Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08386


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno de 1846.
Sexta feira
O DMUIO public-se todnj o Hi.s que no
or,n.*HeRurd: o preco da assii-natur lie de
.tucm rs. por quartel, pagos adiantadns. Uj
nuncios doJ assiguantes s'.o inseridos a raiao
u JO ris por linha, 40 rei l*po differen-
, c repclices pela metade. Os que nio fo-
('n asignantes pago 80 Veis por linha, e 180
ni lypo diflercnte.
Chases dalawo mez de setembro.
ua chei a 5 as 'O hora 50 ">'nut0' d* m,n-
aguante a 12 M 9 hor.se 11 min. de man.
Lu.noe SO. i horas o'I min. da Urde.
Crescenle a 28 a 6 horas o minutos da man. |
PARTIDA DOS CORRF.IOS.
Goianna e Par"''1"1 Segundas e Sedas l'eiras
Rio Grande/Jo Norte,.chega nu Quartas feiras
ao roeio di. e parte uas mesmas horas n.s
Quintas Tetras.
Caho, Serinhacm, Rio ormoso, Porto Calvo e
Macevo. no I., II e 21 de cada mei.
Garanliuns e Bonito a 10 24.
Boa-VistaeF'--: a (Je 28.
Victoria as Quintas feir.s .
Olinda todos os das.
PREAMAR de MOJR.
Primeir as 4 horas e 30'minutos da tarde.
Secunda as 4 horas e 64 minutos da manh..
de Setembro.
Anno XXII
DAS DA SEMANA.
3) Segunda S. Raymondo aul. do/, dos orf.
edo J.do C. da 2. v., do I M da 2 v
i Terca S Emvijdio, aud do J do civ. da I.
., e do J de p do 2. dist. de t.
2 Qu.rt. S Bltevio, aud. do J. .lo civ. da
2. e do J. do par do 2 dist. de t.
S QuintaS Arisllieo aud. do J.de orphos, e
do I municipal da I. ar. ....
4 Seit. S Candida, aud. do J. do civ. da I.
. edo J. dep.ido I. dist. de i.
5 Sabbado S Aotonino, ud. do i. do ci. d.
I.., e doJ depado I. dist. e do J. de t.
0 Domingo Nossa Seubora da Penha.
CAMBIOS NO DA DE SETEMRO.
Wpn
Camino sobre Londres ltjdTp I Ja 60 d.
n PafilISS Wpor fr.nco.
. I.isbo. 106% de premio.
Dso. de letras debo* firma. I p^ Va0""*-
tW-Onc. hesp.n-.oUs 81*000 a 31/4 00
. Mados de liel. .0J00 a 181700
% de81400no. I|0fl0 a iBflOO
ii da 41000..- 000 a
Prala Patacea........ 1*880 a
* Pesos columiiares. l|980 a
Ditos Mexicanos. -1920 a
Miuda.......... iJtttlO a ..-
Acroesda Comp.do Beberioe de 40*000 ao par.
9JI0O
1*990
11990
lf40
117*0
DIARIO DE PERKTAMBUCO
PARTE OFFICIAL.
Comni.'indo das Armas.
nPRDIlISTB DO DA 25 DO PAISADO.
OfTieio Ao pretidentv da provincia, enviando, pi-
ra lerem submettidoi a final julgamcnto da junta de jus -
tica. o( proetiaaot verbet dos reo loldadoi, deiertorei
do 2 batalbio de arlilharia a pe, l'ranciieo Jos de
Saol'Anna Manoel Beierra Cavalcanti o Joaquim da
Crui da Olive ir.
Dito Ao mesmo, significando, que nio |ulga con-
veniente adoptar o espediente leinbrado pelo inspector
Ja theiouraria, Acerca do pagamento do pret e et .pe ao
destacamento d'Agoi-Preta ; nao t porque a collecto
rii do Rio-Formulo nio pode eflectuar ene pagameo-
tode urna l vea em oadi mei, segn jo elle informa,
como porque multiplicadas remessas de dinheiroi,
d'alli para Agoi-Preta.oHerecem o meamos inconveni-
ente!, que 18 quera evitar.
I) i lo Ao mesmo, enviando o requerimento do al-
iares do 3 halalhio de fuzileiroi, Jurge Rodrigue! 8i
dreira que pede ler com Ma familia transportado 8
corte na crvela D.-Januarta, que est prolima 8 se-
guir viagem.
Dito Ao meimo, devolveodo o oflicio do engenhei
ro das obrai publicas, acompanhado des refluidas feitai
polo cooimiiiario-pagador; e dizendo, que a S. Lio
competa reolver sobre a prelerenea, que o mesmo en-
grnbeire e o pagador davio a obra do hospital reg
mental da fortaleza do Briiin, com pretericio das de-
liberacSai lomada! anticipadamente sobro esleohjecto.
Dito Ao coronel commandante das (oreas da pro-
viocia das Alago.!, dizendo, que segua a reunir se ao
leu bitalhin, 6.'de eacadore, o alferes Manoel Cs-
valcanti de Albuquerque Lini Walcaiicr, que neita ib
comervava depon de linda a licenca, por motivo! de en-
iermidade.
Hito Ao coronel director do arsenal de guerra.
prevenindo, que le ordenara, que, por meio de descnn-
tos fe:toi nos vencimentoa do soldado do 4. batalbio
de artilbana a p, JoiThomaz, o respectivo lente
coronel commsndante fizeise rerolher ao mesmo arse-
nil a Importancia de 10 planchadas de chumbo,quedos
spparecriu de cima dai pegas de urna das batanas da
fortalea do Brum, em occasiio, que o mesmo soldado
leacbvadeientioella, dai 6 as 8 horai da manba do
dia 22 do correte. Cnrorounicou-ie ao tenente-co-
ronel commindante do 4." bitalhio de artbaria a p,
para mandar proceder aoi deicontoi.
Dilo Ao coronel comn.iiiario-pagador commu-
nicando, pira os fins conveniente!, que o arferes do
6. batalbio de catadores, Manoel Cavalcanl de Albu-
querque Lins Waleasier recebra ordem deito com-
mindo, para seguir i provincia dai Alagoas.
Dito Ao Diesnio, psrs que bouvesse de enviar tima
nota dos aisenlamenlos do soldado Klias Jos Mauricio,
que, tendo pcrtencido ao exlincto deposito dests provin-
cia, be boje cabo do 1." batalbio de fuiileiroi.
Dito Ao tenenle-corooe! eommandsnte do 4. ba-
talhio de artilbara a p, para que bouvesie de fornc-
"'carao cabo Bellarmino Antooio da Silva,da eompsnbia
Oadecavallaria, o stleitado, que solicita, pata cobrar
a gralifvsciode 8# n., que lem direito, por ler sido
o apprebeotor do desertor Jone Cae tao de Andrade, que
foi mandado addirao batalhio tob seu comino mo
Dito Ao chefe de polica, accuiando recebidoo
seu olTicio de 22 do correle, com o qual lorio presen-
tados, e tiverio destioo. o deserlore do 4. batalbio
de artilbara a p, Jos Francisco di Silva e Sevenoo
Jos barbos*.
de logo, que serlo servida pola compinbia de artfices.
ofRcises e prsgis do segundo batalbio de artilbara, seri
imn.ediatamente eommandado pelo Sr Otajiir Sergio
Tertuliano Castel Branco. Os Srs. majores dai legioei
servir- 5 de majores das brigadas, e pr iercer ai lunc
C9es d'.jud.nle decampo doscommandantei dai mei-
iii.s, nomear-se-hao ofliciaes aptos para este servico.
Ilavendo o Ksm Sr. presidente delta provincia con-
vidado ao hrikiadeiro commandante das armas com os
Srs. ofliciaes das quatru clasies do eiercilo para c ncor-
rerem ao cortejo e aisiilir grande parada, que no i-
bredito da lerlolugar, compareceodu no palacio da pre-
sidencia ai 11 horai da manhii ; fai de lulo iito iei-
ente o mesmo bngadeiro a todos oiSrs.oflici.es delta
guarnicao, a fim de, com a maior pompa poisivel, so-
lemoisar-se o annitenario da independencia do Brasil.
Antonio Corma Stira,
EXTERIOR!
Qi,artel-general o cidade do Jiecift, 3 de itlimbro
de 1846.
OBDEH DO DIA N. 122.
Em cumprimenlo das impenaei diipoiicOes. 7 do
corrente mei. anniversario di independencia deile im-
perio os eorpns da guarda nacional, destinados pilo
tiro. Sr. presidente, e os do eiercilo, perlencenles i
esla provincia, formir-se-bioda maneira aeguinte:
Sobre as rusa da Conceicio e Pires, tendo a direita
collocada na prava da Boa-Visla. se produnri linha.
As 10 boras d* tnanbia, o brigdeiro commandante das
armas passara revista aos meslos corpos, os quaes slo
orgaoiaados para o aclo da grande parada em qualro
brigadas, e estas em duas divudes : a primeira ficara
sob o commsodo doSr. coronel e commandante .upe-
rior Franciico J.cintbo Pereira. e a legund ser eom-
m.nd.da pelo Sr. coronel Franeilco Jos Damaceno
Boiado. A prioieira brigada, que eoroprebender o
eiquadilodecavallaria, o primeiro, legundo e lerceiro
baiaihSeida guarda nacional, aer commndad pelo
respectiva ebefe da primeira legiio, o Sr. Joi Pere
Campello ; o batalhoes da meima guarda, numero 4 e
5, loroiaiad s segunda brigada sob o conim.ndo do Sr.
Francisco Joaqun. Pereira Lobo, chefe da segunda le-
giio ; aoSr. tenenle-coronel Antonio Carneiro Ma-
chado Rioi be c'omiiiettido o commando da tercei-
ra brigada, que ser composta do primeiro balslhio de
Olin.lt, sello do Poco, e corpo de polica; auu.il
brigada ficar sob o commando do Sr. lenerile-coiooel
Ju Vicente de Amorim Beierra, comprebeodendo o
balalhei n. 1 d ciQadores. quarto de artilbara a p,
.- e compiobi fixi de MVilUti. O prqu de seis boceas
PROCLAMACAO.
QOE AnTOBIO RIBFIRO IARAIVA DIRIGI OH LONDRES AOB l|t-
CUCI.ISTAH, K QUE ENTRE BSTE EM PORTUGAL TEM A.M-
PLAMKNTE CIRCULADO.
Em nome de S. M. F. el-rai D. Miguel I, quem
Deo auarde.
Portugueiei, he oheg.do o momento da nossa
reitaurcio nacional, de lacudirrooi o odioso eavillan-
le jugo de peisoas e couiaseslrangeiras, que nos loi im-
posto, principalmente por influencia a Corea eslranitei-
ra, sem rrspeito ao nosio nacional e reipeilibiliiiimo
direito de governarmos a nona propri caa.
Que outr. prova podemoi eiiRir do carcter ma-
ligno e oppresiivo da uiurpa^io, que, ha 12 annni, nos
flagella, maii do que a maneira, por que nos Coi traii-
da ? Nai costal da quadrupla allianca ( paci da prepo
lencia e flagrante injustics)., escollada pela escoria
de vinle m.c.5ei, verdadeiro eiercilo de Babel, luiten-
tido por enormes emprestimns osmaia usuraoi e iui-
noioi, para os quaes se empenhrio d'sntemio, primei-
ro as propriedades eccleaiasticas ( patrimonio doi po-
bre), e depoii aironas proprias Cortunss, o voiio Ira
balho, eosuordo ^oiioroito, spresenlou-ie-vos eita
usurpacio de mioi dsdsi com a revolucio, ecom un.
irande cortejo Jo Camintos aventureiros, todo ofregos
de engordar i vosia cuita, e de nuindar-ie lobre vosioi
bombrol; embora o neguem, quando abi eilio o fac-
toi para condemna los. Moitrem, que beneficios nos
trouierio par* compemar tanto langue derramado, e
treientos milboes de divida, cujo capital e uro s po-
deriio iitiifaier, agora ou depoii, deipojando o povo.
A arvore foi logo conhecida pelo nu fructo. A ra -
pina, o sacrilegio, a prolaoacio, asiaisinaHos aos milha-
rei, peneguicoei, barbaridades e crimes innumeraveis
de todo o genero solemnissrio a triumphal uiurpigio
do liberaliimo, que, lemelbanteeo lobo da fbula, veio,
lobo nome eoap da liberdade, engaar e devorara
nifao.
a Todoquanto bavia desagrado, veneravel ou res-
peitavel no reioo opprimido foi denibado e calcado
aos pi. A nona f, ai noiiai leis, insliluicoei, usos,
costumes, direitos nituraei e adquiridos, liberdades.
ptiviltgioi, e prerogitivii do povo. ludo foi desprezado
e violido peloi usurpadore lihenei; pirque luccedeo
ser aquelle simples, e eites obstioidor. De lodo o osso
edificio locial nio ficou pedr lobre pedr.
A igreja foi deipojada e profanad ; coroa avilta-
e deshonrada ; o povo eicarnecido e roubado.
A noisa anliga independencia eo.nosso pundonor
forio deipreadoi, por nio le ter altencio i maii no-
bre e a meii honrosa lei, que Coi decretada por uro po
vo livre, a de nuoca aclamar por monareba senio a um
Portuguez de nascimenlo : mas ( grcil a Deo ), por
esiemeio larobem le aoiquilou alena lombra illuio-
ria de um vio diroito pretendido pela princesa braii-
leirado Grlo-Par.
Oegoiemn, na iua forma mail hedimida, tomou a
nome de patrinli.mo. Honieni, que niercoil.. nf.<-
i.m.i e dc.prezo, apresenlrio-so por modcl... de probi-
d.de o I.....ra ; c, se q.iiiesscmoi f.ier allusSea peaioaes.
abriama proasptaniente exen.plo. n.a ram.raa, n
ncrelhu de estad-, e n.. roesroo palacio da uaiirp.c.
. Que resoltados te podilu esperar de urna mi mb-
taralo de todita oa prlnoipioa de moralidad, uilic e
a polilira ? Preoi.ament aquelle, que tero..I tesle-
n.i.iil.nd.. desdo 834 ale agora aquelle., que o he-
roico, inda qe paeienle, povo portugus tem ie..-
lidu ao vivo e oonlr os quaes por iillimo, como petf
n.ilagre ou in.pirneo da Pruvi.lc.i. ae.ba de levan-
lar-eem ma.aa. e .l f.ieudo lio nobre inanifeilacS..
so mundo, que lie urna digna copia aquella loinprr
|rii.sa de 1640.
. C.ire.-eiiiiii ni de oulra prova da jisttia da cania
..acion.l mai do que a conducta ( superior a Indo o elo-
gio, a.siiu como o be a lodo, utessiuplua ) .loases mi-
litares, dess.s nivriad.a de povo, exeroendo.com ei-
pi.t.iienienlo leen leito, roail m.bro e generosa
moderocao, lauto inaiaaduiiravel, quanlo he insiigad
doi maii jn.los e irnl.nte. motivos para raiva e ieapla-
eavel re.e.iiiui. ntu? Poderilu aeiurai ya NtMI d
i.i.K.ie e vingaac. repre.enl.daa em 1833. 1834 e
1835 ler, oiiliiihliirlleadiwilt'aeaperariaoroagiitni-
.,.., oop.lUent.....P-rte da. suai v.clima. do po-
vo porfigue.. o.u 1846 ? E qual a r.a.o detla differen-
ea Siaiuleimenio porque no primeiro oeso era um par-
tido Sufrego d'oppre.sSo, animado pela injusuca
uiurpacao ; no aegundo he a oa$ao, perfeiumente ie-
nhora de si, legnndo o dictarnei do direito e da legiti-
midado. Alliprodominavan o raneor e ai inais vil pai-
i6e. ; aqu granilea d'.lma e todna o seiitiioentoi ele-
vados.
Emconfirmidade das orden, que lenho reoebido
do n'.aso legitimo soberano prioripo portugus, com-
pro .gura o mai. grato dover de expre.sar, -ral nnraa d
S. M. a ana inleira tppravaofa de urna oonduota li.<
beroioa, tlu moderada, o Ha liberal, da parlo de.ae po-
.. bravo, a que el-rei, p..r tod ro'livs, tanta se,
ufana do perleuocr ( e aqu nao raQAI inaisdo que .ervir-
mndeuma oipreill'i ttsttai vetei repetida por S. M
rateara). Ea briosa conduela oonfonn.-ie lntairaa.au*
lo com ... mais trileiitea de.ej >s, as mai instantes ad
uioeslacfio., eamai. poiliva iiiiruoc3o., esoripl.S
pelo proprio ponh" d'el-roi que leulio conitantemenle
reeebido duranlo ni ulliino qualro ton-il, para aerom
transiuillidas e rorommendadns por lodo os incios pos*
ivi-n aus ou. amigi.s, eilenies no reino.
Por atnristeto devidamenle recebida d'el-roi,
p.ssoacuinpriroulrodevo rilo raen... imporanle, o
de recoinniendar e pedir a lod.n o Portuguesa! fteit i
oaii. nacional, que prealein todo o apoio, auiili'" e
ilftaraola ao general, quo. devidamoulo nomeadn e
ntnriudu por S. M., pana l"mar a ciminando em
nliifo das nu..a. f..rcas, para rffeilu.r, oom luda bre-
v^de poitivel, com a necei..na ordem e boa direo-
.a). nacional o legitima reiaurnco pnrtugueta. El-
rei eui certa, de uno nruliuin voriladoiro o leal Portu-
gaetdeMr de auxiliar, quanlo poder, e.le di.linm
.befe, que, peluou lioiir.iaos trriii}-*9jadiaf, ha
milita adopioii p..r eu <......10 pall o a no, oau.,
rom inveiieivel perevuranca o dcoio. 0 ta elle na-
nional de uui pas, noso niiligu o Bol llliadu, oom o
qual armpro f..i, e devo ser niasiuia Fundamental da po-
ltica portuguesa ouitaervar a.iiiade e iulimat reUi0es
( ionio S. M. lenomna, deolera o no recnimeiida ) .
o.loo certn, que aera um m..liu addicional e puderoio
para lodo > bom li-gitimitla d'entre n presar, eale-
greiiienle groteger o general.
Outra recommendupio essenrial, que tenbo a fa-
/.er-vos, tambero por eipretia ordem de S. M., be a de
fiel obediencia 8 leis ais autoridades, que pela nossa
ssbis e providente conilitu-cio nacional deveen presidir
ao bom govorno do pan nal iubi leipecliva classes e
condicfies, desde o lei, ou quem qur que eiercer as
suss Cuiiccori.at o magistrado inferior da maii peque-
a aldea. bedefio, po-s, todos s legtimas autorida-
des, que anda exiilirero, ou Aquellas, que forem pro-
visoiiamenle nomeadn para oceupar o divenoi cargos,
afira de que o nono triumpbo irjs completado com efli-
cacia e rogulandade Al cortes nicionael e o govorno
procederao logo depois a remediar,do mclbor modopoi-
sivel, os males, e a curar ti cliagas, que abri no noiso
crpo ioci.1 a treilouceda revolucio ; roduzmdo h pra-
tica a doutrina estabelecida na declaracio de 2 de a-
goito de 184.) (ja approvada naquelle tempu pelos pro-
luodoiestadistal da Europa monarebics), com o leus
obvios e conveniente! desenvolvimentoi.
Inculcar de novo moderavSo e generosidade, rei-
peilo 8s peiio.i e propncdadei, abstensao de todo o leo-
timenlodevinganca, de toda a violencia, o at ds re-
pariio de verdadeiras olensil pelas mioi dai partei
r.lTendidas, csquecimentode lodss as infeluei divisoese
disi'Oidias. ou antes doi mesrooi nomes de psrtidos, re-
novaeiodas ant-gas relac3el de boa vonl.de, e de uoiio
fraternal por toda agrando familia poiluguea, anda
que lenho, ha muito. em meu poder ai man solemnes
e po.itivsi instrucc6ei d'el-rei. para esse efle.to, quas-
que mepaeciaum insulto a um puvo. que, por seu pro
prio accordo. j* eill dando o mu adu.iraveis eiemplos
desim virtudes.
Parece, que representantes, ou emiisarios das duas
fac.6ei.em que se dividi o partido revolucionario, anda
proemio falsesr o movimento popular o fan-lo re.ul
t.r lmente na roiseravel mudanCa de una cslila de mi-
nistros ds usurpacio por outra cfila. O povo portu-
gus tero demasiado bom senso, para se denar amm il-
ludir, ou para conient.r, que os Crudos da la actual
demonitr.cio roageitoia sejao redundo! a lio anias e ri-
dicula! proporc6ei ; para le satiCazer de laclo coro um
remedio, que nada remediara.
Nao noa importe a revolucio anti-portugueza.
Quero nio he por mis he contra mu. INio rejeileroos
alguem, qu.esquer que tenhio lido iuas antigs allu-
cinave*. Desde o momento, en. que alguem, se|a quem
fr, vier francamente ahslar-se em n isas band.iras,
.dberir aos oossos principio!, e cauta nacional, ler
uro de nos. Mas de nmgem scceitamos condiedes
porque pertence ao povo, que est no leu direilo, dic-
1.-!*.. e nio recebo-lai. ttkO he oeste dial, que -ere-
rooi quadruplai alliancas ou intrigas, ou milbdel es-
tr.nbos. ou mercenanai baionet.s e.tr.ngeir.s abale-
retn elle direito pela violencia, ou fOrca oppreiltva.
Viva a reitauratio oacional portuguea !
a (Por otdem e autondade de S. M )
u Antonio /libaro de Sataiva.
k Londre, 23 dejunbodo 1846.
MANIFEST,
QUE ACOMPAFIHOU A PRCLAMACAa, QUE CIMA HCA
1RANSCRIPTA.
s Em nome, e por ordem d'el-rei D. Miguel I.
SabendoS. M., que um grande numero de pei-
oaa de varias olaiiet e opiniflea em-Portu.al connderio
mui proiima a uccaiiiio opportuna paca realissr um.
restsurifio nacional otquelle paiz, deseja Cazar aber
mas reaei intencSe a eile reipeito, e dar-lbel toda a
notoried.de, que o actual estido de eoui.i permiltir-
ipondoo lyitemt e principios, que adopta, e que te,
r6 seguidos com nab*lael firmesa para a proaeeocao
de lio honro, e patritica empreza. H i vendo para e.
le intento constituido, ha algum tempo, um centro con-
veniente de direccio. revestido doi poderes necenanos
para regular os negocios relativos s esla restauradlo, a-
cib S. M. de nrdeoar mu, por nitruccrJes e resolu-
tOes de 15 e 27 de maio ultimo, re erindo-ie tambera
adiversaioutrai de data anterior, que faca laber era
leu real nome, e divulgar no rein>. pelos meios man
convenientei, a declaracio doi pontos e basei. que vio
enumerado; afim deque todo os patriotas honrados,
todos os bons Portugaeies, amsntes da independencia e
verdadeira liberdade nacional, estejio preparados para
dar a todos os seui eiforcos e trabalhos a direccio con-
vergente e umCorme, que he oaceiiaria para o bom exi*
toda noi nobre empreza.
a S. M. julga :
l." (neo nico meio desairar a nielo de total
ruina, e de reitahelecer a uni lade social, be unir outra
vei todoi os Poriugue;ei n'uma ad familia e unnime
conCraternidade politice.
2.' Que a nica baie. lobre que le pode fundar
um reiultado tio de.ej.vel. he o restabelecimento da
anliga. sabia e bella conslitu-cJo nieionil, que foi coe-
va com o estibeleciroenlo da monarchia, e foi um graca
criada, dosenvolvila e identificada com ella, reitauran-"
dci-a de /teto, em inleiio vigor, como leropra tem es-
tado de tireito; pois que nio hs preicripcio para ai leis
do estado; nem aquella foi alterada em Portugal pelas
lrmas, que s podiao enfraquec-la.
3. Que Ul restabelecimento nio envolve a rejei-
c,io do principio de melhoramonto esuecessivo aperfei-
Cuamento na adminilraclo, nogoverno.nn inilituicOes
a leii, segundo o progreiio tocial do leculo ; mas lu-
do so deve faior com s prudencia conveniente e segundo
as formas regulares ; islo be, que nada le deve Cazer
em o concuo da represenUcio nacional, eonCorme a
nvsma conitiluico, tendo eite o nico meio de dtr
validado a tael mudan^aU
.Que, abandonando-te, hiumieculo.e eipeeial-
mente noi nossos das, a sibia pratiea e regres daquella
ronitituiflo eprivando seosorgioi legitimoionituraet
do rilado (as cortes.os tribunaei.concelhoicorpor.c6ei,
magistratura, etc.) dos aeus reipectivoi a eompetentei
altribulos.ptn p loi arbilraritmenle ntt mios de mi-
nistres, ou inJividuoi imprudenle, abrio-se i princi-
pal o frtil fonte da conlusio e deiordem. que se tem
introdundo no governo e na adminislrarjlo publica ,
dando origem a mil abuioi d'autoridsde, que oppri-
rr.iiioopovo, e por ultimo gerrio revoluc5es.
B.' Que a reslaurtclo nacional deve tar por seu
primeiro efleito o resl.belecimenlo deiiei orgloi na ple-
na pone e evercicio dos leus direitos, Cuncc6ei, auto-
ridade e prerogitivn constitucionses, de que forio des-
pojados, reparando aisim o erroi e ai decepefles de
1820 ; lempo em que nio le realiiou esie reitaoeleci-
meoto, ainda que proroettido, a qual mal gracio tem
cauado a lerio de desgraeal civil, quo blo opprimido o
reino deide aquella poca, e que o teem reduzido ao do-
ploraveleilado, em que ora leacha.
(( 6 o Que ler conveniente laier um grande eifrco
nacional, afirode que. pelo projectidorellabelecimento,
poio o povo porluguei e o roonareba legislador ser
leitituidoi o livre eiercirio de scus respectivos direi-
toi, segundo forio eiUbelecidoi.coofiroiidoi, esano-
cioad. i pela meima eicellente constituicio, garantida
primeiro nas cortea de Ltmego; em teguodo lugar, noa
subsequentel e coos-'quenles attos constitutivos dos tres
estados do reino, e nas leis a elles relativas; em lercei-
ro lugar, mi mui sabiai e respailaseis initituiedes anti-
gs, municipaes coniultivss, adminislrativas, e judi-
ciaes, segundo esteve tudo em plena pratiea c exercicio
durante o memoravel reinado de D. Pedro II.
7.* Que a bandeir da restauraran tambem deve ser
um penbor de reconciliacio nacional, e a eitinccio dos
partido!, renunciando a todo o odio, peneguicio ou
qualquer animadversio por todoi os actos, ou opioi6es
polticas panadas. ,
.8 Qiieiiodeploraveleil.do, a que a prodig.lida-
de e a. malvecce. teem reduiido a faienda publina,
he .rnente por un. .y.tem. da maii rigor.... economa,
e i.i.r u.na iudicima pareiiuoni. temporaria, que o po-
d.-.n vencer a. d.flieuld.de. da n....a po.ic", a come-
uir-.o a dual remuelo da penuria preienle ; e que
,..rc.....eu.naneui a adopclo de..e .y.tema deve da ier
um do. prn.eipaei cuidad..! da re.liursjJu, e o p..u.-
ro exen.pl di-lle deve p.rlir do palacio do i. M.
. Felioilo-me por ler a honra de por eetet aabsaa a
patriutiaai titlaa de S. M. anie oa ulbaa do lodo. a.
bomen. .en.ivei, o-nl-ndo el-re, com a .ppro.tio a
encuno de lodoi oihomem verdade.raraeote anima-
do, .le e.,i....or.tni portoguese.. Para dar m.ia pe.o o
uuedigo, acore.oeniaroi, que leoho em meu poder do-
.un.ento. aolhentiooi, oom a rubrica de S. M., noa
,,, declara da maneira a man poa.tiva, a oom a man
..ubre .rgur.nc.., que go.rd.r a f.ra guardar re.lrio-
lamonio a verdadeira con.tituicao n.ciunal, de que elle
lue.raoier o aiaii firme apoio e garante.
Antonio Ribeiro de Saraiva.
m Londres 24 de innbo de 4846.
(riNUa).
ILEGIVEL
i


1
&
PGANAMBMCO.
i
Cmara Municipal do Recife.
SESSA ORDINARIA. DE 31 DE AGOSTO
DE 1816. '
PBIDENCIA DO SKMInR RF.QO ALBUQUERQUR.
Presentes i;s Sr. Carneiro Montriro, Cintra. Barroi,
Dr. Nery e Alies Ferreira, Miando com causa oa Sra.
Mello Cavalcanll eOliveira, eaem ella o Sr. Fgidio
Ferreira. abri- io a sesiio, e foi lida a approvada a ac-
ia da antecedente.
O lecretario leo o segointes oTicios :
Um do ereador Mello Caulcsnti, participando, qoe,
por incommodado, donara de comparecer i sesiio.
Inleirada.
Outro dn presidente do conceibo dealubridade, ol-
ferecendo um eieoiplar da impressio dos aeut traba-
Iboi. durao'e o primeiro anno da crearlo do meimo
concelbo. In'eirada.
Outro do subdelegado da freguexia de S. -Jos., pe-
dindo a cunara, para accommodacio da guarda da li-
be ira desta freguerB, laquililada por elle a autonda-
de competente, um dna quartinhns da dita ribeira, ja
octupsdo pela mesnia guarda. Que nao havia duvida
ein conreder-se, uina vei que -o pagasse o aluguel
d'elle.
Um do capillo do porto, pediodo a cmara, Ihe de-
claraaae.se, emquanto pela meama capitana nao era de-
signada, nai praca e terreno! de marinba, reservados
para logradouro* publico, a porfo de terreno suftici-
ente para estaleiroi eoutrosuioa ao porto, obstara a
mesma cmara, a que continuaste o arsenal de mari-
nba a servir-se do terreno com 44 bracas, que fica en-
tre o mesmo arsenal e o arco do Bom Jess, valo ob-
servar-se, que, este terreno est comprebendido no nu-
mero dos concedidos a cmara para logradouros pbli-
cos, aegundo o apontamento, que Ibe remetiera. Que
loase remettidoa commissio de edifleacio, para com a-
certn dar a suaopiniio a este respeito.
Out'O da mesma capitana, aecusando a recepcio do
oflicio, que a cmara Ibe dirigir, com a declarado dos
lugares designados para deposito de entulhoa e lixos, e
do reservados para I fradouros pblicos. Inleirada.
Outro da meama capitana, requisitando una copia
das plantas dos tres bairros desta cidade, e bem aiiim
um eiemplar das posturaa desta cmara. Quanto a
iv i |i/i i'iig|i ni "vi (i|jn( qiiiiiijivui j. || primeira parle, que se mandatseni tirar as copias ped- ,. ., ... .
j j ,. r r 0 conceibo de salubridad exoibitassu das suas;
dos. e quanto a segunda, que se satishzesie.
Outio da mesma capitana, participando, que, tendn
de deiitnar.naa praiase lerrenosde inarinba, reserrados
para logradouros, a porcio sufficiente para estaleiro ae
oulros usos do eipedienle deste porto, queria ouvir a
esta cmara a semelbante respeito, anda que luiie por
inteimed'o de urna commissio do ieu membr s No-
meou-se urna rounnissao dos Srs. Cintra < Carneiro
Monteiro, para salislaier a aupradita exigencia.
Outro do fiscal interino do burro do Recife, traien-
do ao conhecimenlo da cmara, para que deliberasse,
como fosse servida, que o arsenul de marinba e-lar a
construindo para seu uso um telheiro com pilares sobre
aheerres as 44 bracas e um palmo de terreno de mari-
nba, concedido a cmara para logradouro, no areialde
Fra-de Portas, onde a exista > telheiro volante, e
que urn desses pilares enlrava 12 palmos pelo terreno
all destinado para praca publica, com ofensa do ali-
nbaaienlo ilai propriedadea ao lado oppoato ao mesmo
arsenal. Que se remeltesse a commiisao de edificarlo,
para lomar conheriinenlo do referido.
Outro do fiscal de S.-Jos, participando ter leilo en-
trega ao procurador da quauiia de 32*800 ris. de urna
corrida Inleirada.
Outro do fiscal da Boa-Vista, participando ter sido
de 126*000 rs. a importancia das multas da mesma fre
guezia, ein o mei panado
Outro do mesmo fiscal, dizendo, que, por incommo
dado, nao compareca a sessio.
Approvarad-se os pareceres da commissio de edifica-
(io relativamente as pretenedet de diversos ; assim co-
mo o da commissio dessde sobre o regiment confec-
cionado pelo concelho de salubridade, e subiiiellido ao
conhecirriento da cmara.
Foi remedido a commissio de edificado o requer
ment de Anlonio Joto da Magalbiri Basto, em que
pede licenca para edificar unto ao arco de S -Anto-
nio, de confoimidade cum o plano epprovado pela c-
mara, ecordeaglo dada.
Despacbrio se as peticSe de Antonio Jos Vieira,
Antonio Jos Teixeira Lima Jnior, Anlonio Valentim
dos Santos, Amaro Antonio de Faria, Guilberme I'u-
cell, Joaquim Rodrigues SeiiM, Jos Joaquim de Ol
veira, lunario Manoel Viegas, Jos Peieira de Andrade,
Manoal Francisco da Par e Manoel Ferraira Pinto.
Dada a bora, levantou-te a sessio. Eu, Joo Joi
Ferreira de Aginar, secietario a subseravi. /jo Al-
buquerque, presidente. Carneiro Monltiro A tve
Peireira. Dr.Nery da Fonieca. Cintra. Bar-
8. e 9.* do artigo 5.* da loi provineial o. 143, exami-
nar a isnidade dos alimento destinados ao consumo
publico e prevenir a falsificarlo das bebidas, visitar a*
boticas, -nalysar os remedios suspeitoa, etc. mas pa
rece-me. que os meios e diipoiicdei para este limde
rrao de ser consignados no seu regiment infamo,ni-
co i|ue o artigo 10 Ja metma loi o autoria a organisar,
o nunca em resimento especial, que nem esla nom
nutra alguna I i conbecida Ihe da o direilo ou puder
de confeccionar.
Porquanto, friendo a devida justica ao bom senso
do conceibo de salubridade, nio presumo, que tnmai-
se as pa lar ras tanitariai regula(8t$, que veem consa-
grada no artigo 12 da lei citada, porsynonimas de re-
glamenos ou regiment, pois sabe mu lo bem o con-
celho,que, mesmo na accepcio vulgar, regulando quer
dizor di recelo, conseibo, insinuarlo, instruccio, etc.,
que se d para farer alituma cous; e regi-nento ou re -
gulamento significa /ai particular E dizendo aquello
artigo que serio examinadas pela presidencia, que as
mandara por em pratica.quandoo julgar conveniente,
he obvio, que, anda assim, o serio aquellas, que cou-
iieom as atiribuicoes do conceibo dealubridade.
Maa (perdoe-me o concelho ) parece-me que
exoibitou um pouco das iu> iilinhuicdes Parece, que
quiz arrogar a si attribuicSes do commissario delegado
do pbyico-mr. autondade creada pelo airara de 22
de Janeiro de 1810, e boje abolida, em virtude d $
17 do artigo 179 da constituirn dn imperio, e cujas at
tribuice nenhuma lei transferio para o concelho de
salubridade. Parece, que quil alias, usurpar at
tribuicoe conferidas as laculdades de medicina do Bia-
II, pelos rticos 13 e 14 da lei de 3 de outubro de
1832 emquanto aos ttulos dos boticarios e parteirai,
cuja observancia fot recornmendada ai cmara munici-
ptes pela portara de 5 de sct'mbro de 1831, assigna
da pelo actual Eim. presidente, quando ministro do
imperio Porm. os mesmoi regulamentos policiaei or-
ganismos poreisa faculdades sao dependentes da ap-
prorario do poder legislativo (artigo 14 da citada le).
Parece finalmente, que o concelho de salubridade quiz
al usurpar atlribuicdes deste poder, creando direitoa,
un pondo obrigac.oe, estaheleceod penas, e lancando
un [o signes, a pretexto de serem para as despeos do
concelho I
Sendo, pois, tendencia natural do corpnf roljSjfei-
ros exorbitarem de suas attrihuiroca, nio admira^ue
TOI,
fARECERM, A QUE SI REFfcRE A ACTA SUFRA.
Comquanto sinta algum embaraco e pejo de e-
miltir a minlia opiniio sobre aquelles acto! do conce-
ibo de salubridade, a respeito dos quacs tem sido esta
cmara consultada pela presidencia, lodaria, obrivado
pela consciencia do dever, em raiio de tninba ardua
posicio quaai sempre enderezado taei acloa e consulta!, puso
1 expender o meu parecer com a franqueza, que mu be
propria, sobre o novo regiment para as pharmaciai,
caiai de droga!, de comiltiveis e bebidas, e para o ex
ercicio dos dentistas, sangradores e parleiras, con-
feccionando por aquello conceibo, esubmetlido a oon-
aideracio delta cmara.
Principia, porm, o meu embaraco por varillar
10b que aspecto deva encarar esta peca, se como lei,
regulamenlo, regiment, ou como rnelhor oome baja
ou deva de ter; la como imple proposta oflerecida
palo conceibo de salubridade a eata cmara municipal?
Verdad* be, que o concelho Ibe deo o titulo de re
gimento, e como tal parece pretender, que tesina elle
execucio e cumplimento, jure proprio, mediante a
approrecio da presidencia; mas seja-roe perrnillidi.
nontes!r-lbe csiedirrilo. por falta de jurisdiciao. pois
que nio vejo na le da sua jereseio disposicio alguma,
que Ibe d tal podar.
Compele lim ao conceibo da lalubridsde,pelos
1 No que sobretudo, me parece, que esla cmara jA
man deve consentir be na parrara, que aquello con-
celho pretende e-tabeleo i no artigo 53 do seu regimen-
t, pois que a receita e despeta desUs corporales pu-
blicas sio restrictas e marcadas por lei : ai cesta c-
mara ni lio-se consignadas na respectiva lei do orna-
mento municipal, assim romo o concelho de salubri-
dade tem urna quola marrada na lei do orcamento pro-
vincial para as suas despe/as, cuja distribuirlo e lis -
causadlo compete a presidencia da provincia, pelo arti-
go 11 da lei provincial n. 143.
Anda considerado o regiment em queslan como
mera proposta, que ao concelho de salubridade incum-
be la/er ao presidente da provincia, Is cmaras muni-
cipaes,etc.,pelo 1.' artigo 6.* da lei n. 143,me parece,
que algumas de suaa dispi ncdes devemserrejeilsda por
nutein.comoasdoiartigoj l.,6.#. II. 17,18.19, 28 e
39.cuj j do Mulo 2.'das posturas municipaes do 19 de fe-
lereiro de 1853: outras, por eicederem as altribuices
de*ta cmara, n8o sio admissireis; porquanto, se bem
quu pelos artigo* C6 e 71 da lei do 1." de outubro de
1828, seja de sua competencia formar posturas sobre-
ludo, quanto dii respeito policiaca** poroar,des, sade
e commodidade dos habitantes, etc. todaria aquella
lei nio Ibe permiti lanzar unposiressobre o ri ladeos,
quae-as que propOe o concelho de salubridade as ar-
tigo 9 e 15 nem lio pouco Ihe permute o artigo 72
daquella le impr penas pecuniarias maioros de 30 ra..
ou de 60i'rs. as reincidencia, quaes as que propOe
o concelho nos artigos 20, 21, 24, 26 e 32 do sure-
gimeoto!
Se, pois, esta cmara, que ha urna corporacio ai
mininraliva. o nio pode fazer ; se as suas posturas
nao podem ter rigor por mais de um anno, sem a san-
elo do poder legislativo; erno poderlo vigorar, por au-
toridade propria, os actos do concriho de salubridade,
que he um corpo meramente comutlivo?
a Sou. porlanto, de perecer, que esta cmara de-
volva ao Exm. presidente da provincia o mencionado
regiment com as observarle mais judiciosas e bem
censadas, que Ihe suggerir a aua illustrscito, rogando-
Hie, que se rliune de evitar o conflicto, que leroelbaote
regiment parece tendente a provocar
Paci> da cmara municipal, 25 de maio de 1846.
Dr. Ignacio Nery da Panuca
A commissio de edlflcaclo, tomando em consi-
drenlo o requerimento do cidadio Jos Joaquim de O-
liveira, em que pede a esta cmara, mande proceder i
cordeacio de um caes e porta d'agoa para vlvelro, que
pretende faier junto i camboa, que paisa no aeu sitio,
nenhum Inconveniente acha, i vista da planta, em se
fater semelbante obra ; antes entende, que esta concor-
re para o melboramenlo da camboa, que be navegavel ;
porque, alm do aformosesmento, impede aa escavanes
da camboa, e tira-lbe, na conlormidade da planta, urna
daa suas voltas : portanto. be a commiasio de parecer,
que se delira ao supplicante na forma requerida.
Sala das lessoes da cmara municipal, 28 de agos-
to de 1846. Alvce Ferreira.
A' lita do expolio, be a commisio de parecer,
que te Indeflra ao supplicante.
Sala daa essoes, 29 de agosto de 1816. lves
Ferreira. liarrot
ci A commissio de edlflcaclo, dando a devlda con-
ilderacio i peticio do cidadio Jlo Cavaleante de Al-
buquerque Jniora S Etc. o presidente da provincia,
e remettlda a esta cmara para informar, na qoal pede
por aforamento um terreno de marinba ao oeate da es-
trada nova de Ol'nda. junto ao Pombal. eexaminando
o documentos, a ella annexos, entende, que da conces-
slo de semelbante terreno nio pode resultar Inconve-
niente algum a eata cmara, visto nio ser elle preciao a
eila cmara, e estar destinado, pela planta do bairrode
Santo-Amaro, para ediflcacdei particulares, como In-
forma o engenheiro em chele das obras publicas : por-
tanto, be a commissio de parecer, que se responda ao
Exm. presidente, derolrendo-se-lhe a peticio, que, 4
vista destas rasoes, nada tem a oppor A preteocSo do
supplicante.
Sala das sessdei da cmara municipal, 19 de agos-
to de I8&6. ^toai Ferreira. Barro.
ii A commissio de edlflcaclo. tomando oa devida
consideracio a peticio dn cidadio Rufino Jos Fernan-
dos de Figueiredo a S. Etc. o presidente da provincia,
e remettlda a esta cmara para informar, em a qual pe-
de por aforamento um terreno de marinba ao oeste da
estrada de alinda, junto ao Pombal, e examinando o
documentos, a ella annexos, entende. que da concessio
do mencionado terreno nio pode resultar Inconveniente
algum a esta cmara, visto nio ser elle preciso i mes-
ma, e estar destinado, pela planta do bairro de Santo-
Amaro, para edlflcacoes particulares, como informa o
enuenheiro em chele das obras publlcaa : portanto, be
a commissio de parecer, que, devoivendo-se ao Exm.
presidente da provincia a peticio, responda-ie-lhe, que,
i vista do exposto, nada tem a oppor pretendi do
suppllcaote.
Sala das sessoes da cmara municipal, 29 de agos-
to de 1816. Alte Ferreira. Barro.
A commiasio de edifleacio, teodo lido com to-
da a altenfio a peticio do cidadio Manoel Jote Galrio
a S. Exc. o presidente da provincia, e remettlda a esta
cmara para informar, na qual pede por aforamento
um terreno de marloha ao oeate da estrada aova de O-
linda. Junto ao Pombal, e tendo examinado o docu-
mentos, a ella annexos, entende, que da concessio deste
terreno ao supplicante nio pode resultar a esta cmara
inconveniente algum, viito nio ter elle precito i mes-
ma, e Ollar o mesmo destinado, pela planta do bairro
de Santo-Amaro, para edlflcacoes particulares, como
informa o engenheiro em rhefe dai obras publicas :
portanto, he a commiasio de parecer, que se responda
ao Exm. presidente da provincia, devolvendo-ae-lbe a
peticio, que, i vista destas rasos, nada tem esta cma-
ra a oppor i-pretencio do supplicante
o Sala das sessoes da cmara municipal, 29 de agos-
to de 1816. Alve Ferreira. Barro.
A commissio de edlflcaclo, examinando com
alinelo a peticio da administracio do patrimonio dos
orphios, e os documentos, a ella annexos, dirigida a
S. Etc. o presidente da provincia, e remettlda a esta
cmara parainlormar, na qual pede preferencia na con-
cessio do terreno de marinba, que existe no fundo de
urna propriedade do mesmo patrimonio, sita na ra da
Gloria, a que foi requerido por aforamento pelo cida-
dio Francisco da Silva, nio descobre o menor Inconve-
niente para esta cmara em se conceder i supplicante o
mencionado terreno ; porquanto este nio se fax preciso
i municipalldade, e a planta da cidade o destina para
edilicaies particulares, como inlorma o engenheiro em
chele das ebras publica : portanto, he a commissio de
parecer, que devolvendo-se ao Exm. presidente da pro-
vincia a peticio, se Ihe informe, que nada tem a oppor
pretencao da supplicante, em consequencia das rasoes
expostas.
< Sala das sessoes da cmara municipal, 31 de agos-
to de 1816. Alve Ferreira. Barro.
n A commissio de edlflcaclo, attendendo i peti-
cio de Manoel Pereira do Canto a S. Exc. o presidente
da provincia, e remedida a esta cmara para informar,'
na qual pede por aforamento um terreno de marinha ao
sul da roa atrs da igreja de S. Jos das Cinco-Pontas,
o examinando os documentos, a ella annexos, julga.
que em nada prejudica a esta cmara a concessio do
referido terreno ao supplicante ; porque este nio ae faz
precito i mesme, e, na planta do bairro de Santo-An-
tonio, est elle delineado para edillcacoos particulares,
como informa o engenheiro em chefe das obras publi-
portento, be a commissio de parecer, que, devol-
Obierva^o.
Eotrou para o moiqueiro a galera americina /fo^ I
que, carregada d pimenta, veio da ilba de Sumsir, '
a 15 do me/ pasudo fundeou ao lameirio,piri codc|
tar o bolinote.
Edital.
A cmara municipal da cidade de Olinda i itu im,
em virtud da ti. etc.
Fai saber, que por oflicio do S. Uto., o Sr. presiden.
le da provincia, datado de 24 do crrante mz. |oe i^
commumeado ter a D'vina Providencia felicitado! W(,
imperio com o nascimenlo de urna princiua, qi6 S, ri
a l'mperatrizdao luz, com feliz successo, no da '^
ulbo ultimo, segundo Ibe foi communicado am nll0
da mesma data : e desejando esla cmara, qoe n |,l
rio ai demonitracSe de jubilo, por lio feliz luetaq,
roga aos habitante! de leu municipio, bajo da latimi ]
nar as frental de iuai oaiai oos dial 5, 6 e 7 do me, J
letembro prximo vindouro.
E para chegar ao conhecimento detodoi mandou p*.
ar o presente, que ter publioado no lugares do coi. i
turne e pela imprensa. -
Cidade de Olinda, 31 de agoilo de 1846.
Jote Joaquim de Aimtida Guida
Presidente.
JoUo Paulo Fertira,
Secretario.
Avisos martimos.
vendo-se ao Exm. presidente da provincia a tal peticio,
te Ibe informe, que nada tem a oppor i pretendi do
supplicante, valo o exposto.
Sala da essoes da cmara municipal, 21 de agos-
tle 1646. Alve Ferreira. Barro.
COMMEhCIO.'
Alfandega.
Kkmiimknto do da 3.................8:223028
eicarregaO huje 4.
PatachoProvidencialarinha.
Sumaca5. -Armafumo.
A commisio de edifleacio, prestando a devida
alinelo ao requerimento do cidadio Antonio Jos Viei-
ra, em que pede a esta cmara licenca para, sobre a sua
caa de um andar, n. 16, lita no Aterro-da-Boa-Visla,
que nio tem ai dimentdei exigidas pelat poiturai mu-
nlclpaei, levantar outro andar com vinte palmos de al-
tura, e tem varanda laceadas, nio pode defxar de ae
ODpor a semelbante pretencio. 4 vista dai posturas mu-
nleipaea de 3 de abril do 1850 ; porque, pelo art. 11
til. 4." dai mesmai. nio he permittldo levantar pavi-
mento sobre o existentes as casas j edificadas urna
vex que estas se nio actacm na forma do plano e dlmen-
sfles marcada pela cimera, sob pena de terem demoli-
da! i cuita doi contraventora, e pagarem eitei e os
meitre urna multa ; portanto, anda meamo que o
supplicante quizeise levantar o segundo andar com ve-
randas aacadas e a dlmensSes marcadas, nio o poda
foter. Talvez ai poliuria nesta parle aejo mu exigen-
tes ; porm cumpre observa-lai religiosamente, em-
quanto nio iorein rerogadas, nio pode o sup'pliciote
obler a diipema requerida.
(eral....
Provineial
Consulado.
Rendimknto do da 3.
1:753*663
444*145
Diversas provincial.................. 16*930
2:214*758
Para Angola legue com brevidade o brigua ,
tualidade; recebe sement alguma carga miud: h.
justar, assim como para pusageiroi, com Gaudiao|.i
gostioho de Barros, ra da Crui, n. 66, oucoio
capillo, Manoel Ignacio Corris, a bordo.
=Para o Ai legue, at o dn 6 do crrante, o bri-
i'ue nacional Detpiqut: para carga ou paiiageirot, tr.
ta-iecom o capillo, Jos Joaquim Duarte. ou eos
Machado Pioheiro na ra da Crux. n. 60.
- Para a Babia ahiri esta lemsni o hiato Sanio.
4ntono-Flor-do-Rio: para carga, ou pan pin,.
gem, trata-ie com J- O. Campos, ro do Queiuido,
n. 4. ?
- Para o Miranhio e Para lai, com a maior brevi-
dade poilivel, por j ter parle da carga prompta, o pa-
tacho nacionil Diligente, forrad > e pregado de cobre:
quern no mesmo quizar carregar ou ir de pasaagera,
dirija se a Novaes & C., ra do Trapiche, i.. 34.
=Segue para o Cear com toda brevidade, por la
a maior parte da carga prompta, o brigue Feliz-lhiu.
no: quem no meimo quixer carregar ou ir de pasu-
gem, dinja-ie ra da Cadeia do burro de Santo-
Antonio, n. 25, ouao capillo, a Sr. Manoel Pirein
deS.
- Para a Babia tai, al o dia 10 do correnta, o pi-
Itobo Bomt'onselho; anda recebe carga a frete: pin
o que podem fallar com Novaei & C. oa rus Jj
Trapiche, n. 34.
MM
l.euo.
= Kalkmann & Rmenmund faro leilio, por inltr-
venci do corretor Oliveiri, de lorlimento geraldei-
zendas, proprias do mercado: boje, 4 do corrala, u
10 horas d i manhia, no n-u arma/em ra da Crui.
Avisos di versos;
OLIDADOR.
Aloviiiiento do Porto.
Varios lahidot no dia 3.
Ais ; patacho bniileiro Thtreza, capillo Joi de A-
ragio, em lastro.
Baha; biate brasileiro Nereida, capillo Manoel Fran-
cisco da Silva Araujo. carga varios genero. Paasa-
geiro, o alfares Jlo do Santo Condim, com tua
lenhora e 1 eicrava, Carloa Auguito de Moraei .
Braiileiroi, e a preta Faustina, crioula.
Bio-Grande-do-Sul ; brigue eicuna brasileiro Bella-
Virgmta, capillo Matinal Ferreira Braga, carga ge-
neroi do paiz. Paiiageiros: Manoel Marcell.no de
Oliverra Braga, Portuguer; Antonio Carueiro Lis-
boa. Krasileiro; Leopoldino doi Be'is, com 1 Giba e 1
escrave, e 2 ditoi a entregar.
Araeaty; sumaca braiileira Flor-do-Angelim, capillo
Jos Antonio da Silva carga varios generoi. Pas-
sageiros: Manoel Teixeira dos Sin lo, coro 2 criidoa.
Manoel Fr ncisco de Amorira eomsua senhora, el
filho menor, Bralileiros; Joiqoim Teixeira Duarte
Sampaio, Portugus, com 1 ciento.
O n. 127 achar-ie-ba a venda, ai 11 horas da mi-
nbia, na praca da Independencia, livraria ni. 6e8.
O POSTILUAO.
O n. 14 fez a distribuirlo da mala, e icbi ie ren-
da, na praca da Independencia, iivraria ni. 6 a 8.
Precisa se de um Porluguez. que entends algo-
ma couia do tervico de otaria, assim como do can.po:
na estrada nova da Magdalena, primeiro sitio a iniodi-
reita com portio de ferro, le dni quern precisa.
Aluga leurn litio na eitrada do Remedio, con
rvoredoie boa can de vvonda i margen) dorio.' ni
ra d'Apollo, o. 10, ou na da Alegra, n 18.
Alugio te o primeiro e legundo andar! do aobn-
do da ra da Senzalla-Velha, parede-meia da cu do
Sr. Laiserre, arranjadoi de novo e bem pintado : ''
lar na toja do Sr. Jos Gome L"al.
Aluga-ie urna preta ou preto, que entend dt
eozmba, para todo o lervico de urna caa : na rui J
Cullegio, n. 18, primeiro andar.
Sociedade tlieatral
atipme lense
O primeiro secretario fax saber a todos o Senborn
ocios, que boje (4). pelas 6 1/2 horas dt tarde, bire-
rl iinprelerivelmente sessio. com o numero de socios,
quecomparecerem, pora concluir a discusio do p">*
jacto de novoi estatutoi : em cna do Sr. director, t""
vena do Veras.
=" Precits-se de um caixeiro porluguez, qo. j'
fiador e seja gil para armatem de oaine tecca. p'f"
rindo le algum, qu tenha plica e conhecunentop1,
no millo: na ra da Praia, o. 53. ie dir quan p'
cita.
A pesioa, qoe le julgar habilitada par cobrar
em Goianna urna divida bern documentada, dirija- a
Mirada nova da Magdalena, primeiro sitio a mi di-
reita, com portio da ferro.
ib O abaixo siign.do mostra pelo preieDl6*BaBB"
ci aua monda, e oxtcco seguiote:=angrafti' d''
les e cburnbi, ipplica ventolas, ule., com oiconba-
cimenloi, que indicio o autores de opencoei, a o1
miior delicadeza, que podera encontrar: na I"'"'
a doi Etpoilos, n 8.
Manoel Jote da Silva Bello/no*"-
Noengenho Estrella, comarca do Bio-Formo"0.
pari doui ciemos, um chamado Jlo, naclr Ango.
c que dia ter sido do padre Jos Pereira. i -llecido".
o oulro da nomeLuiz cnoulo.e que dii er da Fraoc',c0
da Coila Guiarles; qnem se julgar leu dono, fl*1"
procura-Ios no meimo engenbo. A pioprielana "
te responiibiliia por morle ou fuga dos mesaos aicrs-
vot.


= Preciis-ie eluger urna eacrsva, para o lervico in-
terno da um caa de pequea familia : no Aterro-da-
Kop-Viita, n.36.
bb Alugio-se daaa eaui Ierren na Boa-Viste, na
roa do Roterio. n. 42, na ra Velha, n. li 1 : trta-
te oa ra da Au'ora, n. 44.
=r Aluga-ie urna negra boa cozinbeira e engomma-
deira; entaboa. leva roupa de varella, e eoze perfeita-
mentx : trata-ae com tea senhor, oa ra da Soledade.
o. 29. ao pe da Trampa.
*m Roga-aeaoSr. Jos da Maia, que (enba a hon-
dadede epparecer oo Aterro-de-Boa-Vitta, fabrica de
lieorea n. 26, para negocio que oio ignora.
h Deaeppareeeo, no da 25 do pastado um cabo-
olinho engajado, de nome Jeronymo, de idade, que
representa ter 10 anona; tem um tignal na parte poste-
rior da cabeca, do um tumor, que leve; tem oa dedoa
dos pt batante abertoa; levou calca de riacado aiul de
algodio, e camisa de algdioiinho : a petsoa, que o
ti ver acortado, e r.*o vier eotraga-lo, sera responsabili-
taJa: e quem o prender o eonduzs a secretaria de poli-
ca, no Aterro-da-Vista, n. 45, que ser recompensa-
do do teu trabalho.
- Joaquim Teixeira Duarle Sampaio, pbarmaceuti-
eo e ajudante da botica do Sr. Bartbolomeo, retira-se
para o Araeaty, a tratar de tua sade; e nlo podendo,
pelo esttdo da mesma, despedirte pessoelmenle de
seus amigos e conheeidut, o fsi por meio deate, tribu-
taodo eterna gralidlo *quellei. que particularmente
ae leem inleressado na aua st'le.
Furlrio*n abaiio assignado, de cima do bal-
cSo do Sr. Victorino, na ra dos Acouginhos, um em-
brulhn, rom aaseguintes obras de ouro ja usadas: um
iigno-aalamio.um crtelo, orna meia-lua com urna ca-
beca, um roiari com crucifitu, um cruciliso, um par
de botdrt I punho, um aonel d'abracos, um dito soli-
tario, urna faquioba, urna correte de braco com co-
raos : por isto o meamo abaiio assignado >oga aoa Srs.
ourivesdeale praca ou a qualquer pestoe. a quemditaao-
bras forem offerecidaa, que aa bajio de tomar, e manda-
las entregar ca roa da Cadeia do Recile, loja do Sr.
Julo da Cunba Magalhles, que, alm de tatitfazer qual-
quer deapeza. que cum a apprebensio delis laf&o, re-
compensara generoiemenle.
Joti de farroi Wandtrltv Jnior.
- Perdeo-se, ou furlrio urna cadella de fra. com
orelhat grandes, malbada pelas costase dos lados, pe-
quena anda e muito esperta : quem a acbar que-
rendo restituir dirija-se ao Aterro-da-Boa-Vista n.
6, que aera recompensado.
Aluga-se um pretn bom amaasador de pi, e que
entende alguma couta de fornear; os pretendeoteadiri-
jao .e ao Alterro-di-Boa-Vista n. 66.
Jos? Joaquim Alves Teueira embarca para fu-
ra da provincia o seu escravo Frncisco, crioulo.
= O abaizo aaaignado fai scientt ao Sr. Fraocisco
Miguel do Siiiueira morador na comarca do Pajahu .
que, no da 30 do prolimo pastado agosto thtgou a
tua casa, pedimlo-lhe, que o comprasse, o escravo par-
I do de nome Jos, que di'pelteneer ao mesmo Sr
Siqueira ; e comquanto o abaizo atugoado tenba pro-
mettido rompra-lo, e muito deteja, que elle nlo to-
me nova fuga todava te nlo responsabilisa por elle.
Sendo, porm, que o mesmo Sr. tenba nesta praca pro-
curador que faca aa suaa vezet, quoira declarar por
esta follia, para que, sendo procurado com mait bre-
idade te trate leste negocio Engenbo Covas, 1 de
telembrode 1846.-Manon/ Lutat de Araujo Ptnkeiro
O Lilliete n. 33o3 da primrita par-
te da lerceira nova lotera do Livrameu-
lo pertence a Jos' Flix da Cmara
rmente! e o den. 1648 a Flix Jos
da Cmara Pirientel.
= Nodia17 do crrente mez, perdeo-te, desde o
Afogado ate oGiqui, urna patrona pequea eon-
lendo urna cdula de IOOOOO ra. branca, porm fal-
da com urna astigoature oo verso Araujo e
maia 451' rt. ein cdulas, que nlo ba certeza em que
notas: quem as perdeo he um pobre homemiobrecarie-
gado de familia, e que vpio buscar um Irete no Recife:
quem aa achou, querendo restituir, dirija-se as Cinco
Ponas, n.71, que se gratificara com 20* rs., ficando
tambem com os 45 rs ; poist se quer a de cem, para o
pobre boniem a oio pagar como boa a quem a manda-
va psra eata praga em pagamento, aonde foi rejeUda.
es Aluga-se, na ra da Cadeia-Velba do Recife, n,
16. o primeiro andar, para escritorio e armaiem oa
uiesma, com a frrnle pera a ra da Senralla Velha.
=0 dnutor en medicina, Cosme de S Peieira, esl*
morando oo bairro do Recife, ra da Ciui, o. 49 ;
d'onde oflereeeoservicodeue profissio, taolo quel-
lat petsoas, que podem grelifica-lo.como quelles, que
sio di jilas do caridade. Estar em casa, pela roaobia
ate aa 9 horas, e pela tarde, das 3 em diaole.
= Maooel Jos Fernandes Barros, escnvlo do |uuo
de paz e da aubdelegacia da freguezia de S. Fr. Pedro
Goncslves mudou sua residencia para a ra da Crui.
n. 48, segundo andar.
Fazem-se chapeos para se-
nhora e meninas, bem feitos e do
ultimo gosto ?- e tambem tonca-
dinhos para meninas; na ra do
Cabug,1oia n. 6.
nes.rn.r.ceo da casa de Arsenio Fortnalo da
Silva, no-lspicio, o. 4, um cachorrinho capado, todo
proto, com urna pequea malba branca no peito, ore-
Ihaa cortadas, de raca ingleza : quem o echar e quizer
restituir, duija-ae a dita casa, ou no Recile defrunle do
Corpo-Saoto, o. 11, que ser* generosamente gra-
iifcado.
ss Aluga-se urna boa casa terrea, com grande quin-
tal, plantado de borlalice, paireirM, figoeiras, romeirat
e mullas oulras aivorea, oo principio da estrada dot A
fliclot, ao p do Manguinho ; urna oulra casa comi
lio corrido, muito alegr e fresca, por ter 4anellasde
vidrece. no becco do Serigado : trala-se na ra da Ca-
deia do Recile, n. 25.
= Arreoda-se um sitio a margem do rio Capiben-
ba. oo lugar da Capunga, com eslribaria para quatro
cavallot. roieira. toa casa. fierl- n orada e eiceHeote
. banbo na ra do Rangel, o. 59. pnme.ro andar.
i Na ruedoQueimado o. 8, cose-se. engoinma
e lava-se com asseio e promptidao por preco com
ojo.
= Aluga-se urna eass terrea eom tresquartos e so-
lio, no paleo do S.-Pedro, com porllo para a ra de
Hurtas : trata-so no paleo do Carmo, sobrado de um
andar, o. 16.
es Arrenda-se a casa n. 84. na ra Velha do bair-
ro da Boa-Vial, com Iret quarlot, duas salas, coiinba
fiira, e bom quintal, com cacimba de muito boa agua :
a fallar com Bernardino Francisco de Araujo Campos,
na venda da ra ealreita do Horario, o. 47.
= Na ra Nova, luja o. 58. se dir quem da 704
rs. a premio, sobre peohoret de ouro prala, ou bypo-
Ibeca em cata terrea. Na mesma loja compia-te urna
podra de tocar ouro, que teja boa.
CDULAS BRANCAS DE 2*000 rs.
= Na esquina do Livramenlo, loja de 6 portas ,
receben se cdulas brancas de 2000 rs. tem deicun
to a Iroco de fazendas.
= Ha pretoa para alugar para todo trrico na
ra Nova, n. 52, primeiro andar.
= Deteja-ae fallar com ot berdeirot do eapitio-mor
Antonio Jote Souto. a negocio de seu intercale ; na
ra do Rangel, n. 17.
= Oflerece se urna mulher para ama de urna cata de
bomem solleiro, que taba engommar, e facer toda
qualidade de comidaa : quem deata mulhei .precisar,
diiija-te ao becco do Aieite-de'Peize, cata, n. 14.
Agencia de passaportes.
Na ra do Collegio numero 10 e no Aterro-da-
Roa-Vista loja n. 48, tirio-se passaporlet para dentro e
forado imperio,assim comodespacbo-seeneraros:tudo
com brevidade.
Na coizeira da ra Nova, o. 61, em casa do Sr.
Augosto Chousiome, aluga-to boot carrol por preco
comuiodo.
Casa da F,
na ra estreita do Uozario, n. 6.
Nesle etlebelacimenlo achio-te a venda as cautelas
da bem acreditada lotera a favor da igreja de N. S. do
Livramenlo, cujas rodas deveo andar infallivelmenle
no dia 10 do correle mez de selembro ; os Iregue-
zet concorrio a comprar o resto deitat cautelas, e con-
ten com boai tortea.
Compras.
Trancelini de qual|uer modelo, anneii, flores li
laa ailorccos pulceiras, brincos &c. ; tudo o mait
bem feito potsivel por preco mdico.
- Deaappareceo do trapiche novo urna barrica com
a marca CR, com 118 lihras.de rail de liro florentino;
a qual eslava despachada para a Rabia, por Jui'Car-
los Ferreira Soares Jnior, e por conla de Critpim
Rodrigue! Coelb. da cidade di Babia. Nlo se sabe
innl fnsse o eilravio; e supp5e- lr embarcado por
eugano em algum desles bsreos, que eslavio a carre-
gar para o Norte, Aracaly e Acarac. e por isso roga-
se o faror a qualquer dos meslres dos ditos barcos ou
oulra qunlqtier petsoa, qu" acbar a dita barrica, de a
remoller para o dito trapiche novo, ou ao Jilo des
pechante, que se pagar toda a despeza, quo com a
mesma se tiser leito.
= Faiem-se quaesquur cortinados, qur de cama,
qurde janellas,qur para decoracOet de h* ile ou soeiada
de; fazem-te quaetquer furac6-s de oadeiras, de sofs,
colzes elsticos, em fim ludo quanto for coo-
cernenle a lapecaria ; e tambem se vai |r tpe-
les e esleirs em qualquer lugar que seje; ludo com
perfeieio e a pre?os rasoaveis; na travessa da Concordia,
n. 13, detrs da torre do Carmo.
sAlugao-se dous sitios, um na ra e oulrn na cam-
pia da Caaa-Forte, ambos com bons commodus; o se-
gundo andar do sobradu ameretlo da ra Augusta,
com sollo e bons commodot; a loja do dilo com tres
portas, propria para venda; urna loginba e urna casi-
nha na travessa do Monteiro; os lerceiro o quartoan-
darea do sobrado da ra do Amonen, n. 13 : trata-ae
no primeiro andar do mesmo.

['itaiT{3a>uKiBoiaoiw,.giaois.:o:-io:^io^:i^:cgjac:ao'.Q
O primeiro secretario avisa aos socios que os bi-
Ibetes para a recita do dia 7 do irrenle se distribuem
oa casa do Sr. theioureiro na ra do Collegio n.
5 oot dial 4, 5. 6e 7.
= Dio-se 100 rs. a juroi tobre penboreide ouro,
ou mata : oa ra do Livramenlo n. 24.
ma Preciia-ie de um ctiieiro de 12 a H anoot,
que tenha pratica de venda : na ra de Agoai-Verdet,
*8- i
Oflerece-se uro preto forro para criado de qual-
quer casa ; o qual coiinha o diario de orna casa, be
muito bom bolieiro: quem o pretender, dirjase
a ra da Cadeia do Recife o. 52
= Urna pessoa, de soffrival lttra o que eterevo
com alguma correnlo deleja empregtr-ie om algum
tervico de escripia ou deconlabilidade ;. qoem de seu
presumo se quier utiliiar dirija-ie a Irtrerie da pra-
ca da Independencia ni. 6 e8.
Precna-te de um cozioheiro perito em ludo ,
que du respeilo a coiinha e que teja forro : ni ra
da Cadeia do Recife n. 52.
-= Na ra do Queimado. n. 4, existe urna carta pa-
ra o Sr. Ricardo e Aievedo e Silva.
- Q Sr. M. L V. qoira lera hondada de man-
da pagar a diminuta quantia de~S900 rs. a M. L. da
V. : e depoii faca que nlo no onh Compra-se um par de dra-
gonas para offeial subalterno da
guarda nacional ; na ra Nova ,
n. 23.
mm Comprio-se escravnt de amhoa oa teiot com
habilidades ou aem ellas ; lenJo bonitas Ggoras ,
pagio-te bem : na ra Nova, loja delerragena, n. 16
= Comprlo-se escravos de ambos os tesos, de 14
a 20 anoot, com babilidadet ou tem ellas; sendo
de bonitas figuras, paglo-ae bem : oa ra das Cruzas,
o, 32, segundo andar.
Comprlo-se 3 escravas de 20 a 30 anoos ; pa-
glo-se hem : na ra da Florentina o. 34.
= Comprlo-se duas escravas, urna que seja perfaita
costureira e engooftmadeira, e outra ptima engomma-
deira e cozinbeira afiancando-se serem iem vicios,
nem molestia, pelo que so psgarao bem : no Aterro
da-Boa-Visla n 36.
= Comprase urna escrava, que tenha leito para
criar, sendo ainda moca e de bons coilumet: na ra do
Hospicio, n. 26.
n Compra-ae um par de dragonas deofDcial supe-
rior, sendo novas e de gotlo moderno : annuncie.
ai Compra ae urna canoa de carreira de bom ta-
ma n lio edeumspio; na ra da Cadeia do Re-
cile loja de Manuel Gomes da Silva.
Vendas.
=Vende-te um bonilo moleque de naci de 12 a
liannot, proprio para p geni ou ofiicio : oa ra
larga do Rozario n. 2, pjimeiro andar.
Vende-se superior rap da fabrica de Jlo Pinto
Cordeiro, oo Rio-de Janeiro : qa ruada Crui, n. 60.
Cal virgem.
Veodem-se ancoras com a mais superior e mais
nova cal virgem de Lisboa que lemos no morcado ,
por preco mais commodo do que em oulra qualquer
parte : na ra da Cadeia loja n. 50 confronte a ru
da Msdre-de-Deoi.
r= Vendem-se bolSes deduraque ; dilos de vellu-
do ; ditos de selim ; ditos de sarja para casaca a 260
rt. a aboluadura; ditos amarellot para cavallaria; ditos
para alltndega ; ditos de Pedro II ; dilos lisos para di-
versos lardsmentot; ditos amarellot para casacas dos
melhores muJelos ; ditos de osso para lardamenlo de
tropa de linha a 140 rs. a groza ; um completo tor-
mento de aviamentol para faier chapeos de senhora ;
papel dourado c prateado ; um tortimenlo do estam-
pas de tantos, em fumo e coloridas por mait bara-
to preco quo em outra qualqu r parle ; bicos e rendas
do diversas larguras-; bonetes para meninos, degus-
to moderno ; facas e garlos de cabo de indo a (j ra.
a duiie : na ra doCahuga, toja de miude/as n. 1 ,
do Francisco Joaquim Duarle.
= Na ra do Rangel n. tt. ainda ha para ven-
der urna correnle paia senhora ; 2 dilas para tiomem ;
relogios ; annelfles; trancelins; cordOet; boles; brin-
cos ; t garganlilha ; 2 estrellas para official; e oulras
muilas obras de ouro de gnslo.
Ven.le-se urna prela de boa figura tadia e tem
vicio algum coie cbio, lava bem de sabio e coii-
nba alguma cousa ; na ra la Cruz n. 3.
__Vendem se 20 accSes da companhia de Beberibe,
pelas entrdss ( 70 por cento ) ; na travessa do Ve-
ras n. 16.
--Vende-se a armaco.c a pe-
quea porc/io de fazendas, da
bem ennhecid* loja da esquina do Livramenlo o. 1 :
a tratar eom o Burgos.
Vendc-se, a bordo do bergantim
ndependente, sebo em rama e carne
nova muito superior, por preco ba-
rato
= Vende-se 5 molequei, de 12 a 14 tonos, duss ne-
gras de 18 a 20 annos, ouas mulatas da mesma idade
eoslureiras, engommadeiras. corinheilas e lavadeirat,
qoalro pretoi, sendo Ires do 20 a 22 annos. e un de
30annt puco mail u menos, todot de muilo boas
figuras : na ra da Cadeia do bairro de Santo-Anto-
nio, n. 25.
= Vendem-se lernos de livros embranco. igualmente
um chronometro do melhor aulor de Londres: na ra
da Cruz, n 13, l.'aodar, escriptorio deRidguayJe
miiun C.
ata Chegou. ba poucos diat, urna porcio do bem
acreditado rap princeza Novo-Liiboa : e porque la-
bio ainda mais luperior do que o antecedente por
itto avia-se eos freguezet, que te acha a venda no Re-
cife :ra da Cadeia, as Injas dos Srs. Val Cunba S Amorim Moraes, Jos Carlot Ferreira Soa-
rel Jnior. eJoio da Cunba Magalhiei: ra do Cret-
po Antonio Domingos Ferreira : ra dos Qaarlen ,
Victorino cGuimariei e Victorino de Castro Mou-
ro: Aterro-da-Boa-Villa Tbomaz Pereira de Mal-
los Estima.
Vendem-se 6 pretil mocil urna dat qoaet en-
gomma, coiinha e cote e2de Irsbalbo de campo ; 2
prelot, de meia idade por commodo preco ; um mo-
leque bom cotinheiro; urna preta, para fra da pro-
rincia : so p.ieu a Ualrii, a. 4.
= Vende-ae urna eterava crioula de 26 annos ,
com urna cria de 14 mezet, e ja deamamada, de booila
figura ; a prela engomma cute cbio cozinha e lava
de aabio ; urna dita de naci Angola de 30 annot ,
eom as mesmas habilidades : oa ra datCruzei, o. 22,
segundo aodar.
= Vende-te um banbeiro francos de te tomar ba-
..bo a ebuva obra muilo bem feila ; um taixo grande
para retinarlo ; um moleque, de 14 annot: na Soleda-
de, padaria n. 14..
Vendetn-se ricos corles devj4dos
de barra angosto da rai^lV^Ticlorra ,
ultima modada ltiglaterjs^na ra da
Cadeia, loja n. 5o confronte a ra da
Madie-dc-eos.
Vende-ae eal virgem em m>iia harrieaa ehe-
gada prximamente por preco commodo ; na ra da
Moda, rmaxemo. 15.
Vende-ie urna morada de casa com muitoi com-
modot para grande familia, dous bons quinlaes, um
murado com baatantaa arvoredos de fructo, estribarla
para Irea cavallot, o pasta o rio no fundo da caaa, oa
povnacio de Reheribe ; outra oa ra da Alegra da
Boa-Visla ; oulra ao p da travesa do Varal oa Boa-
Viste ; urna parte de um aobrado no pateo do Carmo ;
quarenla acedes da companhia do eocaoamento dat a-
goas, lendo-se ji entrado com 70 por cenlo ; tudo por
preco commodo, i dinheiroou a pra?o, por leu dooo
ter de retirar-ie : na roa do Rosario estreita. no segan-
do andar do sobrado, n. 17, do Sr. Jos Domingos Na-
ves, ou oa ra do Queimado, na loja de ferragant, do
Sr, Cordeiro.
= Na ra do Caldeirairo, n. 82, vendem se barre-
linas de leda fina, para offlciaea de guarda nacional,
com apparelbosricos, por 22* rs.; dilas para officiaes
de polica, por 15a rs.; dilas aem apparelho a 4> rs. ;
lilas de oleado a 3. rs.; assim como outroi quaesquer
objecios, pertencenlesa ofOoina do chai eleiro.
A's bellas Pernambucanas.
A' loja de Antonio Lun doi Santos & Companhia ,
na ra do Crespo, o ti, acaba de ebegar um grande
indo tortimenlo de cambraiat para veilidot intitla-
las bellas peroambucaoas-,at melhores e mais mo-
dernas, que leem vindo a esta praca; at quaet toroio-se
recommemlaveii, oio t pelo seu tubido e variado got-
to, como pela lindeza e Cuidada daa tiolat. Na meama
loja vendem-se ricos corles de seda, proprios para noi-
vaa, sar|aa betpanhnlai, sellos imperiaea, mantas, cha-
les e oulros muitos objecios recem-ebegadoa.
DIRE1T DAS GENTES E DI-
PLOMACIA..
Na livraria da esquina do Collegio estao
venda as obras seguintes : Direito
das gentes por Valtel, augmentado de
um lerceiro volunte de nutds por Silves-
tre Piobeiro, publicalo receolemente ; Direito dat
gentes moderno da Europa, por J. Klubur con refe-
rencias ana traladoa e muitos oulros documeotoi inter-
nacionaes, aponladot na obra, em 2 vol.; Direito dat
gentes, por Mailent, additado por Silvestre Pinbeiro,
2 vol. em 8.'; Guia diplomtica ou tratado dos direi-
toi das immunidadea o dos deveret doi mioittroi pbli-
cos, agentea diplomtico e consulares oelo bario
Carlot de Marin, nova edicio muito augmeotada, 5
vol. em 8
=Vend-te urna canoa de carreira de um soplo ,
muito furto : a fallar com Manuel Luii da Veiga na
ra da Madre-de-Dos, n. 36.
N end -se, para fra da provincia urna prela da
naci, bem forte e robusta sem vicios nem achaquea;
para ver e tratar na ra do Trapiche n. 17, por cima
do armaiem do Sr. Jote Teixem Rastot.
Veode-te na loja de ferragens de Joio Jote do
Carvalho ezcellente cera de carnauba em porcio
e a retalho
Vendem-se 4 lindos molequet, de 16 a 20 an-
not, sendo um dellea official de pedreiro ; 2 pardot,
le 18 annot, ptimos para pageos tendo um dellet
quasi branco, de 11 annos ; um prelo, de 30 annos ,
Dom canoeiro ; una parda, de 25 annot, coiinba, la-
va engomma lito o cosa cbio : na ra do Collegio,
n. 3, segundo andar.
Veodom-se 70 saccaacom farinba da trra; urna
espingarda de caca ; um jogo de pialolaa para via-
jante ; urna faca apparelhada de prala, mullo rica;
tudo por preco commodo ; e 1 i oilavas de ouro velho,
tem feilio: na ra do Pilar o. 7.
Vende-se a venda da ra de A poli/), n. 1, de-
fronte das casta do Sr. Angelo, junio ao porto dat ca-
oas, mu hem alregueada ; veode-se por aeu dono
te retirar para fra da provincia com tua familia : a
tratar na mesma venda..
Vendem-se velas da carnauba a 280 rt. a libra,
eemdusiat de velas de vintem a 200 rs. a duiia ;
na ra de Agoas Verdes n. 5.
Vende-te una ca'iioha de msica que toca 6
pecas com repelijio e todat de bom gotlo ; na roa
Direila. n. 9.
as Vende-ie panno verde fino, proprio para bilbar;
urna eaileira de arruar forrada de leda ; macacoi pa-
ra arrumar carga ; encerado! para cobrir generoi : oa
ra do Amorim, 15.
Vende -te, por barato preco urna canoa beta
eonslruida que pega 600 lijlos ; na estrada nova da
Magdalena primeiro sitio a mi direita com poitio
de ferro ae dir quem vende,
No armaiem de farinba do caet do Collegio ,
ba urna porcio de faiinha avariada que terve ptrt es-
cravos e criaefles; vende-te por preco muito ara
conlt.
= Vende-se urna parelba de embonot de ledro, baa-
Unleteccot, pare qualquer barrara, tendo 62 palmos
do compriJo e 6 '/ de grntiura : em Fia-de-Portii,
cata le Gaspar Jos doa Iteil.
=Vendem-ie 4 eteravat mocil com boat babili-
dadet ; urna moleca de 16 annos, que he lecolbida ,
cose engomma, e cozinha ; urna parda de 2o an-
uos ; urna dita de 20 aonoa boa mucama cosa,
engomma e cozinha ; 6 escravoi bom para o trabalbo
de campo e praca ; um moleque de 12 annos, mul-
lo ladino: na ra do Crespo, n. 10, primeiro ao-
dar.
= vendem-se, na livraria da roa do Crespo, a* 11,
i diccionario ciassico de portuguez para aiim; i Cii-
peodo do Direito Natural por Zeiler; Pnmeirot Els>
menlos Pralicos do Foro Civil; HurasMariaoas noa en-
edernacio, os Punlanotda Escocia, 4 voluntas, 3# rs.;
o aovo Compadre Malheus. 3 tolumes. 1 280 rs.; csr-
laa do papa Clemente, 6 voluntes, 4l rs.; 5.o 4* vol-
me! do fanorama do 1839 e de 1840, por di rs ca-
da om
Chale escocezes,
a 2240 ris.
Na loja n. 3. do barateiro da ra do Crespo ao pA
do arco de S.-Antonio veodam-se chales etcoeetet,
(aseada inleiramente nota e do ultimo gosto, com
quadros da diverts crrs o oulros de um lavror ada-
mascado, que appsreotemeote finge seda, oo tooqoim,
por-cujo nmiivn tornio recommendaveis as secboras
em geral. Dao-se amostras drizando 0 complanlo
peohor.
ILEGIVEL


h
Vende-te azeite doce para lu, nic'bor e mais
barato do que j de coco ; e izeite doce fino m gar-
rafSes do '25 garrafas: no depoiito de azile je carri-
pato na roa da Seozalla-Velba n. 110.
Veode-se cera em velns '.o Rio de -Janeiro sor-
timento completo de 1 a 16 em libra em caiaa e
ai libras a catado do comprador: na ra da Somal-
ia-Velha, n. ll, armaren Ij Alvos Vianna.
POTASSA.
Vende-se superior potassa da Russia ,
em barris pequeos ; cal virgem de Lis-
boa, da mais nova, que ha no mercado ,
por prero maito commoilo ; tambem se
vende um resto de potassa da safra pas-
sada muito barato : na ra do Trapi-
che armazem n. 17.
Vendem-se prcgos ame-
ricanos, 11. 4, novos, em bar-
ricas na ra do Trapiche ,
i), a
N. 40, ra do Trapiche um cbronometro para
cario de Londres perfeito e otui bem regulado;
relogioi de ouro patente ioglez muito hoo e bara-
tos ; correntiohas de ouro padrio = Principe Al-
berto-.
Vendem-se csteiras da In-
dia, para forrar salas; lio por -
rel, uno: na ra do Trapi-
che, n. 8.
\ inho da Tenerife, em barris de eicellente
qualidade ; ceneja branca e preta a melbor que ha
= Barclay & Companhia em porcio. ou a retalbo ; e
Go deiapateiro por prego commudo : fende-ae na
roa do Trapiche o. 40.
Farinha SSSF,
da mclhor qualidade, c a ulti-
ma chcgada a este mercado;
venderse em porcoes grandes
ou pequeas: a tratar com
Me. Caimont & Companhia ,
ou com J. al. Tasso Jnior.
= Vendem-se nioendas de ferro para engenlins de
assucar, para vapor agoB e beatas de diversos tama-
nhos por preco eouimodo ; e igualmente tanas de
ferro coado e batido d todoa os tamanhos : da pra-
C,a do Corpo Santo o. 11, em casa de Me. Caimont &
Companhia ou na ra de Apollo armazem, n, 6.
Veiilem-se taboas de pi-
iiho, a 40 rs. o p e receben-
clo-se em pagamento cdulas
brancas de 8000 rs.; atrs do
theatro.
Na ra do Crespo n. 12, loja
nova de Jos loaquim
da Silva IIaia ,
vende-se um novo sortin.eoto de vestidos para senhora,
da rica lateada chamada indianna ; a qual alm de
ler de cores escuras tintas fizas e ricos goatos, tem
nm lemdo que finge ser de seda e o seu diminuto
preco he de 3000 rs. cada corte : ben como lamliem
da fazenda victoria a 4000 is. cada coito ; os quaea
offerecem as mesmas vantsgena aos compradores por
serem escuros, e por isso se toroio recoinmeodoveis
para a presente estacio: igualmente um rico sortimen-
to de casimiras para caigas ; chitas para veatidos; e nu-
tras muitas fazendas que serio presentes e se ven-
daras por prego commodos.
= Vende-se potassa branca de superior qualidade ,
em barris pequeos ; em casa de M'theus Austia &
Companhia na ra da Allandega-Velha, n. 36.
Cortes decambraia
a 2240 rs.
Na loja da tua do Crespo de Guimeries Sersfim A
Companhia vendem-se cortes de vestidos de cambraia,
com 11 covadoa cada um a s<-te patacas. Esta faien-
da be de um (tost moderno ; tem a ezcellente quali-
dade de nio desbotar e be muito barata: qualida-
des estas, que a tornSo assaz reconimendavel aos com
pradores : os pretndanles podem mandar pedir amos-
tras, que se dard sobre o competente peobor.
Tinta de escrever,
a mais superior possivel ; vende-se na roa larga do Ro-
zario, n. 34.
Veode-se cera do Rio-de-Janeiro, sortida de bran-
dSe al velas de des em libra; aires do corpo Santo,
n. 66.
= Venda se orna obra de tbeologia moral, do his-
po Monte por 251 ra.; outra dita do mesmo por
20# rs ; Historia Sagrada por liernardino Freir de
Figueiredo, 9 v. por 6# rs.; Meatre inglez por Con
Unci, 1 v. ,4000rs. ; dito por Jac, 4000 rs.; in-
das estos obras em bom eslado ; papel de peso aaul,
superior, a 4000 rs. a resma : dito almaco stgoods
sorte a 2400 rs. : na prses da Independencia loja
de linos, ns. 6 e 8.
Chales de lanzinha,
padres da rainha da Es-
cocia, a 8,j?000 ris.
Na loja o. 3, do bsrateiro da ra do Crespo ao p
do arco de S.-Antonio ronden-ge chales de isozi-l
nha psra senhora padrCes da rainba da Escocia .
fazenda esta inteiramente nova e que se afiance nSo
ter defeito algum, pelo mdico preco de 2* rs.; por cujo
motivo se toros merecedora da concurrencia em geral.
Os pretenderles podem mandar busiar es amostras,
que re Ibes dsrO deixando o competente penbor.
=Vend-se urna csnfln aberta, quepegeem 1200 li-
jlos de alveoaria muito forte ; um preto de meia
idade proprio para engenho por entender de plan-
tardes ; um par Je rodas novas, propriaa para" earroce
de engenho: a tratar com Manoel Antonio da Silva
Motta na roa de Apollo tanque de agoa junto as
tsizas de ferro.
=VPndnm-se duaa escravas orna deltas psrds, de
a 16 annoa, e a outra preta, de 20 annos de bo-
nilas figuras ; ao comprador se dira as habilidades:
na roa do Hispicio n. 28.
Vende-se orna parda de 30 annos cozinba o
diario de urna csss coae chin e lava bem de aabio e
vnrrella ; na ra da Concordia passando a ponteti-
nha a direita secunda casa terrea.
Potassa.
Vende-se polassa americana,
muilo nova, por ser prxima
mente cheyada, e cuja qualidade
he a melhor, que tem viudo, por
prego commodo : na ra da Ca
deia do llecife armazem n. 12 ,
de Baltar & Oliveira.
Vende se a venda da ra deAgoas-Verdes n. 15,
com poucos fundos : a tratar na mrsma.
> Vende-se a venda daa Cmco-Ponlss, n. 91 : a
tratar na eatrada de Joo-Ferreira, n. 19 indo da So-
ledade para o Manguinbo.
= Vendem-se os segjintes encavos chegados do
Aracaty : sendo 2 mulatinbos de 6 annos; 1 mole-
leque de 7 annos; 1 rr.ulalinha de 10 aonos com
principio de costura ; 1 negrinha, de 7 annos ; 1 par-
da, muito clara que cose e engomma ; i pretas de
16 a 20 annos, eom habilidades; 2 moloques de II
nnos ; 7 prttose pardos de 20 u 23 aonos com
habilidades, ou sem ellas ; lodos por preco commodo :
ns rus da Cruz n. 61.
- Na ra do Crespo, n. 8, loja de Campos & Maya,
vendem-se ricos cotes do cambraia de cores e>curs ,
imitando seda a rainha Victoria a 5000 rs. ; assim
como lindos corles de larlalana bordada e de listras
de corea fazenda da ultima moda pelo muito bara-
to preco de 4000 rs. com 14 covados ; superiores
corles de velludo muilo modernos a 3 e f rs.
Vende-se a armacioda loja de miudezas as
Cinco-Puntas n. 108: a tratar na estrada de Joio-
(''erreira n. 19 indo da Soledade para o Mangui-
nbo.
asa Vende-se urna preta de 18 annos de linda fi-
gura cozinba engomma lava e cose chao ludo
com perfeitio propria para casa de familia por ser
oe boa conducta ; na roa do Collegio o. 3, segundo
andar.
Saracas de cores
o
fxas, a 160 rs. o corado
Na loja da esquina da ra do Collegio de Guima-
ries Serafim & Companhia vendem-se urnas chitas
novas com assenlos escuros de sofirivel pauno eco-
res fizas, a niei* pataca o covado. Esta especio de
chita-sariga he da mesma qualidade daquella, a que,
na Europa preferem para aeu vestuario, as cria-
das de servir e as mulberea de mediocre fortuna : e
como a economa nio so no preco da fazenda como
na duracio d'ella he quem determina esta preferen-
cia deve esta chita ser comprada pelas mucamas e
por aquellas das habitantes d'esta enlacie, que, auppos-
lo nio sejio ebasladaa, tenhio todava ao asseio o amor,
de que em geral sio doladas. Diosa amostras a quem
as pretender. Nrsta mesma loja continua-se a ven-
der, a 800 rs. a vara, o ezcellente brun 'ranees cor
de palha e pardo-escuro em cuja manulaclura s se
ompregou o maia puro e duravel linho ; e bem assim,
s 400 rs., lencos de grvalas, de cambraia muilo II -
nos; lencinhos de cambraia brancos com cerradura
aberta ; diles pintados de recorte ; e oulros eom
barras de cores ; lodos de cores fizas e proprios para
senhora e dosquae- tlar-se-bio amostras, urna vez
que doizem penbores os queasquiserem levar.
Vendem-se 5 casas
terreas, no Coelbo sendo duss granJes, ns ra dos
Praieres fetas a moderna com duas salas nina al-
cova 2 quartos corintia lora quintal murado o ca-
cimba cada urna, e urna dellaa tem um grande quin-
tal com mais de 20 ps de (rucleiras ja dando es-
tribara para 2 carelios, casa de pretos e letrina ludo
de pedra e cal; 3 ditas pequeas, ns ra do Jasmim ,
cada urna com 2 salaa 2 quartos coiinba quintal,
e cacimba ; ludo por commodo preco: na travessa da
Concordia sobrado de um andar n. 5.
Vendem-se 2 bonitas escravas, de 18 a 20 an-
nos de lodo o sertico ; urna dita, que cozinba muito
bem ensaboa e compra muito bem ; um bonito es
crsvo. de todo o servicn e que be gaobadnr e mutto
bom serrador ; um mulatinho de 14 annos, muito
bonito proprio psra pagem ou ofilcio ; urna preta
moca por 350* rs. : na ra larga do Roiario, n.
24, primeiro andar.
= Vende-se um fsrdamento completo psra guarda
nacional do esqusdrio cuntendo 2 fardas, barretina
ebarrelio, tslim, canana, pluma espada, sellim e
correle ; tudo em bom estado por preco commodo :
oa ra do Crespo loja da esquina que volts para s
rus das Croies.
Vende-se urna porcSo de estacas ,
de qualidade com perlo de 25 palmos,
propiias para aterios ; na ra da Flo-
rentina, n, iG.
: Vende se lerinta de trigo, de muito boa quali-
dade em meias bsrricss ebegada, ba poucos diss :
eso casa de L, G. Ferretra & Companhia.
e>
Vende-se, com a commodidade de
se exigir smente a vista metad de seu
valor, e com a permuta de urna casa
terrea, por conta urna grande proprie-
dade com duas casas na frente exten-
sa quintal com arvoredos de fructo, con-
tendo todas as propor?5es para um gran-
de estabelecimento no centro desla ci-
dade tendo excellente porto de desem-
barque e nova frente para a ra do Sol,
que d terreno para outros 3 predios de
90 palmos de frente: a tratar na ra da
Florentina, n. 16.
l\o va pelle do dia bo,
ai^40rs.
Na loja da esqoina da roa do Collegio de Guima-
ries Serafim & Companhia vendem-se cortes de cal-
cas com 3 covados e meio de pelle do diabo por
quatro patacas e meia cada uro. Comquanto julgue-se
ilesnecessario mencionar as boss e encllenles quali-
il ules desla fazenda .porque a primeira porfo que
della se vendeo nesta cass e, ba lempos foi annun-
ciada neste Diario,assaz as demonslrou, assevers-se to-
dava aos compradores que a porcio que agora
receheo-se, excedo em bondade a primeira, tem riscos
modernos, reres escuras, consistencia e grossurs
de. lona ; e Snge bem as modernsscasimiras francesas.
Dar-se-bioos corles a amostra a queraos pretender,uros
vez que deiie o competente penhor.
DE6 PORTAS N<28
1 He chegado nests loja, das boas pschinehai,
um novo e completo sortimento de fazendas, #t
1 como sejio: casias muilo finas, e de padres os jS
fmais engranados ; riscados escoce/es, de cores
bonitas e fizas ; chales de seda, muito superio-
^ res; ditos de lia e seda de eiquisitos e ino-
jh demos gnstos ; riscadinhos muito largos de
^ listras e quadroa miudinhos muito proprios
fpara camisas por screm de cores fizas, e imi-
tando linho ; e oulras muitas fazendas finas ,
feomo sejio : casimiras modernas de muilo
bom (osto e de lia pora ; cortes de eolletes
tj, superiores; e juntamente nm restinho dss pe-
J chinebss do lempo do rei velho. Recehem-ie em
* pagamento as cedulss brancas de 2000 ri., sem
*g descont.
Potassa branca,
da mais superior qualidade em
barricas pequeas, e desembarca-
cada no dia 30 de agosto prxi-
mo passado, vende-se por pre-
go commodo : emeasa de L. G.
Ferreira & C.
Superiores meri-
nes.
Na loja n. 3, do barateiro da rus do Crespo, ao p
do srco do S.-Antonio, vendem seos melbores o mais
superiores mennes de duas larguras proprios psrs
sobre-casacas a 4500 e 5000 rs. o covsdo ; oa quaes
pde-se, som contradicho aaseverar serem os mais su-
periores ezistenles no mercado. Os pretondentes, que
quiterem levsr, ou msndsr buscar as amostras, pronip-
tamente se Ibes daro.
= Vende-ae urna morada de cass terrea no bairro
da Boa-Vista : a tratar no pateo do Carino sobrado
de um sndsr n. 3 Ns mesma casa.se ds dinheiro a
premio em pequeas e glandes qusotiss sobre pe-
nbores de ouro e prata.
Vende-se orna gtiola de rame, moito bem feita .
propria para ombicudo, ou para ootroqualqoer passsro
peqoeno ; na ra Auguata n. 38.
=-\ endem-se 3 redes novas.de pesesria,sendo de de-
ferentes tsmanhos, e juntamente orna, que lom 36 bra-
cas de comprimento e 3 de altura e feila de fio de
macabiba : na ra Imperial padaria o 37.
Vendem-se supemores cor-
tes de barege, fazenda de seda ,
da ultima moda para vestidos,
pelo barato prego de 12^rs. cada
corte ; na ra Nova, n. 12.
ATTENCO!
Vendr-se o lormidasel rap princesa da fabrica de
Joio Paulo Cordeiro & Companhia, no Rio-de-Ja-
neiro. Este up he, sem ezageracio. superior a todo
o rap fabricado no imperio; a sus boa qualidade tem-
Ibe adquirido grande crdito as provincias do Rio-de-
Janeiro e Rio-Grande-do-Sul sonde be bem co
nhecido pele rap Paulo Cordeiro. Os1 amantes da
boa pitada venho a ra da Cadeia luja n.o, de-
Ironte da ra da Madre de-Deos.
=Vende-se a cwt de Sasdsres e JotSo n. 24, no
Alerro-da-Boa-Vista ; na ra Velha n. 56.
Cotins de linho. a
lAAOrs.ocorte.
Na loja n 3, do barateiro da ra do Crespo l0 ^
do arco de S. -Antonio vendem-se cortes de eolios d6
linho poro a quatro patacas e meia o corle. Esta d.
senda be de tal maaeira fabricada de linho sem tnj,[
tora, que se pode, sem admissioda mais pequea con-
trariedade, asseversr e afiancar eos amantes das lai-
das duraliras e econmicas, que aprova do primei-
ro corte sssgursr a prompta continuacio da corru -
reneia a compra dos outros. Dio se ai amostras sob pe.
nhor.
= Vende-se onVcahrinhe de 13 annos; 3 elcr,_
vos, mocos e que sio csrreiros; 4 aegriohss muit0
lindas, com vanas habilidades ; 4 escravas, cozinhei.
ras, Isvadeiras, e quilandeiraa : oa ra Direita, rj. 3
Agoa do Japao
pars o cabello ; tem o preatimo de fszer crescer o ci.
helio e impedir a csspa fortifica os cabellos e os con-
cerva F.sta agoa he bem conheoida oa Europa, e R0.
de-Janeiro aonde tem merecido toda approvaclo, pa.
los seus effeitos Vende-se nicamente, oarusdiCa.
deia do Recife loja de fazeodas n. 55.
O barateiro (Ja ra
do Crespo, loja n. 5, chi-
tas a 140 rs. o covado.
Na loja o. 3, do barateiro da ra do Crespo 10 p
do arco de S.-Antonio vendem-se chitas baratas di
bonitos e novos desenhos a 140 rs. o covado; ditas
sem defeito algum tambero de padrSes novos de
vzcelleotes desenhos a 160 rs o covado; ditas, (ara
bem de padres riesmente estampados em bons psanoi,
a180rs. .seguras de tintas; slgodioztobo a 160 a
vara, bna fazenda e hoa largura ; madapolio a 160,
I80e200ra. de sofirivel qualidade, e largo; dito,
a 240, 260 e 280 rs. a vara o maia fino e largo pos-
sivel ; chitaa finas com deseohos os msis modernos
e eslampadas as melbores fabrioas da industrian
Manchester, a 240 rs. o covsdo. Ha lambem um bel-
lo e rico sortimento de todas as fazendas finas, como
sejio: brim trancado branco, francs, de puro li-
nho o melhor, que ba no mercado a 1600 rs. a u-
ra ; corles de cambraia liodamentt) eslampada, eom
11 covados pelo diminuto preco dsete patacas ~e um ; lindeza para vestidos que imita, pelos seuibri-
Ibanles desenhos, a qualquer lanzinha ou seds s 240
rs. o covado ; cortos de larlalana a 3000 rs. ; gran-
tas de asseiada cassa estampada, a400 rs.; meias gran.
tas. a 2H) rs, ; lencos de cambraia com cercadura,
a 320 rs. cada um ; lindissimas mantas escocesas edt
ti ni psra senhora ,' das mais modernas que pre-
sentemente ezislem; pannos finos; cambraia liss mui-
lo fina. Recommenda-se aoa respeitaveis concurrreolei,
que se dirijio a esla estabelecimento que em nada
desmentir este limi'ado annuncio : e querendo man-
dar buscar aa amostras se ihes darad sob o compe-
tente penhor, ou se mandaruo as auas csssi casas,
acompanhadas de um caizeiro.
Escravos Fgidos.

Fogio, no dia3 de agosto do auno 'prozimo pli-
sado orna escrava de noroe Maroollina, de n.co
Cabinds de 35 a 40 snnos pouco mais ou menos,
alta, magreirona cara comprida mal feita de pi,
eque sio bastante grandes com os furos dss orelbii
rasgsdsi, uo de todo cabellos ainda pretos, mil
enjorcada do corpo e meia bahieira quando andi.
Pede-se, portento a todaa as autoridades, e mesmo ci-
pilies Je campo de a mandarem levar a seu sanbor,
ns ra Isrgs do Kozsrio o. 24, primeiro sndsr, que
se pagara toda a despeza.
Fugio, da casa do abaizo assignada na villa i
Rio- Formoso, oo da 27 dn passado, o preto Benedido,
de nscio Costs, alto, ps grandes e algum lano racb-
dos tslbos as faces lendo de um lado dous e do
outro um desdontado oa frente falla atravesiadi o
fanbosa ; ulga-ie ter ido para essa prega. Roga-se
quem o .pegar, do levar ao abaizo assignado oo ns
roa de S.-Rita-Nova n. 54 casa de Joio Dinite
Silva. =Joaquim Ains da Alnteila F'eitas.
Fugio, do engenho Sicupema um preto criou-
o, de 25 annoi alto, pacbola no andar, radegn
empinadas denles apparados Recommenda-se s po-
'icia e aos capities de campo a apprebeosio.do meimo
es ravo. CJueim o pegar, leve ao dito engenho ou >'
ra de Agoas-VerJes, n. 44, que receberi 50/ n. de
gratificafio,
Fugio, no dia 2do crrante, um molequa ds
nome Sebastiio, de 16 a 18 annos crioulo natural
da Serra-do-Marlinbo; levou um bonete, camisa bris-
ca, de pregas, jaqueta de riscado encarnado, calcas de
listras azues ; tema barriga um tanto grande, *
dente do lado superior podre. Roga-ae a todas ai s-
toridides pohciaese capities de campOj que o app"-
heodio e o levem a rus do Pilar, o. 125 qe ,er0
bem recompensados,
= Desappareceo oa ooita do dia 32 de junlio p-
simo passado di pois daa 8 horas tenJo ido !>< '
limpeza no Becco Largo o moleque Francisco "
oaco Anuola cor fula altura recular cotn umli-
Ibo no rosto do lado diroilo assim como ""'
no p direilo : quem o pegar lave ao seu sanbot
Antonio Joio da Silva oo Recile.
No dia 26 do correte desappareceo 0^ p',lod
nome Manoel,naci Cabinda.baizo.cor pr dundo, pouca harta, falla groass, Um sido anconlM-
do com bonete de panno escuro, esteve Irabalbaodo enj
caa do Sr. Mosquita & Dotra: rogs-ae a quem f
gar, leveo-o a prarja da^independencia, loja,
quesera recompensado.

P.RN. ; NA TTP DE
H. F." DE
FARIA >8/


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E92JP77UY_3L9G9Q INGEST_TIME 2013-04-26T23:01:31Z PACKAGE AA00011611_08386
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES