Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08459


This item is only available as the following downloads:


Full Text
i

Anno de 1847.
*
Ter^a-fera II
n P!41l,) p"l,,io"'M toAc" "' di"' '" """
de ciiard PreC da fintura lie tic
'"ail rs i" ql'"rlc'- P"1-"" "'"""<"'" Oj an-
*' j|0, sanantes 1*1 Marido i ms'o'lc
nuncii ton em HitVrenle, e as
I 411 r4 niT i'"''"' ,. -
l i-o P''' mel' <,UB l""> m a"'K'
S"flirente, portad, pnlshoc.o.
PIIASES DA LA NO MEZ DE MAIO.
f'"C. .*t,or*, ,,min-d*tarHt-
(Vetente. a 1. 11 han* e 0 ",in- d" rde.
La chele, a '. *> '' hon' e5 minu- da tarde.
PARTIDA DOS COR RE OS.
Gcnue PanhVt, s tacandes aiettai rer.
ao-brande-dn. Norte quintas leiras .0 meio-dia.
f ,,''" """' '"-PorniMo. Poilo-Calvoe
Macelo, no I.', 11 e i do ceda mea.
'aranliuns eRonito. a m e 21.
Boa-Vista e Flores, a 13 e 58.
Victoria, as quintas feiraj.
Olinda, todoi os diat.
PREAMA3 DE HOJE.
Primeira, I limas a II minuto* da tarde.
Segunda, i l boros e 42minutos da mauh.a.
de Maio
Anno XXIIT.
N. 10.
r_
fe
DAS DA SEMANA.
9 Snunde. 'j. Antonino. Aud. toJ. dos or-
lioa, do J. doc. da ? e do J. M. da S v.
II Terra. S. Anast>cio. Aud. do .1. dociv. da I
T. e do 1. de pat do l dial, de t.
II Quarta S. Joann. And. do -'-. dociv. da
5 v e do J. de paz do 7 dial de .
13 Quima. Jug Ascendi doSenlior. S. PcJro
Recalado.
14 Sesla. S.Gil. Aud do J. dociv. da I..*
do J. de pai do I. din. de t
I & Satinado. S l/idoro. Aud do J. do civ. da
I. V. e do J de as do I dist. de t.
16 Domingo. S. Joo Nepotnuceno.
CAMBIOS NO DA 10 DEAIAIO.
Cambio sobre T,oui!res a J d. por IJ rt. a 6* d.
Pris Sil ri. por franco.
* Lisboa & de premio.
Dse, deleltras de lioas li.in.s I '/, P-*/a *n ""
0ro-Onr.ltspanhols....?8iMiO a lOfm-o
a Moodasde|)OOTelli. I6#4o0 a
,1c o I no nov Idf'OO a
de 4 00(1..... #0t) a
Prald PaUce........ )"
a Prsos columnares... JftUO a
Dito mexicanos ... l|70 a
Rjiuda_____.......JMO
isWnn
lufJOO
OiOO
J/OtO
51040
II7T0
IjtIO
\croes da comp.do lleberibede 50J000 rs.ao par.
~-
DIARIO DE
PAHTE OFFiCUL.
MINISTERIO DO IMPERIO.
Illm. i l'xm. Sr. Foram aubmeltitlos no examn
iln secgan to coo.-nlho de estado dos negocios do
impprio as si'siiintes duv.idas que, em olTicio de 26
de Janeiro iiIIto, V. Exc. participa lerem occorrido
nesla provincia por occasiao de executat-se a Ici ro-
gulaimentar dnseleicOes i
1." So sendo ojuiz de paz mais votadoe o mesmo
apmpo eleitor, dove considerar-se impedido nesla
qualidade na formaQHo da mesa.
2." So devein ser q na I ideados como votantes os pa-
rochfanns da-fregueia do Rosario, moradores na de
San-Jos.
3.' Sesedeveannair as deheracoes da mesa, a-
inda quando parecan oppostas lei, e neste casu
que procedimepto se (levo ter.
?. Como se dever conhecnr que un cidadito, pa-
ra ser votado, tcm n ronda por meio do industria,
conimercio, bens de raiz, on emprego.
i.1 Como se devem entender, na conformidad do
decreto n. 481 de 25 de nnvembro do 1816, os 200,000
rs. lquidos daquellcs mcios.
6.' Se os cleitores convocados, em virtude do ar-
tigo 5." da nova Ici do cleicOcs, sondo freguezes de
oulra pnrocbia por se haverem mudado, devein com-
parecer formi'.rfio da junta tic qualica^iio ; i: sen
nao fa/endi) devertlo ser multados em conformidade
do art. 126 4 5. n. 2 da Ici regulamentar tas eleigOes.
7. Se os ofllciaes da guarda nacional menores de
25 annos, e maiores do 21, nto leudo a renda an-
imal avaliada em prala, podem votar c ser volados
8.' Se os lillios familias, que esliverem em com-
panhia deseu.s pais, e fu rem odieiaes da guarda na-
cional, juizes d paz, vereadores da cmara, o nilo
tiverem a renda liquida annual avaliada em prata,
podem votar e ser volados.
9.' Se tendo recahido votos para elcilorem um in-
divitltio liberto, que, nos termos da constituidlo to
imperio, nilo podo ser volado ; estanto esse indi-
viduo no numero dos supplcntcs, que devein ser cha-
mados para ti formaeflo das turmas, duve com offei-
toserchamado on despiezado, por serem nullos os
votos, que aquello oblcve contra a leltra e espirito
da lei fundamental do imperio ; o se, despiezado o
mesmo individuo, devia ser o.ntiniuro dossupplen-
tes inteirado rom oque se seguir aofticnos volado
na respectiva ordem, visto quo o individuo deixa de
comparecer por una rasOo allieia daquellas, em vir-
tude tas quites a lei determina se nilo chame substi-
tuto, isto be, por deixar de comparecer por nilo ser
supplenle, om rasiio de nao .poder ser para isso
votado. ".
10. Se devendo-sc.convoca rem lugar deSelcito-
rcs. quo deu a parochia na ultima elcico do 184*, e
em cujo numero o presidente da junta do qualilica-
coentrou, smenlo qualro, em raso do scu im-
pedimento, tleve-se do mesmo Diodo convocar qua-
lro supplcntcs on cinco, relalivamento ao numero
de eleilores.
E lendo-se Sua Magestade O Imperador, por sua
immcdiata resolticio de 17 do correle, conforma-
do com o parecer da* referida secrilo, txaiado em
consulta de 16 do mesmo mez lia por bcui de-
clarar:
1. Que bem decidida foi por V. Exc. a primeira
duvida, declarando uo juiz tic paz mais volado da
fieguezia do'Rozu in, que, sendo ello nessa qualida-
de obrigatto a presidir a junta de qualilicagilo, devia
consitlerar-se fegitimamente impedido pura exeicei
na niesrmi'jtinta func^Oes do eleilor, devendo assim
dcefarar-se na acta.
2. Quo por actos do governo imperial se lein j
declarado, que s devem ser qualilicados em cada
paroebia os cidadilos, que cfTccIivamentc nella mo-
rareui; cumnrindo que hesta conformidade revogue
V. Ir.xn. a decisao, que dra segunda duvida.
3." Que, leudo a lei extremado as funerOes, que
o presidente da junta podo exercer por si so, e con-
jtinctaniente cohi os membiosda junta, e as que llic
compeleni como presidente da mesnia junla, esl
elle nesta qualidade subjeilo deliberacilo da maio
iia, mas nao licu inhibido de (kclarar o scu voto na
acia.
4/ Quo bem resolvida foi por V. Exc. a quarta du-
vida, declarando que o 5. do art. 18 da loi, exclu-
idlo da votacilo os que n.1o tiverem a renda de
100,000 rs. em prata, computada cm 200,000 rs. pe-
lo decreto n. 484, de 25 do novembro de 1846, faz quo
se exijam infonnares sobre oque conslittlc a ren-
da .de quulquer cidatlo para tlella se poder avaliar o
seu producto annual.
5. Que e renda liquida, que habilita para o exer-
eicio dos diieitos polticos cousislo no valor dos
productos do traballio, dcduzidas as despezas (Bitas
com o productor. Assim, por excmplo, oemprega-
tlo publico, que vetice duzentos mil res, entenile-sc
t|iii! leni a renda liquida exigida na Ici para votar,
nflo Comprebendida a despeza, que elle possa ter
feito no dcsempenbo das func$e, em virlude das,
quaes Ihc be devido aquclle vencimcnlo.
C Que bem decidir V. Exc. a sexta duvida de-
clarando que, na forma do art. 5. da ftl, os que se
houvcrem mudado estflo iscnlos de comparecer, o;
ji"io s3o subjeilos a multa.
7. Que igualmente bem decidida foi por V. Exc.
a stima dovida, declarando que com quanlo nenhu-
mi rasSo houvesse para suscita-la, a vista das cla-
rissimas disposicocs dos j 1., 2. o S. do art. 18 da
Jei, todava deveria entunder-se quo s podem vo-
]; "e ser votados os maiores de 25 annos, nos quaes
ke nao compreliendem os casados e ofllciaes milita-
res maiores de 21 annos, os bacbareis formado o
clrigos de ordens sacras, devendo todos estos, a-
leni da itladc apontada, ter a renda avaliada em pra-
ta marcada na mesma lei.
8 Que do mesmo modo foi por V. Exc. bom de-
cidida a oitava duvida, declarando quo os filhos- fa-
milias, que exislirem em companhia de seus pais,
s (lvenlo ser incluidos na lista se servirem ofllcios
pitblicos, e quandu lenliam a idade de 25 annos, e a
renda da Ici.
9. Que bem resolver V. Exc. a nona duvida, de-
ebrando aopresidonlo da junta de qualilicae.lo ib
paroebia di'San-Jns, que,sendo as incumbonciasdes-
ta marcadas no capitulo 2.* ta lei regularmentar tas
eleicoes, dahi se nilo deprebeude quo seja ella in-
cumbida de conliocer da legalidade ou illogalidado,
com quo se baja procedido cle'iQilo de eleilores; e
los que na ordem da volaco tenham o lugar de sup-
plentes, oque, portanto, para ter lugar a oxclus.lo
ilo individuo indicado, fra mister que, em lempo
proprio, e pelos ineios lgaos, tivesse sido a ven la I a
essa questilo para poderein serjulgados competen-
temente, e nSo pela junta do qualilicaQilo, nullos os
votos, que nello recabiram, o em virtudo dos quaes
licott eleitor stipplcnte. *
10 finalmente. Que do mesmo modo bem resol-
ver V. Exc. a dcima duvida, declarando que das
inui claras tlispnsicoes da Ici se deprohendia que,
sendo cinco os eleilores, igual devia ser o numero
tle sirpplentes convocados, emhora se apresontas-
sem squatro cleitores, pelo faci de estar um le-
gtimamente impedido.
Oque ludo ciiiutnunieo a V, Exc. para sua intell-
geneia e governo.
Dos guarde a V. Exc. Palacio do Rio-tlo-Janciro,
em 27 de marco de J847. Joaquim Nareettino de
Rrito. Sr. presidenlo da provincia do Santa-Ca-
iharina.
Gvernu da provincia.
EXPEDIENTE DO DA 21 DO PASSADO.
OlTicio Ao desombargador jtrz relator da junta
dojustica, aecusando remessados processos de Joilo
Jos da Costa, Pedro Jos Francisco e Pedro Francis-
co Rastos.
Dito -- Ao juiz dedireilodocrime da comarca do
Na/arolb, declarando que vai fazer cliegar a proson-
ca deS. M. o Imperadora copia da sontenca que con-
demnou pena ultima os reos Manoel Teixeira e Ma-
noel Vicente.
Dilo Ao administrador das obras publicas, dan-
do-llie faculdade para mandar proceder aos concor-
tos que se fazetn precisos estrada da Victoria, e que
se acbam oreados em 1*316,020 rs.
DEM DO DA 22.
Oflicio -- Ao Exm. presidente das Alagas, remet-
iendo os assenlamontos de praga de Jos Percira da
Conceicfio, soldado do segundo batalhao do arlilha-
ria a pj purS. Exc. requisilados om oflicio sob nu-
mero 32.
Dito--Ao administrador das obras publicas, 8C1-
ntificantlo-o de ter ordenado tbeaouraria provin-
cial satislizesso o segundo pedido para as despezas
da obra da ponte da Tacaruna.
DEM DO DA 23.
Oflicio Ao commandanle tas armas, inteirando-
o do indfferimenlo da prelrnijilo de Antonio Venan-
cio de Souzti, | rimeiro sargento do segundo batalbilo
de artilharia a p.
Dilo Ao presidente do concedi municipal de
recurso da villa d.ol-o-d'Allio, declarando cm res-
posta ao oflleio tic S. Me. : 1., que ocitadlo Fran-
cisco de Hollanda Chacn nilo pdeexcrcer naquello
municipio as funcrOes de vercador c as mais que Ibes
sflo annexas, so com eflelo miidon-se dellc ha mais
de um anno, como S. Me. informa ; 2 *, que qualqucr
dos niembros do concelho, que nfl baja querido lo-
mar parte etn seus trabalhos, pode ser a elle adtnit-
ldo, se para csse lim seapresenlar, mesmo ndepen-
dente de se consulta rem os outros niembros mais vo-
tados, que chamados houverem deixado de compa-
recer ; e quo o membro quo assim so liver apresen-
lado, deve ceder o lugar aquello que Ihc for superior
em votos, o queira tomar nssento; 3.*, que o referido
concelho s poden resolver sobre osobjectos especi-
licarjos no art. 35 da Ici de 19 de agosto de 1846 ; 4.a,
emiin, que devein ser passadas, seiu interrupcSo e
suspensflo dos trabalhos do concelho, as cerlidoes
quo as partes requercrem.
DEM DO DA 24
Oflicio Ao Exm. presidente das AlagNs, Irnns-
mitlindoa inlorinacilo do rommandiinlo das armas
acerca do cadete Benjamn Pciea do Alboquerquc.
Mto Ao coinmandtHite das armas, scicntifican-
do-ode luwer indercridoo requerimento tle Manoel
Jos tic Azevetlo Amorim, segundo cadete do segan-
do batalhao de artilharia a p.
Dilo AVJ inspector da tbesouraria das rendas pro-
viucaes, "ordenando que faca adiantar os sidos de
21 desto mez (abril) at o lim de junho prximo viu-
do uro as pracas docorpo de polica que vilo destacar
para a comarca do Brejo. l'articipou-se ao com-
inandanto goral docorpo do policia.
Dilo Ao administrador das obras publicas, auto-
risando-o a mandar proceder aos concertos de que
precisa a ponte suspensa do Caxanga.
PORTUGAL.
DISCURSO RECITADO NO BEIJAMAO, E RESTOSTA
COM QUE SUA MACE9TADE O ACOLHEU.
Sb*iior A cmara municipal de Lisboa, leudo
hojea honra de lio jar a regia mftodeVossa Magosta-
do, pela rcnovaQto do anniversario do so:i faulissi-
mo natalicio, se iisotigoia do aprowntar Vossa Ma-
gostado, junto com as suas proprias, as folioitaijiios
"e todos os habitantes tiesta capital, honrada pelos
gloriosos antecessoecs do Vossa Magostado com o ti-
tulo de tempre leal, polo vivo zelo o sincero alfocto
em todas as pocas, e em tojas ascircumstanebs
oaniTestadu para com ossous legitimus m marchas.
Vossa Magestado lie para ru PorlugUezoso p.illa-
dio quo assegura a sua lilionlade, e ;. manutancilo. d.i
carta, outhorgada pelo heroo da dynastia d lra-
ganca, o IbvmRpKuuo, que legn Vossa Magosta lo
honrosa tarefa do fundar perpetuar a vntura do
povolusitano. -Vossa Magostado, como mfli buno-
lica dos seos subditos, incussanloinciito se os mora
em venenr todos os obstculo* quo se oppOen ao (tos-
oinpenlio da sua augusta misslo, ao rostabolecimSn-
j>o do socego publico, o ao bom-estar o ventura de
todos os Porluguozes, que se ollerocem para defon-
lor oseu throno, os seus direitJf o a loi fundainon-
lal dn oslado. O Co derrame sobro Vossa M igesU-
doo a sua augusta familia todas as prospRridados o
venturas, que acamara municipal do Lisboa sinec-
ramento Ihc desoja. ,,
Sua ageslade dignou-te reipindir :
Aceito, com particular satisfcelo, as felicita-
c.0es quo me dirigs om vosso proprio nomo, e no
de lodosos habitantes dosta capital. E,dando o de-
vido valor as provas do zelo, amor elealdade, quo
manifestis para com a minha pessoa, e as instilui-
cdos fundamonlaes do estado, lisongeio-mo do poder
assegurar-vos, que estos soiiliinentos o esforcos dos
meus subditos lulo de ter um seguro gal arduo no go-
zo da pacilicacao e prosperidado gcral do paiz, quo
eu, com o mais vivo e Ilimitado empenho,. procuro
incessanteiijento promovcr-lhes.
HESFANIIA.
MaoaiD, 20 oi Mqo.
De urna carta do Londres, datada em 11 do corron-
to, o escripia por pessoa, por cuja veracidado res-
pondemos, 'extractamos o seguinto paragrapho.
e Os carlistas nilo podom alcancar um penny
Montcinolin at carece do diulieiru necessario para
as suas despezas particulares. Km eei lo dia da sema-
na passada nilo pode ir fazer una visita ao campo
por falta do dinheiro. Esto faci he positivo; sei-o
do um amigo pessoal do mesmo Mouteinolin. a
Sirva esta noticia de resposla ao que disse o CUt-
wr de hontcm sobros 25 milhoes de francos que
liiiham sido facilitados ao prelendento. Estamos
persuadidos de quo o governo inglez do proferonen
applicaria este dinheiro para matar a fume dos Irlan-
deses, em vez de o despender as loucas tentativas do
pretenJcnte coia de Hespanha.
Apezar do .que se diz e exagera a respeito das
faccOesda Catalunba, o certo he quo fioni os jor-
nacsde llarcoloni, neiu as cartas do Principado se
occupaiii de facciosos; provado que silo falsas, cm
parte, as noticias quo so fazem correr, com certos
lins, acerca tle partidos que naque|le paiz nilo inspi-
rain o menor receio. A npiniiogeral he que as tenta-
tivas cnrlistws em breve serilo aniquiladas so bou-
ver boa volitado. O nosso correspondente do Bar-
cclominos diz o seguidle, cm dala to 14:
Antes de hontem noile, pelas onze. horas, che-
gon. pela posta a esta cubile o general D. Manoel
l'avia, com o seu secretario, e dous ajudantes, e foi
hospedar-se na hospedarla das Quatru-Nocies. Hon-
lem tomn posse do conunando, e uestes dous dins
tein recebido a visita de todas as elasses e corpora-
les que o leem ido cumplimentar. A sua repentina
chegada, tendo atravossatlo um paiz aonde tcein ap-
parecido algttmas partidas do facciosos, sorpren-
den aqu a lodos Oque sabemos he que foi milito
hem recebido em lodos os ponlos da Cataliinha, a-
onde era conhecido pelo que fez na guerra civil dos
anuos 43 e 44. Assim, podemos asseverar quo a sua
nomeeclo foi bem acolhida, porque ninguem poda
melhor substituir o digno e infatigavel general Bre-
tn, que tflo importantes servicos lem prestado, e
que, se nilo fosse a etifei inidade quo ropenlinamen-
tooatacou, teriaj exterminado as faccoes de Tris-
tany. A sabida do general Bretn he sentida por to-
dos os Calanos bonratlos c amantes da ordem; o se
alguina cousa mitiga esto sentimento he saber que
Sua Mageslade, em premio dos seus setvicos^sedig-
i,0,, fa/er-lhe mcrce de um titulo. Este passo que
lionra o governo de Sua Mageslade causou agradavel
scnsa^fiO tiesta cidade. '
Sallemos que urna das primeiras providencias
adoptadas pelo general l'avia, com a energa quo o
distingue, ser dirigir-se aos reverendos bispos, c
governadores das dioceses, estimulando-os porque
inculquen) ao cloro a necessidade do exhortar os
freguezes inanutencao da paz; e o ajudem com o
scu cxemplo para so consoguir este lim, como fez o
deCervera.oqual, procedendo como um vordadeiro
apostlo, emquanto Ti islany oecupava Cervera, per-
maneceu no templo, dirigindo preces ao Senbor pela
concordia de lodos os llespatihes.
Nola-se muitoafancm pessoal conbccidas por
inquietas, as quaes andam espalhando noticias exa-
geradas sobre os perigos quo devem loraer-se por
parte das tentativas dos carlistas.
Incluso remello umcxtmplar da allocuctlo que
general Pavia dirigi aos povos quando tomou
posse do commando.
o He como seguo o referido documento:
Cataines: Nomeado por Sua Mageslade, a rai-
nha nossa senhora que Dcos guarde, para o lugar do
ctpitao-general da Catalunba, tomci boje possodes-
to importante commando. Com o mais profundo
sent nien lo souhe quo alguns individuos, viudo de
pnizos estrangeiros,corremuma parlo da provincia
com intenefios do renovar a guerra civil, sol a ridi-
cula ba nd o ira do CarRis VI o constituiQilo. Mlo he
piissivel quo hija^m Gataliln honrado, um llespa-
nhol que so deixosoJuzir ato an ponto do acreditar
as hipcritas olfortiadod masmoa, quo, nao ha mui-
tos anuos, um l'.uiadella o em Bruch, tingiram as
mos om singito to victimis iulol'osis. odopois lan-
oar.i n fogo a Moya, Ripoll u oulras puvo.ioAi:* fabris,
cujas cinzas ainda estilo queiite*
Com a ojuda da rVovJiUncia o o auxilio dos bons
eu osptiru que esses poucos mis'ravoj sjLintOi de
novos malos nft) vo ITi i lo air.'d tltr a paz, sem a
qu.il a agricultura, a industria, o o> n n 'ivi i. ,) n,!-
iihinna tas oulras finitos de riqUOM publica p 11 mu
prosperar. Que toril'in pira o ro no vi/.inli i, dosi;i-
par.icondo do nosso lerriiorio, anudo ja se- tcm dur-i
ra nado inuitosanano hospjnlijl; qu i o.i I na gus-
toso tooo quo in.' circula nal traas, para quo nilo
so roiirudtizissoin sooiias coma ai quo desgrucada-
nunito tomos vuttooin II )s;iaih;i. Pura n, so perlina
zes soguircm na crimiimsi ctrroira quo cn^otaram,
lo loo vigor das luis, anda quo pozo ao mot cur.i-
Bfl, oahiei irrainissivoluiente sobro os quo forein
approhondidos. a ,
a t; aal es, coiiservacilo da paz o d i vossa folici-
dade, o n'i os;i i:i Ion I i assi'ii ijos destjos do S. M ,
dedicar todos os osfjreos o vosso cipitlo gonoral
Mannei Paiva llarcoloni, 14 to margo de 1817.
No din 14 desembarcaran! e;n llirojlloni as tloze
coinpanbias to regiment do rei, quo tinham subi-
do de Cdiz no lia 12 nos vapores Ulaico-dt-Garaya
Fu'eao. Os ditos vapores lornarain a sabir para Ca-
diz no dia 16, com o lim de Irazorom as oulras dozo
coiiipaiihiasdo mesmo regioionto quo provavelmen-
teoslar a esta hora reunido na capital do Principa-
do. Acerca da chogada destas tropas e oulras quo
all silo esperadas, diz o seguinte um jornal do Bar-
celona de 14 :
Esta tarde, quando ia chegando gcnle ao pas-
scio da Riba, desflll&ra o brilhanl regiment do rei
l.'dclinlia que ebegou bojo de Cdiz us vapores do
guerra l'ulcano e Hiasci-de-Uararj. A sua prosonga
rt-o ti i ni o(i at corlo ponto o espirito publico, por so
comecarem a sentir os effoitos das />i omptas o enr-
gicas providencias to governo, aflm do reprimir ua
sua origem a liydra da guerra civil quo" assim pre-
tende destruir os interesses que a industria lem crea-
do na Catalunha. Afllrma-se que nilo lardam mai9
dous regiment! do infantaria u um do cavallaria qua
deve vir de Saragoga.
Uo dia 15 sabio de Barcelona um batalhilo do re-
giment da Unido o qUal parece que-.se dirige a Sol-
so na.
Do Toledo dizem-nos o seguinte :
Ocommandanto goral da provincia sabio a Vi-
sita-la por ord.em to capilo-general; porm, ape-
zar to seu zeloe aclividadof nilo poder colher gran-
des resultados. Desgiagadauciitc ha por aqui lio-
mens queatigam o fugo por so persuadirom de que
chegar mais depressa a scu tompo no meio da des-
ordem. A verdade he, que, apczai-das causas pro-
motoras da guerra civil, ha por aqui um desejo geral
a favor da conservagilo da paz. Tanibem se nota
grando indillerenga poltica nos povos, os quaes nao
suspiram senilo por melhoras adminstrtlvasViirin-
cipalmonle pela aboligilodos mcios violentos ta co-
branga, o pela diminuigilo dos impostos..So o gover-
no allender a esta necessidade, o proporcionar tra-
lialho aos home.us do campo as obras das estradas,
n.lo ser ttlo bravo o leSo como algucm o quor fa-
zer.
IDE, 21.
Na sessio de hontcm no congrossose apresen-
tou o importantissima queslio econmica que a-
gita hojo o mundo civilisudo, a lula enlro a lber
dado do commercio c o syslcma prohibitivo. Es-
ta quesillo appareceu om formadoadditamentoi res-
posta ao discurso do throno. O Sr. Bermudez 'de
Castro, como autor desta proposta, se levantou para
a apoiar, e pronunciou um discurso tanto mais in-
lei'ossiinte(|tianto era certo sor esta a prirreira vez
que fallava no congresso. .
Otiepulado or Jerez recorreu, com a brevidado
indispensavel cm taes occasioes, todos os grandes
principios da economa poltica, todos os clculos
da estadistica, e todos os Tactos mercantis em quo
se apoia a reprovagao de urrisistema prohibitivo ab-
solulo, para deduzir a conscqucncia de quo nilo so
be absurdo csso principio em Iheoria, semlo quo
tambem na sua applicagilo mo favorece os objectos
que apparentemente est destinado a protegor; o
quo impOo ao thesouro e aos consumidores, em ge-
ral, sacrificios dolorosos que nilo relluemcmpro-
veilo do ninguem. S. S. provou com mullos factos
os resultados vanlajosos que na Inglaterra tuina pro-
duziilo a favor dos proprios fabricantes a modiuca-
g.lo dosdiiftitosqucpesavam na seda, inodineagno
que tico um granito impulso a este genero do manu-
factura, e converteu aquelle paiz de nagffo importa-
dora cm nagilo exportadora dos productos daquolla
industria.
Fazcndo em seguida applicagilo desles factos e
dcsles principios ao que aconteco cm Hespanha, fez
iim calculo da quanlidade de algodOes que entra por
contrabando do que isto cusa nagilodo prego
elevado que o sysleir.a prohibitivo impOc ao consu-
midordas despezas que occasionam asalfandegas
e tas quantias qqe o thesouro deixa de perceber,
dficit que impede o governo do fazer consideravel
di minuigao as co'ntribuigOcs.
Todava o Sr. Bermudez de Castro n9o exige urna
liberdade mercantil absoluta e immediata ; quera-
penas que as industrias protegidas nao liquem do
melhor condigno do que as industrias nacionaes, o

MUTILADO
i


^^^^ J"l .....

-;
t^Ofr,-
,
contenta-se com ver favorecida a industria dos algo-
dones com ddi dimito de 25 por cento, o qual, com
frotes, commis'soes, seguros, etc., podera dizcr-sc
que equivale a 40.
Responden aoSr. Santuln, edepois de algumas
reelilicagoes tomou a palavra o Sr. Mon.
S. S. nflo quera qucfoSse tomado em consdcra-
gflo o addilameiilo offcrecido ao congresso; porque,
na sua opiniflo, nflo resolva cousa nenhiima; por-
que a discussflo sobre esta materia viriaa ucn ter-
reno mala opporluno, o porque nao era daquellas
qucstOes que se podom resolver rpidamente. Disse
piis o Sr. Mon que no seu avalenta tributario entra-
va como parlo do plano a iodificagflo das pautas;
poriit que era urna modilicagflo lenta, pausada.'sci-
entilica, que dsso resultados uteis sem. ofrendo!-
interesses creados, e sem a possbildado de causar
funestos resultado!.
Estas coiisiiiiirav'eaiiiriial'Ain o iiuigiesso a a-
diaresta questo para quando viesse As cortes a
questflo das pautas; o additamento toireje lado por
15 votos contra 83. (Heraldo)
DEM, 1.' DE ABRIL.
O novo gabinete nilo consentir que de modo al-
gum te subnrta, nem metmo que perigue o tbrono de
I. Mara da loria em Portugal. Assim o declarou o
Sr. Pacheco na sessflo de 29 de margo, como uut dos
pontos maia importantes do seu prograintna as rc-
lacoes exlernas ; deixando incrtos os nimos acer-
ca dos meios que adoptar para conseguir este ob-
jecto. Um peridico da manhfla assegura tambem
que se agita hoje esta questflo no conceibo de minis-
tros, sem que ninguem sai ha cousa alguma acerca
doaspcctosob oqualse tenha apiesentado, nem so-
bre a resolucflo adoptada pelo governo.
Nada diremos com respoito aodireito quo a lles-
panha possa ter para inlervir nos assumptos de
Portugal, ja em virtude dos tratados existentes en-
tre ambos os paizes, j pela lei da propra segu-
ranza, j pelas exigencias da corte do Lisboa. Sup-
pondo que ac acha em toda a sua torca o tratado da
quadrupla allianca, e que he chegado o momento de
prestar o auxilio estipulado nos seus artigos; sup-
pondo que a llespanha, por seu proprio repouso, se
acha interesssada em por prompto lerino sos suc-
cessos que affligem Portugal, e quo por parte do ga-
binete lusitano tem sido pedido auxilio ; suppoinlo
finalmente que o gabinete est resolvido a conced-
lo,cumpre-nos indicar osmeios mais convcnienlos.a
favor dos quaes podem salvar-se lo reino viziuhoo
throno de I). Mara da (loria o as nslituges repre-
sentativas. O nosso ministerio nfio deve esquecer
quo sem dar a estas robustez, frga e partidarios
numerosos, perdidos serilo quaulos esforgos so fa-
eaiH para garantir a corda que cinge a lillia de I. Pe
dro, o que se cimenta, como a de Isabel II, em um
systema liberal de governo.
(El Clamor Publico.)
NOTICIAS DIVERSAS.
Jornaes inglezes at 27 de margo e francezes at
19, o naquelles noticias de Franca at 24.
O parlamento inglez conlinuava oceupando-se do
objectos de inleressc local, principalmente das pro-
videncias relativas Irlanda. Entre estas o bil dos
pobres, he a que tem dado lugar a mais extensos de-
bales.
Na sessflo de 19 na cmara dos communs foi inter-
pellado o gabinete corca de um boato que havia
dias corra na praga de Londres. Dizia-seque o ga-
binete francez linha obtido do de Madrid o formar
em Mahon um hospital para os martimos francezes,
e bem assim um deposito de carvfio, vveres e mun-
cOes de guerra.
O autor da intcrpellagflo achava ncsle proceder
urna prova do augmento da influencia franceza na
llespanha, c recciava que daqui proviessem Ingla-
terra graves inconvenientes.
Lord Palmerston replicou que nflo Iheconstava
ofllcialihente haver sido ultimada semelhanto con-
vengo. .
Na sessflo de 23 na cajpara dos lords foi apresen-
tada urna pelgflo dos possuidores de bondt hespa-
nbes, semelhante a outra queja linha sido apresen-
tada na cmara dos communs.
Na mesma sessflo seapresenlaram requerimentos
dos negociantes de Liverpool, pedindo dimnuigflo
nos diretosda.ch.
De nenhum outro assumpto de inleressc para o lei-
lor estrangeiro se tratou neste inlervallo no parla-
mento britannico, o qual, segundo se annunciou na
sessflo de 24 na cmara dos communs, ser no dia 30
adiado para 12 de abril.
As noticias da Irlanda ainda estilo longe de ser sa-
tisfactorias; as febres que alli grassavam tinham
vindo augmentar os males que affligem aquelle paiz.
As noticias da India ingleza reduzom-se publica-
do de um manifest de Sr C. Napier, no qual se fa-
zem diversas coisideracessobre o estado (inancei-
ro das novas conquistas. Segundo allirma o Times,
parece que este documento dar lugar a serias dis-
cussoes.
Tambem so afiirma que a conclusiio do ultimo tra-
tado dera lugar a demonslragOcs pouco pacificas por
parte dos descontentes. Fallava-se por conseguate
de seras desordens em Avs o de conspirages cm
Cabul.
Os debates parlamentares no teem offerocdo in-
teresse nenhum as cmaras francezas. Tcm-se tra-
tado doa projectos apresentados pelo governo sobre
crditos supplementares para acudir as exigencias
dasactuaes circunstancias, c teem sido todos ap-
provados. #.*._. ,,-
Pelas correspondencias de Pars, publicadas nos
jornaes inglezes, he que nos consta que no dia 23 de
margo eomegaram na cmara dosdepuiados os de-
bates sobre a proposta de reforma eleitoral, apre-
sentada por Mr. ttuvergierdcllaiirenno.
Esta discussflo tornou-se logo nolavcl no seu co-
mego por um incidente desagradavel. Um dos ora-
dores que fallava contra o projecto foi repentinamen-
te assaltado por urna coinmogflo cclebral que o obri-
gou a sahir da tribuna nos bragos dos seus amigos.
A sessio nlerrompeu-sc por algum lempo, o o ora-
dor conseguio acabar o seu discurso. Os debates ti-
nham durado duas scssOes, e deviam anda conli-
. nuar na seguinte sessfio no dia 25.
De oulro aconlecimento nolavcl fazem menguo as
correspondencias dos jornaes inglezes, che a elei-
gao de Mr. Len de Melleville para a vice-presiden-
cia da cmara, no teado elle sido o candidato mi-
nisterial.
Asseveram as referidas correspondencias que a
opposiglo reputa esta volagfio urna derrota de gabi-
nio com o banco do Franca para a venda de urna par-
to das rendas de que he proprietaro aquelle estabe-
lecinento.
No dia 27 ilcfcvereiro prximo passado, o impe-
rador da Itussia, por via de Mr. de Nosselrodc, man-
dn orden ao scu-encarregado do negocios, para que
sedirgsso ao ministro dos negocios cstrangoiros,
p Ihe parlicipasse quo o governo da Itussia linha de-
liberado comprar as inscripgcs de rendas francezas,
que o banco quizesse vender pelo prego eorrente no
diada proposta (ti le margo, at quantia decin-
coenta milhoes de francos de capital. Esta quantia
ser posta em numerario em S.-Petershrgo,- dis-
posgado"banco de Franca. As proponas foitas polo
imperador foram aceitas; o a convenci foi assig-
nada no dia, 16 de margo pelo director do banco o pe-
lo encarregado da negocios da Russia.
Este aconlecimento causou grande sensagflo cm
Paria.
Pelas correspondencias publicadas nos jornaes in-
glezos, se v que a imprensa langou logo mo dellc
para o examinar em todas as suas relages financei-
rase polticas.
0 Jornal dos Debate acha quo o govorno da Itus-
sia prestara um grande servigo ao banco, elogia o im-
perador, c termina declarando, que os grandes des-
embozos, que ltimamente tem foito o banco, o pu-
nbam na collislo do vender precipitadamente alguns
papis, o que lito causara consideravel pona ; o que
a delibcragflo do imperador da Russia viera por ter-
mo a este apuro.
A l'rcsse ainda vai mais longo; d a entender que
a allianca com a Russia be mais favoravel a Franga,
e Iraz emapoio a opiniflo de Napoleflo, aprescuta-
da n'iim documento, assignado por ello cm julho
de 1807.
Esperamos pelos jornaes francezes posteriores a
19, para darmos esta noticia com todos os seus por-
menores.
O Morning Chronicle de 27 assevera que S. M. a
rain lia Christina seguir o exemplo do czar e (1-
?.era consideraveis compras do rendas de cinco por
cento. ...
Morreu em Paris Mr. Martin du Nord, ministro
da josliga e dos cultos. O funeral leve lugar no
da 17. .,:'
As noticias deAlger alcangam ate 6 de Janeiro.
Ogovernadorgeral linha partido para Aumale algu-
ma cousa doenle com una conslipagTo; a nev e a
chuva que o perseguirn! na sua ultima jornada fo-
ram causa desta doenca. A enformidade nilo be pc-
rigosa, mas demora a projectada partida do genera
para Franga. .,.,,
O Monitor d Alger publica as particularidades da
expedigflo do general Marey, a qual produzio o re-
sultado de inhabilitar por muito lempo Bou-Maza de
proseguir nassuas correras, ao passo quo provou ao
povo do sul que o exercilo francez apparece com in-
crivel rapidez nos pontos, aonde he necessaria a sua
presenga.
rejos, 13 do Janeiro de \V.--Gabriel Getulio Montei-
ro de IHendonca.Sr. administrador do correio de
Pernambuco.
N -PaTticipo a Y.S.,para sua inlelligencia e exe-
OCfto, e em additamento ao meu odlcio de 13 lo eor-
rente, sobn. 1, que por aviso da secretaria de esla-
dodos negocios do imperio, de 14 do eorrente, ro
communicado a esta directora geral haver por bem
S. M. o Imperador determinar que visto seren as
nossas folhas livres de porte no Estado Oriental do
Uruguay, como participara o ministerio dos estran-
geiro ao do imperio, cm aviso de 12 do eorrente
mez, tambem nao sejam porteadas nessa adminis-
tragflo do correio os peridicos que vierem daquelle
paiz; reservando-se esta directora para dar-lhe as
mesmas ordens a respeitodas mais nagOes, logo que
ella conste que os nossos jornaes nada paga ni all;
resolueflo que tambem foi communicada a esta di
rectora por aviso de 12 do eorrente. Dos guarde a
V S. Directora geral dos correios, 15 do janeiro de
I817.G6re< Getulio Monleiro de Hendonca.Sr. ad-
ministrador do correio de Pernambuco.
N.IO.-Em cumprimentodoartigo 19da le do 2de
seteinbro do anno passado, sob n, 396, determino a
V. S. quo d'ora em dianle cobre do porto nessa ad-
minlslragflo do correio 2 poneos, isto he, 74 rs. por
cada jornal ou papel impresso queda Inglaterra vier
para o R-asll a bordo das cmbarcagOes mercan-
(Diario do Governo.)
CorrespoiKlCiicia.
Srt. Uedactores as columnas do Diario-Noto, de
Pernambuco de 27 e 31 do eorrente deparei com
duas correspondencias contra miin escripias. Cau-
sou-me nojo a lingoagem do miseravel, que, nio
lemlo talvez podido einbcber-me no sangue o pu-
nbal quo ora com a mesma perfidia pretende cra-
var na minlia reputagflo, recorre ao uso das rega-
teiras das quaes provavelmente tem sua proceden-
cia para dar desabafo s negras paixoes que ceva
contra niiiiba pessoa. Se que as torpezas de um vil
calumniador que coberto com a capa de annony-
mo ataca do furto a reputagiio alheia devem inspi-
rar antes desprezo do que indgnagilo.
Por deferencia porm, ao publico, cujo juizo
respeito emprazo o meu vil detractor, para que as-
signe seu iiomc,6cnlao moslrarei, que peso po-
dem merecers inputagOesquo me fez.
Sou, Srs. Uedactores, etc. etc.
Ix>uren<;o Catalcanti de Albuquerque MaranhOo.
Rio-de-Janero, 23 de abril de 1847.
"COMMEttCIQ.
Alfandega.
RENDIMENTO DO DIA 10. ........... 18:137,115
escarrega hoje, 11.
Barca ingleza Jamet-Stuart bacalho.
IMTOUTACyVO\
James-Siwart, barca ingleza, vinda deSan-Joilo,
enfraila no eorrente mez, consignada a James Slwarl,
manifestou o seguinlo :
2,650 barricas com bacalho; ao consignatario.
Consulado.
RENDIMENTO DO DIA 10.
Geral......................... 1'260,970
I-Provincial..................... 702,650
Diversas provincias............... 112,780
2:076,400
.Uovimcnlu do Porto.
tes, e fechados do manera que possam ser examina-
dos e contados; por ser este o porte que all pagarn-
os jomaos e folhas impressase das do Brasil Previ-
no, porm, a V. S. quo esta disposigflo nio com-
prenhende os folhetos encadernados e brochados.
Dos nardo a V. S. Directora geral dos crrelos, 2b
demargodel847.--''o6re/ Getulio Monleiro de Men-
doea.- Sr. administrador do corroio de Pernam-
buco.
N.l I .-Em cumprimento do artigo 19 da lei do 2 de
setembro do anno passado, sob n. 396, o das ordens
do governo imperial.dirgidas a esta directora geral,
determino a V. S. que expega as ordens necessanas,
para quo d'ora em dianle se cobre de porte nessa
administragflodo correio, dos Jornaes e mais papis
impressos viudos do reino de Portugal, 40 rs. por
cada um que pesar 4oitavas; 60 rs., os que pesa-
remde4a 6 oitavas; e80rs., os de 6 a8oitavas, e
assim por diante; augmentando sempro 20 rs. por
cada duas oitavas de peso ; por ser esto o porte que
n'aquelle reino pagam os jornaes e mais impressos
quedo Brasil vilo para Portugal. Esta disposigflo,
porm, nflo comprenhonde os folhetos encaderna-
dos e brochados. Dos guarde a V. S. Directora geral
dos correios, 26 de margo de 18*7.--Gabriel Getulio
Monleiro de Mendonca.r. administrador do correio
do Pernambuco.
N.I4-Em cumprimento disposigflo do artigo 19
da lei de 2 de setembro do anno passado, sob u. 396,
determino a V. .S. que d'ora oni diante mande cobrar
deporte nessa adminstragflo, e as agencias mar-
timas que Ibo silo subordinadas, nove (9; centesimos
de franco, isto be, 31 i rs., por cada jornal ou papel
impresso francez, vindo de Franga em cmbarcagflo
d'aquella nagflo ou de outra qualquer; e quatorze
14; centesimos de franco, isto he, 49 rs., por cada
jornal ou folha de papel impresso, francez, viudo
por via de Inglaterra; urna vez que estejam fechados
do manera que possam ser examinados e contados,
por ser este o porte e a manera por que n'aquelle
paiz-pagam os jornaes braseiros idos do nosso paiz.
Previno a V. S. que esta dcterminagflo ufocompre-
hende os folhetos encadernados e brochados. Dos
guarde a V. S Directora geral dos correios, em 19 de
abril de 1847.Gabriel Getulio Monleiro de Mendonca.
Sr. administrador do correio de Pernambuco.
N.15.-Dctcrminoa V. S., que todos os jornaes ou
folhas impressas da repubhca do Chily, quo vierem a
cssaadiiiinisliagfloou agencias que Ihe sflo suDordi-
nas.sejam entregues s pessoas a quem sflo dirigidas,
sem pagar porte algum, visto que os jornaes brasi-
Iciros nenhum porte pagam naquella repblica. V.
S. far publico no jornal mais lido dessa provincia
a delerminagflo cima dada, para conliecimento de
quemeonvier. Dos guarde a V. S. Directora geral
doscorroos, 20 do abril de 18*7. Gabriel Getulio
Monleiro de Mendoza.-- Sr. administrador do correio
de Pernambuco. i)
N.17.-Emaddlamenlo circular quodirgiaV.
S. a 26 do mez passado, sob n. 11, determino a V.
S., queaquelles jornaes ou folhas impressas vindas
de Portugal, que V. S. mandar entregar residencia
das pessoas a quem vc'ein dirigidos, se perecba mais
a importancia do cinco ris (5 rs.), em cada volume,
qur conlcnha um ou mais jornaes, urna ou mais fo-
lhas impressas; ea de dez res a tguaesvolumesde
jornaes ou folhas impressas que nessa administra-
gao forera procurados pelos proprios a qiicm"vorom
dirigidos, oque Ibes forein entregues de preferencia
a outros : o que se pralica as adminslragoes do
correio do Portugal com os jornaes e follias impres-
sas do Brasil; e que so rclribue cm consequencia
da deterninagloda le de 2 de setembro do anno
passado, sob n. 396 Dos guarde a V, S. Directora
gciul dos correios, 21 de abril de 18*7.Gabriel Ge-
tulio Monleiro de Mendonca.Sr. administrador do
correio du Pernambuco.
O arsenal de guerra compra oilocentas saccas
de farinha de mandioca; quatro milheiros de telhas;
assucar hraneo, 10 arrobas; azeite-doce, 1 barril de
20 caadas; bolacha, 8 arrobas; cha hyson, 2 caixas
do 13 libras; gomma de ararula, 1 arroba; vinho
branco, 10 caadas; vinagre superior, 10 caadas;
salan, 1 arroba; sag, i arroba; oleo de linliaca,
mas cavilhares pequeas, 2; ditas ca xa res, 6; ditas
caibraes, 12; alvaiado, 1 arroba; ail, 1 libra; broxas
de pintar, sortidas, 12; ditas de calar, 12: fezes d'ou-
ro, 8 libras; pos prelos, 16 libras; verde chrome, 16
libras; zareflo, 16 libras; pennas docscrcvcr, 400;
lapes linos, 50; folhinha de porta, 1. Quom taes g-
neros quizer fornpeer, sondo da melhor qualidade,
mandar sua proposta em carta fechada e as amos-
mostras d'aquelles gneros, quo for possivel manda-
rem-se directora do mesmo arsenal, at o da
12 do correle mez.
Arsenal de guerra, 17 de maio de 1847.
JoaO Iticnrdu da Silva.
O arsenal de guerra compra alcool rctiflcado,
12garraris; acido nitroso alcoolisado, 1 libra; dito
volriolico alcoolsaifo, 1 ibra, assucar candi, 4 |_
liras; balsamo peruviano liquido, 4 ongas ; cavada,
3-2 libias; canfora, 2 libras; cremortartaro, 2 libras;
extracto de beladona, 1 onga ; emplastro confortati-
vo, 4 libras; flores desabugueiro, 8 libras; ditas de
rosas, 4 libras; gramma, 3i libras; gotnma sifet-
* libra; man, 32 libras; oleo de amondoa-doce, 8
rbras; dito de cravo.l onga; dito decanella, fonga;
dito de rosas, 1 onga; dito de flor de laranjas, 1 onga;
dito dehorlelfla-pmenta, 1 onga; dilodealfazoma,
4 ongas; papoilas brancas, 4 libras; ponas d viado
calcinadas, 4 libras; oleo de recio, 6 garrafas; raz
oalteia, 32 libras; corveja preta, 12 garrafas; sal
d'Epsom, 32 libras; raz de chicoria, 4 libras; se-
ment do lnho, 32 libras; tridaci, 1 onga; xarope
peiloral, 12garrafas; dito doespargo, 12 garrafas;
vros em hraneo pautados, pequeos, de 50a too
folhas, 8; dito grande de 400 folhas, I; folhinha do
algibeira do presento anno, 1; bonecas de gomma-
graxa, 2; papel a i mago, 4 resmas; dito do mata-bor-
rflo, f resma; compasso, I; lira-linhas, 1. Quem taes
gneros quizer fornecer, mandar sua proposta em
carta fechada direcioria do mesmo arsenal, at o
dia 12 do cnenlo mez.
Arsenal de guerra, 7 do maio "de 1847.
Joa Ricardo da Silva.
A administragflo geral do estabelecimenlos de
cardade manda fazer publico quo no dia 17 do
correte, pelas 4 horas da lardo na sala do suas
sessOes, irflo a praga as rendas das casas ns. 1 o 2 da
ra do Cabug pelo lempo quo decorrer do pri-
meirode julho prximo futuro a 30 de junho de
1850.Administragflo geral dos estabelecimenlos
de cardade, 10 de maio de 18*7.-0 oscriptura-
rio, FrancifO Antonio Cavalcanti Causieiro.
Navio tahidonodia 10.
Aracaly ; biale brasilero Hor-do-ltecife, capitlo Jos
MacliadoMalbciros Braga, carga farinha do man-
dioca. Passageros, Jos Vicente Leflo, Joaqun! dfi
Franga Carnciro c sua familia.
lcclaiacoc.s.
Pela administragflo do correio desta cidade se
fazem publicas,para conliecimento de quem convior,
as circulares de ns. 1, 2, 10, II, 14, 15 e 16, da direc-
tora geral dos correios do imperio, abaixo trans-
criptas. Correio, 10 de maio de 18*7.
O administrador,
Bruno Antonio de Serpa frandSo.
CIRCULARES A QUE SE REFERE O ANNUNCIO
SUPRA.
uN.I-Particpo a V. S., quo por aviso de 12 do cor-
rcole.expedido pela secretara de estado dosnegocios
do imperio, foi participado esta direcioria o haver
nete, ao passo que os jornaes minisleriaes a qualili- js. M. o Imperador por bem determinar que nao se-
cam de dilTerenle modo. I jam mais porteadas as follias publicas ou peridicos,
O Monitor do dia 16 publica urna noticia do aumma jque da Confederagao Argentina vierem para este iiu-
imporUocia; e vem a ser que soconclulo um conve-|perio. Dos guarde a V. S. Directora geral dos cor
VICE-CONSULADO PONTIFICIO EM PERNAMBUCO.
Ovce-consul interino participa a dodos os sub-
ditos de Sua Santidade o papa, que.'tendo do remet-
ter para o consulado geral na corte doste imperio
una relagflo circumstanciada dos que residirem nes-
ta cidade e provincia, Ibes roga queiram compa-
recer neste vice consulado, ra do Hospicio, 11. 23,
para o lim indicado, e para tambem ah aematrcu-
larem.
Pernambuco, 8 do maio de 18*7.
Angelo t'ranciico Caneiro.
Theatro publico.
Beneficio de Zeberfeo Vezar.
Em consequencia da muila chuva que hbuve do-
mn"0, 9, licou o espectculo transferido para domin-
go "6, iinprc.tervelmenle, com a grande pegaFAI-
EL-- ca far.ga--MNOELMKNDEs--.0 beneficiado espera i
que s sous benignos protectores levem a bem a dita
transferencia quo foi em beneficio do respcitavol pu^
blico.
Iol)lica^ao iJcraria.
Acha-se sobre o pelo o resumo de arlhmetici I
de Lacroix e u segunda edgflo do epitome de gco-1
melria pralica composla pelo professor publico S.
II. do Albuquerque. Recebem-se assignaturas pira
esUs obras na loja de lvros da pregada Indepen-1
denca ns. 6 e 8 e na da esquina defrontc do l.ol-
legio ; cada assignatura 1,000 rs.
l*Ui>lica?o clramatica.
' Nalvrariade Cardo Ayres, acha-se a venda
collocgflo de quatro dramas do Sr. Mendos Leal :
A Pobre das Ruinas.
Madre-Silva.
D. Mara de Alemcastro.
O Pagom de Aljubarrohi.
- Prego 8,000 rs.
mu
barril; arcos de ferro para ancoretas, 4 arrobas; ago
para nula de granadeira, 8 libras ; rame de tatu
soi lido, 8 libras; dito do ferro sortido, 16 libras ;
bombas menores para serralhero, 2; cravos de fer-
ro sonidos, 5,000; cabo de Manillia do quatro e
meia pollega.las, 1 pega; carvflo de pedia 2 tonela-
das; eliapres de sicopira, 2 ; dito de amarello, I ;
corquite para tanoero, 1; colheres ile pedreiro, 24;
enxcse goivas pequeas para lauoeiro*2; ditas iu-
glezas pequeas para tanoero, 2; folio de le reiro
com algaraviz, 1; formes eslreitos, 12; ferro em
liana, da Silera, 5 quintaos; goivas largas, 4; ditas
deonxova, 6; giz lino, 8 libras; junco para concor-
to de cadeiras, 1 arroba; lengol de latflo fino, 1 .-mar-
lelos soi litios para carpina, 6;'ditos de pedreiro,
12; ditos de ferien o, 42; ditos para binilciro, 6;
niarretas de ferro de 20 a 40 libras, 8; prego.s cai-
braes, 10 millieiroSi ditos de guarngflof 6 milhei-
ros; poitas de embira branca, de 20 a 30 bragas, 50 ;
pegas de cordas para andaimes, 400; paos de jangada
para balsa, 13; parafuso do puxar fondos, para la-i
noeiro, l;|ilainas com capa e cepo4*; ditas peque-
as, 4; pa com os purtences, 1 ; pixe, 1 barril;
lipas, 200 duzias; serrotes grandes, 2; ditos peque-
nos, 4; ,ditoa do costas lxas, 4; tradus de laiioeiros1
para pipas, 2; ditos lino* sortidos para ca piulero,
2; iravadeiras, 4 ; tai racha para ferreiro, 1; verru-
Avisos mariiiiiios.
Para o Ro-Crande-do-Sul e Porto-Alegre pn
tende seguir em poucos dias e tilo breve como _
lempo permita o embarque do sen carregamonto, 01
brigue Argot, bem conhecid pelas suas viagcns.i
para os ditos portos recebe esernvos e passagciWil
para o que tem superiores accommoilages1: qu
pretender pode enlonder-so com Araonm. Irmaos,^
na ra da Cadeia n. 45. ...
Vendc-sea harcaga denominada b.-Jou-' .
gente, de loto de 16 caixas.ben. construida, c proiw
taa niTvegar ; quem a pretender podo p^1"""1",.]
junto ao trapiche do al goilfloe tratar na ra uo n
gario, n. 5. .tri
-Obiiguo portuguez Taruio-I'nmtiro, forra
e encavlhado de cobro, de oxcellente marclia,
tende sabir pala Lisboa, com a maior W*
possivel, por ter a maior parte de sua carga *n'r
quom no mesmo quizer carregar, ou ir de P**"
para o queoffereco asseados coinmodose iraw"
tos, trate com o consignatario, Firmio i.. O ,
na ra do Trapiche, 0. 44, ou com o capitflo, m
de Olive'ra Caneco. .
-No dia 15 do eorrente pretende seguir pa
Rio-Grand-do-Siil o brigue Independen! V"
ou escravos, **
Jos l*crciri|
no mesmo quizer carregar carga
lenda-se com o capitflo Fructuoso
Dulra, ou cem Manoel lvesCuerra.
Lei I oes.
L C. Ferrdra & C. farflo leilflo, por mjij
docorretorOlivera, o por conta o risco ue m
pertencer, de porgiio A "ta avr
do
id caf avariado
quanto baste para reparos o coaleio da galo (
ricana Datar, capitflo Simpson, arribada a csie 1
na actual viagem que azia do Rio-de-Janeiru
destino aNew-York: hoje, 11 'o correnw,
10 horas da manliaa, no ariuazem do Sr. Joo
zo Soarcs, ra de Apollo.
.mutilado!


mn & Rosenmund farln. leilflo, por in-
" n Jo rorretor Olivcira, -de .variado sorti-
tcrvencjio fl7cn,jns, as mais proprias do mercado:
m1"!"0 ......' 12 docorrenlo as itMioras da ma-
^'.[oleuarrnzcm'darua'daCiii/.
qua
nlia
Avisos di
V(*K5S.
nnrimoiro secretario avisa aosSrs. socbcios quo
h oclas 7 lloras da noile, lia sessflo da socie-
dlde" LOTERA DO TIIEVTRO PUBLICO.
rontinuam a estar venda os bilhetes desta lote-
puias rodas leem andamento no da 12 do cor-
nil- e pela concurrencia quo lem havido na crn-
er, dos meamos billietes, o respectivo thesoureiro
Uro esperances de que o dia marcado mo sera
',nsfnriJo. Quanto mais rpida for a venda com-
pleta dos bilhetes, mais rpida sera a extracgflo da
'"'^Precisa-se do odlciacs de alfaiate : na ra da Ca-
iloia-Ve Iha, n. 41. Na mesma loja se tomam apren-
._*__ n ii.ni.'iiiii nlllMi i i
di/es para seensmaro
mesino officio.
-precisa-se alugar um moloque ou negro Teilo ,
jue seia diligonle e sem vicios, para o servico ex-
terno de urna casa de pouca familia. Dirigr-se a ra
do Rangel.n. 59, segundo andar.
OS. Y. M. qtieira manuar pagar o aluguel do
sobrado Vi que morou na ra do Rangel no an-
uo de 1842 : alias se declara o seu nome por exten-
so, para quo os propietarios de casas conhecam
como osle Sr. procode.
Jos Gomes Morena faz ver ao publico que no
dia 30ile abril doixou Je ser seu caixeirg Antonio
Cenes Moreira Jnior. ...
Offerecc-se um rapaz para eaixeiro de escripia,
ou mesmo de ra o qual da fiador a sua conduela :
quem de seu prestimo se quizer tililisar annuneie.
_ OlTerece-se uin bomemde 29 annos chegado
ultinianienlc do Porto, para cozinheiro de qualquer
casa ou para padaria e mesmo para outro qual-
quer servico : quem de sen preelimo se quizer uti-
liiar, dirija-so a ra da Cruz, no Rccife n. 60 pri-
meiro andar.
Joaquim Paeheebo do S declara que o Snr. D.
Antonio de Locio e Silbe depois do annuncio por
elle feito neste Diario U. 103, Ibe foi entregar o tran-
celim de que fez mencilo naquclle referido annun-
cio.
V. T. P deF. Camargo deseja fallar ao Sur. en-
genbeiroPortier, a negocio do interesse do mes-
mo Snr., qne-servir-sC-ha de apparecer no tercei-
ro andar das casas n. 25 no pateo do Collegio.
-- OSr. que annunciou precisar de um eaixeiro
para cobrancas dirija-se a ra Nova loja n. 58. O
annunciante d fiador a sua conduela.
--0arrematante das afericesdesto municipio do
Recife pela ultima vez, faz certo a quem interessar,
que o lempo da revista da mesma aferieflo se est
concluindo, equeJhe nflo be possivel despachara
todos, guardando-se para os ltimos das, do que
os previne para que nflo alleguem ignorancia em lem-
po algum.
--O arrematante dos dizimos dos cqcos dcste mu-
nicipio do Recife faz eorto Aquellos pessoas que an-
da nflo pagaram a colleeta ,dos mesmos cocos de
jtinhode 1846 a 1847 queenijunbo prximo rutu-
ro faz um anno por issoprelende cobrar judi-
cialmente ; pois que, nflo leudo sido possivel que-
rerom pagar amigavilmente nflo obstante a gran-
de oondcccdencia que tem tido com as mesmas, nflo
Ihc resta sciiilo dar andamento ao que a le empoe
nos que necam-sc a popar.
-- Manuel l.uiz d* Voiga e mais berdciros do tina-
do Manuel l.uiz da Veiga previnem ao publico, que
ningiiein trate negocio solire uns terrenos que. Joflo
Cavalcanli de Albuquerque e Rufino Jos Fcrnandes
deFigueiredoobtiveram como terreno do niannba,
noseguimenlo da estrada nova do l.uiz do llego;
culo terrono be de propiiedadc dos annunciantes, e
se|acha em questes judiciaes.
Alga-se um escravn para enzinbar ongom-
mar o fazer todo O mais servico interno de urna casa:
quem a pretender, dirija-se a ra da l'euha, loja do
sobrado n. 7. ...
Flix Crosdidier ebefo de orebestra retira-
se para a Europa.
Attenco.
f Jos Joaquim do Novaes participa ao respeflavel
publico.que mudou o seu estabelecimenlo de alfaiate
da casa dos 4 cantos da ra do Queimado para a lu-
ja n. 30 da mesma ra onde se acba promptoa
servir os scus freguezescom aquella promptidflo do
costume c a todas as pessoas que sua casa so qui-
gercm dirigir; assim como vende pannos, casimiras,
madapoloes, sarja para vestidos, cortes de colletcs,
luvas de todas as qualidades, lencos do seda c do
cassa. bolOes de todas as qualidades, retrozes, lj-
nhas, e muitos otilros objcclos que sempre ha de
batW venda ; assitn como llavera sempre obras
. de todas as qiialidadcs.com a mesma peifeigo
3 encommenda.
ruNDICAO
r
DA uona.
K. -j
ca aos Snrs. de cngcntio a grande vatagcm do P~
derem sem receio apromplar qualquer obra com
aquellas brevidade eponlualidado tflo indispensa-
veis aos scus importantes inlcresscs. Nesta fabrica
tambem fazem-se rodas d'agoa todas do ferro ,
moendas machinas do' vapor o toda qualidade
demaehinismo, por maior ,ou mais difllcilqoe se-
ja. Adver'tindo-se que todas as obras sflo garanti-
das, offeroceitdo desta maneira n mais ampla.se-
guranca'de sua boa e fiel execuco.
-- Precisa-se alugar urna cscrava que sirva, nflo
so para fazei> o servico de casa como para vender
na ra; pagam-se 10,000 rs. mensaes: na ra da Flo-
rentina, n.38.
--Urna mulher debr.ns coslumes. se encarrega da
criaeflo de meninos de peito, impedidos e desimpe-
didos ; tambem recebe meninos para desmamar, no
que promelte esmerar-se : quem de seu prestimo
se quizer utilisar dirija-so a ra Augusta as bi-
jas do sobrado novo [que tem a frente cor de chum-
bo. Na mesma casa vende-se um bcrco ainda em
bom uso.
Aluga-se o segundo andar da casa da ra Im-
perial n. 167 com muilo bons commodos ; a tra-
tar na ra Nova n. 42 com Hollino Concalves I'e-
reira Lima.
O Sr. que annunciou precisar de um rapaz para
eaixeiro do escripia o cobrancas, querendo um que
tem ortica e d fiador a sua conduela dirija-se a
mn de S.-Rita n. 91.
Precisa-se de urna ama para o servico de urna
casa de diminuta familia, e que saiba eozinbar o or-
dinario : na ra de S.-Rita, n. 91.
-- A pessoa que annunciou, no Diario n. 103, pre-
cisar de um eaixeiro para escripia e activo para co-
brancas dirija-se a.ra estreita doltozario n. II.,
Desappareceu, da casa n. 14 da ra do Hospicio,
um cameiro mocho de cor preta com a lila um
tanto crescida : quem o pegar leve ao lugar indi-
cado,quo sera recomr,ensadogenerosamcnte.
-- Antonio Augusto ias da Silva relira-se para
fra da provincia.
~ Preeisa-se de urna preta captiva que tenha bas-
tante leite para criar um menino : na ra da Auro-
ra n. 42,
-- Anlcro Jacqucs da Silva retira-se para fra d
provincia.
Precisa-se de urna ama de leite : na ra das
Flores n. 11.
Aluga-se o sobrado de um andar no pateo de
N -S.-do-Terco, n. 26 : a tratar na ra das Trin-
cheras sobrado n. 46.
Na ra do Sebo, n. 3, empresta-se dinheiro a
juros com |>enhores de todas as qualidades, em pe-
quenas porcoes.
- Mauoel da Silva Sanios, ven-
de fariJia de trigo da verdadeira
marca SSSF, chegada ullimamen-
le a esle mercado.
Precisa-se de 2oiu*ciaesde marcenoiro
da Cadeia de S.-Antonio n 18.
~ Precisa-se alugar um moleque para o servico de
urna casa i no Alerro-da-Rna-Vista n. 65.
Na manbfla do domingo, 9, furlaram na ra da
Cadcia-Vclha, da casa n. 32, prinieiroandar, um po-
daco da brim trancado branco, com 13 varas; por
isso roga-se a qualquer pessoa quo lhe Mr offoreeido
dito brim, de o nflo comprar; e quem souber aondo
elle existe, dar parte na dita casa, quesera recom-
pensado.
Precisa-se alugar um escrvo bom cozinheiro :
nesta typographin se dir quem precisa.
Quem annunciou, pelo Diario de 8 do correte,
precisar do um eaixeiro para escripia e cobrancas ,
d irija-se a ra do Queimado loja n. 11.
Panorama.
Na ra do Queimado, loja n. 11, continuam-so a
receber assiguaturas para o Panorama, a 3,000 rs.
por anno em52 nmeros.
--Precisa-se de urna ama de leite forra, ou cap-
tiva: na ra Direita n. 112.
--Urna pessoa que tem os conbecimentos precisos,
se offerece para fazer qualquer escripturaeflo com-
mercial- com pcrfeicflo o presteza i quem de seu
prestimo se quizer utilisar, dirija-so a ra Direita ,
n. 20, segundo andar.
=0 abaixo assignado participa ao Sr. Manoel Fir-
mino que venlia buscara preta Narcisa, escrava que
foi do fallecido Jos, da Silva Rotelho, cuja escrava,
no dia 9 do correle, as 8 horas da noile, lhe vcio
pedir para a comprar:, o como julgou que ella es-
tivesse fgida, para nflo levar dcscaminbo, por isso
a recolheu cm sua casa na Trompo, n. 50, amule a
podo vir, receber e passar-lhe recibo: advertindo-lho
que ?e nflo rcsponsabiliso por (qualquer fuga que
ella faca.
Jlo Albino da Silva Souza.
A pessoa bue annunciou precisar de um eai-
xeiro para escripturaeflo e cobrancas, dirija-so ao
paleo do Carino, n. 8.
Precisa-se alugar umescravo ou escrava coz-
nheira : na ruado Aterro-da-Boa-Vista, n. 1, pri-
meiro andar.
Aluga-se de um escravo bom cozinheiro, de
idado de 20 annos : na ra da Pcnha, n 29.
A negocio de particular inleresse do Sr. Ignacio
Laiola dos Santos Pulquciio natural" da cidado de
Cuaritingnet, da provincia deS.-Paulo precisa-se
saber se elle existe nesta provincia; e roga-re a qual-
quer pessoa que do mesmo Laiola possa informar
de se dirigir a Fra-de-l'ortas ra do Pilar, n. 115
a fallar com Jos Goncalvcs lleltruo.
_ Venrle-sc a verdadeira e superior
potasa da Kussia, branca, e em harria pe-
queos : na ra da Cadeia do Recife, ar-
maiem n. M, de Billar & Oliera.
Vende-se, na venda do pateo do
Terco., n. 7,ne'ite de coro, a 1,710, rs. a
caada ; e garrafas c meias a 3fi0 rs.
- Vendem-so dou lindos moloques do nacio,
de 15n 18 innosfum pardo de 18 annos, 0P,,no
carreiro, eque he proprio para pagem ; 3 preoa w
24 annos, bous para qualquer servico, sendo un
delles bom carreiro ; urna parda de 24 anuos cu 11
habilidades; 6 pretas com algumas babilidadoa. no
20 a 30 annos, sendo algumas de naeflo : na ra ou
Collegio n43, segundo andar, se dir quem venue.
Vendem-seescravos buratos, na ra das
n. 14, segundo andar: ui
l.arangeiras,
molecote de
nem achaques
molecote de elegante Rura sem vicio
com ofllcio de sapatei-
S. H.T.
Compras.
C. STAR S.t. l-ropriela-is *(e>te
antigo estabeleeimnto.avisam aosseus freguezeseao
publico em geni I (|uolles sempro tcoui um gran-
de sortiiniilo de moendas do lodosos tamaiihus ,
fabricadas cm suas oflieinas, tendo porlanto.a
fortidflo, solidez, boa conslruccflo e melhoramen-
tos lio a pratica de longos anuos tem mostrado
seren necessarios o que as obrai de eerregaco
oITcrecidas aqui com tanto empenho, nunca se
teha. Possuindo os annunciantes para aperfeicoar
,s suas obras os anparelhos mais modernos e com-
pletos quo a sciencia vai indroduzndo, nada deixam
desojar ; e tendo adquirido com grandea. despez
um cescido e indispensavel numero de Jlllci.es pe-
ritos as suas prolissOes c escolo
melbores da Europa, acbam-se Im-.tificar
habilitados para offerecerem com pcrfeiU conhan-|segratiUCr.
Adireccodo theatro do Apollo, em conformida-
de com o 18 do arl. 38 dos estatutos, avisa aos Srs.
socios, que so acba marcada a recita para o dia 12 do
eorrente, eque, portento, queiram mandar receber
os bilhetes nos das 9, 10 e 11 do mesmo, desdo as
* horas s 6 da tarde, no saldo do mesmo theatro.
onde nicamente serjlo distribuidos pelo respectivo,
thesoureiro, quo se ada autorisado para isso, bom
como para receber nesso aclo as mensalulades, eo
que os mesmo Srs. mais estiverem devendo. Igual-
nienlo queiram mandar, at o mesmo da 12, ao
meio-dia, suas propostas para convidados cm carta
fechada, incluiido os bilhetes, ao Sr. director, na
ruado Apollo, afim de que, cm lempo competente,
seiam legalisados, livre de atropellos Tambe ni a
mesma direceflo, em consequencia do 9 do referido
art 38. faz constar aos mencionados Srs. socios a
detcrminacHodnsdoustrU. 14 o 15, abaixo trans-
criptos, de regulamento geral que provisoriamente
se oclinm em eucetividade,desde 1. ultima recita inclu-
sive, c isto para queem lempo algum se chamem a
ignorancia, sobre tal disposicio.
u Art 14. Em quanto nao for precnchido o n. dos
socios que Os estatutos determinam, so por duasve-
zes o convidado poder participar dos divertimenlos
da sociedade. ... .,
. Art 15. Sflo exceptudos das dispusimos do arl.
antecedente o disposto no art. 9; os pas dos socios
e lilliosdcsles.nflo emancipados; os scus hospedes
oue nflo tiverem domicilio no municipio; osestran-
eeiros quo visilarem o paiz, e os interessados com
os socios accionistas na sua parte, declarando estes
o nome daquelles. jj .
- Precisa-so de 1:400,000 rs. a premio dando-se
em hypothecs urna propiiedadc a escolher nesta ci-
dade: quem quizer dar annuneie.
--Precisa-se de umaama para casa de pouca la-
milla que cntenda de eozinbar e engommar.e
que tambem faca o servico interno : na Soledaue ,
ra de Joilo-Fcrnandes-Vieira n. 42.
Arrendam-sc barrciraspara tirar barro para toda
a qualidade de obra que se fabrica em olanac; tam-
bein se vende por canoas, e igualmente ha barro
excellente para se trabalbar cm obras ; assim como
na mesma barrcia ha barro proprio para se espa-
ldar e.n terrenos entiilbadosdeareiB, destinados pa-
ra plaais, por fazer produzir toda a qualidade
de lavoura, havendo vantagem as ditas barreiras
do seren multo mais porto do que as do Monteiro e
com a maior commodidade possivel, de a canoa en-
costar jnnlo ao barro e poder na mesma maro que
sabir do Recife, lomar a voltar, c livre das intcr-
rupcoes das ebeias do Capibaribe : a tratar no so-
brado que tem olaria, atrs dos Remedios.
cisa-se de un moco de boa con-
entenda de escripia e seja
pretender
- -Compraiu se cdulas de
20,^000 rs de cor encarna-
da, com pouco descont : na
esquina do Lramenlo, loja
de 6 porlas.
Compra-se urna cria, com idade de
dous a oito mezes: na Gamboa do Carino,
n. 8, se adiar com quem tratar.
Comprsm-se psde larangeiras em estado de
gerem mudados: na ra Nova 11. 42.
Compra-so um alambique de cobre, para des-
tillar ago'ardenle que j lenha servido, mas que
estela em bom.estado : na ra Augusta, n. 48.
Compram-se escravos do ambos os sexos : na
ra Nova loja do ferragens, n. 16, se dir quem
compra. ,
Compram-se etTectivamene escravos de ambos
os sexos, de 12 a 20 annos, sendo alguna ofliciaes
de sapateiro ; sendo de bonitas figuras, pagam-se
bem : na ra da Concordia pastando a ponlczinlia,
a direita segunda casa terrea.
roe de pintor; timdito do naeflo com
ofiieio de sapateiro o ptimo copoiro ; um muiaii-
nho do muito boa conduela, ptimo para um pagem.
dous pretos por 700,000 rs. ; urna preta quo nflo lio
velh.i, por 350,000 rs. ; urna dita de 20 anuos, por
470,000 rs. ; urna dita que cozinlia e engomma, e quo
esta pejada ; e mais alguns escravos quo so mostra-
rflo aos compradores.
Vende-so ou troca-sc por urna casa terrea com
quintal, 011 por algum pequeo silio com arvores
defnelo, periodo Rccifo, un sobrado novo todo
forrado, com um grande sotflo, paredes dobradas,
chaos proprios, o qual rendo por mez 34,000 rs.: na
ruaeslreila do Rozario, 11. 10, teiveiro andar.
Vende-se una negrinha de 12 a 14 annos, quo
til lavarinlo solTrivelmcnlo : na ra cstroita do Ro-
zario n. 11, segundo andar.
Contina-so a vender chocolate novo por pre-
poroniinodo;pafmoido,a 180 rs. ; ditoemgrflo.
a 140 rs. ; cha hvsson 2.000 2,210 o 2,560 rs.;
velas de carnauba de 6, 7 e 9 em libra a 390 rs.;
espermacete, de 6 em libra a 800 rs ; bohieh.nha
ingleza, .1 220 rs. ; passns a 240 rs.; toucinho de
Lisboa a 210 rs. ; manleiga inglcza a 400, 500 o
720 rs. quoijosnnvos, 1,400 rs.; 11-na poreflo do
arroz de casca bom, pela medida velha por preco
eommodo: no paleo do Carino esquina da ra de
Moras, lado direilo D.9.
A' #500 o corte.
Na loja de Cuimarflos Serafim & C confronto ao
arco ile Santo-Antonio, n. 5, vendem-so ricos cor-
tos do cassa dos padroes mais modernos quo tecm
vindo a eslo mercado, c lindos desodlos pelo bara-
to preco de 4,500 rs. cada corle; chapeos do sol do
panninbo francoz a iniilacflo doseda.com lindos
cabos, a 3,200 rs. cada um.
A LOJA NOVA N. 17, DO PASSKIO PUBLICO DA
PRAIA DO COLI.EC10.
Este novo estabelecimenlo, fazendo hojo a sua a-
berlura, e estando de antemflo prvido e completa-
mente sortido de pechinchas c fa/.endas inteiramen-
te- novas que mcrocem particular aliento aos ama-
dores da economa, edisposlo a patenloa-tas pelo
mais mdico proco, compativel com auas boas com-
pras feitas s dinheiro.e sem compet lores no merca-
do, espera que o presente annuncio, soando aos ou-
vidos dos amantes do bom e barato, faCa a devula
impressto para que com sua enrgica concurrencia
ao estabelecimonto possam devidamenle coniecer o
apreciar tildo quanto levo dito. E para quo com mais
caranda possam ajuizar c fazer mais acertada conci-
deraeflo abaixo levamos precos algumas dessas que
a memoria traz colleccflo.-Pecasdo mapapolflosor-
frivel, a 2,000 rs., c a vara a 100 rs.; nscados de *
palmos de largura, fazenda muito boa para escra-
vos, a 200 rs o rovado; dito muito proprio para ca-
misas, a 140 rs. o covado; chitas, as inelhoros que
Vendas.
Casa da F
na ra eslreita do Hozarlo, n. 6.
Neste estabelecimento acham-so venda as cau-
telas da bem acreditada lotera do theatro publico
desta cidade, para cujas rodas est annunciado o an
damenlo para o dia 12 de maio prximo futuro.
Neste estabelecimenlo tambem se acham venda tres
trncenos de ouro de Ici sem fcito: a ellos que sflo
de muito bom gosto.
A PARISIENSE,
NOV E BMI.HAMTi:
(hiela
activo para cobranza: quem
annuneie para ser procurado.
-Precisn-se do um eaixeiro para padana.quo le-
nha alguma pratica de negocio: na ra Direita,
11 82.
__Be-rnardino Freiro de Figuelrcdo Abreu e Cas-
tro mudou o seo escriptorio para a ra da Cadeia
do Recife, n. 3, primejro andar.
__Dflo-se 500,000 rs. a juros com penbores de ou
ro prata ou hypothcca cm alguma casa desembara-
Cala : no Forle-do-Mattos, ra do Codorniz, venda
n. 1, so dir quem d.
Furlaram no di -
m pard sapatos e dous lencos de seda ; ludo no
para piano : vende-sc na ra da Ca-
deia, loja n.31 ; piecoSOors.
Vende-se urna escrava de 10 annos de boni-
ta figura : na ra da Roda derradeira venda.
__ Vende-se um preto crioulo, de bo-
nita figura : na ra do Crespo, loja n.
io, de Jos Joaquim de Frcitas Cnima-
racs. %
No Alcrro-da Boa-Vtsla, de-
frOllte dacalunpa ,
vende-sc urna poreflo de sapalOes brancos e pretos,
narahomem, tanto por junto como a retamo, c
outrosmuilos calcados, por preco eommodo.
Aviso aos Sis. nieslres e
amadores da msica.
Flix Crosdidior chefe de orcheatra tendo do
retirar-sc para a Franca lem a honra de participar
nos Srs meslres e amadores da msica que vende-
r' nosdiaslO, 11 e 12 do eorrente, na sua rcs.den-
rc-ia ra da Cruz n. 10, segundo andar urna col-
lecflo de msicas, consistindo cm sinfonas para
grande orchestra, valsas e quadr.lhas quartetos e
quntelos para rabota viola e rabeeflo; um grande
numero de operas arralijadas em armona para -n
at. hje tecm appareeido, por 160 rs o covado, ea
5.800 rs. a peca; ditas pi opnas para cobertas, a 4,800
rs a peca, e a 140 rs o covado; ditas franeczas mul-
to largas,. 360 rs. ocovado;cortos do chitas do muito
lindos pdrOes, a 2,000 rs.; ditos de cassa, os mais
modernos, a 4,000, 4,500 o 5,000 rs.; cortos de calca,
zendanuito superior c de lindos padrOes. a 1,280
c I 440 rs -corles le colletes de fustflo. muito lindos,
a 800 rs.; ditos do Ifla e seda, a 1,000 rs ; ditos do
orgurflo de seda, a 3000 rs.; cassa lisa com urna va-
"'.. ... __ .___.. o \i\i ra 1 nm ruin
nos proprios pora uif, < .,., -------,.v.
eda muito bonilas.a 5,000 rs.; br.ns de purolinho,
PadrOes muito modernos, a 1 000 a vara; dito bran-
co do listras, a 240 rs. o cuvado; dito trancado bran-
co a 360 rs a vara; assim como urna poreflo desa-
paioes muito proprios para a eslacflo presente, a
1,440 rs. o par.
- Vende-se um sitio distanto da praca 3quar-
tos de legoa, com casa de pedra e cal, .cronc"m"0-
dos para grande laniilia, terreno proprio, jom fruc-
teras, csunicicncia para plantar-se o ter 12 vaepas
deleite, lodo cercado com cerca nativa e valle,, un
viveiro'cavado faltando-lbe somante; pflr a pmU
d'agoa. com una vertcnte d agoa corren le todo a n
no, onde se faz banheiro polo verflo ; em urna ola
ria bemafieguezada polo bom barro que tem para
o. a qu lid.de doobrao com. vanugem jo poder
vender barro para outras olar.as que, o1 So cm o
para obras, com bom porto de em,lu"1m01l
,u sobrado que ten. otaria airas dos Remedios
a tratar
5rc!u^^
I paV^sapa'losedos lencos de seda ; ludo no-! par. rabeeflo grande, o estantes p... um. ~n
, sondo um lenco ai.id a por e mbainha r: a quem de*Pe,oj. uUirnarnenle do Rio-de-
'SSSSXtStSrS^ -* -i. quar-
Ita: na ra da Cruz, casa n. 66.
-Vende-se ou troca-se por ca,
sas terreas, oa algum silio perlo
da praca, urna casa de sobrado de
dous andares (a excepeo de urna
parte de dous conlos de res que
perlence a onda pessoa), cuja ca-
sa he feita de muito poucos an
nos, e repartida moderna -,'tem
urna excellente vista, bem como
um bom desembarque para, o mar:
quem esta compra ou troca qui-
zer fazer, dirija-se ra do Cres-
-Ipo a fallar com Jos Joaquim da
Silva Maya.


No vos gambreoes.
Na loja de Guimar.les Serafim & c, confronte no
arco de Santo Antonio, n. 5, vendem-se novos gam-
breOes a 1,400 rs. o corte le tres covados e meio;:os-
ta fazenda torna-so rerommcn presento, por ser fazenda oncorpada c escura; e tinge
a casimira franceza por terpadroes imitantes;) chi-
tas a 120 e 140 rs. o covado, ealm disto um com-
pleto sorh ment do toda a qualidade de fazendas.
Vendem-se por preco commodo,
dnas canoas de conduzir goa ; e urna
dita jneia aberta : na ra de Apollo,
a fallar com Jo3o Esteves da Silva.
A' 800 rs. o corte.
Na loja deCuimar.les Serafim & C, C*onrrontc ao
arco de Santo Antonio, vendem-sc lindos corles de
ruslao, cAres Usas, pelo barato preco de 800 rs. o
corte; cassa-clntflscom flores, linas o largas, suecas
e inglczas, a 240 rs. o covado.
NA KUA DOQUE1MADO, N. ii,
Vendem-sc lindas manas de seda ,
muilo finas*, as mais modernas que ha,
proprias para senhora e meninas, o 3,->oo
rs. ; cortes decassade cores ixas, ede
lindos padrSes, a 4,ooo rs.; sarja hes-
panliola ; lila franceza ; los pretos; lu-
do por menos de sen valor, por ler aca-
bado a Quaresma : na loja nova de l\-
G. I,cle.
~ Vende-se o
3,00 rs. a sacca
W Vendem-se superiores chapeos d .^KL, castor, pretos e brancos, por preco
muilo barato : na ra do Crespo, loja n.
i 2, de Jos Joaquim da Silva Maya.
Na roa do Crespo, n. 12, loja de
Jos Joaquim da Silva Maya ,
vendem-so ricos corles de cambraia para vestidos de
senhora; .ditosde bauzulinas, para vestidos i fazen-
da esta muilo propria para a estaclo deinverno, por
ser do cores oscuras; um rico sortiment de manas
ilo seda o de seda e 1.1a para senhnra; mantinhas para
meninas a duas patacas cada urna ; chales de seda
de bonitos gostose difTerenles lmannos; meias de
seda brancas e pretas, para senhora o homem as
mais superiores quo leem vindo a esta praga; pan-
no lino prelo ede cores ; alpaca a 800 rs. o cova-
do e muilo fina a 1,600 rs.; cambraias para cor-
tinados de camas e janellas assiin como franjas pa-
ra os mesmos ; cortes do calcas de casimira france-
za elstica e muito superior, a 5,000 rs. cada corte ;
cortes de colleles de velludo, gorgurSo, setim o
restante da superior farinha
na ra Direita n. 9.
A' 12^000 rs.
Na loja n. 5 confronte ao arco de Santo Antonio,
vondem-se ricos cortes de chaly de lila e seda, pa-
drees modernos, pelo barato preco de 12,000 rs. ca-
na corto; meados francezes linos e modernos, a 240
rs. o covado; zuartc azul encorpado, da fabrica por -
luguez. a 200rs. o covado: esla fazenda he propria
para escravos.
. Vende-se um tronco em hom es-
tado : na ra da Senzalla-Kova n. 7.
Polassa da Russia,
polo preco de 180 rs. a libra em barril pequeos :
na ruad* Cruz, n. 10, armazcm de Kalkinann &
Rosenmund.
- Vcnde-se cal vii-gem em mcini barricas chegada
ltimamente calxa. rasiaj para assucar urna poicao
ae pesos de ferro, ilcduas arrobas serras grandes para
errar madeira ; tudopor preco commodo: na ra da
Horda, armazem n. 17.
= Vendem-se inoendasde reno para engenhos de as.
ucar, para vapor, agoa c beslas, de diversos tamanlios.
por preco commodo e igualmente taixas de ferro coado
e batido, de todos os tamanhos: na praca do Corpo-San,
to, n 11, e, casa de Me Calmont & Companhia, ou na
ra de Apollo, armazem, n. G.
G
IZ.
Loja de Joo Chai-don ,
<* 'i ro-da-Ifoa-Visla, n. 5.
Neata loja acha-seumi ico sortimento de I.AMPE0ES
IARAGAZcom seus competentes vidros accendedo-
res e abafadores.
EslC'S Cdlldieiros So os memores e
inaia modernos que existen, hoje : rrcommendam-se ao
PUbl.co, tanto prlaseguranca e bom gosto de sua boa
confeccao como pela boa qualidade da luz, economa e
asselodeseu servico.
l\ aiOStna loja os consumidores sem-
pre acharao um deposito de GAZ de cujo se afianca a
qualidade, e ein porco baslante para consumo.
PANNOS PKET0SFIMJS
e" novos na loja ; velludo prefo; cli
lote de seda, para colletes c gollas
tiin macau ; o verdadeiro brirn trancado
de hstraa de cores na ra do Queimdo,
loja nova, n. u, de Raymundo Carlos
.v. M uv,I.V(n(li up VUUMU, f)IM|UIIIV| 9CIHII U dO
instilo por preco muilo barato; panno de linho a
400 rs. a vara; cobertores para escravos, e outras
muilns fazendas que todas so vndenlo por pretos
muilo baratos.
Vende-se, para fra da provincia ou para cn-
genho um esclavo de nacilo'Congo de 28 a unos
poucomaisou menos que enzinha O diario de'urna
casa erefina assucar : em Olinda ladeira do Vara-
douro", refinacSo de assucarf
A' 7^000 rs. cada urna manta.
Na loja de Cuimariles Serafim & O, confronto ao
arco deSanloAntonin,n.5, vendem-se mantas de seda
modernas para senhora, pelo baralo preco do 7,000
rs. cada urna; riscados francezes finos, padrOes mo-
dernos, a 240 rs. o coVado.
Vendem-se 2 molcques pegas do 18 a 20 ali-
os, bons para otrabalhodo campo o da praga; 1
dilo homcozinheiro; 4escravas mogas sendo tima
dolas boa coslureira e engommadeira ; urna mula-
| (inha de 16 annos boa para ser educada: ra ra
do Piisseio loja nova n. 19.
Vendem-sc 8 lomos das obras do grando juris-
consulto portuguez Manuel Alves Pegas que tra-
lam llevaras materias do foro judicial, por prego
commodo, o cm muilo bom uso; urna geometra
de Euclidcs; urna rollecfio do caapuceiro, comple-
ta ; urna dita do Popular; urna dila do Guarda Na-
cional; Considerarles sobre a legislarlo civil o
criminal : na pinga da Independencia, loja de en-
cadernag.lo n. 12.
Vendem-scdous pretos ptimos para o Ira-
balho de campo; urna pela ; nina parda com al-
pumas habilidades: na ra da Cruz, no liedle, n.
28, segundo andar.
Vende-se urna venda com poucos fundos, sita
na ra do Vigario a tratar na ra da Cruz n. 28,
com Lima Jniora; Companhia.
Vendem-se varios trastes a saber : cadeiras ,
canap marqueza mesas, mangas de vidro e
oulros objeclns ; tudo cm bom estado e por pre-
go commodo : na ra das Tiinchciras sobra-
do n 46.
Vemle-sc urna prela, bem vistosa, cozinhei-
ra .lavadeira equoho muilo boa engommadeira,
sem>ieios nem achaques : na ra da Cadeia do Re-
cife, a fallar com Jos Gomes Leal.
francezcs, que existem no mercado, iguaes aoe que
vilo para crtedo; Ro-de-Janciro chegados ultima-
mente de Franca'na barca Zilia ; assim como cha-
peos finos de castor.brancos o pretos, da ultima mo-
da e por prego commodo ; ditos '< castor sem pel-
lo e de todas as mas qualidades at o diminuto
pregojle 2,500 rs.
Vende-se urna preta da Cosa, quo ganha 400
rs. por dia : no paleo do Tergo, n. 1, segundo an-
dar.
Vende-se urna porcao de. lagesde
pedra, proprias para ladrilho de arma-
zem ou calcada ; e duas portadas de pe-
dra mulatinha, da trra ; na ra da Sen-
zalla-Nova, n. 7.
Vende-se una parda de muito bonita figura ,
que cozinha bem o diario de urna casa lava
de sabo e varrella cose chao o he muito boa pa-
racasa de familia : na ra do Collcgio n. 16, ter-
cciro andar.
laina-
; se-
O NOVO BAI1ATEIR0 DA RA NOVA.
Tinoco & Rocha vendem por prego muito com-
modo chlese manlasdcsoda ; luvas; meias sar-
jas e seimi de todas as qualidades; riscadinhos
rranceres de lindos padrOes a 220 rs o covado ;
chitas finas que mo largamaeAr, a 180 rs. o co-
vado; hrelanha muito fina, a 700 rs a vara; lan-
zinha debstras, a 220 rs. o covado; bnlzorinado
Lia de Iindissimos gostos e muito propria para ves-
tidos de senhora na presente estag.lo, a 280 rs. o co-
vado ; ricas filas de selim lavrado; lindissimas cas-
sas pina vestidos, e outras fazendas de gosto que os
iinnuncianles vendem mais baralo que cm oulra
qualquer parle, na sua loja da ra .Nova n. 26.
' Vcnde-se um pela moca que
cose e eugornma : na ra do Cabug ,
loja de muideza?, u. 1 1).
Vcndem-se dados tanto de m im como de osso : na ruado Cabug,
loja de ir.indezas, n. 1 l).
A' 2^000 rs. o corle.
Na loja do Guimarles Serafim & C, confronte ao
arco de Santo Antonio,n. 5, vendem-so cortes de cas-
sa de padrOes agradavoisc coresfixas, pelo diminuto
prego de 2,000 rs. o corte; lengos francezes grandes
e linos lingindo seda, a 480 rs. cada um; lengos de
cambraia com bico, a 640 rs. cada um; dilos do dita
muilo linos com renda e bico, a 900 rs. cada um.
Vendem-so holins e meios ditos francezes, a
3,000 rs. ; ditos de Lisboa, a 2,000 rs. ; horzeguins e
sapatos americanos de duas palas, a 2,800 rs.; sa-
patos de cabra; ditos de tamanco, a 500 rs.; no A-
lerro-tla-Boa-Visla, n. 84.
-Na ra da Cruz, n. 26, vendem-se dous bons es-
cravos, proprios para todo oservigo.
Vendem-se 8 escravos sendo : 9 pretos mo-
gos, de bonitas figuras; urna preta de 16 annos; urna I
cabra com urna (ilha de 10 anuos ; 2 pretas de ser-1
vigo de casa e que silo boas cozinheiras ; 2 ditas
som habilidades : .no pateo da Matriz deS.-Antonio.
sobrado n 4.
Vendem-so dous pretos, sendo um delles ofil-
cialdecarpma ; urna preta e urna parda oom urna
cria de 8mezes; urna linda negrinha de 7 annos,
propria para andar em casa com criangas : na ra
da Cadeia de S.-Anlonio n. 25.
Vendem-sc dous sitios, um delles denominado
Komge na estrada do mesmonome, pouco adian-
to dos Remedios com casa de vivenda lerreno
bstanle extenso tanto para plantagOes como para
pastagem de 10 a 12 vaccas de loite de invern e
verilo para o que olTercCe muilas proporeflos ; e o
outro 110 l.uca lugar dos TorrOcs com as mes-
mas commodulades que o primeiro ; ambos se ven-
dem por prego commodo, e tambem se Lr'ocam por
escravos, ou casas nesta praga : na ra do Vicario
armazem de assgcar, n. 22.
Vende-se Repertorio- das' ordenagOcs; igesto
portuguez ; l.obflo, segundas linhas; Cardozo, cdi-
go civil; Lindas orphanalogias; Manoal do abelliilo;
lioutrina das acgOes; Synopse cdronologica, por
Jos Anastacio; Borges Ca nciro; Economa polti-
ca ; dita syntdologia; Benlham, penase recompen-
sas, em portuguez; na praga da Independencia,-li-
viana, lis. 6 e 8.
Vendem-se baszindoscoberlosde tartaruga,
de dilrcrcnlcs tamanhos, proprios para as senhoras
guardarem sua costura pelo mdico prego de 2,500
rs. cada un) 1 na ra da Cadeia do Recifo, n. 19.
as quaes se mostra que nfo he preciso o estudort
syllabas isoladas dos nomes, composlas pelo nrnf'
sor publico S. H. de Albuqu.-rque : na loja da esau'
ua deronto do Collegio prego 80 rs. ql"
TVa ra do Colle.
g), 11.17,. loja
de luolhados.
Este estabelecimento abrio-se, ba poucas diu
como esteja com umsorlimento de todos os len
ros comeslivos a seu alcance, leva ao conhecim.
lo do publico que seu proprietnro est disposto n,
ra chamar a alteng.lo dos freguezos, a vender'i
mais mdico preco possivel o talvez sem excmnin
Alem disso alianga-se que nesle estabelecimentoI h.
o maior ajseio e delicadeza nos effeilos, para h*m
servir seus freguezes : ha bom vinho do Porio lis
boa e da Fgueira ; "bom presunto para fiambra
paios Imgolgas, azotonas, sardinhas, cerveia '
etc. ; tudo novo fresquinho e em conla ; e niuin
excellenles queijos londrinos, a 1,760 rs., muiu>
frescacs. u"
Vende-se urna boa vacca do leito, com um
bezerra grande; ja d pouco leite de boa para criar
por seT cnoula o muito mansa por preco cumian
do : no Atorro-da-Boa-Vista fabrica de licores,
-- Vcnde-se, ou permuta-se por lerreno dentro a
poriodesla praga urna casa de laipa, muito he,,,
fela toda ladnlhada c rebocada na principal iu
de Pedras-do-Fogo: no Aterro-da-Boa-Vista f
brica de licores, n |17. '
I Vendem-so cortes dolindionso ; os mais finos
corles de cambraia de cor a 4,200 rs.; pecas ib
ganga azuj do 13 covados, a 1 000 rs. ; ditas de
zuariedalndia.de 4 palmos do largura, com 24
covados, a 5,500 rs ; superiores cobertores de al-
godilo americano a 790 rs.
Escravos Fgidos.
VIXAS de cera
nova, n. 11,
Leite.
Vendem se
Kio-de-Janeiro e de Lisboa grande
completo sortimenlo : na ra da Senzal-
Ja-TeUia, armazem n. no, de Alves
Vianna.
Vendem-se escravos de ambos os sexos, de 10
a 30 armos, com habilidades e sem ellas, e de bo-
nitas figuras : na ra Nova n. 40. -
DEPRESSA, DEPRF.SSA, FRKGUEZES,
no Passeio-Pubfttft, na loja nova de azendas n 19
deManoeHoaquimPascoal Ramos, sonde se a'ch.l
um completo sortimento de fazendas finase ordina-
rias com sejam : ricas chitas para vestidos de se-
nhora a 240e 280 rs.; ditas a 140, 160,180 200
Sfce240 rs.; ditas para cobertas a 40, 160 200 '
890 a 240 rs.; bre.a.iha de puro linho a 600 ," ^
dita de Franca a 800rs.; lengos de seda de mullo'
boa qualidade a 1,440 e 1,600 rs.; primores
Test.dos do senhora de muito bom gosto a 320 rs
' 9nna! StSfdehJi"'flnACoii.|4 covados, a
2,400 rs. ; ditos de cambraia a 4,200 c 4,500 rs
nacidos francezes, tanto para jaquelas cmo uan
vestidos a 180, 200,220, 240 e 260 rs. ; Kcs de
"" MI. ,. I.OO e" MO l Z'JI<*" ""1 8
A casa de modas franeczas de
A. AI Mocha u no Aterro*
da Boa-Vista, n, | ,
recebeu f elos navios Zilia e Nelie-Malhilde, um lin-
do escollumento de chapeosde senhora de una das
mais afamadas modistas de Pars; chapeos de pa-
Iha de todos as qualidades, lisos.aberlos c bordados;
ditos para meninas e meninos1, de forma Joinvlle e
redondos, de palha da Italia ; lindas toucas para se-
nhora ; manase visitas do bico; lengos bordados
de cambraia de linho ; dilos de linho fino, lisos ; di-
tos do cambraia, de todas as qualidades ; cambraias
mas lisas e bordadas; sedas para chapeos;"flores
linas; luvas de mallas e abcrlas, para senhora e
meninas ; ditas do pellica curtas e cmpralas ,
para senhora ; um soitimento de collarinl.os e ca-
nusinhas bordadas ; ricas fitas de todas as larguras;
bicos de linho; ditos do Monde; csparlilbos ; filo
ao Monde e de linho, da ultima moda ; rendas lisas
entre-meos bordados; cambraia do linho puro
baleas para vestidos e esparlilhos, emuilosoulro
objectosdemodaque se vcndcrSo por prego com-
modo. Na mesma casa fazem-se chancos e vestidos
de senhora, da ultima moda.
Alcm de outras multas
fa/ciidas,cxiste anda um
resto das pechinchtos dos
c; tes de cass.i de ^UOO
res.
IVPERLIL
DE JIAPE FINO
rar*r
FABRKA
NACIONAL
-Vcnde-se urna armngfloebalcao quo foram de
venda um lerno de medidas de pao ; ludo X e
--Vende-fe nm fortepiano de paten-
te London dos autores de Colard e Co-
ard ; exccllenle vinho branco da 31a-
deia engarrafado : na ra do Vicario
armazem n. 4, de Rolhe & Bidoulac.
O ROM E BARATO.^ 21,000 RS.
\cnde-se foll.a de Flandres da mais superior
que lein v ndo a esle mercado, lano em lustro
comoem qualidade,.pelo diminuto prego de 21.000
rs. cada ca.xa ea 100 rs. a retalho : na ra Nova ,
loja de fe. ,agCs 25 de Teixeira & Andrade.
AosupciTiiio.
vendem iU.Cb,|!e08 (ia rua do Queimdo n. 38
'ndem-seoamais modernos e superiores chapeos
A grande extracglo que tem tido este rap, depois
que loi exposlo a venda heprova inconlestavel do
bom acolhimenlo que tem merecido. O unk-o de-
posilo do na rua do Trapicde n. 34 e a relaldo
vende-senas lejas dos rs J. J. de Carvaldo Moraes,
A. !. I intoeVIriuOn A. R, Vaz d Carvaldo Cu-
nb.a Ainorim Ponles & Sampaio na rua da Ca-
deia do Recife ; A. I>. de Oliveira Reg, na rua da
Maiiie-de-Ueos; Campos & Almeida, na rua do
Quennado; T. A. Fonsera, Ilmhelilfc Maximino
ue i.aryalho, na rua do Cabug ; C. C. Breckemfeld,
praga a Independencia ; Caetano I,. Kerreir., TI10-
maz 1. m. Kslima e Antonio Percira da Costa e
f-ama, Atcrro-da-Boa-Visla.
Refrescos..
Xaropode groselhe feito do verdadeiro summo,
vindodeFraiiga.a 1000 rs. a garrafa ; dito de flo-
res de larangeira,a 1,000 rs. a garrafa ; dito leito da
veruaiieira resina de aueieo, que he muito conheci-
110 capprovado por asfessoas que padecem do pei-
to, por ja ler feilo ptimos beneficios a 1,000 rs. a
garrafa ; ditos de maracuja, tamarindos, nanazes ,
liir.iioelaranja, a 500 rs. u garrafa : no Aterro-da-
Itoa-\ isla fabrica de licores, n 17.
Vende-se um methodo de piano de Veguero,
em bom uso e por prego commodo 1 na praca da
Independencia, loja de miudezas n 4
Vendem-se novas cartas para aprender a 1er,-
Na mandia do dia 3 do correte, das 7 para as
8 doras, sendo conduzida para casa do Sr. major
Antonio da Silva f.usm.lo urna sua escrnva prela, de
nome Rooiana, esla, no Aterro'-da-Boa-Vista.deixan-
do-se (car atrs do portador que a conduzia, lueio
A referida prela de do Angola, bem ladina, e repre-
senta ter de idada 90 annos pouco mais ou menos,
estatura ordinaria, corpo cliei'o, porni magro; (em
o dedo grande do pdireito aleijado, e em ambas
as pernas algumas edagas bastante grandes, ele-
vou vestido escuro de chita com flores brancas e en-
carnadas, por cima saia preta de lila, c mi embru-
Idada em um chale cor de vinho com barra branca:
levou mais urna Irocba, conlcndoum Iengol de al-
godilo, c oulros vestidos e roupas. Quem a desco-
brire pegar leve-a a casa do ditoSr. Gusmto, na rua
do Queimdo, ou na rua do Araglo, n. 27, quesera
recompensado.
Fuglo no dia 28 do abril prximo passado
preta Thereza que representa ler 25 a 30 anuos a
de alta, reforgada bem parecida; levou saia do
edita vermelha e panno da Costa ; lem algumas ci-
calrizes em um dos dragos. Esla escrava eslava nes-
la praga apenas da 12 dias tendosidoremetlida de
Macei pelos Sis. Luz Antonio Alves Munteiro &
Companliia, para, por sua conla, ser vendida aqui
pelos annuiif antes, A. D. dos Sanios & Companhia,
moradores na rua do Crespo, n. 11. Reconunenda-
se a sua apprehensoa todas as autoridades poli-
:iaes equem a pegar ser recompensado.
Fugo, na noilc de 7 para 8-do correte do so-
brado do abaxo assignado sito na rua da Concor-
dia descendo por urna corda da jauclla do soto, a
prela Narcisa de Angola, de ISannos eslatura re-
gular, corpo grosso.olhos bastante pequeos e ver-
melbos nariz muilo chalo ; levou veslido de chi-
ta do ramagens pelas e sujo, enhegilo de algoilflo
trancado; deve ter as nulos feridas da corda. Esla
oscrava era perlenccnlo ao fallecido Jos da Silva
Botelho de quem o abaixo assignado he lestainen-
leiro. 0i appredensores podem leva-la ao dilo
sobrado ou a travesso do Queimdo 11. 3, que se-
rio generosamente recompensados.
. Manuel Firmino Ferrtira.
-- Fugio no dia 7 do corrente pelas 7 horas da
noite, da casa do abaixo assignado, 1 prelo crinulo,
de nome Jos; representa nflojter mais de 24 anuos,
altura regular, bstanle reforgado bem parecido ,
cara redonda, denles bem alvos ps pequeos; le-
vou camisa de algodilode lislras com assenlo escu-
ro e caigas da mesma fazenda com lislras mais lar-
gas e o 8ssento claro, chapeo de palha, tendo leva-
do mais oulra camisa do algodilo de lislras e outras
caigas de brirn pardo trangado, urna coberla de
panno da Costa nova, e urna loalha do mesa, lie
algodilo americano com a marca L. O. L. Este es-
cravo velo, ha pouco mais de um mez, deMacci pa-
ser vendido, tendo-o comprado o mesmo abaixo as-
signado ; porem n;lo ba descopfiajiga nenhuma quo
para l volte. Quem o pegar leve a roa da Cadeia do
Recife, n. 55 quo sera recompensado.
/ 11- ie Ulivcia Lima.
Fugio, no dia q do corrente^ um mu-
lato de nome Eslanislo escuro, que re-
presenta tur .15 annos, pouco mais ou me-
nos, ollios pcqueiios, esluliua baixa, gros-
so do corpo, cabellos bem pegados ao cis-
co, feicSes regulares, pouca barba, peseo-
CQ, curio, quebrado ou deeituoso, pernas
grossas, ps chatos ; nao se sobe com que
roupa fugio ; lem o vicio d beber, c he
heui fallante e pachola ; roga-se s auto-
ridades policiaes, campanhas, 011 qual-
quer pes>oa, o prendan), ou facam pren-
der c levar a seu Sr. Francisco Joaquim
da Rocha Falcao, no engenho San -Jos,
em a fregue2a de San-Louicnco, ou na
mi das Cruzes, n. 40, a Domingos da
Silva Campos, que serSo generosamente
recompensados.
PERN. :t

Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E1I9P2R2D_H5KYLB INGEST_TIME 2013-04-26T23:05:30Z PACKAGE AA00011611_08459
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES