Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08492


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1847.
Segunda-feira
\ n,jilO nublica-ae todos os dial, que D*0
() lii"' j 0 preco d a'signatura he de
Ir""" '!C Sl'quirBl. P".' dianlada^ Os an-
s : o.". ----;------_.--------
Ir"" "." mi ijurtel, pus"' aduinladoi. Os an-
['"" A. ai"i">le5 *~<" lnser"1os rasi' Ji"!i0' linln "* ein 'y0 ''iuerentc, "
|j'!-.rr' miade. Os que no forem as5'K-
li'T'"' irlo 80 rs por linha, e 100 em lypo
i |ASBS DA LOA NO MEZ DE ILHO.
r .i aC hora C 2a min. d Aianha.
J||,iio1" j s 9 lioras e 15 min. da manlii
l|jnOi j'd4 |0 horas e3l min. da iMuMl
rrtceiiK' 7 | s e 41 mni jg tarde,
i... rhea *'"
PARTIDA DOS CORREIOS.
('oiannac Parahyba, as sexuadas eseilas feiras.
Rio-Orande-dn-Norte quintas feiras no meio-dia.
Cabo, Serinhem, l\io-Formoso, Poilo-Calvo e
Macei, no I., a 11 e 21 de cada mez.
Oaranliuns e Bonito, a 10 e 21.
Roa-Vista e Flores, a IJ e 18.
Victoria, s quintas feiras.
Oliuda, todos os dias.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira, s 10 horas o 8 minutos da mauh
Segunda, s 10 horas e 30 minutos da larde
de Julho. Ann JXXIV^
N. 1S8.
DAS DA SEMANA.
19 Segunda. S. rcenlo. Aud. do J. dos orplia-
oTdoJ. doc.da2v.edoJ.M..b-v.
VO Terra. S. Elias. Aud. do I. do civ. da
t ve do J. de 'do 2. disl. del.
Ouarla. S. Prxedes. Aud. do .'. do civ.
J. edoJ.depado2disl. dct.
17 Quima. S. Meneleo. Aud do J. e orph.
e doJ. municipal da I. ara.
23 Sel.S. Apolliiiaiio. And du J do cix. 01
lv.cdoJ.de pal do l.disl. de I.
24 Sabhado. S. Carsima. Aud. do J do c.v.
da 1. V. e do J de paz do I dist. de t.
21 Domingo. S. Tiago.
CAMBIOS NO DA IT DE JUMIO.
Cambio sobre Landre, a 20'/, d_ p.Jl r*.
Pa.ris Jai rs. por franco.
Lisboa lo de premio.
Dcsc. de lettrai do bo Bu de ,,
Ouro-Oncas Lespa-holas.... M
Moedasdcd.oovelh. ^OM
,1 de 0*400 not.. I6#fli>
de/?0O0..... M
pra(a Paltes.......... <
Pesos columiiai es... 11*'
Ditos mexicanos... '#'<
Miuda............. *'
Acresdacomp.do Ueberibede SOJOOO
60 d.
/ ao mci
29*500
lOIIOt
a licin
a #201.
a l#0
a l|8'0
a U*00
|J30
u.aopr.
DIARIO DE PERBffAMBUCO
PARTE OFFICIAL
MINISTERIO DO IMPERIO.
... eExm .Sr. Foram presentes a Sua Mages-
I Je o imperador, com o offlcio do V Esc, de 15 de
Ituirco prximo lindo, as seguintes duvidas occorri-
las nessa provincia por occasiflo de oxecutar-se a lei
rcEiiInmentar das. eleicOes:
i dtivida. Itepresentou o juiz de paz da freguezia
1,1 s -Rento do Monte-Gordo, que at o dia 7 de janei-
I m do corrento anno ainda nfio tinlm recebido do
][.,:, .|e paz em exercicio o alistamento, sem o qual
Inlopodia darcomeco aos trabalhos da qualificacBo;
'.'pede por isso providencias.
o'duvida. O presidento da junta de qualihcacflo
Idafrcueziade Pirajuhia participa que, comprohen-
lilendo"quella freguezia tres districtos de paz, dei-
Ixouojuiz do segundo de enviar a lista do seu dis-
Itriclo como Ihecumpria vista do art. 19 da lei,
laneza'rdc ler-lhe ofliciado a camsra respectiva, oque
InbriffOU a mesma junta a multa-loem 40,000 rs., ba-
scada no art. 126 $ 6- "3 da mencionada le; o como
cstn Talla he bastante grave, por isso que, deixan-
I do de ser qualiicados os habitantes daqucllc dis-
Itricto deixaram tambem de sor votados osjuizes de
I paz quo tcem de servir no qualnet.nio v.ndouro no
referido districto: perguntn'o que devora praticar
' para remediar a mesma falta.
I 3'duvida. O presidente da junta do qualilicacao
da frceuezia da Penha participa que, sendo a le das
cleicOes omissa no cap. 2. art. 21 sobre o secretario
que deve ancar a acta da qualificagao, proceileu-sc
em conformidade do art. *7 2., por se entender que
havia toda a analoga. Como, porem, um dos mem-
bros da junta tenha duvida a esse respeito, deseja sa-
ber se o alistamento, ea acta de que trata o art.
21, deve ser feito pelo escrivito, ou sefoi hem icito
na forma por que procedeu a junta.
*.' duvida. E no caso de dever ser o escrivilo quem
faca aquello Irabalho, se ser bastante que subscre-
vaotrabalho ja feito pela junta, ou se convem que
se proceda na repetieflo dcllo com o escrivilo.
5.' duvida. O presidente da junta do .qualificacao
da freguezia de Belmonte solicita os seguintes escla-
recimenlos: se o eleitorque mostrou achar-se cm-
pregado na vida do mar est por isso iscnto de en-
trama formaco da junta de qualificacio, avistado
disposto no art. 08 do regulamento do 19 de maio de
18-16, em que se escuda. ,
C> duvida. Se no caso afirmativo deve comtudo
ser o sobredito elcitor inscripto na lista gcral com a
sua qualidadede votante, ou elegivel.
7." duvida. F. sendo inscripto c obtendo votos pa-
ra eleitor, se devetn ser estes apurados, ou despre-
l zados. '
8.' duvida. 0 presidente da junta de qualilicacflo
da freguezia de Sanl'Anna-do-Catu pede esclarcci-
mcnlos sobre estar ou nBo no caso de votante pa-
ra as elcices o individuo que so tem ollicio icm
i que pode ganhar de duas a quatro patacas nos das
qucirabalhaj, tonda e casa do morar do milito pou-
1 co valor.
9. duvida. O caixeiro de engenho de fazer assu-
car que possue alguns bens.
10. duvida. O casado menor de 21 annos.
11. duvida. So o junta de qualificac,lo pode in-
cluir na lista geral, ainda nicsmo depois deainxaua
na igreja motriz, aquello, ou aquellos que conside-
rar nascircumslancia de o seren, embora n.iore-
clamcm. ,_ ,,
12. duvida. Se a copia da lista geral, que tem uc
ser remeltid ao presidente da provincia, o 'leve sel
Sfl rCIIlUltIUi UU |'i tMinii i r ua ijiwsimw -
logo? ou se depois de rindo o tempo permiltido para
reelamneoes. ,<...
13. duvida. O presidente da junta de qualiticaQflo
da freguezia de Brotas vio-se embarazado, e sem que
podesse ultimar os trabalhos da mesma junla, por
nSo haver'o juiz de paz da freguezia da Victoria em
exercicio rcmettido o arrolamenlo da povoacno de
Mariquita, que, na parte civet, perlero a casa ire-
guezia ; e escrupulisando impOr ao referido juiz de
paz a pena que para taes omissoes marca o art..Wb
n. 3. 6., por isso que a le nflo prevcnio esta liypo-
these, pede esclarecimentos a respcito.
14. duvida. Tondo a junta do qualificago da fre-
guezia de SanfAnna-da-Aldcia, termo a vi a de
Nazarelli, apurado 663 votantes, e devendo ella em
conformidade do art. 52 da lei regulamenta.-da.el i-
coes marcar quantos ele.torcs deve te^pMMM^,
eutendem u.s, vista da le quo .na" ca um elcitor
para cada 40 votanles, e do que se declara no, o. do
aviso de 2 de novembro do anuo paseado, quo d ve
a parochia dar 17 eleitores, que cprrespoi,dorn a um
por cada 40 votantes; outros, porem, pnlendei e,
londo a parochia dado as ele.cOes de *"10eiei
lores e ras do 1844, 20, deve agora somentc dai R
no de 1842, com o augmento do ma.s JXi l somo-
responde quinla parte : asim, para obvia, scine-
Ihante duvida. pede que sella ^XS^S
daquelle nume-o de 663 votantes, c de.con ortnida
de con. a lei e aviso citado, deve a parochia .dar oh l,
eleitores, como ctendem uns, ou se 12 como que
TjiSvida. O presidente da junta dequalilicacHo
da rrc"iic7ia da villa de Valonea participa que, en 19
de Une ro ndo, quando j estavam bastante ad.an-
lados os uabalbs'dadita junta foi que.recebe^,^-or
intermedio da cmara municipal ~0en*LOW;
tos resolvendo as duv.das que em *WJ*&jt
ferece a lei regulamentar das ele.cOes; c MMbm
nomeado, c juramentado um ele.lor mtarai
zes do escribo do paz, que dera P^le dedociilc e
he tambem aupplente dos eleitores ; Pl"UMh
quando reunir-se a Junta para decidir das que .xasc
rnnlamacfiea deve servir de escr.vao o de paz, caso
a em exercicio. ou o juramentado, e quei servio
nos primoiros trabalhos da junta, ou se nenhum dos
dous, por ser um eleitor e o outro supple e-
16.duvkla. O presidente da junta de *>*" ('J.
freguezia de Nazaretl. participa que*&**** "
auelta freguezia 34 eleitores, c em 1844, 39; agora re
Jlando L eleitor por cada 40 volantes lera de da,
41, pois que o numero de votantes he de 1633 esta,
nnrm na duvida se deve declarar ser aquelle nume-
o de odcS eleitores que.teem de ^.^0^
I-nri^x^sSc^rnecS:
rios ao expediente da mesma.
duvida Se um juiz de paz em exercicio em
la, o que dever fazer a mencionada junta.
to duvida A junta de qualilicaeflo da freguezia
do os esclarecimentos seguintes, ttenU a ooriga
% de findar os seus trabalhos nos cinco d,a* deter-
minados no ai t. 22. ______
nove a junta de quaUlicao nos cinco das conse-
s.wrssr.^
rlimacOcs deve ser orgamsada avista dpSTequeri
menlos por districtos: quarteirOes e alphabetlca-
mcnle ? ._____.
20. duvida. Dadaaliypotheso do se receberem re-
clamacOes dentro dos 5 dias das sessoe.s, nao altera
ajmiU a odem dos seus trabalhos a propongo que
confusamente forem apparecendo mais reclamac.Oes
de diversos districtos e quarteirOes .
21. duvida. Nao tendo a cmara municipal da vil-
la de Aleobaca recebido onicio para se P^^rooe-
derao concelho dequal.l.caQao, pomo MarttIM o
art 7 da lei: e estando a vista de semeltianu. arw
go embarac'a'da, por nao saber como deva proceder,
solicitou esclarecimentos. .._
22. duvida. Achando-se reunida a j n a. He |ua"
ficacao da freguezia da Conce.Qao-da- raa para re-
ceber sreclamacOes, quo.xaso dmiu c as aconic
ce que, apparecendo o doutor Mo Antune* le AZe
velo Chavos, reclamante a\*\W**, *gff
um de seus membros, de nome MJotVIlm de r
g.ieiredo Lisboa, em que anno viera p.i i o Brasil^
c este Iho responder que no anno e MM,.*g
tornou o dito doutor, se depois desse lempo i irara
carta de natunllsacBo; e foi-l he 2~SaflSS'
porm que desde a le creadora das anardas mu
riiiatis c denois a das guardas nacionacs, semprt.
Xio com ulirda de uL^.outra ^ggV&
do considerado cidadao brasileiro : e sendo 0
do considerado cuiauau uio3.. ',; "" n., rrf*ue-
nomeado inspector de quarteirSn daquclU fregue
zia, em cujo cargo ha minios anuos serve, e
MEMORIAS DE UM MEDICO. (*)
por aicjcanurc ^umast.
SEGUNDA PARTE.
CAPITULO VIL
O 9UE IBA O MNBOB JACUES.
Trabalbava Gilb-rto com ardor, o o panel cobra-se
de ensaios conscienciosamento estucados, quando
vellio depois de haver olliado por algum lempo, se
no/ t"n hem outra mesa a corrig.r provea .mpres-
L.semeihantes s dos envoltorios dos fe.joes do pa-
lha'm secscoaram tres horas, e ao darenvpa pro-
xima igreja"fove Horas cntrou Thereza prec.pi-
tada. ,
lacaucs levantou a cabeca.
-Tai depressa sala, disse a dona da casa. Ah.
(*) Vid* Diaio n. 157.
nos7crco"iTainda"um principe. Meu Dos, quando
acabar esta procissao de altezas! Nao va da,-I he
na cabeca almfar comnosco, como ftz no outro da
WqSSfil"-* perguntou Jacques.
S Alteza, o principo de Conti.
A'eslenome deixou Gilberto calnr no papel um
sol que Bridois...-, se vivera nessa poca, chamara
-mies um bor...r1o do que urna nota.
_ m principe, urna alloza, disse elle devaga-
''eques sabio sorrindo aps Thereza que fecbou a
P0Oln'ou entao Gilberto em derredor de si eao ver-
se sozinho, levantou-se com a cabera toda transtor-
"aiaOnde estou eu entao aqu? exclamo., elle.
Principes, altezas em casa do Sr. J.cques 0 Sr. du-
que de Ghartres, S. Alteza o principe de Cont.
E chegou-se porta para cscutar, e o lorat-ao na-
l^^Vp0rimmeiraVsgudaacoes estavam fe.tas entre
Jacques e o principe; este fallava
Ouiera leva-lo com migo, d.z.a elle.
Para mo, meu principo? porguntava Jacques.
-- Para apresenta-o a delpbina. He tima novu era
para a ellilosopliia, meu charo philosopho .
P Dbu a V. Aleza-snil ragas pela merc, mas he
ml0SitrtoPvam.,aa'companhou ha seis annos,
madamadcPompadouraFontainebleau.
-Era cu seis annos mais moco; hoje tcem-meas
enfermidades pregado em casa.
__ Emais a sua misanthropia. ,
_ e-quando assim fosse, seremss.mo scnbor i
tcem exercido ..aquella reguez.a o d lo dou or ojo
Antuncs de Azevedo Chaves e tem votado naswnte-
riores clcicdes sol) sua presidencia, te ndeh.i i do<\as
ultimas eleitor supplenlo por aque laf legue zia. s
do, pois, este acto passadoperantoa icforida junta,
acha-seella duvioja aoore a W"^" im"dB"K-
brasileiro no referido membro Jos Joaqu ni de Fi-
gueiredo Lisboa o por isso WMdMdo o presi
denle da mesma junla os traba l.os el1. ergi U
se deve nao obstante o occorndo, continuai em i es
ratIho con. aquelle mCmbro, cuja nacona, ,d, .\e
he duvidosa, ou se deve chamar outro co oq.n^
sitos enes para subslitui-lo ; e ueste u uno caso,
se^ deve considorar como validos os trabalhos ja ei-
to, e CoSa-toS at so complelarcm os mhas da
lei, ou se devem principiar a contar** estes das da
quello em que ella de novo se reunir ,
>3 duvida. O pres dente de junta de qualilicaQ.o
da frec e/ia da Penha pegunta so as tres copias, de
que fX o art. 21, devU. comprehender Mjg*
acia da formaga da junta, ou somete a segunda ao
alistamento c qualilicac,So.
24. duvida. Duvida o mcs.no presidente se o cs-
crivao, por ser eleitor,. nao podo antnr. n, qualida-
de descrivao, no acto da formacaoda junta, e )or
sso foi ot o juramentado ; nOo sahin.lo, por,,,,,
memhrodella, deseja saber so pode cscrever no Ira-
balho do alistamento e qualilicacao.
o duvida. O presidente da junta de qualiflcac0
daftigueia do Passe pede esclarecimento sobra a
aegulnte duvida. llavendo-se procedido a Ion a-
Sds junla na trma do art. 8. da le., c endo um
os membros faltado s suas sessOes, sendo subsl.-
tutlocomodispoo o art. 29, qual dcsl.^ deve a sor
co.ivocadoparaassesst.es que a junta ten. le cele-
,, 30 dias depois de alllxada a lista geral, como
dispdo o art. 28, para conhocer das queixas, reclama-
coes o donunciaa t
06. duvida inalmcnlo. O mesmo presidente lain-
bem pede esclarecimento sobr o segu nte: tom-
se na convocado, prescripla pelo art. dos eleito-
ros asupplenles da parochia convocado, segundo a
leltra do art. 5. do decreto n. 480, do 21 de oulubm
de 1816, maior numero de supplentcs, por isso que
haviam empatado, e procedendo-so, conlorme a UIS-
posicao do art. 4. do mesmo decreto, ao sorteio que
indicou a precedencia dos supplentes; devera esta
precedencia licar regulando para a coilVOCacO que
se tem de fazer as eleicOes de eleitores da paio-
chia. como determina 0 art. 41 da le. regulamentar?
Eo mesmo augusto Sci.hor, tendo ouvido a CCQ.lo
do concollio do estado dos negocios do imperio, ha
por bem declarar: ...... ,.
1. duvida. Que bem decidida foi por V. Exc. a I."
duvida, declarando que o juiz de paz no exercicio
.vlKtTJZaraBE-SIlM
Af que lo tenho o mundo por cousa Uto curiosa
uue valha a pena de incommodar-me por elle
' Pois bem, dispcnso-o de Sa..t-De.i.se do gran-
de ceremonial, o iremos Murttc, onde S. Alteza Be-
al dormir ainanhaa 3 noite.
E 8. Alteza neal chega depois d amanhfta a
kdl- Com toda a sua comitiva. Ora, duas legoas de-
i.rcssa seandam, enf.o causam grande dcsarranjo.
Dizem que a princeza he excellente msica ; hedis-
cinula de Gluck. ..
Nao ouvio Gilberto mais. A estas palavras: De-
pois d'amanhla ebega a delpluna com toda a sua co-
mitiva aSaint-Denis. havia elle pensado n urna
cousa, era que no outro dia ia achar-se a duas le-
t" iuSSmbrou-o, como se houvera posto
os olhos n'um espelho ardenle.
da vara da freguezia do Sanenlo do Monte-Gordo
que deixou de remoller a lista parca do aau
tricto, deve ser multado na forma do 'do t. 1-0
da lei: mas quo ..ao obstante .un.pr,- procede. a qua
lilica?ao,rcquisilando-sc do delegado e si delega
do o alistamento do districto, exigindo-se dosi ins
pecto.es de quarteirlo os alisUmentos paroiaaa, o
rocorrendo a outros meiosque a le. g*.
duvida. Que igualmente bemdeldida fo, por
V Exc a segunda duvida, declarando que a junta
;.IH*CBd"orad. freguezia de Pirajuh a deve proce-
ders diligencias deque .rata 0 ar J'Jilgn
do vir pente si os inspectores do quarienno com
TT.'TtfSXSftStamben, con, acorto resol-
veuV.Ew"aVe^duvidas, f !
nresidente da iunla de qualilicacao da freguezia a
v ni que ni .estando estatuido expl.clainentc no
art" a da lei que s,j, por -otro tuncc.on.rlo erif.
ta a acta e alistamento de que trata o mesmo art.,
devei ser pelo respectivo oscrivlo dW.pcj
pro que o^ditooscrivlo continuo, ral'ncando o ta
balho ja feito pelo membro da mesmai Junta.
5' duvida Ouecom igual acert decidi V. EM.
atdvda rSndendofoP^^^Wl,*
qualifleaolo da rreguoiia Je uelmonte. ^oeleitor
que justifica ser empregado m/*m ntoeaU
por ssolsento do entrar na orina* o W*
qualilicacao, nina voz me ..ello nao se 1, un al u
mas das condicr.os do 6. do art. 18 da lo ,, ou n..o
esleia co.nprel.endido en. alguns dos oul.os ^ do
SfBSC 0e hem decidida foi lambe,na 6du-
vida, declarando V. Exc, que o e.e.loi, na hjno
thes figurada na decislo anterior, d se '.up
lo na lisia geral com a sua .qutdde do votan**.
7" duvida Que bem .m fo. lm J^d^a
7." duvida, declarando N. exc i 1UL ,,,,_ valos
individuo inscripto na lista geral, e obtendo votos
para eleitor, devem ser estes PU<0S.
v 8.' o/ co. duvidas. Que coii o mesmo acert
i r,..v i,vi> uk q'elO. duvidas quo ine lo-
negativamente resolvldas, esta no *t. e -quena no
3. do mencionado art. 18.
II duvida. Que bom decidi \. ESO a II. 'luvi
da declarando que, depois do alllxada a lista de que
ata o a 21, nflo he pormitlido incluir ..ella os no-
nes da.c las pessoas que deixaram de ser qualilica-
das! vfsto que as sessOes' da junta sflo in rompidas
,,'trinla dias, e quando olla livor de reunir-so para
resolver sobro as 'reclamacOes na conformidade do
art. 22, se dever corrigir quolquer o.mssfloque hou-
Vei2* duvida. Que do mesmo modo bem decidi V.
Tve a 12. duvida, declarando que a copia da lista
ral devoscr romottida logo que rr concluida co-
mo determina0art. 21,e ...dependen o da lisU das
reclamacOes que devora ser enviada logo quo expi-
re o praao de cinco dias concedidos pola le.
13. duvida. Que igualmente bem decidida foi por
V. Exc. a 13. duvida, declarando ao presidente da
junta .lo qualilicaeflo da frogue/.ia do Brotas, que o
ui/.dopa/.|uedoixado remoller a lista.parcial do
'se, respectivo dltrlcto, he multado na forma do S
6 .lo art. 126, em cujo caso esta o da Iregnezia da
Victoria, que deixou do enviar aquella junta o ulis-
Umento da povoaclo de MariquiU; devendo todava
proceder-se quafillcacSo, embora "'exista a re-
erida lista, para o que dispOoo art. *2
os meioa necossarlos; roqu.sitando do delegado e
subdelegado o dito alistamento, e mesmo deindo
dos inspectores de quartolrlo os iMmhM p -
Ciaes; convlndo que a lista de qual, licaS1 osej, leita
e concluida no prazo marcado no ar 20 kMU
14. duvida. Quedo mesmo modo bem doc d \.
E%C. a 11. duvida, declarando k\l&* Ztl
eflu da freguezia de SanfAnna-da-Aldea, termo da
g- jaJJapgwi------'
O mais forte dos dous sentimentos suffucou o ou-
tro O"ni r suspendeu acuriosidade ; parecen por
um instante a Gilberto que o pequeo gabinete nflo
tilia arque |bo chegasse para o peito; corren a a-
nc aparaabri-la, nas achou-a fechada a cadeado,
semXd para que nunca podesse.n verjfloapo-
seTtocm fronte o que so passava no gabinete do Si.
TorapUi porUnto.a cahirsobrea cadeira.
_ Oh nflo quero mais andar a escutar pelas por-
tas, disse elle; nao quero mais penetrar os segredos
desto burguezinho. meu protector, deste copista, a
auein um principe chama seu amigo, equerapre-
sontar futura rainha de Franca, ahina dos impe-
radores, qual mademoisclla Andreza fallava quasi
dejoelhos.
E entretanto tal vez que, se escutasse, soubesseal-
guma cousa de madomoisella MdfMlB.
Nao, nflo, que me parecera com um lacaio. i*
Itrio tamben, escutava pelas portas. nnroxi-
E desviou-se do tabique, de que J^WW*
mado; e as maos l.o.niam-lhe, o urna nuvo.n lho es
curecia os olhos. ,i Sentia elle a necess.dadc de urna ***SE u.
rosa, a copia pouco o loria oceupado, pegou u um
g,^8Edcno ornada com o retrato do autor, conti-
nuouffi o ou que nunca vi o retrato deM. Rous-
.u'o'encKa'grivura/vio o retrato, e soltou um
8rNesse momento abrio-se a porta ; era Jacques que
* trato que linha na mo, e com os braqos eslend.dos,
e o corpo todo convulso, deixou calur o volume mur-
murando : .
Estou em casa de Joflo-Jacques Uousseau 1
__Vamos a ver como copiou a sua msica, meu
menino, respondeu sorrindo JoSo-Jacques, multo
mais solisleito desta imprevista ovac,flo, do que o ha-
via sido dos militaros do triumphos de sua gloriosa
V' Eapassando pelo abalado Gilberto, chegou-so me-
sa e laiigou os olhos ao papel.
NSo estilo mas as notas, disso ollej Vm. poo
MUTILADO





I


M

* i


8
villa de Nazareth, que a dita frcguezin drve somonte Y consulta do 21 de dezembro ultimo. A consulta, a
dar doze eleitores; porquanto, tendo ella dado dezlque V. Exc. so refere, inhibe de servir de escrivfio
na olrleiTo de 1812, c sendo agora 663 os votantes a-1 do paz na junta de qualificacSo o eleitor que fr
pura dos, est o caso comprelicndiilo na segunda', meiubro della, e nflo qualquer oulro eleitor, ou sup-
pnrte do art. 52 da le, que limita, ou restrnguca penle.
regra geral estabcleciJa na primeira parte do citado
artigo.
15. duvida. Q"e tambom acertada Coi a decsflo da-
da por V. Exc. 15. duvida, declarando ao presiden-
te da junta do qiialiiirac.no da freguezia da villa de
Valenca, que o Mcrivflo de paz deve servir, se j esti-
verem cxdrcieo, ou o do subdelegado, como deter-
mina o art. 30 da lei; o no impedimento de ambos
pode continuar a servir o inesmo que foi juramenta-
do para os primeiros trabalhos da junta, nio obstan-
te ser eleitor, pois a lei o nio prohibe; e s nio po-
derla servir se fosse membro designado da junta.
16. duvida. Que com o inesmo acert decidi V.
Etc. a 16. duvida, declarando que qualquer paro-
chia pode dar um numero do oledores maior do que
den iiaseleicesde 1842e 1844, cuintanto que nao
exceda ao mnimo desses anuos com o augmento da
quinta parte mais; por ser este o nico correctivo
feito na regia cstabelecida provisoriamente no art.
52 da lei.
17. duvida. Que beni decidi V. Exc. a 17 duvida,
declarando que, romquanto o art. 119 da dita lei nSo
seja expresso a respeilo do rornecimento de papel,
e o mais necessario para o expediente das juntas, de-
" elle ser tambem foito pelas cmaras municipaes,
uno cato de falla de meios pelos cofres da fazenda
publica.
18. duvida. Quedo mesmo modo bem decidlo V.
Exc, a 18. duvida, declarando que incorro na multa
do 6.do art. 126 o juiz de paz que recusar acei-
tar a lista deque trata o art. 91, ou quo a nio pu-
blicar vinte e quatro horas dopois que a livor recei-
do. Suppfle-se quo a tem recebido, quaudo, quaren-
ta c oito horas depois de terminados os trabalhos da
junta do qualifcacao cm qualquer de suas reuniOes,
tiverem decorrido tantos dias quantas ve/esa lis
tancia da matriz residencia do juiz de [>a contiver
quatro legoas.
19. duvida. Que acertada foi tamben) a decisao
le V. Exc. 19. duvida, declarando junta do qua-
licacSo da freguezia do Sautissimo Sacramento de
Itaparica, que nos cinco dias consecutivos da sessilo
le (jue trata o art. 22 da lei, deve a junta receber e
decidir quaesquer queixas, reclsmaces, ou denun-
cias, que Ihoforem prsenles na confurinida le do
referido art., urna vez quo ollas sejam instruidas
como dispe o art. 23 da mosma lei.
20. duvida Que do inesmo modo foi acertada a
deoisio da 20. duvida, declarando V. Ex., que a
junta deve regular os seus trabalhos de forma que
nelles baja orden) e promplidio, e seja cumplida a
disposieflo ilo art. 22.
2t. duvida. Que Jo mesmo modo foi bem decidi-
da por V. Exc. a 21 duvida, declarando cmara
municipal ila villa de Alcohacji, que a mosma duvida
esla resolvida com a disposi^lo do art. 60 da lei,
expedindo a dita cmara iminediatamente as ordons
de conformidado com o art. 7." aos juizes de paz
que devem presidir s juntas de qualiucacfio do mu-
nicipio para convocarem os eleitores esupplentes,
na forma do art. i.", aliindeso forinarem as sobre-
ditas juntas em um mesmo dia que l'r pola dita c-
mara designado.
22 duvida. Que monos bem resolver V. Exc. a
22. duvida, quando declarou junta de qualicacao
da freguezia da Couccicao da Praa, que devia con-
siderarle como impedido o membro ila junta da-
quella freguezia Jos Joaquim de Figueiredo Lisboa,
;i visla da sua resposta, ou declaraco que pOc cm
duvida a sua qualidado de ridadilo brasileiro, que he
essencial ao eleitor; porquanto, como j foi declara-
do em aviso de 27 de marco ultimo ao presidente de
Santa-Catharina, sobre a nona duvida das compre-
hendidaseresolvdas no dito aviso, nito compete s
juntas de qualilicaclo conheceren) da legalidade com
que foram nomeadosos eleitores e supplentes, nem
lora conveniente investi-las de urna tal altribuicflo,
ltenlos os abusos que poderiam conimetlor se; e
nesta conformidado devera a junta de qualicacao
de que se trata proseguir em seus trabalhus com os
mesmos inembrns de que se achava composla at
terminaren) os cinco dias marcados na lei para a de-
cisao das queixas, reclamacOes e denuncias.
23. duvida. Que tambem nio decidi V. Exc. com
acert a 23. duvida, quando declarou ao presidente
da junta de qualicagao da freguezia da I'enha, que
as lies copias de que trata o art. 21 mo se referen,
a acta da formagio da junta. Entre as copias do que
trata o dito art, 21 e o 24 se comprchendcni as actas
das formaedes das juntas de qualificagio, como j foi
decidido no avisos que se expedio a V. Exc. cm 15
de marco ultimo.
2*. duvida. Que do mesmo modo nio decidi bem
V. Exc. a 24. duvida, declarando ao referido presi-
dente da junta, que o escrivao de paz est inhibido
de exercer us suas funeces em rasfio de ser eleitor,
e por isso nito pode servir nos trabalhos da qualili-
caeio, convindo que se proceda de conformidado
com o art. 30 da le, como foi resolvido no art. 2. da
25. duvida. Que nflofoi tambem acertadas decislo
do V. Exc. 25. duvida, respondendo ao presidente da
junta de qualificacHoda freguezia de Pass, quo para
as sessOes que a mesma junta tenha de celebrar em
virtude do art. 22 da lei, dever ser convocado ee-
leitor que por impedimento foi substituido, chaman-
do-seo membro que o substituid na primeira rou-
niflo, somonte no caso de continuar a existir o mes-
mo impedimento, ou outro quesera por elle decla-
rado, llevo ser chamado, e continuar a ser membro
da junta o substituto emquanto nio comparecer o
mesario, a quem estiver substituindo, prompto para
exercer o seu cargo.
26. duvida. Que do mesmo modo nio foi acerta-
damente decidida por V. Exc. a 26. duvida, quando
declarou ao mencionado presidente da junta, que a
precedencia designada pela sorto nio deve servir pa-
ra a convocarlo queso tcm do fazer para a OleicSo
de eleitores. Ileve-se considerar com precedencia
eleitor, ousupplento designado pela sorte como se
tivesse oblido maior numero de votos do que os ou-
troscom quem eslava empatado. A sorle he um dos
modos de nomear, e, feito o sortcio, cntonde-se de-
finitivamento cffectuada a nomeaeflo.
quo tudo cuminunicoa V. Exc. para seu con be-
cimento o governo.
Dos guarde a V. Exc. Palacio do llio-de-Janeiro,
em26de abril de 1847 Joaquim Marcellino de
Brku. Sr. presidente da provincia da Baha.
rERNAMB^CO.
ponco cuidado as margens, o depois, nio ai unta
bem com o mesmo traco as notas que vilo unidas.
Espere, falta-lhe um suspiro ueste compasso; al
disto, v? estas divisos de compasso nio estilo be
perpendiculares. Faca tambem as mnimas dedous
meios circuios. Pouco importa que nao iquem bem
ligadas. A nota toda redonda he desengraeadrf, c a
cauda ica-lhe mal pegada. Sim, com cfeito, meu
amigo, Vni. est em casa de Jofio-Jacques Rous-
seau.
Oh! queira entSo perdoar, meu senhor, todas
asasneiras que disse, exelamou (.Iberio, juntando
as mflos, e prestes a prostrar-sc.
Foi preciso quoviesse aqu um principe, disse
Rousseau encolhendo os hombros, para que Vm. re-
conhecesse o perseguido, o malaventurado philoso-
pho deGenebra? Pobre menino, feliz menino que
ignora a perseguicao!
Oh! sim, sou feliz, muilo feliz, mas lie por ve-
lo, por conhece-lo. por estar junto a Vm.
Obrigadb, meu lilho, obligado; mas nio basta
ser feliz, he preciso trabalhar. Agora que os seus cu-
sa ios estao feilos, tome este rond, e trate de o co-
piar em papel de msica ; he curto e pouco dillicil
asseio sobretudo. Mas como reconlicceu Vm.. ?
Gilberto com o coracilo intumecido, apanhou o
voluine das Con/usOes, e mostrou o retrato de Joo-
Jacqucs. "
^ Ah!. sim> cntendo, o meu retrato queimado em
2*broa primeira pagina do Emilio, masque
o'm auto uS tUmU' VC""a e"a d *1' ou
Oh meu senhor! c no sabe que foi o que
mmpre espem ? viver junto a Vm.? nao sabe que
aminhatimbicaonao vai alm deste desejo ?
TlUBiNAli DA KELAAO'.

JLI.CAMENTO NO DIA 17 DE JUI.IIO DE 1847.
Desembargador de semana o Sr. Siqueira
Na appellacSo civel entre Jolo Poreira deS Vian-
na e Joao Comes de Campos, mandaram averbar o
imposto da dizima.
Na dila dita entre a fazenda geral c Vicente Viris-
simo, mandaram dar vista ao l)r. procurador da
corda.
Na dita dita cutre Francisco Jacinlho Perera c Ma-
noel JosdeCarvalho, mandaram dar visla ao llr.
curador de orphOos.
Na dita ilita cntreojuzo e Francisco Jos da Silva,
mandaram dar vista ao I)r. procurador da cora.
Na dita dila entre a fazenda provincial o Jeronvmo
Martiniaono Figueira de Mello, mandaram dar vista
ao llr. procurador da corda.
Na dita dita entre Jolo d'Alemlo Csneiros e Joo
llamos Chagas, mandaram dar visla ao Dr. curador
geral.
Na dita dita entro Antonio < Martina Itibeiro e Jos
Rodrigues deSouza, mandaram descer os autos ao
juizo a quo.
Na dita dita entro o juizo eJoo Alvos de Carvalho
Porto, mandaram dar vista ao llr. curador geral e ao
Dr. procurador da cora.
Mandaran dar visla s parles uasseguintes appel-
laces civeis:
Na de D. Vicencia Ferreira Costa e outros ;
Na de Jos llamos da Conceicflo c Jos (ornes Mo-
re ira ;
Na de Francisco de Paula Pires Ramos e Jos Mara
da Costa Carvalho ;
Na deManocl Itaptista Rodrigues o Jo3o Jos Ro-
drigues;
Na de Manoel Pero ira Muniz o outros, e Manoel Es-
tevlo;
Na de D. Maria Francisca do Reg Gomes e Manoel
Jos da Costa c outros.
Julgaram improcedente o recurso crime entre
Francisco Nunos l'ereira e a justica.
Julgaram improcedente a queixa do advogado An-
tonio Burgos da Fonseca contra o Dr. Vicente Ferrei-
ra (iomes.
Negaran, provi ment ao recurso do eleicOcs do
'.Antonio Domingos da Silva e a junta de recurso
da cidade de Sobral.
Julgaram improcedente o recurso entre Manoe
Malheiros de Mello c o concelbo municipal.
Julgaram improcedente o recurso entre Luz Fran-
cisco de hveira e o coucclho municipal da villa do
Cabo.
lu
llilRIO DR PERSAIBDCO.
RECIFE, 18 DE JULHO DE 18*7.
SmenUf para cumprir o dever de jornalista,
vamos transmillir aos leilores o que colhcmos
pressa em os exempiares do Diario do Governo de
Lisboa, que ate 15 do passado nos trouxo a barca
portugueza Conceico-de-Maria, c que recebemos
as 6 horas da tarde, quando ja se achava milito adi-
Vivir junto a mim, meu amigo, disse Joio-
Jacques, porque nio tenho discpulos. Quanto a hos-
pedes, ja \ m. vio, nHo sou tSo rico que os possa re-
ceber, e muito menos conservar.
Gilberto tremeu. Joao-Jacques pcgou-lhe da m3o.
e continuou : '
Mas nao desespere Vm. por isso. Desde que o
encontre, o observo, meu menino ;om Vm. ha mui-
la cousa ma, mas tambem ha muita boa ; lutecom
vontade contra os seus instinctos; desconfo do or-
gulho, esse verme roedor da philosophia, e copie m-
sica, emquanto nao faz cousa mclhor.
Oh meu Dos meu lieos disse Gilberto, es-
tou todo altoni.lo do que me acontece.
Pois o que Ihc acontece, meu filho, he muilo
natural e simples; verdade beque as cousas simples
he que mais abalam os nimos profundos e os -spiri-
tos mlelligenles Vm. foge nHo sei donde, pois oto
Ibe perguntci o seu segredo, foge atravs dos bos-
ques, nesses bosques oncontra um homcm que her-
borisa, esse homem tcm pilo, Vm. nito tem, elle ro-
partc-o; Vm. n3o sabe para onde v, esse homem
offeroce-lbe um asylo ; esse homem deve ser alguem,
lerumnome, chama-se Rousseau, nada mais, e es-
se homcm I lie diz:
O prmeiro preceito da philosophia he este:
n Procura, homcm, recursos em ti proprio.
Ora, meu amigo, quando Vm. ti ver copiado este
rond, tera ganhado o seu sustento de boje, portan-
to copie o rondo.
Oh! como Vm. he bom!
O aposento, lica-lbe fra do ajuste ; com tanto
que nao baja leitura nocturna, ou eniao com vela
' Porque ni Iitiiiii
antada, se nSo de todo prompta, a composic3o do
nosso peridico.
A Senhora D. Maria II, seu augusto esposo o a de-
mais familia real conserva va m-se no paQO das Ne-
cessidades sem que nada houvesscm soffrido em sua
sade. ,
Ainda nilo eslava terminada a hita fratricida,
que, de envolta com outros muitos males, tem occa-
sionado a Portugal a perda de alguns homons cujos
nomescomo que o honravam ; mas havia rasiio pa-
ra crer que dentro em breve terminara essa guerra
de irmos contra irmflos, e talvez que sem derra-
mamento de mais sangue.
As guerrlhas quo infestavam os diversos pontos
do reino, e que oram commandadas por miguelis-
tas estrenuos, depois de rechacadas cm differentes
pontos, j com perda consideravel de gente, j com
abandono, quasi completo, de armamento o vitua-
lhas, haviam passado para a margem direita do
Douro, com menos de motado da respoctiva fr-
ca. ntreos guerrilheiros, cujos cadveres junca-
ram o campo de hatalha, contava-se o padre Mimo-
so, abbadede l.inhaes.
Noticias do Porto at 21 do maio prximo (indo
deixavam perceber que essa cidade achava-se em es-
tado bem pouco lisongeiro causa dos rebeldes :
I). Miguel tinha sido acclamado por diversas tropas ;
o povo mostrava-so desejosodeabracar-se com a car-
ta o a rainha ; os individuos, que se achavam a sol-
do da junta, estavam por pagar de algumas quinze-
nas dos seus vencimentos ; a referida junta, einfim,
manejava a arma da perseguQilo, quo, como he sabi-
do, jamis deixa de ferir aquelles que della se
servem ; o a manejava porque resolver fossem man-
dados por a ferros, para irem grilhita, vinte e seis sol-
dados do exercilo legal que sua ordem jatiam as ca-
deias da relacdo.
Por decreto da data que cima fica referida, deter-
minara Sua Magestade a rainha se recebesse com to-
da a benevolencia a frca bespanhola que houvesse
de desembarcar, de conformidado com o que se esti-
pulara no protocollo assignado pelos plenipotencia-
rios de Franca, llespanha, GrSo-Bretanha e Portu-
gal, epor nos publicado em on. 146 deste Diario.
A 20 do predito maio, o major Sobral depozera as
mos de S. M., depois de Ih'as ha ver beijado, as cha-
ves do castello de Vianna-do-Minho, que, com de-
nodado valor e cusa das maiores privaces, con-
seguir preservar da invasiodos insurgentes.
A 2 deste mez a columna do major Eugenio abrir
communicacilo com as frcas de Castello-Branco o
Viseu, o podra restabelecer em Villa-Pouca a or-
dem publica, que ia sendo alterada pelo administra-
dor do concelbo.
A 3 entrara em Valonea o corpo de operacOes,
commandado pelo tenente-general, capitao-genera
do reino edistricto deGalliza, Santiago Mendos de
Vigo, ecoadiovado por tropas portuguezas, pozera
em dcbandaJa os insurgentes, quo oceupavam essa
praca; os quaes, ao atravossarem Vianna-do-Minho
em procura do Porto, levavam t3o rpida carreira,
que todos ahi disseram nao terem, at entilo, scien-
cia de retirada tito repentina.
Um boletim telegrapbico do 7 noticia que a 5
participara Seahra ao cnsul britannico no Porto,
que a junta rebelde eslava disposla a aceitar os arti-
gos de convenci, outr'ora propostos polo coronel
Wildc, e de que j nos oceupmos; e bem assim
que, por demorar-so a resposta do mencionado cn-
sul, lizera elle com que o ex-marquez de Loul par-
tisse para Lisboa em um vapor de guerra ingloz, am
de examinar se ainda taes arligos Ibo aproveitariam.
A 9, S. M. Fidelissima mandara publicar urna pro-
clamadlo em que de novo convida a aproveilarom-se
de sua real clemencia aquellos de seus subditos que
contra ella e a carta se rcbellaram ; o cm que, ao ter-
minar, d a entender que, mo grado seu, ver-se-ha
obrigada a fazer dcscarregar a espada da justica so-
bre os que persist rem no erro.
\ 10, as tropas rebelladas, que sob o commando
de Povoas oceupavam a Regoa, abandonaran! as po-
sicOcs, clomarain caminho de Amarante, em conse-
quencia de Ibes haver negado o conde do Casal o ar-
misticio queclles Ihe solicitaran!.
Ncsse mesmo dia alguns dos corposda divisan do
bravo conde foram substituir os fugitivos as posi-
cGes abandonadas.
Segundo urna noticia telegraphica, Setubal,
que, como Regoa, se negara armisticio, eslava en-
tregando as armas.
Consulado.
RENDIMGNTO DO DIA 17.
Geral.
1,3*7
COMIYIERCIO
Alandega.
RENIIIMENTO DO DA 17...........
Descarregam hoje, 19.
Brguo I'elippe ~ vinho e nassas.
Brigue Bask bacalhao.
Polaca ~ Queen azeite, chumbo c cera.
Galera Sword-Fish mercaduras.
Barca Julia idem.
5:608,778
t com fome ?
h nao, senhor, disse Gilberto suffocado.
Da ceia de hontein ficou com que almocar ho-
je; nfio faga cerimonia; esta refeicflo he a ultima,
salvo algum convite, se nos conservarmos amigos.
Gilberto comecou um gesto, que Rousseau inter-
rompeu com um movimento decabeQa.
Na ra Plastfirc, continuou elle, ha urna cozi-
nha para os operarios; ahi comer Vm. barato, por-
que eu o rocommendarei. Por agora, vamos al-
mocar.
Gilberto seguio a Rousseau sm dar resposta. Pela
primeira vez em sua vida era dominado: he verdade
quo por um homem superior aos outros.
Tomados alguns boceados, sabio da mesa, e vol-
tou ao trabadlo. Dizia a verdade : o estomago em
demasa coiitrahido pelo abalo recebido nao podia
conter nutrimento algum. Em todo o dia nao tirou
os odios Jo trabadlo, e pelas oito horas da noite
depois de haver rasgado tres folhas, havia consegui-
do copiar um rond de quatro paginas, legivel e
limpo.
Nao o quero lisongear, disse Rousseau, isto
esta anda mao, mas pde-se ler, e vale dous lus-
tes, aqu os tem.
Gilberto recebcu-os com urna corte/.ia.
No armario ha pao, senhor Gilberto, disse
Ihereza. em quem a discrieflo, brandura e appli-
cacao de Gilberto haviam produzido bom efTeito.
Obrigado, minba senhora, crcia quo mo nao
esquecerei dos seus obsequios.
Aqui tem, disse Thereza, dando-lhe o p3o.
Gilberto ia recusar ; mas olhou para JoSp-Jacques,
e entendeu, pela sobrancelha queja comecava a car-
PRACA DO RECIFE, 17D JULHO DE 1847
AS 3 HORAS DA TARDE. '
Revista semanal.
Cambios...... EfTectuaram-se transaccOes a w
*d. p. 1,000 rs. v a2c
Assucar......-- Exportaram-se 275 caixas, 39
barricas, 195 meias ditas, 9,532sac-
cas e 24 fechos; e entraram 178 caj.
xas. Nflo soffreu alteracao
preQO.
Algodilo......--Entraram nicamente 143 sac.
cas ; embarcara m-se 877 ; existen,
boje as prensas 2,831 saccas; c
vendeu-se de 6,800 a 6,900 rs. a'ar-
roba : mas, a estes precos, lia pou.
eos compradores.
Couros....... Embarcaram-se 1,000, e an-
da be grande o deposito, conser-
vndoos precos da semana antece-
dente, isto he, de 105 115 rs. a
libra.
Ago'ardente ... Vendeu-se de 42,000 a 45,000 rs
a pipa; e embarcaram-se 75 pnIS
20 barris e 100 garraffles. '
Azeite doco.... Vendeu-se de 2,000 a 2,050 rs. o
gallo.
Bacalho..... Entrou um carregamento de
2,330 barricas, que foi mediata-
mente vendido a preco oceulto.
Carne secca. ~ Existem apenas algumas arro-
bas nos armazens do retalho.
Farinha do trigo. Vendeu-se de 22,000 a 24,000 rs,
a barrica, e existem em primeira
mfio 860.
Mantciga...... Consta que so venderam cerca de
500 barris da franceza a proco oc-
eulto, que se approximou de 370 a
, 390 rs. a libra.
Fretes......, ~ Existem para fretar: o brigue n-
glez Luey-Sharp, de 270 toneladas;
o brigue hespanliol I'elippe, de I7j
ditas, o a barca iugleza Sword-Fith,
3ue recebe, para Liverpool, algo-
3o a | d. por libra, c assucar em
caixas a 4 por tonelada, no entre-
tanto que outros navios estao dis-
postos a receber o segundo desses
gneros a 3.10. 0.
Entraram depois da .nossa ultima revista 7em-
barcares e sahiram 9 ; existem hoje no porto 27,
sendo 9-brasiluiras, 4 francezas, 3 licspaiiholas, i
hamburguezas, 8 inglezas e 1 suocca ; e destas, 4 se
destinan) para Liverpool, 2 para Trieste, 1 para Bar-
celona, 1 para Marsclba, c 1 para llamburgo.
Est condemnada a barca Achilles, que chegra da
Nova-llollanda.
LISBOA, 8 DE JUNIIO DE 1847.
Cambios Londres 54 4 a 55 $ d. por 1,000.
Paris 506"a 508 por 3 fr.
Metaes Pecas de 8,000 7,960 a 8,000.
Oncas 14,550 14,600.
Soberanos 4,480 4,490.
Ouro cerceado 1,880 1,900.
Dito om barra 25 a 26.
Patacas hesp. 915 920.
brasileiras 915 920.
mexicanas 915 920.
Prata em barra 28
Descont de notas de 4,800 1,800 1,600.
Acces do banco de Lisboa 320,000 330,000.
Ditas de dito do Porto 200,000
Ditas da comp.' Confianca 270,000 300,000.
(Folha Commercial.)
lUoviiuento do Porto.
Navio entrado no dia 17.
Terra-Nova ; 35 dias, brigue ingloz farkhill, de 175
toneladas, capitao Thomas Kempt, equipagem II,
carga 2,330 barricas com bacalho ; a James Crab-
tree & Companhia.
Navios sahidos no mesmo dia.
Baha ; sumaca brasileira Lagarto, capitao Ignacio
Pinto l'ereira, carga bacalho.
dem; sumaca brasileira Santo-4ntonio-de-PadM,
capitao Manoel Jos Itibeiro, carga varios gneros.
Rio-Grande-do-Sul; brigue brasileiro Santa-Hara-
lioa-Sorte, cap IBo Jos Joaquim Dias dos Praze-
res, carga assucar e sal.
JVoo entrado no dia 18.
Lisboa ; 29 dias, brigue porluguez ConceicHo-de-Va-
ria, de 300 toneladas, capitao Antonio Perera Bor-
HBGBaSB
roTror".i7. !. .V "" h"j tuiue^va a car- iiuss ou tres vezes tinha a lome mpeiiiuo uuu>"
I regar sobre o odio perspicaz, e pela expressiva boc- a lancar os odios ao pedaco de p3o, que na vespera,
wmmmmm
ca que principava a confrangr, quo a sua recusa
poderia offender o seu hospede.
Aceito, disse elle.
Com o quo rctrou-so para o seu quarto, levando
na mao os dous tuslesque recchera deJo"io-Jf)uM-
EmOm, disse elle ao entrar na mansarda, sou
sonhor de mm ; mas nao, anda aqui tenho o F0
da caridade.
E apezar do ter fume, poz na janella o pao, ern
quo nao tocou.
Depois, julgando quo o somno Ihe Tizesse esque-
cer a fome, apagou a vela, c estendeu-se na cn-
xerga.
No dia seguinte,-Gilberto pouco havia dormido
em toda a noite.no dia seguinte, o sol achou-o
acordado. Lcmbrou-se do que Rousseau Ibe disse-
ra acerca dos jardins, paraos quaes deitava a janel-
la. Inclinou a cabeca para fra, e vio com efTeito
as arvores de um bello jardn); alm dasarvuresse
erguiam os pagos, a que o jardim ponencia, e cuja
entrada dava para a ra da Jussicnne.
A um canto do jardim, todo rodeado do arvores
novas e de llores, havia um pequeo pavilhao com as
janellas fechadas.
Pensou'ao principio Gilberto, que as janellas cs-
lavam fechadas por ser ainda muito cedo, e que os
seus moradores ainda nao estavam acordados. Mas,
como as arvores tinham os ramos novos encostados
a essas janellas, entendeu logo que o pavilhao devia
estar deshabitado, ao menos desdo o invern.
Voltou-se ontao a admirar as bellas tilias que mo
encobram o edilicio principal. .
Duas ou tres vezes tinha a fome impedido Gilberto


"
==* '
jnior, equipagem 16, carga vinho, azete-do-
,nas gneros do paiz ; a Thomaz de Aquino
hta
Lfonsoca.
passageiros, Gustavo Antonio Ramos,
plio Perera Espinhciro e Joflo Carlos Laine.
Navio iohido no mesmo dia.
hjitebrasileiro Novo-Destino, capitao Estevao
Hi'beiro, carga varios gneros.
tai
EIMTAES.
[ Xavier Carneiro da Cunha, /dalgo eavalleiro da
sa imperial, eavalleiro da ordem de Christo e admi-
nistrador da mesa do consulado detta provincia, por
$ H. o Imperador, que Dos guarde, etc.
fm saber que no dia 22 do crrente mez, a 1 ho-
I l tarde, se h5o de arrematar ero praca na porta
i' -la reparticilo 352 anneis de cobre dourado, n.o va-
de 70,000 rs., apprehendidos sem despacho, na
rumla barca de viga, pelo guarda da airandcga
noel da Fonseca de AraujoI,ima : sendo aarre-
maUCo livr0 do desPez* n0 arrematante
Mesa do consulado de Pernambuco, 17 de julho do
,.7" O administrador,
JoSo Xavier Carneiro da Cunha.
Para o Rip-Grande-do-Sul pretende sahir bre-
ve o brigue Austral, por ter o seu carregamento en-
gajado; pode, porm, reccberalgunsescravos.i fici-
te,e assim tambem passageiros: para estes a tratar
com o capitSo, e para aquellos com Amorim lrmaos,
na ruada Cadeia, n. 45.
Avisos diversos.
Rodrigo Theodorode Freitas, oficial da imperial ordem
da Hoia, eavalleiro da de San.-Bento-d'Avi*, condeco-
rado com a medalha da restauraedo da Bahia, capildo
de mar e guerra graduado d armada nacional e impe-
rial inspector interino do arsenal de marinha da
rovineia de Pernambuco, e nella capitdo do porto,
,,r S. M. o Imperador, que Dos guarde, etc.
Paz saber quo na capitana deslo porto contiAua-
Ira a s^r feita a matricula dos individuos moradores
Inesta provincia, empregados na pequea e grande
leibotagem, o as viagens de longo curso, qual sao
lolirieailos om virtude do disposto no artigo 64 do re-
Iwulamcnto das capitanas ; para oque devorao com-
Iparccenio prazo de 15 das, contados da data deste,
sol) pena de nao poderem depois empregar-se as
Iciiarnicoes do quaesquor embarcagOes oceupadas
Inesscs ramos da vida do mar, alm das que se Ibes
piule impOr pelo referido regulamento das capi-
Capilania do Porto do Pernambuco, 16 de julho
Rodrigo Theodoro de Fre tas,
Capitao do porto.
Declrales.
ASSOC1ACAO' COMMERCIAL.
A mesa da dirccg3o faz sciento aos socios da as-
jciaco commercial desta praca quenodiapri-
..eiro to agosto prximo futuro ha reuniSo de
assemblca geral, ao meio-dia cm ponto na sala de
suas sessOes, afim de so prconenerem as forma-
lidades marcadas no artigo 5. do capitulo 3. dos
seus estatutos. Jos Jeronymo Monlciro, secretario.
Objectos que a reparlicio das obras publicas pre-
tende comprar.
I'ma corrento com tres bracas; um
aboas de costadinho de amarollo;
cia; dez alqueires de cal preta; d
jalvcnaria grossa; um barril com
techaduras grandes com aldrabas; o
pnnspara CSSas lechadiiras; duzentOS
um macho.
cadeado; oito
sois canoas de
uzentos lijlos
cimento; duas
to pregos pro-
ditos caibraes;
Publicado Littcraria.
los pas de familia, capiteles de navios,
fazentleiros e a lodos em geral.
rganon de llahnemann, on exposicSes
las doiitrinas boinocopatbicas, 2 volumes
jcqiicnos.
Manual do pai de familia, do capitao
[le navio e do fazcndeiio, ou noticias ele-
mentares da homoeopathia, contendo a
larcao dos -4 principaes medicamentos
lioiiiiro|willii('.s, i volume pequeo.
Vendem-se por preco commodo, no se-
Ignndo andar da casa n. 7, da ra da
Cruz.
A sos martimos.
Para o Ass segu, prefixamento em o dia 3 de
agosto prximo o brigue brasiloiro Sagitario- pa-
ira carga 011 passagem trata-sc no armazcm ao la-
ido da cadeia, 11. 23.
MiUMMiiiiiMjiigMj!_ir>JL'**"**!'"Tr"" "'IBBalBii
[Fhereza Ihe dera, mas sempro senhor de si, e ape-
lar dos bons desejos, nao Ihe havia tocado.
I Dcram cinco horas, e julgeu entao quo a porta da
ra cstaria aberta ; e lavado, escovado o ponteado,
l Gilberto, grabas ao cuidado do Joilo-Jacques,
chara ao subir para opalheiroos modostos arran-
jjos necessarios para isso,--c lavado, escovado e pen-
jteado, dizemos nos, tomou o pedaco de p3o, e des-
ceu.
Rousseau, quo desta vez nSo o fra acordar, o
Iquetalvez por excesso do dcsconlianga, e para me-
[lhor examinar os costumesdo seu hospede, 11S0 ha-
[via fechado a porta aquella r.oite, ouvio-o descer,
[e espreitoii-o.
Vio Gilberto sahir com o pao debis*) do braco.
Chcgou-se um pobre a elle, o vio Gilberto dar-lhc
|o pao, e entrar n'uma padaria que se acabava de
[abrir, e comprar oulro pedaco de p3o.
__O rapaz vai casa do pasieleiro, pensou Rous-
I seau, e la ficarao os seus pobres dous tustOes.
Mas enganava-sc; cmquanto andava, comen Gil-
berto urna parte do pao, depois parou a um chafariz
que ficava no cauto da ra, bebnu, comeu o resto
do pao, lornou a beber, lavou os denles e as mffos,
c voltou.
A fe quesupponho, disse Rousseau,'ser mais
feliz do que Mogones, equeacbei umhomem.
Esentindo-o subir a oseada, foi-lbc abrir porta.
Passou-seodia inteiio em um trabalho n3o inter-
rompido. Havia Gilberto applicado a esse montono
labor da copia a sua actividade, penetrante indili-
gencia, e obstinada assiduidade. O que n3o enten-
da, adivinbava ; e a nulo, escrava de urna vontade
de ferro, tracava os caracteres sem hesitacao, sem
erro. De sorte que tarde havia elle concluido sete
lotera do theatro.
Aos 3 e 6:0004000 rs.
<* progressivo augmonto, que vai tendo a venda
dos bilhetes desta lotera, habilita o rospoctivo the-
soureiro para assegurar que as rodas da 2.1 parte da
17." lotera andarSo mpretorivelmcnte no dia 30 do
crrente: o para que mais se accelere esto acto, roga
aos amadores deste jogo que concorram a comprar
o resto dos bilhetes que existem, e que estSoa venda
nos lugares do costume.
Furlaram, da casada ra de San-Francisco, an-
tigamente Mundo-Novo, n. 66, no dia 18 do crrente,
das duas para as tres horas da tardo, uns oculos com
armac3o de tartaruga, e hasteas de metal branco, no-
vos: roga-se a pessoa quo os tem, quo se foi por gra-
ca queira manda-Ios. restituir, e a quem os appre-
hender do os mandar levar na casa cima, que ser
recompensado.
A CARRANCA N. 19,
superabundante, variante e sonante: traz a vera ef-
figio, a frga da la, o voto, applicacOes eo vioiao.
A pessoa que pretender levantar engenho em
terreno alheio, portempo consignado, pode dirigir-
se ao engenho Abiai, a tratar com o seu proprio do-
no; o as condices scr3o um pouco mais favoraveis
do que de ordinario se costuma, apezar de ser o ter-
reno da nielImr producgSo, com muita malta,ptimo
para toda lavoura, e com todos os commodos e bom
nassadio, por ser porto da costa do mar.
Euabaixo assignado, caixeiro da fabrica do li-
cores dos Sis. C. Duperron &C. rospondendoao an-
nuncio do Sr. F. Chaves, publicado no Diario do 17
do correte, tenho a dizerao mesmo Sr., quo nun-
ca precisei cobrir-me com o sen nome para vender
os gneros da fabrica donde son caixoiro, pois quo o
que fabrica o Sr. Chaves he bem conhecido, e sup-
ponho que poucos fabricantes oquerero imitar; po-
rm ostoannuncio he lilho da raiva, quo talvoz to-
nda do todas as pessoas do mesmo ofllcio; porque,
querendo o Sr. Chavos acredtar-sc, procura des-
acreditar aos outros. lie preciso ser muito destitui-
do de senso, ou ceg de paxilo, para nao saber que
urna cousa vendida a prazo, nunca o pode ser em
nome dooutro, quanto mais que os gneros desta
fabrica, pela boa aceitacSo que teem tido at o pre-
sente, nao precisam ser vendidos cobertos com
nome de outros. Os froguozes ostao ah, elles que
faitean.
Jos Francisco de Souia.
Roga-se aosSrs. Mello & Miranda o obsequio
dedeclararem por este Otario sua moradia, para se
Ihes fallar sobre negocio que Ibes interessa;e quan-
do estoja existente esta socieclade, pede-se a qual-
quer dos socios o declare.
Jos Gomes Villar, negociante nesta cdado,
fazselentoao respeitavel publico desta mesma ci-
dade, que, tendo feito sociedade commercial, por
seis anuos de lempo, com Gaspar Antonio Vieira
Guimaraes em urna loja de azenda, sita na ra do
Queimado, ajustando o dito Villar de ser manobrado
o dito negocio pelo dito Gaspar, e ser este o nico
llrmante, debaixo da firma de Gaspar Antonio Vieira
Guimaraes & C. ; tendo o dito Villar dado para a
dita sociedade a quantia de dezaseis contos de ris,
debaixo da condicilode, no caso de sinislro a respeito
do dito negocio, nao ser o dito Villar responsavel.
para com oscredoresdo mesmo negocio, com mais
do que aquella quantia de dezaseis contos de res,
com que entrou para o mesmo negocio; e outro sim
leclara o dito Villar, que nao poder tirar do dito
negocio, mediante o lempo da referida sociedade,
senao a quantia do duzentos mil res mensalmcnte
para despezas de sua casa; o que ludo consta do una
cscriptura publica que ambos os socios bzeram,
exarada,em um do correte mez, no cartono do
tabelliao Francisco de Sales da Costa Monteiro, na
ra dasCru'zes.
Aluga-se o segundo andar do sobrado n. lo ua
rua de Apollo no Recite com suflicentcs commo-
dos para familia, cozinha tora, o muito arejado ,
por preco commodo : a tratar no torceiro andar
do mesmo sobrado.
Faz-so scionte ao publico, que ningucm laca
negocio alguin com a Senhora Mara dos Res da
Conceicao, ou com seu lilho, Silvestre Joaquim da
Silva sobre una morada de casa, sita na esquina da
rua da Gloriado bairro da lloa-Visla. Fa/.-se o pre-
sente annuncio para quem se quizer livrar de ques-
tes judiciarias.
__ O engonheiro Milet ensina na sua casa, rua co
Cropo, 11. 14, primeiro andar, as seguintes scicn-
CaS:-----ARITIIMETICA, GEOMETRA, ALGEBRA, CIIVMICA
O FI1TSICA.
paginas de urna copia, senSo elegante, ao menos ir-
rcprehensivel.
Olhava Rousseau para esse trabalho comojuiz c
como philosopho ao mesmo tempo. Como juiz crl-
licou a forma das notas, a exiguidade das caudas,
separacao da pausas ou dos pontos ; mas concor-
dou que havia j progresso notavel sobro a copia da
vespera, e iteu cinco tuslOes a Gilberto.
Como philosopho admirava a fnja da vontade hu-
mana, que pode curvar sobre o trabalho,durante do-
zo horas seguidas, um mancebo do dezoito anuos,
decorpo llexivcl o elstico, de temperamento apai-
xonado, pois que Rousseau havia fcilmente reco-
nhecido a ardente paixflo que abrazava o peito ao
rapaz ; comquanto ignorava anda, se era essa pai
Sao ambicao ou amor.
Gilberto pesou na m3o o dinheiro quo acabava de
receber; era urna moeda de prata e um vintem de
cobre. Molteu este n'uma algboira do collote, pro-
vavclmente com os outros que Ihe restavam da ves-
pera, e aportando com ardente satisfago a moeda
de prata na m3o direita, disse :
Senhor. Vm. lie meo amo, pois que foi na sua
casa que achi obra ; e at me d alojamento gratis.
Pens, portento, que poderia julgar mal de mim, se
obrnsse sem communicar-lbeas minhas aeces.
Rousseau fitou-o com olhos espantados.
__ Que.' disse elle, quo quer enUo Vm. fazer?
lem para amanhaaoutra intenc3o quo nao soja a de
Irabalhar?
Sim, senhor, amanhaa, com sua. permissSo,
quizera ficar livre.
Para que? disse Rousseau, para vadiar.'
Quizera, senhor, ir a Sainl-Dons.
A Sant-Donis P
Manoel Jos de Magalhaes BastB, tendo de fa-
zer urna vagem roga as pessoas que teem penho-
res de ouro e prata em seu poder de resgasta-los
nd prazo de 8 dias ; do contrario os vender para
seu pagamento.
Pelo juizo do orphaos desta cidade vai ser ar-
remata a casado sobrado de um andar 11.12, sita na
ruado Amorim ;e declara o annuncianlo, que nao
vai a praga por divida c que a prime ira praca he
quinta-feira, 22 de crrente na porta do Sr. dou-
tor juiz de orphaos, na Boa-Vista, polas 4 horas da
tarde.
3.1 r; PASSEIO-PUBLICO, N. 5. <,..
)* Jo3o Loubet participa a todos os seiis>V
fregus, que rocobeu ltimamente um grande sor-
timento de chapeos do sol, do ultimo gosto pari-
siense tanto para senhora como para homcm ; os
quaes se tornam mu recommendaveis pela sua qua-
lidado e variaces de gosto, sendo ellos de boas
sedas e panninhos, pois se conservan! as suas cores.
Ha neste mesmo estabelecimonto um grande sorti-
mentode boas sedas de todas as cores o superio-
res panninhos trancados e lisos do muito boas
cores para cobrir chapeos de sol. Tambem se fa/.cm
todos os concertos quo os mesmos precsarem, com
todo gosto promptidao o diminuto preco.
Jo3o Loubet avisa a todas as pessoas quo teem
em seu poder chapeos de sol para concertar ha mui-
to tempo os quaes ja ostao promptos os vio bus-
car no prazo de 8 dias ; do contrario, scrfto vendidos
por todo o preQO que se adiar pois n3o pode ter
por mais tempo empatado o seu trabalho: por issol'az
o presento annuncio, parascus donos so n3o cha-
marcm a ignorancia.
IPrccisa-se de 1:500/rs. a premio do um o meio
por ceuto ao mez com seguranca cm 3 casas ter-
reas feitas a moderna : quem quizer dar annuncio.
-- Aluga-se um grande soto ,
com muitos commodos e muito
fresco em boa rua : a tratar na
esquina do Livramento loja de
portas,
--Terca-feira, 20 do corrento mez de julho,
11 horas da manhila oengenheiro MII.ET pretend"
abrirasuaanladeCHYMICA. As licocs ter3o lugar
as niesmas horas, as tercas, quintas o sabbados do
cada semana.
Os Snrs. propietarios das casas da rua do Co-
tovellooS.-Goncalo, quo j teen filalo para aug-
mentaremos quintaos de suas casas, o os que ainda
o n3o toem feito c quizorem augmentar, mediante
unta pequena quantia, dirijam-se ao Aterro-da-Boa-
Vista, 11. 42, primeiro andar, para fecharen) o ajus-
te que se cffeituar al o fim do coi rente me/..
ATTENCAO'.
Os senhores negociantes quo tiverem boas divi-
das fra desta praca e quizorem que o abaixo as-
signado as v cobrar, para o quo se julga eminente-
mente habilitado pois n3o paga a advogado po-
dem dirigir-so ao advogado Jos Narciso Camello ,
cujas dividas j cobren o abaixo assignado o ah
dcixarcm seus nomos por ese ipta para o abaixo as-
signado os procurar. -- Joaquim Fiancisco Baptista
de Mello Oxal.
lloga-se aind'a aoSr. I)r. L011 renco
Bezerra Carneiro da Cunha de ter a bon-
dade de dirigir-so rua Direita, sobrado
n. al), onde lia qtiemlhu queira fallar, com
urgencia, a negocio que lite diz respeito.
Comoras.
Compra-se um prcto do 16 a 20 anuos, com ofll-
cio ou sem ello de bonita Bgura sem vicio nein
achaques; paga-so bom : na rua das l.arangeiras ,
n. 39, casa (las aferiefles.
Compram-se os Mysterios do l.ondros : quom li-
vor annuncio.
V'oI'is.
Em a noite do dia 13 do correlo julho dosap-
paroceu do quintal da casa do coronel Francisco
Jos da Costa cm o Atorro-da-Boa-Vista um ca-
vallo com os seguintes signaos: ruco pombo, capa-
do cambito das pernea, com esta marca G 110
quarto dircito : quem do mesmo livor noticia, le-
ve a rua da urea 11. 60, primeiro andar, quo se-
r recompensado.
Alugam-se pretos e moloques para yendercm na
rua : quem os livor dirija-se a rua Direita n. 2, se-
gundo andar.
Quem quizer dar 800,000 rs. a premio sobre
hypothcca om una ptima casa terrea com com-
modos para urna grande familia com a condicao de
morar nella (cando os juros por os alugueis, ou
sem ditaconlicfio annuncie.
OSr. proprietaro da casa da Fortuna queira
declarar o dia o horas emquo est disposto apagar as
cautelas premiadas que so veuderam em sua casa.
Anda esl&O para alugar as casas terreas de ns.
27, 29 c 31, sitas na rua Real junto 110 Manguinho.
com bstanles e bons commodos quintal e porto
de embarque a tratar com Manoel Poreira Texei-
ra morador prximo aquello lugar.
Jos Gomes Villar vio com espanto o annun-
cio inserido neste mesmo Diario, em 14 do cor-
rente mez, assignado por sua mullier D. Jacintha
Maria de Abreu, contrariando um oatro annuncio,
datado do 12 do crrente, e publicado em o Sazare-
no. O estado emquesoachaa dita mullier do an-
nunciante, lie cortamente digno de lastima, eso el-
lo o levaria a subscrever documentos tilo infames,
como os que teem sabido ueste mesmo jornal. O
abaixo assignado esta prompto para qualquer exa-
me que Ihe queira fazer o honrado Sr. Dr. juiz dos
orphaos, para provarseu estado desanidado; entre-
tanto protesta contra o insulto que acaba de reco-
berdesua niulhor, insinuada por pessoas perversas
e indignas do qualquer considerado da gente ho-
nesta ; o avisa todos os seus imquilinos, como a
todos os que com elle teem transaeces commer-
ciaes.que, se pagarem a dita sua mulher.ou rom el-
la fizerem qualquer transaccao, n3o as considerara
valiosas. O imnunciante, quo he o cabera do ca-
zal, c o nico que podo llvrcmente dispar dos bens
movis, rendas, 6c. O aiinunciante ve claramente
neste proceder de sua mullier, ou que ella est allie-J
nada, ou que entSo est sondo dirigida por algum
desses malvados, que 13o brutalmente a aconselham
O annunciante vai procurar o seu direito, do nie-
hor modo possivel, e depois informar circunstan-
ciadamente ao publico, a quem acata.
Jos Gomes Filiar.
Agencia de passaportcs.
Naruado Collegio, n. 10, o no Aierro-da-Boa-
Vista, n. 48, continuam-se a tirar passaportes tan-
to para dentro, como para fra do imperio; assim
como despachan) -so escravos '
de 26
Agoas-
tudocom brevidado.
.A II(MI(NIO !
Trelo cm barricas, Je superior quali-
de, recenlemenlc ebegado : ao pe do
arco da Conceicao, armazeindo Bragucz.
VENDE-9E, A SETE VINTENS A VARA,
niadapolilolimpoe muito forte, proprio para forro
e roupa de meninos, toalhas ; o pegas com 20 varas
a 2,500 rs. : na rua estreita do Rozario n. 10, tor-
ceiro ailar.
Vendem-se 250 oitavas do prata sem feitio : no
caes do Collegio loja do Francisco Goncalves.
Vendem-se rohertoresdoalgoda bem encor-
pados proprios para escravos a HIO rs, cada um:
no Aterro-da-Boa-Vista n. 60, loja de \ portas.
-Vende-se a escrava llosaura.crioula, do alalinos,
do bonita figura sem vicios nem achaques o que
he ptima engommadeira, Monica; de 20 a unos, quo
engomma bem o cosoch3o: Mara, Benguela de
24 anuos boa quilandeira e lavadeira : Dollina bo-
nita moleca do 14 anuos, qe faz toda o servicouo
urna casa ; Francisca elegante moleca propna pa-
ra so educar: Rosa, propria para lavadeira, por
B)0,000rs.: Rosa, doilannos, propria para enge-
ho Jono Angico do 30 anuos que sorve bem
a urna casa por commodo preqo : Francisco di
anuos, bom canociro : Vicente, carreiro
anuos, queteni boa conducta: na rua de
Verdes n. 46.
Vondcm-se canastrascom albos, lecenlemente
chegadas, por prego commodo : na rua do Vigaro,
armazem n. 11.
Vendem-se escravos muito bons, proprios pa-
ra engenho porserem a isso acostumados, sen Jo
quasi todos canoeiros e um oleiro de telha ; urna
canoa para familia ; duas carrocas urna de carregar
pipas e outra para lijlos, tendo ambas os seus
pertcnces : na rua das Agoas-Verdcs n. 66.
Vende-se nina padaria no Recife, que es-
la bem afroguezada: a tratar no Recife, na rua da
Cadeia, n. (>.
Vende-se um negro do dado de 36 anuos, mui-
to sadio, proprio para servico de catapo; urna mula-
ta de bonita figura, propria para todo o sorvico do
casa: na rua da Cadeia do Recife, loja do Jolo da
Cunha Magalh3es.
-- llebrard, com botiqium francez na rua Nova
n. 69, tenia honra do avisar que pelos ltimos na-
vios chogaram-lliode Franca salehichoes; um sorli-
mentode conservas, como ervilhas, sanlinlias, fructas
o mitras; vinhosde Bordeaux.em quartolase garra-
fas; St. Julicn e Rossillon om caixas; moscatel do Ri-
ves-altes; cognac muito volbo; vordadeuo maras-
kinsde/ara; absinlho de Suissa; azeite lino do i.
Plagnol de Marsclha; agoa de llor do laranja. No
mesmo estabeleci ment ha um deposito de choco-
late do Marauh.lo; ditodcsade, edebaunillia: ludo
se vende por prego commodo.
-- Vendem-se finos chapeos do Chjle : naruado
Trapiche, n. 8.
iiiMiiiiiifi ------ 1 i 1 77in -._" _J
Sim senhor; a senhora dclphina chega amanhaa
a Saint-Denis.
Ah / he verdade ; amanhaa ha festejos para a
rcccpgno dedelphna.
Ho isso, disso Gilberto.
Julgava-o menos bolonio, mou amiguinho, dis-
se Rousseau, c acreditoi ao principio que Vm. des-
prezava as pompas do poder absoluto.
Senhor.....
Olbe para mim, a quem Vm. pretende algumas
vezes tomar por norma, llontcm um principo real
vcio solicitar-me a ir corto, nilo como Vm. ha de
ir, pobre rapaz, pondo-se as ponas dos ps pora
olhar, por cima do hombro do um guarda francez,
para a carruagom de el-rei, a qual se apresentarao
as armas, como se faz aoSantissimo Sacramento;
mas para apparecor ante os principes, para vero sor-
riso s princezas. Pois cu, cidad3o obscuro, recu-
sei o convite desses grandes.
Gilberto approvou com signal de cabega.
__ Eporque recusei eu isso? continuou Rousseau
com vehemencia,- porque o hoiiieui nilo podo ser du-
plo, porque a m3o que escrevcil que a realeza era
um abuso n3o pode ir pedir a um rei a esmola de
urna graga; porque ou quo sei que todo o festejo
tira ao povo um pouco da fraca subsistencia que ape-
nas Ihe resta para so naorevollar, protesto com a
minha ausencia contra todos osses festejos.
Senhor, rogo-lhe que acredite, que compre-
hendi quanto he sublime a sua philosophia.
Sem duvida ; mas pois que a nflo pratca, per-
mitta-me dizer-lhe.....
Senhor, disse Gilberto, eun3osou philosopho.
Diga ao menos o que vai fazer a Saint-Denis.
Sou discreto, senhor.
O termo abalou Rousseau : vio quo havia algum
mystorio occulto nessa teima, c olhou para o rapaz
com una especie do admiragao que lho inspirava os-
sc carcter.
Ora, ainda bem que tcm um motivo, disse elle.
Antes assim.
Sim, senhor, tenho um motivo, que, juro-lhe,
n3o se parece cm nada com a curosidado que so tem
por um espectculo.
Tanto molhor, ou talvez tanto peior, porque
o seu olhar he profundo, mcu menino, o do baldo
procuro nelle a candura e tranquillidade da juven-
tudo.
J Ihe disse, senhor, replicou Gilberto triste-
mente, que tinha sido infeliz, o que para os infeli-
zes nao ha mocidade. Desto modo, fica entendido
que Vm. me d o dia d'amanhaa t
Dou-lh'O, meu amigo.
Obrigado, meu senhor.
A' hora em que, disse Rousseau, Vm. estiver
a olhar para todas as pompas do mundo, dosonyol-
vorei eu um dos nieus herbarios, o passarc revista
a todas as magnificencias da natureza.
.Senhor, disso Gilberto, no teria Vm. abando:
nado todos os herbarios da tena no dia em quo foi
tornar a ver madmoseilo Calley depois do Ihe haver
langado ao scio um cacho do cerejas ?
Isso he bem dito, respondeu Rousseau; ho
verdade, Vn*. ho mogo. Va a Saint-Benis, meu lilho.
E quando Gilberto, cheio d'alegria, saino fechando
a pos de si a porta :
N3o ho ambicao, disse elle, he amor!

[Continuar-st-ha.)
I MUTILADO

.--



.*





V


Vendem-se caixas de cha hysson, do 6, 12e13
libras om porgOes ou a retalho ; caixas do volas
de espermacete de 5 e 6 cm bra : na ra da Alfsn-
dega-Velha, n. 36, em casa de Malheus Austin & C.
No Aterro-da-Boa-
Visla, lo ja ii. 2,
vendem-se chitas muilo boas a i.000, 4,500, 5,000,
6e 7,000 rs. cada peca de38covados, e a retalho a
100, 120,160, 180 e -200 rs.; nietim preto com al-
gum mofo a 160 rs. o covao, poriu he muito en-
corpado e serve para so fazer calcas; brins do I istias
de cor, de bonitos gostos, a 320 rs. o covado ; al-
paca, por todos os precos, a 800, 1,000, 1,600 e
2,400 rs.; brins branco do superior Hubo, o muito
bem feito pelo baratissimo proco do 1,000 rs. a vara ;
dito crde palh, a 720, 800, 1,000 e 1,200 rs. a
vara; lencos do seda, tanto para algibeira como
para grvala por seren estos do chadroz ; e outras
multas fazendas i|iic se vndenlo por baratos prcgos.
Vende-so unta porgao de lages do pedra do Lis-
boa por proco muilo commodo : na ra da Senzal-
la-Nova, venda de Jos Peroira, se dir quom vende.
Vcndc-se, por seu dono querer largar, urna
ciioa grande de conduzir agoa com pouco uso,
beui construida de amarello e sioupira por 250,f
rs.; urna dita usada, construida da mesnia madei-
ra, por 130,000 rs.; as quaes podem servir para
canoa aborta tirando o con vs fura que he de ta-
boasde amarello: tambein se trocain por alguma
casa torrea cm Olinda, voltando-so conforme for O
valor da casa: na ra da Senzalla-Novu venda de
Jos I'ereira se dir quem faz este negocio;
IVa loja oova de Ma-
noel Joaqiiim Pas-
coal Ramos na ra do
Passeio-Publico, u. 10,
vondom-se pecasdechila.a 2Ts.,oa80 rs. o covado;
pecas do chita de assento coborlo a 4,500 rs. ea
120 rs. o covado ; ditas muito finas c de padrOea mo-
dernos a 180, 200, 220 o 240 rs. ; ditas para cobcr-
ta a 0,000 rs. a peca e a 160 rs. o covado ; pegas
de algodilozinho a 2,000 rs. e a jarda a 105 rs. ;
pecas de madapohlo, a 2,400 e 3,000 rs muito lino,
e mais lino a 300 rs. a jarda; una pdrcflO do lan-
/iiilu para calcas, que muilo bem imita a casimira,
a 320 e 1,200 rs. o c.rte; lencos de seda a 1,440
e 1,000 rs. ; pecas de cambraia lisa a 2,50!) rs., e a
vara a 400 rs. ; lencos para grvala a 200 rs.; ditos
para senhora, a 320, 400 e 480 rs. ; brim trancado
branco depuro linho, a 1,000 e 1,200 rs. a vara ;
ditos de quadros c listras u 1,000 rs. a vara ; meia
casimira ; a 640 rs o covado; suspensorios a 100
rs. o par ; cortes de digas finas a 2,000 e 2,400 rs. ;
pello do diado a 2U0rs. bretanlia de puro linho ,
u 640 rs.; pecas de bretanha com 10 varas a 1,280 e
2,000 rs.; coi les de cambraia decores a 2,400 rs.,
c a 200 rs. o covado ; pecas de ganga azul, a 1,120
rs. ; cortes de fusldes para collele, a 1,000 rs. ; len-
cos de retroz da ultima moda a 3,500 rs.
- Veiidcm-se 7 escravos sendo : 2 pardos de
bonitas jtguras, sendo um dellcs proprio para pa-
gem ; tfli preta que cozinha, engomma e cose;
tima dretlpba lavadeira de varrella; urna dita do
elegante Irgura, com habilidades; um moleque ofl-
cial de pedreiro; urna preta do 18 a 20annos, que
heengommadeirae costureira para fra da pro-
vincia : no pateo da matriz de S.-Antonio sobrado
n.4.
Vendcm-sc por commodo prego excellentes
compendios de msica : napraga da Independencia,
Hvraria n. 6 e 8 e na loja de ciicadernagao n. 12.
AOBA11ATO.
Ka nova loja de Francisca Jo-
s Tcixcira Bastos, nos qua-
Ir cantos da ra do Quei-
mado, n.O, que faz esquina
para a ra estrella do Roza-
rio, vendem-se
fazendasnovas, bem como : brim pardo trancado
de puro linho, a 200 rs. o covado ; dito superior, de
cores as mais modernas a 1,500 rs. a vara ; algo-
dao trancado do listras americano, a 180 rs. o co-
vado ; dito encorpado, a 200 e 240 rs. o covado ;
chitas escuras de cores lisas a 100 e 180 ra.L c linas
de novos pad roes a 200 rs. o covado; ditas impe-
riaes a 300 rs. o covado ; ditas escuras c ordina-
rias ,a 120 e 140 rs. o covado ; cortes de cambraia
lina, de cores a 3,200 rs.; pecas de bretanha de rolo
com 10 varas, a 2,000 rs. ; dita de puro linho a 320
rs. a vara ; dita muito lina a 610 rs.; merino pre-
to fino o de cores a 1,280 rs. ; panno fino preto,
a 3,000 rs. o covado c de outras cores equalidades ;
meias para meninos, a 80 rs. o par; ditas para me-
ninas a 200 rs. ; ditas pelas e curtas a 120 rs. ;
ditas muito finas a 280 rs.; ditas para senhora a
240, 320 e 400 rs. o par; mantas de lil de linho a
1,600 rs.; cassa escampinada, propria para cortina-
dos, a 3,200 rs. a peca ; cambraia lisa muito lina a
640 rs avara. Dflo-se amostras francas aos compra-
dores. Alm destas ha'oulras muitas fazendas inodcr
as por procos rasoaveis.
Na loja de fazendas, na esquina do becco da
Congregado II. 41, vendem-se os segu riles livros :
Saint Clair das 11 has; Mysterios do CastcIlodeUdol-
fo ; a Hervanaria; Knguenandc de Cooucy; a Estran-
geira ; Ponte de S.-Catharina; Ipsiboie ; Renegado ;
Solitario; o Tmulo ; Capito Paulo; os Esfola-
dores ; Ida ; Rebeldes ; os Tres Castellos; Vctor ;
Alexna; Cecilia do Chatcnai; Erna; Etclvina; Cas-
tello das Colinas ; Mosteiro ; Palacio de Alberto;
Castcllo dos Morios ; lloras Marannas ; Jardim das
Damas.
Vendem-se duas casas terreas, com
Loas coinmodidades, edificadas na traves-
sa do Marisco, por mdico pitreo; trata-sc
naroa Direita, sobrado n.29.
Grande altenco !
ptimas meias pretas compridas mu lo finas,
proprias para padre no s pela cor fixa como pe-
lo extraordinario tamanho: vendem-se por prec0
rasoavel, na ra doQucimado, loja nova 11.11 A.
Vende-se cera do carnauba da melhor
qualidadeque tem apparecido tanto a
retalho como em porcOes: na ra das
Larangciras n. 14 segundo andar ,
junio a refinacSo.
ATTENCAO'!
Frederico Chaves, fabricante de gaz hf-
drogeneo liquido, com fabrica de li-
cores, chocolate e espiritos, no Aterra-
da Tioa-Visla, n. 17,
tem a honra do participar ao respeitavel publi-
co, e com particularidadeaos Srs que usam decan-
dieiro do gaz, quo na sua fabrica somprc acharo
grande porgao de gaz hydrogcnco liquido, de boa
qualidade, pelo diminuto proco de 320 rs. a garrafa.
A 640 n.%
pares do pentcs do tartaruga demarrara: na ra lar-
ga do Rozario, n. 24.
- Veilde-Se azeite doce en-
garrafado, de superior qualidade, chegado recente-
monte de Marselha : em casa deJ. O. Elster, na ra
da Cadeia-Velha, n. 29.
Vendem-se 8 cadeiras e urna canap com as-
sento de palhinha por 28,000 rs.: na ra Direita,
sobrado 11. 29.
Vendem-se os muito procurados cortes
' de sapatos a turca bordados de muito di
versos gostos; fil de linho liso o lavrado
muito fino; cortes do cassa-cbila a 2/rs. ;
ditos de novos padroes e cores finas a 3,200
rs.; ricos lencos de setim de cores, parase-
% nhora; panno de puro linho, proprio para
$ lenges, com 10 palmosde largura, a2,700 rs.;
$ dito com 12 palmos, a 3,200 rs.; damasco de IHa e seda o melhor que tem apparecido; j$
bramante de puro linho, muito fino; um com- <
piolo soi timento de pannos pretos e de todas Q
as cores e quididades; meias casimiras, fin- ft
gindo casimira em padres e qualidade, mu-
51 loem conta : bem como um completo sor- ".- timento de fazendas finas e grossas: tudo
por menos preco que em mitra qualquer par- (>
*> te : na nova loja do Jos Moreira Lopes &
fy Companhia na ra do Queimado, nos qua- t-
tro-cantos, casa amarella.n. 29 Vcudc-sc um excellente cavallo do sella, o
melhor andador possivel de liaixo a mcio a es-
Iuipar de cor rozilha, muito gordo, capado, gran-
0 e cm ludo bonito : na ra do Collegio, n. 0, bo-
tica de Cyprianno Luiz da Paz.
Vendem-se saceos com arroz da Ierra, por pre-
go commodo : na ra da Cadeia-Velha armazom
n. 12.
Vendem-se 3 escravos mocos, de bonitas figu-
ras; urna porgao de calcado para lio me m sapatos
e botins ; una porgao de esleirs c saccas com mui-
to boa farinha de mandioca por prego commodo ;
na ra da Cruz n. 26.
A bordo da sumaca Carlota, fundeada na volta
do Fortc-do-Matlos, vende-se muito bom sal do As-
s por prego commodo : a tratar no mesmo bordo,
ou na ra da Cruz n. 26.
Vende-se una preta de 24 annos de bonita fi-
gura que lava de sabio e varrella o cozinha o or-
dinario de una casa : na ra da Concordia pas-
saudo a ponte/.inha a direita, segunda casa terrea.
Yinnlio de Cha ipan ha
da superior e muito acreditada marca
Cometa,
vende-Be no armazem deKalkinann & Rosenmund,
na ra da Cruz, 11.10.
Gassas de cores a 200 rs. o
covado.
Na ra do Queimado, loja n. 9, continuam-se a
vender as mtii apropriadas cassas para cortinados ,
c outras muitas fazendas baralissimas.
Vende-so na cocheira do becco da ruada Ca-
deia um cavallo bem gordo, proprio para carro e
sella.
ATTENCAO' !
Vcndc-se um moleque de 18 annos de bonita fi-
gura proprio para todo o servigo e que he ptimo
para pagem : na ra do Pilar, n. 87.
Vendem-se pipas com arcos de ferro, propria
para agoada de cuibarcagos: na ra Imperial, so-
brado n. 39.
Vende-se urna preta moca de bonita figura ,
ptima engonimadcira coziiiheira e lavadeira : na
ra da Soledade entre os na. 70 e 72.
Vende-se cera de carnauba e cera ainarella cm
porgao e a retalho : na ra da Cadeia-Velha n. 2,
venda do JosCongalvcsda Fonte.
Vcndem-so e alugam-so cxcellcnles bichas, che-
gadas prximamente ; na ra do Itozario da Boa-
Vista loja de barbeiro, n. 60.
Hecerto que se vendem charutos de regala os
mais superiores que ha no mercado, a i,400rs. a
caixa; cha hysson a 2,320 rs. a libra; caf emea-
rogo a 140 rs.; dito muido, de 4 libras para cima,
a tOOrs. poishe o melhor que pode haver : na ra
Hireira, n- 10*,
Vendem-se 2 escravas mogas com boas habi-
lidades, por prego commodo : no pateo do Carino,
loja do sobrado n 7.
Yende-se um sitio no lugar prximo
povoacao da Boa-Viagem, com 3o ps
de coqueiros de ructo, e Laixa para ca-
pim e verdura, por dentro do qual passa
o rio Jordao. ste silio foi do major Car-
yallio Mendonca. Os pretendentes diri-
jam-serua do Cabug, loja de iniudezas
de Francisco Joaquina Duarte.
Vendem-se rolos de salsa-parrir
llia, nova : no armazem do Braguez,
so p do arco da Conceico.
S se vem anniin-
cios de novos bara-
teiros; iinasnenliiiiii
chega ao antigoda ra do
Collegio, n. 9.
O antigo baraleiro est vendendo a troco de pou-
co dinhero, na sua nova loja de miudeaas da ra
do Collegio, n. 9, caixas de tartaruga, para rape ,
a2,000rs.cada urna; torcidas para candiero, de
todas as larguras a 100 rs. a duzia ; tesouras para
cortar papel, a 160 rs. cada una; ditas de costura ,
a 160 e 240 rs., muilo finas e com um toque de fer-
rugem ; caivetes para pennas, a 240 rs. cada um ;
carteiras de algibeira, a 160 rs. cada uma;charu-
teiras de marroqum branco, a 240 rs. cada urna;
liquissimos copeiros e faqueiros de rame, sao os
mais modernos que teem apparecido nesta praga ;
meias de algodtio, brancas, para homem e meninas.a
240 rs. o par ; riquissimas tesouras finas tanto pa-
ra unhas como para costura ; leques de seda com
enfeitesdourados, a 2,400 rs. cada um ; ricos bi-
cos de linho, muito finos, tanto brancos como
pretos dos quaes as amostras estarSo patentes para
iremem qualquer parte; um grando sortimenlo do
tamancos milito bem feitos odo luxo, eque nao se
vendem caro. Venhamdepressa, pois que no che-
ga ni para todosestas pechinchas, co baraleiro nSo
querque ao depois briguem.
Vendem-se 191 pegas de cabo do Cairo: na ra
do Trapiche, n. 8.
Vendem-se quatro mastros de pnho: na rna
do Trapiche, n.8.
Vende-se carne dovacca salgada, em barrs :
na ra do Trapiche, n.8,
Vende-so cha preto muito superior, em caixas
de 16 libras, proprio para familia : na ra do Tra-
piche, n. 8.
Na rtia da Senzalla-Nova, n. 3o ,
(padaria) vendem-se juncos de superior
qualidade, em porcao e a retalho, e por
menos do que em outra qualquer parte
]\a loja nova do
Passeio-Publico,
n. Itf,
vendem-se cortes de chitas sussas, de cores fixas e
pannosiiiidazes, a 1,200 res com-10 covados ;
lencos de cambraia para milo de senhora a 320
ris ; merino preto muito largo c lino, a 1,200,
1,600, 3,000 e 3,200 rs. i cortes do caigas da afamada
pelle do diabo a 1,400 rs.; pegas de algodo tran-
gaco a 4,000 rs.
rollos, proprios para libr de pagem, a 640 ,i
1,200 rs. a duz.a; ditos para guarda nacional t
cavallana, de fino dourado a 2,000 rs. a dti?
ditos de Pedro II, os mais finos que teem anna .'
cido ; linhascomum pequeo toque do avana C
640 rs. a libra ; litas de linho encarnadas erAri'
a 600 rs. o mago, com 12 pegas ; fio de sapatoim'
de algodao a 400 rs. a libra ; phosphoros de no '
te contendo 104 palitos que nao falham a 20 r
fitas de laa, a 180 rs. a pega ; pontes de marrar5 '
60 rs, o par; couro de lustro do muito boa au^
dade, a 38,000 rs. a duzia ; luvas curtas praseme
ra, a 120, 160, 240, 320, 640 o 800 rs.; ditas comnn'
das a 1,000 rs.; tesouras com um pequeo toou
de ferrugem a 100 rs.; papel prateado, a 80 \
e 6*0 rs. a folha ; estampas deSantos a lao 'c ii!
rs.; capachos para ornar salas a 640 rs.; botOes \\
ferro para caigas de pretos a 80 rs. a groza; lin|la
de carretel, brancas, a 240 rs. a duzia; marcas d*
cobrir, a 100 rs. a groza ; pomada franceza a 8o
rs. o pao; retroz azul-ferrete ordinario,a 6,oors
caixas de barba a 300 rs.; fitas de lago de sapatos'
a 360 rs. a pega ; balaios de costuras, proprios para
senhora a 800 rs.; caixas de obreias, a 60 rs. na
pe depesooalmago, a2,600rs. a resma; agod
Colonia,fina, a 1,800rs. a duzia; pennas de es
crever, a 9,000 rs. o inilhoro ; bonetes de palha
100 rs.; fil de'linho liso, a 240 a vara; torcidas Je
candieiro a 100 rs. a duzia ; suspensorios de boni-
tos padrOes a 200 rs. a duzia ; fitas a 80 o 120 rs a
vara ; e outras muitas miudezas baratas que se aii-
annunciarflo a proporgao de sua exlracgao, mnr-
mente botOos, que os senhores alfaates deveni apro-
vetara occaisao : tudo so vende barato, trazeuV
se dinhero.
-# Vende-se urna casa terrea, sita no Mondego
n. 81 com 31 palmos de frente duas salas
quartos, cozinha fra quintal murado com algns
arvoredos e cacimba, lvre e desembarazada, 0
que est em bpm estado : na ra Direita, n. 26,'sc
dir quem vendo.
Vende-so, por detrs da ra Imperial, da parle
do mar, urna morada de casa edificada a moder-
na com 25 palmos do frente, oitOes dobrados, com
2 quartos duas salas, cozinha fra quintal c ca-
cimba com muito boa agoa : na ra da Concor-
dia no ultimo armazem de maderas.
Frederico Chaves, fabricante!
de licores, chocolate e es-
piritos, no Aterro-da-Bon-
Vista, n. 17,
tem a honra do participar ao rcspoitavel publico el
com particularidade aos seus freguezes que tem
sempre grande sortimento do bem conhecido cho-l
colate de sado canella baunilha c ferruginoso,!
este muito approvado para as pessoas que padeceal
do estamago e frialdadc por ser muilo tnico, ol
bom conceito que tem tido esto chocolate, fiz eom|
que boje participe as pessoas que ainda ulo fizerin
uso delle, e igualmente aos sous freguezes, que i
teem procurado, e por inconvenientes o mo letal
adiado. Os presos sao sempre os mesmos, sailtj
canda e baunilha a 400 rs. a libra, c ferruginoso,!
a 1,000 rs. Tambein vende ago'ardentc do reino el
Franca, de primeiro qualidade; espirito de 36 graos!
sem cheiro, em garrafas o em caadas ; gcncbnl
em botijas eem caadas ; ago'ardentc de aniz c del
canna; vinagro tinto, ago'ardente em pipas, nal
graos quo quizerem ; licores em garrafas pretas ti
brancas, com ricas tarjas douradas o bocea pratei-|
da ; essencia do aniz cm migas e garrafas.
Escravos Fgidos.
Witch Rravo&C. acabam de receber directa-
mente de Pars urna porgao de frascos da famosa a-
goa hemosttica do ISroithicri, de cujas virtudes o
Jornal do Commercio do llio j tem tratado em dif-
ferentes artigos mui circuinstanciadamcnte. Este
singular medicamento lio verdaderamente especi-
fico e infallivel no curativo de todas as feridas, sc-
jam ellas pelo instrumento cortanlc, sejam por ar-
mas do fogo, ou provenientes de queimaduras.
Quaesqucr que sejam os 'accidentos quo as com-
pliquen!, lodos clles desappareceni com sunima fa-
cidade, sarandoa ferida dentro de poucos dias sem
suporacao, sem inllainagao e sem dor. Anda que
baja porda de substancia e ferimentos das mais con-
sideraveis arterias, como a cartida ou outra, nao s
a perda de substancia so recopera, mas'a hemorrha-
gia arterial est curada dentro de 30 a 40 minutos,
regenerando-se as tnicas da arteria offendida, por
meio do um Irabalho orgnico particular. Nao he
menoraelficacia do mesmo medicamento as he-
morrltagias internas como sangue pela bocea, ou
proveniente da bexiga, e sobretudo as hemorrha-
gias do ulero, que fazem a desesperagao dos medi-
cse otormento dos doenles. as instrucgOes pra-
ticas, que se vendem como remedio, se ver com a
extens.lo nocessaria a manera de applch-loe os
casos em que convm. O prego de cada frasco he do
2,000 rs., o das instrucgOes 2,000 rs.Os pretenden-
tes dirijam-se ra da Madre-de-Deos, botica, n. 1.
Fugio de bordo do patacho Pelicano um escrarol
de. nome Hoque, do San-Thom estatura bainj
rosto redondo esem barba, com feridas as pernasj
vestido com camisa o caiga azul e brrelo nglcil
Eslc escravo pertence a Joio Jos Pereira do Azeira,
do ltio-de-Janeiro. Quem oapprehendor, querr to-1
va-lo rita da Cruz n, 66, casa de Gaudino .tgosti-l
nbo de Barros, por quem ser recompensado.
Fugio da cidade de Coianna.em 21 do outonrol
doanno passado, o preto Miguel, crioulo, sapatei-l
ro, tocador de viola, com os sigrtacs seguidos :l>cs|
mogo, alto, seceo, rosto comprido, olhos gramlts,I
sonso, pouca barba; lem una (islilla debnixo ito|
queixo procedida de denles, que ainda morcjav;
consta que tem andado em Olinda, e nestap*I
ga em urna casa na ra da I'raia, onde tem se-
do vislo. Roga-se s autoridades policiaes, ou mes-J
mo a qualquer particular que o encontrar, o fagani|
apprehonder e trazer a casa de seusenlior, naruil
da Matriz n. 7, que serio bem recompensados. I
Uesapparcccu, no principio da semana sinlil
prxima passada do engenho Camorim o eeOT'j
Pascoal, crioulo quo representa ter 29 a 30 a".ntJ!|
pouco mais ou menos cor pouco preta, c5, ,r I
mediana, cabega o cara redondas, bous ueiii'
adianto, nariz chato e grosso beigos um w\
grossos ; falla na garganta o alguma cousa gros>i;
tem una orclha furada para brinco, anda com >
pernas um pouco aberlas pelo costumo de assar-:
entre ellas ps nao grandes e limpes; gosU Wj"!
tahle das dansas dos oulros pretos, e quasi semp I
est a cantar as suas cantigas; he bastantemen I
dado a pretas ; toma tabaco e fuma as vezes o f 'I
chimbo ; bebe agoardcnlc mas nao que se cm I
bode; mcltc-sc a prosista ; mas osseus modos e mi
neiras assemelham-se inaisasdo um Africano"p1! I
; tem muito pouca barba c so|
i do beigo isto que pouco eyWM
Deposito de vinagre da fabrica
da ra Imperial, n. 7.
na fabrica de licores, de Frederico Chaves, no Ater-
ro-da-Boa-Vista, n. 17, onde so achara sempre
grande porgao e por prego commodo.
PECHINCHAS.
Na ra do Cabug loja de miudezas, de Fran-
cisco Joaquim Duarte vendem-se botOes de seda ,
retroz e duraque a 240 rs. a aboloadura ; ditos
para caigas a 300rs. a groza; ditos brancos e ama-
as de um crioulo
queixo o por cima ..,
o sen corpo he proporcionado ao lamannju> sl..
cagase camisa de algodao bada encarnadap 5 I
da chapeo velho quo lluvia sido de pello. ''.c|los[
pegar leve ao dito engenho, ou no Forte-do-.*i -I
prensa de Joaquim Jos Ferrara que sera rec i
pensado. J
besappareceu no dia 13 do corrente o p I
Paulo de 40 a 45 annos do gento, estatura r b I
lar; tem corda na cabega, de carregar, testa < i
prida sem os denles superiores o beigo tn l
foveiro peilos de pombo ; he bom conhecido |>-i
appellido de palo, por andar sempre a venuer 'j, I
tos ue couro preto : quem o pogar leve ao bece i
Tamblj n. 18, que ser generosamente recomp
sado. m|,j.j
Fugio 0 preto Francisco de nac3o Moc^
que, baxo e grosso do corpo, cogo de un
Qualquerempregado da polica', oucapitapue t
poo poderapprehonder e levar seusenlior,
Leito Pita Ortigueira na ra da Cruz, no Recm-
PERN.: MA TYl'. DEM. I'. DK FA1UA."
MUTILADO


y
,le 1847.
Segunda feira 19 de Julho
N, 9.
N
M M
&%
; .....'
DE
PERNAMBCO
(SOB 08 AUSPICIOS DA SOCIEDADE COMMERCIAL.)
rcve-se na Praca da Independencia, loja de lirros n. 6 e 8, por nooo ris por anno; pagos adiantados.
r '"'" *
>BECOS CORREINTES DA PRAA (Corregido Sabbado as 3 horas da tarde.)
i i. i
H
o
JJ
I
19 .
m
_
5
SJS| -Ss -11 1-3
8.8.3 'S .8s' .8 23 1,8
egy _____________z gp____________g ->< a 5 ai I
9 D- B t a a > p o!:CliSggai:3:2=
at^*J es_________^jc^_jM ^ ^_______<____________
3 OOOOOOOOO es^OOOOOOOOOOOOOC
.9
3 o a a o
uiaJ v ia Q
ifi
8
o .5
S I
e cp s 5
3 "
111
IX
-3 --?
1
es
o o o -*-ooooooooo
KtcOO M-Oaara ~
srs-a es
.5-3
P S a *
0.J5
3
;8
o oo oooooeoooooooooocooo
* 19 ** 3
*
O a ai *' 3 !"'
==
s-3 2-S s;
"jS 8:2 5 5-9

<
-a 03
; o o o
> o
le-i **
i c* *o
oo- oo
-oppooow- oo
O o
O c*
O
OOOOOOOOO
? UU
oooooooo COOOOOOOOOooD-r -i- 1 **
90CO-ooD<^-*>troooo e* c* cn
***5?5^55 ? ? s
CN
o o
o o
-c
o c o o o o o
C9 o o o o o o
.nnos o O oeo o
S^ ^S*"** ^n* **3
n U O INCIDO - f, a.u9 te* NNhM
O o o o o o

o o o
.* c o
******
1- w
> **
43"
1 i -11 '
SE g 3-iS -
Jjj ^a gggQ a.a.ci.flQ. 0.a- o-
3 8 5.S
S ? I a
. c O"* 35 1 C/J >J t t t
f

|3 lo
u ca ii
ees >b

o

3
o
. i. ,2 <-?." +
05
fll
c a. o
"5 S ". -?
ca:
1 1
"1111'
Lm14
8.2 S
C 3 ^
sis
3
1.1 8
, .sis,
S SO- O- a.
i3==

t
<
-r-
3 "3
2 a O
i
a ^
3
<
m
9 cr-2 oJgi.fltC
~o>m
= 0300 OOOOOOOO
O00OO Soooeo^^r*
AOO Q O O **
O -n o o
o> r* o o
l o o o o
& o o o o
-sf C O "
. o -*
^oooecoooe
Q0"9'=0= oeo
o ^ > ooor*c*oO'*'
o e c
O o r
o as o
5 *
a Qu>oooocoooooo
5OOOCCOO'OC*^'rt

i
s"J
- = O a s
I 1M

o r-
o o
o o
o o
71
g
O
I
a 5a
c o o o
^Tw oo n
SSSTfo

O OS5 C S22 S
0 ;o
> ^ *>sa. "*2^ ?
o ao
aa
s
coooo-ooc 000000c 000
ooo^c^ooooeo^o^ooeoo
NM,4 "1 c> r* c*
00 eo 00000000 o o
S Ss S-g-SSS o
I? su sus
I.......iL..............!......B::l;i;;;;
B,i,,8a6iiI'i-,,,'i,B*.S,,,81BaS fc
-5 .-oil-s ,2 .ft. a-Sj ''- as--'** -1' "
^^li ^^S^IsIsH 'til
5 = 5'__
*or--*,o~r-o o
r- -s a
c o o o eos
O O O (D OOO
c o o -o o O w
*!*>-*; *"*
!, ac o
S5 --o s
O OOOOOO
o 000000
O t O O -n
O O C O "
'J'
I I

c
1 9
I
1 1 1
I

S 5
_ l|]lIlJJ!ifilJil-^IIiajHJM^||lj|
l ------ I II I i^ 1 1 1 i 1 I ri al
II
73
.= ,
t 1
8,i1
1 1

iii?.
1 1 1 1
* 1.
1
, 1
V

I
2-3
Jjll
<
r*i'
JcoX -!= 0,1
I
'II
I -
s g's 1% ?%
5CJ
*8 = 2
!8|5J88
H -^i E- a. ai ijaaa

:



()
EVPORTAgAO.
Agoardeute Cn.n; -
Algalio I sorle -
. j. .-_-_-
A1111. . Mi.,., IV.(ll<)
|i.ir eui li ii i ir ii- 011
em saccar, brinco -
111;.,. .1 v .. 11 > ...
LniiTi seceos salglos. -
Mcios Cliifns da trra -
a do Ido ri .iii.li- -
KXPORTS.
Ruin -------
Colln I. qualilj -
2. -
Silgar in ceses wliile -
brnwrn .
lu- barris or Megs.
wlute I
a brovrn -
Dry salted hides -
Tamie hules -
Ot-liorn* "
imik(,:o D* PRAQ
t20000 44ooo
sino e|t)oo
6>3tf<> 1>u"
1*000 1*000
9<>0
2*000 2*300
I #4 50
ros
llfoOo
;Jnin
If&Oij
II..
I ,,200
4*500
POR
Pipa.
A rroba.
a
Is.Ierro
Libra.
Un,..
Ceulo
CAMBIOS.
Londres......................
Lisboa ............i
1'" ranea.......................
Rio fe Janeiro.................
PK.Vl'Amiuda.................
> Palacios Urizi le i ros......
Pesos Colmnuarios.. .4
Hilos Mexicanos.........
DURO. Moedas de 6#400 velhas.
Ditas ditas novas.
Dilas de 4*000..........
m Oras hespanholas.. ..
Ditas Patrio ticas........
Letras
. a 20'/, d porlf rs. a Odias.
. 10b porceuto premio, por metal efletliMkU I
, 355 ris por franco.
. ao par
11910 a I/BJ0.
1*910 a l*94o.
I|?0 a 1*910.
1*7 lili I #80,1
IS/OO'i 16*100
100000 I6#I00.
9*100 a 9*300.
29*000 a 29f500.
28*500 a 29*000
I por 100 ao mes
FRT ES.
ASSUCAM.
Lirerp ol...............Caixes I 3 I 0 > lom
dual, portos Ingleses...... Uno { 4 0 0 n
Dito, dilocnlrVIlaniD.e Havre. D.to I 4 SO
Genova..............Saccoa f 3 15 Con
llamhurgo caitas............... f 4 10 0
rtallico .......................
Tries!..................Saceos 14 SO Con
Estados-Unidos................. lliim peso e 10 ceios por sneco.
Portugal........................ '<>
f'raoca........................ f's. l'O e 10 % de primageni

V
ALGODAO.
Portugal................... e00 por @ sem primagemnominal
Franca... ............... 400 por @e I0p ./ aocamb. de 160 p Ir nomn I
Inglaterra.................. 716 p d. e S p. % de primagem,
Uarcelona.................. 4C0 rlf
counos.
Inglaterra Seceos I t 6 0 0... por tonelada e S por eento.
franca........................ 10 Irancos por toneladas, con 10 p>tBlJ
Estados Unidos...................... Nao ha.
KB8V
tBH
De da II de Nnvemliro llar fM l Maule pagari Hll p. c. o rap 011 tabaco
Jo yi, os cliar.itos 011 cigarros, o l'iiiiiu t-i .mIo OO em folln.
t'agarSO p. c. os saceos de ciinhau.so grossaria 011 gimes da India, os cai-
vetes ein lir.na de punhal, as almofadas i>rcarruageus, as pedras la v rada) para la-
do, as pedras de cinta.ia pira porles, portas ejauelUs, al pedras lavridas para
encamnenlos cepas, cnnliaes e cornijas, o assucir relinadn, crystalisad ou de qual-
quer inaneira conl'eilado, o cli, a agurdenle, a cerveja a cidra, a geneora, o mar-
rasquino, ou oulros licores, e os vinlios de qualquer quaiidade e precedencia
i'..-.; .rao 40 p e. as alctifas 011 tapetes, o nanliamacu ordinario ou grr.ssrria, as
Salmeas de qualquer finalidad, e roupa l'eila, na especificada na tarifa, asearlas pa-
ra ogar, as scovas de cabo de marlim, o fogo da China em cartas, ou qualquer 011-
ro logo de artilicio, o papel piulado, prateadu, 011 domado, sendo de qualidades
linas, o papel piulido para loriar s-.las c.n collecccs ou paizagens, o pape! de Hol-
ln li, imperial ou outro nao especificado na larda a plvora, os saboueies, o s&ho,
o cebo eui velas, as velas de Slearina ou composico, as ameixas, ou mitras fructas
em Irascos 011 latas, secas, em calda, 011 mi espirito, o chocolate de cacan ordinario,
o vinagre, os carrinhos, carrungeiis 011 caixas jo.os, rodas, arreios para tuna e cu-
ra cousa as esleirs para Torrar casas, os cal ros para conduiir gente, os sociaveis,
silhoes, os areieiros e tinteirns de porcelana, e qualquer ol.jecto de tonca nao com-
,,n 1ii-ii.Ii.Ii. na tarifa ; os lustres os clices para licor ou vinlio de viilro liso ordina-
rio, os de vidro moldado ordinario lavrado ou moldado e lavradn ordinario da Alle-
oiinl.a e seinelliantes os de vi,lio liso moldado 0.1 lavrado, de fundo cortado ou liso,
cu molde ou lavor ordinario ; os calices'|>ara Champonhe ou cervrja, as canecas,
e coiios direitos de 10 a I em qnartilho, as garrafas de vidro al I quartillic ou mais,
sendo todos estes ohjectos de ni. I e 2 as garrafas de vidro pretas ou escuras da
inesma capacidade, couipreheudidas as que seivein para licore ou Le-II o v ; os copos
pira tabernas al urna caada, os frascos de vidro ordinario con. rollias do niesiuo
al 3 libras ou mais ; 011 sciil rolha ale t libras ou mais, os de laica larya com roldas
do un su.,., al 4 libras ou mais, 011 sem rolda para opodeldoc os vidros para a-
Innpa.las ou caudeiros, as lalaias ou folhas de inogno ou outra madeira lina, e tras-
tes de qualquer madeira.
Pagar 2S p. c. o ac, alcatro, zinco em barra 011 em folha, chumbo cm barra
ou leucol, estanlio em barra ou em verguiuha, ferro ein baira verguinha, chapa o
linguaos para fundico, folha de f landres, galha de Alepo, lila em folhas, laloem
chapa, marlim, salitre, vime, l.acalho, pene pan, e qualquer outro, secco ou aal-
Iado ; bolacha, carne secca ou de salmoura, herva-doce, farinha de trigo, pellicas
tranca ou piuladas, cordoves ou cortes de liezerro para calcado, bezerros e couros
euveriiizados, couros de poico ou boi, salgados 011 seceos sola clara para sapnleiro
o 11 correeiro, coore e caparrosa.
h
ha,
franjas, lantijoulas, palhelas, passa.iiaues, sendo de 01110 011 prala eotrelina, ordina-
ria ou falsa : gales da mes.na ualureza, ou tecidos con. retroz, ln.lio, slgodo ou
seda, rendas ou entremeios de algodo niio liordados ; sendas de fil, as de algodo,
retroz ou 1ror.1l lencos de cambrain de linbo ou algodo, e bandas de reros de
milha.
l'agar mi p c os livrus, mappas c globos geo^rapliicos, instrumentos mathe-
malicos, de physica 011 chimica, corles de vestidos de velludos ou damascos, borda-
dos de prala ououro fino ; retroz ou Irocal, c cabello para cabeljeire.ro.
Pasaras 8 p c. o canutilho, cordo de lio, espiguillia, fieira, fios, franjas, ga-
lio de no ou palheta linlijoulai, pall.ela, renda!, cadarcos c todos o mais objec-
os desta ualureza, sendo de ouro e prala li..->,
?aga- S p. c. o carvo de pedra, ouro para dourar, ou quaesquerobrai e
ulensis de prala,
Pagari 4 p, c. as joias deouro ou prata, ou quaesquer obras de ouro.
Pagarn 2 p. c os diamantes e outras pedras preciosas soltas smenles, plan-
a 4s;e raras novas de animaes uleis.
/'aearo 30 p. c. todos os mais ohjectos.
Os gneros reexportados ou baldeados pago I p. c. de dire'tos alm da armaie-
'..sro; e o despachante presta flanea at a approvaco desta medida pelaAssem-
bla (eral.
Coiicedem-se livres de armazenagens, porlSdias, as mercadorias de Estiva, e
dous meacs as outras ; e lindos estes praios, pagar//._, p. c. ao mez do respec
vo valor.
Os rdireitos das faiendas, que pago por vira, deve entender-se vara quadrada.
,)s -'.reiios nao podem ser augmentados dentro do anno fnianceiro ; mu o Go-
bern poder mandar pagar em moeil.i de ouro ou prata urna vigsima parte du que
oren, maiores de 6 e meneres de SO p. c. dos precos das mercadorias, ou meimo
iimhniil-oi, segundo Ihe parecer.
O (Invern est sutorisailo a estabelccer un dlreito diflertucial sbreos gaaaor i
de qualquer naco, que lobrecarregar os geueroi braiileiioi de maior riircito,
iguaei de onlra naco.
Os artigoi nao especificados ni pauta pago o direilo ad valorem lobre a (mctu
a presentada pelo despachante i podendo poim ser impugnados por quslqurrofici
da Alfandega, que em tal caso paga o importe da factura ou vilor, e os diitiii
No caso de duvida sobre a classificac da mercadoria, pode a parte reqw
arbitramento para designar a qualidade e valor da paula, que Ihe compele.
Soisenlas de diieitos as machinas, ainda nao usadas no lugar, ein queloin
importadas.
EXPORTACAO Os direitos pago-se sobre a avaliaco de una pauta ten
nal na razo seguinte : Assucar III p c. Algodo, caf, e fumo IJ p c.. A|,
denle, couros, e lodos os mais gneros 7 p. c. Alem desle direiloi pagaos
laxas de 160 rs em cada caia, de 40 is. em cada fecho, de 20 rs. tai cada barrica,!
ou sa-cos de assucar, e de 40 rs ein cada sacca de algodo.
Couros e todos os mais gneros sao livres de direitos para os portos do Impera, il
cxcepr.'io do algodo, assucar. caf, e fumo, que pago 3 p. c. e as latas por voluapl
Os metaes preciosos em barra pago de direitos l p c. sobre o valor ilo n-.r-|
cado, ea prata e o ouro amoedado nacional ou estrangeiro paga nicamente '/iP-c [
Os escravos exportados pago SjYOou por cada un.
DESPEZA DO PORTOAs embarcares nacionse, ou eslrsngeiris, quil
navego para fora do Imperio, pago 00 rs de ancoragem por tonelada : t al
nacionaes, que navego entre os diverso pollos do Brisil 9C n. As que entrinal
em lastro r sahirem com carga e viceversa, pagara meiade do impasto supra cual
terco as queentrarem, e sahirem ein lastro; e mesmo as que entrareis por frauqua,!
ou escala, quer enlrem ein lastro, quer com carga Delta imposico porem u I
isentas as que importaremmais de 100 Culonoibrincos, e as queentraorem por rrihtcaI
forrada, com tanto que ellas nao carreguem, ou descirreguem s mente os gtnmsl
necessirios para pagamento dos reparos, que fizerem.
REVISTA SEMANAL.
CAMBIO fiTectiiiro-se transaeces a 26 '/, d. por 1/000 rs.
AS.-UCAR Sem alteraco.
ALGODAO Eutrro 143 saccas, e ha porteos compradores as quotitoei.
COUROS Sem alteraco
l'AHIMIA DE TRIGO O deposito est reduzido a 00 barricas e prista.
ra mo
BAC ALHAO Enl.ou l.'jm carregamento de 2330 barricas, que se vendiui |
preco occullo.
CAUM DE CHARQUE O mercado est exausto dcsU genero.
Resumo das EmbanocSes existentes neste porto no da 17 it Julho d$ 1147.
Brasileiras........................................................... 0
Fraucezas........................................................... '
Hespanholas...................................................'
Hamburguesas....................................................... ,
Ingtezas ...................................."......... '
Sueca.................................,.......................
A Provincia gola tranquilidatle. Total


(5)
LISTA das Embarcages existentes nesle porto at o dia 17 de Julho de 1847.
,KTBAD*.
i
19
iltl Julh
jaldo
,147 Junho
ll(1 Julho
27
1
4
11
1**7 Juuho !
IttT Julho
DONDE VE*.
I lilil0
147 Julbo
IIIT Julho
Baha e
Kio Grande do s.

Ana.
A carac.
Haba
Kio de Janeiro
balita.
MaranhSo.
M.rselha.
Horra.
Mar Pacfico.
Havre de race
Barcelona,
(eilu.
Barcelona
Barcelona e Malag
Celta
Hainburgo
Nova Hollanda.
Sincerick.
Terra-1 ova
Londres
Terra-Nova
GibralUr.
Leiaeiick.
Terra Nova.
cisco
Antuerpia.
sumaca
brlgue.
m
sumaca
patacho
biate
br.-eac.
brigue.
bg.-ese.
brigue.
a
barca,
barca.
brigne.
Iji ig esc.
(nigua.
brigue.
EaUcho
rigue.
barca.
brigue.
brigua
galera
brigue
Ejlaca.
rigue.
patache
HACA..
Brasil.
Kranc.
Uesp.
Harob.
Ingl.
Sueco.
NOK.E8.
Sania Aun
Feliz Destino,
A ustral.
Carlota.
Kroulaco.
Nereida
Pbaro
Sagitario.
Laura.
Arago.
Cezar.
Juate.
Julef.
Esperance.
DoUf ll'UIOOJ.
Jesusa.
Fehppe.
Jolianna
Polydora
A chilles.
Hicbard.
Weatinoreland
Indus
George Robnson
Queen.
Lucy Sharp.
b-, Wl.il
Rapid.
TONS.
92
1(8
(85
61
110
97
189
260
161
176
132
299
168
tai
96
170
176
89
176
388
2t-6
185
19
186
108
270
176
no
MESTRE.
JoSo de Dos Pe reir
Manoel Pereira de S.
A. V. lima Fogaca.
Jos Gnncalves Suias.
Aiitouiu (lomes Pereira.
Mauoel Francisco d'AratljO
Cand.do Forjis de Laaerda
Joo de Dos Pereira.
A- F. da Silva Sanios.
Simio Deyreo.
roneux-
Jbsde ,-~ousa.
beduchaud.
J. Alceua.
P. Noguesolus.
Cipriano Arana*
Jos Gelpi.
Beckers
E. C. Cbrislianseo
Gorge llurnell.
W Curry.
N. Coaovay
Wem. Coa
John Royes
Jernimo Colarno
lleitoi He. Fie.
Thomas Kempt.
J. C. Kraeft.
CONSIGNATARIOS.
Novaos te C
Pedio Oias dos Santos.
Amorim rmos.
Luis Jos de S Araujo.
Man el Goncalves da Silva.
J. J. Fernandes Magalbes
N. O. Bieher & C.
Antonio F. dos Santos Braga
Novaes Si C.
t. P. Adour & C.
Avrial Frres
L A Uubourcri.
B LasseireA C.
N. O. Bieber ti C.
Nascmeulo ti Amorim
i. P. Adour &. C.
i. P. Adour A C
N. O. Bieber A C.
Me. Calmont A C .
Me. Calraoul A C.
I.atbam Uibbert
iMc Calmont C.
a
liveira Irma o A C
Joboston l'ater ti C.
James Crablree te C.
DKST1NO.
Rio de Janeiro.
Dito.
Marcella.
Ba relona
Trestr*
Hamburgo
Trieste.
Condemnado.
Liverpool.
Liverpool.
a
Liverpool.
Lenoir P.iget A C.
MT
Pernasabueo na TypograpRi de F. de Faria.-I947.

*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E4DTQP4CJ_9D9DAM INGEST_TIME 2013-04-27T00:05:50Z PACKAGE AA00011611_08492
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES