Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08477


This item is only available as the following downloads:


Full Text
/inno de 187.
Quinta-fera .1
O i; 14HIO publica-se tos os ilhs, que n5o
i le guarda i l,re '', asKnalura lie de
iTo rs. poi qrte|. W* f^^tadn,. Os an-
- ilos nssisnantes s.i) inseridos i ras ro de
""'ir"i'cir lili''. ,0 "' '" lvl>0 <''"'""ente> '
" i'i-es P"ln i"'''*- TIC n'' 'ori"n assig-
"SU'p"?'*0 80 "' P?.rlin.h e ,0 em lJP
PIIASES DA O* NO "EZ DE JULIIO.
iDinle -. 'lora c m'"- da manlit.
11 ""if/' '- "* 9 nora5 e m'n- *'* ""liS
!v "ente' a S. "* ,9 'l0rns e" ,n'n- "l* maulja
' a cliia* '*. a 7 ll0^a, raio- d l"rde-
PARTID* DOS COUREIOS.
GoiaiinaeParahybt, s seKimdaseselas feirss.
Rio-tiriinde-dn. Norte quimas feiras aomeio-dia
Cabo, Seriii!i5em, Rio-Formoso, Porto-Calvo e
. Macelo, no I.*, a II e It de cada me/..
Garauliuns e Bonito. 10 e 21.
lina-Vista t Plores, alie 18,
Victoria, s quintas feiras.
Oliuila, todos os das.
PEAMAft de hoje.
Primeira, s 7 horas a 42 minutos da inanlia
Segunda, s 8 horas e 0 miuulos da tarde.
de Julho.
Aun XXIV.
N. 1*5.
DUS D.\ SEMANA.
' 28 Segunda, j. I.eo. And. do J. ilos nr-
plios, do J. loe. da 1 i. e do J. M. da 2 r
2Q Terca. %% S. Pedro e S. Paulo Apos-
tlos.
30 (luarta. S. Marcal. Au.l, do J. do civ. v. 2
c ilo 1. de paz do 2 dist. le t.
1 Quinta. S. Theoiiorico. Aud. do .1. i'c orpli.
e rio J. municipal da 1. vara.
2 Sesta. S. Ol un. AncI lin .1 i.o civ. da I. v.
e i!" .1. de paz do I list de t.
3 Salilia.l.l. ,S. .la,-.lili.n. Aud- do I. do CV.
da I. v. e do l. depaz ilo I dist de t.
1 Domingo. S. Isabel rainba de Potluga!.
m-s
CAMBIOS NO DA 30 DE JUNflO.
Cambio sobre landres a 56 '/a d p. Pars 46 rs. por franco,
u a Lisboa lOide premio.
Divic.dcloitr.il de boas firm.s de s/ l0/o mcz
OuroOness bespanholas------asinino
Mocdasde'iflOvcl'i. Ifl/">iin a II1JI08
>i le OjftOiMiov.. I0. a IflflOO
u ilesfOOO..... 9I.00 a 9IOII
Prata Patacn.......... IfOlO I#910
Pesos coluinnires... 1/020 a 1#19
u Ditos mejicanos ... I/7C0 a IjHOi)
Miuda........... 11910 a 1*920
Aceites da comp. do Ilcberibcdc50f000rs.ao ajar,
DE FERItf AMBUCO.
P#V *
Goverfto ta provincia.
EXPEDIENTE DO DA 25 1)0 PASSADO.
(inicio--Ao director ilo lyco, ordenando abra
concurso cadeira de primeiras lettras do Caruar.
HilosAo mesmo, ao inspector da. thesourari das
rendas provinciaes e a cmara municipal de Cim-
bros, iriteirando-os de ter provino na cadeifa de
primeiras Icltras do Pesqueira ao cidado Miguel
Airlianjo de Mondonga.
piloAo coinniandanto do brigue-esouna Caliope,
dclcriinando polilla disposigilo do conimandantc
iiljfcirmas os dosertores Florenciano Cnvalleiro e
Antonio Joflo, que trouxera das AMagoas.Partici-
oti-se ao cominandante tlu armas e ao presidente
da provincia das Alagoas.
DitoAo majar Antonio da Silva Cusm3o, vali-
dando o plano para as loteras do theatro publico,
que, por Smc. organisado, acompanhra o seu of*
ci de 15 desto mez; (junho) o declarando quo esse
plano no deve regular aquella das referidas lote-
riascujos bilfietes se acham i venda.
PortaraAocommandantc do brigue-oscuna Ca-
liope, recommendando entreguo ordem do juiz
municipal da primeira vara desta cidader os reos An-
tonio Francisco le Sotiza Armbere e Manoel Flix
Pereira Brandilo, que a seu bordo conduz'ra da la-
liinParticipou-se ao supramencionado juiz muni-
cipal, e ao stipplente da tereeira vara da cidado de
Sun-Salvador.,quc para aqui remettra os referidos
reos. .
: 1 -"-g-i- vw-">,'V'ira *'-.nv-rr-m^maa
EXTERIOR.
ESTADOS-UNIDOS.
PIIILADEI.PIIIA, 10 PE MAIO DE 1847.
ni li.A VICTORIA i;LOiil0SA.
Batalha de Sierra-Gorda.
A gloriosa noticia da Victoria do Buea-Vista, se-
guida de pertopela brilbante tomada do Vera-Cruz,
mal circulava cm torno do nos-so vasto o extenso ter-
ritorio, quando os coraces americanos se dilataran!
o palpitaran) de novo con) as emocoos da alegra, do
crgulho nacional, o de exultaco por outro feilo de
armaa nilo menos glorioso do nosso invencivelexer-
cito. o inimiRo, acliando-se incapaz de competir coui
os nossos soldados ein campo raso, e desconfiando
dos muros das suas cidades e casas para sua dufesa
contra as nossas bombas e canbes, por combinada
deliberacio dogoverno, resolveu mudar de rumo no
seu modo de dirigir a guerra, fortificar todos os
passus didlceis do paiz o fazer forte opposico pas-
sagem do nosso exercto em todos os pontos stiscep-
liveisde defesa. Em conformidade desle novo plano
de operaces, marchou Sant'Aniia da capital com
una Torga de perto de 10,000 bomens, com intencuo
de fazer JuncQilo com La Vega, com grandes reforijos
I da guarda nacional, e com a populaca .jarocltada) de
Puebla e de nutras povoacOcs que Ibc ficavam cm ca-
minbo, para lomar posicao n'.uru forte passo chama-
do Cerro-Gordo, e dar ahi batalha ao nosso exercito.
Nilo se teria podido escolher urna posiilo mais forte.
A estrada conduz por urna seria alcanlilada, donde
Ihe vem o nomo de Cerro-Gordo, ou seria larga. Adj-
unte c oin roda desta seria, ta esliada de Vera-Cruz,
lia ingremes outeiros quo o inimigo tinha forlemen-
te guarnecido com cerca de 24 pegas de grosso cali-
bre, e com urna frtja que segundo, o calculo mais
baixo liavia de ser pelo menos de 15,000 homens.
Tres fortes, que domiuavaui a estrada por espado de
algumas milhas, tinham de ser priineiramente to-
mados, antes que se podesse atacar o Cerro! Os ou-
teiros eatavam cobertos o as bateras fbrtemeute
guarnecidas por una fiando fdrca da teibus' Infan-
lariadeSanl'Anna. Alem do passo, eslava o mesmu
Sanl'Anna postado com 3,000 homens do cavallaria,
posigto tomada,ou para impedir a retirada dosseus,
ou para facilitar a propria. rtonipcu a batalha por
un ataque sobre nm posto avangado.do imitiigo, ror-
temonte guarnecido. Isto foi destrmente executa-
do pela vanguarda do general Twiggs, sob o cotn-
nmndo do major Sumner, por estar iutelizmente en-
fermo o general Sinitb. O novo o esplendido regi-
ment de atiradores montados tomou adianteira, o
riesalojbtl o inimigo da sua forte posiglo, debaixo
i de um espesso cbuveirp de metralba e mosquelada.
A nossa perda nesta refrega foi ponderosa. O major
! Sumner foi ferido na cabega, e muitos oulros olli-
IciiesOcaran gravemente millos. Tendea nossa tro-
pa oceupado esta posigSo, fingi o inimigo querer
aca-la; mas depois de una grflnde parada reti-
rou-sc para aSsuas fortilicages. Depois disto entre-
Be ve o inimigo um fogo inccssanle sobre as nossas li-
lil'i'S, mas sen) ell'eilo. No da seguinle (18 de abril)
ompeu a batalha com ardor, e por urna serie de bn-
mantcs cargas, sob a direcg3o dos generaes Twiggs,
bielda, Pillow e W'orth, todos os diversos fortes e
ficial tinha urna alta reputaglo de valor e pericia mi-
litar. Era umllespanhol que algum tanto se distin-
guir noservigo de llespanha. Foram morios outros
ofliciacs militares; porcm a maior parte delles fo-
ram aprisionados. Entre estescontavam-se ogene-
ral Herrera, ex-presideuto; o general Jarrero o De
la Vega. Ao primeiro aceitou-sea palavra de honra;
o ultimo preferio gozar da hospilalidade dos 6ons
cidadilos de Nova-Orleans, e ir para all brevemen-
te com urna grande frga de olllciaes subalternos,
que talvez tenham ouvido fallar dos prazeres o da
vida tranquilla deque se go|*om,Nova-Orleans.
Este assignalado feito d'tffnaS nlo foi execulado
sem grave perda da nossa paite. Pordoram-su mui-
tos officiaesde mrito, muitos foram gravemente fe-
ridos, e muitas (lleiras jtincaiam o campo ao longo
dos rochedos cdesfiladeirosduste difflcil passo. O to-
tal dos nossos mortos o feridos tlSo excodor talvez
a 300; entro aquelles tomemos que tenhamos de in-
cluir o nome do valentc o popular goneral Shields.
Elle cahio mortalmente ferido do bala no pulmo,
quando commandava a sua brigada contra um dos
fortes do inimigo. 0 general Pillow tambom foi fu-
rido na avangada dos seus.nobrcs Tennesieonses ;
mas conseguio tomar gloriosamente o ponto ataca-
do por elle.
La Vega eslava no com mando do Corro-Gordo no
primeiro dia do combale ; mas, indo de noile ao seu
campamento um Allemilo, desertor dos nossos dra-
gos, e fazendo-lho aviso do que o ataque pri ucipal
devia de ser sobre a diroiladasua linlia fortifica-
g.lo tao vigorosamente atacada pelo general Pillow,
elle trocou o lugar com o general Vasquez. Este, co-
mo ja disso, foi norlo. La Vega dofendeu o seu pos-
to, alqueaslinhasdo inimigo foram complctamen-
it; derrotadas. Foram mortos muitos coronis mexi-
canos; mas nilo tenbo podido saber osseus nomes.
lim irniilo do general La Vega, coronel do artilharia,
foi gravemente ou antes, segundo scsuppe, mor-
talmente ferido.
Menciona-se centenares de casos de valor indivi-
dual, na escalada das dilTerentes eminencias. O co-
ronel Childs dirigi a frga sob seu commando no
primeiro dia, at ficar somonte com 40, ou 50 ho-
mens cotnsigo. Tambern so diz que o.capitfio.Magru-
der susientou o ataque ntlicars com 9 soldados.
Os coronis Ilarney, Riley e Childs, da tropa regu-
lar; e os coronis Baker, Forman e Flaskcll, dos vo-
luntarios, bateram-se valerosamente, e todos 1"
vam nellos com louvor. *
O exercito deve avangar para o Mxico immedia-
tamente. A diviso do general Worth ja marchou.
O general Scolt seguir logo depois.
LISTA dot ofliciacs mexieanoi aprisionados em Sierra-
Gorda, a 18 deabril, osquaes deram a sua pa-
lavra de honra de se eniregarem sem demora ao
commandanle das frcas americanas em Vera-
Critz como prhionciros de guerra :
los alaria Jarero, brigadeiro general.
Itomulo de la Vega, brigadeiro goneral.
I>. Ruiz y Baranda, capito da armada mexicana e
commandanle d'arlilbaria..
Vicente Arquillez, capitao d'arlilharia.
JosMaria.Matatapit3o.'
Jos Maria Gallegos, co ni mandan te de granadeiros.
Mariano Camacho, 1." lenle do artilharia.
Bartolina Amable, 2. tenento d'artilharia.
JosR. Cobarubias, 2." tenento d'arlilharia.
Jos de Lastor Bras y Soller, tenente-coronel do ba-
talDSodela Libertad.
JosNunez, capitao do 6. regiment de iiifanlaria.
Jos Maria Moreno, capitao do 6. regiment de in-
fantaria.
Crogorio del Callejo, capitao do 6. regiment de in-
fatuara.
Bafacl de Berrabidas, 2. tenento do 6." regiment de
infantaria.
Salveio Velez, ajodanto de campo do general Vega.
Francisco Fernandos, l. tenento da armada mexi
cana.
Ossobrcditosprisioncirosa cargo do capitao Geor-
go W. Hughes, do corpo de engenheiros topogra-
phicos, ebettaram a Vera-Cruz, a l do crlente, per-
to de una loi;a antes da partida do Vc-Kin.
(Do Delta do Nova-Orleans.)
.
.
Para presidente.
O genoral /adiaras Taylor, subjeito decs3o da
convencao nacional whig.
iara governador.
Ogcneral James Irvin, da provincia central.
Paracommissario do Canal.
Joseph W. Patton, deCumlierland.
Sao estos os principaos nomos que anchen) as nu-
merosas listas, quo so racobom dedifforentei partes
la uniao. Compre observar que omgerul a nomoa-
gao do general Taylor para presdante lio admitlda
pelos whigs, o a attenclo publica be chamad i prin-
cipalmente pr a do vice-presdonle, cujo carcter
o cujas circumstancias todas rao tornar aceitavel a
lista whig. Em Ohio, temos para presidente Taylor,
e Corwiu para vice-prosidonto. Do Kcntucky, temos
Taylor o Crltcnden. Ivn \bw-Yiirk tumos visto Tay-
lor o Filnoro. ivnMiino, tom-so feito inengo de
Taylor eEvairs E n Massachusotts, toin-se lombra-
do Taylor e Davis. No nosso oslado Pliiladolpbia.'um
meeling dn Potlsvllo lembrou Taylor e Cooper. \s fo-
llias whigs de Delaw.ire trazem os nomos de i'aylor
e J. M. Cl.iyton. New-Jorsoy anuuncia Taylor c
VVright. He "dosnecessario ennmerarmos todas as
coinbnages quo nos teom viudo; e n&osabenos
como se teom feito todas oslas dlToreutos nomea-
gOes. Provavelmente urnas sao suggesles dos edi-
tores; outrassaooxprossao do urna ODiniSo publica,
concentrada n'um circulo considdravel; e outr.ts re-
sultam dos mtitihgipblicos. Todas ellas sSo dignas
dorespeito, tanto maisquanto exprimen)algum grao
consideravel desontimenlo publico.
MXICO.
As datas da cidado do Mxico dizem que Gmez
Faras foi removido do poder, tendo passtdo no con-
grosso, por 38 voloscontra 3, uino(7 para a suppres-
so da vice-presidencia da repblica, antes da parti-
da do Sanl'Anna da capital. No dia soguinte foi Pe-
dro Amago eleito para seu supplonte, oblen lo 00 vo-
tos, e Almonle s 11.
Amago prestou juramento, c entrou em oxorcicio
como supplente, no dia de abril. No seguinto con-
sultou varios olliciaes militares e pessoas distinctas
sobre a conveniencia do fortificar a capital. Manifes-
tou-so a opiniao geral do que so duviam comegar im-
uiediatamente as forlifieagOes, o o governo oncarro-
gou o principal engenlioiro do preparar os planos
para ellas dentro em dous dias.
O Picayune publicou alalia inaugural de Amago,
e a mensagom de Sanl'Anna ao congresso eonstilu-
inte. Aquella niostra claramente as vistas do execu-
tivoom relagao a guerra, o esla sera collocada^cn-
tre as mais habis produegoos de Sanl'Anna.
Todas as fallas e meiisagens publicas respiran)
una feroz e determinada bostilidade para com os
Estados-Unidos, eexclucm toda a dea depaz. Os
principaes membros do congresso estilo promoven-
doardenteiiienie urna guerrilha militar
A esquadra commandada pelo commodoro Pcr-
ry anda nfio tinha voltado da cxpcdigo contra
Tuspau.
Asdatas de Brazos chegam at24.
Propozeram-se no senado do Louisiaia rcsolucOes
do graeas ao genera 1 Scolt.
(nited^States-Gatctte).
i
soda enfermidadede S.Etc. d'timcarcter o mais
assustador ; o nulriam-.se muitos recelos de que o
nobre enfermo mo podesse sobreviver manilla se-
guinle. A molestia de S. Etc. era um aneurisma a-
companhado, segundo se di/ia, d'um hydro-lhorax.
Toda a noitc conliniiaram a fazer-se iudagagOes no
oastollo, c as 4 horas da manliSa dou-se era rcsposla
que S. Exe. n.lo eslava peiordoqueestivera nos dous
dias anteriores.
As noticias,foram, pois, naquelle dia 27) mais fa-
voraveis. Ao meio-dia dizia-sc que o nobre conde
liavia pausado una imite tranquilla, e que estava no
todo alguma coiisi mellior-
\ rebree dysentoria continuavam a fazer terrives
estragos entre lo las asclasses. As ultimis noticias
desligo, llelfal, Formana.;h. Hoy oCliarle.nortt, no
condado de Arpagli, fallan) da rpida nVopagaclo do
contagio uossas localidades, o da grande falta iFu.ii
systems convenientemente org.misa.l6 de cari la les
niodicas, que, se fossemju liciosamenl) e o pregad is,
tciiain servido de meios para salvare.n-se ui.iilos
daquellos quo succunil>r.i:ii victjmas d is enfermid i-
des reinantes. 0 numero do inortes na (asa de tra-
balbo do Cork dzia -se h iver sido, a se.n na pass.ida,
de104.
DEM, 28. O bololim publicado na nianlia.i desto
dia acercada san le de lord lugar-tenonte era sum-
mamentedusfavoravel; e s-ni ombargo da lisongoi-
ra noticia do estado da sa le do nobre enfermo, que
hppareceu no jornal dogoverno da noile anteror,
liavia loda a raso para reeeiar-se una fatal lerini-
uiir.li) da molestia de s. Exc.
Desde a hora da partida do correio do dia antoco-
dcnle at as :1 da manhffa, a resposla dada a numero-
sas vindagacoes foi que nao hava mudanga nos
symptomas/e que o nobre conde nao eslava poor.
Todava naquello mesmodia tinham diminuido mais
as esperangas dereslabeleclmeuto, segundo consta-
ra dos boletins publicados as '.I horas da inauliila,
anlcs das 3, o as 4 horas da tarde.
DEM, 29. Poucaou nenbuma mudanga tinha ha-
vido desde as i horas da tarde anterior sendo os
symptomai quasi os meamos toda a noitc preceden-
te. O boletui da manilla daquclle dia annunciava
que S. Exc. tossra una noitc IranquiUiJ que a sua
respiragao era um pouco mais litro ;.mas que a ou-
tros respelos nao hava mudanga algtima. At as 5
horas da tarde do outro dia n.lo se publicara novo
boletim, c a resposta dada a Indagagoes fra que n9o
hava mudanga material,
Depois de todas as lisongeiras previsdos em con-
trario, tinha-se descoberto pelo menos n'um caso,
quo se verificara nacolbeita das hlalas deste auno
aanliga peste; e ate mais cedo do que na estngfio
passada, em que os priuieiros syniptoiuas fataes nao
se desenvolvern) geralmento seno depois do meaji*
do de main.
O numero de doentes do febro no hospital addido
casa de Irabalbn de Belfasl nionlara no dia 24 a 440
individuos; desde esse dia at !9 subir o seu nume-
ro a 015.
N'outro lugar publicamos os pormenores da bata-
lha e victoria de Sierra-Gorda, um dos mais brujan-
les feilosd'armas da presente guerra. Nao ha vemos
mister de nos demorarmos em louvores ao com-
niandanle-gencral das tropas dos Estados-Unidos;,
elle he condecido, e todos os seus movimentos nesta
guerra teem-sc distinguido por aquella aecurada dis-
posigaoque resulta de vastosconhecimentos milita-
res, que guian) os talentos militares do primeira
ordem. &
lie mistor trazcr' lembranga.quc nesta aegao, as-
sim como uaquella do Uuena-Vista, foram os Mexica-
nos dirigidospelo proprio general Sa|>t'Aniia,a quem
permiltio itr. Polk, que tomase o commando das
tropas mexicanas.
L3 Vega esta oulra vez prsioneiro, apanbado como
dantos no brioso desompenho dos seus deveres
Sanl'Anna tambom estove preste a ser pilhado : todo
heMSanf Vnna escapou mllafrosamcnte n'uma i o seu ti cu. de commodidados pessoacs cabio em po-
Kmando algum atalho pelo meio do chaparral, dor dos nossos. Elle mesmo deu por fiadores as
Kilo foi sesuido de perto icio seu secretario da guor- pumas.
ra OMne c" alizo, que, pela sua grande reputado .i mortandade nesta ncgo fin terrivel e por todo
de bravura era liamuitocognominadoo Loando o nosso territorio ouv.r-se-ba prantear a morle do
Mxico. Foi niorto o general Vasquez que com- 300 homens.
manduva o corpo de reserva em Buea-Vista. Kste of-
fftfcANDA.
DBLIN, 20 DE ABRIL DE 1847.
O projecto de emigragilo ltimamente snbmcttido
conglderagao de lord J. Bussell pelos cheles do par-
tido rlandcz.om Londres, foi recebido commuita n-
diirerenga naquella capital. Elle foi denunciado com
igual severidado pelo conde de Roden, d'uiiia parte,
e pelo hispo calholico romano de Derry, da oulra. A
imprensa/repen/cra unisona na reprovagilo do pla-
no, e urna folba conservadora .'o Clare Journal, pou-
co menos parca era de censura para com elle.
Havia al o dia 10 no Union-Feter-Hospital de Bel-
fasl 425 febricitantes 174 varOes, e 251 do sexo fe-
menino ; o o medico da casa annunciou immediato
augmento uo numero por 20 casos addicionaes.
DEM, 22 As noticias do interior acerca dos pro-
gresgos da febre e dysenteria continuavam a ser de
um carcter summamente dosfavoravol. Havia mui-
tos casos de febre, assim lias classes superiores como
entre as mais humildes ; alguns dos quaes termina-
ram fatalmente. Tanto os clrigos protestantes como
os calholicos romanos eramacominetlidos da moles-
tia, e jaziam no leilo da dor. Entretanto outras cau-
sas cuoperavam para augmentar a cifra da mortali-
dade.
Os cidadilos de Liinerick fizeram umm/J para
exprimiros seus sentimentos do profunda gratidao
paracomopovo americano por enviar soccorros
irlanda.
DEM, 26. -- As noticias do estadoda sade do con-
de de Bcsborough, lord lugar-tenente,foram naquello
dia muito pouco satisfactorias. Tinha havidodesde 24
muitas consultas medicas. Dizia-se quoS. Exc. lu-
tava com urna complicacao de molestias, que assu-
miraui um carador mui "assustador; cm consequen-
cia do quo haviam sido chamados de Inglaterra os
seus prenles mais prximos para seacharem no
castelio da sua icsidencia.
DEM, 27. At urna hora muito adiatiuda da
notte anterior a esle dia erain os boato do progres-
OEvening Po$t contiuha a seguinle communica-
gao do Vaticano, dirigida ao reverendo arcebispo
Murray :
ii Venoravel rmliO. Sade e bengao apostlica.
Sabis muito bom, venoravel irmo, que as ac-
tuaos calamidades da Irlanda teem enchido de ma-
gua o nosso coradlo, c excitado a nossa solicitudo
para alliviar os padecimentos do vosso paiz
Com esta recebereis una nova prova da nossa
alTeiglo para com o povo irlandez, na copia jtmta da
npssa caita encyiiica, dirigida a todo o orbe catho-
lico, ordenando que se J'agam procos em loda a par-
te, a (i ni de implorar-so o divino auxilio para a Irlan-
da, e recommendando aos fiis quo contribuam por
seus caidosos donativos para soccorro do povo ir-
landez. A intcnsi.l.iile dos vossos padecimentos, o
dos nossos sentimenlos paternaes para comvosco,
exiga outro tanto da nossa parto.
ii Para vossa maior consolag a o havemos por bem
accrcscenlar que nos mesmo,especialmente na obla-
gao do sacrificio divino, nao cessaremos de implo-
rar mui ardenIdmeitte a Dos quo be rico do mise-
ricordias, que se digne deabaixar do co seus divi-
nos olboe, e atlentar benignamente para a sua VI-
nha, afim de que a magoa e a dr succodam na Ir-
landa a alegra e o prazer, c que as eircuinstancias
prestem Uin xito favoravol aquellas medidas quo
S M. Seienissima a rainba benvolamente tragara
para o l.em-estar desso reino. Para elleilo deconse-
guir-se este intento com facilidade e promptidao,
bem sabis, vencravel innao, que nada pode ser do
maior vantageni para o vosso paiz do que unir-se. o
clero com o povo para promoveiem ambos juntos a
publica concordia, e estrictamente regularen) ai
suas vidas de conformidade com as leisde N. S. Je-
sus-Cbrsto e da igreja calholica.
Sabemos com certeza, que vos, vencravel irmilo,
e os outros bispOS da vossa uietropole, leudes alo o
nresente empregado toda a diligencia para esse fim,
e estamos lu-m convencidos de que continuareis a
fazc-lo para o futuro.
(i No entretanto, vos langamos mu allectuosamen-
tc de lodo o nosso rjoragilo W nossa bongilo apos-
tlica. .
Dada cm liorna, cm Santa-Mana-Maior, aos 10
de abril do anuo do N. S. 1847, e 1. do nosso pon-
tificado.
Pi P. P. IX.
A FOMF. NA IRLANDA.
Copia de urna meniagem dos prelados irlandeses em re-
conhecimento das subscriprdes promovidas na Ingla-
terra em beneficio e para soccorro dos pobres mi'iera-
t ll da Irlanda.
.u.-, abaixo ussignados, prelados ilandoz.es, a
I
i

*

(MUTILADO


mtem teem sido confiadas avultadas contr.bu.coest Outro do concelhoiro Antonio Peregrino Mac'
Ene?" remettid5alnrttterr porvariasso-Monte.ro, d.zendo que, por constar-lheque tn j
SjmSh Pb'CW. Pl0 c,ero paro-,.luasvaRas seteom dever11Car,nadeputacao des a
cha lo* por individuos particulares, para soccorro-, provincia a assembla geral ora virtudei do impedi-
dos pobres desamparados da Irlanda, julgamo-nos o-S ment de dous membros da mesma deputacao
brisados a dirigir os mais sinceros agradec mentos l-
aos generosos* conti ibuinles pelo eftlcaz auxilio que
uos generosos _.
hito prestado aquellos que tcem padecido tomes o
enferuiidades. Este capital tem sido por nos appli-
cado ao soccorro dos pobres de todas as crcncas re-
ligiosas, e muitos militares do pessoas teem dest'ar-
to sido salvas da morte.
Scbem que em muitos districlos do paiz soja
linda a miseria dbs pobres urgentsima, e ale baja
erescido oro algumas partes por terem sido despedi-
dos muitos trabalhadoros do snico djts obras publi-
cas, como preludio para a adopcfio do novo systema
de soccorros temporarios decretados pela legislatura,
nfio podemos todava deferir por mais lempo a exprs
89o da gratidfio que sentimos, pela munilicente ca-
ridade e sympalbia rhristfia manifestadas pelo pu-
blico britannico para com os seus alllictos concda-
dfios da Irlanda. E ao passo que fervorosamente ora-
mos, para que a Inglaterra nunca experimente em
seu seio urna calamidade tal como aquella que o
Omnipotente Dos tem sido servido de enviar sobre
esta porcro do nosso imperio, ardcnlcmcnlo doseja-
mos que pela sua divina misericordia sirva este tre-
mendo castigo de meio para se ligaron mais estrei-
tamente pelos vnculos de fraternidade o benevolen-
cia os habitantes de ambos os paizes, o para inspi-
rar duraveis sentimentos de mutua reverencia lis
almas magnnimas que hito coneorrido para o alli-
vio tiesta penuria, caos pacientes que teem tido tSo
grande parle na sua liberaliilade.
(Seguam-se os nomes de onze signatarios.)
(Times.)
FRANCA.
liizia-se que exista alguma fiieza entre o rei Luiz
riiilippo e a rainha Christina, em cnnsequeiicia de
liaverelle recusado crear Muoz duque de Malinai-
son, ou diS.-I'bilippe, ou de Santa-Amelia, santo
OU santa padroeira da rainha dos Francezcs em lu-
gar de duque de Monlinorot.
Segundo a Union Monarchique, devia de ser M. Itois
le Com te o novo embaixador francez em Madrid.
O duque de Broglie, embaixador novamente no-
meado para a corte de S.-James, devia de partir den-
tro em poneos dias de l'aris para Londres. O conde
dcJarnac retirava-se do em prego de I." secretario da
embalsada, e devia de ser succedido pelo principe
de Broglie, filho mais volito do embaixador. A re-
mocho de M. deJarnac, que lia milito eslava habitua-
do a communicar directamente com as Tulherias, c
com o palacio dos negocios estrangeiros, era soli-
citada com instancia pelo duque de Broglie como
condicHo indlsponsavel da sua aceitado do cargo;
pois que desejava ser o ntico representante de Fran-
ca em Londres, ter ellcs o dircito de communi-
car directamente com o gabinete.
ARGEL.
Vm despacho tclegraphico de Argel, de 20 de abril,
annuncira a suhniissiio dos Kahyles. Os montanhe-
zcs reconbeciam subjcicfio i Franca, e pagar-lbe-iam
mu liibiito annual que seria ron ettido a Argel. Ne-
iltuin iniutigo da Franca seria recebido nasmonta-
nbas. Todos os Kuropeus viajariam ;,elo interior do
paiz com perfeila seguranca; as tribus o os seus che-
les conserva riam as estradas francas o seguras. Por
outra parte, o govornador-geiienil de Algeria obri-
gava-se, em nome da Franca, a nilo fazer marchar
tropas para o interior do paiz, emquanto essas esti-
pula$0es fossem observadas.
Tinham chegado a l'aris jornaes de Argel, com da-
ta de 2:2.
O Abkar dizia quo lou-Maza, que partir de Ar-
gel a 22, na fragata de vapor Librador, passra to-
da a noitc de -jo com o marechal liugcaud, e que
lite ilra valiosas iiformac,os relativas ao interior
de Algeria. A entrega deste cliefo era reputada em
Argel por um dos eventos mais importantes que ha-
viam oceon ido em toda a guerra com os partidistas
de AluI-el-Kader.
Bou-Maza ebegra a Toulon a 25. Segundo as no-
ticias que se baviam propalado da conducta deste
rhofe, pareca que o ouro francez Uvera tanta parle
como o ferro francez na sua entrega ; e que liou-
Maza tem de supportar, no tanto o infortunio de
prisioneiro, quanlo a deshonra de renegado.
(Albion.)
"
PERNAMBUCO.
Cmara municipal do llccifc.
PRIMEIRA SESSAO ORDINARIA DE 9 DE JUNHO
DE 1847.
PRESIDENCIA DO Sil. REC0 AI.BLQUERQUE.
Presentes os Srs. Carneiro Monteiro, Cintra, l)r
Nery, Egidio Ferreira, Barata c Gaudino, abrio-se a
Desafio, e foi lida e approvada a acta da antecedente.
O secretario leu umolTicio do Exm. presidente di
provincia, em resposta ao desta cmara, do 14 de
abril ultimo, em que dizia que a vista da informa-
rito, por copia inclusa, do administradordas obras
publicas no pode a estrada da Pontc-Jo-IJchu
dcixardescr municipal Intcirada.
Por esta occasifip, o Sr. vereador Cintiafez o se-
guinte requerimentoque foi approvado.
Itequeiroque so imprima toda a corresponden-
cia relativa queslio da estrada da Pontc-do-Ucha,
addicionando-se esta ao corpo da acta de boje.Sa-
la das sessoes, 9 de junlio de 1847.O vereador,
Cintra Manuel.
Outro do secretario da provincia, remetiendo de
ordem do Exm. presidente a collec,to das decises"
do governo, tomo 9, cadernos 10, 11 e 12, pcrlen-
centesaos ntezes de outubro, novembroe dezembro
doanno passado, bem como o ndice das inesmas
Inteirada, c mandou-se archivar.
Outro do vereador Aquino, participando nao poder
comparecer sessito de boje, visto que anda nfio se
dissiparain os seus incommodos de sade, e adia-
se agora sobrecarregado do trabalhos da repartiefio
confiada a sua direcefio.Inteirada.
Outro do deputado a assembla geral, Antonio
Joaquim do Mello, participando que por doente no
lhe be possivel ir tomar assento na respectiva cma-
ra.-Inteirada, e mandou-se expedir diploma ao sup-
plente respectivo e remetter o precedente ollicio ao
secretario da assembla geral.
Outro do deputado a mesma assembla, Antonio
Alfonso Ferreira, fazendo igual particpaefio.Intei-
rada, e deliberou-se da mesma forma cima.
Icvendo-lho caber um dos lugares vagos na cmara
atienta a ordem dos supplentes em quo se deliherou
colloca-lo, anticipava-se em declarar que renuncia-
va esta vez,como em outra j o fez, ao direito do re-
presentar provincia na qualidado de supplenlo quo
lhe foi dada. Inteirada, o deliberou-se da mosma
forma cima.
Por esta oceasto o Sr. vereador Cintra fez o se-
gunte requer ment que foi approvado.
llavcndo o Exm. Sr. concelheiro Sebaslifio do
llego Barros renunciado o lugar de deputado sup-
plente assembla geral, qiando tora por esta c-
mara convidado para tomar assento em sessito do
anuo atrasado ; requeiro que se convido a quem de
dircito competir a preencheras vagas dos Srs. de-
putados, cujas participaces oistem sobro a mesa.
Sala das scsscs, 9 de junho de 1847.O veroador,
Cintra Manuel.
O 9r. vereador Barata fez tambom o seguinto re-
quer ment que foi approvado, votando contra o Sr.
Egidio.
Bcqueiro que acamara autoriseao Sr. vereador
presidente eao secretario, para independentemenle
de so reunir sessfio expediros diplomas aos depu-
tados supplentes que por dircito tiverom do tomar
assento la respectiva cmara dos Srs. deputados.
Outro ollicio do juiz do paz do primeiro districto
do Poco-da-l'anella, remetiendo o livro da qulifi-
oecito daquella freguezia.Inteirada.
Outro do juiz de paz supplenlo do primeiro dis-
tricto da Boa-Vista, fazendo igual remessa.Intei-
rada.
Outro do fiscal da freguezia deS.-Jos, podindo a
cmara que d as suas ordens, afim do. ser melhora-
do o estado de algumas ras de sua freguezia, quo
com as chuvas deste auno se teem tornado intransi-
taveis, por conservarem diariamente agoas ostag-
nadas. Autorisou-sc a todos os liscaes para trata-
ren! da limpeza das ras, participando immediata-
mente cantara as despezasque bouverem feito.
Outro do fiscal do Itecife^pedindo o pagamento do
6,400 ris ao cirurgifio Jos Antonio Marques, de
las corridas de sade que com ello-tojkcm o mez
passado, as quaes renderam 48,000 rw.Mandou-
se passar mandado.
Outro do fiscal do S.-Antonio, participando que
as multas impostas por infracOes, em o mez pasa-
lo, importaram na quautia d 44,000 ris o pedid-
lo so mandasse pagar 3,200 ris ao cirurgifio Jofio
Doididgues da Silva, de urna corrida do sade. In-
teirada, c mandou-se passar mandado.
Dous do fiscal dos Afogados, apresentando ept um
os mappasdo gado mortopara consumo daquella fro-
, uc/ia at 0 flu do mez passado. e em outro partici-
pando haver feito urna corrida tic porcos, da qual re-
sultou 20,990 ris livresdas despezas, de cuja impor-
tancia fez entrega ao respectivo procurador; e po-
dindo se lhe mandasse pagara quanlia de 1,000 ris
que despender com o enterramento de um cadver.
Inteirada, o mandou-se passar mandado.
Foi lido e approvado um parecer da commissfto de
edificando, apresentado sobre as pretcncesde her-
deiros do senador Jos Carlos Mairink, Bento Soa-
res (le AragfijO, Jofio Thomas Pereira o Braz Antonio
da Cunta, que pedem por aforamonto terrenos do
marinha ; e de conformdade com o mesmo parecor
se informaram as prctences.
Foi remeltido a mesma commissfo cima o reque-
r ment e mais papis de Antonio Joaquim de Souza
Bibeiro, que i esta cmara tora enviado pela presi-
dencia com despacho de informe.
l)espachram-so os requerimentos de Antonio
Francisco de Carvalho, Antonio Cortes, Anastacio
Xavier de Couto, Domingos Jos de Oliveira Soares,
Domingos Jos Rodrigues, Francisco de Carvalho
Paes de Andrade, Francisco de Oliveira, Faustino
JosCorreia, Joaquim Ignacio de Carvalho Mendon-
ca, Joito Jos Rodrigues Lopes, Joito Antonio, Luiz
Jos .utios de Castro, Luiz Ignacio Bibeiro Boma,
Luiz de Carvalho Paes de Andrade, Mara do Carmo
Leal, Maxi miao Francisco Peixoto Duarte, Manoel
Volque, Sebaslifio Alves Curado, Tltomazia Mara
de Jess. Eu, Jodo Josa Ferreira de Aguiar, secre-
tario a subscrevi.
Declaro em lempo que o Sr. vereador Egidio Fer-
reira votou contra o requerimeiito do Sr. Cintra.
Aguiar.
llego Albuquerque, presidente. Carneiro Monteiro.
A. de Danos.Ferreira.Cintra.Ur. Nenj.Ba-
rata.
PAItECF.il MENCIONADO NA ACTA SOPBA.
A commssfio cncarregada de examinar os reque-
rimentos dos herdeiros do senador Jos Carlos Mai-
rinck da Silva Fcrrfio, Bento Soares de Aragao, Jofio
Tbomaz Pereira c Braz Antonio da Cunlta, cm quo
os tres primeros pedem por aforamonto os terrenos
de marinha fronteiros ssuas propriodades e de que
se acham de posse, e o ultimo unta porefio de alagado
do marinha no lugar de Motocolomb.e de dar sobre
os msanos o seu parecer, entende quo os peticiona-
rios eslfio nos termos de ser deferidos, urna vez que
satisfacam todas as condicoes exigidas pelas Icis
posturas municipaes, visto como pelas intormaces
que foram presentes a commssfio, e a que proceden,
os terrenos cujo aforamciito solicitatn os peticona-
rios tifio sao de mister para o uso municipal.
Recito 9 do junho de 1847. O vereador, R. Ba-
rata.
CORRESPONDENCIA OFFICIAL A'QUE SE REFERE A
PRENOTADA ACTA.
lllm. i Exm. Sr. Acbando-sc em pessimo es-
tado edo dillicil transito a estrada que conduz des-
ta cidadeao arrabalde da Ponte-do-Ucha, conforme
representou-nos o fiscal da freguezia da Boa-Vista,
como ver V. Exc. do ollicio incluso, rogamos a V.
Exc. se digne providenciar a respeito a lint do que
nao succeda deteriorar-se de todo a supradita estra-
da cont o apparecimento do prximo invern.
Aproveilamos esta occasiao para rogar a V. Exc.
mande por disposic,ao desta cmara a podra vinda
de Fernando, que se acha em o arsenal de marinha,
para se poder continuar no calcamento das ras des-
ta cidde, que est parausado por esta falta. Dos
guarde a V. Exc. Paco da cantara municipal do Ro-
cife, em sessao de 14 de Janeiro de 1847. lllm. e
Exm. Sr. concelheiro Antonio Pinto Chichorro da
Cama, presidento da provincia. Manoel Caotano
Soares Carneiro Monteiro, pro-presidenle.~Jos Ca-
mello do Reg Barros.-Manoel Coellto Cintra.Ir.
Ignacio Nery da Fonscca.-Dr. Joaquim do Aquino
Fonseca.Rodolfo Joo Barata de-Almeida.-Guadino
Agoslnho de Barros. .
Sendo municipal a estrada de que Vmcs. tratam
em seu ollicio do 14 de Janeiro do correte atino, de-
ve o concert, de que ella precisa, ser feito pelos
m
rendimentos dessa cmara, e tambem pela compa-
nhia de Beberibe, as partes em quo seachar arrui-
nada pela obra do oncanamento das agoas. Dos
guarde a Vmcs. Palacio do Pernattbuco, 8 de abril
do 1847. Antonio Pinto Chichorro da Cama.-
Srs. presidente e vercadores da cmara municipal
desta cidade.
lllm. e Exm.Sr. Acensamos a recepto do ol-
licio de V. Exc, de 8 do corronto, cm que, respon-sj
dondoaoquftenderecamos a V. Exc. em dala do 14
de Janeiro ultimo, pedindo providencias sobra o es-
tado de ruina em que se acha a estrada da Ponte-de-
Ucha, nos declara V. Exc. que os concertos da mes-
ma estrada devem ser feitos pelas rendas municipaes,
c pela companhia do Beberibe as partos omquo
se achar arruinada pela obra do encanamento das a-
goas; o comquanto muito rospeitemos a sobrcdita
decisao dada por V. Exc., comtudo julgamos de
nosso rigoroso dever apresenlar a V. Exc. algumas
consideracosqueparecem nfio devorem sor por nos
dosprezadas, quando" se trata de onerar os cofres
municipaes com urna obrigaefio dispendiosa, da qual
at agora tcem estado isentos. Esta cmara, Exm. Sr.,
reconhece que a companhia de Beberibe tem o devor
de concertar as estradas que forem arruinadas, em
consoquencia do encanamento das agoas; porem
tambem est persuadida de que s rendas provin-
ciaescumpre fazer as despezas necessaras com os
outros reparos da estrada do Manguinho e Pontc-de-
Ucha, porque esteve ella sempre a cargo das obras
publicas como estrada provincial--, e at hoje ne-
nhuma inspecefio exerceu esta cmara sobre el-
la.
J por diflerentes vezes tom sido essa estrada con-
certada, o nfio ha muito tempo que consjderaveis
melhoramentos se fizeram no lugar do Parn-Meirin,
e Sant'Anna, mas todos essesdispendios rccalnram
sobre as rendas provincJjJs, sendo ditos, melhora-
mentos dirigidos pola reparticao das obras publicas,
e nomeadps conservadores para mantercm o bom es-
tado d\/nlsiaa estrada. Outro slm, tanto esta foi
sempre consuTrada provincial--, que por ordem
dessa presidoncia, e por intermedio daqnella roparti-
efio se ostabeleeeu unta barreira na ponte do Man-
guinho para a cobrauga do respectivo pedagio; ten-
do sido aquella ponte constantemcdte reparada o
coocertada pelas reddas proviitoiaes. Em vista de to-
dos osles procedentes, nunca alterados, pensa esta
cmara ser-lhe licito representar a V. Exc. sobre o
supracitado ollicio, e rogar-lhc o apreciamento das
rasos que pareccm eximir esta cmara dos concer-
tos da estrada em questfio. Dos guarde a V. Exc.
Paco da cmara municipal do Recito, em sossfio de 14
de abril de 1847. lllm. e Exnt. Sr. concelhoiro
Antonio Pinto Chichorro da Cama, presidente da pro-
vincia.Manoel Caetano Soares Carneiro Monteiro,
pro-presidente.-Dr. Ignacio Nery da Fonseca.-Manool
Coelho Cintra.-Jos Egidio Ferreira.Dr. Joaquim de
Aquino Fonseca.Rodolfo Jo3o Barata de Almeida-
Caudino Agostinho de Barros.
lllm. e Exm. Sr. -- Cumprindo o despacho de V.
Exc, exarado no ollicio do inspector da tbespuraria
provincial, em que, informando sobre as reflexoes
(citas por esta cmara acerca de sita incompetencia
para mandar fazer os concertos necessarios estra-
da da Pontc-de-Ucha, concluo o luesmo inspector
pela obrigaefio do tacs concertos da parte da munici-
palidade; temos a ponderar a V. Exc, que ainda
subsisten as rasOes que allegamos em nosso odlcio
de 14 de abril ultimo, pois que nao foram ellas com-
batidas, ncm destruidas pelooflicio sobre o qual V.
Exc. nos manda informar. Ainda quando nfio exis-
tisse lei positiva que poz,esso termo a esta questfio,
bastara a pratica constante de estar aquella estrada
sempre cargo da repartiefi das obras publicas, e
as nao interrompidas ingerencia o inspeccao que" a
mesma reparticao tem exercido, para dictar urna fi-
nal decisao: porm, sem que ainda tenhamos recurso
este concludente argumento, rogamos a V. Exc.
se digne laucar as vistas para a le provincial n. 9, de
10 de junho do 1835, edo artigo 1.' ver V. Exc, que
a estrada da Ponte-do-Uchoa he, som a medor con-
tiadcQfio, provincial;,porquanto, tendo ella mais de
quarenta palmos de largura, haveiido sido os seus
reparos feitos sempre por ordem do governo da pro-
vincia, e dando essa mesma estrada passagems clas-
sificadas geraes, he damaior evidencia, qucmlo pode
ser considerada municipal, nos termos do artigo 2."
dasupracitada lei. PorUnto, firme osla cmara na
sua opiniao, que parece'sustentada pelos factos o or-
dens anteriores, aguarda, todava, a decisao de V.
Exc. para lhe servir de governo. Daos guarde, a V.
Exc. I1.ico da cantara municipal do Recito, em sossfio
do 22 de mato de 1847. lllm. e Exm. Sr. conce-
lheiro Antonio Pinto Chichorro da Cama, presiden-
te da provincia. Manoel Joaquim do Rgo Albu-
querque, presidente.Manoel Caetano Soares Car-
neiro Monteiro.Jos Egidio Ferreira.Rodolfo Jofio
Barata de Almcida.Manoel Coellto Cintra.
Em resposta do officio que Vmcs. rao dirigiram
em data de 14 de abril ultimo, sou a dizer-lhos que
a vista da intormacao, que por copia Ihos remello,
do administradordas obras publicas, nao pode a es-
trada da Ponte-de-L'chna deixar de ser considerada
municipal. Dos guarde a Vmcs. Palacio do Pcr-
nambuco, 1." de junho de 1847. Antonio Pinto
Chichorro da Gama.Srs.presidente e vercadores da
cmara municipal do Itccife.
IMPORTAGAO.
Putriam, brgue americano, vindo de Pliiladelphi
entrado no corrente mez, consignado a llenry Fors*
ter, manifestou o seguinte :
1,450 barricas farinha de trigo, 3 barrls prezuntos
6 ditos verniz, 3 duzias de baldes, 2 caixas com tal
boas, 1 dita com quartinhas ; ao capitfio.
100 moias barricas farinha de trigo, 150 barris pre-
zuntos, 100 barriquinhas bolaxinha, 10 caixas f^
zenda de algodfio, 20 ditas de dito azul, 1 dita cha-
peos do palha; ao consignatario.
Consulado.
BENDJMENTO 1)0 DA 30.
Geral........................
Provincial ....................
Drversas provincias..............
r
2:6ia,ti
1:022,390
51,920
3:686,351
Movituento iSaviu entrado no dia 30.
Londres; 41 dias, gaiera ingleza Indus, de 419 tone-
ladas, capitUo William Cox, equpagem 19, carga
lastro; a Me Calmont& Companhia.
iVoeo sahido no mesmo dia.
Lisboa; escuna brasilera Boa-Fi, capitfio Manoel
Joaquim dos Res, carga assucar.___________
"eclara^es.
O arsenal do guerra compra cem armas novas,
do adarmo 17 com baionetas : quem dito genero
tiver, mandar sua proposta em carta fechada, a
directora do mesmo arsenal, at o da 3 do rfp\\.
mo futuro mez de jullio. -- Arsenal de guerra, 3i, j unho de 1847. Joto Ricardo da Siloa.
O arsenal de guerra compra azeite de carrapato,
dito de coco fio de algodfio o pavios : quem tacs
gneros quizer fornecer, mandar sua proposta,em
carta fechada a directora do mesmo arsenal, aleo
dia 1." (hoje) de julho prximo futuro. Arsenal do
guerra 26 de junho do 1846.
Joo Ricardo da Silva.
A administrarlo geral dos estabelecimentosde
caridade, em ciimprimedto do artigo 160 do regu-
lamento-dos tnesmos estabelecimentos, tendo de
solemnisar o dia 2 de julho corrente anniversario
da Visitacfiode Nossa Senhora, padroeira da ca-
sa dos expostos, manda fazer publico, que no
mencionado dia se franquear -entrada as pessoas
que quizerem visitar a prodita casa das 4 horas da
lardeas 8 da noito, segundo dispOo o ajetigo 161 do
mesmo regulamenlo ; e avisa as pessoas que tive-
remeinsua companhia expostos de qualqucr dos
sexos e idado qu os deverfio apresenlar pelas 3
horas da tarde do mencionado da na revista geral
que se tem de proceder sob pena do lites serem os
mesmos tomados se assim o nfioizcrom. Adminis-
traefio geral dos estabelecimentos de caridade 21 do
junho de 1847. O oscripturario Francisco Anto-
nio Catakanti Cousseiro.
Aos 21 de junho do 1847, tendo comparecido os
Srs. Reg Albuquerque, Dr. Nery da Fonseca e Re-
g Barros nfio podo haver sessfio por falta de nume-
ro legal. Eu, Jlo Jos Ferreira de Aguiar, sccro-
tario o cscicvi. Compareceu o Sr. Barata. Dcclarci
cm tempo. Aguiar.
Aos 22 dosupradito mez c anno, nfio houvo ses-
sfio por falta de numero legal, visto simiente terem
comparecido os Srs. Reg Albuquerque o Carneiro
Montoiro. Eu, Jodo Jos Ferreira de Aguiar, secre-
tario o escrevi. Compareceu o Sr. Barata. -
guiar.
Aos 23 do junho doanno supramencionado, tendo
smente comparecido os Srs.. Reg Albuquerque,
Carneiro Monteiro o Barata, n3o pode haver sessfio
por falta de numero legal. Eu, Jado Josi Ferreira
de Aguiar, secretario o escrevi.
CORRE10 DE PERNAMBUCO.
Os ollicios abaixo declarados nfio podem seguir o
seu destino sem primeiro pagarem o competenlo
porte.
2 ofijeios de particular interesse do 1. lente
Manoel Soares de Figueiredo, ao ministro da fazenda.
1 dito de particular interesse do capitfio Jofio do
Reg Barros, ao ministro da guerra.
1 dito do cabo Jofio llaplista, ao dilo'dito.
1 dito do soldado Jofio Bernardo, aodito dito.
1 dito do dito Jofio Francisco, ao dito dito.
1 dito do 2. sargento Manoel da Besurreicfio Oli-
veira Sobral, ao dito dito.
Publica^lo JLilteraria.
Memorias histricas da provincia de Pernambuco, em-
postas pelo lente do estado-maior do exercito, lot
Bernardo Fernandes Gama.
O 3. c 4." tomos destas Memorias, cujas estam-
pas j chegaram do Bio-de-Janeiro, hfio de serim-
preterivelmente distribuidos petos Srs. assignanles
o mais tardaratodia 15 Je jullto do corrente anno,
O 3. tomo conclue a guerra hollandeza.
O 4. tomcontm a noticia minuciosa dos fac-
tos notaveis que tiveram lugar em Pernambuco, ue-
pois da expulsfio dos Hollandezes; bem como i guer-
ra e destruiefio do quilombo dos Palmares, que sus-
tentou por mais de trinta anuos um governo inue-
pendente; revolugfio, na qual os Pernaniliucaitos
prenderam um governador ecapitfio-general, eoti-
zeram embarcar preso para Lisboa; pestodenomi-
nada males ; tiro disparado contra outro gover-
nador e capilfio-general; fgida deste despota an/j-
go; guorra civil, denominada dos Mscales, pela
creado da villa do Recito, cm 1710; posses dos go-
vernadores o captfies generaos com toda a cxactiaao
as datas, etc., etc.; etc.
03 tomo ser distribuido atoim do crreme
anno.
Subscreve-se a dous mil ris cada um tomo na pro
es da Independencia, livraria iiumcros6 08. hm ju-
lho fecha-sea subscripQfio, oh obra ser entilo ven-
dida aos que nfio forem assgnantcs por mais 50 por
cento.
CGMMEiU;iO.
--------------------------
Afctndega.
RENDIMENTO DO DIA 30........... 3:571,34%
Descarregam hoje, 1".
Brigue Putriam farinha.
Brigue -- Arago mercadorias.
Briguo Esperanca idem.
THFATRO PUBLICO.
Pela noticia infausta, chogada domingo 27 de ju-
nho, da morte de S. A. o principe imperial, inanuou
o Exm. Se. presidente da provincia, quenessa non
nao bouvesse espectculo, o qua! licou tiansferiuo,
da mancira seguinte, para
entre
DOMINGO 4 DE JULHO
anniversario da feliz independencia da
AMERICA DO NORTE. .
Principiar o espectculo por um drama alegrico
INGLATERRA E AMERICA,
caiilfhdo-soohymnodaamerica perante o retrao
do Sr. presidente dos Estados-Unidos, primoros
mente pintado pelo pintor americano residenie n
la cidade. Seguir-sc-h*1 a muito applaudida e v
triotica peca,
A MARA DA FONTE,
ornada de cantigas das cachopas do campo, coi,
ttanga da Siranda. eo hymno patritico do > >
cantado, pelo triumpho alcancado pelas inuiiiw
|entre atropa do regiment n. 8.


Terminar o espectculo com jocosa farga,
O APRENDIZ DE LADREO.
m,ro[o do. frente nobre, n. 27, fien disposi-
. dolUni. Sr. cnsul da Ameriea, decorado com o
fipeteDte'partlhao.
visos martimos
" Yende-sobriguebrasileiro Austral, dolte
"e- toneladas forrado de cobre com todos os
,l0 ,L nrompto a navegar para qualquer porto :
"'' c'mnar, a bordo do raesmo, fundeado no
,iarri'jouro da descarga da carne secca o para se
anC .a'r na ra da Cadeia n. *5, com Amorim Ir-
'"'^Obrigue nacional Despique segu viagem para
"lina em poucos dias : quem no inosmo quizer ir
i atsem para o qne tom bons commodos, Ira-
de Pas-''b....,.V.,i & Pinheiro, na ra da Cruz,
com Machado
"'-" para o Rio-de-Janeiro segu, com toda a hrovi-
lade o brigue-escuna Fflis- Ventura, capito Joflo
lonclves l.oite; recebe urna pequea porgSo do
'X miuda passageiros o escravos a frete : quem
miizcr embarcar entenda-se com o consignatario ,
Maiioe! Ignacio de Oliveira na ra da Cadeia, u, 40.
-Quem tiverequizer fretar para e Cear urna
'barcaca grinde ou um hiato pequeo dirija-se a
ra larga do Itozario, n. 27.
i---r-^_:_-----~i~l.- ~
Avisos diversos
LOTERA O THEATRO.
Uoic he o ultimo da destinado para
a vendo dos billietes desta loteria que
fica/wn por conta da sociedades e se por-
iiUura ( o que nao he de esperar a vis-
ta ila influencia que tem havido) alguns
bilheles aiuda restarem ," estes sero ven-
didos al o momento de comecar o an-
damento das rodas nicamente na boti-
ca do Sr. Morcira no pateo da Matriz.
o I.lbADOR N. 191,
aclia-se venda no lugar do costume, com o discur-
so que o Sr. Honorio proferir em resposta ao do Sr.
Alves Branco.
O NAZARENO, DIARIO DA TARDE.
Saiie boje as 5 horas em ponto, o Nasareno, o con-
tinuar lodos os dias. Subscreve-so na praga da ln-.
dependencia, livraria ns. 6 e 8, a 6,000 rs. por se-
mestre, eahi mesmo se vendo a 0 rs. cada oxem-
plar. Osannuncios scrSo mandados typogn.ph.a
nc ra do Santo-Amaro, n. 12: os que se entrega-
remat as 11 horas da manhla salurflo no mesmo
dia. I'rocurem este numero, que o acharSo bom.
__secretario da irmandadede San Jos d'Ago-
nia, avisa aos irmSos da mesma, que domingo, 4 do
eorrente, haver rcunifto para mesa geral, aim de
se tratar da cleicio de 4 definidores, em bigardos
quenoaceitaram. A rou ni fio ser soito horas da
mantisa, o a ella dovem comparecer* os Srs. ir-
mos.
Brendera Brandis ScC. mudaiam
se escriptorioearmazem, da ra da Cruz
n. 63 para a ra do Trapiche, n. 16.
--OlTerecc-seuma cscrava com muito bom leite
para ama de alguma casa : no Mundo-Novo, n. 58.
Roga-so encarecidamente ao IJIm. Sr. thesou-
reiro da lotera do theatro.que, no caso de sabir pre-
miado o meiobilheto n. 2,136, nfio pague senao ao
sen proprio, dono Jofio Francisco Paos Brrelo, que
com Antonio Miguel Pcssoa scacham assignadosnas
costas do mesmo bilhete.
--Os abaixo assignados, tendo contrahido urna
sociodadena loja de fazendasda ra do Crespo, n.
!> .gyrando dehaixo dn firma do Manoel Jos Gou-
calves Braga & Companhia prctendem dissolve-la ,
por ter boje lindo o seu prazoje porque',uma das con-
diges sociaes he mostrar a dita firma desonerada de
seu debito pass'ivo por i'sso os si.cios abaixo assig-
nados, pelo presente avisam a todas as pessoas que
se julgarcm credorasa mesma firma, hajam de com-
parecer para screm pagas, o islo dentro do prazo
dc.lrcsdias, fmdos osquaes so reputar a mesma
firma desembarazada e quite. Pernambuco, 30 de
junho de 1847. NanoeUos Gnnfalves Braga. An-
tonio Monteiro Correia de Oliveira.
Os abajxoassignados parlicipamao
publico, que, em consequencia de se ter
finalisado o '.empo por que linham feilo
uth contrato dissolveram amigavelmeii-
le a sociedade que linham na casa di: cam-
bio da ra da Cadeia do.Hc.cife, n 3'4, a
qual gyrava sob a firma de Lourenco, Bas-
to & Companhia; eque unnimes se res
ponsabi|isam por todas as transaccSes fe-
tas ale boje, em que futuramente se acha
obrigada a dita firma, ora cxlincta: pas-
sando a sua liquidacao a ser feita na mes-
ma casa cima declarada, c a cargo de
Lourenco & Oliveira. Recife, 30 de ju-
nho de t84;. Jos Antonio Lourenco,
Jos Antonio Basto, Gregorio Antunes
de Oliveira.
-Precisa-scdeumofficial de charuteiro, de boa
conducta para ir para o Cear : na ra da Cruz no
llecife n. 26.
D4-*e pSo de vendagem a 50 rs. oor pataca, as
pretasquo disto se encarregarem ficando os se-
nhores responsaveis pelas faltas: as Cinco-Pontas,
" 3 ,
Aluga-so o primeiroandar as lojas do sobra-
do di[ra estrella do Itozario, n. 20 : a tratar no
Passeio-Publico, casa de buhar. .
&> Desecaminharam-se, do abaixo assignado, 2
meios bilhetes da loteria do theatro ,_ sondo o nu-
mero de um 1,81* com afirma do abaixo assigna-
do e o outro com as lcttrft f J,M. e A C. cujo nu-
mero nlo se lembra. Quem os Uver e quizer recc-
1
AOS 6:000^000 DE RS.
Na praca da Independencia loja n. 5,
vendem-se meios bilhetes da loteria do
theatro, a 45oo rs qne corre impre-
terivelmente no dia annunciado. A elles,
antes que se acabem.
Na ra da Estancia ha para alugar 3 moradas
de casas que tem cada urna duas salas, 4 quartos ,
cozinha fra,quintal murado e cacimba d'agna de
beber. Na mesma ra estSo as chaves na mfio de Ma-
noel Teixeira Bacelar, para asverom.
-- No dia 2 de julho, pelas 4 horas da tardo, por-
ta do Sr. doutorjuiz do civel da prirrftira vara, tem
de ser arrematada, por ser a ultima praga a casa
de sobrado de dous andares c sotfio na ra da Ca-
deia-Velha n. 37 penhorada por cxecucSo de D.
Youlle& Companhia contra a viuva o herdeiros de
Rento Jos Alves, escrivfio Reg.
Urna mulher capaz so ofierece para coser em
urna casa particular, ou mesmo em alguma loja
franceza pois sabe bem coser vestidos e toda a cos-
tura com perfeicfio : quem de seu prestimo so qui-
zer utilisar dirija-se defronte da praca da familia,
n. 3.
-- Precisa-so efe um monino porluguez, de* 12 a
14 annos para venda do quo tenha alguma prati-
ca : na ra Formosa n. 1.
Os abaixo assignados participan ao
publico, que tcem estabelecido solidaria-
mente urna casa de cambio na ra da Ca-
deia do Recife, n. 3 sob a firma socia
de Lourenco & Oliveira; e que se acham
promptos-para pagar e receber, nos dias
dos seus vencimentos, o importe de qual-
quer lettra das que se acham em circu-
lacao com a exlincta firma de Lourenco,
Basto & Companhia; e o mesmo farao
com aquellas que de boje em diante ne-
gociaren! sob a nova firma cima declara-
, ,. -
da, sendo caixa eencarregado de dirigir
o estabelerimento o socio Oliveira. Reci-
fe, i. de julbode 1847 -Jos Antonio
Lourenco Gregorio Antunes de Oli-
veira .
-Aluga-se urna boa casa terrea com grande quin-
tal murado na frente-, boa cacimba d'agoa de beber,
muitos arvoredos de fructo, parreiraa e liguciras ,
no principio da estrada dos AUlictos ao pe do Man-
guinho; oulra dita com sotfio corrido muito fres-
co no becco do Serigado desta praca a tratar na
ra da Cadeia do Recife u- 25.
Alugam-seas seguintes casas : urna casa ter-
rea grande com duas salas gabinete 6 quartos e
quintal grande com cacimba na ra Formosa, n.
2 ; oulra dila, com quintal o cacimba e mais com-
modos para grande familia na Trompe ra daSo-
ledade, n.29, por 12,000 rs. mensaes; duas ditas
pequeas, na ra do Sebo, ns. 52 e 54, por 8,000
rs. mensaes: a tratar no oscriptorio ue F. A.
Oliveira, na ruada Aurora n.26.
de
Aenijo.
Jos Joaquim de Novaes participa ao rcspeitavcl
publico, que mudou o seu estabelccimenlo de alfaia-
le, da casa dos 4 cantos da ra do Queimado para a
loja n. 30 da mesma ra, onde so acha promplo a
serviros seus freguezes com aquella promplulao do
costume e a todas as pessoas que a sua casa se qui-
zerem dirigir; assim como vendo pannos, casimiras,
madapolOes, sarja para vestidos, corles de colletes,
luvas de todas as qualidades, lencos de seda o Ue
cassa, botOes de todas asqualidades, rctrozes, linhas,
e muitos outros objectos que semprc ha de paver a
vnnjlnii mrii---------llavera semprc obras lenas ue
Todas as qualidades, com a mesma perfeicHo das de
cncommenda. Na mesma casa vende-se alpaca a sou
Roga-se encarecidamente ao S. T.
A. B., qne costuma dar seu passeio das
7 as 8 horas da noite, com sua mancira
de trajar encantadora, que tanto tem tra-
balhado por desacreditar certa casa com
seus encantos, o favor de mudar de svs-
term; e veja que muito bem pode acon-
tecer (sem ser milagre) virar o feitico con-
tra o feiticciro, e ser elle o encantado; e
lembre-se que essa pessoa a quem Smc
solicita desicreditar lhe n'io he cm nada
inferior : isto lhe avisa, e pede por vida
de seu pai e alma de sua av
O Amigo da paz.
Precisa-so de um homcm branco que cnlenda
bem de tratar de um cavallo, como tambem de una
hurta : na ra da Cadeia-Velha, n. 52.
-- Francisco Pinto da Gp^Li
Lima, a lidia te, morador na
ra larga do Rozario, n. 40, precisa de olliciaes de
seu ofilcio e costureiras: tem para vender pannos
pretos, azues e verdes; bons lirios, velludo c cha-
malote; botOes de osso preto o branco; linha de car-
retel,de cabeca preta o branca; hollandaspara forros
[o algumas obras fritas.
Furtaram, na noito do dia 18 para 10 do eorren-
te, do primeiro andar da casa da ra da Cruz, n. V"\ o
seguinte: urna casaca de panno prcto, uina sol)re-
casaca do merino preto, urna caiga do casimira azul
ferrete, urna dita de casimira cor de or de alecriin,
urna dita de casimira preta, dous colletes do setim
preto, com suas livellas de prata, um dito do lUSlno
amarello, um dito de fuslfio branco, um chapeo de
cabera, de seda preta, um lentjo do pescoco de seda
preta e azul, um par do suspensorios com livellas de
prata, duas chaves em urna corrento de prala, um
par ile snalos novos, de couro do lustro, dous lon-
gos do seda, um dito branco do cambraia de linlio,
duas caigas de brim branco, urna tesourade unhas.
Quemsouber desto roubo, eo descobrir mesma
casa, ser bem recompensado.
Ciicgou a esta cidade o Medioo e o Ciruigiao da
Roja, novo Halado complrlo de medicina e cirnrgia do-
mestica, adaptado iiilclligcncia de lodas as clames do
povo, por I,. F. Honjean, duutor eiu medicina pela real
universidade de Tuiim ; ciiurgiao mor Ifonoiario da
armada sarda agraciado por S. M. o re Carlos Alberto
com a medalha d'ouro com a efflgle do mesmo anguslo
inonarclia ; appiovado pela faculdade de medicina do
Rio-de-Jaaciio ; memoro titular da academia imperial
de medicina, memoro correspondente da sociedade real
acadmica de Saboia, das de medicina-pratica e incdi-
co-pralica, e do instituto histrico de Patis.
2 volumes accompanliados de (4 estampas.
Annunciando a publieaco do Medico e Cirurglao de
Roca, os editores se lisoiigeam de prestar um servio
importante aos individuos de todas as etasses sociaes,
principalmente aos habitantes do interior do paiz, me-
nos accessiveis s visitas piolissionaes.
As despezas enormes, inseparaveis da iinpressao de
um tratado, cm que ainplanunte se discutissein as ma-
terias interessantes medicina e eirurgia domestica, ou-
careceran! a obra, tomando assim uiais dillicultosa a
sua vulgarisacao. O autor do Medico e do Cirurgiao da
Roja venceu lo grande embaraco, alliando a eoncisao
com a clareza, e pondo as inmensas vanlagcns desse li-
vro precioso ao alcance de todas as fortunas c de todas
as iiitelligencias. Honra lhe seja feita!
A syphilis, as boubas c outras molestias desta ordem,
que reclamavan inaior dcscnvulvimcno, occuparain
com particularidade a escrupulosa atlencao do Sr. I)r.
Ilonjean. Seguro com o tcstemunho de sua esclarecida
peita i preparacao e adinlnistraSo da crgotlna, ultima-
mente descoberta pelo irmlo do autor .,,,, el
A impress io da obra he feita com toda a nitidea "
"TnSeS'na'botica de Rartho.omeo Francisco de Son-
/.a, por 8.*l) H) ii<
TUND CAO
D*A xinoiwi.
f. STARR f. p-p-'"is '!et
dosortimentodomoendas de lodosos 1-'os
fabricadas em suas oflioinat, tendo, P>rtant'a
forlidao, solidez, boa construccilo c melhoramen-
tos quo a ortica do longos anuos lem mosirauo-
seren necessarios o que nis obras de carregagao
olVerecidas aqui enm tanto empenbo, njjnca *>
aelia. Possuindo os anniincianles para aperfeigoar
as suas obras os apparel
s inais modernos e com-
as suas oiiras os aiiparuiima maw >.~ ---
nietos quo a ciencia val indroduzndo, nada deiun
a desejar e tendo adquirido com grandes despezas
um croscido e indispensavel numero de offlciaes pe-
ritos as suas prossoea.o escoihidos do tiinoi
melhores da Europa acham-sc ""^l*""
habilitados para ollVrecerem eo.n permita COnOlO-
ea aos Snrs. de engeiiho a grande vantagom de po-
deromsem receio apromptar qualquer obra., com
aquellas brevidado e pontualidada tac- unIim on.a-
veis aos seus in.portanles mleivssos. Ne,la labr.ca
1'aaoa todas de forro
tambem l'azein-se rodas a agoa .
moendas. machinas de vapor, ei toda qua dado
demachinismo, por maior, ou mala diili < ut. m.
ja. Adveatindo-se que todas aa obras Bo g.i anu-
das, oBrocendodoslaraaneira a inais ampia se-
guranza de sua boa e Rol oxecucao.
- Precisarse do quatro conloa de res a premio
de um por centoao roez, por prazo de um anuo, ou o
que convicr aos contraUotes, com hypotheca oin
propredades de casas nesta praga, itvres oM
aradas, a (oda prova: quem quizar fa/oi este nego-
cio dirija-se aVua Imperial, n. que achara com
tratar, ouannuncio. ,. am
__Existe na ra da Cadeia do Recife, n. 45, om
casa de Amorim limaos, una carta para Jos Carlos
borrme.., onde o mesmo Sr. a podara procurar.
Aluga-se tuna mei'agoa no becco
do l'eixolo pelo preco de 5 rs. mea-
tratar na ra do Crespo, n, i5.
os mais modernos que tcem vindo, |iara colletes.
__Ao Sr doutor Lourenco Be/erra
Carneiro daCunha roga-scainda deap-
parecer na ra Direita, sobrado n. 29,
que se Ibe deseja fallar a negocio que lhe
dij respeito.
Prccisa-sedeum feitor hortelBo, o queenlen-
adeiaroim, para o sitio do Sr.. Francisco Antonio
do Oliveira, na I'ontc-dc-Uchoa : a tratar no mes-
mo sitio. ..
-- Aluga-se urna casa torrea na ra do Gamarno ,
,. 5, com duas alcovasenvidragadas dous quartos
dispensa cozinha fra um grande sotao
murado e cacimba : a tratar
n. 4.
na
quintal
ra da Mangueira,
ber 4.O0O rs. leve ao abaixo assignado, no Forte-do-
Maltos prensa de algodBo do Sr. Joaqu.rr.JosFcr-
reira; pois para pessoa alguma elles no servem
por j estar prevenido o Sr. thesoureiro.
J r Caelano Jos .Vendes.
@10 la9 1^ Vil W.0 9la? Ia7l<
O doutor Casanova medico francez, hab- a
litado peranto 8 faculdade do medicina da la- tjfc
hia e estabelecido nesta cidade offerece ao 0
publico o seu prestimo, podendo ser procu- w
rado a qualquer hora na ra Nova n. 7, pri- 0
meiro andar defronte da matriz de S.-An- ^
Ionio. O mesmo traa radicalmente de mo- &
lestjas venreas, tanto antigs como moder- ^
as por meio de um remedio no mercurial. &
Cura tambem radicalmente as dores de den- i&
tes, mesmo estando cariados, em poucos mi- P
*%m 0fk 01 #ifc 019 0^ aflMlMl%W
- Antonio Teixeira dos Santos declara aos lllms.
Srs. ofliciacs do segando batalbilo de artilharia,
quo o annuncio publicado por ello sobre a divida
da cama do vento nao se entende com os ditos
Srs. olciaes; massimeomo Sr. Pompeo Romano
do Carvalho, que foi iJo dito corpo.
-- Precisa-se alugar urna mulher que saibacozt-
nhar : na ra do Trapicho-Nevo, n. 8.
~ l'recisa-sc do um Porluguez idoso que saioa
tratar bem de noria para um engenbo -distante
desta praga 8 legoas : a tratar na ra Direita sobra-
do n. '29. .
--OsSrs Joaquim Francisco de l'au
ia Esteves Clemente, Agostinho da Sil-
va Guimaraes e Cliristovao l'ereira Pin-
to queirarii ir a ra larga do Kozario ,
jean. seg-------......---
consciencia, e relcctindo sobre os males calculareis
que estas enlcrniidadcs causam liunianidade, quando
nao sao conveni.ntemriite tratadas, elle nao recuou
diantedeprcconccllos populares que o chai latausino
alimenta, c atacou esses prcconceilos com as armas da
sciencia c a franqueza do lioinein honesto.
Consta a obra de dous volumes :
O primeiro conlm una introduccao preliminar, re-
lativa medicina pratiea, c historia eral e parcial
das febles, hemorrhagias, inllammaces, molestias cu-
taueas, e das demaisinformidades propriamente medi-
cas, com as noces indispensaveis sobre a preuhe/, o
parto, o recemnascido cas amas de leite. No ndice
deste volume deixou-se de mencionar por descuido o
artigo das-Convulses cm geral, e das do receinnasci-
do cm particular-que se acha pagina n." 399.
No segundo volume, dividido em quatro partes, 1ra-
ta-se das-molestias d'olhosda syphilis-da pequcua
cirnrgiae do lormulario e vocabulario.
Na pihneira parte o autor ocenpa-sc da descripcao 1I0
olho c seus anncxof da historia geral e particu ar da
ophthalmia ; dos svinptomas. sede, causa, tcrmlnacao
c tratanientodcllai'desua divisao em simples, especi-
fica c composta; da descriptaoc tralanicnlo das ulce-
ras, cicatrices, granulajes, pannos, teas, manchas,
escuridao, belida, hernia c staphj loma da comea ; pte-
rveio, occlusao c dilataco da pupilla ; glaucoma ; sj-
uechia anterior e posterior; liypopion; hvdrophthal-
mia: atropina ; phlegmao e degenerado do olho; da
catarata e sua compflcac3o, e dillerenca da amaurosis ;
dos svmplomas caractersticos da catarata e da amau-
rosis iniciantes; dafraqucia da vista; amaurosis; das
cataratas falsas, suas causas, tralamenlo c cond^ocs
geracs do exilo da operaco.
A segunda parte respeita s molestias syphiliticas,
consideradas em duas classes, a saber : l.'classe. Af-
feccaes virulentas, ou syphilis primitivacancros, abs-
tessos, bubOes, e curativo : 2." classe. Syphilides-dc-
nniciio, apparicao, sede, cor, formas, especies, coin-
plicacdes, terminactio, rgimen, e iratanu-nto. A que
dse ctiuipre elevar o mercurio para debellar a srpnt-
lis' Mcthodos de Bocrhaavc c Montpelber. l'lyalismo
011 salivaco ; diarrhea; eczema c cachrxia meriunaes.
Accidentes nervosos occasionados pelo emprego do 111er-
eurio. ncOcxfles aoerca do iodo, ouro, prata e mercu-
rio ; sua administracao, modo de obrar, e preparacOes
applicadas como anti-syphiliticas. Orchile, queda dos
cabellos e unhas ; tubrculos profundos da pe
res osteoeopas ; perioslitc, osleile, c gommas.
Uoleiliai pteudo-typhililicai. Blennorrhagias ; rstrei-
tainrnto do canal ta uretra ; retencan da urina ; phy-
inose ; parapliymose. lloubas, sua dcscnpfao, niani-
festacao, invasiio, marcha, inodiC.catao, sede, varieda-
des, dillerenca da syphilis, e tratamento.
Prophylaxia ou tratamento perservalivo da syphilis.
Materia da tereeira parte, que versa Mbre a mVg*
"'- Aluga-so umsitin na ra da Casa-Forte, com
copiar, gradara na frente e umitas "j1*^
variascasinhas, Unto na campia e .na da (.asa-
Forte como na estrada do Poco ; o segundo andar
V, obrado amarello d. roa Augusta .rom millo
commodos ; duas casinhas no becc do JW
terceiroeoartoandaros e o armazem do soh.ado
da ruuo Amorim,... 15: a tratar no pr.mc.ro an-
dar do mesmo sobrado. _.. .o
_ Precisa-se de um feitor para um lucn0 *'""'
que tral.alhc, e entonda de borla e jard.m : na ra do
A"rtreoM-eaeumhomem para feitor de enge-,
l,o preferindo-se Porluguez, e que de nido, asua
conducta e seja solteiro 1 na ra liireita 11. M.
C--mocisa-so /lugar um preto possante^. para.ven-
der fazendascm um taboleuo mesmo na prata ,
nimia q.ie nao seja muito ladino : na ra Impe-
riul, 11. :
l-Urturam no lia
sabbado
o
ra da
guinho
cem caixa
lo ,
lietn
ve
Ferrci-
opassado, do sitio de Antonio
Costa Braga, na estrada do Man-
uinrclogio horizontal, suisso ,
ouro, e vidro dcscober-
sendoos ponleiros tambem de ouro:
comoum trancellim com urna cha-
ludo i\v ouro l'.o3a-se a qual.|uof
pes'-oaque do dito relogio livor n.tic.a ,
de participar no mesmo sitio ou na
ra Nova, loja de elle.ro ^ T,e
ser recompensado prometiendo se lo-
do o segredo.
DENTISTA.
meiro andar.
lie. Do-
l.
A-
Materia da tereeira parte, que .t. "- "-''-;--
eirurgia -Sangra en. geral : sangra do braco, do dor-
o da .nao, do p e do pescoco. SanBuesug.s. rn.o,,,.
Escarilcacoes. Vesicatorio. Cauler.sacao. Cauter o fon-
, fracturas, acoinpauhados de
estampas eprodu/indo exacta.nente cssas fractura,,
os me" de reduzi-las, e a, ataduras, ligaduras c appa-
i-elhos para as conservar redundas.
O formulario c o vocabulario dos termos cientficos
empreeados pelo autor na confeccao da obra, consu-
men! a quarta parte. No formulario se mencionan, as
hora ara fazer qualquer operado que seja aoure o.
ropa.
c preci-
Atcrro-da-Boa-
rora, n. -2ti.
Lima,airaiite,
mora na ra do l..vrame..to sobrado n.l;
sado bons oniciaes de seu 0II1 tro.
- Precisa-se de um leitoi : no
Vista, n. :I7, tercoiro andar.
- Policarpo Nunes Crrela morador no bairro
,1. la-V?sta na travessa do Veras sobrado 11. 13,
nar cipa ao publico o especialmente aos seus al-
eos que nai suas aulas (tanto do sexo masculino
lom feminino ) pode anda admitt.r alguns meni-
nos internse externos para o que a casa do sua
residencia he bastante fresca e offereco decentes
commodos. Aprcferencia que ate o presente tcem
cozado as suas aulas da mor parto dfc pessoas gra-
das deste paiz, em conliar-lhe a edjitacSo primaria
de seus lilhos c ao mesmo lempo o crescido nu-
mero de alumnos que ten. de.lado promptos, he
nuaiito basta para garantir no so a suff conducta,
zelo eassiduidade como o solido rgimen das suas
referidas aulas no decurso do nove annos, que se
^S^^^t?^^ 5SSSU a este importante magisterio.
j
JE
MUTILADO


*m



vi

,1
-e=
M*
.
Quem annunciou precisar de quatw con tos de
rcis.com seguranga om urna propncdade de casa,
querendo a um o mcio por cento dirija-so u ra do
Livramonto, n. 38, junto ao lampcfo que se dir
quem d,
A pessoa, que annunciou querer fallar com o
lllm. Sr. doutorJ. C. de Quoiroz Fonseca declara
que o negocio era entregar-lite urna carta daqual
o nicsmo Sr. j se a; ha de posse
-- Acha-se publica o licenciada pelo Sur. doutor
chrfo de polica a sociodade--Protectora ioshomens
pardos e pretos livres da|provincia de Pernambuco,
na ra de Agoas-Verdes n. 22, segundo andar, com
<, lim de proteger nao s seus rmos socios, como
todos os mais homens de cores em geral: o que se u
sciente ao respeitavel publico para sua inlelligencia .
mi Cyriact da Silva primeiro secretario
f)i"o-se 400,000 rs. premio de dous por cento_
ao mez, sobre penhores de ouro o prata : quem
quizer annuncie.
-- Precisa-se de um homem para tratar doalguns
eavallos : na ra deS-.-Amaro n 32.
~ n-sedinheiro a premio com penliores : na ra
do ngel ti. 11. Na mesma casa precisa-se de urna
pessoa para vender fazendas.
Na rua do Rangol, u. tl.ainda ha para vender
varias obras de ouro para homem o senhora.
' O abaixo assignado avisa ao Sr. Joao Francisco
dos Santos Siqucira qucaquantia de um conloo
trosentos mil rs., pertencente ao mesmo Sr., que se
chava ponhorada pelo desembargador Martiuiano
da Rocha Bastos, de que assignou deposito o an-
nunciante foi no dia de boje levantada e recebida
pelo dito desembargador, em virtude do mandado
que obtevo do respectivo jui/.o em 23 de junho de
1817. Paula de Amorim Salgado.
--OsSrs. I,ivodu.Sou?.a, llernardino de Sena da
Silva Guimarnes, Jos Leopoldo da Silva e l.utz Mar-
ques dos Santos queiram dirigir-se a ruada Cadcia
do Itecife, allin de receberem cartas.
llecebem-se escravos para se venderem sem dcs-
peza alguma ose offerecein todas as seguranzas o
garantas aos mcsmosSrs., que mandaren! vender,
tanto para o mallo romo para a cidade c fTa da pro-
vincia, p^r ter oannunciante muitas freguezias : na
ra Nova, D.40.
Quem precisar de nina ama secca para todo o
servico de urna casa dii ija-se ao becco do Noronha,
parade c meia ao padre Primo.
Da-so dinlieiro"a premio sobre penliores de ou-
ro .prata chypotheca em alguma casa terrea, ou
mesmo sobre boas firmas : na ra estrella do Ito-
zario n. 30, segundo andar, se dir quem da.
Compras.
Compra-sc cstanho volho ou novo om grandes
ou em pequeas porgues : na rita do Qucimado, loja
de Antonio da Silva Cusmio.
Compram-se escravos de ambos os sexos, para
uniaencommenda : na ra do Hozario, venda da
esquina n. 39.
Compram-se para a contintiagao da obra da
nova igreja matriz de S.-Jos lijlos d alvenaria ,
de muito boa qualidade; caibros e tabeas para an-
daimes: quem tiver alguns dos objectos, cnten-
da-se com o reverendo vigario da mesma matriz,
ou com Jos Pinto deMagalhes.
--Compra-sc o livro denoniinado Allivio dos
Tristes, ou consolado de qtieixosos : na ra No-
va, n. 26 onde se pagar bem.
Compra-seum missal em bom uso : na ra da
Cruz, n. 26.
Compram-se dous couros de onga que sejani
grandes e peTtetos para servirem de tapetes ; pa-
gam-se bem, agradando : na ra Nova loja do sel-
leiro, n. 28.
Compram-se escravos de ambos os sexos, de
12a40annos; seudode bonitas (guras, pagam-se
bem : tanibcm so compram alguns olliciacs de sapa-
teiro : na ra da Concordia, a direita passando a
pontczinha segunda casa terrea.
Compram-se, sempre, todas as qtiq-
litlades de frascos de vidro vasios que
serviram d'aj-oa de Colonia e espiilos
de cheiro: no Ateno-da-Boa-Vis',a ,
fabrica de licores n. I7.
Compra-se um sollim inglez, em meio uso:
na ra .Nova, loja 11. 21.
Compra-so os nono e dcimo lomos do Judeu Er-
rante por EugeneSue, segunda edicto, impressa
no Rio-de-Janeiro noanno de 1846 na typogra-
pliia de Villeneuve : na ra da Cadeia de S.-Anlonio,
n. 14, primeiro andar.
Compra-sn, ou aluga-se um molcque, que seja
rcforcadoesadio.embora mo lenha habilidades:
na ra da Cruz, 110 Rccifc, n. 21.
Vendas.
Vndem-se duas casas terreas com
bons commodos, por preco mdico : na
ra Direita, sobrado n. 39.
Vende-se sal do Ass a bordo da
sumaca Carlota, fondeada na volla rloFor-
te-do-3Iattos, 011 na ra da Cruz, n. 26.
Vtndem-se duasvarandus
de ferro com 30 palmos cada una, por commodo
preco; un berco de Jacaranda, de muito bem gosto ,
e a moderna tambem por preco commodo : ludo
em bom estado equasi novo : na ra da Cadeia de
S.-Antonio, 11. 17,armazcm de lijlos.
Vendem-se chitas imporiraes chegadas lti-
mamente do Itio-de-J aneiro a fazemla a mais mo-
derno daquella corte : cstflo-se rclalhando a 320 rs
o covado na nova loja de Fraacisro Jos Tcixera
Bastos, no quatro-c antos da ra do Queimado ni
20. Dil-se amostras francamente para 09 freguezes
melhorconheccrem o bom goslo o boa qualidade.
Vcnde-se ou pernnita-se por urna
casa pequea nesta piara, ou por escravos,
e finalmente faz-se qualquer negocio com
urna grande morada de caj>arsita no Mon-
teiro, e que tem 4 salas, G qunrtos, dous
quintaos, cozinha, quarto para escravos, e
estribara. : a tratar na ra Direita, padaria
n.69.
Vondem-secaixasdechhysson, do6, 12e13
libras cm porcOes, ou a rotalho ; caixas de velas
de espermacete de5e 6 emiibra : na ra da Alfan-
dega-.Velha n36, emew de Matheus' Austin & C.
Vende-so um casco de palanquim em meio uso,
por prego commodo: ma ra da Calcada, n. 2.
Vendem-se pennas para secretaria de multo
boa qualidade ; resmas do papel almago branco :
azul imitando.meia hollanda ; bicosde fil de li-
nho de padrOes modernos e de lindos gostos, de 1
a 8 dedos de largura caixas do clchelos de todos
os nmeros; masstihos de phosphoros americanos e
ludo por proco muito barato : na praga da Inde-
pendencia loja de miudezas, n. 4.
Vende-se viudo de caj, em caadas, c em
garrafas: no boceo da Litigela venda n. 8.
Vende-so urna negrinha de 14 a 15 anuos, com
principios de costura e engommado e que sabo
muito bem vender na ra, sem vicios ncm acha-
pues; urna dita que engomma e cozinha muilo bem
o diario de urna casa lie muito boa quitandeira e
propria para todo o servigo de urna casa por sef
bem desmbaragada e muilo diligente; nlo se d vi-
da da'r-se a contento : na rua-ostreita do Rozario ,
n. 14, d^efronto da igreja por cima da loja de bar-
beiro.
Vcnde-.se sal do Assu', muilo su-
perior e grado : a bordo do brigue-es-
cuna Henrjneta fundeado no Forte-
do-Matlos, ou na ra da Cadeia-Vclha,
n. 17, segundo andar.
Vendem-se tesoura-- de differentes
qoalidadfs para otirives e funileiros .,
chegadas ltimamente : na ra Nova, lo-
ja de ferragens n. 4
Vende-se urna escrava muito moca : 1.0 Mundo-
Novo, 11. 58.
Vende-se um piano inglez de seis oitavos,
por prnco commodo : na ra dsTrnclioiras, n. 18.
Vende-se urna casa terrea no bairro da Boa-Vis-
ta, com muito bonscommodos : no Atcrro-da-Boa-
Visla n 58.
Vcnde-se una casa terrea, sita na Capunga ,
de pedra c cal, e feila a moderna : na ra larga do
Rozario, n. 32.
Vcnde-se um casal de escravos de nag3o por
preco commodo: na ra da Cruz, n..52.
Vende-se tima balanca de latflo, com columna
do mesmo melal, e os seus respectivos pesos por
20,000 rs. : na ra da Cadeia d Itecife loja de lou-
ca, n.-6.
Vendem-se escravos baratos na ra das
Larangciras, n. 14, segundo andar: 2
pretos de elegantes figuras, de 20.annos ,
dcostumados trabalhar de cuxada ; um
ra&Am ditodo 16anuos com um pequeo de-
feito; umdito.com olllcio do alfaiato; um pardo
oflicial desapateiro de boa conducta de22anuos;
um preto do meia idade por 280,000 rs.; una mu-
lalinha de 16 anuos, com alguns principios de ha-
bilidades; urna dita de 25 annos, que engomma ,
cose e cozinha o diario de urna casa ; tres pretas
de naqo mogas, sendo una de 16 annos, outra do
26 annos o a outra de 9 annos.
Vendem-se 7 escravos sendo : urna negriuha,
boa costurcira de lavarinto e que marca; duas di-
tas de (7 a 20 annos, de bonita figura que engom-
mam ecozinham bem; duas ditas, proprias para qui-
tandeiras; um pardo bem moco, do bonita figura;
um preto de boa conducta : 110 pateo da Matriz de
S.-Antonio sobrado n. 4.
Vende-se urna poreflo de fio do algodao ; azeite
de coco e decarrapato : na ru Nova, venda n 65.
Vcnde-se urna prcta cozinheira do boa con-
ducta c moca ; una parda coslurcira engomuia-
deira c cozHilicia eque he propria para ama de
casa por ter excellene/conducta e ser sadia ; um
tr.olequc de 7 annos, nimio lindo proprio para
brincar com meninos : ludo he do pessoa que se
quer retirar da praca por doente: na ra larga do
Rozaiio, loja de miudezas, n. 35, se dir quem
vende.
Vcndcm-se 3 ptimos escritos mocos, proprios
para o matto 011 engeho, por ser este o servico cm
que se leem empiegado desde pequeos: na ra
da Cruz, no Recite, n. 26.
Vendem-sesaccas com farinlia do mandioca,
por preco commodo : na na da Cruz, n. 26.
PECIIIMCHA.
Rocelas brancas de pinito, proprias para guardar
roupa e para condcelo de doces, a 240 o 320 rs.
cada urna : no Aterro-da-Boa-Vista, loja n. 48.
Vendem-so nieios bilhetesda loleria doihea-
tro, que corre a 2 do julho infallivelmente: na ra
iicita, n. 12.
-- Vendemse ace.oes da ex-
tincta companhia de Fernatnbuco
e Parahyba : no escriptorio de
Oliveira limaos & C, na ra da
Cruz do Hecife, n. 9.
Vendem-so duas casas terreas, com boas com-
modidades quintaos o cacimbas, e urna della*
com estribara sitas na trvessa do Marisco, outr'o-
ra beceo do Peixoto ; urna dita r por todo o proco,
sita na ra de Molocolombt).., nos Afogados, esta he
ile taipa o smente tem a' frente e retaguarda do
lijlo; 2 escravos do servico de campo; urna pedra
quadrada o polida para se moer tinta : ludo por pro-
co muito commodo: na ra Direita sobrado n. 20.
Na loja nova do l'asscio-l'ublico n. 19, de
Manoel Joaquina l'ascoal llamos vendem-se pegas
de chita a 2,000 rs., e o covado a 100 rs. ; ditas do
chita de asscnlo coborto, a 4,500 rs., e a 120 rs. o
covado; ditas para coberla a 6,000 rs., e o cova-
do a 160 rs.; chitas para vestidos, de lindos pa-
drOes a 160,180, 200,220, 240 o 280 rs.; corles de
chita, a 2,400 rs.; pecas de cambtaia branca, a 2,500
rs., c a vara a 400 is. ; cortes do fustes para cohe-
tes a 1,000 rs, ; ditos do sarja lavrada a 1,000 rs.;
longos de seda a 1,440 c 1,600 rs.; biotanlia de
puro linho a 800 e 900 rs ; corles de meia casimi-
ra a 2,400 e 2,600 rs. ; diloS do castor a 1,600 rs. ;
tongos para grvala a 200 e 320 rs.; madapolao a
2,400 rs. a pega e a 120 rs. a vara c muito fino, a
3, 4, 4,800, 5,200 e 6,000 rs; primores para vestidos,
a 320 rs. ocovado; cassa lisa muilo lina a 500 rs ;
longos do Atroz muito modernos a 3,500 rs.;
bons brins de cores al.OOO, o oulras mutas fa-
zendas que pelo seu diminuto prego nlu desagra-
darlo aos seus freguezes.
Vende-se urna preta de 30 annos, por 250,000
rs., que cozinha Java e vend na ra; urna dita de
20, que engomma, cozinha o cose; tim prelo de
meia idade, por 220,000 rs., bom para trabalhar
em um sitio ; um dito bom carreiro ftabalhador
3o campo: n ra do Passeio-Publico, loja n. 19.
Casa da P
na ra estreita do Rozario, n. 6,
Neste estabelecimentoacham-sea Mida as cau-
telas da bem acreditada lotera do theatro publico
desta cidade, cujas rodas andarSo infallivelmonte no
dia 2 de julho, fiquem ou nao buhles. Na mesma
casa vendotn-se meios bilhetes com ganho.
Vende-se a casa terrea n..3, sita na ra do Bom-
Sucesso, em Olintla ,com um sitio soffrivel e casa
reedificada de novo, existiodo dentro della varios
materiaes para fl%abar algumas causas que faltam :
na praga da Boa-Vista, botica n. 6.
Chapeos finos de
inassa, franceses.
Vendem-se os memores o mais modernas chapeos
do massa francezes para homem: as lojas ila
ra do Crespo n. 4, ao p do arco de S. Antonio ,
c' no Passeio-Publico, n. 17, por pVeco mais com-
modo do que em parte alguma : bem como um rico
sortimento de casimiras francezas e elsticas de
gostos inteiramente novos, por prego que convida
aos freguezes.
Vende-se rico fil de linho bordado e
liso o mais no possivel; casimiras o
nietas ditas de ricos padrees ; longos
de seda de edr, a 1,280 rs.; tutos supe-
riores o de gostos novps;. alpaca mui- /^[j<6
lo fina ;. pannos linos de eores e pretos ; qjt
cassas de cores para vestido, das mais ^$
modernas que ha presentemente ; mur-
sulinas de cores, para vestido, do no-
vds padrCcs ; bramante de puro linho e
nroltofino; bem como um sortimento
do fazendas finas e grossas: tudo por
menos prego do que em outra qualquer
parle : na nova loja de Jos Moreira
Lopes & Companhia na ra do [Quci-
mado casa amarclla n. 29:
Vondc-srf urna parda muito propria para o
campo,ou para casado familia : a fallar na ra da
Cadeia do Recite, loja de Joao Jos de Carvalho Mo-
ra es.
todo o servico ; duas negrinhas de 12 a 16 anntw
com algumas habilidades ; 3 pretas do 24 a 30 n
nos com algumas habilidades : na ra do Collcein
n. 3, segundo andar, se dir quem vendo. '
Vendem-se oxcellentes couros de onga nintn
dos ,ditos decapoeiros, bezerros, sola- ludo nnr
preco commodo: na ra estreita do Rozario n in
segundo andar. '"'
Vende-se o deposito do assucar, defronte becco da l'enha, n. 30 : a tratar na ruMreita n i
-Vcnde-seurna eabra (bicho), boa leiteira e cria'
deira de menino : na ra do Pires, n. 14.
' HEGUEM AS PECHINGHaS.
Na loja nova de Ferro& C.
na rna do Collegio n. 5,
vendem-se cortes de cassas de" bonitos gostos nelo
liminuto prego d 2,000 rs.; ditos de lindas cores
muito modernos, a 3,200 rs.; pegas do chitas es-
curas de cores (isas, a 4,250 rs. ea 120 rs. o cora-
do ; ditas, a 5,000 rs. c a 140 rs. o covado ; ditas fi
as, a i60,180, 200,220e 240 rs. o covado ; brim
de puro linho a 320 rs. a vara ; riscadinhos franec-
zos o modernos a 220 e 240 rs. o covado ; camisas
de nUia a 1^)00 o 1,200 rs.; brim fingindo casimi-
ra do linho puro a 1,000 rs. a vara; superior pan-
no da Cosjjjptwngado, muito proprio para escra-
vatura dao(feho, tanto pola sua dyragao co'tio
pelo sen diminuto |irego de 480 rs. o covado, o ou-
tras muitas fazendas que pelo prego agradarSo.
Vendem-se 5 escravas sendo: duas pretas [mo-
gas, com habilidades que so dirflo ao comprador-
urna negrinha de nagno Angola de 15 annos, que
cozinha bem e lava de sabSo ; urna mulatinha de lo
annos; um pelo de nagfio mogo proprio do ier-
vigo de campo: na ra dasCruzes, n. 22 segundo
andar.
/ Vende-sc um molecote de bonita figura JJ
do.22 annos, sem vicios nem achaques bom %
(|2 oflicial de pedreiro :"na ra das Lirangeiras,
jlj n. 14, segundo andar. -
Vendem-se os seguintes escravos :tros pardas,
sendo duas muito boas costuaeiras e engommadei-
ras e a outra com urna cria de 8 para 9 tnzos; um
lindomolequode 14 annospouco mais ou monos;
um preto proprio para todo o servigo; um par-
dinno de 7 a 8 annos : todos de boas figuras : na ra
daCadeiade S.-Antonio n 25.
Vendem-se o alugam-se bichas de Hamhurgo,
chegadas ltimamente, por prego mais commodo
do que em outra qualquer parte]: na trvessa da
ra do Vigario, loja do barbeiro n. 1.
U o
'4

o
U
en
u
es
2
u .2
~ O *c
(O N
en 9 o
2 o
a j? o
a u 2
J9 M
o'S
a.-o
O
S 2
a
3 B '.
'=-
e* w s
_0 C-2 5 S
0755
"S I
o
o
a
A o O .
O T3 3
5
ce
efl
- >
8
S
&
eo S
es
^W -
2
Si
2
"i
S
- 1 j '" S c
2 =
s
o
a.
b a co
Deposito de vinagre da febrica
da ra Imperial, n. 7.
na fabrica de licores, de Frederico Chaves, no Ater-
ro-da-Boa-Vista, n. 17, onde se achara sempre
grande porgHo e por prego commodo.
AOBAKATO.
i\a novajoja de Francisco Jo-
s Teixeira Bastos, nos qila-
(ro cantos da rua do Quei-
mado, n.O, que faz esquina
para a rua estreita do Boza-
rio, vendem-se
cortos de cambraia de lindas cores, muito modernas,
a 3,200 rs. ; pegas de chita escura de muito bom
panno e cores fixas, a 5,000 rs. e o covado a 140
rs. ; ditas, a 120,160 o 200 rs. o (ovado ; pegas de
algodSozinho com 17 varas a 2,000 rs. ; dilas de
madapolao largo, a 2,700 rs., c de oulras qualidade^
pregos; dilas do bietnha, a 2,000rs.; dita depu-
ro linho a 320 rs. a vara ; merino preto e fino a
1,600 rs. o covado ; dito rxo, proprio para vestua-
rio de meninos e vestidos do montana, o 1,280 rs. ;
alpaca mu'lo encorpada a 800 rs.; brim trancado
depuro linho a 200 rs. o covado; algodflozinho
trangado tticsclado a 200 rs. ; dito de lislias, oscu-
ro e americano a 240 rs. ; meias para meninos a
80 rs. o par; ditas para meninas, a 200 rs.; ditas
piolas, curtas a 120 rs.; ditas pafa senhora o 2i0,
320, 400 o 480 rs. o par ; longos de eambraia ile tros
ponas a 240 r.; manas de II6 do linho a 2,000
rs.; brins trangados do coi;es e listras a mclhor fa-
zonda possivel-, a 1,500 rs ; cassas brancas, proprias
para cortinados a 3,200 rs ,. pega ; cassa-chilas ,
a 320 rs. o covado ; riscados francezes, padrees mo-
dernos a 200 e 240 rs. o outras muitas fazendas
do bom gosto por prego commodo.
Vende-so um candiciro do 3 Uizes, novo; u
terno do quarl.a para haixo ; um funil de pao ; 4 tor-
nos de medidas de folho, e urna oseada: tudo om coti-
la : na Camboa-ilo-Canno, ti. :.
Vende-se urna pela cr'ioula do 30 annos, qua
cozinha, coso c engomma : na rua do Livramonto,
no segundo andar do sobrado n-1, que faz esquina
para a ruado-Rangel.
- Yonde-aMuM linda mulatinha de 10 anuos,
que coso multo btti: no paleo do Carmo n. 13. -
-Vende-seum preto de 24 anuos, proprio para *iu>.: isa xrp. deh. f. de j-aria.1&47
Escravos Fgidos.
___
Desde de dezembro de 1844 que se acha fgi-
da a escrava Luiza, crioula alta, magra, nariz ir-
rebitado beigos grossos, fula falla muito explica-
da : quom a pegar levo a seu senhor, Boa-Ventura da
Mocha na roa doFogo, n. 48, que ser generosa-
mente recompensado.
Fugio de bordo do patacho Pelicano um escravo I
de nome noque, do San-Thom estatura baixa,
rns/n redondo esem barba, com foridas as pernas,
vestido com camisa e caiga azul e barrete inglez,
Este escravo pertenco a Joao Jos Peroira do Azoira,
do Rio-de-Janeiro. Quem oapprchender, quoira le-
va-lo rua da Cruz n. 66, casa de Gaudino Agosti- |
nho de lanos, por quem ser recompensado.
Fugio, no dia 19 do pasado urna prcta criou-1
la do nome Joanna, le 35 a 40 annos ; comprada lia,
poneos das, o das viudas do sortfo; altura icgular,
chcia do corpo feigOcs grossas peilos grandes
o descidos ; tem umacicatriz em cima do olhoes-
querdo; levou saia de 'chita azul do quadrinhoseca-
begfo de madapolao : quem a pegar leve a rua Im-
perial n. 25, que ser generosamente recompen-
sado.
No dia 24 do junho desappareceu desta cidade
a escrava Silvana, crioula, com os signaos seguin-
tes : baixa, reforgada do corpo, cara redonda, beigos
grossos, cor fula, natural do serto do Paja, donde
veio ha 8 para 9 annos, com 18 annos de idade pou-
co mais ou menos; levou vestido de cassa com Lieos
de linho, saia do algodSozinho, panno da Costa, e
mais alguma roupa om trouxa. Desconfia-se que di-
ta escrava fra seduzida, e quese ache nesta cidade,
ou na do.Olinda, era poder de algtiem, contra ouem
se proceder com o rigor da lei, se logo nao foren-
tregue a seu legitimo senhor. Ttoga-so, pois, as auto-
ridades policiaes c cptales decampo que a apprc-
hendamelevem-na a rua da Cadeia, loja de fazendas,
n. 51, onde se recompensar.
Fugio, pela primeir'a vez, no dia 15 do passado,
o pardo Albino escravo do juiz de direilo da co-
marca do Brejo-da-Areia Antonio Joaquim de al-
buquerque Mello que ora se acha nesta praca: o
dito escravo lera 26 annos de idade ; he pardo c nflo
muilo escuro de estatura ordinaria rosto com-
prido barbado o de suissas largas e baixas, cabel-
los annelados, olhos grandes, nariz coniprtdo c pon-
ludo beigos o fallas grossas; tem un lobinhono
hombro esquerdo ; he sapaleiro, cozinheiro, serve
de pagem e anda calgado ; levou caigas c jaquelde
melim preto sobre outra de panno de quadros es-
euros chapeo prela.yclhoj consta ter dilo a algumas
pessoas que quera procurar outro senhor, c 00*
tras que procurava una subscripgao para se liber-
tar. Quem o pegar leve ao dito seu senhor, na rua
de Jardim casn d'uula dejuriincirjis lettras, n. W>
quesera bem recompensado.
Fugio, no dia 24 do junho o cabra Pa'ntaleo,
de40annos, alto, magro, rosto compritloo mul-
to descolado ; levou ja misa e. cumulas de algodo
da tona,,muito sujas*quem o pegar levo a Manoel
taino!ves da Silva, ra rua da Cadeia do Hecife.sc fo"
peitocsta praga, e no provincia do Cear naci-
dadedeSobral,a sou senhor, Antonio Joaquim Ro-
drigues.
Fugiram Alcxandre, cabra, e Marcollina, pre-
ta que pe teiieem a .Manoel Ignacio do Albuquer-
quo.Maraiiiifio senhor do engenho novo da Concei-
gfio ; j foram presos ,, ou demorados em Iguaras-
s | inhuman ) o d'ahi tornar.-tin a fugir. Pode-so as
autoridades policiaes .cptales de campo a captu-
ra dos mencionados cStf6s que os levem rua da
Cadea-Velha n." segundo andar, onde serfio re-
compensados e so pagarao todas as despenas que
porvontura se teuham feito.
ILEGVELI


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E36X9KVX8_KXMPWV INGEST_TIME 2013-04-26T23:53:21Z PACKAGE AA00011611_08477
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES