Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08515


This item is only available as the following downloads:


Full Text
H
frnno
do 1847.
Sabbado 14
tmwnm
r/iin puhlicn-se lodos o dim, que n.1o
I- Guarda i o prero da atiignaturii lie de
'""m'xs i'on*rlcl> W" <'""''"* Os nn-
dos MJi!'an"* *'"* ,"9er''0 rnso de
""nwlinlia, 4 rs. em typo dilicronte, e as
""V-'es pe'a melad*. Os que nao forem aisig-
,,pf n.ro 80 rs. por lint, e 10.1 em lyjio
PARTIDLOS CORREIOS.
(joianna e Paralivba, as secundas c sextas l'eiras.
Rio-Graude-dn-Norte quintas feiras aomeio-dia.
Cabo, Serinliem, Rio-Formoso, Poito-Calvo e
H .icei. no I., a 11 c 21 de cadn mez.
inraidums e Bonito, a 10 e 21.
Boa-Vista e Flores, a 13 e 38.
Victoria, s quintas Tciras.
Oliuda, lodos os dias.
HASES DA LA NO MEZ. DE AGOSTO.
,c 3, a ll llora e sO min. dn manilla.
jlnon ^ |> B5 io doras e 7 min. da ma
';u* n,ie'al9, 4s dora, e 2lQn. da manbiia ......*...,.. ......... ......------- ........
'''"Tei"' a 'a> a 3 ''oras e 48 ma. damanha.(Segunda, > 8 lloras e minutos da larde.
PREAMA* DE HOJE.
I'rimeira, s 7 limas e il minutos da inanha.
DIARIO
Anno
XXIV. N. 181
MAS D\ SEMANA.
9Swib. '3- "*'.' Vud del. dejo,
,,1,-osdo.l.doc. da?y.edo J.M.da v.
10 Terra. > Comento.
11 nuarta. S. Tiliurcio. And. Iv cdo J. I i Quinta. S. Ciara. And do J. -le Orpb.t
doJ. municipal da I. vara.
13 Sol. S. lly|ilito. And do do Civ. da
1-v.edo.l.de nal do I. dist. del.
14 Sumado. S. Buttbio lel.ovoll.v And. do .1
do civ.da I. 15 Domingo. Asjumpco le Nossa Scnliora.
CAMBIOS NO DA 13 Ul AGOSTO.
Cmbio lobte T-ornlr a JT d. p. I* rs. a 60 dio.
,. Pars 3.SS rs. por raneo.
., T.isboa 105 a lK.de premio.
De,e.dele. de l.oas lirm *?{2'jSS
Oi,ro-0rs|.espa!,0l..s....-8#^ a *000
.Moedas da 60.00 vell.. 16*. 0 a
de 6/400 nov. 16(1000 a l6#lon
de 4?000.....
Prata l'ataces. .......
ii Pesos columnares...
i> Ditos mexicanos ...
> Miud
9*100 a 0-<>"
I094U .. t#9fi0
lflOO'a l|*
,|7C0 a 18O0
1J9IU a lltM
Ac" fle, da couM..'do'llel.ribe de Mf 000 r*. ao par
,

EXTERIOR.
-r
PORTLGAL.
0 coracSo maternal da nossa augusta e clemontis-
sima soberana, que tantas provas tein dado de amor
ios scus subditos, n<1o poda, como nao pude, ver
cnm ndifCcrenca essas scenas de sangue e de asso-
lacSo que se tcem representado no paiz ; de sacrifi-
cio em Menucio S. Magestade procurou sempro di-
minuir os males de urna guerra que nflo promover,
csuavsar os seus estragos. Ella consolou com a sua
asusta presenca e com os seus auxilios os ferido;
Je ambas as communhOes polticas, que asorlo da
"tierra arrojara aoshospitaes ; de seus labios reacs
ilo sabio urna s expressao de sangue, urna s phra-
\sedevinganc.a ; e mesmo conbecendo a vergonbosa
c desesperada raiva de seus inimigos, dosinimigos
da monarebia constitucional, superior a mesquinnos
alTectos de uma vinganca, se alias justa, contraria
aos sen ti montos de sen cornc/io generoso, S. Mages-
tade nao teve dvida de offererer por mao das po-
tencias mediadoras a seus subditos rebeldes a bau-
deira ta |iaz, 0 esquecimento dos seus delirios cri-
minosos : S. Magestade desetu inda maisalguns de-
graos da sua elevada posicao, restituio aos facciosos
honras, ttulos e postos....
Os republicanos e os absolutistas, seusallados, o-
lliaram estas concesses como um signal de Craque-
za, regeilaram osvmbolo da paz, ecuspiram a mao
que lb"a oflertava, ousando impr leis soberana dos
portuguezea, leis que eram o escarneo da realeza, e
que lornavam impossivel a existencia de um tbrono.
As nacOcs mediadoras entilo resolveram sustentar
pelas armas os direilos constitucionaes da rainba,
dehellan.lo a CaccSo audaciosa que se julgara sobe-
rana. Em consequencia dcsta resoluc.no um exercito
hpspanhol se avizinliou as linbas desta cidade, c tle-
poisdeesgotados todos os recursos da metapliysica
revolucionaria, toda a estrategia de um sanculotis-
nio vtrgonho$amenle cortejado, as Coreas hospanholas
sol) ocommando do tenento-general D. Manoel de la
Concha cnlraram os muros da cidade, que fura thea-
tro das facanhas heroicas do grande Pedro, e que es-
lava sendo o circo olympieo dos equilibristas polti-
cos. Este successo que dever encher de luto as se-
pulturas de nossosantepassados, teve lugar na lar-
ledodia30 do junho de 1847. A junta revoluciona-
ria dtcrelou a sua dissolugao, o os seus soldados en-
trogaram as armas as bandeirasostrangoiras de Iza-
bel II., bom que grande parte illu.l.o com benepl-
cito da junta este artigo do convenio.
E os homens que prega va m nacionalidades; os
liomens que poucos dias antes vomitaram mil Inju-
rias sobre estas Coreas eslrangeiras ; os homens que
disseram ao povo levanta-te, e Caz guerra de mor-
le a essas Coreas ; esses mesmos ajoelliam (sem
dar um tiro) a essas mesmas Torcas, e Ihesenliegam
sem pejo CortilicaeOes, armase arsenaes I'relen-
ram humilhar-se ao eslrangeiro, anteado que re-
conciliarse com os seus irinnos .' A historia mea
Cara justica: a nos, como Poi tuguezes e Porlugtiezes
contemporneos, s nos cumpre chorar sua demen-
cia Crenetica, e lamentar esta pagina vergonliosa ua
nossa historia. ,..,.,i,.
Desde eniao alhoje a cidade se tem conseivado
em socego, guarnecida nas (iracas e ras peas a -
mas deS M. Catholica, modelo de diaoipjina mill-
tar. Esperamos que brevemente 0 PanJ^"fJ^Z
gado, para o que ainda sao precisas medidas COI Uto
viaoroaas : com o lim de eoncorrer con; o nono ra-
co contingente para esta desejada pacilicac..u>, nos
cncarregamos por ordem superior da rwacgao ueste
Jlolcirm ; desejaremos corresponder a conlianea que
em nos depositaran), podrido assegurar a nossos lei-
lores que niio deseniolaremos o estandarte negro
dasvingaucasedasperseguices. mas UtttMUO
aconselharemos mais baixettu: lie preciso e muiu
preciso segurar em bases solidas o edilicio vaclame
da monarchia constitucional, cello nao sesegu.aia
de certo se o manejo dasconlcmpla?oes, se o ai un-
ci de um sentimentalismo e de uma generosiddde
mal entendida o perigosa, parausar as medidas enr-
gicas que julgmos desoja empregar S. l'.xc. o iugr-
tcnente da rainha. Paz e esquecimento, 8nerglo.e
actividade : eis o que pedimos, e o que de certo nos
conseguir dar o honieni grande aqun, a nossa ado-
rada rainha eonfiou a pacilicac.-.o geral uesie pan.
Porm no dia 30 tevo o Porto scena mais desola-
dora : a anarchia esteve a ponto de despregar todos
os seus horrores, so no Cora estar as portas da cida-
de ooxercito hespanhol.-Occupadas as Cortilica-
eOes da Serra e Villa-Nova por tropa hespanliola, em
vezderecolherem um a um os corpos para serem
desarmados, o cominandanlc da linlia do su quiz
Cazer um ultimo apparato da sua gente, marchando
para a cidade com essa tropa reunida: asdisposj-
cOes com que viuhainera.il Cacis deadiviohar pelo
que impunemente praticaram dous artilhe.ros dos
tt&^sssam&sss&xa&si
que serviam o parque da columna ; desembainhan-
Jo as espadas, eul.avam pelas lujas, eou l.aluim 0U
ameacavam bater nos pacilicos culadaos que estavam
presenciando a passagem da tropa ; n urna e ou i
na o (izeram sem a menor reprehensao de seus
Apenas havia passado esta porQilo do tropa, que
nos Lovoscllortas estove para correr basto sangue.
Ilaviaialguns subditos deis da rainha fmwnk
uma subseripeflo para fugeles, alnn le Ccstcj.ii a
entrada do general Concha e do exercito auxiliar
hespanhol : um Cogueteiro eslava nessa P8m
prompto para os laucar ; mas um oulcial de popula-
res manda apagar-lhn o murrOo, persegueo com a
espada desembainhada, e ven,lo-o protegido por al-
guus dos moradores que nao queran consentir fos-
ee acutilado um homem qV?n?""m^mtSn
all por sua ordem, e para objeclo "uo ci.i.noso
chama s armas, e dentro em pouCO COnteMreS de
homens armados dao descargas cerradas contri as
casas onde esses moradores se hav.a.n NOolUto, e
COrrem con. machados a arromhar as portas. O Mir-
ra das Hurtas esteve ameaeado do roubo, (I. ai 10 -
bamento e do incendio. Por todas as ras^comegen-
te armada, disparando tiros : tal l.av.a s.do o enBa
lioso desarmamento Ceito pela junta .'
Um desgracado incidente viera complicar e aug-
,,u, o Un m.lto: COra amorte doSr. Villar, que
o conhecerem, com urna hala dentro algumas qe
^Sram,' O uma entilada que Ibes descarrega-
'"seXS'a immediata entrada dos Hespanhes
o,lobera! Concha, se ellos ladM"Vn?rcha"
re uue fosse, o Porto nadara ca sangue. -- Murcnia,
rLe* violencias sflo os amargos Crudos da re-
belliflo.
ACTOS DO LUGAR-TENENTE DES. M.
tao desejada por todos os sensatos cidados.
Portuensos Nascido entre vos, desojo o bem-es-
lar. aminha trra: confio que lodos vos corres.. -
dais as benvolas inleneOes da nossa excelsa sol era-
na; oque a seguranca publica ..fio pieos.- de qu. -
Joer procedimento & porte das outondades, que
teemrestriclaol.rigac.no de sustenta-la. ,,..*
AvalentedivisUoque ora'guarnece osla cidafte,
eommandada pelo brioso general, O Kxni D. Mai .1
de la Concha, vos segura a orden do que tanto caie-
e>ortuenses Paz, ordem, obediencia ao- throno,
e respeito carta constitucional da monarchia.
Porto, l.'dcjulbo de 1817.
O governador civil interino,
,/osi! Mirenco Pinto.
jo,t Lourent* P/no,oawHjfroda ordend Wowa to-
ntera da Conceirao de P<-Fido
em diretto pela unittmdade de Coimera, e gobernador
civil inlettno do districto do Porto.
FaCo saber que em consequencia de medidas
combinadas entres. EXC 0 c.mmandaMle em chele
do exercito hespanhol, D. Manuel de la <^>'' *
Exc. omarecl.al do exercito duque le sall.nl..,
lugar-tenentodeS. M. a rainha nas provincias do
norte, me Coi determinado publicar ose-un.u:
1.. Todos os soldados, qoaesquer que sejam as
clrounuUnclas em que se achem. o que quolram
continuar no servieo deS. SI. a 'amia, SO apresen-
tem noquarlel doSanto-Ovidio, onde esta..,o olb-
ciaes encarrogados lo os recaber.
T Aquellesquooinvirtude los artigos eonrw-
oonaessfloobrigadosn continuar no setvico, ose
a> t.vcrem aposentado, Ihes ser concedido opra-
odeummezparao faiereni, as "lorid"'8 cmi
ou militares las Ierras onde se achare..., lindo 0
nual, serOo considerados como desertles.
3. Aquellos, po.em, que profentem apresmilar-s,.
ao exento do COOMUando I" Ia.u. duque de Salda-
nha, aorflo al.i reccbidoa, e logo enllocados nos '..-
Pl,^qm',che1:,.eAno,i,.ia1leU.dl)s. liz rn.Wi.-nr
o presente, que sera allltado nos lugares pblicos.
Porto, 1." de julho le 1847.
Jos Lourenco Pinto.
CAMAAllAS
Os ltimos dias do desenlace da revolucao foram
assusladores para os liabilanles do Porto, 9 digno
desfecho to drama revolucionario.
No dia 28 os soldados de cavallar.a amotinaram-
se, pedindo com ameacas o pret; porque a junta Uls-
pozera das sommas avulladas que extorquira paia
outros fins, (cando en. divida de algumas quince-
nas tropa de linha c populares ; f^".1*0'"0,":
vequennochegaram a receber pret Porem i.... >
co.istouomolim.equeestc secontag.ava outros
o os, appareceu dioheiro para Ibes dar porconU,
uinheiro que Dcara destinado ..no se sabe a que l.m,
se nao COra esta insubordmacao......
A -29 svmplomas scmelhantes se maniCoslaiam na
artilharia ; sendo o batalhao de.Midoes mandado as
inla ar. as pacificar,,, conflicto tornou-se u.a.s
grave, vlUndoP contra os de MidOes a Mus peai
cairegadas den.etralha; un. rgimen ude cavalla-
ia Co6i ent.lo mandado contra os art.lhe.ros dos
nuaes parte Cugio, e uns ou 9 vieran, presos, porem
n al raidos e Utilados ;. o um ios MMIM^
tas ao servieo da junta rebelde perguntou aos popu-
lares uoroue os irouxoran. vivos /.... Ao lempo que
sJllS isto, na batalha.bandos degner nfheiros
davam morras a junta, e vivas a I M.gt^e I, :*>. lo
necessario oceupar o largo da natallia militarmente.
S M. pela sua magnanimida.lc conce.leu urna
amnista amplissn.a, e a ninguem he dado levantar
n veo corrido sobre o passado.
exercito, que constantemente ten, lado as mais
ov lentes provas.la sua obedienca e dedicacSo a
o rainha, far vor pela sua conducta para
cm fulos os Portuguezea, qualquer que seja a opi-
ilflo poltica que tenham seguido, que sabe respe-
tota vontade la sua soberana, c que empregara to-
dos os esCorcos para que se rea .se .....a Sincera u-
"no d'a familia porlugueza. Se algn, individuo,
pTrm, (o que cu nao espero) faltar te lever sa-
grado,/ castigo se seguir logo a olTensa.
Quartel-generalnaHechousa,2dejulhodel8i-.
v Duque de Saldanha.
f.OMMANDO EM CHEEE DO EXERCITO HESJ'ANHOL.
HABITAMKS 110 PORTO /
Os votos que (izeram os llespanhi.es para contri-
buir para tranquillisar este formoso paiz, sem der-
ramar uma si) gotta do vosso sangue, se acliain |a sa-
tisCeitos, e as tropas que S. M. a rainha de Hespanl.a
sedignou conliar-me, entran, boje na nclita cidade
doD.' Pedro, Ocomo conquistadores, nem como
vencedores, mas sini na qualidade do amigse paci-
ficadores. .
l'ortuenses .' Jamis vos arrependero.s de ter visto
Iremular o pavilbSo de Castela dentro dos muros
da vossa cidade; os nossos principios liberaos, para
cujo conseguimento temos combatido juntos, a disci-
plina desta tropa, que todo o Portugal conbece, c a
alCeicflo particular que vos dedicamos, saogarantlas
bastantes pata assegurar-vos do quanlo respeila-
moa vossas opiniOes, pessoas e piopnedades, como
tambem vossos usos e costumes.
liabilanles do Porto .' Permanece, tranquillos, dc-
dicando-vosa vossos trabalhos hab.tuaes, sem re-
celo de sor molestados por vossos Coitos anteriores,
os quaes lesde este momento pertenec, a historia,
e conliai seguros na promessa que vos lago, de cm-
pregar todos os meios, para que isto se compra, nao
s como general em cbeCo do exercito l,es|.anl.ol.
mas la.nbem como cavalleiro.
Porto, 30 de junho de 1847.
Manoel de la Concha.
Jos I.ouienco Pinto, etc.
Faco saber, que, forado, em virtode las ordena
doExm. tenn'e-general D. Manoel le a 1. cha,
commandante em chefe do exercito auxiljar^hespa-
nhol, proceder.....-je a arrocadaca.. ...a ,
corrames, plvora, o mais potrechos de guerra ?t r-
[enecnus aos extinctosbalalhOes da 9>*rd*n uarn^ publica, moris, fix s. prmttsrm todo
JSalquer corpo le cdaddos armados .I. co.
Porto, que esliveram ao servieo da junta; o ranvindo
levara elVe.loc.,,., toda a nromptidno agella supe-
rior .ielerminagao, ..no S para bem do socego e
Iranqullidade publica, comoparaouea Cazendtpu-
blica nao soja defraudada con. o extravio e .I. te 10-
rac3o dos mesmos ohjectos, determino o seguin .
\rt. I.o Todas as pessoas, que perlcnceran. ... II-
zera.n parte da COrea armada'existente no.Porte.at
.odiadohontem, TOdejunho, rarao hojejf'^f'
al as 7 horas da tarde, de todos os anua me tos c
mais potrechos de guerra, que Uraram eni seui po-
der, nos lcaos seguntes. Extmc looonvwto
deSan-ltenlo-daViotoria o lien, le Monchiq, e.
SSo s exceptuadas as armas oacade.ras: as mais,
a.mia que se diga serem particulares, Ocam compre-
hendidas no presente edita!. ...
Art. -i: iDscidadaosque ..no verificaren lila
entrega, ou aquellos que sonegarem ou occultarom
taes ojelos, serao processados como lesobod,,. -
lesa legitima autoridade publica, e ...conoiao nas
nenas impostes aos dtenlo, es da lazonda publica-
para que ebegue a noticia le lodos e se no
bessa allegar ignorancia, Bz exarar .prsenlo ed tal,
e oul. os de igual teor, que serao impressos e all.xa-
dos nos lugares pblicos.
Porto, 1." de julho de 1817. ... |M
Ogovernadoi civil interino,
Jos Ijturenco Pinto.
NOTICIAS DAS PROVINCIAS.
uccessos de (.uiman'ies.
Setenta o qualro facinorosos, dos que compozc-
NOTICIAS DA CAPITAL.
Lisboa', 27 de junho.
POUCOtempo Coi necessario para que os habitan-
tes da cidade deEvora e lo mais. tonas c.retimvi-
zlnhasse convencessem-de que hlyiam encontrar
protoegnonasforcas leaes todosquantos prestassem
obediencia esubieicSo a 8.M. a rainha.
Tivemos noticias daqnella cidade em data le 25, o
por ellas vimos que renasceprogressivamento a con-
hmca do povo pelo esemplar comportamento M
tropa to commando do conde do Vinhaes. tema o
maiorsocogo nao obstante a concurrencia do povo
de lifCere.ilos parles a fera de San-Jor.o, maiordo
que ha anuos eosU.nia ser
1a.Hi.dle lia coniocava a marchar para Utremoz o
trem de guerra que all tinha ?o enwntradoj e
(ambo... saina para Poja o rig.meulo 6 de infanta....
eama Ittrca de cavallaria, sob o commando do gc-
n6Cnstava'alll que o Galamba se conservara nas
immediacOesdeBeja junio as margens lo no C.iu-
,1,.,,,;, ncompajdiado de poneos .los seus.Nao so
tinha atrevido a entrar em Deja, em cuja cidade re.-
Tamben se saba em Evora naquella data, e por
participaedos do general commandante da stima
Siviiffomuiter dirigidas ao conde le Mnbaes que
naquellb mesmo dia 85 dovia entrar na piaca de El-
vas'una brigadahespanhola, eommandada peloge-
,,,,, Fernando Nor/agaray. Tros cpmpanhlasd*
um corpo pertencente a esta brigada ... an oceu-
pad,. se,., resistencia a pra de Moryao ... d.a 23.
1 Tinham-so opresentado ao general conde de Vi-
M, 'su,,.le,,e;ile-,H,n...eledo..sall,,vs lecaval-
,, um capitflo amnistiado de Evora-yonte.
Parece que pouCO se demorara aquello general,
Que i.r... prosiga en. suas operacOes para complete
,,,,,, ,,a ,,-ou.,e,a do Memlejo e do re.no do
'i .,' deixandQ em Evora apenas a rQB neces-
BMi. para ...anler o SOCORO e prestar PrOteceSO S
I,afilantes pacificas, conforme os desejos de S. M. a
rainha c as instrucedes do governo.
0 m,rechal Saldanha mando., no mesmo dia M
ocupar pelas Coreas losen commando \ilIa-Nova-
,!,._,;,v,., na margenesqoerda do Douroemfrente
j0 poli,,. Osrevoltosos oceupavam em fdrea suas
Dosicdes: mas bastaram luas companl.ias do sexto
do cacadres para os desatojar dolas, e leva-Ios at
aAinda Coi necessario correr sangue porlugtiez !
Perdemos un. soldado ...orlo, 0 tivemos dous Ceri-
llos. Oinlmigo perdeu un ofilcial o tres raldadra
morios, eleve mullos reridos, cujo numero todava
se ignora, porque no llcaram no campo.
Naquelle mesmo dia tencionava o nobre duquo
passar emAvintes, con... ja annuncimos.
(. batall.no 7 do cacado.es, que voluutanamento
quiz servir nasllleirasda rainha, sabio MealMrrt,
, bordo de um vapor de guerra portuguez. Va. des-
embarcar en. Aveiro, o en. poneos das chegara ao
exercito do marechal Saldanha.
ram o chamado batallmo los ,!. de Gu r
sen. cummandantes visivois teem en.
os habitantes laquella villa,
onde se consorvam ar-
COVERNO CIVIL DO PORTO.
PORTUENSES .'
Fui cncarregado interinamente do governo civil
desledistricto por S. Exc. o duque le Saldanha, lo-
car-leneute de S. M. a Rainha, a Senhora D. Mana
II A ni'.nha inissflo. ..estas melindrosas circunistau-
cias.hc especialmente patentear-vos as expressOos
de paz, soltadas do alio do Ihruno pola augusta fi-
Hia do uosso immortal restaurador. Rodea, lodos o
tbrono de S. M. sempre solicita pela ventura e
prosperidade de todos os Portugueses.
' Portuenses .' As nossas tlosgraca.lasd.ssencOes po-
lticas peden, tolerancia de todos, peden, que IMM
coiico. ram para o restabelecmenlo da trauquillid*-
Temos noticias do Mi, pelas quaes sabemos que
as IV.rcas do conmando do general conde de V inhaes
entraran en Evora pelas nove horas da manhaa do
dlAnteriornente se tinha all publca.lo um oCTIco
dirigido dlo mesmo genoral ao governador civil n-
lrmo, assogurando-lhe que ia entrar como pacifl-
* jor 0 nao ,,,..... migo ; e que por consequencia
encontrar.a... ..ello prteccao lodos aqueles que
Vrestassem obediencia e subjeioflo aautor.dadoda
raAncha*vam-se all alguna dos dispersos de Setuhal
que inimod.alan.onle seguirn, .versos destinos
einamiuh........-se as suas naturalidades, excepto os
que eran, soldados do linha, os quaes todos so apre-
seotaram ao nobre general.
I-ambem uoscolhu que o povo de He a de um
novo tcslemunho do espirito de hdel.dadc cdedica-
co por S. Magestade o pela carta constituc.onaL que
mpro o ten. anonado. Igual man. estacao.do
obediencia foi l.iu. pelos habitantes da villa de Mon-
lU"0 c.dehre Calamba discurra sem pcnsamenlo nem
pUnJ por dille, entes pontos da prov.ncia, constando
Sasse receber as armas da sua guerrilla.
norte sbenos que o general Concha entrara
em B ganca no dia IV, o dispozera comeCar as suas
,,,,,,;, no dia 18, devendoavancar umadivisSo
3, V li-Rcal, eoul.asol.reoM.liho, para se pr
m comnuiiicaco com a dlvs0 do cap.tao general
Mendoz Vigo, da qual mandou"avanzar sobre Vianna
una columna, que efCeclvamenle a oceupou, como
a annuuca.nos.
Os povosreceben por toda a parto as tropas hes-
panbolas con. a maioi cordial.dade, como merecem
por sua cxemplar disciplina.
1 (Otario do uoverno.)
\otictas da capital at 28 do passado.
No dia 27 linha sahido o vapor Mindello para Avei-
i,iiieleda Ago'ardeute; na quinte-feirajMgaram
rediues do administrador que os oonv.daya a a-
mJso U. as arlnas, o com files nas ponas das
one as andarn, pelas ras *****&
reir se reunir... na Cruz-da-,\rgola e .Monte-de-Sa.i-
p.dro r. ^^SS^SSJSX^ \ ro^onduViudo'o S 7"de ccadores,'q-ue se ol
viren dell.aga; t iba nipo >s to^ anware^M i aoservif0aarainl.a ; marchou sem armas qu.
Zt-ro .^JSUp!SS Si l baioll llie hav.um de'ser dadas em Avei.o : os soldados sa-
I



m
--.^r
SU
.
2^
.m.com melhorespirilo, foram-lhe separados os
ofiici'aes, officiaes interiores o aspirantes. No dia
-8 pnncipiaram n desembarcar os officiaes rebeldes
prisioncros cm Selubal; assignaram termo de lidc-
lidade rainha, e le nflo se melterem mais em rc-
volucOes; alguna nflo quizeram aasignar. Na Torre
conliniiam oteadores 2 c parte do municipal portu-
enso e acadmicos. No Alemtojo tndo tem deposlo
as armas ej liaviam correios regulares de toda a
parte. O conde de Vinliaes sahio de Evora no dia 22
sopre o (.alamba, iiue era so acoinpanhado de 20 c.i-
vailos c alguns giierrilhas. Sahio tambem da Torre
'"'r! ?rla 7' ,:. ..... >il,<" i'oiineiiirar no servico ila ranina.
lauto caoadorea 7, como nrantaria 7, a tinham ha
las dado vivas na Tone rainha e caita, porcm o
mas zangou-se o chamando n majnr inglcz com-
mandante da frca Ihe insinuou insidiosamente que
aquelles douscorpos estavam insubordinados, o quo
Jiieconstava quo ellos queriam por soinroza desar-
mar eassassinar a guarnieflo ngleza, com cITeilo
uns30dosquc tinham dado aquelles vivas, rornni
por aquel a calumnia mandados presos para as naos ;
o sendo all interrogados um por un, depozciam a
verdaOBdooaao, o que todos os seus camarada.s es-
lavam all [oreados, e queriam servir rainha, e que
primorosos jarros de poreellana que ainda na vespe-
ra Ihe haviarj recreado a vista. Entrementes, temos
um corpo de polica com que se despende o tor<;o,
so nflo mais, desses tributos quo pagamos para usu-
fruirmos as vantagens de quo vivein cercailas as so-
ciedades bem organisadas ; diversas patrulhas desse
corpo vagam pelas mas ilesta cidade, apenas o sol
ueaapparece do nosso horizonte; e nos nfio Taita um
numeroso batalhfio de inspectores de qnarteirfio,
com o seu estado-mainr de delegados e subdelega-
dos, que tcem restricta ohrigacao de policial- os res-
pectivos districtos.
Qual he, pois, a causa provavel do estado anorma
em que nosachamos? Qual o molivo dosituaeflo tilo
critica? Ser o deleixo dessas patrulhas, desses ins-
pectores, desses delegados, desses subdelegados em-
lim? Ser a impossibilidade de prevenir-se os rurtos,
ao menos em tilo grande escala ? Nada disto. Quan-
to a nos he no debito da presente organisacao da
torca policial, que releva ir buscara origem do mal
que na aetiialidado nfiecta a lodos; oque, ao passo
que concorre para que o cidadflo que reside em so-
berbo edificio receic a perda de um traste de valor,
nflo menos coopera para que trema pelo desapparc-
CimentO do nico trapo, que Ihe cobre a nudez, o
Sll.'IS.
I'ortalcgrc reconheccu o governo da rainha: a-
prosontaram-se em Mirantes os giicrrilheiros Fonse-
i aicco que o Amas, Jos Bstevflo c outros vflo sabir
I aru Inglaterra. Foram ordena para Angola para se-
rem solios os prisioneiros ile Torres-Vedraa. logo
que riles presten) obediencia rainha : tinham sa-
de segunbo as noticias de 14 .le abril, e eslava tudo
cm socgo.
{Exeracto de cartas particulares .
[ttolttim Officiatdo l'ortoi.
..... ; !7I
PERNAM8 presla o conceibo o jurainen-
JL'I'.Y 1)0 RECIFE.
7.SESSO DA TERCENA ORDINARIA E.M 12 DE
ACOST DE 1817.
PRESIDESCIA DO SKMIOB t-KliniriRA GOMES.
As II horas da manha, faz-so a chamada e veri-
lica-se estarem presentes 3s Sis. jurados.
OSr. Juiz Presidente declara abena a sessffo.
Sao aprogoados os roa o as testemunhas.
o Sr. Juiz rresiileniedeclara que se vai proceder ao
sorleio do conceibo que tem de julgar ao reo Joo
uaptista Meirellea.
Acabado osorleio,
lo proscripto pela lei
O Sr. Juiz Presidente faz ao reo o segualo,
IMEHROlATOMO.
Juiz : Como se < llama ?
lien joo Itaplista Meirelies.
Juiz: Sabe a rasilo por que foi preso '.'
Reo : Sim, Sr. : i'oi porque um dia en chCffa no
meu casa evo porta do camarinlia lechada e vai es-
I lar e encomia una soldado com meii mulhor, e en-
tilo iaz barulho.
/*.: Entfio voss mellen o cacte no soldado,
nao rm { '
Reo : Sim, Sr. : eu nao Rosta dfl ver isso, e d
iiellc com urna cacte que leva va ; elle tira da espa-
da que eslava no cama o me ferio a nio.
Dado o interrogatorio por lindo, passa-se leilura
das | ceas do processo e asallcgaces pi e contra o
Terminadas essas allcgaces,
O Sr. Jui= Presidente laz o relalorio da causa, c en-
trega 6 quesitos ao presidente do concelho, que, teu-
do-se rerolhido com este a sala das conferencias,
volta pouco depois dos debales, com resposta aos
meamos quesitos.
OSr.Juia residente, conformando-se com a ded-
sflo ilo jury, absolve o reo, e condcmiia a municipa-
lidad o as cusas.
Sendo 1 hora da tarde, levanta-se a sessilo.
IIUII HE PKKWABBl'CO.
UECirE, J3 DE AGOSTO DE 1847.
OSFUhTOS QUE LTIMAMENTE HATIOO LUGAR NESTA CI-
DADE. MEIO 1)R EVITAR QUE SU LLLI S KErr.OI.U/AM
i\0 FUTURO.
Vai para tres semanas, que quasi todos os das, ao
erguer-sedo leto a que se recostara para dar des-
canso aos entorpecidos meinbros, o homem laborio-
so reconhece ter-lhe sido fui la,la, o as vozes do mais
recndito lugar da gaveta que lechara a tres chaves,
una joia preciosa que Ihecuslra somma nao peque-
a, e equivalente, porventura, ao producto da rigo-
rosa economa de um e mais mezes; vai para lies se-
manas, que nflo ha alvorecer de aurora em que nos
nao tragam a aflictiva noticia de se haver verificado
urna das gatunices que denuncian) a existencia de
minios desses entes degenerados, que, perdido 0
amorao trabalho, assentam de viver a cusa do pr-
ximo; nflo esmolando o pao da caridade, quejul-
gam muitissimoovillante um scmelhante passo; nflo
arrancando frca le aguijado punlial a bolea que
Ihe proporcionara osmeios de conlinuarem na vida
de inercia, que para isso llies falta a petulancia
do salteador; mas .subtrahimlo astuciosamente aos
membros activos da cuiumunhao a que desgracada-
nienle peitenccm, ou dinheiro, ou qualquer cous
que o possa prndimr, que heesse o procedimento
quemis se barmonisa com o genio do cobarde, com
o mslinclo do ratoneiro. E tflo adiantada vai a giria,
e taoa salvo a exercem os que a teem professado.que
ntm mesmo cm segundos andares pode o habitante
da capital de Pcrnambuco entregar-se ao somno
oixando abertas as janellas da sala que coinmuuica'
F-*eiiqu'rl.0 dedormlri I""" go*r dos dona de
favonio de malura com os le Morpheo; pois que.
ah mesmo, mSo subtil, e como que mgica, Ir-ftie-
M tirar de sobre as mesas os custosos objectos que
dsornavam, como, segundo nos informan), nflo ha
:eu em urna casa do bairro de San-
abandonar O pessmo systema de conslitui-la, nao
a vigilante atalaia da seguranza individual edepro-
pi ieil.nle dos ijue contrihuein para a sua manutenerlo,
mas a cohorte lerrivel do governo provincial; .em-
quanio os legisladores que a decretam se nflo con-
venceren] deque he quasi nulla e improficua a po-
licia volante, e nlo assentarem de substitu-la pola
estacionaria que tilo proveitosa tem sido Inglater-
ra e aos Estados-Unidos, como judiciosamente ob-
servara a pessoa que no auno de 1837 se achava en-
carregada da redaccffo doste Diario, piando, em o
n.'74. de 5 de abril do auno citado, chamou aat-
tenefio dos membros dn assembla desta provincia
para certos ramos doservic.o publico, que, em sen
pensar, recia m a va m prompta reforma ; emquanto,
dizemos, tudo islo se nao verificar, os furtos hilo de
ser tflo frequontes quanto oeslflo sendo agora, ea
par delles apparecerao os roubos, os assassinalos,
os espancamentos e os farimentos; nflo como nos
paizes bem policiados, que nao he possivel extor-
car o crime emquanto existirem liomens; mas como
nessas Ierras mal regidas, onde quasi nunca se pre-
vine o delicio, 0 raras ve/es se pune o ilelinqnenle ;
pois ipic a polica defeiluosa nflo so nflo pode evitar
osatlentados, como deixa escapar-se o criminoso
e assim conlribue para que a lei seja a cada passo I-
ludda, e, s por acaso, desaggravada.
Defeito, organisado c cargo o forneci ment quotidano de guardas cadoia
0 80 palacio da presidencia, e conservando grnssos
destacamentos as comarcas centraos, o corpo de po-
lica nao pode prestar-se satisfactoriamente80 prin-
cipal dos seus lins, que he, |ior sem duvida, a prc-
vencao dos deudos, ou a prompta captura dos de-
llnquentes; porquanto, muitissimo reduzido na fr-
a que conserva na capital, nlo est as circumstan-
cias de dar tantas rondas quanlas sao as necessarias
para que, qu? de dia, qur denoitc, nao baja ra
em que ocidadflo atacado em .sua pessda ou bens,
deixe do ter um ponto doapoio contra o desalmado
que tentar arrancar-lhe a vida ou a propriedade.
Enlrelanlo, se se acabasse com este corpo, c o avul-
lado capital que com elle se despendo fosse distribui-
do em salarios a liomens pobres e honestos, a cada
um dos quaes se impozesse a obrigaeflo de vigiar
constantemente certo numero de casas das ras ou
travessas em que morasse, certo se conseguira o
importante lim a que mais cima nos referimos;
isto he, os crimes seriam mais raros, e os crimino-
sos iiillicilmi'nle furtar-sc-hiam acglo da juslica.
E nflo pensem os que nos lem, que nflo sera f-
cil apparreerem individuos que sequeiram incum-
bir de semolhante trela; muitos artistas que pre-
senlemente ha, e que nflo poucas vezes estilo de bra-
cos cruzados por falla de trabalho, aceita-Ia-hflo por
sem iiuvida, certos deque della Ihes provirflo os
meios para occorrerein s suas mais palpitantes nc-
cessidades.
A despeza que se houvor de fazer com esses poli-
cas scia muitissimo inferior que demanda o corpo
a quecllesdevem de substituir. Ainda mesmo sup-
pondoque a cada ra ou travessa toquem desses
guardas permanentes o que nao he poesivel, pois
que algumas ha que ficarflo bastante vigiadas por um
ou ilons] ainda mesmo figurando que a cada um dos
mencionados guardas se marquem 500 ris diarios;
como, segundo urna relatjflo que ora temos avista,
he de 58 o numero total das ras e travessas desta
cidade, ecomo um anuo nao tem mais que 305 das,
segue-seque com a nossa polica gastar-se-ba an-
nualroente a quanlia de 2ii:G28,ooo ris, no entretan-
to que com a actual, no estado completo e ordina-
rio, se despende a de 147:598,000 ris, do que resul-
tara URM economa de nao menos de 120:970,000 rs ;
economa que nao he para despiezar, e que habili-
tara a quem quer que nos governe a dolar a provin-
cia de muitos beneficios que ella reclama, e que nao
receberi emquanto as suas linancas nilo melho-
rareni.
Mas, pergunlar-nos-hflo, e he smente a isto que
se limitam os dispendios dos vossos guardas po-
se-ha a qualquer reqnisicflo que autorisada for (Itolo
commandante das armas, que, certo, se nlo negare
a auxiliara polica semprc que se tornar necessario
Qwanlo a terceira, emfim, lombraromos qne o corpo
do exercilo que aqni estiver poder mui fcilmente
daros ilestacamentos para as referidas comarcas, e
com mais vantagenrpara o servido, que ser feito
comaordom e subordinacfln que deve de caracteri-
sar aos soldados do mesmo exercilo.
Solas assim as duvidas que poderiam influir no
animo de algiicm, para quo se nilo pronunciaste pe-
la nossa ideia, -- a extinceo do corpo de polica, ea
sua substluicSo pelos guardas estacionarios ; nada
inas resta que sis opponha adopeflo do nosso pon-
samenlo: o se a assembla provincial o lomar na
devida consideraQlo, em a sua reuniflo prxima fu-
tura, adquirir mais um direito gratidao dos seus
constituintes.
muito
., ,.------- -" "mi i-a.-Mi uo uairro o
n.f i"Ln"VM' cuj0 locall"-'o, lendo-se dis-
persado de cerrar as portas da varanda, quando, em
certa r.oite, se fra inetter na cama, aosahir della
na manbaa seguinte, nSouiais achou as bancas os
liciaes-f Nflo Ihes dais um farda ment ? Nao Ibes
designis olliciacs que os dirijain e inspeccio-
nen) ? Responderemos: osnossos guardas nflo pre-
cisan! dooutro vestuario que nflo seja o conunuin,
e que lie tanto mais vantajoso, quanto os nilo torna
conhecidos, e facilila-lhes, por conseguate, a ap-
prehenso dos criminosos, que os nfloevltarfio urna
vez que nao telilla scicucia previam da missflo Je que
seacnam enoarregados; tambem nao neceasitam
de olliciacs, os seus directores, os que deven) de ins-
pecciona-los sao os inspectores de quarl< rao, por
cujo intermedio receberflo asrdeos que ochefede
lolicia assentar de expedir, a res pe i lo delles, aos
delegados esubdelegados, ea quem diariamente da-
rflo parte circumstanciada do que liver occorrido nos
respectivos districtos.
E nao he s esta a objeegao que se nos ha le fazer;
mais tres se nos antolham :--Se os liomens que fo-
rem escolhidos para guardas Bflodormirfio, e vela-
rao noite e dia ? Se o chele de polica licara sem I or-
ea para diligencias longincuas 1 Se, finalmente, nflo
haverao destacamentos as comarcas do interior ?
Quaiiio priineira, diremos que os guardas de cada
ra ou Iravessa revezarflo entre si as vigilias. Quau-
tO a SOgunda, obse varemos que para as diligencias,
em que fallamos, neiihuina l'rfa he mais propria
doqueessa companhia dccavallaria de priineira li-
ona, que he fixa, que se nao retirara da provincia,
o que, coma promplidao da tropa regular, progtar-
Pelo brigue San-Manoel I recebemos alguns exem-
plaresdo llolelim O/fical do Porto, datados do l.a 7
dejulho prximo passado.
\ 30 de jiinho precedonle entrara nessa cidade a
forga hespanhnla, sem que livesso juncado le cada-
reres o caminho quo a conJuzira heroica capital a
que legara o coraefo o nunca assaz chorado duque
de ItragariQa.
Os dous artigos do precitado peridico, que em
irinieiro hlgar transcrevemos na parte exterior, di-
zem alguma cousa.sobre essa oceurrencia, que pare-
ce pora termo guerra civil tentaram por tantos mezes.
Pouco temos que aecrescentar ao que se conteem
nesses ariigos e nos demais que em seguida delles
publicamos com este numero do nosso Diario.
Por um desses caprichos do destino, que quasi
nunca deixam de sorprender, ao passo que as tropas
despalilllas se esforcavam para restituir rainha
de Portugal os foros de soberana que os rebeldes
pretendern) roubar-lhe, appareceu urna proclama-
ban, no seu proprio idioma, em que se os concitava a
rebellarern-se contra I). Izabel II, e pronunciarom-so
pelo systema republicano.
O duque de Saldauha, que fra honrado com a no-
mciiQflo de lugar-lenentc da rainha as provincias
lo norlc,fizera a sua entrada triumphal no Porto, aos
7 do predito julho.
0 barflo de Almofalla tinha sido nomcado gover-
nador militar da referida ciliado.
Abrra-se snbscripc,flo para um cmpreslimo vo-
luntario, que babililasso ogovernoa pagar 3quin-
zenas que se deviam ao exercilo do nobre duque.
l.ogo noprimeiro dia houve quem subscrevesse mais
do jiie a quantia cm que o cmpreslimo estava cal-
culado.
Mandra-se levantar o bloquoio em todos os por-
tos do reino de Portugal.
Aulorisra-se provisoriamente o rccebimenlo da
moeda de turis que fra cunhada porordem da
junta rebelde; e bem assim a continuagao da co-
branea dos diversos impostoa.
( concellieiro Antonio Pereira dos Pois resignara,
as iii.'ios do lugar-lcncnto do S. M. Fidciissima, o
lugar de coinmissario regio as provincias do Minho
o Trs-os-Montes.
liaviam sido transferidos, de bordo da fraga ingle-
za Sidon para a torre de San-Julido, o visconde de S
da Dandeira, o conde da Taipa, o conde de Mello e
Jos Eslevflo.
Chegirn ao concelho de Aveiro o Exm. Casimiro
Brrelo Ferraz,que, cm castigo de sua dedicaeflo a Se-
nhora I). Mara II, estivera encarecrado por seis me-
zes na cadeia da relcelo do Porto.
No dito concelho e no de Anadia appareciam min-
ios disturbios : o povo ainda oslentava sen ti mon-
tos revolucionarios, e algumas vezes passava las
palavras s obras, como succedeu cm certo dia, em
que, ao alravcssar urna rua,c*hio crivado le militas
balas, e sem o menor signa! de vida, o negociadle
Antonio Teixeira Ponse de Lefio; e houveram diver-
sos fer i montos, mais ou menos graves.
Em consequericia dcstas e do outras desordens, o
governo se decidir a conservar suspensas as garan-
tas at o fim dejulho.
O mesmo governo decretara que ninguem trouxes-
se distinctivos que nao tivessem sido conferidos
por ello em nomo da soberana dos Portuguezes;
e .que se recolhessam quanto antes s tenas da res-
pectiva naturalidade, ou da residencia habitual, to-
llosos que liaviam recebiuo ordem para isso.
O duque da Terceira recolhra-se a Lisboa com to-
dos os conipanhcirus de pristi.
O conde das Antas declarara por escriplo, que ja-
mis ternaria parto na sanguinosa lula que tantas
vidas distara sua patria.Ao revez do visconde de
Sa da Dandeira, que nflo quiz subscrever a seme-
Ihanie dcclaiacao, scllaram-na com os respectivos
nomes. os diversos ofliciaes que ltimamente mili-
taran) sob O seu cumulando.
ram-se dessa occasino seus inimigos, para ser e||fi
assassinado no mesmo leito em que estava enfermo
eummcu mano menor de 13 annos; depois do qu
o commandante o 70 vndalos penetraran) o inte
rior da casa, insflltaram e ameacaram de morle
familia, escalando caixas o gavetas, roubaram nlo
pequea quantia em moeda, lodo o ouro prata e jn'i
asquehavia, ese retiraran) conduzindo todo ogi"
do o animaos do fabrico do engenho, e se dirgran
para me dar igual sorto ao meu engenho Cachanj
onde eu entilo resida; ecomo j all nflo achassem'
ininlia familia, e nem despojos para lucuplelar-se
lancaram fogo ao edificio, o o reduziram a cinzi,'.
estas recordacries me obrigam a velar na obediencia
ilos habitantes de minhas propriedades, para lordi-
reito a encarar qualquer fVca armada que as inva"
dir, como seleradosqun veem dar-me igual sortea
que deram a meu infeliz pai, em cujo caso, protesto
lefender-me, ainda quo essa defesa seja to preca-
ria, quanto a do cordeiro contra o lobo, o bem certo
estou, que as leis, e nem mesmo ninguem de seus
reputar opposicflo a polica urna tal defesa; porque
esta nao move, e ner podo mover a frija publica
contra um cidadflo pacifico, e iiom a autoridade
podo ser obedecida, quando, obrando fra da le
procura exercer vingaucas contra seus desafectos!
Deixo de fazer a defesa a meu primo o capitflo Pedro
Ivo, victima commigo do artigo i\a-Sentinella, por
pie sua conducta como mililarlnr t.1o conheciila
nesla o em outras provincias do imperio, quo nlo
ha preciso defende-lo, para o publico avahar sua
leal lado, pericia o bravura, quando lho cabe de de-
fe nder as leis o o governo.
Engenho Lage, 1. do agosto do 1827.
Jos Pedro Vellozo da Silvera.
COMME-'V;!0.
3:550,630
MlndefR.
RENDIME.NTO 1)0 DIA 13 ..........
Descarregam hoje, 14.
Hiate lUara-Urmina mercadorins.
Barca Willam-liussell dem.
Galera Columbus idem.
IMPOKTAGAO'.
Joven-Dolores, polaca hespanliola, vinda de Monte-
video, entrada neste porto por franqua, consignada
a Joflo Pinto de Lomos & Eilho, manifestou o se-
guinto: r
3,228 quintaes de carne secca, 150 couros seceos;
aos consignatarios.
Consulado.
KENDIMENTO DO DIA 12.
(".eral.........................1:768,625
orrespondcncia.
Srs. Iledaclores. Por amor de minha reputaeflo,
sou forondo a repellr um artigo da Sentinclla dailo-
narchia n. 912, que me diz respe i lo, e quo agora que
o pude 1er, vi que csse peridico alias homogneo a
ineus principios, la I vez mal informado, apresentou-
mc parante o pai/ como um amcac,ador la publica
tranquillidade; liguraiido-nie fortificado em meus
engonhos, pura resistir a polica, se m'os viesso va-
rejar; contesto urna tal asser^o; e sensivcl me be
achar-me na predsflo de iizer a nobre Senlinella,
que dorma quando sonbou quo eu tivesse tal pro-
lencflo, o bem sabe a pena que colunia o conde d'Lp-
so a senlinella que dornie no seu posto; pois que se-
mclhaule pensamenlo nflo poderia jamis me domi-
nar, visto que ello osla em perfeilo desaccordo aos
principios ile ordem que sempre consagrei, c de que
nuh claras provas hei exibido, arriscando minha
existencia e haveres, a aceflodo governo, em todas
essas crises clamtosas, por que temos alravessado,
e a que, por fatalidado inuaudita, incomprohonsivol!
seremos novainenle expostos Eu que sempre con-
sidere a polica a alma das naces. como poderia ser
iufensoa esse ramo da publica administra?ao, que
indiffoicnlo a pessoas o opiiiioes, s Ihe cumpr
velar na Iranquillidade, seguranca o prosperidad
do pai/. ? Refutando, pois, essa proposieflo que avan-
cou a.Senlinella, declaro que por vezes tenho certifi-
cado ao subdelegado desle dislricto, que mande
quando fr preciso seus inspectores e ollicues de
jushca exercer qualquer acto policial nos engenhos
de meu pssessorio, que eu mo responsabiliso a
que sejam obedecidos com todo o ac.ilaniento, afim
de evitar que meus inimigos, que boje oceupam car-
gos policiaca, possam repetir a mesma scenu de que
fui victima meu infeliz pai, que franqueando sua
casa a um varejo por ordem escripia do enlfio presi-
dente da provincia, esse varejo nos foi fatal; servi-
Alovinieiito do Porto.
Navio entrado no dia 13.
Porto; 27 dias, brigue portuguez San-lHanoel-Pri-
meiro, do 168 toneladas, capitflo Jos Francisco
Carneiro, cquipagem 31, carga vinho o mais gene-
ros do paiz .- a Manoel Joaquim llamos o Silva.
Passageros, Joaquim la Silva Castro, negocianle
portuguez com sua senhora, 2sobrinbas, 1 criada
o 1 criado ; Adelino Duarte azarcth, carxeiro por-
tuguez ; Miguel Rodrigues Vieira Padilha com um
afilhado portuguez ; Joaquim Jos da Cunha, Fran-
cisco Pereira de Mendonrja o Simao (micalves.
Segu para o Rio-de-Janeiro.
(Jalliao-de-l.irrtu ; 86 lias, barca ingle/a Alexandn,
de 388 toneladas, capitflo Thomas Primrose, cqui-
pagem 16 c 3 passageiros, carga salitre e urzella
ao capitflo. Vem refrescar e segu para Cork ou
Faluiouth para receher orderrs.
Goltcnburg ; 45 dias, escuna sueca Ida, do 114 tone-
ladas, capitflo Clirislion llyarnc, carga ferro e ta-
boado ; a ordem.
Navio sahido no mesmo dia.
Para ; brigue-oscuna americano 0r6i(, capitflo Tilo-
mas A. Iliggins, carga parto da que trouxe.
Oeciaracoes.
O abaixo assignado, juiz de paz e presiilente da
assembla parochial da fregueziados Afogados em
virtudoda lei que aclualmer'e rege as eleiQes o
ordens dn presidencia transmitidas pela cmara
municipal convoca aos oledores o supplenles da
mesma freguozia o nella aclualmente moradores,
para comparccercm na matriz as 9 horas do dia 19
de seteinbro'prximo futuro, para a organisaclo
da mesa parochial sob pena de screm multados
aquelles que, sem motivo justificado dcixarem de
comparecer ; 8ssiin comino lanibem convida aoci-
dadflosqunlificadosacompareci'MHiiadarem sen vo-
to querendo, visto nflo ter a lei fulminado pena al-
guma aos que faltarem.--Afogados 13 de agosto
de 1847. Mainel Juaquim do llego e Albuquerque.
O arsenal de guerra compra trinta arrobas de
plvora grossa : quem dito genero quizer forneccr,
mandara sua proposta, em carta fechada, o a amos-
tra a directoria do mesmo arsenal, at o dia 17 do
corrento mcz. Arsenal de guerra, 13 de agosto de
1847 lodo Ricar do da Silva, amanuense.
Contratos a celebrarse com a thesourara dat rendas
provinciaes no me: de agosto correnle.
Dia 16.
O locstabeleciniento de urna linha de mnibus,
que, na forma da lei provincial n. 191, de 30 do mar-
co deste anuo, facilite o transito losta cidado a qual-
quer dos seus arrabaldes o a Olinda. Este contra-
to ser rcalisado depois que a presidencia assim o
determine, vista das propostas que por intermedio
da thesourara Ihe forem apresentadas.
Dia 18.
O da arrecadaeflo do dizimo do gado cavallar nos
municipios do Roa-Vista e Ex, avaliado cm 299,930
mil risannuaes.
Objectos que a repartieco das obras publicas pre-
tende comprar.
Vinte o cinco estivas, de 25 palmos de compri-
mento e 6 de largura ; 3 barris do cimento ; 2 ca-
lios de aroia ; 1 pedia de cantaria, com 1 | palmo
de largura o 8 de comprimciito ; 15 lagos de Lisboa,
com dous palmos cm quadro; 5 algueires de cal
branca ; 1 arrobado chumbo.


THEATRO PUBLICO.
jB HlJl BE JILEJYCASTRO.
AMANA'A, 15 1)0 C0RHF.NTE.
Beneficio de Jodo Jos topes,
envidar toilasas suas frgas, coadjuvado pe-
ireclor, para ser descmponhada cm represen-
, Jio o dec'oragOes o molhor possivel. Asonhora D.
Sneisca e o Sr. Santa Hoza cantarfio no
que '
Francisca
utor.
lugar com-
Rematar o
Lenlo cancOes que pede seu t
iJocctaculo com a excellente torga
A pedido de militas pessoas vai a Tanja Parleira
athomica em lugar do Alardo na Aldeia por
6cr aquella muito mais jocosa.
visos rttritnnos.
_ Para o Maranhfio seguir, em poucos dias, o pa-
tucho Laurentina, capilfioe pralico Joaquim Martina
los Santos Cardozo ; anda recebe algnma carga e
irm ptimos commodos para passageiros : a tratar
rnm I ourengo Jos das Neves na ra da Cruz, ou
com J. Baptista da F. Jnior na ra do Vigario ,
TiOTFRIA DO THE/tTRO.
n. 25.
para o Ari
tnestn
atysai.em poucos dias, a sumaca
incsire-e pratico Jo3o Antonio da Silvc,
nprtcr'asua carga quasi prometa: para carga e
nacsnceirostrata-secomomesmo mestre, ou com
uiz Jos do S Araujo, na ra da Gi uz, n 26.
__para Lisboa sahe, impreterivelmunteno dia 22
do correte, o brigue portuguez San-Domingos; ain
di recebe alguma carga miuda, assim como passa-
geiros para o que lem excellentes commodos : tra-
ta-so om os consignatarios, Mendos & Tarroso, na
ra da Cruz, n. 54, ou com o capitfio, Manocl Gon-
caves Vianna, na praga do Commercio.
Para o Rio-de-Janeiro sahe, com a rr.aior brcvi-
dadc possivel, o muito veleiro brigue nacional floin-
esus por tor a maior parle do seu carregamenlo
nrompta: para carga e passageiros, a tratar com
audino Agostinho de Barros, ra da Cruz, n. 66.
__Para o Itio-de-Janeiro sabe muito breve o bri-
gue Sociedade, forrado o oncavilhado de cobre, de
boa marcha, o de bons commodos para passageiros:
rara carga ou passageiros, a fallar com Jos Fran-
cisco Collares, na loja- de l'erragens, esquina da ra
da Cadeia, ou com o capitn Jeronymo Jos Tollos.
Para o Havre segu com a maior brevidade pos-
sivel o briguo franco! lleavjeu quem nelle quizer
carregar, ou irdepassagem dirija-seaos consig-
natarios B Lasscrre & Companbia na ra da Sen-
zalla-Velha ,138. ,
Para Lisboa sahe, com a maior brevidade, por
ter parte do seu carregamenlo prompta, o brigue
portuguez San-Domingos ; recebe carga a l'reto e pas-
sageiros, para o quo tcm excellenles commodos :
trala-se com os consignatarios, Mondes & Tarroso, na
ra da Cruz, n. 54', ou com o capitiio, Manoel Gon-
galves Vianna, na praga do Commercio.
Avisos diversos
O TRIBUNO N. 2
est a venda as 8 horas nos lugares do costme. Es-
te numero esl muito inlcressautc, principalmente
pelas noticias que traz do Limoeiro; procuren! dc-
pressa, que a concurrencia, se or como liontem,
dar lugar a acabar-se logo a cdgflo.
-Precisa-se de um eaixeiro que antenas de loja
de niiudezas : na ra larga do fiozario, n. 20.
Aluga-se o segundo andar da casa n 46 da ra
da Cadeia do Becifo, o qual lem um grande solo e
he bastante fresco t os preteiidentes dirijam-so a lo-
ja de chapeos da dita casa. ...
Aluga-se um preto diariamente nos das uteis :
as Ciiien-I'ontas, n. 71.
A pessoa, que quizer dar 400,000 rs. a premio
com boa lirma, dirija-se a ra Augusta, casa terna,
n. 18.
Ahigam-se Ires casas terreas, no
becco do l'eixoto, pele preco de cinco
mil rea cada urna : a fallir na ra do
Crespo, n. i5, com A. da C S. G.
--Na loja da" ra do Queimado n. 30, de Jos
Joaquim de Novaes alm do soitmenlo ja aiinuii-
ciado do obras feilas o fazendas ha chapeos da ul-
tima moda chegados ltimamente de Franca; mul-
to boas casimiras : chapeos do Chih mullo linos;
caixas do perfumaras surtidas, muito proprias pa-
ra toucador de senhora pelo barato prego de 5,000
rs.; lengos de cassa para nio de senhora o poscogo
de homeni; muito bous cortes de chita.
-- Aluga-se 0 segundo andar da casa n. 34 da ra
do Trapicho com excellentes commodos, varandas
de ferro adianto e atrs, e bonita vista para-o mar :
a tratar no armazn da mesma casa.
-Precisa-sede um rapaz para eaixeiro de urna
venda que tenha ou no pratica : atrs da
trz da Boa-Vista n. 4.
AVISO AOS AMANTES DA HORTICULTURA,
Existe anda urna porgode bilhetes por vender,
e que montam a pouco mais de dez contos de rft ,
um tergo do total da lotera. Com urna quantia la[
por arrecadar nfio he possivel fazer andar as rodas
no dia 13 do corrente mez segunda vez para este
lim marcado; o por isso o respectivo thesourero
novamento dcsigna'o dia27 deste mesmo mez,na ex-
pectativa de que os brinetes se acabem ou quando
aerontega ficarem alguns seja em numero tal que
nflo sirva de obstculo ao andamento das rodas, o
qual se realisar infallvelmenlo nesse dia.
Quem quizer alugar um preto cozinl.eiro, mui-
to fiel, para comprador, e quo sabe tratar de um ca-
vallo, dirija-so a ra Nova loja do Guerra Silva &
Companbia.
D5o-se cem mil rs. a premio sobro penhoros de
onro ou prata : na ra Direta, n. 69.
Albanoda Fonseca Cruz subdito portuguez ,
retira-se para fra do imperio.
O l)r. Casa Nova, lendo o annuncio publicado
no Diario de 10 do corrente, pelo qual se po oni du-
vida a elTicacia do especifico de que elle usa para
curar as dores do dentes, nio se pode escusar do di-
zer ao annunciante, que falta a verdade, quando
qualilica o dito especifico como inefficaz, c anda
mais, quando aflirma que as applicagos feitas uo
tara produzidoos resultados que se esperayam; por-
quanto um crescido numero do pessoas existem 11 o s -
la cidade, que teem sido radicalmente curadas das
dores de dentes que padecan, com a nica applica-
gflo do referido especfico, e ellas bastara para des-
mentir o Indicado annuncio.
Entretanto, campra quo o annunciante, antes de
argir um remedio que elle n;1o conhece, tivesso a
circumspecgflo de averiguar as causas por que elle
deixou de produzr effeito no caso que menciona.
Nflo lie possivel que se possa obter por mel de
um s remedio a cura do todas as enormidades, que
podem affectar os dentes, e assim he fra do duvida,
que so a dor que elles experimentaron!, proceder de
una inflammagno do tecido gengival em toda a sua
extensfo, ou circumscrpla membrana -= alveolo-
dentaria nflo pode o indicado especifico aprovei-
tar; porque ser de mister remover a causa da iu-
llaminago, nica que ueste caso faz desenvolver a
dr nos tientes.
Se, porm, esta dr fr propriamenlo nervosa, le-
ra entilo toda eflicacia, e produzir inevilavel resul-
tado o especifico lo que se trata, e para po.icr o an-
nunciante argui-lo de nelcaz, cumpria que cxlrc-
masso suas ideiasneste sentido, o provasse que em
um caso de dr de dente nervosa elle nflo produzir
resultado, o que nflo fez, e por isso o seu annuncio
iiAu painde uma Invectiva, que bem longe de de-
sabonar as virtudes do especifico aponlado, manifes-
ta apenas a sua ignorancia em semclhantes mate-
rias. ... l J i c
O secretario da irmandade de San
Jos d'Agonia, erecta no hospicio da Pe-
nha, convida os haos da mesma a se
reunrem em mesa geral, ou conjuncta,
amanha, i5 do corrente, pelas 9 horas
do dia, afino de se tratar definitivamen-
te da transferencia da mesma irmaadada
para o convento do Carmo.
--Jacintho Jos doSouza, com venda na povcacilo
dos Apipucos adverlo as pessoas quo teem ido pas-
sar a testa na mesma povoagno, hajam de ir pagar o
que licaram devendo na sua taberna no prazo de
15 dias : do contrario, serf.o osseus noines publica-
dos por extenso nesla olha. 0 mesmo adverle as
pessoas que anda Ihe dcveni de 184a a 1846.
Quem precisar de uma ama de loite, dirija-se
a ra dasCruzes, 11. 12.
Quem aniiunciou querer comprar o compen-
dio -Piloto Instruido -, dirija-se a ra do Pilar,
n.104.
VI *~i
rjl vendem-se dous bonitos c corpulentos mo u,
Til lequesde 17 a 18 anuos, sendo um delles do U
i? nacfiO, que cozinha bem odiarlo de urna ca- Jr,
H sa e be muito hbil e esperto, e o oulro {
1 ptimo para pagem por estar a isto acos-|m
Iri turnado e ter muito boa conducta ambos jii.
sao muito propriOS para palanqun! OUCa- J-H,
dcirnha, por seren muito reforgados bem "r
parecidos da mesma estatura, e sem vicios fr
nem achaques : na ra do Vigario, n. 5, so
dir quem vende.
A CARRANCA N. 22.
Principia a clamar o votante da freguezia de S.-
Jos talla dos vivos e dos mortos : trata de um uc-
ve-ha-dc-haver o ludo alegra com o sonoro vionio
,000 rs. por hyp-
A pessoa, que quizer
theca em urna boa morada do casa terrea,
annun-
o servigo
em nn,
-lloje, 14 do corrente, perante o Sr. doutor juiz
da segunda vara do civel, so ha de arrematar un es-
cravo penhorailo por oxecugao de Antonio Das
Souto por sera ultima praga.
No da 13 do corrente, appareceu em casa do
ahaixo assignado um preto do nome Paulo, de
tiacflo Congo quo diz ser eseravo do Sr. Joio Coe-
Ihoda Silva senhor do engenho Palmeira padln-
1I0 ao mesmo abaixo assignado que o comprasse ,
e quo eslava ausento do casa. Roga-so ao dito Sr.
Cocino quo 0 mande buscar na ra do Agoas-Ver-
des n. 46 ; corto do que o abaixo assignado nfio se
responsabiliza pela fuga do dito eseravo.
Jodo Frederico de Abreu liego.
Aluga-se um solo- com muito bous commo-
dos para pequea familia ou homem solteiro con
muito boa vista e muito fresco : na ra Direta, 11.
30, segundo andar.
Jos Pradines, cutileiro amo-
lador,
avisa ao respcitavcl publico desta cidade, que se
achaestabeleeidona ra .lo Cabugi, n. 19, onde
aempre esUr prompto para fazer qualquer rerra-
menta, ou instrumento de cirurgia innchanies a
outros: tambem conccrla espingardas, lazlrcios
para cavallos, esporas ilo todas as modas e ludo o
mais que forconcei nente ao seu onicio. Amla as
tercas, quintas c sabbadoS.
.--Precisa-se alugar urna preta ou molcqueque
seja fiel para vender azeite e outras vendas na
ra : na ra Direta, deposito deassucar 11. 78.
Precisa-sede um eaixeiro de 16 a 20 annos ,
nuo entend de venda, OU reflnacSo, e de fiador a
sua conducta na ra Direita, doposilo do assucar ,
"'-'-'precisa-se de um rapaz portuguez que tenha
pratica de vonda : em Fra-de-l'ortas, ra do
n. 86, ou na ra do Queimado, n. 2.
Precisa-se alugar uuifeitor para um sitio perto
da praga : na ruaMova n. 14.
lloje, 14 do correlo
lili" ICIII IIIM" '"" *"--------- .
ceporesta folha, para ser procura.
-Precisa-se do um homem forro para
lepadaria.qeentend.domasse.ra,o^nnaau>
nimas froga *as de vender pflo para a 1 na
r con. um preto quo taml
de
gu
para
tcm alguns
izes.odonaaorasuacenducU.tp.g.-^ho
bom ordenado ed4:se-lhe o sustento. na ra
do Rozario, padaria 11. 48.
Compras.
-Compra-se umeandoiro de meio de, sala de
uma s luz, ou mesmo a armagilo : na ra estrena
ilo Rozario, venda n. 47. Kr a
- Continia-se a comprar ferro fundido, cobro e
bronzevelho: na ruado Brum, 1. 8.
-V.omprain-se 2 eseravas do 20 a 30 annos na
ruada Florentina n.7. ,
- Compra-se uma azenda de gado, sendo em
bomsertflo 1 no becco doSarapatol sobrado n. ib-
Compra-se uma escrava moga de bou ngura,
quo sabacoznharclavar, e nflo tenha vicio: agra-
dando paga-se bem: na Boa-Vista, ra Velha, 11. i-
Quem a tiver, devo ap|iarecor das 11 horas da ma-
ntifla s 3 da tarde. ,
Compra-se umacarteira de uma so
face, que esteja em bom estado: na praca
d(i Commercio, n. 4-
Compra-se o oltavo tomo da RecroaoBo plnloso-
pbica pelo padre Tlieodoro de Almeida em Se-
gunda nio e estando em bom uso : na ra da I'lo-
rentina 11. 3.
porta do Sr. dou-
Srs. Jos
Fl
na-
i
P
Uma senhora com abundante e bom Icite pro-
po-so a criar : cm Fra-de-l'ortas, 11. 135.
-Offcrece-se urna parda para coznibar comprar
na ra do Fogo,
sientes Me Calmont & Companhia.
Deseja-se fallar com os
Pinto e Jo5o Luiz de Oliveira Plores,
ambos viudos do Porto, na barca Espiri
to-Santo; existindo cartas para Ihesse-
ren entregues: na ra do Vigario, n. \.
O Sr Flppe Neiy de Oliveira
tcm tuna caria na praea do Commercio,
n. 4-
-Um inleressado na casa de Frecheira da Ire-
guezia da Escada comarca da cidade da Victoria ,
declara que se va proceder divisflo dos heus per-
lencenles a mesma casa amigavel, OU judicialmen-
te ,por isso avisa a todas as pessoas que liverem
transaegoes, dependencias, 011 outros quaesquer
negocios com a dita casa, que flearflo de nenliuin
effeito todos os actos posteriores a osla declaracao
visto quo o annunciante nao presta a sua asignatu-
ra a nenhumdessesactos, protestando desde ja rc-
vondicar todos aquellos bensquerorem, ou liverem
sido amellados da dita casa, pois que nenlnini lier-
deiropoda nem pode dispor delles sem que so laga
a divisflo de que se vai tratar.
-Manoel de Medeiros Dorias faz sciento ao res-
paila vcl publico que pessoa alguma compre a I),
LoureneaMamada Lins a escrava de nome l.ui/a ,
uuo he proprledado do mesmo, comprada com olza
paga desde o anuo do 1812, a qual escrava tcm esta-
do en. casa da dita Senhora oceulta eporalgumas
ve/es quetem sido corrida a casa, tem-se piulido
evadir a mencionada escrava e agora levo por no-
ticia que fui mandada vender por um P01tuguez.de
nome Benevides, para Panellas-de-Miranda : e por
isso o abaixo assignado protesta por qualquer venda
feita pelo dito Benevides, ou qualquer oulia pes-
soa, sem que seja pelo abaixo assignado, procu-
rando todos os meiosque a lei Ihe conce
Cira, 12 de agosto do 1847. I/u
Dorias. ,
- I'rccisa-sc fallar BOS Sis. LuiZ de tranca e Mel-
lo Jnior, EliasMarnho Falcflo de Albuquerquo Ma-
rangao o Paulino FerrelraNunes, a negocio de seus
intoreases : 110 largo do ('.armo, venda 1.
A pessoa, que aniiuiicioii pelo Diario
179 querer permutar nina formdave'
LOTERA DOMO-E-
JANEIRO.
Na loja le cambio, n. 38, de Manoel Comes, existo
um rosto do bilhetes o meioi ditos daW," loiena a
beneficio ilo theatro do Saii-l'edro-de-.Vleautaia, viu-
dos no ultimo vapor.
-- Na nava loja de Francisco Jos Teixeira Bas-
tos na rus do Queimado nos qualro cantos, n. 20.
vende-so algodflo da ierra encorpado e largo, em por*
eflo e a retalbo.
_ Vende-se estopa, propria para saceos: na ra
do Trapiche, n. 8.
_ Vende-se fio da India proprio para coser sac-
eos : na ra do Trapiche, n. 8- .
- Vendem-se 191 pecas de cabo do Cairo : na ra
do Trapiche, 11. 8 .
-- Vendem-se duas arrobas emola de muito boa
cera de carnauba ; cem formas pa (asar velas do
dita cera por metadedo seu valor sendo de 6, 7,
8 e 0 em libra : na ra larga do Rozario, n. 48.
e fazer o mais servigo de uma casa
loja 11. 27.
Precisa-se alugar uma escrava para o servigo de
urna casa de pouca familia que saiba coznbar ,
engomniare fazer os mais airanjos de urna casa ,
No Atterro-da-noa-Vista, n. 6, casa do Sr. Oliveira. nflo,.do muito moga : na
Arnol Pero & Fils membros da sociedade real
de Horticultura de l'aris, ltimamente chegados a
esla provincia, teem a honra de participar ao publi-
co, que vflo expora venda una grande e bella col-
lcccflode plantas, llores e arvores de fructos, lai s
como poreiras, niciciras, coregeiras, parreiras, etc.
etc.,dasnielhores origens da Buropaj una grande
varodado de amarilio, dablias, peonas um soi ti-
mento de grflos de bortalices e de llores: ludo min-
io fresco e em perfeito oslado do conscrvagio e por
pregos os maiscommodos possiveis. Para facilitar as
conveniencias dos Srscompradores, elles seobri-
gam a fazer por si uiesmos as plantagOes de todos
os productos que venderem, dando assim aos mes-
mosSrs uma completa seguranga sobro a germina-
e.io das semenles e reproducgfo das plantas.
D-se dinheiro a premio sobie penhores 1
roe nrata hypolhcca ou boas firmas : na r
[reliado Bozar.o, n. 30, segundo andar, se dir
de ou-
ua es-
'''-"'rccisa-sedeumaniiilher para ama de casa,
que saiba bem cozinhar: na ra das Cinco-l'onlas,
" -b abaixo assignado leudo procurado, para rc-
bater urna leltra sacada por V. Lctetier o aceita
e o abaixo assignado, nflo Ihe lem sido possivel sa-
ber aonde existe : por isso faz Mienta a pessoa que
LTivorVSajadoapresenta-la no Alerro-da-Boa-Nis-
fa lo.de miudelas. n. 54, para ser paga
obstante esta nflo estar anida vencida,
obstante ^^ ^.^ df Mallo ||IIBa,
- I)-scum cont de res a juros de um o n
- Um mogo brasilero se offerece para eaixeiro
de niialquer estalieleiimeiito e Juntamente para co-
brangas, dando fiador a sua conducta: quem de
sen presliino se quizer utilisar, aniiuncie.
- Hoga-se ao p. imeiro cadete do 6. batalliflo de
cagadores, C. A. B. C. que baja de pagar ao alfalate
do argo do Collegio,... ti, 0 eltlO das obras que deve;
do contrario.vera o seu nome publicado por ex cuso.
- Precisa-se de um rapaz portuguez, de 12 a U
annos e que tenha pratica de venda : na ra Nova,
"'--luRam-so duas pequeas casas terreas na
Trempe, ra do Sebo ns. 52 e 54, por 8,000 rs. men-
sacs: a tratar no escriptorio do Sr. Francisco Anto-
'"l'Quenrcmpenhou, ha lempos urnas pulseiras
dcouro na ra Nova, venda n. 65, queira^no prazo
de 15 dias ir lira-las ; do contrario
d
Vende-se, na ra da
Cruz.,!. 23,cera cm ve-
las, de, lubricadas no Rio -de-
Janeiro, em caixas pe-
quenas, sorlimenlos ao
gesto
do comprador,
e por preco mas bralo
doque emoulra qualquer
parle.
O BOM B:\il\TElRO.
Na loja de mi dczis da ra
Gabug de Francisco Joa-
quina lluarle
do
nao
serfo vend-
as lima pagamento do prineipale juros.
- O Sr. Jos Mara l'eixoloda Fonseca queira di-
rigir-soaruadol.vrameiito, n. 21, pnnieiro an-
dar a negocio de seu inloresso.
- O hachare! formado Francisco Pereira Freir,
advo"ado nesta cidade mudou sua residencia para
ama Nova, n. 46, prmeiro andar, onde morou o
doutor Jos liento o ondo pode ser procurado a
oualfluer hora do dia.
- Acha-se justa c contratada a casa terrea per-
tcncente a Antonio Lopes Barreiros, sita HM *
vminmlnmb novoacflo dos Alegados do lado no
por cento por kTpoVum .W, SobrVPenhoresld.r5itoa mesma asa, que^ ^ ^ ^
do ouro : quem quizer annuncie. u,u r
Molocolomb povoagao dos'*Jf----
II^^^mKi'oSii'deelar >'
ns. 178 e
iiroiiiiedade
nesta praca, por um sitio querendo um perto da
praca com as proporgoes que exige dinja-sc a
ra daMadre-dc-l)eos, n. 14.
Na ra das Cruzes, 11. 28, casa de pasto e boti-
qun, amanhSa, 15 docorrento-, as 4 horas da ma-
drugada havera uni do vacca com lodo asseio
proiiiplido, e diariamente vanas qualidades de
comida, como tambem caf, visto aebar-se de nova-
mente sortido : tambem trala-se do janlarcs p
fra, uieiisalmeiite.
-- Quem annuncioii querer permutar uma casa
por um sitio para criago e plantacfies de caimas
dirija-se adianto da Magdalena a pruneira casa de
quatro agoas, na entrada da estrada do l.uca que
se Ihe ira quem o lem.
Precisa-se alugar una boa casa, ou um bom
anda com commodos para urna pequea fami
estrangeira que seja em ra publica e Iresca pre-
ferindo-se no bairro de S. Antonio ou Boa-\ista .
na ra do Trapiche, n. 40.
__l>recisa-se de urna mulher j de idade, para fa-
zer companhia a urna senhora casada, o mesmo aju-
(ar a fazer alguns servigos, sabendo cozer o coz-
nbar, dando-se-lho o suslenloe casa para morar.e al-
EUm vestuario quando precisar, oque seja pesnai.i-
na" dando para isso conhecimei.to da sua coml.ic-
La uem estiver neslas circumstancias e quena ~uh-
j "ta -se dirija-se a ra da Cruz no Becfe, sobrado
,. 7, terceiro andar, que achara com quem (fajar*
-1 Acbou-se, no dia 8 de julho prximo pagado,
urna canoa de carreira, indo por agoa abaixo. gueio
m \Z dono duija-so a Fra-dc-l'orlas, roa do Pi-
lar, 11. lOl.que, pagando as despezas feitas, aelDfl en-
Ue~- Machado & Pinheiro mudaram a sua residen-
cia, (ia ra da Cruz, n. 23, para a ra da Cadeia do
Recife, ii. 37.
Precisa-se de um rapaz portuguez para eaixei-
ro de venda, que tenha pratica e d pessoa que ibo-
"ucta: na
da junio aolampeo
vendem-se lisas ,1c borracha, a 120 rs.; luvas de
seda, para meninas, a 120 rs.; ditas para homem
de cues e brancas a 240 rs. ; ditas de poli ca, a
cartas de clcheles a 400 rs. ; litas de vel-
linha de carretel, a
agulheiros
a 60 rs
480 rs.
ludo a I20e 160 rs. a vara
240 rs. e de 200 jardas a 700 rs. ;
de vidro, a 200 rs.; caixas de obreas
trancelina de borracha a 80 rs. balaios Pw ?:
tura a 800 rs. ; papel almaco e de peso a 2,600
rs. a resma: capachos para ornar salas, a coo r. ,
lilas de liulio teado o mago doze r^'**""'
Canias brancas, para cortinados a 100 is., poma
da rrancoza 1 so rs. o pao ; hcelas de piiiho, re-
dondas e grandes a 80(1 rs. de meio a 60C1 rs. e
Jedifferentestamanhos de80a400 rs ; Phoap-"-
ros conlendo 104 palitos que nfio falUam awra ,
botseade duraquo 320 rs.a groza ditosd^eseda,
a 1,600 rs.jou. sorlimento completo de bjCOS
diversas qalidades; caixas de linha grossa le1 marca
conlendo i.; novellos a 160 rs. ibMMjg^ para
caigas, a 300 rs. ; brincos dourado.. 20 P*
nenies finos de prender cabello a 100 1. los ilo
lartaruga, para ...arrala, a 1.300 rs. o par; aljofares,
a 120 rs. o lo.
I
- \,ruaeslroi(adolto/ario, n. 13. vende-se fa-
rinha do trigo de superior mialidade, em harneas e
," ,Vl 1 s, peneiras de rame, eondegas, p.lulas de
,l; ,,.,,',,le llan.burgo.que tambem se alugam;
[umo pr menos prego do que em outra qualquer
''''--Vendem-se longos de seda, para meninos a
720 rs. cada um de padroesqs mais lindos possi-
veis ; corles de cbilas linas a 3,200 rs. ; cobertores
nroprios para cscravos a 1,000 rs.; os meltioros
chapeos do Chl que ha, a 6,000 e 10,000 rs.; algo-
dflo trancado;ditoraesclado azul; dito cor do cae;
picote de lislnis, a 200 rs. o covado: na ra do Quei-
mado 11. 11 A, loja nova de R. C. Leitc.
__Vendem-so muito superiores cordas de tripa ,
bordoes para violflo o rabeca, papel pautado para
msica, de todas as qualidadescpor menos prego do
que en outra qualquer parte. Na praga da Idepen-
ilencia, 11. 4.
Vende-se. um palanquim usado: na ra uo 001-
legio D. 2, loja do marconeiro.


ifr
mp
*f^

I
de pinlio a
Hiiiiazem de
Vendem-so 8 cscravos, sendo: protas o pardas
de 14 a 22 anuos com habilidades ; pretos o par-
dos : na ra das Flores, n. 17.
Na rua do Trapiche-da-AlfaiMlega-Velha casa
n. 44, primeiroandar, escriptorio de Kirmino Jos
elix da Rosa vende-se reiroz do Porto sortido
do todas as cores por prego cominodo : bem como
chumbo de munig3o.
Malo ja n. 17, do
Passeio-publico,
vendem-se pegas de algodozinlio, com 22 jar-
das a 1,280rs. ;dilo com as mesmas jardas, sem
defeilo algum a 2,000 rs. a pega.
Vendeni-se cadenas
polka : atrs do tlieatro,
Joaquim Lopes de \lincida, caixcho do
Sr. Joao Mvtheus.
Vende-se un diccionario portuguez, por Cons-
tancio ; dito da academia francesa ; Curso da histo-
ria da piiiiosophia, porCousIn, em Francez; cur-
so de plnlosophia, por Damiron ; Primeiro e segun-
do a nno de malhematicas, por Besoul; I icOes de
phrenologia por Broussais : lodos estes livros cs-
taoquasi novos, e vendem-so por inuilo roiiunodo
prego : na esquina do Mundo-Novo venda do Ni-
colao.
Vendcm-se caixas de <-h hvsson, de 6, 12c 13
libras em porches, ou a retalho ; caixas de velas
de csperniacctedeeCein libra : na ra da All'an-
UOga-Velhe n. 36, em casa de Hatheus Austin e C.
Na toja nova do Passeio, n. 1 i>,
lendem-se cassas modernas, de cores lisas e largas,
a 2tU rs. o covado ; chitas de novos padrOes e bous
pannos a 4,500 rs. a peca e a 120 rs. o covado ;
alera destas, ha um completo sorlimcuto do lazcu-
das de todas as quaiidades : ludo por preco com-
modo.
. -opoiuiuoj
ojajd jod o S3pnpi|BnhsB sopo} apsBpu.izBjapo)
-I131UI1.IOS oja|duioj uifi siqsop uj,qH e -sj OOS'* , souuad siio| esajoaap saiii|oapoiuaar)joBOAOii
uin loptAOa um upiu -sj 08P'l op oSojd o)iuuq orad
i'Jliajiq ap soui|ndo)us sp isimisi.iimI u/ajiii.id ha
-ou a es-opuea s -a oiuoiuV-'8 ap oajs ot juojj
-iioo b'iquiiduio;) jj iDBuessaffjvuiinQap Bfo| bm
0|>UA
tacs bem plantados ,
frente e 100 de fundo
tendo o terreno 60 palmos de
na rud do Amorim n. 22.
i\a nova loja n.i7,
com frente para o
Passeio-Publieo,
pintadade verde,
vende-so um grande sortimenlodo chitas finas do
cores muitolixase padrOes agradaveis, a 100 e 120
rs. o covado c a peca a 3,800 e 4,500 rs. ; pegas de
algodiozinho largo sem avaria e com 18 jardas, a
21 rs.; lencos de cambraia para grvala padres
ricos, a ICO rs. ; duraque e alpaca cor de cafe mul-
lo lustrosos, a uoo rs. o covado ; e outras militas fu-
yendas, do que ha grande sortimento, por prego
maisconimodo do que cin outra qualquer parte,
para chamar a aliene,;) dos freguezes.
Vendem-se cortes
cambraia de scta,de no-
vos e ricos padres, pro-
prios para Bailes; lencos
de cambraia de Indio ,
bordados,mui ricos;paf)~
nes finos e casimiras ; e
outras muitas Iazendas
de #oslo : tudo por me.
nos p? eco do que em ou
tra qualquer parte : na
nova loja de JosJMorei-
ra Lopes & C., na ra
do Oueimado,casa ama-
qualidade em cestos ; charutos de Havana ; con-
servas cni latas; colla clara, muito propria para
pintor : na ra da Cruz, n. 55.
Vende-se um balcSo para venda em bom uso;
dous canteiros bem reforgados, para pipas : na ra
estreita do Itozario venda n. 47.
Vende-se urna venda com poucos fundos ou a
vontade do comprador ; faz-se todo o negocio, em
rasffo do dono ter outra oceupagao : na ra da Con-
cordia, n. 26.
Vende-so potassa branca e prcta superior; fe-
chadurasgrandes de broca, para porta do arma-
zem; cal virgem do Lisboa em barricas grandes o
pequeas; feixes de arcos de. pao para barricas;
pilulas do familia; sabilo em caixOcs : tudo por pre-
go commodo : na ra do Vigario, armazem n. 11.
Vende-se um torno de tornear, que ainda n.to
deu servigo.proprio parajourives.ou para outro qual-
quer servigo de madeira pela sua boa construc-
580 : no paleo da S.-Cruz, n. 8 ao pe da botica.
Vende-se, por preciso um mulatiuho de 11
anuos, de bonita figura proprio para pagem : na
ruado Livramcnto, n. 21.
Vende-se urna caixa de ouro para tabaco
rom 17oitavas : no largo do Carmo, venda n. 1.
r<
da
11
Vinho de Chatnpanba
da superior e muiloacreditada marca
Cometa,
veudc-se no armazem de Kalkmanii & Itoscnmund,
na ruada Cruz, n. 10.
^4 Eli PRIUEIRA MAO', *$
vendem-sc caixas com velas de cera do Itio-dc-Ja-
nciro e de Lisboa; e lambem brandos bogiase
(nenas : na na da Scnzaiia, armazem n. 110.
Vnova lojan. 17,
doTasseio-puhlico,
com frente pinta-
da de ven
vende-se um novo sortimenlo de riscados francezos
de padrOes modernos escurse muito largos, pro-
pi ios para vestiiios por sercm de cores lixas a 200
rs. o covado ; novas e ricas cambraias escocezas de
cores lixas .muito largas, a 320 rs o covado; urna
porcao de coi tes de chitas escuras e de cores lixas ,
rom 10 covados, a i.ooo rs.; chitas de ramagem pa-
ra cohertas de bonitas cores a 180 e 200 rs. o co-
vado ;e outras muitas Iazendas de que ha grande
soi tmenlo, pormais commodo prego do que em
OUtra qualquer parte. As amostras dao-se com pc-
nhores.
Por 150^000 rs.,
vende-se urna canoa de conduzir agoa toda cons-
truida de amarelloc sicupira os pretndanles nflo
deixarao de fazer negocio a vista do objeclo e do lue-
go cima declarado que he o mais barato possivel :
na ra da Scnzalla-iSova venda de Jos I'ereira se
dir quem veiule.
No ai-mazetn do Jiucelai, no largo da
as com
cqu-
o ultimo navio, viudo do Rio-de-
Alfandega, n. 3, vendem-se late
superior Lolachinlii de aramia el
mercado, e
na ra do
rs. a
Janeiro.
Vendc-se cal virgem de Lisboa, em
barris, da melhor que ha no
por preco muito rasoavel:
Trapiche, n. 17.
A setecentos
vara.
Na lojadof.umar3esScrafim6i Companhia ven-
dc-se bnm trancado, (ranees, bastante encorp.-.do
e de puro Imho, pelo.barato prego de 700 rs. a vara,
tsia lazenda se torna reconunendavel pela boa qua-
-- Vendem-se tboasde pinho de t a
a 3 palmos de largo chegadas agora da
America : airas do tlieatro ,
Joaquim Lopes de Almeida
br. Joao Matlieus. A ell
poucas.
- Vendem-sc 3 casinhas de tuipa no Aterro-dos-
Atog&dos, em trras do Sr. Pavo com seus quin-'
-- Vende-se una parda de 17 anuos, que onsaboa
bem,oentendedoarraujo de una casa; sebo em
han iras, por commodo prego: na ra da Cruz,
n.3.
Vendem-se dous lindos moloques de 18 anuos,
um serrador e o outro cozinheiro e oiciul do al-
faiale ; um dito de 12 anuos ; dous pelos de 24 an-
uos, um ocial desapateiroe o oulro proprio para
qualquer servigo ; dous pardos ptimos para pagens,
sendo um delles perito oflicial de marcenoiro, de
18 a 20 anuos ; duas pardas, una de 22 anuos com
habilidades e a outra de 12 anuos com principios
proprios para se educar ; 3 pelas de 20 a 30 annos ,v
com habilidades; duasnegrinhaedo 11 a 12anuos,
com principios de habilidades na ra do Collegio ,
n. 3, segundo andar, se dir quem vende.
Mun-
Vende-se bolachinha de agoac sal, de 20 1g
em libra, todas furailinhas, e muito boas 0
para cha c cafe; bem como do leitc c ovos que '<
servem mesmo para doentes, por mo terein O
romposigoos oleosas; biscoutos redondos, ^
docese d'ovos ; bolacliinhas; fatiasdos mes-
inos : ludo feito com todo asseio e das me- ^
lliores farinhas que ha boje 110 mercado: tam- &
bem so va i fabricar bolachina de araruta : no &
pateo de S.-Cruz, padaria n. 6, defronte da O
i groja. ^
0@l%\<&@\%&l% &[<& &H e>'& ?!^ 01& #pa^
--Vende-se um banheiro de folha dobrada pin-
tado c com carro ; tem 7 palmos de comprimenlo ,
3 o in-io de largura e 2 e meio do altura : em Tra-
de-l'oitas ra do Pilar, casa terrea, n. 30.
-- Vende-se cera de carnauba ; dita amarella ,
emporgoea retalho: na ra da Cadcia-Velha n.
2, venda do Jos Congalves da Ponte.
Vende-se um preloe urna preta ambos j de
dado e de nacffo: o pelo heganhador de ra, e a
pida he quilandeira : na ra do Itozario da l!oa-
Visla, n. 2.
Vende-se urna miilatinha recolhida de 18 an-
nos com habilidades : na ra eslreita do Itozario ,
n. 31, primeiro andar.
Vdmiravcl oavallti de ac
da China.
Tem a vantagem de corlar o cabello sem offenga
da pelle, deixando a cara parecendo oslar na sua bri-
Ihaule mocidade.
Este ago vem oxclusivamente da <;iiina, o s nclle
tralialliam dous dos mclhoreso mais ahalisados cu-
telcirosda nunca excedida o rica cidaJo de Pekim,
capital do imperio chim-
AUTOIt SIIAW.
N R lie recommendado o uso destas navalhas
maravillinsas por todas as sociedades das sciencias
medico-cirurgicas, lauto da Europa como d'America,
A-i.i o AftiCil, nflo sopara prevenir as molestias da
cutis, mas lambem como um meio COSMTICO.
la-sea contento, e respondo-se pela sua boa qua-
lidade: poisssevendem as verdaderas, na ra larga
do Rosario, n. 24.
Casimiras elastieas
a l rs. o covado.
A a lija de Jos IPanoel
leiro Braga, na ra do Cres-
po, Q. i5, esquina que vira
para a ra das Cru/es ,
vendem-se ricos corles de cambraia de soda da ul-
tima moda para vestidos de senhora padrOes in- Vendem-sc supeiores casimiras elsticas, pelo
tetramente mais novos que todos que leem appare- barato prego do 1,000 rs., o covado; ditas franee-
Cido nesta fazenda; chamaloto de llstras, 'do muito, zas. superiores e do bonitos padrOes, a 5,000 rs. o
Doa qualidade ; e outras n.uilas iazendas finas. | corle ; dita prcta muito lina a 3,500 rs. o covado ;
Vendem-se caibrosde 3o a 5o pal- i panno preto de boaqualklade, para pannos de pre-
1111 ; ilc iunii-i Aa \ai t, .-,,>..,; Jil las a 3,000 rs ; superiores brins trancados brancos
IllOh (le madeira de le e porcSo delles, L de poro llnho pelo barato prego de 1,000, 1,280o
proprios para laier estribara e para es-'i.eoors. avara; ditos amarellos, de puro linho e
Icios por preco commodo : na ra Uel- ,,"uil. r",os!" 90,: ,,00rs' ? van.' '(li,os de li,lras
decAresa 880 rs. a vara; nscadinhos trancados,
j proprios para meninos a 210 rs. o covado ; a bem
ins inglezes superiores, de COU-l'Credtada fazenda chadrez de linho para jaijuetas,
agora i
armazem de
, caixeiro do
, que sao
las
la, o '|0.
Vendem-sc se
O de poico, para montana do senhra ; ditos els-
ticos, de patente para homcm os inelhores que ha
no mercado; loros; litas para cilhas; estribos de
casquinba jcarneiras brancas, etc. : na ra da Cruz,
n. 2, casa de Ceo. Kcnworlhy k Companhia.
Vende-se o Corso de historiada philosophia ,
por V. Cousin Iraduzidoem portugus: na praca
da Independencia, livraria ns. 6 c 8.
Vende-se urna preta de 95 annos, de bonita fi-
gura que sabe cozinhar, engommar c lavar do 88-
bflo c varrella nao tem vicios nem achaques : o
motivo da venda se dir ao comprador: na ra da
Concordia passando a poiitezinha direila segun-
da casa terrea se dir quem vende,
Vende-so una armaoflo de urna venda, sita
na ra da S.-Cruz em um bom lugar, o collocada
em urna casa que ol'l'erece grandes commodos para
una ramilia sendo o seu alugucl mujlo em conta :
airas da matriz da Itoa-Vista, n. 4.
t>'a ra da Cruz, u. 58 ,
acha-sea venda o superior o muito apreciado rap
princeza grosso e meio-grosso da fabrica de Esle-
vflodeGasse do llio-ilc-Janciro : seu prego he de
1,280 rs. a libra em porgues de 5 libras para cima.
Cortes delanzinha,
a 3#00 rs.
vendem-se superiores cortes de lanzinha com
15 covados para vestidos de senhora a 3,600 rs. :
na rn do Collegio, n. 1.
Vende-se um preto de 22 annos, muito icfor-
gado ; una preta da mesina idade quo cozinha,
eogomnu muito bem, cose alguma cousa venile
na ra ,e nan lem vicios; um cahra porfeilo cozi-
nheiro o que he ptimo pagom ; um mulatinho do
8 annos muito lindo : na ra de Vigario, n. 24, se
dir quem vendo.
Vendem-se dou fortes-pianos novos, com
iuho
a 400 rs. o covado; zuarte do vara de largura a 240
rs. o coVado fazenda milito propria para prclos ;
algodOea trancados azuce do lstrase mcsclados a
220 e 240 rs. o covado ; superiores pegas de brcla-
nha de puro linho muito lina e com 6 varas e meia ,
a 5,500 c 6,500 rs.; macodonia mesclada para cai-
gas a 440 e 500 rs. o covado; chitas escuras, linas
o de cores lixas a 5,000 rs. a pega ; dilas francezas,
de vara de largura a 280 rs. o covado ; meios cha-
les de cambraia de quaiiros a 440 rs. ; hamburgo
de liubo, a 260 rs. a vara; brim trangado, pardo e de
linho a G10 rs. a vara ; ineias para senhora, a 240
rs. opar; cortes de cambraia lisa com 6 varas c
mcia muito fina, a 5,000 rs. ; o outras muitas ia-
zendas por prego muito barato : na ra do Colle-
gio loja n. 1.
Vende-se por pouco dinheiro (por querer aca-
bar-soj una porgo de rolas de Hamburgo todas
juntas, ou separadas, cnlrc ellas algumas mestigas
e todas mui boas criadeiras; assim como algumas
gaiolas grandes e novas, para as mesmas. Na traves-
sa do Veras, sobrado n. 13.
Vende-se urna escrava crioula muito moga d
bonita figura e de boa conducta com excelle'nu
leite, o que cozinha o diario de urna easa.engommaB
lava : em Olinda na ra de Mathias-Ferreira, sobra
do grande de varandas do ferro em que moroii i
fallecido tenente coronel Antonio Joaqnim Gue-
des.
Vendem-se duas prelas que ngommo, coz-
nhame fazem todo o mais servigo de urna casa- Ul
preto, por 240,000 rs. quo servo muito bem a 'uma
casa, e he bom para trabalhare botar sentido
um sitio : no pateo do Carmo, loja do sobrado n. ^
Vendem-so saceos com arroz branco de b
qualidade, por prego commodo: na ruada Madre-
de-Deos, n. 9.
Na loja nova do Passeio-Pu.
blico,n. 19, de Mauoel Joa-
quim Pascoal Ramos,
vendem-se riscados francozes, de4 palmos de lar-
gura e muito finos a 180 e 200 rs. o covado ; chila
a 2,000 rs a pega e a 80 rs. o covado; chitas fin(
listradas, padrOes modernos, a 120, 140 e 16o rs.
pecio I ias de madapolilo a 1,500, 2,800, 3.000, 4,000
c 5,000 rs. ; bretanha de puro linho, a 800 rs. a vara-
dilas de rolo a 1,300 e 2,000 ; pegas do algodSozil
libo a 1,280 o 2,000 rs. o a jarda a t*10 rs.; lencos
de seda a 1,440 o ,1,600 rs.; suspensorios a 100
rs. o par; lengosdegravata a 160 o240rs.; pelle
do diabo a 200 rs. ; lanzinha, a 320 rs.; pegas do
cambraia branca a 2,500 rs.; brim trangado do co-
res e de puro linho a 1,000 rs. ; dito branco e par-
do, a 1/e 1,200 rs. a vara; e outras muitas fazendas
mais baratas do que em outra qualquer parte.
Attencao.
Na ra do Crespo, loja n. Il,
de los Joaquim da Silva
Maya,
vendem-se chapeos de seda para cabegns de senhora,
os mais ricos, e mais modernos que leem viudo a esta
praga; assim como se vendem chapeos de seda e de
palhi nha para meninas de dous a 12 annos; toucas pa-
ra criangas, de muito lindos gustos. Tudo chegado
de Franga pelo ultimo navio, e por muito commodo
prego.
Vendem-se pedras de amolar, brancas, da me-
lhor qualidade que leem vindo do rio de S.-Fran-
cisco a retalho e em porgo por prego commodo:
na ra da Praia, armazem 11 18.
Vende-se sal do Lisboa, lino e alvo, a 1,600 rs.
o alqueire pela medida vclha : na ra da Praia,- ar-
mazem n. 18.
IVa ra da Cadei a-
Velha, n. 20, loja
de J. O. Elster,
vende-sc vinho do Porto, do diversas quaiidades ;
dito da Madeira ; dito doSherry ; dito de Uordeaux ;
dito chateau-la-roso; dito do S.-Julien ; ditojde Te-
nerife; ditodo Itheino ; dito de Uucellas e Carca-
vellos; dito de Lisboa ; dito de Malaga; dito San-
terne; dito de graves; dito chumpanha sellery ;
ago'ardento de Franga ; Kirscbwasser extracto de
absinthe ; Cherry-cordial ; agoa do flor do laranja ;
frascos com conservas de verduras ; ditos com fruc-
las da Kuropa ,*em calda de assucar ; dilos de ditas
em cognac ; dito de mostarda ; sardinhasem latas
c vidros ; petits-pois ; salame do superior qualidade,
vindo no ultimo navio de Hamburgo ; agoa de seltz,
embotijas; azeite doco de Marsclha nissimo;
velas de composiglo ; cha preto, hysson operla;
charutos de Havana e regala. Adverte-se quo tudo
he excedente o por prc'go commodo.
Gaz.
Loja de Joao Chardon,
l lerro-da-Boa-Visla, n. 5.
Nesta loja acha-se um rico sortiinento de LAMl'EOES
PARA. GAZ coill seut competentes vidros, accendedo-
res c abafadores.
Esles catidieiros 3o S mcihores e
nais modernos quecxistcni hoje : rrcoiiiincndam-sc ao
publico, tent pclaseguranca e bom gosto de sua boa
confVcco, como pela boa qualidade da lux, economa e
asseio de seu servico.
Na mesma loja consumidor*em-
prc achai'iio um deposito de GAZ, de cujo se alianja a
qualidade e em porcao bastante para consumlo.
Escravos Fgidos.
Fugio de bordo do patacho Vtlicano um oseravo
de nome Itoque, do San-Thom estatura baixa,
rosto redondo e sem barba, com l'cridas as pernas,
vestido com camisa e caiga azul e barrete inglez.
Estcescravo perlence a Jolo Jos I'ereira de Azoira,
do liio-do-Janeiro. Quem oapprehendcr, queira le-
va-lo ra da Cruz n 66, rasa de (andino Agos'i-
"Vende-S0 uman.ee.rinha de "anuos, lo elegan- nho d, B;irr0Si por(|uelll sera recompensado.
Acha-se, desde odia 16 do passado fgida a
pela Joanna, de nagito Itengueia de 30 annos pou-
co mais ou menos ; he bem conhecida por usar do
do vender sapatos para senhora, fructas, bolos, etc.:
he alta, secca do corpo cor fulla rosto comprido,
i ma-
te figura, com muito bous principios do costura e
lavarinlo : no pateo da matriz de S.-Antonio sobra-
do n. 4, se dir quem a vende.
Vendo-so una marqueza e 6 cadoiras ; tudo
novo : na rua do Trapicho n. 19.
Na venda nova de 3 portas na rua do Rangol ,
defronte do neceo do Trom,vende-se azeile de carra-
pato ,al,280rs. a caada, pagosavisla ; violtos de
boas quaiidades, a 1,600 ato 1,920 rs. a caada, ea
garran a 240 rs.; azeilo doco a 4,000 rs., e a gar-
rafa a 520 re. ; e oulros muitos gneros de venda
por prego mais commodo do que em outra qualquer
parle a dinheiro a visla para se acabar logo.
Vendo-se urna carteira nova, de dous corpos
muito bem feito toda de amarello, com o seu com-
petente moxo com assento de palhinha : na ruada
l'raia, n."4, armazem de Francisco Jos da Silva
Maya.
-'-Vende-so um escravo de 15 annos, de bonila
figura : na rua da Cruz, no Recife, n. 43.
: Vende-so um piano allemio do boa construc-
boas vozes ede excellonte obra chogados ultima-(gab ,com boas vozes e em bom uso, or oroco com-
mentc : na r.ua da Cruz, n. 55. modo : na rua Formosa casa da esquina do cscri-
->ende-se vinho de Chamnanhii de suoerior'vao Carduzo.
olhos fundos, nariz um tanto afilado (lentes
dos, beigos grossos ; tem urna marca antigano la-
do esquerdo do rosto proveniente de uma denta-
da que Ihe deram bracos finos e compridos, ps
seceos e lambem compridos, pernas ebeias de veas
o encarecidas; he bastante ladina. Esta prcta,por ter
muitos conhccimcnlos,julga-se estar acoilada : por
isso protesla-se usar de lodo o rigor da lei contra
quem admitti-la em sua casa e mnilo so recom-
menda as autoridades policiacs capitesde campo
e mais pessoas do povo a captura da mesma escrnva,
promettendo-s: aos ltimos boa recompensa, sea
levarem ao Aterro-da-Boa-Vista u. 17 fabrica de
licores de Frederico Chaves.
PKItl\
>A TYP. DE Al. K.DE FAK1A.1^47'
*i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ELOE2KKJS_QFAQUG INGEST_TIME 2013-04-26T21:27:15Z PACKAGE AA00011611_08515
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES