Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08412


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno
de 1847.
Sabbado 6
MARIO pul>lica-se todos os das, que nSo
" (le guarda o pr<> da aasignalura he de
rs l>oi quarlel. popo* adiantadot. Oi an-
*' dos uK"iole' s3o inseridos raso de
" oorlioli, 'Os TI*0 difireme, as
""'':5*s n-l melade. 1ue ""i0 f rem "(?"
"Cn.cr=o O po'liuh, e 160-em lypo
MUSES DA hVK NO MZ DE FF.VERF.IRO
. .nie 8. s 11 tioras e 16 min. da manli.
""'; v s hor"1' e min- d" '" "':"-
j* nte' ,;2, < I hora e 28 raa. d mauliua.
PARTIDA DOS CORREIOS.
Goianoa e Paraliyba, as segundas e setlas felras.
Rie-rande-dtv ?ortc auiniss fe ras aoraeio-dia.
Cabo, Seiinliem, Uio-'Poimojo, Poila-(Jalvo e
Macei no l.*, a 11 e 21 de cada mez.
Garauhuns eRooito. a 10 e 21.
Boa-Vista e Plores, a II < J8.
Victoria, is quintas feiras.
Ulinda, lodos os diai.
PPVEAMAR DE HOJE.
Primeira, i 0 hoias a '8 minutos da manha.
Segunda, is 9 llorase 42 minutos da tarde.
de
Feverero. Ann XXI I.
N.2G,
i
das da semana.
1 Seaonda. S. Ignacio .And doJ dotorph ,
do 3. do t da J v. e do J. M. da 2
2 Terca. >fr* A Purilicacao da Nosse Se-
nhora ,
l Quarta. S. lira. And "lo ... do civ. da
2 e do J. de paz do 2 dist de t
! Quinta. S. Avenlmo Aud do J. di orph.,
do J. municipal d I vara.
5 Sesla. &. gueda. Aud. do J. doaiv. da I.
v e do J. de paz do I. dist. de t.
6 Sebhado. S. Amando. Aud do J. o-t. da
I. v. e do J de pa ilo I dist. de t.
7 Ooiningo. 8. Romualdo.
CAMRIOS NO DA S DE FEVERERO.
.1 p.lfr.'
lambo sobre Londres a 29, 2'/,e II
a P.ris 820 rs. por franco.
Li.boa 95 da premio.
Desc. delet de boas linn.s l'/a ViP-
Ouroduras I espanhola....^80
aloedas de 6|I00 relli. 16(000
deflOO nov.. 10*0""
. de/fOOO..... 00
Prato Pataees ....... '00
Pesos columnares... -'I'111"
Dilos mexicanos ... >fltn
Miuda........... I*
Accoes da comp. do lleberiue de &0f000
:o|ooo
i|to
|C||00
9JIC0
2I02O
ffOlO
||7*1
l|70
rs.ao par.
DIARIO DE PERNAMBUCO
PARTE OFFICIAL
Commando dafs armas.
/iin Sr. N3o me considero autorisado para re-
1er na pagadoria das tropas qualquer parle dos ven-
fimentos, que.por le ten direito a perceberem os
niliciacs do exorcito, urna vez no pleno exercicio de
6uas funches. Assim respondo o olllcio que V. S.
hontem me dirigi. ....
Dos guarde a V. S. Quartel-general na cidade do
Recife 23 de Janeiro de 18*7.-- Anlonio Correa Sera.
Illm'. Sr. Jos de Brito Inglez,coronel commissario
f lim. Sr. Ao oilicio de V. S., datado de hoje,
emoqual mecommunica que ascontasdobatalhao
sob seu commando, pertencentes ao mezdedezom-
bro ultimo, aindaestflo por liquidar na pagadoria,
porque o commissario pagador niioqucrdar por li-
quidada a folha dos vencimentos dos olHciaes no re-
ferido mez, som fazer a deducq3o das vantagens de
alcuns dosofflciaes, pelo lempo que serviram no ju-
rv pedindo-me V. S. a esle respailo providencia,
sou a dzer*lhe, que, tendo esses olliciaes no lempo
a que se refere, desempenhado plenamente os seus
deveres no batalbao, nSoestou resolvido consen-
tir ou autoritar semelhante dedcelo com a minha
rubrica em nova folha, mediante o querer do com-
missario-pagador, que n3o assenla em diaposicjio
alguma legislativa, ou decisBo dogoverno imperial,
Unto maisquanto presidencia, quem fo. affeclo
esle negocio, decidi quo careca de ser esclarecido
pelo mesmo governo, cuja ordena, na vertenle ques-
t3o, se devem aguardar: o que cemmunico av. h.
para sua intelligencia e lins convenientes.
Dos guarde a V. 3. Quartel-general no Recife, 26
de Janeiro de 1847. -- Antonio Correa Sera. Illm.
Sr. Joaquini Jos Luiz de Souza, coronel comman-
dante do 2.' batalho d'artilhari a pe.
Circular aos commandantes do) corpoi.
Chegando ao conhecimento deste comapndo por
um oflicio rpcebido da pagadoria militar, que os ven-
cimentos dos corpos, com especialidado os do ulti-
mo periodo de cada mez, sSo pagos mediante urna
cautela oa vale (nfio obstante a entrega dos respec-
tivos papis de contabilidade), oquovai de encon-
tr ao disposlo nos artigos, 8." do plano da organi-
saeflo das pagadorias que baixou com o decreto
n 352 de SOd'abril de 184*, e 22 das instrucc,ocs da-
das s mesmas pagadorias por decreto de 14 de agos-
to do referido anno, marcado com o n. 378, que
mandam realiaar o pagamento dos prets de 10 em
lOdias, eoque corresponder ao ultimo prazo do
mez, depois da competente revista de mostra, sendo
que a pratica abusiva dessas cautelas, segundo es-
tou informado, traz comsigo a demora do oxame nos
papis de conlabilldade de cada mez, c conseguinle-
mente o atraso da cscripluracao dos. corpos, quelan-
cam asalteraces mensacs, depois de se darcm por
examinados taes papis na pagadoria: determino a
V..... qued'ora avante s se receba da pagadoria os
vencimentos das pravas do balallulo sob sou com-
mando, inclusive rfs dos olliciaes, por meio da apre-
sentac3o dos preU e folbas, e n3o sob outro qual-
quer Ululo, ou documento, que nao esses de que ve-
ndo d fallar. .. .
Dos guarde a V..... Quartel-general nacidadodo
Recife, 28 do Janeiro de 1847. Anlomio Logrea
Sera.
______________________ ii tf *
INTERIOR.
RIO-DE-JMNEIKO.
NOTICIAS DVKRSAS.
O bacbarel Angelo Juniz da Silva Ferraz foi en-
carregado da organismo de um projecto de cdi-
go do pnces criminal milftar que, em harmona
com a conslituic.no poltica do imporiOj.lh? as
necossidades do exererto, apresenlando-o eni tempo
de ser levado ao conhecimento da assemblea gcral
1Cg-'aSs Magesladcs o imperador d' Austria o.i
de Baviera, o ei de Saxonia eo re. de Wurtemberg
rcspondera'm communic.cno que lhes fe J. M.
o Imperador, do nascimento de S. A. berenissirnaa
Sr0.-POss"a uSSo Gtavo Morsing, encarrega-
do de negocios de S. M. o rei da Sueca e Noruega, e
Len Smin, cnsul de S. M. o re. da l'russia, en-
irraaram igualmente no dia 18 do corrente (jane.ro)
aoSrbarnodeCayr as resposlas de seus sobera-
nos meama com mu mcacto. ._:, ntre.
O Sr. Len Tberemn, cnsul pruss.ano, entre
cou honlem (22 de Janeiro; ao Sr. ministro do impe-
?io"osTria?rimeiri vo.umes das ffi&**2
r, ('mide aue S M. o re da Pruss.a sedignou olie-
rSlMlVecI nacional. He um.,edUM
luxo e do mais apuradogosto, a ma.s rica UlMaue
se tem visto no Rio-de-Jane.ro, eornada de mullos
retratos gravados sobre ac. .
S Malestade o Imperador possue um cxemplar da
m-ma Obra que Ihe foi offeVeeidO igualmente por
Cl"--e-' Pclo'S'uete de vapor Imperador .entrado hon-
tem (19 de Janeiro!, recebemos folhas de Porto-Ale-
cre at 8 c do Rio-Grande ate 10 do corrente
6 Urna c^ria do Rio-Grande Mero o segu.nte cur.oso
"MeninoRio-Grandense de9nJmjJoJj-
que seoecupava em gu.n ar-gado hav.a .njyd., ta
seu amo ou parantes pertenciam ; o Allemo estra-
nhou-lhe, talvez com aspereza, este passo; mas rc-
icebendo algumas resposlas que lhe nao agradaram,
julgou que convinha passar a vjas de facto : amarrou
o menino o applicou-lne urnas novo vorgalhadas. Es-
te, convencido da inutilidade de seus esforcos para
esquivar-se a tal barbaridade, soflreu-a resignado,
mas despodio-so do seu verdugo, prometiendo tirar
delle completa vinganga. A ameaca talvez provocasse
entilo o riso do estancieiro; mas infelizmente fot
puntualmente cumprida.
Passaram 9 anuos, como cima d.sso, cha pou-
cos dias que mesma instancia foi ter um moco de
bella apparencia, forte e vigoroso, perguntando pelo
proprietario della. Apre>enta-se-lhe o Allemao ; o
moco apenas lhe pergunla se elle o conheco, e de-
pois de ouvir a resposta pela negativa, accrescenta :
Sou o rapaz que ha nove annos recebcu da sua
mao nove vergalhadas : venho cumprir a minha
promessa. E puxando por urna Taca, eslendo o Al-
lemao aseusps, dando-lhe nove Tacadas. Km se-
guida foi ontregar-sc preso autor.dade competen-
te, a quem narrou o facto accrescentando que se nao
punha impunemente um vergallio nocorpodc u
Rio-<;randense.
O Commereio de Porlo-Alegre refero que a soc.eda-
de bailanto da mesma cidade dera um esplendido
bailo ao Sr. sonador Manoel Antonio GalvDo, presi-
dente da provincia, no dia 3 do crrante, annivcrsa-
rio natalicio de S. Exc. o que no da 9 lhe seria da-
do oulro pelos emprogados pblicos ecidadaos no-
tavels da cidade.
-Hontem, 9 de Janeiro) da de grande gala, por ser
o aniversario daquelle em que o Sr. D. Pedro I. de-
clarou quccava no Brasil, htfuvc cortejo a SS. Mil.
II no aco da cidado, estiveiam embandeiradas as
forUlezas e vasos de guerra,-* derair.-se as salvas do
C!-UNas ultimas folhas Vecebid'as dos Estados-Unidos
encontramos o paragrapho seguintej
OLeavenuiorlh llanner, da Indiana, diz que o pre-
sidente nomoara ao honrado R. I). Owen, represen-
Unto no congresso por aquello estado, ministro na
corte do Brasil, em substilu.gao ao Sr. Hcnnque A.
Wise, da Virginia. .,.
Temosa lamentar mais um suicidio. Jos de Sou-
za Peixolo, natural de Portugal, de 48 a 50 annos de
idade, casado e com tres filnos menores, proprieta-
rio e morador no largo da Lapa, esquina das Man-
gueiras, suicidou-s.e ante-hputem pe as 6 horas da
taede, dando com urna navalha do barba um talho no
ptttcococom tal frca o precisao, que cortou a arte-
ria cartida e a veiajugular. ,
izendo a sua mulhcr que a dormir a sesta, su-
bi para o seu quarto. Como se den.orasso mu.to
foram acorda-lo e acharam-no morlo estendido no
Nao se pode attribuir este suicidio seno hipo-
condra habitual, porquanto as circunstancias do
Sr. Peixolo eram favoraveis. n...
-Falleccu ante-hontem 14 dejaneiro) nesta cOilo
o Sr. almirante reformado Miguel Jos de Olivcira
Pinto S. Ex foi sepqllado hontem na igreja dos ter-
ceiros do Carmo, com todas as honras desdas ao
seu elevado posto.
--Por decreto de II do corrente (Janeiro) foi nomea-
do oconcelheiro Antonio Ignacio de Azevedo para o
luear de presidente da relacilode Pernambuco ;foi re-
movido o bacbarel Antonio Muiz Brrelo do lugar de
iuiz municipal e de orphfioa do lermo de l'ousb Ale-
ere em Minas-Gcraes, para o dejuiz municipal e .le
orphilos do termo da Piranga, na mesma provinciai;
e lez-se mere* a Luiz Antonio da Cunha Ferrcira da
I serventa vitalicia doolTicio do promotor dos retid u-
e capellas do municipio da Estrella, da provincia
pIRio-de-Janciro.
Hontem (16 de Janeiro) conferio-se na escola mi-
niar o grao de bateareis em mathematicas e scien-
cias phyaicas, havendo pastado o juramento do es-
tvlo aoaSrs. : AntonijSavrro de Andrade, Jos Na-
varro de Andrade, MamSIlfda Cunha Barbosa, Joflo de
Souza Mello c Alvim, Jj5sc*Xugus|g Nascentos Pinto,
Luiz Alfonso de Escragftlle, Fraisfisco da Costa A-
rauio e Silva, Garlos Jo do Itozar.o, Jos Mana de
Ale.cast o, Pedro alorera da Costa Lima Antonio
D as'la Costa^ebaatiao Jos Basilio l'yrrl.o Fran-
kr,. na loi"' Gatt('te. Antonio Jos Fausto Carr.ga,
os^Basileo NeTes (ilzaga e Joao Carlos VHIagram
Cabrita. .,
-OSr. JosWamosy, Hngaro, de U.nnosde ida-
fcidou-
tomando
.norte foi
mre?.uurTdamesa, encarregou Wamosy a
,5J^oarmazema esse su hospede, emquanto
g,\ann sol ado oara escrever urna carta. Essa car-
aubia "^"^eXiuoM mull.er. Pcdia-lhe que a
u era para sua-^su'lrecra-llie os motivos que o
^l"W^S^* desesperaclio, os
P irraduzcm aos transtornos da sua vida cotn-
fa.,1aT Fscnnta a carta,mandou-a levara sua mu-
fneiCial. tscr. ,____j..a linlla rnssado
ser\
- do
ma at 10 de novembro e de Valparaso at 2 do mez
passado.
F.m sossao extraordinaria de 30 de novembro, leu-
se na cmara dos depntads do Chile urna mensa-
gem do presidente da repblica pedindo autorisac.no
para suspender as relac.0es commcrciaes com alles-
panha, no caso do invasao estrangeira preparada na
Pennsula, sob a direcco do general Flrtrcs, o para
tomar outras medidas relativas ao mesmo objecto.
Na mesma sessflo foi approvado em dscussao geral o
parecer da commissao dos negocios do interior que
concede ao presidente a autorsagao pedida Foi au-
torisado tambem o governo chileno para nomear um
ministro plenipotenciario que se dirija a qualquer
ponto da America ou da Europa onde os interesses
da repblica o exijam, no caso de parecer ameacado
o territorio de algum dos estados vzinhos ou da re-
publica, por tentativas de invasflo ou de alteraccs
polticas.
Em 9 de novembro expedio o governodo Peni urna
circular a todos os governos americanos sobre a ex-
pedido do general Flores, na qual lemos as passa-
gens seguntes :
Nosdireiloa do Equador ultrajados pela Hespa-
nha recebeu o governodo Per urna injuria, porque
tem como proprios os aggravos eitos aos povos do
continente americano, e considera como urna viola-
qo da Justina natural e do direito das gentes ludo o
quesefaqa, seja por quem Mr, com o objecto dea-
justar os assuniptos interiores de um povolivre da
America Meridional, dar-lhe leis, mudar suas msti-
tuices, ou faze-lo adoptar oulra Turma de governo
que nao seja a que elle mesmo quiz dar-se segundo
suas conveniencias e circunstancias.
A independencia da America he um fado con-
summado, e ludo o que se pretender Ener para des-
tru-la deve reputar-se como crme de lesa socedade.
a O governo peruano resolveu por em arcflo todos
os recursos que estejam a seu alcance para escar-
mentar aos expedicionarios, se seatreverem a locar
em algum ponto do seu territorio. Nesta qucsto e-
minentemente americana, contribuir tambem pa-
ra ludo aqu'llo que exigir a seguranca commum.
Seria grato ao governo peruano saber que odev.
F.xc se presta a obrar no mesmo sentido, ou a adop-
tar outras medidas que tendam a assegurar a paz. con-
tinental. Aquillo que o Boverno deV. Exc. se dignar
decidir se servir V. Exc. communicar-m o, para se-
Buirmos umsystcma de operares que possa fazer
fespeilar o crdito e a honra dos povos da America
*'Ein Venezuela diz o Mercurio de Valparaso que a
cffervcscencia da luta cloiloral creseia de da em da,
e que aquella repblica se acl.ava em completa con-
""uSva-Cranada, do Equador e de Bolivia nada 1.a
^-"'eobrisue-escunadc guerra l*4*g>lf*j
entrado hontem ,7 dejaneiro) do Alo., evi.eo rece-
hemos folhas daquclla c.dadeate 29 do ( '"
As noticias do Uio-da-Prala apresentam ''"'''"'c
in^resse porque os negocios de ntrenos comecam
.cKso^^dgeneralllr4uizaapresentou-secoino
mediador n. lufa empenhada mRohM^
seus acontes i estavam em Buenos-A>ie com a re
Mista de Oribe, assegurando-se tamben que a .es-
o la do governo deVn.evido linha Aw*
nn da 2j Se somos bem inlormados, a Dase no ac
femmodamentS proposto he a )M|M
nriinp Rivera da presidencia da repui i.ca .... p.u
xima fu aeleicao Seo general rqui nflown-
kir que Rosas e Oribe annuam as si as proposi-
coes co.,scrvar-sc-ha perfeitamenle neutra .
0O general Rivera IcVantou repentinamente o se.
aeimnamento em S -Salvador no da 19 do iiezen -
nc MmuM divisan de 2,000 homens do caval-
adabem montados, marchou para o interior, dei-
xandotoda a hagagem e artilharia na estanca de
Peseve'"o,acafgSdo general Medina. Ignornva-
ae o du"o que levava, aabendo-se so em Montevi-
deo. por noticias recebidas no da 29 ao meu.-dia,
KS'nodiaS pnssara o rio Negro; donde secon-
-clu^a q\io marchava a atacar Servando Comez.oqua ,
evacuando Paysand, procurava MBQPOWH" Ig-
nacio Oribe que eslava no passo d'FJ-Rcy junto a vil-
U0enfinisterio oriental soffreu urna modificaSao. Os
ministros da fazenda c guerra deram tus dami^
sendo substituido este pelo general Martnez. Para
a fazenda foi nomeado n. Gabriel Pere.ra, mas nao
aceitou a pasta anda osUva por preenener.
Be Buenos-Avrcs alcanCam a, datas a 26 do passa-
do Oque de ...aior importancia adiamos na Caceta
he a noticia do novo protesto que o general llosas
manda intimar ao governo do Brasil, por ter reco-
nhecidooSr. Gelly no carcter de eucarregado de
netiocios do Paraguay. __
\odia 13 de dezembro procedeu-se em Buenos-
Avrcs a eleico de doputados,. e prodigio a.ngular.
di/, o Comercio del /'/-te, foram ele. los Utremenl,'pe-
lo bom povo do Rosas os. homens que a <.afa apre-
tenlou como candidatos no dia 11, os mesmos indi-
viduos que em 3 do crranteos disemos que ha-
BSTSunt M votaramoem ostras p=;
OSr. Hcnrique Reaurepaire'Roban, majorgra-
duado do imperial COrpo de engenheiros, foi promo-
vido a cffertvidade do posto.
Por decreton. 494, do 13 docorrente Janeiro, deu-
sc regulamento para execucao do decreto que concede
diversos privilegios s fabricas de tecidos de algo-
fio. Sfloos privilegios: 1. porcada tres trabalha-
dores livres empregados as fabricas, ser om sen-
t do reerutamento, escolha do proprietario ; 2
iscn(fto do direito dos productos das fabricas nos
transportes de urna para outras provincias, e na
Mportacdo ; 3. Isen^ao do dircilos de imporlacao
las machinas, OU pecat de taes machinas que cada
fabrica importar dentro do tempo do privilegio, para
seren direclan-ente empreadas em preparar, liar e
tecer o algodf.o. 0 tempo de gozo destes privilegios
he de dez annos para as fabricas existentes eque
d'ora em dianlcsceslabelecerem.Pcrde-so ogozodos
privilegios pela cessacao do trabalho, ou suspenso
por dous mezes, nao sendo por motivo extraordi-
nario. .
OSr. tenentedo cstado-maior Antonio Mana
Cabral de Mello foi empregado no archivo militar.
Pela reparticao da guerra foi nomeada urna
commissao de instrucc,ao pratica do artilharia, com-
posta dos Srs. tenente-gcneral graduado Francisco
de Paula c Vasconcellos, tenentc-coronel do enge-
nheiros Miguel doFris e Vasconcellos- e major de
artilharia Jos Mariano de Mattos. A inslrucqao ha
de comecar no dia 21.
O Sr. Hr. Hcnrique Coat, medico inglez que
aqui tem residido nesta cidade por muilos annos, o
sempre litio por escolente pratico, offertceu es-
cola de medicina da corte urna grande pordlo delt-
vroscm inglez, um esqueleto humano articulado e
urna caixa de instrumentos microscopios. 0 gover-
no mandn ordein ao director da escola para agra-
decer esta ollera. ..... j
Foi preso, por exercicio illegal da arto de cu-
rar oSr. Pastor, professor na escola homcropatliica.
O Sr. Muro qucixa-sc hoje amargamente no Jornal
do Commereio que a entro milhciros de curaiuleiros
que inl'eslain o immenso imperio do Brasil se esco-
Ihesse um medico homteopatha para servir de cx-
emiilo e pagar as culpas dos outros. O Sr. Muro des-
arrasoou sem duvida com a prisSo do Sr. Pastor e
lauto que termina a sua correspondencia pelo >e-
uuinte: u O Brasil podia, filando o centra da verda-
deira medicina, dictar leis ao mundo sc.entilico.
I'crseeuindo os discpulos de liahnemami, como o
foi o mestre delles ha 50 anuos, elle retrograda no
cami.ilio da civilisac.ao, e torna-so indigno da mis-
sao civilisadora que lhe tinlia condado a Providen-
(Diurioio Rio de Janeiro.)
della enUir,aoq ptrece, algumas rezes
Ktb^oCn^no:^co de>i* linha costado
Blfll BEFMMHllw.
BECirE, 5 DE rETEBEinO E 1847.
Depois de cinco horas da tarde, e auando J/MHri
adantadus se achava.n os nossos trabalhos, foi que
nos entiegaram os jornaes da curie, que da la-
dos de 7 a 23 dejane.ro ultimo, trouxe-nos o vapor
'Pranme, chegado hoje dos portos doSul.
Por esse motiYo. pos, nao podemos Iranscrever
destes jornaes sanOO osart.gosqueem oulro uga.
te.no visto os ,.ssossubscriptores, a cujo' con 'en-
menlo levaremos em oulro numero algumas noticias
importantes da America do Norte.
O uue temos de accrescentar ao que nesses artigos
se conlm he que a Csela do, Tribunaes hav.a^ sus-
pendido a sua publicaco, e que oSr. Podro Alexan-
Srino de Barros Cavalcanti linha sido nomeado para
lo lugar de cscrv3o da alfandcga da provincia da*
Alaioas, que vagara pela aposentadona que frtra da-
da aoSr. Francisco Solano da Fonseca.
r As gazetas da Baha qiio por este vapor recebemos
alcancainaol."do corrente. ..,.
Nessa provincia nada havia occorrido *lrf;
dinaro : a abertura da respectiva assemblea dovia
verilicar-se no dia 2 do predilo mez.
Hontem foram sepultados os rcslos morUesde
Caclano Alberto Teixcra Cavalcanli, que oefcr.c'-
to oceupra o posto de capiWo, e fizera partedoi.
bravos que em Cayena deram pravas de que, em va-
lor e intrepidez nada teem que '"vejar os Penii m-
bucanos a esses povos da Europa, de cujo intmelo
marcial tanto nos falla a historia.
Os trabalhos apresei.tados pela commissao en-
carregada de organisar um plano para os esludos do
co eitio Pedro II foram remetlidos ao Sr. concclhei-
de eslsdo '' Vasconcellos para que a seccBo
respectiva consulte a respeito
,
Publica0o a pedido.
. uu. ........----,-,lian havia enlrado na inereouu^" -------- 10 guvi
.oii.onaroiair. ao ou parece, algumas rezes quo
PARA'.
Teve lugar na noito de 19 do crranle (dezembro)
o sum, ..oso baile que aoExm. Sr. Herculano .ei-
reir Peuim deram os empregados pob eos i<**
militares desta cidade, por occasiflo de sua folit che-
Kad. esta ravneia na qualidajlo de presiden e
Sella Nao nos demoraremos em descrever es por-
menores da grandeza o magnilicencia desse acto, por
too Jue todSs saben que foram no grao o .-
do r mea ce. Uniente ..ao podemos de.xar em silen-
cio o enlhusiasmo, o jubilo e o contentamente, em
que transbordava a numerosa e .'to disncta
reuuiflo, que povoava as solas do baile, dando- to-
dos as mos para tributaren! ao mesmo Exm. Sr.
provas exuberantes de sua adheso, do amor eras-
,eito *^^&%g.
lraram-sealgumas peroiasqu, --g^KKr^
jo governo ao Sr. director do Museu, para exi ffLrJ. ...Jm r. rrai lar do Exm. Sr. Peona,
.diva coitsuue a nyvw pncnn-liascmsuii carrera publica,ohapouco atumente pro-
Nas margena do no Aragnay, em Gojaz u.cou la ew' ^ ,.ab.tanles da provincia do Kspinto-
lidadesqueadornam o carcter do ba. Sr. Penua,
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO
> !




^
CertoS'^rf mparcialidade que elle desenvolver em
todos os seus actos administrativos em vista das
provasj dadas em urna outra administradlo, ousa-
mos augurar nossa minio importante provincia
uu porvir todo cheio 'esplendor, o lisougeiro a to-
dos os respe tos : possuidns pois de um verdadeiro
amor pelo bcm^star, engramiccimento eprosperi-
dade do Grfio-Par, damos ao governn deS. M. I. os
mai sinceros agradecimentos pela cscolha. rauito
acertada que fez do Exm. Sr. Penna para reger nos-
sos destinos, e felicitamos aosolo paraense por ter
a frente de seus negocios um cdadSo tao distincto
hbil, quinto integro, recto e justiceiro I!
SONETO
Qu* o Exm. Sr. Herculano Ferreira Penna, prndente
detla provincia delicou o Paraente abaixo assignado,
*m a noile de 19 le dezembro, em que tere lug ir um es-
pltndido baile em obsequio ao mesmo Exm. Sr.
Se outr'ora na metropole do mundo
Foi Tito porsous fcitos decantado,
Se foi delicias suas proclamado,
Com brado retumbante assaz facundo.
Olanlo n3o deves, Para fecundo,
Em torrentes de jubilo banhado,
Celebrar o varflo que o co ha dado
Para tornar leu fado mais jucundo.
Jamis o solo leu abencoado,
Que banha o Amazonas caudaloso,
Um hroe possuio mais Ilustrado!
Louva pois ao MONARCHA bondadoso,
Que um Pkha te dando, ha-te outorgado
Thesouro sem igual, mui precioso.
A. D. Fasconcellos.
{Do Treze di Maio).
Silveira Rodrigues, frei Ignacio de Santa Umbcli-
na, AntonioSebastiflo Cardozo, F. O. Ilonpt, Roberl
Alexandre Dassel, Ernesto Piu ilos Mares Guia, com
1 escravo, Leandro Rbeiro Siquera Sobral, com 1
escravo: para o Maranh3o, Raymundo Jos de
Mosquita, com sua irm.la, 1 criado e 1 escravo, t
soldado com baixa, Francisco Joaquim Duarte,com
1 lilho menor c 1 escravo Renjamim Franklim da
Rocha Vicira Epaminondas da Rocha Vieira, com
2 esclavos, Francisco Custodio Sampaio, com sua
sciihora, 1 lilho menor e 1 escravo, Joaquim da
Silva Mourio, Jo3o Jos de Miranda, Caetano Pin-
to Coelho, Thomaz Ferreira Cardozo, Augusto Ce-
zar Ferreira Cat3o, padre Aflbnse de Albuquerque
Mello, Antcro Americo Lopes Rodrigues, llypolilo
Cassiano Lopes Rodrigues, com 1 escravo, Anto-
nio Jos Moreira Ponles.
Navio tahido no mesmo dia.
Rio-de-Janeiro; briguo americano Caiket, capitSo II.
S. Wooilberry, carga parte da que trouxe
jocosos, e tonadilhas. 0 que tudo ser executade
pela brilhante companhia das pastoras.
ASSIOIUTUMS.
Platea, pelas tres noites ,...... 2,000
Camarotes de lado, por tres noites, l." ordem 6,000
Ditos da nrdem ncbre, de lado..... 8,000
Ditos da 3.a ordem, de lado...... 5,000
Frentes da i.' ordem, por tres noites 9,000
Ditas da ordem nobre, portas noites .15,000
Ditas da 3." ordem, por tres noites .... 8,000
Pagos adiantados no theatro.
Avisos martimos.
iirclaracoes.
O vapor Parahense recebe as malas pa-
rara os portos do Norte, hoje (6) as
duas horas da tarde, impreterivelmen-
to.
Olllm. sr. capitaodo porto manda fazer pu-
micoque na capitana existemeompetentemente arre-
cadadas duas saccas com assucar, achadas escondi-
das dentro de urna das canoas do arsenal de marinha.
Tundeada por detras do mesmo arsenal, pelo lado d
mare pequea, as quaes serio entregues pessoa a
quem perlencerem : provandoisso authenticamente
Capitana do Porto de Pernambnco, 5 de feverei-
ro de 1847. 0 secretario, Alexandre liodriguei dos
COMMRCI.
7:993,633
Alfandega.
RENDIMENTO DO DIA 5.....
nESCARREOAM HOJK 6.
Brigue Ihie-Fratellimercaduras.
CaleraSeraphinadem.
Brgue-/>omr/r-idem.
Patapho-anrwrn-barricas vasias.
i3iPoinTg\o\
Due Fratelli; vindo de Antuerpia, entrado no cr-
reme rae*, por Tranquia, consignado a Le Bretn
vnramoi & C. manifestou, para este porto o segun-
lOcaixas cha, 2 ditas fio de linho, de cores, 100 pa-
roles rotins, 56 barricas pregos de ferro, 8 ditas fer-
ragcns,3l cmas espingardas, esporas e freios, 3
barricas bacas de cobre, 1 caixa pecas de panno, 22
litas ferragens; a B a Brandis&C.
1 ca xa pegas de rendas bordadas, 2 ditas listaos
de seda e algod.lo, 2 ditas tecidos de seda e velludo.
J ditas espingardas; a Kalkmann.
2 Tardos pelles de bezerro; a C. Kruger
100 caixasvidros para vidracas, 4 ditas espngar-
oas; a ordem.
3-ditasidem ; a Rolh & Bidoulac
6 ditas dem; a F. Lutohens. .
50 barricas pregos de ferro; a N. O. Bieber & C.
Consulado.
RENDIMENTO DO DIA 5.
Sncii.- :::::::;;: 22
Diversas provincias.......' 294,%y
i**- ** -f+. xr
bbbebdbb!
4:579,268
RIO-DE-JANEIRO.
CAMBIOS NO DIA 22 UR JANEIRO DE 1847.
Precos da ultima hora da praca.
Cambios sobre Londres........28t
* Pars.........333
u .* ~ Hamburgo......615
Metaes. Ongas hespanholas......29,500a 30,000
da patria.......29,000
Pesos hespanhes....... i,950a2,000
* ^ ,d"Patria.......1,820a 1,840
Pocas de 6,400, velhas .... 16,000a 16,800
. ". g*.............98a 100
Apolices de 6 por cento.......84*
provineaes...........81 a 81 f
(Jornal do Commircio.)
ba"ha."
camiios no dia 31 de janeiro de 1847.
Londres .... ........29
Hamburgo............nominal.
n k /..........100a 105
Oncas hesponhlas ....... 30,000
mexicanas........29'soo
Pecas de 6,400.........16i0oo
Moedas de 4,000.........9 Ooo
Prf Vi...........I04al05
Aceces do banco 30 por cento de premio.
______________{Correio Mercantil.)
Movinjento do Porlo.
Patios entrados no dia 5.
Arichat; 33 dias, brigue inglez Caroline, de 186 to-
neladas, capitBo William Naut equipasem 10
carga 1317 barricas de bacalhao e 700 brns de ha-
lJen Balthmore; 37 das, patacho americano Kent, de 153
toneladas, capitSo James Allyn, equipagem 7, car-
ga lannha e mais gneros do paiz; a II. Forster &
Companhia.
Acauc j 15 dias, sumaca brasileira S.-Cruz, de 74
toneladas, capitao Jos Joaquim Alves, equipagem
a,\:,:iarguS0'-' COU,ros e ',e,xe CaetanoSer.aco
aabiiva Moreira. Passageiros, Francisco Jos Pa-
cnecodeMedeiros, Jos Ferreira dos Alijos, Joa-
quim Francisco Mey relies e 1 fllho menor.
Mama por Macci, 3 dias edo ultimo puno 24 horas
ZS!L%?lMn-Paraaui' de24 tone ,d, cm'
mandante o capitao-tenente Ignacio Eusenio Ta-
vares, equipagem 30. Traz a* seu bordo -pira
esta provincia, Manoel Joaquim Pereira Lobo, eo
senhora, 1 lilho menor e 1 criada, doutor Firmino
Pereira Mor.te.ro, Joao Pereira Monteiro, conTsa
^"in "8,rBVOS' Jo81uira F.anciscoBapliata
de Mello chala, com l fllho menor, Candido da

rnidoocuixa da companhia prestado boje contas
a administracHo, notou esta que anda se acha cm a-
traso o recolli.mento de seis por cento da ultima
pvstacilo pedida, c suppondo sersto dovido a es-
qulmenlo, por ver na relaQSo dos omissos os no-
mes do pessoas que costumavam ser pontdacs, man-
da rogar aos Srs. accionistas queiram completar as
suas entradas (setenta e seis por cento) al o im des-
te mez, visto ser preciso remetter para Londres o sal-
do que all se deve, e mo ser justo que o caixa con-
tinu asofrrer empate dos adjantamentos que tem
fe.lo. Escriptono da companhia do Beberibo. 1 o
defevereiro de 1847. O secretario, t. J. Femandes
narros.
Publcales Iliterarias.
Como lnalisassemos a prmeira serie da nossa re-
vista, oPnr,Esso, e pretendamos dar asegunda so-
bre novas bases, fazemos o presente para que os Sis
subscriptores fiquem inteirados das condicOes da
respectiva assignalura.
OIW.HESSO sahira d'ora em vante urna vez por
mez, n um rolheto de 48 paginas em 8." grande; a
ultima parte da revista ser consagrada publica-
do de romances dos mais celebres cscriplores mo-
dernos; copreqo da assignalura ser 2,000 rs. por
trimestre, pagos adiantados.
Subscreve-se na livrarla da praca da Independen-
cians. 6e8, no Alerro-da-Boa-Vista, loja do Sr
E. (.nardon, e no Recife, loja do Sr. Cardozo Avrcs.
Acha-so no prelo o 1.0 numero da 2 serie. '
A. P. deFigueiredo
A obra clementar-Licoesde Eloquencia Nacional-
pelo padre mestre Miguel do Sacramento Lopes Ca-
ma vai ser adoptada como compendio de rhelorica
no collegio das arles do curso jurdico deOlinda, e
bem assim no lyco, onde o mesmo padre inestre
esta encarregado de reger interinamente a dita ca-
de' durante o impedimento do sen propietario.
Alen, da loja do Recife e da botica do Sr. Barlholo-
meo vende-se na loja de lvros do pateo do Colle-
gJ n. 2, a 5,000 rs. cada exemplar de dous volumes
encadernados.
O CARNAVAL.
A par de seu senhor sentado o servo
r Igualdade exprimi dos lempos, de ouro;
Poltica firmando at nos gostos
Sagrou-lhe sobre o mar Vencza um templo :
<> Dos tribunaes as venerandas portas
Sorrido-se apparecc a liberdade,
E rigor, sujeicfiodalli rmovo;
O instante que seus jogos annuncia.
Da cidade atinada o szo varre ;
Entao le respetavel er Veneza
o Vestr-se o rosto de emprestada face ;
Ella ao mvstei io d seguro asvlo,
Um mortal mascarado lie quas um nume.
Mr. orcet.
Theatro publico,
CARNAVAL D VENEZA
ou
FOI4HA REAL.
SABBADO, 18 DO CORRENTE, DOMINGO, 14, E TER-
Para o Aracaty o hiato Nereide segu viagem
no da 11 do corren te, com a carga que tiver a bor-
do: para passageiros, trala-se na ra do Vigario,
n. S.
Para a Iha deS.-Mguel partir, at o fim do
corrente, mez o brigue brasileiro Espirito-Santo, de
muito boa marcha e bons commodos para passagei-
ros : para carga e passageiros trata-se com Jos de
Medeiros Teixera, na esquina do becco dottozario,
n. 11.
Segu para a provincia do Para na prxima bar-
ca o tenente-coronel Luiz Antonio Favilla e leva em
sua companhia os seus escravos, Clara Rufina e
Mathias.
Para o Rio-Crande-do-Su! sahe o velciro bri-
gue brasileiro Vmbelina; recebe carga o escravos a
fretc, e passageiros,para oque tem excellentes com-
modos: dirijam-se a Jo3o Francisco da Cruz, ra da
Cruz, n. 46.
Para o Aracaty sahe, com muita brevidade ,
por ter a maior parte de sua carga a bordo, a suma-
ca Carlota, mestre e dono Jos Goncalves Simas :
quem na mesma quizer carrogar ou ir de passagem
dirija-se ao mesmo mestre, ou a Luiz Jos de S
Araujo na ra da Cruz, n. 26.
Para Lisboa com escala por Gibraltar pretende
sahir com brevidade o brigue brasileiro Flor-do-Nor-
te, capjtno Antonio Monteiro de Almeida: quem
nellc quizer carregar, ou ir de passagem, dirja-se a
ra da Cruz, n. 45, casa de Nascimenlo & Amorim.
Para o Porto sahr com brevidade a barca Bel-
la-Pernambucana, por ter parto da carga prompta;
quem nella quizer carregar ou ir de passagem, para
o que tem excellentes commodos, dirja-se ao capi-
tao na praca, ou ao consignatario, Antonio Francisco
de Moraes, na ra da Cadeia do Recife, n. 51.
-- "Para o Rio-de-Janeiro seguir breve o veleiro
brigue nacional Alalia; o qual ainda recebe alguma
carga, escravos e passageiros, para o quo tem excel-
lentes commodos: dnjam-se ao consignatario J0S0
Francisco da Cruz, ra da Cruz, n. 46.
nsBaag
I-eiles.
Me. Calmont & C. farao leil.lo, por interven
c3o do corretor Oliveira, de um esplendido sortimen-
todefazendas inglezas, inclusive muitas averiadas,
por conta e risco de quem portcncer s segunda-feira,
8 do corrente, s 10 horas da manhaa em ponto, no
seu armazem, largo do Corpo-Santo.
O corretor Oliveia lar lelao, por conta e ris-
co do quem pertencer, do hiate nacional Andorinha,
fondeado defronte do caes do Collegio aonde os
prclendentes podem ir examina-lo com anteceden-
cia sendo en. um so lote o casco, apparelho todo o
panno, 4correnles, 3 ferrse 1 ancorte, lancha e
diversos objertos pertencentes ao mesmo hiate,e
constantes da relac3oque ser ptente : hoje, 6 do
corrente mez, as 10 horas da manbSa, no armazem
do Araujo, no becco de Manoel Goncalves, no Recife.
Ocorretor Oliveira farleilflo, por conta e ris-
co de quem pertencer, e em um so lote, do casco,
mastros, gurups ancorase correntes da galera
Phebe regularmente condemnada neste porto, on-
de se acha e os pretendentes podem ir tudo exami-
nar com antecedencia ; e assim mais, em diversos lo-
tes do veame cordoalba e mais utensis do mesmo
navio, aduellase arcos de ferro para pipas, etc.:
hoje, 6 do corrente mez, as 10 horas da manhfla no
armazem do Araujo, no becco de Manoel Luiz Con-
calves no Recife.
Richard Royle ar lelao, por intervengo do
corretor Oliveira, outras fazendas a variadas, por conta e risco de quem
pertencer, e de lindo sortimenlo de outras limpas e
proprias do mercado ; quarta-feira, 10 do corrente,
asi horas da manhaa, no seu armazem, ra d'Al-
fandega-Velha.
-- Aluga-se urna casa na rna das Trncheiras, com
tresquartos, duas salas, quintal murado, cacimbo
portan para o becco da Gamboa : na praca da Inde-
pendencia, livrarin, ns. 6 e 8.
O morador da casa de sobrado n. 18 da ra Vc-
Ih-i, insistindo na advertencia que tem feito publicar
por esta folha.ns. 26, 27 e 28, de 3, 4 o"5 do corren-
te, respondido tem ao primeiro annuncio o a pr.
meira pergunta do Sr. Manoel/eferino dos Santos
publicada na den. 28 de 5 do corrente, guardando-so
para esclarecer competente o legalmente a quem
pretender comprar a trra annunciada venda pelo
mesmo Sr. Santos : quanto, porm, ao segundo an-
nuncio o segunda pergunta do mesmo Sr. Santos
em tempo opportuno ser respondida ; csclarecendo
por agora a sua inexactidao, a respeito do direitode
senhorio do engenho Curado,na pessoa em cuja m3o
declara haver feito a penhora com oque constado
inventaro a que se est procedendo do mesmo enge-
nho e sitio Cumbo, pelo juizo deorphaos, escrjvSo
Reg
Precisa-se de um am que tenha bom lete
e que seja parida de pouco tempo : na prac,a da in-
dependencia, loja n. 1.
Luiz Caetano Borgese Manoel Jos Moreira tecm
de commum acord dissolvidp a socedade quo li-
nda m na taberna, sita no largo do Livramento, n. 8
sob a firma de Borges & Moreira desd o dia 31 d
Raneiro do corrente auno : fcando cargo do socio
loreira a liquidado da extincta firma.
20.000 rs. de gratificacSo.
Roga-se a quem for ofTerecido um relogio de pra-
ta patente inglez, com trancelim de borracha e pas-
sador de ouro, que, consta, Aira furtado por um pre-
to baja de apprehende-lo e lava-lo a ra do Tra-
piche n. 34.
Est tratada a compra do terreno e rasa de
Manoel Martins de Almeida, detrs do Crmo desta
cidade : quem tiver nlgum direito a tal propriedade,
annuncie por esta folha, no prazo de 3 dias.
Aluga-se o lercciro andar do sobrado da esqu-,
na da ra do Rozario, defronte da igreja : a tratar
na ra dasCruzes. n. 11.
Quem precisar de um homem para ser adminis-
trador ou caixeiro de engenho, e que ao mesmo
tempo pode servir para o ensino de primeiras lettras,
para o que tem ashabilitiicOes precisas, dirija-se a
ra estreita do Rozario, botica n. 10, que achara com
quem tratar, ou annuncie por esta mesma folha,
para ser procurado. O annunciante tem pessoa5 que
abonam a sua conducta." ^^
Aluga-se um sobradinho de um andar, com
muitos commodos para grande familia-, quintal e
cacimba, sito na ra Augusta dolado da sombra :
a tratar na ra do Crespo loja n 15.
Antonio Jos Zacaras de Carvalho avisa ao
respeitavel publica que ninguem contrate com D.
Francisca Maria de Carvalho e S vuva que foi de
Antonio Jos Pereira de S, ou seu marido Domin-
gos Jos Dias de Oliveira a respeito de bens alguna,
qur movis, qur de raiz; porque, estando ella
na posse dos ditos bens deixados por seu finado pai
Jos Zacaras d Carvalho, at o presente n.lo con-
dujo o inventario a que deu principio, por ser cha-
mada a juizo pelo annunciante.
Avisos diversos.
CA-FEIRA, 16
em que linda o carnaval.
Nestastrcs nolesse representar.lo os mais jocosos
dramas, ornados de cantonas e (langas de mascaras
Ha alguns annos era costume em Portugal mandar
vir da Italia um hbil machinista para por em secna
as grandes pecas mgicas, bem como-o Annel de
Giges-.Labyrinto de Creta-, Mgico de Salerno-.elc.
Hoje, porem, estilo em voga os dramas jocosos, ter-
minandocom os bailes de mascaras, a que s3o admit-
idas as pessoas de ambos os sexos, que nestas tres
nones se querem desenfadar dos trabalhos quoti-
dianos.precedcndocartfio do director, para serem
admiltidas as duncas de mascarados; fornecendo-
lt.es a casa mascaras e vestuarios.
!. drama jocosou Engao Nocturno.
2.* o Calotisino.
3. o Poeta das Asturias.
DANCAS,
O quinteto-chinez, a polka, mashurka, escoceza,
montenello gavota, lundum figurado, caxuxa
ouiras dantas dos mascarados; cavatinas e duetos
LOTEKIA
DA MATRIZ
DA CIDADE DA VICTORIA.
Acha-senovamente designado o dia 26 do corren-
te mez nara terem andsmenUas rodasdesti lotera
e nSo obstante a difllculdaie a venda'do resto do;,
respectivos hlhete* causada*rela falta de notas de
pequeos valores*que fafTIem osjfeos, todava
espera o tbesourero que era efleotuada a referida
venda, e que o dia marAdo nao ser espacado. 0
restante dos bilhetes acha-sc vend nos lugares
j annuncados.
Francisco Pinto da Corta Lima ,
mestre alfaiate, avisa ao publico e atedos os seus
freguezes, que contina com o estabelecmento de
seu oflkio, ha ra larga # Rozario, n. 40, primeiro
andar, e qdt esta prpmpto a fazer quaquer obra,
tanto de homem cont de senhora, com a pcrfeicSo
Eossivel. O mesmo precisa de alguns offlciaes de o-
rasmiudas.e tem bons bros de linlio para vender
hollandas pretasa 2,500 is. a peca, linha de carrete!
branca, a duzia e a retalho, linha de cabera bran-
ca e encarnada, botOes de a^o, marcas de cobrir,
bolOes de duraque, meias curtas de linho, eolgu-
mas obras fetas, tudo muito barato.
Hoje, 6 de fevereiro se ha de arrematar sm
praca publica do Sr. Dr. juiz do cvel da segifnda va-
Ta. logo depos da audiencia, e na casa desta, um
escravo, por execucSo de Manoel Gomes Viesas con-
tra Jos Paulino de Almeida como administrador de
sua mulher, herdeira do devedor fallecido Manuel
da Cunlia Miranda; cujo escravo nSo foi arrematado
no da 3, por nao ter comparecido hora.
OfTerece-seum moco portuguez.de 18a 20an-
nos de idade, para caixeiro Me ra ou escrita, do
que tem bastante pratica, e escreve soffrivel; quem
precisar dirija-so a ra estreita do Rozario, dcpo-l
sito de bolacha, n. 39, ou annuncie. I
para remediar prompuiuente aot accidentes e Incom-
0IIV JB mOBllld, II. O, OU UrillUpCJC. |,j- ..... Kumi
mT^&T;um quarlao de cM|-hi' dir'>-|&-;etz.'
' Vende-se oa pra
Companhia geral
da agricultura das vinliasclo
Alto-Douro.
O abaixo assignado, agente des^a com-
panhia nesta praca de Pernambuco, acaba
de receberpea barca Bella-Pernaubucu.
na urna reinessa de vinlios daquella com-
panhia depois que ella foi rehabilitada
pela legislatura de Portugal, e dotada com
fundos pblicos peb le de 21 de abril de
i843, para levar a todos os mercados os
padroes e bausas do vinho genuino e pu-
ro do Alto-Douro, geralmente conhecido
pelo nome do vinho do Porto, afim de
servirem de guia ao commercio. sta
remessa, toda de vinhoa da mais eseolhi-
da qualidade, deve olFerecer aos Srs. con-
sumidores, 1180 s a certeza da sua pu-
reza, mas tambem o typo verdadeiro doj
excellentes vinhos do Porto. Espera,
poi, o abaixo assignado que os Srs. con-
sumidores se dirigir ra da Moeda, ar-
mazem n. 7, para tratarem do ajuste de
qtialqucr porrao que desrjarem.
Antonio Francisco de Moraes.
NOVA AULA DE l." LETTRAS.
O abaixo assignado, tendo aberto em sua casa na
ra do Aragao n. 27 um| aula, onde, alm do ensino
correcto de primeiras lettras, se d3o l?oes de gram-
matica das lingoas nacional, latina e franceza, con-
tinua na mesma aula a receber alumnos externos,
pensionistas, e meios-pensionistas, empregando tan
to no ensino, como no tratamento, desvelado zelo,
e carinhoso cuidado.
Jos" Xavier Faustino Ramos.
Agencia depassaporles.
Na ra do Collegio, n, M, o no Aterro-da-oa-
Vista loja n. 48, continuam-sc a tirar passaportes
tanto para dentro, como para fra do imperio: assim
como despacham-se escravos : tudo com brevidade.
OL1VRODETODOS
OD
Manual daiade,
'onlendo
todos os esclareclmentos theorlcos e pralicos necessa-
rios para podrr preparar e emprgar, sem o soccorro do
professor, os rnnrdios, e seprrsrrvar c cuiar-sr proinp-
tainente, com pouco dispendio, da mor parte das moles-
tias curavcii, e conseguir um allivio quasi equivalente
a sade, as molestias incuravris.
Seguido
de um tratamento especifico contra a coqueluche, e de
regras higinicas para prevenir as molestias
i-J5el doulor G- de Ploesquellec. '
Prejo 4/800 rs. em brochura.
0 supplemento, indispensavel a quem tein a obra, d-
e gratuitamente aos compradores. O dito supplemen-
to tras as tres diflerentes receitas para a composlco da
agoa sedativa;ntc precioso remedio que tamanha repu-
Uifao ja trin ganho, e que deve existir ., tod ,.,',
pra,a da Independencia, Uvrarians. 6 e 8



*
T
AO PUBLICO.
Em mui croscldo numero contavam os medico
il'agora molestias incuraveis, contra as quaes s
era jjc niittido no paciente resignadlo para sofTrer
u mal de que j nflo havia esperanzas de pAderli-
herta-lo, e #o medico philantropico a dor de ver
niiiitos de seus semelhantes, victimas de enfermida-
dcs, contra as quaes so declarava impotente, po-
dendo apenas lamentar a fraqueza da intelligenca
liiniiaiia. Mas, tfracas aos progressos da medicina,
gracas ao zelo de homens incansaveis que, nflo des-
esperando da perfectibilidade da sciencia, se toem de-
dicado investigado de remedios que possam al-
liviar a humanidad de alguns males que a aflligem, o
numero das molestias reputadas incuraveis vai de
da em dia diminuindo. Assim, achar depois de
|,>ngos trabalhos, de profunda meditado e reitera-
das experiencias, medicamentos que nos restituam o
uso dosdous mais importantantes sentidos, de que
he dotado o horaem, quando estes j seachavam no
supposto estado de ipeurabilidade e inteiramente
perdidos, he por certa um dos malofes servidos, que
se podia prestar humanidade; eis o que eslava re-
servado um homem philantropo da cidade de Bra-
g( em Portugal, cuja sciencia, cujo amor de seus
semelhantes so tenfefto geralmento conhecer. Os
remedios que ora ofTerecemos ao publico, nflo en-
tram na classe d'aquelles que o vido e ousado char-
latanismo inculca' com roucos e descompassados
brados, e que o creduk) vulgo por ignorancia rece-
be na boa fe e sem discernimento, achando-se depois
Iludido; tem porm de oceupar muidistincto lugar
entre os medicamentos quemaioresbeneficiospres-
tam ao homem: constam elle da dissolueflo aquosa
de extractos de plantas medicinaes, de virtudes mu
reconhecidas e verificadas. O longo uso, as conti-
nuadas e severas experiencias, a que por toda a par-
le leem elles sido submetlids, sem que urna s vez
hajam falbado em seus bons cffeitos, e desmentido
as esperanzas que sobre elles havia fundado o seu
inventor, lhe teem grangeado constantes e repetidos
elogios dos mais sabios e respeitaveis mdicos, as-
sim na Europa, como da America, que unsonos
abonam o proclamam sua accSo sempre certa e be-
nigna. Um dcstes licores he destinado a combater
as molestias de olhos, e tem por principal virtude
restituir aos orgSos da visflo suas ftinccOes; reani-
mar e fazer reapparecer em sua natural pcrfeicfio
vista, quando esta estiver fraca ou quasi extincta,
com tanto,"porm, que nflo haja cegueira absoluta
com desorganisaeflo das partes; nflo manos til e
enrgico he para desfazer as cataratas, destruirs
nevoas e de prompto debelar qualquer inflatnmacflo
ou vermelhidao dos olhos. Nflo causa dor, nem es-
timulo na parte
(Mitro liquido restituc a faculdadedeouvir os sons
ao ouvido tocado de surdez, anda que inveterada,
urna vez que o mal nio seja de nascenca, sem causar
em lempo algum o menor incommodo aodoente, e
sem priva lo de cuidar em seus negocios.
INSTHUCgES PAPA O USO DOS REMEDIOS.
O dos olhos emprega-se do modo seguate:
Odoentepola manhfla, emjejum, urna hora pou-
co mais ou menos depois que erguer-se do leito, lo-
mar sobre a palma da inflo pequea poreflo daquel-
laagoa; e com ella molhar bem os olhos, fazendo
que algumas gottas cao sobre o globo ocular :
sem os limpar, os conservar molhados al que na-
turalmente enxuguem : ao deitar-se a noite pratica-
r o mesrno : durante o tempo que usar do remedio
evitar o calor, aceflo de fumaca e o vento; far abs-
tinencia de comidas salgadas, azedas e adubadas
com especiaras.
O remedio dos ouvidos ser applieado do modo que segu :
O doenle pela manhaa, urna hora pouco mais ou
menos depois de erguer-se, anda em jejum, far
derramar dentro dos ouvidos quatro ou cinco gottas
do liquido, tapando-os depois com algodao em ra-
ma ; a noite ao deitar-se repetir a mesma operado.
Durante o uso do remedio evitar expor, os ouvidos
principalmente, a acefio do calor e do vento, afm de
evitar grande transpiraban, havondo cuidado em nflo
inolhar os psemagoa fra; finalmente deveabs-
ter-se de comidas salgadas, azedas e adubadas.
Estes remedios estflo a venda na botica de Bartho-
lomeo Francisco do Souza, na ra larga do Rozario
n. 36, nico deposito em Pernambuco, pelo preco
de 2,000 rs. cada vidro.
Fabrica ele machina e fund-
cao de ferro na ra do
llrum, no Recife.
Me Callum & Companhia, engenheiros raachinis-
ta.se fundidores de ferro, mui respetosamente an-
nunciam aosSrs. proprietarios de engenhos fazen-
deiros, negociantes, fabricantes e ao respeitavel
publico, que o seu estabolecimento de ferro, mo-
vido por machina devapor.se acha em effectivo
exercicio, ecompletamente montado com appare-
lhos de prmeira qualidade para a perfeita eonfec-
,"10 das maiores pe^asde machinismo.
Habilitados para emprehender quaesquer obras da
sua arte Me Callum & Companhia desejam mais
particularmente chamar a atteneflo publica para as
seguintes, por seren ellas da inaior extraceflo nesla
provincia, as quaes construidas na sua fabrica po-
demeompotircom as fabricadas cm paiz estrangei-
ro, tanto em preco como na qualidade das materias
primas e mflo d obra, a saber:
Machinas de vapor.
Moendas de cannas para engenhos movidas a va-
por, poragoa.ou animaos.
Rodas d'agoa e senarias.
Manejos ndenendentes para cavallos.
Rodas ilenladas.
Aguilhes, bronzese chumaceiras.
CavilhOes e parafusos da todos os tamanhos.
Taixas, crivos e boceas de fornalha.
Moinhos de mandioca .movidos a mflo ou por ani-
maes e prensas para a dita.
Fogfies e fornos para cozinha.
Canos de ferro, torneiras de ferro e bronze.
Bombas para cacimbas e de ropuxo.
Guindastes, guinchse balances romanas.
Prensas hydraulicas e de parafuso.
Ferragens para navios, carros, obras publicas, etc.
Columnas, varandas e grades.
Prensas de copiar cartas e de sel lar.
Camas de ferro, etc.
Alcm da perfeico das suas obras, Me Callum &
Companhia garanlem a maia exacta conformidade
cornos moldeseflesenhos romeltidos polosSrs. que
se dignarem de fazer-lhes encommendas; aprove-
tando a occasiflo para agradecer aos seus benovolos
amigos e freguezes a preferencia, com que teem si-
do por elles honrados, e ussegurar-lhes que nflo
pouparflo esforcos nem diligencias para continua-
rem a merecer a sua confianca.
O doutor P. i. Benit, Francez, retira-se para a
Ruropi.
Na ra do Queimado, n. i5, primei-
ro andar, ensina-se meninas a ler, escre-
ver e contar, e grammatica portugueza ;
assim como a i'azer lavarinto, bordar, mar-
car, e cozer chao.
lloje,6docorrenle,perantoo Sr. doutor julz
de direito da segunda vara docivel na sala das au-
diencias, se ha de arrematar, de renda annual, urna
casa terrea na ra de S.-Jos,n. 30. avaliada em
60,000 rs.poranno; outra dita na ra Bella, n.7,
avahada em 90,000 rs. por anno; outra dita na ra
da Gloria, n. 81, avahada por 40,000 rs. : a loja e o
pnmeiro andar do sobrado n. 16 da ra larga do Ro-
zario, avaliado ludo por 400,000 rs.; urna casa meia-
agoa na Cabanga, n. 5, por 30,000rs-; ludo por
execueflo da fazenda provincial.
JofloFredcricode Abreu Reg participa ao Sr.
Francisco Thomaz I.eile lavrador do engenho Ta-
batinga, que seu escravo crioulo, de nome Benedic-
to, o procurou para o comprar no da 3 do cor-
rente mez de fevereiro. O mesmo Sr. venha delibe-
rar sobre o mesmo oscravo ou delle tomar conta.
Arrenda-se um engenho que fique ao sul da
provincia e tenha boas trras e commodos : quem ti-
verannuncie
Severino Jos de Carvalho, cidadflp brasileiro,
retira-se para Lisboa, a tratar de sua sade.
Offerece-se urna ama para casa de pouca familia:
nobecco da Bomba, n. 3.
Urna mulher que sabe mui bem coser!, engom-
mare cozinhar, do que tudo tem bastante pralica ,
se oflerece para servir em urna casa de homem sem
familia para o queda pessoa que afiance sua con-
ducta : quem de seu presumo sequizer utilisar di-
rija-so a ra do Caldeireiro, n 1.
Aviso importante.
Ascavalliadasquehflo de ter lugar na Cidadc-No-
va por occasiflo da festa de S. Goncaln principia-
rflo as 3 horas da tarde do dia 8 do corrente mpre-
lerirelmente : e lindas ollas haver fogo de artificio,
machinas, etc.
Precisa-se alugar urna preta captiva que saiba
engommarbem cozinhar, comprar na ra, &c. :
na ra Nova n. 7, segundo andar, defronte do oi-
tfioda matriz.
O encadernador da ra do Queimado passou-
se para a travesa da ra do Rozario, u. 2, c ah est
prompto para I'azer toda e qualquer encadernaeflo ,
que para isto se acha f rovido do necessario, pro-
metiendo poldezn brevdade como costuma. Tam-
bem vende a obra era 24 v Decadas de Barros,
por barato preco; Historia chronologica dos sucres-
sos mais notaveis no mundo,desde a rcvoluQflo fran-
ceza ; Fbulas de La Fontaine, 2 v. em 18 ; Historia
de Inglaterra em meio uso; Miada de Pope; Al-
gebra, porLacroix; Tilo l.ivio ; Virgilio; e utios
mais livros para preparatorios; pastas para meninos;
poesas ternas, etc.
Francisco Ignacio Tinoco de Souza vende em
sua loja na ra Nova n. 26 novamentc aberta ,
sarjas ; luvas; fitas de setim ; meias ; lencos de se-
da ; chales ; balzarina fazenda de lfla para vesti-
do a80rs. o covado; chitas francezas, de boa
qualidade, a 280rs. ; riscadinhos finos a 260 rs. o
covado ; chitas muito tinas, a 280 rs.; alfm de nu-
tras muitas fazendas que se vendem por prec,o com-
modo.
As pessoas que teem penhores de ouro em po-
der de ManoelJoaquim daSilvaFigueiredo, queiram
ir tira-Ios no prazodeoilodias; do contrario, serflo
vendidos para pagamento do principal e juros. Este
annuncio s se entendo com os Srs., de cujos penho-
res j se acham lindos os prazos.
--JoaoVaz deOliveira embarca para o Ro-Cran-
de-do-Sul a sua escrava Engracia, de nacflo Baca.
Manoel Coelho da Fonseca, subdito portuguez,
relira-separa Portugal.
Precisa-se alugar urna preta para fazer o servico
diario de urna casa de pouca familia : atratarno A-
terro-da-Boa-Vista, loja de trastes, n 12.
Aluga-seum escravo bom trabalhador de pa-
liara : na Boa-Vista, ra do Pires, n. 23.
L'm homem solleiro que mora em Fra-de-Por-
tas, casa terrea, n. 30, precisa de urna criada, nflo
moa.
Precisa-sede um caixeiro.de ida (Camos
que tenha pratica de venda, para tomar conta do um
por balaneo : no Aterro-da-Boa-Vsta, primeira ven-
da ao peda ponte, n. 2.
Precisa-se alugar urna ama, escrava ou livre
para o servico interno de una casa de pequea fa-
milia : na ra da Aurora n. 44.
Jos Connives da Silva, Brasileiro, alumno
do sexto anno mdico, relira-se para a corte do Rio-
de-Janeiro.
Quem precisar de urna ama de leite, dirija-se
a ra da Conceicfioda Boa-Vista, n. 8.
Precisa-sede um criado: no Aterro-da-Boa-
Vista, n. 38.
Arrenda-se urna casa de tapa, sita no Apipu
co comprada a D. Aona Joaquina do Reg Barros,
casada com Antonio P. Brrelo Accioli, na qual tem
passado a festa a viuva de Manoel Flix mines de
Castro mas que lem de largar no da 7 do corrente;
duas ditas na Passagem-da-Magdalcna, junto a pon-
te grande : a tratar na ra Velha, sobrado n. 18.
Joaquim Jos do Quciroz o Silva relira-se para
Lisboa.
Vestem-se anjos com toda a perfeicflo e asscio ,
por preco muito commodo : na ra do Cabug n.
> Na mesma casa compram-so pennas linas para
enfeites dos mesmos.
A prela que annunciou querer servir em urna
casa estrangeira, querendo ir para urna brasleira ,
cuja familia consta de duas pessoas e urna crianea
de peito, dirija-se a casa nova da esquina que lica
delronte da ra do Hospicio, aonde aceila-se tam-
ben a Portuguoza que tambem annunciou querer
servir de criada.
l)cscja-se fallar com o Sr. Ignacio Paulino da
Cunta, a negocio que lhe diz respeito na ra do
Cabug, loja de miudezas, de Garca Chaves.
Aluga-se o andar terreo ou loja do sobrado n.
12 da ra da Aurora, com ptimos e muito asseiados
commodos para moradia de homem solleiro ou de
pouca familia: quem o quizer alugar dirija-se ao
mesmo sobrado a qualquer hora.
Compras.
Comprnm-se obras da trra sendo bom fcilas,
sapales, sapntos para homem, senhora meninas c
meninas sendo de coiirn, marrnquim, de lustro o
de panno ; alguns couros de cabra para forro; ma-
dapoln em peca ou a retalho; sola inteira ou parti-
fo; ceroI ; seda para sapateiro ; marroquim in-
da
tetro ou partido, ou couro de lustro: na ra Nova,
loja n. 58.
Compram-se escravos de ambos os*sexos de
10 a 30 annos : na ra Direta, n. 3.
Compram-sc, para urna encommenda, escravos
de ambos sexos, ate 40 anuos, e de qualquer cor :
na ra estreita do Rozario, n. 31, pnmeiro andar.
Ainda se contina a comprar cobras de viado
vivas para remedio : na praca da Boa-Vista, n. 32,
segundo andar.
- Compra-seum molcqi:edel6 a 18 annos, do
bonita figura : quem tiver annuncio.
Wnflas.
Vende-se na ra do Crespo livrnria ,
n. 11 os Amores de Cames, encailer-
nados 2 v., 3000 rs.; Historia dos cri-
mes do governo inglez 1 v., 1000 rs. ; o Federalis-
ta 3 v., 2000 rs. ; Primeiros elementos pralicos do
foro civil 1 v., 2400 rs.; Tratado sobre as leis re-
lativas aos navios mercantes e marinheiros 1 v.,
2000 rs. ; Compendio de geographia universal, por
Bazilio Quaresma Torreflo 2000 rs. ; dito do geo-
graphia histrica antiga e moderna 1 v., 3000 rs. ;
o Rohisson de 12 annos 2 v. 1000 rs ; as scicn-
cins das sombras do desenlio, 1 v.aoOO'rs.; Arithme-
tica por l.acroix, 1 v., 3000 rs. ; Telemaco, 1280
rs.; Elementos de Algebra por Lacroix, 1 v. 2000
rs.; InstituiqOes oratorias de Quintilianno, 2 v.
2000 rs.
Grammatica do Salvador,
sexta ediffio correcta o augmentada : vende-se na
livraria da esquina do Collegio.
Vende-.se um inethodo de
Na botica da ra do Rangrl, vei.dem-se ot rrmn
dios srguintd, dos quaes a ripericncia lem confirmado
os iiicliiorcs elIVitos : denlilico, que lem a proprl-dadr
de limpar os dentrs cariados, r reliluir-llif a cJr es-
maltada, em muito poueos dias ; o uso do dito reme-
dio fortifica i)* grnilvM e lira o mo chHro da bocea, '
proveniente nao s da carie, como do lanar?) que te
"lie :u> pesenre) ilesles III ;sins OlCllirilio ||C drS(ndo
pelos numeos i.'ri"; orchala purgativa, mili utii a
crianeas o as pessoas de loda c. qualquer idade ; he coin-
posla de substancial vegetar*, nfio conten mercurio,
nem droga algoina que possa prejudicar: remedio para
curar calos, em poneos dias dito para curar dores ve-
nreas amigas e que teem resistido ao tralamenlo ge-
lalinente applieado ; dito para provocar a mrintiuaeao,
e accelerar a aecao do ulero nos parios nattirars em
3ni- nao se precita das mauouras srientiltcas da arte :
ito para resolver tumores lymphaticos, vulgo glndu-
las ; dito para curar boubas e rravos seceos, o mal eti-
cas que se rindiere n aqui ; dito oximel de ferro, mul-
lo til as chlorotrs, vulgarmente chamada* frialdades;
pos anti-biliosos de Manoel Lopes ; capsolas de gelati-
na, coutendo balsamo de cupahiba ; ditas de oleo de
reclnos purificado ; ditas de cubelias em p fino ditas
de assafetida; ditas com pos purgante; ditas de ruibardo
il.iCiiui.1. iln.is.le sulphnlodequinino de i e 2 graos rada
capsola j algaleas, vrlinhas elsticas; pilulasde sal deca-
baeinlio; agoa das C Idas, chegada proiiuiamente; reine-
diosqiieeurama frialdadedeiitrode40dias.inesmoeslan-
doinchado, ole muito bom para conservare cabelio.que,
lem de nao drixarcabir o cabello, limpa a caspa, <
cujo uso continuado las reapparecer o cabello perdido ;
pillas especificas para curar as gonorrheas dirimirs,
quando a lata nao paaia da nieta ; igualmente um xa-
ropo auti-liemorragico, applieado nos ca-os rm que se
delta Mugue pela bocea : o prrca de todo estes reme-
dios he mui rasoavel, e os bous resultado* da sua appli-
cacao he que devm fairr sua apologa.
Ol que |HM'liin<*l.a
lem o mitigo l>a-
?
rateiro
na
piano
ra da Sen-
Fabrica de chapeos
de sol na ra do Pas-
seio-Publico, n. 5.
TJoflo Loubet adverte aos seus freguezes que
queiram desenganar-se por urna vez sobro os
objectosabaixo declarados, tanto em preco
como em qualidade: tem nesta occasiflo um rico
sortimento de chapeos do sol furta-cres e pretos
com barra lavrada os maia modernos que teem
apparecido neste merctMo, de igual sortimento; e
tambem chapeos do sol, do panninho de todas as
crese ultimogosto da rainha da Escocia ; e para
senhorasum completo sortimento dos mesmos, de
todas as cores, pois seus gostos silo da ultima mo-
da do Pars. No mesmo eslabeleciment se acha um
completo sortimento de sedas epannnhos de todas
ai cores, proprios para toda e qualquer obra que se
uizerfazer, pois quesflo proprios para esse fim.
ambem se concertam chapeos de sol, tanto de ho-
mem como do senhora, com toda a porfeicflo, por
preco commodo, e am a inaior brevdade possivel.
Na mesma fabrica tambem se vendem baleas para
espartilhose vestidos.
Aluga-sc urna boa casa terrea, com quartos,
2 salas, quartoseparado para pretos e casa para ha-
nho, grande duinUl com parreiras o tlgueiras, ro-
manzeiras e muitas mais arvores de fructo; com ca-
cimba d'agoa de beber, a melhor que se lem visto;
no principio da estrada dos Afllictos, pegado ao sitio
que foida Sr.'D. I.aurianna; outra casa terrea com
otflo corrido muito areiado, no boceo do Ser.gado:
trata-so na ra da Cadea do Recic, n. as.
Na ra do Queimado, n. 15, no pnmeiro andar,
eosinam-se meninas a ler, escrever e contar; gram-
matic? portugueza, costuras, lavarinto, bordar, mar-
car, e costura chai.
8
i
i
por Adao, em meio uso
zalla-VpIlia, n. 50.
Vendcm-sc as obras completas deJ. J. Rousseau,
em 25 volumes ; Annaes maconicos ; ludo cm fran-
cez por menos do seu valor : na ra do Rangel ,
n. 45, primeiro andar.
B-gg::s:.,ea':9::es::ee::.a"ee:R
LIMA,
1 ra Nova, n. 2, primeiro andar,
S vende dragonas, banlase fiadores,
[ para oliciaes superiores e snbaltcr-
ry nos da guarda nacional ; pastas,
k das mais modernas ; espadas pratea-
jg das, com copos dourados ; e ou- t(5
m tros mais objectosdesens uniformes, jj
Ha:ea:s9:.'es.::ea::8a:e9:a
Vondcm-se charutos em moiascaixas a 1000
rs.; copos redondos do garrafa, para agoa, a 200 r-.;
ditos de meia dita a 120 rs.; farinlia de aramia, a
240 rs. a libra ; velas de carnauba, a 320 rs. a libra :
no pateo do Terco venda n 7.
tF> Vende-se, no pateo do Terqo venda n. 7 ,
tintado escrever inglcza, em garrafas, a 400 rs.;
meias ditas, a 240 rs. e frasquinhos a 80 rs.; oleo
do linhaca a 260 rs. a libra e em botijas e g. a
1800 rs; ; manleiga, a 560e640rs.; banha de por-
co a 280 c 320 rs. jqueijos, a 1600 e 1680 rs. ; bo-
lachinha inglcza a 200 rs. a libra ; passas a 160 e
200 rs. a libra ; figos a 80 e 100 rs ; amendoas a
320 rs. a libra ; cha hysson, a 2000, 2400 e 2560 rs. a
libra; aletria etalharim, a 200 rs a libra; cevada ,
a 80 e 100 rs.; tapioca do Maranhflo, a 60 rs. a libra ;
arroz, a 1500 rs. a arroba e a 50 rs. a libra; dito
branco a2560rs. a arroba; ancoretas de azeilo-
nas a 1920 rs.; toucinhode Lisboa a 200 rs. a li-
bra ; e mais gneros dos quaes se alianca a boa qua-
lidade
CHOCOLATE DK SAUDK
ATF.RRO-DA-BOA-V1STA,NA FABRICA DE LICORES,
DE FREUERICO CHAVES, n. 26,
ba sempre un grande sortimento de chocolate de todas
asqualidades Nao se faz preciso dizer as boas quali-
dades, por ser conhrcido c por ser bem superior a
outros quaesquer que teem vindo e que veem das ou-
tras provincias do impeli como tambem da Europa,
urque o mesmo fabricante n;io se tem poupado a tra-
lalhos para o oblcr superior a todo* os que podein se
aprrsentar. O* precos das qualidade* sao : saudc ca-
nella c baunilha a 400 rs. ; o chocolate ferruginoso a
1/000 r. a libra. Elc ultimo se acha agora nuil co-
nhecido e em toda a Europa aclia-ie mui vangloria-
do, por suas virtudes tnica*; e por este motivo torna-se
mui necessario nos paizes quenles, onde sempre se pa-
drrem as frousidoesde estomago e nos quaes os tni-
co se lornam Indlspensavei*. Na mesma fabrica ha li-
cores de todas a* qualidades e de todos os precos com
ricas urjas douradas c por preco mais commodo do
3ue em outra fabrica ; genebra ago'ardonte do reino ,
i-a de auiz dita d Franja, em caadas ou em garra-
fas ; vinagre branco e tinto muito forte a 400 e 600
rs. a caada ; espirito de vinho de 36 graos.
N.'B.=Quem comprar o chocolate em arrobas, o obte-
r roai em conta.
O antgo barateiro tem, comopecbinchas de pouco
dinheiro, na sua nova loja de miudezas da ruado
Collegio, n 9, tamancos para homem c senhora,a 2KO
rs. o par; ditos para meninos, a (60 rs. cada par; I
tesouras finas com toque de l'errugem a 160 e 240
rs. onda urna ; caivetes linos para pennas a 160
e 240 rs. cada um ; carreteisde linda branca lina o
grossa a 320 rs. a duzia e sendo cm poreflo de 50
duzias para cima sedar mais em conta; caixinhas
com 100 pennas dcmarlim a 320 rs. a raixinha ;en-
rapucasdealgodflodecores, a 160 rs. cada tima;
torcidas para candieirodc todos os tamanhos a 100
rs. a duzia ; carleiras de algibeira a 160 rs. cada
urna; cachos de llores para chapeos de senhora o
enfeites de cabello a 320 rs. catla um ; botOes du
metal para calcas, a 320 rs. a croza ; ditos de du-
raque para casaca a 200 rs. a duzia ; ditos de ma-
drc-de-perola a 480 rs. a groza ; luvas do seda pa-
ra meninas a 200 rs. o par ; finssimas tesouras li-
nas, para indias o mais barato possivel ; e outros
muilos objectos de miudezas.
.><>\(Iu(l(\s bib.iograptiicas
cm portuguez.
3.a edicao do Digesto portuguez aecresecntad pe-
lo autor ein 1845; Direito romano, ou annotarOes a
Waldeck por M. M. Ilrusiliy, 1845, 3 grossos v. 8."
francez: LicOcs de direito criminal, Coimhra 1845;
Cancioneiro d'el-rei I). iniz, pela primeira vez im-
presso conforme o manuscripto do Vaticano, com
algumas notas Ilustrativas e urna prefaceflo hislo-
rico-litleraria, peloDr. C. L. de Moura, 1 v. grande
8., 1847, cncadernagflo rica; Viagem ao vallo das Fur-
nas, na ilha de S.-)ligucl, obra curiosa com muitos
documentos interessantes, ornada de vinhetaso di-
versas estampas coloridas, 1 v. 4.", 1845; Historia do
Inglaterra por 0. Coldsmittc continuada at 1815 por
Ch. Coole, e at nossos dias por M. A. Aragn, com
varias notas de Thierry, Rarantc, Norvins o Thiers,
versflo portugueza, 4 grossos v. 8.' francez com es-
tampas; Historia litleraria do Portugal desde a su.i
mais remola origcm at o presente, seguida de diffe-
renles opsculos que servem para sua maior Ilus-
tradlo por francisco Freir de Carvalho, 1 v., 1845;
Bosquejo histrico de litteratura classica grega, la-
una e portugueza por A. C. Borgcs de Fgueiredo,
Coimbra 1816, 1 v. ;asSatyras e Epstolas d'Horacio,
tradcelo do Dr. A. L. de Seabra com annotacOcs ao
texto indispensaveis sua inlelligencia, com muitas
noticiase observacOes curiosas o instructivas, 2 v.
8.* francez com estampas, 1846; Kncyclopedia indus-
trial, ou arte deganhara vida, tratando de lodosos
recursos, indicando lodosos mcios para fazer, con-
servar c augmentar a fortuna cm qualquer estado,
obra utilissima tanto aos mais modestos artistas,
como aos mais ricos especuladores, 1 v. 8.* francez;
diversas obras commcrciaes de Ferrcira Borgcs, no -
vas cdn/ics augmentadas; Rnsaio sobre a orthogra-
phia portugueza, contendo urna exposiQflo, bases e
regias ortliographicas, abundante vocabulario, os
nomos proprios, os homonymos que so dislinguent
pelo orthographico, notas, etc., por C. I'. Vieira, 1 v.,
1845; nova editjlo do Feliz Independenlc, Sv. 1845;
Osmia, cont histrico lusitano, 1 v. ; tratado tlieo-
rico o praticn sobre a construceflo de fogos de sala
econmicos e salubres, pelo viscondc do Vilarinho
do S.-Romlo, publicado pela academia real das sc-
encias, 1 v. 8." francez, 1844;collcc$flode roceilas e
segredos particulares, necessarios para o tintureiro
e para a maior parte do artistas, manufacturas, ofll-
cios, e outros diffcroiiles objectos, por J. R. Lucio, 6
v. grossos 8."com estampas, 1845 obra preciosa, ea
melhor que tem apparecido tiesto genero, elogiada
na Itevisia Univtrtal Lisbonense); Curso do agricul-
tura e do economa rural pelo Dr. A. J. de Fgueire-
do, contendo 5 tratados, lavoura, borlas, arvores e
arbustos, jardins, economa rural, 4 tomos cm 9t.
com annolacrtes c estampas: na livraria da esquina
do Collegio.
I&na do Queimado, n. 11.
Na loja nova te aclia si' um completo sortimento de
fazendas finas, por menos de seu valor ;
brim trancado de linho, com listras, para
calcas ; chapeos de sol de seda ; platillia
de linlio : brelanha de dito ; e tambem
o algodo doblado, proprio pora saceos
ou roupa de escravos.
Vende-se um macaco grande, proprio para vi-
rar barcadas, canoas ou oulras quaesquer embarca-
cees em muito bom estado, por preqo commodo ;
um par de rodas novas, boas para car roca de en-
genho : no lim do Becco-Largo, no Recite, tanqu
d'agoa.
1 MUTILADO


h
Na lojade Guimares Se
rafim & Companhi.1, confronte
ao arco de S -Antonio, n, 5, ven-
dem-se lencos de vapor, de pa-
droes modernos, pelo barato pre-
go de 480 rs. cada um ; lencos
francezes de cores finas e fixas ,
fingindo seda a 480 rs. cada um;
brim escuro franca trasigado, de
puro lind, a 720 rs. a vara.
= Vende-ae potassa branca e superior qualidade
em barril pequenoi ; rm casa de Malinos Ausliu
Companhia, na na da Alfandrga-Vrlha, n. 36.
= Vradrm-iF moenilasdr (erro para cngeiihos dr-as-
ucar, para vapor, agua c beatas, de diversos tamanhos,
por prrco commodo ; e igualmente taixas de ferro coado
c batido, de todos os tamanhos: naprara do Corpo-San-
to, n. II, em casa de Me. Lalinont i Companhia, ou na
ra de Apollo, arinazem, n. 6.
CARNAUBA.
No armazem de farinha do caes do Collegio, con-
tina-se a vender cera de carnauba, por prego com-
modo, tanlo em pnrgoes como a rctaiho e he ebe-
gada agora urna porgiio da melhorqualidade que tem
apparecido.
A i.y;oo rs. ocovado!
Na loja de Guimares Seraim
& Companhia confronte ao ar-
co de S.Antonio, n. 5, vendem-
se casimiras francezas, sem peU
lo, finas de lindos padroes e
pelas pelo barato prego de 2500
rs. o covado ; ricos corles de cha'
li de la e seda, com barra, a doze
mil rs. o corte.
Vende-so azeite fino de gerselim, para comer e
para luz : no deposito de azeite de carrapato na ra
da Seuzalla-Velda, n. lio.
VELAS DE CERA DO RIO-DE-JANEIRO.
Vende-se completo sortimento de urna a 16 e bo-
gasde4,5e6 : no armazem de A Ivas Vianna na
ra da Senzalla-Velha, n. 110.
Vende-se, ou permuta-se por um sitio perto da
praga urna exccllcnto casa terrea com bastantes
Vendem-se'oculos azues de4vidros, de pa-
tente vindos ha pouco de Inglaterra por seren
encommendados, latos pelo melhor autor que all
existe, e que servem para encobrir qualquer delei-
to nos olhos por doengas, para viagens, ler de nou-
te, estudar, etc., porquo osseusvidros servem pa-
ra tolas as vistas, e teem a propriedade de nflo can-
sarem : na ra larga do Rozario loja de miudezas,
do Lody, n. 35.
AVISO
aos Srs. de engenho
Na ra do Crespo, loja n.l,
de Jos Joaqnim da Silva
Maya, vendem-se
cobertores de algod.lo, muito encorpados, proprios
para escravos ; bem como urna fazenda de linho a
imitagflo de estopa, fortee propria para roupa de
escravos e saceos para assucar; tudo por preco mui-
to barato.
-- Na loja de Guimares, Se-
rafn! & C. vendem-se pannos
finos, de cores, pelo barato pre-
?o de 2^400 rs. ocovado; e de
outras muitas qualidades, de va-
rios precos.
Vende-se sarja de seda preta muito boa o lar-
ga ; setim preto de muito boa qualidade ; dito ma-
co, muitersuperinr; chapeos de massa, cinzcnlos,
para meninos e outras muitas fazendas por pro-
co muito commodo : na esquina do Cabug, loja
junto a botica doSr. Morona.
Vcndc-sc um pequeo sitio na
ra principal de Cnpunga,
adianto da ponte o segundo sitio do lado dircito ,
etn chitos proprios, com 120 palmos de frente e 300
ditos de fundo pouco niaisou menos com boa casa
de viven.la cotinha e dispensa fura depedra e cal,
cacimba com boa agoa de beber, diversas arvores
de fruclo com boa vista para o campo da Estancia ,
Manguind e outros diversos lugares.
Vendem-se mais dous terrenos pertcncentes ao
mesmositio, um com 120 palmos de frente, com
uina pequea cacimba de excellente agoa de beber,
arvoredos de fruct, e o outro com 100 palmos de
commodos para urna grande familia, sita nesla pra-l fronte o cento e tantos de fundo pouco mais ou me-
jnos, que tudo so vende por precisilo : a tratar na
raestreita do Rozario, junto a igreja casa terrea
n. 7, de Jos Anacido du Silva.
Qualidade novoe redo, a escolda do comprador ,
a prego de 4500 at 7500 rs. a arroba; e tambera cha-
rutos fama em caixas de cem.
fff) Ven
C sap
ga : na ra Imperial, n. 9.
IVa rila do Crespo,
loja n. i 2, de Jos Joaqun,
da Suva Maya,
vende-se superior sarja preta bespandola ; nobreza
rxa, muito superior e muito propria para capas
iloSr. dosPassose outras irmandades; ricos cortes
de seda para vestido desenhora ; meiasdesala pre-
tas o brancas, as mais superiores que teem appare-
cido, tanto para liomem como para senhora ; uvas
do seda ; chales de seda muito modernos e de lin-
dos gostosjcamhraia de linho, muito fina; lencos de
cambraia de linho bordados, para senhora, dos mais
linosque ha por muito barato prego ; esguiito de
puro linho e muito fino; platilha de lindo; e outras
muitas fazendas que scro patentes aos comprado-
res e por barato preco.
^a loja de Guimares Se-
rafim & Companhia, confronte
ao arco de S.-Antonio, n. 5, ven-
dem-se cass s finas, largas e fian-
cezas, pelo barato prego de 480
rs. a vara,; chitas francezas, lar-
cas, a 280 rs. ocovedo.
l\a ra do Crespo,
loja n.1'2, de Jos Joaqum
da Silva Maya ,
vende-se alpaca preta a 800 rs ocovado; dita muito
lina, preta e do cores, por barato prego; merino
preto, muito superior; panno lino preto o de co-
res; casimiras elsticas, de duns larguras, para
caigas a 6000 rs. o corte; velludo ; gorguro de se-
da ; setim para colleto; tudo por prego commodo;
fustes para colletcs; c outras muitas fazendas,
tanto para caigas como para vestidos de senhora;
tudo pelo barato.
Vende-so cha preto, o meltorquc da, em cai-
xinhas de 16 libras, proprias para familia: na ra
do Trapiche, n. 8, casa de Hcnry Forster & Compa-
nhia,
Vendem-se varios escravos mogos, de bonitas
figurasecomdabilidades esem ellas: na ra No-
va n. 40.
Joaquim da Silva Lopes,
noseu armazam n. 20, defronte da porta da alfande-
ga vende papel de macluna azul e branco de pri-
meira, segunda o lerceira mu te, primeira qualida-
de que vem a este mercado.
Vendem-se
redes do Maranhuo, de muito boa qualidade : na ra
da Cadeia-Velha, n. 30.
pHk&l Vende-se um forte-piano, de patente l.on-
n TT don dos autores do Colard & Colard : na
ra do Vigario n. 4, armazem de Rolhe & Bidoulac.
Vendem-se 4 escravos, bous para o trabalho
de campo entre elles um he bom carrelro ; um
Cto de 40 annos, muito forte e bom para traba-
r e botar sentido a um sitio ; um pardo de 20 an-
no, muito lindo pagem ; dous moloques, um de
10annos e o outro de 15; 4 escrava s mogas que
servem bem a urna casa e vendem na ra; urna dita
3ue engomma cosec cozinda ; duas pardas, sen-
o urna dellas boa para ama de casa: na ra do Cres-
po, n. 10, primeiro andar.

Vende-se na run da Cruz, n. a3,
cera em velas, de urna das melho-
res fabricas do Rio-deJaneiro ,
sortimento vontede do compra-
dor, em caixas pequeas, e
preco mais liara lo do que em
tra qualquer paite.
rej
5 iFJEFJEFJZ""'
iu
por &
ou- W
rn
i
I
I
Bj
8
Vende-se um carrinho novo para um caval-
lo, com asseuto para duas ou quiltro pes-
soiis : quem o pretender adiar o dito car-
rindo na cocheira doSr. Miguel,'no Aler-
ro-da-Boa-Vista, e pde-se entender com Henry Fors-
ter & C. na ra do Trapiche, n. 8.
Hestam a vender 2 duzias de cadeiras pelo di-
minuto prego de 4,500 cada urna, n quem comprar
todas; e umaconimoda por 35,000 rs. : tudo de an-
gicoe novo : na ra Imperial, n. 145.
.Vcndcm-sequatro maslros de pind cm bruto,
reccntcmentechegadosdus Estados-Unidos: os pie-
tendentes podem examina-los no Foi te-do-Maltos,
eslaleiro do Sr. Jacintdo, e entender-so com Henry
Forster & C.
Vcndem-se edapeos de palda; lengos de so-
da preta da India ; tabaco tara mascar
americano; um chronometro : em casa d
L. G Fcrreirai C.
Vende-se urna-casaca nova, por prego commo-
do : na roa da Cadeia de S.-Antonio, n. 18.
Vendem-se 9 escravos, sendo 3 pretas mogas,
com habilidades; una negrinha de 9 annos, que
fazrenda; 2pardasd 14 a 20 annos, urna dellas
engomma bem e faz lavarinto ; 2 prctos bem robus-
tos sendo um dclles bom caiadore pintor : no pa-
teo Ja Matriz, n. 4, segundo andar.
FIGUIIES MASCARA DOS.
Vendem-se vestidos completos com cabelleiras e
mascaras linas para brinquedos de entrudo de 3 a
5000 rs. cada um, a dindeiro a vista : no tdeatro
publico.
Vende-se urna venda com poueos fundos na
travessa dos Remedios, muito afreguezada : na ra
Nova venda n. 65.
Vende-se, ou troca-se um preto de meia ida-
de, de nagSo de boa conducta pela qual scu se-
nlioi so responsabilisa e que he proprio para todo
oservigo por urna preta ou parda por se ter pre-
cislo dola : na ra larga do Rozario n. 35, loja do
miudezas, se dir quem faz este negocio.
jl:
1-
NO ATEURO-DA-BOA-V1STA, 84 ,
vendom-so sapatos inglczes e america-
nos para homem a 3200 rs., de cou-
ro de wilzou, a 2000 rs., e de duas solas, a 1600 rs. ;
ditos de cameira, a 900 rs.; ditos do orello, a;
1200 rs. ; ditos de cabra a 560 rs.; borzeguins, a
3000 rs.; botina de Lisboa a 21)00 rs.; moios ditos,
a 1600 rs.; sapatos de setim para senhora, a 1000 e
1600 rs.; ditos para meninas a 1000 rs. o par.
Vende-se um relogio de ouro, patento, por pre-
go commodo na ra do Qucimado, loja n. 6.
MAYAJRAMOS & COMPANHIA,
na ra Nova, n. 6,
vendem ricos diales e mantas escocezas; ricos leques
de cdarSo ; um sortimento de sapatos para senhora,
le duraque, setim lustro e marroquim ; sarja pre-
ta larga e hespanhola ; tudo de varios pregos
qualidades.
Vende-se a verdadeira sarja de seda
despandola, a mais superior que tem
apparecido; edaraalole de seda para col-
lele ; sedas pretas lisas e lavradas; se-
tim preto de Maco; superior l de li-
ndo preto; panno preto muito fino ; e
outras muitas fazendas propras para
a quaresma, por prego mais em conta
do que em outra qualquer parte : na ra
doQueimado, nos quatro-cantos; casa
amarella. n. 29.
Vendem-se bichas grandes, e tambem se alu-
gam, por prego commodo : no Aterro-da-Boa-Vista,
na primeira venda ao pe da ponte, n. 2.
Vendem-se 6 cangaldas; um jogo de malas de
couro; urna liteira com seus pertences; um man-
ta de couro de onga com pouco uso: tudo muito em
conta : na ra dos Tanociros, n. 1,
Attencao!
Cunda & Amorim teem para vender potassa russian-
na nova,de superior qualidade, que vendem por da-
rato prego, para fecdar contas; cal virgem de Lis-
boa em ancoras e barriquinhas : na ra da Cadeia-
Velda, n. 50.
Vende-se, ou aluga-se a nadara do Corredor-
do-Rispo, n. 8, prompta a trabalhar ; a tratar na
estrada que vai da Soledado para o Manquindo ,
Vendem-se pentes de tartaruga para marrafa ,
a 60 rs. o par; suporior tinta do cncrever; cartas de
jogar, francezas e portuguezas, as meldores que da
no mercado : na ra larga do Rozario, n. 24.
Vende-se urna escrava de bons constumes, por
prego commodo, por daver precisilo : no largo do
Carino, esquina da ra de Hortas, n 2.
Vende-se um preto, por 300,000'rs., de 40 an-
nos muito bom para trabaldar o botar sentido a
um sitio ; urna preta por 320,000 rs ,de 35 annos,
quo cozinda lava roupa e vende na ra : na ra do
Crespo, n. 10, primeiro andar.
endem-so dorzegins gaspeados, fran-
cezes, para domem ; ditos para sendora ;
patos de lustro e marroquim para se-
ndora ; ditos de tapete e duraque para
dita; ditos do lustro para meninas ; um completo
sortimento de sapatindos com coledetes de lustro
c marroquim, para meninos e meninas; sapates pa-
ra domem a 3000, 3200 e 3600 rs. ; bolns de Lis-
lioa, para domem ; sapatos de cordovSo para sendo-
ra, a 640 rs.; muito superiores meias de seda pre-
ta de peso, para sendora; ligasdeseda para ditas
aguldeiros e dedaes de raarfim ; as bem contie-
ndas tesouras de costura e undas, Anas; meias de
seda preta de peo, para padre; barretes singelos
e dobrados para dito; colderes do marm para ti-
rar rape; ditas para tirar mostarda; ditas de bu-
eno para dito; dados de marm; pentes de alisar;
ditos de tirar pioldos; aguldas em carteiras : na ra
da Cadeia do Recife, n 35, loja do Moreira.
\cnde-se o T. Livio traduzido ao p da lettra :
na loja do encadernag.lo da praga da Independencia,
Vende-se, na ra das Larangciras n.
14, segundo andar, um proto dom
canoeiro, do nagSo, de 36 annos, mui-
to Tortee sadio, por 380,000 rs ; um
dito tambem canoeiro, sem vicios nem
acdaques.de 40 annos, muito forte,
por 280,000 rs ; um dito que serve pa-
ra trabalhar em sitio, por 150,000 rs. ;
umdito, mulo robusto, bom para o trabalho de
campo, por 250,000 rs. ; urna preta de 36 annos,
urna casa, por 290,000 rs. ; uina preta de nagilo
Baca, de 20 annos, de bonita figura boa quitan-
deira, e que lava engomma e cozinda o diario de
urna casa ; urna dita perfeita cozinheira de 38 an-
nos, muito fiel, eque no tem vicios, por 350,000
ris.
Vende-se urna escrava crioula de 22 annos,
que cose, engomma liso e cozinda o diario de urna
casa : na Camboa-do-Carmo n. 33.
Vende-se um escravode 25 annos muito bom
para o servigo de campo : na ra do Livramento
venda n. 30.
Vende-se um bom carro de duas rodas
em muito bom uso, com cavallo; um
moleque que trata do carro e cavallo
na ra do Collegio n. 15, segundo andar. Na mes-
ma casa aluga-sc urna casa terrea na ra Bella
com duas salas, 3 quartos, cozinda fura, quintal e
cacimba.
Vende-se urna preta de boa figura de 24 an-
nos por prego commodo : no pateo do Tergo, ven-
da n. 7.
Vende-se a armagSo, pertences e os poueos g-
neros que existem na vendada ra da Cadeia n. 1 :
a tratar com JosGongalves Torres, ou com Miguei
Joaquim da Costa, na ra da Senzalla-Nova, n. 4.
deira nSo bebe tfnem foge, de 30 annos, por 200/
rs muito robusta, e que serve bem a urna rasa-
vende-se por precisSo -. no becco da ViragHor n. 37^
>ovo panno de linho, a 6 rs. avara.
As pecas sito de 15 varas e de meldor que o pri-
meiro; alpaca fina preta, a 800 rs. o covado; los
prelos muito baratos : editas em "cortes ; riscados
francezes; sarja despandola superior; e grande sor-
timento de fazendas de todas as qualidades e bara-
tissimas: na ruado Queimado, n. 11, loja nova de
Raymundo Carlos Leite.
Vende-se um alguidar vidrado, de gomos
bastante grande : na ra das Cruzes, n. 36, primei-
ro andar.
Vendm-se varios escravos de ambos os sexos
de 8 a 24 annos, tendo entre cHes alguna com habi-
lidades como sejam: cozindeiras, costureiras e
engommadeiras: na ra da Cruz, n. 51.

Vendem-so tres cavallos do scrtSo: em
Olinda, ra do Amparo, n. 61.
Vendem-se 41 varas de.tico de diferentes lar-
guras, a saber : 6 varas de palmo de largo; 3 ditas
mais estreito; 5 varase meia dito; 6 e meia ditas
pouco mais estreito; 6 varas dito; 3 ditas dito : 2 e
meia dito; 5 ditas mais estreito: 4 ditas de4 dedos
de largo ; urna toalba de lavarinto, toda de bretanha
de Franga com vara e meia de comprimento e 3
palmos e meiode largura fra o bico quo tem urna
chave de largo : na pracinhado Livramento prin-
cipio da ra do Queimado, n, 52, segundo andar,
casa de Jos Ramos da Conceigilo.
Vende-se una boa casa terrea, com um peque-
no sitio sita no Mondego : na ra do Piras, n. 19.
Pannos prctos linos
e novos na loja; setim maco, sem mistura; cha- fi
peos do sol, com bastes de ago; chales e mantas da
seda e de lita eseda ; casimira preta elstica ; cha-
peos finos francezes ; tudo por menos de sen valor:
na ra doQueimado, n. II, loja nova de Raymundo
Carlos Leite.
Na na do Crespo, loja n, 8,
de Campos & .Maya,
vendem-se lindos cortes de cassa-cdita,*de muito
modernos gostos, a 3500 rs.; ditos de cambraia de
listrasdecres.deagradaveis padrOes, a 4500 rs,;
superior sarja preta larga e despandola, a 2400 e 2800
rs o covado; riscados francezes muito moderaos.imi-
taudo cassa a 260 rs. o covado ; editas escuras fran-
cezas e largas, a 240 rs. ocovado; iinlssima alpaca
preta; merino preto de superior qualidade; casimi-
ra preta elstica ; e outras omitas fazendas por ba-
rato prego.
Vcnde-se um relogio inglez antigo com cai-
xade prata : na praga da Independencia,
loja n. 3.
Vendc-seum pardo de 18 annos, ptimo pa-
ra pagem e quo de perfeito cozindero, som vicios
nem achaques : ao comprador se dir o motivo por
que se vende: na esquinado Rozario, n. 39.
Vende-se um esplendido candieiro do meio de
sala anda novo por prego commodo : na ra es-
treita do Rozario loja de rclojoeiro, n. 14.
~^ Vendem-se dous cevados criados a mildo e
U. familia, cm um sitio muito perto desta pra-
ga equese suppOo deitar cada um sois arrobas :
na ra da Cadeia do Rocife, n. 25, se dir quem os
tem.
Escravos Fgidos.
4
Fugio, nodia 18do passado, urna negrinha,
de nome Marcianna de 12 a 14 annos, com
urna queimadura na face esquerda, umaemp-
gem nadireita e una outra queimadura na perna
direta ; levou vestido rxo e panno da Costa; tem
cabello cortado: quem a pegar leve ao Passeio-Pu-
blico, fabrica de chapeos de sol, que ser genero-
samente recompensado.
-- Na ra da Codorniz n. 9, no Forte-do-Mattos, Izas.
A hram os olhos, fre-
guezes, que o antigo bara-
teiro est derretendo a fa-
zenda por pouco dinheiro,
O antigo barateiro est dando a troco de pol-
eo dinhoiro na sua nova loja de miudezas da ra do
Collegio, n. 9, outro e novo sortimento de chapeos
de sol, de cores escuras para homem polo mesmo
prego de 2880 rs. cada um ; papal de peso inglez, de
primeira sorte, a 1760 rs. a resma, e meia dita a 880
rs. ; dito al mago a 2700 rs a resma e meia dita a
1350 rs.; agulheiros de aguldas francezas de fundo
douradoe azulado a 280 rs. cada urna; lengos do
gorgurto, a 1200 rs. cada um ; pellos de.marroquim,
a 180 rs. cada urna; tita de retroz, a OTO rs. a pega ;
leques de seda com enfeites dourados, a 2400 rs. ca-
da um ; pentes ile tartaruga para segurar cabello a
2000 rs cada um ; luvas de seda pretas, compridas,
a 1000 rs o par; ditas de pellica a 800 rs.; cai-
vetes muito finos de urna duas e tres folhas, por
prego mais barato do que em outra qualquer parte-
|assiBi como outras multas diversidades de miude-
ENIGMAS
PITT0RESC0S.
DECIFRACA
0 temor da morte he a sentinella da vida.
vende-se fumo para edaruto, de primeira e segunda I Vende-se urna escrava boa quitandoira e lara-'PERN.: na ttp. de
I.
F. DE FAMA.. lt47>

i
t
t
r
i
i
ti
ti
SI
si
d

o
v
ti
1
ti1
v,
g
si
VI
VI
VI
fe"
m
ei
U
M
*c
c
ta
Cl
ce
ni
i ti
M
e;
Pj
af
a
at
CU
en
qi
se
ra
el
ex
cli
cli


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENF02E7JA_QH0OVD INGEST_TIME 2013-04-26T22:55:37Z PACKAGE AA00011611_08412
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES