Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08404


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno de 1846.
Sabbado 26
O DIAR10 puhlici-se todos o das que n3o
forero de guarda: o preco da 'signatura lie de
4ffl00 rs. por quartel, pagos adianladns. Os
annuucins dos assigoanles 5o inserido a razio
de 11 ris por liona, 40 reis en Ivp' difieren-
te, e as repetices pela metade. Os que nao fn-
rem asslgnantas pagSo 30 ris por linda, c 160
eni ty-po'difirante.
PHASES DA LA NO HEZ. DE SETEMBRO.
Iji clieia a S at 10 hora e 40 minutos da man.
Miii'oanle a 12 as 9 llorase II inin. da mm
La noa ilni i liorai e 13 min. da tarde.
Crescente a S8 as b horas e 6 minutos da man.
PARTIDA DOS COMRFIOS.
Goianna e Perahv1* Segundas e Sitias feira;,
Rio Grande do fv irte, cbega nai Quartas feiras
no mel dia parle uas nu mus horas as
Quintas feiras.
Galio, Serinhaom, Rio Formoso, Porlo Cairo e
ttaosyd. no l., II c2l de cada mez.
Garanliuns e llnuito a 10 e 24.
Boa- Vista e Flores a II 2a.
Vc:oria as Quintas feiras .
Ulinda lodos os das.
PREA>I\R DE li->JS.
Primeira as U li e iS minutos da in.mlia.
Secunda as i* li. e 42 minutos da tarde.
de Setcmbro.
Anno XXII
N. 214.
DAS DA SEMANA.
21 Secunda H S. Malhcus p. e Evangelista ; .
Eugenia.
22 Tern. S. Mauricio, aud. do J. do civ. da
I ,, e J de pal do 2. dist. He t.
23 Quarla 8 Poiiscna, aud. do J do civ. da
2. v e do J. le par do 2 dist. de t.
24 Quima S Gerardo, aud do J.de orphios, e
do I municipal di I. var.i.
7b Sesta S Pacilico, aud. do J. do civ. da I-
v e do J. de paz do I. dist. de t.
20 Sabliado S Cipriano, aud. do J. do civ. da
I. v., e do J de paz do I. dist. e do J. de t.
22 Domingo S. Adentj.
CA MUIOS NO DIA i DE SETEMBHO.
Cambio sobre Londres 27 d. r 8n a-
n PaiiiSaS ris por franco.
Lisboa 106 "/o de premio.
Desc. de lelras deboas fumas I '/, p. '/nao mez.
OumOnoas hesuanhotu Jo/ftOO a l|2uo
> Momias de OJMO vel. ij7IIO a
de IftM nov. mfO'iO a
a )i de ijOOO... 9/nnfl a
Prala Pataces....... liitv a
j Pesos cciluinnares ifSBO a
Dito, MestOSOOS. 1*900 a
Miuda. ........ lf"<0
II.JMUI
9 Vl'i
J^il'l
IfOOO
l|20
IftOO
Accoesda Comp. do itelierbe de 50*000 ao par.
DIARIO DE PERTAMBUCO
EXTERIOR.
NOTICIAS SCIENTIFICAS.
(MMICA K riITSIOLOGIA.
JndagafSe tobre o $angue. Memoria de M. Dumas.
O sangue conten tres materias orgnicas, essen-
ciae* sua naturea n a suas funcfoes : a (ebrina, a al-
bumlnu e a materia din glbulos. Sua abundancia ou
a Importancia di seu papel oceupi, ha muitn, a alien-
fin particular dos chimicos a dos physlologlstas.
0 Mas he mui fcil procurar a fibrina do sangue pela
baledura deste liquido, ao sabir da vela : se nio meos
fcil he obter-lhe albmina, deliando, que, por urna
cnagulaeo espontanea, o sro se Ihe separe, asalm au
^acontece, quando se quer prucjrar ot glbulos desem-
baracad sda lebrlna nu da albmina.
Todava, nesses ltimos casos, um proeesso part -
colar, Indicado por M Benlius e desenvolvido por M.
Muller, forneceo a MM. Lecannu e Figuier um metbodo
proprin para obler os glbulos perfellamente puros
ii Este metbodo lunda-se em urna modificafio, que
pode o sangue soffrer na sua pnsifio a respeito das en-
tradas, que Ibe offerece o papel de nussoa nitros. Derra-
me-te sanguo batido, llvre de rebrtna, e por consequen-
cla liquido, sobre um filtro de papel, para isso proprio,
e er-se-ha, que os glbulos desse sangue passin atra-
vs do filtro, e, por esse meio, fnroecem um liquido vi-
gorosamente colorido de Trrmelho. A flitraco lenta, e
emflm difflcll, apenas deixa sobre o filtro um resto de
glbulos alterados, e alias pituco abundantes. Eolio,
torna se impossivel ettudar-lhes as prepriedades.
Maa se, antes de filtrar o sangue, se o desfizer em
urna dissolucio saturada de sulphate de soda, que te-
nha o triplo ou o quadiuplo do aeu volunte, essa mis-
tura mortificar de tal forte as propiedades do licor,
em que fluctuio os glbulos, que aquelle passar atra-
vs dos puros do papel, deiiar estes sobre o filtro, e
correr completamente incolorido e ioteiramente limpi-
do: e corno, neste caso, a flltracio hn rpida, pndem o
glbulos ser colhidos em um satisfactorio estado de pu-
rea e integridad*.
Todava, a appllcacSo desta prneesso nio dnlxa.
ter algumas difflculdades dignas de attencio, pelas cir-
cunstancias, que revelio em a oatureza e as fuocedos
dos glbulos do sangue
ii Com tffeilo, se, mesmo depois de urna avultada
adicio de aulphate de soda, se quiter filtrar urna por-
fi de sangue despojado de fibrina, mas por algumas
huras conservado, o licor passai atraves do filtro com
dilllculdade, esempre colorido.
Compre, pols, operar sobre o sangue de fresco ex-
trahido do animal Apenas se o tiver batido, e a fibrina
se houver coagulado, deve-se passa-lo em um pedaeo
de panno de linho fino, e lanqa-lo na dissoluco de sul-
phate de soda. Posta no filtro essa mistura, obter-se-he
um licor perfeitamente lmpido, levemente tinto de ama-
relio ; e todos os glbulos Acarar) sobre o filtro.
ii Entretanto, se o licor, que corre, (dr immediats-
mente substituido por urna nota dissolufio de sulpbale
desuda, destinada a lavar os glbulos, observar-te ha,
que esse colorido, a principio fraco, depois um pouco
Oais forte, flear en firn tio Intensamente vermelho, que
se nio pnder duvidar de urna profunda alteacio oos
glbulos contedos em o filtro.
i Entretanto, para se obterem glbulos puros, deve-
se lata-Ios multas veres rom urna dissoluc3o de sulpha-
te de soda, para que nin fiquem impregnados do son
do sangue, Islo he, de um licor albuminoso, cuja pre-
senta oceultaria os caracteres, que Ihes tio proprios.
a Depois de muilus ensaios Imitis, reconheci nos
glbulos do sangue una proprledade, que me petotittio
vencer esta dilllculdade.
a Emquanlo os glbulos do sangue recebem o contac-
to do ar ou d'agoa aerea ; emquanto, em urna palavra,
tiles se acbio em o estado arterial, a dissolucio, que os
encerra, pessa incolonda atrases dos filtros, e pastando,
abl os deia todos.
Sempre, porm, que estes glbulos tomio a cor ar-
rouieada do sangue venoso, o licor, pelo contrario, cor-
re colorido.
K Era oecessarlo, pols, conservar os glbulos em o
estado arterial, emquinlo duraste a filtracio e a lava-
gem. Isto consegu eu, de um nu do satisfaelorio, mer-
gulhando no filtro um delgado tubo, por meio do qual
enraminho atraves do licor urna rpida e constante cr-
renle de ar.
1 Aqu o autor da memoria demonstra a necessidade
de operar rpidamente. A dissolucio de sulphate de so-
da deve continuamente substituir o licor, medida que
se elle for escoando, e contribuir cm a correle de ar,
para que os glbulos te nio depotitem as paredes do
filtro. Uo ea.eucia! evitar este deposito ; pols. apenas
se elle realisa, os glbulos, que esli em contacto com
o papel, nio ncehem maia o ar e se slterio, entretanto
que, na que furmio a carnada superficial, conservio o
estado arterial, apropriando-se du ar contedo em o li-
cor da lavageai.)
a Nestet dlvenas clreumitaoclas, comportio-se os
glbulos do sangue, como se conttituittem entes verda-
deramente vivoa, capases de resistir i accio dissolvente
do sulphate de soda, eniquanto persiste sua vida, mas
que cedem a essa accio, logo que leem tuecumbido as-
phviia, que para elle resulta da privacio do ar, e que
ae manifest com singular rapidez, ou pela ua mudan-
te d cor. ou pela sua prompla dissolucio.
Eolio a tarifa do chioiico deve consistir em con-
servar vivos estes glbulos, e, entre os diversos melos,
que para isso ao espirito se oflerecem, pode citar-se a
agilacio do liquido, seu rejo cooslante, a cooservscio
da temperatura no grao, ea que te ella acba no corpo
do animal.
Todas estas precaucoes furmio, em algumas horas,
glbulos puros, com tanto que se ofio tente preparar
oais de cloc ou seos grammas delles, de urna ver
--------------1------------ Tjf JLTrijT ^Tfl
Essa tio rpida alteracio dos glbulos, apenas alo
privados do contacto directo do ar ou d'agoa aerea, a
energa ctlie na, com que, em urna carnada de glbu-
los, os que occupn a superficie apoderio-se do oivge-
neo diasolvido n'agoa, nio consentlndn. que aos que
por balso delle se ael.au collocados communlque-te
mais do que um licor incapai de arlerlalisa-lis, sio
rircumstaoclas mui dignas de oceuparem seriamente a
allencio dot physiologistas.
Com elTelto, as discussoes, ou nos clculos, a que
a respiracio tem tenido de >ibjecto, sempre se tem con-
siderado o sangue como um liquido homogneo, que re-
rebe o contacto do ar no pulmio, e que solTre alteracdes
mais ou menos rpidas.
a O oro constilue, sem duvida, um tal liquido, e eu
nin contesto a pirte, que pdeelle lomar no phenome-
no da respiracio ; mas ns glbulos constituyo oulraa
tantas vesculas flticluanle n lie soro, doladas ile res
piracio propris, e ujos elleilos. conluoilidos com os
qU'' resulla,) da relpirafio do oro, proilur.nm, pela SUi
reuniio, o phenomenn geral da respirafin.
Poder-se-hia diter, pois, pondo, por um momen-
to, da parte a accio propria do sro sobre o ar, que a
respirio de um animal superior, do bomem em parti-
cular, tem. sobretudo, por objeelo lornerer oiygeneo
aoi gloliuloido teu tingue, eeipellir o productos, em
(|ue se elles convertem.
Kcitan, se ae quizaste calcular os elTeitoi da reipi-
racio, dever te-hia contar com at membranas, que lor-
mi os envoltorios desiel glbulos, porque sibc-ie,
quao ilillerentes lio da dissolufio pura e simples do
gaz, estes phenomenos tio eitrinhot, que se pasiio a
travs dai membranas, que tervem pan leparar dout
reiervaloriot cheiot de gares diderentes. ou dout lqui-
dos carregados de rsz, timbem disienielhanlet.
Para que, poil, a respiracio poisi ser bem com-
prehendida, deve ser eitudada nessas viriculai ou gl-
bulos sanguneos, principal sede dot principie! phe-
nomenot. i|u*ella ea>ti ebearregada deedeiluar, e cuja
orgaftitaoio estranba Ibes complica as lea physicas.
A maneira, por que estes globulns obrio sobre o
ar ambiente ou i'itiolvido, as condicOet, tob que ella
conserva seu carcter normal, tornio-ie, atsim conside-
radas, de um interette inconlestavel.
a Ora, para reconbecer a iniegridide dos glbulos e
a conservaco de sua propriedade fundamental, lemoa
doui mema igualmente seguros : o microscopio e a ag
lacio com osygeneo. Qui-ndo oa glbulos esli inti-
ros, o microscopio oo-lo indics ; quando se podem tor-
nar arteriaei, torn*o-se vermelhos, apenas o oiygenen
ibes toca. Tor^o o mundo sabe, que, durante a circu-
lacio, o sangu poatue eslet dnut caracteres; elle os
nao perde, inda mesmo depois de sabido do corpo do
animal.
A baledura Hn sangue, que lepara fibrina, dei
sa os glbulos intactos, e em nada os priva da farulda-
de de se arlerialissrem.
a Neile phenomeno, a albmina nio he mais indis-
peniBvel. que a fibrina. Qmndo pouco a pouco aubs
litue-se por urna dissolucio de aulphate de soda o toro,
em que fluctuio os glbulos, riles nio conservio, por
iito, tnenoi iniegridide, como mni bem se pude ver
por meio do microtcopio ; e, pel sua agilacio com o
oxygeneo, tambem se nio toriiio menos vermelhos.
a Astiin, be ingnita aos glolulos a faculdcde de
tomar a cor brilhanle di sangue arterial : ella be inde-
pendente da alhummi do loro, da fibrina do sangue,
da accio vital do animal,
Mal todos o sulphale alcalinos guardin, porven-
tura, i eta propriedade o mesmo respeito, que o de
soda ? Nio, por certo ; e a eipenencia o demonstra.
O phospbate de toda ordinario, que, como o sul-
phate, ensle oo sangue em o estado normal, prii'e, at-
sim como elle, ter com elle misturado pela taturacio,
tem que em nada altere a possibilidade de (orna-lu ar-
terial. Agite-te com o osygeneo urna poroio de sangue
saturado de pbosphale desoda, e elle loifar una cor
arterial de um ver melho mais brilbaole liltei do que a
que tinbi antes desta addigio.
Atiim, relativamente a esta propriedade ao me
noi, o tingue, tem inconveniente, pode receber quan
tidadei de sulpbale ou de photpbale de toda muito tu
periores ai que conlmha.
Certotsaes de acido* orgnicos, taes como o lar-
trate de soda e potaasa, ettio no mesmo caso; mas o
sal marinhoe o cblorureto de potsssio leem predicado
inteirameole diversos. Se te uturir de lal mantillo urna
porfi de tingue batido, bailante fretco, e inmediata-
mente te o agitar com ja' osygeneo, toa cor lornar-
se-bs rousa e sombra,
o O sal arnmonico produi o rniimo efleilo.
c Uar-ie-hi algumi relacio enlre estes phenomenoi
e o ibuso das comidas salgadas, que se icruia de pro
duzir o etcorbulo ? Convra tambem adiar algumi se
melbanfa entre a acfiu do sil ammoniaco tobre o san-
gue e a accio tonca nereida por elle sal e por lodos o
oulroi ammoniacaes ?
Como qur que stjs, em (odoa esses casos d-se
urna circumstancia, que nio pode denar de filar a il-
lengio. O tiet. que, oo lingue, mantcem a faculdade,
que elle tem, de arlerialiiar-a ao mesmo lempo que
lio proprios para cooservir-lbes osglobulot em tus in-
tegndade, dio-Ihe a propriedade de fornecer, pela fil-
tracio, um >io incolorido. Pelocoolrario, o que Ihe
tirios faculdade de loroir-se arterial, au laciloieote
permittem filtrar un loro colorido.
Eitis experiencias levlo a penssr, que a maleria
colorante do sangue he sobreludo propria para tomir i
cor eararteriitica do tingue arterial, quindo se une aos
metmos glbulos, de que fat parte Seu candor modi-
fica-te, ou perde-se, quando, pela detlruifio ou Silen-
cio dos glbulos, a materia colorante entra verdadei-
ramente na dissolucio.
Comparando cuidadosamente ai porcOes de um
mesm tingue, postn em conliclo Com saes alcilinol. e
que, a fro, ie podettem saturar nettes mesmos ses
pareceo-me, que, em geral, etsas dittoluc5et salinas,
agitadas com o osygeneo, comportio-se di mineirate-
guint :
Os taes, que encerrio cidos organicoi complexos
como ni cidos trtrico e ctrico, conservio melhor a in-
iegridide dos glbulos, do que ot ses formidos pelos
cidos mineraet.
n Os taes, cuj base hn a suda, lio mais prnpriot pa-
ra tuslenlar esta iniegridide, do que aquellet, que teem
por base a potassa e o ammoniaco.
Parece, pos, que exista urna inesperada ligacin
entre a intecridade dos glbulos, o estado arterial do
angue. os phenomenoi da respirado, e a nsturan dos
saeidisiolvidos no langue. Basta ter tentado algumis
experiencia! desta eipecie, par se ficar convencido de
que, pelo Dtlico laclo da introdurpio de alguna saes,
que modifiquem a pnaicio dos globulns do tingue i re
peito do oiygi neo, pode a nphyxii ser determinada no
centro do ar ou do oxygeneo, tem que. em appireniia,
nenhuma ditlerenca hoja em o phenomenoi da respi-
racio
o Tomo a liberdide de chamar a attencin dos m-
dicos pira esta orilern de phenomenoi, em umi pon,
em que tio Ultmente piles se orcupio da analysio do
sangue Seria para desejar, que o estudo dos glbulos,
em algumas molestias ciracterisida, se tnrnasse o ob-
jecto de pesquiras particular's Tudo leva acior, que
na sua alterabilidad, maior nu menor, niail ou menos
prompls, exutem graos 6iiscepliveis de medidi. e ci|n-
zes de ser reconherrdos se se receber o sangue da
smgria em urna dissolucio di sulphite de soda pira
depois 10bn etie-lo a oulrss experiencias, ou mesmo se,
ao depois ile se o ter separado da fibrina, se tentar alie
ra-lo por sai s convenientemente escolbidos, taei como o
marinho ou o ammoniaco.
A maior ou menor resistencia destes ses alteran-
tes liirnereria imlicei, que por couss alguma podem ser
b je substituidos no dignostico du molestias do
sangue.
Isolarloi o glbulo!, tornou-se tio fcil a analy
elemenlir do sangue, que eu pude efleilua-la com ir
ira ronfiantaem teui resultados. Bem purgados de
tero os glbulos do sangue, e poslos em pratos rasos
em lugar, que tenha sido enxugido por acido sulpburr-
co, dio, em pouco lempo, um ledimenlo perfeilamen
lesecco. Este, tratado pelo 'ther e pelo alcohol fer
vente, lorni-se insoluvel na agoi.eenlio pode-te Ihe
rxtrabir o sulphate de soda, que est;i rnitlurado nos glo
bulos. Foi depois desles diversos tralamentos, que con-
segu a analyse elementar. Enaqui os leut rctultadot,
sem contar com ai cintas,
Globuloi do langut
do coelho.
55.1
7.1
17,5
21,3
Deltas analytei retulla evidentemente, cono j se
tinlia concluido dai propneJades dot glbulos do tan-
nue, que estes corpos perlencem i familia das malenas
albumiouidai. Se o carhone, que ellas conlem, eleva-
se a urna cifra alguma coun superior ida substancia
in d melhoi, existe umi materia col ranlo omito mait car-
bonetidi do que ellat.
Em una oulra memoria examinarei, te a materia
doi globulot do sangue pude ser confundida corr a al-
bmina ou com a substancia inodora, ou te, como pa-
ece protavel, deve-se ditlinguii detlia dual material
tanto quanlo da fibrina.
(Praiie. )
d i mulher, do ci,
('arbone. 56,1 55.1 55.4
Ilynrogeneo. 7,1 7,2 7.1
Amia. 17,2 17,3 17,3
Oxygeneo. ele. 20.6 20. i 20.2
Correspondencia.
[MUTILADO
Sr$. fedactoret. epoii do um silencio de dout
das ; depois de lalvez multo etportado pelos teus ami-
gos, psra do alguma sorle airedar I ihipretsio, que uo
publico fizera a correspondencia, que Vms. tiverio a
liondade de publicar, eemque eu narnva os man si
lenles pormenores do meu itcrificio policial, em que.
anda sustento, mait que a nm^uom, perlence ao Sr.
fre Joio Capullina de Meridunfa as honril do lattr-
doeio ; dirigio-ie etle io prelo, e coni urna lingoagem
tio impropria de urna pettoi, que na sociejade tem de
deieoipenbar o papel, que, como religioso, Ihecihe,
que bem longe de conseguir o leu hm, oda mais U-i
de que levar ao animo de alguem, que porvenlura an-
da estiveise duvidoto, a convircio de que a elle com
efleilo ciba a paleroidade deiie ficto eaoandiloso, que
elle lio cuidadosa, porm deigeilotimenle pretende
irredar de si ; pois que quetn etlrver despido de pre-
venfOet, quem a singue-fro e no estado, em que le
devearhar um juiz irnpareial, lr esto escripto, nio pu-
der deiiar de periuidir-sa, uue aquello, que urna
1
expoiicio succinla e honetla responde com intuitos a
duPtlos. he capiz de tudo, pretta-ie a tudo.
No entretanto, para que nao passem desapercebidos
alguos doi pontot dete escriplo ; pira que nio sa per-
suada o Sr Capistrano, que so porque me insultou,
dando assim provas deque esli disposto a repetir pira
enmmigo sreni igual aquella, em que j fui victima,
em me intimido, e rerolho-me ao silencio, permittio-
me, Srs Redactores, que ainda por esta vex, me oecupa
desse negocio, ao qual proleilu nio mais voltar.
Dii o Sr. Capislrino, que nio foi elle, que ordeoou
acorrida, que ella foi feila pelo lal Manoel. de cujo parenietco Smc.
tanto te ufana, doieu molu proprio, em prova drelo
que tem pela sua nrwidiijima pessoa.
Me ella urna dai muilas falsdadei, deque se cha
recheiida a insultante resposta do Sr. Capistrano, e que
bem demonstra. o pouco caso, que elle fai da verdade,
de que lio amante se quer moslrar. Os Srs. Pedro Jo-
sA Ribeiro Alves. Joaquim Marques da Silva Mallo,
Malhiai de Arevedo Villarouco, Joaquim Vi reir Aran-
tes, e Jos Gongalves Ferreira e Silva, homens, que
eommerciin neala prafs. onde teu leilemunho nio po-
llera ser piulo em duvida, presenciarlo eisi primeira
parle di fatal scena, em que lio incommodo papel me
couhe, e ahi estio promploi e dispostos para declara-
rem, que ella se pistnu. nio como afluira o Sr. Capis-
trano, mas sim aegundo eu releri.
Pretende o Sr. Cap Irano prevalecer-ie da circumi-
ta-icia de nada hver eu allegado parante o Sr. Jos
Thomaz, quando, ao entnr elle noeilado do quirtal
do corpo de polica, ahi me achou a lallarcom esse of-
ficial.
Se o Sr. Capittnno livette pela tua reputscio o telo,
que iorulca, le toubeate manejar as armas, com que
procurou defender se, e por roeseauinle evitar o lerir-
e Helias metrna, deixaria em ailencio esta paasagem
dessa historia, emque da oulra vex nio loquei, e na
qual ainda i Smc. couhe o papel de enearnicado ilgoi,
pois injurinu-me de novo. Iratou-me de marinheiro, e
alcunhou-me de assaisino ; ea mm o de manso cor-
deirn, pois que pacientemente o ouvi, sem em nada re-
torquir-lhe, como elle proprio confera.
Finalisa o Sr Capivlrano o leu escriplo, ralumman-
do-me ; menndo; buscando iodispor-me com loda a
oflicialidade do corpo de polica, onde, lias, alguna
Sis. ha, a quem respeito; equerendo ranear sobre
mim o ridiculo.
Callumniou me, quando esterera ter me queixado
de haier tido espancado pela polica, no entretanto que
todas as minhas palavris, quando iletse eipincamenlo
tratei, apenas se referirio ao Sr. Jote Thomaz, enio a
loda a rorponvio. de que elle fat parte, e que, na rea-
hdade, nio pode ser respontavel peloi acloi pralicadoi
porqualquer dot leus meriihroi.
Mentio, quando avancou. que se nao deo ; porquanlo a cirla do carcereiro da cadera,
que n e vio, immeilialamenlii depois de ter eu libido
io callahotico, e cuja transcripfio a Vms. rogo ; o les-
lemunho do Sr. subdelegado de S. los, oSr. Manoel
Camello Pessoa. a quem mostrei ss conlusSes. que as
|,.-iiicihI s me deiirio em o braco direilo ; e os dos Srs.
Jote* JacinthoilosSantos, Aprigio Jos da Silva, e padre
Basilio Gonfilve, que tambem virio estas contusoel, e
na mesma occasiio que o Sr. Peisoa, mui lorlemeole o
eomprofio.
t\)uii linear tobre mim o ridiculo, quando me apel-
lidou de dama do* preiepio da dif ueta Natalinu.
Digo, que ruz, porque lentou e o nio eonieguio ;
noii, se eu merereite ser ridicularisado por haver, no
lempo da minba menenice, feit> parte dol actores da
um Iheatro particular, e tio acreditado, quanto o foi o
da Natalent, que ainda vive melimorphoiesde oa so-
ciedade l'hito Iramaticn a qual muito me ulano da
pertencer ; quinto o nio merecera ser um sacerdo-
te, que, sendo regular, ntrodurisse em tea eoaveoto
umtcensr'o dr.milico, e oelle figurina como general,
vellido de laida, com umi lerrivel. durindsna a cinta,
romsuissas e bigodes tuppotlot, como pralicoo oSr.
Capislrano. dentro do leu proprio convenio, qus
be odeS.-Antonio do Recfe, em o anno de 1840?
Quanto o nio deveria ter um francteano, que, lan-
do ido a umi povoifio, afim de nella exercer ai func-
cesdo seu mmiilerio, na noile do mesmo dia, em
que pregou, apresenlou-se em um tibiado, cosa eal-
fat e sobre-cauca de brim pardo, um bonisinboa pol-
ka, e deaempenhando M obrigicdea de ponto de Ihea-
tro como le o Sr. CaprUnoo em a povoecio de
Sioto-Amaro. freguexia de Serinbiem. pela lala do
Natal desle anno? Sr. Capittrino, corra-se da pejo ;
o, quindo livor de eterever para o publico, jmaia so
lembre de centiirar noi oulrot as meimaa secos, que
j lem pratirado; eque. lupposto a ellea nio tragio
detar Igurn, nio lio con tudo a Voic. decorolii; pois
que. ni quihdade de religioso, tem a cumprir deve-
rei que nio ettio aquellei obrigadoa
A terminar, nio pono deixar de declarar aoSr.
Capislrano, que o meui meiol du vida alo de todos
ronbecidoi; que eu vivo de eooimercio; qus, como he
publico e notorio, sempre que a esta cidade venbo ha
para comprar gneros, afim de ir veod-los na comar-
ca do Rio Formoso, pira dol lucros delles tirar a mi-
nba subsistencia, e da oninbi familia, ( familia legal,
ouvio Sr. Cipiilnno), pon qoesou cuido, e com pes-
soa, cojos pais ao Sr. Capislrano nio Uo deacoobeci-


do; e que assim fie reolvido o poblem, qu>", como
insolo vel, Smc. presenlou.
Aproteit'i a occaaiio para instantemente rogar
aoSi. Dapistr.ino s narracin des*e fado, que, dizclle.
rnuilo me deve envergonhar.
Sou Sri. Redactores De Vmrs. litor o abrigado
criado Daniel de Sant'Anna Bairoi.
Recife, 25de*otembrode 1846.
DOCUMENTO.
Illm. Sr Manat Jkomaz dos Santos. Rogo-Ibe
o favor iln me declarar, ao p* desle, o rilado, pm que
me vio entrar par e cadeia, na ooile de 17 do cr-
ranle, e tii'lo quanlo o Sr. fez par minba cura; de
cujo fevor Ibe ficira obrigado, quem he
De Vmc.. alenlo venerador e criado
Daniel de Sant'Anna Barros,*
lllm. Sr. Daniel dr Sant'Anna Barros. Emre-
posla a sua, lenho a dizer-lhe, que, cm a ooil da 17
de s lembrn, quando Vine, enlrou nesla cadeia, loi
e quedando, qun linha si lo ('naneado a ponto de
nSo poder lirar a caaaea, e que por no loi preciso
outreni a tirar ; e ao depols eneonlrei diversa* con-
tu>5es. Sou seu tenerador
Manuel Thomax dos Santos.
Rstava reconbecido.
______COMMEBCIO. ___
Alfandega.
ItKNniHBNTo oo di 25...............4:637,>535
DetearregaO hnje 26.
Brigue .ouiecan >8 de ferro e chumbo.
I'.i.11 buMarta-Joaquina vinho.
Palie: oNovo-Saraivamercaduras,
ilngue lardoDantolednlhos.
Consulado.
ItENUIMKNTO no DA 25.
ieral............................ 1:479*071
Provioeial.......................... 758*836
Diversas provincias.................. 44130
2:235*437
illmHiM-nu do 1*01-10.
Navio entrado no da 25
llha He Sumatra ; 89 di*, tingue americano Lucilla,
ile 281 tonelada, capilio Jolin Morshall, equipa-
gein 12, carga piinenla ; ao capito. Vem roca
i.ur orden*.
Navio sahido no mamo di a.
Astil; hiate braaileiro Flor-do-llectfi capilio Jos
Marhido Malhoiro Braga, carga fjiinba. Passagci-
ro. Jo.qiiiin re Prnca Cmara.
33 ^J------U9B9BaBP--ijaaj-aBB
Kdilius.
A cmara municipal desta cidaJe fo sal cr. que.
por se n.in terein ain la eflerluadn ns irrematai,des da i-
beira do mercailo desle bairroa do da Boa-Vala, do al-
guna tainos do acougue. das Cinco-Ponas, da casa da rila
Imperial, e de doas earrogei para boit, irSo nova mente
em praca os mesniosobjeclos em o da 26 (boj ) do cor
rente, na cita de suas sessSes, onde devenid o lictenles
comparecer, devidamenle betiiliado*. Ilecife, 19de se-
ti mino de 184C. Manuel Juiqunn do liego e / Ibu-
querque, prndente. Judo Jui itntira iltAguiar.
tucietaiio.
A tmara municipal da cidade de Olinda e seu
termo, tm vi'tuile da lei ele
Par saber, (que, mis das 2i (boje), e i8 dororrente
serio ai rematado*, porqnem maii der, o contratos se-
gumlrs : dos mscales e hoceteirae, as rasinhni da uti-
r, o repeso dos (migues, o subsidio dos poicos a le-
rifo dos pe.o n medidas, irmii'Oin grande no Vera-
douro, dito pequenn no meimo lugar: devendo os pre
lendente* comparecer habilitados e munidos dos com pe
toril-1 fiadorr*.
E, para que chegue a noticia 6 todo*, mandamos la-
?er o presente, que ser publicado nos lugares do cos-
tunie e pela imprensa. Culade de (limita, 17 de selom-
lirn de 184G. Jote' Jonquint de Almeida Guedet, pre-
idenle. Juo l'aulo Ferreira. srrrelarin.
De. Iaiat.1,01.
ex O brigue Desengao recebe a mala para o Rio-
de-Jsnnro, no dia i.9 do correle, si 11 huras do dia.
= O arsenal de guerra compra azeite decnriapatu
e de curo, fio de algodao e patios : quem lies gneros
quitar oroecer, mandar sue propo da, a directora do rnesuio arsenal al o dia "O do cor-
rente mez.
Arsenal de guerra, 25 de setembro de 18ll>. Judo
Ricaido da Silva, amanuense.
Theatro publico.
BENEFICIO DA PRIMEIRA DAMA
.lliANNA .1/.lltl.-I DE FIIEITAS GAMBOA.
AMANDA* 27 DO CBRENTE,
gfi reprsenla a grande peca nova
BHAMCA E FALIERO
OD
O CONCELHO DOSJDFZ.
Acto 1. O trumpbo. Fallero enlra em Veneza
em um carro Iriuinpbal no meio das acclamegoes do
povo, banda de mutira militar, e toda a nobre/a, que
o vai receber acavallu : um rArpo de lanceirn fl ra
vallo precede eu carro : outio crpo de cavalleria li-
geira fecha o prestito ; manobrando o esquadiio a vis-
ta dos espectadores
Acto 2." A luga. Branca, enamorada de Falicro,
be sorprendida por teu pai no seu palacio : Fallero,
paia nao comprometer o crdito de sua amante, foge
por urna jaoella, que da para o palacio do etnbaizador
de Hespanba. cuja communieacio he prohibida com
pena do morln pelas lei* da repblica, por estarem em
guerra as duas na cues.
Acto 3 O apparelho da morte. Faliero tirado
do carcere. he comiu'iilo a sala fnebre, onde, reuni-
do o conceibo dos dez, he sentenciado 6 morte, entre-
gue aos algozes. e salvo por sua nii.nte.
Apparecerd tre* vidas nova*. A caa do* Iro-
pheos. A praca do S-Marco*. sala do con-
celho.
Principiar a* horas do costume.
PUBLICA CAO [JTTERARI\.
Acha-se vend* por 6.000 r cada eiemplar, as li-
vraria* da prafa da Independencia n. 6 e 8, e na
esquina do largo do Collegio, a onuito inleressaole o-
bra intitulada
SYNOPSIS,
oa
Deducao chronologiea dos /actos mais notaveis da
historia do Brasil pelo general
1 I. I)R Alll'.H' i- I.1MA.
autor do compendio da intima historia.
Alm de toda a historia do Brasil, desde o seo des-
cobrirnen'o at 1843, con'm esta interessant* obra o
eicerplo de toda a legisluc^o orgnica do paii, dos el-
tahelecimento* publicus, fundaios piss, e um retro*-
pecio sobre a historia da America desde a mai* remota
iriligiiida.il'. Conlm miis as dalas de toda as bullas,
breves pontificios e rescriptos acerca do Brasil, as dos
tratado* e convences, que se referom nossa historia,
e as instiluices de toda* a* orden* honorficas e reli-
giosas, com os nomes de lodos os donatarios, governa-
ores, rspiliet-geoeraes, vice-rei*. prelado*, bispos e
arcebiipot do Hrasil, incluindo o* fados mais notaveis
le suas administrarle*. Esta obra enrerra finalmente
os annaet do Hr- sil, ahrangendo lo la a sua historia ci-
vil, poltica e ecclesiastica al o prsenle.
Um s volume em 4 porluguer com 450 paginas
em eicellenle papel, edico ntida e feita coro todo o
cudalo eesmero.
Nao recommendamos a obra, porque todos conhe-
cem o seu autor; mu podemos asseverar, que na lin-
goa portuguesa nao eiisle urna prodcelo qualquer,
que Un' possa ser comparad', Unto pela utilidad, como
pelo ineiludo novo e simples dn escrever a historia ebro-
nologicamente ; nSo lis individuo alguui, de qualquer
classe ou rondicio, qun seja, que nao lenba precisan
de consultar ou de saheruina dala.
Na* mesmas lujas, acuna mencionadas, achsr-se-hs
tambero a venda por 2,000 r*. cada exemplar a bem
escripia Desposta ao padre Januario pelo mesino au-
tor, ou Elucidarn dos ponloa conlroverliveis da his-
toria do Brasil. E>ta obrinlia he muilo inleressanle e
neiessanu para inlelligencia de varia* pa6tageD* da Sy
noptis, onde vem citada.
A%
so mai iIiiiki.
Para o Cear e Maranhio sahir,nt odia 8 de ou-
luhro. o elegante e recem construido bllgue-esruna
Jos'phxna, capito Jos Manoel llarliosa, reconbeci-
damenle de primeira classe e marcha; lem ricos corn-
inodo para passageiros a quem se dar o nielhor tra-
tamenlo : paia etiesou carga, e para Ambos o* porto*.
Irala-se com o c.ipilo ou com Mdnoel Duarte Rodri-
gues, roa do Tra| i> lie. n, '26.
I.rdoes.
0 rorrelor (lliteira farii le,lio de ron>ple(a e
jci-l ciiie ii (i l 11 do un.a rata ronsiilindo em um
palanquiro commodas, meta* de jantar, dita* de jo -
gu de meio de sala redonda- e oulra* pequenj* ,
opbs, canaps, radeia* de I alando, dita* parlala,
Htatortos, gualda roupa leito grande com encl.er
goes relogio de mesa quadros porta-licor com
luiteiraa, copos linternas, mangas de solio, appn-
relbo para cha e mesa vasos para sitio e, alero de
apperelhos pera ch.-i o Hiere* e faqueiro* de prata ,
ele e oulros ii uil"S artigo iniudos de grande utili-
iiade ; iissim romo de um carro de quatro roda* em
o mi.i lino, estado rom todos oa seu* necessarios ar-
rems : lerca-leira, 'J'J do roirenlo, as 10 boriiS da
manlia no ra do Cabug, n. l(i.
Avisos diversos.
0 NAZARENO N. 54,
esl a venda na proc. da Independencia, livraria, ns.
6 e 8.
Traz iiiteressante* noticias da cuite, e artigo* de ca-
sa, i.i re a iicii.i.-in de pretidenlo, prisio dos pretos
tebismalicos, negocios do l'so-do-Albo e Nazsivtb.
AtMANAK
ADM1KISTRAT1VO MERCANTIL E I.VDUSTIUAI.
do Rio*de-Janeiro,
PAHA O ANNO DE 1847.
Ornado com um primoroso retrato de 8, M. o Im-
perador, i o nlimo iili ni du k.ilciolono e outra* ma-
terias apropiadas, tudas as repailiiSes publicas, com
panilla*, sociedades, ele. : urna lista dos principae* d-
osado* mlico*, negocianles de toda* as classes e
denominar Ge", arlilta*, fabricante*, e officiaes de to-
do* o* genero*, com a* suas respectivas moradas na
corte bem cono* *
As autoridades, principis estabelecimentos de larou-
ra, fabucos, negociantes, etc., da provincia
do Jtiu-de Janeiro.
O prego da attignalura be de 2,000 rs. Depois de
publicado rustari 3,000 rs.
iuAr luz em fin/, de detembro prximo futuro.
Subsereve-se na praca da loJependcncia, liviana,
ns. 6 e 8.
Alugi-se urna pequen* casa terrea na Ponte-Ve-
Iba da Boa-Villa pelo deminulo proco de cinco mil
res : na ra larga do Rnzano, venda, n. 33.
Aluge-se urna casa terrea na la Bella, com duas
solas, Ir. s quartos, cozinha fura, qnintal e cacimba:
a Iralar na ru do Colleio, n. 13, segundo andar.
Perdeo-se, desde a ra de S.-'lheie/a al es-
trella du Rosiio, urna caita tirada do crrelo da Pira-
biba, coui o sobrescripto para Manoel Adriano de
Albuquerqne Mello: quem a aeboo. qoerendo re*ti-
lui-la. dirija-ie a ra do Jardim, n. 43 ; pelo que, se-
r mui agradecido
- Avise-*e ao Sr. J. I. B.. que anda, ba um oer o
lempo perec, enlretendo-se em fsller mal da vida
le um cerlo sujeilo, que sedeiie di**o; poi* que*em-
pre mostr e qualidade da pesaos, que he !!!.
Aluge-se urna escrava, pera occupar-e no servi-
co interno e esterno de um* casa e vender na roa
verdura*, ou outre qualquer cousa : na ra da praii do
Caldeireiro, n. 5.
Bailar & Oliveira eomprro, por ordem de JoSo
Ferreira Balter, do Marano, dous bilhelesda prima-
ra parle da tereeira lotera a favor das obre* da igre-
je de N. S. do Livramento; sendo um de n. 1720. por
eonta de Jo* Joaqoim Sosres, e o outro, n. 3779,
porcontede Antonio Gomes Pereira, ambos tsmbem
residentes no Maranhio.
Pechinclia.
lie ou nao he pernilongo o tal bomem das Asturias,
nue vivo pegado a cauda do vigario ? J nao he s ne
I Iheria. que ha pe*o duro* faltificados, por ese esper
lallio introdundo*. O nosso hroe, de um pulo, e pu-
lo igual aoda ema, quendo por elguem perseguida ,
passou-*e para o nosso Pernambuco com as algibeira*
recheiada* do tae* pesnhos. espalhou-os com mi pro-
diga, e fia que o* temo* entre nos, lio bellos, lio lu-
ido*. lio feiticeiro*, qee eu meimo, no obstante to-
da a minhe eiperiencie, de cerlo os receberie, se pre-
venido nio eitiveise da pesiagem mir*culose, que o
muanle tmha bito, do velho per* o novo mundo. Esta
e*pertera de mais lorn* o nos*o homem ainda mais cre-
dor da vigilancia da polica, a quem eroga, pesquise
bem esle negocio, para que os rommercianlesjnio con-
linuem a ser logrado), como j o teem *ido, com.esia
moda falsificada, que est tendo nio pequeo gyro,
O Logrado.
* Manoel Jo Barboza Brega vendeo a vende, que
poisuia na ra d'Agoai-Veidei, n. 15, ao Sr. Fran-
cisco Pereira da Silva; e decltra, que o mesmo Sr. fice
-em respomabilidade alguna ao debito conlrahido pelo
mesmo.
I'ermilte-te a qualquer pessoa a facultado de tirar
madeira e ferregem do restos d* galera Nova- Auro-
ra, encalbada na roroa dos Pnsserinho : esta autorisa
do'be dade pelo fiador do* anemaUntet Firmino J P,
da Roza & lnciio.
= Aluge-te, por prego rommodo, per* pataar a fes-
a ou por tnno, ( ou lem bem se vende ) um pequeo
litio no luger la enliga m.trii da Varzea, perto da po-
voerio do rio Capbenbe, com multa* arvore* Iruc-
lifereg, e casa de viveoda c m commcdoi tufllcientes
pare grande familia, e estribara cera dous cavado :
na ru large do Rosario, n. 30, primeiro andar, *e di-
r quem fe/, qualquer dettes negocios.
= No largo do t'armo venda n. 1, ha uma carta
pare o Sr. Antonio Teiseire deSiUa.
= (^uem precisar de urna Bina para todo o servido
do uma casa; din*-*e a ra das ..biar^geiras, n. 16
= As pessnes, que annuncirto precisar, uma de
200* rs., e outra di'400srs dir'ijio-ie aos Uuatro
(.'autos de ru do Qoeimado, casa de um andar que
se Ibe dir quem os d.
***j Ignacio Goncalves da Luz fez (ciento a quem
convier, que comprou a venda, na ra de S. -Francis-
cu, n. 68, ao Sr. Manoel Jui Cameiro, a lottras a
vencer.
Aforiose, e tambero e vendem por precos ra-
soasis terreno* de 200 a mais de 300 nelrnos du fun-
do a mai. r parte com arvoredos de fructo e lodos
ventajosos pura se edificar por nao precisarem de ater-
ro, as res novamenteabeiles, nos lugares de S.-Jos-
(lo-Manguiiboe Cepunge:a tratar na ra Velha.n. 55.
Aluga seo itio juntos igreja de S.-Jos-do-
Menguinbo com diverso* ervoredo* de Iructo ca-
cimba do agoade beber, boa casa de vivenda reedifi
cada de novo e pintada com gosto conlendo 3 salas ,
cien quarlos um gabinete copiar, cozinha fra ,
estribara para dous cavados e mais um escolente so-
lio com uma sala e dous quarlos: a tralar na ra Ve-
Ibs, n. 55.
He chegado loja de Jos
Luiz tYereira na ra Nova, n.
16, um novo sorlimenlo de pa-
nellas, elialeiras, cacarolas e fre-
jderas de ierro sob porcellana.
Esle novo Irem de cozinha tor-
na-serecommendavel, pelo asseio
e duraco, que oferece ; tor-
nando-se mais til a saude, por
ser livre de ferrugem e estanto.
Os Srs. que da oulra vez nao
foro servidos queiro a jipare
cer com tempo.
= Precisa-se de um ameisador, que enlenda bem
de inossns e desempenbe bem ai me* ourigaroes na
praca da S.-Cruz, pedera de uma s porta, le dir
quem precisa.
Aula de oave,gac3o.
Agoitinbo Femando Celenbode Vasconcello* con-
tina a ensinar navigagio platica e Iheorica ne rus
Imperial n. 39.
= Alug-e um* casa mobiliada no lugar di.
f'aiaog do lado do rio e da sombra com duas sa-
las cinco quartos, cozinba fiira lugar para estriba
re ; os pretenderles dir'jio se a prega de lina-Vista,
botica n. 6, ou a esta lypogrepbie que se dir quem
lug.
Paga se vendegem de doce* a pretal capare* de
venderem obligando se seui leohores : oa ra No-
va n. 52, primeiro andar.
sb Joio Broadbent subdito inglez da casa do*
Sis. Ricardo Royle & Conpaobia, retira-se para a
Europa e pede a* peisoas que tenhio contti eo
elle, venhSo ou mandem ajusta-laa ante* do d, -
do corrente mez;do contrario,nio se responsibilii(n.
por ellas. '
<= Jos Antonio Rodrigues embarca par 0 p,
Grande-do-Sul e pono* intermedio* o seu molcn *
crioulo de nomo iidrc.
s Leva-se com promptidio e perfeigio, tonto i
varrella como de sabio e se flanea eiacle entrege pegas : na ra Direita sobrado n. 29, se dir qU(n,
disto se encarrega.
= Arrenda-^e om sitio grande com dun esmj,
pedra e cal, pera ums grande fa" iba, com 5 TTeiros d
peiie, paito annual pera 8 a 10 varea boa eg, ^
beber, muitoa ps de fructeiras de varia* quelidul,,
boa baisa paramelSes, melaneiasj e eapim : quem
pretender, dirija-se ao meimo sitio em Santo-Amiro
logo no principio da estrada, que vai pare Belm
fallar com seu proprietario, J. B. C. Tresse.
= A'uga-se um preto para todo oservico, e, h|0,
boro tambem se compra ; ns praca da Independen.
ca, luja n. 3, se dir quem precisa.
= Qualquer ama de leite, que se queira encina.
gar da criaran de um menino annuncie la morsrji
para sei procurada.
= D. Feliciana Maria do Reg e os filhos do ft||^
rido Jos Gomes do Reg, D. rsula Mari* do liego
e D. Joaquina do Reg Cavolranti, larem scienle io
publico, que a Sra D. Maria da Cruz Ferreira ni*
i de dispor das escravsse mais bens,perienern(esao ce-
sal de seu tinado marido; nio so porque ele o prsenle
nao fez inventario, como porque a sua avancadi i.lidj
a tem posto em estado de demencia, e stcege; e por
isio protestio os berdeiroi contra qualquer venda, doa-
go, alf.rrie ou trenargao, que ella h-je de ljer,
= 0 Sr. Jos Norberto Ceiado Lima queira enouo-
cier su inorada que se Ibe precisa fallar.
Casa da F,
na ra estreita do Hozario, n. 6.
0 propiietario deite cesa convida o* *eut llegete*i
comprarem as cauteles, que lez para os bilbele di lo-
tera de N. S. do I.memento, cujee rodas corren inlil-
livelmente a 30 desle mei.
= Em vista do annun-io no Diario n. 211. de 23 do
corren'e. em que le diz ler-se capturado um pardo, di
nono J.ni,| iiini, que linha mudado o nomo para Pedro,
e que quem fr leu dono ae dirija a Iguaraii, iou-
pilio-n r de campo deTbatinga; leml.ra le ao dito
Sr., nar.i averiguar, que hein pude ser o mesmo Bene-
niclo, o qual se echa lugido desde 13 do corrente, de
bordo do litigue Casi'o I., como dos snuuncius (eiloi
oeste Diario; o que para seaveriguar. querendo, mandi-
lo- ba seguro, a ru da Cadeia, n. 45, em casa de Amo-
nio Ir mos. Estes nio s se obngo por todas ai despe-
zss, como, sendo o proprio, psgaiO a captura com tud
a generosidade, alero de Ibe licarero agiadecidos.
= Precisa-se de um relleno, que tenba pralici di
venda, e tambem de escripia: em Fra-de-Porlii,
n..J35.
- Aluga-te urna elegante raa com trapeira, eo
lugar de S.-Ar.na-de-Oliveira com 4 grande* salas,
7 quedos coiinhe lora eslribaiia coiheira rom
um jardim ao lado, alguna arvoredos de (rucio, ter-
reno e capim plantado para um cavado tendo a van-
legem de ficer perto da estrada e do rio ; o* preteo-
dentes dirijio-se a prega da Boa-Vista, botica n. 6, oa
a esta typograpbia, que se dir quem aluga.
= Domingo* Rodiigu de Andrade en.barca para
o llio- Ciando do-Sul e porto* intermedio* a la ei-
creve crioula, de nome Mara.
Traipasi se a chave da loja da ra do Queimido,
n. 46, a quem comprar a armecio da meima loja : a
Iralar na lohredila rus, leja, n. 8.
= Fernendo Ignacio da Silveira retira-ie pera S.-Ca-
tbarina, com *eu eicravo do nome Antonio.
Trapa*e-* um armazem de cerne com bo*l
frrguezia* : na ra da I'raia, o. 31 ou oa ra No-
va n. 65.
= Aluga-ie uma casa terrea na ra do Nogueiri,
com 3 quailo* cozinha fra e grande quintal mu-
rado coro cacimba : a Iralar na ra da* Tnocbeirai,
n. 19.
= Precisa-*e de um leitor para tratar deum quio-
tel ; na Trempe soltando pera a Soledede, o. 10.
s= Precia-te de 2:000 rs. a premio com bjpo-
tbece ero um litio livre e desemberagado : quem qut-
ler dar, annuncie.
= Joio da Silva Loureiro emberca para o Rio-de-
Jeoeiro ou Rio-Giande-do Sul, a sua escrava piidi,
Sevenanoa.
Aluga-seacesslerre, n. 118 da ra de Horl*,
propria paia lamilla : a Iralar na ra do Vigario o-
5, segundo andar.
= O doutor Lobo Moicoco, medico, conlmi '
sidir na ra da Aurora, n. '2i segundo *ndt :
pessoss, que quiz>rem te ulilisar do seu presumo. ""
vem procura-lo et as 9 huas da menbe, e das 3 da
larde ero diante.
A oflicioa de enciderneceo que o padre L,rM
e Silva dirige, em a ra de S Francisco, aniigsijiW'
le Mundo-Novo, o. 66, echase provida de todo
oecessario para o bom deieo>penbo de qualquer *>
de encadernacao por mais rica que seje, assio) ton'
lem e aprotnpta 'ualquer emblem apropriido"
mesmas obras.
___ I ni-. \.: ?' v
^mm
's"irru:^y
i\
Tranceln* de qualquer modelo, annei, flores "
ss adeiegoa puleeiras brincos &o. ; ludo o I
bem feilo posivel por prego mdico.
MUTILADI


AO BOM TOM PARISIENSE.
RIJA NOVA, N. 7.
tem honra de participar aos leus freguezei que dis-
snlveo desde o di 18 do crranle, soeiedade que
tinbi eotn o Sr. Colombios & Companhia. Al pn-
sos que o quireiem favorecer eom tu* fregueria,
acharas na tai loja na ra Nota n. 7. pannos para
calcas, cohetea e caaaca* de tortea aa qualidarfes oa
maia notoa, rhegados agora de Paria ; e colleccOoi doi
maii rerentea figurines.
= Aluga-se o segundo andar da casa n. 16 da roa
do Trapiche por preco commodo : a tratar no pri-
meiro andar da meima caa,
Antonio Carlos Pereira de Burgos
I'once de Le3o faz sciente a quem con-
vier a seus amigos, e aos Srs. de en-
genlin que teem de llic consignar as-
sucar de suas safras, que elle se acha re-
sidimio na ra Direila sobrado n. 29 ,
junto ao do Sr. dontor Ignacio Nery da
Fonseca sonde tem abertoo seu escrip-
lorio em o primeiro Bndar, e continua
a receberassuear em commissao.
Manoel Joaquim Goncalve e Silta.na ra da Crui,
n. 45, faz iciente 1 leua freguriea, que, no ultimo
vapor, Iba chajou urna porcio d'aquellei superiores
charutos, S.-Felii, 01 melhorea que le Mnelo na
Baha : o meimo tem para vendar urna crui pendente,
propria para catalleiro do habito de Cbnaio.
Antonio J i Pereira do Lago faz iciente ao
raspeilatel publico, que, por baver neila cidade ou ro
do iiieiimi nome, de be je em diaule ie atiignari An-
tonio Pereira do Lago Guimarlea.
io-ie de 800.000 11. ate pequea! qusatias 1 ju-
ro, iobie penhorea de ouro e prata, e lambem dearon-
tn-i< lettrai de boai firma : no Atcrro-da-tloa-Vista,
d. 58.
Eu abaixo asiignsdo iqo iciente ao meu deve-
dore, que Baitbolomeo Teveretde Olivein deiiou de
ter cobrador de minba dividas deide odia 21 do
crrente, por iiio nao lew maii ingerencia na cobraoca
dal megmee.
Antonio Ftrrtira da Costa Fraga.
Pede se aoi Sr. = Tre os aaucareiroi da ra
de Appollo, cujoi nome lio asiaz conhecidoa 1 quan-
lo Infiri eom eate genero que, por ua honra e a
bem doa mail collegaa bajo de na proiinia ialra ,
er m i firma e circunspecto nal mal vendas e
compra da aiiucar. deiando se dessis faliaa theoriaa,
em aiiiontuarem milbare de arrohai, para depois, do
fim d sifra apreientarem alguna lucros de cifraa ;
lembmn !o-se, de que, rom lemelbante modo de vida ,
muito mal fsiem ao rommerrio porque ai em ludo
mal tenido a aos aeua compaobairm que anles pro-
ferem eniaccar carne e fazer conleitoi, do que fallar
muito e ibii proleito,
Jos Manoel de Souza Portuguee retira-ie
para o Rio-Grmde-do Sul.
Quem annunciou querer quem le encarregue da
criacio di' un menino dirija -se a ra Auguata na
primeira loja do sobrado novo vindo de S.-Anto-
nio que achar eom quem tratar.
Compras.
a Comprlo-se dual eicravis sadiaa aendo urna
boa coiinbeira e a oulra prrfeila engommadeira ; na
glo-io bem : na ra do Crespo, n. 11.
aa Conipra-se um escravo preto, mojo, bom pe-
dreiro; um dito, que tt-nba principios de marujo; um
dito, muco e sslio;4 ditos, mocos elidios, propiioi pa-
ra maiujua : na ra da Cruz, o. 45, em caso de Nasci-
iM'iilu di Amorim.
= Compra-se um ou doui n olequei ofliciaei desa-
pateiro ; sendo de bonitaa figuras paglo-ie bem : na
ra da Concordia paliando a ponleiioba a direita,
legunda caa terrea.
= CompiSo-se escravos de ambos os lesos na ra
da Concordia a direita a secunda casa terrea.
= Compro-se, para fra da proviocia, escravos de
ambos os svkns de 12 a 20 anuos; sendo de bonitas
figura! pagio-ie beo< : na ra dai Cruzes o. 22,
segundo andar.
ac= Compiio-ie 3 esrravoi, boni, de bonitas figu-
ra! e sem achaques ; una escrita, tan.bem boa; to-
dos para o snico de campo : no principio da ra Im-
pela I n. 47.
Vendas.
Vende le urna venda junto a ponte de S.-Ami-
ro cuhi pouros fundos ; fai-ae lod o negocio a vala
da meima : no Aterr..-di-B..a-Vista loja de miu-
dezai, n 54. de Tbomai l'ereira de Mallos Estima.
S ra do Crespo, o. 15, vendero-ie laceas eom
farinha a 2,800 rs.
OLIVRO DE TODOS
ou
MANUAL nA ADDE ,
(uniendo
lodos os esclarecimentoi theoricoi e pralicoi neceiia-
rioa para poder preparare empiegar sem o loceorro
do professor os remedios e se preservar e curar-ie
proniplamente eom pouco diipeniiio da mor parle
dai molestias curaseis, e conseguir um allivio quaai
equivalente a saude, as molestias incuraveis.
Seguido
de um Iralamento esperihen contra a coqueluche de
regras bjgienicas para prevenir aa molestias ;
pelo doutor G. de Ploeiquellec.
Preco if00 n. em brochura.
O su| pl' merlo, indispensavel 1 quem tem a obra ,
da-te gratuilamente aoi rompradore O dito supple-
mento Ira ai tres diferentei receilii para a totnposi-
$lu da agoi ledaliva elle precilo remedio que
timanba repulicio ja tem gaobo e quo deve eiislir
cm todsiaieasii para remediar promptamenle aos ecci-
_ denles e incommudos repentino.
Veode-se na prici da independencia livraria ,
a. a a
aa> Vendem-ie 4 escrsva mocas, de bonita figuras,
aeodo duai pardal e duascrioulai : na ra Nota la-
brado a 2, onde (em loja o Sr. Julio Colomhiei &
Companhia.
Vendem-se 5 oegrinhas.de 15 a 16 enn", mui-
lo lindas eom varias habilidades ; 4 ditas de -22 a
23 annos; 2 escritos bona carreiros ; 5 ditos doier-
ifo decampo ; 4 pardn eom varas habilidades : na
ra Direita, n. 3.
= Vende se um escravo de afio Benguela, de bo-
nita figura iem vicios moco bom trabalbador de
quslquer servido de campo ; ende se por urna pre-
cislo que e dir no comprador: na ra da Guia,
n. 42, primeiro andar.
Vendem-se 3 escravos sendo; dooi molequei.
um da naeio o outro crioulo ; um preto de 20 a
22 annoi; 3 pretal de naQlo lendo urna dellas
boa e 'inheira, e as outrai bou par o servico de eam-
po e da praca ; ama mulatmba de lioda figura, que
cose bem chio de 16 a 18 annos: na traveisa da
Matni de S -Antonio confrontan cataoombas ca-
sa terrea n. 18.
Veode-aeom oitante alguna livros, sapatos de
lustro, marroquim, e de eouro para lenhora palos
e aapalOes para homem linha miudeai, pella de
cubra lola, chita branca de ertr fita e fina, a 240 ra. ,
lila atol maii ordinaria a 160 r. um ou doui bal-
r8ei para loja urna cama de cnndui para caial al-
guna farros para estallos decarrnca, ilgumai mlni Ira-
teiiai, caibroi viril, cipas &/o : na ra Nota ,
n. 58
= Vendem-ie rmenle de inhime de Parity ; ni
ra di Cadeia- Vellia botica de Vicente Jos de Brilo,
u. 56.
= Na anliga e bem acreditada loja de lelleiro, sita
ni ra Nova n. 28. defronte da igreja da Conceii'lo
doi militare oulr'ora pertencente a Antonio Ferrei-
ra da Coila Braga e hoje de Braga Sil & Companhia,
se acha um noto sortimentode sellins ingleies. elsti-
cos e fizos de todas as qualiJades ; cabecada ingle-
rase fraoreza de diversos feilios ; ricos loros a aslh
de patente inglezas e da mais luperior qualidade ,
que leem vindo a elle mercado ; e em gtral todos os
mail objectoi concernentei 1 lael estabelecimentos ;
aasim como achio se habilitados pala concertar e
fabricar Indas ai obraiperlencentesiselleiro. colchoeiro
uniforme! militare, eom presten, perfeicio e preco
eorr.modos. Os annunciantei aproteilio a occaiilo, para
fazer ver ao eus Iregueres queda mesma forma se
arillo sorlidas as aual Iotas, sitas na mesma ra, n. 5 .
defmnle do odio da matriz e na ra da Cadeia do
Itecife n.49: podendo em quslquer dai dilai lujas
serem servidos a medida de leus desejoi.
= Vcnde-ie um ptimo cirro de dun rodas, por
preco milito commodo ; na ra do Aragio, n. 12.
m Na botica da ra do Rangel vendem-ie os re-
medios seguintei, dos quien ezperiencia tem confir-
mado os melhore effeitos : denti'ico que tem a pro-
priedade de limpar 01 denles cariados, e reilituir-lhei
1 eflr eimallada em muilo poucoi dial; o uso do di-
to remedio fortifica as gengivaie lira o meo chairo da
bocea proveniente nlo t da carie, como do trtaro,
que se une ao petcoco desle orgioi ; o remedio be
designado peloi numero! 1,'e 2.": orchala purgativa,
mui ulil ai enanca e as pesioil de toda e qualquer ida-
de ; be composta de substancias vegeleei nlo cuntm
mercurio nem droga alguma que poiaa prejudicar :
remedio para curar caloi em poucoi dias; dilo para
curar dore veneren antigs, e que leem reiislido ao
trBlamenlo geralmenle applicado ; dito para provocar
a menslruacio e accelerar a acelo do ulero no pattoa
naluraei, em que nlo le precita dai manobria scien-
tificas da arte ; dilo para resolter tumores lympbaticoi,
vulgo glandu'ai; dito para curar bobas e cravos sec-
eos! o mais eflicaz que leconhece at aqui ; dito ozi
mel de ferro muito ulil naa chloroies vulgarmente
chamadas frialdades ; pi inli-bilioiot de Minoel Lo-
pes; capnlas de gelatina contando balsamo de cu-
pahiba ; ditas de oleo de reeinos purificado; ditas de
cubabas em p purgantci; ditas de ruibarbo da China ; ditas de sul-
phsto de quinino de 1 e 2 p.roi cada captla; alga-
leas, velinbas elsticas; pilulasde lal du cabacinbo ;
agoa dal Calda, ebegada prximamente; remedioique
euraO 1 frialdade dentro de 40 di.-t, mesmo eslando in-
cbado ; oleo muito bom pata conservar o cabello, que.
alm de nlo deiiar cahir o cabello limpa 1 caipa e
cujo uso continuado la reapparecer o cabello peni do ;
pilulai eipecifieai pira curar as gonorrbeai chronicis.
quando a letso nlo paisa da urela; igualmente um a-
rope anti-bemorragico, applicado nos casos, em que le
deila tangue pela bucea : o pceo de lodos estes reme-
dios be mui ra;oatel e 01 bous resultados da tua ap
plicaco beque devem fazeraua apologa.
Vende te um preto de Angola muito robusto e
hom para indo o seivi^o : a tratar eom Julo Jos de
Carvalbo Moraes, no Becile.
Ixas grandes de
Hamburgo.
Vende-ie a retalho urna partida deatai verdadeira
sanguisugas chegada ultimndole em porerl de
100 para eima, por preco rommodo : na ra do Amo-
rim. n. 35, primeiro andar, ou 00 aromen) do la-
celar, no caes da alfandega.
Vondem-te muito luferiore chapeo! de palba da
Italia, tanto para homem como para meninos; ditos
de castor branco ; ditoi de mam fina, 1 polka e de
outrai nimias qua lidades, de bonitas formas e bom
oslo; tambem le rerebe qualquer encommenda pe -
(entente a cha peleiro: ludo por precoi commodo! ;
na ra do Queimado, n. 22.
Vendem-ie diversos papeii de msica pan 1.*e2 '
flauta, por pie(o commodo : na ra di Priia, arma-
zem, n. 5.
Vnde-ie, por piecislo. um moleeole, tem tirios
nem achaques, eom idade de 24 annoa, padeiro e for-
neiro. e perfeilo neile nfficio eotinheiro, canoeiro e
carreiro e para lodo o sertico le for preciso, por
nlo ter lido criado eom mimo: quem o pretender, an-
nuneie por etta folba, ou dirija-te a ra larga do Ro-
sario, n. 48.
Vende-iea venda nova da travesa do Carioca ;
a tratar na asesma, das 2 horai da tarde emdianle ,
todos 01 diar.
-Vende-te orna pretn, de 15 annoi, qoe coiinhi
o diirio de urna cata e eme alguma musa ; urna dita ,
de 12 1 13 annoi ; urna dita de 2 annos; um W-
brinha, de 8 anno de bonita figura ; urna parda ,
de 30 anno qua coiinha, cose chao e lava de tabio
e varrella ; todo de bonitai fixurit sem vicios nem
achaquen; n ra da Concordia a direita, a legun-
da can terrea.
Attencao pe- .
i hincha I
No deposito de bicha de Joaquim Antonio Carnei-
ro, na roa da Guz do tVcife, n. 43, vendem-i ai me-
lhore bichil hamburguesa, por menos 10,000 n. do
que em oulri quslquer pirle, em cada cento ; a reta-
'ho e de aluguel dar-ie-ha eida urna por menot 80 rs.;
tambem e as vio applicir a qualquer hora, quei-
pracise, de da ou de noite. O annunciante preitar-ie-
ha igualmente, quilquer hora do dia, ou di noite a
lualquerchamad) para sannrar, ou ezercar qualquer
func;lo deiua arte. Venhlo, frejuatei, ao bom a ba-
rato : primeiro aqui do qua em oulra parto.
Vende te um preto crioulo de 20 annoi, mul-
lo lindo pagem, a bon offiuial da allaiata ; 3 es-rato,
bons para o (rali Iho de campo ; 1 dito de 35 annoi,
por 3004' ri. ; duas pardal rocolhida, qua cosam ,
engommlo a coiinhio; 4 eacravii eom bosi babilida-
dei: ni ra do Crcipu n. 10, primeiro indar.
Chapeos da festa.
Na loja n. 3 da rus do Crespo, ao p da esquina ,
confronte ao arco de S. -Antonio do bem condecido
liaraleiro, tocel o-se um mrtitnento de chapeos do
Chile os mais superios asistentas no mercado ; pe-
lo que e pnrestarmos prximos a quadra da festa em
qu" ellesse tornli) mais procurados, por lerem uleis
e piopnos da estarlo para 01 amadores, por ilto le
loman recommendnei prim-iptlmeote pelos mdi-
cos preeos de 5000, 7000 a 8000 n
Farclinovo,
em isccat grandes vende se noarmatem do Bacelir,
confronta a escaiiinha da alfandega e em casa de J.
J, Tasn Jnior iva ra do Amorim, n. 35.
= Ven'lem-.se lerrenoi, nal ra Auguita, Alecrn)
e Imperial lendo alguns ja alicercei eom 30 pil-
nos de largura por prero commodo : na ra da Ca-
deia do S -Antonio n. 14, primeiro andar.
- Vendem-se, no arrnaiein de Fernando de Lucca,
na ra do Trapiche 01 genero! leguinlel prxi-
mamente chegadoi e despachados : amexai; paisas
miadas j cerjn, ertilhm terdat amanilla e pelas;
feijlo braneo ; lentil'a; ludo secco; grande ortimen-
lo deconleiliiras docs a em vinagre ; rep Ibo con-
servado em li.nns pet|uenos ; ova de peiie, em bir-
ria de ilna. libras ; cognac ram de Jamaica ; vinh is
e licores ; e oulr s mullos gneros, quu se venda m
por precoi commodos.
Medicina Universal.
l'ilnlas vegetaes de Jumes Morison.
A medicina vegelal universal be o resultado de 20
annos de investigatoV do celebre Jemes Morison. Por
meio destal pilulil contrguio o seu autor innmera
veis e admiraveis curas, deide is aflertes, que alacio
a crianza de peito, al ai molestias chlunica do :r
ciio.
A Europa saudou este remedio romo remedio uni-
versal paia todas as doengat, e at hoje anda nao im
;i .menino tal titulo.
Esta medicina vem acompanhada d'umi receita, qu
ensina e facilita a la a|iplicaeft<>. Consiste em tres
preoaraedea, a saber : dual qualidadea de pilulai dit-
1i1.ci.1s 1 ot nuuieroi, e um p ; cada qual gota de mo-
do de ano i diverill.
As pilulai n. 1 sio ipeiilitai; purga 1 lem ihalo
01 humures biliosos e viscosos, e ezpulsao-ot eom ef-
ficacia.
As do n. 2 expulsan eom esse humores, igualmente
eom grande (oreja, os humoies seroroi, acies e ptri-
dos, dequaosangue se acha amiudo infetlado; per-
correm loria ai parles docorpo, e (') cesso de obrar,
quando leem expulsado todas aa impuieras.
A lerceira preparar;io cooiisle em urna limomda
vegetal sedativ ; be aperitiva, temperante a adecente;
torna-se em coromuui eom as pilulas e facilila-lhes 01
melhorea effeitos.
A policio social do Sr. Morison, a sua fortuna in-
dependenle, repellem toda a ideia de charlatanismo; e
aa admiraveii euris, operadas eom o leu svttema no
cCo/ie'io dasad d Londiti, sio mais que galantes
daeflicacia do seu remedio.
Recommenda-se esta medicina, que nlo pede nem
resguardo de lempo, nem de policio da parte do do-
ente, a todo! ul que, atacados de molestias julgadai
inruraseis, scquuerem desengaar da sua virtude.
Oala, que a bumanidade feche os ouvidos aos in-
leressadoi em desscredilar estes remedio! lio simples,
lio commodos e lio verdadeiros.
Vende-se na la da Cadeia, n. 46.
Chalesdear-
ca e seda a na polfona, a
4000 rs.
Na loja do (om, n. 3. da ra do Cretpo ao p do
arco de S. -Antonio vendem-se riquilimos chales de
gai(a a leda, a qualro mil rs. O proprietario desle
esta be leri me nlo be des mamila mente inca osas el em o sur-
tir ruin fayenda, que, sendo propriai e applicaveil ao
paz an mesmo lempo ritalisem eom os mais moder-
nos goslot dai prineipaei eapila-1 europeas. Obierva-te
na fazeoda, que ora te annuncia. ser nio 10 oovistima
no pai/, como al, ao primeiro relance de villa, parocer
eom qualquer fazenda da melbor aeda e de man ricos
padifiet ao passo que seus brilhanles deieoho! ei-
lio a par daa modal, que. segundo os figunnoi ltima-
mente lecebidoi, eilio introdundas na Franca, Ingla-
terra a aples, Tambem le receueo notamente um
rico sottmenlo de chitas fioai, toguriiiiioas em suti
tintn maravilhonmente ettimpsdas no gnito china,
coio o mail brilhante realce de lintai. e que vendem-re
a 210 r. o eovado. Assim como tamben) igualmente
se receben mais um nnvosortimenlo Ha ji conhecida fa-
lenda loocainha iem hiver alteracio no pre{0 ; pelo
quererommendaie a algumai pesioas que ji nio
achirlo dos padrSes que pretendiio a dipjio no-
vamenle a esta loja que arharooi pad 8ai, que, por
le terem acabado, deiiirio de comprar. DAo-se amot-
Iraslobo competente penhor.
Chales de laa
e seda, padrdescle Roberto
dodia.>o,al.?000rs.
Na loja n. 3 do baraleiro da ra do Crespo, ao p
do arco de S.-Antonio, receberlo-te novamanla e ven-
'lem se chales de lia e seda a dez lustoas. Estes (ba-
les, aendo maiores do que os oulrus que por esta 10-
Iha te annunciario team de mais a mais a particula-
ridadede nlo ni 1 ei.ee lerem no preco como at seren
melhores em qualidade; alm de quemis recommeods-
veis s turnio por terem padro-s mais escuro e mo-
len os ; motivos esles, que levarlo o annunciante
fa/e-loi conhecidoi d >i au freguez-'S, principalmen-
te dmenhori em gerai e por terem applicaveil,
principalmente ai menina Dio-ie amoitra aob o
enini i'lenle penhor. Vendem-e tambem, por nota-
mente te baterem recebido,chales brancos de cambraia,
ricamente bordado! eom brilhante lavrore eom
tariiedes nal corea doi latradot; he fszendi nova e
seu lamanbo, nio sendo demisiadamenle grande nem
pequeo, os loroa recommeodaveii pelo diminuto
preco de 1410 ri.
Corles de pelle do
diaho9al30 Vendem-se os terdideiroi eortei di pelle do diabo ,
eom 3 cotadot e meio 1 1300 n. ; ditos de panoo-
rouro eom 3 rotados e meio a tPOO ra. o corle
Hita fazenda be de muita dura e de csdioei oscuros.
Na ra do Collegio loja o. 1.
= Vendem-ie iiccii eom milho por preco eom
modo ; no t'orla-do Mallo ra do Codorniz o. 2. -
= Vendem-ie ucu'oa de armacio para todas aa ida-
des ; urna prela de afio eom habilidades ; tudoem
ronta : na ra larga do Rozarlo, loja n. 35.
Vende-ie um m. Irque de 10 annoi ; sola ;
rouro. miu'los; beerro ; sebo ; ciizis de tartaruga ;
11111 oculo de ter ao longe ; ealeini leiln no Aracaiy :
na ra da Cruz venda n. 26 de Luis Joi de Si
Aojo.
Corles de brins de
lii.lio, a 1800rs.
Vendem-se luperiores cortes de brim de linho tran-
cado de hslrai e quidroi, de cores escurai e claras,
tiim duns varas e utna quaita pelo barato preto de
1800 rs. Esta fazenda torna-ie ippcatel para calcas ,
jaquelas e lubre-raiaca ou icdaques por ler de
muita dura edeezcellentei pididei. Na ra do Col-
legio n. I.
Y endose superior vinho branco da
M.iilt'ici, cm barr de 4 e 5 em P'Pa i
cerveja engarrafada e em barricas de
*\ duzias ; genebra bollandeza em fras-
queiraa de i5 fra.sco>; potssa da rtussia ;
tioiis fortes pianos dos autores de Golard
fk Golard de patente de Londres de
6 oilavos meto ; ludo de superior qm-
lidade e por mdico preco : na ra do
VigasjHO armazem n. 4, de Rotbeck Bi-
doulac.
Vendem-se telbn de tidro de muito boa qua-
lidade por preco c.ummudo : ni ra Nova, fabrica da
cildeireiro n 27.
as V> ndem-se charuto! regala muito bons a
2000. 2S00 e 3000 rs. a caia ; fumo em folba de
1 mneir.i o segunda lorie muilo bom, por preco com-
iniido ; na ra larga do Ronrio ,0. 32 fabrica da
cbaruloi.
Na ra da l'raia, armazem n. 60 ,
vendem-se lingoasseccas do Hio-Grande,
as melhores quem teem vindo a este
mercado, por terem sido curadas ao
(uni.
Na ra do Crespo, loja nova
11 12, de Jos Joaquim
da Silva Maya,
tendem-ie boniloi e delicados corlea de cambraia ,
eom Mitras de teda ao mdico preco de 7# n.; cati-
mnai lunceiia eliilicii a 6000 n. cada corte ; cor-
te! da muita acreditada indimni, a 3000 rs. ; ditos
da victoria faienda imitando leda a 4000 rs. ; cha-
les de lia arrendados, de cores muilo mimoias, a 2400,
2800 e 3000; mmeiras de fil de liobo. enfeitadas eom
bico proprial para senhori e meninss a 1000 a
1600 rs. ; voidedito, para chapeos; os quaes mui-
tai pesioii leem comprado para camilinbaide criao-
cai a I28O re, ; cbale de lia e seda muito delica-
dos em lawore e de asiento escuro, fazende inlei-
ramenle nova, 01 quaes revatiaio eom ni de leda
7000 rt. ; pinno fino itule preto, a 2500 rs. o ce-
tario ; um neo toriimenio de cambraia para vestidos ,
a 3S00. 4000 a 6000 r o mais commodo possivel;
cali lobas de meias para meoinar, 1 640 rs.; mantas
da seda escoceza a 6000 rs. ; ditu mais ricat a
lOf rt. ; alpaca prela 1800 e 1600 rt. o eovado ; di-
ta de coret a 2600 ri. ; merino muito fino todo de
lia a 4# e 4500 n. o eovado. Independeote destai
faienda ta neila loja um completo surtimento de 00-
tras muilas faienda que le tendeo) maia em Cunta do
que em outra qualquer parle. linea de lerem enga-
ados.


A
Vende-io azete doce para luz melhor e maia
btrato do que o d* coco ; o azeite dooe fino om gar-
rafn do 25 garrafas : no deposito de i iie de carra-
palo na ru, da Senzalla-Velha n. 110.
Vende-secere em vela* do Rio de-Janeiro tor-
limento completo do 1 a 10 em libra, em caizal e
ai lihraa a vontdo do comprador : .-.a rua da Scnzal-
la-Velha, n. 110. armazem de Alvo Vianna.
N. 40. rua do Trapiche um chronomelro para
navio da Londre| perfeito e mui liem regulado;
relogioa de ouro patente ioglez muilo booa e bare-
toi ; correnlmhas de ouro padrio = Principe Al-
berto.
"- Vinho de Tenerife, m barra, de eirellenle
qualidade corteja braoca e preta a enelhor que ha
^-Barclay A Companbia coi porcio. ou a retalho ; e
fio de rua do Trapiche n. 40.
npf-99

o- =- a i -i <5 a. s.
ffBSgSgg.f$f*f-gg
- o !. -j
5--5-3g.3-2-.S-
os
B
a-a ** z w* *
rs^as
. 3 g
aj o
a. '/
O*.
3
i M S = o ST = ..
- 3 n
" s ^ = i a
' -v -I
es o = 3
B2Z%Z%
i n
.. r* *
gSf 3*r S 2.
el0
a'..3 siifsl e
r>M .- S=^womt_- i s
K. ^ q_ a- B 2.5.S_ -3ft
a I re = O a 35 2 .*# '-.
? t-_ ci c -, 3 a !? 3; -.
2 c o -5 "
rrrg a o
C.O ca =
- c -.
2 &
t 5"
g--
a .
o.
o
en .
s
o '
r '
o .
E
o
o
s
3
5"
t. .
a
s
8S.-
n
o
<
o>
o.
o
: 3" a
|-o*3 = *-22 -
r?U?^oiS g"
i 3" 3 = "_. S. 2
||8 11
o 3 a.
w O
- 3 I
- 2. os v. O
t n 3 '
^S2/ -
S" M 2 Bu
fll
o i -i S
|3-
ffi B ,
|of;
ss-::
s =
5
3 r- 2
a -
1 f
c
fe
>5
Bi

C 3" .
5 .....8" 3 J -t
ft
3
O
1
ic -i IO
oooooS O 3 o
Na rua do Crespo, loja nova
n. 112, d Jos IoaquTffi a
Silva .Haya ,
iende-se um rico aortimento de canticaeg de finissima
eaiquinha, com as ua* compi-ienti-a lanlcrnas, de
goaloanamaia lindot que leem apparecid) p.lo di-
minuto preco de 8,' 0) e 1 2f 000 r. cada par.
Vendem-se ii'scados frailee-
zes, a lOOis.o covado; no Ater-
ro*>da-Ba Vista lop n. 14.
Na rua da Conroidia, n. 2S.no armaiem de capim,
eindrin-te tambeni niadeiras. i'iirhamea de 20. i2 >
25 palmo, inaoa trateuai Ir 5 a 30 dito, caibros de
25 a ;I0 iiiio: ludo por pn-co commodo.
= Vcnde-e pottsa branca de superior qualidade ,
m harria pequinoa ; ementa de Millieus Auslio &
Companhia na la da Allandega-Velha, n. 36.
= Vende-e urna linda canoa do cano ra nova,
niui bemconilruida. do amarello ; umafponao ile pa
IIih de roqueiro : na rua ila 'entall- Y Iba i), I 10
Yenife-i* rolla da Babia muito superior ni
rua da Sen Y ianna.
= YVndem-so duas prelat, de 16 a 20 anima, e urna
mulata da meinia idude.cotinheiras e InvaJpira; eozem
8oflrieln:entc e engomiiiao t sfio de muilo boas figu-
ra*; quatro moleques.de 12 a 14 annos,o 3 pelos, pro-
prios de lodo o aeniro de campo: na rua da Csdeia de
S.-Antonio. n. 25.
- Vendem-se lengos de cun*
braia de liuho, muilo fina, bor-
dados, para mo de sen horas a
8$ rs.cada um: na rua do Cabu
g loja de Pereira & Guedes.
= YenUe-seuma paida, muilo dar que cose,
engomma co/mba e I-va ; um molcque, de An-
gola de 18 auno* : na rua da Croi, n. 51.
Aos Srs. proprieta-
riosde engenhos.
Vendem-se taitas de ferro roado e moendas de can-
oa para aga ou animaes : rodas dentada! ; crivo* :
boceas de fornalha ; e min ol>|nrtns neceaarioa para
engeobo por precu comniodo : na fundirlo d>' ferro
de M Callum & Lompanbia na rua do iirum ,-no
Reeile.
m Vendem se srllint ingleiea tanto de montaria
de hnnuwn romo de aenhora ; cabecadaa roli;at, de
couro de lustro, preto e branco ; barretinas cum appa
relbot ricos tanto de ofiiciaes como de soldados do ca-
allaria e inlantaria ; tallins e canana de couro d>
lustro branco e preto ; couro de lustro de superior
qualidade ; ludo por prego mais commodo do que om
outra qualqer paite : na rua Noa ns. 5e 28 e na
rua da Cadeia n 49, loja de Braga Silva & Com-
paobi.
Vende-se o muilo superior rap da
fabrica de Joo Paulo Cordeiro, do Kio-
de-Janeiro : na rua da Cruz, n. 6o.
Vende-se, na rua da Cruz, n. 6o,
cera em velas, de superior qualidade, sor-
limento ao gosto do comprador, e por
prero mais commodo do que em outra
qualquer parle.
=Vindo-se urna pistola com 8 cano, obra muilo
hem feila ; na rua da Crui. n. 7.
= Vend-se urna negrinha de nsclo de 16 an-
nos, com priocipiosde todas a b&bilidadei ; um es-
cravo, de bonita figura, pira o servico de campo;
urna escrava de naci Angola, com todas as habilidades:
na rua da Crutes n. 22, segundo andar.
3= Vendem-se moendas de ferro para eogenboidr
acucar, para vapor agua e beatas de diierto lama-
nhos por preco commodo; e igualmente taixa de
ferro cado e batido de lodos os tamanhos : ja pra-
<;a do Corpo Sanio n. 11, em casa de Me. Caltnoot &
f.bmpanbia ou na rua de Apollo armazem, n. 6.
Farinha SSjF,
da muito acreditada fabrica de Molino Straiig sen-
do a bllima chegada a este mercado em pequea e
grandes porcoes : a tratar com J. J. Tasto Jnior.
Cassa~chitas,
a 320 rs. o covado.
Na lo].i n. 3, .lo haraleiro da rua do Crespo ao p
do arco de S -Antonio vendem-se cassa dulas de
quadros rom urna vara de largura i. 320 rs o cova-
do. Etla fazenda te reeornmenla as senbor em ge-
ral tanlo peln ua seguranza como pelos seus agrada-
veis e mirnnso desenhot ; sendo uns mais clarse ou-
Ims mais ou menos oscuros entre os quaes ha tam-
bem algumni rouxinhat para i. nuaes algomat te
nboras leern inclinaca. I)o-se amostra Sub o com-
petente penhor.
= Vendem-se eteravos de ambos ot sexos; na rua
da Crui. n. 51.
Rap-Principe.
Acaba de cliognr do Kio-de-Janeiro
esle excelleiite rape, o melhor e mais
proprio para consumo desle paiz pelo
lioni aroma, exquisito paladar e ficilida-
de da lestilacao : esta pitada lie digna de
ser apreciada pelos amadores do bom ra
p, aos quaes se convida a experimenta
rcm. Veude-se no deposito, na rua do
Trapiche n. 34; no hairro do Kecife,
Bourgard, Anlonio Francisco de Moraes,
Jos Carlos I'erreira Soares Jnior, l'on-
le & Mello, Guedes & Mello, Augusto
Ferreira Pinto &C, joao da Cunha Ma-
ga I hfl ; rua do Crespo Ilenrique &
C. ; rua do Queirnado, Campos fk Al-
meida, Codcera &Gnimaiaes; rua doy
Qoarteis, Victorino de Castro 31oura ;
rua do Livrarnenlo, Francisco Cavalcan-
ti de Albuquerque; roa do Cabug, Jos
Joaqnim da Costa, Francisco Jonquim
Uuarte, Tlioinazde Aquino Fonsece; pra-
ri da Independencia Christovao Gu-
lhermefirekemtield,Furtunaio Pereira da
Fonseca Haslos ; Alerro-da-Boa-Visto,
(aciano l.uiz Ferreira, Estima, Leal &
Innao, Antonio Ayres de Castro & C.J
praea da Boa Vista xManoel Francisco
Hodligues, c Alexandrc Jos Lopes, rua
do Hozarioda Boa-Vista.
=Vendem-se4 pretat com habilidades, nma da
quae engomma co*o e cozinha muilo bem ; urna
parda de 18 annos ; um (.reto de bonita figura ,
que entende bem do ervico de campo, por pre$o com-
modo : no pateo da Matriz n. 4.
= Q.correlor Oliveira tem para vonder cobre em
Inlha e i'regos de dito para forros de natiot; ot prelon -
denlet dirijo-se ao mrtmo ou ant Srt. Mosquita &
Dulra.
3= Vendem-se para mais de 200 barrieai vatiai ,
todas muilo nvate litnpat, qoaii todat americana ;
na praea da S -Cruz padaria de urna t porta. N
rneimi padaria e na travesa da Madre-de-Deot ,
n. 13, eompra-se papel para embrolho diariu.
tOO ri. a libra, ou a 3200 n. a arroba.
=3 Vendem-tfl ilua pretal mocas, de 20 nnoi ,
de muito boas figuras propriat para todo o tervico .
e mesmo para mucamas ; doui molequet, de 12 a H
annos, proprios para offieio, ou pagenv; urna parda,
do 20 annos, comprenda, que se fario ver ao com-
prador : na rua larga do Rozario n. 24, primeiro
andar.
carnauba,
vende-so no armatem de farinha do ces do Collegio ,
de superior qualidade om porgoes ea retalho, por
barrio prrajo.
Veode-so urna parda moca sadia tem vicio e
robusta, que tab engnmmar, coiinhar e coter : na
rua da Aurora a fall .r com o coronel Joaqun Jos
l.uiz de Soiiza.
- Vende-sf* milho bom, cm
saccasgra n des, po r prf 90 com-
modo ; no armazem do Bra-
guez.
Vende-se farelo de arroz,
o mais proprio para sustento
de eavallos ; no armazem do
Braguez, por prego bastante
commodo.
= Vende se urna ca'Ierre, tita no bairro da Boa-
Yista com 5 quarlos tala forrada e independenle ,
quinlal e cacimtia lo la caiada e pintada de novo: a
tratar na rua da S.-Cruz, n. 38.
=Vende-te um moleque de IB annot de bonita
fKUra tero vicioi nem acbaquet por preco com
modo ; no caet do Collegio arma/em de larinha.
Fotassa branca,
da mais superior qualidade em
barricas pequeas, e desembarca-
da no dia 30 de agosto prxi-
mo passado, vende-se por pre-
co commodo : emeasa de L. G.
Ferreira & C.
ATTENCAO !
Vende-se rap de Lisboa, do
ultimo ebegado, bem fresco
formidavcl aroma, e boa cor
Os tomantes tme gosto da
boa pitada venhao a rua da
Cadeia, loja n. 50, confronte a
rua da Madre-de Dos, que
se garante a boa qualidade.
= Vende-te toperior vinho de B >rdeaui, em nUlr.
tola; aisio como ago'ardenre de Franca (cognac )
em barr: vende se em cata de Avrial lrtuaot ra
da Cruz n. 20 '
Vendem-se vidros pare espelhos
de varios tamanhos; ditos para vidracas*
na roa da Cruz, n. i o.
Escravos Fugidos.

tm
i
o

o
s
cj
h
O
I

2 e o o o e o o p o o o
ooooc-to-to-M-tSoc
O 'O o o o o ?i o l ^
-r, (M ~ ZJ ....
o .......
'5..... ......

ja o c 4<

n ..... P
8 =
.- o
o
-a
1
o

a.
So.
S o 5 i

= Vende-te louca vidrada como sejio : panellat
Babia, grande; papeirot; Igaie'afei; racarolaa ;
fcoiee para nanleiga ou doee ; jarro para florea;
duus jarro da Babia muilo ricos ; potes grao-
de ptra agoa : tervidoret de lodot o tamanhos,
muito forte: na rua da Madre do-Deoa o. 9 ou
na rua do Encantamento armazem o p da cacimba,
=Vende um vioUo com muito pouco uso e o
eu meihodo por Carulli; na rna da Cadeia-Yelha, loja
o. 33.
Casimiras clsticas
a ISOOis.
Vendem-ae tupenore casimiras elatlica de tu-
perior qualidade, a 1200 is. o covado; superiores
brinsacorte, trancados branco, da melhor quali-
dade que tem viudo* esta praea, por terem de puro
linho e muito fino, polo baralo preco de 1500 e 1700
rs. ; ditos de littrat, da mesma qualidade, a 1200 rs.
' vara ; dito trancado amarello, de linbo puro, a 900
r.; dito trancado pardo, de linho muito encorpado.
a 640 rs. avara ; cortil de fuildet de core a 640
r. ; ditot de lammha e seda para collete a 1800
rs. o corto; coitei de casimiras de lia para calcas,
com 3 cnvaiiot e mcio a 1400 rt ; chalet de lia fa-
zenda oova a 3000 rs. ; ditos de lia e leda a 5000
rs. faienda muito moderna ; esguiio de puro linbo,
muito fino a 1600 e 2000 rt. a vara ; picat de bre-
lanba de linho fino de 6 varal e lano a 2800 e
4000 n ; toda etaa fazenda sao de superior quali-
dade : na rua do Collegio, n. 1.
Atencao!
Vendem le chita a 120, 140 e 160 n. o covd ;
lodiii trancado azul o meiclado a 240 r ; dito
de listras tnicricano a 20 e 210 r. o covado;
'uarle de vara de largura a 280 r. o covado; nia-
dapolio a 2300. 3000 e 3500 ; dito finos a 4500,
4800. 5000, 5500 6000 n. ; risca.lmho. tranca-
do finos, a 20 rs. o covaio ; camhraias de novos
Pdr5et finta 5000 rt. o corto ; corle de pelle
dodiabo corn 3 covido e meio a l30o'rs. ; coloes
de linho ; esta fazenda he igual ao brim trancado de
littra e muito barata, pelo preco de 1700 r. o corle
de 3 covado meio ; Corle de cassa para menioa a
1000 r. ; lencos de lanzinha de muito l.om gusto e
a 500 rs ; ditos de seda para hombro de tenhur a
1000 rs. ; peca de cambraia lita fina a 3500 e
6500 r. ; lenco de cassa a 180 ri. ; castas de ba-
ado a 3000 rs. a peca ; e oulrat muilts fazendts
por baralo preco : na rua do Collegio, loja n. 1.
Potassa.
Venderse potassa americana ,
muilo nova, por ser prxima-
mente chegada, e cuja qualidade
he a melhor, que tem viudo, por
prego commodo : na ra da Ca-
deia do Kecife, armazem n. 12 ,
de Baltar & Oliveira.
= Vende-eettoupa e saceo do dita, feilol, de su-
perior qualidade : na rua da Cruz, o. 10.
m Fugio no dia 9 de main do crrenla anno, da fi.
zenda do Feijio, termo da Villa-Real de S.-Joio, di
provincia d Parabyba do Norte, um eteravo d- noma
Jlo, criou'o, de iilade de 24 annos, pouco mais ou
menos, de estatura baila, cum marca de bezigat pelo
rollo, tem falta de denles na frente, pernal um t,nto
arqueada!, e calor de figado as mlot e p: dTMm o
apprehender, leve i1 cata de teu leohor. Jo> MVi da
Silva Y'itnna, morador naquella villa, ou ortti praea i
Jos Jotquim da Coila, que mora na pracinha do Li-
vrarnenlo, que er generosamente recompensado.
Continulo a estar fgido desde 21 de abril
prximo panado, de bordo do liriuue Mentor oei-
rravo mrinheiros sendo : om de nomo Jos, de ni-
elo Cabio ; reprsenla 30 annos pouco mi ou me-
no estatura baiz, barbado ; loi eacravo da cata do
coronel Denlo Jos da Cosa : o outro de nome Mi-
noel do afio Congo ; representa 20 e tnloi tnnoi,
baixo, tem barba ; tem as orelba muito pequenat: o
primeiro foi o seductor detle por aaber de lodot o
lugares da provincia. Ot abaizo anignado oflerecem
e obrigl'o a a fazer eTectiva a gralificacio de I5ij# r.,
ou at mais alguma couia, a quem os capturar, qu r
nela qur em outra provincia. Pede se igualmente
a (odas as autoridades pnliciaes loda a cautela em ouati-
quer escravos capturados poi que nada he mais fcil,
do que Irocarem os nnmes : pertencendo os aonun-
eiados ao Sr. Jote Mara de S,i negociarle do Rio-
de Janeiro. =3 Amorim IrmSot.
Fugio, no dia 2 do correte, urna preta, de no-
me Ilota, do gentio de Angola alia, secca do corpo ,
p spalhetados e com rachadura de cravos seceos;
tem um lobinhoem um braco urna pinha de cabello!
brancos na frente da cabeca e por toda ella chelios
branco ; representa ter 40 anno de idade ; he fula;
levoo vestido de riicado ja velbo um saia de chila azul
com flore amarellaa. Quema pegar, leve a rua do
Rangel n. 31 que lera generosamente reeompen-
sado. Protesta-se proceder com todo o rigor di lei
contra quem a tiver occulla pois ja se sabe, que a dita
escrava est acoitada nesla praea.
Fugio, no dia 17 do correte urna escrava, da
nome Iterm rila, rnoula de 26 annos, baila secos,
cor fula falla gaga denles limados muito ladina:
quem a pegar, leve a rua do Livramento n. 8 que
ter* generosamente recompensado por Manoel Gomn
Viegtt.
ENIGMAS
PITT0RESC0S.
IIECIFIIAi;iO
AHpaaaaaa'gpa.
Queixamo-nos da fortuna para descul-
pariosa nossa preguica.
PERN.; NA TTP. DE M. F. DE KAKI*
-i 46'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E4RBBUK9B_MQEBQK INGEST_TIME 2013-04-26T21:04:19Z PACKAGE AA00011611_08404
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES