Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08356


This item is only available as the following downloads:


Full Text
mm
\nuo de 1840.
Quarta-feira 30
O 0//f/f/Opulilc>- todn o diat que n.'o
forera dr u'"""'1" preco I aatfinalar* lie de
4fii0l rs. por cpiartel, pacot adinnlailns. Oj
s(incins ilos aasignanles lo inMrMM a raiio
He ? rcis pnr linha, 4 0 ris en typ dilfren-
te, e a repelicoe pela metade. Os que no fo-
re'm asignantes tf-So 80 lis por linda, e 160
ei lypo differeiite.____________
PHASES DA LA NO MEZ DE DEZEMBP.O
l,ua ctieia a 2, 1 horas 36 minutos da Urde.
Mm-oHHiea 10, isO l-urase 5S min. da larde.
La nova a l, as 10 hors e 2? min. da manh. i
Crescenie a 24, as 4 horas e 16 rain, da inanli.
PARTIDA DOS CORRF.IOS.
Goianna Paralivl-a, Secundas e Srilas feiras
Rio (iiMinle do Norte, chega as Quartas feiras
ao meio dia e parle lias mesinai horas oas
Quintas feiras.
Cabo, erinhacm, Rio Kormoso, Porto Cairo e
MaceyrS no I.*, II e 21 de cada mez.
Oaranh'tins e Knuito a 10 e 24.
Boa-Vista e Flores a IJ e 2.
Victoria as Quintas feiras .
Ulinda todos os rilas'.
PREAN\R DE HOJE.
Piimeira s 2 h minutos da tard
Secunda i 2 ti. 30 minutos da manlia
do Deseembro.
Anno XXII.
N. 29!.
O DAS DA SEMANA.
8 ffi Segunda. Os Santos Innocentes.
29 Terca. S. Darid phoplieta e rei. .
iO Qliarla S. Sabino.
Ji n< Quinta. S. Silvestre.
1 SB Sexta. Circumcisno do Sentar.
2 Sahbado. S. Ijidoio.
1 Domingo. S. Aprieto.
CAMHIOS NO DIA J9 DE DE'AEMBRO.
Camliio sobre Londres 39 H. por If rs.a
u Paiia JJ5 ris por franco.
> Lisboa 9.S de premio.
Pese, de kirns de boas firmas I '/p. Vi
OumOncas liespanliolas 2H000 a
Moedaade fijtno vel. |6200 a
a detftOOnov. ifiJOOO a
. de 4*000... 9/nOO a
Prala PeUces........ 2 J"00 a
. Pesos columnares 2/000 a
Ditos Maaicanos. ,|'0
Miuda......... I#100 '
60 d.
Acces da Comp. do lieberibe de 40*000
o mez.
ISjSnO
I 1*300
lOflOO
'.I 11>"
3/030
3#020
IfSOO
11780
aopar.
DIARIO DE PERHTAMBUCO
PAHTE OFFICUL.
liF.CRETO N.o 487, DE 28 DK NOVEMBRO DE 1846,
PARA EXECI.'CO DA LE K. 401, DK I I DE SETEMBRO DRSTE
ANNO, QUANTO AO SEU PRIMEIRO ARTIOO.
Tendo ouvido o met concelho de estado sobre a
melhorcxecucno da lei n.401, de II desetembro des-
te anno, quanto disposieo do seu primeiro artigo,
liei por hem, que se observe o seguinte:
Artigo nico. Motompo proscripto no artigo pri-
meiro da lei numero quatroecntos e um, de 11 de sc-
lembro dcste anno, serio recebidas as moedas de ou-
ro e deprata nacionaes ecstrangeiras, abaiso decla-
radas, na rasflo de quatro mil ris por oilava de ouro
de vinte cdous quilates, observada entre ambos os
nictaes a relcelo de 1:15,5 '8 na forma, que se segu:
MOEDAS DE OURO.
Peso.
0t. Gr.
reca. Brasil e Portugal .. 4
Moeda de 4/000. Brasil 2 18
Soberano. Inglaterra ,1/2,
2c5em proporcao)
MOK.DAS DE PRATA.
Paladn. Brasil......J
Pem duras. llespanha..
Duas potaras. Brasil (1,1/2
c 1/4 etp proporcSo). ..
Titulo.
0,917

2 16
7 36

5
Valor
nominal.
16/000
9/000
8/890
1/920
1^280
Antonio Francisco de Paula e Hollanda Cavalcanti
de Albuquerque, do met concelbo, ministro e secre-
tario tic estarlo dos negocios da fazenda e presidente
do tribunal lo tbesouro publico nacional, assimo
ten lia entendido e faca exeeutar com os despachos
neeessarios. Palacio do Bio-de-Janciio, cm 28 de no-
vembrode 1846, vigsimo-quinto da independencia
e do imperio. Com a rubrica de Sita Magestade o
Imperador ~ Antonio Francisco de Paula e Hollanda
Cavalcanti de Albuquerque.
RF.GULAMEXTO.
Antonio Francisco de Paula c Hollanda Cavalcanti
de Albuquerque, presidente do tribunal do tbesouro
publico nacional, reeonheoendo, que o regulamento
tli'20iljiinhodc1840, dado lliesouraria dos orde-
nados, precisa de algtimas alterares para satisfacer,
como t-uiiipre, aos requisitos de geguranca ciega I da-
do doexpedletatee e&crpturscfto del la, e a prompta
tomada das contas dos respectivos tbesoureiros, or-
dena se observe d*ora ein diante o seguinte :
Artigo 1. Em lugar doslivrosde receila edespeza
eslabelecidos pelo dito regulamento, haver os do
modelo annexo, onde serflo lanzadas chronologica e
suceessivamente todas as parcellas, que o thcsourei-
ro receber do tbesouro, o pagar pelas folhas a cada
um dos individuos nenas contemplados. Cada um
dostes livros s servir um mez dcada exercicio e
semestre addicional; c lindo o mez, encerrada a con-
ta, ser inmediatamente rerolbido seccao de con-
tas da conladoria geral de revisti, onde sera sem de-
mora conferido comas folhase documentos.
Ait. 2 Verilicadaa cxactidilo da conta, o tomador
della lavrar no mesmo livro, depois dnencerramen-
lo, un termo, c_ni que assim o declare, lancando nel-
le por extenso a soninia recebida c despendida, eo
saldo, que passou para o mez seguinte, assignando o
tomador c revisor, e lanc,ando-llie o chefo da secano
o mu lisio, que rubricara.
Art. 3 Encerrado o exercicio e rccolhido o saldo
delle ao thpsouro, se proceder na dito. sercHo :io re-
eeiiseamenlo geral de todas as folhas, que nelle ser*-
virilo, sommando-se oencerrando-se todas as con-
tas paiciaes dellas, para se reconhecer, se conferem
com o total das seminas dos livros mensaes da rece-
ta c despeza ja encerradas; e achando-se ludo exac-
to e legal, se proceder como dispoe o regulamento
da conladoria geral, e se passara a competente qui-
tacilo ao thesouroiro.
disposto neste artigo lera lugar tambem.quando
bouver miidanca de thesoureiro, com a dilTerenca,
t|ue as folhascontinuaraO a servir at o enceirameii-
to do exercicio, com todos os thesourciros, que nelle
servirem.
Art. 4. As quantias, que ficarem por pagar, depois
do cncerrameuto do exercicio, seriio declaradas as
folhas, mas nSo levadas conta de exercicios lindos
para se pedir novo crdito, sem quesojao eompeten-
temeiite requeridas, e o tribunal do tbesouro assim
o determine,' precedendo informadlo da contadura
gem.
Ait- 5. A classiliracio da despeza da lliesouraria,
que at agora nella se fazia.sera feila d'ora em (lian-
te na sereno de contas da conladoria geral, logo que
nella se recolherem os livros de receila edespeza
mensaes, escr remellida a seccao do escripturactlo
para servir aobalanco mensaldo Ihesouro.
Art. 6. Oescrivao da lliesouraria dos ordenados,
ser um dos escriturarios da lliesouraria do Rio-de-
Janeiro, que se aehar addido conladoria de revisilo,
e lera un ajudante tirado da dita classe ou da dos
outrosaddidos mesmaconladoria; um outrosero
Horneados para essa commissilo pelo concelheiro
contador geral, e approvado pelo presidente do Ihe-
souro, e interinamente pelo eoiM*H*Mro inspector
geral, que tambem approvar, nsquefrem indica-
dos para supprir a falta daquelles, ou para oscoad-
[ jttvar as occasioes de maior expediente.
Tbesouro publico nacional, 3 dedezembro de 1846.
Antonio Francisco de Paula e Hollanda Cavalcanti
de Jtbuguerque.
mittindo, para ser definitivamente julgado, o proecs-
so do reo Antonio Francisco dos Santos.
Dito. Ao mesmo, declarando ter convocado a re-
ferida Junta para o dia 22 deste mez. Participou-.se
aos vogaes logados, e aocommandante das armas,
para o fazer constar aos vogaes militares.
Dito. Ao inspector da lliesouraria da fazenda,
ordenando, quo faca abrir assenlamento de praca ao
corneta engajado para o 1 batalbSo da guarda na-
cional do l.imociro, e cuja filiaco I he remelle. ~
Communicou-se ao commandanto superior da referi-
da guarda nacional.
I'ortaria. Demittindo do lugar de amanuense da
mesa de rendas internas provineiaes ao cidadflo Jor-
ge Vctor Ferreira Lopes; e determinando, que, para
o substituir, scpasse.provisfio a Antonio Joaqu i ni de
Ollveira Baduem. ~ Piliticipou-se ao inspector da
thesotiraria das rendas provineiaes, e ao designado
para substituto dodemiltido.
Dito. ~ Nomeando parasupplentes do subdelega-
do da freguezia da Varzea : em 1.* lugar, a Joaquini
de Almeida Catanho ; em 2., a Thom CorTeia de
Araujo; em 3 a Joaquim Canuto deFiguelredo;
em 4., a Jos Duarte Bangel; em5., a Manoel Cle-
mente de Almeida Calanho; e em 6", a Bernardo
Antonio do Miranda. l'arlicipou-se ao chefe de po-
lica.
Comniiindii das firmas.
Para que possa chegar ao conheciment de todos
os individuos do exercilo, c da guarda nacional des-
tacada, que tveriio a infelicdade de incorrer nocr-
nio de primeirr. deserefio, e no de segunda simples,
o brigadeiro ronimandanle das armas tiesta provin-
cia manda inserir o aviso da reparticto da guerra de
24 do tiovembro ultimo, com referencia ao decreto
de 15 do mesmo mez, que Ihe foi or copia Iransmil-
tido pela presidencia, em oftlcio de 22 do corrente.
SEr.UMiA -.i ion.
ul/lm. e F.xtn. Sr. Sua Magestade O Imperador,
commiserando-se dascircumstancias, em que sea-
chao os militares do exercilo, e os guardas nacionaes
om destacamento, que tiverlo a infelicdade do de-
sertar apartando-se de auna bandeiras, bouve por
bem, por effeitos de sua Imperial Clemencia, perdo-
ar-lhesorrimedeprimcra deserrao, o o de segun-
da simples, por decreto de 15 do corrente mez, apre-
sentando-se os reos dentro do prazo de tres metes
contados da data de sua puhlicaco em cada provin-
cia, e eomprehendendo neste indulto os que ja es-
tiverem sentenciados, ou para sentenciar. O que
assim communico a V. Exc. para seu coiibeciniciito
e esecurilo
Dos guarde a V. Exc. Palacio do Rio-dc-Janeiro,
cm 24 de tiovembro de 1846. Juio Paulados Santos
llar reto.-- Sr. presidente da provincia de Pcrua ni bu-
co, 'i
Compra-se. Palacio de Peinambuco, 22 de de-
/oinbi'o de 1846. Pinto Chicharro. Conforme
Francisco Xavier e Silva, ollicial-maior interino.
Quartel-general na cidade do Itecife, 23 de de-
zembro de 1846.
Antonio Correa Seiira.
peravto as carruagens, para os levar estrada do
Can. Aguarda nacional de cavallaria osescoltava. O
passeio dtirou porto de urna hora: a estrada, a ponte
do (ave e a do palacio, cheias de utna multidlo com-
pacta, apresenlavflo o maispittoresco aspecto.
A's seis horas se servio um juntar de cem talhcres.
O duque de Decazes e o Sr. Martnez de la Rosa so
seiilriiO direita c esquerda da princeza : o con-
de de Sainl-Cricg, par de Franca, e Mr. Ancilhau,
presidente da prefeilura. occuparo as cadeiras da
direita eesquerda do principe, o marquez doAngos-
se, par de Franca, Mr. I.avielle, deputado, o prefeilo
do departanicnto, o mitre de Pan, Mr. Huan, pro-
curador regio, e um grande numero de funecionarios
c notabilidades assislirfio tambem a esle banquete.
A' entrada da noile, comecou a illuminacflo da ci-
dade. Os vasos de cores, de que eslava adornada a
lachada do mercado, formavao urna elegante decora-
clo, sobre a qual e n'tini transparente se lia esta inA-
cripcilo : Ao descendente de Henrique Ve a sua uu-
gusta esposa.
Na praca real se havia construido um prtico, em
cojo frontespicin estavflo representadas as armas de
llespanha e de Franca reunidas, e em cujo centro se
destacava maraviUiosamente sobre o escuro azul do
eco a estatua de Henrique IV. A' direita resplande-
ca no horizonte, como um palacio de fogo, a casada
campo le Gtrnditot; esquerda na planicie do Cave
brilhavloasroslas nflammadasdo raslello de Ce-
los, emqtianto qucao longese mostrava vago o in-
deciso o severo perfil dos Pyrincos, Iluminado pela
la.
Varias gnnaldas formadas de vasos tricolores co-
nfino os arcos da pra?a do Crammont, realzando a
sua aichitectura elegante. as janellaslas casas, que
habitao lous llespanhnes de distincc.no, residentes
em Pau, viflo-se lantcrnas chinezas comas cores de
llespanha ede Franca.
Sobre a porta, ricamente Iluminada, da casa le
postas se lia n'um transparente esta nscripcJIO:
Ai duque e dvqueza de Montpcnsier. A jircfei-
tura, o caslello, o collegio real o lodo9 os edificios
pblicos se aohavfo tambem brilhantemenle Ilumi-
nados A maior parte dos habitantes da cidade illu-
miiiarfio tambem e armaran as suas casas: alguns
arvorarfo a baudeirn hcspanhola ao ludo da do Fran-
ca. Por todas as ras e pracas circulavflo os curiosos,
cujo numero vieran augmentar grande miillidAn de
depois de ter manifestado por varias wzes a sua sa-
tisfacSo peloacolbimento, que Ibes tem feito a ci-
dade de Pan.
O principe tem manifestado muitas yezes a sita
esperanca de vollar ao castcllo de Henrique IV., e
fazer em Pau o seu ponto do descanso entro Paris e
Madrid.
Esta mandila ouvirSo missa SS. AA. RR. na ca-
pella le palacio, e. s duas horas da tardo saluriio da
cidade, depois de se ler despedido afectuosamente do
todas as pessoas presentes. as ras, por ondo de-
vino pasear havia grande aflluencia de gente. A guar-
da nacional acompanhou a carruagem a bastante
distancia : o duque de Montpensier, ao separar-se da
escolla, deo de novo os agradecimentos ao seu eoni-
mandante o barflo Bernardolte, mimoscando-ocom
um magnifico alfiuetc de brilhantes com a sita cifra.
0 prefeito acompanba o principe at Brdeos a
instancia de S. A. (Heraldo.)
( Diario do Gorrnio. )
NOTICIAS DIVERSAS.
AVTILIIAS.
As correspondencias, recebidas de ilavana em Pa-
ris a 21 de outubro ultimo pelo vapor .Snjern.rcferiao,
que a capital da Iba de Cuba illuminou-se espont-
neamente, quando all se soubc, que a lei, que abre
o mercado inglez aos assucaresestrangeiros, tinha
triumpbado tas duas cmaras do parlamento Esta
noticia havia dado um novo impulso industria as-
surareira.e o preco tinha augmentado, segundo di-
ziilo, 25 por cento
Bem entendido, que as colonias ingle/as estavo
longe de associar-sc a alegra da colonia hespanho-
la. Entretanto que e-la se illuminava, aquellas con-
vocavlo mreiings, cmque sedevia dirigir protesta-
Qesesupplicasao governo da metropole, convdan-
do-o a revogara lei recentemente adoptada, eare-
dohrar de esforgos para aboliQtlo da escravid.lo no
mundo nleiro, e especialmente as antilhas france-
zas e hespanholas.
A 6 de setembro, quando os habitantes da Trinda-
de estavfio ao p dos altares, fez-se sentir um terre-
moto tilo violento, que caiisott abalo aos sinos das
rejas. No domingo seguinte (13) mesma hora,
teve lugar segundo abalo, edessa ve:: dcsahou parte
de urna groja, onde havia puuca gente. Todava, nao
'uiiive a lastimar-se victima alguma; mas partida
EXTERIOR
Cioveriio da provincia.
EXPEDIENTE DE 18 DO CORRENTE.
Offlcio. Aojuiz relator da junta dejustica, trans-
IIESPANIIA.
MADRID, 4 DE NOYKNBRO.
Residencia h Pau de SS. A A. Hit. o Duque e a .
Duquesa de Montpensier.
Le-so no Memorial dos Pijrineos, de 30 do passado,
o Seguinte:
Um lempo magnifico tem favorecido a residencia
deSS AA Bit. tiesta cidade. Da jauella do palacio
tem podido a princeza admirar minuciosamente a
bella paizagem, que forma a cordilheira dos Pyrinc-
os, realzada e albrmoseada pela espessa carnada de
nev que cobro ueste momento a inontanlia.
Desde a madrugada se tem observado as ras o
pracas da cidade tuna animaclo desusada. Ciando
numero de pessoas, que tintillo vindo dos povos in-
mediatos para assslir ao baile da noite, tem contri-
buido a augmentar o movimento.
Sfc AA. BB. ouvirfloa missa do cura de S. Mar-
tinlio na capel la do palacio, e em seguida passrao
almocaracompanhados, alin das pessoas, que com-
pem 8 sua comitiva, de- Mr. Ancilhau, primeiro
presidente da prefeilura, e de Mr. I.avielle, depu-
tado.
Ao levantar-seda mesa, visitrlo todas as habita-
coos do palacio. O a rcli i ledo Mr. Latapie os acom-
panhavaydando-lhes pormenores, que ouvitiio com
nteresse.
O duque de Montpensier sabio urna hora aconi-
panbado do seu ajudanto de campo o coronel Thier-
ry. Os grupos, que haviilo as iminediagoes, osaud-
ro com os gritos de Viva o rei, viva o duque de Mont-
pensier. S. A. It. foi visitar o general Barn Jacob!,
que, por causada sua ndisposicito, na"o tinha podido
irconipriinenta-lo. Oprincipc, seguindoos impulsos
do seu coraciio, c honrando deste modo a um ofIiri.il
general, que o paiz tem adoptado, deo com o taclo
delicado, que o distingue, unta prova mais da sua
aflcicSo a esla cidade, o desympathia as pessoas, que
nos silo queridas.
A's duas horas, S. A. vollou ao palacio e inme-
diatamente se dirigi para o Parque, atravessando
o terrapleno, c a ponte da planta baixa. O principe
dava o braco sua encantadora esposa: ambos ao a
p c um pouco afastados das pessoas do seu sequilo.
A multido, dosejosa do ver o nobre e engracado
par, amentuou-se inmediatamente no caminho, que
deviao transitar. Depois de ter passeado pela ala-
meda de cima, se trasladarlo debaixo, onde os es-
lia isa nos das aldeas vizinhas. Este movimento desu-I do3rn conia o boato do que muitas Ibas, especi-
sado dava acidado de Pau o aspecto de una das mais almenle a da Dominica, tiiihaomtiitos mais maltra-
.lopulosas cidados nos das de irsia publica.
As portas da sala de baile abrirao-se s nove ho-
ras : por utna feliz innovacao as carruagens entra-
vilo pela porta do circulo Bearns, e sabido pela que
seacha cm frente, de sorteque, apezar do grande
nume/0 de carruagens, nao tem eessado um momen-
to de reinara ordem mais completa.
A's dez horas menos um qua. lo, chegrfio os prin-
cipes. (I mairc teve a honra de receber a Senhora du-
queza ilc Montpensier ao p da cscada frente dos
coniinissionados, e de Ihe offorecer o bra;o para a
coudiizir at ao docel, debaixo do qual devia ouvir a
-Cantata. SS. AA. RR., ao chegar ao sitio, que Ibes
eslava destinado, lieanlo admirados do espectculo,
que se offerecia a seus olhos.
O golpe de vista era na verdade respcitavel. Em
frente dos principes, o debaixo de um retrato do
Corpa inicuo do ri, esta vito as msicas n'uma tri-
buna adornada de ful lia geni; sua esquerda as bai-
larinas occupa\3o a galera do Notte; a direita os
homens se amontoavflo na galera do Mcioda, c no
interior do mercado, esplndidamente Iluminado,
seagilava urna multiilo de cahecas. Do meio da-
quclla miillidaosc elevavao acclamaces cnlhusias-
tas. O rumor dos instrumentos c as vozes dos can-
tantes dominava todo aquello tumulto e cuchillo o
vasto recinto, em rujo centro apparecia em transpa-
rente o retrato de Henrique IV.
O duque do Montpensier vesta o grande uniforme
de marochal-de-campo com as insignias do Tosflodo
Ouro c do grao-cordao da LcgTio de Honra. A du-
queza de Montpensier trajava um vestido azul guar-
necido de rendas, com lacos de brilhantes. Ao lado
direilo da cabera levava urna camelia branca, (xa
porutn magnifico alfineto de diamantes, que debaixo
se viao brilhar como urna coioa de estrellas. Din
rollar e um broche tambem de diamantes completa-
vao o seu adorno.
SS. AA. RR., depois de ter ouvido a cantata o a
marcha real de llespanha, que a msica do regiment
n. 40 execulou com muita precisilo, passrao sala
do bailo, onde s eran admittidas as senhoras ; denlo
urna volta por ella, o em seguida seasscntrio n'um
estrado preparado para os receber, c cornado do um
escudo ile armas de llespanha e de Franca. Entao se
permittio a entrada aos homens.
Todos se amoutoriio em tomo da princeza, e a
dizera verdade, soiu fallar do prestigio inseparavel
la sua jerarebia, havia no baile mu i poueas senhoras
tao forniosas como ella. A profusaouoluz.es realgava
o ln illiantismo da sua cutis, un qual, com a brancura
das louras, so encontra a consistencia, que d pelle
o ai dente sol da llespanha. As gracas do seu rosto,
a ele
q
i.11 .ni universa
S. A. (laucn cien contradanzas : a piimeira eom
Mr. Manescau, maire; a segunda com o Sr. Arana;
a tercera com o tenento-general barilo Janiu; a
quartacomMr. Payo, commandanteda guarda na-
cional, o a quinta com Mr. Azevcdo, prefeito dos
baixos Pyrinos.
O duque de Montpensier dancou tres contradan-
gas: urna com Mademoisellc de Castelnr.u, outra com
Mademoiselle de Azevcdo, o a outra com a condessa
de Angossc.
SS. AA. RR, sabrtlo do baile as onze horas e meia.
tados do que a Trndade.
i .ii wi-iut- .-mi ti.i iii-.?|'.iiih(i. a gimis uu seu rosiu,
i elegancia da sua estatura c a aistincQilo suprema,
|ue respira toda a sua pessoa, erloobjecto da admi-
A Caseta a"Augshurgo, de 18 de outubro, annuncia-
va, son a f do um dos seus correspondentes de Var-
sovia, que um grande numero de senbores Polacos
nao esperaran, que o governo pozesse em exeeucao
o decreto de 6 ile junbo, sobro os camponezes para
corresponderem as vistas do imperador 'da llussia .
Antes que o decreto tivesse frca de lei, ellos en-
teiulrao-se com os cultivadores das suas trras, o
eslabelecrao-nos proprietarioslivrs, como os cam-
ponezes do grao-ducado tic Posen.
(Prtiu.)
AUSTRIA.
O Jornal AUtmOo de Franckfnrt, de 28 de outubro,
continha o seguinte, escriplo de Lemberg, cm dala
de 18:
n Term-se expedido destacamentos de cavallaria,
commandados por um alferes, o acotnpanhados or
um clrigo, para expurgaras estradas reaos da Calli-
cia ; o levfio ordem dealirar immediatamente a to-
dos os individuos, que Ibes resistirem, ou recusaren!
obedecer aos seus preceitos. O clrigo he para admi-
nistra-Ibes os sacramentos da greja. Encontrao-se
igualmente palmillas semelhautes ao longo das
fronteiras da Hungra, vigiando os movimentos dos
refugiados. Os camponezes sHo dirigidos por ho-
mens artificiosose intelligcntes, entro os quaes sup-
punba-se achar-se o Sr. Eduardo Dcmbowski, ex-
secrctario do ministro do interior, em Cracovia.
A Ctela Univrrtal AllemSa, de28, publicott a
seguinte .'arla, datada de Vicua a 24 :
(i lie erro Mippr-so, que a Austria seja indifie-
rente a questao do casamento da infanta de llespa-
nha, porque essa questao nao lio meramente hospa-
nhola, mas europea, o a preponderancia da Franca
nao pode ser objeeto de indiliercnca para a Austria.
Esta potencia sabe, que a Franca tem-se igualmente
avantajado em Roma. He mais do que provavel, quo
a voz da Franca seja ouvida em toda a Italia. Assim
lera ella sotnposto sua influencia nao s a llespa-
nha senlo tambem a pennsula Italiana.a
As folhas allennles puhlcavto varas resolucoes do
congresso commercial, reunido em Berlitn, c quo at
entilo se cwisertavilo em segredo. Parece, que os di-
reitos de importacao sobre os tecidos de linho o ca-
nliamo o sercousideravelmente augmentos ; mas
que o congresso nao tinha assentido s exigencias
dos estados meridionaes da Allumanha, que tinhao,
ha muito,pedido, que se lancasse um imposto pesado,
equivalente prohibicSo, sobre os tecidos de algo-
dao.
{Tima)
TURQUA.
Lc-se na Prtut de 21 do outubro o seguinte :
A clevacao de Itcdschid-PachA dignidado de
visir he saudada pela Allemanba com najo menos so-
liciludc do que pela Franca. Citavamos ltimamen-
te um artigo muito significativo do Jornal de Fiank-
/br;a Gasea de Augiburgo no he. nem menos fa-
voravel ao visir, nem menos explcita- Ella ere como
nos, e como todos os vordadeiros amigos da Turqua,
que s R'dschid-Pacha pode firmar a conservacfioo
a rcnovacilo do imperio ottomano.
-. c
>*



%
*>
*
i
K A investidura'do novo gro-visir teve lugar a
24 de setembm, segundo as formulas do cslyln.
Rosohd-Pach foi com nSchck-el-lslam a rasa do
sulfilo, o recebeo das mflns deste o sello d'ouro do
imperio, sobre o qual est gravado o tougra eflleie
do sultfio J linuverfio lugar as visitas e felieitacOes
dos grandes dignatarios
Oanligo visir Raonf-Pach recebeo una apo-
sentadora de 60,000 pesos pnr mez ; pensa-se, que
llosiow-Pacha dar brevemente a sua demisslo das
funreoes de seraskier.
nossiA.
Os ornaos de S.-Petorsburgn de 10 de outubro ron-
tinhfio noticias de Wladikawkas de 24 de .ctembro.
O principe Argoutinsky-Dolgorouky, tenente-gene-
ral e coniinnmlantedas tropas do Daghestan, linha
feilo no lim de agosto urna expedirlo feliz ao inte-
rior do paiz. ocrupado pelos partidistas de Schamyl;
incendiou algumas povoacftes, e destruio as provi-
sfles, que os habitantes tintillo feito para o inimigo;
depois retiron-se para Turlscliidach, depois de ter
rechacado os inontanhezes, que quizero inquietara
sua retirada.
Os Tchetenes ataerfio de novo a linha de Sont-
cha na noite de 14 para 15 de setembro : mas, de-
pois de baverem incendiado algumas henjndes e lido
cncontros eom osCossacos, retira rfio-se ehegada
do general LahinzofT, que Ibes matou alguns ho-
mons
(Presse.)
PERMAMBUCO.
despeza alguma da provincia. He prejudtcialao in-
leressesda fazenda; porque, percebendo o lisco to-
da a quota da laxa de 160rs. por caixa e 80 rs. por
fecho de assucar, sem nada despender com a manu-
teinilo de una nova reparcflo fiscal, he ciato, q,uo
bem diversas silo as condicoes da fazenda provincial,
tendn de ver sabir dos seas cofres para despezas da
inspcccilo esses valores, que se ineorporvfio ,ren-
da da provincia, c augmentavfio-lhe a massa. Nem
se diga, Exm.Sr, que o montante do novo impos-
to de 60 rs por sacco ou barrica, avultando em nui-
to, pode cobrir todas aa despezas da nova creadlo ;
porquanlo, havendo nesta cidade, por diversas ras
e bairros, quarepta e tantos armazens do assucar, e
nSo acatada, como o dse-
hanca
depois de correrem muito risco. L
ce na vizinhanca de Montpelher, e causou algum
"opico absorvente de toda a discussao dos jor-
naes do Paris, a 25, era o artigo do Ti* de.28, tm
indicava os inconvenientes de qualqucr dcsinlclli-
gencia entre a Franca e a Inglaterra, os quaes o jor-
nal inglez sustentava cstarem mais que muito de-
monstrados pela confisca?flo de Cracovia, fcila pela
Auslriz. ...
Urna carta particular dizia, que o conde M. Auiai-
re
uiit.i mi la i'iiui' ** *- *t ,
partiria de Paris para Londres anda mBis cedo do
esecspcrava. tal vez se componlia por seu in-
&
associacaO commercial.
Illm. e Exm. Sr. A associaQ.lo commcrcial desta
cidade, sempro zelosa eni promover, quanto cabe na
cspbera deseus meioa, osinteresses do commercio
C da agricultura desta provincia, e de acautelar e
arredar os obstculos, que podem cstorvar-lhcs o
jirogresso, c embargar-Ibes a prosperidado, fallarin
a um dos seus mais imperiosos deveres, e desmen-
tirla o (iin da sua instituicilo, so por ventura nilo fi-
zesso cliegar presenta de V. Kxc seus fundados
qucixumcs no assumpto, que passa a expor, e nlo
invocasse toda a solicitude de Y. Kxc, afim de impe-
dir a realisaciiodeum mal, que, se bem lira a um
tempo, c sem a menor utilidade geral, aquellos dous
grandes ramos da riqueza doestado, tcm conitudo
de pesar.com inslito grvame, sobre a'lavourade
Pernambuoo, tilo carecedra alias, c tilo digna de a-
CoroQoam'Mito e prnlecglo.
Exm. Sr., heobjecto desta reprosontacao o projec-
todc lei n. 39, adoptado pela assembla legislativa
desta provincia na sessfio, que acaba de cncerrar-se,
o qual tem por lim a Creacfio de urna nova inspeccao,
particularmente na parte, queoslabolece o imposto
de 60 rs sobre os saceos e barricas de asquear, como
esta legislado no mesmo projecto.
lia muito, todos ns espritus Ilustrados e conhece.-
dores das verdadeiras necessidades publicas se teom
convencido do quanto importa ao desenvolvimcuto
da riqueza publica o favorecer a produegito do paiz,
por tollosos meios possiveis; ha muito, todos conhe-
fi*ni e apalpfo a neci'ssidade imperiosa de alliviara
lavoura dos encargos, que sobre ella grayitfio, alim
de que receba aquella medra c prospendade, que
sos poden) regularisaras linangas do paiz. e colloou-
lasem urna posiefio satisfactoria e desassombrada: e
loi sem duvida animada de laes convie legislatura da provincia, em a lei de 8 de jiuilio de
1836, radutio u imposto provincial do assucar expor-
tado de 5 3 por ceuto.
projecto, porm, cima mencionado, cncami-
nhando-seejr-dumefro a um lim opposto taes prin-
cipios, nilodeve merecer a sanccilo de V. Kxc, que,
col locado em tfio elevado posto, c Uto Ilustrado pela
pratica daadministracAo, melhor quenitiguem po-
de avahar com justeza os inconvenientes Je tal me-
dida, seja qual fr a relcelo, ein que ella Mr consi-
derada.
A assoeiacSo commcrcial nao abusar da alternlo,
de V. Rxc, para fazer extensamente a historia da ins-
pec(!to do assucar nesta provincia ; mas nio pode
calar o faci importante que precedeo aprosonta-
Cjio c adopeo da medida em quesillo, c o direccJIO
imprevista c inesperada, que tal assuniplo tomou na
nsscmbla legislativa da provincia. Tendo-se aboli-
do a nspecc/io do assucar, que se havia creado nes-
ta praca, era de justicia palmar, quo tanibem fsse
abolida a laxa de 160 rs por caixa do assucar. c de
80 rs. por fecho, que se mandara cobrar expressa-
nienle para as despezas daquelle cstabeh-cmento:
assim, porm, nfio succedendo, e de mais, leudo o
commercio e agricultura concordado em a nomea-
C.I0 de dous arbitros seus, que qualificaslem o assu-
car na escala adoptada por mais de me i o sceulo nes-
ta praca alim do facilitar todas as traiisacces de
compra e venda, huuve a associaQo conimercial de
requerer respeilosameute presente legislatura da
provincia a aboIic,io da referida laxa, que certo nao
dovia subsistir desde o momento, em que deixou de
existir o lim de son applicac/io. Qual, porm, foi,
Fxni. Sr., a sorpiezi da associaqo commercial ,
quando, em lugardaquelle justo deferi ment, vio el-
la discutir-se e approvar-se a medida em questio,
3ue, longe de favorecer os interesses do commercio e
a lavoura, nos termos pedidos, veio aggravar-lhes a
situacao subjeltando ambos ao novo e despropor-
ciona! imposto do 60 rs. por sacco, ou barrica !
A assoeiac.fio commercial sabe perfeilamcnte, quo
ao criterio e penctraefio de V. Rxc nfln teraO esca-
pado por certo os reccios c os falsos fundamentos ,
em que assenta aquello projecto, o mais anda o pre-
juizoe embaraco, que em sua pratica ou execuQftp
teria elle necessariamente de acarretar ao commer-
cio e agricultura ; mas pede lieenea a V. Kxc para
succintamente demonstrar: 1., que elle be intei-
ramente intil no que toca a percepeflo dosdiieilos,
c no que diz respeilo aos ajustes e transarles de
conqira e venda ; 2., que he prejudicial aos interes-
ses da fazenda provincial, que loria de sofTrcr una
diminuidlo neste ramo de receita ; 3., que he in-
justo e desigual; 4.', que he inexequive!, eseria a-
Imsivo em sua pratica. He intil no ponto de vista
cima indicado, porque, mandando os rcgulanicnlos
geraes do governo, que osfeitores do consulado sc-
jao os qualillcadores do assucar, que, quando brin-
co, c c'.issificr.do en duss especies, c quando mas-
cavado, em uma.unica, dedu/indo-se o imposto do
dizimo e exportadlo, segundo essa baje, he eviden-
te, que a inspeccocmface de tal pratica ja nSo po-
do ser considerada como um instrumento fiscal, um
intermediario entre o conlribuinte e o 'iscu, com
quem alias Dculiuma rclacflo oflicial tem. Noque to-
ca economa particular docommcrcioeda agricul-
tura e facilidade de seus -engaito sua iiiutilida-
de he a mesma, e nem pode ella ter urna missao jus-
tificayel; porque, como cima se pondero*!, urna ins-
pectao existe particular de inteira confianza do com-
mercio e agricultura, sem funreoes publicas, o sem
naris taoaviiltada a importancia de sua relnbuujilo.
He Injusto c desigual, porque, pagando cada caixa
de 50 arrobas 160 rs. de imposto, o queda por arro-
ba pouco mais do 3 rs., para que houvcsse exacta
proporcionalidade ejuslica seria mister, que o novo
impostse niloelevasse cima delira, por sacco,
poisquoseu poso do costume he Garrobas; accres-
cendo ainda, que, sendo lei ou pratica tirar de cada
caixa de 50 arrobas 2 libras de assucar para inspec-
cHo, exigir tal quota dos saceos, que no teem mais
de Sarrobas, he gravar ainda mais com 2 por % o
assucar cnsaccado.
He inexequivel o abusivo em sua pratica, porque
nSo he humanamente possivcl descobrir meios lis-
caes assaz efllca/es para subjeitar taxa em questflo
todo o assucar ensaccado, que em sasilo propria en-
tra pela cidade, ese deposita em lugares tilo varia-
dos e tSo distantes; n.1o se podendo esperar, que
no espirito le alguem entre a possibilidade de fazer
parar o niovimentodo commercio sobre este genero,
seu embarque eexportacao, at que a inspeeqao Ihe
conceda um paite, e depois de visto e inspeclado nos
quarenta e tantos armazens desta cidade pelos seus
empregados, que, snrganisados em numerosas lo-
gices, podiao Jar expediente s opera;oe, de que se
trata ; c ainda assim, que embarazos, queperlurba-
cao no servido' que cabos!
Demonstrada, como lica evidentissimamente, a su-
pcrfluidade da creaban de una nspecQfio.desnecessa-
ria para pcrcepqao dos direitos de cxporlacao, que
dola nao carece, e intil para commodidade do
commercio, que a nlo pedio; urna tal medida so
poderia seradmittida como um expediente, financia!
para augmentar os recursos da thesouraria, e sup-
prir a dcliciehcia da renda publica. Considerado,
porm,nesta relcelo, ja tambem se demonstrou, que,
longe de beneficiar o cofre da provincia, o projecto
s teude a grava-lo ainda mais, empeiorando cada
vez mais o estado da nosa receita.
A associacmi commercial professa o mais subido
respeilo sabedoria o patriolisso da legisla^ao pro-
vincial; faz plena justiqa aos motivos honrosos, que
aconselliraoa medida, contra a qual crgiiesua voz
peranle V. Exc, tem inteira convicio de que jamis
ella seria adoptada, se porvenlura so houvera pres-
tado o necessario assenso as suggcstoes da experi-
encia c s advertencias da pratica: mas ella nao
pdedeixarde reconhecer, que, em ultimo resulta-
do, o projeclo da (ispecc/io se resolve em nica van-
lageui ile alguns poneos cidados, que teriao de
um vigor cuma eneigw -----
gnnoso acto, pelo qual se destruio a boa intelligen-
cia entro a Franca e a Inglaterra, e a ma fe das poten-
cias do Norte, desenvolvida custa da inlciiz 1 o-
O Salional trazia no seu artigo de Tundo urna com-
parado entre a linha de conducta, seguida pelos go-
vonios inglez e francez sobre o negocio de Cracovia,
mujto em desabono deste. .
O jornaes francezes de 26 continuavBo anda a oc-
cupar-se com a confiscado de Cracovia, e a expri-
mir solicitude pelo rcstabclecimento das re aces
eordiaes entre a Franca e a Inglaterra, em ordem a
resislirem ao inimigo coir.mum.
A l'rcie censurava em lingoagem furto a unanuni-
dade", quo reinava entre os jornaes ministcnaesoos
da opposicao em favor de urna allianca com a Ingla-
terra.
O Observad documento emjustillcaijao da aniquila^ao da rep-
blica de Cracovia, ou, como Ihe chamara o Journal
des Ih'baK, urna peca de singular defosa da pcior cau-
sa, que jamis existi.
O artigo conclua, recapitulando as aecusaqoes ui-
rigylas contra a propaganda revolucionaria, a a qual
s he culpada da supprcssao da independencia de
Cracovia.
ONatinnal c a Reforme pulilicarao um manifest
dostdemocratas francezes aos demcratas da Europa
protestando contra a cxtinc?ao do ultimo residuo da
nacjnalidade polaca, e convidando todas as nacOes
a liuantarem-se como um s homcm eabradarom
una mee contra os seus oppressores e tyrannos
Este manifest eslava assignado peloabbadcl.a-
mennais, por M. M. de Courtais, Ledru Rolln, Cui-
nard.Coudchaux, Ferdinand Flocou eAj-mand Mar-
ras!.
No da 26 recebeo I.uiz Phippe dos res de Hano-
ver, Dinamarca, Saxonia e Ha viera, edos gnlo-du-
quesde Badn, Mecklenburgo-Schwerin, Saxe-Wei-
mar.Mecklenburgo-Strelilz, e Oldenburgo resposlas
nolilicacao do casamento do duque deMontpensier
coma infanta I). I.uiza dellespanha.
O Momteur publicou urna ordenanza real, autori-
sando o ministro dos negocios cstrangeiros a abrir
um crdito extraordinario de 290,000 francos para
fazer a despeza de misses extraordinarias.
O Uoniteur Hgerien de 20 annuuciou, em data de
16, de Oran, qucllou Maza, depois de ser mallograda
, a sua tentativa para incitar as tribus kabyles a un-
ser empregados na nova repartico, o em prejuizo de rom-sea guerra santa, tinha-so separado de Abd-
toda a lavoura pernamhucana : Ja lavoura sim, Kxm. el Kadcr, o seguido por Chllala para o Sueste. O e-
Sr., porque, no actual estado das cousas, u3o ha miiv^iavia voltado para o seu deira, porto de Ain-
quem f.O reconheca a nenhuma solidez da doutrina /obra, depois de urna excursao no Sahara de Marro-
economica, que faz seuipre recahir sobre o consu-
midor o grvame do imposto. A pra^a, somonte se-
cos. As duas columnas, quetinhao marchado para a
fronteira, sob as ordens dos generaos Kenault e d'Ar-
liouville, haviao tornado a entrar em Mascara o Oran.
A provincia d'Argel eslava perfeitamenle tranquilla.
Na provincia de Conslanlina reinava alguiua agita-
cao na \ i/iihanca de Itiscara, a qual tulla todava
sido suffocada pelo general Bedeau,depois dealguma
escaramuce com os revoltosos O general Itugcaud,
acompunhado de muilos depsitos, quehaviao ulli-
mamonte chegado a Argel, parti a 19 para Blidah,
Medeah. Miliauah e Orlcansville.
A 19 houvc em Madrid um grande heijamao no pa-
laeio, por u('casiao do anniveisai 111 da rainha. Tudo
se preparava activamente para a prxima campauha
eleiloral, c os jornaes nao conlinliao novidades.
Constava, que S. A. lt. o conde de Montemolim
gastara ordinariamente as manhaas.om Londres, em
negocia(;es, e depois receba visitas.
8 A. R. recebeo no dia 27 niuitos estrangeiros de
distinceflo ; o foi, acompanhado pelo marquoz de
Villal'ranca, pelo general 1) Juan Montenegro, pelo
coronel Merrv, e por Mr. Borthwiek, ver as obras das
novas casas 10 parlamento.
O l'hare de Hayonnt annunciou a 21 a ehegada do
general Floresa Bilbau,a 11, ea sua partida no mes-
nio ilia para Santander, onde deva embarcar para o
seu aaiz natal.
lina carta de Roma, com data de 12, dizia, que li-
nha havido na vespera um grande jantar no theatro
Aliberti, em honra do poiteuo do papa Po IX. Assis-
lirao a elle cerca de mil hospedes, inclusive umitas
pessyiis, quetinho sido amnistiadas. Itocitarao-so
muidos discursos e obras poticas, e ouvirao-se es-
tronaosas accIamacOes em honra do papa. Depois do
jantir liouve um baile, que durou at meia-noile.
Toda a compauha percorreo eniao as ras de Roma,
precedida por urna banda de msica. A nica desor-
den!, que occorreo, foi quehrarem-scalgumas vidra-
guindo as ordens, que lein dooslraiigeiro, he quem
promulga a lei do mercado ; esta lei he inllexivel se-
gundo as combinacOes de praca apiada, e os bem
calculados interesses do commercio geral. Ora re-
belar-se contra a lei da praca, para correr os riscos
deum commercio externo, e oxpor-se as eventuali-
dades da inexperiencia, s o pode fazer um ou ou-
tro fazendeiro abastado e iudepeudente c nao a
massa dos lavradores, que semprc se v na rigorosa
obrigaco de vender sen genero pelo prego da praca,
para occorrer as necessidades da sua industria eas
despezas do seu eslabelecmento.
De mais, quando os homeus de estado de todos os
paizes se applicflo com extremado esforz para faci-
litar a exporlagao dos seus respectivos productos o
ahrii mercados fra do piz productor, mu irracio-
nal parecer V. Kxc, [que cada vez se forgeni mais
guillos para prender os productos da nos.sa nica
industria ao solo, em quo se ellos preparau, traba-
Ihando-se assim para depressao dos procos, para o
consequente decrescimento dos valores para o de-
liiiliainonlo do mais importante ramo da nossa in-
dustria, cein lim para a diminuicau progressiva da
rendado estado.
Kxm. Sr.! Sejao quaes forem as ciroumslancias da
provincia, a agricultura reclama favor c nao onus;
e se para proteger seus direitos bem da coinmu-
nhao brasileira fr necessario cercear as despezas
publicas e diminuir o buduri da despeza at o limite
de una bem entendida economa, lora muito para
desojar, que se adoptassem as necessarias medidas
para alancar tao til e ventajoso resultado. He prin-
cipalmente ueste caso, que se deveria ter em vista a
opiniao do saib orador romano := Uptimuut ein
privalis el in repblica I parcimopia =
Ncstas circunstancias, a associagao commercial
desta cidade, cheia de conliam;a na rcctidflodos sen-lojM no palacio liorghesi, porque os criados nao o il-
tiiiienlos de V. Kxc e na sua alta inlelligeni ni, vem iluminarao rom bastante promptidao.
pedir a V. F;xc, que, em allenc/io as rases expostsa, j O Ubsertador Hhenez, jornal oflicial prussiano, pu-
haja por bem negarsua sanelo ao projecto em ques- blicou una carta escripia de Vicua por urna pessoa
tao, e caso ja o tenha sancciouado, se digne domo-
nados prepotencia.
O secretario da municiplidade ua capital dessa
provincia, e alguns dos domis empregados de||,
haviao incorrido noodio doSr Moniz, por se nao
curvaren aos seus mandatos, por nao sympathisa-
rem com o seu comporlamento, quando esleve na
presidencia, por nao irem de accordn com as ideas
do partido, a que esse Sr. so ligou, e de que se cons-
tituio chele.
O Sr. Angelo, apenas deixou a cadeira presidencial,
foi tomar assento na cmara, na qualidade de verea-
dor, que era, com o deliberado c manifestado propo-
sito de promover a destituicilo desses empregados,
contra quem, quando presidente, nilo Ihe foi possivel
manejar as armas da vinganca, por senaoacharem
elles entilo sol) sua aleada immediata, nem as da in-
triga, porque a maioria dos cldadaos, que dirigiflo os
negocios municipaes, justos apreciadores do mrito
dos funecionarios, a quem esse Sr. procurava ofen-
der, sempro se negrao a servir de instrumento da
perseguidlo, queso Ihesfazia.
A parte, porm, que na dircccSo dos referidos ne-
gocios municipaes apressadamente tomou o ex-ad-
ministrador do Maranhflo, nada aproveitou aoseu
iniquo plano, pois que o benemritos cidadilos, que
j da outra vez haviao sustentado a posic.So dos ser-
ventuarios cumpridores dos seus deveres, conserv-
rao-se firmes em o seu posto de honra, e continurDo
ainutilisar osesforcos e machinaces daquelle, a
cujas insinuaces haviao resistido.
Este mallogro, quo a qualquer outro que nao oSr.
Moniz teria feito abrir m1o da odiosa e aviltante larefa,
de que so linha encarregado, mo o desanimou e an-
tes pelo contrario o levou a arrancar do fundo do seu
reservatorio deexpedientes ltimos, algum que fus-
so capaz de habilita-lo a salisfazer os seus malvolos
intentos.
O primeiro desses expedientes, de que lancou mflo,
foi ode azercom que alguns dos supplentes dosjui-^
zes municipaes e d'orphos pedissem suas demisses,
para que, passando as varas aos vercadores de nume-
ro, e Orando estes, por esse meio, impossibilitados
de continuar a servir na cmara, fossem chamados
para substitui-los os respectivos supplentes, que,
perlcncendo mesma facciio, de que o perseguidor
neo principal representante, ocoadjuvariilo a reali-
zar o projecto tao profiadamente combatido.
Nao leudo, porm, elle produzido o prompto afei-
to, que se esperava, o Sr Moniz, que nSo admitle de-
longas na execuclo de suas emprezas, no mesmo
dia, de que vem datado o jornal, a que cima nos re-
ferimos, e acompanhado dos vercadores Jos Cursi-
no Raposo, Sebastislo Jos Mallos e M. J. do Ainaral,
ainda nilo juramentado, dirige-se a casa ila cmara,
arromba-lne as portas, e com os seus comparcas for-
ma urna sessio para decretar as 13.0 desojadas de-
missoes.
O secretario da municipalidade, que, como dito
fica, era urna das victimas, sobre cuja cabeca ia ser
destechado o golpe, que a alguns pas de familia li-
nha de tirar os meios da subsistencia; que nao linha
sido avisado para urna semelhanle sessfio; que sa-
bia, que nao eslava pendente negocio algum, cuja
prompta decisfioexigisse o acto extraordinario, quo
temos mencionado, e que poucos minutos depois de
consummado elle veio lerasupradita casa, foi, seni
mais demora, dar parte do occorrido ao Kxm. presi-
dente da provincia.
O jornal nfio cunta a maneira, porque S. Ex. rece-
bCra essa participac-lo, o nem declara, se forfio toma-
das algumas medidas tendentes a frustraren) asin-
tences do Sr. Moniz, ou se forfio ellas coreadas do
feliz successo; mas, mo obstante a mporfeicfio da
noticia, julgamos dever aproveita-la, por versar so-
bre urna oceurrencia, se nfio inleiramente nova, ao
menos nfio muito commum.
Chamamos a altencfio dos nossos subscriptores
para as justas earrasoadas reflexoes, que acercados
inconvenientes, que aocommercioe agricultura re-
sultfio do restauelccimento da inspecQfio do assucar
nesta praca, faz a associaQo commercial norequeri-
mento, que boje publicamos. .
1 1,1)1 cacao a pedido.
Nos abaixo assignados attestamos, que, nos sendo
presentes jn?lo Sr. Domingos Martins Ponles dous
macos com os bilhetes constantes de um abaixo as-
signado da compra delles, de que tambem somos
interessados osachamos lacrados e sem vicio, que
olfercca duvida alguma; o que atlestanios para o quo
necessario for. Recite, 23 de dezembrode 18*6-"
Manotl llibtiro da l'onteca Iraga Antonio luis dos
Santos. iodo Carlos Augusto da Silra. / 4"'-
nio Rodrigues de Almeida Hrnrique Josi da Cunha.
Jos Marlins do Cauto Hanna. francisco Joo
de llarrus Francisco Morcira l'into Barbla. Ma-
noel liaptista Duarle.
rar sua execucfioal a primen a reunio da assem-
bla provincial, alim de que esta, reconsiderando sua
materia, e esclarecida po um novo e pau-ado exa-
me, venha cnilim a abrogar tfio prejudicial legisla-
Cao.
Sala da associacfio commercial de Pernambuco,
18 do dezembro de 1846.
Joilo Pinlo de Lentos,
Presidenlo.
Josi Jeronymo Monteiro,
Secretario.
puni n i'biiwiiiiUiL
Recebemos jornaes inglezos, quealcancfio a 30 de
novembro ullin o.
A rainha Victoria, o principe Alberto, a real fami-
lia e a corte achavfio^se em Osbome-llouse, donde
lencionava S. M. D. ir de visita por Portsmouth ao
castello de Arundel, no dia 1. do correte.
Os jornaes de Paris, recebidos em Londres, chega-
vfio a de novembro, os de Madrid a 21 ; as ultimas
correspondencias do Times, recebidas de Lisboa, ci ao
de20, edo Porto de SI.
L'nia diligencia, que parti doMarselha para Monl-
pensier a 18, foi sorprendida por urna iuundacfio en-
COMiIUEhCIO.
empregada pelo principe Mclternich, a qual dizia,
que a v llussia dera carta branca Austria a respeilo
de Cracovia ; mas que se poda esperar ver breve-
mente a incorporacaodc Moldavia-Watlachia com a
Russia.
A dtela de Vicnna publicou um tratado commcr-
cial ontre a Austria c o reino das Duas-Scilas. Por
esse tratado deviSo de ser abolidos os direitos diffe-
renciaes sobre as produces dos dous paizes, eesla-
Ijeleccr-so entre elles una inteira liberdadc de com-
mercio e navegaefio. O concelho administrativo de
Varsevia doo noticia de que o imposto actual sobre
ocaf.de 15 rublos de prata por quintal ser iguala-
do aquello, que paga o mesmo genero ua llussia, a
saber : 9 rublos de prata e 25 copecs.
Vimos o Corrtio Maranhtnte de 7 docorrente: data
tres das mais moderna do que a ultima, que tinha-
mos dos jornaes do Maranhfio.
Nclle vem registrado um acto do Sr. Angelo Car-
Jos Moniz, que mais que muito demonstra, que esse
lionieiii nfio perde a mais pequenina das occasies
que, para dar desenvolvimento ao seu genio vingati-
vo, llieofferecc o acaso, ainda que, para aproveita-
la, scja-llic preciso salUr por todas as barreiras do
justo e do honesto, sacrificar o seu proprio futuro
e o do mais alguem, e desrespeilar mesmo a autori-
dadefpublica, que, quando em suas mSos se acha de-1
Alaudega.
REND1MENTO DO DIA 29....... 397,544
DKSCAKIirr.A IIOJF 30.
BrigueCa/Anri'nu--morcadorias.
BarcuirluguczaTejavinbo.
\\irea-*Ospraij bacallio.
Ilrigue IHary-llaunselldem. ,
Barca ingleza Hriscilia mercadorias.
Galera Columbus dem.
Coil.Nllll'lo.
RKNDIMKNTO DO DIA 29.
Geral..............1:6H.8?
Provincial........... 688'!'it
Diversas provincias....... ,*' _
2:314,130
PRACA DO RECIFE, 24 DK DEZEMBRO DE 1846, AS
TIIK9H0RAS DA TARDE.
I.KVISTA SKHA.VAI..
Cambios Contina a 29 d. p. l.oon rs.
Algodfio -- KutrarSo nicamente I35sacca, e con-
serva os mesmos precos.
Assucar A entrada do encaixado montou a 505 ca
xas, tendo-se vendido a 1,000 rs. Por"r"
roba sobre o ierro do branco, e a 900 rs. u
mascavado : do ensaccado a eniraaa
grande, e vendeo-se preparado parar
barque em barricas e saceos, de ri'"0
2,250rs. a arroba do branco, e a i-
rs. do mascavado. .
Couros--Continuao ofl'erccidos de 110 o 11* s
libra.


.3.

Mlilal.
,\
O juizdcpaz presidente da junta qualificado-
ra da parochia du S.-iotirenQO-da-Malla, em cum-
pritnciilo do artigo 4.a da le "lo 19 de agosto do cor-
rete anno. convoca os Srs cleilores esupplentes
abaixo declarados, para compnrecorom na lercetra
dominga do Janeiro prximo vindouro, as9 horas do
di, na groja matrz,eahi exerccrem as runcgocs.que
a niesma le lites tem marcado.
EJ.MT0BES.
3 Vigario Francisco Manocl de Barros.
:t Jos Francisco de Barros llego.
4 Utiz Francisco de Barros Hego.
5 Manocl Lucas de Araujo Pinheiro.
6 Joaqnim Mauricio Wanderley,
7 Jonquim Correia de Araujo.
[8 Francisco de Paula Corroa de Araujo Jnior.
9 Antonio de llollanda Cavalcanli.
10 Francisco de l'aula l'acs Brrelo.
11 Manuel Joaqnim Mauricio Wanderley.
12 Sebastian Antonio Mello Reg.
13 Vital Brandode Albuquerque.
14 Christovaode llollanda Cavalcant.
15 Sobasliflo Antonio Paea Brrelo.
16 Francisco Joaquim da Rocha Falcio.
17 Jlo de Azevedo de Araujo Pinheiro.
1S Sebaatiflo Jos de Barros Brrelo.
19 Manool Bezorra do Vasconcelos.
20 Joflo Liria Cavalcanli.
I DiogoSoares de Albuquerqua.
21 Viclorianno de Souza Franca.
23 Joflo Marnlio Falcflo.
24 Francisco de (;oveia Castro.
25 Manoel Cavalcanli de Albuquerquo.
2C Joflo Uias Carneiro.
L>7 Antonio Francisco Xavier de Vasconcellos.
28 Antonio Brandan Malheiro.
29 Manocl Antones Correia deQuoiroz.
30 Flix l'acs da Silva.
SMUNTF*.
1 Francisco do Paula Correia de Araujo.
2 Joaquim Rodrigues Catiipcllo.
3 Jos Forra/. Dallro
4 Francisco Xavier Cavalcanli.
5 Joaquim deAraujc. Pinheiro.
6 Jos Concalves da LUZ
7 Joaquim do Reg Barros l'essoa.
h Victorino fioncalvesda Luz.
g Manocl Gtmenlves da l.uz.
50 Jos Peres Campello.
11 Antonio Joaquim de Barros.
12 Antonio Jos Duarle.
13
14
15 Manocl de Souza Tencua.
16 l)r. Filippe Ca miro de Olinda Campello.
17 Jos Germano de Aguiar.
18 Pedro do Moraes Carneiro. j
19 Antonio Rufino de Araujo Cavalcanli. I
S.-l.ourenco, 17 de dezembro de 1846.
Ojuizile paz,
Pedro frncitco de l'aula Cavalcanli de Albuquerque.
Azcitc doce Vendeo-se de 2,450 a 2.500 rs. o gal So
Uacalhao Existen no mercado 9,000 barricas, ese
est rclalhando de 8,5Q0 a 10,Ooo rs. a
barrjea.
Carnc-secca A existente cliega a 30,000 arrobas,
as vendas cffectuadas regulrilo de 1,600
a 3,-.00rs. a arroba.
Farinha de trigo Ghegrflo dous carregamentos ,
dos quaes un seguio para o Rio, e o de-
posito he de 5,500 barricas.
Salga parrilla-Vendeo-sc do 16,000 u 18,000 rs. a
arroba.
Vinhos -- dem de 80,000 a 105,000 rs. a pipa do de
Lisboa de autores de segunda sorle.
F.ntrrflo depois da ultima revista 10 embarcacos,
esahirflo outras taas, existindo no porto 44 : sen-
do 5 americanas, 2 austracas, 19 brasileras, 1 bel-
ga, 3* francezs, Shespanholas, 8 inginas, 2portu-
{-u'ezas o 2sardjjs._________________^^^^^^^
Yiovinicnto Navios entrados nt dia 29.
New-Bedford ; 54 dias, galera americana William-
Thomps'm, de 495 toneladas, capitflo Alilen G. Fi-
lis, equipagem 35, carga petreclios para a pesca ;
anca pililo.
Ass ; 30 dias, brigun brasileiro Saudade-do-Rio, de
260 toneladas, capitflo Santiago Agnczc, equipa-
gem 12, carga sal; a-Amorim Irmflos.--Segu pa-
ra o Rio-de-Janeiro.
Para, Maranhflo e Cear ; 24 dias, barca de vapor de
guerra Thetis, coinmandante o capitflo de fragata
l.uz Caelano de Almeda. Traz a seu bordo:- o ca-
pitflo-tcnente da armada Jos Thomaz Sabino, 1
alferes e 2 soldados de 1 linba, c 1 ex-escrivflo da
armada; conduz prezos do Parir, o paisano Fran-
cisco Pedro Vinagre c 2 sentenciados, e do Mara-
nhflo, 1 sentenciado.
Copenhagen ; 59 dias, briguc dinamarquez Imma-
nvel, de 100 toneladas, capitflo L. P. Moberg. equi-
pagem 9, carga carvflo de podra ; a Rolhe & Bi-
dulack.
Guernsev; 31 dias, briguc inglez I tabella, de 198 to-
neladas, capitflo James l.anleslcy, equipagem 12,
em lastro; a N. o. Iliebei &. Companhia. Passa-
geiro, Edward Lo Persey,- Inglez.
Navio tahido no mamo dia.
Londres; galera ingieza Maint-Caslle, capitflo Wil-
liam Dawsoit carga a mesma, que trouxe.
Dcclarates.
vine aosSrs. proprietarios quenfloseguardem to-
dos para enmpareccrem a salisfazer o semestre que
se est arrecadando nos ltimos dias, em que ex-
pira o prazoda arrecadagflo, sem o onusda multa
de 3 porcento, porque muito dilliculloso ser nos
ltimos dias poder dar-se expediente, pela grande
alllucncia, que necessariamente ha de haver,de con-
tribuntcs. Recite,'14 de dezembro de 1846. Clo-
rindo Ferreira Cotilo', escrvflo e administrador.
; Pela subdclegacia do districlo da Luz se faz
publico, que, no domingo, 20 do correte, foi ap-
prehendido a um individuo, que eslava bastante
ebrio um cavallo coiu una carga de diversos g-
neros de venda. Acha-se preso o individuo o qual,
depois de passar 24 horas e tornar a seu juizo natu-
ral confessou nos interrogatorios, que solTrco, ter
roubado no dia sabbado, no Recife, todos aquellos
ohjectos dos quaes se fez um termo do adiada, as-
signado pela competente autoridade, escrivflo o
4tostcmunhasde vista. Quem, pois se julgar com
direto a olles, comparoca no engenho Calluanda,
freguozia de S.-Lourengo-da-Matta, paindo do do-
cumentos Verdicos quo rereber ludo quanto foi
apprehendido. Subdclegacia da Luz, 20 de dezem-
bro de 1846. Joo Xavier Carneiro Rodrigues Com-
peli, subdelegado.
bkiliiantTpkiseimo
NO
Tli(v)ti o publico'.
QUART-FEIRA 30 DO CBRENTE.
SEGL'MIA NOlTK.
Prmeiro drama -- O Fiatt Luz Novo.
Segundo drama Adflo no Parazo. Nova contra-
danza grupada, crepelgilo do que mais agradou na
primeira noite.
Nesla noite sflo os bilhetcs amarellos.
I'uhicaccs Iliterarias. .
ELEMENTOS DEHYCIENE NAVAL
parauso dos navios do guerra c do commercodo
Imperio do Brasil, ofierecidos'a S M. L, o Senhor I),
Pedro II, por Francisco Flix Pereira da Costa dou-
tor em medicina e director do hospital da marinha
da corto. Esta obra conten noces geraes rela-
tivamente influencia dos climas sobre o physico e
moral dos homons. Trata da atmosphera martima e
terrestre c scus difei entes estados ; dangoa e das
outras bebidas, dos alimentos o vestuarios; alm de
outras militas materias que leem relaeflo com este
objeclo. O prego da assignatuia he de 3000 rs.; ser
um volumeem quarto de mais de 300 paginas. Os
nornes dos Srs. assignanlcs se publicaraO no fim da
obra. Subscrove-se na praca da Independencia ,
livraria, ns. 6 c 8.
Acaba deser publicada em um tullido de 78 paginas
i interessante discussflo, que-se susctou na assem-
bla provincial, acerca da quesillo =se devo o hispo
serouvido, quando se trata da divisflo de fregue-
zias?
A leitura desle folliclo deve interessar aos Srs. sa-
cerdotes e a todos aquellos, que cordialmente dese-
jflo ver respeiladas as formulas religiosas, pois que
em resposta a varas aecusagoes fcitas ao dignoprela-
lodestadiocese, eque veein no mesnio folheto, ap-
parecem os mais brilhanlcs discursos em sua do-
fesa.
Vende-se lia Injn de livros Ja pro<}a dn Indopenden-
a, os. 6e8, enaloja do Sr. l)r. Couliuho na
do Collegio, por 400 rs -cada folheto.
iMsos nuiiliuio.
Para a Babia sabe com a maior brevidade, o
biate Tentador: para carga ou passageiros, trata-
so com Silva & Grillo, na ra da Mocda, ii. 9.
Para o Aracaty segu com brevidade o hiato No-
vo-Ulinda, mestre Antonio Jos Vianna : quem nelle
quizcrcarregar.se entender com o mesmo mestre,
no trapiche novo.
Avisos diversos.
O caixa da companhia de Reberibe adverte aos
Srs. accionistas que anda nao eoiifiJctrP.o suas
entradas, que* devem fazer quanto antes; pois que
elle lem de prestar suascontas, o nflo nade por mais
lempo ter eontcmplajjflncom empate dos seus adian-
tameiltos. Recire,l8 de dezembro de 1846. <
caixa, ManoelGoncalves da Silva.
__O escrivflo c administrador da mesa de rendas
internas provinciaesdesta cidade, vendo que teem
comparecido na dita mesa muito poucas pessoasa
satisfa/erom adfBma de suas propnedades n*> J
barrosdesta cidade e povoagflo dos Afogados, pre-
Ouerecc-se um preto forro, muito bom cozinhei-
ro, para qualquer casa eslrangeira ou nacional, ou
mesmo para embarcacoes : quem do seu presumo se
quizer ulilisar.dirija-seariia da Alegra da Boa-Vista,
n. 24, ou annuncic por esta l'olha
Lina senhora brasileira, viuva, natural desla
provincia de l'ernambuco, se propoe a fazer qual-
quer costura, enxoval, edo alfaiale, caengpminar,
ludo por commodo prego : portanlo, roga a seus
bous patricios, que a nflo desamparen! com o nico
recurso, que llie resta, depois que perdeo o seu es-
poso, que de ludo a tinha acobertado : quem a qui-
zer beneficiar pelo meio cima indicado, di rija-sea
Boa-Vista, ra dollozario, no prmeiro andar do so-
brado, n 53 que sera bem servido, e muito se Ihe
agradecer.
AO PUBLICO
Ensinflo-se meninas com toda perfeig.lo, a saber
primen-as leliras, graininatica portugueza, arilhme-
li, a, doulrina christfla, coser, marcar, bi'rdar o fazer
lavarintos; assm como tambem ensinflo-se meni-
nos tanto em particular, como em suas casas : quem
de seu preslimo se quizer ullisar, dirja-sc a ra
Velha da Boa-Vista, n. 119.
Nodia 31 do correle, para todas as pessoas, que
quzcrem irafostade N.-S.-do-Monte, achar-se-ha
no lugar du ponte da Tacaruna urna excellcnte e
enmmoda canoa, para Ihos dar passagem, por prego
rasoavel, por cuja estrada so transita com a maior
brevidade.
Aluga-so, por 4,000 rs. por mez, no lim de pre-
sente dezembro, urna pequea casinos na Soledade,
'estrada para o Manguind, ou ra de Manocl Fer-
nandes Vieira, n 22: oulra na ra Imperial (Atorro-
dus-Afogados n. 103 : na ra Nova, loja.n. 58.
Prccisa-sc de um caixeiro para venda: quem
estiver nesla circunistancia, dirija-se a venda do Sr.
Nicolao Rodrigues da Cunha, i ua do Mundo-Novo,
n.16.
Aluga-sc,a quem precisai.um preto; islo para o
mez, que vem: na ra Nova, loja. n. 58.
O abaixo assignado faz publico, que, tendo pas-
sadoumvajc da quacti do duzentoa mil rcis, ems
de novembro passado, cmlcujo valo j esta um re-
cibo de cen mil res por conta ; aconteceo, que in-
djtoagar o restante, depois que pagou, perdeo dito
" c como a pessoa, a quem dito vale pertenca,
j^Steja paga, se faz o presente, para que ringuem o
rsceba em transacgflo, visto que nada vale : adve tu-
dx>-sc so mesmo lempo a quem o liver adiado, que,
querendo rcslilu-lo ao abaixo assignado, ser re-
compcusadA.
Antonio Brochado Soares Ouimara.
Sorveles e'petiscos.
Quint'-eira, (lia do Monte, no
Varadouro, em Oiula, na loja d sobrado do Sr. Joaquim Lopes de
Almeida, liaver buns sorvetes e
'peliscos.
j A pessoa, f|iio aclio una tonca de
menino, que no dia 26 do concille se
perdeo desde a rna do Crespo ale a praca
da Bou-Vista, qnerendo restituir, pode
leva-la ra de S. Francisco, n 9, on-
de ser generosamente recompensada.
Os abaixo assignados fazem publi-
co, que se acba -dissolvido amigavelmen-
te o negocio, que tinb3o, de comprable
gado, desde o dia 29 do concille mez de
dezembro. AnIonio dos Sanios Lopes
Bernardo da Silva Guimares.
Precisa alugar urna ama de lei
te : no Aterro da Boa Vista, n. 3G.
-- Quem se julgar credor de Luz Manoel Rodri-
gues Val'lcnga baja deapresentar suaconla, para Ihe
ser mmediatamr ite paga, nn ra larga do Rozarlo,
padaria n. 46.
Prccisa-se alugar una preta que saiba coz-
nharc fazer o mais servigo de urna casa do pouca fa-
milia : na ra da'Trempe para o Mondego no sitio,
que tema casa com frente cor de chumbo.
Pfecisa-se alugar um preto ou molcquo,
que saiba co/inhar, c fazer o servigo interno do urna
casa: amado Cabug loja de ourives de Joflo
Pereira Lagos, que dar o sustentoc 10,000 rs.
mensaes.
Arhou-sc na ra um trouxa de roupa em um
tabolciro com urna cesta de pastis: quem for seu
dono, dirja-se ao sitio da capcllinha do Mondego,
que, dando os signaes, Ihe ser entregue, pagando
o annuncin.
-- Prccisa-se de urna ama para criar urna enan-
ca o que lenha bom Icite, c soja de boa conducta ;
prefere-se escrava : na ra do Queimado n. 6 ou
na na da Soledade n. 21, defronto do portilo do si-
tio lo Sr. Herculano, onde tem ollicina de ferrero.
Arrenda-se o primeiro andar do sobrado da
ra das Larangciras, n. 14, com commodos para fa-
milia : a tratar na ra Direita, n. 79.
... os Srs. Ther.tonio Theofilo de Abroo Lima e
Theotonio Fernandes d'Abreo Silva queirflo dirigr-so
a rus daCruz, n.54, primeiro andar, a negocio,
que Ihes dizrespeito.
Prccisa-se alugar urna prcta para o servigo de
urna casa de pouca familia, pagando-sopor sema-
na ou por mez : na ra do Rangel, n. 17.
Tcndn um preto do abaixo assignado fgido o
levado coinsigo urna banca eom nina gaveta na
qual exisliflo varios papis e Ictlras, e leudo apparo-
cido o referido preto sem aquelles documentos ; o
abaixo assignado roga as pessoas, que acharcm di-
tos ttulos, na estrada do Rozarinho, o favor de os
mandar levar ao Merro-ila-Uo-Viln n. 55 que
serflo recompensadas. Jacintho ,lffonso Roielho.
Descja-se saber, se existe nesta provincia ou
ua dasAlagoas,oSr. Jos Marlins do Reg, fillio do
fallecido Manoel Jos do Rogo natural de Portugal,
para negocio de seu interesse : caso exista, dirija-se
a Fra-de- Portas, ra do A rea I, n. 8.
SORVETE.
1N0 botiqum junto ao thoatro, das 5 horas
la larde do da 24 em diante, ha sorvetes de
fructas mui bem proparados c com muito
'asseio.
Aluga-se o andar terreo ou loja do sobrado n.
12 da ra da Aurora, com oplimos c muito asseiados
commodos para morada de homcm solteiro ou de
pouca familia: quem o quizer alugar, dirija-se ao
mesmo sobrado qualquer hora.
Aluga-se um sitio na ra da Casa-Forte com
copiare gradara de ferro na frente, estribara e
cocheira e muitas commndagocs; varas casinbas,
tanto na campia e ra da Casa-Forte como na es-
trada do Pogo ; o primeiro c segundo andaros do so-
brado amarello da ra Augusta ; a loja do dito, pro-
pria para venda ; o segundo andar do sobrado n.
36, do pateo do Llvramento ;'os lerceroe quarto
andares do sobrado da ra do Amorim n. 15 : a tra-
tar no primeiro andar do mesmo sobrado.
Joflo Jos da Costa avisa ao publico, que, des-
de o dia 28 do correte, deixou de ser caixeiro du
Sr. Manoel Ferreira Ramos.
No Aterro da-Boa-Y isla, loja
de Dtiliarry, n. II,
recebeo-sc de Franga, pela Zilia um grande sort-
nieuto de brinquedos, que attestflo o progresso c a
porfeigitodo trabalho dos molhores fabricantes da
Europa : pde-se admirar em John bull, la loor de
Auverg, taglion, fani esler, franconi, nouvelista
paysans, cavalleiros com inovmcnlos, bonecas
movondo osolhos e com cabellos como naturaes,
mobilhas completas cagas, Ihealros, jogos, cidades,
jantares, espingardas, presepes, cavallarias, appa-
rclhosde todas as qualidades : tambem recebeo bi-
cos de linho detoda a largura fcitos cm almofada,
e de blonde, do melhor gosto possivel.
ATTERRO-DA-BOA-VISTA, N. 3, LOJA l)E
JAO CIIAItnON.
Aeabo de chegar pela 27,ultimo navio vindoda
Franga, riquissimos chapos de seda da mais ele-
gante forma da ultima moda de Pars, para senhora,
muito linos; elegantissimos chales de ha reges; ri-
cos chlese mantas de seda; bonitas litas de solim;
lindas flores para chapeos, cahega e vestidos de se-
nhora; esparuUtos feilos (tela primeira modista de
Pars; muito finase uovssimas perfumaras; baleias
e atacadores para vestidos o para espartilhos; chapos
de pallui muito fino; ricos lengos e outras mais fazen-
das de bom gosto.
Alugflo-scas seguinies c? o tercoiro andar
e os prmeiro e terceiro andares dos sobrados ns. 4 e
6 do Aterro-da-Boa-Vibia todos pintados e afran-
jados de novo, por 300,000 rs. amaines ; a loja do
mesmo sobrado, n. 6, com proporges para qualquer
estabelecimento; una casa terrea com quintal,
cacimba o mais commodos para grande familia na
ra da Unifio n. 5 ; duas dita com iguaes commo-
dos na Trompe, ra da Soledade, ns. 29 e 31 por
12,000 rs. mensaes : a tratar no escriptoro de Fran-
cisco Antonio de Oliveira & Filhos.
PrcciM-cdedouilavradores j em casa do doura-
dor, ou fabricante de caudieiros de gaz na rua no-
- Precsa-se alugar um escravo diligente, para o
servigo de urna casa, oque scjahnm cozmheiro: na
rua doAragilonobairroda Boa-VisU, n. 27, ou an-
nunce.
itto.OOO DE CRATIIICACA0.
Na madrugada do dia 23 do corrente dezembro.ar-
rombrflo o telheiro, que existe na rua do Brum em
Fra-ile-Portas, junto aorio, elevaran urna grande
porgo do taboas de ainarelldserradas.ha muito lem-
po, e d difTerentos grossuras, urna porgilo de fcrra-
gemecordas de navio. O roubo foi perpetrado por
4 ou mais homens, que o conduzrSo em urna canoa,
e consta.que venderflo algum taboado para as partes
de Santo-Amaro. ManoelT>uarte Ro na rua do Trapiche, n. 26, he o prejudicado no dito
roubo; nRarece a gratificagilo de 100,000 rs. a quem
descobrir sua existencia ou os seus autores, e so
qualquer dVllos o denunciar recebera a mesma
quanlia o niio ser perseguido; ao mesmo lempo
que protesta esgotar todos os meos para perseguir o
crimeeser indemmsado do daino causado. O mes-
mo convida a quem lenha comprado dito roubo a
enlender-se com o prejudicado, para do melhor ror-
ma niio ser criminado. ,
I.11 iz Francisco de Mello Cavalcanli embarca na-
rn o Rio-de-Janeiro, edeixa, como seus procurado-
res nesla cidade, os Srs. Manocl Caetano Soares
Carneiro Monteiro eMathias de Albuquerque e Mel-
lo. ., .
Oabaixo assignado.'impelldo pela necessidade
de procurar um mei honesto, para com elle adqui-
rir o que Ihe he indispensavel para subsistir sem
continuar a ser pesado aos seus amigos, depois de
haver de balde diligenciado em que empregar-se ,
se prope abrir urna aula, no principio do mez de
Janeiro prximo futuro, onde, alm do ensino cor-
recto das primeras lettras, serflo dadas liogocs de
grammatica da lingoa nacional, latina e franceza.
O mesmo abaixo assignado persuade-se, que temas
convenientes hablitagoes para satisfactoriamente
desempenhar o emprego.a que se vai dcdicar.e espe-
ra que os seus concilladnos, c particularmente os .
seus amigos, delle confiem a educagao de seus Ti-
Ihos, certos de que esta ser dada com todo o es-
mero, zelo o cuidado, mediante um rasoavel c m-
dico estipendio.
Para este fim terflo a bondade de entender-se com
oannunciante,narua doAragflo, n. 27 no bairro
da Boa-Vista : enmprndo advertir que na referida
aula serflo recebidos alm de alumnos externos,
pensionistas e meio-pensionistas. Jos Xavier
Faustino Ramos.
Aluga-se, por festa pelo mesmo prego que
rende animalmente um sobrado em Olinda, na
rua de S.-Bento, por cima da botica do Sr. (onzaga,
com bonita vista e commodos para familia o qual
nflo desagradar aos proleudcntos: a tratar no mes-
mo lugar, no Varadouro rua do Balde n. 24 ou
no Recife, rua de Apollo, tanque d'agoa, n. 28.
Aluga-se, por festa polo mesmo prego, quo
rende animalmente umacasa terrea em Olinda na
rua de S.-Pedro-Martyr, com bonita vista muito
fresca e asseiada, a qual nflo desagradar aosnre-
tendentes : a tratar no mesmo lugar, no Varadou-
ro, rua do Raido, n. 24 ouno Recife, na de Apol-
lo tanque dcagoatn. 28.
= O abaixo assignado, vendo nos Diarios um remedio
para boubas e rravoa seceos, culo remedio be cousaex-
rtvordlnarla, e tendo enijcnho, lia inultos annos, e tcn-
dn perdido diversos osemos, e desde o 111 nuncio des-
te remedio, t-ndo salvado lodos, c por loo sua senho-
ra, que padeca esta molestia a ponto de j nao 90 poder
calcar, e eom este remedio iieou pcrfeitainente san, 1-
tambem um fllho de Idade de20 anuos: c como vio rst remedia produzir estes efleitos, por isso ti este annun-
clo para beneficio dos Srs. de engenho, tendo visto ne-
gros aleijado* e perderein a vida, por causa desta moles-
tia. Faz este annuncio para beneficio da huinanidade,
Momo Correia Pessoa de Mello.
Novo importante aviso.
POMMATFAl), CUTELF.IRO, ATERRO-DA-BOA-
VISTA N. 5,
tem a honra de prevenir ao publico que acaba da
receber pelo ultimo navio ebegadodn Franca, um
grande sortimeiilo de mercadorias, todas de pri-
meira qualidade o do ultimo gosto como: chieo-
tinhos delicados o bongalinhas guarnecidas de prala
Tina ; perlenccs para cagar; polvarinhos de diverso*
tamaitos, etaimbeiras de 1 e > canudos, saca-
trapos, ferros para desparafusar, furnia de fazer ba-
las de varios calibres para pistolas, espoletas de
primeira qualidade chamines deago lino para es-
pingardas de espoleta ; esponjas finas; cscovas pa-
ra dentse para unlias ; ferrinlios para limpar e ti-
rar denles; instrumentos do crurgia; fundas do
loilas as qualidades; frcios ; esporas; obras de
prata lavrada como colhercs para cha e de tirar
assucar, muito ricas ; facas com cabos e folhas do
prala para comer fruclas, e tambem com cabos de
prala c folhas de ago fino ; navalhas de barbear de
primeira qualidade ; tesouras de todos os tamaitos
e de ago fino ; c gcralmeutc tudo quanto pertence a
entela 1.a; cstojos de inatlicmalica c llCCessariS de
costura para senhoras. Tambem faz de encommen-
da toda a qualidade de fundas, c concertos de es-
pingardas.
As quartas-feiras e aos sabbadoscontina a amolar
toda a qualidade de ferros ; ad veri indo aos seus fre-
guezes. que dora em diante elle mesmo se oceupa-
r especialmente deste ultimo trabalho.
SORVETE.
Na povoagflo do Monteiro, ao p do sobrado das
4 horas da larde do dia 29 em diante ha sorvetes de
fructas mui bem preparados e com muito asseio,
pelo fabricante, que foi da rua da Aurora.
Prccisa-se alugar urna preta, quo saiba cozi-
nhare fazer ornis servigo do urna casa de pouca
familia : na rua larga do Rozario n. 46, segundo
andar.
Prccsa-se alugar um moleque, de 10 a 14 an-
nos : no largo do Tergo sobrado n. 16.
Precisa-se fallar ao Sr. Antonio Rodrigues Fer-
reira Jnior, que, ha 5 annos, vciodo Maranhfloeu-
carregado de um palhabote de guerra que por ap-
pcllidolho chamflo papo-roto : na rua daCa-
dcia do Recife, n. 0 ou annuncie sua morada, para
ser procurado.
- Os Srs. dorios de
obras e inestre pedreiros que prccisareiii de alguna
inaterlaeg, como cal branca, dita preta, barro amarello*
diio preto, arela lina de ringlr, dita grosia, telhos, li-
jlos de ladrilho, ditos de Mvcnarla batida, dita gro-
sa, tijoloj de upamenlo largos, dltot eitrrltoi, tuda
nals cm conta do que em outro deposito, quclrao dlrl-
gira-se rua da ladeia, u. 17.
r


~"
*r
A
M

*
tt
!
'
IVfls margeos do Capillaribe.
o lft lado esquerdo desse nosso ameno e delicioso
rio esla situada a lidia e refrigerante povnacno do
M'intoiro. Ahi lem o Nicolao estaheleeido urna casa,
amule se propAn a furor ({''lados dedilTerentes frte-
las, as mais bem escnlhiilas para um scmelhante
fim ; e pnr isso convida aos seos freguezes a Ihe fre-
quenlarem a sua cana. O aniuiiiciant desde ja as
severa, que far as possivos delgencias ao seu al-
bance, para que osseus gnrvetoa anda sejfo mais
pcrfcilos, que aquellos com que servio aos respeita-
veis concurrentes que lano Ihe honrro a sua ca-
sa que n'outro tenipo leve na ra da Aurora ; por-
que urna longa experiencia e esludo que lem l'eilo
em oompor nevados o lem habilitado para isso. A
vendados sorvetes ter principio as 4 horas da tar-
donas pessoas, que do Recite ahi se dirigirem a
cavallo, ou em carro, acharO cominodidades de|po-
derem com desranso gozar de uro refresco tilo ne-
eessario a conservaco da vida por isso que haver
cuidado em seus animaos.
Fabrica de chapeos
de sol na ra do Pas-
so o-Publico, n. 5.
TJofio l.oulict adverte aos seus freguezes, que
queirfio tlesenganar-se por urna vez sobre os
objeclos abaixo declarados, tanto em preco
como em qualidade: lem nesta occaso um rico
sortimenlo de chapeos de sol furia-cores o pre-
toseom baria lavrada, os mais modernos, que teem
apparecido ueste morcado de igual sorlimento ; e
tambem chapeos de sol, de panninhn de todas as
Crese ultimo goslo da rainha da Usencia ; e para
vcnhoiasum completo sorlimento dos meamos, de
. idas as cores pois seus gostos sao da ultima moda
t .'Paria. .\a mesmo esta beleci ment se acha um
co npleto sortimenlo de sedase panninhos de todas
as. mes, proprios para toda e quah|uer obra, que
so q izer lazer pois que silo proprios para esso lim.
'I'amhcm se concertlo chapeos de sol, tanto do ho-
niem como de senhra, com toda a perfcieilo por pre-
co commodo, e coma maior brevidade possivel
Na mesma turica tambem se vendem baleias para
espartilhos e veslidos.
LOTERA
DA MATRIZ
HA CIDADE DA VICTORIA.
Por soler pouco ou nada adiantado a venda do
reato dos bilhetes, e existir ainda urna crescida quan-
tidade, nao pode ser effeituado o andamento das
rodas desta lotera no da 22 do corrento, como se
havia annuneiado. Em consequencla disto o respec-
ctivo Ihesourero, de accordo com o juiz presidente
das loteras, lem transferido o sobredilo andamento
paraodia29de Janeiro prximo futuro, no qual
elleinfallivelmento se realisara ainda que alguns
poucos bilhetes iqucm por vender.
Vende-sc urna escrava parda moca, do bonita
figura boa cozinheira e engomma liso, | or mdico
precn : na praca da Ooa-Visla, n 30, casado briga-
dero Alineida.
muito bonito; urna prela.de 16 a 18 annos com
Pandas: na rua larga do llozario, voltando'para
os quarteis, n. 24.
Vendem-se 30 aecAes da companhia de Bebe-
Coo)pras.
Vendase farnha de mlho, em barricas, mui- ribe, no valordc70por cento : nosta typographia,
to nova, por preco commodo, chegada ultima- se dir quem vende,
mente, propria para sustento do cavallos: na rua
da Madre-de-Dos, n. 22, arinazem do VicenteFer-
reira da Costa.
-- Vende-se urna commonda da ordem de Curia*
to, por preco commodo : na- rua do Cabug, loja
grande de ourives n. 33.
Vende-se urna escrava perfeta mucama com
algumas habilidades que se faraA ver ao compra-
dor; urna dita boa engommadeira e coslureira ; 2
ditas para todo o servido ; urna lindera de naco ;
urna escrava por 250,000 rs.; um escravo ; 2 mo-
lequespara todo o servico : na rua de Agoas-Ver-
des, n. 46.
Vende-se cal virgem empedra, chegada lti-
mamente de Lisboa; mercurio doce, em caixinhas do
3 libras : na rua da Cruz n 54 ou na rua de Apol-
lo n. 34, armazem de Mendes & Tarrozo.
Vendem-se queijos londrinos, presuntos inglc-
zcs.de milito superior qualidade, chegados lti-
mamente de Liverpool, pela galera ingleza Culumbus:
na rua da Cruz,- no Recife n. 66, venda de .Miguel
Joaquim da Costa & Companhia.
Vendem-se dous excellentes e no-
vos pianos-fortes, feitos cm uina das mais
accreditadas fabricas, sendo um driles
feilo por nova invencao, e ainda aqu nao
visto: em casa lc Rus-t-ll tlellors & C,
rua da Cadeia do Mecif", n. 3g.
Vende-se superior vinho clarete,
o mais delicioso que se p e encontrar
ueste mercado, e muito proprio para os
presentes da fetsta, por se adiar em cai-
xinhas de duzia, por preco commodo : em
casa de Adamson Howic & C, rua do
Trapiche, n. 4 a.
Vendem-se morndas de ferro para rngenlios de as-
suear, para vapor, agoa e brstas, de diversos (amanhoii,
por preco commodo ; e igualmente taixas de ferro coad
e batido, de todos os tamaitos: na praca do Corpo-San-
to, n. 11, em casa de Me. Lalinont 4 Companhia, ou na
rua de Apollo, armazem, n. 6.
= Vende-se potassa branca de superior qualidade,
em barris pequeos ; em casa de Matheus Austin &
Companhia. na na da Alfandega-Velha, n. 36.
= O corretor Oliveira tcm para vender cobre em fa-
lla e prrgos de dito para forros de navios : os pretn-
deme dirijao-se ao inesmo, ou aos Senhores Mcsquita
S< llutin
= Vende-se cal virgem em mrias barricas chrga-
i prximamente, por
Morda armazem n. 16.
Ventlem-se Lidias grandes dellam-
burgo diegadas ltimamente; e lam-
lietn se alugao, por preco commodo ; no
Alerro-drt-Boa-Vista primeira venda ,
p ji>
Vendem-se 2oscravos, de meia idade, proprios
para sitio por preco commodo, poro Joo se que-
rer retirar : no principio da rua da rua do llortas ,
travessa de S.-Pedro, n. 15.
Potassa da Itussia,
verc'adeira e nova, em barris pequeos,
por preco muito commodo : na rua da
Cruz, n. i o, em casa de Kalkmann &
HoseDmund.
Vende-se um relogio de o uro, suis-
so novo ;. um dito um pouco usado
muito bons reguladores,?ielooqiieo dono
se responsabiliza ; e igualmente 3 cor-
rentes novas, de ouro, para os mesmos:
na ruado Vigario, n. (\.
IVa rua da Cadeia-
Vclha, loja n. 29. de
T. O.Elsler,
vendem-se os seguintes vinlios engar-
rafados c de superior qualidade : vinho
do l'orio muito velho ; dito da \la ftiiccllas ; Car vellos ; Sherry ; Rhei-
Hordeaux ; Cherry-cordial ; Tene-
rua
Compra-se cobre para troco, a 4 por cont :
na rua larga doRozario, n. 34, boliquim da Cova-
da-Onca.
V^Vgl Compro-se bola, carneiros, vaccas e vi- branco de todas as quididades e muito
tfHf^ telas gordas, proprias para acouguc: pro- em conla : no deposito da rua Direila n.
U**a>" curem, ou mandem por escripia, na rua > ,f .' l",,:,,a "
larga do Roza ro, ns. 6e 11, ao pedos quarteis, ou^00' ""Iroiite lo horco da l'cnlia.
annunciem. | ~ Vende-se vinho do Champanha superior em
Comprlo-se elTectivamcnte escravos do ambos costosde 12 garrafas, e 24 monis ditas; vir.ho de
os sexos, e de todas as dades : na rua larga do Ro- t'hampanha rosado ; ludo da melhor qualidade, e
Zario, voltando para os quarteis, u. 24.
Comprao-se escravos de ambos os sexos de 12
n 30 annos : na rua Direila, n. 3, defronte do boceo
dfl S.-Pedro.
Compra-so um papagaio bom fallador : no lar-
go do Terco, n. 16.
Vend.is.
FOLHIiNHAS
dr alian.ik c do porta.
A ecgo mais correla e enm-
ela, que existe, tiestas folhinhas,
est venda as livianas da pra-
ca da Independencia, ns. 6 e 8; da
esquina do Colleyio; e na Boa-
ra;
no ;
rifli ; Champanha, marca cometa ; c tam-
bem supeiicr genebra hollandeza ; agoa-
ardente de Franca; vidros com conser-
vas ; boioes de dore de fi rielas da Kuro
pa ; biscoutos fmissimos de llamburgo ;
velas de composico ; cha preto; dito
hysson ; ptimos charutos cm caixinhas
de cem.
Sal de Lisboa fino e alvo, a 1600 rs. o alquei-
re velho, e sendo porc^lo dar-se-ha por menos : na
rua da Praia armazem n. 18.
Vendcm-sc 40 escravos do ambos os sexos, s"en-
. doprctos, prctas, moloques, negrinhas, pardas,
te, por preco comiuodo; na rua daj pardos ; 2 cabritillas proprios para pageos; entre
elles alguns eom habilidades: na rua da Cruz, n.
51, a fallar com Jos Francisco da Silva.
Vond-se cera de carnauba ; courinhos de ca-
bra ; bezerros e sola; ludo por preco commodo ;
na rua da Cruz, n. 51.
CELO A DINHE1RO
na rua da Senzalla-Velha, n. 18, das 9 as 11 horas
da manhta c das 3 at as 5 da tarde, preco a 3200
rs a arroba, ea libra a 120 rs : adverle-so, qucno
ha troco em cobro ou cdulas mitidas, por isso he
necessario trazerem os Srs. compradores a quantia
certa.
Vendem-se vidros para espedios ,
de varios tamaitos ; ditos para vidraca :
na rua da Cruz n. io.
Na botica da rua do Rangcl, vendem-se os reme-
dios seguintrs, dos quars a experiencia tem confirmado
os ini'iliori's Wl'eitos : dcntilico, que tem a propriedade
de lili.par os denles cariados, e restituir-llirs a cor es-
maltada, em muito poucos dias ; o uso do dito rejne-
dio fortifica a* fengivas e tira o mao clieiro da bocea,
proveniente nao s da carie, como do trtaro, que se
une ao pescoco destes igaos; o remedio he designado
pelos nmeros i.'ri'; urdala purgativa, mui til a
enancas e as pessoas de toda e qualqUer idade ; he com-
posta de substancias vegetaes, nao conten mercurio,
neni droga alguina, que possaprejudicar: remedio para
curar calos, em poneos das; dito para curar dures ve-
nreas antigs, e que leein resistido ao tratainriito ge-
ralnieiite appticado ; dito para provocar a menstruacao,
eaccelerar a aceito do ulero nos parios naturaes, rin
que nao se precisa das manobras scienlifleas da arte ;
dito para resolver tumores lymphalicos, vulgo glannu-
dito para curar bobas e cravos seceos, o mais pfli-
ao pe rir ponle, n. a.
- Vende-se assucar refinado de pri-
hmrobre a2portento, pan trocoa: ",.eira H^'^ade muilo lino, a ioo ris a
a larga do Rozario loja de miude/.as n. 35. libro-, tito de segunda dita, a <)0 ris ;
dilo de terceira dita, a 8o lis masca-
vado, laiiihcni retinado, a 70 ris ; e
chegado de fresco do Havre na barca Zitia : na rua
da Cruz n.2l.
Fardos de arroz!
reos ele *
Fa-
P
Vista, botica defronte da matriz,
pelo prego to coslume.
OLIVRODETODOS
ou
Manual ta laude,
'ontendo
todos os csrlarecimentos throricos e pralicos necessa-
rios para poder preparar e empregar, sem o soccorro do
professor, os remedios, e se preservar e curar-se promp-
taiiirute, com pouco dispendio, ila mor parte das moies-
tias ruraveii, c conseguir uinallivio quasi equivalente
sadc, as molestias iucuraveis.
Seguido
de um tratamrnto especifico contra a coqueluche, e de
legras hyglenicas para prevenir as molestias ;
pelo doutor G. de Pluesquellec.
Preco 4/0O0 rs. em brocliura.
O supplemento, indispeusavrl a quem tem a obra, da-
se gratuitamente aos compradores. O dito supplemen-
to tras as Iresdillerenles recritaspara a composico da
agoa sedativa; este precioso remedio, que tamanha repu-
tacao j tem gando, e que devr existir rm lodas as casas
para remediar proinptainente aos accidentes e incoui-
modos repentinos
Vende-e na praja da Independencia, llvrar'a M. 6 e 8
IVa rua da Cadeia-
Velha, loja, n. 29, de
I. O Elsler ,
vende-se ptimo Champanha Sellery pouco vul-
gar em l'ernambuco ; dito marca cometa, bem co-
nhecido.
. <1
arroz
Do todas as substancias nutritivas at boje
conhecidas para o sustento de anmaos, he ^
incontestavelmente o farelode arroz,que, a
lm do muilas propriedadcs.tem a scu fa- J
vorseralimento fresco, a mais propria para S
o nosso clima, privando os cavallos de se- Efe
remaccommotidosde algumas molestias
a que estilo subjeitos. H
Asvantagens enumeradas e oulrasmui- >> '
tas que deixilo de ser notadas, leern si- HK
do reconhecidas pelo Sr. comniandanle da fi*S
companhia de cavallaria de linha que he M
com que alimenta os da companhia de sou "
commando: podendoos compradores infor-
ma r-se delle. Vende-se a barricas de 3 a 4
arrobas, no armazem de Fernando Jos Bra-
guez.
gueres acharad aempre um variado sorlimento de bon
nmeros. O pagamento das que sahirao premiada
na pacaada lotera do Livramento, contina a ser f,.i?'
como d'anres a toda e qnalqurr hora do dia, sem ei
cepeo de domingos e dias santos.
Aos amadores da boa Cham-
panha.
Ainda existem alguns gigos do supe-
rior vinho Champanha de Sillery, na rua
da Crin, no Recife n. a.6. As pepsoas
que se quizerem prevenir de bom vinho
para festa, devem procnra-lo quanto
antes.
Na rua do Trapiche n., 54,
armazem de I-ornando
de Lucca,
vendern-se os seguinlos gneros, recen lmente
ohegados pela barca '/.lia con le i tu ras |e fructas
conservadas em frascos; salchichas em potes poque-
nos, de 3 k 4 libras; conservas de legumes, de carne,
de pepinos ecebollinho, de varas qualidades; amei-
xas; e tambem champanha, vinho do Porto, Sher-
ry, Madeira, vinho do Rheno, Sauterne, Clarette em
quartolas e caixas; dilo engarrafado, 400 rs., muito
bom ; superior cognac, rhiim de Jamaica, Arrao, ge-
nebra de Hnllanda, vinho de Malaga velho, em metas
garrafas; chocolate de l'amille; passas miudas; cer-
vejas: repolho conservado; barris pequeos do eu-
viar; |mostarda franreza e ingleza, charutos. Todos
estos objetos sito da melhor qualidade e por proco
commodo.
Historia de Inglaterra em y
polo doutor Coldsmilh continuada at o presente,
com um bello relralo da rainha Victoria, i v. bem
encadornado: vende-se na livrara da esquina doCol-
logio; como tambem os diccionarios inglezes do
Vieira .grandes e pequeos ; os diccionarios de pro-
nuncia ingleza de Walker; varias outras obras no
edioma inglcz; c os diccionarios allemfto-portu-
guez e vice-versa.
lio clima e das molestias do
Itr.isil.
A importante obra, que, com este titulo, acaba do
publicar em Pars o doutor Sigaud medico de S.
M. o imperador, dedicada ao niesmo auguslo Sr.,
vende-se na livrara da esquina do Collcgio 1 v. em
oitavo grande de nilkla impresso em escolente
papel e cun opti ma encadcrnacSo.
Escravos Fgidos
Y/lt
Vendo-se cera de carnauba
de primeira qua-
i mu. .i jjuii i.-.... mivun. una carteira de escrp-
torio, de3assenlos, feitade amarello : na rua da
Cruz, n- 21.
las
A 12$ rs. o corte.
ca que se confete al aqui ; dito oximel de ferro, mui-
totil naschloroirs, vulgarmente chamadas frialdades;
pos anti-biliosos de Manuel Lopes; capsulas de gelati-
na, coutendo balsamo de cupaliiba ; ditas de oleo de
recinos purificado ; ditas de cubebas em p fino ; ditas
de assafetida; ditas coni pos purgantes; ditas de ruibardo
da China; ditas de sulphaiu de ijuiniiio de i e 2 graos cada
capsola ; algaleas, velinbas elastieas; pilulas de sal de ca-
baciuho; agoa das Calda, cliegada prximamente; reme-
dios que curo a friatdadr dentro de 40 dias, mesmo estan-
doinchado; oleo mu to bom para conservar o cabello,que,
alm de nao deixar cahir o cabello, Umpa a caspa, e
lijo uso continuado fai reapparecer o cabello perdido ;
pilulas especificas para curar as gonorrhras chronicas,
qunndo a lesao nao passa da urela ; igualmente um xa-
rope aiiti-heinorragico, applicado nos caos, em que se
deita sangue pela Dacca : o preco de lodos cstea reme-
dios he mui rasoavel, e os bous resultados da sua appli-
caco be que devem faier sua apologa.
Rap prrrcezn Novo-Lisboa
a tStlOOrs. a libra.
De todos os raps, que a Industria brasilelra tem al
noje labricado, nenliuui imita nielbor o verdadeiro ra-
RtC'f^f.* Por,uB,, do que o intitulado R aP PIUN-
(r.ZA ,\OV'u LISBOA, fabricado no Rio.de-.I.,eiro,"eli-
do lao perreita a sua srmclhanp. que os mais veteranos
tabaquistas o tomao pelo genuino rap princesa de Lis-
boa.
Na loja da esquina confronte ao arco do S.-Anto-
nio, n. 5,tie Guimarfe, Seralim & C, vemlem-sc
eos cortes de chal de lila e seda com barra, os ma
lindos padrees, que leen, viudo a esle mercado ,; jgUott no-roma esGasqW|td^esTcomM
X 11,Ruf,menleoral"'<'arite dosle rap teve a maior
'- feliculadc em conseguir imitar perreilamenlc os ra-
s pes Areiaprela Ueio-grono e Commum que nao s
pelo barato proco do 12,000 rs. o corle.
Vende-se pofassabranca,
mais reeem.clieftada por modi^.-^^
i j^'? "r^a ds bo,es cdr dos P^Pf'S sendo
rja. dimcil dislingmr-sea copia do original.
co preco : em casa de L. G. Fer-
reira & Comp.inliia.
Venden -se chapeos do palha do superior qua-
lidade : em casa de llcnry Forstcr & Companhia na
rua do Trapiche-Novo, n. 8.
Vende-so um terreno na rua, que fica por de-
trs da rua da Aurora em frente do fundo da casa
do finado Pereira com igual largura o dita casa
com 300e lanos palmos de Tundo, o qual cheg
at a terceira rua : a tratar na travessa da Madre-de-
eos, n. 18.
- Vende-se um molequinho, de 12 a 13 annos,
ra i na
se vndenos tres baleros da cidade : no do Recife ,,
casa dos hrs. Jos Olas da Silva e Ponte b Sanipaio, to-
jas de ferragens rua da Cadeia-Velha ; no de S.-Anto-
nlo em casa dos Srs Amonio Domingo Ferrei
do Crespo, n. II
as rua "
ja de
Visra ,lojas de iniudczas dos StarAtono Avres de Ca-
iro & Companhia Amonio da Silva Guimarac
"iai Pereira de Mallos Kstima.
respo, n. 1 ; Joaquim Jos Lody, loja de miuUr-
rua larga Uo Rosario ; Jos Joaquim da Costa lo-
miudezat na rua do Cabug ; no Atrro-da-|loa-
iinaracs e Tlio-
-- As cautelas da lotera da cidade da Victoria achno-
seje boje em dame expostas venda no Aterro-da-
'oa-V.s.a. na. toja, dos Srs. Caetano Luli Ferrcir..
n. i; riminai Pereira de Mallos Estima, 54 ijLT
* Irnuo, n. 58, c Antonio Ayres de Caat, 4
assiui como na travessa do Veras, n. 13,
Fugio, de bordo do brgue Hor-do-Sul, o escra-
vo marinhero, de nome Jos, de nac.lo Renguella, re-
presenta 25 anuos, pouco mais ou menos, estatura re-
gular, magro, sem barba, levou camisa branca, calca
de riscado : pedo-se a approhensSodo mesmo: o quem
o pegar, levando a bordo do dilo briguo.ou a casa de
Amorim Irmflos, na rua da Cadeia n. 45, ser gra-
tificado.
Fugio, no dia 16 to corronle um pardo, de
nome -Manool, de 18 annos; levou camisa de algo
dfloz inho branco calcas de lislras azues chapeo de
Eallia oleado de prelo ; he um pouco cangulo, ra-
ello corlado pouco fallante beicos grandes :
quem o pegar, leve a rua Imperial do Aterro-dos-Afo-
gados n. 20, que ser generosamente recompen-
sado.
Fugio, no dia 8 do corrente, um preto, de no-
me Francisco c lainhcm acode pelo decapiliio pe-
lo qual he bom conheciilo de 40 c lanos annos,
pouco maisou menos, bastante alto e magro; lem
de costume embriagar-so : quem o pegar leve a rua
da Florentina, n; 14, quesera recompensado
Fugio, no dia 8 de novembro deste anno, una
escrava, de nome Joaquina de nacfio Nag ; tcm
um signal visivcl as duas bandas do rosto, como
um leque, mareado miudinho principando da boc-
ea at a macu do rosto ; traja bahianna com saia
e nao vestido, e lenco na cabeca : quem a pagar, le-
ve a rua do Queimado, n. 1t>, primeiro andar ; assiin
como pessoaalgunia poder cmprala e nem ven-
de-la semina sua propria dona e na falta licar a
compra ou vonda nulla osem vigor ,o quem a livor
oceulta pagar lodo o lempo, que a dita preta esti-
ver fgida.
Fugio, no dia 3 do corrente, urna preta da Cos-
ta de nome Joaquina; representa ler 25 annos, vin-
da da Baha, ha rouco lempo; levou saia de chita,
camisa branca e panno da Costa ; tem de signa! cor-
les nos lados da bocea, signal de sua nacilo : quem
a pegar, leve a rua do Queimado, n. 16, primeiro
andar, que ser generosamente recompensado..
O^OOOrs. de piiicaco
a quem deseobrir ondoso acha a escrava Mara de
nacilo Benguella; representa 30a 40 annos; desap- i
pareceo no dia 22 do corrente; desconfia-se estar
oceulta ; tem na moesquerda signal do queimadu-
ra com poucos cabellos bi ancos cor um tanto fu-
la ; levou vestido de chita deshotado eom palmas
encarnadas, panno da Costa novo o um taboleiro.
Roga-se as autoridades policiaos, lano do inulto
cmoda praca lancem suas vistas sobreest escra-
va: o quem dola dr noticia,dirija-so a rua'de Agoas-
Verdes, n. 46.
Fugio, para amanhecer sabbado, 26 do corren-
te, a escrava Paula, do gento do Angola ; represen-
ta 44 annos preta ; tem as pomas indiadas e gros-
saspara haixo ; levou 3 vestidos, dous do chita, o
um de chita o um chales amarello : quem a pegar,
leve a capellinha do Mondego, que sera recompen-
sado.
Fugiro, na noitcde28 para 29 do corrente,
do sitio l'edrnho do engenho Paratibe, 2eseravos,
sendo um de nomo Itartholonieo de 22 annos do
boa altura, grosso, fula, ps muito achatados, Hiflos
largase desformes; lem um lalho na cabeca, pas
largas ; gosla muito de batuques : o oulro de nomo
Agostinho, do genlio de Angola, ou Oajrinda, do mais
de 40 annos, alio, seco barriga bstanle alia ao
p do esta mago .dentuco pernas linas, cara sec-
ca mts delgadas e dedos multo compridos : quem
ao referido sitio ou nesla cidade ao
Carneiro da Cunba, na praca da Boa-
ompensar generosamente.
Vender um molequinho, de 12 a 11 .n0,, ZB^ttEZ^ttXZ ft pers. : ^ 't. M M. r.
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO
. F. DE FAR1A.. lti\6-
iil
/


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E3F1RVB9V_CP8ERR INGEST_TIME 2013-04-26T22:25:11Z PACKAGE AA00011611_08356
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES