Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08468


This item is only available as the following downloads:


Full Text
nno de 1847.
Quinta-feira 20
i PUMO pnMio-sfi lodos os dias, que nao
,le nurd l'rc- d" ,,Rn"lor" he Je
ren. i< i'Oi qi'rlel- f"1^"' d'nntadot. Os an-
4' los msk'""1'" s'"'' "Hrldos "s'o de
ngnci"s
r lilil.
snrs eoj.tynp Hitlereote,'e as
"'" '* p'l'",e,,le- <-,*'-
"',"1',\Lrio 0 rs por Italia, e I Gil em ijpo
n*', E ,!orc-iaw t>ubtieiif:o>.
rfillcrente. [<'>- i
PIIASES DA LOA NO MEZ DE MAIO.
... 7 nos 17 min. da tarde.
Min^o""' tiil horM e a min. da larde.
';,M SI. s I" ora e S6 min. da tarde.
Lucnti*' ,0> "' l">r" e 2& ""au- *,,rde-
PARTIDA DOS CORREIOS.
'.oianno e Paraliylia, s segunda* e.trxtas feiraj.
Rio-Grande-dn. Norte quintas bitas aoraeio-dia.
Caboj Siniiliem, Kio-Kormosn, Poito-CaTro c
_ al aceto, no I .*, a 11 e 31 de cada mei.
(iaraiilins e Roiilto. a lOelt.
Boa.Villa c Flores, a IS e 18.
Victoria, it quintas feiras.
Oliuda, lodos os das.
PREAMAil DE HOJE.
Primeira, a 9 lioia 18 minutos da manlia.
Segunda,* 9 horas e 42minutos da larde.
de Maio.
Anno 'XXIII.

N..U9.
DAS DA SEMANA.
17 Segunda.
phSos, do
18 Terra. S.
v. e do J.
Ifl Quarta 5
ciT.Ha *.
0 Quinta. S
de orplt.,'
31 Seil. 8.
v. e do I.
32 SahUdo.
civ. da I.
33 Domingo.
9; Posiidoneo. And. do J. do or-
,1. doc da 3 v. c do J. M. da t v.
Venancio. Aud.do,J. do civ. da I
de pai du 3 i'ist. de t
. Pedro Celestino. And do .'. do
eflo J. ile paz. do 3 dist. de I.
. Rfrnaidiiia i'o Sena. Aud do J.
edo >. municipal da I vara.
Mauros. Aud. do J. eo civ. da I.
de paz do I. dil. tic<
S. Hita dcOssia. Aud. do J do
V. e do J. deriaz do I dist, de t.
Paschoa do spiito Sanio.
CAMBIOS NO DA 19 DE MAIO.
Cambio iobrc Londres a 27 d. por IJ r*.
a 1'iris 31" rs por franco.
a a Lisboa 9S ile premio.
Dse. 0ur0-O Mcd.ndci.,,0,1 velli. 16*400 a
a a de6|IOi> nov I0*;n a
> de 4 fOOtl..... 9|no a
PrrtlM Palacci.......... 2(>30 a
a Pesos coluHinares... 2/U30 a
u Ditos mexicanos ... ifsan
a Miuda........... U9J0 a
Acces dacomp.do tlrberibede 101000 r*
6>d.
*n mes.
JDlm-0
11;. ,"
te|3oo
flJlOO
|*040
I|040
1|940
.aopar.
DIARIO DE PERRT AMBUCO.
yjLjmOffW
PAriTE OFFICIAL
B1SPADO DE PERNAMBUCO.
D Jo/lo da l'uri ficucSo Marques Perdigdo, cnego re-
arante de Sanio Agoslinho, par grara de-Dos e da
Sania S Apostlica, bispo de l'vrnambuco, do conce-
Iho de S. M. I. C., ele, fe. ele.
A lodosos nossos diocesanos sade, paz o bengflo
empome tic Jesus-Chrsto.
Fsitam-nos cxpressOes cm que tieveriamos signi-
(icar-vos, dilectos diocesanos, o jubilo o prazer es-
rilual que nos nspirou n tortura da magnifica e
vencravel circular, rccciilcniente tlirigitla |tor S.
Suntidade, Pi IX, a lodos os prelados do orbe ca-
ihnlico, na qttal, exprimindo os. niais cxcellentes e
anectuosos setilimenlos em obsequio da grey uni-
versal, da qual he digno dieta, exltorta com pater-
nal solicitutle os filhos que a Providencia Ihe conliou,
para osattrahir ao cumprimento de setts deveres,
demonstrando o raais activo zelo pela salvagflo de
suas almas.
Prximamente elevado a cadeira pontificia com
goral applauso, nenbuin outro designio tem manifes-
tado, que o de felicitar os habitantes no territorio
suhniisso sua jurstlicg3o espiritual. Convencido
duque a nica verdadeira ventura de seus subditos
espirituacs consiste na pralica das virtudes e na fu-
ga dos vicios, ingenuamente anhela sua temporal- e
eterna felicidade, admoestando-os a seretn exactos
na lid observancia doS preceitos da lei, pela qual
devem ser julgados cm lempo conveniente, incgni-
to a qualquer vvente, prximo, porm, a todos.
Se alguin dos nossos diocesanos est possuido de
contrarios sentimerUns, considere-so Iludido. Be-
llida por alguns minutos, e se persuadir das ver-
dades que lhe anuunciamos. Itelloxione por alguns
minutos, e rcconheccra como tleve escular a voz
de lio caridoso pai, o mais interessado cntquesub-
si-la un s rebutido, como existo um s Ktcrno
Pastor.
liespcitar e apreciar nsdelbcrac.0es do pai com-
iiuiiii dos fiis chrislflos, que so devem gloriar de
viver alistados sob sua prolecr;rio, he uto tlever, cuja
satisfat;jo esperamos dos nossos diocesanos, con-
vencidos de que nonhtinia rasilo, oti motivo algum
poden) a prese uta i, quo destrua nossa user*tto, e que
somonte a irreligiio, causa motril da relaxaco na
obediencia trcVida, poder manifestar senlimentos
opposlos iiiconlraslavel venlade que expomos.
Somos filhos da esposa dotorjeiro immaculado ?
Dcmonstieitios nossa lidelidade pelo tcslcinnnho de
nossas obras, conformando o nosso procedimcnlo
com a fqueprofessamos.
Imitemos a piedade de venerando vigario de Je-
sus-Christo, que, seguindo os vestigios de scus san-
tissimos predecessores noaclo de sua elevadlo ao
sunimo pontificado, se dignou abrir e patentcar os
preciosos c inexhauriveis Ihesouros da santa igreja
cm obsequio de sens filhos, para os enriquecer dos
does e grabas celestes, das quaes he fiel distribui-
dor, designado immcdiataineiito lal pelo Eterno
Pastor.
Acolhatno-nos, portanto, sob sua vigilante pro-
lec^rio,.rccel)ondo com a maior pieilade o Santo Ju-
bilen, ora denunciado ao mundo orlhodoxo, para que
os filhos de sua prcdileccflo gozem esto extraordi-
nario beneficio, prodigalisado por intermedio dos
prelados diocesanos, a quem, em viilude de santa
obediencia, manila quedeclarcm o presente Jubileu,
providenciando de. tiiatieira que nao seonnltam as
as exigencias presciiplas no respectivo breve, s
quaes nAo salisfazendo os quo se deslinam a lucrar
osbensespiritiiaes, que o indicado Jubileu Ihosof-
lerece, intilmente perlcnilcrfio gozar as grabas con-
cedidas, m
Soja-nos perrnillido commttnicar nesta occasiilo
aos nossos diocesanos a pungente magua, que op-
prime nosso coracHo, quando nos recordamos drf
existenciaigdo muitos filhos degenerados da santa
igreja, que neghm ao soberano pontfice a plenltude
do poder, que elle exerce em virtude da duminac3o,
quft o evangclho Ihe attribue !
Nos, porm, animados do espirito que omesmoe-
vangeho nos inspira, prevenimos os nossos dioce-
sanos contra toda e qualquer nvencSo humana, li-
llia de insidioso egosmo, sempre infausto em sua
inesma origci, confiando quesenegarflo aossinis-
tros intuitos dos que prelendem Iludir os incau-
tos, a quem nossa pastoral vigilancia ora se dirige,
fazendo-lhes ver que as portas do inferno jamis
podem prevalecer contra o poder, que o supremo
rhcfe da igreja calhulica exerco, corroborado com-
petentemente pela solemne prouiessa de Jesus-Chris-
to, demonstrada no decurso de l9scculoia ellicacia
deslc-fiortentoso e magnifico dogma, anezar da per-
tinaz tcmeridade e ousada tentativa de alguns cs-
crevinhadores oppostos a esta fulgente verdade, con-
tra a qual nflotecn colindo outro resultado, qoe o de
consliluirein a sania igreja no brilhaiKe oslado do
triumphardese'us mui gratuitos nimigos, de.cuja
ileploravel allucinagao e lastioiosa incoherencia se
serve a Providencia para a manifestar mais gloriosa
o inexpugnavel contra as sellas da perversidade, con-
terindo-ihe inaravilhosos triumphos o victorias, as
mais assicnaladas; nfm pelo ferro, ou rugo, mas pe-
la i-loria dos luminosos soTrimentos e pela pacieu-
eiat assaz recommendada pelo autor de una relt-
giflo, que foi instituida para felicitar temporal e
eternamente os que gustara as exuberantes delicias
que ella em si mesma conten.
Convm quo'passemos a scienttficar os nossos dio-
cesanos sobreas clausulas, que o Santo Padre exige,
,.ara que o presente Jubileu produza os saudaveis
effeitos que delle podem resultar.
A confissflo sacramental ea digna recepcilo da Sa-
cralissima Kucharistia he a primeira exigencia, sen-
do igualmenlK preceptiva a visitado tres igrejas,
tiesta pastoral designadas, ou alguma dallas por duas
vezes, fuKndoorac.1o por algum espaco de lempo,
parecenihvnos sufliciento O de quinzu minutos. Os
agraciados devem jejuar na qtiai la, sexta-feira e
sahhado, em una das tres semanas, que S.Santida-
de fixot para a ilurac1o do Jubileu, contadas desde
odia vinte e tres docorrente mez. SAo tambera o-
brigados a conceder alguma esmula aos pobres, con-
forme a pnssibilidade de caila um.
Praticados com a maior piedade estes santos exer-
cicios, concede S. Sanlidado a todos os fiis de am-
bos os sexos plenissima indulgencia de lodos os
peccados (como no anno do Jubileu) depois de con-
fessados com verdadeira dr o sincero arrependi-
nienlo, no qual se comprehende a geral retractaqo
dosoxcessos commettidos, comj^Pine proposito de
mais nilo peccar. f
Os navegantes e os viajanMpodem lucrar esta in-
dulgencia, se, logo quo clirfhrera aos seus domici-
lios, prestaren) os exercicios j declarados, visitan-
do duas vezes a igreja cathedral, ou a propria
matriz.
Os regulares eos cidados detidosem carcere, cap-
tiveiro, enfermidade corporal, ou oulro qualquer im-
pedimento, e as recolhidas em seus proprios reeo-
Ihimentos nitopodendo praticar os exercicios exigi-
dos, ou alguns destes, dovem supplicar ao seu con-
fessor coinmutacSo em obras pias equivalentes, o
qual Ihe conceder, estando por nos actualmente au-
torisado para administrar 0 Sacramento da Peniten-
cia, e no caso de mo poder ter lugar esta cutumu-
tacilo as tres semanas fixadas para o Jubileu, pode
o mesmo confessor pror.iga-la para outro lempo
prximamente mais opporluno, impondo mais al-
gum pi exercicio, que os penitentes possam prali-
car. Os confessores gozam igualmente a faculdade
de dispensar da recepCO da sgrala communliilo,
os que anula nfio oram admiltidos a recebe-la pela
primeira vez.
Em virtude do actual indulto, lambem SpaSanti-
tlade concede a cada um dos agraciados secttlirtPs o
regulares, de qualquer ordem, instituto, ou condi-
gno que seja, a faculdade de eleger para este enel-
do
lo qualquer confessor secular, ou regular, approvt-
do pelo prelado diocesano: as habitantes nos reco-
lliimentos deste diocesc gozara o mesmo privilegio
enlreoscoufessorespara ellas approvados, afnn de
que todos possam ser Ijrita e validamente absolvi-
os (no foro da conscicncia, o por esta so vez) da ex-
commiinho, da suspenso, o nutras penas eCOlesi-
asticas era que tenham incorrido, o das censures a
jure, velab hnmine, por qualquer caus i impostas, ex-
ceptuadas as abaixo mencionadas, romo tambora do
todos os peccados, oxcssos, crimesc delictos, posto
que grvese enormes, aimla que especialmente a
nos reservados, Sua Sanlidado, ou a Se Aposto ica,
c cuja absolvicflo, posto que ampia, nao se enlen-
desse concedida. .
Osmesmns confessores estilo por Sua Sanlnladc
auloiisados para coramutarem obras pas e sauda-
veisquaesquer votos anda jurados, c reservados a
S Apostlico (excepto os do castulade, religiilo, 0
obrigaco que Mr aeccita por lercelra pessoa, ou nos
quaesse Irale deprejuizode lerceiro, una vez quo
Mtes volos sejara perfeilos e absolutos; excepto
lanibcm os actos dtyicnitencia preservaliva do pec-
oados, como se di*T salvo se esta commutagno se
julgar que vetilla a ser tal, que refre oammo de
pecear, uo menos que a primeira materia do vol);
importa todava cm todos os stipraditos casos nina
saudavel penitencia o outros pos exercicios a ar-
bitrio dos prodentes confessores, que tambera po-
dem dispensar sobre a irregularidade rontralinla pe-
la violacHo das censuras, nao estando devolvida ao
joro externo, ou podcmlo fcilmente ser devolvida.
Pelas presentes letlras n3o entendo Sua Santidade
dispensar sobre outra qualquer irregularidade, con-
trahidapor dilTerentes principios, por delicio, ou
defeito, miblco, ou oceulta, ou notoria, e por outra
nrapacidade, ou inhabilidade ; nein anda conce-
der faculdade alguma para dispensar nos casos ora
mencionados, ou habilitar e restituir ao anligo es
lado os comprehendidos nesles mesmos casos, anda
do Wroda conaciencia, nem derogar a conatHuicao
com suas annexas declaragOes, publicada pelo San-
to Padre Benedicto XIV ~ Sacramentum 1'icnUenlta -
quanto a inhabilidade de absolver o cmplice, c a o-
brigacio de o denunciar.
As prsenles lollfa jamis autortsam do algum
modo os confessores para absolverem os excom-
mungados vitandos, cuja cxcontraunhao seja reser-
vada a Sua Santidade, ou Santa Se, a algum prcla.lo
ou iuiz ecclesiastico; os suspensos, interdictos, ou
declarados ocursos era ootras santencas o censuras,
ou oue publicamente forem denunciados, se no tom-
po das tres semanas do Jubileu nao salishscrein seus
respectivos deveres, ou nao concordarom com a par-
te ofTeudida.
e a igreja do Seminario. Quanlo asoutras fregue/.ias
desta tliocese, aos respectivos parochos pertence es-
ta designacrin, na intelligencia de que, nao havendo
tres igrejas, designarlo ditas, e nilo cxistintlo estas,
indicaroosinenle a matriz, qual devem conceder
o primeira lugar em qualquer evontualidade, con-
sultando a cominoddade dos povos com a necessat ja
priideitcia. K para quo seja notoria nossa obediencia
aos preceitos do chefo do christianisitio, cuja raani-
fi-sta predileceflo todos devenios tributar fiel corres-
pondencia e perfeito reconlieciincnto, dUigencian-
do que em nos so realisem seus generosos sentitnen-
tos, determinamos que esta nossa carta pastoral aoja
impressa, e remettidaa todnsos Reverendos paro-
chos tlcslo bispado, a qHcm mandamos, em virtude
ta obediencia quo nos devem, a publiqttein na es-
taciioda mina conventual, o a facam registar no
otnpetente livro, passando a exhortar os seus paro-
hiaiios a que nflo frustrem os benignos intentos de
Sua Sanlidado, quando occorre sanlificago tic suas
almas. Os inesnios lleverendos parochos assignalem
as tres semanas do Jubileu logo que esta receberem,
fazendo-as principiar era um tlotningo.
Palacio da Solodade, ora 13 do raaio de 1817.
Juilo, bispo diocesano.
Govorno da provincia.
EXPEDIENTE DO DA 6 DO CBRENTE.
Officio AoExm. presidente do Cear, declaran-
que o brigue-esciina llenriquela leva para aquel-
la provincia 149 saccas de familia do mandioca, 58
lo milito o 66 to feijo, que aqu foram compradas
por 1:811,777 rs. ; e significando que ordenou ti llio-
souraria da fazenda suspendesse a compra do tacs
gneros, por entender que mo era necessario con-
servar-los alli em deposito, visto jlcrem apparecido
chavas.
Dito Ao inspector da Ihcsouraria da fazenda,
recommendando a execiicSo do> deerrto imperial,
quejiomeia pritneiro escriuturario da mesa uoren-
(kts internas geres at) cluadao Manoel Antonio Si-
moes'do A mata I.
lirtps Aocommissario-pagador, scientifteando-
ri de haverein sido encaininhados asecretaria de esta-
do dos negocios da guerra os seus doua oflieios de
Ji e 28 do mez ultimo ; este comprehensivo do scu
pedid para .ser posto om exceucao nesta provincia
o art. "das nstrticcOes de do maio do anno (in-
do, o aquello solicitante do providencias a respoito
dasquantias neeessarias to pagamento de aluguel
de casas para a ollicialidade do sexto batalhfio do ca-
ladores; e ao de outras despezas, cujas qtiotas se es-
golram.
Dito Ao bacharel Gervasio Gongalves da Silva,
dando-se por inteirado de haver S. U1C, assumido a
segunda vara ciimc desta comarca, por impedimento
do respectivo pro;.irietario de quera he substituto,
como juiz municipal da primeira vara do llecife.
Dito Ao bacharel l.uiz Jos do Sampaio Jnior,
declarando-so sciente de liavor s. me reassumido o
cargo de promotor publico do termo do llecife.
Hilo -k Joaqtiiin Itaplisla Moreira, aecusando rc-
cebido o olllcio em (pie S. S. dava parle tle ter toma-
do conta da agencia da companhia brasileira dos pa-
quetes de vapor.
HiloAo administrador das obras do thealro pu-
blico, facultando a compra da lousa de que precisar o
mesmo Uieatro.
DEM DO DA 7.
Officio- Ao inspector da Ihesouraria das rendas
nroviliciaea, ordenando que mande entregar ao cat-
cereirode cadeia desta cidade a quantia de 565,540
rs. para pagamento do.t|tie se despenden em o mez
prximo frailo com o sustento e curativo dos presos
pobres.--Tambera se tielerminou ao coinmissario-
pagador intlemnisasse o.referido carcerciro de rs.
112,800 gastos com os presos das Alagoas eMaia-
nhilo, que na mencionada cadeia se acham deposi-
tados; o participou-se ao juiz de direifo chote de
loljcia.
Dito-Ao director do lyceo.determinando que, por
emquanto, o adjuncto Ignacio Francisco dos Santos
subslitua os professores de latiin e lingoa nacional;
o adjuncto Antonio do .Nascimenlo Keiloza os de pbi-
loeopllia e geomolria; o adjuncto Candido Aulran
la Malta o Albuquerqtio os de rhetorica o geogra-
pTliaj o o adjuncto Joaqun Antonio do l'aria Abrcu
o Lima os de inglez e franecz.
DitoAo administrador tas obras publicas, orde-
nando encarregueaoengenheiro Manoel Ignacio de
Garvalho Mendonca a organlsacSo da planta c orea-
ra en lo da eonlinutjeflo docajis do llamos, para que
votara a ossembla provincial a quantia de 4:000,000
de rs.
prud
genle
Se, porm, no prelixo termo das tres semanas, por
udeiilcjuizo do confessor, nilo fr possivel usta ur-
mle saiisracilo, concede Sua Sanlidade, que taes pe-
nitentes possam ser graciados com o beneficio do
absolvicflo no foro da consciencia, tilo somonte para cor
o effeilii do conseguirem as indulgencias do Jubileu, da
sempre presuposta a obrigaeflo da competente sa- .'
tisfaeflo, logo que esta possa ter
As igrejas por nos designadas |
lugar.
,a para as visitas; exi-
gidas durante o lempo do Jubileu sflo: na fregtiez.a
da Boa-Visla a matriz, a de Nossa Senhora da Gloria,
c a da Soledade. Na de Santo-Antonio, a matriz,
San Pedro, San Francisco, ou a do Hospicio do Nossa
Senhora da Penha, ou a do Carmo. Na de San-Pedro-
Goncalvcs, a matriz, Madre de Dos, o Bom Jess.
Na cidade de Olinda, a Ulhedral, San Pedro Marlyr,
EXTERIOR.
MUTILADO
NOTICIAS 1)0 RIO-DA-PBATA.
Montevideo, JO do-abrl de 1847.
Tvemos hontem noticias do Uruguay at o 1. do
corronlc. Conlirmam o prximo regresso do (.alan
sua missflo junio ao governo do Corrientes.
Servapdo Gmez eslava para passar para Entre-
Ros. Dizepi uns que por estar (lente, e outros que
por estar furioso, cm consequencia do ter nonteado
Oribe outro offical para coininandantcgeral do Pay-
sand. ...
Confirma-se tambcm,a sublevagilo intentada pelos
prsioneiros do Salto, que Uquiza rinha incerporado
a sua escolla ; foram perseguidos e prenderam-so-20
que lrqui/a nftndou passar pelas armas; tres nSo
foram feridos pela descarga, c Urquza perdoou-lhes.

Dma das cartas que vimos com dala de 21 do margo,
diz que os sublevados erara cm numero de 300; que
os capitaneava Caraballo, c que alen tle 18 que fo-
ram presos, conseguirm passar para a Batida Ori-
ental no passo de San-Jnse.
Servando (iomtv. foi substituido por Quintal no
mando da divisao o coronel Granada foi com a sua
para oltnco-de-las-Galliuas. I). Ignacio Oribe es-
lava poetado desde Mercedes at San-Salvador.
As guerrilhas da praga do ('ominandode Mundell,
em IVnga do 300 a 401) liomoiis.oceiipavam os montes
do Quoguay.
As noticias de Bucnos-Ayres sao de 8 do corren-
te. Oque do mais importante nos ettmmuuicam va-
rias cartas lie que llosas mandara ordem a Urquza
para fazer retirar inmediatamente de Corrientes ao
Coronel Galn, para exigir do governo correntno
que aceite as condignos dictadas polo govcrnatlor do
Biicnos-Ayres, e no caso de repulsa, para invadir ja
aquella provincia.
A casa pe lotcente aos lierdeiros dos finados Quc-
vedo oAlsina e que llosas embargara, tinlia sido
cedida gratuitamente ao coronel Rodrguez, agente
boliviano. Morlo este, do modo que todos sabetn,
cedeu Rosas a casa com todos os movis.....a quem ?
Ao ctete de polica que formou o sumraario sobre a
sua morte.....Heranga legitima.
12 de abril.
As noticias que por uenos-Ayrcs recebemos do
Entre-Ros e Corrientes leem algum Interesse. Bati-
fica-se o annunrio de que llosas niaudot ordem a
llrquiza para invadir Corrientes; foi expedida no
da 6 ou 7.
Extraordinaria he, c realmente indelinivel, a st-
luacaode Corrientes. Os rmaos Madariagas gover-
nam s era nomo; toda a provincia Ihos lio contra-
ria, e, oque he mais, recusa obedocer-lhes desdo
que se lornoii geral a persnasiio de que quizeram
siibmetler-se a Rosas. Con entes, segundo as noti-
cias (pie temos, pode considerar-se ja em estado do
msiirrcigiro. Desesperando os Madariagas de conse-
guir que os Correulinos niudassem a sua gloriosa
legenda pela divisa que representa a sanguinolenta
barbaria tle Rosas, rocotreram ao arbitrio do decre-
tar quo nflo se ususse tle divisa ncnliuma.
13 de abril.
Oblivcmos novas e recentes informages sobre o
estado de colisas em Corrientes. Segundo ellas, os
irmflos Madariagas, a vista do uniformo o inequvo-
co prontinciamento da provincia deelararam-so
tambera contra as prctengoes de llosas, relativas no
pacto do Alcaraz. Nos pri mei ros dias de margo reu-
nirn em San-Roque os rhefes militares, e parece
quo expo/.eram o estado dos negocios e as condi-
gOes que Rosas exiga. A decisilo contra essas pre-
lengoes iuiquas foi tflo uniforinecomo enrgica.
Iloulum, as 4 horas da lardo empenhoti-so no
centro da linda tima forte guerrilha, occasionada
por urna emhuscada posta pelo iniraigo. Ofogo du-
rou 20 minutos, lindos os quaes, foi obrigado o ni-
tnigo a retirar-so.
14 tle abril.
Ilonlcm fez 12 anuos que llosas foi Horneado, por
5 anuos, govcrnatlor de Buenos-Ayrcs, com facili-
dades extraordinarias, ca consequencia de um rao-
tim militar que dirigi contra0 governo legal do
general llalcarce. I). Manoel Oribe, inltlulado defen-
sor da independencia oriental, celobroil liontem esto
an ni versarlo. embandeirando o sen quartel-gene-
ral e acampainenlos. lia 15 dias cele brava com
iguaes demolslragoes o anniversario natalicio de
llosas; boje celebra oda sua dictadura..... E haver
quem diga que Oribe he um lente de Rosas, quem
ouse negar quo he cliefe.de una repblica indo-
peudcnlu '! Que alrevimento !
{Comercio de Vala.)
(Jornal do Commercio.)

INTERIOR.
CORRESPONDENCIA SO JORNAL DO COMMERCXO.
t\ageu ilc S. -II. o Imperador.
Ilaborahy, 28 de abril.
As 4 horas servio-so o janlar, para o qual foram
convidados o Sr. Jos Rcmardino Pereira, o juiz do
direito o Sr. Lisboa c o guarda-roupa Joronymo Al-
raeida.
As 5 1,2, depois da parada da guarda nacional,
S. M. racebeu acamara municipal, cujo presidente
recilou lira discurso de felicitagao. Selio-se o dis-
curso do juiz do diroilo o o do presidenlo da cmara
municipal de Marica. Depois hoiivc bcijamflo, ea
elle foram admiltidos muitos ctdadaos eosolhciaes
da guarda nacional.
As 6 1 2 9. M. foi assislir ao Te-Dcm, sendo pr-
gador o joven padre l>r. Moniz,cujoserm0o nenhuma
rclagiio leve com o objecto.
A' noitc houvo thealro. Depois do hymno cantado
pelas cmicas, represenlou-se o Marinheiro de S. Tro-
pe:, fazendo o papel do marinheiro o insigne actor
Joffo Caelano dos Santos. Os camarotes estavam
chelos de senborap, que, no momento de apparecer o
Imperador na tribuna, acompanharam com os seus
lengosos vivas dados a S. M. ea S. M. a Imperatriz.
Na platea liavia pouca gente, porque o encarregado
dessa parle, dos festejos, asscntou em vonder os b-
Ihcles a 10^000 ris cada um; em consequencia lis-
so houve qucixas amargas contra o especulador.
Logo depois do hymno o Sr. D. Macedo recitou
urna pega de versos de sua coniposigao, que milito
agradou.
Alero de outros festejos havia na entrada da villa
um lindo arco, em cujos lados algumas menidas ves-
tidas do branco lancaram llores sobre S. M.
'
t
_


I
ta
t.
pi
y
y
a
I
"




,
39 do abril.
Pelas 10 e mc horas da mariha, S. II., acompa-
doccnlomente vestidas, que, apeando-so do*caval-
lo, dert m vivas aS. M. e o seguir*). A'roaapor
oi.de passou S. II. eslavam semeadas de ores o 10-
Ihas e as janellas das rasas guarnecidas de colchas
,|e damasco. S. M. hospcdou-se. ni Casa do Sr Ma-
nnpl Teixeira de Canal lio ; e entrada ilo salilo loi
rerobido pela senhora do Sr. Teixeira, e pelas cunha-
das do senador Rodrigues Torres, que liveratn n Hon-
ra de heijara mfo a S. M. A casa, que he vasta, aena-
va-se hem arranjad, e o aposento de S. M. ricamen-
te preparado. Km face da residencia imperialliavia
mu crelo, onde a banda de miisica, pe tcnceiite ao
halnlhilodo Candelaria da corlo, toeava lindas pecas
de msica. S. II., denota de descansar, sahio a pe a
passear, acompanbado de povo e do l)r. Bernardino
Rodrigues Torres, que, ao lado de S. II., (lava as ex-
plicacOesque o Imperador exiga sobre ocqrnmer-
' ci, popillacRo e recursos do lugar. S. II. fui sompro
laudado rom enthualaaticos vivas por onde paasava,
e inmensos fnguetos anniinciavam lo longe O pra-
zor e satisfago dos habiantes por t;10 honrosa vi-
sita.
A'tima hora S. II. assistio ao Te-fe'im, que tof can-
tado pela msica quoveio do Rio-de-Janeiro, sendo
prgadnr Fr. Antonio do Corceo de Mara.
A' porta da groja S. II. entrou debaixo do palliO,
sustentado pelos cidadfios agentes dos festejos; e an-
tes de entrar no templo, vieram-lbc ao encontr
seis meninas, das quaes nina, olTercceinlo a S. II. um
ramalhete de era vos, dirigio-lhc nina pequea illo-
cucilo. A igreja eslava licm armada, e o camarini
primorosamente arranjado.
Depota do Te-I)tvm, S. II. voltou a casa de sege.
As 2 1,2 horas servio-se um magnifico juntar, sen-
tando-se ao lado de S. II. a senhora do Sr. Teixeira,
as cunhadas do senador Joaquim Jos Rodrigues Tor-
res, e defronte de S. II. o dono da casa. Timben) t-
veram a honra dejanlarcom S. M. oDr. Bernardino
llodrigues Torres, seus millos e o Dr. Faria.
As 4 horas S. M. despedio-sedas renboiaso do Sr.
Teixeira, e regressou para llabo.-aby, onde chc-
gou as 5.
Kstes festejos foram dirigidos pela familia do sena-
dor llodrigues Torres e por mais alguna cidldfios.
O senador llodrigues Torres nao pode lera honra
de assislir aos festejos. Vio-se obrigado, pelo estado
de sade da senhora, a licar em caniinho nodiaem
que se diriga ao l'orlo-das-Caixas para receber S. II.
A' notu liouve baile em palacio. S. II escollieu
para sen priuieiro para senhora I), liara Jos, esposa
do deputado lloniz llarreto, o para segundo, a cu-
nliada dodilo senador. Dansou asconiradansas com
variassenhoras, perlenreutes us familias mais dis-
lirfctas Jo lugar. O baile terminou s 2 horas da ma-
drugada.
Corffrr 3 de abi I. g
As C horas da'manli.la S. II. parti deltahonahy e
rbegou a San-Goncalo isn 1/2 -F.inrasa. do revereW"
do vigario desla freguc/.ia, onde S. II. almoijou, acha-
va-sc um concurso numeroso de cidaJilos, e a dopu-
taQlo da assembla provincial.
As II seguio S. II. para Nilherohy, e ahi chegou
ao meio-dia. A rcccpc,io de S. II. fui brilhanl'issima.
A" porta do palacio foi S. II. reccbulo pela assembla
provincial, cujn presidente dirigi a S. I| um dis-
curso, ao qual S II. se dlgnou responder:
a O virdes em corporacflo congralular-vos rommi-
go no momento de iiiiuha chegada be una decidida
prova do amor e lealdade que me vola a assembla
provincial: estes sSo os senlimenlos da provincia
que representis, onde em todas as partea per inini
visitadas eiicontrei o mais cordial acolhimeulo, re-
gozijiodo-me porvr queprogride a pasaos largos,
na carreira do engraiideciiuenlo, para o que tanto
tem contribuido vossa sabia e esclarecida coadju-
vacilo.
Depois da parada da guarda nacional, S. M. ileu
bcijannlo; o a elle concurren grande numero de ci-
dados, empregados pblicos e a corle.
As 3 lloras foi servido um magnifico c esplendido
jantar, para o qual fui convidada acorte, ministros
O concelheiros de estado. As 5 lioias huuve Tc-Ueum,
sendo plegador o reverendo couego llarcellino l'iulo
Ilibeiro.
Durante a ceremonia religiosa, dous mijos colloca-
dos em face do camarim inceusavain o Imperador;
edeoutro lado achavam-se algumas meninas rica-
mente vestidas de branen, que liubam biabado llics
sobre S. M. quando paSIOU pela tea para a igreja.
Depois do Te-Ieum foi S. Al. assislir a correr agoa
pela primeiravez nos dous chafari7.es dos largos da
Memoria c de Marlim Alfonso.
As 6 1/2 S. II. embarcou na grande galeota, ese
dirigi a curie Desembarcou no arsenal de mari-
nl)a, aseguio immediatainenle paraSar.-Clirislovlo.
Assembleas provinciaes.
Os Srs.: visconde de branles, Vasconccllos e Ro-
drigues Torres.
CMARA DUS SKNIIORES DEPUTADOS.
COMMJSSES.
Conslituicdo e Poderes.
Os Srs.: OUoni, Urbano e Nunes Machado.
. \* do Orcamento.
Os Srs. : Saturnino, Antflo e Amaral.
t.* do Ornamento.
Wanderlor, Souza Fcanc;a e Machado de
Os Srs.
Olivcira.
.3.' do Orcnmento.
Os Srs. : Getulio, Cocino e Oliveira Lisboa.
i.' de Contal.
Os Srs.: Tavares Bastos, Villela Tavarcs o Bello.
2.* de Cotilas.
Os Srs.: Jos Pedro da Silva, Gavillo o Carrilo.
3." Os Srs.: Stockler, Tobas c Souza Quciroz. .
Vengues e Ordenados.
Os Srs. : Alvarenga, Valdetaro c Jorge da Silva.
Fazenia.
Souza Martina, Souza Franco o Mariz Sar-
Os Srs.
ment.
Os Srs.
raz.
Os Srs.
Os Srs.
Os Srs.
Os Srs.
Os Srs.
Os Srs.
Os Srs.
vares.
,lu-ii\ti civil.
Iloura MagalhiTos, Cerqucira Leite c Fcr-
Jnslica criminal.
I.impo de Abren, Vega e RnbOUCas.
Marinha e Guerra.
Coclho, Carvalho de Mendonr/a e Gavillo.
Itedacco.
Lopes (ama, Odorico e Costa Piulo.
Cmaras municipaes.
Coellio Bastos, Sccco c Santos Almcida.
Assembleas provinciaes.
Viira da Cunha, Souto e Lopes Netto.
Commerrio.
Comes dos Sanios, Ilibeiro c Jansen.
huirucc'm publica.
Torres llomein, Magalhiics c Mouiz I a-
Saitde publica.
Os Sis.: Gomes dasSantos, lleirelles e.Mcllo Franco
Estalislica e Calchese.
Machado do Oliveira, Marinho e Vieira
Os Srs.:
Rodrigues
Os Srs.:
Pimcnlel.
linas e Bosques.
Carvalho, A y res do Nascimcnto c Barros
Negocios ccclesiaslicos.
l.ljsnq oqn.de, Pompeo e Marinho.
.- Viiicpes. .
llonjardin;'Ferieifa uo'-CalrS'-^PSni*
Iixame do Ihesouro. -' **
OsSrs.: Pinto Coelho, Alencar e Cimba Azevedo.'
Os Srs.
Os Srs.
piona.
Mallos.
beiro.
lU-DL-JiMilUO.
SENADO.
oommis8x8.
Conslituicdo e Diplomacia.
Os Srs: visconde de Olinda, Carocho Le5o c Mello
Fazenda.
Os Srs.: llaia, Araujo Vianna e Alves Branco.
Legiskfdo.
Os Srs.: Lopes Gama, Araujo Vianna e Miranda Ri
Marinha eGuirra.
Os Srs. : conde de Casias, Saturnino e Lima e
Silva.
Commercio, Agricultura, Industria e Artis.
Os Srs.: viscondede Olinda, Alinoida Torres e con-
de de Valenca.
Instrucco publica e Negocios ecclesiasltcos.
Os Srs. : Monleiro de Barros, Miranda Ribeiro e
Lopes Cama.
Saude publica.
ItanhSm.1 I>acsdoAndrade' Nabuc'> emarquez de
Ueduccdo das leis.
torre!'' Ar*U V'anna* <;arneiro ,cn Almcida
Eslalittica, Calchete e Colonitacdo.
jo vana! Rdrigue8 Torrc5MLranda R'eroeArau-
C'oirt.'spoiiilciicia.
Srs. Iledaclore.i: Occorrem fados na villa social,
cuja publicidade he tanto mais necessaria, quanto
inaioragravidade daoflenai que ellesaoarretam a
oiilem e trauquillidadc publica.
I'm desses factos, um faeto tjno pode ser classifica-
do como urna Violacfio o ultraje os mais completos a
um dos mais sanios e respeitaveis d'enlre os nossos
di re i tos; um dos direitos mais garanlidos pela le,
como um dos mais importantes a vida social; um fac-
i finalmente que devo merecer e chamar toda a at-
ientan, no so los particulares, mas anda princi-
palmente das autoridades publicas, quem incumbe
velar na mauutcn(,'.1o e respeito devidos lei, acaba
infelizinenle de passar-ae em minha prtfprn casa,
na ra Imperial, em o da 14 1I0 corrente, pelas nove
horas da manlifia,e da maueira porque mu fielmente
passarei a expr.
Tendo ou ajustado a compra do una carga de fa-
rnba coin mu malulo que a vende-la casualmente
paasava, ja havia feito dcacarrogar, quando appa-
recem dous individuos, a que cliamam corrcl'ores,
oque, sob pretexto de que dita farinhadevia ser con-
duzida pra(B, tentaram fa/.e-la carregar de novo,
ao que fortemente me oppuz, nio smente reconhe-
ceinloasua incompetencia para asslm f.izercm-no,
mas anda convencido de que a familia ern quesillo
nilo levara o destino que se Ihe dizia querer dar, e
que apenas serve de pretexto para impedir quo os
malulos vendam o sen genero quem bem Ibes
aprouver, cassim certos individuos apparentemehto
encarregados pelo inspector do Aterro, Filippe Jos
de Souza, com quem.parecem andar contuiados, de
os condiizrem a pra^a, possam livreiiiente condu-
zi-los certos particulares, de quem por esse traba-
Iho recebein um certo lucro de corrotagem. Assim,
vendocllea, que nada podam por si sconseguir,
dirigiram-se, segundo creio, ao referido Filippe, a
quem sem duvida alguma noticiaran! o innocente
roubo que eu involuntariamente acabava de fazer
sua caixa commum. ,
Felippe, chamado, sem duvida, para remediar
aquello nial, chega minha casa ; mas conhecendo-
me de perlo, o vendo que eu nfo era algum daquel-
les, sobre quem elle impunemente costumn a exer-
cilar todo o furor de sen genio diablico e turbulen-
to, e assim nao lidiando sobre quem vomitar o fel da
colera, que nelle continuamente transborda, dirge-
se minha venda, onde encontrando o meu innocen-
te caixeiro, iutoirainciite eslranbo ludo quanto se
havia passado, resolve fazer cahir sobre elle toda a
explosilo do odio e rancor concebidos contra mim,
de quem entendeu elle assim vingar-sc cabalmente.
I. de feito, entrando pela venda a dentro proroin-
po em mil insultos contra o innocente caixeiro,
chamando-o marinheiio,infame,negro,ladriloe inul-
tos outros nomos,que a decencia manda calar, acom-
panhados pela anteaba que conlinuainente Ihe fal
zia, doqucbrar-lhea caa com um chicle; pois,
era de chicote, e nfo de pao, que, dizia elle, cos-
tumaya a servir-se para dar em marinheros; e
arraslrando-o para fra da venda, apezar das instan-
cias que einpreguei para aco.mmoda-lo, conduzio-o,
sem.ao menos permittir-lhc que se vestisse ilcceu-
lenieule.iiiiacasa do Sr. subdelegado de San-Jos,
empurrand0-0 adianle de si coin o cabo, de'sse chi-
cle, com que elle ameac,a o inundo inteiro, e con-
tinuava a amea^ar o pobre caixeiro,que, victima in-
noeenio, era levado como um martyr sem proferir a
mininia palavra no meio dos insultos mais atrozes, o
reitosom voz tilo alta, que attrahiram as jajrCIlas lo-
dos os moradores ila ra Augusta, compadecidos do
solTriineiito (leste que marchava debaixo do peso da
ignominia, como a victima liante doalgoi,,e revol-
lados pelo procedimento d'aquollo, cuja malvadcza o
insolencia silo assaz condecida e proverbiaes.
Kslefacto, porm, se bem qu'allamento crimi-
noso, como olTensivo a um dos mais sagrados dP-
retosndviduaes.--o direito de lib-rdade, nilo rc-
voltou-me tanto, quanto o procedimento do Sr. Pes-
soa, com quem mo fui ler mesmo na occasio em
que sua presenta era cnnduzido o meu caixeiro,
cuja soltura Ibo pedi em termos mui polidos, roo-
rindocom Inda a verdade o acontecido e conclu-
indoquoiim boniem como o tal inspector nilo de-
via por mais lempo ser conservado em um lugar,
enjn desompenho t:lo admiravelmenlo contraslava
com a ndole perversa que nelle so havia desenvol-
v lo.
Mas, queresposta me havia de dar oSr. Pcssoa '!
Que nio soltava o meu caixeiro, porque eu o havia
insultado, bem como ao seu inspector, quem nfo
demillia por ser um homem valente, e capaz de per-
seguir assassinos c ladres !
Parece incrivel que semelhanle rcspjbta tenha si-
do proferida por um funecionario publico, sobro cu-
ja intelligencia e probidade a snciodade, cheja do con-
lian^a, dorine tranquilla sombra daesperaiiQii do
mais liel cumplimento da lei e da justicia, do que o
ha feito guarda o depositarlo.
Atienda bem, o Sr. Pessoa, quo a sua resposta da
como consequencia necessaria dous corollarios, que
se podem resolver em um dilemma, onde vai succes-
sivamente naufragar a sua-reputacao, ja cono ho-
mem do intelligencia, j como magistrado probo
e honrado.
Atienda mais o Sr. Pcssoa que essa protecglo
assim i Ilimitada, e nio seise ate escandalosa, que
S. S. tem prestado ao seu inspector predilecto, tem
sido quasi a nica causa dos innmeros insultos fei-
tos mesmo a pessrfagradas e respeitaveis por csso
inslenle, em cujos Tactos a cada passo se revela o
genio turbulento o provoxador, quo tanto o carac-
lerisa.
Assim, he de esperar que o Sr. Pcssoa, sob pena de
carregar com a mais criminosa cumplicidade as
malversares do seu inspector, deinilta-o para sem-
pre ; e par isso concluir!, aconselhando ao Sr. Pes-
soa, que quanto untes repula de seu seio essa vi ho-
ra mortfera, que, se boje lambe a inflo que a alaga
e prolego, amanbfia ha de procurar mordo-la ; por-
ue, lilha do crime e da trafcjto,e amamenlada com
O fel do odio e da vio-,nica, lulo pelisa SCIlfO para O
mal, edesconhece todos esses senlimenlos nobrese
generosos que s a homens lio dado possuir.
Manuel Joaquim Ferreira Esteces.
*
i*: .l)lic.ic;io a pedido
No el a 17 do corrente, pelas G ho-
ras da manhSa, as portas da mora-
4hMC)*sle se a lu rain para receber
em se Ja'- scio divino a alma pura da
juin'cass z chorada esposa, mai ca-
riohoaa e lerna, a inelhor e mais
grata das amigas, a Ulm." Sr.* D.
Candida de Souza Almcida Jordao:--

tnorreu !! E na sua hora derra-
deira, cliamando sua presenca o
esposo que idolalrava,, duas (illias a-
doradas e'cjualro fillios, que com-
plclavam a sua niaior gloria nesta
vida, com o sorriso dos justos nos
labios, c a pureza dos anjos no cu-
raran, anda urna vez lliesrecordou :
ao pr i metro, ol'uttiro de suas lilli.s
queridas e amantes fillios, e a estes
a fiel observancia de suas sas don-
trinas Que painel doloroso !
A mi pouco vulgar quasi suc-
cumbindo ao (yranno golpe da terri-
vcl Parca, despedindo se daquelles
a ini 111 derao ser e mais amava nes-
te mundo, e estes debulbados em a-
margo (iranto, receben do a sua ni
rna ben;ao, o seu suspiro ultimo....
Mil lagrimas
ra... A trra
l'or o seu uiti'to admirador
/. O. M J.
sobre a sua scpultu-
be seja leve.
-----
C0MV1E
5>
Alfandega.
RKND1IIE.NT0 DO DA 19........... 8:570,75*
Descarregam hoje, 20.
Marca Ligeira pedra.
Ilrigue -- Indian mercaduras.
Vapor Varense dem.
Uarca ~ Golden'Fleece idem.
Consulado.
RENDIMIENTO DO DA 19.
(.eral...........
Provincial.......
Diversas provincias.
1:738,453
721,253
62,978
24622,684
.11 (tv i ni en lo do Iorto.
Navios sahidos no da 19.
Maranhiio eCear ; biigue-escuna brasileiro laura,
cap lio Antonio Fel reir da Silva Sanios, carga
assucar e mais gneros. Passageiros Manuel Nunes
de Mello, Cuilherme Augusto de Miranda, Jos
Joaquim Carneiro, Jos Antonio Rodrigues Fer-
nnndes do Carvalho, Portuguozes Manoel CavtL
canti de Alhtiquerqne, Jos de Agreln Goveia, Joa~
qiilrri Jos Machado PineiitcJ, bacharel Joflo Anlo
nioMvea, Vicente Joaquim de Lima Wandorlcy"
Itrasileirns. ''
Jlcclaracoos.
O vapor Paraense recebe as malas par
os partos do Norte hoje (29), pC|as o
horas da tarde.
PAGADORIA MILITAR.
'D'ordem do Sr. coronel chefo da pagadoria mili-
tarse faz publico,quc, tendo de mandar o mesmo Sr
fazeroconcerto.de quo procisa o paiol da polrort*
do forte 1I0 Ruraeo, como Ihe ordenou o Exm. Sr,
presidente da provincia om oflico de 12 de desla mez
sob a directjfio doSr. segundo lenlo do imperial
corpo de engenheiros Jos Rasileu Noves Gonzata
so fazem necessarios para o referido concorto os nw-
teriaes que constam da nola'abaixo escripia que lhe
foi remedida pelo mesmo Sr. segupdo lente: em
consequencia o Sr. coronel convida as pessoaa que
liveremos referidos materiaes, a que comparecam
nesta pagadura,no dia 21 desle mesmo mez,para de-
clararen) os prego por quo os dfo, capreseutarem a-
mostra da ardosia, a lim do mesmo Sr. segundo l-
ente reconhecer a sua qualidade e prcio, para o quo
so achara presente; o bem assim convida olllciaes
de carpina, constantes da mesma nota, e pessoa quo
queira, soba direcr3o dita, encarregar-seda referida
obra.
Pagadoria militar de Pernambuco, em 15demao
de 1817.
O oflicial da mesma pagadoria,
Joio ArsenioBarbm.
/7. Sr. Remedo a V. S. a inclusa nota dos ma- 'I
leriaes vi operarios, que me parecom necessarios para
o concert do paiol do forte do Buraco, segundo as
ordena que acabo do receber. Dos guarde a V. S.
Quartel de minha residencia, Hdemaio de 1847.--
Illm. Sr. coronel Jos de Jlrito ingle/, pagador mi-
litar desla provincia.--. O bachareUns Basileu Netet
Gonziga, segundo lente do imperial corpo do en-
genheiros.
11 Nota dos materiaes para o concert do paiol do
forte do Huraco, o dos operarios necessarios :1,656
rectngulos de ardosia, 011 luisa, de 10 pollagada
sobre 8 de largura ; 12 enchameis ou mfios Iravessas
de 25 palmos; ta travs de 25 palmos, e 7 sobres
pollegadasde face ; urna ter?a de 36 palmos, eTe
8 pollegadasde face; um frechal de 36 palmos, 7 e
08 pollegadaado face; quatro a sois alqueiresde
cal; cinco mil pregosripaes do reino ; pregos para
o madeiramento. Para demolir: dous carpinasedous
serventes. J'ara a obra: os meamos, monos os ser-
ventes nos Iros ou quatro primeiros das. Para re-
tocar : um pedreiro e um servente.Conforme.--
Joaquim Marinho Cavaleanti (le Albuquerqu*-*
O escrivoe administrador da mesa de rendas
internas provinciaes desla cidade faz constar ato
dos os Srs. proprietarios ea quem mais possa a-1
teressar que do dia primeiro do prximo vindou-
ro mez dcjunho se principian! acontar os 30 dinsj
uleis para o pagamento a bocea do cofre do se-
gundo semestre do anuo de 1846 a 1847 da dcima I
dos predios ui baos dos 3 baifros desta mesma ci-
dade C da povoacan dos Afolados e lindos elles in-
correm na multa de 3 porcenio, na forma da lei, os I
que nilo pagarcm o Berilo de prompto execulados. I
Rccife, 18 de maiode 1847. Clorindo Ferreira Ca-\
Ido.

Sfio convidados os Srs. accionistas da compaa
de Beberibe para se rcunirpin em assembla geral
no-dia 28 do corrente pelas 10 horas da manlifa,
no escriptorio da mesma companhia fim de to-
maren) contasa administra*r;o actual, de elege-
rem nova administradlo, edo adoptarem as medi-
das que julgarem convenientes aos interesses di
companhia. Recife. 19 de maio de 1847. O so-1
creta rio, B. J. Fernandes Barros,
Theatro publico.
SAUBADO, 22 DO CORRENTE.
GIlA.SLili eSPRCTACULO,
I-GHEGIA 11MG1A,
ricamente vestida a carcter; o a qplhor de todas n
la reai
OESCAPIH GERZELIM DA BAHA,
ou
AS ASTUCIAS DE UM LADRAO*. *
_8e_representa em heneficio Avisos martimos.
Para Genova o brigue portuguez Tfirujo-Vr\-
meiro partir at o lim do presente mez : para pas-
sageiros smemento, para o que offerece asseiados
commodose oplrnio trataniento, os pretenden1'
tratem com o capilfo, Manoel de Oliveira Fanrro,
ou comFirmino J.F. da Rosa, na" ra do Trapiche,
n. 44.
Para Lisboa sabe, at o lim do .presente m,
a linda e veleira burea Ligeira, forrada ecncavilha'
de cobre, deque.he capitlo Antonio Joaquim llo-
drigues a qual tem excollciites e asseiados com mo-
dos para passageiros : quem qui/er ir de passagem,
trate com os consgnalas os. Francisco Severiaiuui
Rabel Id & Filho ou com o capitna praja do Com-
mercio.
JJoilis.
-O corretor Oliveira far leililo la mais esplendida
mobilia, consistindo em guarita-roupas, sofas, na-
sas de joco, de mei&do sala, de jantar, aparadore,
cadeiraa, ditas de balanco, lavatorios, commoil.
marquezas.relogiosde cima do mesa, espelhos a
parede, toucadores, pianos, leilos; mangas de.vidro,
lanternas, candiciros de-globo, obras do prala, e ou-
tros muitos'objectos de bom gosto easaaz necessa-
rios : sexta reir, 21 do corrente, na ra do Queinia'
do, segundo andar da casa n. 14, as 10 horas da mv
nh8a.
'**'
;



oMu-rplor Oliveira far leilto, poronleme em
.do Sr. consol de S M. 15., e por conla e
P.rf,en,(' uuein pertenrer, ilo casco da barca ingleza
' I (111601 pe. icn- -"-------- -------------.-------- ..... .. ,.........._,....._........... _
T',ifni i MiiiifloT. Heale, legalmentecnndcmnada co, que ninguem contle com o ca pililo
Srain"'": (e rrUou na sua recente viagem que Francisco da Costa, dono do engenho Torra-!
- I..,.. ....... m.in^^.l.L.lw,;',, I.L. 1.....A.... t*~*~ A
"- n minu "" '- "____l '"B01" 'tuu laucisco uh .osia, unnouoengciino ierra-iov,
peste P"0yj.Zeli!nl} com destino a l.onJres, coin municipio da cidade das AlngOas, acerca los l>ens
fa/;i da rLMCS gurps, ferros e amarra**, a que movis, simoyenlcs, o engenhoo mais bens d-
-XI1 IllSV ____^lUWI ll..l>. ..ifc ... .'A II... .....I ......... I .. sou '"'BUro no ancoradouro.tudo em uin s lote
86 llTorentoSlotes, do veame, cordoalha, vergas
c c"! o ancora e amarras de ferro grandes, botes
miiare us|d()( utensilio e mais pertences da di
trm,* de excellente construccilo de carvalho, en
ta uarc, m rf,i.re. lotario de 387 tone
IIIUVCI3, .'.....IM-MIO, II lll_l'll I Hl I lllll l> l" II ~i UO I"'*-
pertencentes ao mesmo Costa, em rasilo le estarem
os niesmos bens suhjeitos a dbitos de mais de qua-
., tomo contos do tis, vencendo os juros ile 2 por cen-
i- to ao mez, pelo queja os annunciantes promovem
n- execugilo viva no juizo municipal da niesma cidade.
..i..l.. .. .. ..i .....i.... ......,.:. ni. II .kiiinvi snnlnni
........ j. excedente consu uccao ue ciiiviiui, un- eNecug.au viva no juizo municipal u niesma em.-,
!'ar0?' p forrada do cobre, lotagilo de 387 tone- onde o primeiro annuiicianle ja oblivera senlenga
cflviliiaiia nretondenlos podem examinara contra o mesmo Manoel Francisco. Macei 30 de
SS com antecedencia : torc*-foir 85
examinar a
. ., 25 do corren-
tio boras da manbaa, noarmazcm da prensa
*' i* Manoel Ignacio, Forte-do-Mattos.
1 ieilaode una porcilo de bacalho, hoje, 20 do
corrente.'em lotes de 5 barricas..
isos diversos.
Diogo Burnrtt, Leite Sol & Comp., Jos Bar-
bosa de Messias, FranciscoJos Rodrigues Sacavem,
Domingos Lopes ile Amorim, fazem sciftile ao publi-
~) Manoel
Nova, no
je raz
n i77aca"bar-se-lin lojo venda as oito horas,
ni nraca da Independencia, n. 12.
Trarrancan. 11, ob os ausp.c.os do Santa Hila
deCassia.
LOTEMA 00TIIEATR0 PUBLICO.
Fm consequencia de so nilo ter completado a ven-
todo* bilhetes desla lotera, e existirem alguns a-
|d" em ser, o respectivo thesoure.ro de.xo.ide fazer
nnlTectivo o andamento das rodas no da 12do cor-
Inie e o transferio para o dia 29, no qual espera rea-
[sarinfallivelmenlo o dito andamento; e pede a-
ouellit pessoas quotecm marcado o apartado bilhe-
icj nue os vito receber at o da 26.
-Curam-sc radicalmente as dores de denles, mes-
mo estando cariados em cinco minutos : na ra
\ova n. 7, primeiro andar. -
-Aluga-sea casa terrea n; 155 do Aterro-dos-
Afosados, por 8,000 rs. mensaes, com 6 quartos,
d,i/s salase sabida para ornar: a tratar na ra do
' -- Aluga-se o segundo andar da casa da ra Nova ,
n 20 : a tratar na loja do mesmo sobrado.
Qucm precisar de urna ama de leite dinja-se
i rua da Cadeia do Recife n. 19.
Jos Lobo faz sciento que de boje em diante
se .issignara Jos Teixeira Leite : isto por apparecer
outro de igual nome.
-0 padre Leonardo Antunes Meira llenriques,
Lachare! em direito mudou a sua" residencia para
a rua Nova n. 46, primeiro andar onde continua
a advogar no civel e crime e a cnsinar particular-
mente llicnlogia.
Arrenda-se um sitio que tenha proporcOes para
orcuparoffeclivamente 12 a 1% escravos e que nilo
diste desta praca pouco mais ou menos, de urna
legoa : na rua Direita n. 36, primeiro andar.
Arrenda-se o grande sitio o casa de sobrado da
rua do Sebo onde est inorando o Sr. Joaquim Jos
Lourencoda Costa por um ou mais anuos: a tra-
tar na rua do Crespo n. 9, com Jos Mondes de
licitas.
~ Precisa-se de 3:000,000 de rs., com hypothc-
cascm casas livrese desembarazadas i
zer dar annuncie.
Comer Kv'ans & W. A. Dvis, testamenteiros do
fallecido G. P. Manouvrier cnsul americano avi-
samaoscredores do mesmo, que hajam do appa-
recer no primeiro andar da casa n. 7 na rua da
Cruz pr cima do armazem do Sr. Davis & C. ,
sabbailo, 22 do correnle das 10 aleas 2 horas do
din paraserem pagos : ea adverte-seque os ilitos
testanii'iiti'iviis nO sercsponsiibilisam pelas quan-
liasque nfio cstiverem naqnello dia apresontadas
Tambein rogam aos devedores do mesmo o favor de
salisfazerem ( seus dbitos, no mesmo dia e no lu-
gar cima referido.
Na livraria da praca da Independencia ns. 6 o
8, precisa-se alugar um molcque de 14 a 18 anuos,
paraoervieo de um& casa equoseja capaz para
as compras diarias.
O tenenle-coronel Francisco da Silva Santiago
embarca para o Rio-Grandc-do-Sul, em a barca
('iierosa o'seu cscravo prelo de nacflo do nome
Aleximdre
-O vigario Flix Jos Marques Raralho acba-sc
rosidindo, desde o primeiro do correnle mez no
siu sitio Encantado em Bebcribc por causa do sua
saude.
Altengo.
Jos Joaquim de Novaos participa no respcitavel
publico.qup mudou o seu establecimento de alfaiale
du casa dos 4 cantos da rua do Queimado para a Io-
ta n 30 da mesma rua, ondo acacha promptoa
servir os seus freguezescom aquella promptidilo do
costume e a todas as pessoas que ,i sua casa se qui-
serem dirigir; assim como vendo pannos, casimiras,
niadapulos, sarja para vestidos, cortes de collete.s,
luvas do todas asqualidades, lencos de seda c de
cassa, bolfles de todas as quaiidados, rclrozcs, h-
nhaa, e nimios outros objectos que semproha do
haver venda; assim como baver semprc obras
fritas de todas as qualidades.com a mesma perfeicao
dasdeenrommenda. Na mesma casa vende-se al-
paca a 800 rs. o covado ; panno de linbo da Allerra-
nha a 440 rs. a vara ; cortes de cambraia para vesti-
dos, de bonitos padrOcs ; mcias casimiras, asmis
ricas que tecm apparecido, para calcas ; cortes de
gorgurilo, os mais modernos que leem vindo, para
col lelos.
Ufferece-se, para casa de pouca familia, urna
ama que sabe perfeitamontc cozinhar o cngouimar ,
ed fiadora sua conducta: qucm dola precisar di-
rija-se a rua da Carimba, sobrado n. 8.
__DAo-se 6:000,000 de rs. a premio com boas
firmas : na rua do Cabug, loja n. 8, se dir qucm
os da.
Iate(fdo S.-Pedrp, n. 10, cs-
quliin da rua do Fo^o.
Neslacasa, aborta boje compram-se e vendem-
sc escravos por comiiiissHo assim como tambem
trata-se de qualquer negocio do compra ou vendas;
ludo islo por urna mdica commissio, que se con-
vencionar na occasiilo promettendo-se toda a
presteza no desemienbo do qualquer negocio.
--I'rccisa-se de 4:000,000 de rs. a premio, dando-se
porbypolheca uuibom sitio em boa estrada com
todas as commodidados para grande familia, estri-
bara cocheira quartos parafeilore escravos, o
que ronde 600,000 rs. annuaes : quem quizer dar an-
nuncie.
........ | iiiri. iiw millllllvl.llVV ja *#/. .^. ..-... .,--
contra o mesmo Manoel Francisco. Macei 30 de
abril de 1847.
D. Anna Joaquina Lins Wanderley avisa ao
publico, que pessna alguma contrate, e ncm celebro
venda alguma da cngenbnca denominada Mocambi-
que, com o Sr.Jo.1o Carneiro da Cunh Albuquerque
o seu sobrnho Jos Xavier Carneiro da Cunha, pos
a inesina engenlioca se acba penhorada por execu-
C mento de todos, o como quem fizer dita compra lera
de havc-la milla, por isso faz o presentoannuncio.
Aluca-se um bom sitio no principio da estra-
da dos Afllictos, com casa grando o nova, e mais dous
pequenos,com mutosarvoredosde fructo, do todas
asqualidades, bfta agoa, boas baixas para capim,
e Ierra para planlaecs : a fallar com o seu dono,
Itaymundo l'inlode Abreu, no pateo de San-Pedro,
n. 10, ou na rua da Praia, n. 46.
Aula de navogrico.
Agostinbo Fornandes Catando de Vascoticellos
contina a ensinar navegaciio pralica o tbeorica ,
isto he, breves nacOes do arilhmetica, de geome-
tra e de geographia; observaces astronmicas, c
applicaqOes do lodos os problemas de astronojnia
nutica a estas olservaces; solucos das diversas
qucstOes tendendes a resoluco da derrota e ao le-
vantamenlo de plantas, qur pelo calculo trignome-
trico.qur pelas opera^Ocs graphicas, etc., c de-
monstraqaes analyticas as regras estabelecidas para
a resolucilo desses diversos problemas delrignome-
tria plana e espherica; o explicaco do apparelhoc
manobra dos navios, etc., etc. : na la da Praia, n.
55, primeiro andar.
Jos l.uiz dos Santos, por apparecer outro do
igual nomo, se assignara, de hoje em diante, por Jos
Luiz dos Santos Pinto.
A pessoa queannunciou ter una carteira pa-
ra vender, dirija-so primoira casa do Alerro-da-
Boa-Vista, esquerda.ao sabir da ponto, no segundo
andar.
--- Precisarse de um caixeiro
que tcnlia pralica de escriplura-
go e cobrrtela na rua .Nova, u.
28.
Em a noite de i do corrente,. roti-
barain do quintal da casa da rua Bella, n
'|, o se^uinte ; tres camisas de lavarin-
to, com bicos largos, leudo nos (|tiadra-
dosas lettras F. 1 A. L.; algumas c.imi-
sas de madapolao, com as lettras D M.',
- oulras coma marca J. M C.1, alguns len-
quem qui- (.es de linho, loalhas de dito, vestidos e
camisas de meninas ; camisas e ccroulas
de liomein, com as ledras G. S. F.; e
muitas outras pecas aqui nao menciona-
das. Boga-se a todas as pessoas, a quem
qualquer de.-tas pos>a ser ollerecida, par-
tieren, na casa cima mencionada, que
reeebeio alvicaras.
.-- Furtou-se, na madrugada do
dia 1 5 do correnle do quintal
da casa do Aterro-dos-Afogados, n. 7,
um caviillo alaso,
com testa branca, dinas brancas, tres ps calcados,
oque por maior signal tiuha o peilo lodo lerido :
quem o levar para dita casa ser generosamente re-
compensado.
- Quem liver para alugar um sitio com as coni-
i-i. r_. -_.-J................... t......].. i a mu ii. ii
Precisa-so de um escravo cozinheiro para urna
casa estrangeira : na praca da Independencia li-
vraria n>. 6eK. ,
Na rua Nova n.7, primeiro andar, trata-sc ra-
dicalmente das molestias venreas, lano antigs
como modernas, por meio do um remedio nfio mer-
curial.
Frederico Chaves, fabricante
de licores, chocolate e es-
pritus, no Aterro-da-Boa-
Vista, n. 17,
tt'm a honra de participar ao respcitavel publico e
com particularidaile aos seus fieguezcs que tcm
se ni pro grande sortimimlo do bem eonbeoiilo cho-
colate de sado canolla baunilba c ferruginoso,
este muilo approvado para as pessoas quo padecen!
doeslamago o frialdado por ser muilo Inico. O
bom conceitoque tem tidoesto chocolate, (ai com
(\*t' boje participe as pessoas que ainda nlo fizeram
uso delle o igualmente aos seus fieguczcs ,.quo o
leem procurado, e por inconvenientes a nao leem
adiado. Os procos silo sempre os wiesmos, sado,
canda o baunilba a 400 rs a libra, o ferruginoso,
a 1,000 rs. Tambem vendo ago'ardenle to reino o
Franca, de primoira qualidado; espirito do 36 graos,
semebeiro, em garrafas e em canadas ; KOflebrt
em botijas oem caadas ; ago'ardenle de aniz e de
caima; vinagre tinto ago'ardenle em pipas, nos
graos quo quizerem ; licores em garrafas piolas c
brancas com ricas tarjas douradas e bocea pralea-
da; essenciadcaniz.om onc.aso garrafas.
Vende-se um horh e vistoso cnval-
lo, russo, com mnitobonsandaves,e pro-
Uell
AO.
Compras.
--Compiain-sc cdulas en-
carnadas de !0$000 rs., com
pouco descont : na esquina
do Livrameiilo, loja de V* por-
tas.
Compra-se urna raboca, quo nilo exceda {de
5,000 rs., o que nAo soja ruim^ que lio para um
aprendiz :quem a livor annuncio.
-- Compra-se um metliodo para vioblo quo soja
usado, edoautor Canille: na rua do Queimado,
loja de forragons n. 37 A.
Compratn-se cobras de S. Jpfio : no Aterro-da-
Roa-Viala loja'do niiiidezas, n. 54.
Q Compram-se, para fura da provincia duas es-
clavas piolas ou pardas quiO tenbam habilidades,
e nilo excedam de '20 anuos ; e dous mloques que
sirvam para otlicio : na rua Nova, loja do foriagens ,
n. 16 so dir quem compra.
Compra-se a obra Myslerios de Paris em bom
estado : na rua Direita, u. 93.
Compra-so um borro quo estoja cm bom uso
no botiqun) da Cova-da-Ouca, na rua. larga do Ho-
zado n. 34.
Vendas.
na rua estrella do iiozario, n. (i.
Neste eslabdecinicntoacham-se venda as boas
cautelas da bom acie.litada lotera do tbealro publico
desta cidade, para cujas rodas osla annunciado o an-
damento para o dia 29 dosle crrenle mez ; a por isso
convida a todos os freguozes unanles dosle jogo que
nfio podercm comprar bilbeles, a compraren! as cn-
idas, alim pem das sin los desta lotera. Prego das cautelas : de-
cimos a 1,000 rs., o vigsimos a 500 rs.
modidades precisas para urna familia e que
exeedede moia legoa desta praca', annuncu
dirija-se a rua Direita n. 29.
annuncio, ou
Lipl, alfaiate,
na rua larga do liozario, n 40, precisa de olliciaos
de seu ollicio o- recebe aprendizes para ensinar.
Tambem vende pannos, bons brins tramados,
hamburgos riscados, hollandas, madapoles al-
godilozinho trancado linhas de todas asqualidades,
obras feilas, botaos de todas as qualidades, panno
azul muilo superior e velludo.
Peigunta-sc ao Sr. Antonio Fcrrera Li-
ma se be procurador do seu mano o
Sr. Manoel ForreiraLima, nilo obslanlo
a declaracilo cita pergunta no Wiario
n. 107 e 108, quo lalvez partisso de
outrem.
Si *"*
__ Avisa-so aos Senhores habitantes da cidade de
Olinda, quododia 16 do corrente mez cm dianle lia
a vender, na casa do" Sr. Luiz Gonzaga, na rua do
San-ltento, pao fresco, do muilo boa familia, e bem
amassado, as cinco horas e meia da manbla, sendo o
pilo de bom lamanho, feito na padaria de Andre Xa-
vier Vianna, na rua dosGuararapes, n. 4. Assegura-
se aos freKuezes, que ser.ilo bom servidos.
Precisa-se alugar um prelo, sem vicios, para o
servico de casa e rua na rua do Trapiche, n. 8 ou
annuncie. .
Quem livor para arrendar um sitio a margem
da rio Capibaribe com boa casa, estribarla etc.,
e que diste desta nraca urna legoa pouco mais ou
menos com bastante baixa para capim proporcOes
para algumas vaccas de leite e outras coinmodida-
des, annuncie.
-- l'recisa-se de urna preta ou parda que lenlia
bom leile : na rua do Amorim n. 25.
('asa da F
v>'
\ PARISIENSE,
NHV\ E I l'.ll IHM I
para piano : vendo-so na rua da Ca-
deia, loja n. 31 ; proco 50o rs.
__Vende-so urna negra de idade de 31 annos; sa-
ne bem lavare he muilo boa quitanileira; vende-se
porque o dono est para se retirar para Europa bre-
ve: dirija-se ao armazem de J. Carolo & C, na praca
do Commcrcio.
- Na botica da rua do Itangel, vendem-sc os re-
medios seguidles, dos quaes a experiencia tem con-
irmado os melhores ell'eitos : dentilico quo toma
nropriodade de limpar os denlos cariados c resti-
tuir-Ibes a cor esmaltada em muito poneos dias ;
o uso do dito remedio fortifica as gengivas e tira o
mo cheiro da bocea, proveniente nilos da carie,
como do trtaro que se une ao pescoco destes or-
glos ; o remedio he designado pelos nmeros pri-
meiro e segundo : orebata purgativa niui til as
enancase as pessoas de toda e qualquer idade; be
composta de substancias vegetacs, nilo conten
mercurio, ncm droga alguma quo possa prejudicar :
remedio para curar calos, em poucos dias; dito pa-
ra curar dores veneras antigs, e que tecm resistido
ao tralamonto geralmonte applicado ; dito para pro-
vocara menstruaco o accclerar a acco do ulero
idade deO annos, muilo Torte; um dito de 18 annos,
nos partos naluraes em quo nilo se precisa das ma-
nobras scicntilicas da arte ; dito para resolver lu-
*-* mores lymphalicos vulgo glndulas; ditos para
curar boubas o cravos seceos o mais etlicaz quo se
conbece at aqui ; dito oximel de ferro, multo til
naschlorozes, vulgarmente chamadas frialdades;
pos anti-biliososdeManoel Lopes, capsulas de ge-
latina contendo balsamo de cupabiba ; ditas do
olcodorecinospurilirado; ditas de cubebas em p
fino ; ditas de assafelida ; ditas com pos purgantes ;
ditas de ruibardo da China; ditas do sulphato do
nuinino de 1 e 2 graos cada capsula -r algaleas; veli-
nbaselsticas : pilulasde sal do cabacinlio; agna
das Caldas chegada prxima monte ; remedios que
curam a frialdado dentro de 40 das mesmo estan-
do inchado; oleo muito bom para conservar o ca-
bello quc.alcuidenilodeixarcahiro cabello, lim-
pa a caspa e ouio uso continuado-faz reapparecer o
cabello perdido ; pilulas especificas para curaras
gonorrheas clironicas quando a lesflo nilo passa da
ureta ; igualmente um xaropo anti-hemorragico ,
applicado nos casos em que se deltasangue pela boc-
ea. O prego do todos os remedios he mui rasoavel ,
prio para carrinlio : na rua Helia, n. V
Vendcin-se sellins inglezes para
montara de liomem e senhora ; relogios
de ouro e pinta, patente inglez : na rua
da Sensalla-Nova, n. 4a-
Na rua da Senzalla-Nova, n. 4a
ronlinna a liaver um completo snrtimento
de taixas de ferro, batido c coado; mo-
endas, e macbinismo de v.ipor para en-
genho.
Vende so urna porefo de cera do carnauba, em
arrobas o a rotalho; assim como cora amarella o urna
porcilo de lio para redes, velas o lamperas; tapioca, a
,5oo rs. a arrobiv. o em litira a too rs. ; azoile doco,
a 800 rs. a garrafa; dito do crtco, a 360 rs. a gar-
rafa, c a caada a 2,720 rs. ;'e lodos as mais gneros
do venda-. na rua Nova, venda n. 65.
Ateri*o-tla-BoaVsla, n. M.
Vendcm-so bor/.eguins o supatos americanos do_
dauspalas, a9,800rs; botinaemajos ditos, franco"
/.es, a 3,000 rs. e do Lisboa, a 2,000 rs.; sapatos
ata mancados, a 500 rs.
.Ven-dom-se 3 pretas, entro as quaes urna en-
gonmia, cozinba e fazo arranjo de una casa ; urna
parda que eose, eiigomma e faz o servigo do urna
rasa; um prelo perfoilo cozinheiro, e quo.ho
bom criado do urna casa : na rua do Passeio, loja
n. 19.
Vcndc-sc ou troca-so por una casa terrea com
quintal, ou por alguiii pequeo silio com arvones
do Inicio, periodo liocifo, um sobrado novo lodo
forrado, i m mu grande sotiio, paredes dobradas,
cbilos proprios, 0 qnal ronde por mo 34,000 rs.: na
rua cstroila do Itozario, n. 10, terceiro andar.
Corram, corram depressa, fre*
guezeSf ,
ao l'asseio-Publico, na loja nova n. 19, de Manool
JoaquInrPaacoal llamos, que so ada denovamen-
lo sorlida do peebincbas, ludo por nielado do son
valor.como sejam: corles decassas-cliilaa napolita-
na, com 9 varas, a 8,500 rs., o em covadOS a 200 rs.;
cortes do chitas francesas, a I.SIIO, 2,000o 2.400 rs ;
chitas linas para Cobortas, a 1 W, 200 e 220 rs.; ditas
linas para vestidos.a U0,160.l.so,20O.220,2lo o 260 rs.;
riscadinbos IVani-e/es, a 3*0 o2H>rs.; primor com
listras do seda, para vestidos, a 320 rs. o covado;
lencos de cambraia, pintados c muilo grandes, a
100 e 480 rs.; niciosdilos para grvala, de cambraia,
com listi'a 1I0 Cdres e de quadros, a 320 rs ; ditos 111-
teirns para dita, de seda piola, a 1,000, 2,000 o 2,500
rs.; cortos de meia casimira rraneeza, a 2,400 rs.;
ditas irlandesas, a 2,600 c 3,000 rs.; ditos do pollo
do .linho, a 1.400 rs.; ditos do Illa para caigas, I...00
rs.; ditos do sempro-dura, a 1,30o rs.; madapobio
muito lino, a 2.000, 2,400. 2,800. 3.000, 4,000, 5,000 o
5,800 rs.; cambraia lisas do vara do largura, a pe,
ca 500rs., o a vara a 610 rs.; algodiio do listra-
[a 160, 200, 220e 240 rs. ; dito mosclado oazulilo, a
220 e 240 is.; o oulras muitas fazendas peto dimi-
nuto prego do que cm outra qualquer paito.
O baraleiro da Boa-Vista
osla vendendo fna sua loja do Alerro, 11.10, a pri-
moira indo da ponto) fazendas IflO boas o baratas
quecaiisam admiragilo por sua ptima qualidado o
baratos procos, e mesmo por se nilo acbarem em
nutra parle. Ah acharilo os freguozes amigos do
borne barato as seguintes peebincbas: chitas escu-
ras, proprias para vestidos de trazer por casa, a 120
rs. o covado; um completo sor ti monto de outras
mais finas, de varias coroso padraes, a 140, 160, 180
e 200 rs jalgodOcs americanos de lislrs para roupa
le escravos, por screm muilo encorpados o bem lu-
cidos, a 200 rs. o covado; gam breaos para caigas,
fazonda propria da presente estaefio por ser de pa-
dres oscuros imitando a casimira, al.OOOrs. cada
corte do tres ovados e meio ; cassa lisa com vara do
largura, a 220 rs. a vara; dita doquadros c listras,
a 310 rs.: madapolOes limpoa sem avana, fazcna
sotl'rivel, a Oito patacas o meia a pogajncos cortos do
cassa celeste pura vestidos de senboras.a 3,200 rs.; o
pegas de bretanba do rolo com 10 varas, a 1,440 rs.
ATTENCA AO QUE HE BOM E BARATO.
Vende-se caf moldo de superior qualidado,, de
cuatro I ibras para cima, a 140 o a 160 rs. a libra; dito
jpcevada cm porgan de qualro libras para cima, a
140 o a 160 rs. ..libra; diarutosdo rogalia.os melhores
que boje ha, a 1,400 rs. acaixa; assucar rel.nado, a
-,720 rs. a arroba, o a libra a 90 rs.; mante.ga .ng e-
( muito boa, a 780 rs. a libra; cha bjssou.a 2,320
rs a libra; cale de carogo, a 4,000 rs. arroba, o a
libra a 140 rs.; ceva.laom carogo,a 100 rs. a libra: na
rua Direita, n. 104.
Livrosem conla.
Vendem-so os seguintes L.vrps : um missal o.n
muilo bom estado o bem encadornado, p.ir 0 rs.; Pbilosopbio do Laiomigiucro, por 1,600 n.,
( ada-livros moderno, t^^jn^Snnl
Historia moderna, por 1,000; rs ; ^^L"""?
nouvello, por 1,000 rs. ;bAMoptaid Mathi, por
,,000 rs. ; tratado deOporagaes *+^J%*"
rs. ; Vision de 1). Ilodrigue, por 610 n. na la es-
trella do Itozario, loja de enca.lcrnacno
- Vende-so urna casa terrea, con. a rc te e re a
guarda do lijlo, 00 ...ais do laiptJfIW j
Botocolombo, nos Afogados por i*W a
rende 2,000 rs. por mez, ese da a prazo Hala se na
rUiDvSie a engenhoca niacho:das-Iteslas, sita
na reozia o K-Benhora-dO-, do Allinho, da
comarca do Itonilo, cm l-anellas^e-Miranda, por
mo coimnodo, e vendo-so a prazo : trata-so na rua
ni.fia. sobrado n. 29.
... Vcndo.n-se 9 escravos, muilo em conla sendo:
duasmulatinhasdc10al2 anuos; urnadita do 20
annos, de elegante figura, e com habilidades ; um
prelo de bonita figura ; 2 negrinhas urna de 13 an-
uos c a outra de 16 ; 3 pretas para todo o scrvigo :
no pateo da Matriz de S.-Antonio, sobrado n. 4.
__Vondem-so dous escravos do servido .do cam-
po, muito bons o baratos: na rua Direita, sobra-
do n. 29. 1
Vende-se utna propriedade de tr-
ras, denominada Cotia, no lugar do ria-
cho Cavaluba, na comarca do Limoeiro.
Os prelendentes dirijam-se rua do
"711^ O* prelendentes dirijam-se a, n
rUoraH n0SgUnd 8ndar d ^!" 33;to W"^ he"ue,lovem|Qemado, n. x7, primeiro andar.
MUTILALX)



t!___' ____L_______~ =
- Vene-ae cal vlrgm ra mfla barrica chegada
ltimamente ; caixa vasla para assucar urna por^ao
de pesos de ferro, lo duas arrobas ; sei ras grandi s para
errar madeira tudo por proco cojiimodo: na ra da
lloeda, armazem n. 17.
A' 7$000 rs. cada urna manta.
NalojadeCuimarfles Serafim& C, confronte ao
arco de Sanio Antonio, n.5, vendem-se inanias do serla
modernas para scnhnro, pelo baralo prcco de 7,000
rs. cada urna; riscados franceses finos, padres mo-
dernos, a 240 rs. o covado.
IV ra do Colle-
gio, n. 17, loja
de liiolhados.
Kslo estabeleeimenlo abrio-so, lia poucas das e
como esleja com um sortimento de lodos os gene-
ros cotnestivos a seu alcance leva ao conliocimcn-
lo do publico que seu propietario est disposto, pa-
ra chamar a attencfio dos fregueses, a vender pelo
mais mdico preco possivel e talvez sem cxemplo.
Alm dissn alianca-sc que ueste ostabeleciuieiilo |hl
o maiorasseio e delicadeza nos offoitos, para bem
servir seus freguezes : lia bom vinlio do Piulo, Lis-
boa e da Tigueira ; bom presunto para Hambre ,
paios lingoicas azeitonas sardinlias coi veja,
ele ; ludo novo fresquinlin cen cunta; e limito
encllenles queijos londrinos, a 1,700 rs. .muito
fresca es.
Vriiile-sc um pequeo si-
lio do boas torras, com alicer-
ces j promptos e divididos para casa terrea ou
sobrado com a frenic murada o cercado dos lados ,
com dous pos decoqueirose varios de la-rangeiras
e outras rvores de Iructo na projeelada ra Real
que vida ra da Soledadc para a estrada do Man-
guinbo, junto ao sitio do Sr. I'anasco : a tratar com
Jos Anacido, na ra estreita do Rozario n. 7.
IValoja nova do Passcio-I'u-
blico n. 17 ,
vendem-se pecas de cambraia branca lisa, muito lar-
ga elna, com 8Varas c meia, o que muito bem da
a vestidos, a 2,560 rs. a peca. A ellas, antes que se
acabom : depois nao dignm que se fazein annuncios
sem ler a fazenda. Igualmente lia uns riscados de
quadros, de linho puro muito proprios para ja-
quolas, a 400 rs. o covado.
Loja nova, n. fa ,
ao p do arco de
Saiilo-Antono, na ru
do Crespo.
Este estabcleeimento contina a patcnlear aos
scus numerosos freguezes assuas pecbinclias c no-
vamenlc receben um sortimento completo, que est
patente ao publico por procos os mais com modos
possiveis no mercado, notando-se com esperialiiladc
as seguidos fazendas : chales de 10a, liiulissimns
padioes suissos para senhora a 2,000 rs. ; lencos
de (inissinia cambraia pintada o recortados, para
mito de senhora a 400 rs. ; alpaca a mais fin e
lustrosa que existe para sobre-casaca a 1,280 rs.j
um rompido sortimento de pannos linos, pido ,
azul verde, ror de azeitona verde-escuro ,azul-
escuro de 3,500 al 8,000 rs., do mcllior fabrican-
te e mais acreditado lauto ein suas cores como no
fabrico ; princeza muito fhia a 800 rs. o covado ;
madapolfio, soflrivel fazenda a 2,720 rs. a peca,
ca 140 rs. a vara ; dito muito lino ,a 3,500, 3,800,
4,000, 4,500 e 5.000 rs. e a vara a 200, 220, 240 e
200 rs, ; brins de linho de quadrinhos para jaque-
tas e raleas muito lindos padioes a 0(0 rs. a vara;
ditos branca e cor de caima do puro linho tran-
cado a 1,000 e a 1,200 rs. a vara ; chitas muito li-
nas c de cores fixas a ICO, 180, 200 c 240 rs. o co-
vado ; lencos de cambraia bordado; rom abortos ;
sedas para vestidos; corls de rollete de fustio hrn-
co e de cores ; ditos de lia e seda a 800 e 1,000 rs.;
cortes de cambraia ; ditos de lia e do Ifla o seda ;
chapeos de sol, de seda para senhora, de cores,
c com franja ; riscadinhos francezes muilo lindos
I a il i oes, a 240 rs.
Vende-so urna prcta de 20 annos cozinheira e
engommadeira com pcrfeicio c que tem mais ha-
bilidades que se dirito ao comprador; urna mulati-
nha de 12 annos que cose muilo bem; um piolo
canoeiro, por 350,000 rs. mogo e de boa (gura ; e
mais cscravosque so moslrario aos compradores, c
baratos na ra Nova, n, 40.
A' 2#000 rs. o corte.
Na loja de Cuimarles Sernfim & C, confronte ao
arco de Santo Antonio,n. 5, vendem-se corles de cas-
sa de padioes agradavois c Corea fixas, polo diminuto
prego de 2,000 rs. o corte ; loncos ftancczcs glandes
e linos (ingindo seda, a 480 rs. rada um; lencos de
cambraia com bico, a 640 rs. rada un; ditos de dita
muilo tinos com renda e bico, a 900 is. cada um.
Potassa da Iussia,
pelo proco de 180 rs. a libra, em barris pequeos:
na ra da Cruz n. 10, armirzcm de Kalkmann
Roscnmund.
Veifde-sc urna rlarinc(a[cm muilo bom uso:
ra do Encantamento, n. 4.
-- Vcndc-sc urna venda na ra Imperial n. 125,
da parle do Poenle ; a tratar na niesma venda.
-- Vendcm-so 51 apolices da rompanhia de Bc-
Iieribe, com 80 por cento pagos: na ra da Ca-
dei do Recife, armazcm n. 62, na esquinado
lieccodo Capini.
= Vendriii-at- uiocndas de ferro para engrnbos de as-
lucar, para vapor, agua c bostas, de diversos tanianho
por preco counnodo ; c leualnirnle taixa de ferro coado
e balido, de todo os tamanhos: na praca do Corpo-Saj.
to, n. 11, ein caa de Me. Calmont & Coinpanhia, ou na
ra de Apollo, artriazeui, n. 6.
Novos gaitbreoes.
Na loja- de GuimarSes Seraiin & C, confronte ao
reo de Santo Antonio, n. 5, vendem-se novos gam-
A
na
breOes a 1,400 rs. o corte de tres rovados e meiojfcs-
(a fazenda torna-se reromraendavel para a csIbc-o
SiresQiile, por sor fazenda encorpada e escuca; c finge
'casimira franecza por ler padres-imitantes ;) od-
las a 120 e 140 rs. o covado, e alm disto um com-
pleto sortknenlo de toda a qualidadede fazendas.
A' 800 rs. o corte.
Na loja de Cuimarles Scrafim & C,-confronte ao
arco de Santo Antonio,' vendem-se lindos rrtesde
fustio, rres fixas, pelo baralo proco do 800 rs. o
rrte; rassa-ehitas com (lores, linas c largas, suecas
c inglezas, a 240 rs, o covado.
A' #500 o corte.
Na loja de Cuimarles Serafn) & C confronte ao
arco de Sanlo-Antonio, n. 5, vendem-se ricos cor-
tes de cassa dos padrOes mais modernos que teem
vindo a este mercado, e lindos desenhos polo bara-
to prcco de 4,500 rs. rada corle; chapos de sol,He
pannioho francez a milaefl de seda, com lindos
rabos, a 3,200 rs. cada un.
NA l'UA DOQUIMaDO, N. ii.
Vetulcm-sc lindos manas ce seda ,
muilo linas at Mflis modernas rjtie lia,
ivronriss para mmiIioii e pieninns, a 3,">oo
rs. ; cortes dcca.ssa do (ores ixas ede
lindos padioes, a 4>000 *< ; surja iies-
pmriioln ; dita franceza ; los pretos ; lu-
do por menos do sen valor, por ler oca-
liado a Qtiai esma : na loja nova de it*
C, Leile.
fSEn Nova paran loj^ida ra do Qnei-
mado, n. 10, onde contina a
vender uniformes militares pa-
ra (odas, as ptenles do es'tado-
maior .cavallaria e nfanteria
f da guarda nacional, galoes de
-mH ou roe prala ch.ipcos-cn.verni-
zados para pageos.
Na ra da Florentina, n. 10, defronte da eochci-
ra achara os freguezes ptimos vasos para (lores ,
pita para preservar as foimig.-.s as arvoros, pe-
quenas vnsilhas para vender flores, bollos moringuos
e panellas para manleiga ou doce e outras muias
obras exondadas por um perito oleiro : ludo muilo
mais baralo do que so vende as casas de louca
desta,
Vendem-se 2diccionarios Irancez-portugoez ,
por Cosa 0 Sa e Irancez-italiano, por D'Alberli :
na ra Hireila, n. 29.
Vciulenr se YLLAS Ilio-de-Janeiio e de Lisboa grande e
cmplelo mu liiiu ii i o : na rna da Sciwal-
la-Vellia armazcm n. no, de A-ives
Vianna
Vonde-se um palan(|iiim om muito bom usoe
em conia : na Iravessa do Rozario, encado/naUode
Jos Ribo i io Si more osla para se ver.
Vondom-so bolas ruin sola grossa proprias pa-
ra invern ; sapa loes ingle/oso frincezcs de todas
as qualidados paia liouioui o sonliora : na praca da
Independencia ns. 13 e 15, loja do Arantes.
PARNOSHlliTUSFl.vOS
-. novos na loja ; velludo pelo; cliama-
.oledescda, para collclcs e gollas ; se-
lim macau ; o verdadeiro Lrim (raneado
de listras de cores : na roa do Queimado,
loja nova, n. n,de lUiymundo Carlos
l.eile.
Vendem-se superiores chapeos de
^^k, castor, pretos ehrancos, po/ preco
muilo baralo : na na do Crespo, loja n.
12, de Jos Joaqnim da Silva laya.
Na ra to Crespo, n. 12, loja de
Jos Joaqun) da Silva Muya ,
vendem-se reos citrs de rambraia para vestidos de
senhora ; ditos do bauzulinas, para vestidos : fazen-
da osla muito proprie para a-cstacio de invern, por
sor do coros escuras; um rico sortimento de maulas
de seda c de seda e lila para senhora; manlinhas para
meninas a duas patacas cada urna ; chales de seda
de bonitos gostose dilTerenles tamanhos; meiasde
seda brancas e protas, para senhora o homem as
mais superiores que teem vindo a esta praca; pan-
no fino prelo ede cores ; alpaca a 800 rs. o cova-
do e muilo fina a 1,600 rs,; cambraias para cort
tinados de camas e janollas assim como franjas pa-
ra os mesmos ; corles de calcas de casimira jrance-
za elstica e muilo superior a 5,000 rs. cada corle ;
cortos de rolletes dcvelludn, gorguro, slim o de
fustio por preco muilo baralo; panno de linho a
400 rs. a vara; cobertores para escraves, e outras
militas fazendas que todas se vcndcrjlo por piceos
muilo baralos.
"= Vende-seunia parda de muilo bonita figura,
que coziiiha bem o diario de unta casa lava
do sablo e varrelja cose dio c he.muito boa- pa-
racasa de familia : pa ra do Collcgio n. 16, tor-
ce i ro andar.
Vendem-se 4 relogios dous de ouro e dous de
prala, por preco muito com modo : na ru'adircia.
11.2. '
-VciiUc se, por barato pre-
cllentos tersas, com casas de taipa porm bem
edificadas coulciulo duas salas 4 quartos corre-
dor no mcio cozinha e dispensa fra do pedra e
cal, urna grande cacimba e nutra menor, ambas
comexcellentoagoade beber, variosps do fruc-
leirs ps do mangueiras, grandes o de muito
boa qialidade varios pes de cajueiros jaqueiras e
larangeiras novas: alm disso, tem excellente bai-
xa paia liorlulira e capim ; leui muilo boa vista pa-
ra o campo da Estancia Manguinho o oulros luga-
res ; he muito proprio para inorar o mesmo para
recrcio por ficar perto desta cidade ; tem 240 pal-
mos "lie frente e 300 ditos de fundo pouco mais ou
menos com bom coreado o portilo situado na ra
principal da Capunga logo o segundo depois da
ponte, do lado dircito : a tratar com Jos Ade-
lo na ra estrella do llozario, n. 7.
A' 12#000
rs.
Na loja n. 5, confronte ao arco de Santo Antonio,
vendem-se ricos cortos de clialy de lila~e seda, pa-
dres modernos, pelo barato preco'de 12,000 rs. ca-
da corte; riscados francezes finos c modernos, a 240
rs. o covado; zuarte azul encorpado, da fabrica por -
ttiguezH, a 200rs. o covado: esta fazenda Impropria
para escravos.
~ Vende-se um escravode muito boa
figura e sadio : no Aterro-da-Boa-Vista,
n. /|2, primeiro andar.
O NOVO RAJfeATFIRO DA RA NOVA., N. 20 ,
vende chitas finas que nao largam a cor em lempo
alfiim a 180 rs. o cevado ; ditas entre-finas, n
120 rs. o covado Tisradinlios francezes, a 220 rs.
o covado ; cortes de colletes de fusl.lo, muito finos,
a 1,000 rs. ; chales de seda de superior qualidade,
12,000 rs. cada um ; lencos que parecen) do seda a
a 320 rs. cada um; sodas hrancas para vostidos de se-
nhora, a 1,400 rs. o covado; mantas; luvas; meias;
cassas ; brins para calcas ; e'finalmente' um com-
pleto e variado sortimento de fazendas de bom gosto,
mais barato que m oulraqualqucr parte.
Calcado.
Vendem-se superiores sapatos do lustro, de Lis-
boa para senhora ; ditos de tapete, duraque e
marroquim para senhora; ditos de lustro para me-
ninas ; liorzeguins para homem, de 3,600 a 7,000 rs.
0 par ; sapatos de Nantes, de pala e costura ; botins
e sapstoes nglezcs proprios para invern, e outras
multas qualidades por proco commodo i na ra da
Cadcia do Recife n. J5 loja do Moreira.
Vendem-se botins francezes do sola dobrada ,
muito bous para os dias de ehuva a 5,000 rs. : na
praca da Independencia loja do Arantes.
Venderse urna rabera, por 7,000 rs., em bom
estado : na rira estreita do Rozario refinacio n. 48.
Vendc-seum lindo moleque de nacfto de 16
annos, que cozinha lava roupa o lie do muilo boa
conducta; urna parda muito moca engommadeira,
coslureira e cozinheira sem ncnbum defeilo : na
ra estreita do Rozario n. 31, primeiro andar.
Vendem-se chitas limpas bons pannos e co-
res fixas, a sote vintens o covado, e a peca a 5,300
rs.; sarja prcta limpa superior seda a 1,280 rs. o
covado ; un Guarda-livros moderno, por preco pre-
i;o commodo : na ra estreita do llozario n. 10 ,
terceiro andar.
Vende-se um sitio de torras proprias com ar-
voros de fructo cacimba com excellente agoa de
beber, casa do Hipa no lugar d'Agoa-Fria de Uc-
lieribe : em I ora-de-l'olias, no pateo do Pilar lado
do naseente, n 8, ou no. cariorio dos orphaos.
Vendem-se casaes de pomhos grandes, bons
batedoresc muilo bonitos ;elambem lhotcs mui-
lo gordos: ludo por preco commodo: na ra da
Florentina n. 16. -
Vendem-se dous lindos moloques de nacflo,
do 15a 18 annos; um pardo de 18 annos, ptimo
oarreiro e que be prpprio para pagem ; 3 pretos de
24 annos, bons para qalqucr swvfCO sendo um
ilollos bom carreiro ; una parda de 24 anuos com
habilidades; 6 protas com algumas habilidades, de
24 a 30 anuos sendo algumas de nnoo : na ra do
Collcgio n, 3, segundo andar, se dir quem vende.
Nesta 1 ja vendrm-sc
pannos finos, a <2^>60 rs. |
o covado: e cassas borda- |
das, proprias para corli- 2
nados, a 520 rs a vara.
Vende-so. urna parda moca chegada do mal-
lo com habilidades o de boa conducta islo para
pagamento ncsla praca : no paleo do'Carmo, n.7,
na loja.
. Vcndc-sc a casa terrean. 3, sita na ra do
Rnm-Succsso em Olinda com um sitio soflrivel:
a easa esta rectificada de novo, cxislindo. dentro
della varios materiacs para acabar algumas cousas
que faliam : na praca da Boa-Vista Ijptica n. 6.
Tinta verde de oleo ,
em latas pequea vende-se por nrejo counnodo : na
ra da Cruz, n. 10, annaiein de Kalkmann 8t Rosrninund
Deposito de vinag'e da fabrica
da ra Imperial, n. 7.
na fabrica de licores, do Ircderico Chaves, no Ater-
ro-da-Uua-Visia, n. 17, onde se achara sempre
grande porgo e por preco coaprnodo.
RAPE' PRINCK2A NOVO LISBOA.
Acaha de chegar pelo ultimo vapor urna nova re-
messa doste excellente rap, muilo fresco e com de-
licioso aroma, e contina a vender-se no deposito da
ra da Senzalla-Velba, n. 10, o em todos os lugares
do costumC, at hoja annunciados.
Vende-so um dos melhores sitios que ha|na
cidade da Victoria om S.-AnlUo, com boas mora-
das de casas para grande familia com a ftente de
lijlo duas salas 5 quartos cozinha fra cstri-
haria para 3 caVallos, quarto de pagem', grandes
quintaos com diversas qualidados do fructeiras-
ludo islo cercado de limio com portilo de pedra
cal com jarros em cima, terreno para trabalhar com
5 a 6 captivos, lugarsufficiente para cercado de Var-
eas de leite, umaolariade lelha o lijlo annoxa a
margem do rio: a tratar no mesmo sitio Roa-Vista
com o Sr. Joo Antonio Pinbeiro Paz.
NA 1.0JAJDE MAYA RAMOS & COMPANHIA NA RA
NOVA N 6 ,
ba um completo sortimento do espelhos de todos os
tamanhos, com lindas molduras o bonitos desenhos
eque se venderflo por preco mui commodo; tambe ni
ha um resto de urna fazenda chamada parisiense
muito propria para vestidos pelo barato preqo d
320c 400rs. o covado; diversas filas tarradas
120,160, 200 e 240 rs. a vara ; chapeos do sol/de
panninho, com armacocs de ferro, os melhoresqn'ese
teem visto; porsercm inglezos,eteremopannodetno
boa qualidade, que por inuita diuva que apanhem
nlo passa urna s golta para o lado interior; ricas
mantas do seda, de lindos gostos, grandes, bem
largas c de pouco dinheiro ; encerados para mesas
de bonitos padres e excellente qualidade pelo di-
minuto pre^o de 1,600 rs ocovado; ricas fitasconi
franjas e sem ellas boas para ciuteiro e chapeos de
senhora; um completo sortimento de sa palos de
duraque prelo ede cores a 1,000 rs.; fslode (Ju-
bos e por isso mesmo melhoresque-os francozes, por
serem de mais duracio;) um bello sortimento de
calcado francez tanto para homem como para se-
nhora ; bem como um riquissimo sorlimonto de
perfumaras, e de todo quanto rm de melhorNncsle ge-/
ero por preco mui rasoavel. -
Vendem-se escravos baratos, na ra das
Larangeiras, n. 14, segundo andar: um I J
molecote de elegante figura sem vicios
nem achaques com ollicio de sapatei-
ro ede pjntor.de 17annos; um dito de
naclo com ofiirio de sapateiro, do 20 annos ; um
ditoroinofficiodealfaiate; um dito ptimo para o
servicode campo um mulatinlio do boa conducta ,
ptimo para pagem ruma negrota de (6 anuos ; urna
lila de naclo, de 20 annos; urna negra, por
350,000 rs., que no he velha e sem vicios nem
arliaques; urna dita ptima cozinhoira, eque est
pojada; e mais alguns escravos que encommenda-
rem.
Vende-se um sobrado de 2 andares, e sotan,
muito em ronta sito em uina das boas ras do
bairro de S.-Antonio : na ra das Larangeiras, n.
14, segundo andar.
-- Vondem-se estaras de boa madeira proprias
para alerros, por commodo preco : na ra da F(o-
rentiim, n. 16
Vondem-sa3 pretase 1 prcto, de boas figuras
e sem vicios, ptimos para o campo: na ruado
Queimado, n. 33, c^n fronte para o largo do Col-
lcgio sedirquem vende.
Sapatos de Lisboa,
de duraque e couro de lustro : na ra daCadeiado
Recife, n.19. A ellos, que sSo muito novos.
LOTERA RO RIO-nE-MNEIRO.
.Biflidese meios ditos da oilava lotera a beneficio
da freguezia do SS. Sacramento da corte;' vendem-
se na loja de cambio de Manocl Cenes, na ra da
Cadeia.'n. 38.
Vendem-se 3 escravos, sendo um negro, de 2Q
anuos pouco niaisou menos, urna muala de 18an-
nos, e um mulaliuho de 7 para 8 annos, lodos do
mu lindas figuras, c da mulata se dir no compra-
dor as habilidades : na ra da Cadeia de Sunto-An-
lonio, n. 25.
Escravos
rugidos.
Na manhla do dia 3do corrente, das 7 par as
8 horas, sendo conduzida para casa do Sr. nisjnr
Antonio da Silva GuSniiio urna sua escrnva'prcl, do
nome Romana, esta, no Alerro-da-Boa-Vista,deixan-
do-se ficar atrs do portador que a ronduzia, lugio.
A referida prcta be de Angola, bom ladina, e repre-
senta ler de idade 30 anuos pouco mais ou menos,
estatura ordinaria, ro'rpo clicio, porettl magro; Irm
o dedo grande do p direito aleijado, e em anidas
as peritas algumas rhagas bastante grandes, e le-
vou vestido escuro de chita com flores brancas ecn-
carnadas, e por cima sai a prcta de lila, c fui rmbru-
Ihada em um chale cor de vinliocom barra branca:
levou mais urna trocha, conlcudo um lencol de il-
godio, c outros vestidos c roupas. Quenas descu-
brir pegar leve- a casa do ditoSr.'Cosmio, na ra
do Queimado, ou ua ra do Arago, n. 27, que ser
recompensado.
-- Fugio.no dia 10jdo corrente, um moleque
crioulo de nome Joo de 18 anuos ; levou cami-
sa de algodto de mangas curias e calcas de esto-
pa ; tem os olhos vcrmclhos algumas rspinhas no
roslo ; quando falla esta sempre rindo-se e cocn-
do a cabeca e he fulo da cor : quem o pegar leves
ra do Brum armazcm db Juvencin & Alcntara,
ou a seu sonhor, Romfio Antonio. Silva Alcanrara,
na Estancia.
-- Dcsappareu, no da 18 do corrente, um rrmlc-
que de nome Elizario, crioulo, muito regrista,
coro principios de sapateiro cor fula ; tem urna ci-
catriz, em uina peina, de urna ferida quq levo ; levou
camisa de algodilozinho de um prelo grande, cal-
Cas de riscado azul Recommcnda-se as autoridades
policiaes ou capilesde campo approhendao o di-
to moleque, e o levem a rna do Collegio, n. 15,
segundo andar, quo serflo generosamente recom-
pensados.
ALERTA !
-Thereza, prcta, escrava dos \Srs. Luiz Antonio
AlvesMonteiro&Compauhia da praca de Macei.o
por ellos remedida para nesta praca ser vendida,
porsuaconta, sondo chegada apenas ba 12 das,
fugio no da 28 de abril prximo passado: nao cons-
ta quo aquitivcsseconhecimcntos o nem se presu-
me que a fuga proceda do seducAo; ha porm, p'O"
bahilidade deque se ter,occultado mesmo liesU
cidade. A dita preta representa 25 a 30 annos, "I"
e.reforcada do coi po bem parecida; tem algumas
riratrizes em un iios bracos ; levou saia de chita
venndha o panno da Costa. Quem a descolirir o"
a Iovara Antonio Luiz dos Santos & Coinpanhia,
na ra do Crespo, n. 11 reecber urna recompensa
proporcionada ao sen trabarho.
PERN. NA TYP. DE M. F.DE FAR1A.'l847'
111
di
la
jll
pi
jiii
MC
la I
lar
COI
iss
III
II.1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQA5H3B5K_WGG93D INGEST_TIME 2013-04-26T22:22:42Z PACKAGE AA00011611_08468
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES