Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08508

Full Text
^L
Anno
de 1847.
Sexta-feira
OH em
e aj
lypo
niARIO pul>lica-ae todos os dia, que nSo
.le curds o prero da asignatura lie de
S rs. por qw"*'. WJ T*3SZjn T
" ,l,n sssiensnles s;ii> inseridos i rasno do
FRASES DA LOA NO EZ DE AGOSTO.
i, a 11 liora e 40 rain, da nianli'a.
HioO"" 'a ,jia io horas eT min.da manlia
'-"" "nte' a 19, s 2 lioras e Jtmin. da manlia
''"T.s' a 18 ss 3 lloras e, 48 inin. damanlia.
1,111 enca '
PARTIA DOS CORP.F.I08.
(olnnnac Paraliyba, s segundasesextas feiras.
Rio-Grnnde-dr-Norte quintas feiras aome.o-d.a.
Cabo, Serinliem, Rin-Formoso, Poito-Calvo o
Macelo, no I,, a 11 e 21 de cada mez.
(aranliuns e Bonito, a 10 e 21.
Boa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas feiras.
Oliuda, todos os dias.
PREAMArt DE HOJE.
IPrimeira, s o doras a 30 minutos da manhSa.
Segunda, s O horas e 54 minutos da tarde.
le Agosto
Anno XXIV.
N. i**-
das da semana.
i Secunda. \ Riiario. Aul. do 1. los o
,hL.lo,...loc,d.2v..doJ.M.d,.vr
3 Terca. S. Ifftfe- And. do J. do civ. da
1 v edo J. de Paz do 2. disl. de t.
Uarla. S. Donilnjos deliusn.,. And .do
J. dociv. 2 v. edo 1. de paz do 1 disl. del.
Quii. S. Osvaldo. Alid. do J. de or,.li.
e do J. municipal da I. Tara.
Se.la. S. Xisto. And do do civ. d
Iv.edo J.de pal do l.dist del.
Salilwdo. S, Donato deLovoll. Aud. do J
dociv.da l.v. edoJ.de paidold.it. del
8 Domingo. S. ("_y i .h-h.
CAMBIOS NO DIA S DF. AGOSTO.
Cambio sobre T,ondresa 70'/.''.!' J
,. P.ris .'i rs. por Tranco.
Lisboa |0i de premio.
Dse, de lettras de bons (rm-s de /,.
0ro-Onr.S |,HMiolioU....2#"
Moedas de 0*100 elli. IJflOO
,l,i 8ft0<> nov lOO"0
, delfOOO..... n"
praM_ltac6es.......... |#9W
, Pesos columna.-**... #!<
, Ditos mexicanos.... 'I160
Miuda............. '{'"
Acces da comp. do lleberibe de SOfOOO
rs.a
00 d.
., 29*500
a 1811200
a ifin
a 9JI0"
, l0
a l|M>
. Ilion
rs.aop
DIARIO BE
EXTEROR.
O DIVORCIO DA RAINHA DE HESPANHA.
LOHDBI8, 3 DK JUNBO DE 18*7.
Era ile suppr que, quando a verdadeira natureza
rins Tactos occorridos em Hespanha no oiitono do
anno nassado viesse a ser conhocido, nao s pelo tes-
iemut'lio das'pessoas que os presenciaran! c de cor-
rMntmdcntes quo podiam ou nfln ser acreditados, se-
ad tamben, pela irrcfragavel evidencia das desas-
rosas consequencias a que deram lugar, um sonli-
onlo de vergonha, se mo de contriegao, induz.na
oUrincipaes autores dessas scenas a fazer um esfor-
ro nara lancarem d si a responsabilidad? dos cus
actos Ksse tempo he chega.lo. Osacrilino que foi
ornatiooanno passado com a pompa do um casamen-
to reoioesla despido boje dos falsos ornamentos da
politica e da fraude, e aprsenla todas as miserias de
una allianca elTeetuada pela coercBo a despert da
maior aversao e desprezo. Essa fcl.cidade conjugal
c decoro domestico, cuja principal residencia sobre
a ierra se disse ostao as salas das Tllenos, ou nos
bosques de Neuilly, tornaram a d esa p parecer de A -
raiiiucz. Os fructos do decantado triumpho do Sr.
llrcsson j estSo pobros, e quando saino de Hespa-
nha, deixou csse diplmala aps si n8o so a recor-
dacSo, senSo tambom a prova mais evidente do
maior insulto que se pode fazer a urna rainha e a
uma mnlber. ,
NSo he de admirar que a rainlia Isabel se resinia
hoje, com toda a energa do seu carcter, de uma ol-
fensa, a qual ha oito mezos nflo linha fftrca para op-
pr-sc, nem talvcz experiencia para comprehender,
corriqiianto a repugnancia de todos os senlimenlos
.loscucoracflolhedissesse que nflo acceuesse. NfiO
he de admirar que o principal defonsorem Planeada
politica dos casamentos hospanhes se veja agora
compollidoaconlessar que accenderam no corac.io
de Isabel II. um odio mais profundo a poltica das
Tuilc as do que aquellc que animava ao proprio l.s-
parlero para com o seu inimigo mortal. Estas conse-
quencias cram inevitaveis; masconfessamos que nno
eslavamos inteiramente preparados para essa iiypo-
crisia e alrovimento com que alguns esenptores
francezes que crocitavam no coro nupcia procuram
boje hincar sobre nos, sobreest paz, sobre os mi-
nistros inglezes e sobre a imprensa uigleza o odioso
deum estado de cousas que foi preparado a despe
lo dos nossos maiores esforc,oS e de nossas mus ins-
tantes predicefles. Este casamento tornou-sc desgra-
cado- esse aborrecimento da Franca intenso, poi
causas infinitamente mais poderosas do que mge-
nuidadedoSr. Bnllvrer, ou a influencia da Inglater-
ra. Foi a natureza que diclou este protesto reirinu-
tivo. lie a revulsilo ele um carcter ar.lenle tranido,
na oceurrencia mais solemne o momentosa davina
de tuna mullier, por aquelles que eran, obrigados; por
todos os lacos de sangue c de dever a dar proiect;,io
nainha. Nestc excesso do desapontamento euo-
cepcao, he absurdo suppr que os clculos Polll,co
de una potencia estrangeira, ou as suggestoes de
um ministro estri,ngeiro podessum uJ?m1(Mlla.ri>"'
sei.litnentos e as resoluc,Oes que a poste,;..) da rainiia
devia excitar em seu espirito, no do seu gove.no e
nodoseupovo. Essas emocoes deven sor tao pre-
lundos c espontaneas, como o mal que as OrigmOB
he grande eduradouro. O resentimeuto do lionum
naorequer aguilbo, o he um artllelo niiseiave o
do imputar a justa o vigorosa indignac,;..), que se ma-
n resta em Hespanha contra as intrigas do goveri o
francaz, n insiigac,(5es estrangoirns. O motivo aesia
transparente, porin insidiosa invencilo, he suinci-
ontemente evidente ,
Soubc-se que a rainha de Hespanha communicara
aos seos coiicelbeiros a firme resoluc,ao em que es-
tava de obler, ou de eflectuar a dissoluc,ao de um ca-
samento devido a cocrqao moral, e^ue nenhuma es-
peranza d de successao. Os nicos motivos por que
,.-j,itn.w r
se pode annullar esse casamento s3o, de per si, a
condemnac3o mais frmol da poltica c dos meios de
que se serviram para extorqui-lo rainha. Nio de-
ve, pois, causar admirocSo que os esenptores, que
cntenderam que nenhum argumento ou asscrc,no era,
vil, ou extravagante de mais, para ser empregada em
defensa do casamento, mostrom agora a mesma tai-
ta de escrpulo oppondo-so dcterniinacao, mani-
festada pela rainha, de dissolve-lo. Excederam, po-
rm, toda a sua antiga licenca, attribtiindo esta de-
terniinacao nao s a influencia poltica ingleza, se-
nao tambem s predileccJes religiosas deste paiz.
I'rocuram excitar o fanatismo calholieo da Hespa-
nha, al.n do arieblar os ferros que os designios da
Franca lancaram rainha, na.) para assegurarem a
sua successao, mas sim para e:ilingtn-la ; ealleclam
dar um carcter de santidade aos artllelos mais im-
pos da intriga poltica.
Estamos convencidos de que, nem o ministro in-
glez, nem nenhum agente inglez teve a menor parle
na resolucaoque pode ter tomado a corte nespanho-
la. Os motivos, tanto pessoaes, como polticos que
poderao ter occasionado tal resoluca.), serSo talvcz
desagradaveis Franca, mas a nossos olhos tfizem
respeito exclusivamente Hespanha. AfTcctam a Ib-
licidado da rainha, a seguranca do seu reinado, a
transmissSo da sua cora cm linha directa, a inde-
pendencia da nac,ao c a paz da Europa. A ultima
consideradlo he na verdade a nica que toca om nos-
sos inlcresses, por milito que o povo tleste paz syin-
palhise com os perigos o desgracas de uma ranina
cuja sorto tao singularmente pode ser contrastada
com a da nossa soberana. Mas para a Franca c para
os planos da corte franceza a dissolu?ao deste casa-
mento seria um golpo pesado, e qualquer que soja a
decisao tomada em Madrid, no duvidamos de que
em Pars se Ihe tora opposigilo por todos os meios,
desde a calumnia al violencia.
O interesse de uma novella franceza de data re-
cente assenta sobre os artificios que se empregam
para fazer desapparecer os herdciros de uma lieran-
ga collossal at que venha a cahir as garras dessa
ordem subtl que de ha muito marca os espolio pa-
ra si. O autor do Judeu-Erranle ignorava Ulvcz que
a concopqa.) da sua obra sera Ilustrada dentro de
tao pouco tempo pela politica do seu paz, e que os
planos que poz na cabeca de Rodin seriam copiados
na ortica pelo governo francez. A analoga, porem.
PPRMA^Bs?CO.
MEMOUIAS DE UM MEDICO. (*)
pon aicyanovc j^umau.
SEGUNDA PARTE
tfOSll 3&&3<&2d'
CAPITULO XVI
A VOX.TA DE SAIWI-Dims.
Aoseparar-se do Filippe, Gilberto confundra-se,
como dsseinos, com a multidao.
Mas nao j com o corceo palpitante de esperan-
Ca e alegra com que se laucara na bulicosa torrente,
norm com a alma ulcerada por urna dr que obom
acolhimento del'ilippe eos seusobsequiososoffere-
cimenlos nfio poderam mitigar. ,
Andreza nem Ihe passava pela idea que liouves*
lo cruel paro com Gilberto. A bella e serena don-
lia ignorava completamente que podesso haver en-
he ompleta. Os meios de que se serve o familiar dos
Jesutas para conseguir o seu diablico fim, uno sao
essas obslinacaes o interferencias violentas a qut
at entilo de balde se tinlia recorrido Os seus encan-
tamentos mais mortferos sao tirados das paixoes e
alTeicoesdaquelles que so Ihe alravessam no cami-
nho : os86USalliados mais eflicazes sao a impetuo-
Bldade e a inexperiencia das suas v.climas, (.aben,
una por uma, at que nada reste de perin... co
Ihesouro e essa ordem da qual escrupulosamente de-
via ser affastado.
Ululato nomine, de te
tabula narial'ir.
Dos successos .lestes dousmezes, ou semanas po-
de depender se a independencia da corda.de Hoana-
nha sera manlida, ou se calma sol) a lut.-lla da Man-
ca Tudo indica a approrimtcBo do eonDielo que
movavelmcntc decidir da questao. As noticias, M
recebemos de varios pontos de Hespanha, do lentali-
vas de seduziro exercto e do conseguir que os chu-
fes militares fagan, um pronunciamento contra a
rainha Isabel c proclamem regente a seu mando,
nenhuma duvida deixam da existencia de um tal
projecto. Scuielhante catastropbe sena uma aggrc.s-
to nao disfargada do partido francez contra osdi-
reitos da soberana. Se lalhar, como confiamos lalha-
ra, o procedimento que deve ter a rainha he claro ;
so frbem surcedido, o seu remado acaba de acto
e devenios contar com uma nova serie de aconteci-
menlos. tM___|
(lime.i
(Jornal do Commcrcio.)
to, quera respeito de dr, quf depra/er; porque
pairava por cima das espheras inferiores, langamlo
sobre ellas sombra ou luz, conforme eslava risonba
ou triste. Desta vez, a sombra do seu desdeni gelara
Gilberto; e como seguir o impulso da propria nalu-
reza, nem sabia que havia sido desdenhosa.
Giberlo. porm.que, como um alhleta desarmado,
recebera no intimo do coragilo o golpe d olhos de
desprozocdepalavrassoberbas, nfioUoha bastante
philosophia, con. a (haga anda sangrenta como es-
lava, para evitar a desesperaqSo.
Por isso desde o momento em que se metteu e
novo na multdo, nao se importou mais com caval-
los nem com homens. lteunio as suas nrtjM, com
risco de desencamnbar-se ou sercsn.agado, la i ou-
se como u.n javali ferido alraves do povo, eabnoca-
""u'ando l. anspoz as mais espessas carnadas do gen-
io, con.ecou o mancebo o respira, mnisl.vre, e Ion-
gando os olhos cm derredor de si, vio vordura, so-
" s'eni saber aonde a, linha elle corrido at o Se-
na, eacbava-sequasi em frenle da liba de. Saiut-
Denis. .... i
Desfallecido cntao, nao pela fadiga do corpo, mas
lelas ajonias do espirito, dcixou-se rolar no chSo,
e metiendo a cabega entre as m3os, poz-se a rugir
frentico, como se essa lingoagom do lefio exprimis-
te nielhor as suas dores, do que os gritos e a palavra
dSZ, com efTeilo, cxtincla de uma vez toda a
sna esperauga. lodo esse espirito vago _ojnjleciso.
li dcxrachTr alguns furtivos el a rOes so-
fre el.eo filho de sua ama ponto algn, decontac-1 g^^iUjJs 'nSeiiMtos,%ao elle nfio ousava ox-
(<) Vide Diario n. 173. IV <~- Uual1uer qUe ^ *" '" ""
MUTILADO m____
iftT DO BBGIIPB.
1.' SESSAODA TEItCEIftA OnDINARIA DE18V7.
PRBSIOENCIX DO SKNIIOR FEnHKIRA C.OMBS.
A urna hora da larde, prorede-se chamada, e ve-
fifica-soesUrem presentes 86 8w. jurados,
O Sr. Juh Presidente declara aberta a sestflo, e en
seguida mulla om 10,000 rs. os Sis. juizes de relo
que ileixaram de comparecer. i,n,
O Sr. Juh Munictfat da pr.mcira vara, faz entrega
Je 14 procsaos que no seu Jnio foram VWf*
e em que he autora a jusliga publica, sendo .eos.
Jos Martina de Camino;
JoSo Baptista Meirelles;
Domingos AdolpIlO Vieira de Mello;
Francisco das ('.hagas;
Joo Garlos;
Geraldo Pereiraj
Manoel Francisco da Silva;
Domingos Jos do Espirito Sanio;
Antonio ISorges da Fonseca;
Francisco Benedicto;
alaria Francisca das ('.bagas;
Francisco Antonio Vieira de Mello;
Antonio Joaquim de Carvalho;
Joan Paulo de Souza.
0 Sr. Juiz 'residente, depos do ter mandado lira,
um processo dentro os apresentados, declara que se
vai proceder ao sorleio do concellio que ha de juigai
o reo Antonio Joaquim de Carvalho, acensado de le-
rimenlos em dous individuos.
Concluido o sorleio, presta o concerno o Juramen-
to proscripto pela le.
O Sr. Juiz Presidente faz ao reo o segu nte:
ISTEKBOllTOBIO.
Juii: Como se chama ?
Ito : Antonio Joaquim de Crvamo.
Juh-.- Ondoso achava no da 10 de feveie.io
.leste anno '!.
/feo : No Giqui.
Juh. Em que lugar?
Reo : JOstava morando all mcsnio.
Juh: Aonde se achava ? !
/Mo ,\a olaria do Sr. Amaro.
Juis: Fall fui preso?
Ito : Sim, genitor.
Jui*. Qual a rasao ?
R-o Foi pela rasa.) de um liomem ser atacado
das 7 para as 8 horas da imite... porque andava com
urna rapariga. ,,
Juiz: Como se chamava csse honiem .'
Ito : Manoel da l'aixo.
Juh: Eji mull.erl' .
K Feliciana Hara da ConceicOo.
Juh. Entr.o foi vossqucm atacou a csse ho-
""/''/ Nao, genitor: eiletoi que me atacou.
Juiz: He verdade que VOSSC le.,.) a esse ho.licm
" "5o"-"Keverdade que leri, foi porque tain-
beiu fui ferido. ..
Juh: Entilo he verdade que ferio?... Diga.
fo. Nflosei; ssefoinobarulbo... How.
nl51^BMt^queltahUlirthwolMH
piou a dar-me, junto con, a mufher, e w U mbem
hes dei m defndendo; e se nflofossem as teste
muulias nao sei o que lar.ain de mim.......
la o o interroga orio por lindo, passa-se a hilan
das pegas, lo pro?esso, e'as allegagOes pro e contra o
reo.
Terminadas essas allegagoes,
OSr Juh Presidente faz o relalono da causa, c en-
^__ mruljmi
cala social a que Gilberto subsse a poder de genio,
dewiencia ou de estado, para Andreza seria c
sen. .^Gilberto, lito he, urna cousa ou um homen
eri as "as Uprls exprcssOes, dequem sim mi
nficfSevh t.-r a menor le.nbranga, c que nflo valia a
npiii une se Ihe pozessem olhos.
1 |uv a elle por um instante supposto, que ao v-lo
,-n l'I, s une ao saber que viera a p, que ao conhe-
5esdenl.osaindilVe.enga que Andreza sempre Uvera
^I^SSTSSVS ella quasi a agastar-se
q^do'soui.'qeseusolhos.niviamUdoj.^-a
^Tdmorrracos, umadccepgao, gfg
^miiobom'TumaoscomVlil^
Foi mito chegarao mais tarde, mas bao do chegar,
e he o oue Ibes importa. .f..j.
pfao acontece ass.n com os nimos forrados,
temperamentos voluntarios, organ.sagocs polentcK
S irrita.n-se avista do sangue que Ibes corre,
treen cinco qnestos ao eoncelho, que, havenrlo-se
colhido sala das conferencias, vota pouco depo.s
ndos.leliatcs.com resposta afllrmativa aos mesmos
''"oSr'vu'i /'r-siVmfe.conforman.lo-secoma eci-
sflodoiury, comdcnna o reo a 3 metes de prisao,
a multa correspondente a melado do lempo, o as
' Sendo 9 j horas da tarde, levanta-se a scssSo.
RFNDIMFNTO DA MESA HA RECEBEDORIA nEREN-
D\S INTIIINAS GI.UAES, 1)0 MEZ DE H'LlO PR-
XIMO PIND.
X SBKH "
foros de terrenos de mantilla .
I.audemios r .' '
Segunda dcima de m0 mima .
Siza doshens de raiz........
Direilos novse velhos ._,......
Ditos do chancolhria........
Dizima da mesma.........
Sello fixo.............
Dito porporcional .......
Imposto de casas de modas, etc. etc.
Emolumentos de cerlid.K-s.....
Imposto de lojas aberta*......
hito de seges c carrinhos.....
Dito de barcos do interior.....
laxas deeseravos.........
RS. .
3.652
95,000
1:0*,389
6:'299,80t
105,393
9, i 60
219,643
1:493,120
2:124.480
840.000
7,740
1.296,400
84,000
24,000
965,000
15:110,780
Uccebedoria, 2 de agosto e/^^^
EitaniUto Pereira de Oliveirtt.
Curresponclencia,
Srs Redactores. HavcndoTme contado um meu
J&M Knte. das, um teto prat.c.dc, por,am
tal .Cdolpho, dono, ou o >l"er oTe s.-ja | a cocheira da
ra Nova desta edade; e sendo este Tacto assaz ex
,r i, a no, nSo qui/. de ......nenio acred.la-lo; mas
omando-0 na devida consideragSo, pa^!, "^gar
a respeito, eseube,com espanto meu, u;--.---:-
dado! e para que o rcspeilavel publico faga do mes-
mo Adol.lio o conceito que merece, passo a exp r o
escandaloso modo com que fora.n tratadas cinco
pessoas, alias de reconbcc.da capaeda. c, as quaes
soffreram por ...ais esta vez oselfeitosda mais rela-
"aAscS^oas, pois,Srs. Redtoroa, Qe ci-
ma meneo,,.., leudo mutuamente MltanAi Ml
passar um domingo nos suburbios da c.dade, aluga-
?amum carro ao Alhmflo Adolpho, no quf ftgj
COilduzidos ao lugar determinado. Na volta, porem,
'quero! denoite e hedecrer, W*g*52:
prioecaso pensado, levo., o bom do Allemflocom
S ..... ou mais bolieiros, para con, n.a.s seguran-
za por em pratica seus premeditados iiihnlos.
O caso he este. Sis, Redactores: os cavallos quo
condu'i ocar'ro, OU cansados pelo mu.to^ trata-
Iho. 00 deudos por seos conductores pararami no
centro de um grande lamagal, do qual nflo quere -
,lo sabir, e nem para esse (n. procurando meo al-
Kumo grande Allemao, porque suas vistas cram
outras --gritn para dentro do carro, pela manein
maish,ran,e,eso .ropria de si ,ue tres Portu-
guezes que se BChavam no mesn.o sallassem rora
para cn.nmar a v.agem; ao que responderam. Oto
estes, porem os dous respeiUveis ^Kf<1Bf',e'^
que os'acon.pai.liav.tm, con. aquella ,..ude.c,. pro-
i ria dos uobres senliment.-s que os wacteriwm,
que melhor e mais delicado era descere* OS bol e -
?OS. ale que 0 carro transpo/.esse o a oleuo lo quo
Bg pessoas que tintan pago, oque toM
|| menle tratadas; porem o MlMIgO *"**>
do cm nielbcr cunta os seus criados do__que u
e.....i bartaridadechegaasoa n^-qjj^WjJ
reis antes ra.icoiosos do que amantes Mas a.a
deve accusa-los; porque nelles O *XLmX
cam-ae ISO de pertO, que nem elles sontem a paasa
enrgica resolugao. nm,iil he venia-
Z- dos dous, lar-roa-hia elle jusliga e dar-me-h.a
sa irmfla e.n recompensa da minha gloria adquir-
an cmo m'a teria dado en. cambio da m.nha ari-
oaciadcnascimenlo, se eu viera ao mundo seu
icual Mas para ella! oh! sim, bem osmio..... oh!
Golbert Vautan seriam sempre Gilberto, porque
despreza cm mim o que nada pode apagar, O que na-
da pode dourar, o que nada pode cneobnr..... a hu-
mildade do meu nascimento. Gomse, suppondo
oue eu chegasso ao meu tim, nao me t.vesse eu er-
guido mais alto para chegar ate ella, do quo se ti va-
se nascido na sua plana. Oh louca creatura! ente
insensato! Ubi mulher, mulher! isto he, imper-
15 Econlie um homem n'um bello olhar, n'uma fron-
te desenvolvida, n'um sorriso inlell.gente, n um por-

V


rcsneitaveis pessoas quo conduzia, e desaltoncioso a
tildo, proseguo na sua ohrn; resultando sahirom do
carro nilo s os tres Portugueses como tambem os
seus dous respeitaveis amigos, osquaes, noseque-
rendoenxovalhareom t.1o ridicula personagem, con-
cluiram a sua viagem a p E haver ainda
quem pague para ser ludibriado. .. quem alugue
carros a um homem de tilo rasteira conducta ?...
tendo ah os .Srs. Maciol e Frederico llansen, que
costumam no s tratarcnm urhanidado, mas at se-
ren gratos a todos acuelles que se dirigem nos MUS
eslaheleeimentos;. .. Estou persuadido que nflo,
i vista deste procidimento verdadeiro ilo estpido
ltenlo,
Concilio, pois, Srs. Itedactores, rogando-Ibes quei-
ram inserir n'um cantinho do mu acreditado jornal
estas poucas linhas, fazendo dest'arte, a mim um fa-
vor pelo qual Ihe serei grato, o ao respeitavel publi-
co um servico, ponde-o a par do acontecimenlo
que deixo exarado.
Sou, Srs. Redactores, o seu assgnante
Publicarn a pedido.
Parecer do conservatorio dramtico brasileiro acerca do
drama Pedro-Vem.
0 drama intitulado Pedro-CemUe. urna das produc-
id s que mais honra fazem ao nosso theatro. He emi-
nentemente moral; e se porventura nilo se ConforJ
ma oom oulros precetos ao menos ningucm dir
que o autor nilo seguio risca o que manda ensillar
deleitando.
(Segu urna succincta exposigflo da pega.)
Nilo ho possivel referir una por una todas as bol-
las secnas deste drama ; mili longe me levara do
meii lim : mas, em minha opinin, ho bello, mul-
lo bello; deveproduy.h escolente effeito no thea-
tru, e ninda mais nos coracOas daquelles que o vi-
nii representar. J se vi1 pois qual lie o meu paro
cor. Dr. *
O 1. secretario, Jos Rufino de l'atconcellos.
Olllm Sr. Diogo Soares da Silva de Hivar.prosiilentc
do conservatorio dramtico, coiiformou-.se com a
opiniilo da censura e aulorisou a rcpresentagflo do
drama feitasalgumas leves inodiiragOes.
Sempre tivemoso maiorgosto em animar com as
iiosshs sympathase fraco apoio osjovens Iliteratos,
nacionaesc estrangeiros, que augmeulam nesta ca-
pital O numerodat composicOes ao inesmo lempo
uteis eaprazives. Igual sentimento nos leva boje a
annunciaraos nossos leitores o favora vel acolhimen-
to que recebeu no conservatorio dramtico de Lis-
boa o drama l'edro-Cem composicffo original do
Sr. Iturgain litteratoe professorde francozmuito
conheciilo nesta corte. Kis o que encontramos a
este respeitoem una carta de Lisboa que temos a
vista.
Carla relativa ao parecer do conservatorio dramtico de
Lisboa acerca do drama l'edro-Cem.
Lisboa, 25 de iioveinbro de isli;.
Nomeada a commissfin paia a leitura do drama
Pedro-Cent, fui cscolhidn para leitoro doutor Abran-
ches autor do Capti0 de Fez. l.ido o prologo, disse
elle : He um drama perfeito ; todos os carado-
res estilo distinctamente sustentados. Assim o ros-
to corresponda Proseguio-se; e, no lim do pri-
meironcto loruou eiie : As secnas da comerfio silo
de um novo c interessanto goslo; e as do drama,
queprincipiam a desenvolver-so, dio grandes es-
perangas. Os circunstantes disseram a urna voz:
He verdade Tinba havido grandes risadas ,
das que se couliece seren ile gosto. Continuou a
leitura, que foi varias vezes iuterrompida por bra-
vos Alinal concluio elle, c rompeu em urna ds-
serlacflo tecendo a cada momento elogios a esta e
aquella belleza das partes comedia e> drami, mos-
trando todava a necessidade do alguna cortea ja
peloquunto he longa a pega ja para evitar colisas
que ueste theatro nilo pndem ser ndmissiveis. Ali-
nal foi ello o incumbido das emendas, visto que
eu, por parte do autor dava para isso perniissflo.
Nodia aprazado appareceu elle com o drama ja
emendado. Nao se fez segunda leitura, o que lirou
para dcpoisila copia, Tornou a leoor elogios, e con-
cluio dizendo : Senhores, be una pega de pao
i lino domlc um bom mostr podo cortar varios
vestidos. Honra Mja falta ao sou autor! Todos
disseram : ja Ihe damos os parabens.
IMPORTACAG'.
Orbit, patacho americano, vido de New-York, en-
trado por franqua no correte mez, consignado a
llonry Forsterr Companhia, manifestou oseguinte:
76 barricas farinha, 30 fardos fazendas, 20 caixas
ilitas azues, 20 ditas ditas brancas, 15 ditas vei;niz, 20
ditas cha, 18,645 ps de taboado ; aos consignatarios.
Beaujeu, briguo francez, vindo do Havre, entrado
no corrente mez, consignado a B. Lasserre & Com-
panhia, manifestou o seguinte :
2 caixas perfumaras; a I. I>. Wolkoop & Com-
panhia.
15 caixas tecidos, 1 dita fazendas de algodo, 1
fardo pannos e casimiras, 8 caixas tecidos do algo-
dilo, 3 ditas chapeos, 3 ditas sedas, 7 ditas tecidos de
seda e algodilo ; a J. Kcller & Companhia.
2 caixas tecidos 32 cestos vinho, 1 fardo tecidos
de algodilo ; a S. & Tobler.
100 barris o 20 mcos ditos mantcga; a I. Ramos e
Silva.
1 caixa miudezas, modas, somentes e conservas, 1
embrulho impressos ; a F. Belenot. #
180 barris o 80 meios ditos manteiga, 1 caixa cha-
pos deso, 9 ditas papel, 1 barril producemos chi-
mieas, 2 caixas miudezas, 5 ditas fazendas, 1 dita
si'das, 1 dita modas, 50 ditas velas, 2 ditas louca u
mostardii ; a ordem.
V barricasochre, 1 caixa sapatos, 4 barricas alvaia-
dc, 3 caixas chapeos, 4 ditas .igoa-mineral, 2 ditas
miudezas, I ditas drogas, 2 litas pellos, 1 caixinha
cremortartaro, 3 caixas ameixas seccas, 2 ditas con-
servas, 1 dita peonas de escrever, 1 dita papel de li-
xar, ditas papel de embrulho, I dita tecidos de lila,
3 ditas vidroa ; a Vvral Fieros Companhia.
2 caixas carneiras a Dediez Colombier.
19 caixas vinho tinto, 6 ditas vinho branco, 2 ditas
chapeos, 2 ditas livrosem branco, 1 fardo longos de
algodilo, 9 caixas papel, 101) ditas quoijos, 400 bar-
ris c 150 meios ditos manteiga, 100 ditos chumbo de
munieilo, 10 bairis oloo de linhaca, 30t garral'Oos ; a
r. Lasserre & Companhia
3caixas obras de prata, bijuterias, rondas, eain-
braias, flores artificiaos, Bedas echapeos; a Domin-
gos deSouza Lefio.
3 caixas quadros de relogios, objectos de relojoci-
ro e oculos, 1 dita bijutonas o objectos de ouro pa-
ra rolojoeiro; a C. Garnier.
2 caixas tecidos de I a c seda ; a Adour & Compa-
nhia.
3 caixas calcado, I dita diversos objectos, 1 dita
pellos, 2 ditas chapos para lininem, 1 dita fazendas,
1 dita challos de sol, 3 ditas vidros ; a Adour Flores
& Companhia.
1 barrica e 2 caixas drogas ; a I. Suum.
1 caixa livros; a L. G. Forreira.
1 caixa bijuterias falsas, luvas, chapos de seda
e mais objectos, 50 barris manteiga; aManoel Joa-
quim Ramos.
2 caixas tecidos de algodo 8 de Ia, Oquarlolas
vinho tinto, 2 caixas carneiras ; a llolli.
5 caixas e 2 fardos tecidos de algodo ; a Kalk-
mann & Rosenmund.
1 caixa prepares e ferramentas para fabrica de li-
cores ; a Pogy
120 barris e 20 meios ditos manteiga, 2 caixas pa-
pel ; a V 0. Biebcr & Companhia.
1 caixa com ditas de papelo ; a B. F. de Soiiza.
1 caixa livros a J. do AquinoFonscca.
3 toucadores e bancos de ferro ; a ('.. S. Carneiro
Monloiro.
1 caixa com roupa ; a L. A. de Siquoira.
1 caixa pannos de mesa d'algodfio, 1 dita conser-
vas do frutas,-1 dita botos e miudezas, 1 dita ditas ;
a Cezar Crugcr.
Consulado.
rendimiento do da 5.
Coral.........
Diversas provincia
393,064
21,620
414,684

Alfunilega.
RENDIMIENTO DO DIA 4........... 10:917.000
1DF.M DO DA 5 ................. -4:754,868
Descarregam hoje, 6.
Brigue ~ Tleaujeu manteiga.
Brigue-escuna Orbit niercadorlas.
todera i nba: ahi est mademoisella de Taverney ;
istohe, urna mull'.er a quem a belleza faz digna dfl
governar o mundo..... poisengana-so; be una pro-
vinciana presumpeosa,gravo,enfaixada nos prejuizos
aristocrticos. Todos cssos gentis mancebos de ca-
begascas, estouvados, quo tivoram todos os meios
para tudo aprender, e que nada saboin, so seus
iguaes ; esses silo cousas c liomens que Ihe merecem
attengo..... Gilberto he um Cfio, menos que um
clo; pois que ella pergunlou por Mahon, mas uo
teria perguntado por Gilberto.
Oh! ella ignora que eu sou Io forte como ellos;
quequandocu tiver falo igual aodolles, serei to
beni parecido como ellos ; que tenlio de mais que el-
les urna vontade inflexivel, c que se eu quizer......
Um terrivel sorriso se desdenhou nos labios de
Gilberto, o qual deixou expirar a phrase inaca-
bada.
E franzindo os sobrolbos abaixou vagaroso u cabe-
ra para o peito.
0 que ento se passou naquella alma obscura, sob
que torrivel ideia se inclinou aquella fronte paluda,
ja amarellecida polas vigilias, ja cavada pelas medi-
tages, quem o dir ?
Ser o barqueiro que descia o rio assobando a
chcara de Ilenrique IV ? Sera a alegre lavadeira que
voltava de Saint-Denis depois de ter visto o real cor-
tejo, e que, desviando-se do caminho para passar por
tonfiedelle, tornou talvez por um ladrfio o ocioso
mancebo estendido na relva no meio de eslendodou-
ros de roupa?
AO cabo de urna meia hora de meditadlo profun-
da, Gilberto ergueu-se sereno e resoluto ; desceu ao
Sena, bebeu um bom tragu d'agoa, olhou em derre-
..-. nviiuciilo to aborto.
Navios entrados no dia 5.
Babia; Sdias, patacho brasileiro Dous-Amigos, de
107 toneladas, CapitSo Bernardo Augusto Lopes,
equipagem 10, carga carne; a Ainorim Irmos.
Philadelphia; 30 dias, briguo americano Cowper-
theait, do 170 toneladas, capilo L. P. Cassen, 0-
quipagem 8, carga fazendas e mais gneros ; a Ma-
thous Austin & Companhia.
Parahiba; 4 dias, hiate brasileiro Purcza-de-Maria,
de 16 toneladas, capilo Joo Francisco Martins,
equipagem 4, carga loros de mangue ; ao capilo.
li'l'ClliHOrS.
-- O arsenal de guerra compra azoite de carra pa-
to e de coco lio de algodo e pavios : quem ditos
gneros quizer fornecer mandara sua proposta a
iiiiwiij ~im Sm mjaiimmuiBSmmmB
dor de si, e vio esquerda o longinquo tro|iel de po-
vo ao sabir do Saint-Denis.
No meio dosM tropel distinguiam-so osprimeiros
coches, marchando a passo, aperlados pela turba,
quesogiiiam caminho de Saint-Ouen.
A delphina havia querido que a sua entrada fosse
urna fosla de familia; e a familia utilisou-se da con-
COSSRo, e Io prxima se poz do espectculo, que
muitos Parisienses subiam para osauentos dos cria-
dos, ese penduravam as pesadas molas dascarrua-
gens, sem que ningucm os inquielasso.
Gilberto para logo rcconhcceu o coche de Andre-
za. Ao lado delle galopava Fihppe, ou para melhor
dizer campea va.
Rstibem! disse Gilberto, he preciso que eu
saiba para ondo ella vai, c para isso lie necessario
queeu a siga.
E seguio-a.
A delphina devia ir ceiar al.aMuetloeni reunio
particular do roi, do delphim, do conde de Proven-
ce, do conde d'Artois : em Saint-Denis LuizXV, que
levara o esquecimento da decencia at csse poni,
convidara a delphina, e Ihe apresentra a listados
convidados dando-lhe um lapis para que riscasse
quem Ihe noaprouvesse.
directora do mesmo arsenal, at o dia 7 do corren-
te mez. Arsenal de guerra 4 de Agosto de 1847.
Joo Ricardo da Silva.
A administrago geral dos cstabelecimento,
decaridado, tendo concluido os reparos descasas
n. 7 da ra da Viraclo, ns. 17 e 19 da ra do Padre-
Floranno e n. 116 das Cinco-Pontas, manda fazer
publico que no dia 9 do corrente, polas 4 horas da
tardo, ira o a praga as rendas das proditas casas, pe-
lo lempo que dncorror do dia da arrematago a 30
de junho de 1850. -- Administrago geral dos osta-
belecimentos de caridade, 2 de agosto de 1847.
O escripturario, F. A Cavalcanti Cousteiro.
ASSOCIACAO COMMERCIAL.
Nocomparecendo numero sufflcientc de associa-
dos na reunio annunciada para o da 2 do corronlc,
ficou a mesma transferida para o boje, e adverte-se
quo nesta segunda reunio se considerar haveras-
sembla geral com os socios que ento so acharom
presentes, como dispOe o artigo 5 do capitulo 1."
Josc Jeronymo Monteiro,
Secretario.
Contratos a celebrarse com a Ihesouraria dat rendas
provinciact no mez de agosto corrente.
Para o Cear sahe, nestes quatro dias, a barcaga
Pelis-Cearente: quem na mesma quizer carregar, po-
de dirigr-se a ra da Cruz do Recife, n. 43.
Para Lisboa sabe, com a maor brevidade, por
ter parte do sen carregamento prompta, o brigue
portuguez San-Domingos ; rocobo carga a frelo o pas-
sogeros, para o que tom oxcellentes commortos
trata-se com os consignatarios, Mondos & Terroso, ni
ra da Cruz, n. 54, ou com o capto, Manoel Gon-
galves Vianna, na praga do Commercio.
Avisos diversos*
RESPONDE-SE ao intrigante e calumniador, au-
tor do aviso inserto no Diario-novo de 4 do corrente
em que se diz ter havido urna reunio de liomens
que nao so calabares, na freguezia de San-Jos, na'
noite de 29 do prximo passado, que bem pode mu-
dar de rumo, pois com taes embustes j uo illude
aos homens dopovo, porque tres annos deligaotem
sido tempo sufficiente para elles conhocercm a esso
vil intrigante e a sua sucia, a qual s por mein-de
mentiras, intrigas e arlimanhas tem conseguido o
que nunca obteria por meios lcitos c honestos.
O que, porm, he verdade, he que e'sla casa est
ila Boa-Vista e Ex no trieonio do 1847 a 1850, ava-
lado em 229,330 rs. anuiiaes.
Dia II.
Oda illumiliagO a ::a/ das oidados do Recife o Oli-
la, na forma do artigo 3." da le provincial n. 191, de
30 de margo de 1847.
Dia 16.
O doestabelecmento de urna linda de mnibus,
que, na forma da le provincial n. 191, de 30 do mar-
go deste auno, facilite o transite desta cdade a qual-
quer dos seus arrabaldes e Olnda. Este contra-
to ser realisado depois que a presidencia assim o
determine, vista das propostas que por intermedio
da tbesouraria Ihe forem aprescnladas.
franca, quasi todas as noites.a qualquer Pebkawbuc-
U0|e | no, que, vordadeiro amigo de sua pbovimcia, se inte-
0 dacobranca do dizimo cavallar dos municipios" resse por urna eleigolivree digna de PERNAMBITCo,
para de commum accordo tratarein dos meios le-
gaes conducentes a tal fim.
Quem precisar de um destilador de ngo'ar-
dente, que esl acnstumado a trabalhar segundo o
systema moderno, annuncio.
Empalham-sc cadeiraso marquezascom muita
perfeigo e a prego mais commodo do que em outra
qualquer parte : na ra das Larangeiras, n. 13.
Contina-se a tomar ligdes de latim ongloz:
na ra da Madre-de-Deos, n. 34, primero andar, das
3 as 6 horas da tarde.
Offercce-se, para caixero de padaria, um mogo
portuguez de 18 anuos que tem muita pratica,
tanto de trabalhar na lendeira, como de vender na
sala, oque da Fiador a sua conducta : qucm o pre-
tender dirija sea Boa-Vista, ra do Pires, n. 23.
Joo Jos do Lima, teslamenteiro e inventar-
antede Jos Joaqum de Souza Castro, declara aos
credores do dito fallecido, que elle est procedeuilo
a inventario dos bens da heranoa, e por isso sode-
vem habilitar para sercm attendidos; como tambem
que aelleinventariante compete receber as dividas
que se deviam ao fallecido : e espera que os deve-
dores venhamsatisfaze-las para Ihe pouparem o iii-
commodo e desgosto de os demandar.
AVISO AOS AMANTES DA HORTICULTURA,
No Atlerro-da-JIoa-Vitta, n. 6, caa do Sr. Oliveira-
Arnol Pere & Fls, membros da sociedade real
de Horticultura de Paris, ltimamente chegadosa
esta provincia, leem a lumia de participar ao publi-
co, que vo expora venda urna grande c bella col-
lecgode plantas, flores o arvores de fructus, taes
como pereiras, macieras, coregeiras, parreras, etc.
etc., das melhores origens da Europa; urna grande
variiade de amarlio, dahlias, peonas um sorti-
mento de gritos do hortalices o de flores: tudo mui-
lo fresco e em perfeito estado de conservago e por
procos os maiscommodos possiveis. Para facilitaras
conveniencias dos Srs compradores, elles se obr-
gam a fazer por si mesmos as plantacOos do todos
os productos que venderem, dando assim aos mes-
mos Srs. urna completa seguranga sobre a germina-
go das seinenles e repro Quem quizer alugar um molequo ptimo para
Lscrano apprehendido pela policio.
Simplicio, que confessou pertencer a Jos Luiz,
morador junto a ponte do Recife. Acha-sc na ca-
doia desta cdade, para onde foi remedido pelo sub-
delegado de Santo-Amaro-Jaboato, e ser entregue
vista de ttulos legaes.
THEATRO PUBLICO.
GRANDE ESPECTCULO.
wbs wm b.l m z: w2 mm
Que j leve, hoje no tem.
Domingo, 8 do corrente, se representa esta gran-
de pega a beneficio do director. A grandeza do dra-
ma, cujos cnsaios, principiados as 7 horas da noite
em ponto, teem acabado a una hora depois da mea-
noite, uo permiti que m Ihe ajunte di vert ment
algum, para nflo acabar as tres da madrugada.
o dosempenho do sconario e vestuario a carcter
uo doixam ao director um momento de sobrt para
ir olTerlar aos seus amigos, os camarotes o bilhctes,
como tro COStume. Espera elle, portanto, quo os pre-
lendcnles os procurara no referido theatro ; e con lia
que os meamos seus amigos, eos amantes da avena
e presten! protecgo, hahililamlo-o a poder fazer
face s grandes dospezas quo demanda to rico quan-
to interessanto espectculo.
PublcAQio LUteraria.
Historia de Portugal por A lexandre llerculano.
OsSrs. assignantesqueram mandar buscar ra
da Cruz, casa n.7, segundo andar, o segundo volume
desta interessanto obra, cujo-prego ho o mesmo que
do pruiciro (rs 3,000.)
visos martimos.
Para o Rio-de-Janero sabe milito breve o bri-
gue .Sociedade, forrado o encavlbado de cobro, de
boa marcha, o de bous coininodos para passageiros:
para carga ou passageiros,' a fallar com Jos Fran-
cisco Collares, na loja de ferragens, esquina da ra
da Cdela, ou com o capitflo Jeronymo Jos Tollos.
Para o Rio-de-Janeiro sabe terga-feira, 10 do
corrente, o hiate Nereida : para passageiros, trata-se
na ra da Cadeado Recife, botica, n. 61, do Sr. V.
Jos de Iluto.
Para Lisboa pretende sabir, por lodo o mez de
agosto, o muito superior brigue portuguez Concei-
cdo-dc-Marta, por ter grande parte de sua carga
prompla : para carga e passageiros, para o que tem
excellentescommodos, trata-se com o consignatario,
Thomaz de Aquino Fouseca, na ra do Vgario, n.
19, ou com o capto, na praga do Commercio.
;".7aH'.;ntJnTO*!Hi"\ {^t -'-innag
elle conheceu a carruagem de madama Dubarry e
Zamora encarapitado no grande cavallo branco.
Fezmcnte coniegava a escurecer ; Gilberto inet-
teu-se n'um embreiibado, deiloii-se, eesperou.
El-rei fez ceiar a ora com a amante, o mostrou-se
muito alegre, principalmente depois quo vio a del-
phina acolher madama Dubarry anda melhor do que
o tinha foito em Compigno.
O delphim,porm, carrancudo e pensativo, prelex-
tou grandes dores de cabega, e retirou-so antes que
se pozessem mesa.
Prolongou-sc a ceia al as 11 horas.
Entretanto, a gente da comitiva, e forgoso era para
a orgulhosa Andreza confessar quo era desse nume-
ro, ceiou nos pavlhOesaosom da msica que el-rei
para all mandara. Alm disto, como ospavilhOes
oram muito pequeninos, mais de cincoenla lidalgos
ceiaram sobre a relva, servidos por oulros tantos
criados de libr real.
GilbejtO, sempre mettido no mallo, nada perdeu
dessa perspectiva. Tirou da algibeira um pedago de
pflo que comprara em Clitliy-la-Garenne, e ceiou
como os oulros, emquanlo espreitava quem parta.
Depois da ceia apresentou-sea delphina na varan-
da para dospedir-se dos seus hospedes. El-rei esla-
va ao seu lado, madama Dubarry, cpm o tacto que as
Ao chegar ao nomo de madama Dubarry, posto por j suas proprias inimigas nella adiniravam, conservou-
ultimo, a delphina mudara de cor, e tremram-lho
os labios; mas, lombrando-se das nstrucgOcs da im-
poratrizsua mi, chamara em seu soccorro todas as
suas Torgas, e com um sorriso encantador restituir
a el-rei a lista e o lapis, dizcndo-lhe, que por muito
feliz se dava em ser logo pi imeira vez admillida na
luliiniade da sua familia.
Disto no sabia Gilberto, e s em La Muett he que
se no fundo da sala, e licou fra das vistas.
Vieran! todos varanda para cumprimentar a el-
rei e a S. Alteza Real. A delphina j conhecia muitos
dos que a tinham acompanhado, o dos que no co-
nhecia, dizia-lhe l-rei os nomes. De vez em quan-
do, urna palavra graciosa, um dito a proposito Ihe
saina da bocea, e l'azia o pra/er daquelles a quem era
dirigido.
srvenlo de pedreiro, por j ter muita pratica, ou
para oulro qualquer servigo, dirija-se a ra de San-
ta-Thereza, n. 22.
Quem annunciou querer comprar umjogodo
bancas de jacarando", dirija-seno becco do Porlo, n,
48, segundo andar.
Precisa-se de dous oliciaes do charuteiro, quo
fagam bstanlos charutos por da: paga-se a 180 rs.
ao cenlo: na ra deSan-Gongalo, n. 7.
Ao abaixo assignado succodeu que.tendo r'ecebido
da cdade do Ico tres escravos para vender nesta,entro
elles urna negra de nomo Josefa, e indo o Sr. Jos da
Fouseca o Silva ver os ditos escravos para os com-
prar, conheceu ser furtada a dita negra, e porton-
cer ao Sr. Dr. Joo Floripes Dias, por Ih'a ter vendi-
do em abril de 1843, cuja negra foi conduzida a ca-
deia a ordem do Sr. sobdelegudo da freguezia de
San-Jos : por isso quem se adiar com direilo a
mesma escruva dever-se-ha entender com o abaixo
assignado, para depois do todas as justilicages nc-
cessarias Ihe ser entregue.
Domingos Rodrigues de Andrade.
Casa da F
na ra eavtreila Tendo-se transferido o andamento das rodas da
segunda parte da 17." lotera do theatro pora o dia
13 do corrente espera ocautelista da caso cima ,
que os seus freguezes concorran a comprar o resto
das suas cautelas queseacham a venda certos de
que ncllas tirarflo boas serles. A ellas, que so pou-
cas c os prego9diininutos.
' Yap imai
Gilberto via de longe todas essas bnixezas, e entre
SI ilma :
Eu sou maior do que lodo aquella gente, por-
que por lodo odinheiro do mundo no faria o quo
elles fazem.
Chegou a vez do baio de Taverney o sua familia.
Gilberto levantou-sc sobre umjoelho
Mr. Filippe, disse a delphina, por hoje dispen-
so os seus servigos para que acompanhe sua fami-
lia a Pars.
Clbcilo ouvio estas palavras que no silencio da
noite e no meio do rccolhimenlo dos que escutavain
e.olhavam, foram vibrdr-lheaos ouvidos.
A delphina aecrescentou :
Mr. de Taverney, eu uo posso ainda aloja-lo ;
v, pois, paro Pars com a senhora sua fllha, aloque
eu tenha montado a mnha casa em Versalhes; ma-
demoisella, lembro-M um pouco de mim.
O harflo rotirou-se com os lilhos. Aps elles vi-
nliam outros muitos a quem a delphina tinba ainda
de dizer cousas semelhantcs; mas esses poOco ou
nada importavam a Gilberto.
Sabio, pois, este do mallo, c poz-se na pista do
barflo no meio dos gritos confusos de duzontos la-
coios, que corriam aps dos amos, do cincoonto co-
cheiros que respondam oos laeaios, o do estrepito
de outras tantas carruagens que rodavam pelo pa-
vimento como troves. ,
Como o baro deTavemoy andava em coche da
j'rte, esto esperava-o do parte. Montou com An-
Ldreza e Filippe, o a portiiihnlo fechou-s-.
Suba para o assento do cocheiro, disse Fil
pe ao lucalo que a fechava.
Euto porque 1 ento porque ? pergunlou o
barflo.
MUTILADO


... Domingo, 7 do crlente, pe-
las 10 horas da manha, haver
grande reunio na ra de Santa-
Rita, sobrado de ura andar, n.
85 para tratarle de negocios elei-
toraes. Quem qur que queira to-
mar parte na aprecioco desses
negocios, e indicar os meios que
mais proprios Ihe pareca para
que as eleicoes, a que ora se vai
proceder, sejam to legaes quan-
o cumpre, haja de comparecer
na mesmacasa, certo de que ser
mui cordialmente recebido
_- Pede-se so Sr. Manoel Jos Soares, que declaro
Sua moradia, para se Ihe fallar om um negoc.o que
lhLdAlgMe um sitio bstanlo grande perto dcs-
ii maca! por ser no principio da estrada dos Ale-
los com boa casa e baixas para capim terra para
I ntacao Loa agoa de beber o de lavar mullos ar-
vuredos de fructo de differentes quahdades : a tratar
na ra da Praia n. 46.
-Precisa-sede um caixc.ro, quetenlia pralica
de venda e nnoexceda de U a 15 annos: se algucm
sepropozerequizorirparauma em Ol.nda apro-
veitaraaboaarrumac.no e gozara do fresco do no
bello retiro em lempo de festa : naitnwM do llo-
aro n. 39 se dir quem he o pretondento.
, --ofTercce-seuma senhora de moia idade capaz
naraama de qualquercasa, quo coz.nha muito bem
Las as qualidades de manjares : quem de se., pres-
timo se quizerutilisar, dirija-se ao becco do Azei-
"1- o curioso, que no domingo de noite, 1. de a-
costo, acumpanhou Nosso-Pai da matriz de Santo-
Antonio para a ra da Praia, e na volta, na occas.no
de recolher, toi com tanta pressa para a sacrista,
uue at mo deu atlcncHo ao Senhor Sanlissi.no Sa-
cramento, com o sentido nos chapeos dos outros, pa-
ra levar o novo edeisar o sou velho, queira quanto
antes ir leva-loa mesma matriz e entrcga-lo ao sa-
cristn, que elle Ihe dar o scu velho: do contrario,
ver o seu nome por extenso nesta folha.
Caetano Pinto de Veras declara ao respe.tavel
publico, que contina a estar em vigc* o annuiicio
abaixo transcripto, que fez publicar nos lanoj ns.
217, 218 e 219, do anuo de 1845, para que mo d.gam
depois que ignoravam o dito annuncio.
Constando ao abaixo assignado, que em seu no-
me se tem preteiuli.lo tomar duilieiro, azendas e
outros obieelos .le valor, previne ao publico, que
uno se responsabilisa por cousa alguma que uno li
por elle lomada, pessoalmenteou por escripto scu.
v Caetano Pinto de Veras.
- l'rocisa-sede ofliciocs de alfaiale de
obra grande : na ra Nova, n. Go.
- Precisa-se, para urna venda no Monteiro de um
liom caixeiro, c que de (ador a- sua conducta : nao
inuvida dar-se-nlC interesso na mesma venda : a
tratar no mesmo lugar, com Joo da Cunha Itcis.
-Nacidade do Olinda ao p da igreja da uoa-
llora, casa de Joaquina Tl.ereza do Jess, existe una
ama deleite. .
-Quemannunciou querer comprar um jogo uc
pistolas de espoleta, dirija-se a ra da MaUe-iio-
poos.n. 36, primeiro.andar, que se dir quem
vende. ___.
- Arrenda-so o sitio da cascata,.na Solcdade, com
boa casa de sobrado, cstribaria, o bons arranjos pa-
ra familia, ou algum senhor negociante, por ser
muilo perto da praca : na ra de Horlas, II 1*0.
-- Continuara a estar-para alugar as casas terreas
de ns. 25, 27, 29 e 31, sitas na ra Real, prxima >o
Manguinlu. as quaes lee.n multo bous comino.Jo.,
com quintaes murados c porto de embarque., i iro-
lar com scu proprictario Manoel l'ereira Icixcira,
morador prximo aquello lugar.
- Precisa-se de um pequeo brasilero paia. c.
xeiro de venda, preferndo-so de fora da maca, ou
mesmo deoutra provincia : na ra atrs a na
da lioa-Vista, n. 2. ,
- A Senhora U Rita de Cass.a dos Pra/.crcs
quem suas vozes lizor, annuncio sua morada pa.a
se Iho fallar a negocio de seu interesso.
OSr. Joflo LuizRibeiro annuncio por esta io
Iba a sua morada, para se Ihe fallar a negocio de seu
I)-se um cont de res a juros de dous por cen-
to, sobro penhores de ouro ou piala IHo someiite :
micm precisar annuncio.
OSr Joao da Silva lem urna carta na la uo
Crespo, n.lt vindado Cear, reinellida por um
seu Gibo uue existe naquella provincia.
OLIDADORN. 201
acha-se venda s 3 horas da tarte. Traz o impor-
tante discurso do Sr. Dr. Alvaro, e varios artigos in-
teressantes.
O n. 200, que deixou do ser annuneiado, trata sa-
tisfactoriamente da remocSo do digno magestrado,
oSr. Dr Nabuco.
A CARRANCA N. 21,
reimpressa, acha-so a venda no lugar do costume.
homem soltciro, dirija-se a ruadoRangcl, n.7l.
Precisa-se alugar um andar de urna casa para
urna familia, sendo as priucipaes ras do bairro de
Santo-Antonio: natravessado Queimado, venda n.
3, se dir quem hoque pretende.
0 ministro da ordem terceira de San-Francs-
coda cidadede Olinda faz publico aos irmnos ter-
ceiros da mesma veneravel irmandade, quo no da
10 do corrente se proceder cleicno da nova mesa
que tom de reger no anno de 1847 a 1848; o roga aos
ditos irmnos hajam de concorrer, para nfloser espa-
dada dita eleic.1o, o quesera emprejuizo da referi-
da ordem.
Precisa-so alugar um pretn para andar, acom-
panhado de um caixeiro, entregando p.lo na cidade
de Olinda: as Cinco-Pontas, padaria n. 63.
OSr. A. C. S., sennofor, da publicacaodesto
a tres dias, pagar mez c meio do aluguel do casa, que
.leve as Cinco-Pontas, n. 63, ver seu nome por
extenso nesta folha.
-- Francisca Mara Xavier embarca o seu escravo
pardo de nome Joilo para rom da provincia.
-Compram-se escravos de ambos ossexos; com
ibilidades e sem ellas, e alguns com ollicios ae sa-
sapateiro carpina o pedroiro de 12 a 24 annos
sendo do bonitas figuras pagam-se bem : narua ua
Concordia passando a ponlezinlia a dire.ia se-
gunda casa terrea ,.
-C.ompra-se um jogo de bancas de Jacaranda ,
usadas, mas que sejam modernas: quem livcr an-
iiuncie. .
Na ra larga do Hozarlo n 48, segundo andar,
compra-so urna geometra de Lacrois.
Comprase um sitio : paga-so bem, so for nestes
lugares : Mondego Cotovelio, ou Trompe na ra
das l.arangeiras, n. 14, segundo andar.
-Compra-sum oratorio que tenha 3 palmse
meio do comprimento, e que estoja em hom estado:
na praca da independencia loja n. 7.
Compra-se urna escrava moca do hoa tigura,
que saiba coznhar e lavar, e no tenha v.c.o. agra-
dando paga-se bem: na Boa-V.sta, ra Velha n. 18.
Quem a tiver, devo apparecer das 11 horas da ma-
ndila s 3 da tarde.
' -No A..erro-,la Roa-Vista defr"' ^"."fo!
est obarateiro torrando V^^\' 'i'" palos ,
completo sortnento de calcadnovo. *
tanto para liomom como para B
senhora ; dilos a 'an, ,nn-
In^Vrfnumarias :; ludo por
commodo do que em oulra qualquer
''^^iMuK'pa'r'aditoaj
pellos'de curo de lustro ; perfumaras
preco
parte
Vencas.
{Js:- OUEDADE
?HILO-DRAiMATICA
Lotera do Rio-deJaneiro.
Aos 20,000^000 de rs.
Na loja do cambio do Vieira da Silva na ra da
Cadcia:vell.a,n. 24,vendem-se b. heles o malos dttoi
da 22.' lotera a beneficio do tica roS.-Podr. de Al-
cntara do Rio-de-Jneiro, cutos '>] f.1"
na.los por Vieira da Silva.para clareza do compia.lo ,
ao pagar dos premios. A ellos, antes que se acaben.,
e chegue o vapor com a lista.
O primeiro secretario avisa aos Srs. socios, que
boje, pelas 6 horas e meia da tarde, lia sesso da
sociedade.
Pretende-so alugar um quarto pequeo em quo
possa habitar um homem soltciro prefer mo-so no
bairro de S.-Antonio em casa lerrea por baixo de
sobrado ou parte de quintal que seja arejado. Di-
rigir-so ra da Praia venda n. 42.
--NaruadeAgoas-Verdes, n. 26, precisa-so alu-
gardous inoleques, ouduas pretas, para venderem
na ra c que sejam fiis: tambem se da de venda-
geni azeito de carrapalo, pagando-se urna pataca
por caada.
SOCIEDADE
PIULO-IKlU'SICIltiKE
U primeiro secretario rfvisa aos Srs.
socios, que aniaiihaa, 7 do corrente ha
reuniao do concellio. para approvaco de
convidados partid de i4 do corrente.
O abaixo assignado avisa aos seus freguezes
jue teem diversas obras em sua casa, quo vao bus-
ca-las no prazo de 8 dias: de outra maneira, vai
vende-las para se embolsar do.linheiroquo tem pa-
go aos oiciaes por conta dos ditos seus freguezes:
por isso, para quo chegue ao co.iliecimento deles
fazo presente annuncio. lenipett.
__Precisa-se alugar urna escrava vnensalmente,
ouc seja fele boa lavadeira, e que cnlenda bem de
varrclla: na ra da Cruz, 11. 26, primeiro andar.
--AluKa-seacasadol'.xm. Manoel de Urvallio
>aes do Andrade, sita no Corrcdor-do-R.spo, a qual li-
baba de ser desoecupada peloSr. F. 11. Luttkens: os
~ Vende-se um moleque do .mulo bonita vista,
propriopar.p.gem, o que lem algum p me1,0 Jo
coznha; bem como um negro por barato prego, por
ter .....pequeo defeito: na ra estrella do Rozar.o
'' Vendem-se dous pardos, sendo um
perfeilosap;iteiro, de 18 annos, de boa li-
sura, e cinc he proprio pan pagein ; doaa
metas, de Qoannos.de elegantes l.guras,
boaseostiireiras.l .vadeiras, e que enom-
main solrivclmenle ; urna parda, de ix
anuos, com as mesmns habilidades, c que
he perita engomm.'dcira 5 um moleque
de 1 4 annos, pouco mais ou menos, e
mulatinho de 7 annos: todos sem
nem acha.pies: na na do Crespo,
n. 2 A, se dir quem vende
Nesta typographia se diz quem vendejo ac-
edes da cou.panhia de lteberibe, no valor de 80 por
Ce'--'vendcm-se muito superiores o muito frescaes
aueOSdosertliO, obra prima para qualquer pro-
um
sem vicios
"oja
Pues
c,
preteiidentes dinjam-se ao
^'--Furtaram, no dia 29 de julho prximo passa.lo,
correlor V. ti. do Oli-
da 1nal.11/
ou
.piojos (.-
sent : atrs do Corpo-Sanlo,11. i>K
Vende-se urna prota mui robusta aii^M
achaques nem vicios, de 90 annos de Iidade; sabe
muito be... eon.wrar e vender na ra; para q |i> -r
lai cousas te... multa intellSgenciaj_hi renda, w-
na 1ra-
10 Madr-de-Deos, n. 18. ,
- Vcn.le-se sola avariada. por prcCo commodo
na ra da Cadeia, escrlptorio de Manoel (.oncalves
da Silva.
-Vende-se urna preta de 24 anuos
preQo mais
te.
Admiravel navalha de ac
da China.
Tem a vanlagcm de corlar o cabello sem ofTenca
da pello, deixando a cara parecendo estar na sua un
Ihanle mocidade. nelle
Este ac,o vem exclusivamente da p" 5*1 ,u.
trabalham dous dos melhorese mais abalisa.ios tu
toleirosda nunca excedida e rica cidade do MKim,
capital do imperio chim. AlITOR SHAW.
N. B. He recommendado o uso destas navalhas
maravilhosas por todas as sociedades da scienc as
medico-cirurgicas, tanto da Europa como d A.neirita.
Asia e frica, mo s para prevenir as m0,'*l'BS
culis, mas tambem como um meio l.OSMMi*'"
l.a-se a contento, e respon.le-se pola sua boa qua
lidade: poisssevendem as verdadeiias.na ra iaiB
do Rozario, n. 24. -oi,
-Vende-se ...na preta de 18 anuos, que coln lia ,
engomma ehedo boniU figura: 110 armazo.noe
farinha da ra do Colleglo.
Vende-se cal virgem de Lisboa, em
barris, da melbor que ha no mercado, c
por preco muito rasoavel: na ra do
Trapiche, 11. 17.
- Na nova loja do Francisco Jos Teiseira Kis-
tos, na ra do Queimado nos quatro cantos, n. JW.
vende-se algodflo da terra encorpado e largo, em pui
So e a retalho.
-- Yeiviem-se nuiilo boas
pollos de bezorro de lustro, a n.ell.or fazendaque
ten. vin.lo ao mercado a 2,500 e 3,000 rs. a pene .
na ra Nova 11. 8, loja do Amaral.
-- Vendem-se ricas sedas
brancas de lislras proprias para vestidos di, no.
vados:bicosde blondo; lindas lloros do laranja,,
luvas de pellica, de meio braco, com otalMt,
patos de lustro e setim para senhora ; ^l'",0,0.1"
"lasascores;lindas manas de ^S^Si!lS
da para peseoco ; ricas tas lavra.las ; o oulias mu
las fazendas de gosto : na ra Nova a. '"J"
Amara I.
- Vendem-se lenc,os de seda para
720 rs. cada um de padrocs os mais
veis ; cortes de chitas linas a 3,200 rs.: cnbert
escravos a 1,00o rs. -
do
meninos, a
lindos possi-
os melhores
JdVdUs'objTctos.Vo os apprehender e dar parte
noOito lugar cima a Miguel Joaqui.n Bornard.no,
ou nesta praca na ra Dircita, n. 10.
Alugam-sc tres casas
becco do l'eixoto, pelo preco
a falhr na rua do
A. da C. S. G.
terreas, no
de cinco
laboa; tem principio de engom.nado e Wi
cria, sendo aprinu-iru, de idade de 7 me/es:
de bonita fi-
gura que sabe cozinhar o diario de uoil.casa1,, en-
ffoiiiinar liso lavar de sabflo e varrella, e lehnar as-
s.n tenvicios nem achaques : 0 motivo da
venda 'se dir comprador : na rua d. Concordg^
passando a pontezinha a d.rota segunda casa ler
cada urna
a firma de. Braga Silva Con.panh.a; cuja uisaoius. o
levo lugar no .lia 31 de maio prximo passa.lo, lican-
doa mesma firma obriga.la llquidatfoila mesma
- Antonio Ferreira da Coila Braga. Joo da Si ha
IIraga. Antonio Joaquim I.eite.
Compran.
cobre e
Porque desde demanhila que o pobre diabo es-
t de D. e deve eslar cansado. ___
0 harto reainungou algumas palavras, quo (..Iber-
io ..no pode ouvir lacaioroisentar-sc com o co-
cheiro.
Gilberto approximou-se.
No instante em que a carruagem 1a pAr-se a ca-
minlio, viram que urna.corroa eslava sola.
0! cocheiro apeou-se, o a carruagem licou anda
parada.
Hemuilota.de, d.ssoo liarao,
Fez'um esforco, alcan?ou o estribo da trazeira,
leolacaio deixra vago por consado, tropou-si,
li.es una carta para um amigo meu, eiicarregando:
ode p epa^r-me um pavilWinhc.en.que. jnfll
e a irmfia moraram a anno passado NBo he um a o-
l'.menlo de luxo, mas he urna residencia commoda.
Cs botemos que apparecer, e basta-nos ter onde
JTjfcf l, disse o harto, que nunca isso aera peor
<|UlTEVhenisso infelizmente urna verdade, mcu pa'i,
disse Filiiipe com melanclico sornso.
!L Te re eu arvoredos i1 perguntou Aiulreza.
- K as e muito bonitos. Mas he mu.toprova-
V qu or pouco lempo os gozos; porque logo
^orr^e'^ssrSi
de^mespe,*,,a;Smu,tocedo.Filippe, ensinastea
casa ao cocheiro ?
Gilberto escutou "ocioso.
-. Sim, senhor, disse Filippe.
tratemos
- Conlina-se a comprar ferro fundido,
bi-onze velho : na rua do Briim, n. 8.
-Compram-se as cartas do marquez doPombal,
en. 2 volun.es : na rua Nova, n. 3, ou annuncic^__
iwajBfjjaaiBafjpajjii ia iB"'" '"
Gilberto que ludo ouvia
peranca de ouvir indicar a casa
V N3o importa, segu.-los-l.o, d.ssc elle ; daqui
a Paria n8o ha mais do quo urna legoa.
A correia eslava presa, o cocheiro em scu lugar,
' MMUmaPo!0d'el-W andan de pressa, quando
a filcira os nao obriga a ir de vagar ; IBO de, pressa,
oue lembraram ao pobre Gilberto a estrada do La
Chaussee, o seu desmaio e a necessidado em que ah.
se achou.
t
que
SCMas quesiSao mesn.o lempo Ihe occorreu, o. peusa-
mcntodo que eslava na Iraze.ra da carruagem do
Aud.eza, isto he, 110 lugarde un. laca.o.
_ Ora, na. murmurou o nloxivel niancebo,
nBose hndodizer de mimquo n.1olutei ate o;ult -
mo momento; tenho as pernas fat.gadas, porem os
brE,a8ar?a0ndo-so com ambas as mSos ao estribo,
dei\ou-so ir para debaixo da laboa, e apezar dos ba-
hYoeoM sacudideias, sustove-so pelo vigor dos bra-
!oS nessa posic.no dilllcil, s para mo capitular com
8 r SStlSfc a sua casa, murmurou olio, hei de
sabe-la. Tonho de passar ainda una manoite; mas
uoscansarei amanl.n a a copiar mus.ca. Alemde que
ainda tenho dinbeiro, e posso. so qu.zer, dormir duaa
""Sois lembrava-so de que Paris era multe.gran-
de, e que talvez se perdesse, porque a n5o coube-
passan.10 a po
roo spilira unen, vende.
' Vende-se urna venda com poneos fundos, sita
a rua da Roda ; urna con.moda de angico; una
,1. me..desala, dito; um jogo efe, bancas 5
" ,, cama de vento, de armac.no para colchao: urna
oode pall.a de carnauba ; urna caixa pando da
manilo ; urna porca em vsperos de parir na 11
'l0!lVoilu,to%ttoresco, jornal do instruccao a re-
ereio ornado de bellissimas estampas: vende-se, por
'.eco' muito menor que o da asignatura, no segun-
do andar da casa ... 7 da rua da J-';
... () Judio Errante, romance de Kugerie Sue, lia
duzi.l. pelos Srs. Caslilhos Adriano e Jos; tercena
Soemrolhetospequeos: vende-sa no segundo
indar da casa 11. 7 da rua da Cruz.
_ Venderse a venda da Camboa-.lo-Carmo,... 3 :
a tratar na mesma venda.
Bisco uto inglez, Qnfssimo.
Manoel Joaqui.n Goncaivese Silva, na rua da Cruz,
n 43 ten. para vender 0 lii.issimo b.scouto inglOZ ,
em latas como maior asseiopossivel, c mu. pro-
:~.....c fnram desnaeliados no da !l
proprios para escravos a .uu '"<"* ,,\n.
rl.apeos do Cl.ili que ha, a t.000 o 10 000 n. t alW-
da.. trancado; dito mesclado azul dito **g&
picle delislrs, a 200 rs. o covado: na rua do Que.
mado n. 11 A, loja ....va do k& ">" tprreasue
Vendem-se quatro moradas de casas terreas de
conalruccfio moderna; sendo tres na na flO Hraiar.
e urna na rua doJasmim: no bairro ua Boa-riaw,.."
pateo da Santa-Cruz, n. 4, se dir quem as ven.le. ^
Vende-se una escrava parda, moga, que en-
gomma bem, cose e conzinha. com uma cria do dous
annos, muito linda: na rua Velha. casa 11 82. Na
mesma casa veflde-se um reloglo de parole.
Na Boa-Vista, rua da Gloria, no sobrado de va-
randas de ferro, .1. 87, adianto do recollumento das
limas, vendem-se pea de craveiroa brancos eencar-
nados, pequeos e grandes, de todo o preco e om
conta: quem quizo comprar dirija-se ao dito sobra-
do no segundo andar, que achara con. quem traiar
a rua da Cruz, ... 86, vendem-se ca.xaspara
rape, que imitara tartaruga, de todos os UMnAM,
esloras fritas no Aracaty, em porcoes o a retal'0,
orna porcao .fesapatos abotinados; saccas com la.i-
nba.le mandioca, e sal que se acha a bordo da su-
mar,. Carlota.
Atteiicfio.
Na rua do Crespo, !oji n. M,
de Jos Joaquim da Silva
Maya,
,endene chapeos daLtada_p.ro.c?^toJon.
prio para mimo ; pois
do prximo passado.
forain despachados no
lia do harto se tivosso recolhido
ocurra.
Felizmente era quas. meia-noite, e o da comeca-
TUfSSlmto
ftt*1%?M!
uma grande praca,
uue alravessava uma granue p,. no centro da
mi.l se erauia uma estatua equeslre
4 Ol! parece-n.e a praa i V,cloires, d.ssc elle
alegre c admirado ao mesmo tempo.
A carruagem voltou, Andrcza deitou a caneca fora
da portinhola.
LSfSi**** Brt.mo.aoh-
gar- i-.i.:-. i.d,.lr> inL'reme. Gil-
'Descerara por uma ladeira bstanle ingreme
berlo quasi que fica deba.xo das rodas.
Vcinmcisem casa, disse ril.ppc.
O barlo desceu porultimo.
csses marotos far-nos-h3o
de Labrie c
__ Entao disse elle,
onssar aqu a noite
-.___ ....... ....1 1.
Nosso momento resoaram as vozes
Nicotina e abrio-se urna porta.
N Os tros viajantes desappareccram -um pal.
curo, e a porta tornou-se a fechar.
A carruagem e os lacaios partirn para as cav
nCAScaaCemque os Ires viajantes aviara eatrado
, mal8 ricos, e mais modernos que teem.viudo a esia
Jaca: assimeomo se vendem chapeode seda e de
nalhinha para meninasdo dous a 12 annos; toucas pa-
a ianc. de muito lindos gestos. Tudo chegado
dcViaVa pelo ultimo navio, e por muito commodo
Mda tinhadenotavel ; ...as a carruagem ao passar
allumiara a casa vizinl.a, e Gilberto pdelo.
Hotel d'Armenonville.
Ka Ua va-I he conbeccr a rua. -m.i,1i-
Uiricio-se para a ...ais prxima extrem uaue, a
W ?"dlr brnca ns duL palavras quo lera tres
SSUS5 vS de"herborizar com Kousaeau nos
bosques do Meudon.
-sleUmodoSS.Ai-drezaacempassos.delloa-
i a menos longo do quede fa^rnoy a cas.nha que
,>ll habita va junto a grade do castello.
trigio-aeeoUopara a sua porta, esperando que
o bemavenlurauo cordfio que levantan o trinco in-
terior se nao acl.asse meltido para dentro.
Gilberto cstava 110 seu da afortunado. Alguns
(os do cordao eslavam fora do buraco ; puxou por
ellos, o cordo cedeu, e depois a porta.
O rapaz deu com a escada as apalpadelas ; subi
degro por degrao, sem fazer barulho, e conseguio
omfim por a m0o 110 cadeado do scu quarto, onde
Rousseau por complacencia deixara a chave.
Aocabo de de/, minutos, liavia a fadiga vencido a
alia-! preoccupaQa, e Gilberto adormeca na impaciencia
do dia seguinte.
{Continuar-se-ha.)


,A
Vende-so urna preta de naoflo, do 30 annos, que
Java, engomma e cozinhn, por barato preco : na ra
da Cadeia de S.-Antonio, n. 19.
Vende-se nina porcao de livros no-
vos, cm brochnra e encadernados con-
sistindo em romances, Panoramas eou-
tras mnias obras > niappas da cidade
do Lisboa : (udo por menos preco do
que as lojas de livros : na ra do Quei-
mado nos quatro-cantos loja amarel-
la, n. ai.
Vende-semadapolflollmpo, com20 varas ca-
da peca, a 2,400 rs., e a 140 rs. a vara : na ra es-
treita do Rozario, n. 10, terceiro andar.
- Vende-se urna preta de naglo do 14 a 15 an-
nos mucama do casa de lionita tigura com al-
gumas habilidades, sem vicios nein achaques : ven-
de-se para o matto ou tora da provincia o moti-
vo da venda se dir ao comprador: na ra da Con-
cordia a direita pautado a pontezinha segunda
casa terrea.
-* ^* JHJr3rKjrrKfr
j \cndcm-seos mais modernos o superiores Jj
jjj chapos Trancezcs ; chitas de novos padres H
-i| o mais superiores quo as imperiacs; risea- jhj
71 llos 'inissimose de novos padrOes; liem co-
mo outras mulasfazoiidas de gosto: ua ra W,
do Queimado loja noTa de Jos Morera l.o- til!
pesi C. casa amarclla, n. 29. JIj
Vende-se urna venda no melhor lugar de Fra-
le-l'ortas, bem al'rcguczada para, a torra, com os
fundos a contento do comprador e com commodos
para familia : a dinhoiro ou a piazo com boas ur-
inas : o motivo por que se vende se dita ao compra-
dor : a tratar na mosma venda, n. 86.
Vende-se a padaria das Cinco-1'ontas, de Ma-
noel Joaquim Soares, oualuga-so da maneira que
quizerem os pretendentes o motivo da venda he
porqueo annunciante faz o trabalho na ouliaque
tem na ra Direita : a tratar na mesma padaria.
LOTEKIA DO KIO-Ol!:-
JANEIliO.
Vendein-.se billietes e indos ditos
22.-1 loteria do tbeatro de S.-I'edro
-- Vende-se milito superior
couro de lustro, a 2,500 e 2$ rs.
a pelle,- bem como sapatos de
marroquim para senhora ,al^
rs. o par: na ra da Cadeia do
Kecife, loja n. 35, do Moreira.
* EM PRIMEIRA MAO', ^
vendem-se caixas com velas de cera do Rio-de-Ja-
neiro e de Lisboa; e lambem brandes bogias c
tochas : na ra da Scnzalla, armazemn. 110.
O Fl.\0PANNO DE I.INHO DO J>ORTO
est se acabando a 800 rs. a vara; tem pecas de
15, 16 e 19 varas, c o do 600"rs. he de 25 varas e urna
torga ; excellentes meias de algodflo cr ; ditas pre-
tas para padre ; ditas finissiinas de linbo : na ra do
Queimado, loja nova de Itaymundo Caatos I.eite,
n.lt A.
Vendem.se accoes daextinc*
la companhia de Pernambuco e
Paraliiba : no cscriptorio de Ol-
veira limaos & Companhia, na
ra da Cruz, n. 9.
pe-
em
Alcntara
Goine.s.
da
de
na loi i de cambio de Mano:!
lino
que
com algumashabilidades; urna negrinhade 12 an-
nos, com bons principios: na ra do Collegio n.
3, segundo andar.
Vinho de Champanha
da superior e muitoocreditada marca
Cometa,
vende-se no armazem deKalkmann & Rosenmund,
na ra da Cruz, n. 10.
Parecem de seda.
Novosortimento do chitas pretas assetinadas a
240 rs. o covado os padres sao muito mais boni-
tos do que os das primeiras; chales de lita, a 2,400;
novas mantas de soda, a 3,200,4,000, 10,000, 14,000,
18,000 e 20,000 rs. ; lindos lencos de chali, com
franja de retroz a 1,500 rs. : na ra do Queimado ,
loja nova de Itaymundo Carlos I.eite, n. 11 A.
Ya nova loja n. 17*
do Passeio-publico,
com frente pinta-
da de verde,
vende-se um novosortimento de riscados francozes
de padrOes modernos oscuros e muito largos, pro-
prios para vestidos, porscrem de ertres lisas a 200
rs. o covado ; novas e ricas cambraias cscocezas de
coros lixas muito largas a 320 rs o covado ; urna
poreio de cortes de chitas escuras < de cenes fixas
rom 10 covados, a 1,000 rs.; chitas de ramagem pa-
ra roberas, de bonitas cores a180e 200 rs. o co-
vado ; e outras militas fazendas de que ha grande
sorlimento por mais commodo preco do que em
OUtra qualqucr parte. As amostras dflo-se com pe-
nhores.
Vend-so, porprecisio um ezcellente
crava de 23 annos, de bonita tigura o quo faz tod
o servido de urna casa ; duas ditas para o servico d
campo; duas molecas, proprias para so educarein6
ambas por 800,000 rs. ; um casal do escravos DQ1
commodo preco proprio para engenho; um boi
tomolequede riacho, do 18 annos; um escravo'
muito fiel, proprio para todo o servico; um elegan-
te sobrado de 2 andares com mirante, mui bem ac"
hado sito na principal ra do bairro de S.-Antonio"
na ra de Agoas-Verdes, n. 46.
Por 130^000 rs.,
vende-se ama canoa de conduzir agoa toda cons-
truida de amarelloe sicupira : os pretendentes nln
deixario do fazer negocila vista do pbjecto e do ore
CO cima declarado que he o mais barato possivel
na ra da Sonzalla-Nova venda do Jos Pereira 0
dir quem vendo.
Vendem-se, por preco commodo, barrisdo ore
os caixaes do Porto; bezerros envornizados ; lio de
ola ; chapeos de sol, de seJa : na ra da Cadeia \1
gos
vela
Recife, n. 38, cscriptorio de Manuel
mos o. Silva.
Cadeia do
Joaquim Ka-
'J
SAO' DE PATENTE a 3,200 rs.
Chapos deso. de paiininlio, basteas de ac, mc-
Ihoresdo que os que teom viudo,nao 80 pola sua boa
qualidade coiiki por teretn as capas do oleado; um
sortiinento de fazendas linas de tolas as quididades;
casimiras de cores, as niiis modernas que lia: na
ra do Queimado loja nova n. 11 A, do Itavmundo
Carlos Leito.
Vendem-se 4 escravos ,1 cliogados do sertilo ,
sendo urna mulatinha de 12 annos ; urna crioula de
18 anuos ; um pardo de 13 a 14 anuos bem claro,
muito proprio para nigem por saber bem montar
a cavallo ; um pardo perito ollicial de pedreiro : na
ra do Trapiche, n. 36, terceiro andar, ou na
ruados Tanuciros, armazem n. 1.
Cha hvsson.

Vende-se o muito superior e
acreditado cha hvsson viudo de
Lisboa pelo ultimo navio, a 3,550
rs. a libra : na ra Nova, n. 3,
venda de Antonio Ferreira Lima.
A 640
s
9
pares de pentes de tartaruga demarris: na ra lar-
ga do Rozario, n. 24.
Na loja nova do Passeio, n. I>,
tendem-so cassas modernas, de cores lixas c largas,
a 240 rs. o covado ; chitas de novos padrOes e bous
pannos a 4,500 rs. a peca e a 120 rs. o covado ;
alm dcstas ha um completo sortiinento de fazen-
das do todas as qualidades : ludo por preco com-
modo.
Vende-se cera do carnauba da melhor
qualidade que tem appareciito ,
reta I lio como em poroOes : na
Larangeiras n. 14 segundo
junto a refinaciio.
tanto a
ra das
andar ,
sotflo,
muito
Vende-so um sobrado de dous andares e
que rende 70,000 rs. menes por preco
commodo: na ra das Larangeiras, n. 14, segundo
andar. D
Vendem-se escravos baratos, na ra das
Larangeiras, n. 14, segundo andar: I
molecotedo nacio, de 18 annos sem
ViOlOt nem achaques com oflicio de co-
zinheiro;um molequo de 13 annos,
muitoesperto, dous pretos de 25 annos, proprios
para o trabalho de campo; um pardo com ollicio do
sapaleiro ; um preto por 250,000 rs. ; una mulati-
niio de 15 annos com principios do habilidades;
urna iiegrinha de 6 anuos por 250,000 rs. ; nina di-
uue 10annos, propria para se educar; 2 pretos
paraoiiabilbodecampo; e mais outros escravos
que se mostraraonos compradores.
Vendem-se bi
!iii do encimado, n. 10,,
nova loja dcsirguciro.
. Lima
vende uniformes militares, para todas
as patentes de legiim cavallaria e in-
famara da guarda nacional ; gales de
ouro e prata; chapos invernizados para
pagens.
onde
Vende mnilo botn cha hyssonc
ola, om caixas de 7, 8 e 10 libros,
grandes e pequeas poiroes (llegado
ltimamente ; na ra do Vicario, arnij-
zcni n. 4. de Holbe Se ldoulac
PTIMAS NAVALFfAS
Pelo p/OCesso das temperas das me/ho-
res fabricas de Guimares.
Kxcellentc fabrica em Lisboa.
Estas naval has san leitas do mais
ac da Suecia e temperadas em agoa
conten os mesinos principios que se en-
coutiain na n.ni afamada de GuimarSes ,
e para provara sua superior qualidade,
bastar saber-se que san preferidas por
quem nina vez as experimento, a .(nau-
tas veem de Inglaterra Franca e outros
pazesondea arte de cutelaria est in-
questionavelmente em grande adianta-
nicnto.
Tem maisas suproditas navalhas a im-
portante circumstancia de conservaren] -\ondem-sedous tanques, feitos de muito boas
por muito lempo a aliacn de cortaren] "Mdeiras, bem construidos, e proprios para enge-
com ranidez n Va boln tU hniha n fil "ll0. levando cada um 3,500 a 4,000 caadas de mol:
com rapiaez O CaUeiIO Ca Daiha e hnal- arua da Cadeia de S.-Antonio, serrara n. 13.
mente de nao olieinleicm nem levanta- Vende-se um pardo sapateiro de bonita figu-
rero a pelle, oque as tornan mui recom- ri, "> dito de 10 anuos; urna ngrinha de 12 an-
. I "" 1 --o" nos, com principios de costura; 3 pretas de ele-
mentiaveiS. pantos figuras, eCom habilidades; urna dita de 18
Vendem-se nicamente na na do """"* ,J"ee"S0,nma e cosc. para fra da provin-
f'-*. 1^;. t 1 i o ni ca: no|iatee damalnz de S.-Antonio, n. 4, sedir
icspo loja 11. 8 de ( ampos ck Maya quem vende.
ide nao se duvida dar para os meten- --Vendem-se o alugam-so excellentes bichas de
enles as cxuenment-irem llambiirgo : tambem se vflo applicar : na ra do Ito-
tnies as exp< iiinentarcm zariada loa-Vista, n. 60, tenda de barbeiro
Vendem-se 0 alugam-se muito boas bichas, Vende-se urna venda com commodos para fa-
chegadas ltimamente de llamburgo: tambem vo- milis, e com os fundos que convieremao comprador
se applicar, para maiscommodidadedos pretenden- ou mesmoseni gneros s com a armacfto sitaen
tos: na ra estrella do Rozario, defronte* da raa das muito bom lugar do bairro da Boa-Vista 'e que he
Larangeiras loja de barbeiro, 11. 19. multo propria para um principiante : na 'ra atrs
upoiiiiiMi.) da Matriz n. 4.
oSoad .uid o sapspuanb SB sapo) op SBpuazsj op 0| --Vendem-se 8 excellentes toalhas de rico lava-
-uaiii i ios ol0|diU03 ni ti seisop iuo|b o -s.i oOC't >! [ r"^ 1 6 n"1 'le cacundO ; s com a vista he que se
, SOllUBd s-io(| a s.uoo op si:||i|.)ap'oiiioui|iJos-oA(iu pode avaliar a bemfeiloria das mesmas ; bem como
. OpBAOD um K|iiu -sj 08't op oiajil o)iuuq o|.id idous lencesde lavarinto do susto todo em roda
ii!| op soui|id oos op osiiojsuml BZ83U|jd ha I obra de muito bom gosto por preco commodo
as-.ipunA 's -u oiuoiuv-'S opoJJB ou piojj '
-uoo Bii|ui!diuo:) S> uujiuos SDojuiuin;) ap fo| um
0|HA
-oo o s.i og^l V
Vendem-se caixas dech hysson, do 6, 12e13
libras em porcocs, ou a relalho ; caixas de velas
de espermacete de 5 e 6 em libra: na ra da Alfan-
dega-Velha n. 36, em casa de Malheus Austin &C.
Vendem-se 6 pretas mocas, com habilidades, de
bonitas figuras; pretos e pardos, tambem mocos:
na ra Nova, n. 40.
Vendem-se 80 caixAes|vasios, paraassurar, por
preco commodo: na ra do Trapiche, n. 17.
O barate!roda loja n.4 da ra
do Crespo ao p do arco de
8.- ntoilio, vende
um rico e novo sorlimento de cambraias de cores ,
de padresoscocezes,e maravillosamente estampa-
das, com cores mui fixas com 4 palmos de largura.
a 320 rs. o covado ; corles de collcles de fustao pa-
drOes novos o cores lixas a 500 rs. o corle; ditos
deselim lavrado e de velludo tambem lavrado a
3,000 rs. ; ricos cortes de casimira franceza e els-
tica por muito barato preco ; muito superior casi-
mira preta franceza e elstica a 3.000 rs. o cova-
do ; cen lini um completo sortiinento de todas as
fazendas por preco mais commodo do que em ou-
traqualquer parte. As amostras sao francas aoscon-
correnles.
Cheguem ao barato.
Na nova loja da ra do IJvramcnto, n. 14, vendem
se chitas finase de cores lixas, a 161 rs. o covado
e a peca a 5,500 rs.; dita muito superior, a 300 rs'
o covado e a peca a 7,000 rs.; madapollo do
un]
-ou 1:
leles da
feriado Rio-de-Janeiro: em
sade J. O. Elster, na
Gadei-Vellia, n. 29.
Vendem-se iG barris cm niel : na
ua da t'raia, venda n. 38.
lo-
ca-
ma d.
A3:a:B:s:a:B;a;s;:@:ea
rt Vende-se um sobrado de um andar c solilo, ^;
:: acabado ha muito pouco lempo a troco de i':'-
J) dinheiro ou de escravos de ambos os sexos : gj
^j na ra das Larangeiras, n. 14, segundo an(jar Srf
do ouro : no largo do
ra do Queimado, loja de ferragens, n. 4.
Vende-so um escravo cabra de 16 anuos, sem
vicios nem defeitos: vende-so por nao querer ser-
vir em engenho : na pvaqu da lloa Vista, n. 6, ou na
ra da S.-Cruz, n. 74.
- Vende-se urna escrava moca: na ra de S -
Thcreza, n. 34.
i\a nova loja n. 17,
eom frente para o
Passeio-Publico,
pintada de verde,
vende-se um grande sorlimento de chitas finas de
cores muito Osase padrOesagradaveis, a 100 e 120
rs. o covado e a peca a 3.800 e 4,500 rs. ; pecas do
algodoznho largo .scinavaria e com 18 jardas, a
-/rs.; lencos de cambraia para grvala padrOes
ricos, a 160 rs. ; duraque c alpaca cor de cafe
lo lustrosos, a 600 rs. o covado ; e outras
zendas., do que ha grande st-rtimenlo
mais commodo do que em entra qual
para chamar a allencSo dos fieguezes.
.-------1 escocezas,
muito finas, a 320 rs. o covado; panno de Mnho mui
tolmo, a 520 rs.; liamburgo, muito fino, a 310
rs. ; cortes de vestido do borra; ditos do colletis
degorgurilo; lencos docbita, a 160 rs.; e outra^
muitas fazendas a Iroco do barato.
Vende-se um mulatinho de 11 annos, de mui-
to bonita figura proprio para pagem : vende-se dop
necessidade : na ra do Livramento, n. 21.
l\a loja nova do
Passeo-publico,
n. 17,
vendem-se cortes de chitas suissas, de coros fixas
rannos andazu, a 1,200 ris com 10 covadoso
lencos de cambraia para inflo de senhora a 330
res; merino preto, muito largo e lino, a 1,200-
1,600, 3,000 e 3,200 rs. ; cortes de calcas da afamadi
pelle do diabo a 1,400 rs. ; pecas de algodlo tran-
Caco a 4,000 rs.
Vende-se fio da ladia, proprio para coser sac-
eos : na ra do Trapiche, n. 8.
Vende-se um escravo pedreiro: noeScriptorio
de Manoel Goncalves da Silva, na ra da Cadeia do
Itecife, se dir quem he o vendedor.
Escravos T^iigidos.
Vendem-se 14 oitavas
Carmo, venda n. 1.
-- Vende-se um lindo moleque de 18 annos, ser-
railor; um preto de 25 annos proprio para lodo o
servico; das pardas urna de 22 annos, com lia-
iiiidaues ea outra de 12 annos, com principios
I proprios para se educar; 3 pretas de 20 a 30 annos,
i\ seteeentosrs. a
vara.
Na loja de OuimarflcsSerafin & Companhia, ven-
do-sc bnm trancado francoz bastante encrpado
e de puro linho, pelo barato proco de 700 rs. a vara
lidad G t0r"a reco,n'"endavel Pela boa qua-
- Vendem-se pecas ,le madapollo com peoueno
toque do avaria a 3,200 rs.; dito lino, a 4,000 vs
t .0.."?.' "n'.* *'5U.-rs "e e chita com
com
: na nova
do Livra-
d
igual toque, a 3,500, 4,000 e 5,000 n
loja que foi de Joiio Carlos, na esquina
ment n. 1. ^
--Vende-se urna elegante canoa de carreira
umsopaodeamarello, muito boa de vara o i,
de coros ; os pretendentes com avista .,3o deixai:
do agradar-se : na ra de Apollo taThUi.
JoSolsteves da Silva. P ljlij|
Fugio de bordo do patacho Velicano um escravo
de nome oque, de San-Thom estatura Delta,
rosto redondo e sem barba, com feridas as pernas,
vestido com camisa c calca azul e barrete ingle/.
Este escravo pertenco a Joo Jos Pereira do Azeira,
do Rio-de-Janeiro. Quemoappreliender, queira le-
va-lo ra da Cruz n 66, casa de Gaudino Agosti-
nho de llanos, por quem ser recompensado.
Ainda se acha fgido, desde o da 25 para 26 ,
o sera vo Rufino,- de nacflo Congo, de 40 annos
pouco mais ou menos de estatura alta corpo me-
dio, cor Tula olhos grandes nariz e bocea regu-
lares barbado ; tem a prrn.a direita cambada ; Ic-
vou calcas de estopa cia camisa de algodflo azul,
e na falta desta roupa camisa e calcas de algodflo
volho e bonete de ganhador na ealicca : quem o pe-
gar levo a J. P Ferreira na ra da Senzalla-Vclha ,
n. 98, que sera recompensado.
Fugio, no dia 2 de agosto, o preto Manoel, na-
tural do Ico do (.cara de 22 annos pouco mais ou
menos, de estatura baixa, cabellos pretos, pouca
parta ; quando anda breas pernas nlguma cousa ;
levou camisa o ceroulas de algodflo da ierra, bo-
nete inglez, de cores pode ser que tenhu mudado
de trages por ter roupa fra de casa. Roga-se a
todas as autoridades policiaes e capil.Tes de campo
de o apprehcndcrem e levarem a Fra-de-Portas
venda n. 92, quo serflo gralificados generosamente.
I'ligio, iiodi2docorrenlo, um pelo ,de nome
Joaquim, caraolho, cheio do corpo, psgrossos; le-
vou camisa c ceroulas de algodflo. Roga-so as auto-
ridades policiaes ecapitflcsdccampodeopegareme
levarem as Cmco-Ponlas padaria n. 154, de Manoel
Joaquim Soares que gratificar.
Fugio, no dia 5 do julho, do engenho Breio ,
reguezia de Una, comarca do Rio-Formoso, ocriou-
lo lienriques, de 26 a 28 anuos sem barba, bastan-
te alto, cheio do corpo, desdentado do queixo su-
perior nariz chato, carancudo; quamj falla be des-
cansado ; suppOe-se andar em alguma praia, por ser
pescador; intitula-so forro cm qualquer lugar que
e lo se acha ; ha desconfiancas do ello andar em
- -.v mu- aljUma canoa, por s querer o servico-do mar, e nflo
as muitas ra-p.yeCfiml'0- Roga-sc as autoridades policiaes o ca-
>, por proco '!!,cs (le campo, que apprchcndam e levem ao
Iquer parte, "ll" ijgenho, a sen senlior, Ignacio Antunesdo Ma-
ecuo Lima, ounesta praca. a Joaquim Antonio de
santiago l.essa morador na ra deS -Rita n. 91,
que se pagarflo todas as despeziis
Desappareceu um proto, donme Manoel,
crionlo, baixo egrosso, pos chatos, de 22 annos
pouco mais ou menos ; levou camisa de madapo-
ao calcas de algodflo azul porm pode ser que ja
lenha mudado do roupa, por ter aqui um mano. Ile-
commenda-se as autoridades policiaes e capites
decampo a apprehensflo do dito escravo e a sua
entrega na ra de Agoas-Verdes n. 44, onde serflo
recompensados.
No dia 3 do corrente desappareceu da casa da
na da Cruz, n. 55, um moleque crioulo, de nomo
Jos, que ltimamente veio da Paraliiba para onde
se suppOe ter-se encaininhado ; representa ter 12a
13 anuos; he bem ladino; levou calcas de i iscado o
camisa do algodflo trancado.de quadros miudo.
Roga-so as autoridades policiaes capites de cam-
po quo o pogem e levem a casa cima que sorflo
generosamente gratificados.
mui-
do
com
PElt.N : >A TVP. DEM, F.DE FAttlA.--l847.
MUTILADO I