Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08349


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo de 1846.
Sexta-feira 18
O 0//*/J/O|>ul>lc-ie lodos 01 das que oo
forem de guarda: o preco da asintur he He
4fnO rj. por quartel, pagot adianiados. O
aiiniincins do* assieuantes sao ateridos a raiSo
de >n reis por linha, 40 riis en lrpi> HilFei ru-
te, e as repetiroea pela metaile. Os que 3o fo-
rem assii;nantes pago 10 res por lirha, e 160
m lypo diereiite.
PIIASESDALUA NO MEZ DE DEZEMBRO
l,u cheia a ?, as doras 1G minutos da Urde.
Mingoanlsa 10, as 6 llorase ib mi. da larde, i
La nova a II, as 10 horas a 22 mi. da manh.
Crescente a 26, as i hora* e 18 asi, da manh. j
PARTIDA DOS CORREIOS.
floiann e PandirOa, Segriodas e Sertas feira
Rio Grande do Norte, chega as (luanas feiras
ao meio da e parle uas mesmas Loras Das
Quintas (airas.
Caho, Serinhaem, Rio Fonnoso, Porto Cairo*
Macera no I.*, M e II dcada met.
Garanliuns e llouito a 10 e 24.
Boa-Vista e Flores a 13 e 2.
Victoria as Quintas feiras .
Olinda todos os dias.
| PREAM*.R DE MOJE.
Primeira s 4 K 30 minutos da tarde
Segunda a 4 b. 64 minutos da maotia.
de Dezembro.
Anno XXI.
N. 2M.
UIAS DA SEMA.\A.
Segunda. S. Malrouiano. Au-4.d. J.dos or-
pl os e do J. do C. da 2. Y., do I. M, da 2 Y
Tero.. S. Ceciliano. And. rlo.l. ilo clr. da I.
v, e do J. dr pai do 2. disl de t.
Quarta S. Albina. Aud. do J rio cir. da 2.
r e do i. de pr do 2 disl. de t
Quima S Virina. Aud. do J. daorpb.'ios,
do I municipal da I. rara. *
Serte S Speridiio. Aud ilo J. do cir. da I.
v e do J. de par do I. disl.* S libado. S Fausta. Aud. do J. do cir.
da I r., e rio J de paz do I. dist. e J. de t.
Domingo. S. Domingos de Silos.
CAMBIOS ItO DIA n DE DEZBJMBR.
Candiin sobre Londres 20 d, por If rs a
)> a Paiis 336 ris por friuco.
> Lisboa 06 de premio
Desc. ilr letra! deboaa firmas l 'Ar* U
OurnGuras besuanlinlas 20
llocllas de 6J4DO vel. |8.i2n0 a
a de ii)40nnov. i ilion a
. ile 4*0M... 9/nOO a
rrata PaUces........ i
a Pesos cubimnares I000 a
Ditos Mexicanos. I (Pin a
Miiida......... IJ220 a
Od.
DIARIO DE
AVISO.
V
No ultimo (leste mez finda o
prazo, por que fra prologado o
3ue eslava marcado para o iroco
as cdulas de 2^000 rs., eslam-
padas em papel bronco.
PAUTE OFFICUL.
LEI H. 175, DO l.o DE DEZEMBRO DE 18*6.
Supprime a freguetia de S -Uiguel-dui-Barreiroi.
Antonio Piulo Chichorro da Gama, presidente da
Sroyincia de l'crnambuco. Facosaber lodosos seus
abitantes, que a assembla legislativa provincial
decretou eeu sanecionei a resolueflo seguinte:
Artigo 1. Fica supprimida a freguezia de S.-Mgucl-
de-Barreiros, e os seus freguezes passflo a pertencer
a freguezia de Una.
Ar. 2. O parodio da freguezia supprimida, sendo
collado, continuar a perceber a sua congrua, at
que seja prvido ein outro beneficio ecclesinstico.
Arl. 3. Felo revogadas todas as lesodsposicfies
em contrario.
Mando, porlanto, todas as autoridades, a quem
o conhecimento eexecueflo da referida le pertencerjj
que a cumprflo e faclo cumprir tilo interamente coJ
mo nella se contm. O secretario interino tiesta pro-
vincia a faca imprimir, publicar o correr, (.idade do
Recfe de Pernambuco, cm o I." do dezembro de
1846, vigsimo-quinto da independencia e do im-
perio.
L. S. Jnlonio Pinto Chicharro da Cama.
Carta de le, pela qual V. Exc manda ejecutar o
derrelo da assembla legislativa provincial, que bou-
ve por bem sanecionar, supprimindo a freuuzia a
S.-Miguel-de-llarreiros, t ittnna tima declarada.
Para V. Esc. ver.
TJkniiivro .Hachado Freir l'ereira da Silva a fe7.
Sellada c publicada nesla secretaria da provincia
de Pernambuco, em o l. de dezembro do 1846.
Antonio Jos de Oliveira.
Registrada a folha 1.do livro 2.de registros de
les, que serve nesta secretaria da provincia de Per-
nambuco, ein o l.de dezembro de 1846.
Manoel Jote de Souxa Luna.
LE N. 176, DO 1. DE DEZEMBRO DE 1846.
lienta do impatto da dicima, por de* annot, o edificios,
que (hriitoiio Siarr ( Companhia construirn em
Santo-Amaro para tima nota fabrica defundico.
no desta provincia a faca imprimir publicar e cor-
rer, ('.dado do Rccifc de Pernambuco, aos 3 dias do
mez de dezembro de 1846, vigsimo-quinto da inde-
pendencia e do imperio.
I,. S. Antonio Pinto Chicharro da Cama.
Carta de le, pela qual V. Exc. manda executar a
resoliicio da assembla legislativa provincial, que
houve por bem saccionar, mandando, que ao medico
do municipio, quando ejercer as funeces de com-
missario vaccinador provincial, sedeSeontem no or-
denado respectivo os vencimenlos, que por este lir
lulo lhe bajio de tocar, como cima se declara.
Para V. Exc. ver.
Theodoro Machado Freir Pereira da Uva, a fez.
Sellada e publicada nesta secretaria da provincia
do Pernambuco, aos 3 de dembro de 1&46.
Antonio Jote de Oliveira.
Registrada a fl. 2dolrro 2 de registro de leis,
que serve nesta secretaria da provincia de Pernam-
buco, aos 3 de dezembro de 1846.
Manoel Jote" de Souta Luna.
I
Antonio Pinto Chichorro da Cama, presidente da
rovnrin de Pernambuco. Fago saber a todos os seus
abitantes, que a assembla legislativa provincial
decretou e eu sanecionei a resolueflo seguinte :
Ait. 1. Ficilo isentosdo pagamento da dcima, por
esporo de dez annos, os edificios construidos em S -
Amaro por Chrstovio Starr & Companbia, para o fim
de alliestahelecerem a nova frabca de fundeflo.
Arl. 2. A isencio permUlida no artigo anteceden-
te Cfssar, logo qucdcixordc existir a fabrica, e fo-
rem applcados os edificios para outros msteles.
Art. 3. Ficflo revogadas todas as leis c dispusieres
em contrario.
.Mando, porlanto, todas as autoridades, a quem
o conhecimento c oxecucio da referida resolucSo
|)ertencer, <|iio a eumprfioe faco cumprir tflo intei-
ramente como nella se contin. O secretario interi-
no desta provincia a faca imprimir, publicar e cor-
rer. Cidade doRecife de Pernambuco, em o." de
dezembro de 1846, vigsimo-quinto da independen-
cia e do imperio.
I,. S. Antonio Pinto Chichorro da Gama.
Carta de le, pela qual V. Exc. manda executar a
resolucito da assembla legislativa provincial, que
houve por bem sanecionar, mandando is.mtar do pa-
gamento da dcima, por espaco de dez anuos, os edi-
ficios construidos cmS.-Amaro por Christovo Starr
& Companbia, na huma cima declarada.
Para V. Exc. ver.
Theodoro Hachado Freir Pereira da Silva a fez.
Sellada e publicada nesta secretaria da provincia
do Pernambuco, em o. *de dezembro de 1846.
Antonio Joii de Oliveira.
Registrada a fi. 1." verso,do livro 2.u de registro de
leis, que serve nesta secretaria da provincia de I'er-
nambyeo, emo I ."de dezembro de 1846.
Manoel Jote de Sou:a Luna.
----------------
I.EI N. 177, DE 3 DE DEZEMBRO DE 1846.
Manda deicontar no ordenado do medico do municipio os
vencimenlos, que elle percebeo como vaccinador pro-
vincial
Antonio Pinto Chichorro da Cama, presidente da
Iirovincia de Pernambuco. Faco saber lodos os seus
abitantes, que a assembla legislativa provincial
decretou e cu sanecionei a resolucito seguinte :
Art. nico. Quando o medico do municipio eier-
cer as runcefies de commissario vaccinador provin-
cial, se lhe descontar? no ordenado respectivo, os
vencimenlo, que por este titulo ibe luijao de tocar
Ficflo derogadas todas as leis e disposicoes ero
contraro.
Mando, porlanto, todas as autoridades, a quem
o conhecimento e xccuqSo da referida resolucito
pertencer, que a cumprflo e faeflo cumprir Uto inte-
ramente copio nella se conten. 0secretario interi-
LMI N. 178, DE 3 DE DEZEMBRO DE 1846.
Declara, que a caa, em que o Inglezes te riunem para
a celebracdo dot actot de tua religido, nio est tub-
jeita ao imposto da decima.
Antonio Pinto Chichorro da Cama, presidente da
provincia de Pernambuco. Fago saber lodos os seus
habitantes, que a assembla legislativa provincial
decretou, c eu sanecionei a resolucito seguinte :
Art. 1. Nflo esta obligado ao imposto da decima o
edificio da ra da Aurora, cm que os subditos bri-
tannicos celcbrSo osofliciosde sua religflo.
Art. 2. Ficflo rcvogadas.todas as leis e disposicoes
em contrario.
Mando, porlanto, todas as autoridades, a quem o
conhecimento e cxecu<;to da referida resolucito per-
tencer, que a cumprflo e faeflo cumprir tilo intera-
mente como nella se contm. O secretario interino
desta provincia a faga imprimir, publicar e correr.
Cidade doRecife de Pernambuco, aos 3 dias do mez
de dezembro de 1846, vegesimo-quinto da indepen-
dencia o ito Ianparlo
I.. S. j4/onio Pinto Chicharro da Cama.
Carta de le, pela qual V. Exc. manda executar a
resolucito da assembla legislativa provincial, que
houve por bem sanecionar, declarando, que nflo es-
t obrigado ao imposto da decima o edificio da ra
da Aurora, em que os subditos britanncos ectebrflo
os ollicios de sua religiflo, como cima se declara.
Para V. Exc. ver.
Theodoro Machado Freir Pereira da Silva a fez.
Sellada e publicada nesta secretaria da provincia
de Pernambuco, aos 3 de dezembro de 1816.
.intanio Jos de Oliveira.
Registrada a fls. 3 do livro 2.' de registro de leis,
que serve nesta secretaria da provincia de Pernam-
buco, aos 3 de dezembro de 1816
Manoel Jos de Souta Luna.
'sado a mandar contratar pela admnslracAo dos es-
tabelccimenlos do cardade, com Manoel Vicente de
llollanda Cavalcanli e seus irmflos tutelados, o pa-
menlo do que devem ao grande hospital de cari-
ade da provincia, na forma porclles requerida.
Ficflo derogadas todas as leis e disposicoes em con-
trario.
Mando, porlanto, todas as autoridades, a quem o
conhecimento eexecueflo da referida resolucito per-
toncer, quoa cumprflo e faeflo cumprir, Ifld inicua-
mente como nella se contm. Osecrelario interino
desta provincia a faga imprimir, publicar, c correr.
Cidade do Recfe de Pernambuco, em 4 de dezembro
de 1846, vigesimo-quintoda independencia e do im-
perio.
L. S. Antonio Pinto Chichorro da Gama.
Carla do le, pela qual V. Ex. manda executar a re-
solucito da assembla legislativa provincial, que hou-
ve por bem sanecionar, autorisando o governo da
provincia mandar contratar pelaadministracao dos
cstabelecimentos de cardade, com Manoel Vicente
de llollanda Cavalcanli e seus irmflos tutelados, o
pagamento do que devem ao grande hospital de car-
dade da provincia, na forma cima declarada.
Para V. Ex. ver
Theodoro Machado Freir Pereira da Silva a fez.
Sellada e publicada nesla secretaria da provincia
de Pernambuco, aos 4 de dezembro de 1846.
Antonio Jos' de Oliveira.
Registrada a follias 4 verso do livro 2." de registro
de leis, que serve nesta secretaria da provincia de
Pernambuco, aos4 de dezembro de 1846.
Manoel Jos' de Sou:a Luna.
I.EI N. 179, DE 4 DE DEZEMBRO DE 1846.
Declara, que o cmara municipal da cidade de Olinda
tem direito a arrecadar, at o" dejulho de 1841, o im-
posto das bataneas de pesar ossucar nos trapiche* do
Kecifc.
Antonio Pinlo Chichorro da Cama, presidente da
provincia de Pernambuco. Faco saber a todos os seus
jubilantes, quo a assembla legislativa provincial
decretou, eeu sanecionei a resolueflo seguinte.
Artigo nico. A cmara municipal da cidade de
Olinda lem direito arrecadar o imposto das balan-
fas de pesar assucar nos trapiches da cidade doRe-
cife, at o dia i.dejulliode1841, cm queprincipioir
a ter execueflo a lei de fl de maio do mesmo anno,
licando assim fixada a intelligencia do 18 do artigo
19 cap. 2. da lei provincial n. 108, de maio de 1842.
Ficflo revogadas todas as leis, e disposicoes em con-
trario.
Mando, porlanto, a todas as autoridades, a quem o
conhecimento e execueflo da referida resolueflo per-
tencer, que a cumprao e faco cumprir, tflo intera-
mente como nella se contm. O secretario interino
desta provincia a faga imprimir, publicar e correr.
Cidade do Recifo de Pernambuco, em 4 de dezembro
de 1846, vigesimo-quintoda independencia edo im-
perio.
I.. S. Antonio Pinlo Chichorro da Gama.
Carta de le, pela qual V. Ex. manda executar o de-
creto d'asscmhla legislativa provincial, que houve
por bem sanecionar, dando direito cmara muni-
cipal da cidade de Olinda, para arrecadar o imposto
das bataneas de pesar assucar nos trapiches desta ci-
dade, al odia 1. dejulho de 1841, como cima .se
declara.
Para V. Ex. ver.
Theodoro Hachado Freir Pereira da Silva a fez.
Sellada e publicada nesta secretaria da provincia
de Pernambuco, aos 4 de dezembro de 1846.
Antonio Jos' de Ulireira.
Registrada a folhas 3 verso do livro 2. de registro
de leis, que servo nesta secretaria da provincia de
Pernambuco, aos 4 de dezembro do iS'.C.
Manoel Jote' de Souta Luna.
I.EI N. 181, DE 5 DE DEZEMBRO DE 1846.
Restaura a cadeira de grammatica latina r/o Limoeiro,
ea de primeirat lettraspara o aro feminino do limi-
to, declarando habilitado para reger a primeira o res-
pectivo professor, Manoel Aires l'ereira.
Antonio Pinto Chichorro da Cama, presidente da
Iirovincia de Pernambuco. Faco saber todos es seus
labitantes, que a tssembla legislativa provincial
decretou eeu sanecionei a resolueflo seguinte;
Artigo i1._l'"iea instaurada a cadeira de grammati-
ca latina >hJBvilti do Limoeiro, que foi supprimida
cm 2 de .^Yembro de 1S2, c scu professor Manoel
Alves l'ereira habilitado a rege-la.
Art. 2. A bnbilitacflo reconliecida na pessoa do di-
to professor nflo se entende para a percepeflo do or-
denado, oii grallicaeflo alg'ma pelo lempo da va-
cancia da cadeira, desde a sua supprcssflu, aloque
entre em exercicio, e nem para vencer anliguidade
durante aqiielle lempo.
Art. 3. Fica lambem instaurada na villa do Bonito
a cadeira de primeiras ledras dosexo feminino, que
foi supprimida emvirtude do artigo 12 da lei pro-
vincial II. 130.
Art. 4. Ficflo revogadas todas as leis, o disposicoes
em contrario.
.Manilo, porlanto, todas as autoridades, a quem o
ronhecfmento eexecueflo da referida resolueflo per-
tencer, que a cumpiito o faeflo cumplir tflo inteira-
inento, como nella se contm. Osecrelario interino
desta provincia a fa^a imprimir publicar e correr
Cidade do Itecife de Pernambuco, aos 5 dias do mez
de dezembro de 1846, vigsimo-quinto da indepen-
dencia c do imperio.
L. S. Antonio Pin'lo Chichorro da Gama.
Carla de lei, pela qual V. Ex. manda executar a
resolueflo ila assembla legislativa provincial, que
houve por bem sanecionar, instaurando a cadeira,
de grammatica latina da villa do Limoeiro, que foi
Rupprimida em 24 do sotemhro de 1842, c seu pro-
fessor .Manoel Alves Pereira, habilitado a rege-la;
ca de primeiras letlras dosexo feminino da villa do
Bonito, supprimida em virttide do artigo 12 da lei
provincial n. 130, como cima se declara.
Para V. Ex. ver.
Theodoro Hachado Freir l'ereira da Siiva a fez.
Sellada e publicada nesta secretaria da provincia
de Pernambuco, aos 5 de dezembro de 1846,
Antonio Jos' de Oliveira.
Registrada a folhas 5 do livro 2.'deregistro de leis,
que serve nesta secretaria da provincia de Pernam-
buco, aos a de dezembro de 1846.
Manuel Jote' de Soma Luna.
ve por bem sanecionar, concedendo ao arrematante
do imposto de 2,500 rs. por cabeca (legado consumi-
do no municipio dollrejo, no triennio def844 a 1846,
o abate da quarta parte da quantia, em que impsrla-
rflo dous pnmeiros anuos, como cima se declara.
Para V. Ex. vOr.
Theodoro Machado Freir Pereirada Silra a fez.
Sellada e publicada nesta secretara da provincia
de Pernambuco, aos 5 de dezembro de 1846.
Antonio ose' de Oliwira.
Registrada a folhas 6 do livro 2. de registro de les,
que serve nesta secretaria da provincia dePenuun
buco, aos 5 de dezembro de 1846.
Manoel Jos' deSou/a Luna.
(joverno da provincia.
SXMSDWTI of. 9 no cOnnESTB.
Olfico. -- Ao inspector interino do arsenal de ma-
riuha, determinando, laca declarar emosassentos
do capilflo de fragata, ('.aciano Alves de Souza, que,
a contar do dia 5de uovembro ullimo, comecnti ello
a assignar-se por faetane Ahu de Souta Pilqueiras.
Olliciou-se a respe i lo ao contador de marinha, e par-
tecipou-so ao referido capilflo de (Tagala.
mi M DO Da 10.
Oflicin. Ao inspector da thesoumia das rendas
provinciaes, ordenando, que, sob as condicOes de-
claradas cm a proposta, que lhe enva, doengenhei-
ro I'lorianno Des ir Portier, ccom a de explorar elle
eexaminar osrios Japomtm eGoanna de accordo
com o delegado do termo (leste nome. conlratecome
mesmo engenheiio a conlcccao dos projeclos da
abertura dosegundo dos mencionados nos, eda pon-
te, que se tem de l'azer sobre o prlmeiro.
Portara. Demittindo Augusto Jos Peixoto do
cargo de promotor publico do termo da Boa-Vista.
Nomeou-se para esse cargo o bacharel Joflo Clemen-
te Pessoa de Mello; eparticipou-se ao domiltido, ao
noineailo, ao presidente da relacto, aojuiz do direito
cao municipal e d'orphflos da Boa-Vista, oaosup-
plcntc (leste no termo do Ex.
iof.m no da i|.
Ofiicio. AoLxni. commandante tas armas, acen-
sando re.messa de una copia da informaeflo, em que
6 jnz de direito elide de polica declara, que, apenas
tere noticia do fefimenlo de Benlo (.azaro, soldado
do'baialli irjnres, ""- laroJn ir u
autor desse le i ment; e queja osla instaurado o res
peclivo piocesso.
Dito. Ao inspector da thesouraria das rendas
provinciaes, ordenando, mande satisfazer 499,772
rs., que, no mez de nnvembro ullimo. se (espondeo
com os presos pobres de just ira da eadoia dosta cida-
de. l'artcipou-sc ao chele de polica.
Dito. A' enmara municipal de Olinda, dando-sc
por inteirado da nomcaeo do alferes Antonio da Sil-
va Fim reir para secretario doconcelho de discipli-
na, e da do cidadflo Manoel Porei a Ilrandflo para seu
ajudaute.
Dito, A'admnslracflo dos cstabelecimentos de
Cardade, daudo-lhc faculdede para en'.aholar com
Manoel Vicente de llollanda Cavalcanli e seus irmflos
tutelados, esubmetter approvacfloda presidencia,
o contrato do pagamento do que clles devem ao
grande hospital sob sua administracito.
Ditos. Aosjuizesiiuinieipaes cd'orphflos do Rio-
Forioso e Flores, acensando iceebidos osollicios,
por que participarse haver entrado em exercicio-do
suns func^Oes.
Dito. Ao conimissai io-pagador, delerininando,
i|ue paguo ao carcereiio da eadea aquantia de 6,900
rs. pelo que despenden com os presos do Rio-de-Ja-
Janeiro, Baha o Alagdas, que cstavflo depositados
na mesma cadeia, alini de seguireni para a ilhado
Fernando, e que paraalli ja parlrflo. Cummuni-
cou-se ao chele do polica.
LEI N.n 180, DE 4 DE DEZEMBRO DE 1846.
Auloria apretidencia a mandar, que aadminislraco
dosestabelctimentos de cardade contrate com Manoel
de Hollando Cavalcanli e seus timaos tutelados, pela
maneira por elle* requerida, o pagamento do que de-
vem ao grande hospital da provincia.
Antonio Pinto Chichorro da Cama, presidente da
Krovincia de Pernambuco. Faco saber todos os seus
abitantes, que a assembla legislativa provincial
decretou eeu sanecionei a resolueflo seguinte :
Artigo nico. O governo da provincia lica autori-
LEI N.o 182, DE 5 DE DEZEMBRO DE 1846.
Concede ao arrematante do imposto de 2,500 rs. por ca-
beca de gado consumido no municipio do Prejo, emo
triennio de 1844-1846, o abate da quarta parle do pre-
co da arremalaco em os dous primeiros annos do mes-
mo triennio.
Antonio Pinlo Chichorro da Cama, presidente da
provincia de Pernambuco. Faco saber a todos os seus
habitantes, que a assembla legislativa provincial
decretou, eeu sancciouoi a resolucito seguinte:
Artigo 1. Fica concedido ao arrematante do im-
posto da 2,500 rs. por cabeca de gado consumido no
municipio do Brejo, no triennio de 1844 a 184*3, o
abatcdaquarla parte da quantia, cm que importan
os dous primeiros annos decorridos,e que scfindatjo
no ultimo de junho prximo passado.
Art. 2. Ficflo revogadas lodas as leis, e disposicoes
em contrario.
Mando, porlanto, todas as autoridades, a quem o
conhecimento eexecueflo da referida resolueflo per-
tencer, que a cumprflo e faeflo cumprir tflo intera-
mente como nella se contin. O secretario interino
desta provincia faca imprimir, publicar e correr.
Cidade do Recfe de Pernambuco, aos 5 dias dome/,
de dezembro de 1846, vigesinio-quinlo da indepen-
dencia edo imperio.
L. S <4nonio Pinto Chichorro da Gama.
Carla de le, pela qual V. Ex. manda executar a re-
solueflo da assembla legislativa provincial, que hou-
EXTERIOR
MUTILADO
PORTUGAL.
(Correspondencia do Times.)
LISBOA -- S\BUAJ>0, 24 DE OCTUBRO.
A insurreicflo vai fazendo progressos, e talvez pro-
duza resultados muj graves. A rumba eel-roi estilo
firmes, e a administracio Saldanha moslra muita e-
nerga e actividad*). O Porto esta declarado cm esta-
do de bloqueio, e o general Vinhaes marcha contra
aquella cidade com quatro regiinentos, mas lio im-
possivcl responder pelo sen ullimo suceesso. Est
concluido em Lisboa oalistamenlo debatalhes de
voluntarios, mas sera imprudente tentar o movi-
menlo delles para fra da capital, c o exercito nflo
lem bastante frca numrica para competir urna in-
surreicflo tflo formidavel, tendo-sc igualmente pro-
nunciado contra o governo Evora, Braga el'enaliel.
He, porlanto, provavei, que baja alguma intervencflri
estrangera sub o tratado da quadrupla allianca.
Em Braga e Penafiel, ao nordeste do Porto, procla-
mrflo I). Miguel, e no ultimo daquclles lugares cs-
tabelecrflo o que cbainflo^Ma/ai/oierna/iVa, frente
da qual esta o irnnto do visconde iialscmito. Assim,
na provincia doMnho a autoridade da rainha lieao
prsenle interamente descouhecida, e nchilo-se ac-
tualmente estabelecidas oulras duas autoridades n-
dependenles e ate supremas, a junta democrtica no
Porto, e a nuguelista em l'enael; entretanto que o
duque da Tercena, lugar-lenenlo da rainha e o ba-
rato de Campaiihfla, ajudantode campo decl-rei, sao
anda conservados em prisflo pelos insurgentes do
Porto Os batalhOes de voluntarios de Lisboa estflo
organisados, e ja I'azein o servigo da guarnieflo mas
a idcia demobihsaressesdoutores est fra da ques-
illo, e os etTeitos de urna la I medida serflo iiuasi sem
duvida desastrosos. A vantagem, quo se tira do alis-
lamento destes corpos he que a guarnieflo de Lisboa
aaaaaai


w "^'1"


acha-se desemharacada para poder marchar contra
os insurgentes, exc.epc.flo do bello corpo de guar-
das miinicipaes.cuja presenta aqu he, indisponsavel,
afim de reprimir qualquer disposieflo para pronun-
ciameiiin popular. Em taes circumstancias he quasi
impossivel, que o Saldanha scja derrotado, c se o
nutrimento migiielistafor avante, .sera cutio chcga-
do o en sus para a intervencflo da Inglaterra. tranca c
Hcsanha, sol o tratado da quadriipla alfianca. Por
este tratado assogura-se exclusivamente A Inglaterra
a intervencflo naval. Espora-se, que a nosa esqua-
dra (inglezai entre brevemente no Tejo.
De ordinario em toda a crise, que occorrc em Por-
tugal, tem o duque da Terrena infelizmente contri-
buido para graves imbroglim, como os presentes. Ac-
eordou-se, que elle se faria de vola dentro do urna
hora na manhfla do dia 7 ap "corrente, logo depois
qucS. M. tivesse realisado a sua mudenca de minis-
tros; e um vapor do governo eslava prompto para
transporta-loao Porto; mas o duque preferio faze-
lo a seu commoilo, onflo parti de Lisboa lenSo 40
horas depois. Isto doo ao visconde S da llandeira
lempo de escrever para o Porlo, aiinunciandu a sem-
ceremonia, com que a rainha linha demittido os seus
ministros democrticos; e conseguintementc o An-
tas c os outroscheles populares tomarflo alli as suas
medidas. Em vez de chegar inesperadamente edeas-
spgurar-se da adhesflodos regimenlos da guarnieflo
daqitolla eidade um por um, como Tez o Saldanha em
Lisboa, elle desembarcou com o seu estado-maior no
nieiodeuma cidade toda disposta a radar Inicio
contra elle, e cntflo, em vez de passar enrgica ac-
eito, passou a discutir um confortativo jantar Qua-
si todos poderiflo prever o resultado. Elle foi preso
pe|a plebe, com todo o seu estado-maior, antes que
deixassem a mesa do jantar.
OprocedimentodeCosta Cabral nesta conjimctu-
ra nflo tem sido caracterisado de muita prudencia.
Estando ancioso por mostrar, que he o nnicohomem
proprio para urna crise, aiinuuciou a sua inteneflo de
tornara entrareir. Portugal imiiicdiatamente. Maso
governo expedio ordens para Elvas e outras cida-
desda fronteira, afim de impedi-lo de entrar, pois
que o seu apparecimento aqu exasperara at a lou-
eura os sent mentos do paiz, ja demasiadamente ex-
citados.
Pizcm, quea rainha est inteiramentodisposta pa-
ra urna vigorosa lucia, cat falla svezes em mon-
tara cavallo e por-so frente doexercito. Se acaso
os demcratas Iriumphassem, pouca duvida ta de
que clles a ohrigariflo a sahir do paiz, c proclamaran
o joven principe de Portugal, srdi o titulo del. Pe-
dro V, com urna regencia. Mal fundadas assercOes
circularan,dizendo, que oduque duPalmclla tinha
em vistas formar essa regencia, o constilur-sc pre-
sidente della. Tenho muita satisfaeSo em exprimir a
minha conviceflode que essa probabldade de tero
duque pretencoes a regencia he mainfestamente in-
fundada. Na recente mudanca de administraeflo, o
duque leve urna parte milito importante, leud sido
plenamente informado de antemiio do que se lencio-
nava fazer, e preslou-lhc toda a sua cooperarlo, na
intima eonviceflo de que nflo poda mais dominar os
elementos anarchicos, que infelizmente tinha sido
elle um dos primeiros a pdr em acco (sem duvida
com asmelhores iiilcncoesi e solicito por amistar,
sendo possivel, a mmnente ruina do paiz
Anlc-hontem montn guarda, pela primeira vez.
no paco o novo batalhfto de voluntarios da carta. O
destacamento era composto de 50 cidadflos comple-
jamente armados e fardados, e era precedido por
duas bandas de msica militar, tocando os hvmnos
da ranilla edn rarta. A rainha appareceo as "janol-
lasdopaco, o foi saudada por mullides de povo,
que oceupaiflo o largo da frente Kl-rei desceo com
0 uniforme do seu novo posto decommandante em
chele, e com todas as suas insignias, passou revista
i guarda cvica, eelogiou muto o seu garbo. Um
vapor do governo levou nomesmodia do Villa-No-
va, perto de Torres-Novas, uns 20 soldados refracta-
rios, a quem so tinha mettido en. cabeca pronuncia-
rem-se contra o governo Saldanha ; mas forflo per-
seguidos e vencidos Tamhem chegou a Lisboa no-
ticia de que os regimentos 9 c 14, de cuja lidelidade
sesuspeitava, tinhflo marchado sulunissamcnte pa-
ra Santarm.
A circumvizinhanca de Lisboa goza, como a
ma ndade de um estado de quasi perfeita quieta-
eflo. A pequea guerrilha do lado do sol do Tejo foi,
ha mudo, destrocada, eos seus dieres, que erflodous
1 rancezos, forflo presos. Estes incendiarios hilo de
ser audos de Portugal, pois que a lgica de quatro
tirosarespeito de presos polticos quasi nunca he
usada aqu (anida que he provavel, que agora seja
inlrodiizida). Tinhflo igualmente apparecido algu-
masgueirilhasem Pellase Cintra ; masa tropa man-
dada de Lisboa contra ellas tem sido milito bem suc-
cedida, havendo voltado, ha dias, a capital com 10
pnsioneiros, capturados em Pellas, Cintra e Idanha.
Foi somente neste ultimo lugar, que houvc um con-
llicto; c o resultado foi llcarem morios 5 homens
pertcncontes a guerrilha. Esta severa licu aquietou
todoaquelledistncto. A demonstrarlo em Cintra foi
mmto insignificante, dispersamlo-sc o povo acho-
cada da tropa. L'm destacamento de infantaria, pos-
tado em Matra, resisti as propostas dos insurgentes
e marchou para Lisboa com as outras tropas. Nflo ha
presentemente guerrilha alguma mais prxima de
L'sboa do queem Torres-Novas, diatante periodo 40
mil has. Esta guerrilha leve urna refrega com os m-
11 lares, ha poucosdias, na qual Ihematarflo estes tres
homens, ao passo que nada occorreo de grave entre
os soldados, de modo que a fortuna da guerra, aiuda
que em pequea escala, he toda favoravel ao go-
verno. b
(Contina.)
PER MAM BUCO.
Jury ro R'ife.
SRSSAO EM 14 DE DEZEMBItO HE 1846.
PRESIDENCIA DOSR. SERI-A BRANOA.
As 11 horase} da manhfi, feita a chamada, veri-
bea-se cstarcm presentes 35Senhores jurados.
,^I' i ,'3 /'r*" ra completara casa, manda convidar ao Sr. Manuel
ingenio da Silva, que eslava aualilica.lo : e depois
declara aberta sessflo. F
no1n.Ch,u:?ao,Sor.teio *>"T. c' "'"'o este, pres-
tflo oajui7.es sorteados o juramento da Ici.
'se'vafntt8 SI'0',? ,u'sle'ul'as,declara-se,que
W nPai^e T lugar'ao J"'to do roo
Tos? q Vcllozo' P'- cr.n.ederoubodcescra-
OSr. Juiz Prndenle faz ao reo o saguinto
. '"TIllROOATOaiO.
juiz, -Como se chama?
tito : JosJoaquim Vellozo.
Jtns. o,,de mora va antes de ser preso ?
R*Q : -NaruadoRangel.
Juit Sabe o motivo da sua prisfo ?
Reo Nao, senhor; ignoro.... porque....
Juiz: Ignora ?V.
(O reo faz um signal aflirmativo.)
Juiz. Noconhocia um Francisco de Paula Li-
ma?
Ito : En conhecia esse Francisco de Paula Lima,
quando erasolteiro e era caixeiro em Fra-dc-Por-
tas dn um Pedro Marciano.
Juis: -Quandoo Sr. era soltciro?
Reo : Quando eu cru solteiro, e era anda rapa-
zinho.
Juis: Mas esto homem nflo esteve em sua casa
poucos dias antes do Sr. ser preso?
Reo Esle homem encontrou commigo na ra e
deo-se a conhecer a mim, que, ha annos, nflo o va
e pedio-me para eu Ihe daragasalho em minha casa,
e em junho foi-se embora, e em agosto he, que eu
fui preso.
Juis: Esse Francisco do Paula Lima, quando foi
para a sua casa, nflo levou uns escravos ?
Reo : Nflo, senhor. Elle, quando foi para mi-
nha casa, nflo levou senflo um pardo malas : e mi-
nha casa he urna casa aberta, lio cmlim um acou-
guo, que so abro demanhfla, e se fecha noito, e
muito bem so poda ver, se l forflo escravos.
Juiz Mas o Sr. nflo levou em una imite, junto
com cdlo, uns escravos para urna barcaca ?
Uto : Nao, senhor. Este homem sahio da minha
casa sozinho e eu nflo vi esses escravos.
preso aqui com o nome trocado, porque me prnde-
nlo por Manoel Joaquim e eu me chamo Jos Joa-
qum : este he o motivo, por queeu nflqse,porque
me prendrflo: ej fiz ver sso ao subdelegado da
ra doRangel, que foi quem me inandou chamar
minha casa.
OSr. Promotor pede a condemnacffo do reo no
grao mximo do artigo 26 do cdigo criminal, com-
binado com os arligos 5,34 e 35 ; e, para fundamen-
tar esse pedido, allega, que a evasiva, a que elle reo,
recorre da differenca enlre'o seu vordadoironoine.e o
que ligura no processo, Ihe nflo podo aproveitar, por-
quaiito he de presumir, que essa differenca proveuha
de ter-se elle combinado com o seu complico Fran-
cisco do Paula para trata-lo de JosJoaquim peranle
as lestemunhas, que, nflo o conhecendo de ante-
mflo, assim o nomerflo no processo; e que essa
presumpcio he, reduzida a reahdde pela deelaraeflo,
que faz o oulro aecusado, de haver sido este, de cujo
julgamento ora se trata, quem em urna canoa condu-
zira os escravos para urna barcaca, e pela confissflo,
que elle acaba de fazer ante o tribunal, de ter (ido
om sua casa Francisco do Paula na mesma poca,
em que Tora cominettido o delicio, sobre que versa o
processo, de qne o jury so ada lomando conheci-
mento.
O.S'r Advogado dadeftta requer ao Sr. juiz presi-
dente, consulta, que o reo, a cuja deelaraeflo sesoc-
CorreooSr. promotor publico, seja admitlido a in-
toirar o concedi dos motivos, por que fizera essa
deca racSo.
O3r. Juiz Prndente,deferndo este requerimento,
manda vir o declarante, que, sendo interrogado pe-
lo Sr. advogado, acerca das rasos, que o levrflo a
afhrmar, que o acensado, que presente se ada, ha-
via conduzdo os escravos, cm cujo roubo eslava in-
diciado, disse, que, se isso affinnara, foi levado pelo
deiiejo de se ver solt, desejo despertadoUielo advo-
uc ?e
Reo : Eu ia o meu caminho; o vento era do Su;
e como eu nflo tinha maior receio, oncoslei na Boa-
Viagem, aonde fui preso, e elle fugio.
Juiz : -Mas, quando foi preso, nflo Ihe disserflo
o motivo, por que o prendido?
Rio : -Dsserflo-me, quo era porque estavao uns
escravos na minha canoa.
JttS: E nflo Ihe disserflo, que erflo furtados ?
Reo : Nflo, senhor.
OSr. Promotor, deduzndo connivencia do reo
em o roubo dos escravos da deelaraeflo, que es-
tes lizerflo, de haverem sido metlidos a fOrQa den-
tro dos camarotes da barcaca, quo ello governava, e
ila circumstanca de haver dado a vela noito e de
lugar donde nflo coslumava sabir, pede, que Ihe seja
imposta a mesma pena, que, ainda ha pouco, solici-
tara para o outro reo.
O Sr. Advogado da defesa allega, que o seu cons-
tituintc recebera os escravos na melhor boa f, por-
que Ihe forflo apresentados por um homem, quo se
tratuva com decencia", que entretiiihii relacoes com
algumas das honradas pessoas desta praca, equo nflo
poda sersuspeitadode nflo possuir essos escravos;
cujo valor nlo oxeede de 2:000,000 de rs.: observa,
aue, se o mesmo seu cliente dra a vela noitc, e
e iim lugar, de que nflo coslumava sahir, foi por
assim Ihe haver pedido esse Francisco de Paula, sob
pretexto de nflo haver pago a ciza dos escravos, e
de temer, que por isso fossem edes apprehonddos :
;stou pondera ao concedi, que o aecusado he maior do
60annos, e, por sse motivo, digno de compaixflo, e
linalisa implorando a sua absolvilo.
O Sr. Juiz Presidente faz nutra vez o relatoro da
causa, e, terminado elle, entrega os quesitos ao pre-
sidente do concedi, que, tendo-sc rocolhido sala
das conferencias, volla pouco depois dos debates
edm resposta alrmatva aos mesmos quesitos.
OSr. Juiz Prndente, conformando-se com a deci-
sflo do jury, coudcinna o reo em 5 annos, dez mezes
e 20 dias de prisflo simples, e na multa de 20 por
O Sr Advogado da defesa appella da sentenac.
A' 51 horas da tarde levanta-se a sessflo.
III.IKIU IIK l'IIMlimiCII.
Como, apezar das reiteradas diligencias do Sr.
juiz presidente do jury, nflo foi possivel renir-se o
numero do jurados neressaro para haver casa, foi
hontem encerrada a sexta sessflo desso tribunal.
Ilonlcm, pelas seis horas e meia da tarde, um prc-
lo, para fugir ao castigo, que do senhor recebia, pre-
cipitou-se do lerceirn andar do sobrado n. 20 da ra
larga do Rozario do barro do Santo-Antonio.
Ao cali.ir sobre urna estribara, que existo no quin-
tal dessa casa, o prclo parti a cabeca, e fracturou os
hombros de urna maneira tal, queassegurflo os quo
o vrflo, nflo poder ello escapar da morte.
Si Jos Januario de Carvalho.
12
a-l-Bfitlo Bandrira de Millo.
24 Jos.1 Aulonii) f'orma Gomes.
25 Itrnln fntncUea le F.iris Torres.
% ThrophilodeSouxa Jardlm.
27 KranctAco Frrrelra dp Alcntara.
tKraiicinco Joannhn Machado.
I.iii/. do Rfo Brrelo.
30 Mauorl Correia Gomes.
turn.r.NTT.i.
! Canuto Jos VelluM ^la Silveira.
-2 Jnar|aliii de Almeidal.'atanho.
3 Francisco Carneiro Machado Rio.
4 .lo.iqiiiiu Ignacio de Barro Lima.
5 MnnopIThoi.nai de Birros l'aupella.
(i LsurenliiM) Amonio Peicira
7 Manuel Clemente de Almcida Cataoho.
8 Padre Jos do Sanio Fragoto.
il
10 Joaquim Canuto de Fiunclredo.
11 Jos Ro'IrlgiiM de Olivrlra Una.
12 Joao CarnelroRodrieiie amprllo.
|3 Flnninn Throtonioda C. Santiago.
14 Bernardo DamlSo Franco.
15 Jos Vleira Braiil.
IB
18 Miguel Rodrigues da Silva Cabral.
19 Vrente- Josi1 da Cusa.
20 Antonio Morgei t'chda.
21
22 Jos da Brsiirrcicao Costa Campello.
23 Ignacio Alves Monleiro.
24 Francisco de Paula Bocha,
25 Tllgino Xavier de Miranda,
fi JosLaurentlnode Azevedo.
27
28 Simplicio RodrignesCampello.
99 Joae Jonqulm Umbelino.
30 Dr. Drlliiio Augusto.
Kreguezia do Afogado, 12 de dezembro dr 1848.
Manoel Joaquim URtao t Albuquerque.
COMMEBCIO.
gado, que tomara nos Afogados, e que. ^epois de o
haver Irancndo om urna c.ibim>1., H#! JWe
elle seria posto em liberdade, so declai asse,
/1 .i., i........
que o
Alatidega.
> DO DIA 17.......10:424,291
DESCARMEGAO' IIOJR 18.
Rrigue inglez Thomai-Neltori carvSo e machi-
nismo.
Rriguo/ci"ehncailiao.
Escunare/e^ropAofarinha.
BarcaC/o6o farinha, holaxinhac breo.
reo presente he que tinha conduzdo os'eseavos e "-"<'<<;-'ar.n.ia, noiaxm
..no porquo na realdade tivesse o dito reo sido o torct-Ztlta-merculonas.
nuiitiicliir mo olic fAfti um !,*<. ali.
conductor, que, alias, fra um homem alto, gordo e
bastante barbado.
Tcndo-se oSr. advogado mostrado satisfeilo com
essa deelaraeflo, o Sr. juiz presdento manda retirar
o que o lizera.
O mesmo Sr. Advogado chama a atlencflo do tribu-
nal para a ingenua doclaraQflo, que acaba de ouvir ;
r.ota,que,inesmo quando essa deelaraeflo nflo exislis-
se,e se f odesse crer, que os escravos roubados haviflo
sido coiiduzidos pelo seu cliejite, nflo so deveria
dahi concluir a sua cumpliedade no roubo, pois que,
sendo elle pescador, podoria sernduzido a iirestar-
se a essa couduceflo pelo amor do lucro, que della
Ihe houvesscde provir, e que Ihe tivesse sido offerc-
cido pelo tal Paula Lima ; e, allegando, que o reo he
um pobre pai de familias, que cura da nianutencflo
de 11 lilhos, dos quacs tres ja sflo mocas, pedo ao ju-
ry, que o absolva.
U Sr. Juit /'residente, depois de haverem replicado
os Sis. promotor c advogado, faz o relatoro da cau-
sa, e, terminado elle, entrega os quesitos ao presi-
dente do concedi, que, leudo-so recolhido sala
das conferencias, volta algum lempo depois a dos
dbales, com resposta aulrmativa aos quesitos c de-
elaraeflo de alfiumns circumstancias attonuantes a
favor do reo.
- ^ Sr> J"'* l''t*'den,'i conformando-se com a dc-
cisflo do jury, absolve o reo c condemna a municipa-
hdade mis costas.
Para julgar o outro reo, Manoel Fclicianno da Sil-
va, sflo designados os membros deste mesmo cunee-
llio, com excepeflo do 3 Srs., que forflo excusados,
um pelo dito ico c dous pelo seu advogado, esubsl-
uidos pelos Sis. Jos Xavier Faustino Ramos, Jos
Lopes de Sousae Joaquim Carneiro deSousa Laeer-
da, que, depois de juramentados, tonino asento.
!w. Juts Presidente faz ao reo o seguinle
IN'lERROGATORIO.
Jui* Como se chaina ?
Reo : Manoel Felicianno da Silva.
Juit: -Onde morava antes dn ser preso ?
Reo : No Morro-de-Cainaragibe; nasa
me l.
Juit:
Reo :
Juis:
Reo :
e cnei-
Sabe porque foi preso ?
Eu.. .seie nflo sei.
Nflo sabe?
Eu digo, que sei c nflo se.
Juiz: -Pois diga o porque sabe e o porque nflo
sabe. ^
Reo : Eu eslava prompto para rpara minha va-
gem : jacm caminho para me ir embora, chegou um
iioniemcpedio-meparanota-lo lcom mais quatro
pessoas ; ajustei por 24,000 rs.; quando foi as ave-
marias chegou com as pessoas e eu nao poda des-
capillar nada dello, porque vinha prompto e appare-
lliadu, .lo casaca, o um homem assim nflo faz des-
conliancas.
Juiz: -Paraonde he, que se diriga?
Reo : O meu destino era para o Porto-de-Pedras
e eslava para sabir, quando elle chegou e fallou com-
migo.
Juis. -Sabe o nomo dessa nessoa, que Ihefal-
Reo : -Disse-mc, que se chamava Francisco de
i su la.
Mr. Essas pessoas orflo brancas, pardas, ou aue
qualidade de gente erflo ?
Reo Erflo, quatro pretos e.cllo, cinco.
Juiz: Porm o que aconteceo depois disso ?
Coral. .
Provincial .
Diversas provincias
Consulado.
RENDIMENTO DO DIA 17.
Joo faplista Pereira Abo. oficial da s^perial orden
da Ilusa, cartilletro du oraem de Chista, inspector da
' thnovrarin das rendas provinciau, e juis de pam do
primeira districto da reguesia do Poco-da-l'anel-
la denla provincia de Pernambuco, porS. M. o Im-
perador, ele,
Em conformidad do artigo 4." do capitulo I.9 da
lei n.387,de 19de agosto do correntearino.convoeoos
cidadflos abaixo nomeados, na qualidade de eleito-
res c supplentes de oledores da mesma parochia, pa-
ra que cm a terecira dominga do Janeiro prximo
fulurocompnrecflo no consistorio da igroja matriz,
afim de proceder-se formaeflo da junta do qualill-
caeflo, que, na forma doarligo 1.da citada le, tem
de formar a lista geral dos cidadflos, que tiverem rii-
roiio do votar na eleicffo deeleitoros, juizes de paz
e vereadores.
ELECTORESOS SENHORES :
1 Vigario Francisco Luiz de Canalho.
2 Jos Camello do Reg Barres.
3
4 Antonio Lins Caldas.
5 Florencio Jos Carneiro Monteiro.
6 Francisco Geraldo Moreira Temporal.
7 Joaquim Jos Carneiro Monteiro.
8 Pedro Jos Carneiro Monteiro.
9 Francisco Cezario de Mello.
10 Francisco Jacinto Pereira.
11 Carlos Marlins de Almcida. I
It rvanoiaen ,n Rocha Paes Brrelo.
13 Joflo Francisco do neg Maya.
14 Jos Cezario do Mello.
15 Francisco de Pnnla do Reg Barros.
IB Dr.Man'tel F. de Paula Cavalcanti de Albflquerque.
17 Antonio Clemente Estevcs de Larra*.
18 Jos Mauricio de Oliveira Maciel.
19 Rento da Rocha Wanderley Lins.
Frrancisco Duarte Coelho.
4:205,837
2:385,676
19,153
6:6I0,C66
Wovimenlo do Porto.
Navios entrados na dia 17.
Philadelphia; 50 dias, barca americana Globe, de 260
toneladas, cptalo Nicholas Esling, equipagem 13,
carga rarinha c mais gneros; a Luiz Comes F. & C.
Barcelona; 44 dias, brigue hespanhol Filippe, de 175
toneladas, cptalo Joflo Celpi, equipagem 12, em
lastro; a Nascimento& Amonio.
S.-.Malheiis : 36 dias, sumaca brasileira S.-Palbina,
de 54 toneladas, capitflo Belxior Jos dos Reis, e-
quipagem9, carga farinha e caf ; a Manoel Jos
de Magalhfles Basto. Passageiro, Manoel Pinto
Ha n gol.
Navios sahidos no mesmo dia.
I.'na ; hiate brasileiro S.-./oi-G'loriuo, capitflo Ma-
noel Fernandes de Souza carga varios gneros.
Passagciros, doutor Bcrnardino deMendonca, te-
nente-cnronel Antonio Bernardo de Mcndonca ,
Manoel liavi, Brasileiro.
Liverpool; barca maleza Rival, capitflo Robinson
Buructt, carga a mesma, que trouxe.
Porto-Calvo; hiato brasileiro S.-^nloao-flor-rfo Ro,
capitflo Thomaz Gomes deAlmeida, carga carne.
Piissageuos, Ignacio Jos Teixeira, Francisco M-
ximo Luis, e Jos Ribeiro Meirellos, Brasileiros.
ObservacSo.
Fundeou no lameirflo, para acabar de carregar, o
brigue sueco Rapid, capitflo Donsberg.
20
21
M
n
.ama.
l'.itiiaes.
MUTILALX)
Upresidente da junta quali/ieadora ,ta parochia dos Afoqa.
dos, cm cumpnmentodo artigo 4." da leide i9 deaguttodo
corrente nano, rontoro ao Sri. licitares supplentes abai-
xo declarados, para comparecer*, na tercena domingo de
aneirodoannopria-imovindouro, as 9 Acra do dia na
igrrja malns dos Afogados, para ahiexerecrem as (unccOcs
que a misma let Ihcs tem designado. '
El.tITORE.
1 Thoin torrcia de Araujo.
2 Manoel Cavalcanti de Albuqucrque.
3
4 Dr. Luiz dr Carvalho Pne de Andradc
5 rrauclsco de Paula Crrela de Araujo.
7 Francisco de Carvalho Pae de Andrade.
8 Miguel Archanjo Poslliuiuo.
9 Francisco Lui Maeirl Vianna.
10 Anacido Antonio de Uorae.
11 Antonio Concalves de Moracs.
13 Pedro Cavalcanti de Albuqucrque.
14 Jo.io Anutacio Camello Petoa.
15 Manoel Joaquim Aolune Crrela.
16 Semciio Crrela Cavalcanti Macamhira.
17 Francisco Xavier Carneiro Lins.
Francisco da Cliagas Cavalcanti.
20 Jos Joaquim de Saut'Anna Frasao.
Dr. Francisco Moni/ Tavares.
Joflo Francisco Carneiro Monteiro.
24 Joflo Ignacio Ribeiro Roma.
25 Manoel Joaquim do Reg Barros.
SUPFLRNTIS OS SEUHORES :
1 Silvestre lianlas Lima.
2 Joaquim Corrcia Lima Wanderley.
3 Joaquim Francisco de Paula Esleves Clemente.
4 Antonio A y res Velloso.
5 Domingos Pires Ferreira.
6 Paulino Augusto da Silva Freir.
7 Antonio Carlos Pereira de Burgos.
8 Joaquim de Albuqucrque Fernandes Gama,
9 Luiz de Mello de Albuquerque Pila.
10 Jdaquim Cordeiro Ribeiro Campos.
11 Alexandre Martinho Correiade Barros.
12 Joaquim Fernandos Cama.
3 Jos Luiz Pcssoa.
14 Bernardo de Albuquerque Fernando
15 Jos Antonio Concalves de Melle J
16 Joflo Severino do Reg Barros-
17 Ravmundo da Silva Maya.
18
19 Jos Ignacio Pereira da Rocha.
20 Jos do Reg Barros-.
21 Jos Teixeira Pcixoto.
22 Francisco Belmiroda Costa.
23 Flix da Cunha \avarro Lins.
2i Joflo Rulino da Silva Ramos.
25 Joaquim Franciscoae Oliveira Miranda.
Osquaes deverO comparecer impreterivelmente
as9 horas da manhfla; tirando os queo deixarem de
o fazer sem escusa legitima subjeitos a multa commi-
nada no artigo ia5. n. 2
O que para constar, mandei fazer o presente edital,
que sera adixado nos lugares pblicos, e publicado
pela imprensa.
Freguezia do Poco-da-l'ane|la, 15 de dezembro
1846. Eeu, Francisco Jos" Alves Cama, escrivao jura-
mentado o escrevi.
Joo Hapiish Pereira Lobo.
! 17
1.8
119
I
lh*cla raides.
0 arsenal de guerra compra, para os aprendizes
menores, o seguinle : panno azul, ganga dito, ca-
simira encarnada, gravatas du couro de lustra, he-
llas do Ifla encarnada, palatinas de Ifla encarnada
redondas : a pessoa, que taes objectos tiver para
vender, he convidada a comparecer no mesmo arse-
nal, com as amostras dos mesmos, e proposta em
caria fechada, at o dia 22 do correle mez.
Arsenal de guerra, 17 de dezembro de 184. 0
escriturario, Francisco Serfico de Assis Carra\ho.
O escnvflo c administrador da mesa de rendas
internas provinciaes desta cidade, vendo que teem
comparecido na dita mesa muito poucaa pfsaoasa
satisfazerem a decima de suas propriedade*, nos 3
bairros desta cidado e povoacflo dos Afogados pre-
vine aos Srs. propriotarios que nflo se guardem to-
dos para comparecerem a satisfazer o semestre, q"
se est arrecadando nos ltimos dias, em que ex-
pira o prazo da arrecadaeflo, sem oonusda mulla



.3-
as
do ,1 por cenlo, porque muilo diflicultoso sera nos
ltimos das poder dar-so expediente, pela grande"
alluencia, que neccssariameiii
tribuales. Itecife, 1I
rinda l'rrrtirn f.'IV, ,
A fl(Hiinistra'fao da compahtlin de Reheribc con-
tratar a arrecadacto da laxa na caixa d'agoa c nos
rhafarizes da Soledade e da pi i-Visla por
tempode6tnezes, acontar do primeiro de Janeiro
prximo futuro cm ufante : os pretendenles podem
remetieras suas propostas, cm carias fechadas, ao
secretario da companhia, at odia -JO do crrente,
declarando logo os scus fiadores. As mesmns pro-
postas serio bertas no dia 23, eui presenta da tt<\-
inimstrac3o e se fir contrato com qnem maisder'
publicado pelo Sr. Domingos Kilipp&rerreira Cam-
pas, julga doseudever fazcr conhei Mico,
que nao leve em vistas infamar a siguen,
do adarcontas aos commitentes do resultado dos
[retes, que conduzioa barca'A'sprilo-Sonlo.nilo podia
doixar pausar sem reparo o annuneio do Sr. Domin-
gos: visto ter o abaixo assignado reeohido menos '0
que devia, nrecsaario era para sua defesa e conhaei-
mento do pessoas, com quem o abaixo assignado fal-
lou a respeito do debito do Sr Domingos, responder
aoannuncio acintoso feito prmoiro pelo Sr Domin
Sr. Domingos tilo innocente, que a dcixasse
do
J. B. da Fonsoca Jnior remette para o Rio-de-
JimeirooescravoClaulino, por ordem de seu s
nlior, Joaquim Raymundo Corrcia Machado,
Marauhfio.
Alugfio-se os segundo c terceiro andares do so-
brado n. 36 da ruada Alfaudega-Velba : a tratar no
primeiro andar do mesmosobrado.
-- francisco Jos da Cosa e Francisco Tavares da
Silva fa/em scienle a todoa os Srs. credores de l.uiz
Moreira de Mendonca que lho comprarlo a sua
venda da na do Raugel, n. 10, importando em
gos, e que se houvesse essa avaria, que nota, nflo 716,187 rs. cuja quantia lie em poder dos annuu-
i... ...- _... .. ,i..;....... riinim ...... ,.ii,m ,!/ iHii Unin-a nara nasarem
cianlcs, por ordem do dito Moreira para pagaren)
r sem usar de seu direito, e sendo verdade, e o' a os Sis. e'redores segundo o trato que fizerflo com
deixou de faser por ignorancia, nao se julga o a o dito vendedorde metade a vista e o restante a 2,
baixo assignado por isso responsavcl: quanto, po- 4c6mezes.
rm, ao final de seu ariuuncio, o abaixo assignado,
forte cm sua consciencia, e certo de s com seu ho-
nesto trabadlo ter adquirido o pouco, que rossue ^
entrega a > despre/o a sua Musito; contentando-se
le em dizer, que, se o Sr. Domingos vom Je f-
ra rom as ideias tilo vivas sobre lingoados de varias
cores, deve antes cuidar de travs, que estilo sobos
olhos, do que censurar a quem tem consciencia do
mclhor garantiasollerecer.-Escrip orio da com- 'n oaberem asallusOcsdoSr po^mingos aba -
- xo assignado protesta nada mais dizer a este respei-
to. Francisco Alvcs da Cunta.
LOTEUIA
panhia, 9 de dezemliro ilc 1846.serrotario, II. J.
Fernanda Barro,
RFM1IWESTO POS CnAFAMZRS, (EC.UNP0 A AltRKCAOACA
FEITA PELOS ECCARREGADOS POR COSTA 04 COMI'AMIU.
1840.
dem da caira. dem da .Soledade.
77,370 22,000'
59,830 16,960
71,87 18,010
110,560 a,770
134,680 24,500
127,80 16,000
Chafarte da prora.
Juntio 30-118,.".SO
Julho 81-113,010
Agosto 31-119,390
Scllir.' 30-139,370
Oulbr.' 31-192,820
Novlir." 80-139,380
Somma 782,550 582,200
120,240
BRUJA MI- W.ESEl'10
NO
Thetro publico.
O director, eoadjuvado pelo Sr. Montoiro, insigno
artfice do fogo assaz acreditado nestn capital, pre-
sentar pela primeira vez neste thealro o drama
Fiat l.ux .tirado da Sagrada Ksc ipturn, ou a Re-;
belJlo dos aojos mos, cujo chefe ho l.usbel, contra
o Eterno, cuja causa defendo o archanjo S.-Miguel,
chefe dos anjos bous ; c porque seria riaictilo Spr3
sentar armas terrestres, em mn combate celeste, se-
rO as espadas de fogo as nicas armas, que devenr
appareccr nesla vistosa scena, que se figura passada
no cmnireo. OSr. Monleiro, desenvolvendo a sua
liabilidade, aprsenla osnjos liona armados le es-
padas de fogos de diflerenles cores, ao mesmo lem-
po que os anjos mos igualmente armados, voz
da graca, assuas espadas se ofTuscfio e se tornio im-
potentes. 0 emblema doPadre-Eterno ser a-'
domado deaprocavois luzeiros, quo muilo honrflo
o Sr. Monleiro, eoaciedtilo como o nico artilieo
de fogo, que por ora existe nesta capital, capaz de
osdcseinpeiihar. OSr. Kzequiel, este insigne mes
tre de danca, cuja habilidadu nada tem que invejar
aos Laboticrs, Wanimeis e outros, que aqui teem
apparecido, preparen c\ci>U>nu Uuw Janeas,.
,|A rf.ii e cavalhoiros ; alein (testas a masliurka, a
polka, una danca dosanjos mos, antes do-comba-
te, e o grande quinteto chinez : sendo ludo vestido
a carcter. OSr. majur Patricio, director da orciies-
tra, se tem esmerado em promplilicar, alm das
arias pastoris, cinco novas arias, que serio canta-
das pelas peisonagens dos outros dramas novos--
Adfio no I'araizo Norte, de Abel e Niscmento
do Messias. Finalmente o Sr. Audi Alvcs prompli-
ficou urna linda vista do paraizo, outra dos campos
la Mezopotamia, e nina linda vista transpajente, pa-
ra o drama Fiat l.ux que sera toda armada de fo-
gos de cores. I ni insigno mustie de msica, cujo no-
me nfio publicamos, redosos de ofTender o sen me-
lindre, nos brindou graluilamento com ihias arias
novas, quo serito ejecutadas por tinas meninas Es-
tamos persuadidos, que este divorlinionlo exceder
em brilbantismo o grande presepio, que em1842s0
cxccuiou neslo Ihcnlro, c que tantos louvoresreee-
beo do respeitavcl publico. A primeira representa-
crio sera no dia 27, segunda oilava do natal.
Os camarotes, que lieaiein por assiguar, sero ven-
didos avulso pelo pceo do costme.
AaJassignHturas se recebein smente at o dia 23,
na Inja n. 10, da ra do Crespo, botiquim do Sr.
I'aiva, junto aolheatro, e na loja decalcado defronle
da cadeia, aos respectivos llicsoureros.
bm
DA MATRIZ
HA CIDADE DA VICTORIA.
Mo sendo infelizmente ainda possivel effeitnar-so
o andamento das rodas desta lotera no dia ullima-
mente marcado por se nfio ter completado a venda
dos respectivos bilhetes, e existir em ser um crescida
n.;o Ihesonrero delln declara, que tem transferido
o dito andamento para o dia 22 do corrento mez
na expectativa do queos hilhetes que restan ge-
nio vendidos", e que, portanto as rodas correr-
rdiiifallivelmenlcnessedia sendo pagos os pre-
mios no dia 24, para que seos donos dellesgozem
pela fosla. Avista do que, espera,.que os amadores
desto jogo concomio para que isto se realisc, com-
prando esse resto de bilhetes, que continuio a es-
tar a venda nos lugares do cosime.
O NAZARENO N. 69,
esliia venda na liviana da praca da Independencia,
ns. 6 c 8, c na ra estrella do Itozario casa da Fe, n.
6. Est digno descrilo, principalmente a respos-
ta dada ao I) -novo de 12 do corrente, quu Iranscreve
um artigo do Natareno escrito, ha dous anuos hojo
hitos, remosta, que faz defesa plena ao Exm. Sr.
general Sera; e traz muitos outros arligos dignos
de seria attcnciio.
IU sposla ao Sr Joo Luiz
Vianna.
O abaixo assignado votara ao mais soberano des-
prezo oSr. Joilo l.uiz Vianna e o seu annuneio inse-
rido no Diario de hontcm, se ah se nOo contivesse
urna calumnia, que mais que muilo pode deixar
perplcxos os nimos daquelles quo nos nSo co-
nlieceiem.
O abaixo assignado, lendo por muitasvezes man-
dado suspender a exccucilo, que promova contra
Jofio Luiz Vianna, rogosdelle edeoulras pessoaa.se
vi. uiiiiiiiiiiienie oungado a manda-la continuar ;por
j estar cantado da falta de palavra do dito Vianna,
que para todas as semanas e todos os sabbados ada-
va o final pagamento de seu debito;: nesta ocensiao
dirigio-se elle loja do abaixo assignado, pedindo-
Ibe, que passasse eui um s recibo as quantias, que
por diversas vezes havia entregado, ao que se recu-
sou o abaixo assignado por liavcr passado recibos
sempre que o dito Vianna Ihe entregava algmna
quantia por conta c por existirem esses recibos
oni seu poder; porm, o Sr. Vianna, quo, por ser de-
masiadamente Mil educado e de boa fe. j projectava,
pordespeilo e esenlimeiito, diiigir um insulto, e
manchar de alguuia sorle a reputacilo do abaixo as-
signado, alirou com esses recil os em cima do mos-
trador, d/endo &* que nao pierisava dos meus re-
cibos, por ainda Ihe reslaiem muitos meios decid-
canarJ eretirou-se.
Note o publico, que eslcs recibos estilo colados pe-
la lettra do Sr. Vianna, prova de que eslivero em
sua mflo, osquaes se adulo na loja de livros do Sr.
Figueira, para se algiiem os quizer examinar. A'
vista, pois, do que levo exposlo, avalie o publico o
carcter do Si. Vianna, e seu comportamenlo para
com um credor, que mais de vinte vezes annuo aos
scus pedidos, e al Ihe rogou, que o indcniuisasse,
ainda que fosseem pequeas quantias semanaos, a-
(i ni de nao usar de meios judiases.
Manoel Antonio de Azevedo.
AmsoS iii.'iulitni s.
Sabe mpreterivelmentc no dia 22 do correte
para o Ass o brgue FtUz-llertino: ouem quizer
earregar ou ir de passagem dii ija-sc a Pedro Dias
dos Santos ou ao captfio.
Vendc-se o patacho brasilciro Flr-de-Olittira,
de lote do 140 tonelada*, no estado, em que se arha,
c com o seu carregamcnlo de sal, oqual est Tun-
deado defronle do arsenal de marmita, onde se pn-
der examinar: e para o seu ajuste, Ira la-se na ra
da Cadeia-Velha, armazem n, 12, de llullar ii 0-
lveira.
- O briguc-escuna Velos, j annunciado para o
Maranlio, sahirem poucosdiascoma carga, quo
tivera bordo; recebe o resto a fretes commodos :
quem quizer earregar dirija-se aocapitilo o plati-
co, Francisco Bernardo de Mallos, ou a Manoel Duur-
tc Rodrigues, na ra do Trapicho n. 26.
Para o MaranliSo partir, al o dia 20 do crlen-
le, com a carga, que tiver a bordo, o brigue-escuna
Jottphiva, roirado pregado de cobre, de que be
caplo Jos Manoel Hrboza : para carga ou passa-
geiro offereceexcellentcs commodos. Os pretenden-
tes tralem com o dito capilo, ou com Firnnno Jos
Flix da Rosa, ra do Trapiche, n. 43. Tambern rece-
be alguma carga para o Para.
__ Para o Itio-dc-Janeiro, at 18 do corrente, sai
a linda e veieira escuna Galante-Marta, pregada 6
forrada de cobre ; recebe carga, pasaageiros e escla-
vos a felo: a tratar na ra da Mocd, 11, 9, com
Silva Crillo.
para o ltio-de-Janeiro saldr, em poucos das,
O brgue brasilero Fcho, por toro seu carregamenlo
quasi prompto; recebe alguma carga miuda, passa-
oeiros o escravos : os pretendenles dirijlo-se aoea-
pitao, Manoel Luiz dos Santos, ou na ra da Cadeia-"
Velha, ao armazem u. 12.
Avisos diversos.
O abaixo assignado, cm resposta ao aanun.cio
Cao ele Terra-Rova.
Na larde do dia 15 do correnle
fugio, do sitio do Sr. Kalkmami,
na eslrada dos Afilelos, umcSu
de Tena-Nova, pelo e grande :
quem o pegar e levar ao mencio-
nado sitio, ou ra da Cruz, n.
10, ser recomp' nsado.
Precisa-se de um calxeiro porluguez de 14 a
18 anuos, para urna venda ,eque da mesma lenhu
pratica : na ruada Aurora n. 48.
Tem-se justo c contratado a compra da casa
terrea, n. 10, sita na ra do S.-Thereza, bairro de S.-
Antonio : quemse julgarcom hypolheca ou outro
ipialqucr titulo do divida a mesma casa queira an-
niniciar por esta folha no prazo de 6 dias findos os
quaes o comprador tica sent de qualquer duvida.
Antonio Carlos Pereira de Burgos Ponte de
Lefio previne a quem inlercssar saber que desde
o dia 12 do crtente, despedo o seu caixeiro, Vicen-
te Ferreira da Silva Braga.
A!uga-sc o sobrado de um andar n.70, da ra
Velha : a tratar na ra DireiU, n. 89 segn do an-
dar, co m Jos Joaquim Ferreira Rabello, ou emOIin-
da com o Reverendo reilordoseminario.
Ilesa ppnreceo, no dia 16 do corrente, da ra
larga do Rozario um cavallo com gangalha gran-
de, de cor ala/.iio com urna estrella pequea na
testa, e os dous ps calcados : quem delle souber, ou
dr noticia diiija-se a mesma ra u. 50, que sera
generosamente recompensado.
Precisa-se da urna ama deleite, parda, for-
ra oucscrava ; na ra do Quemado, nosqualro-
cantos, sobrado de um andar.
Precisa-se de um preto para andar com tabo-
beiro de focadas; na ra Nova, n. 21.
Aluga-so, pelotempo da festa ou mesmo por
anno, urna casa no Poqo-da-Panella ra da Man-
gueira com bastantes commodos quintal e cacim-
ba com exccllenteagoa do beber, tendo portlo pa-
ra o quintal do lado da mesma casa: a tratar na ra
Dircita, sobrado de 2 andares, n. 137.
Aluga-se nina casa terrea com muilo hons com-
modos na estrada de Belm : a tratar na mesma
estrada, sitio da Conceicno/inha.
O doulor Pedro de Athahido Lobo Moscos
nfio podendo, pela precipilacode sua viagem des-
podr-se de todas as pessoas do sua ami/ade rnga-
Ihes deseulpa dessa falta involuntaria,e oucrcce-lhos
osseus prestimos na Baha.
Oesciiptorio das hypothccas mudou-se para a
ra do Hospicio, casa terrea, n. 50.
~ Quem precisar de urna ama para casa do um
homem solteiro, ou de pouca familia ,tlirija-se ao
pateo dcS -Pedro n. 3.
-- Fugio, no dia 16 do corrente, um papagaio,
que levou no p direito duas argolas: quem o ne-
gar, leve a ra do Collegio n. 18, primeiro andar,
que se darao 21)00 rs de gratificac3o.
Quer se para ama de casa urna pessoa parda, ou
prela queseja de bonscoslumes, e de conhecimen-
to de pessoa de probidado: a casa he de multo pou-
ca familia de pessoas mancase sisudas so dao o
sustento e vestuario ; advertndo, que o sustento se-
ra igual aos dos donos da casa que muito aprecia-
ran urna companhia liel Annuncic sua morada, ou
dirja-sea Camboa-do-Carmo, n. 19
Pelojui/o da segunda vara do civel.se hilo de
arrematar, no dia 19 do corrente por ser a ultima
praca, cem pares de borzeguins deduraquo preto e
de 1:1a de rflres, mcio-gaspeados, avallados em
2,000 re. rada um por cxccucSo de Manoel Anto-
nio de Azevedo contra Jofio l.uiz Vianna.
O abaixo assignado declara, que tem pago ao
Sr. Manoel Antonio de Azevedo a quantia de 361,600
rs.,e que por isso !he resta smente 52,ooo rs., e os-
les de juros de 2 por cento, que o mesmo Azevedo
exige, e como, por estar da nielhor boa fe com o
dito Azevedo Ihe nRo consegnio recibo, e agora sa-
be que o mesmo Azevedo mandara um annuneio
feilo pelo mesmo, para ter lugar a arrematadlo do
cem pares de borzeguins, que havia penhorado ao
annunciante por toda a quantia, em que montava o
debito, e indo o abaixo assignado pedir-llio um re-
cibo da quantia, que Ihe tem pago, o mesmo Azeve-
do se negou a nfio passar, e para que istovenha ao
conhecmento dojuz da mesma causa o mais pes-
soas, o abaixo assignado faz o presente annuneio de-
clarando, que o mesmo Azevedo s procura este
mel para o desacreditar.
Jodo luis Vianna.
O abaixo assignado participa a Senhora Flo-
rinda Maria da Conceicflo moradora na ruadaSen-
zalla-Nova do bairro do Recife, que venba ou man-
deiesgataro seu penhorale o dia 20 do corrente;
pos he a terceira vez que se annuncia alm dos
avisos particulares, que tenj dito, e mandado di/er
por escripia e espacado o prazo ; do contrario, se
vender o dito penlior pelo que se poder, para pa-
gamento do principal c juros e se nao chrgar, Pi-
car a mesma senhora responsavel pelo resto, que
licar a dever. Becife, 15 de Dezemliro de 1840.
Antonio Teixeira dos Santo.
Antonio Ferreira da Silva por ter encontrado
pessoa de igual nome, scassignara dehojecm dimi-
te por Antonio Joaquim Ferreira da Silva.
Cdulas encarna-
das de 20$ rs.
Na esquinado l.ivramenlo loja de t portas, rc-
cebem-se cdulas encarnadas de 20,000 rs. sem
descont, a troco de fazondas.
Da-sedinheiro a juros sobre penhores de ouro
B prata, e em pequeas quantias: na esquina do L-
vramento, loja do nicho se dir quem da.
Oflercce-se um homein portuguez para admi-
nistrador de cngenlio, ou caixeiro, do que tem
bastante pratica : quem de seu presumo se quizer
utilisar, annuncie.
Ollercce-se um sacerdote para dizer as missas
do Natal, dentro, ou fra desta praca : quem o pre-
tender, dirija-se a ra da Soledade n. 58.
Malheus Austin & Companhia lazem scienteao
publico que a propriedade e sitio, que lica na Ira-
vessa do .Monleiro quo se acha annunciada aven-
der-se, se acha subjeita por hypolheca na mesma
propriedade aos annunciantcs, como cessionariosde
Manoel Ferreira Lima ; e para que ninguem so cha-
me a ignorancia, faz-se o presente annuneio.
Aluga-se muito em conta o sitioque foi do falle-
cido Pereira, no Caldeireiro; este sitio, alm de ex-
cellente casa demorada, tem grandecocheita, estri-
bara para qualro cavallos, casa para criados, dita
para prelos, muitos arvoredosde excedientes IVuctos,
diversas quididades de flores, a nielhor agoa pola-
vel, que lie possivel : quem o pretender, dirija-sen
ra larga do Rozario, n. 28, segundo andar.
Agencia de passaporles.
Na ra do Collegio, n. 10, o no Alerro-da-Boa-
Vista, loja n. 48 tirfin-se passaportes para dentro
e lora do imperio ; assim como despaohlo-sc escra-
vos : ludo com brevidade.
Aluga-se o andar terreo ou loja do sobrado n.
12 da roa da Aurora, rom optrnios e muilo assciados
commodos para inoradla de homem solteiro ou de
pouca familia: quem o quizer alugar, dirija-se ao
mesmo sobrado a qualquer hora.
Achando-se fgido o moloque de nome Cosme,
croulo, ollicial de sapaleiro, o qual he muito conde-
cido, o he bolieiro do abaixo assignado, quem o en-
contrar leve-o casa de sobrado atrs da matriz da
Roa-Vista, quesera generosamente recompensado.
Jodo Matheut.
Aluga-se, por Testa ou por anno q sitio, que
foi de Antonio Coelho da Silva com dousarmazens,
sobrado com commodos para grande familia, ar-
voredos de fructo cacimba fte. : a tratar na pra-J
ca da Boa-Vista, n. 6.

Precisa-ae alugar um preto que faca todo o
servico de urna casa 0 que seja fiel PaRa,,U0""*
10/ rs. mensaes, e dando-se-lhe o sustento : na prac*
da Boa-Vista, n. 6.
Preeisa-sc do um caixeiro porluguez, que tenn
pratica de venda : na travessa da Concordia, rabriea
do Ijcores n. 19.
Precisa-se do um Porluguez solteiro que le-
uda pratica de tratar devaccas de leite e yendj*<>
mesmo leite : na travessa de Belem no sitio (lo S*
' -Justino IVrei ra de Fai a embarca par o Rio-de-
Janeiro ou Rio-f.randc-do-Sul os escravos Izidoroe
Servo lo, crioulos.
~- Affonso Saint-Martn, na ruNova, n. 14, se-
gundo andar, por cima da loja do Sr. Diogo Jos d*
Costa, recebeo pelos ltimos navios, vindos de Fran-
ca mais sortimento ao que ja tem nnnunciauo,
constando do segoinlf: manteletes do gros fle rs.i
pies preto, guarnecidos de franja de relroz mu o
emmoda, os quaes assentao <- melhof P*2J2ii
mantas da mesma fazenda, iguaiinente guarnecnins
de franja de relroz ; chales de seda muito superion s
ede padrOes modernos ; mantas de seda de cwres,
para todos os precos, e entre ellas as ha do quo na ( e
mclhor e mais rico ueste genero ; corles de seoa
branca e de cores, para vestidos; chapeos de sena
para senhora, de muito bom gosto, modelo a la lin-
ea la Pamelas; ditos de palha da Italia, li-
sos e a bertas para senhora ; ditos para meninas,
de novos modelos; chapelinhos para meninos, de *
a anuos, modelos a Bol i vare ; lencos de setim ,
muito elegantes pon cnhnr* ; barece verdadeiro,
desse de que se fayein os taes vestidos, que a justo
titulo, sfiolflo afamados ; corles (!fc ganga de qua-
dros para vestidos, imitando perfeitamente seda o
i|tie nodesboloedui-.loa enfadar; sortimento do
divas de pellica superior, para homem panno preto da mellior qualdadc a ooo rs. ; casi-
mira prela chamadasetim kfir, muilo superior,
ilion rs. Os Srs. que pretendereni ver qualquer des
les objectos leffifl a boodade de mandar avisar ao
annunciante, que mmedilamcnlc ld'os levara em
suas casas.
Francisco Jos Concalvos faz sciento aorespe-
lavcl publico, que de boje em dianle lica assignan-
lo-se por Francisco Jos Goncalvcs da Silva, visto
haver outro nomo igual.
-- Aluga-se, por precocommodo urna preta.de
25 anuos boa co/.inbeira engommadeira, lavadei-
ra ; faz lodo o mais servido domestico de qualquer
casa de familia, a he muilo liel: quema pretender,
dirija-se ao largo da Soledade, n. 32.
Prrtisn-sr de domlav adores em casa dg duura-
dor, ou faliricanlc de candiciros Ue gaz a ra No-
va o. 33.
-- Roubrfo, da venda da ra do Rangel, n. 11,
1 hcela redonda, a nuil el la.com 1 anneliloeoni 1 dia-
mante e aberto de todos os dous lados; um dito ten-
do cm cima a lettra F esmaltada o com o segunle le-
Ireiro Amizade ; um dito dito sem a cravacSo
do diamante ; um bolflo de abertura, com um dia-
mante ; dous ditos pequeos, lavrados ; 2 cordOes-,
um mais grosso e outro mais lino; um trancelim ;
urna medalha tendo de um lado urna pedra e do
outro um diamante ; um pardo brincoscompridos o
sos; um dito lavradona frentee de um molde ex-
quisito; iiincaixa de piula luvrada, tendo dentro
um pequeo Kinelcc um pardo argolas de ouro e.
dous pedacos de folln de piala. Itoga-se a qualquer
Sr. ourives, ou outra qualquer pessoa, a quem foreni
Dll'erecidas estas obras, o'favor de appreliend e-las o
participar na dila venda que ser gencrosamento
recompensado.
Fabrica de chapeos
do sol na ra do Pas-
M'io-^iblico, n. 5.
TJofio Loubet adverle aos scus freguezes quo
queiifio desengaiiar-so por una vez sobro os
objeclos abaixo declarados, tanto cm preqo
como em qualidde : tem nesla necasifio um rice
sortimento de charcos do sol furta-cres o pre-
los com barra lavrada, os mais modernos, que teeaa
apparecido ueste mercado de igual soiimento ; e
laiubem chapeos de sol, de panninlio de lodas as
crese ultimo gosto da ranilla da Escocia ; e pai
senhorasiim completo sortimento dos mesmos, do
todas as cores pois seus goslos sao da ultima modii
deParis. No mesmo cstabclecimento se acha um
completo sorlimcnlo de sedas c panninhos do todas
ascres, proprios fiara loda e qualquer obra, quo
se quizer l'a/er, poiaque sao proprios para essefim.
Tamben] se concertad chapeosdfl sol, tanto de ho-
mem como de senhora, com loda a perfeiqo porpre-
co commodo, c com a maior brevidade possivel.
Ka mesma fabrica tambern se vendem baleas pan
espartilhose vestidos.
Aluga-se, pela festa, ou annualmwite, urna boa
casa com sitio no lugar dos Remedios : a tratar na
ra Nova n. 21, segundo andar.
---A pessoa que, no dia 2 do corrente, mandn
buscar na loja decalcado da ra Dircita n. 32 um
par de sapa toes para amostra, deixando um pardo
mangas de vidro do penlior, cmquanto voltava o
ale o presente nem dinbeiro nein sapatOes baja, m<
prazode 3 dias,de irsalisfazor; do contrario,sefloas
mesmas vendidas, para seu pagamento despez do
annuucio.
Precisa-se de um fcitor para tratar de um quin-
tal : na Trompe, voltando para a Soledade, n. 70.
= O a baixo assignado, vendo nos Marios um remedio
para boulias c rravot seceos, cujo remedio be cousnet-
imordlnaria, e leudo (ngenlio, lia inultos anuos, e len-
do perdido diversos escravos. e desde o nnniinein des-
le renirdio, (endu salvado todos, r por fin sua senho-
ra, que padecia esta molestia a ponto de j nao se poder
calcar, e com este remedio lieou peiTeilamrntc sa, n
i-un lie ni um mito de idade de 20 anuos: e como vio esle
remedio produzlr estes ell'eitos, por isso fax rite anniin-
eid para beneficio dos Sis. de engrnho, tendo visto ne-
gros aleijadnse perderem a vida, por causa desta moles-
tia. Faz csie annuneio para beneficie da huinanidadr.
Antonio Correia Pessoa de Mello.
- Os Srs. donos de
obras e nicsti es pedreiros flue preeisareni de alguns
maleriars, como cal branca, dita prela, barro amarello,
dito preto, arcia fina de linuir, dita grossa, tellias, li-
jlos de ladritho, ditos de alvenai ia batida, dita gros-
sa, lijlos de tapaiiieuto largos, ditos eslreitos, tuda
mais em conta do que em outro deposito, qucirfto diri-
glr-ie ao aiiiiazem n. 8, por detrs da ra deS.-Fran-
cisco, ou ao armazem n. 3, defronte da respectiva Or-
dem Terceira.
Precisa-so alugar urna ama deleite: no Ater-
ro-da-Boa-Visia, u. 36.


h
O abaixoassignado faz sciente ao respoitavcl
publico que a sua loja de chapeleiro na ra do
Queimado, n. 33, arha-sc em gyro tmente com
sua lirma. Jote Higino du$ Sanios.
Na rua de S.-Cecilia oulr'ora da Abobada da
Penha n. 41, lava-se eengomma-so com muita per-
feicilo e commodn preco.
Desencaminhou-se um ordem aceda pela Sr.
LoureiiQOJos das Nevos; previ ne-se ao ublrco,
que o aceeitanle se acha prevenido de nilo pagar se-
no a Cassianno Alberto Rmenla.
A pessoa queannunciou querer dar 500,000
rs., comseguranca cm urna casa, dirija-se a rua
de Agoas-Verdes, n. 10.
Aluga-se urna boa casa com commodos para
grande familia passar a festa ou por anuo pinta-
da de novo com banho perto; dous sitios nos Afo-
lados ; e umacocheira na Boa-Vista : a tratar no si-
tio do Cajueiro.
Pergunta-se no Sr. F. C. S., quando quer pagar
os alugueis da rasa da ruados Acougues, de queS.
S. he liador, por carta de sua lettra e signal, e quan-
do quer entregar asecha ves da mosma casa : se S. S.
descobrioalguma le, poraqual se possa morar na
casa alheia contra a vontadedeseudono. se S. S. cn-
tende, quen.lo deve responder as cartas, quo se
lliedirigem, exigindo o cumprimonlo de sua obriga-
clo, e promessas repetidas e nflo cumpridas: c fi-
nalmente se quer, que se publique mais este facto,
dando-so a luz a sua carta e se quer ser fiador sem
preencher a obrigacSo, e ser generoso por talguiza ?
Espera a resposta o Eicandaliado.
1HEATROK APOLLO
ABER'IURA
AMANHAA,i9UK DEZEMBRO
S. H.-T.
A commissto administrativa faz constar aos Srs.
socios, quenovamente tem marcado o dia cima
para a primeira representaco.
Compras.
= Compran-sc escravos de 16 a 20 annos de darte,
sanios, sem vicios, com oflicios c sem elici: na rua Di-
relta, sobrado, n. 20.
-- Cnmpra-se um traneclim meio fino: na rua de
S.-Francisco, palacete novo.
Vendem-se moendas de ferro para engenhos de as-
iiicar, para vapor, agoa e licstas, de diversos lmannos,
por pceo cuminodo o igualmente taixas de ferro coado
p balido, de todos os tainanbos : na praca do (orpo-San-
(o, u. II, em casa de Me. l-alinont ix Companbla, ou na
rua de Apollo, ariiiazrm, n. 6.
= Vrnde-se potassa branca de superior qualidade,
fin barril pequeo ; em casa de Malheus Auslln A
Companhia. na rua da Alfandega-Velha, n. 38.
= O correlor Ollvelra lem para vender cobre em fo-
Iha e picgosde dilo para forros de navios : os pretn-
deme dirijan-se ao iiirsino, ou aos Senhores Mosquita
Si Dutra.
= Vende-se cal vlrgem em meias barricas chrga-
da prximamente, por preco commodo; na rua da
Moeda armazem n. 15.
--Vende-se potassa branca, da
mais recem-chegada por modi*
co prego : em casa deL. G. Fer-
reira & Companhia.
~ Vendem-se casaes de pombos bons[batedores,
grandes e de excedente roca por preco commodo :
na rua da Florentina, n. 16.
Sapa los, a 3120 rs.o par.
Na esquina da rua do Cabug junio a botica ,
vendem-se sapatos de marroquim francezes, delu-
das as cores e decordovilo preto muito bons che-
gados pelo ultimo navio de Franca; lindase boas
sedas brancas para vestido de noivado ; ditas escu-
ras, de bonitos padrOes; ricos diales c mantas de
sada escocesa dos meltiores gostos, que teem appn-
recido ; guarnicOes de llores para vestidos ; cliupeos
de seda com plumas, do ultimo goslo ; cachos de
(lores para chapeos ; lindos chapeos do palha da Ita-
lia muito fina c de muito bom goslo para meni-
nos ; I uvas de seda curtas e compridas de todas
as cores, com dedos e sem clles ; crep de todas as
cures ; luvas de pellica com enfeites ; ditas curtas,
para homem c senhora ; chapeos de sol para ho-
memesenhorn; corles de cambraia de listras para
vestido ; borzeguins pretos, para homem e senhora;
sapatos de lustro, para senhora e meninos; ditos
para homem; um bom sortimento de perfumaras ;
assim comooutras muitas
rO por preco commodo.
fazi.ndas que se vende-
Vcnd/is.
r
m
Vende-se urna mangla de vidro bordado, pa-
ra lustro de meio de sala ou troca-se por urna man-
ga de vidro lisa : na rua de llortas, n. 62.
Vende-se um porta-licor em sua caixa enver-
nisadn de bom gosto por preco o mais commodo
possivrl: na rua de llortas, n. 62.
Vendem-se duas canoas novas, de condnzir
familia, pintadas a oleo ; urna dita pequea, de um
so pao : na rua rua estreita do Rozarlo, botica, n. 10.
Vendem-se 35 esclavos sendo : pretas pre-
tos, negrinhas pardos, pardas nioleques 2 bo-
nitos mulatinhos propnos para pagens por preco
commodo : na ruada Cruz armazem n. 51 a fallar
com Jos Francisco da Silva.
1*1 Vendem-se, por preco mais barato do $
que em oulra parle, lanszinhas linas, os 5
j3J mais ricos padrOes que teem apparecido J
*> e l,el barato preco de 320 rs. o covado ; I
c- cassas de novos padrOes e cores fixas a
'7i 2500 c 3000 rs. o corle ; risendinhos france- ,
^i zes, finos para vestidos a 200, 220 e 240 l
--<- rs o covado ; lencos de seda da India a
1440 rs. ; mantas de seda, as mais ricas que p
Hf teem apparecido; cortes de cambraia de |>
M* bom gosto; ricos chales de seda; cortes de I
al eolletcde todas as qualidades; brinsdeli- h
nho, de cores e branco; casimiras para cal
cas; osguioesfinos ; hretanha de linho B
muito lina ; lencos de selim prelo e de c- j
res para grvala ; eoutras minias fazen- \
das de bom gosto : na rua do Queimado
cantos, loja nova, na casa ama
Vcn.leni-sp liirlins grandes de Mam-
burgo thegadas tiltimatnenle; e tam-
bem se alugo, por preco commodo ; no
Aterro-da-Boa-Visla primeira venda
a o p de ponte, n. a.
Ia rua da Cadeia-
Vclha, loj.i n. 29, de
J. O. Elster,
vcndeni-se os seguinles vinlios engar-
rafados e de superior qualidade : vinho
do Porlo muilo velho ; dito da Madei-
ra ; Bucellas ; Ca vellos ; Sberiy ; Hliei-
no ; Fordeanx ; Cherry-eordial ; Tene-
rilli ; Champanha, marca cometa ; c tum-
ben! supeiior grnebra hollandeza ; agoa-
ardente de Franca ; vidros com conser-
vas ; Lo i oes de dore de fructas da Euro
pa ; biscootos inissimos de Hainburgo ;
velas de composico ; cha preto; dito
hysson ; ptimos charutos em caixinhas
de cem.
Vcndcm-sc sacras com 3 arrobas de lardo, o
mais novo deste mercado : na rua da Cruz n. 52, i
no armazem do Bacelar, defronte da eseadinha.
Na loja da esquina confronte ao arco de S.-An-
tonio, n. 5 de CulmarHcs Sera fin & Companhia,
vendem-se chales grandes de cadarco, fingindo laa e
seda padrOes muito modernos, pelo barato preco
de 2400 rs. cada um ; lencos de cambraia estampa-
do aUOrs. cadaum; brim francez escuro, en-
corpado e de puro linho a 720 rs. a vara.
Vemle-ae um relogio de prata, suisso, com pou-
co uso, por preco commodo : uucni o pretender, diri-
ja-se a rua da Guia, n. 55.
ATTENCAO!
Na rua doVigario, n. 13, vende-se doce de goiaba
de superior qualidade cm caixinhas de8 libras a
meia arroba proprio para tempo de fosta.
Vende-se umrnriiflo grosso, de ouro de le ,
com 3 voltas e sem feitio ; um relogio de ouro, mo-
derno bom regulador; um caixo para amostras de
venda, ou relinacio de assucar; ludo por barato
preco: na rua doRozario deposito de bolacha, n. 2.
Chsh da Fe.
na rua estreita do Kozhio n. 6.
Nesteestabelccimento ach.to-sc a venda ascoute-
las da lotera das obras da matriz da cidade da Vic-
toria. Aellas, que silo poucas, e as rodas davem
correr n 22 do correle.
Vendem-se 2 escravos mocos, de nacflo, pro-
pnos para todo o servico : na rua larga do Rozario,
n- 35, primeira andar.
Vende-se urna pela, de 18 annos, de boa fi-
gura propria para mucama e que cugomma,cozi-
nha e coso ; duas ditas quitandeiras e de lodo u ser-
vico ; duas ditas proprias para o campo ; um boni-
to moleque, de 12 annos, proprio para pagem de
algum menino; todos sem vicios nem achaques, o
que se afianca : na rua larga do Rozario, n. 24, pri-
nicirn andar voltando para osquarteis.
Vendem-se resmas de papel almaco, branco e
azul a mitBQao de meia hollanda ; ditas de papel do
peso; tudo por preco mais commodo do que em
oulra qualquer parle : na praca da Independencia,
loja de niiudezas, n. 4.
Vende-se um terreno na rua que Dea por de-
trs da ruada Aurora em frente do fundo da casa
do finado Pereira com igual largura a da dita rasa
com 300 e tantos palmos de fundo o qual chega at.
a lerceira rua: a tratar natravessada Madre-de lieos,
n. 18
-- Vendem-se 30 accocs da companhia de Bebe-
ribe, no valor de 70 porcenlo: nesta Ivpogranhia,
se dir quem vende.
Vendem-se queijos ; presuntos; latas com bis-
coutinbos inglczes; ditas com marmelada ; barris
com azeitonas frotas do Porto ; tudo por preco com-
modo : na rua da Cruz, noltecife n. 46.
Vende-se urna venda na rua do Collegio, n. 21,
com commodos para morar familia no interior que
bota para o l'asseio-Publico e com poucos fundos,
e anda se tiraro alguns.se o comprador assim o
exigir: a vista do comprador se far todo o nego-
cio, em rasiododono se adiar doente e ter do re-
tirar-se para fra : a tratar na mesma venda.
A 12$ rs. o corte.
Na loja da esquina confronte ao arco de S.-Anto-
nio, n. 5,de Guimarfies, Seralim & C, vendem-so ri-
cos cortes de chal de lila e seda com barra, os mais
lindos padrOes, que teem vndo a esto mercado,
pelo barato preco de 12,000 rs. o corle.
;&* 3g g% WS Wfttqfe
Nesta loja das bos pecliinehas ha mais
duas de novo a saber: tarlatanas com lis-
tras de seda ,a 5600 rs. cortes de cambraia
de bonitos padrOes a 4000 rs.
@tt%%9ft9S9ft94aV3@
- Vendem-se cobertas de chitas a 1800 rs ; cor-
tes de Ifla muito lina a 4000 rs.; cortes de meias ca-
simiras, n 3800 rs ; ditos de cassas bordadas com
8 varas e meia a 3(100 rs.; meias de seda preta
muito superiores, para homem, a 800 rs. ; riscados
largos propnos para camisa a 180 rs. o covado
na rua do Cabuga, loja de Antonio Rodrigues da Cruz
- Vende-se urna escrava de naojo de 30 anuos,
de muito boa conducta eque rozinha bem, lava
e be muito fiel : no becco do Padre, n lo.
- Vende-se urna commoda deamarcllo ; urna di-
ta de conduru ; meias dilas de aniarello; camas de
angico; ditas de amarello; sophs de Jacaranda;
ditos de oleo ; marquezas de conduru ; urna mesa
de meio de sala com pouco uso; toucadores de ja-
caranda ; cadeirasditase de oleo; tudo por preco
muito commodo : na rua da Cadeia de S.-Antonio,
n. 18.
Vende-se a obra de Filinto F.lysiq, em portu-
guez composta de 11 tomos, cm bom uso: na rua
do Cabug, junto a botica do Sr JoSo Moreira Mar-
ques
Vende-se a bella agoa de caj espremida em
prensa com todo asseio, a 80 rs. a garrafa : em F-
ra-de-Portas, venda n. 92.
rnff* Vende-se um cavallo, rodado, de
jG4 bonita figura, e que anda bem de
baixo a meio : na eatribaria da forte do
Quebra-Pratos, junto do arco do Bom-
Jess.
~ Vende-se um sitio na estrada dos Afflictos, com
boa casa de pedra ecal, com soto, estribara para
um cavallo e boa agoa de beber: fallar na mes-
ma estrada, no sitio de Joaquim de Olivcira e Souza.
Lindes de eloqucncia nacional
pelo padre mostr Lopes Cama em 2 vol.,(bem enca-
dernados): vende-se na livraria da esquina do Col-
legio, a 6,000 rs. cada cxemplar. Tambem ahise ven-
de por 8 patacas cada cxemplar do compendio de
philosophia do professor Criarme, pelo qual ha de
leccionar-se no collegio das artes.
Pecliincias na loja
do nicho !!!
Na esquina do Livramento loja do nicho, ven-
dem-se pecas de algodiozinho com 17 varas, a 2240
rs.; chapeos de sol, de seda, a 5000 rs.; ditos imi-
tando seda a 2000 rs.; urna grande porco de chi-
tas brancase decOrcs, de bonitos padrOes, a 160
rs. o covado: e recebem-sc cdulas encarnadas de
20,000 rs. sem descont.
Vendem-se 1>ezerros francezes. de Nanten, de
superior qualidade os melbores que teem vindo a
este mercado, por atacado ou nirsino em duzias a
vontade dos compradores jior mais barato preco do
que em oulra qualquer parte : na rua da Cruz, n 20.
NO ATF.RRO-DA-BOA-VISTA LOJA N. 3, DE JOAO
CHARHON,
arab-io de chegar, pelos ltimos navios vindos de
Franca ricos e multo linos chapeos de palha, para se-
nhora e meninas ; flores finas para chapeos e vestidos;
muito boas fitas de srtim lisas e lavradas ; ricos cha-
les e maulas de seda para senhora muito Anos; cain-
biaias ile linho francesas sem mistura iieiihuiiia de
alfrodao ; ditas de algodiio, muito finas e transparentes;
bonitos coi tes de vestidos de cambraia de listras de co-
res : cassas finas lisas e de cores ; bonitos lencos de se-
da, setlme cassa para homem e senhora; luvas e
meias de serla e linho ; bous supemtorios de borracha;
muilo ricas bengalas ; chicotes de muito bom gosto,
para cavallos ; chapeos de sol, de seda e de panno.de
boa qualidade, para homem c senhora; um novo e
bom soriiiiienlo de perfumarlas finas ; calcado para
sruhora ; oculosde grao ; chapeos de seda para se-
nhora ; bonitas bijouterias chapeadas de ouro, hlelas
para rspanilhos ; dedaes de ac ; caixinhas de porcel-
lana dourada para saboe para guardar escovas; ricos
appartlhos para cha ; e ouiras mais faiendos de lojas
li aun/..
= Vendcin-ic barricas e meias ditas com familia gal-
lega muito superior) barricas e meias ditas com cal
virgcni de Lisboa ; barricas com potassa branca e preta;
li'cliaduras para pona dearuiatem peneiras de rame;
rodas de arcos para barricas ; bichas de Hamhurgo ;
tudo por preco commodo : na rua do Vigarlo arma-
zem n. 0.
VAMOS AO RESTO.
Continua-sea vender agoa de Ungir os cabellos c
siiissas : na rua do Queimado, ns. 31 c 33.
-- Vende-so urna venda com poucos fundos, pro-
pria para qualquer principiante, na rua da Cruz ,
no Recife n. 58 : a tratar na mosma venda.
No Aterro-da-Boa-Visla, loja de miudezas de
ThomazPereira do Slattos Estima vende-se, por
preco commodo, fogoartificial, de 3, 4, 6e 9 es-
toros bem como fogo de vista de diversas cores c
de bomba real Offerece a toda aquella pessoa que
tiver incumbencia de qualquer festa ; pois o seu pre-
co niio desagradar. Neste lugar acha-se sempro
prompto para mais de 600 duzias.
-- Vende-se um pardo, de 28 a 32annos, bom bo-
lieiro, minio diligente bastante humilde sadio e
sem vicios : na rua Imperial, n. 39.
-- Vende-se arroz de casca ; dilo pilado, branco;
mi ho ; sal do Assu, muito alvo, em poreflo e a re-
talhojabanos em milheiro naos ceios; tudo por pre-
co commodo : na rua da Praia, venda n. 39.
Vendem-se 120 palmos de trra o perto de mil
de rundo na Ponte-de-chOa quo divide com o si-
tio que foi do fallecido Antonio Baptista Ribeiro de
tana conlendo arvoredos baixa para capim um
pequeo viveiro muilo mangue grosso a margem
do no Capibaribe : na rua de S.-Francisco pala-
cete novo.
AOS FUMANTES.
Na rua Nova, n. 31, acha-ae a venda um comple-
to sortimento de charutos regala, por preco mais
commodo do que se pode achar em outra qualquer
parle; eoutras qualidades de charutos : tudo em
caixinhas de cem.
" yen.t,c-se Por menos do seu valor, um sitio
em Olinda na rua de S.-Joflo com 3 casas terreas,
sendo urna de pedra ecal, assoalhada forrada, com
solao, e toda envidracada, e duasde taipa reboca-
das; o sitio he grande com baixa para capim e
malta, que da leuha : na rua do Queimado, loja n. 8
Vende-se muito boa banlia de porco derreti-
da em pequeas e grandes porches, por preco
muito commodo na rua da Conceic3o, n. 40.
- Vende-se urna preta, por 200,000 rs. que ser-
ve bem a urna casa e vende na rua; urna molcca
peca, de 18 annos com bons principios de habili-
dades ; e melhor figura possivel; 4 pretas para todo
o servico ; 4 escravos bons para o trabalho de cam-
po
nem pare-
12 annos:
Vende-se urna parda, de 20 annos,
cida; um moleque muito bonito, de i
todos por proco commodo : na rua da Cadeia do Re-
cife, a fallar com Jo3o Jos dcCarvalho Moraes.
Vende-se urna preta, de 18 annos de bonita
figura quecozinha o diario de urna casa cose e
lava ; urna dita, de 24annos quecozinha, lava de
aabSo che quitandera; duas ditas para o servico
de campo ; um mulatinho, de 7 annos de bonita
figura ; todos sem vicios nem achaques : na rua da
Concordia, passando a poteziuha, segunda casa.
terrea.
Vendem-se 3 lindosmoleques.de 14 a 16 an-
nos; a ditos, de 7 a 11 annos; 2 pardos, ptimos
para pagens, de 17 annos tendo um delles o oIBclo
de banqueiro de engenho ; um cabra, de 25 annos
bomcarreiro; um preto de 30 annos canoeiro'
duaspretas.de 20a 25 annos, com habilidades)
sendo urna aellas de nacao, com urna cria mulati-
nha, de 2 annos ; urna parda, de 25 annos, com al-
guias habilidades ; 2 negrinhas de 7 a 9 annos:
na rua do Collegio, n. 3, segundo andar.
Potassa da Russia,
verdadeira e nova, em barris pequeos,
por preco muito commodo : na rua da
Cruz, n. io, em casa de Kalkmann &c
B osen mu nd.
PARA OS AMANTES DO QUE HE ROM !
Vendem-se latas pequeas e grandes da
muito e recommendavel bolachinha de ara-
ruta, propriamcnledita, ltimamente che-
gada no brigue Viriato, liem torrada de dif-
ferentes feitios o cheiros os mais agradaveis,
que se nodem desojar, como sejao: flor de
laranja baunilha, herva-doce, limito, &c.;
em porcio e a retalho, por barato prego: no
armazem de Dias Ferreira no caes da Al-
fandega.
Vende-se um relogio de ouro, suis-
so novo ; um dito um pouco usado ,
muito bons reguladores,nelooqueodono
se responsabiliza ; e igualmente 3 cor-
rentes novas, de ouro, para os inesmos;
na ruado Vigario, n. l\.
Sal de Lisboa fino e alvo, a 1600 rs. o alquei-
re velho, e sendo porcSo dar-se-ha por menos: na
rua da Praia armazem n. 18.
Vendem-se 6 escravas, sendo pretas e pardas
de 15 a 25 annos com habilidades; um escravo car-
reiro, de 20 annos; 2 pretos de 25 annos, de boa
conducta e bem robustos; 2 pretos, de meia ida-
de ,uiii delles he carpina : no paleo da matriz de S.-
Antonio, n. 4.
Vendem-se finas cartas para volt arete; ricos
punhos e collarinhos de cambraia bordados para ves-
tidos ; muilo ricos lencos de seda de pescoco para
homem : na praca da Independencia, n. 39.
Voltnrclo.
Vendem-se cartas francezas, muito fi-
nas, na loja de ferragens da rua da Cadeia-
Velba, n. 56.
-- Vendem-se os milito supe-
riores borzeguins gaspeados, fran-
cezes, parahomens; dilos parase
nhoras; sapaloes de bezt-rro, fran-
cezes, para liomem, de 3$ a 3,600
rs.; sapatos de mrrroqum, para
senhoras, de 800 a 1,120 rs.; di-
tos de tapete, pintados, a 1000 rs.;
ditos de cordovo, de Lisboa, a
700 rs.; sapatos para meninos, de
marroquim, de lodos os la mandos,
de colxetes ; bolins de Lisboa, pa-
ra homem; e d'oulras muitas quali-
dades, porprecos muito commo-
dos, na rua da CadeiWelha do
Recife, n. 35, loja do Moura.
Escravos Fgidos.
m
>;um moleque, de 10 annos, muito esperto ; um
ulalinho.de 15 annos, muito lindo pagem: na
rua do Crespo n. 10. primeiro andar.
Vendem-se ps dos grandes e lindos cravos da
galera ja botando cravos; assim como roseiras de
todas as qualidades, dalias e outras muitas ores:
na Soledade indo pela Trompe lado direito, quasi
aopeda igreja n. 7. H
Vo sitio da estrada de S -Amaro para Belm
passando a ponte, o primeiro porto, vendem-se ca-
jus a 24 por um vinlem ananazes e melancias, inui-
dores Cnla e csco,her V0Dlade dos compra-
- Vendem-se agtilheiros de vidro. e pequeos
tubos tambem de vidro, para fumar charuto, sem
VSUnZ a5* ne? *b0Cca : narUl lar8a d" oza-
zario ao p da padaria.
Fugio, no dia 2de setembro, um escravo, de
nome Joaquim preto, fulo, baixo figura ordina-
ria diz ser Calaba ; tem as fontes uns risquinhos
apagados; de lempos cm lempos nascem-lhc uns cra-
vos nos ps; tem as mOos speras, procedido de
boubas que leve : quem o pegar, leve ao engenho
llalateiras, a seu senhor, o padre Jos Goncalvcs da
Madre de Dos Fontes.
Pugio de bordo brigue-escuna Jotephina ,
um pardo, de nome Francisco vindo do Maranhflo,
para aqu ser vendido ; o qual tem 30 anuos, rosto
redondo cabellos pretos e corridos pouca barba :
quem o pegar, leve a rua (la Cadeia do Recife ar-
mazem n. 12, de Biltar & Oliveira, que recompensa-
r generosamente.
Fugio, no dia 14 do correte a escrava Faus-
tina, crioula, baixa, cor fula, olhos um tanto ves-
gos ; tem um signal de cabellos branros na Trente ;
levou vestido rouxo. F.sta escrava foi do Caxang e
hoie pertence ao Sr. Jos Joaquim Umbelino, mo-
rador nos Affogados; he muito natural que tenha
ido para o Caxang oudo consta ter um preto com
quem tem amizade, e que pertence ao engenho
Cordeiro ; ou talvez esteja lavando roupa para as par-
tes do Monteiro : prolesta-se contra quem a tiver
oceulta. Quem a pegar, leva a seu sonhor, nos Afo-
gados, ou a rua das Agoai-Verdes n. 46, que sera
recompensado.

PERN. : NA TTP. DIM, F. DE J/AIAU. 1%$-

_*t~-W
-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAX0TJ3GG_Z4CIXL INGEST_TIME 2013-04-26T23:11:52Z PACKAGE AA00011611_08349
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES