Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08370


This item is only available as the following downloads:


Full Text

uno'de 1846.
Segunda feira 17
O DI'ARIO publlc-se todos os dias que no
m de guarda P^S0 ''" assignatura lie de
irtOO rs. P01' 1u*rte,> P^J* allantados. Os
uncios dos ossiqnantos sao inseridos a razio
',1 nafal por linlia, 40 ris en typo dilTeren-
, Q res por
. at repe'licoe Pela melado. O que nio fo
U .Mienantei PKo 80 '' porjiua, e 160
ST.ypo'dr.r.nte.____________
PHASES DA LOA NO MEA DE AGOSTO.
clieia a 1 as 3 hora e 30 minutos da man.
oaolea 13 as 8 horas e 31 min. da tarde,
nova a II as 0 horas 5 min. da tarde.
ijjngoanle a
La
Crecente a i boros 5> n>'ai"M u "'de.
PARTIDA DOS COBRF.IOS.
Goianna e Paraliylia Secundas e Sextas feiras.
Rio Grande do Norte, chega as Quartas feiras
ao meio da a parte lias inesmas horas as
Quintas feiras.
Cabo, Serinhiicni, Rio Formoso, Porto Calvo e
Macev, no I.*, ti e 21 de cada raez.
Garanhuns e Bonito a 10 e 24.
Boa-Vista Flore* a 13 e 28.
Victoria as Quintas feiras .
Ulinda todos os das.
PRE.\M\R DE UOJE.
Primeira a I hora e 18 minutos da Urde.
Segunda a I hora e 42 minutos da manha.
de Agosto.
Anuo XXII N. 180.
DAS DA SEMANA.
7 Segunda S. Mimede au-4. dn J. dos orf. e
do J. do C. da 2. V., do J M. da J v.
18 Terca S. Crispo, eud. do J do civ. da I..
v., c do J. de pal do dist. de t.
10 Quarta S Manauno, aud. do J. d* car. da
2. v e do J. do par do 2 dlst. 20 Quima S Hcrnardo aud. do J.de orpbuos, e
do I. municipal da I. Tara.
21 Sexta S Joanna, aud. doJ.doCir. da I.
Y. do J. de paz do t. dist. de I.
22 Sahbado S Timolheo, aud. do J. do cir. da
I. v., do I. dist. e do J. de t.
23 Domingo S. i'ilippe Benicio.
CAMBIOS NO DA 14 DE AGOSTO.
Caabio sobre Londres Jfl d. p. Ifa 0 d.
,i Paiis 1&& rcis por franco.
Lisboa 100 % de premio.
Desc. de letras de boas firmas I '/, p. % ">
OumOiicashcspauiolal.. 1*000 a 3IS00
. MoedasdoCJinOvel. I6i00 a 10*7011
,, detl400iiov. IB#v00 lOfflOU
. de 4|Ono... t/DOO a #IOn
Prala Patacoes......... Ij9ti0 a 1*070
Pewscoliimnares. I#60 a l#970
Ditos Mexicanos. 20 a l#940
,, Miuda.......... I#700 a 1*780
Acfesda Comp. do Belwribe de 60*000 ao par.
DIARIO DE PERKTAMBUCO
EXTERIOR.
I
PORTUGAL.
L.-se no Timt* de 18 de juoho :
a Temot noticioi de Liiboi al 10 do correte, 11
qoiei n'outro lugar poblicmoi por extenso. Ai junttt
niurgootes tinhio deporto armas, em quaii todas es
-arle*, manifeitindo asua satislagio pelea medidas ge-
nes de iiora admioiitraclo, especial mente pela aua pro-
ectida leorganisacio da guarde nacional, pela demis-
ao das cmara municipaes cabreliitat, e pela nomeaclo
de coromiisoei populare! em lugar delln, nal cidadel
de Lisboa e Porto. Ot insurgentes de Trli-os-Monles
eda mirpem meridional do ouro ainda eonservavlo at
nmis, poitoque ie recolbiio tranquilamente a iuas ca-
as, e moilravio ntencio de permanecer armados, al
que tivessem obtido plena poise da garanta da guarda
nacional. Aioda nio baria perticipacSo ofTicial de ae te-
rco) finalmente ubmettido ai juntai de Coimbra, Villa-
Franca, e maif um ou doui lugares; mas, no seu actual
estado de solacio, nio podiio mais aintentar-ie, e po-
dia-M coniiderar o paiz como finalmente pacificado.
Continuara a existir grande embanco na cemmunbao
mercantil. O governo tinba publicado um programma
finaoceiro, no qual te promettia ampias reducedes, e o
cumprunento de todos o empeobos niciooaes, tanto
quanto forte poisvel.
COBRESPONDENClA DO TIMES.
Litboa, 13 de junho
O movimento revolucionario, que tem conservado
o paiz n'um estado de alarma e desorden nos ltimos
doui niezet, pde-se considerar como terminado. Pe-
la adlii'iencia dsi juntai de Coimbra e Santarem ao go-
verno actual tem-se disiipado qualquer receio, que te
bouvt se concebido, dama resitencia armada. Em con-
lequc.teia de boatos, que circulavao de que alguna ban-
dos arinadoi, recutando obedecer aos seui cheles, mar-
charlo para Lisboa, de Villa-Franca, cidido cerca de '0
milhas distanto daquella, o situada na inargem septen-
trional do Tejo, expedo-se um lorte deatacamecto pa-
ra embargir-lhei o pateo. Entabolrio se, por mullos
din, negociacSetentre o governo eos chele, o a final
loi o povo persuadido a voltar a lun citas, e a tranquil -
lu'auu ja est rompidamente retUbelecida.
a A circular dirigida pelo duque de Palmella, mi-
oiitro da fazenda, a 8 do correte, aos direcloret do
btnco de Liiboa, e de outras compenhiai, tem contri-
buido a mitigar o terror pannico, que se tinba apode-
rado do corpo commereial. A evidente ntencio, man'
letrada pelo governo, de manter os contratos exilenles
lem reunido em torno o intereise monolario, e ba tido
o efleto immediato de rettabecera confanos emalgum
grao. A prala, que tinba chegado ao premio de 5 por
ceoto, j te pode obter a 3, por notat do baoeo. Geral-
mente tenle-te a ionpresiSo de que o governo procura-
r introdaiir um syitama de rigorosa economa em to-
ditas repartieres. He de esperar, que nio pequeos
receios de causar desgosto influirs nos ministros, para
que nio deitom perder esta excellente occaiilo de fazer
as necossaria relormai nos empregot puhlioot. Qual-
quer rr.initro, inleiramente resolvido a cftllocar ai re-
particOei pu'olicii n'uma policio proporcionada aos re-
curtot do paiz, pode adiar ampb espaco para reducgci
oa luppressues. At enormes sommat, despendidas com o
pagamento de urna caterva de empreados, teem tido a
cauta do continuo embanco, sentido pelo governo, em
fizer lace toa detpeza corrente. He fra de duvida,
que o paiz ficar habilitado a manter ot teut empenhot,
urna vez que te adopten convenientes reformas, e te
ponhaodetido freio ao extravagante disperdicio, que
tem earacteriaado algumat dat repartiedet do estado.
Ha plena coafianca de que te fariotodot os etforcos pi-
ra eomervar o crdito pera com ot credoret externo! e
internos.
Teem tido demeltidot oscommandantet dealguns
dot regiment! da gutrnico de Litboa ; tem duvida
far-te-b!o ulteriores rnudanc.it no exercito. O estado
vacillante do paiz, com petar o digo, tem dado oceasiio
a sttisfazer, em alguna, tutt vingancat particularet im-
puneojente. Em Liiboa teem bavido dous atiaiiinatoa,
amboi ellet originadoi por cauat hem conhecidtt, e
que de oenhum modo le podem altribuir anniimen-
toi poiiiieot. He grito dizer, que ei toda a tta poa-
cos casos de effuiio de sanguem teem infammado o mo-
vimeoto popular. Muito crdito reiulta para o povo da
provineiadoMiobode haver elle moilrado tanta mode-
racio depoit da victoria, quinta coragem tinba tido pa-
ra resistir as osurpaedet de um governo arbitririo.
Ni quinta-feira (11), dia de Corpus-Cbristi, nio
teta lugar i proeittio do eostume, por temer o goveroo,
qno a reuniio de urna grande multidio occasiontste al-
gum ditturbio. Todava, noite, algumat peisoas mil
ibteneionadat ajuntrio urna geotalha, o percorrrio
u roas dando ivas, e mottrindo toda a ditpoticio pa-
ra crear um tumulto Nfe se ez caso do teu prpeedi-
nento, e eolio, acorocoloa a plebe pela conducta dat
uiorldadet. tornou-te violenta, tenUndo arrotnbar ai
porlaa de algumat catat e quebrar vidrecM a iito man-
dou-teuma poderosa forca da guarda municipal pra-
9a do Roco, a qual obstou que continuasiem os cloi
de violencia.
a Etta tai pelo vapor de guerra ingles Promelhtu,
que leva S. A. B, o duque reinante de Saxe-Coburgo e
comitiva.
Cambio 5 d. por mil res em notas do banco ;
50 d. por mil ris em prsta.
Le-ie ni Prsis de 20 de junho:
a Deve-iesuppor, que o estado de Portugal comeca
a tornar-se muito tranquillo ; pois que a folba oflcial.
o Diario do Governo, publica sete columnas de policas
musiles, e discute mui gravemente as claves, ns hu-
mores, e os becuadros, por oceasiio de urna diitribucio
de premios, feili pelo contervatoriode Lisboa it rnelho-
rei pecat remetlidtt para ter repreientadat no thei-
Iro novo. Com efleito, nio te pode deiconhecer, que a
trinquillidide te restabeloce muito mais depress.i do
que era do esperar depois de urna sublevacio tio goral.
O duque de Palmella tomou mui decididamente o
partido de seguir a torrente, que era impossivcl fazer
psrsr. Tambem os jornaes mais revolucionarios nio se
farlao de eloga-lo. O que tem produzido esse enthsi-
asmo tio geral, quanto o foi a insurreicio.be o restabe-
lecmento da guarda nacional. Baita etta garanta su
partido setembrista, que se julga seguro com as ar-
mas, que so V8 distribuir 10 povo, para fazer edesfa-
zer o ministerio, todat ai vetes que bem Ibo parecer.
Esta approvacio rudoia dos jornaes e dai garantas re-
volucionara!, que faz boje a forca do ministerio, dove
talvez dentro em pouco vir a ter pira'elle urna fonte de
gravet embartcoi.
a J a tevoluco de Selimbio, jornal de alguma
torle oflcial do partido setembrista, publica o leu pro-
gramma financeiro, ao qual o governo ter obrigtdo a
euhjeitar-ie. Qur ae approvom, qur nio, at ideas
conlidat neise programma da RewluqSo, ho evidente,
que no estarlo, em que se acba hojo Portugal, nio pa-
rece poiaivel, que o minitterio o liga ao p da lettra.
a Como dissomot mais cima, a Iranquilldado sea-
cha restablecida, e, a nio aer algum accidente impro-
visto, pde-te considerir o ministerio como slidamen-
te eitabelecdo al ai proxmia elei{det, que terio lu-
gar dentro emdouimezei.
a Urna cousa digna de obsorvicao he, que as exi-
gencias dos corajosos camponozes do Minbo, que se in-
surgrio primeiro, e quando estando o paiz perfeta-
mente tranquillo, jogavioas cabecat contra um exer-
cito, a quem a traicio doi teut chefet nio tinba dtimo-
rslissdo, forio cem vezet menorrt do que a dos insur-
gentes de Coimbra e Santtrm, insurgentes da ultima
hora, que grtirio : abaixo Cabra!! Quando Coila
Ctbral ettsva por trra, (tiendo grande parada d'uma
coragem intil epostbuma ; todos leiubmettem. Mas,
ao passo que os bravos camponetes do Minbo entregio
as srmas sem condieio, por terem obtido o que exiguo,
a junta de Stntsrm exige do ministerio urna approva-
cio formal da conducti, que seguio durante a intur-
reici >. Ene tributo de elogios appareceo no Diario do
fotemo.asiignadopelarainba, no palacio de Belm,
a 5 de junho, e referendado por todot os ministros.
O minislro da justica acaba de enviar urna circu-
lar ao cardeal-palriarcha e a todos os bispos do reino,
annunciando-lhes, que a rainha acaba do lindar o oita-
vo mez da sus gravidez, e pedindo-lhet, que faci pre-
ces em todatjs igrejn it oolemne TeDeum, que
ter cantado, quan Jo Ibes fflr officialmente communica-
do o nescimento do infante ou da inlanta.
O Diario do Governo publicou umsupplomcnto,
annunoiando a demissio do conceibo municipal de Lit-
boa, composlo decara/i'sras.que orao tubtlituidos por
ptrlidiilatdarevolucfio. Eite concelho compoe-se de
treie membroi. O conceibo municipal do Porto leve a
mesiiia sorte do de Litboa, e, aiiim como elle, foi com-
potlo de liberaet decididoi, tob a preiidencia de Joi da
Silva Passos.
ASra. Costa Cabrai, Inglesa de neteimento, aca-
ba de parlir de Lisboa para ir encontrar-se com teu ma-
rido. Elle be filha de um oegocitnte ingles, que foi
muito lempo coniul da Inglaterra n'uma dat ilbn dot
Acores.
O numero ni'*, em relelo* carta constitucional
de Portugal, be ao mesmo lempo cabaliilico e cabra-
littico. Aquella carta foi dada por D.Pedro em 1826,
tupprimid pela tavolucio de tetembro em 1836, abo-
lida boje virtualmonte pela rewtlicfo do Minho ero
1846, quando Coila Ctbral eslava no poder, bavia seis
aonos e i> mezei.
L-te n'outro oumero da >rsss o seguiote :
a Costa Cabral linba emprehendido urna tarefa mais
difcil em Portugal do queem qualquer .outro paii do
mundo; elle quera estsbeleeer all o rgimen repre-
sentativo com todas ss suaa eoodcdes. Ette rgimen
supp5e a tolenncia dis deiu. i liberdade da palavra,
a da imprenss.e a calma as discussdei. Ora, o carc-
ter portugus, tegundo diien ot Hepanbes, que o
eonheeem.heaezaltaclo, a violeocia. e a exagertcio
ncarnifadts; era. poia, mitter, antet de ludo, trabalhar
n'uma Iraatisio, que tiveiie destacado dot parlidoi ex-
Iremot e doi svilemai ibiolutot ot homeni de mrito,
cuja cooperacio fra tio til ao governo. Foi o que
Costa Cabral nio soubo fuer.
PERNAMBUCO.
tlury do Recife.
SESSAO EM 12 DE AGOSTO DE 1846.
PHE9I0BNCU DO SR. DB. SILVA HEVBS.
A't 11 horitda manhia, feita a chamada, verifca-
te eslarem presentes 36 Srs. jurados.
O Sr. Juit Preiidenle decltra abarla a lenio.
O Sr. Dr. Promotor requer, que se|a preencbldo o
numero legal do jury, para que se nio do taita de Jura-
do! para constituir-se o tribunal, visto existirom cau-
sasjmportantes a julger, e eslarem alguns dos Srs. ju-
rados sorteados impedidos de Julgarem em algumas
dellas, por terem sido testeinunhas nos respectivos
processos.
O Sr. Juix Presidente defero ao requerlmento do Sr.
Dr. promotor, e convida aos Srs. jurados a oscolherem
do llvro respectivo olio dos Srs. quiliflcados.
O Sr. Jiih* Caiakante de Albuquerquc Mello escolhe,
o o tribunal approva, os Srs. Firmino Jos do Ollvelra,
Dr. Autran, Francisco Sim5es da Silva, Faustino Jos
dos Santos, Joio Kodrigues de Miranda, Manool Juven-
io de Sabola, Antonio Jos Ulbelro de Moracs e Fran-
cisco Borges Mendos; que sao mandados notificar,
para comparecerem nasessio seguinte.
Apregoados os reos o testemunhas, procele-se ao sor-
telo do concelho, que tem de julgar os reos Manoel Fe-
liz da llosa e (ullhorme Francisco da Silva (toldados
do eaquadrio de cavsllaria de primeira linba ), aecusa-
dot pelo crime de homicidio, perpetrado na pessoa do
pardo Thomat Jos de Aquino. s l horas da noite de
36 de tetembro de 1848, na oceasiio, em que rondarlo
no lugar do Aterro-dos-Alogados.
Preitado o Juramento do eostume, e recolhido o cor-
reo Guilherme Francisco da Silva a urna sala retirada,
O Sr. Juis Presidente faz ao outro reo o seguinte
lM/r.llHOGATOR.10.
Juiz : Como te chama ?
Reo: Manoel Flix da Bota.
Juiz : Enlio, porque foi preso ?
Rio : Andando rondando, no da 20 de selembro,
pelas 10 horas da noite, encontr! ao p dos A Togados
um barulho, que faiiio tres homens armados, insul-
tando um individuo, que eslava sua porta ; estando
um delles enbrulbado em um capote ; nio me pareceo
ser boa gente: ful accommoda-los, dizendo-lbes, que
sedeixassem daquillo, que era larde : nao quizerio ac-
commodar-se do modo algum, duendo um, que era au-
toridad* dalli : a Isto Ihedisse en, que, se era aulorl-
dade, como ditia, vlesse para casa do subdelegado pro-
vr-me, que era aqulllo, quedila: nunca mais qu
aeompanhar-me, e comecou a insullar-mode palavras,
o que obrigou-me a dar-lhe a vot de preso, ordem do
chele de pulida : esta ordem respondeo-me, que nao
se dava a tal prisao, e que tinha muita gente, com que
6e defendesse, e logo disparou sobre mim, ou sobre a
palrulha, um tiro de bacamarte, e ao mesmo lempo ve-
jo-me rodeado de muita gente a atacar-me : eolio nao
Uve remedio senio pOr-me em defesacom as armas, que
(razia : disparei as pistolas. Agora nio sel, se fot com
esses tiros, que del, ou se foi com o que ello deo, que so
lo/ um ieriaaento.
Juiz: E nao se lembra, que nessa oceasiio appa-
recesae abl um Manoel Antonio de Alcntara, diiendo-
ll.e, que um desses Individuos era Inspector do quar-
teirio, e que eslava no seu distrlcto rondando ?
Reo : o appareceo pessua alguma.
Juit: Nio loi o Senhor, que deo um tiro tobro o
pardo Thomaz Jos de Aquino ?
Reo : Senhor, cu dispare!, para me defender, na
oceasiio, em que vi meu cantarada estendido no chio,
sem se poder levantar, por rstar lerido ; enlio houve-
rio mais tiros, por isso nio sei, se foi o que cu de!, se
foi o outro ; nao sel, porque a noite eslava muito es-
cura.
Juiz : Queira contar a parte, que tomara neita
queitao o morto Thomaz Jos de Aquino.
Reo : liizem, que na oceasiio, em quo ette homem
foi ehegando, foi gritando : O Sr. inspector est ata-
cado ? E, diieedo-lho aquello sfou elle con-
tinuou : Entdo, o que quer, que faca ? O Inspec-
tor, quedizem ser tal, responeo : Fogo nessa cana-
l/tu. Enlio elle cresceo para cima do meu cantarada,
deo-lhe, quo o deitou em Ierra. A cate lempo erao mul-
los ji, o vinliao para cima de mim ; e eolio defeo-
di-me.
Juiz : Quantos tlrot deo?
Rio : Tret, por dlfferentes vetes.
Juiz : E nio sabe, se lorio os seus tiros os que se
empregirio, ou se (o! outro, porque houverio mais....
nio be assim ?
Ro: Nao sei; vi o cantarada ferido, quiz-mo II-
vrar de igual sorte.
O Sr. Juiz Presiden!; i por Ando este Interrogato-
rio, e manda Inlroduzlr na sala dos debates o reo Gui-
lherme, a quem dirige as seguintes
PERGNTAS.
Juiz : Como chama-se ?
Rio: Guilherme Francisco da Silva.
Juiz: Sabe por que estl preso ?
Rio : Sel sltn, Senhor.
Juit: Enlio, porque foi ?
Rio : Por urna ronda, que tul fazer, e fui preso.
Juiz: Enlio, que houve nessa ronda, que mollvou
a sua prisio ?
Reo : Ouvimos um barulho, que faiiio uos ho-
mens, desacataodo outro ; nos chegmos o distemos :
Qual he o motivo, por que estdo a offender este cama-
rada ? Um dos taes nio levou isto em cunta, e des-
tralou a patrulha, direndo, que era autoridade ; nos
distemos, que vlesse i casa do subdelegado : dlsse, que
nio vinba, que linba gente para te defender.
Juit t E quem era esse borneo, que eslava de ci-
pote. ... quem era elle ?
Mo : Nio sei quem era; era um homem mal res-
udo e descalco ; nio sel quem elle era.
Juii: B enlio, elle recusou-se a Ir i casa do sub-
delegado ?
Reo: Recusou-se.
Juit: E entio, em virlude desta recuta o que hou-
ve mais? ,
Reo: No flm deila recusa, elle recusou-se. e lan-
?ou mi das suss armas; eitava elle e mais outros, e
nos dlssemos : Pois est preso i ord*m do cheft de
policio. Elle resisliore disparou um bacamarte.
Juiz : E depois, que mais houve ?
/;,.' Derio urnas entiladas.
Juiz: Quem as levou ?
Rio : Ful eu.
Juiz : Forio elles mesmos, que derlo ?
Reo : Sim, Senhor.
yu : E Vmc. nio se defendeo das cutiladas ?
/,',',; Ku i modo de defender-me ; mas nio pude.
Juiz: Nio vio quem disparou o Uro no fallecido
Thomaz Jos de Aquioo ?
Rio : Nao vi.
yuiz : Nio eslava presente ?
Rio : Ettava presente ; mat ferido, no chio.
Juiz: Recorda-ie de ter viito um homem neita
lucia, chamado Manoel Antonio de Alcntara ?
Reo : Nio eonheco ; pelo nome nio conheco ne-
iibuni.
Juiz : Ssbw, te esle Thomaz foi lerido, e depoif
morreo; lo estiva logo no principio do conflicto, ou veio
depois ?
Reo : Appareceo depoii.
Juit : E que parle tomou este homem aesta
questio ?
Uto : Appareceo, o dirie: que quer, que faca, Sr.
inspector i' E depois aquella respondeo : mpurri o
ferro tabre essa canalha Elle cabio em mim e ferio-me.
Juiz : Mas elle ficou ferido ?
Reo i No cooflicto", s eu appareci ferido.
O Sr. Juii I'reiidenle da por findas ai perguntas; e
o escrivio laz a leitura das pecana do procetto.
Terminada a leilura, o lendoo Sr. presidente conce-
dido a palavra ao orgio da justica pata sustentar a ac-
cusacao,
Sr. Dr. Promotor diz, que os rot, que te a-
cbao a barra do tribunal esli incursos no artigo l!)3
do cdigo, por terem commetlido o crimo de homici-
dio; um, o llosa, como autor, e o outro, o Cuilhermo,
como cumplice, na forma doart, 5." do mesmo cdigo;
o que Ibes devem ter impostas at penal no grao mxi-
mo, pono darcm as circutustanciat aggravantes dos jtj
1." o 4. do|ar(igo 16 : contando como foi succedido
o laclo criiiiiiiu) allribuo o aconleciroento ao genio
audacioso c turbulento do i> Rosa, e demonstra,
com con l' ii I o na parte do inspector, e nodepoimento
dis testemunhas quo ot rot forao os aggreisoret:
nota que, acuito svtuns Icatomunhiis, e tres as pcnoat,
do que, ot acensados diiem, eslava acompnihado u ins-
pector, nao so as pode nverbar de tiispeilas, com 0 fun-
damento do que erAu ellas euinplir.es du delicio ao mes-
mu inspector altribiiido, e por ooiiseguinle inleresti-
dat em oecultara rerdiiilo do ficto, quo u oontlituo; o
le, lemlu detlts lesleiiiuiilus.qnatro do villa, o tret do
uuvir duer, dovem os sous dcpoimcnlot faier oonvon-
r.er, do quo oa reos sao ut autores do crime, por qno f-
rau traiulo ao tribunal : c, fcilat mais algumas refle-
tflfl, concilio pedindo, que aos ineiinot icos aojo im-
postas as penas, de ipiu fui indicio o libello.
O Sr. Carvalho, advovido do rou,tendo obtiiro a pa-
l.nrn, du, que, um plano de niquidtdo, o quo nao a
juslic.i, foi quem trouxo ao tribunal os aMusados, cuju
nico crime consisto em larva repellida omudus *ggros-
ture, que dcirrspcitrS a quem ubrava em nomo da
lei, o al lenlrao privar da vida aquellos, quo procu~
ravau foite garantida a um ciilndfio, qno to via araoa-
yailo, a seguranza, quo n mesina lei II.o prometle: cx-
pondu o faci, obierva, quo, tendo ot roa ido patru-
llar no Aterro, por urdem superior o oom ropouiinon-
il.iro de correrem os pessoai suspeitas, oooommodarcn
as desurden, quo opparccccin,eprcnderoni as possoas,
que as |>ruinovessciii, no ouvireni, pelas des horas da
miip, rande vuieria, cncainiihrao-so para o lugar,
londu alia parta, u virlto Ires individuos armados, quo
com outro quoslionavao,insudando oooro patarras obs-
curas; quo, a vista disto, dirigirflo-te quolle deaiee
tres individuos, quo, pela iniciativa, quo lomara no lu-
mullu, pareca o uutor dallo, o o admoeitro; qoo
etta adnioostafiio foi respondida por sarcasmo!, e lti-
mamente uuin um liro de bacamarlo; que, havendo-te,
iepoil decolorla lucia, conseguido a pririo dessearao-
lnadnr, o lcndo-su-o condutido a cadcio.alli apporeoou
una ordem, em que o lubdulegahu Petsa, ao luenuo
teiupo que, tem reflexiu, tem eximo do faci, mandara
sulior o criminoso, determinan fimo recolhida a pa-
trulha : nota, quo he nulla a baso do procesio ; porque,
endo ella a parto do inspector, que ho o racimo aulor
da desordem, be natural, quo a riusic de maneira a pr-
se ocoherto do qualquer criminolidade, e a npresentar-
u curio innocente: observa, que, leudo liavido mai
tiroi do quo o dado pelo reo Ruii, nao te poda aflir-
mar, que fono elle o autor da morto, quo tero lugar no
eoiiflicio, comecado pelo napector: di, que, ainda mea-
rao que eitiresto provado haveremOTreo commetlido
o crime, de c|ue erio accuiadot.pareoia-llie, que era ella
juslilicavel, |ior estar comprehenddo no art. 14 do c-
digo criminal, em consequoiicia de te terem dado aa
eircuiusiancias do 1. do menuo artigo; pundera,
que, mesmo quando nada diaso se dste, aol acoosadoa
au deviao ser impostas aa penas pedida nulibellu;
uorquaiito, nao lemlu o ofTvndido fallecido em cunte-
queucia da feridi, raaa tim por nao ler ido etta tratada
cuidadosamente, o a lempo, como, entro ouirus facul-
tativo, declarara o Sr. Maugel Beruardiae, dava-to o.
1


cato do artigo 194, ou 195 do precitado cdigo : ana-
I y i nancea! do jiroroio, uiun .loma; concloedeaaa
ana|yo a nlo cxiitcnoia do jirovna contra oa reoa; e tcr-
iiiin.i. i'xlmri.inil oajoradoa a abiolterom at icue cu-
entea, vittu ter demonalrado n aun innocencia.
Terminado, oeriebatce, e feilo o relalorio da rauta,
recollie-ae o jury i aala das confercncia, e nclia eo de-
mora por niiih de tro hora*.
O Sr. Juit Presidente, oib coneequenoia daa reepoe-
lee dadaa toe queeitot, que fea ao jury, tbstlr, o rio
Gailherne Francc da Silva, condomnando a tnunioi-
palidade as cusas; e sentencia alannos de prisdo e
as cuitas ao rio manoel Flix da Rota,
Proferida tata eentenca, a lendo maia de noy ti orna
di iioite, be torculada a aesao.
A COSTA DAS SUBSCBIPCES TIRADAS EM BENEFICIO DOS INFELICES DA PROVINCIA DO CEABA EH COSTA
COM JOSEPII I.ATUAM, TIIliSOUREIBO DA MESMA.
Deve.
Maio 25 Pago ao Sr. Manoci Dtiarto Mo-
reira, por 733 alqueires de fari-
nha de mandioca, medid vclha,
a IS400 rs., quo foi mandada,
pela ufthaca S.-Joda, para a pro-
vincia do Ceart..............2:i92S'200
dem ao Sr. Jos Velloso Soares,
por 400 alqueires de larinLa de
mandioca, a 4S800 rs., carroga-
da no tingue Minerva para o A-
racatv, c justa para ser posta na-
quelle porto................1:9208000
Juiilio2o dem ao Sr. Jos6 Mara Barboza,
dono da sumaca S.-JoOo, o frete
dos 733 alqueires da farnlia ci-
ma ....................... 700S00O
Julho 31 dem ao Sr. Gaudido Agostnho
de Barros, por 22 barris com
niel, remettid..s para o Aracaty,
nobrizne-escuna Aguia, iniluin-
do nesta conta o frote fela bnren-
ca,do Bio-Fonnoto para esta pra-
ca e desla para o Aracaty....... 1398340
dem ao Sr. Gaudino Agostinlio
de Barros, importe do premio do
seguro, efiectuado no Bio-de-Ja-
neiro, por contada farinha remet-
tida pela sumaca S. -Jado....... 78S050
Agoslo 3 dem ao Sr. Fernando Jos Bra-
guez, por 103 saceos com farinha
do mandioca, carregada para o
Aracaty no liriguc-cscuna .Vinia-
Cruz, entrando nesta conta os
rarretos para o embarque...... 308210
dem valor do frete nos sobredi-
tos do 103 saccas............. 018800
.... Havir.
Por dinhoiro recebido, valor das subscrp-
coes tiradas no barro do Becfe........4:3618000
dem idem no tairro de Santo-Antonio... 7748200
dem idem no bairro da Boa-Vista....... 8618000
( Fica incluido nesta ultima a quanta de
rs. 1088000, recobida do thesoureiro do
tlicatro Melpomcncnse.)

Bs. 5:6908200
S. E. Bs. 5:6968200
Pernambuco, 4 do agosto de 1846. Joieph Latham, thesoureiro.
Visto o conformo; Manoel Joaquim llamos t Silva. Eduardo Cambir.
DIARIO de permiiiuco.
Pelo brigue Cesar recebemos jomen francezei at
21 de junho, e pela Mary-Quten of-Scols jornaes in-
glezes do lo a ^3 do meimo mez ; mas nem estes nem
aquello adiantao cousa alguma de intcrei.se i noticias,
que ltimamente publcame i, por extracto doi que nos
Irme a galera Sword-Ftsh ; excepto o que en lugar
competente tianacrevemos, relativamente a negocios de
Poilugel, de mais recente data, do que aquillo, que
em din iluru dalla tivemoa por ultimo.
Ao passo que a nossa provincia marcha (ao tardia no
adiantamento das arles ; ho pasao que estas se achSo
come que estacionarias, apresentando um mesquinho,
se nio nullodesonvolvlmento ; a giria val nella eppa-
recendo, e de urna manelra tal, que arrelece a loiprea,
que sentamos, ao ouvir referir a subtllea, com que na
Europa sesacavao das algibeiras, reloglos, lencos, cal-
as, etc., etc.
Com ifTeito, quem houverlido os diversos annuncios,
que temos publicado, declarando furtos assim feitos, a
poita e mesmo no recinto dos templos, onde s devem
ir os quo para all orem guiados pelos sentimental de
urna verdadelra piedade ; quem ler o aviso, em que
nesle nosso numero, oSr. Jos da Fonseca Sonre Silva!
dando se por inlormado da pessoa, que com muita II-
geirea Ihc lirou do bolso da casaca urna earteira, com
a nao pequea quantia de 6*0/000 rs roga easa' pes-
loa, que Iba estitua, nao poder deixar de exclamar,
como etiora laicmos : J os gatunos do nossa terr
nada tem que invejar aos quo no velho mundo adop-
tio o un mi.ii medo de vida I
No entretanto, para que o mal nao progrida, para
que so no^torne Invclciado, e por Isso tnaia dillicil de
remediar, pera que em breve nio vejamos desappare-
cerem, como por magia, do eolio o dos bracos de nos-
si -s seiihoras o adeiecos e pulseiras, com que se tenhio
ornado, para irem a um passeio ou assistirem a urna
festa, ln ni sei que a polica,
Descarregdo hoje 17.
Itrigue sueco beronfarinha.
BaresA/ory-Otiin-o/^eofimercadorai.
Escuna Expiisgarrafes e botijas,
(jalera ingle/aSuord-Fishmcrcadoriei.
BrigueTarujo 11. vinhos.
Consulado.
Rendimento do da 14.
(ic"1............................' 2o9j806
Provincial.......................... 102*510
362*316
esia, doiii seia que a polica, agora que essa Birla se ^uu"""'
principia a desenvolver, e parece seguida por poucos, I
visto que nao appareccm no mesmo lugar, e na mesmaII Esloupa
occasiio, duas ou mala victimaa suas, empenhe todos
os seua esloreos em descubrir os que a ella se dio, o
busque livrar-nos dessa ptega, com que, alm de u-
tras, estamos sendo perseguirlos.
Comraunicado.
O GENIO.
Tendo ni lido em o Diario n. 173 os prometti-
mentos doSr. Gamboe, a retpeito do noaao decrepito
tbealro uigmoa, quo mais urna \ei este Sr. maasava
a paciencia publica com falsas promeasas de melbo-
ramentoa dramticos ; mae subi de ponto a noaas
admiracao quandofomos informados, que o espec-
tculo quedeo no domingo 9 do correte com a
prca o Eapiio de Vneta ou antes Tyranno
de Padua foi desempenhada a contento do grande
numero de eapectadorea, que enchilo a tala e api-
nboavio ot cemeroJet. Nio podemos, portento, negar,
que o Sr. Gamboa posaue a arto de, quando quer, noa
attrahir ao aeu velbo thealro lancando-nos urna con-
tribuirlo passiva, tanto mait toleravel para nos, quan-
to maia lorem ( como detta vet) tincerot os aeut pro-
n.elliuientos I Neo devenios, no preaente cato, recusar-
Ibe a palma e reconhecer nelle o genio que nio be
outra couta mais (como o definem os claaticot) do
que o talento ou dispoticao aplidfio ou propensao
para alguma arte.
PIUCA DO BRCIFE, 14 DE AGOSTO E 1846,
AS TRES IIOKAS DA TABDE.
BEVISTK SEMAS AL.
Ctnibiot As trensaeces da temana forio regulerea
a 26 d. p. 1 j ti.
AlgodSo Nio aoflreo altcracio noa precoa da semana
anterior.
Assucar Pequcnes entradas, e scui dflorenfa de
preco.
Couroa Oflerecidos a 125 ta. a libra.
Arro pilado a vapor Vendeo-so a lOjGOO rt. o
quintal.
Bacalho O deposito be de 1,500 barricas, tendo-
ae vendido a retalho de 9 a 12000 rs. a
barrica,
liolacuoba Vendeo-se de 3*500 a 3*600 ra, a bar-
rica.
Carne tecca Existem no mercado 40,000 errobsa,
tendo-se vendido de 2*600 a 3*000 ra. a
arroba.
Cerveje Venden se de 3*00 a 4*000 r*. a duzie de
garrafas.
Chumbodem a 18*500 rt. o quintil do de mu-
nicio.
dem de 170 a 190 ra. a vara.
Faiinhe de trigo Sem entredts; tendo-e vendido de
18* e 18*500 la. e barrica da marca SSSI',
a retalbo.
Dita de mandioca Vendeo-se a 2*360 tt. a saect.
Garrafat dem a 12f r. a groza.
Garraloes dem a 800 ra. cada um.
Louca ingleta dem a 226 por cento de premio to-
bre a laotura.
Manteiga Cbegrio mait algumat pequeas por-
edet da ingleza e franceza, e apenas ven-
dro-se 50 barra.
Sabio Vendeo-ae a 120 ra. e libra do amarello oa-
trengeiro, e de 100 e 110 ra. do nacional;
e nio ha do de Mediterrneo.
Tabico maependim dem de 2* a 7t rt. arroba.
Taboado de pinho dem a 50 rt. o pti
Toucinhodem de 6* a 6*100 ra. a arroba do de
Sanloa; e de 6i' a 6*600 rt. do de Lisboa.
Vinagre dem de 50* a 55.,' ra. a pipa.
Vioboa dem de 120* a 125* re. o de Lisboa da
marea PliK, e de 90* a 115* re. deoutroa
autores.
Entrarlo 8 embarcacOea, e rehiri 5, exittindo ho-
V? PrtU 54 : ,eDdo 2 amer'cn. 35 bratileirai,
1 belga, 2dmamerquezaa, 3 francezat, 5 ingleat, 3
portugueat, 2 tardat e 1 auica.
re. Panageiroi, o 2." lente Frtncisco Manoel
da Silva Guimaraei, e Joiephina Carolina.
Aracaty; 19 (lias, patacho brasiloiro Flor-daVerdade,
de 89 toneladas, capitio Luiz Goncalves Victoria,
equipagem la, carga couroioiola; a Carvalho Go-
mes. Tnz 7 escravos a entregar.
Ats ; 16 diaa, brigue braaileiro Feliz, de 187 tone-
ladas, capitio Aleandre Jos Alve, equipagem 17,
eerge tal e maia gneros ; a Firmioo Jos Felii di
Rota. Patiageiros, Antonio Francisco Poreira do
Valle, Antonio Ftrreita Ptcheco, e 5 eacrtvoi a en-
tregir.
Liverpool; 43 dial, barct ingleta Mary-Queen-of-
Scoii, de 236 tonelada, cipitao W. Klley, equipa-
gem 13, cargt fitendtt; a Jamet Grablree & Com-
pinbia. Paiaageirot, Fioderick Smitb, George, Ne-
v non.
Vaviot lahidos no mesmo da.
S.-Matbeus por Macei; sumaca braaileira S.-Balbina,
capitio Beliior Joa doa Reis Jnior, carga yariot
geoeroi. Patiageiros, Luii Jeronymo Ignacio doi
Santos, com aua familia, Joi Peieira de Freitei, Jo-
i l.uii de Oliveira Atevedo, Mtnoel Gometda Cruz,
Poitugaetet.
Montevideo ; sumaca betpaohola Fnut, capitio Ga-
briel Eatape, carga a mesma, que truuxe.
Macei, llahiee Rio-de-Jmeiro; vapor bratileiro Im-
peralrit, commendante o capitao-tenente Jezuioo
I.iunego Costa. Leva a seu bordo : pare Macei, o
allorea Jos Xavier Peroira de Brito, Julio Cetar Pes-
soa de Mello, F. Joaquim da Puricacio, vigario
Sebastiio Jos de Moraei Bello, com 1 eicravo, dou-
tor Jos Correia da Silva Titara, com 1 eicravo o 1
criado, Joio da Silva Lomos, Eugenio Jos Neve de
Andrade, Paulo Joaquim Tulles Jnior, Julilo de
Araujo, Jos da Cunha Coulinbo, doutor Joao Pau-
lo de Miranda, com 1 fi I lio e 1 criado, Kruckcnlierg:
para Rabia, ir. Rento de Nossa Sanhora dat Nevot,
com 2 escravos i entregar, Francisco Jos de Arau-
jo, com sue senhore, 2 flhos menores e 1 escrevo ,
Melchior Ambeig, Metheua Krigor, com tua tenbo-
re : para o Bio-de-Janeiro, doutor Firmino l'erei-
ra Monteiro, doutor Delllno Auguito Cavaloenti de
Albuquerque.Torqueto Ileniiquei de Silve, o elfere
Jorge Rodrigues Sedreire, passageiro por conta do
governo, e os que viero dos portoi do Norte pare os
do Sul.
A'aiiio entrado no dia 15.
liba da Sumatra ; 94 das, galera americana Home, de
314 toneladas, capitio Samuel II. Cuivvin, equipa-
gem 15, carga pimonte; e ordem. Ef,iera pelo pa
quele inglez, para saber para aonde deve seguir.
Navios entrados no dia 16.
Patagonia ; 30 dias, barca americana fVhett-Oak, de
291 tonoladei. capitio Samuel Noiie, equipagem 18,
carga guano ; ao capitio. Segu para New-York.
Rio-de-Janeiro ; 15 dial, brigue bratileiro 'narii, de
187 toneladas, capitio Joi Antonio Cabral, equipa-
gem 13, carga farinha; a Gaudino Agostnho de Bar-
ros.-Segu para Parabiba, Bio-Grande-do-Norte
eCeari, por conta do governo.
Bio-Giande-do-Sul; 27 diaa, brigue bratileiro Cat-
iro I. de 191 toneladas, capitio Jos Maria Ri-
bas, equipagem 10, carga carne, a Amoriui Irinio?.
IVavio sahtdo no meimo dia.
Santos ; brigue brasileiro Soctttlade, capitio Jeronymo
Jos Telld, carga a mesma, que trouxe.
^^^^^
rotet de quartol, banu de lia para ioferiore
quem convier encarregtr-to de taei foroacimeotu,
comparecer na directora do meimo arsenal, ateo d'
19 do crrante. "
Arsenal de guerra, 14 de agotto de 1846.
No impedimento do eteripturario O amanoeos.
Joao Ricardo da Silva, '
O trienal de guerra compra medepoiio brm
liio algodio americano e hollandi: quem tei g-
neros quizer lornecer, maodar ma proipoita em car-
ta fechada e as amostras a directora do menso ir
tonel, at o dia 19 do corrente.
Aueoal de guerra, 14 de agotto de 1844).
No impedimento de eteripturario. = O aroanueni
Joto Ricardo da Silva.
= A pessoa, que aellou urna ctrt para Barbn 4
Cordeiro, quera dirigir-te a. administrarlo do correiu
para declarar o destino que ella deve ler.
Theatro publico.
Domingo, 16, nio pode haver espectculo p0r
estar aprnmptando ame rica peca do illustre sabio por.
tuques o Sr. Garro* ; a qual deveri Gcar prompu
pata o dia 23 do corrente.
luJital.
NOVAS PUBLICACE8 LITTERARIAS
CDIGO EPISTOLAB. ou regre advertencii.
para eecrever com elegancia toda a torte de cartas i.
cpmpenbedet de modelot tobre todos ot itiumptoi, ei-
trahidoi dos nielhorea eseriptorea antigoa e moderno!
necionaes e eitrangerot; ofTerecido mocidade portu-
gueta e braiileira por J. I. Boquete, prolestor de ht
teralura portugueta no collegio Staoiilto, 1 v. em 1-2
Parit, 1846.
MANUAL DA MISSA E DA CONFISSA, non
mlicao conaideravelmente augmentada, contendo eier-
cioioi quotidienot, a eiplicacio det ceiemonin de mis.
sa, todti ai fetivdtdet e muiaa de todot ot domin-
gos do anno, e muilai oraedete preticet mui devottig
instructiva*; e um appendice com a mina votiva do n-
grado coracio de Maria, t ootrudevocoea partos as-
sociados da archiconfrarie : extiahido doa melhore
autoret necionaet e eatrangeiroa eipecielmente do
principe de Hohinlohe, e de S. AITonao de Ligoro, poi
Jos Ignacio Roquete, pretbytero, ex-lente de theolo-
gie, ex-pregador da nota igreji palriarehal de Liiba,
i v. Parit, 1846, divertet eneedernacdei rieet.
MANUAL ABREVIADO DA MISSA E DA CON-
FISSA, pelo pretbytero J. I. Boquete. Perit, 184G,
1 v. em 32, rietmente encanernado.
O LIVRO DE TODOS, OU MANUAL DA SAU'-
DE, cootendo todot ot eiclaiecimentot theoiicos e
pr 'ticos, necenarioi para poder preparar e empregtr,
sem o toccorro do prolenor, o remedios, e se preser-
var, e curer-se promptemente, e com pouco dispen-
dio, da mor parte dai molestias curaveia, e conseguir
um allivio quesi equivalente i sade, nat molestias a-
cureveis, ou chronics. Seguido de um tietamenlo
especifico contra a coqueluche, e de regrae liygienica,
pere prevenir ai moleitiai, por G. de Ploeiqoellec, doc-
tor em medicina, die. &c 1 v. em 8. Rio de Janeiro,
1846, tneia encidernecio elegante.
Acbio-to a venda na livraria de ru da Crut, n. 56,
do bairro do Becif.
BtUUUMI
COMMERCIO.
Alfandega.
todo u 14................7;391*668
Aloviiiicnio do Porto.
Naviot tntradot no dia 14.
Ati; 15 dial, brigae biaiileiro Sociedad*, del83lo-
nelidit, eapilio Jeronymo JoiTellei, equipagem
13, carga til; ao proprietirio, Jote Francisco Cola-
O Illm. Sr. inspector da tbesouraria manda later
publico o auto do came, abalxo transcripto, a que se
procedeo, na provincia do Cear, as notai faltas de
201000 is. da ultima estampa, cor amerella, aflm de
que, com malor fecilldade, te poiaio diitioguir daa ver-
dadoirai.
Tbesouraria da (azenda de Pernambuco, 14 de agosto
de 1816. O omcial-maior.
Ignacio do Santos da Fonstca.
AUTO DE EXAHE AS CEDOLAS APPBEHENDIDAS.
Anno do neicimento de Nosso Senhor Jess Chilito
de 1816 : ao prfmeiro dia do met de egosto do dkjp an-
no, na capital da provincia do Ceaii-Grande, onde se
achava o chefe de polica interino, Luis Rodrigues Sa-
mico, commigo escrivio do seu cargo ao diante nomea-
do ; e sendo ah, entriiio os lou vados no examedas 17
cdalas apprehendidas, amsrellas. da ultima estampa,
primeira terie, cada urna de 20/000 rt. ; e, depoiide
fazerem ai devidas obiervacSes e combinaedes, nio s
com outras cdulas verdadeiras, como pelo catbelogo
dot ttsigoatarioi de cdulas semelbantes, declarario o
seguiote : Achrio, que as 17 notas de 2O#0OO rs.
da terreira estampa, que Ihes forio apresentadas, diffe-
rindo tmente quaoto i atiignaturas, sio em ludo o
mais Idnticas, estando convencidos de tua faiaidade,
porque, confrontando as suas aasignetutu de Antonio
de Siqueira Moraes, M. noel Monteiro da Lu. Ricardo
Pifes Ferreira e Antonio Joaquim Goncalves, com oa
originaes dease individuos, existentes em relacet, re-
mettides da corte thesourarla de faienda desta pro-
vincia. veriQcirao a differenca, que ha entre estas e
aquellas, tsto he, convencrio-te de que es das notas
forio imitadas, mee sio falsas. Alm disso, observirio
mais, que todas as que nio esli asslgnadee por Ma noel
Monteiro da Lux teem urna numeracio, que nio be a
das que asaffinrio os individuos, cujos nomes ellas
conteem. Observirio, Analmente, que o papel, em que
se achio estampadas as mesmas notas, he mais fino e
imperfeito que o das verdadeire: a tua c6r he de um
amarello mais claro, assim como a tinta he igualmente
de um aiul mait claro que o das verdadeiras ; e que ra
palavraCatbarina, escripia dentro doRdonme Bra-
sil, i dlreita do emblema, se eche o ultimo a car-
regado com um asiento, o que se nio di as verdadei-
ras ; assim como na palavra Groito escripia no
- L de ltrasil, os doui tt sao o mais mal det-
empenhedo possivel.
E nada mais declaririo ; e houve o ministro o exa-
me por terminado, e mendou levrar o presente auto,
em que com elle assignou.
Bu, Manoel Lopes de Souia, escrivo do crime, que
o escrevi.- Lmz Rodrigues Samico. Augusto Carlos
de Amorim Garca. Joao Jlaplista de ('asirte Silva.
Jos tiendes da Crui Cuimardes Jnior__Josi Ma-
rta Eustaquio Vieira.
a. Est confirme. O escrivio do erlme,
Manoel Lopes de Souta.
O PROGI1ESSO,
revista social, litteraria e identifica.
Sabio a luz o 2.* numero, n'um folbeto de 60 pagi-
nas, contendo o teguintei arligoi:
Progresso e regresio. I
Processos lgicos.
Estado do mundo em 1846.
Revista identifica
litteraria.
politice.
PoeiiaO gallo da ierra.
Variedadei.
Vende-te a U000 n. oexemplar avulio, eauigna-ie
a 3j00o rs. por semestre: na preca de Independenci
livraria, ns. 6 e 8, na luja da viuva Cirdozo Ayree, no
Itecile; Cberdon, no Aterro-de-Boe-Viita, e defronte
de reapectiva metrii, boleta do Moreirt.
Avisos martimos.
Declaraces.
- O aliene! de guerre preciu comprar barretinas
de pello oom fondo de tola penachos, e ligoi bar-
Para Macei segu. at 20do corrente, o biile A-
nimnio, por ter parte da carga prompte: quem no tnei-
oo quizer carreger, dirija-ie eo armezem de ftriobi do
caet do Collegio.
=Para o Bio Grande-do-Sul legue com hrevidtde,
por ter pirte da carge prompta, o brigue-eicuna Billa-
Virginia : quem no meimo quirer cirregir, dirja-
se e Jlo Frencisco de Cim, ru da Sentalla-Velhe,
o. 134.
= Para o Rio-deJaoeiro tai, com a maior brevi-
dede poiiivel, o veleiro brigue escuna ntcional Ade-
laide : quom no meimo quizer carregar, ou ir de pe
sagem pera o que tom eicellentes commodoi diri-
ja-aseo capitio, na praja ou aoe consignatarios, No-
veei & Compenhie ne ru do Trapicho, n. 34-
Para o. B'o-de-Janeiro eiti e teguir com toda
hrevidade, poi ter o leu carregamento prompte,o pele-
cho Uniao, lorredo de cobre : quem no mesmo qui-
zer carregar alguma cerge miude embarcer escrevoi
ou ir de paaiagem dirija-te a Gaudino Agostnho de
Barroi, atrs do Corpo Santo n. 66.
Pera Angola segu com brevidedso veleiro bri-
gue Casualidade, ctpitio Mtnoel Ignacio Correia ,
por ler perte da carga prompta : quem no meimo qui-
zer carregar ou ir de patsigem dirijase a Gaudino
Agottioho de Barros, atril do Corpo Sent n. 66 ,
ou ao capitio.
3 O brigue portuguet Maria-Filis eeba-te abar-
rotado, ni impreterivelmenlo no dia 19 do corrente,
e tom anda algum commodoi pare peetegeirot : o
pretendentet podem tratar com o capitio do meimo,
Antonio Luiz Comes ou com Antonio Joaquim de
Soma Ribeiro.
= Para o Aracaty tai a sumaca Felicidad* : quem
na meime quiter cerreger, entetkle se com o proprieta-
ro, Antonio Joaquim de Sooajftibeiro.
Pera o Maranbio legue vitgem, neitet diat.o bii-
gue-eicona Fers-Fogo, cepillo Henrique Quim: quem
nelle quiter cerreger ou ir de paitegem, dinja-se ao
meimo capitio, ou a tea coniigntterio,Manoel Joaquim
llamoi e Silva.


3.
I,('loes.
Kalkminn & Roienmund fario leilio, por interven-
, :5o rio corretor Oliveira, de muilo bom sortimenb de
fazendas, as mais modernas e vendavois, propriai da es-
tacio: hoje, 17 do correte ai 10 borai da maohia
mpreterivelmeote, no teu armaiem, roa da Cruz.
Yalkmann & Roienmund farao leilio, por inter-
venan do correlor Oliveira, de um completo loitimen-
(o de miudezas e lerragens: lercafeira, 18 do correte,
i 10 horaa da machia no leu armaiem, ra da
Crui
Ilermsnn Hehrteo far leilio, por intervencJo do
corretor Oliieira, de grande porcio de mobilia, consis-
tindo om cidiras, meiai de jantar, hincas de jogo, se-
cretarias, eommodas, meiiobas, carteirai, moxos e bal-
e para escrjptorio, oto., bandejat final de diflereotcs
padrCei, toalhss de linho adamaicada, de mesa,
guardanapoi notos, e outrai fazendas, devendo tudo ser
Tendido pira liquidacan; asiim como mais de um molo-
que com bom priocipioido coainba : quinta luir, 20
do correte, as 10 horas da maohia, oo primeiro an-
dar da sua oasa, n. 46, ra da Crus.
Avisos diversos.
- Aluga*se o segundo andar
da casa, n. 17, da ra do Colle
gio : a tratar na ra do Vigario,
n. 5.
OSr.Bartholomeo Costellioto,
natural de Genova, vindo para
Pernambuco com o capito Bocke,
em 1837, recommencado ao cn-
sul de sua nagao, dirija-se a ra
do Vigario, n. 5, secundo andar,
onde se lhe deseja fallar, a nego-
cio de seuinteresse.
O abaixo aiiignadn identifica aos Sn. Joio
Keller & C. Kalkmaoo 4 Roienmund, E. Bolli, 8-
chafbectlio & Tobler, Joio P. Adour & C. .Ddier Co-
iombiei&C, N. O. Bielier &C, Lenoir Poget* C,
Rotte (Si Itidoulac, e Luis Hruguirc que comente te
subjei tarad as clausulas,por Si, Si. impostas em os annun-
cioi, que lei'in leilo publicar cm os ns. 178 e 179 deite
Domo,quando com ellei houver algumaduvida acerca da
entrega Jas faienda, que em teui armaieos por veotura
compraren). Jote Joaquim da Silva Mua. Fran-
ciico Jote Teixeira failot 3c C. Joo Bapliita Viei
ra Hibeiro. Luit Antonio Pereira & C-Paulo Pe-
riira SimOis. Jos Antonio dos Sanios & CAntonio
Montiiro Pereira. Joaquim Jote Ferreira da Ga-
ma. Joiii Mortira Lopes & C Bernardino Jos
Honttiro Jos Francitco Lavra. Jote Joaquim da
Coila Antonio Luit dos Santos & C. Jos Joa-
quim de Frtitas Guimarass. Campos & Maya.
Ai'iio Vitira Coelho. Jos Francisco Dias.Jo.i
Atevedo de Andradi. Silva & Viltaca. Antonio
Maya da Silva. Antonio Jos dos Santos Braga
CarvalhoSc Maja.Antonio da Cunha S. Guimar&ei.
Manoel Jos Goncalves. Jos de Souta Garca.
Por Joaquim da Silva Caitro, Luit Antonio da Cu-
nha.Antonio de S Leilio.izevedo & Irmo.
Amonto Luiz Goncalves Ferreira Jnior. Antonio
Jos Anlunes GuimarHes. Jos de Alenqmr SimOes
doAmaial.Joaquim Pereira Arantes.
Aluga-ie um ptimo moleque para todo iervic;o,
tanto de caa como de ra : na ra das Trincbeirai ,
o. 46, primeiro andar.
Oflerece-se urna mulbor para ama de urna caa de
homom solteiro; labe bem engommar e cotiohar toda
a qualidade de manjares o doces : quem desta mulber
precisar, dirija-ie ao becco do Azeite-de-Pexe, casa,
n. 14.
Pelo juizo dos orphios delta cidade, noi dial 18 e
10 do crrante, contina a arrematarlo de traites e ou-
troi muitosol'JHctoi de preitimo.muitiisimo baratos;as-
sim como de tresescravoi e vinte e cinco barricasdecaf:
na ra do Apollo, n. 16, as 9 horas da manhia.
Aluga-ie a casa torrea, n. 87, da ra Velha,
com duai nas, tres quartos, cotinba, quintal murado e
cacimba : neila typograpbia se dir quem a aluga.
Antonio Marques Silva de Alrneida retira-ie para
o Poito, a tratar de tua tade, demando o seui nego-
cioi deioeiadade e entregues a seu tocio Antooio da
Silva Ferreira Santoi.
Quem livor aieite de | donde para vender, queira
annunciar ou procure em caa deFernaodo Jos Bra-
guez, ao p do arco da Conceieio.
= O abaixo asiignado lai cente ao reipeitavel pu-
blico, que deixou de ser caixeiro do Sr. Joi Din da
Silva, desde o dia 15 do crrante.
Joaquim Pinto de Barros.
= Preciia-se de urna mulher, para comprar e servir
em urna casa de pouca familia: em Fra-do-Portas,
ra principal, n. 105.
= Prerisi-se de urna ama para o lervico ioterno de
caa de pouca lamilia; preLre-ie porlugueza: na Sole-
dade, sobrado n. 22.
Na ra do Padre-Floriaono n. 33 ba urna
ama de leite sen cria,
=0 abaixo aiiignado fax vor ao Sr. joaquim Fran-
cisco da Cruz, com padaria delronte da igreja de N. S.
da Soledade, que nio inlerveio, nem ao menos se lhe
importa com o Sr. Cruz, na venda da sua padaria, pa-
ra andar dizendo, que o abaixo asiignado o quer deaaj-
creditar; parm, quando aisim fono, um doi leui cai-
xeiroi loi offerecer ao Sr. Vieira, por seu mandado, que
ainda houveropessoai.que fizeriover aoSr.Vieira.que,
te elle a compraste,eitava no risco de a perderjporquan-
to o orno est collocado dentro da casa, (ora dai pos-
turas di cmara. Bernardino da Costas Souta.
ASTLNgAO.
No dia 15 do corream.ii 7 borai da noite, tondo
o abaixo asiignado ido nr o nicho atrai da Penha, lhe
tirarao do bollo da cataca urna carleira com urna ce-
dula de 600,000 ra., tre.le50,000 n. cada orna, una
de 20,000n., outra de 10,000 is., e oulra de 2,000 n.,
e persuadindo-se, que, no tirar do lenco, lhe tiveiie ca-
bido, no dii 16, as 5 horas da manhaa, foi procurar na
meima ra: abriodo a porta um Sr. donme Francisco
de Oliveira Coraei, o qual mora oa rus, eass, n.22,
quasi defronto do mesmo nicho, e contando o abaixo as-
signado o seu prejuizo, nena ocasio pauou um lio-
moro, edisse, que vio e conbeceo a peisoa, que tinha
lirado a carleira, e que outro, que elle conbeco, tam-
bembe socio, o isto elle e oatrci presenciara"", o que
eatava prompto para depor. Assim, para evitar processos
e desgostos, que poisao appareoer, favo o preiente an-
nuncio por duai vetes, para que, dentro em doui da,
e faca entrega da dita carleira com o dinheiro, nnpa-
l o do Collegio, segundo andar, junto i casa amarella :
e prnmotteo legrado perdoando algum pouco di-
nheiro, queie baja gaito: e nlo se fiendo, o abaixo
siignado procurar a justica, e verlo enes Sn. correr
seus nomes por todo o imperio naa folhas publicas.
Josda Fonseca SoaresSiloa.
Constando ao abaixo asiignado, que peuon mas
inimigai teem eipalhadoum boato, dizendo, que no D. -
novo sabio um annuncio, em o qual tinha annun-
oiado a venda de sua padaria: e como o niosmo afio
maodane annunciar e nem vine impreiiotal annuncio,
fas pelo preiente saber aos Sn. seus adveraarioa, que,
te iito be ilho da inveja faci como elle ; poii
est bem corto quo emqoanto ib est as taber-
nas, contando trpanas, tambem ae pode trabalhar.que,
ganha-ie mais do que se quer, desacreditando quem nio
lepende do leu deicredito.
Joaquim Francisco da Ciut.
= Os abano anignadoi fazem publico, que apartarlo
amigavelmente a lociedade, que tinhio com o Sr. Jos
Miguel dos Santos, na venda na ra da Lingoeta, n. 5;
a qual gyrava debaixo da firma de Bernardo Boque &
C: ficaodo o mesmo Sr. Jos Miguel dot Santos ohri-
gado a pagar o que a lucarna venda dever, ea toda ai
transaccoea, que o mesmo Joi Miguel tiver feito, em
nomo dos abaixo assignados.
Bernardo Roque & C.
Precisa-ie de urna preta para vender miudezas,
pagando-ie-lhe vendagem, dando conhecimento de aua
conducta, se frrt, ou, aendo cativa, responsabilizando -
se seu senbor por ella ; na Soledade, casa junto ao
quartel, n. 5.
Roga-ie ao Sr. Gaspar dj Silva Loyo o obiequio
de, antes de retirar-ie desta praca, ir ao armazem de
tras do theatro, fallar a Joaquim Lopes do Almeida,
caixeiro do Sr. Joio Matheui.
=Nodia 19 deite mei de agosto, io ba de arrema-
tar em praca publica do ir.doutor juiz do civel da 2.a
vara, Jos Thoinat Nahuco de Araujo, por ser a ultima
praca, um sobrado de dous andares e solio, muito no-
vo, e bem construido, lito no principio da ra Impe-
rial do Aterro-dos Afogados, pertencenle ao tallecido
Joio Baptiata Correia Nunoi; cuja arrematado li.'
feita a requerimonto da viuva, para pagamento dos
crcdore do casal: e a avcliacio do tobrado bu de dez
cooloi de rii, por cujo valor te acha em praca.
=Aluga-ie urna padaria com os principaes utensilios,
prompta a trabalbar, tendo os melhores commodosdo
urna parlara; serve para qualquer estabelocimenlo; o
a casa tem commodos para morar familia; na ra Impe-
rial, contigua a labrica de sabio : na ra Direita, n.
82, 1. andar.
= Precia-ie de urna ama de leite, limpa e aiseiada,
para fazor ineia criacio de urna chanca, e que leja pre-
ta ou parda eicrava ; paga se bem : na ra dai Cruzes,
n. 22 segundo andar.
-= Precia-se de um Portuguei de 12 a 14 an-
noi, e que de.liador a ma conducta para caixeiro
de urna venda: na ra do Livramento. n. 25.
Aluga-io urna caa terrea na ra Velln da
Boa-Vista n. 87 com duas salas, tre quartoi, oo-
zioha, cacimba e quintal murado.
= Aluga-seuma preta idosa propria para traba-
Ihar em algum sitio e que he muito fiel; nesta tj-
pograpbia se dir quem aluga.
- Nos abaixo assignados de-
claramos polo presente, que da da-
ta deste em vante nao entregare-
mos fazenda alguma seno nos
nossos armazens, com o recibo
do comprador, ou pessoa por elle
autorisada.
Pernambuco, 12 de agosto de
1846.
J. Keller $ C.
Kalsktmnn $ Rosenunnul.
E. Bolli.
SchfheitUn # Tobler..
J. P. Adour S- C.
JJidier Colombiez <$ C
lenoir Pwjel&C.
Y. O. Bteber & C
Rethe & Bidoulac.
L. Bruguiere.
= Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 70, li-
to no pateo da S.-Cruz com optimoi eommodotpara
urna numeroiiiiima familia muito fresco poii bs
circulado todo de janellai.lem cozinba ora.e um loio,
achato todo pintado e forrado com lindo papel: a tra-
tar no primeiro andar do meimo sobrado, com tua pro-
pietaria.
A penoa que quixer ir para o Rio-Formoto
ensinar primeiras ledras latim e francez, dando-te
preferencia a quem for casado e que lu senbora te
proponba a ominar menina!, e recommandando-ie boa
moral, dirija-Be ra da Alfandega-Velha, armazem
n. 86.
Arrendio-ie duas caas terreas abarracadas, no
lugar do Manguinbo com 8 quartos cada ama e dif-
ferenle commodoi para grande familia, por preco bem
em conta : a tratar na ra de Hortas, o. 140.
__ Aluga-se a luja do sobrado do Atorro-da-lioa-
Vista n. 21: a tratar por cima da meima.
Nova citribaria aonde loi a do fallecido Tho
maz Ioglez ao p da cadeia ; a qual recebe cavalloi
para tratar, por mei, ou por dia a proco mdico.
Francisco Joi da Coila faz aciente a ieui cre-
dore, que vendeo a sua venda que tinha no pateo
do Paraio n 14, cuja importancia recebeo em lat-
irs a vencer: e como queira saldar mas contal com
leus crodores os avisa, para que no dia 20 compare-
ci na ra da Palma n. 27 pelas 10 horas da mi
nbaa.
Deieja-ie taber quem ho o procurador, noita ci-
dade de Pedro Alexandre do Mallos
Cjuem lhe faltar um voIuiro das obrai do Vol-
taire dinja-ie a ra das Cruzei n. 40, que, dando
o aignaei lhe sera entregue.
= Arrenda-ieoiegundo andar do tobrado da ra
dai Larangeiras, n. 14, com bom commodoi: a tra-
tar na ra de Mortal o. 140.
- Precisa-se alugar um so-
brado de dous andares, que te
nba bom commodos e lando nal run Direita, Li-
vramento Queimado Cruxei larga do Komo ,
Collogio o Cadeia : a tratar no segundo andar do so-
brado da esquina do "Livramento n. 1.
= Preciia-ie fallar ao Sr. Jos Correia Noguoira
Paz a negocio de seu interone ; por isso, queira an-
nunciar a sua morada.
Bcnto Jos da Fonsaca Silva retira-ic para o Ara-
caly
Na ra do Rangel sobrado de um andar, n.
43 farein-se espanadores, tanto ordinarios como bor-
dados doouro fino por prepo maii em conta do quo
em oulra qualquer parte. Na mesma casa prodia-ie
alugar una prota liel para aervir em casa o vender.
O abaito asiignado previno ao publico para
que gio faca nogocio algum com Ignacio Tolentino
de Figueiredo Lima sobre a oscrava de nome An-
tonia; porque existo em partilbis o o mesmo Lima a
(ezsonegada, como prova com a certidio dos offieiaei,
que lorio f|zcr a diligencia. = Francisco Sincho Hi-
beiro do Ainar.l.
= Antonio Francitco dui Santos, com vonda no pa-
leo do Paraizo n. 30, faz publico, quo, na madru-
gada do 14 do coi rente, apparedo aborta urna das por-
tas da dita venda sendo-lh roubada urna caixinha
com varios penhorrs de ouro e prala, no valor do 100*
1 pouco mais ou menos : por isso roga as pessoas ,
,ui' ilclla ouherem hajio de dar parte ao annun-
cianle, na dita vonda quo lerao gratificadas com o va-
lor dos penbores em dinheiro.
Qualquer pequeo de 10 a 12 anuos, quo esteja
empregado iani interesse, querendo arrumar-te n'uma
casado plvora,dando-so-llie 40j rs. e bom tratamonlo,
dirija-io a ra larga do lloznrio, sonda n. 33.
= Alu8-so urna boa casa com grande quintal plan-
lado do borlalicu e varios arvoredos de fructo, e que tem
goa 'Jo beber,no principio da estrada dos Aflictos,ao p
o Minguinho;unia casa terrea, com solio corrido,com
janellas do vidraca, no becco do Sentado desta ciJa-
de: na travessa da ra da Cadeia do Itecife, n. 25.
=Perdeo o abaixo assignado, no dia 11 do corron-
te, urna carleira com urna cdula de 500,000 rs.; duas
lellras acceitas pelo Sr. Jos Diai da Silva, urna de
rs. 1:322,500, nutra do rs. 800,000, a lavor do an-
nunciante; e outra lettra do rs. 1:400,000, acceila pe-
lo Sr. Joaquim da Silva Morio, con dous rocbos as
costas: a carleira foi perdida, ao subir a oseada, ila casa,
ondo mora o annuncianto, ra ila Praia, n. 43. Quoui
a iiclii.il, querendo ruslilui-la, recolier bom achado. Os
accoilantes das lellras j se acho prevenidos.
Manoel da Cunha Guimaract Ferreira.
Roga-ie ao Sr. J. V. R. o obsequio do latisfazer
o quanlo eit a dever pelo importe do papelio, que
comprou na fabrici das Cinco-I'ontas, n. 33, ha dous
annos a esta parto; pois dove altcnde: a promplidio,
com que foi servido, e o grandeprazo, que ha decorrido:
do contrario passara pelo dissabor do ver o seu no-
me declarado por extenso, o usar-se-ha dos mcios ju-
diones. Este annuncio se faz por at o presente terom
sido baldados os moios amigaveii, do quo se tem usa-
do, etc.
Quem precisar de urna ama
para o servido interno de urna ca-
sa, prelerindo-se casa de familia ,
a tiual sabe engommar e cozi
.
vimento do pilulas vegclaoi do doutor Urandreth ; a
quaes forao deipacbadat omodia 11 do paisado.
Estai pilulas cujo autor hasta para garantir sua ex-
cedencia torniio so mui recommeodaveis, nao t
pelat grandes cutas quo bo feito corno lambom ,
por seren um medicamento completamente nofensivo,
incapaz de causnr o mnimo prejuizo a aaudo, e que p-
do-te applicar a ambos osiexot.e em todas ai idades. Ao
annuncianto, como nico agente nesta provincia, cabo
a gloria de asiuverarao reipeitavel publico que aa di-
tas pilulas lio ai unica verdaderai, que exutem a
venda netta cidade ; ai quaei lio romettidn para eita
praca pelo Sr. ArcbiboM Forster, agente do doutor
em Rolln e cooiul braiileiro naquella cidade.
Os preten lentes encontraraO ai verJadoirai nica-
mente na botica da ra da Cadeia-Velha n. 36.
Vicente Jos de Biito.
James Craut Taylor, subdito ioglez retira-io
pira Inglaterra.
Compras.
Compra-seuma vonda em bom lugar, e com
piucos fundos; na ra Nova, n. 2, e dir quem com-
pra.
Compra se o livro= Barco da Carroira doi To-
lot =: na ra de Hortas, n. 112.
- Comprio-se paiafrada provincia, etcravoi
de ambos os sexos do 14 a 20 aonos, com habili-
dades ou sem ellas ; sendo de bonitai figurat pagio-
so bem ; na ra daiLruzes, n. 22, segundo andar.
Compra-so um bacamarto de cano de bronze ,
obra muito bern feita da quo so coituma a encom-
io.o I r ; paga-ae lien ; quem tiver, annuncie.
Compra-seuma lileira em bom estado ainda
que nio le o lia os pertences; na ra Direita, n.3.
Compra-so o primen o lomo do Resumo Crono-
lgico das lois de Borges Carneiros ; o o primeiro to-
mo d la I) iioeialie en Amerique por Alexis do Toc-
quoville ou vendo-so o sogundo tomo: na praca da
Independencia, livraria, ns. 6 e 8.
Veidas.
MARMKLAD.V DE LISBOA,
vendo so na ra da Cadeia Velha, n.6, primeiro andar.
UM BORRO,
para casta vendo se na ra da Cadeia-Velba n. 6,
primeiro andar,
engommar
nhar com asseio, dirija-se a ra
da Penha, n. 7.
Aluga-ie, por 8000 n. meniaei, o armazem do
sobrado n. 36 da ra do Amorim proprio para roco-
icr gencroi, por ser muito perto da alfandoga : a fa
lar defronte n. 33, segundo andar.
Procisa-se de um menino para caixeiro de loja de
fnzendas, preferindo-ie dot mais novas na Ierra ; na
na ra de Hortas, o. 62.
Dentista.
M. S. Mawson, cirurgiio dentista, participa ao ros-
peitavel publico quo pretendo fazer urna viitgcm para
Inglaterra pelo fin deite mez e por iilo convida a
todas o Sentiorvt que quizerom uiar do leu preslimo,
nio so demoren em procura-lo, quo ahi est o na-
vio Stoord-Fi'iA.pde sor asuasihija apressada, e a 6ua
demora fra desta praca le ettemiera a mais de me-
se!. Na ra Nova n. 2, tegundo andar.
Casa da F,
na ra estreita do Hozarlo, n. 6.
A' vitta do annuncio, que fez o thesoureiro da lote-
ra de N. S do Livramento,no qual marca o andamen-
to das rodas para o dia 21 do presente mez, infallivel
mente, o cauteliita da caa cima eipera, que 01 seus
fregueiet conconio con influencia na compra de tuai
cautelas; nai quaei eipera ler grande numero de pre-
mios, villa da boa escolba, que fez, doi nmeros, quo
comprou para dividir, A ellos Os procos sio os do
costume, dcimo a 1000 rs. e vigsimo a 500 rs.
Agencia de passaportes.
Na ra do Collegio numero 10 e no Aterro-da-
Roa-Vitta loja n. 48, tirio-ie pasiaportes para dentro e
forado imperio,assim comodespacbio-seeicraros:tudo
com brevidade.
=- O abaixo aisignado faz icienttiao reipeitavel pu-
blico que pela eteuna americana Locheil, vinda de
Boiton entrada ncile.porto a consignacio dos Sn.
Ilenry Forster & Companhia, ba recebido aovo pro-
*^ Nesta loja do bom barateiro ha um novo lor-
timento de caisas em corles doi mais tnoder- 5?
nos o bonitos padrQet que tcem vindo a es- Pp
"l> ta prse i ; assim como chitas e riscados fran- cezes e um c impllo sortimento do madapo- S
ffo loos, do 2500 a 6000 rs. ooulris muilaifa- jU
temlai finas e ordinaria, entre as quaes ha el- **
!jw gumai do lempo do reivolho,que se venden por
Jn lodo o preco, io afim re orlir do novo; poii eo-
" Ir ellas apparecom boas pichinchas que o
JE froguozei do bom e barato nao devom perder.
-r Vcndc-se uta cofre de ferro muito
Itom e novo, por preco muito cotnmodo:
na rita do Trapiche, n. 34 tereeiro an-
dar.
Ycndc-.sc, por preco commodo, o
bem acreditado rapo de Cordeiro Filho &
C, chegtdo do Pio-de-J.inero no ulti-
mo vapor :na uta da Cadeia loja de
Guedes & Alcllo.
a Vende-so urna canoa para abrir, de 60 palmoi da
comprimento, e 4 ditoi do bocea, tendo de amarello v.
nhalico : no Forlo-do-Matlo, eslalciro de Manoel Pin-
to dos Santoi.
= Na botica da ra do Rangel vendem-se os re-
medios soguintcs, dos quaes a experiencia tem confir-
mado os melhores efloitos : dontilico que tem a pro-
priodadu de limpar os dontes cariadoa, e reitituir-lbes
a cor eimallada em muito poucoi dial; o uso do di-
to remedio fortifica ai gengiva e lira o mi cheiro da
bocea, proveniente nio so da carie, como do trtaro,
quo io une ao pescoco deiles orgios ; o remedio hs
designado pelos nmeros 1." e 2.": orcbala purgativa,
mu ulil ai crianca o as peisoas de toda e qualquer ida-
de ; be composta de substancias vegelaes nio conten
mercurio nem droga alguma que possa prejudicar :
remedio para curar caloi, em poucos das; dito para
curar dores venreas antigai, o que teem resistido ao
(raimiento geralmcnlc applicado ; dito para provocar
a menstruacio e accelerar a accio do ulero nos partos
naturaei em quo nio se precisa das manobras cien-
tficas da arto ; dito para resolver tumores lympbatcos,
vulgo glndulas ; dito para curar bubas e cravot tec-
cos, o mais eflicaz que se condece at aqui; dito oxi-
mel de ferro muito uiii no cliofOes Tulgarmenie
chamadas frialdades ; pos anli-bilioso de Manoel Lo-
pes ; caps -la; de gelatina contendo baliamo de cu-
pahiba ; ditat de oleo de rocinos purificado ; ditas de
cubabas em pi'i fino ; ditai de aisafetida ; ditas com pos
purganle; ditat de ruibarbo da Cbina ; ditai de sul-
phato dequininode 1 a, 2 (rot cada captla; alga-
loas, velinhai elsticas; pilulaide tal de cabacinbo ;
sgoa das Caldas, ebegada prximamente; remedios que
curad a frialdade dentro de 40 dial, mesmo estando in-
coado ; oleo muito bom para conservar o cabello, que,
alean de nio deixar cahir o cabello limpa a caipa e
cojo uso continuado faz reapparecer o cabello perdido ;
pilulas especificas pira curar ai gonorrbeas chronicas ,
quando a lesio nio pana da ureta; igualmente um xa-
ropo anti-beinorragico, applicado not casos, em quo ae
deila langue pela borca : o preco de todos estes reme-
diosbe mui razoavel e os bom resultados da aua ap -
plicacio be que deveui fuer sua apologa.


w^
UJ \..MI
A
Vende-se urna pirda de bonita figura de 18 a
20 annos, milito robusto boa engommadeira e cos-
til rr ira ; urna negrinha de 12 a 13 annos um mu-
latinho, de 13 anno, de bonita (gura, e que bo muito
aadio ; ooi preto, de 25 a 30 annoi, sadio propiio
para todo o trrico : na ra da Cadeia do Recite loja
de loioda Caoba Magalbies.
= Vende-te una venda no Forle-do-Mattn, na ra
do Codorniz n. 11 : a tratar na mesma.
=Yende-se um ferdauento de guarda naciooal ,
en bom estado por preco commodo; na ra da Cal-
cada n. 13.
Vendem-se algodSeszinhos americano!, liaos ,
proprios para fsxer saceos de farinba por preco com-
modo ; em casa de L. G. Ferreir & C.
= Yendem-ael8escravos mojos, de bonitas fi-
igurss chegados prximamente do Aracaty sendo
negras, negras mulatas e mulatinhos; todos por pre-
so commodo: na ra da Crui n. 51.
Vende-so urna bonita escrava 16 annos, de
bonita figura que coiinha muito bem engomma e
cose; um dita, de 20 annos, de todo o sarvico por
350,000 rs.; um preto, de bonita figura proprio pa-
ra todo o senico ; todos estes estes eferavos nao sao
cinos o que se afianca ; na ra larga do Bozario
o. 24, primeiro andar.
Vemle-se urna carroca em bom estado ; orna pi-
pa arqueada de ferro ; um funil de pao ; um peso de
2 arrobas : na Soledade n. 22.
Vende-se um mulatinho bem parecido de 12
annos pouco mais ou menos; na ra da Madre-de-
Dcos, n. 7.
Vendem-se superiores charutos regala, fios
e muriiibanos em calimbas de 100, 225 o 250, por
preco muito commodo e chegados ltimamente pe-
lo apor, da Baha ; na ra do Trapiche n. 3i, ter-
cviro andar.
Vendem-se 7 preto de 20 a 30 annos; 4 mo
I mes, de 12 a 14snnos; 2 mulatinhos de 12 i
1 i 'unios ; 2 par Jos, sendo um sapateiro ; 4 pardas ,
de l a 20 annos; 2 pretas do 16 a 20 annos; lodoa
proprios do servico de casa acampo e sio de boas fi-
guras : na ra da Cadeia de S. -Antonio, n. 25.
ti< Veodem-se 2o acedes da companioba de Beberibe;
quem as pretender, annuncie.
Vende-se farinha da trra muito superior a
3500 rs. o alque're : na ra doCalJeiroiro n. 80
sa Vendem-se 4 negrinhas, de naci mocas, com
varias habilidades; um mole |ue de 18 annos, que
cozinba todo o diario de uina casa, um dito do ser-
vido de canpo ; 4 escravos de bonitas figuras, 3 pre-
tas boas quitandeiras e quecoiinbie bem : na ra
Direita, n. 3.
Vendem-se 104 vaquetas, por preco commodo ;
naruadaCrui, n. 36.
Vende-se urna casa terrea na ra Nova da cida-
dedelinda, em chaos proprios, e com terreno para
se leantarem mais duas moradas : a tratar na mesma
cidade, com o cirurgiSo Francisco Jos do Amaral, ou
no Recife com JoSo Jos Lopes Jnior, na thesou-
raria goral.
Vendem-se bichas novas, ebegadas de Hambur-
go no da 12 do crrante nos ceios e a retalho ; e
tambem se vio applicar por aluguel por muito me-
nos preco do que em outra qualqucr parte ; no depo-
sito da ra estreita do Rozario na venda da esquina ,
pegada ao becco do Botario, n. 11.
ss Vende-se sal do Ass a bordo do brigue Feliz :
a tratar com o propietario Firmino Jos Flix da
Rosa na ra do Vigario n. 23.
Vendo-se urna murada de casa bom construida
e a moderna ; hombreiras, soleiras sacadas, sepos .
nembos, vergas, ludo lavrado e muito em conta
na ra dos Pescadores, n. 1.
N. 40, ra do Trapiche relogios de ouro de
patento inglez muito bons ; co'rrenlinhas de ouro
pudrios Principe Albprto; e um ebronometro para
navio mui bem regulado : tudo so vende a presos
commodos.
Vende-se urna porcSo de cera de carnauba ,
amarolla da Ierra ; pedras de moinho do moer milho
urna armarSo de venda com um bom balcio de ama
relio ; 1 pipas arqueadas de ferro para deposito de
ago'ardenle : na ra larga do Rozario venda n. 29.
Vendem se 2 escravas, urna do naci de 20
annos, que cotioha alguma cousa e lava de sabio e a
outra crioula de 26 annos, engomma, cose, co-
zinba lava de sabio e fax renda ; um ptimo escra-
vo crioulo de 30 annos ptimo para todo o servido,
tanto da praca como do campo : na ra das Cruzes ,
n. 22, segundo andar.
= Natuado Rangel, n. 11 ainda ba para ven-
der urna crrante de ouro para senhora ; brincos; tran-
celios ; cordoes; argolas; relogios e outras muitas
obras de ouro piata das ja annunciadas ; 2 casacas
de bom panno ; urna bengala de unicornio ; pretos, a
880 rs. a duxia ; urinoes a 200 e 320 rs. ; vi n lio ,
a 200 e 320 rs. a garrafa ; paios, a 200 rs. ; copos a
100 e 120 rs ; potes para agoa a 160 rs. ; o outros
muitos objectos de venda por commodo preco.
Veodem-se duas escravas de 14 a 20 annos
urna dita, de 24 annos sadias e de bonitas figuras
no pateo de S.-Jos n. 60.
=Vende-se um pardo de booila figura de 16 a 20
annos, ptimo para pagem e que entende aigum
cousa de coiinba; na ra do Vigario, a fallar com
Francisco Aires da Cunha.
Tar!afaa,a3#rs.
Ni loja do passo d esquina da ra do Collegio, com
frite para o largo da Cadeia,vendem-ie cortes de vesti-
das para senhora,com nove covados de tarlatani. Esta
fazeoda tem urna vara de largura; be estampada com
flores matizadas; e, pela ua transparencia e rigeza do
fio,imita urna laozinba de alto^reco.
= Vende-se urna preta crioula com urna cria, do
poneos meses faz renda, cosinba o diario de urna ce-
as cose chlo engomma liso fax doces e caogica t
na ra do Aragio, o. 29.
==Vende-se um rica mobilia de muito bom goato,
do Jacaranda e as mesas com ricos marmores : atrs
da matrix da Boa-Vista n 26, segundo andar.
.Vende-se cal virgem de
Lisboa, embarrise caixas, ene-
jada ltimamente : no escripto-
riode Francisco Severianno Ra-
bello &Filho.
--Vende-sc lagedo de Lisboa ;
no escriptorio de Francisco Seve-
rianno tabello & Filho.
Vende-se um escrvo de nscio de 25 annos sem
vicios nem achaques bom eanoeiro, pesoador fei-
tor de rede e excellente oimaroeiro, muito possante e
de bonita figura ; ni ra do Queimado, n. 19, segun-
do andar, das 6 is 8 horas da manbSa e de 1 as 4 da
tarde.
Farelo.
Vendem-se atecas muito grandes com farelo : nos
irmazens de Bacelar e do Guimeriet no caes da Al-
fa ndega.
Vende-se cerveja branca e preta de Londres,
Barclay & Companhia a melhor que ba em porcio,
ou a retalbo : vinboa de Tenorife Madera, e de ou-
tras quslidades; ago'ardenle de Franca engarrafada,
e de superior qualidade : na ra do Trapiche o, 40,
INa ra do Crespo n. 18, loja
nova, de Jos Joaquim
da Silva Haia,
vende-se um novo sortimeoto de vestidos para senhora,
da rica fateoda chamada indianna ; a qual alm de
ser de cores escuras, tintas fixas e ricos gostos tem
um tecidn que finge ser de seda e o seu diminuto
preco he do 3000 rs. cada corte; bem como tambem
Ja fazenda victoria a 4000 rs. cada corte ; os quaea
ollcrecem as mesmas vantagens aos compradore, por
aerem esouros, e por isso se torftSo recommeodaveis
pira a presento estacio: igualmente um rico 101lmen-
lo de casimiras para caigas ; chitas para vestidos; e ou-
tras muitas faiendas que serio presentes, e le ven
dorso por prejos commodos.
=Vende-se a armaco, e livros da botica da ra da
Cruz n.CO ; bem como um berco urna cama e de-
gro de Jacaranda em muito bom calado ; urna mesa,
propna para picar fumo: na mesma botica ou no
Mondego, delronte do portiodu Sr. Luiz Gomei.
= Vendem-se moendas de ferro para engenbos de
assucar, para vapor agoae bestas de diversos tama-
itos por preco commodo; e igualmente taixas de
ferro coado e batido de todos os tamanbos : na pra-
(a do Corpo Santo n. 11, em casa de Me. Calmont &
Companhia ou na ra de Apollo armazem, n. 6.
Lindeza, o covado
a!40i\s.
Ni loja do passo di esquine da rui do Collgeio, com
frente pan o largo da Cadeia, vende-se lindeza para
vestidos de senhora, a dozevintens o covado. Os de-
tenaos desta faienda sao listrados,sobre assenlos claros e
oscuros, fiogindo seda ; o campo imita lia; sao cores
que nio desbolio, o be fazenda inleiramente nova.
- Vende-se farinba de tri.o, de prineira quali-
dade da marca SSSF, recebida pelo brigue Uberon ,
chegado de Trieste no da 4 do corrente em poredes
grandes, ou pequeas : 'em casa do Me. Calmont &
Cumpsnhia na pfaca do Corpo Santo n. ti ou ne
ra de Apollo armazem n. 6.
=Na ribeira da Boa-Vista, praca da farinha, n. 41,
ha una porfiado 60 alqueires de superior farinha da
trra, propria para mesa, como, a vista da mesma, po-
len ver o comprador; e vende-se pela medida velha,
em poriOes maicres ou menores, seodo da medida de
quarta para cima. Tambem ba de resto 4 alqucires de
farinha de barco, muito em conta.
=Na ra da Santa-Cruz, venda, n. 1. na esquina,
que volta para a ra da Alegra, vende -se superior cera
de carnauba, em grosso o a retalho; oleo de iinbaca em
botijas, e todos os mais gneros pertencentes a este es-
tabelecimeoto, pelos presos mais rasoaveis possiveis.
Vende-se cera em velas, muito bem sortidas, em
caixas, contendo do 3 a 12 libras; bizas pretas, ebega-
das ultima mente do Lisboa, por preco commodo, em
partidas de 20 para cima; oleo de linbaca embotijas
de tres galOes, a 2,200 rs. : na ra do Vigario, o. 23.
Vende-se potassa branca, do superior qualidade ,
em barris pequeos : em casa de Malheus Austin &
Companhia, ni iui da Al.mdega-N riba, n. 36.
Vende-se sebo em rama ; a bordo do brigue Vi-
ro chegado do Rio-(jrande-do-Sul fundeido so
p do trapiche do algodio.
Vende-se o sobrado n. 27 da ra estroita do
Rozarlo ; na ra do Queimado o. 35.
Vendem-so 4 escravas sendo : 2 negrinhas de
naci de bonitas figuras urna das quaes cozinba
muito bem de (orno e fogio, e engomma, e a outra co-
zinha o diario de urna casa, e cose alguma cousa ; um
parda, de 24 annos, que coso chio ; urna dita, de 7
8 annos, boa pin se educar; todos sem vicios nem
achaques: na ra da Concordia passando i pontezi
nbi, a Jireita segunda casa terrea
=\ende-se cera lavrada do Rio-de-Janeiro, de su-
perior qualidade lortida de menor tamanbo at ba-
randes; atril do Corpo Santo, n. 66.
Vendem-se couros de onpa ; 260 coaros de cabra;
llOmeos de sola ; 87 capoeiros; 31 bezerros : na
ra estreita do Rozario, o. 30, seguodo andar.
Vende-se azeite doce para luz melhor e man
barato do que o de coco ; e azeite doce fino em gar-
rafes do 25 garrafal: no deposito de azeite de carri-
pato na ra da Seozalli-Velha n. 110.
Vendem-se 2 pardal, de 16 a 20 annoi; 2 moli-
tinhoi, de 12 a 14 annoi; um pardo, de 25 annos ;
4 pretos, entre os quaes 2 sio de naci; todos sem vi-
cios nem achaques e proprios para todo o lervico: ni
ra da Cadeia de S.-Antonio n. 25.
Vende-se cera em velas do Rio-de-Janeiro ior-
timento completo de 1 a 16 em libra em canas e
ai lihrai, a vootide do comprador: na roa da Semil-
la-Velha, n. 110, armazem de Alves Vianna.
Vendem-se 2 rotulas para portn e urna a-
nella para casa terrea que seja de ponto baiio ; tudo
em bom estado, o com is competentes femgens, por
ques, com algumas habilidades do booitis figures
mocos : na rui Nova n. 21, leguodo andar.
preco muito commodo ; ni roa da Cruz armazem
W.
POTASSA.
Vende-se superior potassa da Russia
em barris pequeos ; ca! virgetn de Lis-
boa, da mais nova, que ha no mercado ,
por preco muito commodo ; tambem se
vende um resto de potassa da Safra pa8_ com nminbo. miud.oboi. atrep.de.ros e litrtra.. com
rl n r.m dn Tiini- '"'"'le de core; e est.s il.ii e eapaiei da pro,, d,
Cravatas,ay$ Na loja do pino da esquina da ra do Collegio, com
frente para o largo da Cadeia vendero-se lencos de cim-
bris, usado cada um. Estes lencos sio eslampadcs
sada muito barato : na ra do Trapi
che armazem n. 17.
Gambrenhoes, a
1#440 rs.
Ni loja do giuo da esquini di roa do Collegio, com
frente para o largo da Cadeia, vendem-se novos cortea
de calas com tres covados e meio de gambriobfies,
por quatro patacas e meia oda um.Estafazenda he me-
lhor do que a quo,ha tempoi.se annunciou.o se vendeo
oetli loja, peloi padrdea serem miii modernos, e os
pin nos muito encorpadoi Dar-ie-bSo amostras a quem
01 pretender, sob o competente penbor.
ATTENCAO !
Vende-se rap de Lisboa, do
ultimo chegado, bem fresco
formidave aroma, e boa cor.
Os tomantes que gosto da
boa pitada vculiao a ra da
Cadeia, loja 11. 50, confronte a
ra da Madre-de-Dos, que
se garante a boa qualidade.
Graxa econmica de Na-
poleao.
Nio he possivel faier conbecer ao respeitavel publico,
no curto e limitado espato de um annuncio, a bem re-
conhecida Superioridade desta excellente composicao
0 hroe inmortal, que,durinte sua carreira de glorio-
sas ladigas foi quem pela primeira vei della fez uso.
basta para a tornar recommendavel pin um publico
naturalmente econmico e amigo excessivo do asseio.
Um numero immenso de composicoei deite genero
tem apparecido oai diflerentei niedes di Europa ; po-
rm nenhuma deltas preenche os dous fins principies
(bom lustro e eonservacio do calcado) como ests, que
temos a honra di anounciar. Nao temos mus a roeom-
mendir 1 tal respeito: s dixemos e podemos asseverar,
que esta graxa he d'aquella mesma,que lustrou essas bo
tas,testemunbas inanimadas dos gloriosos feitos de.Lo-
dy, Arcle, Marengo, e Austerliti. Vende-se em
lalinhas por mdico preco, em porceso a retalbo, no
deposito da ra do Queimado ,* loja de miudeai, o.
16: aisim como em retalbo em algumai diflerentei lo-
jei.
Brins francezes,a
800 rs. a vara.
Na !ot do puso da esquioa do Collegio, com frente
para o largo da Cadeia vende-se brimtrinr,ido brin-
co, francez, a 800 rs. 1 vira. Esta fizenda be muito
cncotpad v do Imlio inteinmente puro;e por isso mui-
to duravel.
Vendo-se ni trivessa do Verai viodo di praca
da Boa-Vista para a ra Velha a casa terrea n. 20,
bem conitruid, sem Ihe rallar nada com cacimba ,
doui quintiles sendo um coberlo proprio pin qual-
qucr arranjo, que te precise ; 01 rui di Coneeicid,
1 fallir com Rufino Gomes.
= Vende-se ou tfoci-se, por predios em quilquer
dos bairros desta praca, o bem conhecido sitio do pa-
dre Francisco Jos de Lira sito ao p da povoa-
cio de Reberibe a margem de estrada real cm
trras proprias com seus pomares de diversas fruc-
lis tudo plantado com symetrii com dus eiiai
noval grandei e boas a margem da estrada urna
de residencia ea outra de nogocio, pela posicio ven-
tajosa, em que se acbio cercado de limio em toda sua
circumferencia sendo ao.inesmo lempo grande, de
boas terrss pin agricultura ; tem capoera do malto
de machado ; tudo comprebendido dentro do mesmo
sitio : a tratar no mesmo sitio com o dito padre ou
na praca da Independencia, livraiia, ci. 6 e 8.
" O L1VR0 DE TODOS
ou
MANUAL OA SADDE ,
Contendo
todos os esclirecimeotos theoricoa priticoi necessi-
rios pira poder preparar 6 empregtr sem o soccorro
do professor 01 remedios e se preservar e curir-ie
prompamente com pouco diipendio di roer parle
das molestias curaveis e conseguir um allivio quasi
equivalente soude, as molestias ineuraveis.
Seguido
de um tratamento especifico contra a coqueluebe e de
regras hygieoicas para prevenir as molestias;
ne!o dstsr G. ds Plocs-ussc.
Prego 4000 rs. em broobura.
O supplemeoto, indispensavel a quem tem a obra ,
d-se gratuitamente aos compradores. 0 dito supple-
mento trai as tres differentei receitas para a eomposi-
cio da agoa sedativa elle precioso remedio, que
timinhi repulacao ji tem ganho e quo deve existir
cm todis ascasis pin remediar prompUmente sos acci-
dentes e ineonimodos repentinos.
Vende-se ni prica di Indenendencii livrarii
ni. 608.
Vende-ie um litio com alguns arroredos jai fruc-
Ito, em trras do Monteiro, no caminho, que vai para o
Arraial do lado opposto 10 sitio do Sr, Tibureio ; na
travessa de S.-Jos n. 29
==Vende-se, pelo diminuto preco de 12,000 n. o
diccionario inglez por Vieiri em dous grandei oa-
me. ; ni loja de livroi di ra da Cruz.
mio.
Vende-se na ra da Cruz, n.
6o, cera em velas, chegada ltima-
mente do Rio-de-Jinciro, de urna
das melhores fabricas, er caixas
pequeas, de 3 a iG em libra e
por preco mais commodo do que
em outra qualquer parte.
Farinha SSSF,
da melhor qualidade, 6 a ulti-
ma chegada a este mercado;
vende-se em porcoes grandes
ou pequeas: a tratar com
11c. Calmont & Companhia,
ou com ti. J. Tasso Jnior.
Venflem-se taboas de p,
nho, a 40 rs. o p ; atrs do
theatro.
Vcnrfem-se pregos ame-
ricanos, ii. 4, novos, cm bar-
ricas na ra do Trapiche,
u.8.
-* Vendem-se esteiras da In-
dia, para forrar salas; fo por-
rete, fino: na ra do Trapi-
che, n. 8.
Yende-se urna cima de angico para cual por
preco commodo ; na rui do Sebo, n. 15.
Vende-se, na ra da Crux n. 26 um mole-
que de 16 annoi proprio pira todo o servico; cou-
rot; sola ; tpalos feitos no Ceir ; 2 relogios de
ouro ; e esteiras feitu do Aracatv.
Escravos Fgidos.
^Vendeane 12 escrivos, sendo pretil] e mole-
-]\o da 13 do corrente, des-
appareceo da casa do abaixo as-
signado um molecjue crioulo,
de norne Felisbero ; levo um
alfnete de peito com diamante,
1 cordo de ouro com 8 a 10 oi-
tavas e outros objectos de me-
nor valor : quemo dito moleque
pegar com o roubo ou der
parte do dito roubo ser gene-
rosamente recompensado, na es-
quina do Livramento loja de 6
portas.
Gabriel Goncalves Lomba.
=Fugio, no dii 11 do corrente mex, 1 preto, de no-
rne Antonio, de mcio Quicima, de 22 annoi, sibndo
da caa de leu tenbor com um tiboleiro comstpolys;
levou camisa e cilcu de estopa, j velhas, sendo a ca-
misa de mingas curtai; he de estatura biixa eara re-
donda fulo; tendo as costas para miior ligail, um
IUI ou F : quem o pegar, leve 10 litio da Trompe ,
o. 1, denominado da = Joonna dos Pinos =, qui
ser bem recompensado.
: Em das do mex de fevereiro deste anno, fugio
da casa de JooGomes Ribeiro ni povoicio de Jara-
, prxima i eidade de Macelo, urna escrava criou-
la, de nomo Quiteria pertencente lo idvogido Jos
Correira da Silva Titira ; a qual representa a idade
de 20 a 24 annoi, quindo muito ; de bonita figun ,
alta e algum tanto corpoieota quando gorda rosto
redondo, e bem preta : tem por costume andar de ves-
tido e fallar com qualquer pessoa, firmando-so em
urna perm lmente. He natural dai psrtei de Un,
proviocia de Peroambuco e foi a ti i vendida por Joa-
quirs Frsaci:co do Sontos, rgunJo decians.-2
Diogo Jos da Costa ,~ negociante da cidade do Itecifc
a quem foi comprada pelo dito advogado Titira em 4
de julbo de 1845. Ha sospeitai de que a dili >-
criva so embarcan no porto do Francez termo di ci-
dade das Atigois, onde indou algum lempo e qoi
seguir tilvex pan o Norte em aigumi canoa, ou bir-
caca : tambem se tem dito, que ella tomn a direc-
co do centro da provincia. Boga-ie toda a pesaos,
que a pegar, ou soubor onde ella se aeb, do a levar,
ou inounciir, em casa do mencionado Titira, em Ma-
eei ou do dito Diogo Jos da Costa e Antonio Jo*~
quim da Silva Castro ni cidaA do Becife que seri
generosamente e sem domora^srompensada por qual-
quer delles pigindo-ie, alm disto, qualquer despe-
ra que com a dita escrava se lcnbs feito.
i
PERn.
NA TYP DE M. F. DE FAMA-


Anuo de 1846.
-
Segunda fera lf de Agosto,
N S3
ERNMBlICO
@SA&
(SOS OS ASICtOS Di SOCIEDADE COMMEfcCUI..)
Subscreve-se na Praca da Independencia, oja de livros n. 6 e 8, por .ayooo r PIUCOS CORRENTES DA PUAA (Correo-ido Sabbado as 3 horas da tarde.)
1
t


3
o.
H
O
c

o =>
c o
1- a
o
I
c o
c o
?!
S S 3 "L
^ ^ J c
= O =
= *>z. 2 2
oc = = = = e'- = = *??S2S 2 2 2 2 ? 2
2SScooc3-4-.>o-~ = o --* =2 r 2 E
So c o 5
o ce?
00 o
ka, Ui. f
o-c-3"
2
22S|S
c o o

ti
00 m f
oc
43 O 1
S O .'
?2S
!
1
5 o

|t|l|
[i
:J8
u i 111! u i 1 mmiiM m ij_
r '.i o c o
C QO O O
ui > O
' c C = 00
oc x r*
i a c e
m ce n
c- ^ ^ E .= 9,
os c Ci -o C "2
B O
_________/ OSO O OC -rt S$ OCO =?<==*. OW-l-O
S 3 r^**- **>= ** *
* -1
1: .iMfisJ-l-4--J,iHj*-H "1"
5,3 ^^3>3 5 o o-^= S* SoS| I ||5 I 2 til Si
-=-111 '
5 5> 3 jJjr <: Sf
o o
o w 0000 =
o e -O O C ao
k r* *
coeoco==ggggooSgg ||
23
r- c -
eco
a 5 f
BIO*^
#*
"o t = = =
= == S222
c *;*. c
o> -r -r n 4
IS;=nco==ceo
n -
2
o
o -o
5
*3 .(
fgSSSi S5Sg|l|||I
55..15 2 .2 ..' S. i. i.
r*
I I
lili'1
S 1
.!

1 1 1 1 t 1 '-a '
1 1 1 1 [Jl >
1 1
1 '
4
'S5.. .8
r.r. J1..J
11
11
11
.......-".....1"'::::::;::: ,.,i-...i..................&.........:::
1
1
i I I
JS 1 1
1=..,

1
- 1 > i
1 1 1 1 1
1111
.

rer
I"1
I I 1 l"i"
.....'
Sil "i'
1 a
- n t. X*. rf 11 v C .. E *:**-=
" 'l'i'fS'
a C ..cu
1 I
I I
i<.......kf"" -:h';' 'i1 "i:


(4)
EXPORTADO.
Igoarde
sTgodo
I. xorle -
! Assucar brinco em caitas -
masca vado -
em barricas ou sac-
eos, braoco -
> mascando -
Couros seceos salgados. -
Meios do sola -
Cuifres da trra -
do llio Grande -
EXPORTS.
Rum -
Colln I. qualily
Sugar in cases white -
brown
lor Barris or Bags
wliile -
brown -
Dry salted bids -
Tanne bidet------------ -
Oi-liorn -
50/000
IJMO
5/.00
1/300
1,1100
2/790
IJ550
118
1/500
3|u00
2/000
PRAf POB
Pipa.
ojjno A rroba.
6/700 a
I i ferro
1/700
IfiOO
Libra.
IJiJ-H Huna.
Ceuto.
4*500
CAMBIOS.
Londres..................7...... 16 d. por l| rs. a 80 din.
Lisboa.......................... 106 |>or cenlo premio.por metal efi'ectuadoe
Franca.......................... 355 ris por franco.
Rio de Janeiro....................ao par
PKATAmiuda................... I#780 a l|780
Palaces Brazileiros........ 11960 a 14970.
I'esos Columna nos......... 1/960 a IJMO.
Ditos Mexicanos........... 1 #810 a l|940.
ODRO. Moedas de 6#400 velhas... 161600 a 16*700.
Ditas ditas novas... lOOGO a >G/2un.
Ditas de 4#000............ 9/000 a 9/200-
(Incas hespanbolas........ IIJO00. a 1IJ500
Oitaj Patriticas.......... J0/500 a 3i#000
Letras.......................... '/ Pr cenlo ao mes.
FUETES.
ASSDCAR.
iLiverp ol .....7...............\ I 10. 0
i Cannlerilre Amburoe Havre.....J
incluindo portos Inglezes > 1
! Genova em saceos............f
MIanihurgo caitas............... }>
', Bahico........................
J Trieste para critas..............\ I
lEstados-Uiiidos.............------1
Portugal......................./ \
i Franca........................ frt.
nominal
/
44 e Id % de primagem
ALGDAO.
Portugal................... 600 por (ffi sem primagemnominal
Franca.................... 360 por rj5"e 10 p J ao camb. de 160 p fr noraiaaj.
Inglaterra.................. '/jP- ^eb >. /,de primagem.
Ilarccloua.................. 500 p ()e 10 p /0aocanib. I00o)pcs p. fr
CUROS.
Inglaterra Seceos f
("ranea............
Litarlos Unidos.....
t 2 10 0
por tonelada e 6 por cenlo.
160 cada lium elp /, camb. 160 I fr.
Nao lia.
9VB2j1
HTStl*
Da da II de Novembro de 1814 > r. liante pigar 60 p. c. o rap ou tabaco
de p, OS charutos ou cigarros, o fumo em rolo ou em follia.
Pagar 50 p. eos saceos de canhama vetes em Idrma de punhal, asalmofadas paracarruagen*, as pedral lavrr.nas para la-
gdo, as pedras decantaiia pra portees, portas 6 jauelUa, s pedras lavradas para
encanamentos. cepas, cunbaes e cornijas, O aamiear refinado, crygialisado ou de qual-
quer maneira con/citado, o eir, a agoardeule, a cerveja a ciilra, a geneora, o mar-
rasquino, ou oulrns licores, a os viudos de qualquer qualidade e precedencia
Pagarn 40 p. c. as alcatifas ou tapetes, o canhamaro ordinario ou grossaria, as
balancas de qualquer qualidade, e roupa feita, nao especrbcada na tarifa, as cartas pa-
ra jogar, as escovas de cabo de marlim, o fogo da Cliiua em cartas, ou qualquer ou-
Irn logo de artificio, o papel pintado, prateado ou dourado, sendo de qualid.de*
linas, o papel piulado para loriar salas em collecres un paiugens, o papel de llol-
andi, imperial, ou oulro nao especilicado na tarifa a plvora, os saboneles, o sali,
o sebo em velas, as velas de Slearina ou composico, a* ameixas, ou mitras fructas
em frascos ou latas, seccas, 'em calda, ou em espirito, o chocolate de cacao ordinario,
o vinagre, os carrinhos, carruagens ou caitas jo^os, rodas, arreios para urna e ou-
v-a cousa as esleirs para forrar casas, os carros para conduzir gente, os sociaveis,
s sillines, os areieiros e linteiros de porcelana, e qualquer ohjecto de louca nao com-
prebendido na tarifa; os lustres, os clices para licor ou viulm de vidro liso ordina-
rio, os de vidro moldado ordinario lavrado ou moldado c lavrado ordinario da Alle-
inanlia e semelhantes os de vidro liso moldado ou lavrado, de fundo corlado ou liso,
rom molde ou lavor ordinario ; os callees para Champanhe ou cervrja, as canecas,
e coiios direitos de 10 a 1 em quartilbo, as garrafas de vidro al 1 quartillic ou mais,
sendo todos estes odjeclos de ns. I el as girrals de vidro pretas ou escuras da
mesina capacidade, comprcheiulida as que scivem pira licores ou Le-Roy ; os copos
para tabernas at urna caada, os frascos de vidro ordinario com rnlhas do mesmo
li 3 libras ou mais ; ou sem rolha al 7 libra* ou milis, os de lioca larga com roldas
do mesmo, al 4 libras ou mais, ou sem rolda para opodebloc os v-drns para a-
lampadas ou candeiros, as taboas ou (billas de mogiio ou oulra madeira liua, e Iras-
tes de qualquer madeira.
Pagar 75 p. c. o ac, a lea Ir o, lineo em barra on em follia, chumbo em barra'
ou lencol, eslanho em barra ou em vei-guinda. ferro em baira vertiiinha, chapa o
linguados para fundico, folha de Klandres, gallia de A lepo, lata em fallas, laloem
chapa, raarlun, salitre, vime, bacaldo, pene pao, e qualquer oulro, seceo ou sal-
ado ; bolacha, carne secca ou de sahnoura, herva-doce. farinha de trigo, uell'cas
tranca ou pintadas, cordoves ou corles de bezerro para calcado, becerros e coiiros
envernizados, couros de poico ou boi, salgados ou seceos sola clara para sapateiro
ou correeiro, cobre e caparrosa.
Pagar 50 p. c. o trigo em grao, barrilh. canotilhn, espi;:uilha, fieiras, (ios,
franjas, lanlijoulas, palhetas, passamanes, sendo de nurooii prata citrelina, ordina-
ria ou falsa : gales da mesmi iialureza, ou tecidns com reros, lindo, algodo ou
seda, rendas ou enlrenieos de algodo nao l>ordados ; leudas de lil, as de algodn,
reros ou trocal ; leucos de cainbraia de liuho ou algodo, e bandas de retrot de
raalha.
l
PagarS 10 p c os livros, mappas e g'olioi gen<-rapliicnt, instrumentos malhe-
malicos, de pbysica ou chimica, edites desvestirlos de velludo* ou damascos, borda-
dos de prata ououro lino ; rctroz ou trocal, e cabello para cabelleireiro.
Pagar 6 p c. ocanulilbo, cordo de fio espiguilla, Boira, (ios, franjas, ga-
lio de lio ou palhela lanlijoulas, pall.eta. rendas, cadarcos e lodoso mais objec-
tos desla naturexa, sendo de ouro e prata fina,
Paga' S p. c. o carvo de pedra, ouro para dourar, ou quaesquerobras e
utensis de prata,
Pagar 4 p. c. as joias de ouro ou prata, ou quaesquer obras de ouro.
Pagar 2 p. c os diamantes e outras pedras preciosas solas sementes, plan-
as e rajas novas de animaes uleis.
Pagar 30 p. c. lodos os mais objectos.'
Os gneros reexportados ou baldeados pago I p. c. de direitos alm da armi7e-
r:--sm; c o despachante presta (anca at a approvaco desla medida pelaAssem-
bla Geral.
Coiicedem-se livres de armazenagens, por'ISdias, as mercaderas de Estiva, e
dous mezes as outras ; e fiados estes praxos, pagar '/i P- c- mei d respec-
vo valor.
Os rdireilos das fazendas, que pago^por vara, dere entender-se vara quadrada.
Os direitos nao podem ser augmentados dentro do anno fiuanceiro ; maso Go-
verno poder mandar pagar em inoeda de ouro ou prata urna vigsima parte das que
forem maiores de 6 e menores de 50 p. c. dos precos das mercaduras, ou mesmo
diminiiil-o*, segundo Ide parecer.
O Goveruo est auloiitado a estabelecer um direilo diflereucial sbreos gneros
de qualquer naco, que sobrecarregar os gneros brasileos de maior direilo, qn(
iguaes de oulra naco.
Os rticos nao especificados na paula pago o direilo a/1 valnrem sobre a (aclara
presentada pelo despacliHiitc : podendo porra ser impugnados por qualqnrr ofllcia]
da Alfandega, que em tal caso paga o importe da facluru ou valor, e os direitos.
Aocasode duvida sobre a rlassificaco da mercadoria, pode a parle requerer
arbitramento para designar a qualidade e valor da pauta, que Ine compele.
Sao iseulas de diieitos as machinas ainda nao usadas no lugar, em que forean
importadle.
EXPORTAQAO Os direitos pago-ae sobre a avaliaco de urna pauta semi-
nal na razio seguinle : Assucar 10 p c. Algodo, caf, e fumo 11 p c. Arjoir-
dente, couros, e todos os mais gneros 7 p. c. 'em deales direitos pago-se as
Utas de 160 rs em cada caita, de 40 rs em cada fecho, de 30 rs. e.u cada barrica,
ou saceos de assucar, e de 40 rs em cada sacca de algodo.
Couros e todos os mais gneros sao livres de direitos para os portos do Imperio, a
excepro do algodo, assucar. caf, e fuiro, que pago 3p.ee as laxas por volnrne-
Os metaes preciosos em barra pago de direitos I p c. sobre o valor do mer-
cado, e a prata e o ouro ainoedado nacional ou eslrangeuo paga nicamente '/, p. c.
Os escravos exportados pago 6/OO por cada um.
Di'M'K/, \ DO PORTO As emharcaccs nacionaes, on eslrangeiras, que
naveiio para fora do Imperio, pago 00 rs de ancoragern por tonelada : cas
nacionaes, que navego entre os diversos portos do Brasil 9C rs. As que entraren)
em lastro e sahirem com carga e viceversa, pagar muade do imposto supra e urn
terco as queenirarem, e sahirem em lastro; e mesmo as que entraren! por franqua,
ou escala, que enlrern em lastro, quer com carga Desla imposico porni tero
isentas as que importare!mais de 100 Colorios brancos, e as qnee ntrarem por arribada
forcada. com lano que estas nao carregurm, ou descarreguem t meule os genero]
necessarios para pagamento dus reparos, que lizerem.
VENDASDE NAVIOS As embircaces eslrangeiras. qoe passarem a ser
nacionars, pagan 15 p. c e as nacionaes, mudando de proprietano, ou de baudeira
pago 5 p, c. sobre o valor da venda.
REVISTA SERIA NAL.
CABI' Transacce! regulares a 76 d. por 1/000.
AI.IIODAO Giritiuuo sem alterarSo aoi precos quotados.
ASSUCAH Pequeuas entradas e sem alleracSo.
COL'ROS Oflereciros a l}5 rs por libra.
KAIIIMIA DE THIGO .-em entradas.
BACALIIAU Vendas regulares, a retalho, s quolaces, sendo o dopoj:to de
cerca de l,5<>0 barricas.
MAMTKIGA ChrgarSo mais afumas porres da inglesa, e francea, da
primeia apenas se vendero Mi barrita pirco occull.
CAIiMi DE CIlAllOUE .Sem entradas, sendo o deposito actual deO.OOO
arrodas, sendo as vendas regulares s quolaces.
Resumo das Embarcaces existentes neste porto no da 14 ii Agosto di 1946.
Americanas...................................................... .... 2
Urasileiras.......................................................... 15
lelr>a.... .''*.......,,, ..... ............. 1
Dinainarquezas........................................................ t
Francesas.........................................................., I
Io8lea*.............................................................. 5
Portuguesas........................................................... 3
Sardas.............................................................. I
Sueca............................................................... 1
A Provincia goza trauquUlida>;
Total
54


(5)
- tmmmmsamssmasBBBmmsBBBmmmmimBmmL..
LISTA das Embarcaces existentes nesle porto al o dia 14 de Agosto de 1846.
MTIUDiS. DOSD.VM.
HlJdnbo
1 Julho
Maio
J mili u

Julho
*
Botton
Salem
CtSCO.

lt
29
9
19
21
1?
21
a
18
V
li
27
28

29
I

15
21
28
30
Si

I
3

4
i
7
a
12
l4
brgug
(.alacho
NACAO.
Ameri.
Junto
Jnnlio
Agosto
Julho
Julho
Aojio
Julho
Agosto
Agesto
188 Atril
Julho
Julho
Mio
Julho
Agoilo
Parahyba
S. Malheus
S. Malleus
Itio de Janeiro
R. GranJedoSul
A carac
Itio Grande do S
Caravellas
Hio GrauJedo O.

Ass
As
Camosin
Aracaly
Ass
Villa do Conde
Balita
Caravellas
Rio Grande dub
Baha
Aracaly
H Grande do Sul
Hio de JantifO
Caravillai
A Icobaca
Rio de Janeiro
R. Grande do S.

Hio .Viar.,,u e Ccar
A/acaly

Ass
Aracaty
10
27
II
39
l
Gabo
blata
sumaca
sumaca
patacho
b -etc.
pauclo
hrigue
Mal*
brigue
n
hiigue
patacho
sumaca
ltate
sumaca
late
sumaca
s imaCh
b igue
sumaca
lliale
hrigue
h.-esc
patacho
sumaca
bri lie
a
br.guc

b-csc
sumaca
lliale
brgue

patacho
tarca
llraiil.
Il'ia de Fernando
lliiiilmrgii
Marseiles
Havre de Grace
Havre de Grace
Babia
Liverpool
Liverpool
a
Liverpool
Lisboa
Lisboa
Figueira
Montevideo
Genova
Trieste
liri-uc
paUcbo
hrigue
brigue
biigue
barc.
barca
galera
baica
barca
I rigue
brizne
brigue
bigu
bi igue
brigue
NOMES.
Richmond
Retreive
Boa-Viagem
SanU Maria Boa Sorta
Hozario de Maria
Oiiveira
Viginia
F.mulaco
Deoa-le- juarde
Peusamento Flix
Felii Destino
Jupiter
S. Manual Augusto
Uiii'io
Emilia
Movo Ulinda
Felicidade
K niioso
H lliina
Ligarlo
Inilependenle
Flor do Aoge'.im
IVereida
Sania Maria Boa-sorte
Adelaide
Rom Conselho
Esperanza
Casualidad*
Echo
ero
Relia Manoclla
Fcte Fogo
Carlota
Espadaite
Socicdade
Feliz
Flor da Verdad
Belga Amelia
Din. Fortuna
F.xpresi
Franc. Leonide
Yolol
Cesar
Ingl. Irt
Priscilla
Swordiish
Atice A lad
Mar; Queen of ScoU
Port. Maria Felit
Robin
Tarujc Segundo
Sarda Pylades Se Oraste*
Ligara
Sueco, beron
TOH8.
151
II*
MMTRK.
Roberto Knoa
J. n. Frauka
28
8
78
182
I SO
122
118
18
207
218
216
Itl
10
80
70
21
6
60
lll
83
97
2?
1*0
61
42
IbO
2 SO
107
250
175
64
27
183
!87
89
CONSIGNATARIO*.
Henry Froiter k C.
O Cnsul Americano
Jos Antonio da Silva
Manoel Joaqum Nunes
Joaquim,Js Teixeira
Jos DiaaCorreia da Silva
Malliias Ferreira Braga
Antonia Gomes Pe. eir
Manoel Jos de AreedoS
M. A Ivs Cousino Bibi
Maooel Pereira de S
Antonio Jos dos Res
Mannel Simes
Joaquim Jorge Goncalves
Jos Mannel Rodrigues
Antonio Jos Vianua
Jos de Freilas
Antonio Rodrigues de Castro
Relchior Jos dos Heis
Jos Rodrigues deCarvalho
F. J Pereira Oulra
Bernardo de Souu
Joaquim P.'reir*
J. I, Dias dos Prazerts
Antonio Alves Martha
Manoel Pereira de S
Jo'-o Antonio dos Santos
Manoel Ignacio Correia
Manoel Luis doi Santos
Joaquim Pedro de S Faiia
Joi Maria Rcgis
Hemy Quin
Jes Concalves Simas
Joaquim Jos dos Sautos
Jernimo Jos Felia
Aleiaudre Jos Alves
Luii Goncalves Victoria
DIUTMO.
Amo;
379
254
80
III
136
162
215
218
14S
461
256
222
170
III
148
196
350
Jos Maria Vianna
Jote Velloso Soares
Manoel Jos Teiaeira
Joo Val da Oiiveira
Joo FrancUco da Cruz
Manoel Goncalves da Silva
Baltar 81 Oiiveira
O Meslre
Pedru Das dos Santos
Antonio Goncalves Ferreira
Bernardo Antonio de Miranda
Gaudino Agoslinho de Barros
O Meslre
Joo da Silva Santos
A Joaquim de Houia Ribeiro
O Meslre
Magalbes Bastos
M. Joaquim Ramos a Silva
Manoel Alves Guer.a
Luiz Borges de Siqueira
Carlos Augusto de Moraes
Amorim limaos
Novaes 8t C.
M. Joaquim Ramos e Silva
U Meslre
C uadino Agoslinho de Barros I Angola
Jos Perel.-a dt Cunha I
Leopoldo Jos daCoila Araujo
U Mestre
Manoel Joaquim Ramos aSilva
Mestre
Joo Piulo de Lemos Jnior
Jos francisco Colares
F. 1. Felia da Roza &t Iimo
Laivalho Gomes.
Rio de Janeiro
Cear
Aracaty
Macci
Maceio at 31 do c,
E. Nodion
II. Rotte
II. Mayor
F. Nacid
Falnme
Dionaut
T. Youug
John Taylor
Richard Creen
David Williams
Wm. Kelly
Antonio Luiz Gomas
A. I'ereira Borges Jnior
Jos de Oiiveira Faoeco
Antonio Girandelo
Joo Baptisu Cicaty
B. M. Hyortb
A Ordem
Rotte 8: Bi 'oulac
l'.ulhe & bidoulac
E. Bolli
B. Lasserne C.
Avrial Freres
l.atham & llibbert_
Johnston Paler S C.
Me. CalmontSt C.
O Meslre
James Crablree ItC.
Parahyba.
Coiincuibi
Marse'.ha
A. Joaquim de Sonza Ribeiro
Thomaz d' A quino Fonseca
F. J. Feiii da Rosa
M. Joaquir Ramos e Silva
Frederick Robiliard
Liverpool
Livelpool
Port-Philip
Livarp. a Mar."
Poito
Lisboa
Me. Calmont 8c C.
Pernambuco na Typfttraphi. de M. F. de F.ri..-1846.




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E93PSU81Q_VB7C5L INGEST_TIME 2013-04-26T22:46:39Z PACKAGE AA00011611_08370
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES