Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08510

Full Text
Auno de 1847.
Segunda-feira
9
nf i*0 publica-se todos os das, que n5o
to cuarda o preco da .signatura he de
roe* rqiiTtl.|WRO/''J*0/- Oj an-
4(01"'' ass|,.,niitcs sao inseridos 4 rasao de
"nC"" r|inl,a, 40 rs. em typo dilTerentc, e as
"".vm nela'metide. Os que nao forcm assig-
,*P. i narSo 80 rs. porlinba, e 100 em typo
ggtcflr.fapW..
AjES DA LA NO MEZ DE AGOSTO.
., a S a 11 liora e 40 rain, da manh'a.
diS0*"' |, i 10 hora e 7 mo. da manlia
,,u' 'al.*2 bora.e Stmin. damanhia
Cr"Cf..' SS.as 3 horas e 48 ma. daraanhia.
Lu ciw '
PARTIDA DOS CORREIOS.
Goiann. e P.rahyba, as segundas esextas feiras.
Rio-Grande-do-Norte quintas feiras aomeio-dia.
Cabo, Serinhcm, ilio-Formoso, Porto-Calvo e
Macelo, no l., a II e 2t de cada inez.
Garaohuns Bonito, a 10 e 21.
Boa-Vista e Flores, a 13 e 28. .
Victoria, s quintas feiras.
Olinda, todos os dias.
PREAMAtt DE HOJE.
Primeira, as 2 horas < o minutos da mauha.
Segunda, s 1 horas e 18 minutos da tarde.
(fe Affosto.
Anno XXIV.
N. 176.
DAS DA SEMANA.
9 Segunda. S. Romio. Aud. do J. dos o.
pillos do J. do o. da 2 r. e do J. M. da vr
0 Terca, fff 8. I-omtnco.
11 Qu.rt.-S. Tiburcio. Aud. do J. do civ.
2 r e do J. de paz do 2 dist. de t.
12 Quinta. S. tiara. Aud. do J. de orpli. c
do J. municipal da |l. rara. .
13 esta. S. IWpolito. And do do civ. d.i
T e do J. de paz do I. dist. de t.
14 Sabbado. S. Euiebio dei-ovolla. Aud. do J
do civ.da I. v. e do J. de paz do I dist. de t.
15 Domingo. Assumpco de NossaSenhora.
CAMHIOS NO DA 7 DE AGOSTO.
Cambio sobre Londres a 27 d. p I* re. a G0 di...
Pai-j 145 rs. por franco.
Lisboa I OS a 110 de P"'10-
Desc. de lettras de boa, fin! Ouro-Onras l.espai.l.oUs.... 28#500 JSOOO
Moedasdc8il00r.il.. I#I00 W "
deBtOOnov.. 181000 '!'"
. d.JOOO..... #'00 9l*'
pra(a-PaUces. .... ... <9 !??"
,, Peso.colu.nn.res... 1/900. I#*
Dito, mexicano..... .|T6 "?
Miuda............. <{9, '"'!
Ac96esd.comp.do ileberibede &0|000 r.o p"
DIARIO DE PERNAMBUCO
PERNAMBUCO.
TRIBUNAL DA RELACAO'.
JUI.GAMENTO NO DA 7 DE AGOSTO DE 18*7.
Ilrsemliargador de semana o Sr. Cerqueira Leiti.
Na appcllacilo civel entre a fazenda publica e Jo.lo
Vieira da Cunhb e outros, mandaram dar vista ao Dr.
procurador da cora. '
Na dita dita entre Manoel Jos de Souia Carneiro e
Manoel Ferreira da Silva Ramos, desprezaram os em-
IvirBOS"
\ Na dita dita entro Joaquim Francisco Deniz e l.ino
ose de Castro, mandaram descer os autos para pa-
gamento da dizima. ...
Mandaram dar vista as partes nasseguintes appel-
laccs civeis :
Na de Cngolo Peroira deSouza e Manoel Soarcs;
Na de Antonio Jos da Costa e Francisco de Assis e
Oliveira ; .
Na de Amorim & Irmilos e Joaquim Cardozo Ayros;
NadeHcnriqueLuiz da Cunha e Mello e Antonio
Alves Vianna;
Na de Jos Fernandos do Albuquerque e a viuva
lestamcnteira de Manoel Ferreira de S.
JURY DO RECIFE.
3. SESSO DA TERCEIIU ORDINARIA EM 6 DE
AGOSTO DE 1847.
PBE5IDENCIA DO SENU0 FERREIR COMES.
As 11 horas da mantilla, faz-se a chamada e veri-
fica-se estarem presentes 31 Senhorcs jurados.
O .Sr. Juiz Presidente declara abertaa sessiio; mul-
ta aosSrs. juizes de facto que faltaram; c, depois de
apregoados os reos e as testemunhas, diz que so vai
proceder ao sorteio do concelho que-tem le julgar a
Francisco das ('.hagas, accusadojpelo crime de feri-
mentos.
rindo o sorteio presta o concelho o juramento
proscripto pela lei.
0 Sr. Juis Presidente faz ao ro o seguinte
IRTE. ROGATORIO.
Juii : Como se chama ?
Jteo : Francisco das Cliagas.
Ju* : Sabe a rasad por que foi preso .J
leo : Sei agora. .
Jim: Nio sabe a rasfo por que foi preso .
Reo : Porque tive urna desavenga com um ho-
mem. .,
Juiz ; Nesta desavenga ferio a este homem f
Rio : Porque elle me ferio primeiro.
Juit: E onde se achava voss quando houve es-
se ferimento ?
Rio : Na casa de Jo.lo llaptista.
Jui* : -- E foi a esso preto que vosso reno i
Reo : Sim, Sr.
Juis:Porquerasao o ferio ?
Rio : Sr., eu costumava ir casa dcsto liomem
aleumas vozes ; comeQaram a metter-lhe na cabe?a,
que eu ia l com maldade. e um da que eu la lu
fallar com urna mulher, afilhada da dona da casa,
achei esta brigan.lo com outra mulher a quom linna
alugado urna camarinha, e que lhe devia 5 mezossem
unerer pagar; eu inlromelti-me no barulho, dizon-
do que ia leva-la casa do subdelegado para ala
uauar : n'isto, urna mulher, que eslava na pona,
di? : I. vem o Sr. Joflo Baptista ; o quando eu
vejo he elle entrar pela porta a dentro, com um c-
cele, e dizer : a Que quer voss aqui na minha casa ?
Sai j. Efoi logo me meltondo o ccele com que
uiudfcu urna grande bordoada aqui indica aparte
mautalientedo crneo ) onde me fez urna brecha mul-
to grande ; cu corri o entrei na casa de um homem,
que morava ah perlo ; elle veio atrs de mim para
dar-mo ainda mais ; eu, para defender-mo, puxei
pela espada, elle pegou Delta, eu puxci-a e cortei-
llie a mflo. ,
Dado o interrogalorio por findo, passa-se a leitura
das pecas do processo, e s allcgaces pro e contra
o reo.
Terminadas cssas allegaces,
O Sr. Juis Presidente faz o relatono da causa, c en-
trega seis quesitos ao presidente do concelho, que,
tendo-so rccolhido com este a sala das conferen-
cias reapparece pouco depois na dos debates, com
resposla negativa mor parte dos mesmos quesitos.
OSr. Juiz Presidente, confoiniando-se com adeci-
saodojury, absolvo o reo ; ordena que se lhe passe
alvar de soltura o coiulemna a municipaiidade as
cusas. _
Sendo 2 \ horas da tarde, levanta-se a sessao.
O que he o homem ? Quantas vezes assentamos em
nosso poder umarcsoluQiio, e vem no momento urna
insignificancia impossibilitar-nos do salisfazer nos-
sos desejos, de cumprir nossos clculos.' O que acon-
lecer amanhla s Dos o sali.
Paulo Luiz Courier foi tambem assassmado por de-
fender os direitos do povo; depois dello foiassassi-
nado o deputado Manuel; muilos outros defensores
do povotoem cabido sob o punhal de infames assas-
sinos : so Doos quer o mou sangue para remir o Ilra-
sil como quiz o do Nosso Senhor Jesus-Cnristo pa-
ra remir os peccados do mundo.eu lh'o dou com to-
da a rcsignacSo e piodado, e n.lo com tanta tranquil-
lidade como a do Homem-Deos, porquo sou pecca-
dor, o nao sei se hojeestarei em estado do grarja pa-
ra merecer o reino do co, ou se mous peccados sao
taes que mo achcm remissilo ante o Todo-Podo-
Eu disse hontem a minha mulher, que se indigna-
ra contra o proceder do Sr. Beroaldo Soarcs dos liis,
nao tenhamos em nosso corado sentunento mao
contra o prximo; al! elle mo sabe o quo Taz, ou
nao pode deixar de fazer o que faz ; he mister urna
resignac3o heroica para resolvermo-nos ao marly-
rio, he mister muita firmeza e frieza para nao le-
inermos o punhal que nos pica o coragao, oque nos
grita ou s covarde, ou te traspasso.
Tenhain a bondade denflorecusarom a um amigo
que est hojo no oratorio a publicado destacarla,
ja que lhe roubaram os meios de o fazer por outro
vehculo.
Sou &c. _
Antonio Borgci da tonseca.
Cadeia, 9 de agosto do 1847.
Srs. Redactores. Londo o seu jornal do 7 de ju-
Iho do corrente anno, n. 148, dparci com urna cor-
respondencia sob a epigrapho Estado deploravct
da provincia das Alagas mandada publicar por
um que diz escapou das garras da polica assassina.
O nico fim dessa inslita aggrcssno he apresentar o
seu autor um quadro triste c de afiliecHo na povoa-
cao do Paco-de-C.amaragibe; e como se vio, o tal en-
podo fundamntou sua patranha com a narragao dos
aranzeis que ao Exm. vice-presidentc c chele Ue po-
licio da mesuiu provincia dirigi Josc Apolluiario de
Parias, ei-sargenlo do extinelo batalhao de primeira
linha n. 18, o hoje foragido na dita provincia, c, por
infclicidadc de seos habitantes, exercendo o cargo
dciuizdepaz do districto da mesma povoagao do
Paco; o qual, tendo adoptado o systema de denunci-
ante o intrigante das autoridados, quo abominam
sua conducta vil 0 reprovada, nao quiz deixar de
dar expansaoa seu genio turbulento calumniando
edeprimindo, com factos im|irov.ados e in ele-
mente destituidos de veracidado, i conducta do Si
Dr. Galdino Augusto da Natividade e Silva actual
delegado de polica do termo ua villa de l'orto-das-
Pedras. Conresso, Srs. Redactores, que semolhanlo
procedimento me sorprendeu, flquei multo lempo
absorto em minhas ideias, e por lim, como que des-
penando de um lethargo, disse com magoa: Quinto
ude o espirito da maledicencia, agitado pelo pun-
Benteaguilhnodo mesquinhas vingangas e mteres-
ses particulares! Sim, Srs. Redactores, nem outras
podiam ser as minhas ideias no momento em que
via tao injustamente insultado um cidadao prestan-
te, servidor do oslado, honrado; urna pessoa dns
mais gratas esperangas, e cuja condeca administra-
tiva nao merece ser vilipendiada por um hillro que
n.lo levo conscioncia para atassalha-la. E porque 1
Onde esiao os factos quo lem praticado o Sr. Dr. (.al-
dino? Todos quo o conhecem, sabem quom no ello
um mogo assuz moderado e milito eslimavel. Para
que, pois, O honrado publico fiquo inteirado de quem
seia esso Apollinario, pego a Vmcs. so dignem inserir
em seu mesmo jornal o ollicio quo em resposta aos
mencionados aranzeis dirigi o dito br. delegado, e
de sua leitura so ver o quo foi passado, ea maneira
por que esso pola inverleu aclos taes.
Com a inscrgao muilo obrigarflo ao sou venerador,
O inimigo dos embusteiros.
se proceden, e a participagao quo fiz a V- S*mr ofli-
cio do 22 de margo de 1846, n. 35. Outro espanca-
mento por dous soldados da mesma tropapo oinciai
de jusliga Jos SimOes l.ins, que esteve nem doonte,
sficou defeituosocmumaorelha.o quo h/ saber a
V S poroflicioque lhe rometti a 3 de abril dei8u,
ii. 43 Os ferimontos graves fcitos com navallia
peto soldado do primeira linha do 6. balalhao, Mar-
ccllinodoSouza, em Rosa lienta da Conceigao, de
que se proceden a suminario, e participe a V. s. em
officio de1.-)desetembro de 1846, n. 72. Eoulios
mais factos praticados, e por mim communicados.
Todos sabemos quem he este homem revestido no
auloridade de juiz de paz, que se inculca amanto ta
boa ordem, c que nao pode ser espectador de desa-
tinos e maldades do pessoas menos pensadoras, o ua
cslimaque merece; o por nao ser opportuna a occa-
sifio resorvo para o publico fazer-lho justiga, o res-
pondo suas aleivosiasdesta nanoira. No da de
junho prximo passado, sendo para man
I( lllm Sr. Km cumprimento aoqueV. S. em
ordena em seu ollicio do 1/ 'lo corrente mez, que
ia um ofllcio do juiz de paz BUpplonte desla
povoagao, Jos Apollinario de Farias, dirigido ao Evo
acompan
vK&ta provincia, e mais a copia de nu-
tro a V. S. queixando-se donieu ^WO'"1^'-"^
no cxcrcicio da delegacia
deslo
passo a
Correspoiidencias.
Srs Redactores do Diario de Pernambuco. Hoje me
avisam do que amanliSa, segunda feira 10 do cr-
enle agosto, vouanle o tribunal dos jurados, para
seriulKadoporm/nAa-CM/jMu, porque cmlim sou cu
que devo eslar e.n juizo para salisfazer M pa.xoes
mesquinhas o desregladas da actuahdade; estou
orompto para dar conta de mim ao meu paz anle o
iurv c muilo promplo. Mas sou avisado,.com instan-
cia de ludo enipenhar para nao comparecer, v.slo
uuo se as eg,,ra que eu serei assassinado ao ir pan. o
urv ounelle, ou aosahir delle: vousempre. Se o
decreto irrevogavel da Sabedoria Inlin.ta marcou o
termo dos n.eus dias amanhaa, elle se cuinpnra. co-
mo melhor aprouver a ordem do mundo; e so nao....
oh! os punhaes resvelarao.
luanto tenho-ine
t
i-i
lU-
tca
pcilodariam lugar a
nolicia. refere-so a copia do ollicio a V. S.diiigido,
eP rofo? a sua ideia, dzendo que fui eu wobln.
presidencia retirar desla povoagao o f^tMmento
Se troi le linha, cuja medida revela, i, toda prova,
(Hic, por nao encontrar eu apoio nessa tropa parau
iarcxccssos, ped sua retirada: as grac.osascxpio>-
sesdojuizdapaz, com que quer inculcar .o Drio
dessessoldados, bcni mostram a sua poucasericdadt
quando, fallando com a primeira auloridade da pro-
vincia, procura illudi-la; V. S. supponlm estara uoin
IcmbraiJoilocomportamentod tropa quooqu. des-
tacou por varias vezes, o que iiz chegar ao seu co-
nheeimento. como bem o cspancamenlj, felo i o
Porluguez Cunha, em sua propna casa dent.o da p
voacao de dia, pelo sargento Jos Kugen.o, o cabo
ose lEaco, a cuio delicio acudindo o subdelega-
do^S nsulUdoeJ desobedecido pelos deUnquenles
mai soldados, o que ludo prova o summar.o que
Dr. em medicina, presencie! um grande aiunlamcn-
to c conusao com gritos, estando a porta o mesmo a
sala apinboada de gente da plebe, que mais tumulto
faziam; dirigi-me ao tal Bahiense, dono da casa, u-
sando das seguinles expressOes : quo lhe pedia
lulo consentisse gritos exaltados, por isso quo nao
eram permitlidos aquella bora;-este corlczmenteres-
pondeu-meqne o observava, convidwido para assen-
lar-nie, regeitei e lhe disse q
var eu o seu diver'
minhas palavras
cile \Vandej|fy
ellesfrgailrarepellir, sendo este dito correspon-
dido por apoiados: vendo eu dous inspectores do dis-
tricto no adjunto Ibes rccommendci a boa ordem, e
disse aotal baeharcl, que nao me tinha dirigido a el-
le- haviam-m acompanhado scishomens quosocon-
cervavam na ra defroute da referida casa, os quacs
Iiz retirar para suas casase o mesmo pratiquoi: no
dia segninte fui informado, que, quando se separa-
rain os do adjunto, sahiram cantando versos com
epithetos insultantes: passados poneos das Uve a-
viso que o tcncntc-coronel Joaquim Marinho Falcflo
eslava gravemente enfermo, c por havorem entre, nos
relagOesdnninizade, fui c mais lo: no dia scguinle nos retiramos por noite, o nesa
occasiao quo estivo fra, o inspector por ordem do
subdelegado niandou matar dous ou tres porcos, e
alguna cSes, que na ra damnicavam os morado-
res, e aos donos dos quacs por diversas vezes so ti-
nlia avisado: como um desses caes, e o mais reroz,
que por vezes teni mordido e rasgado algumas pes-
soas, fosse do mesmo juiz de paz, OS o motivo da
sua queisa nessa parte, dcixando ello de narrar M
ameacas quo de publico dirigi ao inspector, c sendo
os oncarregados da correegao moradores deslo mes-
mo lugar do l'ago: OCCOrreU que depois da minli.i
cliegada me infonnassenios inspectores.que, hayen-
!lo prohibido por ordem do subdelegado a soltura
de lugos chamados buscaps, porque podiam incen-
diar casas do palha que tom a povoagao, os donos
dos fogos Ibes dirigiram resposlas picantes: MI mata
informado quo vinham a este lugar occultamcnlc ar-
mados Antonio Mendos da Rocha Maia, morador no
ongcnho Sacramento, o mais quatro criminosos e de-
sertores armados, quecostumavam pernoilar em a
situacaO prxima aesta povoagao chamada Pe-de-Via-
do, o quo no dia 23 tenciouavain vir a um pagode
que o juiz do paz o seus socios pretcndiam dar; c
como por varias vezes tem-sc tornado inuteis as di-
ligenciasquandosemandamreunir.pessoasdomesmo
lugar, onde ellas devamexecutar-so, o por poucas ar-
mas capazes existirem nesta delegacia, exig do te-
neote-coronel Joaquim Marinho 30 praija |ue mas
remelleu, e conservei no lim do dia 33 ate ao amanhe-
cei d2Vommuito de boa ordem, como he publico:
appareceua tal reunifio a que assislio o juiz de paz
seu IrmOo Crrela, Joaquim Ignacio da Silva Gouiart,
o Porluguez Cuilberme, o ourives Francisco Bap-
tista.com suas mulheres, o pardo Rogerio, Manoe
Jos do Gusn.ao, o Porluguez sapateiro JoSo Jos
de Farias, o ceg Antonio Alvim, Joo deAtliaydc,
baeharcl l.ourenco Wandcrley, o Porluguez Ra-
llad Jos Garca, e mais tres, ou quatro individuos,
que se diverliram o tempo que quizeram, sein seren
olfondidos por maneira alguma, por isso que a e_-.se
lempo estivo em una casa prxima, ynanio ao:
inspectores loi certo seren deinillidos os que
viam e uomcados outros, porque nao so devia con-
serva-Ios, porquo nao cumpriam com seus deven.:
leudo s.do eucarregada a um urna diligencia no da
15 ia referida, recusou-sc, dzendo que eslava muilo
molesto, e o encontr, na noite desse mesmo da
bem robusto no divcrtimenlo ; c o segundo sendo
bas ante omsso, fui sabedor quo vagavam i^jduos
armados no seu quarteirSo, .occultava dMrieni
aue anpareciain, como a que fez Nicolao laess.u-
J l,o doex-coronel Jos Paulino, maisoulms
"lr-sordeiros e criminosos, que todos armados es-
Mocaram a dous ourives de Pernambuco, que aqu
andav nvxndondoouro; e os delinquentes sao de
h tima amizado do juiz de paz, con ra os quaes o
subdelegado ten. procedido. Noto a V. 8.' que eses
inspectores foram por mim nomeados dos do se.o do
nXlc p/, e langados fra outros que nao eram ;
como, por.n, nSocumpriram com seus devores pu-
nrai a exeroer os lugares dous individuos, que sfii
bastante activos, e ii.lo me consta te o presente que
tcnliam crimes, e se os teem c sabe o juiz de paz, nao
dcnuneiou : entendo nao ser deeito o cidadao exer-
cer urna arte mecnica por ondo adquira lcitos
moios do vida, quando oelo contrario observo que
esso juiz de paz n.lo aprsenla com quo possa man-
tersua pesada familia, e muilo bem se sabe a ma-
neira por que foi eleito juiz de paz ; havendo o mes-
mo, em principio d sua queixa, declarado que os
soldados vieram municiados depois diz quo so
distrihuio cartuxamo e se mandn comprar podras
ile fogo, o que inostra aehar-se contradictorio.Uuan-
to as naneadas quo falla haver levado o Porluguez.
Raphael JnseGarcia, ha poneos das ebegado de Per-
nambuco, he inexacto ; saliendo o inspector que es-
te Porluguez andava munido de um estoque, sediri-
gio a elle para o correr, quando sabir, do sobrad.,
onde era o tal pagode; elle, AO merend consentir,
empurran o inspector, ee?adindo-ee entrn em urna
casa vizinha; entilo foi seguido por esto comalguin-
da escolla, c leudo mandado postar-se outros no
quintal da lila casa, prendeu ol'urliiguez; na ma-
nhaa do dia segninte commuuicou-me; e porque nao
fosse adiado mais com o estoque, o Iiz soltar. V. .
poder avahar que, se o Portaguez osse oilendido, o
iuiz de paz nao deixaria de proceder a corpo do lo-
lieto. O subdelegado que reside fora da povoagao,
tcndo-lhe ha dias antes o inspector participado o oc-
corrido dos fogos buscaps, o ingnorando as provi-
dencias que a respeito liaviam por mim sido dadas,
veio IrazendO comsigo oilo l.omcns para rondar a
povoagao, como era seu dever. He irrisorio. diwr .
juiz de paz que hBo quer roubar o lempo a \. S., o
em vez de apresentar motivos do ponderagap que
me faga.n carga, se limitar apenas em Tallar de un
corno do delicio que remelleu ao subdelegado, o qual
nao proceden a sumario, conformo me declarou quan-
do cheguei dessa capital, lempo em que leve luga,
disseugo de duas mullieros, que cin-
nota falsa de que ralla, dos documentos junios ver.
V.S.' asem-rasao desse juiz de paz, que procura
envenenaros Tactos por mim praticados, e nto encon-
trando motivos com .pie possa desacredita, -me,
oeeupa com estas lulilida. os. Observo a U, q
uando entrei em exercicio, depois que linda ruin os
aballios da assemblea legislativa prov>cil, 0
isseram oue iu.i-m na circulacao netas falsas do
se
que,
disseram que
um o dous mi
res, o que deu lugar a dirigir-me a
- -- ecomodei-
guir crim.nosos c desertores que eslAo *W*f-
ra aribeiradoSanto-Aiilonio-Giande deste toiino,
apoiados por pessoas do intimidado desse juiz; do
_ i.. -...:.. ,i...ia .i., individuos desto
p z que, en nomo de moia duzia de individuos desto
Soutros'diatriotos, falla como orgo de iMedMrle-
quando he iiileiramente odiado pela genio
e
taos,
sensata.
eos guarde a V.S.' Delegacia policial da villa
de Porto-das-Pcdras no Pago-de-Camarag.be tido
julio"de 187.-lllm.Sr. Dr.Joao Pau o deMiran-
iia, chele de polica da provincia. Oatdmo Augus-
to da KaticidadeSilva. ______________
"Publca^des a pedido.
Chamamos a attencHo do publico para o sogu.nlo
artigo sobre os negocios do Sergpo, que ranscre-
vemos do Bmil. Be elle notavel pelo liislonco da
noiitica que nessa provincia lia dominado, represen-
ada pe!''* dous partidos que a.liv.dom; liemcoaio
dign de atlengao, pela juslica que faz ao summo me-
SCao Uno administrativo do nossso comprovin-
cano,oExm. Sr. Antonio Joaquim Alves do A.naral,
quando presidente all.
A PBOVINCI DB SEBGIPE E O SEKUOIl M*RCELIM)
DE UR1T0.
Ao ver o silencio que sobre Sorgipo lem ultima-
mente guardado a imprensa dacrle.dir-se-ba.quc,
.ilVere.ite das oulras\ esta aquella provincia mu
lv
cei
lillerenle das outras, t-sia uun. f*w.'"~"-."-
idem, onde reina a concordia, dcoiide desapparc-
oram os partidos, ha pouco tilo violentos c 13o a-
oaixonados : bem ao contrario, se jamis eslevo ella
Cuieta, se Jmala aspaixocs all estiveram escan-
dadecidas, fura como agora, que o despotismo j,o
ostenlou lorie o escandaloso, nutrido o sustentado
liavia menos quo
I
ostenlou
nela actual administracflo ; enem
esperar quando u,n de seus membr.is, UOMM- e
vingativo, elevado por urna burla 10 ptidor no dei-
xaria a dtspeito das conveniencias publicas, lo
desca regar sobre o partido quo lhe he adverso mao
Jetad.7de vndalo! DividiJa ao, ^P"t"d~'.'n
ouetomsempreoceupado as posigoe oniciaes, ou-
to qu as le n querido constante.nenle con,u.star,
Ototm um momento a provincia Slrte.-
nado ao "lando jugo dos interesses paiticui.ires, quo
auto tetm contribuido para seu atraso e seu descre-
di o ; apenas vai ella respirando o ar da l.bcrdado
uue I!, o procura algum prudcnle administrador, en-
tra logo nessa desgracaa lula que he precisotravar
oara chegar s alturas sociaes ; porquanto em Ser-
cipe, como as demais provincias do imperio, to-
das as vezes que so quer mudar a poltica, nao so
pdodoixar desulTocar a liberdade. Nao lomare-
mos o seu estado em pocas remolas para compara-
lo ao estado presente, encararemos sua situacuo de-
pois do gallineto de 2 do feverero, e veremos as
transrormages c o carcter quo aquella provincia
lem dado os tres ltimos prosidentes.
Nomeado depois de urna dissolugo imperioso
dever tinha o Sr. S Bitlancourt do chamar*para os
lugares de conlianga os membros do partido, cujos
representantes liaviam sustentado a poltica do mi-
nisterio ; ueste ciiipeulio portou-se o honrado bri-
gadeiro com energa e prudencia : demittio, o n3o
perseguio.

ILEGVEL



Subslituio-o na presidencia oSr/Antonio Joaquim
Alvares do Amaral, varo prudente o experimenta-
do. Dominado de ptimos desejos e intencflcs, pos-
suido e apnixonadn pela ordcm de cousas do sua
provincia, onde n!to existem partidos arrcgimcn-
tados o ondeas fargflos poiira ncgo tem sobre, a
autortdade, pretendcu o Sr. Amnral, se nlo oxtin-
guir os de Sorgipe, ao menos confundi-los do tal
sorte, que, collocando-se sobre ellcs.os dirigissesem
irnicnoesem odio. Adiando completamente mon-
lado oi partido legaliita, apeou-o logo dos empregos
oe polica as duas comarcas do sul; mudou quasi
todos os promotores, e tinba testa da polica como
enere, comojiiiz de dircito e juiz dos feitos da fa-
zenda, o Sr. Ilcnrique Jorge Rebello, formidavel
campeHo do partido camondongo. Collooado em a
singular posigSo do n3o agradar a nenhum dos par-
tidos, porque, ao passo que enfraquecia iium, n.lo
satisfazla a outro, teve o Sr. Amaral a fortuna de
ronte-los sem suhjuga-los, e de marcar a sua pas-
sagem por aquella provincia com actos tilo acerta-
dos e tito prudentes, que bem podem servir de nor-
ma a esses mocos inexpertos, n que a leviandade do
governo costuma entregar a fortuna dos povos.
Para quem tem conliecimcnlo do espirito c do
genio dos partidos nada mais difficil do que a em-
presa oncetada e conseguida pelo Sr. Amaral; por-
quanlo o partido que ganba n3o se contenta em
quanto tem a ganhar, e o que perde quasi nunca se
resigna: apenas no gozo, dos bens partilliados, o
partido aspirante,. que nunca he generoso, nao lar-
fia em transformar a inlluencia da auloridade em
instrumento de guerra contra seus adversarios, e
pensa, quc,enchendo-os de defeitos c crimcs,povoca
sua demissloe sua ruina. Assiin aconteceu em Scr-
gipe: nao houvejuiz novo ou volho do partido ca-
mondongo, que, ou por se julgar protegido pelo
presidente, ou para ineita-lo, nao quizesse proces-
sar os seus antagonistas. Abi lie que se apreciou o
carcter do Sr. Amaral ; bastava presentir que um
individuo quera abusar da autoridade tlagellando
os povos, para sabir-lhe ao encontr por todos os
meios e modos. Penhorado o partido legalista pelo
espirito justiceiro do honrado presidente, e espe-
rancoso de que seus inimigos fossem por elle bem
roiiliecidos, conservou-se cspcctantc e presin ao
leliz administrador um apoio honroso. Felizes fo-
ram os primeiros das, e desembargados os passos
desse presidente, at o lempo em que por fa'.alidade
101 chamado ao poder o Sr. Marcellino de tirito. Ap-
parentado naquella provincia, de que ja foi presi-
dente, tem o Sr. Joaquim Marcelino seguido a sorte
de seus cimbados, c como ellos pertencido ao partido
camondongo, do qual tem sido candidato a ambas
ns cmaras. l)o um espirito amesquinhado e de una
ndole na, nffo cessando de interessar-se pelo tri-
mplio dos seus amigos, levou o Sr. Brito osoure-
sentimenlodenao sabir na lista triplico de senado-
res por aquella provincia a ponto tilo subido, que
votou todos os seusodiosao partido e a seu chele
que ailvogou a candidatura do Sr. Mont'alegrc; a-
gora que se proporcionen orcasiflo de vingar-se,
saltn por todas as ronsideragOcs, e deu ordem pa-
ra que fossem abocanhados, trucidados lodos os seus
adversarios.
Apenas chegou a Scrgipe a noticia 'da elcvaeao
doNr. Marcellino do Brito, comprehendeu oSr.A-
maral que eslava terminada sua missffo, porque,
ao laclo (las relaces do ministro com um dos par-
tidos e do seu carcter incapaz de sacrificar anti-
gosodios a interesscs pblicos, nfio quoria toldar o
urilhodesua presidencia, accedendo a insinuacoes
menos nobres, menos honestas. Nao tendo bstanle
torca par rom franqueza promover a obra do dea-
moroiiamcnto provincial, lancou nnloo Sr. Joaquim
Marcellino do meio tortuoso de iioinear um presi-
aent.eque, proprio a comprehender ea cxecularos
seus planos, provooassoaquellas mudangas, quo s a
ordem e a utilidadc publica soem exigir. Preciso era
para isso adiar um instrumento, e este instrumen-
to foi o Sr. Jos Ferreira Sonto. Tffo intimas eram
suas rclacOes com este deputado, cuja prxima od-
miiiislragao to funesta se antolhava ao Sr. Barros
l'imeiilel, que o nobrcdepntado porSergipc procu-
ro u por todos os modos ombaraga-la : nao conse-
guio, c foram suas prevlsfles excedidas. Nao sosup-
punna, entretanto, que o Sr. Souto, com suas bellas
apparencias, seprestasse com cegucira is impru-
dencias dos cunhados do Sr. Joaquim Marcellino.
S-empro pensamos que com moderaco solapassc os
alicorees do partido legalista, c que com geito clc-
vasseosseua recommendados; o Sr. Souto trans-
poz ludo quanto seus inimigos esperavam de sua
Mluidade: nao fartou-se com dcmisssOes, abri a
porta aos primes e elle mesmo mandou proressar
em massa ... Scrgipe, que se pensa tranquilla, no
poso da bemaventuranca, tanibem foi, como Ala-
goas, ameacada de una tentativa de sedico, e como
Alapoas, chora a sorte de seus filhos expatriados e
loragidos para cscaparem aosalgoz.es que sobre el-
los estumou o Sr. Souto. Com que lim expoz o go-
vernoaquella provincia a tantas calamidades 1 Ser
oojeelo deoutra correspondencia.
Um Sergipiano.
(o Commercio )
*2
facultativos a declarar, bouve o juiz o presente acto
por lindo, do que don f, em o qual assigna com os
peritose partes. Eu Francisco Ignacio de Alahvdo es-
erfvflo o escrevi e assigne. Km f de verdade.' O os-
ctivo, Francisco Ignacio de Atahyde. Mencies/*,
l>r Joao Jos Pinto. Dr. Alexandre de Souta Perei-
ra do Carmo. Leopoldo Jos da Costa Araujn. Jos
(.ornes Vtllar. Como testemunhas. ManoeUos
I ereira de Mello. Luiz Francisco Correia de linio.
Termo di declaracio.
E logo na mesmaoccasiao clugar sendo nomo-
monto om quo foi dado o presente auto de exame ao
examinado Jos Gomes Villar para assigna-lo, elle
eniao fallou, o quo nao tinba feito at ontao fazen-
sementante exame.porser elle arbitrario e violento:
que se nao tinha fallado atentao fora porque vendo
grande numero do assistentes so tinha com isto in-
commodado; quo ello nao eslava doudo, o sim om
seu porfolio juizo o dirigindo eniaoalgumas pala-
yras olfonsivas aos facultativos do exame, por ellos
loi dito e declarado quo doixavam de requercr para
que se procedesse criminalmente contra o dilo Villar
pelas patarras injuriosas que naquella momento Ibes
irroga vH por isso que eslavam convencidos que ellas
eram o cfteito da desorganisagilo mental de que est
aneciado npredito.Villar.desnrganisacio bem signi-
hcalivn pelo que elle praticra ueste tribunal: do
que ludo, para constar, mandou o sobredilo juiz fa-
zera presente decanlo, por assim o havercm reque-
rido os mencionados facultativos, em a qual assig-
nam com o juiz. Fu, Francisco Ignacio de Atahyde, es-
crivilo o escrevi. Meneies. )r. Alerandre de Soth
;a Pereira do Carmo. Dr. JodoJos Pinto.
CQ?m
Antonio Alves Barboza, Antonio Alberto das Noves,
Antonio Augusto Pinto do Siqueira, Antonio Caldas
Hrandao, Antonio Cont, Antonio Correia Cabral,
Antonio Carlos da Cunha, Antonio Coelho Cintra,
Antonio Corsalno, Antonio Correia de Oliveira, An-
tonio Correia Pessoa de Mello, Antonio Ferreira An-
lero, Antonio do Farias Brandilo Cordeiro, Antonio
Feij do Mello, Antonio Francisco Cdrdeiro Carva-
Iho Antonio Francisco Pereira Jnior, Antonio
Francisco de Jess, Antonio Francisco Pereira de Car-
valho, Antonio Francisco Regs de Leio, Antonio
Goncalves Bcltr.lo, Antonio Gongalves Correia, An-
tonio Comes Salgueiro, Antonio Januario de Carva-
llio, Antonio Joaquim Conccicao c Silva, Antonio
loai]uim dos Santos, Antonio Joaquim Marques dos
Santos, Antonio Jos Alves de Vasconcellos, Anto-
nio Jos Calisto, Antonio Jos da Costa, Antonio Jo-
s da Cunha, Antonio Jos Lima, Antonio Jos de
Miranda, Antonio Jos Marlins, Antonio Jos de Ma-
galhaes Basto, Antonio Jos Pinto da Silva, Antonio
Jos Itibciro da Silva Guimarilcs, Antonio JoscSoa-
ros, Antonio Jos Vieira de Araujo, Antonio Gil, An-
tonio l.ins Caldas, Antonio l.ins de Vasconcellos e
Castro, Antonio i.opes de Oliveira G. Jnior, Anto-
nio l.uiz Pereira de Mello, Antonio Lopes de Meno-
zes, Antonio Maria Marques, Antonio Manoel de Mo-
Nodia 3 do agosto corrento sahir aluzem casa
da E. e II. Laemmert, ra da Quitanda, n. 77, e so
assigna por 10,000 rs., em 5 volumes encadenados,
a intercssante
4 HISTORIA imVERSAL.
desde os tempos mais remotos at aos nos-
.sos das, relatando os aconlecimenlos
mais notaveis em todas as pocas, c os fei-
tos dos homens mais celebres de lodosos
povos, composta sobre o plano de Bre-
dow por um Brasileiro, ornada com 24
gravuras finas.
Desde muito tompo era entre nos desejada urna
boa obra sobro a historia universal. Possuimos ape-
nas algumas traduccOes, e essas mesquinhas o mu
pouco ao par da justa curlosidado c reclamabas do
esludo, lio com o lim de supprir ossa latuna que nos
propozemos, dando luz esta obra, .oFcreccr ao pu-
blico um livro completo o digno do sua escoiha. --
Subscrevo-se na esquina do Collegio a 10,000 ris.
A IVOZEIRA.
raes M. Pimentcl, Antonio de Oliveira Mello, Anto-J a i\\>jul.in a..
nio Pereira Barros, Antonio Pereira da Cunha, An-| Acaba de chegar de Lisboa, ra Nova, n. 1t, lo-
liinio Pereira de Faria, Antonio Pereira Leite, Auto-' ja do Guerra Silva & Companhia, com este titulo, um
nio Xavier do Moraes, Antonio Pacheco da Motta,k bonito romanc, traduzido do francez por umase-
Antonio Pinto de Paiva, Antonio Ramos, Alexandre nhnr nnrina
Rodrigues dos Alijos, Antonio da Silva T. de Mello.
Bernardo Bezerra, Bernardino Barboza da Silva,
Alrimlepa.
ItENDIMENTO DO DA 7 '.....
Descarregam lioje, 9.
Briguo Coteperthwai/c -- mercadorias.
Brigue-escuna Loper idem.
11:387,919
Constilailo.
RENDIMIENTO DO DA 7..
Geral...................... Diversas provincias.............. . 361,096 57,508
418,601
PBACA DORECIFE, 7 DE AGOSTO DE 18i7,
AS 3 MORAS DA TARDE.
Auto do exorne feito em Jos Gomes Villar, relativamente
ao estado de suas faculdads intellecluaes, a requer-
ment de Leopoldo Jos da Cesta Araujo.
Annodo nascimento doNosso SenhorJcsus-Cliiis-
to de 1847, aos cinco dias do mez de agosto do dilo
anno, nesta cidade doltecife, em publica audiencia
quo aos feitos e partes dava o doutor Jos Ravir.un-
do da Costa Mcnezes, juiz municipal supplcte da
segunda vara, e sendo ah presentes OS facultativos
doulores Joao Jos Piulo e Alexandre de Souza Pe-
reira do Carmo.o dilo juiz, lendo-lliesdefiridn o ju-
ramento dos santos evangelh.is, cncarregou-llies une
dcbaixo do mesmo examinassein se Jos Gomes Vil-
lar, que se acha prsenle, mandado vir da prisffo em
queseacha, est 011 nao no estado de perfeicao de
suas faculdades intellecluaes, como fura requerido
por Leopoldo Jos da Costa Araujo; e recebido por
elles o juramenlo.poiido suas mflos dircitassobre os
livros dos santos evangellios, assim o prometleram
ue cumprir, e depois de lerem feito todos os exames
t'experiencias, conforme os preccitos d'arte, decla-
ram, que, pelas incoherencias que foram apresenta-
af P10 d,,t0 Josc <;omes Vl". I%'0 na entrada des-
!,nIbUral Focurando em altas vozes o Sr. juiz, a
quen.1 d.ngio sat.slacao por nao ler comparecido ao
seu pr.me.ro chamado, motivando cssa falta por in-
commododcsade c falta de vista, nao responden
ltUs ^P"aS ?U0 cm ""voze. Iheoram
anrcse'atlnf .i""? "a0 aS.0UVr' "em l,0ller fa""
S Si /dC repente ,nud0 c surd0' >and
SorSScfite .? far"i por escri',l0> e endo-lhe
apresLiiUdas algumas perguntas por escrinto a al
gomas respondeu con, pVecisflo, e a outras a.-rosen-
tou incoherencias taes, que bem demo, siran s,.r -
Ibas de desarranjo mental. E nada mais havend o.
Revista semanal.
Cambios.......Fizcram-sc niuj^s transaeces
ao cambio de 27l7kd p. 1,000
ris ; e anda ha saca\rcs a este
preco.
AlgodSo.......Entraram 117 saccas; sahiram
63, e estilo a embarcar 365.~Pou-
cas foram as vendas por falta de
deposito; e 08 nrecos regularam
de 6,900 a 7,000 rs. a arroba de pri-
meira sorte, e do 6,400 a 6,500 a
dita de segunda.
.Existem nos armazens 3,098 cai-
xas, tei.do entrado 56, e sabido
109,207 barricas, 5 meias ditas,
e 378 saceos. As vendas tonta
diminutas, e nao soltrcu alleracao
no preco.
Embarcaran! 115 pipas c um
garraffio. Vondcu-scdc 45,000 a
50,000 rs. a pipa.
Couros........Pouco procurados aos preces de
105a 115 rs. a libra.
.Vendeu-se de 120 a 170 ris a
Ulna.
.Em consequencia da chegada
de carne secca, o consumo dimi-
nuid, e existem boje 2,900 barri-
cas, que seostao retalhando ao
prego de 12,500 a 14,000 rs. cada
urna.
.-Venderni-so a 650 rs. a libra.
.O consumo foi regular ; o a pe-
zar de tor entrado um carrega-
mento o deposito boje lio 12 mil
anolias. Vcildou de 3,000 a 3,600
18. a arroba.
.Vendeu-se de 1,400 a 1,600 ris
a arroba.
.Cliegaram dos Estados-Unidos
I res rarregainentos, dos quacs 160
barricas estilo destinadas ao Pa-
ra, e as mais vilo ser vendidas
aqu.
Garrafoes.......Vcndcu-se de 1,000 a 1,100 re.
., .*. cada umempalbado.
"onfo'ga.......-dem de 360 a 380 rs. a libra da
franceza.
Paios de Lisboa. .-dem de 2,200 a 2,400 ris a
duzia.
lalioado de pinlio. dem a 65 rs. o p.
*lnll0s.........dem de 53,000 a 55,000 rs. a pi-
pa do liespannol.
Ve,as....... dem de 600 a 620 ris a libra
das de composicilo.
Sahiram 5 emba cacos, e entraram 9. Exislert
lojeno porto 24, sendo 3 americanas, II brasileras
I Iranceza, 2 hespanbolas, 4 inglczas e 3 portugue-
Assucar,
Ago'ardente.
rame de ferro
Bacalbo .....
Bacas de lalfio.
Carne secca .
Enxofrc.....
Farinha de trigo
'" ril.KWTI UUICI I U, IH-I 11.1 I II I IHI IlllllMI/l ua .mi*,I,
Bernardino Candido da Cunha Ucha, Bernardo Du-
arte dos Reis, Bernardo Goncalves Oren, Bernardo
Jos da Cmara, Benedicto Jos Ruarte Codrim, Ben-
to Jos Fernandes Barros, Bento Jos Ferreira Re-
bollo, Braulio Rodrigues Teixeira.
C. Derburg, Carlos Augusto de Moraes, Corne-
lio Carlos Peixoto A., Christov3o Olegario Goncal-
vcsG. Caetano Funquim Almeida', Caelano Fran-
cisco de Barros VV., Caelano da Silva Azevedo.
Damiaiina Thomazia de Mello, Daniel Pereira Bra-
ga, Domingos Alves Barboza, Domingos Augusto da
Cosa Guimarffes, Domingos Antonio de Azevedo,
Domingos Alfonso Ferreira, Domingos Jos da Silva,
Domingos Jos Vieira, Domingos Lzaro da Silva,
Domingos Marques de Carvalho Nogueira, Domingos
Ribeiro de Faria.
Emilio Xavier Sonreir de Mello.
Florinda Soverina S. lago A. Florentino da Silva
Ramallio, Flix de Cantalicia Ferreira, Filippe Nery
deMcndonca, Feliciano Rodrigues da Silva, Frincisco
de Almeida, Francisco do Azevedo Coitinho, Fran-
cisco Antonio Braga, Francisco Antonio Barros e
Silva, Francisco Antonio Xavior, Francisco de Bar-
ros, Francisco de Barros lego, Francisco Custodio
do Snmpaio, Francisco Ruarte Coelho, Francisco
GOnealvea Gurjffo, Francisco Luiz Gongalves Gui-
maraes, Francisco Goncalves Silva Pereira, Fran-
cisco Gomes Silva, Francisco Honorio Bezerra M.,
Francisco Jacinlho Pereira, Francisco Jos Barros
o Silva, Francisco Jos Costa Araujo, Francisco
Jos Flix, Francisco Jos Germano A. Francis-
co Jos Marinho, Francisco Jos Pinto, Francisco Jo-
s de Paiva, Francisco Jos Pacheco Oliveira,
Francisco Jos Silva, Francisco Jos Tavares Gama,
Francisco Leite, Francisco Moreira, Francisco Mar-
lins, Francisco de Medeiros Cabral, Francisco Ma-
noel Lopes, Francisco Paula Correia Lima, Fran-
cisco Solano Araujo, Francisco Santos Neves, Fran-
cisco Soares Silva, Francisco Xavier Costa Arauio,
Francisco Xavier Cavalcanlo Lins, Francisco Xavior
Lima.
G. C. Port., Guiseppc Galicano, Gcorge Nevcrson,
Graciano Adolplio Cavalcante Albiiquorquo, Gas-
par Leite Ferraz, Gabriel Pereira Simos, Cuilherine
Slteple.
Ilemcrricli Munzel, llcnri Meinel, Honorio Fiel S.
Vaz Carvalho, Heniique Luiz Costa e Mello, "deli-
nque Mana Pereira Magalhes, Ilcnrique Pereira de
Lucena.
Izabel Austria de Souza, Izabcl Coelho da Silva,
I. F. Vogeler & Companhia, Janes Wynnedi Eduar-
do, I. L. Correia, Ignacio Concia de Mello, Ignacio
dos Santos Fonseca.
Jacinlho Dias Pereira, Jacinlho Elesbao, Jacinlho
Soares Botellio, Jacinlho Theodoro Marlins Oli-
veira.
Izidoro Jos Dias Santos, Izidoro Luiz Souza Mon-
te iro.
(Continuar-se-ha.)
A administradlo geral dos cstabelecimentos
de candado, leudo concluido os reparos das casa,
n. 7 da ra da ViracBo, ns. 17 e 19 da ra do Padre-
Flor lanno, c n. 116 davCinco-Ponlas.maiidafazcr pu-
blico que nodia9 (boje) do c.orrente, pelas 4 horas da
tardo, ira o a praca as rondas das preditas casas, pe-
lo tem po que decorrer do dia da aneinatacaoa 30
de juiho de 1850. -- Administradlo geral dos osta-
bclccimenlos de caridade. 2 de agosto de 1847.
O csc iplurario, /'. A Caralcanti Cousseiro.
nbora portugueza,
lio esta pequea obra urna especie de compendio
de religiSo o boa moral, porque nella, debaixo da
forma de romance, se inculca o amor 6 obediencia
aos pais ; mostra-so a recompensa que Reos d sem-
pre aos bons lilhos ; o ao mesmo lempo se inculca
tambem a virludc da gratidSo, o se niostra com um
bem expressivo cxemplo o castigo querecobcm os
ingratos.
lio igualmente este romance mu proprio para ser-
vir de um bom livro de leitura as escolas primaria:,
de ambos os sexos ; e por isso o recommendainos
n.lo s aos pais de familia para instrucco de seus
tllbos, porem aos mestres e mestras da instruecuo
primaria. Vcnde-se por640 ris.
\ visos martimos*
Para o Rio-dc-Janeiro sabe muito breve o bri-
guo Sociedad, forrado c encavilhado de cobre, do
boa marcha, e de bons commodos para passageiros:
para carga ou passageiros, a fallar com Jos Fran-
cisco Collares, na loja de lerragens, esquina da ra
da Ciuleia, ou com o capitn Jeronymo Jos Tellos.
- Para o Rio-de-Janeiro sabe terga-feira, 10 do
corrente, o hiato Nereida : para passageiros, trata-so
na ra da Cadeia do Recife, botica, n. 61, do Sr. V.
Jos de Brilo.
-- Para Loanda o brigue portuguez Rosa : quem
nelloquizer carregar alguma carga miuda ouirdo
passagem,dirija-se ao capitilo Jos Francisco da
Costa Roxo ou aos consignatarios F. S. Rabelo &
Filho.
Avisos diversos.
zas.
Movimcnlo do lorio
Navio sahido no dia 8
Canal; brigue ingloz Lucy-Sharp, capitHo Hctor Mac
Fie, carga assucar.
JJecIaia^oes.
As malas do vapor San-Sebastio para
os porlos do sul, fechara-se hojo (9;,
as 6 horas da tarde por ter sido Irans-
. fonda a sabida do mesmo vapor para
a manhfia (I0), as 10 horas do dia.
Li>la geral das cartas entradas em todo o mes de
julho de 1847.
Anua Joaquina Ferreira, Agoslinho Bezerra da Sil-
Mn ,','11' Amaro de Coulo, Apollinario Floren-
Abrab-fo Jnr"Crqr M- Au8ustu l,uarle ^toza,
Abrahuo Joaqu.m Borges, Augusto Luiz Straew
Contratos a celebrarse com a thesouraria das rendas
provinciaes no me: de agosto corrente.
Dia II.
Oda iiluminacflo agazdascidadesdoRecifeeOlin-
da, na forma do artigo 3." da lei provincial n. 191, de
30 de marco de 1847.
Dia 16.
O doestabelceimonto de nina lint) de mnibus,
que, na forma da lei provincial n. 191, de 30 do mar-
co deste auno, facilite o transito desta cidade a qual-
guer dos seus srrabaldes eiOlinda. Este contra*
lo acra realisado depois que a presidencia assim o
determine, avista das propostas que por intermedio
da thesouraria Ihc forera a presentadas.
hscrano apprehendido pela polica.
Simplicio, que confessou pertcncer a Jos Luiz,
morador junto a ponte do Itecife. Acha-se na ca-
deia dosta Cidade, para onde foi remettido polo sub-
delegado de Santo-Amaro-Jaboatao, o ser entregue
a vista de ttulos lgaos.
Pulilicacoes Litterarias.
Saliioaluzoresumodcarithmelica, extrahidodc
S. 1. Lacroix, pelo professorpublico S. II. de Albu-
qucique : acha-se a venda na livraria do Sr. doutor
(.outinho, na esquina dcfronlo do Collegio preco a
Breve comecar a distribuigao pelos-Srs. assie-
nantes. 8
Versos de Antonio Joaquim de Mello : as le-
jas dos Srs. Figueira praca da Independencia
doutor Coutinbo, esquinado Collegio ; Cardozu
A y res ra da Cadeia do Rocifc ; Santos & Compa-
nhia ra da Cruz.
OLIDADORN. 202
acha-se a venda : traz o resto do discurso do Sr. Dr.
Alvaro, edousartigos interessanles.
Os professores dodaguerrootypo, ha pouco nhe-
gudos a esta cidade, precisara alugar um primeiro ou
segundo andar, as ras da Cadeia, Collegio, pateo
do dito, Crespo, Queimado, ra, ou aterro da Boa-
Vista : quem quizer fazer esto negocio dirija-so
aos inesmos professores na ra do Trapiche, casa do
Matheus Auslin & Companhia.
As 9 horas danoile do dia 6 do corrente mez,
largou-se das m.los de um cscravo do Sr. Dr. Alcan-
forado, na ra Nova desta cidade, um ('avallo casta-
nhq que tem urna raalha branca na testa e um prin-
cipio de esprav.lo na poma esquerda, e he do carro ;
pede-so a quem o tiver apandado, ou delle tiver no-
ticia, por favor leve-o ao dito Sr. Dr. Alcanforado,
ou a ra eslreita do Bozario a Miguel Jos de Almei-
da l'ornambuco, quesera bem recompensado.
- No deposito de charutos da ra larga do Bo-
zario, n.32, acaba-so de receber umsortimento dos
melhores charutos da Rabia, viudos pelo vapor Im-
peralriz, de varias qualidades, os verdadeiros San-
Felix, primores, forma Havana regala, cigarros do
l Havana, Irabuquclhos, c muitas mais qualida-
des: todos estes charutos teem merecido grande con-
currencia pelas suas boas qualidades. Os freguezes
achanlo seinprc bom sortiraenlo desta fazenda, por
prego rasoavel.
Francisco Cavalcanlo de Albuqucrque Lins
embarca o seu escravo crioulo por nonio Zenobio,
para osportosdo sul.
Osescravos do abaixo assignado, em occasio do
irem cortar Icnhn na malta do Monteiro all en-
contraran! por varias vezes urna prela que ju^ram
estar fgida, e liontem na occasio de avistaren! a
mesma Ihc porguntaram o quo fazia por alli, res-
pondeu que estava fgida, e podendo os referidos
escravos rcduzi-la vira niinha presenga,dizendo-lhe
queeu a comprara, o chegando honlem pelas 7 ho-
ras da noite, I tic fiz algumas perguntas: dsse ostar
rugida, echamar-se Dellina, nagilo Benguola, e ser
esclava da senhoara I). Maria Ignaca Ferreira, o ter
sua senhora urna irm3a de nomeGertrudes Candida
Ferreira moradoras perto do Paralibe (lugar do
Jardim). Quera so julgar com direito a referida es-
crava procuro na ruada Cruz-do-Bccife, n. 51, cu
na I'assagom.possando a ponte grande, a dreita, se-
gundo portao do ferro, sitio do Eiras; que, dando os
signaos cortos llio ser entregue, pagando alguma
despeza que tiver feito, e (cando cerlo que me n3o
responsabili so pela fuga.
Joao Vaz de Oliveira.
Quem precisar de 11111 destilador do-ago'ar-
dente, que est acostumado a trabalharsegundo o
sysleraa moderno, annuncic.
Empalhani-sc cadeirase niarquezascom muita
perfcgoea prego mais commodo do que em outra
qualqucr parte : na ra das Larangciras, n. 13.
Arronda-se ou vcnde-se urna fazenda com urna
legoa quadrada de extensitn, sita na freguezia do
Bom-Jardiui, comarcado Limoeiro, cora urna grau-
do safra, no campo, de algodfio, feijao, rail lio, se-
ment de carrapato o roga : quem pretender dirja-
se ao cscriptorio de F. A. do Oliveira, na ra da Au-
rora, n.'26.
Quom.quizer tomar leltra sobre a Baha, diri-
ja-so a ra da Cruz, n. *0.
Aluga-se urna padara 110 Recife, na ra do Bur-
gos, cujoalugucl se receber cm pao : a tratar na
praga do Corpo-Santo, n. 13.
Precisa-sc fallar cora o Sr. capit3o do brigue
Roa, viudo de Loanda : annuncie sua morada e as
I horas em que deve ser procurado.
MUTILADO 1 ILEGVEL


10TVMTX DO THEATRO.
\o di 13 do corrcnte nndam infallivelmente as
rollasdcstalotera como tem sido annunciado, vis-
[ mi a venda dos respectivos bilheles soacha mui
ijinlada pela intluencia que tom havido em conse-
' |ie'ncia do novo plano que ho na verdade muito
vaiitajoso o o mais bem confeccionado. He, porm,
nreriso que esta influencia na"o arrefega, o que os
amadores deste jogo concorram para que os mes-
mos bilbotes so acabem cortos de que anda fican-
doalguns em pequeo numero, scrao entregues na
vespera do andamento a sociedade organisada, e no
dia marcado as rodas nSo deixarflo de fazeroseu
Necessita-so alugar dous andares de sobrado,
ouc tenham bons commodos, sejam arejados e si-
tos em urna das seguinles ras do bairro de S.-An-
tonio : Queimado, Cabug Cadoia, S.-Francisco,
pracinha do I.ivramento Larga do Hozarlo Crespo
e Collgio : na na Nova, n. 46.
OSr. Jofio da Silva tem urna carta na ra do
Crespo, n. 11, vinda do Cear, remettida por um
scu l'illio aue existe naquella provincia.
__Contina-se a tomar lices de latim o inglez
na ra da Madro-de-Deos, n. 3*, primeiro andar, das
3as6borasda tarde.
Continan) a estar para alugar as casas terreas
de ns.25, 27, 29 e 31, sitas na ra Real, prxima ao
Manguinbo as quaes teem muito bous commodos,
com quintaes murados e porto de embarque; a tra-
tar com seu propriotario Manocl l'ercira Teixeira,
morador prximo aquello lugar.
|'retcnde-sc alugar um quarto pequeo em que
possa habitar um homem solteiro preferindb-so no
bairro de S.-Antonio em casa terrea por baixo de
sobrado ou parte de quintal que seja arejado. Di-
riir-se ra da l'raia venda n. 42.
Alugam-se tres casas terreas, no
' .;cco do Peixoto, pelo preco de cinco
mil ris cada urna : a fallar na rna do
Crespo, n. i5, com A. da C. S. G.
Joilo Jos do Lima, teslamenteiro e inventari-
antode Jos Joaquim do Souza Castro, declara aos
credores do dito fallecido, quo elle est procedendo
a inventario dos bons da licranca, e por isso sede-
vom habilitar para seren atteudidos; como tambcm
que a elle inventarianto competo receber as dividas
que se deviam ao fallecido : e espera quo os deve-
dores venham salisfaze-las-para llio pouparem o in-
commodo e desgoslo de os demandar.
AVISO AOS AMANTES DA HORTICULTURA,
No Atlerro-da-Iioa-Visla, n. 6, caja do Sr. Olivtira.
Arnol Pero & Fils membros da sociedade real
do Horticultura de Pars, iiltmamento chegados a
esta provincia, teom a honra de participar ao publi-
co, quo vfo expora venda urna grande e bella col-
leccfo de plantas, flores e arvoros de fructos, taes
como pereiras, macieiras, ccregeiras, parreiras, etc.
etc., das niolhores origens da Europa; urna grande
varie.lade de amarillo, dahlias, peonas um sort-
mento de grSos do hortalices e do flores: tudo mui-
to fresco e em perfeito estado de conservaco e por
procos os mas commodos possiveis. Para facilitaras
conveniencias dos Srscompradores, ellos se obli-
gan) a fazer por si mesmos as plantagOes de todos
os productos quovenderem, dando assim aos mes-
mos Srs. urna completa seguranca sobre a germina-
gao das sementes e reproducefo das plantas.
Offerece-se, para caixeiro de padaria, um mogo
portuguez de 18 annos, quo tem muita pratica,
tanto de trabalhar na lendeira, como do vender na
sala, o que d fiador a sua conducta : quem o pre-
tender dirija se Boa-Vista, ra do Pires, n. 23.
Arrenda-se o armazcm da casa da ra do Col-
, 3 .. tralil ud .fandega.com o Sr. Do-
mingos Caldas Pires Ferreira.
Prrcisa-sc de um pequeo brasileiro para cai-
xerode una venda : prefere-se sendo de fra da
praga : atrs da matriz da Boa-Vista casa n. 4.
Aluga-se uina preta para lodo o servico interno
de urna casa: quem a pretender dirija-so a ruada
(uia n. 46.
Manocl Gomes da Silva embarca para o Rio-de-
Janciro a sua escrava de nome Josepha do gentio
de Costa.
A pessoa que repetidas vezes aniiuiicou querer
comprar cobras de viado vivas, querendo urna
bastante grande o viva dirija-se quanto antes a ra
da Florentina, n. 16. .
Apcsson, quedeseja Tallar aocapililo do mi-
gue Ilota viudo de Luanda dirija-se ao escrito-
rio de F. S. Rabcllo & Filho no largo da Asscniblea,
das 11 horas da manhfla as duasda tarde.
JoioFrederco de Abren Reg ruga ao Sr. Luiz
Jos da Silva Guimaries se digne ir a sua casa rece-
ber a subscripeflo do Diario %_ pois que felizmente
no tem com S. S. oulro negocio, e he do que cons-
ta o contedo da sua carta.
-- D-se dinbeiro a premio sobre penhores de ou-
ro o prata hvpothcca ou boas firmas : na ra es-
trella do Rozario, n. 30, segundo andar, so dir
quem d.
Casa da F
na ra streita do Rozario, n. 6.
Tendo-se [transferid^ o andamento das rodas da
segunda parte da 17.'lotera do thealro para odia
13 do corrcnte espera ocautelista da casa cima ,
que os seos freguezes concorram a comprar o resto
oas suas cautelas que se acham a venda certos de
que nellas tiraro boas sorles. A ellas, que silo pou-
cas e os presos diminutos.
Aluga-soacasado Exm. Manocl do Carvalho
I aes de Andrado, sita no Corrcdor-do-Bispo, a qual a-
caba de ser desoecupada pelo Sr. F. H. Luttkens: os
pretendentes dirijam-se ao corretor F. G. de Oli-
veira.
;*te PASSEIO-PUBLICO, N. 5. jfe
3 Jo5o Loubet participa a todos os sous^R
fregus, que reeebeu ltimamente um grande sor-
timento de chapeos do sol, do ultimo gosto pari-
siense tanto para senhora como para hnmom ; os
quaes se tornam mui recommendaveis pela sua qua-
hdadee varaces de gosto, sendo elles de boas
sedas e panninhos, pos ae conservam as suas cores.
Ha neste mesmo estabeleciment um grande sorti-
mento de boas sedas de todas as cores e superio-
res panninhos trancados e lisos de muito boas
cores para cobrr chapeos do sol. Tambcm so fazem
todos os concertos quo os mesmos precisaren), com
todo gosto promptidfo o diminuto preco.
Precisa-se saber da morada da lllin." Sur.' 1).
Francisca Escolstica Josepha da Costa para se
tratar de negocio que llie diz respeito, ou ao Sr. seu
filho. Dirigir-se a ra das Cinco-l'ontas n. 112.
Joflo Mauricio de Barros Wanderley, propie-
tario doongenho Gindahy, no municipio de Seri-
nhem, comarca do Uio-Formoso morador no dito
engenho ora residente nesta cidade, declara quo
nada deve u que nfo tem sacado nem aceitado let-
traalgumn,e nflo saca e nem aceita; por [isso he
falsa toda lettra que appareccr sacada, ou aceita
por elle.
Precisa-se de urna ama para todo o servico de
urna casa de pouca familia : na ra larga do lio/a-
rio loja H. 12, se dir quem a quer.
Perdeu-se, no dia 3 do correte a noite um
brinco de ouro, de lilagrana, desde o largo do I.i-
vramento at a ra do Amorim dentro do Recife :
quem o tiver adiado c quizer restituir u scu dono ,
dirija-se a ra da Cadeia loja de forragens u. 56 ,
que ser recompensado.
No sobrado da travessa do Veras na Boa-Vista,
i). 15, precisa-sede urna ama de leite, forra, ou
captiva.
--Na loja da ra do Queiniado, n. 30, de Jos
Joaquim de Novaes alm do sorlimento j annun-
ciado de obras feitas o fazendas ha chapeos da ul-
tima moda chegados ltimamente de Franca ; mui-
to boas casimiras ; chapeos do Chili muito linos ;
caixasdo perfumarlas sortidas muito proprias pa-
ra toucador de senhora pelo barato prego de 5,000
rs.; lencos de cassa para niio de senhora e pescogo
de homem ; muito bons cortes de chita.
Pelo novo destino que deu ao edificio da sua
residencia na ra do Hospicio, podor o doutor
Sarment receber em sua casa doentes que desejem
vir tratar-se nesta cidade. Serilo recebidos nflo s
os doentes de qualquer sexo c condigflo que sejam,
mas tamben) as pessoas, ou familias, que os qui-
7eremacomponbar.
Compras.
ingoa
Compra-se Novo mestre da
ingleza por Nicolao Jaku ; Diccionario
francez-ingiez e inglcz-franccz cm a vo-
lunies em oitavo ; variacoes para violao,
das mais modernas e bonitas : quem ti-
ver annuncie.
Contina-se a comprar ferro fundido, cobre e
bronze velho : na ra do Bru, n. 8.
Na ra larga do Rozario n 48, segundo andar,
compra-so urna geometra dcl.acroix.
Compra-so um sitio : paga-se bem, so for uestes
lugares : Mondogo,' Cotovello, ou Trompe : na ra
das l.arangciras, n. 14, segundo andar.
Compra-seum, oratorio que lenha 3 palmse
tneio de comprimento, e que esteja em hom estado:
na praca da Independencia loja n. 7.
Qompra-se urna escrava moca de boa (gura,
que saiba cozinharc lavar, c Dflo lunha vicio: agra-
dando paga-so bem: na Boa-Vista, rua Vcllia, n. 18.
Quem a tiver, deve appareccr das ti horas da ma-
ndila s 3 da tarde.
Vendas.
A quinta essencia da mafonneria,
ou o que ha de tnais curioso na arte real,
lud uu. i i j
Aluga-so um prcto robusto c diligente, para sol) o titulo lie
servente do pedreiro, ou qualquer outro servico
nesta praca : quem o pretender dirija-so a rua da
Aurora n. 42, segundo andar.
-- O annuncio com as iniciaos A. C. S. em na-
da diz respeito ao Sr. Antonio Caldas.da Silva pes-
soa quo para o autor do dito annuncio he muito
digna de confianca.
Victorino Jos dos Passos ex-provedor da ir-
inandade do Sr. Rom Jess das Chagas, declara aos
iumlos da niesma irmandado que elle desde o dia
8do corrcnte deixou de continuar a servir no car-
go de provedor da mesma rroandade por oflicio
que eniicrcgou ao cscrvSo interino da referida ir-
mandade por nDo poder aturar as impertinencias
de certos irmios, que s quereni transtornar a boa
barnionia das irmandades.
A pessoa quo esliver na possbilidade de ensi-
llar bem grammatica latina msica e piano, que-
rendo ir para o matto, dirija-so a rua do Queimado,
n 17, segundo-andar, quo ah achara com quem
tratar ; dando-se preferencia a algum Sr. reverendo
sacerdote quo queira igualmente ajustar-so para
capcllflo.
-- Furtaram, da destilagflodc Jos Concalvcs Cu-
rado, na rua da Prsia-dc-S.-Rita n. 17, na noite do
dia 5 do corrcnte, varias pegase canos pertcnecn-
tcs ao apparclho da destilagao continua do Derosnc,
elambomum grande capacete de alambique sim-
ples. Na mesma fabrica j o mez passado so rouba-
ram varias pecas tambcm de alambiques, como fos-
som tornciras canos etc. Roga-se a quem livor
comprado alguns (lestes objectos, o favor de dar
i wrte na dita fabrica que se pagar o que por elles
-* tiver dado ; bem como se gratificara a quem der no-
liria aonde existem algumas destas cousas.
ANNABS MACONNICOS:
8 volumes pequeos em francez, edioao
rarissima, lioje cxlincta em l'aris, Vcn-
de-se na ru do Rangcl, n. 59, segundo
andar.
Vcndem-sc longos do seda, para meninos, a
720 rs. cada um de padrOcs os mas lindos possi-
veis ; cortes de chitas linas a 3,200 rs.; cobertores
propros para escravos a 1,000 rs. ; os melhores
chapeos do Chili que ha, a 6,000 o 10,000 rs.; algo-
diio trancado ; dito mcsclado azul; dito cor de cafe;
picote de listras, a 200 rs. o covado: na rua do Quei-
mado n. 11 A, loja nova de II. C. Leite.
Vcndc-se cal virgem de Lisboa, em
barra, da melbor que lia no mercado, e
por preco muite rasoavel: na rua do
Trapiche, n. 17.
Vende-se urna preta de 24 annos de bonita fi-
gura quo sabe cozinhar o diario de urna casa en-
gommar liso lavar de sab.1o sucar : nflo tem vicios nem achaques : o motivo da
venda se dir ao comprador : na rua da Concordia,
passandoa pontezinha a dipeita segunda casa tor-
rea se dir quem vende. <
Na rua da Cruz, n. 26, vendem-so caixas para
rap, que imitan) tartaruga, de todos os tamanhos;
esleirs feitas no Aracaty, em porgos e a retalho;
urna porgilo de sapatos abotinados; saccas com fari-
nha do mandioca, esal que se aclia a bordo da su-
maca Carlota.
Vende-so, na rua Nova, urna boa loja toda cn-
vidragada, e com proporgOes para se morar dentro
com familia : tambem se vende com fazendas, dan-
do-se o abato quo se ajuslar .adinhcro, 011 com
boas letras: na praga da Independencia livrana
ns, 6 e 8, se dir quem vende.
Lol ria do Kio-de-Janeiro.
Aos 20,000^000 de rs.
Na loja de cambio do Vieira da Silva na rua da
Cadeia-Velt)*,n. 24,vendcm-so bilheles o meios ditos
da 22.* lotera a beneficio do llieatro S.-Pedeo de Al-
cantara do Rio-de-Janeiro, cujos bilbetes vito assig-
nados por Vieira da Silva,para clareza do comprador,
ao pagar dos premios. A elles, antes que se acabem,
c chegue o vapor com o lista.
Na nova loja do Francisco Jos Teixeira Ras-
tos, na rua do Queimado nos quatro cantos, n. 20,
vende-se algodlo da trra encorpado e largo, om por-
gilo e a retallio.
Casimiras elsticas
a l#rs. o covado.
Vendem-se supeiores casimiras elsticas pelo
barato prego de 1,001) rs., o covado ; ditas france-
zas superiores e de bonitos padres a 5,000 rs. o
corto ; dita preta muito lina a 3,500 rs. o covado
panno proto de boa qualdado para pannos do pre-
tas a 3,000 rs ; superiores bros trancados brancos
o de puro linho pelo barato prego de 1,000, 1,280 e
1,600 rs. a vara ; ditos amarcllos de puro linho e
inuilo linos a 900 c 1,000 rs. a vara ; ditos de listras
de cores a'880 rs. a vara; riscadinhos trancados,
propros para meninos a 210 rs. o covado ; a bem
acreditada fazonda cbadrez de linho para jaquetas,
a 400 rs. o covado ; zuarto de vara de largura a 240
rs. 0 covado fazenda muito propria para prelos ;
algodes trancados a/.ues do listras o mesclados a
220 0 240 rs. o covado ; superiores pegas do breta-
nhu de puro linho muito lina e com 6 varas c meia ,
a 5.500 e 6,500 rs.; macedonia mesclada para cal-
gas a 410 c 500 rs. o covado; chitas escuras, finas
0 de cores lixas a 5,000 rs. a pega ; ditas l'rancozas,
de vara de largura a 280 rs. o covado ; meios cha-
les de cambraia de quadros, a 440 rs. ; hamburgo
de linho. a 260 rs. a vara ; brim trangado pardo e de
linho a 610 rs. a vara ; meios para senhora a 210
rs. o par; cortes de cambraia lisa com 6 varas e
meia muito lina, a 5,000 rs. ; o oulras muitas fa-
zendas por prego muito barato : na rua do Colle-
go.loja n. I.
si?
Vende-se, na rua da J<&
Cruz, n. 23, cera em ve- Ss
las, de superior qualida 8?
de, fabricadas no Uio-de- gjjr*
Janeiro, em caixas pe-
quenas, soi tmenlos ao
goslo do comprador,
e por preco mas brato
do que emoulra qualquer
parle.
Frederico Chaves, fabricante
de licores, chocolate e es-
pililos, no Atcrro'da-Bon-
Vista, n. 17,
lema honra de participar ao respeitavel publico e
com particiilaridade aos seus freguezes que tem
sempre grandesortimento do bem condecido cho-
colate de sade canclla baunlha e ferruginoso,
este muito approvado para as pessoas que padecen)
do esta mago efrialdadc por ser muito tnico. O
boto conecto quo tem tido esto chocolate, faz com
que boje participe as pessoas que anda nao lizeram
usoilelle, o igualmente aos seus freguezes, que o
teem procurado e por inconvenientes o nao teem
adiado. Os pregos sao sempre os mesmos saude ,
canda e baunlha a 400 rs. a libra, e ferruginoso ,
a 1,000 rs. Tambem vende ago'ardente do reino e
Franca, do primeira qualidade; espirito do 36 graos,
semcheiro, em garrafas e em caadas; genebra
em botijas ecm caadas; ago'ardente de aniz o de
caima; vinagre tinto, ago'ardente em pipas, nos
graos que quizerem ; licores em garrafas prelas e
brancas, com ricas tarjas duuradas e bocea pratea-
da : essencia do aniz em ongasft garrafas.
Vendem-se dous pardos, sendo um
Derfeilosapateiro, de 18 annos, delioa fi-
gura, c que he propria para pagein ; duas
prctfs, de ao anuos, de elegantes figuras,
boas costurciras, lavadeiras, c que engom-
solVrivelmente ; urna parda, de a
com as inesmoa habilidades, e que
he perita cugominadeira ; um ntolcqiic,
de *4 annos, pouco mais ou menos, e um
mulatinlio de 7 annos: todos sem vicios
nemachaqoes: na rua do Crespo, loja
11. 2 A, se dir quem vende.
Admiravel navalha de ac
da China.
Tem a vantagem do cortar o cabello sem o llene, a
da pelle, deixando a cara parecendo estar na sua bri-
Ihanto niocidade. ;
liste ago vem exclusivamente da China, o 80 nene
tnibiilban dous dos melhores e mais abalisados cu-
teloirosda nunca excedida e rica cidade de l'ekim,
capital do imperio chim.
AUTOR SHAW.
N. B. He recommendado o uso destas navalhas
maravilhosas por lodas as sociedades das sciencias
medico-cirurgicas, tanto da Europa como d'America
mam
anuos,
Asa e frica, nfo s para prevenir as fmolfstias da
cutis, mas tambom como um meio CO>siMit.u.
I)-se a contento, e responderse pela sua Doa qua-
lidade: pois s so venden) as verdadeii as, na rua larga
do Hoza rio, n. 24. -
Vcndcm-se quatro mastros de pmho : na rna
do Trapicho, n. 8. .
Vende-se ferro da Succia ; folha do Handres ,
cobre para forro de navio ; dito para caldcirciro em
porgOes grandes e pequeas : na rua de Apollo ar-
mazcm 1). 6. ,..:..
Vende-se carne de vacca salgada, em Dan is .
na ruado Trapiche, 11.8.
Na rua da Senzalla-Nova, n. do,
(padaria) vendem-se juncos de superior
qualidade, em porco e a retalho, e po'
menos do que em outra qualquer parte
Nao se esqiiccam do antigo
barateiro, que elle est^ ven-
ciendo por todo o dinheifo.
O antigo barateiro est vendendo por todo, o di-
nbeiro na sua nova loja de miudezas da rua do
Collegio, n.!), pontos de tartaruga para prender
cabello, a 2,000 rs. ; luvas do seda, muito rias, pre-
las para senhora 11 480 rs. sem dedos ; ditas pa-
ra homem de soda branca o do cores proprias
pura bailes; riquissimos caivetes, muito finos ,
de cabo de chifle de viado, do 1, 2, 3 o 4 folhas;
pentes de tartaruga para marrafss, a 960 rs. a pa-
relha; trinchantes de cabo bronco a soo rs. cada
trinchante, sendo faca grande e garfo com mola;
carteiras de algibeira, a 120 rs. cada una ; charutei-
ras de marroqnim a 200 rs. cada una. Oh quepe-
chinchade riquissimosfaqueiroa derans,grandes ,
a polka, a 3,9*0 rs. cada um ; ditos mais pequeos,
a 1,600 rs. cada 11111 ; copeiros da rame u 2,000 rs.
cada um ; leques do soda com enfeitcs dourados,
.1 2,400 rs. cada iim.C.lieguem ao grande sortimen-
to de tamancos*, muito bons para o invern ; botrtes
de madre nerola para camisa a 480 rs. a groza ;
ditos turados, do metal para caigas, u 320 rs. a gro-
za ; um grande sortimento do lilas do todas as qua-
lidades, o debios brancos e pretos minio litios,
dos quaes oslaran sempre promptas as amostras. A
elles, freguezes que aodepois o andigo barateiro
nlo quer que hriguerh _
Vendem-se podras de amolar, brancas, da me-
lbor qualidade que teem viudo do no de b.-Fran-
cisco 1 retalho e e.n porgflo por prego commooo:
na rua da Praia, armazem 11 18.
Vende-se sal de Lisboa, linoe alvo, a i.boo is.
0 alqueire pell medida velba : na rua da l'raia, ar-
mazem II. 18. ,
m Veadeiu-se maendaide ferro para eugeunos uc a-
1 litar, para vapor, agoa c bestas, de diversos lmannos.
por prcto oommodo ; c IgualuenU laixas de ferro coado
e batido, de todos os tamanhos: na prata do Corpo-San
10, n. ll.eincasadcMc.Calmont eVCompanliia, ou na
ruado Apollo, armazem, n. 6.
Guz.
Loja de Joao Chardon,
trro-da-Boa-Vbla, ti.5.
-Nesta loja aclia-se um rico sorlimento de LAMPEOES
PAItA GAZ com seus competentes vidros, accendedo-
res e abafadores.
lSlC'S CailcIiCirOS os melhores e
mais modernos queexistem hoje : recoinmendam-se ao
publico, lento pela seguranca c bom gosto de sua boa
oonfeccAo, como pela boa qualidade da luz, econoinia e
Utelode scu servico.
Na llieSma loja os consumidoresem-
preacliaraoiim deposito de GAZ, de cujo se allanen a
qualidade e em porcao bastante para consumiuo.
OBOMBAKaTEIRO.
Na loja de miudezas da rua do
Cabug de Francisco Joa-
quim Duarte ,
vendem-se ligas de borracha a 120 rs ; luvas do
seda, para incninas a 120 rs.; ditas para homem ,
decores e brancas a 210 rs. ; ditas de pellica, a
480 rs. ; cartas do clcheles a 400 rs.; Illas do vel-
ludo a I20e 160 rs. a vara; linha de carretel, a
210 rs. o de 200 jardas a 700 rs. ; agulheiros
de vidro a 200 rs.; caixas do obreias a 60 rs. ;
trancelins de borracha, a 80 rs. balaios para eos-
lora a soo rs.; panel almaco e de peso, a 2,600
rs. a resma ; capachos para ornar salas, a 600 rs. ;
lilas de linho leudo o mago dozc pegas a 200 rs. ;
Iranias brancas, para cortinados a 160 rs.; poma-
da rranceza a 80 rs. o pao ; bocetasde pinito, re-
dondas e grandes a 800 rs. de. meio a 600 rs. e
dediflerenestamanhos, de80a400 rs.; pbospho-
ros contendo 104 palitos que mo fallan), a 20 rs. ;
botoesde duraquo, a 320 rs. a groza ; ditos do seda,
a 1,600 rs.; um sortimento completo de bicos do
diversas Dualidades; caixas de linha grossado marca,
contendo 16 novellos a 160 rs.; botos linos para
calcas, a 300 rs. ; brincos dourados a 200 rs. o par;
nenies linos de prender cabello a 100 rs.; ditos de
tartaruga, para marrafa, a 1,200 rs. o par; aljofares,
a 120 rs. o lio.
-Vendo-so cha pret muito superior, cm caixas
de 16 libras proprio para familia : na rua Uo Ira-
piche, n. 8.
Compendio Doloroso.
Vende-se na praga da Independencia, livraria ns.
6 e 8 pelo prego de meia pataca o Compendio Do-
loroso do N. S. das Dores, conforme o uso da tgreja
de N. 6. da l'enha accrescentado com o rcgulamen-
toda vida para cada estado o outros muitoscan-
tigos espirituaes ; tudo impresso a cusa de um do-
voto ao qual nicamente os reverendos padres
Capuchinhoscederama propriedade,para queosven-
desse ao publico por um prego que ebegasse as clus-
ses as mais pobres o que elle satisfaz, venden-
do por meia pataca um iivnnho que vale, pelo rao-
nos, um sello.
Lausperennc do Hozarlo.
Vende-se na praga da Independencia livraria ns.
6 e8, por mil rs., um livrinho contendo o novo
Vez de Mara, novena da ConceigSo e o Lauspere-
no do P.ozario do N. Senhora.

j MUTILADO
SI.A


*A,
Vende muito bom cha hysson c pe-
rola, em caixas de 7, 8 e 10 libras, ern
grandes e pequeas porcoes, cbcgado
ltimamente ; na ra do Vigario, arnia-
zem n. 4, de Hotbe &c lidoulac.
PTIMAS NAVaLHAS
Pelo processo das temperas] das melho-
resfabricas de Guimares.
Kxcellente fabrica em Lisboa.
Estas navalhas saoleitas do mais fino
ac da Siiecia e temperadas em agoa que
conten os mesmos principios que se en-
contram na niui afamada de Guimaraes ,
e para provar a sua superior qualidade,
bastar saber-se que sao preferidas por
qucm urna vez as experimenton, a quau-
tas veem de Inglaterra Franca c outros
paizesonde a arte de cutelaria est in-
questionavelmente em grande adianta-
mento.
Tem nvaisas suproditas navalhas a im-
portante circumstancia de conservarcm
por milito lempo a aiarao de cortaren]
com rapidez o cabello ta barba e final-
mente de nao oflendercm nem levanta-
rem a pello, oque as tornan) mni recom-
mendaveis.
Vendcm-se nicamente na ra do
Crespo loja n. 8 de (ampos & Maya ,
onde nao se duvida dar para os prcten-
dentes as experimentaren!.
IJ^j Vcndoni-se os mais modernos e superiores jii
||q chapeos francezes ; chitas do novos padres j|
I o mais superiores que as mperiaes; risca- H
1 dos finissimose do novos padres; heni co- JJJ
I mooutras militas fazendas do Rosto: na ra Mil
I do Queimado loja nova de Jos Moreira l.o- lT*J
|ij pes& C., casa amarella, 11 29. ti|]
1
n-& r- f^ i^i^^S
SAO' DE PATENTE a 3,200 rs.
Chapeos deso, de panninho, basteas de ago, mc-
Ihores do que os que teem vindo.nflo s pela sua boa
qualidade como por terem as capas do oleado; un
sortimento de fazendas linas de todas as qualidades;
casimiras decores, as mais modernas que ha : na
ra do Queiniado loja nova 11. 11 A, de liavmundo
Carlos Leite.
LOTERA do UlO-D-
JANE1KO.
Vendem-se bilbetese meios ditos da
23.a lotera do tbeatro de S.-Pedro de
Alcntara : na loja de cambio de Manoel
Gomes.
Vendc-se urna preta de nago de 14 a 15 an-
nos mucama do casa de bonita (gura com al-
gunas habilidades, sera vicios nem achaques : vcn-
de-se para o mallo ou lora da provincia : o moti-
vo da venda se dir ao comprador : na ra da Con-
cordia a direila passando a pontezinha secunda
cusa terrea.
bcqs
Vende-se cera do carnauba da molhor
qualidade que tem apparecido tanto a
retalho como em porgues : na ra das
Larangeiras n. 14 segundo andar ,
junto a refinagilo.
- Vcnde-se um sobrado de dous andares e slito,
que rende 70,000 rs. mensaes por prego muito
commodo: na ra das Larangeiras, 11. 14, segundo
na
110-
Vendem-se 16 barris com niel
ra da Fraia, venda n. 38.
Vendc-se una porcao do livros
vos, em brochura e encadernados, con-
sistindo cm romances Panoramas eou-
tras militas obras ; a mappas da cidade
do Lisboa : tudo por menos preco do
que as lojas de livros : na ra do Quei-
inado, nos qualro-canlos loja amare!-
Ja,n. 39.
Vendem-seescravos baratos, na ra das
Larangeiras, ik. 14, segundo andar: 1
molecolede nacao, de 18 .-1111105,8001
iciosnem achaques, cooiolliciode co-
zinnefro; um molequc de 1:1 annos,
muito esperto dous pelos de 25 anuos, proprios
para o trablhodc campo; um pardo com ollicio de
sapateiro ; um prelo poi 'o.OOO rs. ; una nuilati-
nbo de 15 anuos com principios de habilidades ;
urna negnnha de 6 anuos por 250,000 rs. ; una di-
ta de 10anuos, propria para se educar; 2 pelos
para o trabalbo de campo; o mais outros escravos
que se mostrarSo aos compradores.
-- Vendem-se biihetes
teria do lio-de-Janeiio :
sa de J. O. Elster, na
Gadeia-Velha, n. 29.
t^ em primf.ira MAO', *
vendem-se caixas com velas de cera do Rio-dc-Ja-
neiro e de Lisboa; o tambem brandOes bogiasc
lochas : na ra da Sen/alia, armazem n. 110
vendc-se uni pardo sapateiro de bonita figu-
ra ; um dito de 10 anuos; urna negrinha de 12 an-
uos, com principios do costura; 3 pretas do ele-
gantes figuras, o com habilidades; urna dita de 18
annos, que engommn o cose para fra da provin-
cia : no paleo da matriz de S.-Antonio, n. 4, so dir
qucm vende.
--Vendem-se o alugam-so cxccllcntes bichas de
llamburgo: tambom se voapplicar : na ra do Ro-
zario da Roa-Vista, 11. 60, leuda do barbeiro.
O FINO PANNO DE 1.INIIO DO PORTO
esl se acabando a 800 rs. a vara; lom pegas de
15,16 o 19 varas, e o do 600 rs. he de 25 varas o urna
terga ; excollontes mcias do algodo cr ; ditas pre-
tas para padre ; ditas linissimas do linho : na run do
Queimado, loja nova de Raymundo Carlos Leite,
11. HA.
Vendem-se caixas do cha hysson, de 6, 12e13
libras cm porcOes ou a retalho ; caixas de velas
de espcrmacctedo5e6 em libra : na ra da All'an-
dcga-Velha, n. 36,emeasa de Matheus Austin &C.
A 640 R.s,
paros de pentesde tartaruga demarrafa: na ra lar-
ga do Rozario, 11. 24.
Na loja nova do I'asseio, o. I>,
vendem-se cassas modernas, de cores lixas c largas,
a 240 rs. o covado ; chitas de novos padrOcs e bous
pannos a 4,500 rs. a pega e u 120 rs. o covado ;
alm destas, lia um completo COrti monto de fazen-
dasdetodos as qualidades: ludo por prego com-
modo.
OpOllllllOD
o5ojd jod o sopopi|Bnbsesi!poi opsepuoz.Bjapoi
-11.1111 ll-IOS i'],i| lilil. 1 11111 SUIS'Op U10|B o 'S.I OO'-'H',!
, SOIIlil.-.l S-UO(| O S0.IOD ap SB)|l|OOp01UOUl|]JOSOAOU
mu : opBAOo iuii piij -s.i 08'l op o5a.id o')iji;q 0|0d
' (jn9j8| op soui|B(l oas op osiioisi.iriI azaouud ai
OU 8 0S-OpU8A 'O -II 'OUIOIUV-'S OpOOJB 0I3HI0JJ
-uoj 'mquadaiOQ ^ lunciassaejuiuiniiap ufo| bj
'OpCA
Vendem-se 80 caixes |vasios, para assucar, por
prego commodo: na ra do Trapiche, n. 17.

\ ende-sc um sobrado de um andar c solo, t
acahailo ha muito pouco lempo, a troco de f-
dinheiro ou de escravos de ambos os sexos : Q
na ra das Larangeiras, n. 14, segundo andar Sij
ss::e:f:gv3:s:i:s::g:a:B::e:s:e:geii
Violto de Chato pao lia
da superior c muiloacreditada marca
Cometa,
vende-sc no armazem de Kalkmann & Roscnmund,
na ra da Cruz, 11.10.
Parecem de seda.
Novo sortiment de chitas pelas assetinadas a
240 rs. o covado os padrOes sao muito mais boni-
tos do que os das primeiras; chales de 19a, a 2,400;
novas mantas de seda, a 3,200,4,000, 10,000, 14,000,
18,000 e 0,000 rs. ; lindos longos de chal, com
franja de retro/ a 1,500 rs. : na ra do Queimado ,
loja nova de Raymundo Carlos Leite, 11. 11 A.
Vnova loja n, i Y,
do *asseo-|HiI)lico,
com freote pinta-
da de verde,
vendc-se um novo sortimento de riscados francezes
de padrfies modernos oscuros e muito largos, pro-
prios para vestidos por serem de crtres lixas a 200
rs. o covado; novase ricas canibraias escocezas do
cores lixas muito largas a 320 rs. o covado ; una
porcao de cortes de chitas escuras c de cores lixas ,
com 10 covados, a 1,000 rs. ; chitas de ramagem pa-
ra cohcrlas, de bonitas cores a 180 e 200 rs. o co-
vado ; e Otilias mullas fazendas de que ha grande
soi tmenlo, por mais commodo prego do que em
oulra qualqucr parle. As amostras dilo-se com pe-
nhores.
nova loja de sirguciro. W
Lima K
vende uniformes militares, para todas
as patentes de legiOo. cavallaria o in-
fantaria da guarda nacional; galoes de
ouio e prata; chapeos invemizados para
pagens.
da lo-
em ca-
ra da
i\a nova loja n i 7,
com frente para o
Passeio-Publico,
pintada de verde,
vende-se um grande sortimeiito de chitas finas, de
cores muito iixaso padrdes agradaveis a 100 e 120
rs. o covado c a pega a 3,800 e 4,500 rs. ; pegas de
algodaoznho largo sem avaria o com 18 jardas, a
-# rs.; longos do cambraia para grvala padrOes
neos, a 160 rs. ; duraque e alpaca cor de cafe muj-
lo lustrosos, a 600 rs. o covado ; eoulras muilas fa-
zendas, do que ha grande sortimento, por prego
mais commodo do que em outra qualquor parte,
para chamar a attencao dos freguezes.
A setecentosrs. a
vara.
Na lojdoGuimaresSerafim& Companhia, ven-
de-so brim trangado francez bastante cncorpado
e de puro linho, pelo barato prego de 700 rs. a vara.
Esta fazendase torna recommendavel pela boa qua-
lidade.
Vcndem-so pegas do madapolilo com pequeo
toque do avaria a 3,200 rs.; dito fino, a 4,000 rs.;
dito muito fino, a 4,500 rs.; pegas de chita com
igual toquo, a 3,500, 4,000 o 5,000 rs. : na nova
loja que foi de Joilo Carlos, na esquina do Llvra-
mento ,n.l.
Vende-se urna elegante canoa de carreira de
um s pao de amarello muito boa de vara o leve
decora ; os prctcndcntcs com avista n3o deixaro
de agradar-se; na ra de Apollo, a fallar com
loso Esteres da silva.
Por 150^000 rs.,
vende-so ama canoa de conduzir agoa toda cons-
truida do amarello e sicupira : os pretendentes n3o
lcixarilo de fazer negocio'a vista do objecto e do pre-
go cima declarado que be o mais barato possivel :
na ra da Scuzalla-Nova venda de Jos Percira so
dir quem vende.
-Vendem-se, por prego commodo, barris do pre-
os calzaos do Porto ; bezerros envernizados ; fio de
vela ; chapeos do sol, do seda: na ra da Cadeia do
llecife, n. 38, escriptorio de Manoel Joaquim Ra-
mos o Silva.
Chcgucm ao barato.
Na nova loja da ra do Livramento, n. 14, vendem-
sc chitas finase do cores lixas a 16o rs. o covado ,
c a pega a 5,500 rs.; dita muito superior, a 200 rs.
o covado e a pega a 7,000 rs. ; madapolilo do boa
qualidade, a 2,400 a pega de 20 varas ; dito, a 2,800,
3,300, 3,600 rs. o muito fino a 4,000 e 5,200 rs. ;
hrelanha muito fina com 20 varas a 4,000 rs.; al-
godao encorpado, a 160 r.s. a vara ; cassas escocezas,
muito linas, a 320 rs. o covado; panno de linho mui-
to lino, a 520 rs.; bamburgo, muito lino, a 340
rs. ; corles de vestido de borra; dilos de colletes
do gorgurilo; lengos de chita a 160 rs.; o oulras
muitas fazendas a troco do barato.
Vcnde-se um mulatinbo de 11 anuos de mui-
to bonila figura proprio para pagem : vende-se por
necessdade : na ra do Livramento, n.-.M.
Vendc-se muito superior panno de
algoiiao da trra, largo e encorpado : na
ra do Crespo n. ?3.
Vendc-se una parda de bonila figura, do 18 a
20 annos, que cose cho e faz ronda de todas as qua-
lidades : na ra da Cadeia do Recife, loja de Jofo da
Cunta Magalhfes.
Vende-se una ptima cscrava a que se pode
entregar todo o arranjo de una casa ; urna dita boa
quitandeira por 250,000 rs. ; duas molccas ; 3 es-
cravas ; um bonito molcque ; um casal de escravos ;
um dito : todos aptos para lodo o servigo: na ra
de Agoas-Verdes n. 46.
Vende-so urna mulalinha do 12 annos; um
molcque de 15 annos ; um cabrinba de 12 ; urna es-
eravadc20 annos, que engomma cose e cozinha ;
urna dita de 15 anuos; dous escravos; duas escla-
vas de meia idade : na ra Direita n. 3.
Vende-se urna cscrava crioula com urna cria
de um mez : na ra do Rozario da Boa-Vista n. 53,
primeiro andar se dir o que a dita prela sabe fa-
zer e o motivo porque se vende.
Vendcm-sc, na iivraria da ra do Crespo, n.
II, os seguntes livros: Lexicn lalinum de l'on-
seca ; Diclionairc de Roquete ; Curso da historia de
pliilosophia por V. Cousin 3 v. por 6,000 rs.;
Magasin des onfans, 4 v. ; Tratado da rcligiSo por
3,000 rs.; Noticia verdica dos acontecimentos que
tiveram lugar no cerco do Porto, por 1,000 rs. ; Pri-
meros elementos pralicos do foro civil, por M. M.
S. por 2,000 rs. : Tentativas poticas, por 1,600
rs. ; Novo Testamento por 3,000 rs.
i\a ra do Crespo, loja n. 8, de
Campos & Maya,
vendem-se os mais modernos e lindos cortes de
cambraia do listras abortas, brancas e de cores do
ultimo gosto da rainha Victoria a 6,400 rs. ; finis-
srmo merino prcto, pelo muito barato prego de
3,200 e 4,000 rs. o covado ; alpaca prela muito lina
eencorpada a 800 e 1,280 rs.; cassa chita de bom
gosto a 240 rs. o covado ; o oulras muitas fazendas
por menos prego do que cm outra qualqucr parte.
Vende-se cal de Lisboa em barris pequeos ,
sendo da mais moderna que existo no mercado : na
ra de Apollo armazem de Almeida & Konseca.
Vendc-se una cscrava: na ra das Cruzes,
n. 15.
Vende-se um escravo de nagflo de 20 annos ,
de bonila figura sem achaques, n que he hbil pa-
ra lodo o servigo : a fallar com o Sr. Antonio Jos
Comes do Corrco, que dir qucm o vende.
Vcnde-se um palanqun! desconcertado, pelo
prego de 15,000 rs. : na praca da Independencia ,
n. 34.
-- Vende-se urna preta do 35 annos que sabe bom
lavar, cozinhar fazer renda e eoser : tudo com
perfeigilo, por prego commodo: na ra deS. R[a
n. 52. '
-- Vende-se um pardo do 23 annos, mestre pon
to de sapateiro, por isso que faz botins o sapalfas
de lustro com a maior porfoigSo possivol; he pti-
mo cozinheiro do diario do urna casa, e he muito
fiel, humilde e de elegante vista: na praga da In-
dependencia, n 5.
Vendem-soduasescravas mogas de 20 annos
cada urna pouco mais ou monos, por prego com-
modo : na ra do Livramento, venda n. 30.
No A trro-da-Boa-Vista f (ie.
froote da Calunga,
est o barateiro torrando por todo o dinheiro
um completo soVlimento de calgado novo; sapatos
de tapete tanto para homei.i como pura senhora
a 800 r.s. o par; urna porgSo de sapatOes brancos
para homem tanto por junto como a retalho ; di-
tos francezes de bezerro e de lustro, de una o
duas palas; ditos para rapazes; borzeguins Ras-
peados ; sapatos do marroquim cordovo couro
do lustro setim e duraque, para senhora ; ditos do
lustro, para meninos ; botins de marroquim e de
lustro, para ditos ; pellos de couro do lustro ; per-
fumaras ;sapatinhos de clcheles, de marroquim
o do lustro, para meninos:.tudo por prego mais
commodo do que em outra qualquer parte.
Vende-se por prego commodo, urna canoa do
carreira quo pega em 12 pessoas : a tratar na al-
fandega com Domingos Caldas Pires Forreira.
Vendom-se esleirs; courinhos miudos; um
resto de sola ordinaria, para bohuleiro; charutos de
regala : na ra da Cruz, n. 24.
Escravos Fugidos.
Fugram, doengenho Pindoba da fregueziado
Ipojuca eni o da primeiro do corrente dous es-
cravos sendo um prelo de nome AlTonso e urna
prela, de nome Felicia : o primeiro representa tor
40 anuos grosso do corpo cor alguma cousa fula,
e be coxo da perna esquerda : a segunda represen-
ta 35 annos, alta, secca do corpo cor muito fula,
com marcas muito visiveisde feridas cm urna per-
na. Ha ras;lo para crer-se que fugram para o sertilo
de Ipojuca. Roga-se as autoridades policiaes o ca-
pitaes de campo.quo osapprehendam e lovem ao di-
to engenho que sero gratificados.
Acha-so, desde odia 23 do julho prximo pas-
sado, fgido o prcto Jo3o de nagao Quigam, de
35 annos pouco mais ou menos, de ostatura alta,
cheio do corpo bastante barbado ; tem no alto da
cabega um grande calo de carregar; levou camisa
de chila azul e caigas de ganga da mesma cor. Re-
commenda-se as autoridades policiaes e capities do
campo a captura do dito escravo, promettendo-se
aos ltimos boa recompensa, so o levarem ao Alcr-
ro-da-Roa-Vista n. 88 primeiro andar.
Sexta-eira, 6 do corrente, desap-
pareceu um cabrinba, de nome llrenla
no, cor escura; representa ter i4 a i5
annos de idade; levou calca e carniza de
algodao de lista, bastante suja de cozi-
nba; desconfia-se que lugio em compa-
nbia de sertanejo de Pajeb-de-Flores,
por elle ser dabi natural, e ter vindo pa-
ra aqu o anno prximo passado. Quem
o levara esquina do Livramento, loja dt
seis portas, de Gabriel Goncalvcs Lom-
ba, ser bem recompensado.
Fugio de bordo do palacho Velicano um escravo
de nome Roque, do San-Thom estatura baixa,
rosto redondo e sem barba, com feridas as pernas,
vestido com camisa o caiga azul e barreto ingloz.
liste escravo pertence a Joilo Jos Pereira do Azeira,
do Rio-de-Janeiro. Quem oapprehender, queira le-
va-loa ra da Cruz n. 66, rasa de Gaudino Agosli-
nho de llarros, por quem ser recompensado.
~ Fugio, no (lia 2 do corrente, um preto ,de nome
Joaqum, caraolho, cheio do corpo, ps grossos; le-
vou camisa e ceroulasde algodo. Roga-se as auto-
ridades policiaes e capilflcs do campo de o pegarein
levarem as Cinco-Ponas padaria n. 154, de Manoel
Joaquim Soarcs, que gratificar.
Fugio, no da 5 do julho, do engenho lirejo ,
freguezia de Una, comarca do Rio-Fornioso, ocriou-
lo llenriques, de 26 a 28 annos, sem barba, bastan-
te alto, cheio do corpo, desdentado do queixo su-
perior nariz chato, carancudo; quando falla he des-
cansado ; suppe-sc andar em alguma praia, por ser
pescador ; intilula-se forro cm qualquer lugar quo
elle se acha ; ha desconfiangas de elle andar em
alguma canoa, por s querer o servigo do mar, e nlo
o de campo. Roga-se as autoridades policiaes e ca-
pities de campo, que apprehcndam e levem no
dito engenho, a seu senhor, Ignacio Antuncsde Ma-
cedo Lima ou nesta praga a Joaqum Antonio do
Santiago Lessa morador na ra de S.-Rita n. 91,
que se pagaro todas as despezas.
No da 3 do corrento desappareccu ta casa da
ra da Cruz, n. 55, um molcque crioulo do nomo
Jos, que ltimamente veio da Parabba para onde
sesuppOo ter-so eiicaminliado ; representa ter 12 a
13 annos ; he bem ladino ; levou caigas do riscado o
- Vendem-se casacs de pombos, muito bons bale- ca,nisa de algod.lo trangado de quadros miudos.
ores, grandes c de excellonte raga; bem como li- Koga-se as autoridades policiaes capities de cam-
po quo o pegem e levem a casa cima que sciiio
llioles niuilo gordos : tudo por prego commodo : na
ra da Florentina n. 16.
Vende-sc una boa venda sita cm bom lugar,
o antigana ra de S.-Cruz dobairro.da Roa-Vista,
com bous commodos para familia a dinheiro ou
a prazo o com os fundos a vontade dos comprado-
res, ou niesino s a armago : adverle-se que o alu-
guel ho muito diminuto cyuc tambem servo para
um principiante cm rasilo de poder alugar a urna
outra pessoa o primeiro andar.
Vende-sc una pardinha de 16 annos, que cose,
cozinha e engomma alguma cousa; duas pretas,
que laiiibcm cozinham e lavara na ra do Quei-
mado, n. 33, com frente para o largodo Colleglo,se-
gundo andar, so dir quoni vende.
Vendem-se oito vaccas de leite, j desaparta-
das com crias, ou sem ollas: a tratar com Flix
de Cantalicia Ferreira no paleo da S.-Cruz n. 2 ,
ou no sitio Cano.
Vendem-se duas esclavas de nagiio Angola ,
quo cozinham bem o diario de urna casa, o lavam
desabiioo varrclla : na ra do Queimado, loja de
Antonio da Silva Gusmo. pe un
generosamente gratificados.
Fugio, no da 7 do corrente o cabra hidro ,
baixo ; levou caigas brancas, jaquela deriscadinho
j dcsbolado e bonete azul na cabega: quom o pe-
gar leve a seu senhor, Antonio Joaqum Rebollo
Pessoa cm linda no sobrado do dous andares,
condecido pela venda do ponto na esquina que val
do Amparo para o Uom-Sucesso que recompensa-
r; assim como pede a todas as autoridades poli-
ciaes a captura do dito escravo, e protesta
com todo o rigor da lei contra quem o livor acei-
tado.
--Fugio, no dia 3 do corrente da matriz da Var-
zea um preto do nagiio ladino velbo, baixo, ma-
gro, quebrado ; foi escravo do Sr. Antonio Alvos,
quo tem sitio no Remedio, onde ello eslava ; he Ira-
balhadordo enxada.ode nomo Jo3o ; levou caigas
de riscado, camisa de algodiozinho collete o cha-
peo de palha : quom o pegar leve a ra do S.-Thc-
reza, n. 20.
HA TP, DEM. I'.USFAMA.
io4:*


Anuo de 1847.
Segunda fe ira 9 de Agosto.
N. 31,
SQ&S1SSS QQ'KttnttSAA
I
/
DE
PERNAMBCO.
(80B O AVHCXODA SOCtKDADK CO!ttSRClA.L.)
Subcrevc-e nd Prac,a da Independencia, toja de livros n. 6 e 8, por usooo fis por anno. pagos adiantados.
"""' -.1.11
PHBfOS CORRENTES DA PRAA (Corregido Sabbado as 3 horas da tarde.)
\'
3.

2
s
o-

cea ccoe c
c 'O n vffWl
oq *- e -* #.
o o o o c o
o 5 *n r
c o a t-
oooooooco-touo-ao o ce:
oo coooecc rfo r> *> ce;
o o <= c
o o c q r>
< **-*
e -~ -i T( .;
A O O
O C O
= o 5
c c C
til
'II
' lili' 'i'ii'-t'
t'

i r
11 i
" 3 '
|J1*
mi

m
5. i
O.K-0
's 1
i i
V
O
r
rr-r
ijj
tklJ
55-s i

-s
5 s '
'j'lili'" "'|"-
'ISi5*y' 'a' Bg-i-i
r lili1!'! 1 ;
II1
Sa i
2"
ti'
.li-
lil
5
.i
S .8
|J*SBw 'i
lJ
lili
o. a. -
'.3
4 'A '
i 'Z *a
'i 55 =
1 1
1 1
1
1
1 1 1
1
1 1
1 1
1 1 1 1
" I

1
I I 1 1 o 1
Jki 98 al. ^
.i.ii1iF>l
a
. 1 =a 1
I U '
5-sJs 8
I = I
ti
M
If 9
:
f-la.
11.a
lili
i I '
iji
* ti
I
y.
s ?..
3*1 V
"-3
3 ..
*3
SsfeiiJ
B 5 iit
I I A*
El
l
5.37-1 > O v
1. T3 -5 .S
I I 1 I I I I I
I J I "l I I I
l....."
Ma f*|j
I II II I
t = = -
8
so'
= X5 -
*ooa a-*
o. a. a-

111
s a a f
Sibil'
= c-="
"3 5.-*
j -/; r- H
'8.
3.5.5
V-
o v
" "
3*1
> >
1 .5
e
a 3

'
o
!s
ai
I J
,,=3,
lili
2 5 N i: i-
I
I
ldB-S-s-s
3-
0 2 "
.M va v.x
>o sc= ^z:
1
2 5 =
c o
I. .x

V
>
. c alea
I ^ : V v w _a
1 ir. s > s
"3 -. 3
. ------7.
^ 4 1
i. u. ees
II

2-1
>5 5
II 2 I ;"33
CC^
_ o=cc-=ooo
S-*= = ss
t- O J9 N r* O
S C C <4>
s e^ o -o =
^ T <
cos-coocteciQ
c-r ^ c c. o r. o -3
li'iMiliii^i
9--3
=a 5 J S 8** J i 5
O- <
S QF-_J

its-.:s
- S <- a)
* 5 es S S
SOOOOifl O O
0*N--0
?o-
C^iSac 9 6 1
o Si = 1
O O
00 _. _
O 0> O "
3? ^ 33- fr
c O
c o
-o -
o
r* ^ -i
(O -? -
. ^ -- c "- i.
0*905
r o i
^ s co
-*; I
SQ o e 3 CC 3
o c 4o
C-r* CGO -3 WO*
a #C + o
c o c o s
c c o o o
* o -1 ->
: I
I I
I
. "3 .=
I I
I I
lili
I I
I I
l I
I I
*>t
I =
i I
Hf11
.jbb. la:a.
*S I
5
o .
I I I I I I I I
1 "S 5'
1 1
15 j s
,J ,1-3 ,
I z 5
S,. iS 11 1 1
1 1 Z 1 c 1 1 1 1 ~2 -jj 1
UIHililliin-ill::: ltrl!
^ j .J S-o I
L-?J1 J =>>c>)
f-a'Sl
r T
^> 1
114
5 1 ^
I 1
I I
.111

iluj
ji-3-i-l-M
.


(>
^EXPORTAgAO.
Agoardente Cuaca -
Algodo I. son.: -
a 2. -
Assucar branco cm caixas -
mascavado -
par cm harnear ou
emsaccar, branco -
uiascavadu .
Gouros seceos salgados. -
Meios do sola _
Chitas da ierra -
do Rio Grande -
EXPORTS.
qiialily -
Itum -
Colln I.
2.
Silgar n cases while -
a > brown .
a lor Barris or Hegs.
wliile J
a brown -
Dry salted hides -
Taime bids
Oi-horns
PBEfO DA PiUg
4 6*000 01000
04900 7^000
6*400 agbOil
!.>""" I.)I0II
IfOOO
2*200 5|>J0O
iJUoo u&oo
105 II&
1*200
3#oon
'4(1011 4*500
POR
Pi|a.
Arroba.

Is. ferro
Libra.
Iluw.
Cenlo.
CAMBIOS.
Londres......................... 27 d pnrlf rs. a 00 das.
Lisboa..................... 106 a 10C por cenlo premio, por wetalefl'eeusad
Franca......................... 6b ris por franco.
Kio de Janeiro.................... ao par
PHATAmiud.................... II0 !M0.
> Palscdes Brazileiros....... 1*950 a 14960.
Pesos Columnarios......... IfMO a 14940.
Ditos Meiicanos........... 1*760 l#S00
ODHO. Moedas de 6#00 velbas... 16/mo 18*700
Ditas dilas novas... 16*000 160100.
Ditas de 4*000............ 9fi00a 9*2(0.
a Onras liespanliolas........ 28*600 a 24000.
a Ditas Patriticas.......... 28*600 a 2*c00
Letras....................... V Pr 100 ao mez
F R E T E S,
ASSUCAR.
I.iverp'ol...............Canas f 3 l 0 r r,e/\
Cauaf, poi tos Inglezes...... Dito f 4 0 0 i j l J
Dito, diloenlreHainb.e Havre. I) to 4 0 I /
Genova................ Saceos J I i i) V Com 10 /,V
llainhurgn caias............... I 10 0 1
Bltico........................ 1
Trieste.................Caitas 4 60 Com 5 %
Estados-Unidos................. bum peso e lOccnto* por sacco. /
Portugal....................... ico 200
'"anca........................ frs. 00 e 10 % de primagein
E
o
ALGODAO.
Portugal................... 600 por (> sem pi imagen) nominal
""ranea.................... U0 por @e 10 p J" aocamb. de 160 plr nominal
Jnglaterra.................. 7 18 p d. e 6 p. % d* primagera,
Uarceloua.................. 4C0ris
CUUROS.
1 4 0 0
Inglaterra Seceos t
Franca....................,,
Estados Unidos ....... .......
por tonelada eS porcento, nominal.
70 flancos por toneladas, com 10 p. cento. '
Nao lia.
^7-m.<
.Aki
D da II de Noremhro de 1814 ].n liante pagar CO p. c.o rapou tabaco
da yo, os charutos ou cigarros, o fumo em ralo ou eni fllia.
tJagar50 p. c. os saceos decauliaui4so. grossaria ou gimes da In.lia, os cai-
vetes ein I mu i de puubal, as almofadas pera carruagen*. as pedras lavradas para la-
gdo, as pedral decantan pura porles, portas e jaucllas, as pedras lavradas para
eiicanameutos cepas, ennbaes e cornijas, o assucar refinado, crystalisado ou de final
quer inaneira cot.Jeilado, < cha, a agoardanle, a cerveja. a cidra, a genenra, o mar-
rasquino, ou outrns licores, a os vinhos de qualquer quaiidade e precedencia
Hagar 40 p. c. as ale. .lilas ou tapetes, o Canhamaco ordinario ou grosspiia, as
balanzas de qualquer quaiidade, e rnupa fcit i, nao especificada na tarifa, asearlas pa-
ra jogar, as escovas fie cabo de uiarlim, o logo da China em carias, ou qualquer ou-
ro logo de artilicio, o papel pintado, prateado, ou dourado, sendo de qualidades
Unas, o papel pintado para loriar salasem colleccoes nu paizagens, o papel de Hol-
lando, imperial, ou oulro nao especificado na tarifa a plvora, os salioncles, o sabio,
o cebo em velas, as velas de Slearina ou composico, as ameizas, ou outrns fruclas
em (Vascos ou latas, seccas, em calda, ou em espirito, o chocolate de cacao ordinario,
0 vinagre, os carrinhos, carriiageus ou caisas jogos, rodas, arreios para tuna e ou-
-a cousa as esleirs para forrar casas, os carros para couduzir gente, os sociaveis,
1 silhoes, os areieiro e tinteiros de porcelana, e qualquer ohiecto delouca nao com-
pi-elieodido na tarifa os lustres, os clices para licor ou viulio de vidro liso ordina-
,,0, os de vidro moldado ordinario lavrado ou moldado e lavradn ordinario ta Alle-
,*nha e seinelhaiitcs os de vidro liso moldado ou lavrado, de fundo corlado ou liso.
m molde ou lavor ordinario ; os clices para Chainpaube ou cervrja, as canecas,
, copos direilos de 10 a I em quartilho, as "arralas de vidro al I qnarlillio ou mais,
,ndo todos esles objectos de us. I e 2 as garrafas de vidro pretas ou escuras da
, esma capacidade, comprehendidas as que servem para licores ou Le-Roy j os copos
i' 1l"lwr""s e urna caada, os frascos le 3 libras ou mais ; ou em rolha al J libras ou mais, os de lioca larga com rolhas
do mesmo, si 4 libras ou mais, ou sem rolha para opodrldoc os vidros para a-
c upadas ou caiidiirw, as talioas ou fallas de mogno ou outra madeira lina, e tras-
ci de qualquer madeira.
ftgaro 25 p. c. o ac, alcatro, zinco em barra ou em follia, chumbo em barra
oulencol, esUnlio em barra ou em verguinba, ferro em balra verguinha, chapa o
linguados para fundir.So. iolha de Klandres, galha de Alepo, tala em folhas, laloem
chapa, maitim, salitre, vime, bacalho, pene pao, e qualquer oulro, secco ou sal-
gado bolacha, carne secca ou de valmoiira, herva-doce. fariuba de trigo, pellicas
branca ou piulada, eordovej ou iones de Iwzerro para calcado, bezerros econ ros
nvernizados, courosde poico ou boi, salgados ou seceos sola clara para sapateiro
o u cvrreeiro, cobre e caparrosa.
/agarad20p. c.o trigo em grao, barrilba, canolilho, taplauilha, fieiras, fios,
franjas, lantijoulas, palhetas, passamanes, sendo deouroou prala eutrelina, ordina-
ria ou lalsa : galoes da ines.ua nalureza, ou teci.los com retro, linho. al-odo ou
seda, rendas ou ntremelos de algodo nao bordados ; rendas de fil, as de aluodo
reros ou Iroral ; lencos de cambraia de linbo ou algodo, e bandas de relroz de
malba.
sgar 10 p. c. os livros, maiipas e globos geograpbicos, inslrumenlos malhe-
inaticos, dephysica ou cbimica, cm tes de vestidos de velludos ou damascos, borda-
dos de pr.ta ououro lino ; retroz ou nopal, e cabello para cahellcireiro.
PagaraorJ p. c. ocaoulilbo, cordo de lio, espiguilha, fieira, lios franjas Ba-
lio de fio ou palbeta, lamijoulas, palhela, rendas, cadarcos e todoso mais ohiec-
loi desta uatureza, sendo de ouro e prala lina. J
Pagara ip. c. o carvo de pedra, ouro para dourar, ou quaesquerobras a
uttnsis de prala, -i -i
Pagaran 4 p. e. as joias deouro ou prata, ou quaesquer obras de ouro.
Pagaro 2 p. c. os diamantes e outra pedras preciosas solas sementes, plan*
i,lt raras novas de animaes uteis.
/aearO 30 p. c. todas os mais objectos.
Os gneros reetportados ou baldeados pag-o I p. e. de dire*'tos alm da armaze-
- rm e o despachante presta banca at approvaro desta medida pela Assem-
blea Geral.. J r
Voueedein-se livres de armazenagens, por^l5 dias," as mercadorias de Estiva, c
dous mezes ai outras e lindos estes prazos, pagaraj*/, p. c. ao mez do respecj
VO t valor.)
rdireitos d.u fnzendas, que pago por vara, deve entender-se vara quadrada.
"Os -u'.reltos nao podem ser augmentados dentro do anno financeiro ; masoGo-
erno podera mandar pagar em moeda de ouro ou prata urna vigsima parte das que
Srem marores de 6 e menores de 50 p. e. dos precos das mercadorias, ou mesmo
rllniinuil-os, segundo Ihe parecer.
O Governo est autorisadaa estabelecer] um|rlireilodillrciicial sbreos t"geucor
de qualquer naro, que sohrecarregar os geueros brasikiros de maior dlreito me
iguaes de outra naci. ^
Os artigos nao especificados na pauta pago o direito izrf vnlorem sobre a factor*
apresenlada pelo despachante! podendo poim ser impugnados por qualqurr ofTicial
da A11 .inli'-;., que em tal caso paga o impone da factura ou valor, eos direilos,
iNocasode duvida subre a classificac da mercadura, pode a parle requerer
arbitramento para designar a quaiidade e valor da pauta, que Ihe compele.
de diieitos as machinas, ainda nao usadas no lugar, em que forra
Sao iseutas
i." I mu l,ula,.
EXI'OftTACAO Os direitos pago-se sobre a avaliaco de urna pauta semi-
nal na razo segiiinte : Assucar 10 p c. Algodo, caf, e fumo It p e.. Agoai-
dente, cornos, e lodos os mais gneros 7 pe. Alem desle direilos pago se as
dente cornos, e lodos os mais gneros 7 pe. Alem destes direilos pago se as
de 20 rs.eu. cid. barrica,
;_.-.. B .^ ^-^>^ .... .Mi... tcuii i" a _> .-------
lasas de 160 rs em cada cana, de 40 is, em cada fecho,
ou sa:cos de assucar, e de 40 rs em cada sacca de algodo
Cou
ezceja-o
un ose todos os mais gneros sao livres de direilos para es portos do Imperio,!
o do algodo, assucar. caf, e luno que pago 3 p c. e as lanas por volunta-
os metaes preciosos em barra pago de direilos 2 p c. sobre o valor do cado.ea prala e o ouro ainoedadn nacional ou eslrangeiro paga nicamente Os escravos esportados pago 5/000 por cada un.
DI-.SPE6* DO PORTOAs embarcaces naeionaes, ou estrangeiras, que
naVegio para fnra do Imperio, pago 00 rs de ancoragem por tonelada: ees
naeionaes, que navegan entre os diversos portos do Brasil 9C rs As que entraren
em lastro e sahirem com carga e viceversa, pagarn me.ade do imposto supra e um
terco as que entraren), e sahirem em lastro; e mesmo as que entraran per tranquil,
ou escala quer enlrem em lastro, quer com carga Desta imposico porm lero
isenlas as que importaremmais de 100 Colonosbrancos, e as queentradrem poi arribada
forrada, com tanto que estas nao carreguem, ou descarreguem s mente os generes
necessarios para pagamento dos reparos, que fizerem.
1.EVISTA SEMANAL.
CA_MBIOllouvcro bastantes transaeces aos cambio de 27 d, por lf, so quil
ainda ha'saccadoies
ALGODAO Entraro 117 saces ; vendas pequeas por falta de deposita.
ASsUCAR Entradas mui diminutas), c Louvero vendas pelos precos quo-
tados.
CO"ROS Pouco procurados.
KAIIIMIA DE TRIGO Chcgaro tres carregamentos dos Estados-Unidos,
com 28CO barricas, das quses l0 barricas secuem para o Para, licaudo o resto por
vender.
lt.\C \ l.ll \t) O deposito lie de 2900 barricas: vendas a retalho aos
precos quoladus.
CARIVK DE CHARQUE Entrn um carregamento com o quil o deposito
he dedoze mil ariobas : as vendas tem silo regulaos
Resumo das miaacdes existentes nesle pono no dia 7 de d* Agosto IS47.
Americanas...........................................................t J
brasil Ciras.............................,.............................. II
Francesa.......................................................... I
Hespanholas......................................................... 2
1K'................................................................. ?
Portuguezas.........................................';.................. I
A Provincia goza tranquilidad*. Tottl


(5)

LISTA das Embarcages existentes neste porto al o (lia 7 de Agosto de 1847.
lNTn.Di8.
AgOW
*

iM6 etembro
JUIll.O

B
11*7 Jullio
B

1147 Agosto
a
lili Agol
<7 Jiillw *
M I*
2
21

57

59
31
DONDE Vial.
1841 Julho
16
|87 Apollo

|1I7 JulllO

New York.
Philadelphia.
BahU
\ss.
A carac.
Babia
Rio Grande do S.
Rio de Janeiro.
Haba.
Rio de Janeiro.
Arcali.
Balita.
Hnrie.leGr.ee
Barcelona.
Baicrlona e Mal.g
Leneiick.
Gaipe.
Bristol.
Liverpool.
Lisboa.
Loa ma.
CASCO
brig-esc.
Iirigue.
brtg-esc.
sumaca
siimuca
l'alacho
'le
brigue
paUcho
hiato.
brigue.
hiate.
brigue.
patacho
brigue.
bigue.
biigue.
brigue.
brigue.
barca.
brigue.
a
brigue
NACAO.
Ameri
Brasil.
Franc
Hesp.
IngL
Pon.
HOME.
Orliit.
Cowperlw.it.
R. F. Loper.
Santa Anna
Carlota.
Emulacio.
Nereida
Echo.
I.aurenlin..
Roa Viagem.
Rom Jess.
Flor do Hecife.
Sociedade.
Dous Amigos.
Beaujlo.
Jes lis.
Felippe.
Lucy Sharp.
>o Crome
Paulino lloriyl.lon,
Cumberland.
Cooceico de Mara
S. Domingos.
Hora.
TONS
171
170
i 7
81
64
120
7
160
110
7*
221
188
107
133
170
17b
270
138
402
3)1)
20(1
12
Thomai A Hlge,one.
S P Caisen.
A.D Evan
JoodeDfos Pereira
Jos Goncalres Suiaj
Antonio Gomes Prreira.
Matinal Francisco d'Araujo
Mano-I I.uii rloa Santos.
Joo Martin os Santo*.
M do Sac amento Carnauba
"emo lose de Sales.
J M MachaHoMal'froa
Jeroi.im > Jo-e Tellet.
Bernardo Augusto Lopes.
Beduchaud
Cipriano Arana.
Jos Gelpi.
Heitoi Me Fie.
I) Sangroir.
W Nicoles.
D. Power
1 nt Dereira Horgei Jnior
Manoel Gonclves Vianna.
Jos Francisco da Gasta.
CONSIGNATARIO*.
Hanry Forstrr S C.
Matheus Austin & (;.
Pt'ovaes S C
Luis los de Si Araujo.
M.ti el Goncal>*s I Mita
'. J. Fetnanil-s VI.Kalhies
Jos Pereira di Cunh.i
Luuretico Jo- d>t Nev*.
os Luis de Sousa.
Gii ino AkosImIio de Barros
Luis Borges d- Seoueira.
Jos l-ranct.-co Collares.
Amoriin St Irinos.
B. Lasserre V C.
J. P. Adour &.C.
J. P. Adour & C.
Johnslon Pater k C.
Le Bieton Scl.ram Se C.
Le Bretn Schraou k C.
lames Ryder k C.
Tho ai d'A quino Fonceca
Mencles Si T i roto.
F. S. Rabelio k Kilho.
DUITINO.
Para.
Biode Janeiro.
Ba relona
sfretar.
Canal.

Londres.
Lisboa.
Dio.
Perbaaibuco na TypofTap.l de M. F. dt Feria.1847,
fcl