Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08343


This item is only available as the following downloads:


Full Text

Anuo de I8iG.
Sexta-feira
*.
i
O ORO pulici-je toilos o das que n"o
lori-rn He gurrl : o preco ila assigualura llt le
i|(K)H rs. por qunrtel, paf-ns ailianlarlnt. ()<
Miiiuncin dos assiguantei "o nsi-riilns rataa
jo JO ris por liiil", *0 ris en lypo iliflurcii-
le, i i-petire pe i melada. Os que uo fo-
l'm assiijnantes p|po 0 ris por linda, e 100
iiii lypo dlfli>rdM,
P1USES DA LA NO MEZ. DE DKXliMBRO
i,u rliei a I, as liorJ 16 minutos da tnle.
Mineoaute a I", as 0 hpras e &!> min. La nova I, as '< lloras e 21 miti. da manU.
CicsotuM ">> >* lloras e ID iniu. da manli.
PARTIDA DOS CORRRIOS.
Goiann o Parahyl.a Segunda e Sestea feiras
Rio Grande do Norte, chega na* Iguarias feiras
o meio di parte uas- mesmas horas as
Ouinlas feiras.
Cal.o, SerinUaeni, Rio Formosn, Porto Calvo e
Macey. no I.*, II e 2I de cada me.
Caraiiliiim e Bonito a 10 r!l.
Boa-Vtsta4 Plores a II e 2.
Victoria as Quintas feiras .
Oliuda lodos os das.
PREAMMl DE IIJE.
Prinicira a 10 K. al minutos da manlia.
Secunda a II h. 18 minutos ta larde.
de Dezembro.
Atino XXII. S. .
DAS DA SEMANA.
7 Secunda. S Ambrosio. Au I. d .1. dos or-
plgosedoJ.doC.d.v.,do I. M. da 2 v.
S Terra. v> Conceirao de Nosia Senhnra,
padroeira do imperio.
9 Ouarta. S. Leocadia. And. do J.do civ. da 1.
v e do J. de par do 2 disl. de t.
10 (Juinla S Geinello. Aud. do J. He orpliof,
lo I municipal da I. vara.
1 Scita. S Dmaso. Aud. do J. do civ. da I.
V e do J. dr pai do I. disl. do t.
2 Saldiado. S Justino. Aud. do J. do civ.
dn I. v., e do J de pal do I, disl. e J. de t.
3 Domingo. S. I.uiia.
CAMBIOS NO DA 10 DE DE/.EMBRO.
Caml>ioSohre'.ondresJ.'/,a287.d.p.lfa6<>d.
a Paii 3ii ris por franco.
. Lisboa !> % de premio.
Dae. de letra de boas firmas I '/il>- ,omei.
OuroOncasliespanlmlas.. 50(10110 a lOf.'.OO
IHodasdeOJlOOvel. |8>200 -
* de BJlon i .iv itijiioo
. i) de 4(000... 9#nno
Prala Pataco*.......... J'""1
Pesos columiiare; ll'i'.m a
a Ditos Meiicauus. #>- n a
Miuda----------... iPi
IRfaOO
lOflOO
9 100
V'Ollll
2(0110
ifoto
1(780
Acedes da Comp. do deberibe de bOJOOOaopar
DIARIO DE PERNAMBUCO
AVISO.
No ultimo desle mez finda o
prazo, por que fura prorog ido o
(jue eslava marcado para o troco
das cdulas de 2^00(3 rs., estam-
padas em papel ortico.
IV
PAHTE 0FFICUL.
Governo da provincia.
EXPKDIENTR DR 27 nO PAUSADO.
Ofllcio A0 Kxm. commandanlo das armas, sci-
entillcando-o de haver licenciado por tros niezes,
para ir corte, o lente reformado de primeira l-
jiha. Pedro Alejandrino de Uniros Cavalcanti.
hito T-Ao juiz de paz supplente da freguezia dos
Afosados, significando que os respectivos inspecto-
res ilc qtiartcirito se uo podem negar a formular as
listas, que devetn servir de base qualificacitodosci-
d ditos votantes daquella freguezia.
Dito Ao administrador das obras publicas, de-
clarando, que os inspectores de estradas, quando es-
tiverem desoccupados.devcm coadjuvar osengenbei-
rosda ropartiefn sob sua administrarlo
Dito Ao mesmo, significando, que, quando a
molestia de qualqtier dos empregndos, a sua inspec-
eilo subjeitos, osobrlgaradeixar de comparecer na
reparticil por irais de tres dias, devem elles justifi-
ca-la com attestado de facultativo, que por S. mese-
ra transmitlido a presidencia : e declarando, queaos
cugenheiros cumpre ter cavalgaduros.
HlrM no da 28.
(inicios Ao juiz relator da'junta dojustica, trans-
mittindo os procesaos dos reos Filipp.c da Rosa San-
tiago e Pedro Jos da Silva.
Hito Ao inspector ila Ihesouraria das rendas pro-
vinciaes, ordenando, que com promptidSo ministre
rnmmissilo nomeada pela asscmbla para examinar
ii estado dos cofres da mesma thesouraria, os escla-
rec montos, que ella exigir para babilitar-sc a be ni
ilescinpenhar sua missto. I'articipou^seao prinie-
ro secretario ila ssemhla legislativa provincial.
Hilo Do secretario interino da provincia ao te-
nente-coronel Jos Machado Freir Pereira da Silva,
pariicipando, que o Kxm. presidente da provincia,
iMii\ilen?ao aos motivos, porS. me. allegados, o dis-
pensou ito cargo de terceiro stmplentc do juiz muni-
cipal da primeira VTia desta cidade. Conununicou-
seao presidente da relncHo, acamara municipal do
Itecife, aos jui/es de direito desta comarca c aos mu-
nicipaes desta cidade.
IIIKM III) da 30.
OITicio Ao ebefu de polica, scientificando-o de
ter ordenado Ihesouraria das rendas provinciaes,
que prafira a outro qualquer pagamento o do que se
liuuver despendido com o sustento e curativo dos
presos pobres de justica
hilo Ao mesmo, determinando, que, apenas fo-
n ni substituidos por guardas nacionaes os destaca-
mentos de primeira Imha, que"estflo em Olinda e
l'nco-da-Panella, fa^a-oa recolher aos respectivos
ipiarteis. OIIiciou-.se aos commandantes superio-
ii's de Olinda e Iguurass acerca da suhstituigfio, de
me cima se trata, e participou-se aocommandante
das armas.
faBB
EXTfcBIOR.
KELGtCA. .
Afiirma-se, que as negociacOes enlaboladas em
Berlim para dar-se maiorextensiloao tratado decom-
mercio e navcgacilo, concluido entre o Zollvercin e
a Blgica, no i.* de scleinbro de 18*4, forilo adiadas.
MEMORIAS DE UAl MEDICO. (*)
pon aicranDrc ?Puma0.
PRlMLlRA PARTE.
esa aAia^Q.
CAPITULO XXIII.
O TMCONDE JOO
0 joven tenante da guarda do delpbim, pois que era
lie, apeou-se de um salto, ao aspecto da exlrava-
Bantesceiia. que comecava a reunir em derredor da
liuspedaria da posla as inulheres e meninos da aldeia
de LacliausM'c
AoavisUrFilippe, o inestre de posta foi, por as-
srii di/er, lauca i -se aos ps desse ines|erado prolce-
'or, que a Providencia Ihe enviavu.
r*
; Vid. Diario 277.
tlI1I1|^ilI1aj1|11J>aaBaa|aM)jBaaaaaaaaa>^lt>aijakafa^^
Os passos dados pelo ministro belga na corte prus-
siana ficrio mallogrados.
IIOI.LANDA.
VSTf.RDAM, tt DROUTUBBO
Consta-nos, queopsto de cmbaixador dos Pai-
zes-Baixos a corte bi itaunica toi olferecido ao bariio
Van DcrCapallen Van Rerkenmonde; mas que o ba-
rio recusou accei lar esse posto.
IIAOIIR, II DR OUTUB.nO.
. O SUtaU Counmt desta data conten o programma
para a abertura da sessiio ordinaria dos estados ge-
raes, em Haguc, na segunda-feira seguinte: ~ A ses-
sSo ser a berta porS. M. em pessoa.
A totrfo do Alto-Kbeno diz, que se projecta, que
0 duque de Nassau case com uiua princeza dosl'ai-
zes-liaixs, isto he, com S. A. II., a princeza Luiza,
filha de S A. R., o principe Fredericodos Paizes-Bai-
xos ; a princeza Luiza nasceo a 3 de agosto de 1828
Segunda-feira passada houve. um concelho de ga-
binete, o qnal demorou-se por muito lempo, e a el-
le assistrflo S. Exc o ministro Van Hall, que esla-
va inteiramente restabelecido da sua molestia, e.M.
Van Randwyk, rccenlcmente nomcado ministro do
interior.
idrm, 12.
Ainda que a colbcita da batata n'io seja este anno
tilo abundante como o passado comtudo ha mui-
tas arrancadas em bom estado, e por conseguinte a
escassez nilo sera absolutamente tilo grande como o
anno passado. 0 prego he por certo duplo do do bons
annos, mas o povo tem aprendido a ser oais eco-
nmico no uso dcste inapreciavel vegetal.
IIIKM, 14,
Algunsjornaes annuncirlo, que o govorno russo
dirigi represenlac,Oes ao gabinete do llague conlra o
novo tratado entre a llollanda eallelgica, e que at
anieai.'ou a llollanda com represalias, se as vantagens
concedidas Blgica, m prejuizo das fazendas al-
leiiijas, nilo fosseni concedidas ao Zollverein. A Vo-
7.tla de Cologne diz a este respeito, que pode declarar
sob boa autoridade, que nilo se fez nt hoje ameaca
alguma deste genero ; mas queso tinhao aborto ne-
gociacOes entre os dous estados, c que ellas podiiio
Uiiiiinar favoravelmcntc se se lizessem algumas
concessOes ao govorno hollandez, relativas dimi-
oui(,.loda navegaco do Rheno. O gabinete do lla-
gue ja dirigi urna circular a csse respeito aos esta-
dos das margens do Ivhono,- mas ainda nilo recebeo
resposta alguma.
Tem-se a (firmado, que o governo tenciona, alim
dn cobrir o dficit de alguns milhOes de dorios na
renda publica, negociar um emprestimo lie dote mi-
1 lics ile floi ins a 4 por cento. Podemos alliiinarsob
boa autoridade, que o governo nilo tem tal intenco
de contiuliir emprestimo.
(l)ailj A'mm.J
PERNAMBUCO.
Cmara municipal do Hccife.
PARECERES DA E01IMISSA DE EDIFICACAO, A OLE
si: REFERE a acta da tercera sessau ordi-
naria, PUBLICADA EMON. 276.
Acommissao de edificaeflo, tendo em vista os
requerimentos de Manocl CoiiQalves Pereira Lima e
Manoi'l Pires Ferrcira, e exainiuandoas inforinaces
jiiiiliis, dirigidas a S. Exc, o presidente da pro-
vincia, e remetlidos esta cmara para serem infor-
mados, em osquaes pedem os supplicantes por afo-
i amento os terrenos de marinha, que conlinflo com
os fundosde suas casas sitas no Aterro-da-Boa-Vista,
nao cncontra na concessflo destes terrenos aos sup-
plicantes o menor prejuizo para a muniripalidadc,
visto destina-losa planta da cidade. para edificares
particulares, e nao se fazerem precisos i esta muni-
cipalidade: e,julgando antes convenientes osofora-
mentos para augmento da edilieacilo, he a commis-
slodepareier, que se devolvilo as peliqcs, infor-
mando-se, que nenhuma opposicilo tem afazer
prelencflo dossupplicanlcs. Sala dassessOes da ca-
Senhor ofiicial, gritou elle, sabe oque ha?
Nilo, respondeoFilippe framente; mas diga-
m'o Vm. -
Pois bem querem tomar a forca os cavallos de
S. A. real a senhnra dilphina.
Filipne applicou o ouvido, como qiiem ouvo cousa
incrivel.
Rqueniquercntao tomar os cavallosr* pergun-
tou elle.
O senhor, respondeo omestre do posta.
E designou com o dedo o yisconde Jolo.
O senhor? repeli Filippe.
Sim, senhor, eu mesmo, disse o visconde.
__O senhor se engaa, disse Taverney, meneando
a caneca, he impossivel : ou o senhor esta doudo, ou
nilo he gentilhomein.
Osenhor he, que se engaa nesses dous pontos,
meu charo tenento, disse o visconde, estou em meu
pcrfeilo juizo, e deseo dos coches de S. magestade,
emquanto nflosuboa elles.
__ Econio he, que, estando em seu perfeito juizo,
e descerni dos coches de S. magestade, ousa entilo
o senhor por a nulo nos cavallos da delpflfUa?
Primeiro que tudo ha aqui sessenta cavallos,
e S. A. real nflo pode empregar maisqueoito; sena,
perianto, grande inlelicidado minha, se, tomando
(rea ao acaso, pegasse justamente nos da senhnra
delphina.
Ha sessenta cavallos, he verdade, disse o man-
cebo; S. A. real nilo emprega mais queoito, tam-
ben! lio verdade; masisso nilo faz, que todos esses
cavallos, desde o primeiro at o sexagsimo, nilo se-
ILEGIVEL
mar municipal, 12 de setembro de 1816.-.4/ Fer-
rera.-flarroi.
A commissio decdificac.lo, altentando para
o requerirnento deCaetano da Costa Morena, e exa-
minando as informaces juntas, dirigido S. Exc, O
presidente da provincia, informado j por esta c-
mara, e remetlido segunda vez mesma para tornar
a informa-lo, em o qnal pede poraforamentoo terre-
no de marinha, que tica no fundo da sua casa sita na
ra da Mncda, fallara ao seu mais rigoroso deyer, se
deixasscdesenppor pretencJTodosupplicantca vista
da nformacilodoengenheiro omchcfe das obras pu-
blicas, em quo faz ver, que este terreno esta comple-
tamente oceupado pela praca do Forte-do-Matlo, que
he um dos logradouros pblicos. Fundando-se sem
duvida em urna antiga inrormacilo do inspector geral
dasobras publicas, nada oppoz esta cmara da pri-
meira vez peticilo do supplicante, porm agora,
que seacha mais esclarecida, nilodevodeixa-la pas-
sar sem apresiMitar estes inconvenientes, assim, he
a commissio de parecer, que ueste sentido se infor-
me, devolvendo-se a peticilo. Sala das sesses da c-
mara municipal, 12 de setembro do 1846. AlvuFer-
reira.Harros.
a A commissio de cdificagilo, prestando a de-
vida atteucilo aos requerimentos de Thereza Con-
dal ves do Jezus Azevedo, e examinando as informa-
i oes juntas, dirigidos S. Exc, o presidente da pro-
vincia, e remettidos esta cmara para informa-los,
em os quaes pede por aforamento os terrenos de ma-
rinha ja demarcados e avaliados, existentes nos fun-
dos de suas casas ns. 1, 3, 69 e 71, sitas no Aterro-
da-Boa-Visla, nada lom a oppr pretencSo da sup-
plicante, urna vez que nilo silo precisos munici-
palidade c a planta da cidade os destina para edifica-
COea particulares : portanto he a commissio de pa-
recer, que se devolvo os requerimentos, inforinan-
do-se, que nenhum inconveniente resulta esta mu-
nicipalidade do aforamento requerido. Sala dasses-
sOes da cmara mupcipal, 12deselombro de 1846.
Alves Ferreira.--llarroi.'
a A commissio dcJdificaQffo, tomando na devida
importancia o ofiicio da direcQlo da companhia de
Bebiribc, dirigido ao Ex ni. presidente da provincia
e remetlido esta cmara para informar, em o qual
responde outro de S. Exc, declarando, quanto as
oliras ila passagem do enea mmenlo pela ponte da
Boa-Vista, que estas erilosmente as indispensaveis,
segundo entendeo o engenheiro encarregado dellas,
e quanto as liccngas para estas e outras obras da
companhia, que as tem pedido, ainda que esleja pre-
viamente aulorisada para ellas pelos seus contratos,
ton a expoi sobre a primeira parte doofilcio,que julga
nilo causaran) laes obras mal algum ao transito pu-
blico, porque a companhia nilo ha de perder de vista
a conservac/io da ponte e o transito das calmas, c so-
bre a segunda parte, que, comquanto lenha ella au-
torisnco implcita para as obras do encanamento e
chafari/es, todava deve pedir cmara respectiva
llcenca, porque esta tem direito de impedir toda o
qualquer edilieacilo, que Mr de encontr nilo sas
postura*, conloaos ulereases do municipio, e esles
contratos, tendo por fim o bem publico, nao podem
autorisar o contrario : portanto be a commissio de
parecer, que se informe neste sentido, dcvolvendo-
so o ofllcio. Sala dassessOes da cmara municipal,
IC desetembro de 1846. Alves Ferreira.Harroi.
A com misado de edificaQilo, leudo i vista o re-
querirnento de Jos Marcellino Alves da Fonseca, e
examinando as informaeftes juntas, dirigido ao Exin.
presidente da provincia e remetlido esla cmara
para informar, em que pede por aforamento um ter-
reno de marinha, existente na ra de Santa-Rita-
Nova, lado da mar, e em frente ra dos Pescado-
res, nilo v o menor inconveniente em se conceder
ao supplicantc dito terreno, pois nao he elle preciso
municipalidade, c nem esta reservado para serven-
ta alguma publica : portanto be a commissio de
parecer, que, devolvendo-se a peticilo, se informe,
que nada tem esta cmara a oppr prelenclodo
supplicantc. Sala dassessOes da cmara municipal,
16 de setembro de 1846.Alces Ferreira Marros.
A commissio de edificarlo, examinando o
jilo de S. A. real, e o senhor nilo pode admittir dis-
tinc^flo no que compe o servico da princeza.
Has todava o senhor v, que se admiti, res-
pondeo o visconde com irona, pois que eu tomo es-
es. Ilci de cu ir a pe, quando os Mitres dos Incaios
correm a quatro cavallos? Essaheboa! Faci como
eu, contcntem-se com tres, e ainda Ibes sobrarO.
Se esses lacaios vSo a quatro cavallos, senhor
meu, disse Filippe, cstendendo o braco para o vis-
conde, para lhe fazersignal de nilo insistir na va,
que linha lomado, he porque el-rei assim o ordenou.
Queira, portanto, dizer ao seu criado, que leve esses
cavallos para o lugar, donde o senhor os tirou.
Forilo estas palavras pronunciadas com tanta fir-
meza como civilidade; e a nilo ser um sevandija, to-
do o homem respondera civilmente.
Talvez tenha raslo, meu charo tenante, de as-
sim fallar, respondeo o visconde, se nasordensque
tem se comprehende velar nesses animaes, porm
nilo sei ainda, que os guardas do dclphim tenlnlo si-
do elevados ao grao de palafreneiros; feche, portan-
to, osolhos, diga a sua gente, que faca outr tanto,
eboa viagein.
Esta o senhor engaado; sem haver subido nem
descido ao grao de palafrenero, o que ora faco est
as minhas atlrbuicOcs, porque a senhora delphi-
na me envin adiaule a tratar da mudanca dos ca-
vallos.
Isso entilo hodifferente, respondeo Jo9o, mas
permilta-me dizer-lhe, que faz um triste servico,
meu oflicial, e se he assim, que essa senhora COmeca
a tralaroexercito.......
t requerirnento de Constantino Jos Raposo, e asin-
formacOes juntas, remetlido esta cmara para in-
formar, em que pedo ao Exm. presidente da provin-
cia, por aforamento, o terreno de marinha existente
na ra da Praia, de que est de posse, persuado-se,
que, nilo sendo semelliante terreno preciso muni-
cipalidade, e estando elle designado para cdilicagOes
particulares, em nada pode prejudicar mesma tal
aforamento: portanto he a commissio de parecer,
que, devolvendo-se a peticilo, se informe, que nada
tem a cmara a apresentar em opposicilo preten-
efio do supplicantc. Sala das sessOes da cmara mu-
nicipal, 26 de setembro de 1846. A Iva Ferreira.
Horros.
A commissio de edificacio, lida a petiQilo
do Jos Luiz de Sousa, o examinadas as nformaces
juntas, dirigida ao Exm. presidente da provincia,
remettida esta cmara para informa-la, em quo
pede por aforamento o terreno do marinha existente
em Fora-de-Portas, do lado da mar pequea, e em
fenle de um outro, quo lhe pertcnce, nenhum in-
conveniente acha em so aforar aosupplicanle dito
terreno, por nao estar elle reservado para logradou-
ro publico, e nem ser mister municipalidade para
um tal lim : portanto, lio a commissio de parecer,
que, dcvolvciido-se a peticilo so informe, que a pre-
teiiQilo do supplicantc em nada se oppoe ao bem
do municipio. Sala das sessoes da cmara munici-
pal, 26 de de setembro de 1846.Alves Ferreira.
Barros.
DIARIO DE l'EIIVlllllliCII.
Pelo paquete inglcz Peterel vierto joroacs de Lon-
dres, com data do 4 do novembro ultimo, dos quaes
extractamos o seguinte :
A rai nba Victoria, o principe Alberto, a real fami-
lia o corlo pcrmaneci3o no castcllodeNVindsor, sem
novidado.
De Pars haviilo noticias ale o dia 2. O slaluquo do
gabinete francez era confirmado pelo jornal minis-
terial PortcfeuitU, queultimamente dra oannuncio
formal das mudancas, que depois forilo renunciadas.
Diz o mesmo jornal, no seu numero do Io, que, quan-
do fui escriplo oarligo, queannunciava a projectada
elevacao de Mr. Cuizot presidencia e outras mudan-
cas no gabinete, tratava-se dessas medidas; mas quo
obstculos imprevistos c circumstancias inesperadas
impediro essas sabias e naturaes combinacOes.
As ultimas participacOcsdeinnundacOes derSono-
ticia do um facto, com o qual comparados, todos os
horrores precedentes erilo insignificantes. I'ma po-
voacAo inleira, no departamento de Allier, eontendo
seiseentos habitantes, foi repentinamente tragada
pelo diluvio, c perecern todas as vidas.
A mala de Madrid de 27 de oulubro, com noticias
de Lisboa al 21, foi recebida em Pars no dia 1. de
novembro tarde. Ainda nilo so linha publicado o
decreto para a dissolticilo das cortes, mas esperava-
se, que apparecesse antes do fim do mez. Tinhao ap-
paracido desordens em Saragossa, masdizia-se, quo
asautoridades sclinhilo havido com lal vigor, quo
forSo logo suflocadas. A populaclo dispersou-se logo a
chegada das tropas. Ouvirilo-so alguns gritos de Viva
Espartero, cdispararilo-sc alguns tiros. Osjornaes
ministeriaes diziilo, quo esta noticia exaggerada de
proposito pela opposicilo causou declinadlo nos fun-
dos. A esquadra ingleza fui vista em lenle de Cdiz
no dia 20; ella eonslava de cinco navios de vela o
dous vapores; e seguioa 21 para a costa de Portugal,
segundo se suppmiha.
Cartas de Lisboa diziilo, que o I.* regiment do in-
fantaria, composto de 400 homens, linha embarcado
para Sanlrem. El-rei acompanhou este regiment
at o lugar do embarque. Na sua passagem pela ci-
dade nenhum viva seouvio, nem Ib i sa miado por pes-
soa algum. Na sua volta, dous cavalleiros orflo in-
sultados pelos que acompanhavSo o rci, por nflo se
terem apeado, quando elle passou. Esses dous indi-
viduos e Otilios mais forilo presos, por nao terem
mostrado signaes de respeito para com elle. Conti-
n uav.lo as prisOes em Lisboa todos os dias, e pessoas
De queni falla o senhor nesses termos? inter-
rompeo Filippe.
Essa he boa I da Austraca.
0 mancebo tornou-se mais alvo que a camisa.
Osenhor ousa dizer....... exclamou elle.
Nao s ouso dizer, mas at ouso fazer, conti-
nuos Jofo. Vamos, Patricio, melle os cavallos, meu
amigo, e aviemo-nos, que tenho pressa.
Filippe Iravou das redeas* do primeiro cavallo.
Osenhor, disse Filippe de Tavernoy com voz
calma, ha de me fazer o favor do dizer quem be, nilo
he assim?
Tem issoapeito?
Tenho.
Pois bem! sou o visconde JoSoDubarry.
Como! o senhorhe irmiio dessa.......
Que o fara crear bichos na Baslilba, meu ofli-
cial, se o senhor accrescentar urna s palavra.
E o visconde lancou-se na carruagem.
Filippe chegou-se portinhola.
O senhor visconde Joio Dubarry, disse elle, ha
de fazer-me a honra de apear-se.
Ora, nilo tenho eu mais que fazer, disse o vis-
conde, querendo fechar a portinhola berta.
Se o senhor hesita um instante, replicou Filip-
pe, segurando a portinhola com a mo esquerda,
dnu-lhe a minha palavra de honra, que lhe atravesso
o corpocom a espada.
E com a direita, que eslava livre, a foi desembai-
n bando.
Oh! meu Dos! exclamou Chon. isto lie um
assassmato! Deixe esses cavallos, Joto, deixe.


suspcitas crilo encerradas a bordo dos navios anco-
rados.
Fui tambero recebidn depois em Pars a mala de
Madrid do dia 28. Ja se tinha entilo publicado o de-
creto para a dissoluijfio das corles; mas olio havcria
essfio real.
Ominstro da guerra receben de Saragossa um des-
pacho, conrmando a noticia rccebida peloeorreio
anterior, de. que havia sido sull'ocado o moviir.ento
revolucionario naquclla cidade.
O Heraldo dizia, que se rercberfio de Paria o Lon-
dres noticias que nfio (leixavflo a menor duvida
de que o mili fantico partido dos Carlistas propara-
vn-separa fazer urna tentativa na llespanba. Dizia-
se.que Cabrera e Forledell tinhfio embarcado na In-
glaterra para Gibraltar, ou para a costa de Portu-
gal.
O correspondente do Heraldo escrevia de Saragos-
sa, na noitc de 20, que tinha all appareciilo um ino-
vimento espaitt'rista. Tinhfio sido presos vinte e
cinco individuos, havendo-se os oulros posto e*i fu-
ga, abandonando as armas e municOcs.
I.-se no Time o seguinte :
As noticias de Portugal erflo contradictorias. O
Clamor Publico diz, que a nsurreicfio ia-se espa-
lliaudo, c quo o conde das Antas tinha entrado em
Coimbra a frente de 2,500 homens, o marebava sobre
a capital, aopassoque o Heraldo publica urna carta
deVigo, de 22 de outubro, red-rindo, que o Porto
reconbecra o governo de Lisboa.
Variedade.
CASTELLO DE CINTRA.
O vetusto castello, situado na serra de Cintra, foi,
segundo alguns pretendem, edificado pelos tordillos
no auno do mundo 3382, osqur.es occiipavlo entfio
a rq>ta martima desde o proinotario da la, ou Cg-
lio de Cascaos, aleas entradas do Honro, e reedifi-
cado pelos mouros no de Cbristo 713, depois da fatal
balalha junto a Xercz-de-Guadalete, na Amlaluzia.
(i oitavo secuto foi tfio memoravel, como fatal as
nossas llespanhas. Asluas mouriscas, coin funestos
eclipses.as cobririio de espessas trevas. Nos tumultos
to horror sopultrfio os agarenos as glorias do vakn
godo; o nfio perdoando o estrago religifo, forfio
convertidos os templos em niesquitas. Kl-ri-i I). Af-
onso VI de Lefio e Caslella, sobjeitou o castello de
Cintra, oqual setornou a perder, e o reconqiiistou
o conde I). Ilenrique, pelos annos dcllOg, e depois
foi restaurado totalmente por el-rci D. Alonso llen-
riques, em 1147. I). Sancho I, o l'ovoador, o o pre-
destinado para sanearos males de tantas guerras c
cruezas, reformou o castello, ou por causa da ruina
acontecida nasua tomada, em 1147, ou por effeitode
algum outro successo, como consta da carta, passa-
daaoanadel e besteiros do couto de Cintra, a qual
confirmou depois aos 10 dcagosto de 1336, el-rei 1).
Aironso IV. (1. F.l-rei 1). Femando I nio foi tfio en-
leadoem seus amores, que nfio ruidasse na seguri-
dade dos seus povos, protegendo-^os com boas leis
e fortificares; nfio se esqueceo do castello de Cin-
tra e oulros. No anuo de 1383 estava esto castello
bem fortificado e defensavel; porque D. Nuno Alva-
res Pereira o teve assediado por parte de D, Joio,
inestre da ordem de Aviz, com 300 homens de lancii
e pavez, a vista do seu governador, ). Ilenriques
Manoel de Vilhena, conde de Cea ede Cintra, que
no mesmo castello se fechou, c o tinha por parte da
r.iiuha II. Leonor, j nesse lempo viuva de el-rei D.
Fernando I. D'alli se retirou I). .Nono Alvares, leudo
l'eito muita estrago eurna pieza importante em ga-
dos, nos lugares circumviziiihos 2 Desdo o XVI se-
clo at nossosdias, existi em total abandono este
honrado veterano, que em paz e na solidfio subsisti
sem dar pensfio a algucm. Contente d'aquelle re-
manso, donde se descortina o deleitoso paiz, que
outr'ora defendeo, e ao qual anda se gloria de per-
tenece
Para o visitador instruido, nada all se nota, quo
nfio teulia alguma significarlo Anula que crestudo
por tantos soes, all se esta descansado em sua rgi-
da base, j nao temido, que esse all bulo se Ihc l'ni
escoandocom os annos dajuventude, veueravel toda-
va pela ancianidade e prolongada vida de memora-
vel s successos. A urna poca de decadencia auccetle
militas vezes outr> poca de rcslauraqfio, apparecen-
do um genio benifazejo, que llie paralysa o impelo;
e isto vimos verificado no auno de 1842; porque O
Senhor D. Fernando II lomou o castello de aforamen-
t a cantara da villa de Cintra, pela quanla aiiuual
le 210 3, e o maudou reedificar ipeloSr. barfio de
Kscbwege: emsuas antigs muralhas, torres, reduc-
tos, etc., fazendo-lho espa<;osas ras, bem lanzadas
< Impladas de varias arvores eslereis,quesopor fi neto
darfio sombra aos que passearem dcbaixo dellas.
Quandose deo principio a abrirs novas ras, forfio
apparecendoalgumas sepulturas com ossos humanos,
alpimias moedas de el-rei I). Aflbnso IV, I). Fernando
I, I). Jofio l,cl). Jolo II : assiiu com alguns ferros
Je espada, de lanija, de machado e de acicale; algu-
mas chapas do metal, com caracteres i (4) o urna
imagemdeN'ossa Senhora feita em marfim ; 5) po-
rm nflo se. tein all adiado (at boje) cimitarras,
meias-luas, etc., nem moedas rabes, como o mara-
tedim, morabitini, ou maroierfil (6), etc. Os sepul-
chros forfio encontrados prximos igreginha, que
esta dentro da segunda muralha do casteilo.
Os mouros fazem seus cemiteros fra das cidades,
e cscolhem para elles aprazves c amenos, so nfio a-
legres sitios, e nunca prximos s suas mosquitas,
nem em sitios escabrosos. Foi sempro o costume dos
antigos cavallcros portiiguezes mandarem assentar
seus moimentos, ou sepulturas, em volta dos tem-
plos, cem seus atrios. A igrejinha arruinada, que
no castello se observa, denota ter sido mesquita fie
mouros e a qual D. Alfonso L, logo que tomou o cas-
tello, tratou de mandar purificar, e converter em ca-
sa de orculo, quededcou aoapostoloS. Pedro. Nos
annos de 1301, el-rci I). Diniz, a rogos da rainha .
Izabel sua mulher, mandou edificar a igreja de S. de-
liro de Canaferrim (nome boje corrompido no de Pc-
naferrm), para onde veio trasladada a igreja paro-
rhiil, que eslava na referida igrejinha do castello.
Quem examinar miudamente as muralhas, torres, re-
ductos, etc do castello de Cintra, o corle da pedra, a
argamassa, etc., e depois passar a ver as muralhas ,
torres e portas antigs de Lisboa, feilas no lempo de
el-rei O Fernando I de que Torno mestres Jofio Fer-
nandes e Vasco Rraz, pelos annos de 1373 at 1375
(7!, achara que tudo tem o mesmo typo, a mesma
identidade, pela sua reedilicagito noXIVseculo. Em
vista doquodeixamos exposto, como he possivel,
que as sepulturas, quealli se teem encontrado, eos
restos mortaessejo de mouros i' Improprio nos pa-
rece logo, que sobre a arqueta, em que se rceolhoro
os ossos, pozessem urna lapida, o nella esculpida urna
cruz latina e sol) ella urna meia-lua, e. em seguida
urna caveira no centro do dous ossos postos em for-
ma da vigsima segunda letlra alphabetica, com a-
lenda (notavcl) seguinte:
O que aqui licou jnelo
Dos o separara.
O que mandava a prudencia era, que depois de re-
colhidososossosna arqueta, se collocasse urna lapi-
da e nella entalhada una caveira, no centro de dous
ossos em X, com a inser pc;1o seguidle :
O que te peco, mortal,
He urna ora cao.
Que se boje me he necessaria,
Tanihem della percisars para o diantc.
Alfim militas pessoas deconhecimentos, anda nio
vulgares, tem attribudo aos mouros a conslruccflo
dos monumentos, eoutros objectos antigos, cuja ori-
gem cumpre examinar, porque diz o proverbio : nfio
he tudo ouro o que luz.
O Abbade Castro.
(Revista Universal Lisboneme.)
Navios sahidosno mesmo dia.
Ass ; brigue brasileiro Sagitario, capitfio JoSo de
Doos Pereira, carga varios gneros.
Haba ; hiate brasileiro Flor-do-Recife. capitfio Jos
Machado Malheiros de Moraes, carga bacalho.
M. Jal
A cmara municipal do Recife, etc.
Contrata com quom por menos fizer o fornecmen-
lo de azeitc de carrapato para luzc.s da cadeia des-
ta cidade. Os interessados devero comparecer ua
casa de suas sesses em o dia 14 do corrente.
lenle, 11 de dezombro de 1816.
Manoel Joaquim do Reg e Albuquerque,
Presidente.
Dcclrayoes.
ARHKHATACAft, QUE PEIUKTK A THKSOURAniA nAingNDAl
IMl VINC1ARJ >KRA' 11EALUAUA EM O DIA 16 UK DEZKMBIIO
COMBOT.
O empedramento de 270 bragas da 1.' parle do 8.*
lanQO da estrada do Po-do-Alho, fetosegundoosys-
tcma deMacAdam, principiado um mez, c acabado
nuatro mezes depois da arrematadlo, e pela quantia
de 2:1601000 rs pagos em quatro prestjcOes, e pela
maneira prescripta no artigo 15 do regulamenlo pro-
vincial de II dejulhode 1846.

C0MMERCIOt
AI Tandera.
RF.XD1MEXTO 0O DIA 10. 17:574,428
m:si Aiir.re \ HOjff 11.
PatachoThereza- carvfio.
Hiate& -Anlonio-Rlor-do-Riof fumo e charutos.
EscunaGalante-M aria barricas e pipas vasias.
Consulado.
RKNDIMI.NTO DO DIA 10.
'eral.............. 3:281,453
Provincial........... 1:388,877
Diversas provincias........ 60,644
4:730,974
^minenlo do |*oriu.
(1) Veja-se na torre do Tombo. I.ivro 4. de el-rei
P. Aflbnso IV, fl. 75.
(2; Voja-se vida de Nuno Alvares Pereira, pagina
78 o 133, pelo padre Fr. Domingos Teixcra.
(3, Este castello pertencia corda do reino. Veja-
se na torre do Tombo, gaveta 15, marco 5 n. i.
Ah! o senhor me ameacn, disse o vsconde exas-
perado ecom os denles cerrados, e lancou tambem
nio da espada, que havia poslo sobre a banqueta de
diante.
E a obra acompanbar a amcaga, se o senhor se
demorar um instante, um instante s, cntende? dis-
se o mancebo, meneando a espada.
Nunca mais partiremos, disse Chon ao ouvido
de Jofio, se vosse no levar o moro com brandnra.
Nfioha brandura nem violencia, que me sus-
penda no meu dever, disse Filippe, nelinando-se
com urlianilade, porque ouvira a reconimeodaefto
da dama; aeonsdhe, pois, a senhora mesma ao se-
nhor, que obedeza, quando nao em nome de el-rei
que reprsenlo, ver-me-hei forrado ou a mata-lo, se
convier em bater-sc, ou a faze-Io prender, seso es-
cusar
Eeudigo-lhe, que hei de partir, mo grado
seu, urrou o visconde, saltando fra da carruagem,
o desembainhando a espada ao mesmo lempo.
He o que havemos de ver, meu senhor, disse Fi-
lippe, pondo-se no recto, e cruzando o ferro; es-
tala?
Meu tenente, disse o sargento, que commanda-
va a escolta as ordens de Filippe, quer seis homens
da patrulha, meu tenente.'......
_ Nfio se mova, disse o lenle, isto he urna ques-
topssoal; vamos, senhor visconde, estou s suas
ordena.
Soltava Chon agudos gritos, Clberto quizera, que
a carruagem foase mais funda do que um poco, para
melhor se esconder.
Navios entrados no dia 10.
AI9 ; II das, hiipue brasileiro Saudade-de-Santos,
de 260 toneladas, capitfio Joaquim Francisco Viei-
ra, equipagem 14, carga sal e palha de carnauba ;
a Amorim Irinfios.
Camaragibc; 8 das, hiate brasileiro S.-Josc-Glori-
lo, de 30 toneladas, caplao Manoel Fernandes de
Snuza, equipagem 4, carga assucar ; aJosdeO-
liveira Campos. Passageiro, JosDomingues, Por-
tugnez.
Cuernsey; 40 dias, barca ingleza lonarch, de 224 to-
neladas, capitfio Jame- Le Messurier, equipagem
14, em lastro ; a Me. Calmont & Companbia.
Sag-Habor; 55 das, galera americana Josephina, de
300 toneladas, caplao Hiram B. Hedges, equipa-
geni 25, carga petrechoa para a pesca; ao capitfio.
Vom refazer-se de mantimcnlos e segu nara o
Mar-Pacifico. '
(4) Veja-seo Pantologo.n. 201844.
(5) Pelos annos de 1448, he que viento a Portugal
da rosta aoSul de Cabo-Verde os primeiros denles
de depilante.
(6 Foimoeda, que introdiizirfiono reino os mou-
ros Almorvides ou Morabitos, que significa, t'ieis, se-
gundo Aldret.
(7) Veja-so a nscripefio do Arco do marquez de A-
legrele {Panorama, vol 2pag. 339.)
Joflo comec.011 o ataque. Tinha elle rara habilida-
de nesse exercicio de armas, que exige anda mais
calculo do que destreza physica.
Mastrava-lhe visivelmete a colera urna parte da
frc.a. Filippe, pelo contrario, pareca manejar a es-
pada como um llrete, e exerctar-se em urna sala
d'armas.
O visconde rompa, avancava, saltava dreita e
esqucida, gritava aoatirar um golpe, comoum mes-
lie de regiment.
Filippe, aoavesso, com os denles cerrados, osolhos
dilatados, firme eimmovel como urna estatua, tudo
va, prevena tudo.
Todos eslaviio em silencio, e olhavflopara os com-
ba lentes.
Durante dous ou tres minutos passou o combate,
sem que prbduzisseui cousa alguma toda a estrate-
gia, gritos, e espertezas de Jofio. Mas tambem, sem
que 1' ihppe, que sem duvida estudava o jogo do seu
adversario, livessea menor vantagem.
De repente dco o visconde Jofio um salto para tras,
soltando um grito.
Ao mesmo lempo o manguito se llie tingio de san-
gue, e rpidas gottas lhe correrfio pelos dedos.
Filippe com um golpe de resposta acabava de atra-
Vcssar o brago do seu adversario.
O senhor esl ferido, disse elle. *~
Bem osmio com osdiabos! gritou Jolo, em-
pallidcccndo, edeixando cahir a espada.
Filippe apanhou-a e entregou-lh'a.
Ora va, senhor, lhe disse, e nfio faca raas se-
mclliaules loucuras.
A adiiiinistracfio da companbia de Beberibe con-
tratar a arrecadac.fio da taxa na caixa d'agoa e nos
chafai izes da Soledade e da prac,a da Boa-Vista, por
lempo de 6 mezes, a contor do primeiro de Janeiro
prximo futuro em dante : os pretendentes podem
remetter as suas propostas, em cartas fechadas, ao
secretario da companhia, al o dia 20 do corrente ,
declarando logo os seus fiadores. As mesmas pro-
postas serfioahertas no da 23 em presenca da ad-
ministraQfio ese far o contrato com quem mais
der c melhor garantas offereccr. Escriptorio da
companbia, Odedozembro de 1846. --O secreta-
rio f. J. Fernandes Rorro.
Pul)caQ5o luterana.
Acha-se no prelo um livro, que o Exm. hispo
D. Thomaz de Noronha vai dar a luz, do 500 paginas,
cgjo titulo he Exposigfio da doutrna Chrislfla=, que
conten a historia da religifo desde o principio do
mundo, a explicaefio das suas mximas, dogmas, e
myslerios edassas festividades o ceremonias, e
emfim a dosevangelhos de todos os domingos do
anno e discursos sobre cada um delles.
Livro agradavel pelo seu estylo e materias de que
trata, e iililissimo s pessoas quo quizerem ter um
perfeit conhecimento da religifo isenta do plia-
natismo e de supersliges.
Custo de cada exemplar4500rs. para os assignan-
tes, queserflo applicados para pagamento de urna
pesada divida da matriz da Roa-Vista. Subscreve-se
na praca da Independencia, livraria, ns. 6e 8; na
prac.ii da Boa-Vsla, n. 17, c no bairro do Recife, loja
da Viuva Cardozo Ayres& Filhbs.
Avisos marilimos.
O brigue Feliz-Destino, vindo do Ass noda^S
do corrente, acha-so ancorado defronte do trapiche
novo, com o carregamento de sal: e os comprado-
res, que quizerem comprar, podem dirigir-so a bor-
do do mesmo, que acharao com quem tratar.
Segu vagem, por estes quatro dias, para o rio
de S.-Francisco o hiate lloa-Viagem : quem nelle
quizer carregar, ou ir de passagem, dirija-se a ra
da Cadeia, no armazein de ferragens, n. 63.
ParaoAracaly o hiale nacional Kereide segu
vagem at o dia do corrente : para carga e pas-
sageiros trata-se na na do Vigario, n. 5.
Para a Rabia saldr breve ovdciro brigue Vic-
toria, capitfio liento Jos de Alenla : quem no
mesmo quizer carregar, ou ir de passagem, pode
entender-sc com Amorim limaos, na ra da Cadeia ,
n. 45.
Para Porlo-alegre c Rio-Grande-do-Sul segui-
r breve o brigue Conoticdo-Caboclo capitfio Joa-
quim Jos de Siqueira Porto : recebeescravose pas-
sageiros para o que se pode tratar com Amorim
Irmios, na ra da Cadeia, n. 45.
Para Lisboa sai com brevidade, portera maior
parte da carga prompta, o bem conhecido brigue por-
tuguez Josephina & Emilia, de que he capitfio I/i-
do ro Aires de Souza: quem nelle quizer carregar ou
ir de passagem dirija-se ao mesmo capitfio, na pra-
ca doCommercio, ou a Francisco Severiano Uabello
& Filho, largo d'Assembla Provincial.
I'reta-se, para qualquerdos portos do Norte
ate o Cear ou para o Sul at o rio de S.-Francisco,
Irra scasfago, pago-as! rosnou o visconde.
Chega depressa, minlia pobre Chonchn ; anda,
accrescenlou, drigindo-se sua irmfia, que acaba-
va de apear-seda carruagem, ccorra a dar-lhe soc-
corro.
^ A senhora mefar a justigadeconfessar, disse
Filippe, que nao foi culpa unnlia. e lenho o mais pro-
fundo pozar de haver sido impellido a esta extremi-
dade de desembainhar a espada em presenta de nina
senhora.
E cortejando, retirou-sc.
Tire estes cavallos, meu amigo, e leve-os para
o seu lugar, disse Filippe ao mostr de posta.
Jofio mostrou o punho fechado a Filippe, que en-
colheo os hombros.
Ah! ahi estfio Ires cavallos de volta, disse o
mestre de posta Courtin! Courtin! melte-os j na
carruagem desle lidalgo.
Mas, meu amo....... disso o poslilhfio.
Vamos, nada de replicas, disse o estalajadeiro,
o senhor tem pressa.
E vollando-se para o visconde :
No se agonie, meu charo senhor; ahi chegarfio
cavallos.
Bom, resmungou o visconde, os leus cavallos
bem podifio ter chegado mcia hora antes.
E olhava, batendo com o p, para o braqo atra-
vessado de urna parle oulra, quu Chon alava com
um lenco.
No entanto, havia Filippe tornado a montar a ca-
vallo, edava as suas ordens, como se nada bouvera
acontecido.
a bem construida e veleira barcada Flor-do-Recife
Tundeada defronte do caes do fallecido Jos Ramos!
a tratar com o mestre a bordo, ou com Manoel Jos
CouQalves Braga no p do arco de S.-Antonio.
Para o Maranhfio sahe.imprcterivelmente do-
mingo, 13 d corrente, o brigue-escuna Laura : par,
carga epassageiros, para o que tem excellenles com-
modosi trata-se com o capitfio a bordo, ou com No-
vaes&C, ra do Trapiche, n. 34.
Para o Porto seguir, impreterivelmente no dia
19 do correle, o brinue portuguez Ventura-Felh
pode anda receber pequea quantidade de garga a
frete; assim como passageiros. Trata-se com Mendes
& Tarroso, ra da Cruz, n. 54, ou com o capitfio An-
tonio Francisco dos Santos, na pra^a do Coramor-
cio.
Para Genova sabir, at o dia 24 do correte, *
muilo veleira escuna ingleza Archimedes, capitao
Start, da primeivaclasse, forrada e encavilhada i|e
cobre: quem quizer carregar nella, havendo anda
lugar para 500 saceos de assucar ou oulros gneros
em proporQo, dirija-se aos consignatarios, M. Cal-
mont &C.
Para o Rio-dc-Janeiro, at 18 do corrente, sai
a linda e veleira escuna Galante-Mqria, pregada e
forrada de cobre; recebe carga, passageiros o escra-
vos a freto : a tratar na ra da Moeda, n. 9, com
Silva &CrilIo.
Para o Rio-de-Janeiro sabir, em poucos dias,
o brigue brasileiro Echo, por ter o seu carregamento
quasi prompto; recebe alguma carga miuda, passa-
geiros e escravos : os pretendentes dirijfio-se aoca-
pilfio, Manoel Luiz dos Santos, ou na ra daCadeia-
Velha, aoarmazem n. 12.
Para o Rio-de-Janeiro est a sabir em poucos
dias, por ter parte do seu carregamento prompta, opa-
tacho nacional Thereza, forrado e pregado de robre;
tem excellenles commudos para passageiros: quem
no mesmoquzer carregar, ou embarcar escravos, di-
rija-se ao armazein n. 44 da ra do Trapiche, ou a
Novaes & Companbia, na mesma ra, n. 34.
I,e!ad.
O corretor Oliveira fara leilfio, por mandado respectivo juizo, e arequermento (los credores dn
fallido Antonio Joaquim da Silva Castro, das lami-
das da loja desle o de oulros, quo se venderO adi-
n be i ro e a prazo : hoje 11 do corrente mez s lo
horas da manhfia no seu armazein, na ra ta
Cadeia.
Avisos diversos.
No dia 5 do corrente, appareceo noMondego, ca-
sa n. 141, urna preta de nome Filippa, que diz sor
escrava de Jos Joaquim de Mello, morador emCa-
beceiras de Pajeh-dc-Flores; cuja escrava procurou
dita casa, por j ter criado nella urna menina : por-
tan to, o anniinciiinle adverte ao dito Sr., que mande
tomar conta della, pois que nfio se responsabilis.i,
por moi te ou desapparecimento, que a mesma pnssa
ter.
Precisa-se de um caixeiro para venda : na pra-
c.a da Boa-Vista, n. 15.
Tent um preto deixado de entregar em o lugar,
que lhe fra indicado, um barril de manteiga l'ran-
eza, que Ihc fra dado para carregar, em o dia 9 do
correte; o dono do mesmo barril pede ao de al-
guma venda, onde fosse elle parar, ou a qualqucr
pessoa, que delle tiver noticia, que o mande levar,
ou avise na ra da Madre-de-Deos, n. 10; na cerlm
de que ahi receber boa recompensa.
Perdeo-sc na ponte do Recife um bonete de vel-
ludo, pcrlcnreiile a um menino: quem o achou, que-
rendo restituir, leve-o a botica do Barlholomeo, na
ra do Rozario, que receber 2,000 rs. de grati-
ficarlo.
Precisa-se de um caixeiro para armazem de
carne do Cear, e queja disto tenha Jiastanto pra-
tica ; dando li ador a sua conducta : na ra Direta,
sobrado n. 29.
O Sr. Joaquim Pinlo de Mello queira dirigr-se
a ra da Florentina n. 14, a negocio de seu iiile-
resse
(' srnhor morador na run do Sebo
ou Trompe d Boa-Visla, que, lia um
anuo, pouco mais ou menos, annunciou
por este Diario, que entregarla pessoa,
que a lives.se perdido, urna bengala de
caima da India, com rnstao de ouro c fir-
ma, dndoos signaos, lenha a bondadcilc
annunciar sua morada, para ser procu-
rado.
-Os Srs.donosde
obras e inrslrra prdrriroa que precisaren! de Igun
niaiei iaes, cuino cal branca, dita pela, barro amaii lio,
dilo pecio, arria fina de fingir, dita crossa, trillas, li*
julos de ladiilliu, ditos de alveuaria batida, dita %'">'
su, lijlos de tapamento largos, ditos estreilos, td
mais cni cdiiia du que cm outro deposito, qiirlro diii-
gir-sc ao arnnizeiii n. 8, por detrs da na deS.-Fran-
cisco, ou ao armazein n. 3, defioute da respectiva Or-
dem Terceira.
Partamos, mano, parlamos, disse Chon, arras-
trando o visconde para a carruagem.
Eo meu arabo? disse elle. Mas enifun, que vi-
se com o diabo, estou boje em dia aziago.
I. subi para a carruagebi.
Melhor he esta! disso elle, ao ver Clberto, ago-
ra nfio posso estender as pernas a vnntade.
Sentira muilo, meu senhor, disse o mancebo,
scr-lhe importuno.
Ande l, Jofio, disse Chon, deixe-me o meu pb-
losophozinho.
Va para a banquela.'eoni os diabos!
Clberto cOrou.
Nfio sou laeaio, para sentar-me na banqueta,
respondeo ello.
Vjala! disseJoo.
Deixe-me apear, que O farei.
Que duvida! com mil diabos desea, gritou o
visconde.
Nfio, senhor, nfio; ponha-se em frente de mim,
disse Chon, detendo o rapaz pelo braco; destanm-
ueira tifio incominodar Vin. a meu irmfio.
K indinandi)-8C ao ouvido do visconde :
Elle conhece o honieni, que o acaba de fen-lo.
disse ella.
Um raio de alegra passou pelos olhos de Jofio.
Muflo bem, enlfio lique. Como se chama aquel-
lo senhor?
Filippe de Taverncy. .,,
Nesse momento.passava o joven oficial porju! (<
da carruagem.



lotera
da matriz da ciclado da Vic-
toria.
No dia i i do correte mez ando i tifa I -
livelmente as radas desta loteria, no con-
sistorio da igreja da Conceicao dos Milita-
res, c os respectivos bilhetes vender-se-
hao smente at o din anterior. Espera,
portanto, o thesoureiro, que os amadores
desie jogo roncorrao completar a extrac-
,..t A.'. i.:a.._. ________. f i
c8o dos bilhetes, que restSo, Picando assini
habilitados a passar urna fesla feliz.
Antonio da Silva Gusmfto.
Altign-se urna casa com bastantes commodos no
Pogo-da-Panella.: a tratar na ra do Queimado, loja,
n. 8, com Caetano Jos da Silva.
J Aluga-se a excedente casa de sobradodo fallecido
Antonio Pereira da Cunha sita no Varadouro da
cidade de Olinda, com muito bom banbo, grande
parreiral, cbaixcom capnn para 4 a 6 cavados >
o outras muitas vantagens, que s vistas podem se
avadar,- aluga-se por testa ou por auno, eacasa
semositio oucom elle a vonlade do alugador :
na roa da Cruz, casa da Viuva n. 3.
Aluga-se, pelo lempo da fusta, urna casa nova,
com sitio, no lugar da Torre, muilo perto dorio,
contendo grande porgifo de ps de coqueiros, por
60,000 rs. : na ra Nova, loja n. 67.
Na ra das Flores, n. II, existe urna carta para
o Sr. doutor Lufa doFranga Muftiz Tavares; e como
se ignore sua morada, faz-so o presente annuncio.
Alugtto-sc asseguntcs casas : o tereciro, o
primeiro e tereciro andares c as lojas dos sobrados
do Aterro-da-Boa-Yista, ns. 4e6, todos pintados e
arranjados de novo ; urna casa terrea, com quintal,
cacimba eraais commodos para grande familia, por
12,000 rs. mensaes, na ra da Solcdade, n. 31 : que ni
pretender, dtrija-se ao escriptoro de F. A. deOli-
veira & Filho narua da Aurora n. 26.
Os nulos da irmandade de N. S.
da Conceicao da Congregaco sSo roga-
dos, pela tercena \ci, para a reunio em
mesa gcral, na /jornia do ai l. !8 do com-
promisso, hoje, 11 do corrente, pelas 6
horas da tarde.
Precisa-se de urna lavadeira, que de fiador a
sua conducta na ra eslrcila do Rozario, n. 30, se-
cundo andar.
~ Joaquim Marques S.-Tago parliipa a todas
as pessoas, tanto desta praga como do inulto, que
coradle tivercm negocios, que a sua residencia
nesta praca'hc no Becco-Largo, segundo andar do
sobrado n. t, aonde morou o Sr. Mello.
Quom precisar de nina ama do Jeitcpara criar,
dirija-se a ra do Kangel, n. 19.
~ Aluga-se urna casa terrea com una meia-
agoa no fundo, narua das Cinco-Pontas : quem a
a quizer ver, dirija-se a venda do Sr. Jos do Monte,
na niesma ra e para tratar na travossa do Veras ,
sobrado n. 15.
Fabrica de chapeos
de sol na ra do l*as-
scio-PublicoY n. >.
TJoIo Loubet advcrle aos seus freguezes, que
queirilo deseganar-se por urna vez sobro os
objectos ahaxo declarados, tanto em prego
como em qualidade: tem nesta ocrasiflo um rico
snrtimento de chancos de sol furta-cores e pie-
tos com barra lavrada, os mais modernos, que leem
apparecido ueste mercado de igual soi limcnto
tanibem chapeos de sol, de panninho de todas as
crese ultimo goslo da rainha da Escocia ; e para
senlioras um completo sortimeuto dos mesmos, de
todas as cores poisseusgostos sito da ultima moda
de Paria". No inesmo cstabclccimento se acha um
completo sortiincnlo de sedas e panniihos de todas
as Cores, proprios para toda e qualqucr obra, que
se quizer fazer, pois que sflo proprios para esse lim.
Tambem se concertao chapeos de sol, tanto de lio-
meni como de senhora, com toda a perfeicSo por pre-
go commodo, o com a maior brevidade possivel,
Na mesma fabrica tambem se vendem haleias para
cspartiUiose vestidos.
Augusto Tappcnbcck retira-te desta provin-
cia.
Convida-se aos socios da cxlincta firma Faria,
asconcellos & Vieira a se reunrcm em casa de
ManoVI JosedeSouzaCarneiro.nodia 14 do corre-
te, ao mcio dia.
Aluga-se urna preta, que seja diligente, e
que saiba cozinbar : na ra ua Praia de S.-Rita ,
n, 25. Ka mesma casa compra-se urna canoa de 1200
lijlos, que seja nova e bem construida a troco de
lijlo, cllia, ou h dinheiro.
!emmm*mwmmmmimmSmmmi-mma
lista
Precisa-sc doum ou dous Portnguczes sol te i-
ros, que ten hilo pratica de tratar de vacciis de
leite, e de vender o mesmo leite : quem estivor
nestas cirrumstancias dirija-se a estrada nova casa
de paredes azues, defronte do engenho da Torre ,
para entrar em ajuste.
Precisa-sc alugaruma escrava para o servico
interno de urna casa de pequea familia : na ra ilo
l.ivramento, n. II. Na mesma compra-se urna iuo-
Icca,del2a 18 annos.
Manoel Ignacio da Silva Teixeira participa a
seus freguezes de pSo, que tem quem o va levar pa-
ra as partes da Passagem-da-Magdalena at aos Re-
medios Soledade, Belm Hospicio e em qualqucr
lugar da Boa-Vista eRecite : quem se quizer utili-
Luiz Antonio Mesquita Faleo manda seu lilho,
Carlos Mara Falcio.ao Rio-de-Janeiro.
Troca-se urna imagem de S. Antonio : na ra
to Queimado, oulrora pracinha do l.ivramonto
n.61.
Aluga-se o andar terreo ou loja do sobrado n.
12 da ra da Aurora, com ptimos c muilo asseiados
commodos para moradia de hornera solleiro ou de
pouca familia: quem o quizer lugar, dirija-se ao
mesmo sobrado qualquer hora.
O senhor, que na noile de
sabbado, 5 do corrente entregou
na venda da ra da SenzallaVe-
ff.Wd^^ ,ha "a cana de milita- importan-
cia, queira ter a bondade de es*
clarecer melhor o negocio em
urna outra carta, que possa servir
defjoverno ao annunciante, ou di-
rigir-se pessoalmente mesma
das 8 as 10 horas da m;i.
ser servido a horas convenientes.
D-se dinheiro a paemio em pequeas quan-
tias, sobre penhores de ouro, ou prata'. na ra Ui-
reita, loja n. 78, se dir quem d.
Fuglo, no dia 1" do mez passado ( novembro),
pelas 8 horas da noite, da casa de Manoel Alves Fer-
reira um escravo de nome Antonio de Angola, de
18 annos com os signaes seguintes : grosso do cor-
po, sem barba, estatura regular, bem fallante ; tem
una belida pequea na menina do m olho, ca-
bello grande ; tem em um lado do peito um C com
um travessilo, e urnas ccatrizes do ventosas; levou
caifas de hrim sujas, camisa de meia manga, de
algodlo grosso chapeo de palha ordinaria tinto de
proto e mais urna trouxa contendo caiga camisa,
jaque ti de ganga azul e urn lencol. Roga-se a lodas
as autoridades policiaese capitiles de campo a ap-
prehensfio do dito escravo eiitregando-o no beceo
do Thealro, por cima do botiquijn do Sr. Paiva,
ondcoapprehensorscr generosamente recompen-
sado.
Humneos, que se vendem e
alugosc.
A livraria da esquina do Collegio acha-se pro-
vida dc'excellentes romances em portuguez, recen-
temente ohegados, compostos pelos mais acredita-
dos romancistas, como Humas. Soulic, Dugange,
E, Sue, Arlincourt, Ceorge Sand, V. Ugo, Walter
Senil Mazoni, |A. Cfontane, Paulo de Kock, &c. :
'os quequizerem tomar de alugucl depositars o va-
lor dos mesmos. O catalogo acha-se patente na li-
vraria.
Aluga-se o sitio, que foi do finado Pereira
no Cadeireiro o qual, aim de excediente casa ,
optioiaagoapotavcl .bastantes fructeiras e muitas
flores,tem boacocheira, estribara para dous ca-
vallos, casa separada para criados ecasa para pre-
tos : quem a pretender, dirija-se a ra larga do Ro-
zario, segundo andar do sobrado, em que tem o
seu escriplorio o Sr. doutor Netlo.
--Joaquim Jos da Silveira comprou a refinago
da ra das Cinco-Pon tas, n. 106 o roga aos fre-
guezes da mesma que continucm que serSo 13o
bem servidos como Jantes.
No dia 12 do corrento mez do dezemhro se hilo
ile arrematar dous escravos em praca publica do Sr.
I)r. Juiz do civel da segunda vara, que he depois da
audiencia, por exeeugflo de Elias Francisco Mindelo
contra Paulino da Silva Miudelo, por ser a ultima
praca.
Procisa-se de urna mulhcrou homem idoso.que
sejfo capazespara tomar sentido em um sitio muilo
perto da praca, dando-seo sustento e casa para mo-
rar: atrs do Monleiro, ra do Caldereiro, n. 46.
Quem perdeo urna canoa no dia 8 do corrente,
c quem fr seu dono, dirija-se a Santo-Amaro, no
sitio que foi do Sr. Pita Ferreira, que, dando os sig-
naes, ser entregue-
Aluga-se, por commodo prego, o segundo andar
com sotilo do sobrado n. 20 atrs do thealro : a tra-
tar na ra da Cadeia do liedle, n. 52.
Alugo-se bixas por prego commodo : na ruado
Sebo, n. 37.
Alugo-se os segundos andares do sobrado da
travessa do Queimado, ns. le 3: a tratar na venda
do mesmo.
-- O padre Leonardo Antunes Meira llenrques ,
barbare! em dircito advoga no civel e crime; e po-
de ser procurado na ra das Cruzcs n. 18, primei-
ro andar.
Precisa-se de um homem para trabalhar em
una refinagiio : no pateo da S.-Cruz, n. 127.
venda,
nha', e das 2 s 4 da tarde.
D-se dinheiro apremio com penhores, mes-
mo em pequeas q lian lias : lia ra do Rllgel, II. 11.
Perdeo-sc, no dia 2 do corrente, desde a casa
do Sr M. A Guerra, na ra da Aurora, at ao Aterro-
da-Boa-Visla, urna cassolela de vidro com caixi-
lho de ouro lavrado, obra franceza conlendo den-
tro, emlcltrasde ouro sobre campo preto, asse-
guintcs firmas de una lado M. R. B. e de outro ,
M. A. B. : quem a tiver adiado, ou a quem tenha sido
offerecida querendo restitu-la dirija-se a ra da
Aurora, n. 12, primeiro andar.
Joflo Baptista da Cunha, mestre barbeiro e san-
grador, ltimamente chegado da cidade do Porto,
faz scienle ao respeitavel publico desta cidade, que
se acha estabelecido com loja de barbeiro, no largo
do Sacramento, do barro de S.-Antonio, n. 2; o
3ual se offerece para sangrar a qualquer pessa, e
e qualqucr classe, por prego commodo o pobre-
sa gratuitamente ; para o que lera os conhecimen-
tos necessarios adquiridos era um dos hospitaes Ja
Santa Casa da Misericordia do reino de Portugal: e
prometi fazer umsemelhante servico sem o me-
nor desgosto e antes como maior denudo.<
Perdeo-se, desde a ra da Cadeia-Vclha at o
areial de Fra -de-Portas, urna carta com urna Ict-
tra dentro da quantia de 86,280 rs. vencida em 12
de fevereiro de 1846, sacada por Antonio Annes Ja-
come e acceita por Francisco Xavier da Rocha ,
morador na Parahiba : quemaachou, querendo res-
tituir, dirija-se a ra da Cadeia -Velha, n. 60, segundo
andar.
A viuva de Manoel Rernardino Montciro, cons-
tando-lhe, que o dito finado seu marido licasse a
dever a algumas pessoas, e nflo sabendo ella a quan-
to monta esse debito, roga a todas as pessoas, que
se julgarcm crodoras do mesmo, tenhfio a bonda-
de de comparecer no dia 12 do corrente, as 4
horas da tarde, em seu sitio na estrada de JoSo-de-
Barros acompanhados de suas compelenlcs clare-
zas ou mandar, alim de se lomar nota, e pro-
curar-so o melhor mcio dos seus pagamentos; e mes-
mo porque, leudo de se proceder inventario, llie be
preciso declararos dbitos, que o casal est a dever.
J'iciisa-cde dous laviaduies ; cm casa do doura-
dor, ou labricantc de caudieiros de gaz na ra No-
i n. 52.
Nicolao Gadault vai retalhar a cam-
Compra-se para fra da cidade um preta }
que seja muilo moga de bonita figura e com habi-
lidades : no Aterro-da-Boa-Vista n. 37, primeiro
andar.
Vendas.
FOLHINIIAS
DE
ALMANAK
Na livraria da praca da Independencia,
ns. 6 e 8, achao-se a venda folliinhas de
almanak para o anno futuro, trazendo,-
alm do que costumao conter as que nes-
ta livraria se tcem vendido, a relacao no-
minal de todos os subdelegados da provin-
cia, a dos supplentes dos juizes munici-
paes, a dos engenheiros e machinistas nes-
ta cidade residentes, e um quadro dos
collcgios eleitoraes da mesma provincia,
com declaracao das freguezias, de que
cada um delles se deve compdr, segundo
a designadlo ltimamente feia pela pre-
sidencia.
A circumslancia de ter este almanak
acabado de sabir do prelo, e a de ter ha-
vido o maior esmero em se obter as infor-
macoes necessarias para torna-lo tSoper-
leitQ, quatito pode ser um almanak em um
paiz, onde as mudancas t3o rpidamente
se succedem, concorrem para que seja elle
o mais exacto de todos quantos se achao
venda.
Potassada Itussia,
verdadeira e nova, em barris pequeos,
por preco muito commodo : na ra da
Cruz, n. jo, em casa de Ralkmann 6c
Uosemund.
Vendc-sc potassa russiana, nova e
de superior qualidade, pelo baratissimo
preco de 200 rs. a libra : na ra da Ca-
deia, loja n. 5o, de Cunha c Amorim.
Vendem-se superiores chapeos de
castor, brancos e pretos, sendo as formas
da ultima moda : na ra da Cadeia, loja
n. 5o.
Ah! entao est ahi, meo militarzinho?
muito vanglorioso a esla hora, mas cada um ter a
sua vez.
Meo quehavemos de ver, quando isso lho der
goslo, meu senlior, respondeo Filippe impassiyel.
Sim, sim, he oque nos veremos, Sr. Filippe de
Taverney, grilou Jolo, procorando observar o elfei-
to, que riiria no mancebo o seu nomo, assim langado
inopinadamente.
.Na verdade, Filippe levantou acabegacom viva
sorpreza, na qual entrava algum desassocego; mas,
logo trampiillisando-sc, c tirando o chapeo com a
maior civiliilade: ,.
Boaviagem, senhor JoSo Dubarry, disscelle.
A carruagem parti rom rapidoz.
Com mil diabos! disso o visconde, fazondo ca-
rantonhas, sabes tu, quo eu sofTro horrivelniento,
Chonzinha ?
Na primeira posta, mandaremos chamar um
medico, cmquanto este .menino almoga, respondeo
Chon.
Ah! he verdade, disse Joilo, nos nilo almoga-
mos. C por mim, o mal tira-me a fome j tenho se-
de e nada mais. ,, ., ,
Quer voss beber um copo d agoa da cosa r
Quero, sim, da c. ...
Se o senhor me permittisse, tar-lhe-hia urna
obsc vacflo, disse Gilberto.
Diica
He que os licores nilo lho podem fazor bem, na
circumslancia em que o senhor se acha.
f Ah do veras ? disse Joao.
Agencia depassaportes.
.\a ra do Collegio n. 10, c no Aterro-da-Boa-
Vista loja n. 48 titiio-se passaporles para dentro
e fra do imperio; assim como despacbSo-so escra-
vos : tudocom brevidade.
~ Desappareceo, no dia 2do corrente, urna ca-
bra (bicho), com duas crias : quem a tiver adiado ,
e quizer restituir, dirija-se a ruada Penha loja de
surrador n. 2, que ser gratificado.
-- Preeisa-se de um Sr. Reverendo sacerdote para
dizeras missas do Natal at dia de Rcis em um si-
tio pouco adiante da povoago dos Afogados : a tra-
tartar na ra larga do Rozario, 11. 44, das 6 horas da
inanliila at as 9. c das 4 da tarde at as 6.
I ia o -se 500,000 rs. a premio de 2 por cento ao
mez com seguranga em urna casa nesla praca
quem quizer, annuncic.
.......... mi
fina de Santa-Anna, na estrada da Casa-
'orte, principiando defronte da venda
do Sr. Nicolao e seguindo at a margein
do rio, que faz frente para o engenho da
Torre ; o lugar he muilo aprazivel, prin-
cipalmente pelo lempo de festa ; o solo
mu productivo, por ser de massape, e o
ar bastante sadio : os prelenaentes po-
dem entender-se com o mesmo, no seu
sitio.
Aluga-se pela fesla, ou por anuo, um sitio na
margem do Capibaribe na Capunga com boa ca-
sa estribarla, cocheira, baixa para capim ; a tratar
no mesmo sitio todos os das de manli.ia e de lar-
de ou na ra do Rangel, n. 59, primeiro andar.
Compras.
ufwu lac. ..roa|a_
E voltaudo para Chon :
Entilo o teu philosopho he medico?
Nilo, senhor, mo sou medico; se-lo-he um dia,
se Dos o permillir, respondeo Gilberto; mas li n'nni
tratado para o uso da genre de guerra, quo a primei-
ra prohibigflo, que se leve fazer ao ferido, he o uso
de licores, viiho e caf.
Ah Vm*leo isso ? Bem nao fallemos mais no
licor.
Mas, se o senhor visconde quizer dar-mc o sien
lenco, irei molha-lo naquclla fonte, atar-lhc-hei o
brago com esse panno ensopado, e o senhor sentir
grande allivio.
Faga isso, meu amigo, disse Chon; postilliflo
para! grilou ella.
Parou o postilh.to a carruagem ; Gilberto foi mo-
1har o licengo do visconde.
Ksse rapaz vai privar-nos de conversarmos, dis-
se elle.
Conversaremos em algaravia, respondeo Chon.
Tenho bem vontadede dizer ao postillii i, que
parla, e de deisa-lo l com o meu lengo.
Nio tem raso; elle pode sor-nos til.
Em que ?
J me deo informagOes bem importantes.
Sobre que,?
Sobreadelpbina, e, ainda ha pouco, bem vio
vosse, quo nos disse o nome do seu adversario.
Pois bem fique !
Nessc momento chegava Gilberto com o seu lengo
embebido d'agoa fra.
ComprSo-so cdulas miudas, de 1000 a 20,000
rs. para trocos na ruada Cadeia, loja n. ;is.
= Coiiipio-sc escravos de ni a 20 anuos de |idade,
sadios, mu vicioi, com ofticios e tem elles na ra Ui-
icila, sobrado, n. 29.
CompraO-se cavados c egoas, que estcjflo em
estado de traualhar: atrs do Corpo-Santo, n. 66.
Compra-se cobre para troco a 2 por cento : na
ra larga do Rozario, loja de iniudezas n. 35.
A applicagHo deste ao brago do viscondo fez-lho
grande bem, como Gilberto o prevra.
A f que tinha raso, disse Joao, sinlo-me me-
lhor, conversemos.
Gilberto fechou os olbos, e abri os ouvidos, mas
a sua esperanga foi burlada. Chon respondeo a seu
irmao nesse brilhanlo e vivo dialecto, desesperagilo
dos ouvidos parisienses, quo s distinguen! na lin-
goagem provengal urna roncara de gordas consoan-
tes, que rolflo sobre vogaes musicacs.
Por mais senhor de si, que Gilberto fosse, iio evi-
tou um movimento de despeito, que nao escapou a
mademosella Chon, quo, para consola-lo, Ihe diri-
gi um gentil sorriso.
Ksse sorriso fez comprehender a Gilberto umacou-
sa, he que linlio atlengOcscom elle, pobre biebinho
da Ierra. Ja tinha locado no brago de um visconde
favorito do rei. E.scAudreza o visse nessa boa car-
ruagem !
E com estas consideragOes incliou de orgulho.
Em Nicotina nao pensou elle.
Os dous irinos contiuuraoaoonvcrsacilti em pro-
vengal.
- Bom, exclamou de repente o visconde,] debru-
gando-se na portinhola e olhando para tras.
Que he? perguntou Chon.
He o cavado arabo, [que nos seguc.
Que cavado rabe ?
Oque euquiz comprar.
Oh! e he montado por urna mulhcr, disse Chon.
Que magnifica crea tura !
Vemle-se um cavado de cor alazo novo,
gordo e muito bom andador de passo at esquipar ,
de bonita figura e sem achaques: eraOlinda, ruade
S.-Pedro-Novo, ns. 6 e 7, do lado do Norto, a toda
hora doilia
= Vende-se, por prego commodo urna escrava
moga do gento de Angola propria para todo
servico, por ser muilo robusta : na ra estreita do
Rozario, n. 45.
Vende-se a venda da ra do Collegio n. 91, com
os fundos, que o comprador quizer, ea preco muito
commodo, cm rasao do donoachar-se muito docnte,
c ser preciso rotirar-se : na mesma venda.
Vende-se um jogo de lialangas grandes com
um le no de pesos completos de dua arrobas a
meiaquarta; urna chapa de fog&o ingle/ ; duas pe-
ndras do rame novas; o un balco: na ra do
Fra-de-Porlas n. 122.
Vende-se um apparelho para mese do porcel-
lana dourada completo para 48 pessoas : atrs do
Corpo-Santo, n. 68.
Vende-se um um ptimo escravo de linda fi-
gura de 20 a 22 anuos : na ra da Cadeia-Velha ,
li. 3.
Vendem-se caisas com sebo muito superior, da
Porto : no armazem do Francisco D. Ferreira, no
caes da Alfaudega.
Ainda se vendem cadeiras de angico : Jna ra
Augusla, n. 31, ou na ra Imperial, n. 145.
.Na ra do Rangel, n. 11, ainda ha para ven-
der muitas das obras de ouro e prata das ja amiuii-
ciadas ; bem como vidros para candieiro; bules
azues grandes ; travessos ; galheteiras ; chicaras
azues ; clices para champanha ; e outras muitas
lougas e vidros, por prego commodo.
Vende-se um pardo, de 28 a 32 annos, perfeito
bolieiroe muito humilde, sadio e sem vicios : na
ra Imperial, n. 29.
De quem falla voss?......da mulhcr ou do ca-
vado ?
Damulher.
Entao chame-a, Chon; talvez tenha menos me-
do de vosse quede mim...... Dar-lhe-hia mil pisto-
as (dous contos de ris) pelo cavado.
E pela mulher? perguntou, rindo, a dama.
Arruinar-me-hia por ella......Chame-a.
Minha senhora grilou Chon, senhora !
Masa dama de grandes olhos negros, envolta em
capole branco, e com o rosto meio coberto por um
ghapo branco com grandes peonas, passou como
urna Hecha pela margem do caminho, gritando :
Avanti Djerid! Avanti!
He urna Italiana, disse o visconde, que bella
mulher! se eu nao soll'resse tanto, sal lava da carrua-
gem em baivo e-eorria aps ella.
Eu conhego-a,disse Gilberto.
Eesta! odiabo docamponezinho he o alma-
nak da provincia, conhece todo o mundo.
Como se chama ella? perguntou Chon.
Lourenza.
E quem he ?
He a mulher do feiticeiro.
Que feiticeiro ?
O barilo Jos Balsamo.
Os dous irmSos fitrao-se.
A irmfia como quedizia :
Naolizbemem odeixar?
Nflo ha duvida que sim, pareca responder o
irmao.
Cminuar*c-ha.(


Jk
^s
m Vendem-se mnemlas "lo Torro para engenhos le as-
sut-.'i i-, para vapor, aga o bosta, de diversos tamanlios,
por proco i'iiiiiiiioiIii ; o igualmente taixas do fono coado
c balido, de todos os tamanljos: nannja do f'orpo-San-
to,n. II, oin casa de Me. Caliuont Si Coiiipanhia, ou na
ruado Apollo, armazrm, n. t>.
= Vondo-so potassa branca de superior qualidade,
rm barris prquouos ; eni casa do M.ttI:< -. Auslin o;
Coinpanliia. na rna da Alfandega-Velha, n. 'Mi.
= O corrotor Olivrira tom para vender cobre 0111 fo-
Ihi o prego! do dilo para Ibrrus de navios : os preteii-
dontes ilirijiio-se ao luesuio, ou aos Senliores Mosquita
S Dutra.
CARNAUBA."
No armazcm do farinha do caes do Collogio conti-
nuare a vendercora do carnauba, a retalho de inul-
to superior qualidade
s= Vende-se ral virgein rm meias barrica chega-
da prximamente, por proco coilimodo; na ra da
Moeda arniazem n. 15.
Ala rua do Crespo, loja nova
n. 11!, de Jos Joaqun.
da Silva Hf aya ,
vi me-so brim .lo puro linlio de quadros e listrasde
cores e que sao limito proprios para a festa pelo ba-
ratissiino proco de 720 rs. cada vara ; ricos cortes de
casimiras elstica* para calcas a 6/ e 8/000 rs. cada
corle alpaca pela a 800 e 1/OO rs. o covado ; pannos
linos, proto e decores, por barato proco; cortes de col-
lele de velludo setim o gorgtirao ; ludo por proco ba-
ralo ; assini romo mu ricosoriiinento do lencos de seda
para grvalas multo proprios para a festa.
- Vende-se polassabranca, da
mais recem-chegada por modi*
co prego : ein casa deL. G. Fer-
reira & Companhia.
>Ta rua do Crespo loja nova,
n. 1*2, de Jos Joaquim
da Hlva Maya ,
vondein-sr ricos chapeos de seda lindamente onfoita-
dns para senhora clirgados ultimamrule do Franca,
pelo diminuto proco de l'2/000 rs. cada un : manta do
grande tom a 0/000 rs. cada urna as quaes se tormio
recomineiiil ivi is para as oenhuras que cuslumao ir
passar a festa.
j\a loja da esquina
confronte ao arco de S.-
Antonio, n. 5 ,
de Cuimariies Serafim & Companliia, vendern-se
cambraias largas, de padres os mais mudemos, que
teem viudo a este mercado, pelo diminuto preco de
330 rs. o covado; corles de chal fino, milito mo-
derno pelo barato preco de 3200 rs. o corte ; alm
dcsls Uzeadas, ha um completo sorliment, c tudo
se vende por prego muilo commodo.
Na rua do Crespo loja nova
n. l'i, de Jos Joaquim
da Silva ,11 aya ,
vendoin-se superiores cobrrtoros de algndo proprios
para esoravos a l/OOO rs. cada un ; una fazenda do
liulio escuro tainboui para nuipa de esoravos ou, sac-
eos de assucar por ser do muila duiaciio, por barato
proco.
l>em se alugo, por preco commodo ; no
Aterro-da-Boa-Yista primeira venda >
ao p da ponte, n. a.
Casa da F,
na rua estreita do Hozario, n. 0.
Nesto estabeleciment ach!o-so a venda as cau-
telas da loieria da matriz da cidade da Victoria,
cujas rodas amblo no lia Vi de dezembro. A eHas :
os procos sio os do costume.
Na loja da esquina confronte ao arco de S.-An-
tonio, n. 5, de Cuimariies Serafim & Companhia ,
vendem-se chales Brandes de radargo, fingindo lila e
seda padres milito modernos pelo barato preco
de 2400 rs. cada um ; lencos de cambraia estampa-
dos al40rs. cadaum ; brim franeez escuro, en-
corpado e de puro llnho a 720 rs. a vara.
Na rua do Crespo loja nova,
n. l'i, de Jos Joaquim
da Silva Maya,
vonde-se um restante dos bom acreditados cortes de in-
dianas para vestidos de senliora, pelo barato proco de
2/800 rs cada un; cortos da fazenda victoria, a 3/(>(10 rs.
cada mu; ricas caiubraias eoiii listras de soda, a/OOO rs.
cada corte; ditos de gOSlo chinos, a 51000 rs. cada um
corle; cassas chitas para vestidos, a 2/MOIIO e 3/500 cada
corte ; cambraia* de quadros de cores escuras, para ves-
tidos, a 3/500 rs. cada corte; calcinhas para meninas do
escola a 400 rs. cada um par; meias linas para meninos,
de dilieronles tainauhos; e (Mitra* muias fazendas, que
tudo se vender por proco barato, assini como um reslo
das ricas e baratas lanternas cora caslicacs de linissima
casquinha, c que se vendem por 9, i0 c 12 mil rMS cada
par.
Sal de Lisboa fino c alvo a 1600 rs. o alquei-
rc velho e sendo porcito dar-se-ha por menos : na
riia da Praiaarmazem n. 18.
Vende-se um sitio na Capunga, plan-
tado de arvores de fructo, com casa
de vivencia cacimba com boa agoa
de beber c banho muito perto : na rua Dircita ,
n. 16.
ATTF.NCAO!
Na rua do Crespo, lia esquina de S.-Antonio que
vira para a cadera, ha um grande sortimento de
bous chapeos do Chile, dos melhorcs, que presente-
mente ha no mercado eque vendem-se a 6500, 7/ e
8000 rs. A ellos antes que se acaben!.
Vende-se sal do Ass, a bordo da barcaca Flor-
do-fecife, Tundeada de fronte do caes do fallecido
Jos Ramos ouemeasade Manocl Jos Congalves
Braga ao p do arco de S.-Antonio.
Vende-se
Folassa.
Vende-se a bem condecida e
superior potassa da itussia, ulti-
ma mente enejada a este porto, e
igualmente vinlio da iMadeira, en-
garrafado, o melhor que se lem
condecido: na rua do Vicario, ar-
niazem n. 4,de liolte&liidoulac.
Na fabiica de sabao da rna Impo-
rta!, n. 116, vende-se sabao amareilo
epieto, muilo .superior e muilo secco ,
pelos p re eos alaixo mencionados e tam-
Ix'iii no armazem do Sr Jos Rodrigues
l'ereira na rua da Cadera do Recite
Sabao amareilo encaixado, a libra a io5
Dito dito a granel a ioo
Dilo preto encaixado, a ioo
Dito dito a granel,a.....q5
Sendo partidas de msis de 5o caixas,
Bbate-se alguma cousano preco, e man-
da-se levar aonde for mais commodo ao
comprador.
Vendem-se, por preco mais barato do
que ein oulra parte lanzinhas tinas, os
mais ricos padres que teem apparecido
e pelo barato preco do 3-20 rs. o covado ;
cassas de novos padres e cores lixas a
2500 e 3000 rs. o corle ; riscadinhos france-
ses linos para vestidos a 200, 220 e 2*0
rs. o covado; lencos de seda da India a
1440 rs.; mantas de seda, as mais ricas que
teem apparecido; cortes de cambraia de
. bom gosto; ricos chales de seda; cortes de
i collelede todas as qualidadcs; brinsde li-
nho, de cores e branco; casimiras para cal-
gas ; esguies finos ; bretanha de linbo,
miiilo lina ; lomos de setim preto o de co-
res para grvala ; eoutras umitas fazen-
das de bom goslo : na rua do Queimado ,
nos quatro-caulos, loja nova, na casa ama-
rolla n. 29.
mmmmwmmm
Vendem-se moloques negrinhas, pretosje
pretas, com habilidades e sem ellas, mocas e de bo-
nitas figuras : na rua Nova, n. 21, segundo andar.
V ciideiii-se bichas grandes de llam-
burgo ebegadas ltimamente ; e tam-
iima canoa berta que pega de 700 a 800 lijlos de
alvenaria grossa calafetada de novo, por commo-
do preco; tambera se troca por obras linas ou grossas:
na travessa da rua da Concordia, sobrado de um an-
dai n. 5.
Vendem-se terrenos na nova es-
trada que vai da Trempe para a es-
Irada do Manguinlio, c du Passagcm,
cujos terrenos teem omita extensiio, e por
isso sao proprios pora se fazerem grandes
sitios e edificar ; por preco commodo : a
tratar na rua da Aurora, n. 58.
--Vendern-se os seguintes esoravos : um lindo mu-
latinho, de 14 anuos, proprio para pagern; um pelo,
de 20 anuos, para todo o servigo de casa e campo;
2 pardas, sendo urna dellas muito boa lavadeira e
costure ira com urna cria de 5 para 6 annos; urna
preta, de 24 annos, pouco mais ou menos, propria
de todo o servigo : na rua da Cadeia de S.-Antonio ,
n. 25.
Vendem-se 6 escravas mocas com boas habi-
lidades una dellas ose engomma e cozinha;
urna parda, boa engommadeira e que cose e cozi-
nba ; 4 esclavos bous para 0 trabalbo de campo; um
dito bom carreiro; 2 moloques, de 12 annos: na
rua do Crespo n. lo, primeiro andar.
Vonde-se um cimillo rodado, com bonita figu-
ra eque anda bom haixo at meio : na estribara
do forte dos Pratos, junto ao arco de S.-llom-Jesus
se dir quem he o dono.
Vende-se cha urhim pelo barato precio de
1000 rs. a libra : na rua do Rangel, n. 11.
Uvas brancas de superior
qualidade, vendem-se na rua da S.-Cruz, venda
n. 3.
Vendem-se cadeiras de oleo; ditas de Jaca-
randa ; ditas para meninas de escola ; mesas de Ja-
caranda para jogo ; ditas de oleo ; ditas para meio
de sala de Jacaranda c de oleo ; urna mesa de meio
de sala com pouco uso; meias-commodas de
amareilo : urna dita de condur ; marquezas de
oleo ; camas de angico e amareilo ; urna estante pe-
3uena ; um sopha de Jacaranda ; loucadores gran-
es c pequeos; tudo por preco mais commodo do
que em oulra qualquer parte : na rua da Cadeia de
S.-Antonio, n. 18.
Vendem-se saccas com superior l'arinba, por
proco commodo : na rua Direita n 9.
Vende-se urna mesa de jantar, comdous apara-
dores, por 24,000 rs.; urna cama de angico para casal
com rolches e cnxerges, por 40,000 rs ; urna mesa
de engommar; um fogareiro de cobre de se por den-
tro de banheiro, por preco commodo: nesta typo-
graphia, se dir quem vende.
Vendem-se 3 escravos, por proi;o commodo a
saber : una preta ptima lavadeira, lauto de sablo
como de varrella cozinba bem e faz o mais servigo
de urna casa; 2prelosbons trabalhadores de cam-
po : na rua Direita sobrado n. 29, a fallar com o
Burgos.
Vendem-se 4 escravas muito mogas, de 18 a
22 annos, com prendas e sem ellas; um preto, de
20 annos perfeito oflicial de sapateiro, tanto para
casa de familia romo para loja; um bonito moleque,
de 12 annos, proprio para pageir. de algum meni-
no : na rua larga do Kozario, voltando para os quar-
teis n. 24.
theguem ao barato
O antigo barateiro est dando a troco de pouco di-
nheiro na sua loja de miudezas, na rua do Collogio,
n. 9, botes de duraque tinos e de seda com palmas,
a 200 rs. a duzia ; carteiras para algibeira, a 160
rs. cada urna ; carapucas de algodao de cores para
to ii 11 m a 160 rs. cada urna; torcidas para can-
Jieiro, de todas as larguras a 100 rs. a duzia; cor-
das e bordos para vol3o e rabeca; fitas de seda
lavradaa do melhor gosto possivel; tesouras finas,
para unha e costura; riquissimos caivetes finos,
para pennas: e mitras umitas miudezas, que se
vendern a troco do barato.
Vende-se, em ponjSo ou aos moliios, a molbor
palhadecarnauba, que aqu tem viudo, por prego
commodo ; na rua da Cruz, armazcm n. 54.
Cheguem freguezes
0 antigo barateiro vende a troco de pouco dinlioi-
ro na sua nova loja de miudezas da rua do Collegio,
n. 9, ricospentes de tartaruga para prender cabello,
eom enfeites dourados a 4000 rs.; travessas de tar-
taruga para marrafas a 960 rs. o par ; chapeos de
cambraia enfeitados para meninas, a 2560 rs. cada
um ; luvas de pellica, para homem e senhora, a 800
rs. o par; ditas de seda do cores, para meninas, a
200'rs. o par; ditas de seda preta, para senhora a
1200 rs- o par; leques de seda de muito bom gosto,
a 3000 rs. cada um ; caixos de flores muito lindos,
para enfeites de chapeos a 480 rs. cada um ; lencos
do seda preta para homem a 800 rs. cada um; cha-
peos do Chile, para cabega pequea, a 2800 rs. ca-
da um.
Vende-se urna preta de nagfio, de24 annos de
bonita figura que cozinba o diario de uina casa,
lava de sabo e varrella, e he quitandeira j um
moleque, de 16 annos, de bonita figura; urna pio-
la, de 35 annos, boa para o servigo de campo: na
rua da Concordia, passando a pontezinha, a direi-
ta segunda casa terrea.
Vende-so urna escrava cabra de 22 annos do
bonita figura, que engomma liso, cose chjlo, rzi-
nhaelava de sabao; urna dita.de 24 annos, de
boa figura, que cozinha, lava e cose chflo; urna pre-
ta de nagflo de 40 annos para o servigo de cam-
po por 250,000 rs.; um escravo de Angola, de 26
annos, para o servigo de campo : na rua das Cruzes,
n 22, segundo andar.
Vendem-se6 escravas,sondo pretas e pardas
de 5 a 25 annos com habilidades; um escravo car-
reiro, de 20 annos; 2 prctos de 25 annos, do boa
conducta, e bem robustos; 2 pretos, do meia ida-
de um delles he carpina : no palco da matriz de S.-
Antonio ,ln. 4..
Clleguen) as pe-
< hinchas !
O antigo barateiro est torrando por pouco di-
nheiro, na sua nova loja na rua do Collegio, n. 9 ,
chapeos deso, para senhora, com franja e sem ella,
a 2880 rs. cada nm; ditos de panninho, para homem,
a 1200 rs. cada um ; pelles de marroquim a 1280
rs. cada urna; luvas brancas e de cores de algodiio ,
para homem e senhora a 320 rs. o par; bonetes de
panno para homem, a 480 rs. cada um ; ditos de pa-
Iba para tomar fresco pela festa a 100 rs cada um;
bicos eslreitos a 40 rs. a vara para acabar; lon-
gos de seda pira algibeira, a 800 rs. cada um ; ditos,
a 1200 rs.; bengalas do caima da India, a 1920 rs.
cada urna.
Vendem-se duas casas e 1 terreno, em que se
podem fazer 5 casas, na rua da Concordia ; urna ca-
noa grande e nova, que carrega 1300 lijlos : na rua
cstreita do Rozarlo, venda n. 45.
no atehro-da-hoa-vista coja n. 3, de joao
ciiardon,
aealio le chegar pelos ltimos navios viudos de
Franca, ricos o muilo linos chapeos de palha, para se-
uhora e meninas ; llores filias para chapeos e vestidos;
muito boas fitas de setim lisas e lavradas ; ricos cha-
les o inanias le soda para senhora inulto finos ; cam-
biainsdo linho fianci/as sem mistura nenlmma de
nlgodao ditas do algodao, muito linas r transparentes;
bonitos coi les do vestidos de cambala Ve listras de co-
ros : cassas finas usase de cores ; bonitos lentos de se-
da setim o cassa para houirm e senhora ; luvas e
molas do soda e linho ; liona supensorios de borracha;
muilo i icas bengalas ; ohicntes le muilo bom gosto,
pin cavatina chapeo* d sol, de soda e do panno, de
boa qualidade, para homem e senhora; um novo e
limo mu lmenlo de perfumaras linas; calcado para
senhora ; orlos de grao ; chapeos de seda para se-
nhora ; bonitas bijoutrrias chapeadas de ouro ballas
para osparlilhos ; dedaoa de ato ;, caixinhas de porcel-
l.in.i di.ti i .na para sabao o para guardar rscovas; ricos
apparrlhos para cha ; e oulras mais fazendas de tojas
franco/as.
= Vendem-se barricas c meias ditas com familia gal-
lega muito inpirior; barricas e meias ditas com cal
virgem de Lisboa ; barricas com potassa branca e preta;
Irchadiiras para porta do armatrin ; peneiras de rame;
rodas de arcos para barricas ; bichas de Hamburgo
tudo por preco commodo : na rua do Vigarlo arma-
zeiu n. 9.
Vende-se vinlio tinto comwum, em
quarlolas, pelo baratissimo preco de lo
rs. cada urna : na rua da Cruz. u. ao.
PARA OS AMANTES DO QUE HE ROM !
Vendem-se latas pequeas o grandes da
muito o recommendavol bolachinha do ara-
ruta propriamcnlo dita, ultimmenlo che-
gada no brigue Viriato, bem torrada de dif-
ferentes feitios e ebeiros os mais agradaveis,
que. se podem desojar, como (sejo : flor de
laranja Imunilha, horva-doce, limlo, &c.;
em pergfloea relalho, por barato prego: no
armazom de Dias Fcrroira no caes da Al-
ta ndega.
Vendem-se, por precisSo, dous moloques, e
urna negrinha : na rua estreita do Rozario n. 23,
primeiro andar.
Vendem-se dous pardos, umde25 annos e o
outro, de 30 muito hulmides, sadios sem vicios
e de bonitas figuras ; no armazem defronte das es-
cadinhas do largo da Alfandega.
Vende-se um relogio de ouroi patento inglez ;
um par de brincos de ouro, com diamantes; 2 al-
finetesdepeito, dito dito; Sanncis com ricos bri-
Ihantesediamantes; urna cruz toda de brilhante ;
umfrontimdedito; todas estas obras sUq de ouro
do lei sendo novas e de hom gosto por prego mui-
tocommodo; urna rede toda bordada, manufactu-
rada no Para, por prego commodo, sendo esta no-
va : na rua estreita do Rozario, n. 30, segundo ar'
dar.
-- Vende-se urna escrava de uag1o,de 30 anuos,
que cozinha, lava o trabalha bem em servigo de rua,
por prego gommodo : no beco do Padre, n. 10.
Vende-se urna venda com poucos fundos, no
beceo dos Portos no fundo da casa n. 48 da ruada
Senzalla-Velha : a tratar na mesma venda.
Vendem-se dous escravos,um do 30annos, e
outro de 60, ptimos para sitio ou engenho, sem
vicio algum por prego em conta: na rua do Li-
vramento, n. 32
Vende-se urna rabeca; uina casaca nova do
panno preto; 2 meias pipas, que forSo deazeilc,
arqueadas de ferro : na rua estreita do Rozario, ven-
da n. 45.
Rap-Gassc
Escravos Fgidos.
O encarrrgado da agencia do Rap-Gasse nesta pro-
vincia tom a honra de participar aos seus frrgucies,
que se acha venda no deposito da rua da 'i tu no Ho-
cife, n. 38 una das inelhores fornidas;, que aquilino
vindo do lo-iie-I.iiii iio do muilo apreciado rap
gosso e meio-grosso fabricado com as melhores iiua-
lidados de fumo da Virginia cujo aroma rivalisa com
o mais superior rap princesa de Lisboa.
&,-*e%ttrosttttrar&-
E6PO
l'oi liioi has novas para a fosla, a saber : coi
S tes de velludo da melhor qualidade e lindo*
|i.o'noes, que ierm apparecido, a'5/000 rs. j II-
los de setim de cores, de listras e quadros a
JH 2/500 rs. ; merino dr duas larguras, a 2/000 rs.
S o covado ; alpaca superior a 1/280 rs. o rnva-
Z do ; panno fino verde cor do garrafa a 5/000
M rs. o covado ; dito preto a 4/500 rs. ; lenco
I de sedada India a 1/280 rs. ; seda* de core
j| de lindos padres para vestido, de senhora.
Jl a 1/000 rs. o covado ; meias compridas, estam-
.'120 rs. ; luvas de pellica para liouiem a 1/
rs ; dilas para senhora, a 320 rs ; alm destas
lia muras multas fazendas bem como: ricas
cambraias de cores; lindos focados para vesti-
dos de senhora, por iiuitareni cassas de dillc-
rentcs cores.
10 -
-- Fugio, nodia edoeorrente, as7 horasemeia
da noite urna escrava de nagflo, de nome Francis-
ca de40 annos, pouco mais ou menos, de estatu-
ra regular, cOr fula, beigos grossos alguma cousa
cheia do corno, ja pinta cohollos brancos. Esta es-
crava veio do Cear, ha pouco lempo, e descon-
fia-so que para la tenlia ido, ou para o Aracaty, por
neste lugar teruma filha. Roga-se as autoridaacs po-
licines e capitfies de campo de a pegarem e levarem
a scu senhor, na rua do l.ivramento^ loja de fa-
zendas n. 18, que serfio bem recompensados.
Fugio, nodia 12 do agosto, da fazenda Boa-
Ventura distante da cidado do Penedo 3 legoas,
um escravo crioulo, de 25 a 30 annos, de nome Mar-
cos ,e bonita figura alio e espigado do eorpo,
cor fula rosto barbado e comprido ; tendo levado
no da, quo fugio, suissas em todo rosto olbos aho-
toadoa e os brancos dos ditos vcrmclhoa, qucixo
comprido; tendo na cara mu pouea carne, bocea
regular; tem um dente tirado na frente do lado es-
querdo do queixo superior, nariz regular, nem
muilo chato nem afilado orelhas pequeas beigos
grossos c vermelhos, testa pequea e estreita per-
nas compridas, ps proporcionados o no direito tem
urna costura antiga de um taino quede, junto ao
concavo do p i tem mais decomprimentoda cintu-
ra para baixo, do que para cima e um tanto deila-
do para diante; tem o peito.um tanto sahiJo para
fra; he muilo pachola o muilo cheio de labias, e por
isso a pessoa, que poder pega-lo nio se deve con-
fiar nellas, devendo logo inmediatamente pd-lo de
haixo de toda "a seguranga eleva-lona cidade de
Macei, a Jolodu Silva Rogo e Mello, ou na cidade
do Penedo cm casa do commandante superior, Fran-
cisco Antonio Fernandes Pcntieiro Jnior, ou, na fal-
ta, em casa do abaixo assignado, em sua fazenda
Roa-Ventura que sera recompensada dom 30,000
rs., ou mais, conforme a longilude em que for pega-
do o dito escravo : assim como d-se a mesma quan-
liaaquem provar.que o dito escravo esteja acui-
tado por alguein, e prometle-se protestar contra
qualquer individuo, que para isso concorra.
Chrhtovdo Jos' Theolonio do Reg e Mello.
Fugio no dia a3 de novembro pr-
ximo passado, do engenho Gana-Grande,
termo de Una, um negro de nome Da
miao, estatura regular, bem preto, olbos
grandes, beicos grossos, crioulo, e de
idade, pouco mais ou menos, de aa annos;
consta ter andado nesta praca: quem oap-
prebender leve ao dilo engenho, que se-
r recompensado com a quautia de 5os rs.
- Fugirflo, na noite de 6 do correte, dous scra-
vravospretos, da tripolagiio do patacho Unido, de
nomes Vicente e Joflo ambos de Angola : o primei-
ro he baixoe franzino do'corpo cor pouca fula ; eo
segundo de estatura ordinaria quando falla gaguei-
ja alguma cousa ; foi escravo de Joo Francisco do
Olivcira senhor do engenho l.imoeirinho fregue-
ziadaEscada, pa ra onde talvez fosse : quem os pe-
gar, leve a seu senhor Gaudino Agostinho de Dar-
ros no Recife, rua da Cruz n. 66, ou no Mangui-
nho, sitio junto a ca pella de S.-Jos.
Fugio, no dia 3 do corrente, pelas 7 horas da
manhila o esclavo Francesco, de Angola, deSO*11^
nos pouco mais ou menos, he baixo, bastante
reforgado; tem um signal no rosto, junto a orclhs
direita, cujo signa I parece ter sido de ferida ; te"1
bonita figura; foi escravo de Joflo Baptista Fragozo
Jnior e actualmente pertence a Antonio Leile Pe-
reira Raslns, em Rio-Formoso.
Fugio, no dia 7 do corrente, um preto do na-
jo Benguela, de nomo Joaquim, bem barbado pos
pequonos.com bastantes marcas de bichos,-rosto
pequeo com dous denles a herios na frente, com
principio de barba e esta bstanle crescida altura
regular bem parecido na cor, bem fallante ; levou
camisa branca e caigas de brim. Roga-so as autori-
dades policiaes e capitfies de campo, que o pegucm
e levem a ruada Cadeia n. 48 a entregara Joa-
quim Jos de Seixas, que generosamente recom-
pensar.
S^%5&afe9aftft&ttre6@
PER
N. : NA TTP. DE M. F. DE FAMA.-18.46.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJFELBTSP_FH8S5P INGEST_TIME 2013-04-26T23:39:33Z PACKAGE AA00011611_08343
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES