Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08455


This item is only available as the following downloads:


Full Text
nno de 1^47.
Quinta-feira 6
........._....._. i .
i\ MAMO pul>lic-je todos o* dias, que rilo
I ,! en"1 i "o pre^o da auignatura ha de
aK/. is poi q"*1*1- Wf n.dir""^ln'- 0 -
I" ido nssi^riintes lo inseridos a rasio de
""'"""V v|jn|ia, 40 rs ni typo difftrente, cas
I3" 'H3a P'1 melada: Os que no f rem as'g-
l"'l';*D""0 80 rs porlinba, e 10 em lypo
PS: (>o.-caM.blto9 I PHASES DA LOA NO MEZ DE MAIO.
,. T. o J7 min. da larde.
U\o#>^"'' |4' |10r, e 3 min. da larde.
IJH a ,| 11 I,oras e S8 nato, da tarde.
ICm0'^' t 59jJ PARTIDA DOS CORBEIOS.
Goiannae Paraliyba, as segundas eseitas feiras
Rio-(imnde-dn. Norte quintas feiras aomeio-dla.
t'alin, Serinhem, lUn-Formoso, Poito-Calvo e
Maceio no I .*, a 11 e li de cada mea.
liaranliunse Rnnilo, a lOeSI.
Roa-Vista e Floras, lili ?8.
Victoria, s quintas feiras.
Ulinda, todos os dias.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira, ^ horas 43 minutos da manha.
Secunda, 8 horas a 0 minutos da larde.
Anno XXIIT.
N". 10!.
DIAS D\ SEMANA.
5 Segunda. > Invenco da Santa Crox.
(irlopiano.
4 Terca. ti. Moniea. Aud.do J. do ctv. da
e do I- de pa do 1 dist. de t
I, Quarta. t. 1'iO. Aud do .'. da OIT.
1 edoj. de par. do 2 dist. de, t.
6 Quinta. S. Joio Damasceno. Aud. do i
orph., do J. muuicipal da I ar.
7 istia. S Estanislao. Aud .loJ.docl
l. v. do J. de pai do I. di-t. de l ,
8 Sabhado. Heladio. Aud do i do cir
I. r. a do i "dapat rio I dist de t.
8 Domingo. S. Gregorio NeiieoKno.
CA.MBIOS NO DA 6 DE MAIO.
Cambio sohre I/mdres a S d. por l# rt.
Parts II r. por Iranco.
a Lisboa i de premio.
Desc. de leltras de boas lirin.s I '/ p. /
Oaro-Oneis I espanholas.... I8400 a
a Modas de 6f00 reih 16(1800 a
, a de OftOO or..
a .de 4000.....
Prata Pataces..........
Pesos columnarea...
Ditos mexicanos ...
a Niuda.............
,6*d.
I,Mi)
Ac'coes da cmp. d ribribi de a0|000 rl. a par.
i einoo a
91000 a
j|ojo a
21010 a
ifJSO a
I *00
aomei.
28#ni>
l#400
|8|00
9JI00
040
2#0>0
iffOO
DIARIO D PERNAMBUCO
PARTE CFFICIAL.
MINISTERIO DOtMPfiKIO.
Tend sido ouvida a secqflo do concelho do-es-
tilla ios negocios do imperio sobre o oflicio que Vm.
me dirigi na-data de 8 do corrente, pdanlo cscla-
i reCmcntosarespolo da duvilacm que se acha a
tunta de qualilicacjlo da parochia do Sacramento
esta corte, seo fllho-faniilia podo votar, urna vez
auesirva oflicio publico o seja maor de vinto c um
innos, ou se he indispensavel que, nlcm da circums-
(ancia de servir oillcio publico, concorra a da idade
de vintec cinco annos: Coi a mesma secqflo de pare-
cer que esta duvida est resolvida nos I." o 2." do
,rt, 18 sta Ici que dispOe que nflo sejam incluidos na
lista eral dos voltiles os menores de vinte o cinco
annos: c, exceptuando alguns de menor idade que
Cen votar, niio comprehendeu na excepqflo os fi-
i-fiimiliasqtio sorvem officios pblicos. E haven-
do-scS. M. o Imperador, porsua immodiata resolli-
do He 1" deste mez, exarada na respectiva consulta
de 16 do mesmo mez, conformado com aquelle pare-
cer assim o manda communicarn Vm., om respos-
U 'o citado oflicio, e para o fazer constar refonda
'"leos guarde a Vm. Paco, em 17 de mareo de 18*7.
-Joaqun Marcellino de Drito. Sr Luiz Antonio
d Silva Naiarclh, presidente da junta de qualifica-
tia da parochia do Sacramento desta corte.
-Illm. oExm-Sr. Foram presentes a S^ M. o
Imperador as seguintes decises, dadas por V. fcx
(obre duvidas que nossa provincia occorreram por
occasiflo de executar-se a lei reglamentar das elci-
^ IS Que as juntas de quali(ioaqflo. quando p se-
gunda vez se reuncm para conliccer das rcclama-
cfies.queixas o denuncias, devetn encerraros seus
trabulhos dentro de cinco dias marcados na le, por-
que assim o determina ella claramente.
2 Quaas parles podem apresentar os documen-
tos que bstn Ihesaprouvor; e s juntas cabe dar-lhes
o pes qie jul|arem que ollcs merecem, e nessa con-
roiniidatle proferirm as suas decises.
F. o rrswnio augusto Senhor, tendo ouvido a secQo
do concelho de estado dos negocios do imporio,
houve por beni declarar que hom acertada wi a 1.
tlccisHo do V. Ex.; equanto 2.' que cumpre ol)-
servar-sooquedispOem os decretos n. 500 de 16 de
fevereiro ultimo, e n. 511 de 18 do corrente mez. O
quo communico a V, Ex para sua inteUigciicia e
governo. ,
Dos guarde a V. Ex. Palacio do Rio-do-Ja neiro,
em 18 de margo de 18*7. -- Joaquim Marctllino de
rio. Sr. presidento da provincia do Rio-Cran-
(Ic-do-Norto. ., j
Illm. o Exm. Sr. Foi ouvida a secgo do
concelho de estado dos negocios do imperio sobre a
scgtiinlcduviila, oroposta pelojuiz de paz presiden-
ta da junta de qualilicaciio da ftcguezia dos (-ampos
tlelrar, a respeito da execucSo dYlei regulanientar
daselcicOcs: ,.
Determinando o art. 10* da dita lei que as dispo-
sieOcsdo tit. 2. sejam inteiramente applicaveis a
elcilodejuizes de par. e de vereadores, salvo na
parle em que forem alteradas pelo tit. ";'"
sendo alterada rtesle Ululo a disposicfio do arl. ou,
que prohibe a admitido de cdulas q' riicadot, alterado! ou subsliluidoi por outros, claro li-
ca que esta disposit;'io do citado artigo 30 conipi elinn-
do lano as cdulas relativas a clcicfto de eleiiores,
cerno de vcreadoi-es. Ora, para se nao adnni.irw
taes cdulas quandoconliverem nomes riscatios, al-
terados ou substituidos por outros, entende aquel e
juiz do paz que devem ellas ser examinada no acio
do recebimenlo pela mesa paroebial; mas esta medi-
da encontra a disposicH.. do art. 100, que manda en-
tregar fechadas ui cdulas som assignaturas, vedan-
do assim que a mesa as examine; e em taes circums-
lancias, consulta o mesmo juiz se as cdulas devem
ounfloieresamnaa'w no acto do recebimenlo.
Etcndo-seS. M. o Imperador, porsua immediala
resoliicilo de 17 do crranle, conformado cunto pa-
recer emittido pela referida secgilo em consulta de
15 do mesmo mez, ha por bom declarar que as, cdu-
las que forem entregues fechadas, mo devorao ser
examinadas no acto do recebimenlo; porque, a se-
reni-no, destruida flearia a garanta consagrada no
art. 100 em favor dos votantes que niio queiram vci
propalado o seu voto; mas que no cto da puraque-,
ou as ccdulass sejam relativas cleicao de eleiiores
o depulados, ou a de vereadores e jtnzes de paz, dei-
xarao de apurar-se todas as que cot.tiverom nomes
riscados, alterados, ou substituidos por ou iros, re-
vendo assim cnlender-se as palavras do art. 59: --
assim como nao seioadmitlidas as cdulas, ele.--,
por ser esta inlellitrencia a mais conforme ao espirito
da lei, o a maisfavoravel a urna cletqao livre c sin-
cera. .
0 que communico a V. Ex. para seu con.hec.men-
t e governo. Dos guardo a V. Kx. Palacio do Ilio-
de-Janeiro, om 22 de marqo de 18*7. --- Joaqwm
Uarcetlinode/lriio. Sr. presidente da proviiftia
da.''!t,,Hm e Exm. sr. Foi ouvida a secqlo do
concelho de estado dos negocios do impor.o sobrei as
seguintes duvidas propostas pela J""1 ^^''"
da cidado de Cabo-Frio, por occasiflo de executar so
all a Ici reglamentar das eleiqOcs: Plinnn
1.' Se durante os cinco UiaT da segunda rcunuo
d.junta de qualiLcaglo para recoiil.eceras recia
maqoes, quei'xas e denuncias. .f ftfjdc.ella que o
reclamante juslilique a lovc f"?'
derar-so esle despacho como ""'cien.nenio, de que
possa a patte recorrer para o concejho rouniciijai.
2.' Se os recursos dos arligos 35 o 38 da le citada
devem ser interpostos por termos regularos, "sig-
nados pelas partes, ou se por simples declaraqflo rel-
ia peranle a junta de qualilicaqflo, deque do sua de-
cisflosevai recorrer pana o concelho municipal, ou
da decisflo doslo para a relaqilo do districlo, toman-
do-se (lestes actos noU-na acia do da, ou nos reque-
rimentos que devem ser entregues.
3.' Determinando a dita loi no art. 23, que depois
de lereru as juntas motivado o laucado suas decisOcs
nos requcrimontosdequeixas, reclamaqOes, ou de-
nuncias, sejam estes restituidos s parios, assim co-
mo os documontos; mas nflo declarando su no con-
celho municipal do recurso so dovera proceder da
mesma forma, enlregando-se os requenmenlos e
documentos; pondoraa junta do Cabo-rno, quo no
caso da restituiqflo parle, quo tiver do provunon-
to no recurso, so nflo podera venlicar a dispostqflo
do art. 38, que nflo admttte nos recursos para a rela-
qflo iiovosdocuttlentos.salvoseodircilodo recorrer
para a relaqflos compele ao reclamante, quotxoso,
ou denunciante: e nosta duvida pode a mencionada
junta ser esclarecida. .
*.' So no caso do ordenar o concelho municipal
..Iguma nscripqo fraudulenta e clamorosa, quo
houvesse sido desaltendida pela junta, podera esta,
ou algum de seus membros, recorrer para a relacflo;
bem como qualquer cidado, visto que multas vezes
oder*contecer que nflo appareqa quom reclame,
entretanto que a junta fsta subjeita urna multa.
5.* Finalmcnlo.se no caso do acontecer quo na
poca do alisUinento, e nos cinco dias dados para as
rcclainaqoes, a junta deixode inscrever alguem por
iustos motivos, como privaqilo do gozo dos direilos
polticos, lera o concelhaj municipal de recurso di-
reito de o fazer qualidcar como voUnte, se na occa-
siflo em que se reunir tiverom cessado os motivos
em que a junta lirmou a sua deliberaqflo; ou so esta
nscripqflo so podera effectuar-so quando ror a apu-
ra eflo revista, na forma do art. 26 dasobredita le.
K lendo-se Sua Magostado o Imperador, por sua
immediata rcsoluoflodc 17 do corrente, conformado
com o parecer emittido pela referida secqflo om con-
sultado 16 do mesm mez, ha por bem declarar:
1." Que as Juntas do qualilicaqflo devem resolver
as reclamaqes, qtioixas e denuncias, segundo os
documentosoAie Ibes rorom presentes, ou o conlte-
cimeno individual desous membros, e quando ne-
nhumasinfurmaqaesobtenham para as decidir, as
indeferirflo. Se, porm, as mesmas Juntas ttverem
exigido documentos ou outras quaesquer provas,
podera ser considerado osle despacho como reciama-
qAo desaltendida, e ser dello interposto o recurso.
2.o Que no decreto n. 511 de 18 do corrente se a-
aha resolvida a segunda duvida. .
3 o Que no mencionado decreto se providencia
sobre o objecto da terceira duvida.
*o Que qualquer meinbro de junta de qualilica-
eflo visto que nflo doixa de sor cidadflo, tem direilo
do recorrer de qualquer injusto deferiinento, toas
nflo como membro da junta, nem a mesma junta,
porque tal atlribuiqflo Ihe nfloconfere a le. Nem os
despachos da junta qu forem reformados pelo con-
celho municipal, a aubjoilaina multa, po.s (he nflo
Iteapidicavelon: 5 do l.'art. 126 da M,jkt
que a multa nelle fulminada he imposta pelo minis-
tro doJmpcrio na corte, o presidentes as provinci-
as, quando as juntas do qualilicaqflo so mostraren!
omissas.ou transgredrem as disposiqOes da prsen-
le lei, e nflo pelo juizo que (izerem dos votantes.
5." Finalmente, que a junta do qualilicaqflo nflo
deve incluir na lisia as pessoas, que ale ao ultimo
diada sua segunda reuniflo nflo lonhain as qualida-
des- quo a lei exige nos volantes, como he expresso
nos arta. 16,17 e 18 da mesma le 0 concelho mu-
nicipal nflo deve, pois, conliccer do rocurso inlcr-
posU na hypolhese ligurada; visto que para preve-
nir taes oceurrencias, decretou a le todos os annos
a remflodalisUdeqosliliciiqflodos votantes, arts.
2 lite incluso um oxotnplardo decreto n. 511, de lt
corrente, para sua intelligencia e governo.
Dos guarde a V. Ex. Palacio do Rio-de-Jane.ro,
em 86 demarco de 18*7. Joaquim Marcellino de
grt0 ... Sr. presidente da provincia do R.o-de-Ja-
nclro.
bem sancchnar, creando unu\caiera para tducaco de
meninas na villa de Nasartth, como cima se declara.
Para V. Ex. ver.
Theodoro Machado Freir ereira da Silva a fez.
Sellada 'o publicada nesta secretaria da provincia
de Pcrnambuco, aos 12 de abril de 18*7.
Antonio Jos d'Olheira.
Raaklrada a fallas 81 dolivro2. do registro de
leste serve nesta secretaria da provincia de Per-
nanbucb, aos 12 de abril de 18*7.
Manoel Josi de Soma luna.
LEI N. 19*. DE 12 DE ABRIL DE 18*7.
Altera, em algumas de suas partes, o coinpromisso da
irmandade do Sanlissimo Sacramento da cidade de
Goiannu.
Antonio Pinto Chichorro da Gama, presidente da
provincia de Pcrnambuco. Faqo saber a todos os seus
habitantes, que a assombla legislativa provincial de-
cretou, e cu sanecionei a resoluqfloseguinte:
Art. nico O compromiso da irmandadodo San-
lissimo Sacramento da cidado de Goianna continua
em seu vigor com as seguintes alteraqes.
i 1. O parodio tem inspecqflo e superintenden-
cia sobre a irmandade em ludo o quo rospeita imme-
iliatamente ao culto, c mais deveres religiosos da
mesma irmandade, tendo esta.obngaqflo de respei-
tar em toda a sua plenlude osdireitos parochiaese
os de fabrica. ...
2 O parocho podera assistir as mesas oa ir-
mandade, afim de instrtii-la no cumprimenlo de seus
deveres, discutindo e votando.
convocada pelojuiz, quando julgar necessano, pode
revogaras actas da mesa annual o regedora.
S '4 Fica rovogado o capitulo 12 do compromiso
na parle, que oxigo a qualidadc de branco, para po-
der qualquer ser admiltido como irmflo.
Ficam revogadas todas as leis e disposiqes em con-
t i"i rio
Mando, portantsv* todas as autoridades, a quem o
conhecimentoecxecuqflo da referida resoluqao per-
tencer. que a cumpram o faqam cumpnr tflo inteira-
mente como nella se contm. Osecrelario iOler.no
desta provincia a faqa imprimir, publicare correr
(idade do Rerife de Pernambuco, em doze de abril
de mil oitoecntos e quarenta o seto, vigesimo-sexto
da independencia e do imperio.
Antonio Pinto Chichorro da Gama.
L. S.
Carla de M, V'la Vml v- F'xe- manda execular ""
solueo da assembla legislativa provincial, que houve
or bem sunecionar, mandando que o compromisso da
irmandade do Sanlissimo Sacramento da cidade de Ooi-
anna continu em seu vigor com algumas ulleracOes; ludo
como cima se declara.
Para V. Exc. ver.
Theodoro Macha/lo Freir Pereira da Silva a fez.
Sellada c publicada nesta secretaria da provincia
de Pernambuco, aos 12 de abril de 18*7.
Antonio Jos de Olivaira.
Registrada ji fallas 22 do livro segundo do regis-
tro deliisV^ue serve nesta secretaria da provincia
de Pernambuco, aos 12 de abril de abril do 18*7.
Manoel Jos de Sousa Luna,
LEIN. 195, DE 20 DE ABRIL DE 18*7.
arrecadada, eadistribuiqflodasquolasscr tatiH-
undo a tabella que for dada pelo presidente da pro-
vincia, para o que fica autonsado.
art 7. A inspeceflo do assucar o nlgodilo, Acara !-
paila a esta mesa, da mane ira por que o era a mesa
do consulado geral, e.o prudente da provincia Hca
aulorisado a alterar oregulamentos existen es, e o
pessoal de conformidade com aorganisaqflo da ora
m\r 8. Alm dos trapiches alandegados, onde se
fazem os embarques do assucar exportado podera o
presidente da provincia permitt.rum at dous pon-
tos deombarque nos lugares, onde julgar maisleon-
veuienie commodidado do commercio, a agricul-
tura e boa arrecadaqflo dos dire.tos provinciaes.
Art 9 C.rear-se-ha urna capatazia para assaceas
doalgodflo, nflo se podendo exigir para esse servico
maisdo que trescnlos e vinto res por d'aaoea.
Art 10 Fica aulorisado o presidente da provincia
a azer todas as despozas indispensave.s para o alu-
cuel da casa, c o mais preciso para montar esta rjp-
varepartiqflo com as sobras que houvcrcm, no, ar-
ligos de despeza do orqamento vigente e futuro.
Art. II. Ficam revogadas todas as lois o disposi-
CftM em contrario.
Mando, portanto, a todas as autoridades, a qiiem
o conhecimento e execuqflo da referida resoluqJo
ncilenccr. que a cumpram e faqam cumpnr tflo n-
eiramentc como nella se conten. Osecrelario inte-
rino desta provincia a faqa imprimir, publicar e cor-
rer Cidade do Recifa de Pernambuco, om vinte do
abril de mil oitocentos e quarenta o seto, vigeaimo-
sexto da independencia o do imperio.
Antonio Pinto Chichorro da Gama.
L. S.
Carla de lei, pela qval F. Exc. manda executar a re-
tohirao da assembla legislativa provincial, que houve
or bem sanecionar, marcando o numero dos empregaOos
da thesouraria das rendas provinciaes, convcrlcndo a
mesa de rendas internas em mesa do consulado provin-
cial, e dando oulras providencias mais; ludo como ci-
ma se declara-
Para V. Exc. ver.
Theodoro Machado Freir Pereira da Silva a ftz.
/>
LEI N. 193, DE 12 DE ABUL DE 1847.
Cria umneadeiradeprimtiras Ultras para meninas na
villa deNazareth.
Antonio Pinto Chichorro da Cama, presidente da
nrovinc de Pernambuco. Faqo saber a todos os seus
Kantos, que a assembla leg aUt.v. projfa.e,.l
decretou, c cu sanecionei a resoluqfloseguinte .
Aitiao 1. Fica creada timacadera para a educa-
cao(leBme..inas na villa de Nazareth, pela n.ane.ra e
com as mesmas condiqOes das leis em vigor.
Art. 2.' Ficam revogadas todas as leis c disposi-
ccs em contrari.
Mando, portanto, a lodas as autoridades, a quem o
co. Itci,nenio c execuqflo da referida reaolucflo per-
te ,cer?que a cumpram e faqam cumpnr Iflo inteira-
rn ente como nella se conlrn. Osecrelario ...termo
desta provincia a Taqa imprimir, publicar e correr.
hlade do Recifa de Pernambuco em doze abril do
mil tcenlos e quarenta esele, v.gesimo-sexto da
independencia o do Imperio.
Antonio Pinto Chichorro da Gama.
L S.
Carta de lei, pela qualV. Ex, manda executar a reso-
luto da assembla kgitlaliva provincial, que houve por
Declara os empreqados que deve ter a tliesouraria pro-
vincial, e converle em mesa de consulado-a de rendas
da provincia.
Antonio Pinto ChiciWodaCama, presidente da
provincia de Pernambnco, JTaqo saber saber a todos
os seus habitantes, que ataWmblca legislativa pro-
vincial decretou e cu sanecionei a resoluqflo se-
ttuintc :
Art 1. A thesouraria das rendas provinciaes cons-
tar dos seguintes empregados i inspector, conta-
dor, procurador-Oscal, secretario, thesoureiro, liel
dothesourero, dous oQlciaes, dous primeiros es-
cripturarioS, dous segundos, servmdo umdecarlo-
rario, c um etintinuo, que servir de porleiro.
Art 2. A mesa de rondas provinciaes, creada pela
lei de 30 de abril de 1839, iica convertida em mesa
do consulado provincial, que sera collocaua no lu-
gar onde o presidente da provincia julgar mais con-
veniente.
Art. 3. Esta mesa ter a seu cargo, alem da arre-
cadaqflo que se fazia pela referida mesa, a de lodas.
as iinposiqes provinciaes que searrecadam actual-
mente pelo consulado geral. .
Art *. Fica aulorisado o presidente da provincia a
organisara nova mesa do consulado provincial com
os empregados existentes na mesa das rendas pro-
vinciaes, dividindo-os em secqes com seus respec-
tivos chotes, o contemplando nesta organisaqio os
dous amanuenses Ja thesouraria, cujos lugares fo-
ram supprimidos. .
Os om pregados actuaes da mesa das rendas inter-
nas, e os dous amanuenses da thesouraria, que pas-
sam a formar o consulado, servirflo com os mesmos
ttulos. .....
Art. 5. Fioa creado o lugar de administrador, que
ser desligado do de escririo, e o presidente da pro-
vincia aulorisado a dcsignar-lhe o ordenado.
Art. 6. A commissflo, que devem percebor estes
empregados, ser de tres por cont da toda a renda |
Sellada e publicada nesta secretaria da provincia
do Pernambuco, aos 20 de abril do 18*7.
Antonio Jos de OUveira.
Registrada a folhas 23 do livro segundo do registro
de leis, que serve nesla secretaria da provincia de
Pernambuco, aos 20 de abril de 18*7.
Manoel Jos de Sousa Luna.
Governo, da provincia.
EXPEDIENTE DO DA 19 DO PASSADO.
QJllcioAo com mandante das armas, remetien-
do copiadlo imperial aviso o do oflicio do presiden-
te das Alagas, a respeito de Joflo Borges de Lam-
pos alfares do 6 batalhflo de caqadores, que veio
daquclla para esta provincia com passagem de praqa.
Dito Ao mesmo, exigindo a cxpcdiqao da suas
ordenspara que sejam estrellidos os assentamentos
de praqa do soldado do 3.' batalhflo de art.lharia a
p, JosVercira da Conceiqflo ; e bem assim para
quesojom clles enviados a secretaria da presiden-
cia desla provincia afim do serem transmittidos a
dasAlagoas, donde os requisilam, para serem pre-
sentes ao concelho de guerra, a que tem de respon-
der o mencionado soldado.
Dito Ao mesmo, aecusando remessa do conce-
lho de mvestigaqflo, a que so procedeu as AlagOai
conlra o soldado do 2. batalhflo de arl.lharia a p,
Jesuino Corroa, pelo crime de descrqflo.
Dito Ao charo de polica, declarando que con-
cede a autorisaqflo solicitada pelo delegado do se-
gundo districlo do termo do Cabo para contratar
com o dono da casa, que all serve de quartel ao dCs-
(acamento policial, os concertos de que a mesma
necessila. too a condiqflo de so icar pagando por el-
la o aluguel do 8,000 rs. mensaes.
Dito -Ao inspector da thesouraria das rendas pro-
vinciaes, validando o contrato por que Manoel ele-
mento de Almcida Catanbo encarregou-so dacons-
truceflo da ponte da cidade da Victoria.
Dito Ao mesmo, determinando que, do confor-
midade com o disposto no art. 3.", tit. 4. da le. pro-
vincial n. 192. do 12 deste mez (abril), faqa deduzr
a quantia de 3.000,000 de rs. das sobras que hajam
nosartigosde despeza do anno financciro vigente, e
mande-a entregar ao administrador da obra do llie-
alro para habilita-lo a continuar com a mesma obra.
Participou-sc ao administrador da obra do the-
Dito Ao mesmo, ao director do lyca o 4 cma-
ra municipal da villa de Pesqueira, participando ter
deineltido o professor do primoiras letlras da men-
cionada villa, Pedro Ernesto Rodrigues da Silva, por
estar comprehendido na disposiqflo do art. da le
provincia*!. 43 de 10 junho de 1837.-Expodiram-se
as precisas ordens para que esta cadeira rosse posta
a concurso. .
Dito Ao agente da companhia das barcas ue va-
por, ordenando mande por disposiqflo do juiz mu-
nicipal da primera vara os reos Antonio Francisco
de Sousa Aimbere e Manoel Flix Pereira Brando,
vindos da Babia no vapor San-Sebatlio. Delermi-
nou-se ao juiz municipal da primeira vara, queem
occasiflo opportuna hzesse romeltor estes presos ja-
ra a ilha de Fe'rnando, a (m de la cumpnrem a pe-
na de gales, quo lhe fOra imposta.
MUTILADO


EXTERIOR.
INGLATERRA.
A SOCOAD Di PAZ, AOSntMUDOS COMMUS D4 IRA0-
BKK r Olll E CCLATKBRA, llKU.MDOS KM PARLAMENTO.
Por urna petizo, a commissio da sociedade pa-
ra propagado da paz permanente o universal, re-
prsenla, '
Que os peticionarios cohtinuam a considerar todo
o systema e pratipa da guerra como contrarise to-
los os saos principios assini da rasSo como da reli-
giflo.
Que os peticionarios olham para o espirito o pre-
parativos militares de defesa, antos como franqueza
ao que como Torca do urna nacao, e para todo o
augmento de cstabelecimentos militares como con-
iriMiindo mais para augmentar do que para dimi-
nuir as probabilidades de guerra.
Que os peticionarios Tazm os mais ardentes votos,
pira que o governo inglez de ao mundo o Ilustrado
eKempio.de urna simples confianca na pralicada
jusuca universal, o no oxcrcicio da lei chnstila de
amor universal, com intoira cxclusflo de toda a de-
pendencia da Torca bruta, as rolaces subsistentes
terr &ra,",e imperio e as oulras naces da
.Jn'rC!0r0 P'. 'Presentam coma
n nC,".cn.lr" PWP0*0 augmento de des-
pea nos estaheleciments nvaes e militares do
paz especialmente na actualidadeem que estamos
noim iCm l0d0 omundt>. e instantemente sup-
Kil m-.r?n0V0 CSta honn,d" MM 1ue lome Prom >-
tas medidas para atotal aboligflo do systema de guor-
'a'*MdoPcall mento.que no porvir torne impossivel guerra.
* os peticionarios rogarflo sempre, etc.
(Asignada pela commissflo, e por sua ordem),
John Jefferson, secretario.
IHLANDA.
DUBLIN, 4 DE MARCO.
' O MMISTKBIO E 0 CLERO CATOOLICO R0MAX0.
m.n^IU??e? assi8naJs Por 16 pares catholicos ro-
manos addidos as archidioceses do Joao de Tuam
S.vTm r a ?corrente n'um mteing, que leve lu-
gar em Ballinrobe.
ResolvermQue se peca a S. M. que demitta
dos seus concelhos os cobardes o orueis ministros
Sa.'imm'"' T'igual na sua WWt> Peta vi-'
rlJ* ?""' t?m c""uzni0 """' -I"* mais bellas
poicflca.do seu imperio borda da ruina, e entre-
gado m.lhares de v.cli.nasd'enlre a mocidado iran-
aezaa urna morte prematura.
mn*h!!uhe M,me coricCi1 ,los peticionarios que
mil ir'l'I^T1^ '"fluencia nos concilios
522.1*: Z ham h,a, m2,to co,n ciun,e para a frca
ford T' e ,",ra. om "esentimentos chrislilos
o lories que o caractensava, e quo alicuns dos in-
dZS pro',ric""-'01s quell,|o.Hj2dV uto po-
l e, .nT" SUi" &*$ P,ela Peranca de tere..,
extenuado a populacho pela fome.
nunnumf ,,eticionarios Pod.am oflerccer ao
d Srov".ma,1s t0C,Ill das "elancolicassce-
8.n,fnSJO,le!,Ola,;;l0(|,'c '""ament occor-
lar,,m.. l eq"; "W'am todos osl.orrorcs
loan md,qUeaqUClla T'el,es leem t<*temunha-
do ao approx marem-se das cabanas da povoacflo de
t2 ".d r0n',C dehUC$0J de9Pd "oVseu,
tectos, e dos pobres mquilinos despejados as nas
uti.Pir-/fc,M"*,,/ ouleiro da rorca- "de
isto leve ugar, lem um nome decelebridade bisto-
n.Sda0,nrr'qUe'1n,l! ,,L'r,.,t',a "r-gica "ce-
nas da morle-que singular coincidencia --
to ohiiZqnUa"l "*, pobres e fl""'los rendeiros
n.io oolivcrem sementes para semearem os seus
sCe8iTPaSdeVr,,r,,,:U,dU,ranle,,SUa SSJ que.
.!.lail?,ad.aKle ,lcsmorlisadora spale Sir
Raiidolph Itouth, assim como alguma garanta de
mM^1? 0**0 dos r,"ctos d^vado5 d"
m./i?m i i "lra. r,Pcidad <>* P'oprietarios,
n ,U?Im d U,M.d" ?auSas mais "luentcs, e que
Zll u8'"nlo os horrores da crise actual, nao
do. ff r,espcranca de (l"e "-''"'a possa ser sal-
va dos elTcitos da presente calamidadc.
nn.u~q,Uaf'iqUer0lllras medidas de soccorro se-
r.lo urna burla, em quanto os fundos da igreia cst i-
bclec.da fo.em desviados do seu ohjec'o orig"na io
desustenrar, vestir educar os pobres da-rnd
t. em quanto as classes media c bixa do povoSa ll-
anda ron inuarem como actualmente anfioterin-
!LU.:.n'Vj^ma real "a Passagem das suas leis
jo semblante se manifestava o pezar.de deixar um po-
voqueo recebeu com as mais vivas dcmoddH
de jubilo e amor, embarcou-se em urna sege flaiiK
rodas, puxaila a 4 bestas, e parti para o lugr cha-
mado Travage. Seguiram o Imperador, o esquadjo
decavallana, os semanarios, presidonte, ministro,
visconde de Araruama, barlo do Santa-Rita, c mui-
tosouiros cidadilns, que, apezardo do mo lempo,
aeompanharam sempre o inonarclia, uns de sege,
outrosa cavallo. No lugar chamado Travage, espe-
rayarn por S. M. o Sr. Jos Riboiro de Castro, Jullfl
Ribeiro e Castro e suas senhoras, viudo em sua com-
pauhia a Senhora D. Racbol, lillia do barilo de Mu-
riabe.
A"s 10 { chegou S M e leve de esperar um quarto
de hora pelo ministro e presidente, cuja sege so quo-
brou em caminho por estarem as estradas em pessi-,
mo estado, em consequencia da chuva que cahra1
na yespera e de manhfla.
A's 11 horas embarcou S. M. em urna grande ca-
noa decentemente ornada, quo aqu se chama pran-
cha, a qual, -|>or demandar mui pouca agua em urna
valla queso abri com pressa para communicar duas
liuhasdo canal, foi por'S. M. preferida galeota em
que navegot a primeira vez. Nessa prancba vieram,
alm do S. M., os semanarios, as tres senhoras, os
Srs. Jubilo Ribeiro e Jos Ribeiro, o viscondo do A-
raruama e o bflicial de gabinete do ministro. Em
oulras pranchasseguiram os ofllciaes de fuzileiros,
e o resto da comitiva. O lempo eslava chuvoso, o
por isso a viagem roienfadonha.
A's 2 i horas da tarde chegou S. M. ao Curiri, fa-
zenda doSr. Joaquim Ribeiro de Castro, o qual nada
popou para receber 13o alta personagem. S M.jan-
tou e pernoitou nessa fazonda, e no da seguinte,
depoisdealniocar, embarcou na galeota pertencenle
ao viscondo de Araruama, eseguio viagem para Qui-
saman, onde chegou s 2 i da tarde.
E
Quissaman, 18 de abril.
A viagem de Guriri at Quissaman foi aprazivcl e
rpida.
Ao desembarcar, oi S. M. recebido com toda a
demonstrado de jubilo. Um grande concurso de
povo o esperava ; a msica do fuzileiros e a do vis-
conde tocaram o bymno nacional, muitos fogueles
subiram ao ar, e a familia do viscondo recebeu
porta a S. II. A's 5 horas servio-se o jantar, para o
qual foram convidadas as familias do barilo dcSan-
ta-Rita, o viscondo de Araruama e o barilo de Mu-
riab; e a noite illuminaram-so lodos os edificios da
rateada. Rasas familias que so compOem de mais de
ciiirocnta pessoas, acham-so em Quissaman para as-
stslirao casamento do Sr liento Carneiro da Silva,
filho do viscondo, com a Senhora U. Rachcl, lidiado
barflode Munah, quedeve ter lugar boje na prosen-
ca de S. II.
S. II goza de perfeita sade, o segu viagem para
Hacabenodia2l. Dahi seguir para Nitherohv em
carrmho. J
satisacno das suas necessidVd^s," na"prodeno'das
g^dTpaz? adeS cnacvocaao uuSen"
Que o espirito esentimentos aliengenas manifes-
tados por-intermedio de funccionnriosalienitenaa
no modo de efTcctuar as .obras publicas ffZfr
da urna funesta prova do odio irlanda o de des-
prezo para rom o seu povo que leem caracterizado
HenigeUnas.aSS,mCm t0S 0S oul^S-
Que como prova desta falta absoluta de svmna-
th.a para com o povo paciente ofTerecem os i.etic o-
nar.os o Tacto incontestavel de que corporacOes n-
tc.ras ou bandos, como insultuosamenle "he clu-
mam, leem trabalhado semanas iiilcira, as ohri
l-ublicss da su. barona, sera oulra rer buic3o mais
do que 4 d. ou 5 I. ponda, que he o prec de m
quarto de raeflo Os peticionarios dcixam ao iuizo
do mundo ojulgar, se serio exaggeradas m ,,i
cas da morlandade a fome, quande mu'lo* ret
ros de una familia slo-assim condemna. ol^aZer
daouillo que apenas conslituiria melado do susten
todeum trabalhador, equandoi.So se emprc".m
quinto dos indigentes. "prega um
Passa por certo que S. M. visitar o Porlo-das-
t IX 8 S.
20 de abril.
OSr. viscondo de Araruama fez a S. M. urna bri-
Ihante rerepgilo igual primeira, e nada tem fallado
para o brilhanlismo da bospedagem do liloalla ner-
sonagem. '
As II horas do da 18, depois da missa, oSr co-
nego Almeida clirismou varias pessoas pe tenccnlcs
as ramillas do visconde,.barf.o de Sanla,Rita e de llu-
rlane. S. II. foi opadrinho.
As 7 horas da noite, no oratorio da fazonda, e na
presenca deS.lf., casou-seoSr. liento da Silva Car-
n.'iro, llio i o visconde de Araruama, com a Senhora
I). Rachel, blha do barilo delluriali. .Foram padri-
nbos do casamento o ministro da fazenda e o presi-
dente da provincia. Todos os prenles da familia
quesecompunha de mais de 40 pessoas, entre no-
mens e sennoras, e grande concurso de convidados
assisliram a esse brilhanle aclo.
Depois do casamento os noivos e seus prenles bei-
jaram a milo a S. II. pela honra que fizera do presen-
ciar esta uniilo. '
A" noite dansaram-se contradansas francezas, eS
si. escollieu a noiva para seu primeiro par.
As 10 1/2 S. II. deu por concluido o sarao.
OS das 19 e 20 oram empregados em passeios a
pe, pelo canal e em outros dive limentos.
No da 19, todas as senhoras e homons foram ere-
ja da fregucziH cantar urna Salve-Rainha a Nossa Se-
nbora, para que S. M. tivosse feliz viagem. O monar-
a tamben) assislio a este acto religioso.
jOTam algumas trajadas com simplicidade,' porm
|om gosto. S. M. escollicu para seu primeiro, segun-
do e quarto par a 3 filhas do Sr. Bento GonQalves da
Suya, fazehdeiro em llacah, e para o terceiro e
quinto, a senhora do Sr. Main, fazendeiro da fregue-
sa das Nevos, na filha do Sr. Braga tamben) fazen-
deiro do Macah. Um concurso immenso de poyo se
achava reunido em frente de palacio; a Huminclo
do trapiche doSr. Raltnn eda tea, que une este es-
tabejecimentn residencia imperial, eslava brilhan-
le, e a cidide bem Iluminada. As 11 horas o meia S.
M. deu por acabado o baile.
Amanhfla (23) parte S. M. para a barra de San-
JoiTo, onde se demorar um dia. Seguir depois para
Caho-Frin, onde deve haver mais um baile.
Tendo cu percorrido e examinado duas vezes o
anal, com espirito imparcial, vou dar urna ideia
elle.
O projecto desta importante obra he na verdade
gigantesco, pois que consiste em Irazer urri canal
desde Campos, pelo interior da provincia, at ba^
Jiia do Rio-de-Janeiro; aproveitando todas as lagdas
o ros, que encontra em sua diroccjto, evitando a
barra do rio Parahyba ea navegacfodo mar alio To-
ra da barra do Rio-de-Janeiro, o dando fcil trans-
porte aos productos de immensas e ricas fazendas
3ue ficam em toda a sua direcQIo, e pelas inargens
os ros navegaveis, que silo atravessados pelo canal,
taes como o Macab, o Ururaby, e outros. A parte
cotnocada e j muito adiantada de 13o ulil obra, he a
que so comprehende entre Campos e a cidade de Ma-
cah na extonso de 14 legoas, das quaes S. M. I. per-
correu mais do metade, navegando a remos em ga-
leotas tapetadas ecobertas de damasco. De Macah
S. M. percorreu a primeira linha na extensflode urna
legua; entrando depois em carruagem andn-i i 2
legoas ;e foi novamenteenlrar no canal percorren-
do a segunda linda na extensito de legoa e meia at
desembarcar aporta do viscondo de Araruama; e
dahi seguio novamente pelo canal at pouco mais de
urna legoa distante da cidade de Campos.
Esta obra tem lido nu verdade o mais rpido im-
pulso, devido boa di rece, fio que Ihedcu o actual
presidente da provincia o Sr. Aureliano deSouza e
Oliveira Continuo, e nomeacSo quo fez da com mis-
sao que a dirige e inspecciona. A lei provincial quo
a decretou he de II domaio de 1844, e para ella
concednu ao governo da provincia um crdito de
1,432000^000 sob os trabalhos de nivelamento, e or-
camentos felos durante a adminislracan do anteces-
sor do actual presidente. Ncsles trabalhos e orea-
montos se comprehendiam 9 eclusas orgadas om 16
contos cada urna, quo por cssa boa direcQIojio dis-
pensadas, fazendo-sc a obra por menos perlo de 200
contosdoqiieoorcamcnlo, tornando-sea navega-
cilo mais prompta e fcil, e a conservaefio do canal
menos dispendiosa. A lei permittiaque a obra seli-
zosseporadministraco-ou por arrematadlo; que o
governo despendesse com ella al 500 contos por an-t
no, oque mandasse conlra'aroperarios na Europa,
dando preferencia ao systema por admirtistroeflo
sempre que os arrematantes n3o oflerecessem suf-
hcientes garantas, embora se propozessem a arre-
malar por menos.
O presidenta da provincia nomeou, para membros
da cominissfio directora dessa iraporlantissiina obra
tresdistiilctoscidadilos que som;ire e muito justa-
mente liaviam merecido o conceto de seus anteces-
sores, que os tinham nomcado para coaimisses se-
mclhantes, inclusive a dos primeiros trabalhos de
exploracfio.jiivelamcnto desse canal, cojo orcamen-
lo dir Teilo pelos engenlieiros nomeados pelos an-
tecessores do actual Dresidenle.
Esses distinctos cidadilos silo o visconde do Ara-
ouvido expresses as mais lisongeiras sobre em
im-
portante obra, esobre as vantagons que i
Macah e a minias fazendas resultarflo doacah. 0s
.l.:l. ..t^oimfl nitro
lo desta utilissima obra.
lien-
n&ieo.
*:,(,
Alanrleya.
RENDIMENTO DO DIA 5 ~.........
Detearregam hoj$, 6.
Brigue brasileiro -- In'lepenrtenle fumo.
Polaca austraca Auona-i4in/eii/arariiilia n.
Rrigue dinamarquoz Atina & Cieilia carvln
Brguo portuguez 7artt/o-/'rimeiro-mercaderil,
Consulado.
REMDIMENTO DO DIA 5.
fieral......................
Provincial....... ........
Diversas provincias............
:t8Mi8
119,4
7 6I.47I
Mnvinieiito lo lorto.
Navios tahidoi no dia 5.
Portos do norte; vapor brasileiro Imperatrit Qn
mandante o capitio-tenente Jesuino LamegoCn
ta. Alm dos passageiros que Irouxe dos pnrinl
do sul, leva a seu bordo : para o Cear, Antonia de
Souza l.clocom dousescravos, Francisco de Pm
la de Souza Lefio com m escravo : para o ^3"
nh1o, Antonio da Fonseca Coelho.
Trieste pela Parahiba ; polaca sarda Ernestina m
pililo Miguel Chieluzzolla, carga assucar. '
eclaraces,
O vapor S.-Salvador recebe as idUm
para os portos do Sul, hoje(6) g
horas da tardo o as carias que vierem
depois dessa hora pagarflo porte do.
urado.
cmara municipal desta cidade faz sessUoc
traordinari no dia 7 do corrcnle.
O arsenal de marinha compra esperm.iceteem
velas, e filoW verdee amarcllo. As pessoas que quei-
ram vender estes ohjectos, podem comparecor nesta
secretaria com as suas proposlas em cartas feCh-
das, no dia 7 do corrente mez, at as II horas da
manhfia. ()q,ue faco publico d'ordem do lllm Sr
inspector.
Secretaria da inspecQilo do arsenal de marinha da
Pernambiico, 5 de maio de 184Tj>-^
Oeecretario,
Altxandre Rodrigue dos Atijnt.
21 de abril.
(Timts.)
INTERIOR
ooaauwMBwo, DO nuu DO coataoio
Viagem de S. Jtt. o Imperador.
Campos, 16 de abril.
Pelas 7 horas da manliaa t0(la a<.idBje 80 _
Pelas17 horas da manhila, S. M. acompanhadn de
toda a ramilla do visconde, do barfio deSa*ta-Hiii
e do de lluriab embarcou em um lindo eVaAo-
caler e^artio pelo canal al o Morro-Alio, 6nde ter-
mina a primeira linha do mesmo canal; neste lu-ar
en n."rf cfre/,ar,,0'.,,,d>,,if ''"" "anaci. O al.no-
co para S. II. Depois dealmocar e descansar por cs-
pacodemcia hora, o monarcha fez as suasdepedi-
das a essas respeitaveis ramillas, eseguio de carri-
nlio para a cas do Sr. Ueireiles, aonde jantou. Dahi
parti para o lugar cha .nado Brrelo, onde chegou
as 5 horas da larde. Esporavm a S. M. nesse lugar o
&r. aitn o Pires, vanas autoridades do lugar ea
cmara municipal, que dc'ram vivas a S. M.
. M. embarcou na mesma pranciia em que Tora a
primeira vez para Campos, pertencente ao Sr. Rat-
uLicanu V\eslavaai"da mas enfeitada do que
quando 8. II. Tora para cima. ^
vsAnnmrP''.""ram S- *' .'Qu'aaaman a Macah o
visconde de Araruama, obarfiode Abbadia, eos Srs
Uenlo Benedicto, Bapiista Pareara, Bento Goi.calves'
e alguns hlhos do barilo deSanla-RitaT O baro de
Muriahe nao pode ter esla honra por se adiar incom-
11IIIIIt 1J(),
* As 6 1/2 da tarde chegou S. II, cidade de Macah
desembarcou no trapiche do Sr. Ralln, e seguio pe-
la lea ale a sua residencia. Era immenso o concurso
ue povo quo esperava o monarcha, dando-lhe vivas
e a b. M. Iinperalriz. O trapiche, a tea e toda a cida-
iva.l ua"Se '"""''""'a' e a recencao oi igual que
leyes. M. quando chegou a Macah pela primeira vez
A Udiga da viagem fez com que S. M. se recolhesse
ceuo ao seu aposento, e nao podesse por maislem-
rrB,?. irenie Ue palacio, nfloso saciara de contemplar o
ruama, seu digno irmao o barflo deUrurahy, eo
major Bento Goncalves da Silva, aos quaes o'presi-
oente da provincia addicionou o hbil engenheiro
lenentc-coronel do imperial corpo de engeiiheiros
trneslo Augusto Eduardo de Miranda, que Toi no-
meado inspector gcral da obra. Os dous primeiros
cidadilos silo bem condecidos pelos muitos servicos
que leem Teito a provincia, despeiidendo grandes
sommas de sua fortuna em fovor dos melhoramen-
los que nella leem promevido. A essa commissilo deu
o presidente mstruccoes para lovar a obra a elFeito
por arrematacno, poreniprezas parcaes, commetli-
dasaquellos razendeiros prximos sdifieientes li-
ndas do canal, que mais garantas oirerccossem.
lem sido a coniinissao quem admitte as propostas
quando as acha vantajosas, e as dirige ao governo
coinonicio seu, pediudo a approvacIodellas. He
dest arte, escolhendo dignos cidadfios para dirigirem
a empieza, confiando nclles, sendo puntual nos pa-
gamentos logo que as enipreitadas sfio concluidas
que o aclual presidente da provincia tem Teilo un
grande servido ao paz, oxeculando comsabedoiia
prompudilo urna obra to gigantesca, a primeira
ueste genero que se Taz no Brasil.
Os primeiros trabadlos do cxcavaco comecaram
cndea8C4d0il^ CtUd01indui!aC^qu'e "''"
mn i ? Il0' eni lrcs a""os Pouco inaiaou
menos ha vera dvre navegacao pelo canal entre a ci-
Z\ w?^a,"''0S e S,,acah- Trala-se dS fabalhos de
exploracilo o nivelamento da oulra parte, desde .
Porto-das-CaiMs ate Macah, bem como do concluir
outro importante canal ja comecado, o do sert" o
doNogue.ra que, passando tambem por varias la-
gdas, vem sabir ao Parahyba, deTronle da cidade de
v.il (DpOSi
Taes melhoramentos trarfio a riqueza e prosper-
dade publica, e abencoarao o reinado do Ilustre
principe, que temos a ventura do possuir por sobe-
rano. Ja se ve, po.s, as vantagens de semelhante em-
ffif Cr PTper fuluro da cidade d ampos que
com rac.l.dade exportara seus gneros para Macalie
e da i., para o I .o-de-Janeiro e outros portos. Con-
cluido o canal, estabelecer-se-hlo duas barreiras
em pontos diainelralmenteoppostos, cujo producto
sera avultado, e servir mo s para as dospezas de
A adntfnistracil da companhia de teberibe faz
scienle aos Srs. accionistas cujas eutradas se acham
em atraso, quo na prxima reuniilo, em asscmbla
geral de accionistas apresenlar ma rclaciio dos
que no tiverem completado 80 porcenlo, alim de
se tomar una resolucilo dcTenitiva a seinollinnte
respeito ; a qual pode ser em prejuizo delles, quan-
do he certo quo a companhia tom sido prejudicada
com a ralla das entradas em devido lempo. Escrip-
torio da companhia 29 do abril de 1847.-- 0 se-
cretario V. J. Ftrnandes llanos.
Tlieatro publico.
DOMINGO, 9 DO CORRENTE,
se representa a beneficio de Zebedeo Cezar, a sem-
pre applaudida o muito apreciavcl peca
. FAIEL:
dando im o espectculo com a famosa farsa .
MANOEL MENDES.
N. f. Se na vespera deste espectculo trahalhar o
tlieatro de Apollo, fic.i o beneficio transferido para
quinta-Teira, por ser dia santo do-gua ida.
PuMirapfio iJtlfraria,
As Si:TE GORDAS DA LYRA, romance, por Gcor-
ge Sand, sahe luz por livracoesde 16 paginas, nil-
damenlc iinpressas eni lindo popel c typos'novos; o
precodo cada livracfio be de 200 rs. Vende-se nu
Hecife, lujado Sr Carduzo Avies; em S.-Anlonio,
livraria da praea da Independencia ns. 6 e 8; n
Boa-Vista, loja do S. i. V. Churdn. As primeira
e segunda livraees acham-se venda nos lugares
cima indicados.
so-
berano.
Macah, 22 de abril.
rnAS|8 hors d* manh3a S. M. mont.iu a cavallo, e
loiai.nocar em casa doSr. Francisco Domingues de
Araujo, distante um qnarto de legoa da cidade, e col-
lMua,rda nac''onal se *thml eT dora dos- mu2 '"ar muil 0,evado do,,do seKza de
L.,f.rent!.d' re8idencia imperial- eum cocur bSi. Sfr VR'SU- Dopois do al6u,ha demora "essa
SSSSi ^ ap""'dS Pe' r, espm- d'odia8'11"'530' V't0U S" acasa l "oras
"odia, depoi.d0..moc., S.M..emcu- ^&2^%^R^gZ
pai
., como
amorlisagao da somma que nelle foi
conservacilo do mesmo canal
tal vez para
empregada.
A conservacilo de quo fallo do do fcil oxccucii e
a lia propostas de pessoas ibtoHIgentM que querem
privilegios para a jaclura de pequeas barcas de ex
avacao que mu fcilmente e pur commodo proco
imparfio o canal, e pelas i.ronnaces que leudo d
pessoas capaza, que mo alfirmam que o anti-'o ca-
nal ou val, da llacl.adinda, feito da^O anuos aiud,
da fac navegacao agrandes barcos, pezar'do
sido limpo poucas vezes, devo crer que tilo cedo no
hayera noeess-dado de empregarem capilaes para a
conservacao do canal em questSo. '
dn' f cavac0csilue so leem feito em alguns lugares
do canal, teni-so enconlraJo immensa qnanlidade
de uma substancia vegetal em decomposij c.a-
mada turba, que arde com summa facilidade, el,
serve porfeitamenlc de combustivel. Esla sustancia
pode bem servir de combustivel para pequen" I Ir-
cas de vapor que lenham de navegar pe canal
para pu roa csUbelecimenlos. Muito folgamos 'ue
Exme'',ndU,1'drJSdeSlJecanal P'-l"l'd Pqe"
Eim. ministro da fazenda, a quem por vezes temos'
I'uMie.K'a :> jurdica.
Lindes de dircto criminal
redigidas pelos SenhorcsCoulo o Carvalho segun-
do as preteccOes oraes do doutor Basilio Alberto do
Souza Pinto lente da faculdade dedircito na uni-
versidadedeCoinibra e membro do concedi su-
perior de instruccilo publica ; Teitasno anuo lecti-
vo de 1844a 1845, edicito brasileira mais correla
que a de Coimbra e augmentada de notas, e remis-
sos ao cdigo criminal, 1 v., oitavo francez con-
tendo a materia de 400 paginas da edicito porlugue-
za. A Talla e necessidado quo gcralmente so sent
de obras originaos sobro este importantsimo ra-
ma dodireilo; 00 mrito destas lices do distinclo
professor, elogiadas nos jornaes portuguezes, de-
terminaram a pubiicac.to da presente edicHo qua
por certo ser Tavoravclmonie acoldida no Brasil
pelos homens Ilustrados ejiartieularmente pela ma-
gistratura promotores, advogados, estudanles ju-
ristas ele llecebom-se assignaluras para esta
obra naslivrariasda pangada Independencia, o da
esquina defronle do Cnllcgio ; e om iMindu casa do
bslilutodelatimjcus-
4,000 rs., pagos na
lugar no principio de
ura no fim do dito
Sr. Iloira de Vaecon
taroada exemp
10 ita entre
niiiio^aaaaaaj^1111!
I mez.


1
Avisos mar timos.
_. No da 15 do corrento l pretenda seguir pnra o
.ojjrande-do-Sul o briguo Independen!; quem
i,n mesmo quizercarregar carga oucscravos, en-
tenda-se com o capitilo Frncluoso Jos l'ereira
nutra, ou com Manoel AlvesGuerra.
^Para o Aracaty seguir brevemente o hiate JVoeo-
Olinda, mestre.Antonio Jos Vianna quem nelle
pretender rarregar, se entender com o inesmo mes-
re, n0 trapiche novo
.. Para Rio-Grande-do-Sul satura, em poneos
dias, o hriguo nacional D.-Vedro-Segundo : quem no
mosnp quizar embarcar carga e escravos, ou ir de
passagem, para o quo tem excellentes commodos,
Ijfija-se a Joilo Francisco da Cruz, na ra da Cruz ,
n i6, ou no capitilo abordo.
Para o Rio-de-Jauero sahe em poucos dias o
lu" i- nacional Lisia; recebe alguma carga mi ma :
juem no mesmo quizer embarcar escravos, ou ir
Je passagem,para o qu twn exccllentes commodos,
(trija-c ao cnpitao,na pra$a,oua Novaes & C.,rua
Ja Cruz, ii. 34.
-t Para qualqucr dos porlos do norte ate o Acara-
c segu iinprelerivclmenle com a carga que liver
a bordo, al o da 14, o hiato Agia: quem no nicshio
quizer carrogar, ou ir de passagem, dirija-o no es-
criptorio de Manoel Goncalves da Silva, na ruada
Caileia do Rccife.
_ Para o Havre sahir, no dia 14 do correante,
barca franceza Zilia, rapililo Delounay : queni qui-
zer ir de passagem, para oquetem excellentes com-
modos, dirjja-se a tratar com os consignatarios, l)i-
ier Colombiez & C, na ra da Cruz, n. 15.
ja...... i .....r mu i i
Avisos diversos.
0 NOVO MESQITA DE CAPOTE N. 3,
est a venda as 10 horas, na praca da Independencia,
|vraria,Ha. 6e8. Est muito interessanto, muilis-
iuio.
LOTERA do tiieatro publico.
Tiontinuam a estara venda os bilhetes desta lote-
ra cujas rodas teem andamento no dia 12 do cr-
rcnle; e pela concurrencia que tem liavido na com-
pra dos mesmos bilhetes, o respectivo thesoureiro
nutre espera,ncas de que o dia marcado nilo ser
transferido. Quanto inais rpida for a venda com-
pleta dos bilhetes, mais rpida ser a extracto da
lotera. IW
I'ermuta-so por casas nos bairros dftSanlo-An-
tonio, ou Boa-Vista, e anda mesmo por um sitio
que lenha paslo pnra 4 vacens de leite, sendo este no
lluzai inliuo Allliclos, um sitio na ra da Soledade,
com urna grande o agradavel casa, beiy arejada, de
pcilra e cal, coma frente emvidracada;acabada a ca-
sa ha pouco, com paredes dobradas, e poco d'agoa de
beber, accrescendo um grande sotilo bem arejado, e
com commodos para urna familia, do modo,quo
tanto a casa como o sotSo accommndam duas familias
grandes. Osto tem dous parreiraes de uvas mosca-
leis, que do cada podada dito 4 arrobas: o primeiro
pirreiral lem 80 palmos de compndo, e 28 ps de
parreiras; o segundo tem 50 palmos de coinprido,
c 12 pe de parreiras, porm nilo dio anda por se-
ren novas; e bem assini 30 ps de larangeirns que
todas silo novas ejdflo frnctu; 30 goiabeiras, duas
jaqtiers. romeras 20 ps, e oulros arvorodos que
sedeixam do mencionar. Os pretendentes dirijam-se
a Joaquim Jos Kerreira, na prensa do algodiio, ou
a seu procurador Carvalho.
O Sr. que ajustou urna duzia de cadeiras de pes
torneados de Jacaranda, e umjogo do mesas de
columna da mesma maileira e que deu por conta
27,000 rs .(de signal), em o mez de fovereiro dcsle
simo isto oito dias dopois do ajuste na loja de
trastes da ra da Cadeia deS.-Anlonio, n. 18, quci-
ra ir buscar o que ajustou por estes 15 das e pa-
gar o resto; do contrario se vender, o perder
quantia que deu de signal.
--Na ra das Cruzes n. 39, pre.cisa-salie offi-
ciaesdcalfaito tanto de obras mudas como gran
des.
-O Sur. Manoel Comes Malgueiro qiicira fazer
o favor deapparecer om Olinda na Udeira do Va-
rtdoro, a tratar negocio de seu interesse.
Manool Antonio Lessa, nilo pudendo pela rapi-
dez de sua vagem despedir-se das pessoas, que nes-
ta cdadesedignaramhonra-lo com sua amizado o
faz por mcio do presente e pedindo dcsculpa des-
ta falta involuntaria Ibes ollerece seu diminuto
prestimo no Itio-de Janeiro, para ondo seguio no pa-
tacho S.-Josn-Amorim.
-OSr. Antonio Peixolo de Carvalho tem cartas
na ruada Cruz ,n. 23.
-I'recisa-se rallar ao Sr. Manoel Marcellino do
Mivciin Guimnriles : na ra da Cruz n. 7, segun-
do andar.
Francisco Martinsde l.emos faz saber a todas
as pessoas que com ello teem transacc,oes queoSr.
Antonio Jos Malheiro deixou de ser seu caixeiro,
desde o dia 5 do corrente.
OfTerece-se um rapaz brVilciro para caixeiro
de engenbo ou mesmo nestn praQa : quem de seu
presinti se quizer utilisar, dirija-so a ra irei-
ta, n. 9. t
Preesa-se do urna mulhcr honesta que so
queira subjeitar aoservico de urna casa de pouca
familia : na ra de S.-Rta, n. 85.
Aluga-se urna pela que saibacozmhar e com-
prar ; advete-seque he para casa do pouca fami-
lia : na rundoS -Rila n. 85.
-I'recisa-se de urna ama para o semeo de cozi-
nha mu run do Fogo, u. 38.
Jos ValenUm da Silva ( bem conhccido lioje em
da, poronsmarhafl annos, e seus alumnos >a-
hireni sempre nppiovados plenamente) avisa a quem
roiiver, que a sua aula de lalim ncha-se abena na
ra da Alegra n. 40 e recebe alumnos.
I'recisa-se de ociaes de alfaiale : na ra da (.a-
deia-Velha,n.41. Na mesiria loja so tomam apron-
dizes para se cnsinaro mesmo ollcio.
--.Aluga-se um grande quarto do una loja muii-
l" proprio para alfaiatc ou oulro qua quer estabo-
h'ci metilo nota que ho em muilo bom local : a tra-
tar na ra do Cabugn loja de Joaquim Jos da Cos-
ta Fajozes
--Joilo Jos de Carvalho Moraes, ogent". ncsla
Praca, do contrato do tabaco do reino de o rtugai ,
participa ao respcitavel, publico que l,e' "ll''"" n,f:
vio chegado de Lisboa receben orden) daqueiie
mralo, para de hojo em dia.ile poder vender a re-
Ulhoo rap princo/a de Lisboa a 3,200 rs..cada
'0le,ocmcaixs,a3,000r.s ,a dinbe.ro J*lV
tem como declara que n..1o 'pe u pcssua ai
Bu.ua poroutro motivo^u*pjN* mo|iM'o.
- Na ra dasTrinxefa Prado sfcrn^;
1 37, engoma-se roupa | toda a perfeiQ-.o e por
precc commodo.
;.". v iri. -:-: -a------,wtm 111 ==
Arrenda-so, para levantar engenho, uma gr
de propriodado de trras de mulo boa producirlo ,
denominada CnncciQflo na riheira de Po-do-Alho ,
em cuja proprieihide j se ncha, no lugar que. lia de
sereiiKfenho, todas as madeiras promplas, lijlo e
lelha: quem pretender dirija-so a sou ilono, Frnncis-
Lco'Cavalcanl^ dos Santos residente na mesma
propredndeyB
A pessoa qno estiverde posso do uma lellra da
quantia de 700,000 rs., a vencer no dia 21 de maio do
corrente anno, aceita pelo tenente-coroncl Jos
Francisco Lopes Lima, e endossada polo coronel Jos
Mara de Barros Barreto, queira aprsenla -la no
dia do seu vencimento ao Sr. Jos Mendes de Fre-
tas morador na ra do Crespo.
dverte-se ao Sr. (iscalda freguezia dos Afo-
gados que no v se osquecendo dossous deveres,
porauo do contrario, no se maldiga da sua cotlu-,
mada relaxac o e mais alguma cousu : voja se
achaalguns oculos de 8 vdros, jquo com os de"*
nada v, nflo obstante os avisos que tem tido de
que ha a^ougues na sua freguezia que estilo ^cor
lando carne sem-serdo conformidado com a loi; $-
simeomouma tavetna nolugardo Remetlio, ao p
Ponlezinha, posta a bastantes dias: se nilo llzer
as suas obrigacOes, voltarei a esto prelo, e enlflo
nflo searrependa.
O Afagadense.
Aluga-se por8,000rs. mensaes urna casa com
commodos para grandc'famila, com 2 salas, 6 quar-
tos, cozinba, copiar e quintal murado, sita na rua
Imperial, % 187: trata-sena ruaDireita, n. 82, pri-
ineiro andar.
S. H. T.
O concelho deliberativo da sbciedade Ilarmonico-
Theatral convoca extraordinariamente a assombla
geral para boje 6 do correnle, as 4 horas da lano
-- Prccisa-se de um caixeiro para lomar conta de
uma venda : na rua de S.-lii ta u. 85.
AO PUBLICO.
Jos de Barros Falcflo de Lacerda e mais herdeiros
da finada D. Maria Magdalena de Sa e Mello julgam
re seu dever ratificar agora os annuncos, que fo-
ram publicados nos Diiriot de Nrnambaco ns. 189 ,
190, 191, 193, 195e 196, de 27, 28 e 29 do mez de
agosto, edo l,, 3 e4 desetembro lodos do armo
de 1845 relativamente ao direito que Ibes assiste
no engenbo Ubaquinha ou Ubaca-de-Baixo silo
em Scrinhilem em consequencia de se ter julgado
nullo p%r tres sentangas o vinculo em virlude do
qualse achava o pai do Sur. Iloaventura do Mello
Caslello-Branco na adifTinistracno do dito engenbo :
e proteslam os mesmos herdeiros usar de seu direi-
lo e haver o que legtimamente Ihes pcrtenre ,
visto que o dito Sr. Castello-Branco iiilOjlem ttulos,
que opossam autorisar para dlspor do suprainen-
conado engenbo.
Perdeu-so uma carteira com algum dinheiro em
cdulas o duas letlras aceitas pelo Sr. Antonio Do-
mingues Pinto, e como de nada sirvam senilo aos
ahaxo assigr.dos,por isso rogam a quem achou dita
carteira o favor de a entregar a Rcrnardino Fran-
cisco do Azovedo Campos no pateo do Carino, que,
alm do dinheiro quo dentro linda, reeebcra mais
10,000 rs. d gratificarlo Campns iSouso.
Aos Srs. assignantes do Panorama avisa Joaqun)
da Silva Sales quedo boje em diantc ileverilo rc-
reberdclleosns que falliim 14o 1Ca18, o bem
assim os que chegarcm do Lisboa dos ns. 21 a se-
guir bem como se vendeni novas assignaturas : na
rua do Queimado n. 11.
J. J. Tasso Jnior embarca a sua escrava Julian-
na para fra da provincia..
Furlaram da rua Nova, da cocheira n. 54, dous
relogios saboneles, com caixas de prata, sendo um
patente inglez, dcJohn Moncos a Liverpool, n. 9297,
e outro horizontal : quem delles der noticias, sera
generosamente recompensado.
Altengo.
Jos Joaquim de Novaos participa ao respcitavel
publico.quc mudou o seu eatabelccimento de airaiale
da casa dos 4 cantos da rua do Queimado para a lo-
ja n. 30 la mesma rua onde se acba prompto a
servir os seus freguezescom aquella promplidno do
costume e atoilas as pessoas que a sua casa se qui-
screm dirigir; assim ionio vende pannos, casimiras,
madepolOes, sarja para vestidos, cortes de colleles,
luvas de todas asqualidadus, lencos do seda o de
cassa, botfles de todas as quadades, retrozes, li-
nhas, e mutos outros objeclos que sempre ha de
havpr venda; assim como llavera sempre obras
Mas do todas as qualidades.coin a mesma perlenjao
das de eiicominenda.
fosos d$ todos os tamanhos.
bnreas de fornalha. ^.
ndioca movidos a maMfei por ani-
mara ,t; patjffsas para a dita. ^i ;,
FogOesdfrornos para cozinha.
Canos no ferro, torners de ferro o brome.
Bombas para cacimbas e de rpuxo.
Guindastes guinchse balances romanas.
Prensas hydraulicas e de parafuso.
Ferragens para navios, carros, obras publica^ etc.
Columnas, zarandase grades.
Prensas de copiar cartas e de sellar.
Camas de ferro, etc.
Alm da perfeicilo das suas obras, Me- Callum k
Companha garantem a mais exacta conformidado
com os.moldes e desenhos remettidos pelos Srs. que
sedgnaremde fazer-lhes encommendas; aprovei-
tando a occasiHo para agradecer aos seus benovolos
os c fregu/esa preferencia, com que ffcemsi-
elles honrados, e assegurar-lhes que nilo
n esforQOS nem diligencias para continua-
ren a merecer a sua conianca.
Autonio.de Souza Leilo segu para o Aracaty e
Ceaf levando em sua companha sens dous escra-
vos denpmes Bilhino o Joaquim Antonio, o um
criauo branco de nome Vicente Ferroira dos San-
ios.
Na rua do Sebo, n. 3, empresta-se dinheiro a
juros com penhores do lodasas qualidades, em pe-
queas porches.
I'erdeu-so ha mezes um annel de ouro esmalta-
do, tendo po centro a letlrnR-: quem o tiver a-
chado ou comprado, leve-o rua da Cruz, n. 43,
que se lite dar.lo 10,000 rs., quo he mais do que elle
vale.
Manoel da Silva Santos, \e\\-
de farirlia detrito da verdadera
marca SSSF, eliegada ltimamen-
te a este mercado.
Compras.
Cnmpra-se urna espada um par do dragonas,
um banda rica ludo em meio uso para odicinl de
lileirada guarda nacional Juem tiver annuncio.
Compra-se urna prela que soja moqa e do boa
gura, que saha cozinhar e engommar, nito tendo
vicios nem achaques : na rua da Apollo, n. 23.
Compra-sc um diccionario portugue/.de Cons-
tancio 'C A lirens direito natural; ludo em bom
uso : no Alerro-da-lloa-Vista n. 38.
Compra-so uma prela de 16 a20 annos, que
engommoecoiznh, e lenha boa estatura e sem
vicios : a tratar com Manoel Luiz da Veiga no Ro-
cife,ouom Olinda, na roa de S.-ltenlo, n. 3.
Compra-se um casal de porcos bahs ,o um ma-
caco de Angola : no armazem de molhados, por bai-
xo do sobrado do reverendo vigaro do Recife.
Compra-se urna taholeta quo lenha 15 palmos
para cima e dous de largo : na travessa do Itozario,
deposito n.-39.
rCompra-se um sllim de mola, que no estoja
roto: na rua da Ciuz, n. 43.
Coniprani-se 100 i'sdelarnngeiiis sendo da
Ierra nielhor; 10 | s de fructa-pfio : na rua da
Concordia sobrado de um sudar n. 5,
Compram-seeircclivamente esclavos de ambos
os sexos, de 12 a 20 anuos, sendo alguns ollciaes
de sapaleirii ; sendo de bonitas figuras, pagam-se
bem : na rua da Concordia passanio a ponlezinha,
a direila segunda casa terrea.
..- _______
Vende-se papel branco para escrever, fogue-
teiros, cigarro anuistrasde.assucar ou cartucho,
palo proco de 1,700 rs. a resma : na rua dos Quar-
fes hoje larga do Rozario n. 22.
-=- Vende-se uma parla de muito bonita figura ,
que cozinha bem 0 diario do uma casa lava
de sabilo e varrella cose chilo o he muito boa pa-
racasa de familia : na rua do Collogio n. 16, ter-
coiro andar.
(Ho
A commsafio administrativa marcou o da 11 do
corrente mez, polas 6 horas da tarde, para receber
as nropostas do convidados que deverflo Icr mgres-
*o na partida do di. 23do corrente ; o adverle: que
pois do dia marcado nilo admitlirl proposta al-
guma.
Fabrica de machinas e liindi-
de ferro na rua do
Brirm, no Kccife.
McCallum-SCompanhia, engenheiros macbMs-
tnse Tundidores e ferro, mu. respcitosamenle an-
nunciam aos Srs. proprietariosdo engenhos fazen-
deiros, negociantes, fabricantes e ao respe.lavel
publico, que o seu estabelecimenlo de ferro, mo-
?dopo; machina de vapor-, so acha em efiec .vo
exercicio, e completamente montado com apparo-
Ihos de primeira qualidade para a pericia confec-
ro das maiores pe?as de machiiiismo.
Habilitados para emprchender quaesquer obras da
sua arte Me Callum & Companha desejam mais
ffetio: a cllcs que silo
roca se por ca-
llum sitio perlo
de sobrado de
('asa da '
na rua esdeita to RyUrib, n. t.
Nesle eslabeleciment achatA'-sc k venda as cau-
telas da bem acreditada lotera do theatro mbltco
desta ci.lad, para cujas rodafesta annuiiciad o an-
damcnlo para o dia 12 de jhaio prximo futuro.
Neste estahelecimenlo lamberfVs^achanga ^n^1^
Irancelinsdeourode le
de mutobomgosto.
Veode-se 01.1
sas terreas, ou
da praga, urna cas
dous andares (a e^cepgao de uma
parte de dous cotilos de ris que
perlenee a ontra pessoa), cuja ca-
sa lie feita de muilo poucos an-
uos, e repartida moderna; tem
uma excellente vista, bem como
um bom desembarque para ornar:
quem esta compro ou troca qui-
zer lazer, dirija-se rua do Cres-
po a fallar com Jos Joaquim da
Silva Maya.
Vendem-se dous quartos, um muito bom de
carro, e outro para qualqucr serviQo: na rua da
Conceicfloda Boa-Vista, n. 60.
Vende-se uma duzia de cadeiras de angico ,
novas e muito baratas: na 'ta do Rangel, n. 7.
Na loja de Jos Manoel Monlei-
ro Braga, na rua di> Crespo, n.
16, esquina que vira para rua
das Cruzes, vende-se
ama7a ateneflo publica para as nova fazenda inltulada-donzelas- para vestidos
2S m.? ,^8 d" iniior extraceflo nesla de scnhc.ras,de muito ricos gestos e padrOes os mais
segu.ntes por aeic J' "9 d sua faitLca'pfl-, moder.ios que leem apparec.do; vende-so tanto a co-
, -i-Jh-,vdoobmoavara para mais commodidade dos com-
pradores ; e tem assim muilas fazendas de muitas
qualiuades,tanto finas como grossas.
Vcnde-se urna parda prenhe e
seg
provincia
den cmptircom as fabricadasem naiz MI.
ro tanto em preco como na qualidade das materias
primas e mito d'obra, a saber :
Machinas do vapor. ,i..
Moendas de caimas para engenhos movidas a va-
por, por aga, ou animaos.
Rodas d'agoa e serraras.
Manejos indeoendentes para cvanos,
Rodas dentadas.
AguilhOes, bronzese chunwceiras.
com uma cria
de 3annos; urna negrnha de 8 annos ; dous pre-
tos de 40 annos proprios para o campo : na rua
da Cruz, n. 51.
Vende-se um excellente piano perpendicular,
novo, por pre?o commodo: na rua do Vgario n.
23 caa de Kuasell Mellors & Companbia.
O modernismo no sen auge.
Entre os ltimos espectculos, saraos,'
bailes o divertmentns, em quo abunda
variadamente a capital da Franca ( Paris),
que em modas, loucas enfeites do lu-1
xo e brilbanles atavos leva a prmaza,.
na variedaile esublimidadedogostoa U>-1
das as cdades europeas, una riquissimos
vestidos d'uma fazenda com posta efabri-r
cada do soda o lila denominada Cha- {
marimserviam do elegantissimoador- ,
no aos bellos delalhes do madamismo*
parisiense, quo so tornava digno de ge-i
ral attenefio. lista preciosa fatenda com-
posla dasduas mais preciosas leias,-soda '
' e lila, tem uns listrados de seda, alraves-
f* sados uns, outros assontes sobre um te-
Ppjcido parecendo merino, juo lite d um}
realce qhe a torna mais digna de atten-
co do que so fra seda s ; pois he uma I
maravlha o seu bem desenliado o real- |
cado gosto. O madamismo pernambuca-
no com justa rasilo apreciador do tilo |
boas qualidades, em urna fazonda ntei-|
ramente nova para seus vestidos de bai-
les, nilo deixar do receber com partcu- ,
lar iillcncfin a noticia de quo oachama-
rim so vende tilo .sement na loja nova
n. *, de Ricardo, ao p do arco do S.-An- (
tonio, troco do 1,200 rs. cada covado.
Aprega, leva lonje a fama,
Levanta o som meu clarim;
Esbeltos corpos das bollas cingo
C'os lindos vestidos ilechamarim.
Na rua do Crespo, loja'n. 8, de Campos ;
Maya ha um novo soi tmenlo de cortes de cassa-
chilas de gosto muito moderno pelo muito com-
modo preco de 2,210 e 3,500 rs. ; cortes de cambra la
barege, do delicados costos, imitando seda, a 7,000
rs. ; setim prelo de Macan de superior qualidade ,
a 2,000 rs. o covado ; chitas francezas largas. de co-
res escuras, pelo muito barato pree,o de 200 rs. o
covado; e oulras muitas fazendas por commodo
preco.
A LOJA NOVA N. 17, DO PASSEIO PUBLICO DA
PRAIA DO COLLKCK).
Kstcnovo estahelecimenlo, fazendo hojo a sua a-
berlura, o estando le anlemilo prvido e eomploU-
mente surtido de pechinchas e fazendas inteirame*-
te novas que merecein particular altcncAo aos ama-
dores da economa, edlsposto a patenloa-las pelo
mais mdico prego, compalivcl com suas boas com-
pras feitas adinborri.osem competidores no merca-
do, espera que o presente annuncio, soandoaos ou-
vidos ilos amantes do bom o barato, faca a devida
mpressilo para que com sua enrgica concurrencia
ao estabelecmento possam devidamenle conhecer e
apreciar ludo quanlo levo dito. E para quo com mais
garanta possam ajuizar c fazer mais acertada conci-
deraefio ahaxo levamos precos algumasdessasque
a memoria traz collcccfio.Pecas'de mapanolfiosoF-
frvel, a 2,000 rs., o a vara a 100 rs.; riscados de 4
palmos de largura, fazenda muilo boa para escra-
vos, a 200 rs o covado; dito muito proprio para ca-
misas, a 140 rs. o covado; chitas, as melhores quo
at hoje teem apparecido, or 160 rs. oeovado, ea
5,800 rs. a'peca; ditas proprias para coborlas, a 4,800
rs. a peca, ea 140 rs o covado; ditas francozas mui-
to largas,a 360 rs. ocovadojertes do chitas de muito
lindos padres, a 2,000 rs.; ditos do cass, os mais
modernos, a 4,000, 4,500 e 5,000 rs.; cortes de calca,
fazenda muito superior ede lindos padres. a 1,280
e 1,440 rs.corles do colleles de fustAo, muito lindos,
a 800 rs.; dilos do liin e seda, a 1,000 rs ; ditos do
gorgurilo de seda, a 3000 rs.; cassa lisa com uma va-
ra de largura, a 240 rs a vara, e 3,500 rs a poca com
17 varas; Iciiqos de seda para meninos, a 500 rs. ca-
da um; ditos proprios para honiom.a 1,440 rs ; pan-
nos proprios para mesa, a 1,600 rs.; mantas de Ifiae
seda, muito honitas.a 5,000 rs.;brinsdo purolnho,
padres muito modernos, a 1,000 a vara; dito bran-
co de listras, a 240 rs. o covado; dito trancado bran-
co, a 360 rs a vara; assim como urna porco desa-
paes muito proprios para a eslaefio presente, a
1,440 rs.iipar.
Na loja de Jos Manoel Montei-
ro Brajja, rua do Crespo, es-
quina que vira para rua das
Cruzes, vendem-se
reos cortes de vestidos do soda, c muitas oulras fa-
zendas finas.
Vende-se cera em velas, vinda de
Lisboa, sorlimento vonlade, em caixotes
pequeos ; mercurio doce, em caixinhas
de 3 libias-i vinho Unto, do Porto, moi-
to superior, em harria de oitavo ; dito en-
garrafado, em caixotes de 18 garrafas ca-
da um : na rua da Cruz do Uecife, a. 54,
escriptorio de Mendes ck Tarroso.
AO BARATO, FREGUEZES.
Vendem-se chitas finas, de bonitos padres, e que
no largama cor, a 180 rs. o covado; riscadinhos
fruncezes, tic padres modernos a 220 rs. o cava-
do ; loncos do chita imitando seda a 320 rs.; ricas
mantas do setim matizadas, a 10,000 rs. cada uma;
um vestido de selim lavrado j promplo onfeitado
com ricas litas e llores, por 24,000 rs. vestido esto
que vale mais de 50,000 rs : na rua Nova loja n.
26 de Tinoco & Rocha.
Vendem-se 8 escravos, sendo : i protos mo-
cos, de bonitas figuras; uma preta de 16 annos; uma
cabra com uma lilha de 10 anuos ; 2 orlas de ler-
vico de casa e que sao boas cozinneras ; a ditas
sem habilidades : _no pateo ia Matriz deS.-Antoaio,
sobrado n. 4.
MUTILADO


^^
-

J 1
n
Novos gambreoes.
Na loja de Cuimarfles Serafina & C, confronte ao
arco de Santo Antonio, n. 5, vnndem-se novos gam-
breOes a 1,400 rs. o corte de tres covadose raeiojlos-
ta faenda torna-so recommendavel para a eslaglo
presente, por ser fazenda encorpada e esciira; e finge
a casimira franceza por ter padrOes imitantes;) chi-
tas a 130 e 1*0 rs. o covado, ealem disto um com-
pleto sortiment de toda a qualidadede fazendas.
Vendem-se acedes da ex-
tincta companhia de Pernambuco
e Parahyba : no escriptorio de Oli-
veira Irmiios & C, na da Cruz,
n.9.
Vendem-se 40 acortes da companhia de Bcbe-
ribe : no pateo da Matriz de S.-Antonio, n. 4, se-
gando andar.
Vendem-se por preco commodo,
dos canoas de conduzir agoa ; e urna
dita mria aberta : na ra de Apollo,
a fallar com Joao Esteves da Silva.
Aviso a mciis freguezes e ao
mais que quizereai ser,
63* sendo bem servidos, jb\
Joaquim Antonio Carneiro de novo avisa a todos
os seus freguezes que hojo recebeu urna grande
porgSodaqueilas verdadeiras bichas hamburguezas,
que est vendendo aos centos e a relalho, por me-
nos preco do que em outra qualquer parte; assim
como tambem aluga e vai applicar a qualquer hora
do dia, ou da noite, para commodidade dos pro-
tendentes. Venham, freguezes, pois aqui he s onde
ha boas bichas que dao sade a quem a nao tem.
Vende-se um tronco em bom es-
tado : na ra da Senzalla-Nova, n. 7.
Vende-se um rico apparelho de
metal, lodo praleado e bordado : na ra
Novfc loja de ferragens, n. l5.
A' 800 rs. o corte.
Na loja de Guinarfles Sera ti m & C, confronte ao
arco de Santo Antonio, vendem-se lindos corles de
fusto, cores filas, pelo barato prego de 800 rs. o
corte; cassa-chitascom llores, finase largas, suecas
e inglezas, a 240 rs. o covado.
Vendem-sechitaslimpas, do bons pannos, a
sete vjntens o covado e a pega a 4,800 rs.; ditas
mais finas, entre as quaes algumas para luto bons
padrOes a meia pataca o covado, e a pega a 5,600
rs.; sarja preta limpa suporior e de boa seda a
1,280 rs. : na ra estreita do Hozado 11. 10, ter-
ceiro andar.
-- Vende-se urna sobrecasaca de panno verde-gar-
rafa, feita a moderna, com gola de velludo, por es-
trear, e por menos de scu valor: na ra da Cruz ,
n. 43.
Vendem-sc caixas de fo-
lhas de Flandrcs e a retalho por prego commodo:
na loja de ferragens de Jofio Jos de Carvalho Mo-
rad na ra da Cadeia-Velha, n. 53.
lote de seda, para colletes e golla
tiin macan ; o verdadeiro bfim Ir
de listras de cores: na ra do Queimado,
loja nova, n. ic,de Hay mundo Carlos
Leite.
- Vende-se cal virgem em me las barricas chfgada
ltimamente ; caixai vasias para asquear ; uin.i p0r5.no
de petos de ferro, de dua arrobas spi ras grandes para
serrar madrira ; tudopor preco commodo: na ra da
Moeda, armazem n. 17.
Barateiro da loja nova.
O novo barateiroRicardo, da loja nova n. 4ao
p do arco de S.-Antonio, est vendendo pegas de
chitas muito finas, cores muito flxas e novos pa;
drfles a 5,800 ris.e o covado a 160 ris ; casimiras de
algndlo, padrOes inteiramente modernos, o cortea
1,600 ris; lencos de seda muito modernos para ho-
mem, a 1,440 res; ditos de cambraia muito fina, a
400 reis; cortes de chaly muito moderno, a 5,000
ris ; mantas de soda, padrOes chinezes, no mais
moderno gosto, a 10o 12 mil ris; algodflo azul o
riscado para escravos,do 4 palmos de largura, muito
cncorpado, a 200 ris o covado. Tem um lindo sor-
limento de sedas modernas no gosto chinez, rece-
bidas e desembarcadas hontem, da ultima moda de
Paria, para vestido de-bailes, &c, e que vende muio
barato, assim romo (odas as fazendas do luxo,
assoiado gosto, notando-se uns lencos com franja
para senhora, da melhorseda de gros doTSaples, pa-
drOes nunca nesta praga vistos, 6,000 ris.
Vendem se VLJjAS de cera do
Rio-de-Janciro e de Lisboa grande e
completo sortimenlo : na ra da Senzal-
la-Velha armazem n. 110, de Alves
Vianna
= Vendem-ic moendas de ferro para engenlios de as-
(ucar, para vapor, agoa e hcsUs, de diversos tamanbos>
por preco commodo; c Igualmente Uixas de ferro coado
e batido, de todos os tamaitos: aa praca do Corpo-San
to, n. II, em casa de Me. Calmont & Companhia, ou na
ra de Apollo, armazem, ,.(i.
e240rs.; bretanha de puro Hnho, a 600rs.;
de Franca a 800 rs.; lencos de seda do muito
boa qualidade a 1,440 e 1,600 rs. ; primores para
.vestidos do senhora de muito bom gosjp a 320 rs.
o covado ; cortes /le chitas finas com 14 covados a
2,400 rs.; ditos de cambraia a 4,200 o 4,500 rs. ;
riscadosfrancezes, tanto para jaquel como para
vestidos a 180, 200, 220,240 e 260 H. ; picotes de
duas larguras, muito fortes para roup de escravos ,
a 220 e 240 rs. o covado ; algodflo de listras a 160,
220 e 240 rs. ; dito azul a 200 e 240 rs.; dito mes-
ciado, a220e 240 rs. ; madapolSo muito fino, a
2,400, 3,600,4,000,4,500,5,000 6 5,200 rs.; cam-
braia lisas finas do vara de largura pecas com 8
varas e meia a 4,600 o 5,000 rs.; bons brins hran-
cos para calcas, a800 e 1,120 rs.; dito pardo francez,
a 800 o 1,200 rs ; dito de listras e de quadros a
1,000 e 1,120 rs; cortes de meia casimira, a 2,400
s., e em covado a 640 rs. ; e outras muitas fazen-
rflo aos seus freguezes.
Vendem-se dous escravos um de 30 annos ,
o outro de 12: na ra Velha, sobrado n. 18.
A' 7^000 rs. cada urna manta.
NalnjadeGumares Serofim & C, confronte ao
arco deSanto Antonio, n.5,vendem-se mantas de seda
modernas para senhora, pelo barato prego de 7,000
ra. cada urna; riscadosfrancezes finos, padrOes mo-
dernos, a 240 rs. o covado.
Vendem-se 2 moloques pegas de 18 a 20 an-
nos, bons para o trabalho do campo o (b praga ; 1
dito bom cozinheiro; 4escravas mocas sendo urna
dolas boa costurcira e engommadeira ; urna mula-
linha de 16 annos boa para ser educada: na ra
do Passeio, loja nova n. 1.
Na loja de Francisco Jos Perei-
ra Braga ,
na ra do Crespo n. 3, ao p do arco de S.-Anto-
nio vende-so panno fino azul, proprio paro far-
das a 4,000 rs. o covado; pegas de cassa de listras,
a 2,600 rs.; ditas de cambraia lisa a 3,500 rs.; cor-
tes de calcas de brim branco de linio, do mais su-
perior que tem apparecido, a 3,600 rs. o corle.
10
Vendem-se escravos de ambos os sexos rl
a 30 annos, com habilidades e sem ellas e'dei
nitas figuras : na ra Kova ; n. 40.
Vende-se muito em conta um liteiro denn
la para miudezas, cora os competentes vid,
ra do Cotovello, n. 31. *:**
Vende-se um diccionario de Moraes da mu 1
igo por 16,000 rs.; urna caixa de oirro para
A' 12#000 rs.
Na loja n. 5, confronte ao arco de Santo Antonio,
vendem-se ricos cortes de chaly delaaeseda, pa-
drOes modernos, pelo barato prego de 12,000 rs. ca-
da corte; riscados francezes finos e modernos, a 240
rs. o covado; zuarte azul encorpado, da fabrica por-
ttigucza, a 200 rs. o covado: esla fazenda he propria
para escravos.
Vende-se ou rrenda-se o sitio do CBJueiro ,
com varias casas que Se acham dentro: a tratar 110
mesmo sitio.
Vendem-se superiores vinhos engarrafados,
moscatel de Selubal Madeira-secca e Porto; agoa-
ardente de Franca ; lafinhas com hiscouto itiglez e
conservas : ludo por prego commodo : na venda de
Miguel Joaquim da Costa ti Companhia na ra da
Cruz, n. 66. .
Vende-se um eseravoqueentende decozinha ,
c hesapateiro; um mulatinho de 12 anuos; urna
porcaode barricas de sebo; csteiras em porches;
caixas que parecem ser de tartaruga muito em
conta ; sola e couros miudos : na ra da Cruz no
Recife, n. 26.
Vende-se arroz branco de superior qualidade,
em saccas a peso e alqueire velho ; dito vermelho:
tudo por prego muito commodo : na ra da Praia ,
venda n. 39.
Vende-ie salitre refinado de mui-
to boa qualidade, por menos preco do
que etn outra qualquer parte : no escrip-
torio de Claudio Dubeux, na ra das
Larangeiras, n. 18.
, em barris pequeos:
armazem de Kalkmann &
Potassa da Russia,
pelo prego de 180 rs. a libra
m ra da Cruz n. 10
ftosenmund.
Vende-se urna cxcellentc casa terrea, com com-
niodos para urna grande familia sita nesta praga :
a tratar no principio da ra imperial, n. 9.
Gaz.
Loja de Joo Chardon ,
Atcrro-da-Boa-Visla, n.5.
Nesta loja acba-se um rico sortimenlo de LAMPEOES
PARA CAZ com seus complenles vldros accendedo-
res e taladores.
Estes candiel*ros i(o o. memores e
mi modernos que exlstem boje : recoinmendam-se ao
publico, tanto pela seguraba e bom gosto de sua boa
confecfo como pela bt)a qualidade da luz, economa e
asseio de seu servio.
Ka IllCSma loja os consumidores enir
pre acbaro um deposito deGAZ de cujo se allanes a
qualidade, e em por;5o bastante para consumo.
PANNOSfNETOSFl\OS
nove* na oj ; re ludo preto; chama-
NA HUA DOQUGIMADO, N. 11,
Vendem-sc lindas mantas de seda
muito finas as mais modernas que lia
proprias para scnliora e meninas, a 3,->.oo
rs. ; cortes detassade cores fixas, ede
lindos padrocs, a 4ooo rs.; sarja lies-
pan hola ; (lila franceza ; los pre tos ; lu-
do por menos de seu valor, por ter aca-
bado a Quaresma : na loja nova de U-
C. Keite.
Vendem-se alguns terrenos com 30 palmos de
frente c 150 do fundo, no almhamenlo da ra da
Concordia Junto a travessa do finado Monleiro ,
com frenle para qualquer dos rumos que agradar
aos compradores, assim com tem aleados,com
alicorees, beneficiados o alagados, por pregos tilo
commodos, quo s quem nao liver bom gosto
deixar de aproveitar esta quadra loo favoravcl a
quem compra ; tambem se vcndcni a prazo com fir-
mas a conteni na ra larga do Rozario, n. 18.
LIVR0S EM CONTA
Vendem-sc os seguintes livros: um missal em
muito bom estado .completo c bem cncadernado,
por 12,000 rs ; um Laromigure, por 2,000 rs.;
Anlhmelicapratica ,1,000 rs.; Coionio chrctienne,
1,000 rs. Mathiae philosophie, 1,500 rs.; Tratado
de operagOes de banco, 1,000 rs. ; Manual encyclo-
pedico 1,000 rs. ; partidas dobradas 1,000 rs.;
\1s10ndc I). Rodrigue 1,000 rs. : na ra estreita
do Rozario loja de encadernagflo.
Vendem-se duas moradas de casas Je taipa,
tima na Cabanga e outra na ra Imperial, esta em
chitos proprios, e aquella em chaos Torchos; todas
muito em conta : na ra das Cinco-Ponas, n. 65
Na mesma casa compra-se o livro Cuilhcrnie Tell ,
em bom uso ; paga-se bem.
Vendem-se escravos baratos na ra das
Larangeiras, n. 14, segundo andar, a sa-
ber : um bonito molecote de 18 annos ,
sem vicios nein o menor achaque, pro-
prio para pagem por entender alguma
cousa de bolear; um mulatinho de 20 anuos, de
bonita figura sem vicios e do boa conducta; um
moleque de 15 annos, com alguna principios de
COZ infla ; 3molecolesdc 18 annos, sem achaques;
duas prelas, ptimas para o campo por 700,000 rs.
urna preta muito moga por 350,000 rs.; urna dita
do 20 annos por 450,000 rs. ; e mais alguns escra-
vos que so mostrarflo a quem os pretender.
I\a ra larga do Rozario, n. 3a,
vendem-se charutos da Rabia de todas as qualida-
des, a saber: regala, de superior qualidade, a
1,600 rs. a caixinha para cima ; marca de fogo de
S,-Flix; cigarros de la llavana, que teem tio gran-
de extraegn pela sua hondadee diminuto precc de
1,800 e 2,000 rs. ; forma-regala superfinos a 1,200
e 1,500 rs. e dilo-se por monos, conforme a porgflo;
e 0111 ras muitas qualidades que se mostrarfio aos
compradoras, o por menos que em outra qualquer
parte.
Vende-so urna escraa do nacfio perfeita en-
gommadeira e cozinheiro o que he propria para
casa de familia pornfloter vicio algum : no pa-
teo do Carino loja n. 7.
Vende-se um bonito oscravo de 18 annos, com
ollieio re sapalciro, e que he proprio para pagem ;
umescravo crioulo, de 25 annos, proprio para o ser-
vigo do campo; urna linda mulatiuha de 10 annos ,
propria para ser educada ; um lindo moleque de 7
annos, proprio para odlcio : na ra das Cruzes n.
22, segundo andar.
Vender um moleque de 12 annos; 10 escra-
vas de 16 a 30 annos, todas de bonitas figuras : na
ra Direita n. 3.
A casa de modas francezas de
A. Al i I locha 11 no Aterro
da-Boa* Vista, n. 1 ,
logio.com 6 oitavas.a 3,200 rs.a oitava- ,
caixa de msica giande, com ricas peca, por s 2
rs., com caixa do charfio : na ra db Crespo 'i!v
de miudezas, n. II. ^' '"M
Vende-se um batelao que carrega 6 pesso,,
por muito commodo prego : na praca da IndeiwL'
dencia, n. 19.
Vende-se o restante da superior farinh.
3,200 rs. a sacca : na ra Direita n. 9.
ya ra dorespo, n. 12, loja de
Jos Joaquim da Silva Maya
vendem-se ricos cortes do cambraia para vestidos'd
senhora ; ditos de bauzulinas, para vestidos : fazen
da esta muito propria para a estag3o de invern
ser de cores escuras; um rico sorti monto de marn
de seda ede seda e Ifla para senhora; mantinhasn
meninas a duas patacas cada urna ; chales de sed
de bonitos gostose differentes lmannos; meissd!
seda brancas e pretas, para sonhora e homem
mais superiores que leem vindo a- esta praga- p|.
no fino,preto ede cores ; alpaca a 800 rs. o 'con
do, e muito fina a 1,600 rs. ; cambraias par cof
tinados de camas e janellas, HBootno Tramas ni
ra os mesmos ; cortes do caigas de casimira france.
za elstica e muito superior, a 5,000 rs. cada corle"
cortes do colletes de velludo, gorgurSo, setim o da
instilo por prego muito barato; panno de linho
100 rs. a vara ; cobertores para escravos e oulraj
muitas fazendas que todas se vonderflo por precos
muito baratos.
CABELLOS PRETOS.
Contina-se a vender agoa d tingr os cabellos
osuissas: na ra do Queimado, n. 31. Omothodo
de applicar a dita agoa acompanhaos vidros.
Vendem-so ptimas ervilhas echixaros cks.
gados prximamente no brigue Olheira, proprioj
paro semear, por serem muito novas; pedras de
na ra larga do Rozario,
moinho de moer milito
n.29.
Vendem-se, para os primeiro o segundo annoi
postilas, e Kant: em Olinda ; loja do Snr.- Domin-
gos.
Na rejtillagflo da ruado S.-Rita vende-se w.
prito de vlftho, ago'ardenle do reino, aniz, gene-
bra ago'aidente de canna dita branca e licores
mais barato do que em outra qualquer parle, r*
cebem-seom troca botijas, garrafas, pipas, barril,
e tambem se comprom a dinheiro continuada-
mente.
Vende-se urna parda moga de bonita figura,
com algumas habilidades: na praga da Indepcn-
ileiyia, loja n. 3.
tt Vendcm-se superiores chapeos de
J^.caslor, pretosebrancos, por preco
muito barato : na ra do Cresno, loja n.
12, de Jos Joaquim da Silva Maya.
Vendem-se 5 acgOes da companhia de Beben-
be, por seu dono se retiir para fra do imperio :
na ra larga do Rozario loja de miudezas, Si,
se dir quem vende.
m
DE* PORTAS HJ2 .
Nesta loja vendem-se
cortes de cassa t\c boni*
los padrocs e tintas fixas,
a 2$mo rs.
mmmmmtmsmmmm
Vendem-se dous lindos moloques de nago
de 16 a 18 annos ; um pardo do 18 annos, bom car-
reiro c que he proprio para pagem ; 3 prelos de 20 a
24 annos sendo um delles bom carreiro ; urna par-
da de 24 annos com habilidades ; 4 pretas de 20 a
30 annos sendo algumas dolas de pagSo, e com
algumas habilidades : na ra do Collegio n. 3,'se-
gundo andar, se dir quem vende.
Vcndem-se rolas de Hamburgo casaes e sol-
teiras, muito barato: as Cinco-Ponas, n. 71.
DEPRESSA, DEPRESSA, FREGUEZES,
ao Passeio-Publico, na loja nova de Tazendas, n. 19,
de Manocl Joaquim Pascoal Ramos, aonde se acha
um completosoi timento de fazendas finas c ordina-
rias com sejam ; ricas chitas para vestidos do se-
L0rl:8 **6e.?* ditas a 140, 160,180, 200
SSOeflW rs.; ditas para cobertai, a 140, 10, 200
recebeu pelos navios Zilia e Nelie-rjalhildt, um lin-
do escollnmentode chapeos de senhora de urna das
mais afamadas modistas de Paris ; chapeos de pa-
Iha de todos as qualidades, lisos.aberlos e bordados;
ditos para meninas e meninos, de forma Joinvillo e
redondos, de palha da Italia ; lindas toucas para se-
nhora; mantas e visitas de bico ; longos bordados
de cambraia de linho; ditos de linho lino, lisos ; di-
tos do cambraia, de todas as qualidades ; cambraias
linas lisas e bordadas; sedas para chapeos ; lloros
linas ; Invas de malhase ahertas, para senhora e
meninas; ditas do pellica, curtas e compridas ,
para senhora ; timsortimento de collarinl.os e ca-
misinhas bordadas ; ricas fitas de todas as larguras;
bicosde linho; ditos de blonda; esp8rtilhos; fil
do blondo e do linho, da ultima moda ; rendas I isas;
entre-meios bordados; cambraia do linho puro;
baleias para vestidos e esparlilhos e amitos oulros
objeetns de moda que se venderflo por prego com-
modo. Na mesma casa fazem-sc chapeos e vestidos
de senhora, da ultima moda.
RAPE' PRINCESA NOVOLISROA.
Acaba do chegar pelo ultimo vapor urna nova re-
messa desle cxccllente rap, muito fresco e com de-
iicioso'aroma, e contina a vender-se no deposito la
ra da Senzalla-Velha, n. 110, e em todos os lugares
do costume, ate boje annunciados.
Deposito de vinag-c da fabrica
da ra Imperial, n. 7.
na fabrica de licores, de Fredcrico Chaves, 1io Ater-
ro-da-Boa-V,sta, n. 17, onde s achara sempre
graodo porgflo e por prego commodo.
Vidros para vidracas
cm canas de com ps cubicos, vendem-se por preco
commodo: na ra da Cruz n. 10. armazem de Kal-
kmann t Rosr-ninund.
Tinta verde de oleo ,
em latas pequeas rende-se por nreco commodo : ni
roa da Ciuz.n. 10.arma.em de Kalkmann Se HoscmUnd
Escravos Futidos.
21^000 rs.
n\ rf"se fol,l,a le Flandres a 21,000 rs. cada caixa, ea 100 rs. cada folha a re-
talho : na ra Nova, loja de ferrageo de Teixeira &
Andradc.
o o"n ]Bd"? ""IlCrren0 COm W P,mos de frcnle
c 260 ditos do fundo com caes de pedra, e um quar-
loparacaixeiroouferramcnla, sito por detras da
roa n af'U: "' 8errara por detrs da ,nesma
-Vendqiu-scunsalicerces no Alerro-dos-Afoga-
uos, com frente para duas casas : na tua da Prala-
ue-h.-Rua serrara o 21.
<- Vende-se urna prcla de bonita figura de 17 a
,' quernTende"8 ^ ,ar8a d R"ri
Na tarde do dia 3 do corrente, fugio do soKrado
junto ao em que mora o professor de primeiras let-
tras na rua de Mathias Ferrera, em Olinda, a preta
Mara, de Angola, com mais do 40 annos do idaJe.
Tem os signaes seguintes : estatura ordinaria, cor-
polenta, desdentada, ea mio direita como aloijaili
por ter 3 dedos sem aegilo; levou vestido roto de
chita desbolada, urnas contas encarnadas no pesco-
go, urnas argolas d'ogro lisas as orelhas, e panno
da Costa velho nos hombros He condecida em Olin-
la por Mara Gabio. Fo, no lempo de outros se-
nhoMS, mariscadeira, lavadeira o quitandeira. Tem
conhecimenlos para a Clisa-Forte e outros arrabal-
des da cidade. Recommenda-se a aprenhcnso dessa
escrava.ea entrega seu Sr., o abaixo assignadn.no
sobrado aponlado, o i| nal gratificara a conteni do
apprenhensor.
Ltiiz Paulino Cavalcanti Telles de Guttara.
Fugio no da 3 do dezembro do anno pissado,
docngenho Aripib um pardo de nome Ignacio,
de altura regular, grosso do corpo, ps chatos,
cabello pichaim olhos broncos pouca barba ; le-
vou roupa fina, camisa c ceroulas de algodiio da
Ierra; levou mais em sua companhia a mulher.ilo
nome Dclfina crioula bonla figura denles li-
mados bem preta muito regrista : quem os pe-
gar levo ao dito engenho freguezia da Escada ou
na rua da Cadeia do4tecifc n. 43.
Na mantilla do dia 3do corrente, das 7 paral
8 horas, sendo condiizida para casa do Sr. majnr
Antonio da Silva Cusmilouma sua escrava prcls, de
nome Romana, esla, no Aterro-da-Boa-Vista.dcixan-
do-se.licar atrs do portador que a conduzia, lugio.
A referida preta lie do Angola, bem ladina, e repre-
senta ter de dude 30 annos pouco mais ou meno,
estatura ordinaria, corpo ebeio, porm magro ;tcm
o dedo grande do p dreilo aleijado, e em ambas
as pernas algumas chagas bastante grandes, e le-
vou vestido escuro de chita com flores brancas c en-
carnadas, o por. cima saia preta de Jila, e fui embru-
Ihada em um chalo cor de vinliocoin barra branca:
levou mais urna (rocha, conlondo um lengolde"1"
Rodilo, o outros vestidos e roupas. Quem a descu-
brir pegar leve-a a casa do dloSr. Gusmiio, na rua
do Queimado, ou na rua do Aftigo, n. 27, quesera
recompensado.
F.nglo no dia 28 do abril prximo passado i
rela Theroza que representa ter 25 a 30 annos;
o alta reforgada bem parecida ; levou saia do
chita vermelha e panno da Costa ; lm algumas ci-
cnlrzes em um dos bragos. Esta escrava eslava ties-
ta praga apenas ha 12dias tendosdo remdtida de
Macci pelos Srs. Luiz Antonio Alves Monleiro &
Companhia, paro, por sua conta, ser vendida I1u'
pelos annunciantcs, A. D. dos Sanios & Companlin,
moradores na rua do Crespo n. 11. Recoinmeiid-
se a sua apprehonsijoa todas as autoridades poH-
ciaes c quem a pegrsela recompensado.
'.ttB FAB1A. *847'
ik
MUTILi


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ECVRHMV12_ZHC8L2 INGEST_TIME 2013-04-26T22:05:28Z PACKAGE AA00011611_08455
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES