Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08473


This item is only available as the following downloads:


Full Text
* nno (le 184*7._____________Qunta-fera 27
ii/iJ/n pul'l*-e K",0> i .ta.cu"4" I"*?0 d-''" He de
roem h murlel. p(f" adiantadnt, Os an
l"0!"'-/* .uiin.ntcj l-i inferidos*' rai3o niiii""* "' ",n em upo dillVrenie, o-a
"' "' 1!l n'-l" 'ne'"1* *' 1ue n!o f nm ""R"
re|>el'?oe Pr.0 g0 f> por uoh,- e f Oi> e.n tjpo
PHASES DA LD\ NO MEZ, DE M.UO.
,. 1 o 17 min. t*rde.
Mi>P"n10' |4' < i horas e J min. da tarde.
I.u p"' -i' i, n lipras e SU .o>n. da, farde.
Crrtf', '- !' ,,0 n "liDU Urde*
PARTIDA DOS COftBElOS.
Coiannae Paraliyha, s segundas esextas felras.
H.o-Grnnc'e-dr>. Norte quintas feas aomeio-dia.
('abn, Sernlmem, Rio-Formse, Poito-Calvo e
Macelo no l.*, il e ?i de cada mez.
fvara il.uns e RnnUo. a I0e2l.
fina-Vista e Flores a 11 e 18.
Victoria, s quintal feraa.
(Jlinda, todos os das.
PREAMAjt DE HOJE.
Primeira, a 3 nota t 51 minuto* da (arde.
Segunda, i 3 liora a l minuioi da manltaa.
Mu o.
A nno XXIII.
N. 117.
das da semana.
M Segunda. ** S. Afra.
15 Terca, iff S. Gregorio-
II Quarla. S. Plrilh pe Nery. And. do J. do
civ.da > e do 1. .le paz do l dist. de t.
11 Quima. S. flanulfo. Aud doJ.deorph.,
erto J. municipal da I vara.
18 Seila. S. Geimano. Aud doJ.docir. da I.
. do J. de pai do I. dit. de t.
2 Sabuado. S Majimiano. Aud do J do cir.
da I. e do J de paz do I dist. de I.
30 Domingo. S. Pclroul.la.
CAMBIOS NO DA U DE MAIO.
Cambio sobre Londres a 1T d por IJ re. 6 d .
a P.ris 14 rs par Tranco.
Lisboa M de premio.
Desc. de leltras de boas firm.s I V P-Ve
Oi.ro-Olios lespanholas ... ISjSno a
Modas de 61.01) elli. 18'ino a
deSflOOnov.. iSftOO
a de 4J000.....
Prala Patacoes........
a Pesos columntres...
a Ditos mexicanos...
Miuda......
ij/non
ifilo
limo
i/BnO
1*910
an mez.
lfnao
16#500
iBfsoo
9 JIPO
1*010
IfoaO
l|0tO
Acedes da comp.do Beberibede 50f000 rs.ao par,
FERUTAMBUCO
INTERIOR.
BAHA.
SYSTEM* PENITENCIARIO NESSA PROVINCIA.
l\nTOaio iacamtnit%So etarregida ptlo.Etm. Sr.
prtiitlenlt ra provincia de examinar at quettOn rela-
l'ra acata de prito com trabalho: computla dot
SYi tloul'irn Catimiro de Seni Madweira, Judo Josi
Barbota di nlieeira, Im Naria Aloet Fa'cdo Huni:
Brrelo, Eduardo F. Franca, Judo llnpiisla dot An->
j'oi, c dos Sr tinenle Franeitco Primo de Sorna
v- Afiliar, Conde de Ucrmanton e Julo Baptitla Ferrari.
(Continuado do n.# antecedente.'.
Actualmente nos pai/.es estrangeiros e denomina-
dos penitenciarias vogam luclando muitassolugoes
da pena deprisilo; mas ou porque muilas nloteern
anda encarnado na prslica, e Ibes fallqm, portanto,
os resultados cxpcriinentaes por onde s pode ni ser
avahadas pelos horiiens positivos ; ol porque todas
asscntain em alguns principios que podem ser enca-
rados como mais ou menos capitaes, constitutivos,
ou commun de qualquer syslema penitenciario,
costuma-se reduzir lodos ellos a dous somonte, di-
vergentes e rivaes.
Iin queja se locou cima, o da reqnio silencio-
sa, e para o qual so preparava a nossa nova casa pe-
nal, he mais conhecido pelo nome do hurgo le Au-
liurn, ou do estado, que o abrange, New-York, na
l'niftD Ainerjcana, e doude nos veio ao menos imme-
diatatiente, anda que pareca que j antes exista
na Europa, na celebre casa de Gand, na"Belgica, des-
de 1772.
O outroqueos Americanos possuiram mais larde,
oda pristi individual, ou syslema cellular, traz t
Chnrry-Ilill, na Pensylvania, junto, Philadelpliia,
tambein nos Estados-Unidos, aquello nomo que o
celebra, ou odesystema.pliiladelpliico, oupensyl-
vanco.
' Es-aqui as vantagens do primeiro :
As tnaisgrosseiras e torpes desenvolluras, os es-
camlnlns mais immoraes dasprisescoinmiins impe-
didos ficam cora a separ*<;flo individual de noile;
parle da con upctlo moral que nascia das toleradas
communicacOi'se pralcas mtituas, lica alalhada cum
ess mesmo silencio quo dolles se consegue, e que
sdeia escapar palavrassolas, poucas e fugitivas :
favor da or.lem, da vigilancia e dessa separayily
moral que Ihes mpossihilila grande parto das anti-
gs distracedes, o trabalho, que se Ibes impe., fruc-
tifica mais: e finalmente com mais pequeo aacrili-
cio pecuniario, do que oque acarrla o.syslema cel-
lular, eslabelece-lo se-consegue. Silo esles os sous
uleis os quo I he ii^io disputam. nem os adversa-
rios, e nem os imparciaes, a cujo numero a commis-
sflo lano tlcve peilencer, que esta ultima vanlagem
aponiada ella Ih'a nao uega, bem quo a experiencia
da liahia a desminta.
CoineiTaiin, aceitando como exacta, comquanlo
enkje nos sempre osorQamenlos saiam inferioros
despeza real, a cifra em que a commissfo do aiino p.
p. orcava o cusi total do edificio inleiro, tomando
por base as desbezas j feilas na obra como esl, o
rom os maleriacs depositados, a nossa penitenciaria
absolverla a enorme somma de rs 1,299:798,100, a
qual, dividida pelos 840 presos quo vinha destinada
a piisan, seria a media do dispendio com cada um
preso, ou corn cada urna das celias, rs. 1:5*7,378.
Ora, liavemlo o governo francez determinado a um
dos visitadores, que mandou eml835 asprisoes ame-
ricanas, que Ihu aprcscnlassc um calculo aecurado
C minucioso das despelas que demandava cada um
dos dous systemas de conslrucrno peculiar aos dous
regimens penitenciarios, o Sr. Blouct, arcbilecto
dislinclo, oicou as cellulas ao mudo de Auburu em
a media de 1:9*2 francos 50 centesimos para Pars,.|
e 1:165 francos50 centesimos nos departamenlos, ou
rs 777,000, e rs 466,200, reduzndq nossa n.oeda,
na rasflo do *00 rs. por franco, (que alias actualmen-
te nflo est UiO caro ; e os cubculos peusylvani-
cos orcou-os em 3:561 francos e 25 centesimos, ou
rs. 1:424,500 na capital, e 2:136 francos o 75 centesi-
mos nos depaalam.'iilos, ou rs. 854,700.
Alein dsso, cm l'ranca, de 1838 para c, se cons-
truiain, ou se eslo apromplando 2,740 cellulas se-
gundo o systema individual; em iiculiuma- a despe-
za foi alm'dc 2:900 francos, ou rs. 1:1.60.000; a
inaor parle custou menos de 2:750, ou rs. 1:100,000.
Em Londres acaba-se de edificar urna prsflo cel-
lular, quepassa pelo mais acabado modelo dcsta es-
pecie carcelaria ; e.lo orcamentooflicial que o go-
verno inglez remelteu ao mmialerio do Franca ae
deprehendo ser o cusi de cada urna colla nos con-
dados, pela nossa moeda, rs. 1:08.0,000, e em Loa-
dles, 1:400,000 (*).
Nflo se refere, poi tanto, uo relatorio do Sr. Blouet,
mandado pelo seu governo destinadamente eslu-
dar o ponto aichiieclonlco e finaucero do syslema
penitenciario, que liouvesse penitenciaria americana
de trabalho eni commum, cujas cellulas custassem
tanto eino as nossas : nem mesmo as d Auburn,
cujo edificio soffreu iuuitasdeinolii;0es e substlu-
cOes consideraves, montaram em mais de.........
rs. 1:376,800! Ao contrario v-so rtesse documento
acreditado e oflicial, que, sendo ts. 1:800.000 a me-
dia provavel da despeza a que do de subir cada
um cubculo ao modo philadelphico nos estados da
Uiiifto Americana, sem economa e biilhaate de bel-
lezas arlisticas, as nssas celias se approximam des-
la cifrj pecuniaria, eso fazcm una pequea dille-
renca que deveria desapparecer com os gastos no
previstos no ornamento, e com a despeza proveni-
ente dos utensis o trastes necessarios a cellula; com
o que entre nosnSo existira o beneficio econmi-
co que se allega, e acoeita em toda a parte, fayora-
vel.ao systema de Auburn, e condomnador do rival.
rgumentando-so em relacito aos Estados Unidos,
em relacao sdespezas j fetasem Franca e Ingla-
terra, e aos orcamenlos nellas baseados, a econo-
ma estara, pelo contraro, na edificado cellular!
Todava, pois falla entro nos um edificio desto ul-
timo rgimen, cuj despeza total servisso de mais
imparcKil elemento de compararlo, esteja nospaizos
circumspecloscalculada eadmltida essa economa
dfferencial, e a anomala da caresta, com que-se
depara na nossa construCQito. se deva allribuir a cir-
cunstancias alheias essencia do syslomi de Au-
burn, esua archtectura competente, como fosse a
m escolha do lugar que acarretou despezas enci-
entes da appropracilo do terreno, &c., a commis-
sfo, verificando esla excepcilo toda local, nilo arre-
batar ao systema da reuniilo silenciosa a vanlagem
que geralmente selliecode, do menos dispendiosa
noodilicar. m ,
(Continuar-se-ha.)
Transporte
3 Pela importancia devencmen-
los de dozembro ae aponlador
Pexoto
6 dem de ditos deoutuhro, no-
vembro e dozembro ao mcslre
Wlmer, 3mezes
8 dem de ditos de dezembro ao
administrador Sa eSouza
10 dem da foria de a 10 aos o-
peraros
16 dem da dita de 11 a 16 aos
ditos
23 dem da dita de 18 a 23 aos
ditos
dem de mangueiras de sola e
colicortos das mes mas a Fer-
r Ira & Braga
dem de salario aos recebedo-
res da taxa
1171
126,130
50,000
COMPANHU DE BEBERIBE.
ont do que te ha detpendido com a empresa do enc-
menlo da* agoat do l'rata, at o ultimo de Janeiro de
1847.
Outubro de
1846
3f Pela importancia despendida
al esta dala, como consta do
Diario n." 264, de 24 de novem-
bro e dos documentos do n.* 1 a
Novembro.
2 dem de vencmentos deoutu-
hro ao apuntador l'cxoto
4 dem de dilos ao administra-
dor S e Souza
5 dem de carrelos a Domingos
Caldas Pires Ferro ira
7 dem da feria aos trabajado-
res, do 2 a 7
> dem de 1,000 lijlos a Manocl
Antonio de Jess
13 Mem de despezas com escrip-
torio e cscrlpluraQo tres
mezes
14 dem de carrelos a ManoelJoa-
quim Carneiro Leal
> Idom da feria de 9 a 14 aos o-
peraros
21 dem de ndemnisacfo ao dou-
tor F L Neto
a dem da feria de 16 a 21 aos o-
perarios
22 dem de salario aos recebedo-
res da laxa
26 dem da primeiraprestacito pa-
ra a factura do cliafarz da
Praca' da Boa-Vista ao nieslre
Wlmer
28 dem da feria de 23 a 28 aos o-
perarios
1139 375:399,845
1140
1141
1142'
1143
1144
1145
1146
1147
1148
1149
1150
1151
1152
(*) Relatorio de Tocquerille cmara franceza,
em 1843, trad. pelo Dr. J. Barbosa deOliyeira.
Dezembro.
4 Mem de vencmentos de no-
vembro ao administrador S e
Souza .
a Mem de ditos do dito ao apon-
lador Pexoto
5 Mem da feria de 30 de novem-
bro a 5 aos operarios
12 Mein de 1420 lijlos a Bernar-
do Jos Brrelo
dem de 58 enchameis a Ma-
noel Antonio Percira Ramos
dem da feria de 7 a 12 aos o-
perarios
18 Mem de tubos, lorneiras, etc.
a Me. Callum & Compaiiliia
dem de vencmentos de 2 me-
zesaoengonheiroBo\vinan1l60e1161
19 dem de indemnisacilo a Flo-
rencio Jos Carneiro Mouleiro
21 Mem de salario aos recebeo-
res da laxa
23 dem de 90 alqueires deca a
Joflo Domingos da Silva Porto
24 Mem da feria de 14 a 19 aos o-
perarios
Memdadtade21a24aosditos
* dem de pintura e tintas a 11.
Louiz
a Mem de remessa para Londres
a Foster limaos, 2:000 ao
cambio de 29 d. p. 1,000 rs.
1153
1154
1155
1156
1157
1158
1159
1162
1163
1164
1165
1666
1167
50,000
100,000
7,320
117,820
16,000
300,000
24,700
94,360
2:200,000
154,480
84,000
1:657,000
151,690
4:957,370
100,000
50,000
141,780
22,720
46,400
123,330
583,760
604,440
1:465,180
84,000
21,600
127,700
93,260
10,000
1168 16:550,000
20:024,170
Janeiro de 18*7
2 Mem da feria do 28 e dezem-
bro a 2 de Janeiro aos operarios
a Mem de 1,450 lijlos a Bernar-
do Jos Brrelo
1169
1170
102,930
23,200
126,130
1172 300,000
1173 100,000
1174 116,770
1175 114,240
1176 138,120
1177 42,780
1178 81,000 1:072,040
ce
B
^>
s
o es
S >
a -i
en f* "*
Sin tt r-
01 o o
'-
l
i
o
a
o "O
23
a
a; a.
2 ^
5-
-i
1
o
3
a-
1 S
c _
2 ^ B
u. ~
O C "3
E^S
S SfcS
ja 3 E a c.i

o
5
a- w
E
v
o
c
s
a
aa

"
3
s
ca
O O o o o
So oo fi o r-
O *- ^4 C-5
r-T o" D ee" <33 ifl"*
o i* e> o
o> n o a o
" is
I
z =
: ~"
s i a 8" I

o
v
e
.
s>
3
8
3

I
Marro.
2 Pela importancia de chumbo e
de carrelos a Manocl Joaquim
Carneiro Leal
4 dem de vencmentos de Janei-
ro e fevoreiro ao mestre Wlmer
dem de grades e mais ferra-
gcnsaMc. Callum &C
6 Mem de pagamento da feria do
1.' a 6
Mem de vencmentos de fevo-
reiro ao apontdor Poixolo
8 Mem de 3 arrobas de fio a Cae-
tano da Cosa Moreira
9 Mom de forragem a Me. Cal-
lum & Companhia
> I lemdedilaao mesmo
13 dem do pagamento da feria
dc8a 13
17 Mem do 8918 tijolos a Bornar-
do Jos Barrlo
18 Mem de melado da empreitada
para o reveslmento da caixa ao
mestre Wlmer
a Mem de 34 canoas de alerro a
Jos Concalves Ferreira Costa
20 Mein do pagamonto da feria de
15 a 20 ,
22 Mem de 40 encliamois a Mano-
el Antonio Peroira Ramos
a Mem de salario aos cobrado-
res da laxa
27 dem de 39 alqueires do cal a
Antonio Vcra
.. dem de 41 ditos de dita a Ma-
nuel Jos de Castro
a Mem do pagamento da feria
do 22 a 27
29 dem de 35 alqueires de cal a
Jos Ponce
31 Mem do vencmentos do Janei-
ro, feverero c marco ao admi-
nistrador S e Souza ns. 1216 a 1218 300,000
3:489,100
Hit
J1S..II
Si-hila
MuZi
5 a
S B.a>tVS en
39 eg,

s* *2 *
S'Si 11
zcAca
a
>
a
Feverero.
a dem de vencmentos de Janei-
ro ao aponlador Peixolo
dem de impressOes a Manoel
Figiftirda do Faria
a Mem de ditas a L. I. Ribeiro
Roma
a dem de vencmentos de 2 me-
zes ao engenheiro Bowman de
1182 a
a Mein da compra de urna parte
da propredade Appucos
i) Mem da sza e mais despezas
da mesma compra
dem de carrelos a Manoel Joa-
quim Carneiro Leal
Mem de desembarque de canos
a Manoel Cardoso da Fonseca
a Mem de dito de cimento o
uil
a dem de 160 harns do cimento
viudos de llamburgo
a dem da segunda prestaeflo pa-
ra a fetura do chafanz da
BoaVista .
a dem do pagamento da feria de
25 a 30 de Janeiro
Mem do dito de 1 a 6 de feve-
rero ,,,
dem de dito de 8 a 13 dito
dem de dito de 15 a 20 dito
a Mem de dito de 22 a 27 dito
a Mem de salario aos cobrado-
res da laxa
1179
1180
1181
1183
1184
1185
1186
1187
1188
1189
1190
1191
1192
1193
1191
1195
1196
50,000
29,000
33,950
586,200
1:000.000
113,960
17,340
89,600
12,640
1:280,000
1:657,0O0
118,240
80,480
138,200
138,860
157,750
84,000
5:587,220
1197 163,540
1198 200,000
1199 1.382,640
1200 156,630
1201 50,000
1202 29,250
1203 19,590
1204 76,600
1205 142,680
1206 1*2,680
1207 401,000
1208 34,000
1209 123,550
1210 ' 32,000
1211 94,000
1212 11,700
1213 10,660
1214 109,480
i 1215 9,100
Abril.
3 Mom do vencmentos do margo
ao aponlador Pexoto
u Mein do pagamento da feria de
29 de margo a 3 de abril
7 Mem de 12 canoas de a trro a
Manoel Ignacio d'Avila
10 Mem do pagamento da feria de
5 a 10
13 Mem de canos, tornerase va-
ras pegas de ferro a Me. Cal-
lum & Companhia
idomdaullima prostagfo para
o revest ment da caixa ris
401.000, para um deposito de
esgolo 530,080 rs., para carre-
tos 74,200 arrmeslre Wlmer
17 Mem de pagamonto da feria do
12al7
20 Mem de cusas judlcaes na
causa com o raajor Florencio
Jos Carneiro Mouleiro
22 Mem de 10,136 tijolos e 41 1/2
alqueires de cal para u muroem
frente do slo de Carlos Mar-
tins de Almcida
dem de salario aos cobrado-
res .la laxa em um mez
24 Mom do pagamento da feria
de 19 a 24
Mein de dito para abrir o acei-
ro no Prala
26 Mem de vencmentos ao enge-
nheiro Bowman em um moz
dem ao dito dlo em um mez
idem
30 dem da quola marcada para a
eserpturagao e escriplono, em
6 niezes
DEMONSTRACA0.
Importancia recebida at 30 de
1219 50,000
1220 83,030
1221 22,000
1222 84,900
1223 1.513,820
122*
1225
1:005,200
1*8,260
1226 26,666
1227 153,52*
1228 142,000
1229 118,540
1230 16,080
1231 288,000
1232 288,000
1233 600,000
4:540,020
abril 1846 Rs. 338:245,120
dem do 1 de maio a 31 de ou-
tubro 1846 35:852,045
374:097,165
dem do 1. de novembro a 30 de
abril 1847 51:532,650
Balango em caixa
425:629,815
10:560,050
415:069,765
I
-l_



2=

,!l
DEVE O CAIXA DA COMPANHIA DO BEBERIBE EM C/C COM A MESMA COMPANHIA.-HAVER.
18*6.
1846.
Novembro 1/abril 30 de 1817. Outubro 31. Balango aseu favor nesta
importancia das entradas recebulas dos accionistas Novembro 30. Importancia quo despen-
6 p.% da 6.' preslaguo de 100 acgOes 300,001) deu ueste mez
j 115 230,000 Dczembro 31. dem dito
(i 7.' 70 210,000
4 135 270.000 1847.
6 8." 9003 27:009,000 itneir0 31. dem
4 8369 16:738,000 feverciro 28. dem
--------------Marco 31. dem
. 44:7.>7,000 Ab|.,
dem da arrecadagflo da taxa no semestre
Em novembro 1:073,860
Em dezembro 993,980
Km Janeiro 1:007,010
Em Tevereiro. 981.220
Em marco 1:195,880
Em abril I 073,700 6:195,650
dem recebida do procurador da cmara
municipal, primei'ra lettra da desap-
propriaciio da casa em frente do becco
Tambi
30. dem
dito
dito
dito
dito
1:302,680
4.957,370
20:024,170
1:072,040
5 587,220
3:489,100
4:540,020
40:972,600
Ralangoquc passaao mez
demaio 10:560,050
450,000
51:522,650
J'crnambueo, 30 de abril de 1817.
Balango em 30 de abril ------
Entradas dos accionistas
6 p. % de 163 acgoes
4 de 427
Liquido producto da taxa, cerca de
51:532,650
S. E. & 0.
O secretario, Denlo Josi Fernandei Barros.
ESTADO DA CAIXA EM 23 DE MAJO.
...........10:560,050
para a eonseonglo do nobre fim a que se propflel
Em Pastos-Bons, dous cidadflos tinham suecurn-
bido aos golpes de alguns assassinos, que haviain si-
do presos o cstavam sendo proccssa.ios.
As gazetas do Par trazom por ultima data a do
1. do mez em que estamos.
A 24 de abril anteceilento encerrou-se a sessilo ex-
traordinaria da assoinhln legislativa dessa provin-
cia, depois de haver deciclado as leis de (ligamento
provincial e municipal, ea da fixagflo da frga poli-
cial para o anno linanceiro de 1847 ~ 1848.
.Ni'ssii sessflo, que por inais de urna voz fra proro-
gada pelo Exm. Sr. Ferreira Penna, recebeu S. Exc.
mui seguras provas da conlianga que Ihe votam os
representantes da provincia ; entre as quaes hemais
reformar varias repartigOes por nieio do novos regu-
lameutos.
Correspondencia.
489,000
854,000
1:343,000
600,000 1:943,000
12:503,050
Despendido. Itemessa para Londres de 2:000 ao C. de 27 17:777,778
Despezas diversas 595,990 18:373,768
Adiantamenlo feito pelo Sr. M. G. da Silva
5:870,718
0 secretario, Benlo Jos remandes Barrot-
MISSAO APOSTLICA.
Lausperenne do Sanlis'imo Iloznrio, para imtallar-se na
igrrjfi dos reverendos pudres capuchinhos em l'ernam-
bu o, no da da Sanlissimo rindade, no anno de
1847.
ll/m. e Bvm. Sr. Diz o padre mestre Fr. Placi-
do de Messina, inissionarin apostlico, e actual pro-
feito deste imperial hospicio de .Nossa Senhora da
l'enha em l'oriiainhuco, que, desojando consolidar,
cada vez mais, a devoco que, no anno passado, se
ilrsenvolveii no Mez Mariaimn, 00.1 louvor da grande
Virgem Mili de lieos, roqueieu ao rcvereiidissimn
goral da ordem de San Domingos em Honiii, que Ihe
concedesse a faculdade e poder de insinuar o laut
perenne, vulgo Itozario perpetuo de Nossa Sa-
lidora; o como este se digllOU benignamente aiuuiir
e aulorisar ao supplicaule para eslabelccor urna tal
confraria nesla religiosa espitaI, e em qualquer lu-
gar desta diocese, onde nflo hajam religiosos domi-
nicos, he do niais restricto dover do supplicanle so-
licitar a aprovagao, consenlimento e coadjuvagio
de V. Exc Hvma., como inherente a mesina aulo-
risagflo stipramencionaila, afim deque una obra Iflo
pin e santa lenha osen feliz effeito Por isso humil-
demente ruga o pede a V, Exc. eRvma., haja por
bem deferir ao supplioante como pede. E. It. M.
Ir. 'acido, prefeito da l'enha.
Despacho. Convimos na inslallago dosle santo e
pioexercicio; e nflo s louvamos o zelo e devoeflo do
llvm. prefeito do hospicio da l'enha, Fr. Placido de
Messina, como esperamos que os nossos diocesanos se
presten! a honrar e louvar u Sanlissima Mfli de Dos,
protectora e defensora dos peccadores, cortos de
que este excediente exercicio Ihe sera um dos mais
agradaveis: e nos, convencidos desta verdade, coo-
peraremos scntpre para que haja Imiih resultado, al-
listandn-nns no numeodos verdadeiros devotos da-
quella Senhora, que junto de sen Divino Fillio goza o
grao da gloria queju.-tamente llio fui iillrihuido, o
ora por aquellos cuja sortc Jesus-Chrislo depusitou
em suas sacralissiiuas mfios, quereudo agraciar os
peccadores por intermedio da corratlemotura do ge-
nero humano, e perpetua distribuidor! de seus divi-
nos donse auxilios.
Palacio da Soledade, em 12 de maio de 1847.
Joo, bispo de Pornanibuco.
Cada um dos confrades do Sanlissimo Rozario, mo-
vido aos cultos da Virgem Mana Nossa Seuhor pa-
ra o lausperenne dos seus louvores, na hora que
Ihe Mr apontada, ser obrigado a rezar com devogflo
o Sanlissimo Rozado de juclhos, ou como poilr,
urna vez cada anno, considerando, com toda a alten-
eflo que Ihe for possivel, os myslorios da nossa re-
dempgfio-incluidosnolle. Noprimeiro tergo, roga-
r poios que estilo em peccado mortal. No segundo,
pelos que cstflo em agonia da moite. No lercoiro,
pelas almas do sin.lo purgatorio: o rezara mais urna
ladainha de Nossa Senhora, ou cora, quando nao
sail.a a ladainha, por todos os irmflos confiados vi-
vos o dofuntos, que entraran! nesta santa confraria;
de modo quo nesle exerciclo gaste sempre hora i ti
leira; o para que as suas oragOes sejam mais a-
ceilas diantn de Dos, no dia que hotiver de rezara
sua hora, se deve confossar c roceber o Santissimo
Sacramento, ( no pudendo fazer isso no mesmo dia,
o faga o mais breve que possir e gan liara indulgen-
cia plenaria e remissao de lodos os seus peccados,
rogando a Dos pela cxallagflo da santa madre igroja,
paz e concordia entre os principes chrislflos, exlir-
pagflo das heresias; cuja indulgencia concederam os
summos pontfices Paulo V, Innocencio XI e Bene-
dicto XIII, e mais outras indulgencias; o que ludo
lihcralissimamcnte concederam os pontfices Xislo
IV, Alexandre VI, Innocencio VIII, Joflo XXII, Cle-
mente Vil, Adriano VI, S. Pi V; e ltimamente con-
firmou Benedicto XIV. K ser obrigado a guardar os-
le eaeriplo com muito cuidado; e quando lieos o le-
var para si, mandara se entregue no hospicio da l'e-
nha. para que ah, no livro das horas desta santa de-
vogflo, conste como est vaga; e lora inuilo na sua
lembranga em que nflp falle na hora que Ihe vai a-
ponlada, emquaiiloviver; e se, pur algum iinpedi-
menlo, o nflo poder fazer, pega a quem suppra por
si, para que nfio haja falla nos louvores da Virgem
Mara Nossa Senhora, em todas as horas do dia e i
noito. E porque a ful,1o de tal Ihe coube a tanto do
mez a hora do tal atea tal da mantilla, ou tarde, se
Ihe ileu osle cscripto para sua lembranca, como
Confrade lio Itozario perpetuo E rozara todas as so-
manas um Itozario inleiio pelos irmflos confrades vi-
vos e dofuntos do Santissimo Itozario, que nssim o
concederam os pnmilices Leflo Xe Paulo III, para lu-
crar as indulgencias do Santissimo Itozario: seo
nao (izerem nflo peceam, porm nflo alcancam: o Ito-
zario ha de ser liento poralgum dos reverendos pa-
res capuchinhos do hospicio da l'enha em Pernan-
buco.
BIIUIU U PflSAIBUG.
BECIFE, 26 DE MAIO DE 1847.
Pelo vapor San-Sebaslido, chegado boje i\qs portos
do norte, recebemos diversos jamaca.
Os do Coma alcancam a 8 do coi rente.
Algumas das juntas qualilicadoras e cortos conce-
ntos inunicipiios de recurso dessa provincia eram a-
oremente censurados pelo l'edro II, por haverem es-
bulhado do direilo de votar una creseidissima pnr-
eflo de imlividuos pertencentes a parcialidade, cujas
ideias elle propaga e sustenta.
A nomeaeflo de um tal loaquim Ignacio Possoa pa-
ra o cargo de subdelegado da Villa-Vigosa havia sido
ulli mui mal acolhida.
Segundo o couledn n'uma carta que publica o
precitado peridico, o nomoado fia em onlr.i poca
mcllido em proCOsso, 6in cosequencia do homici-
dio praticado n'uui sujoil, de iiome Cascavel; as
tc.-tcmuuhas, que depozorain nesse procosso, jura-
rain que os assassinos, ao arraiirareiu a vida a essi
infeliz, declararam-llo nue, assim obrando, nada
mais fazian <|ue cumprir as ordena do liomcn, a
quem ora se honrara com a cspiuliosa missilo de po-
licial' um termo nao pnucoimportante. llalli o inao
acolhiincnlo: dahi o desprazer que mauifesla a gen-
te honesta do lugar, por ver-se lia rigorosa obiiga-
eflo de acatar e obedecer o iudividuo sobre cuja ca-
bega |iesa lao grave ei une.
No dia 3 dera o povo rerense um publico teste-
munlio dos seus sentimentus de religiosidade, as-
Salindo', em avullado numero, e com todo o rospoi-
lo e recolliimcnlo, a hengaodo CnuzRinoqueo mis-
sionario capuchinho Fr. Seraphim da Lalania lizera
erigir em fenle da malriz da capital.
As l'olhas do Uaranhflo chegam a 7 deste mez.
A 3 Uvera ahi lugar a abertura da sesso ordina-
ria deste anuo da assemlila legislativa provincial.
Em dias de abril ultimo, Francisco Itai rozo'de Sou-
za, cidadiio honesto, fura acoitimeltido e espaucado
por esclavos de I). Francisco Ballhasar da Silveira,
juiz de direilo da comarca da capital.
Ufado se passara as immedages da casa em
que reside esto magistrado; e, segundo o Lorreio
ilarunhense, le a cuusequencias anula mais graves
que oespaucaiucuto, se a guarda de palacio e un
major nao viessem arrancara victimadas nulos dos
que a tinham aggredido,
Couduzidos a cadeiii, tanto o offendido como os
que o haviam maltratado foram, dentro cm breve,
postes em liberdade pelo chefe de polica, que, af-
lirma o piedito jornal, he coiicuuliudu do referido
juiz de (I i filo.
A 27 do citado mez, reunio-se ojury da cdade de
Sau-I.uiz para apreciar as rasos em quo se baseava
a suspeigflo que fra posta por Antonio Domingues
de Azevedu ao mesmo juiz de direilo, a quem cima
nos referimos, cm um processo que por via de re-
curso fra levado ao seu conhecinieuto. Desenvolvi-
das cssas rasOes pelo advogado de Azevedo, o tribu-
nal Julgou-as procedentes, pela maioriado3l con-
tra 11 votos.
A 29a noile reuniram-se em casa de Jo5o Francis-
co Lisboa menla e lautos cidadflos grados, que, leu-
do pe lenlo a diversas parcialidades, eslao dis-
postos a esquecer auligns resenliinentos, e dar-se as
nulos para decomniuui accordo prouioverem a pros-
peridade da provincia. Proferidos alguns discur-
sos acerca da uecossidade, vaulHgeus e liases de tflu
ulil quflo louvavel liyo, fui Humeada urna coiumis-
sao central afim de dirigi-la de maneira a habilita-la
Sr. Redactor. Pormitta-me que pelo seu bem
conceituado jornal cu defenda a conducta de um a-
migo ausente, a qual foi atassalhada pelo Lidador n.
173. no artigo escndalo, quando censura ao juiz
municipal c de orphflos dp Flores, liacharcl Joflo Pe-
re ira dos Santos Castro, por ter mandado prender aos
facinorosos Marlinho daCosta Alecrim e Joflo Manoel
Prazflo, entregando essa diligencia a urna pessoa
queliojese diz inimiga daquelles perversos. Eu,
pois, nal ra ei o facto tal e qual.se passou. Em fins
de Janeiro deste anno, e nflo em dias do mez do a-
bril, como diz o artigo, achando-se fra da villa o
delegado de polica, e constando ao meu amigo que
os ditos facinorosos se achavam acoilados per lo da-
quella villa com algumas pessoa^ armadas em sua
cumpanhia, com o lim de commeTterom algumas a-
trociil.idos, e nflo lia vendo na occasiflo frga de po-
lica deque poilesseelle dispr, fez reunir cerca de
vi lite hoineiis, e mandou proceder diligencia, cn-
carregando-a a urna pessoa, quo Ihe pareceu capaz
de a dcsempcultar; e chegaudo u palrulba para cercar
a casa aoudese achavam acortados, o Joflo Manoel
Frazflo leve lempo de evadir-se para o mallo, compe-
lenteniente armado, e principiou a fa*er fogo pela
retaguarda; o o Marlinho e outros fazam o mesmo
ile den I ni ila casa, a palmilla corresponden a esse
liroleiro, (|uedurou pouco mais do urna hora; o de-
pois que cessou o fogo acharam-se dentro da casa o
Marlinho, inorlo, outro bastante forido, mais tres
individuos que foram presos, quarenla e tantos car-
tuxos, um clavinote, urna pistola, e tres armas
gjossas; depois do que em camnho anda o Joflo Ma-
noel acoinmette a palmilla, e faz-lhe fogo do dentro
do mallo: he, pois, estes facinorosos, cobertos de
tantos cu mus, leudo aggregadoa si mais alguns quo
o juiz municipal persegu), e perseguir, como he do
seu dever, ale que ell'ectue a prisflo do seinelliaules
ministros. Esta he a verdadeira uarragflo dos fados
all occorridos, e de que com tuda ira su oceupou o
cninniiiiiicanli: do l.iUadur u. 173, deix illdo-se illu-
lir por pessoa, que, ou por desalela ao meu amigo,
OU por saciar mesquinha vinganga, adullerou o iii
verleu inten menle o facto a seu geilo para ver se as-
sim i mas de balde ) consegue macular a seu bem
co.iceil nada ro.piltligO.
lie l'also saber o meu amigo da inmizade do encar-
regado da diligencia com Marlinho, e anda mais o
ter elle feito logo sem ser aggredido.
(JuaillO aos epillielos de edebre prevaricador, mimo-
seados pelo coinmunicanle do Lidador, o meu amigo
os despieza soberana mente; pois que a sua illihada
conducta se nclia exuberaiiteuienie consolidada pelas
honrosas lufoiniigoes das autoridades competentes,
e sobre ludo pela conlianga rom que foi agraciado
por Sua Magesladu o Imperador, recondu/.indo-o no
ugar de juiz municipal da mesma comarca de Flo-
res. Siga, pois, avante O IIICU amigo; e continuo a
lazr-se ci odor da estima dos hoiueus bous, entre-
gando, ao desprezo quo merecein os seus vis delrac-
lurcs. quo el les por si niesinos se confundirflo.
Com a publicago deslas mal llagadas ludias mui-
to grato Dio sera o seu constante leitor.
M.
COfVVlEHCIO,
Al bodega.
ftENDIMENTO DO DI A 26...........
Descarregatn hoje, 27.
Barca (oldcn-Fleece laixas de ferro,
nio ft oarvao.
Patacho Kenl fai inha.
8:229,550
machinis-
CoosulatJo.
RENDIMENTO DO DIA 26.
Ceral......................... 2:123,061
Provincial
Diversas provincias........
834,201
32,767
2:990,029
llovmunlo do Porto.
Navio entrado no dia 26,
Par,22dias,leiuio oslado 9arrihado na Peltingacom
falta ile carvao.e 14 horas da Paralnba; paquete de
vapor Sm-SebnstiaO, de 300 toneladas,capitflo o I."
lenleTorresflo, cqoipagem 31. Passageiros : pa-
ra esta provincia, o tenente-coronel L. A. Favilla,
com sua familia, alferes Alexamlre Florentino do
Albuquerque Mello, Joaquim Ezequiel llarboza,
l)r. II. Kranss, com urna lilha menor, 4cscravos a
enlregar, e 1 desertor : para o Rio-de-Janeiro, 10
recrulas) t grumete, o 3 escravos a enlregar.
Navios subidos no mesmo dia
Mace ; hrigue-escuna le guerra Leopoldina, com-
nijindante o 1." lente Candido Jos Ferreira.
Rio-de-Jaueiro ; patacho brasileiro Ksperanca, capi-
tal) Joaquini Antonio Gougalves Santos, carga as-
sucar o sola. Passageiros, Jos Jacinlho Ribeiro,
Porlugucz, e Robcrt Slaz, Francez.
eelaraees.
0 vapor S.-Sebasti&o fecha smalas pa-
ra os poi los do Sul hoja 27, as 6 ho-
ras da larde impretorivelmente :e de-
pois desta hora nflo se recbenlo mais
carias. *
- O arsenal de guerra compra, para o sustento dos
presos que team do ir para a ilha de Fernando, e da
esculla que os ha de acompaiihar, o seguidle : a-
goar'dejilc, cafe, assucar branco, bolacha, carne-
secca, fejflo, farinha de mandioca, toucinho, vina-
gre e lenha. Quem laes gneros quizer forneeer
mandar sua proposta em carta fechada e amostras 4
rectora do mesmo arsenal, aleo dia 31 do cor-
relo mez.
Arsenal de guerra, 22 de maio de 1847.
Joo Ricardo da Silra.
O arsenal de guerra compra duzentas e cinco-
cita vassouras de timb: quem dito genero quizer
forneeer mandar sua proposta em carta fechadla
directora do mesmo arsenal; at o dia 28 do cor-
correule mez.
Arsenal de guerra, 22 de maio de 1847.
Jado llicado da Silva.
0 escrivflo e administrador da mesa de rendas
internas provinciaes desta cidade faz constar a to-
dos os Sis. proprietarios ea quem mais posas in-
teressar que do dia primeirodo prximo vindod-
ro mez de jujiho se principiam a contar os 30 dias
uteis para o pagamento a bocea do cofre d se-
gundo semestre do anno de 1846 a 1^47 da decima
dos predio ui baos dos 3 IiairrosdesUr mesma ci-
dade o da povoagflodos Afogados, efindos ellos fn-
correm na multa de 3 porcento na forma da le, os
que nflo pagarcm e serflo de promploexecutados.
Rocife, 18 de maio de 1847. Clorindo t'nrreira Ca-
a. '
lie.
,1**** ^vi%
REBEBDDBa
Silo convidados os Srs. accionistas da companhia
de Boheribe para se reunirem em assembla geral
no dia 28 do corronte pelas 10 horas da manhSa ,
noescriplorioda mesma companhia afim de lo-*
marem contas a administragflo actual, de elege-
remnova admlnislragflo; edn adoptarem as medi-
las qno julgarem convenientes aos interesses da
companhia. Recifo 19 dn maio de 1847. 0 se-
cretario, B. J. Fernandes Barrot.
Theatro publico,
DOMINGO, 30 DE MAIO.
BKSKFICIO DE PKUIIO BtPTISTA DE SANTA ROSA.
Grande ptoa nata
A RETIRADA DE SANTAREM,
ou
O triumpko das frcat' da Senhora D. Maria II.
Drama dividido cm 5 actos e 8 quadros.
Executar-se-hflo alm de outras as seguintes o-
verturas novas:
O LestoqueDominoarJulieta t tomen
e o Camilo de Brome.
Scguindo-se um intervalln de dansa, executado
por duasdas principaes pastoras.
Seguir-se-ha urna aria nova, exccutida pelo bc-
neiciado, ontitulada
O lundum Romntico. *
Finalisando com a muito applaudda aria denomi-
nada
O Msico Charlatdo.
Puhlicnco Littcraria.
Sanio luz, e vende-se na praga da Independen-
cia, lvraria, ns. 6 e 8, pelo prego de 160 rs, cada
exemplar, o
CATECHISMO
EXPLICADAS
A'. PRIMEIRA INFANCIA-
Claras esuccntasperguntas e respostas, adapta-
das lis capacidades novis, acerca de diversos objec-
los, com o couhociment dos quaes devem os meni-
nos sabir das escolas do primeiras lttras, para que,
iiotransporem o limiar las aulas maiores, nilo cn-
Irem nellas s cegas, e em estado de nflo perceberem
a linguagcm dos preceptores : cis o que conten esse
apreciavol livrinho.
Leiam-no ns directores das preditas escolas ; e de
certo o adoplarflo, de preferencia a outros muilrt
que estilo em voga.aem que tenham o mrito do que
ora se anuuncia.
Publica pao Religiosa.
Acaba do sabir dos prelos, c acha-se venda *
1,000 rs. cada exemplar, na praga da Independencia
hs. 6 e 8,
O Novo Mez do Murta, augmentado da No-
vena de Soisa Senhora da Conceico, e do Lautpert***
do Rosario de Nvssa Senhora, novamente iustallado
pelos Hevms. Padres Capuchinhos Italianos.
Em ludo conforme ao modo porque os mesmoi
Itevins. Capuchinhos coslumam dirigir a lao apre-
ciavol pratica religiosa, a que dSo o bem cabido norpe
do Mez de Maria ; este livrinho deve ser prete-
rido pelos devotos que por esses liona padres teem
sido guiados nessa pratica, tflo santa quaiiln u''1 *oS
que teem a felicidade de reconhecerem mM&><*,\
Redempior o mais seguro dos advogados .ante o Uts-
pensador das verdadeias gragas.
Aw.x s in.ii iiniiOS.
No dia 28 do crlente, largar para o Rio-Gran-
de-do-Sul o hergantiui I/dependente : pnrtanto, oj
Srs. que teem a embarcar escravos, deverflo ter seus
passaportes promplos.
Segu vagem para Macei-, com eseala por Una
e Porto-de-Pedras, a bsreaga S.-Antonio Conceicte-
quem uella quizer ir ou erregar, pois he bastante
velera c bem construida dirija-se ra da Praia-
do-Fagundes, n. 27, que- achara com queni tratar;
ou a bordoao mestre, Antonio Caelano da SIvh Mu-
cha. A barcagajl lein parle do seu carreganiciiio
irompta.
Para o Aracaty pretende seguir o hiate fleto-
Olinda. infallivelmenle al 4 do prximo mez, ou an-
tes dando o tempo logar,'-por ter qasi cony lela
sua carga: quem anida lencionar carregar alguma
cousa, ou ir de passagem, se entender coeyo mestre
do mesmo, uo trapiche novo.


liCilao.
n-m-rotor Oliveira continua o leilo da burea
T *'*'* capitloT. Iloale, na mesmo con-
in M.le ilo annuncio antecedente, ilo veame,
fonn.uo verga, crrente e nutro* miiitos uten-
cor'" m'J'sma barca : sexta-reira, 28 8 i*hnrasila nianha, noormozem da prensa do
r. .oel Ignacio, Fort-do-Mattos
l visos diversos.
I
LOTERA DO TIIEATRO PUBLICO.
Fm ennsequoncia de so nflo ter completado a ven-
,,,..,., hilhelcs desta lotera, e ex.slirem alguns a-
n I, em ser, o respectivo thesoureirodoixoit de fazer
"lp(rectio o andamento das rodas no dia 12 do cor-
ni e o Iransferiopara o dia 29, no qnal espera rea-
Lar nfallivelmcirte o dito andamento; e pede -
micllas pessoas que tecmjnarcado e apartado bilhe-
t, quo os vflo rereber at o dia 26.
_. preciso-so falVoo testamenteiro do Tallecido
mdre Luiz Jos da'Silva, que morou na Boa-Viagem.
.. Quem precisar de urna ama oom bom leite, mo-
ra "osada annuncie por este Diario indicando a
ra e o numero da casa em que mora que sera pro-
curado. .. ,
Troca-se, por pouco dinheiro um burro de
Horacio troduzido ao peda lettra ; um dito de T.
v0 um diccionario Nagnum Lexicbn ; um dito
latim paft portuguez ; um dito francez um dito de
fbulas urna arte de Sevene; um compendio de Hhe-
tnriea ; T. Livioe Horacio; e outros liyros : ludo
em boi estado : na ra estrellado Rozario, n. 43.
P;ecisa-se de um liomem que enlenda de pado-
ria.e que se preste a lodo o servio della : na ra
dasCruzes n. 30. .
Advorle-se que o Sr. Joflo Borges Serqueira dei-
xou de ser caixeiro de Rrender a Brandis & C.
|>reosa-se de 4 homens serradores para serra-
rcm madeira ; em Fro-do-Portas ra do Brum ,
caiadeGasparJosdosRels.
-Furtainm urna vacca de um sitio da estrada de
S-Amaro para Beltim a qnal eslava prenhn es-
branquicada coin Trente branca e orinado larga:
quem dola souber dirija-se ao Aterro-da-Boa-Visla,
fabrica de licores, n. 17, que se recompensara ge-
nerosamente. .
O Sr. em pregado publico que morou airas da
mnlriz da Boa-Vslo que eiitregou as chaves e (cot
devendo 6 mezesde aluguel, e que passou urna let-
tra que se acha vencida lia 22 mezes, queira dar
respostada caita que so Ibeenviou no dia 20do cor-
renle ; pois por bem faz-so qualquer convenci, e
na falta se usar dos meios judiciaes cobrando-se
principal e juros.
Fugio no dia 25 do corrento mez de maio ,
pelas s'ete horas da noite, de um sitio da Passagom-
da-.Uagdalena, o moleque crioulo, de nome Joflo, de
16 annos pouco mais ou menos estatura regular ,
chiMO do corpo ; levou camisa de elgodflo branco ,
calcas de dito de riscado azul. E como dito moleque
lenhii sido dos que vierom-do sertlo, roga-se as au-
toridades polieioesparoqueo apprehendam e man-
dem conduzi-loa ra da Codnio do Recito casa de
JosPereira da Cunta, que recompensar o tra-
ballio.
Alnga-se um sotflo com sala adianto e atrs ,
duas alcovas adiante o atrs cozinha e forno, com
muito boa vista para um e ou tro lado por cima de
um segundo andar, com corredor para cima inde-
nendente, muito proprio para pequea familia, ou
ionicen solleiro por prego commodo silo na ra
Direila defronte do beeco da Ponhe sobrado n.
32: a tialar no segundo andar do mesmo sobrado.
^-Roga-se encarecidamente o pessoa que tirou ,
ou souberquemliver lirado o premio do hilheten.
2852 ila lotera do Livramenlo, que correu em no-
vembro prximo passado o favor de declarar o sen
nome pela inipiensa que assini se faz preciso para
se justificar a conducta de um amigo atrozmente
calumniado.
Precisa-se de um feitor para tratar de urna hor-
la, em um engenbn, distante desto praca 16 legoas, o
qued fiadora sua conduela : na ra Nova u.. 42.
Alugn-se o segundo ailar do sobrado da ra
do Trapiche, outr'ora Alfandega-Velha. n. 34, com
varanda grande de ferro na frente, e entrada pela
ra do Torres, proprio pora cscriptorio: noarmazem
do mesmo. <
Precisa-se alugar um moleque que seja dili-
gente esi-ni vicios, para servir em urna casa inglozo ;
quem o liver dirija-so a Boa-Visla atrs da ruado
Seve, casa nova quo lica defionto do collegio de me-
ninas. -
Rogo-sftoos Sis. Antonio Bomano Franco, Jos
Eustaquio Maciel Monteiro, moradores em Olinda, e
ni Sr. Joflo M iia, morador no Bccife, tenham a hon-
dade de apparecer na loja da ru da Cadeia do lied-
le, n. 55, que se Ibes deseja fallar.
No da 24 do correte, desappareceu dacom-
panhia de sua mili um cabritilla, de 4 annos do idade,
picado de bexigas, de nome Benedicto! e sua mQi Je-
ronyma. moradira as lojas do sobrado donde fui a
roda, pede porcaridade que Ibo rcmettam esto in-
nocente filho.
__Oflerecc-se urna amo para toJo oservteo de
urna casa : no beceo da Noronh, parede-meia do
Sr. padre Primo.
Curam-se radicalmente as dores de denles, mes-
mo estando cariados, em cinco minutos : na ru
Nova n. 7, primeiro andar.
uiua cni praca para ser arrematado um sitio
com casa de vvenda no lugar de S.-Anna pelo
juizedo civel da pritneira vara escrivflo Bego pe-
nhorado por execugilo de I uiz Comes Kcrreira
contra os berdeirosdo fallecido Francisco Xavier da
Fonseca Coiitiuho.
-- OfTerecc-se para caixeiro de urna padaria,
um mogo portuguez, de 18 anuos para vender na
sala o traballiar na lendedeira ,-que de ludo tem
pratica e queda (adora sua conduela : quem de
sp presumo se quizer ulilisar dirija-se a ruado
Pires, na Boa-Visla u. 23.
__Nh noile de 22 gata 23 do presente mez o an-
no rouboratn ao obotxo ossignodo, do dentro de u-
uia' popdeiro, seis contos e qualrocentos mil ria
em cdulas, e sostena pecas de seis mil e qiietrooen-
los, deixondoaborla a gaveta e un bauzinbo de vi-
dio tinque se ochava a uita quantiu : presume-se
ser pessoa que se niroduzo de noilo no corredor da
casa, e que liro denlro quando se fecharan! as por-
tas ede madiugada shIio ao abrir das portas, com
0 mencionado toubo Se qualquer possoa tl-scobiir
quem foi o ut'or.ou autores de cemelhante sllenbi-
do, ou deseobi ir onde existe o roubo, ou parte del-
le, seta recompensado com a terca paito de cual-
quer quaulia que for descoberta.
1 Jote Joaauim de Mnqwta.
Manoel Jos Cordeiro emharea para o Cear
levando em sua companhia sua escrav Lucia.
Nod'iH terca-ieira, a5 docorrente.
pela* 5 horas para 6 da tarde, fugio da
estribara da na da Guia, na direccao da
cidade de Olinda, um cavallo sellado, cor
rozilha escura, cauda dinas e pernas
pretas, bastante gordo : quem por aca-
so sotiber aonde existe,- queira mandar,
ou avisar na ra do Trapiclie-Novo, caso
n. i/|.
Precisa-se de urna ama para casa do urna pe-
quena familia, que sirva i ara todo ose/vico, e que
saia a ra para comprar o necessarlo : no ra Oirei-
ta, sobrado, n. 22, segundo andar, defronte do boc-
eo que vai para a Penha.
Preeisa-sn de um caixeiro para vend, que te-
tilla pratica para a torra, o d fiador a sua conduc-
ta: na ra da Calgda, n. 2.
Precisa-se de um menino de 12 a 14 annos pBra I
venda, e quo da mesma tonha pratica : na ra da
Aurora, n. 48.
Marcelina Mara da Pureza e Oliveira, viuva do
finado Jos de Oliveira, declara aos credores de seu
casal, que est proeedendo a inventario pelo juizo
de nrphos; e por isso all deverflo Justificar os seus
crditos.
--Francisco Vieira do Carvalho, Brasileiro, embar-
ca para o llio-Grande-do-Sul.
Atengo.
JnsJoaquim de Novaos participa ao respeitavel
publico.que mudnu o seu estabelecimentode alfainte
la casa dos 4 cantos da ra do Queimodo para a lo-
ja n. 10 du mesma ra onde se acha prnmptoa
servir os seus freguezescom aquella promptidiiodo
costume e a todas as pessoas que sua casa se qui-
se re m dirigir; assim como vende pannos, casimiras,
madapoloos, sarja para vestidos, cortes de colleles,
luvas de todas asqualidades, lencos de seda o de
cassa, botos de todas as qualidades, retrozes, li-
nhas, c minios outros objeelos que sempreha de
haver venda ; assim como havera sempre obras
feitas de todas'as qualidades.cqin a mesma perfeclo
l^las ilo encotnmenda. Na mesma casa vende-se al-
paca o 800 rs. o covado ; panno de linho da Allema-
nha a 440 rs. a vara ; cortos de cambraia para vesti-
dos, de bonitos padros ; meias casimiras, asmis
ricas que tcem auparecido, para calcas; cortes de
gorgmlo, os mais modernos que leem viudo, para
colleles.
Precisa-se de um preto cozinheiro para urna
casa estrangeira : na praga da Independencia, li-
vraria ns. 6 e 8.
. A tinlureira que morava na ra Vclha da Boa-
Vista, mudou sua residencia para a ra do Padro-
l'lorianno, n. 32.
No dia 20 para 21 do correte furtaram do
sitio da Piedade, em Cruz-de-Almas, um laixo de
cobro de 14 a 16 libras ; 6 camisas de tneia ; 6 len-
ces novos de brim lino ; 10 camisas de mulher ;
4 vestidos de dita ; 4 toalhas de mflos ; 2 ditas de
mesa, acolchoadas o novas, una de 21 palmse
aoutrade 17 ditos; 4 fronhas ; 3 saias brancas;
uiua casaca de linho; urna ceroula ; urna porg.lo de
roupa de negrose negras; assim como lencoes de
algoilHozinhodosmesmos : a maior parto da roupa
he marcada com as lettrasde tinta preta F. M. C. F. ,
alguma lambem com a marca C., o oulra sein mar
ca. Quem de alguma peca destas souber participe
nesla tvpograpbia ou na ra do Collegio n 15,
primeiro andar, que ser generosamente, gratifi-
cado.
Urna pessoa bastante capaz, e habilitada em es-
cripluracflo e contabilidad!), se prope a escrever
em alguma casa de negocio : quem de seu piestimo
se quizer ulilisar, dirija-se a ra do Vigano, arma-
zem n. 5, que se llie dir quem he.
--Quem annunciou querer comprar o stimo vo-
lunte de Mil e urna nuiles, dirija-se a ra do Cabu-
ga loja de ourives, n. 9.
()Sr. B____queira entregar, na ra Nova, n. 32,
o chapeo do sol de panno verde, que tomou em-
prestado na Boa-Vista por oceasiSo do fogo no
dia 20 do passado : poisj he lempo de sobra para
esperar.
Alugam-se asseguintcs casas : um sobrado de
2 andates, com loja.sj, no ra eslreita do Rotarlo,
n. 20 altse baixos, por 30,000 rs. mensaes; una
casa terrea com quintal, cacimba e maiscommodos
para grande familia na Trempe ra da Soledade ,
ti. 29, por 12,000 i s. mensaes; nutra dita pequea
na ra do Sebo, n. 52 : a tratar no escriplorio de F.
A^lo Oliveira na ra da Aurora, n. 24
Precisa-se de um feitor horteao e quecnten-
dade jardim, para o sitio do Sr. Francisco Antonio
de Oliveira na Ponte-de-Uchoa : a tratar no mes-
mo sitio.
Quem precisar de una ama de leite dirija-se a
ra da Cadeia do Becife n. 19.
Rpga-se ao Sr. .. que, pelas almas de seus dc-
funtosedefuntinbos, venha liquidara cotila lirada
oin 7 ile de?.embro de 1838 e entregue a 27 de abril
de 1843 como se prova com a caria que acompa-
nhou o mesma cotila viudo a ler a favor da conla
1:394,530 rs. ; mas a vista do recibo de saldo de coti-
las de 16 de dezembro de 1838, diis cartas de 21 de
marco e 31 de maio de 1843 e deoulros muilos docu-
mentos ( por Ictlra e signal do mesmo Sr.. ..), dis-
solveu-se o saldo imaginario, que a favor da cotila
apparecia viudo a dever a mesma conla 135,660
rs. : e como este Sr.. presenciou e conferio po-
de querendo, tornara conferir a vista de quantas
pessoas quizer, e deixe-so de palliativos, dos
quaes tem lancado mio. E se est certo que para se
justar esta conta judicial he preciso ccrlidflo de
citacHo fei a na prop ia pessoa, e que esta pessoa esta
fra do imperio apezar que este Sr. .. n3o igno-
ra quo a viola dclle e desta pessoa quo se acha to-
ra do imperio foi conferida esta cotila a vista dos
documi ntoa aponlados e tambein mo ignora o que
esta pessoa disse; pode ficur esto Sr. .. eerto que
esta liauidacAono lica em cala o muito monos ga-
uhoi mais terreno como at hoje, o por ora se
oiuitle o uume de.ite Sr. tirador do cotilas por se
nSo ter a tiHtureza que este Sr. tem visto ter
tidoa deliberaeflo de lanc-ir annuncios no Diario po-
dindoa quem nada Ihedevia quelite fosse pagar;
ludo islo acontece por este Sr. ... mo ter lomado
conselhodo seu manoquando eslava lendo no livro
us parcelas o delle tirando a cotilo.
No coso de continuar o mesma puIIagrio, fique
certo o Sr. que vai ludo a luz do dia. O pro-
curador do que foi para o MaranhaO.
Precisa-se alugar um preto, som vicios, para o
serviQo de casa e ra: na ra do Trapiche, n. 8 ou
anuncie.
Precisa-se de urna lavadeira, no obrarlo pare*
do-meia da casa omarella do Sr. Magolhiles Bastos :
no largo lo Collegio, no segundo andar. ,
Aluga-so una pequea casa por qualro mil
ris mensaes, sita entro a ra da Aurora o do Hospi-
cio, junio mar: quem protonder dirija-se a ra
das Cruzes, n. 30.
_ O Sr. Barrozo quo estove em Bio-Formoso,
sirva-so de apparecer na ra do Amoriin, n. 33, pa-
ra receheruma encommenda.
Aluga-se um silin na estrada de Joln de Barros:
a> tratar na ra da Cadeia do l'.ooiv, n. 21.
Qacm tiver para alugar una casa terrea, ou
sobrado de um andar, com duas salas bastantemen-
te grandes, o maiscommodos para familia sita no
freguezia de S.-Jos, as ras Augusta, Martyrios,
Agoas- Verdes, Hortas e Direila, dirija-seo ruada
Proia-de-S.-ltita sobrado n. 43.
-- Precisa-sede um carxeiro para venda : defronte
da ribeira da Boa-Vista, n. 60.
-- Na ru Novo n. 7, primeiro andar, l rata-se ra-
dicalmente das molestias venreas, tanlo antigs
como modernas, por meio de um remedio nflo mer-
curial.
Pateo de S.-Pedro, n. 10, es
quiii da ra do Fogo.
Nesta casa, aberta hoje compram-so e vendem-
so escravos por commisslo assim como lambem
trata-so de qualquer negocio de compra ou vendas ;
ludo isto por urna mdica commisslo, que so con-
vencionar na occasiflo promettendo-se toda a
presteza nodesempenho de qualquer negocio.
Furtaram, na noite do dia 23 do crlente, da
casa sita na ra do Manguind, n 27, as segnintes
pecas de roupa : 7 lencoes, 9 camisas de homem 8 9
desendnra. 1 par de calcas de dontem, 2ditos'do se-
ndera, 3 paros de ceroulas, I saia, 5 vestidos, 4 toa-
dlas de rusto, 2 de mesa, as quaes leem a marta L.
F., ou F. somonte. A quem forcm olTereeidas todas
ou algttmas das referidas pecas, roga-se o obsequio
deapprebcmle-las e participar na casa cimo, pelo
que se (cara agradecido.
Oabaixo ossignado scientifica aos seus amigos,
e particularmente aos pas le seus alumnos, que elle
tem mudado a sua residencia e aula para a ra do
Alcrro-da-Boa-Visla prximo a ponte, sobrado n.
5, onde contina a receber alumnos internos o ex-
exti'rnos para primeiras letltas, latim o francez. _0
mesmo abaixo assiguado se prevalece deilo ensejo
para testemiinhar os mais sinceros agradecimonlos
aquellas pessoas que nelle depositando urna hon-
rosa conflanca, o teom encorregado da eduroeflo de
seus filhos, na qual proHi'a euipregar tolo o zelo
e esmero, em otdein a satisfazer completamente essn
mesma coufiadca.
Jos Xaoier Faustino llamos.
Na madrugada do domingo do Espirito-Santo,
aiiscntoii-sedacocheira do poleo da matriz do San-
to-Antonio o bolieiro Antonio que ja foi criado
doSr. Nery Ferreira, roiibando urna porcilo de li-
nheiroe varias pecas do roupa dps seus coinpanbei-
ros; e consta estar oceulto nesta cidade om casa le
outros socios do roubo. Boga-sea qualquer pessoa,
o a todas as autoridades policiaes o mandem captu-
rar, pola se osla trillando de o processar alim do
corrigir um tAo prejudicial minuto do publico: o
dito he de estatura ordinaria, pouco barba, secco do
corpo, e esto com o braco esquerdo encanado de
novo.
Aterro-daDoaVsfa, n. 5.
Poinmaleaii, cutileiro,
tem a honra de prevenir ao respeilavel publico, que
acaba de receber pelo ultima embarciicflo viuda de
Franca um rico e completo soilimenlo de culileria
fina, a saber : caivetes le mola de nina e mais 10
Ibas, apparelbados de prola ; facas c gorfos de mesa
e sobre-mesa, o trinclianles de diversos modelos;
caivetese tesouru parajarolneirotj um lindo gor-
limeiitodc tesourasde todos os tamanhos e mode-
los para senhoras; dito de ditas para alfaiales e bar-
beiros ; eslojosde duas e seto navalbas (estes mili-
to (nos, por se iflanca/ qualitlade); afiadores e
massa pura os mesmos; caivetes de nina e 4 folhas,
de aparar penas ; caixas o eslojos para limpar e tirar
denles; escarificadores para ventosa ; caixas de tna-
ibemalicas; chicotes o bengalas do ultimo goslo ;
bridas de di Arenles modelos ; lancetas para sangrar
cavallo; esporas de lalilo e ilc ac, do difTerenlcs
modelos; fundas de anillos os linios; baleiras; sacatra-
pos; e.spoletas;ceniiieos,ctc.,etc.Coiicei'la espingar-
das e toda qiliilidado de ferrogeiti fina. Amla sem-
pre as qiiartas o sabbodos; e osSrs. ourives que
precisarem do folhas de fac e garios para appare-
Iharem de prala, podem-so dirigir ao mesmo.
Troca-se um relogio de ouro, pa
tente suisso, por ulro tambein de ouro,
sabonete, patente inglez, que regule liem,
vollando-.se o que se convencional; na
ra da Cadeia do hecil'e, lado d.reito ,
sobrado n 9, primeiro andar.
Frederico Chaves, fabricante
de licores, choclalc c es-
pirilos, no A terroda-Boa-
Vista, 11. 17,
temo honro de participar ao respeitavel publico e
com pailicularidade aos seus heguezes que tem
sempre grande soi tmenlo do bem conbecido cho-
colate de sade eauella baunilha e ferruginoso,
este muito approvailo para os pessoas que padecem
doestamagoefrialdade por ser muito tnico. O
bom conceilo que tem tido eslo chocolate fax com
que boje porlicipe os pessoas que oinda nflo fizeraui
uso delle, e igualmente aos seus freguezes que o
leem procurado, e por inconvenientes o nflo leem
adiado. Os procos oflo sempre os mesmos, saude,
canclla e baunilha a 400 rs. a libra, o ferruginoso,
a 1,000 rs. Tambein vende ogoardenle do reino e
Franco, de primeiro qualidode; espirito de 36 graos,
semcheiro, em ganofas e em canodiis ; genebra
em botijas o em caadas ogo'ordenlc de aniz o de
canoa; vinagre tinto, ago'ardenle em pipas, nos
graos que quzerem ; licores em garrafas pretas e
brancas, com ricas Urjas domados e bocea pratea-
da; essencia de aniz em oncas e garrafas.
Compram-se escravos de ambos os sexos, que
se pagaran bem, leudo boas figuras: na ra ovo,
loja de rerragens n 16, so dir quom compra.
Compra-so, um jogo do vispora : na ra ao
Alecrim', n. 17.'
Compram-se portadas do pedra da trra : rm
run do Trapiche 11. 26, a Tallar com Manoel miar-
te Rodrigues. ,
Compra-se urna cscrava que seja tdosa, e le-
uda algumas habilidades, sendo por proco commo-
do: no pateo de San-Podro, esquina da ra do ro-
go, n. 10, ou onnuncie.
asa
V elidas.
Compras.
Compro-se cobre, bronze e ferro coado, ou fun-
dido : na ra do Brum ns. 6 e 8.
Cusa da F
na ra estreita do llozario, n. 6.
\estocst.ilicecmenlocham-'' vendo as boas
cautelas da bem arredilada loleria do theatro publico
desta ciliado, para cujas rodas est annunciado o an-
damento para o dia 29 deste corrento mez ; o por isso
convida o todos os freguezes amantes deste jogo que
mo poderom comprar buhlos, a compraren! as Cau-
telas, aflm do quo com ellas so babilitem, e partici-
pem das sortea desta lotera. Preco dos cautelas: de-
cimos a 1,000 rs., e vigsimos a 500 rs.
-- Na ra do Amorim, n. 33, 2. andar, ha 'para
vender urna negra .proprio para servico do campo,
por ter sido essa a sua OCCupaqflO.
Vonlem-se 3 eseravasconi bu.ishabilidades.uma
he perfeita eosturcira e hordadoira, engomma e co-
zinha ; unta dita boa quitandeira ; um oscravo bom
para o trabolho do campo; um dito bom cozinhei-
ro o bom pagem : na ra do Passeio, loja de hien-
das, n. 19.
Venle-so orna negrinba crioula, de muito bo-
nita figura, do dado pouco mas 011 menos le 11 a 12
annos.e um moleque de 13 a 1.4 anuos, crioulo, boni-
ta figura : na ra do Cailell do Becife, loja n. 55.
Vendem-se tres propis de boa (gura, de 24 a
30 annos; um moleque de 15 annos de iMCflo; um
mulato .le 18 anuos, bom carrreiro e proprio para
pagem; urna negrinha de nocflo.de 18 annos, com
habilidades, e cinco pretasde 21 a 30 anuos, com al-
gum-is habilidades, o sendo algumas de lloeloi na
ra do Collegio, 11. 3, segundo andar se dir quem
Atcrro-fla-Boa-Vista, n. 4.
Vendcm-so borzegitins c sapatos americanos dq
daus palas, a 2,803 rs ; Imtlns e meios ditos, franco
zes, a 3,000 rs. e lo Lisboa, a 2,000 rs.; sapatos
otamancailos, o 503 rs.
__ Vendem-se dous escravos do sorvico de cam-
po, muito bons e baratos: na ra Oireita, sobra-
'bom e batato. 21,^000 rs.
Vende-se tolh* de Flandres da mais superior
que tem vin lo o este mercado tanto em lustro co-
mo em qualida.lc, pelo diminuto prego de 21,000
rseadacoixa.ealOO rs. a relalho: na ru Nova,
loja de rerragens n. 25 de Tcixeira & Andrade.
Vende-se salitre e enxofre de inulto
boaqnatidade e por menos que em outra
qualquer parte : uo escriplorio de Clau-
dio Dubeni, na ra das Larangeiras, n.
18.
Vende-se ou troca-se por urna casa terrea com
quintal, ou por alguiti pequono sitio com arvones
de fructo, periodo Recito, um sobrado novo todo
forrado, com um grande sotflo, paredes dobradas,
cbflos proprios, o qual rende por mez 34,000 rs.: na
ruaeslreila do Rozario, n. 10, terceiro andar.
Vende-se o engenhoca lliachn-das-Beslas, sita
ni freguezia de Nossa-Senliora-do-O, doAllinho, da
comarca do Itonito, em Panellas-de-Mirando, por
preco commodo, e vende-se a prazo : trata-so na ra
Direila, sobrado ti. 29.
Vetule-se una (oalha de lavarinto nova com bi-
en, por preco commodo: na praca do Independencia,
'-1-Vende-so urna poreflo de cera do carnauba por
proco commodo : na pfaca da Independencia, n. 34.
ANNUNCIO IMPORTANTO.
Vende-so um sitioqueteni frente pora seedifica-
rcm tres boas casas, c ja com alicorees para urna, ou
para urna s cosa, conforme o goslo do comprador.
A frente deste terreno deila para o becco das Rar-
reiras; o conipi metilo he de toda a ra do Mondego,
o (Inolisa na na de San-Concaln. He murado po-
lo lado do.Mon.lego, Rarreinis e San-<;oncalo, e cer-
cado do ladoopposloao Mondego Tem nina grande
cacimba do muito boa agoa, um tonque e qualro pi-
lares juntos cacimba c tanque, que serve.n para
umlelneiro. Tem olgumosorvores de fructo, algu-
ma hoita, urna pequea planlacao de obacas.s, e
ropim para sustentar a grande um cavallo todo o
aiiiio Para ver, na ra do Mondego, n. 37; e para
trotor, no Aterro-da-loa-Vislo, n. 42, primeiro an-
dar. Nesla mesma casa vende-so um bonito escrovo
do muito boa figura e sodio: ao comprador se dtrflo
as qualidades verdadoiras que tom.
-Vende-se um moleque crioulo, de 17 a 18 annos
de idade, bonita figura; urna negrinha de 7 annos de
idade, muito bonita figura na ru do Codeio do
Recito, loja deJoilO do Cunha Jlogollifles.
Vende-se no paleo do terco, ven-
da n. 7, azeitede coro a 3ao rs. a garra-
fa : canarios cl.egados no ultimo navio
le Lisboa, c pregos de toda a qualidade,
a retallio.
- vendem-se pennos de emo; 250 soceos vos.os,
de estopo muito en, conta ;..... **JZ*i*
hbil caneiro e que ho ptimo pagem : no ruada
Cruz, n. 3. ..
Esto venda na hvraria da
- Direito ci-
- da Rocha, e Cor-
rei'o Tollos novos enices ; Tratado de testamentos,
por Givcia Pinto; Trotado de letlros de cambio, por
Ferreira Burgos, nova edcflo accrescentada anda
pelo autor, e pelo actual presidente do tribunal do
commercio do Porto; notas a Mello, por Lobflo ; Or-
denacoes do reino; Doulrinadas accOes com add.-
Ces de seu autor, Coneia Tolles, edicto do Rio, de
1847 (Vendem-se as addicoes em separado); Manual
do appellacOes e aggravos, do Goveia Pinto aug-
mentado no Rio com notas e legislado brasileira ;
Processo orphanologico, por Carvalho, edicflo aug-
mentado no Rio; Digesto brasileiro, com um extrac-
to substancial das ordenocoes; leis posteriores, com
a legislado brasileira em appendice, etc.
esquina do Collegio: -
vil, por Borges Carneiro, Coellio
.* '., .. _....- ,.;..Ana 1 rulad


41 s
Vendem-secscravos baratos, na ra das
Larangoiras, n. 14, segundo andar: um
molecote de elegante figura sem vicios
nem achiques, com ollicio do sapatei-
ro edepintor.de 17 anuos; um dito de
nacffo, com oirio do sapateiro, do 20 annos ; um
dilocomofliciodealfaiate ; um dito ptimo para o
servicode campo um mulatinho do boa conducta ,
ptimo para pagem ; urna negrota de 16 anuos ; urna
dila de ncelo de 20 annos; urna negra, por
350,000 rs., que nilo he velha e sem-vicios nem
achaques; urna dila ptima cozinheira, e que esta
ppjad; e mais alguna esclavos que encommenda-
rem.
Vende-se uni sobrado de 2 andares o sotlo ,
' muilo em conta sito coi urna das boas ras do
bairro de S.-Antonio : na ra das Larangeiras, n.
14, segundo andar.
Vendem-se 4 rologios dous de ouro e dous de
prala, por preco muilu commodo : na ruadireila,
D. 29.
LOTERA DO RUMIE-JANEIRO.
Billicics c mcios ditos da oilava lotera a beneficio
da freguezia do SS. Sacramento da corle; vendem-
se na loja de cambio do Manocl Comes na run da
Cadeia, n.38.
Vende-se um sitio de torras proprias com ar-
vores de fructo cacimba com excellcnle agoa de
beber, casa do taipa nn lugar d'Agoa-Fria de Rc-
beribe: em Fra-de-Portas no pateo do Pilar lado
do nascente, n. 8, ou no cartorio dos orphilos.
Novos gambreoes.
Na loja do Cuimarfles Serafim& C, confronte ao
rcodeSiinto Antonio, n. 5, vendem-so novos gam-
brecs a 1,400 rs. o corte de tres covados e mero; es-
ta duenda lorna-so recommendavel para a estaQflo
prsenle, por ser fazenda encorpada e escura; e unge
a casimira frangen por ter padroes imitante;) chi-
tas a 120 e 140 rs. o cuvado, ealein disto um com-
pleto son i nenio de toda aqualidadede fazendas.
Vendiin-se VLLaS de cera do
Hio-de-Janeiro e de Lisboa grande e
completo sor-limen i o : na ra da Senzal-
W-Velha armazcm n. no, de A lves
V atina
= Vcmlei.i-se moemfasde ferro para engenho* de as
mear, para vapor, agoa e bostas, de divertos tamanho.
por piejo coinmodo ; c igualmente taixas de ferro coado
e balido, de todos os lmannos: na praca do Corpo-San,
to, n. II, em casa de Me. Calmont Companhia, ou na
ruade Apollo, arinazeni, n. 6.
I Vendem-se superiores chapeos de
.^Vcaslor, prelos ehrai.cos, por preco
muilo haralo : na ra do Crespo, loja n.
12, de Jos joaqiiim da Silva Maya.
Vende-se cal virgem em metas barricas chegada
ltimamente; calas vasias para asaucar ; urna porcao
de pesos de ferro, deduas arrobas ; serras grandes para
serrar madeira ; tildo por preco coinmodo',. na ra da
Hoeda, armazn n. 17.
A'2^000 rs. o corle.
Na loja do Guimarfies Serafim & C., confronte ao
arco do Santo Antonio,n 5, vendem-so corles de cas-
sa de padroes agradaveise coresllxns, pelo diminuto
pre<;o de 2,000 rs. o corte; loncos francotes grandes
o linos lingindo seda, a 480 rs. cada um; loncos de
cambraia com biro, a 640 rs. cada um; ditos de dita
muilo linos com renda e bico, a 900 rs. cada um.
A' 800 rs. o corte.
Na loja de Cuimarfles Serafim & C, confronto ao
arco do Santo Antonio, vendem-so lindos corles de
fuslilo, cores lxas; pelo barato preco tle 80.0 rs. o
corle; cassa-chitas com flores, finas o largas, suecas
c inglczas, a 240 rs. o covado.
A' pOO o corte.
Na loja de Guimarffefl Serafim t C confronto ao
arco de Santo-Antonio, n. 5, vendem-so ricos cor-
tes do cassa dos padroes mais modernos que teem
vindo a esle mercado, c lindos desenhos pelo bara-
to preco de 4,500 rs. cada corte; chapeos de sol, de
panuinho francez a imitacAo de seda, cum lindos
cabos, a 3,200 rs. cada um.
O verdadeiro
e finissimo panno de linho do Porto, a 800 rs. a
vara, as pecas silo de 15 a 16 varas, e estilo se aca-
bando ; lencos de seda cannizim fazenJa inleira-
monto nova, proprios para algibeira o pescoco a
1,280 rs.; corles de cassa-chita prela, muito bonitos
padroes e muilo baratos; e um completo sortimento
de fazendas linas de to.las as qualidades: na ra
lo Queimado, n. 11, loja nova de Raymundo Car-
los l.eile.
Pianos fortes.
Vendem-se 3pianos fortes, novos, oom cxcellcn-
les vosea : na ra da Cruz, n. 55.
j\a ra do Crespo, n. 12, loja de
Jos Joaquim da Silva Maya ,
vendem-se ricos coi les de cambraia para vestidos de
seuhora ; ditos de bauzulinas, para vestidos : fazen-
da esta muito propria para a estac&o de invern, por
ser de cores escuras; um rico sor lmenlo de manas
tic seda c de seda e lila para seuhora; nominillas para
meninas a duas patacas rada urna ; chales de seda
de botutos gustos e difTcrenles lamanhiis ; mcias de
seda brancas eprelas, para seuhora o honiem as
mais superiores que lecm viudo a esla praca'j pan-
no lino pretoe de cores ; alpaca a 800 rs. o cova-
do, e muilo fina a 1,600 rs. ; cambraias para cor-
tinados de camas e jam-llas assim romo franjas pa-
ra os mesnios ; cortes de calcas de casimira ranca-
ca elstica e muito superior a 5,000 rs. cada corte ;
cortes decollles de velludo, gorgurilo, setim e de
fuslflo por preco muilo barato ; panno de linho a
400 rs. a vara ; cobertores para esclavos e oulras
murtas fazendas que todas se vndenlo por piceos
muilo baratos.
Vende-se tim mulatinho claro proprio para
pagem de 13 a 44 annos por proco commodo : na
ra Nova n. 33.
Vende-se urna escrava
n. 36, segundo andar.
na ra da AssumpQo,
Vinho de Cliampanlia.
Vende-se vinho do Champanha em cestos de urna
duzia de garrafas de muilo superior qualidade : na
ra da Cruz, n. 55.
A' 12,?000 rs.
Na loja n. 5, confronte ao arco de Santo Antonio,
yctideiii-se ricos cortes de chalv de lila e seda, pa-
drOcs modernos, pelo barato preco de 12,000 rs. ca-
na corle; riscados francezes finos o mudemos, a 240
rs. o covado; zuarte azul encorpado, da fabrica por*
tuguoza, a 200 rs. o covado: esla fazenda be prouria
para escravos. r
DE6 PORTAS NcJ8
Nesla loja vende-se panno fino, |
a q/5Go rs. o covado ; cortes de \
cassa para vestidos, a a'^oo rs ; |
e chapeos de sol de seda supe- tj|
nor
55u
o rs

Vcnliam conenlo^fre^uezes.a to-
da pressa, antes que se .icabem
as pechinchas do I'asseio-Pij.
Mico, na nova loja n. 19, de
Manocl Joaquim Pascoal llamos, que se acha de no-
vamente sorlida com fazendas finase ordinarias, co-
mo sejam: cortes de cambraias a napolitana a 2,500
e 2,000 rs ; ditos de chitas finas, a 2,400 e 2,000 rs
e em covados, a 100, 120,140, 160,180, 200, 220, 240,
260 e 280 rs.; cotes de fusles para collcles. a 1,000
e 800 rs. ; corles de colleos de sarja lavrada a 640
rs ; pecas de madapnllo sufl'rivel, com um pequeo
loque do avaria, a 2,000 rs., e limpas, a 2,200, 2,400
3.000, 4,000 o 5,200 rs. ; cassa lisa muito fina, ,! 610
rs. a vara ; cuites do n.eia casimira, a 1,600, 2,400 e
3,000 rs ; ditos de pelle-do-diaho, a 1,400 e 800 rs., e
em covado a 200 rs.; lencos para 'grvala de cam-
braia de Corea, a 320 e 400 rs ; ditus de seda, a t.440
e 1,600 rs.; picles para roupa de esclavos, fazentla
esla tle inuila dura, a 200, 220 e 240 rs. ; biclanha li-
na, a 800 e 810 rs.; chitas linas para cuberas, a 140
160, 200 e 210 rs.; Cortes de sempre-dura, a 1,300,'
1,440 e 1,500 rs. ; cambraia lisa muilo lina, a 640
rs.; panos para cima de mesa, a 1,60o rs.; lencos de
cambraia branca e de cor, para scnhuias, a 320, 360
e400 rs., e oulrni multas fazendas quo pclu seu di-
minuto preco nilo dcsagiadarflo aos freguezes.
Vende-se urna casa terrea, Cum a frente reta-
guarda de lijlo, eo mais do taipa, sita na ra de
Votnrolomh, nos Afugados, por 120,000 ris : ella
rende 2,000 rs. por mez, se da a urazo : trata-se na
ra Dtreita, II, 29.
Ka ra da Cruz, n. a6, vendem-se
saceos com muito Loa farinha de mandio-
ca, por preco commodo.
Vende-se cera em velas, prxima-
mente chegada de Lishoa," sortimento a
vontade do comprador, cm coixotes gran-
des a pequeos; mercurio-doce, em cai-
xinhas tle 3 e 5 libras; vinho tinto do
Porto muito superior, em barris de oita-
vo; dito engarrafado, em caixetesde 18
garrafas cada um ; cal virgem de Lisboa
muito superior, em barris pequeos: na
ra. da Cruz, n. 54, primeiro andar.
Deposito de. vinagre da fabrica
da ra Imperial, n. 7.
na fabrica de licores, de Frederico Chaves, no Atcr-
ro-da-iioa-Vista, n. J7, onde se achara sempre
grando porgUo e por preco commodo.
Vende-so por prcciso urna cabrinha de 19
para 14anuos faz lavarinlo sollrivelnente ; nilo se
duvida confia-la a quem a queira experimentar ,
sendo pessoa capaz : na esquinado boceo do Roza-
';>, segundo andar.
Vendem-se accOcs da extincta companhia de
Pernambuco e Parabiba : no escriplorio tic Oliveira
Irmilos & Companhia roa da Cruz, n. 9.
Vende-se ferro da Suecia ; fu|ha de Flandres :
cobre para forro de navio; dito para caldoireiro en
torenes grandes e pequeas' i na ra de Apollo, ar-
mazem n. 6.
Vendem-se 4 escravas, sendo: urna parda com
urna cria de um anno e outra, mulatinho, de 2 me-
zes com bastante leito; urna negrinha de 12 an-
nos costureira ; urna dila cozinheira e engnmma-
tlcira : duas vendem-se para fra da provincia: na
ruaestreila do llozario, n. 16.
Vende-se um faldamento para ollicial da guar-
da nacional do cavallaria todo novo e som ler uso
algum e alguns arreios couslanle das pecas se-
guidles : urna farda barretina pluma lalim es-
pada canana palatinas, banda fiel, poitoral, ra-J
bicho, ea becadas, guldres, por preco coinmodo".
na ra das Cruzes, n. 40.
Vende-se urna morada de casa de 9 andares ,
sita na ra to Rangel; no Alerro-da-lloa-Vista no
primeiro andar do sobrado de Bernardo Jos Carnei-
ro Monteiro.
se livreodesembaracado, e est todo demarcado
na ra dos Quarleis n. 18, primeiro andar.
O barateiro da Boa-Vista
est vondendo (na su* loja do Atorro, h.io a nrl
meira indo da ponto.! azendas tflo boas e haral"
quecausam admiracilo por sua ptima dualidad
baratos precos, o mesmo por so mo acharen) em
outra parte. Ah acharflo os freguezos amig'i
borne barato as seguintes pechinchas: chitas ean"
ras, proprias para vestidos de trazer por casa ul.
rs.
o covado; um cmplelo sortimonto de outr.
mais finas, de varias crese patlres, a 140, leu
e 200 rs.; aIgodfles americanos de listras para ru'
de escravos, por seremlnilo- encorpados e bem
cids, a 200 rs. o covado; gambreOes para cale
fazenda propri* da presente estacta por ser de n
driles escuros imitando casimira, n 1,000rs A,i.
corte de tres covados e dieio ; cassa lisa coir\an J
largura, a 220 rs. a vara; dita de quadros e liatrs,
a 340rs.; madapoloes mpos "*'
soffrivei, a uito patacas e meta a pea;rics corles di
cassa celeste para vestidos de senhoras.a' 3,200 rs
pecas de brelanha do rolo com 10 varas, a 1,440 rs'
mm
D. ^
Nosta loja acha-se um completo sortimento de ca-
sacas de panno ; sobre-casacas de panno merino e
alpaca ; palitos de panno, merino el fa ; jaquetasde
alpaca, merinoepanno ricoscorles de collcles do
gorgurilo eseda da ollima modaf fustos tambem
le muito lindos padrfles ; e.outras muitas fazendas:
bem como chapeos de castor lino brancose pre-
los a 7,000 rs. ; botoes de massa com oora
prius para ofteiaes de cacadores,
pro-
Escravs Futidos.
Vende-se a verdadeira
potassa da Uussia, branca, e em barris
quenos : na ra da Cadeia do vecife" a-
azeni n. a, de Bailar & Oliveira.
NaVoi^00 rS' Cadl Uma mnnta-
Vende-se urna parda de cor escura de
30 annos pouco mais ou menos perfei- |
la cozirrheira e que eiigonima soffri-
Ufe vclmente, muito despachada para o ar-
l ranjo de urna casa; be de boa conducs,
sem vicios nem achaques; a qual fui ven-
dida por urna grande necessidade : ven-
em cotila : na ra das l.arangeiras n.
14, segundo andar.
"Vendem-se um pao de sicupira, que ser-
rado d dous Itornrtlos; duas curvas gran
desda mesma madeira, e urna porcao de
travessotsde sicupira com o comprimen to
le dez palmos e meio cada um : na roa
da Senzalla-t\ova, venda de Jos l'ercira,
se dir quem vende.
rechincha igual ainda nto hovre; e so ha na loja nova
n. 17 t/o J'as$cio-lublico.
. Chitas de cores fijas, a 3,800 rs. a peca, c ao co-
vado a 100 rs. ; ditas muito linas, cores'escuras e
bonitos padroes, a 5,000 rs. a peca/e a 140 rs o
covado ; ditas a 5,800 rs. a pee. e a 160 rs. o co
"I'?' m,d",W"wm 4 palmos de largura e tinos,
a 3,200 rs. a peca ; diros rom a mesma largura e
- .n. u linos da fiur do algodflo, a 4,500 rs.; pecas
defSo'algum ** 2 Um> f 2'2 rt" : lud <
Venue-se a casa terrea n 3, sita na ra do Born*
sucosso em Cllimia cum um'sitio soffrivei- a casa
esla reedificada de novo exislindo dentro della va-
nos materias para acabar algumas cousas quo Tal-
la m ; na praea da lipa-Vista botica 11. 6.
- Na ra d Senzalla-Nova, n. 4a,
contina a haver um completo sorlitiiento
de taixas de ferro," balido e coado; mo-
entlas, e machinismo de vapor para en
genho. r
stim VviCioV8e pn017rpcisn' m "va de naclo,
:inc^peom!.,.%qU7e1en8oma' >*"" bem :ns
Vendem-so meias casimiras tle bo-
nitos padiOese escuras, proprias pa-
ra invern ; lilas para calcas escuras fe*
e baratas ; casimiras superiores, elas- e?->i
ticas, de bonitos padroes, claros o
escuros ; cassas do cures, para vesti-
dos de novos padroes; panno azul,
pelo e de todas as cores ; chales de
seda ; iltlos de lila o seda ; mantas do
seda rica ; alpaca fina ; cortes de col-
lele tle gorgurilo de seda ; ditos de se-
tim bordados os mais ricos que teem
vtulo ; ricos cobertores hespanhes;
damasco de lila e seda ; bem como
um complet sorlimenlo de fazetitlas"
finas o grossas : ludo por proco mais
commodo do que cm outra qualquer
parle : na nova loja do Jos Moretra
Lopes & Companhia na ra do Quei-
mado, casa amarella n. 29.
Ri
Vendc-se uma venda com os fundos de 300 a
400,000 rs. cujo altiguel he muilo commodo, sita
na ra da Prata, becco do Carioca por baixo da so-
ciedade : a tratar na mesma venda.
Compcn dio I>(iloro?o.
Vende-se na praca da Independencia, livraria ns.
6 e 8 Mo preco de meia pataca o Compendio Do-
loroso de N. S. das Dores conforme o uso da greja
de N. S. da Pcnlia accrescentado com o regulamen-
0 da vida para cada eslado ,'e outrus muitos cati-
ngos espiriluaos ; ludo impresso a cusa de um de-
voto ,ao qual uiiicameiile us reverendos paires
Capuchinhos cederam a propriedade.para queosven-
desse ao publico por um preco que chegasse as clas-
ses as mais pobres o que elle satislaz venden-
do por meia pataca um livrinho que vale, pelo me-
nos, um sellu. .
---Vendem-so na livraria da ruado Crespo, n.
11 livros baratos como sejam : Ivanbosa roman-
ce,! v. 1,500 rs.; Waver, lee or tiescati years
s.nce, l v 1,500 rs The Hanncreiig, orlhe ai-
Irologer, I v. 1,500 rs., com rica enca.lernaciio
mgleza ; novo niestra inglez por Constancio .
3,000 rs ; (.ours de.droit cornmercial. parj. M
lardessus, 2v 2,000 rs. ; Traite elementaire de
atlonal.sca malhcmalique, par J. A. J. Cot.sini, 1 v.,
1,000 rs. ; Lettre a la chambre du commerce 1 v.
i.ooot1 ; 1 heone des richesses sociales, 2 v., 2,000
ar-
000
1*1 IllOlpt'S 2 V
2,000 rs ; E'sludes sur les reformalcurs co'ntei.i-
po.ams, 1 y., 1,600 rs.; um segundo volunte du
iiiccioiiario da Academia emboui estado, por 2,000
rs. j inelemaque 1 v. 1,800 rs.; tratado do me-
imenio diuiavegacilo por canaca, 1 v., 4,000
.000 rs. ; Virgilio ; llura
ethodo do piano enca-
Ihmelica, por ltesout,
helecla em bum uso, por 1,000 rs.; o
oulios muitos hvros 4>or barato preco.
rolas brancas hamburguezas, por pre0 commodo.
vende-se um sitio distanle desta praca 3 legoas
e mea a quatro com boa casa de vlvcnda, do pe
dra e cal, com muitos commodos, e com caDella
tPen,aMn,'S-a cTVtzvr fnnha^om oTcumpe-
enlesav.amentos boa senzalla para pretijs cslri-
hanu.e ,nais 3 casas de taipa, em pequea distan-
cia, minios arvoredos de fructo, constando de la-
rangerras, mangueiras, coqueiros, jaqueiras, gran-
Ue. porcao de caesui ros, o diversas oulras Tructas
quo o coli.pri.dor verificar grande oxtensilo de
terreno de n.u.to boa producefloc proprio para qual-
1. n !"eorie,|e richesses sociales, 2 v., 2,0
rs.; llonextones sur la tnelhaphysieuo par M. Ca
not, 1 y 1,000 rs.; Code des peticiones, 1 v., l,0(
a"'nL e, selon scs vris.priiiciDes.iv
2,000 rs ; L studes sur les n
potaros 1 v. 1,600 rs. ; um
diccionario da Academia em
rs. j Thelrmaque, 1 v. 1,800
Ihoramento da,navegacflo pol-
is, j.llrslory of Eligan,!, 3,000
no, 3,000 rs. cada obra; niel
dernadts,, por 5,000 rs.; Arillr
1,280 rs.
quer planUcflo ; bom cercado quasi lodo de eslaxa,
nativas, excedente agoa de beber; o sitio he de pot
Fugio, do pder doabai-
xo assignarro, um escra-
vo, de nomo Domingos, Je 20 a 22 an-
nos cor parda, baixo, musculoso,
barbarlo e de suissas fechadas, cabel-
los pequeos, nariz grosso c um pouco
chalo, denles alvos, com urna cica-
triz semicircular no anti-hraco dirci-
to, de uma canivetada que levou ; he-
muito esperto e loquaz, trabalha de
dilTerentesonicios e lealguma cousa.
Como estivesse no Rio, Rabia e Ala-
gOas donde he natural, conta historias
destes lugares; e sendo possivel que
tenlia sahido da cidade pode Iludir 1
q'ualquer de que he forro. Desappa-
receu na imite do dia 10do.correle;
levou camisa do chita azul, calcas de
lirini pardo traficado, chapeo de pel-
lo velbo e sapalos, pois anda calcado,
alero de urna trouxa com roupa. Quem
o pegar leve a ra larga do 'llozario, n.
30, segundo andar, quesera bem re-
compensado.-r.J/. A. da 5i7ca PonM.
Fugio, desdo o anno de 1842 al. o presente, o
pardo Tltomaz escravp do padre Jos Manoel Tci-
xeira,.morador no seu engenho Pnco-da-redra; cujo
escravo tem os signaes seguintes : estatura regu-
lar, secco, sem denles na frente ; tem os cantos di
testa fundos cor meia clara ja fui snrrailo, e por
issotcm marras as nadegasjlie muilo pachol,
cania toca viola,,sabe ajudar missa,e lie nflicial
de sapaleiro ; consta ler apparecidopa feira de S.-
AnlSo, e que mudou donme, pranlo ser mohe-
cido : quem o pegar leve a povoacilo de Mocos,o
ao engenho do Poco-da-Pedra que ser generos-
menle recompensado.
Desappareceti, na noite de 12 para 13 do cor-
rente do engenho Malapiruma, ubi escravo ca-
bra de 16 annos bem parecido, e apenas como
cotovello do braco dircilo mais grosso, por oler
deslocado ; chama-se Haymuinlo e he natural d"
Cear : quem o pegar leve ao dito engenho, ol
praca da Boa-Vista, n. 6, quesera recompensado.
ALERTA !
Tliereza, prola escrava dos Srs. Lniz Antonio
Alves Monteiro & Companhia da praca de Marero e
por ellos reinellida para nesta praca sor-vendla ,
por sua conta sendo chegada apenas Ha tsdias,
fogio no dia 28 de abril pitsimo passado : nflo cons-
ta que aqu livesseconhecimenlns e nonr se presu-
me que a fuga proceda de seducSn; ha poim, pro-
bahilidade deque se lera nceultado mesmo nesll
cidade. A dila prela representa 25 a .30annos, all
e reforcada do corpo bem parecida ; lem algumis
cicalrizes em um dos bracos ; levo o saia de cliila
vermelba o panno da Costa. Quema descubrir uu
a levara Antonio Luiz dos Santos & Companhia
na ra do Crespo, n. 11 receber uma recompensa
propurciunada ao seu trabalho.
Ainda contina a estar fgido o moleque EH-
zario crioulo, de 12 a 14 a'nnos muilo regrisl;
tem capacidadedose intitular forro ; temos signaes
seguintes : cor fula, testa pequea, cabellos de
cabra, barrga um tanto grande; reprsenla ler
mais idatle do que a real; tem uma cicatriz cm uaii
das pernas; levou camisa do um puto grande, de
algodlozinho com alguna remendos, cale8 ue r'*"
catlo azul trancado: quem o pegar leve a rita do
Colleniu n. 15, segundo andar, que ser genero-
samente recompensado.
Pfcli'N. : KA TTP. DEM. P. DEFAMA.----1847'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EVSXE79U9_HHNIQF INGEST_TIME 2013-04-26T21:30:33Z PACKAGE AA00011611_08473
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES