Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08239


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-
Mil XXXVI. HUMERO 226
Por tres raezes adjuntados o$000.
Por tres mezes vencidos 6$000.
SABBADO 29 DE SETEDBRO DE 1868.
Por anno adiantado 19$000
Porte franco para o subscritor.
PARTIDA UUSCUKKLlb.
NC4RREGAD0S DA. SUBSCRIPCAO DO NORTE Olinda todos os das as 9 1/2 horas do dia.
IguarJss, Goianna e- Parahiba as segunaas
Parahiba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;]6 s'.Vnlo.Tefcrros.Bonito, Caruar, Altinhoe
Natal, oSr. Antonio Marques da Silva; Aracaty.o Garanhuns as trras feiras.
Sr. A. de Lemo3 Braga; Cera, o Sr. J.Jos de Ol- Pao d'Alho, Nazreth.Limoeiro, Brejo, Pes-
veira; Uaranhao, o Sr. ManoeUose MartinsRibei r6"8,1"^'*^
' 1. Oricury e Exu nasquartas-eiras.
ro Guiroaraes; Piauhy, o Sr. Joao Fernandes do Cabo.Serinhem, RioFormoso.Una.Barreiros.
Moraes Jnior; Para, o Sr. Justino J. Ramos; AguaPrela, Pimenteiras eNatalquintasfeiras.
Amazonas, o Sr. Jeronymo da Cosa. (Todos os correios partem aslO horasda manhaa.
EPHEMERIDES DO MEZ DE SETEMBRO.
8 Quarto minguante as 8 horas e 47 minutos
damanhaa.
15 La nova as 3 horas e 49 minutos da manhaa
21 Quarto crescente as 9 horas e 5 minutos da
tarde.
29 Luacheia as 11 horas e 20 minutos da tarde.
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro as 4 horas e5i minutos da manhaa.
Secundo as 4 horas e 30 minutos da tarde.
AUDINEC1AS DOS TRIBNAESDA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relacao : tercas feiras e sabbados.
Fazenda: tercas, quintas e sabbados as 10 horas
Juizo do commercio : quartas ao meio dia.
Dito de orphaos: tercas e sextas as 10 horas.
Priraeir* vara do civil: tercas e sextas ao meio di8
Segunda varado civel; quartas e sabbados a uma
hora da tarde.
DAS DA SEMANA.
24 Segunda. Nossn Senhora das Mcrcs.
25 Terca. S. Firmino b. m.; S. Nionizia v. m.
26 Quarta. Ss. Cypriano e Justina mu.
27 Quinta. Ss. Cosme e Damio irmos mm.
28 Sexta. S. Wenceslao duque; S. Salomob.
29 Sabbado. S. Miguel Archaujo ; S. Fraterno.
30 Domingo. S Jeronymo b. dout. da igreja.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPgO NO SL.
Alagoas, o Sr. Claudino Falcao Dias; Babia,
3r. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, o S?,
Joo Pereira Martins.
EM PERNAMBUCO.
O proprietario do diario Manoel Figueiroa de
Faria.na sua livraria praca da Independencia DI
6e8.
PARTE OFFICIAL
lo q. 1,082 de 1S ue agosto ultimo, esolve lixar
pelo modo estabelecido na tabella junta o nume-
ro do eleitores que deve dar cada uma das fre-
guezias desta provincia as eleicoes, a quo se
Governo da provincia.
EXPEDIENTE DO DI.V 27 DE SETEMBnO DE 1860.
Portaria.-O presidente da provincia, en. ob-jlem de proceder para a prxima vindoura legis-
servancia do disposto no 10 art. 1. do dccre-[ latura.
Tabella demonstrativa do numero de eleitores que deve dar
cada parochia desta provincia para a legislatura prxima
vindoura na conformidade do disposto nos lOell, art.
1 do decreto n. 1082 de 18 de agosto de 18G0.
t

U* .
ir.
t/5
O -^
H- --
U c
es fc-
H-
rr.
FREGULZIAS.
. i -i * 55 '
humero dos cxdados ? a 5- -.-2 s>
qualificadosnos an ? *
nos abai.rodeclarados. "S-2
*| os C fc. **
ts /.
1857 1858 1859 t s g s C3 >-5 s .~ > O 0 < -3 =_^
O
es
S. Fci Pedro Gonralves do Kecifc...........
Santo Antn io...'.............................
S.Jos.......................................
S. S. Sacramento da Boa-Vista..............
\ossa Senhora da Paz dos Afogadosw......
Nossa Senhora do Poco da Panella...........
Nossa Senhora do Rosario da Varzea........
S. Lourenco da Malta.........................
Sanio Amaro de Jabeado....................
Nossa Senhora do Rosario de Muribcca......
Divino Espirito Santo do Po-d'Alho........
Nossa Senhora da Gloria do Goit............
Nossa Senhora da Luz.......................
c
r.
o
ir.
Nossa Senhora da Conceifo de Nazaietli .
Santo Antonio de Tracunhaem.....
Nossa Senhora do Rosario de Goianna (I).
Nossa Senhora do O' de Goianna.....
S. Salvador da S..........
S. Pedro Marlyr de Olinda.......
Nossa Senhora dos Prazeres de Maranguap..
S. S. Cosme e Damiao........
Nossa Senhora da Conceico de Itamarac .
Nossa Senhora do Desterro de I tamb .
S. Lourenco de Tojucupnpo.....
Nossa Senhora da Assumprlo do Limoeiro...
Sanl'Anna do Bom-Jardim.......
Santo Amaro de Taquariting-i......
707 733 759
955 886 916
1009 99 795
1670 1677 1676
752 838 951
718 592 602
523 58 i 621
1806 lf5 1814 813
881
1356 1346 1337
861 857 815
773 703 789
2d
38
23
38
15
21
13
23
19
2'
3
19
14
2773,
1442
2i00
*-
398
942'
604
2053
722,
1533
806
1189
989,
1941 2272
1450 1466
2181 2309
589 517
919 903
653 671
2062
723
168" 1628
836 826
1167 1163
1616 __
940
37
26
48
15
20
11
38
14
27
19
45
43
II
o
es.

U
es
w
Sauto Antonio dn Gibo......
S. Miguel de Ipnjuca ....:..
Sanio Ando..........
N. Senhora di Lscada......
N Senhora da Conceico de Serinlilem.
N. Senhora da Conceico do Rio Formoso
S. Gonralo de Una........
S. Miguel de Barreiroa (2).....
S. los de Agna-Pret.a (3).....
1818
1651
2743
171
2098
18S8
1566
2776
1760
1795
1230
987
o
fr-
es
-<
o
Nossa Senhora da Conceico de Caruar .
S. Caetano da Rapoza (4).......
Nossa Senhora do O' do Allinho .
Nossa Senhora da Conceieo uo Quipap (5) .
Nossa Senhora da Conceico do Bonito (6). .
S. Jos dos Rezorros.........
SaiifAnna de Grvala........
Santo Antonio de Garanhuns (7).....
Jess, Maria e Jos de Papacara ; .
S. Bento.......'......
S. Flix do Buique.........
Nossa Senhora da Conceigode Agoas-Bellas
1131
3149
2508
1281
2939
1239
1165
8174
2U0
1068
893
1957
1236
9
2180
1772
2863
1336
1607
1410
1316
50
25
49
31
32
30
22
21
19
conservar o corpo de expedicao ruesmo somente
al decorrer o termo contratado de seis mezes.
Entretanto tambero liveram lugar ltimamente,
na parte de nord-oueste da Turqua Europea, na
Herzogevina, excessos do fanatismo mahometa-
no, segundo se diz provocados por agentes da
poltica prussa, a qual ao lado da intervenco
franceza na Syria, muilo desejaria uma interven-
cao russa nos paizes danubianos da Turqua. As
primeiras noticias algora recebidas, e como de
costume exageradas, deixam rom tudo ver que os
excessos se limitarnra sobre um terreno mu es-
trello, e que as influencias exteriores nao pode-
rain anda chamar em vida scenus la Syrie.
Tambero, segundo dizem, as autoridades (urcas
interveram immediatamente, e espera-se na Her-
zogevina o grao-vizir, o qual continua anda a
sua viagem de inspcci;5o na Turqua europea,
procedendo com grande rigor contra todos que
se tornaram culpaveis de arbitrariedades e vio-
lencias contra oschristos. Porisso essas occurrtn-
cias nao diio motivo para receios pelo momento,
apezar de que a Russia em consecuencia dos
mesmos mandou um corpo d'exercito approxi-
raar-se do Pruth, para, como fez declarar pelos
l seus representantes as cortes das grandes po-
I lencias, se segurar contra os progressos do even-
| lual roropimento d'um movimento ; mas na ver-
; dade provavelmente para estar prorapla para to-
das as eventualidades. Nao se sabe anda como
as grandes potencias consideravam essas particu-
lares medidas de cautclla da Russia ; em primei-
I ro lugar porem ellas sserviram para excitar to-
da a energa da Porta, afim de se (ornar senho-
ra de todas as tentativas eventoaes d'iusurreicao
no seu paiz, e previnir a renovado das carnija-
: rias da Syria na Turqua europea.
Mais inminente em lodo o caso para o proxi-
mo futuro o perigo de guerra que ameaca na
~^ Italia. Finalmente e eTectivamente leve lugar
|! em 19 de agosto o desembarque de Garibaldi no
^' i continente Napolitano com um corpo maior, e os
1 quinze dias que desde ento decorreram, basta-
raro para plenamente justificar os mais serios
receios da futura sorte da dynastia Bourbona.
Apenas em Ierra, Garibaldi lorou Reggio, bateu
as tropas Reaes em tres pontos, obrigou duas
brigadas sob o commando de Brigandi e Melcndz,
da torca de 9 mil homens se renderem. e se
tornou senhor da Calabria dentro de urna sema-
na. Ao mesmo lempo a insurrreigao rebentou
em difl'erentes partes do continente napolitano,
ora subjugando os autoridades, ora sendo per
ellas apoiada, e org3nisou-se militarmente, ao
mesmo lempo que as tropas reaes recusaram
marchar contra os rebeldes. Mesmo os regimen-
inentos estrangeiros se mostraran) incertos e in-
fectados da demoralisacao, que j tao triste-
mente se havia manifestado entre as tropas na-
cionacs na Sicilia.
Um despacho telegrophico que recebemos ha
pouco quer at seber da propria dissolucf.o das
tropas eslrangeiras collocadas cm Salerno, em
24
38
26
56
23
21
g
27
56
39
40
32
15
30
17
57
21
41
27
45
54
17
62
38
74
45
41
33
21
29
cado huntem, acerca da receita e despeza do dido com as potencias signatarias da IraUdo de
estado flustriatico mostra que no anno financei- Pars, como lambem da qoestao de Saboia e Ni-
r dC Val em- co.nse(luenc'a a guerra Italia i ce, a cujo respeito declarou Sua Magesladc que
na, o dcQcit attingio a enorme somma de 275. lerao lugar negociagoes tendentes a assegur'ar,
milhoes de florins. Se se calcula que a parte em conformidade do espiito e da lettra do trata-
da Lombardia perdida pela guerra dava uma re- do do Vienna de 1815, a ncutralidade e a inde-
ceita annual de mais de 12 milhoes' de florins, pendencia da Confederaco Helvtica. Referin-
representando assim para as finanzas do impe- do-se aos acontecimenlos da China informou a
nS au.s,r'ac9 um rapital de ao menos 240 mi- rainha o parlamento de que tendo falhado as
hoes de florins, e que a somma de indemnisa- negociaeftes que abrir coro a corle de Pekin
a0 DaK.a Pela Sardenhr s fui de 40 milhoes a fura obrigada a fazer marchar contra a China for-
perda directa do estado austraco em consequen- ?as da trra o mar, e de combinacao com as de
a gueira, excede mais de -400 milhoes de Sua Mageslade o Imperador dos Francezes, no
florins.
i Em 8 do corrente o imperador da Russia es-
perado em Varsovia. Segundo annuncia o lele-
rapho de Berln, ali chegou honlem um convite
do Czar ao principe regente e a todos os princi-
pes da familia real da Prussia para uma vzila
intuito dealcancar uma justa repararlo por par-
te daquelle governo. A osle respeito diz uma
parle telegraphica de Hong-Bong, ero data de 17
de julho, que as operscoes contra os Chinas nao
haviam anda comecado al 26 de junho ; e que
o motivo dessa demora proviera de haver o ba-
cm Varsovia. Segundo toda a probabilidade o rao de Gros protestado pela abertura das opera-
principe regente aceitar esse convite. I ces antes que os Francezes se achassera em nu-
Em Bade foi encerrada adela, depois de ha- \ mero igual as das Torcas inglezas. O exercito
verem sido aceitas com grande maioria es leis francez, tendo perdido em um naufragio os equi-
relecoes pelo ministerio para |regulamento das pamentosoo material de guerra destinados a 2000
eleicoes da igreja e do estado, cujas leis devem homens se achava inferior ao inglez naquelle
supprir a coucordata rejeitada. Apoiado nessa numero de pracas. Parece, porm, que afinal
maioria o governo so oppoem com grande ener-
ga resistencia do clero contra a nova orden
da cousas.
Londres 9 de setembro de 18tiO.
o ministro francez retirara o seu protesto ; e
conseguintemeule se esperava que as operaces
coraecariam immedialamenle.
Na raesma falla da corda manifestou a rainha
sua satisfaeco pela continuado das relaces
amigaveis da Graa-Bretanha com as potencias
ostrangeiras ; e lambem sua admiracao pelo pa-
triotismo com que oscorpos e voluntarios in-
giera vao preenchendo sua nobre e importante
larefa. Referindo-se aos successos d'Italia, dis-
se Sua Magesladc que uma vez que fosse respei-
tado o principio d'absten^ao, que se impozeram
as grandes potencias, dos negocios polticos da-
quella pennsula era de presumir que fossem
estes resolvidos sem quebra da paz europea.
Finalmente concluio a soberana d'Inglalerra o
seu discurso, como de costume, com muitos
agradecmentos ao parlamento pelos meios que
este prestara ao seu governo para o boni anda-
mento da administrarlo e coro fervorosos votos
pela prosperidade da naco.
Est, pois, encerrada "a sessao desle anno al
19 de novembro prximo ; mas quasi cerlo que
nessa poca ser o parlamento anda conservado
fechado at o niez de Janeiro do anno prximo
fuluro. as ultimas sessoes do parlamento nada
ideia do enviar contra a flotilha de Garibaldi, que
defia transportaras surs forjas, a esquadra Na-
politana, afim de por este "modo tentar-se uro
golpe decisivo sobre os rebeldes, mas, reiceiosos
os ministras de que a esquadra se passasse para
o inimigo longe do combate! o, se pronunciaran),
contra esse plano, preferindo esperar os rebeldes
na Ierra firme para ahi opporem-lhes as liopas
reaes Foi nessa occasio, quando o conde de
Aquila se havia ausentado da presenga d'elrei,
que o Sr. de Martino, ministro dos negocios es-
trangeiros, exhibi a Sua Magestaie as provas
que linlia da alludida conspirarlo combinada cu-
tre a rainha viuva e o principe, para o que ha-
via este j espalhado dinheiro e armas pelos La-
zaronni e por parle das guardas reaes. Nestas
circunstancias nao hesilou el-rei em enviar os
passaportes ao seu augusto lio o familia, que
comoj comrauniquei seguirn para Marselha a
bordo da corveta D. Isabel, da marinha imperial
do Brasil.
Chegado a Pars publicou o conde de Aquila
uma defeza contra a impulagao de urna conspi-
rarlo reaccionaria que se lhe allribuira, fundan-
do-se principalmente nos seus senlimentos libe-
raos, na sua desintelligencia com a rainha para
inculcar a improbabilidade d'um accordo cora S.
Mageslade para semclhante im, e finalmente na
repugnancia quo tem elle sempre sentido de cin-
ejr a corda, mesmo quando lhe f-a esta oflere-
cida por algumas repblicas americanas durante
a sua residencia no Brasil I Se esta fosse a de-
peza que devesse aproveilar a sua alloza, nao
creio que a aecusacao deixaria de proceder ;
confio entretanto que o principe do Aquila lera,
melhoros razos para se justificar d'uma aecusa-
cao que, por ter nascidoalli em lempo de tanto
furor poltico, nao deve ser simplesmente acre-
ditada, embora aununciada pelos dilatorcs rom
laivos de verdade. Espero que a historia se en-
carregar de fazer jostica, desrobrindo boas ra-
zoes com que provar a innocencia do principe,
illuslrc consorte da nossa princeza
Quando na minha ultima caria noliciei os suc-
cessos relativos a estes principes, disse que pro-
vavelmente Suas Altezas Keaes cspeiaram nesta
capital o (esullado dos aconleciraenlos polticos
em aples, e enlo dei a entender que antes
disto nao lomariam com toda probabilidade es-
ses augustos personagens resoluto alguraa a res-
peito de sua viagem ao Brasil. Hoje parece que.
decisiio lomad? por Suas Allozas fixar sua re-
1799
3256
270
1179
1005
20191
2631
1373
1051
21
38
19
32
21
23
3i
20
17
15
32
36
47
21
18
32
32
3i
41
30
a soffrera consequencia alias natural d uTTiban-
dono por parte dos capitalistas ingiera. ver-
dade que o governo por uma lei eslabelecer o
iuipeslo que cada particular dever pagar, afim
parte abandonando as suas armas, em parte ven- j? J!?Ivada l efToi, "1ueUa cmprea, c que
dendo-as aos insurreccionados. far a collecta dessassommas, o que importa urna
i garanta ; mas aqu quereriam mais, isto que
Debaixo d'essas cirrumslanrias pouca espc-l u governo se obrigasse pura e simplesmente por
ranea ha para el-rei Francisco II. Todos os ge- u.,n juro, e que o lizesse directamente com os ac-
neraes presentes em aples se reuniram para eionislas, o que nao succedia em conformidade
faze-lo decidir-so a ausenlar-se do reino. Um d programma;offerecido. Demais, a empreza Vi-
endereco dos officiaes da marinha Ihn d o mes- anna de Liraa e Russell foi apresentada nesle
mo conselho, os ministros lambem insistem, e mercado com uma perspectiva de lucros superio-
o
fr-
a
o
N. Senhora da i'enha de Villa-Uella. .
N. Senhora da Conceico de Paje .
S. Jos do Ingazeira .......
N. Senhora da Saudc de Tacara t ,
Senhor Bm Jess da Fazenda Grande.
S Jos do Hrejo da Madre de Deus. .
N. Senhora das Monlanhas de Cimbres.
N. Senhora da Conceico de Alagoa de Baixo.
Santa Maria da Boa-Vista.....
N. Senhora da Conceico de Cabrob .
S. Sebastiao do Ouricury (8) .
Sanio Antonio do Salgueiro ....
Senhor Bom Jess do Ex (9). .
__ 1312 1276
1358 _ 1860
967 991 993
701 770 801
--- __ 1502
2024 1672 1757
620 625
_ 524 600
2118 1832 2169
1573 1586 1651
1080 _

22
32
19
14
12
25
28
11
2C
19
30
8
18
33
45
29
21
18
38
28
17
39
29
45
12
27
Secretaria do Governo de Pernambuco, 27 de setembro de 1860.
O secretario do governo,
Joao fudriguess Chaves.
(1) Frrguezia de Nossa Senhora do O' de Goianna.Esta freguezia, creada pela lei provincial n. I
461 de 2 de maio de 1859, foi desmembrada da freguezia de Goianna. No torrente anno foram
qualilicados na freguezia de Nossa Senhora do Rosario de Goianna, 2013 volantes, e na de Nossa
Senhora do O' 1620. De?em dar reparadamente 72 eleitores.
(2) Nesta freguezia nao se fizeram qualificaroes nos annos de 1857 a 1859, c nem consta o re-
sultado da de 1860, por isso nao pode ter augmento alguna o numero de eleitores.
(3) Nesta freguezia nao se fizeram qualiicaces nos annos de 1857 a 1859, fez-so porm %no de
1860, c consta de 1928 votantes.
(4) Esta freguezia creada pela lei provincial n. 462 de 2 de maio de 1859 foi desmembrada da
freguezia de Caruar. No correte anno foram qualilicados na fregueziade Caruar 1559 votantes
C na de S Caetano da Raposa 1222, ambas s podrm dar repartidament-; 32 eleitores.
(5) Esta freguezia creada pela lei provincial n. 432 de 23 de julho de 1857 fui desmembrada da
do Altinhn, e no anno de 1860 que presentaran) qualiicaces separadas, cons indo a do Alli-
nho de 1742 rotantes e a de Quipap de 2006 Devero dar fepaitdament" 68 eleitores.
(6) A freguezia de Sant'Aima de Grvala creada pela lei provincial n. 422 de 25 de maio de 1857,
est rcduzida, segundo a lei provincial n. 465 de 2 de maio de 1859, ao territorio que para a sua
crearlo foi desmembrado das freguezias do Bonito e Bezerros. Est is freguezas nao podem dar
para a legislatura vindoura mais de 86 eleitores reparlidamenle.
(7) Nao consti o resultado das qualiicaces feilas nesta freguezia nos annos de 1857 a 1859, nem
mesmo a qua\ificae.5o taita era 1860; porianto nao pode ser augraentado o numero de eleitores.
(8) Servio de base para o calculo a qualiliraelo de 1S60.
(9) Servio de base para o calculo a qualificacjio de 1860.
de base para o calculo a ,
de Londres pa- a'n(la e possivelque o movimento nacional pare
EXTERIOR.
ao mesmo lempo que o rei est conferindo com
os ministros e generaos, as tropas proclamam a
uniao da Italia debaixo das janellas do seu pa-
lacio, e o ar resa de viva Garibaldi.
Tal era o estado das cousas em aples se-
gundo as ultimas noticias El-rei ao resto nao se
linha anda decidido para deixar o reiuo. S da
cidade de aples que elle so quera ausentar,
aconsclhandu-lhe isso tambera os diplmalas es-
trangeiros, protestando ao mesmo tempo contra
qualquer idea d'um combale em aples ou de
um bombardamelo da cidade.
El-rei por contra eslava resolvido de ir para
Gaeta com as tropas que lhe eram anda fiis, e
deixa a decisao s armas. Torrn deve se du-
vidar da re3lsajao d'essa resoluco, porque nao
ha esperanza que lhe Picar nuinero sufficienle
para una defensa seria. A desercao geral,
mesmo entre os Lazzaronis e el-rei Francisco II
se acha abandonado e trahido por lodos, em que
at agora julgava poder fiar-se 1 Debaixo d'essas
circumslancias o conde de Cavour julga nao de-
ver deixar mais a Garibaldi a exclusiva iniciativa.
O perigo que o mesmo, embriagado pelos seus
successos, mui fcilmente poderia cahir as
mos do partido revolucionario republicano, ao
mesmo lempo que d'outro lado a falla de uma
auloridade firme na Sicilia c em aples muito
seria em favor desso partido. Por isso se diz
que em Turim se tomn ltimamente a deciso,
logo quo el-rei Francisco II deixa aples, de
orcupar o paiz com tropas Sardas, e de estabe-
lecer uma regencia sob os auspicios da Sarde-
nha, at que o paiz lenha decidido sobre a sua
futura sorte por va de seus representantes.
Dessa maueira o gabinete de Turim se trona-
ra senhor da situaco, e habilitado para dema-
etr ao movimento nacional os limiles que se
lhe devem determinar, para nlo provocar a in-
tervenco da Austria, a qual por prego algum
querer renunciar sua posicao na Venezia.
J se acham differentes batalhoes de tropas
Sardas bordo dos navios de guerra ancorados
em frente de aples, e esl-se concentrando
com a possivel brevidado um corpo de exercito
em Genova, que se devo embarcar para aples
sob o commando do general Laroarmora.
Se a lencionada intervenco sarda se effecluar,
Desla vez seguir o paquete do Soulhamplon
pira o Brasil no dia 10 do correnle em vez de 9,
por ser esle domingo, em que nao tem lugar par-
tidas dos portos de Inglaterra. E' o vapor Onei-
da, que amanha levar a mala, e a seu bordo
seguem viagem para o Rio de Janeiro os cotices-
sinarios Vianna do Lima e Russell, que aqui ti-
rham vindo para incorporar a sua empreza des-
tinada ao esgolo das aguas do Rio de Janeiro.
Lamento de veras que tenham de relirar-se es-
ses senhores, sem haver conseguido aqui o firo
que trouxeram cm visla, porque, alm dos pre-
.uizes que naturalmente lerao soffrido, a cidade
lo Bio de Janeiro continuar a estar privada de
ima obra que como aquella projectada seria de
mximo alcance para as condices hygienicas da-
quelle grande centro de popularlo, nao faltando
io asseio que scmelhante obra irla inlroduzir as
abitaces particulares dessa populosa capital.
Os Srs. Russell e Vianna de Liraa liveram de
lutar em Londres cora as difliculdadcs do mrca-
lo monetario, que tem sido grandes nestes lti-
mos annos ;.e tendo oiTerecido ao publico inglez
sua empreza em pessiroa occasio, por coincidir'com a presenra olicial do ministro napolitano Real possuia em aples, alera do outras pio-
isso com o apresentacao por parte do governo m-1 ncsla COrle- '!or occasio de uma nlerpellacao priedades, um palacio na cidade e a sua sump-
perial de emprezas com garanta publica, vieram 1ue nP9Se sentido foi feita ao primeiro ministro, luosa morada de Pausillippo; mas as acluaes
declarou lord Palraerslon que exprimindo-se n.a- I circunstancias daquelle paiz poda muito bem
quellcs termos nao fazia seno narrar os fados, I succeder que uma vez mudada a ordem de cou-
enibora o fizesse com vivas cores, sem que lo- i sas polticas viesse a perder as suas proprieda-
davia dahi se podesse concluir para sua appro- des a pretexto de confiscarlo nacional. Ora pa-
vagao olicial de ludo quanlo na Italia est lendo rece que receiando isso Sua Alteza se apressou
lugar. assim que este ministro eostuma sem- i em trocar aquellas propriedades pela que fica
pre illudir as qucsloes; masninguem duvida do mencionada e que foi comprada em Parta; de
alcance que taes signaes de sympalhia teem obl- modo que quando venha a dar-se por exemplo o
do contra a causa do rei de aples, que embora caso de cooliscaco o novo possuidor, cidado
de diflici! sympalhia lodavia a de um monat- Francez, poder'reclamar aquillo que adquiri
cha com quem a Inglaterra est em paz, do principe em lempo era que podia plenamente
Todos os dias cstao parlindo dos portos de In-! dispor de suas propriedades. Esle expediente
glaterra municoesde guerra e gente armada pa- foi por sem duvida judicioso ; e eslou convencido
ra engrossar as lileiras de Garibaldi ; e islo se quo dahi nao vira embararo algum para o novo
tem feito sem a mimma opposicao por parle do
occorren de importante, a nao ser a manifest sidencia, ao menos temporariamente, em Pars,
sympalhia com que lord Palmerston se pronun- onde o conde d'Aquila acaba de comprar um pa-
tiou pela dictadura da Sicilia, sem imporlar-se lacio situado nos Campos Elisios. Sua Alleza
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PER-
NAMBUCO.
llambur^o S de setembro de l\s0,
A Europa renlral nao se pode lembrar de haver
(ido um verlo to chuvoso e fri como no pre-
sente anno. Desde o principio de junho at
esta hora apenas (vemos dous dias de verdadei-
ro lempo de verlo : sobretodo desde o aniadu-
reccr do trigo tem chovido sem cessar, e a con-
sequencia que tendo o t'igo j sofrido muito
nos lugares mais baixns e por isso mais hmidos,
agora lambem comer a estragar-se-a fruta ma-
dura as partes mais elevadas, nao se t-'ndo po-
dido anda realisar a colheila de una considera-
re! parte. A Europa central por isso deve prr-
parar-se para um anno duro de caresta, c nlo
pode faltar que essa circunstancia exercer uma
grande influencia sobre a futura poltica Europea,
l'ara o imperador Napoleo que isso ser um
i de Persigna/ veio expresadamente
i ra a Franca, para desmentir na abertura do con-
seibo geral provincial, de que o presidente, de
| maneira explcita todos os boatos e supposires
de novas tendencias bellicosas e planos d'anne-
I xac.5o 0e parle da Franca. O publico europeu
nao quer acreditar muito na verdadtira sinceri-
dade dessas declaracoes e asseveraces ; porm
a m colheila e os receios d'uma" caresta dos
viveros, o tornara provavel que as Tullerias,
ao menos al a prxima colheila, se evitarlo to-
das as provocares d'uma guerra.
Pelos mesmos motivos e oe suppor que os re-
ceios, que se deduziam da expedicao para a Sy-
ria, nlo se realisarlo no lempo prximo futuro.
Fuad-Pascha, isso deve-se dizer, lambem tem do
seu lado feito quanlo pode, honrad e enrgica-
mente, para desde o principio tomar Interven-
co franceza lodo e qualquer pretexto para uma
ingerencia prrigosa contra os Musulmanos da Sy-
ria. O seu procedimenlo em Damasco, que nao
poupa os culpados, e procura plena satisfacao aos
christlos atacados, para cada dia mais,"que a
as fronteiras- dos estados pontificios; quando
nao as atravessar, e se como nao de duvidaro
exercito pontifical debaixo de Lamoricire fr
incapaz para rel-lo, o fim ser o alaque sobre a
Venezia, o uma guerra quo mesmo com o maior
amor de paz de parle das grandes potencias f-
cilmente se poderia tornar uma guerra europea.
Segundo as apparencias o conde de Cavour
conseguir o que tero em vistas, e achara na
m colheita da Europa central um alliado que
lhe segurar a approvaclo da Franga. Uma vez
segura essa, a Austria lambem dever soffrer o
que nao pode impedir.
E' de senlir que na Austria a siluacao interior
tome cada dia um carcter mais triste. Aioda ha
toda a apparencia que o governo lem anda em
sua mo enronlrar qualquer ratastrophe porvia
de urna enrgica reforma; mas essa vontade de
reformar nao se manifesla por ora com a devi-
da scriadade.
Tarda se e
motivo especial denlo int-rromper por ora a curia Porta Ot omana se achvaa realmente habilitada pa-
ca de paz desde o dia de Villafranca, porque o ra por si s se tornar senhora das scenas sangui-
nugraenlo dossoffrimentos d'um anno de careslia nolenlas na Syria. Fuad Pascha msndcfu enfor-
pelos d'uma guerra nlo servira para assegurar car urnas setenta pessoas, e entre ellas umitas das
sua poltica o apoio moral no povo francez, ao
qual ella por nao pequea parte deve agradecer
os seus resultados algora.
A forae um egosta, e para um povo receioso
pela vida diaria, mesmo se esse povo composto
de francezes, as altracres da gloria ficam perdi-
das. E isso anda mais lendo-se a Franca por
ora procurado bastante provislo de gloria na
guerra oriental e na italiana. Com essas ponde-
racoes se pode por em connexo as asseguroro-s
pacificas de que trasborda presentemente a pol-
tica imperial em todos os seus orgos. do impe-
rador pessoalmentc e do conde de Persigny at
as folhas provinciaes. O imperio de novo a
a paz, nada que a paz, a paz eterna Era cada
eslaco da viagem que o imperador est fazendo
presentemente, o que alem da Saboia e Niza tam-
bero se eslender al Argel, se aconselha in-
dustria confianza na oova era da paz, e o conde
mais influentes notabilidades musulmanas, algu-
m'as centenas de militares, entre os quaes dilte-
rentes Scheichs dos Drusos, e officiaes de graos
superiores, foram fuzilados ; a populacho musul-
mana cm Damasco obrigada a reconstruir aos
cimillos as suas casas queimadas, tudo quanlo
tinha sido roubado foi restituido, e a ordem em
Damasco e em lodo o Lbano nao foi interrom-
pida de novo ninguem se atreveu de se oppr
auloridade do suido. Continuom ainda os desem-
barques de tropas turcas na Syria, para assegu-
rar a ordem para o futuro, e ninguem sabe para
que appareceu o corpo d'expedir.o francez, o
qual se acha em o porto de Beiruth. O papel
que o mesmo al gora representa, o papel de
completa superfluidade, e se uma sorte hostil e
inesperada, ou uma hbil intriga, nao Irouxerem
porventiru novas scennas de horror para a Syria,
diflicilmerjle adiarlo cm Pars pretextos, para
larda-se, e entretanto os espirilos
a passo gigantesco so desviara do governo. At
mesmo o novo conselho do imperio, no qual o
governo esperava encontrar um apoio, e que
como se sabe coraposio smente de membros
eleitos pelo mesmo governo, se acha cm plena
opposio O governo nlo tem nenhum partido
em seu favor, e se no conselho do imperio se
combalem dous partidos, um cenlrolisador e
um federalista, arabos eslo de accordo de lutar
com toda a energa contra o syslema reinante
presentemenle, e de condemna-lo como a fonle
dos maiores perigos para o estado. A populacao
porm vai ainda muilo mais longe na sua op-
posicao contra o syslema em vigor, e sobreludo
na Ungria a auloridade do governo quasi dia-
riamenio soffre naufragios. O cavalheiro de Be-
nedek, que como se sabe ali tem em mos as
redeas do governo, insla sem cessar na sua cha-
mada, nao se achando mais capaz para dominar
o movimento. Em lodo o caso o ullirao lem-
po para que em Vienna so decdaraou a calas-
trope ser inevilavel. Espera-se ondosamente'
a prxima sessao do conselho do imperio, por-
que se espera que nella o governo apresentar
algum acto decisivo. Qrelatorio olicial, publi-
res aos garantidos pelo governo, e como se falla-
va [fuma tal ou qual inlervcnro do governo im-
perial a consequencia foi que o publico inglez
desconfiou do que por quelle modo se buscava
cercaros capilaes inglezes para o fim da empre-
za, sem que o Brasil houvesse antes consciencio-
samente consultado os seus recursos para saber
se eslava em circumslanciss de vir cada dia ofle-
recer no mercado de Londres emprezas garanti-
das ou pelo menos auxiliadas pelo governo com
juros cada vez maior! Alm de oulras cousas
que em outra occasio mencionei, esta circuns-
tancia concorreu poderosamente para o mosuc-
cesso que leve a organisajao da companhia pelos
Srs. Vianna de Lima e Russell.
Nao ha duvida de que havendo um imposto es-
pecial para semelhanie ebra nao seria das rendas
publicas, d'onde provena o juro dos capilaes que
comella fossem despendidos; maso publico des-
le paiz nem sempre enlra nestas minuciosidades,
e dahi resultou que aquella empreza foi mal suc-
cedida, estando talvez condemnada para sempre
a nao vingar nesta praca.
D governo imperial fazia mlhor em indemni-
sarosconcessionarios, das suasdespezas prelimi-
nares, para entregar municipaltdade a execu^o
dessa obra, levantando aqui por sua conta os ca-
pilaes necessaros para semelhanie fim ; parece-
me que esse seria o melhor expediente para
promptameuto dotar a capital com aquello impor-
tante raelhoramenlo, sendo cerlo que o mesmo
governo cm circumslanciasfavoraveis poderia le-
vantar nesle mercado as somroas necessarias com
um juro muito inferior ao que se offorecia pelo
programma dos reforidos concessionarios.
Pelo Tyne, chegado a Southampton no dia 2
do corrente tivemos aqui noticias do Brasil ; c
infelizmente publicaram algumas folhas que a
febro araarella continuava a fazer estragos na pro-
vincia da Baha. Segundo as noticias transmiti-
das desse ponto do superintendente da estrada do
ferro, alguna operarios ao serviro dessa compa-
nhia tinham suecumbido victimas de semelhanie
enfermidade. Triste nova I
As nossas ac;es de caminhos de ferro ficam
coladas com o seguinle descomo : as de Pernam-
buco se 2 3(4 a 2 1i4 sobre 13 de entrada ; as
da Bahia & 3i4 a 1[2 sobre Sf 8 112 ; e as de S.
Paulo S 3|4 a 1|2 sobre S 2.
Os nossos fundos de 5 0ln esto de 99 a 101, e
os de 4 1 [2 01o de 87 a 89.
Os consolidados inglezes 93 1|2, 5|8 o 3[4. Os
fundos Ite 6 01fj Buenos-Ayres 95, 96 1|2 ; os 3
Oro, mexicanos 21 1|2 ; os 4 1|4 russos 94 ; os 3
Oloportuguezes 431(2 e 44 : o os 4 Ohjturcos ga-
rantidos 100 3|4.
Chegaram do norte do Brasil Inglaterra os
seguiotes navios depois que escrevi a rainha ul-
tima correspondencia :
Em agosto Dianna (26) do Bio Grande a Pli-
mouth ; do Rio Grande (28) Hermann Albert, c
Helena a Falmout; e de Pernambuco Persian
(de 1 desetembro) a Hull.
No mesmo periodo seguiramde Inglaterra para
portos do Brasil ao norte os seguintes navios. De
Liverpool Cynlhia (27 de agosto) para Pernam-
buco ; de Liverpool Princess Royalo (27) para o
Para ; e de Cardiff (27) Bedouin para Fernam-
buco.
O navio John Martin, de Liverpool para Per-
nambuco. foi encontrado em latitude 43 N., Ion.
13 W.
O algodo de Pernambuco fica colado a 7 112 a
8 1)2 d por Ib. ; o o da Bahia a 7 1(2, sendo fir-
me e bom o pedido para ambos. A importadlo
desle artigo no mercado de Liverpool na ultima
semana foi de 5,376 saccas.
O coco do Brasil fica (1 d de direito por Ib) de
55 s, 66 s per cwl. O pao Brasil de 80 s a 85 s
por tonelada.
O caf de Ia qualidalede 63 s a 73 s ; 2a qua-
lidade 58 s. 63 s. ; e o ordinario de 52 s a 57 s.
6d
Assucar branco de Pernambuco e Parahiba de
27 s. a 32, s. ; mascavado de 20 s. 6 d. a 26 s.
Dito branco da Baha 25 s. 6 d. a 31 s. 6 d. ;
mascavado 21 s. a 25 s. 6 d. per cwl
Os couros salgados 7 114 a 1|4 d. ; seceos 9 d.
a 10 \\t d. ; e os saceos salgados de 8 1|2 d. a
9 12.
No dia 28 do mez prximo passado tevo lugar
o encerramento do parlamento britannico por
commisso regia. Na falla do tirrano fez a rai-
nha menso nlo s dos desgranados successos da
Syria, para remediar os quacs se havia j enten-
opposicao
governo inglez! Lord Palmerston tem especola-
| do com a opinio publica a esse respeito; pois'
bem sabe que as syrapathias da Inglaterra sao
todas pela insurreirlo da Sicilia. Entretanto co-
mo ministro tinha elle deveres a cumprir para
com o rei de aples, embora sejam aquellas as
inclinaces do povo a que preside I
No dia 17 do corrente regressar a rainha a
esla rapital, devendo no dia 22 embarcar-se em
Gravesend a bordj da fragata l'icloria c Alberto
e seguir para Hamburgo, de caminho para Go-
tha onde Sua Mageslade se encontrar cora sua
augusta filha a princeza Frederick Guilhcrmc c
com o imperador d'Austria.
Aquella princeza a tilha mais velha da rai-
nha casada com o principe Frederico Guilherme
da Prussia.
O principe de Galles chegou a Quebec no dia
23 de agosto, c all fra recebido com as maiores
demonstrarles de regosijo por parle das autori-
dades e do povo.
Sua alleza real esperada em New-York no
dia 6.de outubro, e nessa cidade lhe tem a mu-
nicipalidade preparado uma mui brilhante re-
cepeo.
Do Nova-York ir o principe ao Washington,
onda ser recebido pelo presidente dos Estados-
Unidos.
Os jornaes inglezes estao cheios de inleres-
sanles narraces da viagem de Sua Alteza Real
as possesses inglezas d'America do Norle, e
cada vez mais a iroprensa applaude o arbitrio
que Sua Mageslade tomou de fazer viajar all o
herdeiro do cora.
Na minha ultima carta havia eu annunciado
que suas altezas reaes o cunde ea condessa de
Aquila eram esperados nesta capital com toda
brevidade. Teve com effeito lugar a visita do
prncipe de Londres no dia 25 do prximo pas-
sado, demorando-so porm sua alteza real apenas
a'gumas horas aqui, donde regressou no mesmo
dia a Pars. A serenissima princeza Sra. I). Ja-
nuaria c seus augustos ti I nos nao acoropanharara
o principe de Aquila nesta viagem, tendo resol-
vido licar na capital da Franca durante aquella
digresso que aqui veio fazer o principe D. Luiz
smente para satisfazer, segundo se diz, o pro-
gramma que lhe marcara o governo napolitano,
quando o exilra, e que consistir em fazer se-
guir sua alteza real para Paris e Londres cot o
pretexto de vir elle a essas localidades exeeular
algumas commisses d'elrei das Duas-Scilias con-
eernenles 6o servijo da marinha de guerra napo-
litana, para assim se encobrir s lio divulgada
conspirarlo em que se lem feito ligur?r o conde
de Aquila.
Por occasio desla viagem de sua alteza a Lon-
dres quizeram muitas folhas inglezas e francezas
fazer acreditar que viera o principo aqui para me-
dir uma nova conspirarlo contra o throno de
seu sobrnho, pondo-se para esse fim de accor-
do com lord Palmerston, de quem seria instru-
mento para fins polticos da Inglaterra Mas
boje acredita se geralmente que o oulro foi olim
daquella viagom, e que nem o prinebe se avis-
tara com o primeiro ministro da Inglaterra ; o
que realmente se acredita que o conde de Aqui-
la veio a Londres era raer obediencia s ordens
de S. M. Siciliana, a quera sua alteza tero queri-
do mostrar seu espirito de submisso pa>'a assim
desmentir aquelles que lhe atlribuiram planos de
conspiradlo contra el rei, de accordo com a rai-
nha viuva e em favor do conde de Trani, de quem
seria regento o principe D. Luiz durante a mino-
ridade. Era verdade suppor-se que a Inglater-
ra procurara anotar -se nesle principe para quaes-
quor planos polticos que tivesse seria um con-
trasonso, quando cerlo o bem conhecido aqui
que o conde de Aquila nlo inspira ao3 Napoli-
tanos nem a Inglaterra mais confianga do que se
tem pelo actual chele da dynastia Bourbon as
Duas-Sicias ; com justica ou sem ella este prin-
cipe nlo merece s sympathias do partido liberal
embora nestes ltimos ieropns fosse elle partida-
rio das reformas conslitucionaes bem que esti-
vesse decidido a combaler a insurreiijo at
extremidade. Antes da descoberta criminosa que
motivou o exilio de sua alleza, havia sido discu-
tido no conselho de ministros ura plano de ata-
que contra Garibaldi, que nessa poca nlo havia
anda passado suas torcas de Messina para a tr-
ra firme ; e parece que ento sustentara o prin-
cipe, de combiuacjb com o geoeral Ischitella, a
proprielario, cuja nacionalidade de per si s
titulo sufficienle para assegurar-lhe una futura
tranquilla posse de suas propriedades cm ap-
les. E' natural que Sua Alleza haja adoptado
expediente anlogo a respeito do outros muitos
bens que possue no reino das Uuas Sicilias e so-
bre os quaes (era direito de livre transaeco.
A Sr.a D. Januaria, princeza do Brasil, lem si-
do comprimentada cm Paris por grande numero
de Brasileiros all residentes, o tem no seu ser-
vico como veador o almirante Lisboa, baro de
Tamandar. A' vista da resoluto tomada por
Suas Altezas de fixarem temporariamante sua
resideneia na capital da Franca parece que s
tarde vira a realisar-se o regresso desses princi-
pes ao Brasil; por tantas modificacoes lera ain-
da de passar a situarlo poltica da Italia e mes-
mo a do reino das linas Sicilias que provavel-
mente o conde d'Aquila querer esperar na Eu-
ropa o destecho desses successos- Assim pois
nao me dado porem quanlo informar acercado
lempo cm que o povo Brasileiro lenha de rego-
sijar-se cora o feliz regresso dos seus principes.
Entretanto a corveta Isabel, da marinha im-
perial, co^serva-se em Marselha s ordens de
Suas Altezas o conde e a condessa d'Aquila-
O drama poltico que se acha em scena no rei-
no de aples parece tocar o seu termo ; e nao
ser para admirar que nesta dala lenha Garibaldi
feito j sua entrada na capital desses estados.
Segundo annunciam as ultimas noticias dahi,
coro dad de 6 do corrente, el-rei havia deixado
a capital em direcQo a Capua e a Gaeta onde
ainda conserva dous corpos de exercito, nos
quaes lodavia nao poder depositar seria con-
fianza. Cr-se que S. M. ter como ultimo ba-
luarte para defeza do seu throno a fortaleza de
Gaeta, da qual salm no caso de adversidade pa-
ra Hespanha a bordo de ura vaso desla nacao e
nlo para Trieste como antes se dissera. Nessa
rnesma data Garibaldi se achava ero Salerno, a
dez leguas de aples, e uma balallia ora espe-
rada em Nocera, entre Salerno e aples, na
qual (icaria decidida a sorte da capital; urna vez
ganha mais essa vantagem por Garibaldi, as por-
tas de aples lhe serlo aberlas, c nao restar a
el-rei era seus estados mais do que Capua e
Gaeta para susteotar-se. De cen mil homens,
com que cm principio de abril ultimo coniava
Sua Magesladc para supplanlar a insurreirao,
conta hoje apenas coro quarenta mil e esses mos-
raosse acham mais ou menos contaminados do
desanimo e especialmente do espirito de aleceo !
Ainda ltimamente o general Nunziante, um da-
quelles que mais defender a tyrannia dos Bour-
bons, desertou para Garibaldi, proclamando as
tropas para que se passassem do lado da causa
Italiana Briganti, general napolitano, e que
anda ha poucos das conduzira as Iropas reaes
em Monleleone contra o inimigo, mas de cuja
defcelo su fallava dando romo certa, foi assas-
sinado pelas tropas de el-rei era Piale, pagando
assim o crime de traielo que se lhe attribnia ;
este general havia sido recebido por Garibaldi
com enthusiasmo e pareca declinado a tomar
uma parle importante nos successos que prepara
o.dictador da Sicilia.
Desde que este grande e insigne patriota de-
sembarcou na Calabria, nao s as duas provincias
desle nomo como a da Basalicala se pronuncia-
ran! era favor da revoluclo ; e depois da tomada
de Reggio c Poteuza cahiram j as mos de Ga-
ribaldi Piale, Eboli e Salerno, alm de muitos
outros pontos cm que tem elle ficado sempre
victorioso. E' provavel que em Nocera, como
ero Capua e Gaeta, o mesmo bom fado seguir
as armas liberaes, e desse modo Picar decidida a
queslao dynastica dos Bourbons as Duas Sici-
lias. Garibaldi marcha em Salerno contra No-
cera coro uma lorr;a de quarenla mil homens. O
coronel Deflolte, bravo republicano Francez, e
que se achava ao servico de Garibaldi, foi morto
por uma bala na tomada de Reggio.
Depois da to.nada do reino das Duas Sicilias o
dictador projeela atacar as provincias pontificaes
da Umbra e Marches. Lamoricire o espera com
um exercito detrinta mil homens, disposto a re-
pellir a invaso. Breve ooticiarei esse imroinente
successo.
Paris, 9 de setembro de 1860.
Sr. redactor. Bem dilllcil e complicado ,
as acluaes circumslancias, o dar conta exacla
do acontecimeutos da ullima quinzona. Nem os


()
-..

negocios da Syria, iiom os da Italia, quo aa os | ooiupanhias embarcadas no vapor Ganges, quo
quemis prendeni a allonco publica,.tiv^ram quebrara a a machina c arribara a Navarino. A
urna sotuco qualquer; mas em compensaco i expedico acha-so acampada em um lugar muito
nao tem faltado noliclas mais ou menosexaftas salubre as portas de Beyreulh, e estar prestes
ma-Rfo de reRmMBuco. sabbado n de setembro de i seo.
----w .v...-----------............. ..... Mu iiiviiu, VAU^.,a9
de particularidades relativas aos succcssos tanto
de urna como de outra parte, noticias que nao s
chegariam para enclier orna extensa carta, mas
at para eescrevr voluntes.
Todos os das, setn (aliar nos jornaes de Lon-
dres, nos dez ou dote jornaes de grande formato,
que se publican] n'esta ciliado, apparccem regu-
larmente tres ou qualro correspondencias do Tu
rim, de aples, de Genova, do Palermo, de Mes
sina, tiem como de Constantinopla e de Beyrouth.
Os (actos sao narrados, n'essas correspondencias,
com muita minuciosidad^, segundo a expresso
ou a paixo do correspondente ; mas esses (actos
leem apenas a importancia do momento, e quando
se reterem a acontecimentos secundarios, aquel-
le quo deve escolher e joeirar de lodas'as ver-
ses contra litoiias, v-sc obrigado a desprezar
oiuitss dellas, e ater-se omento os incidentes
que leem um carctermaisdecisivo. E' islo oque
-----------------------.......-----vv ... j ........ w V
a por-se em marcha para Damasco.
Sua presenta produziu um effeito excellente
tranquillisando os chrjslos e cauzaodo grande
terror aos musulmanos. Fuad-Pacha a cha-se
aiida ni Dimasco, onde se decidiu por fim a
perseguir os culpados. Setenta individuos, que
haviam tomado parlo activa nos morlecinios, fo-
ram condemnados roerle e entercados. Cenlo
e dez (orara uzilados, e as prises sobem ao nu-
ro de irez mil.
Mas, at o presente, nada se decidiu anda a
respeito dos Pachas Ahmet e Kurchild, sobre os
quaes pesa a responsabilidade dos crimes com-
meltidos na Syria. A Porta Oltoman acha-se
em extremo embaracada. Ella deseja, com ef-
feito, dar urna satisfacao Europa, mas compre-
hende que conderonartdo o fanatismo musulma-
no, vai ferir exactamente aquillo que lem cons-
tituido a sua torca no passado e trabalha para
E depuris, nao basla
nislro da lazenda,que as Caruaras nao lh'a ap-
provaram ento em 1858, e s agora depois da
reelevacao do poder de gabinete Avila-Loul*, orna, datados de"l estes
que (o approvada a reforma. "* I flqui recebidos. o cuia connrmacao ainda n5o le
. A opposico do pau quasi que nm e deuao os pelar minas eslranK 'a oueto a con
incommodo de othar para reforma, jaeaou | sequencia immediala das n!icrnter^ T
por ella como por medida indifferenle. Naoad- os seguinles a uas no,lcl8S anteriores, sao
mira : *as opposicoes tcem todas a mesma fcico i O rei de aulos sahio a fi ri r.nit.i .,. r.^
A quedas irmaas da carid.de socegou al- K'^StS'.X^ !
guraa cousa ma.s depois do meeliug do passeio dade. oude foi recebido com.andeTenZas
publico flando-se os patrilas as promessas do mo. Victo, Eminaucl foTprodamado re da
gabinete, de que em breve a queslo seria re- "-"
eu procuro fazer, para dar aos leitores do ia- s,la propria ruina. E de~nrais, nao basta pun
rio de Pernambuco urna noco lio clara quanlo os criminosos, necessario que uo se reprodu-
mais for possivel do quanlo "entre nos se passa. zam s t rimes, e lodo o mundo sabe que o go-
irei primeiramenle alguma cousa da viagem
lo imperador, do que fallei em mirilla ultima
carta. Tem causado muita admiraco que o im- ,
peradnr se resolvesse a emprehender urna viagoiit I
que o conservar apaitado do contiiicule (rancez
luir ni i .> ti l\ ilni ili.ii n i.l.i un ......... ..I n ..* ....a
por mais de dez dias, e islo no momento em que
a Italia se acha na maior elTervescencia. Mas,
nao deve admirar islo : Napoleao III nada faz co-
mo o commum dos homens, e gosla ao contrario
de fazer o que extraordinario e pode causar es-
panto. Elle se decidi pois a fazer com a iinpe-
ratrizessa viagem que devei durar 32 dias, do
dia 24 de agosto aa dia 21 de selembro. O pri-
nieiro designio era visitar as novas provincias da
Saboya e de Niza, mas depois esleudeu mais o
itinerario, e quiz ver a Corsega e a Argelia, onde
se lhe preparara (estas de um novo genero, pois
consta que acliam-se reunidos para festejar sua
presenca cerca de 50 mil cavalheiros rabes de
ludas as tribus, desde o litoral at aos coulios do
descro.
A primeira visita do imperador fui Dijon,
nele passou a noitc ; mas o que mais ixcituu o
interesse foi a recepeo que lhe fez a cidade de
Lyao, onde chegou na matiha seguiulc. Lyo
6olvida scriamcale.
Consla-me que se acha larado um decreto or-
denando que o numero das irmaas da caridado
vivendo no hospicio de Sania Manha, seja li-
mitado ao das que exisliam em S de selembro
do 1858, que a dala d'outro decreto regulando
a sua admisso neslereino. O decreto dispemais
a obediencia de todas ellas aos prelados do reino;
que possam entrar as que forem pedidas para
meslras das casas particulares, e que em todo o
caso tanto pira untas como para outras sejam
elteclivas as leis do paiz sobre a liscalisacao e
superintendencia do ensino publico.
Ouvi dizer que este decreto nao lem apparecido
anda para que se nao diga quo o governo obe-
dece pressao dos comicios.
Palli-se agora em qd>os lazzarislas vao tam-
bera fazer um meeting ne passeio da Estrella
Italia.
E assim cahio o leino das Duas Sicilia Fian-
cisco deBourton diz-se que vera residir para
aevitna, onde se lhe prepara o paco real.
A Europa conta uai rei de menos, e Vctor Etn-
manuel um reino de mais.
A segunda pacte do grawde drama da liberdade
italiana ser talvez de mais triste interesse.
verno turco c absolulamenle incapaz de reslabe-
lecer a ordem na Syria, e menos anda de a
raanter.
E-n 1810, quando aquella provincia eslava sob
o dominio Mechemel-Ali, vice-rei do Egypto, go-
sava ella do urna tranquillidade perfeila, e gran-
de erro commelleu a Inglaterra em preparar urna
coaliao contra a Franca, que desejava manter
esto estado de couzas, A Franca, que liaba en- ragao, sujeijas aogeral da sua ordem em Franca. I
lao poucas disposiges para a guerra dixou fa- | EslSo servidos se pensara alcaucar al"uma cousa '
zer o que ella nao poda impedir o a Syria foi cora islo I
entregue ao Sulto. Uo^e a propria Inglaterra I A opino geral do lodo o paiz, apezar do nc-
reconhece que a Syria preciza ser governada por j cinto (erreuho com que dous ou tres jornaes fa-
mao mais firme, e o Tymes, o jornal mais zem opposico ao governo, continua a ser-lhe
importante de Londres, mnuifesta a opiuiao de emiuenleinunto favoravel, e deba'e cerlos ex-
a collocar sob o dominio do emir Abdel-Kader, Uibunaes, j muito conhecidos, se esforcam por
^teyd^l^Hd"PVh"d,r,C^ d6 "-"P^K Ua^^Tr'aS^^iar.'^orpTvrsI'^T *>"' .orlur e definiti-
- surgan, approxmagao dos seos libertadores! Sf*1*" 2 V2Y0 que l-em al8ura fu-
Logo depois da sabida do ex-rei de aples da Sfd?t nnr -i nd0r*e qUe poucos foram offen-
capual, urna brigada das tropas reaes passou aos
insurgentes, com armas e bagagens.
9 'ceiro acto parece dever passar-se noses-
uaos da egreja, eis as ultimas noticias recebidas
pelo nosso correspondente de Lisboa. Nao ha
pormenores, nem os pode haver. por serem lac-
ios mu recentes, quando o paquete largou do
ultimo porto europeo-
Vctor Emmanuel intimou o Santo Padre s aue
licenciasse todas as tropas eslrangeiras. Era es-
leottIan,a/ttm regeilado o qual invadiria os
!ZT,%- ^ammo PnliCce consultou"
mperador Napoleao, que respondeu quo reaei-
tasse a intimaco, e que se achasse nocesSria.
ursso5oasaS-eisnder osseus s=
SStKL'JiS HCCnCaSS0 aS trpaS eSlran- a ^^^SS^i^Z^V^ ****** vndos no vapor inglez Oneida
s se nao quena osseus estados invadidos.! Vneto, (ara causa commum com P0 Dana l Z ^ Soulhamp.oa c porlos intermedios :-M.noci
Marques deGouvea, Slwarl Lockynei, M. Pallfas
didos por elles.
Neste estado indicado, a guarda limilou-se a
nao permillir a invasao da matriz, ondeestavam
os membros da mesa e mais algumas pessoas.
A noile, porm. eslava tildo accoramododo. e
todos dispostos a oltarem para as proprias ca-
sas, ucando no eotrelanto depositada a vestal
que taes assomos causara, em poder do Dr. juiz
da direito. '
Terc-a-feira 3 do prximo mex, ter lugar
com effeilo, o concert em beneficio da Sra Bru-
com, no palacele da ra da Praia, com o con-
curso de dous artistas de mrito desta cidade.
Consta-nos que a Kxma. soohora do Sr. pre-
sidenle da provincia dignou-so conceder sua pro-
teccao a essa artista. S^gunda-eira ser publi-
cado o programmaX--'
do correnie foram recolhidos
Eis ocomeco das inlervencoes. e um lado .006 Ls^^SSTJZS^Tlr^^
.. ...j~w..e M^t^oooiu i Huaui os romanos, francezes e austracos do outro fia toinmutn ,;..;- e. recei *> poder que a
Cfcen, Amalia Gustave Schaffter, John Glews; Ja-
mes Kirkam, major Jos da Costa Coulinho. Jos
da Cunha Coulinho Junior, Dr. Sabino Olegario
ragao, sujeijas aogeral dasuaordem era Franca.
idea da liberdade nacional. I berlacao"det"e"s"e"st7doT"'"ii'!n,aorecenfl0, a IU
Que potencias se unirao a um e outro campo ? Vctor EmaM^vaiSu^eS^nd.?" P "e
tenha una solucao. que, permilta Deus nao se.a de oerder ,, nrp,im!r ??!'!?_?* J.se arreceia
que dcsenvulveu lana coragem e humanidad
oo meio das carnifii iuas de Damasco. E' urna
Idea que poder adquirir sectarios, mas quer o
descer no conceto da opiniao pu-
fuze-lo
blica.
No dia 7 parti para Iuglalerra o Sr. Jos Ma-
chele seje Abdel-kader, quer seja oulro, a Sy- j na do Casal Ribeiro, quasi restabelecido da pe-
de um governo inde.pendenle, col- rigos* enfermidade que soffrera imimamente de-
Egypto e Tuuissob asuzerauia da '
necessita de um governo inde.pendenle, col
locado como o Egypto e Tuuissob asuzerauia d
IV.ili. #
Uesla-me fallar dos negocios da Italia, e prin-
i^jum, uiiu ineguu na mannaa scguiuic. Lyao e cipio por onde deveria acabar, se quizesse guar-
I segunda cidade da Franca ; lem urna populaciio dar a ordem ihronologica dos lacios. Um despa-
nao ha muito que ella se cho, dalado de aples em C de selembro, c pu-! mmenlo do reino : nao sei por ora
rammnp* nniitin n,.i blicado no Moniteur de hoje d a noticia se- mentos lenham estes boalos : O exercito
gulD'f'.. tJ. cou j a receber carabinas mini, e Jiz-se le
Ganbaldi acha-se em Sloboli, perlo de S-, se vai estabelecer um campo do manobras per-
Ionio. As Iropas napolitanas concenlram-se em manente as Vendas Novas.
Capua; o re se esperava ahi, e seguira dc-
-xde 300,000 almas, e
deslingiiia em nussas coinmoges polticas pelo
sen espirito de turbulencia. As manufacturas de
seda, que leem seu principal assento tiesta cida-
de, ii uti< ahi urna quantidade iunumeravel de
operarios, que se achaoi afiliados em sociedades
secretas, e que passam pelos discpulos mais ar-
den les das ideas e doutiinas demaggicas. O im-
perador passou tres dias no meio desses opera-
rios, visitou com a iinperalriz as olficinas, no
bairro em que mora smente a classe operara
morar-sc-ha naquelle paiz uns dous annos. An-
les da sua partida foi Mafra despodio-se de cl-
rei, que o lecebeu com as maiores pravas de es-
lima.
Falla-se oulra vez em grandes projeclos de r-
luuda-
conie-
lenha una solucao. que, permitid Deus nao seja
muito para lastimar.
. P-"s-~l>arJ8 13.As marcas d'Ombria (provin-
cias italianas) reclamaram a intervedgao de Vc-
tor Emmanuel a quera proclamaram. As tropas
sardas enlraram nos estados pontificios. O gene-
ral Goyon voltou para Roma. As tropas sardas
atacarara Pezar, monsigoor Bello e 1,200 solda-
dos allemaes icaram prisioneros. A guaruico
allema de Orviello capilulou em (rento dos in-
surgentes.
L
INTERIOR.
pois para Gaeta.
guarda uaciona
u.iiiiu tin (jue uiuid smenle i iassc operara. tsie uesiiacno annuiicia um
Por toda a parle receberam o inelhor e mais res- leeipadanienle previsto. Des
pciiuso acolhimcnlo, e algumas palavras, alguns j desemba cou i.a Calabria, app
.11' t n ^ lio ininiilii'i.Tiri r : I u I i .11 iC j i- \ i i r -. t > tk. SfiTi' :i ni Crin \i\ r.,. ninmln .ln .i
aples acha-se confiada
A cidade esl tranquilla. As
autoridades constituidas pelo rei conlin
(unce onar.
Esie despacho aunuucia um neontecimen
Desde que Garibaldi
Parece que o padre Jos Seley sal ira ha poucos
lempos de Lisboa para Dresde e l'russia, alim de
----------------------- ---- ----9--------- .-------- '---- -o
actos de miinilicencia calculados acabaram por
sanhar o coraco a esses insurgentes, que lhe
tizoram urna verdadeira ovacao.
Km razo da grande impoilancia da cidade de ,
Lyao, esperava-se por urna dessas manifeslaroes i
publicas que o imperador gosla de fazer para as-
signalar soas viagens. Essa esperanga nao foi
van. Itespondeudo s palavras que lhe dirigi
o presidente do tribunal do cominercio de Lyao,
o imperador prouunciju o seguiute discurso:
Agradeco-vus a u.ancua porque apreciaos
neus exforcos para augmentar a prosperidado ila
Franca. Exclusivamente preoecupadu com os in-
teresses geracs do paiz, desdeulio de ludo o que
pode ser um obstculo a seu deseiivolvimenlo
Tambera uao me abalaui, nem as injustas descon-
fiaocas excitadas fra de nossas fronteiras, nem
to pouco os sustos exaggerados dos iuleresses
egoistas do interior. Nada me (ara Iransviar do
caminho de moderaco e de Justina que tenhose-
guido at o presente', e que mantera a Franca no
grao de grandeza e de prosperidide que a Provi-
dencia lhe assignou no muudo. Entiegai-vos,
pois, com toda a conlianca aos trabalhos da paz;
os nossos destinos eslao em nossas mos. A Fran-
ca transmute Europa o impulso de todas as
ideas grandes e generosas; esta nao se acha sob
a influencia as ideas ms seno quando aquella
degenera, c lica cellos que a Franca, com o au-
xilio de Deus, nao ha de degeuerarsob a minlia
dynastia.
Este discurso, alias muito commenlado pelo pu-
blico, nao produzio grande effeito, porque tsses
interesse egostas que o imperador desdenha au
acharara nclle iienhiima indicaciio de solueo dos
negocios que perturbara tao profundamente* os cs-
piritos. 'esse discurso nem urna palavra appa-
reie com referencia Italia, quer sobre a ques-
lo do Papa, que preoecupa lodos os o tholicus,
quer sabr o moviinenlo revolucionario de que
Garibaldi o instrumento e que vai tomando lio
ameacadoras proiiorces Talvez que o imperador
julgasso nao ser ainda lempo de fallar sobre essa
queKto delicada, e que qualquer explicacao an-
lecipada livessa por efleilo embarazar a solucao
que elle prc o e prepara. Mas o que cerlo que
a praca de Pars (estejou este discurso com urna
baixa fios fundos pblicos.
Foram ires
ra lor e a im
da Itussia.
, ..areceu logo a de- j Murreu na lerga feira passada depois de lonja
sorganisagao no exeicilo do rei; dvram-so mu- e dolorosa eufermidade a Sr.* Marquesa de Fro.i-
liplicadas deeccoes, e anda nao se deu um s 'eir.
conflicto serio. Espera-se no Porlo a todos os momentos el-
por onde passa Garibaldi. A auloridade real j | para Sevilha, onde so est preparando um sump-
nao era reconhecida em parle alguma, e espera-, luoso palacio,
va-se, d um para outro momento, pela partida i No dia 16 fesleja-se o anniversaro
d
r-,iwiim uuno inuiueiuo, pea partida - o re, que nao quer que aples seja o theatro Pedro V com o 1.a represenlaco no Ihealro nor-
e uiiia lucia sanguinolenta. A entrada de Ga-I nial d'um drama de E. DusterOn drama h,
linas.siriii.K r.",,, en e-*t. mnr rtiti (jjgr qu{ era cxcelleule couiuo-
ribaldi na capital das Duas-Sicilios nao se (ara
esperar, e os jornaes de Lisboa muito provavcl-
meute darn por este vapor essa noticia.
Ainda se nao sabe ao certo, se o rei ceder
sua corda sera combaten Cumquaiito a traigo
esteja na ordem do dia no exercito, sob o pre- ;
texto de patriotismo italiano, ha todava um cor-
lo numero de litis olliciaes, que se indignara cura .
a idea de depr as armas em presenca dos ban-
f,e,iPnrn,;r!r?dmnio 1ue linhasobVe toda
to, Entretanto o verdaJeiro hroe, nela sm M
gem, pelo seu talento poltico. nWsu. ,,?!'
A sabida do paquete do porto do Lisboa j se
levantavam os povos dos estados da egreja J
As Mircas d'Ausiria eslavara insurivr,.,,',,,h.
e reclamavam ainlervenco de Vicinr nf. .
rei de Italia era proefamado S ^Zot
unitarias jentravam no territorio da egrej! P '
O general Goyon regressava a Rom n
....ha Sido alacidT Ccando pnsion^n mif "u"
zcnlos soldados allemaes. e moiisogno, ello A
deOrbiello linha canluado
cas piemotilezas.
Ibes' custado a gracin'ha'qua'sT u'mVnuo de'pTisa'o P^eu^uTsmetcTtornM T*' g,Uerr,a S,n-
preventiva as cadeias do Ico ; e o caso que teresses desenconTradWa IVli ^S?*- .S '"-
uao pagaran, muito innocentes. Fraia. Inglaterra e Rum-i r* '"^ A"stri'1'
Foram onaal capturados era rao dos Ferros corasigo todas as outras uacocT m arrastar
Justino Manoel de Araujo c Manoel Brasil, pro- geral. Jacoes a um conflicto
tiunciados era crime de resistonca e moite do de- Por oulro
legado Antonio Cavalcanti : esses (actos se derara longo de ter una cora pe u so,.^"3'
na serra de Luiz Gomes em dezembro do anno Asprimeiras iropas francesa???
passado e V me. os noticiou em seu Uiario. bateado. Era Damasco linham "h'1', Jf.dSSOm"
. O verao esla indo, j nao ha mais fresco, espe- supliciados mais de duzenlns i^i ? fuziladus. e
cialmente aqui, onde ha mais areia que nos oasis nJo-se as eiecuces Pelo d5f ^, repar"
da Sibecn. Se nao chover pelo menos em de- cidade para que a populad ,1iree,,t" Pnlos da
, zembro, teremos em loda a comarca, ou melhor o castigo dos mais fanticos 'L,?>uV pr<\so",cear
uegonaaores ue ciiris-
C0RRESP0NENC1A DO DIARIO DE PERNAM-
BUCO.
Apudy, 14 de agosto de 18GO.
| \si ludo bem nestas alturas, quanlo novida-
O casamen.o dV-eraiTs'l prximo outra vez.! nar'll^ ^ 8Ct a'gUm de notlenho a meusi-
Houve aqui o furto de urna mogo, que ia to-
maudu culto, felizmente nada acouteceu. Nao
uam iralrdu^^^"o S .D V d^7 '^Z\ZKSTSZfi: ^ "WT ^ ^os^^s al.
ma da j fallecida rainha 0. Esiephania. A cr- IspoXaV,iu?v M BR """ ^ PUC I uarf,,l^ **
,lo an- le esl de luto por morlo da priuceza Fedeorowoa iosZfuTo do Z.' j *i SS-"**"' S*"' p 5"?! daS for
irbaldi da Ilussia. ^" l'^r/rio do mo..,i (um foi ajudar). havendo- Esle e lalvezo ai
Pereira Arantes, Antonio da Silva Ramos, Leon-
cio de S Cavalcanti de Albuquerque, Ramona
Marliner Y Guillon.
Mataoocko publico :
Malaram-sc no dia 28 do correnie para consu-
mo desta cidade 73 rezes.
M0RTAL1DADE 00 DA 28 !
Roberto, pardo, 6 mezes, inflammacao no (gado.
Delphiiia, preta, escrava, solleira, '30 annos, tu-
brculo pulmonar;
Antonio Francisco Pereira, branco, solleira, 37
annos, peritonite.
Julia Hara Dias. parda, 11 annos, ieflamacao de
ligado
Antonia Mara da Conceico, prela, viuva, 80 an-
riDs, diarrhea
Adolpho, pardo, escra.o, i annos, bronchile.
Hospital de caridade. Existem D8 ho-
mens e 58 inulheres nacionaes; 6 homens es-
lrangeiras, e 1 raulher cscrava, total 123.
Na totalidadedos doeDles existem 37 aliena-
dos, sendo 30mulheres e 7 homens.
Foram visitadas as enermarias pelo Dr. Sar-
ment Filho, s 6 horas e 1/2 da manha
pelo Dr. Dornellas s 7 horas e 20 minutos
da marinia, pelo Dr. Firmo s 5 horas 1/2 da lar-
de de hontem.
11 a''UP.f. d? rlenle esl mu
inar. Ouvi
* 0lhealro do S Tirina ,hro nn ,i i < rt n ,oaa comarca, ou n
lenoWery Baraldi Anlouucc. e Iiao se ei.coulra olha ou capira, com que se pos-. maior encarnicamenu, repellr *m a,,,da tra
' SsSSr N'n lo.c nr. An l.il n JIM. """"'' CHUCO 1110, C0U30 Cora m
,':,e" [' d "'le- Oso-iietoiitian- priedade se exprimi corto azeudeiro
am descontentes ram n rnmn.iiiiu o t.i.i.i___/... __. .. uuciiu.
COXSILADO PKNVINCIAL
Altci'apoesfeilas as casas abaivo dc-
claradas, perlcnccotes a freguezia
da Boa-Vista l'citas pelo lancadop
Joo Pedro de Jess da Malla.
fallando
------'---------------- l'.HVIIIM li.." L____
(los garibaldinos.ereslam ainda muit'os rgimen-,d"am descontentes com a compai.hia, o pa-1 doma eTado rtn'iU,' "SLZZZ^'ZLfXT^
os fiis pura que esse ulumo esforgo deixe de: rece-rae que teremos tempestuosa esco ly- oSseiif^ano SS^dS^SS^^l^*
ter probabilidade de xito. Mas nao se sabo so rica. J orosfeno- .1U- todava diz muito para o caso.
o joven rei lera bastante resolugao para tentar D. Thomaz de Souza Holslein e D. Filippe de na'vai lon'e "! ,S n'.idr?,"^ r.Pru, t* 7 j
es.a ullima pa.tida, e em lodo o caso, os minia- Souza Holslein, f.lhos do fallecido duque dePal- Mi, [-iribus para o combie P tP "" Cm
Iros de que se tile cercou oque buscara por meio mella U. Pedro, foram elevados cathegoria de
de tamas Iraquezas urna popularidade que lhes grandes do reino com o titulo de marquezes de
escapa, larao quanlo fur possivel por lhe lirar Holstein.
ines-
:i0-
esse supremo recurso.
A grande queslo, presentemente, saber o
que (ara Garibaldi. Esse hornera, em quera se
encarnou a aeco revolucionaria, hpje lao po-
deroso, que o governo piemontez, cuja ambico
elle servio, acha-se seriamente aterrado, lima
vez senhor de aples, teme se que elle nao de-
sejegovernar por si mesmo e nao pelo rei Vctor
Eramanuel, cojo nomc tem invocado tanto. Ga-
ribaldi leimoso ; elle tem seu plano que con-
corda iuiIo com o de llazzini, de quem a seu
pesar, o dcil instrumento. Elle nao quer de
modo alguoi depuras armas e diminuir era nadr
oscu poder emquanto houver na Ilalia um pon-
lo que nao esteja comprehendido na unidado ita-
lidna.
Depois do reino de aple?, elle quer conquis-
tar c revolucionar os Estados do Papa e a Vene-
Cii" r^uPu ",c in,Potla 1e se leanle coulra
elle a diplomacia, que a Franca e a Austria so
enraivecam o provoque urna guerra eiirarnicada.
Maso Piemonic, que lera muilo a perder* nao
s das de (estas aquelles que o ioipe- quer arriscar-se nestas perigosas empresa* e lhe
meretriz passaram em Lyao. Uouvejconvir muito guardar provisoriamente as' Duas
Sicilias e assenlar ahi o seu poder, u Sr. conde
de Gavour, que se annulou durante a lula, deso-
jara tomir agora a primeira posicao, dirigir e
nao contar, c dominar una situaclo, quo pude
crear-lhe us mais graves embaraco. Os amigos
de Garibaldi dizem que elle nao est resolvido
dCSCBr a urna posicao secundaria, e que, se or
preciso, (ar-se-ha eleger dictador pelo povo do--
Duas Sicilias
Assim se achara as cousas. J se prev ura
ataque conlra os Estados-Romanos, em que La-
moricirc tem um exercito de 25,000 homens bem
organisado, e onde a guaruico (raneeza de iuraa
esla prestes a defender o Sanio Padre e seu. do-
minio. Bem so vquanto o futuro daperninsu-
la nanea se aprsenla sombro.
O parlamento inglez fechou sua laboriosa ses-
sao a i de agoslo.
Bolctim da praca os 3 0/0 a G7DO
4 i/2 a 9795.
Consolidados ngl.zes a 93 I[2.
Falla-se novamente u'oraa grande (ornada de
pares, o appello de novo para a urna.
Os prmeiros dias de selembro mais tcem sido
de invern que de outomno ; no domingo 9 re-
benlou sobro a cidade um (urioso vendaval, que
fez no Tejo alguns estragos metiendo a pique
dous navios costeirjs, c na barra de Setubal fa-
zendo naufragar o navio inglez Amelia carresado
de eorlica.
Muito se deve sentir nesaa praca apredileccao
que os nossos comnicrcianles de assucar ins-
Irara agora pelo assucar i
que dizem que muilo
Uns as armas alimpam c renovam,
Oue a ferrugem da paz gastidas lem ;
Capacetes cstofo, peitos provam :
Arma-se cada um, comoconvm.
Entretanto esper que nao naja sangue, e se
conclua o negocio em paz. S lhe digo que
bem tolo quem briga por causa de eleices, para
fazer depulados homens (fallo em geral e com
excellenles excepcoes) que sao somenle amigos
da vespera, islo era quanto precisam, e depois
nem ao menos nos conhecem Antes de concluir
esta, digo-lhe que oslamos sera correi raez e
meio, nao se porque s chegara elles ao Ass.
Dizem que o mal parte d'ali. At
ro morro enn .7 l'u"' ,l" roa,l e"n
ra moirt.e esta uma senleneaque mostra
rao a vedada de n0ssos receios. PoT,rae L
je sao legalmeuio assassiuados os que ha Pouc(
das assassmavam os chrisin. .,. i >"""-os
l.ro as mesmas cenas = ,i,r ,'T Dh" M"e"
van.arara os fS pnp"' ^ k"
(a ?a ma'c'ruel6 88nge na0 rcSene" uma a^o,
a la ma.s cruel, mais sedela de sangue e inci-
Ba,K'M q7eSa0 n'uil Para'receia
Tera liando grandes desordena em Fernoro e
acuri a propaganda slava. Em Balbeck e ou-
iros povos prximos de S. Joo d'Acre leu. ha vi-
do baslantesassasinalos.
Fuad-pach nao confia as tropas turcas e re-
cia que .acara causa commura cora as Irtbus fa-
contra'a'rr^ CR0"'iuara os "-os escandecidos
contra a Graa-Brelauha. Us Irlandezes olferece-
ra ao n.arcchal hespanhol Mac-Mahon uma espa
especialmente um baile, no qual se a presentara m
oiio mil convidados, que se apertavam a poni
de se afogar. No dia 27 o cortejo imperial se poz
era caminho para Saboia. llavia subieludo una
inlinidade de anligos soldados, que erara conhe-
cidos pela medalha de SantaUellena,que un de-
creto de 1857 conferio a lodos os militares que
servirn no lempo da primeira repblica e du
primeira imperio. A cidade estiva quasi luda
ornada de bandeira. A' vala diste espectculo
impossivel era acredilar que a Saboia nao osti-
vesse veriladeirauenle satiseita pela sua aune-
xaco ao imperio francez. Os saboyardos uao s
fallara o nossa lingua, e leem a r'ecoidaco das
guerras que susluiiaram coraiiosc.o, raascompre-
liendeni alui d'isso que de seu interesse se-
rem francezes, porque o seu paiz, muilo esque-
cido pelo governo piemontez, necessita de mu-
tissiraos raelhoramentos, que o nosso governo (be
dar. O imperador, que lisera preceder sua via-
gem pela concessao de caminos de ferro, de es-
tradas, de pontos, aseignalou-a ainda com mullas
liberalidades s coinmunas pobres. Citarei s-
mente a cidade de Aix-les-Bains, qual promet-
teu elle 50U:000 francos para o acabamento de sen
escolente estabelecimento de aguas (bermaes.
1 inalmente por todo o curso de sua viagem que
durou oilo dias, foi ello Victoriano pelas popula
c~~
Brasil, o o prego igual As Iransacces sobro esle
I genero limilam-se agora ao assucar inglez, con-
servando-se o desseimperio, e odas nossas pos-
sessoes na mais completa apathia.
O conde de Bolho foi despronunclado como
ja lhe disse. A resposla do juiz Quciroz ao man-
t dado de despronuncia da relacao do Porlo, e a
quo u Sr. conde escreveu ao jiz, sao aqui a or-
den, do da, e cncontra-las-ha no Jornal do
, Co/iiHierciode 9 do correnie, pedindo-lhe que as
, Iranscreva, porque as dojuiz honra a magistra-
tura, e mostra que elle um desles homens
mais do quebrar, que de torcer,cousa raa ues-
te lempo.
Morreu era Londres o Sr. Eduardo de Faria.
A chegada houlem 13, do vapor do guerra Es-
iephania, habiiia-nie a poder dar-lhe noticias
circumslanciadas da nossa provincia de Angola
que felizmente hoje se aprsenla cora horisoul
menos torvo e carregado do que ltimamente.
Da expedice que, comporta dos vapores ifri- \
". uiui'|ucu ui.ii parte d'ali. Al agora era pou- ra ao mareen, hnanai .1 u. ".l"",,""r
mglez mesmo o bruto, con d.i.heiro que se dava a ura estafeta, porm da de KK?H|UtoS!E uma/fP"-
m is l.mpo que o do hoje que es.o bem pagos, digan, o paduanos [ da opprimida S5SKr:i ''""
s transaccoessobra este qual ser o motivo. anliaos rr* n >!,. .' A"'? de scus
qual ser o motivo.
O cerlo que laes faltas fazera grande desar-
raigo, nao s aos negocios pblicos, como aos
particulares.
J o anuo passado estiremos 3 mezes em qua-
rentena, isto sera communicaco alguma com
a capital, porque em todo esse lempo nao viraos
uma s vez o hornera da mala.
Adeos.
DIARIO DE PERNAIVIBUCQ-
h!tT\ rt', 0ue,rera *e-bbq*imHa7arl-
bato!: o liberlar a Irlanda do jugo inglez -
:!"'* lomara a haver algumas" espe-
rances do uma colheila mais ou menos favoravel,
le a nao se recetar tanto uma crise alimenticia. I
->o Japao diz-so estar ludo socegado ; o exci-
tamcnio havia ltimamente cessado. Receiava-
( se pela seguranca de lodos os europeus residen-
tes em Jajour, onde se diz que os indgenas ata-
caran) as tropas fraacezas que eslo agora con-
centradas nos seus enlriiiclieiramei.tjs. Sochowe
diz-se que fora tomada. '
: hSffFA Ltb0a apor de S,,c,ra 1ue ""nha
levado a Angola a primeira parle da expedco.
ilio era eontido era respeito. Nao hara j
O acto da presidencia determinando que se-
guissem para a corte apresentar-se ao Exra.Sr. e,
nin.s.ro da guerra, qualro ofTicaes de linha, me- necess.dade'de maioreT forca=
receu o reparo, que se leu hoctem no orgo da :
opposico.
I-' lao injusto semelhanle reparo que nos obri-
ga conlraria-Io com uma simples observico.
Se o fado de h.ivercm volado aquelles ulli- '
PERNAMBUCO.
Lisboa 1-1 de seteuibro de 1860.
No da 5 deste mez levo lugar a arreraalarao
do monopolio do labaco pelos tres annos que
bao de com orar em abril de 1861 c. lindar oni
. marco de 1864. Contra a espeetalira geral o
cues, que se raoslravam suinmaraento reconheci- a"Co oilerecido, e com jue a praca foi allYon-
daa p nwKniiin. raitiAnii o n.niA.1 .i _..:- i la excedeu em 180 cotilos de res a arremala-
-. r------------- .-.'.va .-./# *-i w .i., .v U. im.viuui Hiuu aquellos
a, i-Mepiiaina, e Uan Anua, que daqui parti i eiaes.com a opposico fosse, como diz o orvio li-
em das diversos, o ultimo a chegar foi o frica, beral, a causal da retirada d'aquellcs officae o
ia compauliia Lniao Mercantil, que parti de Lis-i "o a necessidade de manter no p conveniente
ooa com a anticipacao de quinte dias. |a disciplina do exercito, offendida gravemente
A viagem deste vapor foi pessima, estando cou-i como publico e notorio, pelo coporiameni c
Uiiuamon e a arribar para concertar a machina, qe ,,a ^* Doa-Vista -Irta ... i ofllcial Pa sb a denmi, Ve?; e^fr'rT0^0 >'"" "
e tenho ale .normaces de que em S-Thom desobedecenrto formalmente ao seu comnian-Va,\-\ nm emc das nu-Z" r'0'-'''^ < f,i
frica concertara os cylii.Jros da machina com to, ento seriara tambera mandados seno lodos !T-r^Lt" *2?t*SJH $&&* PP'
ao menos a maior parle dos olliciaes do dcimo
REVISTA DIARIA-
Chamamos a altenrao dos nossos leitores para
o opuscu o, que hoie comecamos a publicar es-
cnplo pelo Bxm. e Rvm. hispo no.neadu para o
das, e pens que radicou e cimeulou aiuda mais
o espirito de annexaco
Ouiz elle ir at extreraidade d'esse paiz mon-
tanhoso, risitou o ocano de gelo sobre as en-
costas do Monte Branco, e alguns lugares mesmo
onde, ha va apenas alguns dias, linham perecido
Ires inglezes com os seus guias.
Nao occorreu cousa alguma desagradavel n'es-
sa penosa excurso. Deu-se apenas em Genebra,
que deseja anciosanienie ver arredondado o seu
territorio cora uma parle da Saboya, urna scena
ridicula, que poderia ter consequencias funes-
tas se o imperador se quizesse mostrar susceoli-
vel.
Um barco de vapor, carregado de umt mnlli-
daode passeantes, dos quaes somenle um pe-
queo numero eram francezes, linha seguido o
imperador em sua excurso pelo lago de Gene-
a, o ao saltarm foram assallados por uma
chusma de assobios. A' medida que os pos-
anles desembarcaban), a populacho genebrene
os eochiam de injurias, cliamando-os criad*,
vis aduladores etc. Esla scena grosseira nao
lena oulra importancia seno o de provocar meia
duza de tceos o pauladas. Mas um dos fran-
cezeyqoe desembarcaram, levava consigo a
bandeira (ranee, que (oi insultada com pala-
vras, e uepois arrancada das mos do francez e
laucada ao no. O commissario de polica de1
Genebra apressou-se a por Ora a esla ignobil
scena: nlervera o Sr. Fuzy. chafe do poder exe-
culivo e consegiie dispersar a mullidao: a ban-
deira (raneeza foi apandada e ura fuuccionario
genebrez levou-a logo i cidade (raneeza, que
tica mais prxima. Creio que esta scena "ro-
tesca nao lera outras consequencias.
Oimperador continua a sua viargem. Acaba
oo dcixar Grenobla, onde foi enihusiasticamente
recebido ; dormir amanha em Marselha, onde
inc preparan. eslas pomposas, e entre outras um
nanquele de subscripeo. para o qual contribui-
r cada assignatario com a quantia de 500 fran-
cos uani seguir para Toulon, e para Niza,
Oepoia embarcar para a Corsega e para a Ar-
gelia. Suppoe-se qne elle pronuncie algum dis-
curso no banquete de Marselha, e que nao dei-
xar de dizer alguma cousa cerca da Ilalia
n uma cidade. que tem tantos inleresses com-
merc.aes corapromeilidos na Pcniosula.
Tonco tenho que dizer cerca da queslo da
yna, que ser muito proravelmenle o poni de
partida para um npgocio grave, mas que, por ora
e apenas de uma importancia secundaria.
ledas as iropas francezas tuham chegado aquel-
paiz. com a excepeo somenle de algumas
arcos de^ioa1*.14" "* V"** aa ,uac,,,Qa CI" lf' enla0 8OTiam lam0m "ndados seno lodos ao poder"lempor"aT, era" urraa dhto,
T55A- chogouassira. depois de uma ^^"^ !%^ZZt^ )S "r] f ^ C
viagem, d_e aqu caio acola me leanlo a, 'no deve saber a opposico, a acomoanharam e imoorant d eo L'Ced CS'J' a malorla
Angola a, de agosto, com 36 dias de viagem" a presidencia livessc* entendido que ^o^
sendo atropa e ogovernador Caries Augusto Ues de linha nio deriam mar com a opooS aueseabtoam nh .1! V e5p,nio5 *""
raneo recebido pelo seu antecessor com as eos- celara que elles teriam sido prevenidosem em- >"-'''* ---- *n0n frondosa do ca"
lumadas honras. p dos desejos do governo por algum ds raui-
linha chegado timbera 'os meios que elle linha sua disposico.
de viagem de Uaco por Ti- i Pois bem ; aquelles olliciaes c todos'os outros
mor, Suigapura e Messamcdes a barca J/urin/io """ *"'""",*"K*"""-----------""-
.uiiiaoas uoiiras.
No dia 2W junho,
Angola com 252 dias d
cao annual do ultimo contrato. Foi o maior pre
co que tem oblido este monopolio, e ainda mes-
mo no anno em que o sabio e a plvora lhe es-
tovara annexos, nao chegoif aos 1521 contos poi-
que agora foiarrcmaiado.
Us arrematantes foram os actmes conlratado-
res. que dizem derara soriedade uns individuos
brasileiros nesta especulcao.
A praca estere muilo animada, houve seis ou
de Mello, que devia (azer-se de vella para Lisboa
no da 18 do passado.
t
O Esiephania que largou de Angola no dia li
de agoslo, trouxe as seguinles noticias acerca do
estado da revolueo dos prelos.
Asi forcea que conduzio a expedii'o, juntas as
que la se achavam, habilitavam a provincia para
proseguir na pactficacio dos districtos amoiina-
dos, e pnra casligar devidamenie o genlio
) dislriclJ de D. Pedro V no Benibe. do qual
sele licuantes, mas nenhum chegou ao preodos h I,* "'I, t ,d actuaos con.raladores, e desanima ara nStVS saber aV^^J?**?1' Jenfiasc porselporum prisma suspeilo
.ii.pnaei.i.r. a o/in ...__ ... "' 4uuliUU saber ano o sua eunmirao sp. arhav- f,ii^^i *ij._-:- r Jl1._
---------- o"-* * S5Sa?S t^lSl^^ 5-5-* -bar, bil.de
presentado pela comp.nha de queifazi.flTo oor"5 nhn Z!If1 w Pe" c cercada
Sr. Francisco Isidoro Vianna e innao doVem co-' d? .!?, iTS felume",e soccorri-
. Pinto da o^a, ^X^S^^^
dos. sendo o lan-lAmbrii para abrir%sVommunicaces cora 0 no-
iholicismo
Quando urna cruzada sacrilega se levanta con-
tra o patrimonio de S. Teto, as-'entada em so-
----- _.,--------------t*.w o uj uuuiij, plusmas com que procuram-se Iludir aa nial
queacconpanharam a cppos.co e que lhe nao: ligencias menos esclarecida* nhr rt. -" -
devem ser suspe.los. que lhe declaren se rece-1 Jmytt\i\^tm\VSr^m^il^
coniesla ou aquella parcialdade poltica, raas Temos nuticias' da comarca de Naz.re.h
linha sera dunda o direilo de exigir dos olliciaes firmadas a 3 do crranle "" dC NaZl,relh.
lZXSm\?^^ ranqui- 4dera 3.PormVsn;o:;-urna'mcialagoa
Conteslar esse direi.o ao governo s poden, os O actual delegado o capito S Barrlo, prose- IdemT Frad'S 9&Um"km*
Ra do Pires.
N. 2. Amorim A Irmao, uma casa
terrea arrendada por.............
dem 30. Jos Pereira Vianna, uma
casa terrea arrendada por........
dem 32. O mesmo, uma casa ter-
rea arrendada por................
dem 3-1. Joo Teixeira de Souza
Lima, urna casa terrea arrendada
por...............................
dem 41?. Manoel Moreira da Costa,
uma casa terroi arrendada por...
dem 50. O mesmo, uma casa ter-
rea arrendada por................
dem 82. Jos Mara Se ve, uma casa
torrea arrendada por.............
dem 5. Joanna Maria de Dos, uma
casa terrea arrendada por.......
dem 11. Viuva e herdeiros de Ma-
noel Antonio Cardse, urna casa
terrea arrendada por.............
dem 15. Jos Norberto Casado Li-
ma, uma casa terrea arreodada
por..............................
dem 17. Dr. Antonio de Souza Cir-
ne Lima, uma casa terrea arren-
dada por.........................
dem 19. Jos Carlos Manco da Cos-
ta Res, uma casa lerrea arren-
dada por.........................
dem 23. Jos Rodrigues de Arau-
jo Porto, uma casa lerrea arren-
dada por.........................
dem 23. Joo Baptista Fragoso, uraa
casa terna arrendada por........
dem 27. O mesmo, uma casa ter-
rea arrendada por................
dem 31. 1'hon.az de Aquino Fon-
seca, uma casa lerrea arrendada
por...............................
dem 37. Manoel Antonio Goncal-
ves, um sobrado com uma loja e
um andar arrendado por.........
dem 41. O mesmo, um sobrado com
uma loja e um andar arrendado
por...............................
dem -15. Joo Mailins de Barros,
urna meia-agoa arrendada por. .
Travessa do Pires.
N. 2. Manoel Joaqun) Carneiro Leal,
utin meia-agoa terrea arrendada
por...............................
dem 0 mesmo, uma meia-agoa
arrendada por....................
dem G O mesmo, uma meia-agoa
lerrea arrendada por............
dem 8. O mesmo, urna meia-agoa
terrea arrendada por.............
dem 10. (i mesmo, uma meia-agoa
terrea arrendada por.............
dem 12. O mesmo, uraa meia-agoa
lerrea arrendada por..............
dem I O mesrao, una meia-agoa
lerrea arrendada por.............
dem 16. O mesmo, um porlao cora
ura telheiro oceupado pelo mes-
mo e 27 meia-agoas no quintal,
arrendadas por 849 cada uma,
estando Ires em obras, as vinte e
cinco por.........................
dem 18. 0 mesmo, uma meia-agoa
torrea arrendada por.............
dem 20. O mesmo, uma meia-agoa
terrea arrendada por.........;.. .
dem 22. mesrao.^oraa raeia-agoa
terrea arrendada por.............
dem 2. O mesmo, uraa meia-agoa
terrea arrcndaJa por.............
dem 1 Joo Teixeira de Souza Li-
ma, urna meia-agoa teirea arren-
dada por......
tos inleresses da sociedade
7-1--------.......~* >" ua run
cliegaram a ollera de 1520 contos, sendo o lan-
ce depois coberlo com mais um cont e fechada
a praca
N'uma das companhias licuantes figurava o Sr
Salamanca, e nao falla quem allirme que fra el-
le quem motivara o espalhar-se o boato de nue
Mar? S6 ""harn aPssndo da cidade de
Esla noticia appareceu noyornof do Commer-
co do diada licilacao. O pnico que se espalhou
pea cidade. lendo-se .al'noticia, nao poda ser
Laatki. Sverno apreasou-ae logo na mesma
manhaa. de perguntar pelo lelegrapho aos nos-
havia de verdadeira era taTnolicia''
COrtocones?av^1,d0mq"e nr"' "^ UKK
corto consta! a a ma.s pequea cousa a tal res-
0 fim desta mentira era fazer com quo o pre-
ma" o .abaco nao subisU agran-
de preco, porque eslendendo-se o monopolio
Mario, e faltando-nos esla possessao, o nro
da praca nao seria de certo to elevado i, a
inca apezar de bem dourada, apezar do lele!
gramma disse que o ministro da Franca na Chi-
naprotestara conlra a oceupaco, nao produzio o
elle.lo que se d^sejava. e de tarde lodos se riara
da audacia peleira do jornalisia, que asim s
presloua dar entrada as columnas do seo jornal
mentira, to volumosns. '
A imprensa estrangoira sem excepeo conti-
nua oceupando-ee da ultima reforma das pau-
las levada ao cabo pelo Sr. Antcnio Jos d'A-
viia, e o Stecle nao duvida elevar a nossa la-
na aduaneira a uma das mais liberaes da Euro-
pa, dizendo ao mesmo lempo que o tratado de
commemo enlre a Franca e a Inglaterra produ-
cir os mais sal uta,-es eei.os no nosso paiz. Em
abono da verdade d.^vemos dizer que esta re-
forma de ha muilo fra proposta pelo aclual mi-
to conseguio desalojar o genlio da posicao de
Ouibala, causando-lho grandes perdas. e 'no dia
1 dejunhofezjunccD com a gnarnicao de Bem-
bo onde os vveres e munices ja es'casseavam a
ponto de comprometter gravemente a sua sorte
se tal soccorro so demorasse mais lempo
l)o Bem be haviam sahido columnas em varias
direccoes commandadas pelos majores Boraes e
Gomes, lendoem repelidas occasies attacallo o
genlio, que d'antes tanto ameacava o dislriclo
obiendo sempre em resuludu desbarata los
n.culir-lhes o terror e respeito pelas armas por-
Ainda mais. 0 facto de revogar a presidencia
a sua orden para a ida dos olliciaes e manto-
la apenas, segundo somos informados, para cora
um capno, desde que informaces insuspeilas o
convenzeram de que os oulros se haviam limita-
casa lenca oceupada pelo mes-
gue na pesquisa dos criminosos. Fez prender ha
pouco a Francisco de Paula do Reg Barros, por! mo por..
adoCr nm rni?,fni',Cada T f**8"*". o- dem 9. Domingos Jos da Cunha
cerca de dous anno 1S? 'Z'" Pr, "' ha ^ Lages' um sol,rado com uraa loJa
esravdn rar.,,",' '""i*? e? S," V0*" c andar arrendado por.......
escrava do capilao Laurenlmo de tal. uom 9. Sebastiao Lopes Guimaraes
Hi uro -mZ&t *Z2ZZ e^l'ue'to'e": dono ISS aoel to dS *?*** a -*!" uma casa '"" <^" '
dentcmenle intenc oue presidencia eraores S aJ2 tKSS.f1"!-0 ; e Seu oc'culla- ljem 13- 15 c 17- mo. Ires
La. Sfc da oPPosiQo^qu/e.le'me'L0.''^^-! 1im^mm^ZJSSm ES" """ lerrC8S> *" ^ r
800J00O
2-iOgOOO
240*000
2005000
30OJO
300*000
1505000
200SDOO
2005GC0
200?000
216SO0O
2104000
2408000
200;000
aoocooo
50OS00O
8005000
soosooo
ttCjJOOO
COjO o
005000
603000
cosooo
72g000
72.5000
725000
2:100000
72-3000
725>00
725O0O
72^000
6000
60000
200$000
1:1005000
38IM0O
O terror que o major Borges incutia aos no-ros
era tal que elles o appellidavam o arraza mon-
tan lias.
Dos estados da India tambem tenho nolicias
que alcancam ao Io de agosto
As chovas linham sito copiossimas, c em al-
guns pontos houvera cheias, que nem poris'o
perderam as eolheilas, nem causaram desastres
pes-oaes.
Tinha-se feilo a reforma postal, mas o publico
nao a linha bem recebido, por salisazer mal as
exigencias e conveniencia da correspondencia,
lallava-se em Damao que se ia agora dar lodo o
incremento ao fabrico de uma fragata de uer-
rn que all esl no eslaleiro ha uns poucos de
annos.
Lisboa e Porlo leem novosgovernadores civis
ambos elles caracteres independentes c reconhe-
cidamente patrilas ; o de Lisboa o Sr. Anto-
nio de Cabral de S Nogueira, irmao do visconde
de Sa da Bandeira ; o do Porlo, o Sr. Miguel do
Lano de Caslro.
No dia 18 passa por aqui o" vapor Sainton-
ge de Brdeos, que vji inaugurar a carrrira
do Brasil para o fiio da J'rala. Toca em Pernam-
buco e Baha.
**. _. -rr j, ^ ^ .,,w i -. -1 -, caa-
mos cerlos, se convencer da injustica que irro-
ga S. Exc.
O collega deve saber que quera esl ceg pelo
espirito de faccao, como diz que se acha S. Exc ,
nao pralica actos como os refere o proprio ora
da opposico. em relacSo aos olliciaes, que d"ei-
xnm de seguir para acost, nsenndo alhonlem
em suas columnas o segundo officio de S. Exc.
acerca deste negocio.
Temos igualmente noticias do Rio Grande
do Norte, que chegam a 15 deste.
No Apody foram transferidos os trabalhos elei-
toraes para 1^ do vindouro mez.
O vero revela-se j nessa locadade, e se al
dezembro nao apparecerem churas, haver "rau-
do prejuizo no gado : porquanlo leudo sido o in-
vern all mu curto, pouco pasto creou, e j ha
lugares em que nao se enconlra mais rama adu-
nia para alimentaco dos animaes.
Em Pao dos Ferros os negocios eleiloraes, que
a comeco ara sob um aspecto pacifico, tomaram
uma phvsionomia pouco ii-ongeira era seguida
nas felizmente a inlervencao do respeclivo juiz
de direito. o Sr. Dr. Delfino Augusto Cavalcanti
O vapor Oneida, foi portador de jornaes e car-
las com as seguinles dalas : Hamburgo 5, Lon-
dres 9, Paris 7 e Lisboa 14 do crranle.
Garibaldi entrou no dia 8 em aples sem for-
caarmada, e foi recebido com lodo o enlhusios- d'AIbuqrqoe.' pode serenar oan,raos a iraze"-
nhocs narliram logo para irem buscar a Gaeta o algura desaguisado o Veferido S, d 'S0
fhe'p'reS o^co Stf*- SCViha ^ SC SSff.SSfff ^"^S&
suliatas a escolha de uma commisso de partida-
rios seus que assislissem os trabalhos da mesa
parochial, evitando desta sorte a agglomeraco
na igreja, para a qual somenle enlrariam os vo-
lantes a proporco da chamada.
Sendo isto accordado, para alli niandou-se uma
guarda, que poslou-se na porta da matriz.
No pnmeiro dia, ludo marchou regularment-
e com ordem ; mas no segundo, por causa de re-
cobimenlo de cdulas, suscitou-se uma queslo
de que resullou muita pedrada, alguns tiros
alma, o adiaroento dos trabalhos.
Taes oceurrencias proJuziram cerca do viuto e
tamos ferimenios. sendo um ou dous de chum-
bo, e 03 mais de pedradas.
Supnunha-se, que os 'tiros foram lanzados
3880)00
1:0085000
264$00O
4405000
965OCO
GOgOOO
60S00O
As iropas reaes eslavam concentradas em Ca-
pua, sobo comrnando do general Bosco ; as ita-
lianas a 57 kilmetros de aples.
Foi proclamado Victor Emmanuel rei da Ilalia.
Assim se acabou o segundo acto do grande dra-
ma de liberdade e unidade italianas. Primeira
em Palermo, sendo acclamado o cx-flibusleiro
o ex-pirala Garibaldi, como ellos lhe chamavaiu
diciadorda Sicilia ; o segundo em Nepoles toan-
do Francisco II, dianle da insurreico dos povos
que se levantavam ao norae de Garibaldi, o idea
de liberdade.
Para a liberlaco de aples s houve o com-
bale rsnhido de Melazzo, c o Bombardeamenlo de
Palermo-. O desembarque na Calabria ; a mar-
por
dem 19. O mesmo, um porio no
quintal com 12 meia-agoas arren-
dada cada uma por 843 ludo por.
dem 21. O mesmo, uma casa ler-
rea arrendada por................
dem 25. O mesmo, uma casa ter-
rea com um telheiro no fundo da
casa, por 20# o lelhciro e a ca-
sa por 2005. tudo por.............
dem 29. Manoel Ignacio da Silva
Teixeira, uma casa lerreu arren-
dada por.........................
Ra do Alalho.
dem 5. Jos Francisco Lavra, uma
meia-agoa lerrea arrendada por.
dem 7. mesmo, urna meia-agoa
terrea arrendada por.............
Ra da Aurora.
N. 4. Tiburcio Valeriano Baptista,
um sobrado com una loja e ura
andar ai rendado por............. l:2C0$0O
dem 6. O mesmo, um sobrado com
uma loja e um andar arrendado .
. ,"""'.......................... 1:2005000
dem 8. O mesrao, ura sobrado com
uma loja e ura andar arrendado
por................................
dem 20. Netos do finado Manoel
Alves Guerra, ura sobrado com
uma loja e um andar arrendado
Pr ......;,......... 1:500$000
dem 22. Visconde da Boa-Vista,
um sobrado com uma loja e um
andar oceupado pelo mesreo ava-
llado por......................
Idera 24. Viuva de Antonioi Jos
Pereira de S, um sobrado cora
l:S00|00t
600JI00O
\
M
"r
' 1 ."
,
"T"r*"
,v 1
VV./'; ',-
^


MARIO DE MERUAMBUCO. SABIUDO 29 DE SETEMBRO' DE 1869.
'3)
iMflHaMMni
una i oa e dous andares arren-
dado por......................... 1:500000
dem 28 Oliodina Vieira dn Cunha,
un sobrado com urna loja e dous
andares arrendado por........... 1:000*000
dem 32. Mara da eves Carneiro
da Cunha, um sobrado com urna
loja o dous andares arrendado
por............................... 3:OOOSOuO
dem 36. Elias Baptista da Silva,
um sobrado com una loja c um
andar occupado pelo mesmo ava-
llado por......................... HWM
dem 38 Baro de Guararapcs, um
sobrada com una loja e um an-
dar occupado pelo mesmo ava-
hado por.........................
dem 40. JosJacintho da Silveira,
um sobrado com urna leja e um
andar arrendado por ............ 1:2009000
dem 42. Carlos Augusto Pimo do
Oliveira, um sobrado com urna
loja e dous andares arrendado
por...............................
Ilem 50. Francisco Antonio de Oli-
veira, um sobrado cora urna loja
e dous andares arrendado por....
dem 00. Heideiros de Joo Vieira
Lima, ura sobrado com uros loja
um andar e sotio arrendado por.
dem 66. Antonio de Azevedo Vil-
l.irouco, um sobrado com una
loja < um andar arrendado por.. GOOJOOO
dem 70. Jos Jacintlio Silveira,
um sobrado com urna loja e dous
andares occupado pelo mesmo
avallado por..................... 600*000
dem "8. Joanna Maria de Dos,
o ni sobrado com urna loja c dous
andares arrendado por........... 1:000#000
dem 80. Maria das Neves Carneiro
da Cunha, um sobrado com urna
loja e tres andares arrendado por 1:100*000
[Continuar-se-ha.)
CousMlmlit nr***
Rendimentodo Jia 1 a 27. 14 33475
dem do da 28.......1.607207
15:94l|961
Diversas provincias.
Rendimento do dia la27. 1:016*284
dem do dia 28....... 88}773
1:1358037
Despachos de exportaco pela me-
sa do consulado desla eldade n -
din 8 S de setembro de tfcttO
I 000*000 N' **a Pra^aEscuna hollandeza Atalante, A.
Irmos, 100 barricas assucar branco e*250 di-
tas dito mascando
Montevideo Brigue portuguez Lusitano, lio-
reir Costa & C, 200 barricas assucar branco.
Liverpool Briguo inglez Odom, Johnston
Paler & C, lOOsaccas algodo.
1^00*000 '''verP00'Galera ingleza Bonita, James Cra-
btree & C, 51 saca3 algodo.
Havre Bares franceza Berth, Tisset-fieres, 500
couros salgados e 370 ditos espichados ; Ma-
noel Alvos Guerra, 40 ditos seceos.
Recebedoria de rendas Internas
geraes de Pernamboeo
Rendimento do dia 1 a 27. 23:6385904
dem do dia 28....... 3 085*803
2.400*000
OOjOOO
26:724707
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1 a 27. 6i:013$039
dem do dia 28....... 2:5385236
66:551g275
Correspondencias.
PAO D'ALHO.
28 de setembro de 1860.
Raiificaroes fresquiiha*.
Srt. Redactores. Teuham paciencia. Era
Itossa correspondencia dos Accommodados, de-
ram-se as seguimos iuexactides que procura-
mos corrigir para dar algumas explieacoos galan-
tes de tactos, e de biografa. Ei-las
No segundo periodo lsse. da antiga fabrica
do Viegas.Nao Senliores ; qual Viegas !la-se
<]a antiga fabrica do Veigas, sim, do Veigasem
Santo Amaro ; fabrica do cordoaria onde ainda
se fabricou grvalas, de beni boa grossura, pro-
prias para matar a raiva dos Indignados...
Ultimo periodo .contra o marmunge loa-
se contra o marmanjo, e a crescentamos agora :
se por ventura nao elle o proprio balisa cftr
de niel do foro, que nos dissoiam ter sido capti-
vo, que ja levou fundo novo, orrou-sc, fot gua-
bir, foi voluntario, virn a farda, tirou praeiro,
e boje nmi dislincto editor da Kora Era dos
Uberaes, mas sempre tinto I Dizeiii as ms lin-
goas que ainda quer fundo novo ?... Alrz vira
quem o dosejo llie ar : nos nao, que somos
dem da Ualiia priineiia sorle. 5N[
Sfgonda 54l
Eacalhido 58j
Caslanha por 112 do Para n. 1Ti
Cebo por 112 do Blo Grande
Bom e doro.. .
Mediano. .
Escuro.....
Cera de carnauba, por 112$. .
Cliifres, por 123 % de vacca .
De boi. .
Cinzas de oaos por tonelada:
Branca. .
Prela .
Clina por a decavallo .
de vacca. .
Coaros por do Rio,
Seceos de 30 a 35 .
de 20 a 24 %
de loaros, 35 a 40
Ideai do Rio Grande, por :
Salgados.de 65 a 70%.
de 45 a 50%
de vacca 40 a 488
Ca vallo, eceo', 10 a 13
5. uin
dem salgado*, 23 a
30 .....
dem dem, 16 a 20 dem de Pernambuco, Babia,
Maranho e Pr por t
Seceos salg., 26 a 30 S,
espichados 16 a 20 %
Curtidos 7 a 9
dem do Cesta, Parabyba e
Macei por .. .
Seceossalg. 30 a 32 R.
Moldados ?,45 a 50 t
Cumar por libra bom. .
Ordinario ... 1(1
Gomma on bucho da peixe por liurujube. 1' qtnlid.
2" dita. .
3a illa. .
Pascad. i* qualiade
2a dita. .
3a dita. .
Piriaba, Ia <*.
2a dita .
3" dita. .
qu.'li 1a le .
2" dita .
Jacaranda por lonelada do Rio.
a59|
a 56]
a60|
a!8|
50| a 52,6
48( a 50
45|
651
18| a 20
15| a 25
4 10|0a50|0
30,0 a 8 d a 12 d
9da 11 d
0 d a 11 ,1
9 7 d a 8d
7 3i4 d a 7 d
7 1|4 d76
6 1,2 4
Unzas ue osstis.As vendas a-ndam cerca de
650 toneladas ao preco de 4 10 s. a t 5 pelo
de 70 por cenlo.
MoYmento do porto.
IS'ariosenlrados no dia 28 de setembro.
Southamplon o portos intermedios18 dins, va-
por inglez Oneida, commandante J, A. Be vi*.
Assu'14 dias, hiate nacional Nicolao l, de 41
toneladas, capitn Trajano Antunes da Costa,
equipagem 5, carga sal; Prenle & Vianna.
10, a 11
10( a 12|
5| a 7( d
8d a 8 l|2d
8 da 9 d
9d a 10 d
8 d a 8 3/4 d
6d a 6 1/44
i|3
n
o.
m
- s1 *
i-i
o.

O
a.
I
Horas
o
2
c

Atmosphera.
Direcco.
53
33
I
Intensidade
c
s
v
se
<
2 >

!S


Centgrado. I

Bagre, 1o
Hambnrgo S de setembro de I8GO.
Boletim commercial.
Desde a nossa ultima o mercado de Hambnrgo
se fortificou muito, mas o commercio para o con-
sumo se acha cada vez mais embaracado pela fal-
de escolha.
Caf.A fslti do escolha so faz sobremodo
sentir ueste genero; a procura tornando-se cada
vez mais argenta. Tudo quando se achava no
mercado, mesmo por procos mais elevados, foi
comprado para o int-rior". Em consequencia da
forte extracao o deposito se acha reduzido acerca
de 8 milhes de libras, tendo as entradas durante dem da Baha,
o raez paasado de agosto impoitidoem cerca Gerzelun, por < w.
5 1|2 milhes de libras. Desse modo se expli-
cara as insigniQcantos transacocs na ult;ma se-
mana. As noticias que nos trouxe o puqueto do
Itio de Janeiro, de 9 de agosto, annuneiando di-
minutos carregamentos, o achando-so j vendido
quasi todo que proximament- se espera, tudo
isso eontrih'iio para animar o mercado, e pro-
vavel que em breve os precos excederao os pre-
sentes cotaedes.
As ultimas vendas de 9.000 saceos de cafe do
Rio e de Santos foram a 6 1|47 schillings.
Cutimos :
Caf do Rio e de Sanios :
Real ordinario 6 9i16-6 5|8 schillings.
Dito de S. Domingos 61|2-6 5i8
Imporlacao at lins de agosto.
10
0
Accommodados.
HMM
Publicacoes a pedifio.
Piassava pr 2210 Ib. do Para'.
da Baha.....
Salsa parrilha por libra boa. .
Inferior.....
Tapioca por 112? Rio superior
Ordinaria ....
Urae por t do Par.i bom. .
Fundos e Cambios.
Fundos insieres.
Banco de Inglaterra (aeces; P*'Or*-23 a 233
Consolidados..... *"SlSS
Redundo....... "'^StlS
Fundoi de..... -93 j8 a 93 .5,4
4,2
3|6 i
3)0
4|0
3i6
3,0
4i0
3|0 a 3i3
2.6 a 2(9
Mo
20 a 25
14 a 18
60|
35 a S 36
12 a S 12
1l6
112 -t
68( a ,i\
451 a 55|
6 1 a 8 d
ce
9
w
-i"
Bj
-i
~4
Reaumur.
Tohr^iheit
o.
OO
Hygrometro.
&
-j
13
00
Barmetro.
I
3(40
a 3|3
a 4|2
a 20
A noile el ira com alguns nevoeiros, vento
NE, veio para o terral e asslm amanheceu.
oscii.l\c:xo OA M.U\E.
Baixaraar as 8 h 54' da manhaa, altura 1.0 p
Preamar as 3 h 6' da tarde, altura 6.80 p.
Observatorio do arsenal de marinha 28 de se-
tembro de 1860 V|RC.AS J'iMOR.
Editaes.
Molina da molina.
E' de presumir que o J)r. Tristao de
Alenear Araripe, chele de policia desla
provincia nao possa ainda publicar o
resultado das diligencias, que tem eito
para descobrir e PUN1U os autores da
surra, que sollreu no engenho Gara-
rapes o preto Joaqnim, poique nos)
consta que esta' presentemente tratando
de descobrir, para ser devidamentei
punido, o mandante do assassinato doj
infeliz GONZAGA, acontecido na ra
da Cadeia do llecife ao mcio dia : pois |
sen surra em Gararapes, deve sobre elle i 1&58 1 3i4
de preferencia cahir o anuo do NASCI-ij^g" 4 i$
MENT.
Etn tempo opportuno sera' este fac-
i historiado pelo
G CEDES.
agosto,
libras.
186061 milhes de libras
185953 112
185842 3i i
1857-60
185757
Km ser em lins de
18608 milhes d
1859131(2
185817 1(2
185727
185619
Assucar.Durante todo o mez de agosto este
genero mereceu pouca alt-ncao.
As transaccoes foram limitadas, porem parece
que o mercado se vai timar mais animado. Nos
preros nao liouve alleraco.
Impoitaeiio Ai lins de agosto.
186131 milhes de libias.
18593 i 1i2
1858-31 li
1857-34 112
185650 3|4
Em ser em lins de agosto.
186012 milhes delibras.
Belgas......
Brasileiros ....
...
Dinamarquezes .
Uespanhes.....
Difleridos
Tassivos.
Eslrangciro
. 41|2 95 a 97
. 599 a 100
. 1 1(286 1 [2 a 87 1-2
. 3-
, 3 48 1|2a49
3_/(0 a 10 1|'t
:i 22 a 23
I Ierro rettiHid para moldura.
1 cipo de ferro de-abrir macho e frrica.
1 dilo de meia caima.
6 grarapos.
1 serra de voita.
2 graminhos sonidos.
1 pochel.
2 pedras de afiar ferros.
Meia arrolia de colla franceza
8 libras de palhinha preparada, sendo 4 libras
maia grossa.
2500 arrestos.
1 pranchao de pao d'oleo
Para tanoeiros.
1 encli goiva.
1 dita de mait-llo.
1 dita do raspa.
1 segura
1 folie.
1 sacho.
1 malho.
1 quintal de arcos de barris para ancoras.
Meio dilo de ditos para pipas.
2000 cravos para b?rnl.
500 ditos de pipas.
Para ferreiros.
2 duzias de limas chatas de 4 a 15 pol'egadas.
2 ditas de ditas de meia canna, sortidas.
2 ditas de ditas triangulas, smtidas.
I dita de ditas murgas chalas de 5 a 12 polle-
gadas.
1 dita de ditas de meia canna de 5 a 12 polle-
gadas.
1 dita de ditas triangulares de 5 a 12 polle-
gadas
1 tirracha frauceza com caconcla de 1 1;2 pol-
legada.
1 dita pequea de 4 pollegadas ou menos.
2 qumties de ferro sueco.
1 arroba do ferro em foiha.
8 libras de lati em folln.
8 libras de ac de molas de espingardas.
Meia tonelada de carvao de pedra.
Meia barrica de areia de caldeiar.
2 duzias de limatoes sonidos de 3 a 13 polle-
gadas.
Para pedreiros.
6 picarctis calcadas de ac.
3 picos cal;adus de ac
3 rualhos surtidos de 4 a 48 libras.
Para o servido agrcola rural.
200 enchadas calcadas de ac.
48 limas chatas de 12 a 15 pollegadas.
6 pedras de amolar (das amarellas).
Madeira de sicupira suflicientc para 2 carros
o i eixos de sicupira para os mesmos carros.
3 paos de arcos para utencilios dos carros.
12 rolos de quin ou cabrahiba para cangas.
4 toros de sicupira de 5 a 7 palmos de. roda.
1 bomba para tirar agua em cacimba com 20
palmos de altura.
Quem qulzer vender taes objectos aprsente
ns suas proposlas em caria fechada na secretaria
do conselho, s 10 horas da raanhja do dia 8
de outubro prximo vindouro.
Sala das sesses do conselho adminislraiivo,
para fornecirr.ento do arsenal de guerra, 28 de
1859- 8
aTTENCO ATTENCAO !
Quem pergunla quersaber :
l'ergunla-se a quem souber rrvsponder, qual foi
o delegado, que no anno de 1856 mandn sol-
lar os criminosos da cadeia de Caiuar entre
os qoaes dous criminosos de norte, a titulo de
dar conta d'elles quando houvesse jurados, o nao
cumpli a entrega dos di'os ou nao crimo de
'esa conslituii;ao, de lesa cdigo criminal, c de
lesa autoridades superiores '.... Maldigan eter-
na sobreest execrando criminoso I que rae-
deixou perecer criminoso, podendo eu responder
dos Iribunacs do mundo torrate, isloquersaber.
Alma de Jeronymo Ferroira Callado.
Hollandezes.....alf "L1*1.!*?5 I|9
..... 4 101 a 103
Mexicanos...... 3 -21 5,8 a 217,8
l'ortuguezes 1853 : 3-41 a 44 Ir
Rasaos....... 5 -10,'* ,
. ......4 1i2-93 a9V
Banco de Franca (accSes). Tr. 2820
Fundos francezes. 4 1|2 08
3 68,5
Melaes precioos.__
Ouro em barra.....P. 005a 77|9
Portuguez em moeda.
Brasil.....
Oncas hespanholas. .
americauas.
Prala em barra ....
Patacas brasileiras .
Pesos columnarios hespan.
Pesos das repblicas hesp.
mexicanos.....
Moe 1 ,-s de 5 fr.....
Cruzadui novoi .
i i \;>
7717 112
76|9 a 77[3
74(0 a"':|3
62 1|2 a 62 5|8
59112
60
a " lc-2 1|2
i) ) '
59 3|4
a 60 1,8 a .0 1,4
Denlo Jos Lamenha Lins,
Coronel presidente.
Francisco Jnaquim l'ereira Lobo,
Coronel vogal secretario tnterioO.
Olllm. Sr. inspertor da thesournria de l"a-
zenda desla provincia, manda fazer publico, que
peante a mesma thesouraria, no dia 29 do cor-
renle mez, s 2 horas da 1 irile, ser arrematada
a quem por menos fuer a obra dosconcertos pre-
cisos na casa de dous andares, proprio nacional
n. 71, sita na ra do Padre Floiiauo desta ci-
dade.
As pessoas, a quem convier dila arremalacjo,
devero comparecer nesla repartirn uo dia a
hora indicados, onde ser apresentado o respec-
tivo orcamenlo a quem o quizer consultar.
Secretaria da thesouraria de duenda de Per-
uambuco, 26 de setembro de 1860.O oficial
raaior interino, Luiz Francisco de Sarnpaio e
Silva.
Joao Baptista do Castro e Silva, inspector da the-
souraria de fazenda de k'eruambuco, por Sua
Magestade Imperial e Constitucional, que Dos ; selembio de 18b0.
guarde, etc.
Faz saber a todos os habitantes desla provincia
que em viilude da ordem do l.un. Sr. minislio
da fazenda, presidente do tribunal do ihesouro
nacional, se procede pela thesouraria substi-
tuirlo das notas do mesmo Ihesourc de 205OU0
da quarla estampa, papel branco, valor por valor
at' 0 lira de abril d'1861, comecando do Io de
maio subsequente > snlfieiem as ditas notas o
descont da tei na razio de 10 por cenlo nol"
mez, de 20 por cenlo no segundo, eessimpor
diante de modo a peiderera todo o valor no d-
cimo mez.
Thesouraria do fazenda de Pernambuco, 21 de
selembro de 1860.
Joo Baptista de Castro e Silva.
O Dr. Adselmo Francisco Peretli, conimendador
da imperial ordem da llosa e da de Christo,
juizde direilo especial do commercio desta ci-
dade do llecife de Pernambuco c sen (armo,
por Sua Magestade Imperial e Conslilucioua!,
que Dos guarde, ele.
Faco saber aos oradores do commercianto ma-
triculado Claudio Dubeux.eslabelecido nesta ci-
dade, o qual reqoereu moratoria ao merolissimo | po do tamanho
Iribunal do commercio, que pelo presente sao | turna comprar i
rChamados para comparecerem perante esle juizo : Antonio Jos. Moreira Pont''s :
na sala dos auditorios, s 10 horas da manhia |. 1000 pellos de cabra a 410 rs.
do dia 3 do mez do oulubro prximo futuro, alini I.uiz Ilorges de Cerqueira :
de observar-se, e dar-se nteiro cumprimento ao 1 arroba dn cera ama relia a 800 rs. a
2 duzias de limas chatas, a duzia a 4.
Joo de Sanie Rosa Muniz :
600 meios de sola a 35400.
Para forcimenlo do arsenal de guerra.
Josa Raplista Braga :
50 arrobas de lato em folhas a libra a 709 r?.
Vianna (jaKuimaraes :
5 arrobas de lato em folhas a 7ajg9 a libra.
O conselho avisa aoa mesmos vendedores que
devem recolher os objectos comprados na secreta-
ria do mesmo conselho, s 10 horas da manlia
do dia 5 de oulubro prximo vindouro.
Sala das sesses do conselho administrativo
para fornecimenlo do arsenal de guerra, 28 du
setembro de 1860. Francisca Joaquim Pereira
Lobo, coronol vogal secretario inleiino.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, tem de comprar os objec-
tos seguintes :
Fara a pharmacia do hospital militar da guami-
cAo de Pernambuco.
Alcool de 36, 32 libras em garrafas; agurden-
le branca de 22, 32 libras em garrafas ; cytrato
de potassa, 16 l.bras em vidros; coadores met-
licos sortidos 6 ; extralo fluido de s*l$a parrilha
de Balyo, vidros 15; encerado de l, Perdriel de
n. 2 a 3, rolos 12: emplaslro adevo eslendido,
20 varas ; iodureto de mercurio, oncas 4 : me-
ntan, libra l ; pellica de ca ni urca, pelles 6 ; raz
da China, libra 1 : rob de Lafecleur, garrafas 15 :
salsa parrilha de Sariaer, vidros grandes 21; sen-
ne folhas miuda, libras 16, man 32 libras.
Para fornecimento de luzes dos corpos e fo
talezas.
Azeile de carrapalo, caadas 500.
Quem quizer vender taes objectos aprsenle as
suas propostas em carta fechada, na secretaria
do conselho, s 10 horas da manhaa do dia 3 de
oulubro prximo vindouro.
Sala das sesses do oJnselho administrativo,
para fornecimento do arsenal de guerra, 24 do
setembro de 1860.
Denlo Jos Lamenha Lins,
Coronel presidente
Francisco Joaqnim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino.
Pela mesa do consulado provincial se faz
publico, que no ultimo do presente mez fnalisa-
se o trimestre addicinnal do anno linanceiro de
1859 a 1860 ; devendo por conseguinte os conec-
tados que se acham ero debilo, do imposto da
decima e mais imposlos que se arrecadam por
esta mesa, mandem saldar seus dbitos, alira de
que nao sejain njni/.ados. Mesa do consulado pro-
vincial, 13 de selembro de 1860 No impedi-
mento do administrador, Theodoro Machado Frei-
r Pereira da Silva.
Commando das armas.
Pelo mesmo commando se declara que esl
vago o lugar de cscrivo do presidio de Feman-
do, que deve ser preenchido por algum Sr. offi-
cial reformado, on individuo que j lenha bem
servido no exercito, segundo o disposto no avise
do ministerio da guerra de 27 de junho do anno
passado. O prelendenle que se adiar em taes
circunstancias, convidado a apreseniar-se na
secretaria militar, das 9 horas da manhaa, s 2
da tarde, nos dias uteis.
O major secretario,
Francisco Camello l'essoa de l.acerda.
Conselho administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimento
d> arsenal de guerra, em cumprimento aoarl. 22
do regulameulo de 14 de dezembro de 18.">2, faz
publico que foram aceitas as propostis dos senlio-
res abaixo declarados.
Para o aisenal de guerra.
Prente Vianna i C. :
500 bayonetas do adarme 17 a 2tf.
1000 varetas para armas do mesmo adarme a
500 rs.
1000 sacatrapos a 400 rs
Pira a fornecimento da oflieina de sapalana es-
labelecida no presidio de Fernando.
Ha noel Francisco de Mello :
100 pelles de raquetas marca A de n. 1 a O*.
100 ditas de ditas com a marca A de n. 2 a
5O0.
Batalhao de artilharia a p
numero 4.
O conselho econmico do mesmo balalho
contrata o fornecimento d'agua potavel para gas-
to das prras ; recebendo-so per isso propostas
al o dia 29,do corrente. s 9 horas da manhaa,
na secretaria do mesmo balalho. Ovarte] do
4.' balalho de ar'.ilharta a p, no Campo das Prin-
cezas 25 de selembro de lt-60. Francisco Jos da
Silva. 2.- lente agenle.
O conselho econmico do 8. balalho de
infantaria promove, em sesso de 29 de selem-
bro corrente, a arre.nataeao do fornecimenlo dos
gneros alimenticios er seguida mencionados
para o abaslecimento do rancho nos tres mezes
vindouros, iccebendo at 11 horas do indicado



de 08-
8,670
Recipe.
Ao amavel chronista pede-so que nao deo
cavaco por lo pouro, pois o Lins, alera de nao
desojar vc-lo zangadiuho, menor, e como tal
nao pode soffrer sentenca alguma dos tribunaes,
o quando rhegar a ser maior nao poderser res-
jionsavel por compromissos contrahidos no lem-
po do pouco senso, como o chronisln nao ignora ;
seria bom que se baplizasse da novo com oulro
Colamos :
Assucar da Babia
Em caixas branco21 23 maro de bancas 100 lbs.
mascavado16 11 -1S
c' saceos dit > 16 3[i-18 l[
I) l'.tu saceos branco21-23
mascavado16 3|4-181|4
uranl- o mez de agosto a importico
sucar brasileiro em Hamburgo foi de
saccas.
Tabaco.--As tranaagesteem sido mais'anima-
das e o tabaco do Brasil lave mais procura ; ven-
deram-se 1,000 balas a bous precos. Para a
Austria effecluaram-se consideraveis vendas. I)u-
rante agosto as vendas de tabaco imporiaram em
cerca nove mil balas. Em ser : cerca C"39 ba-
las e 300 rolos.
Precos do tabaco do Brasil 5 3|4-6 3[4 schil-
lings.
Do Brasil enlrarara era agosto 1,986 balas e
100 rolos.
As desfavoravois noticias dacolheiti do algo-
dao nos Estidos Luidos animam mais este mer-
cado, e liveram lugar avultadas transaces,
precos mais elevados de cerca 3(8-l|2 schlling.
Nao houveram lransacco?s algumas em algodo
brasileiro.
Cutimos o algodo do Maranho c Para : 7-8
1l chillings.
f.ouros.Nao havendo sufficienie escolha em
primeira rno, as qualidades mais pesadas pre-
l.isboa. .
Porto. .
Um de Janeiro.
Amslerdam. .
Hamburgo .
Pars. .
o .
NAVIOS A
Cambio'.
. 90 d.d.53 1|8
60 d v2 3|ia25
. 3 m. d.11 16
35 a 35 3|4
25.35 a 25.10
. 3 d.v. 25 12 1|2 a25!7 1|2,
CAUCA PARA O BRASIL.
fil'/irinica quer dizer ma-c-la.
O fuinltii.
nomo pois os conservadores da ponte j andam sentemente procuradas, eucontraram regular ex-
dizendo 'que lingoas!) que chronisla em phrase Irago em segunda mo. O mercado parece mos-
trar tendencia para baixa dos precos.
A imporlacao total de couros em agosto foi de
368.200. Venderam-se 444 do Rio Grande e 1.008
da Babia.
Em agosto a importaco de couros do Brasil
foi ile cerca 27,000, dos quaes ficam em ser
14,1)00.
(.otiraos :
Couros do Bio Grande seceos 11-12 srhillings.
Salgados 61|263i
< da Babia 9
O cacao sustenti bons precos continuando a ser
procurado. 500 sacca viudas po Para no navio
OH), fqram logo vendidas a 7 schillings.
Da BaTiia nao ha deposito.
Cota oros : do Para 7 schillings.
Da Bahia 5 3,1-6
Praca do Hecifc 28 de se-
tembro de 1800.
\s tras \\oras Aa IwAc.
Cota^oes offlciaes.
Cambio sobre; Londres 25 I/Z*d. a prazo 26
d 90 d(v.
Cambio sobre o Rio do Janeiro1(2 0[0 premio
8 d|v.
Cotaedes no dia 27 depois das tres horas da
larde.
Accoes do novo banco de Pernambuco220.J
George PatchettPresidente.
DubourcqSecretario.
Setembro 8. Maranho. Vancouvcr. Per-
nambuco 8 lict 13 de Setembro.Imogene
a 15.
Algodo.Em conseguencia das noticias des-
favoravois dos Estados Unidos di colheila vin-
doura, o mercado aqui tem estado bastante ani-
mado, e a subida em certas qualidades regula
del/id. a3/8d. por Ib. O algodo do Brasil
tambera experimentou urna subida parcial, porm
foi so por poneos dias lomando depois ao estado
em que se tem achado por alguns mezes. As i
entradas de algodo esle. auno, al 7 do corrente,
montam em 2,090,765 sacas, incluiodo 80,606 do j
Brasil. As vendas durante o mesmo periodo
montam em 2,337,730, iocluindo 89,930 do Bra-
sil, e ficam em ser naquella data, 1,021,700 sa-i
cas, incluindo 9,250 sacas de Pernambuco, etc.;
3,300 da Bahia, ele; e 9,800 do Maranho.
Arroz em casca.O continuado mo lempo lo
puco favoravel para as cearas, tem producido
no mercado de arroz bstanle especulacao. mon-
tando as vendas desde a data da nossa ultima pu-
blicaco, em 23.270 sacos de todas as qualida-
des de arroz da India, entrando nesla quantida-
de 11 cargas em viagera, consistindo do 129,250
sacos; mas a subida de preco nao tem sido pro-
porcional magnilude das vendas, sendo apenas
de 1 a 1/6 por 112 lbs.
A3sucar.O mercado para assucar dn Brasil
tem continuado frouxo, e as vendas_ teeni sido'
pequeas, montando apenas em 10,850 sacos aos
pregos de 23/, 21/3, 24 6 e 21/8 pelns mascava-
dos de Parahyba e Pernambuco, e 24/6 pelo do
Cear.
Aceite de Palma.As vendas montara em 3,100
lonchadas aos precos do s 42. 2f 42 5 43,
41 10' e S 44, e 400 toneladas em viagem, aos
precos dn & 43 10. Em ser no fin do agosto
1180 toneladas, contra 1370 toneladas no mesmo
periodo di anno passado.
Azeite doce.No mez p issa lo liouve leilo,
de 100 toneladas de azeite de Galipoli em Hull,
c a venda foi forcada realisando os precos < 51
disposlo no art. 900 do cdigo do commercio, do
coDlorraidade com o que dispe o art. 899 do
mesmo cdigo.
E para que chegue ao onhecimento de todos
os crelores do referido impetrante, inandei pas-
sar esle edital que ser publicado na forma do
estylo. Recife ~ de setembro de 1S60,
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascitnento, cs-
crivo o subscrevi.
Anselmo Francisco Peretli.
O Dr. Anselmo Francisco Peretli, commendador
da impenal ordem da Rosa e da de Christo, e '
juiz de direito especial do commercio desla ci- !
dale do llecife, capital da provincia de Per- '
nambuco e sen termo, por S. M. I. c C. o Sr. !
I). Pedro II, que Dos guarde, etc.
Faco saber aos que o prsenle edilal vireo e
delie noticia lirercm em como no dia 10 do ou-.
lubro do correle auno, se ha do arrematar era I
piaca publica desle juizo na sala dos auditorios,
e linda a audiencia, o escravo Leocadio, crioulo,
avaliado era 60OJOI0, pertencenl.; aos lierdeiros
de Joaquim B.irboza de Moura. o qual vai pra-
ca porexecuco, que lhes mo>e Jos Joaquim de
Miranda; e "caso nao tenha laucador, que cubra
IO preco da avaliacao, ser a arrenialai;"io feila
| pelo proco di adjudcaco com o abale da Ici.
E para" que chegue ao conhecimenlo de lodos
, tnandei passar edita-s quesero publicados pela
imprensa, e aflixados as lugares designados no
cdigo do coraniercio.
Recife 28 de selembro de 1S60, 39 da inde-
pendencia e do imperio do Rrasil.
Eu Manuel Maria Rodrigues do Nascimcnlo, cs-
crivo o subscrevi.
Anselmo Francisco Peretli.
500 ditas de carneiro inglesas com mais do du- dia em carias fechadas as proposlas dos habilita-
das pelles de cabra que se eos- dos a faze-lo : assucar refinado, arroz, azeite
......roaJo a 13. 'doce, bacalho, caf em carneo pu moido, carne
secca, dita verde, fejo, feriaba da Ierra, lenha,
manleiga franceza, toueinho o vinagre. Secreta-
ria do 8.- batalhao de infantari, na Soledade em
libra. Pernambuco, 26 de selembro de 1860.Aristides
Ballhasar da Silveira, alteres, servindo de secre-
tario.
O Illm. Sr regodor do Gymnasio manda
avisar aos pais, tutores 011 correspondentes dos
alumnos internos, meio pensionistas e externos
do Cvmnasio, que no dia 22 do corrente princi-
pia o recebimento das menaalidades, correspon-
dentes ao 4." trimestre do !. de outubro ao ulti-
mo de dezembro do crrente anno.
Secretaria do Gymnasio Provincial de Pernam-
bu 0 21 de selem'TO de 18G0.O secretario,
A. A. Cabial.
Vianna & Ciiimares :
1 arroba de bren por 1^920.
20 libras de gol ha a 800 rs.
20 libras de caparosa a 60 rs.
2 duzias de grosas a 3J900 a duzia.
20 caixas de sedas para sapaleiros a 320 rs.
100O milheiros de tachas para saltos de sapa-
tos a 80 rs-
Jos Rodrigues da Silva Rocha :
10 duzias de facas para sapaleiros a 700 rs.
600 varas de algodozinho marca T 290 ts.
Jos Baplista Braga : ______

OIP&NH&LYINiHfi.
Sabbado 29 de setembro
27.a recita da assignatura cli.'iuia os camarotes de primeira serie
Subir secna a
Grande opera
dous actos do celebre commendaJor Rossini,
em
do mundo,
aparatosa
aplaudida mesmo boje nos pr'uneircs ihcalras
ntilulada
eciaracoes.
NOVO BANCO
DE
Nao havendo deposit. algum de tapioca, a pri- } 10/, e S0 55 10/f P?.._"^,;_*f .mJIMS!'
meira carga que entrar t-r prompla extraco.
O Jacaranda continua a ser procurado aos pre-
ces teeni subido. Um carregamento que veio de
Bahia j eslava vendido sobre o mar.
PERNAMBUCO.
EM 25 DE SETEMBRO DE 1860.
BOLETIM.
LIVERPOOL, 8 UE SETEMBRO DE 1S60.
fmportacao.
Livres de dir'eitos para o vendedor.
Genetos. Precos.
Algodao de Pernambuco por lib.:
8 1|2 a83 4d.
7 1|2da 7 3|4d
7 4 a 7 1|4 d
Bom. .
Mediano. .
O Banco desconla na presente semana a 10 0/n R .. ^ln:ul0'
ao anno al o prazo de 4 mezes e a 12 0/0 al o | ,dera da Bah,a- fe
da 6 mezes, c toraa dinheiro em cont.is correles
simples ou com juros pelo premio e prazo que
se convencionar.
Alfaiulesa.
JAendiraento do dia 1 a 27. .
dem do dia 28......
2916709808
16.7*0*148
311.421S346
Mi vloiento da al Tandera
Volum.es entrados com (azendas .
com gneros .
Volumes saludos com f azendas .
a com gneros .
Mediano .
Ordinario .
dem do Maranho, fibra longa
Alcntara .
Ilapicur .
Caxias .
dem de machina bom .
Mediano .
Ordinario. .
Assucar por I12R do Rio, b. .
Louro. .
M.Tcavailo .
dem de Pernambuco branco.
Louro : .
3C0* Mascavado .
! dem da Bahia e Macri b. .
Louro. .
818, Mascavado .
Balsamo decupaiba por i,claro
Turvo v "
Descarregam boje 29 de selembro.
Barca inglesaJohn Martinmercaduras.
Briguo inglezEagle-objeclos para a estrada de Borracha por
ferro
Talacho nacionalBebenbe diversos gneros.
Importaco.
Patacho nacional Beberibc, vin?o do Rio de
Janeiro; consignada a Azevedo & Mendos, raa-
nifeslou o seguinte ;
1,138 barriese 931 saccas e 76 meios dilosfa-
rinlia de trigo, 202 barris bren, 8dilosvinho, 4
volumes charutos, 80 rollos e 3 CJixas fumo, 1
sacco milho, 9 barricas sebo, 85 saceos caf ; a
ordem de diversos.
i, fina. .' .
Medina. .
Ordinaria
Cabeca de Negro
dem do Ctar, palle.
Sernaraby. .
Cacao, por 112 libras:
Para bm.....
Bahia, .....
Caf, por 112 Rio 1.^ sor le.
Seganda .
Escolbido .
1 l| (i
6 3|4 d a 7 d
6 112 d a 6 5|8 d
8 2|3 d a 9 d
8 1,4 d
7 34 d a 8 (i
7 1|2da73|4l
7 l|4d
3|4 d a 7 d
26| a 30|
24(6 a 25|6
2110 a 2410
26| a 30|
24,6 a 25|6
2110 a 24i6
26i a 30|
2416 a 25|6
2110 a 21(6
2|0
1|10
2|9
2,6
2,3
2^0
2j2
6i
50
611
57|
6*1
a lilijO
solio
64|
a59|
i6H|
tecm sido mais favoraveis montando em 700 tone-
ladas aos precos de & 58 10/. S 59 a 61 pelo
de Galipoli, e S 51 10/. S 55 10/, S 56, S 57
e S 57 10/ pelo de Portugal. Em ser licam 1230
toneladas, cuntra 190 toneladas no mesmo pe-
riodo do anno passado, quando o prero para
azeite de Portugal regulava S 50.
Borracha.No leilo que liouve em 10 do pas-
sado mez venderam-se s 6 toneladas da fina a
2/10 por Ib. Depois daquella data as vendas tem
sido irregulares. A noticia de se ler elfecluado
vendas da lina em Londres a 2/8 e 2/8 1,2, cau-
sn aqu baixa, e elTectuaram-se vendas de 100
caixas da lina a 2/9. As noticias dos Estados-
Unidos do a probabilidade de se exportar para
esta, pono avultada desle artigo, causando ain-
da mais d'eprcsso no nosso mercado.
CacaoVenderam-se 161 sacos da Bahia, sos
precos de 51/ e 51/6 por 112 lbs
Caf.Tem liando poucas iransaccoes ueste
genero, e as vendas effectuadas regulara 1450,
sacos ao preco de 56/ ; parte desta quanlidade
est ainda em viagem. Nenhuma transaeco lem
liavido no do Rio.
Castanha do Para.Ha pouca em primeiras
mos, e o preco regula 17/ a 18/. Em Londres
esto vendend a 30/ por barril.
Jacaranda.Ha bastante Calla e qualquer por-
co daria um bom preco.
Gomma de pelxe.Tem havido pequeas ven-
das aos precos que cima licam cotados.
Martim.As vendas a leilo em Londres hori-
lem progressavam com animacao, mas nao te-
mos que notar alleraco nos preces.
Piassava.Venderam-se 30 toneladas da Bahia
aos precos de S 11 17/6. S 12 10/ e S 13 5/.
Queijos.Os Londrinos estam-se vendend, a
84/ por 112 lbs., e os flamengos 72/9 em Sou-
thampton.
Sarro de vinho.Tem-se vendido pequeas
partidas do Porto, a 54/ por 112 lbs.
L'ruc.Ha aqui diversas partidas de qualida-
de Inferior que os lornam invendaveis.
Couros do Brasil.Entraram 6.579 'e as ven-
das regulam 7,199 aos precos de 8 3/4 d. por Ib.
pelos secos salgado do Cear de 30 Ib.; 8 1/4 d.
a 8 3/4 d. pelos do Maranho. e 5 3/8 d. por Ib.
pelos do Para de 48 Ib.
Conselho administrativo.
0 conselho administrativo, para fornecimenlo
do arsenal de guerra, tem de compraros "bjectos
seguintes :
Para a groja do presidio de Fernando.
8 medidas de vinho branco em garrafas.
4 arrobas de cera branca em velas de 42 libras.
21 medidas de azeite doce.
2 vidros para a lampada.
2 arrobas do verde em massa.
1 arroba de azul em massa.
8 libras de vermellio.
8 libras deamarello franeez.
Para a enfermara.
6 barricas de familia de trigo marca SSS.
2 barricas do assucar branco.
2 saceos de arroz pilado.
2 caixas do cha hysson.
Para o servico de almoxarif ido.
2 livros era branco de papel de Hollanda pau-
tado de 150-folhas.
12 resmas de papel paulado encorpado.
40 cadernos de papel meia Hollanda pautado.
12 caixas de pennas do ac envernisadas.
21 candis de espinho deqnaud.
1 thesoura de aparar papel.
2 facas inglezasde 8 a 10 pollegadas.
Para differenles oflicinas de carapinas.
1 galopa com ferros.
3 serrotes de lixas.
3 serrotes de pona.
6 goivas curtas e direitas, sortidas.
b enches
24 verrumas sortidas.
12 fornioes sortidos de ac fine.
3 compacos pequeos sortidos.
1 cupo de cantil com ferro
1 guilherroe com ferro.
1 dilo para moldura com ferro.
1 dito para caixilho com ferro.
3 Planas de voltas soitidss com ferros.
3 ferros de denles para planas.
3 folhas de serra sottidas.
1 barreleto
1 pa com ferros.
2500 piegos de guarnirn.
2500 ditos de meia guarnico.
1 arroba de cola da Bahia.
Para mareineiros.
12 formos sortidos de ar;o fino.
1 se*ra pequea para serrar folhas.
1 dita bracal para desdobrar madeiras.
3 ferios sortidos rara desbastadores.
1 ferro de abrir macho e femea em parafusos.
1 dito para abrir grampos.
3 serras sortidas de tracar madeiras.
6 goivas sortidas de abrir entalhas,
1 ferro de guilherme.
2 serrles de fixa com costas de lato.
1 serrote pequeo para jonlar.
6 grosas sortidas.
K accao passa-seeru Babilonia, sendo todos os visiuarios eto-lss as vistas a carcter dci-
qella poca 'e lugares mandados execular pelo empezarlo, pelos melhorcs arl.stas de M.lao e
jFloreuQa. ^^^ m opefa mui(0 exlenSfl serlari nrnrpio3s 7 lr2 horas em poni, e dividir-
'se-ha o primeirc acto em dous. com um intervallo de 10 minutos.
Os bilhetcs vendera-se como de costume.
Terca feira
28.a recita de assignatura c 14'
Representar-se ha a mesma opera.
2 de outubro.
para os cainarates de primcia serie
Avisos martimos
Para o Presidio de Fernando.
Scue al 15 de outubro o hiale nacional Bom
Amigo, por permisso de F.xm. presidente da
provTnei'a. Recebe carga e passageiros :
com o capilo Pereira Marinlu..
meira & Bellro, no largo do
mero 6.
irata-se
em casa de l'al -
Corpo Sanio nu-
(OalPAUllV PERY4Sll.lI.iYi
DR
costeira a vapor.
O vapor Iguarass, commandante Moreira,
Navegacao
segu para os'poilos do norte de sua escala no
dia 7 s 5 horas da tarde : recebe carga para
Granja e .carac no dia 1 e 2. para o Cear. Aca-
caly e Maco nos dias 3 e 4, Rio Grande e Para-
hiba no dia 5, encommendas e dinheiro a frele
a' 6. -
O expediente fechar-se-ha no da < a 1 nora
da larde. Previne se que nao so dar bilhetes
de passagem, sem que na respectiva gerencia fi-
que depositado o competente passaporle aos
passageiros, que na forma da lei nao podem via-
jar sem elle..
jcommeudos e dinheiro al ao meio dia do da
sabida.
O expediente do escnplono fechar-se-ha as
horas da tarde. Nao se dar buhles de passagem
sem que na respectiva gerencia Oque depositado
o competente passaporle aoa passagciro3 que na
forma da lei nao podem viajar sem elle.
Para o Bio Grande do Snl
sabir! dentro des'es poucos dias o patacho na-
cional cArapeby, por ter quasi toda a carga
pTompta : para o reslanle do carregamento con-
lrala-se coro Manoel Ignacio de Oliveira & Filho,
nn praca do Corpo Santo, ou com o capilo do
mesmo, a bordo.
Para o Aracaly
O hiate Sania Rila recebe carga: Irala-se
com Marlins & Irmo ra da Madre de Dos nu-
mero 2.
Aracaty pelo Ass.
Segu com a maior brevidade o hiale Gralido
por j ter a maior parte da carga prompta ; para
o reslo o passageiros, trata-se no Passcio Publico
n. 11, ou na rus do Codorniz n. 5, com Pereira \
V alent.
CGPAMU PEMWIBl'Cm
DB
Navegado costeira a vapor
O vapor *Persinunga>, commandante Manoel
O vapor inglez Forwood, deveri aqui chegar
al o lira do corrente mez.e seguir para S. Vi-
cente, Madeira. Lisboa e Liverpool ; c de primei-
ra marcha e tem excellentes commodos para pas-
sageiros, tanto de primeira como de segunda clas-
se. receber carSa para Lisboa e Liverpool : a
Iratar com Scott, Wilson i C, ra da^ruz n. 21,
primeiro andar.
O hiate Garibaldi, mestre Custodio Jos Vian-
7-_ i.uiiiniiiiiuaii n, mnnv\i *-- -* v-------------
para os portos do sul de na segu para o Cear por estes das para o rrs-
outuhro s 5 horas da to da carga traa -se com Tasso Irmus ou cem
Joaquim Lobato. sgue
sua escala no dia 5 de
larde, recebe curga al o da 4 ao meio dia, en-' o. mesmo meslre.
\
I


{*)
Para a Babia.
O veleiro e bew conhecido patacho nacional
Julio pretende seguir com muita brevidade, tem
parte de seu carregamento protoplo: para o
Dilia, joia e predios descriptos no ba-
lanco apresentado ; assim como vende-
r' ao meio dia em ponto a dinheiro ou
a prazo sobre propostas, a loja de fa-
zendas e dividas que pertenceram a
DIARIO DE PERS/VflMUCO. SaBBADO 29 DE SETEMBRO DE
1860.
resto tralpe com o seu consignatario Azevedo & anil(>\\.> f.,||;,. .V l r='^"^iui
Mendos, no seu escriptorio, ra da Cruz n. 1 aquelle fallido sita na mesma ra Nov
junto a igreja da Conceicao.
O annunciante dar' toda e qualquer
informacaoque for precisa, etn seu ar-
mazem na ra do Imperador n. 73.
COMPAHHIA
DAS
es imperiales.
caotg
Espera-se dos portos do sul no dia Io de ou-
tubro o vapor francez Ctame, coromandante
Lnout, o qual depois da demora do coslume se-
guir para Bordauxcom esrola por S. Vicente e
Lisboa : para passageiros o encommendas a tra-
tar na agencia na ra do Trapiche Novo n. 9.
Baha.
Pretende seguir para a Baha at o dia 30 do
correle o palhabole Dous Amigos : para alguma
pouca rarga que anda Ihe falla para o abarrote.
Irala-se com o seu consignatario Francisco L. O,
Azevedo, ra da Madre de Deus n. 12.
C01PAIWU BRASILEA
DE
MDTOBS iTJUrfl.
Aviso.
Ira sobrado.
PELO AGENTE
a >
lo por conta e risco
O referido agente far lei
de quem perlencer, quarla-feir'a 3 de outubro ao
meio dia cm ponto em seu armazem na ra do
Vigario n. 11
DE
1 sobrado de primeiro andar e solio com bas-
tantes coa modos, com grande quintal todo
murado c cacimba ludo em muito bom estado,
sito na ladeira da S n. 4.
Thom LeSo de Castro, rendero do engenho
Pxao, sito na fregueria da Luz. comarca de Pan
d Alhe, avisa ao Sr. Pedro Jos da Cunha, mora-
dor no engenho S. Braz. que o seu escravo Be-
nedicto o procurou para comprar, sendo queira
vender, dirija-se ao mesmo engenho para tra-
tar, ficando cerlo que nao se responsabilisa por
tuga ou qualquer cousa que possa succeder ao
mesmo escravo.
Os abaixo assgnados pattecipara que no
dia 31 de agosto prximo passado issolveram
amigavelmente a sociedade ommercial que gy-
rava nesta praca sob a firma de Jos Luz Perei-
ra Lima & C, ficando a cargo de Francisco
Ferreira de Novaes e Jos Luiz Pereira Lima Ju-
nior, que se constiluijrn em socieda-de, sob a ra-
zaode Novaes & Lima, o activo e passivo di fir-
ma exlincta Purahiba 26 de selembro de 1860.
Jos Luiz Pereira Lima.
Francisco .Ferreira de Novaes.
Jos Luiz.Pereira Lima Jnior.
Aluga-se um sitio na estrada do Honlciro,
do lado da sombra, casa grande e com 8 quar-
los, cozmha fra, grande sislerna, bastite! ar-
I voredosde fruclos, e est lodo amurado ; quem
luizer alugardirija-se a ra do Collegio, hoje
Deposito do rap princeza Gasse e Ko
cha, em Pernambuco, em casa de
Pinto de Souza & Bairo, na ra da
Penha n. 6.
roi^le"p que Pr sua qu'dado tanto se tem
m-.^ recomm_endar u*sta provincia como as
r?''"P"0' e Principalmente na do Rio de
inrnir ude-seus au,ores se "focara para o
um/rt heJCld0> ados na laco que elle
em o^"!"^ pcla boa qadade que sempre
tem conservado ; os annunciantes o fazem lem-
"" "speitavel publico, que o nico depo-
n..i .- .prtmncia -na casa "C'ma indicada, a
quai se acha supnda com todas as qualidades.
~~ Precisa-so de um cozinheiro, preferindo-se
Rosario'ne25raV '' D blequim da rua larSa do
n^T/"/'"""11 do si,io d0 Corredor do Bispo, do
nao L?JeT't1m cava" russo- i velhoe
g as 4 horas da manha do dia 26 do
correle mez. com os
de porco. tem 0 mal
bebe em branco, tem
venta esquerda : que.
Hurtas n. 15, que ser recompensado.
ia ama de boa conduela offerece-se
Sociedade
Unio BeneOcenle dos Ma-
riliiiios em Pernambuco.
De ordem do Sr. presidente sao convidados os
senhores socios elTectivos para que se dignem
comparecer no sabbado, 29 do corrente, s4 ho-
ras da tarde, no palacete do caes de Apollo, afim
de reunidos em assembla geral tratar-so do ba-
lancele da rcceita e dospezas.
..T .Paz8cje"le Jos Teixeira Lima ao publico
que nao pode, senhor Igum, fazer negocio cun
dono da Costa Paes, com os escravo! guT
romnaaPrela J-0^DD, TneoJosio e Rufina? pJr
compra, por nao se acharen os ditos escravos
desembarcados do invenlario por parte d sua
mulher Anna Carneiro. j fallecida^ esso Jos
SJ"; hnfnhord" Pasparles compradas f
dous dos herdeiros. que desta dala acha-se re-
m lf pel,ono "'orio de Antonio Jos Pi-
menlel, tratando do mesmo inventario, acresce
signaes seguinles: ancas
de besla em todo o lorabo
urna verruga do lado da
quem o pegar leve-o rua de
O vapor Tocantins, cominandanto Pedro Hy-
polito Duarte, espera-se dos porlosdo sul al o
dia 29 do corrente, depois da demora do coslu-
me seguir para os porlos do norte.
Recebem-se desde ja passageiros e engaja-se j
a carga que o vapor poder conduzir, a qual
dever ser embarcada no dia de sua chrgada
agencia rua da Cruz n. 1, escriptorio de Azevedo i
& Mendos.
Para o AssiT
Vinho e vinagre.
PELO AGENTE
PESTAA.
O referido agente far leilo por conla e risco
de quem perlencer. cegunda-feira Io de outubro
as 11 horas da manha no armazem da ruada
Cacimba n. I
DE
6 pipas com vinagre de Lisboa.
20 barriscom ditos.
_______2 pipas com vinho branco.
Avisos diversos-
do Imperador, no segundo andar da casa n. 42.
Precisa-30 de um caixeiro que entenda de
taberna para a villa do Cabo: offerece-se bom
ordenado, no caso do que mereca, e quer- pessoa capaz; a tratar na travess'a da rua das
Cruzcs n. 6.
an~ AIu8a-se um sobrado na rua da Per.ha n.
29, segundo andar ; a tratar no mesmo sobrado.
Koga-se a pessoa que esliver incumbido de
receber os foros das casas da rua das Calcadas ns.
e i, de apparecer na rua do Vigario n. 10. loja.
a negocio de seu interesse. *
_ Roga-se a todas as pessoas que tiverera ob-
jectos para pintar na rua do Vigario n. 10. loja
de pinturas, que os venhan tirar no prazo de 8
nao se responsabilisando o abaixo signado
casa de hornera solleiro ou de pouca farcili
rua do Imperador n. 54, primeiro andar.
CASA
para
a : na
thecada a mira, e como se achem ausentes ou
fgidos o mesmo Izidorio com a dita escrava ta-
co ver a todo o publico para nao se ach.rora'en-
Secretaria da sociedade Unio Beneficente dos V"it Forr.moso 19 de setambro do 1860
Martimos, 25 de setembro de 1860. Josi Tex"^Lima.
Jos Sabino Lisboa.
4 .
1 secretario.
Xaroiie
DO
COMMISSO
DE
DE
ESCRAVOS
das.
por qualquer eslravio quo os mesraos levarera,
visto que se tem de mudar da mesma loja.Jos
Ai'ooio dos Santos Peres.
segu em poucos dias o hiate Camaragibo, for-
rado e pregado de cobre, por j ler a niaior parte
de seu rarregnmcnlo prompto : para o resto e
passaceiros, Irala-se na rua do Vigario n. 5.
Maranho ePar
O hiate ' segu em poucos dias por
ter meia carga iralada ; para o resto, Irala-se
com Joao F. da Silva Novaes, largo do Corpo
Santo n. 6, segundo andar.
Porto por Lisboa.
Vai sahir com brevidade para o Porto com es-
cala por Lisboa, o brigue portuguez Promptidao
II, forrado e encavilhado de cobre, do PRIMTI-
RA MARCHA ECLASSE: para carga e passagei- I.
ros, para os quaes tem excellentes rommodos. Se .dlS'?e ser mais tranco
trata-se com Elias Jos dos Sanios
C, na rua da Madre de* De
pitio.
A vi uva e (illios do tinado Rufino Jo-
s Correa de Alinekla pedetn ao auloi
daper cunta curiosaque se le
Liberal Pernambucano de hoje,
claro a
Ordtilica-se com 50 a quem restituir a *
quanlia de 190S perdide hoje "desde a rua ff>
da Aurora al a do Cabug dando-se pe- SR
la falla por offeasie de pagar-se um ob- ifjg
jecto na ruado Cabug. Antes eslive em 9
duaslojas urna ua roa Nova e outra
fu do Cabug experimentando uns
let'ils, masprocuraudo-senestas nao en-
conlrou-se : quem tiver achado pode en-
tregar na rua da Aurora no collegio Heni-
fica ao l)r. Moraes Sarment que recebe-
r a gratificado declarada.
E. Uotelho de Andrade-
na
pa-
o
que
res-
Be-
i
i*
Riode Janeiro,
O bem conhecido brigue nacional Eugenia,
pretende seguir com muita brevidade, tem parlo
de seu carregamento prompto para o resto que
lhe falla trata-se com os scus consignatarios
Azevedo & Mondes no seu escriptorio na rua da
Cruz n. 1.
constou
tito
Andrade & peito do desappareciment de u
os n 32, ou com oes- draho escravo do dito iinado, contando
a historia desse desappareci ment cora
I todas as circumstancias que o acampa-
nharam, para que o publico faca jus-
tica a memoria do (nado Rufino Jos
Corrade Aimeida, que nen no sepul-
. ero poupado por seus ferozes inunigos.
Entretanto appellam desde ja para o
I testemunho do [Um. Sr. major Manoel
do Nascimento da Costa Monteiro, que
| fo amigo intimo do iinado Rufino Jo
Coria de Almeida e pedcm-llie, que se
digne declarar, se algum dia
(' ter o finado praticado o acto <
ter parle | selvticamente lhe attribuido.
O abaixo assignado previne ao
respeitavel publico que o terreno de
mar'mha n. 22S e suas bemfeitorias de
que se acha de posse Jos Francisco la-
vares, isto na rua Iranerial defronte das
casas do Sr. major Gusmao lhe esta' hy-
pothecado pela quantia de 500.'), desde
o anno de 1855.
Manoel Firmino Ferreira.
Aluga-se para se passar a festa 5
casas na Torre, muito frescas e com
Icommodo para familia :
Sexta-feirtlj&do corrente. Francisco Jos Arantes
Costa Carvalho fara' leilao em seu ar-1 ar ou^na rua da Matriz
mazem na rua da Cruz n. 9, por conta ;d'a as t'a tarde.
de quem perlencer, de varias obras de' f @^S^ 99999&9#im&
Lilterario e
Para Lisboa sahe imprelerivelmento ateo
dia 15 o brigue Tarujo & Filhos
de seu carregamenio prompto : quem quizer car-
regar ou ir de passagem, dirija se ao consignata-
rio na rua da Cadeia do Recite, escriptorio do
Manoel Joaujiira Ramos e Silva.
Leiloes.
LElLlO
Para os Srs. acadmicos.
a fallar com
no mesmo lu-
n. o das 9 do
direito e
ponto.
utteratura, ao meio dia em
Importante
LEIL40
Sem limites
@ Precisa-se deum creado para serviro
interno e externo de urna casa de familia,
,@ e que de fianca a sua conducta, paga-se' Q
- bem na rua da matriz da Boa-Visia nu- S
mero 2!. g
m99&9 mm g@3 ?>S
9
SOCIEDADE
Recreio Lilterario e
neicentc
De ordera do Sr. presidenle elToclivo convido
pelo prsenle a todos os senhores socios mem-
bros da commissao de redaeco do jornal, para
que se reunain hoje 29 do con ente, s 4 horas
da tarde, em casa de sua resideucia, afun do
iratar-se de negocios tendentes a publicaco do
mesmo jornal. '
Secretaria da sociedade Recreio
BeneOcenle 28 de setembro de 1860.
Sesostris Silvio de Moraes Sarniento
M 1. secretario.
Morella Oacomo e Tadro Zanghesi, subdi-
tos italianos, reliram-se para fra da provincia
Irmandade das almas do R--
cife.
A mesa regedora da irmandade das almas da
matriz do Corpo Sanio convida a todos os seus
rmaos para assislir a festa e Tc-ueura de S. Mi-
guel, nosso padroeiro, domingo 0 do correle.
Manoel Moreira Campos,
Escrivao.
Joaquim Maria Machado de Lacerda, subdi-
to portuguez, relira-se para o Rio de Janeiro.
Fugio no da 7 do corrente um boi de carro
de cor amarella: quem achou, leve ruado
Rangel n. 69.
O Sr. Martn Simonsen, sua senhora e um
criado, Bertraud Leshais, retiram-se para o Ma-
ranho.
No dia 1. de setembro do corrente anno
ausentou-se do engenho Pintos o escravo criou-
lo. de nome Trajano, alto e bem barbado, lem
alguns cabellos brancos na barba, carreiro e
meslre de assucar, inlUula-se livre quando au-
senla-se de casa : quem o pegar e levar ao en-
genho Pintos, ou a rua Augusta, sobrado a. 3
ser recompensado.
Rua larga do Rosario o. 20
segunde andar.
Nesta casa recebem-se escravos para serem
vendidos por commissao por conta de seus se-
unores. ADanca-seo bom tratamento assim como
as diligencias possiveis para que os mesmos se-
jam vendidos com promplidao afim de seus se-
nhores nao sofTrerem empate na venda delles.
esia casa ha sempre para vender escravos do
aiirerentes idades de ambos os sexos, com habili-
dades o sem ellas.
Mauricio Jos dos Santos Ribeiro, chegado
ltimamente de Lisboa, faz sciente ao respeita-
vel publico que acaba de eslabelecer na rua lar-
ga do Rosario n. 21, primeiro andar, urna oli-
cina de ourives onde aprompta quaesquer ob-
jeclos tendentes a mesma arle do mais apurado
gasto e perfeicao de trabalho, como sejam ade-
remos completos, brochas, pulseiras, aneis, al-
neles etc., etc. F.m seu estabelecimento promel-
te concertar qualquer obra da sua arte com per-
"eicao. A pratiea adquirida por sua longa resi-
dencia era Lisboa, e as relscoes directas que
conslanteroenle maniera com algumas das mais
respeitaveis casas d'aquella cidade, que se era-
pregam no fabrico de todo o genero de obras de
prata, o habilitara a encarregar-se de qualquer
encommenda de laes objectos tanto para a igreja
como para uso domestico. As-pessoas. pois, que
se dignarem honra-lo rom a sua cnnfianca, se-
rao servidas com o raaior zelo e solicilude e por
precos baratissimos. '
O Dr. Manoe
procurado para
medico
No escriptorio de Cuilhcrme Carvalho & C
rua do Vigario n. 17.
Pira conhecimento do publico transcrevemos o
seguinte como prova do verdadeiro xarope do
bosque, bera conhecido pelas innumeraveis cu-
ra, especialmente para todas as molestias dos
orgaos pulmonares.
Attenco.
Os abaixo assignados, successores de A C. Ya-
tes & C, ex-proprietarios do xarope do bosque
fazem sciente ao publico, que do 1. de julho era
Oante 0zer3m raudanca nos lclrciros e envolto-
rios das garrafas e meias garrafas, em conse-
quencia da grande f3lsiflcaco que algumas pes-
soas, sera senlimentos e 'bem conhecidas dos
propnelanos fazem nesta corte.
O letreiro que esl collocado as garrafas
azul cora emblema e letras da mesma cor, o do
envoltorio e amarello cora letras cor de roa as
rocas garrafas tem o letreiro collocado, ro'io
cora emblema e letras da mesma cor, o do en-
voltorio verde com emblema e letras da mes-
ma cor.
Todos os lelreiros sao rssignados pelo proprio
punho de H. Prins & C.
O papel que servo de envoltorio branco tan-
to das garrafas como das meias garrafas, c'om o
seguinte lelreiro em letras d'agua : II. Piins &
C., 40 rua do Hospicio Rio de Janeiro Xaro
do bosque 40 rua do Hospicio.
As garrafas e meias garrafas sao
cor esverdiada. O deposito cera
Hospicio n. 0, Rio de Janeiro.
~ f reiisa-se de urna mulher de mtor idado
que d prova de sua conducta e comportndolo'
que nao tenha Olhos e oulro qualque? embaraco!
que soja capaz de ser incumbida de todo o g'o-
verno de urna casa de familia e tratar de meni-
nos que andam na escola : quera esliver notas
nrKtnC,Ha8 drrSe a rua das Cru* obrad"
o. 20, segundo andar, que vista da prova que
de ve apresentar de sua conducta so dir quera
fKguezareCSa: prcrero"se a'8uma enhora
,, J~T*Ten4 de enlrt'8" amigavelmente, no Ora
ao correte mez, ao Sr Prxedes da Silva Gus-
mao a chave do trapiche Ramos, por motivos
que breve levare, ao conhecimento do publico
CODT d. aque les senhores que no raesmo Irapil
Jltt Se d'"> ao mesmo trapicho
hn li ,1ro m ,co?fn,llas- Hecife 24 de miem-
bro de 1860.-/o*e ilaria Fernandez Tnoma;
Aluga-se a casa n. 167, da rua Imperial com
dous andares e soiao : quem a pretender queira
dingir-se a rua da Aurora n. 16 A.
O Sr. Andr Avellino da Costa venha res-
gatar o seu relogio no paleo do Terco n 19 no
praso de tres dias, do contrario ser vendido
pela quantia que orf.ar o principal e juros e o
importe do prsenle annuncio.
deTivtf"Sera Sr-A"t0"i0 Vquira Fernandes
o n 21 apparecer na rua do Cres-
rr.^l."-Sam'S0 duas csas em Sanlo Amaro na
rua do Lima, junto a fundicao, com bastantes
comraodos urna dellas : a fallar com Jos Ge"
calves Ferreira Cosa, all residente.
-- Precisa-se de um amassador : na rua larga
do Rosario n. fi
ope
de vidro de
na rua do
Prata.
Viuva de bouza Coulo, declara ao respeitavel
cerpo do commcrcio e a quem interessar possa.
que o >r. Firmino Alves de Souza deixou de ser
seu cjixeiro desde o dia 22 do correle mez
Hotel
Rua larga
Trovador.
44.
E. Reg Valonea pode ser
o exercicio de sua "profissao de
na rua da Cruz n. 21, segundo andar.
f
COMPAtfHIA
ALLIANC
stabeecida m Londres
i&ip si mu.
CAPITAL
Cinco nHioes de \i\ras
slevV vivas.
Saundcrs Brothers i C. tem a honra de infor-
mar aos senhores negociantes, proprielarios de
casas, e a quera mais convier, que estao plena-
mente autorisados pela dila companhia para ef-
fectuar seguros sobre ediOcios de lijlo e pedra,
cobertos de telha, e igualmente sobre os objectos
que contiverem os mesmos edificios, quer con-
sista em mobilia ou em fazendas de qualquer
qualidade.
Paga-se por melhor preco do que
qualquer parte, prata de le, flna ou
rua larga do Rosario, loja n. 24, de
Gomes de Mallos Jnior, junto 'ao
louea.
era outra
baixa : na
Francisco
armazem de
uu m uwdi
O abaixo
II
assignado faz publico a
i quem possa interessar que tendo des-
:contado o bilhete u. 2-ij da primeiro
i parte da primara lotera (Je Nossa Se
jnhora do Bom Conseltao, premiado com
a soi te de 10:000^, garantido por P. J.
Jacaranda Lryme, foi preciso recorrer ao Illm.
a LUIZ \V com tampos de Sr.Dr. chefede polica para fazer ef-
rnarmore, urna outra sem,ecli.voopaffa,nento da '"espectva ga-
. Recite 28 de setembro de 18(i0.
Jos Joaquim (iome< de Abren.
T
DE
2 ricas mobilias de
elles, urna dita de amarello,
guarda roupas, guarda ves-
tidos, mesa elstica, guar-
da loica, aparadores de
mogno, rica cana de jaca-
rauda, urna dita de amarel-
lo, cadeiras avulsas, toilets,
candelabros, serpentinas,
apparelhos de fina porcel-
lana para almoco, dito para
jantar, chrystaes, vidros,
faqueiros e um excellente
piano de Vignes.
Hoje, 29 do corrente.
Antunes autorisado por urna pessoa que com
sua F,xm.a familia se rolira para a Europa (que
por modestia se nao diz o nome), far leilao cm
seu armazem na rua do Imperador o. 73, dos
modernos e ricos movis quo compunham a casa
de sua residencia, os quaes serao vendidos sem
reserva depreco, sll horas era ponto.
LEILAO
CommoTi'ial.
Segunda-feira 1- de outubro.
Antunes autorisado pelo Exm. Sr.
Dr. juiz especial do commercio, a re-
querimento dos depositarios da matsa
fallida de Jos Luiz Pereira Jnior, fa-
ra' leilo no dia cima designado as 16
boras em ponto, na rua Nova caja de
residencia do dito fallido, de toda mo-
mim
ai
primeira
Senhora
Primetra parle da
lotera de Nossa
do Bom Conselho.
I abaixo assignado vendeu o bilhete
inte iro n. 2V5 e abaixo transcreve o
recibo da garanta dos 8 por cento.
P. J. Layme.
Recebido Sr. Polycarpo Jos Layme
a quantia de 800.S1 importe da garanta
do bilhete int. ro da pritneira parte da
primeira lotera de Nossa Senhora do
Bom Conselho n. 2*15. Recite 28 de
setembro de 1860.
Jos Joaquim Gome de Abreu.
Manrique de .irros Cavalcanli de l.acer-
da convida aos amigos o collegas do Tinado
Jos Victor Granja assistirem a missa
que pelo eterno repouso de sua alma se ha
de celebrar segunda-feira 1 de outubro s
8 horas do dia na matriz da Boa-Vista.
Piecisa-se de urna casa terrea com quintal,
que seja pequea, as seguinles ras, Florentina,
Bella, Roda o S. Francisco: quera liver an-
nuncie.
Est justa e contratada a casa da rua da
Conceiso da Boa-Visla n. 36, pertencenle a Sra
Oertrudes Antonia e Maria Joaquina : quem mais
se achar com direito a ella declare
das.
nestes qualro
Quera precisar de um moleque para criado,
ae lo annos do idade, dirija-se rua da Assump-
cao n. 22, que ahi achara com quem tratar, ou
annuncie por esta folha.
- Compram-se moedas brasileiras de virUe e
dez mil ris : na rua da Cadeia do Recifc
mero 22.
SOCIEDADE
Ul\0 BENEFICENTE
DOS
ARTISTAS SELLEIROS
Em Pernambuco.
De ordem do Sr. presidente convido aos senho-
res socios eflectivos para sessao extraordinaria
do assembla geral que dever ser foila ns con-
formidade do art. 31 dosnossos estatutos, terea-
fi'ira 2 do oulubro. s 6 horas da tarde, visto nao
ter reunido numero sufficiente era os dias 28 e
27 do corrente.
Secretaria da sociedade Uniao Beneficente dos
Artistas Selleiros era Pernambuco 28 de setem-
bro de 1800.
Auspicio Antonio de Abreu Gnimaraes.
1." secretario,
No dia 11 de setembro. pelas 9 s 10 horas
da noite mataram uro escravo de D. M. H. V. M.,
cujo escravo nao liaba inimizade com pessoa
alguma desse lugar, s sim com um pardo mo-
rador no mesmo lugar, o qual estando nrso nnr
snspelts, ha pessoas que o
elle foi morlo por ladro de cavallo: portanto
quero 'ue estas pessoas que assim, ousam ve-
nhara ovar como era ladro, pelo contrario era
muito el e nunca roubou a pessoa alguma, o
q'ic dou proras.
DENTISTA
DE
i PERM1IBICO. I
H 3--Rua estreita do Rosario-3 |
jj| Francisco Pinto Ozorio continua a col- SJ|
8 locar dentes artificiaes tanto por meio jj
* de molas como pela pressao do ar, nao 2?
^ recebe paga alguma sera que as obras Si
jk nao fiquem a vontade de seus donos,
*S lem pozeseoutras preparaces as mais S
^g acreditadas para conservacao da bocea g
Aluga-S". urna ptima ama de leite, escra-
va esem lilho ; quem pretender dirija-se a Olin-
da ladeira de S. Pedro Velno n. 26, sobradinho
novo de um andar, ou annuncio
rado.
DOS
Doulores Ramos e Seve
Sita em Santo Amaro.
Este estabcleciraonlo contina debiixo da
ministraco dos
de qualquer na
O zelo e ci
prompto restabel
mente conhecido
Quem se quizer ulilisar pode dirigir-se s
sas dos proprielarios, ambos moradores na
Nova, ou entender-se com o regenle
lecimento.
A diaria para os escravos de 2S500, e para
oslivresde32()0 ou -jOOO. porm em cerlos
casos pode h.iver algum abalimento.
As operacoes sero previamente ajustadas
-- Aluga-se um sobrado silo na poroacio dp
Monleirn, o qual lem commodos para grande f i-
milia ; assim como cocheira e estribara para
cavallos : a tratar com Manoel Alves Guerra na
rua do Trapiche n. 11, primeiro andar.
Ensino de msica.
Oflerece-se para leccionar osolfejo.como tam-
bera a tocar varios instrumenlos
o (lo Rosario n.
As pessoas que recorrerem a este hotel ene
trarao boa comniodidale para urna noite, dias e
meses, conforme Ihesconvier, encontrarac tam-
bem a qualquer hora do dia o noite lanche e ca-
to. O dono do respectivo hotel so obriga a dar
comida para fora as pessoas, que quizerem, as-
seguranJo todo o asseio. Tudo por preco com-
modo. r
Adriano dos Santos Pereira, subdito Poitu-
guez, retira-se para a Parahiba.
Olfcrece-se urna ama capaz para servico da
urna casa : quem a pretender, dirija-se a ra da
Imperalnz n. 59.
i iTn^uem ;,|luunriou precisar da quantia do
I.UJS a premio com hypoihcca em bens de raiz,
dirija-se a rua da Imperatriz. (outr'ora aterro da
uoa-\ isla) n. 72, que se dir quem d.
Roga-e ao Sr. Antonio Jos da Cnnha Gui-
raes que dirija-se a rua larga do Rosario u.
ca-
ma
no eslabe-
prela para coznhar e fazer o mais servico interno
de urna casa de pouca familia: na Ion da boa
fe na rua doQu.imado n. 22se dir quem aluga.
Sabbado 29 do corrente, depois da andien-
Cia do Illm. Sr. Dr. juiz ravnicipal da segunda
vara se ha de arrematar o prelo Belmiro por
ixecucaodo Dr. Joao Jos Pinto contra os her-
deiros de Antonio Gomes Pessoa, a avaliacao
de 500jj *
Joao Jc*4 de-Mcdeiros, morador na cidade
da Parahiba na-rtla das Convenidas, sobrado n.
136, faz sciente ao respeitavel corpo de commer-
cio desta cidade de Pernambuco, que por encon-
trar outra pessoa de igual nome se assignar Joao
Jos da Silva Medeiros.
Eduardo Filippe Francisco Truchon, socio
da casa commeicial desla praca Soba razio de E.
Burle & C,relirando-se para a Europa, deix
k.
da Roda n. 50.
D-se dinheiro a juros sobre penhores de
ouro ou prata: na ruado Rosario da Boa-Vista
n. 58.
Na livraria n. 6 e 8 da praca da
j Independencia precisa fallar ao Sr. .Ma-
noel Antonio Pinto da Silva.
para ser procu-
& 999 9%,
I Aviso.
i@S
@
O Dr. Joao Pedro Maduro da Fonseca
@ mudou a sua residencia para a rua da Ca-
deiado Reeife n. 52, seguudo andar, aon-
J5 de se presta ao servico tanto de medicina
como de cirnrgia e das 9 para s 10 horas S
@ da raanha sempre o encontrarao em casa i
f f ^f @ @@@
Malachias de Lagos Ferreira Cos-
ta transferio a sua residencia para a rua
a pessoas" que odefendam, dizendo que Direita, primeiro andar da casa n. 21.
I DENTISTA FRANCEZ. 3
x Paulo Gaignoux, dentista, rua das La- 2
T rangeiras 15. Na mesma casa lem agua e 3
? p dentico. **
t tt.JL.i.XXxi.Xx.i.XXi.Xi.Xi.XXx
(Ul LIISO-BRVSLEIRA,
2, Golden Stiare, Londres.
. G. OLIVEIRA tendo augmenlado.com to-
mar a casa contigua, ampias e excellentes ac-
commodaces para muito maiornumerode hos-
pedesde novo se recommenda ao favor elem-
branca dos seus amigos e dosSrs. viajantes que
visitera esta capital continua a preslar-lhcseus
servicose bons officins guiando-os em todas as
cousas que precisem conhecimento pratico do
paiz, etc.: alm do portuguez e do nslez falla-se
na casa o hesoanhol e francez.
, dando |asli- por seu prreurador com plenos poderes, em pri-
?oesidajs7horass9112danoite: a tratar na rua roeiro logar a seu nico socio Eduardo Alexandro
Burle, e na falta desle ao Sr. cornmendador Ma-
noel Goncahes da Silva.
Giovani Faraco e Rocco Pagano, subditos
napolitanos, reliram-se para fra do imperio.
Aluga-se por festa, por anno, e raesmo veu-
de-se o sitio de Jos Marianno de Albuquerque,
na Torre, com alguns commodos, c bem assim
aluga-se urna casa na povoacao do Monteiro por
festa a Iralar com o mesmo na Eslrada Nova,
ou rom o Sr. Jos de Azevedo de Andrade, ua rua'
do Crespo.
O armazem n. 13,
da rua da Gnu do Recife, est para alugar-se : a
tralar no Forte do Mattos, largo da Assembla
n. 18.
Aluga-se urna casa terrea na rua doSenhor
Bom Jess das Crioulas, com grandes commo-
dos : a iralar na rua da Cadeia n. 31, primeiro
andar.
clou-
Gravador e
rador.
Grava-se e doura-?e em marmore lettras pro-
prias para calacumba ou tmulo a 100 rs. cada
urna, o annuncianle aprsenla seus trabaihos
nos tmulos dos Ulms. Srs. Viraes, r. Aguiar,
Guerra, Tassoe em oulros mais rua da Caixa
d Agua n. 52.
nu-
Eu abaixo assignada declaro pelo presente
annuncio, que tendo dado ao Sr. Jos Francisco
Rib-iro a quantia de 1:0003 com o premio do um
por cento ao mez, succedo que o documento que
me passou para garantir o meu dinheiro, extra-
viou-se, e caso appareca em poder de qualquer
pessoa, ficar denenhun? effeito; visto como es-
te, islo, com esta declarado o Sr. Jos Fran-
cisco Riheiro deve-me passar novo documento,
ou a entrega de meu dinheiro com os competen-
tes juros, que j fazem capital, nao se contando
o principal que o 1:000a. Roeife 28 de setem-
bro de 1860 Anglica Anna Perpetua.
Irmandade do Senhor Bom
Jesus das Chagas.
Constando mesa que dous anonvmos andam
colisando para a fesla do Senhor Bo'm Jesus dos
Perseguidos (a qual lem lugar em Janeiro) a
mesma previno que nao encarregou commissao
alguma para I a I m. romo consl de uma carta
quo se acha em poder de dita mesa, com os se-
guintes nomes : Luiz Francisco d'Annunciacy e
Joao Chrlsostomo da Silvi. dirigida consorte do
Sr. Bernardino Jos Monteiro: e desde j previne
as pessoas que receberam cartas ueste sentido
que nao deera esraola, visto que taes carias nao
partem da irmandade, o sim de algum expeden-
te. Recito 29 de setembro de 1860.
Padre Raphael Antonio Coelho.
Escrivao.
Precisa-se fallar com o Sr. Joao Maria de
Moraes Navarro, na rua do Crespo, loja n 20 B
Precisa-sc de 1500 a juros por temp d
seis mezes, dando em Hypotheca dous ou tres
escravos mocos ; quem quizer fazer este
annuncie para ser procurado.
Precisa-se do uma ama que saiba cozinhar
e lazer lodo o servico de casa : na rua do Caldoi-
reiro, taberna n. 60.
m.~Z Sn' 'yP^rapnia desle Diario se dir quera
d 1-0003 por hypotheca era predio.
Alfonso Henriquos do Vasconcellos, subdito
portuguez, retira-se para a provincia do Cear.
Candida l.raa de Figueiredo e Leocadia Ma-
na de Figueiredo declarara qoeoSr. Manoel For-
tunato deOliveira e Mello nao pode leaalmento
vender nem hypoihecat a escrava Genoveva,
cnoula, visto ser mesma escrava de proprieda-
de das annunciantes:.
negocio
A. W, Osborn retratista americano annuncia
ao respeitavel publico desla cidade que elle aca-
ba de receber dos Estados-Unidos da America
um explendido sortimenlode molduras redondas
douradas de todas as dimensoes, caixas para re-
tratos fazenda muito fina, assira como recebeu
ura bello sortimento de casolelas de ouro e ali-
netes dedilo obra prima expressamenle para re-
tratos. A. W. Osborn aproveila esta aprazivel
opportunidade para informar ae publico que elle
est resolvido a dar liccoes da sua arte em todos
os seus ramos, assim como tem para veuder um
completo sortimento chimico e outros aparatos
proprio para as pessoas que professam a sua arte.
Mr Osborn tambem lira retratos cm cartees de
visita eem papel de escripia por preco mwo
razoavel: na rua do Imperador primeiro andar
com bandeira.
a. c o
< **
O O O
o o o o
o o
Aluga-se a casa terrea n. 120 A junto
ponle dos Afogados por 148000 rs. mensaes : a
tratar no paleo do Terco, taberna n. 19. Tam-
bem d-se 1-500 a 2 000*000 a juros com fiy-
pelheca ero casas terreas, e vende-se sement
de coentro na mesma taberna.
Precisa-se de duas amas, sendo uma secca
e outra de leite : no paleo do Terco n. 26.
Adriano Jos Borges retira-se para Portu-
gal a tralar do sua sade.
DE
Pao e de cestas.
Na rua eslreila do I!osuno n. 4.
S nesie estabelecimento ser encontrado ludo
quanio diz respeilo a ofcinas de cesteiros tanto
do Portugal como de Franca e da Allemanha ;
nllimamente recebemos obras de vime e gesta,
consi.-lindo em horcos, condecas rasas, balaios de
costura, bandejas acaales rencos e pintados,
gigos e canasiras com lampa imitando bah, es-
leirs para sof, e outros muitos objectos que se
tornara mdispensaveis as casas de familia.
Joao Francisco Coelho Biltancourt, buhare!
formado era sciencias jurdicas e sociaes pela
academia de Olinda, com escriptorio de advoca-
do na cidade da Victoria, encarrega-se de tudo
que diz respeilo a sua profissao ; e aceila co-
brangas amigaveis ou judiciaes medanlo uma
porcenlagem razoavel e acha-so sempre promp-
to para qualquer servr0 forense em qualquer
parle onde fr chamado. Para facilitar aos mo-
radores da praca o meio de prompta communi-
cacao pode entregar suas cartas do aviso na rua
do Rosario, loja do Sr. Maia, que sero com
brevidade respondidas.
Novaraente esl para alugar-so a casa terrea
da rua da Roda n. 23, cora 5 quartos, duas salas
cozmha fra, porto para o becco dos Palos; po
se ter desfeilo o arrendamenlo com a pessoa qu
imha alugado: quera o pretender procuro n
mesma. das 6 horas do dia at s 8 }< edas 3 '
da tarde em diante. /%
O abaixo assignado declara, que demedio
o seu caixeiro Joaquim da Silva Braga, desde o
da 23 do corrente.
. Joao Duarte Magnaro.
Aluga-se uma casa terrea nos bair-
ros da Boa-Vista, Santo Antonio ou S.
Jos : quem tiver entenda-se nesta ty-
pograpbia que achara' com quem tratar.
Na padaria nova de Santo Amaro precisa-se
de uma pessoa livre ou escrava para o
da mesma, paga-se bem.
por
e
a
servico
Alfaiale francez, residente na rua da Cadeia do Recife tem a honra d
acaba de abrir um estabelecimento em grande ponto, no n. 16 da rua
rando desdeja aos concurrentes que esforcar-se-ha pela perfeicao
encommendas que lho forera feitas. Igaafmenle lem um rico s'orli,
gostos e de primeiras qualidades, para caigas por prejos commoJos
?ar a o respeitavel
Mercier, que
da Cades do Recife, assegu-
a perfeicao, baraleza c promplidao das-co-
mento de fazendas de lodos os

T-r
\
B
~T
"i '..
T?"
-7-?
1 !'.
r-^r


DAhlo DE PERNAMBUCO. SaBBaLX) 29 DE SETEMBRO DE 1S&0
f3
HOSPITAL
PORTUGUEZ DE BENEFICENCIA
BM
Pernambuco.
Vao ser alugadas a quem mais der e Hielhores
garantas ollerecer, 5 casas no sitio Cajueiro con-
tiguas so hospital porluguez ; os pretendenles
podcra dirigir-so ao Sr. provedor ou enviar-lhe
suas proposlas era carta fechada at 30 do cor-
rente pin que findam os acluaes arrendamentos.
Recite 24 de selembro de 1860.
llanoel Ribeiro Bastos,
1. secretario.!
Precisa-se de duas mas sendo urna delei-
te ". no paleo do Terco n. 26.
Retratos
SOC1EDADE
INSTITUTO PI E L1TTERARI0
A comroissao abaixo assignada, encarregada
dos festojos do anuiversario do Instituto Pi e
Luterano, fallara a um rigoroso dever se nao
viesse pelo presente agradteor a lodos os senho-
uhores convidados e as differentes associacoes
Attencao.
em cartees de visita como se
usa em Pars. Os 100 por
o retrato o mais econmico que se pode ob- i
ler e o mais proprio para dar de mimo aos pa-: ^.^ d,8"n> 8Ss.'slir 3 ses?a0 m88na d. d,a
rntese amigos, podeudo ser remettido coramo- d corren,e- unKcrsario do mesmo Instituto,
daraente dentro de urna carta. Esles retratos, Assim como agradece a lodos os socios que assis*
nao obstante suas pequeas dlmenses, rePre- I llrim .",n'itsaHdo ,SIU, "^"'S110 T!0 "'
sentara a pessoa de figura inteira cora o maior I Ruilfe de, selembro de 1860. Alt.no Ro-
apuro nos deiall.es, sao a raais propria recordara" i *"" P,mIen-la- ~ ""TV "a0m,n r, "?' de
de todas as pessoas' que nos saoPgratas. Reunidos I '^t^iZ KvTun io'r Me
emcolleccao poderoservir para formar ura ele-1 Jui
Aluga-se
o segundo andar do sobrado d. 5 da ra do Viga-
rio : a tratar no mesmo.
Aluga-se ura sobrado com 2 salas e 3 quar-
los, proprio para rapaz solleiro : quera quizer,
dirija-se ra do Imperador n. 27, defroule da
ordem lerceira de S. Francisco, das 9 s 4 horas.
res socios honorarios correspondentes, aos se- HtlS^SS8S-gg-^^&^S| i ment0 tant em ^"''f COn\ em tl" b,a qem ul"1a>'p.r P c
Roga-se a todas as pessoas que esiiio devendo
ao abaixo assignado, venham pagar no prazo de 30
dias, a contar da data deste, e aquellas pessoas
que deixarcm de o fazer no dito prazo seao cha-
mados a juizo para realisarcm os seus dbitos.
Recite 21 de selembro de 1860. f
Domingos Francisco Ramalho.
Madarae Gekle, eslabelecida na ra das Cru-
zes n. 36,avisa ao respeitavel publico que se acha
sempre prompta para fazer qualquer obra de
vestidos de senhora, e tambera chapeos 4 moda
de Pars, por muito commodo pieco.
- Quera ttver um sitio petto ou
longe desta cidade, com tanto que tenlia
casa de vivenda, arvores defructo e fi-
que prximo ao baoho salgado, tempe-
ra Jo ou doce, e o queira alugar dui-
ia-se ao largo do Tetro casa tarrea nu-
siero 33.
gante albura dedicado a amisade. Tirara-se todos
os diase com qualquer tempo, no instituto pho-
tographico de Slahl Imperador, ra da Imperatriz.
agencia dos lubricantes america-
nos Gruuver & Baker.
t Machinas de coser: em casa de SamuelP.
JohnstoD & ra da Senzala Nova n. 52
^Consultorio central homtopathico
I PiM&BW. 1
;5 Continua sob a mesma direcqao do Ma-9
@ noel do Mattos Teixeira Lima, professorfj
em homeopathia.As consultas como d'an-Jg
tes.
i
i
Botica central liemeopalhica
Do
OR. S.VBIS0 0, L P|NH
No vos raoJicamentoshoracopalhicos en-|S
viejos da Europa pelo Dr Sabino >
Biles. >no. licamjntos preparados cspe-L
..lmenle segando as necessidades da ho-s^

t
Estas pennas de differentes aualidades, sao fa-
bricadas de ac de prata refinada de primeira
tempera, e sao applicaveis a todo o tamanhode
ellra. Preco 1$D0U cada caixa e pennas de ouro
telo mesm autor com pona de diamante, que
crem a grande vantagem de nao eslar sujeitasa
crj\rferrugem e conservndose boro limpassiio
de au-acao infinita, deposito em casa dos Srs.
Iluedes & Gonc. as ra da Cadeia n. 7.
1
Loyo Jnior. Menervino Au-
gusto de Souza Leiio. Tito Livio Vielra Dorias. ',
Precisa-se'fallar com o Sr. Joaquim Lopes
Macieira, chegado ha poucos mezes do Macei :
quem oconhecer ou souber aunde sua residen-
cia, tenha a bondade de maudar elle so dirigir
ra Direita n. 24.
Aluga-se o armazem da ra do
I Imperador n. 19 : a tratar no arma-
zem da ra do Imperador n. 2 i.
Aluga-se urna casa na povoacao do Mon-
leiro, tem ruuitos buns commodos e cacimba,
grande quintal murado e poriao jue sahe para o
j rio : na ra do Qneimado loja de ferragens nu-
1 mero 36.
Offerece-se uma mulher para ama de ho-
rnera solleiro ou casa de pouca familia ; quem
precisar, dirija-so a ra do AAgoas Verdes n. 92.
Agradeeiiiiento e gralidao
Ao Sr. Ricardo Kirk pela cura de
um tumor na coxa da per na.
Seiia falla de reconheciaicnlo se nao grade-
cesse ao Sr Ricardo Kirk, escriplorio na ra do
Parln. 119, pelo curativo feliz que acaba de
fazer m um meu escravo, o qual tendo ura tu-
mor na cxa da perna que o empedia de traba-
lbar em razao das dores que soffria, com aoppli-
caco do uma das suas chapas medicinaes, em 21
dios flcou inteivamente bom : o que faco publico
,m signal de rninha sincera gralidao.Rua For-
. mosa n. 122.Rio de Janeiro.
1). Ludovina M. dn Silva.
Vai A prara eos dias 25 e 28 da corrente, e
2 de oulEliro depcis da audieutia do Illm. Sr.
O l)v. Cosme de Sa' Pe eir da' .
consultas medicas em seu escrip-
torio, no bairro do Recite, tua 1
da Cruz n. 53, todos os dias,me- *
nos nos domingos, desde as ti g
horas ateas 10 da manliaa, so- 8
breos seguintes pontos
l.v Molestias de olLos ; 9
2.- Molestias de coradlo e de S
peito ;
3.* Molestias dos orgacs da ge- m
racao e do a us ; -J
4.' rraticara' toda e qualquer '
operacao que julg. r conve- fl
niente para o restabelecimen- m
to dos seus doentes. |
O e\ame das pessoaque o con J
sultarern sera' feito indistincta- |
i mente, e na ordem de saos en- |
Iradas, fazendo excepcao os doen- |
> tes de olhos, ou aquellel que por |
l motivo justo obtiverem hora |
| marcada para este fim.
CORAL.
Vende-sc verdadeiro coral de rais a pre^o
muito corarnoJo, e mais militas miudezas e rape
de varias qualidades, tan-lo a retalho como em j
libras ; na ra larga do Rosario passando a bo-
tica a segunda loja de miudezas u. 38.
Vende-se cadeira de pinho e ci-
|
becco do Impe-
Liquidaeao
Na loja de chapeos da praca da IniR'p^nden-
cia ns. 36 e 3S, vendem-se os seguintes objecli s
as: no armazem do
rador n. .4.
posde fellro de 2J560 a 6;000, ditos do Cl.ylu
de '2$ a l^DOO, ditos de casem' ^ com abas for-
radasde pvh.i de 2J a 28360, Jilos de outias
' qualidades que ; cora a vista os compradores
so convenctrao; bonets a ingleza bordados a
| ouro, ditos de diversA gostes para meninos,
! chapeos de palha paia hornero de diversos gos-
, tos, dilos amazonas tanto de fellro como de pa-
I Iha para senhoras, galoes de ciro e de prata pa-
O dono da loja de miudezas da rua Direila n. ra divisas, bonels para a gurda nacional lano
83, desejando acanar com a mnu r parle das miu- de soldados como de offlciaes, c outros rauitcs
dezas que lem em seu esiabelecimento, est re- objectos que estarao presentes,
solvido vender ludo a dinhiiro, pelos progos abai- .;: ri'iat_3J!!3i'!',.'J>iEiL9>S'-'*'aj8 Liquidaeao.
Seguro coatraFogo
COMPAHM1A
3 n;.)paihia noRrasil vende-se pelos pre-S
S;oi ionhaci" -.....'"' u-------'

des na botica central hocieo-
' nthica ra de Santo Amaro (Mundo No-S
vo) n 6i ^
O Sr. Donvingos C sario Pinto
queira dirigir-se a esta typographia.
queselhe precisa fallar.
I Dentista de Paris.
g2 15Rua Nova15
gj FrederkoGaulier, cirurgiao dentista,
3|j i.iz todas as operacoe da suaarte e col-
as loca denles artificies, ludo com asspe-
f^ rioridade o perfeioao que as pessoas en-
cjU tendidas lhe reconhecem.
^ Tem agua e pos dentifricios ele.
K3BSIH89KMS US &&&&&& M Ur. Jim do orpI.. o moleque Amaro, de 13 an-
Roea-^eaos dtvederts da loja Ca nos de idade, oertencenle aos betrs da finada D.
r <>o j ~tA ~ Al- Mara Rosa d'A-ssumpco.
rua Direita n. OS, de vir< m ate o da. ^f f *
15 de outubro dn corrente anno saida-
rem eus dbitos e se pssim nao lirerem
verao -seus nomes por extenso ntte
Diario.
O Sr. Jos Alfonso do Reg Rar-
rds lenha a bon lade de apparecer na
rua do Crespo n. 20.
Na rua Imperial n. 20^
se dir quem d dioheiro a premie sobro pc-
n liores.
Yaccina publica.
xo mencionados, a saber : superiores agulhas
francezas (caixa) 160 rs., grampas a 20 e 40 rs. o
t maco, golliuhas finas para senhora a 500 rs., H-
.nha de poso a 120 rs a miada, fita para cus a
210 a peca, peoles de bfalo para alisar a 240 rs.,
' oleo de babosa a 560 o (ra^o, papel almaco a
2 a resma, escovas para denles a 160, canelas
| de marfim a 1*20, penles finos para tirar piolhos a
300 rs., meias muito finas para senhora a i; j
' duiia, ditos de cor para meninas a 200 e 2i0 rs.
o par, meias finas de cor para homem a 200 e 210
' rs., babado ou tremola do Pollo a 80 o 100 rs. a
vara, e peca com 30 varis a jiuO, verdadeira
. lita de linho a 100 rs. a peca, paes virados para
; atar cabello a lg00. toucas de 15a para meninas &
; a 500 rs., lesouras para costura cora aro euvur- H Q
| nisado a 400 rs., ditas grandes para corlar ves- .%
t lido a 800 rs., ditas muito finas para unha a 400 g-----
[ rs., linhn de peso a 120 a miada, clchete em ^
carto a 50 rs., leques finos a 2c500, meias pre- %
tas para senhora a 280 o par, pennas finas de ac i S
a 500 rs. a groza, cartas france/as douradas a E0
rs. o baralhu, superiores obreias para as amo- y
radas a 200 rs. a caixa, redoma de vidro com o 2
Prccisa-se aliar um sobrado d* ura andar ou i crucificado a 040, botos para pui.ho a 160 o par, *
de daMs, era bom estado, com quintal, nos bair- fiadores para espartilhos a 1U0 r=., fivelas para g
ros da Boa-Vista ou Santo Antonio : nuera o li- **W a 0 rs., fitinhas de sarja muilo eslreitas, *
ver, diiija-se a rua do Crespo n. 25. ,** llD'l,0S Zostlos- P'opriaa para cofellar toucas.
Aluga-se uiia pequea mvia-agua com ou, "sUmenta de meninos, tranca de sed.muito ; $
'dous quartos. sila a beira do rio tas casas que | e=,reila Prna para cnfeiHr vestimenta de^e- g
ficam as norte *a fabric-i do ga : a tratar !10 '"nos a 120 a vara, bicos de soda pretos do dilTe- T .
mesma logar ; rent-cs larguras, litas lavradas de sarja, garca, AyO tic lliealt?.
OP Mai.ocl Pereira Lopes Ribeiro transferio .fetitu- ran" Jc seda de Jifferentes larguras, ^
a sua loja de barbeiro defronte da matriz da Boa-1 bK:os e re"Jas lodos eslfS objectos que uao tem
Vista u. 86 para n. 13 em frente os retratistas Prc' e uulrasque se dtixam de unnunciar, ven-
I imperiaes ou contiguo ao deposito do Sr. Pinto, 1at ra-s.? Dor metade de seu valor para acabar.
participa aos seus freguezesc ao publico em geral > ende-so por preco commodo um boi de
que tem fiiciaes habis rata corlar cabellos, fri- frr muU?. nov. g"'l, e 5"rdo : quera o pre-
I
Attencao.
L0N0HES
AGENTES
J. Astley & Gompanhia
-----------------------------1
Vende-se
Formas de ferro para
purgar assucar.
Enchadasde ferro.
Ferro sueco.
Espingardas.
I
I
(
1
Pregos
, zar e ludo mais perlence
'rao recebe bichas con
rsnsmissao do fluido de braco braco, as para alugar e vender. _.
quintas e domingos, no torreao da alfandoga, e espoletas e amola-se todo o ferro cortante isto c '"p-
nos sabbadcs ale s 11 horas da manhaa, na re- com asseio e presteze, podo ser procurado a
sidencia do commissario vaccinador, segundo an- qualquer hora.
dar do sobrado da ra estreila do Rosario n. 30. ?or terem apparecido alguns pretendemos
$&## 8* amantes da edificacao, o abaixo asignado lem
O Sr. Tobia Pieri, artista italiano, pre- @ resoV.ido retalhar o segundo e terceiro quartei-
tende dedicar-se ao ensino de piano e de @ rao projeclado em torras de sua posse, por detraz
da rua da Concurdia com 4 frentes, pocote, as- i
cor.ie, nortee sul : os pretendentes rodein diri-
girse ao abaixo assignado. na rua laFga do Rosa-
lia, padaria 11. 18, das 7 s 9 horas, e de tarde
at as3. Na mesma padaria preetsa-se de um
rapaz que saiba ler e escrover para ir entregar
' pao na rua : aquelle'que se achar nesta circums-
encento a sua arte assir co- leD'e,ri dirija-se a manha ao porto das canoas: 2
nlinuadamonte dellamburco > so P,da p0Dt? da Boa-Vila 1UC ahi ov,eraf,|
r, bota ouvidos em armas de : aP-hara vendedor, das 10 horas do da at as 3 a
Vinho Sherry da marca
Todlhatlij &C.
NATRALLE DE VICHY.
Deposito na botica franceza rua da Cruz n.22.
J5F
b?H5
3 !<

APPHOVACaO E AlTOBISVCiO
DA
IMPERIAL DE BDICIHI
E JUNTA CENTRAL DE HYGIENE PUBLICA
lt canto : as pessoas e os pais de familia que
quizerem ulilisar-sc com o seu presumo, @
K putiem procura-lo na rua de Santa Isabel $
@ n. 'J para iratarem cc;n o mesmo senhsr, @
que ser iimi razo3vel nos seus ajustes. $$
Na rua da Cadeia d. 24 deseja-sc fallir com
os senhores:
Marcelino ce Souza Pereira de Brito.
Cleto da Cosa Campello.
Jos Alvos de Monte Raso.
Joao Alvos do Oliveira.
Manoel Jos Ferreira.
Miguel Esteres Alvos.
Aulonio de Albuquerque Maianho.
Francisco Jos da Costa.
PRIVNCIA.
O Sr. thesoui.
Exm. Sr. presid
lancia e abouar a sua conduela, diijja-se mes-
ma casa cima, que achara com quemrralar.
Manoel Antonio do Jess.
toiupras.
Jas loteras tendo oblido do
da provincia a approvocao
Compra se lijlo de alvenaria, no escripto-
rio da Companhia Pernambacan.i.
Compca-se uma casa tarrea na frogu-c/ia de
Santo Antonio, prolVrindc se na rua das Flores ;
a tratar na ra do Sol, casa terrea n. 5, junto ao |
1 sobrado.
Compram-se cscravos de ambos os sexos '
i de 12 a 25 annos para -se exportar para o Rio de
: Janeiro, leudo boas figuras e sadios, paga-se
' bem : quero levar ou inculcar na rua Direila n.
, 66, escriplorio de Francisco Malhias Pereira da
; Costa, receber 2gde gratificacao.
Compra-se uioedas de ouro b*ra-
sic'u-as e portuguezas : em casa de
F.m casa de Gustavo Bousset & C, roa da Cruz
a 5, vende-se vinho de Sheriy muito fino, da
bem cunhecida marca
Tod Hcathj & C.
Vinho do Porto muilo lino.
Vinho de Bordeaux,
Chat. Margaux.
Chai, la roso.
Riscoitos inglozes.
Todos para precos muito commodos.
Vende-se uma cabra (bicho) muito boa de
leile e muito mansa, a qual lem s um cabritinho:
na rua da Santa Cruz n. 26
Vende-se uma porcao de courinhos corlidos
por prero muilo era conta : no pateo de S. Pedro
numero 6.
ELECTRO MAGNTICAS EPISPATICAS
Deltteardo
Para serem applicadas s partes afectadas
sem resguardo nem incommodo.
AS CHAPAS MI-DIClN.VESsao muilo conhecidas 110 Kiode Janeiro e em todas as provincias!
este .mpeno ha mais de 22 annos, eso afamadas, pelas boas curas que se tem oblido D3s enfer- i
mida les abaixo escriptas, o que se prova cora innmeros attestados que existem de pesoa<= caoa- '
/.es e de distinecea. r \
Cora estasjiiArxs-iaEj-.rn.o-KAUNKTicA-rjMSPASTicAsobcm-seuma cura radicale infallivelem '
oos os cisos deiullaramar.o [car.sacoou falta de respiraro), sejam internas 011 externas como
lo lijado, bofos, estomago, baca, rins,ulero, peilo, palpitarlo de coracao, garganta, olhos. ery-
toelas, rheuraatismo, paralysia e todas as alTeixoes, nervosas, ele., etc. Igualmente para as dif-
itos especies de tumores, como lobin^io?, escrfulas ele, soja qual fr o seu tamanlio e pro-
un-lea, por raeio da suppuraco sero radrcajmente extirpados,sendo o seu uso accnselhado oor 1036 Ditos de
inbeis e distinclos facultativos r ;____
As encomraendas das provincias devem ser dirigidas por escripto, tendo todo o cuidado de i 12S8 Premiados.
i'.t 14 becesaarias explicacoes, se e chapas o para homtrn, senhora cu crianra, declarando a 2712 Braacos
n desla era que parte di corpo existe, se na cabera, pescoco, braco, coxa, perna, p.ou tronco do____
e >rpo, ieol iranio a circuraferencia : e sendo inchaco's, feri'das ou'ulceras, o molde do seu tama- 400
, do plano que abaixo ai transcripto, manda fazer Arlc\vight& C-, rua da Cruz n. 61.
i publico que do coaforraidade com o mesmo pa- | Compram-se moedas de ouroo"e 16g o 20-5 :
110 se a>ham exposlos a venda todos os dias na f no largo do Corpo Santo, esetiptorio de Manuel
rua do Imperadora. 36 e na casa commissiona-; Ignacio de Oliveira & Filho.
da pelo mesmoSr. Ihosoureiro na praca da In- j Cempra-se um escravo que eja robusto e
dependencia ns. 14 e 16, os bhetes e meios da proprio para qualquer servico : na rua larga do
quarta parle da quinta lotera do hospial Pedro Rosario n. 18, terceiro andar Na mesma casa
III, cujas rodas devero andar imprelerivelmentc j vende-se uma exctllente escrava, moga, excel-
' no dia 6 de outubro prximo futuro. lenle engommadoira o cosinheira.
; Thecourar a das loteras 22 de selembro de
; 1860.-J. M. da Cruz.
PLANO.
4000 bilhelea a 5000.......20.086SOOO
i 20 por cenlo.........4:ObttS0O I
Vendas.
16-.0CO500O
1 Premio de
l Dito de .
1 Dito do .
1 Dito de ..
i Dilos de 200$
4 Ditos de IDOQ
6 Dilos de 50g
16 Ditos de 20g
20 Ditos de 103
5|
&30M000
-.OGOjOOO
S0000O
400g000
4*0*000
4CHS0OO
3069000
3205000
205000
6:1805000
Burato para acabar.
Rua do Passeio Publico, loja
numero 11.
. .ama- 4000
alio era ura podico de papel e a declaracuo onde existem, afim de que as chapas possam ser i
brn applicadas no seu lugar.
Suliio a luz o o.
Meias para senhora, duzia a 3fc500, e 4g500 su-
perior, corles do vestido de cambraia com listras !
de seda a 5g, ditos de laa a 59, dilos de cam-
braia h 3$, ditos de cassas a 2)200, pecas do cam- j
braia de salpicos a 3|J600, grosdenaplo" muilo fino ;
a lj>700, 2g c 2c300, corles de caseraira a 3j, chi- i
ta franceza a 220 o covado, camisas francezas de '
cores e brancas a 15600. grvalas de linho a 500 r
1G.U300 rs., ditas do selim a 500 rs. e lg, chapeos de
baeta avariadis a 320, ditos de frftro, boa azen-
da. a .2*800e 4*. algodao de duas larguras, a va-
ra a 000 rs., algodaozinhos a peca a 3), 3#400,
3S00 e 4g800 muito incorpados, madapoles a
tr^n das K'rt- ; P<'a 35300, 4*200. 4g400, 4g600, e 65 muito li-
' nos, meias cruas a duzia lgSOO. panno da Costa
de cobre de com- J
posico.
Barr Iha e cabos.
Brim de vela. |
Couro de lustre, I
Palhinha para marcinei-
ro : no armazem de C.
J. Astley A C. 3
$CTKSTI43CB33S Vende-sc uma armario propria para loja
de miudezas ou outro qualquer estabelecimenio,
na rua Direita n. 9 a tr.lar na rua da Impera-
triz ii. 60.
Taboas de cedro,
Vendem-se no Forte do Mallos, largo da As-
sembla, armazem n. 18.
Liquidaeao de fa-
zendas
Por menos de seu valor
Na rua Direita n. 68.
Riquissimos vestidos de bareje de seda, ditos
de mussulina de seda, dilos de fantasa de soda,
dilos de seda preto, ditos de grosdenaples borda-
do a velludo, polacas francezas da ultima moda,
chales de todas as qualidades, paletos de panno o
de casemira de difl'orenies qualidades, ditos do
alpaca prela e de coros de 2-5 3guC0. e outras
muitas fazendas que enfadonho menciona-los.
(AITiaiwando-se que nao se eogeita dinheiio.)
Milho novo.
Vende-sc milho muilo novo vindo do Cear,
seceos grandes a C$500 : na rua da Uadro !
Dos n. 4, armazem amarello.
Loja de calcado.
Vende-se a dinheiro ou a prazo uma loja de
calcado com poucos fundos, muilo propria para
qualidades finas e de differentes formatos, fabri- i ,jual;i''er Priiu-ipianie, e muito aceslumada a ven-
cados por um dos melhores autores, eslabelecido ?er lnllie'es lotenai : quem pretender dirija-se
| all desde 1852, no largo da Assembia u. 19, a p\313 da J,,Pn'ieM! 9, que se diiu
, armazem de AnlunesGuimaiaes & C.
! Vende-se
uma mei'asua no berro do Lobato, era chaos
1 proprios : a tralar no Forte do Mallos n. 10.
Milho.
Vendem-se saceos com milho a 3*500 para
acabar : na rua da Cadeia do Reciten. 3.
Vende-se uma casa terrea com grande quin-
tal e pottao, sila na rua Direila dos Alegados n.
27 : quera a pretender dirija-se a rua Direila des-
ta cidade n. 26, se dir quem vende.
llillio novo.
Saceos de alqueire : no largo da Assembia D.
19, armazem de Aiitunes Guimaracs A; C.
Cera de carnauba,
qualidade especial : no largo da Assembia n
19, armazem de Anlunes Guimaracs A; C.
Charutos do Rio,
||9 Ruado Parto
PERTO DO LARGO DA CARIOCA.
S & WWW
dos de seda a 189, cairas de casemira ordiuaria
' AlbuquL-rquc Maianhao, Alvaro leixei cora mofo a 29. castores muito grossos a 260 o
ra de flf&cedo e Jo Antonio Salter de 'covado, bemmiudo pira calca a I8u0 o covado,
Mj 1 11 -. '.nnn. n^'.r, i algodao de listra muilo bom a 200 rs dilo mes-
endonca ; i-m helio poema |ocoseno. j c,jdo m pecas de aMU para Cl)ber'ta 850
isonetcs, ti infa edes anac eolticas, a muito fina, ditas miudas para vestidos a 79, ditas
' historia i nterewante do levantamiento S Og&OO, e ouiras muitas faztodas que s a visia
, r, .o-j j c comprador fara fe.
i de Goianna em 1821, e noventa e dous
Ferros econmicos de engemmar a vapor : na
a Nova n. 20. luja do Viaana.
Attencao.
J3? 'ik 1 \vos fa p*ra-auda indfPedn-,.
a! n.fcci", 6 J8-vende1ra-se chapeos de couro Chalos de laa estampados a 2500.
da Ituss.a, pelo diminuto prero de 1&000 cada Ditos de merino de uma s cor a 3*.
ciiapco.
Liquidado
para acabar.
Na loja da rua do Crespo n 14, vende-se um
variado sortimento de fazendas abaixo menciona-
dos e por precos o mais barato que so pode ima-
ginar ;
Cassas de cores xas o covado a 160 rs.
Camisitihas de cambraia com gnllinhas a CO rs.
Dila dila com golllnhas e manguitos a 49.
Penles riquissimos de larlaruj
a de IOS e 15$.
3S-
I
AO
dora montos inditos,
mo do autor.
ffor hora em
l1
lelliei
Rua do Brum (passando o chafariz.)
No depozilo dest^ csta\ie\ecimeuto sempre lia grande sonimento de me
cViaaismo para os engenhos de assucar a saber :
Machinas de vapor modemis, de golpe cumprdo,iconomcas de combustivel, e difaclimoassento;
Rodas d'agua de ierro cem cubos le madeira largas, leves, fortes, e bem balancadas ;
, Cannos de ferro, e portas d'aguapara ditas, e serrilhas para rodas de madeira';
Moendas inteiras com virgens muito fortes, e convenientes;
Meia moendas com rodetasmotoraspara agua, cavallos, oubois, acunhadas em aguiihoes deaz ;
Taixas de ferro fundido e batido, e de cobre ;
Pares e bicas para o caldo, crivose portas de ferro para asfornallias ;
Alambiques de ferro, moinhos de mandioca, fornc para cozer farinha ;
Roletas dentadas de todos os tamanhos para vapor,'agua,cavallos oubois ;
AgailhSes, bronzese parafusos, arados, eixos e odasparacarrocas, rmasgalvanizadas para purgar etc.,etc.
D. W. Bowman confia que os seus freguezes acharo tudo digno da preferencia com
{u; o honram, pela longa experiencia que elle tem do mechanismo proprio para os agricul-
oris tiesta provincia, e pelo facto de mandar construir pessoalmente as suas obras as
eqiU icreditadas fabricas da Inglaterra, para onde elle faz viagemanuual para o dito fim,
ssiw cmo pela continuaco da sua fabrica em Pernambuco, para modificar o mechanis-
mo a vontade de cada comprador, e de fazer os concertos de que poderp necessilar.
chegados de novo pelo ultimo paquete : na loja
do vapor na rua Nova n. 7.
Bales de 30 arcos,
Chegaram as mais modernas e melhores saias
de balao coro 30 arcos : na rua da Imperatri
numero 12.
Camisas inglezas.
Acaba de chegar na bem conhecida loja de
Goes & Bastos, rua do Queimado n. 46. um gran-
de e novo sortimcnio das camisas inglezas, gos-
los modernos, e por ser grande porQao convida-se
os freguezes a virem comprar a duzia dor 35j;
sao de linho puro.
Vende-se o engeuho Qniaombo, na fregne-
zia de Sanio Amaro de Jaboalo, ou Iroca-se por
predios nrsta cidade do Reiife : a tratar no en-
genho Pililos, ou na ruu Augusta, soDrado n. 3,
Vende-se uma loja de calcado na rua do
Livraraenlo u. 33, muito afreguezada, c cora ar-
maco nova, e propria para qualquer negocio
que se pretenda bolar : a tratar na mesma loja.
Vende-se a casa terrea n 35 da rua do Pa-
dre Floriano, com chaos proprios : a tratar oa
rua larga do Rosario n. 20, segundo andir.
PECHINCHA.
Vcnde-ae um bom cavallo castrado muito an-
dador do ludo, sem achaques, por pouco dinhei-
ro ; na rua dos Pescadores ns. 1 e 3.
Arreios deguarnicao de metal principe, novo
e bem acabado: vende-se na rua do Hospicio
numero 21.
Vinho genuino.
Ainda ha urna pequea quanlidade de ancore-
tas deste vinho sem confeco, e proprio de doen-
tes : na rua do Vigario n. 19, Drimeiro andar-
armazem de fazendas da
rua do Queimado n. 19.
Lonros de bramante de uma s largura pelo
barato oreco de I58OO cada leocol.
Covado a mil c duzciitos res.
Grosdenaples furta-cores com urnas pintas de
mofo muito pouco, pola pechinchade 15200.
A 5$500 chales.
Chales de merino bordado, franja de seda.
Grandes colchas a 5^500.
Colchas de fusio muito grandes de lindos de-
senos a prero de 55500.
Borzeguins de seohora.
Bajs.
Com este nome acaba do chegar uma peque-
a porr.ao de transparentes de llores mu elegan-
tes para candieirp : na rua do Vigario n. 19,
primei.o andar.
j Dilos de touquim a 15#.
i Lencos de cassa do cores com bico a 120 rs.
| Palctut de stda para homem de 10* a 12g.
, Dilo de pauno e casemira a 15$ e 18*.
1 Cotes de vestidos de tarlatana bordados a seda
a 13jj e 203,
Dilos dito de fular.do seds a 153.
Dilo dilo de soda prela o de coues bordados com
babados a COJ.
Ditos dilo do grosdenaple preto bordado a vel-
ludo coir babados a 70$.
Dilos dito de grosdenaple preto a 50g.
Ditos dito de grosdenaple preto d'aquile a 30#.
Ditos dito dito dilo a 25.
Ditos dilo de seda de cores com babado i s
e-O.
Dilos dilo Ce phantasia de barege a 15ge 17J.
Dilos dito de cambraia brancas bordados finos ;
203 e 30J.
I Ditos dilo de seda prela lavrada a 25g.
j Dilos dito do seda de cores lavrada a 30?.
j Dilos dilo de cambraia e seda a 3#.
! Dilos dilo de fustao cora casaveque feitosal5*.
Casaveques de cumbraia bordado de 33, 43 e *.
Penteadores de cambraia bordados para senhora'
I a 53.
I Romeiras de cambraia de salpico e bordadas a
I lg e 23.
Vendem-se borzeguins de senhora muilo novos Visitas c sabidas de bailo de merino e sedad
pelo diminuto proco de $800, a dinheiro vis- I 8j e 153.
la : na rua da Cadeia n. 45, esquina da rua da : Manteletes de grosdenaple branco a IOS.
Madre de Dos. | Ditos dito proto com bico de 15g a 2O3.
f ivrns I Visita de ,il prcl a 10^-
-*'* "* Saias bordadas para senhora a 23,23500, 3# o 5j
Vendem-se diccionarios latinos, inglezes, al- 1 Capas de velludo ricamente bordadas para Re-
lentes, Horacios com inierpretacoes e notas' se- "hora"a 8O3.
lelas ingle/as, fbulas latinas, breviarios ro'ma- Camisas de cambraia de salpico para menina a ]$.
nos, (los sanctorura : na rua da matriz da Boa- Uilos de fustao bordado para enanca a 13.
\isla 11. 31. Dilos de seda bordados para crianca a 7{.
Vestuarios de gorguro para menino e menina
a53,8ie 153.
Dilos de brins para menino a 43.
Ditos de fusio para meninos a 63.
Calcas de casemira decores para menino a 63.
Vestidos de cambraia bordados para baptUsJo
de enancas a 03 e 153.
Colxas abeilas de IS para cama a 5J.
Grosdenaple decores covado a I3 e 13200.
Tafol de cores com pequeo defeilo de mofo o
covado a 320 rs.
Barege de seda lindos padres o covado a 9C0rs.
La de cores muito fina o covado a 600 rs.
Riscado de la e seda muilo Ono o covado a"800 rs.
Chales de cores o covado a 500 rs.
Lencos de seda de cores a 1 e lt500.
Luvas brancas de pelica em bom estado a 500 rs.
Ditas de seda pretase de cores a 320 rs.
Leques fmissmos a 1S500, 33 e 153.
Peca de fila de gorgurJo para snto de senhora
cora 11 varas a 48500.
Pega astreila de velludo cora 10 1|2 varas a 13.
Fita muito larga e riro desenlio para cinta de
senhora a vara 23500.
Chapeos de palha copa alta para homem a 43.
Ditas amazonas para montara de senhora a j.
Dilos de seda para senhora a IO3.
Ditos de seda de cores para crinnea 3 ff.
Bonets de .'entra para menino a 4$.
na
A.os fumantes.
Charutos da Baha s 1$ a caixa :
ruado Livramcnto n. 19.
vende se uma excellenle propriedade 9K
f conMruiJg de cal e lijlo, paredes dobra- W
c das, com 2 salas, 4 quarlos, cosinha fora o
e muilo fresca sita na frequezia de Ja- W
jg boato do lado do rio do mesmo nome : S
% a tratar na rua do Queimado n. 46 A
meansMN mtm mw$ mmm
vende-se l(ir-)s de mangue, no escriplorio
da Companhia Pernambucana.
Vende-se por preco commodo um carro
com excellente boi ; na estrada dos Afflictos.
quinto sitio depois da capella.
Canoas.
Vendem-se ou alugim-se duas canoas de car-
reira, urna pega 200 feixes de capim : na rua Di-
reila dos Afogados n. 13.
Vende-se um cavallo proprio para carro,
muito novo, pedrez. muilo manso : quem pre-
tender, dirija-se a Passagen da Magdalena de-
fronte d) sobrado grande do coronel Joo Joa-
qjim.


()
DIARIO DE PERWAMBUCO. SABBADO 29 DI SETEMBRO DE 1860.


Fazendas finas e
roupa feita.
Augusto & Perdigo.
Com loja na ra da Cadcia do Recife n. 23
sendera e dao amostras as seguintes fazendas:
Cortea de vestidos de seda protos e de cores
Csrtes de ditos do barego, de tarlatana e de gaze
do seda.
Cambraias de cores, brancas o organdys.
An [Uinhas para saias.saias balo, de dina, ma-
dapolao e bordadas
Lene, os de labyrinlho do A.ic francezes.
Chapos amazonas de palhs e .. vda para se-
nil iras e meninas.
Bafeitesde troco, de vidriliio e de ores.
reales de tartaruga, imoefairiz e outros goslos.
Manguitos e godas, ponto inglez, francez e mis-
sanga.
Vestuarios de fusto, de la e de seda para
crian ca.
U i iteleies, taimas c pelerinas de differenles qua-
lidades.
Chales de loujim, de merino e de l de ponta
redonda.
Luvas de pellica brancas, pretas e de cores.
Vestidos de blond, mantas de dito, capellas e
flores soltas.
Siutures, camisas de linho e espartilhos para
senhora.
Perfumaras finas, sabonetes e agua de co'.onia.
Gasictfs, sobrecasacas e palelots de panno preto
e de cor.
Paletots de alpaca, de seda e de linho.
r.alris de casemira de cor, pretas e de brim
O i,, vis de malapolo, Ue linho inglez e de 13a.
Ser0ulas de linho e de meia.
alas, saceos, apelreixos para viagem.
icas pira invern, bolinas do Mell e outros
fabricantes.
Ch ipos do Chyli, de massa e de fe'.lro para ho-
mem.
Charutos roanilha, havana, Rio'de Janeiro e
15 jhia. v^
Parahyba.
V ;n ie-se o engoorho Tomntf'cJsta li-
te !-st i ciJnlu duas leguas por trra,
te .: terreao para dous mil pes oor ati-
no e h)\ casa Jo viven Ja assobradada
h i is obras, tem emba' pie no porto dis
ta its do engatillo l|2 quarto de legua
do rio Parahyba eem menos de 3 horas
se n a cid i Je; quem o pretender di-
rija se a J >ao Jo; de Medeiros Gorreia
fC que Jira' quem o vende.
Attenco

Vende se na ra da Cruz n. 48, urna
divida julgada por" sen te rica, o devedor
dizem que tem loja emnome de outro
na ra da Imperatriz, cujo devedor
chama-se Antonio Jofe de Azevedo,
Vende-se um terreno na ra Imperio), pro-
prio, com 110 palmos de frente, com urna cazi-
nha de lijlo com muito bella vista, desembar-
que atraz, grandes fundos at o rio, aterrado e
prompto aediQcar um esiabeleciraento, cu pro-
priedartes, o que se vender com todo fundo ou
parte, como convenha ao comprador: no mesmo
lugar, casa n. 222, a tratar com o propriolario
Victorino Francisco dos Santos.
Sebo e graixa.
Se o coado e graixa em bexigas : no armazem
u* Tasso Irmos, no caes de Apollo
Libras slerlioas.
Vendo se no escriptorio de Hanoel Ignacio de
Oliveira & Filho, na praca do Corpo Santo.
Chama-se attenejo.
Vendem-se saceos com farelo a 49 cada urna :
no pateo de S. Pedro n. 6.
Cheguern ao barato
O Preguijaest queimando, em sua loja na
ruado Queimado n. 2.
Pecas ile breanha He rolo com 10 varas a
29, casemira escura infestada propria para cal-
ca, collete e palilots a 960 rs. o covado, cambraia
organdy de muilo bom gosto a 480 rs. a vara,
dita liza transparente minio fina a 335, 49, S9,
e 6$ a pega, dita lapada, com 10 varas a 59 e
09 a peca, chitas largas de molernos e escomidos
padroes a 240, 260 o -280 rs. o covado, riqu-
simos chales de merino estampado a ?? e 89,
ditos bordados com duas palmas, fazenda muilo
delicada a 99 cad-i um, ditos com urna s pal-
ma, muito finos a 89500, ditos lizos com fran-
jas de seda a 5&, lene.es de cassa com barra a
100, 120 o 160 oda um, meias, muilo finas pa-
ra senhora a 49 a duzia, ditas Je boa qualidade
a 39 o 3&500 a duzia, chitas francezas de ricos
desenhos, para cobert a*280 rs. o covado, chi-
tas escuras inglezas a 5?900 a poja, ea 160 rs.
o covado, brim branco de puro linho a 1},
19200 e 19600 a vara, dito preto muito encor-
pado a 19500 a vara, brilhaniina azul a 400, rs.
o covado, alpacas de differenles cores a 360 rs. o
covado, cesemiras prelas finas a 29500 33? e
39500 o covado, carabria preta e desaljeos a
500 rs. a vara, o outrasmuitas fazendas que se
far patente ao comprador, e de todas se daro
amostras com penhr.
Lindo sortimeuto de vestidos para baptisado
touquinhas, meias, sapatiohos. e chapeos sinhs,
do melhor gosto e de diversos precos. Chegaram
pelo ultimo navio fra-acez i casa de J. Falque,
ra do Crespo n, 4.
LOJA DO VAPOR.
Grande e variado sorlimenlo de calcado fran-
cez, roupa feita, miudezas Tinas e perfumaras,
ludo per menos do que em outras partes: na lo-
ja do vapor na ra Nora o. 7.
CAL DE LISBOA,
novo e muilo bem acondicionada na ra da Ca-
deia do Recife n. 38, priraeiro andar.
Tachas para engento
Fundico de ferro e bronze
Francisco Antonio Correia CardozD,
tem um grande sortimento de
tachas de ferro fundido, assim
como se faz e concerta-se qual-
quer obra tanto de ferro fun-
dido como batido.
Pechinchas
sem iguaes, na ra do Quei-
mado n. 65, na bem conhe-
cida loja da diligencia de
Fajozes Jnior & Guimares
4onlas Dinladas muil finas Para homem a
iSSUu a duzia. e em pares a 160 rs., clcheles
francezes em cario a 320 a duzia de carines o a
0 rs. cada carlaorom 14 pares, luvas linas de
seda para homense senhoras a 6(0 o par ditas
com algum defeilo 240 o par, muilo boas cor-
das para violo a 80 rs.,agulhas francezas. caixas
com 4 papis a 100 rs., apparelhos de porcellana
muilo lindos para menina a ljS'M), 28500. 3 e 4,
Foges econmi-
cos |
Foges econmicos americanos, os melhores'
que lem vindo ao mercado, nao s por cozinha-
rera em metade do lempo de qualquer outro
como por nao gasiarem urna terca parte da lenha:
eslao-se vendendo por melado do seu valor
approveitar a occasiao. Garanle-se a boa quali-
dade e bom Iravado dos mesmos : vende-se na
fundieao da ra do Rrum n. 28. loja de ferragens
da ra da Cadcia do Recife n. 64.
Pianos
Saanders Brothers St C. tem para vender em
eu atmazem, na praca do Corpo Santo n. 11,
alguns pianos do ultimo gosto. recentimente
negados, dos bem conhecidos e acreditados fa-
bricantes i. Broadwood &Sons de Londres.
muito Drooriosoaro este clima.
GRASDE SORTIMENTO
DI
Suissos.
F.mcasade Schafleitlin & C, ruada Cruz n.
38. vende-se um grande e variado sortimenlo de
re igios e algibeira horisontaes,patentes,coro-
no idros,Heios chroDometros, de ouro, pnta
d i ida eolheadosa ouro,sendo osles relogios
dos primeirosfnbricaulesda Suissa, que se ven-
j i .i ir procos razoaveis-
Teliado de zinco.
O telliado de zinco aqui usado as
co apaninas lo can e caminho de ierro,
e i :i i das boas Q'ungeg mo lernas, el-
iz-se recommeaayel pela grande
d tra io, pouco pe.o no edificio, bom
acn licionameato, barateza do cuito,
i i I con I.celo etc etc., todos sabetn
q a duracao lo /.inco infinita prin-
: -. ate se se (ver a cautela de dar
un mi de tinta do lado exposto ao
te upo, un telha de zinco com o peso
'1: 2 ) libras, cobre uoa espiro (ue pre-
csari i para tal im 50 tellns de barro,
0 espaco coberto pela telha de zinco nao
penetra o menor pingo de chuva e a
1 idade de sua conduccao e tal que
u nacirroc poleconduzir de urna s!
i tel'iido [treoisopara cobrir umi
gi ni le ca i, i > telhadode zinco muito
DE
cy
Neste armazem de molhados con-
fo q'u'lem OuStoS'^JT^! *S? meneianados de superiores qualidades e mais barato
dos propreurios P P ^^ ^ delleS reccbidos ea> *l*r* Pr conta
Manieiga \ug\cza e Tpaiiccza
S,;:SS0VlqM,effl'Mo am"rCad dtG3 80 'iibra barril
Qucijos tlameiagos
Quei^o prato
os mais novos que exislem no mercado a 19 a libra, em porco so far abalimento.
\me\xas Crauezas
IFazendas e obras fellas.
NA
1*0ja earmazeui
DE
IGes&Basto.
Na ra do Queimad) n.
46, frente amarella.
Sorlimento complelo de sobrecasica de
panno preto e de cor a 25, 28j, 30* e
35, ensacas a 28. 30 e35. palitols dos
mesmos pannos 20, 22J c 25J, dilos de
casemira de cor a 163 e 18, ditos sac-
eos das mesmas caseroiras modelo inglez
casemira Coa a 10, 12/14 e 15J, dilos
saceos de alpaca preto a 4g. dilos sobre
fino de alpaca a 7. 8j) e 9, dilo? de me-
rino setim a 10$, ditos de merino cordao
a IOS e 12, ditos de sarja preta trancada
saceos a 6, dilos sobrecasacos da mes-
raa 'azenda a 8, ditos de fusl.io de cor e
branco a 4. 4g500 e 5$, colleles de ca-
semira de edr e preto a 5 e 6, ditos de
merino preto para luto a 4 e 5, ditos
de velludo preto de cor a 9j e 10, ditos
de gorgurao de seda a 5 e 6, dilos de
brim branco e de cor a 2#5ll e 3. cicas
do casemira do cor e preto a 7jj. 83, '9
e 10, ditas para menino a 63 e 7, ditas
de merino de cordao pira homem a 5J o
G>, ditas de brim branco a 5} e 6, ditas
dild de cor a 3, 300, 4) e 5. e de
Indas eslas obras temos um grande sor-
timento para menino de lodos 03 lma-
nnos ; camisas inglezas a 36 1 duzia. Xa
niesma loja lia paletots de panno preto
para menino a 14J, 15$ o 16}. ditos de
1 casemira pira os mesmos pelo mesmo
preeo, ditos de alpaca saeco3 a 35 e
3JJ5U0, dito3 sobrecasacos a 53 e 63 para
( osmesmos, calcas de brim a 2}50, 39 e
> 3#500, paletots saceos de casemira de cor
: a 6} e 7, toalhas de linho a 800 e 13 ca-
j da una.
No mesmo estabelecimento manda-se
, apromptar todas as qualidades de obras
i tendentes a roupasfeitas.em poneos das,
, que para esse im temos numero suf-
| liciente de peritos offieiaes de alfaiales
tigid.is por um hbil m-^lre de seme-
j lhniie arte, fleando os donos do estabe-
1 lecimeoto responsoreis pelas mesmas
! obras al a sua entrega.
[S2K2l9aKaMBSl
RtMEDl INCOIYIPARAVEL.
UNGENTO IIOLLOWAT.
Milharesde individuos de todas as nacoes po-
dem testemunhar os virtudes deste remedio in
comparavel e provor em caso necessario, que
pelo uso que delle fizeram tem seu corpo e mem-
brosinteiramentesosdepois de hereremprega-
do intilmente outros tratamentos. Coda pesoa
poder-se-ha convencer dessascura maravilhosas
pela leitura .dos peridicos, que lh'as relatam
todos os dias ha muitosannos; ea maior parte
della sao tao sor prendentes que admiran; o
medico mais celebres. Quantas pessoas recoS
braram com este soberano remedio o uso de seu
bracos e pernos, depois de ter permanecido lon-
go lempo nos hospitaes, onde de viam soffrer t
amputacao! Dellas ha muitasque havendo dei-
xado esses asjios de padecimentos, para senao
submetterem essa operacao dolorosa foram
curadas completamente, mediante ousodess
preciosoremedio. Algumas das taes pessoa a
enfuso de seu recouhecimento declararam *
te resultados benficos diante do lord correge-
dor e outros magistrados, afim de maisaulenti.
carem sua Qrmativa.
Nmguem desesperara do estsdo de saude so
ivesse bastante conanca para ensaiar este re-
medio constantemente seguindo algum lempo o
nientratatoquenecessitassea natureza dome.,
cujo resultado seria prova rinconteslavelmenie .'
Uuetudocura.
O ungento e til, mais particu-
larmeate uos seguintes easos.
Alporcas
Caimbras
! Callos.
anee res. ,
Corladuras.
Uresdecabeca.
das costas.
I"**03 memoras.
tuferniidades da cutis
fetal.
Ditas doanus.
Erupces e escorbti-
cas.
Fistul.is.io abdomen.
Fnaldade ou falta de
"lor as extremida-
des.
Frieiras.
Gengiva escldalas.
Inchacoes
Inflammacodongado.
nflamma^ao dabexiga.
da matriz
Lepra.
Malea daspernas.
dos peitos.
de olhos.
Mordedurasde replis.
Picadura de mosquitos.
Pulmoes.
Queimadelas.
Sarna
Supuraroes ptridas
Tinha, em qualquer par-
te que seja.
Tremorde ervos.
Ulceras na bocea.
do ligado.
das articulaces.
Veias torcidas ou noda-
das naspernas.
Loi
iua do Crespo,
;?r1^f11'*lbraPrl^r^8M'P0teMk. vidro contendo cada urna 3 libra
Mustar&alnglexae ftanceza
em frascos a 640 rs. e em potes franceza a 800 rs cada um.
Verdaderos Ugos de eomadre
til orine ul n-Mte para cobrir enge-1 0"ixianasd 8 1bras '-''^"lemente enfeitadasproprias para mimo a 1$600 rs
Bo\ackiu\va ingleza ^
a mais nova que ha no mercado a 240 rs. a libra e om barrica com 1 arroba por 43
Potes vidradns-
n ):. el il :,:,;. birracotti de ferraras,!
arntzen* deposito ce, etc., em
vi 1 t \ q-iem quizer experimentar o te-
Ihalideiin-o, conliecera' sua grande
vnti>;:n, est; tivli vende sea 120
rs. pDr libra de 50 telhas para cima:
n <> ar.mzens de Paulo Jos Gomes e
Mnoel Pirmino Ferrei'-a rna da Con-
cor lia armazem de materiaes.
Sfanteiga franceza.
\ mais nova que ha no mercado a 560 rs. a
libra,eem barril se faz algum abalimento: no
largo da Penha n. 8.
Bichas.
Vendem-se bichas receniemente chegadas
muito novas, por prego commodo ; em casa de
Soo e C,-' ra da Cruz u. 22, na botica
franceza.
C\NDIEIROS
Grande sorlimenlo decandieiros econmicos a
gaz Hrosreriio, e iodos os mais propios para
cons-imo dos mesmos na ra Nova n 20, loja
\ ianna.
\eiiile-se barato
NO
Armazem de fazendas.
D.V
Ra do Queimado numero 19.
A 1<{800 rs.
Lencoes de linho finos a 1800 rs.
A 1$800 rs.
Cobertas de chita grandes goslo chinez.
A 4^800 rs.
Madapolao infestado com 20 varas.
A 4#300 rs.
Cambraia branca lina de salpicos com 8 Ii2
vori-.
A ojjfOO rs.
Verdadeira pechincLa de chales do merino es-
tampados o lisos, grandes e muito finos
A 220 e 200 rs
Chitas francezas largas cores fixas e escuras.
A 900 rs. a vara.
Brim trancado alvo com 8 palmos proprio para
toalhas so se vende ueste eslabelccimenlo.
A %s e t$800 a peca.
Cambraia lisa Una cora 8 1|2 varos.
A 560 rs. a vara.
Cambriia preta_com pinlas brancas ra'uito fina.
A 500 rs. a vara.
Cambraia de cores muito fina miudinhas.
A 2$ a duzia.
Lencos brancos para algibeira.
A 600 rs. a vara.
A'godao monstro proprio para lencoes.
A meia pataca.
Chita mitidioha p.do barato proco do 160.
del a SUbrasproprias para manteista ououlro l'ialquerliquido de 400 a ljjOOO rs cod.
iVineudoas concitadas proprias para sortes
de S lo&o
a 13 a libra e em frasquinhos, contendo 1 1(2 libra por 2^.
Cha preto, \\yson e pcrola
os melhores que ha neste mercado de lj>600.2$ e 2J&500 a libra.
Ma?as em caixin\\as de S libras
contendo cada urna differenles qualidades a 4$500.
Palitos de deutes licuados
em molhos C3m 20 macinhos cada u:n por 200 rs.
'tijolo franeez
propriospara lirapar faca a 200 rs.
Conservas ingleas e francezas
em latas e em frascos de differenles qualidades.
Presuntos, cnonr ^as epaios
o mais novo que ha neste genero a 480, 640 e 720 rs. a libra. T
Lia tas de uolachinua de soda
de differenlcsqualidades a t.}600 em porrao se far algum abalimento
ja n. 25, de Joaquim Ferrei-
ra de S.
Vende-sepor precos baratsimos para acabar:
roupesdeseda para senhora a 15;), laazinhas de
cores para vestido a 200 rs. o covado, cassas de
cores finas a 210 o cov.ido, chita larga a 200 rs.,
casaveques do cambraia bordados a 85. capas d
fustao a 53. perneadores de cambraia bordados a
63. liras e babados bordados a 320 a vara, lencos
de seda com franja a 13, riscado francez a 200
rs.,sobrcasacas de panno fino a 253. paletots de
panno preto e de cores a 18, 20 e 223, dilos de
alpaca de 4$ a 8g, calcas de casemira pretas e do
cores para lados os precos, ditas de brim bran-
co e de cores de 23 a 43", gollinhas bordadas de
traspasso, camisinhas para senhora a 25500
m nguitos bordados a 23000. chita de lustre lar-
ga para coberta a 320 rs,, esguiao de linho mui-
lo lino a 1-3200 a vara, bramante do linho com
0 palmos da largura a 29'JoO a vara, damasco
de laa com 9 palmos de largura a 23000 o co-
vado, pecas de malapolo fino a 43500. chapeos
de f.'lim finos, baldes a Garibalde a 5j500, pale-
tots de brim de cores e brancos de 43 a t>3 ca-
misas brancas e de cores de 1*500 a 3$, e outras
militas fazendas por muito menos do seu valor
para fechar Coalas.
mmmm mmm mmmmm\
gCimento inglez.*
Para collar vidros, looca, tartaruga, .
rniilim etc., chegou urna pequea porci l
M deste cimento ja muicanhecido nesta ca- *
pilal c se vende nicamente na casa de
* Augusto & Perdigo, na ra da Cadeia do
Vende-se este ungento no estabecimento
geralde Londres n. 224, Strand. e na loja de
todos os boticarios droguistas e outras pessoas
encarregadas de sua venda em toda a America
do snl, Havana e Hespanha.
Ven le-se a800 rs., cada bocetinha contera
urna instrucco em prtuguez para o modo de
fazer uso deste ungento.
0 deposito geral em casa do Sr. Soum>
pharmaceutico, na ra da Gran, 22. em Per-
nambu.io.
Relogios.
Vende-se em casa de Johnston Pater 4 C, ra
do Vigario n. 3, um bellosortimento de relogios
deouro, patenteinglez, de um dos mais afa-
mados fabricantes de Liverpool; tambem urna
variedade de bonitos trancelins para os mesmos.
espirito de vinliocom 44
graos.
n. 23, a 23 cada vidro dmheiro
Recife
vista. Os amadores devera quauto antes
i prover-se delle.
>a fabrica de caldeireiro da ra Imperial,
junto a fabrica de sabio, e na ra Nova, loja de
ferragens n. 37, ha urna grande porcao defolhas
de zinco, j. preparada para telhados, e pelo di-
minuto proco de 140 is. a libra
Relogios patentes.
Estopas.
Lonas.
Camisas inglezas.
Peitos para camisas,
Biscoutos .
Emcasa de Arkwight 4 C, ruada
Cruz n. 6L
jas de dras,
no novas, uf purificado,azei-:
molhados.porisso prometiera os proprietariosvcpdererapoT muito rnnnn!n,C0nari,0teDden,e8 a
proractem mais tambem servirera aquellas pessoas que Sanda m S qU<" ou,r^ual1^r,
i r.essem pessoolmente ; rogam tambera a'todos osQ ancore S"eKh,. f Tr"','"8 C,orao
queiram mandarsuas encommendas no armazem ProuewoMJkZ?*m?n*f\rea lavradorps
t acondiciouamento Krtsso aue se mes amanea a boa qualidadee
Botica,
OIPA FEITA
wmmm m
Defronte do becco da Congregagoletreiro verde.
Casacas do panno preto a 30, 35# o 40JO00 '
Sobrecasacas de dito dito a 35g000
Paletots de panno prelos e de cores a
203, 25, 303 e 35000 '
Ditos de casemira de cores a 15S e 22J000
Ditos de casemira decores a 7ge 12300|
Dilos de alpaca preta golla de velludo a 12g000
Ditos do merina selim preto e de cor
.a 83 e 9300O
Ditos de alpaca de cores a 38500 e 5?009 .
Dilos de alpaca preta a 3g50O, 53. 7 e 9*000 |
Dilos de brim de cores a 33500,450O e 53000
Dilos de bramante de linho brancos a
43500 e 63OOO
Laicjasdocasemira prota e de cores a
9,10$e 123000
"Has de princeza e alpaca de cordao
pretos a 55000
Ditas de brim braueo e de cores a 2*500,
435M) e 59000
Jilas de .arma de ,-ores a 'fiWO :
Dilas de casemira a 5j50o 1
Colletes do velludo de cores muilo fino a
Dilos de casemira bordados e lisos pre-
tos e de cores a 53, 53500 e
Dilos de setim preto a
Ditos de casemira a
Ditos de seda branca a 5g e
Dilos de gorgurao de seda a 5J e
Ditos do fusto brancos e'de cores a 3g e
Dilos de brim branco e de cores a 2a e
Seroulas de linho a
Ditas de algodo a 1*600 e
Camisas de peito de fusto brancas e de
cores a 2*300 e
Ditas de peito e punhos de linho muito
finas inglezas a duzia
Ditas de madapolao brancas e de cores
a 1*800, 2* e
Ditas de meia a 1*
Relog'os de ouropatentee orisontaes
Ditos oe prata galvanisados a 25 e
Obras do ouro, aderemos, pulceiras e ro-
setas
103000
6*000
5JI000
33500
6*C90
63000
3*500
2J500
2*500
2*000
2*500
35g000
2*500
1S600
*
30*000
Birlholomeu Francisco de Souza. ra larga do
Rosario n. 36, vende-se os.segaintes medica-
mentos :
Robl'Afifecteac.
Plalas contra sezoes.
Ditas vegetaes.
Salsaparrilha Brlstol.
Dita Sands.
Vermfugo inglez.
Xarope do Bosque.
Pillas americanas (contra febres).
Ungento Holloway.
fillas do dito.
Ellixir anli-asmalhico.
Vidros do bocea larga com rolhas, de 2 oncas
e 12 libras.
Assim como tem um grande sorlimento de pa-
pel para forro de sala, o qual vende a mdico
prego.
Velas de espermacete.
F.mcaixa com 25 libras por 15*, a relalho a
640 a libra : no largo da Penha n. 8.
Manteiga para tempero.
Perfeitamenle em bom estado, vende-se em
barril a 160 rs. e a relalho a 20O rs. o libra : no
larga da Penba n. 8.
S inleressa s senhoras.
Existe novo sortimenlo das novas e desejadas
pulseirns do coral fingindo urna cobrinha, eneas-
toadas em ouro : as lojas de ourives de Sera-
phim & Irmo, ra do Cabuga ns. 9 e 11.
Vendem se libras sterlinas, em
casa de N. O. Bieber & C. : ra da Cru*
n. 4.
Arados americanos e machinas
para "avar roupa: em casa de S. P. Jo-
hnston & C. ra daSenzalan. *2.
Vande-se espirito de vinho verdadeirocom 44
ros, chegado da Europa, as garrafas ou as ca-
sadas na ra larga do Rosario n. 36.
RaadaSenzala Novan. 42
Vende-se em casa de S.P. Jonhston A C.ra-
quetas de lustre para carros, sellins esilhoes in-
glezes, candeeiros e casticaes bronzeados,lo-
nas inglezas, fio de vela, chicote para carros, e
montara, arreios paracarro de um edous^ovol-
os e relosios d'ouro patente insleze i
Rival sem segundo.
Na ra do Quaimado n. 55, defrontc do sobra-
do novo, loja de miudezas de Jos de Azevedo
Maia e Silva, ha para vender os seguiuies artigos
abaixo declarados :
Caixas de agulhas francezas a 120 rs.
Sapalos do tranra de algodo a 1*.
Cartas de alilnetes finos a 00 rs.
Espelhos do columnas madeira branca, a
lp I 11/.
Phosphoroscora caixa de folha a 120 rs.
Frascos de niacass perola a 200 rs.
Duzia de facas e garfos muilo finos a 33500.
Clcheles em carlo de boa qualidade a 40 rs.
Caixas de clcheles balidos a 60 rs.
Caixas de obreias muito novas a 40 rs.
Frasco de oleo de babosa a 500 rs.
Dito dito para fazer cabello corredio a 800 rs.
Sdpalosdela para enancas e 200 rs.
Pares de meias para meninas a 240.
Pares de luvas de fio de Escocia a 320,
Massos de grampas muilo boas a 40 rs.
Agulheiros de marim a 160 rs.
Caivetes de aparar penas a 100 rs.
Grvalas de seda muito finrs a 600 rs.
Tesouras para costura muito finas a 500 rs.
Ditas para unhas a 500 rs.
Pecas de franja de la com 10 varas a Ig.
Pegas de Irania de la com 15 varas a 500 rs.
Felilho para enfeilar vestido (peca) 1*.
Linhas Pedro V, carlocom 200 jardas, a 60 rs.
hilas dito com 100 jardas a 20 rs.
Escoras para denles muito finas a 200 rs.
Pares de meias decores para homem muilo fi-
nas a 140.
Cordao imperial (pecas] 40 rs.
Macas
das melhores qualidades que exisle em Portugal ,
vende-se nicamente no armazem Progresso de
Ouarle & Irmao, no largo da Penha n. 8.
Grammatica ingle-
za de Ollendorff.
Novo metliodopara aprender a lr,
a escrever e a fallar i njlez em G mezes,
obra inteiramente nova, para uso de
todos os estabelecimentos de nstruccao,
pblicos e particulares. Vende-se' na
praca de Pedro II (antigo largo do Col-
legio) n. 37, segundo andar.
45-- Roa Direila-45
Este estabelecimento offerece ao pu-
blico um bello e rico sortimento por*
precos convenientes, a saber :
Homem.
Borzeguin imperiaes..... lOjJOOO
Ditos aristocrticos....... 9#000
Burzeguins moscovia (prova de
fbgoed'agua........ 9$000
Ditos democrticos...... 6$000
Meio borzeguins patente. 65C0
Sapatoes nobreza....... 6/fOCO
Ditos infantes......... 5$0C0
Ditos de hnha (5 i|2 bateras). C^OCQ
Ditos fragata (sola dupla). 5$000
Sapatos de salto (do tom). 6#000
Ditos de petimetre...... 5>CC0
Ditos bailarinos........ S|500
Ditos impermeaveis...... 2x500
Senhora.
Borzeguins primeir classe(sal-
to de quebrar).......5^000
Ditos de segunda classe (quebra
cambada). ,...... 4800
Diios todos de merino (salto
dengoso).........4J50O
Meninos e meninas.
Sapatoes de forrea. ...... 4$0C0
Ditos de arranca....... zSbQO
Boizeguins resistencia 4^' e 5,$800
Pateo de S. Pedro n. 6, arma-
zem de gneros seceos e
molhados.
Vende-se neste novo estabelecimento sacres.
com farelo de Lisboa, farinha de mandioca, mi- '
llio, fejao mulatinho e preto, gomma de mandio-
ca, arroz de casca e dilo do Maranhao de supe-
rior qualidade, doce da casca da guiaba, vinho di,
ierto era garrafa do melhor que poda haver no
mercado, manteiga ingleza e franceza, banha de
porrai emlalas, bolachinhns de soda de todas as
qualidades, cerveja preta e branca da melhor
marca, queijos fiamengos frescaes, conservas in-
glezas e es raais gneros que se vendem por menos
preco do que se vende em outra qualquer parle,
Cambraia organ-
dys a 3 co o covado.
\ende-se na ra do Crespo, loja n. 8, de nna-
tro portas, cumbraia franceza organdvs a 360 o
covado para acabar urna factura ; as"sim como
boas chitas frencetaa a 240 e 300 rs, fazenda de
l.ndos padrees e cores fixas : dao- se maestras
Preta.
Na ra do Camarao, taberna n. 7, ha um preta *
de meia idad*. con. algumas habilidades, ui o
sadia e em vicios, para se vender.
JZtlV^. T P"n-f>re cm muito bom
estado e de excellen es vosea : na botica da pra-
ca da Boa-Vista n. 2. se dir quem o vende
SYSTEMA MEDICO DE lLLo\uY
P1LULAS HOLLWOYA
Esteinestimavel especifico, comppBtoinieir.-
mente de hervas medicinaes, nao coni.'n, n er.. -
no, riera alguma oulra substancia deheter a B<
Seli^.l?*18 ten,rainfan"a. e a ccrapleicao raai,
delicada igualmente prompto eieguVo rara
desarreigar o mal na compleicomais roLusla
inteiramente innocente en) suasopeacoes e e-
felos; pois busca e remore as doenVas'd. qun'-
2ersP,SaPm,''le Cer0 Prma^ antigs euraaz.s
r0^n'i-e niilha4res de Paseas curadas con, eMi
remedio, multas queja eslaiam as pora, -
raorte, preservando em seu uso: conse-uhan
recobrar a saude e torcas, depois de haver\eL? 1
do intilmente todos os outros remedio/.
As mais afilelas nao devem entregar-se a n,
sesperarao ; facam um competente i, imm
eobertos edescoberlos, pequeos e grandes,de
ouro patente inglez, para homem o senhora,
de um dos melhores fabricantes de Liverpool'
ivndospelo iltimo paquete inglez : em casa de
oSuthall Mellor 4 C*
Loja das seis portas en
frente do Livramenlo.
Covado a 200 rs.
Chitas largas de bonilos goslos a 200 rs. o co-
vado, ditas estrellas a irailacao do Iazinhas a
160 rs., cassas de salpicos brancas e 0e cores a
200 rs. o covado, pegas de esguio de algodo
muito tino a 38 a pega, dilas de breanha de rolo
com 10 val as a 2. riscadinho do linho a 160 rs
o covado,- chales de merm estampados a 2?
leiigos brancos com barra de cor a 120 rs., ditos
con bico a 200 rs., algodo monstro de duas lar-
guras o melhor que possivel a 640 rs. a vara,
niussulina encarnada a 240 o covado, fil de li-
nho preto bastante largo. A loja est aberla al as
9 horas du noite.
Accidentes epileptico's.
Alporcas.
Ampolas.
Areias (mal de).
Asthma.
Clicas
Convulses.
IVbilidade ou extenua-
ba o.
Dcbilidade ou falta de
forras para qualquer
toma.
Dysinteria.
Dor de garganta.
de barriga.
nos rins.
Dureza no venlre.
Enfeimidades no ventre
Ditas no figado.
Ditas venreas.
Enxaqueca.
Herysipela.
Febre biliosas.
intermitente.
Vendera-sc estas
geral de Londres n
les d,
es-
Febre de toda a especie
Golta.
Hcmorrhoidos.
Ilydropes8.
Iclericis
Indigesi..
Inflanimagoei
1 r r e g u fa r i
menslruarao.
Combrigas de
pecie.
Mal dePedra.
Manchas na culis.
Obslruccao de venlre.
Phthisiea oucomsump-
tao pulmonar,
etencaodeourina.
Hheiimalismo.
svmplomas secundarios.
1 nmores.
Tico doloroso.
Ulceras.
Venreo (mal].
pilulas no eslabelecimenk.
M, Strand, e na lojo d.
lodos os boticarios droguistas e outras pessoa<.
encarregadas de sua venda em toda a America
do Sul, Havana e Hespanha.
Vendem-se as bocetinhas a S00 rs. cada orna
dellas, conten urna inslrucco cm portnsuez pa-
ra explicar o modo de se usar desias pilulas
O deposito geral em casa de Sr. Soum phar-
raeceuiico. na ra da Cruz n. 22 era Pernam-
buco
Potassa da Russia e cal de
Lisboa.
No bem conhecido e- acreditado deposito da
ra da Cadeia do Recife n. l2, |,a para vender a
verdadeira polasss da Russia nova e de superior
qualidade, assim como tambem cal virgem m
podra, ludo por pregos nia ralos do oue em
oulra qualquer parte.
Machinas de costura.
N. O. r)ieber & C. Successores avisam ao pu-
blico, que no seu armazem na rna da Ciuz n 4
estao expostos venda as melhores machinas d
costura que ote hoje leem viudo a este mercado
asquaespossuem lodosos melhoramentosinven-
tados ale esta poca sem ter os defeilus que cn.
ouiras se nota, assim siio de construceo simple
e facilitare o uso A coslura feita por estas ma-
chinas nao teem igual em obra de mi, um pon-
to bonito e forte, alem de que alinham o coem
de todos os modos, cada caixa de cosluja repr-
senla um lindo loilele para gabinete de senhora
Igualmente ha machinas para sllenos, etc Os
pregos sao mdicos, e o Sr. Birmingham, nee-
nheiro. ensina o uso das machinas e todas as par-
ticularidades da conservacao de sua construcciio
no acto da compra.
Loja das seis porlas em
frente do LivrameiKo.
Roupa feita barata.
Paletots de casemira escura a 4$, ditos de al-
paca preta a 4 e 5, comisas brancas e de coree
a 9, ditas de fustao a 2*500, ceroulas muilo fi-
nas a 15600 c 2J. paletots e brim pardo a 3*
calcas de casemira pretas e de cores, paletots d-'
panno preto, sobrecasacas, colletes de casemr
prela, ditos de velludo preto e de cores, um co-"
pelo sorlimenlo de roupa feila.
ATTENCiO.
Vendem-se grandes toneis de amarello sssim
como toneis e qnartolas de madeira de "oa qua-
lidade, todos muilo proprios para as ddtil'aces
do3engenhos e para depsitos de roel Parn v
a tratar na ra do Queimado loja n. "9 ou na
ra imperial em casa do major Anunio da Silva
ousmao.
mmmm
*+
ILEGVEL
'r
T-r
t.1 *'
.'


DIARIO DE PERNAMBUCO. SABBADO 29 DE SF.TEMBRO DE 1860.
DE
Sita na r-aa Imperial 118 e 120 justo a fabrica desab&o.
DE
DELICIOSAS El-NFALLIVEJS.
-Hfl
(T)
Pastilhas vegetaes deKemp
contra as lotnbrigas
Sebastio J. da Silva dirigida por Francisco Belrairo da Costa.
Nesle estabelecimento ha sempre promptos alambiques de cobre de dilTerentes dimencoes
de 300 a 3:000*,) simples e dobrodos, para destilar agurdenle, aparelhos destilatorios continos PProvadas pela Exm. inspeccao de estudo de
para restilar e destilar espiraos com graduac.a.0 at 4 graos (pela graduaco de Sellon Cartier dos Habana e por rauilas outras juncias de hyciene
nielhoressystemashojeapprovadoseconhecidosnesta e outras provincias do importa, bombas ; publica dos Esladus Unidos e mais paizesda A-
de todas as dimencoes, asperantes ede repucho tanto de cobre como de bronze e ferro, tomeiras ;, paizesaa A-
de bronze dotadas as dimene.ocseeitios para alambiques, tanques etc., parafusos de bronze e u,e',ta-
ferro para rodas d'agua, portas para lornalhas eenvos de ferro, tubos de cobre e chumbo de todas1 <-aranlidascomo puramente vegetaes, agrada-
as dimencoes para encmenlos, camas de ferro com armado e s'em ella, fugues de ferro potaveis e i (|aves visla. doces ao paladar, sao o remedio
, econmicos tachas e tachos de cobre, fundos de alambiques, passadeicas, espumadeiras, cocos infallivel contra as lombrieas. Nao causara
para engenho, folha de Flandres, chumbo em leneol e barra, zinco em leneol e barra, lsnces e I >.. db_ J0"^.'!^- 1,ao causam
arruellasde cubre, Icnccs de ferroa latao,ferro viajata inglezde iodos as dimensoes, safras, tornos
e folies para fcrreiros etc., e ouiros muitosart^i pur monos prero do que em outra qualquer e-tPiimiiho exponlanco em ,-ibono das pasti-
parte, desempenhaiido se toda e qualquer encommenda cum presteza e perfeico j couhecida nas de Kemp.
para comiuodidadedos freguezes que se dignaren hor.rarem-nos com a sua coufianca, acha- Srs. D. T. Lanman e Kemp. Port Bv-
o ta ra Novan. 37 taja de ferragenspessoahab.hUdax.ara tomar nota das encommendas.! ron 12 de abril de 1859. -Sentares. As pal
' tilhas que Vmcs. fazem, curaram meu filho ; o
' M i uj % a ebeirofedito, tinha o estomago inch&do econ-
; tinua comichao no nariz, lao magro se poz, que
eu lemia perde-lo. Nestas circumsianciasum v-
1 sinho meu disse qje as paslilhas de Kemp ti-
--,tender para qualquer obra.

remedios
aoierieaiios*
Seas proprietarios offerecem a seus numerosos freguezes e ao publico em geral, toda
nalqucr obra manufacturada em seu reconhecido estabclecimentoa saber: machinas de vapor de ,
iodos os laruanhus, rodas d'agua para engenhos todas de ferro ou para cubos de madeira, moen- ; coroprei 2 vidros depaslilhas e com ellas salvei 8
das e meias moeudas, tachas de ferro balido e fundido de lodos os lmannos, guindastes, guin- vida de meu filho.
crios e bombas, rodas, rodetes, aguilhoese boceas para fornalha, machinas para amassai man- Sou de Vmcs sen amn aoraitpri.ta
dioca e para descansar algodao, prencas para mandioca e oleo de ricini, porloes gradarla, eo- ,; i '
iumnas c moiulms de vento, arados, culiivaJo-ies, puntes, -aldeiras e tanques, -boias alvareniras p j i_ I. rlvyr.
tea e todas as obras de machinismo. Executa-se qualquer obra seja qual fr sua natureza pelos Q reParadas no seu laboratorio n. 36 Gold
lesmhos ou moldes que para tal lim forem apresentados. Recebern-sc eucommendas ncsle esta- lreel Pe'os unicosproprielarios D. Lanman 9
. mmenlo na. rua do Brum n. 23 A e na ra do Collegio hoje do Imperador n. Gomoradia do cai- Kemp, droguistas por atacado em New York
ereira, com quem os pretendentes se podem j Acl.am-se venda em todas as boticas das
__________ principaes ciJadesdo imperio.
| DEPSITOS
Rio de Janeiro na ra da Alfandega n. 8>.
Babia, Germano & C, ra Julion 2.
Pernambuco, no armazera dedrogas de J. Suutt
Vinlio de Bordeaux.
Em casa de Kalkmann lrmos& C, ra da
Cruz n. 10. encontra-se o deposito das bem co-
IHjecidas marca dos Srs. Brandenburg Irires
PrOtOptO alVO (leRadway. '<* ^%Srs- Oldekop Mareilhac & C, em Bor-
Inslantaneamente alivia as mais acerbas dores deaUX' Teni se8uin,ea quedados :
e cura os peiores casos de rheumalismo, dor de De Bl'audeilbUTg VreS.
cabera, nevralgia, diarrha, cmaras, clicas, bi- : SI. Estcph.
lis. indigestao, crup, dores nos ossos. conluses, ; St. Julien."
queimadura, erupces cutneas, angina, reten- Margaux
'.ao de ourina, etc., etc. Larose.
Solutivo renovador. Chteau Loville.
Cura todas as enfertnidadescscrophulosas.chro- 1 Clialeau Margaux.
nicas esyp hliticas; resolve os depsitos dc'mos I De Oldekop & Mai'eilhaC.
^yjim *
rCVfc\'j
3S8f
SV\V?
ilillliiiilili-illiliiliiillll
GRANDE ARMAZEM

DE
Ra Nova n. 47, junio a igreja da Con-
ceicdo dos Militares.
Acha-senadireccjodaofTicinadeste acreditado armazem o hbil |^
^? artista Francisco de Assis Ave-llar, antigo contra-mestre do fallecido ^
32M Manoel Jos Ftrreira. O respettavel publico continuara a encon- 2
H trar em dito armazemum grande e variado soitirntnlo de roupas |j|
^l eitas, como sejam : casacas, sobrecasacas,fraques, paletots da panno g^
s$M fino, ditos de caemira de cores, de merino, bomb
. iva mu
g Loja de miudezas na ra
gg Dir i (a N. 85, onde (em
o lampedo do gaz,
i venden:-se pecas de Cas de coz a 240 rs., c.-
.xas d'agulbas ranceza, a ICO 240 rs., colhrrcs
.de metal principe par simpa lino a 5;r2C0. Jilas
Ipara iba a 2h00 a duiia. enfeiles de vidrilhos
prelos finos a Sj500, caixa de bfalo a 1 e
: lgbUU, bandejas linas d 1g500, 2g 3. 4g, e 55,
; macosde gr?ipas rolicas a 40 rs., dilus de cara-
col a 80 rs tinleiroa a aieciros linos a 29, aa-
lo de linho bramo a 100 rs. a vara, pulseiras
prelas a lf .loiciddspaia caudieiros a tlio ra.a i!u-
zia, pecas de litas de atibo a CO e 80 rs., (odas
para violan a 80 e 120 is., trancas de linho para
eilfeiies de vestidos a 900 rs. a peca, peales de
alizar, de baleia, a 240, calungas de diversas
azina alpaca preta M8& cualidades a 120,100,200,240,280 e 480 rs.,
o Ao paLc i. KS i 6?l,n''s de corcln para senhora a 800 e 1>, ca-

^J e S7 i ... j '-P,1UY c T cul-!'' Cairas g^. niveles do urna folha a ICO, escovas para denles
3^g de casemira prcta e decores, ditas de mermo, de princeza, de brins s^ .840rs. sabio fino para barba a 80
e o20 rs.,
as
a
o
i a
SS^5 a guarda nacional da capital e do interior.
imam curado stiailha. Logo* que soubedisso ^>| Apromptam-se becas para desembargadores, lentes, juizes de di- 1^
m.
3^ reito, municipaese promotores, e vestidos para montara. NSoagra g^
G8&% dando ao comprador alalinas das roupas feilss se apromptaiao ou- ^
i
PILULAS VEGETAES
ASSUCARADAS
iNEW-YORK
O liELHOR REMEDIO CONUECIDO
C '.tra eonttipagSes, ictericia, a/fecresdn /gado
felrer, biliosas, clicas, xndigcsles
enxaqnecas.
letnoirlioidas, diarrha, doencas da
palle, irupqdes.e todas as enfermidades,
PROVECIENTES no BSTAD0 nirrilO DO SANUIE.
~j,0U0 caixas desle remedio consornmem-se
..nnualmentel'
Hoia;di< da natureza. >'
Approvado pela fjlcujade de medicina, e re-
oimiendado cono o mais valioso catrtico ve-
las puramente vegetaes, nao coulem e'las ne-
n'uum veneno mercurial nern algum outrom/ne-
rd/;estao bam acondicionadas era caixas de folha
para resguarJar-se da huraidade.
Su agrada veis ao paladar, seguras e ellicazes
era sua operaco, um remedio poderoso para a
juveniude, pub;r lade e velhice.
Lja-se o follulo que acompanlia cada caixa,
qual se ficar conliecendo as muilas curas
rosas que tem effjttusdo. U. T. Lanman
S i\;np, droguistas por atacado emNew York,
sSo os nicos fabricantes c proprietarios.
Achara-se venda em loJas as boticas das
principaes cidades do imperio,
DEPSITOS.
Rio de .Janeiro, na ra Alfandegan. 89,
Bahia, Germano & C. ra Julio n. 2.
Pernambuco, no armazem de drogas de J. Soura
& C, ra Ja Cruz n. 22.
ELOGIOS.
V.nde-se em :asi .le Saunders Brothers A
C. praca do Corpo Santo, relogios do afama
bricante RoskeU, por precos commodos
. '^ncellinse cadeias paraos mesmos
deexceellnte osto.
Escravos pecas
Vende-so um moleqic de 20 anuos de idnde,
um reulatinho de 16 anus, dous esetavostambos
LGtOjf, urna escrava de 20 annos, ba_cn-
_ immadi ira, tuna dita cxcellente cozinheira pot
BOOg. duas dilaspara todo o servido : na ra das
Vguas Verdes n. l.
Na loja ao pe do
arco de Santo Antonio,
vende-sc:
Chaly com llores, razenda muilo fina,
o covaJo
Velludilho com llore?, proprio para ves-
lijos de senhora, o covado
Manguitos o gollinhas,opar
Chilles de merino muilo linos com palma
Casemira de cores, o corle
Diias duas larguras, o covado
Organdiz muilo linas, a vara
Pesa de esguio de algodo muilo fino a
Lencos de seda para honieni a
Aboluaduras para punhos de cami-
- i?, o par
Caixinhas de marisco para costura a
Caixas de balea para rap a
Enfeiles de pirlas paia pescoco a
Ditos de froco a
Carapucasde seda propria para padres a
Ricos chapeos com bicos para senhora a
Ditos de pallinha muilo novos a
Bol sin has do missansos para guardar
dinheiro a
Mirin do duas larguras para vestido do
montara, o covado
Ricos coeiros bordados, j debrunhados
com fitas muilo finas, proprios para
baplisados
Frondas de lsbyriolho
Toalhas de dito
Assim como se previne a todos os devedores
da mesnia loja que venham saldar suas contas
Todas as casas de familia, senhores de enge-
nho, fazendeiros, ele, devem eslar prevenidos
com estes remedios. Sao tres medicamentos com
os quaes se cura eficazmente as principaes mo-
lestias.
penles paro Mar rabillo a 100 rs., oculos de .
a 500 8(0 rs., pomada francesa 8 100 rs., tpe-
les para lamernos a S&5C0 o par, loucas para me-
ninas e meninos de laa a 600 rs., colheres para
cha o 800 is. a doa, nllim tes em eaixinha mui-
|g tiasa seugosto, quer com fazenda ua cu do armazem para o" que |g de SKeTrS toTem? ifi ^JlTSS
^l tem escolludos e habis oficiaes, dende-setoda e qualquer rena no SK rs-' Dieia8cruMfinM fara bomem a3S00 a du-
&i dia convencionado. lZIB- ^,ara bordar a mais lina que ha a 7fi500,
g^s !=< ^l^^^5SI^25S ?S88S6XSStSR*SRSS2a^ sonidos em coros a 1g. ditas de quadrin'- < l C0
^&ESiS$^- MMmmmmMmmm^ .*. uilns ?e-0res a .O rs. atacadores d'atroSao
alos 8 00 rs., diius releos a 100 rs., peines
travessas para meninas a CO rs dilos de horra-
cha para alizar a 600 e 800 rs., dilos de bfalo
i branco a 5C0 rs,, dilos para pifllhos a 280 rs di-
Jos para suissas a 500 rs., pecas de trancas ae
: laa de caracol a 60 is., lilas d seda da largura
i de 5 dedos a 610 re., obreias de colla a 100 rs.,
boneras de ca mures a400 rs., ditas de chourn
500, 800, lj 00 e 2??. Usuras para unhas a 600
, rs ditas para costuras i^js, faca de rabo de ba-
j lauco dous boloes 6.;o0() enfeiles dos Dais m-
ldenlos qne ha p-jia senhoios a 52 e 4&500, di-
j los para meninas a 4(0 e 5, caixa de lampari-
nas de nova invencao a 1(0 e (.0 rs. bicos pelos
de seda o 100, lOO", 200, 280. 30 e 500 r?., lar-
I rele de linha do gas de ludas as cores a u rs.
ricas figuras para quadros ; venham
' que se acabe a pechincha.
i mm wmm
DE
NA LOJA E ARMAZEM
DE
Joaquim Francisco dos Sanios.
logo antes
Hetrole Ao Ijccco da Congvega^ao letreito verde.
igcoo
bu
casa ha para
humores, purifica o sangue, renova o syslema;
prompto e radicalmente cura, csciopl.ulas,ven-
reo, tumores glandulares, ictericia, dores de 08-
sos, tumores brancos, afecces do figado e rins,
erysipelas, abeessos e ulceras de todas as clnsses
molestias d'olhos, difliculdade das regras das
raulheies hipocondra, venreo, ele
Pilulas reguladoras de Rad-lCognacemb;irris',ua,idaiefin*
Cognac em caixasqualidade inferior.
way
St, Julien.
St. Julien Mdoc.
Chateau Loville.
Na mesma
vender:
Sherry em barris.
Hadeira em barris.
Cerveia branca.
para regularisar o syslema, equilibrar a circula- n .- j ,
cao do sangue, inteiramenle vegetaes favoravei tfd,,0''eS '"alunas de COSCr dos mais
em todos os casos nunca occasiona nauzeas ne clamados autores de New-Yoik, I.
eas ne
dores de venlre, dses de 1 a 3 regularisam, de a
a 8 purgam. Estas pilulas sao efiieazes nas affec-
joes do figedo, bilis, dor de cabeca, ictericia, in-
digestao, e em todas as enfermidades das mu-
lleres, a saber: irregularidades, fluxo, reien-
Ces, flores brancas, obslrucooes, histerismo, etc.,
sao do mais prornpto efieilo na escarlatina, febre
biliosa, febre amarella. e em lodas as febrea ma-
ignas.
Estes Ires importantes medicamenlos vem a-
companhados de instrueces impressas que mos-
'ram com a maior minuciusidade a maneira de
applica los em qualquer enfermidade. Esto ga-
rantidos de falsifi'caeo por s haver venda no
armazem de fazendas de Raymundo Carlos Leite
Irmio, na ra da Impcralriz n. 10, nicos
agentesem rernambuco-
vt^mr r.T.S*
'a
M. Singer & C. e 'Wlieeler & Wilson. I
Seda de quadrinhos muilo fina covado
Enfeiles de velludo com troco prelos e
de cores para cabeca de senhora da
ultima moda
['azeudas para vestidos, sendo sedas, la
e seda, cimbraia e seda lapada e
transparente, covado
Luv;-s de seda bordadas e lisas para se-
nhoras, hornens e meninos
Loncos de seda rxos para senhora a
2J|000 e
Mantas para grvalas e grvalas de seda
de ludas as qualidades
Chapeos francezes forma moderna
Lencos de gorgurao prelos
Ricascapellas brancas para noivados
Saias balao para senhoras e meninas
Tafet rxo o covado
Chitas francezas a 260, 280. 300 e
Cassas francezas, -a vara
=?-----
Selim preto azul e encarnado proprio
para forros com 4 palmos de largura,
o covado
8 Casemira lisa de cores 2 larguras, o co-
vado
Chales de merino bordados, lisos e es-
tampados de todas as qualidades
Seda lisa preta o de cores propria pa-
ra forros com palmos de largura, o
covado
Ricos corles de seda prelos e de cores
com 2 saias e de babados
8;5C0 Dilos de gaze e de seda phanlasia
25O0 Chales de louquim muilo finos
8 | Grosdenaple preto e de cores de todas
$ | as qualidades
500 Seda lavrada preta e branca
jj320 Capas de fil e visitas de seda prcta com
$5001 freco
) LOt-
IW
I
15600
2$000
Ruada Senzala i\ova n.42.
s
2500
I
l5C0
.. oslt.,ci.: Tachas e moendas
menlo vendem-se as
machinas destes dous Braga Silva & C,tem sempre no seu deposito
autores, moslram-se a da ra da Moeda n. 3 A,um grande ortimento
qualquer hora do dia ou de tachase moendas para engenho, do muilo
da nono, o responsabiLi- ] acreditado fabricante Edwiu Maw a Iralar no
samo-nos por sua bo
qualidade e seguranca :
no armazem de fazendas
do Raymundo Carlos
Leile S I maos ra da
Imperalriz n. 10, amigamente aterro da Roa-
Vista.
U.ICA VEFiDADJEIRA E LEGI
TIMA.
mesmo de osito ou na ra do Trapiche i. 4.
rlinho & Olivcira
i
linas. &
8 CUM
^ Loja de fazendas
pO-Huada Cadeia do fleCife4oS
?fc Encontra-se nesle eslabelecimento lo- q>
^ das as qualidades de fazendas, rieos e =
ai elegantes cortes de vestidos de fil, blond j
^ e de seda, prelos, brancos e de cores, fg
j cambraias, cassas, bareges, chapeos para ^
i homem e senhora, ricos mrnleleles de ~$
renda branca e prcla, velludos de todas ?
qualidades, giinale^as, aderoros de bri- *
^ Ihanles e toucados para senhora, perfu- fe
^ marias francezas, roupa feila para homem K
yg e meninos, calcado de Melles para lio- m
j mem eJoly para senhora. Divas de pe- ^g
Sk tica, chales de verdadeiro louquim e lo- f
m^ dos os objeclos necossarios a urna seuho
ge ra de goslo e do grande mundo.
Nesle eslabelecimento continua a havo: ju
coma piel es rtimento de moendas e meias moi n-
dasparaeuSenho, machina de vapor e la
deferro batido e coado.de todos os laman] os
cara J
Lencos, bicos e rendas.
| Ka luja da ra do Crespo n. 14, vende-sc ricos
i lencos de labyrinto de caoibraia de linho, b ts
] e icndas feilo na provincia Ho Cear.
Vende-seuma casa lenca na ra doQuiabo
nos Afogados, chao proprio : a Iralar ca ra d3S
; lrincheiras n. 48, loja.
Vende-se.uma negra moca com urna crin,
i com muito bom leile, e em abuodancis, propria
( para crear meninos, por ser muilo limpa o aci a-
da, com habilidades: na ra do Rosario larga i..
20, segundo andar.
Escravos fugioo
\ende-se na loja de Antonio Aucuslo dosSan- i n *'*"'" f,,.*!do "" .''."|3| C8Dra de r,nip
los l'oriu na lejans. 37 e 39 na praca da Inde- Raymundo '""co.i.fliciol depedreiro o baibei-
pendencia, capellas de aljfar e morale para ca- '"" ,',' r<'n;,,l"1 Oo 1'"i> "' "bul de 1hr.;. ;, 0
lacumLas, tmulos ele, ele, da forma seguinlc ;,r ?n0eloJta,<,u.I? de F,ria- qual foi aqu
n procos razoaveis : M'vdido ao Sr Feliciano los Gomes, e esle se-
vfT- Capellas de aljofe com ESCripcdes, grandes a 10 !'1l'ur v",dpu ullimamenle ao Sr Francisi o Ha -
^-Lit- Das dilas por w* ,llK,s 1 ereira ta Costa
8J
5
2

Remedio sem igual, sendo recoi,hecidos pelos
. mdicos, os mais iminentes como remedio nfal-
livel para curar escropbulas, cancros, rheumalis-
mo, enfermidades do figado, dyspepsia, debilida-
dade geral, febre biliosa e inlermillenle, enfer-
j midades resultanles do emprego de mercurio,
ulceras e erureoes que resullam da impureza do
sangue.
Ditas ditas por
Dilas ditas por
Ditas de imorlaile por
'Juadrus com a imagemoVSonhor Cruxifi-
cado com inscripi^Oes por baixo a 10J? e a S?
Ferros de en-
gommar
econmicos
a 500
(HAi\E SOHTIMEMO
DE
700
4&000
6aoo
3j)J00
2000
640
3;00
19000
1500
800
8jOO
3200
2;000
i;5(io
18(I00
31-000
2J0OO
1SO0O
I
9
Fazendas e roupa feia
NA LOJA E ARMAZEM
DE
Joaqnim Rodrigues Tavaros de Mello
RA DO QUE1MADO N. 31)
EM SEA LOJA DE QI'-VTRO TOnlAS.
Tem um completo sorlimento de roupa feila,
e convida a lodos os seus freguezes e lodas as
pessoas que desejarern ter um sobrecasaco bem
feito, ou uiii calc,a ou eollele, de dirigirem-se a
este eslabelecimento que encontraro um liab 1
artista, chegado ltimamente de Lisboa, para
desempenhar as obras a vontade dos freguezes.
J tem um grande sorlimento de palitois de ca-
li m os soguinue sia-
naes : e.-talura regular, bastante grosso o barba-
do, olhns amarelladoa, falla com dtsenrbararo,
reprsenla ler35 a 40 anona : roga-seas autcii-
dades policiaes a sua apprehcnso ; e quem o
pegar, dirija-so ao engenho Guerra, rm liiojoca,
00 na ra do Imperador n. 70, escrlplorio de
Polycarpo Jo Layme, ou na rua de Apollen.
30, escriptorio de Manuel Gnuviia do Souza, que-
sera generosamente recom eusado
Boa
CAUTELA.
Lnapeos de sol de seda
zes a 8#000.
Na rua do Crespo, esquina da ruado Impera- ^tl^f^^.^0}^ t?U* mais Ona que ha no mercado a 16, ditos
D. T. Lanman ii Kemp, droguistas por ata- .
i..^\,vn,i. u i semtra cor de rape e outros escuros, que se ven-
cado ?iew xoik, aegara-se obrigaios a prevenir i i_ ,n, > ,
____j.-......I....1-.' '(demal2?, oulros de casemira de quadrinhos
Liquidaco
para acabar.
lecompensa
Jos Malhous Ferretra rreompensa bem a quem
ros acham-se a venda ;''' l/""r *''" :\a r,"1"""' 'l'"'1 ll>nl "s
no armazem de fazen- s,nae8 st'm'lnles idade 20 anuos, pouco mais
d/rfnRmlnf ou meno' baix0- roslo e cabeca redonda, sardas
lo leile l rmt rua rosta,pouca barba e ruiv. quanflo aada ar-
. Imnerflriz n 10 im-ia ""? pouco os bracos, falla bem e sabe ler.
da Imperalriz n. 10. di, |r0 oni1o lem famiUj| nj rua Ja
Caoeia do Recite n. 35, loja.
OOOCO.
Con lio a a estar fugida a escrava Paula, que
diz chamar-se Paulina, tem ossignaes seguinles :
, fula, alta e muilo magra, representa lir 25 an-
nos de idade; desconfia-se estar occulla cm al-
Na lojlda ruado Crespo n 14, vende-se um Koma "8a bosarrabaldes desla eidade ; vetado
variado sorlimento de blendas abaixo menciona- strl;lJ Uu Oar, d onde natural : quem a pe-
das, e por preco o mais barato que se pude una- gr, receber a qnaniia scima, na rua da Cadeia
lorn. 7, loja de fazendas linas de Guimaracs & ;lenues .""'"aes da Salsa Familia de Brisiol.'j -
Lima, vendom-se chapeos de sol de seda ingle- qe hoja se vende neste imperio, declarando a r '
es a 83 cada um. imlncnua a ..n ;,<. -----:.... j_ I ""
da Aurora, sobrado n. 22.
Agua de Botot
que o segredo de sua preparaca acha-se somen- .
le em poder dos referidos Lanman l kemp I T' ."" 1" Pr.P"? TT ?' Z ,'
! Para evitar engaos com desaprecia veiscLbi- sorl"rfn,%:Je "**. dKe *** ** m""
.s i.i. ac|scomui- apurado a 23?, di os de borracha a 29500, cha-
ares de drogas perniciosas,as pessoas (iiip nni- j <* i-, j
'...._____ Ul peos decaslormuilosupenores alGJ.di os dese-
de denles ; os frasquinhes vendem-se a 1.J, e vo
marcados com o rotuloLoja d'aguia hranca-rrua
do Queimado n. 16.
N.
D. T. LANMAM & KEMP
SOL AGENTS
69 WATER STREET.
2* O mesmo do ouiro lado tem um rotulo em
fpel azul claro cem a firma e rubrica dos pro-
Vende-se o palacete da rua Imperial que
p ira nao vrem seus nomes nesta folha, seja qual foi do fallecido Brito, junto ao viveiro do Muniz,
for o dovedor, pois j a segunda vez qne se 1ual tern mui los commodos para grande fami-
prevines todos lia, ou para qualquer eslabelecimento, tendo
Na rua da Cadeia n. 24, vendem-se as se- grande cozinha fon, grande cisterna, que correr ]
suinles fondas, por metade de seu valor, para agua todo anuo, transmillindo agua para cima por |
liquidadlo. i bomba, grande estribara, cocheira e casa para
Bicos de seda brancos o prelos, de todas as 'gallinhas, com un bonito jardim, e algumas fruc- f aPel'
urguras. vara a 100, 210, 400, 800 e 15000. leiras. leudo o quintal 140 palmos de fundo e P'ietanos.
I'm completo sorlimento de franjas de seda e 200 de largo : a tratar com o majur Antonio da ,q ohre a rnUia ud> cfl ... p
de algodao. Silva Gusmo.na mesma casa, todos os diasal n o ."** aralo e Drma
Chales de louquim a 10, 15, 20 e 35. \ 9 horas da ma4$pa, e dahi em dianle na loja da u0 ,nvenlor ^ ^- urislol em papel cor de rosa.
Boioes deseda, velludo, de louca ede fuslao rua do Queimado n 39, do lenenle-coronel Ma- ^ Que as direcijes juntas a cada garrafa
a qnalidades finas, daa a 200, 4)0 o 600 rs. noel Florencio Alves de Moraes, tem urna phenix semelhante a que vai cima do
Rap nacional d. presenleannunc:_
Pedro II da imperial fabri- ro de ltiro rua da Aiiandga n. sg.
Cade JoO Candido de ^l- Cahia Germano &C. rua Juliao n. 2.
Collarinhos bordados de'500 rs., 2$, 3 e 4-5
Enlreueios finos, pecas com 12 varas a 1S.
i'olhos bordados liras'a 5 0, lS, 2JJ. 3J500.
Camisetas com manguito a 3#, 4, 5 e 6jj.
Enfeiles de flores a 6J.
Chapeos de seda para senhora a 10.
Casaveques de velludo a 40 e 60g.
Ditos de seda a 25*.
Ditos de fuslo a 8 e 12$
Fitas de seda e de lodas as qualidades de 160
rs. a lj>500.
Ditas de velludo de 240 rs. a 1J.
proprio para colteiinhos de meninos e Iravessei-
ros por preco commodo, camisas bordadas que
servem para balisado decriancas e para passeio
a 85?, 109 e 12$, ricos lencos de cambraia de
linho bordados para senhoras, ditos lisos para
hornera por preco commodo, saias bordadas a
3*500, dilas muito finas a 59. Ainda tem um
restinho de chales de loquim a 30$, corles de
vestido de seda de cores muilo lindas e superio-
res qualidades a 10035, que j se venderam a
150$, capotinhos pretos e manteletes prelos de
ricos gostos a 20, 255? e 305?, os mais superio-
res chales de casemira eslampados, muito finos, a
8$ e a 10$, toalhas de linho de vara e tres quar-
las, adamascadas, muilo superiores a 55?, dilas
para rosio de linho a 15?, chitas francezas de su-
perior qualidade, tanto escuras como claras a
200, 280, 320, 400 e 440 rs. o covado, ricas
rauda, Rio de Janeiro.
Esle rap sem duvida o de melhor qualidade
labncado nesle imperio, acaba de chegar e ven- Lliama-Se a atteilQdO.
de-se no deposito, rua do Vigario n. 23, escrip- i Vende-so saccas com farello a 4*000 rs. cada
| urna: n paleo de S. Pedro n. 6.
casemiras para calca, colletes e palilots a 45? o co-
Pernambuco no armazem de drogas de J. Soum, | vad> e um completo sorlimento de outras fazen-
rua da Cruz n 22. das, eludo se vende por preco barato, e que nao
lorio.
possivel aqui se poder mencionar nem a quarla
partedellas, no enlamo os freguezes chegandoe
querendo comprar nao irao sem fazenda.
guiar.
Palotol sacco de panno prolo de 165 a 18$.
Dilo fino de alpaca preta a 12$
Dilo dilo de cores a 6f.
Dilo dilo dilo a 5$.
Hito dito de alpaca preta para menino a 7?.
Dito de brim branco de linho a 4$.
Dilo de ganga a 2*500.
Gravalinba de velludo para pescoco de senho
ra a 400 rs.
Lencos de relroz bordados para senhora a
500 rs.
Enlremeios bordados, vara a 500 rs.
Tiras bordadas de palmo de largura a 1$.
Ditas dilas largas, vara a 1JCC0.
Tapete a velludado a 6 o 85.
Dilos dilos. ricos, para 4 cadeiras a 18g
Pannos para mesa a 250OO e 5;500.
Chapeos de Castor.
Superiores chapos de caslor brancos c prelos,
com pello e raspados, formas elegantes, choca-
dos pelo ultimo navio francez : casa de J. Fal-
que, rua do Crespo 11. 4.
Era casa de N. O. Bieber & C. Succcssores,
rua da Cruz n. 4, acha-se venda um grande e
variado sorlimento de ferr4f!-s finas, obras de
lanoeiro e perlences sem lim por usos domsti-
cos, producios lodos da industria norte america-
na, assim como :
Arados de diversos lamanhos.
Molnhos de milhe.
Machinas para corlar cnpim.
Grades.
Machinas para descaro?ar milito.
Cullivadores e ferros de ensommar econmicos
n. 35, leja.
Acha-se fugida a preta Justina desde 23 de
corrcnle, tem eslalura regular, corpo cheio o
com muitas cicalrizos de chicle : quem a pe-
gar, leve-a rua do Pires, na Boa-Visla, n, 4 ,
que ser recompensado.
200$,
Fugio do engenho Quanduz, em Sanio AnISo.
no dia 18 de maio do anuo prximo passado, um
l escravo de nome I.niz, de idade 23 a 24 a-
inos, com os signaos seguinles : cabra, de csla-
, lura n guiar, baixo. qiiandn se auscnlou nao li-
nha barba nenhuma, cabello a especie do de
ralo, ti m um pequeo geilo nas pomas para
donlro, um signal na pona da lir.gna do i.-.nia-
nho dTun carneo de goiaba, que o alrapalha um
pouco quando falla, lem as costas bem cicatriza-
das de chicote ; oslo escravo foi da villa do Sa-
, boeiro, comprado ao Sr. Domingos de Souza llar-
ros, e ha m>ticia delle estar acoulado un urna
fazenda cima da dila villa 20 leguas : pede-so
: porlanlo a captura do dilo escravo, o quem o pe-
gar leve-o a seu senhor no dilo engenho, ou no
Recife a Beinardino Francisco de Azevedo Cam-
' pos, no patoo do Carmo, que se gratificar com o
' quanlia de 20010.
\ No dia 20 do correnlc mez fugio o escravo
i Anastacio. de estatura regular, com cafurina na
I cabeca, snissa e barba fechada, lem um panno no
nicio'da lesla que loma-lhe o nariz, vestido do
: calca de riscadinho, camisa de madapolo, paleto
de brim pardo transado, e chapeo de palha vlho:
quem o pegar i'Ode levar presenca do Sebastiio
Jos da Silva Rraga, ou botica de Bariholomeu
I Francisco de Souza, na rua larga do Rosario du-
mero 36.
100$ de gratificaco
Fugio no dia 27 de agoslo do corronle auno um
escravo por nome Pedro, que reprsenla ler 32
annos de idade, com os signaos seguinles: de
I cor simi-branca, alto, secco, cabellos corridos,
- j 11 j o itr i cabeca redonda e chata a'iaz, pouca barba, e
en?nn7iarell0de^\-5palm0?kPrprC" f8lla rauil HTcssado. uando anda inclina o
eos commodos : na rua do \1gar10 n.5. corpo para a frente, le0u roupa de algodao bran-
A ..SOUU cada urna saia balao. co e azul de riscadinho, chapeo de biela prela o
Na rua do Crespo o. 20 B, loja de Adriano c\ do Chile Esle escravo tuina um primo por nome
endemse
Caslro.
Camas de ferro
balido e fundido, de lodas as qualidades, e de
lindos modelos, para urna e duas pessoas, dilas
para meninos, bercos e lavatarios de fero, redes
de palha e de algodao, ludo por preco commodo:
na rua da Imperalriz n. 75, deposita de camas de
forro.
Manuel Alves, morador no Arraial. onde era fci-
lor, ambos naluraes do Rio do Teise, ha loda
probahilidade que para l fossem por lerom I
prenle. Esse escravo foi de Francisco Ribeiro
que recebeu om heraoca de seus pais, e Ireuxe
para essa eidade aos 9 de oulubro de 1858, que
vendeu ao Sr. Jos Francisco do Rogo Medeiros
Mello : por isso ppde-se as autoridades policiaes
o capilaes de campo a sua captura c leva-lo rua
de Apoll.1 n. B 4.
' '!
^
1 -
Trrnr-----r-^
ILEGVEL


(*>
Litteratura.
Pi IX, pontice c rei.
RXAU DAS PMNCIPAES OBJECCES CONTRA O PODER
TEMPORAL DO PAPA.
* *
*
O velho mundo, ofTereec neste momento o es-
pectculo de urna dessas hitas que nenhum ho-
raem, nenhum poltico, nenhum cotholico sobre
lado pode liar ndiflerente.
Tres grandes corrrntes de ideas, partilham os
espiritos o os levam em seutido diverso na al-
mosphera agitad* da poltica europea.
D um lado, es calholieos, fiis s antigs ira-
(iicoes de respeito e de amor para com a egreja
romana, me e mestra de todas as oulras, vendo
no sacrilego esbulho dos dominios lemporaesde
que os seculos a dotaram, o ultimo e o mais ter-
rivel golpe dado na liberdade e na independencia
do rgimen ccclesiasticj, enviara ao Pastor Su-
premo, ao pontfice rei, como nos dias dos gran-
des perigos, os mais locantes e expressivos tes-
lemunhos de filial adheso e idelidadc.
A Franja, a filha primognita da egreja, indig-
nada contra as friezas pusilnimes de urna polti-
ca, tanto cm descordo com as gloriosas tradi-
r5ea de sua historia, poe espontneamente dis-
poiico de Pi IX, o ouro e o herosmo de seus
l.lhos;a Blgica, a Baviera, aSuissa.a Austria, e
a fiel lrlaDda accompanham-a neste generoso
movlmenlo.
De oulro lado, aproveitando-se das hesitacoes
d-a diplomacia, n revoluco prosegue, mais affoi-
ta que nunca, em seus nefandos intentos, e mar-
ca jj, (oda ufana, seu itinerario alravezda Euro-
cDepois de Marsala Palermo, depois de Pa-
pa, acerca do poder temporal do Papa, aproveito
com gosto, charo amigo, o cnsejo que me offere-
ces de to propor algumas duvidas e objececs
que hei por ah ouvido, e que, confesso, me tem
feito urna impressao bem profunla I
Eu sei, meu charo, quantas nuvens e obscu-
ridades o espirito revolucionario tem procurado
accumular em torno desta grave queslao, c quan-
tos nimos bem dispostos e al religiosos tem
elle conseguido Maquear em seus tristes precon-
ceilos. Possas t,- luz de urna discusso calma
o sizuda, reconliecer toda a injusti^a .e iniquidade
desses ataques, de que alvo o Pai commum dos
fiis, e unindo-le generosamente aos nossos ir-
maos calholieos de todos os paizes, prestar esta
santa causa, caique se cha envolvido o mais al-
to infortunio e a mais sublime dignidade, o apoio'
de tuassympathias, de leu zelo.de tua palavra,
de la penna, de tuas oraoes, e at de leu san-
gue, se fosse misler. Tai meu ardenle voto e
minha esperanza ao comecar esle cntreteniraen -
lo. Vejo cora prazer qtre l os partilhas. Ea,
pois! abramos o debate: tomemos a queslao
desde seus fundamentos, e procuremos encara-la
por todas as suas faces.
Antes de ludo, me parece que nao deve ler o
Papa dominio temporal, por ser isto opposto ao
espirito do Evangelho.
Nao achas t mesmo um pouco estranho,
meu charojarnigo, que jovens Iliteratos, acadmi-
cos, jornalislas que conhecejn apenas superficial-
mente o seu cathecismo, se persuadam entender
mais o Evangelho do que o Papa, do que todos
os bispos, todo o cloro o fiis do mundo catholi-
co, nao fallando de lanos homens eminentes,
que divididos por varios matizes de opiniao. se
tem unnimemente pronunciado em favor do do-
minio temporal? Todos estes conhocem alguma
DIARIO DE PERNAMBUCO. SABBADO 29 DE SETEMBRO DE 1860.
latim para logo r er-se que exprime cousa mu
diversa, fegnum meum non est de hoc mundo.
Com cffeito nao diz Chrislo a Plalos : O veu
reino nao i neste mundo ; mas : O meu reino
nao desle mundo, pola a.qui no mundo que
elle ha de reinar at o fim dos seculos, observa
judicioaissimamente Sanio Agoslir.ho. (2) Assim
d izendofegnum meum non est de hoc mundo
nao nega Chrislo ter elle o reino, o poder e o
do minio do mundo ; se tal fosse o seu sentido,
se gundo as leis da grammalica, devera dizcr :
fegnum meum non ett hujns mundi, e nao : de
hoc mundo ; como dizemos : fegnum Calltce e
nao de Gallia... Jess Chrislo falla, pois, da
origeni de seu reino, que nao proveniente des-
le mundofe hoc mundo, e nao da materia des-
se reino, ou do seu sujeito ou objecto, como so
exprime a escola. Como se dissera o Divino Mcs-
ganieaca produzio I Reduzi antes o claro esplendido do
meio dia luz esmorecida do primeiro alvore-
cerl Masleu bomsenso, meu amigo, recua espa-
vorido diante de taes consequencias. Renuncia,
pois, ao principio, d'onde ellas diroanam, e nao
queuas destruir a obra Qe Deus, sob pretexto de
reforma-la.
Has a egreja nao passou lano tempo sem
dominios lempornes? A santa s j nao era ob-
jecto dos respeilos e da veneraco do universo
antes que Pepino e Carlos Magno a rodeassem
n001.-.^?'1 nes8" de ,erra 1ue chamam Estados
Pontificios?
~T **eu fharo, 1" vais depressa ; e eu pelo con-
trario desejo que nos us apressemos lentamente,
e que vamos tomando posse, com todo o lento e
pausa, do terreno percorrido. Assim
em lodoso Occidente, de modo queja no t>-mpo
de S. Leo, sobre ludo no dos doua Gregorios,
eram geralmente considerados como salvadorea
desta parte do mundo. E' certo, diz o padre
Thomassino, que o Papa governava todo o osla-
do de Roma e do exarchado, isto o que flca-
va ainda debaixo do dominio de Conslsntinopla ;
elle quefazia a paz ese oppunha s discordias
e a guerra. O Papa conservava lodas estas pro-
vincias na obediencia do imperador ; e s quan-
do a Italia foi inleiramente abandonad* por seu
soberano, implorou elle a prolecco da Franra.
t\a lula lernvel contra os Lombardos "o pro'prio
imperador Mauricio Ihe aconselhou se slliasse
cornos Irancos. Era entreg>r-lhe de alguma
sorte Roma e a Italia. Assim ao Papa cahio-lhe
entre maos o dominio s por disposicao do co.
Depois de .........:
PJ
lermo Nadles, depois de aples liorna, depois
, r"-|..~.v n.|>i>i i 'uu: coit-s cvuiiaceni tutuma
de Roma Veneza depois de Vccza lia maisde legaces ; linguagem tiniidados de l se possa tirar o mnimo argumento contra
aS.:ulessubord.nadossuccedeu a palavra franca dos! a soberana pontificia. Ha dez seculos esta
cholos do movimenlo : quer-se destruir todo o | parle, que cinge o vigario de Jess Chri'sto, a
poder temporal do ponliee romano, para acabarcora da realeza c oceupa um lugar na magesla-
coiu sua iflttcncia moral na Europa e no mundo ; de da repblica ehrislaa, na phrase de um elo-
vis Prophelarum. (3) A egreja, que csse rei-
no de Jess Chrislo, nao pois, desle mundo,
quanlo sua origem, quanto sua independen-
cia o autonoma relativamente s oulras socieda-
des mundanas ou civis : e este o sentido do
texto fegnum meum non esl de hoc mundo ;
mas deslo mundo, em quanto vive, como as
demais sociedades humanas, neste mundo, se
desenvolve neste mundo, c neste mundo comba-
ler e triumphar al a consuramaco dos secu-
los servindo-se dos bens teraporaes em quanto
clles sao necessarios para atlingir seu fim so-
brenatural. A sentenca evangplica : O meu rei-
no nao deste mundo, nao quer, pois. dizer
que a egreja so deva contentar como invisivel;
a egreja urna sociedade espiritual, mas nao
urna sociedade d'espiritos. Nao se devem con-
fundir estas duas ideas. Se ella fosse urna so-
ciedade de puros espirilos. compiehender-se-hia
que nenhuma necessidade tivesse dos bens ma-
tenaes, mas urna sociedade humana, ainda
o para manter sua vida e sua indepen-
dencia neste mundo; direito cssencal, que se
enraiza e se prende as profundidades de sua
consliluico, e que ella sempre exerceu desde os
pnmeiros seculos, apezar dos edictos dos impera-
dores. E assim eis-me chegado ao ponto que
responde directamente tua ultima difliculdade.
bim, charo amigo, t-i commettesti um anacro-
nismo fallando de Pepino, e de Carlos Magno. Os
dominios di egreja dalim de mais longe. J dos
pnmeiros christaos referem os actos dos apostlos
que vendan) suas frzendas e casas e vinham dc-
por o prego dellas aos ps dos apostlos (5); a
ordem dos diacooos foi, em parte, cstabelecida
oara recolher, administrar e destribuir essas tem-
poralidades segundo as necessidades da egreja
nascenle (6). Para o mesmo fim foram fundadas
desde os primciros'seculos asdiaconias de Roma.
egreja romana pela doacao do lempo, primeiro
ministro da Providencia nos negocios desle mun-
do. Confirma depois Carlos Magno solemnemen-
te a doacao feita por Pepino, fazendo elle pro^J
pno oulra mais ampia. Remontando origdHk
do poder dos Papas nao se acha, por tanto, aa j
um aut >r, nem combates, nem intrigas, nem usur-
parles, mas urna doacao. J soberanos de fe-
lo, s Ibes faltivao titulo; concederam-lh'o Po-
pino, Carlos Magno, Luiz, Lolhario, Henrique,
Othon e a princeza Malhilde. Digamos, pois, que
nao ha soberana na Europa mais justificare!
que a dos Summos Poalifices. A' elles s est
. reservada a honra de possuir hoje o que ha mil
annos possuiam. (9)
a ~"jNn menos cerl.mpu charo, quo este po-
der dos lapas acarretou immensos abusos e foi
quer-se rcduzir o chefe da ogrejn calholica con
dico de um vassallo humilhado ou de um pros-
quentc orador, sem que ninguem ousasse jamis
reclamar contra tal inslituieo, que anles foi
cnplo, para enlao poder a revoluto passar avan- sempre e umversalmente considerada como um
le c fazer desassombrada suas ulteriores conquis-
tas. Depois de Roma.... tuda !
Nao precisa muila penetrarlo paia o compre-
hender.
A rcvolucao nao quee Pi. IX rei, por ser elle
pontfice, e nao quer o pontfice, por ser elle
meio providencial de manler inviolavcl no mun-
do a liberdade c independencia do supremo pon-
tificado. Alm dsso, e neste ponto do vista
mais largo que cumpre agora em romero collo-
car-nos, muilo antes que os Papas fossem sobe-
ranos, j a egreja romana, j as oulras egrejas
-.....------- <- ~o'*j" "m.u.,i, jm U3 yuuus nervina
o mais alio represenlanlc da religiao e da rao- | possuiam bens temporaes necessarios a congrua
ral" I susleutacao de seus ministros, manutenrao do
Quem nao sabe que para alguns que mililam i culto, ao allivio dos indigentes e oulras pias
ueste partido o assassinalo um jogo ; para mui-1 obras; ora ninguem, excepcao de alguns here-
los o socialismo um dogma poltico ; para lodos ges turbulentos, se len.brou nunca de condem-
a i:ara urna anl.gualha que ser deposla d'aqui a I nar a posse dessas riquezas como contraria aos
ViOLim lfl miKPll lii^tnrion rln V..r..>) -_:^-;_;-_
modesta, mas gloriosa origem de alguns litlos a ca"sa [unes,a dos males que tem desolado a
cardinalicios. Antes de Deocleciano, nos inter- ^SreJa- tm quanto os successores de S. Pedro
vallos da perseguido, j vemos a egreja comecar! .m pobres conservarara-se na altura de sua
- ----------. .....," paitieipar as honras civs, possuir grande nu-! mlssao 0lnna desd6 que comecaran i abundar
que espiritual urna sociedade composta de entes] mero de templos, e acceitir os bens de raiz que I em ,,osses 'emporaes.tornaram-se corrompido e
queiem urna alma e um corpo, um elemento es- a piedade dos fiis Ihe offerecia por doaedes ou esC3nda'o da humanidade
piritual o um elemento material, e que por con-
sequencia deve-se constituir de urna maneira
material e visivel, pois sao homens que ella
quer conduzir ao bem infinito. (4) Assim longe
.--coes
disposicoes test intentaras (7). de maneira que
Constantino promulgando mais larde leis que
concediam egreja liuerJade de adquirir o pos-
suir propriedades, nao fez mais quo reconhecer
-, __ ---- --------------------------wnw -.* i t i..-,,i,..iih(,lL UI/3 UiUIl Ul
m-.i i,!ff UIBme".10 f elerD0S .deslinos da nu-| liC0S dosprimeros seculos. entre os quaes o ce-
manidade. Repiiamo-lo ; a egreja, sociedade de lebre edicto de _
nomens e nao de anjos. fundada
nao de anjos, fundada as condi-
oes de urna sociedade humana ; sobrenatural,
e verdade. quanlo sua origem, ao seu fim e
ceonomia divina de sua hierarchia e de seus s-
menlos; mas tambem natural, em quanlo
Se lesses. inda que de relance, a historia
nao le fanas echo dessas declamarles vulgares
que os proprios protestantes mais instruidos tem
em nossos das vigorosamente refutado, como
alheias de toda verdade. Se lesses Hurter Hal-
ler, Rai.ke, Voigl, Muller. nao fallaudo de tantos
autores calholieos, formaras sem duvida idea
mais vanlajosa do papel do pontificado, mesmo
durante os ominosos dias da edade media era
Constnitino e de Liciio datado que leTe elle de oxercer pela forca dos aconteci-
do anuo 313, onde se l o seguinte tpico : Om- i nienlos e commum consenso dos principes e dos
nia quw ad ecclesia3 recle visa fuerint perlinere, I Povosi uma verdaJeira magistratura sobre a En-
tive domus, aut possessio sil, sive agri, sive horli,
tsto jTistira? isto lealdade? Vamos! mister
desembaracar-no de preven^es que nenhum fun-
damento tem na realidade das cousas. Nao, nao ;
essas faltas particulares nenhuma impressao f-
zeram na cadeira de S. Pedro. Um navio que
tende as aguas nao deixa menos vestigio de sua
passagem diz magnficamente o grande Bos-
suet A geral corrupeo dos Papas proveniente
do poder temporal pois uma insigne falsidade
perante a historia como peranle o Evangelho.
N80 ; Jess Chrislo nao fundou, cusa de seu
sangue, uma egreja puro, santa, sem mancha,
nem ruga para abandona-la logo depois mons-
Iros de ambicio e de crueldade ; Jess Chrislo
nao eslabeleceu pastores e doulores para o aper-
feicoamento dos sanios e edificacao de seu corpo
royslico (13). afim de que estes s se applicassem
durante quinze seculos dar escndalos e de-
molir sua obra ; Jess Chrislo nao prometteu es-
tar com sua egreja todos os dias al a consura-
cnaco dos seculos, sem quo as portas do inferno
prevaleccssem contra ella, para dormir indife-
rente durante todo esse tempo (14), at que che-
gassem emfim Cavour, Farini, Pepoli e compa-
nhia para despoja-la de todas as mundanidades e
reduzi-la sua primitiva pureza. Nao, ninguem
o crer. O simples bom seoso repelle uma tal
monstruosidado.
Mas possivel que aquello quo representa
Jess Chrislo crucificado, viva rodeado de todo o
esplendor das grandezas humanas?
E porque nao ? Jess Chrislo nao ficou eter-
namente pregado na cruz ; ressuscitou no tercei-
ro dia cheio de'gloria, subi ao co e est assen-
tado direita de seu Pae (15), at que seus ini-
roigos sejam reduzidos servir de escabello
seus ps (16). Sua magnificencia est elevada ci-
ma dos reos, sua belleza exaltada sobre as es-
trella! ; o Senhor excelso, terrivel, Rei grande
sobre a trra (17), Rei dos reis, Senhor dos se-
nhores (18), cujo imperio nao lera fim (19). Quem
como o Senhor nossos Deus que habiti as al-
turas e baixa seus olhos sobre o que ha de mais
humilde no co e sobre, a trra (2U) ? Pois bem !
E' esse mesmo Ueus que levanta o pobre da
poeira da abjeccao e o colloca rodeado de gloria
entre os principes de seu povo (21).
E' esse mesmo Deus que quer dar aos homens
uma idea de seu eslado de glora por meio d.es-
sa grandeza temporal que brilha em torno do
seu representante no mundo. Gloria, honra,
magnificencia, poder, claridade ao que reina nos'
seculos dos seculos 1 Gloria, honra, poder, cla-
iidade (inda que n'uma medida iutinitamente
mais restricta) ao que representa sobre a trra o
monarcha dos ceus I Braa grandeza se projecto,
se reverbera na outra ; uma a consequencia,
a emanaco da oulra; a grandeza temporal do
lapa um reflexo pallido, uma dbil parleci-
1
i


i.ouco no rauseu histrico da Europa?
Tal a revoluciio.
Entre estes dous campos extremos e que se de
vem adiar mais tarde ou mais cedo em face um
principios evanglicos, o amesraa egreja, escla-
recida pelo Espirito de Deus, nunca deixou de
reivindicar si o direito de possuir bens lempo-
raes, condemnando a doulrina opposla comoira-
. ,. ----------" -------'---------.....--------" """<" uj'puaiu tumo uu-
dc oulro; entre o catolicismo c o socialismo, I pia e hertica, conlraria auloridade da ccrip-
uni impondo um jugo ao hornera era nomede|lura, s Iradicoes apostlicas, aos teslemunhos
I is, o oulro sacudindo esse jugo cm nome da | dos santos padres, sdecses do concilio e pro-
hberdade, corre anda o partido intermedio dos pria razao (I). Ora, se tal lera sido o senlimen-
ntos conciliadores lodo cusi, que retendo loca praxe geral da egreja ehrislaa em lodos
" nome de calholieos, julgam dever transigir al os seculos relativamente posse das riquezas e '
sive quceumque alia restitu jbemus,
, quaes palavras se ecllige evidentem
anda vive ueste mundo e pelo lado, por assim egreja, alm das oblaees. primicias
avirT,,0!!! iSUS "lsll\ncia Pr onde se J* Pssui;l outros bens immoveis e de raiz antes
nVTl ra'sl.desses bens lempo- j da liberdade outorgada pelo filho de Constancio
que elles sao nefessarios ma- i Chloro, pois manda elle que Ihe sejam esses bens
restituidos; restitu jubemus Veja-so a grande f
, obra iritto de la Chiesa di possedere beni tem-'
.' porali; onde a lliese histrica que aqui peifuac-
ivTR?:i},,'n ire""'''?.1."Pfip- tunamente traamos, se acha demonsfada com
iivel, di nao pode prescindir sem dos- lamanho luxo de argumentos que nada deixa
desojar. Maso que provaisto? Oque prova este
ropa, victima eolio da mais horrorosa desordem PaS8 da grandeza eterna e infinita do Verbo 1d-
lia. T le.convencerias quo o pontifica- | carnado I Pena charo amigo, que muila gente
raes
nuleuco de sua "vida, e de sua dignidade no reslil
mundo, e por consequencia que a posse desses '
ns, longe de repuguar ndole divina de sua I porali; onde a tliese hisi'orla' mi^m,"n",t"lZ\^J ,u 'ras que o pontificado creou relaces
cuto qu a I eievando-se entao pela dupla magestade que nao tenha f bastante viva para encarar o pre-
e dizimos, i rodeava fima do tumullo dos barbiros c do- 'endido fasto da santa s debaixo deste magni-
mmando com seu immenso prestigio essa multi-
dao de pequeos tyrannos que se disputavam os
despojos do imperio, tornou-se o vinculo univer-
b sal, o ceniro commum onde todos esses elemen-
tos discordes vieram-se refundir e harmonisar-
liuir-se, de que nao pode
sacrilegio.
Nao
prese
ella ser privada sem
. menos verdade, meu bom amigo
que Jess Chrislo fundou sua egreja pobre, des-
1 orlo poni com a revolurSo
C-gos que nao veem no faci das Romagnes
bens desle mundo, ainda ousars dizer que os
dominios actuaos da santa s, sao concemnados '
exercicio conslante do direito de propredade des-
de a origem do chrislanismo, e durante os lem-
_ pos da perseguirlo ? Prova que a egreja tem esse
prvida do todas as temporalidades e regalas lJl^l>l^,, le seu divino fundador, independenle de
mundanas.... __ loda concessao humana. E o quo S. Paulo de-
- Jess Christo fundou sua e^eja pobre, mas SSSJKf^!* 31 Cor,nlhi1os di/cr,do : t
nao incapaz de possuir. O fundar sua egreja na SSSS*? VSSaS. alma3 S benS i1'1"3",
pobreza, na perseguido, na humldade, sem se .^ "'U''J l^nosdeis um pouco de vossos bens
vak-r de nenhuns auxilios humanos, cmoda ,mKmom 2S que ?S ra,ms,r03 do
torca, do saber, das riquezas, etc., foi um mil *,"p'? nC"mccm do 'uc 6 otlerecido 1.0 templo, e
gre, um verdadero milagreqw elle quiz fazer, 2".iAU.?..8e/T.em .lti,r lem P.arle nas obla-
mas niuguera provar nunca que elle levo von-
tade de perpetuar 110 mundo esse milagro, nem
fora -
senao um accidente de territorio ; no despojo da pelo Evangelho ?
santa s seno uma concessao innocente polili-! Dizc o que disseres, o Evangelho ahi est
ca ; que ousam assacar ao governo do Summo uradado : O meu reino nao desle mundo, e '
Pontfice, calumnias j cem vezes refutadas, o gra*"'ejh q"e aDlS ** lUd deVe Crfr 'no
que nao os impede de as ir sempre repelindo _
E eu julgo que antes de ludo, se deve eii-
coes do aliar ? Assim ordenou tambem o Senhor
aos que annunciam o Evangelho, vivessem do
preciso, nem estara na ordem e economa llnnZlZ'jlJ*? s' fundamentos da
do sua adoravel providencia que o fizesse. A : Far ?m e m fp1'?- ""V0 prCura hoj,e aba-
forc_a d_as cousas. _que faz sahir'legitimamenle de [% SSSSZSfSS '^ "*
tender o Evangelho, e nao interprela-lo torto,
e a direito, como fazem os prolestanles que nelle '
lem adiado a justlicaco de quanlos sonhos ex- j
com a mesma imperlubavel seguranca.
A esles espiritos em geral bemdisposlosc doceis
' verdade, mas tristemente Iludidos e trabalhan- wmuu a jusiincncao de ( s ex-
do ainda mais tristemente em Iludir os outros, ,r;iv"aSanles lhes lem passado pela cabeca. O tex-
eumpre desengaar cem uma expsito rpida e' t,n' ques'ao n* ondenaa a posse dos bens'
Pela da ques.r.o italiana, encarada en, seu TVX&'SZ^J^^A'S^
v rdadeiro aspeclo. der o que seu o reduzir-se mais estrella po-
Cumpre moslrar-lhes os pontos em que esta '',reza* Se o chefe da egreja nao podo ser sobe-
grave questaoloea aosmais charos interesses ca- Efr^mBP/I!!"r EV'"8d"0.' "onlium r, i pode
,1 i ... ter uma cora e praticar o l'.van"elhu'- nenhum
..eos. e nos principios mais vUacs da jnstica e nobre pode ler um' dominio o Sir oTZ-
do direito publico das nacSes. gelho ; nenhum burguez pode ter uma herdade
i: o que procuramos fazer nostas paginas es- Prali:ar o Evangelho. a incompalibilidade, se
eriplas sem conlencao de partido como sem l ? -f' de?"8? tender aos membros.
. ii.,0,. :, 'rjsrjs as??: araartafan^
a verdade, !ao atrozmente atacada; feliz de nos Braos inferiores, t ahi temos o edificio social,
rermos precedido na arena pelos mais'robustos'' ''lda por fiada dt'rr>cado e posio em ruina pela
athletasda polmica contempornea, como os slLT^niT^^fr am. leXl ,?HfiS?-
Merma 'n.i, A<. i c'lPlurw 6o"' iMelliguntur non ben, diz
bispos dOrlcans d Argel e d'Arras, o arcebispo Sanio Agoslinho. Nao, til incompatibilidad^ nao
W iscman, o ronde de Montalemberl, os padres cx'sl'- Uma s pagina nao ha no Evangelho em
Lacordaire c Passaglia, Villcmoin, do instituto de ; q-" 3e Prohiba Po^oir riquezas, mas sim e
Sido T:\Tn rsublimcs que tcm < &*^^t3Z^sLi
defendido com lao brilhante successo a causa sa- : c ser pobre de espirito segundo o Evangelho, e
grada do pontificado, queao mesmo lempo a '"storia nos raoslra grandes reis que foram ao
causa do christianismoc da civlisacao mesrao tempo grandes sanios, como S. Luiz ero
Tambera nao fizeraos mais quo resumir sob a !!&. S" Ed1ua,do B togl!to??f S". Eslc'" na
V 1Iin'8r'a. o outros muitos, nao fallando dos san-
forma mais accessivel de uma discusso familiar, tos e gloriosos pontfices que tem Ilustrado o
os victoriosos argumentos que resaliera com tan- \ tbrono apostlico.
lo forca dessas grandes e luminosas apologas BenlJ mas dc sua eSreJa disso Divino
P0ssa esse nosso humilde trabalho, que folga- S?KS'&?g*A Toll
n.os dc escudar anda com a mmensa auloridade dominio temporal.
de nosso eximio metropolita, levar alguma luz em Repito que estas completamente engaado
todas as intelligencias, e reunir em torno do thro- sol)rc sentido do texto. Basla retabelece-lo cm
nodo Pai commum, n'um s impulso dc doloro-
sa sympathia, os coraooes dc lodos os seus filhos
d 1 Brasil.
uma instituido ludo o que necessano ao seu
desenvolvimeulo, diz um escriptor, creou as pro-
priedades e dominios da egreja dos quaes co-
ra c remate a soberana temporal; tal o esta-
do normal actual, e a historia nos ensina que
Deus faz, quando preciso, milagros para sus-
lenta-lo. Allega-se a pobreza da egreja primi-
tiva I Mas, por favor, tende enlao a coragem de
ser consequentes. Os apostlos, os primeiros
christaos.nao foram s pobres, tiveram tambem a
gloria de ser perseguidos c de acabar nos maio-
res supplicios para atteslar a fe de Jess Christo
bera mister por isso rcaccender a perseguico e
fazer correr de novo o sangue do martyrio? Pe-
dro, Thiago, Andr e outros que escolheu Jess
Chrislo, para columnas e fundamentos de sua
egreja eram homens ignorantes, bocaes, pobres
pescadores que s sabiam remendar suas redes :
ser islo razao para escolher hoje os bispos, os
que devem oceupar os piimeiros cargos da egre-
ja entre os homens mais grosseiros e da nfima ,
rale? Naquelle lempo nao haviam magnificas ba- R....!r.C.larac^e.!en,p.enl,ado.na conservado das
tico ponto de vista. Mas que queres ? O inun-
do ceg e o homem animal nao percebe as cou-
sas que sao do espirito de Deus. Repitamos o
argumento : O Papa o represntame de Je-
ss Christo Rei, de Jess Christo Propheta, de
Jess Chrislo Pontfice eterno segundo a ordem
de Melchisedech ; pois justo, conveniente, ne-
cessario que as grandezas do mundo venham
grupar-se em torno de seu throno em honra
desta trplice dignidade. Mas o Papa lambem
representante de Jess Christo humilhado e ern-
cilicado I Quem o nega ? Ah I ficai tranquil-
los, e calmai vossos escrpulos. A cruz nunca
faltou aos successores de Pedro, morto cm uma
cruz como seu meslre. Debaixo da brilhante co-
ra da realeza se occulla a cora d'espiuhos do
sacerdocio, e atravez o prestigio da gloria e do
poder ainda podis coetemplar, grabas Dous !
os estigmas da mortificaco e do martyrio. Es-
la verdade podis l-la" escripia sobre afronte
de Pi IX ; e certo, a occasio fra mal esco-
llada para contesta-la.
Eu nao porei duvida em conceder que o
Papa deve appareccr diante dos homens com o
decoro conveniente alia dignidade, de que se
acha revestido : mas me parece que o exerclcio
da soberana propriamenle dita incompalivel
com o seu carcter de Pontfice.
Vejo com prazer, meu charo, que vamos a-
vancando. J nao rola a questo sobre a posse
dos bens temporaes era geral, nem mesmo sobre
esse esplendor maior do honras e do grandezas.
Mas ser islo 1"e dev ciicundar o summo Pontfice. Tu
razao para destrui-lo ? Grande Deus Acabemos comprehendes que nao muilo exigir para o che-
enlo com o Evangelho, pois nada ha do que te-''" da religiao calholica o que lodos os povos, era
nham os homens mais abussdo. Desde quando todos os seculos, concederim aos chefes de suas
se deve coodemnar um bem porque os homens so falsas religioes ; tu comprehendes que, o repre-
lera servido mal d'elk ? o argumento applicado sentante de Deus no mundo, aquelle quem
I a propriedade em geral nos levara direito ao peitenco a dignidade principal do sacerdocio a-
systema de Proudhom Houve abusos I Sao elles, poslolico (22) ; o summo sacerdote, (23), o prin-
I porm lao grandes e numerosos comoquercm in-
culcar ? Houve tanto Papa malvado e vicioso
pode e deve ser propietaria ; neohura f,onl0 dao ala entender os inimigos da egreja ?
calnolico pretendeu nunca que os Estados Roma-' u"ISS0Di protestante ardentsimo, que em sua
nos, ul sic, fossem de iuslituicao divina ; nenhum ..""tituladaQuadro fiel dos Papaslece dos
catholico pretendeu nunca que o dogma esl
. rej
tom que entao sustentas que o patrimonio
de S. Pedro, que a revolucao quer hoje deslocar
j.-_ :'.ei ?lril!r .'"te'raniente, repousa sobre o
posse das Romagnes ser um
direito divino! A
artigo de f!
. Ninguem diz islo, e preciso muila simpli-
cida-de ou muilo m f para queso nos attribuam
laeSsiislates. Uma cousa dizer que a egreja
rocebou de Jess Christo o poder de possuir bens
era geral; oulra cousa dizer que ella recebeu
de Jess Chrislo a posse de taes e taes bens era
particular; esta simples deslineco bast para
desmoronar lodo esse forraidavel 'cavallo de ba-
talha do direito divino, com que tanto barulho
lazcm nossos adversarios. Todos os calholieos
sem discrepancia, sustentan! quo a egreja, jur
divino, "*<" --- '*
entre as naroes mais longinquas, que s elle sal-
vou talvez a Europa de urna inteira barbaria,
que elle foi um tribunal supremo levantado no
meio da anarchia universal e cu jos arestos fo-
ram talvez lo respeitaveie quao respeilados ;
que elle prevena e conleve o despotismo dos im-
peradores, substituto a falla de equilibrio e di-
minuto os inconvenientes do rejimen feudal.
Estas ultimas phrases sao de um celebre protes-
tante do ultimo secuto, (l) O propno Voltaire
coHfessou que a Europa deve santa s sua
civlisacao, uma parte de suas melhores leis e
quasi todas as suas sciencias e suas artes. As-
sim, primeiramente os abusos foram bem dispen-
sados. Em segundo lugar: houve abusos ; con
cedemos ; os Papas nao sao impecoveis. Mas,
apezar de todas es perturbaedes e de todos os es-
cndalos.... ( anda Voltaire que falla) senfia-
seque a egreja romana, QUANDO ERA LIVRE
e bem governada, era feita para dar Urdes s
oulras. [U) e modo que. segundo o proprio
Voltaire, se os Papas nao foram lao uons como
deviam ser, foi quando a egreja romana nao era
hvre e os principes faziam Papas seu talante.
fc. o que nos queremos hoje evitar, pleiteando
pela independencia poltica da santa s. Os Pa-
pas abusaram do poder temporal I
lomagnes.
Est entendido?
Eu estou
que
convencidissimo
(1) Vid. Analecla juris pontificii disserlations
sur diverssujets de dtoit canoniqae, lithurgie el
I theologie 35 hvraisonnovembre et decembre 1859,
Deseinndn Inmir \\a c. i 0n,,C Veln a llSl" dos 1>al'as e los concilios, qu
Dcsejnndo tomar pleno conhecimcnto da em diversas pocas fulminaran, essa doulrina tao
gr>nae queslao aguada nesle momento na Euro- absurda quanlo perniciosa
' HIMIlll .....||____________________________
constituir um dos melhores arsenaes do mundo.
No dia seguinte ao da chegada, o almirante
inspector do arsenal recebeu ordem para fran-
quear o estabelecimenlo oflicialidade Urasileira,
talvez por pedido do nosso ministro em Lon-
dres.
Nossos olficaes nao perderam mais esta occa-
silicas forradas de marmore e scinlillantes d'ou-
ro : se ha por islo de arrasa-las todas e reduzir- I Peritamente.
nos de novo s catacumbas? No principio nao : que as grandezas que comecaram affluir cm
minamos escolas, nao Imitamos seminarios, uni- Roma desde o IV seculo sao de origem humana
versioados, nao gozavamos de nenhuma regalia ; e bem humana. Quem nao sabe que ellas tem o
civrt, nem sequr l.nhamos o foro de cidado ; a. seu principio nas int'igas e na ambco dos
truz que nos adoravamos nao se tinlia ainda ele- i Papas ?
I* r*sa no cumce, du capitolio e sobre a Que fallas ah de intrigas e ambico? A
u. Ccsaref-.- E Preciso, pois, destruir! ougem do poder temporal dos Papas a um lem-
lodas as nossas glorias, abandonar lodas as nos-! po a mais pura, a mais antga, a mais legtima a
sas conquistas, renunciar todas as grandes cou-1 mais natural, digamos melhor, a mais provide-
s, que temos feio atravs dos seculos, para de- cial que se cenhece
rftSLT k-V "3-'enle "t ymildaJe de n0Sas i I)esde a Poca em que os imperadores transfe-
ongens I Nao, nao ; a obra" do Deus devia ter nram a cdfte do imperio para Rvsancio. fieou
seu desenvolvimenlo. sua-expanso. e tomar o Roma debaixo da nica guarda dos Pontfices os
ugar de honra que Ihe compele sobre a face des- quaes pela necessiJade das circumst.ocias, ti've-
ri. Si i Seu. "gar esta tomarlo, tende pacien- : ram de ajargar o circulo dc sua a-cao o adquir-
ll\,L m"?,- "o principio do segundo ram grande preponderancia politic'a na It.liae
seculo dizia Tertuliano: Nos somos de hon- 1 ~ nhum ,bra "l'tuladaVuadro fiel dos Papas-lece
lives- ,ol""!cfs romanos a chronica mais inexacta e
escandalosa que nunca se vio, nao pode, por mais
tratos que dsse sua erudico, aecusar nomi-
nalmenie seno 28 Papas,'e isto bebendo era
lem.
otquot emm possessores agror 11 m aut
1 erant,vendenles afferebanlprelia eorum
e j oceupamos ludo, vossos campos e vos- }Jor,,
sas cidades, vossos exereilos e vossos conselhos ,,, ZZlj ,
o palacio, o sanado, o foro : s vos deixamos vos- VI t e'rneVH,-anle pedcs aP0Sll-
[ Tiln. Ai i cop. iv, v. o Aa
rvoregi-| (fi) fbid. cap-VI, 1.
i.,'') tVj^pa S. Urbano j no principio do seculo
11III publica va um regulamento para a boa admi-
FOLIIETLYI
ORIGINAL DO DIARIO DE PERNAMBUCO-
sos templosFazei anles entrar "a
(2) Tract. 115 in Joan.
(3) Clavis ProphelarumOpu9'phoslhamum !
adamussim respondens non solum lypo Romaj! nistracao dos bens da egreja por cHis palavras
ransmisso ele. (manuscrplo latino) lib. I. cap.\/pta res fidelium quee Domino offerunlur non
m 1 1.' h 1 i, \debent tnaliosusus, quamecelesiasticos, el'chris
r com fruclo esle tianorum fralium, vel indigentium convert:
quia vota sunt fidelium et prelia peccalorum a'c
patrimoniopauperum. (I.ect. Brev. Rom.)
respeito o bello Essai thorique de Droit na-'
lurel do P. D'Azegliov. 111 liv. VII cap. 1.
ummi i/tifiL
XXXVI
S mmario. Viageu da corveta D. Isabel aos nor-
tos da Europa.
Pelo paquete rdicez Ouienne, recebemos uma
earla do disnclo offical da curdela D. Isabel,
que j nos deu as noticias que publicamos na
nossa vigsima Resenha,sobre o itinerario da
mesma crvela nos portos da Europa, na qual
contina a descripcao encelada enlao.
Ali linbamos dito que, no dia 18 de mareo, ella
se fa/ia de vela de New-York para as ilhas*.
Essa viagem foi cxcellente, e com 15 dias esla-
va riela do Fayal, onde nao deu fundo senao
dous di3s depois. Um principio de mo lempo
a fez abandonar o ancoradouro da ilha. deixando
um ferro, e lomar o largo : qualro dias depois
velln ali para o receber, o seguio para a Tercei-
ra. O nosso consol no Fayal, alem do inleresse
que mostrou por ludo quanlo se refera ao navio,
al prestando suas lanchas e marinheiros para
suspender ancora perdida, obsequiou a officia-
lidade o mais possivel.
Os continuados venios dos quadranles do sul,
que fazem o ancoradouro da Terceira pprigoso,
nao Ihe permittio ali fundear seno despois de
dez dias de enfadonha travessia entre as ilhss. A
demora no antorado-iro dessa ilha foi de 3 dias,
e cm S. Miguel de ostros tantos, lendo sido a fla-
gean entre ellas de 2.
Em nenhuma das referidas ilhas pode o com-
mandanle rontralar marinheiros, como Ihe fra
recommendado, nao s pela averso que geral-
menle ne las ha para o trrico da marinha de
guerra, como principalmente pelos obstculos
que o governo portuguez tem posto saludado
homens proprios para o servico
Nada vio o nosso collega de notare! nesses lu-
gares.
No dia 2 d junho s ispende a crvela da ilha
do S. Miguel, e no da 14 fundeon no porto de
Plymoutn.
Mi 3 nalareza e a arle se combieram paca
siao de ver e admirar. Visitaren!, pois, o dito
arsenal, em companhia de um lente de mari-
nha, que lhes oceultou ludo o que dizia respeito
arlilharia e armameulo, apezar de manifesta-
rem elles muilo desojo dc rdreslea ohjeclos, co-
mo era natural. Com ludo ficaram satisfeitos o
que obtiveram, porque os Iuglezes nao sao mui-
lo francos cm mostrar seus arsenaes aos eslrau-
geiros.
Reinava entao nelle a raaar activdade : naos
de vela se iransformavam em vapores ; cons-
truiam-se novas pelo systema mixto, e mullos
outros navios de menores dimenses ; mas todas
movidos vapor. Torna-se nolavel o silencio e
nennuma papellada quo se ve ali, para quem
conhece o liarulho e papellada des nossos cha-
mados^ arsenal de marinha.
A nao Cambdrige, que por velha ja nao navega,
serve do escola dc arlilharia, c nella se fazem
continuados exercicios. Foi tambem visitada por
nossos olficaes ; nao s para assislir clles, co-
mo para ver as pecas Armsirongs nella existen-
tes. Os exercicios sao feiloscoma maior pres-
teza e brutalidade, pelo quo quasi lodos os dias
rao homens pisados para o hospital. Em dous
minutes virara elles desmontar pegas de calibre
08 e torna-las monlar nas carretas do lado op-
poslo. r
Um dos oficiaes instruclores lhes mostrou e
expleou a peca Armslrong, esla terrivel arma,
recentemente invernada, e a maneira de a carre-
gar pela culalra.
de lastimar que nem ao menos lenharaos an-
da o modelo desia arlilharia, cuja vantagem so-
bre as outrf* incontestavl I
A cidade de Plymouth, sendo mais porto de
guerra do que de commercio, poucos ohjeclos de
curiosidade offerece ao cslrangeiro, nao ser os
seus arsenaes. Trata-se de fortificar mais o j
famoso porto, fazer.do se uma balera sobre o
quebra-mar.
Os limites de uma carta nao comportan) a ex-
tenso de uma descripcao, alm disto j perfecta-
mente feila pelo Ilustrado commandante da fra-
gata Consliluico, cm 1847, o actual Sr. chefe
de esquadra Joaqun) Jos Ignacio, que lastima-
mos que lenha ficado sepultada na secretaria de
estado, sem ler sido publicada com o importante
trabalho apresentado pelo mesmo chefe, que se
destingue pela vasldo de conhecimenlos que
revella em seu autor, e por haver nelle muila
cousa approveilavel para nos.
Em Plymouth anda admraram os nossos jovens
oflieiaes a b.lla ponte construida sobre o ro Tha-
mar. que uma das melhores do mundo.
Anciosos esperavam partir cVal para Porls-
moulh, d'onde prclendiam visitar a oppulenla
Londres cujas maravilhas j lhes fallava na ima-
ginaeao, vista da grandeza do prtico anle o
qual linham pasmado, quando um despacho te-
legraphco de nosso ministro na Inglaterra, cha-
mando o commandanlo para objeclo desrtico,
os fez conhecer logo que seriara desviados do c'a-
senspatricios. Ilavia Ires annos que sua alloza
linha lido egual vis.la do digno commandante o
oficiaes daVurveta nacional Imperial Marinhei-
ro, que guardara as mais preciosas recordaees
doacolhimenlo e afiabilidade desles principes.
Posilippo um palacete de vero, rollocado
em um bello silio perto do mar, o distante da ci-
dade nieia legua. Possue uma linda quinta, e era
a residencia de predilecco da senhora D. Ja-
nuaria.
Todos conhecem_ os fados que hoje se passam
em aples : ali nao ha quem nao conspire con-
tra o infeliz rei Francisco II, e o proprio gover-
no que o cerca, prepara o terreno para a sua qu-
cipe dos bispos (21), o herdeiro dos apostlos
(25), Abel uo primado (26), Abraliam no palriar-
chado (27), Melchisedech na ordem (S8), Aarao
na dignidade (2'J), Moysez na auloridade (30),
Samuel na judicatura (31), Pedro no poder (32),
Chrislo na uneco (33), o pastor de todos os pas-
tores (34), o Pontfice chamado plenilude do po-
der (35) ; lu comprehendes, digo, que o homem
que rene todas eslas sublimes excellencias e
s por demais suspeitas', ainda assim d'estes l prerogativas, deve ter no mundo umaposieo me-
sconiar os sele ltimos sobre os quaes 'J08 precaria que a de um simples coadjiictor de
se deve de
derramou Davisson sua bilis s por terem"sido
avessos ao protestantismo. Restam. pois, 292
l apas, de quem nada leve elle que dizer. (12)
Nao creio que esse outro protestante que, inda
ha pouto, escandalisava o Brasil com suas furi-
bundas dialribes, fosse mais fecundo que seu
meslre Davisson. Mas que abominavcl proceder !
\ao-sc escavar nas historias do 19 seculos al-
gumas culpas imputadas um ou oulro Papa, as
mais das vezes por autores hereges ou schismat-
cos ou desprovidos de criterio, e fez-se dellas um
quadro, deixando-se completamente uas sombras
as grandes virtudes, os sublimes talentos, a co-
ragem heroica que lem destinguido a quasi tota-
lidade dos successores de S Pedro Palla-te de
alguns Papas mos, o nem uma palavra, nem
uma s palavra da grande serie de hroes e san
tos que lem illusirado a cadeira apostlica E'
(9) La pomme de discorde, ou le Pape-roi, par
Mr. Dourgeois. Vid. Baronius, Pagi, Conle,
Thomassino, Muratori, Oisi, ele.
(10) M. AncillonTableau des revololul. du
sysleme politique de l'Europe, tom. i." Inlrod.
pag. 133 e 157.
(11) Volt. Essai sur les mu-urs etc., tom. 2."
en. XLV-
(12) Vid Bergier, dice.
Mgr Cousset, arl. Pape.
de theol. anno(4 par
Com effeto, nao se engaaran).
A viagem para aples, e o motivo della foi
logo conhecida chegada do commandante.
Tres dias depois cslavam em viagem, com uma
nova esperance no coraco, a de serem uleis
nossa querida princeza D. Januaria e sua fami-
lia.
E assim a existencia do homem do mar !
Al o estreito de Gbrallar gastaram oito dias,
sempre com vento fa,voravcl ; mas no Mediterr-
neo nao foram lo felizes ; porque :alguns venios
de lesle e calmas retiveram a crvela mais 14
dns no mar. A 22de julho, s 3 horas da ma-
drugada, largara ella o ferro no bello ancoradou-
ro de aples.
Esta cidade encantadora, que tem inspirado
tantos poetas, celebrada por todos 03 viajantes,
que ao divisa-la nao poderam re.ter um grito ds
admiraco, eslava realmente debaixo das risita
de nossos camaradas quo ficaram enleiados com
scenasde tanta grandeza I ()
Quanto lhes invejamos a felicidade que ali ti-
veram I
Ao meio dia seguinte foram elles apresentados
pelo nosso encarregado de negocios sua alieza
o Sr. conde d'Aquila, que os recebeu cora dis-
linccao.
A senhora princeza D. Januaria achava-se no
palacio de Posilippo, onde clles foram tarde
beijar-lhe a mao. Escusado dizer-so que a
princeza brasileira os recebeu com os maiores
signaes de contentamento, pois gosta muilo dos
qne
Sr. conde d'Aquila, c os acontecimentos futwo
talvez justifiquen! est nossa opiniao.
No dia 13 do mez findo, s 9 horas da noite,
recebeu o commandante da crvela una carta do
No da 20 noite desembarcaran) os viajantes
e parlirain para Pars, d'onde seguiam para Lon-
dres. Nessa occasio bordo se lhes fez todas as
honras que lhes eram devidas. A princeza sahio
chorando, o o principe quasi nao podia Tallar, da
emocao que senlia I Elles allirraaram aos olTi-
freguezia. Cui honor, honor,'cui vectgal, vec-
Haal. (Conlinuar*se-ha.)
(13) Ephes. IV. U.
(14) Dict. de Theol. 10c. cit.
(15j Synb. dos Apost.
(16) Psal. 8 e 109.
(17) Psal. 46.
(18) Apoc. XVII, 14.
(19 Luc. I, 33.
(20) Psal. 112.
(21) Ibid.
(22) Prosp. de vocatio gent. 1
(23) Valenlinisnus et cum illo
tas.
(24) Conc. Calcedon. in cpisL ad Theodosium
Imperal.
25) S. Bernard. de Consid.
26) Ibid.
S. Ambros. in I. ad Thim.
Conc. Calcedon. epist. ad Leonera.
S. Cypr. I. I epil. 3.
S. Bernard epist 100.
Ibid. et in lib. do Consid.
Ibid.
Ibid.
Ibid.
Ibid.
2 cap. 6.
tola anliqui-
2,
28
29
30
31
32
33
34
15
nnha americana Maury, c de traca rom arcos de
circulo mximo entre dous ponlos.'no menos ti-
nha prendido a aticnco delles.
Nas noiles em que o co est descoberto, nes-
las bellas noites de aples, que s encontrara
rvaes na nossa afortunada regio, se oceupa-
caes da Isabel que. iam muilo penhorados da ram om conhecer as estrellas, e alguns tanto teera
maneira porque foram tratulos bordo. | aproveitado esto til exercicio, queja destinguem
Como o navio icasse disposiciio do prncipe, t'das as de primera grandeza c muitas dase-
este disse ao commandante qun Ihe escreveria de gunda. O excellente planispherico de Flamsleed,
Londres avisando-lhe so precisara ou nao delle, os tem auxiliado muito.
vislo a Europa estar ameacada do uma guerra i Ul" ou,ro genero de trabalho que se deviam
geral, e ter elle enlao de pulir para o Brasil.
O nosso ministro em Paria fez partir no Guien-'
ne um seu llho, que addido legaco impe-
rial, o qual troute despachos para o governo bra-
sileiro, que film fa;am parlir para a Eurppa o
vapor de guerra Ama:onas, para licar s ordens
dc suas altezas.
Eslimamos muilo que a nossa marinha tivesse
mais esta occasio de provara sua uiilidada|a
necessidade de que a nossa bandeira
(*) Recoramendamos a leitura do iiitcrcssanle
folheto, que tcm por titulo Viagem da crvela
Imperial Marinheiro, redigida pelo Io lente da
armada Sabino Eloy Pessoa, porque nello se en-
contrar umo bellissima dcscripeo dessa cidade.
a
bagagem : immediatamente parlram elles com O commandante o oficiaes da D isa be l sen-
agente armada para Posilippo, lim de receber lindo a iufelicidade quo pesara por sobr uma
osillusircs exilalos. A uma hora da madrugada das nossas princezas. de que o Brasil conserva a
bordo a nossa princeza com seusfi- I maior saudade pela sua lon^a
I h os,
gem
ausencia, cslavam
dedicar, ao levantamento dc plantas dos par-
tos. Em New-York foi_absolulamenle impossivel
emprehender esie servico por causa do Irio ex-
traordinario. Nas libas'o mo lempo ca pouca
demora o obstaran) tambera. Era Plymouth 05
arsenaes, o navio escola d'artilharia, os seus por-
tas c forlificacoes absorveram ledos os instantes,
qne ainda foram poucos, para admirar tantos pro-
digios da civlisacao da altiva Albion. Para um
offical o> marinha ah ha um livro de muila ins-
trueco, em que os lypos fallam lauto imagina-
Co, como aos olhos.
Em aples que paderam fazer alguma cou-
sa. Com permisso do Sr. conde d'Aquila, quo
era enlao o commandanlo geral da marinha, o
que mostrou muito inleresse pela instrueco dos
guardas-marinhas, levantaram clles a planta do
cabo Posilippo com o porlo do Principe, o um ti-
algumas pessoas de sua comitiva e baga-jao mesmo t-mpo orgulhosrTs por terem'conduzi-! rou a vis'a do palacete c de parte da 'quinta.
do at ella uma parle do territorio nacional, e
u principe embarcou para a sua escuna, d on-; que sua alteza pisou logo no momento do otor-
gada causa nacional.
Os guardas-marinhas que estudam o quarlo
anno bordo da crvela, sob a direccao do iu-
,cansavel Sr. primeiro lente Caio Pinheiro, l-
vJrZ J } <'" traPs''?rl ou ielad0 Pclo n''m 1* fe'to mullos progressos. Durante a via-
nl/1 Tl!Md principe, foi por gem elles exercitaram-se em lodos os clculos
elle oceupad em rebocar a crvela at Marseille,! usados na navegacao
De manhaa fundeon a escuna porlo da corve-
ta, e s larde passou-se o principo para ella
com o reslo dos objectos que linha bordo.
viagem feila por isto em 60 horas.
O commandante, o destnelo Sr. cnpilao l-
enle Benlo Jos de Carvalho, linha mandado fa-
zer 11a ante-camara dous bous camarina, que,
com os dous da cmara offereceram um commo-
00 regular para os principes. A cmara foi orna-
da com toda a decencia para hospedar lo gran-
des personagens.
Tambem o commandante vio seus esforcosco-
roados de resultado ; porque suas altezas mos-
traram-se mui satisfeitas de ludo. Elle e o in-
mediato foram sempre convidados jantar com
suas altezas. '
. e em outros assumptos es-
pecificados nas instrucees.
A nao ser algura desanimo que se notara ncl-
les para persistir na brilhante carreira que abra-
ca ram, que os dignos commandanles c instructor
corabaliam, tudo ia muilo bem, deixando con-
celler bem fundadas esperances de que elles se-
ro mui ut-'is sua patria.
Alm dos clculos se applieavara continuadas
leiluras da historia da navegacao e das guerras
martimas; ao estado dos meteoros, que geral-
mente se encontrara no mar, e modo de os des-
linguir. O methodo deseservirem das cartas de
ventos e correnles do sabio commandante da ma-
ofiereceu ao Sr. conde d'Aquila uma cnia.
O primeiro lenle Americo Brasilio Silvado,
que est embarrado na nao franceza Alexandre,
pertencente esquadra' de evoluces, foi visitar
seus collegas e camaradas em Marseille.
Elle eslava mui satisfeito pela maneira destne-
la com que tem sido tratado pelos oficiaes daquel-
la Ilustrada marinha t
Na uliima Resenha escaparan) alguns erros,
que julgamos conveniente eorrigir, bem quo al
agora lenhamos deixado este trabalho ao leilor.
Na segunda columna, linha 38, laseos ma-
chinislas de nossa esquadra, c aos oficiaes das
marinhas estrangeiras.
Na lerceira columna, linha 23, la-sede nos-
so corpo de engenheiros e os vencimenlos de em-
barques, etc.
Na mesma columna, linha 66, em lugar de
nosso, la-senono.
Na quinta columna, linha 16, em vez desem-
pre seu bordo, la-sesempre seu lado.
Finalmente, na sexta columna, linha 29. em
lugar de acham no vaso de guerra, la-se
chama vaso de guerra. E. A.
PERN.TYP. DE M. F. DE FARIA 1860.-
j
m^m
m*
. *
'""V*
.
- I..
'

-" -
ILEGVEL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2HLB4VEU_6Y35T0 INGEST_TIME 2013-04-26T21:07:50Z PACKAGE AA00011611_08239
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES