Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08447


This item is only available as the following downloads:


Full Text
wmm
ama
* ;Anuo de 1847.
Ter$a-fdfca 92
O MARIO pebUca* t*dt W -.ni. ile larda i o preco rl* aifignalura he ate
4,000 U. por.quartal, pOP" adjuntarlos. Os an-
nunciof do nssignntps io inserido* a.raao de
2 rJ. porlinlia, 40 rs. em lypo difluente, e as
*oefco Pe,R raeUt*e- V,e n" fllrein ""'g-
i,lnttspgr50 8 P1>,'li',. ,8|) lypo
' diSerent", porcada pnblicacSo.
PHASE3 DA LU NO MEZ DE JDN110.
1 na nova, '2. < 'O ''O" e 3 """ d larde,
freacente, a JO, as 5 hora* e 10 rain, da tarde.
I na cheia *8i "' :' horas e I mia. daiuanUSa.
PARTIDA DOS CORREIOS.
Goiennae Parahyha, as segundas esextas feiras.
l\io-Grade-dnSorte quimas feras aomeio-dia.
Cabo, SeiinliSem, Rio-Formoso, Porlo-Calvo e
Macelo. Bol.", a 11 e 11 de cada mez.
Oar.inhuns e Bonito. 10 e II.
Boa-Vista e Flores, a 13 e J8.
Victoria, is quintas l'eiras.
Oliiida, todos os das.
PREAUAil DE UOJE.
Primeira, 0 lloras 30 minutos da manlia.
Segunda, i 0 horas e &4 minutos da tarde.
de iinlio.
Ann XXIII.
N. 157.
IIUS DA SEMANA.
CAMBIOS NO DA 21 DEJUNHO.
51 Segunda. S. Albano. Aud. do J. dos or-
nhios, do J. doc. da ? v. e do J M. da 2 v.
25 Terca. *>. Paulino. Aud. do .1. do dT. da I.
T. a do J. de paz do 2 list. de t*
23 Quarta. S. Agripina. Aud.'do.', do ct.
r. 2 e do J. de paz do 2 dist. de t.
5t Quinta. >ff>> Naicimento de S. Joao Bap-
tist.
25 Sesla. S. Ouilherme. And do J- do civ. da
I. v.e do J. de pe do I. dist. de t.
3G Sabbado. 8, Virgilio. Aud. do J do civ.
da I. v. e do J. de pax do I dist de t.
nj)mingo. A Purea de Noisa Senhora.
Cambio sobre Londres a 27 d por 1} rs.a d .
* n Pars SVb rs. por franco,
i a Lisboa I0& de premio.
Desc. de lettras de boas (irm.s de s/ a I / mex
OuroOucas l-espanholas.... 28S(10 a 29|00/i
Moedas da 6jlfl0 velli. 18*000 a I6JH00
a de#400 uot. 16|000 a I6|050
a dctjOOO..... #000 a 9I0
Piala Pataces.......... IfO a >so
Pesos columnares... I#20 a l|f>
Ditos mexicanos.... i#760 a 1*8(10
Miuda............. I#8I0 a IJH20
Acedes da comp. do Beberibe de &O0OOO rs. ao par.
DIARIO DE PERW AMBUCO
3TBHHSB
; OBaMHIMI --.
^^*J..'l!g*g,g!*li"?''- VJi-LyPi'l-'-'-^i-
INTERIOR.
PARLAMENTO B.IAS.LE1RO
ra-
''* PBtHDKNCIA 0O SR. B.VKO DE MONTE-SANTO.
s 10 horas e mcia da manhSa, reunido numero
6ulTOiepte deSrs. senadores, abre-se a sessSo, e ap-
prova-s aabta da anterior.
O Sr. 1. sccrctyio d conta do seguinto
r EXPEDIENTE.
Um olcio do Br. m inistro da guerra, dando as in-
formaeos pedidas pelo senado cere da convenien-
cia celheiroCandido Baptista de Oliveira, no qual o re-
ferido ministro informa fayoravclmente a pretencffo
do suppcanto.
Aquein fez a requisigio.
I)m olllcio do Sr. secretario da cmara dos deputa-
dos, no qual participa que S. M. L houve por bem
sanecionara resolugao da assembla geral legislati-
va, que concede urna pensSo a D. Tbereza AdeJaide
de AzevedoGarcez.viuva do desembargadordo pago,
Antonio Garcez Pinto deMadureira.
Pica, o senado inteirado.
Um requerimento do actor Joo Caetairo dos San-
tos, pedindo lbe sejam concedidas dezoito loteras,
as quaes scrlo extrahidas por conta to thesouro pti-
blico nacional, dando-se-lhe 2:000,000 rs. nof mez,
e fleando o saldo de cada urna em favor JfTfazenda
publie.
A' commiss/Io de fazenda.
O Sr. Carneiro Ledo (relator da commissilo de cons-
lituiio e poderes! faz, no meio de profundo silen-
cio, a leitura do seguinte
Parecer sobre as elelces le Per-
nambneo.
Acommisso de constituiclo, encarregada de in-
terpOr seu parecer sobre a eleiqao de dous senadores
pela provincia de Pernambuco, por occasiflo da a-
presentaQSo da carta imperial' que nomeia senador
ao Sr. concelheiro Ernesto Fcrreira Franca, vero, ex-
pr o resultado do exame que ella fez na acta geral,
na dos collegios eleitoraes e mais documentos remet-
tidos pelo governo, relativos clei?3oa que se pro-
cedeu na provincia de Pernambuco para preencher
dous lugares de senadores, vagos em consequencia
do fallecimento do Sr. concelheiro Antonio Carlos
Itibeiro tje Andrada Machado e Silva e do Sr. coronel
Jos CarioMaiiink da Silva Ferro.
Nota-se nesta eleie^o : O facto de ler o presi-
dente da provincia, por via dos delegados de policio,
chamado si as actas da maior parte dos collegios,
contra as instruec,0es de 26 do marga do 1824, que
ns manda remeller sem esse intermedio secretaria
de estado dos negocios do imperio e cmara mu-
nicipal da capital. ..,..
2." O aclo de ler inlervindo na eleic^o eleitores
illegitimos que a perturbaram.
3. O fado da intervengo da Wrqa e-de coaccao
por'parte da autpridade, ou para impedir os eleito-
res legtimos de volarein, ou para mo permiltir urna
vnlacSo livre
Pelo que pertenc s i. facto, consta da acta ge-
ral da.apurac.5o que teve lugar no da 19 do junho do
auno passado, que no archivo da cmara municipal
se achavam asauthenticas dos collegios eleitoraes
do Becife, Victoria, linda, lguarassu, Bio-Formo-
so, Cabo, Po-d'Alho ; porm que as outras authen-
tiras dos collegjos de. Ex, Cabrobo, Boa-Vista, Ta-
carat, Flores, Serra-Talhada, Cimbres, Bonito, Li-
moeiro, Nazareth, Papacaga, Coianna, Brejo, Seri-
nhflem e finalmente urna outra do Po-d"Alho foram
entregues na tarde do dia 18/ vespera da apuracao.
A cmara municipal, bem quo declare na acta ge-
ral;. que estas actas se achavam lacradas o intactas,
comtudo, na representado que dirigi ao governo
imperial, om data de 24 de junho do anno passado,
razando mencSo deque a maior parle das actasIne
foram remeltidas por intermedio do presidente ua
provincia, nota esse facto como contrario as insti uc-
roes de 26 de margo de 1824, cap 5. ?., e cap 8.
S 1 e relata que urna circular do prwsicnlo deter-
minara que as actas dos collegios rossem entregues
pelos secretarios respectivos aos delegados do poli-
ca e por estes transmitidas ao mesmo presidente,
para pttf seu intermedio serem enviadas acamara
""Acamara municipal observa na dita representa-
cao nue,pausando desfarle fls actas pelo intermedio
detentas pessoas interesadas e suspeitas, correm
o perico de serem falsificadas ou extraviadas, e pe-
los menos s3o fundados osrece.ose suspe. as que
dominan o espirito publico, vendo-se urna das par-
las empenhadas no litigio da e leifiBo rogar-seo d i-
reito de apossar-se dessas actas que devem decidir
o mesmo litigio. __..._
A commisaao adopta as refiexoes d*cmara mu-
nicipal: olla nao pode atinar com o motivo que con-
duzio o presidente a violar as disposigOes expressas
das rnstrocgoes de 26 de margo do 1824.
O art. 33 dos instrucgOes de 4 de maio de 1842 diz
o aeguintc: Alm das duas copias de que Ira la m o
$ do cap. 5." e o $ 6.o cap. 6.* dos instrucgOes de 20
de marco de 1*24, w extrahir na mesma occasiao
mais urna terceira, jjue ser enviada ao presidente
da provincia.
Se havia receio de extravio, poderia o presidente
determinar que a lerceira copia, que Uie deve ser
enviada, o fosse pelo intermedio dos delegados de
polica ; e poderia fornece-la a cmara da capital,
no caso deque no dia daapurago sodsso a falta
do alguma das auidnticas, que devem ser remelti-
das directamente cmara municipal. Tres copias di-
rgidasadfferentes autoridades servem. pela suacon-
cordancia e combinagfio, para se authenticarem
urnas s outras; fazendo-se, porm, passar todas pe-
las mfios dos delegados c do presidente da provin-
cia, que ostavam ligados para dirigir a eleigao em
um sentido, d-se lugar rjossibldade de falsilica-
Cilo polos nteressados ou mesmo algum extravio
que obste apresentagSo no dia da apurago.
O recero de serom as actas romettidas cmara
municipal falsificadas nos correios, ou pelos propnos
queorem incumbidos da sua entrega, nSo se poda
dar urna vez que o presidente tinha o meio de fisca-
lisagSo das actas remottidas a cmara municipal, no
exame e combinagOo com aquellas que lhe fossem
remeltidas.
O art. 79 da nova lei de elcigOos, de 19 do agosto de
1846, que sem duvda foi concebido pelos legislado-
res com o condec ment ja de muitas fraudes que ti-
nham sido praticadas as acias do eleigOes de colle-
gios, est longe de autorisar o desacertado arbitrio
que tomou o presidente do Pernambuco. O facto por
elle praticado torna-se de urna importancia decisiva
na presenga de outras oceurrenciasque a commissilo
espora .
Quanlo ao2.fo|o,'fle terem intervindo na cloi-
g5o da provincia de Pernambuco eleitores illegiti-
mos que a perturbaram, a commissilo lembra que,
tendo a cmara dos depjitados, na verlicagao dos
oderes de seus membro, annullado as eleigOesdas
freguezias Je Afogados, fabo, Garanhuns eOuricu-
ry, mandando proceder nova eleigo do eleitores
nessas freguezias, aconteceu que antes de haver pro-
cedido essa nova eleigao se teve de eleger pela pro-
vincia de Pernambuco um senador na vaga do con-
celheiro Manoel Caetano de Almeida e Albuquerque.
Esta eleicao de senador foi feita com os mesmose-
letoresem que tinha sido feita a eleigao dodepu-
tados,. incluidos os de Afogados, Cabo, Garanhuns e
Ouricury.
Itecahindo a escolha de senador no Sr. Antonio
Carlos Bibeirode AndradaMachdoeSilva.hoje tal-
lecido, o senado, por occasiflo de verificar os seus
poderes, decidi a approvagao que na eleigao tnhain intervindo, incluidos os das
freguezias annulladas pela cmara dos deputados.
Entretanto, no anno de 1845 seprocedeu a nova
eleigao de eleitores das freguezias mencionadas, em
confrmdade da decisao da cmara dos deputados.
O art. 21 da constituigao polilica do imperio d a
cada urna das cmaras igual autoridade para a ver-
licagao dos poderes de seus membros, que ordena
se faca na forma dos seus regimentos; era, perianto,
evidente que, tendo o senado approvado lodosos
eleitores de Pernambuco que ntervieram na eleigao
geral dos deputados em 1844, o quo fizeram a elei-
gao do Sr. senador Antonio Carlos Bibeirode Anilla-
da Machado e Silva, estes eleitores eram os compe-
tentes, em conformidade das instrucgOes e leis en-
tao em vigor, para elegerem os candidatos s duas
vagas quo deixaram o mesmo Sr concelheiro Antonio
Carlos e o Sr. coronel Mairink. O presidente da pro-
vincia, n3o obstante, desconsiderando a decisSo do
senado, ordenou que tambem votassem os eleitores
eleitos em 1845 naquellas freguezias cujas elciges
tinham sido annulladas pela cmara dos deputados
Me verdade que o mesmo presidente ordenou que
tambem votassem os eleitores de 1844 approvados
pelo senado, determinandoque.se separassem suas
respectivas votagOes; o que deu lugar a quo se h-
zesscm duas apuragOes diversas, urna dos votos da-
dos pelos eleitores em 1844, e outra contendo a vo-
tagSo dos eleitores de 1845. ."'.
A cooimissao pensa que, apezar da descnminagao
feita entre uns e outros votos, a intervengao dos
eleitores de 1B45 foi Ilegal, perturbou necessana-
mento a eleigao, e desconsiderou a decisao do se-
nado, que, como a competente para a venficagao
dos poderes de seus membros, devra ser respeitada.
Olanlo ao 3. facto, da intervengao do Torga e de
coaccao por parte da autoridade, ou para impedir
aos eleitores legtimos de votar, ou para no per-
miltir urna votagao livre, maniestou-se fora de to-
da a duvda, 1." no collegio do Po-d'Alho, para
obriga-lo a dissolver-se, como de facto aconteceu,
naopodendo installar-so de novo no lugar da pri-
meira reuniSo senflo os eleitores que votavam nos
candidatos do governo da provincia, e que estavam
ligados com a frca poljciaJ, e pessoas que, nao
sendo eleitores, so introduziram na igrcja destina-
da para a reunan do collegio, sendo obngados a
rctirar-se acuelles que, formando a maiona dello,
nflo votavam nos meamos candidatos, e quo mpel-
lidos pela frga tiveram de se reunir em urna casa
particular em numero de 99 eleitores; e matufestou-
se tambem, 2. no impedimento que uvera a maio-
ria dos eleitores do Ouricury de votarnos legtimos
collegios da provincia, sendo obrigada a reunir-se
nacapella de Nossa.Sendora dos Bemedios, ilha do
l'ontal, que nao he collegio.
Para poder dar ao senado urna idei mais comple-
ta dos successos occorridos no collegio do Pao-
d'Alho iulga a commissao que deve aqu trans-
crever as actas que fizeram as duas fracgOes em que
se dividi o referido collegio, eque relatam-os suc-
cessos occorridos; e depoisdessa transcr.pgao fara
acommissao as observagOes e refiexoes a que ellas
Actfque fizeram noventa e nove eleitores que fo-
ram obrigados a relirar-seJa matriz, e sereuniram
em casa do tenente-coronel Lourengo Cavalcanti de
AlUAnnoq do nasdinento de Nosso Senhor Jesus-
Christo de 1846, o aos dezaseto dias do mez de maio
do dito anno, nesta villa e comarca do Po-d'Alho,
em a igreja matriz da freguezia do Divino Espirito-
Santo, onde se.achava o juiz de paz da dita fregue-
zia Jo8o dos Santos Nunes do Oliveira, o os eleitores
do difierentes parochias da provincia, munidos de
seus diplomas, os quaes foram no da antecedento
apresentados ao referido Juiz de paz, que na forma
do i.' do cap. 4." das instrucgOes do 26 do margo
de 1824 foram inscriptos competentemente. Docla-
rou o dito juiz de paz quo ia-se proceder eleigao
para preencher as vagas dos dous senadores falleci-
dos, Antonio Carlos Bibeirode Andrada Machado e
Silva e-Josc Carlos Mairink da Silva Ferrao, tud om
conformidade das ordens do Exm. presidente da pro-
vincia, transmittidas nela canrara municipal desta
villa em dfferentesdalas; e em seguida, p mesmo
juiz de paz passou a fazer a nomeag3o de dous se-
cretarios o dous escrutadores, depois de proenedi-
das todas as formalidades exigidas pelas leis e ins-
trucgOes que reguiam as eleigOos; e tomlo recudi-
do a nomeagilonos seguintes eleitores, a saber: pa-
ra secretarios, oDr. AntonioJoaquim de Figueiredo
Seabra e Jos de llollanda Cavalcanti de Albuquer-
que, e para escrutadores o Dr. Manoel Francisco de
Paula Cavalcanti de Albuquerque e o major Manoei
Lucas do Araujo Pinheiro, que, sendo approvados
poracclamagao do maioria dos eleitores presentes,
lomaran) assento, e logo houve urna grande exnlo-
sao de gritos e vozerias da parte dos eleitores da fre
guezia Ja Gloria-do-Goit, que, unidos a alguinas
pessoas do povo, que, como espectadores, so acha-
vam na igreja, impugnaram o direitoque teem os
eleitorosde concorrerem para a votagao da mesa do
collegio elctoral, sob o frivolo protexto do perten-
cerein a outros municipios da provincia, cuja ques-
illo, submettida polo respectivo juiz de paz ao col-
legio eleitoral, este, por maioria adsoluta, resolveu
quo todos os eleiloios presentes devenam votar para
a eleigao dos membros da mesa, em conformidade
com a lei e pratica adoptada em todos os collegios
da provincia. Principiou osupradto juiz do paz a
faz-r a chamada para a recepgao das cdulas para a
eleicao de dous secretarios e dous escrutadores, em
cuja occasiao foi de novo interrompido o acto pelos
cleitords da Gloria e pessoas do povo, a ponto do de-
sobedecer ao j'uz de paz, quo dcdalde prociirava
cmile-lose chama-Ios ordem ; sendo quo este Tac-
to, 13o escandaloso e immoral, era consentido, se
po promovido pelo' delegado Francisco Jos de Bar-
ros Silva, que, n3 sendo eleitor, achava-sc na
igreja com ordenangas armadas de pistolas o espa-
das, o qual, vendo a resolugao em que se ochava a
maioria do collogo do mo cederem do seu dueito,
ameagou de fazer dispersar a forga o mesmo colle-
gio : embora este estado de coaccao em que soacha-
va o juiz de paz, conlinuava comtudo a reccpgao das
cdulas, quando um grupo se langou violentamente
sodio a mesa, c frga arrancou a urna das propnas
mlos dos membros da mesa, levando-osde rojo ate
tunadas portas da matriz, onde so achava parte do
destacamento da polica armado, ouviiido-so ao
mesmo lempo ame$as aterradoras e vozes de fogo,
cujo estado de coeccfio"deu lugar a que se rctirassc
oko o juiz de pal, e em seguida, um grande nti-
com 89 votos. Declaro que fra nomeada a com-
missao para rever os diplomas dos membros da me-
sa, composta dos eleitores Jos Maria dos Santos Ca-
valcanti c o major Francisco do fiego e Albuquerque,
a qual passou reccpgao dos diplomas, e sendo
convidados os demais eleitores a entregar os seus
diplomas mesa, e reredidos por esta, e depois
contados, acharam ser 99, e para constar lavrou-so
o prosente termo, em que assignou o juiz de paz o
a mesa, e cu Jos de llollanda Cavalcanti do Albu-
querque secretario o osernvi. Jo3o dos Santos u-
os do Oliveira.Jos de llollanda Cavalcanti do Al-
buquerque, secretario.-Antonio Joaquim de Figuei-
redo Seabra, secretario.Dr. Manoel Francisco de
Paula Cavalcanti de Alb'iqucrque, escrutador.Ma-
noel Lucas de Araujo Pinheiro, escrutador.
Acta da rcuniao dos trint.i e um eleitores do Pao-
d'Alho que votaran) na igreja da freguezia do Divino
Espirito-Santo.
Anno do nasciinentode Nosso Senhor Jess Cnris-
"mero d eleitores, que nenhunia conhaiiga deposi-
- bl
lilil) Ut Clt-IIUIVBJ M*"----------------
lavam na frga ttbica, tanto mais quanlo o com-
mandaute do destacamento Belarmmo dos Santos
Bulcfio, alferes do cdfpodo polica, que ah se ocha-
va i paisana, tomando parte no tumulto eameagan-
do a alguns eleitores, inandou vir o rstanle do des-
tacamento que, com o corneta frente, marcharan)
al certo ponto, voltando depois por ver que os elei-
tores se dispersavam. Beunidos parte delles em ca-
sa da assistencia do tenente-coronel lourengo Ca-
valcanti de Albuquerque, onde se achavam hospe-
dados, receben este o oflicio do delegado do termo.
lllm SrConstando a eslidelcgalura que em ca-
sa de V S so reunirn) muitas pessoas que s3o,ou se
dizem elcitoiesda provincia, afim de fazerem urna
eleicao para os dous senadores que tcom de substi-
tuir'aos fallecidos Antonio Carlos o Jos Carlos Mai-
rink tend alm disto conduzido para este hm o li-
vro das actas, c praticando um acto illcgal, por isso
aue o lugar destinado para as ditas le.gOes foi a
matriz desta villa, ordeno a V. S. que faga dispersar
d ua casa o dito ajuntamenlo sob pena de se pro-
ceder respeito delle como fr dele,. Mtatm
d. villa do Po-d'Alho, 17 de ma.o de 8M\.-VAm.
Sr lencnte-coronel Lourengo Cavalcanti de All.u-
uerq"e.-0 delegado, Francisco Jo. va Mo obstante, comparecendo logo depois o
iui'zde paz com o resiento dos eleitores quo foram
Clmenle rcpellido*. visto que, tendo-se, reco .-
doaoscu engendo Belem mu prximo a cata villa,
conslou-ldeueuma grande frga se acl.ava posta-
da as proximidades della, sem saber para que hm .-
Sonidos os ditos eleitores na mencionada casa do
referido tenente-coronel Lourengo Cavalcanti do AI-
buaurouc. resolveu o juiz convocar al, o collegio
eleitoral" o que, sendo levado a cffoito, a portas
abertal 0 com publicidade, conv.dou a tomar aSMIl-
a os dous secretarios o escrutadores ja mencionados
de novo approvados por unanimidade: o que fe.-
io se procedeu volagilo por escrutinio secreto pa-
IU, a&H ----------,-:..D a nc/ti*utiiilnrnc vn-
lo de 1846, vigesimo-quinlo da independencia e do
imperio do Brasil, aos 17 dias do mez de maio do
1816, nesta matriz do Divino Kspirilo-Santo da villa
do Po-d'Alho, s 5 horas da tarde, lugar designado
pelo presidente da cmara municipal, no mesmo
dia, por ser a casada cmara de pouca sulciencia; e
ad reunidos os eleitoros, acclamaram ao eleitor da
freguezia de Nosa Sr-nhora da Gloria-do-Goita deste
municipio, o juiz do paz da mesma freguezia, o alfe-
res Antonio Teixeira de Borda, por se ler ausentado
o juiz de paz respectivo Jo1o dos Santos Nudos do
Olivoira, levando comsigo a urna o o livro das actas,
motivo por quo so lavrou a presento acta em sepa-
rado; e foram propostos e approvados por acclama-
gilo: para secretarios, o reverendo lunario Alves da
Cunda Souto-Maior e o professor Jo;1o do Prado Mar-
tis Itibeiro, n para escrutadores o Dr. Joaquim Hy-
alno da Motta Silveira e o capitao Antonio Gonga ves
da Luz, tudo conforme com as Inis om vigor e ordens
do Exm. presidente da provincia; e passando-se a
nomeagao da mesa, foram nomeados o approvados
por acclamagao o vigario Joaquim Ignacio Gongal-
ves da Luz, e Jos Alvos Tenorio para membros da
commisslo que tein de rever os diplomas dos mem-
drosda mesa; e para constar matulou-so lavrar a
presente acta, em que so assignou o mencionado jaiz
do paz e a mesa, o cu secretario da mesa escrevi.
Antonio Teixeira do Borda, juiz de paz da Gloria;
Jo1o do Prado Martina Itibeiro, secretario; Padre
Ignacio Alves da Cunda Souto-Maior, secretario; Joa-
quim rfyginoda Motta Silveira, escrutador. E logo
emseguiment seprocedeu eleigao da mesa, sa-
dindo eleitos por escrutinio secreto, em conformi-
dade da lei, para secretarios o Dr. Antonio Teixeira
de Borba Jnior e o professor Jo:1o do Prado Martins
Itibeiro, e para escrutadores o Dr. Joaquim llygino
da Motta Silveira e o vigario Joaquim Ignacio Gon-
galves da Luz; o para presidente o vigario Jos Bu-
lino Gomes Pacdeco, como que se deu os trabaldos
por lindos; c para constar se mandou lavrar esto
termo, que issigiiaram os empregados da mesa, o
eu secretario o escrevi 0 vigario Jos Rufino Go-
mes Pacheco, presidente. Antonio Teixeira do
Borda Jnior, secretario. Joao do Prado Martins
Itibeiro, secretario. Joaquim llygino da Motta
Silveira, escrutador. (1 vigario Joaquim Ignacio
Gongalves da Luz, escrutador.
Da comhinagao entre si do teor das duas actas das
sosses preparatorias, feitas, urna pela reuniao dos 99
eleitores, e outi pela dos 31, resulta evidentemen-
te, noeonceito da commissao, que, havendo-se reu-
nida no collegio da villa do Po-d'Alho 130 eleito-
res. a* minora delles, reunida ao delegado da polica
e a autras autoridades do lugar, e aj'udada pelo cera-
mandante do destacamento policial e soldados deste,
suscitara una desorden) para dissolver o collegio o
iuulilisar os votos da maioria, coagindo-a o violcn-
lando-a, por meio da frga, ameagas e terror, a au-
sentar-se.
A minora tomou por pretexto dos actos de vio-
lencia e turbulencia, que praticou, o facto de havorem
no collegio muilos eleitores quo n3o perlenciamao
dstricto delle, e que mo obstante prelendiam votar
nos secretarios, escrutadores e presidente, que de-
viam compr a mesa definitiva do collegio do Po-
d'Aldo. Acontece algumas vezes .que urna culpavel
turbulencia edcsordeinscja originada por urna exi-
gencia legitima a que injustameiitc.se nao quer at-
tender; porm, infelizmente para a minora da reu-
niao eleitoral do Pao-d'Alho, a sua exigencia era
contrara as leis e instrucgOes em vigor, pratica
geralmeute seguida em todos os collegios, e des-
conformava-se com a rasfio.
O capitulo V das instrucgOes de 26 do margo do
1824, $ 3., permitte aos cleitbres concorrerem a-
quclle collegio eleitoral que maiscommodo Ibes fr.
'I'" ^w..^0'v .,.v.v~.... *,--------------------......------------------------
As instrucgOes de 4 de maio de 1842 mo alteraram,
antes confirmaran) esta disposicSo, como se v do
teor das providencias dadas nos artigos 31 e 32 del-
tas.
Os 5., 6." e 7." do capitulo 4.a das referidas ins-
truccesde26 de margo de 1824, da declarag1o 8.*
da resolugao do 29 de junho de 1828, que regulavam
o procedimentodos eleitores para so apresenlarom
nos collegios eleitoraes, e a maneira pela qual de-
?o, seprocedeu votaca porescru go ^ ^a^M^S^v^Mt^^^
raa eleigao de ?*ti\^.^"obtiveran escrutadores dos ditos collegios, oenhufp diatwio-
tando-seem quatro do, d.tos e eilort > ou ver^ ao lize,.ain entre eleitores do municipio ou do dis-
para secretarios a ^""%^Sb^S^b^ trelo eaquelles eleitores que usasseni da permissao
nr, Antonio Joaquim de liguenwo Maura con o h -ftmmdidide. A ortica seguida em
hr- Antonio Joaquim de liguen
votos, os de llollanda Cavalcanti de Albuquerque
com82. oI)r. Manoel Francisco de Paula llollanda
Cavalcanti de Albuquerque com 79* o major Manoel
Sesde Araujo P.nl.eiro com 78/0. quaes sendo
do S 3." por sua commodidade. A pratica seguida em
lodos os collegios, de quo a commissao tem noticia,
admittia a votar para a formagfio da mesa a ^todos os
Lucas^-Araujo P.nl.ei, > quaes sendo JSr^ffS^ f^TS,
-pe


d Alho, pretendendo que, a serem admittidos a votar
na mesa eleilores de fra, cujos diplomas nflo esla-
va m reconhecidos, poderiam eoncorrcr para a for-
jnaqflodella pessoae estranhas e que nflo fossem e-
leitoros, he absurda.
As instrucces era vigor ordenaran! que os eleito-
res se apresentassem com seus diplomas autorida-
de civil que devia provisoria ment presidir reu-
niao eleitoral, c essa autoridade fazia escrever no
livro das actas os seus nomos e freguezias a que per-
tenciam.
A eleicflo do presidente, secretarios o escrutadores
do collegio se fazia na primoira sessilo preparatoria,
antes da verincacitodos diplomas dos eleilores
A* mesa compela dar parecer sobre a legalidade
dos diplomas dos elcitores, e urna comniissflo exa-
m i nava especialmente os diplomas da mesa Tanto
u parecer da mesa como o da commissflo especial
silo dados depois da missa do Espirito-Santo, no se-
gundo (lia da reuniao docollegio; assim he que no
diadaeleicflo da mesa lodosos elcitores se aeltam
cm iguaes circunstancias; todos, pela simples a-
presentagflodcscus diplomas ao juiz de paz, presi-
dente provisorio do collegio, tecm difeito de concor-
rer para a eleicflo da mesa delinitiva.
Sendo assim, claro deque a prelencflo da minora,
deserem excluidos da votaclo da mesa os eleitores
de oulras freguezias, j era cm si um acto de vio-
lencia. Esta prelencflo he mais notavcl ainda, quita-
do, pelo exame das actas e mais documentos que a
reuniflo dos 31 eleitores fez chegar prosenca do
presidente da provincia, se reconhece quo ella exer-
ceu suas violencias, e cxpellio da igreja matriz da
Espirito-Sanlo, nflo s a maioria do collegio com-
posta dos eleitores do fra do districlo, que a elle
compareceram, mas mesmo a maioria dos proprios
eleitores do districlo; o que fcilmente se prova por
documentos emanados dessa mesma minora. Opri-
meiro he a sua acta de cleicao, cm que ella tendo de
declarar, na forma ordenada pelo art. 32 das instruc-
tores de 4 de maio de 1842, os eleitores do son dis-
triclo queahi nflo voteram, eos dos outros dislric-
tos que ahi so apresentaram, ella enunaera haverem
deixado de votar na sua reuniao trinta e cinco elei-
tores da freguezia do Espirito-Santo, cabeca do ds-
tricto, o faz memjflo de haverem comparecido tres
eleitores de outros districtos, a saber um da fre-
guezia da Malla e dous da freguezia do Bom-Jar-
dim.
O outro documento he o officio assignudo pela
mesa dos trinta e um, dirigido ao presidente da pro-
vincia, em 26 de maio do anno passado. Ncstc offi-
cio se allega queso sois eleitores do Espirito-Santo
votaram em outroscollegios.Deduzidos, portanto,
dos trinta e cinco eleitores do Espirito-Sanlo, que
faltaram, seis que votaram em outros collegios, se-
gue-sequese reuniram om casa lo tenente-coronel
Lourenco Cvalcanti de Albuquerque, tendo sido
empellidos da matriz, vinte e nove eleitore.fdo dis-
triclo, que com outros de fra fizoram o numero no-
venta o novn; e sendo a reuniao da minora compos-
ta de trinta e um eleitores, mas havendo entre elles
tres de fra do districlo, segue-se que do districlo s
cram vinte eoilo, e que estes expellirnm a maioria
de vinte e nove. O oflicio parece de certo reco-
nhecera prudencia da argumentaeflo, poisse esfor-
ca por mostrar que nao podiam haver 29 eleitores do
Espirito-Santo na reuniao verificada na casa do refe-
rido tenente-coronel Cavalcanli; furida-so cm se.a-
charem dous dos eleitores pronunciados, e por isso
inculca que ahi nflo podiam estar mais de 27 da fre-
guezia do Espirito-Sanlo. A pronuncia sustentada
he impedimenta [tora ser qualquer cidadao nomea-
doeleitor; mas he questao se o cleilor nnmoado, o
depois pronunciado, estando sollo, pode votar. Qual-
quer que soja a opini.lo do senado, o certo he que es-
ses eleitores pronunciados se achavam sollos, c ef-
ectivamente compareceram, como se conhece do
officio que a mesados 31 dirigi ao presidente da
provincia, em data de 22 de maio, do qual estava
provavelmente esquecida cm 26 do mesmo mez, em
que fez o segundo officio.
Com o dito oflicio de 26 de maio do anno pnssado,
nssignado pela mesa da reuniao dos 31, e com as ac-
tas da dita reuniao, se acham juntos varios at'tcsta-
dos e oflicios, com que as autoridades do Po-d'Alho
se pretomlem justificar das violencias que pralica-
ram, de que rcsultou a dissolucflo do collegio ea
reuniao de sua maioria fra da igreja matriz. A loi-
tHra desses documentos nao abala a convceflo da
commissflo acerca da existencia da frca e violencias
c ameacas empregadas para a dissoItic3o do collogio.
AsassercOes da reuniao da minora, composta dos
eleitores da freguezia daCloria-de-Got, asdocom-
mandante do destacamento da frga de polica, as do
delegado coronel de legiao c do major do esquadrao,
nSo altenuam de sorlealguma nein podem por em
duvida a existencia de urna frc,a que pz em coac-
efloe fez dissolver o collegio do Po-d'Alho, afugen-
tando a sua maioria; porquanto sao assenjes dos
proprios autores do altentado, sustentadas por a-
queJles que delle pretenden) tirar proveilo, mas con-
trariadas pelo que resulta desses mesmos documen-
tos, e pela boa rasfio que faz estabeleocr como im-
possivol que 99 eleitores pernambucanos, quasi to-
dos pessoas gradas c proprictarios, que se apresen-
taram na villa do Po-d'Alho com grande numero de
pagense squito (como est alfirmado nos documen-
tos pelos seus proprios adversarios}, se retirassem do
collegio eleitoral ese fossem reunir em urna casa
particular, deixando triumphanle urna minora de
31 eleilores, que ganhava com a perda de tantos vo-
tos, se realmente nflo fossem a isso compellidos por
frca empregada pela autoridade policial e por a-
nicaca de. violencias capazes de os aterrar. Em
tacs circunstancias he para lastimar que o pre-
sidente da provincia de Pernambuco, deslumhrado
pelo seu interesse de candidato, se arrogasse o di-
reit *e prohibir cmara municipal d capital a a-
pura?ao dos votos da reuniao dos 99 eleitores do
Po-d'Alho, aq passo que ordenava a apuradlo dos
?otos dos 31, isto he, da minora que cxpulsou a
maioria. '
A commissao nao secsforgar para sustentar, com
as disposces das Icis entao em vigor, que ha mais
legalidade na reuniao dos 9 eleitores do que hados
31 do Po-d'Alho ; mas, dispensando-se disso, e ad-
mitlndo a irregularidadc de ambas as reuniOes, jul-
ga lia. que a parcialidade do presidente, que ex-
clua da apuragao a votaclo que lhe era contraria e
fazia adtfrttir a que lhe era favoravel, lie para ser no-
tuda como1 ,aracterstica do espirito que em geral
dcsenvolveram as autoridades da provincia de Per-
nambuco nesta eleigao. >
Concorda a commissflo em que seja havida por
nulla e illegal a reuni3o dos99 eleitores; mas, es-
ajmoiiS.lrado que csse numero de eleitores al-
Kftta sxtupla, o nao deveiulo as primeiras
causas da violencia que os fez exuiildar do collegio
taatprado Po-d Aino tirar provetto de seus altcn-
taflos, Seguc-se que as oceurrencias dease collegio
nflo podem deixar de affectar a validade Jas eleices.
Pelo que toca ao impedimento que obstou que a
maioria dos eleitores do Ouricury eoncorresse a vo-
tar em algum dos legtimos collegios eleitoraes da
provincia de Pernambuco, e qu, no sentir da com-
missao, hedemonslrativo da frca e violencia que
interviera nesta eleicflo para a dirigir em um sentido,
parece mesma commissao, que resulta elle indubi-
tavelmente das actas, documentse maHs apis que
lhe foram presentes.
O senado, como a commissao j fezdSjcordar, ap-
provou, com respeito eleicflo dos setis memnros,
todos os eleitores de Pernambuco que encorreram
para a eleicflo geral de daputados dadHa provincia
em 1844, e que elegeram depois sonador aoSr. con-
colhciro Amlrada Machado.
Entre esses eleitores approvados ehtrapj os da fre-
guezia do Ouricury em numero de 96.
A maioria destes eleitores nao pdjB votar nos col-
legios lgaos.
Apenas seis figuravam no collegio "da Boa-Vista e
11 nodoEx.
Em ambos os collegios, os que se figuravam como
eleitores doOuricury se apresentam com diplomas ir-
regulares e sem assignatura, e em ambos a mesa pro-
cura demonstrar essa irregularidade e a das eleices,
e competente acta dellas, feita na mencionada fre*
guezia do Ouricury.
Os votos dados por esses eleitores s3o apurados
separadamente, e por ahi se reconhece que sua vota-
QIo recabe unnimemente no presidente da provin-
cia, o quasi do mesmo modo nos outros candidatos
por elle protegidos.
Deduzidos os eleitores apresentados na Boa-Vista
eEx, faltaram da freguezia doOuricury 79: a au-
sencia destes eleitores, que, pertcncendo a tima opi-
niao poltica adversa ao presidente, deveram-se sup-j
por interessados om concorrer para a cleicao que se
disputava, ha um faci que se nflo poda, dar sem
causas, e causas graves, que impedissem seu compa-
roc ment:
A apresentacao daquelles 17 eleitores, longo de de-
monslrarque causas estranhas autoridade deram
lugar aqulla auseiicja, fazem presumir alguma vc-
racidade as allgameos emitidas na intitulada acta
feta nacapella deNossa Senhora dos Remedios da
ilha do Pontal.
Pretendia-se o comparecimento de alguns eleito-
res do Ouricury para se aprosentarem com diplomas
irregulares, e assim se desconecituar e desacreditar
aquella cleicao; como, porin, o senado a devera ap-
provar, como o fizera na verificagao dos poderes do
Sr. concelheiro Andrada Machado, era necessarlo que
os apresentados fossem smente os aluciados para
augmentar os voto dos candidatos que o juiz de di-
reito e delegado protegan). A intitulada acta, feita na
ilha do Pontal, menciona ahi o comparecimento de
91 eleilores, inculcando serem 88 do Ouricury eo
resto da Boa-Vista.
Allega, para autorisaressa reuniao na ilha do Pon-
tal, a coaceflo cm que se viram, sendo ohrigados a
retroceder de duas legoas de distancia da Boa-Vista,
porque o juiz do direito, unido ao delegado em exer-
cico, e mais autoridades subalternas, apresentaram
urna iVii-i;a de polica, com diversos grupos do faci-
noras, para impedir a votado dos eleilores; e men-
ciona m prses e pronuncias destinadas a produzir
osseeffeito.
A commissao est longe deter por certo que na
ilha do Pontal se rcunisse o numero do eleitores que
so figura nesse papel intituladoacta da Boa-Vista,
e est anda mais longo de estabeleoar como fados
asassercOes ah contidas.
A commissao tambem nflo pretende sustentar que
a eleicao de eleitores que no anno de 1844 se fez na
freguezia do Ouricury livesse toda a regularidade
que oxigem as leis e inslruccOes entao em vigor; mas
ella nao julga isso necessario, em vista de urna cir-
cunstancia que, cm seu couceito, he decisiva o do-
mina a questao.
Esta circunstancia he a approvacjo de todas as
eleices de eleitores de 1844 que intervicram na
eleigao do Sr. concelbeiro-Andrada Machado.
A'penetra que na aleicao du freguezia do Ouricury, como na de
militas onli'as dii provincia, haviam irregularidades,
inobservancia de formalidades e augmentas indebi-
dos de elcitores; tacs vicios, porm.e especialmente
o augmento indevido, pareceU-jhguea imparciali-
dade encontrara na eleicao da irlBior liarle das fre-
guezias de Pernambuco, e nao smente as que fo-
ram annulladas pola cmara dosdepulados.
Em taes circumslancias, o senado, nao querendo
fazer urna selecQflo do fregueaias, cujas eleices de-
vessem ser annulladas em provuito do partido que,
pela prolccflo do poder o da autoridade publica, ou
pode acercar-so mais da observancia dasformalida-
des,ou pode apparentar essa observancia pela conm-
jiicia delta, decidio-se pela approvacao geral de
e formar, vistos'os diversos succssos da ejeigflo ;
porm essa multiplicidade do listas," por contraria
constituigao, sleis e ins'trucc/Ies entfo em vigor,
nflo deve ser rutorisada.
A admissflo de semelhante pratiCa dara 4 eseq-
Iha maioramplitude do que aquella que a constitu-
efloconfore.
Por todos os motivos expostos he a commisso de
parecer, que, annullada a eleigao feita.se mande pro-
ceder nova eleiQo de dous senadores pela provin-
cia de Pernambuco, que devem preencher as vagas
deixadas pelos Srs. cohcelheiro Andrada Machado e
coronel Jos Carlos Marink, na conformidade da no-
va lei, ofliciando-se nesse sentido ao governo.
Paqo do senado, aos 31 de maio de 1847. Hono-
rio Ermtto Carneiro Leto. Visconde de Olinda.
Catsiano Speridido de Mello e Mallos.
O Sr. Prndente: Segundo a regra do regimen-
t estabelecida para objeetns urgentes do semelhan-
te natureza, deve-so tratar logo deste parecer; por
cohsequencla estem dseuss3o.
O Sr. Alvei Bronco (ministro d fazenda): Sr.
presidente, o negocio htao importante, que eu, nSo
obstante a urgencia que o regiment reconhece,
al revo-nie a pedir o adiamchto, para que ao incnps
so possa averiguar os fados. *
.lguhs Senhoret: At que se imprima.
Sr. Presidente: Queira onobre senador man-|
dar o seu requerimento.
Vai mesa o seguinte requerimento:
Pecoo adamento. Alvts raneo.
OSr. C. leo : He preciso definir; o regiment
nao admitte ad amentos definidos.
, O Sr. Altet Branca (ministro da fazenda) : Eu
pego o adamento para se examinar o parecer; quan-
to ao mais, siga-se o regiment.
O Sr. Presidente: Mas he preciso quo o nobre
setiador marque um prazo.
O requerimento he substituido poloseguilfte,4' que
he apoiado e sem debate approvado.
Peco o adamento hortres dias. Atvts Bronco.
O.Sr. Presidente: Est adiado o parecer, e vai a
imprimir com urgencia. '
ORDEM DO DIA.
canas ao mando de Santa Anna e asamerietaas
commandadas polo general Tavlor nottcla &Q&
j tiveramos por via do Rio-de-Janeiro Igual-
mente, se nSo mais importante he esta ontra no- *
ticia do desembarque de urna frc,a amencanalle
10,000 homens em Sacrificios, lugar dstanted'{-
Vera-Cruz cerca de urna legna.Teve lugar o des-
embarque a 10 do marco, sem-l menor resistonoia
da parte dos Americanos .durante o ato, suppos-
to lerem havido ao depois varias escaramneas,
comalgumas casualidades de partea parte. A
dade de Vera-Cruz, em menos da dous dias
achava quasi de todo investida, e s s^esperava
quoacalmasse q mar e permitsse o desembarque
da artiiharia grossa, para so comecar o bombar-
v deamento da cidade e do castcllo. As correspon-
dencias americanas conjecturam que a tomada da
cidade ser obra de 8 a 10 dias, &c. He para nos
um enigma essa inercia, que permiti o desem-
barque de um inintigo, violador de um solo alias
sagrado para o verdadeiro patriota, sdm ih'o dispu-
tar, ao menos pro forma. E note-se, um desem-
barque em parte effectuado denoite, quandouns
poucos de tiros hem empregados podoni pertnrba/
as medidas as mais acertadas.
Correspondencia.

Senhores Redactores. Vi no Diario-flot de boje
urna carta do Sr. Francisco Antonio Xavier, que ra-
ra impressor do peridico Nazarent, na qul se ani-
ma a suppr-me no caso delle, para consentir o meu
nomo em um impresso sem 'o meu consenlhnento,
elle a quem o mesmo Diario-Novo chamou criado de*
servir : ecomo nflo careco de tutores, declaro ao
Sr. Xavier, ou a quem o manda, que cuide de si.
Sou de Vms., Senhores Redactores, seu etc. p
Francisco Jos 8o Costa Medeiro*.
Recife, 21 do junh de 1847. ,.
COMMEBCIO.
S3o approvadas sem debate, em tercoira discussflo,
a rcsolucflo approvando a aposentadoria de l.uiz Vi-
eira da Costa Delgado PerdigSo; e em segunda, a rc-
solucflo do senado que augmenta os ordenados dos
empregados da secretaria do concelljo supremo mi-
itar.
Entra em segunda discussfloa resolucflo do sena-
do declarando que a clausula da inalienabilidade
imposta nos legados de bens de raiz deixado* a cor-
poraces de mflo morta nflo tem natureza do vin-
culo ou capella.
O Sr. Clemente Pereira: Sr. presidente, como a
palavra inalicnavel podo offerecer alguma duvida
parecer contraria le da ipstituicflo da caixa lUf
aniortisaoflo, pois que todos os fundos pblicos afi-
na I terflo de sor amortizados, vou mandar mesa
urna emenda substituindo a palavra inalienaveis
pela de intransferiveis.
He apoiada a seguinte emenda :
Em lugar de inalienaveis diga-sej in-
transferiveis. Clemente Pereira.
A resolucflo c a emenda sflo approvadas 0bm mais
debato para passarem a tercoira discussflo.
Esgotada a ordein do dia, o Sr. presidente convida
os Srs. senadores a.occuprom-se em trabalhos de
commissites, o d para-a ordem do dia :
Priineira o segunda discussflo de onze resoluces
sobre penses de varias pracas de pret.
Continiiacao da segunda discussflo do cdigo do
commercio, segundo parle, titulo 1.'
Sobrando lempo, trabalhosdecommisses.
Levanta-se a sessflo meia hora da tarde.
tf
Alfandega.
RENDIMENTO DO DIA 21.......
1:475,201
Descarregam koje, 32..
Brigue-escuna -T l.-E.-Mdgwaij frinha de trigo*
Calera Seraphina mercaduras.
Escuna Boa-F fumo.
Sumaca Santo-Antonio-de-Padua -- mercadorias.
Patacho Christina dem.
IMPORTA'CAO'.
l.-E.-ltidgway, escuna americana, vinda de Balti-
inore, entrada no corrate mez por franqua, con-
signada a. lionry Forster & Companhia, manifestou o
seguinte :
963 ha". - 40 barris lncu, 4,000 patacos ; ao consignatario.
para a
ve
todos os eleitores que tihham concorrido
eleicflo doSr. Andrada Machado.
A dignidade do sonado, o respeito que elle se deve
a si proprio, nflo lhe permute tolerar a inobservan-
cia de suas decises em pontos de sua competencia;
c coiiseqiienleinente a commissao julgou que devia
necessariamente partir daquella decisao, como de-
vendo regular e dominar toda a queslflo.
Neste supposto, sendo certo que 79 eleitores do
Ouricury nflo votaran), o que esse fado he imputado
a frca,e sendo igualmente certo que 79 votos unidos
aos 99 expedidos do collegio do Pao-d'Alho influi-
ran) na composi'cflo da lista sxtupla, que seria mui-
to diversa das que foram presentes ao poder mode-
rador, forcoso he que a commissflo se pronuncie
contra os poderes que a carta imperial de 18 do cor-
rento- mez conferira aoSr. ErnestoFerreira Franca,
se eslivesse baseada cm urna legitima c verdadeira
eleicflo.
A commissflo mu pensadamente deixa de fazer al-
lusflo s oceurrencias que a imprensa procurou esta-
belcccr como realmente havidas na eleicao de Per-
nambuco, cque s3o de natureza tal, que, a seren
provadas, constituiran) vcrdadeirosdellctos puni-
ves pelos arligos 101 e i;i3 do cdigo penal; mas
ella nflo deixara de recordar qiie'f)elhaiitc eleigao
teve lugar em maio do anno passado, o que fui apre-
sentada ao'governo antes de sor obrigatoria nova
lei de eleicessanecionada noditoanno.
A demora da escolha pareca conler o recoulreci-
mento dos vicios que dclurpavam a eleicao emque
ella se devora basear, e o proposito de o fazer cadu-
car em presenca das disposiees da nova lei, para
comella se proceder u urna legitima e .verdadeira
cleigflo que poilesse dar aos escolhidos o carcter de
vei dadeiros representantes da nacao.
A commissao nflo se oceupar em mencionar irre-
gularidads^ujgjlldadessanaveis que sealiegam,
as veem declaradas na acta geral
DI 11110 M l'EIIS.llllllCO.
aKOirE, 31 BE JBHO DI 1M7.
Polo paquete nglcz Express, entrado hpje neste
porto, recebemos peridicos do Rio-de-Janeiro at
2, o da Baha al 14 do corrente.
Na corle reinava tranquillidado.
S. M. o Imperador, sua augusta esposa, e toda a
familia imperial eslavam no gozo de perfeita sade.
No dia i." fo I ido no senado o parecer da respecti-
va commissao de constituicao, que declara nulla a
eleicao dos dous senadores por esta provincia. Na
I sessflo dessa cmara, que em lugar competente
transcrevemos, encontrarflo os leitores este parecer,
que, como consta da mesma sessflo, (icou adiado
por tres dias, a requerimento do actual ministro da
fazenda.
Na cmara temporaria, ainda se discuta o voto de
gracas. Muitos oradores haviam tomado parte, em
semelliante discussflo, e fo, no correr dclla, que o
novo ministro dos negocios estrangoiros respondeu
a diversas interpellaces que se lhe linham feto.
Dessas respostas, apenas regstaremos nesta co-
lumna da nossa gazetaaquilloque diz respeito po-
ltica do gabinete do 22 de maio.
Segundo'a declaradlo deS. Ex., essa poltica he a
mesma do ministerio de 2 de fevereiro, com as mo-
dificacesque as circunstancias toruam necossarias,
isto he, apoltica da conciliario dos principios,
da conciliario que se firma 'por actos legislativos
(( e administrativos; a poltica das garantas dosd-
reitos de lodosos cidadflos brasileiros; apoltica
K da dislribuicfloda juslicaa todos com muita igual-
(i dade; mas nao a poltica da concessflo de favores
a adversarios, que llies faciliten) os muios de tri
i uuipho.
O Diario do Rio, referindo-sc a certos boatos, no-
ticia qu o governo expedir as mais terminantes or-
den* para quo os empregados pblicos que sflo inem-
hros das cmaras legislativas dexem os respectivas
empregos, o vflo tomar asscnlo naquella das mes-
illas cmaras a que porventura pertencani.
Para substituir o Sr. Antonio Manoel de Mello na
ilircccflo das obras da repartieflo da marinha, cm-
quanto su elle adiar na pasta da guerra, tintn si lo
nomeado o Sr. major de engenhoiros Jacintho Vieira
da Costa Soares.
A Babia conservava-so em paz.
A assembla dessa provincia tinlia encerrado os
seus trabalhos.
Em dias do mez passado desabra um dos paredes
da fabrica do toe i dos que se estava eslabeleccnilo
em Valenca.
O Guaycur ia ser publicado diariamente com o
mesmo formato que ora tem.
A redacfo do Correio mercantil, n'umpost-scrip-
lum do seu ultimo numero, aecusa recepejo dejor-
i' vista lio que CO-
Consulado.
RENDIMENTO DO DIA 21.
Geral..,..........'...........
Provincial....................
Diversas provincias .. .;.........
429,713
253,020
86,645
.J-----
76S.378
RIO-DE-JANEIRO.
CAMBIOS NO 1)11 1." DB JUNBO DE 1847.
Precos da ultima hora da proco.
Cambios sobre Londres........27 i
Paris :.....345 a 348
llamburgo ...... 645
Metaes. On?as hespanhlas......29,8008 30/
da patria........ 2,9,150
Besos liospanlies. ...... 1,950 a 2,000
>. da patria........1,850
Pecas de 6,400, velhas. 16,800a 17/
P'rata.............99 a 100
Apoliccs de 6 por cento. ....... 83 3/4
provinj|iaes...........83
'Jornal do Commercio.)
BAHA.
CAMBIOS NO 1)1* 13 DE JUNHO DI 1847.
Londres............. 271 nominal
Paris ...'............335 a 340 0 franco
llamburgo............640 o marco
Lisboa..............100al06p.c.depr.
(Jucas besponhlas...... 30,000
mexicanas........ 29,500
Peas de 6,400 ..........16,000 a 16,600
Moedas de 4,000.........9,000
Prata......,........105 a 106 p. c.
Aceces do banco 20 por cento de pr. nominal.
(Crrelo Mercantil.)
ansa
II ov i ni en lo do Porto.
e das quaes a
da apuraeflo ; porcm ella nflo pode ileixar de fazer
pariicnlai- meneflo de um faeto importante contrario I f^1" nericanos aie i de abril,
a consttuiefio do imperio e occorrido nsta eleicflo. lhr* ell. Tal he a apresentacao no poder modexador de tres I Esses jornaes confirmam.cm substancia, a noti-
liatas sxtuplas. Outras niuilas s podiam aprcsentarl x cia da ac^flo de Buena-Visla eutre as Torcas mexi-
A'arios entrados no dia 21.
It io-de-Janeiro e Baha 17 dias, e do ultimo porto 6;
paquete inglez Express, commandante James.
Acarac ; 30 dias, patacho hrasilciro Emulaca, de
122 toneladas, capitflo Antonio Gomos Pereira, e-
quipagem 10, carga sola ; a Manoel uncalves da
Silva. Passagciros, Francisco Jos Concia, Brasi-
leo; Francisco Jos da Bosa, Brasilio Jos Soa-
res, Joaquim da Silva Pereira, Portuguczos, e, 3
escravos a entregar.
Ass ; 24 das, sumaca brasjleira Carlota, de 64 to-
neladas, capitflo Jos Concalves Simas, equipagem
10, carga sal; a l.uiz Jos de S Araujo. Passagoi -
ros, Miguel Jos da Silva com sua familia, Antonio
de Ag'uiar Albuquerque e Silva, Brasileiros; Jos
Antonio da Silva, Jos Martn Progo, Portugnezes.
Rio-de-Janeiro pela Parahiba, donde vem com 6 dias;
brigue escuna hrasilciro Feli*-P'entura, de 153 to-
neladas, cap tilo Inflo Concalves Lei te, equipagem
10, carga varios gneros; a Manoel Ignacio de Oli-
ve ira.
A'aeio f a Aldo no mesmo dia. ^
Londres; barca ingleza Arohilles, capitflo George*
Burncl, carga a mesma que trouxe.
OEM
l>cclaraccs.
A barca firmeza recebe boje, s 9 horas do dia,
a mala para o Rio-de-Janeiro.
AVISO AOS SNRS. DESPACHANTES DA ALFANDEGA.
O administrador da mesa da recebedoria de ren-
das geraes internas avisa, pela ultima vez aos des-
pachantes da alfandega, para que no prelxo prazo
de oto dias, da data deste, vcnbam pagar o quede-


*w

^


5
.'
vem peiNtde, ae proceder ejecutivo ; porque, nlo
uodendo continuar no seu exerciclo, sem que
se mnstrem quite por esta repartlcflo, algn Srs.
despachantes estao a dover os 2. V3. e 4. quarteis :
o para quecheguea noticia a todos, fiz olpresento
aiwuncio. Reccbedoria,19dojunhode 1847.
Francisco Xavier Cavalcanti di Albuquirque.
Avisos martimos,,
Para a Baha segu, cm poucos dia.s, a sumaca
uUWn pretender carregar ou ir de passagem, dirija-
j a ra do Vigario, n. 5.
Para o Rio-Grande-do-Sul pretendo seguir, cm
poucos dias, o brigue Victoria, por ter o seu car-
r^gamento prompla; podo rocooer alguna passa-
geiros e escravos: para estes poden entendor-se com
Aiorim Irmfios, ruada Cadeia, n. 45.
Le loes.
1-_ .i'__a
*
O corretor Olivoira, na"ojfodendo, om consequen-
ciada niultiplicidailedosobjctus, concluir o leudo
da raobilia do Exm. Sr. general Sera, oontinuar o
mesmo, sexta-feira, S^do corrente, s 10 horas da
manhaa, na ru Neva, aproyeitando a'occasio para
igualmente vender inobiliade urna familia respoi-
tavel, prximamente retirada desta proviacia; a as-
severa serom os afigos existentes do referido Exm.
Sr. 08 roais valiosos, como sejam: um rico piano,
mesas de jgo de exquisito gosto, mesa de meio d e
."ala, guarda-vestidos, ioucas superfinas, cystaes,
"etcassimcoiBOsSo ptimos o de bom gosto os de-
ntis artigos, *que constituem a dita ultima mobi-
-. Brender a Brandis, em consecuencia de ter em
de mudar-se paraVoutro armazem e escriptorio, fa-
raO Iciao. por infervencao do corretor Oliveira, de
, .tj intelrO sorttnjonto de ferragens grossas e linas, e
cutileria, ele. :-.quarta-feira, 23 do corrente, s tO
horas d' manhSa, no seu, armazem actual, ra da
Crur.
rv
-
r
_j_
Avisos diversos
1DTEK1A DO THEATR PUBLICO.
A sociedade que tomou sua conta o res-
to dos biHtetes desta lotera, declara que
os te,m- exposto venda, a cinco mil ris os
meios bilhetes, e a nove os inteiros, ni-
camente na botica do Sr. Moreira Mar-
ques, na casa de cambio do Si\ tyan'oel
Gomes, e na Boa-Vista, na loj^Ple Jos
Ignacio do Monte ; cuja venda e^ai s-
mente at o da i." de junho prximo fu-
turo.
AS6-.O0OSOO0 DE RS.
Na praca da Independencia lojan. 5,
vendem-se meios bilhetes da lotera do
Iheatro, a qs5oors, que corre impre-
tetivelmente no dia annunciado. A elles,
antes que se acabem.
OLIDADOR N. 188
conten o parecer da Ilustre commissSo de consti-
tuicRo do senado brasileiro, queannulla as eleicOcs
de senadores desta provincia.
AO PUBLICO.
Os bilhetes qoe se teem vendido e se continuam i
vender na casa de cambio do Vieira, sSo os da 6.
lotera concedida s casas da caridade do Rio-de-
Janeiro, como foi por esta folha annunciado por ve-
zcs *
A pessoa que annunciou ter um c3o em seu
poder, se for todo branco, orelhas. grandes, olhos
azues e com um pequeo signal de cabello escuro
no pesclo, sem rabo e com o cabello cortado a
meio corpo, pode leva-lo ao largo da Assembla,
n. 4, guealm de se gratificar por qualquer despe-
zase ficar agradecido
Quem precisar de urna ama secca de bons eos
turnes, moca bem limpa, e que nao ignora o ser-
vico de urna casa dirija-se a ra do Sr. Veigas, na
povoacflo da matriz da Varzea.
Joao da Cruz Fernandos do Souza acha-se jus-
to e contratado com o Sr. Jos Antonio Bastos para
tendera parte que tcm na casa da ra do Trapiche,
n. 3 : qualquer pessoa quo so achar com direito ju-
dicial e anda mesmo particular, na dita casa, po-
de declarar por esta folha ou dirigir-scao mesmo
Sr. Bastos. '
Na rna ui'reila sobrado de um andar 'n. 33, ao
p de dous de varandas douradas se fazem bo-
los chamados de S.-Joao ditos francezos c de ou-
tras qualidades, felospor um modelo prfeitissimd,
enfeitados com capellas e flores de alfinim e de con-
feito : tambem so preparan bandejas de bolinhos,
com grande delicadeza e commodc* procos. Na mos-
m casa tanibom se faz tudo quanto he de doce para
sobre-mesa.
Precisa-sede um rapaz portugnez de 12 a 14
dan-
annos, para caixero de urna loja de charutos
do conhecimento de sua capacdade : na ra
do Rozario n. 32, se dir quem precisa.
Aluga-se p primeiro andar da casa n. 49 da ra
da Cruz, no Recifo, proprio para escriptorio, ou
pquea familia : a tratar na ra da SenzsIIa-Nova ,
n. 40, primeiro andar.
AJUga-seo primeiro andar c armazem da cosa
n. 63 na ra da Cruz, onde mora o cnsul hoan-
dez: a tratar com Antonio Pires Ferreira, na ra
da Aurora ao pe de Francisco Antonio de Oliveirc.
~ Na ra do Collegio, casa de drogas, ha para
vender escellente sarca-parrilha muito nova che-
gada no ultimo vapor, por proco mdico.
ATTENCAO'.
' O Sr. Serafim Leitc, morador na Imberibcrr, quei-
ra apparecer atrs da matriz de S.-Antonio, n. 18,11
segundo andar.para ver um seu escravo que disse fu- "
gira d casa para procurar outro senhor : fleando o
ahnuncianlc sem responsabilidadepela fugaou morte
do mencionado escravo.
Precisa-se de umeaixeiro pequeo, que tenha
pratica de vnnd* : na ra da Senzalla-Velha n. 50.
Aluga-se urna escrava cozinhera : quem tiver
nnimncip. nu dirija-se a ra do Collegio, n. 8.
0 Sr. CuimarSea, quo se acha em casa do Sr. con-
sl'portuguez, queira comparecer no armazem da
ra da Praia, antes que siga vlagcm para o Mara-
nliSo.
! MUTILADO
0 NAZARENO DIARIO.
Pensando que venceremos todas as difflr.uldades
at o fim mez, comecar a publiccSo diaria no
I.* dejulho: lermosum Warfo'da tanje, pois que te-
mos resolvido publca-lo sempre regularmente as
5 horas, e ser assim umsuppfom'ento aos dous 0a-
riof. 0 Satareno se ccupaf tambem com as cousas
commerciaes. Esperamos que.concorram as assig-
naturas na praca da Independencia, livraria ns. C e
8, a 6,000 rs. por seis mezes pagos adiantados, como
heestylo, oisto logo.almdoquenaosejamosemba-
racados na realisacjto deste projecto, 3o til pro
vincia.
Furtarum, na noite do dia 18 par.a 19 do corren-
te, do primeiro andar da casa da ruadaCruz, n. 45, o
segintc: urna casaca de panuo prcto, urna sobre-
casaca do merino preto, urna calca de casimira azul
ferrete, urna dita de casimira cOr de flor de alecrini,
urna dita do casimira prata, dous colletes de setm
preto, com suas fvellas de prata, um dito do fuslo
amarello, umdit de fustSo fihmco, um chapeo de
rabeca, de seda preta, um lenco de pescocp de seda
preta e azul, um par de suspensorios com fivellas de
prata, duas chaves em um corrento de prata, um
par de sapatos novos.de couro do lustro, dous len-
tos de seda, um dito branco de cambraia do linho,
duas calcas de brim branco, urna tosourade unhas.
Quemsouber doste roubo, o o descubrir mesma
casa, ser bem recompensado.
O abaixo assignado, tendo arrematado o dizi-
mo do gado vaceum da comarca do Brejo-da-Madre-
d-Deos, do annofinanceiro dol. dejulho de 1846
ateo ultimo de junho do'crtente anno, tom de
sahir, ou mandar arrecadar o mesmo dizimo, dol.
dejulho prximo futuro em diante, marcando o cri-*
ando os bezerros, que Ihe partencerom, e os deixan-
do ficarat o anno vindouro, tempo em que preten-
de fazer^unta delles para assim evitar conflictos de
jurisdic?Oes com os novos arrematantes. E como
neata comarca hajam algumas fazendas cujos donos
moram em outras difTerentes, e quando se vai re-
coberodizimo, os vaqueiros n3o o quorem entre-
gar, dando por pretexto nflo terem ordem de satis
amos, usando taltez deste expediente para nunca o
pagarcm; vindo rwultar disto n3o pequeo projuizo
para o arrematante: por isso faz o presente annuneio,
aim de que chegue a noticia a todos os Srs. que t-
verem fazendas de gado nessa comarca.para auton-
sarem aos seus creadores, ou procuradores, para fa-
zerem taes pagamentos, sob pena de se cobrar exe-
cutvamente.
Brejo, 8 de junho de 1847.
Antonio Francisco Cordeirod Carvalho.
AaJJr. Paulo de Amorim Salgado tem-se respon-
der ao anounco > dHo seotior, inserido em um dos
jornaesdosla provincia, quo, inorando o abaixo as-
signado no engenhoUbaquinha,e sempre de assis-
tencia no engenhoAnjo. ambos em Sennhaem (on-
de os recobo) que ah devra S. Senhora mandar res-
gatar urna das suas lettfas, que he a de que faz men-
cSo; e que emquanto assim o n3 fizer, o mesmo a-
baixo assignado pfevine que a mesma lettra esta
vencendo o premio ; pois tambem o pagou Sua
Senhoria, quando recebeu os setecentos mil rs., o is-
so por ordem de sua senhora : procodimento dille-
rente dafluello que o abaixo assignado Uvera com
urna d#*|unhentos mil ris, da qual, depois de ven-
cida, o mosmo abaixo assignado squiz o pnucir
cipa!: o que nao deve fazer.
Jodo Francisco dos Santos tqueica.
--Fazem-se bolos deS. Joo, o cangica muito
bem feita: na cidado de Olinda nos Quatro-Cantos,
11.18.
O abaixo assignado, morador presentemente
no engonho Anjo, termo deSerinhom, faz ciente
aa publico, que no dia 15 do corrente Ihe fugira o
seu escravo de nome Joao, crioulo, de 30 snnos pou-
co mas u menos, estatura n3o muito baixa, cor
bem prela, grosso do corpo, ps pequeos e bem fe-
tos.cara redonda, com muito pouca barba, bonito de
feces^lcntes muito alvos e iguaes.eque falla muito
hem o desembarazado : levou vestido carniza de a -
godilo americano, calca ejaqueta de algotlao azul,
alm de urna troxa com mais alguma roupa, e duas
faccas, sendo um de arrasto, propra de carreiros
a a outra de mesa, do cabo de osso. Desconfia-sc ter
o mesmo escravo seguido para as bandas de Una, ou
seus arrabaldes ; e por isso roga-so encarecidamente
a todas as autoridades policaes, qur civs, qur mi-
litares, capitaes de campo, ou outras quaesquer pos-
soas, n3o sdaquelle lugar, como de outros quaes-
quer da provincia, ou de fradella, de o agarrarcm
o trazerem-noa este ongenho Anjo, queserfio recom-
pensados de seu trabalho.e pagos de qualquer despe-
za que o dito escravo tenha feto, ou levem-no nes-
sa praga a seu mano Jos Clemente dos Santos Si-
quoira, no caso do assim convir a quem o capturar.
Joo Francisco dos Santos Sigueira.
Antonio Ferreira Braga embarca para o Rio-de-
Janeiro seu escravo Jos, crioulo.
Jo3o Francisco Pereira relira-se para o Rio-
Grande-do-Sal, com seus cscravos Antonio o Fran-
cisco.
Aluga-seurna casa terrea, na ra d
.Soledade, muito larga, com seisquartos,
duas grandes salas, corredor ao lado, com
um grande quintal murado eoutro cerca-
do, com inoito boa agoa de beber : trata-
se na ra da Aurora, casa n. 58.
Aluga-se o sotao do sobrado n. 7 da ra Nova ,
doronte do oitSo da matriz por precu commodo
tratar no segundo andar do mesmo sobrado.
O abaixo assignado faz publico.que em junho do
anuo prximo passado se evadiram de seu enge-
nho os escravos Pedro Angico, Bernardo, Catlian-
na o alaria, dos que forom apprehcndidos a I.uiz
CandidoCarneiroda Cunha ; e segundo as infornia-
cOes das pessoas que os seguiram soubo quofo-
ram para a casa do D. Joaquina Mana Pessoa de
Mello sogra do dito Luiz Candido, em cuja casa
entao este se achava ; e que em 29 do mez passado
evadio-sc tambem o escravo Alexandre que tam-
bem foi para casa do dito Luiz Candido, pois que ,
alm do outras informacOes, o escravo Pascoal,
que tambem evadio-see foi pegado prximo a casa
do referido Luiz Candido declarou que rugir por
insinuacOes do dito Luiz Candido, que o mandara re-
duzr para o mesmo e todos os outros que tinham
sido tirados de seu poder pela justica. E como a
polica de Goianna nSo offereca actualmente a me-
nor garanta para quo sejam os ditos escravos tira-
dos de Onde se acham e entregues ao sou senhor e
o mesmo Luiz Candido seja actualmente coronel de
legiao, e delegado, e assim nada se possa conse-
guir contra elle; o abaixo assignado desde j pro-
tests haver os seus escravos, e usar dos meios que
as leisfacultam esperando smenle que a justica
em Goianna possa ser administrada mparcialmen-
te e que a polica se preste execuclo das leis, e
n3o proteger aos que a infringen e procuran reter
o\iue n3o he seu. Estoser diariamente publicado em
o Diario, emquanto me nSo forom restituidos, qur
amigavcl, qr judicialmente, os escravos assim
extraviados a seduzidos. --'Recife, 2 de Junho de
1847. Jodo Titira da Cunha. ;....

*
- Vende-se urna morada de casa terrea do pedra
e cal, feita a moderna e bem pintada, sita na ra do
Motocolomb, da povoacSo dos Afogados qncm a
pretender, dirija-se a ra Imperial, n. 25.
Vendese um relogio, saboflete, com caixa
de o uro muito em conta : na ra Bella n. 40.
Vonde-se ou permuta-se por urna
casa pequea nesta praca, ou por escravos,
e finalmente faz-se qualquer negocio com.
urna grande morada de casa, sita no Moro-
te iro, e que tem- 4 salas, 6 quarlos, dus
quintaes, cozinba, quarto para escravo*,e
estribara : a tratar na ra Direita, padaria
n. 69.
Continia-se a vender boa maniera para bolos,
a 320, 400, 500,-600, 800 e 1,000 rs.; chocolate novo,
a 280 rs. ; caf moido a 160 rs.; dito em grao, a
140 rs.; velas de carnauba Je 6 7 e 9 em libra a
320 rs.; espermacete, do 6 em libra, a 800 rs.; cha
hysson bom a 2,000 o 2,560 rs.; banha de porco,
a 360 rs.a libra; lingoeasdo Porto a400ra. ; bO-
lachinha ingloza a 220 rs.; toucnho de Santos, su-
perior a 240 rs. ; cartas do traques fortes, 1 180
rs:; milho-alpista a 640 rs. a cuia da medida. 0-
Iha; arroz de casca a 3,200 rs. o alquoire < me-
dida volha ; queijos novos a 1,60 rs.; e tambem
una marquoza nova, por proco commodo : no pa-
too do Carmo, esquina da ra do Horlas do lado
direito, n 2. t
rotera do Uio-de-Janeiro.
Aos 20:000,^000 de rs.
Na lojadc cambio do Sr.Vieira, na ruadaCadeiado
ReciTo, -vendem-se bilhetes o meios ditos da lotera
da casa de caridade do Rio-do-Janeiro que devora
ser oxtrahidaem 15 do corrente. A ellos antes quo
se acbem e chegue o vapor com a lista.
=Vondem-so 6 escravos, sondo : um molequo
do nac3o bom cozinhoro; urna parda do 18 annos,
de bonita figura ; urna preta do 13 annos, que Taz
lavarnto, marca e-cose bom ; duas preta de ele-
gantes figuras, para o snrvico de campo ; urna dita
quo cozinha o eni;omma : no pateo da matriz de S.-
Antooio sobrado 11. 4. _
LIVKOS DE
l'ARV
Trancelins de qualquer modelo, anneis, flores,
fitas aderecos pulceiras, brincos etc. ; tudo o
mais bom foito possivol, por pre^o mdico.
No dia 23 do corrente, so ha do arrematar
una casa na Estrada-Nova, parante o Sr. doutor Na-
buco; uja pra?a ter lugar no Aterro-da-Boa-Vista,
aporta do mesmo jujz, pelas 4 horas da tarde, por
execuc.lode Manool d Jordjo Caldeira contra An-
gelo Soares da Silva, escriv3o Souza : quem a pre-
tender compareca, quo he a ultima praca-
ODr. Casanova, medico francez, morador na
ra Nova 11. 7, primeiro andar, offerece sou presti-
moaos habitantes desta cidndo e provincia, e de-
clara que sompre oacharam prompto a receitar, e
fazor todas as operaedes de cirurga.
Roga-se ao Sr. subdelegado da freguezia de San-
Jos, tenha a bondado de Jangar suas benvolas vis-
tas sobre urna sucia do ludrOes que constantemente
estao invadiudo os armazens c salgadeiras do lugar
do Cortume das Cinco-Pontas, ponto de por vezes
amanhecerem rouhados,comoaconteceu urna destas
noiles em que levaram porc^o do couros, e os fo-
ram vender no Recife, felizmente n'um acmazom,
cujo dono foi do s3a consciencia, eem immensissi-
mas notes os teem ido experimentar, j pelas Techa-
doras, e j trepando no telhado, e isto fazem com
tanta maior franqueza, quanto tem certeza que o
inspector dorme a somno sollo, eque as patrulhas
de polica por all nunca andam; tantoque, noite e
dia ha por aquelles calugis constaiftejogo, ordinari-
amente por pessoas descalcas e so proprias para a
marinha, e providencia nenhuma apparece, chegan-
do a impudencia destos rapias coragem de levaren
canoas para as carregar do couros A' vista do quo,
pede-so encarecidamente ao Sr. subdelegado d suns
sabias e bem acertadas providencias para que no
tempo em que tanto se aprega haver seguranca de
propriedade, n3o acontecam casos semelbantes: isto
lio pede Um que vive assustado.
Preciaa-se alugar urna mulher forra, do regular
conducta, que saiba engommar e conzinhar alguma
cousa, para servir em urna casa de mu pequea fa-
milia : quemsejulgar com estas habiltacOes diri-
ja-so a ra Augusta do bairro de San-Jos a tratar
do ajuste, na casa n. 14.
Precisa-sc do um estrangero que trabalhe al- ,,_ r
guma cousa do oflicio de carpina, o quo queira ir pa-[dos, n. 59.
raumengenho na freguezia da Escada, servir de| Vendem-se meios bilhetes da lotera do Ihea-
caixoiro e trabalhar pelo oflicio quando frnecessa-
rio, para fazer caixas e algumas pequeas cousas :
na praca da Boa-Vista, casa n. 37, que foi do Cus-
mfo, no segundo andar.
OSr. que deixou vinle mil ris por signal para
de/, duzias de laboas de pinho de forro, atrs do Ihe-
atro velho, queira ir no prazo deoto das tirar; do
contrario serfio vendidas.
A preta Amia Benedicta, que roubou sua senho-
ja cm grande porc3o de dinneiro, anda continua a
estar fgida; por isso qualquer pessoa que acuta-
la em sua casa, soffrer as penas da lei.
OSr. Severno do Araujo Corroa Bello queira
ter a bondade de declarar a.sua morada, que se Ihe
deseja fallar a negocio de seu interesse, ou dirija-se
atrs do do Corpo-Sanlo, n. 68.
Prccisa-se de una mulher de mais de meia ida-
de, para ama do hoinem soltelro, e que tenha hab-
lidade para tratr de doente : quem estiver nestas
circunstancias dirija-se a ra da Cadeia, armazem
deloucan.4.
Antonio Ignacio do Reg Mcdeiros embarca
para o Rio-dc-Janetfo o seu escravo Manoel, cabra,
na barca Firmeza.
Antonia Serafina de Jess parteira approvada,
mudou sua residencia da ra de Norias para a ra
de Apollo n. 21 no Recife.
G. Patn o sua senhora retiram-se para fora do
Imperio. .
= Antonio Henrique de Oliveira
frada provincia..
Compras.
Vendem-se na praca da Indepen- \
f dencia, livj-aria ns. 6 e 8, a 6^0 rs. J
__Vende-so urna casa feita moderna, com duas
salas, dous quarlos, cozinha fra ocacimba, n dinhei-
10, o a prazo: no principio do Aterro-dos-Afoga-
retira-se para
Compra-so um carro americano, do 4 rodas,
elegante e em bom uso e quo possa ser armado a
um cavallo: na ra Direita, n. 82 sogumo andar.
-Compra-seum cachorro, para guardar um si-
tio : na Camhoa-do-Carmo, n. 46.
__Compra-se um negra que saiba bem vender
na ra: quem tver annuneio para ser procura-
- Compra-so um papagaio quo seja sublime : na
ra da Cruz, venda n. 66.
Compra-se um braco de balanca pequea, de
Rom3o-& Companhia : quem tiverannunoie.
Compram-e escravos de ambos os sexos, de
10 a 40annos;sendodo bonitas figuras, pagam-se
bem: tambem se compram alguns ofllciacs do sapa-
teiro : na ra da Concordia, a direita passando a
pontezinha segunda casa terrea.
Compramrse, para una encommenda, escra-
vos; sendo deBwiitas figuras pagam-se bem : na
ra das Larangciras, n. 14, segundo andar, ou atrs
da matriz do S.-Antonio n. 18, segundo andar.
Tendcm-se. os rouilo su-
neriores queijos londrii.os, e presuntos inglezcs;
conservaste sal refinado, chegados ltimamente de
tro que corre a 2 do julho infallivclmente: na ra
Direita, n. 12.
__Vende-seojogo dos dotes, ou Iivrosde sortcs
para as noiles de S. Jo!to e S.Pedro, 1 volume do
308 paginas a 2,000 rs.: na ra da Cdeia-Vetha,
livraria n. 31 de Joao Cardozo Ayres.
Vendem-se ealugam-se bi-
chas hamliurguezas, chegadas
no ultimo navio ; na ra da
Cruz do Recife, n. 45. loja de
Joaquim Antonio Carino &
l.nu ;aubi.i.
Vendem-se caixas de cha hysson, dc6, 12el3
libras em porcOes ou a retalho ; caixas de velas
de espermacete de 5 e 6 em libra : na ra da Alfan-
dega-Velha, n.'36, em casa de Matheus Austin &C.
-- Vende-se urna bonita negrinha, de idadode 13a
14 annos, recolhida, o com boa conducta, com prin-
cipio de costura e engommado, propria para mu-
camba; una boa escrava quo engomma muito sofTri-
velniento, cozinha, e he boa vendodeira de ra, e que
he muito fiel e de boa conducta; urna dita do meia
idade, acostumada a trabalhar de enxada,d-se muito
em conta: na ra do Vigario, n. 24, so dir quem
vende o o motivo. ,
__Vende-se cobre a quatro por cento: na padaria
da ra larga do Rozario, n. 48.
Vende-se, a dnheiro, ou a prazo com boas
firmas, e ta,mbem se troca por casas nesta praija o
por escravos, um sitio no Caldeireiro, com urna
boa casa de sobrado cqih 6 janellas de frente, por-
13o de ferro c lodo murado : a tratar qualquer des-
tes negocios com Manool Cavalcanti de Albuquerquo
Mello ou aununcie'.
Vende-se a dinheiro, ou a prazo com boas fir-
mas um chao na ra da Praia com alicoree feito
e caes na mar, cujo terreno tcm 63 palmos de fren-
te e fica junto ao Sr. Cardeal, na esquina do becco
que vai da ribeira para ir mar : a tratar com o co-
ronel Manool Cavalcanti de Albuquerquo Mello.
Pra ja n. 5.
He cliegado de prximo a este establecimcnto um
completo sortimento de cordas obordoes, para vio-
lao, rabeca c rabeefio, papel pautudo paia musica.de
todas as qualidades, tudo de muito superior quali-
dade, pelo que so tornam rocommendaveis, e ven-
dem-se por preco commodo, tanto a retalho,- domo
por atacado.
Calcado.
A loja do Arantes na praga da Independencia ,
recebeu pelo navio Armorique um complet sor-
timento de calcado francez de iodu' jX 'horzo-
como sejam : os bem conhectfw "Paia* L .'
gunsdeNanies^sjipato^^P;;^
ue, setim e
Liverpool na galera Seraphina;
latas grandes e pequeas, o <
bisi
ros
,i Cri
iscouto fino em
muitos objectos
porprecoVc'mmodos: na ra dTj'Uzdo Recrfc, n.
6 ven'd de Miguol Joaquim da Costa & C.
- Vende-se arroz branco a 10,000 rs. o alquei-
c a arroba a 1,600 rs.; dito a 6,500 rs. o alquei-
re
urna e duas palps'; ditos f '^"ihlraa g P
ra senhora A *rg-J ^o
marroqu.m, PJWM'^f-Xde lustroe m.rro-
qu.m, paramen.^, 1 a ,m,1Mn0S dil08 de
nezerro o commodo preco.
re, e arroba a l',ooors.
; dito a 6,500 rs. o alquei- "?"";; Qt; a tratar no mesmo sobrado,
na ra d Praia, n. 46. |chos propnos, n. 26 a ira
af -


Vendem-se superiores chapeos de
-*----j-V castor, pretos e brancos, por preco
muito barato : na ra do Crespo, toja n.
ia, de }o Joaquim da Silva Maya
A 160 rs.
bonetes de palha elstica e pala de lustro : ven-
dom-se na ra larga do Roza rio n. 24
Vende-se a engenhoca lliacho-das-Bestas, sita
na freguezia de Nossa-Sonhora-do-O, do Altinho, da
comarca do Bonito, em Panellas-de-Miranda, por
Sre$o commodo, e vende-se a prazo : trata-se na ra
ireita, sobrado n. 29.
3* EM PRIME1P.A M AO', *&$
vendem-se caixas com velas de cera do Rio-de-Ja-
neiro e de Lisboa : na ra da Scnzalla, armaze
. 110.
= Vendem-se moenda de ferro para engenhoi de as-
fucar, para vapor, agoa e beatas, de diverso tainanhoi
pe-r prepo cammodo; e iguaUnrnte taixas de ferro coado
e balido, de todo os taannos: na praca do Corpo-San
to, n. 11, em caa de Me. Calmont & Companhla, ou na
rwade Ampollo, arinazem, n. 6.
VENDEM-SK, A 400 RS. O PAR,
mojas de algodn, brancas o linas, de malha
clstica denuiiiH duracilo pela sa consis-
tencia e que servem para todas as pernas, linas ou
grossas pela sua elasticidade para homem e se-
nhora : na praca da Independencia loja n. 39.
Vende-se (lo da ludia proprio para coser sac-
eos : na ra do Trapiche, n. 8.
na
Casa da F
ra estrella do llozario, n. 6.
Nestecstabelerimontoacham-sea venda as cau-
telas da bem acreditada lotera do theatro publico
desta cidada, cujas rodas andarfio infallivelmcnte no
da 2 de julho, liquem ou na"o hi I heles. Na mesma
casa vendem-se meios hilhetes com ganho.
Ra doQueimado, n. 10,,
nova loja lesirgueiro.
Lima
j4 annos que corintia o diario de urna
casa, lava de sabilo e varrella e tilo tem
vicios nem achaques por preco barato :
na ra do Crespo," n. ia, a tallar com
Jos Joaquim da Silva Maya.
AO BARATO. -
Xa nova loja ele Francisco Jo-
s Teixeira Bastos, nos qua-
tro cantos da ra do Quei-
inado, n.O, que faz esquina
para a ra estreila do Roza
rio, vendem-se
cortes de cambraia de lindas coros, muito modernas,
a 3,200 rs.; pecas de chita escura, de muito bom
panno e cores fixas, a 5,000 rs., e o covado a 140
rs.; ditas, a 120,160 e 200 rs. o covado j pecas de
algod.1o7.inho com 17 varas, a 2,000 re.; ditas da
madapolflo largo, a 2,700 rs., e dooutrasqualidades
c procos; ditas de bretanha, a 2,000 re.; dita depu-
ro linho, a 320 rs. a vara ; merino preto a fino, a
1,600 rs. o covado; dito rxo, proprio para vestua-
rio de meninos e vestidos de montara, a 1,280 r.;
alpaca muito encorpada a 800 rs.; brim trancado
de puro linho, a 200 rs. o covado; algoditozinho
trancado mesclado a 200 rs. ; dito de listras, escu-
ro eamericano a240rs.; meias para meninos, a
80rs.o par; ditas para meninas, a 200rs.; ditas
pretas, curtas, a 120 rs. ; ditas para senhora a 210,
320, 400 e 480 rs. o par; lencos de cambraia do tres
ponas, a 240rs.; mantas de (lo do linho a 2,000
rs.; brins trancados de cores e listras, a raelhor fa-
zenda possivel, a 1,500 rs ; cassas brancas, proprias

rs.; cha petla, m ctixiithe* 4o | libra, M*
rs. a libra dito hyaton, a ,*, t,ttt tvi* VM
araruta. a 20 re, s tapioca, a tM ttva*, a 1*4
re. { cafm grao, a140ra. { ttH)awr*ts ittlHs i
chocolata, a a re.: espermaeaAa, 4 a libra a
720 re. { velas do carnauba, a ttt, MI a Ul n. *
cera da carnauba, a 1*0 re., mamo w parala **
quena; queijoa, a i,aooo i,ao re,i amaMaaa. a
ars, ameixas, a,ttO re.t oarvajalaUadraa, a
meias garrafas, a 440 re.; vinboa i elpitW { palaoft,
eoutros gneros, toJos por pr*0 mata oaataa**
do que em outra qualquar parta aa roapontaW-
lisa pela qualidade aos compradoras,
Vendem-se meios bilhatasda lotera do taaa-
tro, a 4,50o re.: na ra da Cabula lJ* Junto a bo-
tica.
IMPERIAL
DE RAPE FINO
PW
nm\
NACIONAL
grande cxlraccio que tem tldo asta rape, dopoia
foi exposto a venda, ha prova inoantaataval do
venda uniformes militares, para to-
das as patentes de legiflo cavalloria e
infinitara da guarda nacional; galoes
de ouro e prata ; chapeos invert fa-j
dos para pagens.
Na ra da Senzalla-Nova, n. 42,
contina a haver tun completo sortimento
de taixas de ferro, balido e coado; mo-
endas, e machinismo de vapor para en-
genho.
Vcode-se ferro da Suecia ; foiha de Flandres ;
cobre para rorro de navio; dilo para caldeireiro, em
porcoes grandes e pequeas : na ra de Apollo, ar-
mazem n. 6.
Vendem-se 2 rozarios de ouro; 10 anneloes;
anneis ; botes de punho; ditos de abertura ; rose-
tas; alfinetes do peito; um refugio de prata dou-
rada1; umacaixa dita dita eoutros muitos objec-
tos de ouro ; apparelhos para cha, a 3,200 rs.; gar-
rafas bordadas a 480 rs ; ditas pequeas, a 240 rs. ;
copos; clices para champando; palos; bules;
tigellas; cha uchitn, a 1,000 rs. a libra; toucinho ,
a 120rs., eoutros muitos olijectos, por commodo
preco : na ra do Rangcl, n. 11.
-Attencao.

Na ra do Crespo, loja n. li,
de Jos Joaquim da Silva
Maya,
venoem-se chapeos de seda para caberas de senhora,
oa mais ricos, o mais modernos que teeni vindo a esta
prega; assim como se vendem chapeos de seda c de
palhinha para meninasde dous a 12 annos; toucas pa-
ra crianzas, de muito lindos goslos. Tudo chegado
de Franca pel ultimo navio, e por muito commodo
preco.
--Vende-se cha preto muito superior, em caixas
de 16 libras proprio para familia : na ra do Tra-
piche, n. 8.
Vendem-se 100 barricas vasias qucforamde
farinha de trigo ; na ra larga do Rozarlo, n. 18.
Gaz.
Loja de Joo Chardon ,
'Wcrro-da-Boa-Vista, n.5.
Keita loja acha-seum rico aortimento de LAMPEOF.S
PARA GAZ com leus competentes vidros accendedo-
re e abafadorea.
para cortinados a 3,200 rs. a pega; cassa-clntas
a 320 rs. o covado; riscados francotes, padroes mo-
dernos a 200 e 240 rs. o oiitras umitas fazendss
do bom gosto por preco commodo.
Vendem-se bahuszinhoscobertas de tartaruga,
de difcrentes tamanhos, proprios para senhoras
uardarem sua costura obras de ouro, etc., por
prego commodo : na ra da Cadeia do Recifo, loja
n. 19.
Vende-se una mesa de Jacaranda, com 7 pal-
mos de coinprimento e 3 e meio de largura Torrada
de panno por cima*, com 4 gavetas na frente e tres
pelo lado opposto ,'e que serve para escriptorio:
na ra da Cadeia de S.- Antonio n. 14, primeiro an-
dar.
Vende-se um escravo, perfeito canoeiro o car-
reiro sem vicios nem molestias: na ruada Cadeia-
Velha n. 61.
Vende-se urna morada de casa terrea no balrro
da Doa-Vista : a tratar no Aterro-da-Boa-Visla ,
n. 58.
Vende-se um lindo molequode7 annos; urna
parda engommadcia costureira o quo faz lodo
o mais servico de urna casa : na ra larga do Roza-
rio, n. 46, primeiro andar, ondo sabara o compra-
dor que cssa venda he flha da necessidade.
a.

<
O

1
es
u
S s
o 5
QJ.2
> e g
* o b
il
te
v
S.ss .
rj
^ .. ti C 1
o O
I
>
O o
ti
=
e
5 I
o E
O i'

o
a.
J

E

'
o

Sef
5
E
i ^
% O
11
s
1}
%x
i I
E 2
, 1 VoP''e-80 estopa, propria para saceos : na ra
do Trapiche, ti. 8.
Vcndem-sequalromaslrosde ninho: na ra
do Trapiche, n. 8.
Vende-se carne de vacca salgada em barris
na ra do Trapicho n. 8.
Vendem -se 191 pegas de cabo de Cairo: na ra
do Trapiche, n.8.
Vende-se cera em velas ; snrgo-parrilha por
prego muito commodo para feclTar contas : na ra
da Moeda, n. 11.
No Aterro-da-Boa-Vista,!.. 8A
vendem-se borzeguins, a 2,800 re.;'sapa tos ingle-
zes e americanos a 2,500 rs.; botins e meios ditos
francezes, a 2,800 rs. e de Lisboa a 1,280 rs.; sa-
patos de marroquim e tapete para homem a 800
rs. ; ditos de orelp, a 80o rs.; ditos de cabra a
400 rs.; ditos de setim, aSOOrs. ; losouraa de cos-
turas, a 220 rs.; ditas para barbeiros.a 300re.;
chapeos francezes, de pello curto, a 3,200 rs. ; lu-
vas de pellica a 1,200 rs ; bicos de todas as largu-
ras ,-eoulras multas miudezas-baratos; spalos de
que foi exposto _
hom acolhimenlo que Um merecido. O Unleo da-
psito ha na ra do Trapiche n. 34, a t retalho
vende-se naa tojas do Sre J. J. de Carvalho Momea,
A. F. Pinto cV Irmffn A, I Vas da Urvalh Cu
nha & Amorim Pontea deia do Recifo ; A. t>. doOliveira Rato na roa da
Maili-o-de-tieos; Campos Queimado{ T. A. Fonseea, DmbaUno Maximino
de Carvalho, na ra do Canuca; C. C. Breekamtaid,
prega da Indopendcneia i Casiano I.. Ferrolra Tho-
mai P. M. Estima o Antonio Paralra da Cotia a
Cama, Atorro-da-lloa-Vsla.
Na padaria da urna s porta, junto ao obrado
da esquina da ra Vaina, na praca da S.-Crui, a no
deposito da traveseada Madre-deAtos, n. 19. haoon-
tinuadamento a venda, alutn de exoollanta pilo,
bolacha dequalrocm libraaW20a mais, do multo
boa farinha o torrada propria para caf a cha, por
ser felta lodos os illas n com esmero ; bam como ca-
l'<> moldo o raelhor possivel, a ordinario para quem
quizor obaialo, *
Chapeos finos de
massa, rah^eases.
Vcndem-se os melhores o uiais modamoa chapeo*
de masas francezes para homem : nal loja di
ra do Crespo n> i, ao pe tro arco da S. Antonio
e nn Passeio-Publico, n. 17, por prego mais rom
modo do que em parte alguma : bem 001110 um rleo
sorlinienlo de casimira francesa o cintile*, da
gostos inteiraraento novot, por proco quo convida
aos freguezet.
Vende-se urna poreflo da Itgat de padre do
Lisboa com alguna deleito do pedagoa, por preco
commodo: na ruadoBrum do Roclfo, n. 92, la
hrica de caldeireiro.
- \ende-se a venda da ra da Concordia, n. 15
bem afreguexada para a torra 1 urna 0111 terrea
nova, com commodoi para una grande familia,
quintal murado, com urna grande oolmba 1 ludo
se vende por scu dono rellrar-te para Ion di pro-
vincia com tua familia: 1 tratar 111 matma venda.
Estes candiciros >s
niclhore
mais moijernos queexistem hoje : rrcomincndam-se ao
publico, 'tanto pela cguranca < bom gosto de sua boa
edrifeceo como pela boa qualidade da luz, economa e
aiel*deseu arrvico.
JVa nieSIlia loja os consumidor em-
pte acharao um deposito de GAZ de cujo te aflanca a
qualidade, e em porco baatanle para conmino.
Vendem-se tres bataneas decimaes,
propriai.para pesar saceos e barricas de
aacifcar, ebegedas prximamente : na
ra da Crue, armazem ti. 48.
Vendem-se os tres insignes roman-
ceo; CTHfe de Monle-Christo, Mys-
leos de Pars e Judeu Errante, encader-
nados, ptft jpreco comnrodjllijna ra do
Venderse ", rcava crila, de|
meninos a 100 c 160 rs., e
qum,a400rs.
borzeguins de marro-
<
pBjpnBB
annos <***?**>***lie mwIInIH,},
ywiaaaaa aaeravaa aaraAaa .nronb
t) mala mnn, oam
a ote da MMtato \ arato, par M
Mita. MrTfta^tM ra,j mm aoijjaL
_'e^airiKj uaa dita pan), dAiMfta loa aadaeta, fu a^^oaAaa^aaaa
OMlabaodUHadattvMoaH, aMltaliuM a*.
eravoo t)vta m atoatrartla % pritaadeataa,
Na loja da ra d Quilmado,
n I, de Gaspar Antonio Vh
ctra Qutafitrttes &C
vendaa\iabrlw*tranead(v, pardoa, HtAredoi da
furallnho, a IM re, a vara \ d(tdacArei,aHOr,
.taare avar*} panno prato tlenurala branca, tom
aicnm mAftw a i,Mi ra, o covadoi dito parftita o -
partor, a a^laft. Juna, |,0M a T,Wo w, o aovado 1
dito atul, a \m, a,MI o T,f ra\ o aovada. bam
wimo varda o cor de rap^, mu\to Apartar j ehta,
a na,ta, ta,iaaatiore, oeovidoj madapotilo,
a lea, taa, Mo a aHO re, a vara meiai para meni-
nna, a o r, o par i dlU pira laanraaa, a IM ra
ditas para senhora, a Uto, ao, wo a IHra, o pa
bratanha depuro linho,a WO rt, vara) das 1
parlar, a M re, 1 riteados tooldoa, para veattdiat,
multa fino, a &M w, o aovado j tlndam, mo ra, j
metas de laii prata, curta, a W ra,% fiar 2 dlta
ctimprldas, a t,000 ra,, o rom leum mofo, ahn
ra. 1 corte*docaaaa-ehtta, fataada mura ha,
,1,000 ra t ditos lupartoraa, il^wln,} easua pa-
ra habido*, tinto de ttttrai wwk do auadroa, a
atora, 1 vira \ exsjulimflno, 1 t.Mtt ra, 1 dito tu-
Rorlor. t,Mo ra, a vara 1 mintalatM prata, d
lodatlnho, para wnhura 1(000 ra, i mairtuli-
na ettamnada, multo anoorpida, pmprlaapara tlo-
Iht, a ato re, a vara iircollni Uto todia u oorat,
a to re., o outra muitii Ttiondit quo aerlo van
dlda por diminuto praoo.e d qmo>o dirlo iinot-
tria uuahiuer pettoa que qutior,
Vendo-io, |mr preolalio, um bonita parda,
oxcollonte posturetra, ngommidotra, o quohor-
colhlda, do to innoa 1 duu nogrlnhni \ duia et-
pravatpira todo oaervlooj duaidiu pira o mil-
lo i um otetivo do M tnnot, bom oarrotro j um
bonito molequo do U innoi; ni ra do 4goaa*Voh
des, 11.1, *
Vande-ao, por precinto, umi prata do 13 *\\-
no. oxeulleiita ootlnbelra, doootra, o com outra
hnb/lliUde 1 no piteo da H,-(!ru, 11, i
VbndeHio aomontea de horlillea de tudn t
quilldadt'. cliegadi prximamente do furto, por
preco multovommodo 1 mruaoatraUi doltoairio.
n, I, a
Na oaaa de Nanool Joaquim fia-
moa o Silva ha para vender-ne, or com-
modo pito, prraoa ealxare ai
t bsierroi de
dado.
n
au-
piegoa coixarM do l'orto,
liittro, de ttjierlorquall-
*
Esoravog Fgidos.
lYa loja nova do Pas-
seio-Publieo9n. 17,
vende-se alpaca muito fina, cor do caf, a 800 rs.|o
covado; merino preto muito fino de duas largu-
ras, a 1,200 rs. o covado; cortes de cambraia Ta
branca muito fina, a 2,000 rs. o corte; chales de
fil liranco, com barra azul, muilo grande a 500
rs. cada um ; bem como urna porciio de chitas inoi-
lo finas, c de crtres (xas, a 100,120 e 140 rs. o co-
vado.
Oh Vrguezcs, no palco do
Terco, venda n. 7,
vendem-se carlee de traques a 180 rs.; manteiga,
a 400, 560 e 640 rs. a libra; azeile de coco a 320 rs
a (arrufa ; huilla de porro a 360 rs. a libre; tou-
cinho, a 200 rs.; liugoicas, a 3S0 rs.; bolacha
grande inglezs, fina, a 200 rs.; dita pequea, a 3oo
AVISO
ao madamismo per-
namhueano.
Na loja da ra do Crespo, n, *, so p do arco de
s -A ti ionio de llicardo V. Illbniro o na toja do
i'asseio-l'ublico, n. 17. lis um rico sortimanto do
chapeos de crep do teda, lano para meninas como
para senhoras e Igualmente o hado crep de s|-
godflo, todo no mais moderno modelo e asedado
gosto, de varias o lindas coros, que 10 vendem por
proco mais commodo possivel sdvcrllnjo-se que
tilo dos ltimos chcgsdos de Pars, e por lato os
mais ricos possivuis ; hq igualmente enrolle de cu-
liega para bailes e um completo fortimento lio
objeclos de luxo.
Vende-sc umi preta de bonita figura, de 40 an-
uos que eugomma multo bem. lava e cozinha 0
diario do urna casa: na rus da Cadeia de 8 -Arito
nio, confronte a ordem terceira de 8, Vmte\teo ,
n.9. '
Vendem-se varios escravos, entre o* quset
urna prcte de 30 annos de bonita figura o com
muita habilidades ; um lindo mulsliiiho de 15 an-
uos, ptimo pagem, e quecozinbs slgums coum i
na rus Nova, 11.40.
Acham-se a venda na loja do ciicsdernacflo da
praca da Independencia o seguinte folhett cmL
brochura, cuja leilurs he sobren.odo inUresssrite, $\?*e*t
pcrreilamenle traducido : o Arcrp*tre, a fOO r, "
Fr. Angelo e a Nova de Madrid, a 500 n,: (embem
se vendem formando colleccde*.
Vendc-se urna venda mullo afrfguczsda, Unto
psra a Ierra, como psrs o mallo, ss cm fre-oV
l'orlas: ns rus do Pilar, n. 3fl.
Vendem-se dous tersvo mo{os, da bonlsta
-- Fuglo, finita praca, ain ao ilo abril do crran-
lo annn, o captivo Minoel 1 da mono Ctbindn, as
tatura reuulnr, choto do oorpo, pernal iroaaii,
(Hila bem oxpllcitli que pnreco da crinlo, cor pretil
llnli vlniln do tul, di frcuiicnlft de Herlnhfiem le-
viindo nit'KH pira o l'an-ilti-Alllo para Olida ( do
111111I11 com ion ni'iiliiir 1 ni icgundi vIhhciii iletippa-
rocou ilim,yiiiitrii. tleporiqul, por ture prlmelra ve* quo voto a etla
prnen, llogn-Ncii lulorldndei policlaoi o poeaoaa
piiik'iiliirc quo dotle tlverom unllplt, de o levirem
11111 tciihiii'i, ni riin di Gloria,11. ti, ou noon-
gonhoAurora em l4o-do-Alho,quoureconipon-
tirA aeiierotimento,
- fuglo de bordo do patacho Pinteas um eionvo
da noma Hoque, do Nim-Tliomo, oatatura biixn,
rosto i'i'iiniiilii fiMPiii turba, com Cerilla naa poma,
vostltl com cnmiii a cilca ixul a pirreto inglai,
Rato escravo perlence a Jobo lat Paraira do Aiei-i,
do itlo-de-Jinelro. Quem onpprabinder, queira le-
vs-lo A rua da Crux n 06, casa do andino Agoali-
nho de Barro, por quam aer/i raoompanaado,
l'uglrim, Aloxindra, cubra, a Mireallini, pra-
ta que partoncem a Mmoel Ignacio de Albuquar-
(|iioMiriiiliflo,ciili eflo 1 Jn foram pratni, 011 dcmoradoi-em Iguaras-
iu(Iniiaman)od'ihl tornaram a fuglr. Peda-aa aa
autoridades policliai a cspltflc da campo a captu-
ra dos mencionado eicravoi que o levem rua d
Cailoli-Velhi, n,- segundo sndiir, onda aarflorc-
compcimniloio te pagirflo todia ai despegas que
porvotitura te lentiim relto.
TKM BOA 6IIATIFICACA0'
qiiftm pegsr o moloquo ioao, crioulo, ile II a 10 an-
uo, corpo regular, bem parecido, enr um poueo
fula, >rcoc silo, falle branda ebiimible j tem un
dent d que a prlmelra viaia parcee que Ihc ralla um dantai
levnucalca docaaimlra isuidn quadros, cainita de
madspolflo Uno. fioaapparaeeu da caaa de uu U'
nbor am motivo algum o por lato julga-se tar ajilo
daaancamlnhado, como ha poucoa diaa loontoeeu
rom urna eacrava qua o annunciante, Antonio V,.
doa Mantua, morador na rua do (raspo, n, O, reirn-
lien de Ncelo, a quil foi furladaa conduzlda para
o.lllo-Pormoao, lloga-aa n atiUiriiladaa pollcfaai,
3ue deltemaa auaa viales sobre sata calila da !
rOet, flagello fia bumanidade,
Poglo, do engenho fionga^ry, fragoasll da
Igoaraaau a molequo UetrSttt, de 14 anuo, fl.
flora ordinaria; tem um (albo so correr da canalla,
alta ha poueo; quem o pegar leva so dito erigando*
ou na rus Imperial, 11- W,
Fuglo, no dfa i* de malo paseado, da bordo do
patacho toytratifa, um prelo. de noma ItamMer,
de nmo ('ambioda, eterno do fallecido Antonio
Hay mundo Vmiefn MA > ei/Jo mme tem qa ala-
llntea! bem ralinto em rlteade, eai-
a falla multo bucal quem o pegar lave a
en d# Meno*) Joaquim liarnos 0 llva na ru da
Cdela do Hecfe, n. W, quo er bem raeompan-
uAu.
W
H* A Vlt, PCM. F,MFAIA. l<47.
MUTILADO


ddo de 1847.
Segunda fe ira 21 de Junho
N. 23. -
SQ&S1S QQ
*
DE
PERNAMBIJCO.
(SOB OS AUSWCIOS DA SOCIEDAD* COMMEROUI)
adianladns.
Subscreve-se na Praca da Independencia, loja de Hvros n. 6 e 8, por xtsooo ris por anno? pagos
PBE^OS CORREANTES DA PRAA (Corrfcgklo Sabbarfo ns 8 horas da tarde.)
c
si
y < < y. s o ig :
ri25
o
a
Z
a
5 .
I 5
i!
c
o
o.


< = < jas



u
-3 '
tu
a E
3<
a. ja
M tf #
* 8 S S 5 5 S K
e = -: o o = 5T3 S2??3|?
S -, O C. ; jj 3 5 O J.; J g '
S | =
a, i*
- <4
" o = = 222^?gSSSS5


' e J "
a O -
o .* o = -~ xt
S 5 o '
S||S5 5 $$84.8-8=5, *" -s. "**" *.. S;
Lt C O
8s883e13
o
I
88?
383
o o peo
* ., a* -^>^*p
O O > ri r <*
- -5 W -
e
o c c =
3.83
S
eco
eco
c O o
Se o
o c
- C O
o e o e
B # *C *
e o e e ^- o

il- g"5 e'Jj s3|
41 ^ ^ O* < -' -'
e ^ o o o
5
"iTsTsfs| lili?
Sg' 5 = 5 = 1
9 -
O O = = === = ?2
co-ic = "*;^-~;
o ce *> o
o e 4
.o e *
o
^ra n f< -
iii?-iilisrl*t-lilil
8
2 j3
4
O
O
8ES*S388!*!
88- |S888S||
o co ota O M-oo'
o- <
S 53
.4.1
fi.iti1fe!---ifili1^l3
3 -^^-i-=g <<7.&$-2 881.838 88
O O
o o
o s

o5o = *
* ZZ "R2MW
~ o
O O
o o o
#* o
t -
c = o O
o = 2 ?
-, i o c 5 -
- -
So o o e 3
^gg Sg|S 511
c o
e o

O O O O
8 28
i 8. O
gs
/


f.


(*>
EXPORTADO.
Agoardcote Casaca -
Alodio 1. corle- .- -
-
Assucar In-anco em caias -
mascavado -
pan em bar rica r ou
ernsaccar, braoco -
> malcarado- -
(.uros secco* salgados. -
Meios do sola
fililes da Ierra -
do Itio Grande -
EXPORTS.
Rum ------
Colln I. qualily -
1. a -
Silgar d casas while -
a brown ,
ior barris or liega
while
brown -
Dry salud ludes -. -
iVnne bids -
Ot-liorus -
pheco da piug
PO
4I|000
C*I00
i*600
14000
800
2*1100
I #580
3f000
7|OO0
4&*ooo
6/J00
6*700
1*000
SJ0t>
i;c
110
I J2U1>
4*600
Pipa.
Arroba.
s. ferro
Libra,
lio...
Genio.
cambios.
-pndres.........................a 27 d por I/ rs. a 88 deas.
L"boa.........,................|0a por cenlo premio, por natal *r-e1aiarl<)
Franca.... ..................... 116 ris por franco.
Rio de Janeiro....................ao par
PH ATA iniuda................... 11*10 a I/B20.
Paiacoas Braiileiros........ I*M0 a iJMt.
Pesos Columnario......... i|U20 a l*40.
Uiioi Mexicanos........... 1*780 l/80o-
ODRO. Moeclas de 6*400 velha... ll/OOO 18*10
Ditas ditas novas... I800G KfOaO.
Ditas de 4*000............ 8/000 a JI 00.
> nras hespaniolas........ 28*600 a 28000.
Ditas Patriticas..........27*400 a 28*000.
''ras....................... /, e I por 100 ao mes
FRETES.
ASSUC'AII.
Liverp-ol............... Saceos f 40 ,-
Canal, porlos Inglezes......Caitas i 6 6 O 6- 0 0
Dito, diloeulreHaiob. a Havre. Dilo s o o
Genova................. Saceos 400 Con
llamburgo caitas............... 4 00
Idilio..............,.........
Trieste.................Saceos 14 60 Com
Estados-Unido................. huin peso e JO cantos por sato.
Portugal....................... 100 200
l'iauca..............,......... frs. l'O a 10 "/, le primageia
ALGODAO-
Portugal.................... 000 por (g sem primagem nenhnl
franca..................... 400 por (ge 10 p.,f o canil,, de rtOp-fr nominal,
Inglaterra.................. 718 p. d.elp,'/, da primagtau,
llarcelooa.................. 4C0 ris
C ROS.
i 0 0
Inglaterra Saceos f
Franca......
Estados Unidos..........n..........
........
por tonelada a 6 por canto, .
70 llancas por toneladas, aomIOp. cenlo 4
Nao lia. ~
"si
SflSt
Da (ha II ifc Novemhro de 1814 ) rt liante pagar 8 p, c. o rapon taliac*
oe r-/, os charutos ou cigarros, o fumo nu cAo ou em folln.
VagardSO p. c. os saceos decaiiliani.no grossari ou gimes da In.Ia, os cai-
vetes em Idrma de punlial, as Insoladas para ca ruageus, as pedra* lavradas parala-
~do, as pedral de cautn pira portees, portas ejanrll**, ns pedras lanadas para
encanaiiienlos, cepas, cirnhaes e cornijas, o assucar refinado, cryf lalsado ou de quaU
qsier maiieira confeitado, o cha, a agoardcirte, a cervej* a cidra, a getiebr, o mar*
rasiuiuo, ou oulrns licores, e os viudos de quaiqaier rpialidada o precedencia
i'ng-ir 40 p. c. as ale ditas ou tapetes, o cauhamaco ordinario ou grossmi, as
bataneas de qualquer qualidade, e roupa feira, nao especificada na tarifa, asearlas pa-
ra ogar, as escovas de cabo de marliui, o fbgn da China em cartas, ou qualquer ou-
rn logo de artificio, o papel pintado, prateado, <>u fouvado, sendo de qoelidadea
linas, o papel pintado para lunar salas em collecces ou paizagens, o papel de IKii-
jaud, imperial ou outro n*o espelucado na tarifa a plvora, os sahoiietes, o sabio,
o sebo em velas, as velas de SlearUia ou coinposicio, as ameizas, ou mitras fructak
em -frascos ou latas, sebeas, em calda, on m es|>ii Hoy o chocolate de cacao ordinario,
o vinagre, os carrinbos, carruageus ou caisa jogos, rodas, arreios para urna e eu-
"a cousa as esleirs para forrar casas, os carros para condiizir gente, os sociaveis,
silhoes, os areieiros e liutciros de porcelana, e qualquer olijectn de louca nao com-
prebendido na tarifa; os lustres, os clices para licor ou vinlin de vidroliso ordina-
rio, ot de vidro moldado ordinario la'vrado ou moldado e lavradn ordinario da Afle-
niiiha e scmeltiantes os de vidro liso moldado ou lavrado, de fundo corlado ou liso,
rom molde ou lavor ordinario ; os calices'para Cheinpanhe ou cervrja, as canecas,
e conos din-nos de 10 a I em quartilho, as garrafas de vidro al I quarlilhc ou mais,'
sendo todos estes olijectos de ns. I e 2 as garrafas de vidro pretas- ou escuras da
mesina capacidade, coinprehendidas as que serveur para licores ou Le-Roj j os copos
pira tabernas at urna caada, os frascos de vidro ordinario com rollias do mesnio
al 1 libras on- mais ; ou em rollia at ? libras ou mais, os de linea larga com rolhas
do mesmo, li 4 libras ou mais, ou sem rolda para opodeIJoc os vidros para a-
larapada ou candeipis, as tahuas ou lolhas de inognoou mitra madeira lina, e Iras-
tes de cj lalquer madeira.
raga-u 26 p. c. o ac, alcalro, zinco em barra ou em follia. chumbo em barra
u Icucul, csianiio em barra ou em verguiuha. ferro em bai i a verguinha, chapa o
liu-uaos pira fundieo, follia de FUndres, gallia de Alepo, lata em Toldas, lati cm
chapa, m.irliiii, salitre, vina, hacalhao, pe\c pan, e .qualquer outro, secco ou sat-
Eado ; bolacha, carne secc ou da .almnura, herva-doce. farinli de tvigo, pellicas
rauca ou pioladas, cordoves ou corles de liezcrro para calcado, beaerrose couros
envemizados, cutiros de poico ou boi, salgados ou seceos sof clara para sapnteiro
ou coireeiro, come a caparrosa.
ragerao 20 p. c. o trigo cm grao, barrilha, canolHhn, eapigullha, freirs, fio,
franjas, laulijoulas, pallietas, passainaiies, sendo de ouro ou prata entrefina, ordina-
ria ou falsa : galoes da mesmi uatureza, ou tecidns com relroz, litvlio. nlgodo ou
seda, rendas ou ntremelos de algodo nao bordados ; rendas de fil, as de algddo,
reiroz ou tracal ; lencos de cambraia de lindo ou klgodo, a bandas de relroz de
malba.

Pagara 10 p c. os livros, mappas o glolios geographicos, instrumentos mathe-
malicos, de phvsica ou chimrca, caites de vestidos de velludos ou damascos, borda-
das de prata ououro lino ; relroz ou tracal, e cabello para cabelleireiro.
PassrS 6 p c. o canulilbo, cordo de fio, espiguilha, fieira, lios, franjas, ga-
llo defioou palhela, laulijoulas, palheu, renda, cadarcos e lodoso mais objec-
os desta uatureza, sendo de ouro e prata fina.
?aga- Sp. c. o carvo de pedra, ouro para dourar, ou quaesqnerobrase
tensil de prata,
Pagarn 4 p. c. as joias de ouro ou prata, ou quaesquer obras de ouro.
Pagarao 2 p, c. os diamantes e outras pedras preciosas solas sement, plan,
a s'e raras novas de animaes utei.
Patnr 10 p. c. lodos os mais objectoi.
Os genero rcet portados ou baldeados pago I p. e. de ilire'tos alero da armaze-
K^m e o despachante presla fianca t a approvacio desta medida pela Assem-
Wa Geral;
Coucedem-se livre de armacenagens, por 15 das, as mercatlorias de Estira, e
deus mezes as outras e ftndos estes prazos, pagar'/, p. c. ao me do respeei
Ye ^vslor.
Os rdireitos das falencias, que pagSo por vara, dere entenderle rara quadrada.
Os fireitos nao podem ser augmentados dentro do anuo fiuanceiro ; masoGa-
?erno podera mandar pagar em moeda de ouro ou prata urna vigsima parle da que
lorem maiore de 8 e menares de SO p. c. dos preco das mercadoria, ou mesmo
limintiil-os, segundo I he parecer.
O Governo sU>uleriadoa estabeiecer ;um dirello differeucial lobrco acaaarj
de qualquer naco, que obracari-egar o geaera brasikiios de maior creita qa
ignats de oalra naci.
Os artigo nao especificados na pauta pago o direilo ad vmlnrim sobre a factn
presentada pelo despachante i podendo poim er impugnadas por qualquer oficial
da Alfandega, que em tal caso paga o importe da factura eu valor, coa direilo,
>o caso de dnvida sobre a clessificaeo da mercadoria, pode a parle requera*
arbitramento para designar i qnalidadt e valor da paula, que In* cen pete.
San isentas de dheitos as machinas-, anda nao usada no lugar, em qne forea
i mpo nadas.
EXPOflTAC"AO O direitos pago-e sobre a avafiaco de nina patita sema-
nal ,n razio seguinie : Assucar H> p. c. Algodio, cate; e ruma 12 p c.. Agoar-
denle, cauros, e lodos os mais generas 7 p. c. Alem desle* direitos uago-ie a
taiat de 188 rs cm cada caita, de 40 is, em cada feelio, da 30 r. ui cada barrica
ou a:sos de sucar, e de 40 rs cm cada sacca de algodao.
Cauros e lodos os mai gener lio lirre dediaeitoa para a porto ek> imperio, a>
eice|icio do algodao, assucar. caf, e fumo, que pago } u. c. e as taca por volume-
O metaes preciosos em barra pagio de direitos 2 p c. sobre o valor do mer-
cadoe a prata e o ouro amoedado nacional ou eslrlngeiro paga auicamcnle '/, p. a}
Os escravos exportado pagio 6/000 per aada un. i
DKSPE'AA DO PORTO As emberc.eSes nacionaes, on trangeSras, qne
navogao para fora do Imperio, pagio- 00 rs de ancoragOm por tonelada : e'
nacionaes, que navegio entro os diverso portes do Brasil em lastre e sahirem com carga e vicc-venia, pagar mtiade do imposto supra e un
terco s que cmrarem, e sahirem em lastro; c mesmo as que entraiem por franquia,
ou escala, quer entrem em lastro, quer com carga Delta imposicio pareniere>
isentas as que imporlonn mal delOO Colonos brancas, e asquaentradrem por arribada.
forrada, com tanlo que estas nao carreguem, ou descarreguem i inenlea geaere
necessarioi para pagamento-das repare, qne aturen.
VENDAS DE NAVIOS-. A embarcactVe e.trangerras, qne pasaarem a ser
nacionaes, pagio 16 p. c e ai nacionaes, mudando de pioprielan, en de banacira>
pagio i pv c. solire o vr'trdav venda.
REVISTA SERIA RAL.
CA ^IBIO As transaects sobre Iglatrra efiecluario-se a 17 d. por I]000 n-r
e sobre Pars a 248 rt. p. f.
AS.-.UCAII As entradas forio regulares, os precos conforme i quotaco, lia
vendo em deposito grande quantidade do mascavado.
ALGODAO tnlrard 654 saca; menos procurado;
CO"RO Contina baver abundaneia;pouco procurados.
FAR1MIA DE TWGO I\io bomcro enli.d.s. o deposito he de t:780 bar-
rieas, em mi dos especuladores.
HACA 1,11 -i O io liouverio entradas, o deposito he de f:700 barricas;
CAHiMi DE CHARQUE Deposito: 17:000 @ vendas regulare.
Resumo da* Entbanac&a exilente* HttU par! no din Itt de Junho 4 tS*T.
Brasile
liainl-urguiM.........................
Inglezas...............................
Total
li-
l
?
20"
A Provine gota tranqalMad*.


(S)
LISTA das Embarcares existentes neste porto at o da 19 de Juuho de de 1847.
ailADA.
ist( Setwnbro >
,141 Mio

Junho


Junho
limho
1147 Junho
*
Junho
>
J
11
ii

i
JJ
a
JO
a
t
te
17
18
DONDE TBM<
Bahic
Rio Ornad* do 9
Rio de Janeiro.
Rio-Grndedo S.
S. Matbciu
II io de Janeiro.
Rio G. do uJ
Arribada
Babia.
C.ravelte.
Rio Grande do S.

Baha.
Babia
Mamburgo.
Liverpool
Bio d Janeiro.
LTerpooK
Nora HolUnda.
CISCO
lomae
patacho

brigue
9UIIIBCI
CUclio
rea
arique
maca,
hiate
a
brigue.
a

nimaca,
a
galera.
baica
1MCA0.
Ilraal.
Haral.
Ingl.
ROBES.
Santa Aun
Doli.
Amazonas.
Victoria
Lagarto.
Nitheroy.
Firmeza
Despique
Terusieiiore
8. Benadiclo.
Pcnsamento Feli/.
Feliz Destino,
A usual.
S.-M.ria- Boar-Sorle.
Santo Auto nio de Padua.
Chrislfani.
Mary Queen Oftieots.
John lio. rucies.
Serafina,
Aebille.
T0H6.
2
104
183
ISI
63
I SI
311
.78
64
44
18
218
186
233
76
14*
2i6
462
289
318
'.-----
MBSfM.
Joto de Dos Pereira
Manoel Mai eianno Fcrreira
Jo% Monleiro
Ignacio Finio Pereira
Joaquini Soares Mrariin
Narciio JoideS. Amia.
Joaqun JaV d.i Santoa
/oaquim Jos d hveira.
J. J Sanios Moro bar.
Manoel Pereira iie S.
A. y. Lima Fogaca.
J. J. Dial dos Prazerer
Manuel Jos Kibeiio.
Taggenhrock.
Wm. Kelly.
S. Sarrdersot,
John Tajlor.
Gorge HurncN.
caftsiaiufAftfofa
iNovaes ll C
Guadino AgoatiohtTde B\
Ainorim Irmos.
Ainorim Irma os
M. J. Hamos Silla*
Guadino Agostinto de Barros
*
Machado & Pioneiro
O Meilfe.
Pedio Din Hoj-San (o.
Amoiim I maos.
a
Luii llorges de Sif/lHf.
Kalkirann le Rosemuod.
.'ames l'rahtree St C.
Le Breoo Scbramm 8t C.
Jobnston P.tCcr 8c.
Me. Calcnonl t.C .
*r
ftKrtdt.
'>-
B.-de-Jauiroaf'/
Rio da Jamfl.0-.
as*
Canal'.
LondmaT/
Pcroamauco na Tapograptia de M, f. da fana.<*-*.
V


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZQU5ZY7A_RXE2GV INGEST_TIME 2013-04-26T22:48:52Z PACKAGE AA00011611_08447
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES