Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08355


This item is only available as the following downloads:


Full Text
V,
jtnMO.de 1846*.
Segunda e terca-feira
O Df4RfO\ form d* euarda : o prcco il asiintiini lie de
icrt** rs. Por quartel, piQnt admnlniint. Os
nni:nco ios ass'quntes de ?n ("* Pr n'n'ia, *^ r^'* e n 'TP" difieren.
le e a repetir** peh melado. O que nao fo-
rtn uMiu-iunlj p-i-o SO rlS poi" llnha, e IDO
PIIASES DA LA NO HEZ DE DF.ZEMBIIO
I.u clieia a as horas 16 minutos de tarde.
Mingoantea I", ma. de Urde.
La no a 18, as 10 horas e 21 inin. da manb. ,
Crescente a 1, *i horas e 16 ma, da inanli. j
PARTIDA DOS COBREIOS.
(ioianna r Parahri* Sejundas e Sedas feiras
Rio (Irjinle do Noiie, cliega n Quartas feiras
no mein di e parle uas roesinas lloras Das
Quintas feiras.
Calm, !*eriiilneoi, Rio Kormoso, Porto Calvo e
Maceyrt no I.*, 11 t 2 I de cada mei.
Oaranhuns e Unidlo a 10 eU.
Roa-Vista e Floros a U e 1".
Victoria nas Quintas feiras .
Olinda tocios os das.
PRF.AMaR de hoje.
Primeira : I K ID minutos da tarde
Secunda al h. 42 mininos da manilla
28 e 29 de Dezembro. Anno XXIT. N. 290-
fo DAS DA SEMANA.
78 8 Segunda. Os Santos Innocentes.
29 Terra. S. David phopheta e rei.
30 Quarta S. Sabino.
9l 8? Quinta. S. Silvestre.
1 88 Seita. Circunciso ;o Sen'ior.
2 Satbadn. S. liidoio.
3 Domingo. S. Aprigio.
CAMKIOS NO DA It DE DEZEMBRO.
Cambio sobre Londres 59 Paii Jf. rei por franco.
> a Lisboa 95 de premio.
Dase, de letras de boas firmas I ViP- */o
OurCncia beS|.anliol..S JIHOOO a
a Moedatdejimi vel. id.iJOO a
de (ijiin mov.
> da 44011"...
Prala Pataces........
a Pesos eoluimiarca
h Diios Mexicanos.
Miuda...
60 d.
aomei.
28.1500
.'100
.lito
9*10"
2/02(.
2102II
1080"
U0
Accuesda Comp. dirRebciibe de iOJOOO ao par.
inJOOfl
9/iion a
ii...... a
liten
l#7(0 a
95
DIARIO DE PERIVAMBUCO.

AVISO.
a>
>o ultimo des(e mez fincla o
prazo, por que fra prurog do o
(|ue eslava marcado para o troco
dad cdulas de 2,/OO rs., eslam-
padas en papel bronco.
PARTE ( FFICUL.
MIXISTKKIO DAMAKIMIA.
Ao commandante da academia. ~S. M. o Impera-
dor, confoTmando-secnm a prtiposta, por V. S. apre-
sentadn e pelos lentos dessa academia, piii ollicio n.
817, de tOilocorrenle, lia por lien), que sejRo promo-
vidos a guardas-marinhas os aspirantes constanle
da inclusa rclacfln, assignada pelo concclhciro o(ll-
tial-maior desta secretaria de estado ; o que commu-
nico a V. S. para su a ni el I i Cenca eexecoeflo. Heos
guarde a V. 8. Paco, 12 de novembro, de 1R*J6. A.
/'. di l'. t II. Cavacanti de Albuquetque.
Relacio dos aspirantes,a que se refere o avisa supra.
Nicolao Netto Carneiro Leflo.
Pedro Cordoiro de Aratijo I,-cio.
Jos Itibciro Guimarflos.
Antonio Carlos Cesar de Mello e Andrade.
Joaquini Nolaseo da Fonloura l'ereira da Cunha.
Innorcnrio Jos Galvfip.
Carlos Antonio de Carvalho.
Antonio LutcTeixeira
Manocl Ernesto do Souza Franca.
Francisco de Sales Duarlo.
Francisco Comes da Silva.
Antonio Benedicto Orozinlio Xavier dcAzevcdo.
Joilo Travasso da Cosa.
Secretaria de oslado, rrh 12 de novembro do 1816.
Manoel Carneiro de Campos.
(iovcnio da provincia.
I exped ora dr 17 do cohbkste.
" Cilicio.Ao jtii7. relator da junta de juslica,
transnnllindo, para Ser delinilivamentcjulgado, o
procfsso do reo Jos Mara de Fontoora.
Dito. Aojuiz privativo dos Africanos, proru
raudo saber, se ja cumpro a ordeni, pela qual se o
mandou fazer rceolhcr. thesouraria da fazenda a
qtuinta, que, proveniente do producto dos salarios
dos meamos Africaifns, existisse etn poder do respec-
tivu tliesouifici, Francisco ItibeirqPires; ebem as-
sim, qual o estado, ein que se acha a arrecadayfiodc
laes salarios. Tamboin se ofllciou a respeito uo
inspector da thesourana da fazenila.
Dito.-r-Ao inspector da Ihesuurana das rendas
provinciaes ordenando, que indemnise a pagadu-
ra militar tic 27,000 rs. cin que importiio 000 car-
tuepos, gastos polo corpo policial com as salvas d.o
lia 2 de dezembro.- I'articipoti-sc ao commissario-
pa-gador. .
rjto. Ao vice-prcsidenlc da cmara municipal
de Goianna, declarando, que, na forma dos arligos
segundo e terceiro da lei n 387, de 19 do agoslo de
-18*6,1 aojuiz de paz nomeado pela ultima eleicao
gcTfttl, a que se procctlco na freguezia da matriz da
respectiva cidade, antes da incorpornclo dos dous
districlos, em que se ella achava dividida, que com-
pelo a presidencia da junta qualilicadora nao oba-
tantc acbar-se exeiceiulno cargo de promotor, cu-
jas funcc.oes nio impliciio com as do lugar, a que vai
ser cbamado.
Circular. Aos cheles da guarda nacional da pro-
vincia, exigimlo una ielac.no nominal daquclles dos
respectivos officiacs, que morlto "em comarcas que
nao aquellas, a que | ei leneem os cornos, de que fa-
/om parle; alim deque, a vista della possa a pre-
sidencia resolver de maneira a evitar um scmelhnnlc
abuso.
Corouiandn das f-rn.as.
Para que possa ebegar ao conliccinienlo de lodos
os individuos do exerrilo, e da guarda nacional des-
tacada, que tiverfio a infelicidad!' mn de primeira descrean, e no de segunda simples,
obrigadeiro commainlaiite das armas desta provin-
cia manila inserir o aviso da repartirlo da guerra da
2\ de novembro ultimo, com referencia ao decreto
de 15 do iticsmo mez, que lite foi por copia transmil-
tido pela presidencia, cm oflicio de 22 do urente.
SEOUKtW SEIQAO.
ullhn. eKxm.Sr Sua Magesladc 0Imperador,
eomini9oramlo-se das circunistancias, cm que
cufio us rnilii i>, e os guardas nac;
, em i'iilo, que liv.-rao u infelicidade de de-
le suas bandeitas, houvc noi|
bem, por eflBilos de sua Imperial Cici erdo-
ar-lliejjQcrimede.prinicira
da i^^Hpor decreto de 15 do coi rente ,
scnland s dentro do prazo den
coriflHs da dala de sua publicac.no cm caii
cia, c comprebendendo ueste indullo os que j.
liverem seulenria.los, ou para sculeociar, Oque
asjimconnnunico a V. Exc. para scu conbec.mcnlo
e CXCCUCi
arde a Y. V.\c Palacio do Rio-dc-Janeiro,
wn 21 de novembro de 1846. 7< rrito. Sr. presidente da provincia de Periiamuu-
co.
Cnmpra-se. Palacio de Pernambuco, 22 de de-
zembro de 1846. Pinto Chicharro.. Conforme.
Francirco Xavier e Silva, oflicial-maior interino.
Quartel-gctieral na cidade do Recifc, 23 de de-
zembro do 1846.
Antonio Correa Sera.
EXTERIOR.
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PERNAMBI'CO.
LISDOt, 8 DE NOVEUUKO DE 1846.
Nao se realisou o boato, que na minba ultima Ibe
eomoiiiiiiqnei, relai i valenle a um rcacc.no na cidade
do Porto, na qual linbao sido victimas do furor popu-
lar o conde de Sanla-Maiia, o barfio de Campanbna,
eo commandanlo da corveta de guerra Oito-de-Julho,
que,se ili/a,tinha coadjivado essa reacQ.lo. Nada hou-
vc, eoque nicamente aconteceo foi ter sido abal-
eada a dita corveta, em frente de Yilla-do-Conde,
pela fragata bespanhola Villa^e-llilbao na r.oitc do
dia 28 do passado, c deste abalroamento resiiltou
perder acrvela o maslro grande o a fragata' o de
gorups.
Como a corveta foi avistada desarvorada, e assim
cnlrou ueste porto no dia 31 do passado, espalbou o
lal rumor da rcaccao mallograda no Porto, visto que,
segundo parece, a crvela salina com esse intuito,
porm nao cnlrou ncm sequer a barra do Porto, pois
se la entraste, por corlo que nflo poderia sabir, nfio
querendo os. balitantes daquella cidade, que estilo
senbores do caslello da Foz, e demais forlificac,Oes
da barra.
Por conscguinle a tal noticia foi urna galga; assim
como Icciu .sido nutras umitas noticias,que boje se
allirmao, amanbaa se dcsmcnlem, sendo tal a con-
rusilo, que nao se sabe a que se ha de dar crdito,
cbeganilo a lal ponto a credulidade, que seduvida
de tudo.
Posteriormente cspalbou-se, que o duque da Ter-
ceira lora atacado de urna apnplexia, oque poderia
muito bem acontecer; porm julga-se, que tambem
be falso. Parece, que leo motivo a este boato o nui-
nifeslar-sc bastante tristeza no paco, e entre os ami-
gos do duque, depois da entrada da dita corveta Olo-
dc-Jiilho.
Oiftie eomtudo parece corto,he que em Vianna-do-
Minlio, villa importante a unas seto legoas do Porto,
se tcntou acohlra-rt'voluQIo; mas, tendo marchado
do Porto alguiia fr^a, a mesma tropa, que se acha-
va deguariiicfi'o nadita villa, se rcvolucionou de no-
vo a favor do movimento popular, sarrilicando o sen
commandante, que parece fra o autor da contra-
revoluc,Ao.
No l'iario do Gorerno do dia 2 do corrente apparece
urna parlicipac.no oflicial do visennde dcSelubal ge-
neral tichwalbalc; communicaiulo os pormenores do
combate, que tivera lugar entre as frca do seu
eommando, compostas ilc infanteria 1, 4 e 11, ca-
vallaiia 1,3, 5e um contingente de 8, eartilbaiia 2;
e as do general Celestino, <|ue commandava no Al-
earve, durante o periodo da revolueflo, equedaquel-
le reino maichava com cacadores n. 5 e ti, aitilha-
ria n. 3, eoulias torcas irregulares, 9 unir-se com os
revoltosos, que se achilo em Evora. O combate leve
lugar junto a villade Vianna-do-Alenlejo, e parece,
que foi bastante encarnicado. Segundo a mesma par-
ticipaeao, os revoltosos erao supenoies as frcas das
tropas da railiha, em infanteria, porm estas osex-
ccciao emevallara. FoideslB, que o visennde de
Sotubal qniz tirar partido, e parece, que o consegui-
r, fa/endo abandonar o inimigo as ventajosas posi-
cOes, que occupava, ealtrnbindo'-o planicie. Pare-
ce, que os revoltosos perdi ao 200 bomens.ontre mor-
ios, feridos e prisioneiros, conlando-se futre os pri-
meiros o capilfio Assedio, tic caladores 11. .">, valenle
oflicial, e o capitilo Souza ile arlilharia n. 4, e ferido
o capilao r'reilas do caladores.5, o lenle Azevedo
Cunha, do mesmo corp, c primo do conde das An-
tas, e outros ofliciaes.
Da Pirlo das tropas da rainha d a parlicipactto s
a pnrda*de33 boniens entre morios, feridos o contu-
sos, sendo o rnorto um alferes. Eulietanto, ha quem
assegure, que a perda foi muito maior; efazacre-
dilai esta conjectura o proccdimenlo posterior do
visconde de Sotubal; pois que, dando elle na sua par-
ticipado, como completamente denotado, e fugindo
em debamlada, q general Celestino, ncm o persegu',
nem marcha sobre Evora, que era o objecto princi-
pal das suas oporaces; pelo contrario diz, que-fi-
cra de guarda ao grande numero de bagagensedes-
pojo, que apprcbeiidOra. Posteriormenlo participa,
que se ai bava siliarulo Evora, onde ja tirilla cnegado
a utilhaiia de bale'.
Consta, porm, exlra-oflicialmerilc, que o general
Celestino entrara em Evora, fazendo a sua jnncc.5o
com os revoltosos, quoalli seachavilo, objecto com
que marchara do Algarve.
N'iirn suppleinento ao Divrio do dia 4 do corrente,
so daocomo completamente denotadas e dispersas
todas as loica aquaitelladas em Kvora, pela cava lia-
ra das tropas da reinhii; porm al^gora anda se
nao publicou a parle cireumslmiciada desta derrota,
nem a entrada em Kvora, o que era consiguite; [>or
isso duvida-s muito da nolicia, > pelo menos juU
locousa muito insignilicanle.
Allrma-se, que o conde do ISom-lim, qu
mcnle se ausentara do Lisboa, com alguns olli
se acha a lente- chis revoltosos do Alenlojo. Se isto
he rerlo, mi a a inaiieia de se eximir da responsa-
bilidaiU', que sobio elle pesa, relativamente aos.
aeonti .imeulos do dia 6 do outubro ultimo.
gou da Madeira o concelbciro Avila, onde ti-
nha ido em eommfWio pelo goveruo transado, para
apaziguar os tumultos, que nlli tiverlo ullimamcnte
lugar contra M. Kalley, missionario protestante, o
(|ue.p.ircceconscguio com ozeloecapacidade, que
o distinguen!.
O governo tem exonerado alguns empregados de
fazenda o juslica; e determinado, que no Ihesouro se
nflo processem as folbas dos ordenados aos empre-
gados, que n:1o apresenlarem bilbete ile prac,a, em
seu batalhflo competente, ou em algum dos outros
balalhoes nacionaes. Esta medida tem por objecto
obligar os ditos empregados a assentar praca, para
o que parece nflo se mostrflo muito dedicados.
Nflo bes com os empregados, que se exercem es-
tas medidas coercitivas; mas tambem com os demais
cidadaos. No dia 1 do corrente apparecrflo nas es-
quinas de Lisboa editaos dos regedores deparoehia,
ordenando, uuc todos os ridadflosoorprehendhlns
no recrulametilo dos balalhfios nacionaes Ibes apre-
spilassoin, no prato de tres dias, bilhetes de praca nos
ditos batalhOes, sob pena de seren remetlidos para
a tropa de linha. Esta medida exciloii peral descon-
tentamenlo, c tem produzido lalvez o effeito contra-
rio, tornando inimigos os indifferentes; porque se
olha com odio o servico militar, quando no soja
para defender a patria aggredida por urna potencia
eatrangeira, esosim para sustentar o predominio
de um ou outro partido. He por isso, que, a nfio ser
algum pobre logista, ou algum oulro, que nfio tem
podido do maneira algunia livrar-se, lodos os demais,
uns leni-sc bomisiailo, e outros irocurado c ob
tido privilegios eslrangeiros e nacionaes, com os
quaes se livrao dos incommodos da actual mili-
tanea.
Portim decreto, com data de 27 de outubro ulti-
mo, expedido pelo ministerio da fazenda, foi abati-
da ao contrato do tabuco a quantia de corito e qua-
renla eoilocotilos cenloedezoilo mil eoitenta rea,
do preco annual de mil quinhentos c visita con tos de
ris, por que foi arrematado o actual contrato do ta-
baco, sabflo e plvora, em consequencia dos graves
preiuizos.iiucosconlratadoresleemsolTiidocommo- govmio; porem Isto lie poueo verosmil, visto que
- actualmente se sabe, que os ltimos acontecimentos
de Lisboa sflo obra da poltica franceza.
livoilosmovimentos populares, que teem occorrido
no reino. Este abatimeulo tora lugar no pagamento
do 1."dos quatio liiennios, lindo o qual so recnnsi-
deiui a o contrato; licando desdeja os coniratadores
obligados a refor^arem os fundos da sua empieza,
e a mostrarem-se habilitados poranlo o tribunal do
Ihesouro com o capital suficiente para eiieccssaria
o conveniente geiencia do mesmo contrato. Ficflo
tambem diminuidos os procos do tabaco de rolo, i-
ganos, o folha picada, Picando reduzidos ao queerSo
no lempo do antecedente contrato.
Pairee, que den lanibem motivo a esta medida a
falta total de recursos das adininistracOes do contra-
to nas provincias, pois que dalli nada se podo co-
Ihcr, cm consequencia la oeeupiiQio ibis tropas re-
voltosas, o de urna ordem da junta goiernutna do rei-
no, instalada no Poito, cuja ordem, assignada polo
delegado da mesma junta, Jos Esle.vao Cocino do
Magalhaes, t datada de Liria a 27 de outubro ultimo,
dcterapifa aos administradores do tabaco, que nflo
paguem leltra alguma,'que esteja ou si-ja sacada so-
bre ellos pelos crnlratadore.- ou pelas autoridades
do governo de Lisboa, sob pena de uno Ibe seren
abonadas, logo que se consiga liviar S magestailo
da coaeflo, em que se acha ; e que alm disso Ibe en-
Iregueaj aelle,ou as pessoas por elle designadas, as
soturnas, que eslivorein nnssuas mitos, ou que forem
recobendo, as quaes Ibes serao abonadas. Parece, que
isto lem feilo,que os contialadoies nuda pqssflo co-
Iherdas provincias, eque soachem em apuros; co-
uiceaiiilo j a soffrer este mal os empregados do con-
trato, a quem se costumava pagar no principio do
mez, e segundo sediz^s'a 10, e talvez depois, he
que recehera ; estando muitos dispnslus a abando-
nar os:setis empregos, em nflo Ibe pagando osseus
ordenados.
Por urna portara do ministerio da fazenda sflo
mandados admiltir a fazer servieo na airandcga de
LislKia os empregados-das outras alfamlegas, quo
teem abandonado os seus lugares, com motivo dos
moVimcntos populares, com tanto que assentem
praca nos balalhoes nacionaes. -- Ordenoii-se, que
os proprietarios, os consignatarios dos gneros des-
pachados na airandega do Porto, durante o dominio
'da junta, liquem responsaveis pela importancia dos
direitos, que pagarem, por ordem da mesma junta.
Foiflodemittidos e exonerados dos seus cargos,
poslos, honras, titulos e condecorares, o conde do
Honifim, ocnndedcTaipa", o barflo do Almargem, o
brigadeiro Celestino, o coronel Cesar de Yasooncel-
los, os tenentes-coroneis Lobo de Avila, Coucefijo,
Horta ; o major Yasconcellos Corrrja ; os rapitSs-Jos
EstevSo Coelho de Magalhflos, Jos Maa Loopoldino,
Vascoucellos Correa, e o tenente-coronel Podro llos-
pice Andr Citlon, secretario do visconde de Sa da
liandeira, e prop otario do peridico Utitidade Pu-
blica, por terein lomado parte na revolta.
Por urna ordem do commandante da primeira di-
visilo militar (Lisboa) sao obrigados a apresentarem-
se dentro oni vinte o quatro horas, no quai lel-gene-
ral, indos os olliciacs, sob pena de serem considera-
dos como desertores em lempo lleguen a. I
Km consequencia de urna ordem do governador
civil d Lisboa, para seren aprese.nladas nos quarteia
a cavallaria e aitilliaria, no prazo tic quatro horas, lo-
da.s as cavalgaduias niaioros forflo lirados lodos os
cavados ebeatas muars aos particulares, inclusos
os pudeiroso moleiros ; porem, comoeslos nfloquH
zessen: prover-se de eavalgadinas- menoies, com Hie-
do de Ibe serem embargadas, ou resentidos de Ibe
arrancaren o que ibesNnha custado o seu dinheiro,
deirflode fornecera cidade, da grande quantidade
de pflo, que todos os dias veni dos suburbios de Lis-
boa, o que, causando grande desfalque no abastaci-
inontoda capital, deo lugar a grandes clamores, pe-
lo que forflo mandadas restituir aos padeiros e mo-
leiros as suas cavalgaduras.
O conde das Aulas dirigi de Leiria, em data de 28
do passado, urna caria a S. M. a rainha, pcdindo-lbe,
que atienda situaeflo do paiz, cmquanto he lempo,
e nfl deixe chegar a irritac.no do povo ao extremo do
nflo ser possivol eont-to; queellc .i frente do urna
grande parto do povo poitugu^z marcha sobre a ca-
pital; o que espera, que S. M acabe sem demora
tantos pongos; pois quo a demora de um momento
pode acarretar males nealculaveis.
Esta niensageni, bastante re-pcitosa, he laxada pe-
lo Diarista de indisculpavel e horroroso arrojo, e o scu
autor de criminonr, que, elevado de. meiHocridnde el-va-
co da grandeza, seacha h< c, em desaggravo da juslica
e desaffronla do thronq, nulliilade, de que Iroure ort-
gtm....... luto dito pelo Diarista Cattitho, assaz eo-
nhecido pelo maior tralicante do mundo, tic um ho-
mom,i|iie, como o conde do Antas, aleane/iu lodos os
seus poslos C ttulos, por acones eminentes de va-
lor no campo da honra, he para nos o ni ais horroroso
arrojo, que se pode eoniniottor. o conde das Aulas nao
alcartCOll os seus postse litlos no quarlelda tau'de.
como millos, e sobro tudo muitos dos bomens da ac-
tual siluacflo;nem fazendo Iranqiiibernias, ou Iram-
polinus eleitoraes, ein servico do Jos dosConegns,
como o diarista Castilho tem alcancado a eommcnda,
que Ibe adorna o indigno peito, c o titulo do conce-
lheirorde quo alardea!.....
Acha-se novamente noste porlo a esquadra ingle-
za do eommando do almirante Paker, rom posta dee
naos, 2 fragatas, e 4 vapores lie a mesma, que an-
teriormente aqui estove, e que depois foi cruzar nas
cosas, pernianecendo algum lempo em Cdiz. Pa-
rece, que sera augmentada ; pois que, segundo as no-
ticias transcriptas nos jornaes inglezes, fazem-so'
grandes preparativos nos arsenaes inglezos, e he em
Portugal, que se ha de decidir a conlenda entre a
Inglaterra ea Franca. (Ishomens da situaeflo que-
rem fazer acreditar, que existe a melhnr liarmnnia
Bfltre o cpnunandante da esquadra ingleza ena-lual
onoriotem puHicado varias poliurias, dirigidas
as repartieres F.scaes, para que se proceda as neces-
sarias reformas,economa, &c,; porm isto sao me-
didas s lomadas 110 papel, porque a propensflo da
gente dominante nflo lie ser econmica; c tanto se
desconfa disso, que, segundo pessoas bem informa-
das, os fornecedores nflo trem querido fornecor as
iiupas, sem que se Ules pa^asse adiantailn.
Em consequencia de varias reunios dos accionis-
tas do banco, directores decompanhias, o outros ca-
pitalistas, coiiseguio-se formar una Caira de prala,
para a prompta baxa no agio das notas Ko bancos, o
teem sido convidadas todas as pessoas, que quizerrm
subscrevor para a dita assnciacflo. Por emquanlo
anda esta medida nao tem produzido resuliadosal-
guns, pois quo o agio das flotas anda nilo baixoo de
(100 ris polo contrario tem chegado a 640 e 680 ris.
Veremos para o lulnro o que nos acontece.
Omarquoz de Saldanh.-i foi elevado categora
de duque, e nomeado lugar-tenente da rainha nas
provincias do Norte, cm substituido do duque da
Terecira, que se acha preso no Porto. Duvda-so mui-
to, que o novo duque de Sablanha rhegue a exorcer
a sua dictadura nas provincias do Norte.
Reslabeleceo-se o decreto de 22 de agoslo de 1833,
|ielo qual se manda julgar por roncelhos militares, o
arcabusar inimedUtainente todos oseccloslaslicose
paisanos appreheiidiilosenin as armas na inflo; assim
como os olliciacs militares, quo commandarcm cor-
pos irregulares,
0 regiment do iiil'anlaria 11. 8, que na ultima re-
volueflo doMinho se siisiontou em Ortiga contra os
ataques das torcas populares, foi agora agraciado,
tanto o seu cominandanle como ofliciaes e soldados,
com condecoraeoes de Sflo Bcnto de Avis, N. S. da
Coiiceii-flo da Villa-Yicosa cordem da torro eespa-
da do valor, lealdade o ineriln.
Tcem-se mandado crear balalhoes nacionaes, em
Sanlarem, Estronioz, Campo-Maop, Reja c oulros
puntos ; porm duvida-sc muito, quo se orgauisom.
Foi prologado o decreto, que manda nprcsSntaras
pracas ooin baixas, al 11 do corrente; assim como o
foi lambem o da suspensflo de garantas, ata 8 de de-
zembro prximo.
Diz o Diario, quo o benemrito nnmflo Cocs, guer-
rilhejro ao servieu da rainha, restabelereo o governo
da rainha em eja,-- que na provincia Tras-os-Mon-
tes existe o ineliior espirito no povo, eque o barflo
do Casal derrotara junto a Villa-Real una guerrilha,
perecendo os seus elicfes, ote. Parece ser exacta esta
noticia; pois, segundo se diz, a dila guerrilha foi
sorprendida n'uina casa Porm polos jornaes do
Porto se sabe, que o visconde deSa da liandeira sa-
hira daquella cidade, aliento de alguma Ion-a cm
perscguifflo do dito barflo do Casal ; e agora consta
extra-olllcialmente, quo o linha encontrado, e que,
travando se a aceflo, as tropas abandonarlo o barflo
do Casal, e unirao-se as do visconde de Sa, leudo .1-
quelle que fugir corr. o sen eslailo-maior para a Ca-
liza. Se esta noticia so continuar, a situaeflo do go-
verno de Lisboa se torna cada vez. mais precaria,
porque eiilflo as provincias do N'urle estilo complela-
1 merco,dos revoltosos, nflo havoudo all tro-
pa alguma, que so Ibe opponha. Tambem so diz, que
o visconde do Vinimos, que o Diario tem dadoa frente
das tropas de Iras-os-Montes, permanece tranquillo
na sua quinta junto a Villa-Real, o nflo so leirrenvol-
vdo por nenhuin partido nos actuaos acontec-
nientos.
Assegura-so, que I). Fernando de Souza Rotetho,
(libo do conde do Villa- Heal, que tanta parte levo na
ultima revolueflo do Minti, seacha afrente de um
corpo de frgas populares, a favor da revolta.
Em consequencia do duque de Sablanha ter toma-
do o eommando do exoroito de operaeOes, ficou en-
carregado interinamente da pasta da guerra o mi-
'


N
nistro da fazenda J. A. M. de Souia e Axevedo ; e da
paula dos negocios estrangeiros o ministro da nta-
rinha D. Manoel de Portugal.
Joaqun Antonio de Aguiar, ex-ministroda justi-
ga, fui demolido de membio do aupreaio tribunal da
jusliga por ter fuglo pata os revoltosos ; assim co-
mo o concclheiro do mesmo tribunal Joo Maria de
Abren Caslcllo-Branro e o juz. da rclago de Lisboa,
JofioGnalberto de Pina Cabral, coulros allos func-
cionarios.
Au da 4 do corrente houve algum fogo em Aluia-
da, villa froutera a Lisboa do oulro lado do Tejo.em
i onsequencia de se querer lirnr no povo as rias.
Parece, que este nao obedecen as intimaces da au-
toridad*, e, armando-ge, foi oceupar alguns pontos
das invntediagnps da villa. Logo que isto se soube
em Lisboa, marchou urna torta de 160 homens da
guarda municipal, e leudo desembarcado, engajou-
se un tiroieio com o povo armado no sitio da Pieda-
dc; resultando o |>ovo fugir para sitios desconheci-
d is da (ropa, e esta retirar, sem se ter levado a eflei-
t'ia medida da cntiega das armas.
No dia 5 ia havendn um tumulto no caes do Sodr,
em consequencia da limito do major do exercito,
Joo Pilla il Castro, decidido setembrista. Parece,
que, andando esle ollicial na dita prata a passear, o
quiz premier um soldado da guarda municipal ; nSo
se querendo dar por preso, llouve altcrcagoes e rcu-
nio-se logo genle; porm, lendo apparecido alli um
irmSo do conde de Murta, que be lenle de um dos
balalhocs nacionaes, %convidando o major Pilla de
Caslro a acompanha-lo, este s&guio logo ao ministe-
rio da guerra, donde foi conduzido para bordo da
fragata l)uque:a-dr-liraganca, ondoseachfio os mais
presos. Como se reunir niuita genle no caes do So-
dr, e o major Pilla hcmuiloconhecido, fui logo a-
viso ao quarlel do Cnrmo, c cm breve veio urna frta
le infantaria ecavallaria da guarda municipal, jul-
gando, que ja liavia rrvnlugo no dito caes do So-
dr; porm cm breve se retirarlo, vendo, quenflo
havia novidade; comtudo sempre ou vi rilo os seus
gritos de mala, mala e tivcro a prudencia de
nfio fazerem caso ; porque de mitro modo lalyez a
cousa no acabasse pacificamente, poisque as dispo-
sccsdn povocontinufioa ser bostis a tropa.
No dia reuni no Campo-Pequeno, punto a mais
do meialcgoadc Lisboa, loda a Iropa de linba, que
liavia na capital, constante de 2.800 baionetasde in-
fantaria e cacadores, uns 200 cava los, sendo 150 de
lncenos, apezar de que o Diario Ihe chama forli
regiment de lanceirat, com 12 iotas de arlilhara
Depois de urna revista, a que assisliro a rainha, el-
rei e os principes, S. M. a rainha deo heijanioa-ollci-
nlidade,co duque de Saldanha dirigi una al Indigno
as tropas, l'indo isto, houverito alguns vivas dados
pela Iropa, e por alguns dos mais exaltados, e nola-
veis bomens da siluaeo, porque os demais indivi-
duos do povo, que se junta'rfiocm pequeo numero,
mnstraro-se completamente indill'erentes. Este di-
minuto exercito, se assim se llie pode chamar, divi-
dio-se cm tres porteselas quaes tuna tomn a estra-
da de Cintra, oulra a de Lomes e oulra a de Saca-
rem. A columna do centro, que oi a de l.oures, le-
vou a sua frente el-rei, que a acompanbou at a urna
legoa de Lisboa, e depois voltou capital; seguindo
para diaute o niaterhal duque de Saldanha, segundo
se diz, ao encontr dos revoltosos, e a desbaiata-los.
Oadvogado Leonel lavares Cahral, redactor do
Patriota, que se achava, ha dias, preso cm sua casa,
por se achardoente, foi conduzido n'uma maca para
o Limociro.
Na larde do dia 6, espalhou-se a noticia de que os
revoltosos tintino entrado em Suutarem ; e els-aqui
como se refere esta oceupaefio Parece, que a villa
eslaya peiTeilamente fortificada e guarnecida pelo
regiment n 10 de infantaria, e alguns soldados de
(avallara, n. 8. O conde da Taipa liidia-so ja apre-
sentado com algumas Tortas populares para atacar a
villa ; porm tifise havia abalanzado a acommetter
as fnrlificagncs ; porm no dia 5, o govemador civil
lembrou-se de ordenar, que os habitantes do bairro
da Kibcra-de-Santarni, ende he getal apartido se-
tenilirista, entregassem as armas : o povo rcagio, e,
sahindo para asmas armados, comegaro n tocara
relale com os sinos. A tropa, que eslava na villa cm
cima, pois que o bairro da Ribetea he a borda do Te-
lo, desecoiibaixo para apaziguai o molim Enlu o
conde da Taipa, vendo as Irinrheras desamparadas
tocona avancar, e entrn na villa, empenbando um
cmbale com a Iropa, que, mettida entre dous fo-
gos, depoz pela n.aior parle as armas, dando vivas
ao conde das Antas; pudendo, apena.-,, lugir paran
estrada de Lisboa duas companhias do dito regnnwi-
lo, n. 10, com o coronel e alguns soldados de caval-
lara. 0 conde das Aulas achava-se em Pernes com o
grosso ila torca, e como .distancia he de duas leguas
de Peines a Sanlarm, he provave I, que ja la esieja, e
que fara alli o seu quarlel-geneml de operaces.
No Diario do dia 7, vem a conlii magno desle a
acon-
caroquetem occorrido at boje, que julgo ser o
dia, em que o dito navio seguir viagem.
Cunlirma-s a noticia da entrada dos revoltosos
em Sanlarm, como Ihu annuncio na minha ultima.
He esle um desastre para o governo de Lisboa uo
obstante a maneira pouco digna, com que o Diarista
O quer dafargar. Sanlarm he urna posigo vanla-
jossima ; e os revoltosos podein tirar dola o maior
partido para as suas ulteriores operares. OsFran-
cezes, durante a guerra peninsular, alli estivero
quanlu lempo quizerfio, e lord Welhngton nunca
oiisou ir alli ataca-tos; C ultimmente o exercito de
l>. Miguel, apezar de tantas derrotas,que ja tinha suf-
rilo, e de ler perdido a torga moral, coiiservou-so
alli, at que llie conveio abandonar aquel la posigo.
Por conscguinlc di/.er o Diarista, (|uc soabanlouou
porquese quiz. aquella posigfio, e quecni breve so
lomara, he, alm de estulticia, querer lantar poeira
nos olbos quelles, que desconhecerem o que he San-
re m.
Desde a sahida ilas tropas da capital, lem Ocado de
noile nos quarteis melade dos balalhoes nacionaes,
ha rondas de. paisanos pelas ras toda a noile, as
bijas fccho-sc as 8 horas, eosllieatros tamhem es-
tilo lechados. Por una parle, esla medida no dcixa
de ser judiciosa, poique la tifio apparecia ninguem.
Todava no dia 8 houve funesto no Circo-de-Madrid,
eslabelccimetilo gymnastico ecuestre, dirigido por
Mr.Paul l.arihean.e a concurrencia foi tiunierosissiina
Apresentou-so alli pela primeira vez. o afamado pa-
llinco Mr. Anriol e seu ilho,que lem adquirido um li-
me na Europa,pela sua levezae i>orfetocm diversos
salios perigosos incluso o chamado sall-mortal
sobre o ravallo a loda a carreira. ElTectivaincnte Mr.
Atirinl he perito na sea arle; porm tifio causn
grande enthusasnio, provavelmenlc porque a dispo-
sigo dos unimos he pouco prazeutetra, etn conse-
quencia do estado dos negocios polilicos, que all'ecla
o bem-eslar de todos.
.No dia 7 os tanoeiros da Oulra-Banda sublevro-
se, e quebrro todos os lelegra phos da I i tilia do Sul.
As autoridades apresentrfio-se em Lisboa, pediudo
auxilio ; mas o governo nfio Ih'o pode dar, porque
mo quiz desfalcara capital da guarnigfio, que Ihe li-
cou, receioso de algum movinieulo popular.
Diz-sc ter chegado um expresso do visconde de S
da Handcra, anminciaiido ter derrotado completa-
metile o barfio de Casal, que, dizem, fugir para a
fialifa, com o seu estado-maior. A junta do Porto
demilo o dito barfio do Casal e todos os oflicines,
que nao se Ihe presentarein cm 8 dias.
No din 8 a noile, puhlicnn-se um supplemenlo ao
Diario, annuiiciiindo n entrada de una columna das
tropas da niinha em Cintra, depois de um encanuta-
do combaU de cinco horas e meia, segundo a mesma
parlicpagodo conimandiinle, querr o major llhnr-
co, o mesmo, que lenlou sublevar o regiment tic
infantaria n 7, pouco depois do triumpho da revo-
IncndoMinho. Entretanto, pniecequea vantttgem
nao foi grande. O major llhaico commandava uh
1,00(1 homeus. eos defensores lie Cintra serio, se-
gundo elle mesmo confessa, uns 400 a 500, e deslcs
s 150 regularmente armados, os mais s linhfio ar-
mas cacatleiras e chucos. Nao obstante cantar o tri-
himpho, tifio diz o major llharco, qual foi a perda do
inimigo, nem que loara em seu poder prisioneiro
algum. He islooqucdiz a participatfio ollicial; ago-
ta exlra-ollicialnienle consla, que houve grande per-
da de parle a parle; que be verdede ler a columna
entrado na villa de Cintra porm os revoltosos re-
lirarfio-sc s penedias, onde parece se conservo em
altiltide hostil, esperando talvcz. rforco dospovos
circunivizinhos,e sobretodo de Toires-Vedcas, para
onde pnreceja ler regressadoo batalhflode emigrados
de Lisboa, que na mulla ultima digo, que passou ao
sul do Tejo ; mas cuja noticia uno he exacta. O dito
batallifio que he bastante forte, fez um movimento
at as Caldas ; mas voltou oulra vez para Torres-
Ved ras.
I)iz-se, oue cm virtud* do decreto de agosto de
1833, novninenle posto em vigor, tura fuzilado, na
I-i ac de Cintra, utn individuo, indigilado como che-
le dos revoltosos; porm esta noticia carece decon-
lirmacflo, Se desgratadamenlc (ttr certa, receio mili-
to pela surte dos presos, que uslito no Porto; porque
be provavel, que as represalias.sejflo teiriveis.
Para dar mais importancia a victoria de Cintra, o
coniniandanle llharco, e os olliciaes da columna, quo
all entrn, lro agracindos cotn condecoratOes da
Torre-Espada.
Segundo o Diario, recebrflo-se participates do
visconde de Selulial,aiinunciando, que o bombardea-
meulo lem causado grande destroto na cidade de
Evora, e que os seus haliitanlcs eslao desesperados,
e acabaraO em breve com os provocadores ilos seus
males; entretanto os revoltosos anda alli se sus-
tentan Diz. tanibem, que a provincia do Aleiitejo es-
ta em socego. Todava, assegura-se, quoo conde de
llomlm, que lomara o Dominando das tortas do gc-
ditoa esto respeito, nem mesmo annunciou a chega-
da do commissario britannico, como hccostutne. u
resultado da missfionnose pode fazer espora: min-
io, porque as circumslancias sio apuradas, e todos
deseio, que a actual crisetenha, quanto antes, um
termo. O lempo nos esclarecer sobre o verdadeiro
objecto da missfio. que he hoje oassumpto, que oc-
cupa todos os nimos. .
governoconfirmou o contrato de privilegio para
aintrodurefiodogaz, a Claudio Adriano da Costa e
a Jos Delrv. Esle contrato lnha sido approvado pe-
lo governo transacto, revogado pelo actual, e agora
oulra vez. approvado e confirmado.
Segundo as noticias de llespanha.o conde de I Ho-
mar (Costa Cabral acha-so mal visto pelo corpo di-
plomtico de Madrid, pelo seu aUlnco em querer la-
zer entrar em Portugal 30,000 Hcspanhes.
13 de novemhro.
Assegura-se, que o conde das Antas entrara no
dia II em Sanlarm frente de 4,000 bomens de
tropa de. I i nba e 8,000 de torcas populares. Parece,
que espera, que se lhc rena a,torca do commando
do conde do Bomfim, que.ameacando Alcacer c Set\i-
bal, fez um movimento lateral, c, lomando a estrada
de Conidio, vai passar a Almeiritn, atravessando 0
Tejo, e unir-se cm Sanlarm ao conde das Antas.
Logo que esta juncefio se faca,diz-se,que os revollo-
LVII'rUllfMIUUIO'f II' ** "......iniy.ny m nn, muir |,UI1IIIIII, ipil" luiiiinn w luiiMiianuu uno lUILUJUU^U-
tccimenlo, muilo mal disfartada. Diz-se,que, tendolneral Celestino, marcha sobre Alcacer do Sal e Se-
a infinitara, n.10, ecavallaria, n. 8, de fazer um mo-
vimento sobre-a estrada de Lisboa, asguerrilhas OC-
cuparfio o terreno, que a Iropa deixava; mas que
epbemera ser a oceupaeo. As cuntuiins bravatase
con!ra.licres do Jiansia ja metlem unjo. Ko mesmo
Diario se diz, Com referencia a um ollicio do viscon-
de de Setuhal, que os rebeldes de l'.vora (aquellrs,
(jue, ha Ires dias, se dero como completamente des-
baratados n'um su|i|ilemento uo linhfio cedido a
intimacto de se suboietterem ao governo da rainha,
e por issonodla 7 cometaria a cidade a ser bombar-
deada.
Consta, quede Sanlarm linhfio marchado algu-
mas fitas poplales para Almerim, ao sul do Tejo,
para ir soccoirer os sitiados em Evora. Entre oslas
torgas cita-se um batalhfio, que se formotl en Tor-
res- Yedras, de gente fgida de Lisboa.
A capital acba-sc guarnecida pela guarda munici-
pal e pelos batalltes nacionaes, os quaes todas as
noites fiefio nos quarteis para seguranta. .
Os partidos vfie em breve arluu-se em fenle um
dooutro; a batalha vai ferir-sc; do primen o cho-
que depende inuito o resultado da questo. Oxala,
que fique triumphante aquello, que teni n pcilo fa-
zer sinceramenlea felicidade desle malfadado paiz, e
que possamoganda ter alguns dias de paz e com-
modidade.
Mo lem chegado a este porto nenhum navio de
Puruainbuco. O t, que sabio no dia 1 u
para esse porto, arribou no dia, por ter soirridoa-
varia no maslro grande. Por esse navio tambem Ihe
escrevi, elalvezesta carta Jhe chegue antes do que
aquella, que Iheenviava pelo Sdo-Ifomingot, que uo
sel quamio subir.
Nada ha de importante acerca de polilira stran-
geira.
11 de novemhro.
Como nfio parti no dia 8 do corrente, para esse
iorlo, obrigue Tejo, segundo eslava annuncado, pe-
o qual Ihe enviava a minha ultima, datada do mes-
mo dia, aproveito a sua demora para Ihe communi-
luhal, cotn dous ohjecios: primeiro, causar commo-
t*io na capital;.segundo, fazeraliaudoiiar o viscoiidc
de Setuhal o sitio de Evora, c mell-lo entre dous
fogos; isto lie, entre as suas torgas o as que se a-
eito sitiadas na dita cidade.
Segundo o mesmo Diario, o exercito deoperagAes
do cumulando do mu recital Saldanha orcupa posiges
convenientes. Parece,.que essas posicoes sfio as da
anliga lnha di-defensa, que se fez. no lempo da inva-
so franceza, desde o Sobral do Monlc-Agrasso,at ao
Tejo.
\n dia 7, chegou a esle porto, no vapor inglez C/-
clupt, vindo de Portsmouth ein 6 dias, o coronel Wil-
de, ajudante de campo do principe Alberto, esposo
da niinha de Inglaterra. Esle coronel be o mesmo,
que aii^ou aildido ao qiiailel-general do exercito da
rainha de llespanha, durante a guerra com D. Car-
los. Diz-sc, que vem encarregado de una misso, e
sao diversas as conjecturas, que se fazem com este
motivo. Segundo uns, vem encarregado pelo seu go-
verno de aconselharaonosso, que reslabelcca ludo
no mesmo p. ent que se achava antes da rcacgfio do
dia 0 de outubro; oulros, que pareceni mais bem in-
formados, asseguro, que a sua inisso.poslo que la-
voravel a revolucJlo, letu por objecto ueutrali-ar os
seus excessos ; islo he, fazer cotn que a quesUo Icrn
mine por tneio d negociafoes, revugaudo-se ludo
o que se lem felo depois da dita reacgilo, deinitlin-
do-se o actual ministerio, e subindo ao poder bo-
rnes conciliadores. Ha ja quetn indigile os futuros
ministros. Segundo otes, Rodrigo da Fonseca Ma-
ga I tifies se encui regara da pasta do reino; Avila, da
fazenda; guerra, o visconde de Vinhaes ; eslrangei-
ros, muito se desejaria, que fosse o duque de Pal-
mella, porm parece, .que 8 Exc. nao se atoa mui-
to disposto, e por isso lalla-se do conde de bavtadio.
Para as pastas da justiga o inarinha, no se indigna
por ora ninguem. Kiflretanlo, ludo ato sftomeras
conjecturas, e nada s( sabe de positivo. Oque he
cerio lie, que o inarecital Sablanha aliatidonoii o
exercito, para vir conferenciar cotn o dilo coronel
VVildo, a Lisboa, na noile do dia 7. O Diario nada tetn
sos avangarao sobre a capital.
Teem entrado em Lisboa muitos carros de soldados
fui idos no combate de Cintra. .
15 de novemhro.
A situagfio pouco satisfactoria, em que existimos,
parece desgragadamente querer prolongar-se. O mal
ja he grande, porm, sa nfio vier algum remedio cu-
ra-lo.ou pelo menos neutralisa-lo,talvez se lorne in-
curavel.
A'desastrosa crise linanceira ou monetaria, que
a imprevidencia ou a ma f do governo cabral i no a-
carrelou sobre ns.veio junlar-se a ainda mais desas-
trosa rcacgfio da noite de 6 do possado ontubro, cau-
sa de lodos os incommodos e vexagOes, que actual-
mente sofTremos.
Todos os negocios se achfio parados, porque uns
eslflo foragidos, utros presos, alguns homisiados, e
o resto cotn as armas na mfio, voluntaria ou Aireada-
mente. Daqui resultfio consideraveis transtornos;,
pois que nem o j debilitado commercio adquire ac-
tividade, nem os demais negocios teem o devido ex-
pediente. Os clamores da falla de recursos sfio ge-
raes, e aquellos, que ainda podem obter aliins, sof-
frcni consideravel desfalque nos seusinteresses, pe-
lo agio das notas, que cada dia vai cm maior aug-
mento.
Todava nfio desesperamos da sorte do paiz, elle
tem em si muilissimos recursos, oxal estes sejfio
explorados por pessoas intelligenles, probas e ver-
dnileiramonte patriotas A falta deslascQiuligoes nos
homens, que nos teem dominado, he quetem condu-
sidoestciello paiz. aos apuros, em que se acha.
Porm, deixando lamentages, vou communicar-
Ihe o que posteriormente tem occorrido.
O conde das Antas acha-se effectivamente em San-
larm. Algiiem quer elevar o seu exercito a 12,000
homens, a sabet 5,000 de tropa de linha e 7,000 de
torgas populares ; porm as pessoas mais bem infor-
madas c inijiarciaes nfio Ihe dfio mais do que 7,000
homens; islo he, 3,000 de tropa de linha e 4,000 de
torgas pupulares. Do total desta torga ja alguma tem
passado ao sul do Tejo, para se reunir s torgas do
general Celestino, hoje como andadas poro conde
ce Romfhn, cotn o objecto de balcrein o visconde de
Selubal, que, tendo levantado o silio de Evora, ma-
nobra para evitar a juncefio das ditas topeas com o
conde das Aulas ao mesmo lempo que procura ve-
rilicar a sua juucg&a com o marechal Saldanha. Isto
Irata tamhem do evitar o conde de Bomlim, e como
se acha inferior em cavallaria, e a provincia do A-
lemtejo he quasi toda plana, o conde de Taipa,
frente de urna torga de 700 homens irregulares, pas-
sou de Sanlarm ao Alenlejo.para orgauisar um cor-
po de cavallaria, mesmo porque o conde das Antas
no chegar a ter200 cavados. Parece, que o conde
da Taipa conseguir os seus intuidos sem grandes
obstculos.
O maiecbal Saldanha permanece as posiges do
Sobral, Alcoentro c inimediatas; porque, tendoavan-
gatlo at llio-Maior, soube,que o conde das Antas sa-
jhira com urna torga di-Sanlarm, c por isso recuou
para cubrir a capilal. Neste movimeulo, as tropas a-
|vaneadas liverfio um choque,que, dzcm.nfio foi van-
} lujoso para as tortas do marechal Saldanha.
I Como utn combale decisivo parece estar dependen-
te do augmento de tortas dos dous partidos hellige-
raules, o qual s se pode verificar pela juucgfio do
visconde de Setuhal ao marechal Saldanha, ou pela
do conde de llomlim ao conde das Antas, o como cs-
ses contingentesmanobrfiopara realisar comvanta-
gem a operago;eis o motivo.por queme parece, que
a situagfio se prolongara por algum lempo a no i-
conlecer algum incidente imprevisto, que apresse o
desenlace
Provavclmcnto, emquanto o conde das Aulas no
receber rel'orgos, nfio abandona Suntarm, onde com
I-asiloae julga seguro; nem o marechal Saldanha o
ataca com a diminuta torga, quetem. Alm disso n
columna, quealacou Cintra> foi reforgada, porque
parece rcceiar-se um desembarque de gente, v jnda do
Porto, nos vapores, que la tem, em Cascaes, ou n'ou-
tro ponto prximo a Lisboa.
Os homens da situagfio teem espalhado, quo a
tropa de buba do conde das Antas nfio se quer ba-
ler; porm islo he urna falsidadc ; pois consla por
pessoas insuspeitas, que se acha decidida a Tazc-lo
a favor da causa, que abragou.
Pelo paquete inglez, vindo do Norte, e que chegou
aqu a 13, se receberfio noticias das provincias do
Norte. He positiva a noticia da derrota da divisfio
do barfio do Casal, o qual comtudo uo emigrou pa-
ra a Gahsa; mas, tendo-se recolbido a Chaves com
alguns restos de torcas, acha-se alli sitiado e impos-
sibilitado de fazer cousa alguma. Entretanto o Dia-
rista com o descaro, que lbe he proprio, oda como
dominando a provincia de Tras-os-Montes, e trans-
creve una proclamagflo do dito general, datada de 31
de outubro!
No dilopaqaete viero varios- ofliciaes, que da-
qui torno eoiiidinbeiro para a divisan do dito barfio
do Casal, c comJnstrucgOes para fazerem a reacgfio
no Minb ; mas, nada podendo eftctuar, porque no
MasarS de Vlgo. roltarfio a Lisboa, deixando o di-
iilieuo as mfios doc'elebre Antoniu Pereira dos liis
secretario civil do duque da Terceira, o qual, leud
estado por algum lempo escondido no Pono pode
evadir-se para Vigo, donde escreve, para os peridi-
cos carlistas do Porto e para o Diario-h Governo de
Lisboa, os maiorcs embustes, que mcltem nojo a to-
ente. Os taes oi lo con tos de ris, que, dizem
Iheicarfio na mfio, hfio de Ihe fazer mu la conta
vo fazer companhia ao mais, que, segundo se diz.
roubou, durante a administrago cabralina e nuc
quiz cubrir, fazendo um casamento rico
Consta pelo mesmo paquete, que linha sabido do |
Porto o vapor Duque-do-Porto, com urna missfio para
o Algarve, cujo objecto so ignorava, e que o viscon-
de de S da Bandcira tencionava embarcar torgas
nos vapores Mindcllo e Vesurio, para vir desembar-
car em Cascaes, ou n'oulro ponto; tentativa, qUc,
segundo cima digo, esUlo recelando os homens da
sitiiagto. .
Diz-se, que as ilhas dos Agores se suhlevarno con-
tra a reacgfio effectuada em Lisboa; ojunt-se, 9 capkfio-tenento do. marinha Saltee depois d ler
deixado alli segura a revolugfio, conduzra o haU-
Ihfio de cagadores n. 4. para o Algarve: comtudo
esta ullima noticia carece de conbrmagflo.
Depois do muitas reunios dos.dircctores do ban-
co c de varias companhias, fomentadas por Carlos
Morato Roma, alma dessas companhias, p.tra conse-
guir a sua juncgfio ao banco e ver so pode, com urna
nova tranquibernia, resarcirs perdas se he que as
leve ) que sofTreo na companhia de obras publicas,
acata de vorificar-ae a juncgfio das companhias Con-
Oaca, Crdito-Nacional, &c., ao banco de Lisboa. Es-
ta medida, annunciada com reparadora do crdito do
banco, e tendo por principal objecto diminuir o agio
das olas, tem, pelo contrario, felo subi-lo; pois
actualmente se perde n'uma nota de 4,800 res, 880 e
960 ris.e espera-se, que este agio subir minio mais.
Oulra cousa nfio era do esperar, pois que, havendo
no mercado 3:000 contos cm notas, quanlia com que
o dito mercado nfio pode, urna dascondigoes da dita
juncgfio he a emissSo immediata de majs dous mil cu-
tos em notas, dando-se s por garanta a obrigaeo
dos socios das ditas companhias paga re m de 3 cm U
mcz.es 21 por cento do capital, por que torem socios.
Isto o mais a que montar ser a 500 contos ; do ma-
neira que o agio das antigs notas sobe, em vez de
cleccer, e o mesmo acontecer s novas, licando
urnas e outras sem crdito.
He geral o clamor conlra a medida, nfio s de gran-
de numero de accionistas do banco, que nfio forfio
consultados, c se asegura, quo vfio representar con-
tra c'la, mas tambem de alguns homens, mesmo do
partido dominante, que a julgfio fraudulenta. Ha
quem assevere, quequem ganhou no negocio foi o
actual ministro da fazenda, Jos Antonio Maria de
Souza Az.evedo, cojos precedentes dfio lugar a quo
se acredite nfio serem fallas de fundamento as sup-
posice.
Da cairo deprata ltimamente creada para tam-
bem diminuir o agio das notas nfio se tem tirado
resultado algum. Para que linuvesse esse resultado
era necessario um capital de 3,000 contos, e sendo as
subsciiuioesna ditacaixa de 500,000 ris, necessita-
vfio-sc 6,000 subscriptores : onde enconlra-los as
actuaes circumstancias i' Desgranada mente todas as
medidas, que temos visto adoptar, para que o banco
de Lisboa recupere o crdito, que pe leo, soephc-
meras, ou mais proprias a augmentar o mal do que
remcdia-lo.
Nfiososjornaes nglezes efraneczes da opposi-
olOi mas o mesmo Jornal do$ Dibates, orgfio de Mr.
Guizot, tom reprovado altamente a reacio (cita em
Lisboa, na noite de 6 de dezembro O Jornal dos lle-
haies, depois de dirigir-mil invectivas no marechal
Saldanha, chamando-lne mitigo chefe do radicalismo
portuguez, dizendo, que ltimamente, quando es-
tove em Franca, leve conferencia com os corifeos do
radicalismo francez, aecusa-o de hypocrita ambicio-
so, e homem sem carcter ; e manifest receios pelo
Ihrono da rainha f). Maria II.
Esta opinlo de utn jornal eminentemente doutri-
nario e de tanto crdito causou a maior imprcsso
na nossa corte, ohomens da situagfio ; edesonentoii
completamente o Otnrn/a, que havia appellado para
o juizo da-Europa, sobre os ltimos acontecimentos.
O Diarista tem pretendido responder aos Debutes,
conlradizendo-o, porm s tem provocado o riso,
porque se ha completamente enterrado na lama.
Finalmente la shio no dia t-2 o navio So-Dotnin-
gos, com deslino a esse porto. ^
----------:
A junta suprema do Porto decjarou millos lodos
osemprestimos feiloa ao governo de Lisboa, lican-
do os mutuantes sem direito algum ao "que empres-
ta rem; e obligando o i empregados de fazendaa re-
sistrem asordens do governo sobre a distribuieo o
applicagfio dos dinheiros pblicos, devendo remel-
ter os mesmos dinheiros aos cofres cenlraes dos dis-
triclos subjeitos jimia
Diz-se, que do Evora vai sabir um balalhfiode 600
tas, para se reunir es tropas do conde de llom-
(
[iracas, (
im, com as quaes ae acha o major Calamita, cotn a
sua guerrilha. .
Parece, quedeseilrfio das tropas do marechal Sal-
danha para as do conde das Antas, :U soldados de
catadores 8.", e 22 de cavallaria 4.".
Conlirma-sca revnlta na Mita de S.-Miguel, oncle>e
formn urna junta com posta do barfio das Larangei-
ras, Nicolao Anlono Borges de liittencourt, Jos l i-
beiro Torres, Jofio Bernardo de Medeiros, e Jos Pe-
reira Bolelho.
As tropas do marechal Saldanha oceupio Cartacho
c Caslanheira, e tem as mais avangadas em Alcontre
c Ponte-d'Asreca.
Diz-se, que o conde das Aulas enviou um coronel
ao acampamento de Saldanha, com urna carta, fazen-
do-oj-csponsavel pelo sangue, que vai correr, e exbor-
lando-o a entrar etn ajustes peracessar h guerra ci-
vil. O manchal resnondeo,que no admiltia seno
umasubiiiisso absoluta asordens da rainha.
O coronel inglez Wilde parti para o quartei-ge-
ncral de Salda tina, e depois para o do conde das An-
tas Diz-se, que anda tratando de utn convenio Bit-
,tre os dous partidos Oulros querem, quo no seja
mais doque mero encarregado de examinar asope-
ragoes militares, c de colligir iuformacocs sobre a
, guerra civil.
0 duque de Palmella deo a sua demissfio de ronec-
Iheiro de estado, em consequencia da tendencia ab-
solutista do gabinete, e Rodrigo da Fonseca Maga-
. Hies prolesfou no concclbo de cslailo contra ode-
| ciclo da dictadura, queassumio a rainha, e contra o
jdarevalidacflo do de agosto de 1833, sobfe fusila-
menlos de militares e paisanos.
Alllrma-se, que o conde deTliomar Costa Cabral)
esta Horneado einbaixador de Portugal em Madrid.
Parece, que quera ser reintegrado iiolu'ar decon-
celbeiro de estado, ao que, dizi-m, se oppozern o du-
que d Saldanha, que parece Ihe. lem odio. Aun"'
teto que conteular-.se cotn a etnbaixada de Madrid,
que uo he pequena cousa para um bo'iiem, conlra o
(pial grilou o paiz inicuo, como diz S. M na ua pro-
clamagfio no 7 de outubro ultimo, pedindo a sua
ijueda do minislerio. .
O duque da Terceira conserva-sc preso na Fozuo
Porto, com mais onze ollciacs, sendo rigorosatneu-
te vigiados e guardados por um batalllo de l,0l,u*T
res, commaiidado por Antonio Augusto Coellio u
Magalltacs, irinfio do dcpuiado Jos Kslevfio.
" S. M. a Impcrotriz duqueza de uragauca, esla t -
Ihaaprinceza Amelia, parti no dia 12, a bordoa
um vapor inglez, cotn destino i Allm. ,
Parece, que aconselhra a S. M. a rainha, que ai-


tendease s supplicas do paiz, que (izesso cessar a
guerra civil, e Ihe dera ouiros concelhos salutares,
que, 'lizcm, nflo forilo atteudidos; porisso S. fcl.I.
se relira desgostosa.________________
cono u, i J dest?"nn0' oticiavfo, queo Navios entrados no Ha 1. xas e barrica, a 200 rs. per arroba e em saceos a
moni """slros decidir, fosse aherln o parla- Lisboa; 82 das, barra portugueza Tejo, de 318 tone- 160 rs.; e tambem passageiros, por ler Iftms asseu-
r":i..i"0 ."Y.! dc,Jan.c"' prximo futuro, e que, lados, capitilo Silvorio Manocl dos Res, equipa- dos commodos trala-socom o capullo, na praca lo
DI (RUI IIK l'EIIUIIIIIH'll. -S
Folhas francezas, lids pela mesma redacc.-o, e
&(*>?%.>? ""* primeir,0 dos """ l,or ulti",n
rl8,,,os. da vilo como entrados em Paris o duque
il
de Lisboa, (|ue ora nos tn.uxe a barca Tejo, c que a|-
caneflo a 13 de novembro ultimo, e aquella, em que
terminou a dos que recebemos nesse mez pelobri-
gue escuna Velos, d-sc uma lacuna devinto das.
Esta lacuna, dealgumasorte supprida polas noti-
cias de Portugal, quq, extractadas dos peridicos n-
glezeso fia ncezes, ha vemos publicado, hesemdu-
vida occasionada pela demora do navio S.-Domingo*,
que, como nos aflirma o nosso correspondente em
a terceira das suns cartas, ueste numero impressas,
salnra daquclle por coro destino ao desta cidade
em o d;a 12 do referido mez de novembro, e que, as-
sim como coinluz asoutras cartas, a que se refere o
nosso dito correspondente em a primeira dasjaoi-
WL tudas, he de presumir, quo tambem seja portador
WW das gazetas, ruja falta lira aecusada.
%F Do contedo as cartas, que em primeiro lugar
citamos, das quaesa ultima chega a 15 Jo mez, quo
acabou, verilo os nossos subscriptores, entro mitras
cousas, que os que se pronunciro contra a revolu-
to, que restitua ao poder os cabralistas, cujo che-
fe, o conde de Thomar, assegura-se estar nomeado
cmbaixador do reino de Portugal junto corle de
Madrid, ora rechazados, ora victoriosos, apoder-
rilq-se emfim do importanlissimo |>orto de Santa-
re m, e ah preparilo-sc para urna accilo decisiva, e
qu'aos homens, cuja npiniAo represento, de o domi-
nio, a que sejulgAo ennr direito; que as forjas do
governq se apreslfio para marchar sobre esse ponto,
emulilisaroscsforcosdos insurgentes; que o esta-
do monetario daquclle reino he muitissimo melin-
droso; quo se atlrihuc Inglaterra a inlonclo de
inlcrvir, para que de uma maneira amigavel, e sem
maisderramamentodesaugue, se lerminemusques-
toes, que actualmente dividem os Portuguczes; que
forilo destituidos das honras c pos!os os individuos,
que se pozerilo fente do movimento revoluciona-
rio ; que a_ imperatriz viuva sabio para Allm, com
sua lilba a princesa Amelia, dopois de, segundo cor-
ra,'havercm vilo aconselhado a rainha, suaentca-
da, para qiiedeum modo pacifico pozesse termo
guerra civil; que a Iba de S.-Miguel declarou-se
pela causa dos revolucionarios; que o duque da
Terceira anda se conserva preso e cuidadosamente
vigiado em o caslello da Koz,.coin mais 12 ofliciaes ;
|iie na missilo, de que ia enearregado, quando o
aprisionarse, foi elle substituido por un dos incm-
brosdo ministerio; que essa stihsliluco produzio
alguma altcrac9o no gabinete portuguez; e que
iulgaya-se, quo da interveneo inglesa proviria a
"rganisacao de. um outro ministerio, cujos membros
ja ero indigitados.
A leitura dos jornaes habilita-nos a accrescenlar a
estas noticias:- a da nomeaefindo hacha re JosAvcl-
lino da Silva e Malta para gowrnador civil de l'orta-
legre ; a da suspensao, por seis mozos, da cxccuco
do arL 2. do decreto de 30 de julho prximo Masa-
do, que mandn supprimir as recebedorias de Lis-
boa ; a de ter se mandado por em execuQlo um re-
-'.llmenlo provisorio para os eorpos de voluntarios
nacionaes ; o a de te- o cardeal patriarcha daquclla
capital, em pastoral de 28 de outulfro ullmo, exhor-
tado suas ovelhas a obedecercm rainha e as auto-
ridades constituidas, e reconimendado, i|iie, tanto
na s patrn dial, como em lodns as respectivas igre-
jas parochaes, e nos convenios das religiosas do
patriarchado se lizesseni preces publicas, e no santo
sacrificio da missa se dsso a oraeflo pro poce -,
emquanlo durasse a gucixa civil.
Era do 7 de novembro passai lo a ullima dala das
folhas de despalilla recebidas ira corle de Portugal.
ss. MM. e AA. permanecan cui Madrid sem incom-
inodoalgum.
A 26 de outubro forio revistadas por SS. MM. as
tropas da guarnico daquclla capital.
Ao passarem a revista, S M. a rainha trazia um
lindo trajo de merino azul, e chapeo branco de abas
largas, cavalgando um ginelo cor de perola ; S. M.
el-rci vesta o uniforme de capito-general, era
niinedialainenle seguido de seu pai, o Sr. infante I).
Francisco de Paula, que tambem levava o uniforme
'b'oapino-gcneral.
SS. MM. receboro mu vivas demonstracAcs de
vencraeflo erespeilo, nao so da tropa, cmodo po-
vo, que, spinhoado, presenciava o aclo.
lodos os eorpos revistados eslavo asseiadamcntc
fardados, e apresentavo verdadeiro arrogando mi-
litar.
Forilo supprimidos os lugares de ofliciaes maiores
da secretaria de marinha, commcrco c ultra-mar;
e ercou se o emprego de subsecretario de oslado, de
conunissiio, com o ordenado animal de 50:000 rea-
les ( mis 2:000,000 rs. o para o qual foi nomeado o
chele de esquadra I). Jos Itohlasano.
As inerecs (citas ao exercito bespanliol, por occa-
siilo -do casamento da rainha, forao declaradas ex-
tensivas aos eorpos de carabineros.
s. A.R.. a ufana I). I.uizn Fernanda, e sen au-
gusto esposo, o duque de Monlpensier, depoisde se
liaverein demorado alguna lias em Bayona, c lam-
bem ilgunsem Pati; deviSo entrar em bordos a 26
de outubro, ed'ahi partir para Paris, onde crflo an-
siosamente esperados.
A 30 do preuito outubro forilo encerradas as ses-
sOesula legislatura de 18-16, eesperaya-se pela breve
publieaeBo do decreto dedissolucfio, e convocatoria
para novas corlea.
O Popular aseguravaf quo j cslavilo passados os
diplomas,-que coneedem o titulo de marquez BeOa-
sa-Mu ao actual ministro da fazenda em liespanha,
de conde de Villavicosa ao Sr. Pindal, ministro do
reino.
Fallava-sc em outros mullos despachos de conda-
dos, grfio-cruzes, eonimendas c nutras condecora-
coeaj da eonressao da banda de Marn l.uiza a algu-
"nis llespanhol|s distiuclas ; da elcvarao de dez
"iaiccbaes-d.-cainpo a.U'ncnles-gencraes; c da de
'inatorze brigadeiros a mareehacs-d-campo.
A imureiisa de Madrid ja se oceupava catorosamen-
1,1 daa proxiiias eleices; e ja linhfio bavido reunies
i'leilon .ers'os partidos |ioliti
Vsa ,, corrido hIkuii'S rumores "CCT-
'''de naiatraco mini.-Uiial, qu, diz o Otario do
Lisboa, sfio baldos de lundanii
rejeitada a ideia da lvre admissilo dos ce'reaes no
(eino-Unido, se cobrassem os actuaos direitos sobre
e a duqueza de Monlpensier.
Apezar das diligencias, que zemos no da 27 do
correnlo, aliui de reunirmos olTiciaes desta typogra-
phia em numero sulicielc para coinporcm o Diario
lo da 28, e assim habililar-nos'a dar, nesse da", aos
nossos subscriptores as noticias estrangeiras, cuja
leitura boje Ibes proporcionamos, nilo nos foi poss-'
vel conseguir essa rcuniilo; poisqueos mesmosoTi-
ciaes, pela mor parte no verdor dos annos, o por isso
anda milito inclinados as folgancas, a que pelo lem-
po do .Natal costuin.lo entregar-so osrapazesda nos-
sa Ierra, andavilo a divertir-se pelos arrahnldes da
cidade, donde smentc hontem se rccolbOrfto as suas
casas, o dcstas offlcina.
COMMERCIOT
f[em 24, carga vinbo c mais gneros do paiz ; a O-
iveiiH Irmiosi Compnnhia. Passageiros, o cn-
sul portuguez, Joaquim llaplisla Moreira.com sua
senbora, 2 filhos, 1 filha e I criada, Fortunato Ma-
ra Gomes Ferreira. Manoel Marques da Silva, I).
Barbara Francisca Xavier do Mallos Morem e 1 me-
nor, Manoel Francisco de Sousa Santos, Joaquim
da Silva Sales, Filippe Joaquim de Mello Pamplo-
na, Jo.to Pinto de Lomos Jnior, com sua senhora,
I lilba c 1 criada, Manoel Joaquim Carneiro da Cu-
nta, 1 menor e 1 criada.
Genova ; 41 das, polaca sarda Calharina, de 179 to-
neladas, capitao Francisco Mnssoncs, equipasen)
13, carga'vmlio e mais gneros; a Joflo Pinto de
Leraos.
Navio taliido no mesmo dia.
Aracaty ; sumaca brasileira S.-llalbina, capililo Jo-
s Joaquim Finarte, carga farinha. Passageiro,.Ma-
noel Pinto llangel, Brasileiro.
Navio entrado n dia 28.
Rio-de-Janciro ; 2 dias, barca ingleza tio-Packtt,
de 205 toneladas, capito John llarry, euuipagem
. 12, em lastro ; a lleano Youle & Coipanhia.
Commercio ou com o consignatario, Thomaz do
Aquino i'onseca, na rua Vigario, n. 10.
Avisos diversos.
OLIDAOB.
Alandega.
rtENDIMENTO DO DIA 24.......3:603,019
DEM O DIA 28. ........3:152,698
descarricaA hojk 29.
Barca portuguezn7"#;'omercadorias.
Barca ingleza--Wary-C)MMii-o/-.S'cofii-idem.
Barca ingleza /'ri*ci7/o-idem.
Escuna americana /ac-Frn*/m-rruclas.
Hiato nacinl7>r!arforfumoe charutos.
Consulado.
RENDIMhNTO DO DIA 24.
eral.............1:373,512
Provincial........... 346,632
Dcclararde;
>.
1:720,144
DEM DO DIA 28.
Geral...........
Provincial.........
Diversas provincias ".....
2:286,578
865,654
93,360
3:245,592
00
TinRao sido piesos em Saragossa, que, assim co-
o asdemais provincias do liespanha, ozava de
tranquillidade, e d'alil desterrados, alguna dos indi-
viduos, complicados no moviuiento espartensta, de
'|ue demos tonta cm o nosso n. 278.
0 go*emo bespanhol bavia promulgado algumas
medidas tendentes a melhorar o estado actual dos
canaeg.
Jornaes de Inglaterra, recebidos pela redactjo do
Precitado Diario do Coverno, e cuja ultima daU era
lloviniriilo do /um.
Navios entrados n* dia 24.
Liverpool; 29 lias, barca ingleza l'rcilla, do 218
toneladas, capito R Gohle, equ()agem 14, car-
ga fazendas ; a Johnson Patcr& Companbia
Rio-de-Janeiro; 28 dias, brigue inglez l.ouisa de
141 toneladas, capitao John hinnoielle equipa-
gem 10, em lastro ; a N. O. Bieber <* Companliia
Babia; 8 dias, brigue bespanhol Cavatlo-Marinho,
de 207 toneladas, capitn Estovo Mersonario, equi-
pagem 13, em lastro; a Joo Pinto de Lomos.
Piicliinond; "dius, barca americana Josrphina, de
198 toneladas, capitilo T. Jones, equipagein 9, car-
ga farinha e mais gneros ; u II. Foster & Cum-
pa nbia.
Mar-Pacifico, tendosabido de Nnnluckel, lia 50mozos,
a pesca, galera americana l'hirbe, de 379 tonela-
da.-;, capitRo Samuel VV. Davis, equipagem i5, car-
ca azeite de peixc ; ao capitilo.
Babia ; 14 dias, barca franceza ferdinand, de 247
toneladas, capitilo V. Dunard, cquipagem!3, em
lastro ; a Le Ilicin Scbranuii t Companbia.
Liverpool^ 23 dias, barca ingleza Columbtu, de 319
tone'adas, capitilo Daniel Creen equipagem 20,
carga fazendas ; a Me. Galmonl & Companbia. Pas-
sageiro-, Denniss, com sua senhora, de Mornay,
Kenworlby, Taylor,com 1 criado, Dr. Me. Kardy ,
Gray, Onghlerson.
Navios sahidos no mamo dia.
Jersey ; brigue inglez Lady-aulkand, capitilo John
Faller, carga assucar.
llio-de-Janeiro ; barca americana Jottphina capi-
tao i Jones, carga a mesma, que trouxe.
Genova ; brigue inglez Archimtdes, capitao William
llart, carga assucar. Fez-se a vela do l.amcirflo.
Navios entrados no da 25.
Val-Paraizo; 70 dias, galera dinamaiqueza Merkeen,
de 267 toneladas, capitilo Karleeig, equipagem 13,
csrga jurra de cobre; ao capitao.
Liverpool; 26 dias, barca ingleza Mary-Queen-of-
Scols, do 257 toneladas, capilao \V. Kelley, equi-
pagem 14, carga fazendas; a James Crbtree &
Companbia. I'assageiros, Aborbell, com sua sev
nbora, 4 llhos manores c 1 criada, Ccorge llar-
ring, James Filial, Roberl Wariing, John Doylo,
Matliitis Doyle Jouatbam Monk, John Ede, Ri-
chard L'rmsan, Inglczes
Navio sahidos no mesmn dia.
Ass; brigue brasileiro Felii-Destino, capitilo Ma-
noel Pereira do Sa, cm'laalro. I'assageiros, Manuel
Jos de Souza, Antonio Fragozo de Medeiros, Frau-
csco Lins Wanderley.
Acarac; patacho brasileiro Emula(ilo, capitao An-
tonio Gomes Pereira, em lastro.
Marseiles; brigue francez Arago, capitilo Dcrcen,
carga assucar.
Navios intrads no dia 26.
Rio-de-Janciro pela Babia, 51 das, edo ultimo por-
to 17; brigue-escuna brasileiro Piroja, comman-
dante o capitfio-tenenlc Antonio Francisco Perei-
ra. Segu para oMaranhilo.
Sidnay pelo Rio-de-Janciro; 110 dias, o do ultimo
porto 27, galera'ingleza Siains-Costle, de 504 to-
neladas, apillo William ilawson, equipagem 21,
carga 13a c azeite de peixe; ao capitao, Traz a
3 ofliciaes, 50 marinbeiros de uma
Oescriyiloe administrador da mesa do rendas
internas provineiaes desta cidade, vendo que teem
comparecido na dita mesa nimio poucas pessoasa
salisfazerem a dcima de suas propriedades nos 3
bairros desta cidade e povoacHo dos A Togados, pre-
vine aos Srs. propietarios que nilosc guardem to-
dos para compaiecerem a satisfazer o semestre, que
se esl arrecadarhlo nos ltimos dias cm que ex-
pira o prazo da arrecadacfto sem oonusda multa
de 3 poreenlo, porque inuilo dilliculloso sera nos
ltimos dfas poder dar-so expediente, pela grande
alllueneia, nue nocessariamente ha de haver.decon-
tribuintes. liecife, 14de dezembro de 1846. C{o-
rindo Ferreira Vatio, escrivilo e administrador.
O arsenal de guerra compra azeilo de carra-
palo de coco, (odealgodilo o pavios : quem taes
gneros quizer fornecer, mandara sua proposla, em
carta fechada, directora do mesuio arsenal, at o
dia.2r{ boj ) do corente. Arsenal de guerra 22 de
dezenibrode 1846.O amanuense, Jodo liicardoda
Silva.
IDEBEBDDBn
O caixa da companbia de Beberibc advertc aos
Srs. accionistas que anda uo completaran suas
entradas, queo deveni fazer quanlo antes ; pois que
elle lem de prestar suas contas, o nao pode por mais
lempo Jer contcmplacilocom empale dos seos adan-
lamentos. liecife, 18 te dezembro de 1846. O
caixa, ManielGoncake* da Silva.
Pelgsubdelcgaca do districlo da Luz. se faz
publico, que, no domingo 20 do crlente foi ap-
prchendido a um individuo, que eslava bstanle
ebrio, um cavado com uma carga de diversos g-
neros de venda. Acha-se preso o individuo o qual,
depois do passar 24 horas e tornar a seu juizo natu-
ral confessou nos interrogatorios, que soffreo ter
roubado no dia sabbado, no Recife, todos aquellos
objectos dosquaes se fez um termo de adiada, as-
signado pela competente auloridade, escriviio e
4 teslcniuiihasde vista. Quem, pois, se julgar com
direito a ellos, compareca no engenho Cailuanda,
freguezia doS.-LourenCo-da-Malta munido de do-
cumentos verdicos que recebera tudo quanlo foi
apprehendido.- Subdclegaeia da Luz, 20 do dezem-
bro de 1816. Jodo Xavier Carneiro fodrigues Com-
peli, subdelegado.
BiuuianITFkesei'io
NO
Theatro publico.
QUARTA-FEIIA 30 DO CRREME.
SKCCSDA NOlTF.
Primeiro drama OFiall Luz .Novo.
Segundo drama Adflo no Paraizo. Nova contra-
danza grupada, c rcpeticTio do que mais agraden na
primeira noi te.
Nesta noileso os hlhetes amarellos.
Fiibica^ao liltoraria.
ELEMENTOS DEHYGIENE NAVAL
parauso los navios de guerra e do commercio do
imperio do brasil eflorecidos a S. II, L, o Senbor I).
Pedro II, por Francisco Fclix Pereira da Costa lou-
lor em medicina o director do hospital da marinha
da corl. Esta obra conten noyes geraes rela-
tivamente influencia dos climas sobre o physico e
nloral dos homens Traa da almosphora martima e
terrestre cseus diflerenles oslados; daagoa e das
outias bebidas, dos alimentos c vestuarios; alem de
ou tras mu (ns materias que teem lelaco com oslo
objeclo. O preco da assignatura be do 3000 rs.; ser
um volume em quarto de mais de 300 paginas. Os
nonios dos Srs. assignanles se publioara no lim di:
obra. Subscrcve-se na praca da Independencia ,
livraria, ns. 6 e 8.
O n. 146 sabio boje com dous artigo, respondendo
Cabalmente a todos os que tem publicado o I) -novo
contra o Exm. general Sera. Ao primeiro destes
dous artigos aeompanlia uma carta do Sr. coronel Jo-
s ile Barros Falcilo do Lcenla, narrando a maneira
briosa porque para con elle se portn o mesino ge-
neral as oo:nmocoes polticas de 1824 : ao segundo
vem annoxa a f do ofllcio dopredlro general, cujo
conledo evidentemente mostra, que esle dislincto
olh'cjal Pernambucano, bem longo de ter as maculas,
que Iho emprestan os seus detractores, procedeo sem-
pro de maneira a tomar-so digno destima e consi-
ileracflo dos seus superiores, o merecedor do ufano-
so titulo de bravo e honrado militar. Vendc-sc nos
ugaresj annunciados.
Preeisa-sealugarum escravo diligente, para o
snico de uma casa, oque sejabom cozinheiro: na
rua do Arago no bairro da Boa-Vista, n, 27, ou an-
n unci. *
100,000 DE GRATIFICACA.
Na madrugada do dia 23 do correntedezembro.ar-
ronibrilo o telheiro, que oxislena rua do Itrum em
Fra-de-Portas,junio aorio, elevarlo uma grande
porcao de l a boas de ama relio, serradas,lia milito lem-
po, e de diflerenlesgrossurns, uma porcao de ferra-
gem econlas de navio. O roubn foi perpetrado por
4 ou mais homens, que o conduzirilo em urna canoa,
o consla.quc vndenlo nlgnm laboado para as partes
de Santo-Amaro. Manoel Duarte Rodrigues, morador
na rua do Trapiche, n. 26, he oprejudieado no dito
ruino; offerecca gratificacXio de 100,000 rs a quem
descobrir sua existencia ou os seus autores, c se
qualquer d'elles o denunciar recebnr a mesma
quantia o nao sera perseguido; ao mesmo lempo
que protesta esgotar lodos os nioios para perseguir o
crimeeser iiidcmmsado do dainno causado. O mes-
mo convida a quem lenba comprado dito roubo a
entender-so com 0 projudicado, para do mcihor for-
ma uo ser criminado.
I.uiz Francisco do Mello Cavalcanli embarca pa-
ra o Rio-de-Janeiro, edeixa, como seus procurado-
res nesta cidade, os Srs. Manoel Cela no Soa res
Carneiro Monteiro e Malinas de Aibuquerquo e Mel-
lo.
Oabaixoassignado, impellido pela necessidade
de procurar um meio honesto, para com elle adqui-
rir o que Ihe he iudispensavel para subsistir sem
continuara sor pesado aos seus amigos, depois do
haver de baldo diligenciado om que empregar-se ,
so propOc abrir urna aula no principio do mez de
Janeiro prximo futuro onde, alm do cnsino cor-
recto das primeras loltras, serilo dadas liecoes do
grammatica da lngoa nacional, latina e franceza.
O mesmoabaixoassignado persuado-se, que temas
convenientes habiliUCfies pura salisfacloriamento
desempenharo empreo.n que se vai dodicar.e espe-
ra jc os seus coiieiilaiiins c particularmente os
seus amigos, delle confiero a educacilo de seus fi-
lhos, cerlos de que esta sera dada com todo o es-
mero, zelo ecuidado, mediante um rasoavel o m-
dico estipendio.
Para este fm teraoa bnndadede entender-se com
oannunoianlo na rua do Aragilo, n. 27, no bairro
da Boa-Vista : eumpriudo advertir, que na referida
aula serilo recebidos alem de alumnos externos ,
pensionistas o meio-poiisioiilstas. Jos Xavier
Faustino llamos.
Precisa-sede um caixeiro para escripia : na
rua da Cruz, no Recife, n. II.
Precisa-so fallar aoSr. Antonio Rodrigues Fer-
reira Jnior, que, ha 5 annos, vcio do Maranho en-
earregado de um palhabole de guerra que por ap-
pellidolbe chamSo papo-rolo na rua da Ca-
deiado Recife n. 6, ouannuncie sua morada, para
ser procurado.
Aluga-se, por fesla pido mesmo preco, que
ronde animalmente um sobrado om Olinda, na
rua do S.-ftenlo por oima da botica do Sr. Conzaga,
com bonita vista a commodos para familia o qual
nQodesagradar aos protemlenles: alratnrno mes-
mo lugar no Varadouro rua do Balde n. 24 ou
no Recife, rua de Apollo, tanque d'agoa, n. 28.
Aluga-se, por fesla polo mesmo preco, quo
rende animalmente, uma casa torrea em Olinda na
rua de S.-Pedio-Marlyi com bonita vista, muito
fresca e asseiado, a qual n!lo desagradara aospre-
tcndenles : a tratar no mesmo lugar, no Varadou-
ro, roa do Baldean. 24, ouno Recife, rua de Apol-
lo tanque deiigoa, n. 28.
Nicolao(ariaiiltj esl retalhando
a campia de S.-Anna na entrad* da
Casa-Forte, principiando defronte da
O HOTEL LAMIERT
Hittotia Comtetnporanea
roa
Eugene Su
Acaba de chegar do Rio-dr-Janriro, e yende-sc rin
lies voliiMies un praca da Independencia, liviana n. 6 e
eu autor, he
Avisos muMlinios.
' UUIUU .*- uiiiiiiia iiii [ii ni ii un lIluriH'iKIt'IlClil
fragata franceza, e cujo resto de Iripulacaoacha-sc 8: ngraadr nomeada, que iem adquirido
no Rio-de-Janeiro,cque se perdeo na costade Ca- auAclente para o elogio desia historia.
lefornia.Segu para Londres.
Fernando ; 3 dias, b.igue brasileiro Competidor, de
199 toneladas, capitilo Balthazar Jos dos Res,
equipagem 11, carga pedia decalcar egeneros do
paiz; a tomes Irmos. I'assageiros,.o lenle R-
pifanio Borgcs deMeiiezes liona, o cirurgiDo Sim-
plicio Luis de Souza ionios, 3i pravas ue pret e 12
sentenciados, queacabarlo seu lempo.
Babia ; 13 dias, hiato brasileiro Tentador, 4o 43 to-
neladas, capitao Antonio Jos Barro/o equ pa-
geni 6, carga pac,ava, charutos c mais gneros ; a
Silva e Grillo. Passageiro, Antonio Jos Soa res ,
Portuguez.
Navios sahidos no mesmo dia.
Marseiles ; polaca sarda l'illades t resles capitilo
Antonio Virandello, carga a.^udr couros*
parahibn; barca ingleza Thumos-Ueilors, capitao Ro-
berl Bruce, carga assucar.
venda do Sr. JSicolo cm dirceco ao
rio em frenle do engenho da torre j
en jo terreno he fe iilissinio, por ser to-
Para o Rio-de-Janeiro sabe, boje, 29 do cor-
rele mez, o brigue Fcho. quem nn mesmo quizer ir
ilo passagei, para o que tem bous commodos, ou
embarcar esclavos a frote, dirija-so a ruada Cadea-
Velha, no Recife, armazn), n. 12.
I'ara a Babia sabe com a maior brevulade, o
hiate Tentador: para carga o'u passageiros traa-
se com Silva & Grillo na rua da MtJeda, n. 9.
I'ara o Aracaty segu com brevidade o hiato No-
ro-Olinda, mostr Antonio Jos Vianna : quem nellc
quizer earregnr, seenlcnder com o mesmo mestre,
lio trapiche novo.
Para Lisboa sahe, mpreterivrlmento no dia 21
do de harto massap ; e o lugar muito sa-
dioe apprasivel, por lera sirvenlia do
rio para haulos e sahida para a estrada
publica. T>s tra; pretendenles que j
Ihe fdllrao cm terrenos assim como os
mais que quizerem podem comparecer
no mesmo lugar, todos os domingos, das
3 horas da tarde em dianle. e nos dias
uleis no seu sitio tlefronte do Sr. Jos
Bjptisla Hiheiro da Faria.
Akoiici drpassnporles.
.\a rua do Collegio, n. 10 o no Aterro-da-Boa-
\ista, loja n. 48 tilo-se passaporles para dentro
e lora do imperio; assim como despachao-sc escra-
vos : tudo com brevidade.
- Os Srs. donsde
obras c mostrea pcdrelros que precisaren! de alguns

i
- un i.i:m>u smir, unprouTivcimonie no a a i ,nis -...,...,..._. -. .,,,,-iioj, mao
Janeiro, o brigue Vvimo\ recebe assucax em ^'^^^^^.XiT^^^ l55fcW.


h
N
as margenslo Capibaribc,
c solado csqierclo dosse rrnsso amono p. delicioso
rio est situada n bella e refrigerante povoac.no Monteiro. Ah tem oMieolo cstahelecblo uma casa,
amule se propon a fazer gelados de di fironles fine-
las, as mais bem escnlhidas para un semclhanto
fin; o por isso convida aos spiis freguezes a Ihe fre-
quentarem a sila casa. O annuneianle desde ja as
severa, que fara as possiveis deligeneias ao seu al-
i uice, para que osseus sorvetes ninda sejflo mais
perfeitos, que aquellos com que sprvio aos respeita-
veis concurrentes que tanto Ihe honrrflo a sua ca-
sa que n'outro-tempo leve na ra da Aurora ; por-
que un longa experiencia e estudo que tem ("cito
em compor nevados o lem habilitado para isso A
venda Jos sorvetes tora principio as 4 hora da tar-
de ; e as ppssoas, que do Recife ah se dirigirein a
avallo, ou em carro, acharflcommndidades dolpn-
derem com descanso pozar de um refresco tilo ne-
cessarioa conservado da vida por isso que ha ver
cuidado em seus animaes.
No
loja
V
><

i
Alcrro-drt-Iloa-Visl-i,
fio llubarry, ti. II,
recebeo-se de Franca, pela ZMa um grande sorti-
menlo de briquedos que allestao o inogresso e a
rerfeicnodo trahalhn dos melhores fabricantes da
Furopa : pode-se admirar em John bull, latear de
auvergn, taglion, faniesler, francon, nouvelista,
paysans, cavalleiros com movimentos, bonecas
moveudnosnlhose com cabellos como naturaes,
niobilhas completas casas, thcatros, jogtis. ciilades,
jauta rea, espingardas, presepes, cavallarias, appa-
relhosde todas as qualidades : tambem receben bi-
cos de linho de toda a largura feitos em almofada,
c de blonde, do melhor gosto possivel.
Em um dos sitios da travessa do Pombal, onde
mora Joflo Arsenio Barbosa existe um baln que,
com varias pecas de roupa foi adiado em um dos
sitios vizinho, e que ser entregue a quem dt'-r os
signaos da dita roupa.
-- Furlrao, na noite de Testa, na ra Nova, a
um preto, que ia para o sitio, um bahu contendo
>. dentro 7 vestidos, 5 saias, ti camisas de mulher, 4
ditas de menina, 4 lenqes, uma coberta 3 pares de
meias 2 pares de sapatos, um de couro de lustro ,
c o outro deduraque prelo 4 longos de milo 2 ca-
misas de homcm 2 pares ilo raleas do menino. 1
\ vestido de menina babuzinhodo tartaruga rnn-
tendo dentro as seguintes obras de ouro: iluas voltasga da Bou-Vista n. 6.
pe cordflu com uma cruz um par de brincos, 2 an-
udos 1 allinclc do peito, um corac.no de corno-
linda encastoado, 1 requififede menino um par de
coniolindasencastoadas, 2 (lilas em prala 4 gram-
pasde prata um par de luvas prelas de mulher
toga-sea pessoa, aquem for oflererido dilo bahu,
de aprehende-lo e leva-lo a ra do Itnngel, n. 5,
quesera bem recompensado.
ATTRN'CaO !
O abaixo assignado morador as Cinco-Pontas ,
n.4, mo obstante fazer o seu ajuste a rectro fecha-
do com toda e qualquer pessoa que Ihe empenha
objeetos vocalmente ou com papel comtudo pa-
ra que ninguem possa allegar ignorancia ou inno-
cencia f que (lestes ha muitos ) faz publico a lodas
as pessoas, que tiverem objeetos em seu poder, soja entrn na sala do sobrado da ra Nova, n 48, um
qual for o trato e qualidade do objerto haja de o preto ou pardo de calcas brancas, com jaqueta ,
resgatar, no prazo de 8 das, contados dn data desla ] ou camisa do fazenda escura, o pergnntando-se o
folln : e na falta, o abaixo assignado passa a vende- que quera, logo se evadi, levando um cnslic.nl
!<.s para seu pagamento e isto milito conslrangido;; grande de prata : roga-sc a quem for offerecido dito
Jos Goncalves da Silva, e este obrigado a todo o ac-
tivo e passivo da exncta firma. Pinto & Gonfalret
ATTKRBO-DA-BOA-VISTA, N. J, l.OJA Wi
JOO CH Alt I ION.
Acabflo de ehegar pola Zilia,ultimo navio rindo da
Franca, riquissimos chapos do seda da mais ele-
gante forma da ultima moda de Paris, para senhora,
muito linos; elegantissimos chales de bareges; ri-
cos chales e mantas de seda; bonitas fitas de setim;
lindas (lorespara chapeos, cabeca e vestidos de se-
nhora; espartilhos feitos pela primeira modista de
Paris; muito finase novissimas perfumaras; baleias
atacadores para vestidos e para espartilhos; chapeos
de palha muito unos; ricos lencos eoutras mais fazen-
das Je boni gosto.
LOTEHLV.
DA MATK 1Z
nACIDADED.l VICTORIA.
Por so ter pouco ou nada adan lado a venda do
resto dos bilhetes, e existir ainda una crescida quan-
tidade, mo pode ser effeiluado o andamento das
rodas desta lotera no (lia 22 do correte, como se
lluvia annunciado. Em consequonca disto o respec-
ctivo thesoureiro, de accordo com o juiz presidente
das loteras, tem transferido o sobredito andamento
para odia 29 do Janeiro prximo ful uro no qual
elleiilfallivelmentc se rcalisara, anda que alguns
poucos bilhetes (quem por vender.
Precisa-so alugar um preto, que faca lodo o
servio de uma casa e que soja fiel pagando-se
10# rs. mensacs, e dando-se-lhe o sustento : na pra^a
da Roa-Vista, n. 6.
Preri*a-*e dr dous lavradorrs ; em cata do doura-
lor, ou fabricante de caudieirus de gaz na ra No-
va n. .V2.
-- Antonio Bolelho Piulo de Mosquita manda seu
fllho, Antonio Bolelho Pinto de Mesquila Jfinior, ao
Rio-de-Janeiro.
Aluga-aeo andar terreo ou loja do sobrado n.
12 da ra da Aurora, com opt>mose mpito asseiados
commodos para moradia de homem solteiroou de
pouca familia: quem o quizer alugar, dirija-so ao
mesmo sobrado a qualquerhora.
Aluga-se, por festa ou por anno o sitio que
foi de Antonio Coelho da Silva com dous armazens,
sobrado com commodos para grande familia, ar-
voredos de frueto cacimba &c. : a Iratar na pra-
SORVETE.
No boliquim junio ao thcatro, das 5 horas
la larde do da 24 em liante ha sonreos de
fruclas mu bem preparados o com muito
__asseio.
- O abaixo assignado faz ver ao rospeitavel pu-
blico, que o embargo, que fez a Senfiora I). An-
na l.ins Wanderlcy em um escravo na oseada de sua
casa nao se entende com o mesmo ; por isso que
felizmente nada deve a esta Senhora, e ncm o es-
cravo Ihe portence. Manuel lluarque 1/ Lima.
Precisa-so alugar urna pela rara o servico de
urna casa de pouca familia, pagando-se por sema-
na ou por inez : na ra do Rangel. n. 17.
-- No da 2t do corrorite as 7 horas da noite
res a
rcis ;
-VtMidc-se 8ssucar refinado de pri-
meira qualidade muito'fino, a 100
libra; dilo de segunda dila, a 90
dilo de lerceira dita, a 80 icis ; masca-
vado, tambem refinado, a 70 ris ; e
branco de todas as qualijades e muito
em conta : no deposito da ra Direita n.
3o, defronte do becco da Fenba.
Vende-se a obra Becreio das
familias em 5 vol.'; o Cambista uni-
versal, em i vol.; Diccionario jurdico,
fe Ferreira Borges; Tratado de testa-
mentos,' hido por commodos precos : na
ra Bella, n. \.
-- Vende-se vinhnde Champanha superior em
cestos de 12 garrafas, 24 meias ditas; vicho de
Champanha rosado; ludo da melhor qualidade, o
ebegado de fresco doJIavro na barca Zilia na ra
da Cruz, n.2l.
ra
no
- i
.<.<

Fardo* do arroz Fa-
re los fie a hoz !
De todas as substancias nutritivas at boje
conhecidas para o suslentode animaes, he
nconlestavelmente o farelode arroz,que, s
alm le militas prnpriedfldes.tem a seu fa- 3E
vor ser alimento fresco, a mais propria para gE
o nosso clima, privando os cavados de so- B
remaccomnietidosde algumas molestias f-
a que estilo subjeitos.
As vaiitageus enumeradas e nutras mili-
tas que deixflo de ser notadas, leem si-
do roconhecidas pelo Sr. commndante la
companhia do cavallaria de linha que lio
com que alimenta, os da companhia de seu
comtnandr: podendoos conipr.idorcs infor-
mar-se delle. Vende-so a barricas le 3 a 4
amibas, no arinazein de Fernando Jos Rra-
guez

vm
porque s os poder vender por menos do seu valor
esem feitio : desla forma mais servem para seus
donos, do que para o abaixo assignado; mas pelo
presente faz publico para a sua resalva.
Vanoel J aquim l'into Machado (umardet.
JoiloJosda Costa avisa ao publico, que, les-
lendia 28 do-corrente, deixou de ser caixeiro do
Sr. Manocl Ferreira Ramos.
OSr. F. A. B haja de vir pagar na travessa dn
Pocinho n. 31, a quanlia, qiie uno ignora no pra-
zoile 3 lias ; do contrario, passara pelo desgoslo de
ver o seu nomc por extenso nesta folha.
- lugHo-se as seguinles casas : o terceiro andar
eosprimeiroe terceiro andares dos sobrados ns. 4 o
t do Alerm-da-Boa-Vista todos pintados e arran-
jados de novo, por300,000 rs. animaes; a loja do
mesmo sobrado, n. 6, com proponaos para qualquer
cstabelecimento; urna ca>a terrea com uoinial ,
cacimba o mais commodos para grande familia na
ra da l'niilo n. 5 ; duas ditas com iguaes, commo-
dos na Tiempo, ra da Snledado ns. 29o 31 por
12,000 rs. mensaes : a tratar no escriptorio de Fran-
cisco Antonio de Oliveira &Filhos.
SORVETE.
Na pnvoag!odoMonteiro, ao p do sobrado das
4 horas da tarde do din 29 em diante ha soi veles de
huelas mili bem preparados e com muito asseio,
pelo fabricante, que foi da ra da Aurora.
Precisa-so alugar uma preta, que saiba cozi-
jiharo fazer o mais servico de uma> casa de pouca
familia : na ra larga do Rozado, n.*46, segundo
andar.
Fabricarle chapeos
de sol na ra do Pas-
MMo-f'ublico, n. 5.
TJolo Loubct adverto aos seus freguezes, que
queirlio desenganar-se por urna vez sobro os
objeetos abaixo declarados, tanto em prego
como eiu qualiiladc: tem nesta occasifio um rico
sortiment de chapeos de sol furia-cftrcs c pre-j
tos com barra lavrada, os mais modernns, que teem
apparocido ueste mercado le igual soilimeulo; o
tambem chapeos de sol, de panninbo de todas as
cures e ultimo gosto da raiulia da Escocia ; e para
senboras um completa sortimenlo dos mesmns, de
lodasas eflres, poisseusgostus sao da ullima moda
de Pars. No mesmo eslabrlecitnento se acba um
completo sortimenlo de sodas o | anninhos de todas
ascAres, proprios para toda e qual|uer obra, que
so quizer fazer, pois que silo proprios para esse lim.
I ambem se roncerliio chapeos le sol, tanto de ho-
mem como do senhora, com toda a perfeicSo por pre-
go couimodn, e com a maior brevidade possivel.
Na mesma labrica tambem se veiidem baleias para
espartilhos o vestidos. ^, MI
Aluga-se una padaria, com todos os utensi-
lios, prompta de um tudo para trabalhar, no largo
daSoledade, n.22.
Os abaixoassignados lazem sciente ao rospei-
tavel publico, que leem dissolvido amigavelmente,
de commum accordo com os seus credores, a socic-
dade, quelinho na luja de mimlozas ,sila na ra do
Livramenln n. 52: licamlu do gor-i em liante g\ rau-
do o mesmo negocio dobaixo da firma de Francisco
casligal, de o lomare ievar a mencionada casa que
sera gialilicado, ou a quemdc lesouber deannun-
ciar por esta fojha,
Tendo un preto do abaixo assignado fgido e
levado comsigo uma banca com urna gaveta na
qual exisliflo varios papis e lettras, e tehdo apparo-
cido o referirlo preto sem aquellos documentos; o
abaixo assignado roga as pessoas, que acharcm di-
tos ttulos, na estrada do Rozarinho o favor de os
manilar levar ao Alciro-da-Roa-Visla n. 55, que
scrio recompensadas. Jacintho Affonso Bolelho.
I)esejn-se saber, se exisle nesla provincia ou
na das Alagoas,oSr. Jos Martina lo Reg, flho do
fallecido Mamad Jos do Reg, natural de Portugal,
paca negocio de seu interesse : caso exista, dirija-so
a Fora-de-Poiias ra do Areial, n. 8.
Compras.
Compra-semeia duzia decadeirasde Jacaran-
da em segunda inflo: na ra larga do Rozario ,
n. 24.
Compra-se cobre a 2 por cenlo para trocos : na
ra larga do Rozario loja de miude/as n. 35.
\ 'lxl.lS.
iiNHAS
FOLHI
el- thnaii.ik r de porta.
A edico mais conecta e com-
pleta, que existe, deltas folliinhas,
est venda as livrai as da pra
ga da Independencia, ns 6e 8; da
esquina do Collej'.io; e na boa
Vi*.la, botica dcfronle da matriz,
pelo prec/o do costume.
wn Veiiili'in-*r inoenilasde fenu para engrnlios Ir as-
iliear, para vapor, agua V Instas. (Ir divrtmis tanrirnhirM,
por picfo ouiuliiodn e ^iialiririiic laiat de ferro coado
balido, de lodos u* tamaitos: na pra(,a do < inpo-San-
to, n. II, fin casa dr Me. i.alniuiii i Companhia, ou na
na de Apollo, arrnaziio, n. 6.
= Veude-se poiassa branca dr superior qualidade,
em barris pequeos em casa de Malbeus Ausliu >\
Campanilla, na ma da Alfandega-Vellia, n. 3l>. 4
t= O correlor Oliveira lein para vender cobre em To- SP r?.S|iOIlSil|jI.Srt
Iha e pregos de dilo para forros de navios : os prelrn-
denle< dirljSo-se ao mesuio, ou os Srnliures Mesquila
S Huir
= Vende-se cal vtrgein em meias barricas chega-
da prximamente, por prrjo coluinodn ; na ra da
Moeda aruiazrn n. 15.
Vetideni-se bichas grandes de Ham-
biugo clirgad.-is ltimamente ; e tam-
liem se alugQj por preeo com modo ; no
Aterr(-d..-Boa-Vita prinieira venda ,
o p d" \ me <\. i.
Vende-se um relogodeouro, patente inglez :
na praca da independencia, loja, n. 3.
Vende-so cera de carnauba ', de primeira qua-
lidade a 5500 rs. a arroba ; urna carleira de escrin-
Inrio, Io3assenlos, Teita de amarello: na ra da
Cruz, n-21.
Vende-se uma carraca, c juntamente um hom
cavallo, perloncenlc a mesma carrosa, c mais 8 ca-
ileirasde |ialhinha e urna hanounha emliom uso;
tuilo por prijo commodo: na Soiedade, n. 22.
A 12$ rs. o corte.
Na loja da esquina confronte ao arco de Si-Anto-
nio, n. 5,Ic Cnimaifles, Serallm & C, vendem-se rj-
cos cortes de chal do Ifla e seda com barra, os mnis
lindos pailrOes, que teem vindo a esto mercado,
polo barato preqo de 12,000 rs. o corto.
Vende-se poiassabranca, da
mais recem-cliegada por mdi-
co prego : em casa deL. G. Per*
reir & Companhia.
Vendo-seum molequede naijflo da Costa-da-
Mina do 10 anuos, muito bonito e sem vicios : na
ra do Rangel, n. 4.
Venden -se chapeos de palha do superior qua-
lidade : em casa do l leu i y Forsler <\ Companhia, na
ra do Trapiche-Novo, n. 8.
Vende-se um terreno na ra, que fica por de-
trs da ra da Aurora em trente do fundo da casa'
do finado Pereira-, com igual largura n dila casa ,
com 300o lanos palmos de fundo, o qual cliega
at a terecira ra : a Indar na Iravessa da Madrc-du-
Deos, n. 18.
Vendem-se 30 aecOcs da companhia do Rebe-
ribe, no valorde70por cento : nesla typographia ,
so dir quem vende.
l\a ra da Cadeia-
VeII);i, loja, ii. 29, de
.1. O Elsler ,
vende-se ptimo Champanha Sellery pouft vul-
gar em Pernaiubuco ; dilomarCa cometa, bem co-
nhecido.
-- Vende-se um mulatinho,de 12 a 13 annoS,
milito IjoiiIo; uma preta.de 16 a 18 anuos, com
prendas : na ra larga do Rozario, voltando para
os quarteis, n. 24.
Comprao-se effeclvanrenle cscravos de ambos
os sexos, e de todas as idades : na ra larga do Ro-
zario, voltando para osquartis, n. 24.
Vendem-se 2escravos, de meia idade, proprios
para sitio por proco commodo, poro dono se que-
rer retirar : no principio da ra da ra de Ilortas,
travessa do S.-Pedro, n. 15.
Bucellas ; Carvellos ; Sherry ; Rhei-
Pordeaiix ; Clierry-cordial ; Tee-
riflTi ; Cliampanho, marca cometa ; e tam-
bem supeiior genebra hollandeza ; apoa-
ardente de Franca ; vidros com conser-
vas ; boies de dore de Iruclas da Euro-
pa ; bjscontos finissimos de Hainburgo -%
velas de composicSo ; cli preto; dilo
hysson 5 ptimos cbarutos em caixinhas
de cem.
--Vendem-se superiores e deli rete e Rurgundy, em caixinhas de uma duzia; os
mais excellentesepreciosos,que so 'podem encon-
trar nesto mercado, os quaes se tornflo assaz re-
commendaveisparas mesas de hom gosto, e sflo
mais proprios para presentes cm lempo de festa ; as-
sim como Champanha de muilo boa qualidade ; tu-
do porprero commodo : na ra do Trapiche-Novo,
11. 42, casa de Adamson llowic & C.
Sal de Lisboa fino e alvo a 1800 rs. o alquei-
revelho, e sendo porailo dar-se-ha. por menos: na
ra da Praia armazem n. t8.
Vcnde-se uma mangla de vidro bordado, pa-
ra lustro de meio de sala ou troca-se por uma man-
ga do vidro lisa : na ra de Ilortas, n. 62.
Vende-se um porta-licor em sua caixa enver-
nisada de bom gosto por prec,o o mais commodo
possivel: na ra de Dorias, n. 62.
Vendem-se 40 escravos de ambos os sexos, sen-
do pretos, pretas, moloques, negrinhas, parda*,
pardos; 2 cabritillas proprios paja pageos; entro
ellos alguns com habilidades : na ra da Cruz, 11.
51 a fallar com Jos Francisco da Silva.
Vendvsc cera de carnauba ; rourinhos de ca-
bra ; bezerros e sola; tudo por preco commodo.
na ra da Cruz 11. 51.
Ocorretor Oliveira vende um escravo ldino,
de bonita figura, moco, ptimo cozinheiro : aos pre-
tendentes se lira o motivo, por (jue se. vende.
,- Vende-se uma preta, sem vicios e que cose,
engomma, lava, cozinha o faz renda : na ra do Ca-
bug, n. 16.
REFRESCOS.
Xarope de gro>elbas feito do ver
dadeiro summo degroselhos vindo de
Franca a looo rs. a ganafa ; xarope
eitoral da venladeira tesina de angico.
Potassa da Itussia,
ven'adeira e nova, em bar is pequeos,
por prceo muito commodo : na ra da
Crit, n. jo, em casa de Ralkmanu &
ilosepinund.
Vende-se um relogio de ouro, suis-
novo ; um dito um poueo usado ,
muilo bous regiilailores,eiooqiieodono
se lesponsnljili.sa ; e igualmenle 3 cr-
lenles novas, de ouro, para os mesuras;
na ra do
fieil
;si
e be mu vangloriado com justos mo-
tivos para as pessoas atacadas do pcito,
pelo meio do qual se leem obtido felices
resultados, a moo rs. o garrafa. Xaro-
pe refrigerante de flores de larangeiras,
a 1000 rs. a garrafa ; xarope de tamarin-
dos, a 0!\O rs. a qairnfa. Vendeni se no
A ferro-da-Uoa-Vista, labrica de licores,
n. 2.6.
; Vende-so um realejo com 3 cylindios e mili-
tas pecas ; urna llauta do bano, de 6 chaves; um
relogio de parede,le machina de pao; tudo em
hom uso, por preco commodo: na ra do Jardim ,
n. 43.
CELO A IMMIRIRO
na ra da Senzalla-Velha, n. 18, das 9 as 11' horas
damanhfla e das3 al as 5 da tarde, preco a 3200
rs. a arroba e a libra a 120 rs. : adverte-se, que nao
halroco em cobro ou cdulas miudas, por isso he
necessario trazercm os Sri compradores a quanlia
cerla. *
Vende se vinbo tinto commum, en
qu .ilolus, pelo liaralissiino preco de 4.s
is. emla urna : na rua da Cruz 11. 00.
Vendem-se bezerro francezes, le Na lites, le
siipcriin qualidade, os melhores que li-em viudo a
esle nieado por atacado ou mesuro rin duzia" a
contado dos compradores por mais baralu preco do
qua cjii oulra quaiijuer parle : 11.1 ra da Cruz, 11 20.
Sexta edico da grauijnalica
fie Salvador.
ADVERTENCIA.
Sabio a luz a sexta edeflo do hem acceilo o mu
vulgarisado compendio de grammalica porlugueza ,
composlo pelo professor Salvador llcnriaues deAl-
buouerque. A cuidadosa rorrereo ty|logiaphica,
melhor redaceflo o importantes occrescenlamenlos
inlroduzidos pelo laborioso autor do a esta sexta
edieflo do compendio urna decedida superieiidadea
respeilodos precedentes, tornando-ocada vez mais
digno de ser retenido as escolas para Instrucco da
mocidade. Vende-so pelo preco do coslume(640
rs. cada exemplar encadernadoj na livraiia do edic-
lor, esquina da ra lo r.ullcgio.
= Vriidrin-se barricas e meias dilas.com fnrinha gal-
lega muilo ciip. rior ; liarrlrai e meia dilas com cal
virgem de Lisboa ; barricas cun pnlassn branca e pela;
lerliailurai para porta drarmaieni j penr iras de aran':
rodas de airo* para barricas; biclias de Damburgn;
tudo pn"r prefo commodo : na ra do Vlgaiio arma*
zein 11. 9.

Escra\os l'ugidos
so
\a
Viga no,
n. i
ra da Cadeia-
Vtlha, loja n. 29, de
J. O. Elsler,
vendem-se os segninles vinbos engar-
raflos e de snperior quali(|,de : vjn|l(
do Porto muito veiho ; dilo da Aladei-
Fiigio, de bordo do brigue Hor-do-Sul, o cscra-
V0 mai inbeiro, de mime Jos, de naci Ilenpuolla, re-
presenta 25 anuos, pouco mais ou menos, estatura re-
gular, magro, sem barba, levou camisa branca, ca'C-
deriscadn : pede-se a apnrehensfiodo mesmo: eqnem
,o pegar, levando a bordo do dito biigue.ou a rasa de
Amorim IrmfloS, na na la Cadeia n. 45, scragia-
lificado.
- Pugio, no dia 16 do correle, um pardo |U
nnme. Manoel, de 18 anuos ; levou camisa de alp"
dflozinho branco calcas de listias azues chapeo o
palha oleado le preto ; be um pouco .cangulo ca
bello corlado, pouco fallante, h aile
quem o pegar, leve a ra Imperial do AteiTO-doS-.M"-
gados n. 20, que sera generosamente recompf"-
Mito.
Fugio, no dia.8 locoi rente um prelo .de n>
fme Francisco c tambem acoil 6 pelo lo capitflo po-
lo qual he bem condecido, de 40 e tantos anuos,
pouco niaisou menos, bstanle alio e magro; o'1
de costume embriagr-se :queni o pegar lev^ a "'
da Florentina, n. 14, que sera recompensado.
PIRB. t HA TTP. DEM
, F. DE FARIA. 1^4"


Auno de 1846.
Segunda feira 20 de Dczembro.
N 52.
S<4^
DE
PERNAMBITCO.
(SOB OS AUSPICIOS Di SOCIKDADE COMMEHCIaL.)
Subscreve-se na Praca da Independencia, Ioja de livros n. 6 e 8, por ia/too ris por anno. pagos adiantado.s.
aBBi
PRESOS CORREIYTES DA PRA?A (Corregido Sabbado as 3 horas da tarde.)
B
u
fl
a
o
81*
-. c o
3
I
> .
I
J3-0
41
(5
c
a.
a
o
c
V
<
te
o.
<
a
O
f
-3 .
I
ti

.8
i"
?J
u_-
I g -J I
5
1
.3
=
11
s =
c
=
<*; lo
11
8"
o.

> <: />- -a r g g a Sb_ a
8
e
* =i *
o o = o c <
: c o

E-a
<2
coceo
C1 ---------
'1
.2
- j

oso
S ff* c-
J-3
S 3
- fi
*****
y
J
l
> a .
r- s
I 9 =
> 9 -rt -*
-e i-
O O :
r -
o =
s-
9999
00-- -f"999
(1 W Cl f W
9 9 O
99:
r* r* o <
I*
gs-5 3-.
J
S*5
0,-J
l!*i
'!=<
'Jijill-i-

o o o o o
r ,- -
on>o
-* ,-S i
a.

1
M 2
U-J-
O O 9 o O
t-
<***: a
NO)
O Qto0&OC
(CQDe.99C
- -.***
> c 9
I -O O C -O o "
-> h O i
V* -" -
O o
e
r rt -* O
r* rf *n oc
e o e o e 9
o n -* o -o
o o 9 c 9 ce
o o o i o a = c o
c
3
9 9 9 9
c i
r*
o o c <
o -<
e 9 i- c <
* ^ =&- **
^> o r- a
a:
i .j
i i
e S
< S?
i i3.j-s '

i i 8 i i i
i -
5 i
J- S-2
i o..

lili
iiii
i i

5 = 3
Q-Jcc
o g .5 ,
t> p i
:1l S c 9 a S,
id 3 o O J> 2.
o S 5 h
IJfs*J"
i"
I I
S S S 2
a
<
H
as
O
O.
I I I I I 1 1
2 si =
51 '
v v E ;: .
E'-l i
I a .;,
-s
= !':
z
iiii
i i i
. i i i
i i S i
2" 2 -s
: c r s -
i i iii
iii.iii
i i i
11
i i i e i
i
_ __ m "\ *, i ? ftj
'11
5". t i

* j,|41"l


,i
5 r- i"
j'jt
s......gS1'
ij.....li|"-:
WfJl! 1 y
S3>
i i e
sa' "
, ||i i
"Sil!
IMiA
I O I
3
I I I I
I O I I
Ibi
S l
.r.j.
iiii i
1 I o.
I...
o
I I I
I I
(Jjl
lili
ota
. = 2
i.*
S
J
H-iJi-Y
,3 s y y. g o
s s m m
i'
jt i i i i
a. a. a. a-
I I I I I
I I I I
=
Ji-i i
r S 9 u
!e;:
0.a. c
i
I
......
i i i i i i i 2
3" ,9 o. I
= s?-9 i i e
8*3 S
a- 2 o I,?. ,3ia
hi Id H
'-l'lljj*"I
8
I I
;. > I
. i I
IJI
";. o
s- 8 S
0c 8
.11-.
. a.
S'a;
.5 i i
41 3 C -
-o i t
1 J i
11
11
9 =
_ja.^.=
Siiai
3 4,
I t'51
.I.
:i
B
3 .2
i
- *
I
o

. n i O
u 3
5 c g

3 a-
I"
\
a B K 33 i-
.j. .s.
C B B o e ~ 3 B oo o
I
'.I
ir. A B ? > > "C > -
i
LIS
111
iiili
ass2C
3

-aEE.5-E ^ "
- .5 *
=.-3
o--o-

114
y o-

3
= -s e c o
oo o o co
/> w O
O O O 9
O O i O
95 X M C -
O0 oocc
u5 tpoe oo
H9--1 -
C
-O O
co c so
c o s
o c o -o
I '*!;'>
(0 -
cco=cccc
0"CC .= =
-o -o = -^ r f a ^
8
J5|
-? .S g -a .S.S
"Al,
C j / "'-C <- = =
** ce o oo ^X? =cct=*ior*MJt
l ^ -^.^~-, ^ ** m *
^ I 'Mtonit '~Cr ** "* "*
l2.cl.|ei-(.2,?.s
1 i
os ca
f.4
.;.S != 5^3
c o
o
u 9 O O
C O O J*
o o ^3
W9 O = C O
r* ao o o c
S 3
1m.1
3
O- J

3 I
t _Q se a w
X <
4a
.2 2 -J" -a
= 9 O 9
i^ r- r-


99C0
OOOoaootr<
* 9 -fl -
= o
* c ; -a J3 *o s
O = C < -^ *-
O 9 9
O
O 9
* 1 Q:
C 9 9 C J
9 9 9 = 9
o e 9 r*
* so ** m
O
9 = 9
O W
c o
C* = 9
909
9-j-r;M999ee
C 9 = ^--"t-S*C
flO-* ^
.N
i
O
9
a*s.
S
r9-<=
; 9 C-* 9 >fl S 9 9 r 9 9
. o C0
fr-
es
o
l i i s~ < '
i i
C 3 -n ?
n -o _
s-5.:.t;
Vi v) as (-. J
15
7. J-a e
JS '
1 I
I I
a -a
a.1 s
i _
l i i
i i
i '
i.
i

a-= ,
11 I
S o
0 n
J-S
jj i '*
-8
' i i i i
i
jg i '
-2.ia.3s
II i:
1 1
3 -=
I I
.'! I I y
O
"<
o
H
es
o
&
f
334cSilJSS i'1
S w. = ;
* S 2
i i 'J
o o c
es* ^
as
.2
3; /}
o
=* 7. u -
=._ -
Oi-S
|!|

I. o V
H 3. >J
.........
I I I I I l
11 11 i I
' i 11 i '
^JlSliIsl
ljlsl
I
I I
eo i
2 I r
si
es
U-
i
i
m m
8 0 u
- oc Nt
? i 5
a-i S 6
2 'A
"g-8
S 5
o ?
i i r-5
> ^
i "
12-8
S s
i i
i i i
5,'
i i i
i i i
4
i i^ i n
g. .

A '
i
S.S,
a.
a-3

J s
i-8 5
111
<<< <<<
.11
i i
i
i
i i
i i
,j|
i s
iiii:
o .3
-a
8 1 g
35 3J
5 33 03
o
3 i
I e
'-
-3
i i
flifillr
'tjjll
o ., 3
i ."0'
"O 13
C Z
"3 g-a

;
* 5,5 8
u-j
i i
i i i i i
,iii'
i i '
A'S
: 2$ s
i f |
= fc si
j -> u
IJe
T i i i i i i
i i
i i
i
1 i
i i
9>i.
- 41
Si
X I
4
i
iiii
11
i -a i c
'{I
..lij
, Sis
i.";
h
i -e coi- -r.r-
I l .
l.i
' I i i
l-a ,
SJI "8
"SI i S
rile
,'
aflj.Hi
g. gas-E
_i ai jj j. jj
r. i r
i i
82
i
e
1-5
i
J '
wtSiS

" -
= !
'Sil
-I 0 a J!
::>=; o
V o r
J.U.. Ex
1111
^:r3
p
(X
\-
i.
fMUTILADO


()
PP"
EXPORTACAO.
Agurdente Casaca -
Algodo 1 sorle -
. 1. ----- -
Issuiar iir.n <: > em caixas -
1 a mascavado
< em barricas u 8ac"
J coa, brauco -
* III.. "'.IV,|J i
Courot seceos Migados -
V'.l. llO Stlld -
Clulns da ierre -
du llio Graude -
EXl'OllTS.
PHFgO DA PRAf
Uiuii ------
Cotton I. qualiiy -
1. -
Silgar i ceses whi'e -
* brnwn -
lor herris or Heg
white -
hrown
Dry salled hules -
fa'iine hules -
Ot-lurus -
l|000
6*100
,'i^ioO
jfldfl
2/tO
III
1*0-11
40500
POR
P,p..
A naba
a
*. ferro
Libra.
Ilu ..
Cenlo
CAMBIOS.
Londres..........................29 per l# rs. a 0 dias
i i___ fl- nor r.enlo nrcit.lO.U
LUboa
Kranca .. .,..."
Hiode Janeiro....................
Pll.tTA iniuila..................
a Palaces Brazileiros........
Pesos Coluiimafio*........
l'ilos Menanos...........
OURO. Moedas de 0*400 velhal...
a Ditas cillas novas...
> DilssdetOOO...........
a Onr.es I espa.il.olas.......
a Ditas Patriticas..........
Letras.........................
9a por cenlo pren.io.por ncUI eflectuedo
325 ris por franco,
ao par
1 7 50 a I #780
2 iioii a 2jfl20.
2 #000 a 2i'I0.
1*7110 a laSuO.
|6*2'.0 a I.-3D0.
163(>r. a lUPOUO.
9#l'00 a 9SIO0-
V84OI". a JOi&OO
27,1500 a V8j0i'0
@ 1 '/, por i 0 por mes.
FRETES.
ASSUCAR.
Liverp' ol ..............Saccosx
! Caualeolre Amburoe Havre. Pito
a iucliiindo portos Ingleze 1) lo
iGe.iova.. .... .. ....... U'H
Hlaoiliurgo calas............
II..I:- .'..................
1 Trieste................Saceos
I listados-Unidos..............
I l'l lil^.il. ................ .. ..
Ki anca .............-.
(3 m 0 f 3-
1-16-0
C i 5
3 5
3 0 0 al 3-7-0-
'(om .>/.
Com 10 /,
Con 5 /
200
I 74
2 50
ile prima;:-'!
Portugal..
I' l'.UIC-i. .
ALGODAO.
600 por (8> sem primagem nominal
100 por @e 10 p ,/Oaocainb. de lOOp Ir nominal.
Inglaterra.................. */sP "ei p. %de primagen.
Barcelona
Inglaterra Seceos
4cu lis
1 1
couros.
10 0 ... por tonelada el por cenlo, nominal.
Hranc................. _______ 70 bancos por toneladas, comlOp. eento*
leanos Unidos.' ....... '.'......... Mi he._______________
t"
:ai
ircs
De da II de Novembro de l*> J" 'anle MMrM 0 p. c. o rap OU tabaco
de p, os cbar.itosou cigarros, o fumo e.fl rolo ou em loll.a.
Pegara60 p. c os saceos deeaobseia.se grossaria on gimes da In.lia. os carn-
ele, em inrma e ponW. s almofa.las o.- carruage.is. .. pedra. J Raspar, la-
pido, as pedro. decani.1 p portoes, portas e jam-ll-s, a. pedras larrada, pal
encanamemos cepas, cunhaes e cornis. o assucar refinado, crystal.sa.lo ou de qual-
qiwr m..neira ominado, o da. a aio-rdcnie. a cerveja a cidra, a geiatora, o mar-
rasquino, ou oulioslico.es, e o> vinl.os de qualquer qu-l.dade e i iccedeucia
ailiit, mr|MJt i.i iuiiuiiimi-u-'m^........v ..-.- ,
o sebo fin velai, as velas de Slc-rina ou compo^icio, as ameiMs, ou otaras tructaa
em frascos ou latas, aexas. em calda, ou em espirito, o cliorolate de cacan oraMano,
o vinagre, os carrinlios, carruageiis ou eaisas jo.os, rodas, armos para urna e ou-
-a musa as esleirs para forrar casas, os cairos para condii/ir gente, os ociareis,
' sillioes, os reieiros e liulciro de porcelana, e qualquer olqecto de loica nao enm-
prelieudido na tarifa; os I mires, o ellees para licor ou vinbo de vidro liso ordina-
rio os de vi.lro molda lo or.lin.rio lavrado ou moldado e lavradn ordinario da Alle-
HMnbl e semelliantes os de ridro liso moldado o.i lavrado, de fundo corlado ou liso.
i un molde ou lavoi- ordinario ; o clices para Clunnpanlie ou cei vrja as canecas,
e copos diraUoa de 10 a I em quartlbo, as garrafas de virlro al 1 quarlilhc ou mais,
sendo lodos estes ol.jectos den le! as garrafa de vidro pretas ou escuras da
iiieaina capacidade, co np.eliemli las as que seivem para licores ou Le-Hoy os copos
pira tabernas al una caada, os faseos de vidro ordinario com rolhas do mesino
al 3 libras ou mais ; ou sem rollia al 7 libra, ou m.iis, os de Imca lanja cmn rollia
do mesmo, li libras ou mais, ou sem rolla par opmlebloc OS v dios para a-
lampaiias ou caudeiros, as tabeas ou follias de mo-no ou oulra madena liua, e tras-
tes de qualquer madeira.
de qualquer naro, que sobrecarrgar os geucros brasile'uos de maior direito, que
iguaes de oulra nacao.
Os arlaos nao especificados na paula pago o direito a4 valnrrm sobre a larliir.
sentada pelo despachante i podendo poim ser ni pugnados poi quidqu.r onicial
Alfandetta, que em tal caso paga o impone da factura ou valor, eos direilos.
^o caso de durda sobre a classiHcac.. da mercadura, onde a parle requerer
.trmenlo para designar a qualidade e ralor da pauta, que Ihe compete.
arbitra
Si
importadas.
para designar a qu
semas de diieitos as machinas ainda nao usadas no lugar, em que fortsa
fado ; bolacha, carne secca ou de salinoura. herva-doce farfolla de trigo, pell cas
ranea ou pinudas, cordovoes ou ediles ile liezerro para calcadcvnezeiTns e couros
euvemitados, muros de poico ou boi, salgados ou seceos ^r-jola Jara para sapaleiro
ou ci.neeiro, coure e caparrosa. /
Pagaro 20 peo tiigo em graOj>_JjajrfJlha, canolilho esph'uilba, fieiras, fios,
franjas, lanlijoulas. pallietas, paMasnlnes, senilo deouroou praU entrefina, ordina-
ria ou falsa: galoes da mcsnirnalureza, ou tecidos com relroz, linbo. algodonu
seda. Nadas on enlrqntelos ne algodo n5o bordados ; tendal de lil, as Je algodao,
reros ou troca^ j''cucos de cambraia de linho ou algodo, e bandas de retios de
malhu. -#
EXPORTACAO Os direitos pago-se sobre a araliaeo de urna pauta sema-
nal na raxo seguinle : Assucr 10 p c AhjodSo, caf, e fumo 12 p C. Acl-
denle, couros, e lodos os mais gneros 7 p c. A:em destes direitos pag.o se as
taras de 100 rs em cada cai.a, de \<> is em cada fecho, de 20 rs. e.u Caa barrica,
ou sa:cos de assucar, e de to rs em cada sacca de algodao.
Couros e todos os mais gneros sSolivres de direitos par os portos do Imperio, a
eicepco do algodo, assucar. caf, e fui, o que pago 3 p c. as tasas por volun.e-
Os metaes preciosos em barra pago de direilos 2 p c. sobre o ralor do er-
cado, e a prat e o ouro amoedadn nacional iU eslraiigeiro paga uuicaiiicule /, p. C
Os escravos exportados p4,o ifOnO por cada um
DKSPEZ*. RO PORTO As embsicires nacionaes, ou estrangeiras que
...euo para frra do Imperio, p-go 00 rs de ancor-uem por Ion. lafa : e as
nacionaes, que invego entre os diveisos portos do Brasil 90 rs. As que entraren
em lastro e saliirem com carga e v.ce versa, pagai mi .arle do imposto supn e um
ierro as que entrarem, e sahirem e.n lastio; e mesmo as que enlraiein por lianquia,
ou escala quer eniiem em lastro, quer com ca.ga Uesta iniposico po m erao
isenlas as que imporiareinmais de 100 Colonos braiicos, e as queentraorem poi arribada
forcada com tanto que estas nao carreguem. ou descarregueui s mente os gneros
uecessarios para pagamento dus reparos, que fueiem.
VENDAS DK NWIOS As embsrcaces estrangeiras que passarem a ser
nacionaes. pago l& p. c e as nacionaes, mudando de proprielano, ou de baudeira
pago 5 .p, c. sobre o valor da viuda.
i menor
nialtiu.
y..
y"
-#ara 10 p c os livros, maopas e j'olios geographicos, instrumentos mathe-
Baflinos, de pliysica ou chiinica, coi les de vestidos de velludos ou damascos, borda-
-ilos de prala ou ouro Uno ; retroz ou lineal, t cabello para cabelleiieiro.
/
Pa;ai;iu il p c. o antiiilho, cordo de lio espiguilha, fleira, fios, franjas, ga-
lio delioou peineta, liiiijoul..s. pab.ea. rendas, cadareos e lodoso mais ol.jec-
tos dista nalureza, sendo de ouro e prala lina.
Paga-i Sp.c. o carvo de pedra, ouro para dourar, ou quaesquerobras e
uteusis de prata,
Pagara 4 p c as joias deouro ou prata, ou quaesquer obras de ouro.
Pauar 2 p c os diamantes e outras pedras preciosas soltas semenles, plan-
as e racas novas de animaes uteis.
Paaar 30 p c todos os mais objectos.
Os gneros reexportados ou baldeados pago I p. c. de direitos alm da arma7e-
sin; e o despachante presta flanea at i approvaro desta medida pela Assem- llespan
Uta Geral. S
Concedem-se lirre de armazenigens, por I 5 das, as mercadorias de Estire, e
dous meses as outras e lindos estes pratos, pagaro,"/, p. c. ao mes do respec-
vo valor.
Os rdireitos das fazendas, que pago por rara, dere entender se rara quadreda.
Os d.reitos nao podem ser augmentado dentro do anno fmaneeiro ; masoGo-
verno poder mandar pagar em inoeda de ouro ou prala urea rigetima parle da que
lorein maioies de 0 e uienares de 50 p. c. dos precos das mercadorias, ou n time
diiuinuil-os, secundo Ihe parecer
O Goveruo esla aulerisado a estabelecer um direito diflercncial solirto genera
REVISTA SEMANAL.
CAMBIO llouverao transaeces de alguma monta a 29 d. pelo Sword Filh.
ALGUDAO As entradss fu'ru regulares, e houvero vendas ao preco quo-
ASUCAR As entradas em saccas, do interior forao i-bunda-trs ; masen
caix* e saceos, por mar, lera >ido diminutas, por causa do vento contrario os pre-
cos sao os quotados.
t OUIiOS Pouco prreurados, e offerecidos.
B^CALIIAO Cliegro nesla semana bes carregamentos, dos quaes um
com 2095 barricas, e un. ootro cl.egado I oje com 291)0 Dnicas, que fot So vendidas a
piecos que n.o loio divulgados o deposito andar por 9,U0<> barucas.
" K.iItl.MIA UE T''lGO Cegio dous carregameutos durante a semana,
dos quaes um, com 1,700 barricas, seguio para o Rio de Janeiro O deposito be de
5,500 barricas ,
CAKiNE DE CHARQUE O deposito he de 30,000 arrobas, e sem entradas.
Resumo das Embarcaees existentes neste porto no da 24 de Dezembro dt 1846
Am. nemas.........
Austracas .........
ttrasdeira..........
Belga. ...-.......
Krtiicezas.........
Porluguezas........
Sarda*.............
A Provincia gosa tranquillidade.
Total
5
i
I
I
I
2
I
l
I
4
MUTILADO


(3)
----
LISTA das Embarcares existentes neste porto al o dia 24 de Dezembro de 1846.
ENTRADAS.
tJezembro
7
20

14
dONde VBM.
>
Noveibto 17
Dezembro I'
'etembro 1
6
ulubro 11
a It
II
Novrmbro 2
II
H
27

2
Dezembro 3
Junbo
10
Pliiladrlphia
H

Mis ton
Mar Pacifico
Santos
Babia
KuA
Rio de Janeiro
Rio Grande do S
At
.racaty
iraca ly
Lisboa

Rio de Janeiro
*.ss

Rio de Janeiro
Acarac
m
"aceid
A rc.t
A ss
S. Malheus
(f aflo
Nnvembrc Dezembro 11 14 14 Mar*elha Havre de Graos Halda
a 17 14 R-'celona Baha
Dezembro 6 12 Terra-Nnra Liverpool Terra Nova
a i* a 19 10 24 a a a .i\ erpool Mo ile Janeiro Liverpool
Novembro a 12 16 l.isb a Lisboa
Maio Dezembro I 13 Montevideo Uiciiuiond
s>
cisco
Urca
br.-esc.
luigue
es una
galera
brigue
barca
sumaca
sumaca
brigue
patacho
liiate
liite
brigue
bri-esc.

brigue
I rigue
li-ipue
ItriuiM
[Macha
brigue
talacho
i lo
patacho
sumaca
barca
brigue
barca
brigue
brigut

barca
hnuue
galera
brgue
brigue
hrigiie
bri.-esc.
NASAO.
Amer.
4iU.it.
Ilrazil.
NOMIH.
Belga.
Franc
esp.
Ingl.
Port.
Sardo
Globe
Ormns
Pntmovf
Isaac Franklin
Pboebe
L'isitano
Perastina
Santa Anna
S. loJo
Heliano
Loureoco
Despique
Espadarle
tala
Veloz
Jnsepl.ina
Animo Grande
Mor doSul
Echo
\ ili lo
Emul.co
' eli Pestio
Ti trata
Novo-Olinda
Flor de Olinda
Santa Bulbina
Amelia
Araeo
Zflta
Fedinand
Felippe
Cavallo Marinho
P.tirvdice
Thoma: Meclori
ceni
O.pr.y
Mary Hownsell
Priscilla
Lowisa
Coluinbtu
Tarnjo I.
Josepfiina Emilia
Pylades it Orestes
Telegrapbo
TOK8.
ll>
174
1(7
140
ti
414
43'J
81
44
131
138
7t
17
182
1
174
19
178
2.0
247
122
2-7
179
86
144
61
379
I7
227
247
178
2U7
210
257
180
202
184
218
141
319
238
180
148
141.
ME8TRB.
N cholas Esling
S-aitl.
Karrell
C Crosbey
S. W. Wimt
O. C. Hollitein
M. Serovicb
Jn3o de Dos Prreira
Urbano lose don Santos
Manoel da Nlva Santos
Jos Mara da Graca
Joaqun Jos dos Santos
Vicente Jacome
F B. de Matlns Lisboa
Jos Manoel Barbosa
Joaqiiiin Cardoso
Jos Ignacio Cimenta
Manoel Lu/, dos Sanios
Augusto Antonio de Cont
Antonio Gomes Pereira
Manoel Pereira de S
Jos de Arag5o
Antonio Jos Vianna
Joao Antonio Gomes
Belchior Jos dos Res
E. Nodson
Devrien
Delaunay
Uuiand
Jomo Gilpe
E. Moi ua ico
A. Browo
Roberto Hruce
Me. Loutoo
W. Williams
John Haker
M Go1 h
John Dnmaille
Uauiel Greca
M. d'Oveira Faneco
Isidro Iris da Silva
Antonio Girandelo
Pedro Losero
L G. Ferreira S C.
"atlieus A listn 8c C.
Henry Foister at C.
a
O mestie
N. O. Riebei & C.
N. O. Bichero; C.
Vovaes S C.
Jos Varia Barboza
Atnorim lrnios
Aniorim frinSos
A. de Maguillos Bastos
J. P Lemoi Juni> r
Joao Francisco da ( ruz
Manoel Duarte Rodrigues
U Mestre
Aniorim Irmos
a
Jos Prreira d Cnnha
Thomaz de Aquino Fonseca
Manoel Goncalves da &ilva
Pedro Dial dos Sautos
John Oowsley
Joo da Silva dantos
Bailar Si Uliveira
Jos A. de Magalhes Bastos
A rdera
Luii Rmguiere
Lrnoir Puget S C.
Le Bretn Scbramm Si C.
Nascimento 8z Aniorim
Joo Pinto de Leinos S Filho
Me. Calmnnt & C.
Hussell Mell rsStC.
Me. Calmonl Si C.
Le Bretn Scbramm t C
N. O. Uieher S C.
Job listn Paler St C.
IV. O. Iliel.fr 8iG.
Me. Cal.i.ont & C.
Firmino Jos Fcliv da Roza
F. ieveriauo Kabello S Filno
M. Joaqun- Ramos e Silva
Le B.clu Schiamm St C.
Rio Grande do Su!
Baha
Rio de Janeiro-
Baha
Marseiiha
Lisboa
Luboa
Genova e Marseiiha
Pernambueo na TypOjraphia de M. F. de Faria.114*.
a


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYU82STMK_T0DY23 INGEST_TIME 2013-04-27T00:16:06Z PACKAGE AA00011611_08355
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES