Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08203


This item is only available as the following downloads:


Full Text
nn de 1846.
Sabbarlo
I 0 DIARIO publicare todo os diasque
nao forem de guarda-: o preco da aisigua-
lura he de fOOO rs. por quartel pago, a larfM. Os aiinuncloJ dos aisignanle saoIn-
seridos a raiSo de 20 ris por llnha. 40 rs.
em tvpo diHerente, cas repetlcdes pela ine-
t'adc Os que nao forem assigmntes pagao
80 rs. por liara, e 160 em lypo differente.
PHASES DA LA NO MEZ DE MARCO.
Treieente a 4 as 8 hor. e 11 rain, da tard.
l'iiacheUaliasll hor. e 28 rain da tard
Mingoanle a 20 as II h. e 37 rain, da mu.
I ua nova a 27 as 3 hor. e 30 rain, da man.
PARTIDAS DOS CORREIOS.
Goianna, e Parahyba, Segd." e Sextas feiras.
Rio Grande do Norte, chega as quartas
feiras aoineio dia, eparte nasmesmas ho-
ras as quintas feiras.
Cabo, Serinh'aera, Rio Formoso, Porto Cal-
vo, e Macey, no l., 11 e 21 de cada incz.
Garanhuns e Bonito a 10 e 24.
Boa-Vista e Flores a 13 e 28.
Victoria as quintas feiras.
Olinda todos os dias.
PREAMAR DE.SPJE.
Primeira as 6 h. e 6 minutos da inanhaa.
Segunda as 6 h. e 30 minutos da Urde.
de Ufa 1*90.
AnnoXXII N. 60.
DAS DA SEMANA.
9 Secunda S. Cotharina, aud. do J. dos
orf. e do J. do C. da 2. v., do J. M. da 2
10 Terca S. Militao, aud. do 1. do clv.
da I. v. e do J. de paz do2. dist. de t.
11 Quarta S. Candido, aud. do J. do clv.
da 2. v.. e do J. de paz do 2. dist. de t.
12 Quinta S. Gregorio, aud. do i. de orf., e
do J. M. da I. v.
13 Sexta S. Engracia, aud. do I. do civ. da
1. v.. e do J. de paz do 1. dist. de t.
14 Sabbado S. Mathildes, aud. do J. do civ.
da 1. v., e do J. de paz do 1. dist. de t.
15 Domingo S. Henrque
CAMBIOS NO DIA 13 DE MARCO.
Camb. sobre Londres 26 'A a 26'/, d. p. 1/.
o Paris 350 rli por franco.
Lisboa 105 p. c. pr. p. in.
Desc. de iet. de boas firmas l Ouro-Onya li.|ii!.uU 31 jOO a 3I>0C
> Hoeda de6f4O0vel. 16/800 a HfOOO
deGMUO iiov. 16f000 a I6f40"
de 4^000 8/800 a 9/100
PraU-I'alacoi- .... 1#()40 a 170
. Pesos Coluinnares l/OO a 2lD0O
Ditos M.-xicanos. 1#900 a 11840
> PrataMiuda I/DO a 1/700
Acedes da C do Beberlbe de 50/000 ao par.
DIARIO DE PERNAMBUCO
PARTE OFF.CIAL.
Goyerno da provincia.
BXPEDIBim DO DU 9 DO COSIENTE.
Officio A cmara municipal do Recita, determi
Diodo, que, di lrm do pirecer da comroissio de
conitituicio e poderes di anembla legislativa pro-
viociif, que por copia Ibe remelle, procede urna do
ti ipuncio de votoi pire membros da mesan ai
lembla ni preieale legislatura, sera contar com oa col-
gioi do Cabo, Garanbuns e Ouricury. Participou-
,j io 1 secretario da anembla provincial.
Dito Ao uii municipal do termo do Limoeiro, de-
clarando, que, quando Iba ordenou iiiumisse a vara cri-
me diquella eomarc, nio foi por ae aobir pronuncia-
do o respectivo juiz de direito, por isso que aioda sua
pronuncia nio eativa eonlirmada pela autoridadecompe-
tenle ; mas sim por se sobar umtal jui' fugitivo, e por
connquencii inhibido do ieroicio de suis uoecoes ; e
recommeodsodo, que continu na oiencioosdi vara, ca-
so aioda subsista o motivo pelo qual loi delta encarre-
gido.
Dilo Ao promotor publico do termo do Brejo, dan-
do-se por inteirado de biver S. me, no dia 9 do mei
ultimo, reasiumido o exereicio desuss funccSes.
Dito Ao chele de polica interino, remetiendo, para
lar destino, aportara, que noma i Joo Vieira de
llalla subdelegado di freguexia de I timb.
DiloAo 1." secretario da asiembli legislativa pro-
vincial, aecusando remeisa de 50 exemplires do batan-
eo do inno Snanceiro ultimo de 18441845 e do pri-
meiro semestre do presente eiercioio.
CircularA's cmaras municipaes do Brejo, Gara-
nhuns, Cimbres, Bonito, Rio-Formoio, Serinbiem,
Limoeiro, Naxirelb, Po d'Albo, S.' Anlao e Boi-Vis-
ti, exigindo copis dis eleic5el para deputidos provin-
ciaes, que, em detrimento do disposlo no artigo 38 da
lei provincial n. 79, deixrio de ser remettida no au-
no de 1811 pelai municipalidades, que onlio serviio,
isiembli legislativa provincial ; e ordenando, que
declare quiea os vereidore, que para em no remeta
concorrfirao, para que teji responsibilisadoa por urna
semelbaote talla, cujos resultados mui prajudiciaea teriio
aidb i proiincia, se nlo foliera a lempo preveoidos peta
presidencia,
DiloAocommindinte superior da guarda nacional
do municipio do Recita, determinando, que do dia 25
do correte, tnniversario do juramento a constituicao
poltica xlo imperio, lfi marchar em grande panda a
legiQes primeira e segunda, e o batillio texto da men-
cionada guarda nacional. Timhem se ordenou so
commmdinle superior interino da guarda nacional de
Olindi e {guaran, fiease que a referida parada com-
pareceise o bililhlo dd dita cidsde ; determimndo-
se-lhe,ao iresmo lempo, que no dii 12 do presente taca
acompmbir, por urna gualda de boora, a trailidtcio
do S. dos Pastos, do Carmo para a S, e no dia teguinte
a prooinlo do meimo Seobor, por toda a primeira le-
giiodo primeirodoaiuprareferidoi municipios.
DEM, 15 DE DEZEHBRO.
As dlfflculdsdes entre a Santa-S e a Rsala deaappa-
recro totalmente. O general conde de Brandoburgo,
que acaba de chegar a Berlim de olla de Italia, tiobi
leitn conceber eaperaocae bem fundadas eate reipelto,
ej olo ae duvida que em breve ser celebrada urna
concordata entre a Ruisia e Roma. Este aconteclmen-
to tar deaapparecer oa obstculos, que le oppuohio
anda ao calamento ao archiduque Estenio 'Austria
com a priocria Olga, ainda que ella nlo se converta ao
calholicismo, como ba lempos se dase.
(Cazeta do R heno.)
inEM, 18 DE DEZEMBRO.
O conde Revostlow Crlmloil, embalxador de Dina-
marca, est* negociando no momento ictual com o oosso
goveroo ao tratado relativo aos direltos do Suoda. A
Dinamarca oonsentlr em accrescontar ao tratado de
Londres de 13 de agosto de 1841 ilgumis modQcacoss
em dilTarenles artlgos da tarifa, e principalmente sobre
o ilgodao, que Mona sido esquecido, o qual pagar um
por ceotu do aeu valor. Ser facilitada a cobraoca dos
direltos em Helsiooer, aflm de que os navios poni se-
guir promplameote suas viegeos. Por sua parte o go-
veroo da Pruisia consentir em proponte I8, poca,
em que expirar o tratado anglo-sueco, a queilio dos di-
reltos doSunda. Ambaa as pjtenciai eitio convenc-
daa, de que era maii conveniente unir seui estarlos sos
de Inglaterra e Succii, do que abrir iaoladameole.
{Caseta dai Potlat.)
DEM, 26 DE DEZEMRBO
Contlouio a circular noticias pouco satiifictoria
reipsito da conipiracio de Poieo. Aioda que a Gaztta
Universal da Pruaaia tenba dado explicacOee sobre este
negocio, o tenb: destarado que sao mals se oceupar
delta, be com tudo oerto que reina grande agitacio na
provincia de Posen, e que aa mala altaa elisias da socie-
dade nao.teem podido iieotir-ie de aua Influencia. Co-
mo auipeitrio que alguna militares hivlo tomado par-
te na conspiraclo, be multo provavel que o eorpo do
exerclto de Polonia trocar a guirnicio com a Torca,
que existe ni provincia de Sixonia. O imperador da
Runia, oo regreseo aoa seos eitadoi, nio pinar pelo
grio ducado de Posen, maa sim pela Creosla.
(Cormpondtnte de uremberg.)
5.a Que se commuoiquem s dietas aa propostai,
que o governo qolier apreseotar-lhes, ao menoi seis me-
ses antea da abertura daa auaa sessdes
Resposta: Commuoicaremos a dietas ai propos-
tn, que noa approuver, quando ino nos parecer oonve-
olenle.
6.' Reduilr o praxo de dex aonos de poase territo-
rial, exigido como condicao de elegibilidade para oa re-
presentante! das cldadea as dietas, e ampliar em geral
o circulo de elegibilidade as provincias.
Reipoata : Nio aonuimoa absolutamente.
7.' A publlcidade das juntas dos delegados das cl-
dades.
Kesposla : Nio annuimoa.
8.' A reforma da legislacio sobre a imprem, e mo-
dificarles sobre a censura.
Kesposla : As quelxas dos sappllcinles oio teem
fuodimeoto. A Imprenta neceisfta efectivamente de
urna reforma ; mai he para cohibir do modo mait elfl-
'az s (ramgressio doi limites, que Ihe lio Impoatoi pe-
lo intereite da ordem publica e da repulido dos parti-
culares.
9.' A emancipicio dot Judeot.
Reipoata : O goveroo occupa-ie de urna legislacio
geral para tudo que be relativo aos Judeos, asiim no ci-
vil como oo religioso.
10. Substituir ot dlreitoa do corle de tnaltaa por
um imposto directo.
Reipoiti :, Por ora nio pode ter admittldo, mat o
goveroo ver te be possivel diminuir pouco a pouco es-
tes impostse preparir urna modiflcacio geral.
11. A dieta pronuncia-ie contra o direitot prolec-
tores, e pede a entrada livre do tarro oa provincia.
Resposta : Nai mudancu, que bio de introduiir-
se oai allandegas, o governo tomar em connderacio os
inleiesses de toda a mooarchla Em quanto entrada
livre do ferro, eiia nio pode conceder-ie.
( GazelU de Cologne.)
{Da fevoluedo de Setembro.J
EXTERIOR.
PRSSIA.
BERLIM, 14 DE DEZEMBRO.
A commlnio nnmeidi pelo rol para redlglr um pro-
jrcto de conitituiclo, terminou ai sui sesiOea, por ter
concluido os seus trabslhos, inbmetlendo o projecto
em quealio 8. M Como o exime e o eatudo deitei
tribalboa exlgam certo lempo, antes da primavera pr-
xima oio poder ter logar a promulgado da oova le
constitutiva. Nesle iotervallo o governo publicar os
tribilbos das dietas, que j esli colleccionsdoi.
{Caseta de Augiburgo.)
(*)
A RAINHA MARGOT.
por 2Hrfonlift Cutiiae.
SEXTO VOLUME.
CAPITULO IX.
A CiMUi,
Allraiesiou o lgubre acumpanliamento, no roaia
profundo silencio, ai dual pontea levidicas da torre e o
grande pateo que precede a capeila, em cujai vidracaa
pallada lu colurava aa figuras doa apolllos em tnicas
encarnadas.
Reapirava Cocannai com avidrt o ar da noile, ainda
que ene ar eaiiveaae rarregado de ehuva ; e lantu eiU
com,, oeuridan profunda Ibe parecilo "iroonjiianciaa
ropicia a aua evuto e du seu oumpanbeiro.
DEM, 98 DE DEZEMBRO.
J distemos que a dieta da Pruna bavia dirigido ao
re varita peticdei sobre a reforma de algumai leii.
Bis-aqui a resposta. do rei s petlcdei abaixo mei
eiooadaa:
1." policio. Tomarem parle aa pesion tecalare
daa corporaedes religiosas nal dlicunoei e reolucio doi
negocio! eccleiiaillcns.
Kesposla : O governo delermlnou J, que o talgos
lossem chamados a formar parlado primelro synodoge-
ni, que se convocar em breve; mu, como est resolv-
vido a oloaceeitar aa propostas de mudenca na organi-
lacio e conitituico da igreja protestante, se oio proce-
derem das raesmas autoridades ecclesiaaticas, nada pode
decidir tobre a orginiacio lutura dos svnodos provio-
claes, antes de ouvlr as propostas do synodo geral.
2.a A reforma da revlsio de cdigos e lotroduccio
do Jury.
Resposta : A importancia deita questio exige tra-
balboa preparatorios mal extensos, que anda no esli
terminados. Reccmmenda-se, pois, s dietas, que es-
perem cem cooflanca o Qm daa deliberaedes daa autori-
dades competentes.
8.a Que se reuni os eitadoa geraea, e se outorgua
ama consiiluicSo para todo o reino.
Resposta : Tendo manifestado aa dletaa, na tua
meniagem de 10 de marco de 18(5, a conOenca, que t-
ntalo na prometa, que Ihe fliemoi em 1843, relativa
ao deienvolvlmenlo da aua initituieio, nio compreben-
domoi por que motivo se reoovio aa pelicei tobre eite
assumpto. Demoa alocaros louvores minora, por ter
demonstrado a ioutilidade deste palio.
* A publicidade daa diicunSea dss dietas res-
tricta a cerlos limites.
Respoita : Nio innuimos esta policio.
AUSTRIA.
VIENNA, 31 DE DEZEMBRO.
Hontem, J ooute, quando chegoo o imperador da
Rutila, acnavi-ie ami multldio i ni mensa e u frente do
palacio da embaixada runa, a qual oaaudou logo que o
reconheceo. Esta manbia bouve urna grande parida,
ataltliodo a ella os dous imperadores, cavallo. Esta
noute o czar Ir ao tbeatro da corle, depoil de ter jan-
lado com a familia imperhl. Antes da tua pirtida ba
ver outro banquete diplomtico e militar, dado em ob-
sequio leu, no palacio Imperial. Contervando o ciar o
incogolto, nio recebar, durante tua permanencia, o
corpo diplomtico, excepto dus representante! dos
estados da Halla, que S. M. acaba do visitar. O duque
de Bordeaux, que se bavia dirigido por eicripto a im-
perador para Ihe pedir a permissio de te Ihe spresen-
lar, recebeo a respoita de que S. M. terla muita satisf-
celo em coobece-lo. A chegada do duque de Bordeaux
e da duquesa de Angoulne, que deseja tambera later
urna visita ao Imperador, devia fer lugar esta manhia.
O archiduque Palatino, o archiduque Joio e o prin-
cipe Gustavo Vasa, recebrio do rei Olbon o convite de
ir p star o Invern a Alhenas.
{Cauta de Augiburgo.)
palacio outro coito religioso tenio o da igreja catbollca.
Pelo que retpeita liberdada de eooicleoela da grio-
duquea Olga, poderla permittir-lhe o aimtir ao seril-
co divino em urna capeila da embaixada runa, ou em
urna dai duis igrejn gregss. que ha em Vleona, maa
nunca poderla autoriiar o ettabelecimento da urna ca-
peila moscovita em seu proprlo palacio imperial.
De tudo Isto retulla, que o rumor, eapalbado em
mullos circuios ariitorratlcos da noiaa capital, de que
o casamento da grao-duqueu encontra grandea dlffl-
Oculdades, be mui lundado, e que a Europa oio deve
oquielar-ie por ora com un. aconteeimento, cuja ese*
cucao be mu difucil.
( Correip. par, do Herald.)
{Da Rcvulucoo de Selembro.)
ALLEMANIIA.
CARLSIIKE 2 DS DEIBMBRO.
Acaba de coneluir-ie entre a liga dai altaodegai a a
anembla de ai^ciacao dot impoitot um tratado pira a
tuppreitio do contrabando. Este perigoso e immoral
trauco, exercidoem grande ponto em toda a extanslo
dn frooteins cuitara todos os innoi vida e a libar
dide a contideravel numero de petsois; mu, desde que
leiupprimirioai barreirai, que leparavao o diverso!
piizei de Allemanbi be mui riro, que o cootribindo
doccuiio a luclu eocarnicadis. Apenai ae eitabele-
ceo a liga dai alfindegn illemin, supprimio-sa
geodarmeria pruuiana nn frooteiria e a guaroicio
detti cit boje confiada aot guardaa dai alfandegaa all
eitabelecidii.
(Gaiette d'Augtbourg )
{Da Revoluto de Selembro.)
f rop
Vida DUrU .' 59.
Quando elle, ao entrar na capeila, aviitou a Ireipaa-
aoa do altar um vulto inerte deitado por trra eerobru-
lliado n'nra capolo brinco, e reconheceo que era La Mo-
ta, foi-lhe precia toda a aua vontade, toda a iim pruden-
cia, pora nlo sallar a bailo da padiola, na proarnca doa
aeui oonductorei.
Oadoua que aoompanhavio a padiola, havilo fioado
fra da porta.
Poia que noi con cedem eala auprema grac de no
reonirmoi anda urna vea, diiie Cooannaa flng'indo vos
lnguida e laalimuaa, cnndun-me para junto do meu
amigo.
O oonductore que nenliuma ordem linbao em con-
trario, oto poieriii duvida em aaliifsicr a vontade de
Cocannai.
La Mole ealava trille e pallido, com a eabeca eoeoita-
da ao marmore da paredo, oa cabello p'retoa, banhadn
de mor, qae davao-llie crdoroitu a leanellianca do
marfim, pareciio ter-ae coniervado erricndos,
A' um ngdal do gaarda-cliavet, o duui criadoi reli-
rrio-ao para irem chamar o padre, que Cocannai pe-
dir.
Era o lignal convencionadu.
Cocanaas ancioao na seguit cora a viata ; mas nio era
elle o onico, que tinliu o olhoi fitoa neiaea homeni.
Apena, deaapparecriu catea, aurgirio de iras do aliar
do, mulbere, preiuroiei e cheiaa do alegra e de ape-
ra nca,
DEM.
Quando a Imperatrii da Rutila veio para a Italia
com tua Alba, o Imperador tornou de novo agitar o
projecto do seu casamento ; e para facilitar as nego-
ciarles abandonou a presencio, deque fossem educadas
oa rellgiio moscovita as (libas da grio-duquea Olga,
contentando-se com pedir que ella podeite exercer II-
vremeote o seu culto, e que em Vieona, ou em Praga,
oode reside o archiduque Estevio, como o vlce-rel da
Bohemia, tivesseuma capeila particular da rellgiio gre-
ga. A respeito dos fllhos, que naicesiem deite casa-
mento, o Imperador consenta em que foiieo todos edu-
cado! oa rellgiio cathollca, o que era urna coocestio
immeoii da sui parte.
Apelar disto, a corte de Vleona nio acceitou etta no-
va conceitio. O imperador de Auitria, que tem o ti-
tulo de migeitide apostlica, nio pode tolerar oo aeu
ITALIA.
ROM*, 29 OEDRSEMBR0.
Hontem (28 de deiembro) o conde de Neielrode
leve a oitaia contarencii com o cardeil Lambrutchini
sobre o modo, por que ba de terminar a deaavenea en-
tre a Santa S e o gabinete de S. Petenburgo. Nio ae
pode affirmar, que a Runia venba a conceder o que
primeiro recutou, maioquehe verdad be que se
promptilicia reipeitir oa dueiloi da igraja catholica.
O Vaticano nio pode exigir maii. Circulio por aqu
libuloi italianos e fraoce/es em que sa denuncia, pe-
raote o tribunal da humioidide a desgracada sorte
das (reiras polacas refugiadas em Roma. Eat prepara-
da ums circular dirigida aoi biipot citbolicot da Al-
lemanba a qual Ibel indica o proceder, que bio de
adoptar relativamente aot dlsiidentei. Affirma-se, que
por todo o mei de Janeiro tahir a autorisico do Pipa
para a comlruccio doi caminhot de ferro.
O Sr. Gallillo Ayema enctrregado de negoeiotde
lluspanha depoil de receber novia communicicdeido
teu governo, fui boje (25)declararao cirdeal Lambrus-
obini, que, no discurso de abertura dai crtat, a ra
nba Isabel annuncia'ra quesera apretenlido ao par-
lamento um proje to de lei sobre a d laco do culto o
clero, eque.iegundo commuaicaces odioiaei.que lioha
recebido seria a dotacio tirada doi ben* da igreja oio
vendido!, cootribuindo as provincias como que fal-
lase. A Ssnts S recebeo com latislaco etta noticia.
Mr. Rost timbem recebeo deipacbos doieu governo
tem tido muitas conferencias com o eardail Lambrui-
cbinr.
IGaeette do Augebourg. )
(Da\ Rivolucao de Selembro.)
Margarida correo a La Mole, e o tonmu noa braco.
La Mole lollnu um grito horrivcl, um deaaea grima,
como Cocannai tinba uuvido no calabouco, e que quaai
o lornio lonco.
MouDeoa! o que lie, La Molo? dille Margarida
recliando de horror.
La Mulo inllou um gemido profundo, e levou ai mioi
ioi olhoi como para oceultar a villa de Margarida.
Aterrada aiuda mai deite lilenoio o dene geito do
que do grito de dr que La Mole tullera
Ob I exclamou olla, que tena tu enlioP eiti todo
eniaogueutado.
Caaaanai que te havia bocado para o aliar, a ahito,
mado opunhal, e que j ealava abracado cam Deln-
quela, vullou-ie.
LevanU-le, meu bem, disia Margarida, levanta-te,
eu l*t> aupplioo. Bem vea que o momento lie rliegaiin.
Um horrendo aorriao de tiistesa panou ligeiro pelo
labios lvido* de La Mole, que pareca nlo dever maia
aorrir.
Chara rainha, dase o mancebo, nio havieii no
voaaoa oalcnlaa contado com Calherna, e por conae-
guinte cni um crime. Soffri a tortura, rreus uiaoi es-
li quebrado!, ludo o meu corpo he umachaga, o
movimrnio que neate matante Cafo para imprimir u
meus l.bio. sobre a v.. ttvuls, mu cauta dores bh'h
pnogenlea do que a morte.
HOLLANDA.
HAVA, ^3 DE DBIEMBKO.
Em comequeoci di oppoiici extraordinaria, que o
mimatro do interior, bario de Scbimoeipennnck, tem
encontrado ni ditcusiid de tres projactoi de lei, por el-
le ipreientadoi, nn camaraa legislatva, parece que
eaU a final resolvido a pedir a tua demiiiio.
(Folka Litograpkica.)
[Da fevoluedo de Selembro. )
E cm erTeilo deo nra beijo ni fronto da rainha, maa
com tal e.forco que aiuda maia lvido le tornou.
A tortura! exclamou "Cocnas, ella lambem la
me applicou; mu o verdugo nao fes entao por li o que
fet por mini ?
E Cocannai referi tudo o que ao havia paiaado.
Ah diue La Mole, iatn ae explica bem: tu deile-
Iho a mao no da da nona visita ; au eaqueoi-me de que
todoi oa liniiiena a0 irmftoi fit-me HeHenhoao. Dooi
me piiuii do meu orgulho ; rendo grifai i Deoa.
La Mole juntou aa niioi.
Coca una. o ai daai dimu encarario-ie itterradoi.
Vamoi, vamoa, dine o caroereiro, que tinba ido
al a porta eipreilar, vamoi, nio peroaii lempo, charo
M. deCocaniiai; venhi a minba tacada, e arranjai-mo
nlo como digno fidalgo, porque elle nlo tardo.
Margarida havi*-ae ajuelliado junio La Mole : dilie-
rea una do.aaa figura, da marmore ourvada aobra um
lumulo, ao p do auoulacro daquelle que ah foi encer-
rado.
Vamo, amigo, diue Cocumas, ouragem I eu sou
furto, cf rregar-le-bei, pr-le-lioi a cavallo, auiler-teliei
meamo dianle de mira, e nlo podere segurar-te na ael-
la, poreui parlaauoa, parlamos ; bem ouve o qua noa dis
ello liunrado hoiucni, lrata-ae da vida.
La Mulo fea um eafuruo aobrehumano, um eiforcoau-
blime.
ra verdade, trata-ae da la vida, diaas elle.


A FOHE NA IRLANDA.
Carla de lord Cloncurry, par do rimo unido da Gr&o
lrelanha, ao lord lenle govirnardor /eral da Ir-
landa, por S. M. B.
MANSION-HOSE, DS.WSON-STREET, 7 DE NOVEMBRO
DB 1846.
Sr.Como prndenle de umi commiisio compol-
la de eavalheiroi summameote retpeitaveis, de todas ai
clnsses doopinioes poltica* e religiosas, nomeada nutria
prjima reunido publica doscidadaoa de Dublio, pre-
sidida pelo muito honrado lord mayor, incumbe-me
o dever publico de ofTiuiar-vos, como coocelheiro
res ontavel da man graciola aoberana, o que cumpro
com o maii sincero rntpeito, e do modo o maii aolicito,
para intocar a tosa maia plena maia immediata al-
inelo aobre o atTJictivo e perigosittimo eitado actual do
povo da Irlanda. Podemoi asseverar-vos, que a noca
informaran bo lio eiacta quanlo minucioia ; que esten-
de-se a todo ai partea da Irlanda, e be derivada de
(ontes inteirament eitranbas a qualquer motivo de par-
tido ilgum poltico. Ficai certo, Sr., de quevosdiie-
moi a maii tingela erdade, quando voi informamoa de
queoperigo da lomo be immediato e urgente; e le
nao lr arredado pela acti*idade do bomem, e pelo fa-
vor de urna Providencia misericordiosa, viri dar em
resultado urna prite das niais horroroiai.
.Solemnemente voi asieguramoa do nono pereito
conheamento do que a destruicio da colheita da batata
bo extremamente extensa, com alguma ligeira miliga-
io om localidades eipeciaoi; mas, como a calamida-
do bo geral, esleode-ae a todaa aa provinciaa e a todos
os condados da Irlanda. Nem para aqu o mal; porque
de dia a dia vai a molestia progredindo. Porcdes de ba
talas, que num dia se acbioapparentemente em esta-
do sao, veem-ie no seguinle parcial, te nio inteira-
ment improprias para alimento bumano ou mesmo de
animaos ; a molestia, que be por aua naturea contagio-
sa, vai, aegundo noa consta, granando cada dia e cada
hora mais e mais ; nem lifundamento algum resoa-
vel para etperar-se, que esta pulrefaccio, que se difTiin-
dn largamente, encontr algum outro limite senio na
destruicio de urna colboita inteira de batatas. Nao pre-
tendemos de modo algum desacetar-vos, bem longe
disto; masdesejarnos impressionar em vosso espirito a
tremenda retponaabilidade em que incorrereia, como
principal concelbeiro de S. M., se o vosso governo he-
sitar em adoptar as minhaa promptaa e ampias medidas
poisiveia para minorar a inminente calamidade Ao
passo que, se vos besitardes, te hesitar podis, o povo
da lildinl. est prestes a perecer em multidOeasem nu-
mero. Seja-nos permittido recordar-vos respetosa-
mente o relatorio de lord Devon na sessSo pastada,
onde acharis, ou antes, por onde temos por certo, que
ja eslau scifnte de que so calcula mnntarem os agricul-
tores irlandezcs e suas lamillas a maia de -1,000,000
do entes humanos, cujo nico alimento be batata; cuja
uni:a bebida he agoa ; cuja casa be per me. sel chu-
va ; para quem urna cama e um cobertor sao objeclos
do luto quasi desconbecidos; e que sao mais desgrana-
dos do que qualquer outro povo da Europa. Chama-
mos respetosamente a vossa attencSo para o fado de
que a precedente descripcio do estado dos camponeies
da Irlanda loi publicada muito antes que exististe, ou
bouvesse o mnimo receio domis afllictivo flagelloda
Providencia na destruicio da presente colheita. Se, pois
tal era a condicio deuma grandeporcodo povo irlandei
anda com colheitas favoraveis, fcil ment julgsreis
em vossa bumanidade, quaesdevem de ser os horrores
da sua situatio, ae se consentir, que a prxima lome
envolva a populacio inteira.
Nos vos imploramos, Sr., que nao vos deixeis
persuadir de que exageramos os horrores da certe/.a da
fume prxima; face do co, que nio temos motivo al-
gum para illudir-voa, ou mal informar-vos; e ainda
quando o tivessemos, podis acreditar que somos inteira-
ment incapaies de obrar por um tal motivo : o nosso
nico Tito he imprimir em vosso espirito o laclo qual o
conbecomos, de que a lome e a peste esli as nossas
portas, e que spodem ser alistadas pelas mais ampias
e activas precaucei. A estadio para receberem-se sup-
priinentos do manlimentos estrangeiros vai passando
rpidamente; os porlos meridionaes da Europa, aasim
como tambem os das colonias americano-inglezas,
o os detestados noria- americanos, brevemente so fe-
chars, at que ser muito tarde para receberem-se pro-
visoes desses paires. Outroi paite estrangeiros, aflligi-
dos por igual calamidade, ja ae leem anlecipado a nos
no mercado, e viio diariamente encarecendo o preco
dertat provisSes, sobre o qual podena alias o nosso go-
verno calcular. As vidas do povo da Irlanda esli as
mies do vosso governo. Se nio vos determioardea
dar inmediatas providencias, nio podemos contemplar
a extentio das ho.riveii consequencias rcsultantei da
destruicio do sustento do povo, e da falla de proteccio
da paite do governo. Somot incapazet de empregar
lingoagem alguma, que se possa interpretar por dctame;
mas declaramos respetosamente ser nossa cooviccio,
que be imperioso dever do governo adoptar algumaa
ou todas as medidas seguintes, com outras semelhantes,
que o governo julgar conveniente!, para obviar o mal,
E quis crgucr-tr.
Aniiili.il loinou-o noa bracos, cp-lo ero p. No cu-
mulo La Mul faiia ouvir aumente urna eapecie de rugi-
do surrio; man, no intmenlo cm que Cocumas odeixa-
ra para ir ler com o guarda-chaves, e quando n paciente
ficuu a austentado pelos bracos de duaa mullicrea, na
pernal dubrarSo-ee-lhe, e apeiar dosc.furco JeMiir-
garida, debulhada em pranlo e lagrima, cabio como um
corpo inanimado, c mu grito que faiia cortar oa oora-
edea, fea remar um echo lgubre da capella, o qual vi-
bro u por muito lempo aob aa auaaabobadaa.
__ J vdea, disse La Mole, com o accenlu dn agona,
j vdea, minba rainha, deixai-mo, poia, abandunai-me
com um ultimo adeoa voaeo. Nio rallei, Margarida } o
Toaao aegredo ficoo envolto no meo amor, e comruigo
morrer inteiro. Adeo, minba rainha, adeo.....
Margarida, quaii tambero inanimada, enooatoii ao pei-
to casa cabeca lio prelada, e nella depoailou um beiju
quasi religioao.
Tu, Annibal, disae La Mole, tu a quera ai dore.
pouprlo, tu que a aiada moco e podea viver, rog,
fugo, meo amigo, da-me eiaa ounaolacio suprema de le
aeber em liberdade.
A bora pana, grilou o guarda-chavea, vamos, de-
preaia.^
Ilcii.'njucl procurara arrastrar braodamente Anni-
bal, esa quanlo Margarida dejoelhoe e abracada com La I
que se acba imminente :
1.a Abrirem-se os porlosda Irlanda a todss ni es-
pecies de alimento bumano livre de direitoi.
2.' Fecbarem-ae os porlos da Irlanda a exportarlo
da a vea, qur moda, qor inteira.
3.* Diminuir-te, quanto forcompativel com a se-
guranza e o lervico publico, o consumo da atea pelos
regimentos de cavallaria na Irlanda.
4.' Suspender-ie a diitillicao doi grioi na Irlanda,
lomaodo-se a devida precaucio para prevenir-te a illa
citad ittillicio.
5.' Contrabir-ie immediatamente um emprettimo de
dinheiro, oa importancia de um milhio e meio pelo
menoa, e pagavel peloi recurtot irlandeiei, taea como
reparticio daa maltas e florestas, *c, e applicar i* a
tomma deiie empreilmo na 1.* occatio para augmen-
tar-ae aquantidade e diminuir-te o preco do meoti-
mento na Irlanda.
6.* Recommendamoa instantemente a lormagiode
celleiros em cada urna das unioei da lei dot pobrea e
outraa localidades por toda a Irlanda, de modo que se
ponha o mantimento ao alcance de lodoa os seua habi-
tan lis.
7.** Tambem recommendamoa instantemente a ne-
cenidade de se fornecer trabalho ao povo aem demora
alguma, animando-se e auxiliando se a conitrucio de
caminhoi de ferro, e tambem as obras de etgoto, se-
gundo foi recommendado pelos commissarios do go-
verno, e outras de utrlidade geral ou local.
Teobo a honra de aer, Sr vosto obediente servo,
Cfoneurry.
(ThtLtogut.)
MXICO.
Recebemos, por umeaoal particular, importante in-
formaclo relativa i actual posicio e luluras perspecti-
vas do Mxico; a qual lenca grande luz sobre aa relatora
peculiarea doa Estados-Unidos com aquello paiz, nes-
ta crise.
Segundo esta noticia parece, que o Mexieo est as
vesperas do urna nova revolucio proveniente da revolta
combinada, de Paredes no Norle, e de Urea no Occiden-
te, contra o actual governo, aob a presidencia de Her-
rara. Deltas viatas,evidentemente correctas,do estado oi-
tensiio daa cousas nesta malfadada repblica, ede mo-
vimentos mais comprehensivos, e num sitio particular,
podemos esperar resultados,que occasionem bem depres
sa algum acontecimenlo de grande importancia. Temos
visto, que ella diiia, que bouve na culade do Mxico
urna reuoiio dos membros mais dislnctos do par-
tido qne be a favor de unir-secom o governo dos
Estsdoi-Unidoi, a fim do se livrarem do jugo mi-
litar, sob o qual teemgemido, baviote ou trila annos.
Alm das raides que temos para acreditar, que ba algum
fundamento para este boato, recebemos noticia, na qual
eremos, que ae pude conGar.de que no anno passado um
ou mais agentes andirie crutando os Estados-Unidos,
para o fim de averiguarem a condicio do sedimento
publico neste paix e a exiquibilidade deuma uniio cow-
nosco psra o futuro. Fomos informados de que eite
agente era um ecclaiiaitioo enviado pelo clero catbolico
do Mxico, e foi 'randado a urna minio particular pa-
ra o mencionado fim. O tacerdocio catholico daquelle
paiz ebegou, pela experiencia doa ultimoa annoi, i con
clutao de que nio ba nutrir esperance alguma de
ver jamaia um governo bem regulado no seu malfadado
pai/, aem alguma grande e extraordinaria mudanza da
especie, a que nos temos referido.
Da mesma fontede informacio temoa colhido, que
os padrea catbolicoa do Mxico, depois de deliberarem
e ponderarem bem aobre a materia, etlo ditposlos
ajudarem a verificar a uniio, e a formar assim comnos-
co urna s repblica. Elles preferem antea etta remi-
tido do que viverem 10b a forma actual de governo mi-
litar, ou mesmo do que reverterem ao dominio da Hei-
panha
O agente enviado aqui pelo clero mexicano reconbe-
ceo no decuno da tua investigelo, que, legundo ai
lea e nililuiroesaos Estados-Unidos, oa catbolicoa lio
protegido!, animadoi, e poatoa noa mesmo parallelo,
que todas as outraa religiOes. Sob o nosso sabio gover-
no tam o leu numero duplicado em poucoa annoa, e aa
mai igiejai, os seus estabelecimentoa religiosos e eccle-
tiaiticot, teem chegado ao eitado mait florecenle e i na
ginavel; pelo contrario, oa raeimoi eitabelccimenloi
no Mxico, num paiz inleirameote catholico, teem
aido arruinados, despojados e aequeados pelos (yrannos
militares, quetecm reinado naquelle paii, um aps
outro, durante o ultimoa trinta annoi.
Esti noticia be summamente inleresaante, e como
consta, queesti para baver um grande concilio ameri-
cano do bispos clholicoi emallimore em maio prximo
futuro, nio nos devoremos admirar, se virmos chegar a
Baltimore delegados dos catbolicoi do Mxico junta-
mente com delegadoi de Cuba e talvex do Hay ti.
A probabilidade deitaa vistes he que num dia bem
prximo terk lugar a uniio entre o clero catholico do
ambos os paixea; porque, se o clero mexicano, que
posauea principal parle da riqueza e intelligencia da-
quelle paix, depoia de averiguar a condicio doa calho-
licos nos Estados-Unidos, quitesse formsr ama uniio
comnosco, as laccOes militares nio poderiio impedi-
la. Baatava, que o clero da confederarlo mexicana de-
terminasse, que se ella fixease, para que elle e o povo
derribaste logo os seut tjrannos militare!.
A perspectiva est aborta, e aa prximas noticia!
hio de ser muito inleremntea.
(Wetkly Hirald.)
PERNAMBUCO.
Mole, ouiu oa cabellos sollo, e oa olboa raaoi d'agoa,
pareca urna Magdalena.
Foge, Annibal, replicou La Mole, foge, nio des a
iioiioi inimigoi o praxcr de verem a morlo do doua iu-
noeentea.
Cocuma ciquivtiu-io Uonriquela qne oontinuava a
attrahi-lo para a porta, eomn gealu auluiune, quaulo ae
bavia turnado ruegeiluau:
Srnbora, di.se elle, dui priinciru na quinlieiitua es-
cudos que promeltemua a cite bomem.
Ki-loe aqui, diste Henriqucta.
l-ntlo, voltando-ie para La Mole e meneando a cabe-
ca triatemenle:
Tu rocinjuriae, nieubom La Mole, disae elle, pen-
sando um ao unanle que cu podeaae dt-ixer-tc, Nio ju-
rel eu vivir emurrer com ligo? inaa tu padece tanto,
dcaventurado amigo, quo ludo le perdn.
E resnloto tornou-ae a dellar ao p do aeu amigo, pa-
ra o qual voltou a cabeca, e tocou-lbe a fronlo com oa
labios.
Drpoia, com a delcadea de urna mii para aeu filho,
fui ageitando a cabeca do amigo, al que a repnuaou ao-
bre ii aeu pe in.
Margarida eatava carrancuda e melanclica,'o havia
apanhado o puuhal que Cocannaa deixra cabir no rlio.
Oh! ininlia raiuba, diaac L* Mul oalendendu-lhe
oa bracos, ao ver e oomprebeuder a aua auyi, uiiuba
Assembla Provincial.
SESSAO EM 13 DE MARCO DE 1846.
PRESIDENCIA DO SR. SODIA TEIXBIBA.
As II boraa da manbia o Sr. 1.'secretario fax
chamada, e verifica estarem prevente!21 Srt.dcputados;
fallando, com causa participada, oSr.Neto, e lean ella
oaSn. bario de Suaiiuna, Pedro Cavalcanli e Figuei-
redo.
O Sr. Prtiident* declara aberta a sessio.
OSr. 2.' Secretario Id a acta da sessio antecedente,
que he approvada.
O Sr.\.'Secretario menciona o seguinle
BXPEDIENTH.
Um offlcio do secretario do governo, participando,
de ordem do Exm. presidente da provincia, que, logo
que teacbe impresio o orcamento da receita e deipeta
provincial, serio remetlidoa o neseaiarloi exemplares.
Inteirada.
Outro do mesmo secretario, enviando, de ordem da
presidencia da provincia, o requerlmeoto do vinario da
Iregueiia de S.-Joi-d'Agoa-Preta, e da reapectiva tr-
mandade, pedindo urna quota para a edifleacio da Igre-
ja matrlx da dita freguoila. A' eommissio de negocios
eccleiiaiticoi.
Um requerlmento do padre loaquim Rafael da Silva,
prnfeaior publico de grammatica latina da beirro do
Recife, representando, que, tendo-lhe a aisembli con-
cedido a gratlflcacio de 800/000 para aluguel de cata,
negou-se a lliesouraria provincial ao pagamento do
quartel, contado do l.'de abril ao ultimo de jolho, com
o fundamento de que a quota marcada para essa gratl-
flcacio devia prineipiardo I.' dejulho;epor ino re-
querendo.que le Ibe mande pagar o mencionado quartel.
A' commuio de fatenda e orcamento.
Outro de Pedro Delgado de Borba, arrematante do
impoalo de 2/500 rs. por cabeca de gado vaceum consu-
mido nos municipios de Saoto-Aotio e Po-do-Alho,
pedindo a reciso do mesmo contrato, ou o abatimento
de um terco no preco do referido contrato, alteoto o ca-
tado desgrasado da provincia por causa da aecca. A'
com minio de fuenda e orcamento.
Outro do mesmo secretario, participando, que o Eim.
presidente da provincia tem designado o dia 16 do cor-
rete, pelaa 13 horas da manbia, para teceber, no pala-
cio de sua residencia, a deputar,io, que tem de agrade-
cer ao mesmo Exm. Sr., por parte da assembla, oa re-
lvenles servicos, que ba prestado i provincia, como
presidente dalla. Inteitodm,
O Sr. 1.'teerelarto Id o seguinle projecto, que be
julgado objecto de deliberarlo, e mandado imprimir.
a A asssembla legislativa provincial de Peroambuco
resolve :
Artigo 1.' A torca policial de toda a provincia
para o anoo de 1846 a 1847 constar de um corpo de
infantera com 394 pracas.no leu estado completo, com
a oigaoiiafio que tem actualmente.
a Art. 3.' Fioa desde ja aulorisado o presidente da
provincia a elevar a referida furia al 60 pracaa, sub-
jeitando eite augmento e a orgaoiaclo do corpo is
alteracoes, que reclamaren! necestidadet pul licas.
Art^Ficio revogadas todas asleisedisposicSesem
contrario.
a Paco da assembla legislativa provincial de Per-
nambuco 12 de marco de 1846. Carvalho Mtn-
donca.Machado fio:=-Joii Pedro da Silva.
OBDEM DO DIA.
Segunda diieuttj do projecto n. 1 diste anno.
Ileapprovado tem ditcuaiio.
O Sr. 1.' tecretaro declara, que se acba otante
aala o Sr. deputado Tiburtino Piolo de Almeida.
Introduiido oa aala o Sr. deputado, preitou jura-
mento e tomou asiento com as formalidades do eslylo.
(Conlinuar-se-ha.)
Cmara Municipal.
SEGUNDA SESSAO ORDINARIA AO 9 DE MARCO
DB 1846.
PRESIDENCIA DO SR. MELLO CAVALCANTI.
Acbando-se presntelos Srs. Ramos, Oliveira, Car-
neiro Monteiro, doutorNery da Fonseca e Reg Bar-
ros, tallando com causa participada os outros Srs., a-
brio-se a sessio, e foi lida e approvada a acta d'antece-
deote. O aacietario interino, dando cunta do expedienle
mencionou um ufficio do Exm. presidente da provincia,
em que ordenava cmara, bouvesse de, com urgencia,
proceder i nova apuraeto dos votos para membros da
assembla legislativa provincial na actual legislatura,
com exciusio dos collegios do Cobo, Garanbuns e Ou-
ricury, por assim baver reaolvido a mesma assembla,
em virtude do psrecer da eommissio de poderes; expe-
rainba nio eaquecaii que en morro para arredar al a
menor auipeila do nono amor.
Maa que poiao eu cntao tater por leu amor, ez-
clamou Margarida dcioiperada, ae nio pono nem mor-
rer por li?
Tu ptidcs, reipnndeo La Mul, faiar que a morle
me aejn auave, ede algum mudo al riionba.
Margarida ohcgou-ae para elle, juntando aa ralo, co-
mo quem Ihe pedia quo rallaaae.
Lembrai-te daquella nnile, Margarida, em que em
cambio da minba vida, que enlio le offereeia, e qno bo-
je te duu, roe Alale urna promeaaa aagradap.....
Margarida aobreaallou-ae.
Alil lembraa-le, proieguio La Mole, porque ea-
trrmeceite.
Si na. aun, lembro-nie, date Margarida, e pela mi-
nba alma, Jacintho, esta promeaaa, euacumprirei.
Margarida ealendeo, dondo eatava, a mo para o al-
iar, como para aeguoda ves tomar a Deoa por teateron-
dba do aeu juramento.
O roato do La Mole illuminou-ie, como le aa abrir
abobada da capella, e bouvera uro raio acicale deacidi.
obre elle.
Alai vero gente, ah vein gente, di.ie o guarda-
chavea.
Margarida aollou um grito, o preoipitou-ae para L
Mole; roaa o temor desjaplicar-lhoaa dore a auapeaduu
IrciuuU ntu elle.
dindo-se depois os oompeteotes diplomas sos eleitos.
Ioteirada, e deo-se piincipio referida apuracao.
Outro do fieal da fregueiia de S. Antonio, in|or.
mando a pretenclo do boticario Jos Alexandre Rj^,.
ro. Ioteirada.
Outro do Bical dos Afogados, participando tero cid),
dio Fraooiico Carneiro Machado Rioa mandado tapar
a cambOa, que ba muito exiitia na roa do Quiabo da-
quella freguexia e que dava esgoto ai agoaa da cho-
va.Remettido ao engenheiro cordeador para ioformit
circumatanciadamente.
Maodou-se ouvir eommissio de eJificscin sobre
pretencio de Maooel Francisco de Moura, que pd, pr.'
sidencia foi enderacada a esta cmara para informar.
Foi remettido eommissio de policia o requerneq.
to de Innocancio da Cunha Goianna, que pedia a re-
integrado do lugar de liacal da fregueria deS. Jot,vt~
tas ai n?6n expeodidaa em dito requerimeoto.
Deipacbrio-ie ai peticOes de Jos Alexandre Rt'baai-
ro, Manoel Gomes Ferreira, Maooel Ferreira Ramo,
e Franca & Irmio, e lovantou-so a teiiio. Eu, ,,j
de Fianca Mello Jnior, secretario interino a etere-
vi. Mello Cavalcanli, pro-preiidenle.Oln>Ta _
Ramos.Carneiro Monteiro.Dr. Neryda Fonstu,
TBRCEIRA SESSAO ORDINARIA DE 10 DE MARCO
DB1646.. v"
PRESIDENCIA DO SR. MELLO CAVALCANTI,
Acbando le preientea oa Sra. Kamoi, Oliveira, Cjr.
neiro Monteiro doutor Neryda Fonsoea, faltanJocom
causa participada os maia Sn. loi lida e approvada i
acta da antecedente. O secretario interino paiiicipoa
nio baver expediente, e continuou a oova apuracio dos
votos para os deputsdos provinciaes da aetual legislalo-
ra, e dada ahora levantou-te a sessio. Eu, Lunfa
Franca Mello Jnior, secretario interino a eseravi,
Mello Cavalcanli. pro-presidente. Hamo: Oli-
veira, C'ateiro Monteiro. Dr. A'sry da Foniete,
)\
COMME^CIO
Alfandega.
BBNDIMBNTO DO DIA 13................4:805*097
Desearregav hoje 14.
Barca0proy--bacalho.
BrigueMary-Queen-of-Scetimercadorias.
Consulado.
RERDIMENTO DO DIA 13.
Oeral. .... .,..,
Provincial.........................
Divsraat provincias................
4:041*882
1:378*917
154*314
5:573*113
illoviiiit'iilo do Porto.
Navioi entrados no dia 13.
Babia, 14 das, brigue ruuiano Alexander, de 260 to-
neladas, capilio Joio H Prensi. equipagem 12, car.
ga laitro : a M.*Calmonl di C.
Palagonia, 40 das, brigue ingles Commerct, de 'OS
toneladas,capilio George Crawel, equipagem 13,car-
ga guano: ao capillo.
Genova, 58 diaa, brigue sardo A'chille, de 222 cane-
ladas, capilio Aogelo Joio Baplitta Borroni, equi-
pagem 16, carga lastro : a Le Bretn Scbramm & j
C,Segu para a ParahiDa.
Philadelpbia 32 diaa, barca americana Globt, di
260 toneladaa, capilio Nicols Esling, equipigea
14, carga farinba e mais gneros : a L G. ierreiu {
ye .1
Macei, 2 dias, sumaca brasileira Santa-Cruz, de 81
toneladaa, capilio Caetano Pereira da Silva, equi-
pagem 9, carga carne tecca : a Amorim lrmiot.
Cara sellas, 32 diaa, biate brasileiro Conceicdo, de 31
toneladas, capilio Manoel dos Santos Fontes, equi-
pagem 8, carga farinba : a Manoel Joaquin Ramo |
Palagonia, 33 dias, barca inglesa Bengal, de 324 to-
neladas, capilio John Errington, equipagem 14,
carga guano : ao capilio. Condux40 marinheiro |
e 3 capities de navios,que naulragiiona Palagonia.
Edilaes.
es O Illoi. Sr. impector da tbeaouraria das renda
provinciaei manda laxer publico, que, em comprman-
lo da ordem do Exm. Sr. prndenle da provincia de 91
do correte, irio 4 prava no dia 15 de abril prximo fu-1
turo, para lerem arrematada! a quem por menoi fii'.
as obraa da cadeia dacidade da Goianna, oreadas ni
quaotia de 9:484*070 n.; ai quaei devorad serexecu-
ladaa aob aa clausulas especiaes abaixo transcriptas.
Os licitantes, devidamente habilitados, compareci ni I
aala dasseuOesds mesma ihesoururia no indicado dn,I
meia dia. I
Secretaria da theiouraria daa reoda provincim I
Heuriquela pul labios na fronte de Cucannaa edif
ae-lbe:
Comprehendii-le, roeu Annibal, e o leu raraclf |
roe cauaa orgulho. O ten horoismo le fat morrer; '"
aiiin-le pe ten beruiamii. Peranle llena amar-ie-li"
srmpre anbre todaa ae oouaaa, e o que M.irgarid. J1''0"
farer por La Mul, anda que nftu aei o que 'ja, J,r*
que por ti farei laaibein.
Eeiiendeo a mSn n Margarida.
He bem dito'. obrigadn diaae Cnoannai.
Antea do dcixar-me, minba rainha, diiie La M0'6'
tima ultima graca viia pee: Hai-me urna Icmbrai't'
qualquer voaaa, que eu |Miaaa beijr ao aubir a palia'
Oh airo! exclamou Margarida ; tome!..... .
i. lirou do pcactiou nin relicariotiulin d'uur Pr"
un cadeia du meamu metal.
Toma, diaae rila, aala reliquia aanta que irag" "
dea infancia, roinha mii in'a deitoii au peaouC'i, 4"
do eu era pequenina, e ella mo amara ainda ; doo-a *
ao tio o papa Cirneme; nuuca maia a tarei. A'|
lena, tnma-a.
La Mul pegou nella, e beijnu-a onm aviile. ,
Abrem aporta, diaae o guarda-chavea "S'i
nhorae I fugi; |,
Aa duaajdamaa ourrrio para tra do altar, P
dtesapparcrrlu. i
mesmo momento enlrava o padre. ^ m, J
N-i


Peroambuco 19 de marco de 1816. O leerelirio,
mi da Coila Porloea'raro.
OBRAS DAS CADEUS.
CtDKU l>* CIDADB IIR COI ANUA.
Clauulai npeciaet d'atrematado.
1. Al obras par o cabimento da cadeia da cidade
de Goiaona lerio feilai pelas formal, tob ai condicdn, e
do modo indicado no oicimeoto e rucoi approndoi, em
g de noembro de 18*5. pelo Ktm. Sr prndente da
provincia, e pelo preco toUl de note contos quatro een-
loi e'oiteota quatro mil e lelenta n., que he o im-
porte do citado orcemenlo coa o augmento de 20 p. o.
1(5. 9:184*070
2.* Ai obrai priocipiara no prazo de doui meiei, e
6oJirooodequozemezei, amboi contadoi em con-
formidade do artigo 10.' do regulamenlo daa artema-
tacdei.
3.' O pagamento do importe da arremataco far-ie-
ba do modo indicado no artigo 15 do rripectiio re-
gulaineoto, sendo deumanno o prazo da reipooiabi-
iidade.
4.' Para tudo o maii, que nio esta determinado pe-
laa preientea cltuiula, teguir-ie ba inteiramenteo que
ditpde o citado regulamenlo daa arremalacoe de 11 de
jolln de 1813.
Repartirlo dai obrai publirai 28 de fevereiro de
1843. O engenbeiro em chefe, PaulAitr.
Odoutor Jote Tkomaz Nabuco di Araujo Jnior,
i'u di dueilo da segunda vara do civil dula cidadi
do 'leafi di I'trnambuco, por S. M. I. tC., lie
Faco aaber, que por te juno te b< Je arrematar
por tend, lindos queeejio o diai da lei e prafa oe-
coaianai, cu|i praca tara lugar no dia 4 de abril de
1840. o pequeo litio de (erra propria no lugar da
Capumga em aliobamento da estrada noia, que ai
da ponlezinha para o lio, eom 184 palmos de largura,
na frente da elrad,e do lado do Norte at o becco, que
tai para o litio do doulor Jacubina 64> itoai. e do lado
doSulpelo meimo beccoabaiio, com 170 dito, dedu-
zindo a quadratura de duaa linhai paralleUi, em a
ter de fundo 79 palmo, to lmenle dando-t o alor
i 3.000 rs. porcada palmo, em a aer a importancia
de 522,000 n ; aaiim mal cinco pi de laranjeirai a
4,000 n. cada um. nio iooluindo outrai arvore por
aeren) egrettei; declaramos outronm, que a coiioha de
taipa Dio esiite, apena o teitigio do lugar, ataliada
atarvore e o terreno na quanii i de 512,000 n.
E pira que chegue ao conbecimento detodoi, mindei
pinar o preonte, que lera filado no lugarea man pu
tilicos deta oidaJe. e publicado pela imprenta.
Dado e panado netti cidadedo Recife de Pernambu-
co tob meu tignal e lello deite juito, que ante i mim
erve, ou alba iom lello, ix-eauia, aoi 6 de marco de
1818. Eu, Antonio Francitco Rodrigue! Magalkdn,
escrivlo interino, o tubscrevi. Joii Tkomat Na-
buco di Araujo Jnior -
Joaquim, eipoio de Sunna Sr. Manoel Alei
Anaoiai..........Ojoten Joa Antonio.
Mi'ael..........Ojoten Jos Joaquim.
Aiariai..........O joen Benvenuto.
Os 2 juitet dos Hebreos. Sri.ConstantinoeFelil
O anjo Custodio......Ojoten Jos d'.A quino
O drama grapa aoieiforcn da lociedide dramtica,
eit de core argumentado. Faltar em dovid aos o-
ens artiitai aquelle desembarazo de pisar e accionar,
que i teadquire com a pratica : a eipoiicio decora-
da eit lubjeita a mil tropero que todot oa dia pre-
aenciamot em muitoi oradoret : est da parle do rei-
peitavolpublico animar ot artiiUa, e desculpir-lbet
o defeitoi.
Os Sri. socios espectadora entrio com 4l n. em rada
espectculo, etoca-lhes ata camarote 6 bilbetet de
pillea, e doutde anndat A commiiso administra-
tita pdef quereodo ) attittir ao eoaaio geral.
Aisigna-te no botiquim junto ao theatro.
mmmmmmmmmmmtmmammmmBm^tmmmm
Avisos martimos.
uli lo qualquer trato ajuste oa rceebimento feito ,
ou "signado pelo dito leu cunhado.
Miguil fctt've A l va.
- No dia 16 do corrente mar le bao de arremattr de
renda annual as casis : o. 1. tita na trateita do Carmo,
de dout andaret, ataliida em 400}' n. por encu-
eto da fazeuda provincial contra Joio Baptitla dos
Santo ; outra na ra do Amoriin n. 29 ataliada
,m ?^' Por etecupio contra Querino Antonio do
Espirito Santo; outra na ra di Guia, n. 61, ava-
llada em 380a n ,- por eiecucio contra Mano Ito-
Iriguet dot Pastos ; outra oa ra de S. Francitco ,
ir cantar n'aquella capiul (hojejett fechado o con-
trato ) :del parte disto ao Sr. Ollveira, que maltratou-ine,
dizendo-me na cara, que eu naoprestava mata para can-
tar; mas nao me desanime! com isso (por er o Sr. Oli-
rrira queodlzia j, e por isso dri parte a todos oa inrus
amigos do tal cngajaiiiClito, c todos me aconselhar.io
deoaeceitar; torael a Tallar com o Sr. Oliveira e elle
tornou-mea dizerque cu nao fazia nada, masque perde-
rla o met lempo indo para a corle, oque emrhn nzesse
o que hem me parecetse, que elle uo se importara com
isso. -Donadlas Tomos ao seu sitio por seu ron vito ( a 21
de dezombro p. p. c no I." do corrate anuo), enot for-
iiii a cantar os dias inu-iros com pequeos intervallos; e
porque na segunda vez nao quizessemos cantar tanto
como na priiueira. elle zingou-se : quando Toi o bene-
ficio de nmili.i seuhora, lodos me pcrguntro, se o Sr.
n. 43, avahada em 54* rt. por eiecucio contra Joio I,,,
Antonio .1. r.ir ..i.. ..... a n i- I Ollveira me tmha pago 100*000 reas pelo seu camarote;
* o .. ,lr '. "f" "" rui. d' C,mr"D "''- eu ua-o loubc responder. ...'.cucos dias depola veioo seu
Ignacio dos fnii Campillo, fical da riguixia di S.
Jote do Hecife em viriud da lei. ele.
Facoconitaraosbabitantetdi meima freguezia, que,
teodo ja entrado no oiercioio da nimbas fjnccos, poi-
co ter procurado na ra do Padre-Floriiono, cala n.
40. Recife, 13 de marco de 1816.
Ignacio dot Itiii Campillo.
Derlaratvao.
=a O anenal de guerra compra 60 reimii de papel
carluzinbo ; a pesso, que dito papel titer para vender,
mande ao dito anenal, ale 14 (boje) do corrente, amos-
tra do meimo e propon em carta fechada.
Directora do anenal de guerra, II de Marco de
1846 =0 eicripturario Francitco trafico di Aitie
Carvalko.
THEATRO PUBLICO.
A nota lociadade dramtica em consequencia do le
abrirem ai Santal .MissSe neita cidade fari lmen-
le ai tre reprosentacoot dot din de gala leguintei :
25 annirertario da constituidlo e 4 de abril io-
dos de S. M, F. a Senliora D. Mara da Gloria ; po-
lm teiiipre com peral tacrai eilrabida da tagrada ci-
cripturi.
Quinti-feira, 9 do corrente marro, le repreientar a
grande
PECA SACRA.
Intitulada
NABUCODONOSOR TRANSFORMADO EM
BRUTO
DIUOII) V EM 5 ACTOS
Primeira part.
O lonho da eitatoa compo.U dol quatro* metaet,
que lignilieatio os quatro imperios anio peni,
grego e romano.
A pedra deicida do Calvario que, dando noi pi de
barro da ettalua, a derrubou para lempre.
Segunda parle.
Daniel lineado no lago dot ledei.
O anjo Custodio eonduz pendente por um cabello, de
Judea a Babilonia, o propheta Habacuc, pai de Daniel,
lotaodo-lbe a comida que dettinata para o ieui tra-
balhadore do campo.
Terciira part.
Ananiai, Mnele Azarin por nio querem adorar
i Nabucodonoior, tio Isncsdot no (orno ardendo : o
forno te transforma n'uma vitloto )*rdim : al almai dol
3 menino tobem ao co.
Quartei parte.
O doui velhot juizei o poo hebreo eccomettern
Suzana no limbo : ua reiitlencia be accutadi fal-
lamente de adulterio : Nabucodonoior confirma a ico-
tenca; be tranformado em bruto.
Quinta parte.
I.ivramento de Su>ena, condemoicio dot Velhot jui-
las dnlruiciodo dngio dolo dol Uablonioi, ip
pincio da Gloria.
Penonagem,
Suzana,filha de Heleia.....A joven Jeiuina.
Abigail, toa amiga A joven Candida.
Racbel, prima de Suzana ... A joven Cosnia.
Nabucodoaosor, rei da Ania Sr. Jos Alte.
Malazar, aiordomo do rei .
Anoche general anirio .
Daniel, propheta. r.3
Habacuc, propheta.....
O patacho Oliviira ltimamente chegado do
Rio-de-Janeiro pretende leguir iigem em muilo
poucoadiai, para a ilha de S. Miguel, por j ter a
bordo pirte de teu carregamenlo : e como eiteja resol-
tido a faier fretea miii em eonta quem nelle qui-
zer carregar, ou ir de paitagem dirija-te ao capillo
Antonio Francitco de Rezende na praca do Commer-
cio ou a Joio Tavare Gordeiro ni rol do Viga rio,
n. 13.
- O brigue brasileiro Emprrrxa sahe para o Cear,
quarta-feira 18 do corrente imprelerivelmente ;
anda tem lugar para alguoi pntageiroi : a trta-
te com o leu capitio Francitco Ferreira Borgei ou
com os coniigmlirioa Francitco Set- rianno (tabello Se
Filho.
= Pira o Rio-Grande-do-Sul, com eteala pelo Rio-
de-Janniro legue, com hretidade o brigue nacional
Competidor ; recebe cirga a frete lmenle para o Rio-
de-Janeiro bem como pimgeiroi a etcravoi : quem
pretender, falle com Guoiei A Irmio, di ra de Apol-
lo n. 2.
Para o Aracaty, a tahir al 25 do crranle, o bri-
gueeacuna nacionsl Aguia : pira carga e panageiros,
trata-ae eom Novaei & Companhia, na rui do Trapiche,
n. 34.
Para Genova sahiri com bretdide a muito
veleira barca tarda Be/ronti de que be capitio Cae-
lano Gaizolo por lerj i melado de tua carga promp-
la : quer. quier carregar ou r de panagem para o
que lem muilo bon commodos dinja-ie ao leu con-
signalano Jos>; Saporili na rui do Trapiche n. 34 ,
lerceiro andar
Para o Rio-Grande-do-Sul legue vigem empou-
coi din o brigue brasileiro Novo-Lxibo. capitio Jote
Alve; recebe escravoi a frete e panageirot: quem pre-
tender, entenda-te com Manoel Ignacio deOlieiia. na
ra de Apollo, n. 18.
Le/lllO.
, Sr. Lima.
, Sr. Albino.
. Sr. Manoel Aolenio
Sr. Albino.
- O corr-tor Oliveira (ar leilio de muitai fizendat
no estado de outraa com avaria, por conta e risco
de quem pertencer, e de virin outras limpas e pro-
liria do mercado, detendo eitat ter ondulas a pra-
zo, e aquellat a dinheiro : terca (eir, 17 do corrente.
s 10 iiorai da oaohia em ponto, no teu eicriptorio,
ra da Cadeia.
Ivisos diversos.
O LIDADOR.
O n. 93 acbar-ie-ha a venda n 5 bom da tarde, na
praca da Independencia, livraria ni. 6 e 8.
=An(onio de Sduza Leio, tendo arrematado o ser-
tico do Africano lomio, eite fugio no dii 10 do
corrente; o qual tem o lignaei leguintei: alto, corpo
mediano, idade de quarenta annoi, na(io Calabar,
bem barbado, cor fula, dcnle miudos, um tanto va-
garoso no andar e falla pouco intelligitel: letn vel-
lido carniza e ceroula de algodio da trra, e chapeo de
palha: roga-iea penoa, que o ipprehender,queira eo-
Irega-lo aoSr. Manoel Ignacio de Oliveira, na ra do
Apollo, ou noeogenbo Serreira, quesera tem recom-
peoiado.
Precin-iede ama mulber forra, deeimpedida
e de boa conduela para o lervico de urna caa de pnu-
ea familia ; quem elliver neitil circumttanciai diri-
ja-ae a ra ettreile do Rosario n 43 cata da F, que
te Ihe dir quem precita ou aonuncie.
Alugi-se o segundo indar e lojt da casa n. .19.
da ra do Nogueira e a caa o. 7 junto ao Sr lier-
oardo Joi Martina Pereira na ra di Mingueira, ou
traveua da Gloria para a ra da Alegra ; adverle-te ,
que a ditas casas io muito freicn e te acbao em bom
estado : a tratar na ra da Guia o. 42, tegundo an-
dar ou ni Ibeiouraria provincial dai 9 toras ai 2
da tarde.
lima mulber de bom costumet la encirreg da
criacio de meninos de pello, impedidos e ileumpedi-
doi, e tambem recebe meninoi para te desmamaren ,
no quo prometa eimerar-ie : quem de leu presumo
se quier utilisir dirija-te a rui da Palma, n. 17.
Na meim cata vendem-te 3 varal de bico largo de
ramagem e recortes fuodoi de muito bom gotto ,
proprio para roqqete de padre ou camisa de lenhora.
Precisase la ter onda mora o Sr. Domingos de
Oliveira Pinto para negocio de leu inlerene.
Precin-seiaber onde mora o Sr. Domingos Hi-
lario Lopet, para negocio de leu interene.
= O Sr. Policarpo Luiz Goncalve, baja dentro em
3 din.de ir tirar ot penhorri.que empenhou na ra da
Priia n. 22; do contrario ik tender pois le po-
de laier irgundo o papel de trato
__ Jote de Ctrtallio Medeirot, lendo de relirar-ie
pira o Rio-Je-Janeiro no vapor Pirnambucana, e nio
be lendo ponnel despedirle peitoilmcnle de todoi o
seos amigos o laz pelo pretenle annuncio.
__ O abano signado faz sciente so publico que
leu cunbidojui Brandio Jnior labio de iui com-
panbia no dia 12 da correnta, a por comequen-
cia ingerencia nenbunia lem mail nos negocios da casa
do annunciante tendente! a armicoea e nio iera
da em 36| n ; outra de um indar e lotio na ra di
Senzalla-Nova n. 21. ataluda am TI) n. por
eiecucio contra Feliz Eoileve Viinna outn na ra
larga do Roiario n. 19, ataliidi em "00/ r. por
eiecucio contra Joio Pire Ferreira ; outra na ra de
S. Miguel doi Aibgidot, o. 7, avahada em 48,000 n.,
por eiecucio contra Ladiilo Pinto ; outra na ra da
Gloria nt. 9,11, 13, 15 e 17 avaliada, a primeira
em 48,000 rt. e ai maiiem 81.000 rs. cade urna
por eiecucio contra Zacaras l.ipes; outra de um an-
dar e totio n. 26, na ra das Cinco Ponas avahad,
em 210,000 rs. por eiecucio contra Jos Maria de
Amonio Jnior ; outra na ra dai Laraogeirai, n. 3,
avahada e..i 72 000 rt., n. 5. no becco dai Bu reirs,
avahada em 30,000 n. a olarii n 7, do meimo bec-
co avaliada em 70.000 rt. n. 8 em dito becco ,
avaliada em 50.000 rt ; e a cata n. 9, do meimo bec-
co avaliada em 24,000 rt. por eiecucio contra Jos
Rodrigues doi Panol; outra no paleo do Hospital, n.
36, avaliada em 48.000 ri. por eiecucio contra
Francisco Gonpalves Gurjio ; outra de 3 andaret na
ra do Crespo avahada em 700,000 r. por eiecu-
cio contra I). Anna Joaqnina Viegli e bardeiros de
Joio Manoel Giraldei; outra no Alerro-da-lloa-Vnia,
de um andar, avaliada em 400,000 n. por eiecucio
contri Francitco Dominguea da Rocha ; outra na ra
do Rorario da lioa-Vuti. n. 20 avaliada em 48,000
ri. por eiecucio contra Kilippa Mana da Conculca i;
ciijaa arrematacoe teri lugar no indicado dia ai 4
horat da tarde na porta do doutor juiz dol feitot da
faienda.
No meimo dii e bom, e pelo mesmo juno, te ha de
arrematar por enda um litio na estrada do Espiobeiro,
em cbiot propriot com 1302 palmoi de fundo, e
630 ditoi de frente com urna bam com mangues,
que lem 500 palmu com can n. III, com 37 pal-
mot de frente e 72 de fundo tudo ataliado em quitro
conlot de til por eiecucio da faienda provincial.
= Eu abaixo assignado, desojando de todo o coraco
conservar a estima deste rospeitavel publico e uios-
trar-mc digno da sua valiosa proteefao, vou declarar
com Tranquoza a verdade do que se passou entre mim
e o .-r Francisco Antonio d'Olivoira.
Chrguei a esta cidade em II de setembro do anno de
1841 para ficar somonte punco-, dias, cm quanto o bri-
gue sardo Ipumenti descarregava alguinas cousas, o se-
gua para o Hio de Janeiro; porin tendo eu tido a
satisTacao de ser convidado por una das mais respeita-
Jris ramillas desta cidade, tive occasio de conbecer
eolio o Sr. Oliveira, que, ouvindo-me cantar, Tez-ine
mili tos elogios e me disse que nao devia sabir daqui;
visto que se ia construir um novo thoatro, onde elle me
assogurava eu poderia ser engajado; lendb-llie eu ob-
servado que o tal theatio anda nao eslava principia-
do, e que at l eu devia viver, lembrei-lhe que, de-
sojando aqu licar por haer muito gostado desta lin-
dissiina cidade de seu ameno clima t lo carcter bos-
pitaleiro de seus habitantes podoria entreunto oceu-
par-me na ininha prolisso de retratista: a resposla,
3ue o Sr. Oliveira me deo. Coi mui conforme aos meus
esojos porque me prometteo fazer-me obter o eni-
prego de professor de desenlio no lyco que me pro-
curara retratos para Tazer ; e que einlim contasse com
a sua protecf o. Dopois de passados varios mozos, uo
lendo eu visto realisar-se nrnhuiua das promessas,
procure!, por iiiini mesmo, Tazer retratos e dar lices
de dosenho ; em breve me achei com bastantes discpu-
los em casas particulares como taiiibem na minlia e
no collegio da Sra. D. Clementinade Moraea Sarnien-
to, no da Boa-Vista, no do Espirito Santo, no de Santo
Antonio e no de Santa Cruz : nesta poca me achava
relacionado tambern com umitas respeilaveis Tamilias
desta cidade que muito me honrav.io com as suas
ainizadcs ; umitas vezes cantoi cm casa do Sr. Oliveira
por obsequio porque onto nao era a minha nica pro-
Bsso a canloria coinoj disse, e Tazla tainliriii re-
tratos. O Sr. Oliveira muilisslmas vezes inc ollerecco
dinheiro, que eu nunca accoiloi : quando cu tomla
rrsoluco de ir a Italia para formar una coinpanllia
de cantores para o novo theatro (empreza bem grande
para qualquer e mullo mais para mim que nao tinha
outro recurso que o meu trabalho e algum dinheiro
3ue havia cconomlsado com as minhas I9es), o Sr.
liveira offereceo-me novainente a sua proteccao:
nesta occasio pedi-lhe que me procurasse urna
ordem para Genova, para afiancar-me a viagem,
se eu prrciaiie; com ellilo o Sr. Joo Pililo de
Lomos deo m'a por seu pedido. Quando j eslava
va prompto em Genova para embarcar-iiie
caixeiro .i minha casa com una conta de 699/775 rls,
mandada polo seu lillio o Sr. Miguel, na qual tinha as-
sentado 50/000 ris por urna cama j usada: queme ti-
nha emprestado'por poucos dias, quando choguci, cuja
o i ni i i ostava em sua casa; na mesnia clrcuinstancia
mandou-me pedir a sua conta, minha rosposta Tul que
queria fallar com seu pai para saber quanto pagara pe-
los beneficios ; tornou a mandar duas veses o dito cai-
xeiro exigindo a conta c mandou-me dizor que seu pal
nao pagara mais do preco da casa l entilo o Sr. Oliveira
j tinha voltado do riigouho para onde tinha ido passar
alguna dias, eu fui ao seu sitio para Ihe Tazer ttiiia'visiu
com minha seuhora, e agradecer-llie a grioalda de flo-
res, quo tinha mandado Tazer a Sra. 1). Amia d'Oljvelra
para o beneficio de ininha mulhor : ellos nao estavao em
casa.spod.....os Tallar comaSra. D. Anniuha e doizar-lhes
os nossos coiiipriinenlos. Um dia depois vlerao dous
moii inii.i,,-ni uouie do Sr. Francisco Antonio d'Ollveira,
para me Taierem embargo.... Ah To ontaoque eu o co-
ndec, e osero vi-I he Ulna e.irl.l i|llei valido-lllt-do lllinli)
pouco oav iiln-irn, i-un ipn- me tinha tratado ; inclui-lhe
I ciiiita( tanto desojada alguns dias ames pelo seu lilho):
esta dita conta,encontrando com a delle, deixava a seu t'a-
voi porto do-f.isMIuiY'is,que estimo eslveseiiipreprompto
a Iba pagar; eiiliio achou o Sr. Oliveira, que eu llnba usa-
do nina -i o,son ia bem grandeein pedir-lhe o pagamento
(Ionio uli ilnllin.tilve/ ii.inloin lirado dn arHoq no eu i nsori
nosporiodicos.oiu que dizia.quoa nova Companhia Ilatiana
toda ou parte ira cantar nai locitdadet i nai igrrjat mo di
grata, be. que isso he o nosso modo de vida, a nao seise
Ihe Tarta multa honra o nao querer pagar urna lao ridicu-
la quantia (para elle), c de nao querer que procuremos
ir o, mli ir rom certeza no Rio o que nao pudemos ga-
nhar aqu, apocar de muito trabalho deminha parte e da
suaprolrcpio; chegando esla ao ponto, de.coniosedu, ter
querido persuadir ao Sr. K. S. S..tocador de pianno, para
asslgnar um depoimento em como eu me havia compro-
mellido cantar gratuitamente para deleitar o Sr. Ol-,
veira, mas que teve de ouvlr a negativa como era de I
esperar.
Minha sabida nao he um mystcrio ; todo Pernam-
bucoasabe, eo Sr. Oliveira Toi um dosprimeirosaquein
o tinha dito, c hoje estou esperando a barca Firmua
para etl'cctua-la quando voltar do llio.
Talvrz que a intriga mi me permuta voltar mais
a esta mu chara cidade, e desdo j Ihe dou com mul-
to senuiiieniii o adeos de despedida, levando inuitas
saudades de seus illustros habibautes que assaz me
honrriio rom a sua proteefio e amiade.
NaoToipiosiiinpcoi|iieun-imliizioaescrevereste artigo
(talvet olieiode erroal, mas somonte para me justllicar;
epodiudo ileseiilpi dos oros e da massada, tenhoa
honra do er, Sis Redactores, muitissimo obrigado
assignante Uiiueppe Alarinangeti.
Precin-ie de um pharmaceutiro ; quem esliver
nesta circumilanria. diiija-te a ra do Rangel n. 64.
Precin-ie de l:700i n. a premio de um e meio
por eenlo ao mez dando te por bvpolheca, de recto
fichado, tre propriedadei de caiai terreas, urna na ra
de S. Rita n. 26, e dun na praia de S. Rita, ni.
10 e 12 : quem quier dar dinja-ie a ra Auguila ,
n. 10 ou annuncie.
= Cjuem innunciou ler um preto para alugir, que
enlende de pidaria diri|a-ie a Soledido tobrado ,
n. 22.
3= Conslantino Joi Vianna l'orluguri, vai para
o Maranbio.
= Atrada ermidt dos Iogleiei cm n. 1, pre-
cisa-se de urna criada para o eruto interno de cata.
lloga-se ao Sr. Francisco Soares da
Silva, antes de se retirar para o mato, ve-
nha pagar o que deve na ra do Quei-
mado, n. 4-
__ Aluga-ie urna can lerre na rui de 8, Concalo,
por 7,000 rs tnenaaei: a tratar ni ra da Senialla-
Velha n. 70.
ss O abaiio anignadu continua a advogar em todoi
o audilorioi deata cidade e pode ter procurido oo
palco de N. S. do Terco n. 9 onde timbem eniina
latina, as I.ourenco Avilli-
coinpanhla, c que i tinha comprado um repertorio
de W operas, as inelliores dos compositores mais moder-
nos, um completo vestuario de velludos, sedas, me,
queja tinha pago as viageus e iiiaiitimento de toda a coui-
panliia de Roma at Genova at que, me ehei sein dinheiro e Tui obrigado a aproveitar-
me da sobredita ordem para vir para Pernainbuco, nao
querendo sacrilicar as ditas pecas, queja eu tinha com-
prado : a nielado entao da viagem foi paga em Genova
pelo negociante Sr. Joio Polleri, correspondente do Sr.
Juan Piulo de l oiun.s e a outra uii-tade foi paga aqu pe-
lo Sr. Oliveira: emliiu toda a grande quautia que elle me
adiantoii foi 049/775 rs. i entretanto alguem ospalhou a
noticia de ser um cont de rs. e outros diiio ser dous
conloa!! quem divulgarla tal noticia?-----) OSr. Oli-
veira pensou que eu e toda a companhia vinhamot licar
a sua ordem, logo que ebegassemos. No dia 1. deju-
iiliu do anuo de 1845, tres dias depois da minha chegada,
tendo eu ido visitar ao Sr. Oliveira, me disse este, que
querendo dar urna partida pela despedida do Sr. Tlio-
uaz Xavier, l fosse eu com a companhia para cantar;
e tendo-lhe observado ser Isso quasi hupossivcl pelo in-
coimnodo da viagem, e pela falta de exercicio e indis-
pensavel ensao, elle nao fez caso disto e cnnvidou mui-
tissimas pessoas, annunciando-lhes que a nova Compa-
nhia Italiana ia cantar em sua casa: apezar de tudo fui,
e asslm que entre! todoi me progunlro por ininha se-
uhora e pelo resto da companhia : del minhas escusas ;
os mais razoavels achro justo, que nao deviamos /chu-
tar, emquanto nao estlvesscinos bem descansados da via-
gem e com exercicio, mas o Sr. Oliveira desde logo mos-
trou-se descontente api-zar de ter eu naquella noute
cantado varias vezes, depois de algum lempoaconieeeo
o mesmo querendo a Turca que en cantaste no tlioatro
para o benericio do Sr. Grosdidier iioguci-mo, c esto ir.
tanto conheceo a razao, que nao achou injusta uiiuha re-
pulsa. Neste tempo principie! jis Tuucfes 1}ricas, o Sr.
Oliveira lol assignante dellas, e quando exig o primelro
pagamento, elle recusou pagar, iiioslrando-se de algum
modo aluda mais zangado coinmigo ( nao se! se eu flz
mal em mandar receber, porcui a companhia nao
tinha nada coma minha divida para con elle); pasaa-
ro-sedez Tuncces e dous beneficios; Toi entao que eu re-
cebldoRlo de Janeiro urna czcellente propone ao para
particularmente i lingoa
no de .-lbuquirquc Mello,
AVISO IMPORTANTE.
O abaiio attignado tem a ntitfacio de annuociar ao
retpeiiavel publico, que pela barca tarda C'oucokiio,
inda de Bolln, enlnda nesle pollo no pretrito mez
de fevereiro, ba recebido novo provimenlo depilulll
vrgettei do doutor llrandrcib.
I-Mas pilula, cujo tuloi batti para garantir tua ei-
cellencia, tornio-te attai recommendateil, nio i pe-
la bem merecida celebridade e reputncio, que team ad-
quirido, pelos maravilhoios beneficios colbidoi de tua
apphcacio em molestias gravet; mal lambem por ler
um medicamento completamente inoflensivo : podendo
applicar se a ambos oateiot em qualquer idide.
Ai annunciante cibe a glorn de neerar 10 pu-
blico (oque ja por mail e/e lem feito), quetio n
unicti eidideiraideteu proprio autor, e por etta oc-
oaiiio, em beneficio da hum nidade, avila a teui futu-
ros Ireguezei, nio confunlio etln com al enioltn em
papel, e lacrada em pnlo, nquaei team gyrido nula
praca intitulindo-ie verdadeirai! I
O pretendentei encontraras ai erdideirn, nica-
mente ni botica da ra da Cadeia-Velhi, n. 36, de Vi-
cente Jos de Brito.
Tnocelioi de qualquer modelo, anneii, fitai, florea,
adertcoa, pulceiraa, brincos, &c. ; tudo o mail bem
feito poiiiiel e por preco mdico.


h
I. Mura Biplista Doprilt, Bruileira legue
pira a Babia, levando emaua companhia teuroano An-
tonio Baptiita Ribeiro de Faria Jnior, aeui flhoi me-
norea Mara, e Auguilo, a crioula Anna Joaquina, urna
pardioha menor de noir.e Franciica Candida o pardo
Manoel Cacionno e ai suas etcrovat crioules Benedic-
ta, Jaciutba, e um moleque Jos de naci Calabar.
Aluga-se urna parda pan o tervico de uaaa caaa,
cozinba ensaboi e compra ua ra : no pateo da S.
Cruz, n. 8, ou na ra do Sebo n. 6.
- Aluga-ie oaegundo andar do lobrado da roa do
Aragio n. 1, cooi commodoa para graode familia ,
niuito fresco e eom eieelleote vista : a tratar no nee-
mo aobrado.
= Aluga-ae um sobrado de um andar, na ra da
Corieeicio da Boa-Vista n. 8: a tratar na ra do
Aragio casa que volta para a S. Crur.
= Precisa-se de um rapaz dos cbegedos ltimamen-
te, para caixeiro de venda ; na ra do Rangel, n 11.
= Aluga-ie o primeiro andar do sobrado da ruada
Cadeia doKeeifo n. 40, pintado de novo com boa
coiinba e commodoa adulcientes para uaia pequea
familia : a tratar na loja do mesmo aobrado.
= Engomma-ae com toda a perfeicio por preco
commodo e tunbem se lava em caso de neceisidade ;
na ra do Bozario da Boa-Villa aobrado o. 32.
= Quena quizer mandar lavar roupa e engommar,
dirija-te a loja do nico sobrado na ra da Viracio ,
que ser promptamente e com asseio servido, por me-
nos do que em outra qualqucr parte. Na nieima caaa
admittem-se escravaa para ae eosinarem a coser,fazer la-
varinto marcar e fazer renda, per mdico preco.
=Aluga le urna caa em Fra-de-Portss, n. 120,
onde leve icougue rsula Mana do Naacimento, e ven-
dein-seos pertences do mesmo acougue, prompto.aem
que nada falle ao referido talbo : a tratar na ra da
Guia, n. 7.
= Jos Brandio Jnior tem a honra da participar
ao reepuitavel publico, que, lendo-so desligado da eaaa
doSr. Miguel Esteve Alve aoha-ae eslabeleoido no
Bvcco-Largo n. 21 aondo se offereee para ludo
quaotoforda tus profisiio, bem como psra armacdeide
igrejat, aojos e defuntoa para o que tem oa maia ez-
cellentei prepiroi, e prometi lodo asseio e gosto e
pur inuilo menos que oulro qualquer e sera grato
a todas as pessoas.que deseu presumo se quizeremiervir
= OSr., que oflereceo pelos trastes 130,000 rs.,
no becco do Rosario pode vir busca-los.
= Precisa so de urna ama para casa de pouca fami-
lia que seja pessoa capas; oa ra Uireila o. 63.
A pessoa, que por engao tirn urna caria do
cerreio da lista de fevereiro n. 2069, com o nome
de Jos da Costa Coelbo queira ter a bondade de a
entregar na ra da Cadeia-Velha n. 12.
Aluga-se o segundo andar do sobrado o. 8, da ra
da Aurora, com commodoa bastantes e aaseiado por
barato arrendameolo : a tratar na ra da Cruz n. 13,
primeiro andar, das 10 boras da manba as 3 da larde.
=Roga-te aos Srs. representantes da aociedade Thi-
liense,bajo de fazer os seus ensaioscom maia modera
fio do que costumio lazer ra de boras iocommo-
dando a vizinbanca. = Um dot viiinhos.
Avisa se a qualquer pai de familia que preciae
deama de leite para criar algum de teui ilboi espe-
cule bem que nao seja a crioula Mara Tbeodora ,
filha da crioula Anaslacia naluriet de Iguirats, mo-
radoras em Olinda e ora residentes no paleo da Iti-
bcira de S. Antonio ; poisadita ama custuma lomar
pagamento adianlado e depoil moatre-ie enfadada ,
levanta se com seus amos, e, quando os apanha des-
cuidados fugo pela porta ra, deizando a critcci tem
ter leite assim como fez pelas 11 boraa da noule do
dia 12 do torrente em urna casa aonde eslava criando:
consta ni o parar em parte algume.
Compras.
Compra-ieum pardo, de 16 a 18annoa, de
bonita Ggura que sirva para pagem ; no trapiche
da Companhia.
Comprio seescravoadeambosoa aezos, de idade
de 12 a 28 annos pagio-se bem; na ra Direita,
ii. 3.
Comprio-se, para fura da provincia cacravoa de
13 a 20 anuos ; sendo de bonitas figuras, pagio-se
bem : na ra da Cadeia de S. Antonio sobrado de
um andar, de varandi de po n 20.
= Comprio-ie dous escravos de oflicio ; sendo um
pedreiro e oulro carpina para una encommenda do
Ro-Grande-do-Sul : na ra do Collegio, ermaiem ,
n. 19.
= Compra-ae o livro = Medicicina Curativa = da
terceira edicio, do autor Le Boy : quem tiver, an-
nuocie.
Compra-se cobre virilha-funda,
por metadc do seu antigo valor : na ra
do Queimado, loja de miudezas n. iG.
Vendas.
Na praca da Independencia livraria na. 6 e 8 ,
veode-se Direito Natural porZeiler, tradcelo do dou-
torAulran; Pascoal Jos da Mello, direilo das pei-
aoas e das causas, traduaido em portuguez ; Coosti-
tucSo do Imperio aualysada ; Cdigo do proeeaso e
criminal com a reforma e regulamentoa ; Linhaa or-
pbanologicas por Carvalbo; Manual do labelliio; Dou
trina das aecei por C. Telles; i heoria da interpreta-
rlo das leia pelo o mesmo Cummentario critico o lei
da boa razio pelo mesmo ; Digeato portuguez; Lobio,
segundas linbas ; dito, acedes summariaa ; Classe doa
crimea por P. Souza; Cdigo civil por Cardo/o; Fer-
reira Borgea Contrato de sociedade ; dito, Economa
poltica ; dito syntelologia ; Bentham penas e re-
componas, om portugus.
=Vende-se folha de (landres em porcoes grandes
e pequeas ; em casa de M.' Calmont Companhia ,
na praca do Corpo Santo,
Vende-se o muito novo e conhe-
cido vinho champagne, ebegado ltima-
mente, pelo brigue francez Heliopolis :
em casa de Avrial Irmaos, ra da Gru,
11. 20.
Champagne da marca G & C, vin-
da no ultimo navio de Franca : vende-se
em porcoes e a retalho, em casa de Me.
Calmont & C*
= Vende-se AZEITE DOCE muito superior ,
< m garrafdea de 25 garrafas; e AZEITE DE COCO ,
aa eanadas; nos armarens de deposito da azeite de car-
rapalo, na ra da Senialla-Velha o. 110: aonde
tambem se vendem algnoi cascos atioe de azeile ar-
queados de ferro.
= Conlinuio-ae a vender chapeoa finos de caator a
retalio; na ra do Trapiche,-a. 6, caaa de Joio Slwar.
=Vende-se urna preta boa cozinheira e lavadeira ,
por preco rasoavel; na ra estreita do Rozario, n. 23.
= Vendem-se as seguintes sementes chegadas l-
timamente de Lisboa : coentro, rbanos, rabanetea en-
cimados, salea, nabos,ede alate; na roa da Crut,
oo Becife botica, n. 60.
^ = Vende-se superior sement de eoentro em por-
ro a retalho ; na ra estreita do Rosario, n. 11,
aotigamente dos Qoarteis.
= Veode-se um moleque de 18 annos, pouse
maia ou menos, perfeilo official de sapaleiro; um mu-
latinbo de 14a 16annos; proprio para pagem ; um
moleque de 18 annos, proprio para todo o servido ;
um dito de 14 annoa poueo mais ou menos; dous
pardos, da 1(5a 18annoa; urna preta de 24 anuos ,
boa engommadeira, costureira e propria de todo o mais
servido; lodos sem vicioa nem achaques e de muito
bonilaa figuras: na ra da Cideia de S. Antonio ,
n. 25.
= Vende-se um carneiro grande, acoatumado a eer-
regar meoinoa muilo manso; duai cabrinhat (bichoj;
ludo por preco muilo commodo : na ra do Moodego ,
n. i.
Vende-ae om sitio ni estrada de Joio de Barros ,
defronte do becco do Espinheiro com boa casa de
viveoda terrea, envidracada 3 ditas de taipa, bat-
anle! arvoredoa de frueto Ierras propriaa eom 130
bracea de fundo, e 90 ditas de largo ; vende-te psra
um pagamento : na ra dos Prea n 58.
= Vendem-se 3 a i mil pataefiea bratileirot e me-
jicanos : quem pretender, anouncie.
Vendem-se sementes de bortilica de todaa aa qua-
lidades por menos do que eui outra qualquer parle;
na ra da Cruz, n. 62.
as Vendem se biehaa muito boaa, a 10* rs. ocenlo,
e a retalho a 200,240 e 320 rs. ; na ra da Cruz ,
n. 62.
= Vende-ae a troco de lijlo urna canoa grande
muilo forte que carrega mil lijlos; na ra da Cruz ,
n. 62.
= Vende-se um moleque de idsde de 11 annos,
de muilo bonita figura e sem vicios; na ra de S.
Rita n. 91.
Vendem-se 780 pelles do cabra,corlidas, e SO ditas
de beierio propriaa para embarque ; as Cinco-Pon-
tas n. 82.
~ Na padaria e pastelera franceas do Aterro-de-
Boa-Vista o. 80, recebeo-se ltimamente um com-
pleto soitimento do confeilos, aueodoes cobartas de
aasucar crislalisado com licor por dentro ; boeetas due-
ndas e conleitadas para enoher dos mesmos propriis
pira fazer presentes; biscoutos de Rheirai pira cham-
pagne ; auperioragoa de flor de laraoje ; ego'ardeote
de Franca, da superior quilidade; o verdadero marea-
chino de Zabara ; superior kerebe da Suissa ; ame-
las em latas, ja conbecidos, ha muito lempo ; vinbo
de liordoaui em quarlolas e engarrafado: tambem
se acceitio eneommendas de doeea finos e bandejas para
cha ; ludo porprec,o commodo ; assim como se fasem
paileldes deciroe pato, gallioba e peize, biscoutos de
liamburgo doces e agoadoi, ditos do cal.
Vendem-se um moleque e urna ncgrinht, de 8
annos ; nma preta; orna parda de idade de 16 annos,
pouco mais ou menos, aadiaa, livre de vicios, e com
ilgumis habilidades: na ra da Cadeia-Velba, n. 30.
mw Veode-se um pisno em meio uso por preco
commodo ; oo Aterro-da-Boa-Vista, n. 5, primeiro
andar.
Vende-ae a muito superior ssrja preta portuguete,
ehegada ltimamente do Porto por prefo commodo;
4 toluoles do Panorama a principiar do primeiro au-
no : na ra do Crespo o. 4, loja de Joaqun da
Silva Lastro.
= Vendem-se correntes de ouro psra relogoa ; 2
relogios de dito ; um cordio com urna medeli para
tenhora ; traocelina; brincos; um botio de abertura
com um brilhante ; ditos de punho ; orna volta de cor-
rete ; argolas; annelSes; duas caitas de prala para
rap ; colberet e outras muitas obras de ouro e prala ,
por precocommodo o sem feitio ; pratos a 880 rs
nhoa por preco commodo; e igualmente taitas d
fero coadoe batido de todoa os lmannos : na pra-
ca do Corpo Santo n. 11, em casa de Me. Calmont &
Companhia ou na ra de Apollo armazem, o. 6.
-- Vende-se vinagre branco
nacional, a 400 rs. a caada ve-
Iha: na fabrica da ra Imperial,
n. 7; ra Direita, n. 53, venda
de M. Miranda; no Atemxla-
Boa-Vista, fabrica de licores de
Frederico Chaves; e na ra do
Trapiche, armazem de molhados
do icolle.
veodt
Vende-se i mais superior sarja
laiga hespanhola, los de linho pre-
tos muito superiores, lencos de se*
da de cores muito bons, pelo bara-
to preco de tlao, e outras muitas
fazendas, por preco mais em conta
que em outra qualquer parte : na
pracinha do Liviamento, boje ra
do Queimado, na segunda loja por
baixo do sobrado grande de tres
andares, n. 46.
a duzia ; orinet, a 240 e 920 rs.; copos a 100 e
120 rs, ; eetliciei de vidro a 1440 rs. O par ; quei-
os, a 1000 rs. e outros muitos gneros de venda ,
por preco commodo : na ra do Rangel, ta. 11.
MI 110 BARATO.
=Vende-se um pequeo sitio margeo do Cap*
oaribe com casa de viveoda coqueiioa e trra para
plantar alguma cousa agoa de beber muito freaeo a
alegre com estrada pela Pasiagem e pelos Aogados;
as mais proporcSes se dirad ao comprador: o* ra de
Agoas-Verdes, n. 21.
Potassa americana.
Vende-se a 240 rs. a libra da uelhor e maia no-
va que exisle nette mercado ; no armatem do Bre-
gues ao pe do arco di Concedi, ou a tratar com I.
J. Tasto Jnior.
- Vende-se muilo superior potassa
da Rtissia, em barris pequeos, pelo m-
dico preco de ?4 r'8 a ''^ra na rua do
Trapiche, armazem de ioa Teixeira
Basto.
= Vende-se por commodo preco um lindo jo-
go de gamio novo com labolas e copos de msrfim ;
aa rua Nova n. 40 das 6 as 9 horas da inanbla e
das i as 6 da tarde,
- Vendem-se couros miudos e sola ; na rua da Ca-
deiado Becife, n. 12, armatem de Baltbar or OH-
veira.
Vendem-se barril com cal virgen de Lisboa a
ki rt. o barril; potassa nova em barris pequenoa : a
rua de Apollo, armatem a. 19.
= Vendem-se mocadas de ferro para engenhoi de I
attucar, pare vapor
agoa e bettai
de diveraoa
= Vendem-te ricot corles de veatidode (atoda in-
diana imitando seda, ornis superior que tem eppe-
recido tanto pelos bonitos padrOes como pelas cores
fizas o pela muita duracio seu diminuto preco be
de 3000 rs. cada corte ; mantas de seda para senbora,
aa mais superiores, que teem apparecido pelo barato
preco de 3000 a 12# rs. cada urna ; sarja de leda pre-
ta para vestidos, a 1440 rs. o covado; dita hespanho-
la larga e muilo superior a 2600 rs. o corado
meias de seda de peto, brancas e pretss a 3000 ra. o
par ; ditas pretas para homem, a 2f rt. o ptr; ditai de
algodio pretal para homem imitando teda a 320
rt. o par ; meiai de liobo pira homem muito linea ,
i 600 n. o par; luvat pretil tem dedut ai maia tu-
periore que ba, a 1000 n. o pir; culmine para cal-
cas a 1O0 rt. o corado ; dita elaatisa muilo supe-
rior e de duat larguras, a 4200 rt. o covado ; citia-
chitts psra vellido a 3| rs. o corle ; cambraiat; pa-
risientea ; chiltt (ranczas largas e eatreius para
vestidos ; ludo por preco muito barato ; assim como
um bom sorlimento de fazendas para calcaa e ootrat
muitti fazeodas por pre;o muito em conta ; na rua do
Crespo loja nova, o. 12, do Jote Joaquim da Silva
Maia.
= Vendem-se manteletes de groe de aples pretoa
pira tenbori, gairnecidoi de franja de relroz : eilet
manteletes, sendo da ultima moda e grande gala sio
igualmente pioprissimos pira a pretente quiretmi: cor-
les de seda de muito boa qualidade para vettidoi, fur-
ta-cOre, com littras espacotai ao comprido ptdres
ettct do mait moderoo gotto c autroi de teda Itvrada
branca o melbor possivel, tanlo oa qualidade da te-
da como not pididet; tranceln! do ouro fino ; idere-
coi dilo ; caizai de ouro c prala e pulraa bijouteriaa
finas.
As sensoria, que qualquer dettei objectoi quiterem
ver em suss casal podero mandar avisar na rua No-
va loja n. 14, que immertialamente se Ibes levar
em quanto aot precot.terio commodoi, por eilirem tai
(izenda era primeira mi.
= Vendem-se diversos escravot, na la de Cadeia
do Recife loja de ftzendaa n. 21.
= Vende-te um moleque de bonita figura de 6 a
7 annoa ; urna oegrinha de 4 a 5 anooa de bonita
figura ; meii arroba de retina de jaloba ; e urna por-
cio de cerol de raumbuca : na rua da Cruz, no Re-
cife a. 43.
= Vende-ae urna canoa de carreira em bom eila-
do ; na rua da Penha n. 33.
s=Vendem-se cem pedrs de moiohoi; nirut larga
do Bozario venda de porta larga o. 29.
= No armatem do Uraguez na rua da Cadeia n.
64, vende-ie urna porcio de tirci-parrilba, muito no-
va, vinda pelo vapor Ptrnombueana.
sVeodem-se dous escravoe urna preta de idade
de 22 annoa, cozinba, lava, eogomma e cose ; um mo-
leque de idade de 12 anooa muito esperto paia lo-
do o serico cora principios de cozinbs: oa rua do
Hospicio n. 13.
MUITO BARATO !
No Aurro-da-Bo*-Vula n, 10,
vende-te sarja de ledi hetpinhola muilo luperior i
2000 n.; giot de Nipolei prelo pira vellido de tenho-
ra pelo barato preco de 800 ri. o covido; merino
preto superfino a 4| rt. ; franklim prelo com 7
palmos de largura a 1400 rt. ; casimira de Ija, com
quadroae luirs, muilo boa fazenda e de lindoi p-
dret, a 460 rt. o covado ; brint de linho com lia
trai de cores, e muito fortes, a 320 e 400 n. e tim-
bera branco a 240 n. o covido ; ricot cortrt de chi-
ta a turca a 3800 rt.; chitas nittimie de padret
cbinezei, a 260 ri.o covido ; ditas routat avelluda-
dai, a 200 n. ; e outm de virios pidroei e coree li-
nt a 180,160 e 140 n. o covado; meiai de teda
prela para homem muito luperioret, i 1# rt. o par;
esguies dot mait fioot e tupen, re era qualidade ,
ptimos para peitoi de ciraiat, a 1000 e 1600 rs. a va-
ra; rices plslilhss de linbo puroe muito finia, a 640
n. a vara ; e oulraa muitas fazendas por preco maia
commodo do que en outra qualquer parte.
Na loja da esquina da rua do Cres-
po n. 3, da viuva AiTouso & C, ven-
de-se a verdadeira sarja hespanhola de
rguras e de superior qualidade ,
pelo diminuto preco d a^5oo ris o co-
vado ; dita mais estreita a ii'5oo o covado.
Vende-se potista americana, ltimamente che-
de ledi da India ; selim preto de Micao ; eli, *,,.
permacete de 4, 6 e6 era libra ; cera amarell, Tf
godio grotto psra iiccot; ludo por preco commcV'
em can de Matheui Auttini Companhia na n,./
Alfandega-Velha n. 36. ""'
Veadeui-se 5 fcro, str.do duas negrinbi
urna de 16 annoa a a outra de 13. urna mulatio''
de 12 annos, lodaa coiem bem; um prelo bem m ''
de bonita figura e he bom carreiro ; um eibrinhj0^'
lOinnot; no pateo di matriz aobrado n. 4.
Casa da F,
Na rua estreita do Kozario, n. 43
Nette etlabelecimenlo cootinut-ie com a
dai cautelas da lotera de S. Pedro Marlyr da Olnd'
cujai rodil deven correr no da 17 do corrrnte i0f">'
livelmente, ae ae vender todoa ot bilhetet, queM*
leo, A elln para nlo haver motivo de te mudar*
= Vende-se superior ssrjs prets hetpinhola *
florea ; cimbraiis adamascadas ; caaaa-chiUa; cajiu"
detodatai qoalidadet; los de linbo brinco'; !{!
brint de luperior qualidade : no arco de S. Antonio'
loja o. 2. '
== Vende-se urna preta lavadeira costureira, w,.
nheira e bem apeisoidi ; um bonito molecoUj i
proloi famoioi pira o tervico de campo ; 2 pardoa'de
boai figum para pagem ; um cabrinba de lOaonor
ola; pelles de cabra; bezerroa ; calcado feit0;Wl|
de carnauba; veln de carnauba pura e mistundicom
tebo em caizat de arroba ; ludo por preco comaio.
do: na rui di Cruz, n. 3.
Chegou livraria da esquina do
Collegio o interessante romance 0
Atheo vertido em portuguez pelo tra-
ductor doi Mvslerios de Parit; o Mes de Miru |i,[0
pi de riquimma eeeadernacio ; tambem te endm
bolle ettimpai grandes representando Adi e Evi do
acto de cosnerem do frueto vedado ; um variado totli-
mento de obres de direito e economa poltica dos me-
Ihoreae mais modernos eseriplorea.
. y o 5. ? <, .. 3 5 5 i 325"?:
Vende-te tabaco nmonte da Caoboeira da Babit
de lupeiior qualidade em latee de dun libras ; bor-
rachas grandes para disteis; ilgum numeronvulot do
Muteu Ramalhtte das Damai: oa loja de Gomes 4
Caivalbo ao p do aicoda S. Antonio.
= Vende-te ama preta moca de afio de boni-
ta figura com habilidades ; na rua Formn o. 1,
atrs da igieja dos Inglezes.
Vendem-se 12 eadeirasde Jacaranda, novas s
feilu com o melhor gosto possivel .por preco commo-
do ; na rua estreita do Rosario, n. 32.
BATATAS
Vande-ie a 600 rs. cada urna arroba ; o pi do
arco da Cooceielo, no Recife.
Vende-ie um etcelleate c barmonioio forle pia-
no i todo de jaearandi e de construegio muito ti gu-
ra ; na officina de Joio Vignei, fibrieinte e aliador da
pianot, ni rui do Queimado o. 12.
= Vendo-te por 30c rt., a obra de Moral do bis
po Monte ; ni praca di Independencia livraria, ni,
6e8.
Vende-se um sitio na estrada do Arraial, que ni
para o Monteire sendo as torres de um dono e soiu
e bemfeiloriai de oulro ; mas ludo te vende: ni mi
ds Gloria n. 18.
= Vendem-te dual eteravaa de naci mocn, di
bonilaa figures, opUmn quitmdeiras ; dout tnulali-
nhoi de 17 annos de b-nilat figurat um delira be
bulante claro da cor, e 2o ptimos para pagem ; um
eteravo de naci Angola de 30 annos muilo lidio
e ponente com oflicio de terrrador, c mesmo pin o
trrico de rua : na tua dai Cruzei n. 22 seguodo
andar.
9
r s i
8?S
Escravos Fgidos.
Igada em barra grandes e pequeos; lencos pretoa,
Fugio, ds feeeoda de agricultura de algodio, de-
nominada a= Serra-Verde =,do Brejo da Madre-de-
Oot o eaeiavo Joio, Angola, alto, tecco do corpo,
de idide de 26 innoi; tee> urna coitura no petcoco,
que parece ter de espada : quem o pegar leve a iui
larga do Rotario o. 29 que tere bem gratificado.
- Fugio, no dia 19 do mez p. p., do aitio de
Frsocisco Goncslves da Rocha na Soledade, um mo-
leque de nome Beinaido ciioulo, de idade de 14 >*
not, pouco mait ou meoot, perteocenle lo bichtrel
Herculano Goocilve da Rocha : e como pelea indigi-
c6ei, que te ten feito uppoe-se ter lido elle tedu-
zido por slguem e estar anda acollado oesta praca ;
por iito roga-ae a lodaa autoridades policiaca e eepiuvs
de campo que o prendi e piomette te recompensar
e quena o apprehcr.rfer. ou der noticia dalle podan-
do-, nata cato, dirigir t ao m;uio sitio ou m rua i
S. Rita, sobrado n. 40 segundo andar,
= No di* II do correte, aa 8 borat di noule,
lugirio, ou lurluio, dgpoota doa Carvalbos, s Leo-
nardo Bezerra Uoole-Mogro 3 escravos e urna et-
erna que te recolbiio do teivico sendo um de co-
me Jote, de naci Quicaa vermelho de Loa fi-
gura rosto redondo pouca barba andar un pon
vagaroso : outro de nome Manoel da meima naci ,
prelo rotto redondo; tem un dente quebrado
frente urna orelba furada com um argola ; len '
veiitdospeilose dos bregue bem altas, boa figura,
mal feito dot pea : oulro de nome Joaquim de oa(io
Cabundi pequeo, hombros cabidos, meio panzu-
do cara com marca de beziebn, olhoi grandes e
abotuados cantot da testa bem feitot : a escrava be
de bonita figura de boa altura de nome Firmina ,
de naci Rebolo melle os joelhos un tanto para den-
tro e faiia meito fino. Quem os pegar, leve a Sebat-
tiio Gomet Feoot, na rua do Collegio que
pe nafr.
recom-
PIRN.
NA TYP DE H. F.
DE PARIAi&q


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EDNIBL5KY_RM872A INGEST_TIME 2013-04-26T22:33:48Z PACKAGE AA00011611_08203
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES