Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08484


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-w
I !<

h\nno
de 1847.
Sabbado 10
DIARIO pulilica-se toaos os diaj, que nao
,l. miard* o Pr* *'" ""tur he de
a i.oi nurlel, pnp" joon i.. i ,(,., ,Sn inseridos roslo ile
ilos *'S
""Tnrlili. "* em 'yP clilTerene. e as
"Pel- r;o n porlinha, e 160 em lypo
PIIASES DA LA NO MES DE JOl.HO.
,, i; Ivora c J3 min, da manh'.i.
"'"'^ora lV, s 9 horas e 15 min. da m.nhaa
'U1 nte 2'- t0 nora* e31 ln'n- ** mnlla
Cr"h.j.' a JT. no"J e *' mio- da 'rde.
Lo c"
PARTIDA DOS CORREIOS.
Goiannae.Paraliyba, ss segundas sextas feiras.
Rjo-Orande-dn. Norte quintas feiras aomeio-tlia,
Cabo, SerinliSem, Kio-Fonnoso, Porto-Calvo e
Macelo, no I,*, a II e Si de cada raaz.
(iaranliuns e Bonito, a 10 e 21. .
Boa-Vista c Flores, illell, '
Victoria, as quintas feiras.
< lim.l.i, todos os dias.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira, s 1 horas .'> minutos da manliSa.
Segunda, s 3 lloras e 18 minutos da tarde.
de Julfio.
Ann XXIV.
N. I5i
DIAS DA SEMANA.
S Seeonda. S. Athanazio. Aud. dd J. dos or-
phos, ilo J. djc. da 1 v. e do J. M. da 5 v.
C Terra. S. Traqnillino. Aud.-do J. do civ.
da I. v. c do J. de Paz do 2. disl. do t.
7 Quarta. S. Pulquera. And. do .'. do civ. 2
t. edo J. de pus do 2 disl. de t.
8 Quinta. S. Procopio. Aud. do J. de orpli.
e do J. municipal da I. vara.
0 ela. S. Cyrillo. And do J- do civ. da I. v.
e do J. de pal do I. dist. de t.
10 Sabbado. S. Januario. Aud, do J. do civ.
da 1. v. e do J de paz do I dist. de t.
11 Domingo. S. Sabino.
CAMBIOS NO DA 9 DE JOl.HO.
Cambio sobre Londres a 211'/, d p. I i n. 6 P-
t Pars 3S5 ri. por franco.
Lisboa 105 de premio.
Oesc. d* leilris de boas firmis de /, a I % i
OuroOncs hespanholis.... 29jonn
a Moedas de *I00 relh IBOOO
, ao MU
Ifij10
lOflOft
9JI0H
litio
iisflo
||M0
Acedes da comp.do lleberibe de 50|000 rs. ao par.
dG#t0t> nov..
> de 41000.....
Prala Pataco..........
lkesos columnares. .
Ditos mexicanos...
Miuda.............
I "fono
0*000 a
I #11! II
1/920 a
i|;so
I|9I0
DIARIO DE PERWAMBUCO.

EXTERIOR.
REVISTA DE JRNAES INGLEZES AT O 1." DE
JUNII0 ULTIMO.
Ai7demao chegou de Portugal ao hotel de M-
vart (em Londres) o duque da Terceira coni a sua co-
mitiva.
Corra ltimamente que o parlamento inglcz'seria
dissolvido a 19 ou 26dejunho, se o permittisse o ser-
viro publico; alias nflo passariaa aisaollUjSo da pri-
meira semana de julho.
A 16 de maio falleceu no castello de Dublin o con-
de do Bcsborotigh, lord lugar-tenentc da Irlanda
A 22 chegou o grflo-duquo Constantino da Russia,
de Rotterdam a Voolwich, a bordo da barca de vapor
Aguia-Negra.
A 20 nomcou S. M. a rainha Victoria cm concelho
| ao conde do Clarendon para vice-rei da Irlanda.
As prximas cleigOes da Inglaterra j davam inte-
[ resseas noticias provinciaes. As suas ndicacOes nao
se limitavam a urna ou outra localidade, mas esten-
diam-scsobre urna superficie muito mais vasta, com
toda a importancia quo cabe a urna contenda cheia
de esperances c do agitaeflo.
A corte tinha-se transferido do palacio de liucking-
liam para o castello de Windsor.
0 governo fraricez recebeu oflicios de aples, com
data de 16 de maio, annuociando que o duque lo
(Montebello havia aceitado apasta da marinha eque
partira para Pars at 20 o mais tardar.
Com pczarannunciamosqfie havia rasio paracrcr-
| se que tjxislia cm Varis urna conspiraeflo poltica, da
qual mu dosfins era o assassinato to rci dos Eran-
I CC7.CS.
ii Os materialistas, que constituiam urna das mil
I sociedades secretas, existentes nesta capital, diz
urna carta de Pars, vilo sor julgados pelo tribunal
I d'assisri& do Sena, na primeira sessflo de junho. Es-
ses impos linhani erigido o roubo em principio;
[propalavam que os ricos e propietarios eram espo-
liadresda sociedade, o que qualqucr roubo, que.se
I lhes fizesso. devia de ser considerado comoumacto
I meritorio, c como mera f^invi'icBC.So de um despo-
I jo illegalmente extorquldo as classes laboriosas.
I Consa nefanda! o scu cliefe era um proprictario.
I Era elle quem recebia todos os furtos, reduzia-os
I moeda, e adminislruva os inlercsses pecuniarios da
I sociedade. Todava, parece que os socios deram em
l roiibar uns aos outros, o chefiaiido a'os ouvidos da
1 polica o rumor do seu desaguisado, foram todos pre-
I sos. A avefiguago do negocio demoustrou que o
I lim da sociedade tambem era poltico, e que um dos
I seua membros tinha correspondencia com outra as-
I sociacilo, at enlSo desconliecida da polica, eque
I,projccta'va o as.snssinato do rei. As r'cvelagOes desse
individuo coinpionielterameoccasionaram a prisSo
de 10 dmeos, e entre elles a de M. Considere, que
j tinha sido julgado duus vezes pelo tribunal dos
pares como regicida. O seu diablico iiilenio devia
ser rcalisado por meio de bombas lanzadas sobre a
[ carruagem do rei, na estrada de Nouilly. Anda nao
se linda obtido prova alguma material do crime de
Considere; mas havia fortes suspeitas do haver elle
fornecido una porglo de oleo betuminoso, que de
um dos ingredientes enipregados na composiQlo
das machinas de d'-strocilo adiadas pela polica.
Cartas de Toulon de 17 de maio diziam que a rai-
nha Matia Cbristina embarcara na vespera para a-
ples no vapor Panam. S. M. eo infante Don Enri-
que tinham jantado na prefcilura martima, c Oze-
ram depois nina longa conferencia. O joven principe
vollra a 17 para Marselha.
Continuava a existir em Paris grande anxiedade
acerca da situarlo de Porlugal ; pos que anda nao
era geralmente sabido quo a Gro-ltrctanha, a l'ian-
r:i f a llc.-| anha cslavaiii accordes sobre os meios
que doviam empregar-se para por termo ao actual
estado dcploravcl dos negocios daquellc pal/.
A Presse observava a osle respeito, que urna inter-
ven;iIo da parte da Inglaterra nflo era cousa Uto na-
fctira'l em si, nem de Ido fcil exccuc3o, como pensa-
va o correspondenle do Timej em Lisboa.
Tudo leein leilo, aciesceutava a Preue, os go-
vemos portuguez e inglez para evita-la.
A junta, cujos recursos militares se tocm loma-
do consideraveis, esta convencida de que a invaso
de um exercilo hostil a seus inlercsses, lomando im-
popular a causa da rumba, excitara um enthusias-
mo em favor dos insurgentes que incluira al os car-
listas, u
O Coruj7 no portuguez tinha convencionade transferir lima
das suas possessoes na Costa d'Aliica Cro-Breta-
nha, em compensarlo de urna cerla somnia de di-
nlieiro. *
A cmara dos paresapprovou, no dia 26 de maio,
por urna maioria de 100 votos con Ira \'i, um projecte
de lei, autorisando o banco de Franca u emillir no-
tas de 200 fr ... ....
Urna caria de Toulon dizia que o duque de Monte-
bello desembarcara em Marselha a 23, e que, exigm-
ilo mliiqueza alguns das de repouso, foru o novo
ministro da marinha fazer os seus cumprimentos
ao principe de Joinviile e visitar a esquadra
M. Duchatel, ministro do nlcrior,assislira ao con-
celho do gabinete que liouve lu^ar no palacio do .iu-
quodeDalmacia, no-dia27.
No mesmodia rejeitou a cmara dos dopulados a
proposta reduc?flo sobre o porte das cartas, por urna
maioria de 187 votos tUmtra tfi2.
O rei, a rainha c a real familia voltaram de Cban-
illy para o palacio de Neuilly naquclle mesmo da.
O Semaphore de Mancilles de 25 de maio aununcia-
ra a ebegada do duque de Montebello o de sua fami-
lia, no vapor Ville~dt-Mar$ellu, a 23. O duquo do-
mourou-se apenas algumas horas em Marselha, _e
parti para Paris a 2* pela mandila cedo. O almi-
rante Baudin tinha ido do Toulon a Marselha visitar
o novo minislro da marinha.
A Gaieta d'ugsbutgo confirmou o boato da media-
Cito d'Austriaentre o governo grego e a porta.
No dia 29 do maio foi Paris innundado do boatos
desfavoraves acerca da llespanha, e especialmente
a respeito da joven soberana d'aquelle paiz. Um
desses boatos ligurava S. M. C. como prestes a abdi-
car ; outro, que ella seria em breve destlironsada,
sob um .pretexto fundado no commettimento d'algu-
ma excentricidade; quo de feito seria encerrada
n'uma casa de loucos, entretanto que o rei subira
ao llirono, e reinara sob o modesto titulo de re-
gente.
O correspondente do Timei em Paris accrescenta :
Asscveram-me pessoas que entretecm intiinas
rela^Oes com a embaixada hespanhola, que o general
Narvaez esl preparado, por communicacoes dos
cllefes dos moderados, a partiraoprimeiro aviso pa-
la Madrid, para tomar o commando do exercto e
prestar o scu vigoroso e firme auxilio ao parliJo que
conta com certo se nflo immedialo apoio. Se a rai-
nha for indiscreta OU mal aconselhada, he incvitavc|
urna crise. As medidas preparatorias teem sido aqui
elaboradas c aperfei^oadas cm Madrid.
O protocolo das 4 potencias para a pacificaeflo de
Portugal fez menos estrondo em Paris do que so te-'
ria podido esperar. Todava, alguns dos jornaes
franeczas alludiam a elle, o em geral com desappro-
vaciio.
Asseveram-nos, diz o Courrier Francais, que
o duque de Broglie recusara a embaixada a Londres,
nflo obstante as instancias do ministerio. Se este
annuncio fr confirmado, augmentara as dilculda-
des da situar;flo do gabinete. >
A esquadra do Mediterrneo, commandada pelo
principe de Joinviile, fez-sc dovela de Toulon a 25
de maio para a costa da I la lia.
Exista anda em Paris a maior anxiedade acerca
do oslado de negocios de Madrid, onde se julgava
imminenle urna crise.
So dia apreseniou-se caiiio dos depUldaOS
um projecto do lei parata negociaco do um empres-
timo.
A cmara dos pares approvou no mesinodia a le
do dinheiro para o servido secreto, por urna maioria
de 112 volos contra 22. *
m despacho telegraphico, da,ado de Argel a 26
de maio, e dirigido pelo fnarecdal duque de Isly ao
ministro da guerra, continda oseguinte:
Todoocenlro da grande llabylia, desde Bugia
ate Setif e llainza, foi organisado, a 21, n'uma so-
lemne assembla dos representantes de cerca de 80
tribus. Nomcamos c investimos os cheles. Os H-
biles lecmlepagar um moderado imposto, econ-
cordaram em provr seguranza las commun qes e eflectuar os transportes. As duas columnas
litio de vollar-por brandas lomadas a Setif e Argel,
o de caminho farflo cumprir as condicocs impostas.
Chcguei boje a Argel.
As ultimas noticias de Madrid eram de 25. A rai-
nha tinha regressado dcAranjuczna nQite anterior.
S. M. oceupava o aposento d'antes habitado pela rai-
nha Maria Cbristina. O re anda permaneca cm
Pardo. Circiilavam outra vez rumores de crise mi-
nisterial, e fallava-se na forinacflo d'um gabinete
sol) os auspicios doSr. Casa Irujo ou do Sr. Miraflo-
res. Deviam fazer parto da nova adnimistnicflo o
general Concha e o Sr. Arraxola ; e o Sr. Pacheco
seguira como einbaixudor para Boma. Dizia-se
que o Sr. lozaga fra framente recebdo pela rai-
nha na sua ultima entrevista com S. M. Parece que
estivera tres horas espera na ante-cantara, antes
que fosse admiltido presenca real. A Gazela pu-
blicou um decreto, reorganisando ti raparticfio dos
negocios cstrangeiros, que devia de ser dabi cm
diante dividida cm quatro secgOes, soba direc^flo
dosSrs. Souza, argulndegui, Pendergast e Riquol-
me Devio-scaddir |uella repartiese- um sub-se-
cretario com o titulo de ministro plenipotenciario
Tinha ebegado de mandila um corrcio extraordina-
rio com despachos do embaixador francez, annun-
ciando a conelusflo da ncgociai;ao entaholada em
Londres para a pacificando de Portugal. O general
Manuel Concha, commaiulante em chefe do exercilo
hespanhol na rronleira de Porlugal, tinha partido
naquclle dia .25; para Zamora ; cria-sc que com
ordem de entrar em Portugal.
O correspondente do Times no Porto escrevia em
data de 20 o seguinte :
Acresceulo um breve postscripto a minha ulti-
ma carta, para Ihe dizer que o boato do desembar-
que de I). Miguel he, segundo creio, destituido de
fundamento. Teem-se recebdo noticias de todas as
partes das provincias vi/.inhas, o se o principe li-
vesso apparecido em algum districto, anda que
dislanler teriamos sabido desse facto antes disto.
Dizenvme igualmente que o capilflo Bennel, dono
do hyate Julia, (em que se suppunda ter elle vindo;
declarara, scbpalavra de honra, cm resposta a ave-
riguacoes d'uma auluridado ingleza, que nflo linda
trazido I). Miguel a estas praias.
> Ouqo quo i junta recebara parlicipacOes oiTi-
ciaes do pronunciamento, nflo soda Iba da Madeira,
senodc todas as dos AQres em seu favor. Fez-so
lioii! na'Regoa um concelho de guerra, para concer-
tar-sc o intentado ataque a Casal.
A nova constituieflo de Genebra [na Sulssa), ten-
do sido submeltida approvaQo do povo, tora adop-
tada a 21, por tima maioria de 5,527 votos, dentre
8,698 votantes.
NTEBIOR.
PARLAMENTO BHASILE1RO.
SESSAO EM 9 DE JUNHO DE 1847.
DISCOSSAO DO PARECER DA COMMISSAO DE COKS-
TITUI9A0 E PODERES SOBRE A EX.EIC/AO DE
DOOS SENADORES POR ESTA PROVINCIA.
(CONTINUADO DO NUMERO ANTCEDENTR.)
O Sr. Alies llranco 'ministro do imperio): Sr.
presidente, esta discussflo j est realmente muito
prolongada ; mas einfim nflo ha remedio senflo qu?
eu explique alguns dos meiis argumentos anteriores,
e veja se posso responder aos que aqui se apresenta-
ram. Heverdadoquo eu desanimo quando ouqo di-
zer ao nobre senador que acaba de fallar, que vota
neste negocio como jurado, isto he, de consciencia,
de COnvicefiO formada, nflo sobre o proeesso da c-
Ienfi0, nflo sohre os documentos que estilo na casa,
nflo sobre as leis, mas por todas as circunstancias,
por todos os clamores, por todas as impressi'ics que
osorgflosdaopiniflo e assuas proprlas alTeitjOea llic
poderem suggerir. L'ma vola?flo de jurado era um
caso em que o nobre senador nflo pode dcixarde
confessar que os partidos se nlcrcssam ; urna vota-
filo de jurado, em caso tal, de uina votaeflo apa i sona-
da, c contra urna votaCjitoapaixonada nflo pode ha-
ver raciocinio nem meio algum de conviceflo. Mas
he do met dever fallar e d.eiender-me.
Eu quizera que o nobre senador separasse inleira-
mcnlc a votaeflo de jurado da votaeflo que he forma-
da sobro os documentos que apparecem, sobre o pro-
eesso da oleic,flo, sobre as leis quo regulam esto mes-
mo proeesso, sobre a maior ou menor importancia
que urna pratica conslanlo tenv dado s suas diver-
sas disposicOes. Hea"sim que eu quizera quo o no-
bre senador votasse, e nio como jurado, que he o
mesmo que di/.er que vota segundo sua paixao, o nao
segundo sua rasflo.
Nffo me lembrarei talvez do todos os argumentos
do nobre senador ; como, porm, quasi todos elles
sflo os mesmos que j se teem apresentado na casa,
servir-me-hei dos discursos que estilo publicados pa-
ra dizer alguma cousa a este respeito.
O nobre senador, que me respondeu na primeir
Sesso, principiOU por notar o que eu aqu disse so
bie a fallando lempo que tive pura examinar perfei
lamente os papis relativos a esta cleicao.
O nobre senador disse que eu tinha cm pregado luc-
idor o ineu lempo oin outros objeetos. Km verdade,
ha objeetos de sorvico hojea mcu cargo, que nieiles-
culpain de nao ler hem examinado esses papis. Stl
he o senado que os tres das que aqu se deram como
(diamento foram cootados como das uteis, e assim
nflo liouve augmento nenhum de prazo) e estea tres
das uteis nao podiam ebegar para todos os Srs. sena-
dores que quizessein examinar tilo grande soniina de
documentos: cu mesmo poucas doras os tive em
meu poder; apenas pude ler incompletamente urna
s vez todos os papis. Como nflo son da provincia
de Per na m buco, como nSo contieco os lugares, nao
conhego as pessoas, nem as opiniOes >|uo all se de-
batem, era dilHcil em poucas horas fazer urna ideia
completa desle negocio. Por outra parle, nao faco
grande ideia de mim, e quiz ao menos descular-
me com anticipac/io das faltas que coinmcttesse em
meu discurso, de nflo moslrar liiialme.nle um com-
pleto e miudo conlieciinento de todos os lacios o
suas circuinstancas; enlrctanlo, elitendo que disse
quanlo era preciso para destruir a frga do parecer
da commisfflio.
Continuou o nobre senador observando quceu di-
zia que a coininissflo pretenda aiinullar as cartas
imponaos que noineiain os novos senadores. Eu creio
que cm verdade- usei dosta espressfio, mas foi por
esla maneira: o parecer da cominssflo annulla a
elei?flo feita_iia provincia de Perninbuco dedous
senadores que devem'prconclicr tal e tal vaga, e por
consequen'cia tambem as cartas imperiaes que 110-
meiam para as substituir, etc. Eu creio que estas
ezpressoes sflo perfeitamente exactas; o muito me
Idmirou qu.i um nobre senador honlem, pessoa alias
a quem muito respeito, pessoa muilo ssuda, eslra-
nhando-as, allinnasse quo eu insista muilo parti-
cularmente sobre as palavras annullai;flo das car-
las imperiaes--, quando, como acabo de observar, eu
usei da expressao annullar a eleicflo, e por con-
secuencia asearlas imperiaes, c creio que tiesta
expressao usei urna sovoz....
USr. Fiscondede Olinda : Nflo
O Sr. Carneiro ledo : Verbalmcntc fallou algu-
mas vezes na annullaQflo das carias imperiaes e nflo
das eleiccs ; mas o discurso impresso....
O Sr. Altes raneo : Declaro quo o que aqu es-
la he exactamente o que so passou ; ah estao os ta-
cbygrapdos lia casa : eu nao revi eslo discurso, dis-
se que escrevessem o que livessom apandado, que eu
nflo reveria o discurso. Poderia acontecer quemis
alguma vezainda eu failasse nesta circunstancia da
aiinullacao das eleices, e por consequencia das car-
las imperiaes, e que para nflo usar de circun.loquios
omillissea premissa ja urna vez declarada, o iosc
r .__ 1. ..,_,;.,...-!,> inm n imnm-latira
nobre senador, que assim fallou, moslrou quo estava
alguma cousa apaixonado, lano assim que vio nes-
te negocio trindades, potencias trinas quo represen-
tan^ urna s potencia. Por minha parte, creio que
o nobre senador se referi a commissflo do constitui-
"o.composta de tres pessoas, (tic talvez sejam tres
potencias representantes do urna s. Eu nflo conlte-
co ueste negocio cousa a que applquo as expresses
do nobre senador, senflo essa coiniiiissao ; se nflo
he ella, rogo ao nobre senador que me revele o quo
san-, que nlsso iho fara um grande obsequio...
O Sr. Carneiro Leilo : Sflo as suas conjunctivas e
disjunctivas.
OSr.Jha llranco: -- Nos fallaremos nisto. As
eunjunclivaa c disjunctivas sflo relativas as listas tr-
plices: dizem alguns senhores que sflo tres, e eu di-
go que nflo ha senflo urna, porque as lisias, que se a-
presentam, devem considerar-se proposicOes disjunc-
tivas, que nflo valem mais do quo umas. Tres, dez,
cem, mil ou mesmo um milhflo de proposleOea ob-
junelivas cnvolvein umas. Isto nos ensina algi-
ca, a graramatica eo senso commuin.
Continuou o nobre sonador, que ao senado per-,
tcnce examinar 80 a eleicfiode un senador he valida
ou aulla, lano pelo seu regiment,como pela nossa
constituieflo, e aeerescenlou que esse poder compe-'
ta ao senado exclusivamente. Me isto o que eu nflo ve-
jo declarad" na nossa constituieflo. e o nobre sena-
dor sabe que algumas vezes tert anullado olocWS
de senadores com inloiro assenso dos poderes pbli-
cos o governo, ou antes 0 poder moderador.
O Sr. Carneiro ledo : O poder moderador nflo
consta.
OSr. .ikes llranco ; --Nflo sei como me exprima,
porque realmente.nflo sei sooexecutivo tem poder
de annullar elelcoes, Annullar eleices, por nossa
COOjlituiKo, he acto que s competo aos diversos ra-
mos d poder legislativo; nflo o fazendo. pois, qual-
quer das cmaras, s o ha de fazer um poder quo par-
ticioe do poder legislativo, que tenha toda a analo-
ga com elle, que nflo he de cerlo.0 execulivo. Os no-
bles senadores mesmo teem sustentado a doutrina
que o poder execulivo nflo pode annullar elcijoc*.
Mas isso nflo osla examinado, nem he occasiao ue
examinar-sc agora. Ao execulivo de certo nflo per-
lence este poder. Se os nobres senadores o admitiera
emrelacflo ao senado, devem-no tambein admitlir
cm relacflo cmara dos dcpulados ; mas no o que
os nobres senadores teom repollido constantemenlc,
o com rasflo.
O Sr. Carneiro Ledo : -- Jiflo repino tal...
O Sr. Alces llranco: Trato da aiinulla?iIo de urna
eleicflo da cmara dos depurados pelo poder execuli-
vo, e declaro que nflo esta isto na coiisliluieflp, nem
BOl lei nenhuma, nem na pratica. lina so voz mo
!" lembra que houvo um governo que amiullou elei-
" cOesdedopuUdos, mas isto foi repcllido geralmen-
te com toda a rasflo....
O Sr. Carneiro Ledo :
peluda ?
O Sr. Alces Bronco : Ue senador, nao ; nflo mo
lembra que o senado li/.esse acto algum a respeilo do
oxercicio deste poder, isto he, lo annullar as elei-
ooes do senador.... ....,-
O Sr. Carneiro .do : A do Sr. Ioijo nflo foi an-
nullada' '
O Sr. Aloes llranco : Trato de outra quesillo, tra-
to da questflo se o poder execulivo pode annullar e-
leicoes.
0 Sr. Carneiro ledo : Nflo pode.
O Sr. Alces llranco : Neste caso o senado, como
tem acontecido algumas vezes ter. governo annul-
lado eleicdes de senadores, o senado nao tem seop-
poslo, nflo tem feilo maiifestac,to alguma contraria
devo crer que isso vem de que o senado ere
De senador nflo)foi re-
a isso, --------.-. ,.
(le oolro poder pode la/.e-lo.
K11 nflo digo nada do positivo sobre esta questflo,
digo simplesmenle que he questflo digna deexame,
porque talvez a ndole dos poderes da nossa consli-
luicflo nflo esteja bem aprofuudada, nao esteja hem
esludada. Os nobres senadores sabem que no auno
de 42 tive aqui una opioillo talvez singular, mas me
parece que lillia da leltra e do espinlo da constitui-
eflo. Racocinou-se; e eu em verdade dou mulla im-
uortanciaaos perigos quo apreseniam os nobres so-
nadores a respeito dosta opimflo ; mas o que digo
he que ella esta na letlra o no espirito da constitiii-
;ao, e se nflo he assim, um dos poderes da eonsli-
tuielo.nfioexiste, he uromeronome.
\ao trato da questflo agora, porque ella mcreco
ser examinada em separado; o como se diz que so
pretende apresentar um projecto para regular a no-
meaeflo dos senadores, quando as eleifOea vcem ao
poder moderador, nessa oeeasiflosera lempo le exa-
minar esta questflo. Eu nao leudo aindi1 opinlo
bem assentada a esle respeto; le.il.o, porem, lluv-
ias sobre a opniflo con ento, declarando que nflo he
gocio bem examinado a,-ida, que ao senado exclu-
sivamente perlence declarar validas ou nullas as e-
U-ic.es. o senadores. Sobre esta conelusflo beque
divido, e por isso desejava que liouvesse um examo
mais profundo, que nflo fpaseo negocio dito assim
de DASsasein, n'uma diacuasflo, ainda que tem muita
el icio com a questflo. Porora nflo so trata da com-
petencia, a quem perlence exclusivamente, ou a
uui'ii) nflo pertenec trata-so simplesmenle de exer-
cecuiq poder que o sonado tem exercido sempre, isto
he, examinar o proeesso da eleic,flo e declarar se ella
de'validauu nflo. lie a isto soque mo limito.
O primeiro facto quo a commissflo de constituicSo
apresenlou por fuudamonto da anuUacSo das elei-
Z^^\^^^>^^ jSmSEpX* ler-seo presidente ingerido
ftlStoSKM^iSl^ porque enlodo nella, mandando que as actas Ido tossm remeltidas
calo o res. lado he o mesmo, isto he, a com.nis- para elle entregar cmara municipal, e para remel-
s/odeeUraauesflo nullas ounflu.podem terelTeito ter mesmo ao governo. A tfbbre co.nm.ssflo declara
m cartas Kriaes. Ku nflo liz insistencia nenhuma que este facto he contrario a le; e como prova ? X*.
aescrLpeTtonemdissotinhap^ 01 trando quo as instrucQOes mandara que as actas se-
'
' I
I MUTILADO
t



.


jam remettidas cmara eao
commiss/lo n.Toso lembrou duque pnra o seu
overno; mas a nobref
ment ser procedente era mis ter que a lei accrescun-1
argu-1
O Sr. Jui* Presidente faz ao reo o seguinte
NTER HOCATOniO.
tasse directamente sem o intermedio do presiden-
te, e he o que os nolircs senadores nilo provaram.
Na eleicflo de Pcrnambuco, as actas foram remetti-
das cmara municipal ila capital) ao presidente c
ao governo geral ncsta parte foi plenamente satisfc-
ta a lei. O intermedio, por que cssas actas foram re-
mullidas hoque la?, o objeclo da duvida ou o objecto
da assercflo da nobre commissflo para concluir pea
annullaQflodasclecOes; masjdisse que a lei nflo
impedo que os presidentes inandem vir as actas para
entrgalas acamara; o caso he queessas actas ste-
jam intactas, estejatn lacradas, cmfim, em estado de
perfeicflo como a lei manda que eslejam.
Daqui euconcluo que' nflo houve irregularidade
uenhuma cm mandar o presidente, por seguranca das
actas, que ellas viessem a elle para scrcm entregues
acamara. Nflo ha lei nonhuma em contrario; os no-
bres sonadores mesmo reconhecem isto, quando di-
zem que nflo dariam importancia a semelhante cir-
cumstancia cm outra quelqueroccasiflo, isto he, se
nflo liouvesso outra rasflode suspeitar do presidente.
Oual he esta rasflo? He ser o presidente candidato.
iSflo sei se o presidente era candidato: o que soi he
que elle appareceu eleito; mas ha alguma lei que
prohiba que um presidente de provincia, ou urna ou-
tra qualquer autoridado se proponha candidato a
una eleicflo? Creio quo nilo. Esta quostSo de ser
candidato nflo tem importancia nenhuma; oque Um
importancia ueste negocio he csaminarso q presi-
dente fraudou a lei, violentou os votos, etc. .\3o nos
importemos com o presidente sor candidato, he cou-
sa que tem acontecido desde.que principiamos ncsta
vida dosysteina representativo.
Ora, fraudes nflo houvo; a cmara municipal o
confessa; nflo obstante sor contraria presidente,
decl.iraquo as actas foram entregues intactas, sum
vicio, sem motivo de siispeita alguma; que as ac-
tas foram bertas em presenca da gente da governan-
ca dos proprioseleitoros, do povo; como mandam as
instruccOes. Ora, so assim he, como he que nos po-
demos conjeclurar que houve vicio?
Os nobres senadores dizem que havia possibilida-
de. de vicio; mas tifio lio a possibilidade de vicio que
; pode servir e fundamento para annullar eleicOes,
porque entilo* todas ellas seriam nullas; m todas ha
possibilidade de vicio, de fraude, do frca. Mas nflo
lio por esta possibili.lado, repito, que devenios diri-
gir o nosso voto, mas pulo faci; e por esto modo
vemos qUoa cmara municipal abri as actas peran-
te o povo, perante as pessoas da governanca, perante
os eleitores, como mandam as instruc;oes. A este
respailo nflo ha contestado alguma, nflo ha cartas,
nfloharepres'cntacOosquedigamquo as actas esta-
vam com vicio, com suspeita de fraude. Por conse-
quencia lica perfoitamenle annullada toda esta ar-
gumentacSo, de quo i> presidente usou ou poda usar
de fraude. Note-so bem que nflo ma record de ter-
so acensado algum presidente ou commandante das
armas de falsificar elci?es, de viciar as actas, as au-
thenlicas; mas esta aecusaeflo tem sido fuita a parti-
culares que as ronduzem a collegios que as mandam
conduzir. Nflo ha, pois, rasflo uenhuma para acensar
o presidente de fraude: o presidente nflo fez sent
adintelar a perda das actas, ou mesmo o vicio dellas,
o que se te dado em muitas occasies quando re-
mullidas por conductores particulares;.nao teveou-
tro (lm com a sua ordem senflo acautelar os vicios
que pndim ter lugar, fazer com que as actas viessem
com seguranca e lempo estaeflo competente, para
onde a le manda que ellas vcuham.
Eu, Sr. presidente, ja li aqui o artigo das instruc-
V'us em que se poda fundar o presidente para man-
dar que as actas Ihe fossem rumellidas directamente
para-elle entrega-las a estaeflo com plenle. Mostrei
que o meioda remessa nflo esta delinido, que o arti-
go, creio que 10 do capitulo 9. das inslruccesde, 24
de marco, nflo impede que isto faciin os presidentes,
ao contrario, ordena que sejam ellos os proprios quo
auxilien) a remessa das actas. Porconscquencia nflo
vejo que esta argumenlacflo lonha peso algum, an-
da mcsiffo sendo o presidente candidato. JNo he
oonsequcneia necessaria, que, sendo o presidente
candidato, iiifalliveluicnU- vicie as actas, pulo con-
trario, iluve desojar que as actas venhain a lempo
com seguranca perfeita.
A segunda allegaeflo he a interveneflo do elcitores
Ilegtimos que perturbaran) a eleicflo. Ku passarei
a ver o que o nobre senador disse a este respeito.
O nobre senador disse que elcitores Ilegtimos
concorreram a esta eleicflo, que foram eleitores de
4t celeitores do 45. Eu j del aqui explicarlo deste
laclo, mas tornaroi a repet-la, porque me parece
que nflo fui bem comprehendido. Ku disse que, logo
que a cmara dosSrg. duputados decidi que as e-
leicoes de 4 collegios de Pcrnambuco cram nullas,
''ipedio-sc ordena para Pcrnambuco para so proce-
uei a nova eleicflo; mas esta ordem foi em lempo
em queja eslava eleito o Sr. Antonio Carlos. Fin
ordem para que se procedesse cleiQflo de ilous se-
nadores que linliam vagado; e quando chegou a
l ornambuco, ja as freguezias onde so tinha annul-
ladoos eleitores, esUvam os collegios dissolvidos
completamente, jexistiam os novos collegios elei-
losem virludedas ordens que foram do governo.
He necessario advertir que, quando houve aqui a re-
inlcgrac.to dos collegios anteriores, nflo houve par-
ticipadlo nenhuma do senado ao governo, ao monos
nflo me consta...
Sr. presidente, a hora est dada, e eu julgo que
seriaimelhor continuar o meu discurso em outra oc-
casiuo. Nflo quero continuar a importunar ao sena-
do depois da hora, porque nflo ha altencflo nenhu-
ma. Se V. K\c. permitte, eu continuarei amaphfla,
ese nflo, fallarei sobre a materia depois que acuris
suuliorcs fallaren!.
O Sr. Presidente: Se o senado convom, he me-
inorquu o nobre senador continu....
O r. Cameiro Ledo: Elle osla cansado.
Juis: Como se chama ?
Rio : Justino Jos Antunes.
Juiz: Ondo'eslava quando foi preso?
Rio : Na casa do Sr. Catflo.
Juiz: Oual foi o motivo da sua prisflo .'
lio : Estando na minhacasa em um domingo,
s 1-1 horas....... Junto da minhacasa moram duas
mulheros, urna das quacs tem dous lilhos : estas al-
mas dainadas (que nflo podem teroutro nomo leem
procurado deshonestar minha familia ; isto porque
eu ii'iiho urna flha solteira. Estando sempre estas
mulheros com dicterios, fui maisde 16 vezes om ca-
sa do Sr. Catflo, emfoi, vezes que nflo teem conta, e
nunca o Sr. Catflo' deu providencias. Aquellas almas
j nflo podem tersalvacflo; teem um filho preso, pre-
so pela nalureza, porgue tem una chaga em um p,
3ue nflo pode andar; ja o marido lvou duas faca-
as. Todos os animaes queapparecem morios pelas
ras, como sejam gatos, &c, botam para o meu quin-
tal, dizendo: La vai cssa carne para os bifes;
isto por nmilas vezes. Em urna occasiflo. me disse
minha mulhcr Accuda a seu (illio : cu vou para
o quintal, e acho urnas inulhcres dando cm meu fi-
lho; poguei-lhes pelo Ifraco assim : (o reo figura a
maneira por que praticra a acedo a que se refere) en-
tilo voio una pedrada, o baleu-me aqu : (pe a mdo
sobre a fonlc entilo veio o tal sujeito, e cu ajuntei
com elle.e botei-o cm cima de uns fundos de garrafa
que estavam no quintal. Fui logo em casa do Sr. Ca-
tflo, tal como eslava, todo sujo de sangue, edisse-
llie : 11 Entilo, aclia isto bom ; est satisfeito 1 Ao
que elle respondeu : Isso ja eu esperava .......J
esperava, heim! Entilo, que foi isso? perguntou
oSr. Catflo. Preudcram-me logo; o cu disse quando
saina : o Vou preso, mas lenho a consolagflo de que
0 Sr. he pai de familia.
(negado a este ponto, o interrogatorio he dado por
lindo, c passa-sc leitura das pecas do processo.
O Sr. Dr. Promotor, vista das provas exaradas
no processo, e cm presenta da conlissflo do reo, es-
pera que, em desaggrayo da justicji, seja o mesmo
reo condemnado no grao medio do artigo 201 do c-
digo criminal. ,
OAdvogudo da defesa faSr. Dr. Baptista) declara
que nflo merecom f as teslemunhas que depozeram
contra o aecusado ; porque sflo da intimidado das
pessoas, que, segundo elle acaba de declarar, tanto
se obstinavam em ultraja-ln, e por isso suspeitasde
entraren) no plano desse ultrage: faz ver que, an-
da mesmo abstiahindo-se dessa circumstancia, se
nflo podo deixar de reconhecer quo he juslilicavel o
ciime polo qual o seu Cliente fora trazulo ao tribu-
nal, por isso que elle o coninioltra em dehesa de
sua familia: econcilio pedindo aabsolvicflo para o
seu coiistiluiite.
Encerrados os dbales,
O Sr. Jui: Presidente faz o relatorio da causa, e en-
trega ao presidente do concclho os seguintes
QUESITOS.
I. O reo JustiiurJos Antunes, praticou o facto de
fui ir a Joaqun) Correa de Sa ?
2. Oreo praticou o mencionado faci em defesa
de sua familia ?
3. O reo tinha certeza do mal que se propoz
evitar?
4." O reo linha falla absoluta xle outro meio menos
prejudicial?
b.<> Houve da parte do reo, ou de sua familia,
provocado, ou delicio, que occasionasse o cou-
llicto ?
6." Existen) circumstoncias allenuanles. a favor
do reo ?
Itecolhe-se o concelho a sala das conferencias,
e poucodepois reapparece na dos debates, respon-
dendo :
Pataclio Johanna vinho.
Patacho Rapii-- mercadorias.
Brigue Sagitario idem:
Galera ~ Swor'd-Fh idem.
IMI-OKTACAO'
Cesar, brigue francez, vindo do Havre, entrado no
crreme mez, consignadas Avrial Frres, man i fes-
tn o seguinte ;
2 caixas tecidos de seda, 100 barris a 40 meios
ditos manteiga, 6 caixas tecidos de algodo, 3 ditas
lencos do dito, 5ditas qneijos, 1 dita tecidos; a S. &
Tobler.
1 caixa tecidos de seda, 1 dita ditos de Ifla e algo-
dflo, 6 ditas ditos de algodSo; a Kalkroann & Ro-
senmund.
13 caixas e 2 fardos tecidos de algod.To, 1 caixa
lencos e mantas de seda, 2 ditas pelles de bezerro de
lustro, 1 dita tecidos; a J. Keller & Companhia.
1 caixa I uva-, 100 barris e40 meios ditos mantei-
ga, 5 caixas chapeos de seda, 40 ditas queijos; a
ordem.
1 caixa pelles de marroquim, 120 barris e20 meios
ditos manteiga; aN. O. Bieber & Companhia.
245 barris e 110 meios ditos manteiga, 7 caixas
chapeos, 2 ditas calcado, 7 ditas papel, 3 ditas vidros,
1 dita perfumaras, 3-ditas pelles, 3 ditas mercearias,
3 ditas bezerros, 1 dita couros, 1 dita escovas, 1 dita
bandejas de follia, 2 ditas el barril quincalleras,
1 caixa tecidos de algndito, 3 ditas estofos de lila, 1
lita tecidos de fo, 1 dita lvas de*pellica e pentes de
chifre, 1 dita bejuterias ; a Avrial Frres.
9 caixasquincalharias; a F. Dubarry.
70 barris e 20 meios ditos manteiga; a .1. J. Mon-
te no.
50'cestos vinho cliampanhajla Me. Cal moni & Com-
panhia.
1 caixa botfles, 1 dita gaz hydrogeneo, 1 dita cafe-
teiras de folha, 1 dita sueco de grozelhas c candiei-
rosdegaz, 3 ditas com urna balanza, i-dita tintas,
1 dita escovas, 2 ditas pregos; a C. Kruger.
1 caixa comeslives, 3 cestos azeite ; a F. Bieber.
1 caixa jogos de loto, chapeos de senhora e flores:
a II. Saint-Marljn.
Avisos martimos.
Segu para o Rio-de-Janiro com
vidade o brigue-escuna Phara, recebe 1
cravos a frete; tem bons commodos para r
Francisco da Cr ^f
f C1"-ga e es
ros: dirijam-se a Joo Francisco"?' Cni7Pa!f.i-.-
Cruz, h. 46. rua da
Para o Rio-de-Janeiro o hiale Nereida ,|n
meira marcha, seguo viagem em broves dias' nftP 1
parte do seu carregamento prompta para' cirir.r
passageiros, trata-se na rua da Cadeia do iLif
botica n. 61, do Sr. Vicento Jos do Brito '
Para o Rio-C,rande-do-Sul sahir e'rn nnm.
dias o brigue Santa-Maria-Roa-Sorte, por ter seu i-
romento prompto : pode receher escravos e n
sagoiros, para o que entendam-so com o capitn j "
s Joaquim Dias dos Prazeres, ou com A mor mi,"
mflos, rua da Cadeia, n. 45. "'
Para o Rio-de-Janciro pretendo seguir mni.
breve, o brigue Feliz-Deslino, por ter o seu carrn,
ment quasi prompto : anda r. cebe alguma car/"
escravos a frete, ou passageiros: para oque cnV
dam-se com Manoel Goncalves da Silva, ruada r
dea, ou com o capitflo, Manoel Pereira de S Dra'rV
do Commercio.
Para
rivelmcn
Peli-Ventura : quem quizer embarcar algum escrT
vo entenda-se com Manoel Ignacio de Oliveira I
da Cadeia, n. 40. *
ra o Rio-de-Janeiro segu viagem, impreie-
ito no da 11 do correnle, o briguo-escuna
Leiies,
HB!
Ao 1.* quesilo.
Ao 0
Ao 3.*
Ao 4. i.
Ao 5.*
Ao 6."
por unanimidae
0
n


-Sim-
-Sim-
Sim
Sim~
-Ndo-
Sim n, isto he,
tiste a circumstancia attonuante do ter o reo prati-
cado delicio em defesa de sua pessoa, ou de sua fa-
milia.
O Sr. Juizl'reiidcnte lavra e profere a seguinte
SaSTEJiQA.
A vista da decisflo do jury, absnlvo oreo Justino
Jos Antunes das penas do artigo 201 do cdigo pe-
nal ; o por isso mando que a seu favor se passo alva-
ra de soltura : e pague a municipalidade as cusas
em que a condemno.
Sondo 3 horas da tarde, levanta-se a sessflo.
1 barril com 4,489 pesos hespanhes; a J. E
Alves.
4 caixas castices e copos de cryslal, 1 caixinh
corrias ; a Bolli.
2 caixas tecidos de algodio; a E. Bolli.
60 caixas queijos, 170 barris e 60 meios ditos man-
teiga ; a B. I.asserre& Companhia.
3 barris oleo, 1 caixa vidros e lou?a, 1 barril raiz
deguimauve, 1 caixa escovas, drogas e.calcado; a
J. Soum. '
' 2 caixas pelles ecalgado, 2 ditas tecidos dealgo-
dilo, 5 ditas ditos, 3 ditas chapos, Mita suspenso-
rios, 1 dita fitas.l dita perfumaras, 2 ditas porcella-
na, 1 dita modas, 2 ditas calcado, 30 cestos vinho 1
caixa bijuterias, 1 dita llorese bonetes: a J. P. Adur
& Companhia.
3 caixas calcado, 2 ditas pelles, 1 dita gales 3
ditas agoa de Colonia, 2 ditas tecidos de algodfl 4
ditas chapeos, 1 dita chapeos de sol de algodflo.l dita
merino, 1 dita bonetes, grvalas e escovas, 1 dita pan-
nos, 2ditas perfumaras, 1 dita candeiros e casti-
ces, 1 dita rousuerie, 1 dita tecido de seda e algo-
dflo.l caixa luvas.oscovas, bengalas, &c, 1 dita por-
cellanas, 2 ditas vidros, i dita candiaros ; a Didier
Colonibiez & Companhia.
1 caixa agoa mineral, 4 ditas drogas, rolhas &c: a
B. F.de Souza. '
3 caixas oleo de recio, 12 ditas absyntho: a Re-
gord & Cocannas. .
1 caixa carteiras e chapeos; a T. A. Fonseca
1 caixa chapeos, bonetes, &c.; a Buessard.
1 caixa com caixinhas.de reactivos; ao concelho
desalubridadc.
Ocorrelor Oliveira transforioo seu leilfloda
fazendas, annunciadn para o dia 6, para terca-reir
13 do corrente, s 10 horas dajnanhAa.noseimerin'
torio, rua da Cadeia. r
Georgo Burnell, capitflo da barca ingleza a
chilles, fara leilflo, por conta e risco de quem perien'
cer, em presenca do Illm. Sr. cnsul de S M Br
tanoica, e por inlerveBcflo do corretor Oliveira d.
urna porcSo de saccasde Ifla averiadas d'agoa sale
da : hojo 10 do corrente sll horas da majihaV
no armazem do Sr. Araujo, becco de Manoel l uli
Goncalves. *
Avisos diversos.
A- CARRANCA N. 18
sanio boje, e acha-se a venda nos lugares do eos-
turne.
Caluda! Caluda .'
Olhos contemplai.'
A vera efligie:
O enxola ces.
Os Tactos e boatos,
E o doce o doce violilo.'
Consulado.
RENDIMENTO DO DIA 9.
Diversas provincias............'.'.'. '27801
1:434,702
Cera I.
1:406,901
llovituciilo do Porto
Navio sahido no dia 9.
Baha, com escala para qualquer porto do imperio,
barcar ingleza lsabella, capitSo John Robbs, carga
a mesla.
i'ohlicaQo a pedido.
(Continuar-se-ha.)
i~nw miniimi i
PERNAMBUCO.
THiBLNAL 1)0 JURY.
SEXTA SESSO EM 8 DE JULHO DE 1847.
Presidencia do Sr. Dr. Gervasio Goncalves da Silva.
Srr.ejuiraadoSama(l8' verifica-se estarem Prsenles 36
Sao apregoados os reos e tcstemunhas.
o r Jui. Presidente declara que vai
ao sorteio do concelho
Para que se nflo ponha em duvida a decisfla dada
peloExm. presidente da provincia, sobre a quYstflo
proppsta pelo promotor de Santo-Antflo; pede-su a
publicacSo do parecer mira escripto, que foi appro-
vadopelo Exin. presidente, como consta do expedi-
ente do da 9 de novembro de 1846, publicado no
Diarto-Novo n. 251, de 19 de novembro do mesmo
anno.
lllm. e Exm. Sr. iNflo ha duvida que pelo
art. 8. da lei provincial de 14 de abrilde 1836 foi
dada aos promotores pblicos a incumbencia de e-
xerceremns attribuicOes do curadores geraes dos
orphaos, e maispessoas que nflo teem a lvie ad-
mfllistracSo do suas pessoas e bens; assim comoj
tamboma nflo ha de que, nflo obstante ser declara-
dona lei da interpretaeflo da reforma, de 12 de maio
de 1840, que a faculdade de crear e SMpprimir os
empregosprovinciaese municipaess dizia respei-
to ao numero dos meamos, todava no art. 8. decla-
.-ou igualmente, que as leis provinciaes oppostas a
niesma interpretaeflo se nflo deviain entender revo-
gadas pela promulgacfloda mesma, sem que expres-
samenle o fossem por um acto do poder legislativo
geral. Nilo me consta, porcm, que o sobredito artigo
da referida lei a respeito Icnha sido ruvogado por
acto algum do legislativo geral, por oujo motivo o
supponhoem vigor. Dos guardo a V. Exc. Ilecife,
7 de novembro de 1846. lllm. e Exm. Sr. conce-
Iheiro Antonio Pinto Chchorro da Gama, presidente
da provincia. O desembargador, Domingos Nunes
liamos Ferretra, presidente interino da relaeflo.
Declaracoes.
que
proceder-se"
tem do julgar o reo
^tino Josu Ant.; aerado de c^fdefc^
mentos.
Sorteado o concelho cm as formalidades da le
presta o juramento do estylo. '
COMMEKCIO.
Aiandega.
RENDIMENTO DO DIA 9. .......
Descarregam hoje, 10.
Brigue Polidora botijas vasias.
1:718,868
--- O arsenal de guerra compra seis toneladas de
carvflo de pedia : quem dito genero quizer fornecer
mandara sua proposta em carta fechada directora
do mesmo arsenal, at o dalo (hojeado corrente
Arsenal de guerra, 7 dejulho de 1847.
. Jodo Ricardo da Si Iva.
O lllm. Sr. inspector manda fazer publico, oue
pela thesourana da fazenda desta provincia se ha de
arrematar por u 111 trien ni o, por quem maior preco
oiierecer, a casa e lelheuo contiguo, sitos na cida-
iede Olinda, que servirn) de cavallarite doex-
tinclo regiment de artllharia.
As pessoas que se propozerem mesma arrema-
tado comparecam a sala das sesses da mesma the-
sourana nos dias 12. 14 o 16. E para quo consto a
quem convier se mandou publicar esta pela im-
prciiSH,
Secretara da thesourara da fazenda do Pcrnam-
buco, 9 de julio de \W.-Antonio Luiz do Amaral
t tita, olhcial da secretaria.
--Olabelliflo do registro geral das hypolhecas
desta comarca do Rccife, abaixo assignado, Taz
scienle a quem convier, que as escripturas.de bv-
potheca anteriormente fcitas croaeflo da lei do res-
pectivo registro s comecarfloa contar os seusef-
eitos legaes, e consorvarfloos dircitos que a esse
lempo houverem adquirido, depois de competente-
mente registradas, em face do que mui terminan-
teniente dispOem os artigos 14 e 17 do reglamen-
to de 14 de novembro de 1847.
Fulgencio Infante de Albuquerque e titilo.
THEATHPUBLICO.
DOMIISGO, 11 DEJULHO DE 1846.
Beneficio dos, Senhores Vieira eCandoso.
Grande peca
A TORRE DE NESLE
com a mesma deconcia e modificaeflo com qu j Dor
duas vezes tnm subido scena.
Linda farga
O APRENDIZ DE LADRAO.
Em um dos bancos do
Passeio-Publico, na noite de quarta para quintS-feir
deixou-scjior esquecirrento um livro grande, masde
poucas fomas, cscripto em francez, dentro do quitl
exista urna lista escripia na mesma lingoa em papel
forte de grande formato: a pessoa que achou taca
objeclos, visto nflo ihe servirem de nada, tanlia a
bondade de annunciar ou dirgr-se a praca da Inde-
pendencia, ns. 6 e 8, que ser generosamente grali-
licada c se Ihe Picar agradecido.
,-r- Fica sem vigor urna procuraeflo bastantn que
passe para encaminliar una aceflo de juramento
d'alma contra Paulo Caetanode Albuquerque, e que
existe appensa aos autos no cartorio do escriviio
Molla. Sebastido Mauricio Panderleg.
-i- Pedro Jos Ribeiro Alvares relira-se para fra
da provincia: quem do mesmo so julgar credor, nuci-
r apresentar suas cuntas, para sorem pagas, na rua
do Rangel, casa 11. 15.
Os abaixo assignados accionistas da compa-
nhia do thealro, reunidos cm assembla geral no
dia iodo abril do 1847.. .deliberaran! conferir ple-
nos poderes ao Sr. Jos Pires Ferreira, para pagar as
dividas existentes do thealro da maneira que en-
tender ser mais appropriada, e fazer o rateio das
apolices da companhia o das deliras do governo,
ogo que liver conseguido pagar as ditas dividas.
Recife, 10 do abril de 1817.
(Seguein as assgnaturas dos accionistas.)
Os Srs. accionistas daexlincta companhia do Ihei
tro podem mandar rcccbcr om casa de Jos Pires
Ferreira.liquidatario da mesma, o dividendo das lot-
tras o das apolices recebidas da thesourara pro-
vincial, excepto o Sr. accionista Nuno Maria de Sei-
xas, visto estar embargada 119 mflo delle liquidar
lario, a requerimeniode um do seus credores, a par-
le que Ihe perlencede ris 264,473, salvo erro 0
mesmo liqpidatario declara que s tem vendido al
hoje 42 apolices, e que anda se devem vender mais
72 para elle se embolcar de ris 2:878,020 de que he
credor.
Recife, 10 dejulho de 1847.
Jos Pires Ferrtira.
Precisa-so de dous a tres Irabalhadores quo
entendam de olaria, para fazer tenas e lijlos: ni
Rua-.\ova, 11. 18.
Precisa-sede una preta do meia idade, para
casa de pouca familia: na rua doVigario, venda
n. 14.
O abaixo assignado, residente na villa doRioi
Formoso, tendo vendido a Manoel Sebastiflo da Cos*
ta, do eiigcnho Canna-Rachada, uni escravo(le-
me Joaquim, Angola e padeiro; este Ihe fugio, ha um
anno pouco maisou menos, dizendo a alguemque
o fazia por nflo querer servir a seu segundo senhor;
e consta que dito escravo se acha esta cidade, 0
mesmo-abaixo assignado o tem novamente compra-
do. Portanlo, roga s autoridades policacs o capi-
tfles de campo, &c.,que do mesmo escravo souberem,
o apprehondam, o levem 11 casa do Sr. Manoel Gon-
calves da Silva, a entregar aoSr. Jos Joaquim, de
quo serflo devidamente recompensados.
Lu* Jos de Castro Araujo.
D. Jacinlha Maria de Abaeu, mulher de Jos
Comes Villar, pelo presento faz publico, que seu ma-
ndo se acha ej-i estado de allieiiacflo mental, asig-
nando Ictlras, e sacando ordens contra sua casa
sem rasflo alguma sulliciente para o fazer, compro-
metiendo assim a sorte futura de seus lilhos; e
protesta nflo pagar leltra ou ordem alguma sacada
pelo referido seu marido na prisflo, emboca ante-
datada, comolodas o teem sido, em proveito de es-
peculacfles criminosas de individuos, quo, aprovei-
tando-se da debilidade do espirito de seu marido,
por ameacas e terrores teem obtido doli varios
saques e quantias.
Ossennoies propietarios da rua do Cotovello
e San-Goncalo, que quizerem augmentar seus quin-
taes, entrando pe!o sitio que-fla nos fundos de suas
casas, mediante urna pequea quantia, dirijam-se
no Aterro-da-Boa-Vista, primeiro andar da casa em
que mora a Sra. I). Lauriana.
-*.


__
- ,m
llOTERlX DO THEATRO.
n thesoureiro desta lotoria paga no dia 12 do cor-
mez das 9 horas da manliaa as duas da tarde, os
r(,mo's saludos na extraerlo da primeira parte da
!- lotera, continuando no mesmo pagamento'em
indos os dias uteis s mesmas horas.
\oi referido dia 12 tambeme acharao venda os
, jliotes da segunda parte da 17.' lotera, cujas ro-
llas devam lerandamento no dia 30destemez im-
Lrelerivclmento. Para estefim acha-se ludo quanto
[LnecessariopromptO; e smente da rpida \enda
dos bilhetes depender a celebracao do dito anda-
mento, ainda mesmo para antes do din marcado. O
Inovo plano que abaixo vai transcripto deve excitar
I desta vez aos freguezes queacharam mo o que aca-
lioii. Concorram, pois, nos lugares do costumc.
|pi.\NO para cada urna dat meias loteras concedidas a
favor das obras do thealro publico da cidade do
Recife.
U-iO Bilhetes a 8,000 ris............30:000,000
Beneficio eimp. 20 p. c. .
Sello de 3750 B. a 150 rs.
562,500
Liquido.
6:000,000
)0
6:562,500
. 23:437,500
1 Premio de.................. 6:000,000
1 Dito...................... 3:000,000
2 Ditos...............1:000,000 2:000,000
2 Ditos............... 500,000 1:000,000
3 Ditos................ 400,000 1:200,000
4 Ditos............... 200,000 800,000
(i Ditos .. .............. 100,000
10 Ditos .-........... 50,000
16 Ditos .
20 Ditos..............
900 Ditos..............
2 Ditos, l.o2. brancos a.
30,000
20,000
600,000
500,000
480,^00
100,000
967 .Premios........
|783 Bilhetes brancos.
8,000 7:200,000
128,750 257,500
Rs. 23:437,500
|3750 Total.
N. B. No acto do pagamento dos premios des-
jcontar-se-haaos de um cont de ris para cima o se-
Igundo imposto de 8 por cento para o thesouro, na
[Turma da lei, caosdous primeiros nmeros publica-
Idos depois de esgotada a urna dos premios caberlo
los dous designados ueste plano por' primeiro e se-
cundo br'anros. Recito, 15 de junho de 1847. Anto-
Ino da Silva Gusmdo, thesoureiro. Approvo. Pa-
llado de Pernambuco, 25 de junho de 1847. Pinto
I Chicharro. Conforme. Francisco Xavier e Silva,
|ollicial-maior interino.
Perdeu-se, no dia 7 do corrente, urna carteira
[oom diversos papis, e dentro da mesma urna ordem
Ida qiianlia decein mil ris, contra Loiircnco J,s
IdasNeves, a favor de Jos Francisco Ferreira, ecom
lo pngue-se a Manoel Gomes Moreira quem a achou,
|qucrendo-a restituir, dirija-sc a ra da Cadeia-Ve-
lllia, n. 63, loja de ferragons, que se Ihe licar obri-
Igado, pois o mesmo Sr. Lourengo j se aclia preve-
Inido. para nao pagar se nSo ao dito Moreira, ou sua
jordein
- No dia 12 do corrente, em praca publica do Sr.
Dr. Juiz d'orphos, pelas 4 1/2 horas da tardo, se ha
lile arrematar, de renda annual, o sitio da estrada dos
[Afflirtos, pertencente aos orphSos, filhos do finado
Victorino Ferreira de Carvalho, avahado cni 300 mil
Irs. annuaes; cujas rendas vSo praca a requerimento
|ila viuva do dito finado, mfii dos mesmos orphos.
-- Pclojuizo da segunda vara do civel dosta cida-
Idevflopela ultima vez praca duas casas terreas,
Ipcnlioradas por exccucilo de Manoe! Pe re ira Maga-
Llhfle contra Manuel de Almcida Lima.
fTcrece-se, para caixeiro de loja ou armazem,^
um rapaz brasileiro, de 18 anuos do idado, o qual d
conhecimenlo de sua conducta : no pateo do Terco,
vendo, n. 4.
-Jos Xavier Carnciro Rodrigues Campollo faz
publico, para que algucm se mo ache envolvido em
algunia demaniia, quaudo menos queira, que tom de
ira praca, para seren arrematados por venda, tres
eseravos seus de noine Jos, Quicam; Manoel, Baca;
Antonio, lenguella, e as bemfeitorias do engenho
Mocambique, ludo peuhorado a requerimento del).
Anua Joaquina Lilis Wandorley, na supposic3o de
portcnecrem csses bens a scu devedor Joo Carnei-
r" da Cunlia Albuqucrquo. Noto-seque o annun-
ciante ja apresentou embargos de tercoiro senlior
possuidor e prejudicado, o foram recebidos; mas, co-
lmo correin em auto apartado, a exccucilo progrido,
Itera o annuncianle afinal de haver-se com o arrema-
llante. Ainda nula mais o annuncianle, que elle he
leonsenhor as trras do engenho Mocambiquo, par-
lie das quaes pertencem a mis orphos. O annunci-
liinte j protcslou judicialmente contra a penhora e
agora o faz contra a arrematando.
Alugam-se as seguintcs casas : urna casa ter-
Irea com commodos para grande familia, na ra da
[Solidade, n. 29, por 12 000 rs. mensaes ; duas ditas,
I mais pequeas, na rua-doScbo, ns. 52e54, por 8,000
lis. mensaes: OS pretendentes dirijam-se aoescrip-
[tori de F. A. dcOliveira & Filho, na ra da Aurora,
a 26
O secretario da irmandade de S
Jos da Agona, erecta no hospicio da
Penha, autorisado pela mesa regedora ,
convida aos irnatos-da mesma para que
amanha irfjjV eorreute pelas 8 ho-
ras da inanhta comparecam afim de que
em mesa geral deem os seus votos acer-
es da transferencia da mestna irman-
dade. ?
Aluga-se una asa terrea na roa do Mondego ,
defronlo do becco das Barreiras por commodo pre-
co : a tratar na ra do Livramento n. 8, ou na ra
das Floros, n. 14.
Quem annnciou querer comprar urna preta
doceira sendo que queira urna de tiac&o que sabe
fazer peritamente todas as qualidades de doces ,
e he muito boa cozinheira e tem outras habilidades,
dirija-so ao pateo da.S.-Cruz n. .
Precisa-se fallar ao Sr. Josjo Souza Pinto
seuinteresse: na ra da Cadei*; n. 40, casa de Ma-
noel Ignacio'de Oliveira.
Roga-se ao Sr. A. I. F. S. o favor de mandar, ou
trazer o quo licou do dar no dia 22 do prximo pas-
sado : e como nflo se sabe aonde mora por isso se
faz o presente annuncio.
O arrematante do imposto de 20 por cento so-
hro consumo das ago'ardcntej de producclo bra-
sileira avisa aos Srs. que jinda nao pagaram dita
consumo, venham fazo-lo QOsdiasO, 10 elido cor-
rente, na na Dircila, n. 80, lindos os quaesse proce-
der na forma da lei contra os que dcixarcm de
pagar.
Aluga-se o segundo andar do sobrado da ra
imperial n. 67, com muito bous commodos, pintado
do novo : na ra Nova, n. 42, a fallar com Delfiuo
(Roncal vea J'ereira Lima.
Pretfisa-so de alugar'uma escrava para o pe-
queo servico interno e externo do urna casa : na
ra de llortas, n. 16, primeiro andar.
Aluga-se urna casa grande, na Passagem-da-
Magdalcna junto a ponto grande toda envidraea-
da com 8quartos um sotilocom boa vista para o
ria quintal e banhoho fundo, c bastante fresca :
a tratar na ra Direita n. 3. .,
Ordem terceira do
Carino.
No obstante os convites pessoaes que se est
procedendo a todos os irmflos ex-mesarios para
comparecerem no dia II do corrente, as 9 horas da
manhila no consistorio Ja mesma ordem para em
mesa conjuncta delilierarem sobro negocios de In-
teresas entro a referida ordem o o convenio; a me-
sa regedora deliberou.que pelo prsenle fossem rec-
tificados ditos conviles o roga aos mesmos Srs. o
comparecimento as horas indicadas.
Antonio Leandro da Silva, secretario.
D-sc dinheiro a premio com penhores mes-
mo em pequeas quantias : na ra do Rangel, n. 11.
Recebo-se roupa para lavar e engommar com
pcrfcicSo : no sobrado de dous andares por cima
de urna venda defronte da cacimba, ou no arma-
om do molhados, por baixo do sobrado doreveron-
do-vigario do Recife.
O Sr. que annnciou, no Diario de 8 do corren-
to querer ser caixeiro do venda e toma-la" por ba-
lanco, querondo tomar conta do urna dando fiador
a sua conduela, dirija-so a ra nova do S.-Amaro ,
casa terrea n. 20. .
Ainda se precisa de um rapaz brasileiro
nato, ou adoptivo, que se proponha a entregar
pilo na ra : quem estiver nestas circunstancias j
dirija-se a ra larga do Rozario, padaria n. 18.
Precisa-se de urna ama de leite : no becco da
Carvalha 11. 3.
Precisa-so alugar duas pretas ou mesmo mo-
Icques para vonderein azeitee velas do carnauba ,
queSejam fiois o destros para estos objeclos : na
ra Direita, n. 30, segundo andar.
OITereco-so para ama interna de qualqucr ca-
sa capaz una mullier que cose engomma, coz-
nhn, e da fiadora sua conducta: quem de sou pres-
umo se quizeY utilisar dirija-sc a ma do Rangel,
n. 1, que ah so dir onde ella existo..
G. T. Snow embarca para o Maraiilnloo seu es-
cravo Joaquim.
Na ra da.Unilo, esquinada ra Formosa, pre-
cisa-se de duas'criadas o do un criado.
OlTcrcce-se um rapaz nortuguez pa-
ra caixeiro de venda, 011 para tomar cun-
ta della por balanco, de que tem bastan-
te pratica : quem do.seu prestiino sequi-
zer utilisar, annuucic por esta follia,pra
ser procurado.
Aqu iio ha usura.
D-se dinheiro a premio sobre penhores doouro,
--O l'ortugucz, que se olVerece para ser caixeiro om majoreSi 0 menores quantias : na travessa doa
n Diario de quarta-feira, dirija-se a cidade ileliii- M)rl JM () 2 at(i as ,( |,oras> 0 das 2 em diante
a, ra do Mathias-Ferrcira, 11. 3, que ah so dir I _. Na rua,|0 Cabuga, loja de Pereira & Cuedes,
Ino
Id
quem precisa, ou annuncie sua morada.
O Sr. Jos Maria, Portuguez casado e com
[pouca amilia morador perto do engenho Timbo,
[dirija-so a ra do Collegio, a fallar com Sebastiao
[Josc Gomes Penna a negocio de seu interesso.
O abaixo assignado, procurador de Antonio
francisco Cahral, faz scicnlc ao respoilavcl publ-
loo,quo niiiguem faga negocio coma botica da ra
Idas Cinco-Pontas, 11. 44, som que primeiro enten-
|da-se com o abaixo assignado em rasHo dos al-
Igui'is quo selhedevcm : o para prevenir quesloes
Icom o comprador faz o presente annuncio.
Joo Jos do Monte.
-OfTercce-se 4,000 rs. de gratificacio a quem
Idoscourir osladres, ou.ladrflci, que furtaram ha
1 poucos:dias 3 leites ; osquaes tordo de altura pal-
I mo e mcio, sHo pretos sendo dous capados o um
em grSo, rajado do liranco pela cintura toda bar-
riga psem.los: vende-se o resto dos leilOcse lei-
| Mas que sao da melhor casta que tcem apparacido:
dirijam-so a ra Nova,,loja n. 58, que se dir
quem he.
-- Roga-se ainda ao Sr. doulor Lourenco Bezerra
Carneiro da Cunba.de lera bondade do irigir-se
a ra Direila sobrado n. 29, ondo ha quem lie
queira fallar, com urgencia., a negocio que lhe diz
rospeito:
-O rapaz, que annnciou querer ser caixeiro de
venda dirija-se a ra estreila do Rozario n. 43.
-Prccisa-se alugar um nioleque cozinheiro,que
seja fiel; na ra Direita padaria n. 26.
existem duas cartas para so enlregarem, urna ao Sr.
Faria, ex-alfercs do cor^po de polica, cimbado do
lllm. Sr. S Bando, e a outra ao Sr. Joaquim Jos
Pimeiitel, ex-tenente do dito corpo.
-- 0 dono da loja de charutos, da rna larga do Ro-
pagar, pois ...- ,--------
ate os seus devedores terem vonlade: e se assim o uno
lizerein, terHode ver o seus nomes publicados por
esle mesmo Diario.
Vende-se urna preta mito moca com
muito bom o abundante leite, sem li-
Iho .parida de 2 mozes o meio, que sabe
coziirtiar bem o diajio de urna casa, en-
gommar liso, lavar de sabfioc varrella:
na ra do Vigario n. 24, sedii quem
vende e o motivo por que.
___, O abaixo assignado avisa ao publico, que dei-
xou do sor scu caixeiro, desde odia 6 do corrente,
Manoel Jos de Almeida Nunes; nao se rcsponsabih-
sando por qualqucr iransaccao feit pelo mesmo de-
pois do dia cima mencionado.
Josa Das da Silva.
~ A pessoa. qHe, ha tempos a esta parte, declarou
por este Diario, (quanflo nao pelo novo] ter, no bair-
ro e Atcrro-da-Bofi-Vista um romedio, ou recoita
do antidoto para ataques de ipilepca, ou gota-coral:
outro sim, quem inesino, para dito effeito possuir,
011 poder com facilidado adquirir urna dentadura do
jacar do papo amarello, sirva-so do annunciar, e
quanto antes por esto Diario; alias, dirigir-so ao
mesmo hairro da Boa-Vista, ra do Hospicio, sobra-
do n, 56, ondo deparar com a pessoa quo muito se
interossa por ambos os objeclos; fazendo assim,
nao s particular favor esta mesma pessoa, como
u 111 completo servico apoquenlada humanidade.
r><9i# w& ^\a v? *>]& W'&wwj9%\0%0
^> 0 doulor Casanova medico franco/., habi- 0
0 litado perante a faculdado do medicina da Ba- Q
hia e estabelecido nesta cidade olTercce ao 0
publico o sou prestimo, podendo ser procu-
rado a qualqucr hora na ra Nova n. 7, pri- ..*
meiro andar defronte da matriz do S.-An- ^
Ionio. O mesmo trata radicalmente de mo- 9
O lestias venreas, tanto antigs como moder- ^
as por meio de um remedio nao mercurial.
Gura tambem radicalmente as dores de don-
tes, mesmo estando cariados, em poucos mi-
~& nulos. %
&&[%&& 0\& 0Ttt fl^ &* ^1^ ^Q?Itt9ltt^
ATTENC-A.
Ossonhores negociantes quetiverem hoas dividas
fra desta praca, c quizerem que o baixo assignado
ns va cobrar, para o que se julga eminentemente ha-
bilitado, .pois nao pagam a advogado, podem diri-
gir-se aoadvogado Jos Narciso Camello, cujas di-
vidas j cobrou o abaixo assignado, o ahi tleixarem
seus nomes por escripia para o abaixo assigriado os
procurar. ~ Joaquim Francisco llaptist de Mello 0-
xal.
Benjamn luckness e Roberto Duncan retiram-
se para Inglaterra.
Quem precisar alugar urna preta muito (el para
o servico interno de una casa do pouca familia, di-
rija-se a casa do escrivfio Alcanforado, ou annuncie.
Alugam-se negros possantcs o de boa conducta,
para o servico do armazem do assucar : quem os ti-
ver annuncie. Tambem'enmpram-se psde limao-
doce, lima da Porcia, lima de ombigo, sidra c.con-
deca, tildo cni estaijo de sor mudado.
Una crioula forra, cora muito bom leite, so of-
ferece para ama : quem a pretender, dirija-so a Cam-
boa-do-Carmo, n. 32, para tratar do ajuste.
O engenheiro Milet onsina na sua casa, ra do
Crespo, n. 14, primeiro andar, as seguintes setn-
eles:----AMTIIMETICA, CEOMKTRIA, Al.O.EBRA, CHVMICA
C PHTSICA.
Francisco l'into da Go^la
Liniii, aII litio, morador na
ra larga do Rozario, 11. 40, precisa de officiacs de
scuoflicio e coslureiras: tom para vender pannos
pretos, zoes e verdes; bons lirios, velludo e cha-
melote; botos de osso preto e branco; linha de car-
retel, de cabeca preta o branca; hllandas para forros
e algumas obras faites.
Compras.
-Gompram-so, cITectivamcntc eseravos do ao>
bos OS sexos pe 19 a 2o anuos; sendo de bonitas
figuras pagam-se bem: tambem so compra m alguns
olTiciaesdesapateiro : na ra da Concordia, pas-
sando a pontezinlia a direita segunda casa terrea.
Compra-so a geometra do Lacroix : na ra da
Aurora 11. 54, segundo andar.
~ Compra-so, ou aluga-se um nioleque, quo seja
reforcado e sadio einhora" nao lenha habilidades:
na ra da Cruz, no Recife 11. 21.
Continua-so a comprar ferro fundillo bronze
o cobro voltio : na ra do llrum, h. 8.
Compram-so eseravos de ambos os sexos, pre-
tos c pardos, at 40 anuos de dado: agradando pa-
ga-se bem: na ra estreila do Rozario, n. 31, pri-
meiro andar.
Compra-so urna preta de nacilo qae seja mo-
ca ilo boa conducta o saiba fazer com perfeicflo
lodos os doces massis ; quem liver annuncio.
Cnmpra-se urna preta de meia idade que sei-
ba cozinhar para una cesa de um hornera s^ollciro :
na Camboa-do-Carnio n. 46.
\'vv ras.
A 640 K.s,
pares do pontes de tartaruga demarrara: na ra lar-:
ga do Rozario, u. 24.
IPeclimeha rara !
Um fabricante de perfumaras e licores estando a
retirar-sc desta provincia, vende as suas reccitas
juntas ou separadas,as quea.ssSnde muita u til idade,
nao sopara os Srs. logistas que toem perfumaras ,
como para qualqucr pessoa formar um estaboleci-
mento. sendo algumas muito noscessaras aos pas
de familia a saber : reccitas para fazer licores do
todas as qualidades; dita para genebra ; dita para
ispirito dovinho; dita para gingibirra; dita para
goa de Colonia iguala mais superior que possa
vird. llanca ; dita para dita enlre-fina ; dita paca
ila'aliniscarada j dita para ordinaria; ditas para
..anhas linas o ordinarias J.ranra c cor de rosa ; di-
ta para banha do fazer o cabello preto ; dita para
banha do matar poilios e limpar a cabeca ; dito pa-
ra ag.ia de tirar nodr.asc sebo das golas; ditapara
tinta deescrever; dita para oleo para cabello do
todos os cheiros; dita para gomma da Percia que
faz estirar os cabellos ; dita para fazer nascer ca-
bellos om qualquer falta que baja na cabeca : asse-
gura- tendentes dirijam-se a ra do Collegio loja do ba-
liuleiro n. 13.
Veiideni-se duas vara odas
de ferro, com 30 palmos cada urna, por commodo
preco; um berco de Jacaranda, do muito bom gosto,
o a moderna, tambem por preco commodo : ludo em
bom"estado erquasi novo : na ra da Cadoia de San-
Ui-Aulonio, n. 17, armazem de lijlos, ou na traves-
sa da ra da Concordia, n. 5.
-- Vende-se urna escrava parda bastante moca, rc-
colbida, muito sadiae sem vicios, que cosee engom-
ma com perfeicao, lava o conzinha o diario; e bem
assim um pardinlio com 8 annos, e urna pardinha
com 2, ambos vistosos e tambem sadios: na^rua da
Cadcia do Recite, 11. 53, segundo andar.
-- Vendoin-se duas mulalinbas .de 13 a 18 annos,
muito bonitas : na ra da Cadeiado Recife, loja de
Joao Jos de Carvalho Moraes.
Na ra do Rozario larga, n. 32, deposito de cha
rulos, acha-se um grande sortimento;_do cnaruto
vindos da Babia pelo brigue Sagitario, de 'w
qualidades, a "saber : os acreditados marca de logo
forma liavana, cigarros de la llavana. regala s
perior qualidado, cbarulinhos do mocos traouqu
Idos, charutos proprios para quem fuma pouco
para principlante, todos ostos charutos sao do c\
cellonto fumo, fe i tos com porfeicao e por piejos
commodos. .
Vendem-se seis eseravos, sendo: um ne.
de 18 anno; urna negra, do 20 anuos; um mBi"*"
muito bonito, do 20 anuos, com habilidades; uou>
moloques, de 8 a 10 anuos; urna cabrinha, de 8 an-
nos: narua daSenzalla, n. 132, no segundo anclar,
de manbfla at as 11 horas, o de tarde ale as 4.
Galera das ordens religiosas
e militares ,
desdo a mais remla anliguidada at nossos das ,
rinuissima obra,orn dado 52 estampas illuminailas:
llera desta arh un-so a vonda ontras n.lo menos im-
portantes na ruado Quelmado botica n. 15.
Vende-se um carro' forrado, em bom estado :
no lugar do Barro-Vcrmelho, afallar.com o mes tro
Manoel Flix.
Vende-se uzeite doce ei\-
garrafado, do superior qaalidade, ebegado recente-
monto de Marselha emeasa do J. 0. Elsler, na ra
da Cadeia-Velha, n. 29.
Vendem-se, por proco mais commodo do que
as lojas ilc louca dosta cidade, mui bem feilos va-
sos parir lliirrt, ditos pequeos, pias para preservar
as formigas, jarros o cacos para vender flores j tildo
de muito bom barro ; na ru.i Ja Florentina, 11. IB.
Vendem-se linos chap 'OS do Chyle : na ra do
trapiche, n. 8.
-.- Vende-so um lindo moloque do 12 a 13 annos,
muito ladino, proprio para pagein c que tem algumas*
habilidades ; assim como aluga-se urna preta escra-
va, que conzinha muito bein : na ra da M.idro-do-
Doos, 11. 36, primeiro andar.
ATTIiNCAO'!
Frederic Chaves, fabricante de gaz hy-
drgeaeq liquido, com fabrica de li-
cores, chocolate e espirito*, rio Aterra-
da Boa Vista, n. 17,
tem a honra de participar ao rospoitavol publi-
co, e com particularidade aos Srs que usam do can-
diel ro do gaz, quo na sua fabrica sompre acharo
grande porcaodo gaz bydrogenco liquido, de boa
qualidado, pelo diminuto preco do 320 rs. a garrafa.
Vendem-se pecas do rnadapolSo, limpocencor-
pado com 20 varas, a 2,500 rs., o a retalbo a 140 rs. a
vara ; sarja preta de seda superior, a 1,280 rs. o co-
vado, e umguarda-livros moderno: na ra estrel-
la do Rozario, n. 10, tercoiro andar.
-Vondom-se 2 pretas, de 20 annos, de bonitas fi-
guras, o com. habilidades que se dirSo ao compra-
dor : na ra Nova, 11. 40
Vendem-se 4 a 5 arrobas de cha de macla : na
ra ila Senzalla-Nova, n.7. a .
Na ra Nova, loja n. 58, se dir quom vende loi-
tOes c lctoas da melhor casta que tom apparecido, e
tnmbcmquom aluga um preto o urna pequea ca-
sa terrea sila no Soledade quo rende mensalmen-
to 4,000 rs.
J-^ KM PRIMEIRA MAO", '
vendem-so eaixas com velas de cera do Rio-de-Ja-
neiro e de Lisboa : na ra da Sonzalla, armazem
11.110.
Liiiyoageiii das Flores.
Chegaram estes livrinhos tilo procurados, e ven-
dem-se na livraria da esquina do Collegio 1 tambem
ahi so ncha o novo drama Pedro cem, queja tovo
e agora nao tem impresso no Rio-de-Janeiro.
A t tencao.
Va ra do Crespo, loja n. I,
do Jos Joaquim da Silva
Haya,
vondein-s'e chapeos do seda para cabecas do senliora,
os mais ricos.c mais modernos que leem viudo a esta
praca- assim como se vendem chapeos de seda e ue
Dalhillha para meninas do dous a 12 nonos; toucas pa-
ra criancas. dcmuito lindos goslos. Tudo chegado
de Franca pelo ultimo navio, e por muito commodo
preco.
Gaz.
f.oja de Joao Cliardon ,
; Irrro-da-Boa-Vista, n.5.
Nesta loja ailia-scum rico sorliinriilo de LAMPEOES
PARA CAZ com seus nnpeuntes vidros, accendedo-
res o abafadores.
slCS Caildieil'OS 3o o meUwrea e
mais modernos que existem hoj : recoinmendam-se au
publico' tunlo pela segurante bom gosto de sua boa
oonreccao, como pola b*a qualidade da lu/., cconoinia e
asseio de seu scrvif o.
Na meSina loja o, consumidorsein-
prc acbarlo Um depoulto deGAZ, de cojo e ariana a
qualidade. e em portao bastante para consumo.
\a loja nova do
Passeio-Publico,
i. iy,
vendem-sc cortes de chjjas suissas, de cores flxas o
pannos andazes, a 1,200 ris com 10 covados ;
lencos do cambraia para mo de sonhora a 320
ris; merino preto muito largo e fino a 1,200,
1,600, 3,000 c 3,200 rs. ; cortes do calcas da afamada
pella do diabo a 1,400 rs. ; pecas do algodSo tran-
cado a 4,000 rs.
Vende-se ferro da Suecia ; folha de Handres ;
cobre para forro de navio; dito para caldeireiro em
Ipdrces grandes e pequeas : na ra de Apollo, ar-
mazem n. 6.
Vende-se estopa, propria para saceos : na ra
do Trapiche, n. 8.
jlLEGVEL


"i

1;



A

Vendem-se caixas deeh hysson, de 6, I2e13
libras em porcfies, ou n re taino ; caixas de velas
de espermacete de 5 e 6 em libra : nar.ua da Alfan-
dega-Velha, n. 36, em casa de Matheus Auslin & C.
Vendem-se duas casas terreas, com boas com-
modidades, quintaes e cacimbas, e urna dellas
com estribara, sitas na travessa do Marisco, outr'o-
ra becco do Pcixolo ; una dita por todo o prego,
sita na ra de Motocolomb, nos Togados esta be
de Uipa, o smente tem a frente e retaguarda de
lijlo; 2 rscravos do servigo de campo ; pina pedra
quadrada e polida para se moer tinta : tudo por pre-
go milito commodo: na ra Diroita sobrado n. 29.
Vende-se cha de muito superior qualidade em
caixinhas de 6 libras: em casa de L. G. Ferreira <%
Companhia.
Na loja nota de Raymundo Carlot Ltite, ra do
Queimado, n. 11 A,
acha-se um completo sortimento de fazendas finas
do todas asqualidades, assim como umexcelleute
panno do ulgodo, proprio para saceos o roupa de
escravos, a 260rs. a vara, cujas pecas leem 25 varas;
lindos len;os desnda, proprios para meninos, a 720
rs. ; linissimos chapeos do Chile chegados ltima-
mente, e no vos padres de brins trancados do lis-
tras: tudo baratissimo.
Na loja de fazendas da ra do
Queimado, n. 46, de Ifa-
galhacs & Irma O ,
vendem-se cortes de chita muito lina ede riqu.issimos
padrOes, a 2,500 rs. ; risc'ados francezes, a 220 rs. o
covado; lencos de seda, a 1,760 rs. ; cortes de fus-
tOes de cores, a800rs. ; briltl do algodlo, a 320
rs. ; chapeos de mass, a 1,760 rs. ; cortes de finis-
simascassas, a 3,600 e 4,tl0,l rs ; hrim blanco do
linho, a 1,120 c 1,600 rs. ; cortes de cambraia a
5,000 rs. cambraia. lisa, muito fina a 700 rs. ava-
ra; dita entre-lina aSOOrs. j platilha de hrctanha
de linho muito lina a 4,000 rs. a peca ; esguiao
niuilo fino a 1,800 rs. a vara ; cassas- de cores dos
mellioros gostose padrOes que teem apparecido no
mercado a 560 rs. a vara ; o um variado sortimen-
to de muitas outras fazendas, sem avaria, polo
mars diminuto preco.
Acabam dechegar, pelo ulti-
mo navio, 3 fortes pianos, de pa-
tente London, todos de Jacaran-
da e feilos com muito bom #os-
to, pelos melhores autores, Co-
lard e Cdard; bem como ac
de Milo e estando: na ra do
Vigario, armazem n. 4, de Ko-
tde & Bedoulac.
Vende-se um bora sortimento de
livros em branco ,' pnntad#s. por mais
barato preco do que em oulra qualquer
parte ; grvalas pretas de setim macu ,
sarja e cabello pelo mdico -preco de
5oo rs. cada urna ; bico largo multo fi-
no proprio para roquetes de padres ,
pelo barato preco de I s5oo rs. a vara
na ra do Cabng loja de fazendas de
Pereira Guedes.
Vendem-se 4 pretas, sendo urna dellas de An-
gola, de 20 annos, que engomma, cozinha faz to-
do o servigo de urna casa ; o no tem falta alguma ;
um moleque de Angola de 16 annos, que cozinha
o diario de urna casa : na ra do Posseio, |oja n. 19.
Vonde-se urna venda em multo bom local e bem
afreguozada, tanto para a trra como para o matlo :
tambemsopermulaporoutraque tenha bons com-
modos para familia : no pateo da S.-Cruz n. 6, so
dir quem quer fazer este negocio.
Vondem-se dous costados o tres taboas deama-
rello por preco commodo : na ra da Cadeia-Vo-
Iha, n. 13.
Vendo-so, por preriso, um pretoda Costa, de
32 annos proprio para palanquim ou outro qual-
quer servico, do qual se afianza a conducta : na ra
doCotovello, n.7.
Vendem-se lencos de cambraia de
linlio, muito finos, e mullo bem borda-
dos pira mao de senhora pelo dimi-
nuto preco ile seis mil rs. cada um ; cam-
braia d> linho muito fina, para peitos de
camisa e lencos, a 3sooo rs. a vara : na
riM do Cabng loja de fazendas de Pe-
reira & Guedes.
Vcnde-sc urna preta cozinheira, de boa con-
ducta, moca; una parda ongommadeira, cozinheira,
e coslureira, propria para ama de casa por ter boa
conducta o sor sadia ; um lindo moloquo de 7 an-
nos proprio para brincar com meninos : tudo he de
pessoa quose quei*retirar da praa por doentc : na
ra larga do liozario, loja de miudezas, n, 35, se di-
r quem vende".
~ Vende-se um escravo moco, cpm ofiicio de
campo que entende de toda a plantacilo de sitio
(campo, pauda parreira aplanta melflo e toda a
qualidade do hortaligae lavoura tira leito limpa
larangeiras e faz tudo o mais que he nocessario para
um sitio : em Fra-de-l'ortas, n. 13.
Veidem-se varios terrenos
aterrados, no alinhamenlo da ra da Concordia
ra do Palma, ra da Aurora e ra do Seve
lia, todo murado.com 3 cacimbas de muito boa agoa,
tanque para lavar roupa differentes arvores de
fructo, entreas quaes60 pos decoqelros, quo d3o
algum predio
n.78.
Ors.
.Nara,dos Tanoeiros, n. I,
vendem-se 2 escravos, sendo um crioulo pega, de
18 annos e o outro pardo oficial de pedreiro o de
alnate.
-Vendem-se, na ra Direita vendan. 53, de
Antonio Francisco Harlins de Miranda saccas com
farinhada ierra muito boa ; azeite de carrapato ,
a 1,200 rs. a caada*, c todos os gneros pc'rteuccn-
tcs a venda, por preco mais barato, que em oulra
qualquer parte.
FinissilD > panno da linho do
Porto, a 0OO c 800 rs. a
vara :
ns pecas do de 800 rs. sito de 16 varas, c as do de
600rs.de95varas cuma torga: metas de algodlo
cru, as mais finas que teem apparecido; um lindo
sortimento de chitas linas, as mais modernas que
lia em cortes de vestidos, a 3,000 rs. : na ra do
Oueiinado, loja n. II a, de Hay mundo Carlos l.eilo
Parccem de seda.
Novo sortimento das chitas prelas assetinadas,
rnuitohonitoatMdrOes, a 240 rs. o covado ; meias
finisMiiias de linho para homem ; mantas de seda ,
para senhnra e meninas a 3,000 rs. cada urna : na
ra do Queimado n. 11 A, loja de ffavmundo Car-
los l.cite
Vendem-se saccas com boa farinha de mandio-
ca ; 3 escravos proprios para o matto ou engenho ;
esleirs do Ararat;; 600 pares de sapatos abotina-
dos, minio boa obra proprios para Iropa ; 80 pa-
res de botins: o que tudo se vende por junio? na ra
da Cruz n. 26.
Vende-se sal bordo da sumaca Carlota, run-
(leaua na volta do Forte-do-Mattos ou na ra da
Cruz, n, 26.
-Na loja de JosManoel Mhtciro Rraga na ra
(lo Crespo, n.16, esquina que viru para a ra das
l.ruzes, vendem-se cambraias de seda, de muito
bom goslo o modernas ; chitas finas, e outras mun
las fazendas, tanto finas como grossas.
iVo AteiT-da-Boa
Vista, loja ii. 2 ,
vendcm-se chitas muito boas, a 4,000, 4,500, 5,000
<>e 7,000 rs. cada pega de 38covados, e a rctalhoa
100,12O,l6O,180e200 rs.; methn preto com al-
iim mofo a 160 rs o covado porm ho muito cn-
de listras
- covado ; al-
paca, por todos os precos, a_800, 1,000, 1,600 e
Atoo is; hu,) branco de superior linbo, o muito
, por
preco commodo ; bem como 600 palmos de terreno a
margem do rio Capmaribe, que estilo aforados a di-
vercos.c que rendem animalmente o foro de 240/ :
(para interesse he melhor do que urna propriouade) a
fallar na travessa da ra da Concordia sobrado de
um andar, a. 5.
Vendem-se, na ruada Cruz, n. 26,
venda de Luiz Jos de Sa A raujo, sac-
cas com muito boa farinha de mandioca,
por preco comino.
-- Vende-se um sobrado de dous andares e sotlo,
sito em urna boa ra do bairro de S-AnIonio, e que
rende mensalmente 70,000 rs. ; vende-se multo em
eonta : na ra das Larangeiras n. 14, segundo an-
dar. *
Vendem-se duas meias barricas de milho al-
pista : na travessa dos Quartcis, veiua 11. 19.
Vendem-se 4 escravos sendo j 3 pretas mocas,
de bonitas figuras com habilidades quo se diro 10
comprador; um escravo de nacfo Angola, de ho-
ra : na ra das Cruzes, n. 22, segundo andar.
V.endem-se escravos baratos na ra das
l.arangciras, n. 14, segundo andar: 1
lindo preto de 22 annos, com ofiicio de
desapateiroeeozinheiro; um dito bom
ofllcialde pedreiro, de 20 anuos; um
pardo da20 anuos, com ofiicio de sapateiro c que
tem boa conducta ; um preto de22annos de boni-
ta figura, que esta aficilo ao Irabalho de campo; um
dito proprio para o Irabalho de algum sitio, por
250,000 rs. ; 3 pardas com algumas habilidades
de 16, 85 e 28 annos; 4 prelos de 9, 16, 18 e 24 an-
nos ; e mais alguns escravos que se niostraro aos
p re tendentes.
coi pudo e serve para se fazer calcas; brins
de cor de bonitos stos a 320 rs. o coi
paca por todos os precos, a_ 800, 1,000
2,400 is.; bi 1111 branco de superior linbo, v
nem leilo pelo baralissimo preco de 1,000 rs. a vara ;
tito cor de palha, a 720 800, 1,000 e 1,200 rs a
vara ; lencos de seda, lauto para alglbeira como
dt.
bastante cocos.: tamhemso tro*
nesta praga: na ra Direita iu
Cassas de cores
o covado,.
Na ra do Queimado, loja n. 9, entre um granee
sortimento de paflrOes proprios para vestidos, en-
contram-se lindissiqjas para cortinados, Acha-se
venda na mesma loja urna c*xconcnto'fazenda azul-
clara propria para forros.de chapeos.
Vende-se urna porca*o' do lages da pedra de Lis-
boa por preco muito commodo : naprua da [Senzal-
la-Nova, venda desos Pereira, se dir quem vende.
Vende-se, porseu dono querer largar, urna
canoa grande de conduzir agoa com pouco uso ,
bem construidavde amarollo e sicupira por 250/
rs.; urna dita usada, construida da mesma madel-
ra, por 130,000 rsmas quaes podem servir para
cjtnoa aborta tirando o convs fra que he de ta-
boas de amarollo: tambem se trocarn por alguma
casa terrea cmOlinda, voltando-se conforme Tor o
valor da casa: na ra da Senza I la-Nova venda de
los Pereira se dir quem faz este negocio.
Vende-se urna canoa de carreira propria para
familia : conduz 16 pessoas; ho bem construida e
nova; acha-se no" porto da ra Nova : a tratar To
mesmo lugar, com Manoel de Castro da Assumpclo.
Lotera do Rio-de-Janeiro.
Vendem-se bilbetes e meios ditos da
11.a lotera a beneficio do Monte-Fio,
que lem de correr no corrente mez: na
ra da Cadeia loja de cambio, oft Ola-
noel Gomes, n. 38.
Na venda n. 1 da ra da S.-Cruz na esquina
que volta para a ra da Alegra vende-se vinho da
Figueira a 200 rs. ; dito de Lisboa, a 240 rs. ; e
outros gneros desle estabelecimonto por preco
commodo. .
Vende-se um talim e urna banda do borlas de
ouro : no Aterro-da-Uoa-Visla, 11.84.
Vendem-se duas pardas, peifeitas
engommadeiras c costureirs de J8aao
annos, e que teem muito boas figuras ;
um mulatinho de 7 annos pouco mais ou
menos proprio para andar com meni-
nos em casa : na ra da Cadeia de S.
Antonio, n. a5.
Vendem-se saccas com farelo de
llamburgo : na ra da Cadeia de S.-An-
tonio, 11. i5.
1 1^ 1 ti o n v 0 2 mi j i.. 1

B oj -2 e g 2 s. rf) Soo .^oa^u 'aJa ggs f U 8 _roo C5 -T? i -o B a O Sl-2 3 8 > g S 11 -s i a ? :sssi5s -7*. asM I II 1 ffl

0 ssaasaV C3
<*2ay >
C3
^ w


Vcnde-sc um sobrado novo de um andar e
e solio lodo corrido, em chaos proprios o boa
ra a troco de dinheiro ,ouescravos do am-
bos os sexos : na ra das Larangeiras, n. 14,
segundo andar.
Ss:s'.B:e:s:a:s:B::g:e::e:;@5e:g|
Vendc-se o engenho da Barra, na freguezia de
Nazareth (lisiante 15 legoas desta praca e 8 da
cidade de Coianna de boas estradas ; lem urna
famosa casa de purgar, com todos os seus pcrlen-
ces ; casa de farinha tambem prompta ; 3 casas de
vivcnda ; una capella, com todos os seus ornamen-
tos: tudo sobro o rio de Sergipe; (onde nunca laltou
agoa apezar das grandes seccas) um assude pti-
mamente construido ; maltas de bo*s madeiras;
barro; arela; lenba para todo o servreo, e multo
perto ; Ierras baixasde muito prodcelo ; os parti-
dos mui perto do engenho; 'assegura-se 2 mil piles
as carinas ja criadas o limpas ; ) 10 bois, 10 bostas ,
2 carros novos, ele. Quem desejar fazer urna boa
compra e possuir um bom predio, dirija-se ao mes-
mo engenho a tralarcom o seu propietario, o ca-
li i tiio Jos de Barros Cavalcaute Marinlio Kalcflo.e
nesta praca para maior nformac3o na loja de fa-
zendas da ra da Cadeia, n. 41.
Vendc-se, por prego commodo,
um candieiro degaz de muito bom gosio : na ra
do Queimado, loja de miudezas, n. 25.
Vinho de Champanha
da superior e muita acreditada marca
Cometa,
vonde-so no armazem de Kalkmann & llosenmund.
na ra da Cruz, n. 10.
- Vende-se urna cabra (bicho) parida ha pouco
lempo, com duas crias, equo d urna garrafa do
leitc : na 1 ua da Boa-llora casa do muro novo.
Vendem-se sapatos de bozerro de lustro, para
senhora muito bem feitos a 1,440 rs. o
ra do Livramento n. 9.
Vendem-se duas casas terreas, com boasenm
modidades edificadas na travessa do Maris
mdico preco : na ra Diroita sotirado n 2 Vende-se urna boa casa na povoaco do*' *r
dos com grando terreno para um sitio 0 nn-u?'
proprio e de grande producto i na ra da ri
sobradon. 70. '-loria,
Vende-se farinha de Trieste d
marca SSSF, verdadeira e frescal, doul"
timo carregamentochegado a esta praca
no atmrzemde Joaquim Lopes de Almc,!
da por detrs do thealro.
Va loja nova de Ala-
noelJoaquim Pas-
coal Ramos na ra do
Passeo-Publico, n. 19,
yendem-so pegas de chila.a 2/ rs.,e a 80 rs. o covadiv
pecas de chita de assento coberto a 4,500 rs P
120 rs. o covado; ditas muito finas e de padres' nJ
demos a 180, 200, 220 e 240 rs.; ditas para coher
ta a 6,000 rs. a peca e a 160 rs. o covado ; nem
de algodaozinho a 2,000 rs. e a jarda a 103 rs
pecas de madapolflo, a 2,400 e 3,900 rs muito lino'
e mais fino a 300 rs. a jarda; uma porijfo de ||n'
zmha para caigas, que muito bom imita a casimira
a 320 e 1,200 rs. o corte; lencos de seda a I |f
e 1,600 rs. ; pocas de cambraja lisa, a 2,500 rs. ,'e a
vara a 400 rs. ; lencos para grvala a 200 rs.; dito*
para senhora a 320, 400 e 480 rs. ; hrim trancado
branco de puro linho, a 1,000 e 1,200 rs. a vara
ditos de qnadrose listras, a 1,000 rs. a vara ; meij
casimira a 640 rs o covado ; suspensorios a \m<
rs. o par'; cortes de chitas finas, a 2,000 e2,40ors
polle do diabo a 20O rs.; bretanha de puro linho'
a 640 rs. ; pecas de buetanha com 10 varas, a 1,280 e
2,000 rs.; cortes de cambraia decores a 2,400 rs.
e a 200 rs. o covado ; pegas de ganga azul, a Lij
rs.; cortos de fustOes para collote, a 1,000 rs.; len-
gos de retroz da ultima moda a 3,500 rs.
AOBAHATO.
Na nova loja de Francisco Jo.
s Te i x eir Bastos, nos qua-
tro cantos da na do Quei-
mado, n.O, que faz esquina
para a ra estreita do Roza-
rio, vendem-se
fazendas novas, bem como : brim pardo trancado
de puro linho, a 200 rs. o covado ; dilo superior, de
cores as mais modernas a 1,500 rs. a vara ; algo-
dlo trangado de listras, americano, a 180 rs. o co-
vado ; dito encorpado, a 200 e 240 rs. o covado;
chitas escuras de cores (xas a 160 e 180 rs.|, e finas
denovos padrOes, a200rs. o covado; dilas impe-
riaes a 300 rs. o covado ; ditas escuras e ordina-
rias a 120 e 140 rs. o covado ; cortes do cambraia
lina, de cores, a 320 rs. ; pegas de bretanha de rolo
com 10 varas a 2,000 rs.; dita de puro linho a B
rs. a vara ; dita muito Una a 640 rs.; merino pre-
to fino e de coros a 1,280 rs. ; panno fino prelo,
a 3,000 rs. o covado e de outras cores e quab'dadcs
meias para meninos a 80 rs. o par; dilas para me-
ninas a 200 rs.; dilas pretas e curias a lOrs.;
ditas muito finas a 280 rs. ; ditas para senhora a
240, 320 e 400 rs. o par; mantas do fil de linho,i
1,600 rs.; cassa escampinada, propria para cortina-
dos, a 3,200 rs. a pega ; cambraia lisa muito lina, a
640 rs avara. l),1o-se amostras francas aos compra-
dores. Alm destas ha 6ulras muilas fazendas nioder
as por pregos rasoaveis.
Vende-se a escrava jQsepha molcca de I7ai-
nos, de elegante figura propria para mucama,
porser|jmuito habilidosa : Monica de 22 anuos,
que faz todo O arranjo de uma casa: Delfina c fran-
cisca molecas de 11 a 13 annos, proprias Ipara se-
rem educadas : Mara Ucnguela de 24 anuos, boa
lavadeira e qullandei ra : Rosa c Uonifacia, para
servigo de campo : Lzaro moleqne de 14 annos
que nio he vicioso nem a chacado : Francisco, ca-
marociro e que he proprio para todo o servigo,
por 380,000 rs. : Joito, Angico, de 30 anuos, por com-
modo preco : 2escravos, sendo um bom pcdieiro:
na ra de Agoas-Verdes n. 46.
Vende-se o iluseu Pilloresco, com ricas cslam-
pas.encadern adodenovo: na ruu do QHeimado,
n. 18.
par : na
para grvala
para alglbi
por seren estes de chanYcz
.,,. -----i "-""""<, uu ai roa iiara cuna roo
Ega,n'lbi,Celar'defr,,l0lla esca'n"a a aT
- Contina-se a vender boa manteiga ingleza a
320, 400, 500 el,000 rs. ; banha de poico a 360 rs.:
. ?.?.kv/ asssrtv %
?,_dea,robapara cma : ?no libra, a 800 rs.; bolacl.iuha ingleza, nova, a 240 rs
passas muscateis grandes, a 240 rs.; queijos uo-
vos a 1,600 rs.; paios novos, a 2,560 rs. a duzia ;
caf em gr3o, a 140 rs.; dito moido, a 180 ; choco-
lato, a 280 is.; doce fino de goiaba a 900 rs. de
6 caixes em arroba ; uma porgo doarroz de casca
a 3,20 rs. o alqueiro velho : no pateo lo Carmo \
esquina da ra dellortas lado direilo u. 2.
Vende-se um sitio na ra Oircita dos Afogados,
com casa terrea, comcommodos para grande fami-
retwlae0,,!e"SV.po^p^comui,0 cmodo, um ter-
:ea',lle,!.t^desU P'-aca con, sulUciencia' pa7a se
tendo ja alicerces para una
llltriilfi ,imi .>nl*M __>
edificar 3 boas casas
^mprado;raS0lmfCU/ilS V ser'10 Ktos ao
retTrar&o^ *e <'ono se
^.raruesia provmca: quem o pretender anuun-
NOVA PfXIIINCIIA .'
Vilo a loja de miudezas, n. 48, no Aterro-da-Roa-
\ista queachar.lo hcelas grandes e pintadas com
lindas eslampas a 1,000 e 1,500 rs.; escovas finas,
para casaca a 800 e 1,000 rs.; cartas de alfinetcs ,
para vestidos e cortinados a 20 rs. : luvas prelas do
seda com dedos e bordadas a 800 rs. o par ; ditas
sem dedos a 400 rs. ; fitas de seda lavradas a 120
rs. a vara ; filas pretas de garga para lulo, a 160
rs. a vara.
Vendem-se 20 acgfles da companhia de llebc-
rihc pelas prestagOes com que so tem entrado at o
presente : na ra da Cadeia de S.-Antonio, n 1*
pi'iinejroandilr.
A 7,000 RS.
Mantas de seda de lindissiUios gostos a 7,000 rs.
cada uma vendem-se na ra Nova n. 26, loia de
Tinoco & Rocha.
.-7. Yen.de-S?a lista geral da prmeira parte da
17- lotera a favor dotheatro publico : na praga da
Independencia livraria ns. 6 e8.
Vende-se a historia do Napoloio, com finas es-
tampas; vida da veneravel madre Thereza da An-
nunclada, obra dedicada ao S. Christo dos Milagres-
Amor cMolancolia por A. F. de Castilho ; Orien-
te poema ; osMartyres, poema, por Tilinto Llisio;
Rehzano romance, por Mortmontel; um melhod
para violilo : um dilo para piano ; um rico pandeiro
de pergaminno com parafusos para allnagHo : tudo
por prego commodo : ua ra larga do Rozario, n 42
Vende-se uma toalhatoda aberta deiavarito '
por prego Commodo : na ra do Jardim n. 34
-- Vendem-se duas canoas de carreira ; urna ne-
gwnha muito linda, de II annos: na ruada Son-
zalla-Volha, n. 110. Mn
Escravos Futidos.
Kugio de bordo do patacho Pelicano um escravo
de nome Roque, do San-Thom estatura Im"'
rosto redondo esem barba, com eridas as pi'1*'
ve.slido com camisa o caiga azul e barrete ingW-
Eslc escravo pertcnce a JoSo Jos Pereira de MWJi
do Rio-de-Janeiro. Quem oapprehender, quetra le-
va-lo a ra da Cruz n 66, casa'de (audino Ago>H-
nho de Rarros, por quem ser recompensado.
l'ugio, no dia28do junho passado, do enge-
nho Jundahy no Rio-Grande-dorNorte, o preto Be-
nedicto, de cOr bem prela, altura regular, oln
ruivos pouca barba denles alvos e limados;!1*
desconfiangas de ter vindo para osla praga : iluel"
pegar ser bem recompensado entregando a scu *
njior, Fabricip Gomos Pedroza, no engenho Jui*
hy ; em Nazarelli, ao Sr. coronel Jos Profiri l.ow
Lopes de Albuquerquc ; e nesta praga a Ml|ge
Ignacio de Oliveira na ra da Cadeia, n. 40.
TVo dia 7 do corrente julho, mandou-se a ru "l"
parda de nome Joaquina, com vestido do chit1'1^'
carnada, panno da Costa ecalgada e como nao
riba voltado roga-se a todas as autoridades P'
ciaes desta provincia e as demais do imperio "
captura da dita parda, -a qual talvez tenha muda1
o nome ; ter 18 a 20 annos ; he bem robusta n>
to redondo; lem um signal na face direita, e "'
he mal parecida. O soldado de polica que a pt'S* '
ou outra qualquer pessoa que admiltir paga. I"'
do-a ao seirior Jos Luz de quem
era va na ra Nova loja de ferragens ,
rs. peloscuirabulho.
Pln^.: xa. typ. dem. f. dk taria
ella fo fi: I
lera 40,
.-I47
")
ILE6IVEL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EK5I6ZATL_EUBIRQ INGEST_TIME 2013-04-26T23:50:24Z PACKAGE AA00011611_08484
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES