Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08426


This item is only available as the following downloads:


Full Text
n
^iino de 1847.
Terca-feira 33
() OtdflO puMc-ie todos os das, que ro
,., ile guarda i o prero d signatura he de
Jiidft rs. poi quartel. pagnt adan tadnt. Os O-
.ocios 'los asignante s > inser.In i raslo de
J"',, ,irlinlin, *<> rs em tvpo dirTerenlc, e as
e,'-* pda meude. O que n'.o f rem asi'g-
' ','pagano 80 rs por liulia, e ICO ein lypo
Hillirente. por cad. publicar-'.o.
PI1ASES DA LA NO MEZ. DE FRVERF.IRO
ni. i, .ni ule, o 8, is 11 horas e 16 min. da ni.mli.
I ua nova, ">>* I""1" min- da m.niii.i.
cjrescente, a 22, I hora e SO mu. da maulia.
PARTIDA DOS CORREIOS.
Goianna e Parahvh*, as segundas CiPxUl feras.
Kiv-Uraade-dn- Norte quimas feras aoineio-dia.
Cabo, SerioliSem, Rio-Formoso, Pono-Calvo c
Macelo no I., a 11 c 21 de cada mei.
ll.iia il mis c Ronito. a 10 e 21.
Boa-Vista e Flores, a 13 e J8.
Victoria, s quintas feraa.
Ulinda, todos os dias.
PRF.AMA.l DE HOJE.
Primeira.s 10 horas* 51 minutos da inonli.'.i
Segunda, s II horas e 18 miuulos da larde.
de Ftverero.
Ann XXIII.
N. 45.
DAS DA SEMANA.
5? Segunda. S Margarita. A mi .:,. i ilmor-
plmoa, doJ. do c da '.' v. e do i M. ih 5 r
58 Terca. S I.mrro Aud. do J. do civ. da I
v. c do I de pal do 5 'i.it. de I
Si Qual1.1. >{ S Malinas A111I do .'. do civ.
da 2 v. c do 1. de p/. do 2 (Ult. de I.
li Oointa. S. Canto Aud lo J. ilc orph.io,
rio J. municipal da I vara.
26 Senla. 'l'anpilo. Aud. do J do civ. da I
v e do J. de paz do I. disi. de I.
27 Sabbado. S. Leandro. Aud do J do civ. da
I. v. e do i de pu 1I0 I disl. de I.
11 Domingo. S. Uoin'io.
CAMBIOS NO DA M DE FEVF.REIRO.
P.'#.
Cambio sobre Londres de 29 '/, a J d.
P-nsllrs por franca.
Liorna 9> de premio.
DcSC. de leltrai de boas firmal I '/ P-%
OrnoO.icas lepanboln...'. 28*11110 a
Meadas de 61 tf relli
n ilr 0"!fli> nov.
a lie 1 fimo ....
PruM Patacucs ... ..
' Pesos i'ohnniiares..
11 Hilo, mexicanos. 1.
Mitnla
.-.o mez.
}t|4M>
lelioo
IttflOO
IfOftt
I MU
IfO.
iJoo
A croes da comp. do llcberibe de VijKWO rs. ao par.
16A000 .1
iflMfll n
JoSO a
if.il. a
liii.o a
ifaoo a
l,'80
DIARIO DE P
DIA 23 DE FEVERE1RI).
,OS FJiV8TI88Im08 .l.V.l'OV
5Ec ^ua aite?a o principe imperial,
mamas ms
O Genio do BRASIL ueste almo DIA
0 delubro invadi do invicto Fado I
Desenruga o sobrnlho o '>&!>Q nublado,
N'um sorriso approvando a valenta!
Ah! releva um dover, qilB assim me urgia
iOGrmo diz, no penetral prostrado)
Zelar o Imperio, c o Throno me foi dado,
0 Horscopo do miwcipe queria
Entilo leu elle co' a avidez da fome
Este destino em lamina fulgente
Di' lettras de um metal, que o ouro some :
.111 "uso. a qiiem gerou PRDllO, o Prudente.
fui ta Patria tir, /Jo Ve ao seu TYoinr
Ca tubas nilo bastar da FAMA ingente.
Por M.
Km urna visita de sadc na sua tenaz enfermidade.
EXTERIOR.
PORTUGAL.
Do Shipping and Mercantile Cazelte.
Pelo vapor de S. M. B liattltr, livemos importan-
tes noticias de Portugal quo referen .1 quasi com-
pleta destruidlo das figas rebeldes sob nromman-
do de Bomlim, em Torres-Ved ras, e de Mac-Donalil,
em Brilla. O marquez de Saldanba aUrou o Bomlim
nas antigs linhas, formadas oulr'ora pelo duque de
Wellington, e totalmente dcsbaralou-lhe as Torgas,
compostas de cerca de 2,500 homens, dosquaes mui-
tos roram mortos no.combate; c mais de 1,000 pri-
sioneiros foram levados para Beln, entre os quaes
l'oram o Bomlim e a sua comitiva, e para sua melhor
guarda oram conservados a bordo da fragata portu-
guesa Diana, delimito do castello de Relm. A 2C de
lezembro bouveum reconlrtentre Casal, general da
1.1 mlia, o a partida rebelde capitaneada por Mac-
linii iiii. Dizem que fra este um combate mu i renhi-
dn, c muitos foram os 111 orto d'am has as parles; mas
a fortuna do dia deelarou-se contra Mac-Donold, que
lugio, montando os prisioneiros aporto de 700, os
quaes foram mortos, sen hesitaeflo ita parte de Casal.
Este ia em marcho sobre o Porto, que se conscivava
I irme. Aquella carnificina depunha milito contra a
causa da rainlia. O /to/i/er^partio de Lisboa a 7 de
dezembro, passou pela altura do Porlo a 29, e por Vi-
go a 30. Nao ha noticias circumslanciadasdcstes l-
timos lugares. Tinbo havidu tremendos temporaes
nas costas de Portugal c llespanha. O l'hien'x licou
sen o maslro grande que vou pelos ares, e foi ca-
liirno<>M<; pelo que arribou a liihraltar para fazer
obra ; eo ftavtilius tres semanas depois de haver sa-
ludo de Lisboa, tnruou a entrar naquellc porto, sen
ter podido alcanzar o-Porlo, liavendo soiTrido ova-
ra, e foi obrigado a laucar ao mar duas pecas d'ar-
titharia.
(Do Morning Chronick.)
Temos cartas 'de Lisboa al 29 do passado ;dezem-
liro; Ellas do noticia de nina arefio entre as tropas
da rainha e os insurgentes de Torre-Vcdras, na quai
solTreran estos um revez milito decisivo. A aceito te-
ve lugar a 22, comniandando Saldaiiha as tropas da
rainha, e Bomlim aos insurgentes. A perda d'ambaa
as partes em morios e feridos foi cousideravel. Fi-
caram muitos prisioneiros, inclusive o Ronifm. Diz-
se hater sido a perda da parle da rainha de 386 in-
clusive 38 officiaes) em mortos, feridos c perdidos;
mas oulro conlam muilo maior numero. Os acci-
liiilpsda paridlos insurgentes foram menores; pois
iiueelles rombateram airas de muralhas elrincnei-
ras. Ainda depois que as tropas da rainha tinliam
penetrado na cidade, o exilo era muito duvidoso,
por laso que os insurgentes se retiraran para o cas-
tello; mas tres compauhias do 2'de infanlaria que
tinham a seu cargo o forte da Forca, saliiram em cor-
po ao encontr do inimigo, c perdido esse poslo,
que era a chave da situacilo, tornou-sc o castello in-
(lefensavel; o renderem-se, ou serem mortos ateo
ultimo, era a nica alternativa que Ibes restava.
Permittio-se aos insurgentes sahrem com algumas
das honras da guerra os officiaes com as suas es-
padas e os soldados com as suas mochilas. Durante
a noite de 32 procurou o conde do Uoinbm mandar
nm ollicio ao conde das Antas, avisando-o do que lia-
via occorrido, oqualachava-se em Bio-Maior, afren-
te de 3,000 homens de tropa regular e 500 paisanos
armados, eaoreceb-locomecou asna retirada com
direcgiioaCoimbra. para se ir unir all s forcas ir-
regulares, commandadas pelo marquez de Loul.
0 Antas mandn ao mesmo tempn um mensageiro
a Cesar de Vasconcellos que elle tinha deixado em
Santarm com 2,500 homens de tropa irregular, mus
bem armadose instruidos, inclusive cerca de 100 ho-
mens de cavallaria, participanho-lhe o que tinha
acontecido, e deixandn ao seu arbitrio ou defender
a Kaca ou retroceder para Coimbra, dos quaes pre-
lerio elle o ullimo partido. Allega-so quo a noticia
do desaslrequc succedeu ao Bomlim, em voz de des-
animar o resto dos insurgentes, pareeeu inspirar-
Ibes maior furor contra os seus inimigos. Os feri-
dos levemente, escreve o nosso correspondente de
Lisboa, chegaram aqu: foram inundados para
Alhilmra, e dalii pelos barcos de vapor para esta ci-
dade. Os feridos gravemente foram distribuidos en-
tre Torres-Vedras c Runa, cidade da viziuhauga, pro-
vida de um grande hospital. A rainha c as suas no-
bres aias, a duqueza da Terccira e a murqueza da
Fronleira, mandaran para Torres-Vedras una gran-
de quanlidade de (os preparados por suas propiias
milos para as ftidas dos soldados. Sera grato aos
bravos pacientes que8. M. cuide delles ii'unia tal oc-
casio ede tal modo. Refer n'uma das miulias ulti-
mas que se havian dedarpensoes iguaes ao sold
actual aludos os invlidos c s familias daquelles
que perdessem as vidas nesta lula, para sustentar
o governo. O numero de officiaes que chegaram pri-
sioneiros a Beloi no dia de Natal, e que foram met-
tidos a bordo da fragata Diana, foi de 1(i:i. Aquellos
que poderam obter cavados, foi permillido virem a
cavado de Torres-Vedras. A condessa do Bomlim
mandou urna carruagam para tratar, seu marido, a
qul encoiitrou-o pouco adiante da cidade, e trou-
xe-o para Lisboa, com o general Celestino. Os offi-
ciaes viuham acompanhados de grandes escoltas de
infanlaria c cavallaria; c foram tratados no caminho
pelos seus conductores con as maiores atlcnges
Ajuiitou-se em Relem urna grande mullidflo para ve-
los embarcar. All se achava I). Carlos de Mascare-
nliiis, commandante da guarda municipal, o qual
antes que se approximassem os prisioneiros, aniea-
cou de prender a todo aquello que lhes dirigase o
mnimo insulto, quaudo clles passassem. Para pou-
parao conde de Bomfim sensacOes dolorosas, a es-
colta evitou a ra em que elle morava, c entrou em
Belm por um caminho indirecto O general Celesti-
no o o conde foram para bordo da fragata n'um es-
caler destinado s para elles; e os outros prisionei-
ros foram em grupos. Nao he permillido a pessoa al-
guma ter com elles communicac.ilo. Desde o dia 25
teem sdolrazidos a Lisboa presos muitos chefos de
guerrilhas. Corre que o conde da Tai pa eslava a bor-
do do Hibernia, e tinha sabido desto porto no Battter,
que devia tocar no Porto seguindo viagem para In-
glaterra. O duque de Saldanba demorou-se por al-
gunsdias ferio de Torres-Vedras para dar descanso
s suas tropas exhaustas. Durante a sua marcha de
Cartaxo para Torres dizem que passaram 30 doras
som provar alimento. Elle incorporan a maior parle
dossoldodos do Romfim aoseu exercto. Logo de-
pois da liatalha exnedio elle um grande destacamen-
to de cavalla'ra para observar os nioinenlos do
exercto do Antas, que piovavclniente conseguir
cliegar at Coimbra, onde depois que tiver feito june-
efiooom atropa do Loul, ecom os2.500 homens,
commandados por Cesar de Vasconcellos, licar com
urna IVirga sulliciente para habilita-lo a fazer una re-
sistencia formidavel, etalvo/ feliz. Se osseleiiibris-
tas e migiielislas se uuirein do coracao, brevemente
tornar-se-lulo bstanle nubladas as perspectivas de
D. Mara. Osduus partidos insurgentes ja estilo ef-
feclivanienlc tratando de um arranjo scmclhanlo.
Cada um dedos ten um enviado no acampamento do
outrn; de una parte o capiti'io Mendos Leitc, e da mi-
tra o iniguelista Mac-Douald. A cavallaria do Salda-
nba, que lnha sido destacada como guarda avanza-
da, vai sobre a retaguarda da rirca do Antas; mas
nao sendo apoada por infanlaria, o mais que pode
azor, ho pilhar alguns desgarrados. O conde de
Bornim procurou fazer chogar urna nota sua ao vice-
almirante Sr W. Parker, solicitando os seus bous
ollkios pura obter para si o seus companlieiros algu-
ma mitigacao dos padecimentos quo sotTram. Diz
elb', queeslavamqoasi suiTocados pela multidTo de
presos polticos de que o navio eslava ja quasi cheio ;
e que se Ibes dava para comer pilo ti igueiro o o mais
grosseiro alimento, sem que Ibes fosse permillido
comprar com o seu proprio dinbeiro, qur sustento
qur camas para dormrcm. Sr W. Parker recebcu
una carta doSr. Passos, presidente da junta do Por-
to, em resposta ao pedido do duque de Palmella,
transmittido por intermedio de Sr Williain, para a
soltura do duque da Terceira. O Sr. Passos respon-
de, que se a junta consullasse s os seus sentimentos
particulares, com muito gusto libertaria o duque:
mas o respeito pelos interesses da causa que susten-
tan, faz com quo Ihcs seja impossvel faz-lo ; pois
que um tal passo da paite delles podena ser all liu-
do pelo partido opposlo a temor, e nao a gcnerosida-
de Elleaccrescenla a asseveraeilo deque o partido
e que pertence.s aspira a livrar a rainha da coaeqao
em que a ten a facefio liberticida, que a cerca
____INTERIOR.
bh)-~I)f.1j>ni:ih"o."
ESTADO ACTUAL DA ADMINISTRACAO F.CCIFSIAS-
flCA DO IMPERIO DURRASIL
En-
trou hontem em Surilaim urna brigada das tropas
da rainha, composta do 9." e 14." de infanlaria, sob
ocommandodobrigadoiroMesquila; e achou todas
as pecas encravadas.
H. S. Suppe-se que toda a Mica do Antas se
retirar para o Porlo, e ou mantera all urna prolon-
gada rcsislenca,ou capitulara sob as condiccOesmais
favoravois que poderem obter.
ARCEDiSPanp n\ r.Aiiu.
Qual he o regulamenlo da adminitlraeilo do elero.
Este regulamenlo, considerado em geni, consiste
lias regras de disciplina oslabeleciilas pelos Caonea
ila groja universal, decretos dos concilios, o sobre-
todo do ecumnico celebrado em Trono e rocebido
neste imperio, conslituicOe* pontificias e decisfies
da Santa-S; em una palavra, ludo o quo compile a
legislaQflo cannica ou o cor|o le direilu publico ec-
clesiastico. Considerado em particular ou relativa-
mente a cada una dasdiocoses, consis'e nas consli-
tuiees organisadas polos8Vnodos diocesanos, que,
segundo prescrevQ refbrdo ultimo concilio geral,
devem celebrar-so aniiualmenlc ; masque, leiuloha
muilo cabido em desuso, bem como os concilios pro-
vinoiaes em todos os paizea cal holleos, o apenas Ins-
taurados desde 182! mis diocoses catholicas dos i:s-
tados-l'nidos da Amorioa, silo boje suppridos po-
las pastoraoso regulameutos peculiares dos respec-
tivos hispos, assim como por usos ou eoslumes legi-
tima mente proscriptos e auloriaadoa. Desde que se
erigiram dioceses no Brasil, so foi celebrado, ha min-
io mais do um socolo, um deslos synodos diocesanos
nesla metropnlc da Babia, e entilo formada a cousti-
luicilo ccclosiastioa que ainda boje rege, nflo so es-
ta, coiiio todas as mais dioceses do imperio, com as
modifioaeoes de quehe susceplivel, segundo as cir-
ciinislancias dos lempos, lugares e legisluco do
paiz, a paite accidental e variavol da disciplina di
groja.
(i* a I a di i-1 san em dioeeses e a hierarcliia existente.
.Vio existe cu lodo o imperio mais que nove dio-
cosos ; a saber : Para, Maranhio, Poriianihuoo, Ra-
bia, Rio-de-Janeiro, S.-Paulo, Marianna, C.oyaz o
Guiaba. Estas nove dioceses comprehendon asdoz-
oilo provincias ou departamentos em que se ada di-
vidido todo o imperio Quanto a bierarchia, todas
oslas dioceses silo siiffraganeas metropole da Rubia,
onde reside o arcebispometropolitano e primaz, cu-
jos diroitos juiisdircionaos sobre os bispos compro-
vincianos consislcm principalmente no jiilgamcnto
das causas ocelesiasticas de lodo o imperio por ap-
pellaciio inle posta peanle um tribunal composto de
sote juizos ou desembargadores, de que o arcebispo
he presidente, e quem os noma e Ibes confero juris-
dic^ilo, fisto que, depois da extincofio do loro pesso-
al, ello nao cunhoce seniio das causas espiriluaes.
Esto tribunal julga em segunda e ultima instan-
cia, sem recurso de revista ao supremo tribunal
de justica, que pela legislacfJo em vigor, baaeada na
independencia dos poderes e nos limites que oxlro-
iiiiid o sacerdocio do impero,nfio podo tomar conhe*
cimento de materias puramente espiriluaes. Os jui-
zos inferiores ou de primeira instancia sao o vigariO
geral ou ollicial parao loro contencioso, e o provi-
sor ou vigario in spiritualibuf, que exeree a juiisdic-
gao voluntarla he sempre escolliido dentre os mem-
bros daaupradita relagio ou curia metropolitana e
sen presidente no impedimento do arcebispo.
(Jiiut u numera das igTIjas, musleiros, cuarentas e semi-
narias pura a educardo do rli ro.
Conten a dioeesn da Rubia, coniprchendendo a
provincia do mesmo nomo, a de Sergipo e lima parlo
da de Minas-Cer.ies, ccnlo e cincoenla igrejas paro-
chiues, algumaa com grande extenso c numerosa
populacilu. Os parocbos sSocscolhidos por concurso
e proposlos polo prelado diocesano ao Imperador em
lista triplico, pura elle aprsenla!- um- dos tres pro-
poslos, que era consequencia recebe do mesmo pre-
lado a inslituico cannica ou juiisdiccao parochial.
Exisleni aotiiulmonle nesta dicesi; quatrocongre-
gacOes ou ordena religiosas do honiens, benedicti-
nos, carmelitas caldudos, franciscanos o missionarios
capuohinhos. A'excepcilo dos dous ltimos quo vi-
rom das osmolas dos liis, os mus possucm bona ad-
ministrados purelles. Cada urna deslas congrega-
oocs, alm da casa capitular desta metropole, onde
reside o prelado-maior, leu mais pu menos conven-
tos e hospicios que Ihe sito subordinados nesta c nu-
tras provincias do imperio; a saber : a de S. -Fran-
cisco 12conveniosc I hospicio; a du Carmo 3 con-
ventos e hospicios ; a de S.-Rento 10 mosteiros e I
hospicio ;-e a dos cupuchinhos italianos 1 hospicio
na provincia de Sergipo. Iguaes casas religiosas cs-
tabelecidas em algumas dioceses sito independentes
das da Rahia, e governadas por superiores de sua
piopria escolha. Ten mais esta diocesc quulro con-
venios de religiosas professas, dos quaes dous sflo de
ursulinas com os ttulos de No.sja-Sonhoia-da-Sole-
dadee .\ossa-Seuhoiu-da.s-Meici>s, e os oulros dous
prufessau o instituto franciscano, e sio denoni i na-
dos, um de S.inla-Clura-do-Deslerro, e outro de Noa-
sa-Senboia-da-CouceiQao-da-Lapa. Os das ursulinas
receliem educandas. lia (tnalinenle dous recolhimon-
tos onde a pralica dos coucelhos evangelices o exem-
plos de una vida innocente se junta um particular
desvelo o suliciludu pela educaco le meninas que
uelles se rccolhem Todos estes conventos de mu-
Ihercs nflo possuen o otras rendas que as provenien-
tes de alguns predios urbanos, eos dos rocolhiraeu-
los silo auxiliados pela fazonda provincial, em rasfiu
da insulliciencia doseu patrimonio. Nilo existe nos-
la metropole seniio un seminario para a educaco
do clero secular, onde s se admitiera os aspirantes
ao estado ccclesiastico ja habilitados cora os compe-
tentes preparatorios para seguirera as altas sciencias
ecclesiasticas, divididas pelas seguintes cadeiras :
Ideologa exegetica historia sagrada historia oc-
clesiaslica thcologia dogmtica Iheologia moral
diriilo ecclesiaslico. O ostudo destas sciencias
forma um curso de tres annos, no ultimo dos quaes
BAMBUCO.
recebem o presbx terado os que mediante exornes p-
blicos eliom testemunba de sua morigerac5o mcre-
cem ser approvados.
Quaes silo os rapitaes e rendas do elero
Muito antes que as nnnvacOos polticas da F.umpn
tivessem abolido na mor-parto das nuches catholi-
cas os dizimos que constituan a propriedade o ri-
lUOta do clero, ja no Brasil, por antipas concordatas
do govorno porluguez* rom a Santa-S, so chavan
enfeudados ou incorporados nos benada coroa que
percebia lodosos remiimentoa,com a clausula one-
rosa do dotar siiflioiontoniento o clero e estabeleci-
inentos ecclosiaslicos deste paiz. Assim, todas as
rendas do clero se reiluzem a congruas pagas pelo
tbesouro, e sao actualmente reguladas pelo seguin-
te forma O arcebisf* metropolitano venco annu-
almonte 3:(i00,000 ris, eos bispos 2:000,000 de ris.
As congruas los paradlos nao silo uniformes em to-
das asdiocesos do imperio, percehondo om urnas
mais, con oulros menos; maso mximo dolas nflo
excede de 100,000 rois, aloni dos proventos ou direi-
losoasuaes. (Is conegos sao igualmente pagos polos
cofres gentes, a pereeTiom congruas, quo tambem va-
ria ni em cada urna das provincias, nao exeedendo do
800,000 rs O seminario desta arcebispado nflo tcm
oulro fundo que a dolaeflo pag pelos cofres provin-
ciaes de 3:000,000 rois, c alguns predios, cujo ren-
dimenln nao passa de 1:000,000 rois : lom, olem dis-
to, o producto das pensos que pagara os alumnos,
na importancia de 160,00b rs. cada um. As nicas
corporales ecclesiasticas quepoaauom maior nu-
mero o valor de bous de ra/, sao as suas ordens re-
gularos do carmelitas calcados e benedictinos, cil-
ios patrimonios cousitem em engenhos de assucur,
fazondas do gado, prodios urbanos o rendimento de
foros do terrenos. Todas oslas corporales religio-
sas do um o outro sexo teciAoMido faculdade doa-
ceilarem novicos.
RIO-OR-liMRIRO.
Qual he a hierarchia ecrlesiastica nesta diaetse
A hierarchia eoelesiastica desta igreja de S.-Sohas-
tioilo Rio-de-Janeiro lio episcopal Crcou-a o S. S.
padre InnoeencioXI, a instancias do cntSo principe
regente, e ao depois rei do Portugal, D. Pedio ll, por
bulla de !ii de nnvembrn de 1070; sendo a metropo-
le ccclesiastico, de que depende esta diocesc, c nica
no Brasil, a sarchiepiseopal de S.-Salvador da Ra-
bia. O hispo do Rio-de-Jiiiieiro he tamben capellflo-
nu'ir de S. M. o Imperador, por bulla do S S, padre
Leao XII, a instancias do Imperador do Brasil O. Pe-
dro I, em data de 18 de junho da 126; hulla quo li-
nio ao ollicio do hispo diocesano o cargo de eapellflo-
mr, quo no Brasil havia creado o alvar d'cl-rei li.
Joo VI, em dala de 15 de junho de 1808.
Almda hierarchia episcopal, uno, em nado da
sua nalure/a, he de direilo divino, ha nesta igreja
do S.-Sebastian do Rio-ile-Janeiro outra hierarchia
de direilo occlosiaslico. dovla 4 piedade dos monar-
chas o.i liberal dado du Santa-S. Compc-so esta hie-
rarchia de 8 piolados, com o nomo do monsenhores,
quofazem parte do cabido da ealhedral e capella
imperial, oceupando as dignidades capitulares. Fo-
ram croados pelo citado alvarii de 15 do junho de
1808, e confirmados pola bullado unido da catbedral
o capolla imperial, tamben ja citada, om dala de I
(le junho do IMO. Fsses monsenhores, ad instar dos
prelados da curia romana, usan de insignias prela-
ticias e do pontificos nas fonoc/jes solemnes.
Aln desses 8 monsenhores, ha a hierarchia de 22
conegos que con aquellos eoinpoein a totnlidadc lio
cabido da santa igreja ealhedral e capefla imperial
do Itio-do-Janeirn. l'oram creados pelo alvai.i e bul-
la aponlados, c gozam de omi- prorogativas ecclesi-
aslicas o civis
lia, outro sin, a hierarchia que forma a officiali-
tfrti/edo hispo; he igualnicnle de direilo ccclesiasti-
co, c funda-s nas leis goraes do igreja. CnmpOc-se
de dous ministros que rosidom na corte, e sflo o vi-
gario geral a que esta annoxa a vara de provisor e de
juiz das juslilicaccs de genere, c o juiz dos easamon-
tos, quo tumhem o bodas dispensas mntrimoniaes.
Finalmente elisio nesta diocese do Rio-dc-Janoiro
OUtra hierarchia, igualmente de direilo ecclesiasli-
co, creada pelos bispos ha longo lenipo. Compo-so
dos vigarios geracs, estabolocidos fi'ira da cidade e-
piscopal em pontos distantes o mais importantes;
dos arciprestes que representan! os anligos deocs ru-
raes, adminislraiido diversas comarcas ecclesiasti-
cas, e dos vigarios forneos, prepostos a cada una
das comarcas. Os arciprestes, por conoessoes epis-
copaos, teem o predicamento 0 honras de conegoda
antiga catnedral ilo itio-do-Janeiro.
Existen dous vigarios goraes, um ai? sul do hspa-
lo, com assenlo em Porto-A legro, capital da provin-
cia ile S.-Pod:o-do-Sul, e outro ao norte, em Cara-
vellas. Os arciprestes sflo quatro: um em Campos,
na provincia do Rio-dc-Janoiro; oulro na cidade do
Desterro, capital da provincia de Santa-Catharina ;
outro na Victoria, capital da provincia do Espirito-
Santo, e oulro em Carovellas, que he o mesmo viga-
rio geral do norte, lia 38 vigarios forneos ou rfo ra-
ra, como cha mam, o saber. 1l na provincia do Rio-
de-Janeiro, entrando o arcipreste de Campos, que
he vigario forneo na respectiva comarca; 1 na par-
le desto hispado que. pertcnce provincia de Minas ;
3 na provincia de Santa-Catharina, entrando o arci-
preste do Desterro que rege a comarca do mesmo ti-
tulo; 1 na provincia de S.-Pedro-do-Sul; 3 na pro-
vincia do Espirito-Santo, contando com o arcipreste
da Victoria, que tambera he vigario forneo na res-
pectiva comarca, e 1 em Porto-Seguro, provincia da
Baha, na parle que perlonco a esta diocese.
Alora dos graos hicrarchicos aqui aponlados, ou-
lros se nflo conhecein nesla igreja de S ^Sebastio do
Rio-de-Janeiro.
...




-


K
Qual o numero de igrejm, convento, teminariot
nel/a existente.
A diocese do Rio-de-Janeiro te a di visito peral-
mente adoptada na igreja, isto he divide-se em pa-
rochias e em curatos.
miaras.
Corle Alm da calhedral e capella imperial, ha 7
freguezias eem cnnsequenca 7 igrejas matrizes. A*
fma mml ha mais 24 igrejas o 13 capellas, sendo
perlencentes a convenios, 8 a ordens terceiras o to-
das as mais de eonfrarias ou devoces.
Municipio da corte. Tem 8 freguezias e 1 curato,
e por uso 9 igrejas matrizes, alm de 1 que pertence
a um convenio.
Provincia do Rio-de-Janeiro. Conta 73 freguezias
e 9 curatos, e par isso 82 igrejas matrizes; conta
mais8 igrejas, pertencendo algumas a conventos e
ordena terceiras, ell capellas.
Minas-Geraes (urna pequea nartel. Aqu tem a
diocese do Rin-de-Janeiro t freguezia e 4 curatos.
Santa-Caihan'na. Nessa provincia ha 19 fregue-
zias e por isso 19 igrcjas matrizes; acerescondo que
na capital, alm da matriz, ha 3 outras igrcjas, sen-
do una de ordem terceira. Existem mais no restante
da provincia 2 capellas.
llio-Crande-do-Sul Contam-se nessa provincia 35
freguezias e 13 curatos, por isso 48 igrejas, alm de
outras 3 que nflo sflo da categora das primeiras c de
mais 4 capellas.
Espirito-Santo.Conta 9 freguezias, 9 igrejas ma-
trizes, havendo mais na capital 2 outras igrejas que
pcrteiicem a conventos c ordens terceiras e 4 ca-
pellas.
Convelas e Porto-Seguro (urna parte da provincia
da BahiaiAhi conla esta diocese 9 freguezias, e
por isso 9 igrejas parochaes.
MHUVBNTOS.
As ordens religiosas cstahelecdas nesta diocese
silo smente a benedictina, carmelitana c francisca-
na. Ha tambem capuchinhos que teem um hospicio, e
religiosos da Tena-Santa qu&ffiofranciscanos] teem
igualmente outro hospicio. \% dous conventos de
freirs, um de carmelitas descalcas, professando a
regra de S.-Theresa, e outro de Nossa-Senhora-da-
Ajuda, que silo franciscanas. Ha de mais alguna P.
]'. (lacompanhia de Jess, que nfioformamcommu-
nidade, oceupados as missoeg e no ensino, residin-
do as provincias deSanta-Catharina e Rio-Crande-
do-Sul.
Segundo os instituidos aqu mencionados, ha nes-
ta corte do Rio-de-Janeiro 8 casas religiosas, sendo
ademlheres; 1 no municipio e 3 na provincia do
Kio-de-Janeiro e 2 na do Espirito-Santo.
SEMINAMOS.
Smente um tem a diocese, no qual se da ins-
tnicQlo secundaria e o ensino da theologia dos c-
nones.
Quaes os rrndimen4os e patrimonio do respecti-
vo clero.
O clero desta diocese, sob a relacito deste quesito,
pude dividir-se em duas classes; a dos que teem be-
neficios ecclesiasticos, e taes silo smente os conegos
e parochos, e dos que tifio teem beneficios. Esta di-
visflo he commum a todas as dioceses do imperio.
Os clrigos beneficiados teem urna parca congrua
parasubsistirem, consistente emdinheiro que Ihes
d o estado; porco que representa os dizimos, os
quaes no Brasil, primeiro do que talvez em toda a
Europa, loram secularisados pelo alvar do 1." de a
Sisto de 1752 coirtras leis, em beneficio da cora
oje do estado O hispo tem tambem a sua congrua
do estado. Os clrigos poro ni nflo beneficiados nflo
teem outro meio de subsistencia alm da que Ibes d
oexercicio Jas suas ordens em favor dos fiis que
lhes retribuem. Mas ninguem (urna vez que niJo pos-
sua beneficio ecclesiastico) he ordenado sacerdote
sem que lenha, em conformidade das disposices do
conc. tridcnt.e const. do arcebispado, um patrimo-
nio scu, em bens de raiz ou cousa equivalente, no
valor de 500,000 rs., que d urna renda annual de
25,000 rs., na rasiio de 5 por cento ao auno.
Islo he pelo que rcspeita ao clero secular. Em
quanto ao regular, as ordens que nio sflo mendi-
cantes teem patrimonio,consistente em predios den-
tro da cidade, e fura della em fazendas ou Ierras.
s. -PAULO.
A hierarchia ecclesiastica deste bispado, conforme
estabelece o dreito o reconhece a igreja oatholica,
enllocada na desigualdad de poderes entre os pas-
tores e os ministros, existe no hispo, quo hesuffra-
ganeo doarcebispoda Babia, o qual rege todo o bis-
pado, e os parochos que administram o pasto espiri-
tual as igrcjas que Ins sAo destinadas. O bispo tem
um vigario geral e provisor que coadjuva o serve ao
mesmotempode juiz contencioso. Os vigarios as
suas parochias teem coadjuctores para administrar
com ellos os sacramentos e todo o servido da igreja.
Alem do vigario geral que tem jurisdiceflo no furo
em todo o bispado, a bem dos povos, silo constitui-
das difieren tes comarcas ecclesiasticas que silo regi-
das com poderes limitados, conforme a constitu-
i.'ii) que rege o bispado, pelos vigarios da vara.
A s cathedral tem quatro dignidades e dez cone-
gos. As dignidades silo : arcediago que he o presi-
dente do cabido, arcipreste, chantre e thesoureiro-
mr. Entre os conegos um serve de penitenciario.
A este cabido passa a jurisdiceflo episcopal em s
vaga que he excrcida por um vigario capitular, pelo
mesmo cabido uomeado logo que so der a vacancia.
Alm deste cabido, existe um synbdo onde se exami-
nan! os sacerdotes que se destinam ao ministerio na -
rocinal, c resolvem as duvidas e casos de conscien-
cia. O numero das igrejas neste bispado he de 119.
Os conventos existentes nesta diocese sito os segu n-
tcs: da ordem benedictina, cinco; da carmelita,
quatro; da franciscana, seis. Alm (lestes, existem
tresrecolhimentos que silo : de Santa-Theresa e N-
S.-da-l.uz, nesta cidade,e na de Sorocaba o de Santa-
Clara. Kilo existe seminario algum nesta diocese.
o patrimonio do clero que nflo he beneficiado col-
lado, era em algum tempo do 400,000 rs. constitui-
dos em bens de raiz; porm attendendo-so a limi-
tada quanlia, foi elevado a 1:000,000 rs.
(Conlinuar-se-ha.)
cara como aquello por que se havia evadido o oflen-
sor.
Mas, por urna dessas fatalidades que muitas vezes
transtornam os mais bem concertados planos, succe-
deuqueem lugar do preditn ofensor fosso perse-
guido um outro marinheiro que, aoser preso pelo
(iflicil que nesse dia co nmandava'a guara da alfan-
deda, eaceudira ao alarido, trazia um leve ferioien-
!o. niie eni.r*ou nflo !hc haver sido f ito por Santa
Anna protestando altamente nao ter sido o autor
do acto que tal balburdia produzira.
Nflo obstante, porm, esse protesto, fol conduci-
do a cadeia o individuo que o fizera. e que, ahi che-
gado, ao mesmo lempo que continua a proclamar a
sua innocencia, obstina-se a oceultarda polica o no-
me do marinheiro que ferira Sant'Anna, e quo d-
zem achar-se a bordo da respectiva emba reacio e a
bom recado.
Informam-nos quo o infeliz qno tilo caro pagou
sua turbulencia, frajulgado fura de pergo de vida
pelos facultativos que o visloriaram ; e que osagen-
les policiaes da freguezia cm que se dera o acto,
estilo na diligencia de descobrir o escondrijo da
fera quequasi reduz urna mulher viuvez, e quatro
meninos a orphandade.
Por nflo terem os Srs desembargadores compare-
cido em numero sulficicnte para formar casa, dei-
xou hojede trabalharo tribunal da relacito.
CCMMEfcCtO.
Alhndega.
RE.NDIMENTO DO DIA 22.......7:425,770
DRSCARREGAV HOJK 23.
BrigueyosfpA/namercadorias.
BrigueJames- Ruy dem.
Ka rea--.Vane/ifs/rr--baca Ihao.
Briguefroomeidem.
niVOiVTAG.SO'.
Irt; barca ingleza, vinda d Liverpool, entrada no
correte mez, e consignada a l.atham & Hibbert,
manifestou o seguinle:
5 fardos fazendas de algodilo; a J. Jeronvmo Mon-
teiro.
1 caixa ditas dito ; a Deane Youle &C-
9 fardos ditas dito; a ordem.
2 caixas fitas lisas de seda, 1 dita fazendas de al-
godilo e seda; a Kalkmann & Roscnmund.
15 tonelada el quintal e meio arcos de ferro, 2
litas, 7quintae.se 5 libras ferro em Toldas; a A. V.
da Silva Barroca.
4 fardos fazendas de Ifla ; a J. Crabtree & C.
1 emhrulho 2 chapeos; a J. l.atham.
70 toneladas de carvflo ; a l.atham & Hibbert
6 caixas lencos de cassa, 16 barricas ferragens: a
J. I'ater.
30 caixas fazendas do algodilo, 10 fardos ditas de
dito ; a llosas Braga & C.
50 liareis manleiga ; a N. O. Biebor & C.
6 emlii iillms c 1 caixa amostras ; a diversos.
6 tinas carne salgada; ao capitflo.
Consulado.
RENDIMhNTO DO DIA 22.
Ceral.............4:623,515
......1:949,282
Provincial.
Diversas provincias
10,062
6:582,859
Mnviiuciito do furto.
Navios entrados no dia 22.
Liverpool; 21 dias, galera ingleza Sicord-Fish, de
345 toneladas, capilflo Richard Creen, equipagem
21, carga fazendas; a Me. Calmont & Compauhia.
Veio entregar urnas cartas ao consignatario c se-
gu para a Baha.
Rio-Crandc-do-Sul; 29 das, brigue brasileiro Leo;
de 170 toneladas, capitflo Antonio Rodrigues Gar-
ca, equipagem 12, carga carne; a Amorim lrmilos.
Navios sahidot no mesmo dia.
Liverpool; brigue ingloz Maseppa, capitilo James Ro-
rison, carga assucar ealgoilflo.
Aracaty; sumaca brasileira Carlota capitflo Jos
Concalves Simas, carga varios gneros Passagei-
ros, o reverendo vigario Francisco Jorge de Souza.
reverendo padre Francisco Pedro da Silva, reve-
rendo padre Joaquim de S Brrelo, Joaquim de
Sousa Ribeiro, com 2 meninas menores, Filicia Ma-
ra de Jess.
Babia ; galera ingleza Stcord-Fish, capitflo Richard
Green, carga a mesma quetrouxe.
Parahiba ; hiato brasileiro ."urna-de-Varia, capitilo
Bernardino Jos Bandcira, carga fazendas e mais
gneros.
"i i___Aisss^mmmmpw
eem virtude do despacho do Exm. Sr. presidente da
provincia, de 20 do corrente, se faz publico, que em
o dia 27 do mesmo, das 40 para as 11 horas di ma-
nhfla, so hito de contratar nesta pagadura os con-
certos, por empreitada, doquartelaosaprendizesme-
nores do arsenal de guerra, em presenca do orca-
mento forfjjplado pelo engenheiro Carvalho deMen-
donca, cojo orcamento ser presente aos concurren-
tes que deveriio comparecer munidos dos seus com-
petentes fiadores; podendo. entretanto, ir verifi-
car no referido arsenal a qualidade da obra.
Pagadoria militar de Pcrnambuco, 22 de fevereiro
do 1847.
O escri vilo,
Joaquim Marinho ('.acalcante de Albuouerque.
-- Olllm. Sr director do lyceo, emeumprimen-
to 'a ordem do Exm. Sr, presidente, de 25 de Janeiro
prximo (indo, manda razer publico, que, da data
desloa 60 dias, va i aconcursoa cadeira de primei-
ras lettras do sexo feminino da villa do Bonito, ins-
taurada pela le provincial n. 181, do 5 de dezem-
bro do auno prximo passado : qualquer pessoa que
se quizer oppra mencionada cadeira dever com-
parecer nesta secretaria com as habililacOes do es-
tylo, para poder ser incluida na lista das opposito-
ras.
E para que chegue a noticia a todos, manda pu-
blicar o presente edilal pela imprensa.
Secretara do lyceo de Permambuco, 9 de feverei-
ro de 1847.
O secretario,
Joto Pedro l'eiioa d Mello.
A administrarlo geral dosestabelocmentos de
caridade manda fazer publico que a casa dos expos-
tos foi transferida (boje) para a casa n. 16 da ra 4aJ
Aurora, onde far a mesma administracito as suas
sessfles nos dias segundas-fui ras, que nfio forem san-
tos ou feriados, pelas 4 horas da larde.
Administracito geral dos estabelecimentas do cari-
dade, 23 de fevereiro de 1847.
O escripturario,
/'. A. Cavalcanti Coutieiro.
Oabaixoassignado segundo escripturario da
mesa de rendas internas provinciacs desta cidade ,
encarregado para proceder no bairo da Boa-Vista ao
lancamento da dcima dos predios urbanos, faz
constar aos inqulinose proprietarios, quedar prin-
cipio no dia 20 do correnle mez, pela ra do Aterro ,
e recommenda aos mesmos que tenham promp-
tos os papis de arrendamentos recibos e oulros
quaesquer ttulos que Ihe serflo presentes no acto do
lancamento, para por ellos verificar os arrenda-
mentos dos ditos predios, segundo o disposto no art.
10 l.o cap. 2. do regulamenlo de 16 de abril de
1842.Recife, 18 de fevereiro de 1847. Pran-
citcode Paula e Silva.
O escrvito o administrador da mesa de rendas
internas provinciaes tem de remoller para o juizo
competente urna relacito, conlendo os devedores de
decima abaixo especificados, o que ter lugar at o
dia 28 do corrente mez : por isso os convida a vi-
rom pagar seus dbitos, afim de evitaren as cres-
cidas despezas do juizo.
Herderos de Jos Pereira Lagos, Jos Higinode
Miranda, Joito Venancio, Jofio Jos Barroso, .Manuel
Elias de Moura, Antonio Tiburcio da Costa Montciro,
Mai ianna Hita de Olivcira, Antonio l.uiz de Freitas,
Antonio Lino da Silva, herderos de Antonio Fran-
cisco Marques, Antonia Ferreira dos Santos, Antonio
Filippe da Silva, Antonio Fernandos Vellozo, Anto-
nio Joaquim Goncalvcs de Moraes, Antonio Baptisla
Clemente, Antonia Bernarda do Souza, Anna Rufina
da Costa Monteiro, Anna Joaquina de Freitas, Anna
Joaquina da Concoicito, Anna Mara Joaquina Silva-
na, Angelo Baptista do Nascimento, Amaro Jos do
Carmo, Agostinha Mara da Hora, Anna Joaquina do
Espirito Santo (iraca, Catharina Francisca do Espi-
rito Santo, Joaquina Mara da Rocha, Francisco Pe-
reira da Cunta, Antonio Jos Gomes Arantes, An-
glica Francisca de Azcvedo.
Ilccife, 11 do fevereiro de 1847.
Clorindo Ferreira Caldo.
tem excellentes commodos, dirlja-se aNovaes&C,
ra do Trapiche, n 34.
Segu viagem para o Acarac, com a maior bre-
vidade possivel, o hiate Elisa: quem no mesmo qui-
zar carregar ou ir de passagem, al o dia 24 do cor-
rente, dirija-seao capitflo abordo, ou ao consigna-
tario, Manoel Goncalves da Silva, na ra da Cadeia-
do-Recife. Adverte-se que tanto os trelea como passa-
Kun serijo peiu mais mdico |nu(,u.
Avisos diversos*
Avisos martimos.
i (lial.
iiiiitiii n i'Eii.vtiiHUC.
RZCXrZ, 99 DX FEVCRKIHO SE 18*7.
l'.nntem, das sete para as oito horas da noite, ero
a ra do Vigario do bairro do Recife, Joaquim Jos
de Sant'Anna, casado e com quatro filbos a scu car-
po, dopois dehaver questionadocom um marinheiro
le um dos navios surtos no porto, e do o ter mimo-
seado com repetidas bastonadas, recebeu delleuma
Tacada nlre os peitos, que partio-lhe urna das cos-
lellns.
O ferido apenas aentio o golpe, implorou soccor-
ro do povo, quo promplo Ih^i proporcionou, correli-
do apressadamente para o lugar que Ihe elle indi-
Rodrigo Tkeodoro de Freitas, o/Jicial da imperial ordem
da Rosa, caealleiro da de S. Bento d'Avis, condecora-
do com a tnedalha da Restauracdn da llahia, capitSo de
fragata d'armada nacional e imperial, inspector inte-
rino do arsenal de marinha, t capitilo do porto desta
provincia de l'ernambuco, por S. M. o Imperador
que Dos, guarde, etc., etc.
Faz constar a todas as pessoas que se erpregam
no tiramento de pedras nos arrecifes deste porto,
que, em virtude das disposices do regulamenlo das
capitanas, e ordem do Exm. Sr. presidente desta
provincia, est prohibido t>erem ellas tiradas nesse
lugar desde o Pina at a Boa-Viagem, pelo mal que
causa ao mesmo porto; sob pena, pela conlravencflo,
de sofTierem aquellas a que pelo dito regulamenlo e
posturas da cmara municipal desta cidade estflo
subjeitos.
Capitana do Porto de Pernambuco, 17 de fevereiro
de 1847.
Rodrigo Theodoro de Freitas,
Capitflo do porto.
Dcclaracoes.
Existem no correio as cartas seguras para os Srs.:
Joflo Soun, Manoel Antonio Pinto da Silva, Antonio
Martina de Carvalho, Mariana Thereza de Jess Si-
queira, vigario Lonreiico Corroa deSa, Joaquim Do-
mingues de Souza Fillio, Antonio Francisco do A-
raujo, Antonio Marques de Farias, Joaquim Pedro
Marques de Figueiredo, Francisco Goncalves (Hespa-
nhul), Francisco Machado lii indeiro, Anaslacio Jos
Alachado, Juao Antonio da l.iugueta.
De ordem do Sr. coronel eommissario-pagador,
-O brigue brasileiro Sagitario devora chegarde
Santos na presente semana, e seguir para o Ass,
es devera ter pequea demora neste porto, em-
quanto descarregue e carregue a carga que tem tra-
tada: e para o restante quo ser o frete a vontade dos
carregadores, trata-so uo armazem da porta larga,
ao lado da cadeia, n. 23.
Ja se acha a carga para o Cear e Aracaty o hia-
te Maria-Firmina, quo pretendo sahir em poucos
dias com a carga que tiver : quem quizer carregar,
ou ir de passagem, dirija-se n ra da Cadeia do Re-
cife, n 34.
Para Lisboa sahr com a maior brevidade pos-
sivel o brigue prtuguez Vetlal: quem no msmo
quizer carregar ou ir de passagem, dirija-se a ra da
Cruz, n. 45, em casa de Nascimenlo & Amorim.
- Para o Aracaty segu, com muila brevidade ,
ohiate Novo-*)linda, mostr Antonio Jos Vanna ,
tendoj a maior parte-do seu carregamento trata-
da: quemnelle quizer carregar, ou ir do passagem
Talle com o mesmo mostr no trapiche novo.
Para o Ass seguir, no tim do mez o brigue-J
escuna Henriquela tocando nos Turos o Calcara'.;
tendo j urna grande parte da carga tratada : quem
nelle quizer carregar, ou ir de passagem ehtenda-So
como mestre, no trapiche novo, ou na ra da C-
deia-Velha, n. 17, segundo andar.
Para o Rio-Grande-do-Sulsaldr breve o veleiro
brigue .-I ni'mo-rantiV, por ter o su carregamento con-
tratado ; recebe cscravos, bom como passageiros
para o que tem bons commodos: quom pretender
entenda-sc com Amorim lrmflos, na ra da Cadeia
n. 45. '
Para o Porto sahir com brevidade a barca Bel-
la-Ptrnombucana, por ter parto da carga prompta;
quem nella quizer carregar o r de passagem, para
o que tem excellentes commodos, dirija-se ao capi-
tilo na praca, ou ao consignatario, Antonio Francisco
de Moraes, na ra da Cadeia d,o Iteeife, n. 51.
Para a Baha sabe o hiato nacional Flor-do-Re-
cife, Torrado e pregado de cobre, tem j a maior par-
te da sua carga, e tem excellentes commodos para
passageiros: quem nelle quizer carregar ou ir depas-
sagom dirija-se a ra do Vigario, n. 5.
- Segu para o Acarac, com brovidade, o bem co-
nhecido e veleiro patacho Emulaco; recebe carga e
passageiros, para oque tem excellentes commodos :
dirijam-se os pretendentes a bordo do mesmo, ou a
Manoel Goncalves da Silva, na ra da Cadeia-do-lte-
cife.
He chegado loja de ferra-
gens de Jos Luiz Pereira, na ra
Nova, n. 16, um novo sorlimemo
de panellas, clialeiras, cassarollas
e frigideiras de ferro, sob porcel-
lana : os senhores que teem feilo
encommendas, queiram aupare-
cer com lempo.
A viuva do fallecido Antonio Ferrei-
ra de Vasconcellos vende, para pagamen-
to de seos credorcs,.uma c;isa de-sobrado
de um andar com sotao, tendo 35 palmos
de frente e 85 de fundo, acabada por tora,
com vidracas, e dentro assoalhada e forra-
da, com portase enchams, faltando ape-
nas alguns tapamentos: oulra pegada, de
iguaes dimrnsocs, acabada por fura, e en-
vidracada, simiente travejada por dentro;
um caixao de alicerce para duas mo-
radas de casas, de 6? palmos de frente e
7a de fundo; (odas com quintal em aberto
do terreno de sua frnl, e 29-2 palmos de
fundo com camboa por dentro do quintal,
sendo os chaos foreiros : finalmente, 11 m
terreno no mesmo alinhamento, com 3i3
palmos de frenle e o competente fundo,
camboa que tica no centro : tudo siluadn
na frente da estrada que vai para a Magda-
lena, e faz esquina com a que vai para o
Remedio. Os pretendentes podem-se en-
tender com B. Lasscrre & C, amada
Senzalla-Vclha, n.i38.
Precisa-se de urna ama de leite.- na ra Nova,
11. 9.
Aluga-se o sobrado de dous andares n. 36, da
ra do Aterro-da-Roa-Vista, com muito bons e asseia-
dos commodos, e com estribara para dous cavados :
para quem o quizer alugar, as chaves estro na loja
por baxoda mesma casa.
Urna senhora de bons cbstumes encarrega-c da
criacao de meninos de peto impedidos e desimpw-
ddos, e tambem. recebe meninos para desmamar,
no que promete esmerar-se: quem do seu presu-
mo se quizer utilisar, dirija-se a ra Augusta, na
loja do sobrado que tem a frenle cor de chumbo.
Quem annunciou querer um be 150 ainda em bom
uso, dlrija-se a mesma casa.
Iioga-sc a lllma. cmara desla cidade, que lanco
suas vistas sobre urna camboa que corta as ras da
Palma e Concordia, junto ra do Pocinho, a qual
impede o transito publico, e atea algiins morado-
res poderem sahir de suas casas na occasiito da lita-
re cheia ; e no centro desla cidade onde os pro-
prietarios pagam pesadas decimas, parece devem ser
attendidos: assim como serve a-dita camboa do de-
posito do mais immundo lixo, ponto de se nfio
poder supportaro mocheiro, tudo causado por nflo
haver transit; o tambem vai arruinando as propric-
dades que existem junto | mesma.
Um prejudicado.
Prevne-se ao Sr. thesourejtp' da 1." loleria con-
cedida a favor da matjj da cidMc da Victoria, quo
nflo pague, caso saia^ralhiado^ meio bilhete n.
976, com asassignaturas as costas, seguintes : Ma-
noel Fernandos da Costa, Domingos Joaquim da Cos-
ta e Jos Miguel dos Santos; por terVido o dito bi-
lhete roubado ao aiiiiimciaiile
. Atqjocl Fernanda da Costa.
Os Srs- (cojos nomos por ora nflo sedeclaram:
que eslito devendo mensalidades de seusfrihos em
urna aula no bairro da Boa-Vista, o. j retiraram ditos
seus filhosdella, alguns a l,2e 3annos, e oulros o
anno prximo passado, queiram mandar,quanto an-
tes embolsar ao pobre mcslro os 9eus dbitos ; do
contrario, vero seus nomes publicados pelos Dia-
rio para que outros mestres nflo caiam na mesma
esparrella.
Precisa-sa de um caixoiro haljl para tomar
conta de um cstabelccimcnto de fazendas : quem so
considerar nestas circunstancias, annuncie, por es-
te jornal, sua inorada.
--Quem annunciou no Diario desapiado, n. 41,
querer comprar um berco em bom eatado, dirija-se
ao pateo da Santa-Cruz, casa da esquina, 11. 2, que
ahi se dir quem o tem.
Quem quizer se encarregar de urnas cobrancas,
ainda mesmo judicaes., na villa de ('ane, dando
pessoa que abone a sua conducta, poder dirigir-sc
a ra Direita, n. 29.
OSr. capitflo Sevcrino Gaudencio Furlado de
Mondones, morador que era no RiacIfo-dc-Sanguo,
queira declarar em que parto existe, que muilo se
Ihe deseja fallar, ou dirija-se a na Kireita, sobrado,
11. 29.
Furtaram do quintal do sobrado n. 32da ra das
Cruzes, na noite do dia 20do corrente, urna bitciaS
rame grande, em meio uso : roga-se a quem fr of-
Tcrecida, a approhenda e annuncie para ser pi
da, quese recompensar. *'
-- Isaac Esnaty, subdito Francez, retir-sc para
forado imperio
Domingos Jos de Lima,
meslro alfaiate, bem conhecido nesta praca, acba-se
com eslabelecimento de seu ofticin, c perfoilo conl
cimento das ultimas modas, prompto a la?er qual-
quer obra, tanto de liomein como de senhora, com a
maior nerfeicflo o presteza possivel na casa m
da ra do r
. Por toda a presente semana dove chegar da Ba-I frente da ra do Qu
lua o brlgue^scuna nacional Laura, o qual scgui-Imenlo, n. 1, em qu morou a" uva d^ lureni as
raem poucos d.as p-ra.o Maranhflo; quem no mes-|sim como tambem precia Uo bun ^olic aes rec.
urde passagom, para o queaprendizes paraertsir.ar.
mo quizer carregar
recebe


Na rua Nova, loja
n. 10, de Hipli-
to S.-MartineC.
roeclwu-so p"olns ltimos navios, vindosde Fran-
ca, un completo sortiniento de fazendas (Vanee/as,
de'gosto e moda ; ricas mantas de seda, para senho-
ia; ricos lencos ; ditos matizados para senhora ;
chales matizados, para senhora, grandas e pequeos:
ricas sedas brancas para vestidos de noivados ; rica*
cuarnicoes de (lores paraos mesmos ; crep de to
jas as cores, os mais lindos que ha hoje ; ricas se-
das para chapeos, de to.las as cores; setim de Macau,
liranco e liso ; plumas venia do ras com passarinhos
blancos o de cores; cachos de llores com ponnas e
amellas, milito ricos; lencos de garca muito
lindos, para senhora ; leques do seda, muito Anos;
luvas de pellica, curtas e conipridas, brancas e de
cures com enfeites e sem elles; ditas de seda, cur-
tas e oompVidas ecom borracha muito ricas; ditas
de pellica para homcm de todas as coros, o de seda,
brancas e pelas; espartilltos muito superiores
chapeos de sol, azues, verdes, rosos c pretos para
bomom e senhora, muito superiores ; ricas fitas de
setim e sarja lavrada ; capellas de (lores de laranja ;
ditasderosa ; bicos de b|onde seda e linho ; sapa-
tos de duraque, marroquim, cordovio e setim para
senhora ; botins do marroquim para meninos e me-
ninas ; um completo sortimpnto de perfumaras;
scllins inglezes e francezes; jogos de Vispora da-
mas, dominexadrez ; bengalas linas muito lindas;
chapeos de palha para senhora, meninos e meninas ;
saceos de lila para roupa ; lencos de setim Macau,
para grvala; eoutras militas fazendas, tudo por
prego commodo.
l'recisa-se de um caixeiro que tenha alguma
pratica de venda, c de Dador a sua conducta : na
Camboa-do-Carmo, n 3.
Na padaria o pastellaria franceza do Aterro-da-
Iloa-Vista recebeu-se pelo ultimo navw> um com-
pleto sorlimentii do con fe i tos, amendoas cuberas de
diversas quididades, doces de n'ssucar crystalisado de
varios modelos, bocetas de todas as finalidades e
ilas mais ricas, e conl'eitos para enchor dos mes-
mos, proprios para fazer presentes, a superior a'goa
do flor de laranja, ngoardcnlo do Franca de supe-
rior qualidade, marrasquino de Zara, absintho su-
isso da marca verdadeira, etc. etc.; igualmente se
i.i'itam cncommendas de doces finos e bandejas para
cha, tudo por proco o niais commodo.
Precisa-se de um moco com algum principio
de saber trabalharem masseira, e para entregar dc-
manhfia pilo a alguns freguezes com um preto; ou
mesmo algum moco que se quclra applicar ao tra-
lialho de padaria, e para o mesmo fin : na praca da
Santa-Cruz, padaria de urna s porta, junto ao so-
brado.
Clompras.
ir
Attencao
\o depo9itode bichas ile Joaquim Antonio Carnei-
ro, na ra da Cruz do Rocifo, n. 43, se acaba de rece-
lier uma grandequanliilaile debicliasbamburguezas,
as quaes estilo a vista para se verificar a sua verda-
doira qualidade, e para se vender aos contos o a rc-
talho, por menos do que em outra qualquer parle:
tanibem se alugame vflo-se applicar para commodi-
dade dos prctendcnlcs. Veuliain, freguezes, eniquiin-
to dura a pechincha.
Recebcm-se escravos para se vnderem tanto
para fra da provincia como para engenho offe-
lecendo-se toda seguranga para os escravos : na ra
Nova, h. 4.
Precisa-se de um feitor para um rn|ehho,e
que'seja capaz de o administrar : na ra dilAlegria,
n 2.
A pessoa que estiver de posse de urna leltra sa-
cada poro lenle lira neo o aceita por Manoel Joa-
quim do llego Brrelo, vencida no n ez prximo
passado, da quantia de 60,000 rs. pode irreceber
na ra das Cruzes, n. 40.
I'erdeu-se, do pescogo de uma menina, desde
a na da Praia at o becco da Camboa-da-Carmo ,
um ponloiro de ouro : a pessoa quo o ti ver adiado,
o tetilla conscicucia querendo enlregar, dirija-so a
ra da Praia-de-S -Rila senaria n. 25, quo ser rc-
eorupensada Tamhein se pede a qualquer pessoa a
quein for ofTerecido de o tomar e levar a dita casa.
LOTERA
,^DA MATRIZ
DA CID A DE DA VI TOR1A.
Arha-se novamente designado o da 26 do corren-
to mez para terem andamento as rodas dcsta lotera,
o nlo obstante a dillleuldade na ve da do restados
orveteiro que tanto lem regalado
?os seus fregneus com sabor-osse bem
preparados nevados, no botiqun, pin-
to ao tbeatro velbo, e no principio da na
da Aurora, declara-Ibes que contina na
mais firme disposicao de bem servi -los ; e
para dar-Ibes uma prova decisiva dos seus
bons desejos, convida-os a comparece-
rem em os suprarlitos lugares, das cinco
boras da tarde as dez da noite.
- Perdeu se honlem, 22 do
coi-rent, na festa do Monteiro,
ufoa bolsa de palhinha fina, pu-
ra frazer charutos : quem a entre-
gar na praca do Corpo-Sanlo, n.
11, recebe/ boas.al vigoras.
Precisa-se de um caixeiro para venda e que
Icnha pratica da mesma : na ra do l.ivramento ,
venda n. 38, junto ao lampeflo.
Alugam-se escravos ou homens rorros, para
o servigo das 6 horas da manhila ato as 7 da noite,
pagando-seSOO rs. pordia : atrs dos Martyrios, ra
doCaldeireiro n. 46, das duas horas da tarde em
diante.
Arrenda-se um grande sitio na estrada de Be-
cm, com boa casa de campo, estribara para 3
cavallos scnzalla para pretos bastantes arvore-
dos de fructo, terreno para plantadles, um gran-
de vi veiro : a tratar no mesmo sitio da igreja deN.
S. da Concejero do JoSo do Barros com o seu pro-
pietario.
Na loja do sobrado n. 15, da ra das Carangei-
ras, aprompta-se toda equalquer comida, confor-
me o ajuste e por prego commodo
= Precisa-se do una ama para casa de pouca fa-
milia : ua ra do Rangel, n. 42.
Ninguem negocie as casas n. 29, da ra de S.-Mi-
guel na povoago dos Afogados, pertenec! tes a Jos
Antonio Concalves da Luz, por cstarem hy-polhcca-
das ao abaixo assignado.JoSo l'achrco de Araujo
JoSo llenriques da Silva embarca para o Rio-de-
Janeiro o esciavo Joilo, do gontio de Angola, perten-
centea Domingos Francisco de Sonsa l.eiio.
Precisa-se alugar um at tros pretos que saiham
trabalharem padaria, ou mesmo nao saliendo, porrui
3uesejam tions escravos: paga-se bem : na padaria
o paleo da S. Cruz, n. 6.
-- Precisa-so de um caixeiro para uma venda de
fundos, e qued fiador a,sua conducta : na padaria
do pateo da S. Cruz, n. 6, se dir quem precisa
A pessoa que annunciou querer comprar um
berco, querendo umdo Jacaranda em muito bom
estado ede bom gosto dirija-se a travessa da ra da
Concordia sobrado de um andar, n. 5
- Avisa-so as possoas que toom pcnhoi'es venci-
dos em poder de Constantino, de os ir tirar, no pra-
zo de"8 (lias da data deste ; do contrjrio, serfio ven-
didos |iara seu pagamento (cando o annunciantc
'ivrode qualquer responsabilidade.
ISilliar no Passeio
e soi voto de fructas, a 200 rs. o copo, boa medida. A
ellos, froguezes, das 6 horas da tardo em diante.
Joilo Vieira Culart, cidadilo dos Estados-Uni-
dos retira-so para a illia de S.-Miguel.
Ra-se dinheiro a premio com penhores de ouro,
mesmo em pequeas quantias : na ra do Ran-
gel, n. 11.
Da-Be dinheiro a premio sobre penhores: na
ra Nova n. 63.
Na ruadasTrincheiras, n. 25, do-se liolinhos
de vendagem a pretas c moleques, pagando-se 80
rs. de cada pataca ; assim como sepreparam bande-
jas e se fazem bolos de todas as qualidades, por pre-
eo mais m conta do que em outra qualquer parte.
Quem precisar de uma miilhcr para airia do
Compra-so um papagaio grande, bonito e mili-
to bom Tallador: nlo so olha a prego por ser para
uma encommenda : na ra da Cadeia do Recife, lo-
ja do miudezas, n. 51.
Compra-so um negro soflrive! cozinheiro; agra-
i'iin njq se o!ha s prego. na iu dCiuz, ti. 23,
primeiro andar.
Compra-so uma casa rerrea em uma das ras
dobairrodeS.-Antonio : na praca da Independen-
cia n. 23.
Cnmpram-se dous escravos, o um piano em
bom estado : no Atorro-da-Rna-Visla n. 5, ou na
ra do Sol, n. 23, segundo andar.
Compra-so ouro, mesmo em obras quebradas;
e Iroca-se uma imagem do Meniiio-Reos que te-
nha um palmo do altura : na ra do Rundel, n 11.
Compra-so a collecgilo do Diario de Pernambuco
do me/ de novembro do anno prximo passado, pe-
lo prego da typographia : na padaria do pateo da S.
Cruz, n. 6.
Compra-so urna barraca nova c apparelhada ,
que carregue 26 caixas : quem tiverannuncie.
Conipram-se, para uma encommenda, escravos
de ambos os sexos ; pag.im-se bem agradando: na
ra Nova, loja de ferrngens n.16.
_ Compram-se 2 pretos que entendam do pada-
ria um para a masseira e outro para forneiro ; na
ra Imperial, padaria n. 43
Compram-se escravos pretos, de 16 a 20 annos,
que nlo tenham molestias em casa do Manoel Ig-
nacio de Oliveira na ra da Cadeia n. 40, primeiro
andar.
Anda se contina a comprar cebras do viado
vivas para remedio : na praga da Roa-Vista, n. 32,
segundo andar.
Compram-se escravos mogos, bons carpnas e
pedreros, e outros de servgo de campo na ra f>-
rela, sobrado n. 2.
Vendas.
Vende-so uma escrava de 20 anuos, e tambem
uma mohilia do condiir : na ra das Agoas-verdcs,
n. 46, primeiro andar.
Vcndem-se carros de mlo para carregar ontulho,
ou pari obras de pedreros, por prego commodo
na praga do Corpo-.Santo, casa de Joilo Caroll, n. W.
Vende-so um carro de duas rodas com seus ar-
reios, por prego muilo commodo; ve-so na cocheira
da Boa-Vista, do Miguel, e Irala-se na ra Direita,
sobrado n. 29.
Km casa de Claudio Rubeux, na ra das l.aran-
gras, n. 18, vende-seo seguiute:salitre de muilo
boa qualidade, c por menos que em outra qualquer
parte; um cavallo podre?, do bons andares; saceos
vatios proprios para enfardar fazendas.
Vendem-se muito bons queijosde Minas : no A-
terro-da-Boa-Vista, venda n. 8
Vendc-sc urna pretaainda moga, que he cozi-
nheira, lavadeira o rendeira perlenceute a uma
pessoa que se retira : na ra da Senzalla-Vclha ,
n. 110.
Vende-so um moleque de nagilo.de 20 anuos ,
que cozinha bem ; um dito de 12 annos ; um escra-
vo perito carreiro ; dous dilos do servigo de campo ;
uma negrinha do 15 annos ; urna escrava do 20 an-
nos, boa padeira docoira o que cozinha bem; 5
ditas com varias habilidades; urna parda moca com
varias habilidades : na ra liireita u. 3.
.Na ra das Larangeiras n. 14, segundo andar,
vende-se um pardinho de muilo bonita figura, e que
lem muilo boa conducta,sem vicios nem achaques.de
18 annos,lie oplimo mestre de alfaiale do toda obra,
tanloMc homem como de senhora, e sedar para so
experimentar; pois vende-se por prccisiio com se
fara ver ao comprador.
Vende-se larinha de milho em arrobas ou om
libras, por prego muito commodo: na padaria das
Cinco-Ponas, defronteda forca, n. 154.
As senhorasdo l>om
tomequegostam
do baralinbo
dinho assoalho e forro para casas e tambem para
fundos do barricas; taimas americanas do lodos os
comprimenlos, o ato de 3 palmos de largura: atrselo
thealro, armaiem do Jonquim Lope* de Almeida ,
caixeiro do Sr. Joilo Mallieus.
Vende-se uma ":ida motera de 18 annos, pro-
pria para lodo o servigo, i qual perlencc a urna se-
nhora quo sa retira: na ra da Senzalla-Vclba ,
n. lio.
/los amantes da boa pitada.
Acaba de chegar do Rio-dc-Janeiro pelo ultimo
vapor, uma nova remesas do superior rap Principo
Imperial, Me 1'scu.mdo tecer elogios a este rap, poi
o seu autor be o mais perito fabricante que ha na-
quella cilrte. Vende-se as lujas dos Srs. Victorino de
Castro Moura na ra dos Quarteis ; Joaquim Mon-
leiroda Cruz & Companhia, ruado Quefnudo; An-
tonio DominguesFerreira, ra do Crespo, o na de
Francisco Joaquim Carduzo.
Vende-se urna uovilha gorda para agougue : no
Aterro-da-Roa-Visla, n. 14.
ATTENCAO
Vendem-se bichas de llamhurgo da melhor qua-
lidade que tem vindo a este mercado, tanto aos cin-
loscomoa relalho, tudo por menos do quo em ou-
tra qualquer parto ; tambem se alugam e vo-se ap-
idicar para cnmniodidadc dos pretendentes : na ra
cstreita do Roznrio esquina do berro do Fogo, de-
posito de bichas liamhurguezas, n. 11.
Vendem-se 45 escravos, sendo: 10 pardas; 5
pretas; 5 mulatinlias ;2negrinhas ; 4 mulatinhos ;
8 pardos, proprios para o orvigo de campo ; 10 pre-
tos proprios para o servigo do campo de 26 a 45
annos, muito bons, que se vendem por p'ogo mui-
to barato ; um pardo de 35 annos muito bom pe-
dreiro que seda a contento ; todos por prego com-
modo : na rua da Cruz, n. 51.
-- Vende-se um preto de naglo Costa, do 35 an-
uos do idade pouco mais ou menos c por pi'ego com-
modo: ao comprador so dir o motivo por que se ven-
de Irata-se na cocheira do boceo da rua da ( adela do
S.-Antonio, aonde esta o dito prclo.
Vende-se ou aluga-se a padaria do Corrcdor-do-
Bispo, n. 8, prompla alrabalhar: Irala-se na estra-
da de Joilo-Ferreira, n.19.
Na esquina deS.-Anlonio que vira para a Ca-
deia, ha um restante do chapeos do Chile muito al-
vos, pelo prego do 0,500 e 7,000 rs.: a elles antes que
scfcabem, pois a vista da fazenda he pechincha : na
mesma loja se dir quem tem 6 cangalhas a moda do
sertilo apparclhadas, a 400e a CIO rs, o uma corda de
lagar gado que tambem se vende barato.
Vendem-se superiores cor-
das de tripa para violo e rabeca:
na rua Nova, n. 0, loja de Maia
liamos & Companhia.
Vende-se um bergo do angico, em muilo bom
estado por ter lido pouco uso com cortinas por
proco commodo : na rua da Malri/ da Itoa-ViMa, n.
33, primeiro andar.
20:000,000 de rois.
Anda resta urna pequea porgilodas mui acredi-
tadas cautelas da casa do Farias ; pois foi esta a ca-
sa que mandn os vinte contos do ris, desta ultima
vez, a Pernambuco, os quaes sahiram em vigsimo. A
ellas que se acabam ; pois se achan: a venda, na loja
doSr. Thomaz de Aquino Fonseca na ruadoCabu-
g. Adverte-se que os premios serilo pagos na mes-
ma loja e os pregns sao os seguintcs : vigsimos
1200 rs. oitavos3000 rs. quartosOOOO rs.
''"i-s, na rua do 'respo, n.
Anlonio Lniz dos Sanios
Veiilem-se,
?
rnspeclivos bilhelcp, causada pela falta de notas tln I servido interno do uma casa de homcm soltoiro, ou
*_ _Mt A j____... 4_i-.aam Inilmin iln nniiiiii Cu llar* > ...i .ni -.l.i 11 ,, I .. n II
pequeos valores que facilitcm os trocos, todava
espera o thesoureiro que sera cfl'ecluada a referida
venda, e quo odia marcado nlo ser espagado. 0
restante dos bilhetes acha-se venda nos lugares
ja annunciados.
Offerrce-so para caixeiro *6 engenho un mo-
go portuuuezquu tem muila pratica do mesmo e
at para feitor: quem o pretender dirija-se
ma da l'raia, n. 42.
Dio-f 200,000 rs. a juros em diversas quan-
tias, sobre penhores de ouro o prata c islo com le-
galidade : na rua do Sebo, n :i.
-se dinheiro a premio sobre hypotheca pe-
nhores de ouro o rebatem-se ordenados de empre-
ados : na rua das Trincbeiras, n. 46.
01Tei-ece seum llrnsileiro para qualquer pro-
vincia do imperio, o quul he mestre inachinista do
la lrico de assucar e entende do obra de pedreiro ,
assentamciilo e tudo quanlo pertenco a esto fabrico ;
quemdeseu prestimo se qui/er utilisar dinja-sea
ruado Rangel n. 50.
de um homem para tratar de um
quintal : na Trompe, ao vollar p-ra a Sledade,
n. 70. .,
Wsa-seaosSrs. quo tecm penhores vencidos
em poder do Burgos, do os irem rosgatar, dentro do
8 dias da data deste: arno, ser) vendidos para seu
meritd, licando oannunciante livro de qualquer
lesponsjibilidade.
Traspassam-se as chavos do-armazem de carne
secea da rua da l'raia, n. 54: quem oqoizertemdo
dar uma pequea quanlia de que este he devedor, a
qual sudar com algum prazo, dando um endosstfa
contento: trata-sc na rus Direita;sobrado n. 2.
\rrcnda-se um sitio no Barbalho com casa do
da, cslribaiia para dous cvalos, alguns arvo-
. que dilufnictos, ptimas torras ds niuiU pro-
muito peKo do rio: trata-so na
^ueimado, loja a. 38.
rua do
de pouca familia dirija-sca rua da Roda, n. 14.
Jos Hara, da Costa Parva retira se para a
provincia do Rio-Crande-do-Sul, a tratar de sua
sado.
Aluga-so uma preta cativa que sai ha fazer o
diario de urna casa ; a pessoa que a livor dirija-se a
rua de llortas, n. 16.
Iieseja-se fallar aoSr. Manoel Joaquim dos San-
flos, a negocio de seu inlcressc : na rua da Cadeia do
Recife, loja de miudezas, n. 51.
- O Sr. Antonio Jos Martina lem uma carta vin-
da da cidado do Porto, na rua da Cadera do Recife,
loja de miudezas, n. 51.
Offerecc-se un rapaz poltuguez para servir al-
guma casa de lodo o servigo, ou a algum homem que
embarque para fora, e precise quem v com elle:
quem precisar dirija-se airas da rua de Silo-Joso, ca-
sa n. 30
Arrenda-se um sitio no Casanga, a margem do
rio, com casa de laipa, estribara, arvores de fructo,
boa Ierra para plantare muito proprios para passaro
verilo, por ser muito fresco e ter bom banlio a pes-
soa a quem convier dirija-se a ruada Cruz, n. 5, os-
oriptorio do Jos Joaquim de Oliveira.
Arrenda-se, ou afora-so, um sitio na estrada de
Joao-dc-Barros, com 412 palmos de frente e 800 de
fundo, com arvores de frncto, cercado de limflo, op-
!mo para se morar todo o anuo, por ser perlo da
praga. Aforam-se tambem naCasa-Koi te.no centro da
puvoagao, 212 palmos de (erra proprio para edificar,
ou fazer uni pequeo sitio : as pessoas a quem con-
vier dirijam-sc a rua da Cruz, n. 5, escriptorio de Jo-
s Joaquim de Oliveira.
Uma senhora de bons coslumes otiereco-so pa-
ra ama de casa de qualquer homem solleiro; a qual
sabe com porfeicuo cozoi, engomar e cozinhar: a
pessoa que se quizer utilisar do seu prestnno, dirja-
se a rua do Caldeireiro por tras dos Martyrios, na
ja n. 2.
t
Oanligo barateiro tem na sua nova loja do miu-
dezas da rua do Collegio, n um rico sortimenlo
de bicos pretos linissimos de linho, de todas as lar-
guras ; tambem tem bico preto do fio de relroz fino ;
assim como filasassetinadas pretas para enfeites de
cabegflo; ditas de velludo prelo ede todas as largu-
ras; luvas pretas de seda, compridas para senhora;
aderegos pretos de lodos as qualidades brincos di-
tos ; tudo proprio para a querosina; um novo sorti-
menlo chegado ltimamente, dcagulhas francezas,
felo antigo prego de 280 rs. a caixinlia ; lesouras
iuas tanto de costura como para unha ; riquissi-
mos caivetes finos para penna, de 1, 2, 3c 4 folhas;
penles de tartaruga para man ala a 960 rs.; e ludo
mais barato duque em outra qualquer parte por-
que aonde osla o baraleiro mais ninguem faz feio.
Vendem se Irancolins do ouro; medalhas; rc-
logios; ann"!l0es; botoes ; correntes e outras mili-
tas obras; uma casaca de panno preto, nova; urna
caixa do prata dourada : na rua do Rangel, n. 11.
Vcndem-se cagarolas o nutras pegas de cobre,
com pouco uso para o servigo de cozinha : na rua
da Roda n. 46.
Vende-se uma negrinha de 12a 14 annos, que
sabe coser ,' e be propria para mucama: na rua Bel-
la, ii. 40.
I'ECHINCHAS NA 1.0.1 A DO NICHO.
Na esquina do Livramento, loja do nicho, ven-
dem-se pegas de dulas 1 i ipas, de boa qualidade e de
muito bons pannos, a 4800 rs. e a 140 rs. ocovado.
l'otassa da Itiissia
verdadeira e nova, cm liurris pequeos,
por preco muito commodo : na rua da
Cruz, n. (O, em casa de Kalkmanu &
P. osen ni mu.
Veiuleiii-sc barricas e infla ditas com farinli.i gal-
lega muilo supirior; barriente mrins ditas com cal
trgein de Lisboa ; barricas com potassa branca e prrla;
fchaduras para porta, de arinariii ; penetral de rame;
rodas de arcos para barricas ; bichas de Uainburgo ;
tudo por preyo commodo : na rua do Vigario arma-
iem ii. 9.
--- Vendem-se cade ira* de
pinito, a polka para asscnlo
de porlas de loj.-is ; um novo
ti loja do
& C, superiores cambrains de cores pa-
ra vestidos, padi5cs novos. pelo baratis-
simo preco de 32o rs. o covado : a causa
ile se vender por semclhantc preco lie a
grande poican que lia, ebegada pelos ni
linios navios de Franca.
CARNAI'RA.
No armazem do farinhada rua do Collegio, n. 1,
contina-se a vender cera do carnauba por prego
commodo, lauto em porgos como a relalho o ho
i'iiiiniiiii'r, i,....-., ii. ,.-..^...- ~w......---------------.- -------
chegada agora tuna porgilo da melhorqualidado que
tem appareeido.
Vendem-se gigns rom btalas no-
vas, ebegadas ltimamente de Franca :
no caos da Alfandega, por conla e risco
le quem perlencer.
Iltia do (hiriinado, n. \ I.
Na loja nova do Raymundn Carlos Le-
te ocba-ae um completo sortimenlo de
fazendas finos, por menos de sea valor ;
brim trancado de linho. com listras, para
calcas ; chapeos de sol de seda ; platilha
de inbo ; brclanha de dilo ; c lambem
o algodflo dobrado, proprio para pceos
ou roupa de escravos.
s= Veiiilem-se moendasde ferro para engrnhos de aj-
ucar, para vapor, agoa c bostas, de diversos tamaitos,
por preco commodo ; c igualmente taixas de ferro coad
e batido, 10, n. II, cm casa de Me. t.almont 4 Compandia, on na
ruado Apollo, armazem, n. 6.
Vende-se um sobrado novo do um andar e
grande sotflo cm chaos proprios, o qual rende por
mez 31,000 mil res ; e agora mesmo quo os mate-
ria es c miio d'nbraestilo baratos, so oflereco a venda,
por traspasso, 200 palmos de terreno firme, todo por
junto, ou a relalho, no alinhanionlo de urna rua,
segundo o novo plano, junto a igreja do S. Ama-
ro, com os fundos de200ou mais palmos conforme,
agradar ao comprador, proprio para nelle so edifi-
car mcia duzia do boas casas, as quaes sem duvida
so aluganlo por bons procos pelo lempo do festas,
e mesmo annualmente, em rasao do ptimo fresco
que all gozamos habitantes da nova cidade: vnde-
se no mesmo lugar uma casa lerroa collocada noali-
iihamenlo da rua da Aurora, em um terreno de 140
palmos do largura c 1400 do fundo, al junto u
igreja, com algumas plantas, como sejam parreiras,
larangeiras, coqueiros &c., contendo m si um
fraudo vi veiro com lido palmos de comprido e 100 de
argura, com a sua competente porta d'agoa, e bs-
tanlo peiso, proprio para o actual lempo quaros-
mal: assim como lambem 2 canoas novas, sendo
urna de conduzir familia, o outra deconduzirenlu-
Iho: o que tudo se vender polo mais commoJo pre-
sorUiento de taboas de pinbo, de costado e costa- co possivcl, ua rua estroita do Rozario, botica n. 10,




^
^ZL
Pannos pelos finos
e novos na loja; selm maco sem mistura ; cha-
peos de sol, i*on) hastes de ac; chales e mantas de
seda e de lila eseda ; casimira prela elstica ; cha-
peos finos francczes ; tudo por menos de seu valor
na ra do Queimado, n. II, loja nova de Raymundo
Carlos Leite.
VELAS DE CERA DO IIIO-DE-JANEIRO.
Vende-se completo sortiment de urna a 16 e bo-
giasiiei,5 p6 : no armazem de Alvos Vianna na
ruadaSenzalla-Velha, n. 110.
Vende-se, ou permuta-se por um sitio perto da
praga urna excedente casa terrea com bastantes
commodos para urna grande familia, sita nesla pro-
ra : na ra Imperial, n. 9.
i
W| tra qualquer paite.
Vende-se na runda Cruz, n. a3,
cera em velas, de uma das melho-
res f.Lricas do Rio-de-Janeiro ,
sortimenlo vontade do compra-
dor, em caixas pequeas, e por
|>rer;o mais har lo do que em ou-
^rStmrrY&mm^r-ZiEcB
i
a
1
m
Vendem-se bichas grandes e tamben* se alu-
gam, por prego enmmodo : no Atcrro-da-lioa-Vista,
na pnmeira venda ao pe da ponte, n. 2.
]\a ra do Crespo,
loja n. 12, de Jos Joaquim
da Silva Haya,
vende-se superior sarja preta hespanhola ; nobreza
rxa,muito superior emuito propria para capas
doSr. dos Passos e ou tras irmandades; ricos cortes
de seda para vestido de senhora ; meiasdesoda pre-
tas e brancas, as mais superiores que teem appare-
edo, tanto para liomern como para senhora; luvas
de seda ; chales de seda muito modernos e de lin-
dos costos; eamoraia de linho, muito fina; lencos de
cambraia de linho bordados, para senhora, dos mais
linos que ha por muito barato prego; esguiflo de
puro linho emuito fino; plalilha de linho ; eoutras
minias fazendas que sero patentes aos comprado-
res e por barato prego.
Vende-se azeite fino de gerselim, para comer e
para luz no doposito de azeite de carrapato na ra
la Senzalla-Velha, n. 110.
lovo panno de linho, a 600
rs. a vara.
As pegas sflo de 15 varas o he melhor que o pri-
me i ro ; alpaca fina preta, a 800 rs. o covado; los
pretos muito baratos : chitas em cortes ; riscados
franceses; sarja hespanhola superior; e grande sor-
timento de fazendas do todas as qualidades e bara-
tissimns: na ruado Queimado n. 11, loja nova de
Havmundo Carlos Leite.
Gaz.
Loja de Foao Chardon ,
1 terro-da-lloa-Vista, n.5.
Ncsta loja acha-so um rico sortiment de LAM-
PF.OES PARA GAZ com seus competentes vidros, ac-
cendedores e abafadores.
EsteS Cin(leIOS sao os melhorcs
mais modernos que existen* hoje: recommendam-se
ao publico tanto pela seguranga e hom posto de
sua boa confecgflo, romo pela boa quaidade da luz,
economa e asseio de sea seivigo.
J\'a llU'SIlia loja os consumidores sem-
pre acharo um deposito de GAZ, de cujo se afian-
ga a quaidade, e em porgSo bastante para o con-
sumo
Vende se o gaza 520 rs. a
garrafa.
Vendem-se saccas com superior colla das fabri-
cas do Rio-Crande-do-Sul, a prego barato: na ra da
Mouda, armazem n. 7.
No armazem da ra da Mneda n. 7, conti-
nua-se a vender sal, cm grandes e pequeas por-
ges a vontade dos compradores.
AVISO
aos Srs.de engenho
Ka ra do Crespo, loja n.Ii,
de los Joaquim da Silva
Haya, vendeni-se
cobertores de algodfio, muito enenrpados, proprios
para escravos; bem como uma fazenda de linho a
mitagfiode estopa, forte e propria para roupa de
escravos e saceos para assucar; tudo por prego mui-
to barato.
Vendem-se 3 escravos, sendo : um preto de 18
a20annos pouco mais ou menos; um mulatinhO
del* annos, proprio para pagem ; uma preta de 25
annos lavadeira e que he propria para todo o ser-
rigo : na ra da Cadeia de S.-Antonio, n. 25.
Ka ra do Crespo,
loja n.l, de Jos Joaquim
da Silva Maya,
vende-se alpaca preta a 800 rs o covado; dita muito
lina preta e de cores, por barato prego ; merino
preto muito superior ; panno fino preto e de co-
res; casimiras elsticas, de duas larguras, para
caigas, a 6000 rs. o corte; velludo; gorgurSo de se-
da ; setim para collete; tudo por prego commodo ;
ustes para colletes; e outras inuilas fazendas,
Unto para caigas como para vestidos de senhora;
udo pelo bara'.o.
Vendem-sedousfortes pianos, com excelen-
tes vozes chegados ltimamente, deumdospri-
meiros autores : na ra da Cruz, n 55.
Vende-se sauerkohl; sardinhas em latas; vi-
nho de champan lia novamente chegado : na ruada
Cruz, n. 55. -
Ko Aterro-da-Boa-
Vista, n, 84,
vendem-se sapatos de meninos, de 60 a 100 rs.;
chancras para senhora a 600 rs ; sapatos de setim
preto e de cores, a 1000e 1500 rs.; pellos de mar-
inquim, a 1000 rs. ; mitins e meios ditos francezes,
a 3000 rs. e de Lisboa a 1600 6 2000 rs.; de mar-
roquim para homem, a 900 rs., de cabra, a 560 rs ;
rouro de lustro avariad, a 320 rs.; sapatos de
borracha, inglezes, de ourello, de cordovfl o de
outras qualidades, muito baratos.
Vende-se a verdadeira e superior
potassa branca da Hussia, muito nova e
em barra pequeos, por mdico preco :
na ra da Cadeia do Kecife, armazem n. a,
de Hallar \ Olrveira.
Na loja de Cu maraes, Se-
rafim & C. vendem-se pannos
finos, de cores, pelo baralo pie-
co de 2^400 rs. o covado; e de
ondas minias qualidades, de va-
rios precos.
Vendem-se 4 pretas mogas que fazem lodo o
servigodeuma casa e vendein na ra; uma dita,
por 300,000 rs. que compra o vendo na ra o lava
roupa; duas pardas, uma dellas he boa para ama
de uma casa; um preto, por 250,000 rs., ptimo
para o servigodeuma casa, e tamben* para botar
sentido e trabalhar em um sitio; um molcque do
14 annos muito esperto e que serve bem a uma
casa cozinha e engomma ; na ra do Crespo, n. 10,
primeiro andar.
Vcnde-se um piano inglez, horizontal, em
meio uso, de muito boas vozes, e por isso proprio
para menihasou senhorssaprendercm a locar, por
barato prego : na ra do Crespo n. 12, a fallar com
Jos Joaquim da Silva Maya.
Vendem-se 8 escravos, sendo: um lindo mole-
Juede 10 a 11 annos; uma negrinha da mesma ida-
e ; um pardo robusto; um preto de nagflo do boa
conducta ; uma cabra hoa engommadeira e costu-
reira; 4 pretas com habilidades i no pateo da Matriz,
Vende-se uma mulatinha de 15 annos pouco
mais ou menos, do bonita figura que cose, engom-
ma o entende alguma cousa doarranjo de urna casa :
na ra do Rangel, n. 26, primeiro "andar.
Vcnde-se agoa raz oleo o lodo a quaidade de
tintas, em poreflo e as libras, por prego commodo ;
assim como todo o qualquer sortiment de vidros
para vidragas : na ra do Brum fabrica de caldei-
reiro.n. 22.
Vende-se uma pequea inorada de casa sita
em Fora-de-Portas, da parle do mar grande, n. 14 ,
a qual est nlugada por 8000 rs. mensaes : a tratar em
Fora-de-Portas, ra do Pilar.n. 108, das 6 as 10 horas
da manhla, odas duas as seis da tarde; tambem se
hypotheca a mesma casa case n3o baja comprador.
AVISO
Ass<'iiIoras gosto.
Na ruado Crespo, loja n. 12,
de Jos Joaquim da hilva
Ala ya,
ha um novo sortiment das" ricas mantas de lanzi-
nha eseda para senhora ,as mais modernas quo so
usam na Europa, o por isso se tornam recommen-
davois as senhoras do bom gosto, bem como aquellas
que usam de economa tanto pela boa qualiilade e
ricos goslos, como pelo haralissimo prego de 5000 rs.
cada uma ; ha igualmente um rico sortiment de
cortes de vestidos da rica fazenda denominada ba-
zullina. F.sta fazenda he de cores escuras, bordada
delistrasequadros os mais claros, de lindos deae-
nhos, cores lisas e bonitos tecidos e por isso muito
proprios para o lempo de quaresma e de invern.
Vcnde-se uma casa terrea sita em Olinda na
ladeira do Varadouro, do lado da sombra : a fallar
com ocaixeiro da livraria da praga da Independen-
cia, ns. 6e8.
Vcnde-se cera de carnauba em porgflo carcta-
Iho : na loja de Joflo Jos do Carvalho Mraes.
Vendem-se 5 escravas, sendo: 3proprias para
o servigo de campo e duas que lavam, cosem o co-
zinham, uma das quaes he casada oom um cabra
bom serrador; dous pretos bons para o campo : to-
dos mogos e de bonitas figuras : na ra do Queima-
do com frente para o pateo do Collegio, n. 33, se-
gundo andar.
Vendem-se 70 pares de sapatos, ou coturnos ,
por prego commodo : no boceo da Viragito n. 25.
Vende-se uma tnalha toda aberla de lavarinto:
na na do Ja id i m, n. 34.
Mava Hamos e C.
lilla i\ova, n. 6,
vendem superior sarja preta, los do seda preta de
varios tamanbos e prego; luvas de seda prela,
curtas e compridas ; um sortiment de calgado para
senhora; lengoe de seda de todas as qualidades;
perfumaras muito finas: e oulras fazendas por pre-
go commodo
Vende-so uma preta moga, de bonita figura
sadia, que cose chao, lava roupa cozinha o diario
de ama casa, e tem bom leite para criar : na ra da
Cruz n. 3.
Vendem-se caixinhascom 100 charutos de re-
Salia de S.-Felix da Baha em caixinhas de vidros
e muito superior quaidade; vendem-se a conten-
to; esleirs; cora de carnauba ; bauszinhosde tar-
taruga ; couros miudos ; sola e bezerros: na ra da
<-ruz, no Recifo, n. 24.
Vend m-se dous silios e urna
casa terrea nesta praca ,
tudo cm chaos proprios.
Os sitios sflo perto desla praga : o primeiro com
duas casas de pedra e cal, uma das quaes tem sotflo,
forno, estribarla para dous cavallos e outra para
gado, e ambas com bastantes commodos para gran-
de familia 5 viveiros de peixe, pasto para 8 a 10
vaccasde leite, annualmente, com mu i tos pos de
coqueiros larangeirase mais fructeiras; este ren-
de 400,000 rs. annualmente o segundo ao p do
dito, com uma casa de pedra e cal, muitos ps de
larangeirase|outras fructeiras. portSo na estrada.
Ambos os sitios tem boas cacimbas de agoa de beber,
e este rende 200,000 rs, : a casa terrea he sita no
bnirrodeS.-Antono, o rondo mensalmcnto 16,000
rs.: vendem-se estes predios juntos ou separados:
a tratar com N. Cadault, no Manguinho, ou no Ater-
ro-da-Boa-Visla, n.21.
Vonde-se uma parda moca muito prendada,
com duas til has uma de 6 annos e a outra de 4 : na
ra da Florentina, n. II.
Vendem-se 4 lindos moleques de 15- a 16 an-
nos sendo dous de nagflo ; um dito de 7 annos ;
3 ruin inhas de 10 a 12 annos, proprios para aprende-
remofficio; um pardo de 18 annos, ptimo para
pagem, e que he bastante hbil para outro qual-
auer servigo; urna preta de 20 annos, com algumas
habilidades; uma preta de idade, por 200,000rs.:
na ra do Collegio, n. 3, segundo andar, so dir
quem vende.
Vende-se um escravo mogo do servigo de cara-
no por prego commodo: no caes da Alfandega,
armazem de Antonio Annes Jacome Pires.
IVarua no va, n. 8,
confronte a Cam-
boa-do-Carmo, lo-
ja do Amaral,
vende-se a verdadeira sarja hespanhola ; ricas man-
tas e chales de seda do mais apreciado gosto que tem
vindo a este mercado ; creps de todas as cores; lu-
vas pretas de seda, curtas c compridas, para senho-
ra ; dilas de pellica para homem o senhora; flores
de difiranles qualiuadese muito finas; Titas de se-
tim lavradas de ricos desenlies; chapeos pretos fran-
cezes para homem do formas as mais modernas
que teem vindo a este mercado; e oulras muitas fa-
zendas de gosto que se vendem por prego muito em
conta.
despachados sabbaxlo, 20 do crrante.-A el les, fre-
guezes, pois be pechincha pela grande falta que tem
navido.
Casa da F,
na ra estrella rio Kozario, n. 6.
Nesteestabelecimento acham-se a venda as cau-
telas da lotera das obras da matriz da cidado da Vic-
toria cujas rodas devem andar infallivelmente a
96 do correntc. A ellas, que sSopc-aca*: os pregos
sao os do costume.
ESCRAVOS BARATOS.
20 Vcnde-se um molccote de 20 annos, de bonju
fk figura sem vicios nem achaques, ptimo ca-
-Ct, neeiro, tanlode vara como de vela ; um pre-
to de 24 annos, muito forte c sadio e que he bom
canoeiroesapateiro; um dito bom canoeiro por
320,000 rs.; duas pretas de nagflo, mogas ptimas
para o campo por 880,000 rs. ; uma dita de boa
figura, que cozinha, e lio boa quitandeira ; uma di-
ta de 25 annos a qual latnbem se troca por outra,
e se vende por prego muito em conta ; uma di-
ta de nagflo, de elegante figura : na ra das Laran-
geiras, n. 14, segundo andar.
Escravos Fgidos.
Vcnde-se muito superior sarja larga
hespanhola, legitima; merino prelo,
muito fino, a 3800 rs. o covado ; supe-
rior panno prelo o de cores; alpaca
preta, muito fina ; chamelote de seda
pura; corles de vestidos do setim pre-
to lavrado, o mais rico que tem appa-
recido; setim de Macau ; superiores
los de linho preto ; damasco de seda;
dito de lila ; assim como um completo
sortiment de fazendas proprias para
a Quaresma ludo por prego mais cm
conta do que em outra qualquer par-
te : na nova loja de JosMorcira Lopes
& Companhia na ra do Queimado ,
casa amarella, n. 29.
Na ra Nova n. 8, defroHte
da Camboa-do-Carmo, lo*
ja do A mai al ,
vende-se uma grande porgifo de sapatos francezes,
de marroquim o cordovilo a 880 rs. o par. Aelles,
Treguezes, que he pechincha, que em outra qual-
quer parte n3o se enconlram por tal prego.
Vende-se aletria fina de superiorqualidade, em
caixinhasde 5 libras, propria para presentes: no
largo do Corpo-Sanlo, armazem do Jos Mara Pal-
mera.
Vende-se um refe novo, por 13,000 rs. ; uma
farda de panno muito fino nova, por ter- servido
uma s vez por 90U0 rs. ; uma barretina, por 6000
rs.; uma banda do J3a, por 3000 rs. na ra Augus-
ta n. 94, primeiro andar.
Vende-se uma preta de muito bonita figura,
que lava roupa vende na ra o serve muito bem a
uma casa : no pateo do Carmo, loja do sobrado
n. 7. "o
Vendc-so uma preta de nag.3o de bonita figu-
ra de 22 annos, e uma cria do 6 mezes; a preta la-
va bem dcsabilo vende na ra e cozinha o diario
de uma casa, mo tem vicio algum, nem achaques:
na ra do Queimado, n.,42.
Vende-se um pret perfeito oflicial de pedrei-
ro de loda obra para fra da provincia : na ra do
Crespo, n. 10, primeiro andar.
Vendem-se. chapeos de palha fina; lengos com
franja, 20em pega: om casa de L G. Ferreira &
Companhia.
Vendem-se, no armazem do Braguez, ao p do
arco da Conceigno do Recfe, saceos com milno, a
2000 rs. o canastras com castanlias do Porto a 1600
rs. cada uma.
Vende-se um moinho de podra de moer milho
e um pilflo grande de pedra : na ra Augusta, n. 20.
Venilc-se uma casa de taipa, na cidade da Pa-
rahiba ao lado da matriz, em terreno proprio : i
tratar na ra da ConceigAo da Boa-Vista, n. 38.
J\a ra i\ova, n.8,
confronte a Jam-
boa-do-Carmo, lo-
ja do A na ral,
- Fugio, no da 18 do crranle, as 8 horas da
noite. doengcnhn Gongacari um escravo, de ri-
me Antonio de 30 annos, crioulo altura regular,
corpo reforgado, bem fallante ; levou camisa e cal-
gas de algodao : ouem pegar leve ao dito engenho,
ou na ra Imperial, sobrado n. 39, que se recompen-
sar.
Fugio, nodia 18do passado, uma negrinha,
de nomo Marcianna, de 12 a 14 annos, com
uma queimadura na face esquerda, uma empi-
gemnailireila cuma outra queimadura na pema
direita ; levou vestido rOxo e panno da Costa; tem
cabello cortado: quem a negar leve ao Passeio-Pu-
blico, fabrica de chapeos do sol, que ser genero-
samente recompensado.
Fujiiram no dia 16 do crrante do engenho
Carau dous escravos um de nome Manoel, pardo,
do 16 para 18 anuos rosto redondo, olhos pretos,
beicos grossos bem parecido ps grandes e car-
nudos ; levou vestdo ou em uma troux atada em
um lengo encarnado, camisa fina, ceroulas compri-
das, caigas do hrim branco liso jaqueta de chita ,
chapeo de palha oleado de preto, o que tambem po-
de ter extraviado; foi escravo de Jos do Reg Ca-
valcanti, mogo pobre, morador om Cruang, e fi-
Ihode Anill do Rogo CavaUaMiti, rujo velacho pa-
ra si adoptou por distngno em mais escravos do
mesmo nome, e talvez inculcando-so forro, em
lugar de mudar o nome use deste velacho. Jos ,
crioulo, preto um tanto avermelhado, alto, secco,
rosto descarnado, ps grandes, bem mogo. Roga-
se as autoridades policiaes de mandaren) pegar, ou
mesmo quem dellessouber, com particulardado o
primeiro que he de m conducta que se recom-
pensar com generosidade entregando-os no mes-
mo engenho Cara, ou nosta praga, a Manoel Ignacio
de Oliveira na ra da Cadeia, n. 40.
Fugio, ha mais de um mez uma preta, de no-
me Thereza, de30annos pouco mais ou menos, de
nngfo Angola alta bem preta, denles ahertos. do
rosto redondo, alegre, bem fallante; levou vestido
chita azul com barra enviezada', saia de lila prela e
panno da Costa; anda com duas caixas de folha de
(landres, uma grande o outra mais pequea, ven-
dendo miudezas; quandosahiodocasa foi para ven-
der no mallo e encaminhou-sc para os eugenhns
Caixito, Penanduba, Mandioca, Bulhes, Suassunu-
da-Palma Mnribecae S.-Antflo ; para maior signal
tem pelas costas urnas costuras levantadas. Roga-
se as autoridades policiaes,capilSos de eampo.ou ou-
tra qualquer pessoa a apprehcnsilo da dita escrava e
sua entrega a seu senhor, Jos Saporiti, na ra da
Cruz, n. 18, segundo andar que ser0o recompen-
sados.
Fugio, na manhaa do dia 13docrrante, a pre-
ta Joaquina de nagflo Cagange, de 30 annos pouco
mais ou menos, baixa, cheia do corpo, cor fula, com
carne sobre os olhos, um pequeo talho ria race es-
querda, nariz chalo, com falta de dous denles na
frente, sendo um de cada lado, peitos pequeos e
murchos ; tomas nadcgasarrebiladas para Irs; fal-
lante que parece crioula ; levou vestido do ganga
azul e anda bastante suja de cozinha Esta preta tem
de costume, quando anda fgida, andar mesmo nes-
ta praga e seus arrabaldes feita quitandeira ora d-
zendo que he forra, ora que anda por mandado de
seus senliores. Rota-seas autoridades policiaes, ca-
pitSes de campo, ou outra qualquer pessoa, que a
apprchendam elevem a seu seu senhor,Domingos da
Silva Campos, na ra das Cruzes, n. 40, quo gratifi-
car generosamente.
Oesappareceu, no dia primeiro do crrante,
uma preta de nomo Maria Antonia, de nagflo Ango-
la de 30 a 36 annos, |cheia do corpo, feiges gros-
sas, com falta de denles adianto; tem um peque-
no inchago no pescogo, quo ella diz ser de um parto;
levou taboleiro com milho o feijflo que andava ven-
dando, e costu mava lavar roupa : quem a pegar,
leve a Boa-Vista ra da Cloria, n. 19, que sera ge-
nerosamente recompensado.
Desappareceu, no din 16 do crrante, um pre-
to, de nome Paulino de nagflo Angola, de 24 annos,
estatura mediana bastante retinto ; tem ajuma
barba; he oflicial de sapateiroe bem cojtMcido por
escravo de Antonio da Silva Jnior : quem o pegar
leve a Boa-Vista na ra da Gloria n. 19, que se-
r generosamente recompensado.
Fugio, no dia 17 do crlente, uma preta de
nome Joaniia, de nagflo Rebolo viuda ltimamen-
te do Ico meia idosa altura regular; tem alguus
cabellos brancos; levou saia de chita cor de rosa,
e um rozario ao pescoco : quem a pegar leve a F-
ra-de-Portas, largo do Pilar, n. 14, que ser recom-
pensado.
Anda contina a estar fgido desdo a noite
desabbado, 29 de agosto de 1846, o molecote Fran-
cisco, de 18 annos, pouco mais ou menos, ollios
grandes, beigos grossos, nariz chato, denlos lima-
dos sempre muito risonho o apezar de ser de na-
gflo, falla como crioulo por ter vindo pequeno; le-
vou camisa de algodflozinho caigas de '/liarle azu!,
uns suspensorios do meia do cor, umn jaquete de
ipanno verde rola no cutovcllo esquerdo, chapeo de
palha e uma trouxa com o resto do sua roupa ; per-
tenceao Sr. Francisco l.ourengo da Fonscca, iloltio-
Grande-do-Sul : promctle-se generosa recompensa
a quem o pegar e levar a ruada Senzalla-Velha,
n. 110, casa de Alvos Vianna.
vendem-se sapatos de eouro de lustro para senhora, |PBRN. : ka ttp. de*, p. de fabia.1847-*
MtataaMafcBHiflilkf:


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ELQPO5W0V_KIJ0MB INGEST_TIME 2013-04-26T21:12:50Z PACKAGE AA00011611_08426
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES