Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08466


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ni piu liyppiiMi
Anno de 1847.
Ter9a-fera 18
O 1:11HI<> pul>lic-e todo os diai, que nao
,IC ,.,mrdi i o P"C da aji(;imura he de
rLc I'01 T""*"1- VaP"< adiauladnt. Os an-
rfns ''>* si|!n"n,e> '"'" 'serillos i raslo le
mu porlinli, 0 em irpodiflVrente, e as
,,-lides pala mclade. Os queo frem asslg-
'V,rt,gari;o 80 rs. por linha, 160 fin tjpo
dillerente, porcada puWiaafiSw
PI1ASES DA LOA N Mln-aole, a T, toa min. da luja.
I noi a 14, i I horas 3 min. da tarde,
.leerle", a 21. ai 111"> e JO min. da tarde.
Luacheia, e 2S miun, detarde
PARTIOA DOS CORREIOS.
Goiniinae Paraliyba, i.i se(iindaseseiUs ftlrti.
Itio-Grande-dn-JVorte quintas feiras omeio-.lia.
Calm, Seiiiiliiem, llio-Foimoso, Poilo-Calvo e
Macelo, do I.', a 11 e JI de cada mes.
(ara.linios e Bonito, a 10 e 21.
Boa-Vina e Flores. liell.
Victoria, as quintas feirar,
Oliada, lodos os das.
. PREAMAft DE HOJE.
Primeira, a 8 botas 30 minutos da ounliia.
Segunda,* 8 lioras e blmiuuioi d tarde.
de Maio*:
Anno XXIIT.
N..1IO.
das da semana.

10 Segunda. 3. Possidoaeo. Aud. do dos o-
!>nos, do J. doc. da 2 r. e do J. M. da 2 v.
'erra. S. Vcnuicio. Aud. do i. ilo el r. da I
t. ejilo J. de pai do 2 dist. de t
12 Qua'rta. S. Pedro Celcslino. Aud. do', do
cir.da 2 v. e do J. de paz do 2 dist. de t.
13 Quinla. S. Bernardino de Sena. Aud do J.
de oi-|di., eilo J. municipal da I vara.
14 Seata. S Mauros. Aud. doJ. do civ. da I,
v. e do J. de pac do I. di*t. de t
16 Sabanlo. 8, Hila de Cassia. Aud do J do
civ. da I. v. e do J. de nat do I dist. de t.
tC Domingo. I'aschca do Espirito Santo.
CAMBIOS NO DA 18 DE MAIO.
Cambio sobre Londres a 27 d. por l r.
a Pre 4 rs. por Tranco,
ii T.in!ms ;) .le i'reuiio.
Uesr. .!- l.-iir.i. d boas firm.s I '/ P-V
Ouro()ni l-cspanholas.... 28>o0 a
a Modas de 0|l0o vclh ltflO a
de 6/100 nov.. Ifimo a
> de 4*000..... #0(>0 a
Wrata Patacoes.......... #10 a
Pesos culuinnares... 220 a
Dilos mexicanos ... i#sim
Miuda..--*-........ US20
Accoes dacomp.do Heberibede i000 r*.
6a d,
aomei.
29|'""l
I650O
lfi|30O
9'ion
2|040
2/1 Id
l*0
, ao par..
DIARIO DE PERNAMBUGO.
PAftTE 0FFICIAL
MIMSTRRIO DOS NEGOCIOS ESTRANCEIROS.
LegiiQilo argentini. Vivaa ConfedcracSo Argentina !
_ ||o-de-Janero, 4 do abril de 1847.Auno 38.
d I i horda de, 32." da independencia e 18." dn Con-
federacfto Argentina. Ao lllm. o Kxm. Sr. barilb
dcCayr, doconcelho deS.'M. o Imperador, mi-
nistro e sccrclai io de calado, dos negocios eslran-
geiros.
Na rpida resenta dbs deploraveis resultados da
poltica observada no Rio-Grande respeito dos Ini-
n ;t? .idt|tiella provincia, que o abaixo assignado levo a
jionra de levar aoconhecimento do lllm. e Exm. Sr.
ministro das relacoea exteriores, pela nota verbal,
rom dala de 20 de agosto, chamou a allcnclo do S.
Exc. para o fado da morte violenta de trbaia c dous
Brasileiros, pralicada pelos facinorosos*apitanea-
dos peloscabecilbas Mesa e Neto, cotnprovada pela
parte odicial do commandante geral do deparlamen-
to do Cerro-Largo, que o abaixo assignado apresen-
tou em original ao Sr. barflo.
Apozar disso, S. Exc., referindo-se a 18 de Janeiro
passado aquella communicaQilo. avancou, entre ou-
tras observares relativas aquelle aconleoimento,
que, bavendo elle occorrido otn/uin dist rielo gover-
nado por autoridades dependentes do general Ori-
be, mo podia ser desconliecido nem altenuado, com
allribui-loao partido contrario.
Esta dcsiavoravol insinuadlo, que, quando menos,
cncohria una duvida do Sr. ministro acerca dos ver-
dadeiros perpetradores do assassinio, obrigou oa-
Jiaixo assignado a recordar ao Sr. barflo, em 24 do
Janeiro, que se A a ra instaurado um prolixo summario,
porordem do Sr. pretidentf da Repblica do Uruguay,
deque S. jrc. linha conhecimenlo, e alar provado com
evidencia incmtestate lerem tido commettido otaisat-
sinaloi pelos facinoioos que enlram etahem do lio-Cran-
de, proclamando a causa de Uvera,
(Jm novo documento, pnrm, veio espalbar urna
luz tilo clara sobro o facto, quo a ninguem ser dado
milis frustrar o triumpbo da verdadee dajuslica.
Rivera, principal autor das calamidades da llanda
Oriental, deixou na sua ultima, derroto-em poder dos
vencedores, entre outras pecas importantes, a copia
firmada pelo scu punlio ;da carta que havia dirigido
ao intitulado presidente de Montevideo, queixando-
sedeque Mesa, um de scus sanguinolentos cabos,
preso por sua ordem em Montevideo, ivorseroexe-
cutor da morte dos Iridia o dous Brasileros, eslives-
so pusseando naqtiella cidade, lirado da pristi por
oulro caudilbo seu correligionario, ainda que inimi-
go pessoal.
O abaixo assignado a transmiti por copia ao Sr. ba-
rflo, e confia que o governo de S. M., encontrando nes-
Ic domnenlo a prova peremptoria da randura com
que a legacilo argentina havia defendido o governo
oriental, reconhecer ser estranbo a sua jurisdicciio
o verdadeiro assassino, por pertencer s calilas (la-
se mesmo bomem que se queixou da impunidadi! de
un malvado, queelloarmoucojibeccndo-u,ea quem
deu fnja, como a oulios de igual ndole, para, in-
cendiar seu paiz. -
O abaixo assignado, que secompraz altamente em
c inti'iiiplar o eliefe supremo de urna nacflo amada
da ConfeofcgfCao Argentina, sem a minima respon-
tabilidadepor una oceurrencia que lameiiou tanto
Como o goveno imperial, se bolita igualmeulu em
renovar ao Sr. barflo, de que a menor tolerancia da
paite do prcsideiito da repblica limilropbo auina-
l jamis o crime o a desordem.
lieos guarde a V. txc. muilos annos. .
I iioiih Cuno.
-I fin- Sr. presidente da Repblica, D. Joaquitn
Soares. Costa-ds-Vaccas, 2 de dezembro de I84fi
-- Meu Sr., compadre e parlicidar amigo. Com da-
la ile 23 do prximo passado mez, me escrevem de
Moiilevideo, c 'Hite outras cousas me dizem estas
terminantes palavras: Nesta esl Joiio Mesa, c nes-
te momento se acba em Asa do Sr. oresidento I).
Joatiuim Soares, oque participo a V.ixc para sua
inlelligcucia. '
O que levo relatado, e a que me redro, me tcm pos-
to no caso de dirigirn governo urna nota oflici'al, por-
que tifio quero nem defo earregar agora, nem nun-
ca, com nenbtima responsabilidad!- pera ule o exer-
cito e peraittea Repblica, que, oflendida alrozmeh-
te pelos* fados perpetrados por um malvado quea-
eaba de ser sublraiiido viliiu-nte da prisilo, onde es-
lava purgando os seus bot retidos crimos, eadispo-
steflo da lei que o devia julgar o castigar cerno ine-
recia.
Dei opporlunamentc conhecimenlo ao governo, e
proviilencias panuque se procedesse aojulgamento
lo olTicial Duran, que fol apprelieodido pi-la eslac3o
franceza, como o governo leve conbcciinento ; |iq-
ii-ni sorprendeu-me a noticia, e nilo devo duvidar
della, poiqu titilio oulros antecedentes a inflo, quo
o governo nenhuma solucflfl (leu, como devia faze-lo,
iliiand se deram de ollicio os coiibecimentos a sle
rSpilo.
lato i e-mc no caso de fazor a V. Exc. algutnasob-
servaces, que nflo duvnio que hflo de pesar na sua
rasfl'o. Mesa, Sr. presidente, be um criminoso.... be'
mu traidor a patria.... por pina, segunda e lerceira
vez be um assassino dos lillibs dcslo solo ; ueste mo-
mento eslflo enlutadas as familias de D. Ignacio*liar-
rios, deGregius, I'aslrna, as de Nielo, que o br-
baro Mesa e os liomens que elle desmoralisou as suas
ordens, e abandonou depois por cobarde, Ibes de-
gollaram seus pareules inermes, deixantn os seus
cadveres sem sepultura, iinilacao do proceder dos
invasores cun os nossos compatriotas. A Repblica
5t
est aecusada perante o mundo por seus nimigos,
pela degojlacao do 32 Brasileiros na estancia de Zor-
rillas, as Tres-Arboles. Mesa c seis dos que se sup-
pocm, foram os perpdradores daquelle borrivel at-
intalo ; linha e conseguido captura-Ios e p-los
em rigorosa prisflo em Martim-Garcia, com a espe-
ran'ca de salvar o governo do minha patria dos ear-
gosque o Brasil c o mundo civilisado deveriam fa-
zer-lhe por um fado que nflo dcixam nem podem
deixar Impune os*povos quesabem respeilar osdi-
reitos dos homns
Sr. presidenle, eslou fallando com V. Exc, quo
condece todos os uccessos do povo brienlal, que
lem siuTrido os males lerriveis da anarchla Nflo
crejo quo o respeilavel cidailflo D. oaquim Soares
tenba podido esqueccr-se dos factos de Otorgues, de
Ranlo, etc., todas as discordancias que so motiva-
ran! pela polilica particular do padre Monterrosa, e
oulros piinliaes da palria que levaran) a devora-la e
a faze-la sttecumbir ao poder dos estrangoiros. Se
hecerto, Sr. presidente, que Garibaldi fez. o rapto
do Mesa o fe-lo levar para Montevideo, que Mesa al-
li est em presenca do governo, em liberdade, es-
pero que V. Exc. me diga se enconlra alguma dilTe-
reii(;a dos successos do tciupo de Artigas o dos 'na-
les que a Repblica soffreu, e no meio della V. Exc.
por urna e mais vezes se acbou privado da sua liber-
ilaJc, e exposla a sua existencia como a do infini-
tos cidadflos queconheco o existem nesta capital [
Sr. presidente e meu amig: he-me suinmamenlc
sensivcl o ler motivo de escrcver-lho "esta carta c
nulla recordar-lbc sem-sahores que deviamos entre-
gar ao esquecimento, porcm V. Exc. be o pai da pa-
tria, be o chefeda iiacfln ; V. Exc. e o governo que
dignamente preside nilo pode nem deve, porque es-
t inhibido de o fazor, transigir com os malvados !
Nflo croio.... porque nflo comprehendo qual possa
sera poltica do governo, ao menos que se queira
continuar com a que desenvolveu Pacheco e oulros
como Pacheco, na celebre poca passada. Se isso
he assim, com lempo ludo so deve daY de inflo ; en-
treguemos a Repblica uos inimgos e nflo engae-
mos com bonitas palavras para a deixar ser o juguete
o ludibrio de seus inimgos.
Sanla-o alTectuosainenlo seu compatriota eami-
go. -Q. B.'S. M. --
Fructuoso Rivera.
3.* SEC-Ci* I. 10. nlO-OB-IANEIRO. MINISTERIO DOS
NEGOCIOS ESTRANOEIROS, EM 12 DB 4BRIL HE 1817.
O abaixo assignado, do concedi do S. M. o Im-
perador, ministro e secretario de estado dos nego-
cios cstrangeiros, aecusa n reeepcflo da nota do Sr.
D. Thomaz Guido, enviado extraordinario e minis-
tro plenipotenciario da Confecracflo Argentina, com
dala de 4 do crrente, a quo ajunta copia de urna
carta, com o intuito de mostrar quem foram os as-
sassiuos dos 32 Brasileiros morios no lugar dos Tres-
Arboles, e deslruir com ella asobservaces feilas pelo
abaixo assiguaelo, em nota de 18 de Janeiro ultimo,
H de que, leudo occorrido aquello Lmenla ve! suc-
cessoemum districto sob as autoridades dependen-
tes do general Oribe, nflo podia sor desronhecido,
nei#nttenuado, com atlribui-lo ao partido contra-
rio ; oque, aleni de se provar em um summario,
levantado porordem do dito general, que esses as-
sassitialos foram commettidos por faeinorosos que
enlram e sbemelo Jtio-Gjandq. aquella carta vem
confirmar o que o Sr. Cuido linha declarado em sua
nula de 4 de Janeiro.
O abaixo assignado tein de significar ao Sr. minis-
lio da Conli'ilei ,u; mi Argentina, em resposla sua
referida nota, que o contexto della veio contristar
mais o governo imperial e inquiela-lo sub -e-manen a
pela sortoJiorrorosa que corretn os subditos brasi-
leiros no Estado-Oriental.
* A que partido perteucem os assassinos nflo be cor-
tamente o quo o governo imperial quer saber; mas
sim se as respectivas autoridades cumpriram o de-
ver de protrgc-los e de castigar os aggressores. Nflo
cessa o Sr. Guido de fazerenten er que, a i-M-epcAo
de Montevideo o alguin oulro ponto sitiado, todo o
resto da Repblica obedeco ao general Uribe, chefe
do oxercito argentino que all se acha; sendo assim,
luda a respousabilidadu de semelhautes attentados
recabe sobre as autoridades impostas ou a| unidas
por csse exerclo.
Igual responsabilidade toca s autoridads do go-
verno da Repblica pelos factos idnticos acontecidos
nos lugares em que ellas imperam; o ao governo
imperial cumpro pugnar poique cssa responsabili-
dade se verifique coi beneficio dos subidlos brasilei-
ros, tanto por una como por outras autoridades.
Toda a liestacjo do governo imperial em dar cr-
dito aos numerosos casos de assassinalof do Brasilei-
ros no Estado-Oriental desde I83, em que fui oceu-
pado por um exerclo argentino, dev'cra cessar, a
vista da copia incluida pelo Sr. Guido; porque, se
32 Brasileiros reunidos nilo poderam resistir a seus
algozes, nem tiveram-em scu soccorro a proteceflo
da autoridade territorial, menos poderiam defender-
se eser soccon iils tantos desgranados que teem si-
do mortos.parcialineiite, segundo consta das parlici-
pacOes que desdo 1843 teem sido dirigidas'a presi-
dencia da provincia do llio-Qrande, como o Sr. Guido j
poder ver na inclusa relaefio.
O abaixo assignado nflo duvida que o Sr. ministro
da Cunl'edeacao Argentina se penetrar da attribu-
lacflo do governo imperial, ao contemplar que 139
subditos do Imperio teem sido victimas da guerra
levada ao Estado-Oriental pelo governo argentino,
o porconseguntoapreciar o scu anhelo por ver ter-
minar tflo aflictivo o vilenlo estado de cousas.
O abaixo assignado reitera #o Sr. f>. Thomaz Gui-
do as expressoea da sua particular eslima e dislincla
considratelo.
Bara* dr Cavro".
ESB
ilelacdo dos Brasileiros assassinados petos flanquilhos
nos departamentos do Serr-Largo, Cordovez e Ta-
quaremb nos anuos abaixo declarados.
1843 Nos campos do padre Cardoso (em Rio-
Negro) foi atrozmente denodado um jo-
ven noivo, e saqueadas todas as mais pes-
soas ila comitiva, evadindo-sc a noiva o
seu pai, enrrendo redea sola..... 1
Na estancia do Gutierres (em Cordovez)
foram degollados em um mato, junto ca-
sa, iloze Brasileiros quo vinhiim presos
do Gy, na diviso de Servando Gomes 13
O capataz ilo InglezSmilh, de nome Pau-
lino, foi degollado junto mesma estan-
cia Cosla-ilo-Gy) o em Malbaxar na mes-
ma occasiflo foi tainhein degollado oulro
Brasileiro.............. 2
Na fazenda do finado JoSo Corra (Costa-
de-l.exlguana) oram degollados tres Bra-
sileiros, um delles do nome Sararva 3
Joflo Antonio Martina (no Pcnharolal 1
Foi lambem assassinado(em Scrros-Bran-
cos; Antonio Martins......... 1
, Eoi degollado na propria habitacjlo 'Costa-
de-ltera. Dtitra-, ceg, e mais quatro Bra-
sileiros................ 5
O chefe oribista Barbat, logo depois da .
morte do Antonio Martins, inandou lance-
ar porto de vinle Brasileiros quo anila-
vam com elle em servio, pelo unrcc*rcr-
me de dio pedirein seos passaporles ..'
Este successo coitrislador leve lugar em
Taqueremh............. S
Na margem de Arapehv foi tambem assas-
sinado Francisco l'acz......... 1
1844 Foram degollados sobre a Coxilha grande
(vci lente do Limar) trozo vizlnlios Inasi- -
leros, entre os quacs seis Caslelhanos,
pela divisflo de llrquiza....... 13
' Na estancia ilo Seiru-das-Contas foi as- .
sassiuado o pardo Izidoto, capataz da
mesma................ *
Na estancia de Victoriano Nasccntes fo-
ram degollados tres Brasileiros, Antonio
Jarinlho, Januario de Souza o outro, igno-
ra-se o nome.............
n Entre Srtpa c Ararcngu foram atrozmen-
te degollados, um cunliado do Mauricio
Matutina o um escravo........ 2
Em Mata-Olho foi lambem assassnailo
um genro do voltio l-'erreira, escapou lan-
ceado Vicente di) Brum ........ 2
1845 Jos Jacintho de Mcndnnca foi lambem
aswssinadn, e um escravo junto villa do
Serr-Largo.............. 2
Jos Nones rol assassinado em sua pro-
pria casa, e o velbo Candada na mesma
occasiflo, ambos moradores junto ao Ser- ,
rol.argo.............. 2
Na fazenda de Domingos Martins (rincflo
do Pereir'a) foram degollados o capataz do
mesmo Martins e mais dous juvens brasi-
leiros, Verissimo d'Avila e Joflo Borges 3
Foram brbaramente degollados fnas im-
rnediacAcs de Sjia; Francisco uarcci o
mais olo companheiros ........ 9
Foram degollados com a maiordeshuma-
nidaile (na fazenda de Zojrilliaj trnta Bra-
sileiros otrosescravos, entre elles o Cla-
lindo, Laurcnlino Menezes, ele...... 33
Foi assassinado o capilflo Joflo Fagundes
de Oliveira, em sua lazenda de Jaguary 1
EulrcCanhas e Ararengua foi degollado
atrozmente un atildado de Antonio de
Sun/11, de nomo Antonio ....... 1
Do oulro iSdo do passo do Rei (em Ta-
guary) foi mutilado com a rais gravo a-
trocidade, e morto a golpes, o joven Se-
ralijn Vaz........... 1
1846 Foi tambem assassinado Jos Marcial, jun-
to ao passo do Salso (em Jaguarflo) 1
Opard.0 Antonio Caluny foi degollado jun-
to ao Serr-Largo ........ 1
Em Limar foram atados, despidos o com-
pli-lamenlo eslaqueados qualorzo Brasi-
leiros quecslavam apartando urna Hopa
de gado com Jos de Brum, escapando de
sor degollad) por muitas instancias o
mesmo Brum............. *
Ha dous me/es foram degollados qualro
pedes do Antonio Neto, em Queguay, c al-
guns dispersos que nflo se sabe o des-
lino............. *
Secretaria ilo governo om l'orlo-Alegre, 20 d fe-
voreuode 1847. O ofiical-inaor, Jodo da Lunha
Lobo tarrelo.
INTERIOR.
io )i; j.mjiiu).
SESSA'lMFliHlAL DA AHEKTUUA
DA ASSEMBLA GERAL LEGISLATIVA
EM 3 DE MAIO DE 1847.
Presidencia do Sr. bardo de Monte-Sanio.
Ao meio-dia, reunidos os Srs. deputadoa e sena-
dores na sala das sessocs do senado, silo no meados
para a deputaeflo que deve receber a S. M. o Impera-
dor, os Srs. deputados Valdelaro, Secco, Gelulio, Er-
nesto, Magalhaes, Pauliuo, Reboucas, Man/, Cotes
dos Santos, Dias da Molla, Lopes Nello, Marques Lis-
boa, Paca, Marinho, Souza Ramos, ('.neldo Bastos,
Meirelles, Souza Franco e Carvaldo ; e.os Srs. sena-
dores Alvos Rranco, Clemente l'ercirn, Lima e SilVa,
visconde ile branles, visconde de 01 i tula, visconde
deCogonhas, Monteiro de Barros, AurelianO, Lopes,
Gama, Dantas c Cuuha Visconeellos : o para a ilepu-
lat;flo que deve receber a S. M. a imncratrlz, ps Srs.
deputados I). Manoi-I, Francisco Cocido, Malloso,
l.iinpo de Abren, eos Srs. senadores, Araujo Vianna
e Almeida Torres.
A urna hora da tarde, annunriando-se a ahogada
deS. M. o Imperador e de S. M. a Imperati i/, sahem
as dopulacOes a espera-Ios a porta do edilicio.
S. M. o Imperador, revestido de lodos os attributos
ila realeza, be rcccbiilo na sala pelo 8ru presidenle o
secretarios, os quaes, unindo-se depulaelo aeoirt-
pandam o mesmo augusto Sendor ale o Himno. Sua
Magostado toma assento o manda setitarcm-scosSrs.
senadores o deputados. ,
S. M almperatriz he acnmpanhaila pola depula-
Ciloat a tribuna quclhc he rcscrva,da dircitado
throno.
Na tribuna da osquerda acbam-so osmembros do
corpo diplomtico.
. M 0 Imperador, leudo reochido das mflos do Sr.
Maicellinoile Brilo, ministro do imperio, o autogra-
phoda falla ilo throno, rmisi a ler o seguinte :
n Augiisliis dignissimos souhores represenlan-
tcs da nacflo :
a A poca ila>ossa reuniflo tflo esperancsa para
0 paiz, renovaem mini osi-ntimefilo do vivasatisfa-
Cflo de que me sinto possuido sempro que compare-
ci no meio da reprosontaeflo nacional.
Resolvido, como vos aunuueiei, a visitar as pro-
vincias do imperio, dirigi-mo este anno ao norte da
do Rio-de-Janeiro : observei enm prazej o progressi-
vo nielhoramento de varios ramos da sua industria ;
. multo me penhoraram as provas doadliesflo quo
deram os Seus leaes habitantes a minha imperial pes-
soa e a cmisliluiQflo do imperio.
i Cungialulo-nio comvoseo .ola tranquillidailo
que felizmente reina em todas as provincia*
as do Cear e nio-Grandc-oo-Norte, deploro
que ainda nilo baja ressailo totalmente a secca : o
meu governo eonlina a enviar soccorros para mi-
norar os males desse llagello.
Tenlio procurado cultivar asrelacoesdo harmo-
na o boa inlelligencia com os governos do novo o
vfclbo mundo.
ii Ainila eonlina a lulnenlreas repblicas do l'ra-
(a, e quanlo mais se prolonga tanto mais vehemen-
lessfloos meusdesejos de v-la terminada, pois quo
assim oreclamam a humanidade eos interesses do
Brasil, Iflo especial o profundamente prejudicados
por sua pi'oximiJa le ao thealro da guerra.
. tor-vos-ha apreseulada a correspondencia rela-
tiva a urna occurreiieia, que sobrofeio o anuo passa-
do com a legacilo dos Estados-Unidos da America,
por occasiflo da prisflo de tres mariitlfBiroso um l-
ente, pcrlcncentes a maflnha do guerra daqueda
nacflo. Sinto que este negocio nao estoja ainda ter-
minado; mas podis estar cirios de que elle so con-
cluir da uianeira que conveni a dignidade nacional.
ii Cada da se torna mais imperiosa a nocessidado
de providenciar sobre a reforma jinlieiuria, a coloni-
saeflo, o comtnercio, o recrutamento e a organisaeflo
da guarda nacional. Chanto, pois, a vossa altenclo
sobre cada um destes importantes oujectos. qupins-
lanlemeiilc reclamam o vosso/olo e solicitude.
llo-nie muito lisongeifo poder assegurar-vosquo
a receita do estado ja clicga para a sua despeza ordi-
naria ; o espero, em vista das medidas adoptad! pe-
lo meu goverue, quo breve ipparecam sobras, com
que se possa iroccoirendo a amortisacilo d4 divida
publica.
a Pelos relatorios dos mcus ministros c secreta-
ios de estado, Rearis iuteirados da siluaeflo dos ne-
gocios concernenles as suas ieparli(;0i'S.
Augustos edignissimos senhores representan-
tes da nacflo l'm s pensainnto, 0 de concorrer ef-
licazmeMe-para a gloria e prosperidade do imperio;
nina sii volitado, a de roadjuvar os esforcos do meu
governo um tflo-palrioticoempcnlio, lem sido ate a-
qi a vossa divisa; ella sera lambem dora avanlo :
assim o espero.
Est a berta a sessflo.
Finda esta leitura, SS. MM.IL reliraram-se com o
mesmo ceremonial com quo haviam sido rccchiiros,
o o Sr. presidenle kvantou a sessflo. ^
NOTICIAS DIVERSAS,
Ilo je 30 de abril; ehega S. M 0 Imperador capi-
tal da provincia do Rio-dc-Janciro. S. M.tenciona-
va partir muilo cedo de Itaboraliy. almocarem San-
9 (oncalo em casa do reverendo parodio daqueda fre-
Kiiczia, o Sr. Eduardo de Andrade Lima, e entrar
fia ciddo ao meio-dia pouco mais ou menos.
A bella Nildcrody la esl* boje risonha como a ve-
cclacflo de seus campos, engTacada comoas Naiades
que Ido ornam a alva o magestrosa fronlo.a esperada
augusta' visita que pela terecira vez Ihe lio fela. .
Cosla-nosque numeroso e brilhante sera o concurso
dos cidadflos mais grados do lugar, das dirtoroiiles
autoridades o empregados pblicos que vflo ao en-
(Timiro do mesmo augusto Senhor; dirrgiudo-se pa-
ra csse fin unsaSan-Goncalo, o oulros ao largo do
Brrelo. Os miujslros, a assembla provincial, va-
rias pssoas da corle c criados da casa imperial v3o
receber S. M. a porta do palacio da presidencia.
Poslo que S. M. manilestassc desojos do demorar-
so o menos possivel cm Nillierohy, o rogozijo publi-
co nflo podo deixar de proromper cm algumasde-
monstraces a que de mflos dadas presidiram a gra-
Ca c a simplicidade. A estrada geral que desla ciliado
se dirige a Itaborahy, oflececendo o melhor transito,
juucada de folhas o flores, domiuada no segundo dos



Ji
*m
'


dous pontos cima indicados, isto he, na extrema
dafreeuczia de San-Gonzalo, por un lindo arco,
annuncia que por cases lujaros tem de pjissar oim-
narrh brasileiro. A'entrada do largo de San-Joo-
Raplista, onde est situado o palaeio do governo
provincial, sobro duas elevadas pilastras er ue-se,
ao mesmo lempo elegante e modesto, outro arpo
qiiequadra perfoitamento com a natureza do lugar
Sobre cada urna das faces sustenta elle um circulo
a que est snbreposta urna linda cori)a do flores ar-
tificiis; toda a sua (fiiarnicflo he do mesmo genero.
Esse arco ficou concluido ein menos do seis dias.
O palacio, cujas janellas silo ornadas de colchas c
guarnecidas de damasco, ofTerece cxleriorinente
urna perspectiva hrilhanle Todo o sen interior esta
modesta e graciosamente preparado. A sala do do-
cel sobretudo attrabe a Bltenefio pelo bom goslo
coin que est armada. No quarlo destinado para a-
posonto de S. M., encontra-se a inesma graca que
nos domis arianjos : anas janellas, do ondoso dcs-
fructa encllente paizagem, deilam para um lindo
j j til i m do palacio.
Una engrapada tea liga o palacio groja matriz
de Kiin-Joilo-Raplista, onde lard, depois da para-
da e cortejo S. M. tom de ouvir um Tt-I)tum que
lliebodado pola cmara municipal. A armacilo da
igreja, feila a expendas dos vereadoics, he ile pnrfoi-
lo aeabado, e a tea que, bem como o arco floreo
deque cima fallamos, sahicam do risco do lenle
dc'engenheiros Antonio Pinto de Kigucredo Mandes
Anlas, nada teem de invejar as -que na corte se leem
nestes ltimos lempos construido.
Depois do Te-Deum. S. M. pretende assislir inau-
guracn dos dnus chafarizes dos largos da Memoria e
de Marlim-4f{onto. Essas duas obras que nlo lerilo a
duratjlta ephemera dos arcos, teas, lluminages
etc., hilo de recordara todo lempo a digressilo que
S. M. o Imperador so dignou fazer este auno por sua
provincia natal; algum lauto atrasadas se acliavam
ellas quando foram cncarregas ao engenheiro An-
dr Alvcs l'ereira llibeiro Cirno; mas, gragasa sou
zejoe pericia, e asmis instantes recommendagOes
do mesmo presidente da provincia, (icaram conclui-
das para odia ile boje. Noaltodo prmeiro daqucl-
lesdous chafarizes treinulam os pavilhoos nacional
c napolitano, o sobro duas das quatro faces do sue-
co da columna so leem as seguidles inscripcOes :
FACE DE TURBA.
1816.
El-Rei l)om Jo.lo VI,
De saudosa memoria,
. Den ueste lugar beijamo,
Quando llonrou esta cidade,
EntiTp simples arraial,
No dia 13 de maio de,.
FACE QUE 01.11 V PARA 0 MAR.
F,m utilidaile rniblica,
E para eternisur o faci,
Que deu nomo a esta praca,
Mandn o Imperador o Senhor
l)om Pedro II
Construir este chafari,
Sendo Presidente da Provincia
O Senador
Aurelianno de S. c Coutinho
187.
He digno de ver-so a disposico sy mtrica e engra-
nada dos arvore.los, bandeiras c girndolas, queor-
nam aquellas duas pracas, c com especialidade a prl-
meira.
Depois da inaugarapflo dos dous phafarizes, S.
Magestaile se embarcar onialguma galeota, ou va-
por, na ponte da Iraia-Crande, decentemente pre-
parado pela coinpanbia das barcas que navegam da-
quclla eidade para esta porte, ese dirigir ao arse-
nal de mai nho, de onde ir por trra para o palaeio
da Boa-Vista.
Como havimns annhnciadc, verifieon-so hon-
tem 30dcabril a chegada deS. M. o Imperador. S. M
cinbarcou na sua galeota cm Nitheroby s 6 horas e
umquartoila tarde e s Ce Iresquarlos dcscmblreou
no arsenal do marinha, donde seguio inmediata-
mente em parruagem para a imperial quinta da lloa-
Visla. Na sabida de Nitheroby, ao atravessar a babia
c no arlo de desembarcar, fui S. M. saudado pelas
salvas das fortalezas e dos navios de guerra napio-
naes e eslrangeiros, estando os prinicitos illumna-
dos com ligciinbas de mixto nos lais das vergas. O
corpo de arlilharia de marinha, a com panilla dos
guardas-marinbas, a olllcialidade da armada e dos
eorpos da guarnigo, generaes, altos funceionarios
da portee grande numero de cidados de todas a
classes, reeebcram a S. M. no lugardo desembarque
com cnlhusiasticos vivas.
Congratulamo-nos com todos os habitantes dcsla
enpital pela faliz chegada de S. M
llontem '1. de maio) pelas sote horas e meia
da manha enlrou neslc porto o vapor de guerra in-
glez Ratllcr, a bordo do.qual seacha lord llowdeo,
ministro de Inglaterra riesla corle, e encarregado de
urna misso especial para o Rio-da-Prala.
Segundo se refere, o Itattler veio a este porto s-
menle para o tim de recebercarvflo, por uo o ter po-
dido olitcf na Babia, onde, locou e donde sabio no
dia 26 do passado. No dia 24 seguio llalli em dircilu-
ra para o Rio-da-Prala o vapor franecz Catfni, que
conduz o conde W'alesky, encarregado pelo governo
franecz de igual missao a que pelo gabinete brilan-
nico fui confiada a lord llowdeo. Us dous diplmalas
cncontraram-se na Babia:
(l Ratllcr rcecbcu hojitem mesmo o carvo de que
precisava, e seguio viagem para Montevideo e Bue-
nos-Ayres.
Temos de notieiar um assassinato horroroso
"con>melt3o em alto mar porto das nossas cosas,
que conliamos no tieara impune.
A Iripolacilo do brigue oriental Maria-luiza, sa-
bido de-Montevideo para Marselha no da 20 de feve-
reiro prximo passado, sublevou-se no dia de mar-
co em lat. 23 45'sul o long. 33 13' oeste do'meri-
diano de Cdiz, e assassiuou o capitn Carlos Mainel.
Os eabecas da revolta, depois de rou ha rom ludo o
que a bordo havia de algum valor, obrigaram o pil-
lo a approximar-so posta do Brasil, e acliando-sc
no dia 13 de margo en lie as i Ibas de Marica o a llasa,
fugiram no bole emdirecg5o a Copa-Cabana;
He fra de toda a duvida quo desembarcaran! as
immediacOes desle porto. Eis os nomes esignae
dos qualro assassiuos :
Manoel Joaquini, cabocio, servio a bordo da cor-
veta Uaus-de-Julho como guarda-porfo, segundo
disse.
Manoel, preto forro, servia a fiord da mesma cor-
veta, o guando fugio levaya calcas brancas com on.
19, marnheiro.
Antonio Jos, natural do Porto, 23 a 24 aunes de
idade, baixo, muilo Irigueiro, do poucas paavras e
olbar triste e traigoeiro.
Calalo, de 21 a 22 ahnosde idade, alto,*em feito,
branco e natural de Lisboa,
Quando desembarcaram levavam todos saceos no-
ves do meia lona, com flleto azul mui.viv. O bote
em que fugiram he de construccin amcriei*Vfllho e
ileatroado de preto, menos metade da popa que ain-
la era verdo.
O protesto seguinte feito om Sanla-Catharina pelo
piloto do brigue, d todos-os pormenores deste hor-
roroso acontecimento.-
Noannode 1847, em 4 de marco, s seto horas
da tarde, a bordo do brigue oriental Maria-I.uita, da
lotaclo.le 84 toneladas, propietario o Rr. Pedro Ar-
roscada, sahiilo de Montevideo em20 defeveroiro
em bom estado para navegagjjo, dirigido para Mar-
sclba, carregado de couros e ontros artigos.
n Acontece que na.lat. 23* 43' sul, c long. 33" 13" ao
oeste do merediano d^, Cudiz, no dia 4 de marco, a
bordo do referido brigue, s 6 horas da larde punco
maisou menos, o capullo foi proa, onde a Iripola-
cilo eslava coiando, e Mies dirigi iilgumas roprchon-
sOes que cu n.lo pude percebor por estar distante, e
depois de terem ceiado, levantara m-so e se pozeram
a dizer que nlo queriam ir para a Franca, e sim para
o Brasil, c dizendo mais queelles eram cinco ho-
mens e que asslm queriam ; o so dispozoram para
manobrar em pona. No mesmo ninmenlo soouvio
um tiro de pistola na cmara; logo os sublevados
correrm para a popa, onde eslava o referido capito
lendo ; es!e no mesmo instante se levantou e gritn :
Oque he esto humillo? vilo-se para a proa ;
mas um assassino que eslava ao lemo levantou a inflo
e Ihe cravou urna punhalada, o o pobre capito, fu-
gindo feriilo para a proa, gritava que o nflo matas-
sem; mas o assassino o seguio e Ihe repeli as faca-
das, al que cabio meio extincto, e logo o laucaran)
ao mar.
ce A pistola que se ouvio disparar na cmara, diz o
cozinheiro, que tendo-o o capilo mandado aprom-
plar as pistolas, elle pensou que estavam descarre-
gadas, e que no monta-la disparou o tiro na cma-
ra ; acabada essa seoua, mo ordenaram, com o pu-
n lia I na nido, que dirigase o navio para o Brasil;
eu dei logo a direego que mo mandamn. No mesmo
instante desceram cmara, lomarain todas asar-
mas eas lancaram n'agoa; tomarain conia doseffei-
los do capilo, como assassiuos, depois aprompla-
ram com o rancho que eslava a bordo urna grande
reia, quo durou at meia-noite, com toda a tripola-
eflo, que licou bebada, o que obrigu-me a licarao
leme al s 7 horas da manh:1a. Depois foram a c-
mara e fizeram una visila geral, omle mo disseram
que nacaixinha dooitante do capilo euconlraram
quatro oncas deouro, o no bab dous pataces e
meio e urna moeda de um franco cm prala ; toma-
ran! tambem sen relogiodeourocom respectiva cor-
rnnte deouro, taiberes c copo de prala, e depois to-
dos se servirn) e tomaram a sua roupa, al um co-
bertor de Ia. N;1o contentes- anida disto, quizeram
visitar aminbacaixa, e encontraram dez pataces
que medeixaram ; mas no dia seguinte m'os pedi-
rn) elb'osdei, antes que me saqueassem. Depois
disso ficaram como douos de ludo; em poneos dias
acabaran) o melbor do rancho; depois lomaram
una peca de meia lona, e todos se sorviram dola e
lizeram calcas, saceos eludo o que Ibes pareceu, e
nffo adiando suflicienle toniarain outra peca : e as-
sim foram continuando durante novo dias, sempre
atnrmentando-mo para que osconduzisse peno dos
abrolhos em Ierra ; mas o vento reiuava contrario
sempre e com muita chuva. o navio jogava milito e
fazia agoa, as velas j linbam solrido, e no obstan-
te que cu razia toda a diligencia, sempre reccei pela
niinha vida, al que no dia 12 de marco correte se
avistou Cabo-Frio, onde logo me ordenaram de ar-
ribar, o que eu fiz no mesmo instante. As 8 horas da
tarde desse dia nos adiamos norte sul com o referi-
do Cabo, e me ordenaram que dirigase a embarca-
cao para o Bio-de-Janeiro, c assim navegamos toda
a noite com pouco vento : s 7 horas da manllfla nos
encontramos prximos Ponta-Ncgra, com calma-
ra, sempre na mesma direceflo. Tendo os revolto-
sos aprum piado o bote e todos os seus perte'hc.cs, o
pozeram n'agoa e depois o suspendern! na pripa.
(i No dia 13, s7 horas da lardo, achamo-nos per-
toda liba de Main; ellos embarcaran) toda a roupa
Piulada c provisto de rancho, e nos deixaram llvres
da nossa voiitntle; porm mo (izeram jurar de n;1o
ir ao porto do Rio-de-Janeiro, ese os (rahisse no
mi'smn porto e a bordo uiesnio, mo viriain degollar,
visto estarem perdidos.
Logo com o resto da tripolaciio que tinha a bor-
do fiz eoiipolho, tendo-eu ai nda receio sobre a direc-
gilo que devia lomar ; e me disseram que dirigisse o
navio para a illia Santa-Calhariua, e assim tomei o
ruino. No dia 14 de marco fiz inventario dos efCeitos
jueflearam dodefunti capitilo llamcl, na presenca
la tripolagfio, e assignado por ellos mesmos j e as-
sim continuamos a viagem para Santa-Qatharina,
pelos quaes motivos expo.-tos prolestei o de novo
protesto contra frca maior, e contra quem de d iroi-
lo Mr,por lodas as dospezas, damnos e prejuiz'os, que
pelos referidos factos possam resultar. Bordo do
brigue Maria-luiza. em 14 de marco de 1847. Eu,
piloto, Vicente Nicg/ini.
- Recebemos hontem (26 de abril; folhas de llalli-
more al 13 de marco.
O senado federal confirmou na sua ultima sesso,
3 de marco, a nomeagiio do Sr. Tod para enviado ex-
traordinario e ministro plenipotenciario dos Estados-
Unidos no Brasil. A folba ollicial de Washinlou, au-
nuneiando a nomcaclo do Sr. Tod, aocreseenta que o
Sr. Wise fra removido por assim o ter pedido. Cartas
particulares de Baltimore referen) queoSr. Tod nflo
parli ria para esta porte scnOo no criez de agosto.
U Sr. Hnpbins, que ha pouco lempo passou por es-
ta cite de volla de urna mitsOo confidencial ao Pa-
raguay, foi nomeado encarregado de negocios para
l'oi l ug.il, sendo a sua nomcaco confirmada uuani-
memenle pelo senado/
" Recebemos honlein (30de abril) folhas de Buo-
nos-4yres al 8, e de Montevideo al 16 de abril.
Asscgura-sc cm Bucnos-Ayrcs e em Montevideo
quo ogovernador Madariaga tinha recusado positiva-
mente sul)nieltor-so s inodilieacOes proposlas pelo
general llosas ao tratado de Alearaz, eque em eon-
sequcueia dessa recusa recebra ordein o general
Ci quiza para invadir a pro vinca de Corrientes.
A sala de representantes de Buenos-Ayres appro-
vou om sessilo de 24 de marco, o organiento apre
sentado pelo governo quofixaa despeza ein58,70 214
pesos papel, com adeclaragilo, porm, de que eslava
firmemente resol vida a dar ao general Rosas todos os
recursos do que necessitassepara salvar o paiz.
A discussio dessa. rosolueo oncerrou-se com um
discurso do dcpulado l.ourene.o Torres, do qual ex-
Iraclamos o paragrapho seguinte :
Apezar da conviceflo que tom a commlssio de
que os interventores abandonarlo a sua empreza ,
porque mo podem mais, e porque, segundo a sua
poltica, nos deixam j ludo preparado para que te-
nhamos gutrru com algum outro poder apezar disto,
ldigo, enleudeu a commissao nao Uever presciudir
\o propr aos Srs. representantes o original da com-
nuiioacilo quo se leu ; porque j nota urrra calcu-
lada demora on resposta misario do Sr. Hood ; por-
que v que essa demora nlo emana de causa alguma
insta, racional, nom legitima, mas sim das esperan-
cas que os dous gabinetes europeos fundaram as
lefecces, ns mudancas que Ibes teem annnnciado
Ousclof e ncirau.lis 6 os peridicos da praca sitiada,
pois oreein recehera cada instante a noticia da des-
iruicjlo do exordio do Sr. Oaihe e da quda.do Sr.
I). Juan Manuel de Rosas, onganando-se torpemente
como.se tem engaado* em ludo desde que manda-
ram para o Prala assuas esquadras; pois julgaram
que, logo quo apparecessem as suas frgas navaes
as nossas agoas, amos lancar-nos nos seus bra-
cos, implorando o sou dominio ; desapontados nis-
lo, comii em toda a sua poltica a respeito dcsles
paizes, porquo encontraram urna resistencia ines-
perada, porm mui propria, mu digna dos Argen-
tinos, que, collopadosao lado d.o um cididlo eim-
nonlemento americano, como he o Sr. D. Juan Ma-
nuel do Rosas, nilofonhecenv nem admittem nosta
grando qucstilo senflo meios extromos, isto he, a
indeiendoncia ou a morte.
[Jornal do Commercio.)
A Imperial Socedade Amanto da Instrucgflo
nomeou para cumprmenlar e felicitar a S. M. o Im-
perador, no seu regresso corte, urna deputagilo
composta dos Srs. socios: presidente l.uiz Fortuna-
to de Brito Abren Souza o Menezes, commendador
JoiloRabollo de Vasconcelos eSouza, os marcenaos
Jofo Carlos Panlal e Antonio Eleziario de Miranda o
Brito, Patricio Ricardo Freir, os doutoros l.uiz Vi-
centedeSimoni. Jos de Assie'Alves Branco, Joo
Antonio de Azevedo, e Luiz Garca Soarcs de Bi-
var. .
O Sr. doutor Joilo Francisco de Almeida foi no-
meado director da faculdado do medicina na Babia,
para servir por lempo do tres anuos
OSr. ministro do imperio mandou consultar o
tribunal da junta do commerciosobreo requerimen-
to, em que o engenheiro franecz G. Michiels pede
privilegio exclusivo para a fabricagilo, imporlagilo e
venda do umapparclbo por elle inventado para fa-
bricar c refinar assucar.
Mandou-se proceder classlficagiio das mages
operas, para ser incluida na tarifa dasalfandegas.
Pel ministerio da marinha se declarou que nflo
he permiltido aos olliciacs de fazenda extranumera-
rios da armada usar de dislinclivos militares.
Ocapilo-tenente Jos Thomaz Sabino leve a
desgraga de cahr cm estado de loucura ; deve ser
removido do bospilai;da marinha para o dos alhea-
dos na Praia-Vermelha.
Em ola de 18 de abril, communicou o Sr. en-
carregado do negocios de S. M. o Imperador da Rus-
sia ao governo imperial, que os navios brasleiros
nos portos russanos so senlos de todas as laxas
supplementares, tanto dos diretos do navegagao
comodosdalfandega.
O Sr. Luiz Bignan Brasileiro foi nomeado ca-
pelIHo cantor da capella imperial.
L-se na Gazeta fficial:
O nosso cnsul em Liverpool em officio ao go-
verno, datado de 26 de margo, diz o aegunte :
.. s ultimas niodicages feilas na tarifa dos-
te paiz relativas importagau do assucar dos portos
eslrangeiros, tem causado grando aclividade nesle
mercado para o assucar do Brasil, e nos tresmez.es
passados teem entrado, s nesle porto, quasi dez mil
volumes desao genero, e ha toda a probabilidado
que a quautidade importada continuara a augmen-
tar consideravelmenle, prometiendo ser em poucos
annos um'dos ramos mais importantes do commer-
cio ntreoste porto e o do imperio.
Tambomclegou recen tmenle a esto porto, pela
primeira vez, ha inoilos anuos, um navio carregado
de madeira de conslrucgo de Paranagu, para a
qual procurar-se-ha adevda classilicago no regis-
tro de l.loyds, sendo provavel quo aescacez de ma-
deias de conslrucgo quo se sent nesle paiz, nflo
obstante as grandes imporlagOesquo tecnjiavido da
frica, da India o da America do Norte, far que as
niadeiras brasleiras, quando melbor conhecidas, en-
tredi em concurrencia com as daquelm paizs, de-
aenvolveiido assim um novo ramo de comm#rcio bra-
sileiro e lie riqueza nacional.
O governo mandou declarar ao director da a-
cademia das Bellas-Artes, om additamelito ao aliso
de 18 de fevereiro, que se conceda uo pintor Lasagitu
uina medalba de ouro.
Foi comniunicadoao Sr. Fr Custodio Alvos Ser-
rao o decreto que Ihe concedeu a demisao pedida
de director do inuseu nacional e da aecgao >!e mine-
raloga, geologa e sciencias physicas do mesmo
museu, louvando-seosbons servigos que prestrou
uo referido eslabcleciuienlo._
Diario do liio de Janeiro.)
COWMERCIO.
Alfandega.
RENDIMENTO DO DIA 17. +......... 2:441,285
Descarreqam hnje, 18.
Barca Jamei-Stwart bacalho.'
Rrigue Indn rhercadorias.
Rrigue Louite -- idem.
Qonsula'do,
HF.NDIMENTO DO WA 17.
Geral......................... 2:171,608
Provincial...................a. 1 =276,734
- ____________ 3!448",34a.
Movimcto do Porto,
Navio entrado no dia 17.
Patagnnia ; 50 dias', escuna ingleza .ouie-Jane, ca^
pitan F.dwardChristian.equipagem 8, carga. Rua-
' no;ancapito. Vem refazer-se d'agoa, e segu
para Islo-of-llan.
Bn-de-Janeiro e Baiiia ; 9 das paquete inglez Croae,
coinmandante Lewis.
Obtertacito.
O pilot-boat de guerra brasileiro, entradohontem,
denomina-se Cahi, e nao Cahiqut, como se publicoq
por engao.
P.IO-DE-JANEIRO.
CAMBIOS ao !* 3 0K MAIO D 1847.
Precot da ultima hora da praca.
Cambios sobre Londres ........ 27 i
Pars.........3*5
a HamburRO......645
Metaes. Ongas hespanhlas.......29,800a 30,000
i da patria.......99,200
Pesos hospanhes......1,980
...la patria.......1,835
x Pegas de 6,400, velhas .... 16,800a 17,000
Pratf.............99a 100
Apolcesde 6 porcento....... 82^
provirrcaes..........81 4
(Jornal do Commercio.)
BAHA.
CAMBIOS SO DIA 11 DE MAIO DE 1847.
Londres ...........28 j a 28
pars...............320 o Tranco.
Hamburgo............* o marco.
Lisboa..............100 a 105 p-c^depr,
Oncas hesponhlas .......30,000 a 30,500
V mexicanas.........29,500 a 30,000
Pegas de 6,400......... 16,000a 16,200
Moedas de 4,000..........9,000
Prala...............98 a 105
Apolces do seguro Lealdado 20 p. c. de pr. nominal.
" o do governo 55 por cento de descont.
AccOes do banco 20 por cento de pr. jioininal.
Y (Do Mercantil]
UU-J-U___----------JJ.J L-~
Editaes.
ItECIFE, 17 DE MAIO DI 1847.
Chegam a 4 do corrento as gazetas do Rio-de-Ja-
neiro, que recebemos pelo paquete inglez Crane, en-
trado boje ueste porto.
S. M. o Imperador recolbeu-so curto no dia 30 do
abril ullna.
Entre os artigos do Jornal do Commercio, que nesle
numero podemos transcrevor, os luiloroa acharao
um quo desneve a ma uoira por quo S. M. fra rer elu-
do na cidade de Nilerohy ; c outro que refere a sua
viagem por mar al ao caes do arsenal de marinha,
onde desembarcara, aliin uo seguir om carruagem
para a imperial quinta da Boa-Vista.
No dia 3 desle mez, a 1 hora da tarde, abri o mes-
mo Augusto Senhor a quarta sussfto da sexta legisla-
tura, como consta da acta que u'oulro lugar co-
piamos *
iNesse mesmo dia eclebrou-so um Te-Deum na ca-
pella imperial ein aegao de gragas ao feliz regreaso
de 8. Mr
A assemhla legislativa provincial do Rio havia si-
do proi ogada al 8 do precitado mez.
9 Sr. Gaspar Jos Lisboa tinha sido demiltido do
lugar de enviado extraordinario o ministro plenipo-
tenciario do Brasil junto ao governo dos kstados-
Ifnidos d'America.
Para oceupar o cargo de cliefe de polica da corto
emquanlu osliver na cmara temporaria o Sr Val-
detaro, fra nomeado o Sr. desembargado!- Antonio
times da Silva.
O Kx.ni. Sr. senador Bernardo l'ereira de Vascon-
cellos achava-se gravomonte enfermo.
A Baha apenas nos mandou por este paquete al-
guna uuineos do mercantil.
A provincia eslava tranquilla.
O assassino de D. Julia Fetal tinha sido pronuncia-
do a prisujj o iivramento, como incursu no grao m-
ximo do arligo 192 do cdigo criminal.
Miguel Archanjo Montiiro de Andradi oficial da im-
perial ordem da Roa, caralleiro da dcChriilo, e tnt-
pector da alfandega de I'ernambuco, Por & I.
Senhor D. Pedro II, que Deot guarde, etc.
Faz saber que.no da 18 boje do correnle.aomoio-
dia, na porta da alfandega, so hilo de arremataren!
hasta publica 21 duzias c 11 mantas,o 2 duzas de cha-
les, ludo de seda, no valor do 850,000 rS., impugna-
do pelo amanuense Domingos da Silva Guimiiriics,
no despacho por faciera de J. Keller: sendo aarre-
inataeo subjeita a diretos.
Alfandega, 17 de maio de 1847.
JUigyel Archanjo Monteiro de Aniradt.
Miguel Archanio, etc.
Faz saber qim, india-19 do crranle, ao meio-dia,
na porta da alfandega se h.to de arrematar em has-
la publisa 105 pranxcs de pinito, no valor de 63,000
rs que sorviram do estiva nos armazens da niosmi
ulfandega: sendo a arrematagilo' livre de diretos.
Alfandega, 17 de maio do 1847,
Miguel Archanjo Monteiro de AndraUc.
Dt'claraccs.
..^1
A mfla pelo paquete inglez Crane, que segu
para Falmouth, feeha-so impretcrivelinentc no dia
quartn-feira, 19 do oononte, as 10 horas cm poni,
no consulado britannico, na ra do Trapiche-Novo,
. 12, segundo andar.
O escrvilo o administrador da mesa de rendas
internas proviucaesdesta cidade faz constar ato
dos os Srs. propietarios o a quem mais pffljsa i
le^essar que do dia primeiro do prximo vimlou
ro tnez dojunho senuncipiam acontar os 30 dial
uteis para o pagamemo a bocea do cofre do
gundo semestre do auno de 1846 a 1847 da docinii
dos predios urbanos dos 3 bairros desta mesma ci-
dado e da pnvoago dos /Bogados e lindos ellos in-
correm na indita de 3 porcento na forma ca le, o>
que no pagaren, o soym de prornpto cxeculados.
Rccife, 18 do maio de 1847. -Clorinda l'erreira Ca-
ldo.
9SBB
Avisos martimos.
Para Genova o briguo portngucz Tarujo-Pn-
mairo partir aleo lim do presente mez: para pas-
.sageiros. smemenlo, para o que eflorece asseiadps
commodose ptimo tratanionto, os prctendentes
tratom com o capitao, Manoel do Oliveira Faneco,
ou com Firmino J. F. da Rosa narua do Trapiche,
n 44. *
Para o Aracaty pretende sabir com brevidade.o
lliale Noto-Olihda : quem nelle pretender carregar,
ou ir do passagein, enlenda-so com o mostr do mes-
mo, Antonio Jos Vianna, no Trapiche-Novo.
I.Cll.K).

Ocorretor Oliveira fara leilo da inais esplendida
mobilia, consistindo em guarda-r.oupas,
8s de jogo.de nido de sala, de janlar, aparadores,
cadeiras, ditas (te balanco, lavatorios, commodas,
marquezas, relogiosde cima de mesa, espelbos db
parede, toucadores, pianos, loitos mangas do vidro,
lanternas, candieiros dp globo, obras do prata,
tros niuitos objectos d bom goslo o assaz necessa-
rios: sexta-fena, 21 do crrante, na ra doueima-
do, segudlb andar da casa n. 14, as 10 horas da raa-
nhaa.


w
Avisos diversos.,
.' '
LOTERA DOTIIEATRO PUBLICO.
P Conscqii(Mica ileso nilo ter completado a von-
, iLi.i Hieles desla lotera, e exislirem alguna a-
. I.jlholos uesia loiena, e exrsurem alg
VI Bin sor, o respectivo thesourero dexou de fazer
'" ffpclivo u andamento das rodas no lia 12 do cor-
en irausforio para o lia 29, uo qual espera rea-
riafallivelmenlo o dito andamento; e pede -
iiiollaa pessoas queleofn marcado e apartado billie-
0
renl",
les,'fjn'pos vilo receber at o dia 26.
O LDADOR.
i TA P^808 1ue quizer diariamente duascanadas
deleite de vacca, liquido, mandando-se levar bem
codo, e pelo prego do 1,120 rs. a caada, annun-
cie.
--Quem precisar de urna ama Torra para todo o ser-
vigo de una casa, dirija-se ao becco da Lingoela, n.
8, primeiro andar.
Precisa-se de um pequeo para caixoirode ren-
a, cojm pratica ou som ella: em Kra-de-Portas,
venda n.92. *
Oarrematante das aTericoes desto municipin do
Recite pela ullima ve*, Taz certoa qnein interessar,
queolempodarevisla da mesma afericlo se est
concluindo, equelite nilo lie possivel despachar a
todos, guardaodo-se para os ltimos das, do que
O NAZARENO N. 34,
est a venda impreterivelmenle as duas horas da tar-
do na prega da Independencia, livraria ns. 6 e 8.
"Traz umaexcellente Ode l'indarica ao nosso Ilenri-
queDias: noticias do Rio, o otros niuitos artigos
de inleresse, e um a respoilo do Portugal, milito dig-
no de aer li.lo, como tildo o mala: a ello logo'cedo.
Se continuar a concurrencia,' como al sqiri, e o
propietario poder concluir cortos arranjos da lypo-
g rapio, o Nazareno passara a ser diario.
A Mqsa Rcgedra
da veneravel ordem 3." de San-Francisco convida e
pede encarecidamente ajodos osseus charissimos ir-
mitos, comparegam no dia 23 do corrente mez, pelas
M previne para que nao alleguem ignorancia em tein- 2 horas e meia da larde, na igreja da mesma nrdain
po aiguni. pai o fim de acow
--<> arrematante dosdizmos dos cocos desto mu-
nicipio do Recife faz corlo aquellos pessoas que an-
da rtlto pagaram a collecta dos mesmos cocos, do
fi 17G, boje, as 10 horas, achar-so-ha a venda na
pMva da 'independencia, |oja n. 12, onde tambem
f0 acharSo os nmeros aoterjores .sempre nteres- junhodel846 a 18*7 que emjunho prximo r.itu-
sante mesma loja vende-se a CARRANCA atojm fsz um anno # por SSopreteiide cobra, judi-
n.10. |caImenle;poisque, nilo leudo sido possivel que-
_ Precisa-sede urna ama para todo oservigo de urna Irerem pagar amigavelmente nlo obstante a gran-
ease de milito pequea familia e para comprar I de condecedencia que lera tido com as mesmas, nilp
lodo o iieccssarlo n ra na ra dos Acouguinhos, I Ihc resta sen II o dar andamento ao que a lei empoe
precisa-se de urna imilhej* honesta para estar
em rompanhia de urna senhora casada dando-se-
llieo sustenlo e o maLs necessario preferindo-se
qiiescja i Josa : na rua dos Acouguinhos, n. 1.
|>recis-se do urna preta que soja hbil para
vender na rua toda c qualquer venda, pugado-se
inensalmeiite ou por dia conformo se tratar : na
rua dos Acouguinhos, n. 1.
Na rua Nova n. 7, primeiro andar, trata-se ra-
dicalmente das molestias venreas, tanto antigs
como modornas, por meio de um remedio no mer-
curial. ,
Pelojuizo da primeira vara do civel oscrivilo
Rcgo, tcm de aer arrematada a metade de um sobra-
do silo na rua Nova desla cidade por execuc.no da
viuva e herdeiros de l.uiz Ferroira Campos a seu de-
vedor Antonio Pereira e suamulhcr, por ser a ul-
tima praga
--Quem precisar de urna ama para o servigo in-
terno de urna casado liomem soltciro ou de pun-
ca familia, a qual engomma cozinha e lava diri-
ja-se ao becco da Viragilo, n. 31.
Curam-se radicalmente as dores de denles, mes-
mo estando cariados, em cinco minutos : na rua
Nova n. 7, primeiro andar.
Precisa-so de um escravo cozinheiro para urna
casa estrangeira : na praga da Independencia, li-
vraria qs. 6 e 8. .
AVISO.
0 hidro que faz bilhetes falsos e que anda as-
soalhando que silo feitosna typographia do Sr. Fi-
gueira, querendo desl'arte lisnar a reputaran
dos empregados da mesma typographia, baja de
alister-se; do contrario se apresenlarflo polica pa-
ra recebero premio devidoaos falsificadores de fir-
mas laicas. No he tilo grande o bairro da Roa-Vis-
ta que seja ftidicil descobrir-se a sua pessoa, ~ O
beneficiado do dia 16 de maio.
.Prccisa-sealugar um preto, seni vicios, para o
servigo de casa e rua ; na rua do Trapiche, n. 8 ou
aiinuncie.
--Quem tiver para arrendar um sitio a margem
da roCapibaribe com boa casa, estribara etc.,
e que diste desta-praga urna legoa pouco mais ou
menos,com bastante baixa para capim prnporgOes
para algumas vaccas de lete e outras commodida-
des, annuncie.
--Prccisa-se do urna preta ou parda que leona
lioin leite : na rua do Amorim n. 25.
--Precisa-se de dous trabalbadorcs para urna pa-
daria : na rua Dheita dos Afogados, n. 66.
Precisa-so de un homom portuguez, ou mes-
mo bmsilei.ro, que saba bem lirar leite", e quclra-
bafhc naquilfo que se offerecer preferindo-se ca-
sado : na Passagom-de-Olinda silio de Joilo Anto-
nio de Carvallio Siqucira.
Jos Tavares iln Silva participa ao respeitavel
publico, que, por apparacer outro tic igual nomo,
se nsslgnara, de hoje em diante, por Jos lavares da
Silva liis.
Aluga-se o pViinciro andar do sobrado n. 22 da
rua do Vigario : a tratar no segundo andar do mes-,
mo sobrado.
Fqrtaram da villa do l.imoeiro, no dia 23 deja-
neiro denle anno, um cavallocastanhoandrino tiran-
do a preto) sellado, e o mesmo soltador 'ou espinhago
comprido; tein estrada baixa; he castrado; teiri dous
ferrus tilo' apagados quo se nflo podo acertar com
sua venfadeira forma. Tanibm fia la rain, n.) dia 22
de. margo desle anno, da villa do llrejo da Madrc-de-
DeoSa um ca\alio alasilo com cabello do rozilho, a
fente aberla, os dous ps calgados al a curva, curio
o grosso; fez a segunda muda. Gralifca-sc boma
qifeni os tomar, c os entregar ta comarca do Rrcjo-
da-Madre-de-Deos ao tenenle-coronel Cordeiro, ou
aosjuzes de direito c municipal; o nesla cidade,
uo primeiro aiular-dojiobrado da rua da Cadeia del
Siito-Anloiiio, n. 1*.
|)'eseja-se fallar a Manoel Rodrigues Campello,
cscrivio do lrejo-da-Madrc-de-Deos, a negocio de
seu inleresse uo sobrado n. 14: da rua da Cadeia
do SanUi-Autonio, primeirq^andar.
Eu abaxn assignado declaro ao Sr. JoseFernan-
desFerrejra.e quem entreguei a. padaria da rua da
Seiizalla-Velha, n 98, da qual sou socio e procura-
dor de Antonio Marques Silva de Almcda que se a-
rN..C!uPtyugal, que nao poder abrir uem usar
do qiiaTqutfr carta de ordens ou procurago para
qualquer negocio, cujas oi'dens me venham remet-
tulas, sem liceoga dos mous procuradores que silo os
Srs.J^anoel da Silva Lopes e Krancisco Jo Piado, que
liara isso licam aulorisados, em qunnlo eu nao for
desonerado da dita sociedade por procuragilo do meu
socio.
Antonio da Silva Ferreira i Sanio.
aos que negam-so a pegar.
Precsa-sealugar um moleque que seja diligen-
te o sem vicios, para servir em urna casa ingleza :
quem pretender dirija-so a Boa-Vista, atrs da rua
doSeve, casa nova que lica defroute do collcgo de
meniiRS.
O Sr. Jos Norberto Casado Lima annuncie sua
morada para se Ihc fallar a negocio de inleresso.
. Preeisa-se a lugar u ni preto i| ue seja possantc o
fiel para vender pilo com um liomem, e depnis fa-
zandas em um laboleiro : na rua Imperial, n. 37, ou
annunco.
Atengo.
Jos Jojiquim de Novaos participa no respeitavel
publico,que miidoil o seu cstabelecinieiito de all'aiale
da casa dos 4 cantos da rua do Queimado para a lo-
ja n. 30 da mesma rua, onde so acha prometo a
servir os seus.fieguezescom aquella promptidilodo
costume e a todas as pessoas que sua casa se qui-
serem dirigir; assim como vendo pannos, casimiras,
madapulites, sarja para vestidos, corles de colleles,
luvas do'lodas as qualidades, lengos do seda o de
cassa, botos de todas as qualidades, retrozes, l-
nhas,. e muilos outros objeclos que sempre ha de
haver venda; assim como baver sempre obras
feilas de todas as qualidades,com a mesma perfeigio
das do encommenda. Na mesma casa vende-se al-
paca a 800 rs. o covado ; panno de linho da Allema-
nha a 440 rs. a vara ; cortes de cambraia para vesti-
dos, de bonitos padroos ; mcias casimiras, as mais
ricas que tcem apparecido, para caigas; crlesele
gorgurilo, os mais modernos que leem vindo, para
colleles.
-- Aluga-se um sobrado de dous andares com lu-
jas na rua estreita do Rozario, n. 20; una casa
terrea pequea na Trempe, na rua do Sebo u
52 por 8,000 rs. mensaes : a tratar no escrploro de
I'. A. de Oliveira & Flhos na rua da Aurora, ti. 26.
-- Na rua Nova, n. 35 deseja-sc fallar ao Sr. pa-
dre Antonio Claudno a negocio que llm diz res-
uelto.
Quem livor para alugar um sitio com as com-
modidades precisas para urna' familia e que nilo
excede de meia legoa desla praga annuncie, ou
dirija-se a rua Dircita n. 29.
Roga-se aos Srs. Francisco Caetano do Souzn o
Jacinllio Jos deSouza, naluraesdu ilba deS.-Wi-
guel de dirigirem-so a rua largado Rozario, n.
29, afim de receberem urna caria, vinda da iiics-
ma ilba tendenle a urna hormiga.
para o lim deacompanharem a proeissilo do DIVINO
ESPIRITO, SANTO que lera de-sabir da igreja conven-
to de San-Francisco.
Quem annunciou precisar de um rapaz que en-
lendade ferragens, dirija-se a ruada Florentina,
n. :iu.
Precisa-so alugar um preto para o servigo do
una padaria, anda que mo enlenda da mesma : na
rua dosGuararapos, padaria n. 4.
Precisa-so de una casa de um a dous andares,
com accommodages para numerosissma familia, c
em lugar assaz areijado, em algum largo, por exem-
plo, e o mais central possivel do baiiro de Santo-
Antonio : quem a liver para arrendar, dirija-se li-
vraria do Dr.Coutinlio.na esquina do rua do Collegio,
ou annuncie por esta folha.
Compras.
Lima, alfaiate,
na rua larga do Rozario, n 40, precisa de olliciaes
de seu nllicio e recebe aprendizes para ensnar.
Tambem vende pannos, bous' brins trangados,
haniburgos ripeados, hollandas, madapoles al-
godloziiho (rengado linhas deludas as qualidades,
obras feilas, btes de todas as qualidades, panno
azul minio superior O velludo.
- Furtou-se, na madrugada do
dia 15 do porrnle do cjui'nlal
dafasa do Aterro-doa-Afogados, n. 7,
um cavullo alaso,
ta branca, dinas brancas, tres ps calgados,
e que por maior signal lnha o peilo lodo ferido :
ar para dita casa ser generosamente re-
compensado.
O proprietario da casa da rua do Cotovello, n.
09, que divide com a casa n. 101, perlencenle a ma-
triz de S.-Fr.-Pedro-Goncalvos, avisa mesa rege-
que naja de mandar assistir demoligflo do
oilo 'da mesma casa, no dia 18 do corrente.
I'rccisa-scdo urna pessoa que estoja habilitada
para tomar conta de urna venda por balango, a quem
aerara botn inleresse, sendo pessoa capaz na rua
de Santa-Jtita, n. *>.
O procurador do Manoel Ferreira Li-
ma he Antonio Ferroira Lima, mora-
dor na rua Nova, n. 8. *$}
iBMmmimm
-Compram-sc cdulas cu-
ca ruadas de 'JO.^000 rs., com
pouco descont : na esquina
do Livramenlo, loja de por-
tas.
Compram-se duas rotulas para porta, em bom
uso : quem liver annuncie.
-Compram-se, para fra da provincia duas es-
cravas pelas ou pardas que tenliam habildades|,
o no escedam de 20 a unos ; e dous moleques que
sil vam para ofiicio : na rua Nova, loja de ferragens ,
n. 16, se dir quem compra.
Compra-so um papagaio quo seja mu lo bom,
e paga-so bem na rua da Cruz da Recife, venda nu-
mero 66.
-- Compra-se urna carroga nova ou em bom uso,
que sirva parajum cavallo ou um boi, com os seus
arreios : na rua da Cadeia do Recife loja n. 54, de
Joaqoiiu l'iibeiro Pontos. Na mesma loja vende-se
urna barcaga em multo bom uso, que arroga
18caxasdo assucur, o est prompta a navegar para
qualquer porto, pelo diminuto prego de 800,000 rs.,a
dinbeiro a vista.
Compram-se ps do limflo para cercado : na es-
trada dos Afililos no sitio do fallecido Peixoto, ou
na rua da Cruz, n. 10.
Compra-so urna escrava moga que engommo
e cozinho : na rua do Queimado, n. 4.
Vendas.

Petgunla-seaoSr. Antonio Ferreira Li-
ma se be procurador do seu mano o
Sr. Manoel Ferreira Lima, nlo obstante
a dcclaragflo feita pcrgunla no Diario
n. 107 e 108, que lalvez partisso de
oulrem
("asa da V
na rua e.slreila do lo/ario, n. C.
Neste eslabelecimcnto acbam-so venda as boas
cautelas da bem arredilada loteriado (hoatro piiblieo
desta cidade, para cujas rodas est annunciado o an-
damento para o dia 29 dcsle corrente mez ; e por isso
convida a lodos os freguezes amantes destejogoque
nilo poderem comprar bilheles, a compraren! as cau-
telas, afim de que com ellas so babilitcm, e partici-
pen! das sorlcs desta lotera. Prego das cautelas: de-
cimos a 1,000 rs. c vigsimos a 500 rs.
Vendem-sc3 prelas, entre as quaes urna en-
gomma, cozinha e fazo arranjo de una casa; urna
parda que cose, engomma o faz o servigo de urna
i-asa; um preto perfeito cozinheiro, e que lio
bom criado do urna casa : na rua do Passeio. loja
n. 19.
Vende-se urna piola de 30 annos, por 350,000
rs., que faz lodo o servigo de una casa c he qui-
landeira : no pateo do Carino, n. 7, na loja.
Vende-se ou troca-so portHM casa terrea com
quintal, ou por algum pequeo sitio com arvones
de fruclo, periodo Reeife, um sobrado novo todo
forrado, com um grande sotilo, paredes dobladas,
chitos proprios, o qual rende por mez 34,000 rs.: na
ruaestroila do Rozario, n. 10, terceiro andar.
, Vende-se a vetdadeira e superior
potassa da 1'. ussin, branca, e em barris pe-
quinos : na rua da Cadeia do Recife, ar-
mazcm n. 12, de Bailar & Oliveira.
Vende-se urna propriedade de tr-
ras, denominada Cotia, no lugar do ria-
cho Cavafuba, na comarca do Limneiro
Os prelendcnles dirijain-se rua do
Queimado, n. 17, primeiro amlrtr.
Vende-se arroz pilado branco; dito verme-
Iho; dilo com casca; fcijo mulatulio: tudude mili-
to superior qualidade: na venda da rua da Praia, n.
39
Vende-se urna escrava de 10 annos, de boni-
ta figura : na rua da Roda derraeira venda.
. Vende-so um negro, por prego commodo, pro
pro para o campo na run da l'raia, n. 32.
Vende-so urna casa terrea, com a frente c reta-
guarda de lijlo, eo mais de taipa, sita na ruado
Molocolombo, nos Afogados, por 120,000 ris : ella
rendo 2,000 rs. por mez, ese da a prazo : trata-se na
rua Dirila, n, 29.
Vcndem-se cxcellentes saceos de tapete, pro-
prios para conduzir roupa, assim como chicotes in-
glezcs : na ruada Cadeia-Velha, loja dosolloiro, de-
fronto do Becco-Largo, n. 27.
Vendc-se urna casa terrea, sita no arial das
Cnco-Ponlas, com bons commodos, e por prego m-
dico : na rua do lloi las, sobrado n. 142, segundo
andar.
Vende-se um braco de balanga grande com con-
chas e pesos; una batanea o marco para rap ; 2 Ira-
dos; 2funis; um pao para pipas; funis de folha,
grandes o pequeos ; um banheirodo folha: ludo
vier Viainia, na rua dosGuararapos, 11. 4. Asscgura-'.em bom estadoe por pregos baratos : defronleda li-
te aos freguezes, que serSo bom servidos. I beira da Boa-Vista, venda u. 60. '
1#
0)
-- Da casa du Aterroda-Boa-
Vista, 11. 7K, rouharam, no dia
(2 para 13 do corrente, os seguintes objeclos: um
annel dcoiirocom brilhante e qualro robins; um
annellodc ouro com a firma A. S B. ; um alfinete
de uro para senhora, com flores levantadas; um
dito com camafeo grande; um dedal de ouro enm as
lettrasM. P. L. M. F. A ; um alunte com ni.lozi-
nba de ouro, e um diamante pendurado; dous ditos,
sendo um esmaltado, o. outro com urna corrente/i-
nha sogiirando-outro pequeo; dous botesde ouro
esmallados, com um diamante cada um; um dito dito
com urna esmeralda, com um cordfozinho seguran-
do um allinele; um dito liso; um retrato cncastoado
cin ouro, lendo um lago em cima, com um diamante
o duas Urinas ns costas, M. P. L., M. F. A. Roga-se,
porlanto, a qualquer pessoa, a quem fr offerecido
qualquer desles objeclos, ou dolles tiver noticia, ba-
ja de so entender com Manoel Pereira l.amego, na rua
do Crespo, n. 2, ou na rua do Queimado, n. 7, que
ser generosamente recompensada.
Avisa-se aos Senliores habitantes da cidade de
Olinda, que do da 16 do corrente mez em diante ha
a vender, na casa do Sr. l.uiz Gonzaga, na rua do
San-liento, pilo fresco, d muto boa farinba, o bem
amassado, as cinco horas e meia da mantilla, sendo o
pilo de bom tamanho, feilo na padaria do Andr Xa-
-- Na livraria da rua da Cruz do bairro do Recife
acham-se venda as seguidlos obras, recenlomen-
techogailas de Pars as quaes silo do autores mu-
acreditados, o por conseguinte muito uteis aos
Srs acadmicos : Introduelion a IVludo du droit ,
pelo profossor Kscbliacli; dem, pelo profossor Falck}
C.ar.ioties individuollcs pelo prefessor Clierlniliez;
Droit administratlf, por Laferrire nova edlcAo
mais augmentada quo a de 1841 ; Droit criminel,
pelo professor Bnitanl, nova edigilo de 1847 e aug-
mentada; Libert in lviduelle, or CnlTlitre ;
Droil puhlcdes Francait, pelo professor Serrigny ;
Commentaire sur la charle de ,1830, por Reriat Saint
Prix; ObservacAes n mesma carta, por Silvestre
Pinhoiro ; De l'expropriatioii par ulilt publique,
por Delalleao*: Colleetion de dsenurs sur la peine
do mor, por Ch. Lucas, ( obra rara ) Prcis du droit
criminel, porMalpoyro; Loix pnales, porPastoret;
Droit criminel por Dubois ; obra intoressantissi-
ma para os que desojam ler 'nolicfiTda nistoria do
direilo criminal desde os povos'nmigos at o esta-
belecimenlo do christianismo); Syslme pnalo, par
Orlolan ; Diclionnaire de droit criminel, pnr Aoh.
Morin; llisloi re du droit romain, por Orlolan ; Ins-
liluiesdu droit romain. pelo mesmo ; E'tudes du
droit romain por Itra'rd ; Lgislation compare,
por Orlolan ; l.gislation compiro, por l.'llermi-
ner; Dictnnuairu du droit commercial, por Coujet
o Merger ( obra modernissiina |; Quoslions sur lo
code decommerce porllerson; Droit commercial
teln l'iisage uilversel de tous les 'eommerceants;
Conlract de coinmissinn por Delamarre; Conlract
de commission por Persil; Traite ilos fallles por
Barred; Trail des faillites por ftenouard j idem,
por Ksnaut; llistoirc de rconomio politiquo por
Bargeraont) idem, por (llanqui; Preis do l'K'co-
nomic polilique por Blanqui (excedente resumo
das doiitrinasdeSay e de muita ulilidade para os
Sis. acadmicos que cnrsain a aula de economia po-
ltica J ; l-j-onomie politiquo porScialoja ( profes-
sor desla scencia em aples ); l.'esprit do l'co-
iiomie polilique por Collorino ( obra publicada o
anuo panado); Libert du traval, por Dunoyer, (11
nomeada do que. goza o Sr. Dunoyer na repblica
das Icllras, he bastante para recoinmendiir.a leilnra
lesta sua ullima producgilo!; Gaslaldi libert
commercialo I obra quo conlin al;uma novidade,
e por isso sube fra do commum o merece alguma
allengflo ); l/tatdesoiivrers por Villerm, ( obra
de sumiiia importancia para os que se qoizercm
dedicar ao cstudo da condigno dos obreiros : foi em-
prebendiila por ordem o sob os auspicios da acade-
mia das seieucias moraese polticas do l'rauga J ; Do
la beufaisanco'piibliquo por de Coralillo, ( livro
digno do ler-so ) ; De la misero, pelo condo d'Ester-
110 ; Causes du malaise indiistriel, por Iteres (obra
premiada ); Causes du malaise, por llouvier Dumo-
last.
Vende-so aengenboca Racho^das-Bestas, sita
na froguezia do Nossa-Seiihora-do-, do Altinho, da
comarca do Bonito, em PaBellas-de-Slranda, por
prego commodo, e vende-se a prazo : trata-se na rua
Dueila, sobrado 11. 29.
Livrosemconla.
Vendcm-sc os seguintes livros : um missal om
muito bom estado ebem cncadernado, por 10,000
rs.; Pbilosopbie de Laromiguire, por 1,600 rs. ;
Guada-livros moderno, por 10,000 rs ; compendio do
Historia moderna, por 1,000 rs ; Colonie ebretienne,
nouvelle, por 1,000 rs. ; Pliilosophio do Malina-, por
1,000 rs.; tratado dcOperagdes do banco, por 1,000
rs.; Vision do D. Rodrigue, por 640 rs.: na rua c*
Ireita do Rozario, loja do encadernacilo.
Vende-so 11111a mesa do Jacaranda com 7 palmos
de comprido o 3 1/2 de largura, forrada de panno por
cima, leudo quatro gavetas na frente, c3 pelo lado
opposto, que serve para escriptorio : na rua da Ca-
deia do Santo-Antonio, sobrado n. 14, primeiro
andar.
Vcndem-se tres vaccas (orinas com
crias, clicgadas pelo ultimo navio de Lis-
boa : na rua d Apollo, n. 8, armazem de
'edio Alcxandrino Comes.
9ittmfnttttt?fi9v<3
'' 1#9 Conlinua-se a vender bolachinlia o lio-
*i^ linhodocesdefarinhadeararula,pro-
15 Pr'os l"""n eha,ou mesmo para pessoas
que padegam molestias} asquaes p-
denlo usar dolles, por nao terem com-
> \m
>|
Q
<*\&
posigoes oliosas. Vende-se tanto a re- P \ i
la I lio comoom lulas do 4 libras: no pa- ^,
leo da'S.-Cruz, 11.6, e no deposito da O
rua do Rozario, 11. 39, oUde tambem ^!S
-acliariio fiiscnulos e fatias doces,coiih ^J^
postoscom ovos. Tudo do bom gusto. #j (.;
**** *,*v. *** **? -i** ja#! o
w.
II
*90aie4i3*i>fiQ4?AenOnOaiC>**
Vcndem-se superiores cortes de cambraia pin-
tada, decores lixas com 6 varas olnea, a 2,000 rs. ;
litos de lindiense a 4,000 rs.; pegas do ganga
azul com 1:1 i-ovados, propna para escravosi, a 1,000
rs.; ditas de 7iinrteilji Inilia com 4 palmos de lar-
gura e 24 covados caita una, a ,500 rs. ; cober-
tores de algodilo americano a 720 rs.; e outras
militas fazendas do linho e seda por barato prego :
na rua do Crespo loja n. 10, do Jos Joaquim do
Frcilas Gumarles.
Vendcm-so duas escravas una pelo barato
prego de 200,000 rs., e a outra com as prendas so-
guintes : cose engomma cozinha o diario do urna
casa o lava do varrella : na rua do Crespo, loja
n.10.
Vendcm-sc 50 ps de coqueiros em bom es-
tado de seplaiila'rcm a 200 rs. cada um ou em
separado conforme, convior ao comprador : na rua
do Queimado, n. 57.
Vcnde-so um pardo, exccllcnto carroiro e de
boa conduela : na rua da Cruz, n. 3.
Vcndem-se 9 cscravos, miiiloem conta sendo:
duasmulalinhasdc 10a 12 annos ; urna dila do 20
annos, de elegante figura e com habilidades; um
preto de bonita figura ; 2 negrinhas urna do 13 an-
nos o a outra de 16 ; 3 prelas para lodo o servigo :
no pateo da Matrir.de S.-Antonio, sobrado n. 4.
Vcndem-se dous escravosdo servico de cam-
po, muito bons e baratos: na rua Dircila, sobra-
do n. 29.
Vendem-se 3 cscravos, sendo um negro, de 20
annos pouco maisou menos, urna mulata de 18 an-
nos, e um mulalinho de 7 para 8 anuos, todos de
mu lindas figuras, o da mulata se dir ao compra-
dor as habilidades: na rua da Cadeia de Santo-An-
tonio, D. 2i.



^PW-
mm
'* m
L ----------f*
Vendf-e cal vlrgrm cm meln^ barrica chfgatl
ltimamente ; cala vasia para aiucar ; urna porfn
de praos de ferro, de duas arrobas ; serrs grande par
serrar inadHra ; tudo por preco commodo : na ra da
Horda, armazem o. 17.
Vende-so um oscravo de nagSo Congo de bo-
nita ligura ,e que he intelligonte : na ruadoQuei-
mado, n. 11.
Vende-se um forte piano de paten-
te London dos autores de Colard e 6o-
lard ; excellente vinho branco da Ma-
deira, engarrafado : na ra do Vigario,
armazem n. 4, de Rolhe & Bidoulac.
OROM E IIAI1AT0.= 21,000 RS.
Vonde-se rolda do Flandres da mais superior
que tem vinrlo a-esto mercado, lano epi lustro
como en qualidade, pelo diminuto prego de -21,000
rs. cada caixa e a 100 rs. a relalho : na ra Nova ,
loja de ferragens, n. 25 do Teixeira & Andrade.
A' 7,^000 rs. cadfl urna manta.
NalnjadeGuimarSos Serafim & C, confronte 80
arco deSantoAntonio,n.5,vendem-se manta* deseda
modernas para senhora, pelo barato prego do 7,000
rs. cada urna; riscados francotes finos, padrOcs mo-
dernos, a 240 rs. o covad.
Ra ra do Colle-
gio, n. 17, loja
de moUiados.
Este estabelecimentoabrio-se, lia poucas dias, e
como esteja com um soitimento de lodos os gene-
ros comestivos a seu alcance leva ao conheciincn-
to do publico que seu proprietario est disposto, pa-
ra chamar a attcngo dos freguezes, a vender pelo
mais mdico prego possivel e talvcz sem cxcmplo.
Almdissoahanga-se que neste cstabelecimenlo ,ha
o maior asseio e delicadeza nos effeitos, para bem
servir seus freguezes : hu bom vinho do Porto Lis-
boa e da Figueir ; bom presunto para Hambre ,
paios lingoicas, azeitonas, sardinhas, cerveja ,
etc. ; ludo novo fresquiuho e em conU ; c multo
excedentes queijos londrinos, a 1,760 rs., muilo
frescaes.
Vendc-sc um pequeo si-
lio de boas trras, com alicer*
ees j promptos e divididos para casa terrea ou
sobrado, com a frcnie murada e cercado dos Indos,
com dous psdccoqueirnse varios de larangciras ,
eoutrasarvores de Crudo na projerlada ra Bcai ,
que vai da ra da Soledade para a estrada do Man-
guinho, junto ao sitio do Sr. Panasco a tratar co ni
Jos Anacido, na ra eslreila do Itozario n. 7.
&*
Na loja nova do Iasseio-l*u-
blico n. 17 ,
vendem-se pegas de cambraia branca lisa, muilo lar-
ga efina, com8.varasc meia, o que muilo bem da
2 vestidos, a 2,560 rs. a pega. A ellas, anles que se
uabem : depois nlo digam que se fazem a un unc os
sem (era fazenda. Igualmente ha uus riscados de
quadros, de linho puro, muilo proprios para ja-
qudas, a 400 rs. o covado.
Loja nova, ti. 4n
ao p do arco de
.Sanlo-Antomo, na ra
do Crespo.
Esto estabclcciincnto contina a patentear aos
seus numerosos freguezes as sjias pcchmchas, c no-
vamenle recebeu um sorliinento completo, que'esl
patente ao publico por pregos os mais commodos
possiveis no mercado, notando-sc com especia I idade
as seguintes fazendas: chales de lila, lindissimos
padres suissos paia senhora a 2,fl00 rs. ; lengos
ilf finissimn cambraia pintada e recortados, para
mfiodo senhora a 400 rs. ; alpaca a mais lina e
lustrosa que existe para sobrc-cnsncii a 1,280'rs.;
um completo sorlimenlo de pannos linos, pido,
azul, verde cor d azeitona verde-escuro azul-
escuro de 3,500 al 8,000 rs., do melhor fabrican-
te e mais acrcdilado tanto em suas cores como no
fabrico; princeza muito fina, a 800 rs. o covado;
madapolflo soffrivcl fazenda a 2,720 rs. a pega ,
c a 140 rs. a vara ; dito muilo lino a 3,500, 3,800,
4,000, 4,500 c 5,000 rs., ea vara a 200, 220, 240 e
260 rs,; brins de linho de quadrinhos para jaque-
tas e caigas muilo lindos padies a 610 rs. a vara;
ditos branco e cor de canoa de puro linho tran-
cado a 1,000ea 1,200 rs. a vara ; chitas minio li-
nas e de cores lixas a 160,180, 200 c 240 rs. o co-
vado ; lengos de cambraia bordados com aherlos;
sedas para vestidos; corles de collde de fuslao bran-
co e de cores ; ditos de l.ta e seda, a 800 e 1,000 rs.;
cortes de cambraia ; ditos de lila e de la e seda ;
chapeos de sol, de seda para senhora, do cores,
e com franja ; riscadinhos francezes muilo lindos
padioes a 240 rs.
Vende-se um sellim para montara du senhora,
quasinovo; urna canoa de carreira, para 8 pessoas;
um molcca de 11 annos, muilo linda: na ra da
Cadeia-Velha, n. 27.
A' 2^000 rs. o corle.
Na loja de Guimarfles Serafn) & C, confronte ao
arco do Santo Antonio,n. 5, vendem-so cortes de cas-
sa de padroes ngradaveis e cores lixas, pelo-diminuto
prego de 2,000 rs. o corto; lengos francezes grandes
linos flngindo seda, a 480 rs. cada um; lengos de
cambraia com bico, a 640 rs. cada um; ditos de dita
muito tinos com renda e bico, a 900 rs. cada um.
Polassa da Russia,
pelo prego de 180 rs. a libra m birria pequeos
na ra da.Cruz, n. 10, armazem de Kalkmann &
ilosenmund.
-- Vende-so um sitio na Pissagcm-da-llagdalena,
- com casa de sobrado acabada lia pouco lempo e
com.hastantes commodos para urna grande familia :
JoSo Fereir dos Sanloa dir com queni se deve
triUr.
= Vcndcm-se momitas u> ferro para engenhos de ai
mear, para vapor, agoa e beatas, de diversos tainanho>
por proco couiinodo; c igualmente talxa de ferro coado
e batido, de todos os tamaitos : na piafa do Corpo-Sam
lo, n. 11, em casa de Me. Calmont & Companhia, ou na
ra de Apollo, armazem, n. 6.
Gaz.
Loja de Joo Chai-don ,
Aterro-da-lioa-Visla, n.3.
Nrsta loja acha-se um rico sorliinento de LAMPEOES
l'AH A GAZ com seus competentes vldros accendedo-
res e abafadores.
Estes eandieiros o o meihore e
mais modernos que exislem-boje : recoinniendam-se ao
publico, tanto pela srguranen e bom gosto de sua boa
cojifecco como pela boa qualidade da luz, economa e
asselodeseu servico.
i\a IIICMlia loja os consumidores sein-
preacharao um deposito de GAZ de cujo se alianca a
qualidade, c cm porcao bastante para consumo.
Novos gambreoes.
Na loja do Guimarfles Scrafim & C., confronte ao
ireo re Santo Antonio, n. 5, vendem-se novos gam-
breles a 1,400 rs. o corle de tres envadose meio;'cs-
ta fazenda torna-se recommendavel |iara a eslagio
prsenle, por ser fazenda encorpada e escura; e finge
a casimira franceza por ter padres imitantes;) chi-
tas a 120 e 140 rs. o covado, ealcni disto um com-
pleto sorliinento de toda a qualidade do fazendas.
A' 800 rs. o corte.
Na loja de Guimarffes Scrafim & C., confronto ao
arco de Santo Antonio, vendem-se lindos corles de
distilo, cores lixas, pelo barato prego de 800 rs. o
corte; cnssa-chitas com flores, linas o largas, suecas
e inglezas, a 240 rs. o covado.
A' A$00 o corte.
Nn loja de Guimarfles Serafim & C confronte ao
arco de Santo-Antonio, n. 5, vendem-se ricos cor-
tes de cassa dos padies mais modernos que leem
viniloa este mercado, e lindos desenhos pelo bara-
to prego de 4,500 rs. rada corte; chapeos do sol, de
panninho franrez a imitagflo de seda, com lindos
cabos, a 3,200 rs. cada um.
NA BA DO QUEIMADO, N. n.
Vendem-se lindas manas de seda ,
muilo finas as mnis modernas que lia ,
proprias para senliora e meninas, a 3,10o
rs. ; ct tes de cassa de cores lixas ede
lindos padroes, a 4i000 r$- i sarja hes-
panhola ; dita franceza ; los pretos ; lu-
do por menos de seu valor, por ter aca-
bado a Quaresma : na loja nova de K*
C Leite.
Vendem-seescravos baratos, na ra das
l.arangeiras n. 14, segundo andar: um
molecote de elegante ligura sem vicios
nem achiques com ollicio de sapatei-
ro ede pintor; mn ilito de nagilo com
oflicio de sapaleiro o npijmo copciro ; um mulati-
nlin ilc muito boa conduela, ptimo para um pagem;
dous prelos por 700,000 rs.; unta nieta que nao hu
velha por 350,000 rs. ; urna dila de 20 annos, por
470,000 rs. ; urna dita que cozinha e engomma, o que
esta nejada ; e mais alguna escravos que se niostra-
rilo aos compradores.
Vendem-se 4 relogios dous de ouro e dous de
prata por prego muito commodo : na ra direila ,
n.29
Vendem-se dous bois docarroga muito bons,
grandes e filhos do pasto : no largo do I'araizo, n. 4.
PANNOS -BETOSFINOS
: novos na loja ; velludo pelo; chama-
ole de seda, para colleles o gollas ; se-
--Vrrilo so nnr Vir.itn nrf-(nn8d?,8ai?n08 que coso muit0 bem um preto
--WCnue-5>L, pt)r naraiO prc far,0eiro, por 350,000 rs., mogo e de boa ligura l
co, um pequeo sil o de ex- "
relenles trras, com casas de tai pa porm bem
edificadas, coulcndo'duas salas, 4quartos corre-
dor no mcio
cal
com
teirls 4
cozinha e dispensa, fra de pedra e
, urna grande cacimba e-outfa menor, ambas
1 excellente agoa de beber, varios ps de fruc-
*s 4 ps de mangueiras, grandes e de muito
boa qualidade varios ps de cajueiros jaqueiras e
larangeiras novas: nlmdisso, tem excellente bai-
xa para hfirtaliga e capim; tem muito boa visla pa-
ra o campo da Estancia Manguinhoo outros luga-
res ; he muito proprio para morar ou mesmo para
recroio por fcar perto dcsta cidade ; tem 240 pal-
mos de frente e 300 ditos de fundo pouco mais ou
menos com bom cercado e porliio situado na ra
principal da Gapunga ,. logo o segundo depois da
ponte, do lado direito : a tratar com Jos Ande-
lo na ra estrella do Itozario, n. 7.
CX- m"'s escr,,vosquo se mostrarlo aos compradores'
baratos : na ra Nova, n. 40.
-- Vende-se urna clarincta em muito bom uso: na
ra do Encantamonlo, n. 4.
Vende-se orna venda na ra Imperial n. 125
da parte do Poente ; a tratar na mesma venda. '
-- Vendem-se 51 apolices da companhia de Be-
iieribo, com 80 por cento pagos : na tua da Ca-
deia doiiecife, armazem h. 62, na esquinado
beccodo Gapim.
A'12^000 rs.
Na loja n. 5, confronte ao arco de Santo Antonio,
vendem-se ricos cortes de chaly de lila e seda, pa-
droes modernos, pelo barato prego de 12,000 rs. ca-
da corte; riscados francezes finos e modernos, a 240
rs. o covado; zuarte azul encorpado, da fabrica por-
tugueza, a 200 rs. o covado: esta fazenda he propria
para escravos.
- Vidros de espelho
de diversos tamanhos, rendein-se por preco mullo com-
modo : na run Jx Crui u. 10, armazem de Kalkmann
i uoseniiiuud.
Vidros para vidracas
em caixas de cem pi!s cubico, vendem-se por preco
commodo : na ra da Gruz, 11. 10, armazem de Kal-
kmann & Roseiimund.
Refrescos.
Xaropede groselho feito do verdiueiro summo,
viudo fie Franca a 1C00 rs. a garrafa ; dito de flo-
res de laraligeira, a 1,000 rs. a garrafa; dito feito da
verdaileira resina de iingico, que he muito conheci-
o e approvado por as nessoaa que padecem do pei-
to, por ja ter feito ptimos beneficios, a 1,000 rs. a
garrafa ; dito de maracuja, tamarindos, ananazes ,
lin.floe laranja, a 500 rs. a garrafa: no Aterro-da-
Uoa-Visla fabrica de licores, 11 17.
11111 macau ; o vci
de lislras de cores
loja nova, n. i 1,
Leile.
Venden se
Bio-de-Janeiio e
dadeiio Lrim li-ancado
: na ra doQucimado,
de Baymundo (Jarlos
VELAS de cero do
d Lisboa grande e
completo sorlimenlo : na ra da Scnzal-
la-Velha armazem n. 110, de Alves
Vianna
Vendem-se superiores chapeos de
.A&fc,castor, prettis ebrancos.-por preco
muilo barulo : na ra do Crespo, loja n.
12, de Jos Joarpiim da Silva 31aya.
>a ra do Crespo, n. 12, loja de
Jos JoaqOirn da Silva Maya ,
vendem-se ricos corles de cambraia para vestidos de
senhora ; ditos de hauzmlinas, para vestidos : fazen-
da esta muito propria para a cstagOo deinyerno, por
ser de cOres escuras; uinrico sorlimenlo de manas
do seda e de seda e Ifia para senliora; manlinhas para
meninas u duas patacas cada urna ; chales de seda
de bonitos gustoso differeiiles tamanhos; meiasde
seda brancas e prelas ', para senhora e homem s
mais superiores que leem viudo a esla praca; pan-
no lino preto e do cores ; alpaca a 800 rs. o cova-
do, e muilo lina a 1,600 rs. ; cambraias para cor-
tinados de camas e jmilas assim como franjas pa-
r os mesmos ; cortes de caigas de casimira france-
za elstica e muilo superior, a 5,000 is. cada corte ;
cortes de colletes de velludo, gorgurflo, setim e de
fustJlo por prego muilo barato; panno de linho a
400 rs. a vara ; cobertores para escravos e outras
muilas fazendas que todas se vndenlo por pregos
muilo baratos.
Vende-se urna parda de muito bonita figura,
que cozinha bem o diario de urna casa lava
do sabilo e varrella cose cho o he muito boa pa-
racasa de familia: na ra do Collegio n. 16, ter-
ceiro andar. '
IMPERIAL
DE RAPE FINO
IW
NACIONAL
A grande extracgflo que tem tido esto rap, depois
que Coi exposlo a venda he prova inconlestavel do
bom acolhimcnlo que tem merecido. O nico de-
posito he na ra do Trapiche ^ n. 34 e a retalho
vende-senas lojasdosSrs J. J. do Garvalho Moraes,
A. I". Pinto & Irinflo A. B. Vaz de ('.unalbo Cu-
nha & Amorim Pon tes & Sampnio, na ra da Ca-
deia do Recife ; A. I, dclivcira Reg, na ra da
Madre-de-Dcos; Campos & Almeida, na ra do
Queimado; T. A. Konseca, Umbelino Maximino
ile Garvalho, na ra do Cantiga ; C. G. Breckemfeld ,
praga da Independencia ; Gactano I,. Ferreira Tilo-
ma z P. M. Estima e Antonio Pcreira da Costa e
Cama Aterro-da-Boa-Visla.
Vende-se um melhodo le piano de Vegueric ,
em bom uso e por prego commodo : na praga da
Independencia, loja de miudezas n. 4
Vendem-se novas cartas para aprender a 1er,
as quacs so musir que nao he preciso o estudo das
syllahas soladas dos nomos, composlas pelo profer
sor pblicos II. de Albuqucrque : na loja da esqui-
na defronto do Collegio prego 80 rs.
Vende-se um escravode muilo boa
figura e sadio: no Aterro-da-Boa-Vista,
i. 42, piimeiro andar.
O NOVO BIIATFIRO DA BA NOVA N. 2C,
vende chitas finas que nao Inrgam a cor em lempo
nlgum a 180 rs. o cevado ; dilas entre-linas, a
120 rs. o covado ; riscadinhos francezes, a 220 rs.
o covado ; cortes de colletes de fustSo, muilo linos,
a 1,000 rs. ; chales de seda de superior qualidade,
12,000 rs. cada um ; lengos que parecem de seda a
a 320 rs. cada um; sedas brancas para vestidos de se-
nhora, a 1,400 rs. o covado ; mantas; luvas: meias;
is : brins para caigas ; e finalmente um com-
LIMA,
mudou-se do sobrado da ra
Nova para a loja da ra do -Quei-
mado, n. 10, onde contina
vender uniformes militares pa-
ra todas as patentes de eslado-
maior .avallara e infantera
da guarda nacional, galdes de
oiii'nc prata cbapeos enverni-
zados para pagens.
Vendem-se 10 escravos, sendo : um lindo mo-
lequedc 18 annos.; um escravo de 22 annos, oOJciai
de sapaleiro; um dito de 26 annos, para todo oser-
vigo; uina parda de 26 annos; urna mulalinha de
13 annos clara da cOr.com principios de costura-
urna dita de II annos ; 4 negrinhas de 12 annos'
proprias para serem educadas; urna parda de 20 an-
nos que ongomma cose chito, cozinha .muito
bem c lava de sabflo : lodos estes escravos silo de
bonitas figurase vendem-se por prego commodo;
na ra iras Cruzes, n. 22, segundo andar.
-- Vende-se um mulatinho de 14 annos, muito
lindo ; 2 ditos de 20 annos ; um escravo de nagilo ,
mogo; urna mulalinha do 11 annos, ptima para
mucama; 3 negrinhas de muito bonitas figuras,
que cosem e engommnm ; um moleqnedell anuos;
urna parda recolhida, que cose, engomma e cozinh
bem ; Sescravasde nagao, do servico de campo :
na ra Direita, n. 3.
Escravos Fgidos.
Fugio, no da 9 do coi-rente, um mu-
lato de no me Estanislao escuro, que re-
presenta ter 85 annos, pouco mais ou me-
nos, olbos pequeos, eslatura'baixa, gros-
so do corpo, cabellos bem pegados ao cas-
co, feices regulares, ponen barba, pesco-
co curto, quebrado ou deleituoso, peinas
grossas, ps chatos ; nao se sabe com que
roupa ftigo ; tem o vicio de beber, e he
bem fallante e pachola : roga-se s auto-
ridades policiacs, campanhas, ou qnal-
quer pessoa, o picnilam, ou facam pren-
der e levar a seu'Sr. Francisco Joaquini
da Rocha Falcao, no engenho San-.lose
em a freguezia deSan-LourencOj ou na
ra das Cruzes, n. 40, a Domingos da
Silva Campos, que ser2o generosamente
recompensados.
--Fugio, no din 14 do rorrento um prclo do
nomo Filippe, de nagilo Angola de 94 anuos, al-
tura regular, corpo .sreco, cor bem prela, olhos
pequeos, naj'iz grande e chplo bocea la m bem
grande, beigos grossos; tem um lalho sobre
queixo: falla branda, e um pouco atravossada ;
levou camisa de chila azul, caigas d estopa e
chapeo branco de pelln mui raso; suppe-se
sillo desenraminhadir, por ter chegado ha um
mez da provincia das Alagoas, o nflo salieras ras du
aqui. Qiiem o pegar leve a ruadoHortas, n. 3H,
que ser recompensado generosamente.
Desappareceu, no'dia 13 do curente, da casa
la ra da Florentina n. 11, um preto crioulo
nome Candido, alio, magro, bem preto
lelo e variado soitimento de fazendas de boingoslo, ,em beico iferior "m tanto dcscahido ;
mais barato que em outra qualquer parle. ea?.e cainisa de riscado escup fhapeo (
Cilcado.
Vendem-se superioressapstos do lustro, do Lis-
boa, para senhora ; ditos de tapete, duraque e
marruqiiim para senhora ; ditos do lustro para me-
ninas ; horzeguins para homem, de 3,600 a 7,000 rs.
o par ; snalos de Na 11 tes, de pala e costura ; holins
e sapatfles inglezes proprios para invern, o outras
muilas qualidade! por.prego commodo : na ra da
Gadeia do Becifo n. 35 loja do Moreira.
-- Na ra da Florentina, n#l6, defronto da cochei-
ra acharfio os freguezes ptimos vasos para flores ,
pias para preservar as foimigas as arvores, pe-
queas vasllhas para vender flores, bellos motiugues
c panellas para manleiga ou doce e outras muilas
obras ejecutadas por um perito oleiro : ludo muilo
mais baratlo que. se vendo as casas de lougu
dcsta. "
Vendo-se um balanquim em muito bom usoe
em conta : na travessa do Bozario, encadornago de
Jos Kibotrd SimOes est para se v6r.
-- Vendenhse bolas com sola grossa proprias pa-
ra inyorpo ; sapa les inglezes o franceses do tolas
as qualidades para hunicni e senhora : na praga da
Independencia ns. 13 e 15, loja do Aranles.
Vende-se urna casa terrea moderna, sita na
ra dosQualro-Canlos einlinda, com 6 grandes
quartos, oxcelleiito sala defronto, assobradada
para tras, com grandes lujas a cacimba; a tratar com
seu duno, Antonio Joaquim de Almeida Guedes Al-
canforado na ra de Matliias-I'ei reir em a mes-
ma cidade. Tambem vende urna canoa do carreira.
Vendom-sc 2 diccionarios Iranccz-portuguez
fior Costa o S e franCez-ilaliano, por D'Alberti :
na ra Direita, n. 29.
Vende-se una prela de 20 anuos cozinheirae
engommadeira com perfego oque lera mais ha-
bilidades que se dirSo ao compradur; urna mulati-
ruru
leve a
. de
da cor;
levou cal-
do palhaji
dila casa, que sera
vclho : queni o pegar
gratificado.
Na mandila do da 3 do correte, das 7 pora s
8 horas, sendo conduzida'para casa do Sr, inajor
Antonio da Silva Gusnulo urna sua cscrava pi'da, de
nomo BrUliana, esla, no terrD-da-Boa-Vista,dci\iiii-
do-se licar atrs do portador que a cojiduzifl, lu;io.
A referida pela lie'de Angola, bem ladina, e repre-
senta ter do idade 30 annos pouco mais ou menos
estatura ordinaria, corpo clieio, porm magro; tem
o dedo grande do p direito aleijado, e em ambas
as pomas algumas chagas bastante grandes, e le-
vou vestido escuro de chila com flores brancas e en-
carnadas, o por cima saia prela de lila, e fui einbiai-
Huida em um chale cr de vinho rom barra branca;
levou mais una trocha, coulcudo um lengol do I-
godo, o outros vestidos c roupas. Qucm a desco-
brirc pegar leve-a a casa do dRoSr. Gusmao, na ra
do Queimado, c a ra do Aragflo, n. 27, quesera
recompensado.
-t Fugio, noflii Udocorrente, um moleque de
1:0111c Caelano, do nagflo Bebolo, de 18 a 20 anuos;
lem as cauuellas das peinas marcas deferidas; le-
vou vestido camisa de algodiio Irangado ingle/, o cc-
roulas de dito, fabricado na Ierra ; quoni u pegarle-
vo-0 a ruado Vigario; n. 24, que sera recompensado.
-- Fugio 110 dia 10 do correlo, um moleque
crioulo, do nome Jolo de 18 anuos; li
sa do algodilo de mangas curtas, e esto-
pa; tem es ul los vui n.ellms algumas lias nu
rosto; quando falla esla sempro rlndd-se
do a cabegn o he fulo, da cr : qucm o pegar leve o
ra do Brum .armazem do Juveucio d Alcntara ,
ou a seusonhor, RomTo Antonio Silva Alcanrara,
na Estancia. fls^Lr -
Pr.RN. 1 WA TTP. DE M, F.DE FAMA. 1847
-I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKJ9CJPMI_QBS43N INGEST_TIME 2013-04-26T21:21:50Z PACKAGE AA00011611_08466
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES