Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08503

Full Text
Anno
de 1847.
Sabbado 51
_ MRW puhlica-se lodos os dias, que no
, jingo* adiantadoi. Os an-
L assennt san inseridos a msiode
inC,5,io h,nr,.emtTpo differonlc, e a
2ErS*m** O oue nKo f-rem a.,g-
r'C;pK>= 80 ??rlin>- e ,00,,n lP
i""* P s_____a. i.iil.IicaCHO.
.lilIcrcnW. po
PHASES DA. LUX NO MEZ DE JULHO.
. i 0 hora e 2 min. da manha.
Ulini;8""' -____-.ei- .i.. ... ...i..;
PARTIDA OOS CORREIOS.
(ioiannae Paraliyba, as segundase sexta* feiras.
Rio-Urande-dn-Norte quimas feiras ao meio-dia.
Cali, Serlnhem, Rio-Formoso, Porlo-Calvo e
Macelo, no l., a 11 e l de cada me/..
(aranhurise Bonito, a lOel.
Boa-Vista e Flores, a 13 e 18. .
Victoria, as quintas feiras.
Ulinda, todos os dias.
I 5 u hwi v .... ---------
all as 9 horas e 15 min. da inanliii
|.unO*i s (0 |,orai s, mn- ja inanlialPrimeira, i 7 dorase A? minutos da manhi
Crcscente, ^ ^ honf e 4? ^ ^ urdei Uegund, il 8 horas e 0 mininos da larde.
i m en*'*
PREAMAR DE HJE.
Primeira, as 7 horas t \" minutos da mauhl.
Anno XXIV.
N. !-
DAS DA SEMANA.
VO Segunda. 3. Syufronio. And. ,,i,"o,,loJ.doc.d.?v.edoJ M d.-vr
11 Terca. 9. Pantaleiio. Aud. do J. I. v! edoJ.de Paz do 2. disL de t,
!S guara. S. lnuoceocio.
Cambio sol.rc T/>ndres 20 Va d. p. IJ
, ii Pal* 3SS rs. por franco.
rjslma 105 de premio.
Dosc..lolettras de boas '>>* "*?*
Aiut. do J. do civ.
iv" e"do J. "de paz do 2 dist. de t.
29 Quinta. 8. Martlia. Aud .do J. de orph.
e do J. ir.uuicipal da I. vara.
31) Se.la. S. Uulino. And do do civ. da
l-v.edo J. de pai do l. dist de t.
31 Sabbado. B, lunario de Lovolla. Aud. (lo I
do civ.da I. v. e do J de paz do I dist. de t.
I Domingo. S. Auna Mi.
CAUI.IO.SNODIA3,) DEJUI.HO.
60d.
(JuroOteas hespanholas.
MoedasdeOftnl velli.
de 00100 iiov..
, doi'OOO.....
PraM Pataces..........
a Pesos columnares...
Ditos mexicanos....
Miuda............. '*
\cc6es dacomp.do llebenbe de 50#0001
2f5"d
afilio
efoon i
9|00
1*910
IJIIO
1*760
aorne
:9A00t
16*100
efioo
9*100
1*960
||S0
||0O
||910
.o par.
Da grande procura do fertissimo terreno por que
tem do ser substituido o ncleo de insalubridade de
que nos havemos oceupado, provir, por semdu-
vida, cmara do Olinda um avultado capital; e 88-
se capital deve-o ella empregar do modo que mais
conveniente seja aos interesses do municipio cuja
prosperidade tem obrigacSo de promover.
Realisado o nosso pensamento, esses interesses re-
clamarao, antes de ludo, aadopcio de um espedien-
te quo mais adaptado seja acquisigo de tanta agoa
potavcl quanta a que precisa se tornar para supprir a
falta que ha de resultar da desapparieflo do pantano ;
visto como as bicas do Rozarlo, San-I'edro-Novo, Qua-
tro-Cantos, e Cacumb no estado em que so acham,
nlo s3o sullieiontes para o abastec ment do prenota-
do municipio, anda mesmo coadjuvadas pelos pocos
dos diversos sitise pelas seisou mais cisternas que
nelle ha, como se reconheccu em os dous anuos tilti-
mos : logo, esse capital, a que mais cima nos rclc-
rimos, devedeserapplicado, de preferencia, as des-
pezasque cooperar possam para levar-so a cITeito tilo
til quanto necessario expediente.
E qual he esse expediente, dir-nos-ha alguem,
com que tanto contais, equejulgais apto para nao
fazer sentir a ausencia da obra em que por domis
so esmeraran os nossos avs? O mais fcil, o mais
proficuo, o menos custoso talvoz doquantos se vos
offerecerem, rodarguimo-lhe:
Sabemos nos, o saben todos os nossos coevos,
que jaz levada ao cabo essa grandiosa e patritica
empieza en que se smpenhra a companlua de Bo-
bcribc.com o fin de prover este Recifo de lautos
chafarizes da boa e crystalina agoa do l'rala, quantos
os que se reconhecessem indispensavois ; --que esses
chafarizes, por mquanto distribuidos smenlc pelos
dous bairros que ao principio declaramos, dentro em
breveoserao tamben pelo de Sau-Frei-1'edro-Gon-
"dusio de nmnm.
BICITl, 30 DE JUX.HO BE 18*7.
Meaessidada do dse.-amento do pantano de Olinda. Mcio
, avenir o mal lue desse deseccaraento posia porventura
ptotir.
0 pantano de Olinda, que, ninguem o contestar,
poderosamente influo puraque o clima de metade
dessacidade nilo seja 3o benigno quanto o fra em
eras mais remotas; o pantano de Olinda, dizemos,
(evcu a sua existencia falta d'agoa potavcl, de que
oRecife so resentir, quai.'do, desprovido de fontes
naturaes, como ainda hoje est, mo possuia os cha-
farizes que se acham ostabelecidos em diversos pa-
teos e pracas dos bairros de Santo-Antonio e Boa-
f< Vista, nem acertara de mandar candas ao Montciro a
receberem do braco do Capibaribe, que por al i cor-
re, a porreo dessa agoa de que precisava para o seu
consumo, euto muilo menor do que na actualidade.
Foi para occorrer falta quo tica ponderada, que
os nossos antepassados assentaram do represar all
asagoasdorioBcbcribe, alim do conservarem sem-
precorrentes as bicas doVaradouro, cuja construc-
c1o preceder a essa represa; o assim habilitarem-
se a doaraos habitantes do Recifo a abastanza de um
dos prinieiros elementos da vida.
Atienta esta rasao de conveniencia social, era, nes-
sa poca, algum tanto justilicavel esse acto porque os
nossos maiores concorreram para que os Olindenses
passassem a viverem atmosphera meno salubre do
que aquella com quo a natureza os brindara. Agora,
porm, que esta rasao tem nteiramenlc desappare-
cido; agora que podemos dispensar o penoso sacri-
ficio, a que, em proveito nosso, foram subjeitados
aauelles dos nossos irmaos que estanciam em Olin-
da, pois que os chafanses em quo ja tallamos, e os lyeg __ yUe quer p01- eSse ultimo bairro a se-
que para o dianle se teem de estabelecer, sSo maitis-. VJV o islhm' quer pei0 da Boa-Vista a discorrer
simo suflicientcs para dar-nos aabastanca que a-1
... Ju...,^.,v^o ,,-.------------------ ----------------------,-- -a -
conselhra a decretagao desse sacrificio ; agora, di-
zemos, cumpre deseccar o mencionado pantano, e
assim restituir velha capital de Pcrnambuco os ex-
celentes ares que por ella circulavatn antes que a
houvessom Mimoseado con esse manancial demias-
mas, a quo, Bom a minima hesitacao, attribulnios
nos a corriip^lo desses mesmos ares.
Enfio se arreccie alguem de adoptar esse alvitre,
na supposico de quo dec repta e quasi abandonada
cidade renda elle um mal idntico ao que outr'ora
soflrra aquella que lbe conquistara os foros de sede
das primeiras autoridades, e dos principaes Iribu-
nacsda provincia ; pois que, como vamos demons-
trar, esse mal pode ser mu fcilmente prevenido.
Descccado o pantano, e deseccado de mane ira que
ao rio se deixo livre e desimpedido curso, releva que
se aterre o lugarqueelle oceupa actualmente : e co-
mo, concluido o aterro, esse local deve iicar reduci-
do a terreno muitissimo frtil c apto para o planto,
temos para nos, que lodos se afanarao por obteral-
numas bracas desse terreno, alim de fundaren si-
tios, que, ao passo que Ibes proporcione m residencia
temporaria, ou permanente, tilo bella, to pittores-
ca, to seductora, quanto he a de Olinda, lhes deem
os lucros, que, he sabido, se tiram desses eslabeleci-
mentos, quandobem dirigidos, quando inspecciona-
dos por liomens que saben aproveitar algumas gei-
ras de Ierra productiva, e capaz, por consoguinte, de
apressar a germinarlo da sement de qualquer plan-
la, que porventtira lhc seja laucada.
pela estrada nova, mu fcil sera prolongar o enca-
nSmento da precitada agoa, para conduz-la a Olin-
da Pois bem; he este o nosso expediente, he o pro-
prio que tinhamos en mente, quando respondemos
interpellacao quo nos figurhios ouvir do le.lor cu-
rioso de saber oprojecto em que Uto desmesurada
fianca depositavamos : e agora que elle ja o conhece,
considere-o com a merecida attencilo, aquilate-o
devidamentc;que, estamos persuadidos, concorre-
r com hosco em attribuir-lhe as honras do mais
bem adiado. ,. .
Mas nao he ahi a qualquer leilor quo ora nos dul-
cimos, que elle, por melhores que sejam assuas in-
tencOcs, por mais que concorde com a nossa op.n.ao,
nada podor, senSo como nos, anhelar a adop?ao da
medida aconselhada ; he principalmente a cmara
municipal olindense, que olTerccemos as relle-
xOes que vo exaradas ueste pequeo arligo : e se el-
las calarem no animo dos cidadflos que na actualida-
de representam essa municipalidade, se cooperaren)
para que a mais antiga cidade da patria do indita
Camarao seja alliviada do tributo vexatono, que,
sem a mina necessidade, contina a pagar a sua vic-
toriosa rival, dar-nos-hemos por satisfeiliss.mo do
nosso trabalho.
publicou em (844 urna bella obra con o titulo do
la Havane, em 3 volumes o em cartas. Em sua carta
ao.'aobarHo Carlos Dupin colhem-se os soguinlos
f"Omimoro dos escravos da ilha, que montava a
60,000 em 1703, era, em 1791, de 133,559, o em 18i..,
do 311 051. A populacao branca relativamente aos
5o.enfdec6, Sr, em 18, de 44 sobre,56 o em
183> sobre 800,000 habitantes contavam-se jOO.OOU
homons de cor. Depois e al 1830 o numero dos ne-
gros auginontou considoravelmentc, o hojcmontaa
'" A escravid.lo em Cuba n8o he, como em outras par-
les, um estado abjocto e degradado ; M'"V0B"*
est BubjeitO a caprichos e furores msensato.s le seu
senhor, e os homons de Cr nSo solTrem em seus di-
reitos por vaos prejuizos. .
A palavra tscravidSo nSo tem ah o mesmo sentido
que tinha nos cdigos romanos, onde esta quallll-
cacao equivala bexcluiltode lodo omtoovoll, onde
o eseravo era um homem semesado, islo lie, sem pa-
tria e sem familia. Em Cuba, gracas a boas 1019 0 a
dogma doscostun.es, o eseravo nao Ira/. "^'\
um eslygmate reprovador. Por um rescripto rwi
real cdula) de 31 de maio de 1839, 0 senhor he ol.r -
gado nao s a alimentar c ben, tralar o seu eseravo,
mas anda a lhc dar urna certa InStrUCCSo Pllmirta,
, cura-lo e IrU-lO, se elle cabe .nler.no ou fleave-
Iho, mesmo quando se baja tornado liv,e. OMOravo
s.eve ser submcltido a um trabalho modo no e
gmente do sol a sor, e anda com a cond.cao quo le-
ra no correr do da ( sol a sol j duas horas dedejean-
so. seum destes pontos de.xa de ser observado^o
eseravo ten o dircito de apresentar a sua queixa |e-
rantoosyndico procurador OU protector dosesern-
vos, designado pela le para sen advogado. So a -
xa ten fundamento, o syndlCO totMW*
nhor a vender o eseravo, e o eseravo le i ralo da
procurar senhor; se emfim o nleressc u a 11 gan-
ra leva o senhor a exigir um proco multo o evado. O
svndico procurador raz pomearem-se dous peritos
que avaliam o eseravo. Saaqueixa, porm, nao he
fundada, lestiluein-uo a seu senlio,. .._-
He prohibido infligir penascorporaes aos escravos,
excepto por faltas graves e mesmo nesle caso, o cas-
tigo be limitado por lei. Esta cruel condicHi, du a
entioracondessa! nosrevolta; mas be doafso'uta
necessidade, porque o negro esta costuroado ees
te rigor na frica desde seu M^"^i*fST
castiga o eseravo mais rigorosamente do Mil i
o se seguem contusOes desse castigo, o syndiro pro
rurador o denuncia perante os magistrado,, o pede
k .pplieacao da |,cna; enWo o senhor eresponM
vcl perante o tribunal e o eseravo offtmdido he re
vestido pela lei de lodos os tlireitos do homem I vre-
eseravo romano nao poda possuir. l-.m CUDa,
pela nal cdula de 1789, ludo o que o eseravo ga-
,l,a, ou possue lbe pertence, e o procnrador-fUcal
vla'om que se o nflo esbulbe de sua P^gf*^"
Mas um diicito n.ais precoso he o da coa tacwn. Lo-
KO que eseravo |)ossua o proco do seu valoi pMO
Kar seu senhor adar-lhe a liberdade. emesmo
ndde ir-lhe dando pequeas soinmas por conta ate
preeneber a total,' o" logo que t******
qualquer, os dirotos do senhor quebraram-so por
""o'negro tem muitos meos do adquirir dinheiro.
as haDitacoos cada negro tem a permissao do crea
aves e cultivar legurncsque ello vendo po sua con
la. Aos domingos o bocea da no.to dos OUtrOS das
o eseravo trabalha para s... Em muitos lugares 08
ilha, logo que urna Africana esta grvida nao traba-
lha mais, e at conforme a prole se lbe da liberdade
parasempre. { Diario do Govcrno. )
nescarregam hoje,M.
Briguc S.-Ceorje bacalho.
Rrigue -- Rom-Jetu fumo.
Brigue Sofi-0omin9os mercadorias.
Brigue Conceico-de-Varia dem.
IMPORTAGAO*.
San-George, brigue ingles, vndo de <;sP';-1ont'"a;1
no correte raer, consignado a Le Bretn Scharamm
& C-., manifestou o seguinte: .
1,632 barricas con, liacalbao; aos consignaUnos.
Consulado.
RENDHIENTO DO DA 30.
Ceral............... 1;,8i'885
Diversas provincias .
99,549
1:907,497
Movimolo Navios saliidos no dia 30.
Liverpool ; galera ingle/,, Smrd-FUh capitjio Hi-
idinrd Creen, carga assucar, algodao o ia.,. i assa
" s : i, llmlV con.sua senhora, 4 lilhos o um
So Mi;, elsabella Baker, Clut lierbocW com
Sousflhos menores, Dr. AlWns, "J**
ngleza nUUm que foi condemnada ,es o por o
Mnnoel Uarte do Paria, Brasileiroj Josepli Rid-
gu";,'(.. sua senhora, dous lilhos menores o um
MaCcl??galera ngleza fM* capiloJobn Cox car-
minaos lose Finueira.
Vaiicdade.
a escravibaO em cuba.
A senhora condessa Merlin, quo esteve em llavana,
- A adminislragao goral dos cstabelecitnentos do
carida,dS manda fazrpublioo, que, ^^"'TZ'
ca le se nflo ter realisado boje a arremataefloda ron-
Vd.s risas n II llamados Pescadores, o 11b da
a "inco-PonUs, foi transferida a rofen.la ar-
remataciln para odia 9 de agosto pnixnno uturo,
'/ 4 horas da larde, na sala dassuas sessoes
1 Adminsiracno goral dos estabelocunentos deca-
ridade, 96 do jiilho de 1847. -- o escriturarlo, F. ,1.
favafcanlt 6'oujnei'ro.
Contratos a celebrarse com a thesouraria das rendas
provinctats no mes de agosto prximo futuro.
Dia 11.
Oda illuminacHo a saz das cidades do Itccfe o Olin-
da, na forma do artigo 3.' da le, provincial n. 191, de
30 de marco de 1847.
Dia 16.
O do estabalecimento de urna linha de mnibus,
QUe na forma da lei provincial n. 191, de 30 de mar-
Jodesle auno, facilite 0 Uansitodesta cidade a qual-
auerdossous arrabaldes eOlinda.- tste contra-
to sea realisado depois que a presidencia assim o
determine, vista das proposlas que por intermedio
da thesourarla lbe foro aprosenladas.
COMME^CiO
MEMORIAS DK UM MEDICO. (*)
pon aiejranore j^uma.
SEGUNDA PARTE.
CAPITULO XIV.
HEVEZ.A910.
Qasi immediatamente toruou a apparecer a rcli-
g'Anos ella caminhava esso homem, que no dia da
apresenUcilo vimos anunciar-se na corle com o no-
im> i\p ronde de Fcenix. ..
3^^rr^fereETpreiss
tPo um hoKpoAn.rs elevada que seja a sua plana
como simples gentilhomem, deve a urna princeza de
FMasao tornar a ergue-los, como se temara mos-
trar-se tamben em demasa humilde:
Senhora, disse elle, dou gracas a V. Alteza Real
pela honra que so digna fazer-me. Conlava cu, po-
rm, com ella, porque scique V. Alteza generosa soc-
corre a ouantos s3o infelizes. .
Com cfleito, senhor conde, procuro lazc-lo,
disse a princeza com dignidade; porque ella contaya
derribar ao cabo do dez minutos de convorsacao
auuelle que impudente vinha reclamar a proteceflo
de outrem, depois do haver abusado das proprias
oaconde inclnou-so sem dar mostras de haver
comprehendido o duplo sentido das palavras da prin-
__' Em quo posso eu entflo ser-I he til, sonhor con-
de? conliiiuou madama Luiza, no mesmo toro de
irona.
Em tudo, minha senhora.
Oiga.
V. Alteza, a quemsem ponderosos motivos nao
viera importunar no retiro que oscolheu, deu asylo,
ao menos assim ocreio, a urna pessoa que em tudo
me interessa.
Como se chaina essa pessoa ?
Lorenza Feliciani.
E que he do senhor essa pessoa? He sua allia-
da, sua parenta, sua irmfla ?
He minha mulher.
Sua mulher?! disse a princeza algando a voz,
Lorenza Feliciani he a
(*) Vide Diario n. 168.
__Sua mulher?! disse a p
I para ser ouvida do gabinete;
I condessa de Fcenix?
AllaiKq>;i.
RENDIMIENTO DO DA 30........... 19:818,595
-- I oren/a Pelicknl he a condessa de Fcenix, sin.,
minha senhora, responden o conde com a maiorse-
_ Nao tenhoneste convento condessa de Fcenix,
rcidicou a princeza seccamente.
Mas nao se deu o conde por balido, e conlinuou :
Talvc/, minha senhora, que nflo estoja anda
V Alteza bem persuadida deque Lorenza Feliciani
e a condessa do F.fnix sao urna e a mesma pessoa.
Nao confesso-o, disse a princeza, o senhor con-
de acertou ; a minha convicio a esta respeilo nao
h6 'SSSra V Alteza darordem que Lorenza Feli-
ciani seja conduzidaasua presenca, antonBocon-
servara mais duvida aluma. Pe?o a V. Alteza que
mo disculpo de assim insistir ; mas lenho mu, terna
Xucao" essa mulher, o ella tamben tem, cre.oeu,
militas saudades ininhas.
__n minlior conde juina isso"
Sim, mt,ha senhora, julgo, nflo obstante o meu
d^nOh'donlre si a princeza, Lorenza dizia a
verdade,'este homem he na realdade um homem pc-
" oTonde conservava a mais serena attitude, e cir-
cumscrevia-sona mais restricta polidcz decirte.
_ Procuremos mentir, contintiou a pensar mada-
-- Nflo posso, senhor conde, disse ella, entregar-
lhe urna mulher que nBo est aqui. Nflo admiro que
a procuro com tanla insistencia, se em verdade a
ama, como diz; mas se a quer achar, acredile-mc,
procure-a em outra parle.
Cadeiras vagas de primeiras lettras.
A de Garuar, cujo concurso ter lugar logo que,
a contar de 28 de junho ultimo, se completar o prazo
de 50 dias. ________
O conde ao entrar lngara um olhar rapidoaosob-
jectos que havia no gabinete, o um instante taraos
olhos, um nstame so, he verdade, mas era o quo
hasta a, na mesa collocada em um ngulo escuro do
.osento, enessa mesa hoque Lorenza hav.a posto
ol, 'que oITcrccen, para entrar o invento.
pelibruno que ellas lancavam no escuro, asreco-
''^trAUeza se quizer recordar, insisUo o con-
de ohouincsforco que eu supplico a V. Alteza so
dfinehzer- ha de le,nbrar-se que anda ha pouco Lo-
r, n za Fe i a ni eslava neste a psenlo, que poz na-
ter a honra de conferenciar com V. Alteza so re-
"Tconde colheu de passagem o olhar que a prince-
za lancava para o lado do gabinete.
_ v cntrou para aquello gabtneto, concluio elle.
A princeza crou, e o conde continuou.
__ [)0 sori_e que s espero o conscntimonto do V.
Alteza paraordenar-lho quo entre, oque ella far
no mesmo instante, nao lenho a menor duvida.
Recordou-se a princeza que Lorenza se havia fe-
chado por dentro, e por consoguinte s a poda obri-
gar a sabir o impulso da sua propria vontade.
Mas, disse ella, sem procurar mais dissimular
odespeiloquesenlia do haver mentido intilmente
perante um homem, a quem nada se podia oocullar,
se ella entrar, o que fara ?
__ Nada, minha senhora ; dir somonte aV. Alte-
za que desoja acompanhar-me, porque he minha
mulher.
Este ultimo termo tranquillisou a princeza, que
se lembrava dos protestos do Lorenza.

1 !
II


ia
ASSOCIACAO'COMMERCl.VL.
A mesa da direccffo faz seiente aos socios da as-
sonar.,., commercial desta praca que no dia
uous da agosto prximo futuro ha reuniflo de
assemblea geral, ao meio-dia em ponto
suas sessOcs. alim de se
na
prceiH'herem as
5.<
sala de
forma-
lidades macadas no arligo 5.o (| capitulo :i.o ,lo<
mu estatutos. Jo. Jeronytno Montein, secretario
THEATRO PUBLICO.
AMAMIA, 1." I)K AGOSTO,
a beneficio de Andr Alvos da Fonsoea Jnior se
representara a encllenle pega, traduzida no Rio-de-
Janciro, denominada
NODOA DE SANGUE.
FNp intermedio da peca, o beneficiado execuliri
SOLDADO ENAMORADO.
^rfirnaoespcctaculoo bello e ensacado c-
A PARTEIRA ANATMICA.
Pulil2ca5e8 Litterarias.
NOVO DICCIONARIO DA LINGOA NACIONAL
octonario nSo he obra que deuu
;'SeT^vrXCCePl0rCS ; CS r ..'^"""T ?S ('irecores das Preditas escolas ; e de
parlo o adoptarlo, de preferencia a outros muilos
SSSE*sem "uc tcnham merito ie
PORTUGAL.
*kt ffi m Tde m2< Pel PricPe Lich-
erto!. ?,*0 "l,em, w?u"* ^'$0. cor-
li !,. .laila- COnum. rapiclo .la primera e-
now
rec
aKilVh! iPr0C"ra. p0,r muilas Ppss0as qr"c"licaram
contm a apreciado dos caracte-
m,l i 'Sd0|'l,iz' dosses acontecimentos
POIIMC08, monumentos e lugares principies, feita
c PI "VT prUJSiano, que all viajo,, nd anuo
,2Si" 1 folhel, (lc -'20 paginas. Vende-se por
Cruz g68UIM, !""lar lla casa> 7 la ra da
A so ruaritiri
l'm i
sabir perfeit.: as hwi^^Ti'^fflK
torea f fom.-provan. o qir dciximosdiio
rara se tocar a mxima perhMcflo, e anda mes
-I ara o llio-de-.laneiro segu viagem, por esles 6
das, porterocam-gamentoprompto, o hiato JVe-
rcirfa : para pissageiros, trata-sena ra da Cadeia
.iiii.cnt., hotipa n. 61, du 8r. Vicente los de llrito.
avisos diversos
-- O advogado Francisco Carlos Brando mudou o
seu esenptorio para o primeiro andar do sobrado
n. If da ra do Collegio parede o meia da casa em
que morava ; oahi pode ser procurado por sous cli-
entes e mais pessoas a qualquer hora do dia.
l'rccisa-se do urna mulher que tenha leilee
queira criar urna rrianea escrava em sua casa : quem
cstivcr nestas circunstancias, dirija-se n ra da ma-
triz da Boa-Vista, n. 22, que se dir quom precisa.
-- Precisa-sealugar um preto possante para ven-
der fazendas eom um homem na ra: sendo, boin da-
se ate 14,000 rs. mensaes : a quem convier annuncie,
ou dirjanse a ra Imperial, n. 37.
Fabrica de machinas e fund.
ao de ferro na ra do
Brnm, no Itecife.
sivoade muitos homens
. -OSSUCCes-
seruditos e laboriosos Sem
nosenmprehondermos no numero doslcs comdo
nos atrevemos iicarregar urna podra para e '
lilimente, e se uno innovamos COUSS algn,, 0 ue
ja tato, ao menos compilamos emun?. S'M o
que es la eapalhado por multas, o demanda .abela
avulla.lo para se possuir.
LOT
notou na suaeaiccflo de Paria do 1845 Secuii
emtudoosystema daquelle eximio lUinC,
porque sua autoridad,-, ja por rirttaSffiffi
peitavel accrescehoje i ediceflo sobr
nos nosso trabalho, a dos Ilustres Fr, Frai
San-Luiz Souza Monteiro e padre Castro.
moa-lhe
quo fuuda-
inciaco de
alguna voeabulos que se aciaVemWr"
Constancio, e en, outros autores maS angOS- o
PWnaofortal, que habilite a lodos para oderen
oble-la. Comludoainda nos ufana
guido a resolucflo deste probl.....
preco por assignatura sera o de 0,000 rs ni
.las prestiicOes.
moa por ter conso-
na, por issoquo o
agos em
ii gem.
(j Assigna-seem casa do editor, na ra Forraos, nu-
y/os pas de familia, capittei de navios,
fazendeiros e a iodos e
Oiga non (fe Fia h nema nn
das (loiiiiin.i.s
pequeos.
Manual do pa de familia, ,1o capitao
de navio e do faendeiro, ou noticias ele-
mentares da homaopathia, contendo r>
accao ,!os \ principies niedicamentos
nomceopathicos, i voluu
Ven
KIA DOTHBATRO.
Apozardagrandeextraccloque teom tido os bi-
lletes desta lotera, todava nao podem as rodas
ici andamento boje, como se annunciou, por have-
rrm alndsalguna brlhelespor vender, eem numero
tal que nflo era possivel fazer correr a lotera Em
consecuencia disto o respectivo Ihesoureiro te,n de
nado novamonte o dia I3 do futuro moz para o
, visto que be de esperar que a
venda do resto doabilheles continuo com a rnesma
mmicina com que principio,!.
-- Pretende abrir-se um curso de pralica de cs-
crlpturacflo mercantil por -- partida dobrada
cambios, reduecilo de pesse medidas eslraneeiras
oinais contabilidad^necessaria aos que se amora-
gan) na profissilo do commercio, logo que se bala
subscripto numerosullieiente de alumnos: dirijam-
se a praca da Independencia, n. :i'j. J
-- O abaixo assignado, querendo evitar qualuuer
duvha que possa auasitar-ae a reapoito do aeu an-
nuncio publicado por este Diario nos dias ai"aTe
23 do eonvnte relativamente as transaceo, s que
leve cu, o sr. jse soares Pinto Corris, o mesmo
para que ao dito annuncio so de a devida intollion-
nasobreaqualfo publicado, ,,ilssil ., eaclarec-lo
pela forma seguinte :-As 10 le tras, quoTmen-
no^doannuiKioserelere, foran,a,'eitas Je o .
\o assignado ao dito Sr. Soares em data de ',
gostodo (if,, ,,Wj compra ||ifl ot
sua1 taberna sita na ra da Santa-Cruz, n o sen-
do 8 ledras de tOO.000 res o 2 de 120,000 ria cada
lima, e todas na importancia d,
ATTENCAO'.
lurtaram, da matriz doaMfogados, na noite de ti
para 12 do junho do prximo passado mez deju-
nlio um sino de 3 a arrobas sem porca, por isso
que eslava amarrado com cordas. A pessoa concien-
eiosa quesouber .011 tiver comprado, queira de-
nunciar ,ou participar ao sacristo da mesma ma-
triz.
- Precisa-se de um caixeiro queseja hbil o dili-
gente para lomar conta de urna padaria por ba-
lanco, c que d(> fiador a sua conducta, ou proveo
sen bom procedimento : a tratar na ra das Cinco-
l'ootas 11.31.
- Precisa-Se de um oflieial de charuteiro que fa-
ca bastantes charutos por dia : na ruado S.-Gonca-
lo, n. 7. v
- Um moco portuguez, quetem bastante pratica
de venda, se olTerecc para caixeiro de alguma, mes-
mo por balanco : na ra do Amorim, sobrado 11. 12.
- Quem precisar de urna mulher parda para ama
secoa, que lava,engomla o cozinha o diario de
una casa dirija-se a ra do Pilar n. 41.
- 0 Sr. Henjamim da Silva Araujo tem urna carta
na ra da Pr.ua n. 13, viuda do llio-de-Janoiro.
-- Peranle o Sr. I)r. juiz de orpliitossc ha de arre-
matar nina casa, por venda, sita na ra do Sebo, 11.
o, em chaos proprios, cuja casa se acha hvpotheca-
"' a llerculano Jos deKreitas, e subjeit mais di-
nneiro que elle tem dado por ordem do mesmo mi-
nistro; cuja arramataego ter lugar no dia 2 de agos-
to prximo : quem a pretender dirija-se a porta do
mosr no da marcado, por ser a ultima praca.
Precisa-so alugar, para ama de casa, quem en-
lenua principalmente de cozinha, quer seja forro.
quereaptrvo: 110 pateo de Nossa-Senbora-do-Terco
u. Ib. '
Ricardo Jos de Freitas Itibeiro faz certo que a
'o n. -
" Jaq
ia casa de molbados, da ra do Collcgio n. 7,'pas-
dministrada pelo Sr. Jos Joaquim da
son a ser
de
,1111 a
1:0i0,000
, 011 exposictes
lomoL'opatliicas, >. volumes
cer-seem 5 de agosto de I8i7, .,
lado em letiras na importancia
ao depois o Sr. Soares, solicitando
pie tinba do ven-
cen por isso debi-
do 940,000 ris, o
nado para que Ibe lmTtS**-*'
nenia, e com algum prazo, nenhuma
o abaixo assignado em vendor-lh'a
vendeu em 15 de abril do corrent
- I recisa-se de 1:000,000 de ris ao premio de um
e meio por con lo, por lempo de seis mc/.es, pagan-
!r,S''. l'r9",l todos os me/es, edando-se por hy-
desei-
ser pro-
omeca seis escravos, todos mocos, livres e,
oaracados 1 quem quizer dar annuncie para
curado.
- Roga-se ao Sr. Jos Eustaquio UacielHo
om vfriude de ter mandado pedir que espera^,
acabar ojury deOl.n.la, baja de fazer o favor de ap-
parecer na roa da Cadeia do Itecife, n 55.
servidos
suas inoradas para se-
referida la-
duvida leve
como de faci
e anuo de 1847
"(.' |)equeiio.
Hionise por pceo commodo, no.se-
gunao andar da casa n. 7, d
Cruz.
7 da na da
Sabio
ia, livr:
exemplar, o
a tuz, e vende-se na praca da Independen-
', M. 6e 8, pelo preco de 100 rs. cada
CATECHISMO
DI

F-XPI.ICADAS
Claras esuccintas perguntas eres
das as capacidades novis, acerca de diversos, ob o-
com o eonbec.mento dos quaes devem os n.eni-
para que,
en-
perceberem
tos
nos sabir das escolas de prlmeiraa lettras. ,
aotransporem o limiar das aulas maiores nlo
trem uellas as cegas, e em estado de nflo percebe
-*"Trn' 1111 i~ffMi i ni 11 1 .
cer7o3!r",hCr',ISSOClla'Sr-Condccs'a^
Ea iiHlignaciin transluzia-lhe nestas palavras
~ Suppor-se-hia, na verdade, que V. Alteza me
nflo acredita, disse pulidamente o conde
to nflo he urna cousa muilo incrivel me
I wnixtenl.a esposado/.orenzal'eliciani.e que,:sendo l'S E
casado, reclame elle sua mulher
vcnr!mn5! Sr-So:ir" ao pargamonlo dellas emsus
vencimentos poras hnvernegociado e ueste sen
;;'; -l-ssouoabaixoassigna.b.ppel'de'vel
' rerenda taberna condiciona incite, alin de ,111,
^c)mento que deste contrato passou o S Soa'
ao abaixo assignado, pelo qual U acha comproinetl
mra com os possuidores daa aobredilas let-
epara que estos lonham sciencia de semelhan-
/.,' 80 ,lel""s fiO alleguem ignorancia
louairr2i.'i!S?,f.d? ?. pMWn,etoe"55 "om
s -I. ; ,CI Sl"isleil a oigoncia que Ibe fez
nostaTESZEUSH amiu"ci'"l^ PUWtoou em res-
isia ao do abaixo assignado.
Antonio Fernandes de A^tvedo.
tido
lias
dias, a contar do
por esta folha, no prazo de
primeiro annuncio.
HoihUo l-rancitco de Souta.
.
Esta assignatura he do cura do San-Joflo de Fs-
"la se nao retirou de Saint-Denis, c
e
tod
me
les
annuuciante annunciem
rem procurados.
Aluga-so um sitio na ra doCotovello, com
oacasa, boa borla, boas cacimbas, bastantes ar-
voredos rio para banlio ao p da porta : quem o
pretender di rija-so ra Nova loja n. 30 ou na
ra da Aurora n. 62, terceiro andar.
Precisa-sede uma'ama para o pequeo servico
interno e externo de casa : na ra de llortas, casa 11
16, primeiro andar.
S. II. T.
A direceo do thealro de Apollo, em conformidade
con, o. 18 do artigo 38 dos estatutos, avisa aosse-
nnores socios em geral, que tem marcado o dia 31 do
actual mez para a sua recita; e que, pnrlanto, quei-
ra ni mandar receber os bilbetes nos dias 29, 30 c 31
desde as 4 as 6 horas da tarde, nos dous primeiros
dias,*no ultimo das 10s 12, no salflo do mesmo
'"airo, onde nicamente serflo distribuidos pelo
respectivo Ihesoureiro, que se acha aulorisado para
isso ; bom como para receber nesse acto ludo quan-
10 os meamos genitores estiverem devendo. Igual-
mente queirain mandar at o mesmo 31, ao n.eio-
(ia, suas propostas para convidados em carta fecha-
ua, iiicluliuloos bilbetes e entregando-as ao mesmo
meaoureiro no referido salflo, alim dequeem tem-
0 competente sejamapprovados os mesmos convi-
ados pela referida direceflo. que formalmente de-
ciara nao receberi as mencionadas prouoslas ouc
nao viercni na forma supra declarada, ncm tflo pen-
co ge subjcilara a aprovar convidados depois da-
quella hora marcada, seja qual fr o pretexto que pa-
dnpiLM.'.'iT"'^ muit0 Principalmente na noite
.10 espectculo, alim de se evilarem abusos a prati-
cados nas ultimas recitas. J '
i,,', if.."!!... 'i'i0' rua du 'olo-Fernandea-Viejra : na
da
-----......""" nicaul lliuilicr. Il'sll mi. I,-.. ----------. m,'.,iiii|-|i(.11
' grande fortuna
Sim, minha senhora, responden o conde com
perreita segundade, ouso dize-lo, porque assim he
Casado, o senhor conde lie casado?
Sou casado.
Com Lorenza ?
Com Lorenza.
Legtimamente:'
Sem duvida, e so V. Alteza insiste, minha se-
nhora em urna denegacSo que me ofrende.....
Jue rara o senhor conde ?
deTaMmem,?1"..- aV; AUc" a cerlidilo authentica
A nrir-, i ,SS'na,la I"510 Palre que nos uno.
va-;re^rcTnv^icS,s'eCeU la"la SercniJa^ *-
paelconde abri urna carteira, e desdobrou um
,o. fti^-rsTS: e Ss. ."'"
Urna assignatura !
II
respondeu o conde,
na carteira, porque
di;
a para miro, minha senhora,
oliendo fb-gmatico a cerlidilo
ssmui'^'.(!Tn|"e eS,',',' VCr 'JOrSsa verilicac o
ISSipadas todas as injustas suspeitas que V Alteza
Dntra mim tem concebido. H"c,.AUeza
Tanta impudencia me rcuolia na verdade dis-
MhtJRHHf* lwVui" 'menta a campainha. -
linba irmaa, minha irmila I
\ religiosa que pouco antes iiitroduz'ra o conde
iSi'llliui-.^,,
defremx, apresenlou-se.
O meu correio que monte
pnnceza, e va levar este bilbele ao"so"ior crdal de
Mohn que ha de estar no capitulo da ealhedral
Ihediga que venha sem demora que eu o es-
I
i
pero.
a cavallo, disse a
e
2
rua .Novan. 58.

ra se havia approximado do gabinete, e ahTcTmTol
plhos cravados na porta, e as mflos estendidas e aKi?
l.'dasporummovimento mais methodico que ner-
^vlapronooclado em voz balsa algumMpa-
A princeza, ao voltar-se, o vio nessa postura
Que faz o senhor ubi? disse ella.
reii7 v! II'- se!,ll0,a' I-Mpondeu o conde, conjuro Lo-
ai .,. ""' a vir a1ul P6880 oonOrmar a v.
t,Ip i. u S,aS ProPr'aa.Palvraa o do sua plena ron-
tade, que nflo sou nem impostor, ncm la silcador
SiS?"dt'lodas asUllas -- i- vr:
Senhor conde !
McCallum& Companhia, engenheiros machins-
tas e fundidores (Je ferro, mui respeitosamento an"
nunciam aosSrs. proprietarios de engenbos fazen-
deiros, negociantes, fabricantes e ao respetavel
publico, que o seu estabelecimento de ferro, mo-
vido por machina de vapor.se acha em efTectiv
exercicio, ecompletamente montado com apparc-
Ihos de primeira qualidade para a perfeita confecl
?o das maiores pe?as de machinismo.
Habilitados para emprehender quaesquer obras da
sua arte Me Callum & Companhia desejam niais
particularmente chamar a attenQo publica para as
seguntes por serem ellas da maior extraCQflo nesta
provincia, as quaes construidas na sua fabrica po-
dem competrcom as fabricadas em paiz cstrangei-
ro, tanto em prego como na qualidade das materia
primas e mlo d'obra, a saber :
Machinas de vapor.
Moendas de caimas para engenbos movidas a va-
por, poragoa.ou animacs.
Itodas d'agoa e serraras.
Manejos independentes para cavallos.
Itodas dentadas.
AguilhOes, bronzese chumaceiras.
CayilhOes e parafusos de todos os tamaitos.
Taixas, crivos e boceas de fornalha.
Momhos de mandioca movidos a mao'ou por ani-
macs e prensas para a dita.
Foges e tornos para cozinha.
Canos de ferro, torneiras de ferro e bronzo.
liombas para cacimbas e de repuxo.
Guindastes, guinchse macacos.
Prensas hydraulicas e de parafuso.
Ferragens para navios, carros, obras publicas, ele
Columnas, varandase grades.
Prensas de copiar cartas e de sellar.
Camas do ferro, etc.
Alm da pcrfeicflo das suas obras, Me Callum &
Companhia garanlcm a mais exacta conformidade
com os moldes e desenhos romottidos pelos Srs. que
sedignaremde fazer-lhes encommendas; aprovei-
tando a occasiflo para agradecer aos seus benvolos
amigse freguezesa preferencia, com queteemsi-
do por ellos honrados, e assegurar-lhes que nflo
pouparo esorcos ncm diligencias para continua-
re m a merecer a sua confianga.
AVISO PARA AS PESSOAS QUE TENCINAal SEGUIR
VIAGEM.
Na rua do Rangel, sobrado 11. 9, conlinuam-sc a ti-
rar passaportes para dentro c tora do imperio, des-
pachar-so escravos c correr-se, folha tudo com mul-
la brevidado, e por preco muilo e muilo commodo.
Precisa-se de dous Portuguozes do 10 a 12 an-
nos, para caixeros de venda na cidade da Parahi-
ba : airas do Corpo-Santo, n. 62.
Victorino de Castro Moura faz constar ao Sr. Jo-
s Joaquim Itibeiro, 011 a outra qualquer pessoa quo
pretenderallionar, comprar, hypolhecar, ou permu-
tar o pequeo sitio que possue Jos da Costa Pinto,
no lugar da Capunga, quo dito sitio tem em si 40 pal-
mos pertencentes ao annunciante, os quaes andam
em litigio, queja roijulgado pelo tribunal da relaco
a favor do mesmo annunciante: c supposto o dito Pi n-
to embargasso o accordam, todava lio destituido
FURTO.
Na manhfla do dia sexta-toira, 23 do eorrenle fur-
laram o seguinte: -- 1 par de brincos de laco, ber-
tos a buril ; 1 dito de ditos de ouro, compridos com
coralina em baixoe nas rozetasdo mesmo um'aljo-
ar; 1 tranceln! grosso de ouro; 1 medalharom urna
pedra no meio ; 1 annelflo lavrado de modelo pouco
vulgar, com um quadro cm cima, sem firma ; 2co-
Ihcres de prata novas, urna de cha e outra de soupa
com a firma P. J. C. : roga-sd aos Srs. ouvires o as
pessoas que costo mam a tomar penhores, queso
dignem hincar suas vistas sobre estes objectos, alm
de ver se ser apprehendido este roubo, ou parte del-
le, queaedesconfa poralguns indicios do urna pre-
ta escrava : queiram, portanto, cssas pessoas, ou ou-
tras quaesquer que disto lenham noticia, ter a bon-
dade (ledingirem-se a venda da esquina, uniendo
pateo de San-Pedro, que ahi receberdo a gratifico-
cao o agradec monto de seus servicos
do direitoquclhe possa assistir. rosto do mes-
mo sitio esta subjeito ao pagamento das custas do
mesmo pleito, que montam a mais do 100,000 ris
h para evitar duvidas ou ignorancia para o futuro
taz o presente.
-- Fabrica-sc chocolate superior e de varias dua-
lidades : no Aterro-da-Boa-Vista n. 68, casado
Manuel Joaquim Milheiros.
w...m -.guaiura : murniuroii a Diince?! ,ln>
E mesmo fallando escrevia a princeza a pressa duas
I" has que entregou a religiosa.
E accrescentou baixinho :
im, 0'" P,Starno cor,l|o' 'lous arebeiros,
< "guein saia daqui sem minha ordem; v '
re oluca1oCnrd,SeBU.d10 M*fferanles phases desta
"ucao, ora bem determinada do madama Luiza,
I escrevia ".Wia'.'f "l6 "'"V e emquanto a princeza
rtvia, decidido sem duvida a disputar-llie a viclo-
Lorenza leliciam, bradou o conde, dominan-
do ludo, e ate a vontade da princeza; Lorenza Fe
aiam. saia desse gabinete, c venha ca, venha?
a porta, porem, conservou-se lechada
\enlia, he minha vontade repeli o conde.
Entilo rangou a chave na tocliadura, e a nrincez
vio com mdizi vel terror entrar a eslrangeira com os
SmSStno co,,do'sem a -^Vsai:
Entilo que faz Vm., minha filba ? que faz ? x-
clan.ou madama Luiza, e para que volta para este
homem, de quem havia fgido? Vm.aqui estava em
seguranca; eu liro havia dito. 4 cm
E msegura.ua tambem est ella em minha ca-
sa, minha senhora, disse o conde.
E vollando-sc para a moga :
Nlo he verdade, Lorenza, que vo8s est cm se
guranca em minha casa ? m S(>
Eslou, respondeu a moca.
A princeza no cumulo do espanto, juntou asmaos'
e deixou-se cahir cm urna poltrona amao
Agora, Lorenza, disse o conde com voz bran-
da, mas na qual fazia-se todava sentir o accento do
mando, agora, visto que me acensan de vioTelar
l'ga se a v.olentei no que qur que seja v,01enur'
Nunca, respondeu a moca com voz clora e tire-
StoT4racom,'a,,hii,-tsiane-i-a^-
egativa demovi
-tww'itts.'sa-'-r
vo7 do rZIJT d'Vdi' deseJa sabe-como sabio
co o ate quedespertou na carrnagem de posta
Lorenza conservou-se silenciosa
sernadaomimr P,C,10 "T'0' Ctnou o conde,
sem naoa omiltir. He minha vontade.
cimento comfr,mir ""> grande estremo-
Nflo me record, disse ella
Ah'" i,mr^lL''arrrSe.' quo sc hl do cordar.
o meamo n.rft"inm eirci 's>m'disse ,oiezu com
togam olono accer|lo. Ja me lembro.
a ZSSfJE*, desD,aiei, no momento mesmo em quo
cel a onde m i"," S C0,,C"0S' ,8'm-'ne para a
ato a'n 1 n,de,U-a,n "a cama" Kicou minha mfli
aie a noite junto a mim, e como au meconservasse
sxr,irhwimento'mBnA-^^rr^
rurgiao daaldoia, que me tomou o pulso 1.07-mn
umespelbodefrontS da bocea, o reconheVdo q"e
/>


mm
3.
_-Aluga-so urna casa terrea sita na ra da Al-
ela no bairro da Boa-Vista n. 38, comcommo-
,los s'ufflcientcs para urna familia: a tratar na ra
,1, c.i.loia do Rocifo loja de fcrragens, n. *4.
.-Na loja da ra do Quoimado n. 30, de Jos
jociuini de Novaes ;alm do sortimento j annun-
ciado de obras felas o fazendas ha chapeos da ul-
tima moda chegados ltimamente do Franga ; mui-
to boas casimiras ; chapeos dp Chili muito finos ;
caixas do perfumaras sortidas muito proprias pa-
ra toucador de senhora pelo barato preco de 5,000
rs. lencos de cassa para mao de senhora e pescoco
de 'homem ; muito bous cortes de chita.
hia e cstabelecido nesta cidade offerece ao
publico o sou prestimo, podendo ser procu-
i
radoa qualqucr hora na ra Nova n. 7, pri-
i meiro andar defronte da matriz de S.-An-
i Ionio. O mesmo trata radicalmente de mo-
\ lestias venreas, tanto antigs como moder-
nas por meio de um remedio nilo mercurial.
Cura tambem radicalmente as dores de don- S
ts, mesmo estando cariados, em poucos mi- ?
utos.
i
|
__O engcnheiro MiLETensina na sua casa, ra do
Crepo, ii. 1*. primeiro andar, as seguintcs scien-
cjas:___ARITHMBTICA, GEOMETRA, ALGEBRA, CUY MICA
- Aluga-sc o segundo andar do sobrado da ra
Nova.n. 5 : a tratar na loja do mesmo sobrado.
~()Sr. Jofio da Silva lem urna carta na ra do
( tos o, n. 11, vinda do Cear remettida por um
scu filhoaue existe nnquclla provincia.
ATTENfAO'.
Os senhores negociantes que livercm boas divi-
das fra desla praga o quizerem que o abaixo as-
signado as v cobrar, para o que se julga em inente-
menlc habilitado pois no paga a advogado po-
ilcm dirigir-se ao advogado Jos Narciso Camello,
' cujas dividas jcobrou o abaixo assiguado o ahi
dcixarein seus nomes por nscripta para o aba ixo as-
signado os procurar. Joaquim Francisco Baplista
de Mello Oxal.
Francisco Martins faz scienlo ao publico, que
de hojo em dianto se assignar Francisco Martins
Vieira Pacheco.
Qucm perdeu urna lettra da quantia do 217,500
nis, a vencer no dia 31 do corrente, dirija-se a
tiavessa das Cruzes, n. H, que, dndoos signaos
rerlns, llie sei entregue.
Precisa-sc de nina rtula para urna porta : na
ra do Santo-Amaro, n. 8.
Joilol.oubet avisa a todas as pessoas quo teem
em sen poder chapeos de sol para concertar ha mui-
to lempo os quaes j estilo promptus os vilo bus-
car no prazo de 8 das ; do contrario, scriio vendidos
pur todo o prego quo se adiar pois nilo pQdc ter
por mais lempo empatado o scutrabalho: por issol'az
o presente annuncio para seus donos se no cha-
maron a ignorancia.
-- Francisco Piulo da Costa
Lima, alfaiatc, morador na
ra larga do Rozario, n. 4, precisa de olliciaes de
scuolllcio e costureiras: tom para vender pannos
prelos, azues e verdes; bons brins, velludo e cha-
nialule; liolOes de osso preto e branco; linda de car-
retel, de cabera preta o branca; hollandaspara forros
ealgumas obras fritas.
*"> l'ASSEIO-l'UBUCO, N. 5. -sf'...-
','X Joo Loubet participa a todos os seus ^SfeSC
fregus, que recebcu ltimamente um grande sor-
timento de chapeos do sol, do ultimo gosto pari-
siense, tanto pura senhora como para homom ; os
quaes se lornam mui recommendaveis pela sua qu-
lidadc e variaces de gosto sendo elles do boas
sedas e punninhos, pois se conservam as suas cores,
lia ueste mesmo eslabeleciment um grande gorl-
menlo de boas sedas de todas as cores e superio-
res panninhos traillados c lisos, de muito boas
filies pura cobrir chapeos de sol. Tambem se fazem
indos os concertos quo os mesinos precsarem com
toilo gosto promptido e diminuto preco.
O novo proprietario da barca dos banhos faz
scicnte ao respeilavel publico, quo retirou a mes-
illa barca para pintar, o que, acabada a torga do in-
vern, voltar para o mesmo lugar, e far publico
por esta folha.
Alugam-se lies casas terreas, no
liecco do Peixolo, pelo preco de cinco
mil n'is cada urna : a fallar na na do
(Irespo, n. i5, com A. da C. S. G.
Jos Tcixeira Basto como immediato inlercs-
sado no inventario da casa do Sr. Joo Pinto de Lo-
mos, declara que nao he o autor do annuncio inser-
to no Diario Aono n. 161, sob a asignatura do Bo-
nifacio. --
ras
as arterias nSo me bata m, e a bocea no respira va,
declarou que cu eslava morta.
Mas como sabe Vin. ludo sso ? pergunou a
princeza.
S. Alteza desejaque Ihediga como sabevoss
ludo isso, repeli o conde.
He extraordinario! disse Lorenza, eu via, eou-
via; mas no podia abrir os nidos, nem fallar, nem
nio.er-me; eslava como em lotbargia.
Comeffeito, dissea princeza, Tronchin me lem
fallado algumasvezos do pessoas quecahem em le-
targa, o silo enterradas vivas.
Continu, Lorenza.
Minha mili sedesesperava, e no quera crer
na minlia morle ; e declarou quo velara anda junto
a iiiiiu a nole c o dia seguidle.
F. como o havia dito o fez ; mas as trinta e seis ho-
ras, que durou a sua velanga, so cscoaram sem
queeufizesse um movimento, sem que eu soltassc
um suspiro.
Tres vezes viera o padre, e do cada vez dissora a
minha mO que era revoltar-se contra Dos querer
reter-me o corpo sobre a trra, quando j minha al-
ma era com ello; porquo noduvidava, tendo eu
morrido com todas as condigOes da salvago e no
momento em que ia pronunciar as palavras que sel-
lavam a minha eterna alliauca como Sonlior, no du-
vidava, dizia elle, quo a minha alma tivesse subido
dircilnha ao co. ,
Minha mi Unto insisti, quo obtevo velar anda
toda a nole da segunda para a terca-reira.
Na torga deiiianha es,tiva eu anda no mesmo es-
tado de insensibilidade. .
Minha mi relrou-so vencida. As religiosas gnta-
vam que havia sacrilegio. As velas ardiam nacapcl-
O distribuidor deste Diario na cidado de Olin-
da faz publico que ello se encarrega da entrega do
cartas, papis o pequeas oncommendas para a mes-
illa cidade, mediante urna pequea gratificago, a-
lem das cartas s'erem franqueadas; imcumbe-se de
tirar provsOes para oratorio, contisso e qualqucr
oulras; de obter despachos das autoridades da mesnia
cidade e tirar certidOes do qualquer reparlicSo ; as-
sim como de conduzir papis de importancia : elle
partir todos os dias das o as 7 horas da manha.e no
Ha seguinte s mesmas horas dar solugo do que
Ihe for encarregado.As pessoas, que so quizerem ut-
llsar de scu prestimo, dirijam-se, no Rccife praga
da Independencia, livraria ns. 6 o 8, a qualquer hora
do dia, o om Olinda, na su residencia, ra do Am-
paro.
-- Furtaram, na noite de 25 do corrente um re-
logio saboneta de prata patente inglez com o
n. *,582 no interior do fundo da caxa. Roga-se a
qualquer pessoa a quem for offerecdo de o appre-
hender o levar fundigo da Aurora, que receber
10,000 rs. de gratificago.
Aofticina de encadernafao que o padre F. C. de
I 'uns e Silva dirije na ra de S.-Franclsco, an-
tigamenlc Mundo-Novo, n 66, aclia-se provida
de todo o necessario para o hom descinpenho de
qualquer obra de encadernacao,por mais riea que sej.i :
assiin como tem e aprompta quaesquer emblemas ap-
propriados as mesmas obras.
Compras.
Compra-se urna rodado bomba de ferro: quem
tiver annuncio.
Contina-se a comprar forro fundido, cobre e
bronze vcllio : na ruado Brum, n. 8.
Compram-se dous prelos com as habilidades de
pedreiroe carpna, peritos no scu oflicio : pagam-
se bem : na praga da Independencia, n. 3.
Compra-se um missal cm hom uso : quem li-
ver annuncio.
-- Compram-se os 16 folhelos da novella intitula-
da Os Mysterios da Inquisigo e oulras sociedades
secretas de llespanha : quem tiver annuncio.
Compra-sc urna cabra ( bicho;, que seja boa
de leite : na ra da Itoda loja do sobrado n. 17, ou
annuncie por esta folha.
Compra-sc o segundo diccionario inglez o por-
tuguez da edigo de 1847 por Vieira : no Aterro-
da-Boa-Vista n. 24.
~ Compram-se para una encommenda, duas es-
cravas e um moleque : na ra Nova, n. 16.
-- Compram-se duas pretas quo saibain lavar,
coser cengommar pcrfeilamcntc ; 3 pelos com edu-
cios de sapalciro pedrero e carpinteiro peritos
no seu oflicio equo sejam de 18 a 21. anuos : na
praga da Independencia loja n. 3.
Vendas.
Admiravcl navalha de ac
da China.
Tem a vantagom de corlar o cabello sem offenga
da pelle, dexando a cara parecendo estar na sua bri-
Ihanto mocidade.
Ksle ago vem exclusivamente da China, c s nellc
trabalham dous dos melbores e mais abalisados cu-
teleirosda nunca excedida e rica eidaJe de l'ekim,
capital do imperio chim-
AUTOli SIIAW.
N. B. He recommendado o uso destns navalhas
maravilhosas por todas as sociedades das sciencas
medico-cirurgicas, tanto da Furopa romo d'Amerca,
Asia e frica, no s para prevenir as molestias da
culis, mas tambem como un meio COSMTICO.
D-sea contento, e responde-se pela sua boa qua-
lidadc: poiss sovendem as verdadeiras, na ra larga
do Roza rio, n. 24.
Vendcin-se ps de tmaras, de sapotis, de laran-
geras, e de fruta-po : na ra das Flores, u. 25, se
dir quem vende, das 10 as 3 horas da Larde
em
o mercado, e
Vcnde-se cal virgem de Lisboa
barris, da melhor que ha
por preco milito rasoavel: na ra do
Trapiche, n. 17.
Vcnde-se una armago de venda com seus per-
lances iodos novos na tiavessa da ra das Cruzes,
n.4.
Vende-so urna porgo de lenha, propina pura
padaria, por prego commodo : na travessa da Madrc-
de-l)eos, n. 8.
Vendem-se pedras de amolar, brancas, la me-
lhor qualidade que teem vlndo do ro de S.-Fran-
cisco a relalho e em porgo por prego commodo:
nu ra da l'raia, arniazem n 18.
Vende-sosal de Lisboa, lino c alvo, a 1,600rs.
o alqueire pela medida velha : na ra da l'raia, ar-
mazn 11. 18.
Vende-sc estopa, propria para saceos : na ra
do Trapiche, n. 8.
la, onde, conforme o costume, devia eu ser exposta
umdia o urna nole.
Logo que minha mi se retirou, entraran! as amor-
talhadeiras na celia; como eu no havia pronuncia-
do os votos veslram-me una tnica brancu, cingi-
rani-me a fronte com una corda de rosas brancas,
encruzaram-mc os bragos no pcilo, e depois pe-
diam:
O atadc :
K oatade foi Irazido celia, um profundo estre-
mecmento me correu por todo o corpo, porque, re-
pilo, alravs das palpcbras cerradas via eu ludo co-
mo se tivesse os olhos bem abortos.
Pegaram cm mim. emedeilaram noalaude.
Depois, com o rosto descoberto, como he costume
entre nos as Italianas, desceram-me para acupclla,
e me doposlaram no meio docOro.com velas accesas
em derredor do corpo, c urna caldeirinha de agoa-
bcnla aos ps.
Durante o dia vieram os camponezes de Subiaco
capella, oraram por mim, o mo langaram agoa-
benta.
Chegou a noite. Cessaram as visitas; fecharam-so
as portas da igreju, monos a porta travessa, e licou
s na capella a sror enfermeira.
Kntretanto una terrivel ideia me agtava durante
o somno ; no dia seguinte devia ter lugar o enterro,
e eu via que ia ser enterrada viva, se alguma poten-
cia desconhecida no viesse em meu soccorro.
Ouvia cu dar as horas, una aps outra : soarain
nove horas, depois doz, depois onze.
Cada badalada resoava-me no corago ; poique,
cousa medonha, ouvia os signaes fnebres de miau*
propria morle.
= Vendem-sc moendasde ferro para engenhos de as-
(Ucar, para vapor, agoa e bestas, de diversos tamanhon
por prefo commodo ; e igualmente taixas de ferro coado
batido, de todos os tamaitos : na praea do Corpo-San
(O, n. 11, em casa de Me. Calmont &' Coinpanhia, ou na
ra de Apollo, armazrm, 11. 6.
Vcnde-se fio da India, proprio para coser sac-
eos : na ra do Trapiche, 11.8
Vende-so vinagro da melhor qualidade, forte;
viudo de Lisboa, a 120 res a garrafa, quo at os se-
nhores boticarios ho de gastar para remedios : na
ra da Madre-de-Deos, n. 18.
Vendc-se urna porgo de caixilhoscnm vidros ,
bastante grandes proprios para envidragar una lo-
ja completa ; bem como um cscriptorio proprio pa-
ra se enllocar em sobrado ou loja contend) um
gradeamento de amarello balco o carleira obra
muito rica ; por mdico prego na ra do Cullcgio ,
loja de miudezas, n. 9.
BAGATELA.
Vende-se um relogio doouro, moderno, cnberto
de vidro, por barato prego, eum outro no d'ouro
nem de prata; ambos se vendem por preciso : na
travessa dos Martyrius, n. 2, at as 11 horas, e das
2 cm diante.
Vende-se, na ra da
Cruz, 11. 23, cera em ve-
Ir las, de superior qualida <
Sr3 de, fabricadas no l\o-de' f^
Janeiro, em caixas pe- ^
queuas, sorlimenlos ao JS
oslo do comprador, |t
e por prego mas brato
(loque emoulra qualquer
parte.
Na botica da ra do Rangel, vendem-se os re-
medios seguintcs, dosquaes a experiencia tem con-
firmado os niclhoreselleitos : dentilico que lema
propriedade de limpar os denles cariados e resti-
tuir-Ibes a cor esmaltada em muito poucos dias;
uso do dito remedio fortifica as gengiyas e tira 0
mo cheiro da bocea proveniente no s da carie,
como do trtaro quo se une.ao pescogo (lestes 01-
gilos ; o remedio he designado pelos nmeros pri-
meiro e segundo : orchata purgativa mui ulil as
enancase as pessoas de toda e qualquer idade; he
composta de substancias vegetaes nilo contera
mercurio, nem droga alguma quo possa prejudicar :
remedio para curar calos, em poucos dias ; dito pa-
ra curar dores veneras antigs, e que teem resistido
ao tratamento geralmenle applicado ; dito para pro-
vocara menslruacSo ,e accelerar a argodo tero
ida.le de20annos, muito l'oitc; um dito do 18 anuos'
nos parios naturaes em que nSo se precisa das ma-
nobras scientilicas da arte ; dito para resolver tu-
mores Ivmphaticos vulgo glndulas; ditos para
curar bou Das c cravos seceos o mais ellicaz. que se
condece at aqu ; dito oximel de ferro, muito til
nascbl0r07.es, vulgarmente chamadas frialdades;
santi-biliososdeManoel Lopes, capsulas de ge-
latina contendo balsamo de cupahiba ; ditas de
oleo de rocinos purificado; ditas de enhenas 011 pu
no; ditas de assafelida ; ditas com pos purgantes;
ditas de ruibardo da China; ditas de sulphato de
quininodo 1 e 2 graos cada capsula ; algaleas ; pun-
as de sal de cabacinlio ; verniz de goinina copal, da
primeiraqualidade, viudo da Frang!; remedios que
Curam a rraldado dentro de 10 dias mesmo estan-
do inchado; oleo muito hom para conservar o ca-
bello, que, alcm de no deixar cahir o cabello, lim-
pa a caspa, c cujo uso continuado faz reapparecer o
cabello perdido ; pillas especificas para curaras
gononheas chionicas quando a lesSo nao passs da
meta ; igualmente um jarope anti-hemorragico ,
applicado nos casos em que se deiUsangue pela boc-
ea. (> prego de todos os remedios be mui rasoavel,
e os bous resultados da sua applicago he que devem
fazer sua apologa.
Na ra do Trapiche-Novo, emeasa do Frerico
Hobilliard vende-sc ago em barras proprio para
molas de canos ; machinas para copiar cartas com
papel e tinta para as mesmas; oculos de alcance,
de varios lmannos e da melhor qualidade que he
possivel, chegados prximamente ; um ptimo sor-
timento de calcado inglez bem como sellins com
seus pertences ; e ugoa-ardente de Franca,
Na nova loja de Francisco Jote Texcira Bas-
tos, na ra do Quoimado nos quatro cantos, n. 20.
vende-se algodo da trra cncorpado e largo^m por-
go e a relalho.
Os esforgos quefiz para vencer esse somno mor-
tal, para romper esses lagos de ferro que mo pren-
diam 10 fundo do fretro, lieos os sabe; mas elle os
vio, e amerceou-se de mim.
Dcu meia-noite.
A'primeira badalada pareceu-tnc que todo o cor-
po era sacudido por um moviinenlo convulso, seme-
llianlo ao que costumava sentir, quando Achaiat se
approxinrava dcnini; depois senti nina comniogo
no corago, e v-o apparecer a porta da igreja.
Oque vossenlo sentio foi lerror? perguntou
o onde de Fuenix.
No, no, foi satisfcelo, foi prazer, foi xtasis,
porque via que ello vinha arrancar.-nio a essa deses-
perada mono que eu tanto tonia. Caiiiinhou elle va-
garoso para o atade, encarou-mo por um instante
com sorriso cheio de tristeza, o disse-me depois :
Krgue-le, e anda.
Roinperain-se iinmediamente os lagos quo me
prendiain o corpo cstendido ; osla poderosa voz le-
vuntei-me, e puz um p fra do fretro.
__ Julgas-to feliz em viver? mo perguntou elle.
-- Ali! julgo, respond eu.
l'ois bem ento, segue-me.
A enfermeira, acostumada ao fnebre ollioo quo
dcscmpenliava commigo, depois do o haver feito com
lanas oulras religiosas, dorma sentada na cadeira.
I'ussci por junto della sem a despertar, e acompanhoi
aquollo que pela segunda vez mo arrancava morto.
Chegamos ao pateo. Tornei a ver esse co todo re-
camado de estrellas brilhantos, que no esperava
mais tornar a ver. Sent esse ar fresco da noite, quo
os morios no sentem mais, porcm que he to grato
aos vivos.
Agora, me perguntou elle, antes de doixar cs-
Vende-se urna ptima eadeirnha, forrada ue
damasco com bambinellas do setim guarnecidas ao
franja o borlas de retroz com sacco para a sonliora
botar o longo, ou outra qualquer cousa aldrabn ue
prata para a senhora so fechar por dentro prepara-
da de novo e 011 estado de qualquer senhora sabir
cm dias de grande fungo : na ra Nova '.n. 39, se-
gundo andar.
Vcnde-se una duza de cadeiras duas banqui-
nhas o uir.a banca de meio de sala ; ludo de angi-
co c em hom uso : na ra da Senzalla-Velba loja
n. 70.
No Alerro-da-Boa-Vistj, defron-
te da calunga,
est obaratoiro trocando por todo o dinheiro : sa-
patos do tapeto, lano para homem como para se-
nhora a son ris o par; nina porgo de sapaloes
brancas para homem, tanto por junto como a reU-
Iho; ditos francezes de urna o duas palas para tu-
tos ; ditos para rapa/es; borzeguinsgaspeados; sa-
patos de niarroquini, cordovo, couro de lustro o
ile setim para senhora; ditos de lustro para meni-
na ; sapatos do clcheles, de marroquin e do lustro
para meninos ; bolins de marroquin ede lustro pa-
ra ditos: tudo por prego mais cmodo do quu om
outra qualquer paite.
Vende-seurna preta de is anuos, quo cozinha ,
engomma e he de bonita figura : no armazn) do
familia da ra do Collcgio.
Medicina universal.
Piltilas vegetaes de James \lorison.
A medicina vegetal universal he o resultado de 2o
anuos de nvestigacoes do celebre James Morson.
Por meio destas pilulas conseguio seu autor inn-
meras e admiiaveis curas, desde as allecgOes que
atacam as eiiangas de peilo al as molestias chro- .
nicas do uncio.
A Rropa saudou este remedio como remedio uni-
versal para todas asdoencas e at boje anda no
foi desmentido tal ttulo.
F.sta medicina vem acoinpanhada de urna receita
que ensiua e facilita a sua applicago. Consisto em
tres preparagfjcs, a saber : uuasqualidades de pi-
llas di.stiuctus por nmeros o um p : cada qual
goza de modoseaccOes diversas.
As pillas 11. 1 soaperitivas; purgain sem abalo
08 humores biliosos c vicosos, e os expulsam com
eulcacia.
As de 11. 2 expulsam com esses humores igual-
mente com grande Torga os humores serosos, acres
e ptridos, de que o sanguo seacha a miudo infcta-
lo; percorrem todas as partes do corpo, e s cessam
de obrar quando teem expulsado todas as impurezas.
A lereeira prcparagflo consiste em una limonada
vegetal sedativa: he aporativa, temperante e ado-
bante : torna-se em commum.com as pilulas e facili-
ta-lhes os melboreseffeitos.
A posigao social do Sr. Morison a sua fortuna n-
dependente, repellom toda a ideia de charlatanis-
mo; cas adiniraveis curas, operadas com o seu
syslema no collcgio de saile de Londres, so mais
que garantes da ellcaeia do scu remedio.
Itecommenda-se esta medicina, que no pede nem
resguardo de lempo, nem de posig.o da parto do
lenle a todos os que, atacados de molestias jul-
gadasincuraveis, so quizerem desengaar da sua
virlude.
xala que a liiimanid.ide fcheos ouvidos aos in-
teressadosein desacreditar estes remedios to sim-
ples to com modos o to verdeiros.
Vendem-se smente em casa do nico e verda-
deiro agente J. O. Klster, na ra da Cadeia-Vellia ,
11. 29.
Frederico Chaves, fabricante
de licores, chocolate e es-
piritos, no \ t rro-da-Boa-
Vista, 11. 17,
lema honra de participar ao respeilavel publico o
com particularidade aos sois freguezes que tem
sempre grande sortimento do bem couhecido cho-
colate desado,canolla, baunilha e ferruginoso,
este milito approvudo para as pessoas que padecem
do esta mago c frialdade por ser muito tnico, o
hom conceitoque tem lido este chocolate faz cora
que boje participe as pessoas que anda nao lzeram
uso delle, e igualmente aos seus freguezes, que o
teem procurado, o por inconvenientes o no teem
achado. Os procos silo sempre os meamos, saude,
canda e baunilha a 100 rs. a libra, e ferruginoso,
a t.Ofiii rs. Tambem vende ago'ardente do reino o
tranca, de primeira qualidade; espirito do 36 graos,
sem cheiro, 011 garrafas c em caadas; genebra
em botijas con caadas ; ago'ardente de aniz o do
canoa ; vinagre tinto, ago'ardente em pipas, nos
graos que quizerem; licores cm garrafas pretas e
brancas, com ricas tarjas douradas e bocea pra toa-
da : essencia de aniz em ongas o garrafas.
te convenio, eseolha ou a Dos, oua mim. Quer ser
religiosa .' quer seguir-mo ?
Quero segui-lo, respond eu.
F.nlo, vonlia, disse elle segunda vez.
Chegamos a portara; eslava fechada.
Onde estilo as chaves? mo perguntou elle
as boleas da irmfla rodeira.
F. onde estilo essas boigas ?
Nimia cadeira junto cama.
Va a celia sem lazer bulla, tire as chaves, es-
eolha a da porta, e traga-m'a.
Obedec. A porta do cubculo no eslava lecba.ia
por dentro. Entre!. Fui direilo a cadeira. Metti a mSo
as boleas, achei as chaves; no mago dellas ache a
da portara, e trouxe-a.
Cinco minutos depois se abri a portara e nos
adiamos na ra.
Tomoi-lhe ento o brago, e corremos para a extre-
midade da al.loia de Subiaco. A com passos da ultima
casa nos esperava tuna carruagem de posta prompta.
Mettomo-nos nella, que parti a galope.
E nculiuina violencia se Ihefoz, nenhirrna -
meaca foi proferida ; Vm. seguio esto homem volun-
tariamente?
Lorenza licou muda.
S. Alteza Real Ihe pergunta, Lorenza, se aobri-
gueia aconipanhar-mo por alguma violencia ou a-
moaga?
No.
K porque o seguio Vm. ?
Riga, porque me seguio ?
Porque ou o amava, disse Lorenza.
(Iconde de Fuenix voltuu-so para a princeza, sor-
rindo Iriuinphante.
(Conlinmr-st-Aa-l


M
Vende-so por precisSo o por preco commodo,
um prclo de Angola do meia dado de bonita fi-
gura, sadio e sem vicios he canoeiro entendcdo
todo o servico de urna casa, e he bom comprador:
na ra Nova n. 39, segundo andar.
IVa foja nova do Passeio, n. : 5,
rendem-secassas modernas, de cores fixas e largas,
a 2*0 rs. o covado ; chitas de novos padrOes e hons
pianos a 4,500 rs. a peca c a 120 rs. o covado ;
alem destas ha um completo sorlimento de l'azen-
das de todas as qualidades : ludo por preco com-
modo.
da
ero
ra
lo-
ca
d
Vendermse billietes
teria do Uio-de-Janeiro :
sa de J. O. Elster, na
Cadeia-Velha, n. 29.
--Vende-se umcaixilho envidrando, para urna
janella : na ra doCollegio n. 10, primeiro andar.
Vende-so, de casa particular, urna rapariga,
de 18 anuos, doeleganto (gura o boa conduela,
que lava pcrfeitamonlc de sabilo o varrella engom-
ma cozinha bein e cose alguma cousa : na ra da
Cruz, no Itecife, n. 49, primeiro andar, se dir quem
vende.
-- Vende-se urna prelado 19 annos, sem vicios
ncm achaqnes.que he boa vendedeira de p3o e de to-
da qualquer venda : ao comprador se dir o motivo
ila venda : na rua Direita, n. 26, se dir quem vende.
aNa rua do Queimado, loja do chapeos, n. 38',
vendem-se superiores chapeos francezos da
ultima moda do Pars chegados ltimamente no
briguc Cetar ; chapeos do verdadeiro castor portu-
fuez lo ultimo gosto chapeos de massa-castor, a
lisbonense; ilitnsdn castor sem pello; linos chapeos
de palha italiana para iiomein e meninos < bonetes
de vellodinho a franeeza, para enancas; bonetes
a amazonas, para as senhoras andaiem a cavallo;
chapeos de massa do todas as qualidades: ludo a
preco que convida aos compradores.
s \a loja de Jos Ma-
noel lfoiiteiro ll'a-
ga, na rua do Crespo, n. 16,
esquina que vira para a
rua das Cruzcs,
vendem-se ricos cortes de vestidos de seda para se-
nhora ; linda (alenda intitulada --garra de seda
de mui ricos gostos e muito modernos para vesti-
do desenhora; casimiras elsticas franee/.as e mo-
dernas de gostos muito agradaveis ; chapeos pre-
tos francezes prximamente chegados de Paria ;
adamascado de iinho, com 8 a 10 palmos de lar-
gura, para toalhas ; guardanapnsda mesma fazen-
da;toalhas mais pequeas; ditas com 3 varas; e
outras mutas l'azemlas de gosto.
-- Vende-se urna parda escura de 20 anuos que
lava de sabao e varrella cozinha o diario de urna
casa nao ten vicios nena achaques : vende-se por
urna prerisao: na rua da Concordia passando a
pontezinha a direita, segunda casa terrea se dir
quem vende
Vende-se urna canoa de conduzir agoa toda
construida de amarcllo e sicupira, pelo diminuto
preco de 130,000 rs., a qual pode servir para canoa
aberta tirando o convs lora, que he de taboas de
amarello; os pretendentcs nao deixarflo de fazer
negocio a vista do objeelo e do proco, que he o mais
barato possivel: na rua da Senzalla-Nova, vonda d.'
Jos l'ereira se dir quem vende.
Vendem-se e alugam-se muito boas bichas,
ebegadas ltimamente de tiamburgo: tambem vit-
se applicar, para mais commodidaic dos pretenden-
tes : na rua cstreita do Itozario, defronle da rua das
Larangeiras loja de barbeiro, n. 19.
Vende-se urna morada de casa de sobrado de
um andar e sotiio feilo a moderna em una das
principies roas desta cidade : na rua Direita, n. 50.
Vende-se urna con,moda do Jacaranda urna
secretaria de amarello 12 cadenas de palhinha de
oleo um sanctuario de tres faces de Jacaranda ,
obra muito asseiada ; ludo por pre^o commodo : na
rua da Cadeia-Velha n. 11, se dir quem vende..
Vende-se una venda em bom lugar, e muito
bem al'iegue/ada para a tena : na rua da Guia, n. 9.
Vendem-se 4 escravos chegados do serliio ,
sendo urna uiulaliuha de 12 anuos ; una crioula de
18nnnos; um pardo de 13a 14 annos bem claro,
limito proprio para pagem, por saber bem montar
a cavallo ; um pardo perito oflicial de pedreiro : na
na do Trapiche, n. 36 terceiro andar, ou na
rua dos Tanooiros, armazem n. 1.
Vendem-se 6 pretas moijas, com habilidades, de
bonitas figuras; prelos e pardos, tambem mojos
na rua Nova, n. 40.
Vendem-se 2 casas terreas com quintaos e ca-
cimbas sitas na Iravessa do l'eixoto que renden!
8,000 rs. niensalmente cada urna; e por haver nc-
cessidade vendem-se por 800,000 rs. cada urna : na
rua Direita sobrado u. 29.
LOTERA DO RIO-E-
JANE1KO.
Vendem-se billietes e lueios ditos da
stima lotera a beneficio da construccao
c reparo das matrizes : na rua da Cadeia,
loja de cambio, n. 38, de Alanoel Go-
mes.
Vendem-se aces daexlinc~
(a compauhia de Pemambuco e
Farahiba : no esc iplorio de OJi-
veira lrmos & Compauhia, na
rua da Cruz, n. 9.
Cruz, que volta para a da Alegra muito bom vi-
r.ho da Kigueira a 180 e 200 rs. a garrafa ; manloi-
ga do vacca, a 400 480, 560, 640 e 800 rs. ; saccas
ilc farinha de mandioca com tres quartas da medi-
da grande a 3,200 rs. ; cha hysson a 1,920, 2,240 e
2,500 rs. ; e todos os mais gneros por precos mui-
to rasoaveis.
opouiuioo
o5ojd jod o sapBpiianbsB sRpoi apsepuazBjapoi
-u.i'.mi ios oi.ipliuo.) iun seisop mo|B o #sj 005't e
'souiied suoq o sajoa ap sBiup ap oiuamijos oao u
um f opBAOD um apio -sj ofi'l P oSojd ojBJBq o|ad
' i;.l 111-i.ii;i Op S'iMiipiil ,)].i< ,i|i 3SII,l|Sljnd u/.uin.ld BA
-ou b os-opuaA 's "ii 'omiojuv-'S apoajB ohoiiiojj
-uoa BjqueduiO'j 39 lurjKjas sajjJBunn;) ,>i nfo| BJJ
OpBA
-o;> o s.i o8S#I V
Vendem-se caixas de cha hysson, deO, 12e13
libras em porces, ou a retalho ; caixas de velas
de espermaceto de 5 c 6 em libra : na rua da Alfan-
dcga-Velha n. 36, em casa de Matheus Auslin & C.
\o 11 va ATO.
\a nova loja de Francisco Jo-
s Teixeira Bastos, nos quil-
tro cantos da rua do Quei-
mado, n.120, que faz esquina
para a rua estrella do Ko/a-
rio, vendem-se
fazendas novas bem como : brim pardo trancado
ile puro Iinho, a 200 rs o covado ; dito superior, de
cores as mais modernas a 1,500 rs. a vara; algo-
dito trancado de listras, americano, a 180 rs. o co-
vado ; ditoencorpado, a 200 e 240 rs. o covado;
coilas escuras de cores fixas a 160 o 180 rs.', e (as
de novos padrOes a 200 rs. o covado ; ditas impe-
riaes a 300 rs. o covado ; ditas escuras e ordina-
rias a 120 e 140 rs. o covado ; cortes de cambraia
fina, decores, a 3,200 rs.; pegas de bretanba de rolo
com 10 varas a 2,000 rs. ; dita de puro Iinho a 320
rs. a vara ; dita muito fina a 640 rs. ; merino pe-
lo fino e de cores a 1,280 rs. ; panno fino prclo ,
a 3,000 rs. o covado e de outras crese qualidades ;
moias para meninos, a 80 rs. o par ; ditas para me-
ninas a 200 rs. ; ditas pretas e curtas a 120 rs. ;
ditas muito linas a 280 rs. ; ditas para senhora a
240, 320 o 400 rs. o par; mantas de fil de linlio a
1,600 rs. ; cassa escampinada, propria para cortina-
dos, a 3,200 rs. a peca ; cambraia lisa milito fina a
640 rs avara. DAo-.se amostras francas aos compra-
dores. Alm desta ha outras muitas fazendas inuder
as por precos rasoaveis.
Vendem-se80caixoesvasios, paraassucar, por
preco commodo: na rua do Trapiche, n. 17.
Charutos de San-i5elix.
Manuel Joaquim C.onqalves e Silva, na rua da
Cruz 11. 43 scieutilica a seus freguezes que pelo
nllillio Vapoi l'araense ) HlO cllCgOU um Completo
sorlimento de varias superiores qualidades, nto s
da fabrico de San-Flix, como de outras das mais
acreditadas, e pelos quaeso mcsnio se responsabi-
lisa.
boa compradeira c vendedeira de rua, sem achaques
nem molestias : na rua da Cruz, no Recifc n. 18 ,
segundo andar.
Vende-se cera branca refinada muito supe-
rior, em gamellas por preco em conta : no arma-
zem de Francisco Das Ferreira, aop da alfandega,
ou a tratar com Leopoldo Jos da Costa Aranjo na
ruadaMoeda,n.7.
O barateiroda loja n. 4 da rua
do Crespo ao p do arco de
S.-1 ntonio, vende
um rico e novo .sorlimento de cambraias do cores ,
de padrOes cscocezcs, e maravilhosamonte estampa-
das, com cores mui fixas com palmos de'.largura.
a 320 rs. o covado ; cortes do colletes do fustto .pa-
drOes novos e cores lixas, a 500 rs, o corte; ditos
de selim lavrado o de velludo tambem lavrado a
3,000 rs. ; ricos cortes de casimira franeeza e els-
tica por muito barato preco ; muito superior casi-
mira preta franeeza e elstica a 3.000 rs. o cova-
do ; e em im um completo sorlimento do todas as
fazendas, por preco mais commodo do que em ou-
Ira qualquer parte. As amostras silo francas aos con-
correntes.
Vendem-se casaes do pombos muilo grandes,
bous batedores bonitos e de ptima raqa ; bein co-
mo lilholes muito gordos: tudo por preco muilo
commodo : na rua da Florentina n. 16.
Vinlio de Champan lia
da superior c muiloacrcditada marca
Cometa,
vende-se no armazem deKalkmann & Rosenmund,
na rua da Cruz, n. 10.
SAO' DE PATENTE a 3,200 rs.
Chapeos deso, de panninlio, basteas de ayo, mo-
Iliorus do que os que teem vindo,nto s pela sua boa
qualidade como por terem as capas do oleado; um
sorlimento de fazendas finas de todas as qualidades;
casimiras de cores,'as mais modernas que ha: na
rua do Queimado loja nova n. 11 A, do liaymundo
Carlos Lcilo.
0 FINO PANNO DE LINIO DO PORTO,
est se acabando a 800 rs. a vara ; lom pocas de
15, 16 c 19 varas, e o de 600 rs. be do 25 varas e urna
terca ; excedentes moias do algodilo cr; ditas pre-
tas para padre ; ditas nissiimis de Iinho na rua do
Queimado, loja nova de Itaymundo Carlos Loite ,
n. 11 A.
Vende-se um prelode mello, mogo, oflicial de
sapateiro : airas da matriz da boa-Vista n. 4.
es
O
5
'j /, c 63
-5-2
4) i* P s
3 s SS
o
o
melhor
tanto a
rua das
andar
Vende-se cera do carnauba da
qualidade que tem apparecido ,
retalho como em poryOes: na
Larangeiras n. 14, segundo
junio a rcfinacfto.
Vende-se urna grande casa lerrca, feitaa moder-
na por preco commodo: a tratar no priqcipio da
rua Imperial n. 9.
A 640
s
9
c marrara:
('asa da F
na rua eMreita do liozario, n. ti.
Neste estabelecimento acham-se a venda as cau-
telas da segunda parto da 17.* lotera, a favor das
obras do theatro publico desta cidade ; cujas rodas
devem correr no da 30 deste mez. A ellas : os pre- Vende-se urna bonita e vistosa preta de nacto
coa s.u os do costme Angola dc 25 a 30 annos, perfoita engommadeira,
vende-se, na venda [da esquiua da rua da S.-|e que lava muito bem, cozinha o diario de urna casa,
pares de pcnlcs de tartaruga de marrara: na rua lar-
ga do Rosario, n. 24.
Vendem-se mui bem feilos vasos para (lores ;
pias para preservar as formigas ; pequeos cacos pa-
ra vender llores ; jarras e outras obras : tudo de
muito bom barro e mais barato do que nos arma-
zens de louca desta cidade : na rua da Florentina ,
n. 16.
Vende-se, ou pcrmula-so por casas terreas nos-
ta pra^a. o sitio Agoazinha junto ao sitio do Sr.
doutor (Jelho e porto do Forno-da-Cal o qual he
muilo grande, com boas Ierras para caima roca e
capim, grande cercado para gado, e com alguna pea
de larangeiras ecoqueiros, muitos cajueirose dc-
denzeiros, passa um reacho por dentro e por isso
por grande que seja a secca, sempre tem bom pasto
para a criaeflo de gado, eas Ierras sSo proprias : a
tratar com Manoel Antonio da Silva Molla na rua
de Apollo n. 27, ou 34.
- Vende-se urna casa lerrea na rua dos Copiares :
a tratar nasCinco-Ponlas, na casa do rancho do Sr.
Francisco dos Reis.
ATTENCAO'!
i
Frederico Chaves, fabricante de gaz hy-
drogeneo lir/uido, com fabrica de li-
cores, chocolate e espiritos, no fierro-
da Boa Vista, n. 17,
tem a honra de participar ao respeitavcl publi-
co, e com parlicnlaridade aos Srs que usam de can-
dieiro do gaz, que na sua fabrica sempre acharflo
grande porcilo de gaz hydrogeneo liquido, de boa
qualidade, pelo diminuto preco de 320 rs. a garrafa.
Vende-so um escravo do servido de rua muilo
fiel e sem vicios, por preco commodo, por se ochar
com urna inflammasito em um olho: na rua Formo-
sa penltima casa a fallar com o solicitador Jos
Joaquim Ferreira Rebello.
Vendem-se duas cabras (bicho com cria : na
Itibeira de S.-Antonio defronle da pra^a de fari-
nha casan. 7.
<*CMf
c
os
o
es
103
. "~
O o
a.'
o o
o t
i i *
a
u
-
.i i ~A\ t 1
a.-2 =
3 ..
-o
B E
a
e
I
S c


ii
=
o
o
3 _
; B S
O
.5 E
rs -n
s|
a O
Atten^ao.
Na rua lo Crespo, loja n. ti,
de .los Joaquim'da Silva
Alaya,
vendem-se chapeos de seda para cabecas de senhora,
os mais ricos, o mais modernos que teem vindo a esta
praca; assim como se vendem chapeos de seda e de
palhinha para meninasde dousa 12 annos; toucas pa-
ra manas, de muito lindos gostos. Tudo ebegado
de Franca pelo ultimo navio, e por muito commodo
Vendem-se superiores chapeos de
JM,castor, pretosebrancos, por preco
muito barato : 11a rua do Crespo, loja n.
tu, de Jos Joaquim da Silva Alaia
l\a loja nova do
Passeo-publco,
n. 17,
vendem-se pegas do algodlozinho sem avaria, a
1,600e 2,000 rs.; riscadinhos a que chamam Iinho,
para camisas de escravos com 4 palmos de largura,
a 120 rs, o covado ; e outras muitas fazendas mais
baratas do que em outra qualquer parle.
Maya Ramos & Compauhia ,
com loja na rua JN'ova, 6,
scieutilica a seus freguezes, que acaba de recober ,
pelo ultimo navio francez, (ciar um bello sorli-
mento de fazendas do ultimo goslo e qualidade,
como seja : um variado sorlimento de luvas de pel-
lica para senhora com lindas guarnicOes, adver-
tindo que cada par destas luvas vem em sua caixi-
nha ; ou tro igual sorlimento de ditas curtas, tanto
para homem como para senhora ; sapatos de selim
muito alvos e de bonitas formas; ditos de marro-
quim o couro de lustro ; ricas lanternasde pede vi-
dro, lapidadas e do ultimo modelo ; ditas pequeas
com pe de casqu.nha proprias para piano: chico-
tes do balea descoberla de caima, junco e de ou-
tras qualidades, para carro ; umcomplelo sorlimen-
to de espedios dourados, com bonitos quadros oue
se vendem por preco mui commodo; bandejas de
lodosos tamaitos com bonitas pinturas sapali-
nlios di| lila para meninos que anda nSo andam
metas de seda para padre de muito boa qualidade'
bem compndas e bastante elsticas ; ditas de lai pekn.:
tambem para padre, as melhores que podem havor
neste genero ; chicotes com mui lindos castOes, pa-
ra homem e senhora ; jarros do banha de novos mo-
delos com.o nome que o comprador quizer ; casti-
gaos do vidro lapidado o de bonitos gostos ; litas do
franja, as mais modernas quo ha ; .ditas sem franja ,
de excedente qualidade; e outras muitas fazondas
novas, que em outra occasiiTo so annunciario.
Aos 20,000^000 de rs.
Chegaram no vapor Paraente bilhetes o meiosdilos
da lotera a beneficio das matrizes do Rio-de-Janei-
ro e esto a venda na rua da Cadeia do Recifo, loja
do Vieira. A ellos, antes que cheguo o vapor.
Vende-se manteiga ingleza muito superior,
a tres patacas a libra ; passas muito novas, a 240
rs. a libra; bolachinha ingleza, muito superior, a
280 rs. a libra ; vinho do superior gualidade a 280
rs. agarrafa ; dito da Madeira, engarrafado, tan-
to branco como tinto a 1,000 rs. a garrafa: no Aler-
ro-da-Boa-Vista venda n. 54.
-- Vonde-se um piano ingloz, do autor Brodl ;
um prelo da Costa, de 1 8 annos de boa figura, que
faz todo o servico de urna casa, e tambem trabalha
noolUcio dechapelero : na rua Bella, n. 37.
Vende-se urna escrava crioula de 25 annos,
boa cozinheira o engommadoira, e que cose bem t
faz lavarinto doces e bolinhos : na rua Nora n.
14 se dir quem vende.
Vende-se urna venda na rua da Roda com
poneos fundos, defronte da cocheira : a tratar no
segundo andar por cima da mesma yenda.
Corram para o anti >;o bara-
leira, pois est torrando fa-
zendas por todo o rlinlieiro.
O anligo barateiro est torrando por todo dinhei-
ro que como elle nnguem torra, na sua nova lo-
ja do miudezas da rua do Collegio n. 9 papel al-
majo muito lino', a 3,200 rs.; dito a 3,00 rs. ; dito
mais inferior a 2,600 rs. ; dito a 1,600 rs. a resma;
torcidas para candieiro, de todas ns larguras, a
100 rs. a duzia ; escovas para denles, a 100 rs.; di- '
tas multo linas, a 320 rs.; ditas finas para falo ,
a 400 rs. ; ditas para cabello, a 240 rs. cada una;
pentcs de prender cabello, de laboa oslreila, i so
rs. cada um; caixas de agulhas francezas, muito
iinas, a 80 rs. cada caixinba ; tneias muito finas, pa.
ra homem e meninos a 240 rs. o par ; pentesdo
tartaruga para marrafa a 960 rs. a parelha ; le-
souras linas, com ferrugom para costura a 120 rs.
cada nina ; canivetes limpos de cabo de viado, de
urna folha a 200 rs. cada um ; carapugas do algo-
dito de cures ,a 160 rs. cada urna ; luvas para me-
ninas a 120 rs. o par ; ditas de algodito de cores e
brancas, a 320 rs. cada urna. Oh que riquissimas
lesouras, muito linas, tanto para unha como para
costura. Aellas, antes quo seacabem : depois, mo
se quer bulla.
iva loja ii.*T,deGu-
maraes Srafim
e Compauhia,
e no Passoio-Publco, n. 15, vende-so casimira
franeeza ,encorpada e de quadros e listras pa-
dresescuros, a 800 rs. cada covado; lencos Bnos
de cabraia de cores fixas, com lindas cercaduras a
400 rs. cada um.
t^ EM PRIMEIRA MAO', ,$
vendem-se caixas com velas de cera do Rio-de-Ja-
neiro c de Lisboa na rua da Senzalla, armazem
u. 110.
Vende-se ferro da Suecia ; folha de Flandres;
cobre para forro de navio ; dito para caldoireiro em
porcOes grandes c pequeas : na rua de Apollo ar-
mazem n. 6.
!S
Escravos Fgidos.
Fugio de bordo do patacho Pelicano um escravo
de nome Roque, do San-Thom estatura baixa,
rosto redondo esem barba, com feridas na pernas,
vestido com camisa e calca azul e barrete inglez.
Este escravo perfence a Joflo Jos Pereira do Azoira,
do Rio-de-Janeiro. Quem oapprcbender, queira le-
va-lo rua da Cruz n 66, casa de Gaudino Agosti-
nho de Barros, por quem ser recompensado.
Acha-se, desde odia 16'do crrenle, fgida a
pieta Joanna, de iia?ao Bcnguela de 30 annos pou-
co maisou menos ; he bem conhecida por usar do
do vender sapatos para senhora, fructas, bolos, ele.:
he alta, secca do corpo cor fulla rosto comprido,
olhos fundos, nariz um tanto afilado denles lima-
dos, beicos grossos; tem urna marca anliga no la-
ti esquerdo do rosto proveniente de urna denu-
da que lite deram bracos finos e compridos, ps
seceos c tambem compridos, pernas cheias de veias
e encajonadas; lic;bastanteladina. Esta preta,por ler
muitosconhecimcnlos, julga-se estar acoitada : por
isso protesla-se usar de todo o rigor da lei contra
quem admilti-laem sua casa e muilo se recom-
menda as autoridades policiaes, capitfesde campo
e mais pessoas do povo a captura da mesma escrava,
promettendo-s: aos ltimos boa recompensa, sea
levaren) ao Aterro-da-Boa-Vista n. 17 fabrica de
licores de Frederico Chaves.
Fugio, no dia 28 do corrento, do engenho Con-
gac;ary,o pretoJoito, por alcunha JoDo Banana,
que representa 30annos; levou camisa ecalcas da
algodilo, tem altura ordinaria, urna cicatriz ao p
do olho esquerdo, urna falta de cabello atrs da orc-
Iha ; quem o pegar leve ao dito engenho, ou na rua
Imperial, n. 39, quo se pagaro todas as despezas.
Desappareceu no dia 30 de julho, tendo ido
comprar pflo o niolcque Agoslinho ainda pouco
pratico nesta praca por ter viudo lia poneos das
do mallo, de 14anuos pouco mais ou menos, rc-
forcado do corpo ; tem a ponta do nariz meia roida
oemumdos pes urna cicatriz ; levou camisa e ce-
roulas de algodilo trangado azul de listras. lfotes-
ta-se usar com todo o rigor da lei contra quem o
acoitar em sua casa e muito se recommenda as au-
toridades policiaes, capitaes de campo e mais pes-
soas do povo a captura do mesmo moleque, pronu'l-
tendo-seaos ltimos boa recompensa se o levarein
a rua do Collegio, loja n. 1.
I\A TYP. DEM. F.DE.FAUU.1&47