Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08408


This item is only available as the following downloads:


Full Text
A mo de 1847.
O VIAMO puhlica-se todos os da,, qne nao
nrem 'le guarda o proco d asignatura he de
ijnon 13. |>i quirtal. pafni adianlaitns. Os in-
uncios d asaignantes s,n> inseriiloa i rnso de
por linda, rs em tvpo difl'erente, cas
renel'-ej P-l* mtX**t- ('"l"1 n:"' f rem ""'R-
untes'pi(ar5o O rs por linhn, c IfiO em tvpo
Adrente, porcada publicae-o.
Scgun(lafeira
PARTIDA DOS CORREIOS.
r.oinnnae Parahyha, as segundas eirxtasfeirts.
ilm-Gratide-dn-, Norte quimas feras aouieio-ilia.
(aira, Seriolicm, llio-Foriroio, Poilo-t'alvo e
Macelrt no l., a 11 e 5i de cada mez.
(araiihun e Bonito, a 10 e II.
lina-Vista e Flores n 13 e },.
Victoria, As quintas feras.
Ulinda, todos el dias.
pHASES DA LA NO MEZ DE FRVERR.IRO
Mingoaute, a 8, is II lioras e 16 min. da man..
I u nova, a li>, s horas e 3 .min. da ni.nli.i.
Crescente, a 12, I hora e 20 min. da roauha.
PltF.AMAit DE HOJE.
Piimeira, as & horas a 18 minutos da manhSa.
Segunda, is > horas e 42 minutos da tarde.
de Feverefo.
HaWMHlMaa
Ann XXIII.
N.2JJ.
W!
DIAS DA SEMANA.
1 Segunda. S. Iglincio.Aucl. il6 I dos orph ,
do J. do c da 2 v.'e rlW M. da 2 v
2 Tata, >fr* A Purttiocfio da Nossa Se-
nhora*
t O/Harta, fc. lliaz A nd do i. do civ. ida
2 v. e do .'. de pe/, do 2 disl de t.
4 Quinta. S. Aventino rtud do J. de orph.,
do J. municipal da t vara.
& Seta, fe. Ageita. Aud. do J. do civ, da 1.
v e do J. de paz do l.'disV de t.
6 Sabharit). S.Amando. Aud do J. dociv. da
I. v. e do J de paz no I dist. de t.
2 Domingo. S. Homnido.
CAMMOS NO DA 30 DE JANEIRO.
Camliio s.ilire J.nmlicsaS, ?'/>' *ftd-^?' 'I"1.
u P-ris 120 ra por franco.
Liaboa 9& de pren io.
Itaac. de let de bots lii-in.a l"/i' Va P-'/e*0 '
OiiroOucas l'espanlioUs.... SSjMiO
a Mccdnsdc OjliAO velli ICrVnnO
h a de0#40i> nov.. lOOHO
> .. de 4)ooo..... fono
Prala Pataces ....... joonj
a Pesos ciiliininarcs... l#00lT
Ditos mexicanos ... IjWSq*
Miml.1.......... 11720
Acroes da comp.do llcbenue de .OfOCO rs.ao |
DIARIO DE PERNAMBUGO.
PASTE OFFICIAL.
Governo da provincia.
EXPEDIENTE DE20 DOPASSAIK).
OIioio-- Ao juiz relator da junta do justiga, trans-
[miitimio, para ser stihmettido final julgamento, o
' protTsso 1I0 reo Relisario Antonio.
Dilo An presidonlc da junta qualifieadra da fro-
guezia de Itamarao, declarando que deve a mesma
jimia exigir dos empreados especificados no artigo
31 da lei de 18 de agosto de 1816 os esclarec montos
de que precisar para a formegflo das lisias de quali-
IchcIo ; e significando que devem laucar mil o dos re-
cursos, pela mesma lei facultados, os individuos que
se suppo7erem injustamente excluidos das mencio-
nadas listas
Portara --reformando no primeiro batalhilo da
guarda nacional do Recife :~ ocapitflO da segunda
companhia, Jos Rodrigues Pereira, o o os alferes da
quarta, Luiz Manoel Rodrigues Valenga e Joflo Fran-
cisco Pardelhas.--Partieipoti-sc ao commandnnte
superior da guarda nacional do municipio do Hecife.
EXTERIOR.
H0X.ETIM SO MUJTDO SCIENTIFICO.
CHIMICA,
BOS DIVERSOS MODOS DR COMBIITA^A D'oXVDO DE
MEHCIMO.
Apresentou M. Milln academia, por intermedio
de M. Regnault, urna memoria muito importante
snbrc as diversas agglomeragOes que, as combina-i
cOes, pode formar o bixido do mercurio, qur de
per s, qur combinado coro o ammoniaco para
compr urna nova base. Ja tinba o autor preceden-
temente mostrado que a magnesia pode entrar em
suas comhinagOes de quatro tlffi'rentes modos, 011
formando urna agglomeragflo intima de tres tomos
queso comporta depoiscomo um nico tomo po-
lyatomioo, 011 tinindo-so preliminarmenle a 1,4 ou
16'equivalente oij tomos d'agoa, para formar-bases
| byancai quo tambum se comportam como oxydo
simples.
M. Milln tinba observado resultados anlogos as
! comhinagOes do acido iodico ; hnvia tambem assi-
gnalado outros muito exempos de bases hydricas
e polyatomicas, e tinba descoberto tlous estados
distinetos para o oxydo de mercurio. Mas neste nn-
Ivo trabalho, muito "mais completo cnotavel a todos
losrespeitos, demonstra ellecom evidencia comple
Ita a realidade desses diversos modos porque um
I composto chymico se pdc agglomcrar; mustia que
ro mesmo oxydo de mercurio que se combina isola-
'damenlccom os cidos como alomo simples ou mo-
noatmico,' pode formar agglomerac,6es de dotis.
Iros o qunlro tomos que se comportam as combi-
nacflcs como se nao fossem mais que um s tomo.
Diste resulta a singular consequencia de que um
mesmo poso absoluto de oxydo de mercurio pode
formar, com urna certa quanlidade d'agoa, um sal
neutro, ou um sal bsico, ou um sal acido, scgpi-
do esse oxydo forma a agglomerac-So biatmica, mo-
noatmica ou quadrialomica.
Mas, para melhor (azor comprebender.toda a im-
portancia desses resollados, compre dizer quanto
leem progredido as tbcorias cbimicas depoi.sdeI.a-
voisier. Com elTeito, prepara-se nesta sciencia
una Inmsformacno radical, comparavcl aquella
por que passoq a botnica quando o mclhodo natu-
ral de Jussieu veio substituir pelo conliecimento
positivo dos vegetaes as formulas tilo simples c tflo
cominodas do systema artificial de Unncu. A
cliimiea eleva-so tle diaem dia como urna sciencia ;
mas, ao mesmo lempo que se torna mais capaz do
salisfazero pensamento liumano, va i (cando mais
dilliril de ser comproliomlida pelo vulgo. Km vez
tlessas formulas tflo elementares] da nomenclatura
: do fim do decimo-oitavo seculo, apresenta-nos
ella a conilHiuicfio sulimcllida a regras.maiscomple-
I xas, porem de urna exaclidfio matbemalica.
Nlo he o cnnliecimcnlo da importancia dos ele-
! mcntns, c iirinci|-almcnte daquelles que, qomo o
I oxygoneo, o bydrogenco e o azoje, anligamente no
oan conbecidos, e forntn revelados pelo genio de
la\osicr, que constiluc a. base nica da cliimiea.
Corlo, acitialmente esta sciencia tambem se firma
to conliecimento das proporges segundo as quaes
elementos se combinan). Ora, assi ni como o
Icsluilo das prupi edades dos corpos nio dala smen-
Ite des liaballios de Lavoisier, assim tambem o estu-
Ido das proporces, que nos quarenta anuos ltimos
[foi aperfoicoado pelo admiraveis trabalhos de M.
iBezliiis, liavia comecUdo muito lempo antes. Em
|'""l, ja assignnlava Jtouclle, em o estudo dos saes,
las proporces geiaes que uelles seobservam, o dis-
rUnguia muitos saes netitrose cidos; depois, parelle-
Maniente.s brilhanles descobertas di' Lavoisier, ap-
I parecer ID, em 1777, os trabalhos deWenlzel, sobro
a neulralidado completa dos saes depois das trocas le
base e acido as documposicocs mutuas ; em 1782,
Inolava Ocrgmann a precipitadlo dos metaes una so-
lare outros, o em 1796, procurava Kichtcr delcrmi-
Jnara capacidade de saturaeo relativa das bases e
[dos cidos, e mostrava que persiste a neutralidade
do sal metlico anda depois de haver sido precipi-
[ lado por um outro metal o contedo na dissnlucao.
Todavia ainda esses primeiros factos dcixavatn um
1 grande vasto na questao das proporcOes, quando
Proust e Uertholet liavaram, sobre a lixidade das
proporces do muilas Combinacoes, urna discussilo
que durou de 1795 a 1800. Admitlia Berlbolet que
o fado da varjabilidade das proporcOes de umadis-
solucflo applica-se igualmente a combinaces soli-
das, taescomo os oxydos metlicos; de sorte que
baveria um numero infinito do graos entro o mxi-
mo e o mnimo da oxydaciio do um metal. Apenas
cnnvinha em podrem haver proporcOes constantes
as combinares cujos elementos soffressem forte
condensaco, como quando o oxygoneo oohylro-
geo gozosos se ligain para formar agoa liquida;
mas, segundo elle, o tacto nlo era goral. Proust
resolutamente alirmava o contrario disto : As
sempre invariaveis proporcOes, diz a elle, os attii-
butos constantes que caraeterisam os verdadeiros
compostos d'arte ou da naltireza, em urna palavra
esso pondui natura, tflo bem observado por Stabl;
ludo isso nlo est maissubjeito ao pdenlo chimi-
co do que a lei de clciclo que presido a todas as
cmbinacOes.
Para explicar as numerosas variacoes quo existen)
as proporcOes segundo as quaes so unein dous d-
menlos, inventou Proust uoi dos principios mais
fecundos da combinoslo, a uniilo dos dous com-
postos extremos. Todos os graos do oxydaciio do
ferro, por exemplo, sito produzidos pela maior e
pela menor oxydacflo.
At entilo, p'ois, eran) os factos pouco numerosos,
e a thciria das proporgOes cbimicas era antes urna
ideia especulativa, como succedeu com Datton que,
por um singular esforc, quasi adivinhou os factos,
como vinte annos antes o havia feilo o Irlaudcz
Higgins, quo" seus contemporneos nfo queram
comprehendcr.equecm vio reclamou depois a prio-
ridade. Foi entilo que M Bezlius emprehenileu
essa immensa serie do trabalhos dmiravelmento
concebidos, e proseguidos coui tal constancia que
nfo pOde ser enfaquecida por quarcnla annos do la-
digas. Suas experiencias sobro os compostos do
enxofre o do flor considerados paralelamente aos
compostos do oxygeneo, o sobre a correspondencia
do enxofre esclenium, preparada pela do cheoroo
do iode cstabjalecida por M C.ay-I.ussac, concorre-
ram para dar um carcter particular a esse periodo
da ebimica.
As experiencias de Wollcslon sobre as proporcOes
do acido oxlico em as suas tres cmbinacOes com
a potassa, vicram completar, em 1808, a lei das
proporcOM UiUvUffaJr descwlrerUou adivinhadn por
Datton. Nesse mesmo tempo.descobrioM. Gay-Lussac
a lei da combinaclo das substancias gazosas em vo-
lumes iguacs ou em relaciio simples. Desde entio
foi geralmente adoptada a ideia da proporc.lo, dos
pesos c dos nmeros, essa ideia (juo lio tflo impor-
tante como as descobertas de Lavoisier sobre a natu-
reza dos elementos. Mas como a ideia de antago-
nismo ou dualismo as cmbinacOes continuasse a
dominar toda a sciencia, limilaram-so no comeco a
foi mular, segundo a theoria das proporcOes defini-
das e das proporcOes mltiplas, todos os compostos
que a principio tinham admiltido como definidos o
invariaveis pelo proprio Tacto da combinadlo. Sus-
peilava-se que compostos dos mesmos elementos o
as mesmas proporcOes podam ler propiedades
difTcrentes. Foi ao depois quo se recdnhcccu a exis-
tencia de scmelbanles corpos do composgiio idn-
tica, que foram denominados, -- compostos some-
ros.
Tambem se ignorava que a combinadlo fosse sus-
ccplvel do apresentar um grao de penetraeflo ou in-
timidade masou menos consideravcl, cemfitn, por
amor d'adopcao do principio do antagonismo ou
dualismo as cmbinacOes, tambem se nflo sabia
que os componentes, qualquer que seja o seti nu-
mero, pode m, em certas cmbinacOes, perder ao
um ponto tal seus caracteres individuaos, que a
junceflo, delles resultante, nflo obrara mais como um
composto binario, por exemplo, mas sim como um
novo elemento prvido do propriedades novas quo
exclusivamente lhe pertcncem, e que anda vanam
segundo o grao de eondensacflo de eus tomos.
Ora, entre os chimicos de nossa poca, M. Milln
he seguramente um dos quo mais teem comlfbunio
para fazer com que penetren) na sciencia estas
deias novas. Suas memorias anteriores, e mais que
tuuo seu Tratado de chimica or^ancv/.chatnarama at-
teneflo da sciencia para a difl'ercnca essencial que
existe entre os compostos por jutta-posi(do como os
saes mineraes cujos elementos podem obedecer a
todas as rcaccOes que se apresentam, eos compos-
to por penetraco intima como a maior parte dos
compostos do carbnico, do azote, o em goral de
todas as substancias cujos elementos obi am todos aq
mesmo lempo sem conservar as reaccOes, a cada um
delles proprias.
Na memoria de quo a principio fallamos, aprsen-
la M. Milln com toda a evidencia urna serie de factos
do isomera em relaeflo ao oxydo de mercurio que,
segundo o modo de junceflo intima de seus tomos,
da lugar? quatro elasses de saes : uns monoatmi-
cos, como o sulphale e o iodale, outros biatmicos,
quesflo um nitrato neutro o dous nitrales cidos,
anda que conlenham oxydo em peso bastante para
neulralisar todo o acido, se esse oxydo se adiar em
estado monoatmico; um acetato e um oxalate ci-
dos, c emfim una comlinacflo neutra do oxydo bia-
tmico com um nico equivalente de bichlorureto do
mercurio, considerado pelo autor como um verda-
deim acido Os saes da terecira classe, ou triatmi-
cos, sfloum sulphale, um ebromato, um carbonato,
tres nitrales e urna combinaeflo neutra com o bicblo-
rureto de mercurio. Os saes quadriatonucos, emhm,
sflo um chromato, um carbonato o urna combina-
eflo igualmente neutra com 0 bichlorureto de mer-
curio. .
As reaccOes que ligam, uns aos outros, todos os
compostos do cada urnas destas elasses sflo tflo posi-
tivas, tflo dislinctas comp as quo caraeterisam de
protosaesou bisaes de um mesmo metal; os dous,
tros, quatro tomos de oxfdo de mercurio Ucam int
Je.
mmente ligados de maneira a nflo possurem juntos
mais que o valor do um nico equivalente; sflo quan-
lidade chmicas iguaes. lio quasi assimque.cm chi-
mica orgnica, carbrelos do hydrogeneo que sflo
mltiplos um do outro combinam-so, isto nflo obs-
tante, com urna quanlidade constante, de chlore, aci-
do chlorhydrico, acido sulphurico, etc.
Urna segunda parte da memoria de M. Milln he
consagrada ao esludo dos compostos ammoniacaes
do mercurio; cujas singulares variacOes teem sido
Iflo mal interpretadas. A esso respeito, lembra elle
antes de ludo o tflo curioso lado da combinaeflo do
protoxydo do platina com o ammoniaco emduas
proporcOes dislinctas para formar duas bases, --
dous lcalis novo descube, los porM. J Roisct. Com
effeito, nesses lcalis teom os principios componen-
tes perdido completamonte suas propriedades habi-
tuaos para formaren) um corpo soluvel deliquoscen-
te, de um sabor caustico como a potassa, e succep-
tiveis de formar tambem com os cidos cortos saes
dotados das mais distinclas propriedades. Outros
muitos chimicos teem demonstrado que os oxydos
do prata.zinco, cobre, cadmium, nickel, etc., po-
den) tambem combinar-so com o ammoniaco pa-
ra formar novas baso e quo at muitos so com-
binan) em duas com tros proporces diflercntcs, islo
he, que um equivalente do oxydo une-so com um,
dous ou tros equivalentes do ammoniaco para de-
pois lgarem-se com os diversos cidos, a maneira
dos oxydos simples
Ora, cada urna das quatro agglomeracOcs dislinc-
tas do oxydo de mercurio, os oxydos moatomico,
biatmico, triatmico e quadriatomico, podo unir-
se em. particular com um equivalente de ammonia-
co, como se fossem oxydos simples. Lis pois urna
nova prova da exactidflo da theoria dos oxydos po-
lyatoinico; oM Milln fez, com elTeito, preparar
urna serie desaesammoniacos correspondente acada
umdosdiversos modos doagglomeracflodooxvilo de
mercurio. Tambem demonstra esse bello trabalho,
que om muitos dos saes ammoniaco pdc operar-se
a climinacflo d'agoa por mcio de um equivalente do
hydrogeneo de ammoniaco unido a um equivalente
de oxygeneo do oxydo. Do sorte quo iica o ammoni-
aco tflo incompleto no composto romo o he no oxa-
n.ido. Este relo curioso, que explica urna mulli-
dflo d anomalias.que se dflo ua romposigilo dos saes
ammoniaco de mercurio, parece ser o resultado de
urna maior eondensacflo dos elementos, aqualalias
ainda se pdc continuar pela elimantrjflo de um no-
vo equivalente d'agoa. Quanto aos compostos an-
logos formados pelo bicblorureto de mercurio fazen-
do este as vetes de acido, comprehende-so que a eli-
Rrinac&O do hydogeneo verifica-se no oslado clilo-
rydrico.
SOBRE OS COMPOSTOS DK ANTIMONIO.
Km suas experiencias sobre ouranium, observara
M. Peligot quo as cmbinacOes do sesquioxydo desse
metal so nflo efloctuaro segundo as proporces ml-
tiplas admittida por M. Horzlius. Foi, pois. levado
a suppr quo esse sexquioxydo faz as vezes de um
protoxydo: mas, emo relalorioannuo sobre os pro-
gressos da ebimica, M. Bezlius, repcllio fortemente
e lalvez com iniutca, esta supposicflo de M Peli-
got ; o, tondo feilo novas experiencia sobro osses-
quioxydos, para habilitar-so a defender sua opinio,
acaba do lr academia urna memoria em que procu-
ra provarque ooxvdo de antimonio deve ser exac-
tamente considerado como o resultado do sesquioxy-
do de uranium. isto be, como o resultado da oxyda-
cflo de um radical queja contenba oxygeneo eseja
formado do dous equivalentes deste gaz com dous
equivalentes desse metal. L'm dos seus pnncipacs
argumentos be composieflo do cintico
Na appellacflo entro ojuizo, o a viuva o mais her-
deiros tle Joflo Mara Seve, deram vista ao desembar-
gador procurador da corOa e fazenda
Na appellacflo entre parles, Jos Rodrigues
veira Lima c I). Ignacia Mara Xavier, desf-'
os embargos.
Na appell agito entro a vluva o filbos do finad
Caros Peroira de Burgos,e(eorge Kenworthy & Com-
panhia, confirmaran) a scnlenct).
Na appellacflo entre partos, Manoel Luiz Concalves
f, Jos Ramos de Olivcira, reformaran) a sentengn.
Na appellacflo entro partes, Joaiiuim Jos Barbosa
o o jnizo da provedoria da citlade da Fortaleza, man-
daram ouvir ao doutor procurador dos residuos.
Comnniiiicndo.
F. DujAnotN.
{Traducido.)
PERNAMB *CO.
TRIBl NAL DA RELACA.O.
JULCAalF.VTO SO PA 30 DE JANtlnO DE 1847.
(Desembargado!- de temana o Sr Cerqueira Leite.)
Mandaram-se dar vista asparles as segundes ap-
pell agOes :
Be Manoel Dias da Costa e seus irmflos, contra Ma-
noel Jos Ferreira.
De Manoel Jos doSouza Carnciro, contra Manoel
Ferreira Ramos. ____
De Vctor Antonio deFrcitas, contra Jos Ignacio
deHrto. ,. .
Me llazilo Alvos de Miranda ^areJlO, contra Mana
Rosa do Carino.
De Jos Ferreira como administrador de sua niti-
|bor, contra Helena Mara de Jess.
De Antonio Ferreira Xavier de Vasconcellos, con-
tra Joflo Manoel Das c sua inullier.
De Joflo Rodrigues dos Santos e sua mulher, con-
tra Joaqun) Nunes dcMagalhflcsosua mulher.
Na appellacflo evel, entre parles Manoel Antcro de
Souza Res e Joflo Anastaco Dias, mandaram dar
vista 10 doutor curador geral
No recurso entre partes, Victorino Joslesreira
e ojuizo, confirmaran) a sentenca.
Na appellagflo eulre partes, Luiz Jos Concalves
Couto, Manoel da Paixflo Moreira o Joaquim da Silva
Peieira, mandaram cumprir a sentenca sem embargo
dos embargos.
Na causa entre partes Bernardo Antonio de Miran-
da esua mulher, contra Manoel Goncalves Servina,
eceberam osartgos do habililagflo.
Na appellagflo entro Lenoir Pugct & Companhia,
e a fazenda geral, mandaram ouvir ao desembargado!-
procurador da corOa e fazenda.
Ilt" i|o^la no artigo em quo, no Diarlo-
Varo le i9 ilo pnssixlo. fovnm unnly-
siitlns as rcpi'i'senliixot's oiitiiiercln! drstii i>fnga ceven iln lie*
conveniencia do i-emabelcclnicnto aa
liispeocotlo VMnUCnr' alffoilo.
O artigo editorial acerca da inspeceflo do assucar,
publicado em o Diario-Novo de 19 do mez ultimo
heiim desses documentos quo dispensam toda a es-
pecio da refutaeflo ou commentario; porquanto a
m le das opinioes e n ignorancia dos factos ah so
revelam em tatnanho vulto que nflo hajjior ventura
algucm quo nflo sai ha quo a creagflo da nova inspec-
gflo nflo levo oulro lim sen.lo o accommodar alguns
amigos necesstados, e pagar algum sorvigo feito as
influencias da legislatura da provincia em conjunc-
lura crtica ou conflicto arriscado. Km verdade, de-
pois que as rasOes expendidas na roprcsentac!i<|rua
assoeacflo commercial sobre esto assumpto, pela sua
cfareza e evidencia, ganharftm todos os nimos, o
convencern) todos os espirito, urna deploravcl ver-
dado ficou subsistindo na opinflo geral que nflo po-
de ser abalada nem pelos sophsmas nem pela arro-
gancia da folba ofiirial. liste, verdade, ei-la: os Pcf-
numbucanns eapoeinlmnnlc s ngrioultorrs sfo (ilu i-
gados : 1., a Contribuir para as despozas do oslado,
na forma da constituieflo : 2., a manter por rifoio de
contribuidles especaos a lodos aquclles que se de-
clarem em prol das influencias do da, sejam quaes
foremascondigOessocacscniquesc ellos acharem
collocados.
Lsie estado de cousas evidentemente nflo pode a-
gradar por oneroso c tyrannico a classe j tflo oppri-
mda c malquista dos eonlribuintes em geral, o dos
lavradores cin particular; mas o que be verdade nflo
monos sentida o apalpada be que um tal systema do
pagarservigos particulares com os haveres da pro-
vincia, he niui commodo e mu ventajoso a todo
qantos receben) tacs servigos, e precisfio delles
para conservaros postos polticos que urna vez con-
quistaran) por diversos modos e arles: estamos
mesmo certos de que os fautores c encomiastas do
urna tal ordem de cousas, sao os primeirtJIPeni es-
carnecer da simpleza o creduldade dos agriculto-
res, e que ao encontrarcm-se uns com os oulro, nflo
pdenlo doixar de soltar recprocamente um riso a
maneira dos astutos agotirciros do Boina.
Desarmado completamente dos necessarios recur-
sos para entrar com vanliijcm na lula'do una dis-
cussilo comedida c proveilosa sobre a ulilidade da
nova creagflo, e mais anda destituido de rasos nlau-
siveis ede argumentos concludenlcs para combater
os solidos fundamentos, em que a associagflo com-
mercial cstnbava sua patritica supplca a presiden-
cia da provincia; o autor do artigo que nos oceupa
enteodeuqtiedeviaencher oco da sua argumenta-
gflo com sarcasmos de mao gosto, eeom injurias fe-
rinas : ei-lo pois que se arremessa ao corpo do com-
inerco com desusada sanba, e em sua bombstica
declamadlo o acensa de falsidade c mentira.
Por corto, o celebro inveni de Archimcdes nflo foi
proferido com mais ardor o cnthiisiasnio do quo a
descoberta da suppressflo do artigo 3." do projecto
que creava o imposto de CO rs. para cada sacco de
assucar! Qual os compositores esteris que reprodu-
zem o mesmo ponsamento musical em todo o decur-
so de una partitura, o autor do artigo em cada liulia
intercala sua descoberta, c cuida assim refular o que
foi demonstrado mathemalicumesfc na represonta-
gflo em quesillo, lie verdade, c vdplade confessada,
quo a associagflo commercial representou contra a
creagflo da referida laxa deCO rs. por sao o de as-
sucar; he verdade tambem que no projecto definiti-
vamente adoptado e convertido coi le nflo existe a
disposigflosupra-dita. Masquen) nflo ve que,tendo
sido CSla presentada, discutida c approvadaem se-
gunda discussilo, s por engao, ou equvocagflo so
suppoz subsistente ? Quem tflo pouco ignora que, son-
do o corpo to coinmercio per extremo onerado dos
trabalhos c occupagOes pruprie/ do seu laborioso
trafego, deva ser desculpado plenamente de taes en-
gaos, de taes erros ?
Quem nflo observa emfim que a imputagflodc fal-
sidade tirodigalisada no ai ligo a urna classo que Jan
lauto direito a consideragao publica, e por uihfln-
tivo tflo especial c juslilicavel, resolve-se em'uma
injuria atroz, em urna provocagflo brutal, devida
una o oulra ao despeito causado pela defesa dos in-
lercssesda agricultura quo se pretende opprimir e
vexar em prol de algn individuos desta cidadcl'
A laxa deGOis. eincada sacco de eesucar fazia par-
to do projecto, e aliavcssou inclume as discussOes
do mesmo, e s foi suppi imida em a ultima, isto he,
quando o foi ello definitivamente adoptado: eiso
motivo mui natural do engao da praga, e de muta
gente nesta cidade. Nflo maravilha pormqueaee-
- commcrcial cabisso em tai equivoco: o quo
MUTILADO


&
ern verdade espanta, o espantar c todos, menos ao
D/ario-Nom e aosseus amigos, he que o presidente
da provincia enllocado eni urna UI iimnim-ucia ad-
miniatrativa, devondo arnmpanhar, como Ihe com-
pre, o andamento dos Ira hlitos dti assembla provin-
cial, ee ni bm temi ja sollado com a sua sanceflo a
IBelleaclo, ignorasse rom a associagflo a climimi-
gnf> ilo artigo, e procuras.* convencer a eommissflo
ac da sua sem-rasflo no ponto quoslinnadn,
Wtoio por mostrar con: argumentos que Ihe oc-
rm, que nenhumadesigualdade havia entre o
tUMKodefio rs. em sai roe 160 rs. em caixa Oque
espanta he que a mesmu iiutoridade permanecesse
cm seu erro at o momento de despachar a repre-
scntaQno-jnndqj^JAseu indeferido, qnando outro
devra ser o ilespacho, so por ventura hornera <<>-
nhecidOTi^Rfctino etn que laborara A vista desta
observagflo sera nimia a praea mentirosa ? Ou sc-lo-
ha tmbelo a presidencia da provincia? Ao Diario-
Novo cabe etlica reste ponto; e nos esperamos quo
o faca com aquella conocencia e reetidflo que sos po-
dem acreditar urna redaogflo.
Encela*D autor do artigo a demonstradlo da utili-
dade da inspeceflo por un cstranho iiicthododc ar-
gumentagflo; e a proposito de agricultura e do as-
sucar se ergue elle a transcendental altura das on-
sideragoesphilosophicis sobro a origem das socie-
dades civis, e da perfeclibilidade humana. Nflo ac-
coajpa libaremos nosso anlagonisla em seos vns a-
O'i'lwos. para nao di^ernios em sua farfalhada po-
lan>jjp; porque julgamos toda essa impertinente
fraiflllagc tilo applicavel aocaso romo por exomplo
o serrana descripgflo do Nigara ou os clculos do
novo planeta Lcverrier.
Quanto, porm, o vol por elle manifestado de
constituir por meiode rngulamentos a agricultura
em urna situagflo indcpcmlenleedesassomhrada, re-
leva observar que a nussa lavoura s reclama dos
poderes nacionaes algum allivlono pesado grvame
3ue supporla, e nflo medidas ou leis protectoras que
e nada Ihe serviriam; pois quo collocada as con-
digcs de qualquer oulra industria, ella s aspira po-
der marchar deseinpecida e sem estorvos, taes quaes
esses que a inspecgflo criou em favor de alguns em-
pregados, o nflo della, como ora se quer inculcar.
4 Seos interesses da agricultura morecesseni a mais
leve coittemplagflo da parle da actual assemhla pro-
vincial, por certo esta rtflo houvera diminuido os re-
cursos do thesouro dtV provincia, conCMlcndo am-
plsimos ahaliinentos sem o menor vislumbro de
jastica aos conlractadores do dizimo do gado, alim
de favorecer alguns amigos, e o que mais he, alguns
memhros da mesnia nssembla ; nflo houvera foi lo
reyiycr contra todas as dispnsiges conslitucionaes a
celebre laxa das balancas de pesar assucar da c-
mara de Olinda, em prol do seu hemaventurado ar-
rematante; nflo houvera creado novas obriga?es
pecuniarias rm daino da fazenda provincial para
proteger um ou outro professor sem direito; nflo
houvera cmfim creado a nspeceflo em questflo para
ompregar 29 alilhados seus com o cresrido dispen-
dio de mais de 12,000.000 de rs. por anuo; tudoeui de-
trimento dos lavradores que silo os principis contri-
fouintesda provincia, os quaes em ullimo resultado
terflo de encher o profundo vacuo que tito desassisa-
das piodigalidade-s hflo de necessariaiiiciile operar
na receila da provincia.
Proteger agricultura, maniendo as taxas onero-
sas, que sobre ella pesam, e .lespendemlo a fortuna
publica em beneficio do alguns amigos, lie urna iro-
na amarga; lie mais anda : he um escndalo revol-
tanle!
Pioseguo o autor do artigo em sua demonslracflo
narrando as circumslancias eos incidentes que a-
companham a venda do assucar no nosso mercado,
econdemna como o maior de lodosos absurdos o
arbitrio do comprador na qualificaco do genero que
compra. Toda cssa historia do assucar he um roman-
ce que s serve para testemunhar a ignorancia cras-
8a de queni oescreveu ; e s por nialigiiidade ou es-
carneo pode elle ser infiltrado no crdulo animo do
nosso adversario, pois que nflo se pode presumir que
scientemenleellc se arriscasse a receber o desmen-
tido formal que tal Tabula provoca.
Aceitando, porm, como verdadeira essa narra-
Sao, ci.mpre-nos ponderar ao seu autor, que se ha
rasflo no caso presente para crear-se urna inspecgflo
que queque o genero, c proscreva o arbitrio ao
comprador; entilo militas outras inspeeges se de-
vem erigir para casos semelhanles. Quem nflo sabe
porexemplo que quasi todo ocommercio de impor-
tacfio he reilo por meio de consignatarios, e longe da
vista dos especuladores que remeltem seus gneros
de outras praeas mais longinquas, que o nosso nle-
noii E quem ignora que esse commercio rompre-
hende una prodigiosa multidflo de artigo* diversos
em manufactura, e diversos em qualidade?
E porque os inleressados estilo longe do thealro
da venda ser necessario organisar uina inspeceflo
para cada um producto? Ja nflo ha boa fe no com-
mercio?
Nflo ha mesmo um nteresse mui licito da parte
do consignatario para desafiar seu zelo em prol doj
r^^r:.^Mu-ie" "!m.i^do -!"?.""- w**+ w*mz
senflo fra um absurdo em lgica. Pois a prova da
necessidade de uina cousa he havera mesma cousa?
'""* W'rov" (' um homem precisar de pilo he ter eU
topAo? Isso heuma qualifirada vesauja,; isso he l-
gica smenle de um hospital de Inucos'
Ocommercio' linha-se concertado com a agricultu-
ra acerca da orgaiiisacn de urna inspecgflo sem ca-
r olor olliial, o mellmr chamada eommissflo de ar-
bitros: esla inspeceflo nenhuma frga tinha obriga-
loria, e a qualquer era licito subjoitar-se ou nflo as
aun oporacoes : por este motivo a contribuieflo de
t(0 rs. por caixa d* assucar tinha urna natureza to-
da voluntaria e cxponlanea.
Ocommercio nfloprecisava de oulra nspeceflo e
nema pedio ; requereu sim assembla provincial
a abolicflo da mitiga taxa que fra destinada as des-
penas da inspeceflo ; e i legislatura da provincia tilo
zelosa como he pelos interesses da agricultura des-
attendeu com desdenhoso acinle a representagflo
da praea, e emfim creou essa inspeceflo que se orga-
nisa com parlo do 30 empregados, o mediante urna
crosoa despoza : negar o que o commercio pede, e
d.ir-lhe o que elle rejeila podeser mui vantajoso ao
Commercio ; mas mo tem sem" duvida as feigoes de
um beneficio, antes se antolba como um acto de ver-
dadeira hoslilidade aos interesses das duas fon tes
principara da riqueza publica.
Kslranha a follia ofllcial, que a praea cmsua repre-
SenlacSo presidencia asseverasse que nenhum en-
cargo pecuniario soffrra o thesouro com a inspec-
eflo particular, quando lio sabido que as despenas da
mesnia sohcm a perlo de 3:000,000 de ris ; e por es-
ta occasiilo faz contra aquella respcitavcl corpora-
Cflo urna nova explosao de injurias.
Mas nflo observou o apaixonado ou ignorante es-
criplor queadespeza de tal inspeceflo est toda a
cargo do commercio e da agricultura, e nflo do fisco,
que, recebando a laxa, cuja abolirn foi pedida, co-
mo cima Moa exposto, a coiiverteem ramo de recei-
la provincial; sendo perianto evidente e indunita-
vel oomo bein ponderou a associacflo em sua repre-
senlaciloj que a nova inspeceflo alem do ludo o mais
era enti-economica, e ataca a receila publica, exi-
gindo o dispendio ile t2:000,000 de ris, que at aqui
tem ficado no thesouro como ramo de receila arro-
cadada. Duvidar anda a folha offlcal da cxaclidilo
deste tacto ? Sustentara anda que a sua inspeceflo
de 12:000.000 doris he mais econmica que a de
3:000,000 de ris, os quaes nao sahiam do thesouro ?
Nasquesloesde partido, as lulas polticas pde-se
chamar patriotismo o que he egosmo refinado, vir-
lude o que he vicio, liberdade o que he oppressflo, e
pa hoinens avcnliireiros caininham militas venes aos
seus ins por meio desses ardis, eda fascinaeflo dos
incautos ; mas em coimnercio todas as questes se
reduzem a termos arithmcticos, o por mais que se
diga que a despena de 12:000,000 de ris he nielhor
quo a de 3:000,000 (se he que despeza ha de 3:000,000
de ris,, ah esla u evidencia dos algarismos para ar-
rancar a mascara ao embuste, e condemnar ani-
madversflo publica aquelles que por nleressesomon-
te de partido Iriliutam as industrias do paiz, oneram
o trabalhoein favor de29 ociosos, c violenam ola-
vradora pagar para manl-los.
Fiel ao seu syslcma de menosprezar os interesses
do commercio, e de desacatar as pessoas que o exer-
cem, a folha ollicial exige a exilfbicfi do mndalo
que a associacflo desempenhou quando Organisou a
inspeceflo particular, a apranimeiito dos agriculto-
res, e represenlou em seu nome. Se bein urna (al du-
vida envolva urna injuria, que nflo merece resposta,
por atacar a t de una corporaeflo que a tem, que a
merece, nflo he fra de proposito lembrar ao Diario-
Novo que aquella leliberacflo foi tomada em vii lude
de urna conferencia publica, a que assistiram alguns
agricultores; que curreram auiiuncios as folhas
desta cidade, sem que at boje apparecessu urna rc-
Clamacffo; queoanligo presidente ila asSoeiaeSo,
competenlemenle aulorisado por muitos lavradores
leve parle nosseacto?que osSonhoies Manoel Gon-
ealves da Silva, Joflo Pinto de Lemos o outros repre-
sentantes de muitos, tambem a elle deram seu assen-
limenlo, e que muilos outros fazemleiros por caria
dirigida a associacflo lambcm anuuiram a esse expe-
diente. 8c tflo considcravcl massa do interesses agri-
colos nflo representa os da maioria, sera vossa voz
(Vaca, solada, apaixonada e descouhecida quo a re-
prsenla ? Coiilundi-vos e nflo desassocieis mais;
nem continuis a justificar um aclo de caraclerisado
patiouato cm detrimento dos interesses verdadeiros
do pain que haveis atacado com a vossa nova crcaeflo.
Knlre as verdades ncoiileslaveis, consignadas na
representaeflo da associaeflo cominercial, urna exis-
te de tanta evidencia pralica, que nflo pode serdes-
oonliecida ou impugada senflo pela ignorancia a
mais eonsummada, ou pela ma f a mais robusta :
refermo-iuis a iuulilidade piovada da inspeceflo no
que loca a liscalisaeflo c arrecadaeflo das rendas.
Para que porm no artigo quo combatemos, todos
os absurdos e lalsidadcs eslejam em exaclas pro-
porcOP8 e perfeila concordancia, aquella assereflo
mesma foi contestada.
Repetiremos o queja urna vez assevermos : as
imprensa, he
pcrmitdosopliMiiarcom maisou menos vantagem,
porque toda a rasflo pode parecer boa, e mudas ve-
nes a vehemencia da phrase esconde a necessidade
do conceilo ; mas lias questes positivas ede facto,
tanto mais avullada quanto mais altamente reputado
o genero?
E se o comprador, segundo as exigencias da pro-
cura, eslabelecer o preeo do genero, nflo pode tan.- ,
bem aquilatar-lhe a qualidade i1 E sera *-'
grande absur
car-se urna veml
so e o aecurdo
econoinia pol
trocas dala s
civis aondefoirfihP ia" n.T<"?.'.......:'' "v".""uc:' fynu uiinciiro uo numero, quaiiuae o peso,
mi^no^ne^tut^u^"^ ",'vll,e"' ul" rimbo cmlim, necessariamento dever
2a ifi^L seu artigo P-cixcmos, po- cessara fraude pral cada de se emba.carem Mr
toXfc^Vave^,S^:*rd'n,M,0,-f laC" eXeml0> mil sacC!i',r meiodc mndespacho'd
ios. lie lalso que as \eqdas do assucar se verifiquem 500 rnenle.
"umero de saceos e com a mesma inspeceflo em
Prejuizo dos direitos nacionaes ? A inspeceflo nada
tem com a fiscalisa^fio, nem com a arrecadaeflo das
rendas de exportaeflo pela sua nenhuma connexflo
com a mesa do consulado, e porque esta repartieflO
conforme as disposices do seu regulamento quali-
fica o assucar por meio de empregados seus, e deduz
as direitos nacionaes, segundo as bases da sua qua-
lificaeflo, como tudo se acha confirmado pela deci-
sflo do inspector da thesouraria geral em solueflo
da duvida proposta pelo administrador do consu-
lado.
Oque nicamente pode evitar o contrabando, o
segredo do remedio est em urna cousa bem simples
sejam o mrito provado, a liabilidade professional
eaprobidade as condieOes nicas para nomeaeflo
dos empregados; nflo se consinta que esses mesqui-
nhos enredos, quechamam poltica, nem que esse
minaiauro, quechamameleicflo,invada o recinto das
repartieses fiseaos; cas rendas publicas serflo bem
arrecadadas, e o servco do estado ser feto com re-
gularidade, e a intelligencia so desenvolver pela
pralica e pela seguranga do seu futuro, e o paiz sera
feliz, o lera ordem e paz.
Para mostrar a inopportunidade da representado
dirigida A presidencia pela associaeflo commercial,
a folha ollicial censura severamente a mesma asso-
ciaeflo pela sua omissfloem nflo representar -assem-
bla provincial contra a instaurae-to da inspeceflo.
Ou o autor do artigo ignora completamente o que se
passou, ou tem o proposito de mofar do publico.
Que i'oiisider.icao mcreceu da actual assembla pro-
vincial a represenlaeflo da praea acerca dovexatorio
processo da cobranea do imposto sobre bebidas es-
pirituosas? Oual acontemplacilo em que tomona
representagflo contra a inconstitucional e absurda ta-
xa das balaneas de pesar assucar da cmara de 01 lo-
ria ? Que deferimento leve a representagflo em que
se poda a abolirn do impstoto de 160 rs. laneado
sobre caixas de assucar? Nflo vio a praea, o nflo veem
todos um verdadeiro acinle na rejeigflo edesprezo
de todas cssas represenlaces ? Que pois tinha mais
a esperar ocommercio de urna assembla, que se
havia declarado em aberta hoslilidade contra si e
contra a lavoura? O nico recurso querestava, elle
oempregou; recorreu ao poder sanecionador: in-
felizmente foi mal succedido e osera semprc que os
seus interesses estiverem em conflicto com os de al-
guns individuos, que tanto se hflo aventajado as lu-
las dos partidos polticos.
De tudo quanto acabamos de referir deduz-se que
as consideraeos expostas na represenlaefloTla praea
subsistem em toda sua frca e solidez, oque tudo
auanto a folha ollicial publirou para mostrar a utili-
ade da creaeilo da inspeceflo, nflo pode produzir
outro effeito senflo o depatcntearo flm particular e
nflo publico, que seteveem vista nacreaeflo eor-
ganisaeflodaquella repartieflo, que na ordem admi-
nistrativa ou fiscal ficar subsistindo por si s, e para
i* t, a maneira de urna dessas columnas soladas do
deserto; pois que oslamos persuadidos te o facto o
mostrara sem duvida) deque seia igual for a nature-
za dos trabalhos, eodesempenuo de suas funeces,
as qualificaeOes por ella estabelecidas nenhuma in-
fluencia terflo as trausaecoes do commercio, que
saliera regularsuas vendas ccompras deassucar,nflo
pelo arbitrio de urna reparlieflo nascida debaixo de
taes auspicios, mas sim pelas docisdes da inspeceflo
particular, que he da sua conlianea oque basta para
salisfazer as exigencias da praga neste ponto parti-
cular.
Em face de tudo quanto fica expendido, profiraa
folha ollicial quanlas injurias quizer contra o corpo
do commercio; descreva-o como Ihe parecer, anima-
do de cubica srdida, e excitado de egosmo vil;
considero como Iheaprouver a inspeceflo particular,
como urna machina de interesses illiciios; prodiga-
ise embora a negociantes respeitaveis o honestos
esses epithetos affronlosos de traficantes e monopo-
listas; fique porm corto deque todos esses tiros da
malevolencia o da ira nflo podem elevar-se a altura
em que esta collocado o corpo de commercio do Per-
nambuco, c apenas podem ferir em sua rasteira di-
recgflo algum banca-roteiro fraudulento, que Ihecs-
teja mais prximo.
P
Siza de 5........ ........... f 5s,ooj
Emolumentos de certidoes......... ^^
Multas....................... *75,97$
RestituieOs.................... *72,05o
Depsitos existentes.............. a:0tJ,Oi
Pivertai provincias.
Dizimo do assucar da provincia das Ala-
gas .'.................... 2:578,88|
Dito de dito do'Rio-grande-do-Norto. io,s9|
Dito doalgodfloda Parahiba......... 95AU
Reniimenlo provincial.
Dizimo do algodflo.............. 81,3M
Dito do assucar................. 28:096,8a4
Dito do caf
Dito do fumo..................
Taxa de 40 rs. por sacca de algodflo. .
Dita de 160 rs. por caixa de assucar.. .
Dito de 40 rs. por fecho de dito.....
Dita de 20 rs. por barrica e saceos de dito.
10.7JS
31,151
23,980
4,58
4,5
:873.1
114:559,733
Pernambuco, 31 de Janeiro de 1847.
O administrador,
JoSo Xavier Carneiro da Cunha.
PRKQK DO RECIFE, 30 DE JANEIRO HE 1847, AS
TRES HORAS DA TARDE.
REVISTA SEMANAL.
Cambios Fizeram-se IransaceSes avultadas sobr
Londres durante a semana e a 29, 29 i, e
algumasa20d p. 1,000 rs.
Assucar --Enlraram 807 caixas e ha abundancia da
saceos: os preeos afrouxaramalguma cou-
sa, londo-se ltimamente vendido a9tt
rs sobre o ferro por arroba do encaixado;
de 1,800 a 2,250 rs. a arroba do embir-
ricado e ensaccado branco, o 1,400 ra,
o mascavado dito.
Algodlo -- Rereberam-se do interior 418 saccaj
tendo-se vendido no principio da semina i
a 6,600 rs. a arroba de 1.' sortc, em con-
sequenc'ia de melhores noticias recebidas
de Inglaterra ; porm hoje foi menos pro-
curado, e fizeram-se vendas a 6,500 rs.
Ago'ardente Vendeu-se de 48,000 a 50,000 rs. i
pipa.
Couros Sem alteraeflo das ultimas notas.
Azeito de peixo Vendeu-se a 1,050 rs. o galflo.
Ilacalho Chegaram tres carrcgamenlos, dos quaes
um seguio para o Sul, e dous foram ven-
didos a 10,800, 10,900 e 11,000rs., eso
est retalhando de 10,000 a 12,000 rs.
Breu Vendeu-se a 4,500 rs. o barril.
Carne-secca -- 0 deposito he do 26,000 arrobas inclu-
sivo um carregamento entrado nesta se-
mana, as vendas feitas regularam de
1,000 8 3,000 rs. a arroba.
Farinha de trigo Sem alteraeflo.
Farelo Nflo ha.
Sal Vendeu-se a 260 rs. o alqueire novo.
, Entraram depois da ultima revista 8 embarca-
Qfles, esahiram 18, existindo hoje no porto 55:sen-
do 3 americanas, 19 brasilciras, 1 dinamarqueza, l
bospanlila, 13 inglezas, 1 norueguense, 5portugue-
zas, 6 sardas, 5 suecas e 1 hamburgueza. '
O mercadocontina a resentir-se de falta de cdu-
las miudas, que bastante transtorno tem causado sos
vendedores a retalho, e teem-se tomado de 3 a 5 por
cento de premio sobre as de maior valor.
Ulovimento do rorlo.
COMMEftCIO.
Alhiiuleja.
REND1MENTO DO DA 30 DO PASSADO.
DESCARnECAM HOJE 1."
Brigue Gaiellebacalho.
Brigue-fi'/ fumo.
Calera5erapAtnamercadorias.
Iii igueCouiad -idem.
IlrigueMastppa bacalho.
RENDIME.NTO NO MEZ DE JANEIRO DE 1847.
Rendimento total................272-889 853
Restituyes................... 433^41
he depositado em um armazem : ahi he elle pesado e
Jurado ;e a amostra que resulta do furo he levada a
presenga dos inspectores quo a qualiflcam ; e cm
urna nota se consigna a qualidade do genero, a mar-
ca do engenho, o numero, o peso, a Ura e o nome do
armazem em quo a caixa estu depositada lie a vista
desta nota quo so fazem as grandes operaeOes de
compra o venda do assucar nesta praga ; e muitas ve-
Masyccede que grandes compras se rea I isa in sem
qus o comprador veja o genero que compra. Se he
esto o fado, como lodos sabem e podem alteslar
que valor e procedencia fica leudo o raciocinio do
nosso antagonista, deduzido da fbula quelite ino-
cularan! ? Porque caminlio vai ja Iransviada a de-
moiistragflodaulUidade da nova inspecgflo? Quem
souberdeseiiredir-seemuiiilaliyrintho, queso ar-
risquen scgui-l;x|uc nos prelirimos eselurecer ou-
tro ponto.
Diz o nosso adversario que prova man Cesta de
que havia nece.s,iadc de urna inspeceflo nova he ha-
Tja uina. Este argumento seril mui conveniente
as barricas e saceos, que sahem dosarmazens, para
serem embarcados levam o requerido dittinclivo de
firma do armazem, designagflo tic qualidade do as-
sucar, indicagflo do peso, o at o numero do expor-
tador em mullas occasios; e nflo obstante, subsis-
te o contrabando segundo allirma a folha ollicial.
He pois para por carimbo nos saceos e barricas de
assucar que Coi creada a inspecgflo ? Se o Coi para
desempenhar essa nica funceflo mui econmico o
vantajoso Cora para provincia que se abolase seme-
llianio reparlieflo, e que os seus empregados pro-
(urassem em qualquer especie de trabalho indus-
trial meioslicitos de subsistencia sem oiterar a agri-
cultura com a crescida despeza que tal creaeilo oc-
casiona. Mas quando mesmo taes precaueOes nflo
tenham sido adoptadas, e a inspeceflo caiba a glo-
ria da invenefio do carimbo, pensa a Tulla ollicial
que o problema da liscalisaeflo da renda licara satis-
Direitos de consumo..............
ReexportagAo..................
Expediente dos gneros do paiz, 4porc .
Dito dos ditos com carta de guia, 5 por
cento......................
Armazcnagem de mercadorias.......
Dita da plvora v...............
Premio dos assignados........ ... !
Emolumentos de certides........,'
Multas ., ..................
Rs.,
Oescrivfloda alCandega,
Jacome Gerardo Alaria Lumachi de Mello.
Consulado.
RENDIMENTO DO DA 30 DO PASSADO.
Gera!- ...........2:779,118
Provincial........... 888,683
Diversas provincias....... 117 369
___ ___ 3:785,170
RFNDIMENTONO MEZ DE JANEIRO DE 1847.
de 7 por cento.......... 73:272,006
Navios entrados no dia 30 do passado.
Macei ; 30 horas, galera ingleza Columbas, de 319
toneladas, capitiio Daniel Creen, cquipagem 21,
carga assucar e algodflo; a Me. Calmont &Com-
panhia.
Parahiba ; 28 horas, hiatc brasileiro Espadarte, de27
toneladas, capitiio Nicolao Francisco da Costa,
equipagem 3, carga lcnha ; a Joflo Pinto de Lemos
Jnior. Passageiros, Manoel Jos do Meileiros, Ma-
noel Medeiros Carvalho, Joaquim Concalves Cs-
elo, Rrasileiros.
Charbourg (Franga); 32 das, brigue sueco Stcea, do
27 toneladas, capitiio Ceorge Godberson, em las-
tro; aJamesCrabtree Companhia.
Navios sahidos no mesmo dia.
Trieste; polaca austraca Abdel-Kader, capitflo Beg-
gio Dolile, carga assucar.
Baliia ; brgue-escuna brasileiro Laura, capitflo An-
6:855 965 tonio Ferroira da Silva Santos, carga gneros do
paiz. Passageiros: Manoel Pacheco da Fonseca,
Portuguez ; Jeronymo Scbiotino Joflo BaplisU
Bueno, Sardos.
Rio-Grande-do-Sul; brigue brasileiro Competidor,
capilflo Feliciano Jos Comes, carga assucar c mais
gneros Passageiros, Domingos da FonsecaSoK-
res, Jos Vianna da Silva e 19 escravos a entregar.
Una; hiato brasileiro S.-Antonio-Flr-do-Hio, capitflo
Thomaz Comes de Alineida, emilastro.
Cenova ; polaca sarda Niarco, capitflo Vicente Fer-
reira, carga assucar.
Liverpool; brigue inglez Jamaica, capitflo Thomis
Silkirk, carga assucar.
272:456,412 ldem "'era ingleza Columbas, capitflo Daniel Groen,
carga a mesma que trouxe.
Navio filtrado no dia 31.
Acarac; 13dias, hiato brasileiro Mara-hirmi*x
de 129 toneladas, capitflo Joflo Bernardo Roza,|
quipagem 11, carga varios gneros; a JosAnll
nio Basto. Passageiros, Domingos Jos Pinto Bra-
ga, com 1 filha e 3 escravos, Antonio Francisco da
Silva.
Navios sahidos no mamo dia.
Liverpool; barca ingleza Ospray, capitflo W. Williams,
carga assucar.
Copenhagem ; brigue dinamarquez FJita, capil*>
272:456,412 H. J. Jorgemson, carga assucar.
Observacdes.
Fundeou noLamcirflo (noilia30) para acabar do
carregar a barca norueguense Mermes, capitflo Lars
Darsning.
Sabio as 2 horas da manhfla dw dia 31, em eommis-
sflo dogoverno, o brigue-escuna de guerra Fidehda-
oe,commandanteo.l. lenteLuizda CunhaMoreira.
Editaes.
268:361,016
1,720
31,065
138,870
285,878
53,437
3:564,592
12,480
7,354
Consulado
Dito de J
Ancoragem para Cora do imperio .
Dita para dentro do dito.......
Sello lixo
24,627
4:918,610
303,345
LISTA DOS CIDADXOS CUALIFICADOS l'F-LA JUNTA
REVISORA, EM 15 DE JANEIRO DE 1847, PaRA JUI-
ZES DE FACTO.
(ContinuacSo do numero 22.)
381 Jos Thomaz de Freitas.
382 a Ignacio da Assumpgfio.
383 Ignacio Firmo Xavier.
384 Joflo de Freitas liarboza.
Cactoriamente resolvido me lianle o citado expedi-
ente ? Pode em verdade a inspecgflo com lodos os'Si
recursos, que Ihe da sUa le. eseu regulamenlo, evi- Dito de conheciinentos .* S'SS ?& M'u"/.'-"n-
Ur arepeligflo de um segundo embarque de gual|l)ito de ttulos........
,800 '387

mutilado!
Joaquim Bezerra Cavalcanti.
dos Santos Nunes de Oliveira.


393
39 <
::i". "
396
397 (l
.198 (1
399
400 ((
?01 '(
402 N
403
j8g joffo Manoel Mendesda Cunha Azevedo.
38 Dr. Joilo Domingues da Silva.
390 Capitno Luiz Antonio Rodrigues de Almeida.
391 Luiz Francisco de Mello Cavalcanti.
392 Joao Diniz da Silva.
Francisco do Oliveira.
aegis dos Anjos.
Joaquim de Figueiredo.
JosGoveia.
Manocl Miguis.
RiboirodeCouto.
Maria de Carvalho.
daMatta de Miranda Castro.
Nones da TrindadeFalcflo.
I'achcco Alves.
da Silva Lou re ro.
404 Joaquim Antonio de Castro Nunes.
405 Major Joaquim Ignacio do Carvalho Mondonga
40fi Joaquim Jos da Silva de Sant'Aiina.
407 s Lucio Mnnteiro da Franca.
408 Manarle Carvalho.
409 l'ercira Bastos.
410 a de Pontes Marinho.
4(1 Tenente Joaquim da Silva Reg.
412 Joaquim Xavier Ferreira de Oliveira.
413 Ignacio Francisco da Silva.
414 dos Reis Campello.
415 Jezuuio Jos Tavares.
416 Jos licrnardino de Sena.
417 Cunegundes da Silva.
418 Fernandes da Cruz.
41 Francisco dos Santos.
420 Coronel Jos Gnedes Salgueiro.
421 Jos Gucdes Salgueiro Jnior.
422 Higino de Souza Peixe.
423 Jaointho dos Santos.
42i Joaquim Ignacio Peroira Dutra.
425 Jos Machado Pimental.
426 Marcellino da Costa.
427 Maria de Jess Muniz.
428 do l'inlio Borges.
429 CaplSoJosRabelloPadilha.
430 JosdeSant'Anna.
431 dos'Santos l.ages.
432 da Silva Pavflo.
433 Virissimo dos Anjos.
434 Marques Vianna.
235 Joilo Policarpo dos Santos Campos.
436 Dr. Jos Rodrigues dos Passos.
437 JoslhiarteRangel.
438 Cantillo de Vasconcellos.
439 Joilo Paulo de Souza.
440 Coronel Jos Peris Campello.
441 Jos Francisco de Barros Reg.
442 Joao I.uiz Cavalcanti.
ley.

443 Joaquim Mouricio Wandcrle
444 Caneca do Al
445 JosThomaz Dutra.
446 Luiz Francisco do Reg Barros.
447 Jos Nunes de Castro.
448 Vctor Lieulhicr.
449 Rodrigues Sette.
450 de Carvalho Paes de Andrade.
451 l.ouronco Jos de Moraes Carvalho.
452 Laurcnlino Antonio Perciba de Carvalho.
453 Dr. Lourenco Jos de Figueiredo.
454 Luiz Antonio da Silva Borges.
455 Carlos da Costa Campello.
456 Antonio Alves Mascarenhas.
457 Dias Bezerra Campello.
, v (Continuar-te-ha.)
Miguel Archanjo Munteiro de Andrade, oficial da im-
perial oriem da Rota, cavalleiro da de < hritto, e ins-
pector da alfandega desla provincia, por sua S. M
/., etc.
Faz saherque nodia 1. de fevcreirofhoje) ao meio-
dia, se hilo de arrematar em- hasta publica 4 cai-
xas com 170 magos de taboinhas, no valor decen-
io cnilenta mil rs. impugnadas pelo amanuen-
se, Domingos da Silva Cuimares, na nota para des-
pacho de A L. Slraus : sendo a arrematacito subjoita
adireitos. Alfandega, 30 de Janeiro de 1847.
Miguel Archanjo Monleiro de Andrade.
Miguel Archanjo, &c.
Faz saber que no dia 4 do corrente,- ao meio da,
na porta da mesma, se bao de arrematar as mercadu-
ras abaixo descriptas existentes nesta alfandega,
alm do lempo marcado pelo rcgulamento, e que j
forum annunciadas por edtal de 16 de novembro
de 1847.
Duas camisas de panno de linho para homem, por
2,000 mil ris ; 3duziaso 5 pares de meias curtas
de linho para homem, por 2,400 ris cada duzia ;
12 ceslinhas de vimes, por 3,000 mil ris; um regis-
tro com vidro, 2 bocclinhas rom benlinhos, oalmo-
fada para costura, por 2,000 muris; 122 caixas
com 12 garrafas do vinho Bordeaux,com 3C6 medidas,
una 600; 38 caixas com 12 garrafas de vinho mus-
catel. com 114 medidas, urna 600 ; 29 caixas com 12
garrafas de vinho com falta, e em rtiao estado com
43 medidas, por 8,600 ris ; 2 Tldelos nglezespor
;00 ris. Alfandega, 30 de Janeiro de 1847.
Miguel Archanjo Monleiro de Andrade.
Deca rncoes.
O Illm. Sr. coronel director do arsenal de guer-
ra em cumpri ment de ordem do lllm. e Exm. Sr.
presidente desla provincia, do 26 do correte mez,
tcmde mandar concertar, ou desentupir o cano
queda esgosto as ngoas que cahem sobre a arca do
quaricl da companhia de arltices : por este convida
a quein se quizer encarregar do mencionado concer-
t a comparecer na sala da directora do mesmo ar-
senal at o da 1 ;hoje) do mez prximo futuro,
para se fazerem os convenientes ajustes. Arsenal
de guerra, 28 de Janeiro de 1847. Jodo Ricardo da
Silva, amanuense.
A matricula da aula de obstetricia se abre no
1-, eser encerrada nfriiltimo de fevereiro : as l-
cOes comecarfio no dia 15.
-J-J--____> *'
i visos niarilinios.
Pira Lisboa com escala por Gibrallar pretende
sabir com brevidadeo briguo brasileiro Flor-do-Nor-
'<> capitilo Antonio Monleiro de Almeida : quem
nelle quizer carregar, ou ir de passagem dirija-sea
ra da Cruz, n. 45, casa de Nascimento & Amorim.
O briguo brasileiro Fiel partir para o Rio-
Crando-do-Sul dentro de poucos dias ; podendo re-
eberalguma carga a Trete assim como passagei-
fos, para oqueoflerece excellentes commodos : os
pretendentes dirijam-se ao proprietario, Firraino
Jos Flix da Rosa, na ra do Trapiche, n. 44.
Para o A rara ty o hiate Kereia* segu vagem
com nuta brevdade prter o seu carregamento
qnasi promplo : qum quizer carregar ou ir de pas-
sagem dirija-se a ra do Vigrio", n. 3^
Para a Bahia sal ir, at o dia 5 d corrente
mez de fevereiro, a sumaca S.-Antonio-de-1'adua;
umi parte do seu carregamento prompla : quem qui-
zer carregar ouirde passagem, dirijn-sea ra do
Vigano, n. 5.
Para a Bahia sahir, at 2 do corronte, o hiate
lioa-vtagem,por ter a maior parte da carga prompta:
3uem no mosmo quizer carregar ou ir de passagem,
irija-se a loja de ferragens junto ao arco da Con-
coigo, n. 63
Vende-so ou freta-seo muito veleiro briguo a-
mericano Eagle, de ptima oonstruegao, encavlhado
de cobro o Torrado com o mesmo ha seis mezes,quc ao
mosmo tompo foi apparelhado de novo, acha-so
prompto a seguir viagem para qualquer porto, e hede
lote do lio toneladas: quem pretender dirija-se aos
consignatarios, L.G. Ferreira & C.
Para o Porto sahir com brevidade a barca Bel-
la-Pernambucana, por ter parte da carga prompta;
quem nella quizer carregar ou ir de passagem, para
o que tem excellentes commodos, dirija-se ao capi-
tilo na praca, ou ao consignatario, Antonio Francisco
de Moraes, na ra da Cadeia do Recife, n. 51.
Para o Rio-de-Janeiro seguir breve o veleiro
briguo nacional Alalia; o qual anda recebe alguma
carga, escravos e passageiros, para o quo tem excel-
lentes commodos: dirijam-se ao consignatario Joilo
Francisco da Cruz, ra da Cruz, n. 46.
II l l|
T
Pede-se ao Sr. onigmatista deste Diario, oua pouparSo esforcos ncm diligencias para contimm
l.i'ilao.
O correlor Oliveira far leililo em um so lote,
do casco e mastreaefio do navio Phebe regularmen-
te condemnado ueste porto e actualmente ancora-
do defronte da Lingota ondeos pretendentes po-
dem ir oxamna-lo com antecedencia; o assim mais,
em diversos lotes dovlame, cordoalha ancoras,
correnles e mais utensis do mesmo navio : quar-
ta-feira 3 do corrente as 10 horas da mandila, no
largo do Corpo-Santo.
Avisos diversos.
O NAZARENON,3,
est a venda na praca da Independencia, livrarians.
6 e 8; na ra Nova, loja do Sr. Quaresma, e na ra de
S.-Amaro, na typegrapha, as tres doras da larde, e
a essa dota, poco mais ou menos, salina nos dias
marcados para sua publicado; vale a pena ser visto.
O Sr. Joaquim Athanazo de Araujo Lima qttei-
ra dirigir-se a ra da Cadeia do Itecifo, loja de Joflo
da Cunha, pnis muito Se lite deseja fallar a negocio
de seu interesse; ou queiraannunciara sua morada,
para ser procurado.
Prccisa-se de um caixeiro para urna venda ; de-
tras da riboira da Boa-Vista, n. 25, se dir quem
precisa.
Os Srs., reverendo Antonio Francisco Regs
Carnero Leo, c o eapililo Severino Guaudencio
Furtado do Mendonca, leem carias no Forte-do-Mat-
tos, n. G, viudas do Riacho-do-Sanguc, o que se
deseja entregar-lhes em mflo propra.
Pede-se aoSr. que tem seu poder livrose um
relogiodecimademesa, cor.ta corrente e mais pa-
pis, c outros muitosohjectos queexistiam em po-
der ilo filiado padre Jos Maria Copertino, baja de
mandar entregar a D. Maria Marroquina de Jess-Na-
zareno, ou a seu iilho Claudno Rodolpho do Reg
Barros.
Desappareceu, nodia 26 de dezembro passado,
urna escrava coriboca, chamada Eleutcria; altura re-
gular, cara larga e com algumas bexigas, nariz gros-
so.corpo cheio; com marcasde relho as costas, andar
vagaroso, e fallas poucas : roga-se a quem pega-la,
que a leve ra do Quemado, n. 8, quo recebera rs.
25,000 de gralilicacao.
, Arrenda-sea propriedadodo padre Manoel do
Muro nas Cinco-Pontas, com mullos commodos ,
e grande quintal: a tratar na ra do Quemado, loja
n.18.
Precisa-so de quatrocontos o quindenios mil
rs. a um por cenlo ao mez, com seguranza em um
predio nesta praca no valor de doze contos de rs.:
quem tiverannuncie.
Ferreira & Braga socios de um estabcleci-
mento de loja de selleiro e charcos nesta piara na
ra Nova, n. 24 o 43, fazem sciente aos credoresda
mesma queellesamigavclmento dissolveram a so-
ciedade que tinliam em ditos estabelecimentos, no
ultimo de Janeiro desto corrente anno ; por isso
quo licott a cargo o mesmo cstabelecimento do
ci Domingos Jos Rodrigues Braga responsavel
que lica a satisfazer todo o passivo que a dita socie-
dade al aquella data clave nesta piara dcbaixoda
mencionada firma assim como lica aulorisado a re-
ceber lodo activo, que qualquer deva aquella socie-
d.'nle: e para constar ao publico fazem o presente a il-
umino. Recife, 29 de Janeiro de 1847.
Ferreira & Braga,
Domingos Jos Rodrigues Braga socio que foi
na firma de Ferreira & Braga, Taz certo que dissol veo
a sociedade que tinha com Joaquim Candido Ferreira
nas duas lojasns. 24 e 43 na ra Nova desla cidade;
Kortanto por todo o passivo que a mesma sociedade
ouver de dever at aquella dissolugiio elle he o
nico a responder, como juntamente em rece-
ber todo o activo que aquella sociedade qualquer
nessoa leva: e por isso Taz o presente annuncio,para
assim constar.
Domingos Jos Rodrigues Braga.
Joilo Francisco da Cruz embarca para os Por-
tos do Sul a sua escrava de nomo Cosma crioula.
D-sedinheiro a premio com penhores, mos-
mo em pequeasquanlias : na ruado Bangcl, n. II.
Antonio lose Zacaras de Carvalho avisa ao
respeitavel publico que ninguem contrato com I).
Francisca Maria de Carvalho c S viuva que Toi de
Antonio Jos Pereira de S, ou seu marido Domin-
gos Jos Dias de Oliveira a respeito de bens alguns,
qur movis, qur do raiz; porque, estando ella
na posse dos dilos bens deixados por seu finado pai,
Jos Zacaras do Carvalho at o presente nilo con-
cldio o inventario a que deu principio, por ser cha-
mada a juizo pelo annuncante,
Domingos Jos de Lima, mes*
Ir alfaiate,
e bem conhecido nesta praca acha-so com ostabclo-
cment do seu oflicio o qual tem petTeito conhe-
cimonlo das ultimas modas c que est prompto a
Tazcr qualquer obra, tanto do homem como do se-
nhora com a maior perfec8o possivcl, na ra do
Quemado, n 1, casa em que morou a viuva do Bur-
gos.
Quamlhe faltar urna cabra prcta (bicho), diri-
ja-se a ra Bella, n. 40, que, dando os signaes, Ihe
ser entregue.
Alugam-se ou compram-se dous pretos, sendo
bons e rfliustos, paraoservicode padaria : na pada-
ria do M^ioho, n. 51.
quem nodo scxla-feira prximo passado publicou
um annuncioassignado Condt-de-Villa-Nov o
obsequio de declarar, se lal annuncio se entcmle
no todo, ou em parte, com o deciTrador que pri-
moiro publicou as decifracOes no Diario-n., sobre a
rubrica ** H)
Custodio Joaquim daSilva Braga, subdito por-
tuguez, que, por engao, sahio Brasileiro, retira-
se para Portugal, levando om sua companhia,o seu
criado Bernardo.
No dia 3 de fevereiro se ha de arrematar um si-
tio na ra Real, com casa de vivenda frurteras ,
terreno para plantar capim pela renda annual de
rem a merecer a sua confiahea.
Aluga-se a casa terrea da ra da Florentina ,
n. 7 : a tratar na ra do Trapicho, armazem n. 19 ,
com Domingos SoriannoGoncalves Ferreira.
Da-se dinheiroa premio sobro penhores e hy-
potheca ; c robatem-se ordenados de empregadof:
na ra das Trinchen-as sobrado n 46.
OfTereco-se um moco brasileiro para caixeiro
de qualquer oousa monos venda c loja, pira oque
da pessoa que pelo mesmo so retponsabilisa'^r^
de son prestimo se quizer utilisar dirija-so. "
boa-do-Carmo, n. 29.
Precisa-so de um homem porluguez para caixei-
,000 rs. pertenecnte a Antonio Forroira da Cos- rod encaixameiitoe outros smeos de engenho e
200.
ta Braga e s mulher, por execuQo de Manoel Ig-
nacio de Oliveira, ao meio-dia na sala das audien-
cias pelo juizo do civel da segunda vara.
No boliquim da Cova-da-Onca na ra larga
do Rozario n 34, continuam-se a vender bichas de
Lisboa e de llespanha em qualidade iguaes as de
llamburgo grandes eescoihidas, a 640 rs., e as
inmediatas, a 400 rs., o as pequeas, a 160 rs.: em
porefiesse da rao mais em conta
Quem precisar do urna moga portngucza para
criada de alguma casa estrangoira annuncie.
- Franciscu Malaquias Soares Giesteira faz pu-
blico j ter dado principio a sua aula na Magdalena ;
assim como que leccionar em casas particulares em
o mesmo lugar.
Precisa-se alugar um andar que tonha commo-
dos para urna familia em algum ra das principaes
do bairrode S.-Antonio preferindo-se casa que te-
nha um s andar: quem tver annuncie.
Anda se aluga o segundo andar da rasa da ra
do Collegio n. 17, proprla para familia: a tratar
na ra do Vigaro, sobrado n. 5.
Antonio Borges da Fonscca advoga, tanto no
civel como no crime : pudo ser procurado at as 9
horas da manhila na casa de sua residencia, no Atcr-
ro-da-Boa-Vista, n. 49, o das 10 as 3 horas da tardo,
na ra ostreita do Rozario n. 6, primeiro andar.
Alugam-se os segundo e terceiro andares da ca-
sa do Aterro-da-Boa-Vista, n. 49 ; a tralar no pri-
meiro andar da mesma casa, onde tambem se alu-
ga a casa n. 3 da ra do Pires tendo commodos pa-
ra grande familia, o por proco commodo.
Aluga-so o terceiro andar do sobrado da esqui-
na da ra do Rozario defronto da groja : a tralar
na ra das Cruzcs, n. 11.
Companhia geral
da agricultura das viudas do
Allo-Douro.
O abaixo assignado, agente desta com-
panhia nesta praca de l'ernambuco, acaba
le reccberpcla barca Bella-Pernainbuca
na una reinessa de vinlios daqnella com-
panhia depois que ella foi rehabilitada
pela legislatura de Hortogal, e dotada com
liindos pblicos pela le de ai de abril de
:843, para levar a todos os mercados os
padres e balisas do vinho genuino e pu-
ro do Allo-Douro, geralmentc conhecido
nomo do vinho do l'orto, afim de
pe
servirem de guia ao commcrcio. hsla
remeasa, toda de vinhos da mais escolla-
da qualidade, deve olFerecer aos Srs. con-
sumidores, n3o s a certeza da sua pu-
reza, mas tambem o typo verdadeiro do?
excellentes yinhon do Porto. Espera,
pois, o abaixo assignado que os Srs. con-
sumidores se dirigirlo ra da Moeda, ar-
mazem n. 7, para trataren do ajuste de
qualquer porcao que desejarem.
Antonio f rancheo de Moraes.
Fabrica de machinas e fund-
cSo de ferro na ra do
Brum, no Recite.
Mr Callum & Companhia, engenheiros machini*-
tase fundidores de forro, mui respetosamente an-
nunciam aos Srs. propietarios do engeuhos fazen-
deiros, negociantes, fabricanles e ao respeitavel
publico, que o seu eslabelccmento de Trro, mo-
vido por machina de vapor.se acha em ellccltvo
exercicio, e completamente montado com apparc-
Ihos de primeira qualidade para a perTeita confec-
^o das maiores pecas de machinsmo.
Habilitados para emprchender (jaesquer obras da
sua arle, Me Callum & Companhia dosejam mais
particularmente chamar a altenco publica para as
seguinles por serem ellas da maior extraceflo nesta
provincia as quacs construidas na sua Tabrica po-
demeompetircom as fabricadas em paiz eslrangoi-
ro, tanto em proco como na qualidade das materias
primas e mio d'obra, a saber :
Machinas de vapor.
Moendas de caimas para engenhos movidas a va-
por, por agoa, ou animacs.
Bodas d'agoa e serraras.
Manejos independenles para cavallos.
Rodas dentadas.
AgulhOes, bronzese ebumaceiras.
CavlhOes o parafusos ds todos os tamanhos.
Taixas, crivos e boceas de fornalha.
Moinhos de mandioca movidos a mo ou por ani-
maos e prensas para a dita.
FogOes e Tornos para cozinha.
Canos do Torro, torneiras de Trro c bronze.
Bombas para cacimbas e do repuxo.
Cuindastcs, guinchse balanzas romanas.
Prensas hydraulcas c de parafuso.
Ferragens"para navios, carros, obras publicas, ele
Columnas, varandase grades.
Prensas de copiar cartas e de sellar.
Camas do Trro, etc.
Alcm 1I.1 perfeico das suas obras, Me Callum &
Companhia garantcm a mais exacta conformidado
com os moldes e desenhos remol idos pelos Srs. que
se dignarem de fazer-lhes encommendas; aprovei-
tando a occasifio para agradecer aos seus benovolos
amigos e Treguezes a preferencia, com que teem si-
do por ellos honrados, e assegurar-lhes que nfio
que d fiadora sua conducta: no enganho Novo da
Muribeca.
Precisa-so de um caixeiro para loja de ferra-
gens preTerindo-se que tenha pratica un mesma ou
deoutro qualquer negocio: na ra Nota, n. 25.
Arrenda-se o engenho Porapihi, silo na Tre-
guezia de Iguarassu moentec corrente : a tratar no
mesmo ongenho, com o seu proprietario.
BOA CAPELLANA.
Prcoisa-sc do um Snr. capellflo para um enge-
nho distante desta praca 5 legoas, entrando no con-
trato o ensino deum menino do 9 anuos, nas pri-
meiras lettras. Para as demais cxplicacOes na ra
de Agoas-Verdcs n. 21 se achara com quem tratar.
Precisa-se de um moco para entregar pgfKom
umprelo: na na do Quemado, loja do mixBls ,
n. 16.
Precisa-sc de duas ou tres prclas para vende-
rem azeite de carrapato todas ai tardes; pagam-so
400 rs. por caada, ed-se a medida com lavagem
sullicionte para nlo haver quebra na ra da As-
sumpQilo, n. 24.
A pessoa em cuja man para urna lettra da quan-
tia de 300,000 rs a vencer no ultimo de marco des-
te anno ,a favor do Sr. Antonio l'rancisco Xavier de
Vasconcellos, aceita por Jeronymo de Albuquerque
e Mello, o endossada polo Sr. Jos Maria de Barros
Brrelo mande-a apresontarao dito Albuquerque e
Mello, no seu engenho Ramos em Po-do-Alho ,
at o fim do corrente mez quo ser promplamcnle
paga.
Na ra Formosa, esquina da Imiflo, precisa-se
de um criado e de urna criada,
='Aluga-se urna prcta pifa alguma casa estran-
gcira,aqual cozinha bem, lava e engomma com
porfeic1o : i]ucm a pretender annuncie.
O abaixo assignado, na qualidade de lestamen-
teiro de seu finado irmlo Joso Antonio Borges ,
convida aos crodoresdo mesmo, moradores nesta ci-
dade a apresentarcm no ('.cara suas conlas por si
ou seus procuradores al o ultimo de marco do cor-
rento anno, para serem salisfetos BBquillo que
existir pertenecnte ao dito finado.
F'iclnrino Augusto Borges.
Aluga-so o andar terreo ou loja do sobrado n.
12 da ra da Aurora, com optrniosc muitoasseiados
commodos para moradia de homem soltero ou do
pouca familia: quem o quizer alugar dirija-se ao
mesmo sobrado a qualquer hora.
~ Aluga-so una boa casa terrea, com 4 quartos,
salas, quarto separado para pretos o casa para ba-
ldo, grande quintal com parreiras o figueras, ro-
manzeirase militas maisarvorosde fructo; com ca-
cimba d'agoa do beber, a molhor que so tem visto;
no principio da girad dos Afllictoa, pegado o aillu
que foi da Sr. D. Laurianna; outra casa terrea com
solilo corrido muito arejado, 110 boceo do Serlgado:
Irala-so na ra da Cadeia do Rocifo, n. 25.
Agencia de passaporles.
Na na lo Collegio, n. 10, o no Aterro-da-Boa-
Visla loja n.48, coniuiuuiii-3" .iir.rf...|inrit
tanto para dentro, como para fura do imperio; assim
como dcspachain-se escravos : tildo com brovdade.
NOVA AULA DE 1." LETTRAS.
O abaixo assignado, tendo aberlo emsua casa na
ra do Aragfio n. 27 urna aula, onde, alm do ensino
41-reclo de primeiras lettras, sed;lolices de gram-
tica das lingoas nacional, latina c franceza, con-
tina na mesma aula a receber alumnos externos,
pensionistas, e meios-pensionistas.cmprcgandotan
to no ensino, como no Iratamenlo, desvelado zelo,
ecarinhoso cuidado. .
Jos Xavier Faustino Ramos.
Compras.
__Compra-se o diccionario de Moraes da ultima
sdicio, usado : na ra do Collegio, n.12.
Compra-so cobro a 5 por cento ou mais : na ra
larga do Rozario loja de miudezas n. 85.
___Compra-se ouro, anda mesmo em obras que-
bradas : na ra do Rangel, n. 11.
Compra-se 11 m pardo cacambas : na ra Di-
roita, n. 84.
Compra-se urna canoa de amarello, de 25 aso
palmos de cmpralo, para carreira : na ra do Vi-
gario sobrado 11. 5.
Anda se contina a comprar cobras de viado
vivas para remedio : na praca da Boa-Vista, n. 32,
segundo andar.
Compra-se urna agulha de marcar, em bom.
uso: na ra Dimita n. 91, primeiro andar. ^^^^
Vendas.
Vcnde-se um relogio patent ngloz de ouro
muito bom regulador ; c ontras Obras de ou-
ro de varios gostos tanto para homem como
para senhora : na ra do Rangel, n. 11.
Vendem-se bichas grandes, e tambem so alu-
gam, por prego commodo : no Atcrro-da-Bon-Vista,
na primeira venda ao peda ponte, n. 9.
ATF.IIRO-DA-BOA-VISTA, N. 3.
Em a loja de Joao Chardon acha-so um muito ri-
co sorlimento de lampeOes para gaz. com seus com-
petentes vidros aecendedores o abafadores. Estes
candieiros, os mclhores e mais modernos que exis-
ten! hoje.se recoinmendam ao publico Unto pela sua
boa confeicilo o bom gosto, como pela boa qualidado
da luz, economa e asseio de seu servico. Na mes-
ma loja os consumidores sempre achariloem depo-
sito gaz, de cujo se aianca a quilidado, e em poreflo
bastante para o consumo. Vonde-se a 320 ris n.
garrafa.
Vendc-se urna crioula de 26 annos, perita
lavadeira, e que tambem cozinha, o he do boa con-
ducta ; urna parda de 23 annos, quo engomma, lava
ecose urna dita dq,25 anuos, propra para engenho;
um cabra preto do 22 annos.bonila figura; e um mo-
leque croulode8annos : no largo do Forte-do Mat-
" ;i, Estamos habilitados para declarar ao Sr. an-l -'- Vendem-se 6 cangalhas; urqjpgo de malead
nunciante que em nada Ihe diz respeito o annunco a Icouro; urna leira com 9-11 prtadeas; urna man-
que se refere. I ta-de couro de onca com pouco uso: tudo multo erm
Ot RR, conta na ra dos Tanoeiros, n. I>


Na lo ja re Guimares Se-
rafim & Companhi., c ntronte
ao arco de S -Antonio, n. 5, ven*
dem-se lencos de vapor, de pa
ddroes modernos, pelo barato pre-
90 de 80 rs. cada um ; lengos
frahcezes de cores finas e fixas ,
finindo seda a 480 rs. cada um;
brim escuro francz trancado, de
poro linliy 720 rs. 1 vara.
Vende-se potaua branca de superior qualidade.
em barris pequeo* ; em casa de Mnlliens Austin o
Cempaiihia, un ru da Alfandega-Velha, n. 36.
TRRO! FKRRO,
de tudas as qualidades e cobro para forro do navio
de 18at28 oncas, em grandes e pequeas parti
das : no arrnazem de A V. da Silva Barroca, defron-
te da groja da Madre-dc-l>eos.
e Veudein-je inoeoda de ferio para engenhoa de as-
ucar, para vapor, aga e lieslnn, de diversos lanianhos,
por piejo coiiiinodo ; e i c batido, de todos os lamanhos: napraca do Carpo-San-
fO^BLI, em casa de Me. t.almoiit & Companbia, ou na
ra djTApollo, ariiiazeui, n. 6.
sim como panno de linho, em
pecas de 15 varas; a nova prlle
do (iiabo, a 400 rs. o co'vado; len-|
eos de seda, pequeos, proprios
para meninas, a 6f0 rs.; e os pan*
nos finos so preferiveis aos d'ou-
Ira parle, tanto pelo prego, como
por serem novos na loja.
i\a ra do Crespo,
loja n.1'2, de Jos Joaquim
da billa Maya,
vende-se alpaca preta a800rs ocovado; dita muito
fina, preta c do Ves, por jralo preco'; merino
prelo muito superior ; panno fino preto e de co-
res; casimiras elsticas, do duas larguras, para
calcas a 6000 rs. o corte; velludo ; gorguro de se-
da ;setim para rollete; tudo por preco commodo ;
fustoes para collctes;c outras militas fazendas,
No Aterro-da-Boa-Vista, o.. 1. pn^eiro andar,
5*f casa de modas francezas, do M. A. Millocnau ,
vendem-se continuadamente chapeos de senhora,
de muito bom gosto e da ultima moda ; cabecees e
ftftilariiihos bordados ; bicos e fitas ; cambraias; tar-
atanas ; cassas ; filos ; e oulros muitos objectos de
moda.Namesma casa fazem-se vestido de casa-
mento chapeos e toucas para senhora o meninas ,
por preco commodo, e de bom goslo.
Vende-se urna preta de 18 annos, que coz-
nha perfeitamente o diario de urna casa lava, en-
gomma e faz renda : no pateo do Terco, n. 27 se-
gundo andar. Adverte-sequesosevondc para ca-
sa de familia.
Vende-se um escravo do servido de ra : na ra.
da Cruz, n. 26.
eiiste e que serveo> para eneobrir qualquer defoj.
tonos olhos por doencas, para viagens, lar de non
te, esludar, etc., porque os seus vidros
ra tudas as vistas, e teeni a propneda
sarem : na ra larga do Rozano o^^^^^^E
do Lody, n
Farinha.
do
Vende-se farinha muito superior, em saccas
por proejo muito commodo : na ra Direita, n. 9.
Vende-se urna casinha assobradada na ra
Callabouco-Velho, n.25 : na ra Direita n. 8i.
Na botica da ra do Rangcl, vendem-sc os reme-
dios seguintes, dos quaes a experiencia tem confirmado
os mellioics rncilos : denllflco, que tem a propriedade
de linipar os dentes cariados, e restltuir-lhe a cor es-
maltada, em inulto poucos das ; o uso do dito reme-
dio fortifica a geni-ivas e tira o mo chelro da bocea,
tanto para calcas como para vestidos de senhora; proveniente nao so da carie, como do trtaro '
I mo rlTln 1, ito une ao pescofo destes orgaos; o remedio he designado
""l0 I *. M ___. _____.. n pelo, numero, ..'!: orebata purgativa, inu. ulil as
- Vende-se um preto de 20 annos poueo mais ou j Pr|-" ~ -M pcgoas de ,oua e quiqM-e, dade ;
proprio para todoo servicoj .""' I,re[a D0^ lp0sia de substancias vegetaes, nao conten n
Vende-se sarja de seda larga, hespanhola,
muito superior; setim de varias qualidades
para vestido ; dito de Macan para colletc,
O mais superior que ha; casimira preta,
clstica, superior; panno preto muito fino;
dito de edres, de todas asqualidadrs ; vel-
ludo preto; merino preto do todas as qua-
lidades; dito, o niaissuperior que tem ap-
parecido; chamalote; casimiras francezas,
sem pello, de bonitas cores; damascos para
colxas, muito superiores e debons gustos;
e outras militas fazendas que a vista dos
precos e da sua qualidade o comprador nito
deixara de comprar : na nova loja da ra
f-
i(> -
soffrivelniente; um
para pagem ou
do pueimado, nos
amarclla, n. 29.
quutro-cantos casa
CARNAUBA.
No arrnazem de farinha do caes do Collegio, con-
tina-se a vender cera de carnauba, por preco com-
modo lano cm pnreoes como a rctalho c hcclie-
pad.i agora urna porcto da melhorqualidade que tem
apparecido.
A y>oo rs. ocovado 1
IV a loja de Guimares Scrafim
& Companliia confronte ao ar-
co de S.Antoao, n. 5, vendem-
se casimiras francezas, sem peU
lo finas de lindos padies e
pelas pelo barato prego de 2500
rs. o covado ; ricos corles de cha-
l de la e seda, com barra, a doze
mil rs. r* >Ai o.
Vende-se azeite fino de gerselim, para comer e
para luz : no deposito de azeite de rarrapato na ra
da Seiizala-Vclha, n. 110.
VELAS DE CERA 00 MO-DE-JANEIRO.
Vende-se completo sorlimento de una a 16 e bo-
giasde4, 5 e6 : no arrnazem de Alves Vitmna l
ra da Scnzalla-Velha n. 110
Vende-se, ou permuta-se por um sitio perto da
praca una excollniilo casa terrea rom bastantes
r.ommJM|tys para urna grande familia, sita nesla pra-
ca : na ra Imperial, n. 9.
menos
lavadeira, oque cozinha c cose
mulatinho de 14 annos, proprio .
para aprender qualquer officio: na ra da Cudeia de
S.-Antonio, n. 25.
Vende-se cha preto, o melhorquc ha em eai-
he com-
pona de substancias vegeues, nao conten mercurio
nem droga algiima que possa prejudicar: remedio para
curar calos, em poucos das ; dlco para curar dores ve-
nreas amigas e que teem resistido ao fr.ilamento g_e-
i al mi n ic applicado ; dito para provocar a menstruacao,
e accrlerar a aeco do tero nos partos naturaet em
Vende-se,
Na ra dat Lamigetrai, n. i
Ttinhas de IC libras .
ra familia na ra que nao se precisadas manobras scientificas da arte
' P i u ,P.. i*, i a VnJn, dito para resolver tumores lympliaticos, vulgo glandu-
ilo Trapiche, n. 8, casa de llenry l-orster & (.ompa- |M. d||0 pa|.a curar bouba, c;avos B(.ccos> 0blnais flTl.
nllia, Ica que seconhece ate aqu ; dito oximel de ferro, inui-
Vende-se urna preta de nacflo Angola, de 20 t0 til na< chloroirs, vulgarmente cliamadas frialdades;
annos de bonita figura cose e engomma com per- pos anti-biliosos de Manoel Tx>pes ; capsolasde gelati-
feiQfln
e cozinha o diario de urna casa :
da Cadeia do Hccife n. 25, segundo andar.
~ Vendem-se varios escravos mocos, de
figurase com habilidades esem ellas:
va, n. 40.
na ra
na, coiiteudo balsamo de cupahiba ; ditas de oleo de
reclnos purificado ; ditas de cubebas em p fino ; ditas
lunillas de assafetlda; ditas com pos purgantes; ditas de ruibardo
na ra No- da China; ditasde sulptiatodequinino de i e 2 graos cada
' I capsola ; algalras, velinbas elsticas, pilulas de sal de e.v
1 t^___I..L^. <&^_.-^ ^1 -i a f.ilJnA AkAHA.In lr\ 1 HlitJlll t Jh> l> Jl 1 1 ^ I ^-
Vende-se urna prcla que cozln
una casa he muito lio! c mo tem vicios
do Trapiche, n 44
Vende-se urna lileiraem bom estado, por pre-
co commodo : na ra do Collegio, loja n. 15.
.silva 1
]\a ra do Crespo,
loja n. I !,fle Jos loaquim
da Suva Haya,
vende-se superior sarja preta hespanhola ; nnhreza
roxa, muito superior emuilo piopria para capas
doSr. dos l'assose outras irmandades; ricos corles
de seda para vestido de senhora ; mciasdeseda pre-
tns e brancas, as mais superiores que leem appare-
cido, tanto para liomeni como para senhora; luvas
de seda ; chales de seda muito modernos e de lin-
dos gostos; camhraia de linho, muito lina; lencos de
camhraia de linho bordados, para senhora, dos mais
finos que ha por muito barato preco; esguiao de
puro linho c muito fino ; plalilha de linho ; c oulras
multan fazendas que serao patentes aos comprado-
res e por barato preco.
- I\ a loja de Guimares S*--
ralim 8c Companbia, confronte
ao arco de S.-Antonio, n. 5, ven
dero-se cass s finas, largas e fran-
cezas pelo barato prego de 480
rs. a vara; chitas francezas, lar-
cas, a 280 rs. ocovado.
AOS 20:000,000 DE RIS.
Vendem-se meios bilhetes, quartos, oilavos e vi-
gsimos da lotera a beneficio do convento de S.-An-
tonio ;e tambem a beneficio da matriz do Cear ,
3ue deve ter ido estrahida no Rio-de-Janeiro, a 30
o passado: n Recife.loja de cambio do Sr Vicha.
A elles (dos de S.-Antonio; antes que chegue o vapor
coma-lista.
Panno de linho puroy a 600
rs. a vara.
Na loja nova de Raymundo
Carlos Leite, ra do Queiinado,
n. 11, acha-e um novo soilmen-
lo de fazendas finas ebaralas; as-
tlnaquim da MI va Lopes,
no seu arrnazem n. 20, defronte da porta da alfande-
ga vende papel de machina azul e branco de pri-
meira, segunda e terceira sorto primeira qualida-
de que vem a este mercado.
Vende-se urna venda cm muito bom lugar, bem
afreguezada para a trra, e que tem enmmodos para
familia, com os fundos a vontadedo comprador,
comalgun dinheiro a visla ou com desobriga
praca i a ra da Cadeia de S.-Antonio, n. 2 con-
fronte ao becco da viuva Ciiuha se dir onde he.
AVISO
aos Srs. de engenho
Ka ra do Crespo, loja n. 12,
de Jos Joaquim da Silva
Haya, vendenise
cobertores de algoduo muito encorpados, proprios
para escravos ; bem como urna fazenda de linho a
imitaclodc estopa forte c propria para roupa de
escravos e saceos para assucar; tud por preco mui-
to barato.
x Na livrarin da praca da Independencia ns. 6 c
8, vendem-se compendios resumidos de potica,
como titulo de Breves nocoesde potica impres-
sosent oululiro do anuo passado proprios das au-
para as quaes fnrfio cotnpostns or um profes-
.... Ib.cinlio, agua das Cildas, chegada proximaiitenle; reme-
inlia O diario o |diosque curam a frialdadedenirodeOdias.inesinoestan-
11 do juchado; oleo muito bom para conservar o cabella,que,
alrin de nao drixar cabir o cabello, limpa a caspa, e
cujo uso continuado fax reapparecer ocabellf perdido
pilulas especificas para curar as gonorrheas chronlcas,
(piando a lesao nao paasa da tu-eta igualmente um xa-
rope aiiti-heinorragico, a'ppncado nos caos em que se
deita sangue pela bocea : o preco de todos estes reme-
dios he noli rasoavel, c os bons resultados da sua appli-
caco he que devein fazer sua apologa
las
sor substituto de rhelorica : preco 1000 rs.
* Vciideni-se compendios de geographia para uso
das aulas de primeiras ledras a duas patacas: na
piara da Independencia, livraria, ns. 6 c 8.
Vendem-se
redes do MaranhSo, de muito boa qualidade : na ra
daCadeia-Velha n. 30.
Vende-se um forte-piano, de patente Lon-
doii dos autores deColard; Colard : na
ra do Vigario n. 4, arrnazem de Roihc& Ridoulac.
Vendem-se SO accoes da companbia de Beberi-
he, por seu dono terse de retirar da provincia;
lamliemse vi'iider.o em menor quanlidadc:no pateo
da matriz de S -Amonio, n. 4, segundo andar.
-- Vende se urna crioula de muito linda (gura,
moca, que engomma e tem principios de costura :
na travesea da ra das Flores casa de 3 portas ao
pede um porlao largo o novo, defronte do cirur-
giaoMiguenho.
JT.a / amos $ Companhia.
Kua \ova n. 6.
A < Ii.hii-sc a venda ricos loques de clu-
rao. com pinturas muito finas ; sarjo pre-
ia, larga, licspanhola j setim prclo mui-
to bom, proprio para vestidos ; ricos cha
les e mantas de seda cscocezo, dos me-
lliores gostos que teem apparecido, tudo
o mnis barato possivel.
Vende-se urna preta, de 30 annos pouco mais
ou menos, com algumas habilidades eque hequi-
landeira, por preco commodo
n. 41, segundo andar
- Vendem-se botos do massa com cora, pro-
prios para fardamento de ofllciacs do cacadores : na
ra Nova, n.26.
Vendem-se sarjas prelas ; e meias
prelas, de seda e algodao, de excellenie
qualidade, na ra do Trapiche, n. 16
Vendem-se dous lindos moleques de 16 a 18
annos ; um dito de 7 anuos ; um pardo ptimo pa-
ra pagem de 18 annos, c que lio bastante liabi
RAPE' PRINCEZA NOVO LISBOA.
Acaba de chegar pelo ultimo vapor urna nova re-
messa deste excediente rap, muito fresco e com de-
licioso aroma, e contina a vender-se no deposito da
ra da Senzalla-Velha, n. 110, e em todos os lugares
do costume, at hojeannunciados.
Refrescos.
Xarope de grosello, feitodo verdadeiro summo ,
vindode Franca, a 1000 rs. agarrafa ; dito de flores
de larangeiras a 1000 rs. a garrafa ; dito de mara-
cuja e tamarindos, a 640 rs. a garrafa ; dito feito da
verdadeira resina deangico que he muito conhe-
cido e appi ovado por as pessoas quepadecem do pei-
to por ja ter feito bons beneficios, a 1000 rs. a gar-
rafa : vendem-se no Aterro-da-Boa-Vista fabrica
de licores, n. 26.
Vende-se um bom sitio, com urna
excellente casa do sobrado, com bas-
tantes commodos para grande fam-
ia, com 4 salas, 13 quartos inclusive 3 maiores, com
janellas 2 cozinhas urna cm baixo e outra cm ci-
ma bastante arejadas, com fornos modernos, o
outros diversos arranjos quarto para feitor sen-
zalla para pretos, estribara para 3 caval los, a folga,
ali'in de urna pequea casa velha que pode servir
para cocheira ; em um dos quartos existe um orato-
rio para celebraeflo da missa, com os seus necessa-
rios arranjqs: o sitio he de urna extenso immensa
e conlm diversos arvoredos, um pomar de laran-
geiras enxcrtadas com laranjas selectas e de embigo,
limesdocese limas de embigo queja produzem
fructo, alm de oulros ps j anligos que produzem
laranjas muito doees, coqueiros, alguns dedenzeiros,
cajueiros, mangueiras, jambreiros, pitombeiras,
pilangueiras, ubaieiras, assafroeiras, jaqueiras,
pinheiras igueiras, goiabeiras brancas immensos
aracaseiros ananazeiros, oili-cors cora baixa do
eapim plantado que sustenta 2cavallos, com um
grande viveiro subdividido em 3, com bastante ter-
reno para diversas plantaces, como os bons melos,
medobins macacheiras lugar para jardn, e com
algumas (lores, outro lugar para horta todo cerca-
do de limlo con. um grande poco de agoa de be-
ber mais outros dous pequeos, em chlos pro-
prios muito perto da capital, por ser no principio
da estrada de Joflo de Barros : a tratar no mesmo
sitio, a qualquer hora do dia.
- Vende-se um adereco de ouro para pescoco; um
pardo brincos ; um alfinete : na ra das Cinco-Pon-
tas, n. 116.
Vende-se no deposito de assucar o caf, no
Aterro-da-Boa-Vista, n. 70, toda a qualidade do as-
sucar, por preco commodo e dito cand, a 320 rs. a
ibra tanto em arroba como em miudo; caf mol-
do a 160 rs.; dito em grao, a 140 rs
rapMeuron, a 1080 rs.
India, a retalho
segundo
andar ,
TcO um moleque de nacao, de 16 annos,
- muito esperto e do bonita figura; um
dito de 18 annos, muito forte, hu-
milde e de bonita figura; um prc
naclo, do 38 annos, muito sado e forte,
proprio para o servico de urna casa por
sor muito diligente; um dito hom'ca-
noeiro, de38annos; une preta de 36
annos pouco mais ou menos, muito di-
ligente que lava de sabflo e vari ella o co-
zinha o diario de urna casa; um pardo
de elegante figura de muito boa con-
durla;lodosse venden, muito em ronta,
que he para liquidarlo de cuntas.
Ahram osoIhos,fre-
guezes, que o mitigo bara-
teiro est derroten do a fa-
zenda por pouco dinhoiro.
O antigo barateiro est dando a troco de pou-
co dinheiro na sua nova loja de miudezasda ra do
Collegio, n. 9 outro o novo sorti ment de chapeos
deso, de cores escuras para honiein pelo mesmo
prego de 2880 rs. cada um; papel de peso ingle/, de
primeira sorte, a 1760 rs. a resma, e meia dita a 880
rs.; dito almaco a 2700 rs a resma, e meia dita .1
1350rs ; agulheiros dcagulhas francezas de funde
dourado e azulado a 280 rs. cada urna; lencos i\,
gorguro, a t200 rs. cada um ; pellcs de marroquim,
a 1280 rs. cada urna; tita de retro/., a 640 rs. a peca
leques de seda com enfeites dourados, a 2400 rs. ci-
lla um ; pentes de tartaruga para segurar cabello a
2000 rs cada um ; luvas de seda prelas, compridas,
a 1000 rs o par; ditas de pellica a 800 rs.; cani
vetes muito finos
prego mais bara
assimcomoo1
zas.
de urna, duas e tres folhas ,
ira^^O que em outra qualquer parli
iftjflbiuitas diversidades de miude-
Vendem-se 15 cadeiras de Jacaranda, duas I
bancas, um soph, urna mesa redonda
com pouco uso ; todos estes objectos sio
modernos o se vendem juntos ou separa-
dos por preco commodo : na ra Direita,
loja n. 36.
1
i
|!j| Vende-se na ra da Cruz, n. a3
RJ cera em velas, de urna dos tnelho- |!i|
IH res fabricas do Rio-rlg-Jai^eiro jl',
sortmenfo vntsde do compra- jjjl
dor, em caixas pequeas, e por j
preco mais barato do que em ou- |
tra qualquer paite.
-- Na loja de Guimares, Se-
rafim & C. vendem-se pannos
finos, de cores, pelo baralo pre-
co de 2^400 rs. ocovado; c de
outras muitas qualidades, de va-
rios precos.
Escravos Fgidos.
Fugio, ao da 18 do passado, urna negrinha, i
^ de nomo. Marcianna, de 12 a 14 annos, rom |
- una queimadura na face esquerda, umaempi-
gem na direita c tuna outra queimadura na prm I
direita ; levou vestido rxo o panno da Costa ; tam I
cabello cortado : quem a pegar leve ao Passeio-Pu-
buco, fabrica de chapeos de sol, que ser genero- j
smente recompensado.
Fugio, no dia 27 do passado, pelas 7 horasd |
noite urna cscrava, de nome Florcnca, de
25 a 26 annos, cor arahralhada, cara larga,
testa e olhos grandese empapujados nariz grossu,
borra- grande, heicos grossos dentes largos e do I
ladoesquerdo tem um quebrado, estatura alta,
corpo regular ; levou 3 vestidos umdc ganga azul,
outro de riscadoamarcllo e outro de cassa pintad) |
dequadros, com um babado estreilo por baixo,1
panno da Costa com franja do mesmo nanno. 1 len-
.. panno, 1
col de algoditozinho, 2 pannos com abiinhado largo;
. legitimo pesgrandes, sapatos da trra do panno de quailn-
muilo superior cha dajnhos; tem todo corpo cheirt de marcas de Drtig"
frescas de pouco lempo ; foi comprada ao Sr. Mi-
- Vendem-se 4 escravos, bons para o trabalho I noel Joaquim Pascoal Ramos: sunp0e-se que eli-
de campo entre elles um he bom carreiro ; um| Wra para urna casa de urna senhora moca em Sen'
que engomma cose e cozinha ; duas pardas, sen-
na ra das (.ruzes, do urna deltas boa para ama de casa: na ra do Cres-
po, n. 10, primeiro andar.
Vende-se cera em velas, fabricadas no Rio-de-
Janeiro de superior qualidade : na ra da Cruz
n. 66. '
Vende-se urna casa terrea, emOlnda, sita na
ra do Amparo n. 32 : a tratar no Recife, bairro de
S.-Antonio, ra do Nogueira, n. 10.
Vendem-se 8 escravas de bonitas figuras do
16 a 28 annos, quecozinham, e lavam bem; duas
ditas que engommam e cosem com perfeicito : um
moleque de nacto, de 14 annos ; 3 escravos do ser-
para outro qualquer servico; um dito de 10 annos ; I vico de campo: na ra Direita, n 3
urna preta de 25 annos. com habilidades ; urna pre- eT.r-> Vendem-so oculos azuas deividm. J-n
ni^Snndn'andaT'000"- nB rUa C1,eg' F^ndosTa poSSI Al ffil^ % S^
I encommendados, Feitos pelo melhor

MUTILDOl
de nomo Francisco, coni poucos denles, barba gf-P'
de ps cheios de bichos, quando anda parece cam-
bado equando falla fecha os olhos : quem o pegaf I
leve ao dito sitio ou noltecifo.. na ra da Cadeia,
n. 34, que ser gratificado. "*
Fugio, no da 22 do passado um escravo, de
nome Pedro do nacto, de 50 annos pouco mais o I
menos, com otticio de pedreiro, barba cenad
baixo, um tanto corcovado ; levou calcas de algo-
dito azul e camisa do algoditozinho : ha indicios de
eslaracoiUdo om um sitio para as partes de Joo de
Barros. Quem o pegar leve a ra das Trincheiras, n.
46, que ser recom-pensado.
PEBIf. : NA TTP. DBM. r. DE FAH1A
.147


/
Anno de 1847.
Segunda feira I de Feverciro.'
N 8-
DE
PERNAMBCO
(SOB OS AUSPICIOS DA SOCIEDADE COHHBRCIAL.)
%&h
Subscreve-se na Praca da Independencia, loja de livroa n. 6 e 8, por n?ooo ris por anno, pagos adiantados.
PRESOS CORRENTES DA PRA^A (Corregido Sabbado as 3 horas da tarde.)
i
o
o.
2E-3
gisa.-
s
a
2
U-''iUi'i......4UiU-i>-4Ul
i
3>-
4
{}.
UOz;>3
s
2
.8
z
el
ti
II
-5 a
.I

i l j ;
3o3oool'"3 ...5 o
tozz^:a Qp too
O V P V

'ti'il's-i

llttt

I i i
35
3 ,-Q a
, o s o o
coo
~ W O O 00

i ^ O r* c* 3
0> r- r- -o -o ./ u)
%
o o s
a o ^ o
-o x c r. ji o o -o r* *> o o o -r -
9"- b
ere.
J5 < i <
:3

t
IS OC = OOOOQOOOOO0OO
;0000-^--VSOOOOOOOOOi^O
V -' 3
J0-g;j>o a.
< t o.
II
1-3 i i,

I o o
o

s o o o o o <
<0 52
O Oi^OCOOO*<50000
m ra r* + t* *-
l4-j|.|||5S|..f.|..|i.|||3.,

C O O O >4 O C G O
OOOM M 00 O O O
i -i
' E*S? *'Ia
c2
COOC O O O O O O
0>0*0>=G-00000
QH-J
Q C
C O O .-* 4N00OOC 0>0<4=C-00000 OO
o o-o -tmec w)toor^r-r-t-oo ^3* r p o c e o 3 o
O O O s c
o c c o o
O O CC
O O fi-
CO -. e
o c
I
: o e e o
. O c C C O
o c c o o o
r, e -a r s o
(O i- i a "
e e o
-
o r*
* c o
5?3P
; = o o o
O co o o
> o -o o o
o
i
o
;,i i S ij < ,
y.
4
i i- i
fe.L
S5J 3-3-3 --SS
e-iU>- H |J
' i i S
~ B
i > i i l i g i i i i i i a i i i i i i 2
' 'i i i,3i.....sII"* A "
r t
s
a
S
i 8.
i
.<3|
i i i i i i i i ~
i i i i
i
i a' I e .
II'-s !'"
i
a a .fi -
J'Jj'SJ'
3-

HJiiMM-
* Se i 5
Su-3 6 u Q
o-o 9-8 aja o 5,-a o. gJJ
.5 o .3 S. -S
P'E- ? 1
| MUTILADOj
\


pmaHfaB
(4)
EXPORTACAO.
Agoardeote Caxaca -
Afgodo I. forte- -
3. -----
[ Assucar branco em caitas -
mascando -
> em barricas ou tac-
eos, branco -
. mascavado -
Courot seceos salgados. -
aleios do iola ------
Chifre da trra_ -
do llio Grande -
EXPORTS.
PREO DA PRAtJ
Ruin -------
Colton I. qualiiy -
2. -
Sugar in cases wbe -
brnwn -
a lor Barris or llegs
vrhile -
broivn -
Dry salteil hiato -
Taniie bids -
O-born -
iSfOOO SiJMO
60500 6*600
joon eftoo
I 000
eoo
ifsoo
llf.
400
U0O
|000
2|250
lj400
lia
IJ640
liSHO
POR
Pipa.
Arroba.

11.ferro
Libra.
Iliirn.
Cento
CAMBIOS.
Londres......,.,,,..
Lisboa.........................
Franca.......................
Rio de Janeiro..................
PK.VTA muida...................
Palace Braxileiros.......
Peos Columoario........
Ditos Meiicano..........
OORO. Moeda de 6|400 velha...
Hilas dita nov.....
Dlasde4J00O...........
Onras hespanhole......<
Ditas Patriticas..........
Letras..........................
, J9. 29 Vj e 10 d. por lf re. a 0 din
8 por cento premio, por raelnl ceciuauo
130 res por tranco.
. ao par
17J0 a 1/760.
/000 a 2*070.
2f000 a 2J020.
1J720 a 1*740.
IflfOOO a 160200.
I600C a 100100.
9|00O a 9JI0O.
28JS00 a 29f000.
38000 a JSJOi'.
I V a 1'/, por 100 f.. _^_____
FUETES.
ASSUCAR.
, LI,,poo!...-.-:7......... S.cosx 5 10 0 ees;
! Canal, pollos Ingleses.......Dito t i ti
l Dito, ditoeiilreHamb.eHavre. Dito J t I 10 0
iGeiiova..........<........Uilof 2 15 n
Illamhurgn caitas...............S
(Bltico........................I
Trieste.................Saccosll 3 0 0 at 3-2-6-
[ Estados-Unido................. ]
'Portugal......................./\ 160 a 200
, Franca........................ O 74 e 10 % de primagem
Com 10 /
Com 5 /.
LAGODAO.
Porlngal...,.............
("mira..................
Inglaterra.................
Itarceloua.................
00 por (D sein primagem nomina I
380 por (ffi'e 10 p / ao camb. de loo p ir
/, p" u. eo"p. 7, de primagem,
4C0ria
CUUROS.
iioiiiiuai#
Inglaterra Seceos f
Franca..............
Estados U nidos........
t 10 0 ... por tonelada e 5 por cento, nominal.
_.......... 70 bancos por toneladas, com 10 p cento
....... No lia.
32 "W
;*2*K?08
Da dia II de Novemhro de 1844 i.r. dianle pagars 60 p. c. o rap ou tabaco
de po, os charutos ou cigarros, o fumo eio rolo ou em folha.
Pagar50 p. c. os saceos de canliamawo. grossaria ou gimes da india, osc'iii-
' 'lll lltatllllal nniimanii, w..-( n--------------. *
rasquiuo, ou oulros licores, e os vinhos de qualquer qualidade e precedencia
bala
ra og
PagarS 40 p. c. as alcatifas ou tapetes, o canhamaco ordinario ou grossaria, as
incas de qualquer qualidade, e roupa feita, nao especificada na tarifa, asertas pa-
joLr, a,\.eo'va,d,calde marfim, o fogo da C&~t^*^
em frascos ou latas, seccas, em calda, ou em espirito, o chocolate de cacao ordinario,
o vinagre, os cari-rabos, carruagens ou caitas, jo-o, rodas, arreos para urna e ou-
>'a cousa as esleirs para Torrar casas, os carros para coiiduzir gente, os ociareis,
e silboes, os areiciros e tinteiros de porcelana, e qaalquer ohiecto de louca nao com-
prehendido na Urifa os lustres, os clices para licor ou vinlio de vidro liso ordina-
rio, os de vidro moldado ordinario larrado ou moldado e lavrado ordinario da Alle-
nunha e semelhantes os de vidro liso moldado ou lavrado, de Tundo cortado ou liso,
com molde ou lavor ordinario os callees para Cliainpanhe ou cervrja, ae canecas,
e copos direitos de 10 a I em quartilho. as garrafa de vidro at I quarlillio ou mais,
sendo todos estes objectos de ns. I e2 as garrafas de vidro pretas ou escuras da
mesina capacidade, comprehenddas as que seivem para licores ou Le-Koy ; os copos
tabernas al urna caada, os frascos de vidro ordinario com rollie do mesmo
libras ou mais ; ou sein rollia al 2 libra ou mais, os de boca larga com rollias
,u(imo, al 4 libras ou mais, ou sem rolha para opodrl loe os vidro para a-
lampada ou candeiros, as laboas ou folhas de mo;noou oulra madeira boa, e tras-
tes de qualquer madeira.
Pagaro 25 p. c. o ac, alcatro, lineo em barra ou em folha, chumbo em barra
oulencol, eslaulio em barra ou em verguinlia, ferro embair verguinha, chapa o
lioguaoos para fundico, folha de FUndres, galha de Alepo, lala em folhas, rataoem
chapa, marhm, salitre, rime, bacalho, pene pi, e qualquer oulro, secco ou, sal-
gado ; bolacha, carne secca ou de salmoura, berva-doce. larinha de trigo, pellicas
branca ou pintadas, cordoves ou cortes de liezerro para calcado, hexerros e coiiros
rnvernUados, couros de porcoou boi. ;^4ll 0u "seceos m- ~-- earaitp^telfo
ou correeiro, cobre e capirrosa.
pira
al 3
do mes
apresen
da A
de qualquer naci, que aobrecarregar o geuero braiileiioa de maior dlreilo, que
iguaes de oulra naco.
Os artigos nao especificados na pauta pago o direito aii valorem obre a factura
sentada pelo despachante i podendo poim ser impugnados por qualquer official
ilfandega, que em tal caso paga o importe da faclura ou valor, eos direitos.
No caso de duvida sobre a classiflcaco da mercadoiia, prtde a parle requerer
arbitramento para designar a qualidade e valor da pauta, que Ihe compete.
So santas de diieitos as machinas, ainda no usadas no lugar, em que forras
importadas.
EX PORTA CAO Oa direitos pago-se obre a avaliaco de urna pauta sema-
nal na rato segmnte Assucar 10 p. c. Algodo, caf, e fumo 12 p c. Agoar-
denle, como, e todos o mais gneros 7 p. c. Alem destes direitos pagao se
tatas de 160 rs. em cada caita, de 40 is. em cada fecho, de 20 rs. eiu cada barrica,
ou saceos de assucar, e de 40 rs em cada sacca de algodo.
Couros e todos os mais gneros solivres de direito para es porto do Imperio, a
etcepcao do algodo, assucar. caf, e fumo, que pagto p. c. e a tata por voluma-
Os metaes preciosos em barra pago de direitos 2 p c. sobre o ralor do mer-
cado, e a prala e o ouro amoedado nacin! ou estrangeiro paga nicamente '/a P- o.
Os escravos exportados pago ijjOOO por ceda um.
DESPEGA DO PORTO As embsrc.coes nacionae, ou eitrangeiras, que
navego para fora do Imperio, pago 00 r. de ancoragem por tonelada: e a
nacionaes, que navego entre o diversos portos do Brasil 9C r. A que entraren
em lastro e sahirem com carga e vice-versa, pagar me'iade do imposto supra.c um
trro as que entrarem, e sahirem em lastro; e mesmo as queentrarem por franqua,
ou escala, quer entrera em lastro, quer com carga Desla iroposicio poimtero
isentas a que importare! mais de 100 Colonos branco, e as queenlraVern por arribada
forcada, com tanto que estas nao carreguein, ou descarreguem mente os genero*
uecessarios para pagamento dos reparos, que flictena.
VENDAS DE NAVIOSAs embarcaces eitrangeira, que panarem a ser
nacionaes, pago 15 p. c e a nacionae, mudando de pioprietano, ou de baudeira
pago t p, c. (obre o valor da venda.
de 29
Pag.ri .0 p c. os livros, mappas e globos geogr.p,ico,, IM^W m.lhe
maricos, de physca u cl.mica, Trie, de vestido, de velludos ou damasco, bord-
is de pr.u ououro lino retro! ou irofl. c bello par. cabellc.e.ro.
P.garie p c.ocanutilho, cordo de fio espiguilha, fieir, fios, franjas, ga-
llo de".oou palbeu, l.nlijoulas, palbet. renda, e.d.rco. lodoso m... ebjec
tos deta nalureza, sendo de ouro e prata fina,
P.g.-6 &p.c o carvo de pedra, ouro par. dourar, ou quae.querobra. e
utensis de prata,
PagariS 4 c. as joias deouro ou prata, ou quaesquer obras de ouro.
PagarS 2 p. e. o diamante e oulra pedras preciosas soltat, semenle,rplan-
' e raras novas de animaes ulei.
PagarS 30 p. c. lodos os mais objectos.
Os genero reexportados ou baldeado, pago I p. e. de *^J"AT!!g
r-ssm; o despachante presta flanea at a approv.c.o desU medida pela A.em.
bia Gcral.l
Concedem-se livre. de .rmn.K.n,, ptW fc m??*ZZ
dous metes a oulra e lindos estes praios, pgra6,'/, p. c. ao mex do reepec
vo valor.
O.rdireitosda.f.xend.., que pago por vara, deve entender-.e vara quadrada.
O direito nao podem ser augmentados dentro doiotiwi 'G-
verno poder mandar pagar em md. de ouro ou prata um. v.ge.un. pirl. dM que
orTm Vniores de 6 e menare de SO p. c. dos preco. da. mercadera, ou mesmo
dm00toVeronuXrdr...Ubetor um direito differeucial^brw. genero
REVISTA^SEMAIAL.
CA'IBIO Sobre l.ondrc fierao-se Irauacce avulladas, durante (emana
a 29 '/a e lgums a JO.
ISTJCAH Foro grandes a entradas, e o proco mais fronxo i menos em-
barques no ltimos dia da semana.
ALGODO Comas ultima noticia de Inglaterra ubio a 6JI6000 r.; po-
rm boje acha-se menos precuradoi ha venda 4 6f M)0 r.
LOUIIOS Sem alteraco, ao preco quoUdos.
FAHINIIA DE TB1G Nao cnegou carregamento algum.
inCAI.HAO =Chegaio dous carregamentos, e veudo-se a ll>800, 10*900
ellfOOO n. : seguio mais um carregamento para o Sul.
CARNE DE CHARQUE thegou um c*rregamento, com o quel complela
2:000 arr ba: os preco sto r> IjfOOO a S4000 rs.r pouca \enda.
SEDL'LAS MIUDS Tem liavido grande flta no gyro commercial, e tem-
se comprado a 1 4 por cento de premio.
Resumo das Embarcaces\existentcs neste porto no dia 30 de Janeiro dt 1847.
Americana......................................................
Brasileas........................................................... 1
Dinamarquexa ...........>......... 1
Hespaniiola ........................................................
Ingletas.. .......t.......,......... 13
Norueguense ..................
Porlugueza................................... ......'
Sarda...............................................................
Suecas >> < >* a > ** *
Haraburguezk*. t*t# a^**#> '
Total 51
A Provincia gota tranquillidade.


1-.VSI
LISTA das Embarcares existentes nesle porto at o da 30 de Janeiro de 1847.
CISCO.
jetembro *
>
Oulubro
Nonembro I;
*
. 58
Ptienibrn 24
r|| Janeiro 6
>
, 16
> l
I
so

18
to
| ,||i Jmeiro T
18
7
Deiembro 28
*>
jtH Janeir

>
i3
14
a
16
11
20
n
59
lltf Janeiro *
Deiembro 17
U47 Janetio 10
a II
14

Phladelplia
Salem.
Boston.
Babia
Am
Ass
Arscaty
Rio de Janeiro
Ass
l'nliii
Ass.
Aracali.

Ass
Ais.
tllO UIMUU0 V ...
rae ti.
Hahia.
Rio de Janeiro.
Penedo.
llalli.
Parahyba.
Nem-Yoik.
Hamhurgo.
Barcelona
Rio da Janeiro
Guernaey
Baha
Lond. p. Falrnout
Tena-Nova
Baha
Terra-Nora
Babia
Rio de Janeiro
Liverpool.
Terra-Nova.

Rio de Janeiro.
patacho
E alacho,
rigue.
sumaca
jumaca
hiate
brigue
brigue
brigue
a
biate
sumaca,
hiate
br.-esc.
brigue.

sumaca,
sumaca
brigue.
hiate.
brigue.
biale.
Ni?*0.
Amcr.
RraxU.
MOHU.
brigue Dio
Deiembro 17
18(7 Janeiro I
*
a 9
a 10
a H
un Janeiro
Rk> de Janeiro.
Lisbia

Porto
Lisboa
Lisboa.
Genova
Gen.p.Gibraltar
Rio de Janeiro
Marselles,
Baha
Cadis.
Stockholm
Rio de Janeiro.
Baha.
Havre de Grace
Cbubourg.
brigue.
brigue
barca
brigue
galera
baica
a
alera,
brigue.
barca.
barca
brigue.
barca,
brigue.
a
Eolaca
rigue

a
lueguer
brigue.
Brigue.

a
brigue,

Hamb
Hesp.
Ingl.
R. F. Loper
Eagle.
Cocket.
Santa Arma
S. Joo
Despique
Aula
Animo Grande
Flor do Sul
Flor do Norte
Flor do fiedle
Carlota.
Nereida
Henriquet*.
Felii Dea tino.
Piatinim.
S Antonio de l'adua.
S. Benedicto.
Fiel.
Boa-Viagem
Felh Viajante.
Espadarte.
Elisa.
Goorad.
Feppc
Ri-Peckett
Iiabela
Tyrer
Suluna.
Cyiilliia.
Queen.
Ann Johnson.
Herold.
Choicr.
Serafina.
Meieppa.
Caxell
Noiug
Port.
Sarda
i'ueco.
Urgeut.
Hrrmes.
Tejo
S. Domingos.
Bella Pernambuncana.
Venal.
Conceico de Mara.
Catharna
loaephina
Coustantino
Neordo.
Andr Doria.
N. S. dos Assumptos.
Clara.
Jol.am.
Helena.
Solide.
Annette.
Sevea.
TOHS.
181
110
154
95
44
71
181
199
17
1*0
44
6t
87
Itl
107
704
74
41
100
18
1(0
17
10
111
176
106
I8
114
169
1IC
167
100
141
108
199
114
178
129
411
118
100
187
117
180
179
141
268
192
171
MBSTRB.
W. F. North
B. R. Peabody.
8. E. Wordley.
Joo de Dos Pereira
Urbano Jos dos Santos
Vicente Jacome
Joaqun Cerdoso
Jos Ignacio Pimenta
Ant. llootciro de Almeida
Manoel Pinto Baha.
Jos Gonce I ves Simas.
M F da Silva Araujo.
Jos Joaquim A Ivs
Manoel Pereira de Si.
J. Martios da Silva Vianna
Manuel Jos Hibeiro.
Joaquim Jos Silvera.
Jezuino Jos de Souza.
Manoe 1 Ignacio da Clin ha
B. A Alves Bacelar.
Nicolao Francisco da Costa
CONSIGNATARIOS.
Jorqueson.
J. H. Harms.
Joo Gilpe
John Harry
J. J Lonlestey
I. Kllis
John Dixon
Welllam Gaaldwortliy.
I. Wricht.
J. Me. Nell
Wm. Turnbeeld.
R. Robertson.
John Taylor.
James Kosion.
A. Peol.
David Uepburn.
Matheus Austln ti C.
L. G. Ferreir. 8t C.
Henry Forster Si C.
Novaes 8c C.
Jos Hara Barbota
J. A. deMagalh.es Bastos
Joo Francisco da Crui
Amorim Irmos

Nascimento & Amorim
Jos M.ra Barbota.
Luii Jos de S Araujo.
Carlos Augusto de Moraes.
Franc. Joaq." Pedro da Costa
Pedro Das dos Santos.
Amorim Irmns.
Luis Horges de Siquelra.
O Mestre.
F. J Felit da Rosa.
O .Mestr.
Botlie & Bidoutac.
Kalkmaun & Rosenmund.
Nascimento 8c Amorim
Oeane Youle 8c C.
N. U. HiebecAt.
Deane Youle c C.
Frederich Robiliard.
James Crabtree & C.
Mac Calmoot C.
James Crabtree Si C,
Frederich Robiliard
Deane Youle A C.
Joknston Pater 8c C.
Latham 8c Hibbert.
Le Bretn Scbramm 8t C.
Deane Youle & C.
DK8TIRO,
Daming.
SI'verlo Manoel dos Reis
Manoel Rodrigues Vianna.
Manoel Francisco Nogueira.
Joo da Costa Naves.
A. P. Borges Jnior.
F. Massony
i. Cbiappa
J Repello
V. Feraro.
H. Molino.
M. Chipo lio.
290
itn
141
210
Ct. Bugroan
E. Wander.
J H. Knoll.
Holtmann.
A. Pateraon.
i]Geore_Gobljerlson.
PhUadelphia.
Ro Grande do Sul
Rio de Janeiro,
Araca.


R. G.doSuInol F,
Baba.
Rio Grande do Sul.'
Babia at 2 de Feev
Jones Patn S C.
Oiiveira 1 rmuos A C.
Mondes Si Tarroto.
Antonio Francisco de Moraes.
Nascimento 8c Amorim.
Thoeaai d'Aquino Fonceca.

Copenhageii.
Barcelona
A fretar
A fretar
A fretar
Londres.
Canal.
Londres,
A fretar.
Trieste.
Jlo Pinto de Leiros A Fllho Genova
Lisboa at 14 ds F.
Lisboa.
Porto.
1.
A ordem
Jos Saporiti.
Le Bretn chramm 8c C.
Jos Saporiti.
Me. Calmont. A C.
Bothe ic Bidoulac.
N. O. Bieber A C.
a
Le Bretn Scbramm A C.
Ja,rnes>Crablrce A C.
Genova.

Trieste.
Genova.
GothenburgOi,
Stockholm.
Pernambuco na Typographia de M. F. da Faria.1847.
I
MUTILADO
l


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E342RMH8T_7XI5NW INGEST_TIME 2013-04-26T21:47:33Z PACKAGE AA00011611_08408
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES