Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08394


This item is only available as the following downloads:


Full Text
^nno de 1846.
Terca feira l>
n MARI publicv-se todos 01 das que dSo
He cuarda: o prcco'daaasig'natura lie de
So rJ. P' qu'"le,< V%os adiantados. Os
ncios do assigoantes siio inserido a raijo
'""' rjj por litif. *0 reij e-n typo dilTeren-
a repel'0** Pe'" me,a,lE- Os que nio fo-
"'e,,;,.,,.intes pKo 80 ris por linda, a IGO
[iroobdiffreu.. _
pHASES
i eia a S as 10 hora SG minutos da man.
."".^.ntea 12 9 'rase II min. da man.
M Cva" horM '* .mio- d,Urde-
''ce ule a 8 as I) horas e 6 minutos di aun.
PALCA NO HEZ DE SETF.MBRO.
PARTIDA DOS CORRF.IOS.
Goianna e Pafahvlia Segundas e.Stvtas f'eiras
Rio Grande do Norte, chega as Quartas feiras
no raeio lia e parte uas mesmas lioras as
Quintas feiras.
Cali, 3erinhaem, Rio Formoso, Porto Cairo e
Maceyo, no I.*, It e?l de cada mei.
Garanhuns e llouito a 10 e 24.
Bou-Vista e Flores alie 18.
Victoria as Quintas feiras .
Olinda todos os dias.
PREAM\R DE MOJB.
Primeira aos 30 minutos da tarde.
Sexuada aos I minutos da manha.
de Setembro.
Anno XXTI
N. 04.
OAS DA SEMANA.
M Secunda S. Materno, au I. di J. dos orf. e
do J.Ho C. da. v., de-J.M da I y.
li Terca S. Domingos, aud. do J. do cir. da
I r., e J de pal do dist. de t.
| Quarta S Ccineo, aud. do J. do cir. da
2. v e do J. de par do 2 dist. de t.
i7 Quinta S Macrioo, aud. do J.de orphos, e
do I. municipal da I. vara.
18 Serta S 1 homar, aud, do J. lo cir. da I.
v. edo J. de pardo I. dist. de t.
10 Sabbado S Jauuario. aud. do J. do cir. da
I. ., e do J de par do I. dist. e do J. de t.
20 Domingo S. Eustaquio.
CAMBIOS NO DA 14 DE SETEMBRO.
Cambio sohreLondresId.p. lia 60 d.
a a Paiis 3S5 res por franco.
. Usho. 100 Desc. de letras de boas firmas ['/_,, p;7,aomei.
IflIM
Oum-^Oncas'liei panholM *000
. Modas ds CjtOO el. HJ700 a
de'ejioonov. lfono a jofloo
9*lon
l/MM
21000
I Jilo
11800
de 4J000... e/000 a
/V t Pesos columnares. I#990 a
Ditos Mncanos. "*'."M a
, Miuda.......... 1/780 a
A cedes da Comp. do Beberibe de SOI0OO ao par.
DIARIO DE PERNAMBUC
EXTERIOR.
LONDRES, 29 de jomo db 1846.
Urna volagio de quaai d >us pata um n'utni eamira
"a exactamente quatrocenlos memhros p5a final lira-
rio dos direilos do laucar lora dos riscoa d'uma derro-
ti e at de desnescessaria demora. Como a queslo he
una daquel'aa, em que' nio be proravel ou Decenario,
que todos se mostrem inlereisados, podemos deiculpar
oique ne>te ultimo periodo da sessio nio teem (ido
ambicio de assislir peatoalmaote a volagio. Agora be
evidente, que a medida passar, e tem alterado. Na-
turalmente podem u.ultiplicsr-se ad inftnitum si esca-
la! de redcelo. Cada qual, segundo o leu tempera-
mento, estar por urna marcha rpida ou lenta para o
cominercio litro. Mas, onde cala qual pode ler o aeu
projeelo, um miniatro torna-ae o arbitro uniVeual. 0
plano ministerial tem toda a presuropeo a seu favor, ao
menos comparado com qualqueriuggestio de engenbo
particular. Prtenlo, nio ba precisao de ae gallar ago-
ra lempo em (aier paliar urna medida, que, como diz
Sir R. Peel, dave da paitar, ecujo eitorvo temporario
pi deleriria por om so dia o resultado final.
dem, 5 dk agosto db 1846.
O plano ministerial tobre o direitoa do anucar tem
liJo eminentemente prospero. A grande maioria, pela
qual forio ai resolucSes adoptadas na primeira instan-
cia, tem feito perder todas as esperanzas du opposirio,
eos panos preliminares para a apresentscio do mesuio
bil teem aido alraressados quaai deaapercebidamente ;
entretanto que na psssagem das leis sobre os coreaos
lorio Uo difficeis. Nos ltimos dial d* teiiio mal po-
demos lamentar a tacita acquieicencia, que permute
proieguirem os negocios pblicos desafogsdos da pro-
fusa verboiidade, quo parece natural aoa mezei de abril
e maio; mas parece barer no morno silencio de julbo
e agosto o perigo de que grandes medidas venbo
paaiar por lei, aem se saber gerslmente com quo gran-
de esperieneia de mio xito vio ellas emprebeudidas, e
quio plenamente se temestabelecido a ioexiquibilidade
de qualquer piano fundado n'outros principios. A este
[esputo nio be pouco instructiva a hialoiia da legisla-
(io durante os ltimos dous noos, e seua resultados.
Comicmos pela oclo de que podamos admiltir o
asquear alrangeiio, produzido por trabalbo livre, ser
eicitar procura alguma addicional do meimo genero de
produccio nio lirre nos mercados do mundo. Nesle in-
tuito, propoi-se em 1844 um bil, pelo qual o assucar
eilrangeiro, produzido por trabalho vre. devia de ler
admittido, a um direito de 34 i. por quintal. Eita raiio
foi descoberta pela aophislic* agudeza de Mr. Gladstonc
comoo limite, que nio deisaiia possibilidade de lucro
na importarlo d'assucar de produccio dos Estados-
Unidos, sob tratado. Apenas urna tonelada d'assucar
entKiu para consumo com o bil de 1844, cuja delesa
jesuitica e a opposicSo, que tio caiuitico projecto na-
turalmente excitou, occupirlo multas ooitu de sessio.
Pelo bil de 1845completa burla em todas as suai
promeiias fiscaei e commerciaea foi o direito sobre o
assucar eslrangeiro, produzido por Irabalbo livre, re-
duiidde34s. por quintal a 23 s. 4 d.; e sobro o co
lonial de24s. eBporcenlo, ii'o he, de 25 3 d.aH
s. por quintal. Algum lempo antea da sdmissio do es-
lucir colonial, segundo este bil, a 14 s. por quintal,
anticipou-se urna rpida mudaoca na escala dos direi-
tos. Ein consequencia foi o aasucar colonial represado
pelos posiuidores dentro dos rmaseos alfandegadoi. O
sortimento, que anteriormente baria sido lirado, e que
eslava oas runos dos marcadores mais francos, fui-io es-
culido em pequeas porces para os especieiroi sstisfa-
zerem as necessidades meramente quolidianas dos seus
freguezes Nenhurn se tirou do deposito, segundo o
coitume, para refaier o sortimento dos morcadores.
assucar, do que te linha pagado o direito, excepto al-
gum, que eslava em processo de refinscio, ou que nio
bavia sido tirado dos armazeos, eslava quasi de todo ex -
baurido ; e quando cbajou o lia de serem admitlidos es
assucares colomaes pelo direito de 14 i., sabio dos rma-
teos o assucar raprnaiio em onormes quaotidades, pa-
ra encontrar a caresta do mercado, e alliviar os emba-
racoa pecuniarios dos posiuidores. Os consumidores ob-
tiverSo, por rspaco de muitas semanas, a vantagem de
quni melade da importancia da redcelo d direitoa;
mal, vendse logo depoii, que pouca competencia bavia
a esperar-ie da imporlacio do aa>ucar, produzido por
trabalbo livre, subi o prego daquelle de prodcelo co-
lonial na mesma rasio, como se houvesse continuado o
direito de 23 s. 3 d. Entretanto, a receita durante os
primeiros des mus e m$io das opers;5s, sob a influ-
encia deile notarel bil sobre o assucar, experimenlou
urna perda de um milko t utectntai mil libras. A re-
dcelo de diieitos sobro o assucar estraogeiro de traba-
lbo livre foi urna completa butla. Teve-se cuidado de
que elle nio nos polluiste com a mancha esclava, ad-
uiiltindo-se smenle o assucar de trabalbo livre, quan-
do acompanhado de certificados do carcter actual da sus
cultura, eaioda assim lmente por ordena em conce-
Iho. Jsva e Manilba eiio os nicos pair.-s, donde sa el-
le eiperava. Nio tinhamoi cnsul em Manilha para dar
certificados. Mandou-se um ; mas osse levou mais lom-
po para I* chegar, do que o capilio Cook teria gasto
para fazer urna viagem i roda do mundo. Os Hollando-
es nio quixerio permillir, que a Inglaterra tiveuo cn-
sul em Java. Por ultimo veoceo-ae esta difliculdade,
considerando-ae o certificado d'um negociante nglet.
residente en. Java, como urna condifio moral ufiTcien-
lo n.ra ju.lifker a purera do assucar (laquella liba ; na
qual, comtudo, descobrin-ae, que a condicio predial
dos camponeies era de /acto, ainda que nio de direito
a da mais degradante eacravidio. Pouco asaurar veio de
Java. A MaatschapPy, companhla monopolista quetlnha
feito grandes emprestimos ao governo colonial hollan-
det, tem um diieito de preempcio, como garanta do
nrincipal, e bem assim do juro do dlnhelro emprestado.
a toda a produccio expoitavel das Indias onentees
hollandezas. a saber : ao assucar, caf, ndigo especio-
rias estanho e arroi. Essa compatible tem o direito de
importa-la nos mercados de Amsterdam, Rultcidam e
Middleburgo, em navios leus ou .retados, para vender
a produccio, em lellio publico, nequellas cldades, e
deduiir do producto total o fele, o seguro ( porque
ella be seguradora de si mesma, e por isso nio o pa-
ga ) i por cento de commlssio de venda, ele. Ao
todo, os seus interesses montao a quasi um terto do
producto total das vendas na Ilollanda. Se o assu-
car de Java fosae remett.do para a Inglaterra, a com-
uanhla perdera a commissio e mulloi outros inler.s-
ses Elle nio tem sido importado na Inglaterra senao
em pequeas parcellas, que o agente acompanbia tem
lulgado insignificantes ; e
.t des... parce,... ama Portanto. menos que tod;, "P"^ 2:
MEMORIAS DE UM MEDICO. (*)
por aiejranDre jDumas.
PRIMEIRA PARTE.
QSa 3&&S&22@.
CAPITULO IV.
oiibibto
diaiemos nos, que bavia despertado
le comn
Era ene grito
o viajor.
Sabio elle precipiladainenle da cana, q
fechar eom cuidado, e, inquieto, lanceo una vista de
olhns em derredor de si.
A primeira cous, que apercebeo, foi o mancebo, em
poaisombrado. Um rain, que Uno ao nieiroo tempn,
pcroiiltio-lhe, que o etaniinasse doa pea i cabrea ; o que
parece, que era de seu coatunie, aenipre quo se llie offe-
recia aviaba unta nova pariouagom, ou cousa nova.
Era uro rapas de iteraseis a dmele aunos apenaa,
pequeo, magro, o ervos., i oa .lima pretos, que elle,
affoulo, filara no objecl, que Ihe ohamava a attencto,
carecUUi de suavidad*, maa < da enramo ; o naris finu
e curvo, oa labios delgadoa, as aisctea do rosto aalientea
aiiuuiieuvio astucia e ciroumapeectlo, emquanlo na vi-
gorosa prueinineooia do queixu arredondada se Ibe re-
velava a resolucio.
rande parte lem aido reexportada para a Hollanda, por
ser mui subido o direito de S3s. 4d. Portanto. do assu-
car de Java pouco tem vlndo, e pouco vlri a este pali
para consumo. Os interesses da Naatsehappy be uma
das causas ; e se bouvesse de ser obtido por baixo pre-
co depots da sua veoda na Ilollanda, as leis t nayena-
cio nio permillirilo aer elle Importado de um porto da
Europa para consumo do Reino-Unido. Mas o assucar
de Java raras veies pode ser obtido por tio balxo preco,
que seja admlssvel em qualquer qoantidade, excepto
pelo meamo direito dos assucares cnlonaes Inglezes. Na
India ingleza pode-se obler assucar Inlelramente tio
barato como em Java : mas ha outra rasio, que impe-
dir o assucar de Java de ser importado na Inglaterra
em grande escala ; e vem a ser, que a quanlidade pro*
duzida em todas as collonias bollandeas esla longo de
bastar i procura de assucar para as reBnaedes da Hol-
landa. Em 1810, empreaou-se nestas reflnaces exacla-
mente tanto assucar de Cuba. Porto-Rico e Brasil, quan-
to o que se mportou das Indias orientaos e oceden-
laes hollandeai. As quantidadea importadas de lava,
especialmente em 185. por embarques toreados : multo
pouco por augmento de colheitas j teem sido ainda mais
do que em mO ; mas contina a procura de assucar
de Cuba, Porto-Rico e braslleiro, al dos armaiens in-
gleses, para os refinadores hollndoles A principal
causa desta procura be o mercado allemio.
Em 1831, montou a lmporta?io de assucsr nos esta-
dos do Zollverein apenas a cousa de 27,000 toneladas ;
em 1840, a perlo de 50,000 toneladas ; em 1S11, a
04,000 toneladas. Na Allemanha teem sido geraltnente
ruinosas as tentativas para faier-se assucar de beterra-
ba ; o numero de feiturlai de assucar de belerraba val
diminuindo annualmente, e a procura de assucar tro-
pical deve continuar a augmentar. Na Huaata, Austria,
Turqua e nos estados italianos val annualmente aug-
mentando o consumo de assucar tropical ; os navios e
capital Ingleies slo principalmente empregados em lor-
nace-lo de Cuba, Porto-Rico e Brasil.
Nio ha direitos dilTereocises na Hollanda, em Ham-
bureo ou na Allemanha. Todos os assucares enlro II-
vrcmente em compelencis. Manilha multo pouco assu-
car pode forneccr de trabalho livre. Para as vlnte e uma
mil toneladas, produtidas annualmente najueila liba,
hliat,a. aaMead^a- an ser a InglaUrra. aapaolalmBnlo
as partes oocidentaes da America do Sul, a Australia e
Uombalm, para allrahlrem uma grande parle delle. Pe-
las noticias al levereiro ultimo o mercado de Manlllia
eslava eipurgado do seu assucar. A China telve possa,
se so derem precos subidos, remeiter perto de cinco mil
toneladas para a Inglaterra ; e por Singapore podem-se
..bter de tres a cinco mil toneladas de Malacca eSiam.
Comtudo, he claro, que nio se pode obler conveniente
supprlmento de aasucar eslrangeiro, produtido por tra-
balho livre, para consumo Interno do Keino- Unido. Aa-
mittlnd.i, que elle podesse ser obtido, que provtito pro-
vavel pode uma tal adminlslracao ler para impedir
orocura do assucar de Irabalbo nio livre? Se o assucar
de produccio livre houvesse de sur obtido em sufficienle
quanlidade, s poderia sfl-lo creando um vacuo igual i
quanlidade consumida nos paires, onde tinha previa-
mente achado mercado. Para encher esse vacuo neces-
sariamente bavia Je alTluIr para ah assucar produiido
por trabalho nao livre. Tal tentativa s pode ser com-
uaiada i de alguma potencia, que quiresse comecar a
e%otar o Canal de Inglaterra para outro reservatorio.
Menos que no construisse prmelro um muro estanque
d-agoa. de Dover al Calais, e oulro de Land s-Er.d ao
cabo Finisterre, porcada balde oheio d agoa esgotada
do Canal alTluiria oulro do Atlntico para dentro delle.
Inclusive as Indias occldentaes logleas, se obrlgaaeai,
por urna solemne liga e convenci, a nio gastar assucar
senao produiido por trabalho livre. he o lupro-fwm-
mum da loucura o dlxer-se, que a Inglaterra nio com-
prar assucar, assim como compra coi, caf, algodio,
lia, tabaco cobre bruto, no mercado msis barato.
(Time.)
aaa
() Vid. Dtri n.
302.
_ Foi o aenhor, que gritou ainda agora ? Ibe per-
Buitou o viajante.
_ Siio, Militar, f"i eu, reupondeo o mancebo.
__ E porque grilouVm.?
_ Porque....... o mancebo parou irresoluto.
_. Porqno? repeli o viajor.
__ NAo bavia, disse o mancebo, uma sei.liura aqu no
cabri.let?
Ilavie.
E oa olhos de Balsamo ae pregario na caira, como se
quiteaaem alravessar a groaaura daa laboaa.
lluvia um ravallo preso a molas da tarruagem.
Sini ; mas onde dinbo esto elle?
Senhor, a dama de eabriolet paro no cavallo,
que eslava amarrado s roilaa.
NI aoltou o viajante uma ctclameci, nio pronun-
ciou uma palavra, aallou ao cabriole!, e abri as corti-
nas de couro : um raio, que incendiara o ceo nesse mo-
mento, moatrou-lhe. que o lugar calara vario.
SanBo de Chrisloi exclamou elle eom um rugido
ie-ualaudu trovan, que Ihe tatia o acoinpanhainei.lo
depoi. oll.ou em derredor de si, como para procurar al-
gn, meiu de ae Iho por na piala ; mas para l.go conke-
Cu a iiittifli*'enra de.sea meos.
_ Querer alcancar Djerid, proaeguio elle, meneando
acabeca. em un. deaaeacavalloa, fra o meamo que pOr
a tartaruga a per.eguir a piell........ Maa cu bel de
aempre aaber .nde ella eal, a nio ser que.......
Suapendeo-aoe levou, vivo e anoioso a mo a algi-
beira donde tirou uma carieirinha, que abri, baan
do. b'.ilao. della eslava um papel dobrado, o neate uma
uadoixa de cabellos preloa.
A' vala de.te., acreoou-ac-lho oro...... c 6cou elle
lr.quillo inleir.nente, ao menea em pp.reno...
_ Ora ramo., disse cll.,pa...ndo pela froole a mo.
M.e 6cu cebe.t. de satr, esta ben. e ulo lho disse ella
nada, ao partir?
. Di.se, .enhor.
Enllo, que Ihe diaae i '
_ Que |heoswnaieate, que o nlodeix.va ella por
aver.o, na. por unor; que era nna digna cbnataa,
quando Ym. ra, pelo coiilrano.......
Publicagao a pedido.
Ao Um. Sr. l)r. Jodo de Soma lieit, por oceano di
eer demillido de promotor publico da comarca da
Boa-Vina pelo vice-preeidette. Mantel de Sou-.u
Teixeira, em 8 de julko de 1845. (")
ODE.
Ao penetrante lom de minl.s Lyra,
Ainda que d'um Bardo,
Balbucante voi, humilde e triste,
Ah por unir contena,
Eii que meu coraeo extasiado,
Arde em vivo transpoite.
Do erime infecto Is aras profanadas
limis renderei cultos,
A' virtude lmente, honra, ao mrito
Os ineus canlos dirijo.
Em risonlia manhia d'um da ameno,
AlvorecenJo aurora,
Eis das grrulas margena tortuosa*
Do vasto Sio-Fr.Dcisco,
Bellas Nimphai surgndo alvo aitentei;
Solta a subtil madeixa,
De purpureas grinaldaa vio trancando,
E curvio se risonhas
Ao joven Olindenie, seu dilecto.
Enlio com voi sonora,
Esle, da gratidio. canto, sfilho
Levantan docemenle :
u Verdadeira afleicio nos oulhorgaile.
Da lilliai austera, e justa,
,. Sin. d'Aatrs fiel trilhaste os panos.
Cumprindoteus devores,
BrpfFcon.lante, como tal t'hooraste.
Probo, impvido, eximio.....
c Folla oh .' Souia Ilriodelo da juilica,
a Di bonra folie exemplo.
E reverente i'erguem praienteirsi,
Depondo aos ps do joven
Asgrinaldas por ellas ennastradaa.
Eia oh 1 prestante amigo I
Os sinceros, e puros sentimeotos
Dos leus consumiles.
Qu'impoita pelos mos ser odiado,
Ser victima innocente
Do capricho traidor, e vil, e infame.
Se lena por li ob Souza !
Josli(a, a bonra, o mrito, a virtud*T
Se i por ti (eos ludo ?
S. R.
[') Por motivos improvistos deixou-se de publicar
em a mesu s occasiio.
O mancebo l.eaitnu.
_ Quando cuera, pelo contrario? repetio o via-
mJ Ni sei, se Ihe deva diier....... ds.e o rapas
_ Ol I diga, esaa he boa !
_ Quando Vro. |*l contrario, era um all.eo e um
desendo, a quero Dos quirera dar e.la nolte o ultm.
avian i que ella comprendido" e..a advertencia
Den. o a convidara a acrcila-lo lamben.
pelo, labio, d viajor rocou um .nrri.o de desprcto.
_ E foi ao i.lo, quo lho ella di.se ? j.erguntou elle.
M.h- nada.
_ Enli beni fallemos d'outra cousa.
B v* ultimo, ve.ligie. do inquietacao e dc.conlenla-
nienlo lho dei.pparerrio da frnule.
Olliava ..mancebo para todo, caca raovimentos do
coraci, reflectido. no rosto, com uu.a curio.id.de,
quoiodicova, quo elle tambero ero dotado de uma certa
doto do ob.ervnclo.
ABora,.li..oo vijor, como te chamo Vro., meu
joven ninij ?
__ Gilberto, cnliur.
' ^Gilberto su ? crcio, que be uro nome de bap-
liaino.
_ He o rmb ttm* riIU.
Poi. ben. meu cb.ro aenbor Gilberto, Foi a Pro-
ridencia qoeru u maiiduu ao meu encontr, para mo ti-
rar de apurua.
E.lou e sua. orden., o ludo quanto Ihe poder
' Vni o fari, muilo obrigado. Sim, na sua idade,
a gente aerve, pelo praier de .ervir, bem e .e ; alen
dalo, o que vou pedir-llie nio he muilo d.filoil; he pu-
ra o'.iroplesmente iudtar-me um abrigo par* o
Priniciro que ludo, diaso Gilberto, ha esla rocha,
sob a qual'me pas acobeflo da Irevoada.
Sim, disse o viajor ; na. sales quitara
cousa a.aini cuno una caa, onddachaaae bol
ba cama.
bao be mais eustoso. .
E.tamos muilo dialeotea da pxiner* aldea.
alguna
rea.
_ DoPierrefltle?
lie Pierrefitle, que ae ella chama?
Sim, senhor ; eslainua distante della legoa e meia,
pouco mili, ou menos.
Legua o meia por esta noile, por este lempo, oom
este. do... ravallo. smenle, he oaniinho para dua* ho-
ra.. Oro rjanme, moa anigo, lembre-ee bem, poi. nio
ha ue.le. arredore, habitacio alguna f
__ Ha o castello de Tavernoy, que tica daqui a tro-
senti.s pasaos, ao mais.
_ Poi. bem cutio....... di.o o viajante.
Quo, senhor? perguntuii o ropas, brindo grande
olhos.
_ Porque nio diaae Vni. iaso logo?
_ Mae a castello deTav*rncy ulo h* um e.talagem.
_ Huelle habitado?
_ Sem duvida.
__ Por quem?
_ Ora, pelo bario de Tarerney.
__ O que he ea.e bario de Tarerney?
__ He o poi de raadeiuoiiella Andrea, aenhor.
Dl-me randa praier aaber di.to, replioou o via-
jante, aorrindo ; na. eu pergunl.ra-lhe, quo qualidade
de hoiiioui he e bario.
_ Senhor. he uro relhu fidalgo de aaaaenla a aeasenta
e cinco onnos, que fui em uulro lempo rioo. ao quo
diieiu. ,
Sim, e que he pobre preaentemcnle ; be historia
detodoa. Meu amigo, peco-lhe, que ne coodusa i casa
do bario de Tarerney.
_ A' ca.a do bario de Tarerney ? exoUmuo o rapas,
qua.i aterrado.
Emio recuaa fter-me eate favor r
_ Nio, aenhor; mas he, que.......
ola. que?
He, que elle o alo recebera.
__ Nio recebera um genlillionem transviado, quo
Ihe vai pedir bospedagen ? Eolio, o eu bario be um
orto ?
Eu aei c I diaae o rapas, oom uro toa, que quera
diter: Parece-ae ruoito.
Nio inporta, eu me arriioarai.
.,: t

i-
1
MUTILADO


COMMERCIO.
Alfandega.
Bendimrnto do da 14................5:672*561
PescarregaC hvjt 15.
Rarce ingleEltza-Johnionmerca Joriit
lrigue urdoDomodem.
Gertl......
Profincial...
Consulado.
Rkndwbnto do di* 14.
123*993
3*235
127*228
11 mimen lo do Torio.
Navioi entrndoi no dia i 4.
Montevideo; 18 diat, barca ingiera Ip.iiweh, de 233
toneladas, cepillo George Shire, equipegem 14. car-
ge couroi; a M. Calmonl & Companbia. l'raz O pas-
tigeiroi Veio refrescar e arge para Liverpool
Rio-Grindo-do-Sul pelo Rio-de-Janeiro. 34 dias, e do
ultimo porto 24; brigue braiileiro Dout Ir mutis, de
177 toneUdii, capillo Joaquim Antonio Maii, equi-
pegem 10, carga carne; ajoto Francisco da Crui.
Passageiro, Gaspar da Silva Froos, Urasileiro.
Hsmhurgo ; 40 das, escuna hamburgueza ChriUint,
de 178 toneladas, repiti H. C. Taggenbrotlt, equi-
pagem 8 carga fazenda ; a kalkuiann & Roien-
Diund.
S -Mslheus ; 7 dias, biate brssileiro Flor-do-fecife,
de 32 tonelada*, capillo Jos Machado Malheiros
Braga, equipageo 4, caiga larinba ; Luiz itorges
de Sirquen.
Vatio taludo no metmo da,
Cotmguibe ; brigue dinamarqus Fortune, capillo
Heid Itothe, em lastro. Passegcirot: Jos Maris de
Albuquirque Bloeiii, Anlero Augusto de Albuquer-
que Hlooo, Urasileirot; Chnstovlo Dislal, cnsul de
llainburgo en> Sergipe, e a Sr.' D. Lina Elista!.
bo sorprendida por seu pai no scu palacio : Faliero
para nlo eomproroetler o crdito de sua amante, log"
por urna anells, que dt para o palacio do embaiudor
de Hespanba cuja communicacio be prohibida cor
pena de morte peles Icis da repblica, por estarem em
guerra as duaa necOes.
Acto 3.'O appirelbo da mor te. Faliero, tirado do
carcere, he cnndutido 1 sala fnebre, onde, reunido o
concelho doa dez he sentenciado 1 morto, entregue
aosalgoiea, o salvo por sua amante.
Apperecerd tres vistas novaa. A caa dos tro
pheos. A prica de S.-Marcos. A sala do conce-
lho___
Piincipiari as horas do costume.
msos martimos.
Para o Rabia sai o patacho Bom-Consilho, ateo
da 20 do corrente impreterivelmente, por estar quesi
cerregedo; ainda recelie algunia carga a frete: a fal-
lar cnm Novees 6t C. ra do Trapiche, n. 34.
^=Pera o Rio-de Janeiro, por estos das, o patacho
j4mazona$, forrado e encavilhado de cobre, ainda re-
cebe alguma carga miuda, escravos o passageiros; para
o que tem escolenles comrnodos : os pretendentcsdi-
rijlo se a ra doVigario, n. 5, ou ao capillo Ma-
nuel Marciano Ferreira.
I.Ct'S.
etl
aravatt.
A eommitsin administrativa do tbeatro publico
nacional, visto nlo ler lido lugar a coovocayio eita
para o dia 12 do corrente, novamente convida sos Sr.
accionistas do mesmo tbeatro 1 se reunirem na quinla-
feira, 17 do corrente, As 10 horas di manbiu, ua ca-
sa do director, F. A. deOlivcira, na ra da Aurore,
n. 26, afimde se proceder a nomeaclo para o lugar
de tbeiouieiro, veso pela mor te do Sr. Jote liamos de
Oliveira.
PUBLIGACAO LITTERARIA.
Est no prelo e vai sahir em breves
dias a sexta edicao da mu i condecid t e
viil a risada graminalica poilugucza do
proiessor Salvador Ilenriipies de Albu-
= Srbafbeitlin & Tobler continuaras, por interven-
cjo do corretor Oliveira, o scu trillo de ptimas fa
rendes, proprias da estacio e do mercado : quarta-
feira, 16 do corrente, s 10 horas da manbia, noseu
armaren), ra da Cruz.
-Jlo Keller&C. farSo loilio, por intcrtrnciodo
corrrlor Oliveira, de grande variedade de fairndas, in-
clusive muitas recentemenle despechadas, e todas pro-
prias do mercado : boje, 15 do corrente, s 10 horas
da nianhia, no scu armaren), ra da Crui,
Avisos diversos.
querque; corrigida, e comieravelm*ntc\%7i?T*a.
tlllteutaila etktoaa ve rulo? 1IU lviiril
gio.
Tlieatro publico.
BENEFICIO DA PBIMEIItA D4MA.JOANXA MA-
RA DE FREiTAS GAMBOA.
Di,MINGO, 20DDC0BBENTB,
eerepiesenta a grande peca nova
BRANCA R FALIERO,
nu
0 CONCELHO DOS DF.Z.
Acto 1. O t.iumpho.Faliero entra em Vene/a
em um carro triun.phal.nn me0 das acclamaces do po-
vo, banda de n.usica militar, e toda a nobreza, que
o ya i rereher a avallo : um corpo de lanceiros a c-
vallo precede seu carro : outro corpo de cavaliaria h-
geira fecha o prestito; manobrando o eaquadrao a vis-
ta dos espectidore.
Acto 2." A fuga. ranea, enamorada de Faliero,
No Ih'n ocuiuelh,), respondes Gilberto.
Ora, vamuela! reapondeo i. liaj.nl*. Por mna
tirso que >eja o seu bario, nao me ha do comer vivo.
=Pcrdeo-se em conbecimento ou recibo de paga -
ment de decimas, com um outro papel : o conbeci
ment ou recibo, na mor paite impresio, est aisigna-
ilo por o Sr. Bernardino Pereira de Brilo, smente
com a rubrica Brilo: pede se a quem o tiver echa-
do de o levar rua da Pcnha, cesa de dous andares,
n. 17.
st^uem precisar de um bomem.official de tanoeiio,
ou mrsmo para engenho, para levantar pipas ou barri-
cas, do que tem bastante pratira, procure na rua da
Cadeia do Recifo, armsiem, n. 8. Na mesma casa a-
cima seolTerece um homem padeiroe forneiro, que se
deseja arrumar na dita oceupacio, por terditsu muita
pratics.
=0 sbaivo assignado lat publico, que Jos Menoel
Muoleiro Braga nlo be mais seu caiieiro, desde odia
12 do setembro coirente
Jos Joaquim da Silva Mam.
Aluga-se urna crioula, para ser ama de leite :
procure na rua da Cadeia-Velhe.
(ora do im-
Nao;
mas lalves llie fecho a Doria.
'id. ee recuse
Ileila-la-hri bailo ; n nio ser que V
aaervir-rne de guia.
Eu nio sue recuso, aonlior.
Mo.tre-me cutio o caiuiulio.
Cun muiiii gusto.
O viajante eubioenlio ao cabriole!, o all loniou urna
lanterna.
Coidou o rapas por um insten!*, que o eslrangeiro,
Vala ta rarruagetu, e elle podca.e ver, pela abertura da porta
v que all liavia.
Porm neui ineauo se approsiruou da porta ds cana.
O viajante enlregou a lanlerna a Gilberto.
Este vollou-a de todos oa lados.
Que quer o senhor, que cu faca detta lanterna ?
disse elle.
Que me allumie o caminbo, cmquanlu cu conduio
s>a cavalioa.
Mas rila e.la apagada.
Vamoa accendo-la.
Ab! slm, date Gilberto, Vm. tem fogo no interior
da carmageui.
E aqu ua algiboira, reapondeo o viajante,
Sera beiu d.flicil accender isca com esla chura.
O uajor aorrio-se.
Abra a lanlerna, ili|ie elle.
Gilberto obedeceo.
Ponba o acu chap* aqu por cima daa minhat
loe
Obedeoeo ainda Gilberto, que aoompaiiliava todos es-
tes iiiuTimenlos com a niaior ooriosidade. Gilberto >
contiena um nieio de oblor fugo; u da ii.llaniinacio d
iara pelas cenlelhaa produtidat pelo choque da iiadra
no fusil.
Tirou u viajante da algibeira o ni estojo de prala, e
deete utsa meolia e, abriudo o fundo do eatojo, mer-
gulliuu a asecha n'uuia uomposicau inaiutuavel aetn
ass Jos Pinbeiro Jacome retira-se para
perio.
= Desappareceo, no dia 12 do corrente, um psrdi-
iibu forro, de nome Joaquim Rodrigues doNascimen-
to, de idadede 10 aunos, com principio do oflicio de
carpina, rom os signaes scguintis : vesgo dos olboi,
quando anda melle os joelhos pata urntro sebo lr e
escrever; levou calces brancas, jaquela de quadros ve-
Iba, chapeo de palhinha virado : quem delle noticia ti
vir, queira dingir-se a rua Nova, venda, n. 65. que
sera recompensado.
= O ahaixo assignado, lendo nn Diario de Pernam-
buco, n. 202 um aviso, em que vai a praca por ven-
da o por cxecutlo de Grorge Kenworlh & Conipa-
ulia acata da rua do Amoriin n 33, fat sciente ,
que o aluguel dos dous and:-res e sollo da mesma ca-
sa est pago atendais do abril de 1847: e para
livrar se de polmicas e nlo se chamerem a ignorancia,
laz a presente declaraclo, pata conbecimento de queo
a pretender. monto Joi Francitco Vaga.
= Alucio te 3 escravos | ara servico ; quem os pre
tender, dirija-se a rua Direita obrado n. 29.
duvida, porqoo imincdislamenle acoeudeo-ao a medir,
com ligeiro estrepito.
Fui a aoot* lio instantnea e inesperada, quo Gilber-
to r.ln mereo.
O viajante aorrio-sc desta sorpresa, bem natural en.
epoen, cm que so flguna rhimico. tonheciio o phoa-
pl.or, eguordavloease.rgrcdo para aa auaa proi.riaa
csprrieuci.ie.
Coroiminicou o vi.ja.iie a cl.amma mgica ao patio
da vela, fecbuo o estojo, e o mlico n'algiboira.
O rapas segua a precio. recipiente oam olbos ar-
dentes do cob.ca. F.ro claro, qU(. moiU ,.,,, ,erjt ej|e
.lado, para ser pot.uidor do.cti.clhai.to lliesouro.
Querer! Vm., ogor.. (|ue lalas los, serrir-me de
guiar pcrgiiutou o vi.ijiinie.
Vetilla, icnlior, diste Gilberto.
E posta odiante, emqoanlo o scu oompauheiro aa.
chava 01 cavalioa pela rrdea.
Afinal, o lempo te liavia lomado maia supporlavel
qua.i que nu lio va n.ais, e a trovooda f..g.. muitin-
d, para louge.
(I tiajanle lo i o primeiro a sentir a necessidade'de
reatar a convrriacto.
Vm., ii.cu amigo, pelo modo, conhece bem esse
bario de Tnvcri.iy ? date elle.
3= Aluglo-se 2 caiai terreas com bons comrnodos,
na travessa do Marisco (beeco do Peixoto) di. 19 -
38 : a tratar na rua Direita, sobrado o. 29.
= Quem precisar de urna mulher para ama de orna
casa do bomem solteiro que sabe bem engommar e
cozinbarde toda a quahdade dirija-se ao becco do
Burgos n. 29, junto a padarie.
= Jos Soeres Pinto Correia mudou-ie, das caaas
di. 42 e U para a casa n 2 do metmo lugar da So-
ledade.
= Na rua doi Pires, a. 10, fiem-ie ricoi qua-
dros de cabello.
-^ Aluga-se metade de urna caa a penoa cipas:
quem pretender, dirija-se a (revena dsi Crutes o. 4.
Aluga-se um sobrado com bastante! commodoi ,
lito na rua do Apollo o. 22 : a tratir com Candido
Lobo em o leu armazem.
Preciia-ie de um pequeo para a padaria da rua
larga do Rosario n. 48.
<=Antonio Jos Maciel previne ao reipeitavel publi-
co, que nio lega negocio algum de compra ou hvpo-
thi'ca.com os bem deiadoi por a fallecida Marta Jos da
Conceiclo; dos quaes se acba de pone o Sr. Manoel
Ferreira de Araujo Catiro ; porque esto subjeilos a
quantia de 530,000 rs., com o juro de 2 / ao mer,
que ella ficou devendo ao annunciente; de cujo debito
nlo so Ihe psss u urna ledra, como al o declarou no
seu solemne testamento: e para esta cobraaca, o an-
nunciante eiecuta o mesmo Sr. Caitro como berdeiro
da dita fallecida,para i.aver du scus bem deiadoi a im-
portancia de la divida.
be O -baiio assignado fai publico, que Francisca
de Paula Santos Ihe he devedora da quantia de
131,480 is al H de setembro de 1816. Este dinhei-
ro esl, correndo premio; a dita devedora Ihe oflorece
o seu sitio no lugar do Arraial para seu pagamento,
lomando o annunctante o resto; se alguem se achs
com onus inbre o mesmo sitio, annuncie no praiode
8 dias, ou se dirija aloja de selleiro na la Nova, de
Ferreira & Hraga, n. 45, que alii achara o annun-
ciante, Luie Candido Ft'rtira.
Aluga-se ou vende.ee urna canoa grande, aborta,
em i. ni estado, encavilbada de cobre, que pega em
1800 lijlos de alvenaria; e tambem ende-se urna ba-
lanza grande com pesos at seis arrobas : quem a pre-
tender dirija-se em Fra-de-Poitss, la do Pilar,
o. 70.
O arrematante das rendas provinciaei do munici-
pio de Serinbiem previne aoi moradores e senbore
doi engenboi Atalaia, Sibii-da-Serra, Uniio, Dia-
mante, Fernandei, Gaipi, Queluz, S.-Jlo, Sebi-
r-da-Santa-Cruz Jusisrinbo, Selnr do-Ce va leu nti,
Genipapo S-Pedro S.-Paulo, Todos-os-Santoa ,
Cacbueira, Caite, Agoa-fria-do-Cbagas, Pindobinba,
I l.a-Nuia, Aratangi, Camella, o a propriedade Ser-
rado, que a elle arremtenle perlencem lodoi o impos-
to* o cargo dai collectoriai provinciaes at o ultimo de
setembro de 1848, avista do contrato lelebrado entre
elle arrematante e a reipectiva Ibesouraria, em 12 de)
selcmbro de 1815.
=Arreada-ie um litio no fim da estrada do Arrai-
al para a do Monteiro, com casa depedra e cal, bs-
tanle grande, que conservs, de verlo, 8 vaccas, grande
. pii.cifim, da riacho enrrenle. ervore-
lo de duelo, etc : quem o pretender, dirija-so a
rua Velba, rasa terrea, o. 40 Na mesma casa acuna,
vende-ie ou bvpotbeca-se urna casa na rua Imperial,
n.42.
=Na larde do dii 17 do corrente mei, ni poibj.
doutor juii dos feitoi da ftzendt, le ha de arremata
por venda, um sitio pequeo com caa de taips, ,''
doa frentudo pedra e cal, avaliado em 300,000 n
cujo litio tocou a ferenda provincial, pelo sello da ha'
ranea do reverendo Jos Gomei Flores : assim, se ha /
arrematar, de renda annual, orna, casi terrea aa rus /
S.-Fraoeisco, o. 7, penhorada a Manoel doLivra!
ment, evalisds em 50,000 rs. por anno, a outra maja
na roa de S -Miguel, na povoaclo doi A logados, D'
70, avaliada em 48,000 n. por anno penbond'a a
Ladislao Pinto.
Ensiolo-ie meoinss com toda a perfeigio, a isaer-
primeiras lellrai, grammetice portuguesa arilhmetjl
es, doutrina christla, coser, marcar, bordar elaztr
lavarinto ; assim como tambem eniinio-se meninos
tanto em particular corr; em suai catas: quem de sin
preilimo le quiter utilisar, ditija-so ao Alerro-da-
Boa-Visti, loja de miudeiss de Thomaz Pereirs de
Mallos Estima, o. 51, onde achara com quem tra-
tar.
Sin., senbor, oque be milito simples pois que
oitou em sua casa desdo n infancia.
lie ton prenle, lalre?
Nao, teiilior.
Seu tutor?
Nio.
Seu amo P
O mancebo estresneeeo a cssa palavra do amo, a vivo
rubor Ihe c.lorou at far.ee, de ordinario pollidas.
Eu nioaoo criado, enhor, diaaeclle.
Maa, e.i.Hn., r, pliou o viajante, |ie alguna couia
Sou filliu de un. artigo abegio do borlo, ininoa
o,li enun mademoiaclh Andresa.
Enlendu; Vm. cala nacaea a titulo de Bolineo des-
nieiiina ; purquo presumo, que a n|h* do bario lie
moca- *
*" Tem deaaaeia auno, teulior.
Precisa-se alugar um pequeo sitio, nos arredo-
res da cidade, que tenha sulticieote trra para laio-
rem-se plantarfie.; e que tambem no pre?o oio leja
extraordinario : quem liver e qutrer arrenda, annun-
cie, para ser procurado.
= Precita-te de um caixeiro porluguez, de 12 a 14
annoi, que tenha pratica de venda: na rua de Agaas-
Verdes, venda, n. 48.
Alugio-se ai lujas, com bailantei lundos, de urna
casa na rua da Guia, n. 56, proprias para marcenei-
ro ou carpina, por lerem os reparlimenlos todoi em
bailo : a tallar com Candido Lobo
0 NAZARENO N. 62,
esta a venda na praca da Independencia, livraria, ns
6 e 8. e na rua estreite do Roiirio, cata da F, o 6.
Tras a conlinuaclo da excellente memoria sobre a
coloniset-lo, e alguns arligoi almente deve interessar,
Das dnae pergtinlaa, como ee v, Gilberto illudia
un,a a que llio era peatoal.
Parece, que o viajor fes a meema rcfleio que ns ;
porem dirigi a convertacio para oulro ponto.
Por que acaso celara Vm. un estrada, com ara lem-
po como o que fes ? pergunlou ello.
Eu nio eslava na esirada, teiiliur ; eslava sob urna
rocha, que lie., borda do cainiuliu.
E que faiia Vm. debaiio deesa rocha?
Eslava lendo.
Leudo?
Sim.
E qii* lia Ym. 1
O Contrato Social de J. J. Rooaieau.
O viajante olhou para o mancebo oom alguma admi-
ra(io.
_ Vm. arhou ceee livro na bibliotheca donarlo?
pergunlou elle.
N*o, eenbor ; comprei-u.
Aiooie!...... em Bar-le-Duc?
Nlo, eenhor, aqu, a um alfarrabiata, quepaeaava-
ha lempoe a eala parte, passio pelo campo rouilua destea
hofarinheiroi com bons litros.
Pergunta-te ao tbesooreiro prosete da irmaodi-
de do Rosario, Coime Joi Franeitco; porque nlo pa-
ga ao reverendo Fr. Mathiai 21,000 e tantos rs.,prov.
nienles daa mistas, que o metmo reverendo talebroq
para poder este thetoureiro remir o calii e a pateos
que te acha om poder do mesmo reverendo, por est
divida !! Pois o irmlo thetoureiro, nlo salisleib da
dever a irmindade 30 e tsntos mil rs., em que as
suas contas, que deo, ficou aleancado e outroi ainda
ronsentem o calii empeohado por segurante da dita
divida dos 21.000 rs,! De cerlo, que nlo he de crdito
eite irmlo. Porm, ji o enligo veio tobre elle, qu9
sendo prnvedor tambero dos Martyrioi tem eit|
fallado alio e poderosamente do leu antecessor, sobre
o resplandor da imagem, que esli empenbado ao ct-
reeiro dt rua do Torc; aquella foi pela necessidate
do acto publieo para urna procistio quaresmtl, e alo
ucalii por misen Cbegou a hora deste tsl tbesoo-
reiro pagar o que de outrot tinto fallara, simiras eum
ti'miVaus... todos sio bons, emqutnto nio ecbio a
pesca; mat, quando trarem o peiio part trra, chu-
cblo bem os cobres em reputtclo do seu trtbtlho. Vira
Goianna!
Um irmo do notario.
A loga-te, por com modo preco, um moleque pti-
mo para todo servido, tanto de cata como de rua : ni
rua das Trincheiras, o 46, 1."andar.
A penoa, que perdeo um molho de cbeve, diri-
ja-te i casa da astocia(lo commercial, pira Iba ter es-
tregu.
Aluga-se urna cata terrea, na rua Bella, coa
duaiitln Salcovat, eonoba fia quintal e cacim-
ba ; a tratar na rua do Collegio, o. 15, legando
andar.
= Aluga-ie um litio que tenht boa ctit de 10-
brado e que nja bem plantado, com boa baia pin
capim para moradia annual de urna familia ingiere,
dando-se preferencia Iquelle que for tiluido deidto
Mtnguinho al Ponte-de-Uchoa ou metmo oa Pas-
ngem-di-Magdalena : a tratar no etciiptorio da
Jbnston Paler& Companbia, oa rua da Midre-do-
Deot.
m Hermano Mehrteni etti moraodo agora ni
rua d Sun..11. Volha pared., meia da Cltl do Sr.
Lnierre, n. 140, primeiro indar.
O abaiio niignidoi, lendo detippireeido desta
cidade o llalianuo do nielo, Joi Luir de Girdet, oiTi-
cial deourive e abridor, tendo levado variis obras de
ouro de diversas petion, tendo tambem devedora
outrot, de que nlo deo contal de nsda, e bavendo lodt
a certera de te ter posto em fug, por astir fechada i
sua loja e a can, onde morara a familia, peden ai au-
toridades policiiet toda a vigilancia, a fim de ter ella
ctplurido.Joo Pereira Lagoe. Carloi llardy.
Aluga-se, para o servico interno de qualquercm
de familia, urna eicravt boa coiinheira, eque tambem
engomma lito: tratar com Manoel Luiz da Veiga, o
rua da Madre-de Dos, n. 36.
= Ni rui do Padre-Florianno exitta um novoeili-
belecimento de tintureiro, que ta leba promplo i del-
empenbir com todo o tsseio quaesquer obras, tanto
de leda como de lia, por mdico proco ; afiancaodo
sitisfiier bem a scus freguezes.
Cirlot.Deten, subdito alletnio embarca pin o
Itio-do-Janeiro com toda sua familia.
Quem Ihe diste, qoe oConlralo Social ora uio bom
livro?
Vi, que o era, ao l-lo, senhor.
E lein Vm. lido mos, psra poder ealabeleoer esta
differenca ?
Tuiho.
E a que chama Vm. mos lirros?
Por oiemplo, o Safa, Tautai tfeadarme, e oa-
Iros litros dette genero.
Onde diaboachuu Vm. esaet litros?
Ni bibliotheca do bario.
Como oLieui o bario eaeaa obra, novaa, n'ura can-
lo coma calo, oai que inora ?
Mandio-ll.'as do Paria.
E como empregn o bario o aeu dinhoiro nena,
friolciraa, te, coruo Vm. dit, lie elle pobre, rueu a-
migo?
Nio aa compra, dla-lli'aa.
Ah dlo-lh'ai.
Sint, senhor.
E quem?
Jim do. soua amigos; um grande Hdalgo.
Um grande fldalgo anbe-lhe o nome?
lie o duque de Riolielieu.
Como, o velhu tuarechal I
Sim, o tuarechal, be itto metmo.
Oe de preeumir, que elle nio deite samolhaalaa
litros ao alcance de mademnisella Andreta.
Pelo contrario, senhor, deixa-os ao aleanee di
lados.
E ella he do seu parecer, que essea alo mot? per-
gunlou com aslucioao lorrian o viajante.
Mademnisella Andreta nlo ua lo, senhor; rcipun-
deo aeccaraenle Gilberto.
O viajante calou-se por un inslante. Nlo liavia di-
vida, que eeaa eingular nalureta, mistura da bra e da
me, de vergonh* e effouteaa, Ihe acareara a aieicia,
ail grado ecu.
E purque leo Vm. eeiei livroe, aabendo, que erla
raoe, contiouoo ene, que u volho pbilotopho deaign-
ra pelo nome de Adiarat.
Porque, ao abri-loe, ignorara a seo valor.
Todava julgou-ua fcilmente?
- Sim, senhor.
E i'uiitiiiuuu a l-loa, apeiar ditto?
Coniiiiuci.
Coro que fim ?
Porque nelle aprenda oousai; que nlo sabia.
Eu Contrato Social?
Dis-ino c.iusai, quecu tinbi adivinhado.
Qae cousas?
Estas por eiemplo; que lo.rui oa hemeni ei iv-
nloa, que ai sociedades }lo mal organitadas, que teero
aervoe ou eterares que um dia lodoe oa individuaa ee-
rlo iguaea.
Ah ali dicte o viajante.
uute um instante de silencio, dorante o qual conli-
uuirio a eamiobar, Gilberto oom a lanlerna na me.
MUTILADO



as Gabriel Anlonio embarca pira o Rio-de-Janeiro
um leu escrito, de no me Jofio, do gento de Angola.
Antonio Carlos Fereira de Burgos
I'once de Leo iaz sciente a quem con-
vier a sens amigos, e aos Srs. de en-
genho que leem de lhe consignar 89-
sucar de suas safras, que elle se acha re-
sidindo na ra Direita sobrado n. 39 ,
unto ao do Sr. doutor Ignacio Nery da
Fooseca aonde tem aberto o seu escrip-
torio em o prirneiro Andar, e continua
a receber assucar em comtnissao.
A pesaos, que, por grapa 00 por engiri levou
doua collele e tima calca pred dizendo que oSr
J.iauzinbo en que mandare tmer ao 5r. Joaquim Lo-
pei qoeira quinto antea mindir buscar ou ir mel-
eno em peuoi a ra Diieita n. 18, legundo indar.
= Quem perdeo urna carteira cotn 3 cedulai miu-
dn dentro, diriji-ae a rui da Praia arirazem o. 18,
que, dando os sigaes Ibe lera entregue.
Arrrnda-se, por feta ou por anno, o litio dosCoe-
Iboi, que oi de Antonio Coelho da Silva: quem o pre-
tender, dirija-ae ao aobrado di, praga di Boa-Visla,
11. 6.
= Domiogoi Joi Fraoeiico Mari ia acienle, que,
de boje em diante, ae amgnar por Domingoi de Cutro
Uaia.
= Quem tiver olguma crianra, paraeriir deleite,
com lodo mimo e amor: dirija-ae a traveisa da Vira-
ci, o. 10.
= OSr., que preeiaava arrendar a caa da ra Ve-
Ibi, n. 28 depoiido dn 7 docorrente, seainda pre-
cisar pode procurar at chave da mesma.
= J. R Frincki retira-ie pan fira do imperio.
Aluga-sea loja do lobrido do Alerro-daBos-
Viiti, o. 21 : a tratar por cim d.) rneimi loja.
=3 Fies lem efleito a prucum-so bailante, que pn-
teia meucunbado, Joio Frederico de Abreu riego,
com data de prirneiro de agoito de 1838; e por iiio
qualquer procedirnento judicial, ou contrito particu-
lar, que, em virtud da dita procuracto le fici em
meu nome ser nullo e de nenhum edeiln ; por iiio
que nesle data tenho conferido novos poderes a outroi
procuradorea : e para que ie nao allegue ignorancia,
fsco o prosele.= Recife, 10 de letembro de 1846.
slgoittnko Fernanda Ctanho di Vatconctlloi.
Alugi-ie, por anno, ou por leila um litio a
margen- do Capibaribe, com muito boa caa, coebeira,
eitribarii, e eieellente banlio no lugar di Capuog:
1 tratar ni ra do Rangel n. 50, prirneiro andar.
= Na rui do Queimido n. 8, coie-ie, engomms-
e e lava-te com aiseio e promplidio por preco com-
moJo.
Vendas.
Compras.
Compra-ie, lem feitio una lisoura de eipevi-
tir velaa, con bandeja; tudo de prata: na ra do CJuei-
mado, n. 30.
= Compra-ae um eicravo, de 20 a 2o annoi de ida-
de, sem vieioa, nem achaques, que tenha priocipioi de
eozinbs nu aeja eozinheiro ; paga-ie bem : oa ra do
Vigario, 0. 25, prirneiro andar.
=*= Compri-ie um preti com leite e com cria ou
lem ella ; na ra estrella do Horario, n. 16.
=m Comprio-ie doua molequei aapateiroa ; sendo
de bonitaa figura* pagio-iobern; na ra da Concor-
dia : pauando a pontetinha a direita, segunda can
terrea.
= Comprao-ie eflectivamente escravos; pagio-se
bem, agradando : na ra larga do Hbiario, n. 24 ,
prirneiro andar.
= Compra-ae um sellim ingles novo ou com pou-
co uao para montirii de leohora : quem tiver, an-
ouncie por eita folha.
= Compad-se duaa prelai, sendo urna de meia
idide que laiba vender na ra e a outra que ia-
ba comprar eoiinhar, engommar e lavar: defronte
da igreja di Soledide can terrea, o. 2.
= Compra te um sellim ingles em meio uio ; na
ra eslreita do Rosario o. 30, segundo andar.
=L'omprio-ie tres flandre com ai competentes me-
didas, para venderaieite de cirrapato: na ra das Cru-
". o.36, 1.a andar.
=Veniie-so urna parda de 16 a 18 anno, que co-
sa engomma e be recolhida ; na Boa-Vista atrs
da Malrii, 0. 7.
= Vendem-se 7 animaei, boni moedores : no En-
genho-Novo da Muribeca.
"Veodem-se duas pardas recolhidat que cotem ,
engommo, coiinbio e faiem todo o maia servico de
ama casi ; 6 predi mocil, com boai habilidades ;
urna dita por 280 > ra., boa quintandeira ; 6 escri-
voi boni pin o trabalbo do campo; um preto por
300 rs. de 30 innos, bom pira todo o trabalbo ; 1
moleque, de 12 snnos : oa ra do Crespo, n. 10, pri-
rneiro andar.
= Vendem-se 2 moleques de 13 a 14 aoooi ,
muit 1 booitoi proprios para pagens ou offieios; urna
prets. de 18 a 20 annos, que cozinba, engomma mui-
to bem e be de todo o servifo ; urna parda, de 20 an-
noi ; urna preta, por 3504 rs. : os ra larga do Roza-
rio n. 24, prirneiro audar.
Veode-ae urna canoi queeirrega para niais de
1000 lijlos de alvenirii feiti, bi pouco, nova n con-
certada ; vende-ie a dinheiro ou a troco de tijuloi e
telbn; a qual eil anda no eataleiro, para melhorie
eliminar : a tratar com Manoel Antonio da Silva Mol-
la no liin de liecco-Lirgo tinque d'agoa. Tambem
vende-sil um pir de rodal de esrroc nova e um
prelo de lodo o servico psrs lora da provincia.
Agoa da China ou essencia
da formo/.ura,
para limpar o rosto de pannos, sardas, espinbss e ama-
ciar a pello. Eite precilo cosmtico bem conhecido na
Europa e America e muito principalmente no Rio-
de-Janeiro, aonde (em feito progreisos vndete ni
rus da Cadeia do Recite loja n. 55.
Vende-se urna eicrsva aindi moea de naci
Angola que engomma coiinha lav, e he muito
fiel ; a quil ae dar a contento por 3 dial ; nesta <>c-
cisiio se dir o ultimo prego : ni ra eitreita do Ro-
sario, o. 10, prirneiro indir de michas at ai 9 llo-
ras e de larde dai 5 em diante.
Vende-se um esenvo moco de elegante figura,
da Coila, que, pela iui elegancia, parece crioulo de
muilo boa conducta [muilo diligente em lodo o tri-
bilbo que lem de fazer : a tratar com Luii Antonio
Prata empregado na idministncio do caea do arienai
de marinba que se esta edificando que o mermo
dar o menor prero'; ou a entender-se com seu dono,
na ra eslreita do Rozario n. 10 de manbia at ai
9 horas e de Isrde das 5 em diente : tambem se troca
por um pardo, que leja sspaleiro, e que tenba a conduc-
ta, e ligun do dito eicravo.
= Vende-se umi preta que coiinba, engomma e
vende na ra ; na ra larga do Rozario n. 46, pri-
rneiro andar.
Barato!
Vendem-se cortes de (arlitsni com 7 varas, a 3500
rs. ; ditos de casia preta e a/ul a 2500 rs. ; cha-
les de lia de muito ricos goilo, a 3000 rs. ; meri-
no preto muito superior a 4000 n. ; dito cor de
oir i 2*00 rs. ; eamtraia de liatras de gosto mo-
derno e padrees muito bonitos a 320 rs. a vara : na
ra do Queimado loja n. 42, de Jos Joaquim da
Cosls.
Vende-se urna parle de urna casa na ra da
Calcada ; na ra do Padre-Florianno n. 6.
Vendem-se queijos freiceei ; grasa ingleza n.
97j; chocolate de Lisboa ; viobo do Porto, engarra-
fado; vinho brinco o tinto de Lisboa; aaiucar refina-
do de toda ai qualidadei; farinha de trigo; velai de
a o leu oompanhciru, puchando aa redeas do ei-
villoi.
Vr. enlo, meu amigo, tom mulla vonlado dea-
prender' diaae devagarinku o viajor.
Sin, lenhur, lio o meu maiur deaejo.
E que quera Vro. aprender ; vejmuoa?
Tudo, itiaao o mancebo.
E pira que quer Vin. aprender?
Para me elevar.
Ale onde?
Gilberto hoailou. Nlo havia diivida, que tinhi um
alvo no pemarm rilo ; mas eaie alvo era por certa um
egredo, elle nao quera diie-lo.
Ale onde o lioii.cm i'oJo uilni|;ir, reapondeo elle.
Maa, ao meaos, teiu Vi, catudado algunia com ?
Nada. Cii.uo quer Vm. que en ealude, nao
rendo rico, e morando ero Taverney ?
Como! pola Vil,, nao labe uui pouco de mathema-
licaiP
Nao.
De phyica ?
Mo.
Nean de ohimica?
NemdUao. Sei lr e esorever ; nada man; purin
bei da aaber ludo iaao.
Quandu ?
Um da.
Pur que meio?
Ijjiiuro-u ; maa aabe-la-bci.
_ Estraordinario rapas! murmurou o viajante.
E entau...... dine eotre ai Gilberto.
Entau?
Sin.
Oque?
Nada.
Entretanto, Gilberto e caa, quero elle ar-rvia de
guia, caminbavlo, liavia um qoarlo de hora, pouco man
oumenoi; a rhuva havia ceaaad inleiraiueiile, ojia
Ierra cumecava a exbalar esae aere perfume, que auba-
'-jib na primavera aa abresadoraa emaiiacea da Iro-
i*nada.
Gilberto pareca refiectir protundimeni*.
Casimiras escuras,
a 800 rs. ocovado.
Na loja de 3 portas, n. 3, do barileiro da ra do
Crespo ao pe do arco de S, -Antonio vendem-se
casimiras, escuna de quadrinbos elislrss, a dous cru-
zados o covado. Ella fazeoda, pela sus durarn e mo-
diso preco, merece ser recommeodadi, e he digna de si-
lencio e de grande concurrencia, ao-ie ai amostras
sos prelendentes. Tambem na mesma loja vendem-se
corles de brins de puro linho padrOei eicuros en-
trenzados do fabrico francs e de cores litas pelo
moderado preco de dous mil rs. o corle com duas vi-
ras e urna quarta cads um ; dos quaes se dio amoilrai
sob o competente penbor.
Vende-se urna prels, do 18 annos, cose chio e
fax renda ; urna dita de 11 a 12 annos, coso cbio e
lem principios de engommsdo ; urna parda, de 30 an-
nos que cozinba bem o diario de ums casa cote e
lava de sabio e varrella ; um mulatinbo de 1 8 an-
nos; um dilo de 12 annos de bonita figuro para
pagem ; todos de bonitss figuras, sem vicios nem acha-
ques : na ra da Concordia pistando a pontezinba ,
a direila segunda casa terrea.
-Vende-se um escravo crioulo, do bonita figura ,
de 12 annoi por preco commodo ; na ra da Cadeia
do Recife n, 43.
Senhor, dine elle de iroproviao, libo Vm. oque
ho a trovoada ?
Por certo qoe n iei.
_ Vm.?
' Sun, eu.
Vm. labe o que heatrovoid? libe o que caula
o rain ?
O viajor aorrio-ie.
__ He a ciiuibiuiifio daa duaa electricidadea, date
elle, a electricidado da uuveui, : a electricidade da
Ierra.
Gilberto aultou um auapiro.
Nao emendo, dine elle.
Ii tilvet o viajante dir ao pobre rapas urna esplica-
clo maia intelligivel ; maa, por deagrac, neaae meamo
inlanle ln illiou urna lut por entre a fulliagem.
Ah ah | diaaoudeaoonhecido, quebe islo?
He Taverney.
Somos, puia.chegados?
Aqu est o portlo.
Abra-o.
Oh! senbor, o portio de Taverney nao se abre
aaairo.
Enlo o aeu Taverney he urna praca de guerra ,
vaiuoa l, bala.
Gilberto ebegou-ae ao portlo, e, com a heaitacio da
tiroides, deo uma pancada.
_ Oh I oh I diase o viajante, assim nunca oouvirS,
meu amigo; bata forte.
Com trteiio, nada moatrava, que a pancada de ilber-
lu tivease sido ouvids. Tudo se oonservsva em si-
Vm. toma aobre si a responsabilidade? dine Gil-
berto.
Nio lenhi'medo.
Nio besitoa Gilberto mal ; e ji nlo quisbater, cairo
puebou pela sineta oom tal forca, que oaoro, que ella
pioduain, poden uuvir-ae dalli a urna legua.
A fe que, ae o aeu bario nio ouvio desla ves, lie
bem surdu, disak o viajante.
Ah abi ladra Maltn, disse o mancebo.
eipermacele ; cbirutos da Rabia ; caf muido ; fari-
nha do Meranliio ; banha do porco muito alvs ; se
bo de Hollsnda ; manleiga ; cb ; tudo muito bom ,
e em conta : na rna de Hortas venda n. 52 na es
quina, que volts para a ra de >.-Tberesa.
=Vende-se uma eicravs crioula de 20 annoi, que
cozinba, engomms, Isvs, cose chio, sabe comprar tudo
qusnto he prrcigoa uma caa, e be innito fiel; oque se
franca ; tambem be quitandeira o nio tem moles-
tias nem vicios ; ao comprador le dir o motivo da
vend: na ra do Pilar n. 7.
BALZORINA, A 300 RS. O COVADO.
Na ra Nova o. 12 vende-ie eiti tuperior fizen-
di para vetlido de senhori, recommetidavel, por sor
de muito lindos psdrSes, do lia, de tintas muilo finas:
tambem se vendo laniinha a 220 rs. o covido.
= Continuio-se a vender na ra Nova o. 12, os
lindisiimos cortes de barege fazonds de seda da ul-
tima moda, [para vestidos de erhor ; cortes de csssa
rom Ultras de seda ; caiss-cbilas a 2400 rs. o corte;
alpaca i 1440 rs., ocovado; muito bom cartel de
rollete, 1280 ri. ; casimiras elsticas muito su-
periores; pannos finos ; merines do todas as qualida-
des ; chitas francesas ; chapes de sol; meiis; luvss ;
riquinirnos corles de collete de velludo lavrado dos
mais modernos padrOel.
Na pnlari.1 da rus larga do Horario, vende-10
i sediente btscoulo, liiicoutinho doceoagoado, efatiss;
tudo feito com muilo boa farinha.
= Na ra do Rangel n. 11 anda ba para ven-
der muitas obrar de ouro dsi ji annunciadas ; uma fa-
ca appsrelhsda de prata ; um par de esporas ; 2 cai-
tas para rap.
Vendem-se 0 preta mogas com labilidades ,
urna das quaes engomma cozinba e cose com perfei-
(io o outra cose e fas renda ; 3 pretos um dos
quaes he de meia idade por preco commodo : no pa-
teo da matriz sobrado n. 4.
Vende-ie uma rtrrava moca qoe coiinba, lase
e engomms: na ra da C-deia do Recife, n. 59, se-
gundo andar.
= Vende se um oratorio e um violio por preco
commodo ; na rus Nova n. 513.
Yende-se uma grande morada de casa sita no
Monteiro da parte do rio ; tambem ic aluga : na
ra Direita tildara, n. 69.
= Carlos Monteiro Teiseira vende a sus vends, si-
la na ra da S.-Crur, n. 3, com o fundos a ventado
do comprador, ou su a armario : trala-se na mesma
venda.
= Vende-se com a permu'a de uma casa Ierres e
lmente a villa o pagamento de uma bypolheca com
a espera do restante ou tambem le irrendi ums es-
tensa propriedsde corr duis casis terreas para s ra
da Florentina ns. 16 o 18 contend) grande quintal,
com arvoredos de fructo ptimas parreiras moscaleis,
sspolis, romeirai, e limeiras umi grande olarn so-
bre arcadas e terreno para se edificar 3 predios de 30
palmos psra a nova ra do Sol : o prelendentes
poder ir ver que acharad quanto se afianza, na ra
da Florentina n. 16.
=r Vende-ie por preco muito commodo umi
olaria de pedra e cal com maii de 200 palmos de
lundo e 00 de largura mu bem construida com
porto de embarque, e com um sitio, no lugar do
Monteiro a margem do Capibaribe ichando-se o
sitio muilo I i'in plantado com ditersn fructas, laolo do
pi/ como de lera, com boa baisa para capim; os pre-
lendentes dirijio-ie ao nenio lugar do Monteiro .
a fallar com o seu proprietario Jos Camello do Re-
lio Barros ou neita praca na ra eslreita do Ro/a-
rio n. 31. lereeiro andar.
.M.ilniii repliiMiu u viajante; lio aom duvida nina
galantera do aeu bario cm favor do aeu amigo, o du-
que de Riehelieu.
Noaci o que Vm. quer diser.
M.ihun foi a ultima conquiata do roarecbal.
Gilberto aollon argondn auapiro.
Ai! aenhor, j lhe confeaiei, eu nlo si i nada, dia-
ae elle.
Esaea dona mipiroi reaumiln par oealrangciro uma
aerie de intTriiueiitoa occulloa, o de amlucoea cuiiipri-
un'l.n, ae nio mallogradaa.
Nease momento ouvio-ae bulla.
Ora, erofin diaio o ealrangeirn.
He o pobre La Brie, diito Gilberto.
A porta abrio-ae ; nina, ao aapecto do eatrangeiro o da
ealranba cnrruageiu, La Brie, anaalt.ido de iroproviao, c
je siippunli.v abrir a porta a Gilberto lmente, quis fe
cha-la do novo.
Perdfle, camarada, diaae o viajante; be para aqu
meamo, que ni vimoa, nao noa d com a porta no
cara.
Mas, aenhor, eu devo prevenir ao aenhor birlo,
que uma viaita ineaperada.......
Nio turne o tribalho de o prevenir, ereia-mc, Af-
friiniar-llie. Iiei amarara, e ae me mandarem eiubora,
o farei, dnu-lbo niiiiba polavra, depuia que mehouver
iiquei'ido, enchogadu, farlado. Ouvi diter, que o vinho
pur aqu he boro voaa devo saber diisu ; heuu ?
Rm ves de reiponder inlerrogsjao, tentn La Brie
reaiatir; maa o viajor havia tomado a aua reeoluci",
fes avanzar a carrungem pera a alameda, einquanto Gil-
berto fechava a porta, o que fui feito em um abrir fe-
char d'ulhui. Vendo-te cutio La Brie vencido, tomn o
partido do ir em peasoa annunciar a aua derrota ; e aba-
lou para oaaa, gritando rom Inda a foroi dos polmSea:
- Nicnliiia Lrgay Nicblina Legay !
Quero he eral Nicolina Legay ? pergunlou o ea-
Ir eugi'irn, runlinuando a avancar para o caatclln com u
uioaiiin trani|iiillidade.
Nioolina, senhor ? repeli Gilberto com lisongei-
ro tremor.
= Vende-se um annelio, um alfinete, ama erui ,
um fronlim ; todas estasobraisao de bom gosto, e
com riquissimos brilhantes ; um alfinete um annel,
com diamantes e de bom goslo; um correntio de
ouro de lei : ni ra eilreita do Roiario n. 30, se-
gundo andar.
= Vendem-se 110 meioi de sola ; 31 bezerroa ;
87 capoeiros; uma rede com varandii, muito bonitas :
na ra eslreita do Rosario, n. 30, segundo andar.
= Vendem-se 2 boldes de brilhantes um com 7 ,
e o outro solitario ; uma caia de prata dourada pa-
ra rap ; tudo por preco commodo : no caes do Col
legio fabrica de chapeos de sol, n. 5.
Vendem-se 12 escravos sendo : 2 pretaa ,do
18 a 20 annos; 2 pardas, de meia idade ; 5 moleques,
de 12 a IV annos ; 3 prelos, de 20 a 30 annos ; lodos
de muito boas figuras sem vicios nem achaques. a
proprios do servico de caa e campo : oa rus da Cadeia
de S.-Antonio n. 25.
=Vendem-se ternes di livros em brinco proprios
para qualquer casa de commercio ; um ebronometro,
dos melbores autores de Londres perfeitoe mui bem
reblado ; fardos com lio de aspsteiro: os rus ds Crur,
eicnptorio de Ridguay Jameiioo & Compinbia, o. 13.
= Na ra Nni, n. 8, loja do Amaral,continuio-ie a
vender npsloi francezei de marroquim e cordnvio pa-
ra lenhora, a 1,000 n o par; diloi de panno para di-
tas, a880ra. : adverle-se, que osles npalos sio muito
novos e cheg&dos pelo ultimo navio: cortes de caaaaa do
rnuitos roslos e padrOes modernos; riscadoa franceses,
de lindos padrese commodos precoi ; ricos chales de
seda; corles de seda branca para vestidos de noivsdos;
hicos de seda e de blonde; eoutrss mudas l.ienda da
bom goslo, e por menoi preco, que em outra qualquer
parte.
= Vendem-se dous escravoa sendo uma preta boa
cosinbeira veodedeiri e ptima Isvidein e um
prelo de servico de campo por 150* ra. : oa roa Di-
reila, sobrado n. 29.
= Vende se una renda na ra de S.-Francisco ,
n. 68 : tratar ni meim venda.
Vende-ie um rico espelbo psra vestir seohora, do
tcaranda ; uma crut pendente ornada de diamantes,
obra mui rica ; um habito de Christo pequeo, e do
igual gosto ; uma rica bandeja de casquinhs prateads ,
rom 18 casaes de chicaras e pires, rom 0 pratos tu-
do de porcellana fina e dourada ; um relogio de ouro ,
aabonete ; um commoda de jacar.md ; uma dita do
Porto ; duas bancas de meio de sala, dito ; 12 esdei-
ras ; uma marqueta ; um joro de bancas ; lodo de an-
gico ; i espe'.hos pequeos; duas carnssde armacio :
ns ra da Cadeia de S.-Antonio n. 19.
Vende-se potasas da Russia ltimamente cha.
gada ; vinho de liordeaux em ciisai; lageade Tries-
te muilo liis pan calcadas ; tudo por orejo com-
modo : na ra da Crut, o. 5.
Vende-ie um bello terreno de esquina no qual
se podem edificsr dous bompreoioi, ficando aindaquin-
tal loflrivel para cada um delles no bsirro ds Boa-
Vista com frente para a ra do Seve ou Cniio e
lundos para a ra do Hospicio, com 40 palmos de fren-
te e 320 de fundo todo aterrado com slicereea de
roda sendo do lado da frente j prompto com alicer-
ce de 100 palmos de fundo e toda a frente para su-
bir psrede; lem um oilio oieieiro e Ismbem uma
grande carimba ; off'rece grinde vanlsgem a quem
queira edificar por (car oa porta o desembsrque dos
maleriaes ; accrescenoo qoe o local bo o mais liodo
pnssivel : ns rus ds (adeis do Recife loja de roiu-
dersi, n. SI.
Vendem-se 3 moleques, de 12 a 15 snnoi mui-
lo lindos, ptimos psrs psgens; dous mulslicbos, da
13 s 14 annos ; 6 scravnsdo servico decampo ; 3 na*
rindas roncas muilo lindas, que cosem e engom-
mlo ; 5 escravas mocas, que cozinbio e lisio ; dual
perdis, de 30 snnos; dous escnvoi de booitis ligu-
rai csrreiros : os rus Direils, n. 3.
Vendse rollen oes ds legilt(3o porlugoeza ,
pelo deiembargador Delgido em rica encideroscio ;
una dita btochada supplemeotos aa ditas dos annos
de 1750 a 1762 lano encadernadoa como em bro-
chura ; Manual de ippellacdei e tratado de le l-
menlos por Gouveia Pinto ; Digesto portugus por
Correia Tulles em 4 v.; Criminalice francesa por
Constancio ; diccionario porttil da lingos portugue-
ii por Fonseci : ni pnce di lodepeodeocia livraiis,
nn 6 e 8.
Sim, Nicolina; em, per quera ohama nieatra La
Brie.
He a criida grave de roademoisella Andreas,
senhor.
Entretanto, aos gritos de La Brie appareceo por bal-
n doa arvorri una lu, qne illuminava o roito encan-
tador de un.a rapariga.
Que me queres tu, La Brie, perguntoo ella, apor-
que toda eata algaiarra?
Depreaaa, Nicolina, depreasa, grilou, tremelioao-
do, a vos do velbo ; vai annunciar ao aenhor, que usa
ealrangeirn, aorpreso pela trovoada, lhe pede hoapita-
lidade por eila noile.
Nicolina nlo raperou repeliclo, e lio ligeira ae lan-
cen para o caalello, que n'niu unanlo a perderlo da
viata. _
La Brie, seguro agoi'i de que o bario nlo icria oolhi-
dn inopinadamente, toronu iliberdide de reapirsr.
Em breve predmio a meniagem osen effeilo, porqua
un vio -re uma vos spera e imperiosa, que, do limiar da
porta e do alto do poial, que ie entrevia peln acaciai,
repela em tom ponen huapilaleiro :
Um ealrangeirn....... Maa quem? Quando liguen
leapreaenti na caaa alheia, ilis ae menoa o nome,
leo bario? pergonlnn La Brie aquella, qoe lo-
do eaar deaarranjo prndmia.
__ Ai! aenhor, be, sim, reapondeo o pobre lionera,
todo oonlrelo ; ouve o aenhor o que elle pers-aala ?
__ Pergenia o meu nome........liuheislo?
Justamente. E eu, que me onrueci de l|i'e per-
i; ll liliu!
Annuncie o bario Jos Balsamo, disse o viajor,
a seiuelbnnfa do titulo talves aplaque leu amo.
Fes La Brie o aeu anuuncio, uro pooou animado pelo)
tiiulu, que acabava de ie allribuir o deaoonhoido.
Esta bem reaeiungou a voi; entre, puiqaeahi
eal....... Faca favor de entrar, senhor: por aqu......
Avancnu o eatrsngeiru coro paito rpido; maa, ao>
chegnr so prirneiro degrio do poial, voltuu-ae, a ver so
era argido de Gilberto.
Gilberto havia daaappareoido.
(Ceniswssar as *#J


A
Vende-ie azeite doce para lu, melhor e mais
barato do que o de coco ; e azeite doce fino em gar-
rafSea do '25 garrafaa : no deposito de az-'ile de carra-
palo na ra da Seozalla-Velba n. 110.
. Vende-se cera em veles do Bio-de-Janeiro sor-
timeoto completu de t a 16 em libra, em caixas
as libra* a vontade do comprador: na ra da Senxal-
la-Velba, o. 110, erinaiein de Alvea Vlanoa.
it;." .POTASSA.
Vende-se superior potassa da Russia
em barra pequeos ; cal virgern de Lia-
boa, da roais nova, que ha no mercado ,
por preco inuito cummodo ; tambem se
vende um reslo de potassa da safra pas-
sada muilo baralo : na ra do Trapi-
che armazem n. 17.
N. 40, ra do Trapiche um cbronomelro para
oavio de Londrra perfeilo e rnui bem regulado;
rrlogios de ouro patale ingle/., muito liona e bara-
tos ; correntinbaa de ouro padrio = Principe Al-
berto
m- Vinbo de Tenerife, em barris de escolenle
qualidade ; eerveja branca e preta a melhor que ha
= Barclay & Companbia em porcio, ou a relalbo ; e
fio de sapaleiro por prego couiinodo : vende-se na
ra du Trapiche n. 40.
Fariiiha SSSF,
da melhor qualidade, c a ulii-
1111 filtrada a este mercado,
vende-se em porcoes grandes
ou pequeas : a tratar com
Ve Calmont & Companhia ,
ou com ti. *J. Tasso Jnior.
= Vendem-se nioendat de Ierro para eogenboade
estucar, para vapor agoa e bettas de diveraos tama-
nhoi por preco comoiodo ; e igualmente taitas de
fero enado e batido de todoa 01 tamanhos : da pra-
ca do Corpo Santo n. 11, em cata de Me. Calmont &
Companhia ou na ra de Apollo armazem, o. 6.
Vendem-se taboas de pU
libo, a 40 rs. o p e receben-
do se em pagamento cdulas
brancas de UOOOrs.; atrs do
tbeatro.
= Vende-te polatia branca de tuperior qualidade
vin banit pequeos ; em caaa de Malbeua Auatio &
Companhia na ra da Allandega-Velha, n. 3G.
= Vendem-se 01 segantes escavos ebegadot do
Aracaty : tendo 2 mulalinbos de 6 annot; 1 rnole-
leque do 7 annoa ; 1 n.ulalinba de 10 annot cum
principio decottura ; 1 negrinba, de 7 annoa ; 1 par-
da, muito clara que cose e engomma ; 4 pretas de
16 a 20 annos, com habilidades; 2 moloques de 11
annot; 7pretose pardos
habilidades, ou tem ellas ;
na ra da Crui, n. 51.
, de 20 u 25 annos com
todos por puco couiuiodo :
asenda mui boa. Alm destaj, ba um tortimento de
aiendas finas. Na ra do Queiroado, not quatro-ean-
toa vindo do Bozario primeira loja da esquina.
Nova pelle do diabo,
a 1^440 rs.
Na loja da esquina da ra do Collegio de Gdima-
rie* Serafim di Companhia vendbm-se cortes de cal-
cas com 3 covados o meio de pelle do diabo por
qualro patacas e meia cada um. Comquanto julgue-te
rleanecesaario mencionar as boaa e eicelleotea quali
dadea detta faienda, porque a primeira porfo, que
delta ae Tendeo neits casa e, ha lempos foi annun-
ciada neate Diario ,kssh. as demonttrou, assevera-se to-
dava aos compradores que a porfi que agora
recebeo-te, excede em bondade a primeira, tem rteos
modernos cores escuras consistencia e grottura
detona; e finge bem as modernas casimiras francesas,
Dar-se-bioos coites a amostra a quemos pretender,urna
vez qUe deite o competente peobor,
ContinuSo se a vender lindezas escuras, pro-
prias para vestidos de senhora a 280 rs. ; riscados
escurot Trnceles a 200 rt. o covado ; ditos largos ,
a mi'lhor duenda posiivcl a 280 rs. ; brns de core*,
padrdes modernos, do puro linbo, para calcas a 000
ra. vara ; cortes de cambraia branca de listraa de co-
res para vestidos fazenda moderna a 3000 rs. ;
ditaa matizadas de cor a 4000 rs. ; sarja bespanhola,
i melhor potsivel a 2000 ra. o covado. De (odas ettat
fazendas se dio amostras (raneas para os comprado-
rea conbecerem a sua boa qualidade, Alm deitas ha
um completo sorlimento de (agendas fioas por coin-
modo preco. Na ra doQuetmado iodo da ruado
Crespo primeira loja de 3 portas, o, I.
Potassa branca,
da mais superior qualidade em
barricas pequeas, e desembarca-
da no dia 30 de agosto prxi-
mo passado, vende-se por pre-
go commoclo : emeasa de L. G.
Ferreira & C.
Agoa do Japao
para o cabello ; tem o prestimo de azer cresccr o ca-
bello e impedir a caspa fortifica os cabellos e os con
serva: tambem serve para evitar as eapinbaa do rotto.
F.sta agoa be bem conhecida na Europa e liio-
de- Janeiro, aonde tem merecido toda approvacio, pe-
los aeuscffeitos Vende se nicamente, na ra da Ca-
de i.i do Recife luja de fazendas n. 55.
=Vende-se urna linda canoa de carroira nova
mui bem construida, de amanillo ; urna poifio >e pa-
Iluis de coqueiro : na ra da ^entalla- Volba n, 110.
Vende-ae colla da Babia muito auperior; n
ra ria Senialla-Velba n. 110, ermaiem de Alvos
V anea.
Rap-Gassc.
eocarrrgailoda agencia do Rap-Gasso oetta pro-
vincia tem a honra do participar aos srua Ireguczes,
que to acba a venda no deposito da ra da Cruz no
Recita n. 38 una dat melhoret tornadas que aqu
teem vindo do Rio-de- Janeiro, do muilo apreciado ra-
pe groa o o iiifio-gr no fabricado com as melbores
qualidadea de Tuno da Virginia rujo aroma livalita
ao mais superior rap princesa de Lisboa.
Potassa.
Vende-se polassa americana,
por ser prxima-
muilo nova
mente chegada, e cuja qualidade
he a melhor, que tem vindo, por
prego commodo : na ra da Ca-
deia do Kecife, armazem n. 12 ,
de Bailar & Oliveira.
Saracas de cores
fixas 160 rs. o covado
Na loja da esquina da ra do Collegio de Guima-
riea Serafim & Companhia vendem-se urnas chitas
novas, com anenlos rscuroa de loflritel panno e co-
rea (isas a meia pataca o covado. Esta especia de
chila-saraga be da metma qualidade daquella, a que,
na Europa prelerem para teu vestuario as cria-
das da servir e as mulberea de mediocre (orluna : e
como a economa nao s no preco da fazenda como
na dundo d'ella be quem delt-rmina esta preferen-
cia deve sita chita aer comprada pelas mucamaa e
por aquellas dat habitantes d'eata culade, que, suppot-
lo oto teji abastadas, lenbio todava ao aateio o amor,
de que em geral alo dotadas. USo-ie amostras a quem
aa pretender. Netia mesma loja continua-ie a ven-
der, a 800 rs. a vara, o escolenlo brim rancei cor
de palba e pardo-escuro em cuja manufactura t so
empregou o mais puro e duravel linbo; e bem aaaim,
a 400 rs., lencos de gravataa, de cambraia, muilo fi
nos; lencinbos de cambrua brancos com cerradura
abarla ; ditos pintadoi de recorta ; e outrot com
barras de cores; todos da curas usas a proprips para
aenbora e doiquaes der-ee-bio amoslraa urna vez
(ue dciiem penbores os que ai quierem levar.
\ endem-se rteadoa escuros, franceses a 200
rs. o comd; diloa lanados chamados lindeza ; ditos
largoa tambem eteuroa, a melhor latenda que tem
viado a este aaereado ; un a outroa a 280 rt. o cova
do, Dio-te amoiirai franela aoa compradoras, por Mr
>'o /lterro-da-Boa-Vista
loja n. 14 ,
zes, a 160 rs. o covado; 510 Ater-
roda-Boa~Vista loj n. 14.
Vende-se mel, muito superior, em
liarris ; na ra Direita, n. 9.
a* Vende-se urna escrava do nato Angola de 20
anuos de bonita figura engommadeira. cose clilo,
cotinha bem o diario de una casa ; uma dita da naci,
de 30annoa, queeogomma, cose ehio corioba e
lava; uma dita, de 20 annot, de naci Ben^uella ,
que coinba, a lava ; uma dita, de 16 annos de na-
ci com principios de habilidades ; um pardinho, da
16 annos, de bonita figura com principios de ofB-
ciodesapatelro e que be proprio para pegeos : na
ra das Ctuies, n. 22, segundo andar.
= Veodm-se laranjas da China e da Ierra; no
sitio grsnde envidracado na estrada do Monleiro ,
do dia 13 do correte em diante.
as Vende-se uma porfo de estacas de qualidade ,
propras para atorros, com 25 palmos de comprimento;
na ra da Florentina n. 16.
Vende-se, a relalbo, ou em fardos, ptimo fu-
mo o melhor do mercado prximamente chegado
da Hahia ; na ra da Praia, n. 31.
a ra de Apollo ,
n. 28,
vende-te, por preco ratoatel, um grande armazem ,
de etquina no lugar a cima declarado com eicelleo-
tet proporeflet para se levantar um elegante predio
em boa local, proprio de vanlagem para qualquer et-
labelecimento por ter deiembarque no fundo para a
mar : a tratar no mesmo lugar com seu proprieta-
rio ou com Jos Pereira na sua venda na ruada
Somalia-Nova o. 7.
Na ptdaria da Soledade, [o. 14 vendem-se unt
trastes por prego commodo.
Oiitasfinas. a 120
rs* o covado.
Na primeira loja de fazendas do Aterro-de-Boa-Vis-
ta n. 10, veodem-se chitas final, de bonitos padroet,
a 120 rs. ; cortas de casta a 2000 rs. e outros mui-
lo superiores psra vestrdos de baile a 5000 e 350o
rs.; riscados tecidos dos rnait delicados gostos, a 220,
240 e 280 rs. o covado ; F murculinas de Ores de
lindiisimos padrdes, a260rs. o covado ; merino, a
1000 3000 e 4000 rs., dos mais superiores, que
exislem no mercado; superfinos brins de linbo de qua-
dros e litlrat a 1000 rt. a vara ; riscados etcocezet ,
a 220 rs. o covido fazenda, que nao desbota ; lencos
de casta de bonitos goitos para grvala a 200 rs. ;
e outras muilaa laiendas, por preco mais barato, que
em outra qualquer parte.
MAZEN JEXOJA.
ra. o
: ris-
vendem-ie pannos pretns de cr lisa u i .'!.>
covado; o crin, a 1100 e 4S00 rs. o rumio
1-nilin IranroAec do cores lisas a 220, 210 o 280 rs.;
lustet muito superiores em qualidade e goito a 040
rs. ; o outras fazendet para rolletes, do bom goslo a
800el80rs. ; murr,ulina de cores, padrdes muilo
bonitos, pelo baratsimo prero de 280 rs. o covado;
cassaa pintadas a 2000 e 3500 rs. o corte; lencos de
cambraia para senhora com nomos a 440 t.
chales de lia muito grandes a 2000 e 5000 rs. ; bi
eos ingleses largos a 120 rt, a vara e outras fa-
tendas por muito baralo preco.
Loucainha,
a 280rs.ocovado.
Na loja n. 3, do barateiro da ra do Cretpo ao p
do arco de S. -Antonio, vende-se lour;ainba, a quatorze
vintent o covado O proprietario d'esla loja tendo a
talisfacio de annunciar aos teut atlencioiot freguezoa
etla mui bella o muito nova farenda propria para
veslidot, loma a liberdadode obiervar, principalmente
as senhoras em geral, que, pela boa rnaoufaclura, ri-
cot e brilbint'i desenbot em lislrat dn seda em qua-
dros de varias cores e campos, ora claros ora mais
ou menos eicurot, e finalmente pela seguranza e roal-
se d'essss cies ella aprsenla as vezes uma bella e
sublime villa outras aeriedade e graca e outras um
avelludsdo que a la/, tomar por aeda ; e que por
isso se toma mui recommendavel e digna de grande
concurrencia ; tanto mais a um lio moderado preco
de cirio inferior a auas boas qualidadea. Na uieama
loja vondein-se lindissimos lencos de finissima cam-
braia do bellas cercaduraa e outroa tem ellas, com
uma especie de abertura arrenJada maioresiiohos do
que os ltimamente annuncisdos proprioa para
amavel sexo e cujo diminuto prego he de um cruzado;
assim como pecinbaa de linissimas cambraias,com 6 va-
ras e meia, propras para vestidos du senhora pelo
muito mdico preco de doze patacas cada uma. De to-
das estas fazendas e de quaesquer outraa que r.esla
casa existi, dar-se-bio amostras a quem por ellas dei-
xar peobor.
Na ra do Crespo loja nova
n.Ili, de Jos Joaqun) da
Silva Maya,
vende-se um rico sorlimento de caiticaei de finissima
eaaquinha com as sust competente! lanternaa de
gottot oa maia lindot, que teem apparecido pelo di-
minuto preco de 8 10| e 12f000 ra. cada par.
Vendem-se riscados. france-
gursa ; damasco de lia de cores; boas chitas; boas
madapoli's a algodOeaiinhos muito em cinta, pira
negocio ; a outraa muitas (alendas por preco djUi0
commodo.
barateiro da ra
do Crespo, loja i*. 5, chi-
tas a 140 rs. o covado.
Na loja o. 3, do barateiro da ra do Crespo ae te
do arco de S.- Antonio vendem-se chitas baratas, da
bonitos e novos detenaos, a 140 rs. o ovado; ditas
lem deleito algum tambem de padrOes novos a de
icellenles desenos a 160 rs. o covado; ditas, Usa.
bem de psdrSes ricamente alampados em bons pannoi
180rs. seguras de Untas; algodiotinho, a 160 rs. a
vara, boa lazenda e boa largura ; medapolio a 160',
180e200ri, de soflrivel qualidade, e largo; dito,
a 240, 260 e 280 rt. a vara o mais fino a largo poi-
tivel ; chitas fioas com desenhos os mais" modernos
e estampadas naa melbores Isbrieas da induitriou
Msnchetter, a 240 rt. o covado. Ha tambem um bai-
lo e rico sorlimento de todas as fateodst finas corno
teji : brim trancado branco, francei de pu/o li-
nho o melhor, que ba no mercado a 1600 rs. a va-
ra; corteada cambraia lindamenta eslampada, com
11 covados pelo diminuto pravo desate palien cada
um ; lindis psra vestidos, que imita, pelos seusbri-
litantes desenhos, a qualquer Isnxinba ou seda, a 240
rs. o covado ; cortea de tarlalana a 3000 rs. ; grsvt-
taa deasseada eassa estampada, a400 ra.; meiat grava-
Isa, a 200 ra. ; lencos de cimbraia com cercadura,
a 320 rt. cada um ; liodissimss msntas escocesas de
etim psrs senbors das mais modernas que pre-
sentemente existem; pannos finos; cambraia lias mui-
to fina. Recommenda-se aos respeitaveia Concurrreolei,
queso dirijioa -este estabelecimento que em nada
desmentir este limitado anouncio: o quereoJo mu-
dar butearaa amottrat, se Ihet dard sob o xompe-
tenle penhor, ou se mandara as suas esssi, acom-
panhadasdeumesixeiro.
\ALFABi
RUAN0V5!
Esta loja eontinua a tersempreum completo sorti-
mentn de obras foitas He todas ai qualdadat de nan-
no merino, alpaca ; c Heles de leda ; telim. e gor-
gurio ; calcas de casimiras panno e brim: alm dis-
to ha. psra vender a retalbo, casimiras elsticas e lisas,
a 2000 rt. o covado; panno fino de todas as qualidades;
merino muito superior ; cortes de rllele de velludo
lavrado a 5000 rs. cada corle ; alpaca; brina finos,
de linli-i branco e de listras ; chapeos de castor brsn
co muito supoiiorcs e da ultima moda; lencos para
grvalas, de seda e casss ; e outras muitas fazendas de
bom goslo.
= Vende-se uma venda muito em conta com
os gneros que sgrsdarem ao comprador nasCinco-
Pontas n. 91 i a tratar no primeiro andar por cima
da mesma venda.
Vende-se uma aimacSo de loja de miudesas .
dase muito em conta naa Cinco-Pootn n. 108 : a
tratar na ra Nova cata de marceneiro n. SI.
= Vende-te tuperior potassa da Rutaia chegsds
deHamburgo; frasqueiras com genebra ; ceneja en-
garrafada em barricas de 4 durias ; vinbo da Madei-
ra em quarlolss de 3 e 4 em pipa; Champagne de
superior qualidade : na roa do Vigario armazem n.
4 de Hothe & Bidoulac.
Vende-se a venda sita no paleo de S.-Pedro o.
5, com commodos psra ter familia por ter um gran-
de solio a dinheiro ou a prazo com boas firmal : s
tratar naaCinco-Pontaa tobrado n. 27.
Vende-ae um bom cavado carregador e rtquipa-
dor; vende ae por teu dono retirar-se : no Aterro-da -
Boa-Villa, n. B, primeiro andar.
= vendem-se so urpoiio de farinba de mandio-
ca oa ra da Cadeia de S. Antonio, n. 19, aaecas com
boa farinba da Muribera a 5s rs. ; dita de S.-Ma-
tbeus, a 4s ri ; ditas com arroz de caaca a 4* is. ;
e uma porcio de taccot de estopa vatios.
O bom barateiro
Na ra da Cadeia loja n. 5o, confronte
a ra da Madre-de-Dos,
vendem-se cortes docaaaa e'cambraia de cores, de dif-
fereotes gostos a 2240-e 4000 ra. o eorle ; lentos de
cambraia e cassa de diversst qualidades, psra mi;
chales de Uminha, eseocezes e de lia eicuras, que fin-
gen aeda ; lentos de seda e de cambrsia de cores, para
peieoco ; suspensorios de teds ; suparioret tirina de
linbo de corea e brancot, para calesa ; cortes de casi-
miras ptimas para calcas a 3500 rs. o curte de 5
Covados* meio ; bonscotius decores para caicas; cor-
les de colletet de velludo da cor; bicos da todas aa lar-
Escravos Fgidos.
- Fugio oodis 10 do correte, um preto ds
oome Luiz oflicisi de sapateiro estatura ordinaria ,
magro, com uma marca amarella no rosto, do tami-
nbo de uma pataca muilo rbetorico calcado ; levou
jaqueta de riscado encarnado e calcaa escuras, da
riscado azul ; fui escravo de Juliio Portelis e de ama
viuva todos moradores no Isrgo do Livramento eho-
|e pertence a Sebastiio Jos de Oliveira Mendes : quera
opegsr, leves rus do Ksngel n. 64, que ser* m-
coui pensado.
= Fugio, ha dous mezas um preto da Costa da
oome Ignacio altura regular nariz meio chato, raa-
dido da verilba ; lem uns boraquiohoa pela cara qua
se suppSe ser bexiga e de poucaa fallas : quem o pe-
gar, leve s rus Novs n. 32, que seri gratificado.
Do engenlio Cucabu, da comarca do Rio-For-
moso fugiiSo no dia 8 do oorrente dous preloi,
um de nome Benedicto crioulo de 25 annot, pouco
mais ou menot altura regular ebeio do corpo bero
feito, com barba fallaa inantss ; levou camisa o ca-
roulas de algodio calfaa brancia e baeta encimada
nova : ooulro.de nome Victorianno de naci Ci-
bioda Ue 25 a 50 annos da mesma altura mais
ebeio do corpo pernas grossat, cara grande com
barba poucaa fallas e muito braodaa; levou camisa e
ceroulas de algodio e maia urna camisa e calcas brin-
cas e baeta encarnada. Roga-se a todas as autori-
dades e proprietarios por ondeos ditos escravot paiia-
rem de os spprebender e remelle-los, com toda a se-
guranza ao dito engenho que te gratificar* le
pagarsd todas as despezas
= Fugio, no dia 7 do corrente, o eteravo Severino ,
altura regular, corpo secco nsriz grossu, rosto coo-
prido, pouca barba ou quasi nenbuma; falla um pou-
co gago ; levou caifas de eaiopa e camisa de algodio :
quem o pegar leve ao Aterro-da-Boa-Vista n. 41,
que ser recompensado.
= Dessppareceo, de bordo do qrigue Castre Pri-
meiro desde a tsrde de 13 do corrente um eterno
morinbeiro de non e Benedicto pardo, alto, grotw
do corpo pouca barba bem fallante e capadocio;
representa 30 annos pouco mais ou menos; levou
caifas da brim cima encarnada, camisa branca, cha-
peo de oleado. Recommenda-se s capturado mesmo
escravo aoa cap i lies decampo e s (odas as autorida-
des certo da que quem o apprebeoder, e levar s
bordo do dito brigue ou a roa da Cadeia n. 45,
em csss de Amor i m Irmio recebar boa grali-
eafio.
= Fugio, na noite de 13 para 14 do eorrenta os
escrava de nome Luiz a crioula de 24 anoos, pou-
co mais ou menos, de bos Ggurs, sem defeitos, p* P*~
quenot alguma coma mole no andar.; nio tero des-
eovolvimenlos ; tem todos os deotes ; levou vestido
de chita edr de ganga, com flores grandes, algum
lano sujo, panno da Costs. Roga-se a qualquer pea-
toa que a pegar da a levar a ra da Cadera, loja de
miudezai,de Guepea & Mello, que ser recompensad!-
= Cootinulo s estiur fgidos deade 21 da abril
prximo patudo, do bordo do brigue IMinlor ols-
emos msrinherros sendo : um de nomo Jos, t)s n>*
fio Cabio ; representa 30 annot. pouco maisoa oit-
oot ettatura baixa, barbado ; loi escravo da can do
coronel lenlo Jos da Coate : o oulro de non ""
ooel, do afio Congo ; repretenta 20 e Untos sanos.
baiio, sem barba ; tem as orelbss muito pequeas:
irimeiro foi o taductor rtate por saber de lodos o
ugare da provincia. Ot abaixo assignadot oflareceD
ob/igio se a fater eflectiva a gratificscio de 150/ "
oual msiialnuma couta, a quem oa capturar. 1u'r
netla qur em outia provincia. Pede-te igualmente
a todas aa auloridadea puliciaet toda acautela em quaes-
quer eteravos capturados, pois que nada be mais f*6''
do que troesrem os nomos : perteoceodo os anoun-
ciadoaaoSr. Jote Maris de S; negociante do Bi*-
de Janeiro. = moran /rodos.
PEBN.
NA. TTP. DE H. F. DE F4.M
Ai^e/


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EY1HVIQ5B_CXXE1B INGEST_TIME 2013-04-26T22:12:47Z PACKAGE AA00011611_08394
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES