Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08471


This item is only available as the following downloads:


Full Text

,ino de 1847'.
Ter$a-feira 25
dial.
I .r^ o Prev d"J^H
""SI ta .%.
saga

"PH^fuio O por linl., e lilVn tjpo
PflASES DA W* NO MEZ DE MAJO.
- ule, 1- ">* "'0, **" ',,,d,
*"''! ti*.i '"O"" eJn,in' d*l!>r<,e'
1 '"..fl. ti" I*"* M ,n'D-d" ""d.
f dtfi, '." ,lor* 2i roinu dt "rde-
PARTIDA POS CORRH
vli, .i? jeg; ufeirai.
orle quinlas feirea Ao meio-dia.
i, din-Formo, Paito-Calvo e
** 11 e 2| decida
I0t.il. '
Victoria, s quintas fen ai.
Olifida, lodos as dias.
PnEAMAa DE HOJEJ
Primelr, I li t 18 minutos dt
Segunda, i 1 hora e 42 miuuloi di,
de fao*
Anuo XXIII'
X. II5.
das da semana.
2 Segunda. Jffiff 3. Ar*.
iS Terra. >j(< S. Gregorio-
i Qerta. S. Pliilli pe Nery. Aud. do .'. do
cir.dt 2 r. e do -'. de |>7. do i dist de I.
!7 Quii.. S. Ranulfo. Aud. doJ.deorph.,
edo J. municipal da I vara.
i* Sella. S Gennaiio. Aud do J. doclv. da I,
v. e do J. de uaz do I. dist. de t
29 Sabiwdo. S. Miximitoo. Aud. do J. do c.
da I. t. e do 1 de n do I disl. de I.
30 Domingo, S. Petronila.
CAMBIOS NO U JI QE MAIO.
Cambio sohre Londres T d por 11 rj.
u Pris 84 ri por franco,
a a I,islio.85 de premio.
Dse, de letlri-de boai fircn.s 1 '/ P-Ve
OuroOm- l-espanhola*.... 8*400 a
a Moeda de KliOO rclli. 18*100 a
ft, de fti'or I8#0rt a
a de 4;'00A ..... |000 a
Pr/ia Pitaoes .... ... |0 a
Petos cnluinnaref... 2|"10 t
Ditos mexlcanoi.... <<>0
* Miuda............. 1**20 a
Accfies di comp. do llcberibe de 40/000 rs
,6.i d.
* mes.
J9jni'0
IJ.VSflO
ic-ioo
jioo
JJiHfl
2/<>s0
l|>0
o per.
E PERU AMBUCO
P3TE OFFICIAL.
------------,----------------~-
MINISTERIO DA GUERRA..
M1AI0RI0 DA 8ARTIOA' D08 NO00I08 DA OIRRA, A-
flMimilO A' ASSeMBIR' CERAL LEOISLATIVA K* *.
SIjSaO UA 6.* LtOAtATUIiA, TtLO RESPECTIVO MINISTRO
E SECRETARIO DE ESTADO JOAO PAULO POS SANTOS BAR-
1ETO.
( ConUnuk'fo do numero anleeedtnte. )
ESCOLA MILITAR I INSTRUCCAO PRAT1CA. .
Depois de lanas tilo repetidas' reformas atarla a
esrola militar nflo tocou aqoelle grao ele aperfeicoa-
mentode que he susceptivo!. 0*<*9laltilo8 apprhv'a-
Jos pelo decreto do I.10 do margo de 1845 leem deixa-
dii lf[ims *l>sleu!i>s que demandam wr removidos
inr maiorre^ulariditile do ierv;o oscolar; mas pa-
ra cuj remedio o govcrim mo est comLclenlomen-
to atitorisadd
Eiilrelaiilo, tem o governo jmpenal decretado a-
quellas medidas necessarras ao desenvolv ment da
lei orgnica. O dec/elo n. *7,.de 29 de setembro de
1846, approvou o rcgulaniento para o conferimenlo
dos graos de doutor P hacharel, que, na forma do art.
17 dos estatutos do i* do marco de 1845, deven ro-
ccher os lento* e alumnos da nietmn escola. K effec-
livamrnte se venficou ese acto a respetto dos len-
tes no dia 14a deiembro do anno pasando, epos-
lerinrmpitlo a raspeit dqs alumnos que concluirn
os sele annos de esludos da actual escola.
0 olwervalorio astronmico, que two regulamen-
to pelo decreto de 28 do julho ile 1844, alda mo
den, como era,para deaejar, principio osseustra-
ballios por estar incompleto o edificio que selhe
deslina no morro do Casletlo. Comludo o seu di-
reclor occHpa-aeactualmente cm ligar por moioda
Iringulnc/ilo a posi^ilo tlaqiierie estabelucimento
dnspriiicipac pontos da Uahiu o analialde deslu
cnpial, oque muilo lem de conconer para so faci-
litarem as futuro* pbservacOe*. Os trabalbos ulli^
Finalmente .acaba o governo dfc inctlmbir daor-
ganisaciio de "outras inatruccOea para o manejo o
oxercicios de arlilhavia a cavado o marechal de
campo graduado, Joilo Carlos Pardal, cujos conhe-
cimentos profcssionacs-prometlem o mais*cabal des-
empcnbo de tilo bonrosa commissilo.' As tabellas
nmeros 6, 7, 8 e 9 indicam o peascal da escola mi-
litar, o da commissilo de geodesia, o movimento
dos alumnos no anno prximo fndo, e numero dos
individuos presentemente matriculados.
mmente apreaenlads silo dignos de toda conside- de ser vendidos ou empregados
racao, o manifestam o grao de dianlamonlo dos a-
lumnos que 86 actwm sob sua direcc/io.
Julgo preciso que desde ja consignis fundos, para
que a biblintbeca da escola tenba o increniento
rompalivel enm as nenas circumslancias, Blimde
que os alumnos encontrem os meios de consultar
aquelles livros, que pela sua. raridadenom todos po-
dem possuir : e bom assim, para que o observato-
rio e os gabinete de cbymica, physica e goologia se-
jam enriquecidos com os instrumentos o productos
liatones, 18o uteis quaftdo se pretende praticamen-
teeatudar aadoutrinas bebidas nos autores.
Os alumnos da escola militar applicaram-se, depois
de fechadas as aulas, a exercicios praticos relativos
sdoutrinos cstudada durante os anuos lectivos, o
segundo o progiamma orjanisado pelo governo. Di-
vididos ein^sele turmas dirigidas por varios lentes,
licseinpenlia'raiii Variados Irabalnos, como 'os de le-
vantamento de plantas pelo cordel, glaucheta csT
quatlro (ie.ngriiiienaor triguomolricos paraadeler-
minacag de pontos uaccessiveis, usando do graf-
metro ; levantamento de plantas com o mosmo ins-
B0SP1TAL E ENFERMARAS MILITARES.
Alm do hospital militar da guarnieflo da corte, o
das enfermaras militares mandadas organisar as
provincjasjde Santa-CatliarinaeGoyaz, que teem re-
gulamentos capenles, existem as outraa provin-
ciasilo imperio hospitaos provisorios, regimontaes,
e enfermaras segundo a frga do excrcilo nellas es-
tacionado ,'sendo regidos semelhanles estabnleCi-
mentospolo regulaiiiLMito de 17 de fevereirn de 1832.
O hospital militar da guarnicfto da corto, cura-
quanlii tenba producido satisfactorios resultados re-
lativamente ao trntamento dos enfermos o dimi-
'iiuqo da mortaiulade que anteriormente se nota-
va nos ho.spilaes regimentada, todava uocessita de
meUioramonlo qm seu rcgulamento; ohjecto este de
qtle afclualmcnle So oceupa a stfcijflo do guerra e ma-
rnha do concelho de estado.
A tabella n. 10 aprsenla o pessoal do hospital mU
litar da corto ; e a do n. 11 o qundro estalistico dos
enfermos tratados durante o anno prximo passado.
FABRICA DA PLVORA.
No anno financelro de 1845 1846, produzio esta
fabrica 8,147 arrobas d plvora, cujo valor nflo so
cobrio todas as despeas do pessoal e material, mas
alapresenlouosaldode30:3!*,872rs alm do va-
lor das novas obras feilas no decurso desse anno,
que augmenta o dos propros nacionaes, segundo as
avaliiiQOes, em 8:043,320 rs.
liste saldo, todava, nflosorealsou ainda por ma-
neira que possa ser recolbido ao thesouro; o existe,
beoAicomo o doamno anterior, em gneros que teem
Para animar o progresso desle estbelecimentoe,
promover prompla sabida do sens productos or-
denot o governo que se remettesse para as provin-
cias a quantirade de plvora que nellas fosse pos-
sivel expor venda ; den adequadas providencias a
sememante respeito, facilitou os meios do trans-
porte fez as remessas convenientes, mas o resul-
tado nflo satisez a sua expeetneflot em algumas
provincias a venda foi diminuta e cm outras abso-
lutamente nenhuma.
Este resultado lornou-se mais sensivel, ora con
sequencia da progressiva diminuicAo que tambom
renda nflo chega para pagr-se o venc ment do fiel
que a fabrica conserva no deposito delnhomerim,
onde mais de 9,000 volumes de plvora estrangoira
Wistem. He obvio que taes dlreitos devem ser ele-
vados em beneficio das rendas do estado.
Cabe aqu dizer-vos que o governo, bem compene-
trado da necessidade de promover por todas as ma-
neiras-possives os melhoramentosdesteestnbefeci-
mento, tornando indopendentos-do eslrangeifo as
substancias quo onlrain na cnmposiQilo da plvora,
ileu para estelim todas as providencias que estavam
a seo alcance, e nutre bem fundadas esperanza* de
levar a efTeito as medidas que lhe parecerom mais
adequadas.
Devia em prmeiro lugar merecer su alternlo o
salitre, substancia que na plvora entra em maior
quantdade(75:100). Ibihnisofilciacs-deengenhoiros
furam incumbidos de explorar algumas dasm.iis ri-
cas nitreiras naturaes da provincia de Minas-Geraes,
e segundo as melhores informaQfies pje-se, com
mdica despoza, crear um estabelecmento mu pra-
voitoso aos ioteresses da fabrica da plvora, vindo a
importar o custo de uma arroba do salitre menos
do 5/OOOris; isto he, mais de 30 por cont abaixo
do proco do que se compra ao estrangeiro, que mili-
tas votes d na reflnacflo uma perda de 10 por cont.
Quando mesmo o salitre vindo definas e posto na
fabrica suba aopreco do quo nos vein do estrangei-
ro, ainda assim he pree/tvel a esto, porque, alm da
independencia em queseamos a este respolto, ani-
mramos este importante ramo de industria nacio-
nal, evitando- se a sabida de mais de 50:000/000 res
que animalmente nos cusa este genero.
falta de entoi're nacional nflo lio tilo sensivel
romo a do salitre, pois que o que se emprega no fa-
brico da plvora esta para o salitre na raso de 1
para 6; alm dsso, pde-se conservar sem detri-
mento, o que nflo acontece com o salitre que por ex-
tremamente drliquescente altera-se com o lempo;
todava consta que em algumns provincias existem
persulphuretos dp ferro dosquaes se pode extrahir
sufllcienle quanlidiidcde enxufro para a rabrica?flo
da pejiullfafu assim for, poderemos ficar totalmen-
te indopendentes do estrangoiro relativamente s
substancias do que so compOe, c entrando ellas por
menor preco, poder-se-ha reduzir tambem oda ven-
tla, promoVendo-se por mais osle nieio sua sabida.
Fiz comprehender noorcamento do ministerio da
feuerra a despeza desteeslabelecimonto.aiim de fac-,
Ibe os meios de pagar promptan.enle os gene- ^J$&7Sn- ausentes 52,^ e enfermos de mo-
ros comprados, oquotrara necessanamente cm re- ,_',."_\ ___\'" ,-
Irumento c com a agulha topographica; nivelamen-
tode ruascom applica'cflo 6 curvas do nivel equi-
distanles, e planta do permetro de varios trrenos;
K v.intamen.to agulha de estradas; o finalmente um
ensaio de econhecironjifo e de sondas em varios lu-
gares.
Ainda quo os lentes se aiadlgucm em dar a me-
;flO aos sena alumnos, nflo produzem estes
exercicios toda a desojada utilidade, porque alm
i i numerosos obstculos que se apresentam, a im-
propriedadeda estaeflo, en tualmente teem
lugar, oppOem-se rigorosa assiiluidade urcessaria
pata se passar alm de inslrucgOesmui siipeiliciaes
Sera, portante, conveniente que o governo esl-
vesse autorisadoa aquaitelar os alumnos da osela
militar fora desta capital, durante o lempo das fe-
rias, para que elles possm frequenlar com mais
exaclulflo os exerc'c'os *lue a lo,' momento se
poderiain vwilicar, sem dependencia de- avisos e
oulros preparativos indispensavels no syslema ora
adoptado e islo mesmo emquanlo nkosejulgar
conveniente cquai telar deiuilivairienle a escola mi-
litar em lugar propriado e p-la sob regulamenlos
puramente militareis, nico.rniiA, que parece mais
vanlajoso nflo s-em rclac,ao a applicaflo dos alum-
nos aos esludos tlieoricus, por eslarem separados
das causas de distraceo tle que semprc.abuudaro 8
cnpitacs, como pela acquisjc.no de habilitagOcs pra-
licas doservico militar, que os iliipcusaiia .do ti-
rocinio qu commummeiite vfio lernoimdos cursos
a queselkWicaram.
Cumpre-me aqui mencionar que alm dos exer-
cicios Jas commissoes astronmica o gcftlesica, de
que cima trato, nflo tem ogovernaimperial deixaw
do de animar AlV'fllea' tralialhbs praticos que taiito
devem coucocrer para a inslrucc>io de uosso joven
ofdciaes.
A cummissflo de pralka de arUlhana, composla
deofllciaesdo.reconlucdo m. >guc soba
presidencia de ubi dos uossos mais disto
raes na imporlanle trefa de amostrar soniciaeaWie;
ai tlharia, que frequenUm a escola militar ,pu teem
concluido os-seus esludos, em todos os exerctos pro- meira de reduzir a 1 por cenlo os direHos do expor
tacSo de nossa plvora ; e a segunda a de se nflo
prios ido sua arma.
J igualmente o fovemo imperial mandou adop-
tar, no servco das pc?s de campanha c de praces,no-
i-cflesoiganisadas por aquella .genera o
conccleiro de suerr, Francisco de Paula e, Vas-
co-tAgiips, que coiiveuienlemcnte acolheu todas as
i pesie ra-
t7pel experiencia reconliecidas-vanlajoas.
tem hsvdo na vengjfcdo plvora tiesta corle; a qual,
regulando annualmcntoem mais do 12:000,000de rs.,
esta rcduzida um terco desta qUauta.
Ora, vos sabis, senhores que a produceflo de ge-
nerosque nflo teem sahida nos mercados, he em vez
de proficua ihulfK desventajosa. c quo nos serve
produzira fabrica nacional de 8 a 9,000 arrobas de
plvora annualmente, se ella tem de (car arreca-
dada em seus armazens de deposito %jita de-
terioragflo que cada anu* diminuir sua frga e seu
valor ?
Convir, porm,conservar a fabrica nicamente
para produzir a plvora necessaria ao consumo do
estado? Eisao que julgodever responder pela* ne-
gativa atiento o progressivo impulso que se lhe
tem dado, os capitaes empregados neste importan-
te estableciment e o lucro que delle pode e deve
eolher o thesouro.
Cumpria, portante,ao governo examinar cuida-
dosamente as causas que teem dado lugar a prefe-
rir-se a nossa plvora a de manufactura estrangeira,
allm de providenciar como convm, para que se
removam osembareos queseoppOem a sua prompta
sahida em nossos mercados e no estrangeiro.
Eslas causas silo j cunhecidas; mas o remedio
que as deve destruir nflo esl na sl<"ada do governo,
depende tle vossa sabedoria e patriotismo.
A plvora estrangeira que pagava 50 por cento de
direitos, quauJoa nossa fabrica nflo poda produ-
zir toda a necessaria para consumo da corte e pro-
vincias faga boje apenas 40 por cento ; assim em
Ijigarde dillicullar-se a mpoitacflo do.genero es-
trangeiro em favor le nossos productos, foi elie fa-
vorecido, quando nenhuma rasflo havia para cha-
ma-lo a noeso mercado. Nflo obstante esta reduceflo,
acontece que a maior paite da plvora qpe so ma-
ni'esla he para reexportando, subjeila apenas ao di-
A inquestionavel importancia doste ostabeleoimen- -
to tem om lodos os lempos chamado sobre elle a at-
tqpcflo do gpvcrnOa e pelas nformacoes que tenho
comido, envendo que, sortruma reforma radical, im-
possivel sera quo prospere, nem que produza as van-
tagensque delle devem esperar a agricultura, oeom-
mercio e a industria. Por mais abundantes o precio-
sas que sejam sus minas, por mais rico que seja em
mineraes, devecminhar a urna ruina certa e com-
pleta, se nflo for auxiliado, como convm, com os
indisponsaveis mcps-de que carece.
O pessoal d.-) ostabe.leciniento necessla de um se-
cretario quo tenha n.seu cargo a corresponded d< _
directora, o do um fiel para os armazens. As oBlci-
nas falta m mestres, cnffteiaes serralhciros, molla-
dores, refinadores, podroiros e canleiros, que devom
ser contratados nesta corte, e para all remetlidos
com urgencia: a despeza do eslrapolocimeiilo devo
fie ir toda a cargo do govorno, que far entrar par1*,
os cofres pblicos toda a sua receiU. habilitando-sda>
por-cste nieio a fabrica para regularisar seustraba-
Ihos, prestar conlas nos devidos lempos, e final mon-
te para quoalguma vantasem se possa eolher do sua
adininislrac:1o por conla do estado.
Habilitada issim, poilcra ella no presente anteo
apresenlar tima receita punco superior a despoza or-
eada ; eno anuo futuro, nflo s compensar uuai.to
com ella se despender, como tambem prodtRir um
saldo vantajoso, como indicnm os resultados da pro-
duceflo dos seis primeiros mezes do aiino flnanceiro
corren le, o dos meios de que tem lancado mflo a ac-
tual adminstraeflo aim do reduzir as despezas.
Trata-se actualmente de uma grande roca,- que po-
der com grando economa produzir oscereaesno-
cessaros para consumo; existe um deposito de6
carvoarias concluidas, alm de mais de3,500 arro-
bas de carvflo em armazens de mil medidas do role-
tes de madeira, mais de6,000 arrobas do mina de
ferro piladas e arrecadadas, o de 600 arrobas de fn-
denle, e grande quantidade do Tossois ja conduzi-
dos i e he provavol quo no anno crrente baja lodo
o necessario para qu*>%rahalhem a un lempo os dous
furnosaltos, oque |>roiluzira una interessante fun-
TkjuO, e um lucro cec|p,luoro quo maior ser, e for
convenientemente angmenlado o.nunjero de bracos
que nflo guarda proporc,flo con o trabalho quo tem
a desempenhar.
t:onlam-so ahi actualmente 137 Africanos ljvros,
eloSescravos que prefazem o numero de 242, dos
'-validos, 14maiores de 50 annos, o 47
compotsentesd plvora em ton*! res, que, sem calcu-
lado preju izo, nflo se podeii vender eto genero por
tflo buixo proco goal aquello porque he ofirecida em
nosso mercado a plvora ingleza, nirineiito s pa-
gasseos 40 por centollo di renos: he,pois, minhaopi-
nifio quo ti uahida a case pagamento
poralguns dos muitos meios quo com lciliiiade po-
den ser empregados para vsao iiin. Duas providen-
podenain dar-se, alimde remover os
I^^Hco com que lula esta nossa indistria : a pri-
sultaduagrandc economa na despezar A somma de
113:736^060, em que ella he oreada e demonstrada na
tabella n. 6 A, nflo vai gravar os cofres nacionaes,
porque a sua receita deve ser excedente do 30:000/
Se a este saldo presumivel seaddicconar o incre-
mento do valor dos proprios edificados, e outros pro-
ducios que poden resultar do aforamento de algu-
mas torras, nenhuma. durida pode restar a respeito
da conveniencia c iiieresses, tanto polticos como li-
nanceiros, que resultan ao imperio da conservaeflo
da fabrica da plvora da Estrella.
Nflo teriniuarei esta succiula exposi^io sem cha-
mar vossa atteneflo sobre absorte dos empregados
deslo estabelecimeuto, que subjeitos ao continuo
risco de suas vidas, o a milhares de privacOes que
Ibes acarrala aobrigacflo de ah residirem, na min-
goa de muitos recursos, esmerando-so cm bem cum-
prir seus deveres, sendo emgeral antigo*servidores
do estado, reclamam com rasflo um augmento pro-
porcional om seus vencimentos, para que sejam es-
tes igualados aos dosempregados do arsenal de guer-
ra da corto. E cumpro um acto de juslica em dar um
publico teslemunho do apreco em quo tem o gover-
no os valiosos Servcos do zeloso e intelligente direc-
tor que se acha atesta desle importante estabeleci-
mento, ao qual em grande pBrte be devida a prospe-
ridade que nelle se observa.
FABRICA DE FERRO DE IPANEMA.
Este importante eslabelecimento, montado cm.
grando p, nflO s tem deixailo deser lucrativo, como,
pelo conlrrio, lem enerado os cofres pblicos com
excessivasquantias despendidas na compra de ma-
chinas, no transporte de artfices vindos da Europa,
eha construcQflo de muilas obras iudispensaveis.
Dosimperfeitosbalancos, ullimamentod'alli rece-
bidos, nflo se pode-conheoer quaes as vantagens que
se Icnh codhdo do avnltado capital nelle emprega-
do. Nos dous ltimos annos do 1844-1845, 184W846,
he queapparecem as conlas organisadas cpm algn
ijieihodo de clareza, e por ellas v-se que no prmei-
ro foi a sua.receita de 30:282/486, e a despeza de
28:026/149, havendo um sabio de 2:256/337; eno
reto de 1 por cento; ora, pagando plvora naci- segundo, sendo a receita do rs. 27:482/240, o a des-
nal que'se exporta 7 por cento, claro fie que sera peza de 42:497/062, resultou o dtficil de 15:014/822.
com preferencia procurada aquella ainda mesmo
quando os pretos sejam iguaos, o que nflo acontece.
Estou convencido, senhores Vista do valor dos
Este desvntajoso resultado foi todava devido a
circumslancias peculiares, e A causas que devem
desapparecer nos annos seguintes.
Em prmeiro lugar, a falla de combustivel, por se
I haver acabado lodo o que oxsti em deposito, o ler
avido negligencia em preparar outro ; e em segun-
do extraordinaria mortandado do 48 Africanos li-
vres, alhi de captivose crioulos dos inuil-osque pos-
suia a fabrica ; o arcrescimo de despeza com o su;
tonto, vestuario 6 traiamento de Africanos que ahi
chegaram affectados de bcxga, t) que por muilo.
lompo- deixaram de' prestar servito; a nirtandade
do gado vaceum quo extingui toda a boiada de ser-
vico) e finalmente'a construcflo de indisponsaveis
edificios, e reparos nflo menos urgentes de Oulros,
niittir a despacho a estrangeira, impondo-so eleve- hom como despezas imprevistas, feitas por occasiflo
.!. iiiI1>> ak fim* dltet (IItliritht1ttlfinrt*>a "VrV>l llllA fl in. :..:>_ ...*.. ^ -trKnl-nlmnnln .. das multas a favor dos apprehensores aos que a n-
la fabrica nacional.
Outra medida que parece ter ainda mais facilitado
a imporlacflo da plvora estrangeira foi a reduceflo de
armazeagom,a 1/4 por cento. O nullo produelo desta
da visita que ao estabelecmento se dignou fazer
troduzirein por contrabando, e a perda do genero a s. h. o Imperador, Jeram causa aquelle saldo nega-
tivo, muilo inaisavultado pela exorbitante caresta
lestias chronicas 19, conforme os mappas ltima-
mente recebidos."
Nflo devo, porm, omitir que este estabelecmen-
to nflo ser 13o lucrativo como conven, emquanto
se nao poder dar prompta e fcil sahida a seus pro-
ductos, de modoquo"posam ser conduzidos beira
mar, e transportados para as demals provincias
de imperio por nieio de estradas que guiemao li-
toral. ,
Se o goverrto for autorisado pela lei do ornamento
a fazer a necessaria despeza.com o estabelecmento,
fazehdo tambem recllior aos cofres geraes.a su
renda, fcil ser dar-ltie um poderoso impulso, sup-
prindo-o com os operarios de que tem falta, e sem os
quaes impossiyel ser conseguir que a su utilidade
seja geral, porque, com os que. possuo, nflo pode ella
satisfazer as innmeras cncommendas que se lhe
teem feito, nem tirar provelto do sua mineraQo, for-
necendo o ferro fundido, o a materia prima par
consumo das fabricase dos arsenaes do imperio.
Outra medida que tambem reclamo do vos, he aw
autorisaclo para que a fabrica pague o sou atrasado
passivo, que monta a pouco mais de 18,000.000 rs.,
podendo-se para esto fi.in applicar parte da sua ren-
da.
Eis quanto me occorre dizer-vos acerca da fabrica
delpanema. Longo das vistas do governo, entregue
por assim dizer a si mesma, tendo no decurso do 37
annos custado grandes sommas o sacrificios, nflo
tem ella produzido os beneficios o vanlagjns que de-
viam resultar desses sacrificios; todava he minhao-
pinio quo com mais.'Iguma allencflo, com umaad-
ministragflozelosa,e adequadas providencias, pode
se'tornar dentro em pouco lempo um manancial de
riqueza, como auxiliadora da industria eda agricul-
tura, ecomo desenv.olvimento de defesa.
ARSENAES E ARMAZENS DE ART1O0S BRLLIOOS."
Seis silo os arsenaes de guerra ora existentes, d'en-
tre os quaes so distingue por sua importancia o da
corto *
Este arsenal contm 22 ofcaes, o estabelecmen-
to dosaprendizes menores, duas companhias dear-
tifices, o laboratorio de fogos artiliciaes ea ofilcina
do armamentos na fortaleza da Conceicflo, quo lhe
Vece-so'pelo regulamento de 21 de feVererro do
18.'l2?e por tantas modificacoes o ltercoes nelle
feitas que necessario se torna rcforma-lo tanto na
parle administrativa como na econmica, para o que
existo j orgauisado um projecto do regulamento que
o governo nflo adoptou em rasflo de se nflo achr p-
ra isso autorisado.
No remenlo que fiz organisar, vos foi presente,
propuz o augmnlo do pequeo pessoal do doue pri-
meantes para a secretaria, de um amanuense e um
praticante para a conladoria, ede um escrivflo par
as ollicinas, o qual se faz indispensavel, o (ica anda
muilo aquem das necessidades desle eslabeleci-
mento.
Em consequencia das reducc.oes ltimamente fei-
ta as sommas pedidas pera o pessoal e compra de
materias primas desle arsenal, misler foi despedir
grande numero de operarios, (cando rcduzidas no
de todos os gneros de primeira necessidade, o ab-1 pessoal todas asoflicinas, o pouco prvidos os arma-
soluta mingo que dcllesliveram oslavradores cir- Izoiisdo almoxarifado.
cutnvizinhos. Pefo-vos que decretis para este servido as om-
MUTILADO L
A
A.
- -



mas demonslradas na respectiva (abolla do orca-
nionlo, allendandnassims necessidados deste im-
portante oslaholecmento, onde o governo deve ler
gempreem rotara disponlvcl miiilus ohjeclos que
sonflopodemohler do momento, en ni que tem de
supprir o domis arsenaos do imperio.
Moilas obras foram effcclnadas ueste arsenal no
decurso do ultimo imno. C.iiocliiio-se orna galera
do seis casas do sobrado rom 26 bracas do exlensilo
o tres o mei.i de largura, e conrcrlaram-sequalro no
pavimento terreo; acabou-se de construir a casa me
servo para guardar os escalcrcs; fizeram-se larimbas
par os esernvos da nacfio que estavam milito mal
aeeiimniodailns; prlicou-so una grande rampa, o
urna oseada do alveuana; oonslruio-so un mino de
60 palmas de cxtensflo o 5 do altura na nllicina de la-
tneiros, cuja inuralba, por milito baixa, lava rasos
a suspeitar-se queso podesse por ah extraviar g-
neros do arsenal: concertaram-sc militas casas do
arrecadacto; fizeram-sc calcadas, grades, cabidos
para armas, tarimbas para os arlilices;, ladrilhou-se
toda a batoi ia do sitio denominado tlafofopintu-
ra in-so todas as pecas do ferro o pulas de balas;
snbslituio-sn por bronze toda a forra gtm do porllo
do mar, alm de nimios reparos de edificios, pintu-
ras, ele., devendo-se ao zulo do seu vico-director
todos osles melboramentos que milito maiores sc-
riam, se llflo tivesse de restringir a despeza aos pou-
cos meios que leve.
Kslqiiasi prompta urna inacbinade vapor, motor
de duas machinas de aplainar, e dar meio lio as nia-
deiras, a oual, tendo cuslado grandes sommas, esla-
va abandonada, e coni falla de militas pecas que se
perderam, e que foi inistor substituir por oulras
construidas no arsenal.
Precisa anda o arsenal da corle do obras nfio me-
nos urgentes, merecendo especial mensio o reparo
desuas muralhas, as quilos, cm raslo do profundas
cavidades que exslem a flur d'agoa, teriam ja aba-
tido a ulo ser a grande espessura das mesmas.
O qnarlel para arcuinmodinjio dos ai tilicos, e 0
trapiche que lleve str levado mais ao mar para ser
nclle enllocado um guindaste segundo o systenia
moilcrno, silo obras lito monos indisponsaveis. Pura
darcomeco a ellas, e continuar as que estilo eni an-
damento, peco na rubrica competente dourcainuiilo
a diminuta quantia de 20,000:000 rs.
Aniiexa ao arsenal, existe a fabrica e casa d'armas
da fortaleza da Concciefio: compOe-se esle eslabele-
cmento de operarios que trabalham nas ollicinas de
abridores, espingardeiros e coronlieiros. le ni una
bella o espacnsa casa d'armas com cabidos proprios
para con ler 9,000 espingardas, alm doum espacuso
armazem construido no pavimento terreo pura o
mesmo II m.
Foi em novembrode 1844 que so deu principio ao
concert do armamento, e pura justificar a utilidade
deste estabelecimeiito bastara comparar-so o uiappa
n. u cun ii n. 13: v-sequeem dous anuos- foi o
valordo armamento concertado rs. 55:856,800, en-
tretanto que se dispendeu com u inflo d'ubra rs.
51:043,535, notaudo-sc que o armamentoconcertado
lira melhorque o novo comprado ao estrangeiro, e
que a sua avalaeto deve subir niuito muis, se se
altender ao baixo proco por que sabe das ollicinas
comparado com o cusi do comprado. Mas ainda
que nos custasse inais caro, a vanlagein de ulilisar o
que se aehava incapaz de servir, e du crear una in-
ilustria nova no paiz, compensara o accrescimo de
despeza.
Kxiste anda por concertar grande quanlidado de
armas vindus das provincias onde se acliavam ilu-
tis. Com a Mnima pedida para esta despeza na
competente verba poderemos, por milito lempo,
deixar de comprar espingardas estiangeirus, que em
pon cose tornaran) incapazesde servir.
Quanto ao laboratorio pyrotcchnico, o acaudado
local em que existe, o pcrig'o de cxploses de que be
susceptivo!, e a impiopredade do acliar-se annexo
ao arsenal, iiidcam-me a noicssidade de reinove-lo
para a fabrica da plvora, em cuja lubrica liz com-
prohendersua diminuta despe?.a.
Devo aqu dar-vus conla de urna medida admi-
nistrativa de que lancei miio cojn o 1 i ni de melbor
regularisaro modo de effectuar o pagamento das
despezas deste arsenal, procedendoa una dupla lis-
cal i saca o, c exlingiiindo abusos que resulluvum do
syslema seguido at entilo. Tendo o pagador do ar-
senal (irado alcancado cm quantia superior a rs.
4,000:000 por oceasilo do encerramcnlo de suascon-
las relativas ao exercicio do 1814 1845, deu o go-
verno as neressarias providencias temientes a 10-
iloninisae.fio da fazenda nacional, resullando tiestas
medidas que 0 respectivo.liador cntrasse com aquel-
la somma para os cofres da pagadoria das tropas,
sendo prnressado criminalmente c punido o ex-
pagador pelos desvos dos din lie i ros pblicos.
Cumprindn, porm, prevenir a iepelio.iio do casos
.senieltianles, c conliecendo a iuulilidado de um co-
fre no arsenal, subjeilo a laes desfalques, ordeuei
que fosse elle cxlinclo, clfectuando-se iodos os pa-
gamento! pelo cofre geral, por intereruiedio de um
fiel do pagador das tropas, de sua escollia, a elle res-
ponsavel.e rom os veiiciuientos que tinia aquellu.
Desta medida nfio rcsullou anmenlo de despeza
neni o menor inconveniente, mas sim a vanlagein
de serem revistas lodas as cuntas que hajain de ser
iagas, conbecendo-se logo no lim de cada mez qual
o a total .despeza cffecluada no municipio da corte
oque at entilo nfio aconteca, por gao que so de-
poisde niuKos mozos recebia a contadoria geral as
emitas daquella eslacao, demorando-se os documen-
tos em poder do pagador.
Quanto adminislracio deste arsenal, cumpro un
aolodejustica em declarar que ao zelo o indiligen-
cia de seu actual director deve-se a muis uom regra-
da economa, excessiva reducelo no proco dos g-
neros e da materia prima comprada, severa liscili-
saefio, c a melbor harmona entre lo las as estacos
deque consta este imporlunle estabeleciuientu.
Os arsenaes das provincias do Para, Babia, Per-
nanibuco, San-Pedro e Matto-Grosso, ainda estilo
Jonge de poderem prestar os servidos que delles se
exige : em geral, mal collocados, acanhados, com
poucas ollicinas eaccumulacfio de oflicios, diminu-
to numero de operarios e mal pagos necessitando
le reparos em seus edillcios, de provimento para
seus armazens, o de reforma em sua administra-
Sao, dependen) todos ellos da sorte que tiver o da
wi ,'rlecm VSS" sal'e,lor'"lgardes acertado au-
lor.sarogoverno a reformar o amigo regulamentd
que os rege, c a melhorar acondiefio de seuT om-
Kecorkm i0,S vcn*monta os que se es-
bi-pSS' qu'"zo anno9' nlu brtaiite a de-
P N?uUen0SSi! m.oeda "P ocurso desse tempT
tito?' teUalLPTnC,?^,,, P""n.aze,,a deat
fof oread fi..' l',0S l'sle8 tabelecimenlos
ro oreada a despeza em 635:002,370 rs., incluindo-
se a dos aprendues menores, a soturna nocessara
para compra de plvora o oulras muiSe" de guer-
ra, e para concert do armamento vellio, e compra
de argum novo para a cavallaria ; quautia diminuta,
comparada com as neceasidades do taes estabclcci-
mentos, masque me nfio animo a exceder, vista
do nosso oslado financeiro.
APRKKOIZES MIAOKKS.
Esta til insliluicflo contina a merecer todos os
cuidados do govorno imperial. Abrigo certo de gran-
de numero de orphfios c desvalidos, que ahi vilo
recebar, ao passo que se adestram ert difnjrcnles
artes mecnicas, urna regular educando, promelte
ella futura compensarlo dos sacrificios presentes na
espranos, de um da laucar na bccdade membros,
que, longe do se aprsenla re m compendios de vi-
cios, Ihe sejam de inaniTesta utilidado ; c sua pros-
perdade progressiva parece fumlada nocredilo que
o publico j uclla deposita, a vista dos bous resul-
tados ja ohlidos. O regulamentodo3 de Janeiro de
1842, que deu nova organisaefio s companias do
aprendizes menores, pode ser aperfeicuado, o alguns
do seus arii^os csrecom de deseYcdvimonlo para
que, preenchendo as vistas do legislador, cabal-
mente satisfagan) as conveniencias do estado har-
monisadas com as dos educandos, a quem justa-
mente se podeappellida'r selle tutelados. O gover-
no nao se desvia doirabalho de ir prudentemente
decretando aquellas providencias ensilladas pela ex-
periencia. O numero dos aprendizes menores que
pidas ultimas informacoes consta existir nos arse-
naes provinciaes, lie O seguidlo : no de Pernambu-
co 79, Babia 50, San-Pedro do llio-Grande 70, e
Malto-Crosso 17, o dos da corlo se v na tabella nu-
mero 14.
rxF.aciTO.
Asuafdrca actualmente he de 18,533 pravas, in-
clusive os offieiaes, e 2,022 guardas naconaes em
destaca monto, c 483 do 8 companhias de pedestres.
Por aviso de 5 de oulubro, ordonci que, a medida
que se fssecompletaiito nquarlo regiment de ca-
vallaria, creado por decreto de 4 de jullio do 1846,
copia numero 15, fossem dispensados do servico os
guardas naconaes, tendo em vista a melbor econo-
ma dos dinlieiros pblicos.
Comp0e-se o exercito da um estado-maior ge-
neral, cujo pessoal se v do mappa numero 16; de
un estado-maior do 1." e 2." classe, constante do
mappa numero 17;du um corpo de ougenheiros, map-
pu numero 18; de 4 balalhes de arlilharia a pe, e de
um corpo a ('avallo; de um corpo o duas compa-
nliias de arlilices: esle corpo acaba de ser reorga-
nisiiilo por decreto de 26 de novembro do anno pr-
ximo passado, Copia numero 19; de 4 regimentos
de cavallaria sendo um de lanceiros, e mais um es-
quadrfio e 3 companhias de cavallaria lixas; de 8 ba-
talbes de fuzileuos; de 8 de caladores ; de 4 corpos
lixos, sendo um de 4compr.nliias de caladores, na
pnivincia do Piauhy, outro de 3 na de Goyaz, de um
corpo de caladores de 6 companhias, o outro de 3 de
artilhuria o um de arlilices na provincia dcMatto-
Grosso, reorganisadospordecrelo de 22 de agosto do
anno prximo lindo, copia numero 20; de um ba-
talhfio denominado deposito do recrulas da corte,
com 4 companhias, conforme a organisagfio dada por
decreto o plano de 26 de novembro, copia n. 21.
Alm dos corpos que a le da, cxslem inais um
halalhfio provisorio de caladores na provincia do
C.eara, duas companhias em San-Paulo, urna no Ks-
pirilo-Santo, urna em Sergype, tres na Baha, urna
na Parabyba e uulra no Uio-Crande-do-INorte.
(Con(i'nuar-*-Aa.)
CARTA REGIA DE 7 DE NOVEMBRO DE 1600
ClTAUA POR PEREIRA I! SOUZA.
Un. Civ. Tom. 1 em tua ola 587 o fl. 278.
a Diz. S. M. que vio oito consultas da mesa da
consciencia, e na que trata do promotor e procura-
dores dos residuos parece a S. M., que como os pro-
curadores dos seus fe los, e os promoltorcs niio silo
condemnados,em cusas como se diz nella, o nao
levo ser o promotor dos residuos; man nao pareca S.
M. o mrsmu no$ procuradoresou ioliciladore$.A rasfio de
dilfereiiga, diz S. M., que he porque estes pelo regi-
ment de el-rei I). Manoel.que est em gloria,teem a
quarenloiia c a quinta parle das causas que voncem,
conformo a dfTercnga que Tozo mesmo regiment;
e pelo regiment novo tem a oitava ; e se nfio forem
coudemnados nas cusas das demandas quo injusta-
mente lizerem, com facilidade so movern a as l'a-
zer; pois vilo nellas a ganhar o premio do regimen-
t, .se ni rece i o das cusas; e o promotor nfio tem
este premio, e somonte se Ihe conla salario, como
advogado ; o este venca ou soja vencido nas causas
Em carta de- 7 de novembro de 1600.Chrttovo
>oure$.
Governo da provincia.
EXPEDIENTE DO DA 8 DO CORRENTE?
Oflico Ao inspector da thesourara da fazenda,
recnmmendando que nfio pague sem ordem da pre-
sidencia os ordenados dos juiz.es do drcito quede-
rem parte de doentes.
Dlo- Ao inspector da thesourara das rendas pro-
vinciaes, scienllicando-o do haver uomeado aju-
danledo respectivo procuradoi-tlscal na comarcado
Bonito ao hachare! Manuel Rodrigues Pinheiro.
Tamlieni se parlicipou ao procurador-liscal da the-
sourara das rendas provinciaes e ao uomeado
Hilo A Joaquim Lui de Mello Carioca, dando-so
por scientede ler S. me. lomado conla da primeira
vara municipal desta cidade.
DEM DO DA 10.
OITicio Ao coniinandante das armas, deelaran-
i-se inleirado doTallecimenlO do alferes da 4." cl
se, Manoel Corroa du Silva. l'articipou-so ao com-
missaiio-pagador.
DitoAo inspector da thesouraria das rendas pro-
vinciaes, ordenando que laca adiantar os sidos, a
que liverem direilo de 11 do correte ao ultimo de
iuuho as dez placas de polica que vfio destacar pa-
ra a comarca do Uiejo. Coiuniuncou-se ao com-
mandante geral do corpo de polica.
Dito Ao chele da primora leglo da guarda na-
cional de Garanhuns, signilicando que deve ser subs-
tituido por outro o ollicial que se nfio apresentar
lardado dentro do prav.o marcado pelo art. 37 da le
do 18de agosto de 1831.
Dito Ao agente da companhia das barcas do va-
por, lecoinmendando faga transportar ao Para, no
vapor que para all seguir, ao a.* lente doquarlo
batalbao do arlilharia a p, Joaquim Nery da Fon-
seca. -
PERNAMBUCO.
TRIBUNAL DA LIELACA.
*
JULGAME.NTO DOsDIA 22 DE MAIO DE 1847.
Dcsimbargador de semana o Sr. Squeira.
Na appellacfio cvel enlre D. Clara Mara da Rpcha
o oulros, e Antonio Marinho Paos Brrelo, despreza-
ram os embargos.
Na dita dita entre Elias Coelho Cintra e.sua mulher
e oulros, nfio se loniou conhecimento da appel-
lacfio.
Na dita dita entro Antonio do Paula Mello e Jofio
Forreira dos Santos, mandaran) dar vista s parles.
Na dita dila entro Nicolao O. Bieber & Com-
panhia e a fazenda nacional, continuaran) a sen-
lenca.
Na dita dita entre a fazenda o Jos Rtbeiro da Cos-
ta,mandaran) dar vista ao procurador da cora.
Nadita dita enlro ojuizo o BornardoHenrique,
confirmaran) a senlcnca.
rnd!tuJHa enlre l,un>ingos Jos Pereira e Lou-
*l .m.sa".88Neves' conf.rmaram a senlenca.
R dita dita entre D.^alliarina Francisca do Espi-
rito Santo o a faienda publica, desprezaram os em-
bargos.
Na dita dila entre Ignacio Carneiro dcSouza e ou-
tros, e Antonio Poreira da Silva, julgaram nulla a
sentenQa..
Nadita dita entre Jos Gnngl ves de Miranda e*
doutor curador dos orphfios, confirmaran) a sen-
tencia.
Na dita dila entre Joaquim Paulo dos Santos e ou-
lros, c o curador geral, confirmaran) a sentonca.
Na dita dita entro ojuizo e Antonio Das da Silva
Cardial e oulros, nfio lomaran) couheci ment da ap-
pellacfio.
Na dita dita antro Manoel Jos GonQalves e oulros,
eFrancsco de Paula Ramos Jnior, mandaran) ave-
riguar a causa caverbar o imposto.
Nadita dita enlre Jos da Costa Leile o Victori-
no de Castro Moura,-confirmaran) a sentonca.
Na dita diU enlre Francisco deCarvalho Paes do
Andradc e a fazenda nacional, mandaran) dar vista
ao desembargador procurador da cora.
JNa dila dita entro jus Calams J Silva Frugozu o
Angelo Custodio, mandaran) dar vista ao doutor pro-
curador de residuos.
Na dila dita enlre Jos Joaquim do Reg Barros,
o a fazenda nacional, mandarain dar vista ao desem-
bargador procurador da cora. ,
Na dita dita entre D. Mara Marroquina de Jess
Nasareno o Manoel Marques da Costa Soares e sua
mulher mlndaram dar vista ao curador dos or-
phfios.
Nadita dita entre Antonio Fernandes de Carva-
Iho eJoflo de Mello Azevedo, confirmaran) a sen-
tenca. .
Na dita dita enlre D. Mara Florentina Correa de
Almeida e Amaro Connives dos Santos, mandaram
dar vista ao curador geral.
Nadita crime em que sfio partes o promotor pu-
blico e o reo preso Jos Joaquim de Oliveira, nfio to-
maran) conhecimento da appellagfio.
No aggravo enlre Antonio R. Pereira de Mello e
Guedes Alcanforado, negaran) provimento.
Rio-Grande-io-Sul; 16 dias.patacho brasilairo Deipf
0uf,del78toneladas,eapitfioJosqum Jos dos San"
tos, equipagemIO, carga carne ; a Machado wPi-
nheiro.
Navio sahido no mimo dia.
Rio de-Janeiro; sumaca hrasileira Terpeiichore, car-
ga assucar.Arribou, fazendo 12 poegadasdo a-
goa por hora. ?
Navios entrados no dia 23.
Val-Paraizo; 63 dias, barca incleza Captain-ftou, de
310 toneladas, capitflo W Me. Arthur, equipagem
5, carga'guano: ao capilSo.Segu para Corck
para receber'ordens.
Rio-de-Janeirn ; 30 dias, patacho brosileiro Trtt-de-
Marco, de 152 toneladas, capitflo Joaquim Manoel
da Costa l'ercira, equipagem II, fairgn farinha por
-Segu pira
Vi 1)1 cacao a pedido
COMMECIO.
Alfandega.
i:M7,113
RENDIMENTO DO DA 22.........,
fescarregam hoje, 25.
Barca Golden-Fleece mercadorias. '
Patacho Keni farinha de trigo e espirito de lore-
bnlhina. *
Consulado.
RENDIMENTO DO DIA.22.
Geral......................... 3:268,772
Provincial..................... 1:347,411
j^. 4:616,183
PRACA DO RECIPE, 22 DE MAIO DE 1847,
AS 3 HORAS DA TARDE.
Reviila [semanal.
Cambio......louveram transacQes regulares
8 27 d. por 1,000 rs.
Algodfio.....Enlraram 515 saccas, o vendoti-so
de 6,000 a 6,200 rs. a arroba do de
primeira sorte, c de 5,500 a 5,700 rs
a dita do de segunda.
Assucar......Por causa do lempo chuvoso s
enlraram 272 caixas, e houvcram
pequeas vendas.
Couros......Continan) em a patina.
Breu........ Vendeu-se a 4,200 rs. o barril
Carnosecca o deposito he do 30,000 arrobas,
inclusive um Carregamcnto entrado
nesta semana; tendo-so feilo ven-
das anilladas de 2,000 a 2,600 res a
arroba.
Cha hysson .. Vendeu-se de 1,500 a 1,900 rs. a
libra.
Cerveja......demde4,200 a4,800.rs. aduzia
do garrafas.
Enxofre. ; dem de 1,500 a 1,700 rs. a arroba.
-Farinha do trigoEnlrou un earregamenlo dos Es-
dos-Unidos, com o qual o deposito
he de 5,000 barricas.
Fioporrete. Vendeu-se a 12,000 rs. a arrroba.
Manleiga.....- dem de 480 a 640 rs a libra da
ngleza, o de400 a 460 rs. a da fran-
ecza
Passas.......dem a 2,600 rs. a caixa.
Tabaeo......dem de3,000a 6,000rs. a arroba
do maepondy.
Vinho.......dem a 80,000rs. a pipa do do Cel-
lo, tinto.
Enlraram depoisda nossa ultima revista 4 em-
barcages, osahirm6, existindo hoje no porto 34,
sondo : 2 americanas, 1 austraca, 20 brasileiras,
2 dnamarquezas, 5 inglezas, 2 porluguezas, 1 sueca
e 1 sarda.
Sirga fai
os.S
o Cear o Rio-Grande-do-Nnrte.
/Vario iahidi)t no meimo dia.
Baha; brigue inglez Indian, eapilffo John Brown
carga parle da que Irouxe de Glasgow.
Boslon; patacho americano Thomat-Uanttf, cajji-
tfto Joseph R. Frasks, carga assucar.
Rio-df-Janeiro ; hiato hrasileiro Marta Firmim
capitflo Joio Iiernanlo Rosas, carga assucar e mais
gneros. Passapelros, o piloto da armada Domin-
gnes Xavier da Silva Rraga, e Joaquim Vera Mar-
ques, com 2 escravos a entregar..
Miro entrado no dia 94.
Barca sarda ReHa-Simegna, de 257 toneladas, eap-'
tilo Geocom Zino, equipagem 14, carga lastro ; a
ordem.
iVaro sahido no mesmo aVa.
Ro-de-JancIro; brigue hrasileiro 7.i;a, capillo Joa-
quim Francisco dos Santos, carga assucar. Ps-
sageros, Antonio Jos Madureira.Pprtuguez; Ja-
ques Francisco da Silva, o Anloffio Augusto Dias,
com 3 escravos a entregar.
Cork; .barca ingleza Captain-Ron, capitflo Me. Ar-
thur, carga a mesma que trouxo. i
ObierracOei.
Arribou o hiate hrasileiro toa-Viagem, que lnha sa-
bido no dia 21 do correle para Baha.
Arribou e fundeouno I,amen fio o patacho hrasilei-
ro Saudade, que tinha sahido no dia 91 do correle
para Porto-Alegre.
K(\Unl
Joto Xavier Carneiro da Cunha, fldalga caralleiro da
cata imperial, cavalleiio da ordem de Chriilo, ad-
ministrador da meta do consulado delta provincia,
por S. M. o Imperador que Deas guarde, etc.
Faz saber que, no da 27 do correnlejpiez, a urna
hora da larde, se ha de arrematar empraca, na por-
ta desta repartiefio, 1 sacca com a arrobas de cafe, a
4,000 rs. a arroba, apprehendida sem despacho pelo
guarda Francisco Jos de Veras : a arremalacfio he
livre de despeza ao arrematante.
Mesa do consulado de Pernambuco, 29 de maio de
1847.
O administrador,
Joio Xavier Carneiro da Cunha.
Dcclaracocs
0 arsenal de guerra compra, para o sustento dos
presos que teem de ir para a ilha de Fernando, e da
escolta que os ha de acompanbar, o seguinte : a-
goar'denle, caf, assucar branco, bolacha, carne-
secca, fejfio, farinha do mandioca, touciuho, vina-
gre e teulia. Quem taes gneros quizer fornecor
mandar sua proposta em carta fechada e amostras i
directora do mesmo arsenal at, o da.31 do cr-
ente mez.
Arsenal de guerra, 22 de maio de 1847.
Joo Ricardo da Silta.
O arsenal do guerra compra duzentas ecnco-
enta vassouras de timb: quem dlo genero quizer
Tornccer mandar sua proposta em carta Techada
directora do mesmo arsenal, at o dia 28 do cor-
correle moz.
Arsenal de guerra, 22 de maio de 1847.
Joio Ricado da Silva.
O escrvfio o administrador da mesa de rendas
internas provinciaes desta cidade Taz constar a lo-
dos os Srs. proprietarios o a quem mais possa in-
teressar que do dia primeirodu prximo vindou-
ro mez dcjunho se principian) a contar os 30 dias
uteis para o pagamento a bocea do cofre do e
gundo semestre do anno de 1846 a 1847, da dcima
dos predios ui baos dos 3Jia i Iros desta mesma ci-
dade o da povoasilo dos A Togados e findos ellos in-
correm na mulla de 3 por cenlo na forma da le, os
que nfio pagaron) o serfio de promplo executadus.
Recife, 18 de maio de 1847 Clorindo terrtira Ca-
ldo.
Movimento do Porto.
Navioi entrados no dia 29.
Liverpool ; 41 diaa, polaca sarda Carolina, do 206 to-
neladas capitfio Pedro Avigno, equipagemIO,
carga lastro : a Lenoir Puget & C,
BEBEQQBBu
Silo convidados os Srs. accionistas da compaa*
de Reberibe para se reunirem em assembla geni
no dia 28 do correle pelas 10 horas da manha,
noescriplorioda mesma companhia aflm de lo-
maren) contasa administraefin actual, de elrge-
rem nova ndministracfio e de adoptarem as n|ei""
dasqoo julgarem convenientes aos interesaos <
companhia. Recfo. 19 de maio de 1847.- t'se"
cretario B. J. Fernanda Harroi.
I'iiMicaciio Iliteraria.
Acha-se sobre o prelo o resumo de arithmetic
de Lacroix e a segunda edicto do epitome de geo-
metra pratiea, coinposla pelo professor publico !>
H. do Albuqueraue. Recebem-se assgnaturas par*
estnsobrasna lojade livros da praca da Indepen-
dencia ns. 6 e 8, e na da esquina defronte do l.ol-
lego ; cada assignatura 1,000 rs.
... i ^
Publicacao jurdica.
Na livrara da esquina defronte do Collegio, n*
con ta m-se ja encadernadas as
Ligoes de direilo criminal
redigidas pelos Srs. Coutoo Carvalho segundo s
prelecges oraes do doutor Bazlio Alberto de Souza
Pinto, lento da universidadede Coimbra, e roenibro
do concelho superior de iiistrucQfio publica : "f"0
braiileira maii correcta que a de Coimbra, caug-ji*'
tuda dt noli e remissoes ao cdigo criminal, 1 V01 *5e
em formato de oitavofranccz.
m. m.
\
MUTILADO


^
Aviso martimo.
Para Falmnuth fecha a mala o brgue dnnmar-
'", inna-Cectia, quinla-fcir, 27 do corrento, as
"oras, escriptorio dos consignatarios Lenoir
jmget&C- .
I.rila.
__o corretor Oliveira far leilflq, or ordem e em
presenca do Sr. cnsul de S M. R., e por conta e
i.. ,> iiiifii ni
barca ingleza
condemnada
Leo de quem perteneer, ilo casco da t
S/raM'Wa, capilfloT. Heale, legalmento
nsto porto, onde arribou na sua recente viagcfn que
filia da Nova-Zelandia corn destino a LonJres, com
85US mastros reacs, guruns, ferros e amarras, a que
cacha seguro o ancoradouro,ludo cm um s lote;
cemdilTereiites lotes, do veame, cordoallia, vergas,
uiaslareos, ancora c amarras de ferro grandes, botes,
armamento usado, utensilios e maja pertences da di-
ta barca, deexcellente coitstn-cg.lodecarvalho, cn-
cayilbada e forrada do- cobre, lotacfio de 387 tone-
ladas c a qual os pretondentcs podem examinara
Iiordo corn antecedencia: hojo, 85 do corren-
te as 10 doras da manhfia, no armazcm da prensa
do Sr. Manoel Ignacio, Fprf-do-Mattos.
,__ -~r-------.-----"
Avisos -diversos*
LOTERA DO TIIEATRO PUBLICO. .
Em consequencia de se nflo ter completado a ven-
da dos bilhelos desta lotera, o exstirem alguna a-
iniia em ser, o respectivo thesoureiro dcixou de fazer
0 elrectivo o andamento das rodas no dia 12 do cr-
rante, e o Iransferio para o dia 29, no qual espera rea-
lisarinfallivclmenlo o dito andamento; e pede -
qnollas pessoas que leem-marcado e' aportado billie-
tes, que os vjlo receber al o dia 26.
--Prccisa-sealugarum preto, som vicios, para o
servigo de casa e ra: na ra do Trapiche, n. 8 ou
annuncie.
T*t t,
zm
i
0\
wmma
Pergunla-scaoSr. Antonio Ferreira Li-
ma so be procurador de scu mano o
Sr. Manuel Ferreira Lima, nfio obslanto
a declaroeflo feita pergunla no Diario
n.M07 e 108, que talvcz partisse de
outrem.
e
O NAZARENO N. 38,
esl a venda ao meio-dia na praca da Independen-
cia, livraria ns. 6 e 8. A correspondencia f articular
do Rio esl fnuilo interessante, assim como urna
.arta do Sr PaulaLuiz Cuurier, offerecida pelo re-
dactor faccilo calaba r, extractos de l'oljias do fra,
e um soneto muito digno de ser lido; almdeoulros
irtigos importantes.
A pessoa que mora no pateo de
San-redro, que annunciou no Diario do
quarta-feira, 19 do correnle, se encar-
regnr de vendas por mdica eommissSo ,*
queira dirigir se a rua da Seiualla-No-
va, venda, h. 7.
-Curam-se radical mente as dores de denles, mes-
mo estando cariados em cinco minutos : na rua
Nova, n. 7, primeiro andar.
Anda em praca para ser arrematado um sitio
com casa de viveiuja no lugar de B.-Anna pelo
juizodocivelda primeira vara escrivlo Reg, pe-
nhorailo or execueflo ile Luiz Gomes Ferreira
contra os herdoiros do fallecido Francisco Xavier da
Fonseca Coutinho.
Cincinato Mavighier, retratista faz saber ao
respeitavel publico, que tem aborto o seu estabe-
lecimenlo de pintura na rua do Queimado.n. 16,
primeiro andar, oielo pretende desempenhar com
odaa perfeigfio quollie for possivel as obrigacOes
do sed minisleno, aprescnlando sempre retratos
bem conliecidos, tanto cm miniatura como a oleo ,
etc. Prope-se, na mesuia casa, abrir a sua aula de
desenlio prometiendo aquellas pessoas que de suas
liges sequizerem utilis'ar, todo o cuidado e des-
velo : e assim espera do respeitavel publico loda a
proteccaoque at o presente lem recebido.
I'rccisa-se de um Portuguez que entenda de
feilorisac.no para um engenbo distante desta pra-
ca 2legoas e meia leudo pralica de servigo da
campo e conducta regular ; pagando-se-lho bem :
quem estver nestas circumstancias, dirija-se a rua
do Vigario armazem de assucar n. 22.
-- l'recisa-se do um feilor para um sitio pequeo,
perto desta praca que saiba plantar : na praca do
Commercio, luja de cabos n. 17.
--Offerece-se ,'para caixeiro de urna padaria,
um moco portuguez, de 18 anuos para vender na
sala e Irabalhar na tendedeira, que de ludo tom
pralica e queda fiador a sua conducta : quem de
acu presinti se quizer ulilisar dirija-se a ruado
Pires, na Boa-Vista n. 23.
Quem annunciou querer urna rebeca dirija-se
a rua de S.-Francisco anligamente Mundo-Novo ,
n. 66.
Aluga-se um sitio na estrada de Jo5o de Barros:
a tratar na rua da Cadeia do Recite, n. 21
Quem tiver para alugar urna casa terrea ou
sobrado de um andar, com duas salas bastantemen-
te grandes, o mais commodns para familia sita na
freguezia.de S.-Jos, as ras Augusta, Martynos,
Agoaff-Venes, Horlas 6 Direila dirija-se a ruada
l'raia-de-S.-ltita sobrado n. 43.
Precisa-so de um caixeiro para venda : defronte
da ribeira da Boa-Vista, n. 60.
precisa-se do um bou.eni para tratar de um
Suinlal grande: a fallar com o Sr. Gabriel, na arcada
a alfanuVga.
*A pessoa que annunciou querer comprar o sti-
mo volunte de Mil e urna noite, dirija-se ao beceo
do Rozario sobrado de um andar 11. 8.
Aluga-se. urna boa casa lenta na rua do Mon-
dego n- 46, com 4 qmirlos 2 salas gabinete co-
zinlia eum copiar fra bom quintal o cacimba,
pelo diminuto prego de 10,000 rs. iwensaes; para
ver pede-seavehave parde-meia, do lado do poeule,
e para tratar na ruada Cruz, armazcm de assucar,
n.54.
Quem precisar dn urna ama para o servico in-
terno de uifta casa de homem solleiro, dirija-so ao
boceo do Campello, n. 1 segundo andar.
Preca-se deum feilor para o sitio do Sr. Fran-
cisco Antonio de Oliveipa, na l'onte-d'Ucha : a tra-
tar 110 IIK'SIIIO SilO
Precisa-so fallar com o Sr. Jacinlho Augusto do
A na ral, cliegado ltimamente da tilia du S.-.Miguel,
no brigue portuguez Olhtirm a negocio de seu in-
te resso na rua do Vigario, n. 8. Na mesma casa
tainbem existe urna carta para o Sr. Jacinlho Jos
Rotelho.
Lima.aHaiate,
na rua larga do Rozario, n. 40, precisa de olllciaes
de seu oflicio e recebe aprendices para ensinar.
Tambem vende pannos, bous brins trangados,
liaitiburgos riscados, hollandas, madapnlOea al-
uodiTozinho trancado linhas de todas as qualidades,
obras feilas, bolos de ludas as qualidades, panno
azul muito superior e velludo.
Na rua Nova n. 7, primeiro andar, trata-se ra-
dicalmente das molestias venreas, lano antigs ^
como modernas, por meio deum remedio nflO mor- atiiincomn lem eaprompla quaciquer emblemas ap-
curial.
A pessoa que for dono dojuma besta, que se
Attenco.
Jos Joaq'uim de Novaos participa ao respeitavel
publico,q ue mndou o seu eslabelcci ment ile alfaiate
da casa dos 4 cantos da rua do Queimado pafa a lu-
ja n. 30 da mosma rua onde se acba promploa
servir os seus freguezescom aquella, promptid.no do
costume e a todas as pessoas que sua casa se qui-
serem dirigir; assim como vendo pannos, casimiras,
madapolOes, sarja para vestidos, cortes de colleles,
luvas'de Indas as qualidades, lencos do seda o de
cassa, bolOes de todas as qualidades, retrezes, li-
nhas, e muitos outros objectos que sempre lia de
haver venda ; assim como haver sempre obras
feilas de todas as qualidades,com a mesni.i perfcicfio
das do encoinmenda. Na mesrna tasa vende-se al-
paca a 800 rs. o covado j panno de linlio da Allerra-
nha a 440 rs. a vara ; cortes de cambraia para vesti-
dos, de bonitos padres ; moias casimiras, asmis
ricas que teem aparecido, para caigas ; curios de
gorguiilo, os mais modernos que teem viudo, para
colleles.
Pateo de S.-Pcdro, n. 10, es-
quina da rua do Fogo.
Nestacasa,aborta hojo,compram-se e vendem-
se escravos por commissio assim como lamhm
Irata-se de qualquer negocio do compra ou vendas ;
ludo isto por urna mdica commissflo, que se con-
vencional na occasiilo promettendo-se toda a
presteza no desempenho de qualquer negocio.
Jos Romolo pintor italiano, recem-ebegado
a esta cidade offerece seu prestimo na pintura de
carruagens ; bem como na de ornado ou relevo para
casas elojas. Quem do seu prestimo se quizer uli-
lisar dirija-se a casa de pasto, iiobccco do Virginio,
n. 2, a qualquer hora do dia.
Aula de navegacSo.
Agostinho Fernandos Catanho do Vasconcellos
contina a ensinar navegaeflo pralica e llieorica,
isto be, breves noefies do arilhmetica, de geome-
tra ede geographia; observacOes astronmicas, e
applicacftes de lodos os problemas de astronoma
nutica a estas observaces; solucOes das diversas
queslOes tendentes a resoluco da derrota e ao le-
vantamonlo de plantas, qurpelo calculo trignome-
trico, qur pelas operacoes graphicas, etc. o de-
monstragOes analyticas s regrasestahelecidas psra
a resolugflo desses diversos problemas de trignome-
tria planeo espherica; o explicaglo do apparelhoo
manobra dos navios, ele. etc. : na la da Praia, n.
55, primeiro andar.
A galera Netta-Senhora-da-Luz prximamente
sabida do estaleiro, sege viagem para Filo, com
escala por Espozendo as prximas agoas; a qual
se acba com dous tercos da carga a bordo: para o
resto da mesma e passageiros, para o que tem su-
blimes commodos trata-so na rua dos Chos-de-
Sima, ou com ocapitfio abordo: o na mesma pro-
cisa-se do um perito eo.zinheiro.
FUNDICAO
r
nyl TJltOnM.
t. Mil lili iV t. pioprietariis deste
antgoestBbelecimento.avisamaosscusfreguezeseao
publico em geral, que clles sempre leem um gran-
de sorlimenlo de moendas de todoS os tamaitos,
fabricadas em suas oflieinas, leudo pnrtanlo.a
fortidlo, solidez, boa- construegilo e mellioramen-
tos que a pralica de longos anuos tem mostrado
seren necessarios o que as obrai de carregagio
offerecidas aqu com. tanto empenlio, nunca se
aeha. Possuindoosannttnciantes para aperfeigoar
as suas obras os anparelhos mais modernos o com-
pletos que a sciencia vai indroduzindo, nada dcixam
a desejar ; e leudo adquirido com grandes despezas
um crescido o indispensavel numero de olliciacs pe-
ritos as suas prolissOes, e escolbiilos de entre os
melltorrs da Europa acham-se verdaderamente
habilitados para offerecerem com perfeita conlian-
ga ios Snrs. de engenbo a grande vantagem de po-
iierem sem receio apromplar qualquer obra, com
aquellas brevidade e pontualidade tio imlispensa-
veis aorscus importantes inlercsses. Nesla fabrica
tambem fazem-se rodas d'agoa todas do ferro ,
moendas machinas de vapor e toda qualidado
de uii''|iiismo > por maior ou mais dillicil que so-
ja. Advertiudo-se que todas as obras silo garanti-
das, oOereceiido desta maneira a mais ampia se-
gura nga do aua boa e del execugo.
officlna de niradi-rnaf o que o padre F. C. de
Lemos e Silva dirlje na rua de S.-Francisco, an-
llganiPiite Mundo-Novo, n 66, ;u li.-i-.se prvida
de lodo o ni'cess.nio para o bom desriiippnho de
qualquer obra de encadernacao.por mais rica qite seja
Ai
piop ados as mesillas obras.
A livraria da esquina do Collegio precisa de
te
Da otaria de Manoel Antonio de Jess, no sli"
Remlica, junto ponlezinha do Remedio, no dia 22
do crrante mez, desappareceu um moleque, com os
signaesseguintes: Joaquim, do nagilo Cagango, es-
tatura regular, representa ter 18 a 20annos, sem
pona de barba, cor um pnuco fula, cara redonda,
narjz bastante chato e todo arapanbado cm toda,
parece ter sido queimado) cabello um poueo cresci-
do, eos psum pouro grandes; levou camisa o ce-
roula de algodfio o chapeo de palha : recommenda-
se a lodos os capites de campo ou pessoas particu-
lares por quem possa ser encontrado dito escravo, o
mandem pegar e entregar no referido sitio, ou no
Recife, pallarla n. 18, na rua larga do Rozario, jun-
io aoqiiarti-| de polica, anude se recompensar com
geiierusidaiie a qiiem o entregar.
Na nole de 22 para 23 do presente moz c an-
no, roubaram ao ahaixo assigdadn, de dentro de u-
ma papelera, seis contos e quatrocentos mil ris
em cdulas, e sessenta pegas de seis mil e quatrocen-
tos, deixandoaberla a gaveta o um bauzinho do vi-
dro em que so achava a dita qnantia : presume-se
ser pessoa que se introduzio de noito no corredor da
casa, e que flcou dentro quando se fecbaram as por-
tss, o de madrugada sabio ao abrir das portas, com
0 mencionado roubo. Se qualquer possoa dcscobrir
quem foi oautor.ou autores de semelliantoattenla-
do, ou dcscobrir aonde existe o roubo, ou parte del-
le, ser recompensado com a terga parle do qual-
quer quantia que for descoberta.
Jote Joaquim de Maquila.
Oahaixo assignado scienlilica.aos seus amigos,
e particularmente aos pais do'seus alumnos, que ello
tem mudado a sua residencia e aula para a rua do
Alerro-da-Roa-Vista, prximo a ponte, sobrado n.
5, onde contina a receber alumnos internos o ox-
externos para primeiras letlras, latiin efrancoz. O
mesmo ahaixo assignado so prevalece desto cusejo
para testemunhar os mais sinceros agradecimenlos
rpuellas pessoas quo Holl depositando urna hon-
rosa eonlianga, o teem encarregado da educagiio de
seus filhos, na qual protesta ompregar lodo o zelo
e esmero, cm ordem a satsfazer completamente ossa
mesma eonlianga. *
Jote Xavier Faustino fiamos.
Furtaram, na nole do da 23 do correnle, da
casa sita na rua do Maiiguinlio, n 27, as seguidles
pegas ile roupa : 7 lenges, 9 camisas de honiem e 9
desenhora, 1 par de caigas de honiem, 2 ditos de se-
nhora, 3 pares de ccroulas, I saa, 5 vestidos, 4 los-
illas de rosto, 2 de mesa, as quaes leem a marca L.
F., ou F. smenle. A quem forem offerecidas todas
ou algumas das referidas liegas, ruga-seo obsequio
doapprelicnde-las c participar na casa cima, pelo
que se (icara agradecido.
Na madrugada do domingo do Espirito-Santo,
ausentou-se da cocbera do pateo da matriz do San-
to-Antonio o bolieiro Antonio que ja foi criado
doSr. Nery Ferreira, roubando una porgiio do di-
nbcirn e varias pegas de roupa dos seus companlici-
ros; e consta estar oceulto nesla cidade em casa de
outrns socios do roubo. Roga-se a qualquor pessoa,
a todas as autoridades policiaes o mandein captu-
rar, pois se est tratando de o processar a(i:n de
corrigir um tio prejudicial inimigo do publico: o
dito he de estatura ordinaria, pouca barba, secco do
corpo, e esta com o brago esquerdo encanado de
novo.
Pergunla-sc a quem souber o poder respon-
der :
1. Se os atravessadores de farinha podem com-
pra-la no proprio mercado publico.com prejuizodos
consumidores o sob proteegto da guarda quoabi
exisle?
2. Se he para por este gonero do primeira neces-
sidade mais a mito dos referidos atravessadores que
se obriga a recolhcrem-so ao increado os matulos
que o ronduzem para a cidade ?
3. finalmente. Se a guarda, que cima (ica men-
cionada, deve esforear-se por proteger o pobre pa-
vo-contra as vcxagflcs dos vadios que searregimen-
tam para cbupar-lbe o sangue, ou animar a trafi-
cancia dcstes, e opprimir aquello t
O adenlo Grande.
0 ahaixo assignado est resolvido a vender o
seu escravo criaulo de nomo Patricio, quo tocou-
1 he por lii'i.me.i do sua fallecida mai, I). Mara Iza-
ba] Brrelo : quem quizer comprar, dirja-se a rua
da Alegra, n. 34.
Jote Carlos de Mello farrelo.
As 13 obrasOrdenagOes do reinoque hojo vito
ser arrematadas na posla da alfandega, silo as ni-
cas que exislem no mercado; poisent iienbumadas
livrarias que exislem nesla cidade, lia um cxeniplar
a venda: a ellas, freguezes.
Na rua do Queimado, n. 27, primeiro andar,
entrada voltaiido para o largo do Collegio, acbar-
se-lia, ile domingo 23do correnle emitante, aherlno
novo eslabelecinienlo do comodonas, intitulado
Ibilrl-i niiiiiiereiii, onde se darOo darimento al-
mogus, jantures e scias, pelos inesinos pregos cstabe-
lecidos cm mitras hospedaras; o tambem se farao
ilmogos e jantares para fra, tanto pequeos como
extraordinarios quesejam, ludo com b maior asseio
o prontidd possivel. Ksta nova casa tem as commo-
didades precisas para receber as familias quequize-
rcm comparecer, independento da sala dus bomens;
prometlendo-se conservar sempre a boa ordem. Es-
pera o dono deste estabelecinieilto a frequencia de
seus mui dignos freguezes, aos quaes protestara
sempre seu elerno rccouhccimento.
A. B. Os sorveles principiaran das 6 horas cm
vanto.
Aluga-se urna prcta para o servigo interno e
externo de urna casa de pouca familia; tambem se
alugam pretasou moloques para vendereni azelte do
carrapalo com a veudagem de 400 rs. por caada,
licaudo os senburesdos mesmos responsaveis pelas
fallas que bouverem : a quem cotlvter dirija-se ao
beceo do Rozario, sobrado de um andar, n. 8.
0 Sr. que levou as amostras do litas o bicos da
rua larga do Rozario, n. 24, de Victorino deCastio
Moura, queira fazer o favor de as mandar entregar.
Troca-se um relogio de ouro, pa-
tente suisso, por oulro tambem de miro,
slbemele, patente nglez, que regule tem;
vollando-.se o que se convencional*.* na
rua da Cadeia do Hecife, lado direito ,
sobrado n 9, primeiro andar.
Compram-se cobras de Si Joflo : no Aterro-da-
Boa-Vista loja de miudezas, 11. 54.
Compra-seo Salmatecences reformado, ou
Cniigio abreviado, obra do ihoologi': na rua
Direila, n. 112.
Vendas.
Compras.
aeha 110 Pombal presentemente queira ir busca-la I um menino de bons coslumes, e com aptidSo para
no prazo de oto das ; do contrario se vender para I o commercio do livros : d-se preferencia ao que
se tiraren* as deapezas que a mesma lem feito. | souber um pouco de francez.j
Compra-se cobre, bronze e ferro coado, ou fun-
dido : na rua do Brum ns. 6 e 8.
Compra-se o segundo tomo do Physionomisla
porttil: no beceo do Rozario, sobrado de um an-
dar n. 8.
Casa da F
na rua e.streila-do Hozario, n. 6.
Nesle estabeleeimenlo acbam-so venda as boas
cautelas da bem acreditada loleriadolheatro publico
desta cidade, para cujas rodas esl aiiniinciado o an-
damento para a dia 29 deste rnrrento mez ; e por isso
convida a lodos os freguezes amantes desto jogo quo
nilo poderem comprar bilhetes, a compraren! as cau-
telas, allm deque camellas se hahilitem, e partici-
pen* das srtes desta lotera. Prego das cautelas: de-
cimos a 1,000 rs., evigesimos a 500 rs.
Vcnd^e-se cera em velas, prxima-
mente ebegada de Lisboa, sortimento a
vontade do comprador, em caixotes gran-
des a pequeos mercurio-doce, em cai-
xinbas de 3 e 5 libras; vinbo tinto do
I'orlo muito superior, cm barris de oila-
vo; dito engarrafado, em caixetes de 18
garrafas cada um ; cal virgen) de Lisboa,
muito superior, em barris pequeos : na
rua da Cruz, n. 54, primeiro andar.
Atcrro-da-Boa-Visla, n. M.
Vendem-so borzeguins e sapa tos americanos de
daus palas, a 2,800 rs.; botins e meios ditos, franco
zes, a 3,000 rs. o de Lisboa, a 2,000 rs.; sapaios
atamancados, a 50!) rs.
Vendem-se9 escravos, muilo em conta sendo:
duas mulalinhasde 10a 12 anuos,; una dita do 20
annos, de elegante (gura e com habilidades; um
preto de bonita figura ; 2 negrinhas urna de 13 an-
nos n a ottlra do 10 ; 3 pelas para todo o servigo:
110 |iateo da Matriz ilo S,-Antonio, sobrado 11. 4.
Vendem-se saceos com sal lino, muito claro,
com inaisdealqiieire da medida vellia, por cum-
modo prego: no beceo do Gongalves, n. 6, por detrs
da rua daSeiizalla-Velba.
Vendem-se dous escravos do servico de cam-
po muito bons e baratos : na rua Direila soba-
do n. 29.
O bom e barato 21#000rs.
Vendo-se folln de Flandres, da mais supotior
que lem viudo a este mercado tanto em lustro co-
mo em qualidado pelo diminuto prego do 21,000
rs cada caixa ea 100 rs. a relallio: na rua Nova,
loja de ferragons n. 23 de Teixeira & Andiade.
Vendem-scSOO palmus do terreno do frento ,
na Torre. sendo 600 a margom doC.apibarihe com
algumashemreitorias os quaes foram aforados ao
lenle coronel Antonio Carueiro Machado Rios o
se acham boje sem aforamanto por unta escriptura do
destratoamigavel: na rua da Cadeia do Recife, n.
62, primeiro andar.
Obarateiro da Boa-Vista
est vendando (na sua loja do Aterro, n.10, a pri-
meira indo da ponto) fazendas tilo boas e baratas
quecausam admragilo por sua ptima qualidado e
baratos pregos, e mesmo por se no icharem em
oulra parte. Ah acharo os freguezes amigos do
borne barato as seguintes pocliinchas : chitas escu-
ras, proprias para vestidos do trazer por casa, a 120
rs. o covado; um completo sorlimonto de outras
mais finas, de varias cores a padroes, a 140, 160, 180
e 200 rs!;algodOes americanos do listras para roupa
de escravos, por seren muito encorpados o bem te-
cidos, a 200 rs. o covado ; gambreOes para caigas,
fazeii*a propria da prsenle estagio por ser de pa-
droes oscuros imitando acasiniira, a 1,000 rs. cada
corto de tres covados e moio ; cassa lisa com vara do
largura, a 220 rs. a vara; dita de quadros e listras,
a 340 rs.; madapolOes limpos sem avaria, fazenda
soffrivcl, a oito patacas o meia a poga;ricos cortes do
cassa celeste para veslidos de senltoras.a 3,200 rs.; o
pegas de bretanha de rolo com 10 varas, a 1,440 rs.
Vende-se urna cabra (bicho), com muito bom
leilc e parida de poucosdias por prego comnio-
do : na rua da (doria, n. 88.
Vende-se a engeiihnca Itiacbo-das-Bestas, sila
na fregue/iado Nossa-Senliora-ilo-0, do Allinbo, da
comarca do Bonito, em Panellas-de-Miraiidn, por
prego commodo, c vende-sc a prazo : trata-se na rua
Direila, sobrado n. 29.
Vende-sc salitre c enxofre de inuito
boa qualidade'e por menos que cm outra
qualquer parte : to escriptorio de Clau-
dio Dubeiix., na rua das Larangeiras, n.
18.
Vende-se urna propriedade de tr-
ras, denominada Colia, no lugar do ria-
cbo Cavatuba, na comarca do Limoeiro.
Us prdendentcs dirijam-se rua do
Queimado, n. 17, primeiro andar.
Vende-se ou troca-sc por urna casa terrea com
quintal, ou por algum pequeo sitio com arvones
de fructo, perto do Recife. um sobrado novo lodo
furrado, com um grande sotflo, paredes dobradas,
chos proprios, o qual rende por mez 34,000 rs.: na
ruaestrcila do Rozario, n. 10, terceiro andar.
.- Eso venda na livraria da
esquina do Collegio: Direito ci-
vil, por Borgcs Carnoiro, Coelho da lincha, e Cor-
roa Telles, novas euiges ; Tratado de testamentos,
por Goveia Pinto; Tratado de letlras do cambio, por
Ferreira Borgcs, nova edigfio accrcscenlada anda
pelo autor, o pelo actual presidente do Iribunal do
commercio du Porto; notas a Mello, por Lobto ; Or-
denagOes do reino; Doulrina das acefles com addi-
ges de seu autor, Correia Telles, edigfio do llio, de
IS17 ;vcndcni-se as addiges cm separado); Manual
doappellagcs e aggravos, du Goveia Pinto, aug-
mentado no llio com olas e IcgislagSo brasleira;
Processo orpbanologico, por Carvallio, edigfio aug-
mentada no Rio; Dgesto brasileiro, com um extrac-
to substancial das ordenagdes; leis posteriores, com
a legislagao brasleira em appendice, etc.
II

,: 1
:
1'

V


A



B

Vendem-se Larangeiras, n. 14, segundo andar: um
molecote de elegante ligura scii vicios
nem cheques com olllcio de sapale?
roe Je pintor, de 17 annos; um dilu de
* naclo com nfllcio do sapateiro do 20 annos ; um
diinco'noniciodealfaiate; um dito ptimo para o
servicodc campo nin mulatinlio do boa conducta ,
ptimo para pagem ; urna negrota do 16 annos ; una
dila de nacAn, de 20 unnos; urna negra, por
350.O00 rs., que nilo lie vclha e aera vicios nem
achaques; urna dila ptima cozinheira, oque esta
pojad; o mais alguna esclavos que encontinenda-
rem. ,,
Vcnilc-seum sobrado de 2 andares e sotan,
muilo cm conla silo em una das boas ras do
b irro de S.-Antonio: na ra das Larangeiras, n.
14, secundo andar.
Vemlem-se-4 rnlogios dousde ouro e dousde
prnla, por prego muito commodo : na ruadireila,
n.89.
LOTERA DOlllO-DE-JVNF.mO.
Biiheies e mcius ditos da oitava lotera a beneficio
Ja freguezia do SS. Sacramento da cVtc; vendem-
sena loja de cambiode Manocl Cenes, na ra da
Cadeia, n.38.
Vendem-se chitas limpas bns pannos e co-
ros lisas, a sete vintens o covado, e a pega a 5,300
r.s.; sarja preta limpa superior seda a 1,280 rs.o
covado ; u'm Guarda-livros moderno, por prego pre-
go commodo : na ra eslreita do Hozario n. 10 ,
terceiro andar.
Vende-se um sitio de Ierras proprias com ar-
rores de fructo cacimba com cxcellente agoa de
beber, casa de laipa no lugar d'Agoa-Fria de Bc-
beribe i cm Fra-de-Portas no pateo.do Pilar lado
do nascenle, n. 8, ou no oarlorio dos orphSos.
Novos gambreoes.
. Na loja de Guimariles Seraflm & C, confronte ao
arco de Santo Antonio, n. 5, vendem-se novos gam-
brees a 1,400 rs. o corle de tres covados e meioj'cs-
ta fqzends torna-se recommendavel para a eslagilo
presente, por ser fazenda enenrpada e escura; e Unge
i casimira franceza por ter padres imitantes ;| chi-
tas a 120 e 140 rs. o covado, e alm disto um com-
pleto sortinenio de toda aqualidadede fazendas.
NA BA DOQUmiAD, N. n.
Vcndem-se lindas mantas de seda ,
milito finas as mais modernas que ha ,
proprias para senliora e meninas, a 3,too
rs. ; cortes decassade cores fixas, ede
lindos padres, a 4>000 rs- i sarja lies-
panhola ; dita franceza ; los pretos ; lu-
do por menos de sen valor, por ter aca-
bado a Qtiaresma : na loja nova de H*
C. Leile.
Vendem se VELAS de cera do
Bio-dc-Janeiro e de Lisboa grande e
completo sortimento : na rua da Scnzal-
la-Velba armazcm n. no, de Alves
Vianna.
= Veodcm-ae moendasde Trro para engenho de as
ucar, para vapor, agoa e bostas, de diversos tamanbos>
por piofo commodo ; c igualmente taixas de Trro coado
e balido, de todos os tamaitos: na praca do Corpo-SaiH
to, d. II, em casa de Me. Calinont & Companhia, ou na
rua de Apollo, arinazein, n. 6.
PANNOSPBETOS FINOS
novos na loja ; velludo preto ; chama-
lote de seda, para colleles e gollas ; se-
t'un macau ; o verdadeiro brim trancado
de listras de cores : na rua do Qucimado,
loja nova, n. (t, de Baymundo Carlos
Leile,
1 Vendem-se superiores chapeos de
Jttkicastor, pretos ehrancos, por preco
muilo barato : na rua do Crespo, loja n.
la, de Jos Joaquim da Silva Maya.
]Va rua do Crespo, n. 12, loja de
Jos Joaquim da Silva Maya ,
vcrftlem-sc ricos cortes decambraia para vestidos de
senliora ; ditos de bauzulinas, para rostidos : fazen-
da esta muilo propria para a eslacSodeinvernp, por
sor de cOres escuras; um rico sorlimenlo de mantas
de seda e de seda e lila para senhora; mantinbas para
meninas a duas patacas catla urna ; chales de seda
de bonitos gostos e dilTerentcs tamanhos; meias de
seda brancas epretas, para senliora o homem as
mais superiores que leem vindo a esta piara; pan-
no lino preto e de cores ; alpaca a 800 rs. o cova-
do, e muilo lina a 1,600 rs. ; cambraiaspara cor-
tinados de cantase jmilas, assim como franjas pa-
ra os mesmos ; cortes do calcas de casimira france-
za elstica e muilo superior a 5,000 rs. cada corle ;
cortes do rlleles de velludo, gorgurSo, se tiro e de
fustilo por proco muilo barato ; panno de Nidio a
400 rs. a vara ; cobertores para escravos e nutras
muitas fazendas que todas se vndenlo por presos
inulto baratos.
= Vendc-seuma parda de muilo bonita figura,
que cozinha bein o diario de urna casa lava
de salino e varrella cose cliflo c be niuito boa pa-
ra casa de familia : na rua do Collcgio, n. 1<, ter-
ceiro andar.
Vinho de Cliampanha.
Vende-so vinho de Cbampanha em cestos de urna
duzia do garrafas de muito superior qualidade : na
rua da Grife, n. 55.
A' 12#000 rs.
Na lojan. s,confronte ao arco de Sanio Antonio
vendero-gae* cortes do chaly datSaesoda, a
droes modernos, pelo barato prego de 14,000 rs ca-
da corte; meados francezes linos c modernos, a 24o
rs. o covado; zuarlo azulencorpado, da fabrica por
tuguez, a 200 rg. o covado: esla fazenda be pronri
para escravos.
-t Vcnde-*e um escravo um ir ulatinbo pro-
prios para qualquerservico; sola; couros miudos;
cora de carnauba ; caixas p8ra tabaco; estoicas: na
rua da Cruz n.20.
Vendem-se os incomparavois charutos marca
defogo vcrdadn'ira; bem como regala ,'e outras
muitas qualidadcs; fumo em rama, cm porges c
a rotalho : ludo por prego commodo : na fabrica da
rua Direita, dcfronlo ita travessa da Pcnha.
A' ?#000 rs. cada urna manta.
NalojadeGuimarI)es SeraRm & C, confronto ao
aren ileSautoAntonio,n.5,vfiidem-se mantas de seda
modernas para senliora, pelo barato prego do 7,000
rs. catla una; oseados fraucezes linos, padres mo-
dernos, a 240 rs. o corado.
Vende-se cal vigem em niela barricas chegada
ltimamente ; caitas vasias para assucar ; una jiorcSo
de pesos de ferro, de duas arrobas ; serras grandes para
serrar uiadeira ; tudopor preco coinraotfo: na rua da
'.tlocda, armazem n. 17.
A' 2#000 rs. o corte.
Na loja de Cu i manes Seraflm & C., confronte ao
arco de Santo Antonio.n. 5, vendem-so cortes de cas-
sa de padres agradaveis o cores fixas, pelo diminuto
preco do 2,000 rs. o corle; longos francezes grandes
e linos fingindo seda, a 480 rs. cada um; lencos de
canibraia com bico, a 610 rs. cada un; ditos do dita
muilo litios com renda e bico, a 900 rs. cada um.
A' 800 rs. o corle.
Na loja de Guimariles Serafim & C, confronte ao
arco de Santo Antonio, vendem-se lindos cortes de
instilo, cores fixas, pelo barato prego tle 800 rs. o
corle; cassa-chitascom flores, finase largas, suecas
e inglezas, a 240 rs. o covado.
A' p00 o corte.
Na loja de Cuimarfles Serafim & C confronte ao
arcp de Santo-Antonio, n. 5, yendem-so ricos cr-
tesele cassa tos padres mais modernos que leem
vindo a este mercado, c lindos desodlos pelo bara-
to prego de 4,500 rs. cada corte; chapos de sol, de
panninhn francez a imitagilo de seda, com lindos
cabos, a 3,200 rs. cada um.
Pichincha igual ainda m'o houre ; eso ha na loja nova
n. 17 do l'asseio-l'ublico.
Chitas de cores fixas a 3,800 r.s. a pega, o ao co-
vado a 100 rs. ; ditas muito linas, cores escuras c
bou ilos padres, a 5,000 rs. a pega, e a 140 rs.o
covado ; ditas a 5.8(10 rs. a pega e a 160 rs. o co-
vado ; naila rolos cutii 4 palmos de largura e linos,
3,200 rs. a pega ; ditos rom a mesma largura o
iiuilo linos da flor do algod.to, a 4,500 rs.; pegas
e algOililozinho com 20 varas, a 2,200 rs. : ludo sem
deleito algUlll.
Vendem-se sementcs de horlalice de todas as
..ualidades chegatlas prximamente do Porto por
prego comni.odo : na rua eslreita do P.ozario, ven-
da n. 8.
Vendem-se Lotinsiancczes, deso-
a dohrada muilo bons para os dias de
chuva a 5,ooo rs. ; sapaldes inglezcs
de muito hoa rjuulidade ; e outras mili-
tas qualidades de calcado : na praca da
Independencia, loja do Arantes.
K ;
O verdadeiro
e finissimo panno de linho do Porto, a 800 rs. a
vara, (Is pegas sao de 15 a 16 varas, e estilo se aca-
bando; lengos de seda carmizim, fazenda inteira-
montc nova proprios para algibeira c pescogo a
1,280 rs.; cortes do cassa-chita prela, muito bonitos
padres e muito baratos; o um completo sorlimenlo
de fazendas finas tle todas as qualidades: na rua
do Queimado n. 11, loja nova de Hay mundo Car-
los Lelie.
Vende-se urna rabeca em bom estado : na rua
estreita do Rozario relinagilo de assucar n. 43.
Venilem-se duas vaccas toriiias ,
com crias, por commodo preco; na rua
de Apollo n. 8, armazcm do Sr. Pedio.
No paleo de $.-Pedro, n. 10.
esquina da rua do Fogo,
trata-sea venda de urna casa terrea com o corre-
dor ao lado, salada fronte e alcova forradas, mu
bem construida e cm urna das mclhores ras desta
cidade.
-- Vende-se urna venda na rua de S.-Francisco ,
n.68, bem afreguezada para trra, com poucos
fundos : a tratar na mesma venda,
No palco de S.-Pdro, n. 10,
esquina da ruado Fojo,
trata-so a venda tic 2 canoas tle conduzir agoa em
muilo bom oslado e qnasi novas, e de urna quecar-
rega um milheiro do lijlos por mdico prego ; as-
sim como tanibein de urna canoa de carreira, cons-
truida de novo e que caarega 16 pessoas.
Vende-se a venladeira e superior
polassa da l'ius.sia, branca, e embarris pe-
queos : na rua da Cadeia do Hecie, ar-
mazem n. ia, de Bullar ck Ohveira.
Na rua da Senzalla-Nova, n. $i,
contina ahaver um completo sortimento
de taixas de ferro, batido e coado; mo-
endas, e machinismo de vapor para crt-
genho.
Vendem-so sapales de Nanles para meninos de
10 a 19 annos, proprios para o invern: na ruada
Cadeia doltecife, n. 35.
Na rua da Cruz, n. a6, vendem-se
saceos com muito Loa arinha de mandio-
ca, por preco commodo.
Vendem-se lijlos de ladrilho, a 20 rs.: por
detrs da ribeira, serrara n. 13.
Vendem-se 6 barricas grandes proprias pa-
ra assucar por prego commodo : na rua daPraia ,
armazem n. 18.
Vende-se sal de Lisboa fino e alvo, a'1,600
re- o alqueire da medida velha e sendo porgilo ae
iara por menos : na rua da l'taia, n. 18, aonde tam-
Dem se vendem pipas com ago'rdente.
Vendcrn-se podras de amolar, da'melhor qua-
lidade que teem vindo do rio de S.-Francisco", a
rcUIhoecm.porges dar-se-blo por prego com-
modo : na rua da P"raa, armazcm n. 18.
JA' SE DA' A 5,000 RS. A ARROBA PARA ACABAR
IIKI'RESSA.
Vende-se graxa suporior para velas e para dar em
eixos de machjnasdo vapor o moendas: na ruada
Praia, armazem n. 18.
Pianos fortes.
Vendem-so Spianos fortes, novos', com excellon-
tes vozes : na rua da Cruz, n. 55.
Vende-se um melhodo de piano de Vcgueri,
em bom uso e por prego commodo : na praga da
Independencia, loja de miudezas, n. 4
Vcndem-se novas cartas para aprender a 1er,
as quaes se musir que nflo ho preciso o cstudo das
syllabas soladas dos nomes, compostas pelo profes-
sor publico S H. de Albuqucrque : na loja da esqui-
ua iefronto do Collegio prego 80 rs,
Refrescos.
Xarope de groselhe., feito do verdadeiro summo,
viudo deFranga ,a 1000 rs. a garrafa ; djto de flo-
res de larangeira, a 1,000 rs. a garrafa; dito feito da
verdadeira resina de angico, que li muito cortheci-
do e approvado por as pessoas que padecem do pei-
to, por ja 1er feito ptimos beneficios a 1,000 rs. a
garrafa ; ditos de maracuja, tamarindos, ananazes,
lin.floelaranj, a 500 rs. a garrafa: no Alerro-da-
Bba-Vista, fabrica de licores, u 17.
a 3,200 rs.; cortes do vestidos de barra, a ,soo
rs.; casimira amarella propria para coeiro a
1,000 rs. o covado, e outras muitas fazendas por
pregos muito rasoaveis.
Vende-se urna parda de crescura de j
j 30 annos poutfo mais ou menos perfe- I
la cozinheira, e que engomma goffri-|_
\ velmente, muito despachada para o ar- j
ranjo de urna casa; be de boa cniduct, i
sem vicios nem achaques; a qual fo ven- f
dida por urna grande necessidade : ven-
i em conta : oa rua das Larangeiras, n.
14, segundo andar.
IMPERIAL
FABRICA
NACIONAL
DE IUPE FINO
A grande extracgiTo que tem tido esto rap, depois
que foi exposto a venda be prova inconleslavel to
bom acolhimenlo que lem merecido. O nico de-
posito he na rua do Trapiche, n. 34, e a retalho
vende-senas lujas dos.Srs JJ.de Carvalho Moraes,
A. F. Pinto & IrmAn A. B. Vaz de Carvalho Cu-
nta & Amorim Ponles & Sampaio na rua da Ca-
deiado Recife ; A. I). dcOliveira Reg, na rua da
Madre-de-l)eos; Campos & Almeida, na rua do
Queimado; T. A. Fonseca," Umbelino Maximino
de Carvalho, na rua do Cabug ; C. G. Breckeinfeld ,
praga da Independencia ; Caelano L. Ferreira Tho-
maz P. M. Estima e Antonio Pe re ira da Costa e
Cama, Atciro-da-loa-Vista.
Vende-se um sitio distante desta praga 3 legoas
e mcia a quatro dbni boa casa de vivenda, de pe-
dra e cal, rom muitos commodos, e com capella
para missa casa de fazer farinha com os compe-
tentes aviamenlos boa senwlla para pretos estri-
baria e mais 3 casas de laipa, cm pequea distan-
cia, muitos arvoredos de fructo constando de la-
rangeiras, mariRiieiras, coqueiros, jaqueirss, .gran-
de porgilo de cafeseiros e diversas outras Inicias
que o comprador verificara, grande extonsSo de
lerreuodo muito boa produego eproprio para qual-
quer plantagflo bom cercado qnasi todo de estacas
nativas cxcellente agoa de beber; o sitio he do pos-
se livreodesembnragado e esta lodo demarcado :
na rua dosQuarteis n. 18, primeiro andar.
_ Vcnde-se una pequea armagfo do venda por
prego barato : no becco do Carioca, armazem de
arroz branco.
Vendem-so 22 escravos, sendo 3pretos; 2
pardos mogos, do bonitas liguras; urna ptima
mtilatinba de 13 annos ; 3 hegrinhas de 14 a 18 an-
uos com principios de costura ; 12 escravas de 20
a 40 annos por prego commodo : na rua Direita,
n. 3.
Vende-se a casa terrea n. 3, sita na rua do Bom-
Snoesso em Olimla com um silio soflVivel: a casa
est reedificada do novo existindo dentro delta va-
rios materias para acabar algtimas cousas quo fal-
tam ; na praga da Boa-Vista, botica n. 6.
Vcndem-se meias casimiras de bo-
nitos padres e escuras, proprias pa-
ra ineerno; lilas para caigas escuras
e baiatas; casimiras superiores, els-
ticas, do bonitos padres, filaros o
escuros ; cassas do cores, para vesti-
dos de novos padres; panno azul,
preto e de todas as cores chales de
seda ; ditos de lila c seda ; mantas tle
soda rica ; alpaca fina ; cortes de col-
lele de gorgurfio tle setia ; dilos de se-
tini bordados, os mais ricos que leem
vindo ; ticos cobertores bespanhes;
damasco de lila e seda ; bem como
um completo sorti monto do fazendas
finas c grossas : tudo por prego mais
commodo do quo em nutra qualquer
parte : na nova loja de Jos Morena
Lopes & Companhia na rua do Quei- .
mado, casa amarella u. 29.
llllllll
Na rua do Crespo, n. 14, loja de Jos Francisco
nias acaba do chegur um cmplalo sorlimenlo de
fazendas, queso estilo vondendo por pregos muito ba-
ratos como sejam : chitas de rainagem, tinas de
lindos padres a OOe 240 rs.; ditas escuras para
vestitlos a 200 e 240 rs.; cortes de ditas com 13 co-
vados e meiu, a 3,000 rs.; algodo trancado mes-
clatlo proprio pina escravos o trabalhadores, por
ser de multa duragilo a 200 rs. o covado; ricos cor-
res de cassa-chtla de listras avelludadas, imitando
seda, a 4,500 rs. ; ditas it'ixas proprias para luto,
a 4,000 rs., o o covado a 200 rs. ; ditas muilo li-
nas de todas as cores, a 400 rs.; merino preto mui-
to largo, a 1,400 rs.; riscados francezes, de lin-
dos padres a 240 rs.; camisas de mcia a 1,000
is. ; brins trancados muito encorpados de cores,
e do novos padres a.800 e 1,000 rs. a vara ; cassa
lisa ordinaria muito larga ,240 rs. a vara; dila
de quadros a 320 rs.; meias para meninos e me-
ninas a 200 is. ; luvasde algodilo, h 160rs. ; cha-
les tle la e seda de muilo lindos padrOes, a 6,000
e 7,000 rs.; ditos de 10a, a 2,000 rs. ; dilos de tar-
lalana a 1,600 rs.; ditos de quadros avelludados,
-"Vendem-selim pao desicupt-a, que ser-
rado d dous boenrdos; duas curvas gran-
desda mesma madeiru, e urna porcao de
Iravesses de sicupiracom ocomprimento
de dez palmos e meio cada um : na rua
da Senzalla-Nova, venda de Jos I'ereira,
se dii quem vende.
Venliam correntio,rVeguezes,a to.
da pressa, antes que se 'cubern
as pecliinchas do Passei-Pu
blico, na nova loja n. 19, de
Manoel Joaquim Pascoal Ramos, que se acha de no-
vamenle sorlitla comrfazendas finas e ordinarias, co-
mo sejam: cortes Oecambraias A napolitana a 2,506
e 2,000 rs ; ditoa tle chitas finas, a 4,400 e 2,000 rs.,
e cm covados, a 100, 120,140, 160,180, 200, 220, 240,
260e 280 rs.; cortes de fustes par*colleles. a 1,000
fe 800 rs. ; cortes de colleles de sarja lavrada,. a 640
rs.; pegas de madapolflo soflVivel, com um pequeo
toque de avaria, a 2,000 rs'., e limpas, a 2,200, 2,400,
3.000,4,000 e 5,200 rs. ; cassa lisa muito fina, a 640
rs. a vara ; cortes de meia casimira, a 1,600, 2.400o
3,000 rs ; ditos do pelle-do-diabo, a 1,400 o 800 rs
em covado a 200 rs.; lengos pVa grvala, decam-
braia de cores, a 320 e 400 rs,; ditos de seda, a 1,440
e 1,600 rs.; picotes para foupa tle escravos, fazenda
esta de muita dura, a 200, 220 e.240 rs. ; hrclaiiha fi-
na, a 800 e 840 rs.; chitas finas para-couortas, a UO,
160, 200 e 240 rs.; corles do sempro-*H!r, a 1,300,
1,440e 1,500 rs. ; cambraia lisa muito fina, a 640
rs.; panos para cima do mesa, "]a 1,60o rs.; lengos de
camljraia brancac de cor, parafenhoras, a #20, 30Q
e400rs., e outras muitas fazendas que poli) se di-,
minuto prego n!lo desagradario aos fregezes,
Vende-se urna casa terrea, com a frente-'c reta-
guarda de lijlo, eo mais de laipa, sita na rua de
Motocolombo, nos A/ogadss, por <20,000 ris : ella
rende 2,000 rs. por mez, e se da a prazo : trata-se na
ra Direita, n, 29.

Escravos Fgidos.
-- Fugio, desde o amo de 1842 at o presente, |o
pardo Thomaz escravo do padre Jos Manoel Toi-
xeira, morador no sen engenho Pogo-da-Pedra; cujp
escravo temos signaos seguintes estatura regu-
lar, secco, sem denlos na frente ; tem os canlo9 da
testa fundos cor meia clara j foi surrado, e por
isso tem marcas as nadegas ; be muito parhola,
canta toca viola, sabe ajudar missa 5 be oflieial
tle sapateiro; consta ter apparecido na foira de S.-
Antio, o que inudou denome, para nSo ser conhe-
cido : quem o pegar leve a povoagilo de Mocos ou
ao engenho do Pogo-da-Pedra, que ser generosa-
mente recompensado.
Roga-se ns autoridades policiaes o capites
do campo a captura e condueg-flo ao .armazem do
caes da Alfandega n. 5 ou a Olimla rba do S.-
Benlo n. 3, da prela Joscplia de nagSo Cagange ,
de 17 anuos alta cor prta 9ecca denle l'ma"
dos, sisiida seio atacado; lem n'uma das faces
urnas pilinbas mais piolas quo o rosto que silo vi-
siveis; bem fallante ; levou panno da Costa, com
mata mes brancos, vestido de chita cor d cafe_,
com listras azuos, brancas e verdes ; consta acoi-
tar-se em Fra-de-Portas ou Beberibe. Podem le-
var aos]mesmos lugares o preto Jos de nago Ben-
gnela bstanlo velho e corcovado, eabega branca ,
cara rugada feiges grosseiras falto de todos os
denles da frente, mffos'o p^sgrpssos, cujos dedos
sao visivelmenle apartados; conbecido ppr Prego.
ALERTA .
Thereza preU cscrava dos Srs. Luiz -Antonio
Alves Monteiro & Companhia da praga de Macoio o
por ellos remedida para nesta praga ser vendida ,
por sua conta sendo chegada apenas ha 12 das,
fugio no din 28 do abril prximo passado : nao cons-
ta que aqui livesse conhecimentos e nem se presu-
me que n fuga procetla de sedugiio; ha porem, pro-
bahilidade tinque se ter ocultado mesmo nesja
c.ida.le. A dita preta representa 25 a 30aonos, '
e roforgada do corpo bem parecida; ,tern a'8uJ"."
cicatrizes em um tos bragos; levou saia de clin*
vermolha o panno da Costa. Quem a descubrir, o
a levar a Antonio Luiz dos Santos & Coinpanni,
na rua do Crespo, n. II rrceber urna recoinpensa
proporcionada ao seu trahalho.
-- Desapparcccu no din 27 de abril prximo pas-
sado a preta Paulina, crioula, estatura regular,
ebeia do corpo ps grandes c chatos; costuraa ve -
der na praga ; lia suspeilas de oslar na cidade ue
Olimla : quem a pegar levo na rua do Agoas-Vertus,
n. 23, que sera bem recompensado.
Dcsapparecoii, na nuile de \ para 13 do co -
rente, do. engenho Matapirum; 11111 escravo ca-
bra de 16 annos bom parecido, e apenas como
cotovello do brago diieilo mais grosso por o ie
deslocado ; chama-se ltaymundo e lio natural "
C cara : quem o pegar leve ao dito eirgenho, ou
praga da Boa-Vista n. 6, que ser recompensado-
ERRATA.
Na pastoral publicada no Diaria de qufnM-foira ,
20 de maio, columna 8.% ln. 73, em lugar de se
Icr importa Ioia-so imposta.
PKRN. : NA TT*. E M. F. DE rAMA.1&47'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EH4BSYII1_H9S3PJ INGEST_TIME 2013-04-26T21:31:53Z PACKAGE AA00011611_08471
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES