Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08267


This item is only available as the following downloads:


Full Text
A mi. de 1846.
Terca feira 5
O DIARIO publlca-se todos os dias que
nao forem de guarda : o preco da asslgna-
turahe de 4/D00 rs. por quartel pagoiaaian-
tttdoi. Os annuncios dos assignantes sao in-
seridos a nuao de 20 lis por linha, 40 rs.
ein lypo diffarentc, eas repetices pela me.-
tade. Os que nao forcm assignantes pagao
80 rs. por linha, e 160 em (ypo difireme.
PHASES DA LA NO MEZ DE MAIO.
Crcscente 3 as hor. e 31 mln. da man.
La chela a 11 as 3 hor. 46 mln. da man
Mlngoante a 17 as 11 h. et mln, da tard.
La nova a 25 as 2 hor. e 24 mln. da man.
PARTIDAS DOS CORREIOS.
Goianna, e Parahyba, Segd." e Sextas felras.
Rio Grande do Norte, chepa as quartas
feiras ao mclo dia, e parte as mes mas ho-
ras as quintasfeiras.
Cabo, Scrinbaem, Rio Formoio, Porto Cal-
vci, e Macey, no 1., 11 e 21 de cada mcz.
Garanhuns e Uonito a 10 e 24.
Boa-Vista e Flores a 13 e 28.
Victoria as quintas felras.
OUnda todos os dias.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira aos 30 minutos da tarde.
Segunda aos 54 minutos da manba.
de Maio.
Anno XXII N. 100.
DAS DA SEMANA.
4 Segunda S. Monlca, aud. do J. dosorf.
edo J.doG. da 2. v., do J. M. da2. v.
5 Terca S, Angelo, aud. do J. do clv. da
1. v. i- do .1. de paz do 2. dist. de t.
6 Quarta S. Joan Damasceno, aud. do .1. do
c. da?.'v..edo J. de pai do 2. dist. dct.
7 Quintad, fr'lavlo.aud. do J.dnsnrph.edo
J. M. da 1 v.
8 Sexta S Heladio, aud. do J. do clv. da 1,
v., e do J. de paz do 1. dist. de t.
9 Sabbado S. Geronclo, aud. do J. do civ.
da 1. v., e do J. de paz do 1. dist. de t.
10 Domingo S. Antonlno.
CAMBIOS NO DIA 4 DE MAIO.
Camb. sobre Londres 26 '/, d. p. 1/a 60 d.
Pars 350 ris por franco.
Lisboa 105 p. c. pr. por mea.
Dcsc. de Ict. de boas firmas 1'/, p. / '*'
Ouro^Oncas hcspanliolas 3I500 a 32^)00
. Moedadeb>400vel. WW0 a 17**U(I0
de dc4*X)0n 0/000 a 9/100
Prata=Patacoes .... 1/960 a 1/5170
Pesos Columnarcs 1/970 a 1/5.190
b Ditos Mexicanos 1/940 a 1/960
Prata Mluda. 1/720 j 1/760
Acedes da C." do Uebcribe de 50/000 ao par.
DIARIO DE PERHfAMBUCO
PARTE OFF.CWL.
Governo da provincia,
BXVEdIbWTE DO DIA 20 DO PASUDO.
Offieio Ao Ein. presidente di provincia do Cet-
ra, iccoundo remeta, pelo pelecho FloT- de atn ctrregtmento de 1817 uceas de ferinbt de man-
dioca, 64demilho, 16 do arroz de casca, e 8 do feijio,
que msndouaprompttr e lez seguir para aquella pro-
incia, a fiui deierem distribuidas pelas pesioas maii
_ecesstadaa, em consequeneia de representacio, que os
depuladoi deila, quando por iqui pistarlo em aegui-
mento pera corte, Ihe fizerio oero da neeeuidede,
que desses gneros se senta naquelle mercado. Ao
inspector de Iheiouraria da tieode se deo ordem, pire
que a Jote Antonio de Magalhes Basto se pagine e
quantis de 8:93'Jj250 rs. porque veodeo o milbo e
farinhe, que fixem parte do carregamentj suprimen-
clonado, e i Candido Alberto Sodr di Molta e de
1~2>800 rs., por que se Ihe comprou o tiroz e feijio ;
e intelligenciou-se o inspector ibterino do arsenal de
uiarinha di expedicio dosta ordem.
Dito Ao commandante del armas, declinado, que
concorde,pisie i guarda daalfaodega e ser commtndt-
di por um inferior, yiito, como S. Exc. informe, nio
poder deinr de perigar i disciplina militar, se continuar
e l-lo por official, porquinto pel maneira, por que es-
ta construido o quirto pen a meima guirda destinado,
e ve elle na necenidide de oonservar-ee entre os tol-
dados e timborei. OfBtiou-se e retpei'.o to iospec
tor daalfaodega.
Dito Ao metmo, eiigindo sai opiniio eerce dti
refleiSet, que aoseuofllcio de 37 deite roez (ibril),
tobre o forneeimento de um Iiro meitre to 1" bitt-
lhio de eicidoret de 1.' linha, fu o eoronel commit-
lirio- pagador.
Dito Aojuir. relator dejante de juslict, trini-
mittindo, pin ter por eitt definitivamente julgado, o
procetto do soldado di oomptnhia detrtilharia e peem
tervico no Rio-Grinde-do-Norte, Constantino dot
Sent*.
Dito Ao inspector de thesounrii da fiteodt, of-
denmdo, que exija He Antneio Jos* !?>>rr?r* Mnn7_
trinsmitta eobrigtdeiro oommindmte jlli armas, as
cbavet dot trmtzeni contiguo! eo edificio, em que ou-
tr'ora eiteve tquirtelade i compinbii de operarios.
De Ao commiisario-pagador, eiigindo informa
cao tcercide umoflicio.em que o commandante dll ir-
mas requiita diverios conoortoi pira o edificio, que ser-
vio de quartel compenbia de operarios. Particpen-
se to commandante das armas
PortaraOrdentndo, que, i Coime deHrtnda
llenriquosse paste ptente para o posto decapitSoie-
crelirio geni do commando tuperior interino da gutr-
dt ntcootl dos municipios deOlindi e Igusran.
Pertieipou-se to commandante superior interino de re-
ferida gotrdl nacional.
EXTEftIOR.
Correspondencia do J. do Commercio.
Montevideo, 18 de margo de 1846.
Stbmoi dt eipectativa, em que eslavemoi. lirqui
avtncou at a fronteira do Paraguay perto da Itapa :
all reconheceo, que it engaado, e retrocedeo com do-
bradi rpida do que tquella, com que tinbt entrado,
FOOIET1M,
TKVERINO. (*)
PHANTASIA.
por -flttnr. (&rorflf Stanl.
VI.
AUSACJU rOBTTJWA JUVAT.
Eolio o Italiano cantn, na ana liariuoniosa lingot,
tres eilropbe, onde reeiaiLrava o genio hyperbolioo
di tua afio.
A val elo cantor era magnifica, e neulium artista de
renome poderi sobrepujar a franqueas do acoento,na-
tural do emaneiradu, a forc de sou seiilimcnlo exalta-
do. Lei.ncio julgou-ao transportado ao golfo de Salerno
oo de Taranto, tob o roo da inspirtelo e dt poesa.
Por AiBphitryle I exolamou elle, que s uro gran-
de peela e uaa grande cantor, nobre mancebo! e nao aei
cerno te reoompenitrc do prtter, que acabaate de dar-
me. Qoe canto admiravel he eaae entio ? que palavrat
eilranliat ato eataa ?
O canto be de algun dos perdido no cinio do
Apeiuiino, que o leroonfiado aoa eobot, ot qoaet te-lo-
bla murmurado eo ouvido doa pastores epeacadoreai
roat ta palavrat -lio minhai, seolior; porque, com sur
lieenct, tou improvisador, quando meapnt a-lo. Noa-
aa roelodiosi lingot est ao tloence de todos, e, qutndo
() Vide DUrio .' 98.
desandando em 9 dias um ctuiinho de miif de 70 le-
gn, que levoa 19 din e endir, qutndo invadi Cor-
rientes. O exercito elliedo pacificador penegue-o coni
ttotethente; mu al o dia 27 do pasudo, ultima data
que dalli lenos, nio o pode obrigar t teceitar batalha.
Nene dit ficivt Urquist no Arroyo Maria-Grande e
Pas em Villmuen, ambos deste lidodo rio Corri-
entes.
Urquizi abtndonou miii de 15,000 ctvillos estro-
peados, e queimou parle de lu bigegem. Nos diarios,
q ue remello verio as cartw, que dalli te receberio pelt
ultima embtrcicio.
Comqutoto a retirtde de Urquiza nio ettivease con-
cluida, nio creio, que ecceite batalha, e todoi lup-
poem, que boje estira em Entre-Ros. Quando inva-
di Corrientes, ditie elle, e ditiio Garzn e e Gaceta,
que nenbum recurso rettava a Ptz tenlo o deemigrtr
pira o Paraguay, tbindooeodo Corrientes.'
Aqui oda he de novo.
NOTICIAS D RIO-DA-PRATA.
Montevideo 11 de marco de 1846.
Roas preptri-sepire notos attentedos. A nota, que
tbaiio publicamos, tirada da sua Gaceta de 6 do cor-
rente, he um tremendo programan de nogue.e tnoitri
cltrimente, que Buenos-Ayres vii ser testemunhs de
novoi ettentedoi, a pretexto de represalias.
Viva a ConftderacHo Jrgntina BueOi-Ayrtt,
20 di fevtreiro d* 4846.
O ministro dos negocios eitrangeiroa do governo de
Bueooa-Ayre, encirregado dts relaces exteriores, etc
Ao Ezm. Sr. Gore Outeley, ministro plenipotencia-
rio, etc., de S M. li
O ibaixo tssigntdo leve ordem do Eim. Sr. gover-
nsdor e capitao-general dt proviocit para dirigr-te t
V. Exc. e mtnifeitir-lhe, que o Exm. Sr. general
D. Justo Jos de Urquiza, general em chefe do exer-
cito expedicionario contri os rebeldes de Corrientes,
sbrio i tul campanbt contra esle,vencendo-oa em seus
prmeiros ensaios, e fazeodo eonceber mui fundada-
mente a perspectivt de umt prompta e solida ptz, que
lio sincera e positivtmente desej este governo ver res
tabelocida ni Confederacao Argentina.
Em tiei eircumtttociai, ecoa-w as agoas do Pa-
ran umt expedico naval,composta de forctt iogleits e
frtncezei.cujoi movinienios lio ordenidos por V. Esc,
do tccordo.com o Exm. Sr.ministro plenipotenciario de
S. M. el-rei dos Frtncexes, e calculados pira estimu-
lar e der forc i diti rebelliio, e fomentar i guerra
declartdt pelo governo do Paraguay contra a Confede-
racio. A poltica vilenla e hostil, que V. Exc. eo
Exm. Sr. ministro de 1- ranea teem empregtdo no de-
empenbo da tut minio oestei paites, e conducta
eslrinht e frt de todt a regrt.que tem observado, per-
suadeui a S. Exc. o Sr goverotdor, que essaa forcas
to dettiotdti a cooperar no pleno de singue e ruina
enttboltdo contra eite peii, de combintcio com o di-
tos rebeldes e com es forca do Paraguay, que le Ibei
unirio.
Debaiio de til luppoiicio, te effectivamente se rea-
liiar, e te et forcas anglo-francezat adoptirem urna
conduela iguil que observarlo em Montevideo depois
du victorias do Arroyo-Grande e da India-Muerta, por
meio da quil dominio aquella infeliz cidade avasal-
lando sua independence, tfistando desbumtnamente
a prxima pez, que devit obter-se em ooniequencia
deues Iriumphos, he claro, que su constituem ileg-
timamente em belligertntei contri Conederacio Ar-
lemos una deis, na outroa poetaa uaturiet, filhoa do
tol, i expretato nio ae fu deaejar por. milito lempo,
Tu bat de repetir-me eaaaa ptltvrat, qoe ta quero
eacrever.
Se eu aa repetir, j aer por oulro modo. Meua
cantos viu de niiiu como a chamma do lar ; poatu re-
uova-lua, mas nio conserva-lu. Til ves otaclieose-
nliur um poueo exagerados he o privilegio do poeta ;
tire-llm a vanglorit, estorvar-lhe-ha o genio.
Tena direilo t gabar-la, porque a omt uaturea
privilegiada, retpondeo Leoncio, e, qualquer que seja
a tua condiuio, mereca ser um dua prinieiroa aobre a
trra. Tu me encantaste; vem el, e oonta-me a tul mi-
aeria, que quero fate-lt acabar.
0 deaconbeoido voltou i anargem.
Aidoraiin! disaeelle, o aenhor vio o fauno auti-
go em tuda a aua liberdade, u hornero di uilureit em to-
da a aua poeait. Agort vai ver o portador de andrajo
ero todt a sua bediondet, e em toda t tua miseria ; por-
que lie forcoto, que torne a tomar eala trino libr, em
-quautu ella me no deixt, uueu nio tcho emprego ao
meu genio, para renovar a tuinha gugrdt-roupt. Pareoe-
nie admirado? Beo li nea aeua ollioa, quando me appro-
xiioei du aenbor a primeira vrt, que o mea upeclo Ihe
OtiiMVa repugnancia. O aenhor achou-iiio feio, talvui
horrivel. Maa, quando en deipi i ctmiaola de mendigo,
quando esta agot lastral me Itvou ai nodoaa, quando o
seubur me vio punhcadu da lama e da poeira doa cami-
aliua ; eilecorpo, que aervio algumta vetet do modelo
toa primeiroa taeulptorea da miaba pttria, este rosto,
que nio est desfigurado pela devitaidSo, e ao qual as
fadigat e privajOei nio tirrio linda a jnvenilidule e
bellea; taUa roembrat, i quem t naturezt prudigaliiou
aua* riquettt, eeate teutimenlo do bello, que o liomeui
intelligenle tras aobre a frente eera todot ol seus costu-
mes; ludo o que, em fim, aenbor, fas, que eo n seja
igual e talve superior aoa homena maia bem venido,
admiren, e V. tenlioria procuren, classificar-mo naa
gentina, e que, com escndalo do mundo civilistdo, le
arrojio a combater, por meios lio reprovados, os es-
toicos, que, pira reitibelecer t ordem e a ptz, empregt
contra ditos rebeldeiu governo argentino, e prolungio
deshuminameoie as calamidades, que iflligem esta Re-
publica.
O goveroo argentino, que deleja sinceramente evi
ttr todo o motivo ulterior de complicic,5ei, e cujas ds-
posigoes pacificas te acbio providat por tio difTerenles
modos e meios, v-sehoje, e qutndo o exercito argen-
tino pila victorioso o territorio de Corrieotei, no for-
coso e indispensavel dever de protestar solemnemente,
ente V. Exc. e ente o Exm. Sr. ministro de Franca,
contri qutesquer aclos das forctt navaes combinadas
tnglo-frtncesis, tendentes e cooperar, ou de qualquer
maneira auxiliar os diloi rebeldes; e a declarar-Ibes ao
mesmo "lempo, que, no cno que to iejustificaveis e
alenla tor i os actos veohio t verifictr-se tomar! as
miii juitis e adequadas represalias contra urna con-
ducta mmifeitsmente contraria aos verdadeiros ule-
reases da psz e convenieiiAJis de todos os habitante
destes piizes, e contradictoria dos immutneis princi-
pios de justica, de humaoidide e di le publica
O abtixo tssigntdo rtcebeo igualmente ordem pira
declarara V. Exc e ao Exm. Sr. ministro de Frinct,
que, por qualquer acto de hostilidade ou de prejuixo
ci usado ios cheles, ofGeites e tripolicoes dos vasos ir-
ntinosarmados em guerra, peltt torces tnglo-frtn-
cezas, se (omar.,0 igualmente reprenlias fortes e eflt-
cazes para reprimir qutesquer attquei ou violceo da
le das nacoei. .
0 goveroo argentino be toreado a dar este puso por
ver, que a sua modertcio e juitici i teem servido pin
dar maior impullo to planos de exterminio e de saoguo,
que deieovolvem sem respailo algn, ai regrai do di-
reilo internacional, e com ultrajante ofleosa da sobe-
rana e independencia da repblica, e porque n ante-
riores aggressoesa teus justificados direitos, pratieadas
as mesmas circunstancias, em que ora se acht i re-
publict.por motivo di guerra contre os rebeldes de Cor-
rientes, Ihe fizerfto conhecer o obstinado empenho, com
que, por todos os modos, se procurio perpetuar oeites
ptizei, por meio du torca navaes di Franca e dt In-
glaterra sob ti ordem de V. Exo. e do Exm. Sr. mi-
nistro de Frtnct, scenas de desolacio e ruina, com
g rtve oflcns di humanidade e das primeirai conveni-
encias de todos os habitantes desle ptiiei.
Deosgutrde a V. Exc. muitoi ennoi. FiltptA-
rana.
ulra igual, muiaii mufoadi.parao Exm. Sr.bario
Deflaudis, ministro plenipotenciario de S. M. o rei dos
Frsnceies. ,
(Comtrciodtl Plata.)
CORRIENTES.
ADDITAMEHTO a' OHDEM GERAL DB UOJB.
Ftvtriiro, 24 de 1846.
O eoronel Ocimpos, que, com 13 erqusdtdes, se se-
pirou do exercito em Ibahy pin pictr a retaguarda
do inimigo, cumprio n ordena, que tinbt, com o me-
I hor multado e com o mus tenas empenho, sustenlan-
do guerrilbas continuss e tccelenndo a fuga precipita-
da do inimigo.
.Hontem doui esquadrOes de S.-Miguel e um de
Cruzu Cuatia, apexar do pessimo eitidodotieuscaval-
los, repelliro 400 eicrivos do tyranno, mtttndo-lbe
tlg'uoi bomens e tomtndo-lbe mais de 2,000 cabecea
de gado, tendo nos smente um ferido.
un mpretioea d'artiita. Mae nio o conargoio, ealuu
bem certu diatu ; aa obraa da arlo nada aio, quando nio
podem aperfeicutr ai de Deot. Se o aenhor lie pintor,
algumaa etes me ha do tornar a tenar naa euaa recorda-
coea, n'ura dit, em que Ihe vier a iuapiracao I.........
Tanto mtie, acoresoentou com torrito amargo, que a
peca eat repreaonlada, e quo a uiinlia divindadu vai
deiapparccer aob a mancha da indigencit.
Ese homem fallava com extrtordintria facilidade, e
com o tecento de umt inconcebivel nobrea. O seu ros-
to, Iluminado por oro raio de enlbuaiaamo, e logo an-
uiiviado por um profundo lenlimento de d6r, era de
uroi bellexa portentos! ; nunca mais nubret feicSce, noiii
exprsalo ineit fina e miis peuolrante hivilo tllribido
a alinelo de Leoncio.
0 aenbor, diuu-llie elle, punuido de involuntario
reapoilo, he por certo superior miscravel coudicio,
aob cujaa epparenciaa ao tpreaentou lie alguiu orii.ta
infulii: perniitta-me aocoorre-lo, o recoSpenit-lu, ta-
aim, do potico prater, que me proporcionou.
Mat o deaconheoido nio deo moitraa de tor ouvido ai
ptlavrtt de Leoncio. Curvado tob t mtrgem, desdo-
brava, com maiiifeata repugniaoia, oa ignebeia tripoa,
qne era obrigado a tomar de novo pan eaoouder i tut
nudei.
Aqui eat, die elle, deixtndu cabir no chlo ot
tona fiirrapoa, um aupplioio, que detejo, nunca conbe-
et. O Italiano goata de adurnoa, o artilla ama o bern-ee-
tiir, o luxo, oa perlumea, o aneio; eati tuavidadedeli-
ade, que renov a alma e o carpo depoia doa exeroi-
eiua varonil e talotarea. Ninguem*pde comprebeuder
o que me ouata moilnr-mo tot bouioin, e sobretudo ai
malheree, com urna camisola em liraa, e urnas calca
peloa curdOei.
Oh eu o comprebendo, e o Ultimo, reipondeo
Leoncio; maa poiao fater cetaar boje o aeu roarlyrio,
gncit a Deoa. Como ole fas fro, pode o aenhor espe-
rer-me aqui om quarto d'bora o Ihe prometi, netse
O eoronel Ooempos pessoa boje o rio Corriente, e
contina t perseguir o inimigo com tan la gilhtrdi
como encarnieamento. Honra a enei valentei I Griti-
diotos bons defensores di patria. pal
[Um.)
(J. do Commircio. )
INGLATERRA.
Londres, 28 de fevtreiro de 184o.
Tem lido, ha multo, mtximt favorita dot nossos po-
lticos, que o goveroo nao se pode convenientemente
sustentar sem o apoto de um partido. Como principio
abstracto, nio nos inclinamos a disputar o valor desta
mxima ; assim como nio estamos dlspostoe a negar a
vaotegem da discussio poltica em geral para elucidar
verdades politices, lie tora de todt t duvidt. que o
conflicto de partidos oppostos num estido tende a tsse-
gnrar a liberdade publica ; e a historia ensint, que ti
tnelhores medidas teem sempre resultado do ctlor dot
debates sustentados com todo o rancor da anlmosldide
facciosa. Tamben) nio se deve esquecer, que essat tem-
pestades da lucia dos partidos teem suas proprlas vao-
tagens intrnsecas, Independentes dos seus resultados.
Ellas sio sementantes & guerra dos elementos, que be
seguida de um ar mais pun, e de urna ttmosphera
mais seren. Quem se nio records dt feliz lllustraclo
de um orador moderno, edvogando a causa da llberde-
denas dlscussOes polticas ? As tempestades aballo
occssionslmeote at nossss htbitaces, e disslplo o nos-
so commerclo, mas expellem dlante de si os elementos
dormentes, que, e nio serem ellas, seeslegnerlio, e se
converterlio em peste. > Assim, de entre o marulbo e
choque de partidos ries no estado fas a naci, tunal,
urna colbelta de liberdade e pas.
Porm, ao contemplar os beneficios dos partidos, nio
devenios perder de vista as suas desvanttgeot. Aconte-
ce, nio raras vetes, que relormat de inquesllonavel no-
cessldade, e medidas de um mrito incontealtvel teem
sido demoradas, e al tolelmente retiradas pelo clume
dos cheles de partido. Urna opposicio conservadora
oppOe-se a urna boa medida, so porque he apretentada
por um ministerio whig ; e semejantemente urna op-
posicio wblg nio quer apoiar urna medida, qne appro-
vi, i poique tem o cunho cootervador. Cada qutl
migios-se obrigtdo a teguir o trillio, que Ibe loi ori-
ginariamente tracado pelot teut predeceitoret do mes-
mo lado, ou pelo menos a ter-se is sutt proprlas de-
rlaraces. e ser coherente comaign mesmo. a Timeo
Daaos et dona [trentes he o aeotimeoto de ambos.
Elles preferem antes arrosttr a hostilidade iberia, do
que teceiter ot favores suspeitos um do oulro.
Dlr-se-ba, que nio he occisilo de encarecer os ma-
les da divisio de partido!, tenfio de exaltar as suas
vinttgent; que o din, em que vivemoi, sao das da
confusio dss divisoes de partido, da destr jico das dls-
linctoes de pertido, de remocao das bausas de partido;
que he chogido o momento de revocar os bomens ao
seutimento dos beneficios da consistencia poltica, de
lembrar-lbes as insignias, que trasem, e os ttulos, pe-
los quaet esli acoslumadot a ser conhecidos. Isto he
verdade, e nio he verdade : be verdade, que as dis-
tiiicfea de wbigs e torys estio pela maior parte aboli-
das, e que as cadelres parlamentares nio lio o Index
das opiniocs daquelles, que as oceupio; mas nio he
verdade, qne hajt precisio alguma de evocar o espirito
de partido, ou de fitur reviver ai suas energas, que
ptrecem adormecida!. Pelo contrario, se fr alterna-
mente considerado o estado da quesllo, que ora se agi-
ta perante a cmara dos communs, ver-se-ha nelle
mais solida prosa da existencia do seotlmeoto de par-
tido no mais pleno vigor e aclividade. Despido do en-
adooho mschinismo de discursos, que procedem ni-
camente da rauca garrulila, itudiumque immane lo-
quendi, o ultimo debate epreseota um perleito exemplo
da principal feielb da guerra de partido, a que alludi-
tempo, catar do volta com veatidoa oapetea de conten-
tar a la hiniesta o legitima jihanlasia. Eapere-me.
E antea que o Italiano reapondease, melUo-se Leon-
cio a caminho, correo i earroagem, e tirou umt elegan-
te o ligeira mili, que condutio para a margena do lago.
Aohou o aeu Italiano n'agoa, oooupado em faser um ra-
iiialheio dae maia bellaa florea aquatioaa, que Ihe trouoo
coro tre de ianooenle triumpho, o Iheepreaenton com
affeoluoea graca.
Nio posau dar-lbo outra couat om cambio do quo
abi me tres, dase elle, que nada tenlio no mundo; mas,
grocaa minha deatreta e 1 uiinba curagon, puseo ae-
nboroar-me dos maia raroa tbeaouro da nature, dae
maia bella florea, daa maia preciona ainoelrae uimera-
logicaa, decriattei, do pelrincace, do planua daa roon-
tanhaa } pono dar-lbe ludo lio, ao quiier, que o siga
em aeua paiieioa, e al, ae tem aqui urna eipiogarda,
poaao derribar a aguia o e cabra montes, e depoaita-lat
io. ps da iu. amante perquo aou o rotia de.tro 0.9a-
dor, que o aenlior podo ter valo, eaaim orno o man
effuuto pelo e o maia gil nadador. .
Apexar de.ta ii.genu.d.de dej.cl.oo.a Haliin. a ef-
fuilo do maucebo nio de.agradou a Lmiioio. O M rut-
to, colorido pela alegra o reoo.ibeo.mento, t.nha urna
retulandeoeneia, u.n. franquea, aymp.th.oa. que toa-
reevlu aatle.cio. E.u dos minutos tranafurmuu ello o
vaeabundo n'um joven elegante do melbor gotto, em
alijas de vis-eni. S havii na niela d l.eonem ruupe
Bmplee, qeebetttvt para um oxcelleute veatuario de
campo, jaquel" lovea o bem corladas, gravalaa de cor,
unas e nova, roupa branca magnfica, oalcat de verlo
de cxquiiua fatendaa, tapatot envernitadoa, polaina
de cainuira elvedia coiu botei de madreperula. O Ita-
liano eioolbeo, aero ceremonia, o que liavia de melhorj
ere elle quasi de mesmo lalhe de Leoncio, e ludo Ibe ia
a maravilliai; nio te eaqueveo de turnar um par de lu-
sas, cojo perfume cum delicias respirou. Quando te vio
atsim renovado e ormdo da caneca ate tot pt, laujou-


H
@2
s=
ntos, a atenta de om chefe conservador a adoptar
medlda whigs.
Temo* visto, ha ja algn dez oa dozo anooi, todo o
parlamento dividido em dous grande* partidos.o peel
e o hussell; o 1.', maniendo sempro ama escala motel,
o!', advngado um direito fizo para fin particulares, e
ob a impressio de urna derrota inminente. Anias
erao, na realidade, meras medidas de partido;mas, ten-
do o.o toda a vantagemdo precedente, e al o prin-
cipio da actual sessao o apoio universal do eorpo msis
poderoso do estado, assamio um carcter de poltica
maisgeral, um carcter muitoalm do que os leus
mritos supportaraft O partido Kussell, 10b a impres-
sao de difficuldades financeiras, be obrigado a arriscar
a sua continuacio no poder sobre esta sua particular
medida; he derrotado; forma-so o ministerio Peel, e
um dos seus primeiros actos be fazer urna grande alte-
radlo nos direitoi obre os cereaes, reduzindo eonsi-
deravelmente a proleccio, n approzioiando-se, em nZo
pequeo grao, aos principios do eommercio livrodos
whigs. A isto segue-se o bil do Canad, outracon-
cesiflo importante feita ao liberalismo commercial, pela
qual, como urna coniequencia curiosa, mas nlo impre-
vista, foi o grio americano de facto admittido nos por-
to! ingleses por um direito fizo; e finalmente la appa-
'rece ao longe, rom proporedes escuras mas gigatilcs-
cas, aquella grande ealamidade nacional que tem
transtornado todos os clculos anteriores, e provado,
por argumentos mu simples, inui lamentavelmente
obvios, para serom disputados, a fallada detsa escala
mnvel, sobro cujas virtudes imaginarias tinha Sir R
Peel arriscado i sua reputadlo, e por cujos suppoitos
mritos tinha lord J. Kussell sido privado doemprego.
Comees urna carreira entre os candidatos rivaes. A cir-
cunstancia accidental dte verem livres dosgrilbet do
segredo de gabinete da um a vantngem do tompo.
Elle se aprsente como candidato ao lugar, repudiando
o direito fizo, o abracando a doutrina da total revogt-
cSo; be mal succedido, nio por sua propria culpa, mas
porque nutro* sao menos contemporiadores do que
elle Desee eolio oseu rival casa, e confessa tubs-
lancialmenle atut tdopcio dot inetmot principios,
direito fizo fica abandonado e perdido para sempre de
todos os lados. Se lord J. Russell se tiveise aferrado
a ello em oovembro, em vez de escrever aquella fatal
carta, n3o be agencio rfizer, que ello o teria ven-
cid agora a despeito de Peel. So este o bouvesse a-
doptado aioda Hepois da retraetteio de lord Jobo, pde-
se duvidar, que elle tambem o teria vencido na pre-
sente sessao ? Ora, se elle tivesse cedido o ponto em.
1841, em vez de voltear sobre elle em 1846, e saltar
para o outro lado, nao se teria poupado naci a pe-
nos* agitarlo de urna quealio de alimento ? Pensamos,
que sim.
Talvez leja intil fallar agora em compromisso, ex-
cepto como um bem outr'ora ao nosso alcance, mas
boje collocado multo alm. A revogaco da* le* do*
cereaea progride para a naci como urna medida eligi-
da pela* urgencia* do tempo. O* pobre* leern apren-
dido a comidera-la como urna questio particularmen-
te *ua, que aflecta o* seus mais charos interesses, os leu*
conforto*, a sua condicio social, a sua metma exis-
tencia. A lei do cereaes i est anathematiaada como
urna taz* sobre o alimento, e por ene aoathema est
sellado o seu lado : maso mesmo facto prova a verdade
de urna ezpressio de Mr. Baring no ultimo debato a
grande calamidad dos tempes modernos ,u a oarni
de borneo* de estado.
__^_______________^^_ (Times.)
DIARIO DE PER.WMBIICO.
A escuna porluguezt, Milheiro I, de cuja entrada
demoi bontem noticia, aohio do porto do Rio-de-Ja-
neiro no di* 22 do mez de abril ultimo.
At essa data S. M. o Imperador nio se baria reco -
Ihido a corte, onde todo* o* momento* era esperado.
O paquete ingle tinba partido daquelle porto para
os do Norte, em o dia 20 do mencionado met.
A lahidt do vapor eitava annunciada para 23 ; m*
dizii-se geralmente, que seria retardada, para depois
da chegada de S. M.
Correspondencia.
INTERIOR.
RIO-GRANDE-DO-SUL.
Tomou posse do commando das armas desta provin-
cia o Ezm. Sr. brigadeiro Jos Joaquim Oelbo.
Se valere precedente*, e le nos levio elles dlreilameo-
te a raciocinio certo, sem vacilecio, acreditamos, como
verdade, que o actual commandante das armas de nos-
sa provincia be em tudo digno do elevado titulo, que
Jhe conferio o goveroo de 8. M. o Imperador. Bravo na
milicia, obediente e determinado na r-xecucio de deve-
ia, que se Ihe confia a preeneber, tem sido sempre es-
te distlneto odila! general; e estas virtudes, adquiri-
das, sem duvida, a grande custo, e que. esmaltadaa pe-
lo seu carcter nobre e generoso, e sua constante dedl-
cacio ordem e tranquillidade publica, tomio anda
mais subido ponto de valor, esperamos nio desmerece-
ras aqu, onde sao ellas sobremodo apreciadas, porque
se as leern na sua devida conta. He, portento, digno do
Importantissimo commando das armas desta provincia
o Exro. Sr. brigadeiro Jos Joaquim Coelhn, e sua
acertadissima etcolha no* (rara vantagens reaes o so-
lld"- (Do Impartid.)
se not bracos do seu nuv amigo, exclamando, q,l0 Ihe
drvia a Bator aalisiaclo, que Uvera en. .ua vida. Depoi.
atiruu nolagn, com a pona do p, ua seos andrajo
qne Ihe fanao horror, e, desalando a irouxinha, cui
groaseiro envoltorio tambera mergulhon n'agoa, tirn
c.ni grande aorprcia do Leoncio, um retrato do mullier
circulado de brilhantes, urna cadeia do 011ro, bem pe-
sada, e dous lenco de cambraia, guarnecidos de ren-
das. Era tudo o que coutinha a sua mochila do via-
gem.
Ett u senhor admirado de ver, que u
de mendigo tenha -conservado olea objecloa de luxo
disse elle, licitando a radeia ao peacoco, o arranjando-
ornu pode sobre o cullele branco ; era tudo e que ,r
restara do diou panado esplendor, e ni me teria desfej-
I11 delira na ultima extreiuidi.de. Che volete, tignor mo
pattia 1
Eolio o senhor j foi rico? perguntou-lhe Leon-
cio, admirado do desembarazo, com que sabia elle lia-
ver-ae no seu novo vestuario.
Rico por oito das, cera vetes o tenho sido. Quer
sjI.it a ininlia historia, vnu diier-lh'a.
Bent! oonte-sn'a, andando, e siga-me. Carrega-
remoa ambos cata mala para a roiuha carruageiu.
Entio o Sr. anda em viegom P
Nio, mas eiu paeteio, e por alguna dias tslves.
Quer o senhor faser parte Ja nossa sooiedadoP
Abi de inulto bom grado, lano mais quanto pos-
ee aer-lhe, ao mesmo lempo, ulil e agradavel. Tcnho
rouilaa habilidadeatinhaa, e conheeo ja a fundo estas
mont.nl,,,, qu,ei vagu0) ha 0|0. N|o
deu.orar-.ue em pt. .|g. A cabe mo 0PMilnl de
continuo a pero. par. vng.r-*, do meu corceo, q
tamben...rr.tlr. i c.d. .natante. Ma, para fa.er-l
Senhoru Redactores. As intrigas propaladas nes-
M ciclado contra mim, meu sogro e tua familia, por
ligenclarmos legalmente coohecer todos os autores
ds morte de meu Infeliz cuohado Francisco da Silva
Jnior, me obrigio a oceupar as paginas de seu jornal,
de que eslava mu longe, para defender a mlnha repu-
tado ede meu sogro, maculada com a injusta imputa-
dlo de termos preparado plano de Iniquidade na decla-
racio, que meu cunhado Joaquim Guncalve* da Silva
tinha de fater parante a justica. A narracao do quo a
respello occorreo demonstra mais que muito de que la-
do est a maldsde, e qual be a verdade
He mui sabido oesta cidade, que meu infeliz cunbado
Francisco da Silva Jnior foi brbaramente assassfna-
do ; asalm como, que meu cuchad 1 Joaquim Goncal-
ves da Silva se declarou smente o autor d"sse desgra-
do suceesso : em consequencia des.a declaracio, eu,
meu sogro e msis membros da familia, retranos toda
a nossa intervengo no procedimento da justica, por
nio aggravar mais nossa posicio desesperada. No corso
do processo nio se descobririo dados, alm dos que of-
fereceo meu cunbado com a sua declaracio ; pronun-
ciado, porm, disse ao escrivio Francisco de Barros
Crrela, que tinba declararles a faier i Justica, que as
nio tinha felto no processo,fpor suppor, que seu pal o
livraria, e entio tinha resolvido salvar o que cm elle
coocorreo para a morte de seu irmio ; mas, como as-
sfm nio acontecesse, quera dizer toda a verdade. O
escrivio Barros communicou aquella ezposicio aojuis
do processo, o Sr. I)r. Jos Ravmuodo da Costa Mene-
zes: em consequencia della,4>jufz ordenou, por porta-
rla, que meu cunbado e o cabra Luis comparecessem
audiencia, para se tomsrem as deelaraedes.
Com efieito, comparecrio os indicados audiencia,
e o Sr. juiz nomeou curador de meu cunhado ao Dr.
Ibiapina, por impedimento do Dr. Neto, que pedio es-
cusa, por achar-se a seguir para a corte ; e para cura-
dor do cabra Luiz ao Dr. Palva. Eu e meu sogro, que
estavamosquasi neutros, vista daquella declaracOes
de meu cunhado, sabendo, por via do mesmo escrivio,
que baviio revelaedes, que tiobio por (Im fazer conhe-
cer mais autores na morte demeu Infeliz cunbado, ap-
pareci eu, para ouvir essas declaraces, resolvido a
pugnar contra quem quer que, alm de meu cunbado,
tivesse tomado parte oesse borrivel atlentado. Espera-
va, portaoto, ouvir essas deelaraedes para orientar-me;
entretanto, o Dr. Paira oppoz-se a ellas com tres fun-
damentos : estar fechado o processo ; ser incompetente
aquella juizo ; e, finalmente, por seren as deelaraedes
resultados do planos de iniquidades, para salvar o cri-
minoso, immolando o innocente.
Eu entenda, que, teodo o juit marcado aquella au-
diencia aex-officio e por grande interease da Justica,
jimais deveria adinitlir upposico, tanto mais qoanl
as declarscSes tendiio a fazer conhocer os autores do
tio horrivel crlme, conbecimeoto, que so se poderla ob-
lor por deelaraedes daquelle, que as queria fazer. O Dr.
Ibiapina respondeo ao Dr. Palva, pouco mais ou me-
nos, nestes termos : Que as deelaraedes daquella or-
dem, que os reos queriio fater peraote justica, para
dar-lhe um perfeito coobecimento do crime o seus au-
tores, nio podiao soffrer opposiclo ; que o interesse
publico falla mu alto para calar-se por conveniencias
particulares ; que o facto, de que se trata, esti, em par-
te, envolvido em grande mysterio ; que por isso a socie-
dadedeverompe-lo, para que um_crim!noso nio ande
c'os trages d'inoocencia no meio da sociedado.ameacando
a cada momento a vida do cidadio pacifico, como era o
fallecido Francisco da Silva Jnior. Que a gravidade
da materia e o interesse da sociedade era tanto nessas
deelaraedes, que toda a autoridade be competente para
recebe-las, enibora tenha du remelle-las ao juiz do pro-
cesso para proseguir contra quem de direito fdr : que
portento nao erio procedentes os argumentos de estar
techado o processo e ser incompetente o juiz ; que mats
Improcedente ainda ers o argumento de planos de inS
quidade, porque, se os haviao, elle Dr. denunclasse i
justica, drclarasse os autores, depois de feitas as de-
elaraedes ; que, se ezacto fosse o que allegava, faeil
eia conhecer-se com a discussio, interrogatorio do Juiz,
acariaclo, ele, porque a mentira nio pode resistir a
essas diligencias; que, antes, elle Dr., com essa oppo-
argumentava duas vezes contra o seu ourado : a
6 ditos de 38 ditos de dito.
primelra, suppondoo prejudicado com as deelaraedes; a
segunda, imposslbilitaodo-o de defender-se. E como he
que o Sr. Dr. Paira acreditou nesses planos de Iniqui-
dade, e nao ezbibio logo, em publico, as proras, que
para laso tinba ? Como be, que diste meias palavras
em um facto tio grave parante a justica, dallando re-
eablr grande odioso sobre quem qur qne fosse o autor
desses planos de iniquidade, ao mesmo tempo que, pe-
los espectadores e pelo povo, se espalbava. que era eu,
meu sogro e sua familia os autores desses iolquos pia-
nos? I
Depois dos debates dos adrogados, quando eu e to-
dos os espectadores esperavamoa urna decisio termi-
nante a respeito, pela simplicidade da materia e urgen-
ola, o Juiz decidi, que o esorivio tomasse o requeri-
mento do Dr. Palva e a resposta do Dr. Ibiapina, e fi-16 ditos de 33 ditos de dito.
zesse conclusos I! Entretanto, mandou soltar o cabra I o ditos de 25 ditos de dito.
Luiz, e nio deo decisio alguma desde entio at boje III
O Sr. jala, com esse procedimento, fez a mim, a meu
sogro e a aua familia, orna grave injastica ; porque
independeote da responsabilldade, que tem, perante as
leis, deo a inteoder, que se persuadi, que, com effelto,
baviio planos de ioiquidade nessas deelaraedes, e que,
declarando os intrigantes, que eramos o) os autores
delles, S Seohorla sanecionou essas votes com aquello
seu procedimento.
Veja o publico qual he a triste aorte, que partillia o
cidadio pacifico 1 Meu sogro perdeo um fliho a todos
os resueltos digno de sua estima e conflanca ; aua fami-
lia perdeo um membro til, e do maior interesse para a
gerencia dos negocios de sua casa ; a sociedsde perdeo
um cidadio prestante ; e porque tratamos de conhecer
os verdadelros autores de su morte para faze-los pu-
nir, somos desatteodidos, e se nos faz passar, alm dis-
to, por autores de planos da iniquidade I!! De aorta
que temos de chorar a morte do flllio, do lrmio e do
amigo, ejustificarmo-nos aluda, peraote o publico, que
nio somos malvados, como se nos imputa, querendu,
que aoUra as penas 'da le quem tantos males causou.
Facio-me, Srs. Redactores, o favor de imprimir, no
seu estimavel jornal, estas linhas de sou constante lui-
tor. Recite, 2 de mafo de 1840.
Jo/lo Nepomuceno Barrozo.
gadoria militar de Penumbueo, em l de maio de 1846.
O ofcial da pagadoria, Jttto Arctnio Barbota,
__O Illm. Sr. inspector Interino do arsenal de mari-
nha manda fazer publico, que no da 7 do correte mez
contratar* a compra dos objectos abaizo declarados, i
vista de propostas, que sejSo apresentadas nessedla,
atis II borasda manbia, precisos para forneclmento
doalmozarlfado desta repartlcao.e para a obra do caes,
que se esti fazeodo neite porto, sendo todos de primea-
ra qualidadt, e prompto o pagamento delles, logo de-
pois de recebidos e protestados os respectivos docu-
mento.
PARA POBNECIMENTO DO ALMOXAIUFADO.
3 e*telo* de 40 palmo, de oomp. \ Tod(J| C0B Jo ^
> legadas em qqadro
I degtossura.
Sendo todas estas madeiras de embirlba preta 00 a-
mago, oo de sapucala de pillo, limpas de braoao.
6 travs de 38 palmos de comprldo, e palmo de (ate
em quadro, qualldades escala Idas, Rapas de fslba e
brotio.
Carvio de pedra
Vidros de 8 e 41 poL, para vidrien !
Telhts
Sendo a compra
de cada om desle
objectos da qutntl-
dade, qoesejulgar
conveniente, naoe-
caslio de fater-tc o
contrito.
COWWERCIO.
Alfandega.
Rendihbrto 00 da 4................. 8:5754586
Ihscarregdo hoje 6.
lirigue E.-J.-Sullon baoalhso.
BrigueBella-Emilieltafeijio e lijlos.
EscunaColorado farinha bolaobinba e barricas
abatida*.
BrigueMarta-Felizvinbes e ctrnes.
BrigueAdelaiitmeresdoriss.
Ganga aral
Cadarzo branco de algodio
Fio de vela
Lloha de barea
Merllm
Llnba alcatroada
Lona inglesa, larga
DIU dita, estreita
Brlm da Russla
PARA A CUFIA DO CAE.
Cimento, em barrica* \
Ti jlos de a I venara
Ditoa de dita quebrados, proprlot
para aerem reduildo* a po /
Secretarla da iuspefcio do arsenal de marinba de l*er-
nambuco, 4 de malo de 1846. O secretaria
Alexandre Rodrigue* dos Anjee.
Como cima.
COMPANHIA DE BEBIRIBE.
- A adminislraco da companhia de Babiribe manda
trisar aot Srt. aeeionittat, que nt prozima reoniio ge-
ral, qoe deve effeetutr-te no corrento mez, aprsenla-
r a relscio de todos aquellos, cujas entradas se acha-
remem atraso, para que a astembla tome urna deli-
beracio definitivamente a temelhanto respeito : as en-
tradas tt tgora exigidas corretponJem a 70 por cento
sobre o valor dtt a plices.
Eseriptorio da companhia, em sessio de 2 de mtio de
1840. secretario, B. J. Femandet Barros.
Consulado.
Rendimbnto do da 4.
Geral............................ 3:022*605
Provineial.......................... 966,386
Divertas provincias.................. 165*045
4:154,030
Aviso
s martimos.
slcio,
grande dama criminosa, ou i quo desgranad rapariga
aedusida devo a vida. A mull.er do um peixeiro rao re-
eolhro, uma manliia, nos suburbio, do Roma, amargom
do Tibre, c me leo o uume de Teverino,
Tiberinua. Tinha eu eniao dou,
rueo
por outr.
anuo*, punco maia ou
o nio sabia diicr donde viuda, nern o nonio de
1 pait. F.rsa boa alma rae criou, apeaar da aua mi-
niu tinha maia filhoa, e coutou coramigo p.ra
assistir-lhe e ,ualeiita-la, quando eslivease em idade de
trabalbar. Desgracadamoule, nao havia en naseido ooru
o gusto do trabalho: a naliirea me tinha prendado 00111
una preguica de principe, e isto me fci .oiupre acredi-
tar, que ou era de sangue Ilustre, ninda que, por meu
espirito, pertenoesse au povu. Sem dunda um do, doua
auturo do, meus diaa era deasa rac,a de pobrea diaboa,
que Au destinado, a tudo adquirir por aitnesmoa; e,
nt minha origem probleroalica, be o lado, do u,ue ao
menot inclinado a envcrgoiihar-me. Em quinto f.iori-
"St, guslei da pesca, porcm antea como arte do que
cuido uiUcio. Sim, eu ji me aenlia ii.soido para as in-
venede. da inlelligeucia. Ardenle noa exercioio, peri-
goso, e viuleutoa, eu nlo tinha o gusto do lucro: acu-
na praier extremo em cspreilar, era eorprtnder o alean-
car.prea; no sabia apreca-l. para vend-la : perda o
dinlieiro, ou empretlava-u ao priweiro, que m"o pedia.
Traba mullo bom coracto para recusar cuusa alguma
ana mcua pequeos"cantarada aju,l.,a-u. ..Ju. bem
ua scii.eiteiiu, em ves de pedir a preferencia aobrel-
lea. tiu I1111, pirana a minha pobro mli adoptiva em
deaeapero, pelo roen dcinteres.e a liberalidade, que el-
la ohamava asneira o^esgoverno.
A* propi.reio que eu adquira furcat, a idada Ib'aa
ue nrava, de sorle que um dia, nio a tendu mai, para *.
cumprehender a nh. tat ir. A^ViJ!^^!^ ("ncar-roe, nica consolante, que ale enUo eo.umigo
iiliecer cni tudo. I t' i
I..,..,.. .. 1.... j.._____ 1 ziulia ou des auno*, era be lo como um Cunidn
Ignoro u lugar do meu n..c.me,u,,uIo..Uqae I On, pintor m.do, que mebavi. observado u.M;
Moviiuento do Porto.
Navios takidoe no dia 4.
Cork; brigue Rambler, capilSo Tbomas Simpson, car-
ga a metma, que trouze.
Ceari ; patacho brasileiro I.auientina, ctpilo Anto-
nio Germano dtt Nevet, carga variot generot. Ptt-
ssgeiros, Hanool da Costt Meoezet Bratio, Manoel
Jos Salgado, Manoel Feliz do Azevedo e Silva, Joa-
quim Jos Barboza Jnior, Jos da Siva Bezerra, e
Pedro Lima.
Londres ; barca ingleza Centurin capillo J. Hep-
penstill, carga a mesma, que trouze.
eelaracoes.
= O araentl de guerra tem de comprar 10 arrobas
de cobre velho ; quem o tiver equizer vender mande
ao mesmo arsensl sus propotta em carta fechada, at
o dia 5 (hoje) do correte mez.
Directora do arsenal de guerra, 2 de maio de 1846
0 escriptorario ,
Francisco Serfico de Assis Carvalho.
= D'ordem do Sr. coronel commissario-pagador
desta provincia, Jos de linio Ingle/, se fsz publieo, qoe
perante esta pagsdoria se ha de vender em hasta publi-
ca, no dia 8 do eorrente mez, uma porcio de madeira
arruinada da coebia da companhia fiza decavallaris de
I." linha, cuja madeira se acha no quarlel da mesma
companhia, onde pode ir v-la quema pretender. Pa-
ma tomou para asna caaa, para Ihe aervr de modelo, e
fes, pur mim, um. Sao Joto Baptiala, d'ahi um Giotlo,
depoia um Jema ensillando no Templo ; o, quando nio
leve mais que fater de mim, mandoo-rae embora com
viole pefaa do uuru, recomniendando-me, que me vea-
tisse um pouoo mellior, se quiesae apaesenlar-me em
alguma parte para ganhar a vida. Senta eu j natoer
eiu mim o guato do luxo; coro tudo cumprebendi, que
nio era ainda oocasiao deaatisfater eataioolinacao. Cor-
r caaa de minha mai de adopcio, det-lbe ludo o que
havia reeebido, e como ella, loeada do tneu bom oora-
Cio, queria conservar-roe em sua cata, declarei-lhe,
que baria tomado goatu independeuoia, e queria et-
uolhur livreiiienle a minha profixln.
Era breve tai essa profiaato adiada, quero diser,
que so meofferecrio cera, equecu. nonhuma tomei
excluaivaraente. Tinha u amor da mudanca, a paixioda
liberdade, urna curio.idade immoderada pur tudu o que
oe pareoia nobre e bello. Poasuia mu bella vos, mi-
nha figura o meu espirito por ti meamos aa reoummen-
davio. Certo de deleitar olhot e ouridot, nio liaba
cuidado, e nio peuaava em cultivar minhat (acuidades
uaturaet. Alternadamente, modelo, bnleleiro, jukey,
menino du choro, figurante de thealro, cantor de rua^
raercador de cunolias, oriadu de buliquim, cicerone.....
Ah! seubur, este ultimo eraprego foi, nom o de modela,
o quo mais aproveiluu, aouioi minha bolsa, ao menoa a
miaba iulelligencit. A pratioa dua artitlaa e o eslodo
quoiidiauo daaubrat-primat dt arte, de tal atado det-
envolvrio miuhi idoiat, que, em pouoo tempo, me
seuti auperior, pur minba coucepcoe, e juixu, ao e-
culplore o pinluret, qoe tentarlo repruduzir a minha
figura, e ao viajaalet de toda at aacea, que iuieiava
110 ounbeciruciuo dat roararilhaa de Koma. Ao me aper-
eeber da ignorancia ou da pubroaa de espirito de tedea
aquello, com quein.linlia uegoeie, aenli cada ves maia
neoaaaidade de aer um espritu superior.
u uio gutUya de leitura. A iottruocio polos li-
= Para Santos sahiri, at o dia 7 do eorrente, o pttt-
eho Correio-de-Pernamiuco: quem quizar ir de pai-
ttgem, pode entender-te com o capillo Antonio Jote
de Abren.
f* Para o Rio-Grande-do-Sul sthir, com prettezs,
o brigue nacional Sttiorio, por ter a maior ptrte da
carga prorflpta : quem quizar carrtgar, ou ir de passa-
gem, dirija-tea ra da Cruz, n. 45, em cata de Nssci-
mento Se Amorim.
= Para Litboa tahir, com a pottivel bretidtde, o
brigue porluguez Josepkma / Emilia, por tora maior
parle do leu carregameolo prompta : quem quizer ctr-
legar, ou ir de ptsstgem, dirijt-te a ra da Cruz, a.
45, em cata de Nttcimenlo & Amorim.
= Para o Rio-de-Janeiro sai, com a maior breti-
dade pottivel, o veleiro brigue-eteuna Adelaide, capi-
llo Antonio Alvet Martina : quem no metmo qui'er
earregar carga e escratos, ou ir de pasiagem, psra o
que tero ezcellenles com modos dirija-ae a Novata &
Companhia, na ra do Trapiche, n. 34, ou ao capillo
nt prtft do Commercio.
tas Para o Porto-Alegre o Rio-Grande ttbir, bre-
ve o brigue Octano ; o qual pode receber alguma
carga para qutlquer dos portot, e tem superiores
commodos pura passageiro eescravoa : quem no mes-
mo quizer earregar, pode enteoder-to com o capillo
Antonio Garca de Miranda oa com Amorim Irmiot,
ra da Cadeia o. 45.
- Para Cotioguibt tibe com brevidade a sumaca 5>-
Joaquim; quem quizer ctrregtr ou ir de paitigem,
dirija-te a Joio Francisco da Cruz, ra di Senztllt-
Velbt, n. 134.
A barca portuguesa Espirito-Santo tai impre-
terivelmente para o Porto no dia 11 do torrente; ain-
da recebe alguma carga e passsgeirot, pira o que tem
ezcellenles commodos : trata-te com o centignittrio
Francisco Altai da Cucha, na ra do Vigario, n. 11,
ou com o capillo a bordo, ou os praca do Commercio.
vrot he um traballio muito fri e muito longo para a ra-
pidei da minha cunipreheniiu. Cuidei, por tanto, em
approxiroar-me, o mais pottivel, dot lioment verdadei-
raraente eminente, o, sacrificando qoaai sempre este
intuito us meus interesaos, instruia-me de todat ai eou-
sas, ou vi mi fallar, Baleloiroou juliey.obsorvei.e conbe-
oi oa habitut e ooituiaet da genio d'alla plana; menino
do choro e ohortta da opera, me imbu no tentimento
da muaiea, e na arte do theatro. Sorprend 01 tegrtdot
dot padret e do cmico, que te parecent muito. Can-
tor de encruxilhada, roettre de bonecrot, e quinoalbel-
ro, ettudei toda ai clauca, e oonheei at impreiiea du
publico, o suata caulas. Malicioso e sagas, audaciuin a
modesto, babl em persuadir, e inimigu de engaar, ti-
re amigos por tuda a parte, e prolocloros em parle nen-
liunia. Acceiiar a pruiecelo de um individuo, he por-te
na tua dependencia ; toda a etpeoie de jugo me he 0-
dioaa. Dotado de ora talento de imitacio ora exempl,
teguro de divertir, de enternecer, do admirar ou inte-
reuar a quem cu quizeue, nlo baria, na minha vita,
uma hora, ara que nln podaite oentir oom ot roeu in-
finitos reclino.
A' medida que eu ma tornava um homem, longe da
diminuirem, deouplavio ene recursos. Quando che-
gouaidado de agradar as mulheres.... ganliei mil"
victoria.. meo etihor, e aSo abase: do ncahuas. met-
ma real indulenoia, que ma impedir de prodigaliaar ti
perfeicfie do meu tor no emprrgo de peixeiro, o qne
oa realidade nlo era mais duque initinctivo reapeite
pel cemerviflo do meu poder, rae aooompanbou uee
minhaa rclacfie oom u baile lexo. Judioioso e ditcrelu,
nlo me liguei por mnito lempo ao vicio, nao me dedi-
quei ao egoiame, qot vivir pelo coracto, para me oen-
aervar completo e invenoivel no mee urgulho. Fui '-
teroordioio aero eafurco, muito me iraiitrio, nioguem
meenganou. Supplantei muitoa rivaea, e nlo ot vili-
pendiei. Furmei muitua loco, e oubaromp-lo, *em
despeito e tem amargor. Ora veja, met tenhor, tenho
V ,


Par Liiboa itfairi, com bretidsde, i barca por-
tuguezs Eipecutaco, forrad e eoctrilbsda de cobre,
e de primeire marcha, recebe carga 160 n. por arro-
ba de mocar, e tem muitot e excedentes commodos pa-
ra passsgeiros : 01 prelendentes dirijSo-ie aoi con-
igoalarioi Olireira Irmoj & Companhia, oa ra da
Crm, n. 9, oo ao capillo Domingos Jos de Almeida.
Para o Rio-de-Jaoero sahir, brere, a veleira
sumaca Oliveira : quem oa mearoa qoiier carregar ,
ou embarcar uscravoa pode enlender-ie com Amorim
Irmios, oa roa da Cadeia o. 45.
Para o Rio-de-Janeiro sahira, impreleriielmen-
te oo dia 4 do correle o patacho braaileiro Paquete
do-Rio por lero aea carregamelo prompto ; reoebe
nicamente pastsgeiros, e eicraroia rele: para o que
e tratara com Gaudioo Agoitinhb de Barro oa roa
da Cruz no Reeife o. 66, ou com o cepillo a bordo.
Leilao;
O eorrelor Oliraira (ar leillo da aobilia de uro
negociante, retirado prximamente delta praca con-
tiendo em um rico piaoo eadeiraa trem do Jaca-
randa meta, um magnifico leilo de copla qnaei no-
to com cortioado, feito pelo melbor doa oouoa r-
tistas, una cadeira de reboco relogio de eima de me-
ta oenmoda lavatorio,, goarda-roupa berco ,
marqoaza, anpha, barca para jogo eadeirel difie-
re ote ewuitos oulro objertm tndispenssteit para
fornecimeolo de urna rasa ioclusiie Teria obra de
prata : quiola-feira 7 do corrrote a 10 borai da
maobia ra de Apollo, o. 16.
T
A visos diversos.
= Jos Soaret de Azevedo, lente de lingo franceza
o lyco, tem aberto em aoa eaia, ra do Rangel, n. 89,
aeguodo andar, um cano de ihetorica, e outro de
fioGaphu 8 historia. A pessoss, que deiejarem se-
guir um oo outra desta diiciplinai, podem dirigir-ie
indicada retidencit, de manbia ale a 10 hora, e de
tardo a qualqer hora.
O arrematante das aferi-
Oes dalle mooioipio do Reoife fai de noro cente a
qoem confiar que o praio, marcado para retido do
peio medida e baleo?* finalia-e no mei de
junbo prximo futuro ; e por itio, quem titer de reter,
baja de o faier ante de e approiimar o dito praio;
poi que nlo be pnitel deiiarem-e todo* para o fim ;
porque hatri demora em terem despachados com a
bretidade que be de costume, oa caaa daa alericea,
na roa da Larangeirai o. 29, da 8 horas da manbia
aa 5'da tarde.
O LIDADOR.
O n. 107 acbar-te-ha a renda, ao meio dia, na praca
da Independencia, linaria na. 6 e 8.
O autor do hleroglypho, publicado no Diario D.97,
declera ao publico, que, com eilrema admlracSo ua,
tio adivinhado (permltta-ie-me a eipressoi o tea pen-
tamento; pola, eicrevendo elle por tfiu melbodo mol
differeote do de Julio Cesar, o Ineomparavelmeole maii
U i file 11 do que eite, espera va eer-lbe rtjeitado o aea bie-
roglypbo, por ser de metbodo dlOereote: mas o Sr.
autor da cryptograpbla retelada, nlo reouaudo, nem
cedendo diante de systema algum, por mal dlfBcil que
teja, deeifrou este, palana por palana, em Ihe faltar
urna su lettra 11
O meimo utor do bferoglypho ttmbem testemuoba
o ientimeoto, que Ibe altte, por nio poder dar o
mesmos elogios ao Sr. curioao ; mas, nao desaniman-
do aioda de poder alcancar eaia gloria, pol sabe, que
a occupacOet do meamo Sr. lorio, que o privarlo dol-
a, offarece-lhe agora o eicriplo, que se segoe, para S.
S. fater o distiocto obsequio de o decifrar ; participaa-
do-lbe, desdeja, que nlo exjge presta ; aolet, alten-
deodo i iua oceupaefles, espera toda eata (emana, e,
se preciso fflr, a que tem, para que S. S. te nlo iocom-
mode por cauta dalle.
Ipproai o uqbsiazjo irstl dfbbcjo ojr mujf lordoug-
frlx f mbrnbmolq redaiopll neo ooohctbtsr poloa lil-
la ixtlrbt ocf hd> ruto tqd rfo tort ifqbot th moxdp-
umd. Fpieljfb.
=*Pelo jui'o do citel da segunda vara desta cidade,
leem de arrematar-teem leillo publico, com ttsislencis
dometmo jui e o competente tscrivao.asfazendas da toja
penborada por execuclo de George Knotvorlby di C. ;
assim como dous escravos, contra Couto Viaona & Fi-
lbo: e a arrematadlo tem de ser oo dia 6 do correte
~"W\ ""1

u
aqu o retrato de nina princesa, que tanto roe alorinen-
tou onm o aeu oiume, que fui obrigadn i abandona-la ;
raaa guardo a ana imagem ero lerobranca dua praierea,
que ou" dro, nlu a nmatrn a ninguein, a nio rendo oa
diamantea, aiudu que, lia vite diaa, rito de pie negro e
leile dr rubra.
Mas qual he rniio a cauaa da aua presente mise-
ria? pergunlou Leuncio.
O amor daa viagena de urna parto, e da ootra o a-
mor, o puro amor, tignor mi. Apenaa hatia eo ganha-
do algum dioheiro, que, dciaando o emprego, pelo qual
o hatia alcancad, tiato que o prater, que eo nelle ti-
nha obtido, eatat eagolado por roim, part e tiagei pe-
la Italia. Pereorri toda aa auaa protinciaa, prooarando
aa docura da abaatanc, quando poda, subjeiaiidu-me
pbiluaophicameute aa rumorea privacea, quando a mi-
nha bolsa eelava taaia ; algiiuiai veaea at conservndo-
me, ouui una especie de voloptuoidade, neaae eatade
de miseria, que mu faiia aenlir o preco baria e.banjado, e, orgulboao; eeperando, que me vol-
taase aua tiro o detejo para acudir a minba deliciosa
opalina. Ora dedcnbata eu tirar-iue de aperto, tcnlin-
do, que aa romliaa iiupiracoea de arliala nlo arto chega-
da a teu apogeo, e preferindo jejuer a declamar e oan-
lar mal. Grande prater lie na terdade, aenbor, eentir-
rniit genio eeptivado pelo reapeito, que ae noa tem!
Outra'e vesee doniinava-nie o amor, o me deleitara esa
prodigaliaar o roeu dinbeiro ao meo dolo, aioda maia
felit embriagado, cuiuo nlo he poaaitel exprimir, quan-
do, arruinad, ra, queeate dolo ae ligara miaba oti-
lara, e me amata tanto maia, quauto eu nada tiiiba que
Ihe dar. Ob airo roa nulo, que eu deixei paaaar mu-
toa diaa antea de mellar ero profane Uet affeicoet, -
gairande-roe roda da fortuna ; porque aa aluiaa nobrea
t e prendera irretialtelraonto aua intaiitca.
Teterino, a aua liogoagem me penetra, dase Le-
onoio. Se nio ba ah jaclanoia, be tost um dot maio-
rea animo, alea deacr um do caractere maia origi-
nes de maio,o que te faz publico para o licitante con*
correrem.
> Desappareceo, a 29 do mez pasudo, na estrada,
que tai tur ao Cabo, um cavallo peqaeno, alatlo, ma-
gro, e com um forro do feilio do aro ngulo, do lado
esquerdo; alm de oulro dout de differente forma :
fugio sellado. Quem o encontrar, leta-o, em Olioda, I
Jote A. Gomes Netto, que ser* recompensado.
=Fsz-se ter ao fiscal da freguetia do S. Jote do Reei-
fe, lance uititis para a ra do Forte, queeati eheia
de entulho, e prita de correrem as agota da chuta: isto
Ihe fat rer um do mortdore* da metma na.
=Na venda da esquina da traten das Cruzet, que
tolU par. o quartel de polieia, existe orna caria rinda
de Fernando para o Sr. Bernardino deSeoa Argimiro
Soaret.
CRYPTOGRAPHIA REVELADA.
O autor do annuncio, oeste Diario o. 98, offereoido
so Sr. autor da cryptographia retelada para decifrar,
declara estar muito exaeta a metma decifraclo, dada por
S. S. no farion. 99;eomoqaofieaoaoouoeiaotecoo
vencido da immensa penetrarlo de S. S., o Ibe agrade-
ce a boodade e incommodo, que tete.
O curioao 'do Diario n. 96 responde ao Sr. autor
da cryptographia retelada, que, quando modestamente
publioou, por eata folha, a decifraclo dot dona eteriptos
hyeroglypliicoa, nio quitooan iaao innoloar-se meatre da
arle: e enlendendo, que a oryptograpba so ni res-
tringe nicamente a eaorptura pelo ty itema de J. Ce-
sar, nffnreceo o aeu etornto a S. S., poato bem oerto
eetiveaae do nio aer ello feito aob tal ayatema, raaa por
conrenoer-te de que, quem te diapiinha a recelar to-
da! ai rrgrat da arte, nlo detia'aehar o menor embaraoo
em deoifra-lo. Coneliie, pea, negando-ae decifraci
do cacrpto de S. S., e negando tamban, que elle aeja
organiaado pela regraa, porque o ib i o do annunoiante.
Eaper, que o Sr. autor, para nlo deainereoer do alto
ooncoito, em que be tido pelo publico, e milito em par-
ticular pelo eurioao, te dignar dar decifraclo, que ae
Ihe pedio, oontencendo-te de que a falta della poaler
p6r muito em riaoo o crdito, que tem adquirido aobru
a infallibiliiladede ana regraa.
Casa da F,
INa ra estreita do Rozario, n. 6.
0 cautelUla da caa cima mudou o leo eitabeliei-
mento para a can, o. 6,. oa mesma ra, quasi confroo-
le a igreja do Rozario, e abi cootioa a pagar o resto
das cautelas premiadas da lotera de S. Pedro Martyr ,
todos oa dia uteis, dss 8 horas da manbia as 6 da tar-
de. No mesmo eitabelecimeoto acbio-se a teoda as cau-
telas da bem acreditada lotera da matriz da 15o-Vis-
ta, para cuj rodas est annunciado o andamento para
odia 14do correte mez: tambem teodem-sebilbetet,
e meios ditos ; o preco das cautelas he o do costume.
Lotera da matriz da Boa-Vista.
Antonio ds Silva Gusmio, tbetoureiro desta lotera,
tem msresdo o dia 14 do correte, para o infallitel an-
damento das rodas ds 1.' psrte ds 3 nota lotera, e
de noto declara aos smadores deste jogo, que te apres-
em a comprar o restante dos bilhetes ; pois que se-
gundo a grande extraccio, que lo tendo os mesmos,
nio ser mudado o dia marcado: echndose elle a ten-
da not logares ji annunciados, o tambem na botica do
Sr. Ignacio Jos de Couto, na praca da Boa-Vista.
CHAROPE ANTI-ESCROFULOSO
OD PANACEA VEGETAL 00 DR. ALLAN ,
Mtmbro da locitdadi real de medicina e da acade-
mia real de cirurgia de Franca, ele.
Desde 25 de fetereiro smente, est eite remedio s
renda no liio-de-Janeiro, e j ha numerosas provss de
sua effJcecia e aa pessoss, que o leem tomado, teem
obtido melborat, que oem mete de uso continuado doa
robe, etc. teem podido prodotir.
Esto charope, cura de um modo prompto e radical, ai
molestias secretas ou typbililicil, lejo recentes, ou
sotigas, bobas tecca e hmidas afleccdes da pella
e escorbtica, rbeumatiimo, gota dore as juntas,
csusidas pelo uso do mercurio etc.; be muito agra-
datel ao paladar e muilo promploem sus operacio. Pa-
ra as molestiaa msis antigs, 3a4garrafss, ao mais ,
sio precisas o psra ai recentes duts to batUnte.
Vende-e tmente no Ro-de-Joeiro, por Gontbiere
Romsn & Palmer, pbarmaeia ra dot Uuritet, o
81, p re o 4000 rs. a garrala ou 40,000 rt. a dutia.
=* Quem deitou um chapeo de chuta em 29 de
abril, no Corredor-do-Rispo o. 2, pode recebe-lo na
ra do Trapiche o. 16.
Aluga-se um excellenle moleque de 14 a 16
annoi moito intelligente e actito para qualquer tr-
rico ; na praca da Boa-Villa loja de cera n. 17.
--= Quem annunoiou preoisar de urna ama branca ,
dirija-oe ao largo do Carmo, teoda n. 1.
*> Jdlo Pinto de Lomos Jnior o sua senbora reti-
rle-ie para Lisboa.
Aioda est para alagar o armazem da cas n. 18,
no Reeife, por precocommodo e est todo ladrilhs-
do de pedra : a fallar no segundo andar da mesma
casa.
O padre mostr D. Francisco do Coracio de
Maris Csrdoso e Csstro subdito de S. M. Fidelissi-
ma retira-se para Lisboa no brigue portugus Tri-
Mmpkanle, letaodoem tut companhia um criado pre-
to, forro, de oome Firmino de Faria e Castro.
Franoiico Mtnoel Baptitta inbdito portugus ,
retira-te par Lisboa.
Pelo juizo do feitos da (renda se bio de arre-
matar os bent teguintes um litio com artoredot de
fructo caa de titenda em ebloi forerot a Jos Fer- prata rebalem-se sidos e ordensdos : oa rus do Ran-
nandes Eirai, sito na Psssagem-da-Msgdalena ata
liado em 1:200,9 rs. peohorado, por execuclo da fa-
lcada nacional contra Antonio de Souta Raogel -, um
balcio e armario de madeira de pinto ; 53 potes de
pedrs ; 80 tidros entre grandes e pequeos atalia-
doaem 88,560 rs. sendo ludo proprio para botica e
peohorado, por exeooflo da faieoda contra Beato Luiz
de Cartalho por seu procarador; orna casa na roa
da Nogueira n. 14, de renda annusl ataliada em
72,000 e pertencentea faxenda nacionsl.
= JoiSaponti mudou aso residencia, da ra do
Trapiche para a ra da Crus, n. 18. legundo andar.
nae, que jamis enconlre. Quando toase comecou a
aua historia, lembrei-me do titulo de um capitulo de
Itabelai, que tem dutida tota oonheoe, pois oonbece
ludo.....
Como PanUgrutl enotnlrou Panurgio? dtte o I-
taliano, riudo-ae.
He isso mesmo, replicn Leoncio, e agora crea
poder acabar a pbrase : O qual o ameu itda a sua vida.
Huilaa teiea me bio citado eae capitulo.; porque
todaa aa peaeoaa, que roe leem amado, me encontrarlo
debaixodea aeua pea. Mat, para lego, lenho hombreado
com ettct ooricoei, e al aubido cima daa cabrea de
algumaa deatat peaaoa, e nitto hoque eu iou um Pa-
nurgio de melhor raga, que o de Rebelis ;*ulo lenho
nem a iua cotardia, nem o aeu cyniamo, nem a ua glo-
tonera, nem a aua loquaodade, nem o aeu egoiamo ;
maa lenho de comroura oom elle a fineta do espirito e oa
acatos da fortuna. Seo Sr. me letar oomaigo por alguna
diaa, ter, que, participando doa coromodoa da aua vi-
da, diaao uto abuaarei um a ilutante. Quando eu jul-
ar, que he baalaoto (e protateloaenle deagoatar roe-
nei da tua tociadada, antea que o Sr. o etleja da minba),
ter, que o Sr. lar aaudade, e ba de aer quem me deta
gratidio.
._ Ha muito possirel, diaae Leoncio, rindo-te, an-
da que aobo-lhe oom Parnugio urna aetnelbance, que
voet renege, a baaofia.
__ Nlo, aenbor, etae l he fanfarrlo, que promette, e
nio cuiapre. Nio ae enfade por aasererar eu, que me
oansarei primeiro do que o Sr. da noaaa familiaridad.
Nlo aor o Sr. a cauaa, porque tejo na tua petaoa genio
e grandeta d'olma; maaoircomalanoaa exiemaa, inde-
pendentea da tontada dene ambo., a ooiedade, que ose
pode ditertir um intlanle, e em brete detagradar-rae,
oonttrangiroenlo de algum uao, a que taires so posta
subietar-ne por aa> oerto numero de horaa, algum
persontgom, que o oooleute, e curo quero eu .nlipatbi-
A commissio administrativa marcou o da de bo-
je pelat 5 horat da tarde para receber as propostai
de convidados para a partida de 16 dette mez; e ad
terle, que pistado o dia mtreado, nao admiltir pro-
posta alguma.
Tende-se acabado a sociedade que exiitia net-
ts praca com a firma Bnlli & Chatannes .= a
mesma cata paiss a gyrsr de boje em dianle debai-
xo da firma Eduardo Bolli o qual Gca enoarre-
gado da liquidacio do aetitoe panito da extiocta fir-
ma tem alteradlo alguma ao laco de estima e imi-
tado, ora existente entre o* dout tocios.
= Aluga-se o qusrtosndsr, com solio o cozinba
da rus da Cruz, no Reeife n. 40 : a Iratsr no pri-
meiro sndsr da mesms cas.
Preeits-ie de urna toalha de cimbris de linho ,
quesejs bordsda ricamente; quem tirer, annuncie.
= O Sr. que precisar de um mestre de primei-
rss lettrsi, gnmmatica portuguesa e francesa, dirija-te
a ra Non, armtxem de tristes, n, 67.
Precia-te alugar umt preta escrata que saibs
coriohsr, comprar e fazer todo o mais servico de urna
cata sendo de meia idade : na rus Isrga do Rozario ,
sobrsdodeum andar, n. 32.
= Preeiss-se de ums ama para o trrico interno de
urna casa de pouca familia e qae ssibs perfeitsmente
engommsr : na rus d Concordia entrando pela ra
Nota ladoetquerdo ultima caa antes de ehegar
a tratesis da mesma rus.
a Roga-ie aosSri. Jscinlbo Jos de Medeiros o
Jos de Almeida Muir, que Irabalblo em canoas de
conduzir sreis a faror de se dirigirem a ra Nora ,
n. 39 segundo andar, que se Ihet d<'sejs fallar a ne-
gocio de seas inlereiies, isto oestes 3 ou 4 das ; depois,
se obrera do outra maneira.
ata Precisa-ie de urna ama psrs o sertico interno
de urna cass, Portuguesa oa Brsiileira prefere-se,
sendo brenca, com tanto que justifique sus bos con-
ducs : quem esliver nestsscircumttsnciss, snnuncie.
0 abaixo assignado, tendo em o Diario de Per-
nambuco de 29 do correle, um annuncio, attignado
por Simplicio Xatier da Fonieea, relstitamente a pro-
la Mergarida. e para se nio faier negocio sobre ella.
por se schsr hypolbecsda por Candido Theodoro Ro-
drigues Pinto, declsra.que, tendo vendido a meima ea-
crata e urna cria com o pacto de rctro-rondendo, para
o memo Ihe pagar o seu valor no espapo de 5 mezes, e,
nio o fazendo,reverter ella com a mencionada cria para
o aeu poder, ocenrreo que nio lsie paga, e por isto o
abaixo aigndo tomou cont della, acbando-e j em
teu poder, e como auim nulla e de nenbum tigor he a
hypotbeca, que se diz exittir em a metma escrars. Per-
mmbuco, 29 de abril de 1846.
Jo&o Pinto de hemos Jnior.
Precita-se de urna ama pira casa de um homeni
tolteiro morador no Rio-Formoso, qao saiba eo-
zinhar o ordinario de nma caa eeogommir : na ra
di Cruz botica franceza ou annuncie.
Aluga-se itm armazem na travessa
da Madre de Dos, n. 5, por 8sfooo ria
mensaes.
Jos Gomes Villar retira-se psra Tora do imperio,
a tratar da aua saude.
Precisa-se alugar urna prett sem tioios, para
tender diariamente na ra ; quem titer, aonuneie.
Precisa-se de um caixeiro para renda de idsde
de 20 snnos pouco msis ou meuos que tenue pla-
tica, e saibs bem etereter e contar : ns rus Nots, ten-
d n. 65.
D-sa dinbeiro a jaros eom penhores de ouro a
arrastre a um noto aspecto de oouaaa, ato ou aqullo
moobrigaradexa-lo. Maa o Sr. nio aewirergiinhar
de me hater condecido, o o nomo de Teterino nunca
Ihe aera odioao, eu Ih'o juro.
Cotillee, que o Sr. me nlo engaa, anda qiie a
im inconstancia me aterre. Forem, oufa, pode o Sr.
obrigar-ae a tiver viole e quatro horaa como eu,
iranaformar-to da cabrea at oa pea, moralmenle fallan-
do, em hornera de qnalidade, comoj ooal material-
mente?
Nada me aer mait fcil; terei tio bella manei-
ra, lio nobre porte como o aenbor ; porque, nesta ho-
ra, que temoa catado junios, lenho enlodado completo-
mente. Alm de que, nlo lenho eu vivido em sociedade
e parda nobreta, quando es meus tlenlos me fatuo
procurado ? Creia-nie, que, se eu quisesse adoptar um
maneira de rver uniforme, pritar-roe de cmoccs vi-
vas, abaler-rae de me arruinar em um dia e de deixar
orna marquesa para correr apa urna cigana, to eu qui-
taste, emfim, arranjar-me, como se costuraa diier,
anbji'itar-me exigencia, deiiar-me atormentar pela
ambicio, infligir i minlia vaidade lodos oa aopplicloa
da vaidade ciea, aoffrer oa capricho do grandee pre-
judiearo meus competidor, para etttbeleeer a minba
fortuna e replselo, leria feito como lantoa outroa, que
entrarlo no mundo pela porta peqoena doa artittaa, e,
chegando, por ana ret, a aer grandea, tirio ante ai li-
berta a grande, de par em par. Nada me teria tido maia
faoil, e ella metma facilidade fai, queme desgoslou.
Cont, por Unto, com o raen (entntenlo do decoro, em
quinto as aua conveniencia me convierera, ialo he,
durante tinte e quatro hora, termo, -que posso ac-
oeitar.
Neste oato tai o enhor panar por um dos meu
amigos, que acabo de encontrar, horborsando ou pbi-
lotophandu na raonlanha, e como lal aera apreaenlado
.. 37.
Aluga-se metade do primeiro andar do sobrsdo
da ruadoUangel, o. 11, com commodos sufOcieoles
psra pouc familia ou mesmo psri algum seohorsd-
togailo, por ter a eotrada independente: a tratar na tan-
da do mesmo sobrado.
= Precita-te de um preto psra o sertico da css ;
no Aterro-da-Koi-Viata n. 36.
Precisa-te de um official de barbeiro ; em Fra-
de-Portas, tenda de Joaquim Jos Moreirs. Na met-
ma tend ilugio-se bichas hamburgus, e tambem se
apnlicio.
AO PUBLICO.
Eoioio-e menina com toda a porfeiglo a sa-
ber : priinetrss lettras, grammatica portugueza, arith
mlica doutrio cbriiti coser, marear e farer la-
tarinto, por preco muito commodo ; tambem se en-
soio meninos tsnto em particular como em auas
citas: quem disto se quiser uliltssr dirijt-se a ra
do Palscete, n. 7, que schsr com quem trstar. Ad-
verte-te que os innuneios interidos nos Diario* ni.
90, 91 e 92, to oo Palacete n. 7 e nlo n. 27 to-
bre eotinos de meninas e meninos.
O sbiixo aisignsdo a ti, por meio leste annun-
cio, ao lllni. Sr. Bento Jote Aire Vitnoa, morador em
Campia-Grande, queieachio em mo do annunci-
ante duas lettras tencidas, sendo indosssdss pelo Sr. sen
mano, Antonio Altes Vianna, sendo cada urna lettra
dotalorders. 1:333i',YSS : ecomo o absixo sssigssdo
tanhs escrito i inmensas cartas, tanto ao scoeitaole, como
ao indutiinte, sem que neuhum dos meocionsdoi te-
nba respondido ao aonunciante, por isto recorre, por
ette meio, ao dito Sr., a fim de que Ihe maodem, ou
tenhlo pagar quaotosotes. Reeife, 2 desali de 1846.
Jote Diae da Silva.
Os ablixo signado pirtioipio, pelo presente, ao
publico que, leodo acabado hontem amigatelmen-
te a (ooiedade queesiitia netta cidade com a firma
Nascimento Schaeller & Companhia por se que-
rer retirsr para a Europa por motivoa de molestias o
Sr. E. Schaefler, a mesma caa paasa a gyrar, de hoja
em diante, debaixo da firma de Nascimento & Amorim,
que ficio encarregidos da liquidacio da extiocta firma,
e obrigadoa a pagar todo o pttsivo bem como a re-
ceber o actito. =Ueoile, primeiro de mtio de 1846.
Manotl do Naicimento Pereira, B. Scnoefler.
Antonio Marques de Amorim.
Precita-so alugar urna ou duis caoois de con-
duzir agoa em bom estado ; quem as tiver, dirija-so
a ra dat Lirangeini, cata di aferico o. 29.
= Roga-ie ao Sr. Antonio, que foi caixeiro do
Sr. Novaes, o favor de declarar a iua morada ou di-
rigir-te e ra da' Praia armaiem o. 7 tobre umss
cartas e de negocio que bs com o metmo. No mesmo
srmazem se tendem meios desoa da malta, e cal bran-
ca por preco commodo.
asa Oflerece-se uma mulher para tmi deleite, com
15 das de parida, de muito bom leile, e tem filhot, es-
pst de der conta de um menino, por ser muito zelosa :
ns ra dos Marlyriot, o. 1.
Msnoel Pereira Teixeirt embarca para os porto
do Sul do imperio o seu esersto Fraocitco, Africano.
aa Aluglo-se os segundo e lerceiro andares da esta
ds rus do Queimsdo, n. 17: a Iratsr na loja da mesma
caa.
= Perderlo-te duat a pol ices do thesouro de ns.
20 e 21 de quintia de 4004 rs. esda uma recebidss
ns Ibesoursris desta provincis, e anides ss mesmss
dous conhecimenlo tendo um da quantia de 60f rs.
e oulro de Mi n. dadat em ptgameoto dittt apoll-
es a Jote Antooio de Oliteira a quem perteocem.
- Aluga-ie o primeiro andr da casan. 7, dt ra
da Moeda : a tratar oa meama casi.
te, tira
ora, ua v uuuisHw, ww. .,- -------r.----- ------,--------------------------.---------- -
capricho, eran ai, do nteu fenio volutel, que moa uma bella dama, oom quem vauo ter, e que o ennor
conservar no engao, at que eu Ihe peca, que o a-
oabe.
Nlo posso obrgar-me a cite ajuste ; catara aem-
pre disposiclo do aeu capricho, a islo gelar-me-hia o
genio. Estarooa contratad por vinio e quatro hora,
nem maia nem meti, o lie neceatario, qn o juramen-
to sejn reciprooo. Nio rou mais longe, te o enhor me
nlo der a aoa patarra de honra de me nlo tirar a mal-
eara antea d'aroanhia as duaa horaa da tarde; porque ve-
jo, pelo sol, que eitamo a eo hora, pouco maia oa
mono ; aaaim oom da ninh.i parle o auloriao, ae me ou
trabir ante da ctpracio do contrato, a me tornir a por
n no ligo, onde me acboti.
Etl tratado aob noa palatra de honra, disee Le-
oncio.
Tomando por tra do boiquetiuho, onde esltra abri-
gada a carruagem, Leoncio e Teveriuu oenaeguirio tor-
nar a por a mala rm leu lugar, tem aereni valo.
Dcixt-me ir explorar o campo, e euore-me, diste
Leoncio.
Maa, quando elle ae pnnha oaroinho, rio, que ae di-
riga para elle Magdalena luda etbaforida, ecarregaodo
a rede.
Sua alleta o espera, e muilo te impacienta, dista
ella; encarregoume da o procurar, edediter a V. ae-
nhoria, que ella ae aborrece conaideravalmente. Ahi
tero, l alraressa a pingela Eu vou por uto na cir-
ruagem.
Leonoio oorreo a offereoer a mo Sabina, tem Ihe
dar cuidado, que Magdalena encontrado Teverino, e
aca ao lembrar, que ella poda muito bem ter j tillo
vaguear pelo pait etae vagabundo. O acaao como qua
ervio ao aeu projecto; porque, apenaa havia elle pre-
venido Sabina de que tinha de apreaentar-lhe um ami-
go, que Teverino tahio do boaque,tegudode longe pe-
la peaaarinheira, que, curiota, o mirata, e ptreoia v-lo
pela primeira re.
[Centinuar-to-hai.



Oflerece-se umi ama parda com muito bem leite
para criar ; na travessa do Caldeireiro, o. 1.
- = (Jaem annuociou querer comprar uma toalha de
cambraia de liobo muito fia e ricamente bordada
dirija-so a ra da Cadeia do Recife loja o. 31.
= Na ra de Agoas-Verdes, o. l!, se dit quom di
dinbeiro a premio sobre penliores de ouro mesmo em
pequeas porges.
m Precisa-ie de um leitor para um engenho distan-
te desta praca 16 legoas ; oa ra do Queimado n. 27,
ae dir quem preciso.
Aluga-seutn preto que seje fiel para o ser-
vico de uma casa, pagando-se-lbe 14,000 mensaes ;
na ra do Aragio, n. 12.
= Precisa-se alogar um preto para andar vendando
fazendas; na roa Nova, n. 21.
Jos Disida Silva embarea para o Rio-de-Janei-
ro a la ascrava Geltrudes crioula.
Alugio-se duas pretas ou dous moleques para
o servico interior de uma casa, e iito meosalmente ;
na ra do Caldeireiro n. 9.
O Sr. Tbeophilo Jos Lomos baja de, no prazo de
3 diaa, vir resgatar o penhor que tem na ra do Rsn-
gel n. 37 ; do contrario ser vendido.
Arrenda-ae o envendo Boa-Espeian(a oa (re
guetia do Cabo : a tratar na ra do Queimado, o. 19.
Aluga-ae uma casa terrea na ra do Padre Fio-
nano que laz esquina para o berro do Serigado, com
duas salas, 2 quarlos, co/inha (ora, cacimba meieira ,
e rio tem quintal : a tratar na ra da Cadeia do Re-
cife n. 26.
- Na Iravessa do Veras, sobrado n. 15 precisa-
se de um feitor para um sitio perto desla praca.
A
Compras.
Compra-se dinbeiro de cobre verilbs-lunda ; no
principio do Alerro-dos-Alogsdus primeira padaria,
n. 37.
ComprSo-se, para fura da provinoia esoravosde
ambos os seos, du 14 a 20 annos com habilidades,
ou sem ellas; sendo de bonitas figuras, pago-se bem :
na ra das Crurea, n. 22, segundo andar.
Comprio-se 6 pos de (ructa-pao ; quem tiver,
. tnnuueie.
Compra-se uma venda bem afreguerada e que
seja situada em ra de bastante passagem de matulos;
na ra de S. Rita n. 85.
a* Compra-se ouro sem feitio ; na ra do Bangel,
o. 37.
Comprio-se, para (era da provincia esclavos de
ambos os seos de 13 a 20 annoa ; sendo de bonitas
(guras, pego-so Imm : na ra da Cadeia de S. Anto-
nio, sobrado de um andar de veranda de pao n. 20.
= Compro-se 2.escravos um pedreiro e outro car-
pina para uma encommenda do Rio Grande-do-Sul;
na ra do Collegio armaiem o. 19.
I_________ ------------- -
Vendas.
= Vendem-se sacras para altar ; na praca da Inde-
pendencia linaria ns. 6 e 8.
A' PECHINCHA f
Vendj-u uma rica toalha de bonito lavsrinto ; na
ra Velba, n. 101.
Vende-se verde (rancez em p da primeira, se-
gunda e terceira qualidades, por preco commodo ; na
ra da Cruz, n. 48.
=Vendem-se diversas obras de ouro com riquissi-
mos brilbantes, comosejo : uma cruz, dous anneloes,
um frontim um al finlo de peito ludo de bom ges-
to para as pessoas do grande lom ; um correntio de ou-
ro ; todas estas obras se venders sem feitio : na ra
estreita do Rozario, n. 30, segundo andar.
= Vende-se uma negrinba de 5 annos, de boni-
no (gura ; na ra da Cruz, no Recife n. 43
Anda reslao alguns dos lindos cor-
tes de cassa com listra de seda e de baraje,
assim como acha-se recenlemente chega-
do um bello sortimento de cortes de vellu-
do para collete; lencos de setim e de gur-
guro para grvala; chapeos de sol de
seda, inglezes, cabo de ferro e de supe-
rior (nulidade; e ptimos oleados para
mcio de sala: os bons compradores diri-
jao-se ra Nova, d. ra.
= Vende-ae assoalho do louro o costado de ama-
relio ; um bote inglex com 4 remos e velas ; um guar-
da-louca um guarda-roupa j uma correte de ouro
pararelogio: na ra da Malrix da Boa-Viata n. 33,
segundo andar.
Veode-se a quinta parte da can da roa do Quei-
mado o. 8, de 3 andares, pelo diminuto preco da
evaliacao do juio ; na ra da Aurora n. 56 segun-
do andar das 7 as 9 boras da maohia, e das 3 as 6 da
tarde.
= Veode-se um preto de naci, boa Ggura, e mui-
to possante para qualquer servico be bom carregador
de palaoquim e gaohador; atrs da matriz da Boa-
\ isla n. 22.
= Vende-se um terreno na ra do Sebo da Boa-Via-
ta coa)40 palmos de frente e 150 de fundo ; na
ra do Bangel, n. 60.
\ eodeoa-te 6 eacravos pecas para o trabalho de
campo e da praca ; um dito bom oflicial de carpina e
carreiro ; um mulatinho de 16 anoos, bom pagem ;
duaa scravas com boaa habilidades ; orna moleca de
15 annos, boa para ser educada por ser recolbida :
na roa do Crespo, n. 10, primeiro andar.
= Vende-se um escravo de 24 annos, muito re-
forjado e de bonita Ggura perfeilo carreiro, bom tra-
Laiaiior de machado e uute ; uma bonita escrsra, de
16 a 18 anoos perfeita mucama eogomum, cose e
las renda ; urna mulata da 16 annos de boa figura ,
com algumas prendas ; uma negrinba e uma mulati-
nha um mulatinho bom pagem ; todos tres de 12
anoos: na ra larga do Rozario, n. 24, primeiro an-
dar.
MUITO BARATO I
Na ra Nova, o. 18, foja de Manoel do Amparo Ca-
la, vendem-se, pelo diminuto preco de 26,000 rt.
lellmi elsticos ; dito* bordadoa. a 18,000 ris;
ditos ordinarios, a 8000 ra. ; mantas para aa meamos
reguos para hornean a 5000 r*. ; botina da lustro a
7000 rs. ; ditos de bezerro a 8000 ra.; sapatos de
beierro a 2000 rs.; ditos de lastro para meninos, a
1800 rs. ; ditos para meninas a 1000 ra.; ditos de se-
tim para seohora, a 1600 ra.; chales de seda para te-
nhora a 12,000 ra. ; ditos de lia a 4500 rs.; ditos
mais pequeos a 3600 rs. todos de diflerentes cu-
res ; lencos de vapor, a 800 rs.; luvas de pellica para
iioinem a 1000 rs. ; ditas compridas,-a 1200 ra.;
meias de seda para aenbora ; fitas de aeda para cinto ,
a 500 rs. a vara ; ramos de muito finas flores, a 1800
rs. ; plumea de pennas finas azues e brancas, a 800
rs. ; ditas braneaa e cor de roza a 2600. rs.; marro
quim amarrello, a 1200 ra. verde, romo e encarna
do, albOOrs. ; bunecras francezaa a 240 rs.; gar-
rafas finas para vinbo a 3000 rs.; ditas lisas a2500
ra. ; copos para champagne a 400 ra.; mangas de
vidrocom imagen* pequeas, a 2000 n.; imagen;
crucificadas de metal, a 3000 rs. ; ditas pequeas
a 1600 re. ; ti ote i ros de vidro muito ricos, a 1600
rs.; travessas de tartaruga para marraa a 1000 rs.
o par: estas fazendas voltario da Babia, e para as aca-
bar annunciio-se por estas diminutos procos, por que, a
vista daa suas qualidades, oa pretendeotes aa comprard
iofallivelmente. Na mesma loja a um completo sorti-
mento de obraa feitas como todas as qualidades de fa-
zendas para se farerem.
13* ATTENCAO', QUE HE BARATO \^rg
Vendem-se, e alugio-se as melbores bichas de
llamburgo por preco commodo ; assim como de Lis-
boa a 12,000 rs. o cento e slugo-se a 240 rs. ca-
da uma; as boas navalbas de ago de Millo, as mais
superiores, que se teem coohecido; estas navalhasjlevio a
vantagem a estas chamadas navalbas -de ac da Cbioa ;
assim oomo boas lancetas feitas pelo melbor e maia
babil autor que ae tem coohecido : na roa da Cruz ,
no Recife n. 43.
- Vendem-se bicos de fil de linho muito lindos
e de todas aa larguras; peonas de escrever, de superior
qualidade; resmas de papel almsco; ditas de peso;
potes de tinta de escrever, mscinbos de phospboros
americanos; tudo por preco barato : na praca da In-
dependencia, loja n. 4.
= Vende-se um par dd*brincos de brilbantes com
7 quilates 3 anneis de ouro esmaltados com 3 bri-
lbantes cada um um bolio de brilbantes, tudo de
gosto moderno vindo ltimamente de Lisboa por
prego commodo : oa ra do Queimado n. 1.
= Vende-se uma venda a dinbeiro ou a prazo, em
muito bom local sendo um dos melbores armazena ,
que ba na ra da Cruz, no Recife n. 62 ; vende-se
esta venda porque seu dono quer ir tratar de sua sau-
de ; a tratar na mesma venda.
= Vendem-se 5 escravos sendo: um moleque de
naci, de muita bonita figura de 17 annos; duas
pardas urna cose, cozioha, eagomma, e faz renda, de
idade de 22 annos, e a oulra de 17 annos, de boni-
ta figura; duas pretas boas cotinheiras e engomtcadei-
ras: no paleo da matriz de S. Antonio n. 4, segundo
indar.
= Vende-se cera amarolla da melbor qualidade pos-
sivd em porgad, ou a retalbo ; oa ra da Praia ,
armazam n. 18.
Vende-so uma eserava crioula sem vicios cote
chao ; tem principios de engommar e lava sofTrivel ,
de idade de 23 a 24 aooos : oa ra Nova, venda ao p
da ponte, n. 71.
-Vende-se uma negrinba crioula, de 16 annoa,
propria para todo o aervifo ; na ra da Praia arma-
zem n. 18, das 8 as 9 lloras da maobi e de urna as
duas da trade.
*$ Vende se a mui galante e deli-
jjg cada flor perpetua, vinda da
* Europa, propria para enfeites de
n cabera de senboras servindo ella
t tambem para ornamento de salas,
|| em seus devidos vasos : na ra da
rt* Cada loja n. 7, de Gucdes &
$ Mello.
vM^^& tmmmmwt,
= Vende-se uma mulata, de 16 annoa, de muito bo-
nita figura, um negro pega de 20 annos, proprio para
todo o servico, e uma negra, de 20 a 24 annos, boa en-
gommadeira, lavadeira, renden a e cozinbeira : na ra
da Cadeia do bairro de S.-Antonio, o. 25.
=Vendem-se dous pretos de boas figuras, um pro-
prio para todo o servico e o outro ptimo canoeiro ,
e pescador de rede ; uma negrinba de 11 anooa, com
principio de costura : na ra larga do Rosario venda
da esquina n 39.
Vende-se uma eserava moca de bonita figura ,
sem vicios nem achaques engomma bem e corinba ; a
vista do comprador se dir o motivo da venda: na ra
do Crespo o 4, loja da esquina que vira para a
cadeia.
= Vende-se um troceo
Boa-Vista, o. 14.
Vende-se sal de Lisboa e do Ass
des e pequeas porfdes ; oa roa da Moeda ,
o. 7.
RAPE' NOVO-LISBOA.
He ebegado, ba pouco, a estacidade, vindo do Rio-
de-Janeiro,o escolente e bem apreciado rap Princesa
Novo-Lisboa, oqual se acba a veoda: em porgos oa
ruada Cadeia-Velba, armazem n. 12; e a retalbo oa
mesma ra, naa lojas dos Srs. Vas & Borges, e Abreu;
na lu* do Crespo, Antonio Domingos Ferreira; na doa
Quarteis, Victorino de Castro Moura e Victorino &
Giiimaries.
Vende-aa um par de diccionarioa franceses, ao-
vo por proco couiiirodu ; ua ruada Cadeis-Velba,
n. 13, terceiro andar.
= Veode-se um cavado d bonita figura carrega-
dor por preco commodo ; no Aterro da-Boa-Vista
n.36.
c= Vendem-se 17 escravos, chagadoa prximamente;
do Araeaty,sendo 6 pretos, da 18 a 22 anoos, dos quaes
um be padeiro ; 4 pardos, de 18 a 22 anoos, sendo 2
csrreiros; 2 pardas, de 18 annos, lavio e cosem ; 2
pretas de 18 annos lavio e cosem cbio ; 1 mulati-
nba, da 12 annos; 1 mulatinho, de 10 anuos ; 1 par-
do, de 40 annoa por 300g rs. ; todo* de bonitas fi-
ama por prego commodo : ni ra da Cruz, arma-
zem n. 61, a (aliar com Jos Francisco da Silva.
=Vende-se sseite de carrapato a 1920 rs. a caa-
da e a retalbo ; na ra da Alegra n. 12. Na mes-
ma cala precisa-se de duas pretas ou moleques para
venderem azeite.
= Na roa do Baogel, n. 11, aioda ba para ven-
derem-se 4 pares de brincos de gosto para senhora 4
ditos para meninas, cordoes^ trancelins, anneloes, me-
dalbas para seohora 3 relogios de ouro e 2 oaias
de praia para rap e oulras multas obras das j aonuor
ciadas ; pratoa a 880 ra. a dozia ; caeticeea d vidro,
a 1440 rs. o par; queijos, a 960 rs.; paios, a 280rs.;
orinoes a 240 e 320 rs. ; a oalros amitos objectos de
veoda por preco commodo.
- Vendem-se varios escravo* de 13 a 20 annos
com habilidades a de bonitas finaras: atrs da ma-
triz de S. Antonio 0. 16. primeiro andar.
BATATAS.
Vendem-se noa rmaseos da Bacelar a de Guima-
riea defronte da eseadinha da alfandega a 640 rs.
esda gigo de boa qualidade.
Veode-ae oleo de cupabiba, em garraoet, mui-
to vellio ; taboado de amarello de forro e eostadioho,
com quasi 3 palmos de largura, e da louro para assoa-
lho, serrado ha ais de anoo: a fallar com M. D. Ro
drigues na roa do Trapicho o. 26.
Vendem-se superiores cassas chitas
de listras, de muito modernos gostos, e
cores fixas, pelo muito barato preco de
3$'4oo rs. o corle de seis varas; cam-
braias abertas com listras de cores rai-
nha Victoria, a 7/5oo; e outras militas fa-
zendas por procos comniodos : na ra do
Crespo, loja de Campos & Maia.
= Vendem-se 26 travs de louro com um palmo
em quadrodegrossura e 25 a 36 ditos de compri-
menio, por prego commodo ; na ra da Moeda, n. 15.
Vende-se vinagre tinto a 45,000 rs.a pipa ; di-
to branco a 35,000 rs. dita : na ra Imperial n. 7.
Livrinhos das Santas Misscs.
Vende-se, por quatro vintens, o livri-
nho das Santas Missoes, com o regula-
mento para ser santo feito pelo reve-
rendo padre prefeito da Penha : na praca
da Independencia, livraria ns. 6 e8.
<- Vende-se vinagre branco
nacional, a 400 rs. a caada ve*
llia: na fabrica da ra Imperial,
n. 7; ra Direita, h. 53, venda
de M. Miranda; no Aterro-da-
Boa-Vista, fabrica de licores de
Frederico Chaves; e na ra do
Trapiche, armazem de molhados
do Nicolle.
na ra atrs da matriz da
Vende-se, na ra da Cruz, n.
6o, armazem de Fernando Jos
Braguez, ra da Cadeia do Re-
cil'e, cera em velas, rece Inda
ltimamente de uma das melbo-
res fabricas do Rio de Janeiro,
e he de ptimo Sortimento, por
ser de tres at iG em libra e por
preco mais barato, do que em on-
| tra qualquer parte.
qualqusr cssa que as pretenda ver deixando o com-
petente peobor.
- Vendem-se 40 covados de muito boa tarja pret
portuguesa, a 2,f rs. o ovado; tambem te vende
pelo mesmo preco em cortes ; o diccionario de Moraes
da qaarta edicao por prego oomtqodo : na ra da
Cadeia do Recife loja da Jos Gomes Leal.
= Vendem-ae ricos cortes do vestidos de (tienda in-
diana imitando seda, o mais superior, qaetemappi-
recido, tanto pelos bonitos padroes, cores fizas e do omi-
ta duracio, como pelo diminuto preco de 3f rs. cada
corte; rieoa chalet de seda em ponto grande, fazenda
muito delicada; ditot mais pequeos tambem de bo
qualidade a8f rs,; caasa-chitas,padrdesmodernot.tSj
4 e 4500 rs. eadt corte; casimiras da muito boaqnai
I idade, o pelo preco da* 900 rs. o covado; dita* elsticas
e da duas larguras, as maia superiores, que teem vindo
a este mareado ; alpaca a 800 ra. o aovado, a maito su-
perior a IOO rs. ; um soriimeuto s:;oi;do de u,tu
de seda, pelo prego do lOj a 12 n.; meias de seda da
cores para hornera a 1*600 rs. o par; rico* cortes de
colletes de relindo decores, de 6 a 8j rs. cada corte-
ditos de teda a o e4# rs.; fusto de muito bonitos pa-
drSes a 800 rs. o corado; pannos para cima de meta
2j rs. cada um; meias pretas cartas de algodlo imitan-
do seda, a 320 rs. o par ; bonitos e moderaos cortes de
cana-princesa, por 4500 rs. o corte; calcinbas de maia
para meninos, a 800 re. opar;um sortimento eom-
pleto de fazendas pira caigas, e de outras moltis qua-
lidades de f'aiendas, que te venders moito emeontti
na ra do Crespo, loja nota o. 12, de Jos Josquim di
Silva Maia.
= Veode-se um ptimo earrinho de duas rodas, por
preco commodo ; na roa do Aragio, cocheira, o. 17.
Vende-te um preto crioulo de 23 toos d <*l
booitt figura muito bom otrreiro e canoeiro; oo^
Aterro-dt-Boa-Vitta loja da babut, n 65.
Vende-te pottssa americana, ltimamente cha-
nada am barril grandes e pequeo*; longos preto*.
de tedt da Iodit ; setim preto de Macfco ; velas de t-
permteete de 4, 5 e6 am libre ; eert amarell; |.
godio groso para saceos; tudo por preco commodo :
em caa de Matbeus Auatin* Se Compaohia na ra di
Alfandega-Velba o. 36.
Veode-te a botica da roa da Crux do Rocifo, o. 60,
com frente para a taeristia do Corpo Saoto : esta bo-
tica alm de estar em um bom loeal, eati bem ama-
jada de um tudo, a est no cato de servir para qual-
quer principiante porque tem pooeea (undot: quem
a pretender, di rija se a mesma a flm de ver tt gran-
des commodidtdes, tanto para armazenar aa drogas,
eomoa manaira, por que est tudo com todas aa propor-
edet alm de que, pira maior commodidade e taseio ,
tem uma caoimba no centra : a tratar aa ra da Ca-
i o. 40.
Champagne da marca C &c C, vin-
da no ultimo navio de Franca : vende-se
em porcoes e a retalbo, em casa de Me,
Galmon't & G.'
Escravos Fgidos.
em gran-
armazem
de panno tuwdfltiiunbidu de velludo, a 30001.; bor-1 gorts; sola escolhida; couro de cabra; e peanas de
No scriplorio de Lenoir Pu-
get & C, na ra da Cruz, ven-
de-se farinha SSSF de marca
verdadeira, chamada Ramo,
em pequeas e grandes por-
coes, a volitado dos comprado-
res.
Deposito de farinha.
No caes do Collegio armazem de porta larga ha
farinha de mandioca de S. Matbeus, e S. Csthari-
na prximamente cbegtdaa esto porto; e te veode
pela medida velba, por prego mais lavoravel do que em
outra qualquer parte e sendo em grandes porcoes,
mais lavoravel seri por haverem duas embarcaedes
venda : quem pretender dirijs-se ao mesmo arma-
zem que aera bem servido.
= Vendem-se moendas de ferro para engenhosde
sssucar, para vapor agoaebestas de diversos lma-
nnos, por- prepo commodo; e igualmente taitas de
fero coado e batido de todos oa tamanhos : na pre-
ga do Corpo Santo o. 11, em casa de Me. Calmoot &
Companhia ou nr ra de Apollo armazem, n. 6.
Vendem-ae 5 escravos, sendo: duascrioulas, de 30
tonos, engommio, cotinbioo diario de umacasa, cosem
e lavio de labio ; uma dita de nacao Costa, de 24 an-
nos ptima quitandeira ; um mulatioho de 17 ao,
oos, ptimo para pagem ; am dito de 22 annos, car-
oiceiro e canoeiro : oa ra das Cruzes, n. 22 se-
gundo andar.
- Vende-se muito boa leiha lijpiode adiiibo e
outras msis obraa ; na bem acreditada olaria do boc-
eo das barreiraa.
Gambrees, a 1^600 rs.
Na esquina da roa do Collegio loja do Patio, ven-
dem-se corles de calcas com 3 covidos e meio de gam-
breoes, t cinco ptttcst : esta fazenda be tecida a lia
algodao imitando as casimiras franaeaas modernas,
de quadros e listras : a sua qualidade torna-ae aaaai
recommeodsvel ptrt uso diario por sarem cores ei-
corat, propnai d estaeao presente torean muita eon-
ihlenoii, e nto dMboUrem S dr-*e-hIo atnoitrii af
= Contiouio a estar fgido, desde o dia 21 da
bii! de bo:S de brig'je Mtrtsr os escravos aaa-
rinhairoa de nornes: Jos de naci Gablo, repre-
senta 30 annoa estatura baila e barbado ; Manoel,
de oagao Congo representa 20 annoa baiio, e sem
barba : aquella foi escravo do cssal do coronel Bento
Jos da Costa e foi seductor do segundo e por isso
deve laber de todos o lugares da provinoia : rogase ,
por isso, a todas as autoridades policiaes, o capules de
campo a sua apprehenaio certosde que quem oa la-
var a bordo do dito brigue, oa a Amorim lrmaos, na
ra da Cadeia n. 45, aer gratificado generosamente,
Fugio, o mez atraaado, do armazem de farinha ,
no caes do Collegio, um pardo, de 15 a 16 annos, cor
macilenta, corpo fino, beicos groisos, sobraneeihss car-
regadas de nome Benedicto ; levou caigas e camisa
de riecado azul: quem o pegar, leve ao mesmo arma-
zem quesera generosamente gratificado.
= Dessppareceo no dia 25 de abril do 1846 do
Becife, um moleque de Angola de nome Andr, de
16 anoos, bsiio, corpo regular bem preto, olhos ps-
pudos; tem as pestaas reviradas, falla bem e ii.telli-
givel; tem o dedo do p direito muito torio para den-
tro ; levou camisa de algodiozinbo caicas de fusilo
preto chapeo de palba : quem o pegar, leve ao enge-
nho Peres, a Joto Cavalcanti de Souza Lelo que
bem recompensar.
= Koga-se aa autoridades polieiaet eipiliei da
campo ou outra qualquer petsot ptrticular. de tppre-
benderem um eterno, de nome Estevfio crioulo, que
desappareceo no da 23 do mes passado levando om
bilhete para procurar seobor nesta eidade : be bu-
tanto alto bem preto representa ter 26 a 28 anoos;
tem um dente de meos do lado superior um talbo oa
magia do rosto; levou camisa de slgodio da trra a
calcas do mesmo entroncado chapeo de palha : quem
o pegar, leve a ra da Praia n. 3S, que aera retom-
pensado.
= No dit 3 do correte ni occniio de embirer
pin o Rio-de Janeiro fu'gio o esenvo pirdo de no-
me Sevcrino, claro, cabellos cacheados, estatura alta;
levou calcos de gaoga azul, jaqaeta escura e chapeo
de palba : quem o pegar, leve a lea teohor Francis-
co Jote dt Costa morador na ra do Hospicio "i
imirellt que ser* recompensado.
Foglo, no dit 3 do corrate pela* 4 horas d
tarde um moleque de nome Fidelii, de 13 '' *
noi, blixo, reforcado do corpo, cor lula, e be crioulo :
roga-se as autoridades policiaea ou particulares o pegarem de levarem a Cinco-Pontat, o. 38 qoe
se rocompensar.
Desappareceo no dia 2 do correte um esen-
o de uuuie Joo, crioulo tura rrglsr crtr 'u'' '
rosto descarnado beicos grossos bocel grande, pou-
ct ou oenhuma barba, ps grandes ; e para melbor
ser coohecido tem uma pequea eicatrii no qoeizo, do
lado eaquerdo ; levou calcas de brim trincado '-
aa de madapolio chapeo de aeda : quem o pegar, lave
a ra da Praia, n. 51, que seri giocroesmente recom- ,
pensado.
PvHO. } fUTYr. DE M. F. OH
F.aiA 84 --'-'-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAEPPOIRO_WU2RHJ INGEST_TIME 2013-04-26T22:50:57Z PACKAGE AA00011611_08267
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES