Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08518


This item is only available as the following downloads:


Full Text
\nno de 1847.
Quarta-feira 18
ni4lO puhliea-se todos os das, que nSo
I cunrd o prer.o ds asignatura he de
ior'Z' ,,oi qimrlol, pop-" adiantadns. Os an-
4,nO("-v sjinies san iiisenHos a rasiiode
niinfio* ".. 10 n. em lypo dillerentc, e as
'" "'PvVo"l'meUj*- 4 ''u8 n3 f"rem "si|"
repel;* \. g0 rJ p0r lnha, e 180 ein lypo
PHASES DA WA NO MEZ. DE AGOSTO.
l a 3. ',or* e *' m'n <'a ""ba.
logoan >^ l/^M m horose 7 min.da manhaa
l.ua "0^' ^ l9" 4, j ||0ras e 24iou. da manha
Cre5Cf.^;' a te'.t boras e 18 mo. damanha.
La cnei .
PARTID\ DOS CORREIOS.
a
Goiannae Par.ilivlia, s segundas escitas feiras.
Rio-Granda-dn.Norte quimas feiras aomeio-dia.
Cabo, Serinhem, Kio-Forraoso, Porto-Calvo e
Macelo, no l., a II elt de cada max.
Garanliuns e Bonito, a 10 e 21.
Boa-VUta'c Flores, a 13 e 38.
Victoria, s quintas feiras.
Olinda, todos os dias.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira, it 10 horas a 5* minutos da manhaa.
Segunda, s 11 horas e 18 minutos da Urde.
de Asrosto.
Armo
XXIV. N. iB.
DIAS DA SEMANA.
I
0 Secunda, S< Hoque. Aud. dj J. dos o.
phios do J. doc. ria J e do J. M. da rr
17 Terca. S. Mamede. Aud. I. v e do 1. de paz do 5 dilt. de t.
18 (hurta. S. Floro. Aud. do J. do civ.
J y. e do J. de paz do 5 dist. del.
19 Quinta. 8. Lab. Aud do J. de orpli. e
doJ. municipal da l. vara.
JO Seat. S. Bernardo. And do do civ. di
I- v. e do J. de pai do I. dist. de I.
II Sabbado. S, Cmbeh'uadeLovolla. Aud. doJ
do civ.da I. v. e doJ. de par do I dist. de t.
22 Domingo. S Joaquim Pai de Nossa Seuhoar.
CAMBIOS NO DIA 17 DE AGOSTO.
Cambio sobre Londres a J7 d. p. I) rs. a > <
a Paris 3S5 rs. por franco,
a Lisboa .05 a 110 de pren.lo.
Desc. de leltras de lioas firmas .le >/, a I Ve ?
Ouro-Oneas hespanholas.... 8|000 a
. Moedasdc.i.oor.lh. I6&00 a
daJlflOUnov.. lOftOO a
, deVfOOO..... '0
Pralfl Patacoes.......... IJ*
Pesocoluinnares... 1/800 a
a Ditos mexicanos.... i|78 a
Miuda............. <"
81A00
lJliuO
|6|J00
|2 1/980
1/940
l|8IW
||910
Acedes da comp.'d lleboribe de SO/000 r. ao par-
DIARIO DE PERMAMBUC0L
..
PARTE OFFiCIAL.
Governo da provincia.
EXPEDIENTE DO DIA 3 DO CORRENTE.
Oflkio Aocommandanto das armas, declarando
nuc concedo os tres mezes do licenca com sold que
solicitara o capitio Sebastiilo Antonio do llego Bar-
ros no requerimento informado porS S., o acom-
nanhado de parecer da junta modico-cirurgica.
Dilo-Ao mesmo, participando, que, ein deferi-
menlo i supplica de Esmeria I.uiza Rezerra, orden-
ni S. M. o Imperador fosse dispensado do servico do
execito o filho da supplicanto, Feliciano Jos de
*uza. .
Hitos--Ao mesmo eaocommissano-pagador, sci-
cnlilicando-os d'havor merecido approvacjo do mi-
nisterio da guerra a deliheracSo pela qual se negou
abono de ctapeecasa ao cirurgiilo-ajudantc do sex-
to batalhio de caladores, Dr. Manoel Adriano da Sil-
va Puntes.
Dito-- .\o desembargador juiz relator da junta de
justica, transmitlindo o processo de Joflo Jos dos
Pisaos. ... .
Dito--Ao inspector da thesourana da fazenda,
daiulo-lhe faculdade para ir supprindo com 27,990
ris mensaes a rubrica Offl'.iati da armada e classtt
anneat --. Parlicipou-se ao inspoctor interino do
arsenal de marinha.
Ditos Ao mesmo, ao commissario-pagador e ao
director do arsenal de guerra, inteirando-os doler
sido declarado pelo ministerio da guerra, om aviso
de 21 dejulho prximo findo, quo nilo era admissi-
vcl a assistencia do referido pagador nos consumos
qttese houverem de fazer pelo mencionado arsenal.
Dilo-Ao presidente da rclacSo, acensando re-
messa de urna copia do decreto do 17 dejulho deste
auno, que faz extensivas a Jos Lourenco do Castro
e Silva cquaesqueroutroscompromettidos nos mo-
virnentos do Ex as disposiefles do de 1 4 de marc.o de
1844, que amnisttou os crimes polilieo.
Dito Ao juiz do civel da primeira vara, exigindo
scu parecer acerca do compromisso da .irmandade
de Nossa Senhora da Paz dos Afogados.
Dito Ao inspector interino do arsenal de mari-
nha, scicnticando-o da nomeacilo do segundo l-
ente Francisco Duarte da Costa Vidal para coadju-
va-lo, especialmente nos trahalhos da capitana do
porto, com a gratificarlo mensal de 40,000 ris, alem
do sold.
DEM DO DIA 4.
OITicio Aoconimandante das armas, recommen-
dando fa$a saber aos vogaes militares da junta de
justica, que ella se devo de reunir a 5 do crtente.
Odiciou-se a respeito aos vogaes togados.
Dito Ao juiz municipal e d'orphiios do lermo de
Igiiarass, deelarando-se scientedeler S. me. assu-
mido a segunda vara civel desta cidade.
Dito ao juiz de paz presidente da junta qualifi-
cadora dos Afogados, significando quo deve de pu-
blicar as tlecisfips do concelho municipal de recurso,
ein obediencia ao artigo 24 da loi regulamentar das
t'lciqes, e ao aviso de 23 de abril deste anno.
EXTKBluR.
INGLATEUR A.
NOTICIA EI.EIT0IUL.
LORD JOHS BUSSF.LL UIBICIO A SKGUINTK CARTA:
Ao elcitores da cidade de Londres.
Chesham-place, 28 dejunho do 1847.
a Seniiohes. Tcndo por duas vezes recebido de
vos o importante encargo de representar esta grande
cidade na casa doscomniuns, julgo do met dever
deelarar-vosas minhas inlcm;0es no caso de dissolu-
qio do parlamento.
> Aspiro honra de ser outra vez vosso represen-
tanle. ....
Einpenhado como estou as discussOes dianas
da casa doscomniuns, nao liei mister de fazer de-
claracOcs acerca de minhas opiniOes polticas.
.. A respeito das quesloes que porventuia se aprc-
sentarem ao futuro parlamento, ao passo que pre-
tendo ter libeidade para meditar e decidir sobre o
bem-estar da communhSo sem a peia dccompromis-
sis, cstarei proinpto no dia da eleic,fo a explicar e
defender os principios. |icos quaes tenho-me diri-
gido, e continuarci a dirigir-me.
So, pois, eu r ainda julgado digno do reprsen-
la r-vos, desvanccer-nie-hei de merecer a conlianga
de urna corporatjao de eleitores tflo grande, tfio po-
derosa e 13o intelligente.
Tenho a honra do ser,
Vosso obediente o fiel servo,
J. Russbli..
Jhavia nflo menos do sete candidatos repre-
sentacno daquella cidade. Lord J. Russell, Mr.
Mastcrman, Mr. Pattison, bariioltolhschild.SirGeor-
go Larpent, o Aldcrman Johnson e Mr. l'ayne.
1 Das noticias de Pars, ein dala de 31 de maio, re-
cibidas ent Londres, o quo havia do maior interes-
secra oseguinte :
, M. Ducbalel tinha-se ausentado outra vez de Pa-
ris(e desta paraTrouville),circumslancia que servia,
segundo sedizia, para confirmar o boato de quo
elle e Mr. Guizot nflo estavam na molhor intelli-
gencia. ,
A Press imputava ao govarno inglez o haver sug
gerido a idea de divorcio entre a ranina de Hespanha
e scu esposo.
O posteripto da correspondencia oTimes annun-
ciavaumfacto que nilo podia deixar, segundo elle
dizia, de augmentara confianca publica ; a saber, a
retirada do mareclial Bugoaud do governo d'Argel.
o qual foi interinamente .substituido pelo general De
Bar.
Policial do 1.* de julho. Dizia-so nesto da em
Paris, que a retirada do marcchal Bugeaud do Ale-
gra tnha por pretexto ser necessaria a sua presen-
Qa na cmara dos doputados durante a discussilo dos
fundos pedidos para o servico daquolla colonia.
dem de 3. Na cmara dos pares chamou M. de
Pontois a atlenofip dos sous collegas para um artigo
publreado pola Preiienodia 12 do maio, noqiiJise
alTirmavaquc osassentos daquella cmara pndiam
ser comprados por dinheiro; e disse que llicscum-
pria chamar sua barra o editor daquelle jornal,
para explicar urna assergo 13o contrara sua digni-
dade. O presidente leu entilo os arligos das lets de
1819 c 1822, que regulam o processo em taes casos ;
oM. Jacqueininotobservou que segundo o regimen-
t da casa devora M. de Pontois ter formulado urna
proposta para deposita-la sobre a mesa. O presiden-
te resp.ondeu que havia um precedento em favor do
proced'i ment de M. de Pontois, e quo nilo era neces-
saria urna proposta formal. M. Barlhe observou de-
pola, que a f'rait atacara o ministerio; mas nilo in-
sultara a cmara. Todava, depois de mais algumas
observares deM. Pontecoulant, barilo Dupm, Dal-
ton Sheo.DeBoissy o outros foi a indicac,io do M. de
Pontois posta votaco o approvada.
dem de 4. O Moniteur publieou urna ordenanca
real, dispensando M. Guizot da direccao interina da
reparticao da marinha, por haver o novo ministro
duque de Montebello prestado o juramento do seu
cargo as mios do rei, a 3.
Acamara dos deputados recebeu no mesmo da
urna mensagem da dos pares, participando-Ine a sua
resolucSo de chamar sua barra M. Emile de Girar-
din, editor da Preste. Por ser elle membro da cama
ra dos doputados era necessaria autonsaQ.lo desta
para se instaurar o processo contra aquelle, e o con-
tedo da mensagem devia de ser examinado as com
missOes permanentes, a 5.
Um jornal do Havre annunciara, sob autoridad!
que elle julgava excellcnte, que a commissao da ca
mar dos pares, encarregada de examinar o novo nill
sobre os di rei tos d'alfandega, tinba unnimemente
resolvido reduzir: l.",o direito de imporlaciio sobre
o caf- 2., o direito sobre os assucares, quer de ori-
gen! colonial, qur cstrangeira; 3.', o direito addi
cional sobre o assucar estrangeiro; c 4.uestabelecer
um direito sobro o cobre bruto inglez, alim de ani-
mar aimportacao do mesmo metal da America do
Sul-
Os jornacs de Marselha annunciaram que o mare-
clial Bugeaud havia resignado o governo de Alge-
ria. ,. .
dem de 5. O assumpto a que se releriam os jor
naes deste dia, c que mais bulla razia em Pars, era,
secundo so dizia, a proposta feita na cmara dos pa-
res para ser chamado perante ella M. Emile Girardin,
principal editor da Presse, c membro da cmara dos
deputados.
A Presse do mesmo dia observava, que, se e le hou-
vesse dito do seu lugar na cmara dos deputados, que
se tiiilia promettido um paralo sob coiidico do pa-
gamento de 80,000 francos, e no da seguinlo lizcsse
imprimir publicar o seu discurso, neiilium crune
teria commetlido; masque o caso no mudava de
nalureza por faze-lo antes de o dizer na sua ca-
"'A^'ntervcncic- das potencias estrangeiras em Por-
tugal era tambem objectodc animada discussflo nos
referidos jornaes.
A Reforme prediza que a intervengo da raiiQa
nos negorios internos daquelle reino sera fatal a dy-
nasliadeOrleans.
Reuniram-so comeffeito osdeputados, no dia-o, em
os scus Imreavx (secc0es> para elegercm urna coni-
niissnoafim de decidir sobro a conveniencia dse
autorisar o procediinento contra um dos seus mem-
bros, M. Emile de Girardn, a rcquisicilo da cmara
dos pares. A discussilo foi langa e animada, e os de-
putados da opposicDo ostenlaram-se muito fortes. H.
de Girardin protestou no primeiro burean o seu pro-
fundo respeito para com o pariato, e deelarou que a
sua inlencao era smente desmascarar o ministerio.
Todava, os membros eleitos da commissao, a excep-
cnodedus s,-MM. PailleteLeon de Malleville, opi-
naram que se devia conceder a autonsacao.
dem de 6. A arguico de corrupto cita ao
governo fraiicez porM. de Girardin, no seu jornal,
a Presse, c pela qual fora elle, por indicado do con-
de Pontois, chamado a comparecer na barra da c-
mara dos pares, oceupou naquelle dia e no anterior,
de urna mancira especial, a attengao de todo o pu-
blico parisiense; assim como o modo porque os bu-
rcaux da outra cmara receberam eassentiram a re-
quisicno dos pares.
A Pree annuncioii que o general Daspans-Cubi-
res resignara o seu lugar de director da companhia
do seguros, a BienJaltante.
O Journal des Dbats annunciara que a rainha mal,
I). Mara Christina, devia partir de aples a 30 de
II. .11UIIU \-iii riim, Mfc... r-.... -- -r--------------------
maio ; que dahi passaria por trra a Roma, onde
tcncionava demorar-se tres dias ; e depois segui-
ra para llorn, afim de embarcar a bordo da fragata
de vapor Panam, que estava sua disposicSo, para
Toulon, onde era esperada a 7 dejunho.
dem de T. QConstitutlonnel publieou um longo
artigo sobre os negocios de Portugal, no qual ac-
cusava o governo francez de ter, emquanto o con-
de Bresson era embaixador do Franca om Madrid,
instado com o governo hespanhol para mandar um
exercito em auxilio da rainha de Portugal, contra
os desejos do representante inglez, que seoppunha
a intervencito hespanhola.
A respeito da Hespanha pareca estar o espirito
publico do paiz algum tanto tranquillo. A corres-
pondencia o Times escripia de Paris dizia que mul-
ta curiosidaile excitava a continuada residencia de
M. Ilresson naquella cidade, em vez de partir para o
scu ompregoem aples, cuja embaixada havia elle
aceitado positivamente. O rumor publico attnbuia
a sua domora a desejos do rei do ver a rainha cnris-
tina na sua volta de aplos, afim de instruir o
conde Bresson sobre pontos que S. M. podoria me-
Ihor elucidar. ...
dem de 8.- Da Italia nada tinha chegado de mul-
ta importancia,! excepcilo de boatos de haver sido
a rainha Christina, ou muito mal recebida pelo re
seu irmfio, OU nilo rocohida absolutamente boatos
todos confirmados por cartas particulares de 28 de
maio, as quaes diziam que S. M. sahna para Pa-
ris no domingo seguinte.
O CanstiMlonnet considerava o adiamenlo que pe-
dir M. Guizot at o dia 14 para dar asexplicacoes
que Ihe foram pedidas acerca da intcrvcnclo das
tres potencias nos negocios de Portugal, como um
subterfugio para poder saber antes disso o que dina
lord Palmerston na casa dos communs.
O Courrier Franqais annuncioii que o governo ha-
via resolvido augmentar com 4 navios do guerra a
estaclo franceza no Tejo. Esta frca devia de ser en-
tregue; ao commando de uin contra-almirante e
cooperar com a divisiio ingleza, alim de reduzir a
obediencia os insurgentes do Porto.
dem de 11. A Union Momrchlque dizia que o go-
verno recebera despachos annunciando que a Porta
tinba formalmente aceitado a mediaeflo d'Auslria
para a composiqSo da pendencia quo.se havia sus-
citado entre ella e o gabinete grego.
A rainha D. Mara Christina tinha chegado alou-
lon no se f trajecto para Paris, onde era esperada no
dia 14. ,. .
Id- 2,O ministerio francez, dizia urna car
ta de. ,s, vawila at a sua base. Nao lia dunda do
que elle esta em perigo inminente. A nica ques-
illo ho, como promover-sc a sua queda do modo
o menos desagradavel possivel. Ilcntem fora elle o-
brigado a mandar carregar para a cmara dos pares
mombros decrpitos, alim de votarem all a favor
de umprojecto ministerial para a reforma medica.
Ainda assim a maioria foi fraca em numero como
em organisacio. ,
i M. Duchatel volta a Pars amanhfla (13) a nolte,
ou na segunda-feira (14,, dizia o correspondente
do Time. Com pozar digo que elle no esta bom,
e que pretende deixar por um annoassuas funecoes,
para assim reparar oselTeitos de urna longa eassi-
dua applicaCO aos negocios pblicos. Por agora
piiijeeta-so que soja seu irmilo interinamente o mi-
nistro do interior. A cmara dos deputados volou
hontem os fundos :!5,000,000 de francos' pedidos
para Algeria, por una grande maioria ;2.') contra
O Journal des Debis dizia que a commissao Ho-
rneada para tomar conhecimento ilas irnpuUcOea
feitasao general Cubrieres inquiri a M. Teste, ou-
tr'ora ministro das obras publicas, no da 11; e
em seguida o chaneellcrs inquiri a M. Capul, ad-
vogado, que foi ollorecido como testemunba.
dem de 13.A Union Monarchigue era de opinio
de que o negocio de M. de Girardin produznia lti-
mamente una crisc poltica. Grande numero de de-
putados pertenec!tes no s i opposicSo, senio tam-
bem ao partido conservador, proclamavam altamen-
te a necessidade de um examc parlamentar sobre a
situacaodo governo do paiz.
M. de la Vega, secretario privado da rainha de
Hespanha, tinha chegado a Paris, encarregado de
urna missao duqueza de Moiitpensier, quesesup-
punha referir-se a negocios de familia. (As cartas
particulares do Times nao concordavam nesta sii|)-
posigilo.)
O Conslilutionncl annunciou que o governo Iran-
cez autorisra a rcnioclo dos restos de I.uiz Bona-
parte, outr'ora rei da llollanda, e deseu hlho mais
velbo que fallcccu em 1831, para Ucuil, perto de
Paris, alim de so unirem com os da imperatriz Jose-
phiuacda rainha Hortense.
dem de 15. O Commerce ai.nunciou que o prin-
cipe de Joinvillo tinha recebido ordens positivas pa-
ra mandar duas naos da sua esquadra para a costa
de Portugal. Alm destas scguiam para o mesmo
destino dous vapores, o Soln e o Anortan, c mais o
brigue Meleaure os 2 primeiros do Mediterrneo e
o ultimo de Cherburgo. As fragatas irme alphi-
qenie tinham igualmente ordem de so fazerem de ve-
la para o Tejo* on.lc j so achavam es acollados a
co vou,tlayonnaise e o brigue Cygne A Franca tena
assim n-aquella costa urna esquadra composta de
duas naos de liona, duas fragatas e mais anco vasos
do menor porte. .
O ministro da fazenda submetteu no mesmo da a
commissao nomcada para examinar o projMlod8
naiiuetes transatlnticos um novo contrato quecon-
cluira com MM. Hezout e Dehandcl para o estabole-
cimento de linhas de communicagao mensal por va-
pores entre a Franca e differentes partes da Ame-
(-('I
A commissao de soccorros aos infelizes Irlande-
zes, formada sob os auspicios do arcebispo de Pars,
tinha dirigido um appello a todos os fiis em favor
delles. Assubscripcesdcviamde ser recebidas pe-
los parochos de Pars, pelo superior do seminario
irlandez, e pelo bar So Anselmo de Rarante, thesou-
reiro da commissao. *(,,
A rainha D. Mara Christina linha-se transiendo
para o castello de Malmaison, para ah passarove-
'o'.Wo'i/feurp.ublcouuma lei autorsando o banco
de Franca a emittir notas de 200 francos.
OCou'rri-r Francalt annunciou formalmente que
so tinha concluido um contrato entre o governo
francez e MM. Hezout o Dehandcl, para o estabele-
ciment de linhas de regular communicacao men-
sal por mcio de vapor entre Marselha e as Indias
occidentaes francezas, entre Brdeos e llavana, en-
tre o Havre e o Rio-do-Janoiro, por urna rotribnltfQ
animal de um milho de francos porcada linha. U-
malinlia secundaria, aborta entre St.-Nazairc, Lis-
b.iao a Madeira unir o porto de Nantescom as tres
linhas principaes. .
dem de 16. A posicaodos ministros anida nao
tinha mudado. M. Duchatel ainda se achava na ca-
pital, dizendo-se que soffria inconiinodo ; mas re-
almente de perfeita sai'ide, segundo asearlas par-
ticulares do Times Era bem verdule que elledeso-
java repouso ou ausencia dos negocios; mas que pro-
vavclmente voltaria ao poder, nao como ehefe do
urna reparticao, sendo como presidente do conce-
lho.
A correspondencia da rainha Christina com o re
dos Francezes em nenhum outro periodo anterior se
tomara lo frequonte, ao monos por correos e men-
sageiros; e dzia-se que ameacava a existencia do
ministerio Pacheco em Madrid. J^comccava a con<:
tarquepelainnuenciada rainha m;1i mostrara ol-roi
consorte una disposicHo mais tralavel, c consenti-
r em nao proseguir nos actos e cxpressOes ofensi-
vas para com a rainha Isabel, a que elle se on-
tregara ltimamente, por instigado d aquel les que
o cercavam. Todas as pessoas bem informadas a tal
respeito manifestavam esperances de que os mane-
jos da rainha mili, e os do partido francez na Hespa-
nha se delles se deve fallar como dist.nctos) seriam
cordados com inmediato e feliz xito. Dizia-sequo
o general Narvaez eslava 'Tallando-so figuradamen-
te) com o pe no estribo, prompto a partir dclans
para Madarid; para o que se Uio fana aviso pelo telc-
grapho, quando fosse tompo.
PBHhfB'MO.
TKIBNAL DA RELACAO'.
JULGAMENTO NO DIA 17 DE AGOSTO DE 1847.
Desembargador de semana o Sr. Ilattot.
Na appellacao civel entro a fazenda provincial e
Jos Joaquim Ifezerra Cavalcant, receberam os em-
zareno, como tutora de seus lilhos, e JoJo Marques da
Costa Soares o sua mulher, desprozaram os em-
'''iSa'ita dita entre Joao Rufino da Molla o Jos Vi-
cente da Silva, julgaram procedentes as rasfles apo-
sentadas. I Vla-
Na dita dita entre Manoel CarneiroLcal o Vicen-
te Pereira da Silva, foram recebidos e julgados pro-
vados os embargos. .
Na dita dita entre Manoel Joaquim Fcrreira e Joa-
qun! ila Silva, desprezaran oaembargos.
Na dita dita entre l.enoir Puget & Cumpanhia e a
fazen.la geral, manilaram dar vista ao dosombarga-
dor da cora e fazenda. '
Nadita dita entre Elias Emiliano Ramoso Carlos
Frederico da Silva Pinto, receberam os embargos.
Na dita crime entre o doutorjuiz de direito e Jo-
s Francisco da Costa, reo preso, julgaram proce-
dentes as rasOes do primeiro.
Mandaran! dar vista as partes as scgumtes appel-
lacocs civeis: ,
Na de Francisco Joaquim Cardozo e Francisco da
Silva Miinize outros, herdoiros de D. VicenCia Joa-
quina da Conreicilo; ,.t
Na de Antonio Bernardo de Moura e Antonio r.
l'l'l'Cl I il'
Nao t'omaram conhecimento da execucao de sen-
lenca de Manoel da Fonseca e Silva contra Manoel
lo Nascimento do Azevedo.
No recurso crime de Braz da Costa o Mello o o
jUZO reformaram o despacho de pronuncia
Negaram provimento ao recurso de eleicOcs de A-
leixo da Silva Ferreira.
JOBT DO REGIFE.
10 SES80 DA TEItCEIBA ORDINARIA EM 16 DE
AGOSTO DE 1847.
PRESIDENCIA DO SENIIOR FERREIRA GOMES.
As II horas da manhaa, faz-so a chamada e veri-
lica-se acbarem-sc presentes tantos Senhores jurados
quantos os necessarios para haver casa.
OSr. Juiz Presidente declara aberta a sesso.
Silo apregoados os reos e as testemunhas.
O Sr. Juiz Presidente diz que se vai proceder ao sor-
teio do concelho quo lem de julgar ao reo JoSo Car-
los Vital aecusado de uso de armas defesas e resisten-
cia a ordens legaes.
Sorteado o cncelho, presta o juramento prescripto
pela lei.
O Sr. Juiz Presidente faz ao reo o seguinte
lYTERROGATOaiO.
Juii: Como se chama ?
Reo : Jo3o Carlos Vital.
Juiz: Sabe a raso por que est preso ?
i,
II

li |;
I
MUTILADO


i"

2
Reo : Foi urna luta que tivecom um homom.
Jui NSo foi preso estando armado de urna pis-
tola?
Reo : A pistola tomei-a da mo do homem que
me aiacou na estrada, e me don voz de preso.
Juit: E nessa oecasiilo ferio u esse homem ?
Rio : Isso eu n3o sei; na luta pode ser.
Findo o interrogatorio, pass Cas fdo processo e s allagagcs pro e contra o reo.
Terminadas essas allegages,
O Sr. Juiz Presidente faz o relatorio da causa, c en-
trega ao presidente do concelho os seguintes
(UESITOS.
Primeira parte.
1." Oreo Jolo Carlos Vital fez os ferimentos cons-
tantes do ourpo de delicio ?
2. O reo fez os mencionados ferimentos de noite ?
3. Qro fez os ferimentos eni resistencia de or-
densillegaes?
4." O roo exceden a meios necessarios para impe-
dir que se eflecUiassc a ordem ?
5." Existem circumstancias attenuantes a favor
do reo ?
Segunda parte.
1. O rooppoz-sc com violencia a execuefo de
odens legaes ?
2. O reo fez a opposicKo de noite ?
3. Existem circumstancias attenuantes a favor
do reo ?
Tendo-se o concelho recolhido a sala das confe-
rencias, volta pouco depois dos debates, respon-
dendo:
Descarregnm hoje, 18.
Barca WUUam-Russcll aloatnlo, pixe e breu.
Patacho Ida taboado e ferro.
Barca Esther-Ann mercadorias.
Calera Columbas dem.
Consulado.
RENDIMENTO DO DA 17.
Cera I.
662,970
Movimento do Port.
Navios entrados no dia 17.
Rio-Grande-do-Sul; 30 dias, brigue brasilciro Pa-
quete-de-Pernambuco, de 190 toneladas, capitn
JoiTo Gongalvcs Rocha, eqtiipagem 14, carga car-
ne e batatas inglezas; a Leopoldo Jos da Costa
Araujo.
Antuerpia ; 49 dias, brigue dinnmarquez Ida, de 112
toneladas, cnpitfo J. J.Jorgcnsen, equipagem 9,
em lastro ; ao capitio.-- Vem ein procura de pra-
lico.
Navio sabido no mesmo dia.
Portos do sul; brigue dinamarquez Ida, capitio J.
i. Jorgenson, carga a mesma que trouxe.
forma de romance, se Inculca o amor e obediencia
aos pais; moslra-se a recompensa que Dos d sem-
pre aos bonslilhos; eao mesmo tempose inculca
tambem a virtude da gratidio, o se mostra com um
bem"expresssivo cxemplo o castigo que recobem os
ingratos.
He igualmente este romance mui proprio para
servirle um bom livro do leitura as escolas pri-
marias de ambos os sexos : e por isso o recommea-
damos n3o so os pais de familia para instruccio de
seus lilhos, porm aos mestres c mestras de ins-
trucgilo primaria.
Vende-se por 600 rs.
reclaiacoes.
Na primeira parte
Ao I,* qucslto Sim por unanimidade.
A o 2.
Ao3."
Ao4."
A0 5."
Sim
Sim
Nao
N do-
to votos.
9 ii
unanimidade.
Na segunda parte
Ao 1.' quesitoNdo por 9 votos.
Ao 2." Sim unanimidade.
A o 3.# Ndo >i
OSr. Juiz Presidente, conformaiulo-sc com a deci-
s.ki dojui'y, lavra e profere a seguate
- SENTESCA.
A* vista da decisio do jury, absolvo o reo JoiTo
Carlos Vital, o mando que a sen favor se passe alva-
r de soltura. Pague as cusas a municipalidade.
Sendo 2 horas da tarde, levanta-se a sessilo.
DMIIIII U P8RV.HBUC0.
nrcFE, 17 DE AGOSTO DE 1847.
Pela barca hsther-Ann recebemos mais alguas jor-
naes inglczes, que chegam a 9 de julho ultimo.
Na casa dos lords disse lord Urougham, no dia 5,
que observava que proseguiam os preparativos pa-
ra urna eleicBo geral, e confessava que olhava com
horror e desgosto para o pasudo, e com desanimo
para o futuro, quandosc recordava do suborno, cor-
rupgilo c inlimidagSo, que se empregaraui para com
os votantes naclefcfio geral de 1811. Que elletinha
entao chamado a atteago da casa para esse objecto;
e como eslava prestes a haver outra eleigo geral, e
provavelmeate haveria repelicffo das mesmas scc-
nas, julgava conveniente que se uzease aos partidos
aaticipada advertencia, para que afio l'ossem culpa-
dos sem ser avisados. Parece que o nobre lord con-
cluir dando noticia de urna mocio a respeito, para
a qual Dxou depois o dia quinta-feira seguinte (8).
Na casa .los communs Icvantou-sc, no mesmo di
(.11, Mr. Osbome para l'a/.cr a moclo de que havia da-
do previa noticia sobre os negocios de Portugal ; e
conrluio o sen discurso propundo que incumba
ao governo inglez, jaque liona interferido nos ne-
gocios ilaquellc paiz, tomar medidas para preservar
os direilos e privilegios do povo portuguez, e insis-
tir sobre a inmediata restituicHo do condo Bomliin
e deseuscompanheiros da colonia penal de Angola
sita patria.
E depois de ter respondido lord Palincrston em ex-
tenso discurso, seguindo-sc prolongado debate, no
qual tomaram parte diversos oradores, disse Mr. Os-
bome, que entendendo, como entenda, que o no-
ble lord, que se achava i testa do governo, havia pro-
ntetlido que insistira era que o conde Romlimc
seus compatriotas l'ossem retirados de Angola, elle
annuiria ao pedido que Ihe era fcito c consentira
em retirara sua mocSo : o que com ctYeito fez com
permissiioda casa.
Na sessflo de 6 fizeram-so aiada algumas ioterpel-
lagOes acerca do Portugal, asquacs adu/iraia lord
l'almerston a dcclaragiio de que na sua opiualo tan-
to o conde das Antas como o S da Uandeira tinhaiu
dreilo a ser comprcheadidos na amnista publicada
pela rainha de Portugal
Mr. Moffatt propoz depois, que a casa se resolvesse
n'uuia commisso de toda ella para tratar dosdirei-
tos sobre o assucar ; e disse que o seu intento ao fa-
ze-Ioeraapresentar um bil para a revogacao dos di-
reilos dilfercnciaes sobro o assucar refinado.
Mr. Ewartapoiou a mocSo ii'uiii breve discurso;
mas, depois de algumas observaces do chancellcrdo
exchequer em opposicao a ella, foi retirada a moclo
Na sesso da manala de 8, na casa dos communs,
antes que ella passasse ao expediente fez lord J. Hus-
sell urna exposicSo das rasoesque induziam o gover-
no a retirara medida mais importaale que restava a
sua consideragllo, que era o bil sobre a sailde das
povoagocs. Essas rases eram em resumo o periodo
adiantado da sessflo, o pouco progresso que o bil
liaba feito aa cominissSo, a opposigilo vexaloria a
que eslava exposto, c a impossibilidade deserdevi-
dameato meditado pelo inmediato prospecto do urna
clcig3o geral.
O principo Carlos Lucianno Bonaparte (principe de
Caniae; parlode l.oadrcs no dia 8 de julho pela ma-
nhSa cedo para Copenhagem. O principo tinha ido
aquella cidade de proposito para assislir a SOMO da
associagSobrilaanica de Oxford; econstava que ia
para Copenhagem, alim de assislir a urna reunan
scientica nesta capital. Dalli ia para Stockolmo, e
depois para Berliiu.
0 arsenal de guerra lem de renietler para'a pro-
vincia do Cea'r quatorze raixoes com armamento,
cinco ditos com c'orreiainc ell ditos com fardamea-
lo : qualqucr senhor capitUo de navio, quo estiver
de prximo a seguir viagem para aquella provincia,
e quizer contralar a conducc&O de taes objeclos,
compareca aa sala da directora do mesmo arsenal,
das nove horas da manh&a as dtas da tarde do dia
18 (boje, do corrate niez, para se fazerem os conve-
nienlcs justes. Arsenal de guerra, H de agosto de
1847. ~ Judo Ricardo da Silva, amanuense.
((arsenal do guerra tcm de remoller para o Ito-
Grande-do-Norte 12 arrobas de plvora, em 6 barris:
quem se quizer cocarregar do os conduzir, cempa-
reca na sala da directora do mesmo arsenal das 9
horas da manala as duas da tarde dos dias 18 hoje)
c 19 do corrate niez, para se fazerem os conveni-
entes ajustes Arsenal do guerra, 16 de agosto de
1817. ~ Jodo Ricardo da Silva amanuense.
\ visos martimos.
Para o Ccar e Aracaty segu viagom at o fim
do corrate mez o hiate nacional Mara-Pirmina :
para carga c passageiros, trata-sena ra da Cadca
do Recite n. 31.
Para Loanda o brigue portuguez Rosa : quem
nelle quizer carregar alguma carga miuda, ou ir de
passagem, dirija-se ao capilfio, Jos Francisco da
Costa Roxo, ou aos consignatarios, F. S. Rahello
& Filho.
L
eiioes.
AVISO AOSSENHORES NEGOCIANTES DE
CASAS DE COMMERCIO.
O administrador da mesa da recehedoria de ren-
das geraes internas, leudo feito um aiinuncio em 26
de junlio prximo passado, convidando aos caixeiros
estrangeiros a virem pagar o imposto de 120,000
rs.; declara que o referido aiinuncio 11A0 se eateade
com os caixeiros, mussiai coia as casas de coinmer-
cio, como determina a le.
Recehedoria, 16 de agosto de 1847.
~ Ocorretor Oliveira*far leillto de grande e va-
riado sortimento de fazendas, todas proprias deste
mercado: quinta-feira, 19 do corrente, as 10 horas
ila manala, no seu cscriptorio na ra da Cadeia do
Recite.
Moje, 18 do corrente, so far lel3o de queijos :
no caes da Alfandega, armazom de Racellar.
A pessoa, que animacin pelo Diario,'ns. 175 a
179, querer permutar urna formidavel propriedade
nesta praga, por um sitio quereado um perto da
praca com as proporcOes que exige dirija-se a
ra da Madrc-de-Deos, a. 14.
--Precisa-se alugaruma boa casa, ou um bom
aadar, com commodos para urna pequea familia
cstrangeira queseja em ra publica e fresca nrc
ferlndo-se no bairro de S. Antonio ou Boa-Visla"
na ra do Trapiche, n. 40.
A luga m-se tres casas terreas, no
becco do l'eixoto, pelo preco de cinco
mil n'is cada urna : a fallar
Crespo,
na ra
n. i5, com A. da C. S. G.
do
mm
Avisos diversos
Contrato a celebrarse com a thesouraria das rendas
provinciaes no mez de agosto corrente.
Hoje.
Oda arrecadacao do dizmo do gado cavallar nos
unicipiosde Boa-Vista e Ex, avaliadc,"m 299,930
il res annuaes. / "
Cadeira vaga deprimeiras lelt us\
A de Caruar, cujo concurso lera lugar iluda 9
de selembro prximo futuro.
Pulicacoes Liltorarias.
No da 31 de agosto co-rente sahir luz em casa
de E. c II. Lacnimerl, ra da Quitanda, n. 77, e se
assigna por 10,000 rs., em 5 volumes encadenados,
a nteressante
vfTORIA LMVERS.U
desde os lempos mais remlos al aos nos-
sos das, relatando os acontecimenlos
mais notaveis em todas as pocas, e os fe-
tos dos honicns mais celebres de lodosos
povos, CGrnposta sobre o plano de Bie
dow por um Brasileiro, ornada com
gravuras linas.
Desde milito lempo era entre nos desejada urna
boa obra sobre a historia universal. Possuiaos ape-
nas algumas tradceles, essas mesquinhas o mui
pouco ao par da justa curiosidade e rcclamacOes do
esludo. He com o fita de supprir cssa lacuaa que aos
propozenios, dando a luz esta obra, oh"ercccr ao pu-
blico um livro completo e digno de su escollai.
Subscrevc-se na esquina doCollegio a 10,000 ris.
RECORDa'cOES DE PORTUGAL
POU
Alejandre llerculana.
Os seahores assignantes queiram mandar buscar
ra da Cruz, casa n. 7, segundo andar, o segundo vo-
lume desta nteressante obra, cujo preco he o mes-
mo que do primoiro 3,000 ris).
24
Aos pais de familia, capules de navios,
faze/uleiros e a todos em geral.
Orgauon de llalinemanii, ou exposi-
fea das doulrinas bomaopatbicas, 1 vo-
lumes pequeos
Manual de pai de familia, do capitao
de navio e do fazendeiro, 011 noticias ele-
mentares da bomoeopatliia, contendo a
ac?5o dos 24 principaes medicamentos
homu'opatbicos, 1 voluinepetpieno.
Vende-se por preco commodo, no se-
gundo andar da casa n. 7. da ra da
Cruz.
A ItOSfilllA.
3* Aviso anticipado.Sexta-feira, 20 do corren
te, ser publicado o n. 23 da Carranca, interessan-
tissimo!.. f^
O TRIBUNO N. 4
est a venda as duas horas na praca da Independen-
cia ns. 6 c 8, e n. 12. Traz nteressantes artigos a
respeito ila cleic3o a quo so tem de proceder a 19 de
seteinbro, e um communicado a respeito do julga-
mento do Sr. Antonio Borges da Fonseca. Tam-
bom traz um cumprimeato ao vuledo de papel.
OI.IDADOR N. 206 acha-sea venda.
Antonio Francisco Xavier passnu a sua residen-
cia para a ra Direita n. 117, desde o dia 16 do cor-
rente.
-- OSr. que tem urna jaqueta emponhada na ra
do Vigario, venda n. 15, faga o favor de a ir tirar ate
20 do correle, do contrario, sera vendida por todo o
dinheiro para se pagar a divida.
Precisa-se do um mogo portuguez que tenha ha-
bilidade paracaixeiro dearmazem, oque d (ador
a sua conducta. Quem estiver nestas circumstan-
cias, appareca para ajustar, no Recite, na ra de Apol-
lo, n. 27.
~ Oll'erece-se urna mulhcr de boa coaducta para
ama de casa de pouca familia, ou mesmo para ho-
mem solteiro: aa ra do Padre-Florianno, n. 68.
PER DA.
Domingo, 15 do correte, na igreja do recolhimen-
to da Gloria, perderam-se dous chapeos deso, de
seda prcta, proprios de senhora. Quem os achou,
querendo restitui-los, dirija-se a ra da Uniilo, ul-
tima casa ao norte, ou ao reverendo capclhlo do mes-
mo recolhimeato, que se gratificar.
I Jos Joaquim Concalves declara quo tem de re-
tirar-so desta para outra provincia, e por isso avisa
a quem nasua mfio livor alguns concertos, ouro e
prala, os vonha tirar no espago de um mez. Pede
tambera as pessoas a quem elle dever, lenham a
bondade de Ihe apreseatarem suas contas para as
ir saldando com lempo. Roga tambem a varias pes-
soas que Ihe- devem, teaham a bondade de Ihe vir
pagar, no tompo cima marcado: do contrario, u-
sara dos meios que a justica Ihe concede para quem
o merecer.
Hoje, 18 do corrente, pelas 4 horas da tarde,
porta Jo Sr. Dr. juiz do cvel da segunda vara, ra
estreita do Rozarte, se lulo do arrematar diversas
fazendas, penhoradas a Manoel Cardozo Ayres por
exccuco de Deane Youle & C, escriv.lo Santos.
Hoje, 18 do correnle, as 4 horas da tarde,
a porta do Sr. Dr. juiz do civel da segunda va-
ra, as 4 horas da larde, se ha de arrematar a ino-
bilia peahorada a Carlos l.ane Prister, por execu-
?3o do Antonio Rodrigues Lima, escrivilo Molla.
O meirinho que resta 28,000 rs, de urna cama
quecomprou com llanca, baja quanto antes ir pa-
gar, se nflo quizer passar por desgosto.
Jos da Silva Maya subdito portuguez, reti-
ra-se desta provincia, a tratar de sua sade.
Em dias de julho prximo passado deseaca-
aiinhou-se, depois de pago o selle (ixo e proporcio-
nal, o formal do partilhas de Manoel Pires Fcrrei-
l"a, extrahido dos autos de inventario c partilhas dos
bens que licaram por falleciniaalo de sua mal I) Ce-
aoveva Perpetua de Jess Caldas, escriv3o Cuaba.
Roga-se a quem o livor, quoira eatrega-lo a Flippe
Lopes Nctto, aa ra Nova, que gratificar.
l.oga-se ao Sr. J i''. M. G. o obse-
quiode tratar de seus negocios cominer-
caes e particulares c deixar-se de ein
publico olender a capacidade de pessoas,
que por delicadeza algum respeito Ihe
devem merecer : e isto a S. S. pede um
Offendido.
Alugam-so duas pequeaas casas terreas, na
Trcmpe, ra do Sebo os. 52 e 54, por 8,000 rs. men-
saes: a tratar ao cscriptorio do Sr. Francisco Anto-
nio de 01 iveira.
Aluga-se urna casa com slito, na esquina da
ruadoNogueira, com4quartos, tres salas, cozi-
nha fora quintal com cacimba c porl3o : aa pra-
ca da ladepeadeacia, livram as. 6 e 8.
Com toda a civilidade appareren o
Dr. Casanova, retorquindo' ao Arre-
pendido; mas o seu ann'uncio contm
a sua resposta, porque o Arrependido
fallou com a experiencia propria, o,por
mais que se esforc o Dr. Casanova
ao pode contrariar a cxpressSo do
sentimento quo cada um sent.
Se o crdulo arrependido enuncioua
sensaco dolorosa que sentio com a
applicai;o do Dr. Casanova, fallou
verdade; porque fallou segundo a im-
pressSo, a sensaco, que Ihe causou a
applicagito.
Declarar o que se sent nflo he porem
duvida especifico algum, he fallar a
verdade; e querer suflbeara voz do que
sentio he urna deshumanidade.
Se o Dr. Casanova tem em seu apoto
muitos factos, apresento-os sem mo-
lestar. Oannancio, quo fez o Dr. Casa-
nova, foi genrico o indicativo de cu-
rar todas as dores de denles sem dis-
tincSo; e se esse mal, segundo as cir-
cumstancias, demanda curativo espe-
cial eapropriado, sendo o Dr. Casanova
perito, devia examinar as circumstan-
cias, para applicar o que conviesse: e
se ao examinou, uo attendeu. e ap-
plicou o remedio a esmo, n3o pode dei-
xarde ser culpado, pois que a errada
applicac3o he tectoseu.
Nada mais dir
O Arrependido
Quem precisar de urna ama de leite, dirija-se a
ra do Padrc-Klorianno, n. 10.
-- Hoje, 18 do corrente porta do Sr. doutor
juizdocivelda segunda vara, se ha de arrematar
por ser n ultima praga una casa de campo, sil
ugar do Caldeireiro penhorada ao Coronol
Perante o doutor juiz do civel da sogunda vara
a porta da casa de sua residencia na ra estreita
do Rozario, lem do ser arrematada em praca, hoje,
18 do correnle, a mobilia de casa penhorada a
Madama Kenotte, por execugao de Manoel Fer-
reira Ramos as 4 horas da tarde por ser a ultima
praga ; conlendo a mobilia boas cadeiras de Jaca-
randa, um piano o mais trastes: os pretenden les
comparegam ao lugar e horas indicadas.
Jos Joaquim Umbelino do Miranda previne a
quem interesse livor, que elle tem penhorado a Jo3o
Thomaz Pereira um terreno de marinha quo lti-
mamente lhc fora concedido palo Exm. Sr. presiden-
te da provincia, sito no fundo de suas propiedades,
na ra da Praia e que por isso ninguem contrate
sobro compra permuta ou qualquer oulro ne-
gocio com o dito terreno, sem que primeiramente
n3o desembarace ou se obrigue pela cxecug3o do
annuncianle, que corre pelojuizo da primeira vara
do civel desta cidade escrivilo Cunha.
SOCIEDaDE
PH1LO.TERPSICHOHE.
O primeiro secretario avisa aos Snrs.
socios em geral, que quinta feira, 19 do
correnle pelas 6 horas e meia da larde,
ha reuniao da sociedade, para se proce-
der a eleico do novo concelho adminis-
trativo.
O Dr. Jo3o Caplstrano Bandeira de Mello re-
mello a sua escrava Auna, por molivo de molestia,
para o Acarac, no patacho Emulacdo.
Oflereccm-sc 3,000 rs. por cima do aluguel que
rende a casa sita ao p do theatro publico, para a-
brir-se casa de negocio : sendo convenha ao propie-
tario, annuncie sua morada.
-- Aluga-sc urna casa aa ra Bella, com duas sa-
las, 3 alcovas, coziaha fura, quintal o cacimba : na
ra do Collegio, n. 15, segundo andar.
Precisa-se do ama pessoa apta para tomar coa-
la de laholeiro de fazendas linas e grossas, para
vender na 1 ua, de sociedade. prestando lianga id-
nea : na praga da Independencia, n. 39.
Quem precisar de urna ama forra que tem mili-
to bom leite para criar dirija-se a ra Nova, n. 9.
Aluga-se o terceiro aadar do sobrado da ra do
Rozario a. 36 confronte a igreja a tratar na ra
da Cadeia do Recite n. 44.
O Sr. A. J. V. G. queira ter a bondade de vir pa-
gar, no deposito de charutos da ra larga do Roza-
rio, n. 32, 4,000 ris, importe de urna caixa de cha-
rutos que abonou por um seu camarada, e sendo
pelo mesmo satisteito da dita quantia nSo a tem, ror
mais que se Ihe pega, querido salisfazer; por isso
adverle-seao mesmo Sr., que, nao o fazendo dentro
do prazo de tres dias, passar pelo desgosto de ver o
seu nome por extenso.
OsSrs. que ha dias quizeram comprara ve nda
defronlc da matriz da Boa-Vista debaixo do sobra-
do amarello 11. 88 queiram apparecer, bem como
quaesquer oatros Srs. ; pois o possuidor est resol-
valo a vender, agradaado-lhe as cuadigOes.
Precisa-se de um teilorque trabalho (
da : ao sitio onde existe a caixa d'agoa.
de cnxa-
no
Alfaudegu.
RENDIMENTO DO DIA 17 ..... .
Francisco Jacinlho Pereira por execugao "dos ne-
gociantes Me. Calmont & Companhra.
Acaba de chegar de Lisboa ra Nova, n. 11, lo- A fabrica de velas de carnauba da ra do S
ja de Guerra Silva & Companhia com esle titulo, lltita mudou-se para a ra do Nogucira a 47
um bonito romance, traduzido do francez por Ide acharilo os freguezes as melhores velas '<
urna senhora Portugueza. Iqualidade tanto em alvura como em boa
o li-
des la
uz. por
ne esta pequea obra urna especie de compendio de I prego mais commodo do que era outra qualouer nar-
religiao e do boa moral, porque nella debaixo da I te, tanto ein porgSo como a rctalho.
-Precisa-sede u ni rapaz para "caixeiro de urna
venda, quo tenha, ou ialo pratica : atrs da ma-
triz da Boa-Vista n. 4.
OSr. Ezequiel deSouza Cavalcante queira d-
ngir-se a praga da Independencia, livraria ns. 6 e 8,
a negocio de seu interesse.
Precisa-se alugar dous moleques, ou duas pre-
tas para venderem na ra e que sejam fiis : na ra
de Agoas-Verdes, n. 26. Na mesma casa so d azeito
de carrapato de vcadagem, pagando-se urna pataca
porcada canada que venderem.
Aluga-se um solBo com muito bons commo-
dos para pequea familia ou homom solteiro, com
muito boa vista o muito fresco : na ra Direita, n.
30, segundo andar.
/
MUTILADO


->-n>,V
'-______I
3
LOTF^RA DO THEATRO.
No dia 27 do corrente mez andam imprcterivel-
mcntc as rodas desta lotera, visto que he do espc-
, nuc para esse dia muito poucos ou nonhuns I>
ihi'tes rstela por vender. Em conseqaencia do que,
n respectivo thesouroiro adirina novamerito que,
inda (cando alguns bilhetesem pequeo numero ,
is rodas da lotera niio deixaro do ter andamento.
(oncorram, portanlo, os que anda nSo teom|bilhetes
aso proverem delles emquanlo he lempo, tundo
em vista o plano que offcrcce milito bons premios.
Pede-se por favor ao Sr. fiscal dos Afogados.quo
lance assuas vistas sobre a casa quo so est rectifi-
cando no pateo da Magdalena.
OITerece-so, para criada grave de qualqucr casa
je familia capaz urna mulher de muito hoa con-
ducta : qucm a precisar dirija-se a casa junto a ty-
poTahia Unido por detrs da ra da Aurora.
_ Aluga-se um preto para todo servido de urna
casa: quoni o precisar dirija-se a ra Nova, loja n. 58.
Perdeu-se, noPasseio-l'ublico, umacaixa ama-
relia de tartaruga, a qual he redonda, e tein a lampa
enfeitada com raminhos deouro, e no meio as let-
Iras iniciaes MI (I L. Roga-se.a quem a achou o fa-
vor do a mandar entregar na ra larga do Rozario,
armazem de louga n. 28, que ser generosamente
recompensado.
O bacharel formado Francisco Pereira Freir,
advogado nesla cidade mudou sua residencia para
a ra Nova, n. 46, primeiro andar, onde morou o
doutor Jos Denlo e onde podo ser procurado a
qualquer hora do dia.
Sahbado, 1* do corrente das 9 para as 10 ho-
ras do dia da loja de Joio Chardon no Aterro-da-
Boa-Vista n. 3, furtaram urna pulseira de ouro, de
corrente chata com urna pedra azul de cada lado ,
e urna perola no meio. Roga-se a quom for otTereci-
da de toma-la o manda-la a dita loja que se paga-
r odobrado valor do peso da dita pulseira.
Aluga-S<) um escravo moco o possanle, bom car-
reiro pela milita pratica que tem : quom o preten-
der dirija-se a ra da Pcnlia n. 3.
-Antonio Lopes Ferreira, Portuguez, retira-se para
Lisboa. ,
Vondem-sc2 molecotesde 20 a 22 anuos ; 1 jg
moleque de 15 anuos, muito lindo, sem vi-
cios-; urna parda de 16a18annos; um mu- W?
latinho de 8 anuos : na ra do Vigario, n.24, (flj
se dir quem vende. fiji
Quem annunciou precisar do um diccionario
ngloz, cm 2 tomos procure na ruaDireita, n. 82,
segundo andar.
Empresta-se a quantia de 3:600,000 rs. a juros
de um e meio por cento ao mez pagos em trimes-
tres, sobhypotbcca de nlguma casa nesta cidade:
na ra Direita n. 36, primeiro andar.
Permuta-sea casa terrea n. 3, sita na ra do
llom-Sucesso em Olinda com sitio soffrivel, por
outra qualquer nosbarros de S.-Antonio, ou Boa-
Vista : na praca da Boa-Vista botica n. 6.
Quem tem annuncado querer comprar bron-
zo, dirija-sc a loja de ferragens do Sr. Moraes, na
ra da Conceicito, no Becife, que l achara obra de
4 arrobas, o com quom tratar.
Fabrica de machinas e fund-
b
1
II
- D. Carlota Joaquina Damas retira-se para Lis-
boa.
FUNDICAO
r
om unoR^.
cao (le ferro na ra do
Bru, no Becife.
Me Callum &Compandia, engenheiros machinis-
tase fundidores (Je ferro, mui respeitosamente an-
nunciam aos Srs. proprietarios de engenhos fazen-
deiros, negociantes, fabricantes e ao respeitavel
publico, que o seu estahelecimcnlo de ferro, mo-
vido por machina de vapor.se acha em effeclivo
exercicio, e completamente montado com appare-
Ihos de primeira qualidade para a perfeita confec-
godas maiores pegas de machinismo.
Habilitados para emprchender quaesquer obras da
sua arte Me Callum & Companhia desejam mas
particularmente chamar a attengo publica para as
seguintes por serem ellas da inaior extracc.no nesla
provincia as quacs construidas na sua fabrica po-
demeompetrcom as fabricadas cm naiz estrangei-
ro, tanto em proco como na qualidade das materias
drimas e milo d obra, a saber :
Machinas de vapor.
Moemlas de cannaspara engenhos movidas a va-
por, poragoa, ou animaes.
Bodas d'agoa e se'rrarias.
Manejos inrienendentes para cavallos.
Bodas dentadas.
AguilbOes, bronzese ebumaceiras.
CaylbOes e parafusos d3 todos os tamaitos.
Taixas, crivos e boceas de fornalha.
Moinhos de mandioca movidosa milo ou por ani-
maes c prensas para a dita.
FogOes e fornos para cozinha.
Canos de ferro, torneiras de ferro o bronze.
Bombas para cacimbas e de repuso.
Guindastes, guinchse macacos.
Prensas hydraulicas e de parafuso.
Ferragens para navios, carros, obras publicas, ele
Columnas, varandase grades.
Prensas de copiar cartas ede sellar.
Camas de ferro, etc.
Alem da perfeigio das suas obras, Me Callum &
Companhia garantem a mas exacta conformidade
com os moldes c desenhos remettidos pelos Srs. que
se dignarem de fazer-lbcs encommendas ; aprovei-
tando a oecasio para agradecer aos seus benvolos
amigos e freguezes a preferencia com que teem si-
do por elles honrados, o assegurar-lhes que nao
puuparflo esforcos nem diligencias para continua-
rem a merecer a sua confianza.
Agencia depassaportes.
Na ra do Collego, n. 10 o no Aierro-da-Boa-
Vista, n. 48, continuam-sc a tirar passaporles tan-
to para dentro, como parafra do imperio; assiiii
como despacham se escravos : ludo com brevidade.
-Pelo novo destino que deu ao edificio da sua
residencia na ra do Hospicio podeia o doutor
Sarment receber em sua casa doentes que desejem
virtratar-se nesla cidade. Serio recebdos niio so
os doentes de qualquer sexo c condigno que sejam ,
mas tainbeni as pessoas, ou familias, que osqui-
zerem acompanhar.
Arrenda-se ou vende-se urna fazenda com urna
legoa quadrada de extensao, sita na freguezia do
Bom-Jardim, comarcado Limoeiro, com una gran-
de safra, no campo, de algodSo, feijSo, milito, se-
ment de carrapato e roca : quem pretender dirija-
se ao escriptorio de F. A. de Oliveira, na ra da Au-
rora, n. 26.
1 iM.lll A l proprietarios deste
antigciestabelecimcnto.avisamaosseusfreguezeseao
publico em geral, que elles sempro teem um gran-
de sortimento de moendas de lodosos tamanhos,
fabricadas cm suas ofiicinas, leudo, portanlo, a
fortidiio, solidez, boa construcgio e melhoramcn-
tos,quoa pratica de longos annos tem mostrado
serem necessarios o que as obra* de carregagilo
offerecidas aqui com tanto empenho, nunca so
aeha. Possuindo os annunciantes para aperfeigoar
assuas obras os apparelhos mas modernos e com-
pletos quo a sciencia vai indroduzindo, nada deixam
a desojar; e tendo. adquirido com grandes despezas
um crescido e indispensavel numero de olliciaes pe-
ritos as suas prolisses, e cscolbidos de entre os
melhores da Europa acham-se verdaderamente
habilitados para offerecerem com perfeita conlian-
ga aos Snrs. de engenho a grande vanlagem do po-
dercni sem receio apromptar qualquer obra com
aquellas brevidade e pontualidade tilo indispensa-
veis aos seus importantes interesses. Nesta fabrica
tamben fazem-se rodas d'agoa, todas de ferro ,
moendas machinas de vapor o toda qualidade
de machinismo por inaior ou mais diflicil que se-
ja. Advcrtindo-so que todas as obras sao garanti-
das, offerecendo desta maneira a mas ampia se-
guranca de sua boa o fiel execuco.
-Na loja da ra do Qucimado, n. 30, de Jos
Joaquim de Novacs alm do sortimento j annun-
cado de obras fetas o fazeudas ha chapeos da ul-
tima moda chegados ltimamente de Franga mili-
to boas casimiras ; chapeos do Chili muito linos ;
caixas de perfumaras soi lirias, muito propriu pa-
ra toucador desenlila pelo barato prego de 5,000
rs.; lengos do cassa para milo de sendora o poscugo
do domem ; muito bons cortes do chita.
Aluga-se o segundo andar da casa n. 34 da ra
do Trapiche com excellentes commodos, varandas
de ferro adianle e atrs, c bonita vista para o mar :
a tratar no armazem da mesma casa.
Jos Pradines, culilciro amo-
lador,
avisa ao respeitavel publico desta cidade, que so
acha estabelecido na ra Jo Cabug n. 12 onde
sempro estar prompto para fa/.er qualquer ferra-
menta ou instrumento de cirurgia trinchantes o
outros: tambem concerta espingardas, fazfrcios
para cavallos, esporas de todas as modas c Indo o
mas que for concernentoao seu oflicio. Amla as
torgas, quintas e sabbados.
Qucm quizer alugar um preto cozinheiro, mui-
to fiel, para comprador, e que sabe tratar de um ca-
vallo, dirija-so a ra Nova loja de Guerra Silva
Companhia.
--Quem empenhou, ha tempos urnas pulseiras
de ouro na ra Nova, venda n. 65, queira, no prazo
de 15 dias ir lira-las ; do contrario serfto vendi-
das para pagamento do principal o juros.
Do-se cem mil rs. a premio sobro penhores de
ouro ou tirata : na ra Iiircita, n. 69.
Jacintbo Jos de Souza.com venda na pnvoaglo
dos Appucns adverte as pessoas que teem Ido pas-
tar a fasta na mesma povoagilo, dajiini de ir pagar o
que licaram devendn na sua taberna, no prazo de
15 dias ; do contrario, serfto os seus nomos publicas
dos por extenso nesta, folha. O mesmo adverte a-
pessoas que anda lliedcvcm do 1845 a 1846.
Precisa-se do um homem forro para o servigo
depadaria que entenda de masseira e tenha al-
gumas freguezias de vender pito para a Boa-Vista ,
em companhia do um preto que tambem tem al-
guns freguezes, ou mesmo se livor freguozia em
S.-Antonio e Becife, dando fiador da-se-lho bom
ordenado e sustento: na ra larga do Rozario, n. 48.
Perderam-se, no dia 16 do corrente, dez mil ris
emduas clulas de cinco, desde o pateo do Paraizo
al a ruada Cadei-Vclha: quemas achpu cas quizer
restituir, leve a seu dono, Antonio Jos Dias Braga.
Desapparceeu da padara no becco das Bar-
reiras, no dia 11 do corrente, um carneiro todo
branco, bastante grande, o com urna corda de em-
bira no pescogo : quem do mesmo souber dirija-se
a mesma, ouannuncio, quo ser generosamente re-
compensado.
REFRESCOS.
Xaropo de groselbc feito do verdadejm *nmJ
rerdadeira resina de nngico, quehemuilo MM
lo c approvado por as pestoas que padecen-m <> i
o, por j ter feilo ptimos beneficiosi, a i.ou >
jarraa ; ditos de maracuja, tamarindos, \" "
?._:._ '. _. _-..r. .in Alorrn-da-B0a-VI9W,
viudo de 1"ranga a 1000 rs. a garrafa ; dito --
res de larangeira, a 1,000 rs. a garrafa ; dito "",
verdadera resina de angico, que lio muil0^ontM_
dr
te
ranj, a'sOO rs. a garrafa": no Aterro-da-Boa-
fabrica de licores, u 17.
RA DO COLLEGIO, N 9._
Dcse^ancm-se e toriiem-se a
deseganar,
que oantigo barateiro niio deixa do torrar na sua
nova loja de miudezas: caixas do tartaruga para
rap, a 2,000 rs. pada urna ; ditas mais pequeas,
a 1.600 rs. cada urna. A ellas, antes que so cabem.
Caixinhas de agnlhas francezas muito finas t wm
rs cada una; puntes d, tartaruga, paM n
a "
Compras.
Contina-so a comprar ferro fundido, cobro e
bronze vclho : na ra do Brum, n. 8.
Compra-so urna fazenda de gado, sendo em
bom.serlilo: no becco doSarapatel sobrado n: 16.
Compra-se urna escrava moga do boa figura,
que saiba cozinhare lavar, e n.lo tenha vicio: agra-
dando paga-se bem: na Boa-Visla, ra Vclha, n. 18.
Quem a tiver, devo apparecer das 11 horas da ma-
nhja s 3 ila tarde.
Compra-se para fra da provincia unta es-
clava crioula, ou parda de 18 a 25 anuos quo sai-
ba coser e eiigommar com perfoicfiO que tenha
bonita figura e sem achaques: nio se repara prego ,
tendo as condigOes exigidas : tambem su compra
um offlcial decarpina, que soja mogo: na ra da
Alegra n. 46, ou annuncio.
Comprarn-se 2 moloques do 14 a 20 annos, com
principios de oflicio de sapateiro esabundo, mc-
Ihor; tambem sccompram niio saliendo], e urna prcta
da mesma idade com habilidades : sendo de boni-
tas figuras c niio tendo vicios nem achaques, niio se
olha a prego : na ra la Concordia passando a pon-
lexinha, a direita, segunda casa terrea so dir
quem compra.
Compra-se um ponteiro de ouro bom sem fei-
tio : no pateo do Terco, sobrado de um andar, n. 11.
--Compram-se, para urna encommenda, algumas
escravas e moloques que tenham de 19 a 20 anuos :
na ruu Nova*oja de ferragens, n. 16.
-Compra-so, ou aluga-se urna piula com bom
leite para criar, e que nfto tenha filho : na ra No-
va n. 3.
Como por quatro mil ris se tem co-
nhecimento com o especifico antiodon-
talgicodo Sr. Dr. Casanova, niio ha
na verdade nada mais barato: inllam-
mago, fluxlo, cnxagio, abusso, lis-
tula, carie carbunclos;!, cario dirupti-
va, escorbuto, exastoso, spina vento-
sa, lingosidades, nervoso, etc., etc.,
etc. etc. etc. Elle cura ludo Ins-
tantneamente: he com elleito mil ve-
zes mais maravillioso que o maravi-
lloso elixir de Duliainane.
Corrci, e apressai-vos VOS todos, O
queixos arruinados e padecenles; sub
ao primeiro andar da casa '"''' n. 7,
da ra Nova; enlrai no santo gabinete
do milito doutissinio;c euliio o deli-
cioso crcusotle corroer vossas gengi-
vas, sua virtudo pirogenua devolver
inmediatamente urna delirante sen-
sagiodc adslricgao, acompanhada de
umafTIuxomui agradaveldc lquidos
salivaes, o urna collossal tumcfacgio
adornar una ou duas de vossas faces;
e por t.lo pouco desejo que lenhais de
voltar incgnito a vossa casa, idescm
pejo, porque certamente niio tereis ne-
cessidade de mascara.
Niln ha nada mais barato torno a re-
petir, que o universal especifico...........
4,000 rs...... por urna vez.......... he
degraca.
O ex-cara inchada.
mmm
.- Tendo o abaixo
assipiatlo
vendido a sua loja de miudezas ,
sita no Aterro-da-Boa-Vista, n.
54, aos Srs. Antonio de Azevedo Ramos o Caetano
Luiz Ferreira cuja venda foi feta pelo consent-'
ment dos seus credores ; por isso o abaixo assigna-
do previne ao respeitavel publico e em particular
aos ditos seus credores, que d'oraem vanle cessado
tem toda e qualquer responsabilidado que possa pe-
sar sobre o abaixo asssignado, nascda de suas tran-
saegescommerciaesat esta data ; pois que pas-
sou toda ella para os compradores em virtude da
escrptura do compra e venda celebrada entre o abai-
xo assignado e os Srs. Antonio de Azevedo Ramos n
Caetano Luiz Ferreira. Outrosim, previne a todo c
qualquer seu devedor que nio pague seus dbitos
se nio ao abaixo assignado.poisquo todos elles estio
por conta do abaixo assignado, e por isso he o ni-
co competente para ricebe-los cdarquitagilo.Bo-
cifo, 6 de agosto de 1847. 2'Aoma; Pereira de mal-
los Estima.
Acha-se justa e contratada a casa terrea per-
tcncente a Antonio Lopes Barreiros, sita na ra do
Motocolomb povoagiio dos Afogados do lado do
nascente : qualquer pessoa que se achar com algum
direito a mesma casa, queira declarar por esta mes-
ma folha no prazo de 8 dias da data deste.
Vendas.
LOTERA DO RIO-DE-
JANEIRO.
Na loja do cambio, n. 38, de Manoel Comes, existe
um rosto de bilheteso molos ditos da 93." lotera a
beneficio do theatro de San-Pedro-de-Aicaiitara, viu-
dos no ultimo vapor.
-- Na nova loja de Francisco Jos Toixera Bas-
tos, na ra do Qucimado nos quatro cantos, n. 20.
vende-se algodfio da torra encornado e largo, cm por-
eflo e a retalho.
Na botica da ra do Bangel, vendem-sc os re-
medios seguintes, dosquaes a experiencia tem con
firmado os melhores effeitos; dentifleo que tema
propriodade de limpar os denles cariados, e resti-
tuir-lhes a cor esmaltada em muito poneos dias;
o uso do dito remedio fortifica as gcngyas e tira o
mo cheiro da bocea proveniente nios da carie,
cmodo trtaro que se une ao pescogo (lestes o-
gios; o remedio he designado pelos nmeros pri
meiro o segundo : orchiita purgativa mui til as
criangase as pessoas de toda e qualqucr idade; he
composta de substancias vegetacs, nio conten
mercurio, nem droga alguma quo possa prejudicar
remedio para curar calos, em poucos dias; dil* pa
ra curar dores veneras anligas, e que teem resistido
ao tratamento goralmente applicado; dito para pro
vocara menslruago e accclerar a acgilo do utere
idade de 20 annos, muito forte; um dito de 18 annos.
nos partos naturaesem quo niio se precisa das ma-
nobras scientlflcas da arle ; dito para resolver tu-
mores lymphaticos, vulgo glndulas; ditos para
curar boubas o rravos seceos o mais ellicaz que se
condece at aqui ; dito oximel de ferro, muito til
naschl0r07.es, vulgarmente chamadas frialdades;
pos anti-biliosos de Manoel Lopes, capsulas de ge-
latina contend) balsamo de cupaliiba ; ditas de
oleo de rocinos purificado; ditas rio cubebas em p
fino ; ditas de assafetida ; ditas com pos purgantes ;
ditas de millardo da China; ditas de sulphato do
quinino de 1 c 2 graos cada capsula ; algaleas; pilo-
las de sal de cabacinho ; verniz de gomina copal, da
primeira qualidade, viudo da Franca ; remedios quo
curam a frialdade dentro de 40 dias mesmo estan-
do inchado ; oleo muito bom para conservar o ca-
960 rs. a parclha; caixinhas com pos do altar na-
valhas a 200 rs. cada urna ; bolOos de madre pero-
la a 480 rs. a groza; ditos grandes, a 40O rs. a
groza ; magos de fita de linho com 19 pegas a 200
rs. o mago; dito ric corrillo para vestido, de todas
as grossuras, a 320 rs. o mago; cartas com urna groza
de pares do clcheles, de torios os nmeros 320
rs. cada carta ; torcidas para candieiro, 100r*-'
duzia de todas as larguras ; papel almago a i.too
e 2,560 rs. a resma; lindas ric marcar, azues o en-
carnadas, a 120 rs. a caixinha ; fita de velludo, para
cabello, a 80 isa vara o mais larga n 100 rs.; bo-
tos .lo ac, para caigas, furados, a 200 rs. a groza ;
tesouraa linas, com ferrugem a 120 o 200 rs cana
urna ; caixas de madeira de ra/, de buxo, a I.J2U rs.
a duzia; pontos de prender cabello, a 80 rs. cada
um ; luvas para meninas a 120 rs. cada par ; esco-
vas para lato, mui lo finas a 320 e 400 rs. cada urna;
ditas para cabello, a 210 rs. cada urna; ditas para
limpar puntes, a 80 rs.; ditas para limpar denles ,
a 80 rs.; earleiras de algiheira, a 120 rs. cada tima ,
eoutras mui tas cousas epm que so oontoutarao os
freguezes a vista de umiotulo que estar patente coin
os procos de lorias as fazeudas tanto annunciadas
como fra do annuncio.
Vende-se a dinheiro, ou a prazo, a armagao e
miudezas que se acham na bem condecida loja quo
fui do Tallecido Arouca, sita na antiga na dos yuar-
teis. n. 16, a qual offerece milita vanlagom a quem
quizer continuar com o mesmo estabelecimonto,
lauto por sua acreditada localidade o freguezia,
como pelos commodos que tem para se poder morar
na mesma ; tambem so vendo somento a armacao.
a tratar na mcsina ra n. 20.
Vendeni-sc seis bustos de gesso
to perfeilos,sendo Apollo, Diana, Si-
Niobc, o urna cabeca de
raaula de desenlio,
ou para mitro qualquer din, por preco
muito barato: ua rua larga do Rozario,
n. ao, junto padaria.
Vendo-so ptimo papel do peso e almago; la-
cre muito fino para cartas; caivetes de urna eduas
follias; escovas para cabello; ditas para roupa; mul-
to linas; ditas para denles; ditas para pedias; facas
e garfos com cabo do osso pulido, que nenhuma dir-
rerenca fazcm das de marlitn; caixinhas dephospho-
0S,da melhor qualidade, a 40 rs. ea20rs.; suspen-
sorios para dmense para meninos, de diversas qiia-
lidades; ptimas navalhas para barba, que mu tos
teem proferido s de ago da China; e outras multas
muito baratos: na rua larga *
euei
mu I
lena, rVgrippa,
menino, proprios p 1
miudezas a procos
do
Rozario, n. 20, quasi ao pe da polica.
Vcudem-se castigaos do vidro, de bonitos pa-
riros, a 1920 rs. ; jarros para conservar flores, imi-
tando a porcellana; espelhos para parado, rio vanos
tamanhos; litas rie setim para guiimigio do chapeos,
vestidos, etc., as mais modernas quo aqu existem,
e dos melhores gustos; tesouras liuissimas para cos-
turas; lindos agulliciros de vidro de diversos felios,
de I2) rs. cada um at 480 rs.; carnudas do agu-
Ihas francezes, a 390 rs. ; ptimos pentes do marfim
para alisar o cabello; ditos de balea para o mesmo
elleito, o para suissas: assim como muitas outras
miudezas a procos muito commodos: na rua larga
do Bozario, junto a padaria do Sr. Manoel Antonio
de Jess.
IKPERIAL
DE IIAPE FINO
^mi^ff
FAKRK1
NACIONAL
4
A.]
tirela ; igualmente um xaropc anti-demorragico ,
applicado nos casos cm que se doitasanguo pela boc-
ea, (i preco de todos os remedios he mui rasoavel ,
e os bons resultados da sua applicacilo de que devom
fazer sua apologa.
OMuieu l'ittoresco, jornal rie instruegilo e recroio,
ornado de bellissimas estampas : vende-se, por pre-
go muito menor quo o da assignatura, no segundo
andar da casa 11. 7, da rua da Cruz.
- Vende-se urna prelado 20 annos pouco mais
ou menos, boa costureira lavadeira, e quo esta
principiando a engommar; de do doa conducta e de
boa figura ; um mulatinliu do 7 anuos, proprio pa-
ra andar em casa com enancas; um pardo do todo
o servigo de casa o campo; urna parda costureira,
o que tem boa conducta: na rua do Crespo loja n.
2, A, so dir quom vende.
Vende-se um rardamento de cavallaria dajjuar-
da nacional, tanto ordinario como de grande gala; e
todos os pertenecs paracavallona : rua das Flores,
n.'!7.
grande extraego que tem tirio esto rapMepo|s
la de prova mcontcstavcl do
O nico de-
rctalho
que foi oxposto aven
bom acolliinienlo que tem merecido.
deia do Becife ; D. de Oliveira llego
Madre-do-Deos; Campos & Alenla,
na rua da
na rua do
Umbelino Maximin,
yueima.io; 1. a. rui.^j., .-- ,, kenlr0|do
Je Camino, na rua do Cabug ; C. O- ";Ftn,!J
Pragi.dalndepcnde,,ca;CaelanoLJ;erren-a^ThOo
Poreira
com 20 varas ca-
mazP. M. Estima, e Anlonio
Gama, terro-da-Boa-Vta.
Vende-se madapolilo dmpo,
da eca a 2,400 rs. o a setc v.ntens a vara; um
bo. to molecao peca, rie 18 annos do toa con-
ducta, que se alianca : na rua estrella do Rozar.o ,
u. 10, terceiro andar. ... ...
-Vendo-so^i Calera das Ordens Religiosas e Mi-
litares, llluminada com 50 estampas: na rua do
Qucimado, n. 15.
__Vendom-scsaccas com arroz de casca de su-
perior qualidade ; fumo cm rolo da Badia, por pre-
go commodo no armazem do Bacelar, junto ao ar-
co da Conccigio, ou a fallar com Jos Antonio do
Magalliaes Basto.
Vende-se um bom sitio no Aterro-dos-Afoga-
dos com 122 palmos de frente e 180 ditos de fun-
do para se edificar propiedades, e o sitio cora
222 palmos de frente, c mil ditos de fundo, todo
murado com varios arvoredos e um bom viveiro :
a tratar com Francisco Ribeiro PavSo, na rua Direi-
ta n. 83.



A
Vende-se doce de goiaba de boa
qualidade feito da casca dafructa, a
900 rs. a libra : na venda n. 9, da ra da
JUadre-de-Deos, a primeira ao entrar
pela ra da Cadeia.
Na toja de Jos Manoel llon-
tciro Braga, na ra do Cres-
po, o. 16, esquina que vi-
ra para a ra dasCru/es,
vendem-se riquissimos cortes de catnliraia de seda ,
para vestido de senhora padroes os mais lindos
que hepossivel.
Vende-se, a hordo do litigue ero, fundea-
do na praia do Collegio, sebo em rama : sancas com
colla de superior qualidade, fabricada no Rio-Gran-
de-tlo-Sul, a prego cm conla.
Vende-se uin botn preto de n'aco, mogo som
vicios nem achaques : na ra do Collegio, 11. 15. se-
gundo andar.
Vendom-se novase ptimas cadeiras de aca-
ra ma ; ricos suphs ; mosas de jogo, &c. : na ra
' ireita do Rozario loja de mareeneiro n. 12.
Vendem-seescravos baratos, na ra das
l.arangciras, n. 14, segundo andar: 2
molecotes de 18 anuos, de bonitas li-
guras ; dous pretos de 95 anuos pouco
mais ou menos ; dous ditos de 3."> anuos;
um pardo com oflicio de sapateiro de 22 anuos;
este Iroca-se por urna preta moca que nflo tenba
chaqu) urna lidda mulatinha de 15 anuos, de
inuilo boa conducta e com principios de habilida-
des | duas protas mocas, de nagiio ; nina uogrinha
de 10 annos ; un a dita de (i anuos : lodos estes es-
crayos yendcni so por prego commodo pois he pa-
ra lquidag.io de coalas.
Vende-se um preto ptimo para o
servicode campo, e para outro qualquer
servico : na ra da Cadeia-Velha loja
n. 5o.
Vende-se cal virgem de Lisboa,
em barris da melhor que ha no merca-
do ; por preco milito rasoavel : na ra
1I0 Trapiche, n. 17.
A
Venuem-se cortes de
cambraia de seda.de no
vos e ricos padroes, pro-
prios para bailes; lencos
de cambraia de li'nho ,
bordados,mui ricos;pan*
nos finos e casimiras ; e
oulras muilas fazendas
de gosto : todo por me.
nos preco do que em 011
tra qualquer parle : na
nova loja de JosMorei-
ra Lopes & C., na ra
p do Queimado.casa ama-
relia, n. 2)
s
J^.Jir
Vende-se vinho de Champanha do superio
qualidade em cestos ; charutos de llavana ; con-
servas eai latas; colla clara, limito propria para
pintor: na ra da Cruz, n. 55.
A setecentosrs. a
vara.
Na loja de GuimarQes Seralim & Companhla, ven-
de-se brim trancado francoz bastante cncorpndo
c de puro linho, pelo barato preco de 700 rs. a vara.
Esta fazenda se torna recommendavel pela boa qua-
lidade.
--Vende-se urna negrinha de 11 annos, de elegan-
te figura com'muilo bous principios de costura c
lavarinlo : no paleo da matriz de S.-Antonio sobra-
do n. 4, se dir quein a vende.
\anova loja41.17,
do P asseio-pnlriico,
com frente pinta-
da de verde,
vende-so um novo sortimento de riscados francezes
de padroes modernos oscuros e milito largos, pro-
prios para vestidos por serom de cores (xas a 200
rs. o covado ; novas o ricas cambra as escocezas, de
coros lisas milito largas a :I20 rs o covado ; uma
porcffo de cortes do chitas escuras o de cores fixas,
com 10 covados, n 1,000 rs. ; chitas de ramagem pa-
ra cobertas de bonitas cores a 180 e 200 rs. o co-
vado ; eoutras multas fazendas de que ha grande
sortimento, por mais commodo preco do que em
outra qualquer parte. As amostras do-se com pe-
n ores.
- Vendem-se caixas de cha hysson, de 6, 12el3
libras, em porcOes ou a retalho ; caixas de velas
de espermaceti de 5e 6 cm libra : na ra da Alfan-
dega-Velha n. 36, em casa de Matheus Austin & C.
... 'opouiuioj
ojoja jod a sapepHnb b sapo] ap sitpi.izej ap o
-oouinjos oi3|duioa u;n SBisap iua|B o -s.i oop't
.souue.l suoq osajpoap sejupaponiauiuosoAou
nn opbaod uin bPb3 -sj 0K,-'t op o5aJ(| o'injnq oiad
najg| ap soiuntd ajas ap asiiaisuBd uzaoui.id ha
b as-opuaA 'S -u ouioiuv-'S o'poojb oaaiuoj
uoa quBduioo v uiijBjassaujBunn-) ap Bfo| \n
Vende-se bolachinha de agoa o sal de 20 <|
em libra, todas furadinhas, e muito boas 0
para cha e caf; bem como de leito c ovos que H
servem mesmo para doentes, por nlo terein fi
composigGcs oleosas ; biscoutos redondos Q
doces c d'ovos ; bolachinhas; fatiasdns mes- O
mos : ludo feito com todo asscio e das me-
Inores farinhas que ha boje no mercado: tam- O
bem se vai fabricar bolachina de araruta : no %
^ paleo doS.-Cruz, padaria n. 6, defrontc da &
0 igroja. ^
Gafe**?!**;*?!* cm i* #% 0\% &to Vendem-se cadeirns de pinho a
polka: airas do theatro, nrmazem de
.loaqiiim Lopes de \lmeida, caixeiro do
Sr. Joao Matheus.
Vende-se o Curso de historiada pbilosophia,
por V. Cousin traduzido em portuguez : na praca
da Independencia, livraria ns. o e 8.
Vende-so uma preta de 25 annos de bonita li-
gara, que sabe eozinhar, engomniarc lavar de sa-
bBoevarrella nflo tem vicios nem achaques: o
motivo da venda so dir ao comprador: na ra da
Concordia passando a pontezinha dircita segun-
c! v/fcsa terrea se dir quem vonde.

Cortes de lanzinha,
a 3#00 rs.
vendem-se superiores cortos de lanzinha com
15 covados para vestidos de senhora a 3,600 rs. :
na ra do Collogio, n. 1.
Vende-so urna armacilo de uma venda sita
na ra da S. -Cruz cm um bom lugar, e col locada
em urna casa que offereoc grandes com modos para
uma familia .sondo osen lugucl muilo cm conta :
atrs da matriz da lloa-Vista, n. 4.
Vendem-se duas prelasquo ongoinmam, cozi-
nham o fazom todo o mais servido de urna casa ; um
preto por 210,000 rs. que serve muito bem a urna
casa, o he bom para trahalharc botar sentido a
um sitio : no pateo do Carino, loja do sobrado n. 7.
Na loja nova do Passcio-Pu-
blico, n l\), de llanocl Joa-
qiiim Pascoal Sitamos,
vendem-se riscados francozes, de 4 palmos de lar-
gura e muito linos a 180 o 200 rs. o covado ; chita,
a 2,000 rs a peca e a 80 rs. o covado; chitas linas
listradas, padroes modernos, a 120, 140 e 160 rs. ;
pecinhas do madapolflo a 1,500,2,soo, 3 ooo, 4,000
c 5,000 rs. ; bretanba de puro linho, a 800 rs. a vara;
ditas de rolo, a 1,300 e 2,000; pecas do algodaozi-
nbo a 1,280 c 2,000 rs. o a jarda a 110 rs. (lencos
do seda, a 1,440 o 1,600 rs. ; suspensorios a 100
rs. o par; longos de gravata a 160 c 240 rs. ; pollo
do diabo a 200 rs. ; lanzinha, a 320 rs. ; pegas do
cambraia branca a 2,500 rs.; brim trancado de co-
res e de puro linho a 1,000 rs. ; dito branco o par-
do a 1/e 1,200 rs. a vara; e outras muitas fazendas
mais baratas do que em outra qualquer parte.
Admiravel navalha de ac
da China.
Tem a vantagom de cortar o cabollo sem offenca
da pelle, deixando a cara parecendo estar na sua bri-
llante mocidade.
Este ac vem exclusivamente da China, o snclle
trabnlham dous dos melhores e mais abalisados cu-
tcleirosda nunca excedida e ricacidade de Pekim,
capital do imperio chifh.
AUTOR SHAW.
N. B. He recommendado o uso destas navalhas
maravilhosas por todas as sociedades das sciencias
medico-cirurgicas, tanto da Europa como d'America,
Asia e frica, nflo s para prevenir as molestias da
cutis, mas tambem como um meio COSMTICO.
b-se a contonto, e respondo-se pela sua boa qua-
lidade: poisssevendem as verdadeiras, narua larga
do Itozario, n. 24.
CIIECUEM AO BARATE1R0 DA RA DO LI-
VRAMENTO, N. 14.
Vesta nova loja vendem-se chitas de coberta de
cores fixas a 5,800 rs. a pega e a 160 rs. o covado;
ditas para vestidos muito linas, a 6,000 rs. a pega;
ricos corles de cassa a mais moderna que ha no
mercado; madapolflo do boa qualidade, a 2,400 ,
2,800 c 3,200 rs., e muito fino a 4/ e 5,200 rs. ; chi-
ta linas de duas larguras a 280 rs. o covado ; bre-
tanha com 20 varas a 3,900 rs. a pega; e outras
muitas fazendas a troco de pouco dinheiro.
Na loja n. 17, do
Passeio-publico,
vendom-se pegas de algodfozinho, com 22 jar-
das a 1,280 is.; dito com as mesmas jardas, sem
lefeito a"
Na ra larga do Kozario n. aa
vendem-se navalhas finissimas para'
barba manufacturadas por JOSFPH
RODGERS& SONS, hojeos melhores
cuteleiros de Inglaterra; bem como afia-
dores de s e 4 couros, e caixinhas com
massa: tudo feito na mesma fabrica, e 0
melhor que pode haver neste genero.
Vende-se bretanha da largura de 10 palmos
muitoencorpBdaede puro linho propria paralen'
ges,a2,800 rs. a vara : no Aterro-da-Boa-Vista
Wsta loja vendem-se chitas do coros fixas,
a 140 rs. o covado ; ganga azul muito encor-
^ pada e propria para escravos, a-100 e 120
o$2 rs.; lavas de pellica para homem, a 640
g8 rs. ; ditas para senhora, a 320 o 400 rs.
.^ metas para meninas, a 200 rs. ; o outras fa-
-** zondas linas bom como : cortes de collete
fig de setim do cores, a 2,240 rs ; ditos do vol-
g3 ludo a 4,500 rs. ; sedas de cores, para ves-
S tido do senhora ,a 1,000 rs. ; moias do cores
'* ingindo soda, a 400 rs. ; e outras muitas fa-
& zondas, por barato preco.
mymw.mf
Vende-se cha preto muito superior, em caixas
de 16 libras, proprio para familia : na ra do Tra-
piche, n. 8.
Na ra
uj
-ou
!\a nova loja n. 17,
eom frente para o
Passeio-Publico,
pin tadade verde,
vende-so um grande sortimento de chitas finas do
cores muito fixase padroes agradaveis a 100 c 120
rs. o covado c a pega a 3,800 e 4,500 rs. ; pegas de
algodaozinho largo sem avaria e com 18 jardas, a
10 rs.; longos do cambraia para grvala padrOes
ricos, a 160 rs. ; duraquo o alpaca cor de cafe mili-
to lustrosos, a 600 is. o covado ; o outras muitas fa-
zendas do que ha grande sf.rtimento, por prego
maiscommodo do que cm outra qualquer parle
para chamara altencflo dos freguezes.
Na loja nova do Tasseio, n. 1 >,
rendem-se cassas modernas, de cores
r|iialidadc, em
menos
la Senzalla-Nova, n. 3o ,
(padaria) vendem-se juncos de superior
porcao c a retalho, e por
o que em outra qualquer parte
Vendem-se superiores chapeos de
castor, pretos e brancos, por preco
muilo barato : na ra do Crespo, loja n.
ta, de Jos Joaquim da Silva Ala a
Vende-seo superior e acreditado furelo de
arroz em barricas noarmazem do llraguez, junto
ao arco do Concoigflo.
Vende-se carne de vacca salgada, em barris :
na ruado Trapiche, n.8.
, V" Vondem-sequalro mastros de pinho: na rna
do trapiche, n.8.
Vende-se ferro da Succia ; folha de Klandres ;
cobre para Torro de navio ; dito para caldeireiro em
porccs grandes e pequeas : na ra de Apollo ar-
mazom n. 6.
= Vendem-e moendasdo reno para oneonlios de as-
uear, para vapor agoa o bostas, de diversos lmannos,
por prcfo coimiiodo; e igualmente taixas de forro coado
e batido, de todos os tamanoos : na praca do Corpo-San
lo, n ti, encasa do Nc. Calinonl Companhla, ou na
ruade Apollo, armazoui, n.6.
Vende-se uma loja de miudezas sita no Ater
ro-da-Boa-Vista n. 38 com boas firmas, ou a di-
nheiro sendo desla ultima maneira preferivel par
o que dar-sc-ha o abatimento que for justo, segun-
do a boa disposigfloem que se acha o dono do re-
tirar-se para lora, por molestia; pelo que deseia
abeviar a venda da dita loja : quem a pretender d|-
rija-se com brevidade mesma loja, antes que elle
se arrependa e tome outra deliberagflo.
Vende-se, na livraria da ra do Crespo, n
11, M. TuliiCiceronislitteree 3v. em bom estado'
Chefs d'ccure de Voltaire 5 v. em bom uso ; gram-
matica portugueza por Salvador H. de Albuquer-
que ; Curso da historia de pbilosophia por V. Cou-
sin 3 v.; jogos de pistolas de cavallaria, por 5.000
rs. cada um jogo.
Vendo-sc uma espada e um par de dragonas pa-
ra ofilcial da guarda nacional: na ra do Cabug
loja de ourives n. 9.
Vende-so um ptimo moleqno de 19 annos, sem
vicios esadio, com a condigflode ser para fra da
provincia ; o qual he muito diligente para vomler
quitanda ese vende por se querer comprar umj
preta : na ra da Florentina, n. 16.
Vende-se uma mulatinha que cose, cozinhi
eengomma; um cabra mogo; duas protas, pro-
prias para o campo: na ra do Queimado n.33,
com fronte para o largo do Collegio se dir quem
vendo.
Vende-so um escravo cabra de 16 annos som
vicios: na praga da Boa-Vista n. 6, ou na na da
S.-Cruz, n. 74.
Vende-se um bonito pardo de 14 annos, sem vi-
cios nem achaques; uma parda de muito boa con-
ducta com principios de costura : na ra do Quei-
mado n. 40, segundo andar.
Vendem-se, na ra do Crespo loja de miude-
zas, n. II charutos denominadosa Fama pois
sflo os melhores que teem viudo a esto mercado, pe-
lo diminuto prego de 1,600 rs. a caixa ; ditos de re-
gala muito bons, a 1,400 rs. a caixa; ditos de
moia regala, a 1,000 rs a caixa. Os amantes do
bons charutos nao devem perdor esta mongflo, pois
que he o resto.
Vendo-se urna loja do couros, na ra Direita ,
n. 61, muilo acreditada no negocio : a tratar na mes-
ma loja.
Vende-se uma escrava crioula muito moga, de
bonita figura e do boa conducta com cxcollenle
leile, c que cozuha o diario do urna casa,engomma e
lava : em CHinda na ra do Mathias-Ferreira, sobra-
do grande de verandas de forro, cm quo morn o
fallecido tenente coronel Antonio Joaqnim Que-
des.
Vende-se urna preta de 25 annos, do
ptima conducta o do boa figura, peri-
ta engommadeira e cozinheira ; uma
dita de bonita figura de 22annos boa
lavadeira ; urna linda mulatinha do 12
annos; urna preta muilo forte esadia ;
um lindo moleque de 14 annos; um
ptimo pardo com officio da pedrero,
de 22annos, e que tom muito boa con-
ducta ; um dito, proprio para foitor, por
estar acostumads.e que nilo he mo car-
reiro : na ra das l.arangoiras, n. 14, se-
gundo andar.
Lvr medico.
Chegou o
fixas e largas,' d? ,np1,lict> pralico, publicado recentemciite
'adros o bons pe'?8 doulores Moure eMartina,compreh
a 840rs. o covado; chitasdenovos padrOes e bons 8 pe'.8 autoresMoureeMartina,comprehendeo-
pannos a 4,500 rs. a pega c a 120 rs. o covado ; l,",''P.' alem destas, ha um completo sortimento do fay.cn- l,,"l','acologa 1v.de mais de "
Escravos Fgidos.
as quididades : tudo por prego
colu-
das de todas
modo.
Vendem-se dous forles-panos novos com
boas vozes o de excellente obra, chegados ltima-
mente : na ra da Cruz, n. 55.
3* EM PRIMEIRA MAO', ^^
yondem-so caixas com volas decorado Rio-de-Ja-
de Lisboa; e tambem brandAes, bogias c
na ra da Senzalla, armazeni n. lio.
nciro e
lochas
OpBA
Hp ,*! ",!, se8cscTos' send0; Petase pardas
de 14 a 22 annos com habilidades; pretos e par-
dos : na ra das Flores, n. 17. '
Vinho de Champanha
da superior e muiloacrediada marca
Cometa,
vende-se no armazein dcKalkmaiin & Rosenmund,
na ra da Cruz, n. 10.
Na rua da Cruz, n. 58 ,
acha-sea venda o superior e muito apreciado rap
princeza grosso e mcio-grossb da fabrica de Estc-
v.lodo Casse do Rio-de-Janeiro : seu preco be de
1,28 rs. a libra em porgOos de 5 libras para cima
TrtaIrS! 13 a 150 '""''s vasias anido de
i.r^ a eIa",enca"as, a 1,000 rs. cada uma: na rua
larga do Rozario, padaria n. 48.
v. 600 paginas. Nada
diremos, sobre o monto e prestimo leste livro me-
S'* ,|,l'1 dlfllcilmente pode conseguir-se em
ai is os poneos exemplaics quo esta,, venda na
,,onIV ,(rSq"!M,(l Colle8'o. Espera-so todava
n n 2f is,rfa.Pull.tlV08 c pharmaeeuticoa para cu-
jo uso elle foi particularmente destinado ( sem ex
ciusao, porcm.de outras pessoaaj acharflo nello urna
acqnisicOo preciosa.
,i7 y,eDdem-epalileiroa de bom costo, vindos
' \'l0r l>,eV" commodo : na rua do Oueima-
iio, n. 3/, loja de ourives.
% Na rua das Larangciras, n. 14, secundo an- -
; uar, vendem-se sete escravos, chegados do i
i norte ha dous das ; os quaes vendem-se mui- |
j lo em conta,por nao serom de ganhador.
Vcnde-seuin mulatinho de 16 annos de bo-
nita figura e que ho ptimo para page.r. : na pra-
ga da Independencia, n. 3. p
-Vende-se urna grande balanga propria para
qualquer estabeleciment com pesos de 2 arrobas
ameiaqu.rU, por proco commodo: na .uadas
Cinco-Pontas, n. 50. u"
Fugio de bordo do patacho Velicano um escravo
de nome Roque, do San-Thom estatura baixa,
rosto redondo c sem barba, com feridas as pomas,
vestido com camisa c caiga azul e barrete inglez.
Este escravo pertence a Joflo Jos Pereira do Azeira,
do Rio-de-Janeiro. Quem oopprebender, queira Ic-
va-lo ruada Cruz n. 66, casa de Gaudno Agosti-
nho de Barros, por quem ser recompensado.
Fugio, no din 13 do correntc o pardo Manoel ,
de 30 annos cor clara e inaccleuta cabellos cas-
tanhosc crespos pos e milos um tanto grandes;
tem falla de denles na frente c algun.s podres sem
barba ou muito piuca queixo um tanto comprj-
do falla um pouco descansada ; tem uma pequea
Cicatriz no canto de um dosolbos; hecheio dororpo
e serrador, trabalba de mostr de assucar e enten-
derlo carpina. Este pardo inlitula-se forro e como
tal talvez obtivessepassaporte, ou matricula cm al-
guma emba-cacao ; anda bem vestido; lia presump-
go de ler embarcado para o sul ou norte; levou
um bah com toda a roupa que tinha sua. Repre-
se para a bocea que he um tanto para dcnti", o quan-
do sorrir faz pregas parecendo maisvellio. Roga-so
as autoridades policiaca e pessoas do povo.queo
apprehendamelevema ruado Collegio, loja n. 1
que os ltimos serflo bem recompensados.
-Fugio, no da 13 do coi rento, um escravo, de
nome Manoel, crioulo natural do Ico boa estatu-
ra ; tem um talho por cima do olho direto, os 2 os-
sosda nuca sabidos para lora ; levou camisa (Je rut-
eado azul, ceroulasdealgodilo grosso, chapeo de
palha pintado de preto, volho; mas julga-se ter mu-
dado de trajes, por ter roupa fra de casa: quem o
pegar leve a Fra-dc-Portas, n. 92, auo ser recom-
pensado.
Ausentou-se, da villa de Pajah-de-Florcs, uma
parda, perlencentc ao juiz municipal daquelle ter-
mo de nome Rencdicta de 20 a 24 annos ; up-
pOe-se ter sido desencaminliada para esta ida-
de poruns almocrevesquealli foram vender agoa-
ardente ; he natural de Macei e foi aqui vendida
pelo Sr. Jos da Fonseca Silva em 30 do Janeiro de
1843 : quem a pegar leve ao dito lugar do Pajah ,
ao dito juiz municipal, ou tiesta cidade a rua Nova,
casa do Sr. Jos Pereira Teixeira, queso gratificar.
PKBI*.: k t\y, DEM. K.DIt KAHIA. l^k"


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EMYB6WWYC_4HTHAX INGEST_TIME 2013-04-26T23:57:53Z PACKAGE AA00011611_08518
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES