Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08378


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno de 1846.
Quarta feira 96
O DIARIO puhlics-se lodos os dias que nao
rorem de guarde: o preco da aasignalura lie de
sJaOO rs. por quartcl, pagos adtantadns. O
.nniincios dos assiguantes ao inseridos a ratSo
t 20 ais pOr "oh, 40 ris e-n typo difiereu-
le e a repetires pe metade. Os que nao fo-
rero assignantes |>go80 rita por linba, e 100
ni typ dironle.
PHASES D.A LA MEZ DE AGOSTO.
] ,n- cheia a 7 as S hora e 19 minutos da man.
Miogoaniea lias 8 llorase 31 min. da (arde.
La ora a ll as 0 horas e & mo. da tarde.
docente ailuT hora a 53 minutos da Urde.
PARTIDA DOS CORRF.IOS.
Gofanna r Pamhylia Segundas e Sextas feiras,
Rio Grande do Norte, ebega as Quartas feiras
oo-atieio da ( e parte uas mesmas horas as
Quintas feiras.
Cilio, Serinhaem, Rio Formoso, Pono Cairo e
Maceyd no l., ti e ll de cada roex.
Garanhuna e Itouito a 10 e 34.
Boa-Vista e Flores a M e IV.
Victoria uas (mutas feiras .
OH oda todos os das.
PREAM\R DE HOJR.
Prmeira as 8 horas e 30 minutos da mania.
Segunda ai 8 horas e 64 minutos da tarde.
de Agosto.
Anno 'XXIi
n, *eo.
-
DAS DA SEMANA.
24 Segunda S. BartboIomO auH. do J. dos
orf. e dn J. do C. da 2. y., do J. M da 1. y.
2!. Terca. S Genesco, aud do J do ct. da I.
-, e do J de pal ato l. diat. de t.
20 Quarta S '/.i Icrino, aud. do I. do c.v. da
2. v e do J. de par db 2 diat. de t.
27 Quinta S" Licertn, aud. do J.de orphos, e
do I municipal da t. vara.
18 Seat S Viviano, aud doJ.dociy. da I.
v- e do J. d> paz do I. diat. de t.
29 Sabhado S Hy paci, aud. do J.dociy. da
I. y., e do J. de paido l. dist.e do J. de t.
10 Gaudencio S. Filippe Benicio.
CAMBIOS NO DA55 DE AGOSTO.
Cambio sobre Londres 2Gd. p. IfaGOd
Paria l&o ris por franco.
Lisboa ion "/o ('e premio.
Desc. de letras de boaa firmas I '/a P- '/
OuroOncas hc|iaii'iolas SlfOOO a
a Modasde 6jtno re. lOjSno a
o x de ton noy. ljoi) a
> de 4#000... 9,*>00 a
Prala Pataces....... 14970 a
I Vio< col u mu ares i|970 a
Ditos Maikanos. 11920 a
Miuda.......... tf?40 a
Accesda Comp. do Reberibe de iOiOOO
aomei.
31/500
16*700
16/200
9 10
IJ989
11980
If940
1I7S0
ao par.
DIARIO DE PERN AMBUCO
PARTE OFFICIAL.
MINISTERIO DA FaZENDA.
Extracto do expeliente do da 30 dt maio de 1846.
A' tbesouraria do Uto-de Janeiro, declarando, que
se ruiiipr puntualmente a ordeni da Un sourana, fuo
dada na* do tribunal, com particularidade a da 14 de
oulubro de 1843; que debalde pretendem os tabel-
liiei di itingnir no caso de que s trata os collectorea dol
prueuradori eioliciladoreadoa feloi; debalde, para ar
rogarem direiloa perceher emolumentos da faienda pu-
blica, emprego argumentos derivados dodireilo. que
l Ibei dio o aeus oflictos, para o eobraiem doi particu-
lares, que dependem de leus servidos e carinos. Os
oTn'ios pblicos nio sio beneficios de oinguem, lio cre-
ados e mantidos to lmente para o trrico do citado e
Lom publico A suprema lei netteicaios be, que o servirjo
do eitado todoi o empregados lio obligados indistme-
timeote, cida um em aeu oficio, e pela parte, que Ibei
toca, independentimente du quaeiquer previas gralifi-
caces, e be uta exactamente a condicio essencial, com
que ie conferem o officios, iegundo lo colhe de artigoi
expresso* da legislado enliga e moderna, gem e de fa-
ienda. Cumpre-lhes, poii, ministrar ai cortides, e fa-
rer o protesto!, que Ibes forem requeridoi pilos col-
lectores, porque estes em taes casos lio verdadeiros pro-
curadores, solicitadores e ficaet di faienda publica,
hsrendo-se com toda a promptidfio, e debaiio de sua
reipomabilidade, ficando-lbei em todo o caso salvo o
seu direito de baver dn partes vencidas, e pelo eiecuti-
vo, que Ibei compete os salarios, que Ibes furem
deridos.
dem do dia 3 do junho.
A'tlirinnrari d" Crara, respundendo ao officio de 4
de abril, n. 25, ein que, para exrnelo do regu lamento
do I." i!o drxrnibr do aium pairado, pede esrlarecimen-
tm ae na generalidado da palavra papcia do creditu
de Olio trata o art, 6.9, se cumprehendem ledras de res-
poiiiub-liilode to purlii'iilarca \ e, nene oaao, te a no-
branca judioial doro tirar a cargo da theaouraria pelo
iuito dn fi'iius, e que hounrario deve por iasn percebi-r
i procurador fiscal, e pr que oaixa ae dore faier a dea-
peta, ou ao ai ditas palavraa nao enmprehendem taea
lettras, c oiiio ae devem cllaa sor devolvidas uojuiio,
que aa mandou reoolher pora ae faier cobrar, se decla-
ra: que nem o art 33 da lei de 48 de adumbro de 1845.
liem o rrgulameiiln nililo firerao a menor alleracao naa
diipomce du iliri'ilo sobre a naturea do dcpnsiln pu-
blico ejudioial, qne se cifra '.iiiioararntc na guarda do
objecloa ennfiadoa por ordem das autoridades adniinia-
traiiva ou judiciae, demrle que fiqueni aeguroa, bem
acondeciiinadua e em honi recelo, para seren prompta
e rielmente enlreguca por ordem das mctinas nutorida-
des, teni que u drpnaiiario renba pur issu a icr ingeren-
cia alguina noi negocios deque umanSo etses depsi-
tos; sendo .precisamente cala n dinilriua, que se colhe
luis anigns 6 7, 8 e 10 do rugulaineiilu ; portadlo a.
letlra, da meaiua aorie, que nutro* quace quer papcia
da rreilito, de que falla n rcguliimi'iiiu, l pudeni mi lui-
do entre rin que cali deporiladoa para seren Cobrad
ou | aro oiilro qualquer tni, por urdem ou deprecada
iIj iiicrinn aiilm idadc, que na fci depositar, scui que a
tlienouraria lenbfl no dcallnu dcllaa, ou ua aun cubrau-
ca, a menor interrpiicao, cuiiipriiido-lh-i aaueute exi-
gir a poreenlageiii noarin do levaiitainculo, aegnndu
dmpe o art. 42 rasca ae pode jamis entender, que pe-
lo faci do deposito rariara a ualurcia dae nbrigayfle
pariii-ularca resultantes dcsaaa lettras, para puderciuaer
culradaa como dividas flscaea.
dem do dio 6.
A' ibesnnraria de M naa, oonfurme retolucSo de 30 do
correle tomada sobre consulta da secco de faienda do
eoncellin do estado, se reaponde no oflicui de 48 de
igualo panado, n. 65, que sendo manifreta a irrcgula-
ridade de prorrdiiHriilo na rxeciiciu contra o dereilor
padre Jote Julio do Araujo Vianna, bando contra aa
diapusicre dai leia e contra na iiilerrt.ri legilimoe da
tu- ma, poia que as faiendaa de cullura pcnlioradas ao
di-ri'ilor orlo avalladas com lesao notoria em preco ex-
cen.ilo, e ilepois ailjudicailoa a faicndn contra a expres-
an e bem explcita tilpoSIco da lei no cap. 477 das r-
di'iiauvaa do faicndn, anida ci vigor, dee-e ordenar
lo procurador fiacal e dos feitos pelos meioa compelen-
Ica, implorada, ae fr preciso, pelo privilegio dn rafea-
da a reslitmto sn integrum que Ihe compele, intente a
nullidade da aitjudica<;ao, porque fui feila julgad.-i con-
tra lei expresaa com nbiliuienl" da terca parte, quando
o devrn aer da una'rta ; que, cunaeijuida a uullida-
ile, requeira nova avaliacao rom esculla do ros nva-
liadurcs, que Ihea deem o valor ramavel e emenden) a
leaio, i|ue bovvn na prmeira, por ignorancia ou por
dolaljl prevaricacio ; que, conseguido o expoalo e folla
de noy a nrrcmataco, se proceda na forma das leia r
oriletis do ihciouro, que sto e.laraa a rcaprilo du paga-
mento da Illa c do ile,uno lias fatendas penboradaa, e
no ralo de oulra n se adjudicaren! legalfuenle fa-
ienda nacional.
Idtm du din 40.
Ao ajudanle do procurador doa feitm, reipondendo
o i flicio do 23 de malo, que pilo que acecha dispntlo
no rrgulamenlo de 9 de maio de 4842, he bem claro,
que uta lio desperas a cargo dos curadorea daa lierancaa
jaeentea, pira aereui feitot por coma das auna poreen-
tagena, aquella! que consisten em pagamento de alu-
guea de coaaa ou armasen*, quaadt. ioiem ncccsssrina
pira lerem em boa gualda oa bena arrecadadoa e enlre-
guca ana adroinuiraco, e bem aaaim no paganienlo
de peticea proei.a* para os differentea aoloa do anda-
IPeolo e expediente dos procesada; porquanlo, pelas
ai^-poiicSes dos arligos 8 e 36, expressamente man-
dan abanar aoa curadorea aa deipexai como ouiteio e
cunas dol proeeriuide cada heranoa, aendo aem duvida
laea oa de oluguel de casa ou arraatera. e aa de honora-
rio doa adrugados, que fatera m requerimentos, toda*
na vetea em que laso fr preciso ; e do que diapiio o
arl. 24, que especifica aa inenrobonciaa e obrigacca doa
curadores ou administradores daa herancaa jaoenlea
nlo ae pode doduxir, que obrigacio ae Ibei impuiiha de
laier easaa doipetai.
Comiuando das Armas.
EXPEDIBir DO DU 1.* DO CORRKNTK
(Concluido )
OOIcloAo coronel commaodante do 2. batalhio de
artllharla a p, fazeodo igual communicacao a que se
fea ao commissario-pagador acerca da llceoca do l.le-
oente Pedro Alfonso Ferrelra.
Dito Ao mesmo, cnrnmunlcando, que nesta data
havta concedido 10 das de llcenca regiilrada ao primul-
ro cadete Vicente Ferrelra de Mello e Albuquerque.
Dito Ao mesmo, para qie o ma|or graduado Ser-
gio Tertuliano Caslel-Braoco fosse resgatar a cautela da
najaotla de 3:443/366'rs., que na pagadoria recebeo,
quando embarcou Dar a provincia das Ajagoas, em tO
deoutubro de 1844, para pagamento das pracas, que
nessa mesma occailo embarcrSo, nos metes de outu-
bro e novembro, devendo recolher dita pagadoria as
respectivas relacSes de moilra e folba do oftlciars ;
bem como o remaoeceote da quantla recebida, quando
porventura houvesse, em villa daa casualidades, que
deviso ter tldo nos referidos metes; cumprindo, que
informasse, se eslavo recolhidos ao archivo do bata-
lhio os papis de contabilidad, concerueotes quan-
tla, de que se trata. o
Dito Ao tenente-coronel commandante do 4. ba-
tilhao de artllharla a p, eommunicando, que nesta da-
la se determinou. que tivesse passagem-para o batalhSo
do seu (-ominando o priuieiro-cadele dacompaohia ilxa
de cavallarla, Joaquim Soares de Figueiredo.
Dito Ao mesmo, Intelllgeociando, que o capitSo
Sebastiao Antonio do Reg Barros leve oidem para tn-
tregar-lhe 20 espingardas do adarme 17, com baionetas
e bandoleiras, as quaes pertencIBo ao deposito, que lo-
ra extincto, e Bcavio carregada ao seu batalho.Com-
muoicou-se ao capitao 8. A. do Reg Barros.
Portara Mandando, de ordem de governo impe-
rial, communicada em aviso da repartico da guerra,
de 3 de jultao ultimo, extinguir o deposito de recrutas
desta piovlncla, e providenciando acerca da pasiagem
das pnces pata u l. betalhao de capadores.
Dila Mandando, que fossern recebidas, na quall-
dade de effectlvas do 1." batalhio de candores, 48 pra-
cas do deposito, e na de addidos dous invlidos do cor-
pode permamenles, todas constantes da relacSo noml
nal, queao itspectivo coronel commandante ful enviada.
Dita Mandando elTeUuar a passagem do primeiro
cadete Joaquina Soares de Figueiredo.
Dita Mandando escuiar do servico ao soldado do
4.' balalbao de artilbana a p, Ignacio Antonio de Sou-
ia ; abrindo-se assento ae praca ao seu substituto, An-
tonino do Sacramento, em quem concorrem os requisi-
tos exigidos no aviso de 10 de Janeiro ultimo, segundo
fol resolvldo pela presidencia, em offlcio de 30 de julbo
prximo pessado.
Dita Mondando, pelo mesmo motivo, dar bana ao
cabo-d'tsquadra, Manoel Ferreira Escovar; abrindo-se
aatsento de praca ao seu substituto, lleltor Barbota.
Montevideo. O joven filho do Sr. Hood e um lenle do
vapor, que deirrSo trra, forgo receidos com cor-
diil benevolencia. Ero portadores de ofllcios, que en-
tregarlo ao noiso ministro dos negocios eitrangeiros.
Publicamos mais adianto a intereiianle correspon-
dencia olcial relativa a to fau*to incidente. Estando
pendente da alta consideraclo de noiso governo tio im-
portante assumpto, Nmitamo-Dos a eipressar a nossa sa-
tisfazlo pela sabia e honrada mudanza de poltica so-
brevivanos cnrolbos dos Ilustrados goveroosde In-
glaterra e l'rnnr.i.
No dia 3 do enrrente, o ajudante da capitana do por-
to conduzio para bordo do vapor Dnastation manti-
mentns frescos. 0 commandante do vapor, inleirado do
ohjecto da sua misslo, e de que desejava fallar ao Sr.
ilooii, o apresentou a oslo cavalhoiro, que o receben
cortetmeote, e Ihe disse, que agradeca to Una atiendan
do nnsto governo.
A's 9 horas da noite d 3 desembarcou o Sr. Hood
com o seu secretario. Foi condutido em um coche, e a-
cooipanbado pelo capillo do porto o sargenlo-mr, aju
nte de campo dn S. E. D. Pedro Ximeno, at I c*ss
n fl.'i da ra do 25 do maio, onde se scha alojado o no-
bre hoipede.
O Sr. Hood tere a delicadeza de informar-te com o
mator intereise, na sua prmeira convenidlo com o aju-
dante do porto capillo D. Filippo Laroia, da tade de
S. Exc. o Sr, gnvernador do Sr. mioiitro doi negocios
estrangeiros. e da Sr D. Manorlita do Rosis.
Felicitimoi altamente ao Sr. Hood por sua felit ebe-
gadi a este paii; e noi alegramos muito de ter entre
nos este honrado e Ilustrado cavalheiro, encanegado de
urna misslo to importante e grata, e que na sua ante-
rior residencia em Montevideo deixou antecedentes to
honrosos e recommendaveis na op niio e spreco dos O-
rientseie Argentinos, e dos generaes Oribe e Rosas,
Apenas desembarcou o Sr. Hood, o official-maior do
ministerio dos negocios estrangeiros D Jos Mana
Reybaud foi compnmentar ao Sr. Hood em nome de S
Exc. o Sr. governador e da Sra. D. Manoelila, sua filha,
e o olliciil do mesmo ministerio leve o mesmo encargo
em nomo do Sr. ministro doi negocios estrangeiros.
( Jornal do Commtrcio )
EXTERIOR.
NOTIHS DORIO-A-PRATA.
alISSO DO SENnoR HOOD.
Buenoi Ayrt, 4 dejutho di 1846.
Noticias importantes de Inglaterra e Franca.
Temos de dar com intima saisfarlo noticias impor-
tantes de Frmca e de Inglaterra.
Js diisemoi, que o honrado lord Aberdeen teve enm
o miniiro argentino em Loudres importantes e amiga-
veis conferencias.
O Apollo (ei-sea vella em 28 deabiilem direitura i
Montevideo trazando malas, e petrecbos para a eiqua
dra, e alguna boneni perleocentes aoregimeoto 73. e
ordem para que, desembarcados estes arligos, recebesso
os dous regimentos 45 e 73, que a femtanet devia ter
conduzido.e os conduinse ao cabo da Boa-Esperance.
A conespondenciade Pars al 18 de maio prximo
passido conlirma as latiilactortai e honrosas noticias,
que libamos receido, com importantes detalhes mbre
s (.SrigSTf) cordial dispoaieiln de S. M o re dol Eran
cezei, muito digna e eslimavel. para Com a Confedera-
rlo Argeoloa e para com o general Rosn. Da timbem
s coticia, que noi traem os diarios de Pars, da derro-
ta completa, que loffreo o Sr. Tbiers na disctalo de 14
de maio prximo panado. Descamaras fraocetas, ob-
tendoo mionterioa mais forte miioria.
Em eonsequencia de ajuate* entro os governos de
Franca e Inglaterra, temos a ulularlo de annunciar,
quechegou a esta cidade o honrado Sr. Tbomai Sa-
muel Hood, encarregido de urna miiioeipecial do go-
verno de S. M. B. para a Confederaclo Argentina.
Ni maobla de hoolem 3 do correte fundeou as ba-
lizas exterioras o v^por de guerra de S. M. B Devaila-
tion, vindo em direitura de Inglaterra, .em ter tocado
*m Montevideo, e trateodo a eu bordo o honrado Sr.
Hood. Msnd, u inimediatameote aterra um parlamen-
tario, que foi reeebido com urbanidade e attencio ; e
oa escuna sarda Ninfa, que aabia para Montevideo, foi
um ofikial da Dirailalion, que, iegundo a opnilo ge
ral, letou despachos para os ministros interventores em
AMERICA SEPTENTRIONAL.
Pnrom navio ebegado a H do correle (junho) re-
cebemos noticias de Vera-Ciuz al a data do i.*
Os cnsules das naedes neutras, residentes em Vera-
Cruz, linhao protestado contra o bloqueio daquelle
porto.
O congresso mexicano reunio-se a 27 do panado
(maio). sendo o ex presideote Itustaoiente eleito presi-
denlo do mesmo. Cria se geralmenle, que elle seria
tamhem nomeado presidente da repblica.
II ria-se, que Paredes marchara sobre Malamoras
frente de um grsnde exercito, composio, pela maior
narle, de tropa chamada de reserva. O da da sua par-
tida rom aquelle exercito ji eslava designado, mas an-
da nao se tinba feito publico. O general Bravo oceupa-
' ria interinamente a cadeira presidencial.
Continuav a tuipenslo de .pagamentos, e as cousas
permmeciio geralmenle no peinr estado pomvel.
O governo mexicano lnha convocado urna reuoilo,
com o lm de procurar recursos, os quaes cria-se, que
difficilmente poderilo ser obtidoi ; poii que o clero nio
poda pagar a somma de 20 mil pezos mensalmente, j -
exigida pelo governo ; epor oulra parte, o actual esta-
do dos diversos estados nio he tal, que delles se possio
esperar recursos algn*.
Teem se reeebido (olbas de Nova-Oilens sl o dia
10, as quaes se acha o eguinle :
Ofilhodoger/eralTaylor parti de Nova-Orleans pa-
ra Malamoras com a patente de major general de
commisiio para seu pae.
A cultora do capillo Page, qoe foi tio gravemente
leridana batalha de Palo-Alto, ebegou a 9 em Nova-
Orleans, de caminho para Ponto-Isabel a encontrarle
com seu marido.
Urna carta publicada no Delta, de Pensacola, dizia
iue corra, que o estado da nossa esquadra, em relucid
ao da armada ingleza, que lem sido augmentada, he
muito precario.
Tamhem corra, que apenas os Ingleies soubessem
da declnelo de guerra contra o Mxico, seria um sig-
nal para elles lomarem pone de toda a cosls mexicana,
e que era sua iotencio faie-lo.
A principal porcio da esquadra americana j 4 esta va
na Hba-Verde, e as naus americanes St.-lUary, e
l-'almouih, e um pequeo brtguo eslavao cruzando di-
ente de '1 empico.
(Daily Globe.)
. ..i
N0TICU DO EXERCITO EM OCCOPXCAfi.
Uovumnlo da moilra de- Santa-Fi.
Correspondencia do N. Y Ilerald
Niu-Oilnant, 13 d junho di 1846.
O Galvenon ebegou eita maobla de Bra/os-S -Tia-
go, mis nio Irouxe nottcii de inlerrsie do exercito.
A sada do exercito era boa. O exercito anda eslava
oceupando a sua posicio em Matatnoras e no Forte-
Urown. g
Cbegrio hootem 9 companhias de voluotarios de
Teonessee, que completsrio 12 companhias de gente
tio bem parecida, qual jamis se vio. Provaveloiente
marcharlo lodn no principio da semao.
Do N. O. Tima dt 13 de junho.
0 Calentn WuklY N'twi de 6 do crrante dizia :
0 boato acerca de serem tomados por um bando de
Indios o 100 csrroi, e gneros dos emigrados, que os
acompanbavio, os quaes iio em jornada de New-Bra-
unlels para Piedermales, como ae disse anteriormente
n'oulro numero do Galtuston Ntm he inteirarneote in-
fundado, segundo consta dss carias recebidas de Pie-
dermales em Hoaslon,
Mr. Biahy. engenheirn do Cnlvilon, refere que oa
rapraa New- York e Jamei L. Doy ohegrio a 7 em
Poni laabel. O iillimu fui retido para levar tropaa de
Ponto Isabel para Atrita, no Rio-Grande.
O ejercito catara prestes a mover-ae pelo Rio-
Grande cima, para turnar as pequeas cidadei situadas
na margem do rio.
O Galvrtton trax o tenente Hooe, que pardeo um bra-
'i na batalha do (lia 0, c mu grande numero do doentes
eferidoa; tamhem miiitoi oflleiaei do evereito, que
leean mido para recruiar as furcaa regulares, e urna
porfi de soldados cojo teinpo de servico acabon. Nio
leeni bando mi. ac(des, nem grandes nem pequeas
entre ua belligerantea.
HAVAM, MXICO 3 \UCATAIt.
Pela chegada do barco E.imb'th oapitio Reraingtmi,
de llavana a Philadelphia. roecheirlu-so n.tllencfiaa re-
gulares ile jornaei lieipunlioes para o N York Sitos. As
noticias de llavana ohogavlo at 10 do jiiulio, O ptijue-
ie de vapor infiel, Tny. chegou a4 da Vera Cmx e
Tampic, traiendo 43|.assagoiroa o 19.000 pesos em
monda, e fex-se de vela uo dia seguiile para a Jamaica.
Almonie retiguou sua iussSj de minitro doMexieo
eiu franca.
Mmico. Pelo va| r ingles Tay, em Havana rece-
berlo-ae noticias do Vera Crus e Tampico, at 3 de ju-
nho, nio aendo aigumaa cfellaa maia rcenle do que aa
recebidas aiiieriormente. A corveta JFarram doi Bi-
i.iiloa-lliudoi tinba cbegadii e auchorado em San Blaa,
no Pacifico. Provavelmenle ja teiu ella reduxido a oi-
daile.
Tucofon. Pela chegada dobrigue imiio de Hava-
na rccebOrio-ie noticias de Merida al 29 de maio, aa
quaea adiantio poneos dina. Nada maia se lnha decre-
tado definitivamente no congresao a respeilo do M-
xico.
U Iralado do Oregon. O ffaihinolen Union da 19
de jtinho, o o JFaihinqton National ntelligencir de 20
coulirniio o boato de que u senado ratiAuou o tratado
para compunjan da questau do Uregon,
Din tupposlo corsario mi crusciro Mexicano deo ca-
ca uo Golfo i escuna americana Fairy.
(Boilon Daily Timu.)
Washington, 17 de junho. i 7 1/2 da noi*.
Casa dos representantes.
Consta, que o secretario Mr. W-Iker expedio ordena
aos collectorrs pa>a conceder despachos aos navios ame-
ricanos para Malamoras, franqueando assim aquella
porto e as provincias septentrioDaes do Mxico inlro-
duccio de productos e manufacturas americanas.
N.B.Corre, que o tratado lora confirmado ; mas
ba rasoes para cr-ie, que lora simplesmente remedido
a commiisio de lelacdes exteriores. Se elle tuesto sido
confirmado, provavelmenle poder-se-bia attestar o fas-
to sob maior auto'idade do que o simples boato.
Tinhu su accoidado, que o bil da tarifa seria discu-
tido na casa duas semanas depon do da 22 de junho.
Mr. Poik confiva que a guerra lerminnia dentro
em 60 das. Elle conlava com a mediacio da logia-
Ierra.
If (lAi'eoon, 17 de junho, i 8 1/2 da noili.
Sabe se, que o tratado do Oregon fura ratificado esta
tarde pelo senado.
He pi ova* el, que so faga um rea torio para scompi-
oha-lo.
(Daily Glob.)
INTERIOR.
Kio-de- Janeiro.
Sisho. E*ta he a segunda vei, que o concelho de
ciado tero a honra do npreientar-se ante o ilinmo ex-
celso de V. M. I. para dar parabana a V. M. I. U f.ita-
lo motivo, que boje Irai o concelho de estado i preon-
ca augusta do V. M. I., be o felii naiciaiento de mais
nina princesa brasilera. Maia una prinreta, be diter,
Jiie se ai ba unguiculada a imperial familia do V. M. I. ,
|uo se ai itc.-.drnds : :c!!!5 Vluatll d'-> imoi^rtil
luiidador do iiupcrio. Mais una princea brasileira, be
liter, qno O povo brnsileiro lem maia um penhor de sua
futura grandesa, e proaperidade.
Movido por e.las raafies, e profundamente recoohe-
cidoao muilo atsignalado icatemunho de beiievoleiioia,
com qoe V. M. I. d.gnou honrar o aeu eoncelbo de
rilado em oulra trnicllieute occaaiio, veni u mesmo
Cimcelhu de catado depositar aua pea do tlirono iiupe-
ial suas sinceras o rcipeiiosaa cougralulafSea, pelo fe-
lix aouiilccimenlo, que ruche de praxer a todos us Bra-
stleirns, rogando a Todo Poderoso continu a derra-
mar trrenles de benedee sobre a imperial familia da
V. JI. I.
Vitoonde dt Olinda.
Sua Magealade o Imperador se dignuu responder:
Muito agradavois me sau as expressdea do concelho
de estado, enera oulra ouusa poda esperar de aua ouna-
lanle lealdadc.
Senhor. Orglua fieta da eamare doa deputadoa, ta-
mos a iuaprceiavcl honra do laudar respeitosameaia 4



V. \l. I. pelo prospero naaciracntn da prinoea, que
providencia ae lnnnu cnnceder-nna? c.-nio maia um
smbolo de nrilcn, elemento de p*i, e ponhor de tegu-
ranca t.mpri 'pu>* rminarchicn*.
0 nascimentn doa principes f.ii a-mpro considerad"
cun mu siirceiui d'alti jm|n>rtai cil poltica. Sendo n
heranca doa llirnn.ia eatabolecida poi ulerease d.m p >-
vos, he. ii i ordcni ,;ul.ir da 'cceasio din legjruna
doaccndentes daa dvuaaliae reo.-ulna, quo o firma o ea-
tabilidade daa nionarchiee, e io manteen inalteravcit aa
llllltuicdea ii.ii i. ii" -.
A oamara dua rtopuLirlna, na elfo.Sn do niiii puro pra-
icr, no ineio do publico rigrniju. dirige V. M. I. auaa
respeit"ias iHimcnagena e felicitar/des, prla ineffavel di-
la dn cr V. M. I. aeguuda nv. p ; ncitn aolemne oc-
imm.iii rm que n corceo de V. M. I. ae anha penetrado
da> |rofiina e doces enn.iiVa de ternura eamor pater-
nal. Apreciando devotamente a cmara dna depntadoa
lio rauStii MeCMe, orajtn do peiiaamentn ii.tciiin.il, nu-
tre liaongeirai ehein bandalla* eaperunoa, deque a no-
va vcrg.mlea, creacc ndo pnt entro oa perfumea da uin-
pura moral, .-i aoiubra il.m niagiianim^a virtudea do aeua
enguitni prngonilurea, como boje forma oa delicias da
patria que a io naaccr, um da Ounliibuiri para ana
prolperidadfl : sim, que o amor do poyo, o bem publi-
co, o ntereiM geral da ociedade, lie lei imiHiitavel
o universal da aoberanns, he n agrada c glorioaa miaaao
dua priRoipM aobre n Ierra.
igne.ae, poi,"V. M. I. de acolhor benvolo a eincern
etpntdo doi seiiliuicntna do cmara doa depiitadua, que
nuil uni vei, cura todo o acatainento, vcm depnaitar
peranlo o excelso tlirono do V. M I. a par don auppli-
nes Vulva, que dirige aos reo pala felicidaile de V. M.
I.. ( da ougoala dyiiaati", para que no reinado de V.
M. i. i-i- i .-..li-i-.n na decreloa da Divina Providencia,
que liealino o Rraail figurar coniu um doa priineirna
iiupcriua ilo lliiinil.i.
Pafro da enmura doa ilepoladoa, 30 dcjulhu de 1SC.
.Indo Jos de Moura Magnthdet.
S. M. e iligunii responder:
Siiiniiiaiueoio ino (.. 11 f i.. i jl ni aenlimentoa, que
era nunie do cmaro doa Srs. depuiadoa me manifestis
u'iiin dio de lanlu rigozij poro mim.
A commissio de jusiica criminal eocsrregada de
examinar a proposta do governo tendente a reformara
ieide3dedezewbrode 1841, apreienlou hornero (28
Vjullin) o eguinte parecer:
A commiisAo de justica criminal eximinou, como
Ibe loi ordenado, a propoita do poder executivo que
tem por fim ja corregir alguna deleito, que a experion-
cia tem mostrado haver na lei de 5 do deicmbro de
1841, ja estabelecer alguma* disposicdcs noval, que
tendoma regularisar ea facilitar a administrado da
justica.
pensamentu da proposta nao be tanto urna reforma
completa na legitlaclo existente corno a revisao parcial
e o aperleicoamenlo desa legislacio.
Em materia lio grave, e que lio seriamente pode
afTectar os inleressrs da sociedade, preciso he sem duvida
camuihar lentamente, consultando ag lices da eipe-
riencia.
Foi este o arbitrio salutar e discreto que adoptou o
governo. A experiencia ir indicando os m.lboramentos
que convira depois destes iniciar e propr awembla
geral.
De accordo rom o pensamento da propnsta a commis-
(ao iinpdz-se cono dever >l.-li-r so de quaesquer emen-
das que nao fossern esscnti.es, entendendo que a mui-
tiplicidade de emendas poderla ter, sem vanlagem al-
guma real, o grave inconveniente de retardar o compli-
car a discusso, o mesoio o de desharmunisar a pro-
posta.
Assim beque no capitulo 1. a commissSo redur se
propr tres emendas, urna ao artigo 11, outra ao ar-
tigo 17 e a trceira ao artigo 18.
Como a sessio do jury, depois de installado, pode
deixar de continuar por falta de numero legal de juiz.-s
de fado, paieceo a cnmmisso, que esta segunda hypo-
these devia ser prevista e acautelada na proposta, faien-
do-le-lhe applicavel a inesma dispolicio, que se indi-
ca para ucaio de se no poder inslallar a sessio do
jury.
O artigo 17 da proposta estabeleco, quo em nenhur
procesio poder' haver duas applicar,des da decisio do
jury. Parecoo commissio, que esta disposicao devia
linntar-se ao caso de absolvifo, deixando de compre
hender o decondemnacao, nao so porque as nulltdades
do prncesso e a injustica de qualquer sentenca nao de-
em ctn caso al^um prevalecer como regra, mastam-
ln'iii pela necessidade de dar aos julgamentos toda a
Torca e autnridndc, que elles ileveui ter.
O artigo 18 da emposta determina, que a concessSo
de Aooaas-corpuj nunca lera lugar por nullidsde do
processo.
He verdade, que, segundo a legislacSo em vigor, ca-
loi ha, em que te permute a prisao ante de culpa for-
mada; porm, como urna tal permiasSn no pude subsis-
tir lenio em quanto se forma o processo em um praio
determinado, |ulgou a commissSo, que, na hypolhese
de ser nullo o processo, tmba expirado o tempo. e dei-
lado de existir a caua, que poda legitimar a prisio, e
que em tal bypothese nao podia coos> guinlemente ex-
cluir-se a concessao de urna ordem de habtat corpui,
parecendo-lbe por isso, que o artigo da proposta de-
fia ser substituido por outro.
Pelo que pertenre .o capitulo 2.da proposla, a com-
missSojulgou dever oflerecer enendas aos artigos 20,
2, 26 e 27, e aos $ 1 5. e 6. do art. 28.
A emenda ao art. 20 tem por lim estabelecer dos del
pacboa, que proemem osjuizea municipaes duas espe-
cies de aggravo, o de peticlo, e no auto do processo,
conforme a natureza e importancia dos mesmoa despa-
chos aulorisando o governo para marcar n'um regu-
lamento especial os casos em que deva ter lugar um ou
outro destes i"ecur"oi.
A emenda ao art. 24 tem por fim estabelecer, como
doulnna, que do ordenado dos juizes de diretto devera
deduzir-se melade para os juizes municipaes, no caso
de que estes substiluio aquelles no exercicio de sus
funcvOes, por qualquer impodimeoto, que dure mais de
tres niezrs, e pelo qusl nao devto os ditos juies de di -
reito deixar de perceber todo o ordenado, caso este em
que a sua totalidad* perlencera aos |UXeS municipaes.
Esta doutrina, que alias be conforme a slgumss dis-
posicoes da antiga legislaco. remuoer., sem gravaue
do thesouro do estado, o trah. Ibo dos empregados
que seivem. e so mesmo tempo nio priva dos meios de
subsistencia aos que por impedaos deseoslo.
A emenda ao art. 26 tem por Gm designar o nume-
ro de quatorxe desembargadores para a relacfio do Rio-
de Janniro, e o de se*? pera cada urna dss ontras.
A commissio peosa. que com este numero de desem-
bargadores podera preencher-se sem inconveniente o
servico de cada urna das relacOes.
A emenda ao art. 27 tem por fim tornar facultativa,
e nao obrigatoria e permanente, a divi| da relelo d"
Rio-de-Janeiro em duas secr;5es, e bem ssaim declarar,
que os desembargadores. que em qualquer relelo ser-
ure-n de procuradores da corda, intorvenblo no julga-
mento dos fallos em que no tiverem de fallar por parte
da farenda publica.
A emenda ao !. do art. 28 tem por fim nio tor-
nar oecessario o voto do presidente dss relacSes senio
no caso de ser indispenave| para decisio do leito.
A emendas aos 5." e 6 do mesmo art. 28 tem
por fim estabelecer, que as decisdes nss causas crimi-
naos, e na concessio de ordem de hubtm-corput sejio
tomadas por todos os membros dss relscOes, que presen-
tes ctiverem.
No exame do capitulo 3.entendeo a commissio de
rieorjsa justica. que os magistrtdus, que fos v'doi para (ora da provincia, em que estivessem servio-
do deviio perceber, alm do seu ordenado, nos termos
da legislado em vi^or, urna ajuda de custo pira as des-
peiss da viagem al metade do mesmo ordensdo, con-
forme as distancias.
Alm destas emendas, cumpre h commissio declarar,
que ella nio pOde convencer-se da opporlunidade de
adherir doulrins, que se consigna no art. 34 da pro-
posta, ou sejs porque Ihe parece mais propria de urna
le, que resolvs a questio das incompatibilidades, e de-
senvolv o principio em todas as applicacOes razosveis,
ou seja porque recis augmentar consideravelmente as
despeza* do thesouro sem vanlagem notoria do servico
publico.
Comtudo, como a materia do artigo he por certo da
oais alta importancia, nio se atreve a commissio a pro
por a sua eWminac,So, e aguardando a esclarecida dis
cus8o da cmara, reserva se o direito da oflerecer, se o
julgarconveniente, alguma emenda substitutiva, que
possa conciliar as opinides, que se pronunciarem.
Duque lii-.i exposto. roncluo a eommissi >, que a pro
posta iln poder execulivo devo ser conteitida em pro
|ecto de lei, e approva)la com as emendas, que se ofle-
recem, oa forma, que se segu : -
A assembla Keral legislativa decreta :
(Segue-se a proposta do governo.) .
Emendas da commissio !
Ao art. 11 da pioposta, depois da palavra inslal-
lar acresrei.te-se ou nao poder continuar.
Aoart 17. suhstilua-se peloseguinte : De urna
segunda sentenca de absolvilo, proferida pulo jury,
nio haveri recurso de appellacBo com efleito suspensivo
Aoart. 18, suhstitua-se pelo seguinte, para collo-
r-se onde convier : As relaces nos seus distric-
(os, e o supremo liihunal de justica em todo o Imperio
sao competentes pira mandar passar ordena de habtat-
cor/iMi, quando a prisio tiver sido determinada por au -
tnridades civis, militares ou eclesisticas de qualquer
graduacio, ou categorii, quo seja, que nio eilejio
sulijeilas, como inferiores, i juiisdiccao dos juites de
direito.
Aoart. 20. substitu pelo seguinte : Dos ac-
tos praticados pelos |ui'es municipaes hovera aggravo
da pelicao, ou no aulo do processo, qual no caso cou-
her, para os jui/es de direito, a quem fica competindo
senlenciar a final todos os procesaos que, na lumia do
rlijo antecedente, prepararem os juizes municipses. O
governo h-- autorisado pan designar em um regula-
mento os casos em que devera admiltir-se um ou ou-
tro aggravo.
Ao art 24, accrescenle-se : Quandn os juies de
direito esliverem impedidos por mais de trez meies,
deduzir se ha melado des seus oideoados, que ser! per
i elimo pelos juizes municipaes, que os substiluitem,
peilenrendo a estes todo o ordenado nos casos em que
aquelles nio tiverem direito a pcrceb-lo.
Ao art. 26. ni reluci do Rio-de Janeiro, em logar
de 18 membros, diga-se14 membros.Na relelo
da Babia e l'ernambuco, em lugar de9 membros
diga se7 membros. as relaedes do Ceara, Goyai,
l'ari, Minas, S. Piulo e Rio-Giiode-do-Sul, em lu-
jar de 5 mentiros cada umi diga-se7 mem-
bros.
Ao art. 27, em lugar desera divididadiga-se
poderS ser dividida. K accrescente se no fim, ou eol-
loque-se onde convier: Os desenbargadores que
servirem o ofJlcio do procurador da corda perante as
relacoes intervirao no julgsuienta dos feitos em que
nio fallarem por parle da fazenda nacional.
Aol." do irt. 28, tm luar de -votsrddiga-
se | oder.'io votar.
Ao 5 do art. 28, lupprimio-se.is palmas e
crimes e accresrente-se no fimas crimea serio vis-
tas e examinadas pelo mesmo numero de juies, e deci-
didas poi todos os membros, que presentes esliverem.
Ao$ 6." do ait. 28, depois das palavras hobeai
crput diga-seserio dicididas por toda a relacio.
E o mais rumo est no arligo.
Pa?o da cmara dos depulados. em 27 dejulho de
1846.Antonio Perexta febou A. P. Ltmpo de Abreu A. 1. da Vitga,
Jornal ao Commercio. )
Correspondencia.
Sn. Redactores Ao ler a virulenta diatribe. eshm-
mando as funecues das autoridades temporaes, pondo
cerco em casas, csbalaodo, e Impedlndo finalmente,
que aqu morem todas as possoas, que nio o tem em
seu favor.
Ora, Srs. Redactores, o nosso judlcloso collega nvsta
occasiio ultrapaasoo as rbitas da moderacSo e da ver-
dade, ou para dizer melhor, com a venia do meu amigo,
com incrlvel temerfdade e Imprudencia avancou impu-
ticdes gravisslmas, e outro tanto falsas, e cojo alcance
provavetmeote nio calculou. Com effelto, j hoje est
tio evidente para todos lomo a lux meridiana, que esse
virtuoso misslonarlo, entregue todo aog deverea do seo
ministerio, engolfado oo mundo religioso, por asslm me
exprimir, condux-se como loteirameote estranbo as
funccSes elvis, ou andamento do> negocios puramente
temporaes ; que, applleado a dar cumplimento toa
mlssio apostlica, vive inleiramente affaslado do scu-
lo : dentro da rbita das suas attriboicoes ecclesiastlcas
e apostlicas, em ves de fanatlsar o povo, tem-se es (or-
eado por Incutir-lhe as verdadeirai idelas e costumes
sobre a religiio e o culto do mesmo povo, que elle tem
depurado de todas as fetes da soperstfcio e do fanatis-
mo, empregaodo nos seus sermes tio sement os ar-
gumentos, que Ibe foroecem, em favor da nossa crenc,
o Evangelbo, as opinioes dos santos padres, as sagradas
escripturas, a theologia natural, etc
I) i mesmo modo o nosso correligionario politico nio
poder provar, porque he falso e completamente falso,
que o Itevm. misslonarlo usurpe fuoecdes das autori-
dades civis, quando elle nio eotra nos negocios civis
senio q lando a isso Ihe dio direito a relacio, commer-
cio e harmona, que todos sabem existir entre os pode-
res civil e ecclesin*tico. Como, pois, ser possivel pro-
var-se, que o dito misslonarlo al p5e cerco em casas ?
Cerco em casas I! Que assercio momentosa e outro tan-
to errnea 11
Tambem he falso, que em Pajeh de Flores so possa
morar quem goza da sympathia e acceltacio doSr. Fr.
Caetano ; porque moran aqui algumas pessoas, que,
por esle ou aquello motivo, incorrrio no seu desagra-
do. E demals, nio vi o nobre collega, que esta assercio
torma suspeitas todas as mais, quo com ella avancou ?
O nobre collega nio mostrar talvet urna so pessoa, que
se lenlia mudado de Pajeh por nio ter em seu favor o
Sr. Fr Caetano : logo, de duas urna, ou pde-se nio
ter a amitade do Sr. Fr. Caetano, e todava roorar-se em
Paj< h, donde conclue-se, ser esta assercio falsa e ser
o nosso missionario boa pessoa, porque pude sor Iniml-
go de alguem, e todava o seu adversario poder moral
perlo delle ; ou poucas ou oenhuma pessoa te em Pa-
jeh Incurrido em seu desagrado, donde tambem con-
clue-se, que elle nio he mi, como diz o resto de arti-
go ; pois, a ser asslm, seria logo guerreado ; e, sendo
guerreado, aborrecerla a quem o hostilisa. I'arece-me,
que o dilemma nio di passagem entre as duas pontas,
e que. poilaulo, he lgico.
Quanto is cabalas, a assercio he mais lalsa do que
as nutras, se mais falsas do que ellas pode haver ; e al
admiramos, que o collega, teodo intelligencia tio luci-
da, se lenha capacitado de que o Revm. Sr. missionario
tenha cabalado em favor de algum dos doos partidos,
que actualmente se debellio na arena poltica ; e o ou-
tro linhi Meado immovel e impassivel, sem dar um pas-
so contra o mesmo missionario, e nem ao menos recla-
mar contra elle perante autoridades competentes, ou
pelas columnas de algum dos jornaes polticos desta
provincia. Se o collega, portaoto, est disso convenci-
do, devemos ter a franqueza de dlzer-lhe, que pen-
sou precipitadamente, e sem o menor exame sobre este
ponto.
A vista do exposto j v o collega, e v tambem o pu-
blico tem rusto, que lio filsissimas toda as assercOrs,
que o peridico Nazareno a.' 25 aprsenla em urna de
suas paginas contra oRvm.Sr. Fr. Caetano deGritie-
ii. Pelo que somos de opiniio e des'jos deque sejs o
mesmo Rvm. Sr. Fr. Caetano conservado oeste lugar
como urna columna de pax, e um santelmo de moni pu-
blica, nio valendo a rulo que di o nosso collega para
a sua retirada, quando dii, que um padre qualquer oio
pude ser permanente em um lugar ; porque as relicdes
temporaes, que elle vai adquirindo o desviio do seu
lim, e ateo prostituem, e corrompen!, nio vule, dire-
mos, porquo so a detencio de um padre missionario
em um lugar, e mesmo as vezes tornio poisivel, que el-
le conheca para remediar sertai noeessidades momento-
sas, e acedes temporaes, e de grande alcance publico e
religioso, laei como as intrigas, as mancebas oa di-
vorcios conjugaei, etc. etc., a vista do que a rasio do
nobre colleg, alm de perfeitamente impotente, he con-
triproducentem.
Srs. Redactores as novens passageirss da maledicen-
cia diquelles, que criticio a conducta alheia atreves do
prisma da paixio e do engao dos bem intencionados,
eclipsar, por algum momentoi, a conducta religiosa,
poltica e moni do reverendsimo Sr. Fr. Caetano, mas
logo depois. ellas se esvaererio io sol di verdule, esta
conducta brilhari com pompa e assim nunca a respeito
del la poder o erro ou a malvadeza levantar seu Iluso-
rio tropheo.
Polticos, nos confiados ni prudencis, maduris, e
amor da ordem publica, que caracterisao o meretissimo
Sr preloito Fr. Placido da IWissins, esperamos de sua
caridade, e de quem mais tiver ingerencia neite nego-
cio a cmemelo do Sr. Fr. Cietano de Gratieri nesta
comarca como um penhor seguro de ordem publica,
moni e (eltcidide deite povo. Pensindo nos e o collega
diflerentemenle sobre a relidade dos fieloi imputados
em seu litigo, nio estranbar qu" terminemos os eos-
sos irtigos em concluidas oppostii. Slo modos difTeren-
tes de ver ai cousas.
Queirio, Sn. Redictore, publicar em seu jornal as
presentes linhis "scriplis voluotirias, e singelimeote
porAntonio Goncalvts Lima, parocho interino di
Serra-Talhada. Victorino Ptreira da Silva. Sim-
Ilnvimcnto do Porto.
Navio entrado no dia 24.
Babia; 6 dial, biate braiileiro de guerra Cacador, tota-
mandante o 1. tentte Hermenegildo Antonio liir.
boza de Almera.
Navio entrado, no dia 25.
Camaragibe; 22 horai, biate bruileiro Novo-Deitino
de 21 tooeladas,capillo Evlevlo Ribeiro, equipige'
4. cirga assucare madeira ; a Jos Manoel Martin*.
Passageiros. Jlo Fraoeisco Msrqoes, Rernsrdino
DomiogoiPorto, Fnneiseo Ferrcira da Silva, JOi0
Bento Xavier, Portugueses; Vicente Ferrein, Bri.
sileiro.
Edita!.
= Olllm. Sr. inspector da theiouraria defiztndi
desta provincia, em comprimenlo das ordens do tribu.
nal do thesouro publico nacional, manda fizer publico
que no ultimo de oovembro doeorrente anno finda,pe||
mesma theiouraria, a substituido das olas da segun-
da estampa de cem mil ris, pspel verde, e de vinti mil
ris, papel encarnado, eque detia puc em diante io
serlo trocadas oo Rio-de-Janeiro, na caica di imorti-
llCio. *
Secretaria da theiouraria de faxenda de Pernimbo-
co, lt de agosto de 1846. O oflicial-maior, Ignacio
doi Santoi da Fonieca.
Declaraces.
De ordem do Illm. Sr. Inspector interino daste
rienal se faz publico, que no dia 27 do crrante mex
pelas 10 horas da manbla, se contratara a compra de
urna porclode borrical com cimento, para a obra do
Caes, que le eit faieodo neite porto. Ai peisoas, que
se proposerem vende-las, lio convidadas a compiiecer
nesla lecretirii, com as suas propoitai em cartas fecha-
das, no indicado dia e hora.
Seeretiria do Inspector do arsenal de marinha da
Pernamhuco, 25 de agosto de 1846. O secretario
A^X^ntlr* f"d"ift*i** dn* 4**tia
BBBEBDBB
avisn OS iWiiMMis Bl TlUau.
A administriQio da eompaobia do Raberibe mindi
publicar o seguidle trecho da acia da sessao de 14do
correte :
O Sr. Manoel Goncalves da Silva, caixa di com-
pinhia, apresentou as son cuntas, mostrando o nido
a leu favor de rs. 2:162.860 ; e reconbecendo a admi-
nistracio, que este dficit era devido dita de entra-
da*, e quo nio podia continuar a ter conlemplicio cora
os accionistas em atraso, sem prejudicar ao caixa, ou i
compiohia, resolveo pr em execucio o artigo 9.'doi
estatutos; mil, a pedido do mesmo eaixa, concordou
em espacar ocumprimento delta resolufio at o ulti-
mo dr agosto protimo vindnuro.
Adverte se, portento, ans Sn. accionistas, qusnio
completrio ai suas entradas at 70 por ceoto, que, fin-
do esle praxo, que ser improrogavel, perderle o di-
reito de accionistas os que anda esliverem em atraso,
revertendo as prestarles reilisadas em favor da cornpi
nbia.
Escrjplorio da eompaobia de Beberibe, 26 de ulbo
de 1846. O secretario,
fenlo Jote Fernandos Barros.
= 0 primeiro bitilhio de c aculles de hnbi pre-
cisa comprar urna porcio de calcas e camisas de briffl
branco : aquella! penoai, que as tiverem para vender,
poderdcomparecer no dia 28 do correte mes, ai 9
horas do da, oa secretariado mesmo batalhio, oa
ra de Agoas-Verdes n. 86. = Recife. 25 de egoilo
de 1846. Joto Goncalves Netto, lente agente.
O segundo suppleole do jun de orpblos di au-
diencia as segundas e quintil- feiras na casa dss su-
diencias, as 10 para 11| horas.
Theatro publico.
O beneficio do bartono Joo Tostlli lera lugar bo*
|e, so o tempo permitlir.
O oeneficiido e a Sn. Anna de Oliveira pedem
deseulpa a esle illuitrado publico pernimbucano, se
commeller algum erro oa parte, que execulir, por ser
a primeira vez, que tem a honra de se apresentsr em
publico. A venda dos bilhetei de platea geral be em
casa do beneficiado, n. 11, junto ao theatro, e oo da
da representarlo no lugar do coiluroe. O beneficiado
lem c honra de convidar os >rs. ettudanlea de OhnJi
para aiiiitirem o leu beneficio.
Principiar! ai 8 horas.
Anisus inat I HUIOS.
poda em urna das columnas do n. 83 do peridico Na- P"ct" i>tr,ira Silva. Francisco Xavier de S.
zureno. contra o Revm. Sr. Fr. Caetano de Gratieri, | loaj-uim tioncalre Lima.
missionario capuchinho italiano, residente na missio
da Baixa-Verde desla comarca, ficemos possuldus de
assombro, por ver anda esla vez o mrito perseguido,
em vex de galardoado : be o ostracismo dado a Soln,
ou a cigude ofiViecIda a Scrates no apogeo das luies,
na poca da civilLavio. Esle escripto, em que transpi-
ra o erro mais palpsvel e evidente, despertarla natural-
mente em nos, amigos da verdade, a Indignacio, por
vermos a calumnia, de accordo com a audacia, iccom-
metler e golpear urna conducta illibidi, e a todos os
respeiloi credora doi raalores encomloi ; despenara
dlzemoi, le vendo ene erro inserto nai columnas de
um dos jornaea do grande partido da ordem e da ver-
dade, nao fossemos obngtdos a reputa-loa antes como
um engao, caao, em que so se excita em niSs pungente
dor. por devermos contrariar esta veiumdiquellei, que
obre o bem da patria peosa lio de accordo cumooico ;
o que pastamos a fa-er com siogelea e concilio.
Srs. Redactores, be o Rev. Sr. Fr. Caetano accusido]
de abusar do seu ministerio, fioitisaodo o poyo, lo-1
K-tava recoohecida.
COMMErtCIO.
Alfandega.
Rhndihrnto do di* 25................6:016*355
escarrego hoje 26.
PolacaM aria- Anloniettamercadoriis.
BngueLoper farinhe.
Consulado.
Refidimknto do di* 25.
Oral...........
Provincial.........
Diversas provincias..
i
ae
s> >**
831*328
490a485
2*448
1:326*261
ea Para o Ancaly tai. impreterivelmenle no dis 30
do correte, a sumaca Flor-do-Angeltm, ainda receba
urna pequea porfi de carga: trala-ie com Joi FrsD-
cisco da Silva, oa ra da Crux, armaiem n. 51.
Para a Jtahia sai impreterivelmenle no dia !' <>'
de setembro, por j ter o seu carregamento promplo,0
hule Nereida, lorrado eencavilhado de cobre, l
primeira marcha, ainda recebe alguma carga miud" e
pasiigeiroi, para oque tem excedentes commodos: o
preteodentvs dirijio-sa a rus do Vigirio, n. 5
= Para a Bahia sai, com' a maior hrevidide possi-
vel, o patacbo nacional Ueligenle, por ter miior parta
da carga prompla: quem oo mesmo quizer carregar, ou
ir de paisigem, diriji-soa Nones iCompinbii, oa rus
do Trapiche o. 34.
. Para o Ais sai, o brigue 5.-Manoel-Avg^o,
capitio Manoel SimSes: quem nelle quizar ciiregif.
ou ir de paiiagem, dinja-ie a prafa do comroereio, ou
em can de Luis Antonio Barbosa de Urito a enteoder-
vidide,
e com o meimo capitio.
=P*ra o Rio Grande-do Sul segu com brevi
por ter. parte da carga prompla, o bngue-eieune Bel'a-
Virgmia : quem no mesmo quner carregar, Jj,r,J*"
se a Jlo Francisco da Crui, ra da Senxalla-Velbi.
0-5134. **


r ,
*
5
__ Veode-se o brigue americano Ri-
chmond de i53 toneladas forrado e
encavilhado de cobie e pronipt em
ludo a seguir qralquer viagem. Os pre-
tendentes poden examinar o dito brigue,
que se acha Tundeado defronte do caes da
Alfaiidega e entender-se com os coli-
na tarios, Heniy Forster & G:
sig
l.eila
= Jobo Keller & Companbia farlo leilio, por inter-
vencio do corretor Oliveira de iau bem conhecidae
lerendas de lia teda, liobo, e tlgodio todatde lei e
propriti dette mercado : quinta-feira, 27 do correte,
ai 10 buril de mioba impreterivelmeote oo leo
ariDiiem da ru de Cruz n. 55.
Avisos diversos.
am O cooielheiro Antonio Ignacio de Arevedo, leu-
do de partir pere a provincia da Babia e nSo poden-
do deipedir-ie pessoalmente de todas ai pessoat de aua
imizidt ja pele exigui lade do tempo e ja pela loo-
giiu-lo doi lugares o (ai por eite meio egradecendo
ao meimo lempo aoi habitantos delta provincia ai pro-
raida eomideraclo que Ibes tnereceo ; e grito ai
tuat atteocoes olle'ece o leu diminuto preatimo nt-
quella provincia.
Tem de aer arrematada em praca publica do dou-
tor juii de direito de segunda vara do eivel, uma mora-
da decae de aobrado de um ender no Aterro-da-Boa-
Villa, com 33 pnlmoi de frente, e 120 de fundo, pinbo-
rado e Franci-co Domingos da Rocha, por execucio de
Joaquim Jote Ferreir, aendo a primeire praca oo da
29 do corrente de agoito, a aegunda oo dia 2 de eelem
bru, a lerceira em 5 do meimo mea, ai qua'.ro hora de
tarJe dos mencionados dias. 0< licitantes poderiiO
comparecer noi dias e bora indicados na porta do dito
um.
DE
MARACIJA
E MANGABA.
Na ra atrs do theatro velho, no sobrado
n. 20, est o t. andar preparado emui de-
centemente mobiliado para as senlioras e fa-
milias, cujos chefes as quizeremallicondu-
zir em honesta e til distraerlo, para toma-
rcm sorveles, que achar preparados de
muitas qualidaues, com todo oasseio, e se-
rijo tratadas com promptidio, muito respeito
e delicadeza; das 7 horas da noite em
diante.
Fatem-ie vellidos obapeos e lmenlo tanto
para senbora como para meninas ; borda-se de qual
quer quslidade que leja ; fa>em florea e enfeitei de ca
bello ; e emina-se a faier qualquer doi objectoa cima
mencionados : oa ra do Cabuga, n 9, terceiro aodar
Precisa se de um preto velbo que entend do
ervico de eniada para trabalbar em um pequeo si
tio ; sendo eacravo, aluga-te mensalmente residiodo
o tnesmo no lugar onde he precito ; e leodo forro sr
fara todo o oegocio que se convenoionar: em Olio-
da a fallar com o diilriuidor do Diario.
Preciaa-se de um rapai para caixeiro de um ar-
mazem de geoerot da ierra ; oa ra Direita, n. 18, se
guodo andar.
= A peaioa, que aonuoeiou querer trocar um San-
lo-Lenbo, dirija se a ra da Gloria, o. 89.
Ilujo. 26 do correte, a porta do Sr. doutor uii
do civel da aegunda vara a bora do coitume se ba
de arrematar um relogio de ouro penhoredo a Luii
de Picho Horges, por execucio de Bento Joi da Sil-
va Maga I lia es.
= (uem anouociou ter um Seoto-Lenho para tro-
tar dirija-ie a praca da Independencia livraria, na.
6 e 8, que ae dir quem pretende.
Pede-te ao Sr. juii de orphSo, e jootsmeote
ao Sr. escrivio que faci com que o Sr. Manuel da
Fonieca e Silva faca quanto aoies o inventario da fal -
lecida aua mi viito baver uma orpbii e esta oio
deieja ser prejudicada e oem os oulroa berdeiroi: ao
depois nio se queite do futuro.
Sociedade theatral
L>lelpomenense
O primeiro secretaiio scieotifica os Srs. socios em
geral que boje (26) peli6 boraaemeia da tarde,
ba ic.sao para coocluir a ditcuiiio do projecto de no-
voi es la l uto, Da casa do Sr. director na travesa do
Verai.
fferece-se um criado bomem solteiro de con-
duela regular ; quem o pretender, aonunce ou di-
rija le a ra del Calcadas, n. 44.
Agencia de passaportes.
Na ra do Collegio numero 10 e no Aterro-da-
Boa- Vota loja n. 48, tiro-*e paaaaportei para dentro e
forado imperio,aaiui eoodeipacao-secscravosiiuac
com brevidade.
Troca-se um Santo-Lenho, com
sea documento dado em Roma, no an-
no de i83i ; por necessidade de uma fa-
milia desfallecida : quem o pretender,
annuncie por esta folba.
A uflictoa de encadernacao que o padre Lemoi
e Silva dirige em a ra de S Francisco eoiigemeo
te Mundo-Novo n, 66 achate provida de lodo o
oeceiii rio para o bum deaempeobo de qualquer obra
de eocadernacio por maia rica que aeja, atsm como
tem e aprompta qualquer emblema apropriado as
mesniai obias.
Preeisa-se de um homem ,
que saiba retinar assucar : na ra
da Cadeia do Kecife, n. 50.
Preoisa-se de um bom padreiro para ir pira a vil
la de Pajab-de-Flores; oa ra Nova, n. 25.
= Aluga-te um preto robusto para todo o seivi-
co ; oa praca da Independencia, loja n. 3.
A abaiio eisgoada previne ao reapeitavel publico,
queoioguem compre ou faga trsnsaecio de aualqoer
oatureza com sua mi, D. Mara da Crui Ferreira ,
a reipeito dea eicravaa Antonia, Maria, e Felicidade ;
visto nio te ter feilo partilbas oom a morle de aeu fal-
lecido pai. Felieianna Mari* do liego e S'lva.
Deaeja-se fallar aotSra. Joio Moreira Falcio de
Albuquerque e Ignacio Jos de Moraes a negocio
de leus ioteresses: na ra atrs de S. Rita n 50.
= OlTerece-ao um rapas para caixeiro de ra OU
para outro qualquer eetabelecimeoto para o que tem
luflieiente pratica e que d fiador a sua eoodueta
quem de aeu preitimo ae quiter utliiar dirija -te ao
Aterro-da-Boa-Viita loja de niuderaa, o. 54.
Na ra do Fogo o. 41, eogomma-ie, lava-te
e coiioha-ae para fura ; tudo com o maior atseio e
promptidio postivel por preco maiacommodo que em
outra qualquor parte. Na meima caa tambem se coiem
eoaluras groases e aa chamtdaa da ponte.
7 Preeiia-ae de uma ama com bom leite ; na ra
daa Larangeiras n. 15.
* Para o lervico de uma cala de homem solteiro ,
prcciaa-aede uma mutber preferindo-ae de cor, do-
ta e que d fiador a sua conducta : quem te achar
natas circumataocias, dirija-ie a la do Trapiche so-
brado n. 44.
No botiquim junto ao theatro ve-
lho, continuad a baver bons sorvetes de
fructa e nenie, todos os dias, das 5 ho-
ras da tarde em diante-
-Frecisa*s de uma pessoa,
que se encarregue da cobranca de
duas lettras que monto a 800$
rs. de um individuo morador
na comarca de Garanhuns. Ad-
verte-se,que se faz grande in
Pteresse ao cobrador. Dirija-se a
ruada Cadeia, lojan. 50.
O NAZARENO N. 45,
est a venda, ao meio da, na livraria da praca da Inde-
pendencia, ni. 6e8, e na ra eitreita do Horario cata
iia F, numero 6.
O povo deve procurar lor, porque vem nelle a denun-
cia de inauditai tracOei, que Ibe querem pregar 01
praieiroa.
= O abaixo aiaignado, conbecido por Gonctlio ,
vendo o annuncio do Sr. Guerra, que di, que um Gon-
calo de tal, oflicial de juttica, delle recebera urnas apu-
datat, para receher dinheiroi. que Ibe perlenciio, c
que nio tem dado coota dai ditas apudatas, e com ellas
recebendn dinheiroi, nio tem entregado ; vem o mei-
mo abaixo asiiitoado declarar, que nio i>e elle a quem
e refere aquello annuncio do Sr. Jos Alvea Guerra.
isto para que. por engao de oome, por semolbaoga,
nio Gque prejudicado.
Gnenlo F i ancuco Taarte.
A peaos, que, oodia i\ do corrente, foi na ra
do Collegio, e levou a cbave da caa, o. 30, lita na ra
Bella delta cidade. para ver te Iheagradava para sua
inoradla, at boje a nio eutregou, eisiin quftira dar 10-
lucio daite negocio, alias ver o seu oome publicado por
esle Diario.
= Perdeo-se um alfioele de peito, de ouro lavrado,
com um diamante no meio, desde S Pedro Novo da
cidade de Olmda, ra d'Amargura, ladeira do Vara-
douro, S Therea e estrada nova, at a paliaren), ou
no desembarque delrai do theatro velbo, em odia 12
do correte : quem o late* acbado, e quiter reitituir,
poder entrega-lo oo segundo andar, por cima do bo-
tiquim ati As do tbeatro velbo, oa caa, que tu esquina,
que ser recompenaado.
O abaixo asiignado fax sciente ao reipeitavel pu-
blico que Ibe consta, que umaa pretaa e molequea ,
que veodem velat de carnauba inlitulioti ser da
cata do Loureiro para aa poder vender, eniinidat por
leus tenbores ; quando o abaixo asiignado s tem uma
prtta a vender, e eila ja be bem coobecida pela maior
parte doi habitante! desta cidade e as mais tio fal-
tas. Joo da Si!>a Loureiro.
Arrenda-ieum aitio na estrada dos A111 irlos .
defronte da igreja com uma grande caa de vivenda ,
toda reedificada e pintada de novo, com um grande
quintal murado e mu i toa arvoredot de fruclo de to-
daa t qualidades, com terreno e espaco para plaota
cea e baixa para capim : a tialar no eteriptorio de F.
A. de Oliveira & Filbo, na ra da Aurora n. 26.
Alugo-se ai teguintet caiai : 2 sobrados de 1
aodar com solio, todos pintados de novo oa ra do
Sol ot. 23 e 25 ; os terceiros aodaree doi aobrados
oa. 4e6do Aterro-da-Boa-Vista por 300,000 ra,
annuaea ; o segundo andar.do lobrdoo. 20 da ra do
Rosario; umiol.radodeumandar.com solio, loja
e quintal grande todo pintado e caiado de oovo Da
ra do Sebo, n. 50, por 300,000 n. aonuaet ; uma
cata terrea com commodoa para grande familia oa
ruada Uniio, n. 3; 2 ditaa pequenaa oa ma do
Sebo, na 52 e 54 por 8000 rs. mensaea : a tratar oo
eicriptoriode F. A. de Oliveira & Filbo oa ma da
Autora, o 26.
. Faz-se grande inleresse a
qualquer escrivo de cartorio on-
de esteja urna escriptura do en
genho S.-Jos as margens do
rio Satuba da provincia das Ala-
pas, por possuidor Sebastio
Dias Maineles, ou escr-ptura de
sesmaria ou outra qualquer es-
criptura antiga que d as con
fiontacdes do mesmo engenho ;
e escriptura do patrimonio no lu-
gar do lliacho as margens do
mesmo rio, do Reverendo Jos
Correiados Santos. Sendo appa-
reca, annuncie, ou poder quem
descobrir dar parte no pateo do
Hospital do Paraizo.n. 18, para se
mandar participar a quem preten-
de saber.
Dentista.
M. S. Mawioo, eirurgo dentiatt, participa ao rei-
peitavel publico que pretende litar uma viagero para
Inglaterra pelo fino deite mez e por isto coovidt a
todos os Senbores, quequiterem utar do aeu prettimo,
nio se demorem em procura-lo, que abi est o na-
vio Stoard-Fi'i.pde sor aiuc tbida aprestada, e a aua
demora fura desta praca te eiteoder a maii de 6 me-
tes. Na ra Nova n. 2, segundo andar.
Concertio-te as alampada cbamadat crceles ,
com machina ou tem ella com toda a perfeicio
promptidio ; rripooiabilitando ie o concerlador pela
falta do andamento e por preco commodo: oa tra-
vesa da Concordia n. 13. detri .da torre do Larmo
Precia-te de uma preta eterava ou forra, para o
servico interior do uma caaa do pequea familia : a tra
tar na ra do llrum. n. 6, segundo andar, ou annun-
cie.
Desnja-ie fallar com a peatoaquo fes o annuncio
por eile Urano, em 26 de julho de 1838; tobre um
escravo fgido de nom Antonio Muribeca, oom que
lioba por ter perteocido ao fallecidojjoio Paulo, vigario
da Muribeca : oa ra Imperial o 67.
Quem pretende comprar um baoamarte de broo-
te, oa ra Imperial n. 67 Ibe pode ter indicado quem
tem.
= Na noite de 22 para 23 du corrente mei, do si
tio de J. Paln, na Pasiagem da M receo um cavallo rodado sujo, tamaito regular e oa-
pado quem delle souber avisar no meimo litio, ou
a M. Carneiro, que recebera do grat.ficaQio 60j000.
Aluga-ie uma caa terrea com tula >, quintal,
o cacimba, na esquina da ra do Noguetra a qual
empro lera servido de venda para o que tem muito
boas propendes : a tratar oa praca da Independencia ,
livraria ni 6 e 8.
SOCIEDADE
33iaa!a-i>3aa3 A commitsio administrativa ruga aot Sri. accionis-
ta em atrazo, hajio de quanto antet realisar o paga-
mento das quantiat que esto devendo ao theaou-
reiro o Sr. Delfino dos Anjos Teixeira .* poit que na
prxima reunio da sociedade em 20 de selembro
prximo futuro tenciuna a commisiio apreaenlar i.
elacio daquelles accionistas que nao liverem aatit
feito seut dbitos ; apetar de tolemnemente obriga-
doi comauat aitignaturai no contrato do empreati-
mo voluntario afim de se por em execucio oulraa
providencala reipeito.
Na ra Nova n. j8 o na ra do Collegio, ho
tica de Cypriaooo Luii da Pat ae dir quem da 350;
ra. a premio com bypolbeca em cata terrea ou com
penbores do ouro ou prata; a-sim como quem vende 1
prelo de meia idade muito em coult.
__ Alugio-ie dout titiot, um na roa e outro na.
campia da Cata-Forte ambos com boaa accommo-
dacei; o tegundo andar dotobrado amerello da ra
Augusta, com tolio e n uitoi co'cmodot; a loja do
dito tobrado, rom 3 portal de frente, proprit para
venda ; uma loginha no oilio do dito tobrado ; os
lerceiro o quarlo andaret do sobrado da ra do Amo-
rim.o. 15 : t tratar oo primeiro andar do meimo so
brado.
= O abaixo asiignado fu sciente que pessoa al-
guma faca transaccio com Bernardo Roque, sobre uma
lellra da quanlta de 84.525 rt. acceita pelo tbtixo
asiignado. Joti Miguel doi Sanios.
Enainio-se meninas com toda i perfeicio as
primeirst lettras gtammattea, arithmetica doutrina
christa coier, marcar, bordar e fazer lavarinlo ; at-
tim como tambem ensinio-se meninos tao'.o em par-
ticular como em auas caas, por te ter bsstante pratica:
quem te quiter utilisar, dinja-se a ra da Conceicio ,
n.26.
Aluga-te.na ra da Guia uma casa nova aca-
llada om dial do corrente mer de agoito de um aodar
e aotio mui bem repartida com vala de ma; ; faz
Irenle para ai dual ruat da Guia e Apollo, com excel-
leole armazem, proprio para qualquor ettabelecimento.
como tambem para aitucir : a tratar no Moodego ,
oa caa dos berdeiros do fallecido Quareima.
Aluga-ie um moleque ptimo para lodo lervico,
tanto de caaa, como de ra : na rut daa Trincheiraa,
n. 46, primeiro andar. _
= Aluiio-se duat casaa tarreas, no sitio do Cordei-
ro, margem do rio Capibaribe, com bastantes con.
modoi para familia, estribara para cavallos. etc. : o
pretendentei dirijio-se ao pateo do Carmo, o. 17, a
Lll.r com Gabriel Antonio.
= Aluga-te o tolio do tobrado da ra Nova n. 5.
com rommodos para familia ; a tratar oa loja do mes-
mo sobrado.
-Rogase ao Sr. J. T.S.B.o lavor de mandar pagar
a Sra.D. Maria Francisca Monteiro o aluguel, que ficou
devenuo.de umauooe tantosdias,dacaia,em que morou,
no lugar do Maoguiobo,se oio quer, que teu fiador te-
la executado, ou que pague por elle. Adterte se ao di-
lo Sr., que, se o nio fuer, paliar! pelo desgotto de
er o leu nomo publicado; e que quem obra aatim, fice
desacreditado, e tem merecer, que Ibe coofiem ou o a-
booem em coma alguma.
= Aluga-se para paitar t feta ou por aooo .
uma "caa oo Poco defroote da igreja com commo-
doa para grande familia : a tratar com a dona, na mei-
ma casa.
Fazem-se quiasquer eortioados tsoto para ca-
mal como aoellas e mesmo para decora(dee de salea
de bailea ou de tociedadea : fatem-ae tambem fura-
c5ei de cadeirat, de qualquer feilio que teji ; col-
cbSeilaiticoa de lodosos tamanhoa ; e om im tu-
do quanto he cooceroenle a tape^eria : tambem p8e-
e tapetei, e elteiraa ; ludo com a maior promptidio .
a por preco rasoavel. Na travesa da Concordia o. 13,
detrs da torre do Carmo.
Preciva-se de um caixeiro de ra : oa fabrica de
licores na travesa da Concordia o. 19. *,______
Compras.
Compra-te um bacamarte de cano de bxoozev
obra muito bem fetla da que te coituma o coceara
meoder; paga-;j :.em ; quem tiver, annuncio. >^.
= Compra-te um escravo de afio que teja u*o-
co e reforcado; preferiodo se um que eoleoda do ler-
vi(o de ptdtrit <: oa ra Direita padtrit o. 82.
= Comprio-se escravos de ambos os sexos ; na ra
Nova loja de ferragent, n. 10.
= Compra te umt negrinbt, quettiba fuer ren-
da ou lavarioto : na ra da Aurora o. 36, ae dir
quem quercomprar.
Compra-te, em bom uso ti iottituicOet de di-
reito cambial por Ferreira Borges; cdigo commer-
cial pelo meimo Borgei; oovo trat-do de arithmetica
commercial ; o tmigo doi euriosot ou methodo de
tollejo e caoto por J. M. Navarro: oa rui da Crux ,
casa amarella n. 9 primeiro andar.
-> A direceo da sociedade
theatral Melpomenense compra,
para seus divertimentos, vestidos
feilos ou em pegas de vellu-
dilho, velludo, ou setim, borda-
dos a prata: quem os tiver, an-
nuncie.
Compra-te um sellim para montara de aeobora,
que etleja em bom estado ; na ra da Cruz no Ke-
cife armazem n 43.
^((1
Y Na praga da Independencia livraria ni. 6 18,
vendem-te ai aeguintea obrat em francez; Estado de
Inglaterra, escripia ofhV.ial e puhlioada pelo goyer- ,
no ingle ; Droz, applicacio da moral poltica; Gui-
so! das conspiraras ; Lnaiu aobre a oomeclalura
por Bentbam ; Fenelon dialogo doi mortot ; Prio-
oipioi de economa poltica por Carien Nitet Fila.
Vende-te tal do Ais : i bordo do pataoho Ama'
tonat, defroote da Liogot ta.
= Vende le um molatinbo de 14 a 15 anuos mui-
to bonito, e proprio para pagem, ou officio; um bonito
eicravo mogo, bonita figura, de todo o lervico, e mei-
mo para o de campo; un.a mulata dulSanuoe, e umt
eterava de 18 annoi. bonitaa figdrai, com babilidauei,
e uma dita moca, de todo o servico, por 350# ri. ; ot
ra larga do Rozano, n. 24. primeiro aodar
Vendem-ae multo boas bichat. chegadat ltima-
mente de llamburgo aa melboret, que ha no merca-
do aoi centoa e a retalho ; tambem mandio-se ap-
plicar por aluguel, por menos pre?o do que em ou-
tra qualquer parte : oa ra estrella do (otario, venda
do becco do Rozario n. 11.
- Vende-so um eacravo de naci de 25 annoi ,
de bon ita figura seut vicios nem achaques; o motivo
da vende, ae dir ao comprador ; ot rut di Florenti-
na, n. 3.
js Veode-ae uma eterava parda com uma cria da
7 annoi ; oa ra da Cruz n. 45, em casa de Naaci-
iiiento & Amorim.
Vende-te mperior maoleiga inglett. i 960 rt. ;
dita franceza a 640 rs.; ateile doce, t 3520 ra. a ca-
ada ; dito de coco a 3200 rs. ; dito de ca rpalo ,
1600 rt ; presuntos ; paios ; lingoictt; bolacbinbat
final de Lisboa ; familia de araruta ; tapioca ; sa-
g ; cevada ; macarrio ; talharim ; tlelria ; ootei;
amendoas; queijot novoi; panas; e lodoi ot mais
generes de venda por preco commodo : na ra No-
vt, venda n 65.
= Vendem-te dual negrinbn, mui lindas com
varias babilidadea ; 4 ditaa lavadeiras coiioheirat
eogommadesras ; 2 eteravoa carreirot. mocot, e com
onitai figuras ; 3 dilot optimoi part todo o trrico:
oa ra Direita,n, 3.
CAL V1RGEM.
Vendem-se ancoras com supe-
rior cal virgem, de uma das mais
acreditadas fabricas de Lisboa ,
chegada no ultimo navio por
prego mais commodo do que em
outra qualquer parte: na ra da
Cadeia, lojan. 50, confronte a ra
da Madie-de-Deos.
Na ra Nova, loja n. 8, ven
dem-se folhelos de instruceo pa-
ra caeador.
aa Veode-ie polilla branca de mperior qualidade,
tm barra pequeoot ; emcaaa de Malbeui Austio &
Compaobia na ra da Allandega-Velba, o. 36.
Vende-se um preto bailante ladio e proprio
pira todo o lervico; ni rut da Senzalla- Velba, n. 138.
= Vende te um paooo verde mperior para forro
de bilbar ; uma cadetra de arruar forrada de aeda ;
macacoi para trrumar carga; encerados para cubrir ge-
oerot : oa ra du Amorim o. 15.
Veode-se uma etciava, de 24aonoi, pouco mait
ou menoa eadia e de booita figura ; na ra da Ct-
deia-Velha o. 50. .
Veode-te om preto bom carreiro de bonita fi-
gura postante de 20 a" 22 aonoi pouco mis ou
menos ptimo para pagem e que entend de todo o
servico ; um prelo de meia idade por 200,000 rt. :
ai rut da Concordia paitando a pootezinba a direi-
ta segunda caa terrea.
__Vende-se um endiente muletir.ho proprio pira
officio, ou pagem ; oa ruado Quelmado o. 53. Na
incima casa precisa-te de uma ama para o tarrico da
uma cali de pouca familia.
Vendem-te 6 pretil umt das quaet engomma ,
corintia e cote en outral lamt.em coziohto e lio
boaaquitaodeirai ; 2 pretal bem robuitot um delle*
veode-se por birato preco por wr de meia idade :
no pateo da Matcii, o. 4.



i
4.
800
Vende-so urna- mccbina de vapor ; urna dita di
laxer lijlos* urna SBtTOris vertical; um manojo ; a vis-
ta do comprador se ra loJo n negocio: do Aterro-da-
Boa-V"la d. 3
Vende-se um carro de 4 rodas com seus compe-
te/ites arreios e em muito bom estado ; no Alterro-
da-ttoa-Vista, coche.lra do Miguel Seger.
.p- Voodern-se 2 ce va Ilos rucos eosioados para
cuyo; n.i travesa do Yero, n 16.
Vndese uma (reta de naci Angola de .10 a
40 annos, que cnzinba o diario de una caa, por preco
com modo que he para liquidar uma coota; na rus
largado Rosario indo pira os quarteis luja n. 22.
Brins franceses,a
rs* avara.
Na loja do passo da esquina do Collegio, com frente
para o largo da Cadeia vende-se brim trancad bren-
co. francez, a K00 rs. avara. Esta fazenda he muito
enrorpada,'' du hnho iulcirauentc puro;e por isso mul-
to duravel.
= Vendem-se 20 escravos de ambos os sesos, de 4
a2Usnnos. com labilidades e da bonitas figuras ;
urna parda, de 20annos, de nptima figura, que cngom-
ma muito liem. cose o connha ; que d-se a con-
tento e s s vende para fra da provincia, ou para
algumpngenho : na rua Nova, o 21, segundo andar.
Vende-se azeit doce para lu aielbor e mais
barato do que o do coco ; e azeite doce fino em gar-
ra(5es do 25 garrafas: no deposito de az Me de carra-
pato na ra da 'senzalla-Velba n. 110.
Vende-se cera em velas do Rio de-Janeiro sor-
timento compiulo del alGom libra, om caixas e
as libras a vontide do comprador : na ra da Sema I-
I i-Velha, n. 110, armazem do Al ve, Vianna.
r Vende-se vinho de Lis-
\< boa, de quinto, tanto ||
brai co como tinto ; bi-
chas relas, muito boas,
por preco em cunta : na h
M ruadas Cruzcs n. 41.
Cortes ele cambra a
a 2240 .
Na loja da ru do Crespo de Guimsrai'S Scrsfim i
Compsnhia vemlem-se corles de vestidos decamhraia,
com ll Dotado* cada um a 8't patacas. Estu fmen-
da he de um tost moderno ; tem a escolente quali-
dade de nio desbotar ,. he muito barata: qualida-
des estas que a lornAo assas rerammendaiel aos com-
pradores : os pretndanles podem mandar pedir amos-
tra, que se dura sobre o competente penbor.
= Vende-se uma preta de nac,o da Cosa, de 18
anoos, pouco maisou menos de bonita figura, co-
zinha o diario de uma casa engomma liso he muito
diligente e boa quitandeira : na ra do Queimado ,
o. 32.
POTASSA.
Vende-se superior potassa da Unssi.i ?
cm Larris pequeos ; cal virgem de Lis-
joa, da mais nova, que ha no mercado ,
por preco muito cumiiiodo ; lamben) se
vende um reslo de potassa da safra pas-
eada muilo barato : na ra do Trapi-
che armazem n. 17.
Tarlatana, a 3$ rs.
Na loja do passn da esquina da ra dn Collegio com
frnte para o largo da Cadeia,.cndem-se cortes de vesti-
dos para srnhora.rom nove covados de taratana. Ksta
fazenda tem uma vara de largura; be estampada com
lloras matizadas; e, pela sua transparencia e rigeza do
lio,imita orna lanrinba de alio preco.
N. 40, ra doTrapirhe relogins de ouro de
patente ioglez muito boas ; correnlinhas do ouro ,
padrio Principe Alberto; e um cbronomelro para
navio mu bem regulado : ludo se venda a pregas
coromodos.
Vendcm-se csjtetras da In-
dia, para forrar salas; fio por
rete, fino: na ra do lrapi-
che, n. t.
Farelo.
=Vendem-se saecas muilo gran les com farelo : nos
rmateos de Bacelar e do Guimriies 00 caes da Al-
fandega.
=- Veodf-se cerveja branca e preta de Londres,
Barclay & Cornpanbia a melbor que ha cm porcio.
ou a retalbo : vinbos de Tenerife Made ra, e de ou-
traa qualidades ; ago'ardenle de Franca engarrafada,
e de superior qualidade : na ra du Trapiche n. 40.
Lindeza, o covado
a^Ors.
Na lojs do passo da esquina da ra do Colleglo, com
frente para o largo da Cadeia vende-se lindea para
vestidos de senhora. a dore vintens o covado. Os de-
tentaos desta laaenda sao Intrads,sobra assentos claros e
Vende-se cal virgen), em meiat barricas che-
gada proiimamente por preco com modo ; na ruada
Moeda, armazem n. 15.
Farinha SSSF,
da melhor qualidade, e a ulti-
ma chegada a este mercado;
vende-se em porches grandes
ou pequeas: a tratar com
Me. Calmont & Companhia ,
ou com I. ,1. Tasso Jnior.
Vemlem-se la'boas de pi-
nho, a 40 rs. o p ; atrs do
theatro.
Cira vallas, a^OOrs.
Na luja do passo da, esquina da ra do Collegio, com
frente para o largo da Cadeia,vendem-se lencos de cam-
tirain, eerusadorada um Estes lencos sao estampados
com raminhos iniudinhos, atrepadeiros e lialras, com
variedades de cores; e estas fitas ecapaies da prova de
lenlo.
Na rua do Crespo n. 12, loja
nova de Jos Joaquim
da Silva Afaia,
vende-se um novo sortimenlo de vestidos para senbora,
da rica faieoda chamada indianna ; a qual alm de
ser de cores escuras tintas (isas e ricos gostot tem
um tecdo que finge ser de seda e o seu diminuto
preco he do 3000 rs. cada corte ; tem como tambem
da lerenda victoria a 4000 rs. cada coila ; os quaes
ollcrecem as mesmas vantagens aos compradores, por
serem escuros e por isso se tornio recommendnveis
para a presente estscSo: igualmente um rico sortimen-
lo de casimiras para calcas ; chitas para vestidos; e ou-
tras muitas lazemUs que serio presentes e se ven
deraO por precos commodos.
Vendem-se pregos ame-
ricanos, n. 4, novos, cm bar-
ricas na ra do Trapiche ,
n.8.
= Vendcm-se moendas de ferro para engenhos de
nssucar, para vapor agoa e bostas de diversos taina-
nbiis por preco commodo ; e igualmente taixas de
ferro cnado e balido de todos os tamanhos : aa pra-
ga do Corpo Santo n. 11, em casa do Me. Calmont &
t.onipanhia ou na ra de Apollo armazem, n. 6.
Gambrcoes, a
1&64.0 rs.
Na loja do passo da esquina da ra do Collpgio, com
frente para o Isrgo da Cadeia, vendem se noos cortes
decalcas com tres covados e ineio de gamhreoes,
por quatro patacas e meia cada um. Esta fatenda bo me-
Ihor do que a que.ha lempos,se annunciou.e se vendeo
neata loja, pelos padrdes serem mais moderos, e os
pannos muilo encorpaiios Dar-se-hio amostras a quem
os pretender, sol o competente penhor.
SGBBB WSB3B ^^WfflWi S
Vende-se na uta Go, cera em velas, chegada ultima- ||
mente do Hio-de-Jnnciro, de uma M
das melhores fabricas, em caixas a$
pequeas de 3 a G em libra e
por preco mais commodo do
jj em ontra qualquer parte.
sesmas vsm^a^sst^
= Vende se para fra da provincia ou engenbo,
um prelo. j de idade,muilo forenso, quo (rsbalha bem
de ensada por pnco commodo ; na ra da hemalla-
Nova, n. 7, casa de Jos Pereira, se dir quem vende.
Vi'inleiii se ,\1 escravos de ambos sesos sendo
pardos e prctos grandes e pequeos com habilida-
des e sem ellas ; na praca do Corpo Sanio a tratar
com Antonio Rodrigues Lima.
Vendem-se prigos de co~
bre e cobre em folias de 18 ,
20, 22 e 24 oncas, pira forro de
navios; na ra da Cadeia do Re-
cife, n. 39, casa de Russell Mel-
lors & C.
Vendem-se urnas ricas botas para pagem, feitas
de cnu'o de lostro e com pregas do um modelo an-
da nao visto e de moderno gosto ; na ruado Viga-
rio, loja desapatos n.UI.
l\a rua Direita, n. 9.
ha saecas com superior i'arinba da trra,
por preco mais com-
que
0 covado ; casimira de algodgo dobrada a B00 rs.
o corado ; lia da superior (rosto para oalca, a 460 rs.;
madapoln de 2800 at 6000 rs. ; e fazenda grossa de
qualquer cor para roups de nretos por preco com-
modo.
= Vende-se um escravo coiinbeiro e de boa con-
ducta ; nlo se duvida dar parase experimentar a quem
o pretender; uma rica caJeira de arruar, da Baha ,
nova ainda nao servida : na rua di Cadeia n. 40 ,
primeiro andar.
Vendem-se 50 alqueires de farinha da trra ,
muito superior em saecas que servem para embar-
que, pelo preco de 3200 rs,; tambem se vende] em
porches de 5 saecas : na rua do Pilar, n. 7.
NA RUA DA CRUZ N. 27, SEGUNDO ANDAR,
ainda ba para vender um resto dos diveisos objectos
militares ja annonciados e igualmente bandas para
oflkiaes subalternos de malba inglesa e portuguera ,
com baralbos de ouro fabricadas no Rio-do-Janeiro,
e recentemente d'alli ebegadss.
Vende se uma mobilia de Jacaranda de muito
bom gnsto e moderna, por seu dono se retirar; atrs
da matriz da Roa-Vista n. 26, segundo andar.
Vende-se, ou aluga-se uma casa nova, no prin-
cipio da estrada dos Alelos bem construida de ma-
terial, tanto de pedreiro como de carpina travejada
para sollo forrada com 4 qaartos, duas salas, to-
da envidracada cozinha fura, quarto para pretos, es-
tribara para dous cavallos cacimba com boa agoa ,
Vende-se um moleque erioulo, d 12 annos,
de bonita figura : na rua da Cadeia do Recilo loja
o. 55.
bomba com tanque para banbo, ambos cobertos com
um quadro atrs da casa, todo ladrilhado com as-
ientos para recreio e toda murada com arvoredos de
iructo de varias qualidades terreno para borlalica ,
com uma corheira principiada e com todo o material,
lano do pedreiro como de carpina em cbdes foreiros :
a tratar na mesma casa.
Vendase uma preta acostumada, ao servico de
campo ; na roa do Crespo n. 3.
Vende-se sarja besnanhols a melbor faienda
possivel, a 2000 rs. o covado; risesdos de cores, frrn-
cezes a 240 rs. o covsdo ; chapeos brancos de cas-
tor a 6000 rs. ; alm destas, ba um completo sorti-
menlo de fazendas por precos rssoaveis: na ruado1
Queimado quatro-caotos loja n. 20, vindo do
Rotario a primeira.
Vende-se sarja dseda hespsnhola a melbor fa-
zenda possivel a '2000 rs. o covado ; risesdos escuros
e de cores franceses a 240 rs. o covado ; loncos de
chita decorfixa a 200 rs. ; ditos brancos de cssa ,
a 320 rs. ; chales escuros de cadaco, a 2400 rs. ; dilos
de cambraia a (00 rs. ; chitas de cores ordinarias a
140 rs. o covado ; ditas linas o fms com algum mo-
lo a 160 rs. ; brim pardo de listras ordinario e de
puro linho a 400 rs. a vara ; bretanha de puro li-
dio, a 320 rs. a vara ; cabeedes de fil de linho, bor-
dados proprios para pesclo de senhora pelo bara-
to prego de 1000 rs. ; alem destas (alendas ba um
completo sortimento de fa'endas finas: na rua do Quei-
mado n. 1, lindo da rua do Crespo na prioieira loja.
Tinta de escrevtr ,
a mais superinr possivel ; vende-se na rus larga do Ro-
zario, n. 24.
Brins de cores a 800 a vara.
Na loja n. 3 da rua do Crespo ao p do arco de S.-
Antonio vendem-se brins de quadros de cores escuras,
a dous crutadosa vara. Esta fszeoda be de linho puro,
e tem bastante corpo peloque-se shanes ser muito
durativa. ,
V'enJme-se chapeos de masas fina a 2400
3000 ; chapeos de sol, de seda, a 5800 rs.: na rua do
Queimado loja n. 3, de Caelano Jos ds Silva.
No botiquim da Cova-da-Onca, na rua larga do
Rozario n. 54, vendem-se bichas de Lisboa de su-
perior qualidade por pieco commodo.
Sempre-dura, a 1440 rs. o
corte.
Na loja o, 3 da rua do Crespo so p do arco de S.-
Anlnnio endem-se corles de sempro-dura a qua-
tro datacas a meia. Esta fatenda he propria para cal-
cas e prometie urna durscio pouco vulgar em outra
qualquer latenda pelo que se torna recommendavel
as pessoas econmicas.
Vende-e a melbor farinha SSSF,
de reminbo da marca verdadeira da
ultima chegbda ao mercado em grandes
e pequeas porcSes a vonlade do com-
prador : a tratar com Jos Joaquim Dias
Fernandos,
lindas por nmeros o um p ; esda qual goza de mo-
dos da acefies diversas.
As pillas n. 1 s8o aperitivas, purgBo sem abalos
bamoref biliosos e viscosos, e expuls9o-os com elFics.
01.
As de o. 2 eipuIsSo com esses humores, igualmen-
te com grande forca, os humores serosos, acres e nu-
tridos, de que o sangue so cha amlado infectado, psr-
correm todas as partos do corpo e su ensilo de obrar
quando leem eipulsado todas as impurezas.
A terceira preparacJiU consiste em urna limonada ve-
getal sedativa; fin aperitiva, temperante e adociote-
torna-se em commum coto as pilulss, e facilita-lhe* o
melhores efleitos.
A posicio social do Sr. Morisoo, a sua loriuna in-
dependente, repellem toda a ideia de charlatanismo- a
as admiraseis- curas, operadas com o seu svstema no
col/egio desande de Londres, sio mais que garantes da
elllcacia do sau remedio.
Recommenda-se esta medicina, que nao pede nem
resguardo de lempo, nem deposiclo da parte do doente
a todos os quo, atacados de molestiaa jnlgadas iocuri-
veis, se quierem desengaar da sua virlude.
Oxal.-, que a bumanidade feche os ouvidos aos inte-
ressados em desacreditar estes remedios to simples
lio commodos etio verdadeirosVeodem-senarus da
Cadeia, o. 46.
Mais pcllc do da lio a 1440
rs. o corte.
Na loja o. 3 da rua do Crespo ao p do arco ds
S-Antonio vende-se a bem conh-cida fazenda pel-
la do diabo o eorte a quatro patacas e meia. Esla s-
zenda por ser fabricada de la e algodio e ter uso
corpo quasi de lona alm de ter uma durado adm-
rate! os padroes imitlo a casimira frauceza e as li-
las serem constantemente fitas.
Nesta loja do bom barateiro ha om novo sor-
timenlo de cassas em cortes dos mais moder-
nos e bonitos padrSes que teem vindo a es-
ta prtQa ; assim como chitas e riscados fran-
ceses e um completo sortimenlo de madapo-
les, de 2500 a 6000 rs. eoutras muitas (a-
sendas finas e. ordinarias, entre as quaes ha al-
gumas do lempo dorei velho.que se vendem por
todo o preco, s afim de sortirde novo; pitia en-
tre ellas apparecem boas pichinchas, que os
freguezes do bom e barato nio devem perder.
-Vende-se potassa da Bu<
sia, verdadeira; na rua da
Cruz, n III, em casa de Kalk-
mann& Koseuraund
Vende-se bom viobo, em barris do autor PRR,
lambem em barris grandes o pequeos:
p
ao
da al-
e da Figueira.
no rmazem de Francisco DiasFerreira
faodega.
Vende-se om tanque d'egoa obra muito bem
construida e propria para engenbo, por commodo
preco ; no Aterro-da-lioa-V isla n. 27.
.Ueios chales de laa e seda, a
1000 res.
Na loja n. 3 da rua do Crespo ao p do arco da
S -Antonio lendem-se meios chales a des tuslei
cada um tio de lia e aeda e de padrdra muito hooitus;
dio-sa a amostra deiaodo o competente penbor,
Vende-se o deposito de assucar refinado na rus
da Cruz, no Ricefe : a tratar no mesmo deposito.
Escravos Fgidos.
c/le S.-Mathcus ,
modo que em oulra qualquer parte.
Aterro-daBoa-VistaJoja n.14,
vendom-se pannos prelos de superior qualidade e cor
(isa, a a 6600 rs o covado ; merino, a 1920 eOOOO
rs. o covado ; lencos de soda tanto para senbora co-
rno pura bonr.em pelo baralo preco de 800 1600 e
2000 ra. ; ditos de cassa pintada e brancos, a 200 ,
260 e 320 rs. ; chales de ocurres, pequeos, a 500 rs.
I chitas escoras, a lfJ0, 200. 240 e 280 is. ; ditas fran-
cesas de 4 palmos de largura, a 360 rs. muito tinas ;
brim deliohe bronco superior, a 1280 rs. ; dito par-
do e cor de palba a 800, 900, 1000 e 1-200 r.. a
varo ; dilos de quodros e listros, o 200, 240 e 320 rs.
Brins de linho branco, a 800
ris a vara.
Na loja da rua do Crespo n. 3 vendem-se brins
-branco entrsncados, de linbo puro a dous crusados a
vara. Esta fatenda he de superior qutlidade e deisa-
se ao comprador a garanta de eseolner aa duas qualida-
des ou mais fino ou msis encorpado.
CARVAOAMM\L
do mais puro e da primera qualidude par a refioj.
can do assucar dccoloracio dos saropes, vinhos, vi-
nagres, ou liquido qualquer desenfeccio das agoas
ardenles dos espritus, di. a 2000 rs. a arroba ; no
silio do Pija eru Onda : quem tomar de 20 arrobas
para cima o receber em casa.
Medicina Universal.
Pilnas vegelaes de ames Morison.
A niedicipa vegetal upiversaj be o resultado de 20
annos de inves|igaVaes do celebre J.mes Morison, Por
meio destas pilulns conneguio o seu autor innumera-
veise admiraseis curas, desde asalTecyoss, que alacio
a enanca de peito, at as molestias i-bromeas do an-
ciio,
A Europa saudpu este remedio como remedio uni-
Voisal para todas as doencas, o at' boje ainda nio foi
desmao|ido tai titulo.
Esta medicina vet/t scompanbada de uma receita.que
ensina a facilita a sua applicacio. Consiste om tres pre'
50,000 rs.
de grstiticacio a quem louier a rua Nova n. 5, pri-
meiro andar o escravo erioulo de nome Candido,
de 18 annos secco do corpo e espigado, cara com-
prida ; tem na testa a cicatriz de um talbo. Este ercra-
vo perlenceo ao desembargador Antonio Ignacio de Aze-
vedo e boje he de Joio Antonio de Paula Rodrigues,
que tendo-o embarcado para o Ro-da-Janeiro, no bii-
nue-escuna Leopoldina lugio de lioidodeste, quan-
do por arribada foi a Parahiba. Ignora-se se lera vin-
do por Ierra ou embureado em caooa, ou em alguna
das embarracSes, que d'alli sabirio no dia 18 do cor-
rete dia em que o referido escravo desapparecer,
Fugio, no dia 20 do corrente rnez uma preta ,
de nome Felicidade que andava vendendo pi ect um
panicum e ltimamente acompsnhada por om me-
nino ; be moga, alta, secca cambada bastante por-
cu no vestuario e nio anda com panno ; tem sido vis-
ta no Korle-do-Ualo ; talvez se prevaleca do panicum
para nio causar suspeitas. Quem a pegar, ou der no-
ticia, dirija-se a roa Augusta n. 11, que so/i recom-
pensado.
= No dia 20 do corrente, (ugio uma negra, da na-
ci Rengualla, de nome Livrameota, e muda O nomo,
quando anda na rua diz, que se chama Catbanna, venda
doce, cocada e bolas, em um csiiio enve'nisado de en-
carnado, com tapadora, apregoa muilo apresssds, com
aa vozes muilo altas, quando anda espalba um p p"
banda, be alta, bastante secca, cara eorugada, olbos
grandes, ventas chatas e grandes, levou vellido de chi-
ta azul, com lisias brancas, fateodo quadros, sais de
gaogoozul, panno da cos < atol, e fugio com o dinbeiro
e o caixio das vendas: roga-so as autoridades policiaes
eeapiles decampo, que a peguem e ievem a a ruedo
Queimado, n. lO.tercciro andar,quu serio gratificados.
riaX-LXp
Pc9es, ,ab duil qM,|ladei de Pj|u|.,dif-lpERW. } kAtvp- d* m.^p. db PARIA-- 1^6


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E41AKJY26_HJU20X INGEST_TIME 2013-04-26T23:26:36Z PACKAGE AA00011611_08378
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES