Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08297


This item is only available as the following downloads:


Full Text
^^
no de 1846.
Sexta feira 14
nrv/f/Opublici-se lodo os (lias que n!o
i, oiiarda : o preco da assignatura lie de
*""n l>01' aaartel, P"R0S "diantados. Os
((o0l |os gjslgnantei Jo inseridos a razio
,oounCin (Bg 40 riJ en) lypo rf(j-eren.
* : "repciires pela metade. Os que nao fo-
u.'". 'nts pgo80 ris por liaba, e 160
ASES DA LA 1NO MEZ DE JNHO."
PB
CrescenU
La el"" '
jlingoanW
tu nova
. 2 as 3 lioras e 0 minutos da manha.
9 a | liora lo mininos da larde
Hiass llorase 17 mi. da manlia.
23 ai 3 horas e 17 mi. da larde.
PARTIDA DOS COBRF.IOS.
Goianna e Paralivl>a Segundas e Sellas feiras
Rio Grande do Norte, cliega oas Quinas feiras
ao meio dia e parte uas mesmas lloras as
Quintas feiras.
Caho, Seriuhaem, Rio Formoso, Porto Calvo e
Macey, no l., II e 21 decida mez.
Garanliuns e Konito a 10 e 24.
Boa-Vista e Flores a 13 e 28.
Victoria as Quintas feiras.
Olinda todos os dias.
PREAIVUR DE HJR.
Primeira as 7 h. e 42 minutos da machia.
Secunda as 8 li. e C minutos da tarde.
de Junho.
Anno XXII N. 150.
DAS da semana.
8 Segunda S. Silustiano aud. do J. dos prf.
edo J. doC, da 2. v. do J, M. da 2 v.
9 Terr. S Primo, aud. do J. do eiv. da 1. .,
c do J de paz do 2. dist. de t.
10 '.loarla S. Margarida aud. do J. (o cir. da
J. vara, e do J. de paz do 2." dist. de I.
11 Quima jfcfi Fesla do Corpo de Heos,
S. Il..r......
15 Sena S. Facundo, aud. do J. docivel da I.*
vara, edo J. de paz do I." dist. de tarde.
II Sabbado .J<>Tj S. Antunio Padroeiro da
Provincia.
M Domingo S. Baiilio.
CAYIMOS NO DIA 10 I)F. JtJNUO.
Caml.io sobre Londres fl '/, d. p. I) a 60 d.
u Paiit 350 ris por ti uno.
.. Lisboa io.s % premio por mez.
natc. dr letras de boas firmal I 'i p. ',, 0 mez.
OuroOnras hesp.....ol*.. lljiOO
a Mocdis de jino vel. 16*10(1 I
a > He 6|40O nov. I6|200 a i
n de litio..... e/MO
Prnta Palacoes......... 1*010 a U.....
a Pesos coliunnares.. igtOO a 20000
u Hilos Mexicanos... l|W0 '980
Mni.l............. I#7M I#800
Acccs da Comp. do Beberilie da ntjOOO ao par.
DIARIO DE FERlirAMBUCO
PARTE OFFICIA!..
Governo da Provincia.
EXPEDIENTE DO DIA 29 DO PA1SADO,
,fr reservada par o anno finsnoeirO prximo fiitn-
r,i a factor dos reparos do quartel da exliiicla compa-
nhia do opersrioa engajados; porquanto foro elle or-
ctdmeio 1:800,000 r,, e da quola votada para obras
n,i|jttres nesta provincia era o corrente exeroicio, por
cania il.nl1"' deven) er feitoa toes reparos, j nada res-
ta segundo infurina o coronel commissario-pagador.
I DitiAo iiieiniii, significando, que do governo iin-
J^rM li. q"e doutor cirurgiSn-ajudante do quarto
bstsllii de artilharia p, Polycarpo Cesario de Bar-
ras, ilrvo solicitar a licenca, que pode no requcrimeiito,
ueS, Exc. inf.irmnu a 11 dcsto mez (main).
PitoAo t-oronel commissario-pagador, deterrainan-
do, fac brir aasentamentn do praca, e pague os respec-
tivas suidos, contar de 24 do Janeiro deste anno, ao
saldado da companhia provisoria do Ccar, Jato lieno-
iltctii de Oliveira, de enja reforma trata o aviso, de que
lite remello copia, expedido pela secretaria da guerra ao
presidente daquella provincia, e qoe actualmente aqu
se schaParticipou-se M Exm. presidente do Cear, o
lo Liigsdeirooornnioiidanle das armas desta provincia.
DitoA' cmara n.nnioipal do Limoeiro, declarando,
era reipiista ao sen nllicio do 40 deste inet (miio) : 1.".
queao escrivio privativo do jury doquella comarca de-
ve ser dada a dispensa, quo pede, do cargo do ver nlor
ds(|uells iiiiinicipalidade ; purque, 8 vista da terminan-
te dispusicln do ortigo 19 da lei do I.* do ootubro de
182S, d-se inoompatibilidnde na accnnmlnc*o du ox-
ercicio desses doiis lugares : 2.0, que, cmquanto xstiver
un cominando do destacimenio daquella villa o oflleial
da respectiva guarda nacional, que lambein he supplen-
tu daquella cmara, nao pode aer elle chamado a excr-
rer as tuneces este cargo relativas ; porquanto entre
ellas e aa militares ha igualmente inconipatibilidude, co-
mo se infere du mestoo artigo,
DiliiA' cmara municipal de Rocife, autnrisando-a
dar licenca para se faterem nos terrenus, que filo
entre a Soledade o o Manguind, cdificncfle, que cm
nada prejudiqneni as nlterocSo., que para a respectiva
planta propio o engenhero ein chefe da obra publi-
cas un nflieiii, que I lio envia ; o ordenando, quo, de con-
fiirniiilade euui o menino offlcio, inaiideni urgani.ar uiu,.
..ulra planta, e subinollao-ii'ji appriivocao da prosiden-
ei.i.Partiet|K>u-se ao-evgenheiro eiu ehefe.
dem do da 30.
DifiriAo coniniandaule daa armos, rocomiucndan-
dn a expedido de ua ordena, para que sejao recebi-
ilus na furlalea du Briini, e all eiinservadu cora segu-
ranea, al que e reparo o arrombaiuonlo da cadeia des-
t.i rulada, o prcu de justica, quo houver do rcmelter
o ehefe de pulira interino. Harticipou-ie ao ehefe de
pulicia interino.
Diin A" drsembargadiir procurador daooriia, sobe-
rana q hienda nacional, eXfgindn inf'iiriuacao obie
una prelencao de alguns negocame deala praca.
]),(Ao diiecliir do arsenal de guerra, acouiandi
remessa de nina copia do modelo, que ae refere o avi-
lo il secretaria de entallo do negueiu da guerra de 30
le abril ultimo
l)itAo inaprctor da theonrarn das renda provin-
ciacs, validando na coiilralo, porque Amaro temando
Dallrn Jnnior, sobre fianca de Manuel Pires Ferrcira,
se ibrijjou a mandar faier a nbrai do primeiro lancu
da estrada da Victoria, v JoSo Francisco do R-go Mal,
lobado Franonco da Rucha Pae Birrete, as do il.tla
do Pao-o'Alhs.
I)itAo raesmo, ordenando, faca por em arremata-
cao as obras do 10.a Uncu da estrada do Pn.i-d'Albo, fin-
jas clausulas espeoiaes lite remelle. Participou-se ao
ciigeiiheirn em chefe daa obras publica.
DiloAu me)mo, determinando, que ao delegado d
Pn-ifAlho mando pagar 27,760 l., por deapcins feita.
cura preso pubrea de julica.
Ditu-Au administrador do correio, recommandiindo,
que arropre que qiialqucr navio houver de parlir para a
curie, participo cun onlecedenci presidenein o dia,
que cm deiiguadu para a sua sabida.
Purlari.iA iiupeelor imido, entregue ao comniaudaiilu do brigue Capibaribe
a dua boias, que naquelle arsenal se uonalmirao par
o Hiii-t.r.iiide-iio-Nnrlf.
DEM DO DIA 3 DO CORRENTE.
Oflicio. Ai. eomiiiandanie daa armas, rcoomiuin-
ilaiiilo, Inca aaber ao tciieiiie do 1. baialhao de cacodu-
re do primeira linha, Hanocl Luciano da Cmara Gua-
ran, que acoii.ignaco, por elle deixada o sua familia
a villa du Algrele, romeeou em O 1 de Janeiro, c
eabou emdeicmbro de 184o. Parlioipuu-se ao Exm.
Mrc-presideiile da Alag.
Dito. Ao coniini..ario-pgndiir, ordenando, que
ao teneiilo-coreiiel Jos Antonio de Mendolica pague
ciiii mil res pelo frete da brcca Amitade, quo, das
Alagas para esle porto, OnudnMU diversa, pracas.
Psrlicipim-so no Lxm. vice-presideule daa Alaga.
Uito. A" Mi'peclor da thcaouraria das rendas pro-
inciac. in.lando pela cunta d divida passiva pro-
'incial.
Dilo Ao inesmo, ordenando, que ao presidente do
ci.neelho giral de ulubridade, para pagamento de di-
verso, utensi. eoiuprados para a reparlieao da vacoina,
niande entregar 27,560 rs.
Dito Ao contador da marinha nesla provine.is,
dando-.e por inleirado de haver, por em quanlo, in.tal-
lido a sua rcpaslicao em urna daa salas do re.peclivo
""*"' r.- ,IL
Dito A' cmara municipal do Pao-d Alno, cxigm-
do informacko aoero do faow, obro quo repreaenta o
delegado d'aquelle termo, de se haver ella, estando em
sessflo, negado a passar recibo do oflicio, em que elle,
de eonforraidado noui iiwlruccoV da presidetioia, llie
pedia aa copias da acta da eleico, que nu oollegio
d'alli ae procedeo para dnua senadorra, e que por lia
mesma Ihe de venan ter sido remoltidas em r.umprimen-
to do que se Ihe ordenara a 29 do mes findo ; o deter-
minando, que, quintu antes, e sob ana manir responsa-
bilidade, faca nina semelhante reraessa, se por ventura
anda nao tenha sido esla effeituada.
Dilo. Ao presidente do coneelho geral de aalubr-
lade, autoriando-o comprar, pelo menor preco pot-
svcl, o guano, de que anda dii precisar para a expe-
riencias, que se eat proeedendo no hospital doa La-
iroa.
Purtarias. Nornenndo aupplentes do juiz. miinici-
od'orphaos do termo de Nazareth ; em l." lugar, o
osrcharel Gervasio Lus de S Carneiro ; era 2., o pa-
dre Lnil Ignacio de Androde Lima ; em 4., Amaro Jos
Lope Coiitinlio; em 6., Manoel da Molla Silveira.
ForSo tambem noineados aupplentes da juiz municipal
o d'orphaos de Iguarnc : eral.0 lugar, o coronel
Manoel Jo.e Serpa ; emJ.', o inajur Bcrnardino Candi-
do da Cunha Uoba ; em3., o capitSu Cosme Jnaquim
da Fonseca Cialviv ; em 4., Manuel Francisco Cesar ;
em 5., o lente-coronel Juu Gome Ferreira de Abreo
Mello; em 6.a, Alejandrino Jos do Amaral ; enseri-
se aa cuiuiiiunicacca do.eatylo.
Coi.imni.do das Armas.
EXPEDIENTE DO DIA 20 DO PAS8ADO.
OflicioAo coronel commandanto do segando bala-
Hilo de arlilbsria p, direndo-lbe, em reipoita ao seo.
oflicio delta dala, que poda por em lberdade o solda-
do Alexandre Barbota, visto haver foalisadn a sua sen-
teoca.
DitoAo tenenle-coronel commandante do quarto
batalbio de artilharia p, communicaodo-lhe, em res
posta aoseu ofliciode 16 do correte (maio;, que ao ge-
neral presidente e commandante das armas da provincia
da Da'uia pas-ava a requisitar oeoncelbo de disciplina,
que pelo primeiro batalbao da mesma arma, alli em ser-
vico, se devia ter leito ao soldado Josquim Barbosa.
DitoAo mejor do primeiro batalbao de caradores,
remetlendo-lbe, na quatidado de presidento do conce
Iho de guerra, que tem iltj julgar o soldado Severino
Izidro, do seguodo batalbao de artilharia ;. p. pelo cri
me de baver nnute entrado na fortaleza do Brum, es
calando a muralha, a portara de nomeacao e mis pa-
pis eoncerneotes ao mesmoconcelbo, para que Ihedea-
se prompto andamento.
PoilsnsNonvandoo coocelho de guerra, que tem
de julgar o soldado do sogundo balalhio de artilharia
p, Severino Izidro da Silva, pela culpa coustunte do
oflicio cima.
Ditalomeando oeoncelbo de disciplina, quo tem
dequalificar a desercSo do cabo-d'esquadra da cumpa
nbia lisa de cavallana de lir.ba, Antonio Joaquim da
Silva__Iguaes portaras de noaieifio doconcelhos de
disciplina se expedira respeito das pracas desertadas
da me.ma companhia, a saber : doclaiim, Manoel
da Costa Vellozo ; do furriel, Antonio Raymundode
Miranda ; e dos soldados, Manoel Das, Manoel Vieira
da Silva, Jote Nunesde Franca, Manoel Pires Ferrei-
ra, Bento Jos de Siqueira. V ictorino Machado Couto,
Antonio Rodrigues dos Passoa, Maiimano da Silva
Monteiro, Paulo Jote dos Santos, Manoel Joaquim da
Lu e Antonio Joi de Sant Anua.
EXTERIOR.
FRANCA.
PAKIS, 10 DE AARIL.
Hoje ae suscitou na cmara dos depulados tim ani-
mado debate, em consecuencia de varias petiefles ema-
nadas dos protestantes ae Franca. Urna destas petlces
reclamava a modifleacao do art. 354 do cdigo penal,
que castiga o rapto ou a seduccao de menores, e que be
o nico, que tem podido invocar-se as causas religio-
sas, que tanto se leern amiudado nestes ltimos enoos.
A imprensa tem annuDciado por muitas vetea a desap-
paricio sbita de jovens proleslantes, a quem bomeos
demsslado zelosbs determinavao a fuglr da sua casa pa-
terna, para abracar a religiaocatbolica. A severldade do
art. 36*. que.castiga o culpado com priso perpetua,
fatia que os tribuoaes nao se delermioassem nestes ca-
sos a applicar a pena. A commissao proputha, que se
enviassem estas pelicoes ao goveino. Mr. de Gaspanoi
apoiqu foitementeo parecer, mostraodo-se teloso pro-
testante, e por Aro conseguio, que a cmara o appro-
vasse.
J he fra de duvlda, que o grao-duque Constan-
tino vir a Toulon. O eocarregado de negocios da Rus-
sia, Mr. Kisseleir. parlio seguoda-feita para aquelle
porto, com o objeclo de esperar S. A. I. O nosso cor-
respondente de S.-Peteiaburgo esteva, pois, bem infor-
mado, quando nos escreveo, ba um mes, que o princi-
pe viria ; porm be cerlo. que, nao obstante o seu de-
rio de visitar Pars, nao vir a esla capital, pois Ih o
utubibio o imperador, por causa doa ltimos acooteci-
meolos da Polonia. ComMuLoncl.)
Omarfchal Bugeaud embarcou em Argel, a tor-
da do vapor Etna, para visitar a protlacla .te Oran
Lu iageta be motivad, pela noticia recebida de Argel.
de que Abdel-Kader, peiKguldo pela columna do ge-
neral jusaull, e linha retirado para a tribu do. Ouled-
S.di-Sb.kk, mas alm dos chotU ou paclauo. salgados
situados o tul d. provincia de Orao. Bita retirada do
emir annuocla, quo nao quer ou nao pode j sustentar.
no interior de Argel, a guerra, que tratava de introdu-
tir em todo. o. pontos do territorio. Volta, pola, sua
deira da Moulaya, volta ao seu ponto de partida, com
intencao, sem duvida. de dar descanso s aua. tropas,
reunir os dispersos e aguardaros acontecimentot.
A nossa attenco deve dirlgir-se agor ao Moulaya e
fronteirs de Marrocos.
(Semaphore de Marseille.)
CRAO-BRF.TANI1A.
LUMiBK, 18 de abril.
Sua magcslnde a rainha dignou-se ordenar, que se
puiilia o grande sello as cartas regas, pelas quaes so
oonfere a digndade de viscoude do reino anide da
Gro-Brelanha o de Irlanda ao milito honrado lente-
general Sir llenrique llardinge, grlo-crm da muito hon-
ada ordem do Banbo, e governador general da India;
assitn como a seo berdeiru vnres legitimns, cora o
nome e titulo de VMonde llnrdingo de King's NevTtOB
no condado de Derley.
S. M. dignou-se conferir, nos mesmos termos, a dig-
uidade do liaron do reino unido do Grio-Brctanha e do
Irlanda ao general Sir Hugo Gougb, ioroneo, cavallei-
i o (rio-i rut da muito honrada ordem militar do Banbo,
e general emebefe doS. M. na India Onentae, iraus-
missivel a seu fillins vardes legitimo, cora o nomo c
Ululo do bario Giiugh de Chinkiang-Foo uoChiua, e de
Maharsdjpore e du Sulledge naa Indias Orientaos.
(Csela de Londres).
Iluiiiiu so reuni o coneelho municipal, pora con-
ceder um voto de agraderimeiiloa e conferir odirei-
to de cidadao ao lciieiitc-gcncr.il Sir Hennquo llardin-
ge, governador general da India, aogcueral Sir lliig
Guugli, o ou general Sir llenrique Sniilh, pelo valor e
.unlieeimentu, .quo leern deaeavolfida naa batalhas de
Alliwal e tWSebraoa, no dio 10 e 2.S do fevereiro ul-
timo.
Ilnnieiii aeaccordou, n'uin coneelho celebrado
palacio de llurkingham cm presenco da rainlin, so fi-
tessu ciiber au arcebipo de Canloibery, quo prepara-se
urna formal* do preco e de groen aoTodo-Podero".
pela aisignalodas o reiterado victorias nleancada pe-
los tropa de S. M. eos da companhia da India. Ele
acto se devo verificar cm tudas a igrejas e. capellas de
Inglaierra o do p*i. de Gallos, o na cidade de Berwicli-
upon-Tweed, depois que o nniiKlro do culto tendi
sido Informado, do. desojo de i. M.
0 iuipfc.or de S. M. tirara iiuniedialamenle o uiime
rn do copia ticcessnria.
O mini.tro da igreja auglicana e da igreja epuco-
pal da Escocia sorio igualmenle c.invidado a dirigir
iguiie liraeei na igreja. e capellas do pan.
(times
AUSTRIA.
VIENNA, 24 de maifo.
Escrevem da Galiisia, que o paisano, recodo gcrol-
mouie ubiiiiller-e corve. CoBUudo, acredita-e,
que o tmiiinissario imperial L.tausky o faro entrar no
aea dever, prometlcinlu-lbe* nina le, que uppnmira a
oorva. Teeiu-e rcoueado lamben, o obedecer orden
da. autoridades, que llie ordenarle, que regrcua.aem
an seus lares.
[Correspondente de Xurcmberg,.
Segundo ludas n. noticia dos refugiado ea.de
olar.coe. confroouda. do liebre, pn.ioneiro. e do.
, cmplice., a in.urreico, que leu prompieiaenie
ten. terminado a impul.o de urna oontr.-revoluoio, he i.
br criminosa de minga, tramad.de.de muito.eo-
..... pelo clero e o alta iinbr.za da Gallina, e das domis
provincia, polacos. Ja se sobo cm luda a cer.ea, que
Lena asale una familia, que Me tenha dirc la ou IB-
dtreelanieii.eeouperod.. poraaiu.u.renao. csdc.i.ui-
1. aun... eslava concertado, qneagolpa principal los.e
dirigido contra o reino de Polonie, o a rigorosa v.gi-
laooT. 'le bre cU'r" call'"lic e*""* Ku,,,a
endurada pilo conjurado, con. me.o de dirigir a al-
tenclo de toda a Europa para cale farto, c excitar as
...o. .ympalhi.s o favor da Polonia; purera o impera-
dor Nicolao nao deixou intimidar-so, o cutan so vio ola-
r.Bjenie q>io convencido e.tava de que urna parlo di
clero apelarla a conjurarlo.
i.-.e, uno 0 conde do Ncs.or.ido, na ...o vo la do
Italia, no mez do deumbro, m..ife.t..u-so em Vie.
naaia aealide i Da iodo. o. eiodoa, depoi do par.
manenc.a do czar na Austria, o. mullos omis.anos da
commi.soo poloo., exi.lenlo. cu V.cuna, .riMBtoMe
.en. amigos, que o allianca du imperador Nicolao cora
a Austria se liaba rompido para acinpre, c quo era Iie-
ndo o monicnio do ublevr-.o a Gallina, e quo en. ao-
uida e eaeoBlrarila poooaa difliculdadea, para e
apoderar da Polonia propriamenie dito, pois quo njo
era do esperar, no. momento, aetuae., que a grande.
iu,tciicias.eausiiiasoiu rcoiproeamenlc. .
Sem afiancar e.ta ver..., podemo, eoraludo, a.scgu-
ror, une be a que rom mu orodilo lera circulado. O
dr.cngano nao .o fes c.pcrar uiuito. principe de Pa-
cbewitscli linha recebido do imperador Nicoio, na ua
pa..ageiu por Var.ovia, in.trucede. vorb.es do otfcre-
cer, se cheg.sso o ca.o, a sua coperacSo ao. gabinelea
oto Vicua odcBerliiu.- Tem-se visto, que a alta no-
breza c o clero calholico lorio os principae. insliga-
dore. e promovedores da insurreiclo. Esla triste ver-
dade acho-se agora demonstrada, anida ein neceidde
de dar crdito ao dito do prinoneiro polaco, que se jao-
tava, de que todo, os principes e conde, polacos ela-
vao inleirado de quanlo aconteca, quo lia do corlo
be, que o clero, quo nu ultimo anuos l.avia gaol.ado
Una influonoia, rcoebeo uiu golpe tenivol om eslea
aconlecimcntus. Desde Lemberg ale B.clu, ldo. opi-
ato omesmo .obro e.te ponto. A. trop.. imperi.c. do
reforco ocoupavlo pouco pouco os districto. da Ga-
liltia.
[Observador di Rheno.
POLONIA.
cnAcovIA, 2S i* sarria.
A direccio ds polica, ordous du feld-inarechal
condo deCasliglimie, publinou um edito, m iiulaiido a
todos os estrangeiro, habitantes da Oldade ou dn lerri-
lorio de Cracovia, quo nao tivessera passapurtes eiu re-
gra, ou licenca do residonr.ia particular, que s iliis.oro
do paz no termo de quinto dios.so na i queran ser ubii-
gados a io pelo forca. Ki(-.u|ui o texto de.tj ordem.
S. Ex. o ooudo de Castigliniu*, tenento feld-maro-
oh.lechefo da adatioi.traelo civil e militar, ordena o
eguinte.
" Todos oseslrangeiros dnmieiliodo, tanto no enlodo
de Cracovia, como ao seu t.rntnrio, dererS .ibmdo-
nar o pas o mais depressa po.sivrl. l'Aeeptu3o-sc desta
disposicao, a pea.oa prvidas de pas.aporto em regta,
mi de lireni'.-i especiaos, que I tic dceiu odireilo doper-
iii.....i" uo pait; a saber:
I." Os parlioularc, os mcrcadore, os aproadiiea,
ornaleiro, c criado, de servir, so liverciu ct.il.eleci-
iientn nu estiverera auemumodadus.
2.0 Os fabricantes.
3. Os individuus austracos o russos.quu teeiu fizado
sou domicilio ueste paiz denlo 'Jli de novembro do
183C, e que Iitiii reclamado a sua incluan as lista.,
para obter os direitns de subditos do estado de Cra-
covia.
4.0 Todos aquolle,que, alera de terera passapiirto sem
regra, poaslo mostrar evideiilcmuute a neccidade do
permanecer no territorio da eidado livro do Craoovia,
empro aub a coudicoo de quo na palelo da eoniiuua-
cao do permanencia, qaedevera6diriglr.es demor. ao
director da polica, oxpunbo iodos aa raaoea, qoe o.
obrigii a retidir mai lampe 00 paii, S. Ex. o conde
de Costigliano decidir por si, duvo ou n.ui eouee-
der-se-llie o licenca.
< Tenha-te bem entendido, qaa oa eatrangeiraa, seja
qual foro sua cnndicSn c classe, a que pertenoo, se to-
rera convencidos, ou unicamonte suspeito, de ler to-
mado parle na. de.orden., ou e nao liveicm due.umen-
toe,qae legilistem o sua pretenclo, nio podam,por titu-
lo olguiu, ser exceptuado da dt.po.iolO eral de ab.iu-
donar o paiz, a i|iio"b proieder.i contra elle, confuaiu
a pro.cripie promulgad*, oom eele motivo.
Levando ao coiiliecimeiilo dnpiibluu cita di.po-
sieiV, o director do polica intima atildo usejir.ni-
geiro., que habitan na cidade do Cracovia e veo lerri-
lor.o, a que .e aprc.enlein no termo de quinie da, a
contar de boje, polica, onde so Mies entregar^ o
cnnipetenle pas.apurles para re.jres.areiii ao seu paiz ;
na inlelligeucia deque, pastado e.le termo, sern abri-
gado, a abandonar o territorio da cidade livro de Cri-
covia, cm virlnde das medidas, que se jolgaOBi eco..
.arias.
{Caseta alinala).
INDIA.
Por noticias de Aloiandna, em data de 7 de abril,
consta o seguintc :
iosiiiAiM, 16 DS vlitio.
Os negocios do Purj.ub eslao arranjados. Os os'ados
protegidos ao sudoeste de Sutlego forao confiscados pe-
la proclamacao do governador geral da India-Britanni-
ca, em data de 13 de derembro, o annexodm ans domi-
nios iogletes osdintriclos entro o Sollege e o Heos, ac-
crescenlando-se aos rendimentus do governo britannico
libras OO.OOU, altn do 5,000 millia, que so augmen-
lo na rea, e perto de um millio do subditos na po-
pulaiao do imperio britvnnico
O eierclto sikke foi em grande parte licenciado, e a
artilharia, empregada cootra os Ingleses, loi-lbcs en-
tregue, alm das 20 pecas, que forao tomadas.
A 20 de fevereiro as tropas ingletas acatnpiao era
Ireote de Lahore, o mandou-se urna guarda du honra
pira o palacio do joven Maharajah.
No dia 32 tomou-se posso da cidadella e de urna pai-
te do palacio.
A 20 devio-se pagar libras 500.000 ao govornn ingles
da India, que he um terco da indetnnisacao. o outra tor-
ca parle se pagar, antes que as tropas ingletas eva-
cuem o Punjaub, entregando-so o terco reataole em
Ifj'i8, Diario do l'.urerno.]
PEftNAMByCO.
Cmara municipal.
SESSO LXTRAORDINAHIA, DE 6 DE JUNHO
E 1810.
PRESIDENCIA DOSB. MELLO CAVAIXAMI.
Presentes os Srs. Ramos. Carneiro MoalajrO, dou-
tor Nery di Fonseca. e Barros, altaodo com causa par-
ticipada o. m.issrs., abrio-se a sesiSo, e loi lida e
anprovada a acta da aolecedenle.
O secretan interino leu o.....Bolo du Em. presi-
dente da provincia, aut-risa.ido a cmara a ooneedrr li-
cenca para aquellas edifioaedea. que se t.vcren. de Ester
entro a Solidado e o Monguinhe. cuja planta de arruo-
mei.lo lornou a devolver para ser i..,;on.s.d.i una nu-
tra coro as olieracOes proponas pelo cngei.lioiro era
nbefo no oflicio, que igualmente remello. laletrada.
0 une se espediste ordem ao cordoador, para, de contnr-
midado cora o que aciiua 6c expendido, urgaiiisar uiun
nutra planta, para se submetcr a uppruvaco do governo
Ja provincia.
utro do fiscal da Boa-Vi.ta; informaudo qual o lem-
po, que Ihe ounal.v. existir a padaria da ra do Aterro
O. Al, ..diBerenle pessoas, que nella tiuhu trafico ena
divor.ua lempo. e que a vista do termo de villora,


que .presenlava, procedido no menino catabclccimentn,
jolgava eii.rcm prcenrliidas a ditpo.icct dll peala).
ral. li.lei r.i.l.i
Outre dn Bieal do Reeifo, participando ir a quaniia
do 62,000 r. a innllati npnslnt por infracc> de pos-
tares en atajo fiado, epodindo aespecUeiti da conve-
niente orden, pira o p.igaiiipiitn ilo oiriirglio, <|no coni
ello ando* cmciriid.i tamurias. Mandoii-eo patsar
mandado,
Oulro do fiic.il daBoa-Viala, (aseado igual partioipa-
c", e pedindo <> pagamento da dmpeM ova um cirur-
gilo, que o aconipnihoii am titila du Hade, e bom a-
im do nm cadver, que luandou enterrar. M.indoii-e
pautar mandudo.
Oulro do fi.cal de S.-Joe, parlicipando, ipie nio Iba
OVData ter ido infringida a pallan, relativamente aui
dobrea de iinoi, Imcinda.
Compareeeo anidadlo Jo Camello do Veiooncellos,
e prcatou jaranela do lagH do fiscal da fregueiia de
S. Lourenco da Milla.
Mnndou-se dispensar no fucal doa Afog.sdo do nstii-
lir a malaiif a, por liatr ceaa.ido o impedimento do fit-
cal da respectiva frecaeiia.
epacliaro-ao > rcqncriinenlot do Bernardina Pe
reir Ramos, J..... Joae de Medeiros, Jote Alexandre
Biboiro, Julo Burgas Alto, Marooi Evangelista Cr-
reia, Joaqun firtiriguea da Alneida, M Xavier do llrilu, llip.diln J ae d.i Sdv.i, Manuel Gome.
da silva, Antonio daCuoha Soarea Goinarlsa, ajota
Hinoel deSi pieira, elevantuu.se tenlo, tZaLuisd*
Franca t Mello Jnior, secretario interino, a escro-
vi. Mello Cavalcanti, pro-presidente. Hanoi.
C'arneiro Monten o. Ur. Nery da Fornica.
liar ro.
Jiendimenlo da meta da recebtdotia de renda inlernai
gtraes.no mei demaio prximo findo.
a sabkh :
Foros de terrenos de marioba
Slit de bens de raz
Segunda decina da corporacao do mi
moila
19.532
4:850,357
ireiloi novos e velhoi
Dilos de chancellara
Ditima da dita
Matricula do curso jurdico
Selio lijo 1:872.8001
Dito proporcional 1:401,0201
Emolumentos de cerlidei
Patente dos despachantes da allandcga
Imposto de lujai aberlas
'l'aia de esclavos
2:285,559
104.320
7,000
514.9!
J02.4OO
3:273,820
,900
12,500
661,20o
581,000
Ri. 12:410,253
Perteni-enle oo rendimento applicadoa
despeza eral
Dito ao i enlmenlo applicado amorli-
sacio do papel
11:178,055
1:232,200
12:410,255
Rccclicd ra, 5 dejunhodo 1846. Oescrivao.
Fsianulo /'reir de Olivera
UIAHIU U I'EIUAIIIIWU.
O pouco zelo de um soldado do corpo de polica foi
honlem. nesta capital causa de um desastre cujas
escola agrcola, congratulamo-ooj com aquelle, que a
emilto, e tem que tratemos de alterar o pisan detsa
escola, e meios de ser fundada, seja-nos permillidoa-
pontar e oxibir o nosso pensarnento.
Consideramos, que urna escola de agricultura dee
ser criada eni Pernambuco ( e talvez dever substituir
o que li hit de mtis em Pernambuco, se vier a edeto
a ciiafo de urna universidade ) a expensas do estado
smente, c que seja urna escola completa; quero dzer,
que.alm datcadeiras da agricultura (beores e pralica,
rena as cadeirai das sciencias nsturaei, e ai cideiras
do curso completo da arte veterinaria, pns seria dolo-
roso, que aquelle, que se propozcisea estudar umasci
enca, sahisse tem conhecimenlos de um ramo princi-
pal e iodispensavel, como todos os das verificamos dcs-
^racadamenltnessas epidemias, que leem assolado os ga
dos vaceum e cavallar. 'Quscramos, que ao curso nao
falliste o desenho, e que no tirocinio de pbysica, mais
lempo e msii desenvolvmeoto le deiso i mecnica, do
que commummente acontece, quindo a pbysica entra
como preparatorio ; nio se podendo eirusar urna ca-
deira de geometra applicada Asarles. Para distribuir
ai doulrinas pelos annos, que deve durar o curso, ser
bom consultar a regra etabelecida em Pars no curso de
agricultura. Bem vemos, que muito assomhrar as al-
mas acanhadas a ideia da despera necessana para urna
funJario deste genero; mas perguntaremos:--qual he o
povo, que pretenda os fins, seo estabelccer os meios?
Qual a ra/io, por que nada temos completo, nad i te-
mos, | riri-11 luiente un Pernambuco, que mereca a
attencAo do estrangeiro? Nio be de cario, porque falten
os molos, mas o animo de os empregar ; mas o mao
babito, e mal entemlida regra das economas, ou das
miserias humanal. Nio (alio os meios ; porque, em
regra de proporcao, ocabedal, que esta provincia pro-
iluz annualmente para despezas geraes, hemaiscons-
deiavel do quo dera despender, pndendo d'ahi tirar-
le, tem injustica leita s despezas geraes, com que se
niunlasse em regra semelhanlu estabelecimento. De
mais, se nos despendernos comascommodidadui dos ha-
bitanlHs da crtrte, se dos nossos dinheiros eotra um con-
tingente para as obras publicas, e de aformoseamento da
cidade do Rio-de Janeiro, por quo msao nio colhere-
moi beneficios lili medalos e indispen'aveis dossesavul-
tados tributos, que pagamos i1 De mais, esse curso nio
be privativo para os filbos da provincia, he urna eicola
para lodosos Urasileiros, e para quantos estrangeiros o
quitaren frquentar; he urna arquisicio nacional, nio
sereduz a um tbeatro. a um passeio, a um edificio do
bella apparr-ncia, do ornato e comino lo particular. Una-
mos os nossos votos aos de todos os amigos da prospe-
ridado publica, empenhemos a connderacao, que Per-
nambuco merece aos nossos depulados, e a toda a ro-
presenlaco nacional, para que legislem neite sentido,
edolem Pernambuco de urna escola completa de agri-
cultura, que melboro a nossa condiccao, e segure bu-
llanles os fuluroi dustinoi de Pernambuco, e do Braiil
todo.
Estes s3o os desejos puros de
F. ti. C ta Fonieca.
te reformando; eu o desafio para as pro vi r, au o con-
juro, sob pena de calumnia, que diga a verdide.
E para que, Srs. Redactores, ir mais adiante ? Dei-
so me de mais amlysar ella correspondencia fallara.
cujo signatario, mentiroso, elm de coto, be to fcil de
ser apa libado, que vergonha tonho de o baver at aqu
acompanbado. Suas settai, ervadas, encertadas contra
mim, teioiempre de errar o alvo, por efleilo segura-
mente da grande distancia, em que a historia da oom
nda ha enllocado un do outro.
Mas, Sn. Redactores, o tigoatario reformando, co-
mo para justificar-se dai suis violencias e excessos nal
esecuedes de orden, que, como inspector, elle cum-
pre, allegou, que anda le Ibe nio fes effectiva a respon-
sabilidade, nio devendo ser o juiz de direito para mim
suspeito. Sim, todos nos sabemos quanto he vio o em-
prego da pab'vra re>pon\abil nses, como esta, em quo a polica, emque o ejecutivo
bsorve ludo, invade os outros poderes. Esse tpico de-
mandara um commootario mais profundo ; nelle so a-
i li,i i envolvidos os primeros magistrados da comarca,
aggravados nesso enredo, e grude, de toscos raciocinios,
que f.irio bastantes para descer a venda, qu at aqu
eicoodia a rugosa laee do asseisor maligno, rabugento
e cornado rbula. Oulro, qun tome essa tarefa,
Maisduas palavrai, Srs. Redactorei. o perguntarei
aoi homeni do grao partido nacional : Como se ope-
rou essa allianca da praia com o noio major reforman-
do, debaiio de que compromisso ? Seria ella proceden-
te do contrato bilateral, e bem oneroso, como se di/,
dd o nosso reformando, asiim Cavalcanti como elle i,
tomar a si o empenbo do exterminio da lamilla Caval-
canti, mediante o protectorado da pnia na manutenido
'lele, em a posse do engenbo breos, contra ai deci-
sdei dos tnbunaes, e prejuizo de leu lio, o legitimo pro-
pnelario, que, bondadoso, como he, tantas occasidei
prodigahsou de loccorroi e de esmolat ao nono corres-
pondente, em quem so verifica a fabulosa historia da
cadella armada com o ninbo da obsequiosa rapoza. Ex -
|dique-o, se assim foi, o Sr. Duarte, repetindo ao nosso
refirmando suas agudas palavras, outr'ora proferidas
com desdem, por occasiio de suas divergencias na lue-
l pela ficadaou retirada da typographia de Nazarelh
l'.xpli |iie-o-|iciibem o Sr. Korges da Fonieca, que, ho-
nesto, como ou o reconbrco, nio se pode conter, repro-
chando ao nosso m.jor reformando, quando, empinan-
do a taca, e hebendo a ver o fundo,satisfazla aoi briodei
doescarneo da familia Cavalcanti, poroccasiio de um
jantar no dia do julgainenlo do responsavel do Mazare
no. Diga-o o muito reverendo Luit Ignacio, que jai
'os einittio, de que horror le possuio, poroccasiio do
escandaloso assassinato do infeliz e desapercebido Jos
\l irinlio Falcan, varo cheio de todas ai virtudes, e tio,
por afinidade, do noiso major teformando : repila ainda
o mesmo reverendo, manileste outra vez aquellei no-
bres sentimentos de indignacio, pela unirle perpetrada
em Francisco Bernardo da Rocha, no terreno do domi-
cilio do nosso major reformando, aporque? Por urna
pequea falla de civilidade, por ir passando aquelle in-
feliz, sem Ibe tirar o chapeo. Miseraveis viuvas, cons-
pedi ltimamente por officio de 20 de deiernbroH
de 1845, cuja resposta ainda nio tive a honra de r
ber : cumprindo-me accrescentar quana aeite uli'C*~
objecto, que.no cato de nio ler poHferaremeui7 I
mappsigeraei, por falta dos parciaei, qun devii0 e
viar algumjuizei de direito, como me diiom ler ,c
tecido, ser muito til aos meus trabalhos, qU8 "'
sejio confiados os mtppai parciaei, que eiistirem '
reparticioda polica, anda que teja com a coodiit
de o ter en meu poder smente doua neiei, w u
acaso nio fr poisivel enviar-me quanto antes uoii *
pa, que ne parece nio ser difcil lirar-ie.
Daos guarde a V. Exc. Cidade do Recie, 3q j
nato de 1846. Illn. e Exm Sr. Antonio Pialo Ck'
chorro da Gama, presidente da provincia.
O encarregado da eilatistict,
Jeronymo Martiniotno Figueia a f|//.
COMMEfiCIO.
Alfandega.
Renpijirnto do da 10..........;.....7:943jl6l
Dctcarregdo hoje 12.
BrgueEurydicebacalbo.
Brigue Barkilliden.
Ilrgue /.even-Lancanio.
BrgueFia/fumo.
BarcaZiliaman teig.
BrigueHelenamerca dorias.
Consulado.
Rendihento do du 10.
..................... 2:738*827
...................... 6i9,06i|
Diversas provincias.................. 84j7)A|
__________________________- 3:472*608
Oeral...
Provincia
illov^nientu do Porto.
Correspondencia.
Srs. Hedactoiet.Essa mxima tio sedia, e que fui
primeirO aiinunciada pelo re Uavid al/itiut ubwum
nvocat, servindo romo de thema correspondencia do
con.equencias anda mus funestas senin se a Provi *'' "'"'r rtlor"""'d"' F0> Bernardo Cavalcanle,
dencia, que constantemente vela sobre nos, nao (ivesse!""""1* "'novo n- 87, de 22 de abril ultimo, en-
tinil'i ..... ......,,r>.. A.... k.ii.,i. i. ... i. ccf i n, em tod a a sua a i> n I i ca cao u dse n vn I v i men In nina
rindo em loccorro dos habitantes da ra Direila.
Eis o caso.
Erao, pouco n ais ou menos, oito horai da manhia,
quando, em a dita ra, um guarda policial encontra-se
com um preto, que trar um barril de plvora, e quem
intima, que o acompanhe t a presenca da competente
autoridade: o preto resiste, dii, que a plvora lio oe
seuienbor, e que a ninguem len. de dar satisfacOesa
semcanle respeito ; aquelle insta, esle atira no chio
com o barril, que est duttaiiipudo, e espalba pela ra a
summamenle nflammavel composifio ; oprmiroes
bordoa o segundo, e, forca de pancadas, obrga-oa
apanhara plvora, da qual fica alguma porcio, de que
algum meninos, que presentes se achio, formio boli-
nhai. que torio logo, para se divertirem : o guarda,
estpida e criminosamente, impassivel consenle nesse
mo brinquedo ; dentro em pouco urna das laes bulas
he lancada ao ar, ca denlio do barril j enlo cheio,
cerno dantes eslava, e produz urna eilraordinaia de-
lonacao, que faz despedacarem-se os vidros de diversos
csixilhos, quema adous prelos, (cando um drllei. o
da questio, gravemente lerido, e a tres dos meninos
brincadores. Enlio o soldado, que tem duvida reco-
nhecco o quanlo havia concorrido para o mal, deita a
correr, e desapparece por entro a multidau degenle,
que, ao ouvir o estampido, tinha concorrido ao luga
donde elle partir.
Communicado.
Tanto prolessamos e partilhamos ai ideas emillida
non. 110 deiteiVtari'o, artigoIdeia de urna escola
agrcola que a este assumpto alguma cousa diisemos
e dirigimos, ha Icmpoi, a peiioa digna e romi etente ;
nio virio os nossot votoi a um dos lypol, mas nem por
nio menos aptos firmoi para tratar do ssumplo, tanto
bale egoa mole na pedra dura at que fura, ao menos
com esta esperance. Somos agricultore, e penal t-
mente slo; e en [reanlo o ramo, em que menos conhe-
cimenlos possuimos, he sem duvida aquelle, que cona-
ttue o nosso officio. Se anda se arraitaiim os seru-
los passadot, em que com pequeas diflurencas o mun-
do pouco mais sabia do que s, ainda, ainda; mas,
quaodo nio ba canto da Ierra civilisado, a frequeolado
pelas deas da Europa, que nio tenba escutado e le-
guido as lices della ainda cantos pouco habitados, e
tem pobre; que nos Urasileiros, noi Pernambucanos
anda noiseja quasi extranbo o arado, a charra, oie-
meador, etc., etc., instrumentos primarios e ja antigos
na Europa no secuto 16 Pornambuco urna das prin-
cipan provincias do Brasil, urna das primens Iliteratas,
rra, em toda a suaapplicr,ao o desenvolvimenlo, um
argunientacaoad hommsm, pela analoga dos seui ac-
to, em ludo irregulares, e dos seus planos deiordeiros,
rom ai consequencai, que dellei seguir-se-ho irro-
missivelmenle.
Srs. Redactores, nio pretenda eu apparecer escre-
vendo em suas paginas ; mas, zeluso por demais em
inanter illibada essa bonra e bomconceilo, que bei t-
bido grangear na tociedade, eu nao poda deixar-me si-
lencioso contra as tasqumhadas viperinas desse major
reformando, signatariodaquelli conespondenca; e, di-
rigindo-me a Vms-, mais por salislaio aos meus ami-
gos, do que por defender-no immediala e directamen-
te da mordacidade voraz daquellc signatario reforman-
do, cuja dentadura" informe a peconhenla be curta ain-
da para vr em meu alcance, rogo Ibes, por tanto, de
inscroverem em sua acceila folba as sucintos pondera
cScs, beincerlos duque pouco Ibes roubarei o lempo,
anida por nio cansar a paciencia dos meus amigos, pa-
ra quem lmenle escrevo ; nio acompanbare lambem
essa ridicula conespondenca em todos os seui tpicos e
pormenores ; pois que isio sena o mesmo, que adoptar
preceitoi deregateuice, que cu reprovo, indo, de en-
volta com o correspondente, piecipitar-irie no mesmo
moiiluro de indignidades, em que se elle enloda.
Nenhuma parle lomei, e nem intervm de modo al-
gum na confeccio dessa correspondencia avulsa da firma
de Jos Flix Pereira, meu morador, nem meso o eu
descea a lio niesqunhai impul.coeicotn o Sr. major
reformando vu demiilmdo, quando fetoi leus mais al-
tos podenao convidar-me a outia analyse, a que ainua
agora me nio proponho : bavenha-se, pois. loSr.
reformando com o correspondente, e ihegue-se com el-
le a um accordo, pagando-ll.e amigaveltnente as perdas
e dainos, que Ibe eccasionou. Cello, que tambem o
nio lachara de dspota, porque seria com rsse epithe-
to leconhecer no reformando al^um resquicio de poder
e lorca propria ; nao, despota nio poderi ter um ins
pector de quarteirio ; poderi ser violento, excniivo e
arrebatado o malsim predilecto da ominosa polica de
Naxareth, em as suas diligencias pnvada ; sim, o mi-
moso da fortuna, que possueescravoi, engenbo, boiio
beit*s, tem ler um escravo, sem ler engenbo, nem bois,
nem bi-slai; que be offifiial, quo lie juiz de fado, e quer
lereleilor. sem que tenba meios, donde Ihe venba a
renda jeque, finalmente, sendo proletario, he, comtu-
do, Lavalcanti, e que aisim mesmo Cavalcanti be a cor-
da de couro, o pioguello ensebado do delegado da co-
marca,
ni
temados orphios, vos, que sobreviveis ainda, conlnua
o vosio pranto I 1
Ei-a, pois. Srs. Redactores, a insgem do meu de-
tractor. O Levatelislas, que tirem della suas bellas a*
lucOes ; emquanlo que eu; me julgando exonerado de
mais averiguacet, fico aqui.paru nao cnsalos; e \ mis.,
com o favor da impresio, obrigari muito ao leu com-
anle leilor e assignanle
/or Mara de farroi Barrito.
Engenbo Cursaby, 24 de mao de 1846
A'aeoi intradoi no dia 10.
Aracaty ; 13 das, hiato braiileiro Matia-Pirmina, di
122 toneladas, capitio Joao Bernardo da Rota, equi-
pagem 9, carga tola e couros; a Jos Antonio Bailo.
Paisageiroi, Flix Monteiro de Castro, com 2 len-
tos, Joaquim Liberato Uarrozo, com 1 filho, Jos
Liberato Birroio, com 4 escravos, e 28 diton en-
tregar.
Gabo (Coila d'Africa) ; 19 dial, barca blgica Ami-
lia, de 379 tonelada, capilio ICdward Knnndson,
equipagem 19, em lastro a orden. -Segua pan
Autuerpa.
IVavioi sabidos no meirr.o dia.
Rio-Grande-do Norte; brigue de guerra braiileiro Ca-
pibaribi, commandante o eaptio-tenente Joio Ne-
pomuceno de Menetes. Vai em commissio do go-
verno.
S.-Catbarina ; patacho brisileiro Temerario, cipitio
l'ublicacrio a pedido.
Illn, e Exm. ir.Uem que V. Exc. tivesse or-
denado, qne pelo meios judiciaes le (ratasse de rescin-
dir o contrato, pelo qual me encarreguei de organisar a
cstalistica civil e poltica da provincia, animo-me a
recorrer ainda a V. Exc, afim do ndicititar a remella
de ilguus importantes oocumentos, que me sio neces-
serios, por me persuadir, que, em quanto o poder ju-
diciario nao preferir a sua ultima deciso na causa det-
sa rescisio, que peranle elle ora se i>ita, nao deixtri
essa presidencia de habilita r-me conforme asobngar,des,
aqueseligou peo contrato, com esse documentoi
nem de concorrer quanlo em si eitiver. quanlo
tal contrato nio exististe, para a confeccio do um tra-
balho, cujo fim be fazer conbecer a provincia nm dif-
I' rentes ramal, que lio o objecto de urna estalis-
lca.
Rogo, porlanlo, a V. Exc, que se digne expedir as
suas ordens, afim de que me sejan enviadas quanto antet
pela secretaria da presidencia: |, al informacaes,
que sobre a importarlo da provincia, durante o an-
nos de 1827 1834, requisilei pelo meu officio de 7 de
Janeiro de 1843: 2.'as nlonnacdet dos juizei de pez
do Recita, Goiunna, Fazenda-Grande e Buique, cerca
das causase conciliaies. que conrio noi leui juizoi
durante o anno de 1859, 1810 e 1811, pedidas por
meu officio de 27 de junho de 1844 : 3. ai listas doi
cidadaoi qualilicados votante! eelegiveis as fregu-
ras de Santo- Amonio e Boa-Vista dests cidade, e as
oe Una do municipio do Rio-Formoso, que ped por
officio de 15 de julbo do mesmo anno': 4 os mappai
demoDStrativoi doi rngenhoi, litios e fatendas de criar,
exislentei nos municipios de Olinda,Recija, Iguarait,
Cabo, Ro-Formosoe Sennbaem, que exig pelo mes-
mo oflicio : 5 as informacei sobre o numero de pes-
soai empregada na polica, que ped por officio de 4
do mesmo mez e anno : 6 as nformacoes dot jui/es de
direito de Santo-Anlio, Brejo Cabo, Garanbume
Liiiio'eiro, acerca d numero de jurados, apurado nos
annos de 1843 e I84 em suai reipecliva comarcal;
as quaespedi em officio de 17 de marco de 1845 : 7.
i. iiilurmac.Ce da tbeiourana de fareoda, sobra o nu-
mero de eicravoi matriculados em cada urna das cida-
des e villas da provincia requisiladas em officio de
20 do mesmo mez e anno : 8.' as inform.ces da Mi-
Manoel Jos Pratii, carga sal. Paisagairoi, Anto-
nio Cardo/o da Coila, Joaquim Cardoio da CoiU,
Hraiileiros.
Mavioi lanidoi no dia 11.
Trieite ; barca austraca Glinbinbrat, capillo Pai/a
Paulovich, carga asiucar.
Aracaty; palacbo anericano Otho capillo Hearj
l'owne, carga a rnesma, que Irouxe.
S.-Malbeui; lancha brasifeira Bom-Fim, espillo Jo-
s Raymiindo Nonatto, em lastro.
liavre-de-Grace ; brigue francez L'Amortam, capi-
llo Varlet, carga assucar a couros. Paaaigeirs, Ma-
ris Uunelle.
Edilaes,
. ir'i ;u"SZ.mod8.0.r,B0,,"e h.mem di for,u-|Mr'co'd'* *'nd.. .obre o numero da doen.es. que
.ni'.nu. au emTssS In C1"e'Ponil,iDCJ". quoln.lle t. tratarlo durante cerlosaonoi. a que ped em
stis^15^^^ 0'nc,de'
euez. r.i .r r* ,r""0, d "" Primei, "- gem d eDe,al Lmt> d* I""1 posira ,eP.
StJ m. 2' p mf" +"+l* q|d*. "P Piroa. remediar. oVjo-
ve a .^cTaalmaota lu'. "' J bor uoa.lbre, gu.aendo. a ..( de lemelb.nte proced.men.o.
Jd.de actualmente, tr.l.mo,da de.meali-l. par. o fu- p.s.ar porlimpo de maos. Cinjo-me declarar sonreo. tim.t.s do.e
i-, planea a pachano. .. iimi d. JiEUlJfttl^l^S.^
mesmo met: 9. as ioform.ces doi
vig.rioi do Allinho, Fazenda-Grande, Ex, Poco-
da-Panella a Buique, sobre os limites de tuas reipecli-
va fregueiiai, que pedieni 9 deagoito do mesmo an-
no: 10. as nformaedes da cmara municipal do Cabo,
sbreos limites doseuterno, pedidas pelo meu officio
memo anno : e 11. o ral.torio
listrafio da justiea criminal, qu
Miguel Archanjo Monteiro de Andrad official d
imperial ordtm da Roa, cavalleiro da diChritlo,
inipector ful/andera de l'ernambuco por Sua Ma-
gestule Imperial, queDeo guarde, etc.
Fafo saber, que, no di. 12 do correte, labio de
arrematar em praca publica, porta da alfandega.ao
meio dia, viole e oito folbetos impressos, no valor di
4,000 ri. um jogn de pistolas de espoleta, por 4,000
rs., um lino aImilacio de Cbiilo,por 1,000 n ,
nma caixinba com instrumentos para detenbo,por4,000
ti., dous mappai geograpbicoi e doze modelos de da-
senho, por 10.000 rs.; apprebendidos lam despicho,
pelo guarda Francico Antonio da Silva C.v.lctnli:
sendo .arrenat.cio livre de lireilm ao'arrematante.
Alfandega, 10 de junbo de 1846.
Miguel Archanjo Monteiro de Andraie.
Miguel Archanjo ttc.
Faz saber, que noi rmateos desta alfandega se a-
oblo, alm do lempo marcado pelo artigo 272 do regu-
lamenlo, o volumoi abaixo descriplos; os quseidevem
os seus donos fazer despachar dentro de trinta diss,
contados de boje, lindos os quaes, le proceder IU.
venda em hasta publica, por cunta, e cuta dos mei-
mm donos, sem que Ibes fique conpetindo .llegar
cousa alguma presto no artigo 274 do citado regulamenlo. E p.ra
quo ebegue noticia dos interenadoi, mando afiliar o
presente edittl oa porta da alfaodt-ga, a publicar pela
imprenta.
Alfandega, 10 da junho de 1846.
Miguel Archanjo Monteiro di Andrade.
Arna>em n. 4, mee do dezembro dia 23, anno da
1840. sem marca e sen nnnero, una peca d<
ferro.
n. S, mez de novembro, dia 21 anno du 1813,
lellreiro a James Crablree, um embrulbo, na bate,
a.rda Emma-J'hereza.
o, 6. me de (avareiro. dia 18 annn H 1844.
lettrairo a Didier e Roberto, un embrulbo, brigue
francs Adolpho.
n. 5, mez da abril, dia 25 anno de 1844, ZP
aLuiz Bruguire. duascaixinba os. 1 e 2, oa bar-
ra meca Napoledo.
n. 6, mez de outubro, dia 7, anno de 1843, UAB
a Kenworlh, una caixinba, no brigue ioglaz Si-
terne.
n. 6, mez de novembro, dia 24,. anno de 1844,
sem marea e sem nunero, a Maooel (onc.lve uoia
c.ixinha, na barca porluguea Tintadwa.
n. 6, mez de maio, dia 15, anno de 18*4, lat-



(roiro a Antonio Teizeira de Aguiar, um ombrulho,
brigue portuguez Joupkina.
, n mesde maio, dia 15, anno de 1814, let-
treiro a Francisco Jos da Costa Araujo, um em-
brulbo, brigue portu.uet Josephma.
, o. 6, mez de agott", dia 8, anno de 1844, CF
a Catbarina Francisca do Espirito Santo, urna an-
corla, brigue portuguez Vtlura-Flix.
, n ti, mes deoutubro, dia 31, anno de 1844, JC
, W. Relly, urna quartola, brigue ingles Mary-
Queen-of-Scote.
n. 6, mei de novembro, dia 4, anno de 1844,
LSVl a Francisco Vieira dai Neci, um pote vatio,
brigue porluguei Fiel.
, n. 6, mez de deiembro, dia7, anno de 1844,
Li&C a ordem, tres eaiaa com rap, brigue brasi-
lero Americano-felii.
n. 6, meada derembro, dia 18, anno de 1844,
R a M.'Calmont & C., urna barrioa, brigue in-
gles Acapulco.
* n. 6, met de desembro, dia 31, anno de 1844,
AFM, urna cailinha, barca portuguesa Bella-Per-
nambucana (cresceo no manifest).
> n. 6, mes do Janeiro, dia 2, anno de 1845, L.
C. T., doui aaceoa, brigue portuguez Amelia.
n. 6, mes de Janeiro, dia 2, anno de 18V8, let-
treiros Jjt M.ria de Snusa, um pequeo embru-
Iho, brigue portugus Amelia.
n 7, mez deoutubro, dia 12, anno de 1842,
Icttr.iro a Johoiton Pater, umeoobrulho, brigue
ingles Severne.
n. 7, mez de desembro, dia 14, aneo de 1842,
tero marca e tem numero, dose barmetros.
o. 7, mesde deiembro, dia 14, anno de 1842,
sem marca e aem numero, orne termmetros.
0.7. mez de desembro, dia 14, anno de 1842,
tem marca esem numero, um porta-licores.
* o. 7, mes de desembro, dia 14, anno de 1843,
sem marca e sem numero, duas caisinhss.
n. 7, mes defevereiro, dia 11, anoo de 1843,
sem marca e sem numero, um quadro, brigue por-
tuguez Amelia.
t n. 7, mei de Janeiro, dia 12, anno de 1844, a
Antonio de Souza Oliseira, um embrulbo, brigue
portugus Amelia.
> n. 7,mez do Janeiro, dia 12, anoo de 1844,IFMC
urna caiiinha, brigue portuguez Amelia.
n. 7, mez de levereiro, dia 26, anno de 1844,
HG a Kalkmenn Hosemnnd, um embrulbo, bri-
gue fraopez Armorique.
n.7, mes de marco, dia 4, anno do 1844, sem
marca e sem numero, vinte e tres chapeos.
o. 7, mes de marco, dia 30, anno de 1844, LB
a Luis Bruguire, urna caisioha, barca sarda Fi-
licia.
o. 7, mez de agosto, dia 17, anno de 1844, A
Jos Ferreira Mondes Guimaiies. umcaiio, so-
maca Pirla.
n. 8, mesde desembro. dia24, anno de 1844,
lettreiroa Antonio Pereira da Cunha.umsaccocom
fi'ijio, barca portuguesa Tentadora.
n. 8, mesde Janeiro, dia 14, anno de 184o, let-
treiro Johonston, um embrulbo, barca iogleza Co-
lumbui.
o. 8, mez de marco, dia 8, anno de 1845 ,
a ordem, um maco de onfiadores, brigue portu-
guez Boa-Viogem.
n. 8, mez de outubro, dia 28, anno de 1843,
uma gaiola, a ordem, brigue portuguez Mana-
Filis.
o. 8, mesde noiembro, Jia 7, anno de 1845,
a Aletandreda Silva, um molho de louros, brigue
Maria Flix.
n. 8, mes de dezembro, dis 11, anno de 184o,
a ordem, sem marca e aem numero, uma canastra,
polaca sarda Ligarlo.
n. 8, mez do dezembro, dia 16, anno de 1843,
a ordem. umporeiode molbos de louros, polaca
sarda I.igurio.
n.8, mesde Janeiro, dia 10, anno de 1845, CP,
a Jos Pereira da Cuoba, uma csnastra, bares
Helia-I'ernambucana.
s n. 8, meado fevereiro, dia 10, anno de 1846,
sem marca e tem numero, a Oliveira Irmos, una
lata ma, brigue tardo Dianno.
n. 9, mes de no*embro, dia 21, anno de 1843,
a J s Antonio Falcio, um embrulbo, brigue por-
tuguez Joiephina.
n. 9, mes de abril, dia 14, anno de 1843, a
ordem, um molho de louros, brigue portugus
Tarujo.
n. 9, mez de maio, dia 7, anno de 1845, a or-
dem, desoito molhos o*e louro, brigue portuguez
F entura-Filiz.
n. 9, mez de maio, dia 7, anno de 1845 sem
marca e sem numero a Antonio Valenlim da
Silva Barroca, uma btela brigue portuguez
VttUura-Ftlit.
em carta Techada e a amostra a directora do mes-
o arsenal, at o dia 15 do corrente mez.
Arsenal de guerrs, 10 de junho de 1846.= No im-
pedimento do eicripturario o amanuense, Joo Ri-
cardo da Silva.
" Os Srt. socios do Gabinete Littcrsrio sio con-
vidados a reunireoi-se, em o dia 17 do corrente pelas
5 horas da tarde em assembla geral para oomea-
rem a nova direccio o tomaren medidas vitaes acer-
ca do mesmo gabinete, aendo que a direccio, de accor-
do com ot socios que compareceris! as tomar, no
caso de nlo baver numero de socios psra Itzer caaa.
Avisos martimos.
0 brigue Soaret sai impreterivelmente boje ,
12 do corrente ; o que se anouncia para inteligencia
dos Sre. regadores pasaageiros. e para que lejo
netse dia pos'los os eteravot a bordo : tratase com
Gaudioo Agostinho de Barros, na pracinha do Cor-
po Santo o. 66. ,
=Pare a Babia pretende aahir breva o bngue-eteuna
Leopoldina, e para isso recebe carga a frete : quem no
metmoquiser e.rregar. polo tratar na praca com o ca-
pillo Antonio Pereira Martint dot Sanlot, ou na ra
da Cadeia, n. 45, cata de Amorim Irmiot.
b Para Lisboa sai, impreterivelmente no dia 24 do
correte, o brigue portugue/ S.-Domingoi, e ainda
recebe alguma carga, assim como passageiroa, paraos
quaes tem escellentes eommodos : os pretendentes di-
rijao-se a ra da Crus, o.34, primeiro andar, ou ao
capitio Manoel Goncelves Vunna.
Para o Ats tai, com toda a brevidade possivel,
o brigue Soeiedade, forrado e encavilbado do cobre,
de primeira marcha : para carga e paitageroi trata-se
na ra do Vigario n. 5, ou com o capillo a bordo.
__ Para o Rio-de-Janeiro sai, com brevidade a es-
cuna Joven-Demetria ; recebe csrga a frote e etera-
vos : quem pretender embarcar falle com Manoel
Ignacio de Oliveira na ra de Apollo, n. 18, ou com
o capillo a bordo.
-m Para o Rio-Graade-do-Sul sahir breve o bri-
gue Victoria ; pode recher escravos e passsgeiroi :
quem no mesmo quiser carregar, ou ir de passagem ,
pode entender se, para estes com o capitio, e para
aquelles com Amorim IrmSos, ra da Cadeia, n. 4o.
Venderse o minio velei-
ro brigue-cscuna americano
Cumberland, de lote de 164 to-
neladas, forrado c encavilhado
de cobre e prompto a seguir
viagem a qualquer parte : os
pretendentes dirijo-sc Ha-
theus Austin & C., ra do
Trapiche, n. 56.
__ Para o Cear aai, impreterivelmente no dia 12
do crranle, o patacho Bellexa-Jo-Sul; recebe carga c
pattageiros : a tratar com Manoel Nunet de Mello, ou
com Jos Joaquim Carneiro, na ra da Crus, n. 43,
ou com o capilo, a bordo do dito patacho.
Lei la o.
Continuar o leilSo dos salvados no brigue in
gle Elisa Ann capilo Me. Kennett consistindo em
lodo o veame bote ferro &c. : boje 12 do cor-
rente as 10 horas da manbia em ponto, no mesmo
lugar do antecedente largo da alfandega grande, onde
se chao depositados ditos salvados.
% visos diversos.
L)et laragoes.
=0 Illm. Sr. inspector interino do artenal de ms-
rinha manda fascr publico, que, em virtude de ordem
do Lim. Sr. presidente, contrata a compra, e remessa
para o Bio-Ggraode-do Norte, de mil ssccas de fari-
oba de mandioca; por cujo motivo convida aos Si., a
quem convenba faser ette negocio, a comparecerem
netta secretaria com suss propottts. no dia 12 do
corrente pelaa 11 horas da manbis: preferindo-te
eTecluer a compra com a pessoa, que tenba a ferinha
em alguma embarcacio prompta a seguir immediata-
menle com ella para i leferida provincia.
Impecco do artenal de marioha de Pernambueo,
10 de juobo de 1846.
O secretario,
Alixandn fodriguet iot Anjoi.
Oeserivoda mesa de rendas internas geraes,
sertindo interinamente de administrador, no impedi-
mento deste, fas aaber a todos os tbesoureiros e admi-
nistradores de ordent, confrarias, e irmeodedes, que
o mei de junho prosimo he o marcado por lei para
sttitfazerem a segunda dcima de mi mora; e, que
fmdo o dito praso, serio eiecutados, conforme o deter-
mina a lei. .
Recebedoria 30 de maio de 1846.- O esenvlc .
Jilanhlo Pereira de QjiMi'ro.
O arsenal de guerra compra 3 livros de 300 ro-
bu cada um : quem os livor, mandar tus propoita,
0 SAQUAREMA.
O n. 4 achs-se a venda na praca da Independen-
cia, livraria ns. 6 e8.
= Precisa-te de uma ama para cata de muitu pouca
familia qu engomme e compre na ra dando co-
nbecimcnlo de tus pestoa : no p .Ico de S. Pedro ,
o. 22.
= D-se dinheiro a premio com penbores, mesmo
em pequeas por^Si-t: na ra do ttangel, o. 11.
O NAZARENO
etl a venda na praca da Independencia, livraria, ns. 6
e 8 ; casa da F na ra estreita do Bozo rio n 6.
Traz artigos curiosos a cuja leitura se convida o
publico delta cidade, interessado na maotensa da or-
dem publica.
Aluga-se, por preco commodo o armazem da
cata n. 16 da ra Vigario e o legando andar da
casa n. 1, do becco do Campello : a tratar na ra da
Cadeia-Yelha casa da viuva Seve & Filbos.
__ Para domingo 14 do correte havera vitella
muito gorda e lambem carneiro muito gordo, ludo
muito em conta ; na ra larga do Rosario acougue
novo n. 58.
= Vaiser arrematado em praca publica pelo jui-
zo da segunda tara lindos ot diat da lei um terreno
na Capunga, avaliado em 656,800 n., com 174 palmot
de frente e fundo al a estrada : o escripto acba-so na
mi do porteiro.
Precisa-so de um cont de ris em fszendat.
pagamentos, dndose, para seguranca das mesmss ,
um bom sitio rom coqueiros em ltamarac com
400 ps de fructo. livre e desembarcado; apresenta-ie
para itto netta praja conbecimento ou informaedes
da epacidade do metmo sitio : quem quizer fazer es-
te negocio, annuaciepor etta folba, para ter procurado,
ou dirija-te nettei 3 diat a ra eatreita do Rossrio ,
o. 31.
Aluga-se uma casa na ra das Trincbeiras, com
solio, quiolsl grande, cacimba 6 portSo para a Camboa
do Carmo: a tratar na praca da Independencia, livraria,
ns. 6 e 8.
__ Precisase alugar uma escrave ou pessoa torra ,
para o servico de cozioba ; na ra da Cruz no Reci-
fe, o.43.
_ O juis da irmandade do SS. Sacrameoto da fre-
gueziadeS. Jos do Reeife convida a todos os irmios
da mesma para comparecerem domingo 14 do cor-
rente pelas 9 horas da manhia oo coosutorio da
igreja de N. S. do Terco aflm de se proceder a all-
elo da mesa regadora para o anoo futuro.
as A pessoa, que, por engao, foi a casa n. 68,
da ra da S. Crui, indagar do terreno venda no becco
das Barreiras dirija-te a de n. 66, que achara com
quem tratar, e com brevidade, por i haverem oulras,
que se propoem ao mesmo negocio.
= Na casa n. 66 da ra da S. Cruz defronte da
guarda da ribeira da Boa-Vista se respondo por Jo-
s Serapiio dos Santos.
= Eutebio Rafael Rabello, subdito portuguez, re-
tira-se para Litboa.
= Pergonta-asatauloridadetprtieiras deOlinda,
te he crime andar um cidadio de pera ; e, conforme a
tua reipotta, te dir alguma couta.
O Sr. J. F. A. A. R. baja de mandar tttiifazer
certa aitignatura que bem sebe.
Aluga-se o tarceiro andar e solio da casa da tra-
vessa do Queimado n. 1 outr'ora becco do Peiie-
Frito, com bonita vista por preco commodo : a tra-
IfatarmmJniqaimCoelb Cintra, r.s mi do Hot-
picio n. 15 uu na venda junto a mesma cata.
Uma senhora de bons costumes se encarregs da
criacao de meninos de peito, impedidos e desimpedi-
dot e tsmbem recebe meninos para detmamar ,
no que promete esmerar-se; quem do teu prettimo te
quiser utilitar, dirija-se a ra da Palma, n. 17 : na
mesma cata vende-te um berco ainda em bom uso e tret
varas de bico Isrgo com ramajem e recortes, ludo por
prego commodo.
=Aluga-se uma cass na Pattagem-da-Magdaleoa,
junto a ponte graode, com oito quartos.boa sala, solio
bailante freico, com banho no lundo do quintal: na
rus Direita, n. 3. '
=Preciiase de um caiseiro : na ra do Rangel, lo-
ja, n. 45.
Os Srs. Antonio Prieto e
Manoel Lourenco de JVlattos
queirao quanto antes se dirigir
ra do Queimado, n. 4.
Pordeo-se, na noute do dia 7 do corrente mes ,
um annelio com 3 oitavas e meia doourodelei.com
um diamante esmaltado desde a igreja do S. Gonca-
oat os Quttro-Cantos : roga-se a pessoa, que o
icbou, querendo deseocarregar sua consiencia, dirija-se
ao Aterro la-li.i i-\ isla, loja de miudezss, n. 54, de
Thomaz Pereira de Millos Eslima, que ser recom-
pensada geoero'nmente.
Precisa te alugar uma escrava para o servido de
uma easa de pouca familia que saiba comprar, cozi-
nhar eentaboar dando-so-lhe o sustento e 10,000
rs. mentaet : na lioa-Vists atrs da matriz, o. 19
se dira>quem precisa,
ssa Alberto Rosbach retira-so pars (ora da provin-
cia.
= Aluga-se uma grande casa terrea com solio e 7
quartos quintal portio para a parto do detrs, sita
na ra de S. Rita-Nova : a tratar na ra da Praia da
mesma rna, serraria o. 21.
Compra-te o deposito de padaria da i ua larga do
Rozario. o. 25 ; quemseachar com direilo ao mes-
mo dirija-te a mesma ra, n. 48, primeiro andar,
al o dia 14 do corrente para qualquer reclamacio,
Precisa-te de uma preta para lavar e engommar
roupa ; na ra da Senzalla-Nova n. 42
Henrique Bernardes de Oliveira embarca para o
Rio-de-Janeiro a sua escrava Maria, de naci Angola.
Precisa-iedeuma ama (oir ou captiva, para
todo o servico de uma casa de pouca familia; oo A-
(erro-da-ltoa-Vifla n. 3.
Adverte-seaoSr. M. P. F., se por accaso nio
l os jornaes desta cidado, quo, no pateo da S. Cruz,
padaria n. 8 to dir quem d 500,000 rt. a promio ,
sobre penhores de ouro ou prata ; assim, baja dedi-
rigir-se a dila padaria para tomar dita quantia o
traspasseros penhuros que esislem em poder de Ma-
noel Felis Alves da Cruz por nao convir ao mesinn
continuar e a quantia, que se annuncia ser igual
que recebeo do annuncianle.
Quem precisar de um rapaz portuguez de Ja-
do de 24 annos, que tem pralica de loja do lazendas e
ra, annuncie.
__ Da-ge dinheiro a premio sobre penhoresdeour
prata, ou hypotheca em casai terreas : na ra do Ro-
tario estreita, n 30. segundo andar, te dir.
= Recebero-se eteravos em commissSo nlo se le-
vando nada por comedorias e 3 por cento de com-
missSo, para o que se offerecem todss as seguraocas pa-
ra os escravos oa ra Nova o. 21 primeiro aodar.
Aluga-se o segundo andar de uma casa na ra
do Trapiche, por peco muito commodo: a tratar oa
mesma ra n. 10.
Lotera da matriz da Boa-Vista.
As rodas desta lotera andio infalliveloienta no dia
26 do correte mez embora fiquem aliruns bilhetes
por vender : e o respectivo theioureiro espera quo
com este lerceiro aonuncio, deseogaoados os smsdores
dette jogo de que a lotera nio deita de correr oo
referido dia coocorrio a comprar o resto dos bilhe-
tes que existe nos lugares j declarados.
Agencia de passapnrtes.
Na ra do Collegio botica o. 10 e no Aterro-da-
Boa-VkU loja n. 48, irSo-ss psssspor'es p dentro e
forado imperio,assim como despacbao-seescravos:ludo
com brevidade.
Compras.
Compra se um moinlio para moer cal, que esteja
'ni bom uso : na ra do Pilar, n. 122.
Comprio-se as pecas intiluladat Catbarina VVard
eos Dous Renegados ; na ra larga do Rosario, ar-
masen de louca, n. 28.
= Compra-se um moleque de 14 a 20 annos,
sem achaques; em l'Yira-de-Portas n. 95.
Comprad se um moleque cozinheiri e outro
odicial de sapateiro ]u M'|,iain iniiiilv figuras; pa-
gio-se bem, uma vez que agradem : na ra da Con.
cordia, lado direilo paitando a pontezioba tegunda
caa terrea.
Compra-se um preto mneo sadn e de boa fi-
gura : na ra da Cruz, n 45, caa do Nascimento &
Amorim.
Compro-ie uma clarinete do befa, e um methodo
para a mesma em bom uso ; na ra de S. Francisco ,
palacete novo.
Compra-se un palliteiro, a peso; um piano
em bom estado: na praca da Independencia, n. 19,
ou annuncie.
= Compra-se um cordio de ouro de lei, g rosto ,
que tenba 30 oitava de peso ; e um fino, de 6 oita-
vas pouco mais ou monos ; um castipal de prata da
lei : um botiio de abertura de bom goste para lio -
mem : na ra do Collegio, armazem n. 19.
Vendas.
4>,
Estabelecioienlo novo (le Cau-
innt, ra Nova, n. 7,
dourador c pulidor de todos os me-
taes, doura relogios de rnesa, (pen-
dulas ) e toda a qualidade de g
I goarnicSes de brome, e Ihe d a ^
H gradaco de lodas as cores; limpa e \ |
fpule os trastes de prata vellios, tor- gj
nando-os como novos, doura-os, e j
M lambem os resplandores, conm, e t$
M asim vasos de greja, e os unilor- ^
H mes militares. Tem um bonito jj|
|a sorlimento de relogios de parede,
I] serpentinas e cesticaes, quadros \
j com relogios e msica, e relogios
$3 para cscriptorios. ___
__ Precita-ie alugar um escravo queieja fiel e di-
ligente, para o servico do casi: no Aterro-da-lioa-Vis-
ta n. 36.
__ Aluga-se o primeiro andar de um sobrado oa ra
Direita o. 28 defronle do becco da Penba ,
muito bons eommodos para familia, por preco com-
modo : a tratar na ra do Nogueira, o. 1.
Precita-se de um eapellio psra um engenho dis-
tante deita praca 7 legoas ; os pretendentes dirijsO-se a
ra do Queimado n. 4, para tratar
A Senhora Lucia Joaquina de Oliveira tem uma
caria na ra da Praia serraria do Cardial. Na meima
vende-se uma canoa para abrir uma grande baresca ,
pois tem 66 palmos do comprmanlo.
Aluga-se uma boa loja na ra da Cadeia, o. 40,
em que estove o Sr. Calcio e j lem armacio para
lazeodas em que o alugador oio tem a faier despe-
sas : trata-se oa mesma loja ou oa ra do Apollo ,
n. 18.

Vendem-se i excellentes pianos for-
tes, sendo um horizontal, e o outro per-
pendicular obras de muito bom gosto ,
chegados de Inglaterra no ultimo navio :
em casa de Adamson llowie & Compa
nhia, ra da Alfanilega-Velba n
aonde se continuaa vender os mais deli-
ciosos vinbos, Claret, Burgundy e Cham-
pagne tudo por preco commodo
Vendem-se ricos cortes de fazenda
da rainha Victoria de padrOes os mais
modernos chegados a este mercado, de
cores lixas, pro-va de liinao pelo barato
preco de 4^oo rs. o corte ; na ra do
Crespo loja n. 4 > de Jos Francisco
Das
Vcndemsc ricos cortes
de cassa pintada, pelo modi-
o preco de !M00, 2000, 1800,
3000 c 3800 rs. com 0 va-
ras c meia cada corte; ricos
cortes de chitas prctas o me-
llior, que al o presente tem
apparecido ueste mercado, a
3000 rs ; brm fino de puro
linho, c ricos padroes, a 760
rs. a vara; cha hysson supe-
rior, a 1400 rs. a fibra ; e ou-
tras muilas fazendas por preco
mais commodo do queem ou-
tra qualquer parte: na ra
da Cadeia do Itecife, n. SO, lo-
ja de Cunha & Amorim.
=Veude-se uma oegrioba muito bonita de 14
. 15 annos. propria para qualquer servico, com
principios de prendas e sem vicio algum ; na ra
larga do Rosario, n. 2i, primeiro andar.
Veode-se uma fhuta muito boa de bano com
7 el.aves toda appaielbada de prata ; na ra de S.
Amaro n. 8. ,
=. \ende-se uma parda do meia idade, cozmha o
diario de uma casa cose cbio lava bem de varrella o
sabio e lambem enlendo de plantaces por preco
commodo ; oa ra da Cadeia-Velba, o. 17.
Vende-te um jogo de banets de conduru uma
cama de armacao d. meiroa rmdeire ; uma l.brica de
cera e a competeole armacao de uma lo|a : oa ruado
Raogel o, 3, por biiso do primeiro sobrado.
_ Veodemse charutos regan. ue pnmcira a sa-
guoda qualidade ditos do fama-toe e do principe ,
chegados, ba pouco, da Babia por meos que em
parle algum : na ra larga do Ro/ario fabrica de cha-
rulos o. 32,
__Veodem-se 3 escravos sendo : 1 preto crioulo;
uma parda ; uma oegrinha de 10 aonos: na ra da
Cadeia casa de Joao Jos de Carvalbo Moraes.
Veode-se um dicciooaiio portuguez o latino, em
bom uso : oa ra das Cruzas, loja de encaderoador,
n. 35.



A.
I
Vende-se, ou permuta-se
por outro qualquer genero como escravos um litio
na estrada do liongi com cata de vivenda boni pas-
to* para racca de leite e boat (erras de plantacoei ;
<|ucin quier, annuncie.
Vende-se, na ra da Cruz, n. 6o,
cera em velas, vinda do Rio de Janeiro,
de tima das melhoies fabricas ; he ptimo
sortimento por ser de 3 at iCem libra ,
e por preco mais Imato do (lueeiii ou-
tra qualquer paite.
Vende se um prelo crioulo de 23 annoi de
bonita figura muito bom carreiro e canoeiro ; no
Aterrn-Ha-Kna-Vj = Vendem-so dous lindos cahrinha?, dr idade do 12
annos, pouro niail ou menos; um npgra boa engom-
iiimli ira e co'inhcira, de 20a i annos; urna dita boa
lavideira. e um negro peca de 20 annoi, todos em
vicios oem achaques, na ra da Cadeia do bairro de
Santo Antonio, n. 25.
Na ra do Crespo, n. 8, lija de Campos &
Maia existe um grande torlimcnto de c&sia-chitai ,
muito modernas, e de cores fixat. pelo muito barato
preco de 2560 r. cada corle ; dilos de ditas com 7 va-
ral a 3200 n ; colina de puro linho para calcas, pi-
lo muito mdico preco de 1600 rs. o corte ; assim co-
mooulra muilas fazemlas por menos preco do que
em nutra qualquer parle.
= Vendem-se ricos cortes de vestidos para senhora,
de lazemla virloria imitando -eda o mail superior,
que tem apparecido lano pelo bonitos goslos co-
res fitas, c de muita duracio, como pelo diminnto pre-
0 de 4000 rs. cada corle ; ricas mantas de seda para
senbnra chegadas pela ultimo navio de Franca, o mais
superior que ba nesla praca ; chale? de seda, gran-
des e pequeos de bom goilo, e por preco commodo ;
assim como um novoiortimenlo de corles de vestidos de
difierentes qualidades cores lisas e goslos muito mo-
dernos por preco mais barato do que em mitra qual-
quer pHrle; urn novo sortimento de cortes de casimiras
para calcas fazenda a maii rica, que tem appnrecido,
em gusto e qualidailo por muito barato prego ; novos
cortes de rolletes tanto de velludo e setim como de
gnrguraoe seda ludo por preco muito em corita; bont
fustoe par collete a 800 rs. o covado ; una nova
faienda para roupa deescravos por ser de cor escura
ede muita duracio pelo diminuto preco de 180 rs. o
covado; assim como outras muitai fa/.endas do di(T.--
rentcs qualidades que serio pal-nle aos comprado-
ri'S ,^ e se venilerao por preco muito commodo : na ra
do Crpo loja nova n. 12, de Jos Joaquim da Silva
Maia.
Vendem-se 8 eicravos sendo: 3 pretos robus
tos ; 3 negrinhas com habilidades ; una negra boa co-
zinheira de meia idade por preco commodo ; urna
mulalinha de 15 annos de bom comportamenlo o
cose cbSo : no pateo da matriz de S. Antonio sobra-
do n. 4.
= Vendem-se tahoas de pinbo americano de 10 a
30 palmos e de um palmo a 3 de largo ; dito da Suo-
cia costado costudinho assoalho e forro para fon-
dos de barricas ; taboas da Suecia de todos oa com-
prioiento, sem n, proprios para cnvooizar : no ar-
ma/em atrs do theelro vclho de Joaquim Lopes de
Almeiila caiseiro do Sr. Joo Matheus.
Vende se a loja de quenquilbonai e ferragena ,
do Alerro-da-lloa-Visla, n. 78, a praio, com boa ga-
randa : a tratar na niosma loja.
Mullo barato!
No Aterro-da-Boa-Vista, loja
de fazendas, n. io,
vende-se panno preto muito fino chamado limislo ,
fabricado em Portugal pelo barato preco em alien
cSoa suaqualidade de 6600 rs o covado ; dito mail
ordinario, a 2800 rs. ; ricos cotins de padroes claros
e escuros para calas fazenda, que nao desmerece a
360 rs. o covado; brins de lislras escuras, com padroes
de muito gusto e de uualidode muito forte a 400
r. ; dito de algodo de quadros fazenda soffrivel a
240 rs. o covado ; brim branen do linho puro pti-
mo para cflca a 1200 r. a vara ; dito de algodao ,
a320rs. ; algodao americano, de lislras para cscra-
vos, a 220 r. o covado; per; de bretanha de rolo com
10 varas a 1600 is. ; rucados franceres, de d palmos
de largura, muito inos proprios para vellido de se
nhora por serem de lindos padroes a 280 rs. o co-
vado ; diloi de quadnnhos miudoa com a mesma lar-
gura 240n. ; cambraia lisa, muito fina, com vara
de largura a 5000 is. a peca ; ditas de mursulina la-
vrada a 5000 rs tendo cada pega 10 vares ; maila-
polio, a 2800, 3200, 3800, 4000. 4200. 5-200 e 6000
rs. rites ltimos lio iguae em finura ao pannmbo ;
pee* de caisa lita com 17 taras e meia. a 5000 rs
e a 300 rs. a vara ; dita de cordaoiinbo lislras
quadros, muito suprriores Com 10 varas e meia .
5000 n. ; chita escura, que 080 desbotan a 120
rs. O colado ; ditas claras e escura de diversos padroes
a 140. 160. 180. 200, 240 e 280 r. ; dra em cortes]
a 2600 a 3000 ; chapeos de sol, de panniabo a 900
rs. o outro mais finos a 2200 r.
-- Vende-se vinagre branco
nacional, a 400 rs. a caada ve
lita: na fabrica da ra Imperial,
53, venda
- Vende-se um bonito molerme de 14 annoi ,
muito esperto ; na ra eilreila do Rozario, n. 10.
= Vendem-ie moendas de ferro para engonlios de
aisucar, para vapor agoa e beatas de diversos tema-
nboi, por preco commodo; e igualmente laixas de
ferro credo e batido de todos os tamanhos : na pra-
ca do Corpo Santo n. 11, em casa dn Me. Cal mor t &
Companbia ou na ra de Apollo armazem, n. 6.
Vendem-se os mais ricos
e asseiados chapeos ele palha
de Italia, que tem apparecido
neste mercado, com encites,
tanto para meninos como pa-
ra lucilinas: na loja de Joa-
quim de Oliveira Maia, praca
da Independencia, ns. '24, 26
e28.
=Vendem-se apolicesda extincla companbia de Per-
nambucoe l'arahiba ; na ra da Crol, n. 9.
Presuntos
de 5 o 6 em libra cada um superiores em qualidade ;
vendem-se no armazem do Guimaraes, defronte da es-
cadinha da alfandege.
as Vende-se urna enda em muito bom lugar com
poucos fundos muito propria para qualquer princi-
piante ; um sohradinho do 2 andares, sito na ra do
Uurgns, n. 3, que rende 22* rs. mensaes por 2:50004
rs. ; urna parte de urna casa lenca na ra da Serizal-
la-Velba que rende 4000 rs. mensaes por 500,000
rs., ou tambem 6o troci por escravos : na ra do
Amorim venda n. 17.
- Vendem-se es obras completas de Luiz do Ca-
n-oes- a melbor edicio, que lem apparecido al boje ,
por preco commodo ; na Imana da ra do Collegio ,
ou na lo|.i da viuva Cardozo A y res ra da Cadeia do
Recife.
- Vemle-ie o oflhio e novena de S. Joo liapliita ,
520 rs. ; na praca da Independencia livraria ,
ns. 6 e 8.
- Vende-se CERA EM VELAS do Rio-de-Janeiro.
sortimento e< mplilo, de 1 al 16 em libra; COLLA
I V !' Mil \, ii.uit-i superior fabricada no paiz a
9000 rs. a arroba ; AZEITK DOCE fino, em garra-
lei de 26 garrafal; AZI III-; K COCO para luz em
poriao eas caadas : no armazem de Altes Vianou,
ra da Scnzalla-Velha n. 110.
= Vende-se urna canoa que carrega 1200, lij-
los a dinheiro, ou a troco de lijlo ; na rna das Cru-
zes, n. 42
= Vende-se azeite doce a 400 rs. a garrafa; na
UavrS i i| i ii ,,. t ri] i -. n. 4,
=r\ ende-se melada do engenho denominado Ele-
phante silo na fr-guo/.ia da Escada; na ra Nova
n. 44.
Vende-se urna prela moca, de bonita figura co-
zinbeira ; na ra do Crespo u. 9.
Vende-se urna cscruva moca de 22 aonos, pro-
pria para todo o servido ; duas mulalinbas de 12 en-
nns proprias pera se rducarein ; um riioleque, de I (i
annos ile muito linnila ligura proprio para pngein
com ollici i do marceneiro : na ra larga do lio ano
n. 24, prirneiro andar
ss \ endeiii-se barricas valias grande e pequeas ,
rnui boas e prompta* para socar ussucar ; na ra da
Seo/alla-Velha, ariii-zcni de Alvos Vianna, n. 110.
- Ycnde-se
no pateo do Carmo n. 16 ; na Boa-Vista roa da
S. Cruz n. !i.
= Vende-se um oratorio de Jacaranda, cooi-3 ima-
gen obra do Porto e um S. Antonio, vindo de Lis-
boa tudo por preco raioavel ; na travesa doi Eipos
tos n. 8 das 6 as 8 horas da manliaa e das dua's
as 4 da tarde.
= Vendo-sc um mulalinho, de 13 a 14 annoa mui-
to esperto e sadio sem vicio algum ; vende-se por
precisan : na ruada Paz, n. 38.
Vende-te um lindo carnnbo de 4 rodas com as-
iento atrs para criado serve tanto para um como
para doui carelios, com os competentes arreios tudo
em bom estado ; na ra Nova coebeira de Adolpbo
Bourgeois.
= Vendem-se bons chapeos de sol, de leda, a 6j rs.
Hitos de massa. a 2400 c 3000 rs. ; pee de caisa lisa,
a 270O rs. e a vara a 280 rs ; bretanha na de ii-
nho, a 480 rs. a vara ; brim pardo liso de linho muito
fino a 440 rs. a vara : oa rus do Queimado loja
n. 8, de Caetano Jos da Silva.
Vendem-se ricos cortes de colletei de gorgurao,
bordados de teda ; chapeos de sol, superiores; suspen-
sorios de borracha a polka ; ricos bicos de linho ver-
dadeiro ; grvatele lencos de seda para bomem do
ultimo goslo ; luva e lencoi ptra lenhora da ulti-
ma moda ; a verdadeira agoa de Colonia superior :
na praca da Independencia loja n. 39.
^ LOJA
DE6POlfSN0J2
HE-
n. 7; ra Direita, n.
de M. Miranda; no Aterro-da-
Boa-Vista, fabrica de licores de
Frederico Chaves; e na ra do
Trapiche, armazem de molhados
do JNicolle.
Farelos em saccas muito
grandes, chegadasultimamen-
te : nos armazens de 4.usina
raes e do Bacelar, clelronte da
escadinha da alfandega.
superior fogo
da China, em caixas de 40 carias,
por prego commodo : na ra da
Cadeia de S. Antonio, n. 25.
Vende-se urna cr.bra (bicho) com urna cria e
da .' medidas de leile ; n ra da Cadeia do Uecile ,
n 2o, se ilirn quem vende.
Vendem-se superiores charutos regala, da fa
lrica da liabia o de outras qualidades tanto da
mesma cono da trra fumo em rama do prnneira e
segunda lorie em porcao o a retalho ; tudo por pre-
cocommolo: na fabrica da ra das Trincbeiras, ao
entrar no pateo do Carmo.
Vende-se urna venda com poucos fundos na ra
de S. Hita n. 7 : a tratar na mesma venda.
Vendom le charutos de todas ai quali Jadei, che-
gadoi prosiiiiaiiiento da Kabia como lejao : regala ,
principe fama-voa, cubegudo ; ludo mais em conta
do que em oulra qualquer parte ; um tiolao ; um Po-
pe em 4 lomos; urna Selecta ; um fbula : oa ra do
Oiieima io, luja n. 21.
..amamamxam
'i
MAZEN E JLOJA
mALFIA
mjANOVA
,--=.:. i III 5
\ende-seum esplendido sortimento de cortes de
colletei de velludo lavrado setim e gorguro dos
mais modernos padroe; casacas e 6obre-caacai de pan
no e merm ; lenco de grevM* de !'"'! nedrdee:
elpsca ; e outras muitai faseoda de bom goslo e por
preco mdico.
= Veode-ieuma cinoa de carreira', quasi nova,
e proropt a navegar muito bem feita ; na ra da
Praia de S. Rita serrara n. 21.
Nai lojas do bom barateiro de Guerra silva &
Companbia, na ra Nova, ns. 6 o ll, vendem se olea-
dos piolados circularmente para lerviretn para meia
de tneio de sala de mu lindos padroes, tendo tam
bem outros pare mesas mais pequeas com o jogo de
damas pintado no centro e crus em outros, por pre-
co muito raioavel.
=Vende-ic o sobrado novo de un andar e trapeira,
Nesla loja dai boas pecbincliai vendem-
"'t te chitas a 140, 150, 160. 170 e 180 rs. $
fe muito superior, de cores litas a 200 rs. o JA
covado; peces de madapoln, a 2600, 2900 3a
a 3000, 3200. 3400, 3600, 3900, 4000 4200 S
y 4800 e 5000 rs. e muito lino a 6000 rs. ; C
J cassas o cambraias di cures de difierentes qua- *

)i muito bonitos padrdes. fazenda muito propria 9
jfi para calcas a 1400 e 1600 rs. o corte; luvas ^ de seda para senhora. a 320 rs. ; alrr desle
.M lem outras muitai fasenda, bem como cha- ^
^ les de minio bonitos padrdes ede goito mo- *
. derno ; panno preto muito fino; cobertores *
St hespanbes., riscadinbos e chitas fraocezas ; ?f
V cortes de casia o de chita muito superiores, "'5*
fjA pelo preco jannunciado antecedentemente. t
.. \ en I-ir. s" 2 anneloes, 1 cruz, 1 frontim, 1 alfinete
depeilo ludo deouro de le, com riquissimos brilbabtes
do bom goslo ; 1 corrento 1 cordao, 1 par de brin-
cos com 4 diamante!, um annel com pedra victorina ;
luito tambem de ouro de lei e se vende sem feitio ,
a 5520 rs. a oitava ; urna salva de prata de lei para
um copo quasi nova tambem se vende iem feitio :
oa rus estrella do Itozario n. 30, segundo andar.
Vende-se assucar refinado
muito alvo, e a prego muito com-
modo ; na reiuaco da ra Di*
reita, n. 10.
-\ eiiilem-M' 2 negrinhas (learan, de bonitas figu-
rsa ; na rus da Concordia lado direito paliando a
ponlezinlia na segunda casa.
Vende-se vinagre tinto, a 45.000 rs. a pipa ; di-
to branco, a 35,000 rs. dita : na ra Imperial, n. 7.
= V endem-ie escrevos mocos do bonitas figuras,
e al;ons com habilidades; 3 pretal pecas : na ra No-
ve, n. 21, primeiro andar
Vende-se urna canoa de amarello vinhatico com
50 palmos de comprimento propria para constru-cao
de barceca, pur ter mais de palmo de groiiura nos en-
colemenlos ; na ra de S. Amaro, o. 8.
DLPOSITDEFAR1NIIA.
No armazem de porla larga do caes do Collegio ,
ha farinha de mandioca novamente ebegada de S. Ma
tbeus e S. Catbarina a relelhn, ou em grandes por
i.oes por preco c. rnmodo pela medida velhe; e tam-
bem arroz pilado o caf
- Vendem-se os mais as-
seiados cortes de cassas pinta-
das, com 7 varas cada corte,
pelo barato preco de 5^000
res: na ra do Crespo, loja
n. I'i, de Jos Joaquim da
Silva Alaia.
ss Vende-se um ptimo csrrioho de duas rodas por
preco commodo ; na ra do AragJo coebeira, n. 17.
Cotins de linho, a 2^400 rs.
Na loja da esquina da ra do Collegio, de Guima-
raes Seralim Companbia, vendem-ie cortes com i va-
ral e meia de cotins de linbo para eticas pelo mdi-
co preco de 2400 rs. : esta fazenda bo de linho, e igual
aos brins trancados mas difiere no goslo por serem
mais modernoi os desenlio!, que lio esculos, de listra e
quadros, epor isio he mui propria da presente esteco :
dar-se lian amostras recebendo-ie a competente se-
- Vende-se farinha de tri-
go SSSF da marca verdadei-
ra, chamada Ramo, em pe-
quenas e grandes por cues, a
voutade dos compradores : no
escriptorio de Kalkmann &
i&osenmund, ra da Cruz,
ii. 10. !
= NaroiNoM, n. 8, se dir quero vende oro
banco e urna porcio de tarramenta pertenesnto a ofR.
cin de marceneiro, urna mui boa flauta deebaoocorj)
5 cbavei. e um mostrador pequeo com 6 vidros, por
preco commodo.
= Vendem-se meias barricas com farinb gallego
na ma do Trapiche-Novo, n. 18.

Kla muita superior marca de vicho champagne
muito conhecida n Europa o nos Eilsdoi-Uniso d,
America, acaba decbegar a este mercado e veods-u
na ra daj Cruz o. 20 casa de Avrial Irmoi.
Vende-se urna vecca turioa tem cria ; na es-
tribara da ra da Florentina.
Vendem-ie duat canoas (de conduzir agoa qQ,
tambem serven) para qualquer outro lervico ; e uan
bomba ; tudo por preco commodo : na ra da Pm,
n. 35.
Vende-te urna eanoa aberta para conduiir areii
na ra da Cadeia de S. Antonio detrt da can n, 17'
te dir qusm vende.
Vendem-te un coraet, obra de muito bom goi-
to e ouro muito superior: na ra doi Qutrleii
o. 24.
Escravos Fgidos.
= Kugio, do sitio do Sr. Duboureq ubi prela,
de ame Fortuna de ntco Mocambique, partetces-
te ao Sr. VicenteThomaz dnt Santos ; a qoiltamoi v|
signaei leguintes : de bonita figura de idade de 18
annoi bem fallante o beico superior lurtdo ; tea
un calombinbos de carne desde a ponta do nariz at a
testa modo de tua naci : quem a pegar, leve aodito
litio ou no principio do Aterro-dos-A Togados, n. 31.
Fugio, no dia 7 de maio, o escravo Jlo, de na-
ci Angola alto, secco, cara larga olbos grandes,
nariz bailante chato ps spalbetados ; levou caroin
de madapolio ceroulas de algodio ; representa lar
30 etantot annos : recommenda-ie a toda ai autori-
dad-! e capilaes de campo, que o pega re m, de lavi-
rem a ra do Queimado i.. 40, terceiro andar, oa
noi Afogados ra do S. Miguel n. 20 que is re-
compensar.
0 abaixo assignado faz publico, que.aoama-
nhecer do dia 5 do corrente, Ihe rugir um seu es-
cravo de nome Joaquim, sendo este mulato, dees-
tatura regular, bastante corpolento e espadaudo,
i-i'n- clara e alatoada, cabellos pegados ao casco, sem
barba, apezar de representar ter 25 annos de idade,
ps grandes, bastante grossos e mal feitos, imi-
tac3o dos de Gallego, falla mansa, e anda mais
quando, com medo, tem de responder a alguem,
que pela humildade parece querer chorar: levou
vestido calca de riscado azul de lislras miudas, ca-
misa de algodSo americano, jaqueta do mesmo pan-
no, porm azul, chapeo de couro cortido dos de ser-
tanejo, e, por furto, urna calca branca, urna camisa
dealgodflo americano e urna rede, roupa esta delle;
e do abaiso assignado duas camisas de madapolfio
lino, e at engommadas, um anelliio de ouro com
diamante, que tudo se verilcou por exame feito de-
pois da fgida do mesmo, tendo por vicio fumar
cachimbo, e isto amiudo; cujo escravo havia com-
prado o abaixo assignado, a 30 de abril do corrente
anno, a Jos Francisco da Silva, morador nesta pra-
ca, por remessa que delle, e de outros, Ihe fizera
seu mano do Aracaty, de nome Francisco da Silva
Cassico ; epor informaedesdo vendedor, com quem
se foi o abaixo assignado entender no dia da fuga,
soube ser o dito mulato natural dosertao, do lugar
denominado Barreguda, e depois mudado para o
ugar denominado Serj-a de Luiz Gomes, onde pre-
sentemente mora o senhor, que foi delle, de nome
Antonio Vieira, lavrador este de Concalo Jos de
Mello, tambem morador no mencionado lugar Ser-
ra de Luiz Gomes. Este escravo foi visto hontem,
dia da Tuga, na casa de rancho do Sr. Rufino Gomes
da Fouseca, situada na ra da Conceicfio do bairro
da Boa-Vista, procurando comboy de serlanejos
que estivessem a partir para o Assu, Ico e Pianc;
por isso, o abaixo assignado quer merecer o favor de
a todoocomboyeiro, que elle aqu procure, nio s
desles, como d'outros quaesquer sertOes para com
elle seguir,, talvez inculcando-se forro, ou mesmo
que espere por ditos comboyos fora, de o agarraren!
e o entregarem autoridade policial do lugar, onde
qurque elle seja por ventura agarrado; rogando-se
ao mesmo tempo aos donos dos ditos comboyos de
prevenirem aos seus conductores, com toda a re-
commendago, de urna vez o dito mulato com al-
guem se cntendendo, de, sem dolencia o agarra-
ren^; e o mesmo implora o abaixo assignado com
instancia a todas as autoridades tiesta capital de
Pernambuco, e suas comarcas, termos, povoacOes
ovillas, e mesmo s d'outras provincias, onde por
ventura tenha de apparecer o mencionado mulato;
assim como a todos os capitSes e mesttes de embar-
cacoes, com particularidade as de navegacffo deca-
botagem, da carreira dos sertOes, e de outras quaes-
quer provincias do imperio, o maior escrpulo no
recebimento de passageiros, ou mesmo de escravos
a frete, afim de que nOo sejfio Iludidos; e o mesmo
favor se implora aos capifes de campo e pessoas
particulares, concorrendo o abaixo assignado cois
todas as despezas. Sendo a captura pela polica, e
por outra qualquer pessoa, se dar urna gratificacio
vantajosa, podendo, urna vez capturado, leva-lo
casa do Sr. Antonio Joaquim de Mello Pacheco, na
ra Eslreita do Rozarlo n. 8, onde presentemente se
acha o proprio dono, que delle tomando conta, im-
mediatamente recebera a pessna que o levar ini-
porlanci das despozas e gratificacio oflerecida ; o
sendo que a esse tempo j nSo se ache nesla praca o
abaixo assignado, o poder conduzir ao engenho
Ubaquinha, em Serinhaem, onde o acharo; ean3o
conviraoaprehendedoralli o levar, o poder entre-
gar aodito Sr. Antonio Joaquim de Mello Pacheco,
que aulorisado entilo {cara para tudo satislazer.
Pernambuco, 5 de junho de 1846.
Joo Francisco Sanios fa Sigueira
PEBI. } NA TTP. DE M. F. DE PARIA 1^4^
)


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ESU3S4US2_4I3NO1 INGEST_TIME 2013-04-26T22:06:42Z PACKAGE AA00011611_08297
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES