Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08417


This item is only available as the following downloads:


Full Text
^"
Anno de 1847.
Sexta^fera 12
r"u.
. niJRIO nul>liea- toda oj das, qut n'o
- .ie cu"1" I""'?0 a,i^alur',*de
mb rs P<" q'"""lel- P"Po ad.anladia. 0 "
ll'm s5s!"ile' *S. nseriilo i rnsiioile
;i".';,*Vp-I. -'' l" t^-E
' M*ii*> Pr ""'"' e '
rc^porcadM.ubl^-.o.
.lifl'crcnw
Ott ein lyp
PARTIDA DOS C0RRE103.
Goianna e Paralivh, bs segundas e sextas feirs.
Ri-Gi-anclt-dn. Aoite quinta. feiras a.omeio-rlia.
Cabo, Scrioliioni, Rio-rormino, Poi to-Calvn) c
Macelo" no I.', a II e Ji deck.la m.
(iaiBnluin e Honito. 10 e 21,
l)na-ViU e Ploies a 13 e ?8.
Victoria, quintal fertf.
Ulinda, todos os dia.
pHASES DA LA NO MEZ, DE FEVEREIRO
!. ,nte. a 8, as I llora t 16 mo. da manb.
'"'C. I, '"* mD- d" m "-='
Cruente. M. "<> 2a d mohii'-
PRE-AMAil DE HOJE.
Primeira, 2 lioias e 6 minutos di tarde.
Segunda, s 2 liora3i) e mininos da roanha.
de
Fuvereiro. Anno XXIII.
N.S-.
MAS D* SEMANA.
8 Segunda. S Connthia. And doJ dosor.
ph!o, do J. do c da ? v. e do J M. da J v
u Terca. S. An-!fi!^. Aud.do J.doiilv.fla I
T edoJ depado2.iist. dej
10 Qarta. S (uillieime. Aud do.'.dociv.
da r. e do de p7. do 2 list <1e t
11 Quinta. S. Dativo Aud do J. de orplios,
do J. municipal da I ar.
12 Seta. ;. Modesto. Aud,do I docir.dat
v do J. .le p-it do I. dist. de t.
1> Sabliado. S. Heni^iio. Aud do J do civ. d
i. v e do J de na no I dist. de t.
II Domingo. S. Valentitn. ,
CAMBIOS NO DA 11 BE FEVEREIRO.
i'amliio tHtanim***, 59'/, SOd. p. l#r.
B Pns J20 r. por franco.
Lisboa OS deprendo.
Desc. delettra* de hoas lirin. I V. P-7o "'"*f
Ouro-O,o,s I espanbol.......'*<"> '"I400
Melas de 6#IO0 elb 16*' a
>, deOJ.OO nov.. l6#nnn
. 'deifOOft..... 00o
Prala Patacn .... ... <#
Peso columnares... I'n
Ditos mexicanos ... i#"
Miud....... >"
I6|I00
lAfifiO
O 100
3JO00
jfoon
If6(.0
l#7o
Accoe da coiup.do lleberibe de 60|00o rt.ao pr.
DIARIO DE PERIVAMBUCO
PA*TE 0FF1CUL.
MINISTERIO DO IMPERIO.
nim e Exm. Sr. Fo ouvida a aeccfio do conce-
ttm doesU.! do? negocios do imperio sobre as se-
' ,"tPs'duvidasqiieiiaexecuqno da le. regulamen-
JL,das eleicfles foram poslas pelo presidente da pro-
vincia deSanta-Calharina, o pelo jmz municipal e
,\e, nrpbBos da villa de S.-Jose, na provincia de Minas-
r'Toe'se um elPitor que lie presiden le da provincia
nde ser memoro da junta de qualificacno. do conce-
R, munidp.1 de recurso e das mesas das assembleas
PTs5le presidir junta do qualificaSno ojuiz
le az mais votado do distr.cto da matnz, achando-
irBduiilo a pobreza tal, que n3o fo. por essa causa
qUE tS'-seT: o .mperador, por sua immediat.
resolucno de 'leste mez, conformado com opare-
r da referida eccSo, exarado cm consulta de 9 do
mesmo mez, lia por bem declarar:
lo n,,e ocleitor que he presidente da provincia
nao Dde ser membrp da junta dequalificaijiio, nem
do concelho municipal de recurso, nem mesmo das
mesas parochiaes, porque a imparcialidade e o ere-
dito da a.lministracto superior exige que elle se abs-
ten ha de ter parte directa eimmediata naexecucao.
2 o Que o juiz do paz mais votado do distncto da
matriz ho o presidente da junta dcqualificacilo, em-
bora se verifique que elle nflo possuea renda marca-
da na lei, porque nem a lei nem a jurisprudencia re-
oonhecem como motivo que funde a deslituipao de
TirigueLtonideidem.
Patacho//anoter farinha.
PatachoPandorabacalho.
Patacho O/iwiromprcadorias.
RRKl'UO 00 HiVPa DR IMH06TAQA n ALFANDRC* DB EB-
KAMBUCO) NO MRZ DE 1ANRIBO DE 1847.
Grflo-Bretanha........ 58l:92*,153
Franga........... 15-608,1 Oi
Cidades Anseticas....... 9:140,400
Portugal osuas possessoes .... 109:815,451
llespanha.......... 10.115,399
Suecia........... 6:675,386
Italia ............17:375,244
Estados-Unidos........ 102:978,644
Total-856:632,781
toneladas, capililo Jos" Machado Malheiro Braga,
equipagem 5, carga varios gneros: a Lniz Itorges
de Cerqucira. Passageiros, Antonio Mara do Car-
valho, Brasileiro, Hermann Robert, com sua se-
nhora, Alleinfles.
Drclaracoes.
1MP0RTAGAO'.
Hanover; brigue americano, vindo deUaltimore>
entrado no corrente mez, consignado a Henry Fors-
le & C, manifestou'o seguinte :
294caixas ach, 10 fardos pannos de brun liso,
49 ditos ditos de algodSo liso, 50 saceos pimentada
India, 20 caixas canella, 18 ditas rogo da India, 20
barricas farinha de milho, 50 caixas velas de esper-
macete, 25 barricas bolacha, 100 barriquinhas bola-
chinha, 25 barrscame, 122ditos breu, 762 barricas
farinha, 2,000 pesos mexicanos, 36 oncas, 1 moia di-
ta, 2 quarlosdito, 107 remos ; a llenry Forster & ('..
Pandora; patacho inglez, vindo tleiersey, entrado
no correnta mez, consignado a M Galmont & C,
ihecem como motivo que runfle a uesitiuicdu iw manifesloll oseRUn,e : "
jui2 de paz qualquer occurrencia que o prive dos ma156Sl|aJrr0icSaes6^nc,lho.
is da fortuna, nem a dccisflo que 0XJ*le_^|11|>z Consulado.
um_
licns ua
paz to lugar do jurado por falta de renda procede pa-
ra ser ello privado das fuiccfles do scu cargo, nem,
finalmente, a exclsfio do juiz de paz as circums-
tmicias mencionadas f6ra conclavel com a disposi-
cilo da lei de 19 do agosto de 1846, que incumbe o
juiz de paz mais votado do distncto da matriz da
junta de qualilicacflo, embora estoja suspenso por
pronuncia em crme de rcsponsabilidade.
O que ludo communico a V. F.xc. para a sua mlel-
ligenca e governo. .
Dos guarde a V. Exc. Palacio do Rio-de-Janoiro,
em 14 de Janeiro de iW. Joaquim Marcelino dt
hilo. Sr- presidente la provincia de Santa-t.atha-
ria, i
L'.afJ'JS!
COMME^CIO.
Alfandega.
RENDIMENTO DODIA11.....
DESCABRECAM HOJE 12.
Brigue -Tesarmanteiga e fazendas.
BrigueCarolitubacalho.
~.zei:
16:279,261
*-,
MEMffiAS DE UM MEDICO. (*)
pon suejrattDve JBumauf.
PRIMEIRA PARTE.
dS 3Aai9Ai2Qo
CAPITULO XII.
APHHSKNTA9O
Como ludo fianlo he grande, Versalhcs he c ser
dras lazam destocados nos tanques seceos os seus
deosw de chumbo, bronze ou marmore, as arvores
lasgranSes alamedas se lancen, dcsalinha.las aoceo
sempre ha de ser, ainda em minas, um espectculo
pomposo que sorprenda o homcm pensa. or otr o poe-
ta, que da grande v.randa espra.ar a vista pelos ter-
nos horizontes depois de haver contemplado os os-
'''Co^s'oSdrna s. vida e na sua g.o,iaque
Vrrsalhes era esplendida a vor-se. Quando urr. 1ro-
P,.| ,lo gente desarmada, cont.da por urna brilhanle
U'u-,, lie derramava no seio lesembocando
"neosseus porles lourados; quando mil carruagens
. ..ii, ,r,. cibprlins brasc d'ar-
; personagf
eMiphiras, q
rurvava como o vento faz dobrar as muras espiga*
rbiredesaidiiras.-que oaceno dcu.n s homcm pruneirai^flle..
i fi
nActa a^ndo d? todas a, suas_ portas paiiam A_ouIr Jg ^ d
;ua qtfaiiui
corrios par lodos as potencias, -quando res, prin-
cipes litrul^res, olliciaes, sabios do mundo c.vihsado
pisavam-U.e os ricos taivetes e os mosaicos preciosos-
() Vida Diario n.* 31.
RENDIMENTO DO DA 11.
Cera| .........2:942,646
l'rovinci'al."...........^JSS
Diversas provincias........ i,ts
4:185,762
ilovimeiilo do Por lo.
Navios enlradoi no dia i 1.
SSo-Joto (Terra-Nova;; 36 das, barca ingleza .Wan-
chesler, de 158 toneladas, capililo JohnRell, ejui-
pagem 9, carga 2001 barricas com bacalho; a 1.a-
Lverpopl; 45 das, brigue inglez Jamti-Raj, de 233
tnneladas, capitao William Hanneford, pquipagcm
12, carga carvao de pedra e fazendas ; a Deane
Voulo & C. .
Rio-de-Janeiro; 23 das, patacho inglez Conques!, de
144 toneladas, capitao James Wilson, equipagem
10, ein lastro; al.e Bretn Schramm.
Babia; 26 das, hiate brasileiro Hor-do-Rec\fc, de 38
Era, porcm, sobretudo quando Versalhcs se orna-
va para urna grande ceremonia, quando os sumptuo-
sos movis e as grandes illuininaQOes Ihe duplica-
vam a tnsgia das riquezas, que ella dava aos nimos
mais indihVentes urna deia dos prodigios que a
inaginaBuO e o podi rio humano podom inventar.
Tal era acerimonia da rccepijao le um embaja-
dor, tal era tambem para os simples genlishomens
a cerimonia da apresenlagao. I.uiz XIV, creador da
etiqueta, que a todos cncerrava em um espado que
Ihe mo en dado transpor, liavia querido que a ini-
ciac.no aos osplendoros da sua vida real uifundisso
aos eleitos urna tal veneraejao, que considerassein
sempre o palacio de ro como um templo, no qual
tnham direita de r adorar o Dos corado em lu-
gar mais ou menos prximo do altar.
Desta sorte, Versalhcs, j degenerada sem duvida,
masresplandecente anda, havia aberto todas as por-
tas, accnddo todos os candelabros, posto a uz to-
das assuas magnificencias |>ara a apresuntavaoda con-
dessa Dubarry. O povo curioso, esromeado, misera-
vol mas queesquecia, cousaextraordinaria! a mi-
sera e a fome ao aspecto do tantos portentos, o povo
>w i ...__ .. .......,i,l.i ,ln Oariii O c
*.\i> -,- serta e a iunre a\j o( sempre bella. m..a. no coliria a praca darmas e a avenida do IV>ris. O cas-
Carcuma-lhe embora o musgo desmoronsdss pe- cobr.s o p a iodag ag janc|11 a9 g ran.
COOrin a lirada u ai i*i ,*..- --- -- -.-------
tello lancava fogo por todas as janellas, e as girn-
dolas parecam ao longe astros que oscilavam u urna
pnera d'ouro. ,
0 re sabio do scu aposento s dez horas em ponto.
Trajava com mais luxo doqueodocostume;--s
as livcllas das ligas esapalos valiam um milMe.
Tnha sido elle informado por Sartnes daconspi-
ra;ao tramada na vespera pelas damas >nvejos;
por isso tnha as fe^es um p.iuco carrogadas, e te-
mia que smente homens visso na galena.
Mas em breve se Uanquillisou, porque UOSSlBO da
rainha espocialmonre
destinado para as apresenta-
p los seus porpes lourados; q"'^m.l cmu.Bens ranina H^"^^ nuvein de rendas c polvi.hos,
le velludo, sed rom sobe I' ^ra^ ? V % O lllm. Sr. nspectnr interino leste arsenal man-
da fa.er publico que, no da 13 do amianto mez, pe-
las 11 horas da mantilla, sera vendida embasta pu-
blica, na porta do armazem do almoxarifado, urna
porreo de barricas vasias, no estado em que actual-
mente 9c acham.
Secretaria da inspecc/io do arsenal de marinhado
Pornambuco, 11 de fevereirodo 1847.
Osecretarin,
Alexandre Rodrigan do$ Anjoi.
-O arsenal de mnrinua compra, no da 12 (hoje.do
corrente mez, pelas 11 horas da inanhaa, sebo e
volas e graxa do Hio-iirando.
As pessoas que so propozerem vembVlos silo con-
vidadas a comparecor nesta seeretaria no indicado
da e hora, com as suas propostas cm cartas fecha-
das. ,
Secretaria da nspecQilo do arsenal do marinna do
Pernambuco, 11 do fevereiro do 1847.
O secretario,
Alexandre Rodrigues doi Anjos.
o arsenal de guerra compra duzcnlas vassouras
de timb. Quctn esto genero quizer fornecar, man-
dar sua proposta em carta fechada a directora do
mesmo arsenal, al o da 15 do corrente mez.
Arsenal de guerra, 11 de fevereiro de I8i".
Jodo Ricardo da Silva,
, Amanuense.
ftescrivfo o administrador da mesa de rendas
internas provinciaes tem le remoller para o juizo
competente una relacflo, contendo os lovcdores le
dcima abaxo especificados, o qtictera lugar ate o
dia 28 do corrente mez : por .isso os convida a vi-
rem pagar seus dhitos, afim de evitaren as cres-
cidas despezas do juizo. .
llcrderos de Jos Pcreira Lagos, Jos Iligino de
Miranda, Jotlo Venancio. JoBo Jos- Barroso, Manuel
Elias de Monra, Antonio Tiburco da Costa Montcro.
Marianna Rita leOlivera, Antonia I.uiz de Fioitas,
Antonio Lino ds Silva, herdeiros de Antonio Fran-
cisco Marques, Antonio Ferreira dos Santos, Antonio
Filppe da Silva, Antonio Fornandes \ellozo, Anto-
nio Joaqtiim f.omjalves de Montes, Antonio Haptista
Clemente, Antonia Bernarda de Souza, Anua Rufina
da Costa Montcro, Anua Joaquina deFrcitas, Anua
Joaquina daConce;n na, Angelo Baptsta do Nascimenlo, Amara Jos do
Carino, Agostnha Mara da llora, Anna Joaquina lo
Espirito Santo Graga, Calharina Francisca lo Kspi-
rilo Santo, Joaquina Mara da Rocha, I rancisco Pc-
reira daCunha, Antonio Jos Comes Arantes, An-
glica Francisca de Azevedo.
Itecire, 11 de fevereiro de 1847.
UorindoFermra Caldo.
,^___juBlli"nEiw" mi mrri ------------*"~aSl
~Eu representava mnba filha, acondessa dEg-
mont. Ollieque ma ha lo enchergar Septimama;
sella. madama de Crammont o madama de Ciie-
mne desempenharam a palavra. Tambem ja set o
que me lia de resultar daqui. Amanhaa parto para
o meu quinto degredo, ou vou pola quarta vez para
a Bastillia. Estou resulvido a n3o conspirar mais.
O re apparoceu. Tudo se calou, e no mcio ilopro-
fundo silencio ouvio-so tocar Ioz horas, momonto
solemne. S. magostado eslava rodeado do numerosa
corte; tinha junto a si mais decncoenta fulalgos
que nao liavam jurado ir apresenUcHo, o que tal-
vez por essa rasflo estavam presentes.
Aoprimeiro olltar notou o re que na esplendida
assembla falla^am madama do Crammont, madama
de Guinne, o madama l'Egmont.
Approximoii-sc do Chosoul que sehngia nimio
sereno, mas quo a despeito do seus esforcos, so
consegua dar mostras de urna falsa iiidiirerenija.
' Nao vejo aqu, dsse I.uiz XV, a senhora duque-
zade Crammont ,
Sonhor, respondcti Choiseul, miiha irmaa esta
molesta, c me incumbi de aptesentar a V. magesta-
do seus humilissmos respeitos.
Tanto peior! respondeu o re, e voltou-llio as
costas. n
Quando sovoltava deu com osolhos no principe
de Gumno. .....
__ E a senhora princeza de Guemeneo, disse ello,
onde esta ? Nao a trouxestes, principo ?
Era impossvel, senhor, porque esta doente;
ao ir receb-la em sen aposento, acne-a do cama.
Ah! tanto peior! tanto peior! disse o re. Oh!
c est o marechal! boa note, duque.
__Senhor, dsse o volho cottezao, inclinando-se
com a floxblidado de um rapaz.
__ Vsc nao estis doento, dsse o ro cm voz alta
de modo a ser ouvdo do Chosoul e Cumciive.
Quando so trata, senhor, respondeu o duque de
Rcheliou, da ventura para mim de ver a V. magesta-
dc. eslou sempre do sade. ... .
Mas disse o re, correndo a vista cm derredor
de si,.vosas lilha, madama d'Egmont, porque n3o es-
aoqdUuquc, vendo que o escutavam, respondeu com
aros do profunda tristeza :
_ Oh! senhor, minha pobre fillia grande pezar
tem de so ver privada la honra de depositar aos pea
deV. magestado assuas rospeitosas homenagens;
sobretudo nesta note; mas doente, senhor, e
lente
__Oprofessorde grammatica latina do collegio
das artes da academia le olinda declara estar
a berta a respectiva matricula.
O CARNAVAL.
A par le sou senhor sentado o servo
Igualdade exprimi los lempos de ouro;
-i Poltica firmando al nos gnstos
i Sagroti-lhe sobre o mar Wncza um templo :
Dos tribtinaes as vpnamndaa portas
i Snrrindo-se apparecc a librrdade,
E rigor, sujeto dall remove;
0 instante que seus jugos annuncia,
n Da ridade atinada o szo varre ;
Entao lei respelavel er Vcneza
i Vcslir-se o rosto de emprestada face i
Ella ao mysterio d seguro asylo,
Um mortal mascarado lie quasi um nume.
Mr. Dorett:
Tlieatro publico.
0 CARNAVAL DE VENEZA
ou
FOIJ1A REAI,.
SABRADO, 13 DO CORRENTE, DOMINGO, 14, E TER-
CA-FEIRA, 16
em que linda o Carnaval.
Nestastros noitesse representadlo os mais jocosos
dramas, ornados de rantoras e dantas do mascaras.
Ha alguns annos era costumo cm Portugal mandar
vr da Italia um hbil niachinista para pOr cm scena
as grandes pecis mgicas, bem comoo Anuel de
Gigos-.Labyrnlo de Crea-, Mgico de Salcrno-.elc.
Hojo, porm, estao em voga os dramas jocosos, ter-
mnandocom os bailes de mascaras, a que s.3o admit-
titlas as pessoas de ambos os sexos, que nestas tres
notes se querem desenfadar dos trabamos quoti-
danos, preccdonilo cartilo do director, para seren
admiltidas as danqas le mascarados; fornecendo-
ll.es a casa mascaras e vestuarios.
!. drama jocosoo Engao Nocturno.
2 o Calotismo.
30 o Poeta das Asturias.
DNCaS,
0 qunteto-chnez, a polka, mashurka, escoceza,
montenello gavola, lundiim figurado, caxuxa e
outras laucas dos mascarados; cavatinas e Juetos
jocosos, c tonadilhas. O que tudo sera executado
pela biilhanto companha das pastoras.
aSSIONATI RAS.
Platea, pelas tres notes "'.
Camarotes de lado, por tres notes, 1." ordem
Ditos da ordem.nobrc, de lado.....
hilos da 3.* ordem, de lado
Frentes da 1." ordem, por tres notes .
Ditas da ordem nobre, por tres notes .
Eu eslava bem certo da sua descremo!
Que Ihe diza eu das conjurares ? Ble esi01
_ EV. excellenqia tambem, senhor duque? res: "nta.......^ a|houorei. Doente! madama .adelphina Coopigne, em vez de chegar daqui
I pondiam as damas. *^
Ditas da 3." ordem, por tres notes
Pagos adjuntados no theatro.
2,000
6,000
8,000
5,000
9,000
15,000
8.000
d'Egmont! a mais vigorosa sade da Franca! Tanto
peior, tanto poior! .
E deixou Ilichelicu, comodoixra Choiseul c.ue-
mene, .
i; ioi dando volla sala, comprtmentando com
muta espocialidade a madama deMircpois, |ue nao
seacliavamutoasougosto.
Eisopromodatiaicao, disso-lhe o ma.rcclial
ao ouvido; nmanh-aa sera V. excellencia aecumu-
;ado do honras, o nos!...... tremo at do pensar
IISSO .....
E soltou um suspiro. .'_.-.
Mas parecc-mc quo o senhor duque tambem
nao tiahio mal osChoiseuls, pis que aqu soacha...,
V. excellenca tnha jurado..... .
Por minha filha, marechala, pela minha pobra
Seiitiinana! quo ah osla cm dosgraca, por ser min-
io fiel!
A'seu pai! roplicou a marcnala.
O duquo fez que nilo ouvia esta resposta, quo po-
da passar por umepgramnia. i^-i.,
Mas nao llie pareco, marechala, que ei-re ost
inquieto?
E tem ras.lo para isso.
Como?
So dez horas e um quarlo.
Ah! he verdade, ca condessa nlocnoga. yuer
que Ihediga urna cousa, marechala p
higa.
Teuho um medo.
Z Que lcn'ha acontecido alguma dcsgraCa aess
pobre condessa. V. excellenca deve sabe-lo.
Z e'm^S poiseslava mettida na conspira-
^os'sim! ?duque, em confidencia, tenhe o mes-
mo modo que o scuiior.
A nossa amiga duqueza he cruel antagonista,
Tere fugindo, como os l'arthas, e ella Tugio. Veja
como M. do Chosoul esta dosassocegado, anexar das
suas diligencias em mostrar-se tranquillo, ollio, nao
pode parar if un lugar, rolo perde de vista ael-rei.
Vmosla, elles tramaran alguma cousa? Conresse-
me isso.
__ Nada sei, duque, mas sou do seu parecer.
Que alcainjarao con isso?
Urna demora, charo duque, o bom sabo aquello
litado : Quem lert tempo, tem vidu. Amanhaa po-
de occorrer um caso improvisto quo retarde indelini-
damenle sla apresenlaqOo. Talvez chegue anianbaa
"
SU





Avisos martimos.

P*lacho Olivfira pretende sahir para o Rio-
Gran de- esrrayosa embarcar dirija-se a tratar com Joflo Vaz
de Ohveira, na ra da Cruz, n. 51.
Para o Aracaly sahe em poneos das a sumaca
Carlota, por se adiar com a inaior parle da carga a
bordo, e para o rstante da carga e passageiros tra-
ta-so com o meslre, Jos Concalves Simas, ou com
Luiz Jos de Sa Araujo, na ra da Cruz, n. 26.
Para I.isIkm sahe, com a possivcl hrevidaile, o
brigue portugus S.-Doming*,, porter a maior parle
da carga prompta : quem no mesmo quizor carregar
ou ir de passagem, para o que oftVrece bonscommo-
uos, oirija-se aos consignatarios, Mendos & Tarrozo,
ra na Cruz, n.54, ou aocapililo, Manoel Goncalves
\ lanna, na praca do Commercio.
Para a Hahia segu em poucos dias, por ler parte
de seu garregamento prometa, a sumaca Santo-Anto-
mo-de-l'udua, forrada eencavilhada do cobre : para
carga e passageiros dirijam-w a ra do Vigario, n 5.
Para o Porto sahira com hrovidade a barca llel
la-rernnmhucana, por ler parte da carga prompta i
quem nellaquizer carregar ou ir de passagem, para
o que ton. exrellentes commodos, dirija-se ao capi-
taona praca, ou ao consignatario, Antonio Francisco
de Moraes, na ra da Ca.leia do Recie, n. 51
- Kspera-se do Rio-de-Janeiro, at o dia 16 do cor-
rente mez o muto veleiro e superior brigue por-
tuguez Sublime capit.lojolo Francisco de Amor ;
pretende salnr com toda a brevidade para Lisboa
quem no mesmo quizercarregir ou ir de passagem
para oque lem os mais asseiados commodos, enten-
ua-se com os consignatarios, Olivoira Irniflos&C
na ra da Cruz, n 9. '
O brigue nacional Alalia sahe impreterivel-
menle sablmdo, 13docorrente, para o Rio-.Ie-Janei-
io. itoga-se aos Srs. carregadores mandem os co-
nhccimentos nara serem assignados: e quem tiver
cscravos a embarcar no mesmo brigue, deve man-
Ua-los para bordo na mandila do dia cima indi-
0 brigue Paquete-de Pernambuco segu com bre-
vidade para o R.o-Grande-do-Sul; tem bons cunv
modos para passageiros, e recebe cscravos a frete
?"P"LpreMn"'rq!,al<'uer ,las CUSas enlenda-se
* om Leopoldo Jos da Costa Araujo.
tnrSe?,.'t'.vi',ft'm para Ceara 'Awcaty com mui-
ta brevidade o biate nacional Mar a-hirmina : ciuem
quizer carregar dirja-se a ruada Cadeia do Recife,
" .......a. .
LOTERA
DA MATB1Z
HA CIDADE D.\ VICTORIA.
Acha-se novamente designado o dia 36 do corren-
te mez nara terem andamento as rodas desta loteria,
e nlo obstante a dilllculdade na venda do resto dos
respectivos bilhetes, causada pela Taita de notas de
pequeos valores que facilitem ostrocos, todava
espera o Inesoureiro que sera eflectuada a referida
vnnili a man ,, ,K. ......... i .
rs se bem que sabe, que nada devo aoSr. Salgado:
' muito arrependido estou de Ihe nflo tef ofTerido al-
go m pirflo: pelo pouco a vezes se nerde muito) aqu
est a fbula do Lobo, servindo eu decordeiro. Por
sua caridadee amor de Dos me desculpe desta falta,
que eu Rito sabia do seu tflo bom coraeflo para com
a Mili de Dos; quem disto duvidar, podo ir v-lo no
depoimento das testemunhas e documentos que o
abaixoassignado ajuntou a causa que o Sr. Emelia-
nolhcmove, equenada contestou. Que o Sr. Elias
cobre pelo mallo dividas perdidas he licito; teve
sempre a Ma i de Dos por sua protectora; porm po-
de ser que ella o desempate por querer cobrar 425*
liC'i/CS.
nZ?&U? & ? fari1n le,l,' Pr nWrvcncflo do
corretorOlivo.ra.deavultada poreflo de azendas de
seda, ta, ,ho c de Igodflo, as mais proprias da
presente estaeflo, e por precos que muito devem a-
nimar seus freguezes: boje, 12 do correte mez,
rai ta Cru WuMt em ponl' no 8eu *"zem,
.io"n1C0rre,?r0livcir!,.rari' 1<,ll1' P"r conta e risco
lequempertonccr.dolnate nacional Ando.inha, e
todos os seus pertences, constantes do inventario
quesera patente: hoje, 12 do c,.rreule,as 10 horas em
ponto, na praca do Commercio
- Rothce Bidoulacfazem leilflo, iior intervenciio
do corretor( l.veira. de urna po.ca de eharul. re-
gala c de outras i.iu.tas qualidades. assim como de
urna pequea poreflo de variados, por conta e risco
de quem perlencer: hoje, 12 de levereiro, as 9 horas
da manhaa em ponto: visto ler dito eorretor de fa-
zer outro leilio as 11 horas do mesmo dia', no seu
nrma/em, na ra .lo Vigario, n 4
* visos diversos
Nito tendo comparecido numero legal de socios
que legitimassem a eleicflo da nova direccflo.a com-
missfln administrativa de novo convida aos Srs. so-
cios, para so reunirem segunda ve?, na forma dos es-
tatutos, afim de seeffectuar a dila eleicflo hoje,
12docorrente, pelas 5 horas da tarde. A inda desta
vez a eommissflo recehera propostas para convidados
partid da abertura em 4 do marco, anniversario
de sua installacflo.
Rojfa-seaoSr. Antonio Bar
boza Cordeiro de Gusmo, senhor
lo engenho Purgatorio, baja di*
mandar concluir o negocio que
nao ignora, na ra do Crespo, lo ja
le Jos Joaquin da Silva Maya.
0 abaixo assignado, morador na ra Imperial,
n.67, primeiro andar, agradecido sobromaneira
honra que alguns Srs. Itrasileiros Ibes fizeram, sup-
pondo-o seu compatriota tem a declarar a esses
a quem mais convicr, que be estrangoiro,
0 NAZARENO N. 6,
esta a venda na liviaria da praca da Independencia,
ns. be 8; na ra Nova, loja do Sr. Quaresma, e na
ma deS.-Amaro, na typographia Nazarena, as2ho-
rasda tarde.
Traz irligos do interesse, principalmente a corres-
pondencia da corle, e mu manifest de Mara da Fon-
te em Portugal.justificando a uctual revoluco contra
;i rainha. *
venda, e que odia marcado nao ser espacado. rs., sern nada deve
restante dos bilhetes acha-se vnda nos lugares! Carlos Fredirico deS. Pinto.
ja aiinunciados. 10 Sr nomingos Atves Barboza e Silva tem urna
JoaoManaSeve embarca para a cidade da Ba- carta, vinda de Portugal, na esquina doCabugAjun-
nia, levando em sua companhia o seu escravo, de no- to a botica.
Precisa-se fallar Com o Sr. capitSo Severino
Gaundencio Furtadn deMendonca a negocio de sen
interesse : annuncieonde assiste, ou dirija-se a ra
Dircita, sobrado n. 29
Urna senhora solteira com 40 annos de idade, e
que ha mai de 16 se tem orcupado emensinar me-
ninas, se olTerece a exercer esta proffesao em qual-
quer engenho, advertinilo que nio ensina mais do
que ler, escrever, contar as quatro especies e coser
chilo, tudocomalguma nerfeigflo: quem do seu pres-
timo se quizer utilisar dirija-se a ra doLivramen-
to, n. 23, primeiro andar.
Alugam-se as soguintes casas: iim sobradinhn
ile um andar com sotao, lujas e quintal, na ruado
Sebo, n. 50, por 300,000 rs. annuaes; os dous tercei-
ros andares com sotflo. na ra do Aterro-da-Boa-Vis-
ta, ns. 4 e 6, por 300,000 rs. annuaes; urna loja com
proporces para qualquer estabeleciment, no mes-
mo Aterro, n. 6; os primeiro e segundo andares do
sooradinho do pateo deS.-Cruz, n. 14, todos pinta-
dos eiarranjados dft novo, por20,000 rs mensaes; urna
casa terrea com quintal, cacimba e mais commodos
para grande familia, na ra da UniSo, n. 3 ; duas di-
tas com os mesmos commodos, na Trempe, ra da
Soledade, ns. 29 o 31, por 12,000 rs mensaes ; urna
meia-agoa, na ra da Soledade, n. 37, por 5,000 rs.
mensaes: quem asprotender dirija-se ao escripto-
nodeF. A deOtiveira & Filho, na ra da Aurora,
MUITA ATTENCA'!!
O ahaixo assignado tem a distincta honra deannun-
ciar ao respcitavel publico desta cidade, e aos habi-
tantes em geral da provincia de Pernambuco, que
acaba de Ihe chegar de Boston, polo brigue america-
no i.asket, entrado no correte mez de fevereiro, duas
caixascom caixinhas de pilulas vegetaes dodoutor
Braiulret. O mesmo abaixo assignado ufana-se de
alirmar que sito as nicas e verdadeiras pilulas ve-
getaes que existem nesta praca, de seu proprio autor.
Iiesnecessario he repetir a boa aceitcito e acolhimen-
todo respeitavel publico; pelo que o mesmo abaixo
assignado deixa de o fazer, continuando a 800 rs.
porcaixinha com o seu competente reccituario, na
ra da Cadcia-Velha, botica de
Fcente Jote de Brilo.
-Constande ao abaixoassignado, que algumas pos-
!1S. fin normal (nnA.f\nn.ln.i .... zn:._:_~j~ _
-i--.........- bwiKimi T,l,lv tjiiniiKUllll,
como provam os seus documentos aindo ha pouco
apresentados s devidas autoridades.
Vicente Thamm dos Sur/tus.
- Anda estilo para se alugar as casas do ns. 27 e
31, sitas na ra Real, junto ao Manguinho, as quaes
leem quintal murado, cacimba e porto de embar-
que; eo sobrado n. 12, da ra do Arag.lo, com gran-
des e bons c immodos, quintal e cacimba de muito
boa agoa : a tratar com Manoel Pereira Teixeira
morador no seu sitio prximo ao Manguinho.
-Oerece-seuiii bomem branco capaz para traba-!
Ihar emalgum sitio: no largo doCarmo, venda
1 ., I f?s.ou por mal intencionadas, ou por niinizadegra-
i".~ o .l.?aI??.uma 18?" l*rroa na.rua Bella, com 2'l.uita' pretpndcm deprimir o seu crdito, por motivo
amann0 ^ ^'^ quizessem Kanl,nr lo
Sabe a senhora marechala, que oscucontozi
mo tem-me todos os ares de realidade? E ella que
nao chega, com odiabo!
Ecl-rei que se impacienta, repare.
-- He a terceira vez que chega a janella. Na ver-
lade ellesollre.
-- Entiio, logo sera peior.
Como assim ?
Ora esculo. SSo dez horas e vinte minutos?
Justamente.
Agora posso dizer-lb'o.
Oque?
A marechala olhou em roda de si: feito o que, dis-
seem vozbaixa: '
Ella nao vem c.
(m' meu Dos marechala, isso ser um es-
cndalo abomina vel.
Materia para proeesso, duquo, processo crimi-
nal.----- capital.. porque haver, eoseideboa
{arte;, roubo, violencia, eate lesa-mageslade, seo
juizerem. Os Choiseuls manobraran! a desapparico
ue tudo. rr *
Foi grande imprudencia delles.
Oue quer? a paixo os cega.
Ah esta a vantagera de nfloser apaixonado, do
ser como nos, marechala; ao menos vemos claro.
Olbe, la vai el-rei anda urna vez a janella.
salas, 3quartos, cozinha fra, quintal e cacimba
trata-se na ra .lo Collegio, n. 15, segundo andar.
- Lendo o Diano-n' respondencia doSr. Elias Emeliano Ramos (intitula-
da palmatoria dos velbacosj na qual diz, nflosea-
charsatisfeito rom ter livra.lo alguns de per.lercm
o suor deseo rosto, e mais abaixo, ah Mili de Dos
que sera de inini?... Tenbo conbecido que o dito Sr
he de muitae muita caridade, assim tambem muito
devoto da Mili de Dos; isto me anima a pedir-lhe
publicamente, que por amor do Filho da mesma Se-
nhora lambem me livre de querer cobrar de mim
4-25,000 rs., como cessionario e procurador do Sr. Jos
Luiz Salgado de Castro Accioli, sem que eu nada de-
va, como tenho provado em minba defesa, em dous
aunas que me nicommoda com a maior injustica ;
tendo ja duas senlencas contra e anda contina.
Com o favor da Mili de Dos, Senhora muito da suade-
vocito espero eu que tambem me nflo desampare a
tinal. Peco-lhe humildemente perdflo de o ter hos-
pedado mal, quan.lo mscale passou pelo engenho
Burarema, por cuja causa diz querer cobrar os 425f
Com elTeito, Luiz \\, carrancudo, ancioso, irrita-
do, chegou a janella, pz a mito na rica aldrava, e
encostou a fronte as vidraces resfriadas.
No enllanto ouvia-se o ciciar das conversas dos
cortczftos, como o bulicio da ollmgem antes da
tempestado.
Todos os olhos so volviam do rologio ao rei.
Soou a meia hora. A vibracio da campanilla ex-
tingui se tremendo no vasto sabio.
Maupeou chegou-se a el-rei.
Bello lempo! senhor, dissoelle tiraidamente.
r~lM .u.'m sobnel"bo- Kxplicai-mc este enig-
ma, 81. de Maupeou?
Qual enigma, senhor?
Esta tardaiiija. Pobre condessa!
**~~ "e,(l1ueesta docnle, senhor, disaeo Hianceller.
dVrr: mm"** ?l,l,m,me"lp a "Whrtta de madama
de Granimoni, a de madama de Guemen, a de ma-
dama d kgii.nul tau.bem; poiu. a molestia da con-
deasa be inexpiicavel!
Senhor, um abalo forte pode pOr doente, ea
alegra da condessa era tao grande I
An I acabou-se, date Luiz XV, meneando a ca-
bi'ca.acabou-se; agora nito vem maisca.
Estas palavras, apezar de as pronunciar o rei em
vozbaixa, fura m ou vidas porquasi todos os assis-
leutes, inl era o silencio que reinava.
Mas niiiguem ha va anda litio o lempo de respon-
der-lhes, mesmo por pensamento, quando resoou
porbaixoda abobada um tropel de carruagens.
Todas m rionles se confraiigiram, os olhos todos
se interrogaran! mutuamente.
O rei deixou a janella, e foi do meio dosalito olhar
para a enliada da galera.
Receiobem que no seja alguma nova desgra-
na que nos uconieca, dsse a marechala ao ouvido do
duque que disfarcou um sorriso malicioso.
Mas de repente o rosto d'el-rei tornou-se radioso,
e os olhos Ihe scinlilaram.
A senhora condessa Dubarry! gritou o porteiro
do paco ao grto-meslre de ceremonias.
A senhora condessa de Uaru !
Estes dous non.es lizeram pular todos os coracOes
com sensiiQes bem oppostas. lima multidao de cor-
tezlos, arrastrada por invencivej curiosidade, che-
gou-se para o re.
Aconleceu que madama de Mircpoix foi a que mais
prxima ficou de Luiz XV.
Oh! como he bella como he bella! exclamou
a marechala, juntando s mitos, como seaquizera
adorar.
O rei voltou-se para ella, e sorrio-lhe.
Nito he una muluer, nao, disse o duque de Ri
chelieu, he urna fada.
E o hm do sorriso do rei foi dirigido ao velho cor-
tezilo.
Com eleito, nunca a condessa parecer tflo for-
mosa, nein jamis s.-me.lhanlesuavidado deexpres-
sflo. mais bem Figurada emocito, mais modesto olhar,
mais nobre porte, maiseleganle andar excitara aad-
miracilo no salto da rainha, o qual alias eia, como
dissomos, o das apresentacoes.
Bella que encanlava, rica sem fasto, ponteada so-
bretodo que enlevava, marchavaa condessa, condu-
zidapela mito de madama de Barn, que adespeito
de pungentes dores, nem coxeava, uem pestanejava,
mas cujo arrebique se despregava por tomos sec-
eos, tanto Ihe fugi da cara a vida, lito dolurosas Ihe
ealreinectam todas as libras ao menor movimento
da perua lu ida 1
loilososcircuinstanle cravaram os olhos no es-
Irauliu par.
do apparccimento de una lettra de 318,000 rs., acei-
ta por Jos Antonio Alvesde Bro, o endossada com
alirma>. "inda que mal imitada, do abaixo assigna-
do; declara, para satisfaeflo ao publico, que deixou de
pagar a referida lettra, porque assim o dovia fazer,
visto que a firma do endosso nito foi f.-ita por seu pu-
nbo : as pessoas que quizerem eselarecer-se o tal
respeilo, dirijam-se a ra da Cadeia-Velha, n. 6, pri-
meiro andar, que se apresentarilo documentos que
comprovem a veracidade do expendido.
Policarpo Joti l.ayme.
Precisa-se de um moco de 12 a 14 annos, para
caixeirodepadaria : na ra Direita, n.24.
Prccisa-sc alugar un preto bom trabalhador de
masseira: na ra Direita, n. 24.
O thesoureiro do theatro, Anelo Francisco Car-
neiro, pede as pessoas a quem o mesmo theatro he de-
vedor, que apresentem suas contas, afim de se poder
formara conta gerai que o mesmo tem do apresen-
tarao governo.
bao-se 250,000 rs. a premio de dous por cento ao
mez, sobre penhores de ouro : quem pretender di-
de alto, grandes olhos fundos e brilhantes como os
do xofrango, vestuario magnifico e andar de esque-
leto, pareca a imagem do tempo passado dando a
mito ao tempo presente.
Essa dignidade secca e fria guiando aquella graca
voluptuosa e decente, encheu de admiracao a espan-
to a quantos as viam.
Tito vivo era o contraste, queao rei Ihe pareceu
que a condessa de Barn Ihe traaia a amante mais
moca, mais mimosa, mais risonha do que nunca elle
a vira.
Por isso, no momento em que, segundo a etique-
ta, dobrava a condessa ojoelhopara beijar a mito ao
rei, Luiz XV pegou-lhe do braco, e suspendeu-a com
as seguintes palavras, que foram a recompensa de
que ella havia sotTrido durante quin/.e dias :
A meus ps, condessa disse elle; oh! que o
nito consulto! ... Eu bequedevra,esobreludoqui-
zera estar aos vossos.
E abri os bracos, como resava o ceremonial; mas
em vez de fazer que a abraca va, desta vez abracou-a
na realidade.
Bella he a afilhada que tendes, senhora, disse
o rei a madama de Barn; mas tem ella tambem
muito nobre madrinha, que muita satisfacilo tenho
de tornar a ver na minba corte.
A velha fez una mesura.
Idcsaudar minhas tilhas, condessa, disse de-
vagarinhoo re amadama Dubarry, o moslrai-lhes
que sabis fazer a mesura. Espero que nao ficareis
descontente da que ellas em recompensa vos farflo.
As duas condessas continiiaram a sua marcha pelo
meio do grande espaco vasio que se Ihe deixava, a
nroporcSo que ellas avancavam, mas que tantos o-
Ihares semillantes como que enchiam de abrasado-
ras chammas.
As tres lillias do rei ao verc# madama Dubarry
chegar-sc para ellas ergueram-se como por molas,
e esperarain.
Luiz XV eslava alerta. Com os olhos fitos as prin^
cazas como que Ibes ordenava o mais favoravel aco-
llumento.
as prncezas, um pouco abaladas, relribuiram a
mesura condessa, que se inclinou muito mais do
que o ordenava a etiqueta; o que todos acharam
muito bem feito, e de tal sorlo tocou as princezas,
que a abracaraiu como o rei tinha feito, ecom una
cordialidade( de que o rei muito se pagou.
Dahi por diantc tudo foi Iriuinpho para a condessa
e os mais vagarosos ou menos destros cortezitos ti-
rija-se a ra Imperial, n. 47, que se dir quera d.
Rnga-se a pessoa que, em o mez de Janeiro pr-
ximo lindo, achou o meio bilhete da loteria da ma-
triz nha a hondndo de o rest't'r a >" ''nnn, na ra do
l,n. 42, visto dlln io :: t u'.-i Ihe poder
t para cousa alguma, i>i acliar-se o thesou-
reiro desta loteria provenido para nito pagar sonito
aoannunrianlc : outro sim promette-sc a quarta
parte do premio (caso saia premiado dito bilhete) a
quem o entregar.
h'erreira filela
A direccilo organisadora do baile de mascaras
no theatro de Apollo (ransfere o divertimento para
sabba.lo deAlleluia esegunda-feira de Pascoa, em
consequencia de se nflo poderem apromptar muitos
dos Srs. subscriptores. As assignaturaa enntinuam
nos mesmos lugares ja annunciados Previne-seque
so serflo aceitas as pessoas cujo corportamenlo este-
ja livre do notas, e os convites das familias serflo
subjeitosa approvacio da directora, afim de nflo
haverem duvidas na escolha de pares para as qua-
drilhas.
Os herdeiros do primeiro matrimonio do finado
doutor Francisco de Arruda Cmara fazem constar
|ao publico, que, se nito tendo feito o inventario de
sua Tallecida mfli, ha 12 para 14 annos, e tendo ha-
vido grande prejuizo da parte dos mesmos herdeiros,
desde j avisam ao mesmo publico, que ninguem fa-
f;a o menor negocio de compra ou venda com a en-
cabecada do segundo matrimonio, acerca dos hens
existentes do mesmo casal, sob pena de flcar?em
efreito qualquer negnciacfln desde o da do falleci-
mentodosupradito doutor Amida, visto ter-sede
preencher aquel le primeiro inventaro.
- liesappareceu de S -Amaro um cavallo ruco-
pombo : dizem que seguio pela estrada de Belm ,
peado de p o mflo, com urna corda-: quetr. o achar
ou o tiver prendido queira ter a bondade de man-
i Io ,ftvar em s- Amaro, na ra da Aurora casa de
Jos Concalves Ferreira Costa que ser recom-
pensado.
Traspassam-$e as chaves do armazem de carne
secca, daruada Praia.n. 54: quem o pretender di-
nja-se a ra Direita, sobrado n. 29.
Samuel W. Harris retira-ae para os Estados-
Unidos.
^ Filippe Nery dos Santos embarca para o Rio-
Grande-do-Sul osseusescravos Gertrudes eAnacleto,
cnoulos.
1NTERESSANTE PERGUNTA.
Deseja-so saber do Sr. escrvfln da irmandade do
Sr. Bom Jess dos IMartyrios da igreja nova desta ci-
dade, queso acclama presidente da mesma, Joa-
qun! Zeferino da Assumpeflo, se a casa santa do
mesmo Senhor. J se acha desempenhada das
grandes dividas feitas por Jos da Trin.lade Gravat,
em nome da mesrna irmandade quando provedor
noannode 1846, o qual se acha hoje encarregado
por S. S. para distribuirs cartas para a nova pro-
cissito deste anno e se houver duvida provar-se-
ha com os mesmos credores : outro sim se j ap-
paraceu a caldeirinha de agoa benta, e a imagem de
S. Francisco de Paula com seu resplandor?
--- Aluga-se a casa n. 42 da ra da Alegra com
muitos commodos: a tratar na ra da Aurora, n. 44.
Na ra do Vigario, n. 19, deseja-se fallar aos
Srs. Silva & Grillo e Joaquim Monteiro da Cruz, a ne-
gocio de seus interesses.
Aluga-se um moleque que enlcnda de botar
jangada porm anda mesmo nito saben.lo, lambem
se pode ensinar : quem o pretender alugar dirija se
a travessa das Barreiras, venda da esquina, n. 49.
Quem annunciou querer comprar urna casa
pequea em qualquer ra desta cidade, dirija-sea
rua do Rangel, loja de cera, n. 1, que se dir quem
tem.
Precisa-se de um Portuguez para feitor de um
sitio colara : na Magdalena na otaria do fallecido
Rafael Cordeiro.
Precisa-sede urna ama secca para uma casa de
pouca familia : na rua do Rangel, n 42.
Avisa-se ao Sr. MamoelQucrcca, caixero do
Sr. Bacelar, que queira vir pagar o que tomou para o
seu divertimento. na rua da S -Cruz, n. 5.
-- Prgcisa-so de um caixeiro: na rua da Cruz ,
venda n. 66. '
i iuT*.nn. ,.,.. ..-. le os mais vagarosos ou menos deslros cortezitos ti-
lsila" mlT,.^V da sua moc.dade, perneado de mais de palmo meto | lar oa seus comprmanlos rilnha da festi.
Esta sem arrogancia, sem colora, sem resentimen-
to a lodos acolheii benigna, e mostiou-sc esquec-
da das Iraicoes. E nem nessa benevolencia magn-
nima havia nada de fingido, pois no coracto que Ihe
trasbordava de alegra nilo havia mais lugar para
um sosentimento rancoroso.
O duquo do Richelieu niostrou que nem de bable
fra elle o vencedor de Manon, o que sabia a mano-
bra. Lmquanto os cortezitos vulgares se conserva-
vam durante as mesuras em seu lugar, e esperavam
o resultado da apresentacilo para incensarem ou lis-
narem o dolo, havia o marechal lomado posicilo
por detras do assenlo da condessa, e semelhante ao
guia decavallariauue vai posUr-sea cem bracas ua
planicie para espfar que a linha desfile no ponto
justo de conversao, esperava o duque a madama liu-
barry, e devia naturalmente acliar-se junto della
sem passar poraperles. Madama de lrepnix Ja
sua parte, sabendo quilo feliz fra sempre na guerra
o seu amigo, havia imitado css-i manobra, e tinha
insensivelmenteapproximadoa seu tamboretedo da
condessa. v
A conversaQflo estabelecou-se por grupos, o a pes-
soa de madama de Dubarry foi toda passada pela ll-
ena.
A condessa, sustentada pelo amor do rei, pelo gra-
cioso acolhimenlo das princezas, o pelo apoio de
sua madrinha, espraiava a vista menos tmida pelos
homensquecircumdavam o rei; e certa da sua posi-
cilo proeurava as suas hiimigas entre as mulheres.
Um corpo opaco interrompcii a prespecliv#.
Ah senhor duque, diz ella, f preciso quevi-
esse eu aqu, para encontrar a V. excellencia.
Como assim, minha senhora? perguntouo du-
Sim, haver cousa de oitodias, que ninguem*
ve, nem em Versalhes, nem em Paris, nem cm I.u-
Ciennes.
Proparava-me para o prazer de ver aqu a V.
excellencia esta noile, replicouo velho cOrtezito.
Dr-st'-ha caso que o pruvisse ? \ '
Eslava certo disso.
Ora na verdade, duque, isao nflo he bonito ; sa-
ner disto, e nflo me lia ver prevenido, sendo eu sua
amiga, equo de nada sal. jL
Como he isso, minli senhora, disso o duque,
pois nito sabia que tinha Je vir aqui?
Nao. Eu eslava pouco mais ou menos romo E-
sopo, quando um magistrado o enconlrou na rua.
Ondo vai voss? llie perguutou elIc.-Nflo sei, res-
pondeu o rabul.sl.-Ali! de veras ne, caso ira
para a pnso.-Bem v que eu nflo sabia para onde


TF

__Precisa-se de um homem que seia
bom alfaiate, para ser empregado no cor
te de obras, pagando se-llic por dia i 280
rs. : no Aterro-da-Boa-Yisla, loja da es-
quina do bfeco.
__A viuva do fallecido Antonio Ferrei-
rade Vasconccllos vende, para pagamen-
to de seua credores, urna casa de sobrado
,1c 11 ni andar com slito, tendo 35 palmos
de frente e 85 de.fundo, acabada por fra,
rom vidracas, e dentro assoalhadoe forra-
da com portas e cnchams, faltando ape
as algnns tapamentos: oulra pegada, de
iriacs dimensoes, acabada por fra, e en-
vidracada, sanente travejada por dentro;
ni e'aixao de alicerce para duas mo-
radas de casas, de 6i palmos de frente c
ti de fnato*, todas com quintal emaberto
do terreno de sua frente, e 291 palmos de
fundo com camboa por dentro do quintal,
sendo os chaos foreiros : finalmente, um
terreno no mesnio alinhamento, com 3j3
palmos de frente e o competente fundo, e
camboa quefica no centro : ludo situado
ni frente da estrada que vai para a Magda-
lena, e faz esquina com a que vai para o
Remedio. Os pretendentes podem-se en-
tender com B. Lasscrre &C, na ruada
Senzalla-Vellia, n.i38.
Francisco Pinto da Costa Lima ,
mostr alfaiate, avisa ao publico e a todos os scua
freguezes, que contina com o estabeleeimonto de
scu ollicio, na ra larga do Rozario, n. 40, primi-iro
andar, e que est prompto a fazer qualquer obra,
tanto de homem como deseubora, com a perfeicflo
possivel. O mesmo precisa do alguns otllciaes de 0-
brasmiudas.e tem bons brins de linho para vender,
liollandas pretas a 2,500 is. a peca, Imha de carrete!
branca, a duzia e a retalho, linlta de cabe? bran-
ca eencarnada, boles de ac, marcas de cobnr,
boles de duraque, meias curias de hnho, e algu-
mas obras fcitas: ludo muito barato.
Aluga-se o andar terreo ou loja do sobrado n.
12 da ra da Aurora, com opt-mos e muito asseiados
commodos para moradia de homem solteiro ou de
puuca familia: queni o quizer alugar dinja-sc ao
mesmo sobrado a qualquer hora.
Na ruada Cadeia do Recife, n. 41, precisa-se
' de oficiaes de alfaiate de obra miuda.
Agencia de passaporlcs.
fi Na ra do Collegio, n. 10 o no Aterro-da-3oa-
Vista loja n.48, continuam-se a tirar pasaportes
tanto para dentro, como para fra do imperio; assim
como despacham-sc escravos : tudo com brevidade.
-- Na ra doVigaro, casan. 5, alttgam-se dous
bons negros marinheitos e um caooeiro; tambem se
aluga o arinazem ou prensa, sita no Forte-do-Maltos,
no largo da Assembla. 11.7.
Precisa-se de urna ama para casa de familia,
que sai ha cozinhar, lavar e engommar: na praga
da Boa-Vista, n. 6.
Prccsa-so de um caixeiro portuguez, de 14 a 16
annos : na ra Direita, n. 53.
Precisa-se alugar uina ama escrava. 011 Itvrc,
para o servido interno de urna casa de pequea fa-
milia : na na da Aurora, n. 44.
~ Precisa-se de um homem para feitor, portuguez,
ou brasileiro, sendo solteiro, ou smente com mu-
llier: na botica da ra larga do Rozario, n. 36
Aluga-sc una escrava que saiba cozinhar c
engommar, e tamben um molcque ou mulalinho,
do 10 a 14 annos : quemtiver dirija-sc a casan. 16,
em Nossa-Senhora-do-Terco.
3-
a. Da mesma sorte, duque, eu poda crer Ujue vi -
nha a Versalhes, mas nflo tinha tal certeza qiio o po-
dosse dizer. Eisarasflo, por que me furia o senhor
grande obsequio em meirvr...mas... ira agora, nao
he assim? ,. u ..
Naoer.iendo, minha senhora, djsse Richelicii,
sem mostrar o menor abalo pelo chasco, porque nao.
eslava V. excelencia bem certa de aqu vir.
Eu lh-o digo: .porque estava rodeada decila-
Efitou o duque, que sosteve impcrturbavel esse 0-
' Citadas! oh met Dos I que me diz, con-
1 fllfi ^ 1 r
Quizoram primeiro roubar-me o mcu cabelle-
ron). t
__ Oh oh o seu cabcllcreiro :
ileverdade. ... i .. ih
porque me nio mandn dizer isso ? ler-lne-
bia mandado mas Tallemos mais baixo,, ter-lhe-hia
andado urna prola, umthesouro, que madama-le
Kgmol desenterrou; um artista muito P^.
(.dos os cabelloreiros reaes, o meu pequeo Leo-
nardo. ,__
Leonardo ? exelamou a condessa.
Sim. minha senhora, um rapaztnlio que nen-
ien SertHtoE e que ella esconde de todos os ollros,
confo o JSreiUo esconde o seu Ibcsoure Mas .fio
tem detfiiequexar-se, condessa, porque esUma
ravilhtwamen.c ponteada e lijo bella ^lum-
hra; eoque mais me admira hequeodwhod-
sa torre parece tal qual o que m.n 'h^lohon-
tem Boucheive .lo qual pretenda scrvtt-ae para si,
se nHo estivosse iloante. Pobre Septimania,:
A condessa estremecen, fllou anda mas o duque,
majeste"conservou-sc risonho e inipoiielravel.
Masperdfle, condessa, eu interrump, V. ex-
cellencia fallava-mc do cundas?. ... ___
_ sim.depois de me liaverem roubado o meu ca-
bellere.ro, furtaram o meu vestido, um vest.do
mirtOh 'isso ho odioso; mas de facto, V. excelen-
cia nodia passarsem esse que Ihe furtaram ; porque
vejo que o que traz he do um estof m.raculoso ....
he de seda .a China, nao he lato? com flores sbre-
noslas Pois henil Se V. excellencia, no sed aporto,
Kv se recorrido a mim. comodeve f.zc-lo para o
fturo cu Ihe loria mandado o Vest.do que minha fi-
ana'tXn fazer para a sua prnUco e que era
fioeeii.eH.anle a este que julgana se o m-
a condessa travou das mfios do duque, porque co
mecada feomprehender quem er.o feitice.ro que a
havia tirado do embarace.
Precis-se deuma ama de leite: na casan. 16,
no pateo do Terco.
Permuta-s um dos melhores sitios des-
ea cidade, por umengenhq moenle p
correnle.que seja inteirameiitc bom d'a-
goa e produceflo, cercado, etc., para o lado do Sal,
at a distancia de 10 legoas do Recife, o mesmo mais
distante.sofor periodo porto deembarque. Ositio que
se d om troca do cngenbo he muito bom com ricas
obras de pedra e cal, nasquaesse gastaran 50 eontos
deris, situado no Arraial, junto a Casa-Forte :
quem quizer fazer essa permuta, voltando-se o que
for justo dirija-se a ra Direita n. 29.
l)-sedinheiro a premio cm porcOes pequeas
sobre ouro o prata: a tratar com Manuel da Costa
Azovedo, na ra da Cadeia de Santo-Antonio, n. 18.
Precisa-se, para caixeiro de urna venda no mal-
to, de um menino europeo, quoseja de boa conduc-
ta: quem pertender dirija-so ao Forte-do-Mattos,
prensa de algodao, de Joaquim Jos Ferrcira.
LOTERA DO RIO-DE-JANEIRO.
AOS 20:000,000 DE RES.
Chegaram bilhetes, meios, quartosoilavos e vig-
simos da lotera das salinas de Cabo-Fro ; e anda
exislem quartos. oitavos e vigsimos da matriz do
Ceara : no Recife, loja de cambio do Sr. Vieira. A
elles antes quechegueovaporcom a lista.
N. 11. O primeiro vapor que chegar do Rio-de-Ja-
neiro s traz a lista da lotera a benclicio da matriz
doCcar.
A pessoa quo annunciou querer comprar cou-
ros miudos para forro, bezerros e meios de sola, di-
rija-sc a ra dosTanoeiros n. 1.
A quem faltar um cavallo com urna carga de l'a-
rinba do reino, queira apparecer as Cinco-Pontas,
n. 37, ou em S.-liento, termo de Garanhuns, a fallar
com Jos Alvos Bezerra Cavaleanti, em cujo poder
existe dito cavallo e carga.
Rocehem-se escravos em commissSo para vender
se, offerocendo-se toda a seguranca, o vendendo-se
com brevidailo.por ter o annuucianle militas fregue-
zias, tanto para fra da provincia como para enge-
nlios, eso soleva deste traballio 3 por cento em
cnmmissfio : na ra Nova, n. 40.
Aluga-so urna casa terrea na travessa de S.-Jo-
s, n. 8 : a tratar na ra das Cruzes n 11.
O bacharel Vicente Pereira do Reg, professor
da lingoa ingleza no lyceu, e advogado nos audito-
res dest.i cidade, muduu a sua residencia para a ra
cstreita do Rozario, n. 19.
Nodia 9do presente mez foi furtado porum
soldado de arlilharia um cavallo grande, de cAr ru-
50-pcdrez, cauda torada, pnrm o cabeljo da mesma
alguma cousa crescido, carregadorde baixo a meo,
tem carnudo, com scllim e cabocada nglozes, man-
ta de panno com orello, estribo de metal principe,
sendo tudo em bom uso: a pessoa que doli der
noticia, ou Icva-lo a ruada Cadeia de Santo-Anto-
nio, sobrado da esquina da travessa do Ouvidor, n
14, sera bem recompensada.
Joao Francisco do Araujo, Brasileiro rctra-se
para Portugal.
Compra-so urna escrava que saiba cozinhar,
e engommar, nio excedendo o seu valor a mais de
400,000 rs. a troco de urna lettra que falta menos
de5mczes para se vencer, aceita por pessoa muito
segura, que nada deve, c que possuo bastantes pro-
priedades nesta praca, Hvres: quem tiver annuncie.
Compra-s urna escrava com as qualidades se-
guinlos : bonita figura sadia moca, sem vicios ,
que venda na ra o sirva para o trabalbo interno de
urna casa cozinhar, coser c engommar : quem a ti-
ver, dando a contento por 8 dias, dirija-se ao pateo
de S.-Pedro venda nica da esquina.
Compra-so toda a qualidade do papel em apa-
ras, por mais miudo que seja ; tambem se vende
A t ten cao
t
20:000,000 do rois.
Arabam de chegar pelo vapor Puntease, entrado no
dia .' dn corrento, os muito acreditados quartos 01-
lavos e vigsimos da lotera das salinas de Cabo-
Fro, sendo estas cautelas da casa mais acreditada
quo ha no Rio-do-Janeiro; as quacs se acham a venda
na loja do Sr. Tliomaz de Aquino Fonscca, na ra do
Cabuga. Advorto-se que os premios serilo pagos na
mesma loja.
Vendem-se dous novos e excellentes
fortes, uor nreco (ommodo, na
pianos
Iiapello para cliapeloiro e livreiro. muito hem fa- riia da Cadeia do Bcnf*^ n. 3p, primeiro
bricado : na fabrica das Cinco-Pontas n. 33.
Compram-seescravos mocos, bons carpinase
pedreiros, e outros de servico de campo : na ra Di-
reita, sobrado n. 29.
Compram-so duas escravas do mea idade :
na ra da Florentina, n. ".
Veiilis.
Compras.
Compra-se um barretflo de oleado ; um talim
com pasta urna canana e um banda para inforio-
de cavallaria da guarda nacional: na ra do No
gueira n. 45. ,
-'- Compram-se alguns escravos, com odiaos de
pedrero, carpinteiroecalafate, para fra da pro-
vincia ; sendo vistosos e agradando, pagam-sebem
na ra da Cadeia do Recife, n.45.
Compram-se para urna encommenda escra-
vos do ambos os sexos, pardos o prelos at 40 an-
nos : na ra cstreita do Rozario, n. 31, primeiro
andar.
Compra-se papel de embrulho a 3200 rs. a
arroba : na ra larga do Rozario ao pe do quartel
de polica n. 15.
Compram-sc pennas de ema : na ruadoRan-
el, n. 43.
Anda so continua a comprar cobras de viado
vivas para remedio : na praca da Boa-Vista, n. 32,
segundo andar.
r r:
b Vendont-ie mor mas do forro para engenhoi de a-
ucar, para vapor, agua c bostas, de diversos tainanhos,
por pi'0(O couuiiodo ; o giialnirntt taixaa de ferro coado
e balido, de todo os tamanhos: na pr.ifa do Corpo-Sao-
lo, n. II, em casa de Me. Caluiont & Coiupanbia, ou na
ruado Apollo, armazem, n. 8.
Vende-sc timadas melhores vendas da ra da
Praia; um cscravo bom can.iceiro na ra do Ran-
gel, n. 43.
Vende-se a verdadeira e superior
potassa branca da Rsala, muito nva e
en\ barris pequeos, por mdico preco ;
na ra da Cadeia do Recife, armazem n. a,
de Hallar 6x Oliveira.
Vende se na ra Nova, n.50,
um alambique e urna serpentina
para oleo.
Vende-se cha hyssnn em caixas grandes e pe-
queas ile 13 libras ; "velas de espermacele do 4, 5
e 6 em libra : na ra da All'andega-Volhii, n. 36, es-
criptorio de Malheus Ausiiu & Compendia.
Vende-se um escravo robusto, do servico de
campo : na ra Direita sobrado n 29.
Vende-se um terreno com 32 palmos de frente c
80 de fundo, na ra da Palma junto as proprieda-
desdoSr. Jos Antonio Corroa Jnior : a tratar na
ra da Concordia, venda n 26. Na mesma venda
precisa-sede um caixeiro, de 12 a 14 annos, que
tenlia pralica de venda e d fiador a sua conducta.
Vende-se, na ra Direita venda n. 53 sebo
de Hulla ma a 320 rs. a libra; bauba de porco a
320 rs. a libra ; talbarim linoe grosso, a 200rs.; ale-
tria a 240 rs. a libra ; pralos, a 960 rs a duzia;
manteiga franeeza muito nova, a 640 rs. a libra;
azeite doce, a 600 rs. a garrafa ; velas de espermace-
le, a 800 rs. a libra; e oulios muitos gneros de ven-
da tudo muito superior o mais barato do que em
outra qualquer parte.
Vende-so a arrcmatacTio do dizimo dos coros
fo municipio do Serinhacm por tres annos, con
adosdejunhode1846 a julbo de 1849; um lomo
novo de tornear metal o nicsiuo madeira com al-
guns ferros proprios para o mesmo, urna farda c
um corroame; tudo com mullo poueouso; 2 cai-
xOesdo pinito, grandes: ludo por preco mais oom-
modo possivel: no pateo da S.-Cruz, ao p da boti-
ca, n. 8. .
Vende-se urna prcla de nacao, de24annos, de
bonita ligura que coziuha o diario de urna casa ,
lava de sabfloe varrella,e be quitandeira ; urna di-
ta que cose, engomma e coziuha ; urna dita, pti-
ma para o servico de casa c fra ; urna parda de 20
annos que cose muito bem faz renda o lava desa-
bri o varrella : na rita da Concordia passando a
pontczinha, adrcila .segunda casa terrea.
Vendem-se oculos de alcance, por
preco con.modo ; na ra de Cadeia do Ke-
cife, n. 3p.
Salieosenhorem qucarruagem vim eu, du-
quo? Ihe disscolla.
Nao provavelmonte na sua.
Haviam-me roubado a carruageni, duque, do
mesmo modo que o vestido e o cabellereiro.
Vistoissoera urna cilnda geral? E em qucar-
ruagem veio entao V. excellencia ?
D-me primeiro ossignaes da carruagem de
madama d'Egmont.
Parece-meque, provendo esta notte, navta ol-
la ehcommeudado urna carruagem forrada deselim
branco. Mas nao houve lempo de Ihe pintar as armas.
__Sim?! Euma rosa pinta-se mulo mais depres-
sadoqueum brasOo, nflo he assim? Os Itichelieux o
os Egmonts tecm armas muito complicadas. Ora
bem, senhor duque, ho V. cxcellonca um homem a-
doravel.
E estendett-lhe ambas as mos, com as qttaes o ve-
Ihocortezo fez urna mascara tepida o perfumada.
De repente no moio dos beljos com que elle as co-
iria, sentio o duque que ellas tremiam.
Que be islo? perguntou elleolhando em derre-
dor de si.
__Duque......disse a condessa com o olhar espan-
tado.
Entilo que ha?
Que homem he aquello que fica junto amada-
ma de Gumne ? ..,,, n
O que est do farda de oflictal prussiano i
Sim, aquello de cabellos e odos prelos, que
tem a physionamta tflo ex|>ressiva ?
He semduvda, condessa, algum othcial supe-
rior, quo S. magestade o rei da Prussia manda aqu
para honrar a apreset.cao de V excellencia.
Nito graceje, duque, aquello homem ja veto a
Franca huiros para quatro anuos;-be o homem,
que cu uno pudo mais encontrar, eque tenho procu-
rado por toda a parte, conheco-o bem.
Est engaitada, condessa ; he o conde de F-
nix, um estratigeiro que chogo.t anda bontem, ou
antes d'hotttem.
Ora, veja como elle me olha, duque.
Quem nao olhar para V. excellencia, que he
top bella ?
Elle me corteja, no v ?
Todo o mundo a cortejara, so anda a nflo tom
CMasacs0t,CabaluSda'por urna emoeflo extraordinaria,
nflodava mais ouvidos as galantanas do duque, e
com os odos cravados no homem que lile havia ca-
tivado a aitencflo. deixou, cmoda inau grado, o seu
interlocutor, para dar alguns pauso para odesco-
ahecido,
andar: advorte-se que um be horizontal,
c de boas vozes ; o oiitro, alom de ser de
nova nvencao, be de gabinete, muito pro-
prio para se levar para o mallo, e tem urna
matbina para transferir us vozes at mais
oilo e niela oilavas.
Vendem-se dous barmetros; um microscopio;
um oitanto; duas ancoras de forro para navios; dous
oculos de ver ao longo; urna redo para dormir, das do
Maranhfio ; tros esleirs da India, para janella ; no-
vo vidros com pos Maifoel Lopes ; dous dentes
de elefante ; urna grande poreflo de lingoados, pro-
prios para lastro de navios; seis pecas de arlilharia,
das do ferro ; urna porcio de toalhas e guardanapos
para mesa ; urna peca de soda para chapeos de sol ;
urna poreflo do espedios, o nutra dita de navalhas;
duas tarrafas de pescar, o muitos outrosobjectos quo
por miudos so nflo mencionam: na ra do Vigario,
n. B.
Vende-so, ou troca-sc por lijlos do nlvcnaria
grossa um oratorio com algumas jmagens, com
poueo uso: na ra da Solcdadc, n. 44.
Vende-se urna venda na ra Nova n. 55, .1 di-
nlteiroou comdesobriga a praca; tuna escrava da
Costa sem vicios boa vendedeira na ra de 22
annos; alguns terrenos para se odific.irem casas, por
serem em muito bom lugar : a tratar na mesma
venda.
Vende-se potassa da Itussia muito boa, por pc-
eo commodo; muito bom viudo do brdeos em catxa,
una poreflo de podra de Trieste, oplima para cal-
cade, por sor muilo forte, e sor corlada om esquadra-.
no oscriptorio de Jos Joaquim de Oliveira, ra da
Cruz, 11. 5,
-- Vendo-so urna preta de nacflo, de IR a 20 annos,
quo engomma liso, cozinha com perfeicfio e lavado
sabflo : na ra do Hospicio venda do lefio de ouro.
-- Vende-se unta pequea morada de casa sita
na rita Real, n. 5: na rita da Senzalla-Vclha, 11. tW,
ou na ra da Cadeia, loja 11. 44, se fara todo o ne-
gocio.
Vende-se urna secretaria de jacarando um ca-
nap dito, duas commodas le oleo; tudo novo,
e por proco muito commodo: na roa da Madrc-do-
Deos, armazem 11 2C.
Vendem-se velas de carnauba de lodosos ta-
maitos, a 2i0 rs. a libra ; tuna moler do 18 an-
uos, que trmbom troca-se por nina preta quo aiba
vender na ra na ra do Calabouco-Novo, n. ti.
ACOADOJAPAO.
He chegada urna grande poroso dosta tito aprecia-
da como Utll agoa a qual per si se tom foito conhe-
cida, pois, tendo ella em s o insigne remedio de lim-
par a cabera, amaciar o cabello, clarear o rosto,
amaciar a pelle.evitar as espnbas carnaes.empigens,
pannos o sardas, nflo podo dcixar de oontinuar com
estima e aceitaefio. Vende-so nicamente na pra-
qa da Independencia tts. 13 c 15 a 1000 rs.; assim
como nutras militas perfumaras! calcados.
Vendo-so urna cadena de arruar, muito rica ,
lorrada de damasco, pintada o dourada ; urna pre-
ta execllenti' enzinheira de forno o fogflo, que en-
gomma o faz renda c he anda moca por preco
commodo por perlenccr a tima senhora quo se re-
lira do paiz : na rita da Scnzalla-Vellta, n. 110, pri-
meiro andar.
Vende-so um molcque de 16 annos, quo cozinha
o engomma : na ra do Crespo, n. 10, primeiro an-
dar.
O re, quo a nflo perda de vista, observou osso
movimuntojsuppozquo ella reolamava a sim pro-
saica; e como por muito lempo havia guardado _a
docencia, conservando-se arredado dclla, approxt-
inuu-so para lliedar os parabens.
Mas tilo forte era a proortipacflo que se havia apos-
tado da condessa, quo o seu espiritse nflo poda dis-
trahir para outro objocto.
Senhor, disse ella, quem he aquello ofltcia1
prussiano, que da as costas'a madama do Gumne?
. ," .. a^I atr.wa n( lin ni til n:U'l IlrtS r
l.uiz XV.
I U9.liailUf l|v uy j n/..- .....------------ -
K que osla agora olhando para nos? perguntou
al-
Sim, senhor, respondeu a condessa.
lio um enviado de meu primo da Prussia
gum philosopbocomo elle. Mandei-o vir esta nole
porque quera quo a philosopdia prussiana consa-
grasse por embaixador o triumpho do Cotilln 111
Mas como se chama elle ?
tspera, o rei procurava lembrar-so do li-
me; -- ah bo isto : o conde de Fnix.
He elle I murmuroii a condessa; be ello, eslou
bem certa que o he !
Espcrou ainda o rei alguns segundos para dar lem-
po a madama Dubarry defazer-lhe outras perguu-
tas; mas vendo que ella guardava silencio,:
Miiihassenlioi as, disse elle alteando a voz, a-
mandfla chega a senhora delhna a Compiegnc. S. A.
real sera recebida ao meio-da em ponto : todas as
damas retentada! serflo da viagom, excepto purcm as
queestflo doentos; poique a viagem fatiga, o a se-
nhora delphina nflo ha de querer aggravar as ndis-
posic,es.
O rei pronunciou estas palavras pondo os olhos se-
veros 0111 Cltoisoul, Groiene e Ricbeliou.
Houve um silencio de terror. U sentido das pala-
ras reaes davla sido compredendido : era desgraca.
Senhor, disse madama Dubarry, que licara ao
lado do rei, peco grasa a V. magesUdo cm favor da
condessa d'Egmont.
Far-me-lteso favor do dtzcr porque
Porque he lha do duque do Hicltolioii que he
o meu mais del amigo.
Rcliolieu?
Tendo certeza disto, senhor.
__ Karei o que quizerdes, condessa, disse o re.
E chegando-sc ao marechil, quo nfl havia perdi-
do de vista um s movimento dos labios da condes-
sa e tinha se nflo ouvtdo ao monos advinbado o que
ella acabava de dizer : Espero, meu charo duque,
ella acaumn ucuun i-r>'i -- -.....- ------ ----------*--
disse ello, que madama d'Egmont esUra amanliila los grupos
Irestal.elocda. Iqueccr.
Por certo, senhor. Fica-lo-ha esta notte, se tal|
he o desojo de V. magestade.
E fez ao rei urna oortezia tal quo mostrava ao mes-
mo lempo respeito e rcoonhecimento.
O rei disse no ouvido da condessa algumas pala-
vras om sogredo.
Senhor, respondeu esta cora urna mesura a-
oompanhada deailoravel Borriso, eu son urna obedi-
ente vassalla de V. magostado.
O rei saudou a todos com a inflo, o relirou-se.
Apenas havia elle transposto o limiar dosaliio,
volveram-so cada vez mais assttstados os olhos da
condessa para esse homem singular que tanto a pre-
oceupava.
Esse hornean nclinou-se como os domis quando
o rei passou ; mas assim mesmo nclinando-se con-
servnva na fronte singular expresslo do altivez o
quasi quedo ameaca. E logo que Ijiiz XV desappa-
recou, abiindo camindo por entre a multidiio, veio
parar a dous passos de madama Dubarry
Da sua parto a condessa, arrastrada por invencivol
curiosidade, den um passo, de surte que o dcsco-
tihecido ao corleju-la pode dizcr-lde Iflo devagan-
nhuqtie maisniigucm otivio :
Heconhece-me, minha sen hora?
Sim, senhor, he o meu proplicta da praca do
Louis XV.
(leslrangeroergtieu entio para ella olhar lmpi-
do c firmo.
K cntflo! mcnti-Ide cu, minta senhora, quando
Ihe nredsso que seria ranilla de Franca t
Nflo, senhor, a sua prediceflo esta cumprtda,
ou ao menos, quasi cumprida, E por isso, aqu es-
lou da minha parle prompta acumprir minha pro-
mossa. Diga, senhor, que desoja?
O lugar nflo he proprio, tninda sonbora, c de-
ntis ainda nflo ehcgou o lempo de Ihe fazer o meu
pedido. ,.
Qualquor que soja a occastfioem que esse pedi-
do se faca, eslarei prestes a cumpri-lo.
l'oderci eu, 0111 todo o lempo, cm todo o lugar,
a qualquor hora, avislar-mo com V. excellencia?
Eu Ih'o prometi.
Ubrigado.
Mas com que nome so apresentara o senhor
Ser sob o de conde de Fnix ?
Nflo, minha senhora; -- sob o de Jos Balsamo.
Jos Balsamo......repeli a condessa, omquan-
to o mvsterioso estrangeiro desapparecta por entre
os grupos. Jos Balsamo 1 bem nflo o hei de es-
i!

i
iConUntur-st-ha.)
H


.i
=fl.
-
Vende-se a armaco.perlcnces eos peucos g-
neros que existe"! na venda da ra da Cadeia n. 1 :
a tratar cnm Jos Conculves Torres, ou com Miguel
Joaquim da Costa, na ra da Sonzada-Nova, n. 4.
Pannos pretos linos
e novns na loja ; setim macao, sem mistura; cha-
peos de sol, com hastes de ac; chales o mantas de
seda e de lila e seda ; casimira preta elstica ; cha-
peos finos francczes ; ludo por menos de seu valor
na ruadoQneimado, n. Il.loja nova de Raymundo
Carlos Leite
Vendem-se 3 escravas, sendo urna dellas criou-
la.de 26 annos, perita lavadcira; urna parda de 23
annos ; urna cahra do 25 annos, propria para todo o
servico por ser forte e sadia muito principalmen-
te para engenho : no largo do Forte-do-Mattoa, n. 6.
Vcnde-se, para Tora da provincia urna bonita
parda de 24 annos sem achaques, muito fiel, e
que he capaz do recer urna casa ; he niestra costu-
reira de corlare dar prompta urna camisa de pregas,
corta e d prnmpto com toda a pertVicHo a moda urn
vestido iln senhora ho mestra engoinmadeira com
toda a delicadeza, faz doces de difiranles qualida-
des, e em tolo o seu servico he muito asseiada
cojas finalidades se afiancam soh palavra de honra
e em fnnhe propria pa a entinar a cortar o coser em
urna casa do familia : na pracinha do Livramento,
loja de fazendas n. 45.
- Vende-se chumbo de municiTo, sorlido: na ra
da Cadeia annazem de James Ryder & Cumpa-
nina n. 48.
Vende-se cha preto, o melhorqne ha em cai-
xinhas de 16 libras, pronrias para familia: na ra
do Trapiche n. 8, casa de llenry Forsler & Compa-
nhia.
VELAS PE CERA DO ItfO-DE-JANF.IRO.
Vende-se complelo sorlimonlo de urna a 16 e bo-
gias de 4,5 e 6 : no annazem de Alves Vianna na
ra da Senzalla-Velha n. 110
Vende-se, ou permuta-se por um silio perto da
praga urna escolente casa terrea com bastantes
rommodos para urna grande familia, sita nesta pra-
ca : na ra Imperial, n. 9.
PE3ggESBBB \ wwsumaQm
^| Vende-se na ruada Cruz, n. j3, j-
|r cera em velas, de urna dos melho- ti
(m res fabricas do Rio-de-Janeiro H1
[j!j sortimenlo vontade do compra- H
|p| dor, em caixas pequeas, e por x\
pl uceo mais barato do que em ou- T
'JH Ira qualquer paite. dj
Yenliam aproveitar
as pecbincbas do
barateroeniquaiito elle
e>l de ''
O antlgo harateiro
niare
est derretendo a troco
do barato na sun nova loja de miudezas dn ra do
Collego, n. 9 papel de peso iuglvz de primeira
sorle, a cinco patas e meia a resma, e meia dita a
S80 rs.; dito almaco, a 2700 rs. n resma, e meia di-
ta a 1350 rs ; pennasde bico de jandaia a200rs.
a caixa de cem | cunas; lamancos para homcm e
com habilidades; urna negrinha de 9 annos, que
faz renda ; 2 pardas de 14 a 20 annos, urna dellas
engomma bem e faz lavarinto ; 2 pretos bem robus-
tos sendo um delle hooi caiadore pintor : no pa-
teo da Matriz n. 4, segundo andar.
FICURES MASCARADOS.
Vendem-sc vestidos completos com cabelleiras
mascaras finas para brinquedos de entrudo de 3 a
5000 rs. cada um, a dinheiro a vista : no theatro
pul) I ico.
IVa ra do Crespo,
loja n. i 2, de Jos Joaquim
(la Silva May i,
vende-se superior sarja preta hospanhola ; nobreza
roxa, muito superior e muito propria fiara capas
'loSr. dos l'assos e oulras irmandades; ricos cortes
de seda para vestido desenhora ; meiasdeseda pre-
tase brancas, as mals superiores que teem appare-
cido, tanto para homem como para senhora ; luyas
de seda ; chales de seda muito modernos e de lin-
dos gostos; camhraia le linho, muito fina; lencos de
camhraia de linho bordados, para senhora, dos mais
linos que ha por muito barato proco; esguiito de
puro linho e muito fino ; plalilha de linho ; c outras
militas fazendas que scro patentes aos comprado-
res e por barato preco.
NO ATERRO-DA-BOA-VISTA, N. 84 ,
vendem-se sapalos iuglezes e america-
nos para homem a 3200 rs., de cou-
ro de wilzou, a 2000 rs e de duassolas, a IfiOO rs. ;
ditos de carneira, a 900 rs.; ditos do orello, a
1200 rs ; dlos de cabra a 560 rs. ; borzeguins, a
3000 rs.; hetins de Lisboa a 2000 rs.; mcios ditos,
a 1600 rs.; sapatos de setim para senhora, a 1000 e
1C00 rs.; ditos para meninas a 1000 rs o par.
Vende-se azeite lino de gerselim, para comer e
para luz : no deposito de azeite de carrapato na ra
da Senzalla-Velha, n. 110.
Novo panno de linho, a 600
rs. a vara.
As pecas sito de 15 varas e he melhor que o pri-
meiro; alpaca fina preta, a 800 rs. o covado; los
pretos muito baratos : chitas em cortes ; riscados
franceses; sarja hospanhola superior; e grande sor-
timenlo de fazendas de todas as qualidades e bara-
tissimas : na ruado Quemado, n. 11, loja nova de
Ravmundo Carlos Leite.
c Jim
Attencao!
Cunha & Amorim teem para vender potassa russian-
na nova.desuperior qualidade, que vendem por ba-
rato preco, para fechar contas; cal virgem do Lis-
boa cm ancoras o barriquinhas : na ra da Cadeia-
Velha, n. 50.
SEME.NTES HE IIORTALICE.
Vendem-sc, na venda da ra da Cadeia do Rcclfe,
n. 25, defronte do Boceo-Largo sementes de cebo-
la, alface repolhuda couve trinchuda dita flor, di-
ta repolhuda chegadas ltimamente da Italia, ponf
preco commodo.
-- Vendem-se apparclhos para cha, de porcellana
dourada e pintada ; ditos azucsc dn outras cores e
gostos ; ditos para mesado jantar, azuese cor de
rosa; apparclhos para cha, pretos, com chicaras e
sem ellas ; garrafas de crystal; compoteiras ; clices
para vinho ; copos para agoa ; ditos para champa-
nha ; ditos para cerveja; galheleiras para azeite e
vinagre, de crystal e outras muitas qualidades;
senhora a 280 rs. o par ; ditos para meninos, a 160 mangas de vidr lisas ; redomas para relogios ; di-
do boa figura, de 23 a 24 annos, por preco cem-
irtodo.
Vendem-se cadeiras, sophss mesas da
meio desala ,tudo de Jacaranda ; urna me-
sa redonda, com pouco uso; cadeiras, so-
phs, joros de bancas mesas de meio de
sala tudo de oleo ; fiteiros proprios para
qualquer estabeleciment urna commoda de ama-
relio ; urna dita de condur ; mesas de amarello com
5 palmos eduas gavetas; camas de amarello o de an-
gico; camas de vento com armacffo ; marquezaa de
oleo e condur ; o outros muitos trastes : na ra da
Cadeia de S.-Antonio n. 18.
Gaz.
rs. o par; tesouras finas com toque de. ferrugem ,
a 1fiOe240rs cada urna; caivetes finos, com to-
que de ferrugem, a 160o 240 rs. cada um; torcidas
para candieiro de todas as larguras a 100 rs. a du-
zia ; rarapucas de algodSode cores a 160 rs. cada
urna ; luvas de seda para meninas a 200 rs. o par;
cachos de flores, a 320 rs. cada um ; fila de retroz de
todas as cores a 640 rs. a peca; bengalas de canna
da India, a 1920 rs. cada una; carteiras de al-
Sibeira,al60rs.cada urna ; c outras muitas miu-
czas baratas.
Vende-se un terno de pesos de arroba a urna li-
bra por commodo preco : na ra larga do Rozario,
padaria n. 48.
Vende-se um sitio bom para tudo, com casa
para grande familia, trras para plantar ter vaccas
de leite por ser pasto de luca com frucleiras e
agoa coi -rente, em cao e faz banheiro pelo verflo;|tcm
urna olaria bem alteguezada pelo bom barro que
Um para toda obra : atrs dos Remedios, sobrado
que tem olaria.
Vendem-se para mais de 120 palmos de trra,
na Ponte-de-Ucha, quedividem com o silio dosher-
deiros do fallecido Antonio Baptista Ribeiro de Ka-
lia tendo algunsarvoredos, e de fundo prximo
a mil palmos ou mais ao rio Capibaribe, com viveiro
o um grande mangue a margem do rio : na ra de
S.-Francisco, palacete novo, al as 8 horas e meia da
manhfla.
Vendem-se 100 saccas coin farinha da trra
com 3 quartas velhas ; todo o negocio se far : nos
Afogados, casa de Thom l'ereira Lagos
Vcnde-se, ou permula-se por alguma casa na
Eraca um sitio em chSos proprios que com 2 tra-
alhadores rende um cont de ris : a tratar na ra
deS.-Francisco, palacete novo, at as 8 horas e
meia da mantilla.
~ Vende-se, ou permuta-se por outro perto da
praga de Pernambuco um engenhn no municipio
do Porto-Calvo, com as seguimos commodidades :
tem legoa e meia de trra em quadro, e grande par-
te dellas cobertas de boas e excedentes maltas, dis-
ta do embarque duas legoas ptima estrada sito
a margem do rioManguaba e no seu terreno pde-
se edificar, alm do engenho actual, tres grandes
engenhos, como poder ver o comprador. O enge-
nho que se acha rompi cimiente, tem ptima casa,
na qual oceupa duas moendas urna d'agoa e outra
de tiestas, casa de purgar que recolhe mil piies.gran-
deencaixamento ptima estufa ; tem dous assen-
tamentos de vasos um de relame o outro para as-
sucar serra d'agoa; casa de farinha de dita; tem-
lhc faltado agoa, porem he por nilo se ter frito o as-
sude, depois do qual he ptimo, e pode moer tres en-
jillios que da em seu terreno, por seren todos em
segumetito, qualidade rara de encontrar-sc; tem
um criador para mais de 200 cabecas de gado, sem,
ofTender o engenho : na ra do Livramento n. 26 ,'
. Vendem-se bichas grandes, e lambern se alu-
gam, por preco commodo : no Aterro-da-Boa-Vista,
na primeira venda ao peda ponte, n. 2.
Vendem-se9escravos, sendo 3 preta mocas,
las para iinagcns.com peanhase sem ellas; Inicias
e jarros de porcellana dourada ; telhs de vidro.de
boa qualidade ; globos de vidro ; lustros para salas;
lanternasde casquinha inglcza fina; um par do
vasos para flores linas; garrafas; copos o clices
cloridos, de diversas cores; lijlos de I impar facas e
garfos: e outras muitas cousas, por preco mais'
commodo do queem outra qualquer parte : na ra
da Cadeia armiizcm de louca e vidro n. 4.
Vende-se um engenho que moe com agoa, dis-
tante dcsta praga 4 legoas ; um pequeo sitio com
boa casa terrea no Mondegn ; dous escravos de 20
annos, muito bons ; urna porgilo de prala: na ra
do Pires, n. 19.
Na loja de Jos Mannel Mon-
ten o Braga, na ruado Cres-
po, n. 16, esquina que vi-
ra para a ra das Cruzes,
vende-se atoalhadode linho, muito superior e de
bom gosto com 8 palmos de largura para toalhas;
guardanapos de linho adamascado,iniiilo superiores;
toalhas da mesma fazenda com seus competontes
guardanapos; tudo chegado prximamente; sarja
preta larga ; chamalote do muito bonitos padrOes;
pannos pretose de cores ;e outras muitas fazendas.
Loja de Joo Chardon ,
Herro-da-Boa-Visla, n.5.
Nosta loja acha-se um rico sortimento de LAM-
PEOES PARA CAZ com seus competentes vidros, ac-
cendedores o abafadores.
Estes eandieirns.s.to os meihoros
mais modernos que existem hoje: recommendam-sc
ao publico tanto pela seguranca e bom gosto de
sua boa confcccflo, coma pela boa qualidade da luz,
economa e asseio de seu seivico.
i\'a fliesnia loja os consumidores sem-
preachario um deposito de GAZ, do cujo se afian-
ca a qualidade, e cm poreflo bastante para o con-
sumo.
Vende se o gaz a 520 rs. a
garrafa.
Vendem-se, para o baile de mascarados, duas
ricas mascaras as melhores que teem apparecido :
na ra do Crespo, loja n. 11.
Vende-se, na ra do Crespo, livraria ,
n. 11,Tratado completo de comosgraphia
egeographia ; Historia physiia. 4 v., 8000
rs.; Novo diccionario critico e etimolgico, portu-
guez, por Constancio novo, 12,000 rs. ; o Pano-
rama, 4000 rs. ; Tractatus de fructibus in omnes ca-
susetquesliones, 1 v. 4000 rs.; Praxios medica;
aucteeta plurimis, 1 v., 4000 rs ; Petri Barbozas
judex luzitani, 2 v., 6000 rs.; Recit historique sur la
restauration de la regence em Franco, 1000 rs. ; An-
tidote an congres de Rastad 1 v. 1000 rs.; Memoi-
res historiqfcs sur la revolution d'Espagne 1 v.,
1000 rs.; Lettre sur 1'llistoire de la Ierre et de l'ho-
me, 1 v., 2000; Curso da historia da phiiosophia
porV. Cousin, 3 v.; 8000 rs.
Farelos de arroz,
farelos de arroz !
A experiencia tem mostrado que de todas as subs-
tancias nutritivas at hoje condecidas para o sus-
tento de cavados, he incontestavelmcnte a melhor o
farelo de arroz, que as muitas propiedades reconhe-
cidas pelos que teem alimentado ditos animaescom
tilo proveitosa substancia,rene a de sermuito fresco
e mais proprio para o nosso clima, privando os caval-
los de algumas molestias a que esto subjeitos. Re-
commenda-se aos possuidores de cavados o uso des-
te farelo para conhecerem as vantagensque em pou-
co lempo descubrirlo.
Vende-se nos armazens do Bacelar e Braguoz, de-
fronte da escadinha, e ao lado do arco da Conceico.
Vendem-se 30 aceces da companhia de Beheri-
he, que anda restam de urna pessoa que.se quer
retirar da provincia : no pateo da matriz de S.-Anto-
nio n. 4, segundo andar.
Vende-se um ptimo escravo de 22 annos,
proprio para armazem de assucar ou outro qualquer
servico por ser forte e sadio ; um moloque ci ionio,
de 8 annos; urna hteira com seus pcrlenccs; 2 sel-
lis usados : na ruados Tanoeiroa, n. 1.
Vende-se a verdadeira sarja de seda
hespanhola, a mais superior que tem
apparecido; chamelote de seda para col-
lele ; sedas prctas lisas e lavradas ; se-
tim preto nho prelo; panno preto muito fino; e
oulras muitas fazendas proprias para
a quaresma por preco mais em conta
do queem outra qualquer parle : na ra
do Quoimado, nos quatro-canlos, casa
amarella. n. 29.
f^ Vende-se, no pateo do Terco venda n. '
linla de escrever ingleza, em garrafas, a 400 rs.;
meias ditas, a 240 rs., e frasquinhos, a 80 rs.; oleo
de linhaqa a 260 rs. a libra e em botijas e g. "
1800 rs ; manteiga a 560 c 640 rs.; bauha de por-
co a 280 c 320 rs.; queijos a 1600 e 1680 rs.; bo-
lachinha injsleza a 200 rs. a libra ; tapiota do Ma-
raoso, a 60 rs. a libra; lalharim, a 200 rs a li-
bra ; cha hysson, a 2000, 2400 e 2560 rs. alibra; pas-
sas a 160e200 rs. a libra ; figos a 80 e 100 rs ;
amciidoas a 320 rs. alibra; cevada, a 80 e 100 rs. :
arroz, a 1500 rs. a arroba e a 50 rs. a libra; ba-
calhao, a 8560 rs. a arroba ; ancoretas de azeitonas,
a 1920 rs. ; lingoc.as a 320e 360 ra. ; paios a 240
rs. ; toucinho de Lisboa a 200 rs. a libra; copos pa-
ra agn a 120 e 800 rs. cada um ; e mais gneros
do quaes se afiance a boa qualidade ; una escrav
Chitas, a 60 ris o
covado.
Na primeira loja do Aterro-da-Itoa-Vista, n. 10,
vendem-se chitas, a tres vintens o covado.
Vcnde-se urna preta de nacto, de 22 annos,
com urna cria de 6 mezes : a preta lava bem do sa-
bflo vende na ra e cozinha o diario de urna casa,
nfio tem viciosnem achaques: na ra do Queima-
do, n. 48.
Vendem-se duas excedentes escravas, urna
parda e a oulra crioula : na ra de S.-Jos, n. 60.
Vcndcm-so duas vaccas, urna parida sem cria,
caoulra prenhe : no sitio da estrada de S.-Amaro
para Belm, passando a ponte, o primeira silio do
tadodirciio.
Marmelada
superior em qualidade, vende-se em latas, por pre-
co commodo : no armazem do Das Ferreira", no
caes da Alfandega.
Vendem-se saccas com superior colla das fabri-
cas do Rio-Grande-do-Sul, a prego barato: na ra da
Mocda, armazem n. 7.
Noaimazemda ra da Moeda, n. 7, conti-
n6a-se a vender sal, em grandes o pequeas por-
coes a vontade dos compradores.
Potassa da Russia,
verdadeira
por preco
Cruz, n. 10, em
NA RA NOVA N. 26,
vendem-se chitas francezas largas, a280rs. o co-
vado ; lanzinhade lindos padres a 220 e 280 rs o
covado; cambraias alegras ; luvas ; mcias ; bicos ;
fitasdesetim lavradas, a 320 rs. avara; lencos de
grvala, de cassa a 480 rs. ; brim trancado de li-
nho, muito fino alem de outras muitas fazendas.
Vendem-se aeces da companhia do Reberibe,
de 5 at 15 : na ra do Rangel, loja de cera, n. l, s
dir quem vende.
t
IVa ra do Crespo,
loja n. 8, de Cam-
pos e Maya,
vende-se lindos cortes de cambraias denominadas
alegras napolitanas de muito moderno gosto, e
pelo commodo prego de 4500 rs. cada um.
Vendem-se algumas travs de 30 a 40 palmos
decomprimonto e9 a 10 pollegadasde grossura ,
das qualidades de massaranduba sapucaia e fiara-
b : na ra da Concordia armazem de capim .
n. 25.
~ Vende-so urna rede de pescar, chamada tres-
maia : na ra Imperial, n. 63.
Vende-se urna vitela gorda para acouguo : no
Aterro-da-Boa-Vista, n. 14.
Finissimas nava-
Ihas de barba,
manufacturadas na melhor entilara do Cuniarites,
e da mais superior qualidade que teem vindo a este
mercado, nilo se duvidando dar para o comprador
experimentar o seu excedente corte, pelo barato
preco de 5000 rs. cada urna : na ra do Crespo, n,
6, loja de Campos & Maya.
Vende-se urna mucama, preta e criola de bo-
nita figura do 16 annos, que cose chao, cozinha,
engomma liso, com principios de fazer lavarinto,
marcar roupa, e fazer todo o mais servico interno de
umacasa de familia; a quala se lianca ser muito sadia
nilo ter vicio de qualidade alguma: na ra do Cres-
po, n. 10, primeira andan
Maya Ramos e C.,
na ra Nova, 11.6,
vendem sarjas protas largas de varias qualidades u
prec.os ; setim preto muito bom para vestido ; re
chlese mantas escocezas, dos melhores padroes
que teem vindo ; sortimento de calcado para senho-
ra de lustro, marroquim, duraque e setim; luvas
de seda preta curtas n'compridas ; ricos lencos de
seda para homem e senhora ; ditos para grvalas;
ricos loques de cliaro ; cassas para vestidos, de
novos gostos; e outras muitas fazendas, por menos
preco do que em outra qualquer parte.
Escravos Fgidos
e novo, em bariis pequeos,
muito commodo : na ra da
casa de Kalkmann &
Hoseomund.
Vende-se urna vacca franceza com cria
garrnteda mesma; urna dita da torra, por
commodo : na ru das Cruzes, n. 34.
Vendem-se 10 barris de agoa-raz recentemen-
techegados: em casa deliemy Forster & Compa-
nhia, na ra d Trapiche, n. 8.
Vende-se sal do Ass, bem grosso e claro a
bordo do brigue l'aqutte-de- fernamhuco.
Vende-se urna escrava de naco Angola, que
engomma, cozinha o diario de urna casa e lava de
sabflo e varrella : na ra do Pilar, n. 66.
Vende-se urna preta de 30 annos por 380,000
rs., de muito boa figura que cozinha, lava e Vende
na ra no pateo do Carino, loja do sobrado n. 7.
Vende-ne gomma, viuda doRio-de-Jauoiro por
preco commodo : na ra do Amorim, n. 41.
Fugio, no dia 18 do passado urna negrinha ,
de nome Marcianna, de 12 a 14 annos, com
urna queimadura na face esquerda, urna empi-
gemnadireita e urna outra queimadura na peina
direita ; levou vestido rdxo e panno da Costa ; tem
cabello cortado : quem a pegar leve ao Passeio-Pu-
blico, fabrica de chapeos de sol, que ser genero-
samente recompensado.
Fugio, no dia 7 do corrente, um preto, de
nome Joaquim de nacSo Mozambique ,
baixo, prosso do corpo pernasaiquea-
das de 16 a 18 annos pouco mais ou me-
nos ; levou camisa branca coin armas
imperaesna frente calcas de riscado, chapeo do
pello pardo, e he catraieiro Roga-se a todas as au-
toridades policiaes e capitiles de campo de o prende-
ren! e levaren*, a seu senhor, Izidio Jos Caparica, no
caes da Lingoeta que recompensar generosa-
mente.
Desappareceu, no dia primeiro do corrente ,
um preto, de nonio Joilo e que usa do sobre-nonio
de Peixoto de naco Bengueda de 25 a 30 annos ,
altura regular, cheio do corpo pouca barba falla
grossa e lito desembarazada que parece crioulu; des
confia-se que esteja trabalhaudo em alguma pada-
ria, serrara, etc. por ser slo costuine dedo
quem o pegaT leve a ra da Aurora i. 30, que ser
bem recompensado.
Fugio, no da 5 do corrente, um preto, de no-
me Manoel, de 26 annos pouco mais ou menos de
estatura regular, rosto redondo, nariz chato, hel-
eos grossos, de nacilo Massagana ; levou calcas
de la amarellada camisa de algodilo o usa de um
lenco amarrado na cintura scgurando-lhe as calcas e
de urna vara na mil o ; levou chapeo; costuma
a embreagar-se (cando muito turbulento ; eslava
alugado na matriz da Varzea c conviva muito com
as pretas do engenho do Meio : quem o pegar leve au
largo da Soledade n. 32 que ser generosamente
recompensado.
Fugio, do lugar do Boero, um escravo, de no-
me Agostinho crioulo cabera bem pintada bas-
tante barbado suissas grandes, denles limados es-
padando olhos afumacados, bastante ladino no
fallar; tem um carneo na barriga c dous em cima
da p ps apalhetados. Este escravo pertence a
Joilo Goncalvcs da oilveira Quem o pegar- ieve
prensa de algodio, de Joaquim Jos Ferreira.
= Fugio, no dia 10 do corrente una preta de
nacilo Congo, de nome Mara Antonia, de 40 anuos
pouco mais ou menos, fraca figura, nariz chato, com
bastantes marcas de bexigas no rosto andasenipic
fallando soque parece douda; levou camisa de al-
0 jjodflozinhoc saia do mesrao panno o urna dita de
panno da Costa : quem a pegar leve a ra daadCeia-
velha loja n. 3i, que ser recompensado.
Fugio, do engenho Coqueiro, em fins de
dezembro l roxini. o escravo Manoc
um
crioulo de fioa
um ladr cu
de urna pe
soffreu na
diloengenfi
bem rocon
representa 28 anuos ; tem
Hk cuma ferda na canella
de urna operaclo que
quem o pegar leveao
que ser
iiella : quem o
ra da Cruz, n'..43.
PERN. t BA TP. DK'M. T. Tf FARU. IO-7*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E80H1LNIN_3DVAB3 INGEST_TIME 2013-04-26T22:00:24Z PACKAGE AA00011611_08417
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES