Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08340


This item is only available as the following downloads:


Full Text


Anno de I86.
Secundafeira 7
O 0/^/AOpul>lici-se todo o) Hins que n"n
forfm de guarda : o prero du asignatura lie (le
4.JH0O rs. por qu.irtel, pagniailiantaifas. Os
minucias do* ass'guantcs sho inserido! n rnzo
de 20 reis por linlm, 40 rcis en typo'dilTeren-
lc, e M repelices pela metale. O que mo fo-
,,in affignanta pagao 80 ris por liifia, c ICO
di) lvpo,duTeioiite.
|'IUSBA LA NO MEZ, DE DF.Z.EMBR0
l,u chata >, D lior/is 2%unutos da (arde.
MinuoanUa 10, as 6 iioraie 55 inin. da larde.
,!i a a*, a- 1(1 horas e 21 mu. da mull.
Crescenle I 25, a; I lloras e 18 mi. da manli. ,
PARTIDA DOS CORRF.IOS.
Golamm c l'arnliylia Segundas e Sextas lenas
Rio Oran.le do Norte, etiega as Quartas feiras
ao mcio dia at parte lias mesinas huras Das
Quintas feira.
Galio, *eruhaem, Rio Furmoso, Porto Cairo e
Macey. no l., II c 21 da cada mci.
fiaranhuiis e llouito a 10 a 4.
Boa-Vista* Flores a 13 e 2.
Victoria nai ,,ai.
Oliuda todos os das.
PREAMBfl DE HOJK.
Primeira i 7 h. 42 minutos da manha.
Segunda ilh.C minulM da tarde.
de Dezombro.
Anno XXTT.
N. DrAS DA SEMANA.
7 Segunda. S. Amhrozio. AuJ.do J. dos ar-
piaos edo J. doC. da 7. v., do I. M. da 2 v.
S Terca. Gonceicao de HosM Senliora,
padroeira do imperio.
9 Quarta.S. Leocadia. Aud. do J.docir. da 2.
V c*do J. de par do 2 dist. de t.
10 Quinta S. Gemello. Aud. do J. deorplios,
<\o I municipal da I. vara.
11 Sesta. S Dmaso. Aud. do J. do civ. da I.
t edo J. de paz do I. dist. de t.
12 Si.lildo. S. Justino. Aud. do J. do civ.
da I. v., e do J. de paz do I. dist. e I. de t.
13 Domingo. S. Luzia.
CAMI'IOS NO DIA 5 DE DE'/.EMBRO.
Camino sobre Londres?'/,a 28'/.;d,p. If aCO d.
a Paiis 255 res por franco.
Lishoa 05 % de premio.
Desc. de letras de boas firmas I '/ P- '/oaon,e"
Ouro ticas liespanholas.. lOfOOO a OfSOO
> Modas de GjIdO vcl. l6j2H0 a l|30O
denunnnov. IJOOO a lollOO
de 4JOO0... 9^000 a flOn
Prata Pataces...........I0M i I/OOo
Pesos columnares. l'.i'JO a 1O00
Ditos Mexicanos. |90 a I/S40
Miuda.......... I100 a l|7S0
AccesdaComp.do llcberibede JOjOOO ao par
DIARIO DE FERMAMBUCO
____PAftTE 0FF1CUL___
Governo rin provincia.
EXPEDIENTE DE 21 DO PASSADO.
Oflicio Ao inspector da Ihesouraria da fazenda,
deolarando-se scienle de poder serneceito asaque
tle 5:200,000 ris, que sbreos cofres da mesma thc-
sourarla flzera a do Osar. -- Pailicpou-se ao presi-
dente do Cear.
Dito Ao director do arsenal de guerra, aecusan-
do recebiilo o ofllcio, por que S. me. deo parte de lia-
ver frito embarcar para o Maranhfio 400 arrobas do
plvora, aquella provincia pertcncentcs. Commu-
nicou-se ao presidente do Maranli3o.
idfmdo ni 89.
Olu'c'0 Ao rommandanto das armas, scientican-
do-ode haver Iransmittido secretaria de estado dos
negocios da guerra o sen officio, em que parlicipav,
que o capilfio do primeiro batalliflo de caladores,
Jofio Brrelo de Castro, anda se nlorecolheo ao res-
pectivo carpo, no obstante baver-se acaliadoasua
iccnija.
Dito Ao mesmo, reconimendando a expediefio
de suasordens, para que o sargento ou cabo de es-
quadra da guarda da tbesouraria acompanhe o por-
teiro da pagadoria militar, quando elle Cor abrir ou
le liar a repartiefio ; ealim de que asentinella do
corredor, para que deitfio as portas da mesma repar-
ticlo, tonba sobre ellas toda a vigilancia. Partci-
pou-so ao coronel commissario-pagador.
Dito Ao inspector da alfandega, dandb-sepor in-
teirado do fallecimento do respectivo guarda-mr,
Joan de Carvalho Pues de Andrade.
Dito |)o secretario interino da provincia aomar
jo Antonio da Silva Gusmfio, inteirando-o de tercm
sidoapprovndos os planos para as loteras de N. S
do Guadelupe deOlinda, ty da matriz da cidado de
Coanna.
Portara--Plomeando ocrurgifio Jos Francisco
Pinto Guimanes, para, semdireito a veneimentosda
fazenda, substituir o provedor da sade, emquanlo
cstivnr impedido. Communicou-se ao mencionado
provedor.
EXTERIOR.
ROMA,
0 Vniren publicoo una carta de Roma tle 8 de ou-
tnbro, atiimnciando, que o papa partir no dia ante-
cedente, eni visita para Albano e Castelgandolfo. S.
Santidade ebegou a Albano s 10 boras da mandila, c
l'oi recebido pela populacfin com as niaiores doinon
tracoesde alegra. L'm esplendido monumento, sobre
o quaj nssenlava urna estatua colosaal de l'io IX, ti-
nha sido erigido na prac.a da catliedral, e a su a recep-
QO fo em ponto menor urna rcpeticHo do seu trum-
plio em liorna a 8 de setembro. Tendo o papa subi-
do a um rostro collorado ao pedo nionumenJ.(i, to-
dos os issislentes njoelhrflo-se para receber a sua
benrilo. S. Santidade ficou ento sentado por espaco
de pertdodez minutos para presenciara subida de
un hallfio ornado com as suas armas c brasoes, o
qual elevou-se com fogosdartifieio e loques de mu-
sir O povo de Albano apregoou altamente a sua sa-
tislaeilo por ser a sua cidade a primeira honrada com
a visita de l'io IX. Cstelgandolfo, residencia rustica
do papa, esta situado una niillia allti de Albano, na
margrt d'um rormosolago. Os habitantes'da villa
contigua e os de Albano silo mulos, e tanto uns co-
ir.ooniiosrivalisaian nesta occasifio em mostrar o
sen zelo e adheso. Comtudo, os Castellanos senti-
rilo, qiie-o papa, visitando primeiro Albano, tivesse
mostrado maior consideracSo para com aquella ci-
dade ; e urna das inscripees, que decoravfio a pra<;a
de Castelgandolfo, exprima csse sentimento : -- Se
nao somos os priineiros a possuir-vos, di/ia aquel-
la nsrripeao a nio somos os segundos a amar-vns .
11 papa vrsilou os dflerentes eslabelecimenlos de u-
lilidde publica nessas localidades, e con ferio a ca-
'hi um de)les provas da sua munificencia. A's 4 li-
las parfio o Santo Padre do Castelgandolfo para vol-
tra Roma. A estrada eslava apinhoada das mesmas
multidoes. Os habitantes das cldades ovillas vizi-
nhas, tendo cada qual urna bandeira separada, espe-
rarilo a sua passagem, e toda a populaQo de Roma
I inlia sabido ao encontr delle, afim de saudar a sua
volta. A's sete horas chegou elleao Quiriual, e lo-
go depois os gritos cnthusiasticos da multido reu
nidaem frente do palacio ochamr.10 a varanda,
donde lanrou-Ihe a sua bencao.
OSemaphorede Marteilles, de 12, tambem conten
urna carta de Roma, da mesma data, mencionando,
que, lendo-so a congregarlo dos cardeaes mostrado
systemalicamente hostil poslas pelo cardeal Cizzi, o papa tnha substituido a-
auella corporacao por urna consulta de stato, forrfia-
a dos sub-secrctarios de estado, dos prelados, que
exerceni em Roma as mais altas funccOes adminis-
trativas, e muitos membros seculares e distinctosda
administragilo. '
EstaWtV* prestes a apparecer, iob os auspicios do
cardeal Cizzi, urna folha semanal intitulada o Con-
temporneo.
0 Sr. Balud liavia sido nomcado hispo de Imola,
sede oceupada ltimamente pelo papa.
tfimtw.)
MEMORIAS DE LM MEDICO. (*)
ion aicvatiUvc utiifjfr
flfc
piiivi:iiia p.Miii:.
DINAMARCA.
SCHLBSWIO-HOLSTEiy.
Aliona, 6 de oulubro.
O rci de Dinamarca fez a falla seguinte as tropas
reunidas de Schleswig-llolstein :
Sinto summo prazer de me ver assim no meio
das tropas dos ducados. Estou muito salisfeito com
a vossa disciplina e aspecto. Agradeco-vos a vossa
lealdade ; ella nao he nova para mim ; vos tendes
sempre dado provas della ; e eu sempre a experimen-
te!; mas neni por isso he para mim menor prazer
ter smente de dirigir palavras de louvor eagrade-
ciuieiiios s minhas fiis tropas. Depois desta falla
as tropas denlo estrondosos vivos. O rci diguou-se
de responder, Vivflo asvalcntes tropas dos duca-
dos. Ao banquete, tendo o re frito sade das tro-
pas, e propondo o seguinte brinde, disse: a linlu
outro brinde a propor, o dos soberanos da confed-
ragio, que nomear.io os bravos generaes, que se a-
cliao sentados a meu'lado para passurem revista s
tropas. He urna prova da sua cooperaeAo para a boa
disciplina do exercilo da confedcraC/o germanjea,
da qual forma e formar sempre urna honrosa porcao
o contingente lo ducado de Holstin-I.auenburg. O
mcu constante objerto ser a pe l'eita disciplina das
tropas. Bebei commigo, cavalheiros, sade deSS.
MM., o rei da Prussia, o rei de Wurlemberg, c tle S
A. R. o duque de .Nassau.
Parece, que o gabinete dinamarquez est lon-
ge de desistir da sua linha de poltica pelo que res-
peiltaos lineados l'in correspondente de Nurem-
berg diz, que pode asseverar sob boa autordade, que
no mez de maio ou jtinho passado enlrou o rei de
Dinamarca em ajuste, sob a forma de tratado, com
urna potencia estrangeira, segundo o qual, no caso
de certas eventualidades, aquella potencia he obriga-
da a proteger a indivsibilidadedo governo dinamar-
quez, com as ai mas na nulo.
Gluckttadt, 8 de outubro.
0 rei de Dinamarca chegou a 5aClurkstadt; foi
eiilhusiasticaniente recebido ; nr* occorrrflo alguns
e\iessos. Alguns mancebos, antes da chegada do rei,
reuiirflo-se na casa de um dosseus amigos, c canta-
rao em curo 0 hymno nacional de Sebleswig-IIols-
tein. Os habitantes dcnlo-se por affrontados, ar-
rninliarfio a casa, e inaltialaro os mancebos. Instau-
i'ou-se urna investiga^ao sobre o laclo.
{Daily JVeic.)
DESCORKR IA IMPRTAME.
PLVORA DB ALCOIlA.
Depois que Sclionbein descubri ao mundo o po-
dr explosivo, que se commiinica ao algodito por
meio de agentes chimicos, leem surgjdo muitos des-
cobridtrrs do mesmo genero. Entre outros annuncia-
mos os nomos de llollger de Frankfort, Morcl de Pa*
ris, Dr. Olto de Brunswick,' M. Chodsko, Polaco, e
um par delles de Mayence, todos aspirantes ao di-
MaMaaaajaj|B'|iMgMiaaaaWaiailaaaa%'^a iililli i ia-XI"*"-'
m*an~
CAPITULO XX.
- O ESCUDO DI CIX.BIRTO.
Depois de una meia hora de desesperada carrea,
"ollou Cilherto um grito de alegra ; acabava de avis-
h'ra um nuarto^le Icgoa liante de si a carruagemdo
l'arilo, subiiulo urna ladeira a passo.
si'nlio entilo Cilherto em si mesmo um vordadeiro
assomode orgulho, porque via, que com os nicos
ocursos da moeiilade, vigor e intellgcncia la igua-
laros da riqueza, poder e aristocracia.
> .
7) Vide Diario n. 273.
l'ntilo he, que Taverney podia chamar philosopho
a Gilberto, ao vc-lo na estrada, com o bordSo na niao,
e a magra bagagem seoslas, dando pulos iap"dos,
saltando fossos para economisarcaminhn, c parando
a cada subida, como se dssera desdenhoso aos ca-
vallos:
Vos mo des tao depressa como eu, que me vejo
obrgado a esperar-vos.
Philosopho! oh! quesim, por certo.elleoerabem
entilo, M se chama pnijosopbia o despiezo de lodo
o gozo, de lodo o rommodo. lie verdade, que nDo fiV
ra acostiimailo a una vida molle, mas a qiianta gen-
te o amor nao aniollece Era portanto, cumprc dize
lo, um bello espectculo, um espectculo digno de
lieos, pai das crealuras enrgicas e intelligenle., o
desse mancebo correndo, coberto de p, e todo ver-
melho, durante urna ou duas horas, atealcancar qtui-
aia carrui^eni, o descansar com delicias, quando os
eavallos all'rouxavao. Nesse dia devia (.illierlo inspi-
rar so admirai,'ao a quen o podesse seguir com os
olhos do espirito, tomo nos o lazemos; equem sabe
ale, te i toberba Andrcza, ao v-lo, seinlo commo-
vOra, eseossaindiflierenca, que manifestara acerca
desiia preguiea se mo mudara eitajestima pela sua
energa?
Assim se passou o primeiro dia. O bar:lo demorou-
se mesmo urna hora em l!:u-le-I)uc, oque deo a Cil-
herto todo o lempo nao so de alcanca-lo, mas at de
passa.-lo. Gilberto deo urna volta pela cidade, por-
tille tnha ouvido dar a ordem de parar em casa de
um ourives, e quando avistou a carruagem, cscou-
reito do invcHQflo. Todava, nao consta, que algum
derles lizesseassuas experancias antes dos recentes
annunciosdeSchohbcin;osera maisacreditavcl para
os homens da seicnca o chamarem elles s suas expe-
riencias reproducefiesdo algodo de Schonbein origi-
nario descubridor;. O Dr. Otlo, profrssor dechlmi-
ca em Brunswick, publicou a seguinte noticia na
Gavia ffanoveriana, quo suppondo sorem os ele-
mentos, que elle menciona, os verdaderos ingredien-
tes nao dexa mais em segredo o processo da sua
manufactura:Independente do Schonbein e Bot-
tger, mas confiando n'uina observaclo de Pelouze,
cuntida na pagina 13ido l.voluinedo meu manual
de ehimica, conse;u producir um algodio explo-
sivo, que depois de urna serie de experiencias parece
nteiramcnle apropriado para substituir a plvora"
ordinaria. Para prepara-lo,mergulha-sealgod:locom-
niuiii bem limpo por cousa de meio minuto em aci-
do ntrico bem concentrado (sendo o acido, de que
uso, frito pela distiUacao de dez partes de salitre
seceo c seis d'oleo do vitriolo e depois mette-se
immodiatamente emagoa, que deveser militas vezes
renovada, alim de livrar o algodflo do acido, deque
est impregnado. Deve-se entilo ter cuidado em que
todas as partculas nodosas do algodao sejilo con-
venientemente desembaracadas, eque elle esteja n-
teiramenle cnxuto.
0 Dr. Otto dexa deestabelecer a sua preteuco
originalidadej tanto assim que pela sua propria nar-
rafilo a sua primeira experiencia certificada foi frita
a-ide outubro, entretanto que o algodio dcSchon-
ben foi empregado as minas do Corn em agosto
passatlo.
Pelo lessager sabemos, que M. Morcl, engenheiro
mechanico de Pars, tambem pretende ter inventado
a plvora de algodio; e recentemente fizerfo-se al-
gumas experiencias com a sua inveiiQo perante al-
gumas das autoridades militares. A relcelo dessas
experiencias diz, que M.Morcl apresentou urna caixa
de cartuchos promptos e preparados para pequeas
armas. Qucimado na mlo nflo causa dr senvivel,
fio deixa nodoa, e niioproduz fumo. Molhado eiri
agoa, esprimido, e depois enxugado entre duasfo-
Ihas de mala-borriio, preserva as suas propiedades
fulminantes. O general Gourgand atirou com urna
carga de algodfio fuln.inanlc de urna espingarda or-
dinaria de caca, n'uma distancia de O varas do ob-
jccjLo, a que fez alvo, liisparou nina pistola de coldre
em distancia de 25 varas, e outra de algibeira em dis-
tancia de dez. A 40 varas de distancia a bala da es-
pingarda de caca atravessou urna tahoa de faia de
0,35 centmetros de grossura; a 23 varas, a balada
pistola de coldre ficou na tahoa sem a furar; a bala
da pistola de algibeira fez sobre a tahoa a mesma im-
pressfio, que leria sillo produzida por urna carga de
plvora ordinaria. A carga do algodfio fulminante a-
peuasdeixa algum residuo no cano. O reeo da ar-
ma he extremamente fraco, ea dctnhacfio nao he
grande. Nilo podemos calcular o elTeito, que pode ser
produzido daqui em diante pela desroberla de M.
Morcl. M. Chodsko, refugiado Polaco, apresentou
igualmente una substancia fulminante, que tcm a
apparencia do algodfio,eque foi experimentada com
um arcabuz de artilharia, disparado a 40 varas de
distancia. A bala produzio o mesmo effeilo que a im-
pellida pelo algodfio fulminante; mas dcixou um
deposito consderavel no cano. Apolvora de algodao
de M. Choilska foi comprimida com urna btixa, alim
de (anegar a arma, entretanto que o algodao fulmi-
nante nao o foi. Ambas as materias se inllaniiiifio
pela pancada de um marlello sobre urna bigoma,
mas nflo sobre madera.
Em juxlaposicfio a estas experiencias, ser inte-
ressanlc ptlr algumas, que forfio recentemente fritas
as trras de Mr. Barron deStanmore, sob a inspec-
efio do profrssor^Schonbcin, e referidas no Alhenaum
ile sabbado passado (17 de outubro) por um ca-
valleiro, queas presenciou : Antes de provaras
suas torcas com armas de fogo, o profrssor fez va-
rias experiencias para mostrar as snas propriedades
explosivas e perfrita combuslSo- Elle poz alguina
plvora de algodfio sobre um montao de plvora de
caga da mais forte e mais fcilmente inflammavel.
0 algodfio foi entilo incendiado pelo fio de platina em
braza; e anda que houvessem iiinumcravcis pontos^
de contacto entre o algodao o a plvora, aquello fez'
tilo rpida explosfio, que a plvora ficou em ser.
Apolvora de algodfio faz explosfio a perto de 400
graos do Fahronheit com urna viveza de chamnia,
que he perfeitamente deslumbrante, deixando ape-
nas algum residuo. Tem-so dito, que nfio emtte fu-
mo: isto he errneo. I.anca um ligeiro fumo, ou
antes vapor; mas dcsapparece tilo depressa, que nfio
causa ncomniodo algum. Depois de repelidas explo-
soeMo algodfio, a sala, mulo se Rzerfio as experien-
cias, estava'perfritamentir clara, lie diOIcil tem ava-
llar as vantagens conseguintcs ao uso da plvora de
algodfio as minas ; poisque o fuinjf procedente da
greisseira plvora empregada cm quTmascausa mui-
to incommodo e prejuizo sade dos mineiros. As
experiencias de quema fritas, ha jiouco teinpo, as
minas de Cornwall, forfio mais satisfactorias c deci-
sivas em favor da plvora de algodfio. Outra das suas
extraordinarias qualidades consisto cm nfio se dete-
riorar com a humidade. Alguma plvora de algo-
Jilo, que tnha sido macerada em agoa por espado do
Gji horas, e enxugada pela exposiefio ao ar, fez tao
fcil e rpida explosfio, como se o algodfio nfio tives-
se sido molhado. O profrssor .Schonbein disse, que
a immersfio n'agoa per espaco de dous mezesjifio
Ihc dminuio as qualidades explosivas no mnimo
grao. As experiencias fritas com cspingardas'de ca-
ca e retes forfio altamente intercssantc.se satisfacto-
rias. Urna arma carregada com 30 graos de algodfic
preparado mpcllio urna carga igual de muniefio con)
maior frca e precsfio, a urna distancia de 40 varas,
do que fez a mesma arma carregada com 120grfios
de plvora ordinaria, l'm re fe carregado com 54 c
grfios de plvora conimum despedio urna lala, que
atravessou sete taboas de meia pollegada de gros-
sura em distancia de 40 varas : o mesmo refe carie-
gado com 40 grfios de plvora de algodfio impelloa
bala at a oitava taboa. Outro refe, que tnha sido
empregado para atirar a depilantes, e que eonse-
guintemente levava urna bala muito maior, carre-
gado com 40 gi fios de plvora de algodfio, inipellio a
bala atraves de oito taboas, em distancia de 90 varas.
Em nenhum caso foi o tiro seguido de reco maior,
do que o ordinario; o os estourosnao forfio mais al-
tos, do que osquosegucm a descarga d armas e re-
fes carregados com plvora commiim. Consta-nos,
que vfio por ordem do governo com arralis de pl-
vora de algodfio de Basle para Woolwicli, afim de ex-
perinieiitar-se a sua applicacfio artilharia grossa.
O profrssor Schonbein diz, que a fabricacao da pl-
vora de algodao nfio traz coinsigo risco algum; c quo
pode ser elfrituada no curto espago de oito horas, e
com menos custo do que a plvora ordinaria. A se-
ren exactasestas asseredes, segur-se-ha a adop^fio
da plvora de algodfio como cousa conimum.
{dem.)
deo-se n'uma monta, e, logo quo ella passou, se-
guo-a comodantes.
Pela lardinba, o barfio alcancou as carruagens da
delphina na pequea aldeia d Rrillou, cujos habi-
tantes, reunidos n'uma collina, atroavfio os ares com
gritos de alegra c embocas de prosperidade.
Nfio comOra Gilberto cni todo o da mais que um
pedaco de pfio, que trnuxera de Taverney, mas em
compensaefio beber, farlar, agoa de um" magnfico
regato, que alravessava a estrada, o cojo curso era
tito puco, as margena fio frescas, tfio bordadas de
igVioes e golphfles amarellos, quo, por pedido de
Andreza, a carruagem liavia ah parado, e ella,
apeando-se, enehra com suas proprias mfios o copo
d ouro, de que a delphina se servir.
Gilberto, escondido por Irs de um dos olmeiros
da estrada liarla observado ludo isto.
Por isso, logo que os vajorCs segnirfio por danle,
foi Gilberto,juslamenteao mesmo lugar, poz o pena
mesma elevacfioznha, a que vira Andreza subir, c
bebeo com a irifio, como Diogenes, da mesma agoa,
com que acabava de mitigar a sede mademosella do
Taverney.
Depois de bem refrescado poz-se de novo a caminho.
Urna so cousa dava cuidado a Gilberto, era saber,
se a delphina dormira era caminho. Se assim acon-
tecesse, como era provavel, porque vista do cansa-
co, de que se ella havi qiiexadoem Taverney, teria
por certo necessidade de repouso; se a delphina dor-
mase em caminho,dizemos ns, Gilberto eslava sal-,
vo. Farifio alto, nesse caso, em Saint-Dizier. Duas lio-
PERNAatiSL'CO.
Cmara municipal do Recife.
PRIMEIRA SESSAO ORDINARIA DE 2*DKN(>-
VEMBRO DE 1846.
PRESIDENCIA DO SICMlOR 11KC0 I! AI.UUQUKRQLi:.
Presentes os Sis, Carneiro Monteiro, que logo re-
trou-se, Barros, Cintra, Egidio Fcrreira, Dr. Aqui-
noc Barata, abrio-se a sessfio, e l'oi Iida o approva-
da a acta da antecedente.
0 secretario leo um ollico doExm. presidente da
provincia,remetiendo os exemplares do peridico pu-
blicado na cortado Itio-de-Jrneiropelasociedade Au-
xiliadora da industria nacional, pertencentes aqs
mezes de Janeiro, fevereiro e de junho a setembro
do crrante anuo, afim de que fossem archivados, fa-
CUltando-sea leitura delles aos agricultores, que os
quizerem consultar.Inteirada, e niandou-se aecusar
a rectjpQfio.
Outro do mesmo presidente, remetiendo por copia,
para coiihecimenlo desta cmara, o aviso de 25 to
oulubro ultimo sobre a duvida oecorrida na "pro-
vincia de Minas-Ceraes a respeilo da execuefio da lei
n.:is~, de I9de agosto do corrente anuo.-Inteirada, o
mandou-se archivar.
ras de somno ser-lhe-hifio bastantes para recobrar a
elaslcidadc das peritas, que comecavfioainleiricar-
se; passadas as duas horas, por-se-hia outra vez a
caminho, e durante a noile, anda andando devagar,
adianlar-sc-bia da comitiva cinco ou seis legoas.
Aos dezoito anuos anda-se muito bem, por una bcllu
noile do mez de maio !
Veio o crepsculo envolvendo o horizonte coma
sua sombra cada vez mais prxima, al que essa som-
bra alcaudn o caminho, em que Gilberto marchava.
Em breve nao vio elle da carruagem mais do que a
grande lanlerna collorada no lado esquerdo, e cujo
reflexo fazia na estrada o elfrito de um phantasma
branco a correr^sempre assustado, pela borda do ca-
minho.
Depois chegou a noile. Ilavifio caminhado dozc le-
goas, cslavfiocm Combles; as carruagens, como que
lararfio por um instante. Gilberto suppoz, queoco
he era propicio. Approximou-sc para ouvr a voz do
Andreza. A carruagem eslava parada; elle meltco-se
no vfio de una porta-coclicra. D'ahi avistou Andre-
za claridaile das Ianternas; ouvio-a perguntar, que
horas erfio. Urna voz respondeo : onze horas. Nesso
momento nfio eslava Gilberto cansado, e tera rejei-
tado com desprezo oofTereciniento de subir urna
das carruagens.
lie queja aosolhos ardentes de sua imaginado ap-
Farecta Vcrsalhes, dourada, resplandecente; Versa-
hes, a cidade dos lidalgos e. dos reis. E alm de Ver-
salhes Pars, escura, negra, mmensa; l'aris. acida*
de do povo.


__
"JS5
Ouirodo mesmo presidente, ordenando, so lhc re-
mell'sse at o da 15 dojnnejro vindourn, oiprete-
rivelmenle, ama informasflo do calado dos negocios
deste municipio, com dcclnraqo los inconvenien-
tes, que possflo obstar a sua marcha regular, o das
medidas, queso devem adoptar para rcrnedia-los, a-
m ile que seja presente nssemhlca provincial na
sua prxima futura rouniiio-Que assim se cumprisse.
Outmi do mcsmo presidente, convidando esta c-
mara a concorrer ao cortejo, e issislir a grande pa-
rada do da > de dezembro futuro, aiiniversano do
nasciment de S. M. o Impera lor. Inleiraila.
Outro do procurador desta cumara.inrormando, co-
mo se Ihe ordenara, os requerimentos de Joio Ma-
noel de.SIqueira, <|iic se queixa da falla de paga-
mento de 463 680 rs que se lhc leve do ronieci-
mento de azeite para luz da cadea desta cidade.--
Mandou-se archivar.
Outro do contador desta cmara, ponderando, que
scachava inhiliido de a presentar no lempo consig-
nado o orcamt-iilo para o anuo seguinlo, por nflo
existir anula Ici de orsamonto para oannocorrento,
pudendo talvez este conter algumas afleracoes as
verbasassim de receila, como de despe/.a, eque ou-
tro tanto aconteca u respeilodo balanco de receila
e despeza do anno lindo, por nflo estar anda na po*-
sc dos documentos e cu nas, que o procurador Ihe
deve subministrar.-Que se Ihe respondesso, une
nao proceda a sua prmera rasflo para nao apresen-
lar o orenmento om tempo, porque para, cnnfcccflo
del le nao he nocessario mais do que a lei do orca-j
ment lindo; e que, quaulo a segunda, que se man-
dava offlciarao |irocurador, para Ihe fornecer os do-
cumentos necessarios para a organisacflo do balanco
da iveeitac despeza do auno nudo.
(nitro do mesmo contador.pedndo.se Ihe mdicas-
se qualquer artigo, queporventura tivesse a cmara
cm vista para ser incluido no orcanento do anuo so-
guinte, de Cuja eonfereflo se achava elle tratando.--
gueuddicionaaae ao dito ornamento o augmento da
despeza do alugftcl da casa contratada para suas ses-
soos por 400,000 rs. annuaes, submellendo a nppro-
vacflo da mesma cmara, logo, que eslivesse orga-
nisado, lito o smenlo. .
Outro do administradordas obras publicas,pcdmdo,
se Ihe facultasscm as plantas desta cidade, emquan-
to se liravlo copias dolas, ou que so permltise,
(pie uni desenliista daquella rcparlicfio li/.esse esse
tralialho na casa das sesses desla cmaraUue so
Ihe respondesso.que as plantas scriflo proporciona-
das;! esse desenhisla, para aqu tirar copias dellas.
Porfo approvados os seguintes requerimentos dos
Sis, Cintra eDr. Aquino, dando-se as ordens con-
venientes no sentido del fes.
l'.equero, que o.engenhciro corJcador, o o fis-
cal do bairro de Santo-Antonio, examinando com
urgencia a edilicacfio do predio contiguo ra do
Collogio.declarem, se est ou nflo conforme a planta
approvada, eso osalinhamentos dados csl.lo do ac-
ord com o disposto no plano do armamento, par-
ticipando por escrita o resultado de taes exames.
Cmara municipal, cm sessflo de 24 de novemliro do
1Ni(.--o vereador, Cintra Manoel.
Requoiro, que o forneciinento das luzes da
cadeia desta cidade seja posto emarremataeno, sen-
do condiefio indispensavel,que s se sirva de azeite
de Garrapato. Sala das sesses, 34 de novembro de
1846. tquino.-
Autorsou-sc aos tiscacs desta cidade a darcm em
SUBS froguezias as cordoacoes simples, emquanlo du-
rar o impedimento do cordeador.
I.co-sc, e foi ipprovado,votando contra oSr.Harala,
urna informasflo feita ao gpvorno da provincia tobre a
peticilodos moradores da ra da Traa, que pcdoni
deniolicSo de un dos quarteii oes da ribeira do peixe
la freguezla de S.-Jos.
Foi remedido commissfo de edificacio o reque-
rinento da viuva de Jos llamos de Olivcira, que pe-
de licenca. para continuar a edilicacfio de sua pro-
priedatfo situada no denominada caes do liamos; e
ps de Diogo Rodrigues, ede Jos Joaquina da silva
Haya sobra terrenos le marinha.
Despachrflo-se os requerimentos de Antonio Jos
Rodrigues dcSousa, de Antonio Jos Ribeiro Guima-
i jes, (laadminislragao da compaiihia de lleliirilie, de
Francisco Antonio de (iliveira do padre Goncalo
Jos de Olivcira, deJoflO Manoel de Siqueira, do Jos
Rodrigues Percia, de Jos Joaquim de Freilas Gui-
m a rifes, de Jos Goncalvfls Fcrrcira, de Joaquim l'e-
roira Arantes, lel.uizda Costa l.oile, e de Miguel
Jos da Motta, o levantou-se a sossao. F.u, Joo Jos
Ferrara i* Aguiar, secretario, a subscrevi.llego e
Albw/uerque, presidente. Cintra Manoel.-- Barata.
Carneiro Uonteiro. l'er.reira.Aquino.
COPIADO VISO, A yUE SE REFERE A ACTA SPRA.
lltm. e Exm. Sr. Ilavemln S. M. o Impera-
dor por bem ouvir a seceflo lo conc
da matriz, estoja, ou nflo, em exeejgcio,
u po
lio
de estado
dos'negocios do imperio' sobre a duvida ocedrrida
na provincia de Minas-Geraea a respeito da execucQo
da lei n. 387, do 19 de agosto passado, a qual se
reduz a saber, se o primero volado para juiz de paz
be o eompetenta para presidir junta dequaliflcacffo
tos votantes, e eleicSo dos cloitores, embora nao
tenha prestado juramento por aproveitar a escusa
concedida aos reeleitos, ou por outro qualquer mo-
tivo, observou a dita tefilo, que nflo havia rasflo
para a duvida proposla ; pnrquanto, chamando a
menciona Ici o juiz de paz niais votado do districto
cainda sus-
penso or acto lo governo, ou ~>or pronuncia em
criinc de responsaliilidado, a presidir a mencionada
junta, nao dispensa todava da preslaofo do jura-
mento, a pie he obrigado antes de principiar a exer-
cer as funcefies de sen cargo; e que as palavras do
artigo 2." la Ici^o juiz de paz maisvotado ==nflo
pcriniltem considerar tal o mais votado para juiz do
paz, que, por ter sido rceleito, ou por outras rasos
legitimas, tenha sido escuso leste cargo, pois que
pelo facto da escusa delxa de ser juiz; sendo a soc-
\io de parecer, em resultado das observadnos ex pos-
tas, que o presidente d'aquella provincia faga obser-
var o citado artigo 2.", do cuja litteral disposieflo nflo
ha motivo, que justilquco abandono: e tendo-se o
mesmo Augusto Seuhor, por sua immediata resolu-
cflo de 24 do corrcnle, conformado com esse pare-
cer, assim o manda enmmunicar a V. F.xc, para sua
intelligencia o governo. Dcqs guarde a V. Kxc. Pa-
lacio lo Itio-ilc-Jancirn, 25 de outuhro de 1846.
Joaquim Murcellino de llrita.-- Sr. presidente da pro-
vincia de l'ernanibnco.Cumpra-se. Palacio de Per-
namlnico, 19 de novembro de 1846.Pinto Chichar-
ro.*
Conforme. Francisco Xavier e Silva,
Ollicial-malor interino.
.Jury SESS.A0 KM" DI) NOVEMBRO DE 1846.
PBESinF.VCIA UOSR. SERPA DRANIIA.
A"s 11 borasda manhfla, foita a chamada, verifica-se
estarem presentes 37 Senhores jurados.
USr. Juiz Presiden/e declara aborta a sessflo.
Proccde-se a*sorteio lo jury, e, lindo este, prea-
tflo osjuiz.es sorteados o juramento da lei.
Apregoados os reos e teslemunlias, declara-sc, quo
se va proceder ao julgamento do reo Jos Francisco
miarle, aecusado pelo crime do uso do armas pro-
hibidas.
O Sr. Juiz Presidente faz ao reo o seguinlo
. IM RkROOATORIO.
Jui: : Como se chama?
Itto : Jos Francisco Ouarte.
Juiz Onde morava antes de ser preso ?
llo Na malta da Torro.
Juit: Orte se achava na tardo do dia 23 de a-
gosto deste anno?
(Oreo fica confuso.)
Juiz : Km que dia foi preso?
neo Foi om um domingo de tarde.
Juiz : K em (uo lugar foi preso ?
Reo : -- Foi junto do sitio doSr. Pernambuco na
estrada,que VCi para a Ponte.-dc-l'clioa, quandocu
vinhado inou servico.
Juii: Nflo sabe o porque ?
Mo: Por causa do ditas sipoadasznhas peque-
as, que dei em uni negro, quo foz-mc urna descom-
postura, tratando-mc de nWinneiro para aqui, nia-
rinheiro para acula :depoisollese foi embora, e vol-
tou com um chuco, e poz-se a me desaliar ; e cu Ihe
disse : bornean vai-te embora, doixa-me viver : e
quaiido foi detanlczinha foi, que oSr. inspector me
pi cnico.
Juiz -. V. Irazja alguma arma nesta occasifio ?
Uro :--Traza urna faca, quo escond aqui {mos-
trando o seio). quando vi o Sr. inspector.
Juiz : F. trazia olla sempre comsigo ?
Reo Sim, Senhor : trazia, ponjue era para cor-
lar eapim.
Juiz : V. nflo sabia, que o uso de armas defesashe
prohibido?
Mo: Nflo, Senhor; porque, siTsoubesse, nflo a
trazia.
Juiz : Porm, porque oscondoo-a, quando vio o
inspector?
llo-. Porque Buppuz, que o Sr. inspector nao
havia de gustar.
O Sr. Promotor, leudo obliilo a palavra, basa a
aecusaeo na oonlissao do reo, c no depoimonto de
7 leslemunhas, e pede a condemnacao do mcsmo reo
no grao medio do ai ligo da loi, por ello olfendida
com o son procedimiento.
O .Sr. Adruyadi da defesa allega que o reo, vendo,
que no lugar le sua habtaeflo era mu geral traze-
rein a arma, por eujo uso he agora acensado, ignora-
va, que esse uso t'ossc prohibido; epodo ao jury,
que, por atlenefio a cssa eircumstancia, o alim de
que o seu cliente se nflo vperverter na cadeia, baja
do absolv-lo
0 Sr. Juiz Presidente, lopois do haverem replicado
os Sis. promotor o advogado, faz o relalorio da cau-
sa, o, terminado elle, entrega osqui-sitos ao presi-
dente do concelho, que, tendo-se recolhdo a sala das
conferencias, volta pouco depols dos debates, com
a rosposla aflrmaliva dos quesitos, que Ihe forflo
propostos, o com a doclara^flu de algumas circums-
lancias atenuantea n favor do reo.
o sr. Jui: Presidente, conformando-se com a de-
cisflo do jury, roudemna o reo em troz mezes e meio
de prisflosimples, e as cusas
A's 2 horas levanta-se a sessio,
ta capital provem do servido gratuito, activo eatro-
pellado, em que actualmente se achflofrjsjtynos''"'
compenetrados da surte desses cidadlWp soldados,
que nflo podemos deixar do aventurar algnanas relle-
x.-es a favor dessa eorporaeflo, ao nossovr, mu res-
pcitavel.e cujos sacrificios, quanto a nos, so devem
ser reclamados em alguma 'aquellas circumstancias,
que. por demasiadamente imperiosas eexcepcionacs,
oxcluiem todas as consideraste- de commo
commodo, c exigem a cooperaefio -1
tenhflo frca bastante para poder manejar nmM
He bem sabido, que entre nos a guarda naciona
se compe.quasi noscu todo, de pobres artistacn^
jos salarios, nimiamente pequeos, e as mais uas
vezes retidos em as mflos daquelles, para quem ira-
balbflo, Ibes nflo permittem fazer um peculio, que
os habilite a solTrer as consequencias de dous ou
mais das decessaeflo de lucros; c que esses artis-
tas, pela maior parte onerados de familia, quer bor-
dada, qnr adquirida, nflo vivem smente para si, e
veem-se obrigadosadstrib.uir, ou com os pas o ir-
mflos, ou com a mulher e os filhos, e em multas oc-
casies com uns e outros, o pouco o quisa nessimo
pilo, que, ltenlas as suas penosas circunstancias,
difllcultosamcnle podein adquirir.
Por ninguemhetambem ignorado, que as despe-
zar do alimento nflo sflo as nicas, a que estilo sub-
jeitos esses infolizes, e que outras ha, a que, por in-
teramente indispensaveis vida, elles se nio po-
dem furtar, e quo, por nfo sercm estranhas a todos
osquesevcm na dura obrigasflo de carregar com
o custeio do urna casa, deixaremos de mencionar
aqui.
Isto posto, salta aos olhos de qualquer, que ma-
duramente reflectir sobre a posieflo afllictiva desses
cidadiios,queobriga-losa montar las ou tres guar-
das por semana, como agora tem acontecido, he o
maior dos males, que se Ihespde azer, e hesub-
jeita-los a outros tantos dias do privacoes,' de ne-
cessidades, e talvez mesmo de desespero, pois que
nem todos teem a resignaeflo precisa, para, sem
exasperarem-se, e sem prorompercm em as mais
fortes imprcaseos, ouvirem os gritos, que a fome
arranca a urna crianca, ou a um vel,h6 decrepito, que
de porto Ihes toca, .quando se achilo impossibilita-
dos deabafar esses gritos, fazendo desapparecer a
causa, que os produzira.
Conhecido o mal, o ponderados os effeitos, que
doliese devem seguir, cumpre indicar os meios de
reniov-lo, e he isto o que vamos fazer na esperaba
de que aquelles, de quem depende o emprego dos-
so meio, nos attenderao e o empregar em bene-
ficio de una grande porsflo dePernambucanos, cuja
sorto, j muito mesquinha, nflo deve ser ainda mais
aggravada com esse mal, e com as suas consc-
quencias.
Oaquarlclamento deum dos batalhes da guar-
da nacional da capital ou de algum dos de seus
arralmliies parece-nos o meio mais azado para
remediar os inconvenientes, que acabamos de a-
Algodflo Entrrfo na semana 802saccas, o ven-
I. ,100 a-#,20() rs a arroba dopri-
i,(0(l a :>,7iio rs. do de si'
Assucar Enlrapfn 404caixas, e grande porsflo de
saceos; icndo-se feito vendas donsaccadoc
embarrieado para embarque, de 1,900 a
rs. a arroba do branco, e do 1,400 a 1,500 rs.
a dita (tomascavado.
Icpuros Mflo honverflo vendas.
Wcalho Chegrflo Iros carrcgamenlos deTerra-
Nova', que forflo vendidos a preso oceulto, i
secsl'io retalhanilo a 12,000 rs a barrica.
Patata
Carne serca Com dous carrega melos entrados na
semana o deposito he de 48,000 arrobas, e
poucas vendas so leem feilo, sem difl'erencu
dos ltimos piceos.
Farinha do trigoNfloeJiegou carregamento algum.
Enlrrflo depois da ultima revista 10 cmharcasocs
e sahirflo 12, existindo boje no porto :>-2. sendo 1 aus-
traca, 25 brasileiras, 1 belga, 2 dlnarmarquezas, ..
francezas, 1 he'spanhola, 10 inglczas, 4 portuguezas,
3 sardas, 2 suecas e 1 chilena.
.linimiento do Forlo.
Navios entrados no dia 5.
Babia ; 12 dias, barca ingleza Glasgow, de 333 tone-
ladas, capitfo Thomas Hamlin, equipagem 22, car-
ga carvflo de pedra ; ao capitflo.
Ass ; 14 dias, briguo brasilciro Feliz-Destino, de
207 toneladas, capitflo Manoel Pereira de S, equi-
pagem 10, carga sal; a Pedro Dias dos Sanios.
Passageros, Auna Mara do Sacramento, Joflo Pe-
reira Pinto, com 9 escravos a entregar
Babia; 14 lias, hiale brasilciro S.-Anlonio-Flr-do-
Itio, de 27 toneladas, capitflo Thomaz Comes de
Almeida, equipagem 5, carga varios gneros; ao
capitflo.
Navio entrado no dia 6.
Terra-N'ova ; brigue inglez Eurydice, le 210 toncla-
das, capito Archiliad Itrown, equipagem 14,car-
ga 2,600 barricas com bacalho; a Me. Calmont&
Companhia.
Navio sahido no mesmo dia.
Londres; barca ingleza Mary, capitflo Jameslevens,
carga a mesma, que trouxo.
"i l 'lli i _l
Edil al.
Miguel Archanjn Monltiro de Andrade, oficial da im-
perial ordem da llosa, cavalleiro da de (hrislo, e ins-
pector da alfandega desta provincia, por sua S. M.
/., etc.
Faz saber, que no dia 7 fhoje) do corrente, so hilo
de arrematar em hasta publica, i porta da alfandega,
120 cadeiras de Jacaranda, 120 ditas de pod'oleo,
6 jogos de bancas de dito, c 6 jogos de ditas de ja-
pontar. A ideia nflo be nova ; cm muitas das ocea- caranda, no valor de 960,500 rs., impugnados peloa-
- nianueuse Domingos da Silva Guimarfles, no despa-
cho por factura do Antonio Francisco dos Santos, sol
n. 2042: sendo dila arremaUcfio subjeila a direitos.
Alfandega de Pernambuco, 5 de dezembro do 1846.
Miguel Archanjo Vonteiro de Andrade.
sirtes, emque, como na actualidadc, a provincia se
tem resentido da falta la tropa de linha necessaria
para o servico da guarnis-lo da prasa, tem sido a-
doplado esle expediente, que, comquanto nflo seja o
ptimo, porque os lucros, quo aos guardas uacio-
naes resultflo do aqiiarlelamento, nflo podem ser
guaes aos que do seu trahalho Ihes provem, he to-
dava me bordo que o de forca-los a servir gratuita-
mente, privando-os de trabalhar nos das, em que
um tal servso Ibes toca, e mesmo'nos immediatos ,
pois que, nflo ncostumados e.lln, fleflo tflo fatiga-
dos, que. poneos sflo os que, aosahirem do urna guar-
da, vflo manejaros instrumentos de sua arle ou of-
licio, esenfloatirao a cama, para com osomno re-
cobraras forsas, quo teem perdido com assentinol-
las, que hflo feito de las em duas horas, e com ou-
tros muitos incommodos, por que teem passado.
Por terem deixado de comparecer dous dos Se-
nhores jui/.es de fado, o jury nflo fez sessflo em o
lia 5 lo corrente.
COMME-:"-riO.
na*EStL>eif>'BV0r: ?>kx.'KK^anara
K em cambio dessas visOes, que Ihe rccroiavflo
o espirito, nflo aeccitara Gilberto todo o ouro do
Perl. '
Duas cousas o tirrfio do seu xtasis, a bulla, que
flzerSo as carruagens, ao porem-e de novo em mar-
cha, e urna pancada violenta, que elle leo contra
urna charra, que all havflo esquecnlo.
(.estomago tamliem Ibo gritava com fome, a gran-
des lirados. .
Felizmente, dizia Gilberto entre si, tenho di-
nhoiro, sou rico,
lio sabido, que Gilberto tinha um escudo.
Ale a meia noile rolrflo as carruagens.
A essa hora estavflo em Saiot-Dtzier. Era ah, que
em dozc
ALGUMAS PALAVRAS A FAVOA DA GUARDA NACIONAL
DESTA CIDADR.
Sflo tantos os clamores, que temos ouvido acerca
dos inconvenientes, que aos guardas iiacionacs des-
Cilberlo esporava, quedormissem.
Gilberto tinha caniinhado dezaseia legoas
Jioras. .
Sentou-Se margom do caminno.
Mas emSaint-Dizermudarflo smenle de cavados;
Gilberto ouvio o som dos guizos, que de novo sodos-
viavfio. Os Ilustres viajores havflo lomado una li-
geira refeieo entre castisaes e llores.
Gilberto precisou de lodo o sou animo. Poz-sc em
p com urna energa de vontade, que Ibo fez osque-
cer, que dez minutos antes se lhc eniraqueciflo os-
sas mesmas pernas, com que agora contava.
Bem, disse elle, part, part! Tambem eu d aqu
a douco nararei eir. Sainl-Dizier, la comprarci pao e, presunto k/e por isso tome urna motado, ou una in-
uui naco detoucinho, e beberei um copo de vmho.Jteira por dez suidos, servir-lho-lia do provisflo para
nouuedespondcrci cinco sidos, com osquacs fica-janianhfla. Nos ponsavamos, que S. A. real parara
re mais confortado do que os amos. em casa do balio, e que venderamos as nossas provi-
Era com a sua costumada cmpbase, quo Gilberto
pronunciara esta palavra amos, que nos por cssa cau-
sa havemos sublinhado.
Entrou Gilberto, como havia promoltido, em Saint-
Dizer, omlo comesavflo, visto que a comitiva havia
passado, a fechar portas o janollas.
O hosso philosopho vio urna hospedara do bom as-
pecto, criadas eiiloitadas, criados cm trajes lomin-
gueiros e llores ao pe i lo, anda queja ora urna hora
da mnhfla; (! observou n'unsgrandes pralos de faian-
ca deramagens as aves, duque havflo lirado urna
boa parte osesfamiados da comitiva.
Entrou ivsoluto na eslalagum principal, punlito^a
ultima tranca nos contravenios das janellas, elle ana I-
xou-se para entrar na cozinha.
A dona da casa ah se achava, vigiando tudo, acon-
tando a sua receila.
Perdoc, senhora, disse Gilberto, faz favor de me
mandar dar um pedaso de pao c presunlo.
Nflo lia presunto, meu amigo, disse a cstajaja-
deira. Quergainha?
Nflo quero; ped presunto, porque era isto,que
desejava; nflo goslo de gallinlia.
Kntflo, sinlo muito, meu homemzinho, nflo te-
nho senflo isto. Mas crea-me, accrescenlou ella, rin-
do, a gallinha nflo Ihe cuslaia mais caro do que o
Alfandega.
Iti:.\M\li:NTOI)0DIA5......
I ESCARUICAO U01E 7.
RrigucGu/nare bacalho.
lli igue l.ady-Falkland idem.
PatachoArchinutt-Atm.
BrigueCria(ofumo e fazendas.
Consulado.
RENDIMIENTO DO DIA 5.
Geral............
Provincial..........
Diversas provincias.......
9:431,598
1:542,973
669,222
24,336
2:236,531
PRAGA DO REGIFF., 5 DE DEZEMBRO DE 1846,
AS TRES HORAS DA TARDE.
REVISTA SEMANAL.
Cambios Pequeas transacs3es de 28 \ a 28 i d. p,
1,000 rs.
Ileclarayoes.
O escrivaoda rrcrbpdoria de midas Internas geran
sci vii.do no iinpi diini um du administrador fai satn
a Indos os devt'dorrt los impostos de lujas abertal do
anuo corrcnle, da laxa dos escravos, lo auno finuo e
corrente, c da segunda declina de nio unira, que se
nio salisfizere o que tsliio a dever atC o lini do inri
de d('7.cuil)i'u (correute), serao exeeulados judicialmen-
te : i nem Tcndn os que licaicni a dever s impostos m
mulla le 3 por cento dos seus dbitos.
Recebedoria, 27 de novemlirn de 1816.
Estanislao Pereira de Ohveira.
A commissflo administrativa do tbeatro publi-
co nacional convida a todos os Srs. accionistas do
mesmo theatro a se reunrem no da 10 do corra-
le as 10 horas precisas da manbfla na casa do di-
rector, Manoel Caetano Soares Carneiro Monleiro,
na ra do Quciinado, n. 17, afim de deliberaren!
sobre una communicasflo da presidencia acerca da
execueflu do artigo segundo da lei provincial n. 160,
de 13 de novembro do corrente anno : e sendo esta
reunio de toda importancia para os interessesda
companhia, a mesma commissflo recommenda nao
s a todos os Srs. accionistas de nflo Icixa'.ein Je
comparecer assim como tambem aos procurado-
res (laquolles, que se acbarein impedidos.
PiihicAQo liIterara.
ANNAESMACOMCOS, contendo a deacriptjSo mi-
nuciosa de lumias festas da ordem, ceremonias Je
inslall.icao, ori;oes de recepsflo aos dillercnlc'
graos,orasOes fnebres, &c. 8 volumesjBn fraii-
cez, encadernados, ediso j boje exlincta em Pars.
Vcndem-sc por 16,000 rs., na ra do Queimado, n
27, loja de Manoel Jos Gonsalves.
Avisos martimos.
ses gente da sua comitiva, mas ella nflo fez mais
que passar, e ah nos licou tudo perdido.
Talvez creiflo os nossos loitores, que Gilberto,
apres'cntando-se-lhe tflo bella occasiflo, o com tflo boa
estal.ijadeira, nfloquizesse perder essa occasiflo ni-
ca do matar a fome, mas seria desconhecer comple-
tamente o sou carcter.
Obligado, disse elle, contenlo-mocom menos;
nflo sou nem um principe nem um lacaio.
F.ntflo dou-lh'a, meu pequeo Arlaban, disse a
boa mulher, o Dos o acompanhe.
Tamben nflo sou mendigo, disse Gilberto hu-
milhado. Compro e pago.
E para juntar o efTeito s palavras, metteo mages-
tosamenle a mflo naalgibeira do calcflo, onde ella
desapparecco ate o cotovello.
Mas de baldo revolveo elle, mudando de coros, a
vasta algibeira, quo della s lirou o papel, onde es-
tava embrulhado o escudo de seis francos. O einpa
colado escudo havia rompido o envoltorio, que era
velho c macerado, depois o forro da algibeira, que
eslava poido, e einllm escorregado pelo calcio, don-
de havia cabido pela liga desatacada.
Gilberto havia desatacado as ligas para dar mais
folga s pomas. jp<
O escudo licara no caminho, provavolmente as
margens do regato, cujasagoas tanto haviflo encan-
tado Gilberto.
O pobre rapaz havia pago por seis francos urna nou-
ca lagoa bebida ao covo da mflo. Quando Dioenes
philosophava acerca da inutilidadedasescudellasde
Para oAracal-y o hiale nacional Nertide segu
viagem at o dia la do corrento : para carga 'e l1""
sageiros trata-se na i ua do Vigario, n. 5.
pao, ao menos nflo linha algiboiras, que so furassem,
nem escudos de eeia francos, que perdesse.
A pallidez, o tremor de vergonha de Gilberto coni-
moverflo a boa mulher. Muita gente se glorificara uc
ver punido um orgulhoso, mas ella soffria muito com
esse padec ment, tflo bem pintado as feisoos Irans-
tornadas do mancebo. .
Ora ousa, meu pobre menino, lhc disse ella.
ceie e diirma aqui, depois, amanbfla, se he absoluta-
mente preciso partir, seguir o seu caminho.
i! sjsjk sim nflo ha remedio, disse Gilberto,
assim be preciso, nflo amanhfla, mss ja.
E lomando a tcousa, sem querer ouvir nada, jn"
Sou-se fra da casa, para occullar na obscuridade
vergonha ea dr.
A porta fochou-se. A ultima luz apagou-sc 00 ni
go, os mcsmoB efles, cansados dalida dodia, dciv
rilo de ladrar.
Gilberto achou-ses, bem s no mundo; Por("i
ningucm fica mais solitario- sobre a ierra, do q'
homem, que acaba de separar-te do sen ultimo ec' -
do, sobrando quando este escudo be o nico, quei
le Jamis tenha possuido! -^ rollar
A noile eslava escura; que fazer? Hesito. _'
atrs para procurar o escudo,- fra dar-so Pr"nt'.
urna pesquiza muito precaria ; c de mais essa p
quiza o separava para sempre, ou ao menos poj
totempoj dessas carruagens, que nao poderia
alcansar. i. novo
Resolveo continuar a sua derrota, e poz-se de
a caminho; mas, apenas havia elle andado ubw


Para a Baha sahr breve ovelciro brgue Vic-
toria, cap tilo Bcnto Jos de Armeida : quem no
mesmo quzer rarrcgar, ou ir de passagcm pode
enteoder-se com Amorim Irmilos, na ra da Cadeia,
n. 43.
Para Macei segu viagcmat odia II do cor-
rente a barcada S.-llenedicto: quemnella quizer car-
regar 011 rdn passagem, para o quo tcm escolenles
coniuiodos, dirija-se aol'oitc-do-Matto, onde ella so
acha funileada, ou ra da Cadeia do Recite n. 54, a
Joaquim Riheiro Pontcs.
Para o Porto o brgue portuguez Venlura-b'eliz se-
guir imprelerivelmente no da 19 do corren te; po-
de anda receber pequea quantidade de carga a fre-
le, assimeomo passageiros : trata-se com Mondes &
Tai-rozo, ra da Cruz, n. 5*, ou com o captilo, Anto-
nio Francisco dos Santos, na praga do f.ommcrcio.
ParaPorto-alegre e Bio-Grandc-do'Sul segui-
r breve o briguo Conceiedo-Caboclo Ctfpitffo Joa-
quim Jos deSi(|uera Porto : recebe escravos e pas-
sageiros para o quo se pode tratar com Amorim
limaos, na ra da Cadeia, n. 45
Para Lisboa sai com brevidade, portera maior
parte da carga prompla, o bem conhecido brgue por-
luguezyoipAna t Emilia, deque he captilo l/.i-
doro Aires de Souza: quem uellu quzer carregar ou
ir de passagem dirja-se ao mesmo captilo, na pra-
ca doCommorcio, ou a Francisco Soveriano Babello
c.- Filho, largo d'Assembla Provincial.
-- Freta-se, para qualquerdos portos do Norte
at o Cear ou para o Sul al o rio de S.-Francisco,
a bem construida e velcira barcada Flor-do-Recife ,
Tundeada defronle do caes do Tallecido Jos Bamos :
a tratar com o mostrea bordo, ou com Manoel Jos
Goncalvcs braga ao p d arco do S.-Antonio.
u- BJJ!_____^. .1_.
Avisos
_ iJ-l___--PT
diversos.
Domingos da Silva Campos fazscientes pessoas,
com quem tein transaeges ou possa ter, que Jos
Mara da Silva Pimentel um pequeo, que tinha vol-
lado para casa) nSo he mais seu caixoiro desdes do
correte.
Adolpho Schmdt embarca para os portos do
Sul os seus escravos Vicencia e Conidio.
Dao-se 150,000 rs. a juros sobre penhores de
ouro e prata : na ra Rircita, escriptorio, n. 29.
Quem precisar de um homcm para fetor de
sitio, ou engenho de idade de 20 annos o natura
da ilha de S.-Miguel, drija-se a ra das Cinco-Pon-
las, n. 71
Prccisa-se de urna ama forra ou captiva pa-
ra o servigode urna casa de pouca familia : no ter-
ro-da-Boa-Vista, .n. 3.
' prerisa-se de um homem portuguez para admi-
nistrar um sitio om Macci dando-sc-lho um sala-
rio correspondente ao seu trabalho : a tratar na ra
da Cadeia do Recifc loja n. 55.
A Senhora D. Ignacia Mara Randera lem urna
caria vinda do Rio-Crande-do-SuI, na ra da Au-
rora n. 4.
Manoel Jos da Cunha Souza retira-se para Por-
tugal.
Prccsa-se de urna mulhcr para o servico de
nina casa de pouca familia : na ra de Apollo, u. 22.
Alugio-se os segundo e terceiro andares da
casa da ra do Torres n. 18, pcrlencente a ordem
Icrceira de S.-Francisco : a tratar com o vice-minis-
iro Jos Egidio Ferrera.
A viuva de Manoel Bernardino Monteico, cons-
lando-lhe, que o dito tinado seu marido licasse a
dever a algumas pessoas c nSo saliendo ella a quau-
in iiimiia esse debito luga a todas as pessoas, que
se julgaiem credoras do mesmo lenhllo a bonda-
de de comparecer no da 12 do correte as 4
luirs da tarde cm seu sitio na estrada de Joio-dc-
Barros acompanbados d suas competentes clare-
zas, ou man da re m alimdese tomar nota, e pro-
curar-se o melhor meio dos seus pagamentos; e mes-
mo porque, lendo de se proceder a inventario, Ihe be
preciso declarar os dbitos, que o casal est a dever.
Prccisa-sc dr doiu lavradoics ; cm casa do doura-
dor, ou fabricante de candieirol de gaz na ra ftu-
va n. f)2.
Alugio-se casas no sitio do Cajuciro para se
passara festa ou por anuo; dous sil ios nos Afo-
liado; cuma eocheira na Boa-Vista, a tratar no
iiiesnjojilio.
Prcisa-se de tuna ama, de dade par casa de
pouca familia e que saiba bem cozinhar coser e
engommar : quem esliver nestas circunislancias ,
dirija-se a ra da Moeda, armazem n. 15.
I'rccjsa-so de um menino de 14 annos, para
caixoiro de una loja de fazendas na villa de Porto-
Calvo : na ra da Penha, n. 1.
Jos Marcellino da Rosa avisa a lodos os seus
freguezes, queconlinacom reinacSo de assucar
c caf moido na ra das Cioco-Pootas, n. 106;
por sso espera, quo sejilo constantes, assim como ja
foriio.
m^ Aluga-sc urna boa casa para passara festa urna
lilil grande familia no Poco da-Panella; 0 um
Miliraduhoem Olinda na ra do Bom-Fim : a tra-
lar em Fra-de-Porlas, com Manoel da Silva Ne-
vos.
Precisa-sede urna ama para casa de pouca fa-
milia: na ra da Praia sobrado de um andar,
n. 22.
goa, vio-so atacado pela fome : acalmada ou antes
-'"'orinecida pelo padecimento moral, dcsperlou ella
inda mais pungente, quando a rpida carreira co-
niecou de novo a agitar o sangue do malaventu-
rado.
Repois; ao mesmo lempo que a fome, comecou o
"nnsaco seu companheiro a invadir os membros le
'Nberlo. Por inauditoesforgo, alcancuu elle anda
"na vezas carruagens. Mas, como se ludo contra
tile eonspirasse, nflo para vilo as carruagens senilo
na mudar de eavallos, o anda sso tilo depressa o
"i'iio, que na prmeira muda mal gaiihou o pobre
viajor cinco minutos de repouso.
Todava anda se poz a caminho. O dia comegava
adesnontar no horizonte. O sol apparecia cima de
nina lucha de vapores escuros em todo o brlbo e ma-
Rcslade de um dominador, e prometlia um desses
ilia* arrenles de ninfo, que prece.lem dous mezes ao
vrrao. Como podera Cilberto supporlar o calor do
meio dia?
Gilberto leve por um inslanle a idea consoladora
para o seu amor proprio, de que os eavallos, os ho-
rnees, e at Dos eslavflo ligadps contra ello. Mas,
uiial outro Ajax, niostrou o punho fechado ao eco, c
-cufio disse como elle: F.scaparei, mo grado dos
l'i'ozcs he porque ronhecia melhor o Contrato So*-
"'do quo a Ody
<:hegou uro momento, em que Gilberto, como lia-
ia previsto, reconheceo a iiisufllcicncia de suas fr-
ns, eoapurodesuaposQiio. Momento terrivel foi
va
cas.
esse da lucia do orgulho contra a fraqueza: por a
AiTonso Saint-Martn, na ra Nova, n. 14, se-
gundo andar, por cima da loja doSr. Riogo Jos di
C^sta recebeo pelos ltimos navios, viudos de
Franga mais sortimento ao que j tem iinnnncia-
do, constando do seguinte : manteletes de grosde
Naple preto, guarnecidos de franja de retro, mili-
to em moda, os quaesassentflo o molhor possiyel;
mantas da mesma fazenda, igualmente guarnecidas
de franja de retroz; chales de seda muito superio-
ros e denadroes modernos ; mantas de seda de co-
res para todos os pregos, e entre ellas as ha do
que ha de melhor e mais rico nesle genero; cortes
de seda branca e de cores, para vestidos; chapeos de
seda para senhora, do muito bom gosto, modelo a
la Duchsse e a la Pamelas; ditos de palha da Italia,
lisos eabertos paraseohora; ditos para meninas,
de novos modelos; chapdinnos para meninos, de
2a 8 annos, modelos a Bolivare; lencos de setim,
muito elegantes para senhora; barege vordadeiro,
dessede que se fazem os taes vestidos, quo, a justo ti-
tulo, sao to afamados ; cortes de ganga do qua-
drospara vestidos, imitando perfeitamente seda, e
que nOo desbotilo e durlo a enfadar ; sortimento de
uvas de pellica superior, para homem e senhora;
pando preto da melhor qualidado a 6000 rs. ; casi-
mira pela chamada setim zfir, muito superior,
4000 rs. Os Srs., quo prelenderem ver qualquer
destes objectos, terflo a bondade de mandar avisar
ao annunciante, que inmediatamente Ih'os levar
em suas casas,
PEDE-SK ENCARECIDAMENTE a qualquer pes-
soas quem for oTerecida urna casaca de merino pre-
to com gola de velludo e abas forradas de sarja,
assim como urna caiga de casimira com listras azucs,
queira, por bondade levar a ra da Penha, n. 9,
que sera generosamente recompensada.
Aluga-so, pola festa, ou por anno um sitio na
margem do Capibarbe na Capunga com boa ca-
sa estribara eocheira, baixa para eapim : a tratar
oo mesmo sitio, todos os (lias de mandila e de tar-
de ou na ra do Rangel, n. 59, primeiro andar.
Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 82,
na ra Dreila, muito fresco e com bous commodos
Eara familia : trala-se no 1." andar do mesmo so-
rado.
Permite o Sr. doutor juiz deorphilos e ausen-
tes tem de proceder-sc arrematagfio, por venda, de
una olaria em terreno proprio, com barro dentro ,
arruinada, no valor de 700,000 rs.; e una canoa
aberta de carregar lijlos avahada em 60,000 rs.,
hoje 7 de dezembro correte as 4 horas da tarde.
Precisa-sc de 300,000 rs. a juros sobre hypo-
thecaemduas casas terreas, cujos alugeis servem
paraamortisara divida e pagar os juros convenci-
nados ; as quaes rendem 8000 rs. mensaes cada urna;
na ra da Gloria n. 23.
Aluga-se o sitio denominado Salga-
dinho, com excellente casa de sobra-
do com commodos para grande fa-
milia diversas fructeiras e outras muitas qual-
dades.que serilo pateles aos pretendentes; assim co-
mo duasom Beberibe com sabida para o rio mu-
radas contendo igualmente fructeiras e outros
arranjos : a tratar no Aterro-da-Boa-Vista n. 47.
Quem quzer encarregar-se de lythographar 500
escmplarcsdc msica o canto, dirija-se a ra do
Vigario, n. 25, primeiro andar.
- Os Srs.donosdc
obra c mestrrs pedreiros que precisarcm de alguns
nainiaes, como cal branca, utla nrela, barro ainarcllo,
dito preto, arela lina de fulgir, da grossa, lelhas, It-
jolos de lailiilho, dito de alvcnai a batida, dita gros-
la, lijlos de lapanirnto largos, ditos rslreitns, ludo
mais em conla do que em oiitro deposito, queiriio diri-
gir-sc ao ar111.-17.c111 n. 8, por detrs da roa dc.S.-Fran-
cisco, ou ao armazem n. 3, defrontc da respectiva Or-
dem Tcrceira.
Agencia de passaporles.
Na ra do Collcgio o. 10, c oo Aterro-da-Boa-
Vista, loja o. 48 tirao-se passaportes para dentro
e fora do imperio ; assim como despachilo-se escra-
OS : ludo com brevidade._
Em oPasseo-Publico, na loja de chapeos de
sol de Joflo Loubet, se achilo ricos sorlinieotos de
chapeos de sol, de seda, tanto para homem, como
os de mais lindos gostos para as senhoras, qne apre-
cian o lempo festivo, oque em lugar algum deste
mercado os ha de lilo bom gosto ;e seus baratos
pregos anmilo aos Srs. compradores. No mesmo
cstahelccimcntose achilo a venda ricos castOes pa-
ra bengalas e mesmo ponteiras e oolotas para as
mesnias. Outro sim tem de presente inventado
uns chapeos de sol grandes de 32 pollegadas ,
para senhores de engenhosdelles usarein no campo.
Na mesma loja se concertiio c coBrem-se com per-
(elgQo c asseio e isto sem demora : tambem se ven-
dem chapeos do Porto.
Aluga-se o andar terreo ou loja do sobrado n.
12 da ra da Aurora, com ptimos e muito asseiados
commodos para moradia de homem solteiro ou de
pouca ramilia: quem o quzer alugar, drija-se ao
mesmo sobrado qualquer hora.
= O abaixo assignado, vendo nos iariot um remedio
para bobas c cravos seceos, cujo remedio he cousa ex-
traordinaria, e leudo engenho, ha inuitos annos, e leu-
do perdido diversos escravos, e desde o nnutiiicio des-
te remedio, tendo salvado todos, e por lim sua senho-
guns instantes sentio Gilberto a sua energa duplica-
da com toda a frga do desespero. Por derradeiro es-
forgo conseguio approsioiar-se das carruagens, que
havia perdido de vista, o tornou a v-las atravcs.de
urna nuvem de poeira, a que o saogue, de que (nha
os olhos injertados, dava urna cor phautastica; a bu-
lla da rodagiio dellas retinia-lhe aosouvidos, con-
fundida com o zuido da palpitagilo das arterias.
Com a bocea aberta, oolhar Dio, os cabellos collados
froote pelo suor, pareca um hbil automato fazen-
do, poueo mais ou menos, osmovimentos do ho-
mem, porm com mais rijeza e tenacidade. Desde a
vesperahavaelle caminhado vintea vinte eduasle-
goas; chegou emlim o momento, em que aspernas
<|uebradas se recusarao a carrcga-lo por mais tempo;
ja os olho3 nada mais viflo, uio ouvifio osouvidos;
parccia-lhc o terreno movedigo, e andar roda; quiz
gritar, e uno tevevoz; quiz parar, sentiodo, que
ia cahr, e debateo os bragos oos ares como um
louco.
Emiim manfeslou-se-lhe a voz por gritos do raiva,
e, voltando-se para Paris, ou antes na dirccgflo, em
quesuppuuha Pars ficar-lhe, urrou contra os ven-
cedores ila sua eoragem e lOrcas urna serie do lerri-
veLsimprecagOes. E, agarrando os cabellos com as
maos ambas, deo duas voltas em torno do si, e cahio
no meio da estrada, com a conscienca, e por conse-
guirte com a consolago de haver, semolhante a um
hroe da antigudade, luctado at o ultimo mo-
mento.
E cabio como nanido, mas com os olhos anda
amcagadores, e os punhos aluda cerrados.
ra, que padeca esta molestia a ponto de ja nao se pode!
calcar, o ruin este remedio ficou perfeitamente saa, C
laiiibem um llllio de idade de 20 annos: e como vio este
remedio produzir estes ell'citos, por isso fai este aiintin-
cio para benrficio dos Sis. de engenho, tendo vislo ne-
gros aleijados e perderem a vida, por causa desta moles-
tia. Faz este annuuclo para beneficio da huinanidade.
,1 ilion lo Correia Ptsttm di Mello.
O abaixo assignado faz corto que no seu en-
genho Bautista appnrccra um preto de Angola de
estatura baixa, seccodo corpo, puncas fallas; diz ser
escravo de una senhora viuva, de nonie Francisca,
moradora naBoa-Vista. Quem se adiar com direi-
to ao dito escravo, mandar rcconhece-lo, que,
dando os signaes, Ihe sera entreguo : fazendo cor-
to que nflo fica responsavel pelo dito escravo caso
elle desapparega. Joaquim Cavalcanli deAlbuquer-
que. A
Manoel Cactaoo Soares CarneroMontciro re-
melle para Portugal o seu filho menor, JoHo Duarte
CarneroMontciro.
Manoel Diasvai lemporaramente ao Aracaty.
Quem tiver um preto, quo queira alugar para o
servigo de urna casa de pouca familia, e que saiba
tratar de um cavallo, dirijarse a ra do Collcgio, n.
10, primeiro andar.
No largo do Collegio, loja de livros n. 2, se dir
quem precisa de ( 400/ rs.) quatro centos mil ris a
premio, o que garante com urna morada de casa
lerrea em urna das princpacs ras desta cidade, e
desembaragada.
Vai a praga, porexecugilo de JoSo Bernardino
de Vasconcellos contra Virssimo Santos de Squei-
ra urna casa terrea sita entre as duas pontes da
Magdalena, n. 12, e alguns movis, pela segunda
vara do juizo do civel desta cidade.
A consenhorada casa terrea, sita na travessa de
S -Jos, n. 29, compra a parte, que na mesma tinha
o fallecido Sr. Francisco da Silva Santiago, sendo
que o herdeiro, quem ella haja de tocar/a queira
vender: na ra Direta, sobrado n. 121.
Aluga-se o terceiro andar do sobrado n. 31 da
ra cstreita do Rozaro, com um grande soloconi
7quartos e 2 salas, oum grande mirante com muito
boas vistas, c por prego commodo : a tratar no ar-
mazem do mesmo.
LOTERA
rf.i miitriz da cidade da Vic-
toria.
No dia 11 do corrente moz anJiio infal-
livclmenle a rodas desta lotera, no con-
sistorio da igreja da Conceic dos Milita-
res, c os respectivos bilhetes vender-se-
hao smente at o dia anterior. Espera,
portanto, otliesoureiro, que os amadores
desie jogo concorro completar a extrac-
cao dos bilhetes, que reslo, Picando assim
habilitados a passar urna festa feliz.
Antonio da Silva GnsinSo.
l)-sedinhcro a juros com penhores de ouro e
prata ; e rebatem-se sidos e ordenados : na ra do
Kangel, n. 3G, primeiro aodar.
Qualquer pessoa, que tiver em seu poder os
autos de inventario dos bens do finado Joaquim Fer-
nandes Porlclla, de quem he nvcntarianle sua
mullid- Catharna Antonia dollollanda, os quaes se
achilo sonegados com vista ao finado padre Cactano
Jos da Silva Antones, queira entrega-Ios no rarto-
rio de orphfos.Escrivito Pereira, que ser gratificado,
visto que s servo aos interessados no mesmo, ou na
ra das Flores, casa, o. 23.
Prccsa-se fallar a Jos Antonio Correia, filho
de Francisco Correia, natural da Iba de S.-Miguel, a
negocio, que Ihe diz respeito: na ra das Flores,
casa n. 23, do meio dia as 3 horas da tarde, oos dias
litis.
Arrenda-se o segundo andar do sobrado da ra
das Larangeiras, n. 14, com commodos sufiicientcs
para noia familia : trata-sc na ra de Hortas, n. 140.
Aluga-se a casa terrean. 116 da ra de llorlas,
propria para familia, por ter'um bom quintal : a
tratar na ra do Vigario, n. 5, primeiro andar.
O Sr. Joaquim Piulo de Mello queira dirgir-se
a ra da Florentina n. 14, a negocio de seu inte-
resse.
AO BOM T0M PARISIENSE.
KUANOVA,N.7.
TEMPETTK, ALFAIATK,
tem a honra de participar aos seus fregueses que dis-
solveo desde o dia 15 de selembro do anuo passado ,
a sociedade que tinha com os Srs. Colombiez Se Com-
panhla largando aoinesnio lempo a loja dos sobredi-
tos Srs. A^ pessoas que o quizerem favorecer com a
sua fregueiia o acharad na sua loja na ra No\a ,
n. 7. Tem pannos para calcas, collrtes o casacas, de to-
das asi|iialidadcs os mais novos chegados de Paris c
a collecco ds mais recentes fgiirinos ; e recebeo no-
vainciiir um lindo sorliuirnto de objectos de luxo 0
pb.ini.ni.i.'tr diversas qualidades.
Compras.
Depos fcchrilo-sc-lhe os olhos, os msculos se
Iheeslendnio. Eslava desmaiado.
Guarda! guarda, diabo! gritou-lhe no momen-
to, emqueacabava decahir, una voz ronca, acom-
panhada de estalos de chicote.
Gilberto niloouvio.
Entilo, guarda! ou te esmago, com osdiabos!
E urna vigorosa chicotada, estendida a manera de
estimulante, acompanhou este grito.
A dobradiga pona do chicote mordeo a Gilberto
na cintura.
Porm el le nilo senta mais nada, elicou deba ixo dos
ps dos eavallos, que chegro por mira travessa, que
dava na estrada principal entro Thiblemont e Vaur
clr, e os quaes cm sua loucura uflo tinha ello visto
ocio ouvido.
Um grito terrivel sabio da carruagem, que os ea-
vallos airebalavilo, eooio o furaco faz a una peona.
tez o posllhio um esforgo sobrehumano; mas,
apezar disso, nilo pode conter o primeiro cavailo,
enllocado em bsta, que sallou por cima de Gilberto.
Mas conseguio suspender os outros dous, que Ihe li-
cavfto mais a mito. Lina iniilher deitou meio corpo
fura da seje.
Oh I mcu Dos, grilou ella angustiada, entilo,
o desgragado menino est esmagado.'
Eu sci! loiuha senhora, disse o postillio, pro-
curando envergar por entre a poeira, que levantavSo
os cavallo; com efl'eito, panece-mc, que assoi he.
Pobre louco! pobre rapaz Nem oais um pas-
so. Pare, pare ah.
- Compra-so um ou dous sellin de mola, velli
com arreos correspondentes, sendo baratos : na n
da Cruz, no Itecife, n. 43. .
- Coinprao-se l bois mansos do carro : na i ta i
Crii7.n. 3. on anniincie. ,1
= Comprao-s.- escravos de 16 a 20 annos de idade,
sadios, sen vicios, rom cilicios c sem lie: na ra m-
reita, sobrado, o. 29. .
- Comnra-seouro sem felio, mesmo em ornas,
que nilosirvSo: na ruado Rangel,n. 3 primeiro
a"llirCompra-so una ancora de ferro, que tenha 7 a
8quintaos inglezes, com sepo-de ferroou pao, ou
sen elle: quem tiver para vender, entenda-se com
Antonio Joaquim do Souza Ribciro.
- Comprao-se escravos de ambos os sexos, ue
12a 30 annos : na ra Dreila, n. 3.
- Compra-sc a obra mais moderna e completa ,
que as Antilhas se houver publicado sobre a cultura
dacanna, e fabrico do assucar; urna collceca de
estampas sobre engenhos e mais apparcll os nc
ressariosparao fabrico de assucar: quem tiver e
poder dar todas asinformagoes sobre este ramo d
agricultura, dirija-se a J. B. da Fonseca Jnior, im
ra do Vigario, n. 25, primeiro andar.
- Comprfo-sc escravos de ambos os sexos, de w
a 20 annos com officios ou sem cites para enge-
nho distante desta praga: na ra Nov, sobrado de
um de um andar, n. 53 por cima da botica do Sr
Pinto, das 6 as 9 horas da manhla c das 2 as 6 aa
tardo.
Vendas.
__ Yende-se por3ao.4ooo rs. um negro
de nacao, proprio para todo o servico: a
tratar no sobrado da ra do Apollo, 11.19,
do meio dia s 3 horas da tarde dos dias
uteis.
No loja de fazendas de Magalhfles& lrmilo na
ruadoQueimado, o. 46, vendem-se por mdico pre-
go corle* do eamhraia do ultimo gosto; ditos do
cassa lina e cutre-fina dos mclhores padrOesje ou-
tras muitas fazendas ; chapos de massa a 1800 rs. :
dao-se amostras a quem deixarpenhor.
Vende-so cera de carnauba, a 5#000 rs. arroba,
em porcSo e a retalho : na ra da Cadeia do Rccife,
n. 43.
Vende-se um piano em meto
uso, com boas vozes, na ra Bel-
la, n. 40.
Vende-se um mulato, de idade de a3
annos, olTicial de ourives, sem molestias, e
de excellcnles qualidades : na ra do Vi-
gario, n. 25, primeiro andar.
Vende-so a venda da ra da Madre-de-Deos,
n. 22, com poucos fundos e bastante afreguezada .
tanto para a trra como para o matto ; todo o nego-
cio se far, por seu dono querer retirar-sc : a tra-
tar na mesma venda.
Vendem-se bichos de mas-
sa, de varias especese de todos os
tamanhos proprio's para prese-
pes por preco commodo: na
ra da Cruz, n. 10.
Vendem-se 79 meos de sola de superior qual-
dade, c 70cornos de cabra, e queijos pequeos de
qualha, na loja de Louga de Antonio Das Soulo,
atrs do Corpo-Sanlo, o. f>8.
__Vende-se urna preta do nagio, niuilo sadia o
que hequitandeira, por prego commodo: na ra
dos Copiares, n. 27.
Na ra do Rozaro da Roa-Vista loja de bar-
beiro, n. ultimas chegadasc de excellente qualidade. O do-
no desta loja ir applicar ditas bichas a quem quer
que dellas precisar e que o procure a qualquer
hora do dia ou da noite.
Vendem-se quatro lindos moleques, de 14 a
18 anuos ; dous ditos de 7 a 11 annos ; um pardo,
ptimo para pagem.de 17 anuos; um preto, de 30
annos, canoeiro ; duas pretas, de 25 annos, lendo
urna dellas urna cria mulatinha de dous annos, com
te\lasas habilidades; urna parda, de 24 annos, com
algumas habilidades: na ra do Collegio. n. 3, se-
gundo andar.
Vende-se arroz brancp superior, a 7500 rs.: na
ra da Praia venda n. 4.
Vende-se um cordo grande; um dito mais
pequeo; 2anncis; urnas continuas do Rio-de-Ja-
neiro; um soberano inglez com guarnigSo; um
allincte ; tres pares de bolOes ; um rozaro; una
medalha; ludo de ouro sem feitio: no largo do
Calino venda n. 1.
ii........Om r^ ~======,=========i
E a viajante, abrindo a portinhola, langou-se' fora
da carruagem.
J o postullo se havia apeado, ecuidava de arre-
dar de entre as rodas b corpo de Gilberto, que ello
suppunha sangrento c morto.
A viajante ajudava o postullo com todas as suas
forcas.
Parece-mc, que mo ha grande mal, disse este,
nflo ha um arranhffo, nem urna machucadclla.
Mas todava est desmaiado.
De medo, semduvida. Ponhamo-lo no fi
como a senhora tem prossa, continuemos o no
IllillllO.
Heimpossivel; cu nao posso abandonar es
crianga emsemelhaiitc estado.
Ora, adeos! elle oo tcoi nada, e tornar a si
sem remedio nenlium.
Nao, nao. Tilo mogo, pobre pequeo. He al-
gum fugitivo de collegio, que emprehendeo urna via-
gem cima de suas frgas. Veja como elle est pal -
'ido ; morreria. Nao, en nao o abandononarei. Po-
ha-o na berlinda, sobre a banqueta de diante.
Opostilhao obedecen. J a dama havia subido pa-
ra aparruageoi. Gilberto havia-sidodepositado Irans-
versalmente sobre um bom coxim, com a cabeca en-
costada ao forro acolxoado da carruagem.
Agora, a caminho, continuou adama, so dez.
inulos perdidos, pelos quaes dar-lhc-hei cinco
ancos.
O postilhao fez estalar o chicote por cima da cabe-
ca, c os cavados, que conheciao este signal ameaga-
dor, pai tirflo a todo o galope. (Conlinuar-fe-a.)
m


Ai
h
f=---
L... -- --
II
endem-se mncndasric reno para engcnhos de as-
para vapor, agoa o bfsas. do por proco coininodo ; o igualmente taixas lo ferro cuado
e balido, de todos os tamaitos : na |ii;i\a do (!orpo-San-
to, n. II, iin casa do Me. Calmont 4 Companhia, ou na
ruade Apollo, ai 1n.17.fin, 11. t.
as Yende-sc potassa branca de superior qtialidadr.
Un barril pequeos i eni casa de Matheus Aiislin &
Coinpanliia.ua 1 na da \tfandcga-Vclha, 11. IKi.
= O correlor Olivrira lem ]iara vender cobre ein lb-
Hae pregas de dito para fonos de navios: os prelon-
denii s dinjao-sc ao inesnio, 011 aos tienliores Mosquita
S Dulra.
CARNAUBA.
No armasrm de farinlia do enes do CoIIcro eonli-
niiis,'a vender eii.i de carnauba, a 11 l.ilho dr inul-
to superior qualid ole
ea Vrnde111-.se is niais inoderiias oaivas de tartaruga,
deriquissiinogisto, i'om chapa de nuro ; superior ra-
pe' de Lisboa milito l'rcsco : na rua larga do Rozarlo ,
11. M.
cz Vende-se cal virgen) ein incias barricas, chega-
di prximamente, por ploro commodo na rua da
Jlloeda ai 111 a/.om 11. l.ri.
Ra rua do Crespo, lo ja nova
' n. 12 de Jos Joaquim
da Silva Haya ,
vende-so brini .le puro liulio de quadros e listrasde
coros e ipic sao uiuito proprios para a fesla pelo ba-
ratissimo preco de 720 rs. cada vara ; ricos cortes de
casimiras clsticas para calcas a 6/ e R^tiOO rs. cada
corte; alpaca preta, aftOOr i^tiOOrs. o covado ; pannos
linos, piolo c docoios. por barato proco, coitos de rol-
llo do velludo seliiu e gorgiiro ; ludo por preco ba-
rato assim ooinonni ricosortinionio do loncos de seda
para gravalai, inirto proprloi para a testa.
Vende-se polassabranca, da
mais reeem-chegada por mdi-
co prego : ein casa deL. G. Fel-
icita & Companhia.
I\a rua do Crespo loja nova,
n. 12, de Jos .Joaqun.
da Silva Maya ,
vondein-se ricos chapeos de seda, lindamente enfeita-
dns para senhora Cursados ltimamente de Franca,
pelo diminuto proco do rz/OQP r. oada um ; inanias do
grande lom a 6/QQO r*. cada nina ai quaei so lomo
recoiiimendaveis para as sciihoias que cosluiuo ir
passar a festa.
Ka rua da Cadcia Velha, loja
n. 29, de J. O. lsler ,
vendem-se o* segulntes viudos engarrafados, de su-
perior iiuilidade : vlnhodo Porto limito velho ; dito
da M.idoira ; Iturolhs; Ca rea vello* | Sherry Rhelno ,
feordo.iux ; Chorry-eordial ; Touorill'e ; Champanba ;
marca cometa e ambeni superior genebra hollando
za ago'ardente de Franca ; velas de coinposicao; cha
preto.
Vendem-se saccas rom superior eolia, fabrica-
tlanor.iu-tlraii.k'-iio-Stii, por preto barato; barra
do varios tainanhos, do vinho do l'orto, Figueira o
Lisboa ; na rua da Uoeda armazn 11. 7.
Casa da F,
na rua eslrciln do Roza rio, n. (5.
Neste eslabelecimento achilse venda as cau-
telas da lotera da matriz da cidnilc da Victoria
cujas indas aiulo no da 12 do ilezenibro. A ellas
os piceos sao os do coslumi'.
Vende-se um i reto de lijnta e lanos a o an*
nos porom nimia niuilo robusto com bonita figu-
ra; sabe alguma cousa colindar, entend; do servigo
do campo, de pescador, milito ladino), sem achaque
ncn vicio alguna ; por barato prego : na rua do
Queimado, ierceiro andar por cima da loja do Jolo
da Silva Santos, n. 0.
Vcmleiuse bichas grandes dellnm
hurgo, pegadas ultimamenle; e lain-
Iiein se alngo, por pretal cominodo ; no
Alt rro-ds-Boa-Vista priincira venda ,
a o p da ponte, n. a.
Va loja da esquina
confronte ao arco de S.-#
Antonio, 11. > ,
de Guimarfies Soram o. Companhia, vondem-se
cambran largas, de padrOes os mais modernos, que
leem viudo 1 este morcado, polo diminuto proco de
340 rs. o corado; cortes de chal lino, multo mo-
derno pelo barato preco do 3300 rs. o coito; alm
tiestas fazendas, da um completo Sortiment, e ludo
se vende por preco muito commodo.
Na rua da Cadcia Yelda, loja
11, 20, defronle do Bccco-
Largo,
vende-se um grande sor!Unento de pnl-
lucia de sedd lina e mais utensilios pra
cliapeos lie 111 cotno: chpeos de napel&o,
a Hoo rs. e de massa a i.s'2oo is.
cliapeos de palhnha de 120 a 6^0 ri.
bonetes de dita a -i 80 rs.
(.in:(.i;i:M,rm.(;ri:/.i:si
Na rua Nova, n. dcl'ronte da Camhoa-do-Car-
mo, Iota de Amoral, se encontrar um nov sorti-
mentode sapatos de uiarroqtiim e cordoviTo para
senhora a 11 o rs. o par ; estes sapatos forflo des-
pachadas no da Judo me/ pasando o he a inelhor
fazenda, que se onconlia no mercado: ricas man-
tas desella do nielhor goslo, que leem appareci-
do ; .linas de pellica para liomein sondlas e me-
ninas; sapatos de lustro e borzeguins para senho-
ra ; cliapeos de paldinlia para meninas ; lindos lo-
ques com plumas; chapeos de sol furia-cores, para
doniem ; crep de todas as cores; lindos cortes de
cambraia para vestidos-; luyas de soda sem dedos ,
curia-e eompridas para senhora ; tile preto para
fumo; chapeo de sol, para senhora ; 1 halos do soda,
de lindos gostos; bicosde blonde ; ricas lilas do se-
tim tarradas; o nutras mullas fazendaa de goslo,
que so von.leao por menos preco, que cm outra
ijualquer parle.
>a rua do Crespo loja nova
n. I, de Jos lo.iquim
da Silva Haya ,
vendem-se superiores cobertores de algodao .proprios
riara esclavos a i/OUI) rs. cada um; urna nuenda de
lindo oscuro t.'iinbem para roupa de esclavos ou sac-
n, de assucar poi sor de inuita duracao, por barato
proco.,
Na loja da esquina confronte ao arco de S.-An-
tonio, n.5, deCuimaraesScrafm fv Companhia,
vendem-se chales garandes de cadarzo, Pingindo ISa c
seda, padrOes multo modernos, pelo barato preco
>\r 3400 rs. eadaum ; lengosde cambraia estampa-
dos a 140. cada um; brim franeez escuro en-
coi patio C de puro lindo, a "20 rs. a vara.
Polassa.
Vende*se a bem conhecida e
superior potassa da Hussia, ulli-
mamenle che^ada a, este porto, e
igualmente vinho da Madeira, en'
garrafadp, o mellior que, se lem
conliecido: na rua do Vgario, ar-
mazem u. 4,de Ivoite&liidoulac.
Na faluicr. de sabo da rua Impe-
n. 11G, vende-se silio amarello
na
e pelo, muito siipccior e muito se eco ,
pelos precos alinixo mencionados e tam-
liem no armazein to Sr Jos Rodrigues
Pereira na rita da Cadeia do Recile
Sabio amarello encaixado, a libra a io5
Dito dilo a granel a ioo
Dito pelo encaixado, a loo
Dito dito a granel,a.....q5
Sendo paitidas tic mr.is de 5o caixas,
aliale-se algumn cousa no preco, e inan-
tla-se levar aonde for mais commodo ao
comprador.
Vendem-se por preco mais barato do
que ein nutra parte, lanzirdias linas, os
mais ricos pailrios que leem apparCcido
e pelo barato proco de :i() rs. o covado;
cassas de novos padroes c cores ixas a
2500 0 :t000 rs. o corle ; riscadindos france-
zes, linos para vestidos a 200, 220 e 240
rs o covado ; lencos de seda da India a
'
1440 rs.; maulas de seda, as mais ricas que [)
' leem appareeido; cortes de cambraia de |,V '

r, -
doni posto ; ricos olalos do seda; cortos de
ooiieto de ludas as qualidades; tirina de li-
ndo, do coros e hranco; casimiras para cal- K*5i
cas; CSguiOea linos ; hrclanlia de lindo, l<) "
muito lina ; lencos de solim preto c de C- l*^
ros para gravffta ; e nutras muitaa fazen- I
das do bom goslo: na roa do Queiinado '{.
nos qualro-canlos, loja nova, na casa ama- r
relia, n. >'.).
[
<;
-< . < a rna do Crespo lo ja nova,
n. X'l de Jos Joaquim
da Silva Maya,
vende-se um restante dos bem acreditado! cortes de In-
dianas para vestidos di' senhora, pelo barato proco de
2fK(l(l rs cada ion; corles da fa/enda victoria, a .'l^liili) rs.
cada um; ricas oainbraias com llatrai de soda, a^DO rs.
cada corto; ditos degosto chines, a5/000rs. onda um
corte | cassas odlas para vestido*) a 2^K0II0 c 11^500 cada
corle ; canibralas de quadros d corea oscur.is. para ves-
tidos, a ."'. olio rs, cada corte; calcinhas pata meninas do
estola a 400 rs. cada mu par; lucias linas para meninos,
de dilloicnios taannosj e outrai umitas hiendas, que
Indo se vender por proco barato, assini como mu resto
das ricas o baratas lantoi nas com castifaes do linissiiua
casqulnha, e que se vendem por 9, lOe 12 mil rcis cada
par.
CHAPEOS DE MASSA A POLKA,
A 2400 e 2500 RES.
Vendom-so ditos chapeos, no escriptorio da rua
Direia, sobrado n, 29.
i\o Aterro-da-Koa-
visla, loja n. 14,
vondem-se loncos do-oda para dmeme sendora,
a OVO o 1000 rs. ; editas linas a 140 rs. o covadft.
Sal do Lisboa lino c alvo a 1600 rs. o alquei-
rc velho escudo porejio dar-ae-ha por menos : na
rua da l'raia arma/em n. 18.
Vende-se nina venda na rua de S.-Concalo, com
os fundos a vontade do comprador ou mesmo a
arinaco c ulensilios : na rua da Trempc], n. 5.
fllho vivo, fregueses!
O anligo liarateiro vende, a Iroco de pou-
co dinheiro na sua nova loja de miudezasda rua
do Collegio, n. 9, o seguinte : bengalas de caima
da India, a 1920 rs. cada lima ; cnurode lustro, a
1600 rs.a pelle'j mairoquim, a 1280 rs.; luvas do
pellica, para hoinrm o sendora, a 800 rs. o par ; ditas
de al^odaii, para liomem o sendora, a 320 rs. o par,
brancase lecores; bonetesde panno para liomem
e meninos, a 480 rs. cada um; ditos do palha para
tomar l'rosco pola festa a 100 rs. cada um ; caixas o
carleiras de agulhaa francezas de fundo dourado a
280 rs. cada una; botOes de mailre-dc-pcrola a
M0 rs*. a grosa ; ditos de metal fino, hraneose pr%-
tos, para calcas, a 300 rs. a prosa; bico estrello, a
40 rs. B vara para acabar; torcidas para randieiro,
na. 11. 19, t3 e 11,1 lOO rs. a duzia ; chapeos de sol,
de paiiiiindo piolo e deoi'ires, a 1900 rs, cada um;
carleiras de algideira, a 160 rs. cada um; carapa-
tos de algodflo de cores, a i so rs. cada urna ; loncos
le seda de lodasascres, a 1900 rs eadaum; retroz
(irelo o do coros muito lino, a 120'rs. a oilava e
em libras a 12,000 rs. bol.los finos de duraqne o se-
da, com palmas proprios para casacas, a '200 rs. a
duzia ; bordos nara violflo primeiros, segundse,
terreiros e coroas de tripa de todas as qualidades,
para violflo e rabeca ; fitas de seda lavradas de to-
das as qualidades, edos mclhorcs gostos possiveis;
tesouras finas para unha c para costura ; assim como
riquissimos caivetes linos para pennas ; e outras
diversidades de fazendas que estaro patentes aos
compradores ve I dos, eanligoscamaradas.
Vende-se urna parda com todas as habilidades ;
na travessa de S.-Pedro sobrado de um andar,
n. 15.
Vendem-se dous pretos:' na rua da Cadeia do
liedlo, ainia/oui de Fernando Jos Ilragucz, ao p
do arco da CoticeiC/o.
Vende-so urna meia-commoda, por preco com-
modo : na ruadoLivramento, n. 21.
Vende-se urna marqueza ; 6 cadeiras de palhi-
nha ; una mesa de meio desala ; um jogo de ban-
cas; 2 toucadores; um lavatorio ; urna cama de ar-
maeflo ; duasmesinhas; ludo em muito bom estado,
por preco muito commodo, pora dona se retirar
para fra da provincia ; na Soledade, n. 17, ao p
do Sr. Vieira, cambista.
Vende-se, uoarmnzem de Fernando Jos Bra-
guez, um preto proprlo para casa estrangeira por
saber fallar ingle/..
Vendem-se moleques negrinhas, pretos e
pretas, com habilidades e sem ellas, mogas c de bo-
nitas liguras : na rua Nova, n. 21, segundo andar.
Vende-se (arelo de arroz em barricas de 4 a 5
arrobas, a 3000 rs. a barrica : no armazem do Bra-
guoz. A experiencia lem mostrado, que esta subs-
tancia de a mais nutritiva para sustento de cavallos:
o Sr. cominandante da companhia do cavallaria de
linda lem constantemente alimentado os da com-
panhia de seu commando, o lie tal a preferencia, que
d que se recommeuda aos compradores de se n-
formarem das va'ntagens, que se ohteem.
i\A LOJA DE J. J. MAYA RAMOS & C. NA BA
NOVA, N. 6,
vendem-se ricos chales de seda, de novos padrOes e
chegados pelo ultimo navio de Franca ; boas mantas
de soda de bonitos gostos ; ricas luvas de pellica ,
curias, com borracha para senhora; ditas de se-
da curtas o eompridas, brancas, bordadas e de
cores, para liomem e sendora; chapeos de palha
da Italia, liaoscenfeitados, para meninos; calca-
do de todas as qualidades, para 6enhora o meninas ;
la para veslido, a 320 rs. o covado ; espelhos dou-
rdos, grandes e pequeos, proprios para salas, por
barato prego por baver poreflo ; e outras muitas
fazendas, edegadas, da pouco, de Franca.
Vende-se um sitio na Capunga, plan-
tado de arvores de fructo com casa
de viveuda cacimba com boa agoa
de beber, c banbo muito perlo:na rua Direita ,
n.J6.
Yendem-se dous excellenles pianos
forlcs fcitos em una das mais acredi-
tadas faliricas sendo um delles de mo-
delo novo e ainda aqui nao visto, por
ser fabricado por nova nvenco : na rus
da Cadeia do llecife, n. 3q, casa de IUis-
sell Mellors fk C
-r Vende-se urna morada de casa terrea na rua
Imperial, n. 91 com bastantes commodos, (taita
a moderna : no pateo de S.-Pedro n.9.
MSICAS NOVAS
para, piano forte, para piano com acompandamen-
to de rabera, flauta, corneta a pistn e flageole-
te; msicas para rabeca e para flauta; operas eom-
plelas rom o canto e acompanlianieiito de piano,
Sendo a linda du Cbamounix, Maria Padilha, os
.Marlyros o a Fillia do regiment do autor Donizete, c
Naducodonosor, de Verde.
Diversas pocas de msica para piano, pelos n.e-
lliores autores allemfies e italianos; lindas quadri-
ldas, valgas, polkas, c masurkas, e os seguinles mo-
Idodos para aprender c executiir,sendo algtins delles
escritos em porluguez e hespanhol, a saber: do pi-
ano pelos autores Viguerie, Wolfart, Bertine, Cra-
mor o Rodolfoj de orgflo expressivo por Mine ; de
canto por Servier e Donizele ; de rabeca por Bey,
Allard, Lacoaneree Spoler; de flaula por Devicnnc,
Carnaiid, Mcrcadaut, Tulou e Berbiguire ; de vio-
lan por Aguado, Carulli, llenry e Carpcntras; de
oboe, de corn inglez, de trompa, de trombone, de
corneta a tres pistos, de corneta de chaves, clari-
netas, e opbiclcide. Varios esludos e exercicios
para os principiantes de piano, &c. Tudnse vende
a progos equitativos, na loja de Guerra Silva C., na
rua Nova, n. 11.
As cautelas da lotera da cidade da Victoria achil-
le t\c boje ein dianle expostas venda no Aterro-da-
Hoa-Vista. nas (ajas dns Sis. Col.ino l.uiz Ferreira,
n. -lli; Thoina7. Pereira de Mallos Estima, n. 54; I.oaj
S Irmo, n. 58, e Antonio Ayrcs de Castro, n. 72,
assim como na travessa do Veras, n. 13, onde os fre-
gUMFl acbarO sempre um variado sortiinrnto de bous
nmeros. O pagamento das que satinan premiadas
na pastada lotera do Livramento, contina a ser felto
como d'autos a Inda e qualquer hora do dia, sem ex-
ceptu de domingos o dias santos.
Aos amadores da boa <:iiam<
pniiha.
Ainda exislcm alguns gios do supe-
rior vinlio Cliampanlia de Sillery, na rua
da Cruz, no I\ecife n. 96. As pefsoas,
que se ijuizerem prevenir de bom vinho
para lesla devem procura-lo quanlo
antes.
=Vendein-se passas muidas, para fazerpodins ; cere-
j.is amellas aereas ; forjos rivilbas lentiba ; cham-
panba ; viulio do Porto ; Scberry ; Madeira ; vinho do
Itlien'j ; Sauternes ; t'laretlc, em quarlolas c caixas ; di-
lo engarrafado a 400 rs. muito bom; superior cognac;
rliiim de Jamaica; ai 1,10; gi'iiebra de Hollanda ; vinho
de Malaga voltio, em meiasgarrafas ; frascos de todas
as (|iialiil,ides de feuctas da Europa; repolbos conser-
vados ; barril prquonos de caviar, de una libra ; inos-
larda francesa e inglesa Scherry cordial ; latas de sat-
inan ; sardinhas; onilhas c mais outras conservas de
poixe e carne ; conserval de pepinos e ceboiliuhos; cer-
veja preta o branca da celebre marca harclay ; azeite
doce superior ; cha; charuto* regala. Estes gneros
sao iodos da melhor qualldade, i- so achao amostras
para os senhores compradores, no armazemil Fernan-
do de I.ucca na ruu do Trapiche n. 'M.
ATTK\C\0!
Na rua do Crespo, ua esquina de S.-Antonio que
vira para a cadeia da um grande sortimento-do
bons chapeos do Chile, dos moldures, que presen e-
mento da no mercado eque vendem-se aliOO, 7/ e
8000 rs. A ellos anles que so aeabem.
Vende-se, na rua Nova, loja n. 3$ ,
o suppieiiiento ao vocabulario pprtoguez
e latino por Bluteaux, obra prima ra-
>a e intcressanle para os amadores' da
lingo-a nacional,
Nova publicado portuguesa
de Pars, a 0^000 rs. cada
excmplar, em 2 \ olumes
de mais de mil paginas, com muitas es-
tampas ricas encadernncao elegante da
llisloria completa de Napoleao,, extia-
liida dos melliores autores e especialmoiilc das obras
do Mr. Thicis pelo doiitorCaotano Lopes de Moura ,
cirurgiao-uuir da Irgio porlugnesa ao servifo du im-
perador Napoleao.
Vcndc-se sal do Ass, a bordo da barcaga Flor-
do-Recife, funjeada defronle do caes do fallecido
Jos Ramos ou em casa de Manool Jos Goncalvcs
Braga ao p do arco de S.-Antonio.
AO QUE HE BOM.
Vendem-se chapeos de castor, sem pello, o
do ultimo gosto proprios para os passeins
do Natal : na ruado Queiinado, lojadecha-
n. 38. -
JL
peos
Vende-se
urna canoa aborta que pega de 700 a 800 tijolosde
alvenarlagrossa calafetada de novo por commo-
do prego; tamhem se troca por obras linas ou gro
na travessa da rua da Concordia, sobrado do um an-
da; ,n. 5.
Vendem-se terrenos na nova es-
trada que vai da Trempe para a es-
trada do Manguinho e da Passagem,
cuios terrenos teem milita extenso, e por
isso s2o proprios para se fazerein grandes
sitios e edificar ; por preco commodo : a
Iralar na rus da Aurora, n. 58.
Vendem-se os seguinles escravosc um lindo mu-
latinlio,_de IVannos, proprio para pagem;um preto,
de20 anruos, para todo o servigo de casa e bampo;
2 pardas, sendo urna dolas muito boa lavadeira o
coslureira com urna cria de 5 para 6 annos; urna
preta.de 21 anuos, pouco mais ou menos, propria
de todo o servigo : na ruada Cadeia de S.-Antonio,
n 25.
ALEGRAS.
Ao rua Nora n. 12,
aAcha-se, recentemenlechegodo, um lindo e varia-
do sortimento ta fazenda chamada Alegrias ,
que se vende por prego commodo, eque mudo su
recommeuda por suas cores fixas e finura do teeido,
propria para a presente estaclo e mais que ludo
para vestidos de campo; lambcrn se contina a ven-
der nesta dem acredita loja a innnpreciavcl fazen-
da chamada da rege, cuja prompta extracgilo den
motivo a mandar-se vir mais cortos.
Pechinchas na loja
ilo nicho !!!
Na esquina do Livramento, loja do nicho, ven-
demse pegas de madapolllo com 20 varas, a 2000 rs.;
dilasdcalgodl largo, a 2560 rs. ; ganga azul a
100 rs. o covado ; camisas de meia a 1000 rs.; cha-
peos de sol, de panninho imitando seda, a 2000 rs.;
ditos de seda fina a 5500 rs.; pegas de fita do re-
troz com 20 varas, a 500 rs. : e recebem-se cdu-
las de 20,000 rs. encamadas, sem descont.
Vendem-se cadeiras de Jacaranda, de bom gos-
to cde encllente conslrucgilo edegadas prxima-
mente de fra ; sopds ; mesas de jogo lc.; lu-
do novo; e alm destes trastes novos, outros com
algum uso comosejilo: mesas de meio do sala;
commodas ; espelhos; e outros muitos objertos,
que coustituemo arranjode urna casa; na ruado
Cabug, n. 16.
-- Fugirao, no domingo, pela mcia-noitc de89 do
passado, doengenho Caiape, freguezia de Iguarassu,
2 escravos de 18 annos, pouco maisou menos, son-
do um cabra claro, de nome Luiz, com os signaes
seguinles i lem no peito direilo um calonidmho
cabellos meio cacheados, oes bem fcitos; lem mis
momos na bocea sempre'est a rir-se ; evou ca-
misa e ceroulas denlgodto da lena, chapeo do Chi-
le, usado e oleado de preto ; lem sinacs de chicote
nas costase nadegas: c oulro moleque, de nome
Calalo, baixo, grosso, jh-s bom feitos e um tanto lin-
gos adianto, nos dedos, um tanto gago, olhos bran-
cas c pequeos; quando anda, entrega-so um imi-
to para diante; lem lambem signaos de chicote
nas nadegas e com a niesnia camisa ; lem falta de
dentes adianto : levro um cavaHo rodado, rapailo,
secco e comprido, com o ferro -d.\-. O cabra foicufii
prado no Ilecife a Manoel Joaquim Piiscoal llamos,
que diz ter vindoda serra do Pereira,sertfodo'txara;
por isso he de presumir ter seguido pira osseii -
l'ede-ses autoridades policiaes ccapit'es de gampii
de o pegarem e levarem ao dito engenho, a'seu sc-
nbor, Joilo Luiz Antonio da Silva, que generosa-
mente gratificar, ou no Recifo, rua do Queimadu,
n. 7.
-- Fugio, no dia 29 de outubro do crrante anuo,
doengenho l'eripiri-do-Norte termo da cidade d"
Natal, provincia do l(io-<;randc-do-Norto, un'ca-
bra, de nomo Hilario, de *0 annos, pouco mais ou
menos, attairsecco, barbado, com lodos os denles da
frente, bo'nMlTlciul de sapaleiro", um tanto surdo,
lceserevealguma cousa: quein o pegar, leve a11
dito engenho a seu sonhor, Francisco Jos Fcr-
nandes r.arrilho, que sera bom (lago do seu traba-
Iho, ou quando por algumaautoridade for capluta-
do, so llie faga a competente parlicipagio.
No dht 52 de j;:::!::; do corfste anno rucio, do
engonho Curado un motilo, de nome Jos de -s
annos, pouco maisou menos, estatura regular, \"-
tantc preto, bocea grande, roslo oval, punca bar-
ba ; lem sobre oembigo nin earogn, que representa
ser rotura. Rog-se asatitoridadea policiaes o ca-
uitfles de Campo a sua appredenso : e quem o I1'
gaa elevar a rua da Cadeia do Itecife, loja n. 21, di
Luiz Antonio de Siqueiia, recebera 50,000 de grati-
licagno.
PERN. NA TTP. DEM. F. DE TAMA. 184^'


Auno de 1846.
Segunda feira 7 de Dczembro.
N40.
QtAh
DE
PEftNMBCO,
(SOB-OS AUSPICIOS Dk SOCIEDADE COMMBRCIAL.)
Subscreve-se na Praca da Independencia, loja de livros n. 6 e 8, por lalooo ris por anno, pagos adiantados.
PKE^OS CORRENTES DA PRAA (Corregido Sabbado as 3 horas da larde.)
i
-8" a s a*-
. d e-s .-ss-Ss .sil .^ .^|.
-< I MUTILADO


(*>
"
EXPORTADO.
Ataiente Ciw -
AIgodo l.sorle- -
I Assucar branco em caicas -
1 masca vado -
< ein barricas ou sac-
I eos, l)rauco -
> mascavado -
Conros seceos saldados. -
Mcios do sola -
Dliifres da trra -
do Itio Grande -
KXPORTS.
PREfO DA PRAf
lii.
Cotton
quiln y -
Sitiar in cases vrliile -
a brown -
a lur barris or llags
wbile -
brown -
l)ry salteil liidcs -
r,iiuir bids -
Ui-borns -
400000
Gil 00
ijlillc)
1*200
1*100
t
1.400
II&
I 5"0
30000
20000
6)100
60TOO
lS0l>
IJoOO
4500|
pon
Pipa.
Arroba.
s.ferro
Libra.
Iluin.
Ceulo
CAMBIOS.
Londres..........................28 |,iboa................. ........ 9i l'"r "'< prenno.por ir.elai ellecluado
Franca......................... 335 ris por frauco.
Rio de Janeiro..................... P*r
PHATAmiuda................... 1*260 a 10780
> Palaces Brazileiros........ 1*990 a 2*000.
Pesos Columnarios......... I#980 a 2*000.
Hilos Meiicanos............*900 a 1*920.
OURO. Moedas de 6*400 velbaa... 160200 a 16*300.
n Ditas dilas DOTas... 16001,0 a lOjliUi).
a Dilas da 4*000.\.......... 00000 a 90100-
> nras liespanliolai........ 30*400. a 30*600
> Ditas Patrio ticas.......... 30*000 a 80*200
Letras.......................... <3> 1 Vi Pr P _____ .
FRETES.
ASSUCAR.
1 Liverprol.....V.........Saccoi\ 2 10 0 """'I Com 5 %
1 Canalenlre AmburgoeHavre. Uitoj t 00 t '
incluindo pollos Inglezes Dito i 2176 3-0-0 V
IGenova..........,........Uilof 3 00 1 Com 10 /,
lllainhurgn caias...............>
iBaltico........................I >
JTrieste.................Saccos\| 3 0 0 ate 3-2-6- l Com 5 %
I Estados-Unido!.................) '
'Portugal.......................\ 200 a 250 /
'franca........................ frs 80 e 10 % de primagem___________
ALGODO.
PnrlciL.nl................... 600 por @ em primagemiioniinal
Franca.................... 360 por (fe 10 p / ao camb. le 100 p Ir nominal.
Inglaterra.................. /p -> p. 7o llarceloua.................. 4C0 ris
COUROS.
Inglaterra Seceos t i 3 10 0 ... por tonelada e 5 por cento, nominal.
Franca............ ................ '0 banco por toneladas, com 10p cento.
Estados Unidos..................... Nao ha.
4S ffl b w-b: b "mz- j^m. -::* sr:
Da da II de Noreinbro de'1844 !.n 'liante pagar 60 p. c.o rapeoti tabaco
de ptf, os abarato*OO cigarros, o fumo em rolo 011 em Ibllia.
Pagarn50 p. c. os saceos de canhainasso. grossaria 011 gimes da ln.Iia, os cai-
vetes *m liirma de ptinlial, as aliuoradas para carruagens. as peilras lavr.-.das para la-
gdo, as pedias le cinta-ia para porloes, portas c jmilas, as pedral laviadas para
encanaiiieiilos. cenas, ennbaes e cornijas, o assucar relinado, crystalisado 011 de qual-
quer maneira confeilado, o cha, a agoardeine, a cerveja. a cidra, a genenra, o mar-
rasquino, ou outrns licores, e os vinbs de qualquer qtialidade e | rcccdencia
Pagarn 40 p. c. as nlcitilas ou tapetes, o oaotiamaM ordinario ou grossnia, as
Mancas de q'ialqucr qualidadc, e roupa falta, nao especificada na tarifa, as curtas pa-
ra j.igar, as escovas de cabo de inarliin, o logo da China em carias, ou qualquer ou-
tro logo de artificio, o papel piulado, prateado, 011 dourado, sendo de qualidades
linas, o papel pintado para loriar salas cin cnllerroes 11.1 paizagens, o papel de Iltil-
aud, imperial. 011 Olltro nao especificado na tarifa a plvora, os saboneles, o salmo,
o sebo em velas, as velas de Slearina ou composico, as ameixas, ou oulras Inicias
ein frascos ou litas, acocas, em calda, 011 ein espirito, o chocolate de cacao ordinario,
o vinagre, os carrinbos, carruagens ou caicas jogos, rodas, arrcios para nina e 011-
t-a cousa as esleirs para forrar casas, os cairos para conduzir gente, os sociaveis,
as silhocs, os arcictros e tinteiroi de porcelana, e qualquer obiecto de louca nao cum-
is clices para licor ou viudo de vidro liso ordina-
prehendido na tarifa 1 os lustres, os
fio, os de vidro molda lo ordinario lavrailo ou moldado e lavradn ordinario da Alle-
minba c scmelliantcs 04 de vidro liso moldado ou laviado, ile fundo corlado ou liso,
com molde ou lavor ordinario ; os clices para Cliainpanbe ou cervrja, as canecas,
e copos direilos de 10 a I em quartilho, as garrafas de vidro al I quartillic ou mais,
sendo lodos estes ohjcctos de ns I e 2 as girrafas de vidro pretas ou escuras da
nrsiMii capacidade, comprehendi-las as que servem para liciires 011 I^-Uoy ; os copos
para Kla/wrai^ m- u cainita, os iraaooa vi(J:q, "limrio com roldas do mesnio
al 3 librad ou mais ; 011 sem rolda at 2 libra* ou mais, os *oe boca lar*;* onm roin'ils
lo incsiuo, il 4
*-*i canaiia. os Iraaooa i v|i:'9.
011 sem rolda al 2 libra* ou mais,
libras 011 mais, ou sem rolda para opodeHnc os vidros para a-
lampadas 011 candeleos, as taboas OU folllas de inocuo 011 oulra madeira flua, e tras-
tes de qualquer madeira.
Pagaro 25 p. c. o ac, alcatro, lineo em barra 011 ein folha, chumbo em barra
ou Icncol, estando em barra ou ein verguiiba. ferro em baira verguinlia, chapa o
lin^ud'los para fundirlo, folba de Flandres, galha de Alepo, tala em follias, lato em
chapa, marliin, salitre, vime, bacalhu, peae pao, e qualquer oulro, secco ou sal-
gailu ; bolacha, carne secca ou de tabnoura, herva-doce. farinba de triga, pellicas
branca ou piuladas, cordoves ou corles de bezerro para calcado, bezeiros e couVos
envernizados, cnuros de poico ou boi, salgados ou seceos, sola clara para sapaleuo
011 correeiro, coure e caparrosa.
Pagar 20 p, c. o trigo em grao, barrilha, canolillio spi;;uilha, fieirns, fios,
fraujas, lanlijoulas, palhetas, passamaues, sendo de ouroou prala entrelina, ordina-
ria ou falsa : galoes da mesina nalureza, ou tecidos com relroz, linlio. nl^odo 011
seda, rendas ou ntremelos de algodo nao bordados ; leudas de lil, as de algodo,
reros ou tror.il ; lencos de cambraia de linho ou algodo, e bandas de retroi de
nialha.
Pagarn 10 p c. os livros, mappas e globos geographicos, inslrumentos malhe-
maticos, de physica ou chimica, cortes de vestidos de velludos 011 llmaseos, borda-
dos de prala ououro lino ; relroz ou Irocal, cabello para cabelleireiro.
Pagar 6 p c. o canutilho, cord'o de lio espiguilha, fieira, fios, franjas, ga-
lio de lio ou palbeta lanlijoulas, palhela, rendas, cadarros e lodoso mais ohjec-
tos dcsta nalureza, sendo de ouro e prala fina,
Paga-3 5 p. c. o carv.'io de pedra, ouro para dourar, ou quaesquerobras e
UlCllSIS de piala,
Pagar 4 p. c. as joias de ouro ou prata, ou quaesquer obras de ouro.
Pauar 2 p. c. os diamantes e outrai pedras preciosas soltai, sementes, plan-
as e lacas novas de animaos uteis.
Pranlo 30 p. c. todos os mais objectos.
Os gneros rcevportados ou baldeados pago I p. c. de direitos alm da armaie-
r-gim ; e o despachante presta flanea al a approvaco desta medida pela Assein-
bla Geral.|
Concedem-se livres de armazenagens, porl5dias, as mercadorias de Estiva, e
dous mezes as oulras e lindos estes praios, pagarj'/a p. c. ao mez do respec-
to valor.
Os rdireitos das fazendas, que pago por rara, deve eutender-se vara quadrada.
Os direitos nao podem ser augmentados dentro do anno liuanceiro ; misoGo-
verno poder mandar pagar em moeda de ouro ou prata urna vigsima parte dai que
forem maiores de 6 e incoares de 50 p. c. doi precos dai mercadorias, ou meslo
diminiiil-os, legundo Iba parecer.
O ovetoo est lutorisadoa estabelecer unt direito diferencial sobrcoi geuerol
de qualquer naro, que sobrecarregar os genero* braiilaiioi de maior direito, que
iguacs de oulra narao.
Os artigo! nao especificados na pauta pago o direito ad valnrem sobre a factura
apreseulaila pelo despachante 1 podendo poim ser impugnados por qualqurr oflicial
da Alfandega, que em tal caso paga o impone da factura 011 valor, eos direitos.
No caso de duvida sobre a classfcacn da mercadoria, pde a parte requerer
ardili amento para designar a qualidade e valor da pauta, que I lie compele.
Sao seutas de diieitos as machinas, anda nao usadas no lugar, cm que fores*
iin polladas.
EXPOMTACAO Os direitos pago-se sobre a avaliaco de nina pauta sema-
nal na razo seguinle : Assucar 10 p c. Algodo, caf, e fumo 11 p c. Agoar-
denle, cornos, e todos os mais gneros 7 pe. Alein deslcs direilos pago-ae ai
latas de 100 rs. em cada caiva, de 40 is, em cada fecho, de 20 rs. e.u cada barrica,
ou sa*:cos de assucar, e de 40 rs em cada sacca de algodo.
Couros e todos os mais gneros sao livres de direilos para os portoi do imperio,
eicepco do algodo, assucar. caf, e fumo, que pago 3 p. c. e ai laxas por voluuie*
Os metaes precioso! ein barra pago de direilos 2 p c. sobre o valor do mer-
cado, e a prala e o ouro amoedado nacional ou eslraugeiro paga nicamente '/a p. c.
Os cscravos exportados pago 50000 por cada un
DKSPEZA DO POHTOAs embarcacei_ naciomes, ou estrangeiras, que
naveao para fora do Imperio, pago 00 .-" de "*- '"-*>rnfi-r r"r tonelada: e aa
nacionac!, que navego entre 01 divec*"poiios do Braiil 9C n. AV ^nue^utra.re
em lauro e sahirem cni.-Tga e vice versa, pagar im-iade do imposto supr.t e um
arco m qwu Linrareiii, esaliirem em laslio; e inesmo a* que entrarein por franqua,
011 escala, quer enliem em lastro, quer com caiga Desla imposico po m ferio
isenlas as que iinporlaremmais de 100 t'..lom,si,raucos, e as queeutrarem poi arribada
(breada, com tanto que estas n'ii carreguein, ou descarregiiein s meule os gneros
uecessarios para pagamento dus reparos, que lizeiem.
VENDAS DE NAVIOSAs embarcaces estrangeiras, que passarem a ser
nacionacs, pago 15 p. c e as nacionaes, mudando de pioprielario, ou de bandeira
pago 5 p, c. sobre o Valor da venda.
REVISTA SEMANAL.
CAMBIO Sobre Londres poucas tranzac-es aos precos notados.
ASSUCAll Grandes entradas e vendas nos precos quolados.
ALGUDAO Entrarao durante a semana 802 sacca, e vendeo-se aos pre-
cos notados.
(.OUIIOS Nao houverao vendas ; e pouro procurados pelo preco marcado.
BACAI.IIAO Chcgarao tres .anegamentes, de terra nova, e vendeo-se a pre-
cos occiilios,
l-Alil.MIA DE TRIGO Nao chegou durante a semana carregamento al-
gum.
CAKNE DE CHARQUE Chegarao bum carregamento, e parted'oulro:
o deposito be de 48,000 arrobas, poucas vendas aos precos quotado*.
Resumo das h'mbarcacei existentes neste paito no da 5 de Dtumbro de 1846
Austraca
Orasileirns ,
Belga.....
t.liilena.
Diminuir
Frsncez
Id -ti lUl.lllil
Igla.....
Porluguezas
Sardas<
Suecas.....
I
25
I
I
2
2
I
III
4
3
*
63
A Provincia goza tranquillidadc.
Total
MUTIUDOl
i


-
I
(5)
LISTA das Embarcaees existentes nesle porto at o da 5 de Dezembro de 184G*
NTRADAS.
Noveir.bio 27
i'etembro
Outubro
[Vovemhro 2

> 4
Novembro 8
12
57
28
Ilrzembrn t
Jiinho
III
donde Ves.
Sanios
Babia
A .su
llio de Janeiro
Babia
llio de Janeiro
Rio Grande do S
Ass
Rio de Janeiro
Aracaly
A-s
Piio de Janeiro
Aracaty
Lisboa
Ass
Aracaly
Babia
Maran lio

Rio de Jaero
II io Grande do S
Ais
a
Rio de Janeiro
A carac
Ah
Gabo
Dezembio I
."etcmLto II
IWembro I i
Oiilubm 3i
Novcmbro 11
Ivembro 11
bvembro 12
i*
18

20
56
llexembro
Vi
Ontnbro 58
Novembro 12
M
a 16
Maio 18
Oi.tubro 30
Novcmbro 12
Rio de Janeiro ^rca
CASCO
brigue
jumaca
lumaca
brigue
BrfiM
brigue
Caladlo
ale
brigue
hiate
paUcbo
E alacho
rigue
bri-esc.
Il I (.!!.
I.iale
biaM
b. cae.

brigue

brigue
q.igue
brigue
[tacho
rrigue
barca
Novcmbro 20
a 23
Londres
Hamburgo
Havre de Grace
Mancilla
S. C. e Tenerife
Liverpool
a
Liverpool
Terra Nova

Liverpnol
Terra Neva
Rabia
Rabia
Lisboa
Porto
Lia boa
Montevideo
Babia
Antuerpia
Stoire
Malaga
briiie
b> igue
brigue
biigue
patacho
escuna
patacho
galera
escuna
brigue
brigue
brigue

patacho
barca
brigue
brigue
I rigue
briiMie
brigue
barca
brigue
brigue
brigue
NACiO.
Aust.
Rrazil.
Belga.
Chil.
Din.
Frailo
Hesp.
Ingl.
MOME8.
Lusitano
Santa Anna
S. Joo
Veloz
Victoria
Rellzano
Lourcnco
Despique
Sagitario
Espadarte
Laiirrntna
Dallo
tala
Veloz
Conceico
Fiordo Beii'e
Nereida
Laua
JosepLina
Animo Grande
Flor do Sul
Paquete de Per nam luir
Echo
VhUto
Emulaco
reliz Destino
Amelia
Loulse
rrito
Port.
Sardo
Sueco.
Armorique
Arago
Novo Raio
Consorl
Hazard
word-Fsb
Harret
Andes
Westmoreland
Guiare
Ledy Fanlkland
Archimides
Glasgow
Primavera
Tarujo I.
Ventura Feliz
Joseptiina Emilia
Pylades Se Oestes
Washington
Gemma
Rapi.1
Agnes
TONS.
414
92
44
16
181
232
138
72
240
2T
110
103
112
252
163
32
7
163
174
190
176
18
250
247
122
207
17
288
20
203
223
176
124
I
155
345
124
216
195
183
159
288
338
MBSTRC.
O. C. Hollstein
Joo de Dos Pereira
urbano los dos Santos
Jos Mara da Conceico
Be uto Josd'AImeida
Manoel da Nlva Santos
Jos Mara da Graca
Manoel Francisco dos Reis
Joaqun) Jos dos Santos
J. M. dos Santos Caidozo
Joaquim Jorga Goncalves
Vicente Jacorn
F. B. de Mattos Lisboa
J. i de Siqueira P. Juuior
Jos Machado Draga
Manoel Francisco da Silva
A. Fenei.-a da Silva Santos
Jos Manoel Barbosa
Joaquim Cardoso
Jos Ignacio Pntenla
Jo Goncalves liis
Manoel Luiz dos Santos
Augusto Antonia de t.'outo
Antonio Gomes Pereira
Manoel Pereira de S
E. N'odson
G C Johnson
L. Ell>er
J. J. Dal
Varlet
Deyricn
JoSo Pl
John Smith
Paslot
Rcharol Green
W.m Williams
W. P.tricksoo
Consnay
Win Auderson
John Fasley
William Hart
Thomaz llamlin
233
275
148
230
144
280
16C
i uuiMua de Lima
M. d'veira Kanecn
Antonio Francisco dos Santos
liidro Iris da Silva
Antonio Girandelo
Antonio Copla
Jos Cardiglia
Dambert;
C. H. Vickstrom
CONSIGNATARIOS.
N. O. Bieber c C.
Noraes Se c.
Jos Mara Barbosa
Amor.'m Irinos
a
A mor i m limaos
Amorm Irinos
J. A. de Magalhes Bastos
A. F. dos Santos Braga
J. P Lemos Jnior
Lourcnco Jos das Neves
Guadino Agostinho de Barro*
Joo Francisco da Cruz
Manoel Duarle Rodrigues
Amorm Irinos
Luiz Borges de Siqueira
Carlos Augusto de Horaes
Novaes & c.
O Mestre
Amorm Irinos
a
L. Jos da Costa Araujo
Jos Pereira d > Cunta
Thomaz de Aquino Fonseca
Manoel Gonralves da Silva
Pedro Das dos .Santos
A Ordem
Nascimciito & Amorm
N. O. Bieber & C.
N. O. Bieber St C.
Dedier ti Colombiez
Luiz Bruguiere
Joo Pinto de Lemos S Filho
Jones Patn S C.
Rozas Braga S C.
Me. Cahnont Si C.
James Crabtree i C.
Latham 8t Hbbert
Latbam li Hbbert
lc. CalmoQl & C.
DKSTINO.
Rio Grande do Sul
Baha
Porto Alegre
araeaty
O Capilo
A. Joaquim de Souza Ribeiro
Frmino Jos Feliz da Roza
Joaquim Fenaudes Mendes
F. Severiano Rabello t Filho
M. Joaquim Ramos e Silva
Fredeiick rlobilland
F. Edlemaa
Me CalmontStC.
Me. Cahnont St C.
Trieste
Havre
Marseilha
Clyde
Genova
Liverpool
Afretar
Liverpool
Afretar
Porto
Lisboa
Porto
Lisboa
Genova e Marseilha.
Afielar
Trieste
Trieste
Genova
Pernambuco na Typographia de N. F. de Karia,1141,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKNXVNENO_0SGUR0 INGEST_TIME 2013-04-26T23:25:01Z PACKAGE AA00011611_08340
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES