello, a 240 rs. cada una ; ditas para
liinpai pentes, a 80 rs. ; ditas para limpar denles ,
a so rs. ; earteiras de algibeira, a 120 rs, cada urna ;
e outras militas cousas com que se contentarfio os
freguezes a vista de umiotulo que estar patale com
os procos de todas as fazendas, tanto annunciadas
como lora do annuncio.
MM
&V-/.
E6>0^SN^
Vendeill-Se OS milito Su-
periores quejes londrinos eprezunlos iiiKlezes, che-
gados ltimamente de Liverpool pelo ultimo navio :
na ra da Cruz do Recife, n. 66, venda de Miguel
Joaquim da Costa & C.
Vcnde-se a Calera dasOrdens Iteligiosus e Mi-
litares, Iluminada com 50 eslampas : na ra do
Qucimado, u. 15.
Litros baratos.
Cbmposlcfio do BulTon, com estampas 42 v. por
20,000 rs.; dita de J. J. Rousseau 25 v., por 15/
rs.; dita de Virgilio, 2 v. por 3,000 rs. ; (Uta de
Joilo Hacino 6 v. por 3,000 rs ; Historia do Bra-
sil por Abreu o Cima, 2 v. por 3,000 rs. ; Diccio-
nario universal nnlez-franccz, 1 v., por 4,000 rs. ;
dito dechymica theorica e pratica, 4 v por 6,000
rs. ;la Nosographia general, por J. F. Angostillo,
4 v. por 6,000 rs.; e outras mais obras: na ra
largado Rozario, n. 8, primeiro andar, ao p dos
quarleis.
Vende-se urna oxcellente o bem educada par-
da de 20 anuos, com boas habilidades; urna mole-
ca de boa conducta de 12 annos ; um casal de es-
craToS, proprios par engenbo j una cscrava de 23
annos, boa quitandeira ; duas ditas para todo o
servico ; um bonito moleque de nasSo de 18 an-
nos; 3 cscravos por coinmodo preso; 3 moradas
de casas na melhor ra dos Afogdos ; urna dita em
Olinda ; um bem construido sobrado no bairro de
S.-Antonio : na ra de Agoas-Verdes, n. 46.
Vendcm-se Ires obras de dircito criminal, a
metas de edres
e outras muitas fa-
Ncsla loja vendem-sc chitas de cores fixas,
a 140 rs. o covado ; ganga azul muito encor-
pada o propria para esclavos, a 100 e 120
CS. ; luvas de pellica para homem a 6*0
rs. ; ditas para senhora a 320 c 400 rs.
meias para meninas, a 200 rs. ; e outras fa-
zendas linas bem como : cortos de collete
de setim de cores, a 2,240 rs ; ditos de vel-
ludo a 4,500 rs. ; sedas de cores, para ves-
tido de senhora a 1,000 rs.
fingiiido seda, a 400 rs.
zondas, por barato preco
- Vende-se una preta de 20 annos pouco mais
ou menos, boa eostureira lavade.ra, e que esa
principiando a engommar; he de boa conducta e do
boa figura; um n.ulatinho de 7 anuos proprio pa-
ra andar om casa com criancas; um pardo de todo
osorvicodc casa c campo ; urna parda eostureira,
o que tem boa conducta: na ra do Crespo loja u.
2, A, so dir quem vende
__Vcnde-se madapolilo limpo com 20 varas ca-
da pesa a 2,100 rs. o a sol vuitens a vara ; uin
bonito niolcciio pesa do 18 annos do boa con-
ducta, o que se aliansa : na ra estreita do Rozario ,
n. 10, terceiro andar.
Vende-so um preto de 20 annos, deeleganto
figura, scni vicios nem achaques, por preso muilo
commodo: no pateo da matriz do Santo-Antonio,
sobrado n. 4, se dir quem vende.
Vende-se urna mulalinba de 12 anuos, com prin-
cipios de costura : no becco do Padre, n. .
O iMkju l'ittorcsco, jornal de instrijcgSo e recreio,
ornado de bellissimas estampas : vede-se, por pre-
1(1.1 Ul lllll HU VI IUIIIIUI M^ OH"'"" ...-<*.. ..." >" -.. f |-----,---
melborcs que actualmente cxistem : em Olinda, casa I so muito menor que o da assignalura, no segundo
contigua a auara do Varadouro. I audar da casa a. 7, da ra da Cruz.

MUTILADO


*!
A
4*
i
Vendc-se bretanha da largura do 10 palmos,
milito enrorpada c de puro linhd propria para jen-
Cos,a2,800 rs. a vara : no Atcrro-da-Boa-Vista ,
n. 24.
opoiumoa
o5ajd jod a sapnpuRnl sn snpoi op sapiiozej op o
-iiouijijos o)9|duioo tun sejsop auapi o si oos'l,:
, souucd suoq osojooap SBiiqj Sp'oiiioiuiijosoaoii
uin f opsAoo uin apta -sj os'l op oaod ojojeq o|ad
* jii8jh| op soiu|d ajas op osii.i|s|.id azaoutjd M
-Ol V OS-opilOA 'c u 'OIUOIIIV-'S OPOOJB OB 1110.1,1
00 BM|iii!dui03 >a luijBjasssu.iBuiinoop n|b| b\'
"opeA

Vendem-se escravos baratos, na ra das
Lrangoiraa, n. 14, segundo andar: 2
molocoles de 18 anuos, de bonitas li-
guras ; dous pelos de 23 annos pouco
mais ou menos ; dous ditos de 35 annos;
un nardocom ollicio de sapateiro, de 22 anuos
(osle troca-se por una preta moga que n;"io tonha
achaques urna lldda mulatinha de 15 annos de
i. uito boa conducta e com principios de habilida-
des ; duas prctas mofas, do nagio ; urna negrinha
de 10 anuos ; un a dita de 6 anuos : todos estes 08-
cravos vendem se por preco commodo. pois hepa
ra liquidagflo de conlas.
Na loja de los llaiioe> .tlon-
tero Br ga, na ra do Cres-
po, n. 1(, (squina que vi-
ra para a ra dasCrtizes,
vendem-se riquissimoscorles do cambraia do seda ,
para vestido de senhora, padrOesos mala lindos
que be possivel.
Vende-se a bordo do brigue ero tundea-
do na praia do Collegio sebo em rama ; saccas com
colla de superior qualidade, fabricada no Rio-Gran-
de-do-Sul, a preco em conta.
-
f!. Na ra das Laraugeiras, ii. 14, segundo an- m
M dar, vendem-se sote cscravos, chepados do ij.;
I! norte lia dous di.is ; os quaes vendem-se mili- ;!
: j: to em conta,por nao seren de ganbador.
m
Vende-se uin pequeo sitio na estrada da So-
ledade que vai para o Manguinho, com bastantes ar-
voredos novos : a tratar na niesina estrada n- 19.
Asia e frica, nio s para prevenir as molestias da
culis, mas tambom como um mcio COSMTICO.
Da-so a contento, e responde-se pela sua boa qua-
lidade: pois S sevendem as verdadeiras.naria larga
do Rosario, n. 24.
Vende-se cal virgem de Lisboa,
oin barra da melhor que ha no merca-
do por preco multo rasoavcl : na ra
do Trapiche, n. \n.
3* EMPRIMEIRA MAC, *j
vendem-se caixas com velas de cera do Rio-de-Ja-
nciro e de Lisboa; e tambem brandos, bngias c
tocllas: na ra da Scnzalla, armazem n. 110.
n
Ven le-se urna preta de 25 annos de
ptima conducta e de boa figura, peri-
gommadeira e cozinhelra ; urna
o boHta figura de 22 aunos boa
lavadeira; una linda mulatinha de 12
annos ; una preta milito forte esadia;
um lindo uiolequc de 14 anuos ; um
ptimo pardo com ollicio da pedreiro", jjl
de 93 anuos e que tcm muilo boa con- /&,
duela ; uin dito, proprio para feitor, por ftW
estar acostiiinads.e qne nio lie man car- fe[$/
reiro : na ra das Lrangoiraa, n. 14, se-. j&
" - Vende-se urna escrava crioula, le 33 annos,
que coso chito, cozfnha bom,engomma liso, faz
renda, ecuja conducta se adanes a.: na ra do 8.-
II i la n. 58.
Cortos de pelle do diabo, a
MOOrs.
Vnndom-se superiores corles da fazonda chama-
da pelle do diabo com 3 covadose mala pelo ba-
rato preco de 1,400 ri o corte, sendo da mata supe-
iioa que lemapparccido : na ra do Collegio loja
n. I,
-- Venderse superior couro de
lustro, a 2,000, 2,500 e 3,000 rs.
* pelle,- borzeguins para lioinem,
rs. ; sapatoa de Up/pyro,
, a 240 rs.
1,600 rs.
libra ; cha
a ICO rs.
seecenrosrs. a
vara,
Na loja do Cumiarnos Serafim & f.oinpanhia ven-
de-se brim trancado franco/., bastante encorpado
e de puro linho, pelo barato prego de 700 rs. a vara.
Esta razenda se torna recoinmendavel pela boa qua-
lidade.
Isto he peehiiicha !
Doce de caj muito superior, em calda
a libra ; charutos de regala a 1,400 e
a caixa; manteiga franceza a 640 rs. a
hisson a 2,210 rs. a libra ; caf modo ,
a libra : nn ra llireita, n. 101.
Vendem-se caixas de cha liysson do 6, ISe 13
libras, om porgoes, ou a retalho ; caixas de velas
de espermacete deSeO em libra : na ra da Alfan-
dega-Velba, n. 36, em casa de Malheus Austin &C.
Vende-se urna armando de urna venda sita
na ra daS.-Cruz em mu |>om lunar, o enllocada
em una casa que offereoo Brandes COmmodos para
nina lamilla sendo o son aluguol muilo cm conta :
alias da matriz da lioa-Vista, u. i.
Casimiras elsticas, a I $00 rs.
o c O va do.
Vendem-se superiores casimiras elsticas pelo
barato proco de 1,000 W. o covado; dilas muito li-
nas franeczas a 1,280 rs. o covado ; dita de su-
perior qualidade elstica, muilo lina, e preta, a
3,300 rs o covado : na ra do Collegio loja n. 1.
Naloja nova do nsseio- u
buco,n 10, de Ma'ioel Joa-
quina Pascual Ramos,
vendem-se riscados franco/es, de4 palmos do lar-
gura e muilo linos a 180e 200 rs. o covado ; cbila
a 2,000 rs a poca c a 80 rs. o covado; chitas linas
listradas, padroes modernos, a 120, 140 e 100 rs.
pecinhas de madapolfio a 1,500, 2,800, 3 000, 4,000
c 5,000 rs. ; bretanha de puro linho, a 800 rs. a vara;
ditas de rolo a 1,300 e 2,000; pecas de algodfiozi-
nho, a 1,280 e 2,000 rs. o a jarda a 110 rs ; loncos
do safa, a i,440c t.coo rs. j suspensorios, a loo
rs. oTfcr; lencos de grvala a KiO o 210 rs. ; pollo
do diabo a 200 rs.; lanzinha, a 320 rs.; pocas de
cambraia branca a 2,300 rs. ; brim Ira ligado de co-
res e de puro linho a 1,000 rs. ; dito bronco o par-
do a 1/e 1,200 rs. a vara; e mitras militas fazendas
mais baratas do que em oulra qualquer parle.
Yinlio de Cliampaiilia
da superior e muiloacrcdilada marca
Cmela,
vende-se no armazcm de Kalkmann & Itosenmund,
na rua da Cruz, n. 10.
:5,G00
1,600 e 3,000 rs.,-sapatos de
('.airo, francezes e de Lisboa ,
para senhora ; ditos de duraque,
cordovo e marroquim francez ,
a 1,000 rs. ; e oulras militas qua-
lidotles de calcado por prego
commodo : na roa da adeia do
Recife n. 35, loja d;> Moreira.
Na loja nova do Passeio, n. 1,
vendem-secassas modernas, de cores lixas e largas,
a 240 rs. o covado; chitas do novos padres o bons
pannos a 4,300 rs. a peca c a 120 rs. o covado ;
alem deslas, ha um completosorliincnlb dofazen-
dasdetodas as qualidades: ludo por proco com-
modo.
Vemlo-se urna mulatinha que coso, coziqha
e engomma; um cabra moco; duas prctas, pro-
priasparao campo: na ra do Qucimado n. 33,
com lenlo para o largo do Collegio, se dir queni
vende.
Vendem-se duas piolas ptimas quitandeiras e
lavadeiras de salido e van-olla um moleque criou-
lo ile 12 anuos : na ra das O n/.os n. 22, segundo
ulular.
--Vende-se, na ra do Queimado, loja n. 30, do
Jos Joaquim de Novacs, um vestido para senhora
montar a cavallo de muito boa razenda o feilo do
melhor gosto possivel, por preco commodo.
Vendo-so um sitio ao entrar para a Gapunga
doladodireito : na ruada Roda leuda decarpina ,
a tallar com Antonio lluplista Clemente.
Qfcja?
i
0 Vende-se bolacbinha de agoa o sal do 20 V^
em libra, todas fiiradinlias, e muito boas (^
&> para ola ( cafe; hem como de leite o ovos que |
% scrvoni mesmo para (lenlos, por nao torom (#
0 coinposiooes oleosas; biscoutos redondos, '^
% docoso 'ovos ; bolachlnhas; fatiasdos mes- &
& utos : ludo feitO com todo assoio e das me- ^
a. Inores Tarinlias que ha hoje no mercado: tam- i bein so vai fabricar bolachina de aramia- no '
s
Vendcm-se muito bem feitos vasos para flores ;
jarras; pas para preservar as formigas; pequeos
cacos para vender flores ; e outrasmuitas obras : lu-
do muito bem feilo o mais barato do quo as lojas
do Iouca desta cidade : bem como tambem so vende
nina porciTo de botijas proprias para azeite, ou ou-
lra qualquer cousa : na ra da Florentina, n. 16.
Batatas nglezas,
as mais superiores e novas que existem no morca-
do, a 2,000 rs. cada urna arroba: no armazem do
Braguez.
Vende-se urna negrinha de 13 annos, que cose,
chao efaz renda ; uin molecotede 15 annos; dous
iinilalinhos de 14 annos ; 6 escravas mogas de bo-
nitas figuras; 2 cscravos de 35 annos : na ra Direi-
la, n. 3.
Vende-se urna linda negrnh dn a nonos, com
principios de costura ; um mulatinho de 10 a 12 an-
uos de elegante figura ; 2 pretas para todo o servi-
do ; urna dita perfeila cozinheira : no pateo da Ma-
triz de S.-Antonio n. 4, so dir quem vendo.
Vendem-se no armazem do llraguez muito
boas batatas inglezas, polo prego de 2,000 rs. a
arroba.
Vende-so um casal de pombos mariolas, mui-
lo grandes e bonitos por prego muito commodo:
na ra da florentina, n. 16.
Vcndcni-se pipas com arcos de ferro, proprias
para agoada do cmbarcagflo : na ra Imperial, so-
brado n. 39.
Vendem-se portadas completas com vergas e
solciras de podra do Lisboa para cocheira ; o lagos
de pedia marmore : na ra da Aurora, n. 26, escrip-
lorio de I". A. de Oliveira.
Xa loja da rua do Cabug, de
Francisco Joaquim Duarte,
ha muilo acreditada em bolesde todas as modas ,
modernamente tem recebido pelo ultimo navio de
Franca as ultimas modas do bolos em Pars tan-
to iio seda, setim sarja e velludo, como para libr
de pageos de marque/es, barOcs o oulras dignida-
des da provincia^ bem como do Pedro II, os mais
bem douradosquo aqui leein apparecido, proprios
para osSrs. milatares ; o tambem de vidro do diver-
sas cores, para vestidos de montara e de madre
perola de lodos os tamanlios. As amostras se
achilo patentes para osSrs. compradores que se dig-
narem de honrar esta loja.
A padaiia de una so porta OOBi nenie para
a rua do Sebo, na praca da S -Cruz, contina a ler a
venda a|m do escolente pao, tudo o mais que be
proprio desles estabeleciinentos, bem como : a boa
bolacbinha d'agoa o sal, furadinha, do 24 e mais om
libra edoce do mesmo tamaito : tudo da melhor
farlnha que ha no mercado esem mistura que
ja nociva a qualquer oslado.
se-
Gaz.
Loja de Joo Chardon,
Alerro-da-loa-Vista, n. 5.
Nesla loja aclia-scum rico sooliento de LAMI'EOES
PAR A GAZ com seus compotentes vidrn, acccndeilo-
rci o abal'adores.
listes CludieirOS sao os melhbrea e
mais modernos que existem boje : recomniendam-se ao
publico*, lento pola seguranza e bom gosto de sua boa
confecf&o, como pola boa qualidade da luz, cconoinia e
Mielo de sou servido.
IS'a (IK'SIIa loja o consumidores scin-
preacharSo Uin deposito do-CAZ, de ciijo se alianza a
qualidade r om por;ao bastante para constiimno.
Vende-se conformes qualidade, a 320 o 400 rs.
a garrafa.
Vendem-se bar iscle
sos tamaulios com
ac
Adniiravcl oavalha de
da China.
Tcm a vantagem de cortar o cabello sem oITcnga
da pelle, deixando a cara parecendo estar na sua bri-
Inante mocidade.
Ksteago vem exclusivamente da China, c snolle
irahalhatn dous dos mclbores o mais abalisados cu-
teloiros da nunca excedida e rica cidaJe de Pckim,
capital do imperio obim.
_ AUTOR SIIAW.
n. i. He recommendado o uso dcstas navalhas
maravilhosas por todas as sociedades das scicncias
medico-crurgicas, tanto da Europa como d'America,
;&%[<& %\< %\@ pateo de S.-Cruz, padaria n. 6, dofionle da
9 igi-eja. -
.-.;^!:'v-&/!.'^^i*s -v^ && >,% gjfa >'<^ >foriS
II
niel
di ver-
no ar-
mazem do trapiche Rumos : a
tratar na rua do Queimado, loja
n. 29. "'
A i #000 ps.
As melhores luvas de pellica brancas o elsticas :
na rua larga do Rozario, n. 24.
AtlencSo.
8
Na rua do Crespo, loja n. lie,
d Jos Icaquim da Silva
Maya,
vimdem-so chapeos de seda para cabegas de senhora,
os mais ricos,e mais modernos queleem rindo a osla
praca; assim como se vendern chapeos de seda c de
lalhnha para meninas de dous a 12 anuos; toncas pa-
ra criaugas, de muito lindos goslos. Tudo chegado
de Frange polo ultimo navio, e por muito commodo
prego.
Vende-se, na livraria da ruado Crespo, n. 11,
Crammalica italiana c poilugucza, 1 v.; Fonseca :
Lexicn ; Diccionario de
sobre a logislagio civil e crimina
qllc| Brasil; o Vade-inecum do cirurgilo
19a o!
Vendem-se superiores chitas francezas.de vara de
largura d de cores fl linas oscuras o do cores lixas, leudo algumas
servem para luto ,a 5,000 rs. a pega ; meios chales
de cassa de quadros. a 440 rs. ; cortes de lanzinha,
para senhora com 15covados,a 3,600 rs. ; panno
piolo lino para pannos de pretas a 3.000 rs. o co-
vado ; chales do laa o soda muilo linos, a 5,500 c
",00o rs.; zuartedovara de largura, a 240 rs. o
covado ; coi tos de cambraia lisa muito lina e com
6 varas o ineia, a 5,000 rs. ; superior brim tranca-
do pardo, de puro linho a 640 e 000 rs a vara ; di-
to auiarello muilo lino, a !)00 e 1,000 rs. ; dito
trangado de linho branco, muito superior, a 1,000,
1,280 e 1,600 rs. a vara; chadrezes do linho para
jaqueta a 400 rs. o covado ; riscadinhos traugados, I ios ,1. ....
a 240 rs. o covado ; hamburgo de linho, a 260 rs. a i
vara; nieias para senhora a 240 rs. o par; o oulrasj veilde-Se pailUO prClO tlluilO lliO
minias lazendas por barato piego: na rua do Col- l *v
cgio, loja o. 1. de orello branco, a J, 4 e 5,Vrs.;
Vcndem-se btalas muilo boas o novas, a 1,6001 i-. 1 o i K (1 l
rs. a arroba: 110 armazem do Bacelar, defronlo dait"10 OZUl, a O, 4 e Of rs. ; CJI'
oscadinha. !, i'< j /s
- Vendse potassarussiana, por niuitocom.i,o-, C01' de Cale e Verde, a4#rS j
awsrria.rS:a&,. so,,d1oa;osJooan.l
1 piadores melhor conhecerem a
Roquete ; ConcideragOes
10 imperio do
011 halado do
simplomas, em porluguez obra muilo interessan-
le para qualquer curioso poder curar sem aprender,
em um volume.
Vendc-se urna parelha do cavallos gazeos, o
uin cavallo boom carregador : na rua da Cadeiade
S. Antonio 11. 22.
AO IOti E IIAStATO.
0 nova loja de Franeisco Jos
l'eixeira Bastos, nos cjuatro-ean-
1 do Queimado, O. 20 ,
loja ha um ompleto sortimento
de'oulras militas fazendas"
prego commodo.
por
Vende-se cora do carnauba de muito
boa qualidade, tanto a retalho como em
porgan : na rua das l.arangeiras n. 14 ,
segundo andar.
ou troca-so um bonito cavallo prc-
to muito gordo proprio para carro : na rua do
Livramento, n. 14.
Vende-se um cabra o urna preta robusta de
boas figuras : na rua da Senzalla-Velha n. 128
segundo andar.
-Vende-se urna preta de nag.lo que faz todo
o servigo do urna casa ou tambem so troca por ou-
tra que venda na rua : cm Fra-de-1'ortas na rua
do Pilar, n. 92.
Kscravos Fgidos.
-Vendem-se chapeos linos de castor, por 5,000
rs. : naruadaAiraiidega-Velha, 11. 5.
Fugio de bordo do patacho Velicano um escravo
de nome Roque, do San-Thom estatura liaixa,
rosto redondo esem barba, com feridas as peinas,
vestido com camisa o caiga azul e barrete inglez,
liste escravo pcrtcncc a Jofo Jos Pereira do Azeira,
to Rio-de-Janeiro. Quem oapprehender, queira lo-
va-lo rua da Cruz n. 66, casa do (andino Agosta-
ndo de Barros, por quem ser recompensado.
~ Fugio, no dia 13 do corronto o pardo Manocl,
de 30 annos cor clara o macelenta cabellos cas-
tanhos o crespos ps e milos um tanto grandes;
tem falta de (lentes na frente o alguns podres sem
barba 011 muito pouca queixo um lano compri-
do, falla um pouco descansada; tem urna pequea
cicatriz no canto do um dosolhos; hecheio docorpo
o serrador, trabalha de mostr de assucarecnten-
de decarpina. Esto pardo intitula-so forro e como
tal tiilvcz obtivesse passaporte, ou matricula cm al-
gunMambarcsc&o ; anda bem vestido; ha presumn-
Citotle ter embarcado para o sui ou liarle; ovua
um bah com toda a roupa quo tinha sua. Repar-
se para a bocea que he um tanto para dontr, equan-
do sorrir faz pregas parecendo mais vclho. Roga-so
as autoridades policiacs e pessoas do povo que o
apprchcndaine levem a rua do Collegio loja 11. 1 ,
que os ltimos scriio bem recompensados.
--Fugio a preta Luiza, crioula, estatura baixa, cor-
po delgado, um pouco dentuca, queas vozes em bri-
aga-sc. e tcm 30 (antos anuos, lista ausente ha um
mez da freguezia de Ipojuca do engenho que se es-
t levantando denominado Japarauduba. Paga-so
hem a quem a levaran referido engenho, ou no sitio
de Jos Comes dos Santos Pereira do Bastos, na es-
trada do Joo-de-Barros.
Fugio, do engenhoMaranlilo, no dia 25 de ju-
iho do correte mino um preto crioulo do. nomo
llartholomcu > conhecido por Berto : he carreiro ,
de estatura alia, barbado com falta do dous ou tros
denlos ; tem uns calombos do carne bstanlo cresci-
dos nos peitose costas; tom cravos e melladuras nos
ps o signal ife chicote por ja ter sido surrado ;
hem como marca de caustico em urna banda : levou
furtado um Cavallo melado com cangalha ; fulg-
se ter fgido para o serlto. Roga-so as autoridades
policiaes capililcs de campo 011 oulras quesqaer
pessoas,qne o prendam e levem ao dito engenho Ma-
ranhflo na freguezia do Ipojuca a seu senbor, J0A0
de Souza Lefio 011 nesla praga, na rua do Apollo ,
n. 23, a Rodrigo da Cosa Carvalho que generosa-
nienle recompensar.
Acha-se, desde o dia 16 do passado fgida a
pela Joanna, do nagan Bengucla de 30 anuos pou-
co mais ou menos ; be bem conhecida por usar do
de vender sapatos para senhora, fructas, bolos, ele.:
he alta, socca do corpo cor fulla rosto comprido,
olhos fundos, nariz um tanto afilado denles lima-
dos, beigos grossos ; tem urna marca anliga no la-
do esquerdo do rosto proveniente de una denta-
da que iHe dora ni, bracos finos o comnridos pos
seceos e tambem compridos, pernas chcias de veias
e encaramadas; he bastante ladina. Esta prola,porter
muitoscoiihccimontos,julga-se estar acoitada : por
isso protesia-se usar do lodo o rigor da lei contra
quem admitti-la em sua casa e muilo se rceom-
menda as autoridades policiaes capilcsdc campo
e mais pessoas do povo a captura da mesma escrava,
promettendo-scaosltimos boa recompensa, sea
levaren) ao Atorra-da-Boa-Visla 11.17 fabrica de
licores de Fi ederico Chaves.
Fugio, no dia 11 do coi rente a preta Julionna,
de 45 a 50 anuos de nagfio Mogambiqtie alta, pos
lortos e inchados"; levou saia de algodfio velba, o
panno da Costa azul, novo: quema pegar leve ao
engonho Ucha, freguezia dos Afogados que ser
recompensado.
Fugio, no dia 19 do correle um moleque
crioulo, de 9 a 11 anuos pouco mais ou nicnos,gros-
-SOjCaboga clialajquainlo falla Carrosa no R; levou cal-
gasdeeslopa e camisa de madapolflo ; tem marcas
do bexigas 1^ urna cicatriz em uin dos lados do ros-
to : quem o^pegar 011 del le dor noticia ser re-
compensado na rua da Madre-de-Deos, 11. 14.
Fugio, 110 dia 17 do corrento una escrava do
nomo Florinda, de iiaglo Costa estatura regular,
cor fula oni alguns tainos junto ios olhos; levou
vestido de Cbila azul com flores ainarellas e panno
da Costa. Roga-so as autoridades policiaes que, no
caso do ser encontrada a mandem conduzir rua
da Cadeia loja 11. 41, do Joio Cardozo Ayres.
Fugio, cm lins do oulubrodc 1844, o moleque
Marianno: tinha 15 anuos qiiiindo fugio; he baixo, o
grosso do corpo ; tem cahega redonda, pescogo cur-
to o enterrado nos hombros ps largas, cabellos
um lantoa vermclhados em cfrcuiiifereiicia da testa;
tem em um dos bracos urna marca de lqueiui8dura,
que principia do pulso al o cotovcllo.ps um tanjo
largos adianto, cara chala e lustrosa, falla um lan-
o aperlada nos denles, he. bem fallante, muito la-
dino caraolho : quoni o pegar leve aos Afogados,
sitio de S.-Miguel, ou as Cinco-Ponas sobrado
do l.uiz Gomes ou no Aterro-dos-Afogados, sitio do
fallecido .Machado que ser recompensado com
50,000 rs., ou mais, conformo o trabalho.
sua boa qualidade. Na mesma|i.r;i,N sa ttv. dem. i-.ue fahia.i47
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E1KM5ZR58_YABGHU INGEST_TIME 2013-04-26T22:24:40Z PACKAGE AA00011611_08521
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES