Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08296


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno de 1846.
Q u;irti feira 10
0 DIARIO publio-se lodos o dias que no
f r.m He guarda: o preco da assc-natura lie de
ion r>. por quartel, pagos adiaitlados. O
nuncios dos ssignunles 5o inseridos a razio
5" in lis por linha, 40 ris en typo difieren.
1 ,\ rcpetiroes pela roela.h.-. Os que nao 10-
"m u,ignsoM pagoSO ris por linde, e 160
rtm
m'5r'
ditl'erente.
CHASES DA LOA NO MEZ DE JUNHO.
, e|eenie 2 s 3 horas e minutos da manha.
|LkcIi:i* 9 n,r" e "5'ninulos da Urde,
, n0,riiea I0as4 horas e 17 min. da manlia.
?' "n0V a 13 as. 8 horas e 27 min. da Urde.
PARTDA DOS CORRF.IOS.
Goianna e Parahrl'a Secundas e Sextas feiras
Rio Gr.mile do Norte, chega as Quartas feiras
no meio da e parte uas mesinas horas as
Quintas feiras.
Cnlm, Srrinhacm, Rio Formoso, Porto Calvo e
Macey, no I.*, II e 21 de cada mez.
Garauhuns e tlnnito a 10 e 24.
Boa-Visu e Flores a 13 e 2B.
Victoria as Quintas feiras .
Olinda todos os dias.
PREAMAR DE HJE.
Primeira as 8 li. e 6 minutos da manha .
Secunda as 6 h. e 30 minutos da tarde.
de .Funlio.
Anuo XXII N. !29.
DIAS DA SEMANA.
8 Secunda S. Sslustiano and. do J. do* orf.
t do .1. doC. da 2. v. do J M da 2 v
9 Terra S Primo, and. do J. do civ. da I. v.,
e do J de nal do I. dist. de t
10 Quarla S. Margarida aud. do J. do civ ila
2. vara, t dn .1 de paz ilo 2." dist. de I.
11 Quima jffi& Pesia do Corp de Heos,
S. Bamah.
12 Sexta S. Facuniio, aud. do ). docivel da I,"
vara, c do I. de pal do 1.a dist. de tarde.
I> Sabliado !.!< 8 Antonio Padroeiro da
Provincia.
14 Domingo .V Batilio.
CAMIUOS NO DU DE JUNliO.
Camino solire Londres 21 '/3 d. p. lf a 60 d.
a PaiislsO res por fi-mci.
I.iilioa 105 '/ premio |xir mei.
Oe^c. .Id leir.i* de linas linii.li I '/i l> % mcz-
OuroOneai bespaaliolaa.. SiJiOO a 13
M.'c.ln de JHO L l6it 10 l i
> defijioonov. ISAM a lB#4no
de IJOeO.. 9ni>n a '-'"
Prala Palace*........ IJUM8 a IJ'JU
Pesos coluinnares.. ifADll a 1JM0
DikM Mcsicanos... ifli < ll91tt
Min.I............ IJ780 a l|800
Acrcs da Comp. do Ilcherhe de iOJOOO ao par.
DIARIO DE PERNAMBUCG
PARTE OFFICIAL.
Governo da Provincia.
EIPIDIERTE DO OA 28 DO PASSADO.
Officio=Ao deiembirgidor procurador da oora, ao-
btrama e fuenda nacional, exigindo inlormaiio obre
om requerimento do padre Antonio Therezo de Olivei-
n Anluoei.
HiloAo commisiario pagador, determinando, pa-
gue o* 2,010 rt., que om o recruta Franciico Rodri-
gues de Feria daspendeo o delegado do Liinoeiro.
OH,,Ao meimo, eutorisando-o a aupprir, no fin do
corrente eiereicio, a rubrica koipital regimtntal com
2:1(.I"'*8b rs., lirados do crdito aberto para ai des-
peas do arsenal de guerra em o meimo eiereicio.
Piiticipou-te i Ibesoureria da fazenda.
DitoAo inspector da tbeiouraria das rendea pro-
vinei.es, declarando, que, emquanto o contratio Ibe
to fdr determinado, nao efleitue a compra da (arioba,
que tinba de ir para Flores, e cojo conductor, segundo
S. me. declara, nio quii prestar flanea.
DitoAo meamo, e ao engenbeiro em chele das o-
bits publicas, ioteiraodo-o de baver prorog.do por
Ire mezes o prazo, dentro doquil.o arrematante do
primeiro lanco da estrada do Pomhsl ao raradouro de
Olinda te obrigou i concluir o referido lanco.
DitoA' cmara municipal do Pao-do-Alho, deter-
minando- Ibe, receba quanto antea asactaa daeleicSo,
i que no respectivo cllegin eleitoral, ba pouco, ce pro-
cedeo para dous seoadores, e que aquella muoicipalida-
de rejeitou, sob preteito de estar de posse de outraa
mais legan, segundo consta de oflicio do secretario do
mesmocollegio ; declarando-lbe, que a cmara legiala-
tiva, a que teem de pertencer os dous membros, de cu-
ja eleicio te triti, e nio & ella, he que compete de-
cidir da vslidsde ou nullidade do collegio em questio ;
e recommendando, que, copiadas ai mencionadas ac-
tas, cumpra as ordens, que semelhanto respeito loe
lrflo espedidas.Participou-se ao secretario do eolio -
gio eleitoral do Pao-do-Albo.
Dito Ao engenheiro em chee, autorisando-o a
mandar Iszer os concertos, de que precisa o pavimento
de alguna quartos do quartel do Hospicio, por conta dos
100,000 rs., que sobrarlo de outras obras, & que, sob
sus direccio, se procedeo em o mesmo quartel. Par-
ticipou-se so commissario-pagador.
DitoA' administrarlo dos estabelecimentos de ca-
ridade, ordenando, mande recolber ao respectivo hos-
pital o louco furioso, Bartbolomeo liallbasar dos Res,
que sera remettido pelo commandante geral do corpo
de polica, em um deseujos callaboucos se acha re-
colbido. = Parlicipou-se ao commandante geral do cor-
po de polica.
Commando das Armas,
quartel geneha1. na cidade do recipe, 9 db
jumio de 1846.
Ordem do da n. 10G.
F.co publicar, para conbecimento das tropas desta
guarnirio, os avisos circulares baiio transcriptos, ex-
pedidos pela reparlicao da guerra, Des datos de 25 de
srlembro e 16 de maio ultimo.
Illm. eE.m. Sr Renovando-se com demasiada
frequeocia o abuso de se concederern lcenfas aos offi-
ciaes do exercito pelas presidencias das provincias, com
eicesso das respectivas altribuicSes, e sem attenco as
formalidades do estyllo:S.M. o Imperador manda declarar
V. Esc,que a faculdade, conceaida aos presidentes de
provincia pelo $ 14,artigo 5.' da lei n.38 de 3 de ou-
lubrodel834, de dar licencas at tres mezes.deve en-
tender-se so com meio sold a respeito dos militares,
precedendo os requesitosproscripto no artigo 7.dore-
gulsmento, que baixou com o decreto n. 293, de 8 de
maio de 1413; (cando a concessio de licencas por maio-
res preros, e com sold por inteiio, reservada ao mes-
roo Augusto Senbor, por intermedio de seus ministros
secretarios de estado, a quem os pretendentes devem
recorrer cornos seus requerimentos.processados na for-
madas ordens em vigor : oque ron.mmico a V. Eic.
para seu conbecimento e restricta observancia. Dos
guirdeaV. El. Palacio do Rio-de-Janeiro, em 28
de setembro de 1845.Antonio Franciuo de Paula
Uollanda Cavalcanli di Albuqutrqut.
Primiira secedo.
Illm. e Ei-m. Sr. Teodo se suscitado dusidae so-
bre estarem ou nio comprebeodidos os officiaes das
quatroelassesdoeseroilonadisposir;io do aviso de 25
dnoutobrodoanno proiimo passado, em que se de-
dsrou, que a faculdade concedida aos presidentas de
P'CtI!!! >! S 14. artigo 5.* da lei o 38 de 5 de
outubro de 1834^ de'dar licencas al tres meses, dte
entender-se s com meio sold a respeito dos militares:
S. M. o Imperador bouve por bem mandar signi-
ficar a V. Ei.. psra aeu governo, que oa officiaes da
quarta classe sio os nico exceptuados, Dos guarde
V. Exc. Palacio do Rio-de-Janeiro, em 16 de maio
de 1846.Joto Paulo doi S'nto$ Barrito.Sr. pre-
sidente da provincia de Peroamboco.
Antonio Comi Sidra,
lirigadeiro commandante das armas.
EXTERIOR.
HESPANHA.
Folhasat 13 deebril.
SS. MM. e A, permaneciao oto Madrid sem incommo-
do algum.
Na Gatela di Madrid de 13 veem transcripto os do-
cretoa, pelos qimei sin numeadus para os ministerios,
que vao designados, os seguales individuo. Minis-
tro da guerra, o general D. Laureano Sanz, finando en-
carregado do despacho, cin quanto esle nio tomar ronta
da pasta, o ministro da marinha, D. Francisco Armero.
ministro f a fazenda, D. Alexaudre Mou. ministro
do reino, D. Pedro Jos Pidal. ministro da graca c
jusiira, D. Joai|uim Dias Caneja.
Na inesma Goieis vero o decreto exonerando dn o.ir-
go de ministro da gra^a e justica D. Podro Egana.
Com estas nonieaffies fica completo o ministerio hes-
panhol.
Ogovernndor do Vigo participa a 8, qno naqualln
praja reinava o luelhor oslado du iranquillidade, u que
> mesmo aconteoia em toda a provincia de Pontevedra,
Orense, Prn(a-do-Ferol e Comuna.
dem at 15.
SS. MM. o A. perraaneoiio em Madrid aera nnvidado
alguina. A corte dispunba-se n.partir para Aranjuez.
0 chefe polilioo do Pontevedra participa a 11, que no
seu dislricto reina tranqiiillidade.
O chefe polilioo de Orense, em data do 10, di parto
da sabida do comroaiidanto geral no dia anterior fren-
ir do provincial de Mndonedo, o qualru compauliias
do de Guadalajara, com direefao a Santiago. Parece,
que a insiirreiciio se achara cuneeiilrada em L'Jgo u
Santiago.
O ollero poltico de Lugo participo, de Montarle a 10
a approximafao das tropa do general D. Jal de In
Concha.
Em Len, Puebla do Sanabria e Zamora reinava tran-
quillidade.
Por decreto de il, tai nomeado D. Agoatinho Ar-
mendariz comminrio-rcgio do banco de Isabel II.
Por deorelo de 13, fui redundo a 18 o numero dos a-
genlesin cambio da bolsa di' Madrid.
No da 10 chegon n Bayona o general Narvacz, onde
Ihe liuhao hnbilajea preparada. Una follas* de
Bayona diz, quo o duque do Valencia uu dia aeguiato ao
da sua chegada foi oiiiiipriroonlar S. A. o iiirauto II
Heiirique, que all se acha.
Eiu tuda as provincias de lln-p mli.i, exc.epcSo dos
pontos sublevados da Galliza, reina traiiqinilidado.
dem alo 26.
SS MM. e A. permanecio em Madrid s*m uovidade
algi.ina.
No da 24 Iiimivo em palacio um bnll.ante banquole,
a que assiitiru as autoridades e nutras pessoa nota-
reis.
O general Concha participa de Orenae a 20, que eui-
prclicndia a sua marcha na manlia do dia segiiinle, ili-
rigudo-se a La I i ni sobre Santiago, em perseguirlo iloa
rebeldes, que coiuiii.iuda Solis, o que prevena o br|>a-
deiro Blaser, pnra que, pela sua parte, nlnquo as tarca,
que os sediciusos lenhao em Vigo e anas uniuediactV't.
Uiiiesiiiugeiiri.il dix lereiii-se apresenlado os indivi-
duos, que, prrlencendo ao batallifie sublevado, ui"o
leein tomado porte na su criminoso seilicSo, a fin di-
que aproveiie o seus servico. Enlro elle secontao sa-
le i.fliciaes.
U governador civil de Orenso participa ter regrosa-
do da sua expedicao a Kibadavia, donde se retirarlo na
rebelde, que se dirigirlo a Vigo por Caiza, depoja de
lereni vendido, a baixo prefo, o deposito do sal, que
existia em Alfol.
Da Cnrunha tinhio sabido os novios necessarios para
o bloqueio da costa da (eliza.
Assegura-se, que em Lugo existo niuilo puuna tarca
armado. Muitas familias so rclirardo da cidade para un-
iros ponto.
Diz-se, que Rubin, um dos dietas do revoltoso,
dissera aos aeus amigos em Ribadavia eCarvalliuo, quo
se uo cumpromettessem, que j erao bstanles os en-
gaados e perdido, e quo elles so dingio a Vigo,
ara conseguir sslvarem-so, ou por capiluloco ou na
fuga.
O Heraldo dii, quo o general Ros de Olans, tai no-
ir.eado segundo oommaiidante de Castella, a Velba.
Tambero se diz, que o general Requena substituir o
general Paria, no dislrclo mil.lar du Navarra; e o ge-
neral Bayona, ao general Balboa, na capitana general
de Burgos.
As noticias de Carlhagena onnuncio ter-so ciesco-
berto all nina oi.nspirajl, em consequeno.a do que
tarlo presos e enviados para Cdiz o Valencia vorms or-
ftciaes e sargentos. A dada oonlinuava tranquilla.
Em Logronho tambero os soldados descobrirao, que
varios sargentos andavlo tramando urna conapirsoao.
Os autores desta tcnlaliva tarlo presos e mettidos ero
processo ; e o capitn general de Burgos doclarou a pro-
vincia em estado do sitio.
Na Universidade de Madrid honverao alguroas desor-
dena, dsndo os estudantea vario grilos sedieiosos ; po-
rm ordem retabelecco-se immedialaiBente.
A' excepcao destas tentativa, constara ofllnialmente,
queemloda. as provincias do Hespanha aegosarade
FRANCA.
Parir. 1!) di abril.
A 16, pela noute, sesoubeem Paris o attentado com-
mettido contra a vida do reidos Franceses, oque en-
ebeo da mas prolunda indignacSo todas as almas no-
bres e generosas.
J naquella noute urna grande parte da cidade se il-
luminou em celobra(io de ter a Providencia salvado
mais urna vei a vid do monarcha Irancez. No dia se-
guinte nio bouve as camsrs nnm na imprensa outro
grito, senio o de indignacio contra este attentado. O
rei n3o devia chegar a Paris, senio no dia srguinte,
quantas pessoas notavois conla a capital de Franca lo-
rio a Fontainebleau a felicitar a S. M. No dia 18, Luiz
Pbilippe regrestou a Paris, e s duas horas e meia da-
quelle ii esmo dia, a cmara dos prese a dos deputa
dos, a p, e numerosas como nunca, forio apresentar
os seus respeitos ao soberano de Franca. Esta scena tai
verdadeiramente sublime, e ella contribuio a aportar
cada vez mais os lar .s, que unem o paz i dynastia de
julho.
No meimo dia, a cmara dos pares, em consequeocia
le nm decreto de S M. seconstituio em supremo tri-
bunal de justica para julgar o novo regicida. Eis-aqui
os mais extensos pormenores, que temos podido colbcr
sobre este borroso attentado.
O rni, a rainha, a princeza Adelaide, o principe ea
princeza do Salerno, e a duquesa de Nemours, lio de
carrinbo : o duque de Nemours e o principe deJoin-
ville acavallo Mr.de Mootalivet, que acompanliava
o rei, oceupava um lugar ao lado de S. M. no primoiro
assento do carrinho, o qual caminhava sem escolta. Al
guns officiaes do primeiro regiment de buisares, que
lavia nllrabido a caca, galopavo sos ao lado das porli-
iihnlas. com o capilio Brahault, official de ordenanca do
rei. Desde n partida aebava-se do emboscada, atrs de
um muro do bosque reservado, um individuo, que ti-
nlia a cabeca coberta com um lenco, e na mi urna es-
pingarda apontada para o carrinbo rcsl ; porin o tiro
eslava reservado para a volto, pirque, segundo assup-
posic6es daquelle homem, o rei devia eolio echar se
melhor collocado para receb-loicurta distancia daboc-
ca da espingarda. O individuo nssim collocado, como
um cacador, que espera a sua pr ra, ere, como se de-
monstra, o chamado Lecomto. Este homem, que lera
48 annos de idade, nasceo om Heaumonl (costa do O-
ro). tein um carador vingalivo e violento, mis opinin,
limitada intelligencia, e repulacio doteslavel. He soltei-
ro, e morava na ra do Collisco eni I'aiis.
Diz-se, quesnles de 1850 linha formado parte da
expeditio de Hespanha, como alferes da guarda real ;
depois fes a csmpanha da Morca, e rocebeo. nn pri-
meira destasduascampanuas.e cruz da legiio de honra.
Quando deixou o servico entrou OOtno iuarda-bos-
que das possessoesda casa do OrleaiiS. Dopois de 1830
foi collocado em FontainebleU como guarda geral do
patrimonio da cotoa. depois do ter passado successiva-
inonte por todos os graos inferiores Em todos os seus
diflerentes empregos havia acompanbado todos osan-
nos o rei no seus passems a Fontainebleau, e muitas
vezes precisou da sua indulgencia, porque quasi sempre
desempenbou muito mal os seus dnveres. Ha perlo do
detoito mezes, que pedio a sua demissioero urna carta
cheia dos termos mais insolentes: lizerao-so mil estar-
cus para o attrahir a sentimenlos rnai nubre e conveni-
entes : porin, dotado de um carcter tenaz e indomilo,
persisti, levando a rosadla at ao ponto de renunciar a
nina pensio de reforma, que Ihe oflereciio. A pensio,
riflicins de Granada annunoiio terem all chegado
o duque e a duquesa de Saxonia-Coburgo-Golba, aoor.-
panh.dos da su. ceroilira. SS. AA. deviio partir a 18
do corrente para Cordova.
comtudo, ficou averbada sem a sua annuencia.
Enlio lee a stranba ideia de pedir o capital desta
pensio, o qual Ibe tai positivamente negado. Lecomto
concebeo um prolundo odio centraos seus entigos su-
periores, e em particular cootra Mr. de S.hune, admi-
nistrador das maltas reses, que ebegou a er o objeeto
de suss auic.cn, e al, segundo algn, de suas violan-
cas. Mr. de Sahune vio-so na necessidade do appellar
para'a polica, para que o vigiasse.
Nenbum fado digno de anltencio occorreo no es-
paco do dous ou tres mezei, e acredilou-so. que Lecom-
la eslava tranquillo e socega lo. A v.g.lanc.a lo. ca-
da dia menor; perdrio-no de vista, o bemdepressa os
seus passos forio igualmente perdidos pela polica. Que
le neste lempo, oinguem pde.dize-lo, at que a ins-
tructio do procesio nio aclareo mysterio da sua con-
ducta e a natuteza das suas relacoes ; e ate que a justi-
ca nio pronuncie a sua senlenca. Porm oque se po-
de dizer he que Lecomte, depois de ter oceultado cui-
dadossneote a sua vida duranto tres mezes, tornou a
pparecer, a 16 de abril, no bosque de Foitainebleau,
armado de urna espingarda regicida. Lecomte gozada
reputacio de ser um dos melhores atiradoies do depar-
tamento do Sena e Mame, e nio errar un.a corsa a ceo-
lo e cincoenta passos. Temo-lo deixado emboscado
atrs de um muro, esperando a volta da familia real
Ouve-seorumorda carruagens; decobre-e o carri-
nho do rei, que desemboce ptlo pequeo ptrque.de
Avon, para a parle reservada, chamada dosFfn, O
re oceupava o primeiro assento, levando i sua esquerda
o conde de Monlalivet; no segundo lio a raioba e a
princea de Salerno ; no terCeiro a princeza Adelaida e
a duquesa de Nemours ; e no quatto o principe de Sa-
lerno, irmiod rainha. O carrinho era puchado a seis
cavallos, e precedido por um baledor, e passou ao tro-
te por diante a mui prximo do muro do pequeo par-
que. O Hitiioo MUta no seu posto, collocado sobre
um feche de lenha ; a sua espingarda tinba ambos o
canos carregados, e eslava apontada hbilmente a urna
altura calculada sobre o muro. O carrinbo real appro-
ximou-S" ; porin, em vez de achar na linln da ponta-
na a cabeca do rei, como Lecomte tinha acreditado,
encontra a do Mr. de Montslivet, a quo coohecia per-
peilamente.
Entio se v obligado a fuer um movimonto rpido,
porm incompleto, para mudar a direccio da espingar-
da ; o tiro parti a ilusa passos de distancia, e a carg,
OOmpoata de duas balas Jo calibro, foi queimar a fran-
ja do luido do earrinli i pur cima da cabeca de S, M. ,
enhindo n buch.i sobre a i.ii.i di rainha. Outro tiro SO
diparou na inesma dircne.w. 0 rei exclama ; Nio
he nada, lio o final da cac,a K disso ao coclieiru :
Para dianlo, vamos pira palacio. O corteju se p
em marcha. Ao ruido da duas iletiina(>, um dos mo-
fo da oatribera, que tu a oarallo, oh imada Mdlet, sn
tpproximou apresaadnruente do muro, salina da sen ael-
liui, pasou por cima do rou"o, o corroo em p.-r-ej;ui-
i;,'io ilo attaaiina sjritando-lhe : Ou te apanda viva,
iu roe matas. Locomlo volt in o iratou de defender-
se. Sendo datada de urna torca prodigiosa, Millnl, ape-
lar do sen valor, corra grande perigo ; pormu bem de-
pressa se vdauxiHada pelos oflleiaes dos hussare, quo
unli.'io aconipanhado o re, c que, tendo dado volta ao
muro a toda a brida, c.irri'io a auxilia-lo ; assiin como
Mr. deLabadioo Mr. lir.ibaul, oltici.il du urdouacca do
re.
O taaauino renunoioo n luetar; nntragoa-aa, confes-
soii o seu crime, iiMiufestaudo o horroroso pezar do
ter errado o golpe. Lecoinle lie um Inniii-ui de alia os-
latura, multo rourcni, de olhos vivos, e a sua physiono.
una annunoia exiltai;Jo ; ua biajode e pera: Pra-
cipilei-uie uiiiilo, disso cun accento s]4amartjii des-
peno. Tulla vestido ti na blusa parn disf.trf-ir-.e, o um
laneo d seda alado na oabaca porm eiaqiianlii ao
mais eslava decentemenlo veslido. A sua tspillgard era
de milito valor eeioellansa. Lecomte foi luiiuediala-
uienle condusido prista piibliei no lucio do mu mu -
lidio- imiuoiita, e fai minio ilillicn e alo p'jrigoso pro-
teger a ua vida contra a indignaflo publica, quo se de-
tafugava nm iiiipreeac6e e vas de nato, Comtudo, os
oflieiaes do humares r.oneguiro abrir pasagem por
eiiue at onda de p..vo, que luilia invalulo a enhilo, e
eulrcgirao Lecoinle as uii.is da Justina, lmmediala-
mente su dirigirlo a prillu o procurador do ro e ojuii
do inslruccio.
N'om interrogatorio, que durou mais de duas bort,
Lecomte loinou a confessar, que a sua iolencio linha
sido malar o rei. Durante toda a noute esteva Ilumi-
nada a cidade. A alegra succedeo a indignacio. A
Providencia acabara du salvar a vida do rei. Houve festa
em Fontainebleau, porque o rei nio quiz mudar em
cousu alguma o seu prnjecto de passar a noute no pala-
cio, mostrando com isto, que o crime de um misera-
vcl em nada linha alterado a sua confianca e seguranci.
Comtudo, assegurou-se logo, que voltaria no dia se-
guidle a Pars, alim de receber as felicilacOes das dual
cimeras.
A noticia do attentado de Fontainobleau chegou a
Paris, pela volta das on>e horas da noute. ministro
do reino achava-se no baile da embaixada de Londres,
o mmediataroeote avisou o guarda-sellos, e a M. He-
bcrt, procurador regio, que partirao juntos, i meia
noute, para a residencia real.
O rei esrreveo logo varias cartas; urna ao marecbll
Soult, presidente do concelho, outra ao ministro do
reino, o outra ao ministro dos nogocios estraogeiros. A
rainha enviou um correio as princesas suas filhas. SS.
AA. Rl. se pozerio a caminho pira Fontainebleau,
na manlia leguinlu, oceupando urna mema carrua-
Kem a duquoza de Orleans. a princeza de Joinville, a
duque/a de Auraale, e a duqueza de Saionia-Cobur-
go. Na capella 'do palacio se cantou um solemne Tt-
Dium, ao qual assislio toda a familia real. embai-
xador de Austria que ia partir para Vienna, man-
dou usponder a viagem, apenas oube do attentado de
Fontainebleau. Lord Pslmerslou enriou inmediata-
mente ao ministro dos negocios estrangeiros urna carta
paraS. M. Os pares edeputados tu reunrio as suss
respectivas cmaras, onde a niticia do crime de Le-
comte era o objeeto de urna indignacio geral.
Assegura-se, que se teem acbado entre os papis do
regicida muitas carias ebeias de ameaf;as, duas dalla
dirigidas ao rei, outra aMr.de Monlalivet, e outra
ao administrador das maltas reaes.
Tambem se assegura, que, oa manhia do dia 1G, o
...inistrodo reino linha recebido duas participares le-
legraphicas de Grenoble e Lyon, annunciaodo, que se
tiobio dirigido a inuitos funcionarios csrl.s anony-
tnai, as quaes ,e dizia, que a 16 de abril de.,, at-
tentar-se em Pars contra a vida do re.
Desde Fieschi, nenbum dos attent.dos contri ida
do rei tein causado tanta sonsacan como o de fontai-
nebleau; e como nio seria moti.o de .nqu.et.cio ver,
que fo. necesario um .eso lio milagroso, par. que o
?.i se li.rs.se dai b.l.s do sss.is.oo oosumm.do .ti-
rador e collocado lio pequeo. dist.nc de S. M.l
Tmese lm disso. que este cniuo aio !?! to zMlldO
como oulros. Em rigor o explica o rancor de Lecom-
le contra a administracio do patrimonio real; porm
quem sobe se este rsneor tem sido explorado por algum
dos partido ioimigos do governo de julho ? Reina oeste
lado um mystetio, que te anhela er ciando no pro-
cesso.
Urna ciicumstaeoii notare! ajuotiiemoi, e he, que


_^______
2
I.ernmto linlia cobrado na tripera a penso, que se lbe
piava pelo patrimonio real, e eom tato dinheiro fez o
viajem a Fonlaneblcau.
[Folha Lilographada )

''
le havia sido a completa paralysafSo de mallos ramo'
de commercio.
Disse, que incumba ao governo tomar providencias
para remover esle estorvo. Sustentou a medida de clas-
sificar os projectos de caminhos de ferro, de maneira
que os mais necessarios fissern sancciooadns en pri-
iM'irn lunar.
O duque de Wellington, lord Klnnaird e lord Wharn-
J'ARM, 11 ile abril.
F.screvem de Argel u n';iiiiii- :
. Acaba !- >l>er-ie, quo Imuvv una refrcga entro a
aolflmn......general Gtf.l.c ... foro., arabas, b.i- c'tTe apoiarao a mocio. sugger.ndo odo ulllmoi
Unte r....ldrr,e., a .ei. lego., ......roce de T|,.m,. '""s ^itamentoi. e laalimando, que nao se tivesse
era. OfaveralCataignae lint., recebdo aa dita oidade *?&!i**&"*^P0,
urna capele de dcnfii, que lbe enviara um nov
kallta,
dcaijixii do medir aa eoae armes eom se doa frailease.
i) k Mi ilmiiii.iv.i ao general saa eoleana odia a
lu;ar ilu reeontm, A 23 de inarfn, u general C.iv.iignai:
lab! na madrugada de Tlrnwen, em um eorpo Jo
rnvallariac n ana columna, na reliando para n litio india
cedo |it>|n kalita, A indiea{i viran u acampamento arabo, e a Ma apprnxiuiac.to u
liiirulgu tuin u Imnediatamente urna aiiitnde huetil.
O- rabes parecern achar-su em numero lio mais de
3:000(litOOoavalloi 'i.mo Infante). Ooumbateem-
pt-nlinii-sc lugu '' du/Oll dual boraa: ni Arabrt aunaba-
lertu cun grande rncarnicameiitu poroia, pultu en
<'inu|ilcia dirrua, fiigirlu preeipiladaraenle, dallan lo
no ranip maia de 800 lionirna. .Via si.Qrcinua nlguuiaa
perda: dii-ae, que Uiu chele ilc batalli......algoo ufli-
ciae ffcrlu morlni. Parece, que-o mareohal Bugeaud
ili've Irrjulgado ene reeoniro, ouiui detalhei nao iar-
dori'iHna iin aonhecer, extremamente importante ;
pnia une mu ofBoial du cstado-mainr embarcou pul'
na nrdent no Pharamond, eom vflloioi para o miiiiairo
da guerra.
0 warcohal gofOfnador foi antea de limiten! viii-
ladu por una 20 chefei kabil.in da. tribal ilua Beni-dje-
rad, doa Oii":oeiioun edoa Flis.t-t-clbahr, tnilaa tres vi*
mili i. de lii lly. Na ana conferencia lliu mamfcatou n
ua aii-i.'r.i, pelo tuin eapiritu o a prudencia, eom
quo -e tem condumio na .ua. Iribua, rccu.aiid > a.sn-
eiar-ie eaua da Abdcl-Kader, Paliando depoia a til-
lar dai niiitaa rcla(6ei de visinhanea, Ihei fea eonlieoer
aa vantugeiu, que lbe proporcionara u oalabeleeer re
laroes deoumniereiu deoambloi em grande escala, uu
leja rniu A>;;ii, uu rn:u l !l\, lecoiuiiiciidaudo-lhea
mu particularmente! oonio mu ramo novo de nrodue
toa para cllea, n eolheila de fenol, doa quaei noontra-
riSo iin D- llyn nina aegura c\pnrlaco. Lili seguida f .-
rio ua de ncgueiui rabe, on-
de >e H..-Hii.'.ii.in a todoa turiua preieiuei,
(Debate).
INGLATEBRA.
LONCHES, 8 DE ABltlL.
Na sessao do da ti do correle na cmara dos com-
muns, lord Iteaumoul annunciou urna inlerpell8e.au ao
minialio de negocios eslroiigeiros, coni in (no dos a-
con(ecimento, que liverau .ugar uitiiiiiiuienle as pro-
vincial do impetiu de Austria : l'.ir.i justilicar,
disse, a minba inierpella<;ao, nao tenbo texto particu-
lar de le nem artigo de tiatado, que citar, niastenbo
direito para a fazer em vntude do pacto tcito de to-
dos ns etla.ios furopeo, que consiste em f.zcr progre-
dir a civihiai'io, e doler continuarlo de todo o cus
tuDie OU le i' rl h que tenba en-lido na Europa.
Km certas provincias austracas r Dcntou ltimamente
urna retolucao, que lodo o mundo deve deplorar. O
orader rntregou se a recnminuioes amargas cunta a
Au-tna ; e pergunlou, le era ver lado, que as autonJa-
det auslriacas linlio I......iiili a guerra contra a aris-
tocracia teirilorial, recuuipenanuo os paisanos, que
leern matado os nobres, o pagando um premio por cada
cabera de oobre. Manifeatou alm diaso, que detejava
laber, le O goterilo linba adoptado algum meio de ei-
pretsar a sua desapproiatu a lemulbanle procedi-
mento.
Lord Aberdeen diste, que esta queslio nao aITcctava
os interesses da Inglaterra, e as reluches tobre este pon-
to eru lo contradicloriai, que era impussivel saber a
terdade.
One conbecia pessoalmcnto o principe de Metter-
iiit-ti oojulgava incapaz de adopUr as medidas, de
que te tem lalladu. "Certamente, disse, desde que a
Gallina se acha nu poder do governo austraco, a situa-
14o dos paisanos tem meluuiado muiio, e be por isso
meimo natural, que sejo alleiioados a Austria. .Vio
julgo do meu dover inlertir nesla quetlao. As curn-
muoicacoes do encarregado de negocias de Inglaterra
na Austria apresentao os aconlecimenloi tob um alte-
lo diflerente. Segundo ellas, teem-se Irustrado as ten-
tativas da Oobreta, para que os paisanus se assuciem a
retoi'uio, os quaes leern resistido eom energa a toda a
sedcelo. uto nao vejo nada, que naoseja digno de
elogio ; porm, carecendo de novos pormenores, nao
posso dizer at que ponto os ruinles pblicos sao ver-
daderos ou ialsos.
Depon de algumai retlmeide lord Fmnaird, so pas-
iou a oulro assumpto. (5un.)
CHILE.
Eicrevem do Chile em dala de 16 de derembro, que
a 8 senlio-se em Valparaso um terremoto mu forte
6,110 prolongado, quedurou28 a 30 segundos. En-
tretanto, nao ba grandes estragos a lamentar nem cons-
ta, que perdeise a vida peisoa alguma.
s Iris guiemos do Cb:le, l'eiu e Bolivia lizerao
urna convenci, em virtude da qual o general I). An-
dr Santa Cruz be desterrado para a Europa por ii-
paco de se:i annus, pagando-se-lbe a peuto duseii mil
peosdeide o momento, em queacceilar a convenriu,
e reiliiuindo-ie-lhe toda ai propriedadoi, que lbe lu-
an coolii adai.
Diz o M ti curio chileno que ai relaces entre a
Bolivia e o Per le acbau em p equivoco e incerto,
ou antes em aberta desintelligencia o hoililidade. Us
jornaes de ambas ai repblicas atacio-ie eom grande
animoii'
Lird alhousie r.eznu, que o governo fowe respon-
savel pela demora, e annunclou a sua intencio de pro-
pdr urna resolucio anloga a que so fez na outra casa
do parlamento, para que n5o se dsie andamento al-
Kum am projeetns de caminhns de ferro antes do da 27.
A cmara dm lords s tornar a funecionar no dia 21
do correte.
Na cmara dos communs, em sessin de 7, Slr Itoberto
l'eel deo conta das medidas, que tencionava propr de-
poil da paschoa. Dissc, que tratarla do novo blll rela-
tivo i Llanda, o que depoii se seguira o projecto de re-
dcelo do direltos dos eereaes e de outras relormai As-
eses.
Mr. Wyse propOz urna commissSo especial para in-
quirir cerca do estado da educaco na Irlanda, e dos
meins de lbe dar incremento e extensao. Propot a fun-
da(Do de uina e-cola de direito em Uublin, auiiliando-
a eom urna dotacao do estado.
Em Scsso de 8, Ir Chrislie perguntuu a Slr J. Gra-
ham, seoscommissarios da le dos pobres haviSo pres-
tado a sua alientan aos casos de duas mulnetes processa-
das e absulvidas, por terem mnrrido os seus Qihos me-
nores, em consequencia de serem privados do vestuario,
quando as mais sabirao da casa de correicSo.
Sir J. (iraliam deo eiplicaQdes. mostrando, que os
Tactos citados nao provinhao das disposicues da lei, que
nem de ordem alguma dos commissirios da lei dos
pobres.
Sir J. Graham mandou para a mesa os detalhes offl-
ciaes recebidos de Irlanda, sobre o estado de privacio,
em que se acha esse paiz ; e pedio, que se imprimlsse
esse documento.
Slr Roberto Peel disse, que a introdurcao do milho
na Llanda havia ah creado o gosto por um alimento
melhor do que batata. Entretanto, eipoi, que a admis-
IO do milho pelo em quantu apenas era all tolerada,
u que os importadores procederio eom mais seguran-
za, logo que a adnvssao do genero fosse garantida pelo
parlamento. Mosirou tambem, que, por ora, o trigo,
cevada e aveia estrungeira anda pagavao elevados di-
reitos ; porm, quejulgava, que, apenas passasse a re-
ilui i.,io nos diieitos dos eereaes, o foroecimento destes
gneros augmentara consideravelmente. Concluio, ad-
moeslando os membros pela Irlanda a que nao tLessem
oppnsicao, deposda paschoa, ao bil, que augmenta as
restrictdes nos processus crimes da Irlanda, para que o
parlamento podesse tratar, cm seguida, do projecto de
reduccao nos direitos dos eereaes.
Em resposla a urna interpellacao de Mr. Labouchnr,
Sir Hoberto Peel disse, que a junta do commercio nao
perdera lempo em preparar a medida legislativa neces-
saria para lomar ell'ectivas as vistas do governo edn pu-
blico acerca dos projectos de caminhos de I im, Disse,
que o melhor, que a junta do commercio tintn a (aier,
era notilicar aos chefes das companhias, que a opioio
da manira dos possuidores de accoes contra qualquer
procedimento ul'erior sobre algum dos projectos por
elle subrnetlido ao parlamento, seria sulllctente para
obstar a que losse discutido e vutado.
A cmara duscummuns devia novamente reunir-se
17.
o duque de YVelllogtOD havia pailidt- para a sua fa-
lenda de Stratblleld-Saye, cSir Huberto l'eel para Dray-
lon-Manor. Os outros ministros tambem se dirigiro
para as suas casas de campo, e nao regressavao a Lon-
dres seno depois da paschoa.
Seguado a Ijaztla-Naval, preparo-se duas esqua-
dras de evolucoes, una de naos de liuha, oulra de va-
pores, que detem cahir ao mar nos pnucipios de malo.
I'rocedeo-se elelfto de presidente e vice-presidente
do banco de Inglaterra, e sahiro apurados, para o pri-
melio csrgo, Mr. J. li. llealti, e para asegundo, .Mr.
W. H. Koblnsoo.
Ilavia ebegado a Cork urna consideravol porcao de
milho e tarinha doa Estados-Unidos.
fcl-ret Luit Fihppee a lamina real de Fraoca perma-
necio no palacio das ulhenas.
No dia 13 deo o rei dus Francezes um grande jantar,
ao qual assistiro, entre outras personagens, lord e la-
dy Palmerston, elord e lady I.oudonderry.
Suleiman-I'ach, embazador da sublime-porta, apre-
s -niou as suas credenciaes ao rei, a 7.
prncipe de Joinville loi nomcado almirante da es-
quadra de evolucoes do Mediterrneo, por decreto de 29
do passado.
Na cmara dos pares nada havia occorrido de inte-
cssante.
Na cmara dos depuUdoj, em sj ssao de J3, tratan-
do-so do orcamento da marinha, o barao Carlos Dupio
apresentou, entre outras observares, o soguinte dela-
Ihe do numero de navios de gueira e manoheiros fran-
cezes em diversas poca:
Naos. Marinh.
Em 1080-LuizXIV.............t00...... 660U0
!rT^~!uU,v-1.............81......moo
bm 181* Napolrao.............ing......12UUIM1
Bm 182*-Lu.XVIII........... b3...... 650^
Bm I.S3t)-Luiz Filippo.......... 5j...... 9ll
Em 18b egundo prope a coui-
,"iSha............. 36......113000
Mr. de Carne cenioruu a ouotaiii.ao porreduiir n 30
o numerado! naviai leguerra, 0 ,,r niaagmentar ,.
numero do. vapores. Mr. Cl.a..rlp Laubal reanundeo
por pane da co.iimi.ao, que a torca de una marinha
nao con.iatia lano nu minero da navio. OoOlo na ai-
oalll* a forca doi el.me.ito. para crear orna oiUSdra
Na ..... de 14, Mr. Lamoraier orou eontra .,are-
nerda aummiutn, e M-. Uarnaus .u.teutua-a. Mr li.i.
Iai.lt mn.lro, que Franca devia m urna pt,nai| na-
val, c di.se, que a ...arii.li ,,a e..a,a bem urgania.da
U mim.tro da inaruilia mu.lrou, .,, o numero do. ma-
rillbeiraf, no e.pacu do 10 annoi, Imvia angrueiitado 25
mil liumeii. oque no. individuoi da arlill.aria naval
liavia uincffoitivodo 19 mil Kameni
ritimn, o maire de Toulon, o general do departamento
l'irau a burdo oornprimentar a S. A. O grao-duque ma-
uiteitoo, que deiejava guardar n inoognito, Rmnn havia
feiio n'outrai litiii, e pedio, que lite nlo fiteuem ai
honra, nflieiaei. Em seguida deietabaronu e fui ver
nrifritura, ilevenilo vilitor depoii o arionil de Mouril-
lon e o f.irte Lamalgne.
Ilirahim-Pacliit era esperado em Paria a 24 do cor-
rento.
Ai noticias de Arfjel alcancfio a 2 do crrente. Abdol-
Kader .irh.ivj-m' em Djcbel-Mecquet a doui diat de mar-
cha da fronteira de Argel. O general Lamnricier liavia
siibmeltido variai tribu.
Segundo a Emancipado belga linhan-.e eipalliado al-
guii. impre.ma anbvur.ivoi em varias cidadei, imi n-
oeptaar Bruit-llai e Gande. A auturidade judieiaria oc-
eupava-ie nctivamrnle em penegnir o anlurea e diilri-
buidore destn impre.su..
O procurador regio de Urniellai havia partido para
Gande, a fnn do mandar proceder alguin.il priaOes.
I'.nlie ai pe..nal, coulra qoeiu se tem panado manda,!..
do priaao, cnita-ie um ndvoga.ln e um antigo imlii.lri-
al, que tem ja procurado exaltar ai claaaes operara,
por aeu. eirriptoa fanticos, ha coima do uu) auno, em
ron.eqiienfiia do que lo linlia iiiblrahido pela fuga i
peiqaiui, que a justici havia mandadu fater contra
elle.
A Gazeta de Jugiburgo, refcrindo-io a cartai de Ro-
ma, dit o legninte:
Dii-se, que o governo pontificio lo prupflc enviar
i provincial urna eommMau numerla enearregada de
uuvira. queixas c aa reclama^ei din babitantei, onm u
ubjeclo de proi eder quanto ante, i algum melliora-
oienio..
a A nona eidade vai ier era breve a reuniSo de um
grande numero de e.traugeirul, que ooncorrorad de Ve-
oiia, Flon-iii'.i, aplo, o Pita para paa.ar aqu as fe-
ta. da Paicoa, Enire as principoca pcriouaeciil, coitlo
ii impcralrii da Ku.lia, e ana filha a grio-diiqueii Ol-
ga, o principe Leopoldo de Saxoiiia-Coburgo, o o prin-
cipe Pedro Oldemborgo.
Aa uolieia. das legacOei poutificiai enntinuao a ier
pouco lati.fjelnriaa, O ile.eoiiteiitamento na. pnpula-
C>| era exlremo, e ein B uhrijjada. a lomar luedida de preeanein.
Parece, que o general cm cliefo dai tropa., que ae a-
cliiio na Italia, o cunde de Kadrtiky, pedio mu reforjo
de aete regimeiito.. Eiu Mil.id tollo aasaasinadoi ul-
ifiin. .entiuellaa. Dn-ao, que os rovolui ionarioa ae teom
reunido agora no caiuao de Tes.ino, a cujai auturida-
de. dirigi o governo austraco urna nula enrgica.
Segundo a Ctela de Aagt'mrgo, a reino Lombardo
Vciiciiaiiu lio o nico o todoa os oslado, au.lriaco.,
que nao prudiii a quanlidade do ail lofllcicnle para o
Oiiniumu da ana populacSo. Por e.ta rasan o governo
auslriaoo remlveo ettabeleoar em Vneta fabricaa do mi
mariiiho ; e como nlo ha qoein laibn bem ni procei.oi
nado, para a exirarfo do aal da ngoa do mar, o gover-
no enearregoii a vario, mancebos, que paaacm a oituda-
loa nal aaliuas de Italia c do meio-dia da Franca.
A casa de rlotliachild, de VieniM. entorilada pelo go-
verno, acaba de formal na Dalmaoia, prximo ao porto
de Slaguo, no mar Adritico, vaatn. salina., cuja diroc-
(,3o coiihou a Mr. A.liioc, de Vanles, ciiipie,aoo u'ou-
tro lempo en letnelhentei eatabcleeimeiitu.em Franca.
Neta. aaliuaa oecupau-.e man de 600 operarios, o oal-
eula-ie, quo produtir perto do um millio do quin-
taos de anl por anuo.
U Mercurio de Suabia,refurintlo-te a carias do Franck-
fort sobre o Meno, diz, quen dieta germnica vai adop*
lar me,lula- do prccaucao cunta os Polaco, emigrado!,
qua reaideiu naialtada! da eonfederaco. Parecu, que
oa inesmol viajante! polaooi hor lubjcitul a urna vi-
gila.....a partiaular.
A.aegura-ie, que Mr. Tiasowrki, que exerceo ai
iuurrc. de ilietador doraiilo a iii.urreicao de Gracu-
via, lora prcao. Tinha conseguido eicapar-ie ale Sa-
xonia, eom paaaaporto francet ; e, apeiar de lor appel-
lado para a protocr.au do ininilro traiieet cm Dioida,
parece, que a polica saxouia, o entregar s autorida-
des austraca.
No Zolhnrtin Blatt le le o leguinte :
Acabimo doiaber por boa via, qoe neitei n|i
moi das o governo pruisiano dirigi a todos o estad
qoe eompoem uniao das alfandegaiallemlei.ami ''
ta, declarindo ser ebegad o momento,em que o m.
broi desta unio devem tomir urna decisSo definir*
obre o principio! fundamentan destinado!
erair d.
A priincira cmara dos e.tadui da Saxunia tnlia-ae
oooupado de una proposta da segunda cmara, quo ti-
nha por objeslo pedir o gOVBrno, Hiena junto do go-
verno au.lriaco ludas as instancia, para quo a entrada
una e-t.iilon aultriacos nao seja inlerdicla por mais lum-
po aoi eathaliooi allemaea da Sixoiiia. Eata prupuita
toi unnimemente rejoiiada.
Varios jornaea allemaes assegurio, que ua U.iixa-Aua-
tria ral dar-so om breve mu nava guipe no poder feu-
dal, que exerco nimia o direito do alta jtislica. O. oila-
doa provineiaes, que aeabo de reiiuir-io, vao discutir
urna propolioto do governo, cojo objeeto leudo a ope-
rar ella reforma iiiiportaule, que liri aos propriota-
riui de dumiuioisenbariiesa diraitu du justifa crimi-
nal, Daiiterinda as mas aitnbu(Oes s autoridades ju-
dioiaei oonitituida pelo guvoruo.
O Correspondenltde Nuremberg roerindo-iea car-
ta! de Lemborg.diz, que receotemente 200 rebeldei re-
ugadoi do territorio de Cracovia marebarao de Tu
cbow sobre Tarnow.depoii de lerem excitadooi catnpo-
n-1, s das proiimidadei a reunir-ie a ellei, empregando
para esse lim todo o genero de violencias; porm, logo
que os campooeies virio ai baionetai austracas, mata-
ru ou prenderlo o rebelde!. A' excepcio deste inci-
dente u de urna tentativa de roubo em Baronow eem
Fryltack, a tranquillidade publica, nio tem lido alte-
rada em parte alguma.
NOTICIAS DIVERSAS.
Fo!b ingleas at 17 e franceai al 16 de abril :
A raioha Victoria, o principe Alberto e a real familia
brilannica achavio-se no palacio de Wlndlor. prin-
cipe hereditario de Saxe-Meioiogeo havia ebegado a
Wiodior. A 15 prosreuio o debate. Mr. fhier. concordo,, em
Na cmara dos lords, em essao de 7, lord Dalhousie, 'l"e tri,"' urna patencia martima .,,-,. ,,
emumexteosodlicorio, moitrou os funestos resultados tendeo, que nao devia olvidar, ,,B eta eaaancJalmaaM
do abusivo espirito de especularan em projectos de ca- """i P"lt""' continental. Concluio opinando gu8 -
mmhos de Ierro, e expftz, que o governu tenciooava de- Franca nao poda competir eem a Inglaterra uiuma
poli da pischoa apresentar um projecto a eite reipeito. t"err" "val-
Lord Woriteagleotiervou, que havia o pernicloio eos- j A e.quadra rui.a.eo.i.n.niidad pela grao-duque Cou.
turne de em.llii accei de pequeo valor par. projectos i.nti... eotrou em Tolos |, i ho!, ,|Td,. f'
de camlobo. de ferro, e que o ...ultadodwle exped..n-|.le,.. de bordo. O.lmir.n.e Baudil, o j.refet m.-"
Entretanto, a Gateta dt Brtslau diz, que aipreten-
cei dos camponezei da Gallina sio 13o exigentei, que
ebegao at a pedir urna parte dai propiedades, cujoi
ilonoi teei asiamnado ou leilo emigrar. Ha instiga-
dores entre riles, que Ibes fszem acreditar, que teem
salvado a patria, e que devem defender oileui direitoi
rom as armas na mao. Mullas parli.las do campunezoi
oceupao os buiquei e fazem eicursdes nos arredores, pa-
ra queimar e roubar quanto podem. Ai pessoai pacifi-
cas abandonao o paiz ; o governo trata, por todui o
meioi, de reit.belecer completamente a ordem publica.
Urna carta de Berlim, dirigida a um peridico He
m3o, annuncia quasi como ollicial a prxima promulga-
rlo de urna conitttuicao pelo rei de Prussia. Eis-iqui
um trecho di dita carta :
i nimos tornao a oceupar-se da consiiiuieo,
que be geralmenle desejada. e prelende-se, que lera
publicada no 1." de maiu prximo. Comtudo, nio de-
vem conceberie a cite reipeito esperangai demasiado
viva, porque muilai vezei tem licado illudidt a opi-
niio publica.
Ella noticia,ie nSo be certa, janla o dito peridico,
be io menos provivel Di' se, que a cunsliluito eita-
belecera urna s assembla deliberante, eajunla-se, que
bue poltica comonercisl a a pauta da liga da. a||
degai, a que tal i>e o primeiro objeeto dai deliberic! I
do congreo extraordinario, que, dentro em r>Cfl
deve reonir-ie em Berlim. a W|
Eicrevem de Coblenza i Gattta dt ugiburgo,
oreiearainha de Proiiia viiitirO aquella eidade
prximo verlo. Espera- te tambem o imperador e i;.
peralriz da Ruiiia. a grSo-duquaiaOlga, e leu eino
principe de Wartemberg. A primeiri autoridida /
provincia reeebeo j ai initruccOes neceiiariai piri '
ceher dignamente estas aogustai personagens.
A Gattta de Wot dit, que, no dia 28 de marco
meio-dia, todos o Polacos reunidos em Neisse fo,
conduzidos priiio entre urna eieolta militar. Qmn
ta medida tinha cauado bailante consternadlo 0M
mutas pessoss temem urna prxima entrega. Coa.
muilos dos presos sio naturaes da Galitzia e da Polos;
Runa, he justamente por ene motivo, que ie receiiu,
la iua lorte.
Cartai da Sileiia, referndo-se a noticias de Cria.
va, dizem, que se teem lormado partida* de 500 a 800
camponezet da Galitzia para roubar, durante a nouls
o pootoi oceupados polos Auitriacoi. Eitai partidas
permanecen) escondidas, durante o dia, nos bosques .
ltimamente le dit, que asiaiiinrio a todoi os iadivt-
duoi de um esquadrio de cavsllaria ligeira.
Parece,que em comequencia diito os Auitriaoi tatm
abandonado, pela maior parte, o territorio de Crieatis
e as tropai pruisiann eiperio eom aneiedade ordem
de deixar o aeui acaotonamentoi.
A Gattta Universal AlltmHa diz, que o numero de
tropai auitriacas na Gaht.ia nao excede a 32,000. Que
em Cracovia te tem obiervado certa especie de rtaalida-
entre o Austracos e os Runos. Que o olciiei iu-
periorrs runos procurio giobar a confimci doiCraco-
vianoi, e tratio eom muita humanidada o prnoi. Que
a liunia tem ganho tambem muilo no mimo doi habi-
tantes. O correspondente da Gattta Umttrtal All-
inda loi obrigado a isbir de Cracovia, por terera sido
mandadu retirar da cidide todos o eitrangei'oi, sen
distinecio alguma, A eidade conlinuava occupadi m.
litarmente.
A Gateta dt Colonia diz, que te trata actualmente
da sorto de Cracovia. Os peridicos teem annunciido
ja a chegada do general runo Mr. de Berg, queien
encarregado de regular os negocios da republiei era-
coviana. O conde de Fiquelmoot repreientari a Aui-
trii, a o ministro dos negocios eslrangeiros, birlo di
Canil', a Prjiia. Ji te celebroa a primeira ifsiio,e i
resolucio adoptada est concebida neiles termos.
Cracovia continuar a ser estado livre, porm, leu
faculdade de ter tropas, nem poder reorganisar iiidii
milicias. As tres potencias protectoral conservarlo ll-
amativamente urna guarnirao militar na eidade de Cra-
covia. O antigo palacio real le transformar em cida-
della, e diante das suas portas biveri um parque de ir-
lilharia.
Anegura-se de urna maneira positiva, que a Prut-
sia se interena vivamonto na sorte dos imurgentei.
imperador da Russie sahio de S.-Petauburgo pi-
ra dar a sui volta annual Ai provincial centriei do im-
perio. O conde de Oriol!, director gersl da polica, e
Mr. de Adlerberg, director geral de postas, eom o ayu-
dante! de campo do imperador, o acompaobario. S.
M. l devia permanecer poucoi das em Moscow, e vol-
taria a S.-Peteriburgo para os meiados de abril. All
entio. segundo se assegura, nio le reolver, se le hi
de elTecluar, ou nio, a sua segunda viagem ao Sudoeiti
da Europa, para ir hulear a imperatriz tua eipon, a
conduzi-la aos seus estado9. A imperatriz, scompsnhi-
da da gri-duqueza Olga, deve permanecer algum lem-
po no castello de Erehuansdorfl, na Silesia, onde o rei
dePruisia, seu irmio, ovarios principes e princeas di
sua familia te dirigirs pira a receber. No me de ju-
nho lera quando so celebrar o matrimonio da gria-du-
queza Olga eom o principe de Wurtemberg.
Sir Moyiei Montefiore (oi a S. -Petersburgo eom o
fim de interceder junto do imperador a favor doi seus
correligionarios rufsos, e leve a honra de ser recebido
duas vezei por S. M. I. Parece, que(l inslaneindo ba-
ronet nio lorio desattendida, poii le assegura de urna
maneira positiva, que o imperador Nicolao mandou sus-
pender por quatro annos a execucSo do decreto, palo
qual se obriga aos Irradalas, que vivem nn Iroiileirn
necidentaes do imperio, a trasladar o leu domilieio pa-
ra diderentes provincias da Itunia central e meridioml.
O governo runo doterminou, quo a ordem de 12 di
julho de 18)5, que permute aos naviol eltrangeiroil
cabotagem entre Aapa e Reduskale, se fa(a exteniiu
ao porto do forte Nikolajcswski.
A faxelo dt Augiburgo diz, que o imperador di
llussia, depoii da sua permanencia em Uotcow, puli-
r a Vanovia, e deise ponto le trasladar! a Retiibom,
onde deve encootrar-se eom a imperatrit ; assim como
os membroi da caa teinante de Wurtemberg.
Carlas de Tiflis dizem, que Mirza-Klian, enviado
pelo ibab da Persia ao imperador da fuisia, para Ihi
pedir proleccio a favor de seui filhos no da da sua nor-
te, vollou a Tehern, sem ter ido a S -Petersburgo.
Em quanto eslava na capital da Georgia, o conde di
Woroniofl, governador general, reeebeo um deipicbo
do conde de" Nenelrod,*entio na Italia, o qual o auto-
risava para asiigoar um tratado secreto eom o emba-
xador pena. OiRunoi teem ji comecido a plantar ai
vantageni, que eite convenio Ibes concede, conilrutndo
arsenaei ooi portos do mar Caipio.
O navios runos leom-ie eitabelecido tambem di
um modo permanente nos portoi de Endjeli e de Ai-
trabab a entre a primeira deitn cididei a Teherin
tem esiaieieciu ir,s sbs de pss'.o! foriifii-iln nar!
proteger o commercio. A colera lax grandes estrago!
oai provincial da Periia.
Noticiai de Alhenas dizem, que dous deputadoi ti-
nbo proposto oa cmara o estabelecimenlo de um bao*
co na dita eidade.
As correipondenciai de Alexandria, de 29 de marco,
dizem, que tiaba tallecido a primeira mulber de Vlebe-
met All, cuja perda o havia aflectado multo. O *!'
lodoi o meubroi do gabinete annuirlo s lutenfdt li-1 leciment leve lugar a 23 do dito mez, a as esequiu fi-
"do"* |uio-iea23. O vice-rei acompanhou o foielro at io


tmulo. S. A. continua a gotir de vigorota lida
Ai milicias doi Esladot-Unidoi alcancio l 3 do cor-
rete.
_\(i leado lo-ie ama mensagem do prndenle em
respotta ao quesito tobre ie leria oppottuno augmentar
a torca nival e militar em que esto observa, que julga
o augmento Decenario, rio i pelo que pode resultar
por causa da queilio do Oregon, como pela lituano,
m que le acha a repblica do Mlico.
No senado propoz-ie a creic,9o de douicorpoi de ce-
cidorei. a autoiiiou-ie o governo pira augmentar 10
boment em cada companbia dos regimentoi de dngSet,
infinta''* a artilharia.
A disxuitlo sobre a noticii do termo da convenci de
1827 relativa aoregon, que te deve dar i Grio-Bre-
l,nbi, ainda alo hivis produiido resultado.
Escrevem de Tampico, a 25 de fevereiro, quo o A-
p^ricanos tomarlo pona daFionton de S.-habel t-
luidu junto a Mitamoroi, tciritorio mexicano.
(Diario do Governo.)
COMMERCIO.
doi advogadoi. Cbegou o segundo trimestre do quint0
tomo. Publicacio til, a por ventura indiipemavel ao
nosso advogidoi.
Avisos maritimos.
Alfandega.
BBNDlllrUn'0 DO DI 9..............
Dttcarreqo hoje 10.
Brigue /felina merca dorin.
Escuna0idem.
BireaZiliamanteiga.
litigue ury Brigue faikilliiem.
BrigueLeven-Lancarvio.
Consulado.
Rehdimbnto do di* 9.
Geril..........................
Provincial........................
Di versal provincial................
,5:554*181
1:668*360
691*333
152*571
2:412*264
ftloviiuento do Porto.
A'nuio mirado no da 9.
Terra-Nova; 37 dial, brigue inglez rf'tlliam-Punton,
capillo Tbomii Pili, equipagem 10, carga bica-
Ihio ; a M.* Calmont & Co-npenhia.
Navio$ sahido no mtitr.o dia.
Babia a Rio-de-Janeiro ; brigue inglez William-Pun-
ton, cipito Tbomai Pitt, carga a meima que
trouie.
S.-Malbeo; lumica braiileira Comante, capitio Ma-
ooel Duarte Moreira, em laitio.
Rio-de-Jineiro ; paticbo braiileiro Felicidade, capi-
tio Antonio Joaquim Alve, carga anucir. Condux
3 eicravoi a entregar.
S.-Matheui lumaca braiilrira S.-Crui, capillo Joi
Joaquim Uves, carga lijlo.
Caravelai ; sumaca braiileira S.-Roxa, cepillo Fran-
eiico Cietano de Almeida, em lastro. Condux 14
eicravoi a entregar.
Uet-laracoes.
-^ Oescrivio e administrador interino da mosa de
rendsi internas proviociie* avisa a lodoi os Sn. pro-
pietarios de predioi urbanoi doi tres biirroi delta ci-
dide, e da povoacio doi Afogidoi, que, no dia 3 do
corrente mei, se principiarlo a contar o 30 din para
o pagamento, a bocea do cofre, da respectiva decima do
legundo lemeitre do crrenle inno fioanceiro de 1845
a 1846-, e que, lindo o referido prazo, eslao incurso na
multa de 3 por cento lobft o valor do teui debitoi.
Mesa de rendn interna! provinciaei, 5 de junbo do
1840. Jota Quedes Salgueiro.
Companhia de Beberibe.
Os Srs. accionistas cujas entradas
se acho em atraso hajao de as realisar
tanlo antes.
O caixa,
Manoel Goncalves da Silva.
PUBLICACOKS L1TTERAR1AS.
JU1INAI. UAS BKLLIS ARTES.
Prodcelo em gravura, ou lilbograpbia de lodosos
quadroi doa noiioi mestre, a paz das produccdei de
outrn eicoln, que le acbo nos ropoiitaiioi puhlicoi,
ou as collece,8ei parlicularei. Publicado por urna reu-
nlio de Iliteratos i! arlistas, preiidida por J.B. de Al-
meida Girrelt. Dual eitampai ricamente litbographa-
dai icompiohio cada numero alm dai mignificn
gravutai que iformoieio o texto. Aindi exiitem algu-
mai colleccSetdo l.'eo 5.nmeros: o 6e 7."eiporio-
e inceiuntemente. Recebem-ie aiiigniturn para o
mesmo jornal na ra Nova, loja n. 11, de Guerra Sil-
va & Companhia. Preco 1,000 n. cada numero, pagoi
i recepcio de I le.
HISTORIA DO CONSOLADO K IMPERIO DE NAP0LEA5.
Cbegou o lerceiro volutne, e ai eitimpai correipon-
denlei. VeniO portugueta de Lisboa. O Srs. amg-
mnte queirio procura-lo nai lojai doi Sn. Cardlo
Ayrei. no Recite, ra da Cadeia, loja de livroi; e ni
de de Guerra Silva* Companhia, ra Nova, loja n.
11. Nii meimai lojai cootinuio le a receber aiugna-
turai pura a meima obra, at ao fim do crranle mei
lomete.
__________
HBVISTA NIVB8SAL LISBONENSE.
Chegailo o numeroi 34 a 40 do quinto volume.
contando variedades de arligoa de lummo mteiene.
Continuio-ie a receber aiiignalurn para esta lio til,
quao .torneante publicselo. facilitando as pemil,
que quitaren, anignar, o faie-lo comecaododo pri-
meiro volum*. ou de quilquer doi lubiequentea. Lie
vendo comecar a publicacio do et0 o'"". em lulho
provimo vindouro roga-ie ai penoai, que quizerem
principiar a anigoatura deite volume, de se dingirem
con, amaior brevidade a ra Nova loja n. ll.de
Guerra Silva & Companbia.
0AIETA DOS TtlBUNABS,
publieada en Lwboa, wb o itiipicioi di soeiicao
=Para a Babia pretende sabir breve o brigue-escuna
Leopoldina, e para ino recebo carga a frete : quem no
meimo quier cirregir, pode tratar na praca com o ca-
pitio Antonio Pereira Marlim dos Sinloi, ou na ra
da Cadeia, n. 45, caa de Amorim Irmioi.
= Para Liiboa ni, impreterivelmente no dia 24 do
corrente, o brigue portuguet S.-Domingoi, e ainda
recele alguma carga, anim como pinageiroi. paraoi
quiei tem excellentei eommodoi: o pretendentei di-
njio-'se arua da Cre, o.84, primeiro andar, ou ao
capillo Maitoel Goncalves Vianna.
Para o As-ni, com toda a brevidade posuvel,
o brigue Sociedade, forrado e encivilhado do cobre,
de primeira marcha : para earga e pansneiroi trata-ie
na ra do Vigario n. 5, ou com o capitio a bordo.
__ Para o Rio-de-Janeiro tai, com brevidide a es-
cuna Joven-Demetria ; recebe carga a frele e eicra-
voi : quem pretender embarcar falle com Manoel
Ignacio de Oliveira na ra de Apollo, a. 18, oa com
o capitio a bordo.
-- Para o Rio-Grande-do-Sul satura breve o bri-
gue Victoria ; pode receber eicrevoi e pamgeiroi :
quem no meimo quiter carregar nu ir de passagem ,
pode entender M, para eitei, com o capitio, e para
aquellei com Amorim Irmioi, rui da Cadeia, n. 45.
Para o Porto tahir muito brove o brigue
portuguet Mara-Feliz cipilio Antonio Luiz Gomei:
quem no meimo quiter cirregar ou ir de pasngem ,
dirija-ae ao dito capitio na praca do Commercio ou
a leu consignatario Antonio Joiquim de Souza Ri-
beiro.
Venderse o muifo velci-
ro brigut-cscuna ariiericano
Cumberland, de lote de 104 to-
neladas, forrado cencavilhado
de cobre, e prompto a seguir
viagem.a qualquer parte : os
pretendentes dirijo-sc .Via-
Iheus Austin & C. roa do
Trapiche, n. 56.
I'ara o Havre pretende sahir, at o
da i5 do corrente tnez, a Larca franceza
Basque) recebe passageiros smente, pa-
ra o que tem excellentes commodos : os
pretendentes dirijo-se aB.Lasserre &C,
consignatarios da mesina, na ra da Sen-
salla- Velha, n. i38.
Para oCearini, impretet iaelmente no dia 12
do corrente, o patacho Belleza-do -Sul; recebe carga c
pamgeiroi: a tratir com Manoel Nunei de Mello, ou
com Jos Joaquim Carneiro, na ra da Cruz, n. 43,
ou com o capillo, a bordo du dito patacho.
i^eiioes.
=Leilio.que fu Joaquim da Silva Lope, de 50 cal-
vas com panal, boje, 10 do presente, as 10 borai do
dia, no caei da alfandega.
Deane Youle & Companhia fario le lio, por emi-
ta e risco de quem pertencer e por iotervencio do
corretor Oliveira, do casco forrado de cobre maitros
reaes gurups o da car- a do carvio que possa lal-
var-se, do brigue inglez Etiza-Ann, capillo Me. Ken-
nett, encalbido no lugar dos baixos do dislricto do
Jang, na recente viagem que a/ia de New-Porl
com destibo ao liio-Grande-dn-Sul tudo em um s
lote subjeilo o comprador ao bom ou mao exilo do
salvamento dos mencionados objecin; oanimmaii,
em varios lotes do veame em en-cliente estado, cm-
doalba lancha e bote mistreos vergas ancoras <
amarras do ferro, e varios outroi pertences lalva-
doi do dito brigue : boje 10 do crrenle as 10
horas di manbia em ponto no largo d'alfaodega
grande onde te acbio depositadoi ditos sallados.
.visos diversos.
O LIDADOR.^
O n. I 14 cha-so a venda na praca da Independen-
cia livraria ni. 6 e 8.
CLAMOR PUBLICO.
O n. 97 acha-se a venda, na praca da Independencia,
livraria ni. 6 e 8.
Aluga-se um sobrado de um andar, e a respectiva
loja, sito na ra Velha ( bairro da Boa-Vista i, n. 71.
por 24#000 rs. mensiei : quem o pretender, pode en-
tender-so com Jos Joaquim Fenelra Kebellc, na ra
Direila, o. 89, ou com o Kevereodinimo reitor do se-
minario de Ollodi.
= Urna lenhora de bom coitumei le encarrega da
criicio de meoinoi de peito, impedidos e desimpedi-
doi e timbem recebe meninoi para deimamar ,
no que promete eimerar-ie; quem do seu presumo se
quier uliliiar, dirija-ie arua Ja Palma, n. 17 : na
meima caa vende-ie um berco ainda em bom uso e tre
varal de bico largo com ramajem e recortes, tudo por
prego commodo.
=Alugi-se urna casa na Panigem-da-Magdaleo,
junto a ponte grande, com oilo quartos.boa sala, sollo
bailante freno, com banbo oo fundo do quintal: na
ra Direita, n. 3- ,
=Preciia-ie de um caixeiro : na ra do Kangel, lo-
ia, n. 45. ,
_Hoje, lOdejunho. pela segnnda vara docivelse
hio de arrematar diverm fatendn comtantei do ei-
eriptoem miodo porleiro, pin pigamento do respec-
tivo exequente: be a ultima prica.
Hoje, 10 do corrente, pel segunda vara do civel,
eicrivio Santoi, la ha de arrematar a caa terrea n.
8, lili na ra do oiei do Machado, por eiecuclo de
Caiimiro Antonio de Mello contra Joao da Silva Li-
ma eiua mulher: he a primeira prava.
- Os Srs. Antonio Prieto e
Manoel Lourengo de Mallos,
queiro Cjuanto antes se dirigirem
ra do Queimado, n. 4.
Perdeo-ie, na noute do dia 7 do corrente mex ,
um annelio com 3 oitavn e meia de ouro de lei, com
um diamante esmaltado desde a igreja de S. Gonca-
lo al 01 Quitro-Cintos : roga-ie a peisua que o
acbou, querendodeieocarregar tua coniiencia, dirija-ie
ao Aterro-da-Boa-Viiia, loja de miudens, n. 54, de
Thomaz Pereira de Mattoi Estima, que leri recom-
pennda generosamente.
Precisa se alugar urna escrava para o servigo de
urna can de pouca familia que niba comprar, co/i-
nbar e enubor damlo-io-lhe o sustento e 10,000
rs. meniaei : na Boa-Vista atrs da matrit, n. 19 ,
se dir6 quem precita.
= Alberto Rosbach retira-ie pin lora da provin-
cia.
= Aluga-se urna grande rasa terrea com tollo e
quaitoi quintal porlio para a parte de delrai lila
na ra de S. Riti-Nova : a tutor na ra da Praia di
meima rna, terrina n. 21.
Compra-ieo depotilo de nadara da la larga do
Rotario. n. 25; quem te achar com direilo ao mes
mo diriji-sea mesma ra, n. 48, primeiro andar,
at o dia 14 do corrente para quilquer reclamicio.
Dao-ie 400,000 n. a juroi a 2 por cento ao
mex tobre penhores de ouro ou prila ; no Ater-
ro-di-Boa-Vnla loja de miudetai, o. 58.
= A peiso, que pretende comprar as instruccoei
de cavallaria quarendo dar 3200 rs. pode ir ver,
na ra de S. Rila n. 91.
Precin-ie de urna preti para lavar e engommir
roupa ; na ra da Senzalla-Nova n. 42
Ilenrique Bernardet de Oliveira embaica para o
Rio-de-Janeiro a sua escrava Maiia, de nado Angola.
Quem precisar de um prelo canoeiro de meia
idade pelo mdico preco de 320 n. por dia dirja-
le a ra de S. Theret n.25, onde te diri quem
I lUCI.
Prccisa-se de urna ama secca para casa de pouca
familia ; na iua Direila loja n. 61.
Precisase de urna ama fuira ou captiva, para
todo o lervico ile urna casa de pouca fimilia ; no A-
lerro-da-Boa-Vista n. 3.
Adverte-seaoSr. M. P. F., se por acesso nio
le os jomaes desla cidade, que, no pateo da S. Crui ,
padarian. 8, te dir quem d 500,000 n. apremio,
sobre penhores de ouro ou prata ; assim, baja dedi-
rigir-se a dita padaria para tomar dita quantia e
Iraspassaroi penhores que exiitem em poder de Ma-
noel Flix Alve da Crut, por nio convir ao mes.no
continuar e a quantia, que le aonuncia sor igual a
que recebeo do annuncianle.
= Quem precisar de um rapai porlugucx de ida-
de de 24 annos, que tem pralicade loja do iazendase
ra, annuncie.
__ Da-se dinheiro a premio sobre penboteideouro,
prata, ou bypotbeca em catas terren : na tua do Ro-
lario estrella, n. 30, segundo andar, le dir.
'ssm&s^ssaMts^ iza ^s;.^
H
S Estabelecimento novo de Cau- ||
non, ra Nova, n. 7, 8
y dourador e polidor de lodosos me- jgj
taes, doura lelogiosde rncsa,(peu- K
Julas ) e toda a qualidadc de > ,
de bronze, e llie d a b-
las )
guarnieres
grada{9o de todas as cores; limpa e i .
pleos trastes de prata vellios, tor- H
__ nando-08 como novos, doura-os, e
H tambem os resplandores, cordas, e m
E assim vasos de igreja, e os unilor- ^
H mes militares. Tem um bonito
|| sortimento de relogios de parede,
M serpentinas e ceslicaes, quadros ^
com reloiiios
pa
i.i
o
t'SCI
e msica,
dorios.
e relogios
i.
"ggi
::^^-^v;
'.i 2i

_ Prrcin-ie alugar um escravo que seja liel ei di-
ligente, para o iervico de casa: no Aterro-da-Boa-V is-
la n. 56.
Aluga-se o primeiro andar de um sobrado na ra
Direila n. 28 defronte do becco da Penba com
muilo bonscommodos para familia, por preco com-
mudo : a Irat.n na ra do Nogueira n. 1.
Prccisa-se de um capello para um engenho dis-
tante ueste praca 7 legoas ; o pretndanles dir.juo le a
ra do Oueimado n. 4, para tratar
A Senbora Lucia Joaquina de Oliveira tem urna
caria na ra da Praia serrara do Cardial. Na meima
vende ie urna canoa para abrir urna grande barceca ,
pois tem 60 palmot de compriroenlo.
Aluga-se urna boa lo|a na ra da Cadeia, n. W,
emqueesteveoSr. Calcio e j tem armaco para
lazendas em que o alugador nao tem a faier despe-
xai : trata-se na mesma loja ou na rus de Apollo ,
n. 18. .
= Recebem-ie eicravot em commusao nio te le-
vando nada por comedoriai, e s 3 por cento de com-
mitsio, para o que se oferecem lodn aa teguranca pi-
ra o esclavos na ra Nova, n. 21, primeiro andar.
Precisa-sede urna ama lorra que lenba bom
leite ; paga-ie baoi : na ra da trui no Recife
18. legundo andar.
__O cirurgiio-mor Jos Fernandas Umbuzeiro mora
na ruado Roxario da Boa-Vista, n. 53, aonde podt
er procurado para ai funreoes da sua arta. Tamben
di coniullai gretuitss acs pobres .. em sua caa, dai 7 ai
9 born da manbaa.
=0 novo proprietario do betiquim da ra dnCru-
xei, o. 33, munido de uroexcolleole apparelbo, e todo
o miii oecemrio, lazicienle ao respeitivel publico,
que no meimo le achara, todot os diai de manbia, bou>
cal com leite, anim como de larde; as quintal e do-
m.ngoi. mi de vacca ensopada a moda franceza, a
diflerente! quilidadei de patucos, amo' em "">
ios, pene frite emopido, de escabeche, bedela, e
tudo mais que se pona fuer com promplidlo e asseio :
o meimo proprietario,confiado no bom cozinhoiro che-
gado, ha pouco.nlo duvida affirmar aoi amigos dos ho/u
P'liscoi, que ficarao nlisfeitii. No mo mo te fi/em
janlare para fra, levindo-io nal cisn, com minio
asseio o por preco nuil commodo do qu em oulra
qualquer parte. Kstfc abarlo d'b je, 10 do citrente e.n
diante. Meas 10 horas da noute.
Aluga-se o segn lo an lar de uon caa na ra
do Trapiche, por rre(o muilo commodo: a tratar na
mesma ra n. 16.
PerJrJo-se um cories de bracos, enfivdoi em
ouro, com leus riquiffes e enleites do mesmo desde a
a ra do Rizarin de S. Antonio cis. que vende ce-
ra, at a ra do Sebo ou lugar da Trampa : quem os
acbou, querendo entregir ditija-ie a ra Nova n.
18, segundo andir que se darl o ichido.
Precisa-so de urn feitor para um litio parto des-
ta prca a que tenba pouca familia : na ra Nova ,
silir.ido, n. 52.
Manoel Lucio da Silva vii lo An.
= Aluga se a loja da caa da ra da Guia, o, 17 ; e
a can tarrea, na rui dosGuararapet, em Fra-de-Por-
lai n. 13 : a tratar com o proprietario Antonio Joa-
quim do Souta Ribeiro na ra da Cadeia do Recife ,
n. 18.
Precisa-so de urna ama para cata do muito pouca
familia, que eogomme e compre na ra dando co-
nbecimento de tua peisoa : no pateo de S. Pedro ,
n. 22.
Ainda eil por alugar, o aluga-se por prego
commodo oarmazem da casa n. 18 da ra da l.rui,
no Recile : a tratar ni secundo andar da inclina casa.
Precisa-se fallar com o Sr. Jos Serapiio dol
Santos, a negocio seu ; na ra di Mocda, no Recife ,
escriplorio n. 15, ou annuncie ^a morada.
= Aluga-te o primeiro andar di cna o. 17, da ra
do Queimado : a tratar na luja da mesma caa.
Alugio-ie 4 prelosdo todo o lervico : na ra
Nova n. 52, primeiro andar.
Lotera da matriz da Boa-Vista.
As rolas desla lotera ando inlallivelmente no dia
20 do corrente rnet embora (iquem al;uns bilhetes
por vender : e o reipeclivo theioureiru espera que
contrito lerceiro annuncio, desengaados osemidorea
deste ogo de que a loleria nao deia do correr no
referido dia concorrio a comprar o testo dos bilhe-
tes que existe nos lug?res ja declarados.
Piecisa-ie do urna poicio do leite de pcito espre-
mido pan urna pessoa beber diariamente, e as horai,
que te convenciooar ; quem llie convier, dinja-ie atril
di malrit da lloa-Visli.n __, ib Ihediti quem precisa.
= OSr. cadete F., da 2 companhia do 1." batalhio
lecacadores, queira ir no Hospicio, na venda do Leio-
de-Ouro, para negocio, que o mesmo Sr. nio ignora: a
iiio indo, se publicara, seu nome, e qua! o negocio.
Agencia de passaportes.
Na ra do Collegio botica n. 10 e no Aterro da-
Boa-Visla luja n. 48, tirao-se passaportes para dentro e
fra do imperio,assim como despachio-seoscravos: ludo
com brevidade.
ATERRO DA. HOA-YlSTA
N. 5.
POMMATEAli, CTlLEaO,
tem a honra de participar aos seus bonradoi fregue-
tei, que acali de recebar do Franca pelo navio yfr-
mo'ique, utu dos mais belloi, ricoi e escolhidos lorli-
menloideculelaria, nunca vilos at a;ora nesta capi-
lal de Pernambuco. um lindissimo laqueiro do ul-
limo gosto, com ai segumtes pecas: 18 talberes. com
O bol de prata lina 18 lacas com cabos e folbas de
prata pira lobremesa 18 fica de cabos d* pra-
ta, fulhasdedio, para sbremete, um par de Irin-
adorde cabos de prata, urna rolher de prata pan
servir a poiie, um tenaz par servir o eitucer em pedra;
nnvosortimenlo de navalhas de burbesr do melbor ac,
garantidas pelo seu autor o qnal ohtevo urna meda-
Iha il'ouro na ullim.i expoSC0 de industria em Paril;
puslomOesdeJo 4 lolhai para cavallos. freios, eipo-
rai e chicotes do ultimo gosto; tetourai para jardinei-
rot, ditas linas para bordar, de lodoi ot tamanboi.
tambem para allaiatei, ditn curvas n direilat pira ci-
rurgia, eslojoi de todos ot forros necesnrioi para ci-
rurgia e pira dentilat; scarilicadore para ventosas;
raneles de urna a oilo folbos do melhor ^oilo; esto-
jo! para limpar dentei alicilmhol e limn para toi-
lette. Coi.certa toda a qualidade de ohrai de ac, con-
tina a amolar duasveiei por semina, i quartai e aoi
sabbados.
Kspera, que o futuro dari a conhecer aos Srs. teui
Iregueiesa diflerenca, que existe enlle a tua cutelaria
ea de qui.lqueroulro,que lenba vindo al odia de hoje
a esla capital. ^^^^^^
Compras.
- Compra se um moinho para moer cal, que eiteja
em bom uso : na ra do Pilar, n. 122.^
- Coinprao-te as pecas intituladas Catharma Ward
os doui Renegados ; na ra larga do Koxario ar-
niazem de louca, n. 28.
- Compran se um moleque cozmbeiro e outro
oflicial de sapateiro que sejio de bonitas figuras; pa-
gao-se bem, urna vex que agradem : na ra da Con-
cordia, lado direilo passando a ponteimba legunaa
casa terrea. .....
- Compra-te, para fura da provincia um escravo
bomofficiildealfaiate, quemba lamben, corlar per-
leilamenle toda e qualquer obra de leu oiicio : na ra
da Cruz n. 48, can do Nascimenlo Se Amorim.
_ Compra-te um cordio groiio, de ouio de le. tem
felio, equelanba30oilavai. pouco man ou menol :
na ra do Collegio aromen, n 19.
0 Compra-ieom moleque, de 14 a 20 annos ,
tem acbquei; em rY-ra-de-Portai o. 95.
__ Conipra-te urna boa cirmela que eile.a
em uio ; ni ra da Madte-dc-L'uos vend d Pin-
to & Vidal.
- Compra-ieom preto, que teja perito cozmbeiro,
que leja moco e de bonita ligura ; piga-ie bem : na
ra da Crux, no Recife n. 51, a tratar com Jlo Vai
de Oliveira.
= Comprio-ie gias vivas e temivivas as primei-
ii a 40 n. e ai leitundn a 20 ri.; na S- Crux pi-
lara de uini tu port, te din quem compn.


"
4


Comprao-so, para lora da provincia escravos de
13 a 20 unios; icnilo de bonitas figuras, pago-se
bem : na ra da Cadcia de S. Antonio sobrado de
uin andar, de manda de pao, n. 20.
Comprio-sosemontes do trigo; nn ra da Cadeia
do Recita loja de fe rragcns, de Antonio Francisco de
Moraes
('ompr.o-se 8 bois mansos para carro, novos ,
e robustos; na ra da Cadeia do Recile loja de ler>
ragens, de Antonio Francisco de Moran, ou ennun-
cie.
Compra-SH um palanquim de reburo que este-
ja em bom uso ; na ra das Larangeiras n. 18.
Compra-se um preto moco sadi'> e do boa fi-
gura : na ra da Cruz, n. 45, casa do Nascimenlo*
Amorim.
Vendas.
Vendem-se superiores cortes de cassa-cbitas de
conlao e listras avelludadss, pelo barato preco de
2500 e 3* rs ; ditas, a 2 rs. e a ara a 400 rs.; al-
godo escuro, multo encorpado proprio para escra-
vos e mesmo para trabalhadores a 180 rs. ; casimiras
de algodo pelo diminuto preco de 800 rs. o coado ;
eoulras multas farendas : na ra do Crespo, n. 14 ,
loja de Jos Franc seo Dios.
Vende-se, ou permuta-sc
por nutro qualquer genero como escravos um sitio
na estrada do liongi com casa de vivenda bons pas-
tos parR vacca de Isite o loas Ierras de planlagoes ;
queni quier, annuncie.
Vende-se, na ra da Cruz, n. 6o,
cera em velas, vinda do Rio de Janeiro,
de urna das melliores lahiieas ; he ptimo
sortimento por ser de 3 at tGem libra ,
e por preco mais b'iialo do que em oti-
tra qualquer parte.
Vende se um preto crioulo de 23 annos de
bonita figura minio bom carreiro e canoeiro ; no
Alerro-da Boa-Vista loja de babus n 55.
= Vendem-so doui lindos cahrinha de idade de 12
ennos, pouco mais ou menos; urna negra boa 'ngom-
mad lavideira. e um negro peca de 20 annos, todos sem
viciosnem achaques, na ra da Cadeia do bairrode
Sanio Antonio, n. 25.
Vendem-se duas canoas de cnnduzir agoa que
tamhemservem para qualquer oulro servico ; e urna
bomlia ; ludo por preco commodo : na ra da Praia .
n. 35.
Na ra do Crespo n. 8, loja de Campos &
Maia existe um grande sortimento de ca6sa-chitas ,
imiilo modernas, e de ci*res (xas. pelo milito barato
preco de 25C0 rs. cada corte ; ditos de ditai com 7 va
ras a 3200 rs. ; cotins de puro linho para calcas, pi-
lo muito mdico preco de 'jOO rs. o corto ; assim co-
mo nutras muitas lazrndas por menos preco do que
em outra qualquer parte.
Vendo-se um cabrinha de muito bonita figura,
de 8 a 10 annos, muilosadio ; na ra da Cadeia do
Recife loja de Joo da (.unba Magalhies.
Vende-se um bonito molequ de 14 annos ,
maitn esperto ; na ra ettreila do Rotarlo, n. 10.
Vende-sea venda da Camboa-do-Carmo n. 3 ,
muito afreguizada para aterra, mullo bom lugar : a]
tratar na mesma venda.
Vendem-se varios escravos com habilidades, che-1
gados prximamente do Aracaly por proco commodo :
na ra da Cruz, armaiem, n. 51.
Vende-se um pardo casado do 40 annos enten-
dealguma cousa decerpina eamulher he preta.de
30 annos cose cotinha e lava, por prego commodo :
na ra da Cruz armazem, n. 51.
= Vendem-se ricos corles de vestidos para senhora,
de latenda victoria imitando >oda u mais superior,
que tem apparecido tanto pelos bonitos gostos cu-
res liias c de muita duraco, como pelo diminnto pre-
Co de 4000 rs. cada corle ; ricas mantas de seda para
senhora chegadas pela ultimo navio de Franca, o mais
superior que ba mista prega ; chale? de seda gran-
des e pequeuos de bom goslo, e por pn co commodo ;
assim como um novosorlimento de cortes de vestidos de
difterenles qualidades cores filas e goslos muito mo-
dernos por preco mais barato do que em outra qual-
quer parte; um novo sortimento do corles de casimiras
para calcas fazenda a mais rica, que tem apparecido,
em goato e qualidade por omito barato prego ; novos
corteada eolletls tanto de velludo e setim como de
gorguro e seda ludo por preco muilo em conla; bous
fuiloei para collele a 00 rs. o covado ; urna nova
fazeoda para roupa de escravos por ser de cor escura
de muita duregio pelo diminuto preco de 180 rs. o
covado ; assim como outras muitas fazendas de dife-
rentes qualidades que serio patentes aos comprado-
rea e te venders por preco muito commudo : na ra
do Crespo loja nova n. 12, de Jos Joaquim da Silva
Maia.
= Vendem-se 8 escravos sendo : 3 pretos robus-
to ; 8 negrinbas com habilidades; urna negra boa co-
xinbeira de meia idade por prego commodo ; urna
mulatinha de 15 annos de bom comportamento o
cose cbo : no paleo da matrii de S. Antonio sobra-
do n. 4.
Vende-se leite sem mistura, todos oa dias de ma-
nbia : no viveiro do Munii no Aterro das-Cinco-
Pon tu.
= Vendem-se taboas de pinho americano de 10 a
30 palmos e de um palmo a 3 de largo ; dito da Sue-
cia costado cosladinbo assoalho e forro para lun-
dos de barricaa ; taboas da Suecia de lodos os com-
primeolos, sem nos, proprios para envernizar : no ar-
mazem atrs do tbealro velho de Joaquim Lopes de
Almeida caixeiro do Sr. Joio Matbeus.
ordinario, a 2800 rs. ; ricoscotioade padres claros
e escuros para calcas faicnda, que nSo desmerece a
360 rs. o covado; brins do lislras escuras, com padres
de muito gosto e du riualul do muito forte a 400
rs. ; dito de algodo de quadros fazenda soflrivel a
240 rs. o covado ; brim branco da linlio paro pti-
mo para celcas a 1200 rs. a vara ; dito de algodao ,
a 320 rs. ; algodao americano, de listras para escra-
vos, a 220 rs. o covado; pegas de bretanha de rolo com
10 varas, a 1600 rs. ; riscados franceies, do 4 palmos
de largura, muito finos proprios para vestidos de se-
nhora por serem de lindos padrdt'8 a 230 rs. o co-
vado ; ditos do quadrinhos miudos com a mesma lar-
gura, a 240 rs. ; cambraia lisa, muito fina, com vara
de I n. ur' a 5000 rs. a peca ; ditas de mursulina la-
vrada a 5000 rs tundo cada prga 10 varas; ma la -
polio, a 2800, 3200, 3800, 400O. 4200, 5200 e 6000
rs. estes ltimos sio iguaes em finura ao panmnbo ;
pegas de cassa lisa com 17 varas e meia, a 5000 rs.,
o a 300 rs. a vara; ditas de cordSozinho listras e
quadros, muito superiores com 10 varas e meia a
5000 rs. ; chitas escuras, que nio desbotSo a 120
rs, o covado ; ditas claras e esc uras de diversos padres,
a 140, 160, 180, 200, 240 e 2:80 rs. ; ditas em cortes,
a 2600 o 3000 ; chapeos de sol, de panninho a 900
rs. e outros mais finos a 2200,rs.
- Vende-se vinagre branco
nacional, a 400 rs. a caada ve-
llia: na fabrica da ra Imperial,
n. 7; ra DireiU, n. 53, venda
de M. Miranda; no Aterroda<
Boa-Vista, fabrica de licores de
l'rederico Chaves; e na ra do
Trapiche, armazem de molliados
do icolle.
FArelos em saccas muito
grandes, chegadas ltimamen-
te: nos armazens de Guama
raes e do Bacelar, defronte da
escadinha da alfaudcga.
= Vendem-se inoendas de ferro para eogenhns de
assucar, para vapor agoa e bestas de diversos tama-
iilins por preco commodo; e igualmente taixas de
ferro coado e batido de todos os tamanhos : na pra-
ga do Corpo .'tanto n. 11, em casa de Me. Calmont &
\ endem-se os mais ricos
c assciados chapeos de palha
de Italia, que tem apparecido
ueste mercado, com enfeitcs,
tanto para meninos como pa-
ra meninas: na loja de Joa-
quim de Oliveira Maia, praca
da Independencia, ns. 24,
c.
= Vendem-se apolices da extincla companhia de Per-
riambuco e l'arahiba ; na ra da (rur, n. 9.
Presuntos
de 5 o 6 em libra cada um superiores om qualidade ;
vendem-se no armazum do Guimaraes defronte da es-
cadinha da alfandega.
= Vende-se urna venda em muito bom lugar com
poucos fundos muito propria para qualquer princi-
piante ; um sobradinho ile 2 andares, sito na ra do
Uurgos, n. 3, que rende 22j rs. mensaes por 2:5000*
rs. ; una parte de una casii terrea na ra da Senial-
la-Velha que rende 4000 rs. mensaes, per 500,000
mesma como da trra: fumoe.n rama de primeira e
segunda sorte om porcao o a retalho ; tude por pre-
co commodo: na fabrica da ra das Trincbeiras, ao
entrar no pateo do Carmo.
Vende-so urna vacca turina sem cria; na es-
tribara da ra da Florentina.
Vende-se urna venda com poucos fundos na ra
de S. Hita, n. 7 : a tratar na mesma venda.
Vendem-se charutos de todas as quali Jades, che-
gados prximamente da Haba como sejio : regala ,
principe farna-va, cabegudo ; ludo mais em conta
do que em outra qualquer parte ; um violio ; um Po-
pe em 4 tomos; urna Selecta ; um Tabula : oa ra do
OueiuiaJo, loja o. 24.
MAZES ELOJA
m ALFJJA
miANOVA
Vende-se um esplendido sortimento de cortes de
rllelos de velludo lavrado setim e gorgurio dos
mais modernos padres; casacas e sobre-casacas de pan-
no e merino ; lencos de gravata de lindos padres;
alpaca; e outras muitas faiendas de bom gosto, e por
preco mdico.
= Vende-se urna canoa de earreira quasi nova ,
e prompta a navegar muilo bem feita ; na ra da
Praia de S. Rita serrara o. 21.
as lajas do bom barateiro de Guerra "Iva &
Companhia, na ra Nora, ns. 6 e 11, vendem se olea-
dos pintados circularmente, para servirem para mesa
de meio de sala de mui lindos padres, tendo tam
Ilion outros para mesas mais pequeas com o jogo de
lamas pintado no centro e crui em outros, por pre-
go muito rasoavel.
-= Vende-se o sobrado novo de um andar trapeira,
no pateo do Carmo o. 16 ; na Boa-Vista ra da
S. Cruz, n. 5. ,
= Vende-se um oratorio de Jacaranda, com 3 ima-
gens obra do Porto e um S. Antonio, viodo de Lis-
boa ludo por prego rasoavel ; a travessa dos Expos
tos n. 8 das 6 as 8 horas da manhia e das duas
ai 4 da tarde,
= Vende-se um mulatinbo, de 13 a 14 annos mui-
to esperto e sadio sern vicio algurn ; vende-se por
prensan na ra da Paz, n. 38.
Vende-se um lindo earrinbo de 4 rodas com as-
senlo airas para criado serve tanto para um como
paradouscavallos, com os competentes arreios tudo
em bom estado ; na ra Nova coebeira de Adolpho
Bourgeois.
= Vendem-se bons chapeos de seda a 6000 rs.
ditos de massa, a 2400 e 3000 rs.; pegas de cassa lisa,
a2700rs. e a vara a 280 rs ; bretanba fina de li-
nho, a 480 rs. a vara ; brim pardo liso de linbo muito
fino a 440 rs. a vara : na ra do Queimado loja
n. 8. deCaetsno Jos da Silva.
na ra do
^veoue-iB a ioja de ijucr.ui!!:cri:; e Ierra!
do Aterro-ds-Boa-Vista, n. 78, a praio, com boa ga-
ranta : a tratar oa mosma loja.
Muito barato!
No Aterro-da-Boa-Vista, foja
de fazendaa, n. 10,
vende-se panno preto muito fino chamado limiste ,
fabricado em Portugal pelo barato prego enalten- = Vendem-se superiores charutos regala, da fa..
Vo sua qualidade de 6500 ri. o covado ; dito mais| briol di Haba, e do outras qualidades, tanto di
rs., un t ii.I em se irni .ni por escravos
An (iiiin viola n, 17.
- Vendem-se as obras completas do Lez de Ca-
mes a melhnr edico, que tem apparecido al boje ,
por prego commodo ; na livraria da ra do Collegio ,
ou na lo|a da viuva Cardlo Ayres ra da i ulna do
Recifc.
- Vende-se o o(I:io e norena de S. Joao Baptisla ,
a .c11 is. ; na praga da Independencia livraria ;
ns. 6 e 8.
- Vende-se CERA EM VELAS do Rio-de-Janeiro,
sortimento enripelo, do 1 al 16 em libra; COLLA
DA l'Alll \, muito superior fabricada no paiz a
9000 rs. a arroba ; 4Z BIT E DOCE fino, em garra-
les de 26 garrafas ; AZLITE OE COCO para lux em
porcio e as caadas : no armatem do Alves Viannu,
ra da Senzalla-Velba n. 110.
= Vende-se urna canoa, que carrega 1200 lij-
los a dio beiro, ou a Iroro de lijlo ; na roa das Cru-
xes, n. 42.
Vende-so a/cite doce a 400 rs. garrafa
travessa da ra das Crures n. 4.
=v\ ende-se melade do engenho denominado Ele-
pbante silo oa fnguezia da Escada; na ra Nova
n. 44.
Vende-se una preta moga, de bonita figura
zioheira ; na ra do Crespo o. 9.
Vende-se urna escrava moga de 22 annos, pro-
pria para todo o servigo ; duas mulatinhas de 12 an-
nna proprias para se eduesrem ; um moleque.de 16
annos de muito bonita figura proprio para pagem ,
com oflicio de marceneiro : na ra larga do Roiario ,
o. 24, primeiro andar
= V endem-se barricas vasias, grandes e pequeas ,
mui boas e promptas para socar assucar ; na ra da
Senralla-Velha, armazem de Alves Vianna, n. 110.
- Vende-se superior fngn
da China, em caixas de 40 cartas,
por prego commodo: na ra da
Cadeia de S. Antonio, n. 25.
Vende-se urna esbra (bicho) com urna cria e
da 5 medidas de leite ; na rus da Cadeia do Recite,
n. 25, se dir quem vende.
na
co
Vendem-se ricos cortes de colletes de gorgurio,
bordados de seda ; chapeos de sol, superiores; suspen-
sorios de borracha a polka ; ricos bicos de linho ver-
dadeiro ; grvalas e lengos de suda para homem do
ultimo gosto; luvas e lengos pera senhora, da ulti-
ma moda ; a verdadeira agoa de Colonia superior :
na praca da Independencia loja n. 39.
- Vende-se urna canoa aberta para conduzir areia ;
na ra da Cadeia de S. Antonio detra da casa n. 17,
so dir quem vende.
Vendem-se 2 anneles, 1 cru*, 1 frontim, 1 alfioete
depeito, tydo deouro delei.com riquissirnos brilhantes
de bom goslo ; 1 correnlo 1 cordo, 1 par de brin-
cos com 4 diamantes, um annel com pedra victorina ;
ludo tambem de ouro de le e se vende sem feitio ,
a 3520 rs. a oitava ; urna salva de praia de lei para
um copo quasi no lambern se vendo sem feitio:
oa ra estrella do Kozario n. 30, segundo andar.
Veode-sc assucar refinado
muito alvo, e a prego muito com-
modo ; na reinago da ra L)-
reita, n. 10.
-Vendem-se 2 negrinbas de naci, de bonitas figu-
rsa ; na ra da Concordia, lado direito passando a
pontezinha na secunda casa.
Vende-se urna machina de vapor da forga de 4
cavallos ; urna serrara vertical; urna dita para fazer
lijlos; um engenho para bestas ; a vista do compra-
dor se lara qualquer oegocio : no Aterro-da-Boa-V isla,
o. 5, primeiro andar.
'- Vende-se salitre refina-
do a 240 ris a libra e a 220
em barris: na ra do Cabug,
botica de Joo Moreira Mar-
ques.
Vende-se vinagre linio, a 45,000 rs. a pipa ; di-
to branco, a 35,000 rs. dita : na ra Imperial, n. 7.
Champagne da marca C & C, vin-
do no ultimo' navio de Franca vende-se
em porces e a retalho, em casa de Me.
Calmont 8c C*
Vendem-se 4 escravas mogas com boas babili;
dadea urna be recolbida coso, engomara e coxinba -
nina dita rt 40 nnn. p, 050 000 rs. boa ven-
dedera ; urna mulatinha de 12 annos ; 4 escravos
bons para o trabalbo do campo ; um moleque pega
de 19 annos ; um mulatinha, de 16 abos bom pa-
gem e he de boa conducta ; um dito de 12 ibnos:
na ra do Crespo n. 10,-primeiro andar.
Companhia ou na ra de Apollo armazem, o. 6.
= Vendern-so esoravos mogos de bonitas figuras ,
e alguna com habilidades; 3 pretas pegas: ni ra No-
va, n. 21, primeiro andar.
50 palmos de comprimento propria para construcci
de barcaga, por ter mais de palmo de grossuia nose
colamentos ; na ra de S. Amaro, n. 8,
DEPOSITO DE FARINHA.
No armazem de porta larga do caes do Colleg0
ha farinha de mandioca novamente ebegada de S. Ma!
Iheus e S. Catharina a retalho, ou em grandes pot
gdes por prego commodo pela medida velha; e ijm"
bem arros pilado e cafe.
Vendem-se os mais as-
sciados cortes de cassas pint|.
das, com 7 varas cada corte
pelo barato pre^o de 5^000
ris: na ra do Crespo, |0ja
n. 12, de los Joaquim ja
Silva Maia.
= Vende-se um ptimo carrioho de duas rodas, .
prego commodo ; na roa do Aragio coebeira, n. 17
= Na ra Nova, 0. 58, se dir quem vende nrg
banco e urna porgio de ferramenta perlencento a ol.
cia de marceneiro, urna mui boa flauta de banocon
6 chaves, e um mostrador pequeo com 6 vidros, por
prego commodo.
= Na ra Nova, n. 2, loja de Julos Colombieri
Companhia, ba para vender, ceslinbas, contendo con-
feitos de smeodoas, e passarinhos de aasucar, easinhai
caixinhasem forma de relogios, de tambores, edeou-
(ros muitos feitios, todas com 01 meamos eonfeitoi
com ratinhos em cima, etc. Recebeo, ltimamente
um sortimento de borseguins de velludo eduraquede
cores, e pretos para senhora, obra muito perfeita; a tan
os mais objectos proprios das lojas francesas, por Dra-
gos os mais commodos.
Cotins de linho, a 2^400 rs.
Na loja da esquina da ra do Collegio de Guiaii-
ries Serafim di Companhia, vendem-se cortes comi va-
ras e meia de cotins de linbo para caigas, peto mdi-
co preco de 2400 ra. : esta faxeoda be de linho, e igual
aos brins (rangados, mas difiere no gosto, por serem
mais modernos os desenbos, que sao esculos, de lislri a
quadros, epor isso be mui propria da presenta estsclo:
dar-se-bSo amostras, recebeodo-ie competente se-
guranes.
Vende-s farinha de tri-
go SSSF da marca verdadei-
ra, chamada Ramo, em pe
quenas e grandes porces, a
\ (miado dos compradores : no
cscriptorio de Kalkmann &
Itosenmund, ra da Cruz,
n. 10.
= Vendem-se meias barricas com farinha gallego;
na ra do Trapiebe-Novo, n. 18.
vendem-
I80rs.
m
I Nesta loja das boas pecbinebas ,
i se chitas a 140, 150,-160, 170 e
I o muito superior, de cores risas, a 200 rs. o
covado ; pecas de madapolio, a '2600. 2900 ,
3000, 3200. 3400. 3600, 3900, 4000 4200
4800 e 5000 rs. e muito fino a 6000 rs. ;
cassas e cambraias de cores de differenles qua-
lidades a360e480rs. a vara ; borlins de jB
muito bonitos padres, fazenda muito propria $
para caigas a 1400 e 1600 rs. o corte ; luvas j
de seda para senhora. a 320 rs. ;alm dcstii J
tem outras muitas fazendas bem como cha- M
les de muito bonitos padroes e de gosto mo- 9
derno ; panno preto muito fino; cobertores ?
begpanbes risoadinhos e cbilas francezas; a
cortes de cassa o decbita muito superiores **
pelo prego j annunciado antecedentemente. j)
Escravos Fgidos
= Fogio, do sitio do Sr. ubourcq orna preta,
de nome Fortuna de naci Mogambiqua perteocei-
te ao Sr. Vicente Tbomaz dos Santos; a qual tamos
signaes seguintes : de bonita figura de idade da IB
annos, bem fallante o beico superior turado ; leo
un calombinhos de carne desde a ponta do naris ale a
testa modo de sua naci : quem a pegar, leve ao dito
sitio ou no principio do Aterro-dos-Afogados, a. 31.
Fugio, no dia 7 de maio, o escravo Joio de ns-
gao Angola alto, seco, cara larga, olbos grande!,
naris bastante chato pea apalbetados ; levou camin
de madapolio ceroulas de algodio ; representa Ui
30 e tantos annos : recommenda-ie a loda as autori-
dades e capities de campo, que o pegareui, de levi-
rem a ra do Cjueimado r.. 40, terceiro andar, ou
nos Afogados ruado S. Miguel, n. 20 que se re-
compensara.
Fugio, no di 7 de corrale da estrada Nova,
engenho da Torre orna escrava, de nome .Miquiliaa ,
de 3 annos pouco mais ou tenos aitura itglir,
bailante cheia do corpo cor fula fegOes bastaalH
grosseiraa denles pouco limados um dos dedos dos
ps sem unba e o centro do naris Turado : quem a
pegar, leve ao dito engenho a seu seobor Antonio
Gongalves de Vaicoocellos, que generosamente re-
compensara.
Vendo-se urna canoi de mmllo vinbitico, comlpERN. ; hajtp* de u, r. defama- *846


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E7MRNHVCZ_524FVJ INGEST_TIME 2013-04-26T22:14:36Z PACKAGE AA00011611_08296
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES