Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08331


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno de 1846.
Terja feira 98
O DIARIO public-ie todo* 01 dias que nao
fortn He guarn: o pceo daaisignalura Ite de
4 'non rsf por qunrtel, pttgos adiantados. Os
annuncios dos assignanles san inseridos a rato
de ?0 ris por liona, ti >o difTeren-
te e rtpctires pela melade. s que nio fo-
rem assignante* pogio SO ris por linda, e 160
eni lypo dTeraiite.
PHASE8 DA T.DA NO ME7, DE JULUO.
Cresctnie 1 as 7 horas o 3 minutos da mu
lAia chata ta liora e SO minuto da tarde
Mingoanlea 15 as II horas e 8 niin. da man lia.
La no a 13 as > hora* a 42 mi. da tarde.
Crcsceote a II as < horas e 42 minutos di man.
PARTIDA DOS COBR'-IOS.
Goianna a Para h vi*, Segundas e Sones leiras
Rio Grande do Norte, cbega na* Quartaa fairas
no meio da e parte as mesrhas lloras as
Quintas feiras.
Caho, Sciinliacm, Hio Formse, Porto Calvo 0
Maceyo, no I.", 11 e Jl dcada ata.
Garanliuns e Knuito a 10 a 24.
"Boa-Visu a Flores a 13 28.
Victoria as Quintas feiras .
Olinda todos os das.
PREAMaR DE JKUE.
Prmeira as 9 h. e 18 minutos da manha.
Segunda as 9 b. e 42 minutos da Urde.
de Julho.
Anno XXII N. 164.
D1A8 OA SEMANA.
27 Secunda S. Patalelo, tai. di J. dos orf. *
doj.do C. da. T., doJ. M do 2 v.
So TercaS. luuoetncio, aud do J dociv. da I.
., e do J. de pa do 2. diet. de t'.
9 Quarta S llartha, aud. do J. do eW.
da 2. v a do J. da paj do 2 dist. de t.
SO Quinta S Rufino aud do J.d* orphiea, e
do I municipal da I. Tara.
II Saita S Ignacio, aud doJ. do civ. da I.
t. edo J. de pu do I. dist. de t.
1 Sabbado S. PasJ-o, aud. doJ. docir. da I.
.,'* do J. de pai do I. dist. de t.
2 Da'miogo S. Eslevin.
CAMBIOS NO DA 25 DE JULHO .
CanilMO sobre Londres 2f'd. p l# a 0 d.
Paiis JiS rea por franco.
> Lisboa 106 7, premio pul mea.
Dase, detalrasdebois firmas I '/,ir. %aom.
OiiroOnras bcspauliolas StJOOO a JlfiOO
MoodadeSj400rl. IdjiOO a l|U0fl
a doBJIOOnov. Ifflno a iii^iuu
do 4J0OO... O00 a 9)100
Prala Patacess....... I90 a l#9<0
a Pesos coluinnares. i|0n0 a I #900 -
* Ditot Maticanos. ifiHO a iJTwOO
a Miuda.......... lfluO a 1JTS0
Accesd* Comp. do flelierilie de S0JO0O ao par.
DIARIO DE PERHAMBUCO
ATE OFFICIAL.
Comiiiai.do das Armas.
KXPIDIKHTC OO DA 8 DO COltRIKTK.
r -Ai presidente da pro?inoia, enviando, por
an.initiidn i secretaria de eaudo dos ncgooioi
r inappaa 4a n. 1 a 5, da foro dos curjins
...lia deata guarnioau o oorupanliia prnviauria de
guardas naciones* ero dottanarhento, indo nueza ao de
.i.0 3 a relelo nominal da oflicialidade das 4 canos do
ejercito.
DitoA* metmo, enviando, para serem final sen-
tenciado* pela juntado juilica, ni prnneaeuf verbaes dos
reo desortnroejAeJjegundo batalhio de artilliaria p.
Cbristnvan Dutfl '"1, Luis Jos Teixeira e Francie-
oo deCemargo,
DitoAo coronel oonimiatario-pagador, enoareoen-
dn o ajusto de oontea do lente quartel-meitre Lo i*
Ignacio Jeronyroo do Santos,, que deve aeguir quinto
antes ineorpurar-aa au teu batalhio, aeito de cae ado-
res, na provincia das Alega*.
DitoAu capillo cummaudaiite do destacamento da
villa de Agna-Prela, ordenando, qne Asease regreatar
etia capital o anidado Jos. Marcellino Marcos, do quai-
to batalhio de arlilbaria p.
DitoAo coronel ooinmandante do primeiro batallilo
de cjcadoree, oonimuniceudo, para ante intelligencia,
que o gnvernu imperial, por avian da repartilo da
guerra de & da junbu ultimo, prorogon por maia Irea
mese* a lioence,quo obtevo, para ir vrt, o altere* do
batalhio sob leu commandu, Joaqun) Tiberio Lobo Ca
pielrano.
Dito. Ao metmo, oommunicindu, que, por aviso da
reparticio da guerra do 9 do p. p. niei, forlo concedi-
dot dout meiea de liceuca improrogaveil, para conti-
nuar i tratar dosou reounbeoimento, ao cadete e 2.0
argento do batalhao aob seu ooaimando, Jicintho Br-
relo de Catiro, que para lemelhauto fitn liaba ido
corle.
Dita. Ao metmo, oommunioando, quo o governo
Imperial, por aviso da reparticio da guerra de 28 de
niaio nuda, bouve por beni prorognr por tres metes a
liceuca, com quedas Alngai partir para o Rio-Grande
do Sul o alferee do batalhio aob aeu commandu, Julo
Bsptisla da Fonieea.
Dito. Ao meinio, remoliendo a* guia* dos solda-
dos deirrturca do batalhio do teu oomniondo, Antonio
LuiJot, Antonio Vieir.i do Mello, Bcriiardino de Se-
na, e Mauoel Joaquiai, viudo* da provincia da* Ala-
g na crvela 1). Januaria.
Dito. A coronel enromandanle do 2 batalhlo
d'artilliaria a p, remetiendo as guias das iracas do mes-
mo batnlbto, ohegada* da pruvinclar' da* Alagas na
corvrli /). Janiaria; a saber :
4. sargento Manuel Norberto da Honra.
Furriei* Zeferin Vieifa Soarr, Filippe Viotorde
Arenjo, 2.0 cadete Silvcrio da Cotia liorget, o Manuel
Marquet da Silva Cuitinho.
Cabot Joaqnini Correia d'Aranjo, Joto Baptitta de
Mallo*, e Mauoel Correia.
Soldado Jun Militio.
Dito.Ao meiino, paro que houveiie do informar
sobre* prcteuclo do 1. cadete Pedro Luit de Barros,
do batalbld aob aro cominando, que a S. M. o Impera-
dor pede aer prumovido 2. tenenle, eiiviand com
ua infotmacBo a nota de aeut atientamentos, para ter
nueiad* ao reqnerimenlo.
ff
EXTERIOR.
NOTICIAS DIVERSAS.
O prefeilo da polica da Paria le recoohaaor,
que o numero de carroagent *c. quo circulio dia-
riamente palo* boulttarli interiores, be de vale mil.
Gitlaf-te annuslmeole "com intlrueclo primaria
era Franca 16 milbdei da francos. Ha 42,551 aulat de
meninos, e 17,287 aulaade meoinat.
- Ha nos Estadot-Uoidoi i03collegiot com 9,936
alumno*, 29 etaolat da medido* cora 3,265 etludan-
tei, 59 eicolat de tbeologia con 1,305 estudantea.
- No ducado de Millo, que conten 1:235,480
htbilantei, esitlem pratentemeate 2,633 eicolaa, que
lo frequeot da*por 124,328 rapaiei o 1,929 iapa-
rigaa.
A r::=hs ds Krsnhi eosdecorou o oeb.br. i-
nor Moriam com a ciuz da Uabel. a Galbollca.
O re uindo oaiemplo do ca do
r..Ka --i..ln. co"" 4ittiM fin*
bsncot dat ao lado do menino da toa
dada. O duque d'Oicar. ddpoi da leu eieme publico,
panou a ir -iludir na uoiveriidade.il
No tne de abril.anirirlono porto da Lisboa 219
embarucou e nhitto 220 ; destaxlo HOpottugue-
zai airada e 118 tbidas: de guerra entrarlo 4 a-
birlg6;da primtira classo entrarlo 17 aabirlo 25,
da aegundi claaie entrarlo 80 aabirlo 77. As outra
embarcares (entrada ) lo: ingletaa 59, Irancezs,
24 mecas S, bawovenaaai 3, ruma 5, aottriaca 2,
bollan Jen 8 oldemburguezai 1, americana 2, brati-
laira 1 prutaianas 5 belga 1, bamburgueii i ,
porwegueoiei, tarda 1, bremenie 1.
........
INTERIOR.
Riode- Janeiro.
CMARA DOSSRS DEPUTAD09.
" ADHISS\0 DO SR. TIlCRM DE GOIAMK1.
(Co*f inuaedo do numero anltcedentt. )
O Sr. Barto l'imtnttl : Sr. presidente ante de
entrar na eipoiicio dai ratOei, que tenbo de aprelantar
a favor do parecer, toji-me licito reluttr a eipreaoei
calorlas do illuitre preopimote, quaodo quii incul-
car, que vamoi atteotat contra a liberdide, nSo admit-
liodo o iuppladtei. Acredito, Sr. pretidente, que
nais porto eitete a commusSo do espirito e do reipeilo,
quo te dere conitituicio do que Ultei o nobre de-
putado; porquanlo a conilituicio oto reconhece up-
plente*...
OSr. Franta Ltit (com (orqa) : Eolio ruque
a lei.
O Sr. Barros Pitnentel: ... .e l lei regimen-
taes.ho queo admittem.e lem caioi determinados. Se
appellamos para o procedente!, bem que nio > |5o u-
niformei, slo todavia mais a lavor da commiisio do
quedaquelle, que impugoio o pareaer. Tem-ieie-
guido a pritiea de admitlir lmente o immedutoi sm
votoi ao depulado, e nuoca- aquelle, que filio em
quartoou quioto lugar. Or, eitiodo o Sr. viicoode
de Goiaona em quinto lugar.nlo Ihe podia a cmara do
Recite eipedir-He diploma, aero te darem ai ooodicoei
requerida pela lai, que regula.a materia, que lio
iotruccSei de 26 de marco do 1824. Segundo etiti ioi-
IruccOei ( e expedirlo diploma aoi suppleotai,
quaudu so verificar, que o depulado se aabao ausentes,
ou imposibilitados por uiua molestia prolongada. (Cslo
a lei.) Se bem que a cmara municipal diga, que nio
pudom vir iioiii alguna deputados nem os sopplenles,
que ettio cima do Sr. viioonde do G'iianna, lio eoni-
tante, eoa nobrea deputados nao podem negar, que os
sopplentea cima o Sr. viioonde de oianna gnUu do
perfeita aaude, e que at un dclles exerce funeces pu-
blicas. Nio salta vista, que a caara municipal pres-
cindi de todns as oondicos exigidas pela li, para ex-
pedir diploma a um supplenlo remoto? a lupplenlca
torio oreado para loiuareiu asenlo neata cmara au-
mente em oasos determinado!.
Podcria citar mnitoa exemploa anlogo. Reoordo-
me agora do que acontecen com o Sr. Odorioo Memlet
quoudo fra eacolbido teidor o Sr. Coila Ferreira.
Quanlo ao reoein, quo tem o honrado deputado, de que
ejlo so admittidoi oa inppleiile do una rtelo polilica,
nlu. heellnjiiat, nem mereoida i inainuaclo, purgue
temos admittidueate auno mi gente da npposicl', do
que da maioria ; tlm de que, ha twdaa as rasos para
orer, que oSr. viseando deGoianno venha rngruiaar
nussae bleiras. Do quo precedo 10 v, Sr. prndeme,
i|ue o precdeme* ato tatubom, e lalve man a favor da
Ilustre ootnmitiao, te bem que ollei tervom entre nos
para atitentar e para destruir, conforme nos apras. Nio
devendo nos jurar na f da cmara municipal do Reoire,
onjoa membros podeiu.ealar affectadoa desse espirito de
partido, que lara o imperio, e Iranapirando oo aou of-
fioin alguma couia de inoomplelo edoduvidoso, julgo
que prudente foi a commisalo.
Voto, portento, pelo parecer, qoe acredito funda
no espirito da-lcRislacio, quepoa rege.
O Sr. Sonta Martint: Levanto-ma para luitenlir
i emenda ao pareoer da cnromuiiu, apieientada polo
nobro depulado da provincia do Rio-de-Janeiro. Por-
que, Seiibores, li e exeminei com alinelo, o parecerda
obre coiuunerlo do cuueliluijio, e nio pudo adonltir
como lalioaa o procedentea ea reefiea, ero que oa nubre
membroi ie fundirlo par excluir da repreent*cao na-
ciuiial caso lupplenle de Pernanibuoo, que desoja lomar
atiento na caa eurao depulado por aquella provnola.
0parecer foi muito pouoo explcito ; nio dedutio com
itffloiente claren ee raioee, em que se baseia, nem o
nubrea depulado, qoe o qoerer enilentar, produtirlo
na diieuuio rasos suQieientea, para apoer a na opi-
inlo emillida no parecer. Dieserlo, que os precedenloi
nloaulorieatto a esse lupplenle de Pornanibuoo alo-
mar tiaenlo na cmara. O nobro depulado, que aeeeve-
rou l*lu, diaee, que nio se referia aoe precedentoe da.
outrae legislatura!, mai lmenle aoa deele. Primeire-
mciitu, onde ata o direilo de deteriminar oa preceden-
tes das oulraa legslalurai doi delta, para dar a une
ineior autoridedo de que a oulroe ? So um preoedenle he
inuii enligo, ee be confirmado por deoitee de niuito.
legiilalurai, parece, que muito mia vigor dee ello ter,
do quo o precedonle proveniente do urna iimovaclu
moderna, que apena* leve lugar no auno da preeeuie
Ifgialaliira, lio frtil em deoiee* iniqul* oonlra a* di-
reiloi Uoi que dotem ter aliento neila caa. rf lauto,
a deiorimioaclo, que le quer {atar, do preoedenle dn
legiilalurai paaiada doi da actual, nio pode lor lugar
,i.-a invalidar quic;. M;;v-rUi.o a ac-.i !gi-
lalura, qoe eu encontr um prccedenlo da maior valia
contra o parecer da com minio. Eili aqui na oaaa uili
lepulado aopplenle por Pcrnarobucu, que nao bo pri-
meiru nippleiile, nomo ie diiae, maa lie eeguudu.
O Sr. flunts Machado: He primeiro, o outra veio
como depulado.
O Sr. S. Martint: Eu fallo a lingoagetn olaaaiea da
conalilu.cioioudigo, quooSr. Joto Podro da Silva nio
lio primeiro auppleute de Pernarobuco o primeiro mp-
pleuto be o Sr. Uoboa Cevaloanli. Por ventura oa Sra.
edro Cavalcanti a bario da Boa-Viela, deputadoa reco-
uheoidoi per Pernaiubuco, partioiprio I oaea, que nlu
tuniariio nenio ncita lenio ? Eooffilodo, nao eal na
tasa o Sr. Joao Pedro euppleute daquellee lenbore, tem
cumiar ofllcialuiento o impedimento delleePGumo, poie,
be que o nobro deputado por Pernaabaco, o outroi
membros di commissio, querera exoluir delta camera
uta ootro lupplenle, pelo pretexto do que nio consta
OiUoialmeule o iropedimenti) doi deputadoa ausente
ou doi lupplenle* msis votados ? Sanhore, Uto moitra,
quo o ty.tuma depuratorio nio cita aindt deiterrado
deita oaia (apaiadtt, nio apoiniot).
O Sr. HUnti Machado: Tomos aqui um pareoer
do Sr. depulado D. Minoel, que tari bonito quendo
e ler.
O Sr. D. Manoel: Venha elle.
O Sr. S. Martint: Eu ereio, qne o precedentes
da legiiltturai paitada odalegialatura prsenle, lodos
de com.iiura aocordo dio direilo, a que o Sr. viioonde
de Goiaiina lome atiento na olee como lupplenle, em
lugar do. depotsd.is legtimamente impedido!. Diise-
rlo 01 nobre deputado, menibroi da cuinniisslo, que
nio ounsta este impedimento na osa. Pois, Similores
nlu moreno f o oflloio da oinura municipal,que decla-
re, que os deputados menle e os dnus lupplentei maii
voladot nio podem comparecer? Se uina oommnnioa-
lo ollicial da cmara municipal nio mereoo t, que
oulro documento a poder* mereocr? A camira nio tem
direilo de ubrigar a tomar atiento a quero nio quer vir
por impedimento real, ou a qnem so escusa anda com
, i eteito frivolo o se ecaeo a cmara doa deputadoa tem
este direilo, al boje anda nio uaou delle, tilo o exer-
eeo, obrigando algum repreaentanlo a turnar alenlo.
.Nenliiiin iiiunibio deila eaioara.quo quer den ir do com-
parecer, quo allega doonca ou oulraa uceiipicoi, nio
podo ter ubrigaUu pola cmara a comparecer quaudo al-
lega esculpa, o inenuu quando nio aa allega, quando
aumente doixa de el vir. Aqui eil presente o nobre
doputado lupplenlo pelo Rio-Grande do Norte, quetu-
mou alenlo na ene sem constar, que o deputiJo effec-
livo eiliveeao impedido. Para que o *uppleulo pueei to-
mar aliento, baeta? qne a oa niara ae uiioiic<, de.|uoaj
deputado amonte nlu oompnrooor. Portanlo, nio vejo
motivo algum, fundamento algum raiuavel, para linvor
ana tul deeitio quel ela no | arecer, una vet quo eons-
lii ulUeialmente, quo m dout doputado o tupplenlel
un volado alo h jo de vir i preienlo aoeiio. Emendo,
que a oamara nio deve laticoiunar lomelliante proco-
denlo lio oppoito aoa anleriuree, e lio iniquo au di-
reilo! do nobre vitconde de Guiauoa. ,,rf
Vol, poie, oontra o parecer da comnHlo, o a favor
da emenda, que u aubelilue, mandando, que turne men-
t na oaaa, como depulldo lupplenle por Poruambuoo, u
Sr. vieoondo do Goiaiina.
OSr. Nunet Machado: Senbor presidente, prinoi-
piarei dauJu aoe uobre dcpmadue ex-adversos oe pa-
riibcns pola mina, que encontrarlo nu parecer, o que
lio apeno procurlo explorar; maa me parece, que o*
nobie. deputedoe aoriu illudido ero maa expectativa,
e que nlu aohar certameuio o qne auppom ueaaa mi-
na. Saiihur preeiduiile, quindo ae eil dn|ioito a inver-
ter ai iiiloncei do outroi, o nio coniagrar aoi priu-
oipioa o respeito ruaie relgioe, a queilio unii simple,
a queiliu maia liara ae toma O objeclo de una rendida
oontruverea, o be justa monto o olto, em que nota-
chimo.
Sonbore, a cnmuiiiiio do conatituicio e podere,
ciijo parecor eeta eau diioaiiio, tove em villa uioi-
mrute a oonilituiclo do imperio, nio tomante oe pre-
cedente! da cee, quer antigua quer moderno*, maa mui-
to prinoipalrounle a no-ia coiuliluicio parlioular, o uoe-
o regiuienlo. A coiieliluiyo du impone, em tbeeo, nio
reoonbeic ninguem babil para repre.eutar oe direilo
du povo, eenio aquollea, que forlo conleropl.idoi na
eleieiu e pela ordera de volaolu eilo em meioria do vo-
loa. Ora, por maia eeforcoe, que faci oa nobroi depo-
Itdoi, nio poderlo feter-noi acreditar, quo um quinto
lupplenle tero roelhur direilo, que u primeiro, segundo,
lerceiro e quarle, e que deve lomar ttieiitu anloi de iu
ven6osr a exislenoio do impodimonlo del quo Ibe sao
tuporiore: lio urna dat ouiidicoaJegaoa. Snhoree, ie
e.se prinripiu tuno adiuiltido, qu*hi fina oa deputadoa?
au veom ua nobree deputadoa o abyeiuo, a lerriveie
ooniequenciaa de um temclliinio procediraento? Nio
puderia um* cmara municipal faicr principiar urna le-
giilatur* tmenlo oum tupplentet, para uro fim deler-
mmado?
O Sr. Franca Ltt: NSo bo possivel.
0 Sr. Nuntt Machado : Eu desojara, que o nobre
deputado, qutfoum mestre repelle a minha propoaiclu,
mo ino.lra.ee a raaio deele impo.Sivel. Se urna cmara
municipal pudeete por ti ejuiter do nierotiiiieiilo da
talla de um depuladu etiuetivo, aeolla podeeae l por n,
o lem nenbuin oulro cerreolivo, expedir diplomas, eu
emendo, como aoabo de diter, que a oamarai uuniei-
peei poderiio formar a cmara doa dupuladoa, oono bem
lliea pareoeue. Portauto, Senbor prndenlo, ooiu-
miniu respeitou a oouitituiclu, quo niu comidera el-
gueni com u direilo de tomar aiacutu ne.ta oaia, leniu
quaudu tiier maioria da voto, o tur linmudiatu na ordein
da vutaclo. Tinto o.ie principia bo oo.;.loomt.l, qu
o noeso.regiiuoiito, que nio podia eer felo, eenio de
oonfuruiidede com a ooudjtituicio, anda repeliu ole
priaeipio. Eu peco Ucpea c;:= para !r a regl-
IIIOIllo.
Art. 10. 0* depulado*, que nio podorem oompi-
raoer, ntiudai'a comtudo aproaenlar o tea diploma, a a
cxpoiiclo, por eacriptu, doa aaua iiupodimuotue.
a Arl.ll. As escusas, que utferccereBJLus doputado,
eriu remanidas a ouuimuiio da luenua forma, que o
diplutnai, e o reipeilo dellat te proceder! na forma dut
artigue 6. e 7.
Art. 12. Qutndu ai eacutaa ae julgarero leglima-
dee, u preaidenle, por aeiu do aecrelario, o partici-
par! ao governo, para fatrr vir ui immoduloi em
volut.
Qual, Sr. preaidenle, a raaio JeiUt diepoiicet lio
clarat e terminante! ? A mi be o prmoipio, eju -
ti, anda ha pouoo, para que a oauwre mumoipaoi nio
faci deputadoa. He por iito, que a eoniiUnifio oou-
fero ame,nla i oamara doa deputadoa toda a iniciativa
do julgamantu daaoleioea, o o direilo de venfioir, ao
qualquer oidadio deve nu nio tomar monto neila oa-
aa, como representante do pavo. Nutera anda maia oa
uobre depeladoi, que lano oto he lioitu, em villa da
lei conililiioinnal, eila faouldade de ai oamarai muni-
oipaei c(pe(frrcin*Iploraai a aeu bel-praier, que o re-
giment qnet, que, quando nio sejio jnlgadas logitiiuas
as rasos do impedimento, isso mesmu se faca constar ao
depuladu antes de chamar u immediato: eti lie a dii-
posifiu do artigo 113. J veoinua nobree deputado,
que, quando fallattein outrai raadPaal commiasln, denla
.i mouieoto, em <|ue teu principio ettivetiom do oon-
furinidadn com a lu eioripta tlhonsliluiiioiial, niu aa
Ibe poderla atlribuir esta. 'aejHfc mciqiiiii laa, quo
o nobre deputadoajecm quernWgjxergar n i comlais-
4o. Senbor preeiasPlc, nao foi tdjKaiuiaio depurado-
ra, quando ailmitlio o Sr. Queirui ne.ta casa nio levo
a cammiaslo m! inlencio, quendo negou a eio ineiuio
nobro depulldo a entrada nena cata, no priuoipio da
seatlo. O* nobre deputadoa tantu oativlu p ir eilo
principio, que no principio da eossio, havoudo uuii iu-
lioeclo pare r adinitlidu u Sr. Dr.Qn.nrot, a oom-
nisslo entendeo, qoe olio nio davia turnar asiontu o ua
uobras deputadoa ee ealiaKterio ooio aussas ratera. A
ooiumiailo, niu tenMu lolUoienlo fuidaiuonin para u-
ur da legitimidade do impedimento du doputado etfec-
livo, nio podia admiltir o Sr. Dr. Qusirot, omquantu
nio livesae raelbores iiifurmacea, o em eirouui.tau-
oia, em quo todo o das estavao abogando deputadoa
la provincia nu primeiro diee da aosaio. Eis-aqu,
pnanlo, os meamos nobres deputados conforme e.uui
principio, quo quer a notnmini i, que cuniiuuo, a
omino no parecer actual. Os nobro*. daputadu* enten-
derlo, que a ooiumian linba ratlo, quaudu niu .iduui-
ii uiuiuppionie, nimia que primeiro, no principio logo
daaesio, quando acunara tratava de io oun.tiluir,
quando todoi ui dial eilaviu oliegando dopuUdoi do
Norte ; mis desde o momento, em que a coaami.iju,
bem quo nio liveno iiiforinaeoi oicripla, purom pur
uiuiiiii circuinatane.iai, enleudoo, quo com raiio o po-
da iiippi'ir, qne o depulado effeotiv" niu viri, admitli
Sr. r. Qoeirot. Jolgo, quo roarobou em regra : O
oonirario era alropellar oe priuoipiua o ai formula, e
pula raeio de ae faaer um favor.
Sr. preiideote, (illou-ie e"m precedente!, em eonie-
quencia de timbeui a commioio fallar nelles. Muito
me admirei da importancia, que aoi procedente deo o
nobre deputado pelo Piauby, quereodo, que o prece-
dente aotigo prevaleci obre o moderno. Eu nio
considero o precedente tent como auiilitre noi Ol-
io, em que olo ha ragrn eicripln, e nio Ibe eoxetgo
outra forrea maior do que a autoridade de quem o
creou ; portaoto j! vi o nobra depulado, que, de-
vendo os precedente t'rvir do regr legislatura, que
o ettibeleceo, nio podem oBrig.r i urna outn legiila-
lurt,cninpoili de individuo! diderenleg, ou dot meimoi
individuo, ronque teem entendido dever leguir urna
liobi de eooduclt divert diquella, qua ai outrn legis-
la turas teguirao. i precedenlos anligo nio devem ser
invocado!ionio nequelles olios, em que ama nov lo-
gulstura sobre i meitna especie nio tem ettabelfcido
regra.
Desde que urna nova legiilatura tem estabeleoido re-
gra, oio be perroittido recorrer ao! precedente! anti-
gos di outrn legislaturas, lobre a uiesma especie, por-
|U i amar-i lio independen te, e a pinada nio po-
lo obrgar a prsenle. Pergunto ao nobre doputado,
quaes no a regra, que a eommitiio tem ettabeleeido
na preiente legislatura a reipeilo da edmiiiio de tup-
pleote? Quero nobre depulado obrigir a legislatura
actual a mbjeitar-ie ao precedente antigoiem mate-
ra, obre que ji lem reolvidu ? Porm, Sr. presiden-
te, nem ah aiodi os oobre deputadoi lio mus felices ;
nio pono apreieotar todo o precedente aotigo; na
temo um de 1843,quo nio lei, telera bullaje antigo,
ou te o nobre depulado querer! urna intiguidade do
principio do mundo. Se nio be bailante i antignida.le,
devem bailar ornme reipetavei.que iquicilio ecrip-
loirdo Sn Gongalve Mariin, D. Manoel e Paulino
Jos SoredeSouia. Nete parecer oa nobre depull-
do nncciooio o principio, que tervirio I eommitiio
pira escrever o leu. Nosie parecer o nobre deputadoi
entenderlo neceanrio e tbioluttmeoto neceiiirio, pa-
ra admtlir-ie um lupplenle, que conilme a cmara o
impedimento daquelle, que ditiio nio poderem com-
pareoer.
O Sr. D. Manotl: Apoiado.
O Sr. Nunet Machado: Toroo a repetir, que nei-
tepnecerde 183. luignido pelo muito illuilre Sr.
(ioncalvea Mariin, pelo nio meno illuitreSr. U. Ma-
noel, e pelo Eim. Sr. Paulino Jo Soare de >ouze,
e aanoeiopa o principio de quebe abolutmente indu-
pemavel, que cootem oa osaa raoede impedimento
daquelle, que nio podem coroptrecer. Torna a dar ou-
tro psisd o nobro depolath ? "
OSr. D. JUanoil: Sim, Sr. EiU direilo. A-
poiado. ,
0 Sr. Nunii Machado: (Le o parecer.)
Ora, Sr. prndenle, ela (illa de participadlo de im-
pedimoto be, que nio e di no oflicio di oimiri mu-
nicipel ; de maoeira que w enteode, qu i etmiri mu-
ciptl de eu molu proprio te julgou auloriiie a et-
pedir uadiplotni, e mandar para o pulimento um
supplenlo, que he o quioto oa ordem da otteto, quan-
do laltio doiu doputldoi a quitro lupplentei!
Dme um nobre deputado pelo Rio-de-Janeiro, que
oioieoQendem direilo. Oh! nio le odendem direi-
ILEGIVEL
=-


(os ? Eu, deputado effectivo, niio chego pelo primeiro
vapor ao Rio-de-Janeiro ; a cmara munici| al pela su-
capa manda um diploma a um supplente, a qoepi quer
faze' um favor, um supplente, que (-la no Rio-de-Ja-
neitu ; este aprsenla- se, e toma asiento coi virtude dos
principio! boje admitirlo; peloi nol'ros deputadoa ; o
olo idoflrndcm dircitoi OITenlem se nSo amento os
meus dirriloi, como ut de todos o iraiileiros, que de-
vem er representado* pela maneira, que o consliluifio
quer, que se represente ao paiz
Note-te maii, que tanto os nobre entendCrSo, que
( oflendem direitos, e que no se rOJe cbamar um B,"
supplente, quandu ba 2., 3.' e 4., que derSo oais es-
ta rtaio (IO.
Duas ruOos, poli, capitaes rcsulio deste parecer ; a
primeira ho conslsr o impedimento, o a segunda....
O Sr. Maura Mogalhes : Islo be contraprodu-
cente (risadat).
O Sr. Nunes Machado : A culpa sor* do Sr. que
Dio les pamnr para o meu espirito a sua lgica. Eu ar-
gumento, que no parecer da commissao existem dous
principios; eu quero mostrar ao nolire depilado, que,
ape'ar da minba fraqueza, sempro.aproveitci as suns li-
ces. Neste parecer ha duas rasOcs capitars jprimeira-
mente drSo os nohres deputados como rasSo do sor ad-
metlido o Sr. Barbosa oler havido communicnrao do
deputado, que se riiza nao poder comparecer. Ora, co-
mo esta participarlo nSo consta, nem so pode inlcrir do
oflicio da remara municipal, logo ...-peco n meu mes
tre o Sr. Moura MagelhAei, que conclu e que diga, se
he islo ou nSo um argumento e muito concluiente ; a
secunda rasao be ser o supplente immedisto cm Votos.
O Sr. visrnndo de Goianna no bn inmediato em volos;
logo,pe\ s principiat^loi nohres deputados, nao esli as
cirrumstar.cins de .se Ibe-podor dar assenlo, e ainda pe-
co ao meu illiistriKlojBre, que classifique este argu
nenio e diga, se nao'pUrVser admittido, Sr presidente,
vejaiiios o oflicio da cmara municipal da Baha, sobre
que os nobles deputados laucaran o eeu parecer (le).
\ 6, pois, a enmara dos Srs. deputadoa, que a mUOCI-
palidade da Baha certifica e inlorma ao parlamento te-
rem os de maioria do olos participado a impnstihilida-
de de comparecerem, n ler o Sr. Barbes de Almeida o
lerreiro inmediato em votos Mas estamos no mesmo
caso, procedeo assim acamara municipal do Recife?
NSo, meus Senhoies ; um naopodrndo comparecer
be a rasio de seu procedunento ; moa donde consta, que
nao podem comparecer, e quern autoriaou a municipa-
li.lado a ser juii donflo podado cumpa'tier ?
Sr. presidente,ji se vio urna cuuia semelhante a esta.
Estd-me parecendo, que esle oflicio da cmara do Reci-
fe he um favor a nianeira de um oulro, que em cerlo
lempo a cmara do Rio-Grando-do-Norte fe ao Sr
I)r. Ouciro' ; entendendo, visto quo vinba para a cor-
te, dever-llio mandar logo un diploon' ad precauliu-
ncm, para o caso possivel de nao vir o depulado eflecli-
vo : Tome esto diploma, e veja, so Ihe dao assenlo,
Or, he poitivel sanrcionar eslc principio i' Mo prova
elle oflicio e o parecer dos nohres deputados, que elles
reconbecem romo principio capital a sciencia do impe-
dimentos que o individuo esteja na ordem, cm que de
ve ser chamado ? Logo como increpSo a commisaao, e
ruin tamaita desloaldade Ihe ullribuem motivos menos
honestos?
Pode ser, Sr. presidente, quo eu nada (enba conse-
guido rom este argumento, tirado do parecer doi nohres
deputados; mas, na minha Iraca rssfio, julguei adiar nel-
le t'ni precedento para firmar a mlnba opiniao, para
provar. que elles liimhem leem esle principio,
O Sr. h. Manoel: Ha do ser diflicil achar-me
contradiclorio.
O Sr. IVunes Machado: O nobre deputado be
bomem, e nfio pode espirar i infallihilidado. Eu s en-
jerco irii'onlii reneia de piinripios, quando Iib ni.i l ;
mas, quando nao ha, digo, que he bomem, e pode er-
rar.
Os nobres deputados fizerSo tambem um vallo de
balalh a respeito Ha admissio do Sr. Jos Pedro. Res-
tabolecamo os fados, Senhures. A cmara actual abri
se, tendo na depatacAo de Perntmhuro romo deputado
ellcclivo o Sr. I)r. Alvaro Barbalbo Ucha.
O Sr. Svuta Martina : Como cflectivo, se o ef-
fectivo nSo morreo ?
O Sr. IVunn Machado : Mande o nobre deputa-
do revolver os archivos da casa Sr. I i lia apresen-
tou-te enmnotco, e, depoii que a cmara annullou al-
guns colli gios, que ertendeo nao poderem ser appro-
vtdot, passou o Sr. Alvaro a primeiro sapplente, e con-
tinuou rom o assenlo, que linha na cate, porque ja a-
qui eslava.
O Sr. Moura Magalhaes :Como primeiro sup
pente.
U Sr. Runa Machado :Como primeiro supplente.
Ora, como lie, que os nobles deputados, que to per-
feitos lgicos, querem achar semclharica neste caso ?
Sera indifferenle un negocios de eleicao a ordem da vo-
tacao ?
O Sr. S. Marlini: O principio de dlreilo he o mes-
mo.
U Sr. N. Machado i Quern conslilue esle direito
nao he a ordem da votacio ? Porque um individuo ob-
teve tos, aegue-ie, que tem direito de entrar nosta ca-
sa ? Nio : he preciso, que a votarlo o coloque em cer-
lo lugar, e que elle esteja em certas circunstancias.
Techo, pois, mostrado, que a commissao obrou em
regra, e que, no parecer, que deo, respeitou a conslilui-
co, o regiment, e seguio os precedentes estabelecidoa
pelos nobres deputados ; porque nao se venflcao as cn-
dilo, s, que a li exige, para um lupplente ser sdmltti-
dc, que rao duas : t.*, a legalidade vcricsda do impe-
dimento; 2', a ordem da votacSo; porque, emquanlo ha
mals votados, elles teem preferencia aos menos votados.
Islo he muilo claro. E, como a comuiIssSo nao vio verl-
Ilcadas eslaa condicSes, nao poda admillir o Sr. vitcon-
de de tioianna para tomar assento Voto pelo parecer,
O Sr. D, Manoel: Sr. presidente, comecarei o meu
dheurso orno prlnciplou o Beu o Sr. depulado por Per-
oaubuco. Nao se me ultribuau inteuces smislru, quan-
do sustento ou cmbalo um parecer nesta casa : a jus-
tica, eia juslica he, que, al boje, tem guiado o meu
voto, e he ella, que me faz erguer a minba fraca vot,
para pateotear a ir.coberencla do parecer, que se discu-
te. Se eu quiesse seguir o exemplo do Sr. deputado, a
quern me redro, poderla dizer, que o parecer da com-
miso da poderes he mals um resultado do terrivel es-
pirito de partido, que desgracadamente domina no paii.
O Sr. Hachado : Ota obligado ; aabe o viscon-
de a que partido perteoco ?
O Sr. Manoel: Eu poderla tambem diier, que
a Ilustre ommiiso...
,0 Sr, l/rtano podeila e diz.
O Sr. D. Manoel: ... ofuslando-se dos scus prln-
elpios, e seaumdo um precedente contrario...
O Sr. Urbano : Eu tambem poderla dlier muita
cousa.
OSr. D. Manuel: A meu reapello? Nio tenho o
menor recelo, e desafio ao nobre deputado a que diga
ludo, sem a menor reserva. Assim falla quern tem a
consciencla tranquilla.
Alguns Senhoret: Todos a teem,
O Sr. D. Manoel: N5o o neg; mas permftt-me,
que eu tambem a tenha.
OSr. N. Machado: Mas nio he preciso repetir to-
dos os das.
O Sr. D. Manoel: Todos os das, todas as horas e
lodos os instantes. O orguio ho um triste vicio ; mas,
quando se he provocado, quando se fazom insinuarles
de certa ordem, quando se diz, que se quer apresenlar
taes e taes (actos, he do dever do homem de bem diier
apresentat-os. Ser isto orgulho? Se he, eu o tenho
em grao elevado.
Sr. presidente, a quesiao.de que se trata, n5o he pro-
piamente constitucional, porque a constftuicio nada
diz acerca de supplentes ; as instruccocs do rl de mar-
co de 1S24 he, que devemos procurar as regras, pelas
qines nos devemos dirigii na admiss3o destes assim
como no regiment da casa. Ora, se com elTelto nos aqu
lossemos magistrados, quo na decisSo de um objecto
teem de atlendcr a todas as formalidades, talvez ainda
fosse admiislvel o parecer da Ilustre commissao.
O Sr. N. Machado : Aoceito a confissSo.
O Sr. D. Manoel: Talvez nao goste da conclusao
final.
O Sr. N Machado : Gosto.
O.S'r. D. Manoel: Ja nesta casa, na sessaodel8*3,
quando se tratoj da admissao do Sr. Ernesto Ferreira
Tranca, como supplente, eu, em resposta a um illustre
depulado, que hoja tem assento no senado, o Sr. Rodri-
gues Torres, disse, que, segundo a opiniSo de um dis-
tincto escriplor, pensava, que, em casos taes, os corpns
delibrenles sao um grande e santo jury, que (leve jui-
na r na boa fe de sus consciencia. Ora, tendo cu certeza
de ,|iie o Sr. Ernesto era o verdadeiro e legitimo sup-
plente, e de que o depulado ordinario nao vinha tomar
alenlo, n3u varillan; em volar, para que o Sr. Ernesto
fosse admittido como tal, embora se nao tivessem obser
vado a re.speilo delle todas as formalidades exigidas pe
las insliuciors de ^(i do marr;o e pelo regiment da casa.
A cmara, em grande maioria, votou segundo a mioha
oploiio ; e he do advertir, que nesse pailamento, que
oertaDiente nao respeila menos do que nos os principios,
ceitas lormalidades sao umitas veies dispensadas pelo
principio de que ellas formaoum verdadeiro jury nacio-
nal. Yernos ao objecto de di>cussao, A cmara munici-
pal de cidade d Recife < fliciou ao Sr. visconde de Goi-
anna, remeltcndo-lho o diploma, para poder tomar as-
sento, como quinto supplente pela provincia de Pernam-
bucu, visto que bem os deputados ordinarios, os Srs
liaro da Bua-Visla e Pedro Cavalcanti, nem os outros
supplentes mais votados o podio fazer, como alllrma a
mesma cmara. O quo se dove inferir do dilo oflicio ?
ijue aquellos deputados o supplentes participArio c-
mara do Rocile, que nao comparecenao 6 cmara dos
Srs. deputados na presento sessao. Seria por ventura
mais conveniente, que a cmara municipal fosse mai6ex-
|iln ii' no m u iiilu io ; mas nem por isso deixaestode ser
um documento oflicial, que para mim lem toda a for^a.
Podo-so presumir, que urna coiporecio Ui> respeitavel
quiesse engaar a cmara dos Srs. depul., exprlmindo-
se pela mam ira, per que o fez, no oflicio, que dirigi ao
Sr. visconde de Goianua .' Nao recelada ella incorrer na
grande responsabilidade mural e legal, que devia resul-
tar de semelhanle aclo ? No poda a cmara ser logo
desmentida, apreseritando-se aqu os deputados ordina-
rios ou supplentes, e dizendo: nada ollicimos c-
mara municipal; o que ella alliimou he (Denoto ?
Senhures, nao se pode nem levemente presumir seme-
lliiilv cousa ; seria multo mcessario, que se apresen-
lussem provas evidentes, que demoiislrassern, quo a c-
mara municipal do Recife tinlia piocedido por esplrll
de piulido o por uiolivos menos decoiosos, para que o
ten oflicio nao podesso merecer le. Emquaoto su nao
apieseiit.ui in laes provi.s, liri de dar todo o crdito ao
documento ulllcial, que acouipanhou o diploma do Sr.
viscoude de tioianna.
O Sr. A. Machado: Eu nao fallci em acreditar ou
nao.
U Sr. Manoel: Pois nao ouvio o aparte do ne-
bro depulado ? Il a elle, que eu me retiro.
O Sr. JS. Machado: Ao I
O Sr. Manoel: Nao disse esse nobre deputado,
que a cmara municipal linha procedido por espirito
de partido.
O Sr. Villcla Tarares: Eu disse, que a cmara
municipal tambem se icsenle do espirito de paitido.
O St. D. Manoel: Ah muda de figura. Portento,
COtUo o parecer da couiuusso ndo deslroe o documen-
to, nao podo por cello lar approvado: e, so b m que fal-
len! algumas formalidades, em que tanto iusistirao os
Ilustres deputados, que me prcecTo, eotendo, que
ellas podeui ser dispensadas, e assnu se leui praticado
multas leiei nesla esa. Como so l.illou em precedentes,
justo he, queeu laubem loque i.elles, e he com elles,
que eu tainbem quero cumbater o partee: em diteussao.
si. presidente, eu nao posso dtixar de contestar, que os
precedentes teem variado ; mas, sem ir buscar os das
transadas legislaturas, mencionare) os quo leem havido
na actual. Ja se lalluu do precederte bavidu conioSr.
Jos Pedro da Silva ; uias a cmara mu penoitlir, que
eu reale a bisloria detle precedente.
O Sr. Urbano : Ja o aabem.
O Sr. U. Manoel: Talvez nao saibo ludo ; por
isso be buin recordar.
No principio da primeira seiso do anno lindo, creio,
que um oobio deputado pila Babia fez urna indicaco,
para ser chamado u primeiro supplente pela provincia
Uo Rio-Grande-du-Norle, vislo nao tor cuegado o de-
pulado loilo. A indicac5o foi, cumu do costume, re
meltida A commissao de poderes; dias depois, apresen-
tou-se um diploma e ollicio da cmara municipal da ca-
pital daquella provincia, dirigido ao Sr. (JueirozCou-
linbo, eleilo primeiro suppleule; sendo ludo remelli-
do i mesma commissao dehjjlu o teu parecer contra
a adimsiao do Sr. (ueiroz'Coutinho, com o funda-
mento ( note se bem) de nao constar ollicialmenle, que
o deputado ordinario, que beoSr. Albuquerque Mara-
ahao, deitatie do vir tomar assento. Passadosdias, meus
Seuhoies, ebega a iflrle .. Sr. Jos Pedro da Silva, di-
lecto oiembro. A. -
O Sr. A. Alachado : Da praie.
Sr. 1). Manoel: Eslimado correligionario de
muitos Stnboies.
O Sr. A. Machado : Da praia.
OSr. U Manoel: Nao sequerendo demorar a
entrada do Sr. Jos Pedro....
Algn Senhore: Oh oh !
U Sr. I). Manoel: Tenhio paciencia, nao io io-
commodem.. Ah se eu podesie cootar todos o par-
ticulares (rtiadae.)
O Sr. Urbano: Se eu podetae contar tambem os
particulares...
OSr. D Manoel: Cont o meus; dou-lhe li-
cenca*empla.
O Sr. Urbano: NSo me refir ao nobre deputado.
O Sr. D. Manoel: Ah enlSo la e ajranblo.
NSo querendo, pois, demorar a entrada do Sr.Joi
Pedro, appareceo finalmente um parecer favoravel ao
Sr. Queirox. porqye vinha apadrinbado com o Sr. Jo-
s Pedro. Pergunro eu; constara officialmente, que os
deputados ordinarios por Pernambuco, e pelo Rio-
Grande-dn-Norto nSo vinhao tomar assenlo ? Apreien-
tou o Sr. Jos Pedro diploma ? NSo. Senhores ; e en-
tretanto a commissBo mudou deopiniSo, e mudou em
breva dias. He certo, que o Sr. Queirox apenas esleve
lustro dias na casa, porque chegou o Sr. Marsnbio.
He isto coherencia, meus-Senhore ? He iito proceder
com juitica ? Diga-o o paii inteiro, que nos ouve e noi
julga. Vamos a oulro precedente. Apresenta-se urna
indicarSo, para ser chamado como supplente pelas Ala-
guno Sr. padre, Adorno. AeommisiBo de podere deo
parecer contra, porque nSo se sabia officialmente, quo
o Sr. Lopes Gama n5o vinha tomar assento, *im como
o Sr. Lisbda. Poucos dial depois, ha o Sr. padre Aflonso
chamado para tomar Bsenlo pela mesma commisiSo.
ru antes se havia opposlo a isso, E pergunto, hua
. Consulado. .
Rendiuknto do da 27.
Geral............................ 934#773
Provioeial........................... U36S4
Diversas provincias................... 50o5
1:085^ai2,
"Mwimento do Porlof
A'aviei eohidoe no dia 27.
Antuerpia; galeota blgica Mereator, capillo H. Vio
Coppnollo, carga aiiucar e maii generes.
Rio-de-Janeiro; briguo americano Shaumut, capillo
Royal G. O. Leggine, em lastro.
Editaes.
Miguel rchanjo Monteiro de Andraie, officialda im-
perial ordem da Roa, cavallrito^da de Chrio ,
e intpeclor da alfandega da provimJe Pernambu-
co, por S. M. I. eC, que Dtoi guametuc.
Faz sabor, que no dis 29 do correle, ao^eio dii.
o na porta da alfandega, se ha de arrematar unra^csixi
com livroi impressos, no valor de 199.223 ri., impag-
partieipacio oflicial deque os doui depulados onlina- nada pelo guarda da alfandega Joi Jaeintbo doi San-
rios n5o compareciSo ? Ha incoherencia mais manlles- loi.no despacho por factura de Francisco Severiino
Rabello & Filho: sendo dita arrematado subjeiti io
pagamento dos direito.
Alfandega, 27 da julho de 1846.
Miguel A'chanjo Monteiro dt An\jmi,
Miguel rchanjo, ele.
Faz saber, que no dia 31 do correte, ao meio dii,
e na porta da alfandega, le hSo de arrematar as segua-
te! madeirss, que lorSo do trapiche velho da mesma ,
a saber: doui pares de rodas de pao do guindaito, lOj
rs.; cinco poi'comprido. 8> rs.; nove estivas dem,
compareciSo
la eleviandade mais inqualificarel ? (Apoiadoi.)
O Sr. S. Martine : He o syitoma depuratorio.
O Sr D. Manoel: Vamcs a outro fado. O Sr.
QueirozCoutinbo be o primeiro supplente pelo Rio-
Grande-do Norle, e querendo talvez evitar algum des-
gosto, nSo so quiz apresenlar na casa, embora n$o ti-
vessovindo o deputado ordinario. Indica-se, para que
ello seja chamado; a indcacio he demorada na commis-
sao quasi um mezv e l depoii be, que apparece o pa-
recer ; talvez porque a commissSo j nao podaste wp-
portar o peso dos remorsos.
OSr. Urbano : So proprioi de nobre deputtdo;
be mais ctpat de os sentir.
OSr. D. Manoel: Nole mais a camtra, que oSr.
Jos Pedro teve assento sem novo parecer, e para o Sr.
Queirox foi preciso parecer, e parecer demorado por
quasi um mez. Sera iilo justica ? Ser islo imparciali-
dade ? NSo, por certo. O Sr. Jos Pedro he correligio-
nario poltico, e o Sr. Queiroz nSo. Eia como ce expli-
ca o procedimento da eommiisSo. .
OSr. Urbano : He falta de lealdade, ou de me-
moria.
Um Sr. Depulado : Isto nSo heconciliar.So.
O Sr. I). Manoel: NSo ha conciliaeSo entro prin-
cipios opposlos. Sr. presidente, se eu estivesse no caso
do Sr. Queiroz, eu roe (eria apresontado na casa desde
o primeno da da 6e>s3c, e della nSo sabiria, excepto se
praticassem rornmigo o oiesmo, que se fez em Franca
ao deputiido Manoel. E se ot Ilustres membrot da com-
missSo entendiio, que o Sr. Queiroi poda tomar asien-
to sem novo diamntenlo, porque o nao declarrSo no
parecer? Se essa ora a opini3o do Sr. deputtdo por Per-
nambuco, poique se nao tssignou vencido'! Eu nSo ve-
jo em ludo islo sena > incoherencia, e o terrivel etpii-
lo de ptrlido.
O Sr. deputado, membro da commissao, ainda an-
iel do comee.tr o leu discurso, not tinha moitrtdo um
papel, que diste estar assignado por mim, e no qutl
achava um grande argumento em favor do parecer. Fez
tantos escarceos, quo todos suppozor3o, que deslave'
eu seria adiado em contradiccSo ; mas, Senhoret, o Itl
p pe! na > foi mais do que urna arma, com que o Sr. de-
putado mais so ferio. O que conten o lal papel ? Lim
parecer da commissSo de cunsliluicSo de 1845, de que
eu fazia parle, a r> s; cito de um supplente pela Babia.
\ cmara ouvio lr o dilo parecer, que nSo he maitdo
que um reiumo do que te conten no oflicio da cmara
municipal da Babia, remetiendo o diploma ao dito sup
penle. O quo fez a commisiSo? Foi de parecer, que
apezar de faltarem algumas formalidades, se devia dar
assento ao supplente, visto ser sabido, que o deputtdo
ordinario nao compareca. Ora, a cama rt esleve ees
pera da denota, com que forSo ameacadoi osmembroi
da dita commiiiSo, conservou-se m grande silencio, e
por lim rio-se, e com rasao, da maneira, por que o Sr.
depulado por Pernambuco cumpli a sua prometa; el-
le mesmo senlio t sua falsa posi(So, o conbeceo, que o
rilo da cmara era a resposta mais cabal, que la Ihe po-
derla dar. I'evo cmara, que note a coherencia do pa-
recer api e-enl-do palo Sr. depulado com tt raides, que
acabo do produxir, para com luler o que le tebt em dn
cussSo. Eu ainda pnderia dizer mais algum cousa; mal
guardo-me para quando de novo podir a palavra. Vo-
l contra o parecer, o a favor da emeoda oHerecida pe-
i illuslro deputado pelo Rio-de-Janeiro. (Apoiadvt,
muito bem.) (Continuar-te-ha.)
m
(KOBO rs.; dous guindastes e maii tuairts, 26* rs.;
oito pdaeos do peo,que seachao no Jppche do algo-
dous vtrdet de ferro e maii ferragent, 17s'6i0 n.
Alfandega, 27 de julhodo 1816.
Miguel rchanjo Monteiro d* Andraie,
O doute-r Jote Tkomat Nabuco de Araujo Jnior,
/dalgo cavalleiro ta cata imperial, cavalleiro da
ordem de Chritto, ejuit de direito do civel desta to-
mar ca do llocife de Pernambuco, por S. M. Le
0., que Deo guarde, fe
Fico stber.que te ha de arrematar por venda, a quero
man der,noi dits 29 de julho,1 e 5 de tgotto vindou-
ro, urna caa terrea sita na ra Direita doi Afogados,
n. 36, com 10 palmos da frente e 65 do fundo, com
Cuiinba dentio, quintal muradu e purlau, em cbaoi
proprios, avahada por 480,000 rs.; penhorada por
execucSo dejoanna Mara de Jexut i Henrique Joi
Brtinede Soutt Rangol.
E, para que. chegue a noticia de todos, mandei linar
o preiente, que lera i Hilado no lugtr do costume.
Recite, 30 de junbo de 1846. Eu, Jote Juttino
Fernandee Souia, escrivo o eterevi.
Jote Thomax Xabucn de -4/aujo Jnior.
Ao sello 100 rs., e valba lem sello, ex-cauta.
Nabueo de Araujo Jnior,
Miscellanea.
NOVA LOCOMOTIVA.
M. Coloman, engenbeuo civil d. s Estados-Unidos,
que resido actualmente em Londres, nvenlou urna lo-
comotiva, capaz, -em auxilio de nenbuma (rea motora
externa, segundo se diz de subir e descer com a maior
(anudado os mais rpidos pendores. O inventor reque-
reo privilegio doinvcncSo introducto desta machi-
na, que seria na reolidade summamente til, salisfa-
zendo o teu lim, porque evitara na conslruccSo dos
caminhS lencos os aterren, vitduetot e tunis, que i
tur nao ISo dispendios!, visto que por este modo se po-
derla eslabelccer ot canil por mntete vuile seui necei-
lidade d'ettet Ira baldos.
Parece, que a lociedade polytecbnica de Londres li-
zera construir un galera do palacio, que eiia occupa.um
aitoai ascendente para ntaio da locomotiva de Cole-
man. Este carril deve ler ttenla ps inglefs de ex-
lensao, ooieu pendor he na raio de oiloceotot p
por milht, formando um rreo de curva irregular.
(lttvi.,ta Universal Li'bonnense. )
Deelarac;es.
ARREMATACOES. QUE SE TEEM E EFFEI-
TUAR PERANTE A THESOURARIA DAS REN-
DAS PROVINCIAES.
DIA 12 DE AGOSTO PHOXIMO FTBO.
Na estrada da Victoria ai obrat :
Do 14." Unco oratdas em........10:823*438
Do 15." ,......15:561*428
Da ponto da cidade oreadas em. .... 13:966*803
0 arsenal de guerra compra azeite de carrapato, de
cuco, fio de algodo e paviot: quern ttet generotqui-
xer fornecer, mandar tua propoita em caita lecbtdt i
directora do mesmo arsenal, al o dia 29 do corrente.
Arsenal de guerra, 24 de julho de 1846.
No impedimento do etcriplurario O amanuense,
Joo liicardo da Silva.
Carlas seguras existentes no correio geral desta
provincia para ot Srs.:
Francisco Cordeiro Itaporo Francico Machado
Rrindeiro (comarca do Brejo), Ignacio Francisco Mtr-
tint, Mtnoel Porfirio Ctitro Araujo Joaquim Jote
Quirino, Manoel Joaquim de Miranda Lobo, M-noel
Carneiro de Suuza Lacerda, Antonio Marques de ba-
rias, Jqfto Francisco de Madureira Para, Filippe Ctr-
neiro de Olinda Campello, Manuel Tbom de Jess,
JoSo Antonio Lingueta.
PAGADURA MILITAR DE PERNAMBUCO.
T'ereeira vez se annuncia, que, nSo comparecodo
licitante algum para lmar em ai sobral dts eltpti
de torna-viagem da ilha de Fernando, qud perante fi-
la pagadura forSo pollas em Insta publica segunda vez;
cujas sobras tSu de carne tecca, farinha, vinagre, bo-
lacha, leijio e cal moido; assim romo tceos vtiioie
dout birria : a quem coovier taes gneros, ot poder ir
ver no trienal de guerra.onde exittem em depoiito.ptra
no dit 30 do correnle mez tu lim a precita arrematt-
ian de ttet generoi.
Pagadoria militar de Pernambuco, 27 1846. Oollicial di ptgadoria,
//'te'iitf [iutd.
UlvlME altO.
Alfandega.
Bendimento do da 27............
Uetcarregdo hoje 28.
Brigue Yolofmerctdoriat.
trea Aiab a/eile de poixo.
Patacho Hetiievelabotdo.
SuiDcF/or-do-4iig/Bi_ foijio.
:724*227
BGBBQaBB.
AVISO AOS ACCIONISTAS EU ATRASO.
A adminittracSo da comptnhia do Boberilie manda
publicar o seguinto trecho da acta da sesteo de rt do
correnle :
OSr. Manoel Goncalve da Silva, caita da eom-
ptnbit, tpreientou ai suat contal, mmlrendo o tildo
i leu tvor de n. 2:162.860 ; e recoobecendo a edmi-
nilracao, que cite dficit era devido falla de enln-
dat, e quo nio poda continuar a ter eonlernpltcSo coro'
ot tccionitti em atraso, tem prejudicar o caita, ou 4
comptnhia, retolreo por im uecu9lo o rligo 9.* d<>
ILEGIVEL l


eflilutoi; mai, a pedido do. mesmo caiie, concordou
em oipacar ocumprimeolo deU resolucio at o ulti-
mo de agosto prximo vtodourp.
Adverle-so, portante, aoi Sr's. accionistas, quo nao
cofhpletiirao as suas entrada at 70 por cenlo/que, fin-
do este prazo, que ser improrogavel,-perders o di
,eiio do accionistas o que ainda estiverem era atraso,
reverteodo ai prestarles realiaaUa em favor da compa-
Eriplorio da companbia de Beberibe 26 de julbo
de 1816. O.ecret.rio
Benlo Jote remandes Barroi.
Avisos martimos.
Para o Porto aabir, noate oito dias.o brigue por-
tugus Maria-Felit, capillo Antooio Luii Gomea:
quem no mesmo quizer oarr.egar ou ir de passagem,
inle coro o dito oapitio na praca, ou coai Antonio
Joaquim de Souza Ribeiro.
Para qualquor poito do Norte ou Sul, est a fretar-ae
i hamaca denominada Notta-Senkora da-Ptedade, no-
ta e bem eontruida, de lote de 30 cauas: oa preteo-
dentes.para a verem.dirijio-seao Forte'-do-Malto.aop
do trapiche do algodSo.epara a fretarem, a ra da Crui,
renda de JoSo Jos Rodrigues Lolller.
- Segu para Maoei, ateo da 31 do correte, a
rumaea S.-Balbina : quem na mesma quizer oarregar ,
ou ir de passagem dirije-ae ao armaiem de larmha,
tocaeajo Collegio.
, sasHpra o Aracaty sai, (npretenvelmenle no da 4
Je agosto o brigue-escuoa S. -Ouz : quem no mea-
mo quizer csrregar, diri|a-ae a Novaea Companbia,
o ra do Trapkbe, n. 3.
Para o Kio-de-Janeiro seguir breve o brige Aui-
ral: quem no mesmo quier carregr, embarcares
cravosou ir de passawm, pode tratar com Amorim Ir-
mios, ra da CidjiJJr n. 45.
eiies.
Oeorretor Olivera (ar leilio, por ordem do Sr.
eoasul americano, eporconta e risco de quem per-
leocer, de 192 barrieaa de larjnha de trigo (marca
Gallego), pouco araada, cbegadaa prximamente de
Sileo pelo brigue felrieve, capito J. R. Franka :
boje 28 do correte as 10 boras da manbaa ,
un srmaiem de Joaquim Lupes de Almeida, por detres
do theatro velbo. #
O corretor liveira far leilio de arias hiendas
ds lo|a do fallido Joaquim Goncalvea CascSo, arres-
Isdss pelos cretlore deste, e assim maia de dous anneis
dobrilbantes. e de um alfinele de peito de diamantea:
ouarlB-feir, 29 do corrnte, as 10 horasda manbaa, no
eicriptoriodo Sra. Matheus Austio & C.rua da Alfan-
dega-Vdba.________^__^_____^___
Avisos diversos.
=Precisa-ae alugar urna preta forra ou captiva, para
vender verduras, pagando-se bem: quem quizer an-
nancie.
vyAdverte-se ao Sr. Ferdinand
Celier, que venha pagar
a
cjuanto
antes, na "ra da Cruz, n. 48,
quantia de onze mil e sessenta
res, importe de fazendas com
piadas por sua merc emdezembro
do anno passado, com a condico
de serem pagas a vista. O annun-
ciante, nao se querendo cansar
irais em mandar a casa de sua
merc, faz o presente annuncio, u-
sando, no caso de nao ser pago at
o dia 31 de julho, demeios judi-
ciaes.
Preeisa-ae de um jantar diario para dua peisoas,
feito em cssa particular. Nio se exige grande varieda-
de, e nicamente milito asseio. Nesta typogrephia se
daiao informales mais exactas.
Perant o Sr. doulor ju do civel da segunda
vara se bao de arrematar as boras do coslumo no
dis 29 do correte um escravo cabra penbotado ao
major Filippe Duarte Pereira, poi^iecucSo de Anto-
nio Jos da Costa, e um terreno sito na Boa -Villa em
una travessa da ra dus Coclbos penhorado aos her-
deiros do finado Manoel Francisco LagOa por execu-
c5o de Arcn i o Fortunato da Silva. .
A olicina de encadernaco que o padre Lemos
e Silva dirige, em a ra de S Francisco amigamen-
te Mundo-Novo n. 66 aclia-se provida de todo o
necessario para o bum desempeobo de qualquer obra
deencadernaco por mais rica que sejo, assim como
lem e aprompta qualquer emblema jpropriado a
meimas obras.
Fabrica de chapeos de sol,
ra do Passeio-I'ublico n. 5.
Joio Loubt tem a honra de participar ao respeita-
vel publico, que acaba de receber de Franca, pelos lti-
mos navios francotes, um bello sortimento do ultimo
gosto, sendo: chapeos de sol para honiem e snhura ,
de seda lisa lavrad'a, e iu.rta*crcs, com cabos o cas-
lei muito ricos ; sedas de lodts as cores, e quelida
dea panninuB L-iiiiiiiiv>"! e liso; ludo para cubrir
chapeos de sol ; chapeos de sol depanninho de todas
as cores para hornero com cabos e easje ricos :
lainbem concerta os msmos tanto de bomem como
de seo hora ; poi tem tudo quanlo be necessario para
os ditos e prometa moila brevidade, para fater qual-
quer concert : tudo por prejo com modo.
= Aluga-seuma boa casa, tjm grande quintal
plantado com o maior anejo cacimba com boa agoa
de beber, a melbor, que sjatem visto com par reirs,
figueiras romeiaes, e multo mais arvores de fiucto ja
dando do principio da estrada dosAWictos junto aol
ili de D. Lauriaona ao p do Maoguinho ; outra
-c terrea com aotao corrido muito fresca por leajyificar
4 janellai envidracaJas, sita no becco do Serigado ; a
tratar na ra da Cadeia do Recife n. 25.
AlugSo-se doUs sitios, um na campia, e o outro
na ra da Casa-Forte,ambos com boas accomsnodscSes;
o primeiro andar do sobrado amarello da ra Augusta,
a loja do mesmo, propria para venda; urna loginba na
Iravessa do Monteiro; os terceiro o quarto andares do
aobrado da ra do Amorim, o. 15: trata-so no primei
ro andar do mesmo.
=AlugSo-ie as (res casas terreas da ra dos Guarara
pes em Fra-de-Porlas. ns. 13,14 e lo, e o segando
andar da casa nova, o. 9, travessa do Dique, bairro de
Santo-Antonio: a tratar com Antonio Joaquim de Sou-
za Ribeiro, ra da Cadeia, o. 18.
=O0erece-se urna mulher, j idosa e de capacidad?,
para ama de casa de homom solteiro, ou de pouca fa-
milia: quem precisar, dirija-se ao becco do Rosario,
n. 2.
= Na ra do Rangel, sobrado de um andar, n. 43,
faiem-se eapanadores, tanto ordinarios como borda-
dos de ouro lino, por prego mais em conta do que em
outra qualquer parte; o tambero se precisa de urna
preta fiel para so alugar, e que sirva para vender.
Preeisa-ae alugar um preto mentalmente que
entenda do servico de casa ; na ra do Trapiche ,
armaiem n. 34.
O Sr. A. P. C. queira ter a bondade de vir satista-
zer a divida que cootrahio em 29 de novembro de
1842, de 52,400 rs. .noprazode ludias; lindos os
quai's se vender o peobor, qun deixou para real
embolso e sem responsabdidade alguma. Na ra larga
do Rosario o. 24 loja de miudezas de Victorino de
Castro Moura.
Aluga-se urna padaria com os principaes uten-
silios prompts a trahalbar com muitos bons com-
andos mesmo para outro qualquer estabelecimeolo ,
na ra Imperial contigua a fabrica do sabSo : a tra-
tar na ra Itireita n. 82, primeiro andar.
Bernardo Duarte Brando embarca para o Rio-
da-Janeiro os seus escravos Gregorio e Jos, pardos, e
Luzia e Josepha crioulas.
Agencia de passaportes.
Na ra do Collegio numero 10 e no Aterro-da-
Boa-Vista loja n. 48, tiro-se passaportes para dentro e
fra do imperio,assim comodespacho-se escravos: tudo
com brevidade.
A PUBLICO.
Quem quizer ter um cabal conbe-
cimento da grande questo, que temieito
o Diario Novo pela absolvicao do res
ponsavel pelo priodico Carranca no
jury desla capital leia o ultimo n. do
Lidadur ( iaa), e avahe at que pon'o
cliegou o negocio da illia de Fernando
O assombrado.
O Sr. alferes Jos Antonio de Carvalbo Dantas
queira por obsequio dirigir-se a ra do Queimado,
n. 4, a negocio, quo muito Iho interessa. .
Antonio Joaquim da Silva Castro mudou a sua
residencia para a ra do AragSo, sohradode um andar,
a. 43.
Quem quier urna ama de leite, pode procurar oa
ra dos Pescadores, n, 12, por detris do S. Jos, que a-
chara com quem tratar.
Alugio-so as soguintes casas: um sobrado do dous
andares com tojas na ra da Aurora, n. 20; outro dito
de um andar com aoto na ra do Sol; outro dito com
sotSo, lujas, quintal e cacimba na ra do Sebo, n. 30.
por 3000,000 rs. annuaes; os dous terceiros andares
dos sobrados, ns. 4 e 6 do Alterroda-Uoa-Vista; urna
casa terrea com quintal, cacimba e mais commodos
para grande familia na ra do Seve. n. 3; outra dita
pequea na ra da Matriz, n. 33, por l> as. iiu-n-
aes: quem pretender, dirija-se ao escriptorio de F. A.
deOliveira & Filho, na ra da Aurora, n. 26
Roga-ae ao Sr. J. J. G. o favor de pagar a quantia
de 19,780 rs., que deve a pessoa, que nao ignora, na
ra da Crui do Recife, istono prazo de tres diaij pois
ha perlo de dous annns, que be devedur da dita quan-
tia: e nao o fazeodo, passar pelo desgosto do ver o seu
nome por extenso neste Diaria.
Aluga-se urna preta para andar vendando po ou
outra qualquer venda em companbia de outra pessoa;
a qual aluga-ae des.de as 6 horas da manbSa aso da
tarde: quem a pretender, dija-so a ra do Horario da
Roa-Vista, sobrado, n. 32.
Quem precisar de um criado portugus, ilho das
ilhas, para o servico de qualquer casa, e que d fiador a
eua conduta, dirija-se a ra Forraosa, n.l, queahise
dir quem be.
=0 abaixo essignado,tendo salvado urna canda, que
representa ter sido barcaca, que, tendo ido por agoa
abaixo, estava atravessada na< amarras da barca por-
lugue/a Parnomoucono, e nastJe outra embarcacSo in-
gleza, quo se achava emparolhada, mandou por seus
jornaleiros segura-la, e a fez conduzir para o aterro,
at que appareeease seu legitimo dono :e appareccnJo.ha
das, umSr., que diz ser sua, e ficando oo ir receber.
al o presente n8o be apparecido : por isso se faz
publico, que, se no for receber no prazo de 10 das,
contados da data deste, nenbum risco se Ibe correr, e
ero se responsabilisar por ella, sobre extravio algum;
nas ssim justificar-se-ha em presenca das auloridada
iudiciaes.em como se a salvou naquelle estado,em que se
Jaehou co dia 12 de marco do correte anno, sem que
dclla se utilisasae o aonuncianle para couaa alguma
Fra-de-Portas, 26 da julbo de 1846.
Bernardina Jote liodrigun Ptnheiro.
Faiem-se quaesquer cortinados,qur para cama.qur
para janellas, qur para quaesquer decorsees de sala de
heile ou sociedade, lasendo ae tambero quaeaquer fura-
edes de cadeiras de qualquer feitio que sejio; fazem-
se colchos elsticos de todos os tamanhos; cmfimlulo
quanto for concernente a tapecaria, e com a maior
promptido e por pre?o mais rasoavel.que for possivel:
oa travessa da Concordia, n. lo.
.Vital Pereira Silva Belmont vai fazer urna viagem
pelo interior desla provincia,e do das Alagdas.
Perdeo-se urna caeta pequea dourada, tendo
escrito no p da mesma o oome deSarah, e tambero
um sioetaziobo dourado : quem achar, queira resti-
tuir na praca do Corpo-Santo, o. 11, que selbegra-
Concerto-se as alampadas, chamadas carcelles,
com machina ou sem ellas, com toda a perfeiclo e
promptidao, reaponsabilisaodo-se o concertador pela
falta do andamento,e porprer.o commodo: no tftvessa da
Concordia, n, 13, detrs da torro do Carmo.
Precisa-se alugar urna ama com bom e bastante
leite; pessoa forra ou captiva: quem eativor nestas cir-
cunstancias, procure na ra da Cruz do Recile, n. 18,
segundo andar. Na mesma casa ha quarenta vasos para
florea, do bonito padrSo, de barro aasat (orto, proprios
para jardim, e que vendem-se por prec,o commodo.
Desappareceo, no dia 12 do correte, da Ireguezia
de S. -Jos dos Beterros, do sitio do RoqueirSo, um fi-
Ibo de Fernando Antonio de Macedo Guimarie, de no-
me Manoel, branco, de idade d 12 annos; levou ves-
tido can,isa e ceroula de algodio, cbapo velbo de
couro; cheio do corpo, ps curtos e cambados, rosto
redondo, com algumas piotas de sarnas, olhos easta-
nbos, cabellos louros, naris afilado; e as costas da mu-
nlieca da mioesquerda tem um loinbinho Ruga-se as
autoridades policiaes, quando do mesmo tomem co-
nhecimento, deem parte ao referido pai em Bezerros,
e nesta praca, ns ra das Cinco-Pontas, n. 71.
Preoisa-se alugar urna casi de dous andares, ou
mesmo dous andares, as ras : do Collegio, Cadeia,
Cruzes. Queimado, larga do Roxarjo o Nova : a tra-
tar na ra do Quuimado, n. 12, ou annuncio.
O abaixo assignado fi publico, e principalmente
aos moradores da pavoaco de Beberibo, quo comprara
a Manoel Pereira Lemos e sua mulber,porescriplura pu-
blica, as partes dositio de Heberibe-de-liaixo, pertoda
povoafao do mesmo nomo, cujas partes os ditos vende-
dores bouverao por compra aos herdeiros, filhos do fi-
nado Jos Vellozoda Silva, e ao capitio Manool Soares
ile S lu, quo houve por herancado fallecido seu pai
Francisco Antonio de Oliveira, casado quo foi com An
na Mara Joaquina, j fallecida, sendo esta irmaa do
dito Velloso, e lilhos de Antonio Jos Uarboza E.como
os ditos vendedores declararlo na escritura, que o ir.
JoSo de Alluino Sisnoiio estava de poste de um peda-
co d (erra da baixa do mesmo sitio, por issso o abaixo
assignado roga ao mesmo Sr., baja de entender-so
com elle a este respeito narua do Kangel, n. 17, ou
declarar a sua morada, para ser procurado,
Jo' Flix da Cruz e Silva.
Est em casa do abaixo assignado, morador aloi
da ponte do Cachang, um escravo, quo diz chamar-
se \ cente, o quo foi l'uri do, ba lempos,com o nome
de Antonio; falla muito mal, e n.io sabe dizor.qual soja
>ua n,ii; ni, porque diz ello tervindo pequeo Exa-
minndose, quem era seu primeiro senhor, disso, que
oiorava entre Paulista e Parahiba, o quo iho cbauavu
major; dissemais, quo dito seu senlior enmrgava pou-
co, levando o ohjecto perlo dos olhos. A vista do pre-
sento annuncio, pudo eile dirigir-e ao dilo lugar,que,
dando os demais signaes, Iho ser entregue o escravo,
advertido, do quo existe alguma detpe/a com o dito.
l'iancisco Xavier da Cunha.
= Precisa-so do umofilcial de bahuleiro quem es-
livor nestas circunstancias dinja-s a ra da Madre-
de-Dcos o. 23 para tratar do ajusto.
= RehBlem-so ordenados e ttulos pertcncentef a
tliesuunri provincial : na ra das Triocheiras ao-
brado n. 50.
a id ey 9
Joaquim Lopes de JJarrot, La- *
bral, pintor senographico e retra- *:
tist, faz sciente ao publico, que tira +
Compras.
Compra-se urna casa terrea sendo na ra lar-
ga do Rotario. o que nio exceda de lOOOja 1:200
rs. : quem livor, annuncio por esta fol'ia.
ComprSo-se, para fra da provincia, escravos do
ambos os sexos do 14 a 20 anno; com bahiliaades
ou sem ollas; sendo de bonitas figuras paaao-se bohi:
assim como um escravo perito oQi lal de calafate ; o um
sellim ingles em meio uso com lodos os seus perlen-
ees e queesteja em bom estado : na ra das Cruzes,
n. 22, segundo andar.
Compra-se na ra largado Rosario, a;ougue
n. 11 umsepo de cortar carne e do madeira muito
dura, sendo do comprimento de 11 a 12 palmos ecom
3 e meio a 4 de Isrgura ; paga se 25 a 30,000 rs. : as-
sim como um armario de vidrac,as, em meio uso.
Compra-se urna preta n,ooa costureira e en-
gommadeira sem vicios nem achaques ; na rus da
Cruz, n. 45 em casa de Nascimento & Amorim.
Compra-se cobre virilba-funda a 700 n. a
libra ; na praca da lloa-Vista, a. 13.
Compra-se o sexuinto em bom estado : um braco
de balanza para halcao, com conchas,um terno de pesos
do urna arroba ate maia quarta. um marca do meia ou
urna libra para pesar rap, urna duzia de cadeiras da
palhinha, duaa bancas o um candieiro do parode fran-
cez, deumas luz.com sou competente vidro ou sem
elle : em Fra -do- Portas, ra dos Guararapos, n. 49,
defronle do sobrado, quo lem venda.
Vendas.
i
4
4
X
4
4
retratos a creao por I2Soo, ditos
coloridos a aosooo, miniaturas de
# 3osooo, 401?000 Sosooo e Gosooo,
e a oleo a jiosooo, 4?000i Gosooo,
So'ooo, ioosooo, Se, conforme os
tamanlios das telas : e contina a
leccionar o desenlio e pintura a oleo,
e encarrega-se de fazer os desenhos g
de quaesquer edificios ou proprieda- #
des delraixo de lodas as regias de ar-
cbitectura e de melbor gosto; assim Z
como os planos e boa dtstribuicao *
dos ditos: quem do seu prestimo se ^
* quizer utilisar, prociye-o na na *
1 d'Apollo, n. 20, primeiro andar, dus ^
4 (j limas da manbaa s 2 da tarde
1 *
#f#*##S
Precisa-se de 1:000} de rs. a premio por lem-
po de um anno daodo se por seguranza urna moradi,
de casa um terreno grande e 3 escravos tudo 00
valor de 3:5O0 rs. ; adverto-se que a pessoa be ca-
paz e tudo est desembarazado : quem quizer dar.
annuocie.
- Agostinho Fernandos Catanho de Vascoocellos ,
primeiro piloto pela academia imperial dos guarda-ma-
rinhas, propoo-se a ensinar a navegaco pratica, ex
plicando os rudimentos theoricos, necessarios ao deseo
volvimento da mesma arte, aquellos, que se quizereni
subjeitar aos exames, afim de ohterem a competente car-
ta : quem se quizer utilisar de seu presumo dirija-so
a ra Imperial, n. 39.
em O abaixo assignado faz sciento ao rcspeitavel pu -
blico que pela escuna americana Lochal, vinda do
Boston eolrada neste porto a consignado dos Srs
Henry Forster & Companbia ba ncebido novo pro-
vimento de pilulaa vegelaes do doutor llrandretb ; as
ijuaes uiSo despachadas em odia 11 do correte.
Estaspilulas, cujo autor basta para garantir sua 01-
cellencia tornao se nuii recommendaveis neo su
pelas grandes curas que lio feito, como tambero ,
por serem um medicamento completamente inoffenaivo,
incapaz de causar o mnimo prejuizo a saude, e que p-
de-se applicar a ambos ossexos.e em lodss as idades. Ao
annunciante, como nico agente nesta provincia, cabe
a gloria de asseverar 00 respeitavel publico que as di-
tas pilulas sao as nicas verdadeiras que existem a
venda nesta cidade ; as quaes sao remedidas para esta
praca pelo Sr. ArcbiDold Forster agente do doutor
m Boston e cnsul brasileiro naquella cidade.
Os prelendeotes encontraras as verdadeiras nica-
mente na' botica da ra da Cadeia-Velha n. 36.
Vicente Jotide Blito.
Brins trancados de listras, de
puro lolio, a t$QO0 rs.
Vendom-se su|>e(iores brins trancados de listras do
ores depuro linbo muito finos, a 1200 rs. a vara ;
superiores casimiras olasticas, a 1000 rs. o covad>> ;
corles de casimiras do lia com 3 covados e meio a
I il'O rs. ; cortes de panno-couro a ISii rs. ; algo
iao trancado aiul e mesclado a 240 rs.o covado ;
11,irte a 280 rs. o covado ; pecis de bretanba de ro-
lo, a 1600 rs. ; ditas de linhn "puro com 5 varas e
tanto, a 2800 e 4000 rs. ; pecas de cassa para baba-
das a 3000 rs. ; madapoldos finos a 4000 4500 ,
5000, 5200 e 5600 rs. muito linos ; pecas do chitas,
a 4500, iiOOO 5500, 6000 e 6500 rs. e o covado a
120. 140 o 160 rs. ; cortes de cuss* chitas, para mo-
ninas a 1000 rs. o maiores a -2000 rs. ; e outraa
multas lazendas: na ra do Collegio, loja n. 1.
Vondem-se 4 escravas mocas; una dita de 18
nnns com Iioon principios de habilidades para urna
casa ; urna parda, de 2.' annos, coziuha engomma ,
cose boa para dentro de urna casa ; urna preta velha,
por lO.OOOrs. boa para trabalhar em um sitio e bo-
tar sentido ; 4 escravos ptimos para o trabalbo do
campo ; 2 moleques, um do 1 % annos e o outro de 18 :
na ra do Crespo, o. 10, primeiro andar.
=Vendem-se saccas muito gran les com farelo : nol
armazensde Bacelar e do Guimcros no caes da Al-
landega.
= Vende-so farinha da Ierra muito superior a
3200 rs. o alqueire da medida velha ; um terno da
medidas de pio ja aferidas ; um vidro de luz boas,
para casa de negocio : na roa do Caldeireiro n. 80.
Vendem-sc as bemfeitorias do sitio ,\ovo, oa cam-
pia do llarbalho sendo as bemfeitorias : casa de vi -
venda 11 ii,u padaria e venda um grande teiheiro
para rancho com muita ireguezia ; tem proporcoss
para vaccas; o terreno he grande, e est todo plantado ;
e tem alguns arvoredos de Iructo: a tretar 110 mesmo
sitio com Joo Baplista da Silva, ou na ra do Cabug,
luja de Antonio Rodrigues da Lruz.
ATEBRO-DA-ROA-VISTA N. 3 LOJA DE
JOlOCHARDON.
Vendem-se chapeos do seda de renda e de pa-
lhinha para senhora. Estes chapeos ricos, de mui-
to bom gosto e da ultima moda chegados de Franca
pela ultima embarcaco sao os nicos vindos de fra,
que ha nesta pr'ara.
= Vendem-se sepos para avmigue de aapucaia ,
com 2 a 3 palmo de grossura e 8 de comprimento ;
nosCoelhosda Boa-Vista ultima casa terrea, que tem
lampeio.
Vende-se um diccionario de latim ; um Horacio ;
1 Tito Livio ; 1 Salustio ; 1 Carta do Cicero ; 1 Cor-
nelio ; 1 Fbula de Phedro ; Arte de Dantas; 1 dic-
cionario francez; os primeiro o segundo tomos de Tele-
maco; tu lo muito novo: na ra Direita, o. 18 ,
segundo auilsr.
Vcndc-se cha hysson a
1400 rs. a libra : na ra da
Cadeia, lujan. SO.
ComprSo-so para fra da provincia escravos
do ambos os sexos : na ra larga do Rosario n. 24,
primeiro andar.
a* Compra-se urna geometra de Lacroix ; na ra
da Aurora n. 36.
O L1VRO DE TODOS
ou
MANUAL DA S.sUlii: ,
Contendo
todos os esclarecimentos thooricos e pralicos necessa-
rios para poder preparar e empregar sem o soccorro
do professor os remedios e se preservar e curar- so
promptmenle com pouco dispendio da mor parto
das molestias curaveis e conseguir um allivio quasi
equivalente saude, as molestias incuraveis.
Seguido
de um trata memo especifico contra a coqueluche e de
regras hygiooicas para prevenir as molestias ;
pelo doutor G. de Ploesquellec.
Preco 4000 rs. em brochura.
O suppl ment, indisponsavel a quem tem a obra ,
d-so gratuitamente aos compradores. O dito supple-
mento trai as Iros dilTerentes receitaa para a ebmposi-
cao da agoa sedativa este precioso remedio que
tamanha reputac'io ja (em gaoho e que deve existir
jai todas as casas para remediar promptameote aoa acci-
dentes e incommodos repentinos.
Veode-se na praca da Independencia livraria,
os. 6e8.


V
4.
V ondese vinho de Lis-
boa, cm barris de quin-
to, tanto tinto como
-braneo; e bichas prctas
muito boas, por preco
commodo : na ra das
Cruzes, n.41, primeiro
andar.
Vcnd
->
r>
1/ .
l-i
f .
%>.
f>:
V> I
. a '.'i i"
vestido a
de bonitos
o covado;
e outras
na rua
...;....,' .>! '.' .....(.
:-se alpaca preta
T8. ocovado ; lonzinlia para
3ao rs. o covado ; )a escora
padiocspara calcas a Joo rs.
chitas cassas, luvas meias ,
fazendas por preco commodo
Nova, n. 12.
Vendem-se 10 escravos
de ambos os sexos, chegados
ltimamente de Mossor, sen-
do de boas figuras e entre
ciles aliiins bous moleques e
nulatinbos : no pateo do Col
legio, no segundo andar do
sobrado junto a casa ama-
relia.
es Vendem-se pennas deescrover, u 3200 rs. cada
milheiro (liiilieim : Da rua da Cadeia loja do Joo
Jos di' Carvalhu Morees.
as Vende-se um pieno de muilo boas otes, e de
forte comtruccfio ; urna cadeir de arruar forrada de
leda ; macacos para arrumar carga ; encerado para co-
brir gneros: na rua do Amurim n 15.
Winleni- su 8 escravos de nacAo, enlre elles 2 mo-
leques todos de bonitas figuras; 6 escravas de nac.ao ,
mocas, com varias habilidades ; todos por preco com-
modo: na rua Direita n. 3.
=Vende-se urna venda no becco do Peixo-Frito ,
boje travesa do Queimado 6, bem afreguoiada ,
e sendo o seu aluguel muito commodo: a tratar na
rua larga ilo Rorario padaria n. 18.
Vendem-se saccas de faiinLa lina e grossa ditas
de arroz braneo e vcrmelho ; ditas do dito com cusca ;
ditas de fejo mulutinho ; ditas de milbo ; e lambem
le ende pela medida velha a vondate dos compra-
dores : na rua da Cadeiu do Recife armszem n. 8.
Vendse sal do Ass a bordo da sumaca / e-
licidddt, chegada do Ass: a tratar com Antonio Joa-
qun) do Souio Ribeiro.
CALCADO.
Vendem-se borzeguins de Nantes. Raspeados, para
homem a 4000 rs. ; ditos a 4 e 5000 rs.; sapates
de lustro a 4 e OUO rs. ; e outros muitos calcados
por barato preco : na pruca da Independencia lojas
Di. 13 o 15, do Aranli -.
Veode-se na livraria da rua do Crespo, n. 11,
o Recreio, jornal das familias ; l). Qusote da Laman-
cba 8 v.; V iagens de Guliver, 4 v. ; o Sepulcbro ,
iiovelln escripia em inglec 3 v. ; Curso da historia
de philosnphia por V Cousin, 3 v ; Tiatato comple-
to de cosiuegraphia ; Historia physica o commercial ,
aotiga e moderna, 4 v ; Historia dos crirnes do go-
verno inglez; Collerco de ancdotas nioderoissimas ,
engredadas, e fados histricos seguidos; obras do Cn-
delac, 23 .. 10 is. ; Piloto instruido e cphunieredes
nuticas ou diario astronmico 1 V. ; nouveau dic-
conaire franjan-latin noel diccionaire latin-fran-
' .lis v. "., is. ; diccionaire grec-francais 4 v.
nouveau diccionaire poetique latin-franvais, 2000 rs.
i Mulberes. |hu su loem tornado celebres pelos seus
amores, a 100 rs. ; a Freir esclarecida, a 160 rs. ;
compendio da tbeologia moral e evanglica,6 v ; o Pas-
tor evanglico 4 v. ; diccionario tbeologico 5 i. ;
Ideia de uin perfeito parodio 4 v. ; compendio de
tbeologia moral A v ; Quadro da doulrina chrislia;
compendio do diccionario dos ga ritual ; Conductor dos confessores 2 v. ; Sermee 9o
padro Antonio Vieira; Kpithoine dos principios de mo-
ral 1 v.; cathecismo dos ordenandos, 1 v. ; Elemeo-
tos de moral pbilosophica 1 v. ; In-trunous de ceri-
momas, 1 v. ; Li(6es de metbapbysica moral; Scien-
cia dos costumes sagrados; Concilio Tredenlino, 1 v.;
Elementos de philosopbia 1 v.
Vendem-se 14 enneles de curo de varios gos-
(os ; urna correrte para senhora ; 4 relogios, de dille-
rentes goslos ; medalbas; eordoes ; botoes de abertura;
3 pares de brincos dos mais modernos ; 1 pBr de cas
tienes de prata do Porto ; e outras obras das j a.n-
nuncisdss; pratos a 880 rs. a dutia : uriooes u
200e520rs. ; potes pera agoa a 160 is. ;paios,
240 rs. : carne de toucmho 120 rs. ; louciobo de
Lisboa a 240 ri. ; eopof a 120 rs,; vinho, a 200 e
320 rs. a garrafa ; queijos a 960 rs. ; e outros mui-
tos objectos de vende por commodo preco: na rua
do Itngel, a. 11.
Vende-se urna canoa de carreira muito segu-
ra e que carregs 6 pesien por pruco commodo ; na
rui da Cadeia-Velha, o. 2.
Vende-se um tabolejro de gamao com pedrs de
marlim copos e dados, por 10J rs. ; um uilo jogo
com 16 podras, tem taboleiro 71 r,; guardanapos
adamascados 1000 rs. cada um* de muito boa qua-
iJudo : na rua do Crespo, o. 11.
Vende-se urna estrave, de 20 anuos", de bonita
figura com muito boas habilidades, e be pereila ama
de leile com urna cria a deamamar-se muito bonita ;
urna parda de 20 annos; um preto de todo o servil o.
e que serve bem a urna casa e cozinbi : na rua lar-
ga do Hotario n. 24, primeiro andar
Vendem-se 3 pesos de lati de meia arroba
cada um por junto ou separados 400 ri. a li-
bra : na rua larga do Rosario n. 11,ecougue de Joio
bubn.
Vende-se azeile doce pin lux mi.s barato e me-
Ihor do que o de coco ; no deposito de aieite deo-rra-
palo na rua da Senialla-Velba o. 110.
= Vndese um bom eicravo nardo de bonita fi-
gura do 22 annos, bom canoeiro e carnieeiro; di
rua das Cruzes, n. 22, segundo andar.
Vende-se rap princei* e nveio-grosso chega-
do ltimamente de Lisboa mais barato, que em ou-
tra quelquer parte ; assim como latas com almude de
uperior azeite doce : no armazem de Francisco Dias
Ferreira junto da alfaodega.
Vende-se a armiuo livros e mostrador da
botica da rua da Cruz n. 60 ; bem como um sopha,
12 cadeiras de palhinha 2 bancas, 1 mesa de meio
de .sola 1 toucador sem vidro 1 berco ludo de
Jacaranda ; 1 mesa grsndo de amarello com abas e
gavetas, 1 par de mangas de vidro lavradas ; na rua
da Cruz na mesma botica n. 60, ou no Mondego ,
defronte do porlSo do Sr Luiz Gomes.
Vendem-se 2 oaldeirotes de ferro, usados, pe-
lo preco de 50 rs. a libra os quaes eslo no areial ,
junto ao arco do lioui Jess: na rua da Aurora n. 4.
Balcemiras, o cova-
do a 320 rs.
No loja da esquina da rua do Collegio com frente
para o arrodo S. Antonio vendem-so balcemiras de
las para vestido do senhora. A sobredita fazellda be
manufacturada de las o estampada com ricos deso-
nhos os mais modernos que os abridores de Londres
"presentaran nesle annoaos seus freguezes. Finalmen-
le um labyrinto escuro e bem disposto torna a re-
ferida fa/enda n-s / recommendavel pare que as sc-
iilioras l',ii-ao uio d'-ll-i em vestidos, na presento esta-
go : dio se amostras a quemas pedir para mais ve-
racidede doannuncio.
Vende se vinagre tinto, a 45,000 rs. a pipa ; di-
to braneo, a 35,000 rs. dita : na rua Imperial, n. 7.
Casa da F,
na rua estreila do Rozario, n. G.
No eslabelocimento da casa cima aclio-se a venda
as interesantes cautelas da lotera de N. S. do Livra-
mento cujas rodas lero o seu infallivel andamento no
dia 28 do corrento mer, ou antes, se se venderem os
bilnetes. Os presos des cautelas sao o docostume, de-
cirnos a 1000 rs. e vigsimos a OO is.
Vende-se CF.lt A L\\l V.ELAS do Rio-de-Janei-
ro, sortimento de 1 a 16 em libra ; na rua Ja Sun
alla-Velha. n. 110.
iMiosplior os, a 10 res a cai-
xinlia,
vendem-se na loja de rua larga do Rozario defron-
te da Iravossa des Cruzes n. 20. Estes phospboros
i;i,i inl.iliin'is e em porreo vender-se-bo por pruco
ainda mais barato, do que o cima dito.
= Vendem-se mcendas de ferro para engenhos de
assucar, para vapor agoa e bostas de diversos tama-
itos por preco commodo ; e igualmente taitas de
forro coado e batido de todos os lamanhos : na pra-
qa do Corpo Sonto n. 11, em casa de Me. Calmont &
Companhia ou na rua de Apollo armazem, n. 6.
Na rua do Crespo n. 1 *2, loja
nova de Jos Joaquim
da Silva Alaia,
vende-se um novo sortin ento de vestidos para senhora,
da rica lazenda chamada indianna ; a qual alm de
ser de cores escuras tintas lilas e ricos gostos tem
um tec ibi que linge ser de seda e o seu diminuto
preco he de 3000 rs. cads corle ; bein como tambeni
da lazenda victoria a 4000 is. cada coito; os quaes
ol'erecem as mesinas vantagens sos compradores por
seren oscuros e por isso 6e toroSo recomuiendaveis
para a presente estadio: igualmente um rico sorlimen-
to de casimiras para calcas ; chitas para vestidos; e ou-
trBS muilas fazendas que serio presentes e se ven
dorad por presos commodos.
Vende-se cerveja brenca e preta de Londres,
Barclay & Coinpanlua a melbor que ha cm poryo,
ou a relalbo : vinhos de Tenerife Madeja, e de ou-
tras quslidades ; ego'urdenle de Franca engarralade,
e de superior qualidade : na rua do Trapiche n. 40.
40, rua do Trapiche relogios do ouro de
patente inglez muito hons ; correntinbas de ouro ,
padr8o= Principe Alberto; e um cbrnomelro para
navio n ui bem regulado : ludo so vende a presos
commodos.
ass Vendem-se os seguintes livros : Ovidio, 4 t. ;
diccionariode fbulas ; uilo inglez; grenimelica fran-
cesa ; dita italiana ; Julio Cesar ; Historie Ecclesiesti-
ca sem u>o algum ; ludo por preto commodo : ne
prefa da Independencia livraria ns. 6e8.
= V ende-se, ou permuta-se por um sitio perto des-
ta praca com boa cesa de vivenda, arvores fructferas,
boas Ierras per plaiilac&ea bons pastos para vacces de
leite urna excedente caa terrea; no principio da rus
Imperial, n. 9.
Vende-se urna preta do 18 a 20 annos de ex-
cedente figura engomma, faz renda o bicos de todas
as qualidades cose chao; o be da melbor conducta pos-
sivel, e nio tem o menor vicio, o que se afiance ; o
motivo da venda se dir ao comprador; ad verte so, que
s se vende para dentro desta praca e casa conbocida ;
um escravu cabra, de 2o annos, sem vicios nem acha-
ques e de conducta afiancavel ; sendo taiiLem pera
dentro desU prtpa : em Fra de-Perlas rua dos
Guerarapes o. 49 deioiile do sobrado que tem
venda.
Veode-se um mulatinbo quasi braneo de 10 a
11 annos ; na rua da Madre-de-Deos, n. 7.
Vende-se um boi tnanc.o novo que serve para
cangalba e carroca ; oaiuedas Triocheiras, sobra-
do o. 60.
= Vendem-so 7 escravoi, sendo : 4 pretas com ha-
bilidades o urna deltas engomma bem ; um moleque;
2 pretos: no pateo da Matriz, n. 4.
Pelle do diabo, a
Na loja da esquina da rua do Collegio com frente
para o arco de 5. Antonio vendem-se cortes para cel-
tas da fezenda appellidadapelle do diabo, com 3
tovados e meio cada um a quatru patacas e meia
esta fazenda he tecida a algodio e lia sus grossura
excede a da lona as suas cores o pedr5e8 rivalisSo
com as mais modernas casimiras franeexas; sio bstan-
lo escuras, e por isso muito proprias para o uso de pes-
soas empregadas em aimazens, e outros traficosdo corti-
morcio, e bem assim para montar a cavello: os compra-
dores, que pretenderem ver os sobredilos cortes, podem
mandar pedir as amostras, que promptamente se Ibes
darao, sob o competente peubor.
Vende-so na rua Direita venda n. 53, supe-
rior cha bysson a 2000 e 2240 rs.; dito perola a
2000 rs.; dito sequim a 1600 rs. ; espermacete a
780 rs. a libra ; caf em grio a 150 rs. a libra ;
cevada, a 120 rs. ; tapioca, a 60 rs. a libra, el 280 rs.
a arroba ; aletria, a 200 rs.; toucinbo de Lisboa a
260 rs. ; dito de Santos, de muito boa qualidade, a
160 rs. ; manleiga boa, a 640 o 700 rs. ; bolachinba
inglesa muito nova a 200 rs. ; alpista, a 2.0 rs. o
quarteirao; feijo mulatinbo, muito novo a 80 rs.
o quarteirao ; passes muito novas, a iOO rs. a libra ;
velas do carnauba de muito boa qualidade, a 320
rs. a libra ; tabaco do caco muito bom a 200 rs. a
libra ; tigollas e pratos de beira atul a 900 rs. a du-
zia ; ezoite de carrepalo, a 1440 rs. a caada, e a gar-
rafa a 200 rs. ; dito de peixe a 240 rs. a garrafa ;
dito doce de Lisboa a i 10 rs. a garrale ; vinagre de
Lisboa, muito bom a 140 rs. a garrafa ; dito da Ier-
ra, a 60 rs. a garrafa ; vinhos muito bons e de varias
qualidades e preces muito em conta ; assucar mas-
cavado a 2000 rs. a arroba ; dito braneo a 2800
rs. a arroba; dito refinado a 100 rs a libra.
= Vende-se o litado Jornal dat /amiliai com
ricas estampes em 5 volumes ; grammatica franceza ,
theorica o pralica por Mont -V erde em brochura ,
l.'iOOrs. e encedernada 2000 rs. ; esculla des rne-
Ihores ancdotas, pelo mesmo autor por 500 rs. ; lis-
tas dos celebres artistas portugueses por 200 rs. ; re-
sumo da historia de Portugal por Monte-Verde por
320 rs.: na pra(a da Independencia, loja de encader-
nardor, n. 14.
Vende-se urna venda com poucos fundos, na rua
de S. Rita Nova n. 7, por seu dono ter-se de retirar
para fra da provincia : a tratar na mesma venda.
= Vende-se um preto de necio de bonita figura,
sem vicio nem achaques bom cozinheiro e refina-
dor de assucar ; no Aterro-da-lioa-V isla, o. 21.
Vcndem-ae sacras com trelos ao barato pre{o
de 2500 rs. ; no armazem do Hreguez ao pe do arco
da Conceiuao.
= Vendem-se os seguintes livros quasi todos novos :
Trtalo da religiio 3 v. encadernedos 4| rs. ; Nova
F.loisu v. 4f rs. ; Paraso perdido, 2 v., 4000 rs. ;
Destobriiiiento da America 2 v. 2500 rs.; Ludadas
de CemSes 1 v. 1280 rs. ; Museu Pittoresco 21
ns. de 51 est. l.'i.dOH rs. : na rua do Roiario ,
o 42.
Lotera do Rio-de-Janciro.
Vendem-se superiores casimiras
francezas elsticas, de padrocs nm,
to modernos, pelo ha ratissimo pre-
co de Gooo o corte ; ditas inglezas
de muito bonitas cores, e muito su-
periores em qualidade, a 5$'6oo rs.
o corte; loalhas e guardanapos de
puro linho de todos os lamanhos;
ricas chitas largas francezas, dos
H! padroes mais modernos, que tem ap.
parecido; pannos finos de todas as
| qualidades, assim como um cumple-
5 to sortimentode fazendas finas, tu-
H do por precos t5o em conta, que
vista das qualidades os compradores
nao podem deixar de comprar: na
rua do Queimado, nos quatro can-
tos, loja nova de Jos Moreira Lo-
pes Se C.% na casaamarella, n. 39.
Vende-se, a dinheiro, ou com responssbilidade a
{iraca a venda n. 8, na travesea dos Msrlvrios, com
poucos fundos : a tratar na mesma venda.
=Vende-se um rspelbo grande, de parede ; 2 mar-
quezas; 2 mesas; 8 cedeirss; por preco commodo
no Aterro-da-Bos-Viitc loja n. 3.
Vendem-se bilbeles meios, quartos e oitavos;
na rua da Cadeia casa de cambio n. 38, de Manuel
Gomes Cunha e Silva.
O arrematante do disimo dos co-
ros do municipio do Recife vende o remo da (regu
zia da Boa Vista, ou o da dos Afoga.los.por prego com-
modo sendo por tres annos a contar do 1.* de ju
llio do corrente annoa junho de 1849; pois he de al-
guma vantagem para quem pretender ; o motivo des-
la venda se dir so comprador : a tratar na rua des
Larangeirus cesa da afericao, com o arrematante da
mesma aferiejio.
I a. nlia de mandioca.
Noarmaremda praia do Collegio, ha farinha de
S. Melbeus e da Ierra muito boa a 3'i20 rs. o el-
queiro velbo ou saccas.
Vende-se um escrevo crioulo de 25 aonos bom
Irubalbador de campo e tembem entende de carreiro;
na rua da da Conceicio da Roa-Vista, n. 58.
Vendem-se dous alambiques de cobre, um maior
e millo menor ; urna prensa de imprimir ; na rua Di-
reita botica n. 36.
CARVAO ANIMAL
do mais puro e da primeira qualidade para a refina-
co do assucar decolorarlo dos tarops, vinhos, vi-
nagres, ou liquido quelquer desenfeccBo dus agoas-
ardenles dos espiritos, &c. a 2000 rs. a arroba ; no
sitio do Pisa emOlinda : quem tomar de 20 arrobas
para cima o recebera em casa'.
- Vendem-se varias partes do engenbo Sitio-do-
Meio ribeira de Una com as bemleilorias feilas no
mesmo engei.ho e 32 quaitos de roda; na ruado
encantamento cusa da viuva Cosa & Filbos
Vende-se urna cabra (bicho) boa e com bes-
tente leile, muito nutrida ; na rua Nova, junto a pon-
te o. 17.
=-Vendcm-se sofs de Jacaranda, ditos de angico,
cadeiras de jeceranit, ditas de angico, carnee de dito,
merquezas dito, jogas de beocas do diversos modos,
de dito, ditas de jacarandi, ditas de meio de sala, de
angico, ditas de condur. um berco de angico, lavato-
rios de amarello, urna cama de vento com armegao v
amarello, cadeiras para meninas, de angico, e por
pregos commodos : na rua da Camhoa-do-Cirmo.
d. 8.
O bom barateiro.
Na rua da Cadeia, loja n. 5o, confronte
a rua da Madre-de-Deos.
Vende-le um restante dos lindos cortos de cassis de
cores fias pelo barato preco de 2400, 2600, 2800 J
3000, 3400 e 3800 rs. cada corte com 7 varas; ditos
novos e bonitos padrees a 3200 rs. ; ditos de tarlsti-
na de ricos gostos a 4500 rs. 'h corte de 7 varas;
lindos cortes de cintas pretas de W 2800 rs. ; superiores tirina finos ^leWrcs e brancoi,
a 1700 rs. a,vara dito trancado', muito (no de cor
amarellada a 1600 rs. a vara ; lencos de fil detre
pontea, a 720 rs. ditos de fil de linho, de tros pon-
as a 900 is. ; merino preto, muito tino, a 4000 rs,
o covado ; algodio trancado americano largo, a 3000
rs. dito liso encorpado a 220 rs a vara ; algodio
trancado a'ul, a 210 rs. ; dito mesclado a 240 rs. ;
riscado a 230 rs. o covado ; ganga arul fraocea, a 120
rs. o covado ; e outras muilas fazendas por preso msii
commodo do que em outras partes, comosejto: boas
madapolSes; bamburgos ; lencos para tabaco; sus-
pensorios ; damascos de las; boas chitas; platilbas;
um sortimenlo de algoddeszinhos muito baratos, pan
negocio.
SEBO REFINADO PARA VELAS
ebegado ltimamente da America, em barril peque-
os ; vende-se no armazem do Becelar, no caes da Al-
landega.
= Vende-se ume preta, que engomma, cose, e o-
zinba ; na rua estreila do Rozario esquina deironte
da igreja no primeiro andar por cima da loja de bar-
beiro.
Vendem-se 12 esclavos, sendo : 4 pretos; 1 par-
do ; 3 pardas de 10 a 20 annos ; 4 mulalinhos de
12 a 14 aonos ; todos proprios para o artico de can :
na rua da Cadeia de S. Antonio, n 26.
Escravos
Futidos.
Allenco!
= Vende-se rap de Lisboa do ultimo chegado ,
bem fresco formidavel aroma e boa cor. Os loman-
tes que gostlo da boa pitada veohSo a rua da Cadeia,
loja n 50, confronte a rua da Madre-de-Deos.
= Veode-se um pelo da Coila, de 18 a 20 annos,
sem vicios nem achaques e de boa figura ; no largo
do Carmo venda n. 1. P
Continuao a estar fgidos, desde 21 de abril, de
bordo do brigue Mtntor, o 2 escravos marinbeiros:
Jos, de necao Gabao, representa30 annos, estatura bai-
xa, e barbado; e Menoel, do naci Congo, representa20
e tantos annos, baixo sem barba : aquelle foi cscra-
vo da casa do coronel liento Jos da Costa e foi seduc-
tor do segundo e conbecedor desta provincia : sonde
se adiar be provavel se inculque por- forro. Becom-
menda-ss a todas as autoridades as suas capturai, bem
como aoa n-pitaes de campo eoflerece-se de gretili-
cacio 150,000 rs. a quem os trouxer reconhecendo-se
serem os proprios; os quaes so pegao na rua da Cadeia,
o. 45, em cesa de Amorim lrmaos.
Fugio, do bordo do brigue-escuna Caciqui, na
noute de 21 do corrente o escrevo marinbeiro da
nomo Anselmo de cor parda acaboclada ; reprsenle
20 e taotoa annoi, sem barba eitelura regular, sen
nenbum signal caracterstico; levou camisa de riscado
axul calcas arues, chapeo de palba ; be eicravo da
Jos Joaquim de Oliveira de Paraoagu e piovavel-
meatese inclcate por forro : roga-ie aos eaprlies ds
campo e a todas afcautoridades policiaes a la appre-
hensio certoi deque se gratificar generosamente i
quem o levar a rua da Cadeia n. 45 caa de Amo-
rim lrmaos ou a bordo do dito navio.
= Fugio, do engenbo Ca n no dia 19 do cor-
rente meas de julho o preto crioulo de nome Csets-
no moco, ainda que j com algum cabellos brancoi
na cubeta e na barba, lallao-lho algum denles na freo-
te naritbicode ovo, pouoa barba, estatura regu-
lar, releilo docorpo pescoco curto olbos aveiuio-
Ibados emtjko grande : em outra fgida foi encon-
trado junto a villa do Cabo onde loi preso em deiem-
bro do anno passado e esteve aeylado 3 annos; per-
lence a Antonio Luii Pereira Palma do dito engenbo
Care : quem o pegar, ter bem recompensado ou
pelo aenbor ou porManos-l Ignacio de iiveira nt
ruada Cadeia do Recile, n. 40.
Fugio no dia 22 do correte urna escrin
crioula de nonio Antonia, de meia idade ; levando
um (landres do vender mel com medidae e lunil p'
vender aemolbanle genero saia de algodiotiobo tran-
cado arul esbego decbila azul com as bombreira,
pela parte de dentro, de panno braneo e panno da
Costa; coa falta do dentes na frente tanto aparla
superior como na interior ; eo maior signal, que te,
be puchar pelo quarto esquerdo quando anda, qus
mal se percebe Roga-se as autoridades policiaes a sus
captura, e aoi eapitaes de campo, que a apprehendao e
levem a seu ienhor*Manoel Flix Alvea da Crui, "
rua daa Cinco Ponas n. 65, que os gratificar gene-
rosamente.
feRN. ', NA TYl>. DE M. F DE FA
Mf-ji
6
M


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ECUQ8TRV6_GIFTW5 INGEST_TIME 2013-04-26T21:38:47Z PACKAGE AA00011611_08331
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES