Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08350


This item is only available as the following downloads:


Full Text

Anwo- () DIARIO pqlilc -se iodo os dias que nao
fnrfin de RUard: o rrrco ria i,e ,|,.
Sabbado 19
annuoci"4 do
ilc 2" ruis l,nr ''
te, e ",l"'!
re .~ -.."'tes |
em ijpo ilillorCiil
io inseridos .
PIIASES DA LA NO UF.Z DE DHZGMBRO
I,u cliei a 2, >i 8 Iiorai e 20 minutos da Urde.
MiugOanle a 10, D limas* 5.1 mili, da Urde.
La no lll lior^s e 25 miu. da miinh.
Crear- 'e t nin.ua insnli.
partida dos connFtos.
Ooiauna e Priliyi-a Se nimias c S tas f'eirin
Rio Grande do Norte, c'iega nss Ou.itas fViras
no meio d i r. parle uas mesmai horas Das
rilas feiai.
ii, Itio Kormoso, Porto Calo e>rfl
ii l.*, II e 21 de da me*,
e i mi.11 i 10 e 24.
toa- Vista e KlinN iiie 3S.
Victoria ins (Juiulu feiraj.
Ciliada todos os das.
PHKA.KR DE IIOJU.
Primeira i iK 18 minutos da tnrde
Seguida i n. I! minutos da menta*
le Dezombro.
Auno xxrr.
DAS DA SEMANA.
II Srtunda. S. Maouiano. Aud. d J. dos or-
"' pios rrioJ.rloC.dk I. v., rio I. M. 16 Tare. 8. Ceciliaiio. And. rioJ. rio eiv. da I
v. e do J. di' |>i do 2. dist d.i t.
6 Qoarla S. Albina. Aiul, do J rio civ. da 2.
y c do i. da pul do 2 dist. de t
17 Quima 6 \i\iii. Vud rio J dr orpl.oa,
do I municipal da I vara.
l Sella S SperidiSo. Aud rioJ. do civ da I.
T edii J. dr par. do I. dist. de I.
19 Sabbado. S Fausta. Aud. lio J. do Cr.
da I v., e ii" de pal do I. dist. e J. de t.
10 Domingo. S. Domingos de Silos.
CAMKIOSIvOOIA II rE DI/.KUI'.IU).
Camliio sobre Lpnrires 29 d. por \f ra.
a PaiistJ5 reis por/raneo.
Lisboa i dr prenllo.
Ileso, rirleirns dr linas firinris I '
OurnOnraslirspaiiliolas i'
> Moeriaadc tftno vel. la
a u (le i.JtOO nav. KjWHiO a
. de (.mil". .. /i'00 a
Prala Patac ----- UW
t Pesos coluiiiiiaren l|900 a
a Diins IMasicanui. ijfvo a
a Miuda......... I730 a
ccoes dn Comp. do nncribe de SOjOC-0
60 d.
aoillfl.
?9jSHI>
|4IW
l|SI>'>
l
i/hll.
a|om
1/840
1*740
no pin.
AVISO.
So ultimo desle mez fiudn o
prazo, por que foro prorog-ido o
que eslava mareado para o troco
das cdulas de 2^000 rs., eslam-
padas em papel brauco.
paute ornen.___
I.KI N. 183, I)F. 7 Di: HKZKMIIRO DE 1816.
Manda considerar como matriz ta freguezia de Pasma-
mado a rapella dr S.-Confaloem llapissuma.
Antonio Pinto Chichorro da Gama, presidento da
provincia de Pernambuco. Foco snlicr i lodosos seus
IkiIitantos, que n assembla legislativa provincial
doorelou ceu snnccionci a resoluen seguinte:
Artigo 1. Fira considerada malviz da freguozio de
Pasmado a rapella de S.-Concalo da povoacSo de lta-
pissuma.
Art. 2. Ficno rcvogatlas todas as Iris e disposiges
em contrario.
Mando,portanto, lodas as autoridades, aquem o
conhecimento e cxocugiio da rele ida i esolueao per-
tencer, quea cumprlo e fagfto cumprir tito inteira-
incnte comonella secontm. O secretario interino
desta provincia a faca imprimir, puhlioareeorrcr. Ci-
dade (lo Itccife de IVi nanilnico, em 7 de dezemliro de
1816, vigsimo-quinto da independencia c do im-
perio.
I.. S. Jntonio Pinto Chichorro da Cama.
Caita de lei, pela qual V. Kxc manda excetitaro
decreto da assembla legislativa pro* incial, que hou-
vc por bem sanecionar, considerando matriz da fre-
"uczia de Pasmado a capel I a do S.-Concalo da po-
voacto de Itapissuma, como cima se declaro.
Para V. F.xc. ver.
Theodoro Machado Freir Per rita da Silra a fe?.
Sellada e publicada nesta secretaria da provincia
de Pernambuco, aus 7 de dezemliro de 1816.
Antonio Jos dt Utireira.
Registrada a folbas 7 do Hvro -2." do registro de
Iris, fino serve uesla secretaria da provincia de Per-
nambuco, aos 7 de dezemliro de 1846.
Manoel Jiitstdc Souza l.ur.a.
I.KI N. 181, I)F. 7 DK DKZK.VimO DE 1816.
Tramfcie jara a pnroaedo de Pedras-de-Fago, tendn
por matriz a caprl'a filial de i.-Antonio, a tedh da
frcgueiia di Itnwh
Antonio Pinto Chirhorro da Cama, presidente da
l-vovincia de Pernambuco. Fago saber todos os St ira
liabilantes, que a assembla legislativa provincial
decrclou e cu sanecionei a resolucfio seguinte :
Artigo nico. A sir.i da fregnezia lica transferido
para apovoacfiode Pcdras-do-Fo^o, gervindode ma-
triz a rapella lilial da nvocacSo de Santo-Antonio
dai|iielle lugar.
I iefo i evocadas todas as leise disposicOescm con-
trario
Manilo, portanto, a todas as autoridades, aquem
o conlieci ment c execugno darelerida resohic.Vi
hcrtenrer, que a cumprfioo fogio cumprir tilo inlei-
lamfcnle comonella se contm. o secretario interi-
no desta provincia a faca imprimir, publicar o cor-
rer. Cidade to Recife de Pernambuco, cm 7 de de-
/ inbro de 1816, vigsimo-quinto da independen-
| ia edolmperin.
I.. S. Antonio Pinto Chicharro da Gama.
Carla de le, pilaqnal V. Kxc. manda executar a
resoru^fio da assembla legislativa provincial, que
liouve por bem sanecionar, Iransferuulo a sede da
l'reguezia de llaiub para a povoacao de Pedras-de-
l'ngo, sarvindodo matriz acapella de Santo-Anionio
daquelle lugar, couioacinia se declara,
Para V. F.xc. ver.
Theodoro Machado freir Perda da Silra a fez.
Sellada o publicada nesta secretaria da provincia
Je Pernambuco, aos 7 de dezeinbro de isin.
Antonio Jote de Uliteira.
~^~~
Pava V. Kxc. ver.
Theodoro Alachado Freir Pereira da Silra a fez.
Sellada c publicada nesta secretaria do provincia
de Pernambuco, a(jj>7dedezQnibro,4ei8l6.
Antonio Jote de Utiveira.
Registrada a lis, 8 do livro 1' de registro de Icis,
que serve nesta secretaria da provincia do Pernam-
buco, aos" de dezcnibro de 18i>
Manoel Jos de Souia Luna.
(ovprno da provincia.
. tXPEDIESTE DE 12 DO C0I1UK.1TK.
rlcio Ao procurador da cora, fazenda e sobe-
rana nacional, exigindo scu parecer sobre um re-
querimetito (le Leopoldo Jos da Costo Arauio.
Hito--Ao presidente do concelbo gcral de salu-
bi idade, daudo-lbe faculdade |>ara enrommendar pa-
ra Franca urna caixa completa dcreagciites.
luKH no ut 11.
llicio Ao F.xin. bispo diocesono, dando-se por
inlerado de ter S. Kxc. du auscnlar-sc da capital por
plguns dias.
Dilo Ao Exm. comnindaiiic das armas, decla-
rando, que lie de tres iiiezcs, ecom vencimento de
sold, a I cene, que se conceder ao soldado volun-
tario do segundo b'alalbio de artilliaria a pe, l'raiik-
litu do Reg Ca\alcant.
Dito -- Ao inesmo, recommendandoa expediciiode
mus ordens, para que diariamente seja apresentado
um soldado de Miliaria aocomniaiidanle superior da
guarda nacional do Recife, cacada um dos ebefes
das duasdas respectivas Icpoes, que eslao dando a
buarnc!o da praga, ulini do conduzireni com a pre-
' isa promptido os ordens, que ellos bouvercn de
xpe.lir. Cuiiiniunicou:Se ao comniandante supe-
rior da guarda nacional do municipio do Recife.
DitoA'cmara municipal dcata cidade, n lei-
rando-a de baver designado OS engenbeiros Carvalno
Mendonca, Feliciano Rodrigues da Silva e l.ieuiliier
pora r.i/erem na casa.queso est construjndo em una
das esquinas da ra do Crespo, o exatne, a que se re-
fere o scu oOicio de 9 desle inei.
Dito -- Ao presidente da relagao, exigindo osen
parecer sobre um requerinienlo de llenrique Jos
llraynerde Souza Ranger.
Dito- Ao procjrador-liscal da llicsouraria das ren-
das provinriaes, ordenando, que proceda contra Ma-
nuel Joaquiul do Ileso e Albquerqiic, por nao baver
acabado a |ionte da Tacama dentro do prazo, esti-
pulado cm o contrato, que celebrou com a nicsma
lliesiiuraria, quando arremalou a factura da referi-
da ponte.
Kx|iedrao se as precisas ordens, para que essa
ponte fosse concluida por admini>Lraeao, na forma
do artigo I > capitulo 3.n, do regulainenlo das arre-
matarles.
Hilo Ao coinmandantc superior da guarda na-
cional do Recife, ordenando, faga dispensai dosel vi-
go ordinario ao solicitador da fazenda publica, c pen-
ga de um dos batallies da mesina guarda nacional,
Francisco Antonio Cousseiro e Silva.Conimnnicou-
se ao inspector da llicsouraria da l'azenda.
Portara Coucedendoa Theolonio Jos de Frei-
laa a demissao. <|iie pedir, do cargo de subdeegado
do piimeiro districto.la freguezia do Bonito. I'ar-
ticipou-so ao cbel'e de policio.
os glandes embaragos, com (pie lucia, pela falta das
mesmas plantas. Qu formule a requisieao dos 0U-
jectos, que lllO llie s."io neeessiirios, e a dirija ao pro-
curador para sasl'azer; c que a (amara nao pode
nnnuirquoas plantas saino do archivo da secre-
taria.
Entrando em discnsso o odicio do conceibo geral
de saliibridoile sobre a niatanca do gado, niandoii O
Sr. Dr, Aquino o seguinte rcquerimenlo, que fui re-
provado ; o logo deliberou a cmara, que lieosse a-
dadn a discussfldo mesmo oOlciu, para quando se
(lisciitirem as novas posturas
Hequeiro, que durante os tres uiczes, que de-
correul de boje em dianlc, a malanga du gado so seja
fe i t pela mantilla, comeganabas cinco horas meia,
e. le minando as-dez e meia.
Sala das conimissoes, 13 dfl dezembro de 18*6.
Aquino. n
Filtrando em discuasSo asno\,is posturas aproson-
todas peloSr. Aquino, resulveo a can.ara, que fos-
sem ellas discutidas, artigo por artigo, 0 que depois
de adoptadas fotisom a urna rommtssn para arfan
ja: a redaccTiO, de ('(Milovnidade com o vencido.
Procedeo-se a avrcmalaea'o do rnrnecimenlo de u-
zeile de nianiona, pava as luzes.da cadeia desta ci-
dade, anniiuciada para buje, sendo arrematante Jos
Antonio Rodrigue, que se offereceo a fazerdilo for-
necimenio por lempo do um anuo, prego de 1,880
rs. por caada, sendo rejeitadi a proposla, que, por
cscriplo, apresentou Domingos Ribeiro da Cunta 0-
liveira por 1,920 rs. por caada, os por lempo de
tres inezes
Pcspacliarfio-sc as peligres do Alexandre Amaro
Corris Gompanhia, Cuilbermc Collins Cox, llen-
rique Joi ge, oao Manuel Mendes da Cimba Azevcdo
oJoSo Pinto
En, JdiUi Jos l'erreha de /guiar, secretario a subs-
crevi.Carneiro Monteiro, pro-presidente. Cintra.
AVry. F.gidio Ferreira -- Aquino. Parata. --
Ayostinho dt Vanos.
Ha I I1
tiui. es a.
Srt. Redactores. lie sem duvida maravillia, que
um hoincm despejado, como o Sr. Victorino Jos Fer-
reira, inspector suspenso da alfandraa de Jaragua,
Sueira.comsua correspondencia inserta no ,'iariodr
'ernanihuro de 31 de outubro, ostentar anda de un
pela organisacaiide un de artilliaria, sol (iconiinaii-[t,ml,1V(.lli0 honwdo e cumplidor de seus deveres !
dodu barao deEolgosa. Assim, os dous han'es, queje nii,s maravilba be ainda ver como elle se inculca
nina renniSo de capitalistas para reduzir esto descon-
t ; mas be verdode, que una tal tentativa lem de
mallogror-se, qunndo urna compaiilna como esta ,
qoo nao piule solver os seus enipenbos, empresta ao
governo 300 conlos de ris antes de proceder a li-
quidagao de algtima porgfo dos seus dbitos. O
banco publico una cont corriente dos seus diversos
empenbos, com OS seus mcios creditorios iiaraos
conlrabalaiicar. e essa (unta mbslra um aaldofjbn-
sidevavel asen favor, incapaz coiisegiiintemeule de
realisar-sc j agora. A impciosa urgencia daocca-
Biro parece justiticar o avango feito ao governo, ain-
da que contra lodos os saos principios do systema
bancario.
Oexercito portugus permanece por ora fiel a raj-
aba, e ao governo Saldanba, com excepeoes, que,
comparadas com o lodo, sao insignificantes. I.vnva
pronnicioti-se, lia dias, contra o governo, maajO ba-
rdo Kslreinoz ludia marchado contra aquella cidade
com urna grande l'rga de Klvas e llstrenioz. O con-
de de Mellii e oulro olllcial deserlarao do scu regi-
ment na ulliiua d'aqiiellas pragas, e passar.'io-se
paia os insuvgenlcs de Kvova, mas nao podrflo se-
duzir iims soldado do regiment. Rl-rei lem an-
parecido as ras de Lisboa a covallo com o sen uni-
rorme de commaiidantc em chefe. do exercito, posto,
para que l'oi, lia pouco, nomcado, e os batalliocs de
voliinlarios teeni manircstado muito bous sentimeii-
tqs para comS. M., cujo cslado-moior ser com pos-
to dos seus antigos ajudanles de campo, 0 assim
nao acariciar nova despeza ao estado. Kl-rei, se-
gundo son novo carcter, insaeacionou o caslello e
a guarnigflo, 0 fo frequciitcmentc solidado.
I A larra dd L'erlo foi por decreto real declarada em
estado de bltiqueio, que sera mantillo pela corveta
ultima mente enviada pora aquella estagOo, e por (ni-
tros navios e vapores de guerra prestes a partir para
alli.
Aqu cliegou, no dia 21, da Madeira o brigue de
guerra Douro, trazendo a sen bordo oSr. Avila, que
Milln do sua rumniissfio de inquerito acerca dos,
faclos relativos violencia l'eita pessoa do Dr. Ka'.-
ley. Consta, que a cotila, que driles do, be destavo-
rmel as pretengOesdo Dr. governo portugnez. fre-
tou um cutre mercante o iuglcz para o Porto, o qual
seguio para alli cora otlicios, e continuar no servigo
do governo, sol a proleccao do bandeira inejezo.
(is botallies de voluntarios adlflo-so completos
EXTMilOR.
Registrada a lis. 7 verso do livro 2." de registro do
Jis, que serve nesta secretaria da provincia de Pe -
iiambucfli aos 7 de deztmbro de 1846.
Manoel Jote de Souza luna.
I.KI N. 18.-., DK 7 DK DKZK.MIUlO DE 1816.
Jtnoga o artiga 7.a da lei n." 44, ('- 12 dtjunho de 1837.
Antonio Pinto Cbicborro do Cama, presidente da
I rovincia de Pe iiainbuco. 1 ago saber a todos 0
laliianics, que a assembla legislativa provincial
decretoq, o eu sanecionei a rcsolucflo seguinte i
Artigo nico. Fica revogado o artigo 7." da lei n.
12 de jiiiiho de 1837.
Mando, portanto, todasasautodadea.aqueni a
(oiihecmcnto e oxccugfio da referida resolucao per-
lencer, que a cumprao e fagao cumprir lao inleira-
meiiloconiO nella sp conten. O secretario inlc ino
desta provincia a faca imprimir, publicar e correr.
Cidade doROcife de Pernambuco, aos 7 dios do mez
de dezemliro do 1846, vegesimo-quinto da indepen-
dencia e do imperio.
1.. S. Antonio Pinto Chicharro da Cama.
Carta de lei, pela qual V. Kxc. manda executar a
ivsolugao da assembla legislativa provincial, que
bou ve por bem sunccioiisr, revogando o artigo 7. da
b'i n. 44vde 12 de. junbote 1837, como cima sede-
clara,
PORTIXAI /
Concluso (la correspondencia do Tima.)
I.ISII'H, hAUUADO, 24 IIE OUTL'IlHO.
O estado do Porlo lio o de manifesla insurreigao.
O todo tas repartigoes publicas, iiicluindo os peque-
boa destacamentos do exercito, 0 dous dos vapores
do governo, eslao alli em poder dos insurgentes
Foi de Lisboa urna corveta fazer urna demonstracaO
hostil a borra do Douro, c l cliegou, lio dias. Os In-
surgentes rcinovCila o duque da Tevccira e OS uniros
seus dislinclos presos, do caslello da Koz para as ca-
deiasdo relagiio dentro da cidade, para que assim li-
cassein IVira do alcance de algum comij de main. Di-
zeni baver urna depulagilo da junta insurrecionaria
tido urna entrevista com o duque da Tcrccira, a qual
nenbum resultadoproduzio.
8." regiment de inl'antaria cliegou, ha dias, do
Algarvc a Lisboa pelo vapor Tercena, e foi bem re-
cebidopelo povo. .Mullos mancebos da cidade, que
se leorh alistado nos novos halalhoes de voluntarios,
marcharan na frente do regiment, pela maior parte
em completo uniforne. combinando una a rudeza do
recruta com o desabollo do cidadflo-soldado, mas
oulros com mui garboso porte. Dallas de mancebos
bem dispostos c assim restidos andavaode braco-da-
do pelos mas em lileiras, longamente eilendidai. Os
dill'erenles artistas, queseacliao em servigo do go-
verno, ja eompaem om lindo batallifle de perto de
1,500 bomens, e inonlo guarda em diversos pontos
da cidade. Toda a guarnigiio de Lisboa pode breve-
mente marchar com seguranga sobre Coimbra e Por-
to, tanto mais quanloesla cidode licara muito segu-
ra a cargo dos balalhes'de voluntarios e da guarda
municipal. Assim se obtera urna grande vaiilageni.
Sera infinitamente mclbor empregar a tropa regu-
lar ueste servigo remolo do que tentar mobilisar os
Corpos cvicos, cm quem nao lia muito que fiar.
Os pvincipaes setemhristas eslao todos escondi-
dos. Consta ler-se evadido o Cesar de Vasconcellos
pava Torres-Vedras, o o So da llandeira haver-se
Bualmente unido aos insurgentes. Jervis de Alogilia
[>i preso, ha urna semana pouco.mais ou menos, po-
ijmvoltdii no dio seguinte.
i ll'ectuarao o celebro conversilo ja se achilo ambo;
em eniprego militar.
(i \ .-conde de Viiihaes marcboii paro o Porto com
toda as tropas sob sen conimando.as quaes sSocom-
pustasdetnilaa cavallaria einlantaria deTras-os-Mun-
tes e Miulio ; c 0 i'." regiment de infantai euii a lio do crvente em Lisboa para Santarm.
haivode F.slremoz participa ao governo poroflt-
co de 20, que eslava quiltro legos distante de
Kvoro, o qual cidode elle atacara sem demora com
asna divisan, composla de cavallaria, infantera e
illiarla; e que asaltas tropas estilo possttidsa de
muito enlliusiasiiio em favor da rainha eda carta.
Kslfio-sc organisando halalhoes cvicos cm Kstremuz
e Compo-Moior.
Os destacamentos do 8." regiment, estacionados
cm Peniehe e Lourinhao, entrrAo em Lisboa a 20,
depoisdenni prospero encontr com u\\ guerra ha
miguelsla, de queja fiz mcngfio, no qual alein de
lite inat.irein lies guerrilhetrot, lizerilo quiltro prisio-
neiros, sem que un so soldado fosse [crido.
O Miao de boje publica noticias ofiiciaes aniiun-
ciaudo quo desde Venda-de-Figiu ivas al Corvo
nao se encontrn guerrilha alguma; e que se cspea-
va, que o conde das Aulas entrasse em Coimbra a
20. Islo favorece a piqbalibidadedc tornar-se eticas
boas. '
Nao ha noticias de Kvora; de sorteque o bario de
Estremuz nflo entrou naquella cidado nein sull'ocou
o revolta, como se esperara. O Vinbaes teni quatro
rgimen tos sob sen cominando, o contina asna
marcha para o Porto ; mas he impossivcl predizer,
se elle lem probabilidade de ser por ultimo bemsuc-
cedido.
0 regimentla, assim como o 9." c o 14., perma-
necen! liis ao governo.
Ogovernador civil da (Inania, diz o Diario, sa-
bio do cidade, e o povo cm gcral no toma parte na
revolta. Odinheiro torna-se cada dia mais escosso,
c os insurgentes apenas poder obter alli dguns
conlos do ris."-
PERiMAMBJCO.
Cmara municipal do Recife.
SESSAO i:\ritAOItDI.\ARIA DF. Li DK DEZEMBRO
DK 1816.
ritrsiiii.NU* noSEMion cahnkiro MONrp.mo.
Presentes os Sis. Cintra, Ncry, KgidioFerreira, A-
quino, Darata o Agostinho de barros, que, depola dj
juranientado na forma do cstylo, tomou assento, a-
brio-se a sessao, e foi lda e ap|irovada a acto a ante-
cedente.
O secretorio leo um oflicio do Exm. presidente da
provincia, participando baver nomcado aos enge-
iiheiros Joaquim Ignacio de Carvalbo Mendonga, re-
liefano Rodrigues ila SUlva e Liouthier para procedo-
rom ao exame, de que trata o olllcio deslacamara,de
ido corrente. Inleirada.
Oulro do cordeador, requisitando alguns objec-
tos, quo lhe sao ncccssai ios para o desempeuho de
atrs hincgOes c pedindo ao mesmo tempo, quo lhe
O descont dos notas lio banco de Lisboa est ou- fossem confiadas' s tolhas das plantas da cidade,
Ira vez o 6d0 rs, Fez-se una tentativa de convocar para tirar copias dellas, e t<>-lascm scu poder, visto
pre/ador da opinio publico Se o Sr. Victorino Jo-
s Ferreira he csse bomem, que pieza a oniniflo pu-
blica, como lem sua vida rcebeiada de tantos faclos,
que a cada passo o desnienlcui ? Deixc o Sr Victo-
rino de hypocrltadiente sfljnlgardc tal modo conhe-
cido, (|ii(; nao pruduzao cllitu as vevdades, que elle
chama mal cabidas insiuuagocs, insertas no n. 218
do jornal de Pernambuco, e pora o que se anticipa
a rogar ao respeilavel publico, que suspenda qual-
quer juizo,que por ventura possa fazer acerca do pro-
cesso de rcs| ousahilidodc, que se ocho instaurando
no juizo de direilo da cidode de Mocei : pois bem,
Si. Victorino, demos de barato, que o publico lhe
fizesse csse favor, at quo, como pede, os documen-
tos de denuncia e queheasde suas prevaricagoes chc-
gassem a sersubmellidos a analyse c vistas de um
juiz, cujosaltribiitosdcjusligae niparcalidadesao,
ha milito, reconheeidos por nos e pelo Sr. Victorino,
que proprin confessa, que este mesmo juiz he inac-
eessivel a quaesj|iier meios indignos, c que ningucm
poder cnibaciar o brilho de sua dccisiio : estamos
conformes ueste juizo.: he islo mesmo, quedeseja-
mos, que o Sr. Victorino reconhega, para termos
mais nina prova de sua bypocrsia, C da juslica dos
cloiniircsdo coininercio nbigoano : sim, essa deci-
sao ahi esto no cortorio do cscrivfio Araiijol.ima ; o
rltem niois se pego suspensfio do juizo do publico a
respeilo (lequeni he o inspector prevaricador Victo-
rino Jos Ferreira: esto Sr. fo, por despacho do mes-
mo Sr. doiilorjuiz de direilo Tellcs de Menezes, a
quom nao cansn de queimor inceusos, pronuncia-
do, em 28 de novembro possado, e julgodo incurso no
artigo 154 do cdigo peol, o mais favoravel, que lhe
poda ser 1.ingada esta pvonuncia, quondo cunl'essa
o mesmo Sr, doutor juiz de direilo, que o reo Victo-
rino Jos Ferreira nao so lem desresponsabilisadode
ter feito fra da alfondega o despacho da caixinha de
folln com joias pertenecidos a l.e'io Sorfalj; e o des-
pacho da galera ingle/a hvnside, feito no segundo
trapicho sem as formalidades legaes, etc., etc. E que
dir agora o Sr. Victorino;' Allegara ignorancia, des-
cuido, frouxidfio, negligencia, ou ouiisso, elle que
scjulga um exacto cumpridor dos regulamentos, e-
3ua tenia insolencia de dizer, que se pretendo asna
ostituigao do emprego do inspector da alfandega,
por assim convir aosinteressos particulares de meia
duzia do pessoas, que se dizcm commercantcs na
braga do UaeeiJ s: que consograo nina justa aversao ao Sr. Victorino Jo-
s I ervei.a: be o corpo commercial inteiro da provin-
cia das Alagoas, sao quasi todos os agricullores, para
Cujas elasses tem o inspector suspenso sido um algoz,
vexaiiilo-o com brutaos docises oca|irichos, dando
asen bel-prazcr em um inesmo dia as inlerpctragflcs,
que quer, a qualquer artigo dos regulamenlos, que
sua desmiolaiio cubega nao enlonde, ou finge no
eoiiiprelionder. Se o publico quer ver, qual he o ver-
dadeiro o real oonceito, cm quo he tidooSr. Victo-
rino lea os documentos abaixo transcriptos : o pri-
meiro, he um olllcio do actual Exm. presidente da
provincia, e:u que, informando o Exm. ministro da
fazenda quem he esso Victorino, diz: piimeiro, que
desde o dio de sen dcsmiibaiipie uesto provincia tem
recebido queixas quasi diariamente contra o dito
Victorino, quer relativas ao exercicio do Mu empre-
go, qur por motivos de rixas particulares, j com
empregados seus, c j com os despachantes; segn-


do, que fez suspender um proeesso erime eonlra o
mesmo Victorino, tentado por calumnias e injurias ;
terceiro, queesse inspector he geralmento odiado,
que he homem de genio violento, e de llngna ferina,
e por conseguinle improprio para ser chefe de urna
repartieflo: o segundo documento, he um aviso do
proprio Exm. ministro da fazenda, em qucojulga um
verdudoiro prevaricador, quandodiz, queotuecons-
ta das infortnaces e documentos juntos consiste em fac-
losde verdadeira prevaricscilo. Se, pola, esta tilo de-
monstrado quem he o Sr. Victorino Jos Ferreira, o
que pretende elle com sua correspondencia citada?
Conhecido esta, pois, por domis o Sr. Victorino;
e piucas deve dar Providencia om ser apenas julga-
doincurso no artigo 154 do cdigo penal: naopi-
niflo do Kxm. ministro da fazenda, o Sr. Victorino dc-
vra estar incursu as penas do artigo 129, que he o
consagrado aos prevaricadores, que bem definidos
estro no mesmo artigo 129, que evidentemente com-
prehende o Sr. Victorino nos paragraphos 1 e 2 do
mesmo artigo.
Um immigo de prevaricadores.
nOCUMEKTOS.
Illm. e Exm. Sr Km resposta ao oficio de V.
Exc remetiendo a inclusa denuncia dada contra o
inspector da alfandega desta provincia, Victorino
Jos Ferreira, tenho de informara V. Kxc. : primei-
ro, que desde o dia do meo desembarque nesta pro-
vincia, tenho recebido queixas quasi diariiiincnle
contra o dito Victorino Jos Ferreira, qur relativas
ao exercicio de sen emprego, qur por motivos de
mas particulares, j com empregados scus, e ja com
os despachantes : segundo, que acerca do fado, de
que especialmente he acensado na denuncia inclusa,
remello a V. Exc. os documentos, que a esse respeilo
ja eu tinha cnlhido, para proceder conforme julgas-
se conveniente, com mellior conhecimento de cau-
sa. Nada at o presente tinha eu dito contra esse
empregado a V. Exc, porque, diicndo-me elle se'm-
pre, que os motivos de sua persegualo crflo por-
gue so quera cumprir exactamente oregulamcnto
a alfandega, queria eu dar mais nlgum lempo pa-
ra capacitur-me inleiramenle da veraciilade das mili-
tas .>eriisaces, que contra ello tenho, a ponto de
haverfeilo com que o subdelegado dejaraguat lu-
gar da alfandega, suspendesse, ha pouco, um pro-
resso crime contra o mesmo tentado por injurias e
calumnias. Kinfim nflo pnsso dizer, que seja preva-
ricador ; mas o que he certo e afllrmo a V. Kxc. he,
que o luspector da alfandega he geralmcnte odiado,
e que sua existencia neste lugar corre perigo ; toado
ja soflrido um insulto, e andando ao depois com um
soldado, para o guardar : o que se me diz he, que he
homem de genio violento, ede lingoa ferina, e por
conseguinle improprio para ser cln fe de urna repar-
tieflo.
Dos guarde a V. Exc. Palacio do governo das
Alagoas, 12defevereiro de 1846. Illm e Exm Sr.
Manoel Alves Rranco, ministro e secretario de esta-
do dos negocios da fazenda. Antonio Manoel de
Campos Mello.
aviso.
Illm. e Exm. Sr. Remeti a V. Esc. todos os
papis, que existen) nesta secretaria de estado, e
constao da rel.ico junta, a respeilo de aclos prati-
cadps pelo inspector da alfandega dessa provincia,
Victorino Jos Ferreira; alim de que, na formados
pareceres dos memhios do tribunal dolhesouro, se
Ihe faca eflerliva a responsabilidade, porque o que
consta ilas iiiformacOes e documentos juntos censiste
em Tactos de verdaneira prevaricaeflo
Dos guarde a V. Exc. Palacio do Itio-de-Janei-
ro, cm 25 de maio de 1846 Antonio Francisco de
Paula t Hollando Cavalcanli de A/buquerque.Sr. pre-
sidente da provincia das Alagoas Cumpra-se e re-
gistre-sc Palacio do governo das Alagoas, 8 de iunho
de 1846.-Coso,

;
"ubi cacao a pedido.
Ao Illm. e Exm. Sr. concelheiro Antonio Pinto Clii-
chorrodaGama oFcroee os documentos abaixo in-
sertos o
Botflo de estrellas.
n Illm. e Exm. Sr. --V. Ex. dignar-se-ha fazer co-
nhecer aos corpos da forra actualmente em armas
nesta capital, que o vice-consul francez nesta cidnde
tem solicitado deste governo a derlaracfln das ex
pressoes de sua graldo para com os mesmos cor-
pos, c particularmente para com o destacamento,
que foi incumbido de guardar a sua residencia, pelo
zelo e respeilo, que jamis cessrfio q\e testemunhar-
Ihe, em todo o lempo que durou a crisc, em que se
achou a capital pela provocado lusitana : e he bem
provavel, que V. Ex. fara tambem conhecer aos mes-
mos corpos, que elles se leem feilo merecedores des-
te, e de outros elogios, que lhe rende o publico sen-
sato da capital, e especialmente o corpo consular, e
do commercio estrangeiro, pela sua bem patento con-
ducta morigerada, c desinteressada; convindo que
elles sustentem sempre est conducta, como una
prova incontestavel, que ofjferecem, contra o que
i calumnia e perversidade depunhao em scu des-
aboito.
a Dos guarde a V. Ex. Palacio do governo do Pa-
ra, 24 de abril de 1833. ~ Illm. e Exm. Sr. comman-
dante das armas, Antonio Corra Sera. Jos Joa-
quim Hachado de Oliveira, presidente.
Illm. e Exm. Sr. -- Em resposta ao officio, que
V. Ex. me dirigi nesta data, exigindo de mim lhe
declare, se desde o lempo, que exerco o emprego
dejuiz municipal nesta eidade, tem apparecido al-
giinia representaeflo ouqueixa.de bavor-sc.no dia 16
de abril e seguintes, roubado ou saqueado, alguma
casa, ou violentado alguem para exlorquir alguma
sumira de dinbeiro, ou cousa que o valha ; sobre ru-
jo obji'rlo |iasso a derlarar a V. Ex., que nenbuina
queixa ou representaeflo tenho lido a tal respeilo, e
ninguem haveria, que tanto se atrevesse, sem cahir
na infamia do mais vil calumniador.
Dos guarde a V. Ex. Para, 29 de agosto de 1833.
--Illm.*Kxm. Sr. conimandantc das armas desta
provincia, Antonio Corra Sera. Ignacio de Souza
ristra Lima, juiz municipal desta eidade.
Illm. e Exm. Sr. Altamente convencido de
que he do mais rigoroso dever do homem probo
lazer desappareccr a calumnia, peculiarmenle quan-
do ultraja a honra, denigre a reputaeo e ataca o
melindre de um cidadflo, constituido em emprego de
altaqualidade; mo posso, nem devo eximir-mc de,
era resposta ao oflicio, que V. Ex. me dirigi, datado
uehoje.'cm o qual exige, queeu declare, se como em-
pregado na judicatura, ou poroutra qualquer via, me
constara ter havido, no dia 16 d'abril ou nos ulterio-
res, arrombamento de portase roubos, ou fosse vio-
lentado algum negociante, logista ou taberneiro,
dar, ou contribuir comdinheiros, fazndas, ou ou-
tros quaesquer artigos de valor, asseverar a V. Ex.,
que nada rliotrou ao meu conhecimento a tal respoi-
to, sendo, pelo contrario, publico e notorio, que se
nflo tocara em cousa alguma, que pertencente fosse,
assiui a individuos daquollas profisses, como a de
outrasdillerentes.
heos guarde a V. Ex. Para, 28 de agosto de 1833.
Illm. c Exm. Sr. Antonio Correa Seara, comman-
dante das armas. -- Manoel llernardino de 3ouza Fi-
gueiredo. s (*)
Vice consulado britannico. Para, agosto 13
1833.
Illm. e Exm. Sr. -- Tive a honra de receber o of-
ficio de V. Ex. ,de 22 do corrento, me pedindo, emra-
sflo do meu emprego publico, explcitamente de de-
clarar, se no dia 16 de abril ultimo, ou qualquer
lempo posterior, foi saqueada alguma propriedade
pertencente a subditos britannicos, residentes nesta
provincia, ou sealguns delles forflo coagidos a dar
dinheiro, ou qualquer genero da sua propriedade,
como se tem inculcado por meio de um cerlo im-
presso publicado na provincia doMaranh.lo.
Em resposta ao qual tenhode declarar,que. Ion-
ge de tal ter acontecido, tenho presenciado o maior
respeilo mostrado aos subditos doS M Britannica,
c um cuidado zelozo, da parte das autoridades cons-
tituidas aqu, de proteger as vidas c as propriedades
delles, dasdesordens, que infelizmente teemallligido
esta eidade.
Aproveito-mc desta occasiflo de reciprocar com
V. Ex. a minha asseguranca de respeilo e conside-
radlo ; e tenho a honra de ser de V. Ex., ltenlo ve-
nerador e criado, John Heskelh, vice-consul britan-
nico.
o A'S. Ex. o Illm. Sr. Antonio Corroa Sera, com-
mandantc das armas na proviucie do Para.
O abaixo assignado, negociante americano, eser-
vindo como agente consular na provincia do Para,
teve a honra de receber a carta deS. Ex. o Illm. Sr.
A ntonjo Correa Sera, general de armas desta pro-
vincia, datada de22 docorrente; oein resposta mui-
to sent dizer, que mo esta em seu poder responder
oflicialmenle a estimada carta de S. Ex. Elle abaixo
assignado, nflo lendo at hojo sido reconhecidocomo
agente consular americano por S. Ex. o presidente
desta provincia, poim individualmente elle toma
grande prazerem certificar o respeilo mostrado aos
americanos residentes nesta eidade, antes e depois
de 16 de abril passado. Estes nao tendo, ao seu co-
nhecimento anda, nem em referencia aos livros des-
te consulado, se podeachar exemplo algum depen-
da de propriedade, por roubos, ou violencias soflri-
das por insultos a nenbum dos cidados americanos,
entilo, c boje residentes nesta provincia. O abaixo
assignado faz lembrar a S. Ex. o ser improprio diri-
gir-seanSr. A. Itussel Smith, presentemente resi-
dindoemMaranhflo, o qual foi cnsul dos Estados-
Unidos, por um longo periodo, at odia 4 de julho
passado, quandodelle recebi a nomeaefn de agente
consular.
a O abaixo assignado aproveita-se desla ocea-
ziflo, para offerecer a S. Ex. a seguranza da sua mais
alta eslima e respeilo, o espera, que a sua ignoran-
cia do idioma portuguez portuguez seja urna sulli-
cicnte escusa, para ello nflo se ter dirigido nesta
commuiiieac/io. Para, 24 de agosto de 1833. H.
Kelly orning. a
Illm. e Exm. Sr. O abaixo assignado, vice-con-
sul de S. M. Fidelissima, eagente consular deS. M.
o imperador de todas as Kussias, tem a honra de ac-
cusar a recepeflo da ola, que S. Ex. oSr. Antonio
Correa Sera, comniandante das armas desta provin-
cia, lhe dirigi em data de 22 do corrente, e em res-
posta tem a declarar a S. Ex., que nflo lhe consta,
que nenhuma das propriedades dos subditos das duas
nacoes, de que he vice-consul e agente consular,
fossem saqueadas nesta eidade, no Jia 16 de abril pr-
ximo passado e seguintes, ou estes coagidos a ceder
olguma somma ou gneros da mesma.
O abaixo assignado aproveita esta occasiflo para
reiterar S. Kx. osseus protestos de consideraeflo
c respeilo. Para, 23 de agosto de 1833. Francisco
Gauaencio da Costa.
Navios sahidos no mesmo dia.
Baha; brigue inglez Queen, capitflo James Wright,
carga a me'sma, que trouxe.
Genova; patacho sueco Aqncs, capitflo E. P.Vicks-
trom, carga assucar. .t
dem; escuna ingleza Harrict, capitflo Williams, car-
ga assucar.
ObservacSo.
Fundeou no lameirflo,para acabar de carregar.a bar-
ca sarda IFoininfon, capitflo Antonio Coplo.
Kdiat'S.
O abaixo assignado, vice-consul de S. M. o re
dos l'i ancezes nesta eidade do Para, teve a honra de
receber anota de 22 docorrente, que S Ex. o Sr.
commandante das armas desla provincia lhe dirigi,
e, segundo os desejos deS. Kx., tem a honra de de-
clarar, que, no dia 16 de abril de 1833 e nos seguin-
tes, nflo tem chegado ao seu conhecimento, que ne-
nhum roubo, delapidaeflo, ou violacSo de domicilio,
tem sido commellido, para com as diversas casas de
seus nacionaes c slabelecidos nesta eidade.
u Nflo tem sido igualmente dirigido ao consulado
nenhuma queixa, que exigencias de dinheiro ou mer-
endonas se lenha praticado, para com algum Francez
desta residencia, em 16 de abril ultimo, anterior-
mente, ou posterioi nienle a esta poca.
O abaixo assignado, pensando por este modo,
tem respondido a ola de S. Ex o Sr. commandante
das armas, approveita esta occasiflo, para asseve-
rar a S. Ex. do seu respeilo e considerarlo. Para,
aos 23 de agosto do 1833. ~ Prudent Crouan, vice-
consul.
_____ (Continuar-se-hu .
COMWEPXIO.
Allandega.
REND1MENT0 DO DIA 18.......
DESCA!IIF.r.AO IIOJF. 19.
Brigue inglez Thumai-Mellurs carvflo
Ksciiiia-.-7>/e/ivipA(,~laiinha.
BarcaGti,bi> mercaduras.
BarcaZiiaidem.
7:120,651
e ferro.
Consulado.
RKNDIMI'NTO DO DIA 18.
(eral............
Provincial..........
Diversas provincias.......
6:175,879
2:689,029
75,132
8:940,040
Jlloviiiunto ilo Torio.
Navio entrado n dia 18.
Terra-Nova; 32dias, brigue inglez Queen, de 157 to-
neladas,capitflo James Wright, equipagem 11, car-
ga 2036 barris com bacalhao; a M.g Calmont & C.
Miguel Archanjo Monteirode Andrade, oficial da impe-
rial ordem da Rosa, cavalleiro da de Cnriito inspec-
tor l alfandega, por S. M. o Imperador etc.
Faz saber, que no dia 19 hoje) do corrente, se hilo
de arrematar em hasta publica, na porta da mesma,
cinco adereces deouro, seis duzias de botOes para
abertura, vinte equatrocorreles para relogio, lu-
do no valor de 450,000 rs.; e vinte e quatro lencos de
cambraia de linho, no valor de 30,000 rs.; impugna-
dos pelo guarda Antonio Lopes Pereira de Carvalho,
no despacho por factura de DidierColombiez &C:
sendo a arrematacflo subjeita a direitos.
Alfandega, 18 de dezembro de 1846. Miguel Ar-
canjo Monteirode Andrade.
O )r. Jnt ThotnaiNabuco de Araujo Jnior, /dalgo
cavalleiro da casa imperial, cavalleiro da ordem de
Chrislo, e juiz de direito da segunda vara do civel, e
provedor de capillas e residuos desta eidade do Kecife
de Pernambuco,e seutermo porS M. o Imperador,etc.
Determina, que as confiaras, sem excepeflo das
ordens-terceiras, Ihcapresentem no prazode 8 das,
que Ihcs assigna.os compromissos.pelos quaes se re-
gem, para que elle proveja, como Ihecumpro, a res-
peilo das ditas confrarias, e s'ejflo os referidos com-
promissos registrados nolivro competente, eoutro-
sim, que no mesmo nrazo as mencionadas confrarias
Ihes apresenlem tambem os tombos dos bens dellas:
sendo que pela omissflo ou desobediencia deste
proceito proceder o mesmojuz contra ellas,confor-
me a ordenactlo do livro 1.* titulo 62verso : =Capcl-
las, hospitaes, albergaras, e ronfiaras=.
E para constar, mandn publicar este edita!.
Recife, 1." de [dezembro de 1846. Eu, Galdino
Themytocles Cabralde Vasconctllos, osubscrev.
Jos Ihoma: Nabuco de Araujo Jnior.
Ao sello 100 rs. Valha sem sello, ex-causa.
Nabuco de Arau)o.
"O Dr. Jos Thonuu, etc.
Determina, qucosadmnistradorcsdecapellaslhes
apresenlem, sob as penas e procedmenU, determi-
nado na ordenaeflo livro 1.* titulo 62, as institucocs
dascapellas, que admnislrflo, e islo dentro do pra-
zode 8 das, que Ihes assigna.
E para constar mandou publicar este edital.
Recife. de dezembro de 1846. Eu, Galdino Tht-
mystoles Cabral de Vasconctllos, o subscrevi.
Jos Thomat Nabuco de Araujo Jnior.
Ao sello 100 rs. Valha sem sello, ex-causa.
Nabuco de Araujo.
O Dr. Jos Thomaz, ele.
Faz publico, que as arrematarles do juizo terffo
lugar agora na sala das audiencias, e depois dellas.
E para constar mandou publicar este edital.
Recife, 9 de dezembro de 1846.
Jos Thomaz Nabuco de Araujo Jnior.
O doutor Jos Thomaz etc.
Faco saber em como porestejuizoscha de arrema-
tar cm leilflo publico, nodia 19!hoj) do corrente urna
taverna, com gneros e seus pertences, sita na ra
da Gloria, n. 67, penhorada a Joo Manoel Franco,
porexecuijflo de Manoel Antonio Concalves, e Luiz
Jos Pereira Simoes, e oulros. E para que chegue ao
conhecimento de todos, mandei passar o presente,
3ue ser alxado nos lugares mais pblicos desla ci-
ade, c publicado pela imprensa. Dado e passado
nesta cdde do Recife de Pernambuco, sob meu
signal e sello deste juizo, que ante mim serve, ou
valha sem sello ex causa, aos 16 diasde dezembro de
1846. E eu Manoel Jos da Motta, escrivflo o subs-
crevi. Jos Thomaz Nabuco de Araujo Jnior.
Ao sello 100 rs. Valha sem sello ex causa. Nabu-
co de Araujo.
'*; EntSo juiz de direito da eidade de Belm.
O presiden le dn junta qualificadora da parochia dos Afoga-
dos, em eumpnmtnlo do artigo 4." da ieidt 19 de agosto do
corrente anno, convaca aos _r. eleitnre e evpplenle abai-
xo declarados, p.irn catnparecerem na terceira domingo de
Janeiro do anno prximo rindouro, ai 9 Acra do dia. na
igreja motril dos Afogadoi, para ahi exereerem as funecies,
que a mesma Ici thci leem designado.
F.I.EITOHES.
1 Tlioui- Crrela de Araujo.
2 Manuel Cavalcanli de Albuquerque.
4 Dr. Lula do Carvalho Paes de Andrade.
5 Francisco de Paula Crrela de Araujo.
B
7 Francisco de Carvalho Paes de Andrade.
8 Miguel Archanjo Poslliumo.
9 Fraucisco Luis Macal Vianna.
10 Adelo Antonio de Morar*.
11 Amonio Cuncalvcs de Moraes.
12
13 Pedro Cavalcanli de Albuquerque.
14 Jo,id Allantarlo Camello Pi soa.
15 Manoel Joaquim Antunes Crrela.
10 Seineao Crrela Cavalcanli Macainbira.
17 Fraucisco XavierCarneiro Mus.
IS
19 Francisco das Chagas Cavalcanli.
20 Jos Joaquim de S.iul'Aiina Fratao.
21 Jos anuario de Carvalbo.
23 Ment Handeira de Mello.
24 Jos Antonio Corrcia Gomes.
25 Uenln Francisco de Faria Torres.
20 Thropliilo de Souza Jardlm.
27 Francisco Ferreira de Alcautara.
28 Francisco Joaquim Machado.
29 l.ull (lo.lli'no darrelo.
30 Manoel Coi rea Comea,
SIIPI'LENTES.
! Camilo Jos Vello/o da Silveira.
2 Joaquim de Almeida Calanho.
.'i Francisco Carneiro Machado Rios.
4 Joaquim Ignacio de Barros Lima.
5 Maiun I I lumia/, de Barros Campello.
fi Laurrnlino Amonio Pereira.
7 Manuel Cimiente de Almeida Gataulio.
8 Padre Jos dos Sanios Fragoso,
t,
10 Joaquim Camilo de Figurlredo.
11 Jos Rodrigues de Oliveira Lima.
12 Joao Carneiro Rodrigues Campello.
13 Firmiiio Throioiiioda C. Santiago.
14 Bernardo Damiao Franco.
15 Jos Vicira Brasil,
16
17
18 Miguel Rodrigues da Silva Cabral.
19 Vicente Jos da Costa.
20 Antonio borges Lcha.
21
==_=5=_aa$
23 Ignacio Alves Montelro.
24 Francisco de Paula Rocha.
25 HigmoXavier de Miranda.
26 JoscLaurcntiriodeAMvedo.
28 Simplicio Rodrigues Campello.
29 Jos Joaquim Umbrlino.
30 Dr. Del fino Augusto.
Freguezia dos A fogado, 12 de dezembro de 1846.
Manoel Joaquim do Reg e Albuquerque.
Ocidadila Antonia Carneiro Machada Rios, jais de podo l.
dislrietn til (rrgaezia da Roa- Vista, em virtude da lei, tic.
F.m conformiilade do artigo 4.* capitulo 1." da Iri n.
387, de 19 dr agosto do corrente anno, enroco aos ci-
dadaos abaixo horneados, como eleitores e supplentis
de cleitorrs da inesma fregueila.para que, em a Irrceira
dominga de Janeiro prximo futuro, couiparccaonocot-
po da igreja matriz, alim de proceder-sc formacHo da
junta de qualificaco, que, na conformldade do anigo
I.*da citada le, tem deformar a lista geral dos cilla-
daos, que ti verem direito de volar na rlcicjo de eleito-
res, jui7.es de paz e vereadores da cmara municipal,
iLEiroaisos semiiom.
I
2
3 Clorindo Ferreira Clao.
4 Joao Manoel Men-lesda Cunha Atevedo.
5 Joaquim Jos da Costa.
6 Joaquim i'-arneiro Mach do Rios.
7 F.varisto Mendcs da Cunha Aievcdo.
8 Simplicio Jos de Mello.
0 Jos Antonio dos Santos c Silva.
10 Dr. Ignnrlo Nerv da Fonseca.
11 Antonio Goncalves Ferreira.
12 Antonio bernardo Rodrigues Settr.
13 Jos Marinho Pereira dos Sanios.
14 JoSo Pacheco de Queiroga.
15 Francisco Jos da Costa Guimarars.
16 Dr. Pedro Autrain da Malla Albuquerque.
17 Visconde de Goianua.
18 Manoel Jos Vieira da Silva.
19 Amonio Jos Ribeiro de Maccdo.
20 Jos. Francisco Lavra.
21 Jos Joaquim Uncir Cavalcanli.
22 Joao Montelro de Andrade Malviuas.
23 Francisco Martlns Raposo.
24 Tenentr Pedro Alfonso Ferreira.
25
36 Jos Marques da Costa Soarcs.
27 Pedro Ivo Vellozo da Silveira.
28 Tenente-ooronel Fernando Luiz Ferreira.
29 Luiz Rodrigues Selle. ^ ,
jW Manoel do Nascunento da Costa Montelro.
3| Francisco de Barros Corrcia.
32 Desembargador Gregorio da Costa Mina Belmont.
33 Porlirio da Cunha Moreira Alves.
34 Jos Francisco de Sousa Lima.
35 Jos Pacheco de Queiroga.
"'6 Manoel Ellas d.- Moura.
37 Amonio Manoel de Moraes Mcsquita Piiieiitel.
38 Marcellino los Lopes.
SlirVLENTESOS SENHORES
1 Alexandre Carneiro da Cunta.
2 Jos Apollinario da Cunha.
3 Hento Jos da Costa.
4
5 Patricio Jos Borges.
6 Brlgadriro Alrlxo Jos de Oliveira.
7 Manoel de Mello c Albuquerque.
8 V cenle Antonio dn Kspirilo-Santo.
9 Amaro de Hanos Coi rea.
10 Padre Miguel do Sacramento Lopes Gama.
11 Tenerle-eoronel Antonio Germano Cavalcanli.
12 Major Joo Pedro de Araujo Aguiar.
13 Antonio Carlos dr Pinho Borges.
14 Antonio Jos l'amleira de Mello.
15 Caelano Mrndes da Cunha Aievedo.
16 Dr. Clemente Jos Ferreira da Costa.
17 rinciicndc Pala Freir.
18 Francisco Ignacio de Atbabyde.
19 Dr. Antonio Perigrino Mariel Montelro
20 Manoel Paulo Quiutella.
21 Joao Goncalves da Silva.
22 Desembargador Antonio lunado de Ateredo.
23 Jos dos Santos Nunes de Oliveira.
24 Antonio Pedro deS Rarrrto.
25 Manoel Caelano Soarcs Carneiro Montelro.
36 Desembargador Manoel Rodrigue Villares.
27 Sebastiilo do Reg barros.
28 Joao Valeulim Villela.
29 Dr. Joao Jote Ferreira de Aguiar.
30 Padre Domingos Germano Alfonso Regueira.
31 Dr. Jos KusUii|Uio Gumrs.
32 Francisco Rodrigues Selle.
33 I.uu Gomes Ferreira.
34 Manuel Cocido I inlia.
35 Domingos Alfonso Ferreira.
36 Luiz Amonio Rodrigues de Almeida.
37 Dr. Francisco Juflo Carneiro da Cunda.
38 Padre Venancio Menrique de Rrzende.
Os quaes todos tleveru comparecer Iinprelerivelinen-
te as 9 horas da mandila, lie ando os que deisareiu de o
l.i/er sem escusa legitima subjeiloi a mulla coiuinin.nl.>
uuarligo 126 5.a n.2 oque para constar, inanilci fazer
o prseme edital, que ser allisado nos lugares pblicos,
e publicados pela n.piensa.
I'iiinciro disiriclo da fregiieiia do Sacramento da i'oa-
Vlsla, 5 de dezembro de 1846. Ku, Francisco de Hsrroi
Corrcia, escrivau, o rscrevi.
Antonio Carneiro Machado Rios,
Juiz de paz.
Deca raides.
O escrivflo e administrador da mesa de rendas
internas provinciaesdesta eidade, vendo que tecm
comparecido na dita mesa muito poucas pessoasa
saiisfa/erem a dcima de suas propriedades us 3
bairros desla eidade e povoacflo dos Afogados pre-
vine aos Srs. proprielariog que nBo se guardem to-
dos para comparecerem a salisfazer o semestre, que
se est arrecadando nos ltimos dias, em que ex-
pria o prazo da airccadaeflo, sem oonusda mulla
de 3 por cenlo, porque muito difliculloso sera nos
ltimos dias poder dar-se expediente, pela grande
aflluencia, que necessariamente ha de iaver,do ron-
(ribuintcs. Recife, 14 de dezembro de 18*6. Clo-
rindo Ferreira Cali, escrivflo e administrador.
'22 Jos da Resurreicao Costa Campello.
A adniinistracflo da coinpanliia do Rcbcribo con-
tratar a arrecadaeflo da laxa na caixa d'ogoa e nos
cliafarizes da Soleilade e da praca da Roa-Vista por
lempo de 6 mezes, acontar do primeiro de Janeiro
prximo futuro cm diante i os prelcndenles podeiT
remetieras suasproposlas, cm carias fechadas, ao
secretario da cumpanhia, at odia 20 do corrente,
declarando logo os scus fiadores. As mesmas pro-
postas serflo aberlas no dia 23, em presenra da ad-
_ ministraeflo, e se far o contrato com quem mais der
e mellior garantas ollererer.Escriploro da com-
panhia, 9 de dezembro de 1846.O secretario, '
Femandes Vatros,


IfcfiA
,3,
FESDIMENTO POS CnAFARIZRS, ECCNI'O A ARECAOA?*0
FEITA LOS BNCABREGAOOS PO COSTA DX COlllMIUIlA.
t.hafariz da pra(a.
Junho 30-118,580
Jullio 31-U3.01O
Agosto 3I-I1!),:i!(>
Selhr." 30-139,:ito
Outbr.* 91-152,820
Novbr. 30-139,380
Somma 782,550
n da caixa. dem da Soltdade.
77,370 22,000
59,830 lfi,960
71,870 18,010
110,560 22,770
134,6 24,500
127,980 16,000
582,200
120,210
O caixa da companhia de Beberibe adverte aos
Vrs. accionistas que anda nio compietrf(o suas
oii.f.ta!i ('ueo.devemf''^rqantoantes; pois que
? i pP?Ur ?uas conU*' c ,l!i0 P**1 P"" mais
t.Ei contemplacnocom empate dos seus ndian-
tamento.-. necife. de dezembro de 1846 -O
cana, Mmmoel Gonfatve$ da Siltm.
brilhateTheseimo
NO
Theatro publico.
O director, coadjuvado pelo Sr. Montciro, insigne
artfice do logo assaz acreditado nesta capital, a pre-
sen tara pela primeira vez neste theatro o drama-
Vl-, j~ .ad0 da sKd Escriptura, ou a -Re-
bel nfio dos anjos maos, cujo chofe he l.usbel, contra
ohierno, cuja causa defemle oarchanjo S.-Miguel
clu-re dos anjos bons; e porque seria ridiculo spre-
sentar armas terrestres, eni un combalo celeste, sc-
rao as espina Je fogo as nicas armas, que devem
apparecer nesta vistosa scena, que se llgura passada
W.TS60 ~" 0Sr- Mon|e'"o, desenvolvendo a sua
iiabilidade, apresentar os nnjos bons armados de es-
pada de rogos de diflerentes cores, no mesmo lem-
po que os anjos maos igualmente armados, voz
da graca, as suas espadas se offusefio e se tornflo im-
potentes. O emblema doPadre-Eternoser a-
dornado de aprecaves luzeiros, que muito honrito
o Sr. Monteiro, o acredtao como o nico arlifice
defogo, que por ora existe nesla capital, capaz de
osdeseni|>enhar. OSr. Fzequiel, este insigne mes-
tre dedanca, cuja hahilidade nada tem que invejar
aos Labotiers, Wanimeis e outros, que aqui teem
apparecido, preparou excellentes e vistosas dancas,
de damas e cavalheiros; alm destas a mashurka, a
polka, urna danca dos anjos maos, antes do comba-
te, e o grande quinteto chinez : sendo tildo vestido
a carador. O Sr. major Patricio, director da orches-
tra, so tem esmerado cm promplificar, alm das
arias pasloris, cinco novas arias, que serfio canta-
das pelas peisonagens dos outros dramas novos--
Aullo no Para izo Mor te de Abel, e Nascimento
do Messias.-- Finalmente o Sr. Andr Alves prompti-
ficou urna linda vista do paraizo, outra dos campos
daMezopotania, e urna linda vista transparente, pa-
ra odrama Fiat Lux que ser toda armada de fa-
gos de cores. l!m insigne mestre de msica, cujo no-
me nflo publicamos, reciosos de oUcnder o seu me-
lindre, nos brindou gratuitamente com duas arias
novas, que serflo executadas por duas meninas. Es-
tamos persuadidos, que este dive ti ment exceder
cm brilhantismo o grande presepio, que cm 1842 se
executou ueste theatro, o quo tantos louvoresrece-
bcoilo respeilavel publico. A primeira representa-
ciio sera no dia 27, segunda oilava do natal.
Os camarotes, que licarem por assiguar, sorSo ven-
didos avulso pelo prego do coslunie.
As asignaturas se recebein smenle at o dia 23,
na loja n. 10, da ra do Crespo, botiquim do Sr.
^ Paiva, junto ao theatro, e na loja de calcado defronte
da cadeia, aos respectivos Ihesoureiros.
Affbnso Saint-Martn receben agora de prxi-
mo, pelo nllimo navio, viudo de Franca, algunagi-
gosde muito bom vinlio de Cbanipanha : posto Ihe
cuslassc mais caro altcndcndo a boa qualidado ,
aodavia nfio o vender mais caro do que se vende o
vulgar : os apreciadores tenhfio a bondade de se 60-
lendcrem com o annunciaute, na ra Nova n. 14,
segundo andar.
- O concert dado por J. J. Garcia ter lugar no
hotel Francisco, no dia quarta-feira, 2:1 do corren-
te as 8 horas da noite : os bilhetes arbfio-se a ven-
da na loja de Pereira & Guedes na ra do Cabug ,
e no mesmo hotel.
-- Aluga-seo terceiro andar da casa n. 53 da ra
daCuia, por commodo preco: a tratar na ra de
dorias, n. 70.
.Muga-so urna casa terrca.com 5 quartos,
corredor mdependente duas salas cozinha fra,
quintal c cacimba na ra Helia casa da esquina ao
pe da marc : a tratar na ra de S.-Francisco, palace-
te novo.
O padreManoel! homaz da Silva se olerece aos
habitantes do centro da provincia para dar aos seus
hlhoseducagfio litterariae religiosa morando ertes
em casa do annunciaute, na Camboa-do-Carmo, so-
brado dedous andares, n. 19 adverte, quo s rece-
be at o numero de 6.
Oabaixoassignado, lendo no Diario de Pernom-
oucon.284, de 18 do conenle un aummcio do Sr.
Antonio Carlos Pereira de burgos Ponce de Lefio, fa-
zendo ver, que tinha despedido de seu caixeiroao
abaixo assignado, no dia 42 do corrcnle, n.lo pode
deixar de declarar queda parte do Sr. Pereira de
burgos ha algum engao ; pois o abaixo assignado
foi quem sedespedio doSr. Pereira de Burgos, no dia
15 do corrente por nfio Ihe convir o tenue ordena-
do de 120,000 rs. por anno, que este Ihe passou a
dar, como he tcstemunha o Sr. Anastacio, caixelro
do Sr. Pereira de Burgos, querendo fallar verdado
Cao de Terra-IVova.
fugio,
accresccndo a islo ter o annuncio do abaixo assigna-
do apparecido no dia 16, e o do Sr. Pereira de Bur-
gos smente no dia 18 ; nao sendo crivel que este
Sr. guardasse,contra o costume, a publicagfiu da des-
pedida do abaixo assignado para tilo tarde, tendo-o
despedido, como disse, no dia 12. O abaixo assigna-
do qur fosse despedido pelo Sr. Pereira de Bur-
gos como este diz, no dia 12, qur elle mesmo se
despedisse do Sr. Pereira de Burgos no dia 15 co-
mo novamente aflirma, nada receia deseu comporta-
mente como podera dizer o mesmo Sr. Pereira de
Burgos para quem o abaixo assignado appella de-
clarando que faz esta cxposigfio smente por amor
daverdade. l'icenle Ferreira da Silva liraga.
THEATRO E APOLLO
ABEK1URA
HJE, 19 DE DEZEMBRO
S. H-T.
1 visos martimos.
Sahe impreterivelmenlcno dia 22 do correte
para o. Ass o brigue Felit-Destino : quem quizer
earregar ou ir de passngcm dirija-se a Pedro Dias
dos Santos ou ao capitfio.
Vende-seo patacho brasilciro Flr-de-Oliveira,
de lote de 140 toneladas, no estado, cm que se acha,
c como sen carregamento de sal, o qual est fun-
deado defronte do arsenal de marinha, onde se po-
dera examinar: e para o seu ajuste, trata-se na na
da Cadeia-Velha, armazem n. 12, de Bailar & 0-
liveira.
O brigue-escuna Velo*, j annunciado para o
Maranhfio, sahirem pinicos dias coma carga, que
(vera bordo; recebe o resto a feles commodos :
quem quizer earregar dirija-se aocaptfio o prati-
co, Francisco Bernardo de Mallos, ou a Manoel Duar-
te Bodrigues, na ra do Trapiche 11.26.
Para o Rio-Crandc-do-Noile segu viagem a
barcada S -Jote-Ferreira mestre Joaquim Ferino
do Espirito Santo ancorada no Forte-do-Malto
quem nelta quizer earregar, dirija-se a BogoJos
da Costa na ra Nova, n. 12.
Segu viagem at 30 do corrente para o Ara-
< al y,a veleira sumaca S.-Balbiva : quem na mesma
quizer earregar, ou ir de passagem, dirija-se a ruado
Queiinado, loja de ferragens 11. 31.
Avisos diversos.
LOTEItIA
DA M T H 1 Z
OACIDADEDA VICTORIA.
Nao sendo infelizmente anda possivel cfTcituar-sc
0 andamento das rodas desta lotera no dia ltima-
mente marcado por so no ter completado a venda
dos respectivos bilhetes, e existir cm ser um crescido
n.#; o Ibesoureiio della declara, que tem transferido
" dito andamento para o dia 22 do corrente mez ,
na expectativa de que os bilhetes que resto, se-
elididos, e que, portanlo, as rodas correr-
an nfallivelmente nesse dia sendo pagos os pre-
mios na dia 24, para que seus donos delles goy.em
pelafesta. Avista do que, espera, que os amadores
destejogo concomio para que isto se realise, com-
prando esse resto de inlhetes, que continuiio a es-
tar a venda nos lugares do costme.
---Aluga-se urna boa casa no Caxang, para se
1 assara testa com muitos commodos, bom quin-
tal e estribara por preco commodo a tratar 110
mesmo lugar, ao pe da fonte de agoa frrea, 011 na
1 na estrella do Bozario, 11. 33 ou no largo do Cor-
po-Sanlo com Jos Mara Palmeira.
Precisa-se fallar coro o correspondente do Sr.
Ignacio Paulino da Cimba : annubcie, para ser pro-
curado.
Uuem annunciou querer dar 500,000 rs. a pre-
mio com seguranca em urna casa, dirija-se ao car-
torio das hy pothecas.
A commissffo administrativa faz constar aos Sis.
socios que novamente tem marcado o dia cima
para a pnmeira representacilo.
Aluga-se urna boa casa com commodos para
grande familia passar a festa ou por anno pinta-
da de novo com banho porto ; dous sitios nos Afo-
lados ; e una rocheira na Boa-Visla : a tratar no si-
tio do Cajueiro.
LuizTeixera de Lima embarca para o Bio-de-
Janciro sua escrava crioula de nome Jacintba.
Precisa-sede um rapaz para caixeiro do ven-
da, de 12 a 16 anuos, e que ja tenha alguma pratica :
oa ra de Moras, n 52.
Ilonlem, pelas II horas e meia foi urna preta
na loja defronte do oftflo da igreja de N. S. do Livra-
mento, buscar 3 pecas de chitas de diflerentes cores,
para amostra dizendo, que quem mandava buscar
era o Sr. Jos da Fonseca e Silva; niBS, pela demora
da preta, se indagando, nfio tinha sido mandada pe-
lo Sr. Fonseca : por isso, roga-se a quem ellas forem
oflerecidas, de as apprehender e levar a dita loja,
quo ser recompensado.
Alugfio-sc dous cavados para se passear : na ra
da Conceicjlo da Boa-Vista, n. 60.
liesposla s culuinuias rio Sur.
V.inorl Antonio ele Azevcdo.
O abaixo assignado vio com sorpreza.em o nume-
ro 284 desta folba, una resposta do Sr. Manoel Anto-
nio de Azcvcdo ao annuncio do mesmo abaixo as-
signado, publicado em o numero 283 desta mesma
Iblha; e maravilhando-se, que o Sr. Azevedo seja
Ifio falto de pundonor c de bro que com (anta des-
vergonha se atreva a inverteros factos e acalum-
niar ao abaixo assignado, passa a responder-lbe pe-
la seguinte forma.
Nfio foi o abaixo assignado que deixou sobre o
mostrador os recibos passados pelo Sr. Azevedo ; foi
0 proprio Sr. Azcvcdo que pedida e traicocira-
mente lancou mfio delles na occasifio, cm-que o
abaixo assignado fora pe'dir-lhc ,que resumisso em
um s os ditos recibos; foi o proprio Sr. Azevedo,
3ue, abusando assim da boa fe do abaixo assignado ,
epoisdeter em seu poder os referidos recibos, dis-
sera com physionomia arrogante, que nfio passava
outro em lugar delles, sem primeiramente consul-
tar ao seu procurador. Ora, este procedimento cla-
ramente mostra quem he o chican isla quem he o
tratante ; se o abaixo assignado ou o Sr. Azevedo :
nenhum homem de boa fe se poder a capacitar ,
que, a nfio ser violentado, ou'{sorpreendido pelo Sr.
Azevedo, o abaixo assignado deixasse sobre o seu
mostrador aquelles recibos, que Ihe devifio servir de
documento. Nfio ; se ellos forfio ter ao poder do Sr.
Azevedo, foi porque elle empregou os meios igno-
beis u illicitos, que lcao apuntados ; e tanto assim
he, (anto o Sr. Azevedo tinha e anda tem sinistro
intento que em sua resposta dissimula a quantia,
qiicreccbeo, nfio fazendodeclararlo della.
Coiivenca-se, pois, o Sr. Azevedo, que as suas ca-
lumnias nfio pegfio ; e que elle he e ser semproco-
nhecido como um individuo, sobre cuja cabeca pe-
sfio graves iinputagOes..
Fique, portauto, o publico conhecendo o Sr. Aze-
vedo emquanlo o abaixo assignado procura livrar-
se dcsuasarmadilhas ; easseguraao dito Sr., que
pode esganar-seem o calumniar porque ser esta
a ultima resposta que Ihe dar.Jodo l.uit Fianna.
Offerece-se um cqzinheiro, tanto para casa par-
ticular como para navio do que tem bastante pra-
tica : quem deseu preslmo se quizer. utilisar, di-
rija-se a ra da Alegra n. 24, ou annuncie.
J080 Antonio Gomes embarca para a Babia a
sua oscrava crioula de idade de 6 anuos, de nome
Anna,
J. B. da Fonseca Jonior remelle para o Ro-de-
Janeiro o escravo Claudino, por ordem de seu se-
nhor, Joaquim Itaymundo Corroa Machado, do
MaranhSo.
Na (arde do dia 15 do corrente
do sitio do Sr. Kalkmann,
na estrada dos Afilelos, um cao
de Terra-Nova, pelo c grande :
quem o pegar e levar ao mencio-
nado sitio, ou na da Cruz, n.
10, ser recompensado.
-- Alugfio-se os segundo e terceiro andares do so-
brado n 36 da ruada Alfandega-Velha : a tratar no
primeiro andar do mesmo sobrado.
Prccisa-se de um caixeiro portuguez de 14 a
18 anuos para urna venda eque da mesma tenha
pratica : na ruada Aurora n. 18.
Tem-sejusto e contralado a compra da casa
lerrea, n. 10, sita na ra de S.-Thereza, bairro de S.-
Anlonio : quemse julgarcom hypotheca ou outro
qualquer titulo de divida a mesma casa queira an-
iiunciar por esta folha no prazo de 6 dias Pimos os
quacs o comprador tica isento de qualquer du vida.
Antonio Carlos Pereira de Burgos Ponce de
Lefio previne a quem interessar saber que desde
odia 12do corrente, despedo o seu caixeiro, Vicen-
te Ferreira da Silva Braga.
Aluga-se o sobrado de um andar n.70, da ra
Velha : a tratar na ra Direila, n. 89 segn do an-
dar, com Jos Joaquim Ferreira Uabcllo, ou emOlin-
da com o Reverendo retordoseminario.
~ Desappareceo, no dia 16 do corrente dama
larga do Rozario um cavado com gangalha gran-
de de cor alazfio com urna estrella pequea na
testa, c os dous ps calcados quem dellc souhcr, ou
dr noticia dirija-se a mesma ra n. 50, que ser
generosamente recompensado.
--- Precsa-se do urna ama do loite, parda, for-
ra ou escrava : na ra do Qucimado, nosquatro-
canlos, sobrado de um andar.
Aluga-se, pelo lempo da festa ou mesmo por
anno, urna casa no Poco-da-Panella ra da Man-
gueira com bastantes commodos quintal o cacim-
ba com excedente agoa de beber, tendo portfio pa-
ra o quintal do lado da mesma casa : a tratar na ra
Direila, sobrado de 2 andares, n. 137.
Aluga-se nuta casa lerrea com muito bons com-
modos na estrada de Bclm : a tratar na mesma
estrada sitio da Conce^ilozinha.
Ocscriptorio das hypothccas tnudou-se para a
ra do Hospicio, casa torrea, n. 50.
yuer se para ama do casa urna pessoa parda, ou
Teta que seja do bous cosumes, c d conhecimen-
o de pessoa de probidade: a casa he de muito pou-
ca familia,de pessoas mangase sisudas s dfio o
sustento e vestuario ; advertindo, quo o sustento se-
r igual aos dos donos da casa que muito aprecia-
rao urna companhia liel Annuncie sua morada, ou
dirija-sea Camboa-do-Carmo, n. 19
O abaixo assignado participa a Senhora Flo-
rnda Maria da Conceicfio moradora na ruada Sen-
zalla-Nova do bairro do Becfe, que venha ou man-
de resgatar o seu penhorate o dia 20 do corrente ;
pois he a tercera vez, que scannuncia, alm dos
avisos particulares que tem dito, o mandado dizer
por escripia e espagado o prazo ; do contrario, se
vender o dito penhor pelo que se poder, para pa-
gumenlo do principal c juros o se nfio rhegar, l-
cara a mesma senhora responsavel pelo resto, que
(car a deve. Becfe, 15 de Dczembro de 1846.
Antonio Teixeira dm Santo.
Antonio Ferreira da Silva por ter encontrado
pessoa de igual nome, se assignara de boje em dan-
te por Antonio Joaquim Ferreira da Silva.
Cdulas encarna-
das de 20# rs.
Na esquina do l.vramcnto loja de portas, rc-
cebem-se cdulas encarnadas de 20,000 rs. sem
descont, a troco de fazendas.
Da-sedinheroa juros sobre penhores de ouro
e prala, o em pequeas quantias: na esquinado Li-
viameiilo lujado nicho se dir quem da.
OfTerecc-se um homem portuguez para admi-
nistrador de engenho, ou caixeiro, do quo tem
bstanle pratica : quem deseu preslmo se quizer
utilisar, annuncie.
Matheui Auslin & Companhia fazcm scicnte ao
publico que a propriedade e sitio, que Tica na Irn-
vessado Monteiro, que se acha annunciada a ven-
der-se se acha subjeila por hypotheca na mesma
propriedade aos aniiunciantcs, como cessionarios de
.Manoel Ferreira Lima ; e para que nitiguem so cha-
me a ignorancia, faz-se o presente annuncio.
Aluga-seo andar terreo ou loja do sobrado n.
12 da ra da Aurora, com ptimos e muito asseiados
commodos para moradia de homem solteiro ou de
pouca familia: quem o quizer alugar, dirija-se ao
mesmo sobrado a qualquer hora.
Aluga-se, por fcsla ou por anno o silo, que
foi de Antonio Coelho da Silva com dous armazcus,
sobrado com commodos para grande familia, ar-
voredos de fructo cacimba &e. : a tratar na pra-
ca da Boa-Visla n. 6.
- Precisa-so alugar um preto que faga lodo o
servigo de urna casa c que seja liel pagando-so
10/ rs. mensacs, e dando-se-lhe o sustento : na praga
da Boa-Vista, n. 6.
Precisa-se alugar urna escrava para o servigo
interno de urna casa de pequea familia no Al el-
ro-da-Roa-Visla n. 36.
rtin
luvas de pellica superior, para homem o senhora'
panno preto da melhorqualidadc a 6000 rs. ; casi-
mira proto chamada setim zfir, muito superior, a
4000 rs. Os Srs. que pretenderen! ver qualquer des-
tes ohjectos, terfio a hondade de mandar avisar ao
annunciaute, que immediatamente lh'os leVara em
suas casas.
Aluga-se, por prego commodo urna preta, do
25annos boa eozinheira engnmmadcira, lavadei-
ra ; faz todo o mais servigo domestico de qualquer
casa de familia, e lie muito fiel : quem a pretender,
dirija-se ao largo da Soledadc, n. 32.
Prccisa-se e dous lavradorri ; cm casa do doura-
dor, ou fabricante de candtclros de g. na ru No-
va n. 52.
Fabrica de chapeos
de sol na ra do *as-
seo-Puldico, n. S.
TJofio Loubct adverte aos seus freguezes, que
queirfio desenganar-se por urna vez sobre os
ohjectos abaixo declarados, Unto em prego
como em qualidade: tem nesta occasifio um rico
sortimento de chapeos de sol furta-cores e pre-
loscom barra lavrada, os mais modernos, que tecm
apparecido ueste mercado de igual sortimento; o
taiiihem chapeos de sol, de pannhiho do todas as
crese ultimo goslo da rainha da Escocia;e para
senhorasum completo sortimento dos mesinos de
todas as cores pois seus gnstos sfio da ultima moda
deParis. No mesmo eslabelcciniento se acha um
completo sortimento de sedase pannnhosdo todas
as cores proprios para toda e qualquer obra que
se quizer fazer pois que sfio proprios para esse fim.
Tambero se concertfio chapeos de sol, tanto do ho-
mem como de senhora, com toda a perfeigfio por pre-
go commodo, e com a maior brovidade possivel.
Na mesma fabrica tambem so vendem baleas para
cspiirlilhose vestidos.
Aluga-se, pela festa, ou animalmente, tima boa
casa com sitio no hipar dos Remedios a tratar na
ra Nova n. 21, segundo andar.
iNovo importante aviso.
POMMATF.AU CliTELEIRO, ATRRRO-DA-BOA-
VISTA N. 5 ,
toma honra de prevenir ao publico, que acaba de
receber pelo ultimo navio chegado de Franca, um
grande sortimentd do mercadorias todas do pri-
meira qualidade e do ultimo gosto como: chico-
1 inhos delicados e bengalinhas guarnecidas de prata
fina ; pertences para cacar; polvariohos do diversos
tamaitos, chumheiras de 1 e 2 canudos, saca-
trapos, ferros para despara fosar, forma de fazer ba-
las de varios calibres para pistolas, espoletas de
primeira qualidade chamins deago fino para es-
pingardas de espoleta ; esponjas finas; escovas pa-
ra tintese para unhas; ferrinhos para limpar e ti-
rar denles; instrumentos de cirurgia; fundas di-
to.las as qualidades; freos; esporas; obras do
prata lavrada, como colhorespara cha e de tirar
avocar, muito ricas ; facas com cabos e folha? do
prata para comer fructas e tamhcm com cabos de
prata e folhas de ago fino ; navalhas de barbear do
primeira qualidade ; lesouras do todos ns tamaitos
e de ago fino ; c geralmcutc ludo quanto pcrlence a
entelara ; estojosde malhemalica c necessaros do
costura para scnhoias. Tambem faz de encommen-
da tod a qualidade de (Sondas, o ooncartM de es-
pingardas.
As q liarlas-Trinis e aos sabbados continua a amolar
toda a qualidade de ferros ; advertindo aos seus fre-
guezes. que dora em diante elle mesmo se occ upa-
r especialmentedesteultimo trabadlo.
Compras.
Ci mprao-sr rscravos de 16 a 20 anuos de idade,
sadios, sem vicios, com ollicms c scni eltci: na ra DI-
reita, sobmlo, n. 29.
Coinpra-se um trancelim meio lino: na ruado
S.-Francisco, palacete novo.
Comprfio-se garrafas vasias na ruado Rangcl,
n. 54, resUlacfio de Victorino Francisco dos Santos.
Compra-sc a pega Barba-Rouxa junto ao
arco de S.-Antonio, n 1.
Vendas.
Alfonso Saint-Martn, na ra Nova, n. 14, sc-
gundo.andar, por cima da loja do Sr. Oiogo Jos da
Costa, recebeo pelos ltimos navios, vindos do Fran-
ca mais sortimento ao que j tem annunciado,
constando do seguinte: manteletes de gros de Na-
ples preto, guarnecidos de franja de rctroz muilo
cm moda os quacs assentfio o melhor possivel
mantas da mesma fazenda, igualmente guarnecidas
de franja de retroz ; chales de seda muito superiores
ede padroes modernos ; mantas de seda de cores ,
para lodos os pi egos, e entre ellas as ha do que ha de
melhor e mais rico neste genero ; corles de seda
branca ede cores, para vestidos; chapeos de seda
para senhora, de muito bom gosto, modelo a laDu-
cliesse e a la Pamelas ; ditos de palha da Italia, li-
sos e abertos para senhora ; ditos para meninas ,
de novos modelos; chapelinhos para meninos, de 2
a 8 anuos modelos a Bolivarc ; lencos de setim ,
muito elegantes para senhora; barege verdadeiro,
dessede quesefazem os laes vestidos, que, a justo
titulo, sfiotfio afamados ; cortes de ganga de qua-
dros para vestidos, imitando perfeitamentc seda e
que nflodesbotaoeduraoa enfadar; sortimento de
FOLHhNHAS
de .-iImanak c de porla.
A edigo mais correcta e com-
pleta, que existe, destas folfiinhas,
est venda as livrarias da pra~
ca da Independencia, ns. 6 e 8; da
esquina do Collegio; e na Boa-
Vista, botica defronte da matriz,
pelo preco do. costume.
Conlina-se a vender a superior
fazenda denominada alegra, cilios
lindos padroes c tino panno leem excita-
do a maior parle das senhoras de bom
goslo a comprar um elegante vestido por
pouco dinlieno. Tamhcm contina-sea
venda dosinapreciaveis cortes de barege,
(agenda de seda, de modernos padroes
ochao-se igualmente mili lindas inanias
de qnadros, de superior qualidade, e r-
cenlemenle r llegadas: na na Nova, 11.13.
Vendem-se 3 sacadas de pedia dn trra ; 1 pa-
res de dobradigas de chumbar; um bahu 'usado-
urna fechadura de sala com segredo; urna cama d
casal com colchoes e cortinados; 8 quadros ricos de
sala ; umaieslriadeiraconlcndo dentro liltradeira
que leva canecos de agoa; una frasqueira ; urna
rotula ; urna janella nova; urna porgfio de formas do
sapatos ; urna marqueza; um armario ; 2 bacas de
rame ; urna jarra ; urna porgfio de garrafas vasias -
4 tomos da medicina domestica; 2 tomos do noites
de Yong ; 1 orthographia de Madureira : na ra da
Concordia n. 5.
Vende-se um relogio de ouro, patente inglez
na praga da Independencia, loja n. 3.


A
**.
&**'-
u.
Vcnde-se una mimgola de yidro bordado pa-
ra lustro de mel de sala ou troen-sc por urna man-
ga de vidro lis : na na de Hurtas, n. 62.
Vende-se un porta-licor em sua caixa enver-
nisada de hom posto por preco o mais commodo
pos.Mvel: na ra do Moras, n, 62.
Vendem-sc duns canoas novas, de ronduzir
familia, pintadas a oteo ; umn Jila pequea, de nm
s pao : na ra roa estreitado Itozario, botica, n. 10.
Vendem-sc :t cscravos sendo : pretas pre-
los, uegrinhas pardos, pardas, V moleques 2 bo-
nitos nmlatinhos proprios para pagons, por preco
commodo : na ra da Cruz armazcm n. 51 a fallar
cora Jos Francisco da Silva.
Vendem-se biebns grandes dellam-
burgo rhrgadas ltimamente ; e tam-
ben) se nlugo, por proco commodo ; no
Aten o-dn-Boa-Vista primeira venda ,
ao pe d ponte, n. a.
IVa rua da Oadeia-
Vellia, toja n, 20, de
J. O. Elslcr,
vendem-se os srgtiintos viudos engar-
rfalos c de superior qualidade : viudo
do Porto mnito vellio ; dito da Madei-
iii ; liucelUs ; Car vellos ; Sberry ; Hdei-
no ; l'ordeaux ; Clierry-cordial ; Tene-
lilfi ; l.lKiinp .nha, marca cometa ; c tuii
bem supeiior gonebra bollandeza ; agoa-
ardente de Franca ; vidros com conser-
vas ; boioes de dore de finetas da Euro
pa ; bisconlos inissimos de Ilambtirgo ;
volas de composicao ; cha prcto; dito
, liysson ; ptimos charutos cin caixinlias
de com.
Vendem-sc saccasrom 3arrobas de lardo, o
inais novo deste mercado: na rua da Cruz n -', o
no armazcm do Bacilar, delimite da escadinha.
Na toja da esquina confronte ao arco de S.-An-
tonio, n. 5. deCuimarflosSerafim & Companhia,
vendem-se chales grandes de cadarzo, fingindo Uta e
seda padrfles muito modernos, pelo barato preco
de 2400 rs. cada um; lencos de cambraia estampa-
dos a 140rs. cada um ; brim franeez escuro, cn-
corpado e de puro linlio, a 720 rs. a vara.
Vendem-se moendasde ferro para engendos de as-
altear, para vapor, agoae brstaa, de diversos taiiianhos,
por preco cuminodo ; e igualmente taixas de ferro coado
e balido, de todos os tamanhos: na jirafa do Corpo-San-
to, n. 11, em casa de Me. (.alinunt & i:.....panilla, ou na
rua di-Apollo, armazrin, n. 6.
= Vende-se potassa branca de superior qualidade,
em liarris pequeos ; em casa de Malheus Anslin iSl
Coiapanhta. na rua da Alfandega-Velha, n. 36.
O corretor Oliveira tein para vender cobre em fo-
Iha e prego* de dito para forros de navios : os preten-
dciitrs di,ij:ic>-sc ao iiicsiuq, ou aos Senhorcs Moquita
& Outra.
= Vende-se cal virgcm em nielas barricas, chpga-
da pruxiiiiaiiiente, por prec commodo; na rua da
Moeda ariiiazcni n. 15.
Vende-se pofassabranca, da
mais recem^chegnda por mdi-
co prego : em casa deL. G. Fer-
rcira 8c Oompanhia.
-- Vendem-se casaeis de pombos bons batedores .
grandes e de encllenle raea, por preco commodo:
na rua da Florentina, n. lf>.
Sapa los, a 5I'0 rs. o par.
Na esquina da rua do Cabuga junio a botica,
vemle.m-se sapatos de marroquim francezes, de to-
das as coi es e decordovilo preto muito bons che-
gados pelo ultimo navio do,Franca ; lindase boas
sedas brancas para vestido di noivado ; tillas escu-
ras, de bonito padrfles j ricos chales e mantas do
sada escocesa dos melhorea gosios, que tcem appo-
rccido ; guarnieses de flores para vertidos ; chapeos
de seda com plumas, do ultimo gosto ; cachos de
flores para chapeos ; lindos chapeos de palha da Ita-
lia muito fina c de muito bom gosto para meni-
nos ; luvas de seda curias e compridas de todas
as cores, com dedos esem elles ; crep de todas as
cores ; luvas de pellica com enfeiles; ditas curtas,
para hoinom e senhora ; chapeos to sol para h-
meme senhor*; cortes de cambraia de lislras para
vestido ; borzegains prctos, para homem c senhora;
sapatos de rustro, para senhora e meninos; ditos
para homem ; um bom sortimento de perfumaras ;
assimcomooulraa umitas fazendas que sevende-
rafl por preco commodo.
ATTENCAO!
Na rua do Vigario, n. 13, vende-se doce de goiaba
de superior qualidade, em camuas des libras a
incia arroba proprio para lempo do fesla.
Vende-se um bonito mulalinho, de 10 annos,
muito sadio proprio para pagem : na rua da Cadeia
doltecife, loja de Joo da Cunha Magalhaes.
Vendem-se escravns de ambos os sexos, de
boas figuras, bons carreiros, canoeiros e pescadores,
tanto de anzol como de tarrafa : no pateo do Colle-
gio segundo andar, por cima da casa da cmara.
-- Vende-se espirito de 30 graos: na rua Nova,
n. 3, venda do Antonio Ferrara Lima.
~ Vende-se um lite novo, bem construido, o
que anda est uoestaleiro c he muito bem feito ,
proprio para di vert ment da fesla : em Fra-de-Por-
tas n. 92, se dir quera vende.
Vendem-se batatas inglezas, muito superiores ,
em porcflo e a retalho ; na rua larga do Hozario n.
21, esquina, (pie volla para o qna riel de polica.
Vendem-se bichas lianiburguezas superiores,
e charutos regala muito bons : na rua Nova, ven-
da n. 65.
Vendem-se 120 a 150 saccas com farinha da
Ierra muito boa, sendo cada ^accB com 3 quartas
da medida velha : nos Abogados, no portodc ferro.
Vende-se cerveja prcta do superior qualidade f
em poreo a volitado dos compradores : na rua do
Trapiche n. 18 em casa de Fredorco llobilliard.
Vcud?-se urna parda, de 20 annos com prin-
cipios de engommado, eque lava desabito; urna
cabra, de 25 annos com as mismas halidados ; urna
lileira com seus apparelhos; 5 cangalhas : na rua
do Collegio n. 17, segundo andar.
Vendem-se resmas de papel almaco branco e
azul a imtacilo de mcia hollanda ; ditas de papel de
peso; tudo por prego mais commodo do que em
outra qualqucr parle : na praca da Independencia,
loja de mudezas, n. 4.
Casa da F,
na rua e.slroila do Hozario. n. (!.
Nesleestabelecimento ach3o-sc a venda as cont-
las da lotera das obras da matriz da cdade da Vic-
toria. Aellas, que silo poucas, e as rodas devem
correr n 22 do frrente.
Vende-se urna preta, de 18 annos, de boa fi-
gura propria para mucama oque engomma,coz-
nha e cose.; duas ditas quitandeiras e de todo o ser-
vgo ; duas ditas proprias para o campo ; lm boni-
to moleque, de 12 annos proprio para pagem de
algum menino ; todos sein vicios nem achaques, o
que se afianca : na rua larga do Hozario, n. 24, pri-
niciroandar, vollautio para os quintis.
Vende-se um terreno na rua.quefica por de-
trs da ruada Aurora em frente do fundo da casa
do finado Pcreira com igual largura a da dita casa
com 300e tantos palmos de fundo o qual chega at
a lerceira rua: a tratar na travessada Madre-de Dos,
n. 18.
Vendem-se 30 accocs da companha de Bebc-
ribe no valor de "0 porcento: nesta typographia ,
se dir quem vende.
Vendein-stqueijos ; presuntos; latas com bis-
routinbos inglezes; ditas com marmelada; barris
com a/.eiloii.is pretas do Porto ; tudo por preco com-
modo : na rua da Cruz, no llecfe n. 40.
-- Vende-se urna venda na rua do Collegio n. 21,
com commodos para morar familia no interior, que
bola para o Passeio-Publico e com pOucos fundos ,
c anula se Uranio alguns, so o comprador assm o
exigir : a vista do comprador se far todo o nego-
cio, em i asno do dono se achar doente o ter de re-
tirar-se para fra : a tralar na mesma venda.
A 12$ rs. o corte.
Na loja da esquina confronte ao arco de S.-Anto-
nio, n. 5,de CuimarSes, Seralim c< C, vendem-se ri-
cos corles de chal de 1 Ja e seda com barra, os mais
lindos padres, que leem viudo a eslo mercado,
pelo barato prego de 12,000 rs. o corle.
0$ m%3fetittttfet!i
das- o sitio ha arande combaia para capim e cante deste genero c por isso he dosnecessario U-
nruado Queimado, loja n!.'. zer elogios a sua qualid.de; porlanto roga-se ns
Nosla loja das los pechinehas, lia mais
duas de novo a saber : larlalanas com lis-
tras de seda ,a 5600 rs., cortes de cambraia
do bonitos padrfles a 4000 rs.
Vende-se urna commoda ile amarello; urna di-
ta de condur ; meias ditas de amarello; camas de
angico; ditas de amarello; sophas de Jacaranda;
ditos de oleo ; marquezas'de condur; urna mesa
de moio'de sala com pouco uso ; toucailore de ja-
caranda ; cadeiras ditas e do oleo; tudo por prego
muito commodo : na rua da Cadeia de S. -Antonio,
D.18
Vende-se a obra de Filinto Flysio, em portu-
gue/ eomposla de 11 tomos em bom uso : na rua
do Cabuga, junto a botica do Sr Jofio Morcira Mar-
ques
Vcndc-sca bella agoa de caj espremida em
prensa com lodo asseio a 80 rs. a garrafa em F-
ra-do-Porlas Venda n. 92.
Ef* Vende-se um cavallo, rodado, de
34 bonita figura, e que anda bem de
baixo a mcio : na estribara do forte do
Quebra-Pralos, junto do arco do Bom-
Jcsus.
Pechinehas na loja
do nidio !!!
Na esquina do l.ivramcnlo loja do nicho, ven-
dem-sc pegas do algodfmzinlio com 17 varas a 2240
r.-. ; chapeos de sol, de seda a 5000 rs. ; ditos imi-
tando seda ,a 2000 rs. ; urna grande porgad de chi-
tas brancasc decores, de bonitos | adrOes a 1M
rs. o cavado : e recebcin-so cdulas encarnadas de
20,000 rs. sem descont.
VAMOS AO RF.ST0.
Conlinua-sc a vender agoa de Ungir os cabellos c
sussas : na rua do Queimado, ns. 31 e 33.
-- Vende-se una venda com poucos fundos, pro-
pria para qnalquer principiante, na rua da Cruz,
no Rccife n. 58 : a Iralar na mesma venda.
.No Aterro-dii-lioa-Visla loja de mudezas de
Thomaz Pcreira do Mallos Estima, vcnde-se, por
prego commodo, fogo artificial, do 3, 4, 6e9 es-
toros, bem como fogo de vista do diversas eflres o
de bomba real Offerece a toda aquella pessoa quo
tver incumbencia de qualqucr fesla ; pois oscupre-'
go nao desagradar. Nesle lugar acba-se sempre
prompto para mais de 600 duzias.
Vende-so um pardo, de 28 a 32 annos, bom bo-
lieiro,muito diligente bastante humilde sadio c
sem vicios : na rua Imperial, n. 39.
Vende-se airo/ de rasca ; dito pilado, branco;
milbo ; sal do Ass omito alvo em porcflo e a re-
talho; abanos cm milheiro caos ceios; ludo por pre-
go commodo: na rua da Praia, venda n 39.
Vendem-se 120 palmos de trra e prto do mil
defuodo, na Ponle-cle-l'choa que divide com o s-
lio quefoi do fallecido Antonio Kaptisla liibeiro do
'aria ouiu-iio hlVredo, lial.xa pam capim um
pequeo viveiro muito manguegrosso a margem
dorio Capibaribe: na ruado S. -Francisco pala-
cele novo.
AOS FUMANTES.
Na rua Nova, n. 31 acha-se a venda um comple-
to sortimenlo do charutos regalia por prego mais
commodo do que 83 pode achar em outra qualqucr
parte; contras qualidades de charutos : tudo em
caixinhas do cen.
-- Vi-nde-se por menos de seu valor, um sitio
cm Oliiula na rua do S -Joo com 3 casas lencas,
sendo urna de podra o cal, assoalhada forrada, com
solo, e toda envidragada, c duas do taipa reboca-
dades e melhor figura possivel; 4 pretas para
o servifio ; 4 escravos bous para o trabamo de cami
po; um moleque, de 10 annos, muilo esperto ; um
mulatinho.de 15 annos, muito lindo pagem: na
rua do Crespo n. 10. primeiro andar.
Vendem-se ps dos grandes e lindos cravos da
galera j botando cravos; assim como roseiras de
todas as qualidades dalias o outras mitas flores ,
na Soledade indo pela Trempc lado dreito, quasi
ao pe ila igreja n. 7.
- No sitio da estrada de S.-Amero para Belem ,
passandoa poDte, o primeiro porto, vendem-se ca-
jos a 24 por um vintem ananazes e melancias, mui-
to em conta e a escolher a vontade dos compra-
dores.
- Vende-so urna prcta, de 18 annos de bonita
figura quecozinha o diario de urna casa cose e
lava ; urna dita, de 24 annos quecozinha, lava de
sabfio.ehe qutandera ; duas ditas para o servioo
decampo; um mulalinho, de 7 anuos, de bonita
figura; todos sem vicios nem achaques : na ruada
Concordia patsando a poteznha, segunda casa
terrea.
Potassa da fiussia,
verdadeira e nova, em barris pequeos,
por preco muito commodo : na rua da
Cruz, n. (o, eni casa de Kalkmanii &
Bosenmund.
Crespo, n. 1, loja de Francisco Joaquim Cardozo.
PARA 03 AMANTES DO QUE HE BOM !
- A Vendem-se latas pequeas e grandes da ^
'*% muiloo recommendavcl bolachinba de ara- K
f5$ ruta propriamentedila, ullimamento che- %
ida no brigue Virialo, bem torrada de dif- ^
f rerentes feitios cheiros os maisagradaveis, ^
gj que se podem desojar, como sejo : flor de ^
ffl laranja hatinilha, herva-doce, limHo, &c.; g|
^ em porgnoea relalho, por barato prego : no
rn armazem de Das Ferrcira ne caes da Al-
Sf;l fandega.
Vende-se um relogio de onro, suis-
so', novo; um dito, um pouco usado,
muito bons reguradores,T>elooqueodono
se responsabilisa ; e igualmente 3 cor-
rentos novas, de ouro para os inesmos ;
na rua do Vigario, n. 4*
Sal de Lisboa fino e alvo a 1600 rs. o alquci-
re velho e sendo porcilo dar-sc-ha por menos : na
rua da Praia armazem n. 18.
Vollarcte.
Vendem-se cartas francezas, muito fi-
nas, na loja de ferragensda rua da Cadeia-
Velba, n. 5G.
-- Vendem-se os muito supe-
riores borzejjuins jaspeados, fran-
cezes, parahomens; ditos parase*
nlioras; sapaloesdebezerro, fran-
cezes, pan homem, de 3:-j?a 3,600
rs.; sapatos de mofrotiulin, para
senhoras, de 800 a 1,120 rs.; di-
tos de tapete, pintados, a 100 rs.;
ditos de cordyvo, de Lisboa, a
700 rs.; sapatos para meninos, de
marroquim, de lodosos tamanhos,
de colxetes; bolins de Lisboa, pa-
ra homem; e d'oulras muitas (juali-
dades, poi procos muito commo-
dos, na rita da Cadeia-Velha do
liecife, n. 35, loja do Moura.
Na botica da rua do Rangel, vendem-se os reme-
dios egiiiutrs, dos quaei a experiencia tem conlirniado
os inelliorcs ell'eitos : denlitico, que trin a proprirdade
de liinpar os dcotes cariados, e eslitiiii-llics a 0r es-
uialiada. cm limito poucos das ; o uso dn iliio icnie-
aio rorlllica as grnglvaa e tira o inao chaira da bocea,
provrnieiile nao s da carie, como do trtaro, que se
Uncaopescofo destes igaos; o remedio lie designado
pelos nmeros i. e 2.": orchata purgativa, nuii til as
enancas e as pessoas de toda e qualqucr Idade ; lie eom-
posla de substancias vrgetacs, nao conten mercarla,
niiM droga alguiua, que possa prejudiear: remedio para
curar calos, em poucos dias ; dito para curar dures ve-
nreas antigs, e que tcriu resistido ao tiataniento ge-
ralineutc pplicado dito para provocar a menstruaej,
e accelcrar a accao do tero nos panos naluracs, em
une uno se precisa das manobras cientficas da arle
dito para resolver tumores lyinpbaticos, vulgo glndu-
las ; dito para curar bobas e cravos seceos, o mais effl-
eai que -se condece al aqui ; dito oximel de ferro, mili-
to un nii cbtoroM't, vulgarmente chamadas frialdades
pus anli-biliosos de Manocl I^ipes ; canslas de gelaii-
na, coiuendo balsamo de cupaliiua ditas de oleo de
reciiMia puriflead i ditas de cubrbas en, n lino ; ditas
' :i-safeuda; diUs con. pos purgantes; ditas de ruibardo
do incliado; oleo muiloboin para conservar o caocllo.iiue.
alem de nao delxar cabir o cabello, n.pa a caspa
cujo uso continuado faz reaparecer o cabello perdido ;
p.lulas eapecificM para curar as gonorrheas edronkas
quando a lesao nao pasta da meta ; igualmente um xa-
ropc anti-heinoi ragico, applicado nos ca.oi, em ,,ue se
deta angue pela bocea : o p,rvo de lodot estes reme-
dios he mu rasoavel, c os bons resultados da sua annli-
cacao lie gue devem faier sua apologa.
Itap Principe Imperial.
Este rap h o melhor, que tem apparecido do
Rio-de-Janeiro, por ser o seu autor o melhor fahri-
Rap priiiceza Novo-Lisboa
a IgOOOrs. a libra.
De todos o raps, que a industria brasilea tem ai.-
hoie fabricado, uriiiiuiu imita n
p princeza portiiRurz do que o intitulado RAP PR|j(.
(EZA NOVO LISBOA, fabricado no Biode-Janeiro," sen-
do lao perfeita a sua scjnelbanca. que os mais vetrrann,
tabaquistas o tonino pelo genuino rap princesa de Lis-
boa.
Igual mente o fabricante deste rape leve a maior
felicidade cm conseguir imitar perfeitamente os ra-
ps Areia-prela, Meto-gro$so e Commum que n3o s
igualou no aroma, e suas qualidades, enmona n-
dentica forma dws boles e cor dos papis, sendo
diflicil distinguir-sc n copia do.original.
O deposito deste exrelleiite rap, de no armazem de
Alves Vianna, rua da Senzalla-Velha, n. nO; e tambciu
se vende nos tres dalrros da eidade : no do Rrclfe ,cm
casa dos Srs. Jos Diffs da Silva c Ponte i Sainpaiu, lu-
jas de ferrapen rua da Cadeia-Velda ; no deS.-Aiilo-
nio em casa dos Srs. Antonio Domingos Ferrcira nu
do Crespo, n. II ; Joaquim Jos Loily, loja de luinilr-
tas rua larga do Rosario los lna.|iiiui da Costa, lo-
ja de mudezas na rua do Cabuga ; no Aterro-da-Una-
Vista lojas de iniudezsdoi Sis. Antonio Ayres de Ce-
tro S Campanilla Antonio da Silva Guimarars c Tilo-
ma/, l'ereira de Mallos F.slima.
Vendem-se vidros para espellios,
de varios tamanhos; ditos para vidracas:
na rita da Cruz u io.
Cartas francezas de jopar
pant voltarete as inrldoies, que lia no mercado;pea-
les de tartaruga para inarrafas pelo diniinuto pre-
co de WO rs. : lia rua largr, do Rozarlo n 24.
Aos amadores da boa Cham
panda.
A inda existem alguns gigos do supe-
rior vinho Clianipnnia de Sillery, na nu
da Cnu no Recite n. a6. As pefsoas,
que se qiiizerem prevenir de bom vinlio
para (esta, devem piocnra-lo tjuanhi
antes.
As cautelas da lotera da cidade da Victoria achil-
se de hoje cm diantc expostas venda no Aterro-da-
Koa-Vista. as lojas dos Srs. Caetano Luto Ferrcira,
ii. 4tt; Thomaz Pcreira de Mallos Kslima, n. M ; I^al
& Irnio, n. 58, e Aiitouio Ayres de Castro, n. Ti,
assim como no Iravessa do Veras, n. 13, onde os frr-
guezes acharan sempre um variado sortimenlo de bous
nmeros: 0 pagamento das que saliiro prendadas
na passada lotera du I.ivramento, contina a ser relia
como d'antes a toda e qualqucr hora do dia, sein cx-
cep9.n0 de domingos e dias santos.
CIIUCOi.A'l K l)K SAUDK.
ATERRO-DA.ROA-VISTA, NA FABRICA Til LICORES,
DE FREDKHICO CHAVES, B ,
lia sempre um grande surtiinenio de cdocolate de todas
as qualidades K10 se faz preciso diter as boas quali-
dades, por ser condecido., e por ser brm sii|wtir
outros quaesquer,que leem viudo e que vecm das ou-
tras provincias do impeli como tamben, da Europa ,
porque o niesino fabricante nao se lein poupado a (ra-
baldos para o obler superior a todos os que podrin so
aprsenlar. Os piceos das qualidades sao : saude, [ca-
nda c baunilba a 400 rs. ; o cdocolate ferruginoso a
1^000 rs. a libra. Este ultimo se acha agora nuii co-
iidecido e em toda a Europa aclia-sc nuii vanglona-
do, por suas virtudes Inicas; e por esle motivo loill-"
1111,i neerssario nos paizes (|uentes, onde sempre se pa-
decen: as fioiixidoes de estomago c nos quaes os tni-
cos se toruno IndlspcnsaveU. Na meslna fabrica lia li-
cores de todas as qualidades e de todos os precos com
ricas tarjas dnur idas e por preco mais cuiuuiodn do
que em outra fabrica ; geuebra ago'ardentedo reino,
di'a de anta dita de Franja, em caadas 011 em gal ra-
fa ; vinagre branco e linio muilo forte a 400 e W
rs. acanada ; espirilo de vinho de 30graos.
N. U.=Quen, comprar o chocolate em arrobas, o olf-
r mais cui conta.
Escravos Fgidos.
Desappareceo, no dia 17 do corrente pcl"
meio-dia da rua do CabJeirciro urna cabra, de ,1_
ine Izidora ; levou vestido de Ia verde, o panno pe-
lo ; est prenhe : quem a pegar, leve a mesma rua,
n. 2*._____
ENIGMAS
PITT0RESC0S.
D E CIF It A C A 0
BUB5fttf
He de penas e remorsos o
do nialfeilor.-----Casann'iilo.
Iravcssciio
PERN. : NA TYP. DE M. F. DE FAR1A
.-i846-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYBFD65C9_ICUAO0 INGEST_TIME 2013-04-26T21:52:18Z PACKAGE AA00011611_08350
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES