Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08270


This item is only available as the following downloads:


Full Text
inn de 1846.
Sexta feira 8
O DI AMO publloa-se todoi o dias^que
4 fren de guarda : o preco da a^igna-
T he de 4000 rs. por quartel pago,adian-
to*. Os anuunclos ftdo, raxo de20 res por linha.ir.
[, typodiHerente, cas repel.cSes pela me-
Vd, Os que nao forem ass.gnantes nstfo
*,*. por linha, e 160 em typoMifferente.
PHASES DA LA NO MEZ DE MAIO.
b^:i?:t&F
PARTIDAS DOSCORREIOS.
Goianna, e Parahyba, Segd." e Sextas feira.
Rio Grande do oarte, chega as quarta
reirasaomelo dia, e parte as mesmas ho-
ra na quintasfeiras.
Cabo, Serlnhaein, Rio Pormoio, Porto Cal-
vo, e Macey, no 1., 11 e 21 de cada mez.
Garanliuns c Bonito a 10 e 24.
Boa-Vista e Flores a 13 e 28. ,
Victoria na quintas feiras.
Olinda todos o das.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 2 h. e 54 minutos da tarde.
Segunda as 3 h. e 18 minutos da inauba.
de Maio.
Atino XXII N. 105.
DAS DA SEMANA.
4 Secunda S. Montea, aud. do J. dosorf.
e do J.doC da 2. v., do J. M. da2. v.
5 Terca S. Angelo, aud. do J. do civ. da
I. v. edoJ.depai do2. dist. de t.
6 Quarta S.Joan Damaacciio.aud. do J.do
c. da 2.* v.. e do J. de paz do 2." dist. de t.
7 Quinta 9. Havio.aud. do J.dpsorph.cdo
J. M.dalv.
8 Sexta S Heladio, aud. do J. dociv. dal.
v., e do i. de paz do 1. dist. de t.
0 Sabbado S. Geroncio, aud. do J. do civ.
da 1. v., e do I. de paz do 1. dist. de t.
0 Domingo S. Antonino.
CAMBIOS NO DIA 7 DE MAIO.

Camb. sobre Londres 26 /, L ?> '/ 6 d.
Pars 350 r Lisboa 105 p. c. pr. poi-mez.
Desc. de lct. de boas firma 1 Vi !> V* HM-
0aro=Oncs hespsnhohn 31#500 a 3(MHI
Moeda de 6*400 vel. 16*900 a 17 d.-6*100 uov. 16/400 a 16>600
de 4*000 000 a 9/100
Prala=Patac6cs 1/WO a 1^970
Pesos Conminares 1*970 a 1*990
. Ditos Mexicanos 1*940 a 1*960
Prata Miuda. 1/720 a 1/760
Acedes da C do Beberlbe de 50*000 ao par.
IARIO DE PEBJSf AMBUGO
PARTE OFF.CIAL.
Governo da provincia.
IXFIDIBNTB DO Dt* 2 DO CORRRNTB.
Ollii'ioA Exm. presdante da provincia do Ceara,
declarando, qne o paladn Laurentina leva para nqoel-
i. urtii n fardante uto, de que S. Exo. trata em ollicio de
18 ilo me ultime.
I Dit__Ao ontomandente das armas, soionlifioando-n
La narliripecnoj que a presidencia drsta provincia fes a
il' Alano' *' n"er ciriirgilo-mr dn quario bt-
Ib., .,,, f .Mjnelle para este porto a 18 de abril prximo
Un..i Ao mearan, e o Exm. presidente da provin-
cia Hn Oani, icientificando-o de haver S. M. o Impe-
rador reformado o ajndante da extinr.ta segunda linha,
Ignacio Jnaquim Guedes.
II i.,Ao juii relator da junta dr justica, transmillin-
o, para lerem definitivamente julgadns, 01 prooessos
do> soldados da coropsnliia provisoria da provineia do
Cesr, Jos Guedes da Silveira, Innocenoio da Costa
Horeira, Jos Pedru do Nasoimento, Manuel Rodrigues,
franesoo das Chigi, Prisco Jos da Crut, Rayroundo
de boma, Manuel Antonio de Oliveira, Amonio Manuel
de Ulivi-irn, Joai|nim Gomes de Sant'Anna, Joaquisn Ai-
rare da Silva e Pedro Jos Barbota.
Dito A' E. C. Solncffer, declarando, que, apenas
pegar o earroualurde S. M. Imperial a ana nmncacln de
ice-cnsul austriann nesta cidade, reonhecer cuino
leu substituto a Antonio Marques de Ainorini, por 8. S.
Romeado para, durante a sus ausenoie, servir em tal vi-
ke-consulado.
[ DitoAo inspector da theanursria das rendas provin-
cises, autorisndo-o a faier entrsr para os cofres da
bompinhia de Beberibe, por ennta das noches, onm que
"con a faxenda proviaoal, oom a quantia de 1:200/rs.
DitosAo inesnio, ordena n do, mondo por em arrema -
lacio as obras du prisneiro lauco da estrada da Escada,
leas dii 11. da do Po-d'Alho. Participou-se ao enge-
Inheiro em oliefe das obras publicas.
DitoAo nieiuo, determinando, que, at eala data,
Imande pagar a prnprietaria da oasa, qoe, im l'in-d'A-
lllin, servo de quartel ao destacamento policial, o alu-
Iguel, que so llio de ver, na rasio de 15,000 rs. monsaea,
le, ililn pur distilo, na de 8,000 rs., se consentir ella,
que, a este preco, continuo dito destacamento aquarle-
llailo em a referida casa.Oflioiuii-se a respeito ao dele-
Igado iln Pn-d'Allio.
} Dito Ao promotor publico dos termos de Olinda e
Igiiarass, cunerilrndo a licenca, que pede, para ir to-
mar parto nos trnbtllios da assembla provincial da Pa-
rahiba na qualidade de uin dos seo membnis e devol-
iiiiilii-llie o ili|.loma, que acompanhou o seu vllicio,
Uin que tal lieenc solioilava.
DiloAo coronel Fraueisoo Jos Martina, declaran-
IJ, |ue a materia do seu flicio, em que dava cont dos
[arios, que pralieou, quando no comniando da tilia di-
I Fernando, ronsnliduu a boa idei, que delle faxia a pre-
sidencia ao enoarrega-lo do una tal commiasio, e a le-
va a louva-lo pelus bons servieo, qno presin, o
quaesaiuda mais apreciaseis su faseai, porque, por meio
delle, concorreo S. S..para a fnrlificauln doqoelle pre-
sidio, e para o melhorn.ento da aorte dos sentenciados
I nlii resilientes, que as leis querem aej.'io punidos, mas
[nao cpprimido.
DitoA' ailministrocio dos estabelecimcntos de ca-
ridade, significando, do oonformidade com o parecer do
procurador da coros, soberana e faienda nacional, que
[ iiio tem lugar a preientao de Mauoel Vicente do Hol-
l.nid.i (.anillante, e nuirua, sobre que versa O sen olUciu
I de 17 da mez ultimo.
Portara Momeando, psra supplentes do subdelega-
do da freguexia dos Afogados : ero lerceiro lugar, ajo-
s Dimite. Bangcl i ero quartn, a Canuto Jos Velloso da
Silveira; e em sexto, a Jos Rodrigues de Oliveira Li-
tas.Psrlicipoa-se ao eliefe do policis, sob ouja pro-
posta se Aserio estas nomracSrs.
DitaEnoarregando de interinamente substituir ao
chefe de pnliein ilesta provineia ao desembargador Joa-
quina Tcixers Peixotu de A breo e Lima.Partioipou-se
so presidente da rolufin, e ao chefe de polica.
DitaHumeando'o alfres Jos Barbosa da Silva ins-
tructor do esqnsdrio de cavallana da guarda nacional
do municipio do Limueiro. Parlicipou-se ao respeo-
nio cniumaiidante siipcriur interino, e ao inspector ds
liesour.iria da fasenda.
DitaAO cora mandante do hrigue-escuna Leopoldi-
na, ordenando, mande por em liberdado, e desembar-
car, o marinlieiro Jos Ribeiro, por issoquo be subdito
portugus.
EXTERIOR.
REPBLICA ORIENTAL IiO URUGUAY.
Montevideo, 7 de abril de 1840.
Na noito do 1." do corrento revoltou-e contra o go-
verno uma boa ptrlo da guarnidlo, e exigi o desembar-
que do general Rivera. O governo, que contava anda
cio .il,uiiia fr^a, receso annuir. No dia 2 lornou-sr
porm quisi geral a rcvolls, e urna imprudencia preci-
pituu | crse. P.isaando alguns soldado! vascos, dos
siiioiiuadus, pur junto capitana do porto,.fierio-llic
logo do dentro. Os vascos atacarlo logo a capitana e o
"'"guardo, srraiirio ludo e laucarlo ao mar lodosos
papis, qne olli hasia. Na lucia ivi morto o coronel E-
levln, omau algnus ollieiaes.
'"tira evidente, qoe a causa do governo eslava perdida,
presidente eos mioi.iros refgiri-so em casa do
aAuuiro iogles, a a oldade fioon ntreguo a una solda-
desca desenfreada qne commetteo alguns assassinstos.
Muitas familia proourrto asylo a bordo dos navios
fundeados no porto. No entretanto, as linhas forlo guar-
necidas pela tropa inglesa, e grande parte da mnrinlia-
gero dos vasos de guerra da mesma nsplo veio para tr-
ra para guarnecer aartilliaria da trinoheira.
Neste estado de oousas era impossivol prever a que
ezoessos se ontregarn'os revoltosos, Felitraenle a de-
inissio, que derio o ministro dos uogocio ealrangeros,
D. Santiago Vasques, e o da guerra, Munox, bem oomo o
ooromandante d.is armas, Paobeou y Obct, reslabeleooo
uiu punco a iirilem, e a nomoacio de D. Fraueisoo Ma-
garinos para a repartilo de eslrangeiros, e do uoronel
Cosa para a da guerra aeaboa com a revolta, por se en-
icndor logo, que a entrada doa novos ministros era pre-
cursora do desembarque de Rivera, objeclo da revolta.
Nio se engaarlo os que assiro peusrio. Rivera des-
embareau liuntem nuite, e foi uomeado coinraandante
das anuas.
Os soldados vollarSo obediencia, e os libertos forlu
para as linhas. A guarnicio da cidade he foit.i hoja em
parte por soldados de mariuha inglesa, e pode diicr-so,
que reina socogo.
Santiago Vasques, Muse Pacheco y Obe aohju-se
a bordo do vasos de guerra acutraes.
dem. I. do abril de 1846.
Ja lbe disse, que o governo nao deixou desembarcar o
general Rivera, o que este nio estere pelss^pondcfles,
que Use quis impr o governo. Esta negoeioclo dura
ha das, e tem dado lugar organsacio de dou parti-
dos, que hoiitoui noite vieran Is mios, c fuoro cor-
rer o sanguo as ras da oidade.
One horai da manhdn. Du lugar onde esorovo
ouco um forte tiruteio nu Mulhe. A lucia travou-so cu-
tre o cnpilao du porto o um piquete, que se defoudom na
ofllcina da capitana contra uin grupo armado o aem
chefe, quo sem duvda oommetter grandes exoessus.
O proniinoiamento ou revolta da guarnicio parti do
um batalhSo de libertos, o 4., que principou por ma-
tar o major o expcllir todos os ollieiaes. A esso liber-
tos se reunirn os vascos, (joule desordeira e tcmivel.
Nio sei em que punir isto.
urna hora da tarde. Terminou o oorabato doMolhe.
Morreo o foi feto em pedaco o capitn do porto Esti-
vao. MorrrSo mais qmili'o nllioiaes, e soldados de um
lado e outro 2. As luurles, al o momento, quecscrevo,
obfiu a 42. As rons esli cheias do soldados armados,
que grilio viva Rivoia I morro Pacheco Este c.la
na linha, e corre,que fax preparativos pora atacar a tro-
pa da cidade. Se assim acontecer, nadui& a ruai em
aangue, porquo os nimos achio-so no niaior estado de
exallanieuto.
Setthorai da noite. Arabio de apaziguar os amo-
linadus, proniutteudo-lhes que Pacheco y Obei embar-
car amanilla. Satisfcita esta exigencia, veremos, se ap-
psrece inni. alguma.
2 do abril.
Pasten a puilo sem uovidadn. O governo est reunid
para noniear noio grnenil do armas e faier embarcar
Pacheco. Corre, que Rivera sabe boje no bfiguudcguer-
rs hespaiihol : iliivido.
Dual horai da tarde. Acaba de pnblicar-so um
decreto, nonicando o coronel Correa cnmirtandantc i*
armas, mas dix-se, que Pacheco nio entrega o com-
nianilo.
Sete horas ta noite. Esli tocando os tamborea .i
rebate. Reina coiiiusio: ofrnia-so, quo Pacheco nio
quer obedecer.
3 de abril.
Pacheco enlregou o en minando da frca a Correa.
Coiiicco a apporrcer soldados pelas ras, e ha um prin-
cipio do proiiuiiciamcnto coaira os Argentinos. Em
quo parar ialo ?
4 de abril.
Houve de noite alguns tiros sollos, e agora andin
pelas runo multes soldados embriagados, dando tiros de
bala.
A'otc horas da manha. Est entrando das linhas
a legio argentina. Vero refogiar-se na capital, por nio
se julgar segura na liuha. Ha inuitua gritos de Mur-
rio us Ar(eiiliBs A desuniera vai em augmento.
Meio-dta. Crrelo as ras alguns soldailua de ca-
vallaria, dando vivas a Pacheco e lirua de bala. Ja ma-
lirin duaspessuas.
Tret horas da tarde. Aosba de entrar o 3." batalbio
de negro; vem sem oOiciaese dando desesrgas do bala.
Esli embarcando uiuiu l.uitili.is.
Cinco horas. O negros toinrio para a linha, tan-
to o 3. como o 4." balaihao. lgnora-se a rasio desloa
luoviiuenlus. A populacio esta conslernada e teme
grandes desordena eaU noite. Rivera nao sabio. Est a
bordo da l'crola, e seus partidarios querem,que deseni-
barqno. A legio argentina, que esisva no quartel de
dragos, raarohou para alfandega, onde se pos sob a
proleecio da bamleira inglesa para calar roais segu-
ra, poi (rila-so descaradamente: Morto sos Argn-
ios!
b da abril.
Est reunido um coneclho militar composto de lodos
os chefe orienlses. Nmnrrio efliriaca para substituir
todo o. Argentino, e dirigirlo uma represenlacio ao
presidente, pcdindo o restabeleeimenlo das amaras ea
mudanca do miuisterio. Creiu, que .conseguirlo ludo,
porque os ministros lecni grande niedu do Flores, que
he o chefe, que oais figurs na revolucio.
Muooz deo agora oietmo a sua demistio de mini-
Iro da guana, e embarcou com leu filho, com teceio
de Flore, que o ameagou. Embarcarlo tamben Pa-
checo e lodos o oflieie argentioos. Dii-se, que am-
obaa embarctraO o soldados, porque coolioufto os gu-
io de Monio oiArgantinos! Hoje boute qualio
morU.
6 de abril.
Denoile nio liremos nuviJado. Vaiquaz deo a la
domissSoe corre, que erobarcou. Eil-so organisan-
do novo ministerio. A tropa ingleza vai tomsr pone
da linba interior para impedir, que o rjarto lomen a
entrar. Diz-se, que a legiSo franceii toma de novo o
laco e btndeira tricolor, l)eiembror5o00 msrinhei-
rot francezes e inglexe*.
rganisiiu-so o noio minutario. D. Francisco
Magsrino tomou as pastas de eslrangeiros o interior, o
coronel Coila a pasta da guerra o D. Apollinario Gajoso
da fszenda. A primeira medida dos ministros, do
ccordo com o preideote Sutrez, loi a de permittir o
deiemqarque de Ruara com certs condicocs, da quaes
foi portador I). Francisco Maganno.
7 de abril.
Rivera annuio t condicOei propostas, e desembsrcou
liontum noite. A trop est socegada e as linhas.
Parece ter passado a borrasca. Sara, porm, poisivel fa-
ti-I voltar os soldado ao antigos hbitos de duciplina?
Veremos. ,
{Cartas pmtuiulares).
(Jornal do Comincrcio).
INDIA.
iiF.anrm do sikhs.
Despacho Tehgraphico de Marselha,
(publicado no Times do Vi do marc".)
. Marselha 21 demarco.
A 29 de Janeiro fui alacada uma divislo do exeroitn
sikh pelas forcas nglezas, anb o coininnndo do Sir 11 J.
Smilli, cm Alivcrl. Os Sikhs forlo obrgsdos otra-
voasu o Sulley, desando luda a sua orlilharia, que
nioutataa cenado 69 pecas decanhil.
a A perdn dos Ingleses ful do 4 uflieiacs morios, 14
leridus, o cerca de 400 soldados morios o foridos. A
penla dos Sikbs parece ter sid"o muitn considerare!. -
Do rini de 2o do marco.
* Afo/io 17 de marro.
a Tando a divisan do Sir llarry Snuth roforcadu a do
coronel Godby eiuLoodianali para tacar os Sikha, aa-
hioa 28 de Janeiro ao encontr du inimigo oom 12,000
humen o 33 pecas.
Os Sikh Bvuncirloj e depois d'nma vigorosa re-
sistencia, o de uma pcad:i eanhonada, foi escolada a po-
ticio sikh, torio tomadas OJ a 05 peyas, c todo O seu
ex'ercilo de 24,000 homeiis foi n chafado troves
Sulley. .
Em seis semanas teom oaSikhs sido batidos em 4
balalhos fnnnue, oom o perd do lO pee d urli-
Ihario.
,. As divne sob o commando em i befo do gover-
nadur geral eootinulo em repouto deffolile do rio d
Feroxerora pan o Oesto.
Os Sikbs esto nlriiiclieirados em fenlo com gran-
de futen. O sen cunipainenlo he du sen mesiii" ludo, t
i. auas baleras da nota parto do rio, uninilo o policio
urna forlo punte do barcos.
(iholai, siogh chegou dooiileiroi a Laboro a 1,
com 12.000 hoinens.
. A cuiiqui.ta do Punjab nio sera tentada onlcs d
oulubro.
As tropas Scindcs avaacao pelo Indo cima; a i-
vialo da esquerda commandada pelo general Simpson
a da direita por Sir C. N-pier; uinu flolillia de vapor, e
una immensa liuha do barcos vio eguindo pelo mulo.
Diz-c, que toroar policio perlo de Mnlum-kole, e ah
ficarua duranlo a estaca., ealiuoss, prompla a eoadju-
varo corpo doexercito, quando houver lugar uin mo-
viiuento geral.
OclicfcMiiolianotfcreceo-ae a cooperar comnosoo,
e os soldad. hindoos, o servieo do governo de Labo-
re, esli prusaptO unir-se coiunosco n'uiu o.oipo
U rrimcnto C2.sdoS. M. B. foi bsolvido da impulslo
rio poUir-aa mal diante doinmigo, a qawl deo voga
di .pacho do general Llliler. Elle esleve deba.xu d mu
f..go dcmeirallio, ato quo leveordem de reliror-se, per
ulo ser mu. preciso, que eslivesso exposlo a ello.
. Temo* tullas da China al C de Janeiro, maaaa no-
ticia*, quo ella* conleeiu, niu sio iiuporlantes
guvernador geral mandn faier recrulamenlo
alo o numero de 10,000 l.ouien., para que u* reg.n.en-
lu* em servieo e conservassem cu plena toica ettee-
. A musa perda era niorlo o feridas n aceio do 28
he de ptrlo de 600 humen; a do inimigo uio bo'co-
nhecida i ni he mullo grave.
Do Times de 27 de marco.
DESPACHOS OVV1CIAES.
Orden geoeial do goveroadoi geral.
Campo de Ferozepore, 2 de fttereiro.
a O goveroador geral aoouocla ao exercilo e ao povo
da lodia, que lecebeo de S Kxc, o connaodante em
chefe do exerclto, um relatorlo do najor general sir
Uarry Smlth, datado a 30 do paado, dandocooU do
pormeoore de uma completa victoria, alcaocada pelas
tropt ob o seu inoiedisto conmaodo, a 28 de Janei-
ro, obre aa loicas sikhs, cornmandadas pelo urdar
Ruojoor Slogh Mujelhea.
a Nesta accio decisiva e gloriosa, foi a inlantaria do
inimigo desalujada de todas ai poslcfirs e aldeias, que
ella teotou guardir, por ataque n pidos ponta de
baiooela. A sua cavallana foi eipelllda de toda as
parle do campo, por cargas repelida, em que o valor
superior da cavallaria europea e naciooal era mals
conspicuo ; e movendo-se a arlilbaria com a sua costu-
maila celeridade, lol sempre bem na frente, dlngindo o
seu fugo com piecisio e boni cITeito O resultado deslet
nobles esforfjos da tre armas, da arlilbaria, cavalla-
ria e inlantaria, em que o valor e a disciplina das Ho-
pas comblnrSo-se felizmente com a pericia do com-
mandante, foi uma asslgnalada derrota do ioitnigo, que
foi recbacadoatravs do rio, coiu grande perda, sendo
tomado o seu acampamento, e fleando em poder dos
vencedores 52 pecas de artllhari.
Estes tropheos, juntos quelles, tomados em I'ero-
rethah e Moodhee, complelio o numero de 143 pecas de
arlilharla, tomadas ao inimigo, noesmpo, desde que
o exordio ingles se inovo i dos seus acanlon amento pa*
fa repelllr a aggressio menos provocada dos aeua terri-
torios.
INTERIOR.
AVIAGEMDE SS. UM. II,
CORRRSPODRNCU Ikijiiin!. DO COMMBBCIO.
Rodo da Set-de-.4brd, 11 dt abril.
Constando, que a cArle emhsrcsri em Sanios, s 4
horas da lardo de 14 do abril, para o vapor Correio-
fratileiro, no qual iria al barra, ondo era esperada
pela tiivisao naval, is 3 horos te Torio para all .tirigin-
do algumas das principaes lamillas da cidade, cornos
respectivos cheles, par, com as autoridades locaes, ci- -
dadlos, cOrpo consular ctrangeiro, deputaefies e de-
mais pessoas vindss deS.-Paulo,lerem s honra de rece-
her a SS. JIM. II., e de os acompaobar al seu ulte-
rior embarque.
O povo quiz ver partir seui soberanos, quii dar-lhes
a boa viagem, e se accumuloli na praca do Palacio,
i|Undo se approiimava a hora da partida, e, logo que os
vio embarcar no caes, estendeo-se pela margem do rio.
Largou o vapor rio abano, n.as nSo o perdeo do va-
la o povo, que acompanhava sua csrreira, em qusnto
Ib'o nio vedou o mangue, acenando com lencos em
signal de souilosas despodidas. Oulros pe estrada do
meio viero surdir a prsia do lora chamada da Trin-
clteira, e, no approxiroar-se o vapor, saudrio a SS.
MM. II. com repetidas aoclamaioes, que o Impera-
dor agradeca, inclinando a cabeca, e acunan Jo com o
chapeo.
A fortaleza de S.-Amro, e depois dell os navios lo-
dos salvrio com 21 tiros, com gente n vergss, e
quando por elle passava o C'orrio-Braji/iro, davio
os 6elo vivas do eslylo.
Erio quaii C borss ds arlo, quando fundoou o vapor.
Para erilarconfusio, assenlou o Imperador de despedir-
so lili mesrno, e com la augusta espos recebrio
despedidas do presidente de provineia e sua seohora,
das oulras pessoas. U ar triste e abatido, com que SS.
MM. se despediao, he evidente prova de Ibes nio serem
insensiveis o de pezar e ssudidei, que todos memles-
tavao, especialmente as senhoras, quo eborario ao bei-
jarom a mi de S. M. a Imperalriz, eomo se lorio lilbas
de lio carinliosa mii.
Logo que, ao entiarem SS. MM. a bordo da Iragata,
foi arvorado o estsndeiti, salvniio de novo os navios da
ifiilo, estando a corveta portugueza D.-Joto-l. eai-
bandeirada em arco.
UcapitSo-tenenle Rull.ori Ribeiro, commandanle
da corveta Stte de Abril, o capillo lente 1.amaro ,
commandanle d Eulerpe. e o 1. lenle Cunba Mo-
reir, cointnsndanle do brgue escuna Fidelidad!, lo-
rio a boido da llgala comprimentar a SS. MM., ji
estando alli o conimandanle da corveta portugueza, qne
da cdsde acompanhara SS. MM.
A's 9 horas da noule, com mar de vaiante e vento
E, bonanca. fez-se da fragata signal para suspender e
sahir-se i barra. Meia bdra depois, lez sigoal a frsgala
de oslar pegada. A frca da crtente, que era superior
i do vento, arraslnu-a p.ra junto do morro do En ga-
ndo; acuduio-lhe escsleres, ms, quando chegirio, 4
nio era precisos, pone baver desembaracado com as ma-
nobras.
A ordem de marcha da divisao era : na frente a Ira-
gala Contiiuifdo, com o estandarte imperial; na 1."
columna de LB a corveta D.-Joao-I. e Bulirpt;
e na 3.' columna de lili a corveta Stu-di-Abril,
com a insignia do chefe de esquadn, e o brigue-escunn
Fidelidad*
Rondando o vento para o N. e N. O. muito bootoen
e marebao, mos obrinados a navegar com proa de S.
S. 4' S. E. ate i 3 '/ don da manbi. em que M
entrou na ordem de marcha, e comefiou-e i oae(ir no
rumo de E.
Ao meio dia de IB, marcirao-ie os Alcstrazes a h,
Moela4l"N O. e Lage'S. E .
A' 6 horas da tarde, com toda a Ierra ruta, vio-
se um vapor sabindo da barra, quo lo suppr ser o Cr-
relo frasiliiro ,. ,. .
A' noute fizerio-se da fragata algum.s t.gel.oba,
que forlo respondidas pelos outroi otvios, a nin de e-
remconbecid ipesicdcs relativas.
A irrogul.r.dade do vento. sua fraque, fizarlo,
que neste dia a iliviSo andas.e um pouco de..l.nbada.
Odia ICp.ssou-se sem novidade, com lampo mu
claro e sereno, e quaii calmo.
Ao anoulreer de 17, escuieceo muito par O, correo
a eicuridio S. O e levanlario-se nuven nui negra :
sendo esperado seu resultado, logo que cabio a trovoi-
da os nsvios lbe derio a popa : a meia noule eslava o
lampo limpo, e as tigeliobas indicavio ti posicoes don
navio.
Nosieguintei dias nivegou divitio em diverso ra-
mos obrigada de ventos contrarios, ou pairsva com cal-
mas. A coala esteve quaai sempre vista, e por tre
diti o nniio ebefe e u corvlas D.-io&o-l. s Sli-da-
MUTILADO
<:-'



Atril, que de mais perto a acompanbvlo, vinblo dei- A noute, loiJo SS. MM. ao tbeatro de 8 -Pedro a a'
pcjV bordos de Ierra a mu pouoi ditlaocia das liba* [recebrlo novase entusisticasdemonstraedeado mn'
Grande, de Jorge Grego. e da Marairl.aia. i de leus subdito.
==5-
I

Na manhia de 20, (oi visto a sotavento o transporte
de guerra Pacun.i, procedente de Montevideo, oqual,
sendo chmalo, se ineorporou a divisao. Na manhla
epuinte, navegando ella muito a olavento da Sele-de-
Jtril, Ihofoi mandada dar caca por esta, c. logo que
veio a falla, mandou-sc-lho um official a bordo recebor
a correspondencia official, e as noticias, que diesera
traier da revolucio ltimamente operada naquolla pra-
ca barque. '
Lontinuou o lempo limpo, mas com venlo N. E ou
calmo. Para distrehir-se o aborrecimiento de lio longa
viagem, ordenou o chele de esquadra, que at corvetas
Selt de-Abril e Futerpeao batossem em exercicio de fo-
o. tomando a ultima urna bandeira qualquer. e a ori-
meira arvorando a nacional.
O combate comecou ao meio dia do 23, na latilude
23'38'S., oLong 'W. O. rv., cerca de 30 mi
Ibas aoSul da uaraliba.
A Eultrpe, aivorando bandeira encarnada, veio a-
tscarsua adversaria por sotavento, mas. sendo repellida
por vms.iiiio ogo de coronadas do 32 e pecas de 12
alm da fuzlaria cerrada, deiiou-sc cato, orcou para
atacar pala p,ia. A Sele de Abiil nao entondeo oppi.r-
lunodeiiar;tebal.T pela retaguarda, voltou a ora a
sua boa amiga, e Ihc j..g..u urna banda de 11 tiros de
arlilharia com s-usoslribilbos do adarme 17. O fumo
da plvora rondo allornsdamrnle oa combalentcs; mas
do mil cartuchos de peco linhao sido :. queimados sem
menor pruveilo dos combatentoi. e pois liverio or
den, de fjier pazos, e lorio louvados pela galhardia
com que se bouterao oa aceito e deitendade dai mo-
nohras.
Osoutros navios da divisa assistirlo impassiveis a es-
la be licosa cena, que durou mais de bora e meia, ten-
do sobre o lombadilu e bordas os leus passage.ros e tri-
polaco-,, como espectadores.
A'i8 horas de (odas as manillas, os navios pergunla-
*ao i fragata pela s.de do & MM. II., que seniora
pussario bem. r
A calma tornou-se lantomaior, quanlomais se appro-
Itnieva admaiu a barra do Itio-de-Jano.ro ; e com
MI (Orea rorrem ai agoas na proiimidade da costa, que
os navios audavio mu .'.garreos.
A corveta lele-de Abtil he. mcontestavelmente o me-
InOI navio Ua div.sio nacional ; muitas vezo, oi obri-
ga.la a navegar em gavias e juanetes para nao Iranspr
so a traala, man morosa om bunanca.
A P. -Jno-I de L*. M. 1. conserva ainda com justo
titulo o nomo de superior navio, que ganbou en, sua
primeira li.sj.md, Lisboa ao Rto-de-JaOe.ro em27
da.: soellahombroou lempra com a .tele de-Jbrtl
I re. noule. naveirou a divisio com o pharol da liaza
.lia, re. das o Pao d'Assucar fez h>. ao. que pa-
ra elle estendH., saudosa. viste,, al que urna Iro.oada
e lormou aoanoulecer de s.bbado, e mu. fresco vento
loeouediviso para b.rra. onde fuodeou a urna e
am\os" "" ^h0Je' CUm W""'0' e '"-
A'a 8 horas da romhla suspendoo a divisSo, e entrou
neste porto sem novidade.
A cidade illumlnou-se (oda, e, apezar da chava, mi-
toares de pessoaa percorrerlo aa roas, para verem as
' a! """".''t'. rua ire,t8' "" ""l'-
tar, Hoclo, P.isieto-Poblleo, ele, etc., que teem de du-
rar por mals tres noutes.
ECAPlTOLAgAa DA VIAGEM DB SS. MU
(Do noiso corree pndenle.)
cissvlo de seu auxilio : como Coa demostrado, S. M.
a Imperatri nao oi menos piadosa e benefieente.
Os que (icario na corte, oa que s pela leitura do
Jornal con becem a viagem de SS. MM.. talvez le ba-
jo figurado ter sido ella ama continuada ovaco, lem
incommodoa nem perigoa peisoaes: engsnlo-se par-
leitsmente os que aasim peoiarem. O Imperador e iu
augusta esposa soflrerlo incommodos, que aeriio mui
extraordinarios, ainda mesmo para pessoaa de commum
tralamento, quanlo mais ao seu. Ardentissimos calo-
res, caminbos m.os, lamacaes e chuvas; outraa veras
'H.
J^.T1 outurad:iTb^Jd:tg.lf i '*p'&**mM ~-s.=zz
Con.iuuico, que sabio barra na m.nhi.de6 7?.X"^
a indo norte de Sania-Calharin. na manh..H.H- ._. .'^ ""' 6" em """ <" V***
Rio de faiiriro
,--- t --... vv, a ai a niDiuiaa uo u. i UN -
deou na do norte de Ssnta- Catharina oa man ma de H :
a 12 passou- se a cOrte para o vapor Imperalrit, que so-
guio para a cidade, onde desembarcou ao meio da.
Na provincia de Santa-Catharina visitarlo a villa de
S. Jos, as frepueiias da Lagoa, Santo-Antonio e Bi-
beirSo, e as caldas de Sanla-Tbereza oo Cubatio.
Partirao para o liio-Grando no Imperalrii, oo dia 8
de novembro, e all entrrSo a 11, sallando na villa
de S. -Jos do-Norle, e passaodo-ie no geguinte dia
para a cidade do Rio-Grande.
ReembarcarSo-ie no mesmo vapor a 21 com direc-
foa Porlo-Alegre, onde sallarSo ao meio dia de 22
A 7 de d/ombrosahirSopera a Capella-de-ViamSo,
onde S. M o Imperador commandou o eiercicio de lo-
go, o voltario no dia 8. A 16 einbarcrio para a co-
lonia allemia de S. -Leopoldo, donde regressrio na
larde do dia 18. VisilrSo n'uma tarde a (regueiia de
liolm, a dual legoas de Porlo-Alegre. Parlirio para
o intonorda provincia a 27. embarcados no vapor A-
melia at a villa do Tnumpbo, onde cbegirlo no mes-
mo da. Dequi sabirgo para a freguezia de Sanio A
maro, em escaler, no dia 29. Temario cavados e se-
guirio, por Ierra, para a villa do Rio-Pardo, na madru-
gada de 31. a foro all entrar as 8 horas da manba do
I* de Janeiro do crrenle anno.
Nesta villa deixou S. M. a Imperatriz, e sabio para a
campanha na madrugada de 6. A 7 entrou na villa da
Gachoeira anles de 8 boras da manhSa.
Proseguio sua vi.gem na madrugada de 6, e entrou
na povoacao de S-Gabriel, ant s de 7 borai da manba
de lo.
Dahi regressou. ao amanhecer do dia 9, pelo mesmo
csmii.bo, por que Tora; a 21 pernoilou na Gachoeira, e
a 22 eslava em Rio-Pardo. Gom sua augusta consorte
lomaro o caminho da capitel, fa/endo a viagem por
ierra al Santo-Amaro e por goa o resto, vindo a che-
liar a Porlo-Alegre meia-noute de 27, um mez de-
pois do bate lo deitado.
No l. de fevereiro embarcou no imperalrit para a
cidade de Pelolaa, onde, saltando na larde de 2, de-
mon.u-ae al a manha. de 11 ,em que em urna barca pe-
quea embarcou so para o norte do Kio-Grande, onde
0 oguardava o vapor Imperalrit, para o qual se pas-
sou. Ai tres boras largou o vapor, o as seis boras ei-
tava sabida a barra dessa provincia, cm que S. M. ei-
leve tres mezes.
Alchegou, pela sogunda vez, a Sanla-Cathaiina
onde sabio a 17 em d.rccco a ci.lade de Santos, on-
de saltou na tarde de 18 A 25 sabio para S.-Paulo, o
entrou nesta culado as duas horas do dia 26. A 16 de
margo sabio para o intorior, sesteou na fregue/ia da
Loiiee pnrii.ni.iu na villa deS.-Roque, p,'o da se-
guinte entrou em Soroeaba, A 19 sabio para S. -Joo
que lollrrio, especialmente o Imperador.
lente Jos Ferreira Braga ; Dr. Theodoro Lan
Carlos Ralh ; Joo Teblrlf da Plratlninga f {V
Francisco de Almelda Prado ; bacbarel Martn.'c'
ciico Rlbeiro de Andrada ; major Aoto. lo Ola.ri
ledo dito Jos Rodrigues Lelle ; Jos Vina,, j u
Franclaco de OlWelra Lelte Setubal Dr. Caearlo S"1
reno de Sena ; tlgarlo P>anclsco Fernandea N0
Dr. Joaqulm Fernando da Fonseca ; mejor Antoni"?'
drfgues de Almelda ; capftlo Joaqaim Boniracio i
maral; tcnente-coronel Raphael Antonio L,ji.
Innocenclo de Ulivelra Mallos ; vlgario de 8 -It
Maooel Joaqulm Barbosa ; capltio Vicente Vini*""'
Silva : dito Joaqulm Benedicto deQoeiroi ,u,"ll
Jundiahy, Estanislao Jos Soares de Quelri V*
Lula Antonio da Crol; dito Francisco Bened'lcto
reir : Claudio Jos de Carnario : malnr Nn.. i ."
... Smenle = -l8.u.f' '* ^7^ S'j0,r Nd Lal'S
um> fu j j i j- i j 'legarde; dflo Antonio de Godoe Morelra: ib...
..Tv.M daWJ de 'er '"do <'Ml">r" d,,|Porflrlo de Lima ; caplto-mr M.ooel Jo, it,r"*
aivida: a eslima, a devoco de leu povo. que porlcapi,o j08qoin, GomeidoiSantoa Pinto loan.
tnrt, parle iceifor?oa per hes s!>ifer o nrecn|. Qsrsu f.-sc!:co M.-bss de; Sss ''"
em que tem suas alias virtudes, e o ardentoi votoa". quelde Paula b'llvelra Godoe ; Dlog Jod" clr'vtikT"1*
lazem todos pela vida e pro.peridade do reinado del Cidade de S.-Paulo, 7 de abril de 1816. j0,
eui soberanos. A afTabilidadt-, com que SS MM. tii-lveriano da Bocha, offleial-malor da secretarla de atii
tarioaosquetiverlo a honra decbegarem al ellei, a-ao8 "ocloa dafaienda. (/. d*Cenm/tci,?
gaialhando a todoi com eisa familiaridade, que ao'
meimo lempo impe reipeito e veneraclo, em breve
ganhou todoioicoraQei, de modo que em tuai pra-
t'cas domesticas erio estas qualidades materia inesgo-
lael; todos dizio, por sua ver por diverso modo, o
que de um grande de Portugal diiie Malhio nestei
versos, que tomo a liberdade de transcrever porque
primero o pensamento desie povo reconhecido :
< Ouom vio seu rosto sereno
Que nao Iheganhaiieamor ?
(Jnom Ibe fez supplicas justai
Que nao achaiie favor ?
O Feu peilo em piedade
Sempre se v abundar ;
Ai mas maos sio maii frenen
Que ai iiiesinas praiai do mar.
(J. do Commereio.
Partllliando o jubilo, de que so chao ponaldoa os Flu |d''-iP,n," "'R"|o P'- CapilJo-Mor-Moraei a 2]
mneme, polo (Wiz regresm de S& MM 11 .lic.la-nosI" '"" u"0-,'",,|" *8 P' a cidade de Yl, ond
a lodos por IS lausto o desojado evento, o a SS. MM || |'lcou l'sl" e "s d"'s -* 26 A 26 seguio para Campi
uaiiioa. mu. sincera e respeitosainente, os parabens da I" "s' "''......"d" na 'guezia do Indai.tuba. Em a cida
cii.Kaaa. de de Camoina deinniiniii u. ia .....l.s. .... m _
S. ANDHB'A B 0 MIMSTEKIO.
Nada ba maii singular do que o procedimento do
ministerio com o general Andrea. QueriSo tubverler a
provincia de Minas, o Sr. Andrea en um obstculo,
lornava-se preciso um hornero assim como o intrpido
geoeral das Sabinas; mas ogovemo. nao sabemos pelo
iue. recua dianle dessa demissio, e v-se obrigado a
isfarfa-la./hamando o deroeltido provincia da Ba-
bia. Na (labia (orna-se preciso para o ministeriaes
um hornero da tempera do faroigerado Ramiro ; ei-loi.
que amontlo queixaa cootra o nobre general ; oSr.
Galvao.min.ilro, declara na tribuna, que he peiten-
Vnto ao partido da opposivlo esso alto fuoccionario da
condanca do governo I Cbega da Babia um amigo do
ministro da fazenda, e suas queixai diobaio ao Sr. Pau-
la Souza para impr a destituivio desse presidente... O
Sr- Branco ll.'a prouiette... o entretanto o .Sr. An-
drea he dem.tlido, sim, mas para ir para Pernambu-
Dando conta dessa noticia, dissemos, que os doui mi-
nistroi Hollanda e Branco baviio comeguido a aatisfa-
o dos seus anhelos: oSr. Hollanda, que lanos es-
forCosUnha lo.lo, para queloiseoSr. Cbicborro presi-
dir a urDai,.,ueo, speiaudo, que esse bomem nlo le-
na, como tem lido, o maii Irenelico praieiro, fazia lo-
SS.MM.H.chegrao bonlem '26 de abril a esta corte Tv" en""U *'" S"r"ca,M- A >9"lno para S.-Jlo \'"< "o tem aido, o mais Irenelico praieiro, fazia lo-
irtllliand o jubilo, de que so echa. poisuid-.a os f lu-| ',VP"""/.'"' S''R'"0 ''"" C8Plia-^r-->l"raes a 2l,|d<" s """> esforcos para tirar-Ibe a presidencia : o Sr
irieme. polo f,l,z regresso do SS. MM II.. Nic.lH-nos I, "''"'' u"(*-,'"l"i *3 P" ridade de Yl, onde Andrea era o homem proiirio para favorecer ai vial.i
cliotiada.
E.a pouco mais de 6 1,2 horas da m.nbaa, quando
n u ,., C!.aU Sgn81 dd ""/undead pe,lo
""""J ?qUad'a ""P"rlal- ComecTu logo o ebo-
n ra .rom", Cen,e"""" de P"fS"" Se Promptavlo
para r. .. em vaporo, e escal.ros saudar SS. MM. II
IZrl ^"..Nao 1..Irm. o vento, queessosseu;
disejos se iealisas.em. As 7 1,8 boras pontn a vira-
ao ., suspendendo logo a esq,ad,a.voi chegar a San-
--'Ui.8 1,2, lomando amuilos de soipZa r".
tl?,iT'uFVpcsso"' "uelfi0 'p"-'
L.V^T,Tll",M'to virado, e, vas.ndo a
ahir a?a b",,f'",e rrf"' Pri"e'P'a'a "dos os navioa a
cab.i 4 r. J paisava das i) 1,4, guando una aragom
do Sul permlttlo. que a esquada seguisse avante
I ooco antes das 10 horas, achando-se a fragata Cons-
M pa o travs do morro da Viracao, 7Sm?c
p imeiro,,p,,r: era Correio-raleiro, condu.indo
o m.i .n1.,d:e,,"d0- U"S "P"8 Ulrt,s- f-ochegan-
do mais quatro vapore, e Innmeros escateres, apin|la.
I ZIinV /odMnd0 "".. acompa'nha roa
mTVC"dM"' onde deo fundo, s 11 horas
M meto de salvas e ,i, de todos os navios do ge a
2? .V." ""''M. unos no pono. '
billdari, M d,gBa'ao-'e Ion, com a maior alTa-
bllldado as mullas pesioas. que lorao bordo nara
torero a honra de eomprimenli-lo.; e 6 III a c'am! a
rnunicip... que fora. em corporacao,' receb es orden
horasTS deCUrU ^ M- ^ *^3
e eanr t'l Mh",->?. no ""I d" m.rlnh... cdrle
e giando numero de militares e possoas d.st.i.cl, uue
ff&TSS^ T-..A rua ,),rel,a -" Jd.
seda se ni a,,ri,"'"ln>te ..rueda, de
aidaa o senl oras, primorosamente vestidas, e a guarda
na tonal e tropa de ll|,a, formada ero alas, desde a
porla do arsenal al a capella imperial.
nuni *. d","ivl d8 "erra e das (orlalezas an-
vao I i0' *, U/- hr88 ds U,de- SS- MM-Targa-
vao da l.agal. Constf.uico As ?, ,Iieno. Uln quarto
a ircou ao caes do ar.onal galeota, que conduz.a S8
mL P0.'0' aP",nad" no are'"'' prala dos M|-
SS u Cum en,hus'cos vivas o regresso de
^.M., depon de lio longa e lio aaudosa ausencia
r.,1 7m0,depU-8 daS nor'"' Mhl'SoSS MM.doarse-
dt-Ial.TJ'"Ctr C8pe"a imPer''- MM. vmr.no
num P !".' Precedido Pr "" brllhaoto e mu
,U." P"""10.. composto da. pes.oa. mais dislnc-
nue Z'.."'"" 'SS MM- p" baUu d Wnle arco,
los n.!.! 1'u "i""1"" da rua duSa^- f-'aocober-
d.todVl;L"'nf ;e;"d.M de branco-a,um-
"* *2: corTtoaTotco! ,n,UU^=' <*
de de Campinaidemourou se at a manhaa do UO, e
quo parti para a villa de Jundiah,, e a 31 pare'a ci-
dade de S. -Paulo. Nesla dinressao nao oacompanbou
a I I rl.,1.1,
A 1 sabio deS. Paulo para Sanios, onde ebegou
as tres horas da tardo do dia segunte, e embarcou-s-
a qualro horas da larde do dia 14 no Carreio-fran-
/rout barra, onde se passou para a fi.gata t'o'.i-
liuitdo. S.,hio a divissao nessa n.eima noute, e pelo
ventos contrarise calmarlas, que solTreo i.i veio a en-
trar no porto do Kio-de-Janeiio a 26, comenzedlas
de viagem.
Nos seis mozos e'iOdi.s, que g.stou o Imperador
em sua viagem polas tres provincias ao sul do Itio-de
Janeiro vi,. S. M. asseguinles cidades : Santa-Calba-
rma Kio-Grande Porlo-Alegre. Pellas Santos,
S.-Paulo, Soroeaba, lu o Cmpine, ao lodo nove
Aivillai de S. Jos, de Sanla-Calbanna, S.-Joi-do-
>orle Triumpho, Itio-Pardo, Gachoeira, no Rio-
Grande; S.-Hoque, Porto-Feli. e Jundahy, em S.-
Paulo: aotodo9. Ai povoacoei de Santo-Antonio,
l^G ol.heirno, emSanta-Calharma; Uelm. Via-
mlo, 8-Leopoldo, Santo-Amaro e S.-Gabrel, no
a.o-Gr.nde S. liern.rdo, Col.a e Indaiatuba, em
>-Paulo: ao todo doze.
Km viagem a cavallo fez 2"29 legoas. nloiendo aqui
entrada, a. que fez em passe.o e cacadas, que se podem
orc-r em mais de 50. K
Asse.itou as pr.moiras pedras dos boipitaei de cari-
dad-de Santa-G..tbarina e Pelotas; a do Ivcflo de Por-
o-Alegre; c.eou ne.ta cidade o grande collegio de San-
ta-lliereza para educaco do meninas pobres. plo pro-
luclodeumasubscripvao, que j exceda a a00:200j
ra dando S. M. o terreno, que Ibe cuilou perlo de
At o dia 11 do corrente. vespera do em que dei-
xou a cidade do S.-Paulo. I..,i. o Imperadordespen-
dido em moa Ja, com donal.vos a e.tabelecimentos pos
'grojas, obras publicas e dotes, a quantia de58:4000i'
KiS""*1*a de 33:059'r5,; quo ,oa"nSj
S. M. a lmpo.-al.il despeodeo al a mesma dala, ero
donativos, etc., 10:400 n. ; em esmolas, 19:700j-
sommando ambas em 30: IOO rs.
Nlo vio, aqui computados os ricos prsenles de joiaa
dado, por SS. MM. na, Ira, pr,inei. ,,,, porJu'"
calcuo approxim.do. orco em 100:000* n.. nem as
qo.nt.aa despendidas, depo,. qU., toroei o. renciooa-
1;"*.' deo i0 dU,' c,audiLu" d co.u
"" d"ouro com cinco grande, br.lb.n.ai, em
e..emunhode,eureconhec,menlopelo. a.,5o. pr.i-
Itadoi pelo doulor Claudio na enlermid.de do geotilho-
. Imam n Sr .Si.inr.srn
'- r----.#- ..,. i. |,|. -lutiiutl i Uljr.
Andrea era o homom proiirio para favorecer ai vistas
OO. tic, pois (em sr vendado e energa, porm lam-
bem euniciencia da d.gnidade do governo, e nlo ae
hum.lha a servir os odios de um partido, menoi anda
de um partido de turbulentos. Como, porm. conce-
ber esso ministerio e a sua poltica e a sua conliance
nos homens? Lomo explicar honesta e regularmente o
ouidocculto, polo qual era insupportavel em Minas o
mesmo bomein, que era acbado prop.ssmo para a Ba-
ila, e boje be declarado pessimo na Babia quero be a-
provoitado, feomo ut.l. om Pernambuco ? Ouanlo a
presidencia do Sr. Itamiro, tendoesleSr. de vir para
a cmara daqui a oas, e de aqui icar al setembro
n*o sabemos, que ut.lidade publica possa baver oa sua
nomeaca... a nio ser dar agora lugar a urna longa vice-
Pres,dflocla- [Do Brasil.)
S Paulo.
BELA^AO DUS DESPACHOS PUBLICADOS
NO DIA 7 DE AltlllL DE 18*6. ,
casa imperial.
Honrai de grande ao baiao do ltpicurum irim.
uardas-roupa honorarios : O encarregado de ne-
cos do Brasil na. Cldades-Ai.seaticas, Dr. Marcos An-
10.11o de Araujo, e o bailo de Antonlna.
ORDEM DR CHRISTO.
Commendador.
Slanoel Claudiano de Olivelra.
n.,._... i ..-------- ..., ,..ucn.o Ua tmara
municipal de borocaba ; Dr. Joaqulm Pedro Vlllaca ;
padre Jos Manoel de Ulivelra Liborio ; padre Frai.I
cucoTnoodoiio de Almelda; eepitio Ignacio Diaa de
P V C8p,t Elia$ LoPM de ""ira i padre Jlo
Krnli d"; P"d,e S,mao Sluk d0 ono Cermello j
Ani!? t !M. de Barroa ; ,u, Ferrel" A'oi; Lui.
t!m. JeU.W, da Fuowca ,oa1u,m Vtago'i Jort:
atoTdo m a,:"pm do* s,"',u, Pradu Lm* p j:
quim do Monte Carmello ; Dr. Francisco de Aasis Pu-
po, jun municipal de Camplnai; Antonio Joaqulm da
Bosa, presidente da cmara municipal de S.-Hoque
vigario da Culia, Jos Maooel de Oilveira ; dito da Par-
lanvba Joiqulm Jos de Olivelra ; capltio Jos Pe-
reira de Oueirot, Jul. municipal de Jundiahy : teneote-
coronel Antonio Joaqaim Pereira Guimarles ; padre
LuizOonzaga Castanho; aliares Jos CaetaooJ de 011-
BABIA.
Terrivel e borroso aoonleoimento leve k
(7 de abril) lugar em a na do Cnrpo-Sent..} ,
crava Uncou-.o do um janclla a b.ixo, o cheganJ, ""
parti o crneo de friun, que expirnu iiimedfai.i.''1
le. Ignuramns a. ra.dei, por que e.ta infelli .enu|
cidar lio drigra^daoionle, e laitiraamo., q.le era ""^
,a capital appare{sn de qnando em quando f.cto,".'
gicoi, que ie nlo compadecen com o grao de oiru"
fio, i que ja temos cl.egado. '"*'
Tivemoi a trale c deploravel notinia, que ai |,
aobranceiraa ao Pilar prinoipiSo a dar indioin. d0 "'
noroiiniooiilo; ...ubemn., que o Sr. cornnol Jo.iinnM'*
neade Seulo S pre.ia .Icii4ra.ua habilar;ia, ,J
uma aun me.ma propriedade, por ae ter ella r.VV
quo o Sr. Cuimbra de Andrade tamben. ab.n"u v\
era quo mora, por ter a Ierra dado deinun. xiii. queda ; algumai poi.oai enciado, e aiiim Iranriuitlimoa ao publico n oonhec
ment desla nova oala.trophe. Entrotauto, olotenih,*
vido en5o 4 das de ohuva I!.'
Como he poaaivel, que te deixe a maior e a m.i. no-
pulula daa capilaei da. provincia, do Brasil entregue,
e.i.el I.,11, le perigo, aem que tenido preitado pedido. re.
tarados ao governo, wm que tenhio aproveiudo u
licdei de mu pateado enlutado por tanta, deagracei e
en.opado peloaangue de tantea viotimaaP
Nada valer a Babia na carta geogrfica doBmil?
Nada merecer! e.le povo, que noucurre, o pesar de lodi
a iua miseria, com todo. o. niei.ii pon.veis, e at mu-
la. veze. qua.i ropoi.iveii (poii de nauitoe o. hurre-
roioa aequeatrua Ibes rr.neio o ultimo viniera, aai
poliuito para matar a fumo) para o cofre geral, e iit-oa
por iiao mereco, que ll.ei legurema. terraa, que amea-
Vio, a cada momento, sepultar vidua, fatendi. e bensr
Quando e len.brarl o governo de tomar uma medie,
enrgica e salvadera, que ponba eata cidade livredu e-
ngo eminente, que a cada paa.o corre ? Quando ja ci-
dade alia tiver decido obre a cidade baixa, e e.ta liver
I afogar-se nu mar ? Igual obra devora de acr entre,
gue a provincia ? Quioa os nieiiu, que para istn poiiui.
moa, e ludo .orre para o Rio, e de l crmor, que pa-
ra o Ocano P O governo provincial tem fimo o que po-
de, e o que obrar de maii vantajuao se a nossa receill
be me.ma que a de.pea, quando nlo ha dficit?
t.ta iddifferencn j lio crimino.., e o povo deela pre-
vincia lein d.reil. rrefr.g.vci. a .er olhad.. do o..trs
maneirapelo governo deSuaMsge.tado, que deve de tar
paternal.
So qualro diai, npenaa, de cl.uva conminada ficrSo,
que a iiioi.ini.li.-i ameafa.ie ruina, eue.te mes, em abril,
o que .or, quando o rigor do invern vier cabir aobre
a torra j abalada, e por em coiitternacao um povo in-
tein. aniedroniado, e espavorido pela terriveleiperieit-
cia do pateado?
Ficar o rommercio indiffereute a oaaoa malee? A
praca uonlinuar n aeu gyro dmri.., o de.a..onibrado?
A. Iranaaccfioa aerlo ai me.ma. ? Tudo nio recuar ? E
oa cofre, publico, lia., de tanto reerber? Km nada uto
>e calcula ? J que querei., .jut. nada .e faca aem umi
conveniencia pecuniaria, he lue.mo d.-batxo de.te pon-
to de vi.ta, que npre.enUnioa a neceatidade, que bave-
iu.it, do tocc.rr.i. immedialoi.
Porm qunti, que not per.uadimoa de clamar no de-
serto, e quo a papital da B,.l.iu ha de deaapparecer pri-
ueiro, do que acra ana iiioi.tnnba iu.temada a poni di
por a .alvo de qualquer valaiuidade. Deaej.nio., da
corarlo o ditemoe, que e.ta noa.a perauacio aeia cbi-
llll-llr.i. '
Honlem (17 da abril) foi o Exm. Sr. pre.idente,
acompai.l.ndo pelos engei.beiru., examinar o orlado di
monI.I.I.. easa parte, queja deo priuoipio a dee.uoro.
nar-.e ; nio aabomo., que providencial aecordaria S.
Exc. neae clamo, per.uadido., que dar aquellas, quo
e.liverem ao aeu alcanoe; aa.iin oumo la...Leu., que ein-
pregar todoa o tueioi para iivrar-noa dea.a l.orruroea
caia.iropl.o, que i.o. aiueaca de novo S. Exc. nio pu-
de di,,or de grande, uieiui, eilOS prcci.au.oe denla
pequeo, e imiuodialoa loororroi, que nui podo
nr de brujo maia p.deroio : purera ene nio correr lia
proniplamente, Oumo l.avcni.u lui.tor : o que, purera,
no. nconlcucri ante, que lato oblenhamoa, ignuramoi
mu confiamos no telo da adminitracio, queja rouitrou
ua lolioilude, apreteniande-te era pe.toa nn lugar de
perigoa examinar com teu proprio. oll.o., e a procu-
rar por i. mermo us motos de obstar o i.roare.eo de
mal.
Algnmai earlaa vindat do Rio-de-Jano.ro pela
bngue Felxt-Aurora, com dalaa de 9 e 10 de abril pr-
ximo p..t,ado, ceriificio a deinitiau do proiidcnle do
Pernambuco Exro. conculhoiro Chioliorro da Gama, a
o icr i.ibililuido pelo nono actual prndenla o
Francisco Xavier deHarr!.8M'nrttrlnl unicip.1 deSoro^b^^q^rVSr^r ttZ^S^S** X*.'**
_-------.. uo arco. i iidoi pelo doulor C
t'op."p".epX^V:Kh. p,T- dMfl"ndo \mT oS,i i,,qu,ir,
omado Te-Deum* JZte 8 LT.rt!^0; Ter, ^i,0J" '',08f6e8' P0r ^ P"8" M>
P'o da cidade, e recebar a continencia miUr"10' ""I 7 S e,lall0,e,:"nenta puDlieoa. leu bo.inbo
uoeoci. muiur. |e,te,9 .empre aborto em soccorro, daquell,| que pra-
oroem da rosa;
Commendadores.
Capilio-mr Joaquim Vleira de vloraes; Antonio de
yueiroi Tulles, presiden^ da cmara niuuicipai.de Jun-
Officiau.
Mejor Luii Jos de Hei. Montenegro ; dito Franclico
Lope de Oilveira ; dilo Manoel Lopes de Oliveira ; di- ".oiu cata, niu ro perscutido, anreaontando, ec
to Antonio Paea de Barros ; teoenle-ooronel Jos Ma-|Pui* d* "torio, o mais horroroso aipecio.
noel de Arruda ; capiUo-mr Jos de Almelda Lame ;| {Do Mercantil.)
dito Bealo Paes de Barros ; Manoel Martina de 11 ill I i i i ------T
fcxra. Sr. Andrea, vimlo para eiU provincia o Sr. oou-
celhciro Ramiro.
(Coruio Mercantil.)
Ai teit born e meia da tarde do din M (abril) tui-
cidou-to Manoel Kodrigueida Coila, Brae.leiro adopti-
vo, com 45 a 50 anuos de idade, ua me oaea rua do
Sudr. Eete iutelit aobava-se com a relo baalauteonra-
qaeoida, ha maia de qualro aunoa, e, por veiot, delibe-
r.iu por tormo toa tlialenoia, UilUAildo sn cerla oeca-
liu uiua porei.i de v.dro muido. Effecluoo o alleuiado
cora ai Leruulaae um pequenu pu, cora qual lorc'ii-
du-a.ae deo grrulo, cora tanta ii.felicididc, que, tendo
geiitociu cata, nio foi por.culido, npre.ci.UiidO, dc-
dito Bealo Paea de Barro! ; Manoel Marlioi de Mello,
presidente da cmara municipal de It; Cberobioo
Uriel Bibeirode Camargo e Castro, dito da de Camoi
nai. v
Cavalleirus.
Teneole-coronel Antonio de Uascareoha CamelloJ;
onio h n\mil
BecnUemoi pela ga4era Celumbue jornia t nqjlaiot
Ia de marco a 3 d'abril ultimo.
do'
mtmnna.tm.mi
itavt.
__


------------
I
A ranha e orte achavo-se no palaciu de Bucking-
fon,, omle leeaperava, que pertuanecesiem al as ferial
da Poichoa. *
Tndo durado maii quntro diai o dbalo sabr o aoto
pura a iroporUelo di crreaei, na caaa doa eoniniuni.
pasin elle em aegnnda tritura no din 27 de mareo, pur
urna maioria de 30 totnacmilM 214.
No dia 30 leve tamben) n prirneira l'tur bl" P"a
i pnileccao daa Tidaa na Irlanda, b propolta de Sir J.
(in.lt mi, a favor da qual apperecrio 147 votu, e con-
tra, 108.
Em embaa ai caaaa pr monle appri.Tadiia. no dia 2 d'abrilj votoi de gracia ao
exercilu inglet;d.. Sulley, pelaa uliimoi accOea brlhan-
tea, gaiihadaa pir alie na India ; aa quaes oonstao doa
ezt'raotua, quo inserimos em lugar compota nio.
Ilonlcm enlrou oeite porto, vindo doi do Sul, com
S Ji; de fi.-g-fi>, o spor Pernambucana. que daixou
tranquilla! al provincial, por que paiaou, e trouie-noi
ornaea do Rio-de Janeiro ate 28 do pulido, e da Ba-
ha at 4 do crrante.
SS. MU. II. haviio-ie recolhido i corte deide 26
| de abril, aam novidide em ma preoioia nudo.
O Sr. Joio Carlos Pareira de Almeida Torrea linha
reiiiomido a paita da juilig, de que, juntamente com
a do imperio, etteva enearregado, quando libio do Ko
em companhia de S M e que, oesia occiiio, paiioo
ao Sr. Limpo d.< Abrou ; o qual Goou agora lmente
com a do* estrangairos.
OSr. raarquei de Canlagallo, gentillioinero da impe-
rial cmara e capillo da guarda de aroheiroa, oliegou
a i orle ni dia 7 do mei ultimo, na corveta'portuguoxa
7rij viuda de Liaboa.
Dai noticiai de Montevideo, que em lugar comp-
lante felo copiadai. verlo nonoi leitore, que O gene
.."' i',era, bem looge de aer baoido, como eslava de-
t< o, loi poito em liberdade, e nomeado comman-
' i dai armai ; e que i em medida reclamada pelo
poio, que, para consegui-la, le amotinou, preoedeo
demisiio do ministerio, que a ella se oppunha.
No Jornal do Commereio, donde tranicrevemos essas
DOtciii, ie loseguiote:
Entre a correspondencia tomada no campo oribisla,
ehi-ie oieguote officio do coronel Montoro:
a Vivi o deleoiore dai lea I.
a Morrio osselvsgens unilirioil
{Useivada )
Commandogeral, Colonia, 28 de maio de 1845.
Ao Sr. commaodante D. Leandro Villanueva.
Recebi ordem de S. Ex. o Sr. presidente da re-
pblica,para mandar punir de morte.a vario! ielvagens,
entra o quienecooliooiqustro individooi, que coo-
duz o lenle Pereyra, lo Hypolito Chaparro, Silva-
no Martnez, Manuel Riof e Ezequiel Ros. Mas ao
meimo lempo devem aer-ie dtn execucOei com pre-
cauedo e itgrtdo, de modo que o ioimigoi, o principal-
mente o eitrangciroi, nao tenbSo dellas coobeciroento
e iolerpretem sioiitrameote eite acto. Por consequen-
cii receba Vm. o ditoi priiiooeiroi e mande-oi segu-
rar, al que mande regreisar o piquete, que o leva; ao
qual dir Vm., que oa voi mandar para o quartel gene-
ral, e lugodepoia o mandara exocutar, na intelligencia
deque oeobuma raiio ser bastante par desculpara
eiaiio de ocnhum dellei. Deo guarde a Vm. muitoi
annni. Jaime Montoro,
Eita cara, que revela oflicialmente parte dai atroci-
dades conmettida nena lucta sanguinolenta e barbara
que, ba tantos annos, alila ai margena do Prati, (cava
depositada em una livraria de Montevideo para ter ex-
aminada por quera duvidaiie de la aulbenticidade. a
O que, alin do que dito fica, de maii intereiie en-
comiamos noi outros perudicoi, tanto do Rio como da
baha, conita dos extracto!, que icima damos.
bucana, de 240 tonelada!, commandante Joto Mili-
to Rodrigue!. Pasisgoiros: para esla provincia, o
major Joio Ouilberme de Azevedo, com i filho me-
nor, fre Joto Baptista de Santa Helena, Braiilbeiros;
Joaqoim de Almeida Guimariei, Portugus, 3 pn-
cis de prel, e 3 eicravoi a entregar : para oa portos
do Norte, o 1." (encole d'armada Francisco Bernar-
dino Diaa da Silva, com 1 escravo. Domciano Dio-
cleciano Diai Cardozo, D. Carlota Augusto de Le-
moi, Braiileiroi, 2 inferiores de (ropa, e 1 escravo
a entregar.
Sidney ; 72 das, galera inglesa S.-Gtorgc de 750
toneladas, capillo Jobn Jones, equipagem 26, car-
ga lia ; ao eapitio. Condus 78 pasaageiros, que
aeguem pira Inglaterra.
dem; brigue hamburguei Polydora, del76 toneladas,
eapitio ilaus Cbristiso Cbrisliansoo, equipagem II,
carg: ::! : a N O. Biabar & Compaohia.
Hartlepool ; 57 das, brigue ingles Flora, de 147 to-
neladas, capillo William Duthic equipagem 11,
carga carvio de pedra; a M.' Galmont & Compaohia.
Liverpool; 48 diai, brigue ingles Faifa, de 192 tone-
lada!, eapitio George Sbearer, equipagem 11, car-
ga faxenda; a Deane Youle* Companhia.
Aaoios sa/ndo.i no meimo dia.
Babia ; brigue ingles Crecan, 'commandante Alexan
dre Moiilgomery.
Cork ; barca chileoa Natatlia eapitio U. Hacbaria,
cargaamesms, que trouxe,
liba daMadeira; biate portugus Senkor-Jesus-de-Na-
xortth eapitio Fernando Jos de Almeida carga
auucir.
Para Lisboa libe, com a maior brevidade poisi-
vel, a mu linda e veleira escuna portuguesa Milhei-
ro-Primeiro, de primeira marcha, forrada e encavi-
Ibado do cobre; recebe carga e paiiageiroa para os
quaei tem os molhores commodos pivssivas : o pro-
pendentes dirijio se aos conignatarios Olvera Irmaos
Companhia na ra da Crui n. 9, ou ao capilio
Joio Ribeiro Palha.
Para o MaranbSo o bem conhecido brigue na-
cional Atlante, forrado e pregado de cobre, wbir ivo
dia 26 do crrante, por ter de sabir com a carga, que
tiver: quem nelle quiser carregar a fretei commodos,
drija-ie a Francico Severiano Rabello & Filbo, ou na
ruadaCadea, n. 12.
= Compra-ie, ou freta-se para Moisor urna
baicaca : quem a tvere quizer fszer eite negocio, ap-
parece, nestes tres diaa ni roa do Vicario sobrado
n. 23, primeiro indar.
!visos diversos.
Edita!.
COMMEHCIO,
Alfandega.
RENMMBrro do du 7.................1:370*818
Descarregio hvje 8.
PolacErnestinacebolla! e albos.
Galera Cb/umouimercaduras.
Brigue2?.- Consulado.
Rkndimento do du 7.
Geral............................ 1:453*099
Provincial.......*.................. 739*271
Diveriai provioeiai.................> 26*745
2:218#Ho
RIO-DE JANEIRO.
CAM1IOS DO DI \ 27 DE ABRIL.
Prepos da ultima hora da praca.
.26 1/4 a 26 1/2
.355
O Dr, Jote: Nicolao Riguetra Costa, juiz d dirtito
interino da ngunda vara dteritnt da comarca do
Reci/t de I'ernaml>uco,por S. M. 1. e C, qut Deo$
guardo, Uc.
Faco aaber, que 4 primeira lealo ordinaria do jury
deate anuo, quo, eob a ininha preaidenoia, teve lunar
no termo de Olin.l, aaiialirfi.i em niaiduidade nhorea jiiiiea de faoto, Lourenco Antonio de Albiiquer-
quo e Mello, tenonta M.iiu.el Qionilio Goinea do Ue.;'..
profeanrUaniiel Jos Texera Bi)atos Jnior, JoSo Cari-
lo Prnapero Montania, crurgiio Franoiano Joio do A-
inar.il, Manuel Riifjnu de Barroa, bnaeiu de Laiulla C-1
lado, Jna Roberto dn Eupirilo S.ut<>, Joio Eilerea da
Silva, collector Fr.inei.eo daa Cliagaa Salguciru, J.ii"
Suarea Rtipmo, Jo. Eiialaquiu Maciel Monteiro, Jm
Alvi-a du Furia, profesor Salvador Henriqua du All.u-
qurrque. Amador Autunio da Ciuilia, doutor Loiireiic
Trigo do L.ioreiro, Ju.e Lua nnoueiieio Puggn, teen-
le-onronol Franoiico de Paula Soma Loto, major J c
de Oliveira doa Praierea, Anlonii J.iaquina de AI n. ni..
Guodet, profcaaor Alxaudrin.i Ayroa da' Paixlu, J.n
de Mello Celar de An.lrad. eapitio Aninlmo Juno l'er-
reira, d.>ulor M.iot.el Joaquim Carneiro da Cunli.i, ca-
pitn Antonio Franeaeo de Sonta l..-.'u). doulor Cafloa
Fernando Kibeiro, Jus Lucio Teixeira Cavtiluanti, Ma-
nuel Marques Santiago, capillo M.iuoi-I Antonio do*
Faaaoa a Silva, J..se Tavare* Gtiiuea da Silva, capitau Jo-
Au Baptiala da Silva Manguinlio, Anluuiu Ferroiu, lier
nardino de Sena Diaa, bioharol Eduardo Soarea de Al-
bergara, Vicente Forreir Marnho, Joio Nicolao Co-
mea da Malta, J os Nunet de Paula, Luiz JoiGon-
zaga, Maooel Nunes da Mello doutor Nuno Aqu
Annei d'Alvelloi de Brilo Inglet, Antonio doi Santos
Lope!, e Aolonio Martni de Muraos : lendo lid o
multado na quantia de cincoeota mil rii, a rasando
dez mil rii por cada da, o Sr, juix de fado Juo Ro-
drigue! d/ Silva, pur nio ter comparecido, nem apre-
lentadu escuta alguma.
E para constar mandei lavrar a presente, que sera
publicado pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade deOlinda, aoi24dea-
bril de 18iti.
E eu, Joaquim Jote Ciraco, escrivio do jury, o
escrevi.
Jote Nicolao Riguefra Coila.
Deelarayes.
.055
.31,700 a 31,800
.31,400 a 31,500
. 2,150 a 2.200
1,965 a 1.970
Camb'oi aobre Londres
Paria .
c Hamburgo
Metan. Dobroes hespanhei
da patria
Peso bespinhoei
da patria
Paca de 6,400, velbas .16.600 a 17,000
PraU......105 a 106
Apoliees de 6 por eento. 761/2
* provinciaes .... 73
[J. do Cummcrcio. )
BABIA, 4 DE MAIO DB 1846.
Cambios.
26 3/4 p. 1#
Londres .
Pars .
Hamburgo .
Lisboa ... .
"ticas heipanholas.
* mes lesnas .
Mocdas de 6.400 .
de 4,000 ,
PraU
365 o franco.
680 o marco.
120 / de premio.
32,000 a 32,500
31,500 a 32,000,
, 17.600 a 18,400
, 9.800
, 105 a 106 /.
( Crrelo Mercantil. )
ftloviiuento do Porto.
Navios entrados no dia 7.
Jio-de- Janeiro, Babia e Macei, 8 das e 14 horas, e
do ultimu porto 17 horas; barca de wpor Perriam-
= O vapor Pernambucana recebe as malas pora o
Norte boje (8), as duas horas da larde.
COMPANHIA DE BEBIRIRE.
A adminislracao da companhia de Bebiribe manda
avisar aosSri. accionista!, que na prxima reunan ge-
ral, que deve edectuar le no eorrente mez, apreienta-
r a relaciode todoi aquellei, cujai entradas se acha-
ren em atraso, para que a asiembla tome una deli-
berarlo definitiva a semelbanle reipeito:aa entrsdas at
agora exigidas corresponJem a 70 por cenlo sobre o va-
lor dai apoliees.
Eicriptono da companhia, em leisio de 2 de maio de
1846. O secretario, B. J. Femandes barros.
Avisos martimos.
Freta-se, para qualquer porto do Norte, ou Sul
a bem construida sumaca S. -Joio : quem pretender
ou quiser carregar dirija-seao arcr de S. Antonio,
n. 2 ou ao meatre, a bordo.
= Para o Hio-de-Janeiro ssi, com a maior brevi-
dade possivel, o veleiro litigue escuna Adelaide, capi-
lio Antonio Alves Martins : quem no niesmo qui.-er
carregar carga e escravoi, ou ir de panagem, para o
que tem excellentes commodoa dirija-ie a Nov Companhia. na ra do Trapiche, n. 34, ou ao capilio
na praca do Commercio.
Para Lisboa lahir, com brevidade, a barca por-
tugueza Especulacio, forrada e eocavilbada de cobre,
e de primeira marcha, recebe carga a i 60 rs. por arro-
ba de anucar, e tem muitoi e escolente! commodos pa-
ra pasiageiroi : o prelendentei dirijiu-se aoi con-
lignalorioi Oliveira Irruios 4 Companhia, na ruada
Cru>, n.9, ou ao capillo Domingo Joi de Almeida.
Para o Rio-de-Janeiro lahira, breve, a veleira
iumaca liteira : quem na n esn.a quier carregar,
ou embarcar eicravoi, podo enlender-ie com Amorim
Irmaoi, na ra da Cadcia n. 45.
Para a ilba Terceira e S. Miguel sabe, imprete-
rivelmente no da 15 do correte o bergantim porlu-
gurz Terctira, eapitio Casimiro Mara de Rrito ; re-
cebe carga o passageiroa, para os quars tem excedentes
conmiodns: os pretendrntrs dirijlo-se aoi coniigm
tarioiOliveira Irmioi& Companhia na ra da Cruz ,
n. 9, ou 10 referido cipilio.
OSAQUAREMA.
Eite peridico, que nio po lo appirecei hontom, co-
mo loannunciou, acba-ie boje a venda.
O CLAMOR PUBLICO.
Est i venda o numero 90, hoja as 3 horas da tarde.
Constando ao ahaixo aaignado, quo seu cunha-
do, Jos Fej de Mello, est tratando do vender o en-
genbo Maravilba levantado em Ierras do engenho
Bamburral ; declara o mesmo abaiio asignado que o
engenbo Bamburral o juntamente a escravBlura do
mesmo acba-se ludo penhorado para pagamento da
legitima doabaxo assgnado o las irmies ; e que
finalmento nenbum negocio se pode efTeituar com o di-
to Jos Fej de .Mello lem que primeiramenle se sa-
lislago ai dita legitimas e outrai reposi(oei. O ma-
jor, .W Gabriel de Aforan Mayer.
= Tendo o Sr. Eduardo Bull de lugar, aleo ulti-
mo do eorrente mex o litio o casa da Cscala no lu-
gar da Soledad por conveniencias particulare, que
a iito o movrio, o procurador do Exm. bario de Ita-
marac propietario do dilo litio o arrenda pelo
lempo, queso contratar sendo a prop'iedado urna
das melbore que pode haver lio perto da praca :
a tratar na ra de Hurtas lobrado n. 140.
Precia-se de um feilor para um sitio em l'onle-
de-Uchg quo enlend.i do mosmo ; na ra de S.
Francisco, palacete novo.
O iriuao procurador da irmandade do Senhur
Bom Juus dos Marlyrios da igrej nova convida a
todos 09 irmiog, para que comparcYao na tnesma igre-
no dia domingo 10 do eorrente ao ponto de 11
horas da manlifu para votarern aobro a ei ii;ao doi
novos reitentei que principiao ne.lo presente anno ,
e que fnaliiar pira o anno do 1817, segundo nos
marca a le do cumpronriso : o para quo leja notorio
a lodo.- os inn-i i* faco o presente annuncio.
Cedein- companhia de Bebiribe,
por seu dono retirar se para fura da provincia : a tra-
tar na ra Nova, venda de Antonio Forreira Lima.
Aluga -se urna casa na nova ra da Aurora em
S. Amaro a quai lem 6 quartos, duas salas casa para
pretoi estribara para dous callos bom quintal mu-
rado cacimba quo da agoa do regar ; a tratar na
ra Nova com Antonio Ferrcira Lima.
Oflerece-se, para fra delta prar;a um rapa
brasileiru, hranco, casado, com pouca lainili.i, para ci-
smar primeiras leltras grammatirao francez, por ter
ja oceupadu este mesmo lugar; o qual ensina aus seus
alumnos com o melhor xelo pusMicl ; a peisoa que
se qui/er utihsar de icu prestimo dirija- so a rus Di-
reita, n. 09, a tratar corn o mesmo que dar cnnhe
cimento de sua conducta e do mesmo tratamenlo doi
seus akinmos.
OSr. A. V. G baja de pagar o saldo do seu va
le, vencido cm '5 de Janeiro p. p. ; e se o niu fizer ,
amanbia vera o seu mime por eitenso.
O shaiio assgnado como admini trador de sun
mull.-r, Rita Mana da Conceicao f.ii iciento a quem
convier, que lun^uein arrmale a casa sita na ra d.
('.un eii.-.-iu da I. i \ i>l.i it. 43, penhorada por Jo
Fernandn de Lima a ma logra Anna Filippa de S.
Thiagii por iiso que a meima casa esl.i sulijeita a
serias conlntardei em raso de nio haver a sotra do
annunciante (cito inventario por morle de seu marido,
Caetsno Antonio de Barros, sendo que por isios pifi
ella ler a mei'accio doi hcnideixadoi:eprotesta-se usr
dos meios que compclenlea forim urna vez que a
bypolbeca poder ser valida at metade. llenri,ut
de Aietedo Mello.
s annuncioi, que leom sabido ueste Diariojoi-
tos por Jos BurleA C, enlenda-se, que o Sr Jos
Burlo be so o agente da padari.i; mas lodosos fundos,
com que esta trabalha, sio do aliaiio assgnado; pois
o Sr. Jos Burle s temos lucros dasociedsde, e nada
mais; e para evitar queilOes, facu o presente aviso.
Claudio Dutitux.
J. B. da Fonseca Jiyiior comprou para o Sor
Manoel Gongslves Ferreira Nina, do Maranhio.obilbe-
ten. 1182 da 1.* 4.'parte da 3." nova lotera da ma-
triz da lloa-Visla, o por ordem do mesmo, o de conla de
quem pertencer oa bilbetes ns. 1179, 2904. o 2999,
da mesma lotera ; cujos bilbetes licu em puder do an-
nunciante.
OSr. Domingos Carvalho de Moracs Jnior
queira apparecer na ra da Cadeia do Recife n. 39 ,
para receber urna carta vinda do Rio-de-Jaoeiro, no
vapor Pernambucana.______
= A pessoa, quo annunciou querer dar 500 rs. a
juros com hypotbeca em urna caa dirija-se a ra c'a
S. Crus, n 38!
Aluga-se um ohndo de um andar com loja e
muto bom commodos no principio do Alerro-do!-
Afogadoi defronto do viveiro do Muniz n. 49 : a
tratar na ra do Livramento loja do Antonio Jos An-
lunes Goimsries.
= Aluga-to a loja .la travessa do Rorario, o. 10 ,
defronto da igrej: a tratar oa ra dai Cruzes n. 11.
A quem convier dar nesta cidade.a quantia do
400.000 rs. para receber na cidade de Macei ; cuja
quantia j est em mi do pesioa muito legura an-
nuncio para ler procundo ; adverle-ie, que se far es-
rf*negocio anda que se d algum ganho a quemo
fizar o se for preciio, dar-ie-ha fiador.
Na ra da Gloria casa terrea o. 25 ensinio-sa
crias forras, ou escrava, a coser, bordar do mito la-
Virnta renda, douirina chrisMn ludo o mais re-
lativq a vontade dos prelendentes, quo a dita casa se po-
derlo dirigir a qualquer borado dia.
Jos Joaquim Maia Ramos, Portugus, retira-
se para Lisboa.
Oflerece-ie para caixoiro de ra, um rapas por-
luguoz do idade de 19 annos, escreve bem e d* fia-
dor a sua conducta: quem de sou prastimo so quier
utilisar, dirija-se a ra da Crus, venda de Lourenco
Jos das Noves n. 64, ou annunca.
Quom precisar de um caixeiro, do 19 annos ,
que tem muita pratica do venda preferindo-so para
fura da provincia dirija-se a ra Nova n. iO.
= O abaixo assgnado fax sciente, que, no da 5 do
eorrente deisou de ser caixeiro do Sr. Antonio Fer-
reira Lima, na venda da ra Nova n. 6o.
Antonio Jos da Silva Eiras.
= Hoga-se encarecidamente aoi rmeos da irman-
dadedo Divino Espirito Saoto, quo lonhiu capasen)seu
poder hajio de as vir entregar ao thesoureiro oa ra
di Queiniado, n.7 ou ao Sr Lima, na ra daa
Cruies; a fim de se mandaren) limpar para servirom na
procisso.
= Alugio-se na Boa-Vista, ra da Gloria, por
prego em cunta ai seguinles casas: ni. 16, lOt, 106,
83 o 85 : a tratar na mesma ra sobrado de dous an->
lare n. 87 ou no Recito ra da Madre-de-Deos,.
confrunte a igreja no segundo ailar n. 26, das 6
as 8 horas da manbaa o d Trapassa-se a padaria da ra da Gloria, muito
propna para qualquer principiante por ser em conta
o aluguel,' assim como por ser das spprovadas pela c-
mara o posturas : quem a pretender, dirija-se atrs da
matriz, da Boa-Vista n. 22.
~- Aluga-se um sitio na estrada de S Amaro para
Beln. passando a ponte o primeiro porlio do lado
direilo com boa casa que lem commodos para 3 fa-
milias ba'tanles arvoredos de fructo pa>to para 8
vaccas do leite baixa para capi-n 5 viveiros, e Ierra
para plantar : a tratar no nu.....sitio.
sb Joio Joaquim Retidlo retira-ie para Lisboa e
.lena por leu bastante procurador o Sr. Pulicarpo Jos
Lavn.
- Cedem-se 30 aeces da companhia de Bebiribe ,
pela sua entrada at o presente ; na ra larga do Roza-
rio indo para os qusrteii loja n, 22.
= \ a i' iiii ni Jos Corris retira-se para o Porlo a
tratar de sua saude na barca Espirito-Santo.
= l'recisa-sealugar para o sorvico de casa, um
escravo; quem o tiver dirija-so ao Aterro-da-Boa-
Visla n 36.
= Pordero-se duas plices do Ihesouro de ni.
20 o 21 de quantia de iOllj rs. cada urna recebidsi
na thesouraria desta provincia e unidas ai meimal
dous conhecimenlus, sendo um da qusnlia do 60# re.
e oulr de dlij i*. dadas em pagamento dilas apoll-
as a Jos Antonio do Oliveira a quem perlencem.
= Angela Custodia Rufina do Sacramento com
aula de meninas na povoaiao do Mnnteiro inudou-io
para o lugar de Parnameirim defonte do lilio de Joa-
quim Jos Je Amorim ai nde ofTerece o seu presumo
aos Sis. pas do familia, que quiserem confiar suas me-
ninas ao seu cuidado o desvelo : ensina primeiras lel-
tras, gri.mmalica porluguea arilhmeliea douirina
ebrislaa, coser, maicar, lazer lavarinto o bordar ; aisitn
como toma pensionistas e meninos de pouca* idade.
Ainda est para alugar o armazem da casa n. 18,
no Recite por proco commndn e est lodo ladrilla-
do db pedra: a f .llar no segundo andar da meima cala.
O abaixo assignado avisa, por meio leste annun-
cio, ao lllm. Sr Berilo Jo AIvbb Vianna, morador em
Campia-Grande, quoseachio em mi do annunci-
anlo duas leltras vencidas, sendo indosiadas pelo Sr. leu
mano, Antonio Alve Vianna, lendo cada urna leltra
do valor de n. 1:333333 : e como o abaixo asiignado
tenha escrito inmensas cartai, tanto ao acceilante, como
ao indossanle, sem que nenhum dos meocionados le-
nba respondido ao annunciante, por isso recorre, por
este meio, aos diloi Srs a fim de que Ihe manden), ou
venhiopa ar quanto antes. Recito, 2 de maio de 1846.
Jos I Has da Si lea.
Precisa-so alugar urna ou duas canoas de con-
duziragoa, em bom estado ; quem ai tiver, dirija-so

*'>'< UW>V
ra das Larangeiras caa da ifericao n, 29.
Casa ca F,
Na ra estreita do Kozario, n. 6.
O cautelista da casa cima mudou o leu estsbeleci-
Trancelini de qualquer mdelo, anneis, litis, flores,
aderecos, pulceini, brincos. &c. ; ludo o msis bem
leito possivel e por preco mdico.
Do-i- 500f ri. a premio com bypolheca oto urna I da nos lugares jl annunciado, e tanibem na botica do
caa; quem quizar, aoouocie. |Sr. Ignacio Jote de Coulo, caprina da Boa-Viil.
menlo para a casa n. 6, na meima ra, quan confroo-
te a igreja do Kozario, e abi contina a pagir o reito
daa cautela! premiida da lotera do S. Pedro Marlyr ,
lodos o diai uleis, dai 8 horai d manhia ai 6 da tar-
de. No mesmo eilabeleciiienlo achio-ie a veoda as cau-
telas da bem acreditada lotera da matriz da Boa-V is-
la, para cujas rodas ella annunciado o andamento para
odia 14 do correle mes: tambem vendem-se bilheles,
o meios ditos ; o preco das cautelas he o do costume.
Lotera (J*i njatri da Boa-Vista.
Antonio da Silva Gusmio, thesoureiro delta lotera,
lem marcado o dia 14 do correte para o intallivel an-
damento dai rodal da 1.a parle da 3' nova lotera, e
da novo declara aoi smadore deite jugo, que se apres-
ten) a comprar o reitanle doi bilbetei *, pois que le-
gundo a grande extraerlo, que vio lendo o mtimoi,
nio sera mudado o dia marc.do: achando se ellas a ven-
:
MUTILADO


Miinool Joaquim de Azevedo lolteiro, Portu-
guei retira-so pira o Bio-Grande-do-Sul.
OSr. /os Baplisia Correia (ero urna carta, na
ra da Cruz, n. 60, primeiro andar. '
Oflerceo-se uma Portugueza para ama de urna
casa do pouca familia aquel abe engommar, coii-
nbaredirigir uma casa: (|uem de seu prestimo ae
quizer utilizar dirija-se ao-Manguinbo n. 19.
n (uem precisar de urna ama brenca que leva
uma evcrava para mais a ajudar no servicr. sondo pa-
re cata de homem solleiro cu de eslrsngeiro dirija
se a ra da Guia, n. 17, primoiro andar.
Precisa-sede umcaixeiro pequeo pare foja de
miudeas e livroi; ne ra do Crespo, o. 11.
Urna peuoa examinada dos estudos de latim ,
francez, e inglex e com principios de oulros prepav
ralorios ,' so oflerpce paracaixeiro d alguma casa ou
cscriptcno de ebmatrtto -, dando (anca a sua conduc-
a : quem desou prestimo so quizer utiliiar annun-
cie.
Na rus de Hortas, sobrado de dous andares, n.
142, se oflerece urna mulber, com touito bom leit,pa-
ra ama d qualquer casa.
Aluga-se uma casa terrea na ra do Padre Fio-
riano que laz esquina para o becco do Serigado, com
duas salas, 2 quartos, co/ioba lora, cacimba meieira ,
o nio tea quintal : a tratar Da ra da Cadoia do Re-
cife, n. 25.
= Aluga-se um moleque de 16 a 16 annos por
proco eommodo para casa do pasto com a condito
de traballiar na cozinba do que ja tem alguma prali-
ca : a tratar na ra de S. Amaro n. 10
Theodulo Maria da Costa e Paiva ai para o Rio-
de-Janeiro no briguu-escuna brasileiro Adtlaiit.
= Precisa so do um eitor, que saiba tratar de
Ii.irta pomar, e enchertos : no Aterro-da-Bua-Vjs-
ta n. 43.
== Aluga se uma casa terrea na ra da Conceicio
da lioa-Vista com bastantes commodos e um pri-
meiro andar na ra larga do Rozario: a tratar noAter-
ro-da-Boa-Vista n. 43.
A pessoa, que oflerece oOO rs. a premio com
liipotbrcai-m predio, querendo dar 200i rs. corn a
mesma by|iotlica irija-se ao psloo ao Carino, n.
18, !.e. unJo andar.
Aluga seo segundo andar o solio da casa n. 11
da ra da Cad' ia do Recite.
Na ra do Rangel sobrado d. 9, tirio se pas-
saportes para dentro e lora do imperio, e despachio-
se escravos, ludo com a maior prestla e commodida-
i!u possivel,
ssss l'recisa-se alugar um primoiro e segundo andar
de urna casa, sendo: na ra da Cadea do Recife,
ra do Vigsrio, daCrui, e Madre-do-Ueos I na ra do
Vigario n. 23, ou nnuncie.
= Ptecisa-so de um feitor para tratar de um quin-
tal grande, que saiba plantar arvoredos e tratar de par-
feras: na ra larga do Rozario, n. 24, primeiro an-
dar.
Troca-se um oratorio de Jacaranda com 3 ima-
gens obra inda do Porto por preco eommodo ; na
travesa dos Expostos, n. 8 das 0 as 8 boras da ina-
nhia e das duas as quatro da tarde.
'ii\nnao
' Compra-so em bom uso um Horacio Tile
Litio, o diccionnrio da tabula; na ruada Praia, n 43,
primeiro andar.
Compra-se um diccionario latino :
na pracn da Independencia, n. 6 e 8.
Compra seumraldo ponibos do Hsmburgo ,
sendo, pelo menos, um lodo braoco ; na ra do Ouei-
mado, n. 7
= Comprfio-se. para tora da provincia escraos
deamhos os sesos de 14 a 20 annos; e tambem se
compra uniese. ao de n.co de bonita figura, at
15 annos e que seja perito flici.il to calafate par
umaencomnirnda ; pago so bem ; na ra das Cru-
xcs n 22, segundo andar.
Comprao-se 5 vaccna paridas, com be/erros pe-
queos. equodeom bastante leito ; pagao-se bem:
na estrada do Rozarinbo sitio de Antonio Mum/. Pe-
reira.
= Compra-se um csndieiro francs, ou ingles, que
seja de uma lus e cirva para se pendurar ; na ra Di-
reita, enda n. 2.
Compra-se uma preta moca que ssibs coser ,
bordare engommar, e nio tenba vicios; na la do
Queimado, n. 4.
Vendas.
de um crente ; quadros histricos de Portugal ; (u^
junto ou separado por preco eommodo : na rus da
Senxalle-Velba, n. 106.
= Ven Je-so uma porfo de srrobss do cara amarel-
la e pedrss de moioho de moer milho ; nt roa larga do
Rozario n. 29.
Vendem-sesementes de come e alfaoe mui-
to novas, chegadas ltimamente de GenoTa ; no Ater-
ro-da-Boa-Vista luja de charuto a. 16,
as Vende-se o mais superior chs hysson da India ,
ebegado agora a 3i rs. a libra ; na ra No?s, n. 30,
loja do Quaresma.
Vendem-se 6 redes brancas, feitas no Norte;
uma porcio de prata para se desmanchar, e se faserem
obras notas, por preco eommodo, por seu dono estar
de viagem ; ns ra do Vigario sobrado n. 23 pri-
meiro andar.
Vende.se um sobrado novo do um sndsr e gran-
ilesola 1 em cbios proprio e em boa ra, por pre-
ro eommodo; ns rus estrella do Rozario botica
n. 10.
" Vende-se uma pipa nota arqueada de (erro e
pintada ; pesos de ferro 2 de duas arrobss 1 de 4
libras e 1 de 2 libras : na Soledade sobrado n. 22
Vendem-se veneiianas novas para janellas asaca-
das, por preco eommodo ; ns rus Nova loja do Pin-
to marceneiro, defroole da travessa de S. Amaro.
= Vende-se uma machinado Tapor de forca do
4 cavallos; um serrara vertical ; urna machina dito,
para faser lijlos; um engenho para beatas; a vista do
comprador se tari todo o negocio ; no Aterro-da-Boa-
Vista n. 5. Na mesma casa precisa-se alugar um mo-
leque.
Vendem-se doua livros novos Flos Sanctorum ;
no pateo do S. Podro n. 20.
=Vencm-se (ernos de livros em braoco, para ca-
sas de commercio, indos ltimamente de Liverpool;
na ra da Cnis, n. 13. primeiro andar casa de
Ridguay Jameiion & Companhia.
Vende so um sitio na estrada de S. Amaro pa-
ra Belm livre o desembarazado e terreno proprio ,
com boa casa arvoredos de (rucio torra para plan-
tar pasto para 4 vareas de leite: a tratar na meama
estrada, passando a ponto o primeiro portio do la-
do direito, ou na ra do Livramenlo loja de latuei-
ro, n 28.
=\ ende-se um prelo marinbeiro do naci uma
preta ; ambos de meia idade e bastante robustos,
sem vicios nem achaques ; a preta ro/inha e lava bem :
no pateo da Matriz n. 4, segundo andar.
== Vende-se um moleque. do 10 anuos, proprio pa-
ra'pegem; uma canon grando, aberla, propria para car-
regar lijlo e alerros por mdico preco pela reti-
rada do dono : na ra da Senzella-Velha n. 110.
= Vendem-se gorrafoes, corn capacidade de levar
codo um 7 ranadas,. pelo diminuto preco de 2500 rs.;
na Roa-Vista ra Formosa venda n. 3
Vende-se o deposito de padaria e refinacio da ra
larga do Rozario, n. 23 : a tratar no mesmo deposito.
= Vendem-se saccas com milho novo ditas do lari-
nha de mandioca muito boa chegada ltimamente
doltio-de-Janeiro : no caes da Alfandega o. 1, ar-
maiem de Joaquim Goncalves Vieira Guimaiies.
- Vendem-se 5 escratos sendo : S escravas com
bsbili.lades; um mulatinho do 17 annos, ptimo
para pagem ; um dito, do 22 annos, carnicoiro o ca-
noeiro : na ra das Cruies n. 22, aegunJo andar.
= Vendem-se duas canoas de carreira leitas de
amarello uma meia aberta e a outra de um mi pao ;
ein Fre-de-Portas, ra do Pilar o. 157.
= Vende-se um sitio na Capunga com casa do pe
dra e cal ; uma casa terrea sita na ra da Gloria na
Boa-Vista: na ra do Cabug loj. de miudezas .
n. 1 '.
=Vende-se uma preta de Angola, muito moca de
boa figura, e com algumas habilidades ; no largo do
* -1 mu, venda n. 1.
Gambreoes, a 1^600 rs.
Na esquina da ra do Collegio loja do Passo, ven -
dem-se corles de calcas com 3 co*ados e meio de gam-
brees, a cinco paiacaa : esta fazenda he tecida a lia e
algodio imitando os casimiras franceses, modernas,
de quhdros o Mitras : a sua qualidade torna-se ssibz
rerouimendstel para uso diario por serem cores es-
curas propriasda eslacio presente terem muila con-
sistencia e nio desholarem : dar-se-hao amostras a
qualquer casa que as pretenda ver deixaodo o com-
petente penhor.
Vende-so uma casa terrea no becco da Camboa-
do-Carmo.n 7; na ra estreita do Rozario n. 1
segundo andar. '
= Vende-se cera de Lisboa, de superior qualidade .
em velas de uma al 12 em libra a preco eommodo ;
na ra da Madre-de-Deos, armszem, n. 26, defron-
te da igreja.
-Vende-se uma esersva perfeila cozinheira e en-
gommadeira propria para qualquercasa de familia,
nao spela pralica, que tem, do airaojo de casa, como
por ser multo ssseada ; na roa da Aurora, n. 40.
= Vende-se a venda do Manguioho da calcada al-
|t* com poucos fundos bem acreditada e tfregueza-
*e ao mesmo lugar, casa de Antonio Jos
Pires, que ah poderS tratar com Jacin-
tho Jos de Medeiros, que tambem mora
na dita casa.
=s Vende-se urna negrinha de 5 annos, de boni-
no figura ; ns ra da Crui, no Recife n. 43.
Vendem-se 6 escrasos pecas para o trabalho de
campo e da praca ; um dito bom official de carpina e
carreiro ; um mulatinho de 16 annos, bom pagem ;
duas escravas com boas habilidades ; ums moleca de
15 annos, boa para ser educada por ser rocolhida :
na ra do Crespo n. 10, primeiro sndsr.
Vende-se um preto erioulo de 23 annos, de
bonita ligara muito bom carreiro a oanoeiro ; no
Aterro-da Boa-Vista loja de babus n 55.
fS* ATTENCAO", QUE HE BARATO I ^^
Vendern-se, e alugio-se ss melbores bicbss de
Hamburgo por preco eommodo ; oiiiiu como e Lis-
boa a 12,000 rs. o cento e alugio-se a 240 rs. ca-
da uma ; as boas navalbas de seo de Millo as maia
superiores, que se teem conbecido; eslss nsvalhas'levioa
vantagem a estas chamadas navalbas de ac da China ;
assim como boas lancetas, feitas pelo melbor e mais
hbil autor, que se tem eonheeido : na ra da Cruz ,
no Recife n. 43.
* Vendem-se 5 escrsTos, sendo: um moleque de
nscio, de muita bonita figura de 17 annos ; duas
pardas uma cose, cozinba, engomma, e faz renda, de
idade de 22 annos, e a outra de 17 annos, de boni-
ta figura; duas pretas boas coiinheiras e engommadei-
ras: no pateo da matriz de S. Antonio n. 4, segundo
andar.
^<^^#&&&4fct2<<$tt
A'S LOJ AS E MACONS DE TODOS OS RITOS.
ANNAES MACON1C05, dedicados ao principe
Canibaceres, 8.v. em francez. obra rarissima ecfaeia de
curiosidades, itrpressa em 1807, da qual nio eiiste mais
um seiemplar em Franca,
CEREMONIAL COMPLETO para as officinas de
todos os graos, desde o de mostralo o 33.'( tiranda. pinicos n M b
Inspector Geral), com a bulara de c.da grao : pre- da para a Ierra ; estandosortida, fas 16 a 20 rs dia
cosissimo manuscripto ea, 31 quedemos ; prsenle le- 'ios ; tem commodos n.r. n,,., f..i. .:.l". ,.
to pelo Grande Oriente de I1 ranea a um magon de qua-
lidade.
Vende-se uma e outra curiosidadena ra do Rangel,
n. 59, segundo andar.
- Vendem-se casimiras de algodio de listras e
quadros fsseods muito encorpada pelo barato pre-
co do 440 e 500 rs. o covsdo ; algodio mesclado fa-
senda muito forte propria para roupas de escravos ,
e mesmo para trababadores pelo mdico preco de
180 rs. o aovado ; suarte azul muito largo a 240
is. ; csita-cnilas de listras de cures fitas; s 400 rs. a
vara e a 2000 rs o corte ; e outras muilas faiendas
por barato preco : na rus do Crespo o. 14, lujado
Jos Frsncisco Diss.
Lotera do Rio-de-Janeiro.
" Vendem-so bilhetes, meios ditos", qusrtos, e oi-
Istos da lotera a beneficio da fabrica de vidros a ra-
sao de24i rs. o bilbete ; eso se acba na mrsma oasa a
lista da lotera da Caridade ; na roa da Cadeia-Velhs ,
cass de cambio na esquina do Becco-Largo o. 24.
= Vende-se o romance do Judeo Errante; as me-
nos ; tem commodos para morar familia cozinba lo-
ra, estribara, cacimba, e he sita na casa do Em. bario
de Itamarac : a tratar na meama venda.
Vende-se por preco muito eommodo, um cavel-
lo de bonita figura carregador ; no Aterro-da-Boa-
v isla n. 36.
ssss Vende se um escravo proprio para todo o ser-
tico : na rus da Cruz, no Recile n. 26.
asVende-sc fumo muito bom s 6B00 rs. cada um
rolo e querendo de 5 rolos para cima vende-se por
menos alguma cousa ; pois be para fechar urna eonta
de venda : na praca do Corpo Saoto, n. 4.
Tesouras de cutelaria
muito superiores para allaiatee para cortar vestidos;
na ra larga do Rozario, n. 24.
Mft7V",de"".t? ?enDM de "*,e"r. ""'o boas, .
J200rs o milheiro a dioheiro ; na ra da C.deia ,
loja de ferragena de Jlo Jos de Carvalho Moraes.
Vende-se um terreno alagado com
uma porco j aterrado e em estado de se
edificar, sito no lugar de Fra de Portas,
Vende se a mui galantee deli- %
cada flor perpetua, vinda da Europa, propria para enfeites de W
^a, caneca de senhoras servindo ella o?
J? tambem para ornamento de salas, 2?
sjg em ssus devidos vasos :' pa ra da ]
\f Cada loja n. 7, de Gtiedes k 5!
$ Mello. 1
* s mmmm&S,
= Vende-so uma mulata, de 10 annos, de muito bo-
nita figura, um negro peca, de 20 annos, proprio para
todooservico, euma negra, de 20 a 24 annos, boa en-
gommadeira, lavadeira, rendeira e cozinheira : na rus
da Cadeis do bairro de S. -Antonio, n.25.
- Vendem-se varios escrsTos de 13 a 20 annos,
com habilidades e de bonitas figuras: atrs da ma-
triz de S. Antonio n. 16, primeiro andar.
BATATAS.
Vendem-se nosarmasens de Bacelar e do Guima-
rics defronledaescadinha da alfandega a 640 rs.
cada gigo de boa qualidade.
Vende-se vinagre tinto a 45,000 rs.a pipa ; di-
to branco a 35,000 rs. dila : na ra imperial n. 7
Livrinhos das Santas MissOes.
Vende-se, por quitro vintens, o livri-
nho das Santas MissSes, com o regula-
mento para ser santo Jeito pelo reve-
rendo padre preeito da Penha : na praca
da Independencia liviana ns. G e 8.
Venderse vinagre branco
nacional, a 400 rs. a caada ve-
llia: na fabrica da ra Imperial,
n. 7; ra Direita, n. 53, venda
de M. Miranda; no A(erro-da-
Boa-Vista, fabrica de licores de
l'rederieo Chaves; e na ra do
Trapiche, arrnazem de molhados
do JNicolle.
No esenptorio de Lenor Pu-
get & C.\ na ra da Cruz, ven-
de-se Tarinha SSSF de marca
verdadeira, chamada llamo,
em pequeas c grandes por-
ces, a vontade dos comprado-
res.
Deposito de lanuda.
No caes do Collegio srmssem de porta larga ha
fannha de mandioca de S. M.lbeus e S. Cslban-
na. prximamente ebegada a este porto; e se vende
pela medida velha, por prefo mais favoravel do que em
outra qualquer parte c sendo em grandes porro ,
mais favoravel seri por haverem duas embarcscOes a
la : quem pretender dinja-se ao mesmo arma-
quesea bem servido.
a osle mercado ; alpaca a 800 rs. o eovado, e muito m.
perior a 1600 rs.; um sortimento asseiadode msotai
de sida, pelo preco de lOj a 12# rsv, meias de sds^
cores para bomem a ls600rs. o par; ricos cortea de
colletes de velludo de cores, de 6# a 8 rs. cads corl
ditos de seda a i ebt rs.; fusilo de omito bonitos pt.
drSes a 800 rs. o eovado; pstnos para cima de mess
" rs. cada um; meias pretas curtas de algodio imitsr.
do seda, a 320 rs. o par ; bonitos e modernos cortes de
csssa-priocera, por 4*600 ts. o corte; osIcinhss de meii
para meninos, a 800 rs. o par ; um sortimento com-
pleto de (azoadas para calcas, e de outras muitss q0|.
lidades de fasendas, que se venders muit em cooti-
na ra do Crespo, loja novs o. 12, de Jos Joaquim i,
Silva Mais.
= Vendem-se moendss de ferro para eognhosdi
assucar, para vapor agoa e cestas de diversos tsmi.
nhos por proco eommodo; e igualmente taitas d
ferro eoado ? batido dn todos os la man boa : na ,
Ca do Corpo Santo o. 11, em casa de alo. Calmonit
Companhia, ou na rus de Apollo srmazem, o, 6
- Vendem-se 40 covados da muito boa sarja' pr,t,
portugueza a 2,f rs. o eovado; tambem se venda
pelo mesmo preco em cortes; o diccionario de Morsas
da quarla edico por preco eommodo : na rus di
Cadeia do Recife loja de Jos Gomes Leal. .
AZEITE de CARRAPATO.
Vende-se lodo o anuo, cm
grandes porcoes e s caadas,
vontade do comprador, e
sendo de 200 caadas para
cima cinco por cento menos i
no deposito da ra da s?'en/'X
la-Velha u. f 10.
Vende-se o muito novo e conhtv
cido vinho champagne, chegado ultima-
mente, pelo Lrigue francez HeliopoUs:
em casa de Avrial lrmaos, ra da Cruz,
n. ao.
jMNeslalojs tende-se panno fino, a-2300, 3000 ,
^3500 e <000 rs.; merino muito fino a 3200
,rs. ; pecas de madapolio, a 3000, 3200, 3500,
4000, 4400, 4800 e 5000 rs. ; sarja de seda pa
- ra Torro a 640 rs. ; cortes de cassa pintada
52a 2500 rs. ; luvas de seda para senbora, a 320
yrs.; meiss psra meninas a 160 rs,; cssimiras
muito encorpadss, aHOOra. ; chapeos deso,
ia 640 rs. ; ditos para esbeca a 320 rs. ; chi-
jsatas a 140. 160. 180. 200 e 240 rs.. coberlo-j
res hespsnhea ; faienda para habito de teicei 3
rod S. Francisco; e outras multas fasendas de?
boa qualidade, por preco muito barato.
= Vende-se ou arrenda-se o~engenho" Cuicira ,
sito na comarca de Nazaretb com ptimas e excellen-
testerrss: a tratar no mesmo engenbo onde presea-
lamente se sebs seu propietario.
Escravos Fgidos.
zem
_--------------- u ..u.o i uie- i i ...----------------.
monas de Laffarge; rpelbamorphoita de Ovidio em ao ,ad da 'greJa do Filar, em direitura
portugus; Unira clacica portugueza; u Paiavras| mar pequea: quem o pretender dirija
Veode-sa a botica da ra da Crux.'no Recile. n. 60
com frente p.ra a sacrista do Corpo Santo : esta bo-
tica ,.lm de estsr em um bom local, est bem erran-
jada de um ludo, e esta no caso de servir psra qual
quer pr.ncip.anle porque tem poucos fundos : quem
a pretender dmja-se a mesma a fim de veras gran-
des commodidades tanto pira armazenar as drogas
como a maaeira, por que esta tudo com todas as propor-
coes, alen do que, para maior commodidade e aiseio
tem urna cacimba no cedro : a tratar na ra da Ca-
oea n. 40.
= Vende-se um ptimo carrinho de duss rodas, por
preco eommodo ; na ra do Aragio. cocheira, n.17.
= Vendem-se ricos cortes de vestidos de fe/ende in-
diana imitando seda, o mais superior, qne tem appi-
recido, tanto pelos bonitos psdrOes, cores fitas e de mu-
la duraclo, como pelo diminuto preco de 3 rs. eada
corte; ricos chales de seda em ponto grande, fazenda
osuito delicada; ditos mais pequeos timbem deboa
qualidade a8j'rs.; cassa -chitas, padrfles modernos, a 3i
*4 e 4s500 rs. cada corte; casimiras de muito bos qua-
lidade, e pelo preco de 900 rs. o eovado; ditas elsticas
e oe duas largurss, ss msis superiores, que teem rindo
= Continulo a estar fgidos, desde o dia 21 de
abril de bordo do brigue Mentor oa escravos ns-
rioheiros de nomes: Jos de naci Cabio repre-
senta 30 annos estatura baisa e barbado ; Maooel,
de cacao Congo represents 20 annoa baixo. esim
barba : aquella foi escravo do casal do coronel Bealo
Jos da Costa e foi seductor do segundo e por iuo
deve saber de lodos os lugares da provincia : roga-sa,
por iuo, a todas ss autoridades policiaca e eepilies de
campo a sua apprehensio cortos de que quem os le-
var a bordo do dito brigue ou a Amorim lrmaos, ni
ra da Cadeia n. 45, ser gratificado generosamente,
Fogio, o mes atrasado, do arrnazem de fariobs,
no caes do Collegio um psrdo, de 15 e 16 annos, cor
macilenta, corpo fino, beicos grossos, sobranceras csr-
regaas, de nome Benedicto ; levou calcas e esmiu
de risesdo azul : quero o pegar, leve so mesmo emu-
lara que ser generosamente gratificado.
= Boga-se as autoridades policiaes, espilles da
campo, ou outra qualquer pessoa particular, appre-
hendi um escravo de nome Eslevo, erioulo, que
desappareceo no dia 23 do mes passado levando um
bilbele para procurar sen or, nesla cidade : be bastan-
te alto bem prelo, representa ter 26 a 28 annos;
tem um dente de menos do Udo superior um talho as
macla do roalo ; levou cemita de algodio di Ierra a
calcas do mesmo eotrnnrado chapeo de palha : quem
o pegar, leve a ra da Praia o. 32 quesera recom-
pensado.
Fugio, no dia 5 do correte uiaio, o prelo Joio,
de A ngola.de idade de 40 a 50 aonos eslalura re-
gular., reforcedo do corpo ps alguma cousa grossos,
cabellos e barba alguma cousa brincos bem ladino;
levou camisa e calcas de algodiozinbo, chapeo de bsts,
preta.de pastor; levou mais urnas calcas brancas de I rim
de listras: este preto foi do Reverendo padre Fihppe.
boje reilor do seminario de 01 inda ; e ba pOuco veio do
Hio-Graade-do-Norte preso por andar fgido ; leodo
eatado 6 meses na cadeia da cidade do Natal ; elle coi-
tuma pescar em jangadas, no alio, e por isto pode is
mlroduzr a trabalhascomaforro cm alguma jangada,
ou ba.rcacs : roga-sea pessoa ,- que o pegar ou dal-
le (iver noticias de dirigir-se s ra Nova venda n.
ou a ra Imperial fabrica de rapa n. lt>7 qo
ratificar. ^
3,
sa
P*1IN, } NATYP. DE M. F. WrrAJUA lb$M
aaaas


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQYC10H0T_I4IRU1 INGEST_TIME 2013-04-26T22:32:30Z PACKAGE AA00011611_08270
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES