Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08217


This item is only available as the following downloads:


Full Text
lili XIITI. NUMERO
Por tres mezes ailinntados o$000.
Por-tres mezes vencidos 6$00(J.
SEGUIDA FEIRi 3 DE SETEHBRO DE 1861
Por aneo adiantado 19$000
Porte franco para o subscritor.
ENCA.RREGA.DOS DA. SUBSCRIPgAO' DO NORTE
Parahiba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Araeaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cera, o Sr. J. Jos de Oli-
veira; Maranho, o Sr. Manoel Jos Marlins Ribei
ro Guiraares; Piauhy, o Sr. Joo Fernandes de
Muraos Junior; Para, o Sr. Justino J. Ramos
Amazonas, o Sr. Jeronymo da Cosa.
l'AKlllJA UOa lUlliiblua.
Olinda todos os dias as 9 1/2 horas do dia.
Iguarass, Goiaana e Parahiba as segundas
e sextas feiras.
S. Anto, Bezcrros,Bonito, Caruar, Altinhoe
Garanhuns as tercas feiras.
Pao d'Alho, Nazarelh, Limoeiro, Brejo, Pes-
qneira.lngazeira, Flores, Villa Bella, Boa-Vista,
Oricury e Ex as quartas-eiras.
Cabo, Serinhem, Rio Formoso.Una. Barreiros.
Agua Prela, Piraenleiras e Natal quintas feiras.
(Todos os correios parlero as 10 horas da manhaa.
EPHEMERIDES DO MEZ DE SETEMBRO.
8 Quarto minguante as 8 horas e 47 minutos
da manhaa.
15 La nova as3horase49 minutos da manhaa'
21 Ouarto crescente as 9 horas e 5 minutos da
tarde.
29 Luacheia as 11 eras e 20 minutos da.larde.
PREAMAR DE HOJE.
Primeiro as 6 horas e 54 minutos da manhaa.
Segundo as 7 horas e 18 minutos da tarde
AUUNECIAS DOS TRIBNAESDA CAPITAL.
Tribinal docomraercio : segundas e quintas.
Rela Fazcida: tercas, quintas e sabbados as 10 horas-
Juizodo commercio : quartas *& meio dia.
Dito le orphaos: tercas e sextas as 10 horas.
Primara vara do civil: tercas o sextas ao meio dia
Segurda vara do civel; quartas e sabbados a um
hora da lard*.
PARTE OFFICIAL.
ministerio do Imperio.
Rio de Janeiro.Ministerio dos negocios do
imperio, 18 de agosto de 1860.
Illm. e Exm. Sr.Tenho presente o oflicio de
Oito ao coiomandaiiie tas armas.Sirva-se V.
Exc. de espedir as suas orden; para que no dia 2
ile tetemhro prximo vindouro se aprsenle
em frente da igreja da Penha s 10 horas da ma-
nhaa, urna guarda afim de assislir a festa de
Nossa Senhora da Peuha, que ter lugar naquel-
le dia.
Ditoao mesmo.l'aeo apresentar a V. S. para
V. Exc. n. 698 de 9 do corrente mez, submetten- j ser inspeccionado, o re'crula Antonio Pedro Cici-
liano, e assentar-lho logo praca, so for consi
dorado apto para isso.Commu'nicou-se ao com-
mandante superior do Recife.
Dito ao ine^o.Communico a V. S. para sua
inteligencia, que segundo consta ; aviso expe-
do approvacao do governo imperial a seguate
rcsposla que deu consulta quo Ihe dirigi o
jui/. de paz da parochia de Iguarass. (.loe len-
do sido annulada pela cmara dos depulados a
eleico do i eleitores. da dita parochia, o senao
lies eleitores nullos, considerados como se nao dido pelo ministerio da guerra"de 18 e 23 do cor-
existissem, enlraro no numero diquclles que, rente, foram approvadas as licencis concedidas
nao podiam ser subsliludos para a formaro das por esta presidencia ao 1. lenle do 4." bata-
juntas de quaiiliceco e das mesas das assem- ||,0 de artilheria a p, Francisco Vilella de Cas-
bl-jas parochiaes, o que por tanto uo devia o
referido juiz convocar suplientes para preencher
a falla dos mesmos eleitores.
Km resposia, declaro-lhe que o governo impe-
rial approva a deciso de V. Exc, por oslar de
accordo com o que dispe o art. 5 da lei de 19 de
agosto de 1816, e o aviso n. 362 de 31 de outu-
bro de 1856, c varios outrosexpedidos para iutel-
ligencia do citado artigo
Oque communico a V. Exc para seu conhect- se Termo c
memo, e para o fazer conslar ao mencionado las, urna
juiz
Dos guarde a V. Exc.Joo de Almeida Pe-
reira Filho.
Sr. presidente da provincia de Pernambuco.
de caradores da provincia da Parahiba os objee-
tos constantes da nota junta por copia.
Dito ao mosmo. Na conformidade do aviso
expedido pelo ministerio da guerra em 18 do
corrente, mande Vine, torneen ho meio batalho
de caradores da provincia do Ceari as espadas
e mais objectos constantes da nota junla por
copia.
Dito ao mesmo. Mande Vmc. fornecer ao ad-
ministrador da casa de detengo quinze camas
de ferro com colxoes e travesseiros para a en-
fermara daquelle eslabelecimento. Communi-
con-se aochefe de polica.
Dilo ao presidente da enmara municipal de
Barreiros. Em soluco as consultas, ano faz
Vine, em seu officio de 27 do correte, lrUio i
dizer-lhe : Quanto a Ia que j fui ella respon-
dida no oflicio que diriji em 23 do corrent
tro Tarares, e ao alteres do 9. de lofantana Ma- cmara municipal de Barreiros, declarando-lhe
noel de Fana Lomos, para Iralarem de suas que a eleico de joes de paz c vereadoresdo
saudes.
Dilo ao baro do Guararapes director geral dos
indios.Scientificando a V. S. de que nesta data
approvei a plantado terreno para a nova povoa-
c.io da Escada, que me fui enviada com o seu of-
licio de 12 deste mez, recommendo-lhe que man-
de proceder pelo engenlieiro em commissao nes- os guardas nacionaes somente por esto facto.
eme remolla logo que estej.im promp- Dilo ao major Panlaleao do Siquoira Caval-
DIAS DA SEMANA.
3 Segunda. S. Eufemia v. m.; S. Arisle b. m.
4 Terca. S. Rosa de Y'rterbo v. f. ; 8. Rosalina.
5 Quarta. S-. Antonino m.; S\ Berlino ab
6 Quinta. S. Libania v. m. ; S. Prezideu m.
7 Sexta. S. Joo ro. ; S. Regina v. m
8 Sabbado. ti Natividade de Nossa Senhora.
9 Domingo. O Santissimo Nome de Mari.
rolante todos os projectos que recomrueiida o
Acto Addicional e desenvolvendo o energa, cora-
gem edeoodo propriosoo guerreire.
Senao proceden ella com lodo o vigor na reso-
lucao ce alguns actos, repellindo todas as- prelen-
ENCAR-REGADOS DA SUBSCRIPQO NO SUL.
Alagoas, o 9r. Claudino Palcao Dia; Baha,
Sr. Jos Martina Alves; Rio de Janeiro, o Sr.
Joo Pereira Hartins.
EM PERNAMBCCO.
O proprietario do diario Manoel Figufiroa *s
Faria.nasua livraria praca da Independeacia na.
6 e 8.
causa disl.i a Ipparieao do ultimo cometa, visto
como foi somonte depois desse que se lem aggra-
vado e vulgarisado lodos os ineommodos deque
estou fallando.
Livrc-nos Dos dos cometas. Assim nos livras-
!" me,"s- em geral cora bom espirito de bem-1 indignidades o picardas que sao coi
tazer eaesejode estabelecer economas que roi- I eleiges. quaesqiier que ellas seiara
norasstm a s.tuacao monetaria do tfeesouro pro-urna eleigao um cmela, e um con
vincialsera meios, anda hoje, de solver os en- traz males e epediraias, permita qut
juizes
seu municipio devia ser Coila pela qualificaco
do anuo passado. visto nao oslar anda concluida
a deste armo. Quinto a 2a que os cidados vo-
lantes sao nicamente aquelles que se achira
mencionados no respectivo livro da qualificac.io,
e quo por conseguinte nao se consideran! Mes
na planta do armamento das casas da canti Judior, juiz de paz do 2o anuo da freguezia
poyoacao, c oulra do cemitorio publico, de Cimbres.Comraunicando-me o iuiz rauni-
ver licir intermedio e cqutdistanto da eipal supplenle em exercicio desse termo que o
Ministerio da Fazenda.
EXrt.DIENTF. DO IA 11 DE JIMIO DE 1860.
Circular as Ihesouraiias, declarando, para o fa-' ciento o numero, que j all exista ; assim
tnesma
que de
mesma povoaco e da villa da Escada.
Dilo ao inspector da thesouraria de fazenda.
Participando-nie o coronel commandanlo das ar-
mas em oflicio de 30 do corrente, sob ti. 953, ha-
ver nomeado mais um enfermeiro, e dous sr-
venles para o hospital militar, visto ser insulli-1 der a u
zerem conslar s reparlicocs compelenles, que os
juros dos emprestimos d'os dinheiros de orphaos
podera ser levantados do cofre, a requisicao dos
respectivos juizes, integralmente ou em quaolias
inferiores respectiva importancia, constando
que, nos termos da ordem n. 120 de 5 de dezern-
conimunico a V. S. para seu conhecimento.
Dilo ao mesmo.Estando nos termos legacs as
folhas, rolarnos e prets juntos, mande V. S. pa-
gar ao coronel Joo Jos de Gouveia os venc-
menlos relativos aos mezes de roaio e julho des-
te anuo, do destacamento de guardas nacionaes
bro de 18l, lenlia lugar o levanlamcnto depois "1 "illa de Iguarass, conforme requisitou o res-
de venciJos os juros de um anno. pcclivo coiuinandaule superior interino era offi-
A'thesouraria de Pernambuco, indeferindo, ci dn 5 de juuho prximo lindo e 6 de agosto
por achir-so prcscripio, o requetimonio de !!
Amia Maria de Jess, pedio Jo o meio sold com-
pelo de, seu liiudo marido o capilo Jos Joro-
nymo rerreira.
- 12
Circular s thesoararis, declarando, afim de o
fazerem constar a quem competir, que aos ins-
pectores das alfandegas, colleclores e adminis-
tradores de recebedonas e de mesas do rondas,
nos lugares Cora da residencia do juizo, quamlo
exercerem uneces de procuradores dos feios da
fa/enda uas causas contenciosas propriamente
ditas, e nao Degellas de que trata o art. 1. das
corrente.Co:nmuiiicou-se aochefe de polica.
Dita ao mesmo.Antoriso a V. S. em vista de
sua informaro de honleo, sob n. 918, a mandar
pagar a Jos Ribeiro Giiimarcs, conforme requi-
sitou chele de polica em olficio de 11 do cor-
rente, sob n. 1,109, quantla de 3-120 despen-
diJa pelo delegado do termo do Bonilo com os
desertores do 10." balathao de infontaria, Jo
Antonio da Silva Vieira e Manoel Antonio dos
Santos, como se v da conta junta em duplcala.
Coramunici-'u-se aochefe de polica.
Dito ao mosmo.Communico a V. S. para seu
intrueces n.l 13 d 28 de abril d* 1851, sao ex- conhecimento c direrro que o commandante das
armas"*parrrnpou-me em officip de^29 do cpn-en-
te, sob n. 9 t, que no da 25 foram vendidos em
iKisla publica pela quantia de 239,->0l)0 os dez ca-
vallos constantes da relacfto junta por copia, os
. qtiaes se achavain incapa/.es do servido da com-
virlude das qdaes os procuradores e solicitadores panhia lxa de cavallaria da guarnico'desia pro-
da fazende. nao percebem emolumenlos alguns I vincia.
das .parles, mas se devero contar para a fazenda
iis as disposii;oesda lei n. 242 de 29 de no-
vembro de 18il, art. 8. circular do ministerio
da jiistua de 2 de mareo de 181, ustrucedes
de 10 de abril do mesmo anno art. 41, e aviso
da fazenda n. 379 de 22 de oulubro de 1857, era
nacional, para serem pagas pelas parles venci-
das, nao s as cusas adiantadas pela mesma fa-
zenda nos lermos das cilada< inatraesoo ,t<- i
de abril de 1851, circular da fazenda n. 27- do
18 de novemliro do mesmo anuo, e mais dispo-
sicoes em vigor, como a importancia do procu-
latorio, islo dos aclos exercidos pelos procu-
radores e solicitadores do juizo dos feilos. con-
i rme se acka marcado para osadvogados e so-
licitadores no regiment de cusas dede marco
de 1855,quer as demandas sejam execulivas.quir
de natureza diversa ; compelindo somenle a laes
agentes flseaes, pelo trabalho de olficiar nos pro-
cessos de arrecadacoos de ausentes, a procenta-
gem do ar! 82 do regulamenlo de 15 de junho
ue 1859 Olliciou-se no raesmo sentido direc-
tora das rendas.
Circular s thesouraras, declarando, para o
fazerem constar s rnparlicoes compelenles, que
is lojas de armadores nao 'esiao sujeilas as laxos
impostas pelos arls. 1. e 11 $ 4. do regulamenlo
de 11 de junho de 1814, nao s em virtude de
sua denominaco, muilo difTerente da de ar-
niacoes de luxo empregada no referido art. 11
como por nao lerem objectos expostus a
venda, e sim destinados a alugar para cnlerros
e feslas de igrejas.
13
A' Ihesouraria do Piauhy, declarando, em
rrsposla ao seu oflicio do 28 de marco ultimo,
que na apreciaco dos processos do meio sold
deve declarar no despacho a respectiva impor- :
ca e notar a llanca do que trata o art. 3 da lei
de 6 de junho de 1831, e ter era vista ludo o
mais que se acha consignado as les e dispo-
sieoes ora vl;or.
A' de Pernambuco. declarando, em respos-
ta a seu oilicio de 10 de selembro ultimo, que
se a irmindade do Senhor dos Passos, creca na
matriz do Corpo Sanio, entender por qualquer
motivo que deve gozar da isenco do imposto de
duas loteras que Ihe foram concedidas, pode re-
correr paraolribunal do Ihesouro.naorma do art.
27 20 do decreto de 29 de Janeiro de 1859, o
quai resolver como julgar dejusllca.
A' thesouraria do Harhio, declarando que KV^S*"!
lo i tndevidamente cobrado o sello do fundo da ,.' u'1la!nao (
ca.xa iilial do banco do Brasil, visto ser isento ^L'ZVX'
desse imposto o fundo incorporado do dito ban-
co,na conformidade do art. 14 da lei de 6 selem-
bro do 1851.
16
A' ihesouraria de Pernambuco, communican-'
d i em resposta ao seu oflicio de 12 de maio de;
1359, que foi indeferido o recurso interposto por i
I. II. II. Iloleu e oulros, da deciso da mesma
thesouraria,que confirma a da respectiva recebe-!
doria de rendas que recusara sellar, sem ler,
um contrato de sociedade j escripto o promptoi
visto como era indispensavcl examinar o mes-
mo contrato para conhecer o sello que devia pa-
gar, c podiam os recurrentes faze-lo sellar antes
de escripto. com a laxa que indicassem, como
Mus permiti o regulamenlo de 10 de julho de
1850, no caso de que Ihes nao conviesse dar co-
nhecimenlo do teor do dito contrato.
Ditoao mesmo.Communico a V. S para seu
cnliecimenlo que, se
ministerio do Imperin de 16 do corrente foi an-
provida a deliberacco que tomou esta presiden-
cia mandando pagar as despezas fetas era julho
ultimo o as que se fizerem no rorrete mez com
as di Serenes verbas daquelle minisierio.
Dilo ao mesmo. Em visii de sua informaro
de 28 do corrente. sob n. 905, auloriso a V. S.
a man.lar pagar somenle a gratiOcaco que ven-
cen no mez de junho ultimo o engenheiro en -
carrejado da medieTio e demarcarn das Ierras
dos indios, llenriqne Jos da Silva Quinlanilha.
Dilo ao mesmo. Devolvendo a V. S. o reque-
rimento em que o capito do 8o batalho de in-
faiilaria, Jos Rodrigues Soares pede pagamento
da quantia de 303O0, que despenden com o alu-
guel de tres eavallos, que conduziram do Carua-
r para e.-la capital sua bagagem, e Irem da
Icompanhia sob seu comraando, e una praga
dnente, tenho a dizer que pode V. S. mandar
elTectuar esse pagamento em vista do sua infor-
maro de hontem, sob n. 916, dada com refe-
rencia da contadura dessa thesouraria. Com-
. miinicoii-se ao commandanlo das armas,
Dilo ao raesmo, Tradsmitlo a V. S para o
Oin conveniente, a inclusa firma em original de
Joaquim AUes da Silva, novo assignalario das
olas nomeada pelo governo, segundo mo decla-
ren o inspector geral interino da eaixa do amor-
lisac.o era ollicio de 20 do corrente mez.
Dilo ao commandante superior do Recife.
Em rcsposla ao seu officio de houlem, declaro a
V. S. para o fazer constar ao commandante do
6" batalho da guarda nacional deste municipio,
em soluro ao que consulta em otficio de 28
deste mez, que, segundo so acha determinado
em dulcientes decisdes do governo, nao podo o
juiz de paz era exercicio, Christovao de Hollanda
Cavalcanli ser chamado para o servco da guar-
da nacional, sendo at imcompaliveis esses lu-
livro de qualificaco deste anno se achara jhda
no da 25 do corrente em poder de Vmc, qie o
dexou de remelter cmara municipal, como
Ihe cumpria na forma da lei, e que sabendo
achar-se falsificado Ih'o requieiira para proce-
ao que Vmc.
dexando de remelter o livro, e de responder
at ao officio que Ihe tora dirigido pelo predito
juiz municipal, ordeno a Vmc. que, sob pena de
responsabilidade aprsente inmediatamente ao
mencionado juiz o livro, de que se trata, afim
de que, procedendo-se a exame, verilique-se a
a existencia da hlsiticaco ; devendo nesle caso
ser feita a chamada dos cdados volantes pela
qualificaco do auno passado, que ser reme-
llda pela cmara municipal ao presidente da
mesa parochial. Remelleu-se copia cesle
ao juiz municipal, e olliciou-ee a cmara muni-
cipal de Cimbres a remossa da lisU.
Dilo ao eogenheiro fiscal da estrada de ferro.
Transmiti por copia a Vmc. para seu conhe-
cimento o aviso expedido pelo ministerio drf im-
perio em 22 do corrente declarando que naocon-
vem que os livros e documentos relativos asco
oes menos prudentes ou econmicas, houve-se se elle tambera das amarguras* das traicOes^"da
al, cora bom espirito de bem- i indignidades e picardas que sao congen'itas' .las
m I E como
cometa sempre
nina que Ihe disa al-
cfi?,I"e3e-im,M!? k,; .mal* P"8 ('ue diffi-lguma cousa das que eslo mais prximas, visto
SSS P ./\LaC^,r """""na expediao de quo lera ellas loda a identdade com os cometas
ualquor acto legislativo quo nao livesse a Torca I e epidemias -Esto em campo os nossos furi-
ou a virtude de crear recursos pecuniarios promp- ceos eleitoraes empenhados no triumpho de cer-
ras e immedialos, como promplo e immediato los librrimos destemplados que aqui os lemos
roo fial lux. I de bom calibre e alto coihuruo, corao por exem-
A dous projectos de let recusou o presidente po um sujeiiinbo com ligara de Espo a quem
da provincia a sua sanecao. Um delles fazia villa por apellido, deram o nome de urna das nossas
a povoaco de Pioca, fregnezia deste municipio;
o oulro aulorsava a aposentadoria, de um em-
pregado meniecapto e a isto addiccionaram enlo
oulras aposentadorias e autorisa^oes de nalureza
difTerente.
O primeiro d'aquelles projectos, dizem, assen-
lava em conveniencias polticas que tinham inlima
relaco com as prximas eleicoes muniripaes,
contando seus autores, nao si porque, com a
sanecao que depois Ihe foi denegada, tendo o Sr.
presidente, antes de o fazer, ido visilar aquella
povoaco.
O segundo conlinha alguns excessos de favor e
lalvez offensa do poder administrativo, nesses
mais lerriveis e venenosas serpentea, talvez pe-
lo genio ardente c frvido, com que trata todos
os negocios polticos, o qual declara que com to-
da a ccrleza ha-de ser o primeiro juiz de paz do
1" districlo desla cidade, que oque preside s
eleicoes.
Assim tambera temos em campo dulro furri-
cco, do qualicago na mo, a procurar quem
des qualilicados Ihe pode dar um voto, pedindo-
0 cora antecedencia de mais de 15 dias. Este
furricco quo lera direlo aos foros de campeo
eleitoral e que promelle fazer todas as eleicoes
da provincia, com o seu acuno e mandado, acora-
pan hou a S. Exc. para o Penedo cora o proposito
additamentos que desvirtuaram o mesmo projec- i de plancjar ali a eleico para fazer deptado 1
lo, no sentir dos juizes competentes ou por lal. Pac/i-iiamco,evol'tou dessa cidade com tima
nav>dos. I lisia gorda de bardes para vereadores, estando
enhuraa das denegacoes porm foram cora- | elle no meio e entre os bardes ; e aqui se aprc-
municadas quando funecionava a assembla, senlou proclamando que era aquella a eleico
tondo o quo respeila Pioca sido recebida poucos aue quera o presidente, a quem desta guiza com-
minutos depois de encerrada a mesma assem- j promellia evidentemente, quando S. Exc. nao
blea. Tal denegaco produzio, evidentemente,' cessa de recomendar a lberdade do voto,
notavel desagrado em differenles individuos do E lal foi a conanQa que merrceu a chapa dos
partido conservador, cujo fra a idea da elevaco proprios furriccos liberaloes que em brevi
da povoaco de Pioca categora de villa. 1 mesmo campeo a desle, convocando una r
Em todo o lempo da sesso porm, convpni- "
entcdize-lo, reinara sempre a mais perfeila har-
mona e accordo entre a assembla e a presiden-
cia. Seja disto prova inconteslivel a felicitado
que a mesma assembla dirigi ao Exra. Sr Leo ; sas d-slruicoes nos conservadores!
e o
eu-
Uiao, em que fizeram nova chapa entrando nella
cobras cascaieis e oulras serpenles de igual ve-
neno e caladura, que nao podem deixar de pro-
duzr, ao contado, no dia 7 grandes e clamoro-
Vfclloso, j a lindar os seus' trabalhos, como a
V. m. no estranho, leudo por fundamento os
primeiros passos de su adrainisiraco fazendo
elle desvanecer os preconceilos. que" por calculo
alguem se intcressva de espalhar c quo predo-
n- I ininnvam no espirito geral da provincia, de ter
n- ella a misso de crear partidos pulvorisando ou-
las da despeza da estrada de ferro desta provincia, tros, e elevando o dominio do familia ao grao de
sejam remetlidos para Londres, devendo o res-
pectivo superintendente entender-se directamente
acerca de semelhanto assumplo com esta presi-
preponderancia exclusiva.
II
Ainda se nao acha uesla
n. 1245, de13d.) oulubro de 1813, a liscalisaco
da receila e despeza, 00 oxame dos livros e coti-
las daquella estrada.
Dilo ao mesmo. Remello por copia a Vmc.
para sua inlelligencia o aviso expedido pelo mi-
nisterio do imperio em 17 do corrente. declaran-
do que compre que esla presidencia lome as ne-
ccssa'ias providencias para quo o atierro substi-
tuido do viaducto da Cabanga, na estrada de
indo consta do aviso do ferro nao soja acceito Independente das conslruc-
' cues indicadas no otrieio me mo rilriolA Vmc,
es indicadas no olirio me mo dirigi
i-in 12 de julho prximo nudo. ,
Portara.O presidente da provincia ctlcnden-
do ao que requereu o promotor publico da co-
marca do Cabo, o bacharel Jos Silvano Hermo-
genes de Vasconcellos, resol ve conceder-lhe dous
mezes de licenea com vencimenlos para tratar de
sua sade.
Expediente do secretario.
Officio ao secretario geral da secretaria de es-
tado dos negocios do imperio.S. Exc, o Sr.
presidente da provincia, manda aecusar recebido
os dous exemplaresdo direlo administrativo bra-
sileiro, que V. Kxc. Ihe remelteu com sua com-
municaro de 21 do corrente, a fim de serem
applicados ao uso da biblioteca publica.
Remelleu-se um exemplar a faculda Je de di-
relo e oulro a instrueco publica.
Dilo ao offlcial maior da secretaria de estado
dos negocios da guerra.Acenso recebido o offt-
A cidade pois se acha cm grande agilacao pe-
la epidemia eleitoral dos taes furricco's, sem
que entretanto at hoje o partido conservador se
tenha envohiio nem dado a tespeito daqucllas
eleicoes o menor signal de vida.
Como lenho destinado este capitulo a epide-
mias, cometas e furricco elciioraes, consinta
que vaqui urna noticia de um celebre furricco
anli-catholico.
O novo vice-consul inglez Griesbach, estando
cora vjrias pessoas de disliuccio na ra do Ro-
zarlo desla cidade, na tirde d 23 deste mez, e
, passando por ali o Viatico, nao se quiz levantar
all se demorou ale o dia 13, snbindo o S. Fran- ao menos e descobrr-se, como fez o subdito in-
cisco a 14, tendo-se abolelado em casa do pro- glez James Iluntcr (que ento ahi tambem se
nolor publico o Dr. Mariano. Consta quo Ihe achava) desdo quo, avislando-se o mesmo Via-
lora oflerecido cm a noite dc,12 um lu/.ido baile tico, se ajoelhariam tolos os calholicos que ali
a que assistira, para enlo seguir. eslavam. erguendo-se ello apenas para muoaj
JSo da 1. estove elle na villa de Traip, e de lugar e tomar oulro assento, quando em fren-
partio no segninle para a caxoeira de Paulo lo de todos passava o S. S., occasio em quo
Alfonso c d'-ihi para as villas da Malta Grande apenas lirou o chapeo, a instancias de Sr. Ilun-
e Paimeira dos Indios, donde descea para as ler, conservando-se porm assentado a fumar o
capital o Exm. Sr.
eii*s*h!!"5 c"mP1,e' ,ll0310^.r,mos..do decreto presidente da provincia, Sahinio d'aqui para a
cidade do Penedo em a noute de 6 deste mez.
o
seu charuto, rindo-se e mofando do culto exte-
rior que os demais prestavam em la| 0Ccasiao I I
E bem visto que o tal Sr. Griesbach nao pare*
ce ler delicadeza nem fina educaco. Os respeitos
e atlences religio do paiz e'm que estamos,
entra sempre no plano de qualquer educaco re-
gular de pessoa apenas meia civilisada. Nem o
protestantismo est to longe do chnslianismo
talholico, como o islamismo e suas diferentes
seilas que uo sao apenas um schysma do catho-
licisrao romano, como o protestantismo, para
que o culto externo de nossa religio mereca do
inglez bem educado um desprezo lo insolente,
urna falta do consideraco e desrespeito lo ic-
prehensivel e rovollante."
O Sr. Griesbach, como schismalico, procede
sensnei_. principalmente porestarmos em vespe- assim acerca do cullo catholico Estando tambera
raa do / de setembro e lerem as dilerentes lo- dividido em schismas r, protestanlismo e podendo
calidades de recorrer, como coslume, presi- ser elle um dos //ierauos, calvinistas anabap-
uencia para solver duvidas que ordinariamente listas, anglicanos, methodistas, ou de oulra qual-
1 por occasio das eleicoes de cmaras e querdas militas seilas, era que se tem dividido o
do Anadia e S. Miguel, para enlo recolher-so a
.ji.. Liuaue.
Tendo S. Exc. por fim nessa viagem conhecer
os lugares c o pessoal mais nolavel c saliente
desses differenles pontos onde lem de tocar,
innegavel que algura beneficio pode provir
provincia, principalmente sendo o Sr. Leo Vel-
loso um administrador bom intencionado que
desoja fervorosamente a prosperidade desta por-
cao de terreno brasileiro que foi confiado sua
illuslracao, reclido e boa discriro e lino.
E' esperado at araanha ou'depois. segundo
uns. Oulros porm mais conhcccdores das dis-
tancias que lem elle a percorrer em sua derroto,
uo o do por aqui antes de 3 ou 4 de selem-
bro. Entretanto n sua falla j se vai lomando
ci que V. Exc dirigo-rae em 23 do correle
remetiendo tres exomplare3 dos relatorlos apre- ; Jul"a da paz. como as mais eleicoes. ulherismo primordial, seria conlento ei
sentados a assembla geral legislativa pelo mins- eixou S. txc. encarregado aqu do expediente lipendiado e menoscabado por modo idntico em
lerio da guerra, e agradero a V. S a promplido sua ausencia ao seu novo secretario o Dr. os principios que consluam a discordia ou 1
com que satisCez seinelhanlo requisicao. Re- 1 l ossidonio de Carvalho Moreira.raoro intelligen- differcnr.a da sua para as difTerentes seitas do
metteu se ao director da instrueco publica para le afavel que vai dando provas de honestidade mesmo protestantismo ?
manda-Ios archivar na bibliolhe'ca provincial. e boas disposicoes para o exacto cumpritnento No mahometismo, as diversas eilas dos mu-
Dito ao Dr. Agostinho Ei molino de LeoDe de seus deveres,
ord
ace-
ra ez
direlo da 2* vara desta cidade, o r'eassumira o da
de juiz municipal e de orphaos do termo de Olin-
da. Fizeram-se as convenientes communicaces.
Dilo ao conego honorario da S. Dr. Joaqun)
Francisco do Faria Pela secretaria-da presiden-
ca se coramumea ao illm. e Rvm. Sr. conego
Pelo lado da polica nada temos do nota-
vel. O respfdivo chefe Dr Camello Pessoa nao
acompanhou a S. Exc ; acha-se aqu, e por ora!
so lem havido regulaimcnte no deserapenho del
suas obrigaces, tendo sido feliz em sua gerencia |
pela ausencia de fados criminosos de carcter!
O Sr. Griesbach sectario da religio catholica
reformada enlende que deve levar o seu desprezo
ao calholicismo puro al o escarneo!
Tal proceder lem geralraente escandalisado a
populaco desta cidade, ao ponto de se haverem
publicado nesles ltimos dias era o Uiario das
. ',r- J,0311"i,n Francisco de Faria que. por decreto \ tumultuoso ou de notaveis perversidades. 1 laaoa, ...... r0(rpiiri. ,denriis f,.rie< *~.4
ares romo 'esclarece o aviso de 9 de noverabro dp l !Jes,e ">. S. M. o Imperador, houve por | Na tardo do da 21 deste pozerara-se a camnho nX "nlra o mSmS senho ^ e a seu t irn
bem. fazer merc a V. Rvma. da diguidade de Jo fuga dous prezos senlenclados. que andavam
Deo da S desla provincia,
Governo da proviucia.
EXPEDIENTE DO DA 31 HE AGOSTO DE 1860.
Ollicio ao Exm. conselheiro Francisco Ignacio
de Carvalho Moreira, enviado extraordinario do
Brasil em Londres,Accuzo recebido o oflicio
que, sob n. 9, V. L\c. se servio dirigir-me em 30
de julho prximo lindo, com transcripto do que
na mesma data V. Exc. dirigi ao Exm. Sr. mi-
nistro do imperio, relativamente s contas j
ajustadas pelo delegado do governo impetial da
estrada de ferro desta provincia, pertencenles ao
1. semestre do anno prximo passado, com as
emendas e alterages feilas pelo raesmo delega-
do sobre a folha do bala neo apresenlado pela
companhia.
Dito ao Exm. presidente de Minas-Geraes.
Accuso recebido o officio de V. Exc. de 16 do
frrente com dous exemplaros do relatorio, que
V. Exc. apresentou a assembla legislativa dessa
provincia, no acto de sua installaco, no corren-
anno. >
Dilo ao Exra. presidente do Rio Grande do Sul.
Accuso a recepeo do ollicio de V. Exc. de 21
de julho ultimo com 2 cxemplares das le e re-
solucoes da assembla dessa provincia promul-
gadas no anno passado, acompanhades dos actos
reglamelos e instrueces expedidas por essa
presidencia.
Je 1816. 2o.
Dilo ao mesmo. Pelas raides expendidas no
oflicio incluso por copia do inspector da thesou-
raria de fazenda nao pode ser concedida a resli-
luico do descont feilo no pret dos vencimenlos
de fuzileiros da guarda nacional
relaiivo ultima qninzena de
marco desle anno, o que solicita o commandante
do mesmo batalho em offi
ultimo annexo ao de V, S. de
lenho assim respondido.
Dito go mesmo. Expega V. S. as suas or-
ordens para que soja despensado do aquarlela-
: ment o alteres porta-bandeira do 6o batalho
| de infantaria desle municipio Candidc Augusto
de Albuqucrque Mello, que na qualidade de em-
gado da companhia da estrada de ferro se acha
servindo na estacao das Cinco-Ponas.Commu-
nicou-se ao respectivo superintendente.
Dilo ao commandante da diviso naval.
Conslaiido-me de parlicipaco do secretario da
provincia das Alagas datado do 27 do corrente,
haver n'aquella data seguido para esla pronvin-
cia o grumete Antonio Joo de Oliveira. perten-
cenle guarnico do hiato Parahybano e que
se scha a bordo do brigue escuna A'ino ; assim
o communico a V. S. para seu conhecimento e
direceo.
Dilo ao inspector do arsenal de marinha.
Em observancia do aviso expedido pelo ministe-
rio da marinha em 20 do correle, transmiti a
V, S. para o fim conveniente o Incluso modelo
para a organisaco da folha para pagamento dos
operarios das diversas oficinas desso arsenal,
conforme o que se acha disposto no 1" do arl.
76 do regulamenlo que baixou com o decreto n.
2583, de 30 de abril desle anno, Igual a Ihe-
souraria de fazenda.
Dilo ao mesmo Transmiti por copia a V.
S., para que tenha a devida execugo, o aviso
expedido pelo ministerio da marinha em 20 do
corrente determinando que um dos officiaes da
armada, que se acha servindo na companhia de
aprendizes marinheiros desla provincia, esteja
sempre no quartel respectivo, por assim convir
desciplma da mesma companhia.
Dilo ao director do arsenal de guerra. Em
cumprimenio do aviso expedido pelo ministerio
da guerra cm de 22 do corrente, mande Vmc.
fornecer as bandeiras imperiaes, constantes da
nota junta por copia, as quaes se destinan) a
fortaleza dos Santos Reis Magos, na provincia do
Bio Grande do Norte.
Dito ao mesmo. Na conformidade do aviso
expedido pelo ministerio da guerra de 23 do cor-
rente, mande Vmc. (orneget ao tneio batalho
"vaga por falleciraen- I cm trabalhos de fachina no morro do pharol des- [TSSST'^I^SuSZ os,ligma,.iS,OU de"
lo do conego Dr. Francisco Joaqun) das Chagas. '" cidade. nada Obstante serem acorapanhados oc T' V& se.descob..ra quando o \ utico ap-
Communicou-se ao Exm. bispo diocesano c a 4 ou 6 soldados que os nao viglavara. Ainda nao
Ihesouraria Je fazenda. foram descobertos, a despeilo de eslarem encor-
Df.spaciios do da 31 de agosto rentados quando se evadirn).
Ileguerimenlos. [[
Segundo as predic.goes egypcias devia o cor-
15.Alexandre von Bally. Espero que ha-
rto de" 24 de j'iho 'a "i1'1''
13 deste mez, que 14oo.-II-nriqu
Ao inspector da U
e Jos da Silva Quintanilla.
peclor da Ihesouraria do fazenda se olficia
nesta dala para mandar pagar a gratificarn ie-
lativa ao mez de junho ultimo; quanto porm a
de julho espere o supplicaiite que se consigne
crdito.
1456.I/.idoro Jos.De-se-lho.
1457.Jos da Cruz Santos.Consta da infor-
mago da Ihesouraria j estar pago o supplicante.
1158. D. Joanna Joaquina Laura.Corao re-
quer. pagos os direitos nacionaes.
1459.Jos Hartins da Silva.Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
160.Joo Maurel Alves. De-se-lhe.
1461.I.uiz Antonio da Fonceca Bairos.In-
forme o Sr. regedor do Gymnasio.
1462.Manoel Pinto de Almeida.Requeira
pelos^canaes compelenles.
1463.Manoel MelquadesGuilhermo. Reqnei-
ra a Ihesouraria de fazenda.
parecen, faltando a verdade do que occorreu ;
com o que parece que depois, pensaudo melhor,
conhecera que o seu procedimento fora muilo
; descortez e irreflectldo.
Cabe agora aqui dizer-lho que em contra-
posico do intlhoraraento que tivemos na im-
rente anno ser de urna salubiidade publica muilo Prensa com o augmento de formato do Diario,
perfeila, visto que comegou o anno de 1860 em j lem a gente librrima continuado a fazer repre-
um domingo; primeiro. seguindo os vaticinios sentar no Jornal de Macu o seu horado Tem.
daquelle povo lo creador de deoses e de niara -iP<>. proseguindo no primeiro oom toda a qualida-
vilhas, conlavaraos que assim succedesse, quando de de apodos e injurias, como anteriormente,
nao pelo quo respeilasse orluna publica e par- contra seus adversarios polticos. Eis cm que deu
licular, como tambem era assignalado, urna vez conventculo dos Ungentos daqui, de que Ihe
INTERIOR.
CORRESPONDENCIAS DO DIARIO D PER-
NAMBUCO.
A L V (. DAS.
Macei, 30 de agosto de 1 SCO.
I
Antes larde que nunca. Muilo poderosos foram
os motivos do minha ommisso, deixando de
dar-lhe alguraa noticia deste lorro depois da
minha dos principios de junho ; por isto espero
obler sua indulgencia, acreditando que nao pro-
ced assim por vontade propria.
Anles larde que nunca, disseeu, porque ainda
agora vou dizer-lhe alguma cousa j velha e es-
coada j)ocadinho do lempo cerca de quasi um
mez. E' da nossa assembla legislativa provin-
cial que Iho quero fallar, para contar que encer-
rou-se litleral c legnlmenle no dia preQxo, a 3 do
corrente, (indos os seus dous mezes de agilago
o de vida annual.
Depois de haver levado era folganca o mez de
junho, despertou em julho, por ser este mez
talvez consagrado ao grande guorreiroe conquis-
tador J, Cejar; e entao co'ucluio seus tiabalbos,
dada aquella circumstancla. ao menos relativa
mente salubridade, que nos lera sido lo pouco
favoravel a alguns annos.
Ao contrario temos passado o estamos passando
Calle! na minha ultima.
No dia 20 deste publicaran) clles tambem um
novo campeo da sua imprensa, sob a denomina-
cao de Votante, quo o suc:essor legitimo do
por urna especie de epidemia de molestias de seu anligo vertiginoso e incendiario Guarda Na-
toda o genero que tem trazido (oda a populaco cional, com o lira de incitar a populaco para as
sentida e amargurada de lana doeuca. | prximas eleicoes, insinuando no animo de lodos
As sesoes tornaram-se logeraesneste invern ;.para quem escrevera o espirito do desregramen-
que era rara o bem rara a casa onde nao havia to, como evidcnlemenle se deprehende dos orli-
3, 4 e mais pessoas affectadas desse mal. gs. do quo esl composlo o 1. numero.
Muitos dos afTectados passaram dais inlermit-' Para Ihe dar urna idea do esmero, e sabenca,
tenles ao estado pernicioso. Os lyphos sobrevi- cora que escripto o Volante, vou transcrever
nham e levaram muila gente pobre. Alera disto algumas palavras de un) trecho comido nelle. O
as dilerentes e multiplicadas affecges dos deflu- trecho comeca assin) :E' o povo. o cinismo e
xos tem marlyrisado a populaco, sem fallar nos a dignidade poltica de que elle se revcsle que
rheumalismos, pleurizes e oulras alfeegocs desla engrandece o porvir...
ordem. E basta islo. Pelo dedo se conhece o gigante
Este estado contina e se aggrava pelo lado da Para concluir devo achar alguma cousa me-
diversidado dos intermitientes que eslo sendo nos desagradavel. E* a creago de orna sociedade
mu perniciosas. lilteraria installada no dia 10 deste mez, na sala
Acaba de fallecer a senhora do Dr. juiz do do Gabinete de Leilura, sob a influencia e direc-
direito Casado em a noite de 25 deste, tendo no, Qo dos esludantes provectos do lyceu, e com a
dia anterior abortado. Soffria do urna intermit- donominago deLitleratura e Recreio.Presi-
tente que passou, nosesibe como, a ura estado dio installaco o vice-direclor da insirueco
terrivcl, de surte que quando o medico assistenle publica Dr. Silveira.
ou o Dr. Casado convocou em junta alguns ou-, E' um nobre esforgo da juvenlude cm favor
Iros mdicos, roconheceu-sc que o caso era j
desesperado c eslava caracterisada a febre
amarella.
No raesmo da falleceu : e consta j a existencia
de 4 casos de igual molestia aqui na cidade.
Aquello passamenlo foi muilo sentido por ser
ella urna excellcnte senhora, sendo casada a 8
mzes.
O Dr. Cabral anda est abracos com lal enfer-
midade na povoaco de Barra-Grande e suasim-
mediacoes, segundo consta, tendo Cello novas re-
quisicesde medicamentos.
J v pois que nao sao os Srs. somenle ah
3uo loem soffrido com o mo estado das ulubrida-
e, Por c DOS quelxamos omito, leudo como
das letlras c para o fim de mutuamente se ins-
truirem. Deus caroe heroicos o louvaveis esfor-
eos. Nada mais por hoje.
Firmus.
DIARIO aj PERNAMBUCO
O vapor Cruzeiro do Sul vindo dos porlos do
norte, trouxe-nos joroaes e cartas com as se-
guimos dalas : Amazonas 8, Para 24, Maranho
26. Piauhy 6. Cear 29, Rio Grande do Norte 30,
e Parohyba 31 do passado.
Amazonas.\ provincia goza va de paz e tran-
quilidade. Nada de nolavel gccQrreu, depois
do ultimo vapor.
Para.No dia 15 do passado, leve logar
abertura da assembla provincial, por S. Exc.
o Sr. Angelo Thomaz do Amaral, que havia lo-
mado posse do cargo de presdeme da provincia,
haviam selle dias.
S. Exc. o Sr. presidente linha feilo urna vizta
fazenda Tapirttss*, accomponhado do Dr.
chefe de polica e varias pessoas do desliuego. .
I.-se no Jornal do Amazonas :
Chegou hontem de manhaa, urna canoa, que
trouxea noticia, dase achar, havia j dous das,
tundeada de fronte das Salinas, urna barca, es-
pera de pralico para demandar este porto, o qual
apezar de o haver n'aquelle ponto, nao poda ir
pra bordo daquelle navio pur ro ter embaica-
go que o conduzaae. A maior parie dos na-
vios, que tcem ltimamente entrado nesto por-
to, lem ali encontrado igual inconveniente, e
teem sido obrigados oua mandaren) seus botos a
Ierra buscar o pralico, ou a entraren) no rio sem
I elje, arriscndose assim a algum sinislro. E
j nao se*dga que esla a primeira vez que islo
tem lugar, pois que esl continuadamente a
acontecer.
Todos sabena o fisco que um navio corro
, quando fondeado as Salinas, pois que o menos-
I que Ihe pode acontecer, perder as ancoras e
i amarras, c ver-se obrigado a fazer-se de vella,.
podendo ser arrojado costa pelas fortes cor-
rcnles d'agoa.
Os praticos lancam de sobre si a culpabilda-
de dcstas fallas, e a uasso ver com razo. di-
zendo, que o nosso arsenal de marinha, Ihes
deve fornecer n'aquelle ponto urna boa embar-
cago de vella, e urna balicira para clles pode-
rem demandar os navios que all os vem procu-
rar, o que nunca laes erabanacoes Ihes tem
sido Torneadas por aquelle esiabeleciracnlo.
tendo-as sempre comprado sua cusa as que
tem empregado n'esle servigo, os quaes fcil-
mente se deslroem aoencosiar i Ierra, em con-
sequencia do grande vagalho que allira sem-
pre ha.
a Nos nao queremos indagar d'onde provm a
ciilpabilidadc, mas desojamos chamar a alten-
gao do governo para este ramo de servico, que a
continuar a ser feilo como1 al agora em "lugar do
facilitar a n.ivegag&O para este porto, cada vez a
tornar mais arriscada.
Em nome do corpo do commercio d'esta
praca. pedimos a S. Kxc. o Sr. presidente da
provincia, para que se digne dar as necessarias
providencias, a fim de que se nao repilo eslas
fallas que graves prejuizos podem cauzar na-
vegaco e ao commercio
A' barra que noticiamos achar-se fondea- '
da as Salinas, a barca portugueza Sereide,
capilo Narciso Antonio de Oliveira, sabida de
Lisboa com grande numero de passageiros e un
carregamenlo importante com deslino a esto
porto. Na quaria-feira de manh quando o
Cruzeiro do Sul ali a encontrou, cempletava
osle navio cinco dias de jitarentena [oreada, a
que tem sido obligado por falta de embrcaco
que condaza o pralico para bordo. Nao leiido
anda aparecido, nao sabemos a quantos mais
das de imposirao estar snjvilo osle navio
Maranho. 'Perdcu-se na costa da Mangonea,
o brigue de guerra nacional Caliope, em via-
gem para o Loar, requisigo do presidente da
provincia. A cerca desse facto, d-se no l'ubli-
cador Maranhense :
Infelizmente realisou-se a perda do brigue do
guerra Caliope que com urna Iripulaco de 73
pessoas liaba largado deste porto na manhaa de
16 para ir estacionar no Cear.
Nao foi totl a perda das vidas como hon-
tem se supunha ; pois que pelas 7 horas da noi-
te saltou nesta cidade os Srs. comrandale, pilo-
to e mais (rinta pracas da guarnico inclusivo
urna que iicou em Guimares doene.
Eis como resumidamente nos relaten o Sr.
capio-lenenle commandante Manoel Maria Lo-
bo Bolelho.
No mesmo dia da sabida pelas 7 horas da
noite na altura do Itacolomin fez o Sr. comman-
dante conselho era consequencia de estar fazen-
do bastante agua o navio, tendo largado o cobre
do talha-mar, e o pedago de urna laboa do forro
do fundo : o conselho resolveu que se arribasse
ao porlo da sabida, pjr nao poder o navio nave-
gar a barlavento ; porem a conselho do pralico
alravossou.
Durante a noite o Sr. commandante Iralou
de providenciar o maudou fazer urna balga oc-
cupando-se o resto da tripulago no esgoto do
navio.
Na manhaa do 17 reeonheceu o Sr. cora-
raaudanle que era mpossivcl o navio vira capital
e por isso tratou nesse raesmo estado de ver se
se abrigava ao ancoradoro da ilha de S. Joo,
para salvar a tripulago e alguma cousa do na-
vio, porem as 9 da inanha largou urna laboa o
as 11 horas foi a piquo, 5 leguas ao mar da
barra do Ur.
O Sr. commandanlo e algumas pracas ape-
nas tivcro tonino de embarcar em ra esca-
ler.
O 2. lente immcdiaio Antonio do Paula
Rodrigues, o medico Dr. Hermilino Cezar da
Silva, escrivo Amonio Eduardo d'Oliveira, cora-
missario Jos Rodrigues das Nevos, o piloto o al-
go mas pragas em oulro escaler, e o resto, da
tripulago na balga.
D'ahi a tena mnito tinham que lular, ten-
do de passar por duas grandes arrebenlagoes, urna
das quaes fez em pedacos o 2" escaler escapando
d'elle apenas a nado o" piloto e poucas pracas,
e perecido o immediato, medico, escrivo, co'm-
raissario, c pragas.
Em esta do lastimoso alcangou Ierra o Sr.
commandante e seus infelizes companheiros,
que levaram dois dias sem comer o beber. O
Sr. commandante foi a Guiraares, oUiciou ao
delegado de polica, e lomou agumas providenci-
as, e afretou por conta do governo a canoa que
que o treuxe hontem a noile a capital cora par-
te da tripulago que scsalvou no mais lamenla-
vel estado.
Dissc-nos o Sr. commandante que nenhuma
noticia lem da genio que se crabarcou na balea
ou jangada : Dos queira que houvcsse alcang-
do ierra ; pois quo se assira nao acouteccu te-
mos de laraeutar a perda. da vida de 41 pes-
soas.
Disft-nos lambe-m o Sr. commandante qa
o navio saino desle porlo sem fazer agoa, qua a
mastreago, veame o cordame nao poda eslar
em melhor oslado, e tanta assim quo nada sof-
freu ; mas que nada, poda garantir sobre efun-
do, e que em todas as partes mensaes observou
sempro a conveniencia do ser revisto, por.igno^
rar o quo eslava por haixo do cobre do firo,
O govero.o fez hontem mesmo seguir para,
aquelles lugares o vapor D. Pedro : fajemos vo-
tos para que encontr a balga com a. sua gen-
te.
Al agora, moio dia, anda nao. cheg&do o
vapor D. Podro, que d'aqui sanio, na uoUo do
21. em procura dos nufragos do Caliope. v
Temos, porem, o prazer de noticiar que a-
lra das trinla c duas pessoas que se- salvaran)
com o commandante, acabara Je desembarcar
mais 17 pessoas inclusive o pralico, guardio e
carpinteiro, a fra um que ficou daente em Gui-
mares. Nenhuma noticia do dos oQicioes o
assim parece nao haver duvida da morte d'el-
les. Contendo o (Caliope quando se perdeu
73 pessoas temas j certeza do salvamoulo
de 50.
Na hora adiantada em que escrevemos, nao
temos lempo para urna noticia mais circunstin-
ciada, q que faiemos no prximo numero. *
L'raa carta de pessoas fidedigna nos garante
quo nenhuma culpa leve o commsndante da es-
tago paral, n perda desse navio, como se de-r
ILEGtVEL


w
MA1H0 PE FErVSkMBUCO. SE&tJNDA FElrUA 3 DE SETEMBRO DE 18t.
prehende dos oflcios e paites meusaes do seu
commandaute, como' pretenderam os jornacs da
capital.
Anda encontramos mais o seguinte no Jor-
nal do Commercio, !t rcspeito da arribada do
liiale Harta :
O hiate brasilero .Varia, procedente do Cea-
r com desuno ao Para, arribou a este porto no
dia 7, lendo 80 passageicos a bordo e algn
carga.
Averiguada pela polica a causa da arribago
e contienda a nao existencia de crime, ficou li-
vre ao navio seguir o seu dostitio, e lendo parti-
do daqu no dia 10 roltou arribido de novo no
dia 13.
Se exacto que essas arribages successivas
[jram devidas a faltas de cabos, velas e ao pou-
co l>8lro do navio, como nos ioformam, no po-
demos deixar de censurar a capitana do porto,
por ter deixado partir o navio nesse estado, ex-
pondo assim tantas vidas.
O Sr. Jos Francisco Arteiro, animado dos
rnelhorcs sentimentos philaniropicos, facililou
aos passageiros seguirem hoje para o Para no
briguc escuna Graciosa, de que consignatario.
Piauhy.Tomou posse da administrado da
Srovincia, no dia 13 do passado, o Exra. Sr. Dr.
anoel Antonio Dunrte de Azevedo, o qual, em
devenain concorrer com 86 recrulas, entretanto
que Ibes foram distribuidas smente 55 : ao pas-
*o que Alaga Nova, Campia Grande, Cabacoi-
ras. Palos e Pombal, devendo concorrer com.27,
flearam sobrecarregadas com 52.
Em visla de semelhante inconveniente e desi-
gualdade, e allendendo a que nao so pode ler
por ora baze mais segura para so conhecer as po-
pulacoesdas difteretUes reguezias, se nao o nu-
mero do cidados activos que intervem por recio
de vol na represenlago nacional, organisci a
nova distribuirn que junto Ihe envi por copia,
e em que se acha altendida quaulo possivel
cada uina das freguezias da provincia, em reta-
ra ao numero do votantes qualitlcados nesto
correnle anno.
V. S. expedir as suas ordens activando o re-
crulamenio e tornando elTectivus as disposices
legaes, premios e vanlagens concedidas que'lles
que voluniariamente so apresentarem, nao Mean-
do isentos os que tiverem bens de fortuna e que
nao eiicoiilrarem isenco na propria lei ; pois
Ibes ser fcil eximirem-S". do servtgo das armas
concurren lo com a quantia neefissana para que o
eslado possa eugajar individuos que os subsli-
tuam.
Allender muito V. S. e as autoridades que Ihe
sao subordinadas a que convm proceder da ma-
o dia seguinte comecou a "visitar os eslabeleci- Di;1 a.munos reMioria possivel para o povo.e nao
. i 1 ni mtt 11 ,\il n ruin en lArno i\ r. i ,^ i-i 1 < no .. 1.1 ,. i ., -1 ...,
muidos e reparligoes publicas da provincia.
A maneira franca e leal por que tem obrado o
actual chefe de polica, o Or. Faria Lemos, na
quadra de eleges em que se acha a provincia,
tcm feito arrefecer os nimos dos exaltados, aue
conQam na verdadeira e pura expresso da urna.
Cear L-se no Pedro II:
admittindo que se torne o recrulamenlo instru-
mento de paixes ms o interesses particulares
ou de partido ; fazeodo-ihes sentir que o gover-
no nao tolerar de maneira alguma as abusos que
se derem e antes os punir severamente.
Recommendar-lhes-ha, outro sim, que se
abslenham inteira e comuletamente de recrutar
Como haramos annunciado, leve lugar an- ^esde dia. l- de setembro em dianle se, (como
te-houtem, pelas 5 horas da larde, em casa do
Sr. Dr. Miguel, urna importante reuuio dos mera-
bros do partido conservador desla capital.
O Sr. D'. Miguel, chefo deste partido na pro-
incia, expoz o objeclo da reunio em termos con-
venientes e adaptados, quanto era de esperar do
seu reconhecido bora senso, longa pratica dos
negocios pblicos, assignalada aedicacao fir-
meza do seu carcter e amor ao bem publico.
Comparcceram nao menos de cem dignos e
dislincton cid odio*, que, apoiando com sympathia
o cnlhusiasmo as ideas do seu resoiiavel chote,
deram-lhe urna inequvoca e eloquento prova do
aprego e subida consideraco em que devidamen
te elidido.
O Sr. Dr. Miguel, depois de ter sido tesle-
inuulia, por mais esta occasio, da dedicacao que
Ihe votara os scus numerosos amigos, tem sobe-
jos motivos de congralular-se. l por curio bem
diversa a sua posigo da do chefe liberal desta
provincia.
Pois que, quando o Sr. Dr. Miguel se v ro-1
deado de mais publico 1 lio professam a mais decidida adheso e
lealdade, o Sr. padre Pompeo, depois de arengar
cora um papel na mo, no meio de alguns filhos
familias, anda por esses mesmos repellidos....
Porm nao estranhavel este fado, tem elle
natural) tiverem lugar as elcedes primarias em
novembro ; cessando tambem interamcnle o
recrulamenlo desde que em cada freguezia se
completar o numero exigido quer por mel de re-
crulamenlo, quer de apresentacao de volun-
tarios.
Keilero-llie Bnalmmenteas recommendaces
j anteriormente feitas, do virera os recrutas
acompanhados de relaces em que se mencione :
l. as autoridades que*os capturaran) : 2." o lu-
gar, freguezia e termo onde o fizerara ; e 3. a
prolisso, conducta e maisesclarecimentos que se
poderera obter.
Sendo o recrulamenlo urna arma muito po-
derosa nasmos da autoridade que menos aprego
d ao cumprmento do seus deveres, o presiden-
te inulilisou-n pois.quergovernarcom a lei e pela
lei. nao procura o Inumpho antes deste ou d'a-
quelle lado poltico, quer que ganhe qnem poder
grabar, que venga quem poder vencer:
As circutuslanciasactuae3 sao muito favora-
veis para o Iriumpho da opnio. e de esperar
i que os bacas (conservadores) ventano onde live-
| lera raaioria e os rasgados (liberaes) naqu ellas
'localidades era que se acharera as raesraas cir-
cunstancias.
A companhia dramtica continua a salisfazer
o publico, j quanto execugo e j quanto boa
escolha dos dramas.
a sua explicaco natural no modo de proceder de
cada um.O "Sr. Dr. Miguel lem at hoje servido i Entraram para o mrcalo durante a ultima
arabas as cmaras mullo a aprazimenlu dos mi-
nistros da coroa.
Anda se oae tinha dado naquelle paiz um so
exemplo de usar o soberano doquella sua prero-
gativa do poder moderador. O entume dtlli,co-
mo neste imperio e na Inglaterra maniftstar-se
o ministerio contra qualquer medida, qu so-
berano naojulga conveniente ao bem publico
Desle modo evita-so o conflicto que resilla d
epposico entre o voto das cmaras e o dt> me-
na rcha. O ministerio porluguez parece terse
afasia do desla pratica, dando sem coohecera op-
nio da coroa, o seu voto eso favor de una lei
que, ou ds sua substancia, ou nos meiovquo
empregava, nao encontrara a scquiescencia do re.
Segundo os estylos do syslema represent.livo
cumpiia ao ministerio retirar-se, e ser disstlvi-
da a cmara dos depjiados. O ministerio po-
rera pareca dsposlo a susteotar-se no peder
No Porto haviara sido condemnados pelo tri-
bunal do jury nm homem e urna molher, rcu-
sados do crime de fabricar moeda falsa do Bnsl.
O traclado ds 1855 vai produzindo seus ben-
ficos effeitos; ea represso d'este aboraimvel
crime, gragas aos exforcos do ministro brasiei-
ro, o Exra. Sr. baro de Itamarac, c do coisul
brasileiro o Sr. Jos BeUamio, auxiliados icio
governo porluguez, vai se tornando cllectivi.
As noticias receladas das repblicas 'isi-
nhas foram de pouco inleresse.
Ao contrario, sao da mais alta importancia as
que nos vicrara da corte do imperio.
Tinhara passado as duas cmaras e eslavam
ja sancionadas e publicadas a reforma da bi e-
leitoral e a lei balitara, que tamanha oppoiico
encontraram em ambos os corpos logislaivos.
A necessidale e utilidade de ambos, eslava po-
rera, demonstrada a todas as luzes. A oppcsico
trouxe-lhes esla grande vantagem, e hoje c paiz
as recebe cora esta saneco moral.
Tinha sido approvado'pelo senado o estiva j
m cmara dos deputados o projecto do lei que
apparecer ora scena altraluo mmedialameule
para si a attencao do escolhido publico : sua voz
sobremodo sympathica e suave assenla a sua
belleza na candidez e singeleza, predicados es-
tes tanto maia sublimes quanto fugazes, porque
vo-se com a juventude; mas madama Fanny
Simonsen se bem que muito moca, deu proras
de talento e de j bastante iniciada na arte da
msica, a pm, seu porvir nao parece duvidoso
e em brevo ser Ulvez urna notabihdade arts-
tica como seo digno marido.
O Rvra. conego honorario da nossa S, Dr.
Joaquina Francisco de Faria, acha-se nomeado
deo deste bispado.
Na Urdo do dia 31 do mez prximo Ando
pereceu afogado, o menor Francisco Pacheco
Ramos, pardo, idade de 14 annos, que com ou-
tros fra banhar-se no porto da Capunga, fregue-
zia da Boa-Vista.
Passageiros do vapor nacional Cruzeiro do
Strt, rindo dos porlos do norte : F. F. Borges,
2sobriuhas o 1 escravo, Rosa Mara da Concei-
c5o (preta livre), Jorge Al ves da Fonscca, Jos
Ildefonso do Reg Gomes, Carlos E. de Mesqu-
la Falco, Godofredo Augusto de Souza, Antonio
Martiris Seabra de Lemos, 2 irmos e 1 criado,
Claudino do O'Campello e 1 criado, Manoel de
Queroz Monteiro Regadas, Miguel Archanjo de
Figueiredo, Thiago Jos dos Santos, Primo Pa-
checo Borges, Jos Gongalves dos Res. Manoel
do Medeiros Carvalho, Antonio Francisco Cas-
caes, Flavio Galvo da Silva, Joao Francisco An-
tones, Antonio Clemente, Francisco Loret, Fran-
cisco Foret, Marcolino* de Souza Trava9so, Isi-
bel Mara da Conteigo, Antonio Rodrigues Mar-
tins Ferreiro, Jos Lustosa de Souza e 1 escra-
vo, Jos Joaquina de Abreu, Jos Pereira Ri-
beiro Guimarrs, Emilio Legrand, 1 desertor do
exercito e 2 escravos a entregar.
Segucm para o sul: Libanio Pedro dos San-
tos, sua senliora e 1 cunhado, S. J. Kuch, padre
Jos de Jess Mara Pinto, Carlos Blanck, Jos
eulerprela o arl. 6. 1 Ja constilugao. A op- Carlos de Gouva Faria, Leandro Jos de Araujo
Appellanle, o promoior ; appcllado, Francisco
Isaac Los da Macedo.
Appellanle, o promotor; appellado, Pedio Ro-
drigues Lima e outro.
DILIGENCIAS CIVE1S.
Cora vista ao Dr. curador geral:
Appellanle, Luiz Ignacio da Rocha ; appellado,
1). Anua Joaquina de Albuquerque.
Ao Sr. desembargador procurador da eorfia :
Appellanle, o juizo ; appellado, Frcderico
Chaves.
DISTRIBL'igBS.
Ao Sr. desembargador Figueira de Mello, a
appellagoes eiraes :
appellado, Simplicio Ma-
Appellanle, o juizo
noel dos Santos.
AoSr. desembargador Silrcira, as appellaces
criraes : rr *
Appellanle, o juizo ; appellado, Manoel Eusta-
quio dos Santos.
A appellaco civel :
Appellanle, Joaquim Coelho de Lima ; appel-
lado, Antonio Jos Alvares
Ao Sr. desembargador Gilirana, as appellaces
crimes :
Appellanle, o juizo ; appellado, Joaquim Pe-
reira dos Santos.
Appellanle, o iuizo ; appellado, Florentino
Nunes da Silva.
Ao Sr. desembargador Silva Gomes, as appel-
laces crimes :
Appellanle, o juizo ; appellado, Joaquim Jos
de Sania Anna.
As <{ horas da tarde encerrou-se asesso.
posigo que este projecto soffreu no senadi ver-
sava especialmente sobre a sua insconsliiucio-
nalidade.
As leis annuaes contnuavam a ser discitidas,
e o eslado adianlado das discussdes da do orca-
raenlo fazia presumir que nao ficariamos, como
nos annos anteriores sem lei do urgamenlo.
S. M. linha-se dignado preencher a vaga de
deo da S d'este bispado, nomeando para esse
cargo o Rtm. Sr. Dr. Farias. Todos quo co-
nliecem os tlenlos e ailluslrago do Sr. Dr.
Farias julgam merecida a honra conferida c a S.
Rvm.
Tinha sido noracado presidente da provincia
do Para o Sr. Dr. Manoel Clementino Carnei
da Cunha, que exerce actualmente o cargo de
chefe de polica da provincia do Maranho.
A deputagao da Babia tinha reclamado do
JURY DO RECIPE.
4.a SESSO JUDICIARIA.
DIA 31 DE AGOSTO.
PRESIDENCIA DO SH* DR. BJIZ DE DIREIT0 INTERINO
DA 2.a VARA CRIMINAL, HERU0-
F.NES SOCRAJ.ES TAVARES DE VASCONCELLOS.
Borges, 1" cadeto Joaquim R. Marques, Candida
!K*L^T" 6 "'/1 Soasa8 d exerei-|l,motoritjWiCo, o. Dr^FraZio leopol
o, 1 recrulas para a armada e 29 escravos a en- dino d efmtmiL ,nhn m *
tregar.
Matadolro publico. Mataram-se para o
consumo dcsta cidade no dia 1 do correnle 110
rezes.
Mortalidadb do da 1 do corrente:
Candida Innocencia de Serpa Brandao, branca,
vliya,f8 annos, diaboto,
Apri;io, branco, i annos, anazarca.
Jos Faitosa da Silva Braga, pardo, solteiro, 24
annos, tubrculo pulmonar,
nia Ignacio, preto, escravo. 48 annos, hydropisia.
iro Joaquina Mara da Conceigo, parda, solteira,
30annos, apoplexia.
Frantisco Pacheco Ramos, pardo, solteiro, 14 an-
nos, asphyxiado.
governo providencias em favor das populagcs I Flix, pardo, 13 mezes, espasmo,
do centro d'aquella provincia, que leera sido fia-I Hospital de caridade. Existera 54 ho-
gelladas pela secca e pela tome. A reclamngo mense l mulheres nacionaes; 6 homens es-
foi feit-i por urna especie de representarlo ao Sr. trangiros, e 1 mullier escrava, total 122.
com notorio desioteresse causa do seu partido;
lem por elle feito sacrificios gasto a sua fortuna,
soffrido incommodos c desgostos; o Sr. padre
Pompeo est capitalista, auferindo as vanlagens
que tem sabido conquistar custj dos propnos .
correligionarios.
Visto que tralava-se na reunio dos nomos,
que deviam compr a lista dos vereadores da c-
mara municipal e juizes de paz, o Sr. Dr. Miguel
submetteu apreciago dos scus amigos uina que
i'ji aceita.
O hiate Carador na occasio de sahir hon-
lem desle porto para o de Mundah sossobrou
quando orcava para passar a proa da barca ingle-
za Vtlocidade; os promplos soccorros que Ihe
foram prestados pela mcsina barca, vapor Camas
sim, patacho nglez felle; e pela capitana do
porto sao dignos de lodo o elogio.
O capito da barca V'elocidade lendo atraca-
do o hiate ao seu navio, conseguio por meio de
apparelhos coadjuvado pela capitana do porto, e
pelas Iripolocoes dos oulros navios colloca-loem
sua natural posigo.
Felizmeute nao ha a lamentar nenhuma per-
da de vida.
semana 203 saccas com algoJo, que foi vendido
de 638UO a 6-'JOO por arroba, os couros foram
vendidos a 83 cada um, nao lendo havido entra-
da de assucar.
Exislem no porto carga dous navios um
1 inglez o oulro hespauhol, alm do quo foi paslo
das chammas.
i As chuvas tcm sido abundantes uestes lti-
mos dias.
PERNAfflBUCO.
RECIFE, 1 DE SETEMBRO E 18G0.
S SEIS HORAS DA TARDE.
Retrospecto semanal,
Tiremos durante a semana que hoje finda,no-
ticias da Europa, de que foi portador o paquete
inglez Oncida, da liaba de Soulhampton, das re-
pblicas risinhas, da corte o das provincias do
sul, rindas pelos paquetes Fxtremadure, francez,
da linha de Bordeaux, e Oyapock da companhia
brasileira d
eir de paquetes ; e finalinculc'do norle do
Foi encontrado na tarde de 22 para bandas' imperio, viudas pelo Cruzeiro do Sul, qne che-
da poroaco de Arronches, o cadver de um al-
icario que se presume ler sido assassinado.
Estara j em completa pulrefaco.
t Trabalbava pelo ofilcio do pedreiro, e era
erapregado as obras publicas deste cidade.
Segundo ouvimos dizer eucoulrarjii no p
do corpo que pareca ler mais de tres dias d
ou esta nianha.
Na Europa, os ltimos soccessos da Syra oc-
cuparam especial e ([uasi que exclusivamente a
altengao. As principaes potencias, convocadas a
urna conferencia pela Franga, tinhara mandado
os seus representantes a Paria. All se Haba
aborto a conferencia, mas as prevences da in-
morto, e exposto ao sol, quatro rinlens de cobre, 8'alerrn P3ra 9.om a franga embaragavam seria-
uma carteira vazia, c um pao que apreseolava "lon,e ? solugao das questes pendentes. Luiz
vestigios do ter servido para o arraslarem (ora da
estrada.
A polica esteni accao para descobrr 08 au-
tores do crime.
Kio Grande do Norte,Nada digno de menguo
occorreu,
Parahyba.O uosso correspondente dz-nos'
fin data de 31 do passado :
Na uollo do 27 foi a populago desla capital
acordada pelo toque de uina corneta que annun-
ciava logo 1 Era a polaca hespanhola Vilame
surta no porlo, que eslava carreganlo algodo,
pendentes.
Napoleo julgra, rista dislo, de necessidade
explicar-se cora o gabiueto inglez Para este
(ira linha escriplo uina caria 00 g,-. u<. reisigny,
cmliuxaur traneex iu eorle de Londres, fazendo
urna esposic&o de suas inlengoes, e conseguio que
a conferencia lerminasse do" um molo sa lstalo-
rio, autorisaudo urna interventao armada na Sy-
rya, que sera elTeeluada por m exerclo de oc-
cnpicao de 12,00J homens, dos quaes a Franga
fornecia 0,000 e por uina torga martima de to-
das as potencias.
Os planos do dominador da Franga vao, pois,
surtindo odesejado etfelo. Inleressava muito a
Luiz Napoleo.querevivesse a questodo oriente,
e quando menos esperara surgiram as guerra*
entre Druzos e M.ironitas pira Mo proporcionar
Je a (azor
presidente do conselho Silva "Fcrraz, e S Exc.
promelleu-lhes que o governo ia tomar na dev-
da considerago aquella reclamago.
Nada raais"ha de enteresse da "corte e das ou-
tras provincias.
As noticias viudas {do norte os leitores a-
cha-ljs-hoem outro lugar d'este Diario.
Do interior d i provincia ha nao noticia de im-
portancia. Por toda a parle reinara completa
tran juilidade, e a seguranga era manlida sem
alteraro.
Demandaran! o nosso poilo, durante a
semana, 26 c-Jibarcages mercantes, com a lola-
go de 10,037 tonelladas, e enlrou tambem o va-
por inglez de guerra .-Irden. Sahiram, durante
o mesmo espago de tempo, 4 embarcages mer-
cantes, com a lolago de 3,531 toneladas.
Rendcrara, durante a raesraa semana: a
alfandega, 65:1 H96I9 res:o consulado ge-
ral 3.122:161 res ; a recebedoria das rendas
geracs internas, 6:331*144 res ; o consulado
provincial, 5:271j>24i ris.
O movimento geral da alfandega, durante
o niesrao espago de terapo, foi de 5,093 volumes,
a sabor : voluraes entrados com fazendas,
1:342 com gneros, 1,562 ; total dos volu-
raes entrados, 2,904. Volumes sahidos com fa-
zendas, 59 i ; com gneros, 1,595 : lotal dos
volumes saludos, 2,189.
Fallecern) durante a semana 51 pessois, sen-
do : livres, 11 homc-ns, 12 muiheres e 17 prvu-
los : escravos, 5 homens, 3 mulheres o 3 pr-
vulos.
Na '.otalidade dos doeotes exislem 37 aliena-
dos, sendo 30 mulheres e 7 homens.
Fonm visitadas -js enfermaras pelo cirur-
gio Pinto, s 6 horas e mea da manlia ;
pelo Dr. Dornellas. 7 horas e 3/{. da ma-
haa c pelo Dr. Firmo s 5 horas e 1/2 da tar-
de de houtem.
CHRONICA JUICIABIA.
occasio iic a tazer reviver.
A expedico fraaceza linha j partido do poito j eom que Ihe deu a morlo
o formando o co do templo,
leudo bordo tresentas saccas : a carga eslava
entregue a aegao do logo.
A populago esforcou-se com dedlcago,
pira extinguir o incendio ; o Capito de mar e
guerra Francisco Viera Leito, digno capito do
porto estere bordo at os ltimos momentos, IdeToulon. Tud estara preparado" de"sorto qu
nao obstante as caes, que cobrera a cabega do nao mediou 48 horas entre a assignatora dos pro-
digno offidal, mostrou elle ser perfeito homem tocollos e o embarque do exercito expediciona-
rio. Scigundo a tettra de um dos protocollos, a
iulervengao armada nao poder esleader-se por
mais de seis mezes : mas lodo e raundo suspeila
que a Franca ou o homem que all ludo, acha-
ra mcios de Iludir este arlfgo do prolocollo, e
de conservar indefinidamenle o exercito de oc-
cupago da Syri, como lem conservado a oceu-
pago de Roma por espago de 11 anuo?.
Depois da quesio syriaca oceupa o primero
lugar a, da independencia italiana. Garibaldi fa-
z-ndo ura extremo esforgo sobr.3 si mesrao, pare-
ce ter-se ltimamente Ii'vradu da iilluenci ma-
lfica de Mazzini, que o retinha em completa
iuagao era Palerrao O dictador da Sicilia, no-
meando seu substituto na dictatoria ao general
Medici, foi reunir-so ao exercito libertador,avau -
gou sobro Melazzo, que tomou depois do urna
sanguinolenta batalha, e encantonado no forte de
Melarzo o general napolitano com o resto das
Iropas reaes, conceden que este se retliasso cora
a sua gente armada, deixando nnicamenle a arli-
Iharia de posigo e as cavalgaduras.
Pouco depois o general Clary, comman lanle
ora chele das torcas napolitanas, concordava com
Garibaldi era ura armisticio, por meio do qual
ficava lvre a navegacodo estreito s duasb.in-
REVISTA DIARIA-
Son lera leve lugar, cuino annunciamos em
nossa Revista de sabbado, a fesvidade de Nossa
CaaKov. a n..ih., *o Koopwio Jos r.l0Bna p-(.
puchiulios, aps nove dias de novena, uuo foram
outris lanaproras do amor que a nossa popu-
lago lera ao culto religioso.
A compungi, com que o grande concurso de
pessoas ah presentes, assistia esse acto solem-
ne de Nossa Mai Sanlissima, a simplcidade e a
decencia com que se passaram todos esses actos,
compenetrara ao intimo d'alraa.
A igreja achava-se elegantemente ornada, so-
bresaliiiido suas cortinas e colxas de damasco
vcrmelho e branco, bordados a lio do ouro; o
sumptuoso quadro do sobre o altar-mr, repre-
sentando o gigante Golias a insultar o povo de
Israel, e o menino David crapunhando a funda,
a grande estrella,
c espalliando scus
Jo mar.
A polaca ficou interamcnle reduzida cin-
zas at a altura do cobre do casco, lodo o vea-
me, curdas e mais pertences foram pasto das
chammas, que consumirara melado da carga.
Nao foi possivel prevenir semelhante resul-
tado ; pois o esforgo do homem impotente
quando llie faltara os meios para obrar com pro-
reito.
Anda nada de positivo consta ceica da ori-
gera do incendio ; raas corre que fra de propo-
sito ateado por dous horaens da tripolago, lies-
panhoes, que haviara lido certa desirrtelgencia
com o caoiio, sendo que um u'elles se muir
de ama faca para asssassinar a esle, caso o re-
prehendesse, o que nao lendo succedi lo, dera lu-
gar a vinganga de outra especie ; o (ogo sobsti-
tuio a faca de pona, o incendio em vez de um
homicidio.
Nada do positivo sei a esse rcspeito, porque
a noticia nao lera carcter official. constaiHo-me
porm que a autorcenle competente lera de to-
mar conhecimento do tacto.
O consuide Hespanha, nesta provincia, o Sr.
coraraerciantc Francisco Alves de Souza Carva-
lho cumprio, perleita e completamente com seus
devrese a elle S9 dove oter-se salvado boa par-
te de carga.
E'este otado de maissignificaco que ha
para noliciar-lhe ; porquanto ncnh'um oulro
chegou a raeu conliecimento que mcrega levar-
se ao conhecimento de seus leilores.
Approxraa-se a poca eleiloral e os amigos
das cabalas eslo em campo descuberto; plei-
teiam as eleigoes os partidos, e cada qual se jul-
ga digno dotnurapho, que perlencer ao que li-
vor maioria ; visto o governo se nao ingerir em
negocios eleiloracs, quer a favor de um, quer de
outro lado.
Como sab", o recrulamenlo ura imposto
pesado a que estamos sugeilos, necessario e in-
itnraensos raos at as cornijas; o finalmente
mais de duas mil luzes, f.izeudo rcalcar esse
mixto do belleza, bora gosio e siuiplcdaie. Tu-
do ah respirava emanagoes celestes, e como que
conridaram a alma a diluudir-se ala morada do
Eterno.
A confisso c a communlio precederam esse
acto do encerramenlo da feetttidade da Senliora
di Penha, enchen.lo as almas daquelles qjie as-
sui oliraram do balsamo celeste, que vivifica o
enrobusteco o moral do coragao humano.
Ura concurso numeroso da nossa populago, de
todas as classes e de lodosos credos, ah se acliou
reunido, olvidando os odios antigs, e antevendo
somonte a religioe o amor do prximo.
A' nole liouve Te-Deuui, e bengao do Sanlis-
sima Sacramento, cora o que lernitnarra os ac-
tos dessa festividide.
Mil lourores, pois, aos religiosos capuchinhos
que, cora seus diminuios recursos, o a caridade
los Iips. do-nos cada anua una testa modelo.
Por ordein do lliesouro nacional deve proco-
der-se a subsliluicao das sedulas du 20JUOO, da
4* estampa, papel branco.
Esta subsiilugo lera coraego desde j, e On-
da no uliimo de abril do atino vndouro sera o
descont tnensal do 10 por cenlo do valor das
ivre a navegagodo eslrelo s duasban- notas. Dahi por dianle lera elle lugar, al nul-
I deiras, e permancciain era poder das tropas reaes lilicago completa das mesmas.
'os porros de Messina, Agoito, etc. O tranquea- Dentro era pouco tereraos ora nossas p'a-
i monto do estreilo era urna necessidade para Ga-lgas o Sr. Martin Simonsen, rabequi-la de S. M. !
ribaldi, quo nao perder o designio de dar ara 10 rei da Dinamarca, era companhia de sua espo-|
desembarque no continente. Os jomaes c cor-|*a a Sra, Fanny Siraonsen, cantora da Opera de
respondencias da Europa fallara j do ura desem- Pars.
barquo de 1,500 voluntarios de Garibaldi as | O Sr. e a Sra. Siraonsen em seu regresso da
cosas da Calabria. Hara mesmo quem assegu- corte do Rio de Janeiro para a Europa, conla do-
rasse que o proprio Garibaldi so achara na Ierra
firme, o qiro marchara sobro aples, cuja po-
pulago se acha em grande agitagao,
Francisco II e o seu governo eslavara reduz-
dos a urna stluagao extrema. Era quasiimpos-
sivcl lomar a lempo e cora seguranca as uibdi-
das que as cirenmstancas oxigiam : porque o
morar-sc tiesta cidade por alguns dias, afiru de
darera alguns concertos, que deixaro em relevo
por mais urna vez o mrito artstico de que sao
dolados, e a que a culta Europa ha feilo a de-
vida ustica por meio do aprego em que tcm o
talento desse par.
O Rio de Janeiro, onde tem ellos dado urna
TRIBUNAL DA RELACO.
SESSAO EM Io DE SETEMBRO DE 1860.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELUEIRO ERMKI.IN0
DE I.EA0.
As 10 horas da manhaa, achando-se presen-
tes os Sis. deserabargadores Figueira de Mello,
Silveira, Gilirana, Guerra. Lourenco Santiago,
Silva Gomes e Cactano Santiago, "procurador
da cora, foi aberla a sessao.
Passidos os feitos e entregues os distribui-
dos, procedeu-se aos seguinles
JULGAMENTOS.
RECURSOS CRIMES.
Becorrente, o juizo ; recorrido, Luciano Ma-
galhaes Rbeiro.
Relaior o Sr. desembargador Figueira de Mello.
Sorteados os Srs. desembargadores Lourengo
Santiago, Silveira e Gilirana.
Improcedente.
Reconcilie, ojuizo ; recorrido, Antonio Perei-
ra de Albuquerque.
Relator o Sr. desembargador Silveira.
Sorteados os Srs. deserabargadores Gitirana,
Figueira de Mello e Silva Gomes.
Improcedente o recurso.
AUGRAVO DE PETICAO.
Aggravanle, Gregorio da Costa Monteiro ; ag-
eravail. jnivn
Relator o Sr. desembargador Gilirana.
Sorteados os Srs. deserabargadores Silva Go-
mes e Lourengo Santiago.
Negou-se pnorimento.
APPELLACES CRIMES.
Appellanle, Manoel do Araujo Brrelo e ou-
lros ; appellado, o juizo.
N til lo o processo.
Appellanto, ojuizo; appellado, Alexandre Pe-
reira da Cosa Temivel.
A novo jury.
Appellanle, o juizo ; appellado, Alexandre da
Silva Pereira.
Improcedente.
Appellanle, o juizo ; appellado, Antonio Pin-
to de Souza llamos.
Improcedente.
Appellanle, o juizo ; appellado, Jos Caelano
do Xascimento.
Nao tomaran) conhecimento.
Appellanle, ojuizo; appellado, Joo Jos do
Nascimeulo.
Improcedente.
Ampollante, o juizo
Azevedo.
Ficou adiado.
Appellanle, ojuizo
mano.
Improcedente.
Appellanle, o juizo ; appellado, Manoel Fer-
nandes.
Improcedente.
Appellanle, Antonio Soarcs de Medeiros
pellado, o juizo.
Improcedente.
Apoellante, Pedro Francisco do Nasciraento ;
appeliado, o juizo.
A novo jury.
Appellanle, o juizo ; appellado, Sergio Rufi-
niano Olympio Baplista.
A novo jury.
Appellanle, Francisco Barbosa de Almeida Cas-
tro ; appellado, o juizo.
Reformada a sontenca.
APPELLACES CIVEIS.
Appellanle, Josopha Joaquina da Costa ; ap-
pellada, a parda Virginia e seus filhos.
Confirmada a setitenga.
DILIGENCIAS CRIMES.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
justiga, as appellaces crimes :
Appellanto, ojuizo ; appellado, Pedro Carnei-
: ro da Silva.
Appellante, ojuizo; appellado, Manoel Jos
do Bomfira.
Appellanle, ojuizo ; appellado, Pedro Fer-
nandes do Reg.
Appellanle, o juizo ; appellado, Bonifacio Jos
Pereira Lima.
de Lima ; appellado,
Falco.
ppellado, Benlo de Fa-
appellado, Joo Andr de
appellado, Joao Jos Ger
ap-
dino de Gitsmo Lobo.
Escrivo, o Sr. Joaquim Francisco de Paula Es-
leoes Clemente.
As 11 horas da mauha, o escrivo procede a
chamada, e verifica estarem presente il jurados,
Sao multados cm 20$ por cada dia de sessao
era que nao comparecerem os seguinles Srs. ju-
rados :
Amonio Mximo de Barros Leite.
Joaquim Bernardino de Queiroz.
Beato Jos Ramos de Almeida.
Joaquim Francisco Duaite.
Jos da Costa Dourado.
Antonio Aureliano Lopes Coulinho.
Alcxandrno Cortea Marques.
Manoel Jos Rodrigues Braga.
Felisbiuo de Carvalho Raposo.
Antonio Jacome de Araujo.
Manoel Lopes Rodrigues.
Antonio Pereira da Cunha.
Jos Joaquim de Olveira.
Jos Francisco de Mello.
Jos Gnilherme Gumares.
Joaquina Barboza de Muura.
Joaquim iiygino de Moraes.
Severiano Jos de Souza.
Hermenegildo Coelho da Silva.
Joo Francisco de Oliveira.
Joo V-ileiiiiui da Silva.
Jos Rufino Maciel Monteiro.
Joaquim Bernardo de Mendonga.
Dr. Antonio Eparainondas de Mello.
Antonio Jos Dias da Silva Mendonga.
Joo Augusto de Vasconcellos Leilo.
Jos Gongalves MaUeira.
Jos dos Santos Souza l.ins.
Joo de S Leilo.
Seram Alexandre da Rocha Bastos.
Francisco Jos da Silva Aiaujo.
Antonio Gongalves Ferreira Cascao.
Francisco Antonio de Miranda.
Hermenegildo Gongalves da Silva.
Antonio da Silva Guiraares.
Antonio Gumares da Silva.
Antonio Ricardo do Reg.
aFraneiSCO Ferreira do Mello.
Jos Joaquim da Costa Rbeiro,
Manuel Ignacio da Silva Ferreira.
Joaquim Silverio de Souza.
Joao Carlos Augusto da Silva.
Francisco de Paula Cavalcanti da Silveira.
Manoel Julioe da Fonseca Pinho.
Luiz Jos Nones de Castro.
Antonio Joaquim Seve.
Manoel Jos da Silva
Antonio Raimundo Paos de Lima.
Jos Lourengo de Sania Anua Barros.
Jos Lopes de Farias.
Jos Joaquim da Cunta.
Manuel 4uat|uiai a Silva nibciiu.
I Jos Francisco de S Leilo.
i Pedro Jos Carlos da Silva.
I Jos Francisco de Araorim Lima.
I Joaquim Luiz Vires.
Luiz Antonio Viera.
E' submeltdo julgamenlo o reo Manoel, es-
cravo de Francisco Jos de Campos Pamplona,
pronunciado no arl. 193 combinado cora o att.
3 do cdigo criminal e preso desde agosto do
1859.
Depois de varias rer.usac.oe3, sao eleitos para o
conselho de julgamenlo os senhores jurados :
Octaviano de Souza Franga.
Manoel Joaquim de Miranda Seve.
Severiano Bandera de Mello.
Jos Maximiano Soarcs de Avellar.
Joo Jos Soares de Sanl'Anna.
Alexandre Primo Camello Pessoa.
Cosme Jos dos Santos Callado.
Francisco Rufino Correa de Mello.
Pedro Duartc Rodrigues Franca.
Joo Francisco Puntes.
Jos Candido Viegas.
Joaquim Jos de Carvalho oSiqucra Varejao.
Deferido ao conselho o juramento dos San-
las Evangelhos, procede o jniz ao interrogatorio
do reo, e seguem-e os debates.
O ministerio publico faz sua aecusago extensa
e enrgica.
Em vista das resposlas do jury, o juiz larra a
sentenga, que publica ao tribunal, condemnando
o reo 20 annos de gales, grao medio do art.
192, combinado com o arl, 34 do cdigo cri-
minal.
Levanta-se a sessao.
Oiserixiceg :
Aruliou no numero dos entrados a escailatina,
cujo iratamento foi muito simples e puramenlo
hygienico. Muitas vezes para os casos lecs um
rgimen temperante, a prolccco dos tegumen-
tos contra as vicissiludes atmosphericas e. o re-
pouso physico e moral bastaram-mo como te-
cursos hygienicos; e nos mais graveo, a bella-
dona, as beberagens ligeiramente diaphoretlcas,
os gargarejos emolientes e detersivos,conforme as
occasies, e outras rezos deplecSes sanguneas lo-
caes, c ligeras cauterisagoes do nitrato de prata
erao propriamente os recursos iherapeulicos de
que mais me valia,pois que tendo em vista a mar-
cha da doenga, procurara demorar ou augmentar a
sua actividade segundo as circunstancias, c cora-
bater as complicages que podessem sobrevir,
lano quanto possivel fosse, atlrn de urna lermi-
nagSo lirre de accidentes e consequencias mr-
bidas. D'oulro modo que procedesse, nao rao
serviriam as ligOes dos chimcos ; dcsconheceria
as phases e a duragao da doenga, e d'ahi, inter-
rompendo-a na sua regular marcha, leria con-
corrido para augmentar esse extraordinario alga-
rismo de casos complicados, confusos e intrin-
cados ( morbi confusi, abstrusi, intrincati), quo
com o nome que procuravam dar de Ihypho li-
vemos a infelcidade de observar na clnica po-
pular, onde tantas foram a3 victimas I Eram me-
tastasos funesias, gravidades crescentes, e catas-
trophes imminentes que resultavam de perlurba-
goes intempestivas.
Em medicina nao sedevejogar arriscar.
Na minha clnica privada tambem luleicom a
mesma eufermidade, talvez excedessem os docn-
les ao numero de 120 : morreram-me 4 e nao
posso crer que tivessem sido de typho ; e a llie-
rapeiilica que adoplei foibaseada seguudo a mi-
nha experiencia.
O morlo foi de peritonite aguda, cora quanto
j estivesse soffrer de hypertrophia do eoraeao
com dilatagao da crossa da orta, como tai dg-
nosticado por mais alguns collegas, e convenien-
temente receitado pelo proprio facultativo o en-
carregado desta enfermara, para qual entrou a
17 de Janeiro do correnle, e sabio para se tratar
fra a 7 de maio: lomou entrar moribundo a
5 de agosto e morreu a 6 do mesmo. Procedeu-
se-lhe autopsia, que me ajudou grandemen-
te o Dr. Cosme de S Pereira, c cis o que nos
mostrou o escalpello :
Thorax. Adherencias antigs em ambos os
pulmes, sobretudo no lbulo inferior do direi-
to ; agua no pericardio cora alguinas manchas
na sua folba externa : carago hyperlrophiado ;
dilatagao da crossa da orta antes da origem do
tronco brachio-cephalico, cuja dilatagao eslava
circunscripta na parte convexa : ventrculo di-
reito copiosa quanlidade de sangue coagulado^
sendo alguns dos cogulos descorados, e no es-
querdo tambem oulros em ruaior numero, osera
estarem adherentcs.
Venlre. Grande quantidade d'agua e adhe-
rencias fortes na extenso de todas as visceras,
mormenlo entre o colon transverso, figado e es-
tomago, e outras recentes no peritoneo, e em
cuja membrana se notaram as vorescencias (lo-
gsticas de ura roxo vivo ; pontos com manchas
da mesma cr, e carnadas de Iymph3 plstica co-
mo gluten-peri/onife-agua'o.
Cabera Nao foi aberla.
Re/lexoes. -Esle individuo pelo seu habito de vi-
da andava exposlo s influencias alhmoslhericas o
aos excessos da temperatura e alm disso dava-so
ao demasiado uso de bebidas alcoolicas, e nao
duvidoquea essas circunstancias devesse o appa-
recimento das variadas lesoes do percondio, da
pleura e das visceras inlesiinaes, e a concurren-
cia para o progresso da hypertrophia do coracao,
e que por outro lado o inconciderado uso dos
drsticos e hydragogos, que tomou depois que
sahio da enfermara, cooperasse como causa pr-
xima da tnorte provocando-a.Perifonile gguda.
Enfermara de marnha de Pernarabuco 31 de
agosto de 1860.
Dr. Jos Joaquim de Souza,
encarregado interino.
das qualificagoes ultimas revio a distribuido fe-| Toeplilz entre o imperador da \ustria
ta *l-la de novo. I cipe regente da Prussia. Os jornacs
eo prin- o segunle acerca delles:
Constata Iranscrerer a integra do ofilcio do
presidente dirigido ao chefe de polica, que
coucebido nos seguinles lermos :
Em offlcio n. 115 de 22 de fovereiro do cor-
retite anno coinmtinicou esla presidencia s V. S.
a disiribnico qne fuera
pelo ministerio da guerra
Segundo'concert de Martin Simonsen.
Acabamos de assislir ao segundo concert
esta provincia
a 1861.
jornacs dizem que
os dous soberanos oceuparara-se dos negocios
internos e externos da Allemanha, mas a Franga dado pelo Sr. Martin Simonsem, e nao podemos
que pretende ver por tola a parte a suainfluen- deixar de dizer duaspalavras em tributo ao rae-
cia, diz que a entrevista de Francisco Jos com rito de lo eximio artista. Nao quizeraos raani-
0 principe regente da Prussia leve por fim po-: testar a nossa opnio logo depois-do primero
dos 17o recrulas que, retn-se de accordo sobre os meios de impedir concert, para nao commetlermus precipitaco;! noel Leite.
se ordenuu que desse qualquer designio de engrandecimeuto da Fran- nosso enlhnsiasmo era immenso, e pois teme-/ Appellan
Appellanle, o juizo
Freitas.
Appellanle, Manoel Alves Viinna
o juizo.
Appellanle, o juizo ; appellado,
calves Lima.
Appellanle, o juizo ; appellado, Francisco Ma-
appellado, Joo Lopes de
; appellado,
Manoel Gon-
no correnle exercicio de 1860 ga pelo lado do Rheno.
A Blgica suspeila lambem muito das .
Mais tardo, era officion. 5i5, de 14 de julho coes de Luiz Napoleao, a espreita-lhe cuidadosa- so achara confirnadas, podemos dizer
lz V. S. idntica communicago em rfereneia mente os passos, disposta a vender cara a sua Martn Simonsen inconteslavelraen
aos recrulas para a armada no mesmo exercicio. independencia no caso de se pretender nma an-
Quanlo ao exercito, seguio-se pouco mais ou aexago daquelle reino ao imperio francez.
menos a mesma baze de distribuigo que se 0-i As cmaras inglezas tinhara ltimamente ro-
iera no exercicio anterior, com a modillcaco re- Udo um enorme crdito destinado a prover-se
lativa ao accrescimo de 51 recrutas quo "levo o defeza do estado. Para o corrento atino votou
Crrenlo exercicio. Quanto a armada, mudou a 50 milhoesde francos para as despezas dearraa-
presidencia a baze, porque me pa.receu justo e ment e construeges militares,
conveniente quo de preferencia fossora escolhi-. Como se v, por mais que Luiz Napoleao faca
dos, para o servigo da marnha. os habitantes da juras e protesto que s deseja a paz, ninguera
costa- ; Ihe d crdito, e euida cada um A se precaver
Examinando, porm, altentamcntc essa ds- contra as insidias de que o stippoo capaz,
tribuigao feila era fevereiro. vejo que nao se Em Hespanhi, o governo, a requisicao do im-
guardou nella proporgao derida era razo da perador de Marrocos, mandara eectua'ra evacua-
populagao dos diHerentcs lermos e fregueaias i gao da cidade de Totuo.
muilo populosas como Pilar, Souza, Areia e Ma- Em Portugal, o novo ministerio, com menos
manguape, concorreriam cora um numero muito de dous mezes de governo, tinha perdido a forra
diminuto, quando outras, menos populosas, flea- '< moral, e achara-se em urna situacao dlfflcil peio
nam sobrecarregadas. faci de lerS. M. o Sr. D. Pedro V negado a sanc-
* Assim Pilar, Areia, Souza e MamanguBpe gao lei abolitiva dos vnculos, q>io passara em
o.os ser arrestados a alguma exagerago. Ago-
inlen- : ra, porm, que as nossas priraeiras impressoes
quo o Sr.
te um ar-
tista eminente, msico profundo, rabequisla su-
blime e mestre na escola moderna.
as recordaces de Bellini c na sua compo-
sigoo passaro na arvorea meloda de seu
instrumento, os elleitos accordes de sua rabeca
lcraram a nossa sensago ao ideal; esquecerao-
nos nosses momentos que oceupavaraos urna ca-
deira o theatro, julgamo-nos transportados a al-
guma habitagao de fadas ou a algum concert
celeste. as recordagoes da Allemanha senti-
mos aquillo que se chama saudade! No Carna-
val de Veneza maravilhou-nos o artista ; duri-
davamos que se podesse vencer na rabeca tanta
diQlculdade, e o que mais, cora tanta perfei-
go. Finalmente Sr. Marlin Simonsen nao s
e grande exeeulor, como tambera sabemos,
grande compositor.
Madama Fanny Simonsen um cantora
joven e bella lo mpdesli como graciosa ; ao
te, Manoel Guedes da Silva ; appella-
appellado, Avelina Ma-
appellado, o
do, ojuizo.
Appellanle, o juizo
ria Ciciaca.
Appellante, Sabino Jos Elias
juizo. __-----.
Appellante, Antonio Flix Pereira Barbosa ;
appellado, ojuizo /
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Piedado
e outro. /
Appellanle, o juizo'; appellado, Antonio Fran-
cisco Xavier d'Azercdo.
Appellante, o iurzo ; appellado, Manoel Fran-
cisco dos SanlosTlisco.
Assignou-se dia para julgamenlo das segnintes
appellaces crimes :
Appellante, o juizo ; appellado, Manoel da
Cosa Mello Jnior.
Appellanle, ojuizo ; appellado, Manoel Anto-
nio Guiarlo.
Appellanle, o juizo ; appellado, Jos Ferreira
da Silva.
Appellante, Antonio Flippe Nery ; appella-
do, o juizo.
DIA 1 DESETEMBRO.
PRESIDENCIA DO SR. DR. (DIZ DE DIRF.IT0 INTERINO
DA 2!" VARA CRIMINAL. 11EEM0-
GENES SCRATES TAVARES HE VASCONCELLOS.
Promotor publico, o Sr. Dr. Francisco Leopol-
dina de Gusmo Lobo.
Escrivo, o Sr. Joaquim Francisco de Paula Es-
leves Clemente.
As 11 horas da manhaa, o ercrivo procede
chamada nominal e verifica eslarera presentes 45
juizes de facto.
O Dr. presidente do jury, declarando aberla a
sessn, declara multados em 20ftaquelles dos
Srs. jurados que nao compareceram.
Sao relevados das mullas quelles que compa-
recer aos Irabalhos, justicahdo com legitima
escusa as suas faltas era dias anteriores.
E' submellido & julgamenlo o reo Antonio Jos
Alves, pronunciado no arl. 3. da le de 26 de ou-
tubro de 1831 por haver sido encontrado com una
faca de pona no dia 7 de setembro de 1859, s
10 horas da nole. sentado junio ao chalar que
existe entrada da ponte da Boa-Vista.
O reo, sendo preso nessa raesraa nole. hava
ja cumpridoo duplo da pena que Ihe poderia ser
imposta no grao max;mo.
Sendo defendido pelo Sr. Romualdo Alves de
Oliroira, que se houve cora ura zelo louvavcl, o
reo foi acensado enrgicamente pelo ministerio
publico que treplicou cora um longo discurso,
cheo de aniraago.
Estando o conselho plenamonte instruido pelos
debales, recolheu-se sala, das conferencias se-
cretas, de ondo voltou poucos minutos depois
com as suas resposlas aos quesitos.
Era vista dellas, o Dr. presidente do jury la-
rrou a senlenga, aue publicou ao tribunal, con-
demnando o reo 3 l|2 mezes de prisao cera lra-
balho como incurso no art. 3. da lei de 26 de
oulubro de 1831.
A sentones do jury foi justa eao mesmo tem-
po equitalira. Desde rauto lempo que o nosso
tribunal do jury nao se distingue por tantas sen-
tengas Ilustradas. A punico do crime j nao
entre nos um sonho.
Leranta-se asesso.
RELACO dos doenles tratados na enfermara
de marnha desla provincia, no mez de agosto
desle anno.
Exisliarn.........40
Entraram.........5
Somma
.....-. 53
........1
........71
Somma
Sahiram
Falleceu
Exislem
125
125
CONSULADO PROVIXCIAL.
Alleraccs feitas no lancamento da d-
cima da freguezia de- S. Fr. Pedro
Uonealves do Rccife, que tcm de
servir do auno iinanceiro de 1860
a 1801, pelo lancador Joao Pedro
Jess da Malta.
Ra da Cadcia.
N. 8.Antonio Pedro das Noves,
sobrado rom unii leja e dous an-
dares, arrendado por............ COgOCO
lueiu lo.Aiiiuiii i>oJm das No-
ves, sobrado cora una loja o dous
andares, arrendado por.......... 1:100$Q00
dem 5iJo'io Jos de Carvalho
Moraes e Paula Izlra da Costa
Monteiro, sobrado cora urna loja e
ura andar, arrendado por........ 800^000
dem 58.Joo Antonio Pereira da
Rocha, sobrado com urna loja o
dous andares, arrendado por___ 8'0$000
dem 52.Emilia Constancia de Mo-
raes Ferreira, sobrado com urna
toja e 3 andares, arrendado por.. 3:20O;0OO
dem 5.Joo Raplista Fragozo, so-
brado cora urna loja o dous anda-
res, arrendado por................ 600003
dem 9.Jos Riplista Rbeiro do
Farias, sobrado com urna loja o
dous andaros, arrendado por..... 600$000
dem 11. Candido Alberto Sodr
da Molla, sobrado comu ma loa e
dous andares, arrendado por...... 1:020$000
dem 17.Antonio de Azevedo Pe-
reira, sobrado com urna loja e 2
andares, arrendado por.......... 850^000
dem 21.Antonio Joaquim de Sou-
za Rbeiro, sobrado com urna loja
o/res andares, arrendado por___ 1:600#000
dem -27. Manoel Pereira Caldas,
sobrado com urna loja e tres an-
dares, arren lado por............. 1:0805000
dem 37.Francisco Severiano Ra-
bello Jnior, sobrado com urna
loja e dous andares, arrendado
por.................... .......... 1:6005000
l.tom 41. Manoel Gongalves da
Silva, sobrado rom urna loja o 4
andares, arrendado por.......... 1:5009000
dem 49.Viuva e herdeiros de Jo-
s dos Santos Nunes de Oliveira,
sobrado com urna loja e dous an-
dares, arrendado por............ SOOJOOO
dem 53.Isabel da Silveira Miran-
da Seve, sobrado cora duas lujas
e 3 andares, arrendado por...... 2:4S03000
Ra da Cruz.
N. 6.Jos Antonio Lopes, sobrado
com urna loja o quairo andares,
arrendado por.................... 22505000
dem 18.Joo Antones Gumares,
sobrado com urna loja o tres an-
dares, arrendado por............ 1:7205000
dem 28.los Rodrigues de Arau-
jo Porto, sobrado com una loja o
3 andares, arrendado por......... 1:9009090
dem 32.Jos Rodrigues de Arau-
jo Porto, sobrado com duas lojas
e dsiis andaros, arrendado por... 1:1605000
dem 38.Mana Francisca Marques
de Amorim, sobrado cora urna lo-
ja o tros andares, arrendado por.. l:&00j00O
dem 41.Irmandade de S. Rene-
dicto, sobrado com urna loja e
dous andares, arrendado por..... 8OO5OOO
dem 64. Herdeiros de Antonio
Ferreira Dunrte Vellozo, sobrado
com urna loja e dous andares, ar-
rendado por...................... 7OO5OOO
dem 68 Gnilherme Soares Oo-
telho, sobrado cora urna loja e um
andar, arrendado por............. 6OO3OO}
dem 5.Antonio Pedro das Neves,
sobrado rom una loja o 2 anda-
res, arrendado por................ 90J000
Idera 7.JoaquiaOlachado Portel-
la, sobrado eom urna loja e 3 an-
dares, arrendado por............ 1:6005000
Idera 9. Florencio Jos Carneiro
Monteiro, sobrado com urna luja o
Iros andares, arrendado por...... 2:6005000
dem 17.Setihorinha de Oiiveira
Jacome Pessoa, herdeiros de Ma-
noel Jos de Oliveira, sobrado
com urna loja e Ires andares, ar-
rendado por...................... 2:0005000
dem 19. Herdeiros de Joo da
Silva Moreira, sobrado rom urna
loja e tres anda/es, arrendado por 1:5005000
Idom 23.Dr Benlo Jos da Costa,
sobrado com uina loja e tres an-
dares, arrendado por.............. I:650g000
Idera 25.Joanna Mara de Dous,
sobrado com urna loja e tres an-
dares, arrendado por............. l:200jj!000
dem 27.Joanna Francisca de Me-
nezes, sobrado com urna loja e 3
r
ILEGVEL
i


1:3009000
58424)00
1:500000
ailares, arrendado por...........
dem 39. Francisco Jos Regalo
Braga, sobrado com urna loja e
urn andar, arrendado por........
dem 43. Manoul Goncalve* da
Silva, sobrado com urna loja e 3
andares, arrendado por..........
Idora 49.Mnoel Naximiauo Que-
das, sobrado com urna loja o tros
andares, arrendado por.......... 1;200j|OCO
dem 51. Viuva o herdeiros de
Joo Va/, de .Oliveira, sobrado
ora urna loja e tres andares, ar-
rondado por......................
dem 57.llosa Mara Duarle, so-
brado com urna loja e dous inda-
res, arrendado por................
dem 59. Fortunato Cardo/o de
Gouveia, sobrado com urna loja o
dous andares, arrendado por.....
dem 63 Peidel Pinto & C.\ so-
brado com urna loja e 3 andares,
arrendado por....................
Kua do Trapiche.
N 4.Antonio do A/.evedo Pereira,
sobrado com urna loja e tres an-
daros, arrendado por.............
dem 6.Antonio de Azcvedo Vil
larouca, sbralo com urna"loja e
tres andares arrendado por .
dem 16.Dr. Abilio Jos Tavares
da Silva, sobra Jo com urna loja c
quatro ailares arrondado por. .
dem 22.Jos Pereira da Cunlia,
sobrado com urna loja e tres an-
DIARIO Dg PBBKABMlCO. SEGURO* FEIRA 3 PR 8tTE.MBr.ft DE 1880.
1:5803000
80O3OO0
8O0SO00
1:2005000
1:900|000
2-OOOgOOO
1:8001000
commercianlesportugudzcs.Estes quenaiu a
mudanca da cmara municipal para o Recife, e
aqucllesquoriam que (lcasso em Olinda. Vence-
r m os matales e a cmara foi transferida para
o Recife. Hojo sao os descendentes daquelles
matales que transferera a cmara municipal do
Recito nao para Olmda e sim para S. Lourenco
da ahila,subjugando obairrocommercialda cida-
de a um cantosinho que a corruptela mais dos-
gracada da nobreza de 1710! E isso, porque
nem ao menos teem o bom senso de reconhece
rem, que os seus inimigos nao sao nem podem
ser os homens do partido liberal, nicos que,
defendendo a liberdade, defendem com ella a
ordem e o rospoiio a lei I
Veremos, se aindaem 1860 esta meia duzia
do porluguezes velhos sahe de sua casa e
vai arrastando os ps, depositar na urna eleito-
tM da freguezia de Santo Antonio o seu voto de
adhesao aossenhores feudaes de S. Lourenco da
Malta
Que vorgonha I Que vergonha 11 E um
hornera que se diz liberal quem isto escreve!
Poderiamos analisar urna 1 urna todas as pro-
posices contidas 110 trecho cima transcripto,
poderiamos mesmo pergunlar a aulor desse ar-
tigo, quem eslava no poder, quem promoveu o
masssere da ra da Praia era julho do 188
Mas isto iria offender susceptibilidades alera
de ser inconveniente a discusso nesse carino
Picamos pois aqu, recommendando a appre-
ciaeo e medilaro dos verdadeiros liberaos desta
provincia e de todo o imperio o artigo cdiclorial
do Liberal citado na parte cima transcripta.
O redactor em che fe do Liberal conrmou o
daros arrendado por. 1 200*000 J"'zo 1U0 a resPet<> le seu caraeler temos emit-
id?, m 41.-Herdeiros de Jos Gomes Illdo Por VC10S-
Recife 31 de agosto.
Villar, sobrado com urna loja e
tres andaros arrendado por .
dem 46.Herdeiros de Antonio
Fraucisco Branco, sobrado com
ma loja e tres andares arrenda-
do por.........
Idora S.Herdeiros de Antonio
Luiz Goncalves Ferreira, sobrado
enrn urna loja e tres andares ar-
rondado por ........
Largo do Corpo Santo.
Numero 4.Herdeiros de Jos Fer-
reira Ramos e Manoel Ignacio de
Oliveira Lobo, sobrado com urna
luja o tres andares arreudado
l">r..........
dem C Jos Pereira Vianna, so-
brado cora urna loja c tres an-
dares jirrendado por.....
Idem 17.Herdeiros de Juo Leilo
de Azcvedo Maia, sobrado com
una loja e tres andares arrenda-
do por.........
dem 21. Ordem Terceira de S.
Francisco, sobrado com una loja
e iros andara arrendado por. .
dem 25.Oidora Terceira do Car-
ino, sobrado com urna loja c
dous andares arrendado por .
dem 27.Marcelino Jos encal-
ves da Ponte, sobrado com urna
ioja e Iros andares arrendado
l'"'..........
Ra do Vigirio
Numero 10.Rallar & Oliveira, so-
brado com uma loja e dous anda-
ros arrendado por......
dem 12.Francisco de Paula Cor-
rea de Araujo, sobrado com uma
loja e Ires andares arrendado
por...........
dem 20.O mesmo, sobrado com
uma loja e 3 andaros arrendado
por..........
dem 21.-Mosteiro de S. Denlo,
sobrado com uma loja e dous an-
dares arrendado por.....
dem 1.Manoel Ignacio de 0!i-
voira Braga, sobrado com uma
loja c dous andaros arrendado
por.........
dem i) Joo Hanoel da Veiga
Scixas e Jos da Silva Azevedo,
sobrado com uma loja c iros an-
dares arrendado por.....
I Je 11 11.Manoel Goncalves di Sil-
va, sobrado com urna loja e tres
andares arrendado por. .
dem 13.Jos Jernimo Monlei-
ro, sobrado com uma loja e ires
andares arrendado por.- .
dem 15.Herdeiros de Lauriana
Rosa Candida Rogueira, sobrado
com uma loja e tres andares ar-
rendado por.......
dem 19.Thomaz deAquino Fon-
seca, sobrado com uma loja e
tres andaros arrendado por
dem 23.Francisco Jos Teixcira
Bastos, sobrado com uma loja e
iros andaros arrondado por .
dem i'). Jos Juaquim Pereira,
sobrado cora uma lojae dous an-
daros arrendado por.....
Travossa do Vigario.
Numero 1. Francisco de Paula
Queiroz Fonseca, sobrado com
urna loja e dous andares arren-
dado por.........
dem 3.Senhorinha de Oliveira
Jacome Peixolo, o Jos Jorge
Pinto, sobrado com tros tojas c
tras andares arrendado por .
Primeira seceo da mesa do consulado pra-
vincial de Pernambuco, 23 de agosto de 1860.
(Continuar se-ka).
W.
S:000f000
2:0003000
1:800-3000
l:000j000
1:2503000
1:6003000
5603000
20OJS00O
700-3000
9003000
1:0203000
6JO3OOO
860*000
6OO9OOO
1.500-3000
1:3003000
1:260;000
1:02SJOOO
1 220J000
1:5003000
CJ03000
4323000
000300!)
niara quaineouai, succeieu ovup*r a respectiva
di-legaca de polica por espado do sele annos,
11ra propietario natural da Parahiba, o Sr. com-
mendador Antonio Francisco Pereira ; e dahi a
triste lembranca de impor-se-lhe um bacbarel
tambera Parahibano, com preterico dos
raes desde a eleico de 1856 I
Foi isso motivo para abrir-se nessa poca uma
grande lula na comarca, que s cessou por lar
queeaijva ao seu alcanee ; o jui elle cousotava
um enfermo cadavrica, quo gemid sob o peso de
suas dores, allia acaricava um alienado que gri-
tava o lirasse d'alli. acola emfim exorlava um
.. servente ocioso a que desse coraprimento a seus
- deveres ; porm qual nto foi o seu pasmo quan-
do se tiatou dos salarios acluaes dos einprega-
dos do mesmo estabeleciraento, mxime de cor-
lo salario que ahi ha lo rnesquinlio que at me
rifrtn.7,!??. "5 .d0 a'"Vu5" daroPgnan- ansa vergonha pubtica-lo. alias sendo um dos
ca dos Goiannistas, indicando-lhes a candidatura empregos de primeira classo 1
vJtTi.fa^- l*"V" d ^gU"r- N" 'crdade Para so """"t : e nao f,i ne-
r m V? I deVCra eJ cscarme"ado o cessano que ello revellasse o seu senrimenlo, por
L.T7 fP'l5l,a;'ll',e ,e"' m*lMe claramente no sen semblante estas
comprehender a impertinencia e a impoltica do ualavras : misler que estes empregados sejam
seu protegido, e aconselhado a ambos uma com- [ homens to ntegros que por to diminutos sa-
plela desistencia, sobretudo havendo S. S. s co- larioi deem comprmeme a seus caraos I
tnido em resultado a demissao do cargo policial I Eslou convencido de que o dinisimo orove-
que enlao exercia. .... dor da irmandade da sania casade misericordia
Mas a ambicio que nao reconhece limites, que o Ex*, commondador o Dr. Anselmo Francisco
oibra ou cega os seus pacicnlos, levou o Pere.ti. hornera de alta inlegridade e benevolen-
obra* de praia; a- t. L. F. Mouii-
* u>'u:i ii urMitUitiiltl UU UUI* KuHU 11 __ ------ ----- w .
5r. Dr. Jos Ignacio, e para cose- \,n* .^ ,q,,m lem vida independenla. p
ao do juiz dedireito. o Sr. Hr. Fre-Iq os m,oraes. "ni dignamente ex
le este nao querendo ser poltico re- os c,r')S Pblicos, sejam destoon d'aquella
ar a sua causa, e eenro do hoie fi- *? P.'mllca mas em nonhum caso dere
Correspondencias.
Comarea lo Santo Anio.
Victoria. 27 de aaosio do 1860.
Meu charo amigo.Vou agora ciimprir a pro-
messa, que na minha anterior missiva vos flz.de
ser mais explcito.
# Enlao vos diiia que o improvisado chefe do par-
tido praieiro daqui linha por toJos os meios ao
candidato derrotado a insistir em sua exagerada
pretenco, aguardando a segiiinle eleig.io, c
pretendendo dominar os empregados da co-
marca, o rehabilitar na polica o seu pro-
tector !
Os quatro annos de 1856 a 1860 teem sido des-
pendidos pelo Sr. Souza Carvalho na ardua ta-
refa dos enredos, dos mexericos, das denuucias
e intrigas para obter a desliluicao do delegado
de polica o Sr. Dr. Jos I
guir a remoca
las, s porque
cusava esposar a sua causa, c genro do hoje fi
nado Barao da Victoria, que era aponlado no nu-
mero dos amigos iii'imos do Exm. Sr. Ferreira de
Aguiar.
Al bem pouco lempo foi poupado o Sr.
Dr. Joo Hircano, e mesmo elogalo polo Sr.
commondador Pereira, tanto no particular, como
pelo Diario de Pernambuco, porque a seu res-
peitoalimealava aquello candidato algumas es-
perances do poder ageita-lo, de o chamar a seu
servico.
Mas como quer quo se apropiuquasse o anno
da nova lide. o de 1860, sern que visse o Sr.
Carvalho realisados os seus dourados sonhos, -
cerca dos dous primeiros ; o sem que podesse
submetler o Sr. Dr. Hircano ; ciilrou em deses-
pero, o nao encontrando apoio nos numerosos
ca assira como os domis dignissimos membros
fara justica a esses empregados como merecera.
U Justiceiro.
Itesposta ao Liberal ante-verdadeiro.
Qi ando se pretende escolher cidados para os
lugaies de eleico popular.quem deve decidir sao
os precedentes dos eleniveis. recahindo a esco-
r> quem lem vida independenle, possue
ercido
a eren*
. em ser
elmis os viciosos, energmenos, e atrabilarios ;
om samma os homens do bcra perlencem a um
s partido assim o enlende.
O frasileiro.
Querendo de promplo satisfazer ao Sr. Uberal
rerdaaeiro armo-lhe quo os meus amigos dou-
lor J J. do Souza. padre J. L. P. Orthigueira,
M. da bilva Neves, e A. H. Mafra ; eslio com
os seus patricios que s almejao o bem, e pros-
peridade do pait que Ihes deu o bergo. em re-
conpesa do que so aspiram a estima de" seus sin-
ceros comprovincianos.e nao precisam para nada
do apo:o do perguntador, isso Ihe afirma
O inimigo dos intrigantes.
seu alcance feilo a possivcl diligencia para intrigar propnelarios da comarca, .ios quaes recorren de
o Sr. capilo Jos Semino Cavalcani de Al bu- Prla em l'''a. '
querque com n Sr. coronel Jos Cavalcanti Fer-
raz de Azovedo, sou anligo amigo, e correligio-
nario poltico ; e nao conseguindo isto ; enlao
Ihe offorecera a votacao do seu lado, com lano
que fosse eleito voreador mais votado da futura
cmara municipal em opposco ao Sr. coronel
Ferraz.
Parece-me eslar ouvindo a rosas voz, inda-
gando, qual a razo desse empenho para nao re-
cahir a presidencia da muuicipalidade 110 Sr.
coronel Cavalcanti Ferraz.
Eu vou salisfazer o vosso desojo.
Cora quanlo o Sr. Dr. Jos Felippe de Souza '<
Lelo, juiz de direito desta comarca nao se te- !
nha envolvido era negocios eleiloraes. e viva to-
00 retirado; lodavia alguem seu desafecto o pro-'
cura molestar na pessoa do Sr. coronel Caval-
ca.i Ferraz, seu amigo, e prente ; inculcando
assim ao publico, que o Sr. Dr. Souza Leo n.io
tem opinio entre nos. pnis se a livesse, conso- [
goiria, que o Sr. Cavalcalcanti Ferraz obtivesse
a maioria da votac&o.
Eis a razo desse empenho- o de cerlo que
com outra nao podemos atinar : porque nesle
proccdimenlo nao ha poltica, o somonte despej-
lo e guerra pessoal, como anda continuare! a
demonstrar.
Nao ha poltica, repito ; porque, se a houves-
se, nao forcejara o chele, como anda o faz, por
aluciar o Sr. capitao Jos: Severino, oiTerccendo-
ilie a volaoao do seu lado, como se diz sendo
alias este, inimigo (o com razo) de um partido,
que cngondrando-llie procesaos, consog.iio me-
le-lo na cada desta cidade, e do Recife, e al
mesmo correndo risco de vida, em cousequciicia
de um (iro, que Ihe fora disparado, quaudo des-
ta cidade so diriga a Cacimbas, como tem mu-
las vv/.^i diloo Sr. capilo Jos Severino.
Portanto j v-so, que a guerra dirigida ao Sr.
coronel Ferraz nao traz peusamento poltico, e
somcute despeito pessoal.
O Sr. capitao Jos Severino com o seu amigo
o Sr. coronel Ferraz marcharao sempro accordes
as pocas eleiloraes, c dev'emos confiar, que
assim conlinuem, despresando essa offerta, mo-
vida pela necessidade; porque bem corto o axio
ma A'eino repente bonus Nao para crer-se,
que essa gente se laoha tornado to depressa
amiga do Sr. capilo Jos Severino ; que nos
pormitlir dizer-lhe, que se acautele desses ma-
nejos de infames intrigas, enjo resultado ser di-
vidi-lo dos seus anligos, e prestrnosos amigos.
dando janhii itu eausn ans seus adversarios, o
perseguidores
Couvaa pois, que os amigos nao se dividam
para nao se enfraquecerem ; porquanto toda a
forja est na unio, e uniformidado de ponsa- res0?
monto. Nao,
e vendo quasi abandonado osen
prolector, fomnu a resoluro de ir negociar com I
cerlo bacharel, militante do antigo partido pniei-!
ro, e desempregado, prometteu Ihe. confiado nal
amizado lo inculcada do Exm. Sr. ministro da '
justica, a vara de direito da comarca do Pilar, !
Dar que elle arrebanhasso oulros, e com estes ; Capitao Cata no Cyriaco da'Costi
lizesse-n estrepi o pelos jornaes contra os dous jos0 Francisco d U Le ao?
d,suncios ...agsIrados, ..sacando- bes toda sorto Manoel Francisco Marques.
de injurias e calumnias : isso no intuito de Ihe
facilitaren]
OflVrecemos para jni/os de paz da
fresuezia du llccife os sesuintes
Si'iiluiros :
Para o Io districto.
Padre Jos Leile Pila Orligueira.
i cauoes
rrho.
50 caixcs batatas ; a Antonio Lipes Rodri-
gAM*S.
1,211 resteas cebollas ; a Antonio Jos Fer-
nande.
lOeaixotes fouces, machados, fechaduras, fer-
ros pedrezes, linha e palitos ; a T. Fernandes da
Cu nha.
5)caixotes sebo em pes c om velas ; a J. J.
R. Mondos.
8 barris pregos, 50 resteas arcos de pao ; a J.
da Silva Loyo & C.
5 quartolassobo ; a Domingos Alves Matheus
2 caixes imagens; a Juaquim da Silva Castro.
198 camastras alhos ; a Manoel Duarle Rodri-
gues.
1 caixo obras de prata ; a Henrique Jos dos
Santos.
100 caixes batatas; a Pinto de Lemos & Bai-
ro.
55 caixes hlalas ; F. F. Alves
511 ditos ditas; a D. R A. P
1 caixes e 1 cuntite ignoro; a Gumares &
Azeredo.
3 barris vinho ; a II. Forsler A C.
2 caixes livros; a Guiniaros & Oliveira.
25 caixotes sebo, 25 ditos dito em velas, 20
mullios arcos ; a Azevedo & Mendes.
10 caixes pomada, 26 canaslras btalas, I cai-
xo vidrilho, rendas de palhela, etc.; a Francisco
de \ranjo.
11 saceos rolhas, 3 barricas macolla; a J. da
Silva Faria.
3 cadeiras ; a Antonio C. dos S.
1 lata salpicos i a J. de S. Maia.
44J molhos ceblas ; a J. F, da C
1 caixolinho ; a Vieira & Guiniaros.
1 dilo, 1 capoeira gallinhas da Coxinxina ; a
F. J. da Cunha Gumares.
138 pedr.s do lagedo, 29 molhos c 2.177 ros-
leas ceblas, 68 caixes batatas, 3 camastras alhos
2 pacoles sapalos de liga, 1 cadera, 1 caixo es-
coras, 4 saceos louro, 4 cextos ignoro, 3 viveiros
canarios, 15 lastros de pedra ; o E. J dos S An-
drade&C.
Consulado feral
Rendimento do Jia i..... 2003715
(3)
llio de Janeiro, l de agosto.
COTACKS OFFICMK l>\ JINTA DOS COR1IETORES.
Cambios.
Londres-26 1/8 e 26 1/4 d. a 90 dias.
Benjdmim Muniz Brrelo,
Presidente.
Diocltciano Bruce,
Secretario.
. n.TWA HORA.
Cambios.
Incluindo as pequeas transacqes effecteadas
huje, sommam os saques fechados para o paquete
francez Extremadure :
Sobro Londres, af 250.006, na maior parte a
26 d., e o resto a 26 1?8 e26 e 1/4 d.
Fecharan)-so as uliimss operacoes a 26 1/8 e
26 1/4 d., tendo se firmado o cambio progressiva-
mente, e obtendo os tomadores de Iptras a 26 ds.
concesses de prazo mais ou menos largo para
seu pagamento.
Sobre Paris 800.000 francos, sendo as quantias
mais avullad.is a 367 rs., e as mais menores a
368 rs.
Sobre Hamburgo 20,000 m. b., a 700 rs.
Descontot,
Conservaram-se nos bancos a 9 0/n.
Nb praca foi regular a procura do dinheiro.
SatisOzeram-se as uecessidades, porm notou-so
alguma alleracao na taxa anterior, descontndo-
se de 9(2 a 10 O|0 as firmas de primeira ordem.
Para o papel de Boiras classes deu-se propor-
cionalmente a mesma alta.
Mtlaes.
A exporlaco, desde 14 do rorrenta at hoje,
sobe em moeda s sommasseguintes :
Ouro Para o Porto, na barca por-
tugueza Hydra........................ 6I4JO0O
Para Lisboa, ra galera
brasileira Aurora........
dem, na dila portu-
gueza Nova Sublil......
1.-0781006
8365000
Para Rordeaux, no paquete francez
Extremadure.........................
1:914*000
5 0005000
i. de cerlo, meu amigo, para lastmar-se, que proprietarios, do3 con
alguma imposicao ao governo, ou as
j remocesdos juizes qne nao queriam o nenique-
I rem ser seus manivellas ou machinas eleito-
j raes.
A mis,jo foi promptamente aceita, porque o
! actual praioirjsrao desse bacharel consiste em
arranjos privados, c mais achaudo-se em predio
de muitos ha 12 annos sem pagar rendas, e Ira-
zendo importante demanda com um irmo ute-
rino, cujos direilos tem atropellado, e a quem
deshumanamente persegue, nao Ihe faz conia ver
na comarca um juiz da tempera, e carador do
Sr. Dr. Hircano ; suspira diariamente peia viuda
de algum amoldavel, que o auxilie e proteja
as coslumadas falcalruas o dolosas usurpa-
r-oes.
Assim posto o andor na ra, 33 respeilosas pa-
ginas dos mencionados jornaes, vem-se sem-
pre pojadas de versos chulos e ridculos e de ar-
ligos rocheiados de imputacoes lo falsas e in-
verosimeis, quanlo repelidas em desprezo de va-
liosos documentos exhibidos frequenlemenlo ao
publico I I
Sao, poi3, os intoressesoleorces do bacharel
Souza Carvalho, combinados com as vistas nio-
ressciris e letigiosas desse b3chrel, praieiro si-
mulado, as causas primordiaes e verdadeiras de
toda essa grita que vai aborrecendo a lodos os
homens sensatos c honestos.
Sao ellas cerlamenle por domis immoraes,
indignas e vergonhosas, para que possam pro-
duzir effeilus meritorios, susceptiveis da alten-
cao de um governo moralizado, o que bem com-
prehonda a altura de sua misso ; de um go-
verno que saiba repellir o degradante papel de
capacho de candidatos imprudentes, e do deman-
dlas injustos e cavilosos.
O exemplo do succedilo com o juiz de direito
Rgueira Costa os teem acornenado, 6 sua repe-
llCio seria um desasir violento, uma calami-
dad-- gravissima para os furos e independencia
do poder judiciario.
Por outro lado lem a ordem publica alguma
cousa que recciar ?
Tem o governo nee.essiauu Ou aiauela. u
prever algum grande successo que possa at certo
poni justificar um acto menos justo c doco-
mil vezos nao. A
Para o 2o districo
Alferes Ignacio Antonio Borgues.
Manoel Estanelau da Costa.
Antonio Henriques Mafra.
Estevo Jorges Ruptista.
Um volante.
AI f:i Mil'-
Rendimento do da 1.....16.010S2S1
Diversas provincias.
Kendiraenlo do da 1..... y
12*5310
16:2115950
1-178*100
9375000
423*615
ttovimento da alfandes
Volumes entrados com fazendas
com geueros.
Volumes saludos com fa/.endas
com gneros
inasi totaldade dos
. mmercianles, dos emprega-
0 espirito maligno soprasse cnlre nos o hallilo dos c dos homens inlolligentes da comarca, dos
pestfero da minga para assim chegar ao seu quaes ludo depende, est satisfoitissima. J um
m. (quod Deas a vertat) e j nao ser solemne e publico voto de apoio c adheso pro-
feriram em favor dos eilumniadoa magistrados.
possivel fazer se ama eleico, onde smenle se
olhasse para o mrito sem distinco de cores po-
Communicados
A consciencia da sua nenhuma importancia
poltica, e da ausencia de um partido, que tome
a poiio a sua candidatura, deve o red ador em
Chefe do Liberal Pernambucano os dilierentos
papis que ha feito desde 1850 al esla data.
ili ll annos que lula, e em voz de avancar,
c 111 da recua urn passo. Sem os requisitos e-
cessanos para chefe de um partido, sem 03 pre-
di-a los quo recommendara um candidato, nao
sabe a que sanj so encommenda. Implora a
proleecao do logisla, do laberneiro, do tgpogra-
pho, do artista, do magistrado, do medico e do
adrogado, mas desconfiando de lodos estos, que
bem o conliecem, eleva os olhos aos agentes do
governo, ea>sob protestos da mais sincera grati-
do, roga-lhes que o coadjuvem na sua pere-
grinar; "m ierra da promissoa depntarao.
anda assim nao esl satisfeilo: o cerebro se
Ihe escalda com a lda de uma taboca, e a nica
taboa desalvaso que v dianle dos olhos, s
os l'ortuguezes. esses velhos l'ortuguezes que nos
das de eleico sahem de seus escondrijos, e ar-
rastVido os ps vo depositar a sua chapinha e
beijarem a mo aos potentados de Sao Lourenco.
Portanto agarra-se elles, e, anda desconfia-
do de seu merecimenlo, para alcancar-lhes os
votos entendeu conveniente lombrar-lhes odios
paslados, e provocar rivalidades entre ellos e os
Brasilciros.
Para que os lciloics m.iis uma vez se conven-
eam da verda le de nossas proposices e para
que alguns poneos liberaes, que anda esto il-
ludidos conhecam, do quo e ser
ui'i lo chefe d"
ver uma parte
Pernambucano de 29 do mez hoje nnao, em qu
o rodador em chefe faz um appello para o pa-
triotismo dos Portuguezes as prximas eleices
lembrando-lhes a guerra dos Mscales em 1710.
Vejam e admirem os cleilores a facundia do
liomem.
V.
Santo Antonio.
" A freguezia de Sanio Antonio, uma das
mais populosas e mais ricas; nella se opera um
grande movimemo artstico, scientiflco e cora-
mercial. Lujas de fazenda, tabernas, typogra-
phias, ofdnas, tribunaes, escriptorios do medi-
cina o de advocacia. ludo quanlo exprime o de-
senvolvimentoda civilisaQio de um povo, cons-
tilue a vida dessa parle do municipio.
Como que uma freguezia to importante
consentira em ser supplantada pela potencia feu-
dal de S. Lourenco da Malta ? Ha nada mais
triste, mais vergonhoso?
Regularmente sempre quo ha eleico, appa-
rece um grupo que recebe as inspiracoes docas-
lello de S. Lourenco da Malta, e reunindo uns
ponuguezos velhos, que sahem dos seus escon-
drijos, intima-llies que votem na chapa do3 ho-
mens da ordem, porque os liberaos sao ucs anrer-
chiilns ; eos pobres homens, deixando -se arras-
lar por urna linguagem a olhos vistos mentirosa,
I se vao.arrastindo os ps, depositar a sua cha-
pinha, que outra cousa nao mais do que um
beijamo vergonhoso aos potentados de S. Lou-
renco da Malla. Ouo poriuguezesl Nao veem
elles que por tal modo renegam os bros de seus
antepas3ados!
En 1710 houve uma guerra ensanguentada
entre nobres e masca (es. Os mscales eram os
tilicas.
Mas oque vemos nos? Hesquinhas intrigas,
manejos infames para sedesligarem pessoas, que
sempre estiveram unidas, plantando-se entre
ellas a desconliauga.
A nao ser isto, poderiamos avancar, que em
neiihum oiilro lugar da provincia se lana uma
eleico mais regular, e pacifica, que na cidade
da Victoria
Todava temos fe constante, que os amigos, a
quoin se lem procurado dividir, cada vez mais
ligaro esses lajos de unio, despresando essa
ollera degradante, e aeintosa feila aos Sre. cap- verem uma com
to Jos Severino, e Aloxanire Rezcrra ; acintu- beralivo criminasos
sendo que os gritadores nao passim desse ba-
clnrr-l o de dous ou tres criminosos alenta-
dos pela esperanza de futura npunidade, cri-
minosos que vivem embrenh idos c fugiti-
vos I 1
Se o numero insignificante, se nao pesa e
nem anilla na balanca da ordem publica, e s
se pode fazer sentir dlas Jeremiadas, pelas qua-l Piulo.
22
180
------ 202
lii
12
------156
Descarregam hoje 3 de agosto.
Escuna hollandeza Atlanlfarinha de trigo.
Rarca americana Goldon Hownarroz e rolim.
Rrigue inglezEagleplvora.
Brigue inglezMinstrelcarvao.
Brigue inglezCaroline Schenkbacalho.
Rarca iugleza Palmalhalouga.
Barca ingloza Nurvalbacalho.
Carca ingloza Bonitao resto.
Pallnbole americanoOriamfarinha de trigo.
Barca porlugueza Gratidodiversos gneros.
Patacho portuguez Promptido diversos ge-
ueros.
Importaco.
Barca porlugueza Gratido, vinda do Lisboa,
manifesion o seguinle:
80 barris loucinhn, 20 dilos azeile de olivei-
ra, 200 saceos farello, 15 ditos covada, 16'J cai-
tas ceblas : Francisco Severano Rabello &
Filho.
2caitas chpeos para liomem; Juaquim de
Oliveira Maia.
25 barris vinho, 30 ditos vinagre ; a Manuel
loaquim tt. Silva.
3 caixotes c 1 fardo camphora, vidros, flor de
sabugo c oulras drogas ; Vicente Jos de
Brilo.
50 barris cal ; 5 Antonio Muniz Machado.
26 pipas e 125 barris vinho, 2 pipas agurden-
te; a Barroca & Medoiros.
20 meiss pipas vinagro; Manoel Alves Guerra.
1 caixa productos cliimii-os, 1 barril verdale,
2 caixas pinceis, 2 ditas rebique, facas elsticas,
I dita espirito de salamooaco, 1 dita essencia
de canolla, 1 fardo cera amarella; a Vicente Jos
de Brilo.
llsaixas batatas
driguos.
4 caixas e 1 fardo malvas, dormideiras, ro-
sas e outras drogas ; a Joaquim de Almeida
RENDIMF.XTO DA MESA DO CONSULADO DE
PERNAMBUCO EM TODO O MEZ DE SETEM-
RRO DE 1860.
Consulsdode 2 por cenlo.
Dijo de 5 por cenlo. .
Ancoragem.....
Direilos do 5 por cento
na compra e venda das
embarcaces. .
Espediente da capatazia.
Sello fixo...... 455J640
Dilo proporcional. 60c537
Emolumentos de cerli-
dus....... 31*600
-------------19:321*082
Diversas provincias.
Di/imo do assucar das
Alagoas...... 30S316
Dito do algndo, assucar
e couros da Parahyba. 1:057$ 100
Dilo de diversos gneros
da dita...... 312*564
Dito de diversos g-
neros do Rio Grande
do Norte...... 102^165
-------------1:806$! 15
21:I27$j27
Mesa do consulado de Pernambuco 31 de agosto
de 1860.Pelo escrivo, o primeiro escritura-
rio Joo Franc seo Regs Quintella.
UeeeS>eduria de roml.is lateruas
geraes do l'ernainliucu
Rendimento do dia 1..... 49j$008
Consulado provincial.
Rendimento do dia 1..... 470$SS8
PRACA DO RECIFE
1' DESETEHltKODE 18GO-
AS 3 HORAS DA TARDE.
Revista Semanal.
n 7:558S0O
l'rala.Para Lisboa, na galera por-
lugueza Noom Sublil.................. 1:500900o
Tolal............ 9:0585000
Asiucar.
Tem havdo pouca procura do branco, porm o
raascavo leudo ainda a subir por se ter vendido
quasi tolo o baixo do norte que havia em depo-
sito.
As ultimas vendas foram pouco importantes o
com deslino ao consumo, alera de algumas pe-
quenas partidas para o Rio da Prata: as pri-
meiras ohleve o mascavo uma alia de 400 e 500
rs. sobre os procos anteriores.
Colamos :
Campos : branco de 5JJ100 a 5S800, e mascavo
de 4$ a 4;600.
Pernambuco: branco segunda sorle de 6j> a
6;2l)0, terceira surte de 5S700 a 59UIK), somenos
quarla sorle de 4;800 a 9200. e mascavo {ulti-
limos vendas) de 3*200 a 3400.
Baha e Coiinguiba : branco de 5?>700 a 5*200,
e mascavo de 3$ a 3?>60.
Picara em deposito :
De Campos 200 caitas.
De Pernambuco 1 .000 saceos.
Da Babia e Coiinguiba 500 caixas.
(Jornal do Commercio do Ro).
Bnliia, 28 de agosto.
Cambios e vielaes.
Londres 60 e 90 ds.25 1/1 a 25 ltld. a90 d/v.
Pins 370 a 37". rs. o fr.
Hamburgo 715 a 720 m. b.
Lisboa 115 a 118 0/rj.
Doblos hespanhes3IS a 3I500 esc.
da patria309500 a 31J, idem.
Pecas de 600 vi-lhas16S500 a 179400, dem.
de 4o99300 a 93400. idem.
Soberanos99800 a 109, idem.
Palacoes brasilciros2j a 2$I00.
hespanhes2a a 2->100.
mexicanos10989 a 29.
[iarto da Bahia).
Movime^to do porto.
Grabios -
Antonio Henrique Ro-
dras e outroS versos indecentes, ridiculos e 111-
suliuosos ; tora algum valor por sua mora-
ldade c pela justica e racionalidad i dos
fins ?
Tambem nao, porque moralidade nao pode lia-
o, onde teem vol deli-
furagidos, rondomnados
sa repelimos, pois que somente poracinte ao Sr. malfeitores corridos da provincia da Parahiba e
coronel Ferraz. poderla ella ser feila a esles se- demandislas senienciados o mallo"rados era cl-
nhuros, e nao por pensamenlo poltico, e cooci- culos de usurpaco dos bens c direilos lhoios
Mador. E'.
corlar. E' emfira o ultimo arranco do desespero,
em que se tem enllocado o improvisado chefe, e
e os seus sequazes.
Vale.
O Viclorielse.
Comarca de Goianna.
22 de agoslo.
La persvrance dans
la dtense de la vent
est plus honorable, p
plus utile que l'orgueil
du silence.
(Gaisot.
Guando vemos o inaudito cynismo, com que
meia duzia de homens da parcialidade Souza
Carvalho) desla comarca ousam assallar polos
peridicos Ordem e Liieral tu do quanlo lia de
sagrado e verdico ; o silencio em lal conjunc-
lura seria, nao lano um orgulho mal cabido,
quanlo um crime infamatorio para cora os prin-
cipios eternos do justica, para com s legiiimos
nteresses da sociedade
Rmpelo, pois, de uma maneira clara e do-
ei0"lo..?s maos> porno pod^-las Por que justica c razo nao podem assistir aos:
quo sesoccorrem das armas da calumnia, dos
doslos e das injurias para conquistaren] votos,
para se imporem a um crculo eletoral o dila-
taren! o gozo gratuito de alheias propriedades
Para garanlirom suas mnnifoslas, publicas e pro-
: radas exiorsoes.
Portanto, a homens desse jaez deve esmagar o
mais soberano desprezo do governo e do publico
sensato a justiceiro. Ha homens qpo, medindo os
mais pela piopria bitola, 03 considora'm capazos
de se venderem por btalas, machiches, abaca-
chis, gorimuns, farinha e oulras ninharas que
por ahicorrem em versos do mo gosio e mal
rimados. Ha hamons quo sao a rada instante apa-
nhados em flagrantes mentiras, o se nuenver-
gonham ; que f.izcra gravissimas imputacoes sem
provas robustas, s se deve em recompensa des-
linar o desprezo e o opprobrio, se nao vita-los
as estradas e as ras, pelo odio de laes torpe-
zas e injustas aggresses.
Eis o parecer do
Aristarco Goiannense.
Publicacoes a pedido.
o nirntn'iV.i C'ipa.7' ,n"" ?'"'*"' P"rli,har dc ""o* os msrtyrios, sejam el- Para juizes do paz da fresuezia do
0 partido hberal vamos transcre- les quaes forem. c correr os m'smos riscos de Santo Antonio
do% gmG h,0r'r' ad 'Aberal a,r0ZCS inj,,rias' 1uc diariamente facera chorar i 1 dlrc
> de 29do mez hoie findo, em que sobre os mais hnnixii o r,,,,.,,,^ -^.^s. a. n. ..,._:_ ____, rlc.- ..
sobre os mais honestos o conspicuos cidados da Dr. Antonio Epaminondas de Mello
comarca, c um dever imperioso, ama misso Proprietario Caolano Pinlo de Veras
honrosa ; c querer sofTrcr, quando soffrem to- I ttajor Antonio Bernardo Quintelro
dos osbons. e buscar-seum alimento doce e ne- Capilo Jos Luz Pereira Jnior,
cessano para o espirito que nutre ideas no- 2 o districlo
LmLI!! p\oU:ss\ osall? c im.nulaves pre- Capilo Firmno Jos de Oliveira.
ceitos de verdade, de reclido justica.
As injurias e calumnias, quando barateadas
por almas perdidas, por um pilguo de homens
desmnralisados e anaihematisados pela opinio '
publica, longe de envilecerem, ennobrecem as____________ ""lame-
suas victimas, do-lhe3 gloria, dislincco e tilu- -
los de benemerencia no conceilo dosbons e jus- Parajuizes de pa: da freguezia do Recife.
tos : ao contrario os encomios de gonto assim'n. T 1" districlo.
pervertida para quem a honra c a verdade sao *, .e. Jo:'i,! I-Plte Pilla Orligueira.
ideas vas, lisnam os bens reputados, e lhes lo-' iaP,lao.J,>ao da Silva Faria.
gam mui gravo dezar.
Logo, nada de silencio
iTenentc Camello Augusto Ferreira da Silva.
Dr. Angelo Henriques ds Silva.
I Capilo Miguel Jos de Almeida Pernambuco.
a honra c o til es-
tao na perseverante defeca da verdade, e os
transes produzidus pelas injurias sao males mo-
mentneos que para logo se convertem era bens
reacs.
Assignalar ao governo e ao rcspeitavel publico
as causas verdadeiras desse certamo do barba-
ros que so ostenta as paginas dos citados jor-
naes contra 03 dous magistrados desta comarca,
os Srs. Os. Freilas Henriques e Joo Hircano ;
descrover em resumo os caracteres c o numero
de seus corypheus, e quaes os fins quo prelen-
dem attingir, sio na verdade as mais palpitantes
necessidade* dn queslao, porque desse trabalho
resultara naturalmente o desabamento das ca-
lumnias que hao lecido o feito publicar.
Tendo Goianna um croscido numero de filhos
formados, tanto em direito, como em medicina,
todos habilitados para a representareis na ca-
Tonenle, Manoel Luiz Conoalves Jnior.
Alferes, Jos Pedro das Neves.
2o districlo.
Alferes, Ignacio Antonio Borges.
Joo Bernardino de Souza.
Antonio Henriques Mafra.
Estevo Jorge Baplisla.
Por um Votante.
Hoje a meu turno venho, posto que n'uma lin-
guagem rude, palomear ao respeilavel publico o
zelo e a actividade, que lera mostrado o dignis-
simo irmao da santa casa da misiricordia o Eira,
baro do Livramento cumprndo a misso, quo
Ihe foi designada como primeiro mordomo do
grande hospital de charidade.
vido de minorar as necessidades urgentes
d esse eslabelecimento logo no primeiro dia em
que o visitou percorreo-o minuciosamente, ja
indagando o que Ihe era mister, j prevenindu o
100 saceos semea ; a James Hallid iy & Com-
panhia.
150 caixas e 100 ditas batatas e ceblas ; a An-
tonio Pereira Borges.
10 saceos cominhos ; 3 Jos Marcelino da
Rosa.
70 barris peixe ; a Joao do Rogo Lima.
20 barris vinho, 10 ditos o 3 pipas vinagre, 50
barris azeite de oliveira ; a Thomaz de Aqu'ino
Fniiseca.
70 barris toticiuho, 57 saceos feijSo; a Tho-
maz de Aquino Fonseca Jnior.
7 pipase 15 barris vinho, 330 saceos stoarim,
4caixotes marmelada ; a Manoel Duarle Rodri-
gues.
100 pipas abatidas, 139 felxos e 1 amarrado
arcos de ferro, 1 volme cravos de dilo, 15 bar-
ris e 3 pipas vinagre ; a Amorim & Irm.los.
1 raizle oleo de amendoa ; a Azevedo &
Mendes.
25 caixas ceblas,1 parole papel para fumar, 1
cabidee 1 lavatorio de ferro ; a Anlouio Maria
de Mallos.
50 barris cal ; Corre 1 & Irmao.
100 dilos dita, 50 caixas ceblas, 50 ditos ba-
tatas ; a Antonio Lopes Rodrigues.
30 barris ehouricos ; a Luiz Jos da Costa Amo-
rim.
20 dilos dilos ; a Jos Alves da Silva Gu-
mares.
4 fardos c 14 caixas espirito de lima, oleo de
alfazema, espirito do salamoniaro, agua ingleza,
carbonato de amoniaco, gramma, malvas, rosas,
magnesia, musgo c outras drogas ; a Joo da Sil-
va Faria.
1 barrica cevada, 1 caixole velas clsticas ; a
Ignacio Jos da Couto.
10 barris vinho, 10 ditos touciuho ; a Manoel
Jos Martins da Silva.
112 barris touciuho, 10 pipas e 23 barris vi-
nho, 100 caixas btalas. 600 molhos ceblas, 15
barris azeite, 3 I molhos sal ; a Carvalho, No-
gueirair Companhia.
3 caixas, 1 barrica e 1 fardo linhaca, agua in-
glezo, rosas e drrgas diversas ; a Jc'aquim Mar-
linho da C. Correa.
20 barris peixe ; a Antonio Jos Soares.
150 caixas hlalas, 50 ditas ceblas, 12 birris
peixe ; a II. JosG. da Fonie.
100 barris cal ; a Bailar & Oliveira.
1 caixa chapeos de peo de coclho; a Antonio
Pereira B. Peslana.
1 caixote tigellas de barro. 1 lata doce ; a
Mauricio dos Sanios Ribeiro.
2 barricas, i caixa el sacco sumagre, li-
nhaca e drogas ; a Joaquim de Almeida Pinlo.
1 fardo cera amarella, 1 caixa ro3as ; a Joo
Soun &. Companhia.
20 barris chouncas, 108 caixas ceblas ; a Al-
meida Gomes, Alves & Companhia.
0 brigue porluguez Promptido II, viudo do
Porto, consignado, manifeslou o segulnte :
114 caixas ualalas, 2: caixOes vinho; a J. A.
da Cunha & Irmo.
30 saceos farelo, 6 saceos rolhas, 2 caixes
chapeos, 2 ditos palitos, 6 volumes obras de vi-
me. 6caixas e 4 gigos louga; a Lourenco P. M
Gumares.
2 caixotes relroz, 1 erabrulho panno de cabel-
lo para pneirn; a Barroca & Medeiro.
2 caixas potitos; a Joaquim Vieira de Barros.
3 caixes imagens e santuario com pertences ;
a Francisco G. de N J.
1 lata salpicos; a Hanoel 0. M.
4 saceos rolhas. 3 cadeiras, 1 caixo rasgeos;
a Antonio C. dos Santos.
200 saceos farelo; a Guedes Gonealres.
Algodo
Assucar
Aguardcntc-
Couros- -
Azeite dce-
Arroz--------
Batatas- -
Bacalho
Carne secca-
Cha---------------------
Caf----------------
Carvo depedra-
Cerveja-
Louca -------------
Feijo -
Farinha de trigo
Dila de mandioca
Manleiga----------
Queijos-----------
Massas -
Vinagre -
Vinhos-
Toucinho----------
Slearina -
Espermaceto-
escontos
Fretes------------
Acroes -
Saccou-se sobre Londres a 23
1/4 e 25 1/2. d. porlrOOO, so-
bre Paris de 380 a 385 1/2, so-
bre Hamburgrj a 720 rs. por
M. B.. e sobre Lisboa a 115
por cenlo de premio, montan-
do a 12,000 C|) os saques ne-
gociados.
O superior ven.leu-se a 7$600
rs. por arroba, e o regular a
79O0 rs.
O pouco que (em aparecido
venden -se de 590OO a 69000
rs. por arroba do branco, nao
lendo havdo mascavado.
Vendeu-se a HOgoOO reis a
pipa, havendo tolla.
Os soceos salgados venderara-
se a 212 1/2, rs. por libra.
O de Lisboa vendeu-se 3 2-400
rs. por galo.
Vendeu-se uma partida de 600
nena* da India o 29100 rs.
Venderara-so a 1$200 rs. por
arroba.
Torou neste porto o navio
FAiza com 2,412 barricas, e
soguiu para o Rio de Janeiro.
Relalhnu-so de 89OOO a 123
rs a birrica, fleando em sor
7,500 barricas.
O morcado est bem suppri-
do; por quanlo possue hoje
7.OOO arrobas, sendo 60,000
do RioGronde doSul, e 1-1,000
dn Rio da Prata, lendo-se re-
talha 10 osla de 29600 a 3OO0
por arroba, e aquella de 3J500
a 4$i00 rs. por dila.
dem de 1$600 a 1$900 rs. por
libra.
Vendeu-se de 6j8O0a7$000 por
arroba.
dem de 195500 a 21*000 rs.
tonelada.
Varou de 4J000 a 4$800 rs.
por duzia do garrafas, confor-
me a qualidade
A ingleza ordinaria, vendeu-sc
de 275 a 285 por cenlo de cam-
bio sobro a factura.
Pouco procurado, vendeu-se a
I09OOO por arroba.
Tivemos esla semana um car-
regamentode Richmond, c al-
gumas pequeas partidas pro-
cedentea do Rio e Bahia, as- |
sim como um carrcgamenlo de
Trieste que esl em deciso se ;
car.Retalhou-se de 20/ a
21-000 a de Philadelfia de I
209000 a 23JO0O rs. a de Tri-
este, de 199 a 219 rs. a de'
Fliiladelphia, a 20J rs a de '
New-York, e a 199 rs. o sacco \
do Chyle (cando em ser
12,800 barricas, e 400 saceos.
Vendeu-se a 59000 a sacca.
A Ingleza vendeu-se a 1g000
rs. a libra, e a franceza de 56U
a 600 rs. a libra, fleando em <
ser 1,600 barris
Vendeu-se-se 29700 rs. pe-
los flamengos vindos no va-
por.
Venderam-se do 59500 a 69 rs.
Vendeu-se de 1109 a 120J rs.
a pipa.
Chogaram 250 pipas de virnio
pela Carleta, que eslo em
ser.
Vendeu-se a 79500 por ar-
roba.
dem a 620 rs, a libra,
dem a 900 rss a libra.
Os rebales regnlaram de 10 a
18 por cento ao anno dis-
conlando a caixa Olial cerca de
500 conloa de reis na presente
semana.
Do assncir para lastro a 10/,
c do algodao s 7/16.
Da companhia indemnisadra
a 50 por cenlo de premio.
Natos entrados no dia 1.
Porlos do norte 7 das, vapor nacional Cruzei-
ro do Sul, commandanlo capilo de mar e
guerra (i. Mancebo.
Litlle Hay43 dias, barca ingleza F.liza, de 183
toneladas, capitao Eduard Dupr. equipagem
11, carga 2412 harneas cora bacalho ; a Ja-
mos Crablr'-p.
Richmond31 dias, barca americana Elf de 328
(nela las, capilo E. S. Penckmey, equipagem
10, carga 22C2 barricas com farinia de trigo o
mais gneros ; Roslron Rooker A C.
Snhidos no mesmo dia.
S. Domingjs brigue inglez London, capitao
William Clark em lastro.
Portobrigue portuguez Amalia I., capilo Jo-
s de Sonza Amellas, carga varios gneros.
Porlos do nortevapor nacional Ogapock, com-
m-indante capitao-tesante Santa Barbara.
* 55 g 1 1 Oirecco. < 0
*s 1 s 1 s 1 Intensidade
s i t-s ^ 1 Centgrado. H W O B H O .
M 0 p ^> _so_ OO O i MI O fe M Reaumur.
-a l ~l OO S .1 Fahrenheit
co M 00 co ~i oc 0 OO ] ce 1 Hygrometr
v I be S3 1 P3 ', m a
di o
S S
i
A noile nublada e chuvosa, vento SE, reto pa-
ra o terral c ao amanherer rondou pelo S.
OSCILLACAO DA MAR.
Bdixaraar as 10 h 18''da manhaa, altura 0.25 p.
Preamar as 4 h 30' da larde, altura 7.75 p.
Observatorio do arsenal de marinha 1 de se-
lembro de 1860 Vikcas Jvniok.
Editaos.
A cmara municipal desta cidade manda
publicar, para coiihocimento dos seus municipes.
e afim de que seja observada a postura abaixu
transcripta, que foi appruvada provisoriaroenle
pelo Exra. presidente da provincia, em dala de
24 do corrente.
Pac.o da cmara municipal do Recife em sesso
de 27 de agosto de 1860. -Gustavo Jos do Reg,
pro-presidtute.Manoel Ferreira Accioli, sacre-
lario.
Qoart! seceo. Palacio do governo de Per-
nambuco em 24 de agoslo do 1860.
O presidente da provincia, tendo em vista o
que ropresenlon acamara municipal do Recife.
em oficio de 22 do correute sob n. 78. resolve
approvar provisoriamente o seguinte artigo de
postura :
Artigo unicoNinguem poder conduzir cal
pelas ras da cidade, e estradas do municipio,
sem ser coberta de maneira que o vento a nao
espalhe : os infractores soffrero a mulla de 10>.
a qual ser dobnda na reincidencia.Ambrosio
Leilo da Cunha.Conforme Antonio Leito de
Pinho.
O Illm. Sr inspector desta ihesouraria man-
da fazer publico, que no dia 5 de setembro pr-
ximo seguinte lem de ir praca perante a mes-
ma thesouiaria um caixote cotcndo drogas me-
dicinaos : as pessoas a quera convier arrematar
ditas drusa?, cuja relaco se acha nesla mesara
ihesouraria, deverbo nella comparecer as 2 ho-
ras da tarde do mencionado dia.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 25 de asoslo de 1860O offlclal maior
interino. Luiz Francisco de Sampaio e Silva
O Illm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial, em cumprmento da ordem do Exm Sr.
presidento da provincia, manda fazer publico,
que com a data do 1." do setembro prximo vin-
douro, paga-se em plices loda a divida liqui-
dada de obras publicas ; porlanto sao convida-
dos os respectivos credores. para virem declarar
nesla ihesouraiis se quizerem assim ser pagos.
E para constar se mandou aluzar o presente 9
publicar pelo Diario,
X.


(^
MARIO Tffi jTORAMBCO. SEGUNDA PEIRA 5 WE SETEMBRO DE 1860.
Secretaria da Ihesouraria provincial de Ver-
Dambuco 29 de agosto de 1860.O secretario,
A. F (fAruvonciacao.
Pela inspecgo da alfandega se faz publico,
que no dia 4 de setembro, se he da arrematar
cm hasta publica, 5 porta da mesma rcparicao,
sondo a arremalacao livre de direilos ao arrema-
tante. 721 podras para moinhos, que se acharo
depositadas no armazem do caes do Kanios, vin
das no navio R.iinha dos Acores, entrada em
23 de junho de 1857, consignada a Barroca &
Castro.
Alfandega de I'ernarobuco 28 de agosto de
1860.
O Inspector,
Bento Jos Fernandes Barros.
Secretaria do governo de Pernambuco, 31 do
agosto de 1860.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia, manda
publiczr par conhecimenlo de queni possa inic-
ressar, que o Exm. Sr. ministro da fazenda, len-
do ordenado a IhesouTaria de fazenda desta pro-
vincia que proceda a subslituicao das notas &e
2O5U0O ri.4 da 4" eslampa, papel" branco, decla-
ro uern aviso de 13 do correle, que esta subs-
tituicao ter lugar no lempo que decorrer de
agora al o Qm de abril do anno prximo djtu-
ro, comecando do 1 de maio seguinte, o prazo
de 10 mezes para o descont meosal de 10 por
O|0 no valor de taes notas.
O secretario do governo,
Joao Rodrigues Chaves.
O Dr. Anselmo Francisco Perelti, commendador
da imperial ordem da Rosa e da de Christo, e
juiz de direilo especial do commercio desta ci-
dade do Recife, capital da provincia de Per-
nambuco e seu termo, por S. M. I. c C. o Sr.
D. Pedro II, que Dos guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital virem e
Oelle noticia liverem, que no dia 5 de setembro
dcste anno se bao de arrematar em praca publi-
ca deste juiso, oa sala das audiencias, os escra-
vos segutntes :
liosa, de naco, idade de 35 annos, potico
mais mmenos, pela quaotia de -OO3OOO ; Julia,
rrioula, idade de 33 annos, pnr 5009000; Cy-
priano, idade de 10 annos, porSOOSOOO, es quaes
escravos sao perteocentea a Joao Paulo de
Souza. e vo praca por execuco, que lhe
encaminha Antonio Bezerra de Menczes Lyra ; e
nao havendo lancador, que cubra o preco da ava-
liacao, era e arremalacao feila pelo" preco da
adjudicarlo com abale da lei.
E para que chegue ao conhecimenlo de lodos
maiidci passar editaos que sero publicados pela
imprensa e afllxados nos lugares do costume.
Cidade do Itecifp de Pernambuco, aos 17 de
agosto de 1800, :i'J. da independencia e do impe-
rio do Rrasil.
l"u Uanoel Mara Rodrigues do Nascimento
pserivao o subscrevi.
Anselmo Francisco Perelti.
professores e professorasparlicui res abano meo
cionados, e como laos sujeilos apagar a mulla de
cincoenta mil res cada um, per ne lercm na
forma da referida Vei e das '.nstruccoes de 11 de
junho de 1859, se habilitado com o exatne de
verilicaco de capacidade professional dentro do
praso de seis mozes, marcado 00 edital de 15 de
outubro do anno passado ; devendo cada um dos
referidos professores o professora recolher a thc-
soiifaria da fazenda provincial a mencionada
quantia d cincoenta mil ris, dentro do praso
de triirta das contados da dala deata ; dudo o
qual sero as mesmas multas cebradas execnli-
vamente, como se pralica. com a divida activa
provincial proveuienle dos impestos.
Jos Soares de Azeaedo
Director geral interino.
Professores c professoras a que se refere a por
t.i ra supra :
Antonio Ignacio da Silva
Honorato Augusto de Miranda
Jos Bernardino de Souza Peixe
Joo Jos Vieira de Barros
Padre Vicente I'errer de Albuquerque
Joao Augusto de Vasconcello Leilao
Vilo Antonio do Sacramento Pessoa
Padre Manoel Adriano de Albnquerque Mello
Victoriano Antonio Muniz
Padre Joaquim Jos de Farias
Joaquim Jos Balmacedo
Fra cisco Jos das"Chagas
Manoel Jos de Farias Simoes
Manoel Francisco Pereira
Manoel da Silva Coulo
Antonio da Cosa Lima
Tiburtino Floriano de Carvalh
Manoel Furtado da Cosa Tico
Joaquim Jos Florencio de Moura
Eslevao Pinto de Moraes
Jos Corroa Paz
Atitouio Bento Pinheiro
Joaquim Bellarsiino de M< lio
Joaquim Jos de Araujo
Severlano Hartyr Vieira
Antonio os Coelho de Queiroz
Jos Ramos de Vascooccllos
Theodero da Crux Cordeiro
D. Josei'ha Mara do Espirito-Santo
I). Candida Balbioa da Rocha
D. Urbana Angella de Lima
Maria Seraphina Vieira
Iria da Cunha Leile
Vicencia Maria do Carroo Cczar
Anna Ferreira da Silva
Maria de Nazarelh Augusta
D. Joaquina Lourenca da Conceico Lima
D. Amalia Vicencia do Espirito-Santo
D. Joanna Rosa da Trindade
D. Luiza Anus de Andrade Lial
Francisca Miria do Rozario
Maria Severioa do Monte Souza
Maria Eugenia Ferreira
Elena dos Santos Pinheiro
Maria Joaquina do Paraso
Emilia Fausta de Momia Cosa
Thereza Guiihermina de Carvalh
Anna Maria da Conceico Nepomuccno
Francisca de Assis Domingues Carneiro
Berlina Carolina Cezar Calvo.
Secretaria da instrueco publica de Pernam-
buco 28 de agosto de 1860
O secretario interino
Salvador Henriques de Albuquerque
O Illm. Sr. inspector da Ihesouraria pro-
vincial manda fazer publico, que do dia 3 por
dianle pagam-se os ordenados dos empregados
provinciaes, vencidos no mez de agosto ultimo.
Secretaria da Ihesouraria provincial de Pernam-
buco, Io de setembro de 1860.O secrelario,
Antonio Ferreira da Annuncijco.
B.
D.
D.
D.
D.
I).
D.
n.
i).
D.
D.
D.
D.
I).
I.
Sr vice cnsul da Hespanha, por or-
dena do herfeiros de Vicenta Rosas e
Maria Ros* de Rosas fara' leilao de um
sobrado de um andar com soto na ra
do Pires n. 44, acabada de um anno e
feita com toda perfeicao e madeiras to-
das escollada*, a casa tem um grande
terreno nos fundos que se presta para
novas edificacSe, os pretenden tes pode-
rao procurar a chave em raao do agente
acuna aim de examnalo : quinta-feira
6 do corren te as 11 horas em ponto,
em seu armazem sito na ra do Impe
rador n. 55.
5
DE
de setembro.
DE S. ISABEL.
COHf 1 Mili LVItICi DE 6. IMilUNLI
Segunda feira 3 de setembro.
20.a i'ccila da assigiiatura e 10 para os camarotes de segunda serie
RepresenUr-se-ha a opera em quatro actos de Verdi :
Quarta-feira
2 carrocas americanas de
nova invencao.
Borot & C. fijrao leilao por interven-
go do agente Costa Carvalh, de 2 car-
rocas americanas proprias para condu-
ir assucar, gelo e outro qualquer ge-
nero : no dia cima no largo do arsenal
na porta da cocheira do 5r. Andre Bar-
bosa Soares, as 11 horas em ponto.
LEILAO
DE
na a
Dedaracoes.
Vendem-se os biihetcs como de coslurae.
Principiara s 8 horas em ponto
Corrcio geral.
Relacao das cartas seguras, vindas do sul
e das existentes na adminislraro do correio des-
la cidade para os senliores abaixo declarados:
Dr. Antonio Epaminondas de Mello.
Antonio Annes Vieira de Souza.
Antonio I.uiz Goncalves Ferreira.
Alvaro Antonio da" Costa.
Bernardo Jos Correia de S.
D. Candida Innocencia de Serpa Brandao Cor- ;
deiro.
T). P. vVild & C.
Emigdio Joaquim dos Sanios.
Francisco Antonio de Frailas narros.
Francisco Raphael de Mello Reg.
Francisco Prisco de Souza Paraizo.
Gonoilo da Silva Forte.
Craciliano Arislides do Prado Pimenlel.
Guilherme Frederico de Souza Carvalh.
Henrique Guilherme Stepple.
Dr. Ignacio Firmo Xavier.
Dr Joaquim Policio Pinto de Almeida Castro.
Joaquim Marinho Cavalranli de Albuquerque.
Padre Joaquim Raphael da Silva.
Joaquim Gelsen de Mesquila.
Joao Raptisla Fragoso.
Joao Bezerra de Salles.
Joao Pinto de l.emos Jnior.
I). Joscpha Francisca Pinto Rigueira Ramos.
Jos Joaqmm Domingues Carneiro.
Dr. Jos Leandro.
Jos I.uiz Coelho de Campos.
Jos Carlos Fixer.
Jos Marques Ferreira.
I.uiz Francisco Teixeira.
Manoel Goncalves da Silva.
Manoel Elias do Moura.
Dr. Frederico de Brito Cotigipe.
Conscllio' administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimentc
do arsenal de guerra, tcm de comprar os obiec- i
tos seguinles :
Para as escolas elementares do 9. c 10. bala-
1 hao de infantaria de linha.
9. batalhao.
Papel almaco, resmas 6 ; pennas do ganco 400 ;,
caivetes 2 ; lapis de pao, duzas 0 ; linta prela i
para escrever, garrafas 6 ; areia preta, libras 6 ;
collec&o de cartas para principiantes, ejempla-
res 20 ; taboadas, exemplares 20; grammalicas ;
portuguezas por Monte-Verde, ultima edic.io,,
exemplares 6 ; compendios de arilhmetica 'por
Avila, exemplares 6 ; pautas6 ; escripia ou tras-
lados, exemplares 20.
.---------- -10. batalhao.
-apel almaco, resmas 6 ; pennas de ganco
'400 ; caivetes 2 ; tinta prela para escrever, gar-
rafas 6 ; lapis de pao, duzias 6 ; areia preta, li- :
bras 6; colleces de cartas para principiantes,
exemplares 20; taboadas, exemplares 20 ; gram-
malicas portuguezas por Monte-Verde, ultima
edicao, exemplares 6 ; compendios de arithmeli-
ca por Avila, exemplares 6; paulas 6 ; escripia
ou traslados, exemplares 20.
Para o hospital militar.
Lenccs de cobre pesando 40 libras cada um, 2.
Qucm quizer vender lacs objectos aprsente
as suas propostas em carta fechada na secretaria
do conselho, s 10 horas da raanha do dia
de setembro.
Sala das sessSes do conselho administrativo,
para fornecircenlo do arsenal de guerra. 29 de
agosto de 1860.
Denlo Jos Lamenha Lins,
Coronel presidente.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogsl secretario interino.
Peranle a cmara municipal da cidsde de
Onda, eslarao empregaonos dias 31 do corren-
le, 21 e28 do mez do selerabro prximo vindou-
ro para serem arrematados por quem mais der
os seguinles impostos qne fazem parle de suas
rendas: a afericao de pesos e medidas por 60!jf
rs., imposto dos 500 rs. sobre cabeca de gado
vaceum por 503#, aluguel das casiuhs da ribei-
ra 83^200 rs., mscales e bocetairas 3j500 rs.,
os 80 rs. sobre carga de farinha e legiiraes
2:i30i0rs., repesos do acougue 12j>100 rs., dos
200 rs., sobro o gado suino 8256 rs.. dos 100
rs.. sobre o gado ovelhum 6g221 rs. Os preten-
denles podom comparecer no paco dassossoes da
mesma cmara nos referidos dias, munidos de
fiadores habilitados na forma da lei.
Paco da cmara municipal da cidade de On-
da em sessao ordinaria de 24 de agosto de 1860.
Joaquim Cavalcanli de Albuquerque, presiden-
te Eduardo Daniel Cavalcanli Vellaz de Gui-
vara, secretario.
O novo banco de
Pernambuco repeteo avi-
so que fez para serem re-
colhidas desde j as notas
de 1 o,ooo e 2o,oo o da
emisso do banco.
Pela subdelegada de S. Jos, acha-se re-
colhido a casa de detencio urna crioulinha que
reprsenla tor 13 a 14 annos de idsde, e diz cha-
mar-sc Zeferina, a qual foi encontrada s 2 ho-
ras da manhaa do dia 31 de agoslo lindo, vagan-
do pela ra do Terco, nao sabe ou nao quer de-
clarar quem seja seu senhor: quem se julgar
com direilo a mesma compareca na referida sub-
delegada munido do competente titulo para Ihe
ser entregue. Subdelegacia do S. Jos do Ro-
cife 1 de setembro de 1860.Jos Antonio Pinto.
Portara.
Directora geral da instrueco publica de Per-
nambuco 28 de agoslo de 1860.
O director geral interino da instrucsao publica,
ouvido o conselho director em sessao de 26 do
correte, e de conformidade com o disposto na
le regulamentar n. 369 de 14 de maio de 1855,
considera iocursos do arl, 99 da citada lei, qs
CONCERT
Vocal e instrumental.
so
PALACETE DA RA DA PRAIA.
Quarla-fcir:, (i de setembro.
EMBENl" CIO DA ARTISTA
MAGDAL SA BRUCCIONI.
Depois de oseo :da ouverlura pela banda mar-
cial do batalhao aililhiria da guarda nacional,
sob a direcciio./ *eu insigne professor o Sr. Ma-
noel Pereira, seguir-se-ha:
Primeira parte.
1." Cavatina da opera HERNANI do maestro
Verdi, pela beneficiada.
2. Phantasia sobre a opera 05 PURITANOS
do macsiro Bellini, pelo Sr. G. Baccigalupi, pro-
fessor do-rabeca.
3. Duelo da opera TROVADOR do maestro
Verdi, pela beneciada eo Sr. Ilamonda.
Segunda parte.
1. SOUVENIR D'ATTILA de Verdi. Duelo con-
corlante a rabeca c a piano, pelos Srs. Santini c
Baccigalupi.
Rond da opera BEI.ISARIO do maestro
Donizetli, pela beneficiada.
3. Capricho da opera TRAVIATA, pelo Sr.
Baccigalupi.
Terco ira parte.
1. Phcntasia para piano composla e execula-
da pelo Sr. Santini.
2." Duelo ELIXIR D'AMORE de Doi, pela
beneficiada e o Sr Ramonda.
3. CARNAVAL F'E VBNEZA do maestro Pa- I
ganini. pelo Sr. Baccigalupi.
Os inlervallos sero preenchidos pelas melho- I
res pecas da banda marcial.
O canto e rabeca sero acompanhados ao piano i
pelo Sr. Santini.
N. B.O cavalheiro Ramonda sempre promp-
to para coadjuvar os seus amigos collegas, c de-
sojando obsequiar i beneficiada, presia-se gra-
tuitamente o fazer parte deslc concert, dando
assim urna prova dasympalhia que lhe merece a
arle e es seus cultores.
Os bilheles podem ser procurados : no Recife,
em mo da beneficiada no hotel Francisco ; em
Santo Antonio, no estabelecimenlo de pianos do
Voceley e na livraria Econmica do Sr. Noguei-
ra ; e na Boa-Vista, em mo do Sr. Baccigalupi,
ra do Pires, dofronte do hospital militar, e no
no diano palacete da ra da Praia.
Principiar s 8 horas da noite.
Avisos martimos.
Paia o Cear, Maranho e
Para.
Segu com muita brevidade o veleiro e bem co-
nhecido patacho nacional Alfredo por ler par-
le do seu carregamento prompto : para o resto
da carga e passageiros, trala-se com o consigna-
tario Caetano Cyriaco da Costa Moreira, no seu
escriptoiio, largo do Corpo Santo, ou com o ca-
pilo Travasso no trapiche do algodo.
Para o Ass e Ai'acaty.
O hiale Beberibe porj teralguma carga ; para
a resto e passageiros, trala-se na ra do Viga-
no n. 5,
de seu carregamenlo prompto : quem quizer car-
regar ou ir de passagem, dirija -se ao consignata-
rio na ra da Cadeia do Recife, escriplorio de
Manoel Joaquim llamos e Silva.
Para o Porlo tem a sabir al ofim do mez
o brigue Amalia I : quem quizer earregar ou
ir de passagem. para oque tem excellenles com-
modos, dirija-seao consignatario, na ra da Ca-
deia do Recife, escriplorio de Manoel Joaiuim
Ramos e Silva.
<3
O agente Hyppolito fara' leilao d
urna excellente casa terrea em frente
da matriz da Varzea, tendo de frente
urna porta e duas janellas com accom-
modacoes para familia, bom quintal
cercado e plantado de diversas ructei-
ras ebanliono rio que corre petos fun-
dos, os pretendentes poderao dirigir-W
ao agente cima que para este im se
acha habilitado : segunda-feira o de se-
tembro, as 11 horas em ponto em seu
srmazem na ra do Imperador n. 35.
Sociedade
(jniao Beneflceole dos Ma-
rtimos em Pernambuco.
De ordem do Sr. presidente sao pelo prsenle
convidados os senhores socios ellclivos para que .
ni!?""." heCOn!.P""cSr -l"arla-feira 5 d0 cor- rae de mandar applicar urna das chaas mediei-
do r.V d! L'n da nSrda em P0nt0' pal8Ce, I *aes d0 Sr- Ri"rdoKi,k, morador na", o Vi?I
umblaeril r^i.'r".. / numi-' .ern1sssem- l" "9. e cora effei.o. depois d, applicacao d
semDita gera tralar-se de negocios tendentes a dila chnn* n.i r.p. n, o.rf nr taZl.. v Qa
Agradecimento.
Inflammacao da bocea do estomago.
Um meu escraro de nome Daniel, tendo pade-
cido pelo longo espaco de 16 annos de inflam-
macao na bocea do estomago, que lhe tirava a
respiracao, acompanhada de muilo cansado, e at
ltimamente rapossibilitava-o de dormir deila-
do. c durante esto lempo tejido eilo quanto f .i
posstvel, nunca pude obter um resultado favora-
e nao sabendo o mais que fazer, lembrei-
. negocios tendentes
mesma socicdade.
Secretaria da sociedade Unio Beneficente dos
Martimos, Io de setembro de 1860.
Jos Sabino Lisboa,
Io secretario.
Lisbonense.
i i dila chapa na parle indicada por 40 dias,'tire a
satisfaco de o ver completamente bom: pelo-
que tributo ao dito senhor o meu mais puro e
sincero agradecimento. Ra da Assembla u.
56, Rio de Janeiro. Domingos Alves Loureiro.
PENNA DE AC
DE W.SCLLY
Na ra das Cruzes n. 84 primeiro an-
dar, loma-se incumbencia de qualquer
pbra de chpeos, tocados, enfeiles de ca-
beca para seohora ; assim como lem gran-
de sortimento das mesmas obras feilas no
melhor goslo dos Ogurinos francezes por
menos do que em oulra qualquer parte
assim como se lava e muda da forma an-
liga para a moderna toda a qualidado do
chapeos de palha de senhora, ficando sem
difleronga nenhuma de rovos.
COMPAMIA
PERMMBICAM
DE
Navegacaocosteiraavapor
O vapor Iguarass, commandanle o segundo
tenente Joaquim Alves Moreira, segu viagera
para os porlos do norlc de sua escala al a Gran-
ja no dia 6 de setembro s 5 horas da tarde.
Recebe carga para a Granja no dia 25 e 27,
Acarac 28, Cear 29 e 30, Aracaly 31, Maco
no Io de selembro, Natal 3 e -i, Parahiba dia 5
ale ao meio da. Passageiros, oncommendas e
dinheiro a freie al o dia6ao meio dia : geren-
cia no Forte do Mallo n. 1.
Cear.
Segu com muita brevidade o palhabole San-
ta Cruz : paro o resto do Corpo Santo n. 25.
Acarac.
O palhabote Santo Amaro segu com brevi-
dade : a tratar no largo do Corpo Santo n. 25.
Aracaty.
Sahe com brevidade o hiate Dous Trmaos, por
j ler parte da carga : para o reslo trata-so com
Marlins & Irmo, ra da Madre de Deus n. 2.
e
A

Riode Janeiro,
a barca nacional Clementina* sahe com brevi-
dade : para o resto da carga e passageiros, tra-
la-se com Guilherme Carvalh Torres.
Para o Rio de Janeiro.
O veleiro e bem conhecido briguo nacional Al-
mirante pretende seguir com muita brevidade,
tem parte de seu carregamento prompto : para o
resto que lhe falta, trala-se com os seus consig-
natarios Azevedo a Mcndes.no seu escriplorio ra
da Cruz n. 1.
C0MP4NHIA PERMMBUCANA
DE
Navega^o costeira a vapor.
O rapor Persinunga, commindanle Manoel
Joaquim Lobato, segu para os porlos do sul de
sua escala no dia 5 do selembro s 5 horas da
tarde, e recebe carga al 4 ao meio dia e en-
commend e dinheiro a frele at o meio dia do
dia da sahida.
O brigue brasileiro Imperador, recebe al-
gumji carga a frele para o Rio Grande do Sul: a
lar com Amorim Irmos, ra da Cruz n. 3.
Para Lisboa sahe imprelerivelmente al o
dia 15 o brigue Tarujo 4 Filhos.> por ter parte
Lei loes.
LS11A0.
Quarta-feira 5 de setembro.
O agente Pinto far leilao em seu armazem
ra da Cruz d.51, dos seguinles objectos a saber
lima cscrava de 25 annos de idade, a qual cose,
lava, cosiolia sofTrivelmeule e engomma per-
feilamente.
20 relogios americanos proprios para cima de
mesa.
100 calas com charutos da Baha.
10 duzias do garrafas com vinho Chery.
10 duzias de copos para agua.
12 pares de quariyihas (esfruTeiras.|
Apparelhos de louca quer para almoco, quer pa-
ra jantar.
Urna espingarda para-caca.
Muilas e diversas pegas de marcinciria como se-
jam : guarda-loticas, guarda-vestidos, appa-
radores, comraodas, mesas, camas, um piano
e oulros diflerentes objectos que eslaro vis-
ta dos compradores.
Principiar s 10 horas.
LEILAO
PELO AGENTE
PESTAA.
Segunda-feira 3 do corrente
O referido agente, autorisado por urna familia
que se retira para fora da provincia, fara' leilao,
de todos seus movis a saber: 1 mobilia de
Jacaranda, candelabros de cryslal, serpentinas
de ditos, jarros, calungas, tapetes, quadros, ca-
mas francezas, ditas de ferro, toiletts de raogno
com marmore, ditos dourados, guarda roupa,
guarda louca, apparadores, mesa elstica, lava-
torios, cadeiras 3vulsas, consolos cora ospelho,
loucas. vidros ele, c outrosmuitos objeclos qu
so acharao patentes naoccasian do leilao : segun-
da-feira 3 do corrente s 10 horas da manhaa,
na ra do Livramento sobrado n, 31, onde j rao-
rou o Sr. Dr. Ferreira.
N. R. 0 leilao foi transiendo para segunda-
feira, em consequencia de ter chegado os vapores
nao pode ler lugar no dia 31 como eslava an-
nunciado.
Avisos diversos.
D-se a juros com hypotheca em bens de
raz, a quantia do 500J000 : quem
nuncio.
^ O Dr. Cosme de Sa' Peteira da'
o consultas medicas em seu escrip-
V torio, no bairro do Recite, ra
H da Cruz n. 53, todos os dias.me-
l nos nos domingos, desde as 6
horas at as 10 da manhaa, s-
breos seguintes pontos i
I.' Molestias de olhos ;
2.* Molestias de coraeao e de
_ peito ;
5.- Molestias dos orgacs da ge-
racao e do anus ;
4.- Praticara' toda e qualquer
operacao que julgir conve-
niente para o restabelecnnen-
to dos seus doentes.
O examedaspessoasque o con-
sultarem sera' feito indistincta-
menle, e na orden de suas en-
tradas, fazendo excepcao os doen-
tes de olhos, ou aquelles que por
motivo justo obtiverem hora
marcada para este im.
Estas pennas de differenles aualidades, sao fa-
bricadas de ac de prata refinada de primeira
tempera, e sao applicaveis a lodo o tamanho de
ettra. Precio 19500-cada caixa e pennas de ouro
lelo mesmo autor com ponta de diamante, qe
crem a grande vantagem de nao estar sujeitas a
crear ferrugem e conservando se bem limpasso
de duraco infinita, deposito em rasa dos Srs.
Huedes & Goncalves ra da Cadeia n. 7.
Ensino de msica.
OfTerece-se para leccionar o solfejo.como tam-
bera a locar varios instrumentos ; dando as li-
r an- i ^P^ das 7 nor8S is 9 l2 <** nle: a lraUr na rua
i da Roda n. 50.
\l>
Dentista de Paris.
15 Rua Nova15 S
Frederico Gautier, cirurgiao dentista,
faz lodas as operaooe sda sua arle e col-
m loca denles artificiaes, ludo com a supe- ^
^ rioridade e perfeicao que as pessoas en- 3g
tendidas lhe reconhecem.
Tem agua e pos dentifricios etc.
m
JVa rua de S. GonQalo n. 8, casa de soto,
precisa-se alugar urna escrava fiel, que saiba fa-
| zercom perfeicao o servido interno e externo do
una casa de pouca familia. Paga-se a conteni.
0S@@@ gs @t
axB^##
*&
Sk "" -' *-" *" *-* ^ *^ v ^t*1 ^ XJ xsr'O'
gConsullorio central homeopalliico|
I 5>K1HMIEI3C. 1
@ Continua sob a mesma direceo do Ma- >
l@ noel do Mallos Teixeira Lima) professor
3> em liomeopalhia. Asconsultas como d'an-
tes. *f
*9 --------
t Botica cealralhomeopalliica
DR. SABINO 0, L PIINHO 1
Rio de Janeiro.
Os abaixo assignados. hachareis formados, es-
labelecidos na corle com escriplorio de advoca-
da na praja da Constituirn n. 12, onde podem
ser procurados das 9 horas da manhaa at as 3
da larde, propondo-se nao smente aadvogar;
ante os auditorios e tribunaes desta capiul.-do .enuo-se apresen
jury, do commercio, da relacao, e supremo Iri-1 S:P.arT? c.'?
Jos Gomes Leal e .:
Leal, tendo-seassociado nesta data sob a razo i
de Leal & Irmo para succederern na casa com-'
mercial com que fora eslabelecido seu pai o Sr.
Jos Gomes Leal nesta praca, fazendo o commcr- :
ci em geral e especialmente o da venda de as-
anear e de outro qualquer genero por eommissao, I
pelo presente o fazem cerlo aos respeilaveis corpos
do commercio e de agricultura, com especialida-i
de aos commilentes da casa, e a todos declarara
que o activo e passivo della ticou a seu cargo e i
sob sua responsabilidade. Recife, Io de selembro'
de 1860.
Antonio Gomes Miranda Leal lendo-se as-
sociado nesta data com seu irmo o Sr. Jos Gu-
mes Leal para succederern na cata commercial
com que fra est-'beleciio seu pai nesta praca,
deixa de continuar com o armazem de assucar
com que se achava eslabelecido, o que faz certo
ao respeitavel corpo do commercio, bem como
que deixam de ser seus caixeiros Francisco Gon-
calves da Costa Cabral o Jos Bento Ferreira Bal-
lar, e a ambos agradece os bons servicos que lhe
prestaran), assim pela honradez, romo pela apll-
do que sempre mostrara. Recife, Io de selem-
bro do 186'J.
Na casa terrea por Iraz da matriz de Santo
Antonio numero 22, lava-se e engomma-se para
liuiucm, cora pcrfeiijiu, o prcCU cmiiiiiuJo.
_ Ouem annunciou querer comprar um vio-
lan com algum uso dirija-se rua do Queima-
do n. 1 i, luja de ferragetis, que achara cora quem
tratar.
Jos Antonio da Silva Araujo vai s
vincias do norte.
Urna lembranca.
Tendo-se aprescnlado diversos candidatos a
e paz do segundo districto da
freguezia
Novos medicamentoshomcopathicos en-
iadosd
Estes medicamantos preparados espe-
SI8^8I8 SIS9I9H : k viadosda Europa pelo Dr. Sabino
Antonio Comes Miranda 2 Este:
3$ cialmentesegundoasnecessidadesda ho-
^ tneopathia noBrasil, vende-se pelos pre-
^ eos conhecidos na botica central homeo-
.^ palluca, rua de Santo Amaro (Mundo No-
;:.; vo) n 6.
9
pro-
ajsrcncla dos fabricantes amerlca
nos Grouver & ltaker.
Machinas de coser: em casa de SamuelP.
Johnston & rua da Senzala Nova n. 52
GUI LlSO-BIUSLEIiU,
2, Golden Square, Londres.
J. G. OLIVEIRAtendo augmentado, com to-
mar a casa contigua, ampias e excellenles ac-
commodaces para muilo maior numero de hos-
pedesde novo se tecommenda ao favor e lem-
branca dos seus amigos e dosSrs. viajantes que
visilem esla capital; continua a prestar-lhesseuo
sorvicose bons officns guiando-os era todas as
cousas que precisem conhecimenlo pralico do
paiz, etc.: alm do portuguez e do nglez ialla-se
na casa o hespanhol e francez.
Quem tiver um sitio peito ou
longe desta cidade, com tanto que tenlia
casa de vi venda, arvores de fructo e fi-
que prximo ao banho salgado, tempe-
rado ou doce, e o queira alugar diri-
ja-se ao largo do Terco casa terrea nu-
mero 33.
Precisa-Be tomar a premio 2:5003, dando-se
hypotheca em um predio de dobrado valor ; quem
pretender annuncie para ser procurado.
Na rua da Imperalriz n. 5, deseja-se fallar
com os Srs, abaixo declaradas :
Jos Flix da Cosa.
Francisco Xavier de S.
Jos Rodrigues de Passos,
Joao Manoel Vianna.
Temoleo Peres de Albuquerque Maranho.-
bual de jusiica; mas tambera tratar por"meio lr,eguezla de Sanio Antonio, lembramos aos se-
de agentes de sua confianca. de quaesquer neg- !! ,s v0,ai"rs "" cidado bem conhecido o
dos dependentes das secretarias de estado the- !rV fon-y,a10 Ce3ar Mar,nno l'alclao. poisalem das
souro nacional, e mais reparticoes publicas da ^abilitacoes que lem para bem desempenhar este
nunciatura apostlica e da santa S ; solicitando luf c um er.Iadeiro cidadao auciao respeiia-
e fazendo exlrahir com proroptidao ltalos de vel Pela sua honradez e prob.dade.
grasas e merecs, diplomas, patentes, provimon- n 1un *
los, cartas de naturalisacio, matriculas de jui/.es ~' Ffank Vansen, ciJado Americano, vai a
municipacs, dispensas para casamentos, breves, Europa,
etc., etc. : quem de seu presumo se quizer uli- Tendo se de entregar urna carta c
ttStS urna encommenda vinda do Hio de MEzUUUddo na rua da Aurora, edificio con ti-
nhosomostraraocreloresdasua etlma oon- neiro ao Sr. Dr. Adelino Carneiro da | uo ao do colle9"> das orphaas.
| fianca.=Miguel Archanjo da Silva Costa. Joa- Cunha, chefado pelo vapor Ovapock, e ; Nasle estabelecimenlo ensinam-sc as discipli-
quira Procopio de Figuciredo. uj ii as seguinles:
- Por f.llecimento do socio Jos Carlos do bendo^e que o mesmo senhor se acha-. ENSINO PRIMARIO.
Souza Lobo, da extincta firma de Jos Carlos de v* nesta cidade, e que parta como | .,
Brito, com que gyrava a prensa de algo lao, no I parti hontem P?ra a Parahiba Iuffar Leiturn e escriptn. .loulnna chnsla, arillime-
pdiiiuuuiiie.ii p<.id d raraiuiM IugdI tica pralica, grammalica nacional, geograpbia
de sua residencia, e ignorando-fe onde i elementar, elementos da historia do Brasil, di-
COLLEFIO DE BEHFICA
Te rea-fe ira A di
O agenle Cosa Carvalh
armazem na rua da Cruz n. 9
trastes, os quaes serlo entregues sem reserva de
preco, s 11 horas em poni.
setembro.
far leilao em seu
de urna porco de
LEILAO
Hoje, 3 do corrente.
DE
l)m escravo.
Anlunes far leo era seu armazem na rua
do Imperador n. 73 de um escravo muilo
prio para o servido do campo.
As 11 horas em ponto.
pro-
Lin sobrado.
O agente HyprolitQ Utorisado pelo
Forte do Mallos n. 20, contina a raesrua do da
1. de setembro em diante, a gyrar sob afirma
de Brilo, Jos Luiz, & viuva Jos Carlos.
Urna senhora casada mui respeitavel e ins-
truida, existente em llamburgo, est disposta a
cncarregar-se da boa educaco de duas meninas
ou de dous meninos Brasileiros, de boa familia,
debaixo de condicoes razoaveis : quera desejar
mais inormicdes, dirija-se livraria da praca
da Independencia ns. 6 e 8.
Na olaria da ruado Colovello, de Marcelino
Jos Lopes, aluga-se urna escrava para o servico
de urna casa de pouca familia.
Antonio Pande, subdito italiano, vai para o
Aracaly.
Ama.
Precisa-se de urna ama ou criado, torro ou
captivo, que cosinhc e compre para casa de ho-
rnera solleiro : na rua da Imperalriz n. 82, loja.
resida, deu lugar a convidarse
rao senhor a ir a livraria n. 6
praca da Independencia.
Aluga-se urna prel3 moca para
mes
8 da
o Sr.
todo ser-
io oca
vico : na rua da Prata n. 82.
A pessoa quo precisar de um cabriolet de
4 rodas, moderno, em perfeito estado e junta-
mente um cavallo gordo do mesmo : dirija-se a
Estrada Nova do Casanga cm casa de Jos Pau-
lino de Almeida Catando, lhe dir quem o vende.
Arrenda-so ou aluga-se o sitio da porta
d'agua no Monleiro, o qual lem grande e excel-
leule casa de vivenda, espacos3 estribara e co-
cheira, e casa para feilor, bom pomar e baixa pa-
ra capim, e cercado para vaccas : quem preten-
der, dirija-se aquello sitio para examina-lo : tra-
la-se na camboa do Carmo n. 8, segundo andar.
Rua Nova, em Bruxellas (Blgica),
SOB A DIREC CAO DE E- htRVAMl-
Este hotel collocado no centro de urna das capitaes importantes da Europa, torna-sede grande
valor paraos brasileiros eportuguezes, por seus bons commodos e confortavel. Sua posicao
urna das melhores da cidade, por se achar nao so prximo s estacos de caminhos de ferro, da
Allemanhae Fringa, como por ter a dous minutos de si, todos os theatrose diverlimentes; e,
alm disso, os mdicos precos convidara
No hotel hasempre pessoas especiaes, fallando o francez, allemo, flamengo, inglez e por-
uguez, paraacmpanharastouristas, qur em suas excurses na cidade, qur no reino, qur
emfim para toda a Europa, por precos que nunca exceder de 8 a 10 francos (39200 49000 )
por dia.
Durante oespa$o de oito a lez mezes, ah residiram os Exms. Srs. conselheiro Silva Fer-
rao, eseufilhooDr. Pedro Augustoda Silva Ferrio, ( de Portugal) e os Drs. Felippe Lopes
Netto, Manoel de Figueira Faria, edesembargador Pontes Visgueiro ( do Brasil,) e muilas ou-
tras pessoas tamo de um, como de outro paiz.
Os preco de todo oservigo, por dia, regulara de 10 a 1 2 francoi ( 45000 -i#500.)
No boieleneontram>ssinforma{5ei exactas acere Jetudo que pode prsoisar um esirangeiro.
los de historia sagrada. Professores,
Manoel Pereira Lagos, c o director.
ENSINO SF.CUNDARIO.
Lalim.
Grammatica latina latinidade gra.iimatie.i
philosophica, mythologia, poesa classica.Pro-
fessor, oSr. Antonio Joaquim dos Pastos.
Fra ncez,
1" cadeira sraramalica e traduccao. Pro-
fessor, o Sr. Francisco Antonio Cosario de Aze-
vedo.
21-cadeiralocucao, coraposigao e escripia.__
Professor, o Sr. Jos Maria Ramonda.
Ingle:.
Grammalica, tradoeco, composi^ao e escrip-
ia.Professor, o Exm. Sr. D. Francisco Baltazar
daSilveira.que se encarregou desla cadeira gra-
tuitamente, c por especial obsequio ao direc-
tor.
Italiano.
Grammatica, traduccao, coaiposicao, escrip-
ia e locucao.Professor, o Sr. Jos Maria Ra-
monda.
A lemao.
Grammalica, traducie, composicao, escripia
e locucao.Professor, o mesmo Sr.
Philosophia.
Philosophia racionsl e moral, historia philo-
sophica.Professor, o Exm. Sr. conselheiro Pe-
dro Aulran.
Bhelorica.
Rhetorica, poclica, historia da litteralura
Professor, o Sr Vital Ferreira de Moraes Sar-
ment.
Geographia.
Geographia, historia e chronologia. Profes-
sor, o mesmo Sr.
Geometra.
Arilhmetica, algebra e geometra.Professor,
o directer.
Bellas artes,
Muzica Professor, o S, Jos Leandro Marlins
Filgueiras.
Danga.Professor, o Sr. Mr noel Baplista de
Souza.
Dezenho.Professor, o Sr. Jos Maria Ra-
monda.
N. B. Todas estas cadeiras leem substitutos ;
por tanto nunca deixar de haver aula am todas
as disciplinas. Alm disto j qualro dos pro-
fessores mais necessarios habilam no collegio,
para que os alumnos teuham lodo o adianla-
raenlo possivel.
as horas de recreio marcadas pelo estatuto,
es alumnos, que quizerem se exercilarao na
arte de esgrima, aprendendo o jogo do florete
franceza.
O director
Esltvo Xavier da Cunha.



DIARIO DE PHiNMBCO. SEGUNDA FE1RA 3 DE SETEMBRO DE 1880.
r.M
S]flMIIllElfD
DE
NA LOJAE ARMAZEM
DE
Joaquiai Francisco dos Santos,
\*ci*ontc do \jccco i\a Congregado \civcivo \crt\c.
Seda de quadrinhos muito fina covado
Enfeites ile velludo com troco prelos c
de cores para caboca do senhora da
ultima moda
l'azendas para vestidos, sendo sedas, 15
c seda, carabraia e seda tapada e
transparente, covado
Luvrs de seda bordadas e lisas para se-
nhoras, liomtns e meninos
Lencos de seda rxos pera senhora a
2#000 e
Mantas para grvalas r. gravatas de seda
de todas as qualidades
Cliapos francezes forma moderna
Lencos do gorguro pretos
Ricas capellas brancas pata noivados
Saias balo para senhoras e meninas
Tafot roa o covado
Chitas francesas a 260, 280, 300 e
Cassas francezss, a vara
lgOOO
I
9
s
2$500
I
85500
2c000
8

*5O0
J?320
S50O
Selim preto azul e encarnado proprio
para forros com 4 palmos de largura,
o covado
Casemira lisa de cores 2 larguras, o co-
vado
Chales de merino bordados, lisos e es-
tampados de todas as qualidades
Seda lisa preta e de cores propria pa-
ra forros com 4 palmos de largura, o
covado
IUcos cortes de seda pretos e de cores
cora 2 saias e de babadus
Ditos de gaze e de seda phanUsia
Ctales de touquim muito finos
Grosdeuaple preto c de cores de todas
as qualidades
Seda lavrada preta e branca
Capas de fil c visitas de seda preta com
froco
1SG00
2g000
a
1&500
Preven^o!
Estando a lindar os frseles queijos de Serid,
as excellenlcs maceas ea bella mauteiga refina-
da em frascos, previoe-se aos amantes das ditos
gneros que venham a elies corr presteza para
depois nao haver queixa no armazem da ra
estreila do Rosario n. 11.
Na livraria n, 6 e 8 da praca da
Independencia precisa fallar ao Sr. Ma-
noel Antonio Pinto da Silva.
8BKBWHI8K awawaBawwMS
Manual
[Popular homeopalhico ou
guia medica das mes
de familia.
i Esta obra conlm todas as molestias al
; hoje, seus symptomasesuas causas, seus
i tralamentos empregados, quer em glo-
| bulos a tinturas ; syraptomas dos roedica-
< mentos, sua duraco, os medicamentos
i que curnprc empregar um depois de ou-
! tro e seus antdotos. Acompanhado do
i fcil rucio de qualquer pessoa poder co-
\ nhecer do uppareiho respiratorio e diges-
livo.
As pessoas que se dignaram assignar
esta obra podein dirigir-se praca da Jn-
I dependencia n.6c8; Cadeia do Recite,
j Jos Cardoso Ayres; Collegio, Miranda &
> Vasconccllos ; ra da Palma n. 50.
E*3$3f$S3i ese &&mm$8smn
Gravador e dou-
rador.
Grava-se e doura-se em marmore letlras pro-
prias para calacijmba ou tmulo a 100 rs. cada
urna, o annuncianle aprsenla seus trabaihos
nos tmulos dos Illms. Srs. Viraes, Dr. Aguiar,
Guerra,"Tasso e em outros mais ra da Caixa
d'Agua n. 52.
Graliticaco. Animaes de roda.

NATURALLE DE VICHY.
Deposito na botica franceza ra da Cruz n.22.
DE
uiiiiaea'o a scai.
A empresa da illurama^ao a gaz desta cidade, faz cente a todas as
pes*2KS que'Col locara ua candieiros de gcz em seus casas, e aos que preten-
den! anda collocor, que tem resol vido'baixar os precosdos glubos de vi-
drop.ua 1$5()0, ># e 2$"00 os mais linos (|ue se pode fabricar, o pi ten-
dentes acliarao no armazem da ra do Imperador n.. 31, um comple-
to sortiuiento a sua escollia, assim como candieiros, arandelas e lustres
idos ltimamente, de gostos variados e do melhor que se pode de-
qj. Rost on Roo'ker <& C.,
Agentes.
Estabclecida ni Londres
sabe a si mu,
CAPITAL
Cinco xx&iWxoes Ae liaras
stetWn&s.
Saundcrs Brothers & C. tem a honra de infor-
mar aos senhores negociantes, proprielarios de
casas, e a quem mais c.onvier, que esli plena-
1 mente auorisados pela dila companhta para et-
fectuar seguros sobre edificios de lijlo e pedra,
cobertos de le'tha, e igualmente sobre osobjeclos
que conliverem os mesmos edificios, quer con-
sista em raabilia ou em Jazendas de qualquer
qualidado.
I DENTISTA |
I 1'II*\\*1ItU C O 1
33 3Itua estreila do Rosario-3
'$& Francisco Piulo Qzorio continua a col- ja|
*> locar di-ules ailiiciaes tanto por meio *
ss=- B P*
S s a
m * ..'-" 9
> ^ K.
_
a. a? a ~
O* m
(ti 5 A j^y
-,-=
2 = i
B
3 * 'Jt *- fO
a = '/ t
3 T O O o
o 3 o o
o o
Perdeu-se desde a ra Imperial al a ra das
Flores um cadernetc com outros papis dentro,
que s a seu douo servem : a pessoa que os
chou tenha a bondade mandar entregar na ra
Nova n. 35. luja de ferragens, que ser recom-
peasada.
A pessoa que annunciou querer comprar
uro stlhao com pouco uso, pode dinsir-se a ra
do Hospicio, casa terrea jui.to a urna cocheira do
pinlor de carros, que achara com qutm tratar.
Offerecc-se urna ama pera .eiigommar e co-
zinhar, para casa de pouca familia ; na ra da
Conceicao n. 17.
Narciso Ferrelra da Silva relira-se para f-
ra da provincia, o que faz pub'ico na cononni-
dade da lei.
Sociedade dos devotos da ca pella da ;
Senliora da Conceicao da estrada de
Joj de Barros.
Do ordem do presidente desla sociedade, c pe-
lo presente convido a lodos os senhores socios ;
mesados para sessao da mesa din-clora, no dia
3 do crtente, pelas 0 horas da larde, no lugar,
do coslumc, o sendo como sao de muita impor- ',
laucia osobjeclos que se tem a tratar nesla ses- ;
sao. espera-sc o comparecimenlo dos mesmos i
senhores. Recite 1. de selembro de 1860.
I.uiz Francisco de Paula Ramos,
Secretario.
Gozinheiro.
Precisa-se de un hom cozinheiro para casa de
rapazes solteiros, que d fiador a sua conducta:
a tratar na ra da Cadeia do Recite n. 23, loja de
uzeadas
Aluga se um sitio grande com
excellente casa de vivenda, com todas as
commodnlades para familia, no lugar
da Caa Forte : a tratar com os pro-
pietarios, N.O. Bieber & C.
anas
Vendcra-se alguns animaes de roda, mnilo
Uons e por preco commodo, a dinheiro ou a pra-
zo : a tratar no engenho Algodoaes, ou no Re-
cito, ra Bella n 35.
Rt-cebeu se novo sortimenlo do boni- Sf.
los braceletes de sandado na <3>
Loja de marmore.
Na ra da Imperatrizn. 5i, ven-
de se presunto para fiambre vindo nes-
te ultimo vapor inglez a 360 rs. a li-
bra, queijos flamengos de pratos, bo-
lachinha de soda a 1$ a lata.
8BWM8M68W1MMS mmmw&n
Recebeu-se novo sotliniento de cha- ^
pos de seda e palha da Dalia para se- IR
nhoras na ijR
Loja de marmore.
Pechincha de
milho.
Btilho novo chegado do Ceara', nova
porco : na ra do Cordoniz n. 12.
m S3~ Recebeu-se novo sorlimento de H
^ bournus bedouines para sabida de thea- |8
$k tro na i
I Loja de marmore,
m
CASA
:.t>.
APPK0VA(\01 AIT0RISACAO
>BA
f JUNTft CENTRAL DE HYGICRE PUBLICA
ELECTEO MAGNTICAS EPSPATJCtS
Para serem explicadas s partes affeetadas
sem resguardo nem ineommodo.
e lis molas como pela .pressao do ar, nao
v, .'i-cebo paga aiguma sem que as obrs
m nao iquem a voulade de seus donos,
v tem pozos e ou tras preperaces as mais
^ acreditadas para conser-facao da bocea
Na ruadaCadi'ia n. 2V, deseja--se
fallar com os senbore:
^Jios Leopoldo da Sibve.
Marcelino d-? Souza Pereira de Brita,
jCleto da Costa Campello.
jJos Candido deBarros.
| Jos Alvares Monte Raso.
j Joao Vives de Oliveira,
Sacca-se sobre a Rehia : em de case Ar-
I kwripbt & C., T-ua da Gruc n 01.
\l DENTISTA FRANCEZ.
v>- Paulo Gatgnoux, dentista, ra das La- ^
*+ rangeiras 15. Na mesoia casa tem agua e <
* p denlifico. ^
Precisa-se alugar um sobrado de um andar
ou de deusembons estados com quintal, n bdi-.--
ros da Ba-Vteta e Santo Antonio : quem o li-
vor diiiia-sc a ra do Crespo n. 25.
@ O abaixo assignado estando a fazer in- .%$
@ ventano por morte de sua mulhcr pede a @
quem se juLgarcredor de seu casal, que
aprsente suasconlase aos que sao seus
5 devedoresque venham saldar as suas.
@) Frir.cisco Gomes de Mallos Jnior. @
## # @@@
Alugam-se 5 prelos proprios para todo
c snico aqui na cidade, -sendo annualrr.enlc :
DE
GOMMISSAO DE ESCRAVOS
tu
fiua larga do Rosario n. 20
segunde andar.
Resta casa recebem-sc rscravos para serem
vendidos por coramissao por conla de seus se-
uhores. Atianca-seo boui tralamenlo. assim como
as diligencias possiveis para que os mesmos se-
jam vendidos com promplidao aTim de seus se-
nhores nao solTrorem empate na venda dolles.
Nosta casa lm semine para vender escravos do
difTerentes idades de ambos os sexos, com habili-
dades e sem ellas.
Precisa-se de urna ama de idade para co-
zmhar : na ra dos Pescadores ns. 1 e 3.
Ht-nry Veibeck, Belga, vai ao Rio de Ja-
tieiro.
8 r^* O Sr. Joaquim Abres Conti ffi
queira ir como se Ihe lom pedido por Jf
Joaquim Barbosa Lima agradece cordial
mcnie todas is pessoas que se dignaram
assislir as exequias por sua presada esposa
U. Joanna BapliHa Barbosa Lima, e acom-
panharseus reslos mortaes ao ultimo jazi-
gn. Aproveila a necasio para convidaros
seus amigos assislir a missa do selimo
da, que lera lugar na matriz da Boa-Visla
s 7 horas da niauhaa do dia quarla-feira
5 de selembro.
vezes ruada Cadeia do Recite n. 23.
3$
swM
AS CHAPAS MLDICINAESso muilo conhecidas no Rio de Janeiro e em todas ac provincias
, oc3lc imperio ha mais de 22 ann6, esao afamadas, pelas boas curas que so tt-m oblido as efer-
BMdades abaizo escripias, o que se prova com innmeros alicatados que ex.slcm de pessoas capa-
zos e de d.slincooos. K
Core estas CHAMC-ELBCTRO-sueMETiCA-BrisPASTiCAS lilrn se una cura radical e in.'allivel em segundo andar, das G s 9 horas'da manhaa oi
iiiem precisar dirija-sc a ra do Imperador n.
:3'J, entrada pelo boceo do botcquim do Paiva,
habis c dislinctos facultativos '
As encommendas das provincias devem ser dirigidas por oscripto, leuo lodo o cuidado de
as iiec--"
:ia em
azor as r.ecfv;sanas explicacdes, se as.chapas sao para liomtm, senliora ou emanes, declarando a
lia em i;ue parle di curpo existe, ec na causea, pescoco, braco, coxa, peina 'p ou tro:-
coipo, declarando a circumferencia : e-aendo inehacjs, feridas ou ulceras, o molde do seu t
nho ora um pdaoo de papel e a declaracao onde 'eiislem.
bem applicadiw no seu lugcr.
afim
ico do
jma-
de que as chapas possaa ser
Pde-se mandar vir de qualquer ponto do imperio do Brasil.
As chapas sero acoinpcnli3das dascompetentee cxplicacocs e tambem de tdos os acceeso-
nos pr.ra a collocac,o dellas.
Consultas a todas as peseoas que a dignarem honrar com a sua esnfianca, c-ai seu escripto-
iin, que se achara aberto todut.es dias. sem -escepoao, das 9 horas da laanha s da tarde.
||9 JRu do Parto |J9
PERTO DO LARGO DA CARIOCA.
;n.-. praca do Corpa Sautc-escriplorio n. 5. das.9
i s da tarde.
@ O Dr. Azovedo Podra, ha pouco che-
^ gado nesta capital, faz scie:ile au respei-
@ lavel publico que acha-se.promplo a qual- @
''y ^uer hora em sua residencia ra da Im- g-
peratriz, sobrade n. 88, segundo andar, @
@ prestaros reculos de sua profisso ; na g
@ rncsiiia casa d consullas gratis aos po- S
0 hres.
@@S @> @@ @@@#
Sitio pra alugar.
Na Cipunga Nova contiguo ao ,:lio do Dr. Ja-
cobina, e em frente de na que vai ter a S. Jos-
do Miiginho, est para alugar-se um sitio com
, bstanlos arvores fructferas, pciuena baixa de
I espiro, encllente casa assobradada, que tem
' cummodos *iara grande familia, cocheira, caval-
i lrice, casa ;iara criados para bauho : a tratar
:ia ra Nove n. 56.
A fallida que'tem liiivslcrap prova sua boa
qu.'ilic'ade. nao decnienlijdo Assim a qualidadc do
1 fumo 4c que foilo, colhudo -nsa immedia;es da
cidade que dev-e eu nenie na provincia "Giau-
Par : d<'{osilo, raa da Cadeia a, 11

DO
IEIII i. \i
Ra do Brum (passando o chafariz.)
No depozo leste estabeleeimeiito sempre \ia grande sorUmemlo de me
ekanismo para os eugenVios de assucar a saber:
Machinas de vapor modernas, de golpe cumprdo,iconomcas de combustivel, e defaclimoassento;
Rodas d agua de ierro com cubos le madeira larga, leves, fortes, e bem balancadas;
Cannos de ferro, e portas d'agua:>ara ditas, e serrilhas para rodas de madeira ;
Moeadas inteiras com virgens muito fortes, e convenientes ;
Rfeia moendas com rodetasmotoras >ara agua, cavallos, oubois, acunhadas em aguillioes deaz ;
Taixas de ferro fundido e batido, e de cobre ;
Pares b bicas para o calda, crivose portas de ferro para as tomainas;
Alambique* de ferro, moinhos de mandioca, fornos para cozer farinha ;
Roietas dentadas de todos os lmannos para vapor, agua, cavallos oubois ;
AiiilU53S,.bronzes e parafusos, arados, eixos e odas para carrosas, formas galvanizadas para purgar etc., etc.
D. W. Bowman confia que os seus freguezes acharo tudo digno da preferencia com
que o honrara, pela longa experiencia que elle tem do mechanismo proprio para os agricul-
tores desta provincia, epelofacto de mandar construir pessoalmente as suas obras as
miis acreditadas fabricas da Inglaterra, para onde elle faz viagem annual para o dito fim,
assim como pela coutinuaco da sua fabrica em Pernambuco, para modificar o mechanis-
mo a vontade de cada comprador, e de fazr oe concert? deque podarte aecessilar.
Quem precisar de urna ama sec-
ca com bastantes habilidades, diiija-se
a ra do Pocinho n. 23.
Quem precisar de una criada porlugupza
nao sendo para-servieo do ra e lendo pouca fa-
milia, dirija-se a ra do Queimado loja de ferra-
gens n. 14.
Francisco lavares Botelho participa ao res-
peilavel corpode commenio desta cidade, que
no dia 2 dejulho prximo pissado eixou le ser
socio doSr. Antonio Eloy Rodrigues da Silva, na
taberna da ra Nova n. 48, na sociedade que gy-
rava sob a firma de Antonio Eloy Rodrigues da
Silva J C, (cando o Sr. Eloy obrigado por lodo
o activo e passivo da niesma sociedade, por ter
assim amigaveluicnle concordado. Recife 30 de
agosto de 1860.
Prucisa-se de um rapaz dos chegados do
Porto, para urna laberna : a fallar no alerro da
Boa-Visla n. 56.
Urna peesoa de escripluragiio comraercial
ofrerece-se af.izer qualquer escripia com toda a
perfeico e celcridade: na ra do Queimado, loja
de fazendas n. 34, se dir quem 6. Na mesma
loja se dir quem vende um piano de boasvozes,
proprio para quem quizer apreuder, por mdico
preco.
Fredcrico Augusto de Lima Novaos, decla-
ra ao respeilavo! publico e com especialidade ao
digno corpo doommercio que da dala doste em
dianle assignar-se-ha por Fredcrico Augusto
Ferreira de Novaos. O mesmojulga nada deve
nesta praca, portal comludo quem se julgar seu
credor haja deapresenlar as suas conlas para
seren pagas no prazo pe 3 dias a contar da dala
doste. Recife 3 de agoslo de 1860.
Aluga-se um armazem na ra do Rangel
n. 02; a tratar no,paleo de S. Pedro n 6.
Mauricio Jos dos Santos Ribeira, ehegidn
ltimamente de Lisbua, faz soienle ao respeila-
vcl publico que acata de eslabelecer na ra lar-
ga do Rosario a. 21, rcimeiro andar, urna offi-
cina de ourivee onde aprompta quaesquer ob-
jectos tendentes a mosraa arle do mais apurado
gasto e perfeico de trahalho, como sejaro ado-
lecos completos, brochae, pulseiras, aneis, alfi-
neles ele, ele. F,m seu eslabelecimento promet-
Je_ concertar qualquer obea da sua arte com per-
feiro. A pratica adquirida por sua longa tesi-
dem-ia em Lisboa, e as .relacoes directas que
constanlemenle mantem com algumas das mais
respeitaveis casas d'aquella cidade, que se. em-
pregam no fabrico de todo o .genero de obras de
piala, o habilitam a escarregar-se de qualquer
encommenda de laes oujeclos lano para a igreja
como para uso domestico. As pessoas. pois, que
se dignarem honra-lo com a ^ua cnnianca, se-
rao servidas com o inaior ze.lo e olicitude e por
precos bacilissimos.
O Sr. Domingos Jos Soares, oEcial da se-
cretaria do governo, queira dirigir-se a ra f)i-
nila n G8, ^im de saldar o que esl a dever
aos herdeiroedo Caetano Pereira Cotu-alves da
Cunha.
Troca-se m mulatinlio de 10 annos por
urna negrinha ou negra, tamben se vende { na
ra do Imperadora. 51, primeiro andar.
Precisa-se de um rapaz dos chegados do
Porlo para urna taberna : a fallar no paleo do
Paraizo n 56.
A-pessoa que annunciou querer um silhao
j usado, dirija-sea ra Direita n. 7, que achara
com quem tratar.
Aenco.
Eugiodesde odia 13do corrente mez o escravo
Luiz rom os signaos seguinle's : crioulo. cor fula,
alto e bem feto do corpo. gago bastante, tem
o dedo mnimo do p cortado, natural do .er-
lao do Cear : quem o pegar, leve-o a seu senhor
na ra Direita n. 112, ou na ra de Apollo n. 43,
armazem de assucar, que ser recompensado.
Na ra do Rangel n. 73, segundo andar,
vende-se lene puro a 320 rs, a garrafa, desde s 6
at s 8 horas da manha, e recebem-se encom-
mendas.
-- No dia 29 do corrente furtaram no lugar
chamado Pavao, eslacao da linha frrea, da casa
do engenheiro Harri, um relogio de ouro paten-
te inglez, mel chronomelro, do valor de3003O00.
alado urna cadeia de ouro inglez, lendo urna
pequea ruoeda de prata de 100 rs. porlugueza.
O relogio tem o ponteiro dos cylindros regulando
sobre o mostrador dos minutos. D-se 50000
de gralificac.no a quem der noticia do relogio, e
100000 se vier o ladro rom o furto. Os cuje-
los cima mencionados pertencem ao Sr. Cordn
Cowper.
Precisa-sede urna ama que saiba cozinhar
e engommar: a tratar na ra do Vigario n. 14.
segundo andar.
Precisa-se lomar a premio a qitantia de dez
a dozo contos de ris, dando-se hypotheca em
um predio nobre que val mais de 40:000#000 :
quem quizer aior este negocio, anouocie.
Einconsequencia du lallecimento
de um dos socios da firma commercial
de Xisto Vieira Coellio & C-, fica a cargo
dos socios existentes a sua liquidacSo,
continuando o estabelecimento sot a
razao de Andrade & Reg. Recife. 1-
de setembio de 1800.Manoei Azeve
do de Andrade. Antonio de Souza
Reg.
Salustiane Cotzales, subdito hespanhol, re-
lira-se para fura do imperio.
Alugam-se duas escravas, ambas ensora-
madeiras e cozlnheiras : nos Aflictos, casa cin-
zenta fronteira igreja.
Piga-se IOS de gralificacio a quem trouxer
urna boa ama de leite ao collegio Rom Conselho.
Antonio dos Sanios Ferreira, deixou, du-
rante sua oslada oin Europa, como primeiro pro-
curador o Sr. Antonio Horeira Reis, cm segundo
o Sr. Antonio Jos Pessoa Eimida.
Hotel trovador.
NA
Ra larga do Rosario o. 44.
Nesie hotel continua-se a servir ao publico
com a rcaior limpeza, brevidade, e commodos
procos, comidas oslas felas por um homeni per-
feilo na arle culinaria : o dono do eslabelecimen-
to pode a prolecoo do publico e dos seus ami-
gos, e espera me'receresla silencio.
SOCIEDADE
ARTES MECHANcAS E LIRERiES
PERNAMBUCO.
T)e ordem do Sr. director da sociedade das
Arlos Mechanicas e Liberaos desla cidade, convi-
do a lodos os socios respectivos para se rcunirem
extraordinariamente segunda-feira 3 de selembro
s 6 1|2 horas da lardo, no lugar do costme.
Secretaria da sociedade das Artes Mechanicas
c Liberaes de Pernambuco em 30 de agosto de
1860.
iinao do Souza Monteiro,
l.- Secretaiio.
= Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 14
da ra Nova : no primeiro andar do mesmo so-
brado, das 6 s 9 horas da manhaa.
Altenco.
a
Jos Filippe Martins, oslando cstabelecido ha
urna porcao de annos com casa de pasto na ra
larga do Rosario, hoje declara aos seus freguezes
lano da praca como do malo, que se acha com o
mesmo eslabelecimento na ra estreila do Rosa-
rio n. 23, confronte a ra das Larangeiras, aonde
continuar a servir os freguezes da im-lhor forma
possiyel c por commodo precn. No mesmo esla-
belecimento fornece-sealmoco e jamar por mez,
mandando-se em casa, mais baralo do que em
oulra qualquer parle ; o lodos os dias das 7 horas
ero dianle lem papa de farinha do Maranhao e
aramia, assiro romo nos domingos e dias sautos
tem a excellente mo de vacca.das 3 horas da ma-
drugada em diante, e prepara-so toda cncom-
menda que se fizer.
1 Constan!, I
@ ahaiate de Pars, lendo transferido a sua @
@ residencia para a ra do Imperador n. 42,
@ roga a lodos es seus anligos freguezes e a S
@ toda* as pessoas em geral, que o quizercm
@ honrar com a sua freeuezia que hajam de @L
$ o procurar d'oraem dianle na dila casa. O I
@ mesmo annuncia que prepara vestidos a '-
@ amazonas para sechoras montarem a ca-
@ vallo.
Mlt @@@^@@@
Precisa-se de urna pessoa livre ou escrava
para coziuhar e fazer mais algum servico dentro
deca6a; a tratar na ra da Sonzala Nova n. 4.
Aluga-se um quarlo na travessa do Cam-
pello n. 4, primeiro andar, ectrada independen-
te : trata-se na loja.
Vende-se urna canoa d'agua em bom esta-
|do: na ra Imperial n. 171.
gfaisgiseeefl aiesiB-aisetBaieeie
^ Recebeu-se novo sortimcnlo de bou i- 3^
4s tos vestidos de phantasia na J
Loja de marmore.
\ ende-se um carro de carrogar gneros,
com bol ou sem elle : na ra do Vigario n, 6.
gfigpeeig m msms mm m smu
^ Recebeu-se novo sorlimento de pele- ^
luoja de mormove.
Machina de coser.
Na loja do mludezas da ra do Imperador n.
7, de Joaquim Ilenriquesdo Silva, vende-se urna
machina de coser, a melhor que tora vindo, &
do melhor syslema at hoje conhecido.e por ore-
qo commodo.
Recebeu-se novo sorlimento de vesii- <&
dos para noiva na "<
liOJa i\c mavmore. 8
Vende-se urna pequea armacao envidra-
cada, e tambero se aluga a loja da ra estreila do
Rosario n. 14: a iralar na inesma ra, luja do
calcado, onde foi confeilaria.
Vende-se a casa da roa das Triacheias n.
37 : a tratar na ra da Gloria n. 61.
Aos fumantes.
E' chegado no vapor Cruseiro do Sol, o ox-
cellenlc do borba do Par, era rolinho, o melhor
que tem vindo a esle mercado, para cachimbo ou
cigarros, vende-se a 6g o rolo na loja de lin-
dezas da ra da Emperatriz n. 82.
Vendem-se ranastras de alhos a 60 rs. o
maco e folha de louroa 320 rs. a libra : no pa-
Ico do Terco n. 28, defronle da fabrica de cha-
rutos.
Na ra do Cabug n. 2 R, loja de Castro &
Amorim, ha para vender os seguintes oriigcs
por precos baratissimos :
Graxa franceza caixa pequea por 500 rs.
Dita dila dita grande por I511OO rs.
Dita dila dila vasos de louea grande por IjCOO rs.
Dita dila dila pequea por" 6i0 rs.
Facase garlos cabo de balanco muito
tina duzia ;.] ujjOO rs.
Na ra iio Imperador n. 63, se vende man-
teiga ingleza nova da mais superior quali lado a
preco de 1.280 rs. a libra, assim como queijos
dos ltimos chegados, ha grande sorlimento de
vinho por precos muito commodos e mais g-
neros ludo do melhor estado c se affianca qual-
quer genero que da mesma casa seja vendido.
Azeitede carrapato.
Conliuua-se a vender por caada e garrafa :
ua ra dos Guararapes o. 6'\ cm Pora de Portas.
^g Recebeu-se novo sorlimenio de boni-
^ tos bordados c enfeites para senhoras na
I Loja de marmore.
No armazem da ra do Amorim n. 46, ven-
de-se gomma de superior qualidado.
Recebeu-se novo sorlimento de bom- O
tos lequcs de sndalo na inS
Loja de marmore. i
Compras.
= Compr3-se urna grammalica franceza de
Bourgain : a pessoa que livor o quizer vender,
dirija-so a repartico do correio, ou annuncie
sua morada para ser procurado.
Comprase ouro de 20$ e 1C#:
na ra da Cadeia do Recife loja de fa-
zendas n. 51.
Compra-se um moleque de l a 16 annos,
bonito o sem defeilo, que sirva para pageni ; pa-
ga se bem agradando : na ra de Apollo n.' 24,
segundo andar.
Compra-se urna casa terrea na bairro da
Boa-Vista, em boa ra, que tenha 2 salas, 3 a 4
quarlos, cozinha fra, quintal e cacimba : a pes-
soa que tiver, annuncie por esla folha para ser
procurada.
Compra-se urna escrava de mcia idade, boa
figura, possanie, sem vicios nem achaques al-
guns, Hopa : no Recife, ra da Cruz n. 31.
Compra-se um raoinho de moer milho em
segunda mo, porcm cm bom estado : na ra da
Senzala Nova n. 30.
Vendas.
S iuteressa s senhoras.
Chegaram mais de noo as bellas e desejadas
pulseiras de coral, flngiudo ums cobrinha, en-
casloadas em ouro : as lojas de ourires de Se-
rafina & Irmo na ra do Cabug ns. 9 e 11.
Vende-se um carro da alfandega, a dinhei-
ro ou a prszo ; na ra Augusta, laberna n. 1.
Altenco.
m
Na ra Direita n. 68 existe um lindo
escravo para ser vendido, o qual mo-
co e hbil para qualcjuer servico por
ser muito saclio e sem vicios.
|Aos Srs. ourivesf
35 Na ra larga do Rosario n. 24 acha-se H
a venda uro sorlimenio completo ullima- S
mente chegadtt de Paris, de ferrament.is fe
I para olrabalho de ourives, as melhores S
II que leem apparecido no mercado. 8
^ Recebeu-se novo sorlimento de vesti- S
tt dos de cores, do moiranlique egro-fne na I Loja de marmore.
Na ra da Unio, ultima casa do lado es-
querdo (vindo da ra Formosa) ha urna porcao de
obras de labyrintho viudas do Cear, pespita-
mente Irabalhadas, as quaes se vendem por ala-
cado coro o abale de 10 0|0 sobre os procos je
bastante mdicos, porque se vendem tambero
retalho.

N. 9.
Francisco Pereira da Silva vende coberlas de
chita para cama a lg800 e Iences de brim a 2g:
na ra do Queimado n. 9.
Vende-se um escravo de meia idade. ro-
busto, de boa conduela, bom para qualquer ser-
vico de casa ou campo ; na praca da Boa-Vista,
botica n. 22.
Vende-se um braco de Mana de Romo &
C. com seis palmos de coraprido, proprio para
armazem de assucar: na ra da Senzala Velha
n. 94
Vende-se um moleque de 12 annos: na ra
do Santa Rita, casa n. 69, junto igreji.
Vende-se um terreno com 54 palmos do.
frente o 1000 de fundo, com alguns arvorodo,
na estrada de Relem : quem quizer dirija-se
ra Direila sobrado n 86, segundo andar.
Milho e farelo.
Vende-se na Iravessa do palco do Paraizo
16, casa pintada de amarcllo.


(6)
DIARIO DE PERSAMBUCO. SEGUNDA fElBA 3 DE SETEMBRO DE 1S0.
Fazendas finas e
roupa feita.
Augusto & Perdigio.
Com loja aa ra da Cadeia do Recite n. 23
Cortes de vestidos de seda prctose decores
Curtes de ditos de barege, de tarlatana e de gaze
de seda.
Cambraias de cores, brancas e organdys.
Anquinhas pnra saias, saias balo, de clina, ma-
dapolao e bordadas.
Leos de Inbyrinllio do Aracaty e francezes.
Chapeo; amazonas de palh.i e de seda para se-
nnoraa e meninas.
Enfeilesde troco, de vidrillio e de flores.
Pon tes de tartaruga, imoeratriz e outros goslos.
Manguitos e gollas, ponto inglez, francez e mis-
snnga.
Vestuarios de fuslao, de l c de seda para
crianca.
Manteletes, taimas e pelerinas de differenlcs aua-
Iidades.
Chalos de louiim, de merino e de la de pona
redonda.
Luvas de pellica brancas, prelas e de cores.
Vestidos de blond, maulas de dito, capellas e
flores solas.
Sinluroes, camisas de linho e esparlilhos para
senhora.
Perfumaras finas, saboneles e agua de colonia.
Casacas, sobrecasacas e paletols de panno preto
e do cor.
Paletols de alpaca, de seda e de linho.
C.ilras de easemira de cor, pretas c de brim
Caninas do madapolao, o linho inglez e de laa.
Seroulas de linho e de meia.
Halas, saceos, apelrcixos para viagom.
Chancas para invern, bolinas do Mcli e oulros
fabricantes.
Chapeos da Chyli, de massa e de f-llro para ho-
mo m.
Charutos raanllha, havana, Rio de Janeiro e
Babia.
Aviso aossenho-
res deengenho.
Vendem-so duas carrogas com seus pertentes,
para carregar assucar; a Iratar na ra da Cruz
n. 9, primeiro audar.
Taberna.
Vende-se urna taberna na ra Direila dos Ato-
gados n. 20. com poucos fundos, propria para
principiante : quem a pretender dirija-se a
mesma.
CAL DE LISBOA,
nova e muito bem acondicionada : na ra da Ca-
deia do Reciten. 38. primeiro andar.
ilorzeguios iiiglezes.
N i roa da Cadeia do Recite n. 45, esquina da
ruada Madre de Dos, vendem se os afamados
h irzeguins tnglezes, solas grossas e prova d'agna,
pelo mdico prego de 9s o par; assim como bor-
reguins docouro de lustre para homense senho-
ras, por mdicos piceos.
Libras slerlinas
Vendem-se libras s'erlinas: no escriplorio de
Manoel Ignacio de Oliveira & Filhos, largo do
Corpo Sanio.
Liga de militas na ra
Direila N. 85, onde tem
o lampedo do gas,
veri lera-se bandejas linas a 1a. i$h), 1?50, 2,
2 ; i. 2:000, 28O0, M2 o, 4e5S, bengalas de
i linas a i e 19500, grvalas prelas de se-
liai 1 l--)2O0, ditas de cores a I, allinelts era
caixinhas muito linos a'20D e280 rs., lilas pro-
prias para enfeites de vestido de seda a 400, 500
e :j I rs. a rara, franjas de seda de cores a 320,
590. 600 e 800 rs. a vara, linas de lio de cores
para homem, brancas, a Gil), ditas de cores a6i0,
ditas do soda enfeitadas para sjnlnraa Sft, en-
feites de trangas de relindo dos mais modernos
q le lia para senhora 5#500, ditos do filas de
seda 1 jOO, ditos para meninas de tranca d.'
vcll ido a IgOO, .lilas de fila de seda a 43, luvas
do seda para hornera a IgQ I, I eso u ras para un has
l1 rs., ditas paraeostura a 1$, clcheles
birJadiuhos a 120, escovas para cabello a 1$,
ditas para roupa a 1200, trancas do caracol de
linho, peca gran le, a 2S, meis croas para ho-
m n 1 iji 11. ditas a $80 e -o, Jilas brancas
a $i 1) e :!?2).i, ditas fin is de cores a 2>S'0, di-
tas para nenios, decores 29600, ditas linas
bran :as de meninos 1 39300, ditas para meninas
a 3)700 1 duzia, botos de seda para casaveque
a 32>) a dnzia, tinta de carmiztn lina a WO rs.,
concha de metal principe para assucar n 400 rs.,
ditas para cha a 800 rs.a duzia, tinteiros o ariei-
ros linos a \, caixinhas de papel sortidas em
C ) is a 1-5, ditos 80 quadrinhos :i ,sl0 rs lia pa-
ra bardar a mais lina que ha a 7$500 libra, ata- j
ca loros chatos de algodo a 60 rs., ditos rolicos a I
lOOrs,pantos de borracha para bichos a 410,
ditos travesso* pira m >nin 1- 1 6iO, ditos de bu-
f 1I0 '.ir un:.1 .'Mi l)i dos 1 11, iliius para alisar a
500-rs., ditos le borracha para alisar a600rs.,
b 1 oes li osso .1 240, duas di; nuca broncos a
1 (I. ditos de ires 1 1(> 1. boles de madreperola
fina n O I rs aroza, 11 velas para calcas a 101)
r>., lixinh k de n-iji.-i de cor 'i S(;j rs., caitas de
obreia de col 1 a 10U rs. linhas de peso u 120,
diUs do cabera encrnala a 120, litis lavradas
di largara de 5 dedos com pintas do mofo a 320
a vara, galn de linho a 110 a vara, bico preto
de seda a 120, 200, 32'), 400 e 600 rs. a vara,
brin (nodos para meninos, do diversas qualida-
ds, m lis barato que em outra qualquer parle,
bonecas de camurca a 500 rs., dilas de chouro a
410, 500, 800, 1500 e 2j)
Parahyba,
Vende-se o engenta Torrinha distan
te el sti cidade duas leguas por trra,
tem terreno pira dous mil paes or au-
no e boa eas;i de viven la assobradada
boa? obras, tem embargue no porto dis
tante do engenho 1|2 qiatto de legua
do rio Parahyba eem menos de 3 horas
i rein a cidade: quem o pretender di-
rija-se a Joao Jos de Medeiros Correta
i G que dir' quem o vende.
Meias de seda para me-
ninos .
Superiores meias de seda de peso para meni-
nos do tolos os lamanhos : vendem Leile & lr-
mao, na ra da Cadei.i do Re^ife a. 4", a 2J500
o par
Vende-se um siiio na Passagem da Magda-
lena, margem do Capibaribe, com urna grande
casa toda mrala, com caes, muitjs arvores de
sos tractos: a tratar com Joao Manoel Ro-
drigues Valenca, no mesmo lugar.
Vestido a 2:500.
Riquissimos corles de chita larga franceza, de
mui lindos padroes, tendo entre elles de cores
escuras, claras, e miudinhas, pelo diminuto pre-
go de 2?500. tendo 11 covados cada corle ; na
ra do Queimado, loja n. 18 A, esquina que vol-
la para a ra estrella do Rosario.
Cheguem ao barato
O Pregui;a esl queimando, em sua loja na
ra do Queimado n. 2.
Pegas de brelanha de rolo cora 10 varas a
225, easemira escura infestada propria para cai-
ga, eollele e palilots a 960 rs. o covado, cambraia
organdy de muito bom goslo a 480 rs. a vara,
dila liza transparente muito fina a 3$, 4$, S,
e 6$ a pega, dita lapada, com 10 varas a59e
6H> a peca, chitas largas da molernos e escollados
padroes a 240, 260 e 280 rs. o covado, riquis-
simos chales de merino eslampado a ?& e 85?
dilos bordados com duas palmas, fazenda muilo
delicada a 95 cadi um, dilos com urna s pal-
ma, muilo finos a 85500, dilos lisos com fran-
jas de seda a 59, lencos de cassa com barra a
100, 120S 160 oda um, meias muilo Gnas pa-
ra senhora a 49 a duzia, Hilas de boa qualidade
a 39 e 39500 a duzia, chitas francezas de ricos
deseulios, para coberw a 280 rs. o covado, chi-
tas escuras inglezas a 55)900 a poga, e a 160 rs.
o covado, brim bronco de puro linho a 18
1J5200 e 19600 a vara, dito proto muito encor-
palo a 19500 a vara brilhaniini azul a 400 rs.
o covado, alpacas do differentes cores a 360 rs. o
covado, cesemiras prelas finas a 2#500, 39 e
39500 o covado, carabria preta e desalpicos a
500 rs. a vara, e oulras niuias fazendas que se
far patente ao comprador, e de todas se daro
amostras com penhr.
Attenco
*
Vende se na ra da Cruz n. 48, urna
divida julgada por sentencia, o devedor
dtzem que tem loja em nome de outro
na iua da Imperatriz, cujo devedor
chama-se Antonio Jos de Azevedo,
Vende-se na ra Direila n. 99, taberna no-
va, manteiga a 640 rs. a libra, dila ingleza a
1g280, passas boas a 640, linguigag a 440. ch da
India a 2&400, arroz pilado a 120, bolachinha in-
gleza a 240, e lambem se vendem 8 moedas por-
luguezos de ouro.
Tachas para engeobo
FundiQo de ferro e bronze
DE
Francisco Antonio Correia Cardazo,
tem um grande sortimento de
tachas de ferro fundido, assim
como se faz e concerta-se qual-
quer obra tanto de ferro fun-
dido como batido.
Pechinchas
sem iguaes, na ra do Quei-
mado n. 65, na bem conhe-
cida loja da diligencia de
Fajozes Jnior & Guimares
iioaI88 P'ntadas muil finas Para homem a
1>S00 a duzia, e em pares a 160 rs., clcheles
francezes em cario a 320 a duzia de cartoes, e a
30 rs. cada cario com 14 pares, luvas linas de
seda para homens e senhoras a 6i0 o par, dilas
com algum defeilo a 210 o par, muito boas cor-
das para violo a 80 rs.,sgulhas francezas, caixas
com 4 papis a 100 rs., apparelhos de porcellana
muito lindos para menina a 1JJ8O0, 25U0, 3 e 4,
Em casa de Borotl &. L, ra da Cruz do
Recite n. 5. vende-se :
Cabriolis americanos muilo lindos.
Charutos de Havana verdadeiros.
Fumo americano de superior qualidade.
Champagne da prmeira qualidade.
. Carne de vacca e de porco em barris multo
frescas.
! Licores de diversas qiialiJados, como sejam,
1 Chery, Cordial. Muit Julap, Bitters Whiskey,
'sal a parrilha em frascos grandes.
Em casa de Rabe Sclmettan &
|C, ra da Cadeia n. 57, vendem-se
I elegantes pianos doafamado abrican-
I te Traumann de Hamburgo.
Pianos
Saunders Brothers 4 C. tem para vender em
seu armazem, na praca do Corpo Santo n. 11,
alguns pianos do ultimo gosto, recentimente
chegados, dos bem conhecidos e acreditados fa-
bricantes J. Broadwood 4Sons de Londres,
muito Drocrios oara este clima.
Arados americanos e machinas
paia lavar roupa: emeasa deS. P. Jo-
hnston & C. ra da Senzalan. 42.
Potassa da Russia
E CAL DE LISBOA.
No bem conhecido e acreditado deposito da
ra da Cadeia do Recife n. 12, ha para vender
potassa da Russia e da do Rio de Janeiro, nova
e de uperior qualidade, assim como tarabem
cal virgem em pedra: ludo jjor Breos muito
razoaveis
GR.4M3E SORTHIEMO
DB
lazendase obras leilasj
REMEDIO INCOnPARAVtL.
UNGENTO HOLLOWAT.
Milharcsde individuos de todas as naQoes pp-
dem testemunhar as virtudes deste remedio in-
comparavel e provar em caso necessario, que,
pelo uso que dellc zeram tem seu corpo e mem-
bros inteiramente sosdepois de haver em'prega-
do intilmente outros tratamentos. Cada pesoa
poder-se-haconvencer dessascura maravilhosas
pela leilura dos peridicos, que lh'as relatam
todos os dias ha muitosannos; ea maior parte
della sao tao sor prendentes que admiraa; o
medico mais celebres. Qoantas pessoas reco!
braram com este soberano remedio o uso de seus
bracos e pernas.depoisde ter permanecido Ion-
go lempo nos hospitaes, onde de viam soffrer
amputacaol Bellas ha muitasque havendo dei-
xado esses asylos de padecimentos, para senao
subraetterem essa operacao dolorosa foram
curadas completamente, mediante ousodesse
preciosoremedio. Algumas das taes pessos na
enfusao de seu recouhecimento declararam es
te resultados benficos diante do lord correge-
dor e outros magistrados, am de maisauleuti-
carem suarmativa.
Niuguem desesperara do estsdo de saude so
tivesse bastante conanca para ensaiar este re-
medio constantemente seguindo algum lempo o
uaenlratatoquenecessitassea natureza do mu,
c"jo resultado seria prova rincontestavelmenle
Que tudocura.
Ouajruento e til, mais pnrticu-
larmente nos segrnintes casos.
NA
Loja earmazei
DE
Neste armazem de molhados con-
^"-ft- Ve?dtr 08,so8<,inte< guncros abaixo mencianados de superiores qualidades e mais barato
uA. ?"" 'lull1"or Parle. Pr "rem a maior parte delles rocebidos em dircitura por conta
Mantelsa inglcxa c ranceza
perfeitamenle flora mais aova que teta vindo
se far algum abaliraenlo.
O'
ao mercado
de60a 800 rs. a libra eem barril
Qacijos flamengos
vista do gasto
Suissos.
Hm casa de Schafleillin & C, ra da Cruz n.
38. vende-se um grande e variado sortimento de
re igios ie algibeira horisontaes,patentes,chro-
B a 'Iros, meios ehronometros, d ouro, prata
dourada efoiheadosajonro,sendo e3les relogios
(i >s primeiros fnbricanlesda Suissa, queso ven-
derio por preQos razoaveis. ^
Estopa da trra,
fina o secca : na ra Direila n. 91.
Attene&
o.
Vende-se na roa do Trapiche Novo n. 14, ar-
mazem de Andr de Abreu Porto, carne de porco
americana, dita de vacca, por diminutos presos,
em barris de 200 libras a 30J o barril, urna gran-
de porcao de cobre velho, composiao e cavilhas
de cobre, urna porcao de bronzo, urna porcao de
travs, e grando porgo de tabeado de pinho e
de carvalho ; ludo se vende por todo preco para
acabar por estar liquidando o seu n gocio, e
igualmente vinhos de diversas qualidades, e o'u
tros mais gneros.
muilo novos recenternente chegados no ultimo vapor da Europa de 1S700 a 3-3 ea
que o freguez lizer se far mais algum abalimenlo.
Qucijo pvalo
os mais novos que existem no mercado a lf a libra, em porcao se far abatimento.
i\.u\eixas f raucpzas
em latas de 1 112 libra por 13500 rs-, e em carapotuiras de vidro contendo cada urna 3 libra
por 07OOO.
Mnstara Vnglcza c franceza
-am frascos a CO rs. e em pules franceza a 800 rs cada um.
Yeraadciros figos de comadre
u caixiuiias d 8 libras elegantemente enfeitadas proprias para mimo a 1600 rs.
Bo\ac\iin\ia ingleza
a mais nova que ha no mercado a 2 0 rs. a libra e em barrica com 1 arroba por 4S.
*otes vidrados
de 1 a 8 libras proprias para manteiga ou outro qualquer liquido de 400 a 1^000 rs. cada um
\mendoas contestadas proprias para sortes
de S Jo&o
a lg a libra c em trasquinhos, contendo 1 1(2 libra por 2.
C\i preto, Yiyson e perola
os melhores que ha nesle mercado de I.36OO, 2J e 2g500 a libra.
Ma^as em caixinnas de S liliras
e.onleudo cada una difTerenlcs qualidades a 4g500.
Calilos de denles lidiados
em molhos CDm 20 macinhos cada um por 200 rs.
Ti jlo francez
proprios para limpar faca a 200 rs.
Conservas inglezas e francezas
em latas e em frascos de differentes qualidades.
Presnntos, clionricas epaios
o mais novo que ha neste genero a 480, 640 e 720 rs. a libra.
Juatas de oolacliinna de soda
de diTercntes {nalidades a 1JJ600 em porcao se far algum abalimento.
Tambeni vendem-se os seguintes gneros ludo recenlemenle che-ado e de unerin
res qualidades, presunlos a 480 rs. a libra, chourica muilo nova, marmeiada do mais afamado fa"
bncanle de Lisboa, maca de lmate, pera secca, passs, fruclae em calda, amendons nozes frisca
oom amendoaS'Mibertas, onfeites, paslilhas do variasqualidades, vinagre branco Bordeaux'.proprio
para conservas, charutos dos melhores fabricantes de S. Flix, macas de todas as qualidades ora-
ma muito fina, ervilhas francezas,.-.harapagne das mais acreditadas marcas cerveias de dilas
spermacetebarato, licores francezes muilo finos, marrasquino de zara, azeiledoce purificado azei-'
louas muito novas, banha de porco refinada e outros muilo gneros que encontrarao tendentes a
molhados,por issojiromeltem os proprietarios venderem por muito menos do que outroqualquer
promotora mais tambera sorvirem aquellas pessoas que mandarem poroutras pouco praticas como
> vioss'.m pessoalmente ;rogam tambera a lodos os sanhoresde engenho e senhores lavradores
queiram mandarsuas encommendas no armazem Progresso aue selhes affianca a boa qualidadee
> acondiciouamento
i Na rm do Qneimad) u.
46, frente ainarella.
^ Grande e variado sorlimento de sobre-
X casacas ecasa*as de pannos linos prelos
e de cores a 28). 30j e 35g, paletols dos
ag mesmos pannos pretos e de cores a 283,
ff 20J 22je 255, ditos de easemira mescla-
A dos desuperioi gosto a 16 e 18$, dilos
rp das mesmas case-rairas saceos modelo
inglez 10J, 125, li el5. ditos de al-
paca prata lina saceos a 4, dilos sobro-
II casa lambem de alpaca a 7,8jje 9, di-
flj tos de merino selim a tOj, ditos de me-
|| ri de cordao a 9J, calcas prelas das
* mesmas fazendas a 5$ e J, colleles pa-
M ra luto da mesma fazendi, palelots de
^ brim trancados 53, dilos pardos e de
S fusto a 4 e 53, caigas de easemira de
T cor e prelas a 7j>. 8>' 9$ e 103, ditos das
S mesmas caserairas para menino 3 6$, 7-3 3S
^ e 89, ditos de brim para homem a 3$, 1
| 395OO. 49 e 53, ditos brancos finos a af, ^
'j P e ^'*' (,ilos ,le m,;'a easemira a 4j> e *P
H 53, colleles de casemiras preta e de co- |B
* res a 53, e 6$, dilos de gorgurao de seda 9
brancos e de cores a 53 e 63, ditos de M
jm velludo preto e de cores a 9j e 10, ditos Ji
^ do brim branco e de cor a3, 33500 e4}, lg
(5 P2''lo's de panno fino para menino a ?
1| 155, 16# e 18#, dilos de easemira de cor il
3 a 73, 83 e 93, ditos de alpaca a 3$e3$500,
J sobrecasacas de alpaca tambera pa,-a me- H
?| nio a 5$e 63, camisas para os mesmos \Ji>
de cores e brancas a duzia 153, 163 e 203, 3>
^ meias cruss c piuladas para menino de i
?B todos os lamanhos, calcas de brim p3ra 9
1 os mesmos algOO e 33,* colarinho de li- |
<6> nho a 6-3l)00aduzia, toalhas de linho pa- t
j| ra maos a 900 rs. cada urna, casaveques B
9 de cambraia muilo fina e modernos pelo V
II diminuto preco de 12j, chapeos com abas B
|g de lustre a 5, camisas para homem de ff
1 todas as qualidades, seroulas para ho- S!
-. mem a 168, 20# e 25> a duzia, vestimen- 55
* tas para menino de 3 a 8 annos, sendo
calca, jaquel! e coletes ludo por 10$, co- S
bertas de fustao a 6J, loalhas de linho ^
para mesa grande a 7 e 8, camisas in- $
|g Klesaa noi nnonie chc^jdu a 36j| a duzia. ?55
Na fabrica de caldeireiro da ra Imperial,
junio a fabrica de sabao, e na ra Nova, loja de
trra ge ns n. 37, ha urna grande porcao defolbas
de zinco, j preparada para telhados, e pelo di-
minuto preco de 140 is. a libra
Alporcas
Caimbras
Callos,
anee res.
Cortaduras.
Dores de cabega.
das costas,
dos membros.
Enfermidades da cutis
emgeral.
Ditas do antis.
Erupces" e escorbti-
cas.
Fistulasno abdomen.
Fnaldade ou falta de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gengiva escldalas.
Inchacoes
Inflammacao doflgado.
nflammaca^ dabexiga.
da matriz
Lepra.
Males das pomas,
dos peilos.
de olhos.
Mordedurasde reptis.
Picadura de mosquitos.
Pulmoes.
Queimadelas.
Sarna
Supuracoes ptridas
Tiuha.em qualquer par-
te que soja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do ligado.
dasarticulagoes.
Veias torcidas ou noda-
das naspernas.
Vende-se este ungento no estabecimento
geralde Londres n. 224, Strand, e na loja de
todos os boticarios droguistas e outras pessoa3
encarregadas de sua venda em toda a America
do snl, lavana e Hespanha.
VenJe-se a800 rs., cada bocetinha contm
urna instrucgo em prtuguez para o modo de
fazer uso deste ungento.
O deposito geral em casa do Sr. Soum,
pharmaceutico, na ra da Crun. 22. em Per-
nauabuao.
Relogios.
Vende-se em casa de Johnston Paler & C, ra
do Vigario n. 3, ura bellosortimento de relogios
deouro, patente inglez, de um dos mais afa-
mados fabricantes de Liverpool ; tambem urna
variedade de bonitos trancelins para os mesmos.
Espirito de vinlio com 44
'i
graos.
Relogios patentes.
Estopas.
Lonas.
Camisas inglezas.
Peitosparacamisas.
Biscoutos.
Em casa de Arkwight 4 C, ra da
Cruz n. 61.
Pcchincha.
Gorles do chita franceza cora 14 covados a
23200, chitas francezas a 200, 2'0 e 260 rs. o co-
vado ; a ellas que se acabam : na ra do Quei-
mado n. 44.
Vende-se um carro e um boi muito bom e
manso : na roa da florentina na cocheira do Dr.
Joao Lins Cavalcanli, das 6 s 9 horas da manha
Botica,
OUPA FITA
Defronte do becco da Congregacoletreiro verde.
Casacas de panno preto a 30$, 35 e
Sobrecasacas de dilo dilo a
Palelots de panno de cores a 209, 23>,
30s e
Ditos de easemira de cores a 153 e
Ditos de easemira de cores a 73 e
Dilos do alpaca prela golla de velludo 3
Ditos do merino selim preto e de cor
a 8#e
Dilos de alpaca de cores a 3500 e
Dilos de alpaca preta a 38500, 5, 7 e
Dilos de brim de cores a 3500, 4500 e
Dilos de bramante de linho brancos a
4*500 e
Caigas da easemira preta e de cores a
, 10$ e
Ditas de princeza e alpaca de cordao
pretos a
Ditas de brim branco e de cores.a 2J500,
4S50O e
Ditas de .aliga de cores a
Ditas de easemira a
40?000 Colleles de velludo decores muilo fino a
35$00 j Ditos de easemira bordados e lisos pre-
tos e de cores a 53, 53500 e
358000 Ditos de selim preto a
229000 Ditos de easemira a
123010 1 Dilos de seda branca a 5$ e
123000 Dilos de gorguiao de seda a 5g e
I Ditos de fustao brancos e de cores a 3 e
93000 Dilos de brim branco e de cores a 2& e
5*009 Sereulas de linho a
93000 Ditas de algodo a 1*600 e
53OOO Camisas de peilo de fuslao broncas e de
cores a 2*300 e
63OOO Dilas de peito e punhos de linho nyiilo
finas inglezas a duzia
12*000 Dilas de msdapolao brancas e de cores
a 1*800. 2* o
53OOO Ditas de meia a 1* e
Relog'os de ouro patente o orisonlaes
5*000 Ditos aa prata galvanisados a 25* e
3*OflO : obras de ouro, adorecos, puleciras e ro-
5350o I setas
10*000
6*000
5JI00
33500
C3000
,63000
3*500
23500
2*500
2*000
2*500
355000
2*i00
1S600
I
30*000
Barlholomeu Francisco do Souza. ra larga do
Rosario n. 36, vende-se os segninies medica-
mentos :
Robl'Afrecteur.
Pillas contra sezoes.
Dilas vegelaes.
Salsaparrillia Bristol.
Dila Sands.
Vermfugo inglez.
Xarope do Bosque.
Pilulas americanas (contra febres).
Ungento Hollovay.
Pillas do dilo.
Ellixir anli-asmathico.
Vidios de bocea larga com rolhas, de 2 oncas
e 12 libras.
Assim como tem um grande sorlimenlo de pa-
pel para forro de sala, o qual vende a mdico
prego.
Cortes de ves-
tido por 2$500.
Superiores cortes de chita franceza larga de
muito lindos padroes de cores escuras e claras,
miudinhas, com 11 covados cada corte, pelo ba-
ralissimo prego de 2g50O : na loja do sobrado
amarello, uos qualro cantos da ra do Queimado
n. 29, de Jos Moreira Lopes.
Vendem-se
saceos com boa faiinha de mandioca a 4j500 ca-
da ura, ditos do Porto com feijao preto, amarel-
lo e vermelho a 14*, 12 e9fl, cal de Lisboa em
barris a 4$, dila nos alqneires a 13600 : na ra
do Brum n. 18 e 66. armazem de assucar.
Vende-se para fra da praga um escravo
crioulo.de idade 20 annos, bonita fignra e muilo
sadio, sem vicio algum, o perilo ofBeial do
marcineiro : a Iratar na ra eslreita do Rosario
n. 31, armazem.
Oilo palmos de largo.
A 900 rs. a vara.
fo armazem da ra do Queimado n. 19, vende-
se brim trancado alvo com 8 palmos de largo,
fazenda a mais propria para loalhas, pelo bara-
tissimo prego Je 900 rs. a vara: vende-se ni-
camente no armazem cima.
Vande-se espirito de vinho verdadeirocom 44
graos, chegado da Europa, as garrafas ou as ca-
andas na ra lartca do Rosario n. 36.
Ra da Seazala Nova n. 42
Vende-se era casa de S.P. Jonhston i C. va-
quetas de lustre para carros, sellins esilhes in-
glezes, candeeiros e casticaes bronzeados, lo-
nas inglezas, fio de vela, chicote para carros, e
montara, a rreios para carro de um e dous eaval-
OS G ruloicins il'ouro palunto inulozos
Rival sem segando.
Na ra do Queimado n. 55 de-
fronte do sobrado novo, lo-
ja de miudezas de .Tos'1 de
Azevedo Maia e Silva, tem
para vender os seguintes
artigos abiixo declarados:
Caixas de agulhas francezas a%120 rs.
Sapalos de tranca de algoJao a 1*200.
Ditos de laa 5 1*600.
Carines de alfinetes finos a 100 rs.
Espelhos de columnas, madeira branca, a 1*400.
Dilos dito de Jacaranda, a 13600:
Phosphoros era caixas de olha a 120 rs.
Frascos de macass perola, a 200 rs.
Pacas c garfos muilo finos, duzia 3*500.
Carles de clcheles de superior qualidade. a
40 rs.
Caixas colchetes batidos, a 60 rs.
Caixa de obreias muito novas, a 40 rs.
Frascos de oleo de babosa maito fino, a 600 rs.
Dilos ditos para fazer o cabello corredio. a
1*000
Sapalos dela para criangas, a 200 rs.
Pares de meias cruas para"meninos, a 160 rs.
Pares de luvas de cores fio de Escossia. a
320 rs.
Pares de meias para meninos, a 240.
Magos de grampos muilo bons a 40 rs.
Agulhciros de marfim a 160 rs.
Caivetes deaparar pennas a ICO rs.
Grvalas de seda muilo finas, a 600 rs.
Thesouras de cosiera mullo finas, a 500 rs.
lulos para unhas idem, a 500 rs.
Franja de laa para vestidos, pega a 1*000.
Macos de tranca de laa muilo fina, a 500 rs.
fetilho te seda para enfeite de vestidos, peca
a 1*000.
Vende-se
um piano era bom uso, que serve para aprender,
por prego minio commodo ; e um cavallo casla-
nho, de cabriolet, bstanle gordo : no Io andar
do sobrado do pateo do Carmo n. 9.
Pechincha em roupa feila por ura dos me-
lhores artistas nacionaes, na ra da Imperatriz
n. 60, loja de Gama & Silva : calcas de ganga
franceza muito bem failas a 23500;' ditas de brim
de hnho a 2*500, dilas de dilo a 2$, colleles de
varias qualidades, paletols de panno Ouo sobre-
casacos, dilos saceos, dilos de alpaca preta e so-
brecasacos, assim como roupas grossas para es-
cravos, asquaes se vendem muito em conta.
Grammatieaingle-
za de Ollendorff.
Novo metliodopara aprender a lr,
a escrever e a fallar inglez em 6 mezes,
obra inteiramente nova, para uso de
todos os estabelecimentos de instruccao,
pblicos e particulares. Vende-se'na
praca de Pedro II (antigo largo do Col-
legio) n. 37, segundo andar.
45Ra Direila-45
Esteestabelecimento offerece ao pu-
blico um bello e rico sortimento por
precos convenientes, a saber :
Homem.
Borzeguins imperiaes..... 10000
Ditos aristierticos...... O.sOOO
Ditos burguezes........ 7000
Ditos democrticos...... 63OOO
Meio borzeguins patente. 6'jfOO
SapatOes nobreza. ..#... C$000
Ditos infantes......., 5$000
Ditos de ltnha (3 1|2 bateras). C$000 ,
Ditos fragata (sola dupla). 5#000
Sapatos de salto (do tOm). C$000
Ditos de petimetre...... 5$000
Ditos bailadnos........ 5$500
Ditos impermeaveis...... 2$500
Senhora.
Borzeguins primeir classe(sal- *
to de quebrar).......5f000
Ditos de segunda class(quebra
cambada). .,,...,. 4$800
Ditos todos de merino (salto
dengoso).........4^500
Meninos e meninas.
Sapaloes de forca. ...... 4*000 -
Ditos de arranca.........5"500
Boizeguins resistencia 4$ e 5$800
Pateo de S. Pedro u. 6, arma-
zem de gneros seceos e
molhados.
Vende-se neslo novo estabclecimenlo sacros
com trelo de Lisboa, farinha de mandioca, mi-
Iho, feijao mulitinho e preto, gomma de mandio- *
ca, arroz de casca e dito do Maranhao de supe-
rior qualidade, dure da casca da guiaba, vinho do
Perlo om garrafa do melhor que podo haver no
mercado, manteiga ingleza e franceza, banha de
pono emlatas, bolachinhas de soda de todas as*
qualidades. cerveja preta e branca da melhor
marca, queijos flamengos frescaes, conservas in-
glezas e os mais gneros que se vendem por menos
prego do que se vende em outra qualquer parle.
Em casa de N. O. Bieber & C.
successores, ra da Cruz n. 4, vende-se t
Vinho Xerez em barris.
Ctiampanha em caixas de 1 duzia da
acreditada marca Farre & C-, vinho
de superior'qualidade.
Conbac em caixas de 1 duzia.
Vermoutli em ditas de ditas.
Ferro da Suecia.
Ac de Milao
Crilliantes de todos os tamaitos.
Na loja do Arantes vende-se a dinheiro
vista sapaloes de lustre para horuens 4*
SISTEMA MEDICO DE 110LL0W AY.
PILULAS IIOLLWOYA.
Este inestimavcl especifico, composto Inteir:-
mentedehervasmedicinaes.noconlmmcrM:-
no, nem algum a outra substancia delecteria Be
nigno a mais tenra infancia, e a compleicaomais *
delicada igualmente promplo csegu'io para
desarreigar o mal na compleicaomais robusto
e inteiramente innocente em sasoperacoe* e ef-
teitos; pois busca e remove as doeneas'de qual-
quer especie egro por mais antigs e leazos
queseam. *
Entre milhares de pessoas curadas com este ,
remedio, multas que j eslavam as pona "da
more, preservando em seu uso: conseguiram '
recobrar a saude e torgas, depois de haver tenta-
do inutilmenle todos os outros remedios
As mais afflictas nao devem entregar-se a de-
sesperagao ; fagam um competente ensaio do*
efcazes elTeitos desta assombrosa medicina e
prestes recuperarse o beneficio da saude
MR-sa-aar'
Accidenten epilpticos.
Alporcas.
Ampolas.
Areas [mal de).
Asthma.
Clicas
Convulses.
ebilidade ou extenua-
cao.
Debilidade ou falta di
torgas para qualquer
cousa.
Dysinteria.
Dor de garganta.
de barriga,
-nos rins.
Dureza noventre.
Enfeimidades no ventre
Hilas no figado.
Hilas venreas.
Enxaqueca.
Herysipela.
Febre biliosas
intermitente.
Febre de toda a especie
Goda.
Ilemorrhoidas.
Ilydropesia.
Ictericia.
I'idigesiocs.
lnflammacoes.
1 r r e g u l"a r i d a d e s de
menslruagao.
Conibrigas de toda es-
pecie.
Mal ue Pedra.
Manchas na culis.
Obslruccao de ventre.
Phlhisica ou comsump-
tao pulmonar.
ftelengaode ourina.
Ilheunialismo.
Symplomas6ecundarios.
Tumores.
Tico d lloroso.
lceras.
Venreo (malj.
MUID:
\endem-se estos pillas no eslabclecimenlo
geral de Londres n 224. StranJ, e na lojo de
todos os boticarios droguistas e outras pessoas
encarregadas de sua venda em loda a America
do Sul. Havana e Hespanha.
Vendem-se as bocetinhas a 800 rs. cada urna
dellas, conten urna inslrucgao em portuguez pa- *
ra explicar o modo dse usar dcstas pilulas.
O deposito geral 6 em casa de Sr. Soum phar-
mcceulico, na ra da Cruz n. 22, em Pcrnam-
buco.
1 E barato de mais. i
Cabug n. 8. |
g SCf Grandes cartOes com corles de ves- tidos de seda de lindas cores e de ricos hor- @
dados que se venderam sempre a o$ c a
@ 10(i, vende-se agora a 40 cada corle,
por ter pequeos toques de mofo pouco 5?5
i perceptivel : na ra do Cabug loja n. 8, O
de Almeida & Burgos. &
Para um princi-
piante.
Urna bonita armacao envernisada e *
envidracada, na melhor localidade da
ra Direita, esta' illuminsda a gaz, e
serve para qualquer negocio, porque a
casa presta-se a tudo, inclusive morada
de familia, por ter quintal/ cacimba ,
etc. : fallar na ra Direita n. 45.
Vende-se um jogo de diccionarios inglezes,
um dito allcmao, um dito lalino. um dito flos
sanclorum, um dito breviarios romanos : na 1ra-
vessa da Congregago n. 3.
1\
cobertos e descobertos, pequeos e grandes, de
ouro patente inglez, para homem e senhora,
de um dos melhores fabricantes de Liverpool,
ivndos pelo ultimo paquete inglez : em casa d#
oSuthall Mellor & C.
Seboe graixa.
Sefco coado e graixa em bexigas : no armazem
de Tasxo Irmos, no caes de Apollo
Vende-so um bonito cavallo mellado muilo
manso e bom audador : a tratar na ra do Quei-
mado, loja de ferragens n. 13.
No armasem de fazendas da
ra do Queimado n, 19.
Chitas francezas miudinhas com pequeo loque
do mofo a 200 rs. o covado, cambraias de cores
finas a 200 rs. o covado, longos brancos para al- '
gibeira a 2a duzia, cambraia" preta com pintas
brancas a 500 rs. a vara, chiles de cores fixas
miudinhas a 160 o covado. corles de hiberiacom
14 covados por 2*500, cobertas de chita (chine-
zas) a 1{*800, algodo entestado largo a 600 rs. a
vara, chales do merino eslampados 2500,
meias para meninos e meninas. Milla fina de ra-
Biagem para coberta a 280 o covado, bales a
5J de superior qualidade, cobertores de laa a 23 ,-
ILEGIVEL


DIARIO DE PERNAMBUCO. SEGUHDA FEIR 3 DE SETEMBRO DE 1860.
DE
Sita oa roa Imperial u 118 e i20 juatoa fabrica desabo.
i LLiausAS el> fall veis.
DE
-AJA*)
"J7s-b
GRANDE ARMAZEM
DE
Pastilhas vegetaes de Kemp
contra as lombrigas
Se
'efffr.
S>SS5:
t-ffSr
S'SKS:
K6S
333i
33>3
Sebaslio J. da Silva dirigida por Francisco Belmiro da Costa.
Neste estabelecimento ha sempre promptos alambiques de cobre de differentes dimcnces
de 300 a 3:0o0) simples e dobrados, para destilar agurdenle, aparelhos destilatorios coutinos approvadss pela hxm. inspeceao de estudc de fggf
para restil-'"-p destilar esniritos com Kraduaco at 40 eraos (in^la Br.irfnarn dnSellni rariipil dis Habana e Dor muitas nutras iniuilaada k... =
melhores
de todas
de bro
ferro para
as dimencoei ) pa
Ra Nova n. 47, junto a igreja da Con-
ceicao dos Militares.
Acha-senadiieccaodaofTicinadeste acreditado armazem o htfbil &&&
tista Francisco de Assis Avcllar, antigo contra-mestre do fallecido t
f/yy>
fs
10 das pasti-
parte, desempenhando se toda e qualquer encommenda com presteza e perfeirao j couhecida bas de Kemp. j Is&Ts e de cores, ditos de brim de linho branco par
e para coiuiuodiJadu dos freguezes que se dignarem honrarem-nos com a sua confianca, acha-! Srs. D T. Lanman e Kemo Pon Ru- ?v de casemira nrota p de rnie Hita* o na ra Nova n. 37 loja de ferragciis pessoa habilitada para tomar nota das encomiendas. ron 12 de"br,, "JJ _SenZres.
; limas que Vmcs. fazem, curaram meu
oel Jos Ferreira. O respeitavel publico continuara' a encon- l
em dito armazem um grande e variado sortimento de roupas fgg
2i)5-S *e,taS como lejana : casacas, sobrecasacas, fraques, paleto ts de nanno S||| pe?oa :'" m0(lic0#. f r. Birmingham, onge-
L.HHM fino, ditos de cajemira de cores, de merm bombazina ilraranrri, ^ Ts T0:/TnB. u9odas mad"'iase ,odasas pB-r-
1 ; iV i j-. ii- ii i '"*-""" uouiuaina( aipaca prela a^xsS ticulandadcs da conservarao de sua conslrueci.o
Aenco.
Vendem se queijos londtinos muito frescos, de
superior qualidide, e cousa nunca vista : na ra
estreita do Rosario, armazem n. 11 ; quanlo aj
preco segredo.
Machinas de costura.
N. O. Bieber & C. Successores avisara ao pu-
blico, que no seu armazem na roa da Ciuz n. 4,
eslao expostos a venda as melhores machinas de
costura que at boje teem vjndo a este mercado,
as quacs possuem lodosos melhoramentosinven-
tados at esta poca sein ter os defeitos que era
oulras se nota, assim sao de conslrucrao simples
e facilitan: o uso A costura feta por estas ma-
chinas nao teem igual em obra de mao, um pon-
to bonito e forte, alem de que alionan e ro.em
de todos os modos, cada caixa de cosluja repr-
senla um lindo toilele para gabinete de genitor.
Igualmente ha machinas para selleiros, etc. Os
do e de
pret
cores, calcas

no acto da compra.
e pnnceza, de bnns g^ Em casa d
pobre rapaz padecia de lombrigas, exha
chiro fedito, linha o estomago inchado
tinua comichao no nariz, tao magro se poz, que
kC<
Seus propietarios offerecem a seus numerosos freguezes e ao publico era geral, toda e
qualquer obra manufacturada era seu reconherido estabelecimento a saber: machinas de vapor de
entender para qualquer obra.

PILULAS VEGETAES
VSSLCARAAS
r^T^r[\TrTr?.
NEW-YORK
O MELIIOR REMEDIO COMIECIDO
C',i^ra eonslipaedes, ictericia, affecgoet do fgado
fbres biliosas, clicas, tndigeslocs
enxaqtiecas.
Flemorrhoidas, ciiarrhea, doencas da
pp.lle, irupcOes.e todas as enfermidadet,
PnOVESfETTES lio ESTADO IMPURO DO SANGl'E.
75,000 eaixasdeste remedio consoinmem-se
annualmentel'
Itcmotlio la n-itiirc/a
Approvailo pela falcudade de medicina, e re-
comuienda.lo como o mais valioso catrtico ve-
grlat de todos os conbecidos. Sendo estas pla-
las puramente \egelaes, nao contem ellas ne-
nlium veneno mercurial nem algiun outruiiiiiie-
ra/; esto bem acondicionadas em caixasdefolha
para re?guardar-se da Iniuiidade.
Sao agradiveis ao paladar, seguras e ecazes
fm sua opernefio, ura remedio poderoso para a
juventiide, puberdade e velhice.
Lea-se o follieto que acompanba cada caixa.
|ual se ficar conhecondo as muitas curas
milagrosas que lem eSetlusdo. D. T. Lanman
& Kemp, drogui-tas por aiacado em>>ew York,
sao os nicos fabricantes e propietario?.
Achara-se venda em todas as boticas das
priticipaes eidades do imperio,
DEPSITOS.
P.io de Janeiro, na ra Alfandegan. 89,
Babia, Germano & C. ra Julio n. 2.
Pernambuco, no armazem de drogas de J. Soum
& C, ra da Cruz n. 22.
Ferros de en-
gonimar
econmicos
a 5#000.
Estes magnificos fer-
ros aeham-se a venda
no armazem de fazen-
dis de Raymundo Car-
los Leile t lrmao, ra
da Imperalriz n. 10.
tiento na ruado Brum n. 23 A c na ra do Collegiohoje do Imperadora. Gomoradia do cai- Kemp, droguistas por atacado em New Yoik
l.eJf?_^_^^L^S**?..!!0 Juaiuita da Gosla 1>eroira. Pem os pretendentes se podem Acham-se venda em todas as boticas das
principaes eidades do imperio.
DEl'OSITOS
Rio de Janeiro na ra da Alandega n. 8>.
Baliia, Gernuno & C., ra Julio n. 2.
Pernambuco, no armazem dedrogas de J. Suua-
Vinho de Bordeaux.
Em casa de Kalkmann IrmHos&C, ra da
Cruz n. 10. enconlra-se o deposito das Lim co-
uhecidas marca dos Srs. Brandenburg Freres
e dos Srs. Oldekop Mareilliac 4 C, em Bor-
eu tema perde-lo. Ncstes creumsuncas umv- ^ e grvalas pretal e de cores, libres para criados, faldamentos para ^
sinbo meu disse que as pastilhas de Kemp ti-: ^gg a Suarda "^conal da capital e do interior. ggg
uham curado sua lilha. Logo nue soube disso ; p Apromptam-se becas para desembarga dores, lentes, juizrs de di- ff
^
C-,',yv.
wmm
m.\
Progresso na cidade da Victoria
ge
DE
Francisco Xaxier de Salles Garateante de Almeida
NO
As melliores macliinas de coser dos mais deaux. Tem as seguales qualidades :
alatnados autores de New-York, I. De Braildeilbui'r fl'res.
H. Singer & G. e Wheeler & Wilson. st Estphi
SI. J ulien.
Neste estabeleci- Hargaux.
ment vendem-so as "
machinas dcsles dousi
autores, mostram-se a Chleau I.oville.
qualquer hora do dia ou Chleau Marganx.
da noiio, c rcsponsnbili-
samo-nos por sua boa
quolidade e seguranea :
no armazem de fazendas
do Raymundo Carlos
Leite & Irroaos ra d
Imperalriz n. 10, amigamente aterro da Boa-
SJS
isla.
flCil0W4Nfff
RuadaSenzalaXova n.42.
Neste estabelecimento continua a haver um
comapletosorlimentode mo'endas emeiasmoen:-
das para euSeoho, machinas de vapor elaixas
de ferro batido e coado. de todos ostamanhos
para Jt
Bons escravos.
Duas lindas crioulas de dado do 16 a 20 an-
uos, 1 csiriv.i excellenle cozioheira, 1 dita por
600$, 1 dils por 90U#, 1 bonito m ileque de 20
tonos, 1 miUalinho da l. 1 .lile- de 11 por Silii^.
2 escravos para lodo n servico, mui robustos,
ambos por l.toO* ; na rni de Aguas-Verdes nu-
mero 0.
De Oldekop ! St. Ju'.ien.
i St. Julien Mdoc.
I Clialeau Loville. *
Na mesma casa ha
|vender:
i Sherry em barris.
Madeira em barris.
Cognac em barris quadade fina.
, Cognac em caixasqualidade inferfor.
: Cerveia branca
para

n<
La
uimm
americanos,
las as casas de familia, senhores de enge-
, fazendeiros, etc., devera estar prevenidos
ses remedios. Sao tres medicamentos com
laes se cura eficazmente as principaes mo-
lestias.
Prompto alivio deRadway.
[nstanlanearnente alivia as mais acerbas dores
e cura os peiores casos de rheumatismo, dor de
calera, nevralgia, diarrhea, cmaras, clicas, bi-
lis, imligeslao, crup, dores nos ossos, contusoes,
que'madura, erupcoes cutneas, angina, reten-
Co e ourina, etc., etc.
Solutivo renovador.
Cura todas as enfermidades cscrophulosns.chro-
nicas esyp bliticaa; resulve os depsitos de mot
humores, purilica o sangue, renova o svslema;
prompto e radicalmente cura, escrophula?,vene-
reo, tumores glandulares, ictericia, dores de os-
sos, turnares brancas, aferedes do ligado e rins,
eiysipelas, abeessos e ulceras de todas as classes,
molestias d'olhos, difficuldade das rrgras das
mulheies hirocondria, venreo, etc.
Vende-se emoass de Saunders Brothers &
C. praca do Corpo Santo, relogioa do afama
do fabricante Roskell, por presos commodos,
t.imbem' rancellins e cadeias para os mesmos,
deexcellerile kosto.
UIICA VERDAD F. IR A E LEGI
TIMA.
Pateo da Feira.
O proprieiario deste estabelecimento, como se acha com um grande o completo sorti-
| ment, tendente a molhados, ferragens e miudezas convida portanto a lodos os moradores 1
25 desta cidade da Victoria, senhores de engenho e lavradores queiram mandar suas |
9 enforaniendas no Progresso do pateo da Feia, pois s ah encontrarao o bom e barato, I
S vfcto o proprieiario estar resolvidoa vender, tanto em grosso, como a rclalbo, por menos 1
S do que em oulra qualquer parle como sejam :
Latas de marmelada de 1 2 libras a 1400, frascos com differenUs qualidades de doce
' || por 25000, latas de soda contendo nove qualidades a 28000, azeitonas muito novas, e
Ig.passas de ditas, vinho de todas as qualidades de 500 a 2^)000 is. a garrafa, licores S
^ francezes de todas as qualidades, champanbe, conhaque de ditas, louca fina, azul,pintada, fe
'^ e branca de lodos os padroes, ameixas em compaleiras e em latas a 1~000 rs. a libra, &
| latasde peixede posto por 2*000 rs banba de porco reOnada, araruta, fatias, bolachi- W
B "'a ingleza, biscoilinho, eoutras mais qualidades de massas linas, massa de tmale em W?
^ ltase a retalho, letria, macarrao, lalharim a 800 a libra, verdadeira gomma de araruta, 3
8 asenso de todas as qualidades, espirito* de cravo, canella, ealfazema, verdadeiros ponas W*
p a imperalris, e de tartaruga de 9000 a 10v>000 cada um, tranr-a e franja de seda, fe- |g
i|g chadoras de broca, pregos em quantidade de lodos os tamaitos e qualidades e outros ES
g muitos objectos que por se tornar enfadonbo deixa de os mencionar,
Arados de diversos lmannos.
Moirihos de n.ilho.
Mac binas para cortar capim.
Grades.
Machinas para descarorar milho.
Culti* adores e ferros de engommar econmicos
Venderse um molequinho de bonita Dgura
e mui sadio, de idade 7 anuos, pouco mais ou
menos, proprio para aprendfr qualquer ofllcio :
na ra da Kangueira, casa n II, na Boa-Visla.
Emcasa de Mills Satham & C.
a do Kecifen. 52, vende-fe
rez e Porto engarrafados de
supeiior qualidade.
Meias finas de algodao para sen! oas e
bomens.
Lonas ingleza*,
^ Camisas de dito.
^ [Tintas preparados ao'e'o (em latas).
^ Sulluto de ierro.
5&; Pedia bume.
ES Azarcao.
^, Alvaiade.
^ Sal amargo.
Loja das G portas
EM
Frente do Li\ran\ento.
Roupa feita barata,
Talciols saceos de casemira escura a 48, ditos
de alpaca pela a 48, ditos de brim pardo a ;t#,
camisas brancas e de cores a 2, ditas de [usto
linas a 2.J500, paletols de panno lino, dilos do ca-
sen.ira de cores, calcas de casemira prela e de
cores, colleles de velludo e de seda, un, comple-
to sorlimenio de roupa feita, que vende-se por
todo preco.
Em
->--1 Tachas eraoeBtas
Braga Silva & C.tcm sempre no seu deposito
da ra da Moeda n. 3 A.um grande ortimento
de lachase moendas para engenho, do muito
acreditado fabricante Edwin Maw a tratar no
mesmo de osito cu na ra doTrapichoj 4.
Milho novo da
Baha
no armazem de Manotl Joaquina, de
Oliveira A: C em saceos de 2i- cuiai
Loja das seis portas cm
frente do Livramenlo.
Covado a 200 rs.
Chitas francesas largas de bonitos gostos a 2(0
r.. o covado, ditas estrellas padroes a milacio
de lazinhas a 160 rs. o covado, cusas de sal pi-
cos braneos e decores a 240o covado, meias pa-
ra meninas e meninos a 240 o par, chales do
n.orin eslampados com barra a i, lencos bran-
eos rom barra de cores a 10 rs.dilos com bico a
00 rs. A loja est aberla al as9 horas da noile.
""-.-*- -_. --.a
r-*jx. _-**..-
Escravos fgidos.
Vendem-se carneiroa gordos c baratos: na bem medidas: na ra do Cordoniz
GUARDE SORTIMENTO
as e roupa feia
NA LOJA F. ARMAZEM
DE
iu_a doColoveo, padniia do leSo do norte.
Cerveja indiana
Vcnde-sc a verdadeirae superior qualidade de
cerveja indiana, cousa nunca viuda a Pernambu-
co : no armazem da ra estreita do Rosario nu-
mero 11.
Fazendas por baixos prec-os
Ra do Queiiuado, loja
de 4 portas n. 10.
o.
Anda restam algumas fazendas para concluir
liquidaco da firma de Leite & Correia.as quaes
Joaquiu Rodrigaes Tavarcs de Helio 5sJt?SUi5i?l,^t0 pMS* *w,*r"**"^'
Fugio no dia 19 de junho prximo passadi'
da Madre de do engenhq Dora Successo do termo de Seri-
nhaem, o escravo Daniel, puto fula, crioulo, ce
1 idade 20 annos, pouco mais ou menos, alio, ter-
co, bem espigado, cabera pequea, fei^des regu-
lares, bem frito de corpo, ps e roaos seceas e
| bem feilas. Este eseraro procurou ao Sr. P. \ .
I Duletrou, icndeiro do engenho S. Juao do Cabo,
i para o comprar, c nao querendo o dono vnde-
lo, mandou bscalo, e na chegada dos portado-
res, c escravo desappareceu ; julga-se que an-
dar o dito escravo as visinhancas da villa do
Cabo, on do mesmo engenho S. Joio, ou do en-
genho liarlinlho, onde tem muitos conberidos,
pois que frequenlava esses lugares quando foi c"
Sr. Jos Xavier da lio ba Wanderley, boje mo-
ft S.4l '(. *joi B>mt*.{KK1i .;jj | rador no engenho Serrana : Pede-so as aulori-
18, em frente a travesa
Dos.
Na ra da Cadeia n 2i, vndese
por metade de seu valor, a dinbeiro :
Chapeos para senln ras.
Enfeites para cabera.
Botoes de todas as qualidades.
Fitas de ditas ditas.
Bicos de rutas ditas.
Bordados de ditas ditas
Gasaveques de ditas ditas.
5
lili V
Pilulas reguladoras de Rad-
way
para regularisar o systema, equilibrar a circula-
cao do sangue, inteiramente vegetaes favoraveis
em todos os casos nunca occasiona nauzcas ne
dores de ventre, dses de 1 a 3 regularisam, de 4
a 8 purgara. listas pilulas tao efQcazcs as aP.ec-
roes do Dgado, bilis, dor de cabera, ictericia, in-
RA DO QLE1MADO N. 39
i:m bca loja oe qcatro portas.
Tem um completo sonimenio da roopa feita,
e convida a todos os seus freguezes e todas as;
pencas quedesejarem ter um sobrecasaco bem
feito, ou um ealc,a ou collete, de dirigirem-se a
este estabeleci ment que encontrarao um hbil
artista, chegado uliimamenie de Lisboa, para ;
.desempenhar as obras a vontaJe dos freguezes.
I J tem um grande soriimento de paliiots de ca-;
semira cor de rap e outros escuros, que se ven-
l.emedio sem ip.ual, sendo reronhecidos pelos dem a 125, outros de casemira de quadrinbos
mdicos, os mais iminentes como remedio infal- da mais fina que ha no mercado a 16, ditos
hvel para curar escrophulas, cancros, iheumatis- de merino selira a 125, ditos de alpaka muilo
mo, enfermidades do ligado, dyspepsia, debilida- fina a 65, ditos francezes sobrecasacados a 12, ,

Chitas tie cores escuras e claras, o covado
alli rs.
Ditaslargas, francezas, finas, a 210 e 260.
Riscados francezes de cores linas a 200 rs.
Cassasdc cores, bons padroes, a 240.
Brim de linho de quadros, covado, a 160 rs.
Brim trancado branco delinhomuitobom, va-
a .1*000.
Cortes de caira de meia casemira a 2$.
Dilos de dita de casemira de cores a &$.
Panno preto lino a 3j c -v".
Meias de cores, finas, para homem, duzia. y
Gravataa de seda de cores e pretas a I.
Meias brancas linas para senhora a 3g.
Ditas dilas muilo finas a 4$.
Dilas cruas finas para homem a 4j3.
Cortes de colletesde gorgurode seda a 2?.
Cambraia lisa fina transparente, pera, a 4. (a -p
Seda prela lavrada para vestido a I56OO e 2g f fOriTiaS
Cortes de vestido de seda prela lavrada a 10. 1 nil......,,
Lencos de chita a 100 rs. || purgar dSbUCar.
Laa dequadros para vestido,covado, a560. Fnohad.m d^ fprrn
Peitos para camisa, um, 320.
Chita franceza moderna, tingindoseda, covado
a 100 rs.
Entremeios bordados a 200 rs.
Camisetas para senhora a 610 rs.
Ditas bordadas finas a 2$S00.
Toalhas de linho para mesa a 2jJ e 4$.
Camisas de meia, urna 640 rs.
Lencos de seda para pescoco de senhora a
Vestidos braneos bordados para baptisar crian-
zas a 5J000.
Cortes decaira do casemira prela a 6JS.
Chales de merino com franja de seda a 5S
Corles de caiga de riscado de quadros a 800 rs.
Merino verde para vestido de montana, cova-
do. 1^280.
Lencos braneos de cambraia, a duzia, 2tf.
^n.... ~a II> t dadas deponga do teato do Cabo a captura des-
K v5 i-vUlI U f VCV i pessoa que o couheca, de pega-|0 e leva aoen-
^1^m-fc *. m-mw > P ; genho Serrmha deScrinhaema seu senhor Pran-
cisco Manoel Wanderley Lins, ou nesla cidade
' coSr. .Manoel Alvos Feneira, na ra da Moeda
m p a\ h\ '3> 8egoBdo anijar"
I I i if I ll 1 k i I Anda continua a estar fgido o escravo de
tj J W| 'J J t^J i non'e Cosario, dada de 20 e lanos armes, pouco
dade geral, febre biliosa e intermitiente, enfer- ditos de panno fino a 20, 255, e 30, sobre-
midades resultantes do emprego de mercurio, casacas francezas muito bem feilas a 35, cal-
ulceras e emboes que resultara da impureza do cas feilas da mais fina casemira a 10, ditas de
sangue. brim e de fusiao por preco cemmodo, um grande
r t t CAUTELA. sortimento de colletes de casemira a 55, ditos de
, x, Lnman Kemp, droguistas por ala- oulras fazendas por preco commodo, um grande,
cado New \o.k, aegam-se obr.galosa prevenir sorlirr.ento de sapalos de tapeto de gosto muilo:
o resdeilavcl publico para desconfiar de algumas apurado a 25, ditos de borracha a 2500, cha-'
tenues imiinc.oes da Salsa Panilha de Brisad, pos decasior mu i 10 superiores a 1G, ditos dese-
que boje se vende nesle imperio, declarando a da, dos melhores quelera vindo ao mercado a 10,
lodos que sao elles os uniros propietarios dar- dilos de sol. inglezes a 105, ditos muitos bons a
celta do r. Brisiol ,lendo-lhe comprado no an- 125, dilos francezes a 85, ditos grandes de pan-
no de I806 n0 a 4^f um comp]clo sortimento de gollinbas e'
Casa Den huma ma.s ou pessoa alguma tem manguitos, tiras bordadas, e enlre meios muito
d.re.lo de fabricar a salsa parrilliadeBrisiol, por- proprio para collerinh^s de meninos e travessei-
que o segredo de sua preparaQao acha-se somen- ros por preco commodo, camisas bordadas que:
le em poder dea referidos Lanman & Kemp. severa para batisado de enancas e para passeio
rara evitar engaos com desaprecia veis combi- a 85, 10 e 125, ricos lencos de cambraia de
digeslao, e em (odas as enfermidades das mu- i napes de drogas perniciosas,as pesco que qui- iinho bordados para senhoras, ditos
heres, a saLcr : irregularidades, fluxo, reten- zerem comprar o verdadeiro devem hrm observar Lmm Mr rQn nmmj ;..
oe an.,.\ 1 i-, u^em uem ooservar nomera por pre^o commodo, saias bordadas a cez, roupa feita, miudezas finase perfumaras,
roes ores brancas, obstruc-oes, histerismo, etc., os seguinles s.gnaes, sem os quacs qualquer ou- 350O, ditas muito fu.as a 55. Ainda lera um Urfe por menos do que em oulras partes : na lo-
ia do mais promplo elTeito na escarlat.na, febre tro preparado falsa; reslinho (ie chales de m m cor,es d ja do vapor na ra nova n. 7.
Losa, febre amarclla. c em lodas as febre6 ma- '> > *- ---------- .....
ignas.
Bales tres importantes mc companliados de instruccoes impressas que mos-
iram com a maior miuuciosidade a maneira de
a;pplica los em qualquer enfermidade. Eslao ga-
rantidos de falsificaro por si' haver a venda no
armazem de fazendas de Raymundo Carlos Leite
& lrmao, na ra da Imperalriz n. 10, nicos
agentes era Pernambuco.
Vendem-se 2 escravos crioulos do idade de
23 e 14 annos! a tratar na ra do Queimado, lo-
ja de ferragens n. 13.
LOfi
AGENTES
5C J. Astley & Companhia. |
Vende-se
de ferro para
LOJA DO VAPOR-
Usos para Grande e variado sortimento de calcado fran-
" .1'Uenvol1loric'dIeforaesl gravado de um la- vestido de seda de cores muilo lindas'e superio- 3&g@3# @@ @s @@@@
dos huma chapa de ac, trazendo ao p as se- res qualidades a 1005, que j se venderam a otnn wtIVaZ 1
- guales palavras : tr,n* r,,,,,;,,^,,, .i,,M _____... := A rlTll I l \ PVili\-z:
Ferro sueco.
I Espingardas.
I Aro de Trieste. g
Pregos de cobre de com- I
posicao. I
Barrilha e cabos.
Brim de vela.
Couro de lustre.
Palhinha para marcinei- !
ro : ao armazem de C.
J. Astley A C.
I
( mais ou menos, estatura mediana e reforcado.
bons denles e limados, cabra escuro, quasi ne-
gro, barba na pon'a do queixo, olhos averme-
libados, pernas um pouco arqueadas, filbo de
Sobral [Cear] para onde soppoe-se ter seguido
porlaulo, roga-se aos capilaes decampo, 6s ,111-
loridades pottclaes c qualquer pessoa que o possfi
I appiebender, levem-o sua senhora, no caes do
, Hamos, sobrado encarnado da esquina, queserao
I generosamente gratificados ; assim como igual-
mente se protesta, como a le determina, con-
j ira quera o tiver acoutado emsua casa.
I Gratiicaco.
SOfOOO.
I'ugio no dia 27 de agosto p p. um escravo por
nome redro, de cor simi-branca, e'com ossignaes
seguinles : roslo redondo, alto e serco, de cabe-
ra redonda e chala aira?, com pouca baria, c
anda muilo apressado ; levou roupa do algodao
branca e azul de riscadinho, chapeo de bala
prela e do Chile, c tem por coslume de ir para o
Arraial e Remedio vadiar ; por isso pec.o As au-
toridaJespoliciaesecapilaes de campo a' sua cap-
tura e levarem a ra Direi'a n. 12, ou a ra de
Apollo n. B. Jos Francisco do Reg Medei-
ros e Mello.
1 ugio no da 30 de agosto a esrrava Zeferi-
na prela cnoula, um pouco fula, de idade de 13
; a 14 annos, magra, braros e pernas tinas, rosto
|CoropriJo. ps e roaos descarnad is c um pouco
5 i brancas, de quem padece de frialdade, o olhar
{). T. LANMAM & KEMP
SOL AGF.NTS
N. 69 WATER STREET.
l\cw-*YoTk
150, capotinhos prelos e'maieleles pretosde | J\YaWLlf\ VCFClcl*
deira.
Na ra da Cdeia doReci'e n. 1.
i
ricos gestos a 20, 255 e 305, os mais superio-1 |j)
i res chales de casemira estampados, muilo finos, a @
8 e a 10, toalhas de linho de vara e tres quar-
tas. adamascadas, muito suneriores a 55 rlia-s Na ra da Cadeia do Reci'e n. 1. &
; para rosto de linho a 15, Zfrii'd.t, < 9
perior qualidade, tanto escuras como claras a I CaileirOS eCOllOllllCOS.
2 O mesmo do outro lado lm um rotulo era 200, 280, 320, 400 e 440 rs. o covado, ricas' Grande sortimento de candieiros econmicos
1 papel azul claro cem a firma e rubrica dos pro- caserairas para calca, colleles e nalitots a 45 o co- : chegados ltimamente ao deposito da ra Nova,
a .7u\nH%.?n7^ ,,, K r !-o, eumcompleto soniment de oulrasfazen- ^^S ^gSZJFtSgt
- Na ra da Cadeia do Recife n. 51. tercei.o ? Sobre a rolba acba-se o retraa e firma das, e ludo se vende por preco barato, e que nao ^AedSgenTo 'qui se 0.nCa VSJSStS
anaar, vende-so uma escrava que sabe engom-| pense co?inha bcm dl3n0> lava [ *" Que as direcQoes jumas cada garrafa .parte dellas, no entanto os freguezes che^ando elludo Por pret muil coramod. 1ue Pr rio
un nhn;. ..11. .--------: .-. j. I---------j----------------?- _-.. est justificado ser grande ecouomia : na ra No-
va n. 20, loja do Vianna. *
Vendem-se libras sterlina, em
casa de N. O. Bieber Si C. : ra da Cru'
n. 4.
Vendera-se canoas de araarello de 1 pao so
muilo perfeitas, de 28 a 50 palmos, por preco
commodo : na ra do Vigario n. 5.
I tem uma phenix semelbanle a que vai cima do querendo comprar nao irosemfazenda.
Borzeguins. ipre8en,eannuncDEposiTos
ruada' ^o'aoe. ?SJhgS* ^ ^1^^ da f** n" 89'
:a preco muito commodo.
Potassa nacional.
Na ra do Vigario n. 9, primeiro andar, vende
lias por pre;.os muilo commodos.
C, ra da Cruz n 22.
Q4a*te*e*fcJ.*ajiCJ sS i !ffp*Il,d0' q"?"do ond,a aos ,u,0>: J>8'se
I elb eslar acontada em alguma casa,por ser iniei-
raraenle nova nesla cidade por ha pouco lempo
ter chegado de fra e nunca sahir a r*i,i ; pro-
tesla-se contra quem a tiver acontado como a le
determina ; levou vestido de chita caborola de
quadros de mangas curias, e um chales velho um
pouco escuro, ha quem a viese no pateo do Car-
Novo rap do
Para.
Vcnde-se novo rap do Para, dito grosso dito 22 .roSa-se aos capilcs de campo', autoridades
meio grosso. dito fino, dito Ueiron.dilo Paulo I LJic'aes c a qu,,l',ut.r DM8M PPhcnaao. e
Cordeiro, dito Lisboa, dito francez.'di.o Rocha ; a^Te'recomc'en.'I' rUa ^"^ "' 15'
n> moemn .la %-an.inm r.,.; -_______.:.. Hue st recnmiinsara.
que se recomper
50|de gratiicaco.
Contina a estar fgido desde o da 4 de abril
prximo passudo o preto de nome Flix, enm ida-
de de 35 a 40 anuos, de nsqao Mossambique e
- seguinles: estatura baixa. Yor
tem os signaes
na raesma loja vendem-se franjas para cortina-
dos muilo finas, franjas de seda de todas as co-
res, capachos para Deira de portas, e muitas
miudezas em conla : na ra larga do Ro-
sario, passando a botica do Sr. Benlo Correa, a
segunda loa n. 38.
Vende-se um cabriolet de duas rodas: n
cocheira do Sr. major Antonio Bernardo Quin- fuIa' Ps um pouco apalhelados, lem um calora-
eiro binho mire as sobrancelhns por cima do nariz
que parece ser signal da trra delle ; esle preto
tem servido em differenles artes, pescador, ra-
noeiro. caiador, trabalhndor de campo, e hoje "
. I padeiro, a que pertence ; foi escravo do Sr. Ma-
de CamiSaS HlrleZaS Qa lua noel Fra"tisco Diario, e quando foge co.-iuma
<-. n J mudar o nome para Joiio, c inlitula-se forro,
tem sido vislo nos arrabaides desla cidade da es-
trada de Beberibe em directo at a matriz da
Varzea : portanto roga-sc a todo e qualquer que
o encontrar ou delle souber, que o pegue e leve-o
ao pateo da Swita Cruz, padaria n. 6, que rece-
ber a gratiicaco cima ; assim como se pro-
testa contra qum o tiver acoutado.
Novo sortimento
de Goes & Basto.
O novo sortimento das acostumadas
camisas nglezas, peito de linho e pre-
gas largas, sao mais Gnas e de melhores
gostos a 38.<{ a duzia, barato.


00
DIARIO DE PERNAMBUCO. SEGUNDA FEIRA 3 DE SETMEBRO DE 1860.
L i itera tura.
A Villa Amorosa.
Sobro as margens do Amo, entre Ponto-d'Era
e Empoli, duas lindas aldeias, encontra-se ura
convenio de franciscanos, que assorabreado por
un bosque de lodes, e por detraz deste conven-
to, sobre urna eminencia, desrobre-se urna, villa
deliciosa chamada a Villa Amorosa, l'oi nella
que o poeta Dame, untado contra as guerras ci-
vi dos florentinos e Fzanos, Ihes dirigi um
magnifico discurso e conseguio levar estes dous
; ovos A senlimentos de paz e unido.
O cuide Ferrelti, senhor da Villa Amorosa, li-
nli.i iiiiMi lilho, que trocara o nonio de baplismo
fro sobre-nomo de Cario, que sua mi lhe
drra.
Carina era a mais bella flor deste acafate em-
balsamado que se chama Florenca. Possuia ludo
o que ha de mclhor no mundo: dezeseis annos,
gracas, belleza e espirito.
Sed pai guardava este thesouro com olhos de
avaro e nao consenta que nenhum sOpro munda-
no a mnchame. Esto pobre pai linha, alm disto,
nmito boas razes para assim proceder. A linda
Caiina descenda de urna familia victima de urna
singular desgrnca hereditaria. Ilavia dous secu-
los que todas as senhoras dcsta familia morriam
no primeiro anno fe casadas c a condessa Fer-
relli linlia sido o ullimo excmplo desta myste-
riosa fatalidade. O conde Ferrelti, portanto, de-
cidira-se a nao consentir que sua ilha casasse ;
c, quando a fraqueza de pai pareca querer-lhe
abalar esta resoluc.ao, tratava de avigorar toda a
sua energa dianle dos archivos de marmore f-
nebre do Corpo Santo de Santa Mara No-
vella, onde a morte guarda cuidadosamente as
dalas o os nomos, para os moslrar posleridade,
que por vezes os esquece.
A 'i de junho de 1692, a cdade de Piza, con-
forme o seu anligo cuslurae, celebrava a fesla de
O pai examinou incivilmente o joven artista da
cabeca aos ps e julgou-o pengoso como o demo
nio tentador: pegou em sua filha pela mo, sem
pronunciar urna palavra, alravessou o jardim, as
alertas, o vestbulo, c esquecendo despedir-se
e Slrozzi, voltou para o seu palacio da praca
dos Covalleiros. I.ogo que entrou, mandou cha-
mar a boa Gesualda, ama de sua filha, e disse-
lhe com ar myslerioso :
Leve imraedialamente Carina para o seu
quarlo, reze com ella a draco das Flores, a pndroeira do zimborio deplrenla
e nao a deixe al ella Adormecer.
Sania Virgem !disse Gesualda, pondo as
maosacconleceu alguma desgraca minha gen-
til menina ?
Sim e nao respondeu o conde com um ar
de roysterio, que obrigou a ama abrir uns gran-
des olhos.
E, dirigindo-so depos a sua filha, que por de-
ferencia, dcsabotoava as rendas das mangas e
corpo do seu vestido a um canto da sala :
Carina,lhe disse elleouviste o bulicio
do mundo pela primeira e ultima vez Bem sa-
bes que fiz por ti ura voto Nossa Senhora de
S. Minalo. As pompas e galas do mundo so-le
prohibidas; pronunciaste pela minha bocea um
annuiiciava, que os donos da casa tinham desap-
parecido. A entrada eslava vedava at aos pro-
prios leigos das ordens mendicantes e aos pere-
grinos que fazam a sus piedosa romaria de Pizza
a Flirenca, para chegarero a Foggi-Bonzi e d'ah
ao cume dos Apeninnos.
Tcu paidzia a ama a Carinanao quer
conservar-te fechada muilo lempo n'esta habita-
cao, o, portanto, nao deves affligir-to, minha fi-
lha. Por emquanlo, ests exposta desgranas
que ignoras, mas Nossa Senlnra de S. Miniato
vigia em leu favor, o, quando por sua inlcrcesso
estiveres livre d'ellas, tornars a ver as cidades.
Teu pai ha de levar-nos a Roma o mostrar-nos
todas as bellas c santas cousas do palacio dos
Papas, para te recompensar dos das enfadonhos
que passars nesta casa.
Depos de algumas horas de observaco exte-
rior, fcil de reconhecer que urna casa esl des-
habitada. Memmo por rauito lempo duvidou,
mas forcoso lhe foi sugeilar-se evidencia. O
conde e sua filha haviam saludo antes do nascer
do sol, e que pareca annunciar mais depressa
urna fuga de urna partida. As ioformares que
Memmo leve durante o dia, fizeram-lhe saber que
o conde Ferrelti possuia em Florencia um palacio
juramento no berco, que has de cumprir. Esta ,
noite, por causa da /minora do grande S. Joao,! no b1a,rro de T.0(1.os 0S Sant.os- Era Pouca.s 'loras'
quiz dar le alguma liberdade. Dcus queira que a uraJbom vallo levarai o joven artisla Herse,
marsem direita do Arno.
minha bondndo paternal nao tenhn motivo para
se arrepender. Retira-te, minha ilha, e vai na
paz do Senhor.
A doozella inclinou-se respeitosamente, beijou
a mao de seu pai e seguio sua ama com ar de
locante resignarlo.
Memmo 'Arrigi s linha visto um instante a
filha do conde, mas ha instantes que resumem
seculos ; a ferida baria penetrado at ao fundo
do coracao : era a morte ou a vida. Carina, aos
olhos do artista, era mais bella quo a primeira
Madona exposla na capella dos Kucellai ; ma3
bella que a Virgem de Lucca-Robbia, que inspi-
S. Joao. Toda a nobreza toscana ostenlava por rou ,,., ranis be|la qe um anj., de Fiesole.
esta occasiao a sua grandeza com banderas es- Era imossivc, fSqiiece.lo por(.ue sJe encontrara
cudos ctienles c pageos. wni n.palacio a lle dlv?no os f dc lodS
de Phil.ppc Slrozzi, tujos jardins deitavam para a | os m08ieirSi da ,odas as egri.ias e do loJos 03
cemleros toscanos.
Slrozzi e. como alordado com o tmulo d [une- I "aw imaiioaSo
cao. airouxra na sua Vigilancia habitual, como dea| 011 a"havi-, co ,ndo de vis5o tf ,
?5!!e.1e.!!? ;a..l,"e. "..Vez "a V SG muC" ceiro ce i'en artista, vendo sabir o conde
, c sua filha, sentio um lerrivcl aperto de coracao ;
o uenrio por lo- a viJa r1Ig0.|ho e para a SPgrarf segui0 ne|a
escuridao o vestido branco de Carina, e, caini-
nhando com caulella, chegou, sem ser visto,
praca dos Cavalleiros no momento em que a por-
l ta do palacio Ferrelti se abra para logo se tornar
> a fechar. O anjo linha desapparecido. Picara
a esperanca. Memmo saba aonde morava Ca-
i ria.
A praca dos Cavalleiros offerece, no seu recio-
! to circular, urna rouoio imponente de palacios,
| cuja archileclura aoouoca a opulencia c alia no-
breza de seus donos. A donxella era, pois, de
Logo as pnmeiras nbanceiras do Arno arhou,
semeusto, o que procurava: um pastor guardan-
do por entre os cstevaes ura pequeo rebanho de
magras ovelhas. Ainda hoje qualquer viajante
dos Apenninos encontra frequenteraente destes
pobres pastores, cujos teres errantes consistem
apenas ero cinco ou seis cabras, que se alimen-
tan] com agua da chuva e a herva nascida oas
fendasdos rochedos.
Algumas modas de prala, que Memmo fez bri-
Ihar aos olhos do camponez do Arno, deram ao
negocio urna prompla concluso. Memmo vio-se
repentinamente elevado nobre e primitiva pro-
fissao do seu mestre Giollo. O artista que viera
para imitar o campanario comecava por imitar
o pastor que creara este monumento. Armado de
umeajado, encaminhou o pequeo rebanho, no
principio rebelde, para a primeira tilla do Arno,
o, em quanloas cabiinhas relvavam, oceupou-se
em fazer mystcriosas evolucoes em roda da casa
de campo, interrogando com os olhos todas as
janellas que se abriam sobro a zona celeste em
que scinlillava a estrella de Venus. O seu ra-
ciocinio pareceu-lho maravilhosode exactidao.
Nao ha duvdadizia elleque z alguma
mpressao na bella Carina, e seu pai bem o per-
cebeu, porque cuidou logo de a roubar aos per-
gos que a primeira sensaro amorosa pode pro-
ondo se vem brilhar sobro o seu escudo de ar- i duzir n'uma doozella. Este estupido conde Fer-
mas as arroelas dos Mediis. Tanto que chegou retli encerrou, porlanto, sua filha era algum ni-
a Florenca, soubc onde era a habitaco do conde nho de abulres, nos cimos do valle de Arno. Ora
Ferrelti. Mais um palacio deserio, mais ura de- [a pobre memina nao se acomraoda cora esta re-
sespero.
A reflexao veio auxiliar Memmo. Eslava-se
n'uma cslaeo em que a nobreza loscana deixa a
cdade pelo" campo. Precisava-se, portanto, de
descubrir .a residencia de verao do conde Ferrel-
ti. Ao principio pareca lao fcil. A villa Fer-
relti elevova se na outra margena do Amo, sobre
a collioaonde a villa Slrozzi se occulla, mesnio
agora, n'um expesso bosque de pinheiros e cy-
prestes. Era preciso esperar pela noile para ten-
tar as eventualidades desta nova exploragao, que
nao foi mais feliz. Memmo reconheceu clari-
dade das estrellas sobre a grade da villa as armas
" .h'! Pi"!0r d? CSCOla ?Jk dos Fe"elli: Ireshaspas vermehas em campo de
jado o belleza de Carina nos vos prata
ce da cliave do sen thesouro.
A bella Carina, exaltada al a
dos que a viam, como toda a donzella formosa
que entra a primeira vez no mundo dos prazeres,
dancava com o mancebo Memmo d'Arrigi sobre
a relva que se eslendia al ao Arno. O baile,
abandonando as salas por causa do excessivo ca-
lor, viera csiabelecer-sn para o ar livre, luz
das conslellacoes da mais curta e mais radiante
das noites, Memmo d'Arrigi era um artista de
elevado merecimento; archilecto, pintor, esta-
tuario, trabalhava em lodosos gneros, de forma
que pu'leria vir a ser o successor do Buonarotl.
O
seu
dra
tira
bono de Giollo para mandar erigir una copia
exacta deslo monumento em Roma, enlre S
Joo de Latro e Santa Maria Maior. Memmo es-
lava encarregado desle trabalho ; mas, como lo-
dn* os artistas da sua edade, trocava o prazer
pelo esludo quando a occasiao se apresentava.
O mancebo linha ludo que se precisa para se-
du/.ir primeira vista : um rosto parecido com
um bello modelo de Van-Dyck ; urna figura cs-
beil i que muilo realcava dcbaixo do elegante gi-
bao de seda preta e cabellos prctos, eortados
maneira dos priraeiros pintores florentinos, que
lhe
pa
ra Florenca Memmo d'Arrigi, encarregado de : a par da nooreza e y{
ir um desenlio minucioso do almiravel/im- cenc0 ^ti mern',0'
_;.. .1 n firvllii ., .- v i, -ii. I ii- ni i fie lin, 1 ii'i'M i i-i .
papa Innoceocio XII, querendo inaugurar o 1 itlasftsre oaseimeoto. mas era por isso o artista
alguna primores de arte, man- jesanimou. O talento caminhava naquella poca
"emmo. protegido por limo
embaixador das arles era
Florenga, considerava-se lio fidalgo como os
Slrozzi, cujas armas sao ornadas de tres cresceu-
lesdeouro. Assim raciuciunava O artista, pas-
seando claridade das estrellas na pra^a dos Ca-
valleiros, mal pensando que um olhar prescrula-
dor eslava filo nelle I
O conde, que, como Forentino c de eleilor de
Boccace, conhecia lodos os artificios da estrate-
gia amorosa, nao adormecer no travesseiro da
imprudencia, e eslava de vigia por detraz da per-
siana de sua janella, e por isso logo reconheceu o
e ileixavamver um soberta fronte em que res- i temivel demonio do baile de Stror/.i, que projec-
andecia o genio das bellas artes. ,ava lalvcz tentar a escal da do seu oalacio. Ao
\ n lile animava a liberdade da conversacao : 'dvisa-lo, o nobre senhor levara a mao espada
Piza repercuta os hymnos festivos; as margens.
do Arno illuniiuavam-se de fgos fatuos; os bar-,
eos rrozavam as aguas, dilluudido as melodas
de diversas e alegres sernalas ; a ponte de mar-
more trema abalada pelo som de um immqpso
concert de instrumentos e vozes. Aprudencia
nao achava asylo oude se refugiasse at chc-
gada ila aurora.
Carina ouvia pela primeira vez expressoes ter-
nas, proferidas por um bello mancebo, naquella
lagem italiana que foi inventada para a m-
sica, para a poesa, c para o amor, suave e ar-
deuie trindade da Ierra que forma urna s paiioo.
A joven ioclinava o ouvido para os labios har-
moniosos ile seu par, e, cora os olhos elevados
para o co, couteinplava a estrella de \enus. o
mais bello ficho desta fesla nocturna. Ilavia nes-
ta dupla volupluosidade de ouvidos e olhos urna
alli.mi a lao intima, que dahi em dianle, no pen-
samento de Carina, nunca mais urna se separou
da outra.
Houve um instante em quo o olhar da joven
se de.prcndeu da estrella e se filou nos grupos
e dora alguns passos para a e.cada, com o in-
tento de tratar este namorado como um bandido
dos Abruzzos ou dos Apenninos ; mas urna sabia
reflexao emendou a loucnra do primeiro impulso.
Deleve-se, pois, como seiiliuclla vigilante, na
sua janella, e, ao despontar da aurora, vio Mem-
mo lancar uns olhos d despedida para o palacio
Ferrelti e desapparerer pelas sombras ras da
direita, que conduzem ao Campo Santo. O conde
eslendeu o braco na uiesma direccao o agilou a
mao em signal de ameaca ; pantomima que sig
olficava una dcstas coosas:
Hato-te como um gibelino.Ou enlo ;
Nao a tornas mis a ver
Memmo vagou toda a noile por enrruzilhadas
desertas e s parou defronle dos qualro monu-
mentos, que sempre hao de ser a admiracao dos
seculos: o zimborio, o baptsferio, o campanario
e o campo santo; e por muilo tempo olhoii pa-
ra estas niaravilbas som as admirar. A maravi-
llia que vira no jardim Slrozzi era a que eclypsa-
va ludo a seus olhos.
O dia que amanhece tao cedo S 24 de junho,
clus.ao: enfada-se e desespera-se cada vez mais,
lembrando -se dos ltimos instantes de liberdade ;
e quando, entregue aos sonhos nocturnos, con-
templar o firmamento, lembrar-se-ha da nica
cousa do baile que seu p.af nao pode lirar-lhe
da estrella de Venus. Se, porm, me engao
neslas conjecturas tao rasoaveis, tenho, ao me-
nos, a ventura de ter seguido nesle valle, de pas-
tagera em paslagem, os Iracos de meu mestre
Giotto, e achar-me-hei depois muilo raais digno
de copiar o seu primor de arte e deserapenhar a
tarefa que o Santo Padre me incumbi no Vati-
cano.
Tendo assim reflectido, Memmo andou cm roda
de nimias villas do valle e achou-as todas silen-
ciosas e fechadas de alto baixo, como conven-
tos de freirs chegada de Mouros.
Quando as ultimas estrellas se escondiam com
a approximacao da aurora, Memmo levava o seu
magro rebanho para alguma gruta e ahi o deixa-
va al u noile.
Assim fazia Giollodizi.a ellequando viva
como eu, e que o sol, dando na areia praleada
ou arga do vallo de Arno, obrigava o pobre
pastor florentino a Iracar neslas paginas, abortas
pela natureza, o? primeiros esbocos da sua arle.
Era na villa Amorosa, comprada oceultaraeute
pelo conde Ferretii, que a donzella havia sido en-
cerrada sob a guarda de urna devola ama c de
alguns familiares. A mais restricta vigilancia de-
leudia a villa como se tora una praca de guerra;
a formosa Carina promettia a sua ama a maior
circumpeccao as suas palavras, mas a ama nem
assim quera conversar com ella. De que servem
as discusses quando os dous interlocutores nao
tallara a mesma lingua, nem se cnlendem? Ca-
Empoli, porque vinham salpicados dc urna certa rna era ainda mais circumspecla que a ama, por-
grodu amarella e hmida, que as pedretras de ) que linha do se callar.
argila erusca arrojara abundaniemento para a-
Oh d'esta vez Memmo pareceu-lhe ter desco-
berto urna triste verdade ; de repente lembrou-se
da cara feroz do conde Ferrelti e da sua repenti-
na apparicao no baile, econcluio, no fim de ludo
que o soberbo fidalgo, receiando alguma desgra-
ca sua filha ou algum casamento desairoso,
quiz sublrahir as vistas de todos esta estrella de
formosura, que apenas fulgir um instante no
baile de Slrozzi, na mais bella das noites do es-
to italiano.
Memmo esperou nos das seguinles que o aca-
so lhe fornecesse revelares imprevistas, porque
o acaso sempre obriga'do a dar alguma cousa
aos que contam com os seus favores.
Um dia, o mancebo artista, sahindo do palacio
Riccardi, vio passar tres cavalleiros na va larga,
e logo reconheceu, apezar de seu vestuario cam-
ponez, o conde Ferrelti, seguido de dous criados
Examinando os ps dos cavados, fez urna conjec-
lura bstanle rasoavel : os auimacs chegavam in-
dublavelmente do valle do Arno c da estrada de
luano ligeiro, aos olhares desle pastor equivoco,
e recolheu-se, (remend, na mesma occasiao em
que despestava sua ama Gesualda.
A donzella terminou a noile no meio de pen-
samentos que passaram conjecturas, e quo lhe
promovern) urna insomnia que durou at pela
machia.
No da seguinle, perlo do meio dia, o conde
Ferrelti, que andar caca dos vcados no denso
bosque que existe entre Livorno o Piza, voltava
para a villa Amorosa ver sua querida filha re-
clusa. Deixra o cavallo na pousada do Arno e
suba pe, dirigindo-se por um carreirinho, que,
pelas suas vollas, adociva as asperezas da mon-
taoha. Chegando ao ponto culminante, onde so
eslendia urna planicie de trra argilosa, o conde
deparou com um pastor curvado, desenhando fi-
guras com minucioso cuidado, que pareca um
pintor na sua ofiicina. Apesar do conde fazer
estrondosa bulha com as suas bolas de cacador,
o pastor nao lhe importou levantar a cabeca do
seu trabalho para olhar para o visitador importu-
no, o que d motivo ao historiador de acreditar
que havia por delraz dcsta scena um artificio de
amor preparado hbilmente.
O conde chegou-se mais de perlo ao pastor, e
vio o que s Cimabue vira urna vez as collinas
do valle do Arno. Artista, como toda a nobre
raga desta bella poca florentina, o conde eslre-
meceu de alegra e julgou-se Cimabue II. O
pastor acabava neste momento sobre a sua tela
de argila ura vaslo esboco. onde a perspectiva
eslava raais bem guardada do que no primitivo
desenlio de Giotto, o que levou ao cumulo do en-
lliusiasmo o conde, mais feliz com esta deseo-
berta do que Cimabue I. No primeiro plano, al-
gumas cabras, animaos inventados caprichosa-
mente, apresentavam-sc em posicoes phanlasti-
cas, porm admiravelmenlc esludadas, e no fun-
do do quadro distiugoiam-se os cinco zimbo-
rios da egreja de Arnolpho e Brunoleschi, a tor-
re do Palacio Velho, e o campanario de Giotlo.
O conde nao pode conter a sua admiracao.
Salve o digno filho de Giotto disse elle,
descobrindo-se respeitosamente, porque a sober-
ba do fidalgo desapparecra diante do genio do
pastor artista.
Memmo, porque era elle, fez um rpido movi-
meno, lodo natural, deixou cahir o eslylelo de
pao qua lhe servia de lapis, e, afastando cora a
mao o cabello da testa, olhou com modo espan-
tado para o conde florentino.
quelle valle. O conde Ferrelti segundo toda a
probalidade, possuia oulra residencia de verao,
lalve um retiro myslerioso, sobre as verdes e
Urna noile do moz de agosto, fazia tanlo calor,
que a ama abri as janellas do quarlo da cama
para dar ar e deixou-se dormir sobre urna ca-
encantadoras collinas que bordam o Arno, dejdeira. Carina approximou -se da janella, descal-
Floienca a Ponto-d'Era, e onde se descobrem lao-|?ai collocou-se de forma que vio o magnifico
tas villas aerias, que sao outros
de flores
do jardim de Slrozzi. Baslou este relancear de foi acolhido por Memmo como um amigo conso-
nlhos para deslinguir o conde seu pai que, sem lador. t) artista lancou ainda ura olhar para o
duvda, a procurava, porque todos os seus movi- ullimo aslro que se desvanece nos.albores da au-
mentos tinham urna singular agitaco. rora ; era a estrella de Venus. Uuaudo o sol I-
No mesmo instante Memmo acabava a sua obra luminou o cimo de campanario, Memmo lomou
de sedueco com oslas palavras : vagarosamente, e por algumas das ras mais tor-
S vejo urna rival da sua belleza nesta bem-> tuosas, o caminho da praca dos Cavalleiros, com
aventurada noile, e nao perlencc Ierra, porque i a esperanca de ver luzir m alguma janella um
brilha no firmamento: a estrella que honrou aslro mais radiante que o sol do esli. Porm
com o seu olhar.
A llegada do conde Ferrelti
M- mino.
.Memmo nada vio. Todas as janellas eslavam fe-
fechou a bocea chadas e o palacio silencioso como ura tmulo.
Ao meio dia, a fachada, obstinadamente muda,
FOLUETI11
ORIGINAL DO DIARIO DE PERNAMBUCO-
BfSfffA l&lilfilrM
bilitadus pelo prelado diocesano para exercer as
fuicos de cura d'almas.
Nao possivel que desse modo seobtenha,
| salvas algumas exeoproes. sacerdotes como o
! oxige o culto divino. E a moralidade c a disci-
; plina das guarni(;oes soffrern sensivclmcnlo com
| semelhanle estado de cousas.
Assim contratados, admittdos em urna con-
I dico precaria, os capellaes da armada, pela
maior parle mojos, a quera o atlraetivo das via-
Possuido d'esla idea, que produziaTiellc o effei-
lo de urna inspirociio, Memmo procurou um meio
para descobrir o asylo ondeo despotismo pater-
nal desterrara urna filha culpada do crime de bel-
leza. Urna tardo, ao cahir da noite, o nosso ar-
tista achava-se sentado sobre a pedra de Dante,
'.sassodi Dante, defronle do zimborio d'Arnolpho,
] maravilha de archileclura que desesperou Ui-
, gel Angelo, quando parti para edificar Sao Pe-
dro do Vaticano, e que Iho fezdizer: Vou cons-
truir-te nina irmu, que ser maior que lu, mas
nao lao bella] Do zimborio dirigi a vista pa-
ra o campanario, obra prima de magestade, gra-
ca e elegancia, que Giotlo creou como urna subli-
me aspiracao para o co.
Que trabalho e que genio !di/.ia elle si
mesmoGiotlo, um pastor das margens do Arno,
um mendigo condemnado guardar rebanhos to-
da a sua vida, oque, por acaso, revclou o seu ta-
lento aos olhos de Cimabae, e trocou o cejado
pelo pincel de pintor e buril deesculplorl
Por urna filiacao natural de ideas derivadas
d'esla primeira reflexao, occorreu-lhe de repente
um singular projecto.
No outro dia, ao nascer do sol, Memmo alra-
vessavaa aldeia de Ero poli, vestido de modo que
nem o seu mclhor amigo seria capaz de o reco-
nhecer.
Um chapeo cinzento e chalo cobria as madeixas
do seu cabello preto; um saiole de pellos de ca-
bra chegava-lhe aos joelhose urnas pesadas bo-
las decamponz, com as solas cravadas de laxas,
oceultavam a elegante aristocracia de seus ps.
s ura pertence ao quadro, sendo os dc-mais ex-
tranumerarios.
Este numero indica a falla quasi absoluta do
elemento religioso em nossa marinha de guerra.
Nossas guarnieres nao encontrara na hora su-
prema o sacerdote, de que teem necessidade, e
que poderia ser um auxiiiar poderoso da disci-
plina, se romprehendesse seu grande destino, e
quaota influencia exerce no espirito do mariohei-
ro, sempre inclinado f ( una juslica nierc-
tantos actales! quadro dos campos e do co. Refleclia-se das
estrellas urna branda claridade sobr9 o valle do
Arno e as collinas de Porto de Era e de Empoli, e
nao se ouvia outro ruido senao o murmurio do re-
galo e os sinos dos conventos quet.icavam a mi-
mancebo ? disse
seria urna vergo-
os Slrozzi nao con-
lilho dc Giolto nos
E' esla a la officina,
Ferrelti. Mas, na vcidado,
nha, se os Ricardi, os Pilli,
cedessem hospitalidade ao
seus palacios c villas.
Memmo levantou-se, coraprimentou o condo e
abaixou os olhos Cora encantadora modestia.
Onde a la habitaco? disse-lhe o
conde.
Nao tenho habilacOes respondeu Mem-
mo ; tenho asylos.
Quem te sustenta ?
Memmo levantou o dedo para o co.
Nao leus amigos ?
Memmo sacudi a cabeca melanclicamente.
Como te chamas t
Taddeu.
Pobre rapaz! accresccnlou o conde, exa-
minando minuciosamente o vestuario usado de
Memmo moslra ser bem desgranado Ou-
ve, Taddeu ; tu de certo has de ler fome e sede ;
vem comraigo reparar as toreas minha villa,
que a que vos deste lado. o conde dc Per-
lino*. A donzella levantou os olhos e deslinguio reUi 1"c lc olTt"iece hospitalidade
a radiante estrella que brilhava sobre o jardim
Strozzi e quo pareca communicar-lhe, nesta
occasiao, com o seu brilhante circulo, as sonsa-
cos do baile de 24 de junho.
Um liseiro linir de campainha arrancou Carina
daquclla conlemplacao e f-la descera vista das
alturas do co para os cuines das collinas do Ar-
no. Oquecntao observou produzio-lhe o cffeilo
de um sonho. Um pequeo rebanho pasta va a
pouca distancia da villa, e o pastor, sentado n'um
ouleirinho de relva, conservando urna mysleriosa
immobilidade, linha os olhos filos na sua janella.
Se fosse de da. apezar do disforc, seria logo
reconhecido pe'a donzella; mas a noile mais
clara sempre noite, o por isso Carina nao vio
no pastor seno um desgrasado filho dos Apen-
ninos, ganhanJo a vida com o seu rebanho Ape-
zar disso, nao poda ella afTaslar a vista dtsta
scena agreste, tao commuin nesle pas e nesia
eslaco, c bem depressa, por um desles ejl'eiios
de ptica nocturna que se assemelham s illu-
zes, pareceu-lhe que o olhar do camponez se
voltava, de vez em quando, para a estrella de
Venus.
O pastor demooslrou urna verdadeira alegra,
que se pareca com urna explosDo de reconheci-
menlo por um senhor lao buspilaleirot O que
tinham de andar pouco era. O conde fez entrar
Memmo na sua villa e deu ordeui para que fosse
servido como filho da casa.
A bella Carina ouvio aquelle rumor desuzado
nesle retiro silencioso, o, como a voz dc seu pai
dominara este tmulo que se fazia no interior do
palacio, desceu ao arntar iuferior, e, encontrando
seu pai, abracou-o e pergunlou-lhe tmidamente
o que havia de novo era casa.
Minha querida filha lhe disse o conde,
ainda todo enlhusiasmado pela sua descoberta,
a nossa Florenca sempre o paiz dos grandes
artistas; a dilTerenca que nem todos nascem
as altas classes. Vou mostrar-te o filho de
Giolto sentado mesa hospilalcira dos Ferrelti.
O condo pegou em sua filha pela mao o con-
duziu-a sala, onde Memmo era servido como
um hospedo Ilustre pelo mordorao da villa.
O artista virou-se e seus olhos enconlrararo o
roslo da donzella. Carina sollou um grande ari-
to e cahiu desmaida nos bracos de seu pai. A'
primeira vista reconhcccri Memmo.
Isto foi para o conde um raio de luz ; a so-
berba do fidalgo suflocou n'elle o mor paternal;
deixou cahir sua filha, e, repellindo com o bra-
XXXII
SmauRiO.O relatorio do Sr. ministro da ma-
rinha.Os pralicos da barra cacompanhia
brasileira de paquetes vapor.Ao fechar a
/esen/ia.
Mais fcil ser edificar urna cdade no ar, do I
que inanter-se um estado sem religiao. o
Nao ha quem possa refular esta magnifica ma-
sima, que consagra urna verdade de primeira or-
deui. Hoje ella lera applicacao materia do que
nos vamos ocenpar, e embora a poca, malcra-,
lisia por demais, nao seja favoravel s ideas or- j
thoiloxas, as receba com desdem, eclassifi-l
que de jesutas lodos aqnelles que commctlera
0 grande atrevimenlo de pensar diversamente da
seii i voltairiana, que lem engrossado suas filei-
ras em todo o mundo com urna multdao de a-
ventureiros audaies, quenada respeitam, e que
ain--acavam a mina do christianismo, a destru-
cao ue lodos os lacos de familia, a dissolu^ao das
sociedades humanas, nao duvidamos, comtudo,
manifestar sem reserva nosso pesamonlo, anda
que ifah nos resulto a designado cora que se
pretende manchar o que de mais nobre, do mais
elevado, de mais justo se pode encontrar na
trra, o espirito religioso, principalmente, nes-
te lempo, em que elle solTre tantos cm-
bales.
Desle prembulo, prologo ou o que mclhor no-
mo baja, j so v que queremos fallar da neces-
ildade da organisar^o do corpo ceclcsiastico da
maiinha, que vemos provar, nao dizemos bem,
porque isto nconlestavel, que vamos recordar
a i onvenienria de se introduzr na marinha de
guerra, de urna maneira fixa c permanente o
elemento religioso que lhe falla, que deve
ter umg grande influencia no seu futuro des-
tino.
Tal vez rommeltamos um grande anachronis-
gens, senao os instinctos de urna ndole pouco cida que S. Exc. fez essa classe) a palavra viva
compalivel cora o seu estado levara para bor-
j do, limilam o ser vico religioso di/.er mis-
sa c rezar a ladainha em cerios e determina-
dos dias.
Nao este o culto proscripto pelo regimen-
t provisional da nossa armada, proscripto pelos
regulamentos de guerra dc todas as naees civi-
i usadas.
A inslruivao religiosa c moral da gente das
nossas equipagens reclama que se reg'llarise e
torne ell'ectivo o servco do culto bordo dos na-
vios de guerra, o que, portanto. soja resta-
belecido e reorganisado o corpo ecclesiastico da
armada, semelhanca do que existe no exer-
cito.
Esle quadro era exactissimo, e fra esbocado
com mao de mesire ; hoje as circurnslancias en-
lao descriptas sao as mesraas; o pasto espiri-
tual completamente millo para centenares de
homens, pela maior parte ignorantes, que ah vi-
vera e morrem sem ouvrem a palavra de Deus
urna s vez.
Sua nslruccao moral e religiosa coire reve-
lia, o offerece mil probabilidades de Iriumpho
ao vicio sobre estas almas pouco escrupulosas,
por cITeito da abandonada educacao que li-
verara, e da parcera em quo vivera com mal-:
feitores e reos de polica, que se recrulam pa-
ra a nossa marinha, indevida c imprudente-
mente.
N'um estado chrislao lastimoso, e al cenau-l
ravcl esse abandono da religiao, lao culpavcl e
significalivo, quando paites schismalicos, como a
Inglaterra c os Estados-Unidos, nos do provas
do apreco era que a lem.
Assim,
e sincera do ministro de Deus.
A aulorisaciocom que nabilitastes o geverno
para a reorgariisarao do corpo ecclesiaslico ex-
pirou com a lei annua em que se achava.
Em 1859 o Exni. Sr. visconde de Abal, que
era o ministro, dtclarou que ronvinha que a ps-
sembla concedesse nova aulorisaco ; porque os
oficiaesdo corpo ecclesiastico, coniprehcndendo
bem o'seu destino, sao necessaros bordo dos
navios, pela influencia que exercem no espirito
da mariuhagem.
O actual Sr. ministro francamente aprecia a
queslao, insistindo na necessidade da renovacjio
daquella aulorisaco. Suas palavras sao dignas
de soa alta posicao, e, bem que lacnicas, ex-
primiam perfeitamente a situaro.
Consta o corpo de officiaes do culto dc pou-
cos sacerdotes, ora nomeados pela secretariado
estado, ora pelo quarlel-general, sem futuro uem
vanlagens bem definidas.
Insisto, com o meu antecessor, na necessi-
dade de ser renovada a aulorisaco que para or-
ganisa-lo, harta sido conferida ao governo
em urna lei annua, e que conseguinlemen-
le caducou. Repulo-a de maior importancia.
< O sacerdote nao pode dcixar de entrar na
ordem social como um dos mais indspen-
8aveis, seno o primeiro elemento da civiii-
sacao.
O hornera, em qualquer posigo era que se
ache, carece do auxilio desse ministro de Dcus,
que lhe ensiua as grandes verdades do chrslia-
nismo.
Dellc necessila, sobretudo, o marinheiro
nessas horas solemnes de eminente perigo, que
to frequenlemente se reproduzem no ocano,
em meio da lula dos elementos, para robusleccr-
0 que era duvda lornou-se realidade. Depois
de se conservar por muilo tempo immovel, o
pastor virava-se successivamente para a estrella
o para a janella. Ilavia nesle duplo movimenlo
alguma cousa de affecluoso, que causn urna per-
turbarlo desconhecida no espirito de Carina. En-
vergonhou-sc de assim se ver exposla, n'um ves-
^a^^m^maaw^^mam^i^^
real de 26 de fevereiro de 182H, de urna orde-
nanca de 22 de Janeiro de 182, e do titulo XIV
da d'c 31 de oulubro de 1827.
Em 1830 a classe dos capellaes foi supprimda
na armada e no exercilo francez, e s em
1847 que reappareceu, na ola preliminar do
orcamenlo, a idea do reslabelecimenlo deltas na
marinha.
Em 1831 volaram-se fundos para a despoza
com 25 capellaes, comprchendidus no efl'eelivo
dos estajos tnaiores gmoraes do mar.
Eslava reservada Napoleao 111 e seu gran-
de ministro da marinha, o fallecido Sr. Theodoro
Duros, a gloria de consagrar, do urna maneira
definitiva, a reentrada dos capellaes na mari-
nha.
O primeiro liga tal importancia ao desenvolv-
mento do espirito religioo nos mariuheiros de
suas esquadras que, durante a guerra do Orien-
te, remellen um retabillo oleo, representando a
Santissima Vugem Maria, do presente esqua-
dra do Mar-Negro, para ser collocado bordo da
uAo almirante Ville de Pars, o que se fez depois
de urna locante ceremonia ; (ornando aquellos
mariuheiros a excelsa Senhora para sua protec-
tora.
O segundo, de saudosa memoria, acompanha-
va seu augusto soberano nesta maneira de pen-
sar, c rcpnlava-o como um elemento de conso-
lidacao da disciplina e da ordem na esquadra.
Hijc possue a marinha franceza 60 capellaes
do numero, o 15 auxiliares, sujeilos ao capellao
em chele da frota, que o abbadu Coquereau,
sacerdote de orna reputar.ao colossal, pela sua
candado, humanidade e eminentes virtudes, qua- c-ar os costumesda nossa mariuhagem, o ser,
lidades pelas quacs tornou-sc o dolo dos mari-j por certo, urna saudaco que substituir vanla-
nheros francezes, que o atorara c reverenciara. | josanienle s juras deque usain a maior parte
So vigoroso Memmo, que correr em soccorro de
Corioa desmaiada :
Miseravel / exclamou elle -- nao sahirs
d'aqui vivo I
E, com modo imperioso, ordenou aos criados
que se retrassem. Fechou a porta da sala, e,
sem olhar para sua filha, disse a Memmo, tiran-
do duas espadas d'um tropheu de armas suspenso
na parede :
Queres defender-to como um cavalleiro, ou
deixar-te matar como um salleiador?
Quero casar com sua filha disse Memmo
com voz cheia de docura.
O conde chegou a pona da espada ao peito de
Memmo. O artista inclinou a cabeca para o
hombro direito, deixou cahir vagarosamente os
bracos e esperou o golpe'mortal, sem fazer un
movimenlo de defeza, nem dar um ignal de
terror. Esta nobre coragem espantou o conde
Ferrelti. N'este instante ouviu-se um longo sus-
piro exhalado do peito de Carina, estendida aos
ps de seu pai.
Soccorro e perdao para ella! exclamou
Memmo com extrema agona o depois male-
me 1
O coracao paternal retomou inmediatamente
os seus dreitos. Urna lagrima humedeceu as
palpebras do conde ; a mao que segurava a es-
pada abriu-se generosamcnle e levantou a filha,
deixando cahir a arma.
Oh nao se assusle,disse Memmo, nao
lento fugir; ponte-me segunda vez ao peito a
espada e poupar-lhe-he ura crime, enterrndo-
me eu raesrao n'ella. Malar-me-hei na sua ar-
ma. O pai.de Carina ser sempre para mim sa-
grado, porque nao me defenderei.
O conde olhava fixaraenle para Memmo, c, le-
vantando sua filha nos bracos, assentouse n'uma
cadeira, collocando-a sobre os jotlhos. A pobre
reclusa, ia pouco a pouco, tornando vida e um
leve colorido as faces moslrava que a morte se
alTastava d'ella. Memmo contemplava e3le grupo
e chorara.
Ha circunstancias solemnesdisse o conde
em que a nobreza do coracao se revela n'um
instante. Mancebo, corre-lhe as veas um tan-
gao heroico e o quo acaba do pratior comigo
desculpa-o das baixezas que fez. Nao me in-
terrumpa, mancebo... E' o mesmo.. do baile
Slrozzi, agora o reconheco ; o enviado do so-
berano pontfice Innocenco XII Memmo
Arrig...
Signal aflirraalivo de Memmo.
Muito bem proseguiu o conde lem a
nobreza do tlenlo e a do nascimento ; mais
nobro que ura Ferrelti. Dou-lhe minha filha c
rogo Madona da capella dos llucellai, a Santa
Virgem do Cimabue, que 3 livre da lei fatal que
mala todas as jovens esposas da'nossa familia.
Memmo lancou-se aos ps do conde c abra-
eou-lhe os joelhos. A donzella abriu lentamen-
te os olhos o viu, como as vises de um sonho
feliz, o conde dando a mao Memmo.
Urna pagina de mais nada acresccnlaria esla
historia. Comtudo, preciso que digamos que
o casamento foi celebrado cm Sauta Maria No-
vella, dianle da primeira Madona italiana, na
capella dos Rucellai, e o artista Memmo fez um
voto aos ps do altar.
No anno seguinle, Memmo leve um filho e a
mai sobrcviveu-lhe ; e, ainda mais, pareceu ad-
quirir com esla fatal experiencia nova forca e
nova vida. O voto de Memmo foi cumplido : o
artista cobriu de novas pinturas o claustro de
Santa Maria Novella, e o seu ultimo quadro re-
presenta ainda hoje um pastor adormecido as
collinas do Arno, cujo rosto Iluminado pelos
raios dos mais scintillante dos astros, pela estrel-
la do pastor.
SIERV.
[Commercio do Porto.)
teem 125 dollars por mez, ou cerca de 250j| quan-
do embarcados.
Com o fim de obtermos sacerdotes capazos de
desempennar a alia misso que sao destinados
bordo, organisariamos o nosso corpo eccle-
siaslico da armada sobre as seguinles bases, se
tivessemos influencia para isso.
Ura chcfe.com o titulo de capellao geral, hon-
ras e vencimenlos de capito de mar e guerra
commandando. quem seriara subordinados, 10
priraeiros capellaes com honras do primeiros l-
enles da armada, e vencimenlos do 2008 men-
saes quando embarcados, o 20 segundos, com
honras de segundos lenles e vencimenlos de
lOjfOOO.
Quando desembarcados (eriam o sold da pa-
teate.
Ser-lbes-hia prohibido accumular outro qual-
quer emprego, ou capellana, publica ou parti-
cular, afim do poderem dedicar-so exclusivamen-
te nslruccao moral e religiosa da guarnican,
contissao, explicacao da doulrina christa, etc.
Estes capellaes seriara deslribuidos por nossos
arsenaes, e pelos navios armados de maior porte,
e o governo, para completar a vanlagem da in-j
Iroducco dellcs na armada, deva determinar
que, nos navios cm que ellos nao embarcaren!,
se siga o exemploda marinha franceza, comecan-
do-se o servico diario, e terminando-se com a
recilacao da oracio dominical, pronunciada em
alta voz por ura oflicial marinheiro, e acompa-
uhada por toda a guarnirlo, obrigando o oflicial
de servico i que ola se conserve nessa occasiao
com o recolhimento necessario.
F.sla pralica quotidiana ser mu salutar, ada-
mo, desojando ver figurar boido de nossos na- o Francez, apezar de sua leviandade de carcter,
vios de guerra o sscerdole, quando se projecla ex-
pellir da cdade santa o Papa.
Has cada um procede de arcordo 5 sua cons-
ciencia, e nossas acluaes palavras, que confir-
mara as que j livemos a sallstacao de proferir
respe'uo, sao um echo Del della, sao, por assim
di/er, a imagera que a pholograpbia reproduz
sera alleraco.
Nossa tarefa agora fcil; nao precisamos
con>encer; porque o governo est compenetra-
do da utilidadc dfsta grande medida ; de sorle
que nos resta soraenlo clamar pela sua reali-
sacao.
Com effeilo.o assetbMa geral, commovida pela
pintura que fez o Exm. Sr. Paranhos emseu re-
latorio de 1854, concedeu urna aulorisaco para
reorxanisar-se o corpo ecclesiaslico da ar-
ma ia.
Disseentoaquelle distinclo ministro da
marinha :
Dous nicos padres, dos quacs um quasi inu-
tilis.Hlo, constituem o quadro dos capellaes dc
numero Os sacerdotes precisos para os-navios
da armada sao nomeados provisoriamente pelo
qunriel general de marinha, quando o servico o
exige, d'enlre 03 candidatos que se mostrara ha-
priNCipia e termina o dia recitando aoracao do-
minical em alia voz, como marca o novo re-'
gulamento, embora nao haja bordo ca-!
pello.
E', pois, nossa indfTercnc,a um crime tanlo
maior, quando insignificantes sao os obstculos
que nos embaracam.
Nao ha nenhum hornera poltico de lino, que
nao aprecio a influencia que podo exercer na
disciplina interna de um vaso de guerra a pala-
vra aulorisada de um sacerdote, que saiba dcs-
empenhar os arduos deveres de capellao da ma-
rinha.
Nesle poni lodos os ministros lem oslado l-
timamente de accordo, mas, cousa incxplicavel !
aquella aulorisaco que o Sr. Paranhos conse-
guio da cmara "pelo ortigo 4. da lii n. 753 de
15 de julho dc 1854 cabio cm coromisso ; por-
que o governo nao usou della dentro do pra-
zo limitado, sob pretexto do que convinha es-
tudar o pessoal extranumerario que eslava ser-
lindo.
Assim, o Sr. ex ministro Saraiva, com o hsbi-
lidade que o destingue, dizia cm seu relatorio
em 1858.
< Existern actualmente 10 capellaes, dos quaes
em quanlo a edneacar, religiosa dos
nossos mariuheiros corre por tal forma despreza- lhe a f, sem a qual nao ha accao.
da, admiramos o fervor com que o Inglez e o De muilo valor podem ser a sua palavra e
Americano aos domingos aferra-se sua Biblia, excmplo, no estado de afrouxamento da dls-
onde encontra mil consolacocs e conforto para ciplina que se vai notando era nossa ar-
rnmprir suas rudos obrigacos ; observamos que mada.
Nao se pode justificar, cora mais bellas, nem
mais sensatas reftexes esta utilissima me-
dida, o fra lemeridade nossa querer accrescen-
tar alguma cousa esta cloquete exp-
sita o.
Todava a assembla nao tomou nesta sesso esla
materia em considerago, por ventura oceupada
com os grandes projectos dc le bancaria e elei-
loral ; mas nao por desconhecer sua impor-
tancia.
Para assentarreos na melhor raancira de effec-
tuar esla reorganisa^o, que deve ser levada
elfeilo no anno seguinle, a'im de nao prolon-
garnos o statu quo, passamos estojar o que
respeilo se encontra em outros paizes.
Em Franca, o servico dos capellaes, nos por-
tas e bordo, linha sido regulado pela ordo-
nanea de 1689, cujas disposices, reproduzdas
em 1765, ficaramem vigor al 1790, poca em
que, o servico ffcigoso, mais do que qual-
quer outro, foi ali completamente desorgani-
sado.
Depois. disso, diversas ordenancas vieran de-
libera! sobre este servico, qoc comprehende sem-
pre duas parles dislinclas : servico no mar e
servir em Ierra
O servido no mar foj objeto de una deciso
Estes homens rudos professam um grande res-
peilo por seus capellaes, e quando o governo
francez reslabcleceu-os bordo, elles exclama-
rain, emliin, vao eslouraremos mais como caes.
Quando um padre eoufessa no hospital, todos
os oulros doenles so descubren! espontneamen-
te, e por cousa alguma sao capazes de. por sua
carapuca sotes de acabar-se a ceremonia.
Levam s vezes lao longe este senlimento do
deferencia, que os proprios padres devem inter-
vir. Urna vez, emquanlo um capellao confessava
na enfermara da nao Valniy, um marinheiro
atacado do peilo lossia, o que nao poda compri-
mir----
Calar-te-has ou nao, .velho golphinho '? lhe
diziara seus camaralas
Porm o pobre diabo nao podia por, assim co-
mo dizia, urna escolilha em seu peito....
O confessor, tomando seu partido, leve algu-
mas diffieuldadcs em previnir urna briga.
Esto fado nos garantido por Alphouse Bal-
leydier, autor dos soires marilimes.
Os capellaes, na marinha franceza, sao asse-
mclhados aos primeiros lenles, cojos venci-
menlos e vanlagens go/.ain.
Na marinha hespanhola sao sujeilos um vi-
gario geral da aunada, quo lem junto s um
auditor geral do vgariato, um secretario c tres
lenles do vigario geral. O quadro compe-sc
de 7 primeiros capellaes, 14 segundos e 31 ler-
dos referidos ollieiaes marinbeiros.
O acolhimenlo que nossas ideas lem recebido
de homens eminentes da corporaco, e de nutras
classes, nos animam fazer estas propositos,
que bem reellam a vonlade cora quo trabalha-
mos por lodos os meos para o engrandecimento
de nossa marinha.
Ellas se fundam no excmplo de outras naees
civlisadas, e no apoio de grandes estadistas ; por
lano devem ter algum mrito.
Ahi fleam escripias como ura novo esforco de
dedicacao egreja, ao estado, e marinha' im-
perial ; como urna prova dc solicilude que nos
meiecem nossos marinbeiros, cuja sorle desoa-
mos ardentemenle suavisar.
ceiros, voncendo, os primeiros 1.20 reales de guiatc:
Nega-se a companhia brasileira de paquetes
vapor ao pagamento do pralicagem nesle porto, e
nisto acba-se em seu direlo ; porque ornadas
isences consagradas pelo novo contrato.
Reclama a associaco de pralicagem este paga-'
ment, e tambera funda-se para isso cm direilo
claro e positivo, emanado do respectivo regula-
mcnlo, que baixou com o aviso dc 28 de feverei-
ro de 1854, que a ninguem sonta deste paga-
mento, nem mesmo aos navios de guerra, que
por mais dc urna razao deviam ser privilegia-
dos.
Com efleito, determina o artigo dezenove o se-
vellon por mez, com a calhegoria de primeiros
lenles, os segundos 1,100, com a calhegoria
de segundos lenles, e os terceiros 1,000, cora
a calhegoria de guardas-marinhas ; o que regula
em mais de 1209mensaes, termo medio.
Na marinha ingleza ift capellao embarcado
tem 13 libras 13 shcllings por mez, c mais urna
graticacao, quasi equivalente, se forera encar-
regodos, como instructores uavaes, da educacao
matheraatica dos jovens officiaes.
Na marinha Pmcricans too mais Vem pagos,
Os venciraentos dos individuos empregados
na pralicagem das barras, ancoradouros e rosta,
desde as Candelas al Pao Amarello, sahiro do
rendimenlo proveniente dos servidos por elles
prestados na entrada o sahida dos navios nario-
naes c estrangeiros, tanto de guerra, como
mercantes. >
Fslcsdous direitos sao inronciliaveis, e do cho.
quo dclles rcsullou urna queslo, que hoje esl
su'unicliida ao governo imperial.
Nao desojamos previnir qualquer solujo que
se tenha lomar; mas pede a juslica que tapa-
mos algumas reflexes.
Quando o governo imperial expedio o citado
rcgulamenlo, sujeiiou a associcao pos pralicos
cortos deveres, cm compensaco dos quaes ga-
ranti cortos direitos.
Esta associaco, como se sabe, compe-se de
homens pobres em sua generalidade, carregados
de familia, quo se dedicara urna profissn labo-
riosa, e de milita ulilidado para o commercio c
prosperidade da provincia.
Neslas cirriimslanclas, parece que nao so deve
do forma alguma cercear estes direitos, mormen-
te quando elles formara urna verba de receita ira-
portante, c sua redoceo desfalca os vencimenlos
do pessoal que se emprega na pralicagem.
Collorada a queslo neste ponto, parece-nos
que o governo imperial deve pagar, cm lugar ->
companhia, a despeza da praticagem de que a
iseulou pelo novo contrato, fnzendo-lhe uma
concessao annua de mais de qualro contos de
ris. Tei de ficar, portanto, seu cargo eslades-
peza, alm da que faz o estado com os seus na-
vios.
Desojamos que seja esta a resoluc.ao do pro-
blema, nica, jusa, razoavel e digna do nosso ac-
lual governo, no qual bstanle confiamos.
i
Nao podemos resistir ao prazer de dar aos nos-
sos leitores uma noticia agradavel.
Gracas aos esforcos athleticos do Exm. Sr. vis-
conde de Abael, ministro da marinha do anno
passado, foi dado para ordem do dia 24 do mez
(indo, a discusso no senado da proposico qua
autorisa o augmento dos vencimenlos dos offi.
caos combatentcs da armada, pendente dc 3v.
discusso.
O discurso pronunciado por S. Exc. na sesso *
de 23 lhe grangeou, por som duvda, a graiido
deluda a arma Ja, que ouvio com satisfaco os
devidos elogios que S. Exc. fez ao distinclo chefe
do quarlel-general, que tanto (uxiliou asna ad-
minislraco.
Escrevemos estas linhas pressa, quasi ao ter-
minar a prsenle Itesenha ; por isso nao fallamos
do assumplo com a elTuso que nos transborda
do coracao.
O Exm. Sr. ministro da marinha correspondeu
confianca que nelle depositavamos,
Itespondendo aquello nobre senador disso
que, estimara quo o Sr. presidente do senado so
dignasse de dar andamento aquello projecto,
pelo que eiilrava elle em discusso no da 514,
em que sahio do Rio o vapor Oyapock, sendo pro-
vavel que tenha passado j, visto a disposicao fa-
voravel em que eslavam as duas cmaras "a res-
peilo.
Agradecemos cordialmenlo a S. Exc. esta ma-
nifestarn.
Desconhecomos inteiraraente o Exm. Sr. vis-
conde de Jeqniinhonha no discurso que proferto
na mesma sesso.
Nao o anligo paladino da marinha, quo tanto
apreciramos*
S. Exc. hoje pensa de uma maneira diversa c
muilo simples ; reronhece quo existo desconten-
tamento na maiinha, mas em lugar dc nos dar
pao, d-nos pao, isto diz que precisamos do .
uma guerra, que devemos viver do glorias e do
honras !
Explique-nos, porm, S. Exc. como poderemos
apreciar estas glorias, sustentar estas honras,
peilencendo pobreza envergonhada do paiz, o
ento aceitaremos o seu elixir salvador I
Sentimos, comtudo, esta mudanca de pensa-
mento do Exm. visconde respeilo da marinha ;
porque muito precisavamos do seu apoio, quo
nunca nos faltou.
E. A.
PERN.-TYP. DE M- f, PE ?A.RIAr~ i*W.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E9ZSV1VGG_OFXMNA INGEST_TIME 2013-04-26T23:08:47Z PACKAGE AA00011611_08217
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES