Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08199


This item is only available as the following downloads:


Full Text

aj""p
T
Ann de 846.
Terra feira I a
O DIARIO publiea-se todo* os das que
nao forem de guarda : o preco d* 'K1'^
tura he de 4yuO rs. por rtaarlfi pi.9r,,.l.an-
UrMl r.n typo dillVrenlr, ras reprtiers pela Hie-
nde Os que nao forem assigmnte pag.io
80 rs. por liona, e 1G0 era lypo diUereote.
PHASES DA LA NO MEZ DE MARGO.
rrescente a 4 as 8 hor. c II mo, da taid.
IMC' PARTIDAS DOS CORRRIOS.
Goianna, e Parahyua, Segd." e Srxias feiras.
Rio Grande do orle, checa nas quarlaM
Tetras ao lucio da, r parte nas mesmas ho-
rss mi quintas feiras.
Cabo, .Scriiiliviii. Rio Formoso, Porlo Cal-
vo, i Mncry, no 1., 11 e 21 de Cada mei.
Garanliuns e llonito a 10 e 24.
Boa-Vista e Flores a 13 e 2.
Victoria nas quintas (Viras.
Olinda todos os das.
PREAMAR DE HOJE.
Prlmeira as 2 h. e 54 minutos da tarde.
Segunda as 3b. e 18 minutos da inanhaa.
Mar^o.
Anuo XXII N.*86.
DIASDASF.MANA.
9 Segunda S. Catharina, aml. do I. dos
or. e do J. do C. da 2. v., rtn J. M, d.i 2
10 Terva S. Milltao aud. do J. do clv.
f da I. v. edo J. de paz do2. dist. de t.
11 Qu.irtu S Candido, aud. do I. do clv.
da 2 v., c do J. de pal do 2. 41*1. de t.
12 Quinta S. Gregorio, aud. do J. de orf., e
do I. M. da I. v.
13 Sexta S. Engrela, aud. do J. do civ. da
I. v.. edo J. -le paz do 1. dist. de t.
14 Sabbado S. Mathildcs, aud. do J. do clv.
da 1. v., e do i. de paz do 1. dist. de t.
15 Domingo S. Henrique
CAVBIOS NO DA 9 DE MARCO.
Canib. sobre Londres 26 V. a26'/, d. p. f.
P.iri< 3">0 rala por franco.
a Lisboa lrt.'> p c. pr. p- ni.
IVsc. de let. rl# bou flriili* I '/, p. "/ i*l
0.irn.nci* Ii-|moIii)Iis 3lfWI a :l . Moeda d-liriUvel. IGSID I IT.WjM
., d-WlOOnov. Kim vi a 16 '4 ni
de ifO'M 8WV1 a 9f\n1
Pr.i(.|-Pataee* .... I*H<> a I PO
. Peso* Conminares Il 2t"0
> Ditos Mexloaoos. I#W0 a 1*940
- Piala Miuda 1/DuO a 1/700
Accocsda C do oeberibe de 50^000ao par.
DIARIO DE
PARTE OFFSCIAL.
Governo da provincia.
EXPEDIKUTR DO Wt 3 DO CCRREUTE.
OfficioAo desembsrgador procurador da coros, 10-
beranit e firenda nacional, eiigindo pela segunda vei o
seu parecer Acerca do compromiuo da irmandade do Sr.
Bom Jeius doi Martyrioi desta cidade.
DitoAo chefe de polica, 6cienlificando-o de haver
mandado dar destino aoi acia recrutai de marioba, cuj
remeaia foi accuiada era leu officio de boje (3).
PortarlasDemillindo a Francisco Xavier Vaz e Sil-
va do lugar de mbdeiegado de ltimb, e a Francisco
Cordeiro Cavalcanti do igual emprego na de llamarse*.
- Participou-ie ao chele de polica, 10b cuja propoita
le derio ellas domines.
DitaReformando, no posto de major da guarda na-
cional de lUmarac, a Francisco Cordeiro Cavalcanti.
- Para substituir o reformado nomeou-se a Rogerio
Brasiliano de Moura Falcio : e participou-ae ao corn-
mandante mperior interino da guarda nacional da Olin-
da* elguaraii.
1DF.II DO DA 4.
OfficioAo Kim. biipo diocesano, copvidaodo-o a ir
celebrar na malriz de S. Fr. Pedro Goncalves, em o da
!l do crranle (bontem), a mina votiva ao Espirito-Santo,
que deve preceder a abertura da assemblt legislativa
provincial, para oise t ia extraordinariamente convo-
cada.
DitoAo Kim. presidente da Parahiba, acensando
remeta de um officio da inspeccio do anenal de mari-
nhs delta provincia sobre a larinba, que para all Irans-
portou a barcaca Triumphanle.
DitoAo in-pector da tbeaouraria da fazenda, deter-
minando, que ao cornmandante do terceiro batilbio da
guarda nacional do municipio do Itecie mande pagar
108|"200 ri. pur urna bandeira imperial, e um linete,
que, autorisado pela preiidencia, mandou farer pira o
meimo batalhio. Parlicipou-ae ao commandanle su-
perior da guarda nacional do Kecifo.
DitosAo juiz relator da junta de justiga, tansmil-
tindo, para serem definitivamente, julgadov, o proceiso
docipilio cornmandante da compaobia provisoria de li-
nba do Rio-Grande-do-Norte. Jos Pereira de Azevo-
do;o doprimeiro tente qusitel-m istre do segundo ba-
talhio de artilbaria p, Manoel Lopes Maciel; e o da
InmborAHa companhia provisorio de guardas nacionaei
deitacados, Josu de Jess Jardim.
DitoAo inspector da Ihesouraria daa rendas provin -
eiaes, ordenando, faca por a dispolicio do chefe de po-
Iicia4l9j120 rs. para pegamento do que no mez de (e-
vereiro ultimo se deipcndeo com os preof pobrel de jus-
tica na cadeia delta cidade.Parlicipou-ie ao ebefe de
polica.
DitoA' irmandade de Nossa Senho'a da Conoeicao
do Bonito, dizendo, que nlo pode mandar, que a cuita
doicolre provinciacs seja concertada a capella-mr da
matriz daquella villa, porque para ella nio se marcou
quota no orcamenlo vigente, em coniequencia de se Ihe
haver concedido urna lotoria para os leus reparos.
Dito Ao comisiario-pagador, ordenando, que ao
cornmandante das armas faca remessa dai guias das pra -
cas de linba da Parabiba, que pasiaro Para quarto
batalbo de artilbaria p. Participou-ia ao cornman-
dante das armas.
DitoAo mesmo, determinando, que ao carcereiro
da cadeia delta cidade pague 113j860 n., que ora o
mes ultimo le gaalou com 01 praioi das Ala .5, Babia,
Rio-de-Janeirb e Ceara, que teem de ir para Fernando,
e ainda te acbio na meima cadeia. Participou-ie ao
chefe de polica.
DitoAo major Joaquim Ignacio do Carvilhp Mon-
donga, trammillind um novo risco para ai frontos e
dispoiifSes inlenore do palacio de Olinda, que, sob
mi administracid, ae est coocortando.
EXTERIOR.
FRANCA.
PARS, 22 DB DBIEMBI10.
Crite ministerial em Inglaterra.
Apenai a nona folba tinba sabido do prelo, quando
um correio, que partir de Londres no sabbado as 5
horai, Iratia a Paria i noticia da nova domissio do lord
Jobn Russell, edo novo cbamamento de >ir Robert
Peel. Aprenmo-noi a publicar eita noticia em nosia
segunda edico; resta-nol agora fazer conhecer o ex-
tractos doi diversos jornaei, que a conlirmSo.
Antei que o ficto foise officialmenle conhecido, ja
7'i'mei e o Ghionitff o luipeilavo, e nene son ti lo
diipunbo os espirito!. Eis-aqui como se exprime o
ultimo, que tem estado lempre as portal do futuro ga-
binete
Depois que demos a noticia da demiislo de Sir
DitoAo cornmandante superior interino da guarda
nacional dos municipios de Olinda e Iguarasi, orde-
nando, mande dispensar do lervico do primeiro balalblo
do primeiro dos citados municipios, com exceptu das
revistas, exercicioi, e grandes paradas, os esenvaos do
juiro ecclesiaslico, Joo Goncalves Rodrigues Franca e
Joi Candido de Souia Castro ; e dcolarando, que essa
diipcnn, e nao a do alislamcnto da mesma guarda na-
cional, he a que Ihci pode ser concedida. Officiou-ie
reipeito ao vigario geral desla diocese.
Dito Ao engenheiro emebefe das obras publicas,
significando, que as barreiras das estradas, em que se
cobro imposlos, lo devem deixir de eilir abertal,
quando a polica o exigir.
Robert Peel, nSoie (em pastado um i dia, sem que
apontemoi o numero engranden dos obstculos, que
devia encontrar a formacao de um gabinete liberal.
Para quo lord John Russell se encarregasse desta missao
frentuda iguaesdifficuldadei, era precito nada menos
que o tentimento de urna absoluta neceuidide; e a nio
contar com o sincere apoio dos chelea do antigo minis-
terio e com o franco e leal concurso de todos os ho-
mens do leu pirtido, era evidente, que lord John Rus-
sell nio chegaria a compor um gabinete; porque com
um tal apoio, ainda ai probabilidades do resultado pa-
reciSo duvidoiai. Por quinto lmenti', medida que
avanca a formacSo de um ministerio, be que verdadei-
rimente te desenvolvem os obstculos,que baa vencer.
Ora, of embaracoi da criie actual sio taes, que he
muilo pouivel.que lord John Russell leja cooitrangidoa
renunciar i misiao, quo j acceitou. Sogundo a li-
(uac3o do nosso partido, conleisamoiquo nio noi pen
esso resultado. O grande projecto, que chama a atten-
Cfio do povo ingle?, ser levado a elleito de urna manei-
ra maia logura e rr.ais completa, grabas a urna curia
demora, e i queda de um novo gabinete: eao mesmo
tompo o partido liberal te tornar moilo mait forte pelo
proprio fado de ler arremedado o peso da administra-
cao sobre os bomens, que j se acbavio eimagados;
por'm, elte nio be o momento do faipr negabas de
partido, ou de desenvolver as suas opinides particula-
res. Nunca, pelo menos lia muiloi annoi, a Inglater-
ra leve mais necciiidade de ser dirigida por um gabi-
nete forte esolido Se o paii quer uber porque Sir
RobertuPeel, apeiar das circumstancias, om que nos
achamoi, dissolveo o seu ministerio, igualmente que-
rer conhecer a razio, por que lord John Russell nio
conseguiofno caso do se realisar essa desgracada previ-
sto) o arranjo do urna nova administracio.
T'imaitinha presenlimentos anlogos aos do Cro-
me/*; porque o seu numero de sabbado continha o
seguinte artigo :
Annuncimoi hontom, que o inlorregno havia
cenado, e que lord Jobn Russell tinba acceitado de S
M. a rainha o encargo de formar um gabinete. Accres-
contamos, que o nobrn lord havia longo tompo hesita-
do, e nao le decidir sanio depois que Sir Robort Peel
recusara reanumir o poder, ao menos at que sou rival
tivene experimentado ai dilficuldadei, quehavia com-
baler. e le ichane na impossibilidade de ai vencer.
Se estamos bom informados, nio he inverosmil, que
Sir Bobert Peel ainda encontr urna oocasiio de entrar
no poder, dadas essas oiicumitsncias. Lord Russell a-
chou ai difficuldides da iui posicio maieres do que
tinba esperado,depoisde urna lemanadereflexes, numa
reuniio de hontem, qual asintirao todos o cheles
do partido ; minileilou-ie tanta divergencia e tanta
duvida lobre o tucceiio fina! de um ministerio, que
desde o leu comeco encontrara na cmara dos com-
mun urna maioria hostil, tem outra esperanza que o
apoio precario de Sir Robert Peel, quo ate esto mo-
mento ainda nio be certo, que lord John Russell quei-
ra, depoisde haver consultado seus amigos, perseve-
rar na resolugio queemprebendeo. Seriamoi iojus-
toi para com lord Kussell, se o confundissemos com
aquellos, que manifeitrio recoio ou besilacio. Pelo
contrario, S. S., pondo de parle toda a suiceptibilidado,
que poderia sugerir-!he o espirito de partido, mani-
leilou o desejo de formar um ministerio sobre a bate
mais lauta ponivel, a fim de se achar na altura exigida
pelai circumstancias, e poder anim inspirar urna gran-
de confianza ao paiz.
Porm, do mesmo modo que Sir Robert Peel,
elle experimentou da parte de icui collegai (oda a sorte
de deiapontamento, desde a upposicio directa de una at
o apoio incerto de outros. Anda que animado da es
peronea de vencer completamente a repugnancia do
alguns doi seus amigos polticos para o empenbar
numa lucia, deque Sir Robert Piel julgou dever re-
tirar-so, apeiar do seu ascendente na cmara dos lords,
e de urna maioria de 90 votoi nos communs.comtudo
talvez so determine a retirar-so, a lancar sobre Sir Ro-
bert Peel (oda a responsabilidad da criie por esto ul-
timo occasionada.
Este artigo publicado no Time de manhia tinha
causado na cidade urna extraordinaria sorpresa. Toda-
va, algumai boras depois, recebia urna confirtnacao
official a noticia que elle iusinuava sem a affirmar; e o
mesmo jornal numa lercoira edifio, publicava em
gronos caracteres a dominio do lord Jobn Russell.
S. o Windior nio linhi outro fim mais do que domit-
tir-ienas mios deS. M. do uridito, que hivia ac-
ceitado, e declarar, que, no estado actual dos parti-
dos, ello nio tinha podido asiegurar-se, entro os che-
fes do seu partido, de um apoio sssai forte, pira que
Ihe fosse possivel completar um gabinete. Em reiullado
da audiencia obtida por S. S., loi mandado chamar pe-
la rainha Sir Kobert Peel parase encairegar de com-
por um ministerio. Lord Jobn Russell voltou de Wind-
ior i tros boras da tarde; tinha partido para a residen-
cia real i onie boras da manhia.
Os jomaos da larde, o Standard, oSuntoGlobe
confirmio esta noticia ; citemos os dous ltimos, que
ambos sio orgios dos whigs :
OGLOBE, 1.' EDIC,5.
Temoi o sentimento de saber de urna fonto official,
que por ora loi abandonada a formacao de urna nova
adnnnitracio lob a influencia de lord Jonb Russell. >>
2.' i:i)igiO.
<( Lord John Russell leve hoja urna audiencia da
rainha, eexpOiaS. M. as difficuldides, que nal cir-
cumstancias criticas, em que estamos o impossbili-
tio de compor um ministerio. A rainha chamou entio
Sir R. Peel, que parti pasa Windior s dun hom
depoii do meio dia.
O Sun entra em mais longos dolalhes, e estes deta-
Ihes merecem ser I idos, porque indicio as causal da de-
liatelligencia e desigbio os nnmesdaquelles, sobre quem
pea a principal respooiabilidade :
a Lord Jobn Russell resignou a minio, que tinha
recebido, do formar um novo gabinete, e Sir Robert
Peel foi chamado por S. M. O muilo honrado baro-
nete parti s dual horas di tirde para Windior.
(uandoSr R. Peel declarou, que nio poda conser-
var-so frente dos negocios, era evidente, qua a lord
J. Russell caba o encargo de compor urna nova admi-
niitracio. Restava, porm, lber, so este ultimo podo-
ria consegui-lo. O concuo geni das diversai Iracedes
do partido liberal fez crr por um instante, que lord
J. Russell chegaria a um resultado satisfactorio. Com
elleito at hontem tardo ai cousas marchavio bem,
ao menos quanto se pode julgar, depois lobrevierio
difficuldadei, que obrigario lord J, Russell a renun-
ciar sus missio ; essas difficuldades procediio da
timidei de uns, doorgulboe da obstioacio de outros.
Nl acreditamos, que lord J. Russell procedeo
com toda a lealdade. Nio aliandonou uro i dos prin-
cipios, que at hoja tem profesudo, e ainda que tenha
por agora recusado o ministerio, o partido liberal ficar
bem indamnisado deite contralempo momeolsneo pelo
resultado real que ha do obler........
A RAINHA MARGOT. (*y
pon airran&r IDumos.
SEXTO VOLUM.
CAPITULO V.
a riavjBA bx cusa. (ContinuacOo).
O objecto que Catherina aprctentou ao rei, era un*
figura de cera omarellada, da altura de det pollegadaa
!>oiicn mais tnica estrellada de ouro, de cera como a figura, e um
inaiilo real da ineama materia.
E que cstaluasinia he cita ? perguntou Carina.
Vdea o que ella tem na cabeja ? diste Catherina.
He urna cora, reapondeo Cario.
Eno eornco ?
Urna agolha.
E nio voa reconlieceia nclla?
Bu'?
-* Sira,. vl, com a voaia cor, com o voiao manto.
E qnem fe etti figuro ? dase Carlos a quem ella
comedia j faligava. O rci de Navarra, coi duvida?
Nao, Sr.
Nio I..... cntSo nio vo cniendu.
Ka dig, ,jb ttSo, raplroo Catnerina, porque V.
() Vide Dimri n.* 55.
mageitade poderia toear na leda. Ciria quo lim, ao V.
mageatade me linuv^ease propuito a queato por outra
maneira.
Carloi nio retpondeo procurava penetrar todo oa
penaamentoi deaaa alma tenebroia quo de continuo c
Ihe fechara no momento em que ia luppuuha prcatca a
ler nella.
Sr., conlinuou Catherina, rata eatatua foi adiada,
pela diligencia do ralo procurador gernl Lnguealc,
no apoaento do liomeui que no dia da ulliinn cacada ti-
nha um covallo dextra promptn pura u rci de Na-
varra
No npoiento de M. de La Mole? die Carlos.
L mesmo; o ae vusaprnt, olhai ainda para etta
agnlha quo atravesaa o cornejo, e vedo quo lellra est
ear.ripta nu papolzinho quo nella eat enriado.
Vejo um II, diaio Casto.
lato he. morte; Lo a jfinul.. mgica, Sr.; o in-
ventor eicrevu anim o leu da|bs< sobre a fcrida neimu
3ue ello fax. Se elle quitaste cauar lououra, como o
uque de Brctanha foi para o rei Cario VI, teria era va-
do a agullia na oabeca, e poto um L em res de um M.
. o torio que, diate Carloa IX, pelo voao modo
de penaar, senhora, qnem me quer nial he M. de La
Mul.
Sim, como o punhal quer mal ao oorayio; roa por
tras do-piiiili.il ha o braco que oiropclle.
E eis-ahi toda a cansa do nial de que padeco. E
quo te ha def.uer? perguntou Carloa; vl tendea eaae
coiihecinienlo, minha boa mai; maa ea muilo ao con-
trario do v>, quo ditio voa tendel oceupado toda a
voaia vida, ou inuitu ignorante cui tabaleo magia.
A unirlo do inventor rompo o encanto, aqu catn
toda a ciencia. No dia eiu que o encanto for deatruido,
o mu io.ari, disseCntherina.
Ueveraa! diaae Carloa com ar admirado.
Como! poia v nlo aabeia alo?
Eu iei c ? nlo aou feitioeiro, diaae Carlos.
Terceira edi(do do Timei de sabbado, 20 dedezembro
DemisiSode lord John fu$sell.--/:icriptorio do
Times, sabbado t 3 horas e meta da tarde.
A nona declarar So desta manhia tora at certo
ponto prevenido o publico de quo lord Jobn Russell
nio poderia triumpbar das difficuldades causadas pela
deiuniio de ieui collrgas, e que seria obrigado a in-
formar a rainha, que tinhio lido vioi os seus esforcos
para compor um ministerio. Nossn previses acbio-ie
justificadas pelo successo. A visita, esta manhia, de S.
Maa V. inagcatade est agora convencido, nio he
lisia)?
_ Por certo.
_ E a convieco vai acabar cora ciia inquietarn ?
_ Ciiniplctaruento.
_- Nio diteis va iaao por condeaccndencia?
Nio, minha iii.ii, he do fundo do meu coracie.
O rudo de Catherina deacoriigou-ae.
Seja Dos luuvadu! exelamuu clin, como ae em
Deua acreditara.
Sun, lonvado aeja Deoal repeli irnicamente Car-
liii. Agora aei, cuino quem ttrihuir o eatado em
que roo achu, o por conieguinte, quero punir.
E nt piiniromoa.....
M-doLaMulu; nao dilietle que era ello o i-
pado.
Diaau que fura o instrumento.
Poisbem! ira temo primoiraroenlo de M. do La
Mole, he o mai importante. Tudaa cala cri.c por quo
paito, -policio f.itcr naicer em torno do na perigoaaa
autpeita. He urgente qne a las appareea, e quo i cla-
ridnilc dellii a verd.ie 10 detcuhr.i.
Deiio modo, M. de La Mulo?.....
Mo convein admiravolraenle como criminlo ; per-
ianto aceilo-o ; comecemoa pur elle, eae houvcrcm cm-
plice, ello o dir.
Sim, ruurmurou Catherina, ae o nio diaier, fa-lo-
hio diser, na lomo mciu infallivei para ato.
E, ergiieinlo-io ajuntou em vos alta :
Herminia portanto, Sr. que principie o pro-
ceno ?
, lleaejo-o, lenhun, o quanto maia depreaia mo-
Ihor.
Calhcriua apertou a ralo ao filho tem coiuprehcnder
o estrcracciincnto nervuto quo agitou easa mi ao cer-
rar a aua, o atiio iciii ouiir o ru ardonieo do re,
o a aarda o terrivel imprecaelo quo acompanhuu ene
rilo.
u O choque, que experimentrio os whi;s nos icui
esforcos para compor um ministerio, servir, nos o
esperamos, da urna boa licio para os ariitocratas de ce-
rebro limitado, taes como lord Liusdowne. Elle Ihes
provari, que nio Ibes he possivel farer um movimento
sem o apoio dos verdideiroi libertes, e di liberdada
commercial. O dese|o de eitender a bue da admini-
tracio, e de dar, ou antes olTerecor um lugar a Mr.
Cobden, e alguns outros pontos pouco importantes a
respeito da dutribuicio doi cargoi, lorio o verdadeiro
eiculho, quecausou o naufragio.
ii Lord Jobn Kussell let em tudo o leu dever, salvo
o nao desfaier-ie de sub antigs drogsi. O ukiggi mo
de 18.111 ja nada significa em 1845. O povo tem ga-
nbado muilo com o ucccnoi doi dez ltimos din.
Lord Jobn Russell pode collocar-ie (rente da van-
guarda, mai be preciso, que se livredeiua artilbaria
Contultava entre ai o rei, ae nio havia perigo em dei-
iar ir anim essa mulher, que, oni algumat hura, faria
lalve lauta laret.i que nio haveria maia meio de reme-
diar.
No momento em que elle va cahir o repoaleiro apa
do Catherina, ouvio por Irt de ai urna pequea bulha,
o, vultaudu-ac, avitlou Margarida, que levantara a ta-
pecaria quoencobria apattagem para o quarto da ama.
E etta Margarida traiia a pallidet no roalo, o olhoa
cpaulado, o pcilo oppreno, o que ludo revelara o seu
violento abalo.
Oh I sim, Sr.! exelainou preoipilando-ae para o
leilo do irmii, vna bem aabei que ella mente !
Ella, quem? perguntou Carloa.
Ltculai, Cario, terrivel cous he aoomar aua m!i;
maa eu deaconfiei que ella ficava com vosco para ua per-
seguir ainda. Maa pela minha vida, o pela roa, pela
alma de na ambo, digo-vu que ella mente !.....
Peraegui-loa!..... Q uem peraegue ella ?
Ambo failiirio haixu pur iiutinctu, o nu v-lui dij-
tcrcit que tinhio medu do uuvirem a ai nieiinu.
Primeirarenlo a Henrique, o votto llcnriquiiho
quo voa he develado mait queninguoiii nu mundo,
Fu ocrd, Margut? dio Carlos.
__ Oh! Sr. lenho corten disto.
__ Poi tambera eu, dino Carloa.
__ liiit.'in, te eilai ccrlo do quo digo, mou irmio,
disao Margarida admirada, porque o tucilea prender e
condusir a Vinocnne ?
Puruuo dio iiiciiiiu ni o podio.
Elle vo-lo pedio, Sr.?.....
Henriqainho tem ideiaa aingularea. Talvea le en-
ganc, lalvet tenha raao; roa em fim urna daa una
idcia he que Idra maia aeguranca, eilando fra do que
na minina buaa graca, longo do que junto a uiini, em
Viucenne do qu uu Luuvre.
Ah eniendo, diase Margarida. E elle entio eat
seguro ?
1T2


^^
I Mi; Sir Roberl Peel nlo tem que Itrer nunlo uit
en^io ; nio podera governar tenlo adoptando meji-
lla, queaisegurem o liberdide commercial. u .
2
Sir R Peel recebeo e racio le lor.l Juhn Russell, e inmediatamente eonvo-
j .- .. -n.. .-.-. (di t minisirot, que le achavio na
miado. Em resultado da reuno, lorio espedidos Mr*
reoa ioamt)mbroi do gabinete, que estavio ausente.
.' flidude, p.ir.i os chimar inmediatamente camin
Logo .lepou da volta de .ir B. Peel de Windtor doveria
ler havido un concelho de gabinete.
Depoii de extractoi to preciosos rilo he posiivel du-
vidar, que lord J. Russell teoha renunciado a formaco
de um ministerio, aisim como nSo era possivel dutidar
hontem, que havia acceitado esse mandato. Os pro-
prios torys tanto jolgavlo o negocio decidido, qQe lord
A bordeen, desejando sahir quanto antea de Londres,
dingia-so o Windsor, a fim de pedir rainba, que re-
cebaste os sellos dos negocios cslrangeiros, no mesmo
momento em que lord J. Russell ia tambom dar a sua
dcmissio. Como os dous adversarios se encontrarlo no
caminbo de ferro, bastou urna curta explicacio, para
que um dellesnloelTectuasse a viagem.
Devomosajuntar aos factoi j conhecidos alguns de-
txllics particulares, de que temos conbecimento. .0 cor-
respondente, quo nos escreve, explica-ie desle modo:
.A barca foi retida no ancoradouro no momento,
em que j tinha o panno largo, o o vento Ibe era lavo-
ravel. Faltou o animo aquellos, que equipavio; nlo a
todo, mas a tripolar/So era muito variegsda, ee.ia ex-
periencia deve ensinai a lord J. Russell, que nlo se de-
ve sssociar, para arontar o perigos, a homens, que
uslo de moletas. Nao ha dunda, que daqui em di-
ento o partido whig estar dividido como o partido
lory. lia no primeiro, como no segundo homens
ligado com prcloroncia ao otoresse do monopolis-
ta, e que teimSo em so mostrar proleccionistas, quan-
do.osystema de prolecciio arruina a industria e oppri-
moo povo. A scena, que se representou no gabinete de
ir Roberl Peel, foi repetida no do lord Jobn Russell.
Todos, dopoi dealgumas duvidas, prenlo conformes
na vspera: no momento da campanba tornarlo a ap-
parecer todas as disidencias. Salvo urna unioa exoepcio,
os ni em broa whigs da cmara alta rocusirlo o seu coo-
curso sob um ou outro pretexto, porque era urna ver-
dadera recusa cerla reserva que guardavio sobre a
queslio capital do momento ; era una verdadeira re-
cusa sua repugnancia na admisslo ao novo gabinete de
um representante qualquer da liga e commercio livro.
Nao poderia explicar-vos o error eipasmodico do po-
bre Lausdowne, que de tudo Iem medo.......
doscommuns, dos lord, de Tyrrel, de Peel, deCob-
don, de Polmcrslon.....Cada um destes nomei
parece, quo Ibe arrancava a vida, i cr-sobia podido
passar sem elle, masenlio j era necessario pastar tem
lord Minio e lord Auckland, o o proprio lord Collenham
ilucluava na indeeislo. O chele da accio contervou at
o fin a sua intrepidez, mas como arriscar o combate
com iguaes ejudaotcs ?
Conseguintemenle foi Peel chamado. Nlo ha
raiao para censurar a rainba : ninguem desejou mais
do que ella, que lord J. Russell conseguiste o seu inten-
to ; ella nunca gostou de R. Peel a quem acha repug-
nante ; e gosta ainda menos do duque e da sua eama-
rilha. Pdinio de parlo ms insinuarles (hinls) a res-
pailo de Palmeiston, fez tudo quanto poda para aju-
dar lord J. Russell. Agora resta saber o que far
Peel : sua pocao hontem era melhor que boje. O
que hade melhor para elle e para nos bedeixar a res-
ponsabilidade aos mylords-duques, que crearlo as dil-
liculdadoa actuaes. Mas toda esta incerteza causa urna
grande desordem nos espiritos e nos negocios. lito lle-
vo acabar, e so o termo remolo est aoguro, o prximo
be cada vesmais duvidoso. Nossos jornaes diiem
boje, quo lord J. Russell devia dar rainba o conseibo
de chamar o duque do Wellington Nlo tem razio
O obela dos whigs nao tmba que faier outra cousa,
mais do que lomar a por as cousa no mesmo estado,
em que estavio antes do ser chamado pela rainba. Ello
nao se poderia considerar seu concelbeiro constitucio-
nal, tenlo no caso de funecionar osea proprio gabine-
te ; al cnlio sir R. Peel nlo perde a qualidade de ser
director legal. Este be seobor, ou de reassumir os ne-
gocios, (se he possivel) com seua antigos amigos con-
vertidos, ou de reformar (se puder) o gabinete, ou fi-
nalmente, doaconselhar artinha para chamar Wel-
lington, Ricbmonl.ou Manley.Se o baronclesoguisse
eu> desejos secretos, tomara o ultimo partido ; as cir-
cunstancias podem todava obiiga-lo a um dos outros
doui. Ninguem sabe o quo elle jar, e antes de consul-
tar o leus collegti elle mesmo o ianori. ... Termino
esta duendo vos urna palavra,deque tenho medo, oque
talve vos seja agradavel. Tudo iito tem um sotn
lgubre de ravoluci. .
Estacarla, d qual apenas lupprimimos urna paisa-
eem rel.iivi a urna correspondencia entre a rainha
Victoria e cria personagem basta pan pintar a si-
tuarlo adual da Inglaterra. Sir R. Peel lera todo o
domingo para trablhar em por am termo cria. Se
no (negar amanhla alguma noticia, putilica-la-bemus
logo, poim nlo heprovavel, que timbamos nada de
novo antei de 48 horas. Entio mesmo, se a poltica oto
obrigar, o jornaei guardarlo o stimo dia.
(Da Revolueo de Stttmbro.)
Oral lio seguro como o podo estar um liorucm
por cuja cabrea me responde Beaulien.
b obrigada, roeu rinlu uto be quanto a Ilen-
rique. Mal.....
Mal o que? perguntou Carloa.
Mns ha outra peasoa, Sr., pela qual talvexiiio do-
vesse eu interesiar-me; maa por quem me inlereao em
Km.......
E quem lie cita peisoaP
Sr., poopai-roo..... eu ousaria apcnai nomea-la
mcu muflo, nas ouao dite-lu ou ineu aoberano.
M. de La Mole, nflo lie? diaae Carlos.
Ai do misa! diise Margarida, va oquicatea ma-
tar um dia, Sr., e ello i eicapou pur milagro voe-
sa real vinganca.
Eino, Margarida, quindoclle linlia um crinie s;
maa lioju que couimotteo dous.....
Senhor elle nao be culpado do segundo.
Maa, diise Carlos, lu nao ouviite o que disto noa-
tn boa rali, pobre Margol?
Oh 1 cu j voi dine, Carloi, replicn Margarida
abaixando a voi, j vot date que ella menta.
Nao sabis acato que lia urna figura de cera, que
fui ncbada no quarto do M. dcLi Mole?
Sim, mcu iruio, sci.
Que esta figura lem una ngulba nlrnveeaada no co-
racio, c que esta ngulba que attira atraves, lem urna
xtandeirnha com a palavra MP
Tarobem ici.
Oue etia figura tem sobre o hombros um inio
real, a na cabec urna cor6a?
Si ludo uto.
E cutio, que tendea a dixer?
Tenho o diier que cata figuriuha com manto roal
nos hombro e oor6a real na oabeca repretenta una
luuibcr o nSn um hornero.
Ora cita! diise Car I us
vBiia o corarlo P
NOTICIAS DIVERSAS.
" iodM ca,Ul "hida de Roma, dira o Univers,
Todas as publicados pelos Joroaes de Pars o dos de-
partamentos, asslm como ai que nos teom ildo commu-
nicada, confirmio o pormenores, queja demos, acer-
ca da naturexa e cuello da entrevista, quo houve lugar
entre o santo padre e o Imperador da Russia. Este mo-
nareba, to poderoso, e que tem al aq ji manejado to
cruelmente o seu formidavel poder, foi I Roma, quic
sem contar com os sentlmentoa, a que elle mesmo te ren-
da, para receber urna licio, que mal aguardava, e que
nenhuma naci ou soberano Ibe havia anda dado.
A uobreza romana nlo appareceo na la ante-ca-
maia ; os artistas de mrito nlo quiterao expr-se ao
seu louvor; o povo, bem longe de sauda-lo coto ai suas
accIamacSes, nem mesmo o boorou com a sua curiosi-
dide ; finalmente o augusto aocilo, que reina sem exer-
cito na cidade eterna, fallou-lhe numa llogoagem, que
excitou um rubor e altrahio urna apologa de sua Impe-
rial omnipotencia. Esse grande espectculo, esse gran-
de triumpho da forca moral sobre a material, moveo no-
bremente a opiniio publica. Um daquelles sentimentos,
que bonrlo a natureza humana, apoderou-sa da alma
Todos se regotljirlo ao tornar-se evidente, lace do
mundo, que ba alguma cousa maii atrevida do que
forca, man hbil do que o ardil, e mal applaudida do
que o proprio bom xito ; que be a superior ascen-
dencia da'vlrtude.
O oimigoi polticos e religiosos de Roma, iquel-
lei, que cunfiavu com urna cruel alegra na cobarda
do papa em preseoca do imperador, e prepart vio-so
para denunciar em termos acres a liaquoia de urna po-
ltica, que (em sido seguida por todos os goveroos da
Europa ; aquellos mesmos liomens, lio propensos a cri-
ticar e calumniar os catbolicos e o calbolicismo, ou ex-
actamente descrevrio a meoioravel entrevista de 13 de
deiembro, ou contentrio-ie do eocobrir com o teu si-
lencio um ficto, que ainda nlo be lampo de desfigurar.
O imperador da Ruisia era eiperado em Vlenna a
8 ou 39 de dexembro ultimo. S.M.I. devia de aposen-
tar-so no hotel do conde Medem, seu ministro, e nlo de-
via demorar-ie mais de dous dial naquella capital, ci-
tando extremamente aocioio por vollar a S.-Peters-
burgo.
A Gazela de Augsburgo dira de Roma, a 17 de
deiembro, que na visita de despedida falla naquelle da
pelo imperador da Russia ao papa, S. Saolidade apre-
sentou i S. M. 1. todos os papis e documentos, que ti-
nha recebldo, havia mullos annos, relativamente i per-
seguirles e vexacoes religiosas, a que leem oslado sub-
jeitos os catbolicos da Russia. Disiio ler o imperador
promettido urna invesligacio rigorosa e imparcial, e re-
pareci em todos os casos, que fossem Julgados credo-
re! della. DUilo igualmente que, quando o imperador
Nicolao eitava em Roma, num dos seus palelos, lan-
cou-se-lhe aoi ps urna senhora polaca, que implorou a
rerocacSo de seu filbo, que tjoba sido desterrado para a
Siberia ; e foi attendida.
Carlas de lloro, datadas a 24 de dexembro, dlzlio
quo M. lieltoppi, presidente novameole eleito da rep-
blica deS.-Mariobo, tinha convocado o concelho geral, e
conseguio delle o decretar a expulsio dos insurgentes de
Rimini, em numero de 60, os quaes tinhSo-ie refugiado
no seu territorio.
O governo toscano tinha ltimamente adoptado medl-
s rigorosas para com os refugiados, e ordeuou que
fossem muitos entregues s autoridades pontificias. Al-
guns Tosemos, convencidos de se lerem ajuntado i ten-
tativa insurreccionarla, tinbio sido lenteociidoi a va-
rios pratos de prisio.
O governo do papa havia julgado conveniente publi-
car urna resposta aos libellos difiamatorlas dosSn. Ca-
nuti e Maizioi, sobre a condicao dos habitantes dos do-
minios pontlficioi.
O Imperador da Russia pardo de Bolooha, a 23, para
Venea, onde chegou a So. A primeira visita feita por
S. M. foi duquexa de Berri. O principe herdeiro pre-
sumptvo da cora de Lucca teve urna entrevista com o
imperador na la passagem porBolonba.
0 Journal des Debis publicou despachoi de Al-
geria com data de 25 de dexembro ultimo, o quaes an-
nunciavio que a 18 teve o general Bedeau um renbldo
combate oa margm esquerda do Isse com Ben-Slem,
que tinha avancado at a villa de Argel. Os rabes fo-
r8o completamente derrotado! eom parda de 40 morios;
e na iua fuga abandonarlo urna porcSo de ainaie nu-
nlcdes.
Na provincia de Oran o general Kort concluio algu-
mai rairlai fuliies, que foro seguidas da submissio de
numerosas tribus.
O mareclial Bugaaud eslava em Aln-Paskorla, 8 le-
goas distante de Tenlet-el-Hid, pasa onde liaba leguldo
a procurar um supprimonio de provtsfies com a inten-
tan de fuer juooclo com o generaf Joossoot, que alada
ia,em segulraento de Abd-el-Keder, paraoSul.
A morte do celebre general Bou-Masa era contrariada
naqueliea despachos.
A Csela de Augsburgo dixia que o imperador da
Russia, cuja ebegada a Venea j se menciooou, tinha,
a 26 de dexembro, passado revista s tropas mqueili
a 26 de dexembro, passaao revista as tropas oiqueiu capital della, com extraordinaria frequencia e ousart
cldade. O imperador trajava o uniforme de bular aus-| fomentados pela impunidade, de posseda presdench
trlir.n. b era ncomnanhado nelos oiciaes da sua com- Dresael-mn em rnntlnnam* rHii n^rAm mni. l '*
trisco, e era acompanhado pelos officiaes da sua comi-
tiva e pelos membros da familia do vice-rel. Tloba-se
ajuntado um immenso concorso de povo para ver o ciar.
Todos os navios ancorados no porto tiohio fcado as
sus bandelras nos topos dos seos mastros grandes.
Cartas deConstantloopla em data de 10 aononcia-
vio a chegada do scheik Ilamoud Abou-Nekid, qua ful
aecusado da morte do padre Carlos oa Syrla, etlnba si-
do removido para Coostantlnopla por ordem da Porta.
Chekib-ElTendi havia iodemnisado os conventos e re-
sidentes francotes no Libano, que tiitbio sido saquea-
dos pelos Drusos ou Turcos.
Redscbid Pacha, novo ministro dos negocios estran-
geiros, chegou ConstantiDopla a 16, no vapor francs
Atmodeo.
O pitriarcha grego Mooiignor Melelbiui morreo no
mesmo dia, com 72 aonos deidade, loi soccedido por
Moosignor Aotimos, arceblspode Epheso.
(Times.)
( Deplorando a parda de tantas vidas e fortunas, qu,
leem sido aniquiladas, em cunsequencia do terrivel n
gello da aecca, que, ha mais de tres annos, nos moiua
es ; e atiegurando-voa qua a presidencia nada poupai
para soccorrer o habitantes d > interior, ameacsdoi
igual sorle, logo que seja praticavel a cooduceio a
maotlmentos psra os lugares, onde riles 10801180"
depofi de invocar a clemencia divina, aflm do que itre'
de de lobre os lio aisoledora ci'amidide, eu reeiim."
mendo aoi vosios desvelos eisa parte lio Importante di
populado; e tenho por sem duvida que a tossi un,
lantropla e patriotismo e empeaharO em minorar seu,
soffrimeotos, o em favoraoe-la quanto fi)r possivel.
loformado de que os asussinios, rouboi e furtos
reprodi'ilio neita provincia, e, o que he mais, oa pronri
capllal della, com extraordinaria frequencia e oasaala'
omentadna npla ImnunlHaHo Ha nmu a, nr.u... '"
PERNAMBUCO.
Era una magia para 10 fjier amar por cita mu-
Iher, e nlo uih maleficio para faier morrer um boiuem.
Mal cita letra MP
Nao quer diier: mora, como diue a rainha-mii.
Que quer diier enllo? perguntou Cario.
Querditor...... quer diier e nonio da mulher que
M. ao La Mole aroava.
E caaa niulber cbami-ioP
Esta luullier clioiua-so Margarida, duso a rainba
de Navarra cabiudo de joelboi jumo 10 leito do ro, to-
inondo-llie a mo, e ipniando nella o ruilo binhido eni
lagrimas.
Minlia nula, lilencio! disaeCarloi p'ercorrendu
ludo em redor de ti coiu olhot tciolillanlet e tobrance-
Ihat corregida ; porque, asiim como vt ouvittet, po-
dem tambero ouvir-vui.
Oh! quemoiiupurta! diue Margarida erguendo a
oabeca; porque nao eat alai o mundo jnleiro para ou-
vir-rae, quo dianto dello todo eu declarara que be urna
infamia nbuanr do amor da um gentilhuiuer para man-
char a 111a reputacau de tuipcita de anattinatu P
Margut, te lo cu ditteiic, que ici to bem como
tu o que lia eo que nlo haP
Meu irman I
Se te cu diisesie que M. de Li Mole ha inno-
cente?
Vos o sabis.....
Se le eu disteeio que conheco o vardadeiro cul-
pado?
O er.ldei.-o culpido! exlauou Mrridi, EUI
entilo comroetlco-te um crinie?
Sim. Voluntario ou involuntario, um erimo bonve,
Contra va?
Assembla Provincial.
ADVERTENCIA.
Do parecer da commissio de poderes, que com a es-
lio da 7 do correle hontem publicamos, de*em ser
eliminidoioi nomes doiSrs. Lopes Neto, Mendos da
Cutiba;e Mello, por seretn este, membros da referids
commissio
SESSAO DE ABERTURA EM 9 DE MARCO DE
18-46.
PRESIDENCIA DO SR. SODIA TEIXIIBA.
As 10 horas da maohia, prsenles os Sn. deputados
em numoro lufficiente para bavercua, forio pelo Sr.
presidente convididoi a irem auilir a misu votiva ao
Eipirito-Sinto Acabada esta, voltario elles casa, e,
abi lendo, 11 11 horas e meia
Sr, I. Secretario faz a cbamida, e verifica estarem
presente! 22 Srs. deputsdoi; tendo faltado, sem motivo
justificado, os Srs. Pedro Uvalranti, e bario de Suss-
suns, e hsvendo-ie spresentsdo, a lomarem ment, 01
Srs. Jos liento da Cuaba Figueiredo, Antonio da As-
sumpcio Cabral, Francisco Camello Pesioa de Licerdi,
e Antonio Pereira Barroso de Moraes
O Sr. Prndente declara alierla a seiiio.
O Sr. 1.' Secretario 10 a acta di leislu antecedente)
que he approvada.
OSr. 1. Secretario di conta de um officio do le-
cretaiio da provincia, participando, que o Exm. preii-
denle compareca na tenlo de boje a 1 hora da larde, pa-
ra recitar o leu discuiso. Inlmadn.
Prestio juramento alguns Srs.deputados, que nlo
assislrio a missa, por lerem chegado mais tarde.
O Sr. Presidente nomOa para membros da deputa-
cao, que tem de receber o Exm. presidente da provin-
cia, aos Srs. Muir lavares, Carvalho Mendonc e Al-
lomo Ferreira ; e suspende a lesiio.
A'1 hora, contina a sessio, e a deputacio enearre-
gada do receber o Exm.presidente da provincia jahe da
sala, e pouco depois introdux o mesmo Exm. Sr., que,
teodo lomado asiento i direita do Sr. presidente da as-
sembla, dirige i mesma o leguinte discurso:
Senhores.Tendo de chamar a vossa benigna at
lelo sobre algumas necessidades urgentes da provin-
cia, eu cumpro esse dever, possuidq da malor satisfi-
cio, por me achar no mel dos representantes della, e
multo segqro de que a presidencia nlo donar de me-
recer o vosso poderoso apoio, aflm de que posss pro-
mover, como deve e vidamente deteja, a prosperidade
de vossos committentes.
Bu me congratulo comvosco, Senhores, pela tran-
quillidide, do que gozamos, e tanto mal quanto me
persuado de que ella nio leri alterada, depositidos,
como le achio, 01 cirgoi de confianza e a forca publica
nai mioi de Braiileiroi dedicados ao pas, ao nono au-
gusto e Idolatrado Monarcba, e is inslitulv6es llvre,
que felizmente nos regem.
Contra a uiinba peaioi.
v inipoiaivel.
InitMiaiitel?..,,. Olha para mim, Ma'ratot.
ca agnlha quo Ibe atra-J A joven damn ulliou para aeu irntio, e eitreroeceo de
I o verti paludo.
Margot, acrreiccnluu Carloa, eu nio teubu maia
que tret meiea a viver.
Va, meu irrolo Tu, mcu Carloa, bradou ella.
Margot, eu eilou envenenado.
A rainlia loltou um grilo.
Cala-te, diaae Carloa; he preeito que te acredito
que eu morro por magia.
E v t conbeceia o criminoao ?
Conheco-o.
Ilute,le. que nflo era La Mole.
Mi, uio be elle.
Nem to pouco Henrique, por cerlo.
Nlo.
Grande Deot! aeria?.....
Quem?
----Meu irruie....... d'Alenfsn....... laiirmurou Mar-
garida.
Ou talvrs, ou cnlio...... Margarida abaixou a vos
como eapantada do que ella aieiisa ia diier, o eolio.....
imita mai?
Carloi fieou em ailcnoW.
Mirgarida filuu-o, leo no ten olbar quanto ella pro-
curara, e anda de joelhot cabio aobre nina poltrona.
Oh I meu Dos I meu Deot I murmuren ella, be
iroputairel!
liiiposiirel! diue Carloi oom eitronduia rilada ;
be pena qoe nlo ealeja aqu Rene, para te contar a mi-
nha bialuria.
Rene?!
Sim. Ello le cnnlra, por exeruplo, quo urna mu-
lher, quem ello nada ouia recutar, Ibe fra pedir uro
livro que elle tinha enterrado na tua bibliotheca ; que
aobre toda a pagina dee livro ao derramara um vene-
no aublil; que eate veneno deitinado alguem, nlo aei
quem, caiiira, por uan capricho u acaso, ou por mal
caatigo do coo, aobre oun. -a^:, psrs m nSn ral
detlinado. Mas, poit que Rene eiti amento, aequireil
------w ,--------_, ,-------_ r pressei-me em continuaros ardua, porm multo honrosa
tsrefs, bem comprebendlda e encetada pelo beneaterli
snclio met antecessor, de pOr um termo -esso estar!
deplorsvel, que tralla em eocitnnos sobresaltos lorj,
populaclo ; e ora tenbo o praiar de annuaoiar-vos aa
J nio pouco sa ba conseguido, mediantes accao d'i?
lela, cujo thefe e em pregados se toroo adores d
maiores elogios pelos servicos,.que leem prestsdo c '
ta de esforcos e sacrificios. us
Mais completos tero sido, por cerlo, os resultad
obtidos, se os mesmos empregedos nao bouvessem a
luctar com tantas dlfUculdades, provenientes de nio U
rem forca baitante, e outros meos indlspeosavels ,
bom desempenho de suss lanceOes; e como a vos c.
remover, em parte, as ditas dilkuldades, eu voieJ
vido, Seobores, a que vos oceupeis da materia r
rando que a psr de nutras medidas, que vosis sibedor
hija de adoptar i seatelhaote re.peilo. auturiseis 1 or,
Hdencla para augmentar o corpo policial at o ouoi r
de leiscentai pracat, segundo exigrem as oeceuidad*,
do publico servico. "*'
Alm dos objectos, de que venbo de fallar, nermiui
queeu submetts tambem vossa conslderacio as u
mas leis provioclaes : a perspicacia, de que sois dota-
dos, alcancara fcilmente os embsrscos, eo> qhb al
mas della* collocro a presidencia, assm eoino 01 m
les, que de nutras proceden): o patriotismo, nU ,".'
cancleria, ai corrlglr da tnaneira que fOr mais con-
ducente 10 bem estar de vossos qonstiluinlei.
Bm sessio ordinaria seris convenientemente im
troidos cerca do estado dos negocios pblicos Bdii
mais providencial, de queeirecer a provincia, pin u,
melborameoto : entretanto poded contar com toda 11
inlormacOei, de que precisardes, e bem asslm com a
minhi n.uito firme e leal coadjuvacio.
Terminada a leitura, retira-ie o Exm. presidente di
provincia com ai meimss formaiidadei, eom que ea
trra.
O Sr. Presidente: Na forma do regiment vii
proceder-ie i eleicio de presidente, vice presidente
secretario e seus luppleotei.
Eleieao de Presidente.
Sao recoihidss I uroa 23 cdulas, o .o eieiio o Sr,
Manoel de Sou/a Teixeira com 21 votos.
Eleico de Vice-Presidente.
Slo recolbidas i urna 23 cdulas e sabe eleito o Sf.
Muir 'lavares com 18 votos.
E/eicSo de Secretario e seus supplenlei.
Sio recolbidas uroa 23 cedulai, salieni eleitos : 1.'
secretario o Sr. Peixolo de Brito com 22 votos ; 3. o
Sr. Cunha Machado com 17 votos ; suppteDtei, os Srs,
Duarte Pereira com 3 votos, e Viileia Tarares com 2.
OSr. Filela rowirM(pela ordem) : Sr. presi-
dente, eu entendo, que boje podemos proceder i elei-
cio das commissOes permanentes; porque o ir lijo 6
do regiment atsimdiz:
c Feita a inslallacio da assembla, e depois da sabi-
da do presidente ds provincis, lera o secretario 1 c-
ta da sessio antecedente, e a assembla proceder im-
mediatamente i eleiclo do presidente, vice-presi-
dente, dos secretarios e dous supplentei.
Mas nlo dit, que, leito isto, o Sr. presidente levan-
te : :c;o ; e no artigo 41 vejo cu determinad me.
guite:
v As commissoes permanentes deverid ser nomesdis
logo no principio di essio, ele.
Logo, devem ser notneadas boje ; e perguntirei, nio
estamos no principio da sessio ?
O Sr. Aeto : Assim como estamos iminhSa.
O Orador : --Se enlendermos por principio da es-
li o de cida dia...'
O Sr. Neto: Sio 01 primeiros diss ds sessio.
O Orador : O regiment diz, que so faca s elei-
ci de presidente, vice-prndenle, ele, boje; mas
daqui nio se pode concluir, que te nao faca mais na-
da : dizeni, quo a prslica se oppoe ao regiment; mas
nio sei le devemoi preterir 1 platica...a le.,.
O Sr. Alendes da Cunha : E o relogio ?
O Orador : O relogio, nio ; porque nos temoi,
ver o livro, all o acharas 110 meu gabinete, e nelle ve-
re cscripto pela mo do Florentino, neito livro que
coiilcoi as tina folln* ainda a morte para vinle penvsi
que o dera de tul mi i ana compatriota.
Silencio, Cario, por la ve, lilencio, discMir-
garide.
Agora vea que forcoso be faier acreditar que eu
murro por magia.
Mat iaao he iniquo, be borroroio ; graca! graei!
bem tabeia que elle he innocenle.
Sim, tei roa he neceaaorio que paite por rolla-
do. Soffre, poia, a murta do leu amante beiu pouco ho
para salvar a honra da rata de Era nca. Tambe roeu of-
rro a morte, para que u tegredu morra nunniigo.
Margarida ourvoo a rabee, periuadid* que pelo bul"
uo fci iiau.i m.ic tinha s fater !'r atr?r La il'-le. e rf-
lirou-e toda choroia, os com epcrun(a do t*i
proprio recunoi.
Entretanto, como Carloa o havia previno, nao
Catlierina um minuto, e eterevia ao procuradnr-geril
da coroa, Laguctle, urna caria ; da qual a binlciiiaconter-
vou al a menor palavra, e que lauca obre lodecate ne-
gocio languinolenta lus.
Senhor procurador, tila noile derlo-me por cerlo
qu; L: Mole havia feito o tacrilegio. No aeu anten-
lo, em Paria, achariu-ae niuiu cuuia ruina, con-e
livraa c papeit, Rogu-vot que convuquei o .rime-
ro preiideute, >e prucetteii quanlo antea o caiu da fi-
gura de cera, em cujo corneto deiSu elle uingolj,
c uto contra ei-rci. (1)
AiTHEliaE.

(C#n (i) Textual.


polo refrimento, qoatro boraa de esfo, eootidat del igoaesio quoigon se Ibe pedia com be que llega
minuto a minuto, e anda nio lazem quatro hora, quelaoloalmeoie a prohihicio do rgimen interno de aocie-
eslamoiequi; por lanU pareee-me, que nio ha inoo-jdade ?. Urna daqueilaa cooccMea foi fela para
veniente en que eonlmuwnoa na tesslo, para fe elege
rem ai eommis> permanente.
O Sr. Puxolo de frtto -. A onser*ac9ei, que a-
I cata de faier o nolire deputado, me parecem conforme
com a lettra do regimenlo; ma divergem inleiramen
I te d pralica, que empre e adnptou na oaia. desde que
ella traba bi; verificada a abertura, prooedc-te imnie-
I diaiameole eleicio da mu, e. linda eata, enecrra-se a
uo. Ora, eu entendo que ena pratica poderla con-
I trenitr, porque nio deicubro o menor ineoveniente pa-
re qot'ieja alterada. Hojeboumdi mu esplendido,
c noriuim direr, um dia extraordinario...
,,. j\ ti : He um dia como 01 outro.
Sr iSun. concedo que teje um dia igual
i; mas nao vejo raides pondero, pira que le
m o estyloi adoptados; e, nao aendo o regimeoto
I >PfW" '*' 'ept"l0> podem-ie adoptar o eslylos,
nesla cana teem muila lorca.. .
O Sr. Neto ; Conforme So elle.
O Sr. Mendos da Cunha : Elle) fio bortf.
O Orador : Concordo, porin insisto em minba
I opinrlo ; porque me parece, que com leicao da neta
I (levom lindar os trabalbot de boje, que anda fio pro
I paratorios, e amanhaa principiaremos com ottrabalboa
ordinario! : e persuado-rie, que minba opioiio estar
de accordo eom a cooimodidad do nobre deputado,
que roostrie vontade de ae retirar.
O Sr. Vlilla Talares : Quaodo o cobre depu -
lado pedio a palsvia para me coinbater, peniei que elle
mostris*., 00 preteodene mostrar, que aquillo, que
cu quera, eftafa em opposiclo ao determinado no re-
giment ; ma o nobre deputado he o primeiro, que
confeti, que a minba opioiio eiU de accordo com o
regiment, e apena te firma na pratica, e pergunl,
qual be a razio de conveniencia que appareee, para
queeu proponba, que boje meimo se proceda nomei-
I cao daa commiasoe permanente? Ha ama razio de con-
veniencia muito grande, Sr. presidente, o be.a da e-
cunomia de lempo : ni fomot convocado por 15 dia,
s un duviHa teremot moita coma que fuer, tegundo
ileprehendo da falla do Etm. Sr, pretidnte da pro-
vincia ; e fe nio te economiiar o lempo lio preciofo,
nao bremos muila couta, de que alia tanto carecemos:
depoii, quando a pralica uo be muito conforme com
a leltra dp regiment, me parece, que no podemos il-
lera-la: entretanto, ou peco a V. Etc., queira tub-
metter i votacio este negocio para ver, ae a sssembla
t'iitende o regiment como eu eotendo, ou nio...
O Sr. Yu ; Nio ba duvida.. .
(Jurador: Eu eslou duvidando; enlendo, que o
regiment manda cousa diversa daquella, que est em
co Diz-se, que he miis commodo.. .Su., eu nio en-
lendo, que se deva aitendvr ao notto commodo; mas
sim ao ioleresfa publico, e a economa do lempo; e de
mala anda he cedo, fio duas horas.
Submetlida votacio'a mocio do Sr. deputado,
be pela astemblea regulada.
O Sr. presidente d para ordem do dia de amanhia
elelcOei de commissOss, o levanta a teitio. (Erioqua-
s dual horas.)
Communicado.
A FUILAKTIIB0P1A HA DIRBCCA6 DA SOCIBDADB
MELP0MBN8KSE.
Quaodo toda a populacio de Pernamboco, nacionaet
c oitrangeiro, acudi ao clamor do desgricados Cea-
renses, victima d'um dos mai terriveis flagellos, com
que a Divina Providencia loe castigar os humano; cin-
co curiosos resolverlo por um meio, queachavio licito,
e quita muito propicio, concorrer com o seu contingen-
te para oallivio d'aquelles teus irruios afilelo, e pela
razio de que be mait fcil obter urna cousa, quando
outra se da em Iroca, foi o meio adoptado o de darem
doutetpectaculos dramticos, cujo producto liquido ti-
veste aquella ipplicav'io. Ora, sendo parta desle cu-
rioso tocia da tociedade Mclpomcnense, riti tinbio
que a direccio da mesma, nio s asseo-
para esperar
litsoa qualquer pedido, como tambero, que etponta- Melpomenente o pedido'que VV. SSJbeVe~ri"o7d7c"*>
foi feita
simples diverliinento ; a outra, apezar de ter um lim
mai louvavel, nio o era tanto, cono o que agora le
pretenda, e naturalmente viria-e coneguir-se.
A ideia de querer a direccio, segundo ella te exprs-
aa, acoinpanb-ir-nof not senliment i de phil.inlhrnpia e
raridade, abriodo urna tubtericio entre lodo os mem-
bros da tociedade, parece-nos, ser, se nio int'-iramen-
te, ao men s quaii improfiqua ; porque, aem que seje
nona iolencio oflender o melindre e espirito caritati-
vo, que julgamos nutrem todos os Ilustre membros da
sooiedade Melpomenenie, podemot, lem temor de erro,
assegurar.que de melhor grado elles te prettariio a con-
correr com a ua quota, dando-ta-lbct em troca dous
espectaculoj, se nio brilbanlet, ao menoi como o per-
tnittiue a babilidade do referido curiosos do que sen-
do ella pedida sern mait relribuicio do que aquella,
que sedeve etperar do Soberano Arbitro de todas u
cousas.
Nio ter ocioso Iracar nefle lugar o mrrecidot a-
gradecimenlot a quem de lio bom grado te prestava a
coadjuvar os nosios debeii etforcot: lavemos, poi,
mu lo especial mencao da Ilustre tociedade Pililo-Dra-
mtica, da qual, por intermedio da peitua, que a diri-
ge, no lorio franqueados seus vestuarios e utensilios:
do muito digno artilla em pintura cujo nome cala-
moa para nio oflender tua modestia maa que Lem co-
cheado be pela direccio* da tociedade Melpomenenie; o
qual gratuitamente te prettava i proniplificagSo de
qualquer objeclo dependente de la arte: do joven Sr.,
que nesla cidade exercu oflicio de cabelleirero.e que, a
despeito da exiguidade de seus meiot, te prestava gra-
tuitamente com quanto de tua ofcioa podessemot ca-
recer; e finalmente de urna pettoa, que, tirando parle
dot meiot de iua subsistencia das relribuic,6es, quo per-
cebe por pintar em ociedidcs particulares, e no Ibeatro
publico detta cidide, tarnbem gratuitamente quera
dar-tea rite trabalho.
Conhecio, poit, o Cearentei desvalidos, queso aug-
mentado nio foi o toceorro, com que a briosa provincia
de Pemambuco pretende alliviar teut milci, loi isio de-
v'ido ao egosmo d'uma ou otis pessoas, que para tal
olo quierio concorrer, receiotas de que em o numero
dos beneficiantes Ihes nio coubesse o primeiro, ou um
dos primeiros lugares.
Ofjkioi.
N.M.
/i/ou. Srt. Oi abaixo atsignadot, tensiveis it cala-
midadet, que ora opprimem aoi inleliiei habitante da
provincia do Ceari, e nio podendo prettar-lbet lenitivo
maia proveitoso que o producto, que por ventura retal-
lar potta de duas repreteotaedea dramticas, ai quaei te
compromettem apretenlar, auiiladot pela benevolencia
detta illuttre tociedade, recorreiu piutec(io deiua il
luitritfima direegao para ceder-lbea acata dos seus di-
vertimentot e mait uteniitnocetfarios para tal fim. Dig-
nando-te W. SS. attenlir aot detejot do infrascriptos,
elles em tudo combinars os pormenoret, e melhor or.
dem desla emprea. Dos guarde a VV. SS como he
oiitler. Recife, 25 de fevereiro de 1846. Illms. Srt.
director e mait membros da tociedade tbealral Uelpo-
menense.
(Seguiio-te cinco isiigniturtt.)
N." 2.
lllmt. Srs sabaiio atsignadot, bavendo-te diri-
gido a VV, SS, em 25 de fevereiro p. p. pedindo, por
emprettimo, a cata da tociedade Melpomenonte, pira
nella, de accordo com VV. SS. darem doua espectcu-
lo!, cojo producto liquido fotte applicado ao toccorro
dos inlelizes Cearentes, senlem o ver-te na precltio de
reclamar de VV. SS. a respotta daquelle metmo oflicio,
sobre cuja materia conata aot signatarios, que VV. SS.
tratarlo em tessio de 6 do referido mes. Os abaixp attig-
aadoa lucrio esta occatiio para repetir a VV. SS. oaieui
protestos de retpeto. eo guarde a VV. SS. como he
mtter. liecile, 2 de marco de 1846.Illms Srvlirector
e mait membros da tociedade tbealral Mclpomenense.
(Seguiio-se as metmat attignaluras do n. 1. )
N.3. (Resposla)
Ulnu. Sri.Sendo prsenle a direccio da tociedade
COMMERCIO
Alfande^a.
Rbndimbhto do da 9.............
Deuarregad koj$ 10.
BrigueAmelia lgeju.
BrigueEm presomercadera.
5:087*075
esto
Consulado.
um concerlo, tenJo receido nessa occa-
-iao o respectivo importe, e at aqui no
os tem trazdo, liaj-i le o f-zer quanto an-
tes; do-contrario ser seu nome pnbli-
Ot extenso.
Furlrao do abaixo ssignado, no
dia 8 do rorrete, de nv>nha, um mole-
quinlu crioulo, de ict anuos (Ir i la nome Eleulerio, e appellidaiio <;,ilraio,
meio tila, olhos grandes, ps apalbeta-
dos e com bichos; lie meio atoleimado e
Alovimcnlo do Porto.
Navios mirados no dio 9.
Coiti de Pitagonia; 35 dios, brigue brasleiro Kli-
zabtlh de 114 tonelada, capilio Gcorge Carr
Sounder, equipagem 11, carga guano ; aocapitao.
Mar-Pscilico lendn tihido de New-Bedford, ba 46 me-
tes; galera americana Charle-Frederick, de 316
toneladas, capilio Jamet Alien, equipagem 28, car-
ga aiete ; ao capilio.
Vat-ioi tahidos no mesmo dia.
Aracaty ; brigue brasleiro Sociedadi, capilio Jerni-
mo Jo> Telles, carga varioa genero.
Loanda ; Lrigue brasleiro Ledo, capilio Caodido For-
jas do Laceida, carga varios genero. Passageiros,
Joaquim Antonio 'lavare da Tavans, com 1 ecrava,
doutor Antonio de Almeida Vasconcellos Castello-
Branco e I liiho menor, bacharel Antonio 'Cavares da
Silva Cutello-Branco, Portuguezes; PirreRiguaire
o 1 criada, Francs.
Edital.
A cmara municipal delta cidade, etc.
Fat saber, que, lendooEim. presidente da provin-
cia, tohre represenlacio do conceibo geral de salubrida-
de publica ordenado, que se adoptastem providen-
cias a respeito da venda e coniumo de gado alTectado de
carbnculo, do que podem resultar graves damnot i
populacio, tica prohibida, da data da publicacio deste
em v'anle, a matanei de gado em todos os maladouros
particulares eno dot Colhot, tubsiilindo nicamente o
das Cinco-Ponas, a fim de poder ser com mais facili-
dad! e proveito inspeccionado o examinado o metmo
gado pelo facultativo para isto oomeado.
Paco da cmara municipal, 7 de marco de 1846.
Manat Joaquim do fego ylbuquerque, presidente.
JoSo Joi Ferreira de Aginar, secretario.
Declaracao.
neamente os coadiuvaste, em quanto ettivetse a seu al-
cance, para conseguir o fim deaejado : nesla esperanza,
poit.diriglrio aquella direccio, em 25 do pastado, o of-
licio abano transcripto sob n. 1, noqual pediio por
emprestimo acata da tociedade e ulenslt resptclivof,
subjeitando-se, como era natural, no caso de Ibes ter
concedido oque pediio, a deliberarem de accordo com
aquella direccio sobre os dermis pormenoret para a-
quella tentativa pbilaathropica. Ean 36 do paitado, se
ii-uuo a direccio, e entre outroa objuclos, consta, que
se Iratin de conceder, ou negar-Ibea o emprettimo re-
querido. Renhido debate te tusoitou entre o egosmo de
algunt membros e a pbilanthropia da outrot ; desgra-
iadmenle venteo aquello, porquo o numero de teut
seclariot all, bem como em toda a parte, era maior !
Negou-ie o emprettimo e coadjuvajio pedida, e con-
sequentemente quelles inleliiet, que nos eilendem os
mirrados bracos implorando nono toccoiro, urna par-
ta daquelle, com seui males podiio ser mitigados. A
direccio, porin, convicta de quanto havia de horrendo
un lal deliberado deixou de responder, contentndo-
le de lazei-lbei saber particularmente o indeferiinento
de tua prelencio: icio nio salales aos requerenles, e
por isto se dirigirlo de novo i mesma direccio, em 2 do
correlo, com o ollicio por copia lob u. 2, exigiodo
resposla do quo em 25 de fevereiro Ibe baviio ende-
rezado.: finalmente, com data de 3 do presente, rci-
poodro ella, por ioleraedio do 1.* secretario da tocie-
dade, com o oflicio por copia sob n. 3. Longa seria a
analyto defla peca, te a olla not quizettemos dar ; to-
dava alguna lopicot mais sslientes merecen) ser pulve-
nsadot Allega a direccio por motivo de sua recusa ao
eonpreiiimo requerido a prohibvi (tupposla), que dit-
'o tai o rgimen interno da sociedad*. O: Mi!*?! d*
toeidade Melpomenente tal probihicao nio conteem em
nenbum dot seus 108 trligot, e te por ventura ella all
etisle, eotio ji pela actual direccio os mesmos ettaluloi
puf duna vetiaioio infringido! ; rrimeira. quando aot
Sri. ('ildanles do lyco emprettou a cata e todos o
teut utentiliot para o espectculo, que tubio i tceoa era
ulubro de 1845 e segunda, quando idnticamente
pralieou em dezembro do metmo aono, cujo produca
tinha de reverter em beneficio de um particular. Se,
non. nnr duaa vetea i direccio pode fazer emprettimol
ta de teut divertimenlot e dos utensit necetsarioi, a fim
de poderem dar duas repreientacdes em beneficio dos
Cearentei indigentet pela tecoa, quo devasta aua provin-
cia, a mesma manda responder VV. SS., que, por al-
gunt motivos conceroentes ao rgimen interno da tocie-
dade, nio Ibe he pottivef attenlir au que lolicilio ; mat
que, acompanhando a VV. SS. not sentimeotoi de pb-
laolhropha e caridade.de que !-a?R8opouiV,delibe-
rara abrir urna tuUieripcio (a que j dera principio com
boas auspicio*) por Indos os membros da tociedade, de-
vendo seu producto ser remedido quanto aniel ao toe-
corro daquelle nonos irmo ; ea direccio etpera, que
VV.SS. nio hesitariO em coneorrer tarnbem para o
augmento deste producto, anigoando aquella quotaque
permittirem suas circunstancias. Dos guardes VV,'
sS. Secretaria da sociedade tbealral Melpomenenie, 3 de
marco de 1846. Illms. Sr. etc., etc.
O." Secretario.
Correspondencia.
Sri. Redactores. Hontem, 8 do correte, a urna
e meia hora da ooute, acordei ao aom de um ettrepilo,
que oo telbodo a ea que i,oro, fizis algum
destsi curiosos, que coitumlo visitar, porettaa borai,
casis de peiioas, que tenhlo, ou pareci ter objectot,
com que ticem tua gananc; assim como, ouro, pra-
la, doheiro, etc. ele. Pegue! em minba espada para
receber a viiita; porm o pai da vida, que nio era
mole, deixou-se escorregar, depos de baver-me quebra-
do algumat lelhtt, que bailante falla ji me fierio,
com a ebuva desaa metma noule.
Mea esmsrsds! Nio tenhn nm nasa couta, qoe o not-
ta (arlar, accretcendo, que do poueoqueha, nadaba
disponivel; por tanto peco-lbe o favor de restituir-me
minhit duaa telbas : comquanto faitean cinco, t de
tres he qoe se tchrio Irigmentos, e duas portento
falli; torno a pedir Ibe u dual telbas, e que ttohi
pena do pobre Teiieira. .. .
Fiear-lhea-ba obrigado, por a publicacio deltas li-
nbat, Sr. Redactores,
Olnimigo devisitti nocturnas.
ENDIMhNTO do ni* 9.
Geral............................ 4:319*401
P'0'""'1.......................... 1:871*639
Diversas provincial.................. 112j44 ,
____"___simples, e por isso desconlia-se que o le-
6:303*30* vrao forca para o Paco-de-Camaragibe
(onde tem m5i), ou para outra qualquer
parte. O abaixo assignado promette re-
compensar generosamente a quem Ihe der
alguma noticia, ou o trouxer a ra do
Queimado, n 23 j e protesta perseguir
quanto possa o ladro, ou quem o tiver
acoitado. Guilherme Augusto fodri-
gues Sette.
= OITerece-se pin (eitor de sitio, olsrli ou engenho,
um homem Portugus, de Idade de 27 aonoi, chegido
prximamente a esta provincia ". tratar na rui do
Caldeireiro, venda n. 94.
- Quem precisar de um escra vo para todo o fervico,
dirija-so ra da Florentina, o. 16.
ata Aluga-se, a pessoa capaz, metade de urna loja ; ni
ra das Larangeiras, n. IS.
= Aluga-se urna preta; na ra larga do Rosario ,
n. 26.
Aluga-se a casa terrea da ra das Cruiei, o. 11 ;
quem i pretender, annunce.
= Aluga-se urna preta para o tervico interno de
urna cata excepto engommar ; ni rui Velha, n. 83.
Aluga-se urna casa terrea na Iravessa dos (un-
tis, n. 51 com commodos por 9* n. mentiet :
tr.itar na ra larga do Rozario loja de miudezat ,
n. 33.
Acbrio-se 7 chtvet enfiadas em urna correnle :
quem at livor perdido,dando os aignaea cerlos, Ibe serio
entregues, na ra da Sen/alla-Valha n. 40.
=Precisa-te de urna ama para catada pouca lami-
lla que teja pettoa capas ; na ra da Palma o. 6,
segundo andar. (
OITerece-se urna mulber para ama de urna pes-
soa folteira ; a qual engomma cose, cozinha enta-
boa pelo vestir e comer: quem de teu presumo te
quizer utilitar, dirija-te ao Aterro-da-Boa-Vitta, casa
junio no lanquo n. 29.
= L ma mulber de boa conduela se oflerece para
ma de urna cafa de loumu olleiio ; quem a breieu-
der, dirija-te a Cambos-do-Carmo loja de marce-
neiro, n. 8.
Precita-io de urna ama com muiloebom leite ,
que teja livre e desimpedida e quu saiba bem pensar
urna ciiunca ; na ra da Praa de S. Rita, aobrado n.
I, onde mora Francisco Martina de Lemot.
Precisa-te taber, te a casi terree, tila ni ra do
Padre Flerianno o 52 que com a inmediata, des-
de 1807 a 1843 pertencerao ao tullecido padre Pau-
lino da Silva Ferreira e tinbio ot nt. 11 e 12, esl4
livre para poder subjeitar-ie a qualquer onut.
Aluga-te urna caa terrea na ra Bella com
duas talas 3 quartos, cozinha lora, quintal e ca-
cimba : a tratar na ruado Collegio o. 15, segundo
andar.
Francisco Jeso da Silva Dirs declara ao publico,
que Custodio Lourenco da Silva Mattieira durante o
lempo que foi feu caiseiro foi tempre fiel.
= Alugio-se os lerceiroe quarto andares do aobra-
do da ra do Amorim n. 15, forradot do papel e oo
melhor asteio com parle da mobilia que ot decora ;
a qual tarnbem te vender ; attim como alugio-se o se-
gundo andar do aobrado da ra do Livraoi.ento n 56,
e es casas terreas becco do Marisco n. 26, e travei-
sa do Palacete, n 2 e 4 : a tratar na ra do Amorim,
o. 15.
Um rapaz portoguez se oflerece psra caixeiro de
luja de faiendas, ou de miudetai, poif lem pralica
de urna e de outra couta ou para caixeiro de ra de
qualquer negocio ; cscreve sollrivelmenle e di Kador
a tua conducta : quem de seu preitimo te quizer uti-
litar dinja-ae a ra da Cruz, no Recife, n. 43, ou an-
nunce por etla folha.
= Aluga-se o segundo andtr di rasa atrio da rai-
trii da Boa-V isla n. 26 com muiloi commodot,
grande totio, muito fresen pintado de novo : a tra-
tar na mesma ra n. 22.
= Na ra da Cadeia, n. 45, deleja-fe saber senesta
l>raca otiste Francisco Moreira de Souza Meirellei; ou
quem do mesmo aouber ai a o favor de dar noticie*.
= O ibtixo isiignado doutor em medicina pela
faculdade da Baha, lem a honra de ofierecer leu pro-
limo medico ao respeitavel publico desla provincia ,
oflerecendo-te igualmente a receilar gratis a pettoat
desvalidas, durante o espaco das as 9 boraa da mi-
nhia emcata.de tua residencia, no primeiro andar
do sobrado n. 33 na ra do Livramento.
Candido Goncakes da Rocha.
AVISO IMPORTANTE.
O ibaixo assignado tem a satisfazlo de tnnunciar ao
reipeilavel publico, que pela barca tarda Concordia,
viuda de Boston, entrada neste porto no pretrito mex
de lovereiro, ba recebido novo proviminlo de piiulai
vegetacs do doutor Krandrelb.
Estas pilulii, cujo autor bttti para garantir iui ex-
celencia, lornio-fo atfti recommendaveit, nio spe-
la bem merecida celebridide e reputaclo, que teem id-
quirido, pelot maravilhotot beneficiot colhidot de sua
applicario em molestias grave; mas lambem por ter
um medicamento completamente inoflentivo : podendo
applicar te a amboi oiiexoi, em qualquer idade.
Ao DMoeaBU obe a gloria ds :::;verr so pu-
blico (oque ji por mait vezet tem feilo), que to ai
unicti verdadeirat deieu proprio autor, e por etta oc-
catiio, em beneficio da bumanidade, avisa teut futu-
ros (regunes, nio confundio-rttat com asenvoltts em
papel, e lacradas em prelo, atquiei teem gyrado neita
praca intitulando-te verdideirts I I
O arsenal de guerra compra 150 esleir! de Ango-
la : a prtsoa, que a tiver para vender, mando ao met-
mo arsenal urna dita pata amostra, o proposta em carta
fechada, alio dia 12 do corrente mez. O eicriptura-
rio, Francisco Serfico de Assit Carvalho.
THEATRO PUBLICO-
AM ufUM&.
- A companbia italiana Irantfere para depoit das
misioes a mesma funcriolyrica dot I ', 2." e 4.actos
do Ernani, com as mutilacoes, ji annunciadat, dos pe-
datos, que menos brlbario nos primeiro e segundo
actos ( poif que o qutrto seto ser ioteiro); tubstituin-
do-os pelo lindittiino lerceiro acto da. Lucia de Lam-
mirmoor.
Avisos martimos.
Para Genova sabir com hrevidado a muito
veleira barca sarda Be/ronle de que bo capitao Gae-
tano Gazzolo por ter j i melado de tua carga i,romp-
a : quem quizer carregar ou ir de paftagem para o
que tem muito bom commodos dirija-se aoteu con-
tignatario Jote Saporili na ra do Trapiche n. 34 ,
lerceiro andar.
- Para o Acarac, com escala pelo Ceari, tegue
ti o dia 20 do corrente o patacho EmuLicto ; re-
cebe carga e piftageirot : os prelondcnles dirjio-sea
bordo do metmo ou ao eicriplorio du Manoel Gon-
Cilvet da Silva na ra da Cadeia do Recife.
O brigue brasleiro Empresa, de que he capilio
Francifco Ferreira Borge, lendocbegado de Liiboa,
deveri partir para o Ceari em poucot dios: quem qui-
zer carregar o reto da carga que Ihe falla, ou ir de
pataagem, enlenda se com o referido capilio, ou com
o teus consignatarios Francifco Severiaoo Rabello &
Filho, no largo da AiiemLla.
Leile?
s.
= Per despacho do Dr. jufz do orphios e ausenlea,
lol transferido para o dia 12 do corrente o leilio dot
ber.t do fallecido Custodio I.uli K-iit ; o quil leri lugar
na cata da reiideocia do fallecido, na ra do Vigario, i
11 boraido dito dia.
O corretor Oliveiri firi leilio de gnnde virie-
dide de fozenda no ealado em que se ac harem e de
alguma averiada, por conla da pessoa,a quem perten
"rem. por Uso qoe serlo veodidas sem limites: quinta
feira, 12 do corrente,aa 10 boraa da inanbia, no teu et-
criptorio, ra da Cadeia.
= Leilio que faz Joaquim da Silva Lope, de urna
porcio de caitaa e meiat quarlas de ciixat com panas:
quarta-lcira 11 do corrente, as 10 boraa di manhia,
no caea da Alfandega.
mm Jamet Crablree di Companhia lario leilio, por
intervenclo do corretor Oliveira de um porfeito tor-
limeolo de lazenrias inglezas todas proprias do mer-
esdo : quvrta-feira 11 do corrente, is 10 hora da
manhia, no seu armazem ra di Cruz.
Avisos diversos.
O mestre sapateiro, a quem um em-
pregado desta olTicina encommendou um
_ J- Ol pretendentei encontririS li verdtdeirit, unica-
par de socos, e que por estes n3o cstarem meo,en,bo,icada rui da Cideii-Velbi, n. 36, deVt-
ft contento do dono, levou-os para fazor cente Joi de Brito.
1



A
wm
t------ r'Viii-
= Aluga-sc um prclo. que entende hem de pidirii,
refi.nacio, soccur assucar, possanie, e bem desembara-
zado no servico; quem pretender annuncie.
= Engaja-se um corneto para o primeiro batalhlo
de guarda nacional do municipio do Recie ; l pessoa,
que sernelh rite! engajimcatu quizer fZer, comparla un
ra do Cnllegio o 8.
= M.moel ('ereira da Silta chegado lia pouco .
neila praca dedica sea entinar msica e tocar (lauta,
eUmbem copiar muiica, por preco commodo : quem
pretender dirija se a ra da Florentina n. 6.
Alugaieo terceiro andar do sobrado n. D, da
ra do Queimado : a tratar na loja do ineimo tobrado.
=Aluga-so urna caa em Fra-de-Portaa, n. 120,
oode teve acuugue rsula Mana do Nascimanto, e ven-
dem-ie os pertences do rneimo a(ougue, prompto, em
que nada alte ao referido (albo: a tratar na ra da
Guia. n. 74.
= Preciaa-se alugar um sitio perto da praca com
boa casa de virenda ; e tambem um moleque para o
servico de casa : ni ra do Trepiche-Novo ; n. l.
' O Si. JosSoaresda Silva Pumente! Manoel
Paobeco de Mello Mara da Conceicio Costa leem
tartas, indas da ilba de S. Miguel, e Hacei na ra
do Vigario, n. 13, primeiro ana'ar.
Charles Roope& Companhia mudrio o seu es-
eriplorio para o segundo andar da rut do Trapiche-No-
vo, n. 16.
Roga-e a pessoa que por engao tirou ama
carta do corroio vinda de Lisboa para Francisco An-
tonio Marques o obsequio de a entregar aioda mes-
mo aberta na ruada Cadeia do Recife loja de (a-
zendas n. 35.
= Desappareceo no da 7 do crrante da ra do
Cullegio, da venda de Joa'o Jacintbo Cabra! um ca-
vallo rodado claro diase cauda pretas com canga-
lla e um couro de carga ; a pessoa que o acbar,
dirija-sn a mesma venda n 16, que sera recompensado
de leu trabalbo ou annuncie por esta lollia.
* Precisa-se de urna ama para casa de pouca fami-
lia que compre na ra ; na ra larga do Rorario
.23.
Compras.
= Compri-se um escravo pedreiro preto de 20
a3Uannos, que leja sadio a sem defeito pbysieo; na
ra de Apollo n. 18.
= Cqmpra-se em segunda mi a historia de
Inglaterra em inglet por Goldsmitb ; nesta lypogra-
phia se dir quem pretende.
Compra-sil um pardo, de 16 a l8annos, de
bonita figura que sirva para pagem ; no trapiche
da Companhia.
Compra-so urna casa terrea ein chaos pioprios,
em Olinda sendo as ras seguintes: Aljube Qua-
tro-Cantos, Amparo, S. Jlo, Misericordia; nio exce-
dendo seu valor de 200 a 2504 ri. : quem tiver, an-
nuncie.
= Comprio-se escravos de ambos os senos ; sendo
do 12 a 20 annos, e de bonitas figuras, pagio-se
bem ; na ra Nova, loja de ferragens. n. 16.
=3 Comprio-se dous escravos de oflicio ; sendo um
pedreiro eoutro carpina, para urna encommenda do
Ro-Grande-do-Sul : na ra do Collegio, armazem ,
i). 10.
Comprio-se, para fura da provincia escravos do
13 a 20 annos ; sendo de bonitas figuras, pagio-se
bem : na ra da Cadeia de S. Antonio sobrado de
um andar de varanda de nao n. 20,
= Compra so um escravo que entenda de pada
ra : na ra Direita n. 82.
Vendas.
= Vende-se na ra do Crespo n. 14, loja de
Jos Francisco Das, algodio americano azul de
vara de largura proprio para roupas de escravos, pe-
lo barato preco de2*0is. o covado ; cortes de csssa-
chitas, de bonitos padrdes, a 2000 rs. ; ricos pannos
encarnados para mesa, a 2000 rs.; panno entraneado,
com 9 palmos de largura, de listras largas, proprio
para mesa pelo barato preco de 560 rs. o covado;
franklim muito fino e de duas larguras, pelo ba-
rato preco de 800 rs. o covado meiis casimiras de
listras, muito encorpadas a 640 rs,; dita de qua-
dros, a 800 rs. ; brins franceies, de listras e quadros,
muito, encorpadoi a 540 rs.; castores para calcas a
180 ra.; madapoiio enfestado fino, a 580O rs., cassa li-
sa soffrivel, pelo barato preco de 520 rs. a vara ; e
oulras muitas faiendas muito coi conta e asseguran-
do-se sos sensores compradores ser latenda limpa e
sem defeito.
= Vende-se urna mesa redonda de Jacaranda ; na
ra dn Penba n. 7.
Vende-se urna preta de naci para todo o ser-
vico ; na ra estreita do Rozado n. 21.
m Vendem-se barris com cal virgem de Lisboa a
la rs. o barril; potassa nova em barris pequeos : na
ra de Apollo, armazem n. 18.
Vende-se, anda, a vida de S. Francisco Xavier,
4 v. ; dita de Fr. Barlholomeo dos Marlyrea 2 v. ;
esli novos e dio-so mais em sonta do que as mais ve-
le que so tem aonunciado a 2a rs. cada tomo: nio
ha cousa mais barata : na trivessa da Madre-de-Den,
n. 9.
=Vende-se urna paciario em muito bom lugar de ne-
gocio prompta de todos os proparoi e utensilios qua-
si novos1, com commodos na mesma para moradia a
dinheiro ou a prazo : a tratar na ra da Guia, n. 7.
Vendem-se e alugad-se bichas de Hamburgo mais
barato do que em outra qualquor parte; na travesa da
ra do Vigario n. 1, loja de barboiro.
=Vendetn-se varios eicravos de 14 a 28 annos;
atrada matriz de S. Antonio n. 16, prisneiro andar.
Potassa americana.
\ ende-ie a 240 rs. a libra da melbor e mais no-
va que existe nesto mercado ; no armazem do Bre-
gue! ao p do arco < Cooeeicio ou a tratar cus 7,
MUITO BARATO.
=Vende-ie um pequeo sitio a margem do Cepi-
baribe com casa de vivenda coqueiros e trra para
plantar algume couia agoa de beber, muito Irasco e
alegro comei'rada pela Paiaagem e pelos Afogados;
a uisii propurtoVs le diriS ao comprador : na ra de
Agoas-Verdes, n. 21.
= Vende-so por commodo preco um lindo jo-
go de gamio novo com talllas o copus de marfim ;
na ra Nova n. 40 das 6 as 9 boraa da manilla e
las 4 ai 6 da tai de.
== Vendem-ie brins de core, muito fortes, a 400
e 480 rs. ; dito branco de listras, a 240 rs. ; lia pa-
ra calcas, do melhor goito pelo baratiisimo preco de
480 ra. o covado ; cortes da caisa com 8 jirdae cada
um a 2200 e 4000 rs.; lencos de cassa pistada e com
cercaduras, a 240 e 520 rs.; esguo de puro linho, a
1000, 1100 e 1200 rs. ; chitas sortidas, escurase
brancas, a 160 n. o covado; algodio de Mitras tran-
cadas americano muito forte proprio para calcas e
camisas de pretos, pelo bom prego de 240 rs. o covado :
no Aterro-da-Moa-Viita, loja n. 14.
=Vendem-se ricos corles de vestido de fazenda in-
diana imitando seda, o mais superior que tem appa-
reeido tanto pelos bonitos padrSes como pelas corea
fizas e pela muita duraco seu diminuto preco he
de 3000 rs. cada corte ; mantas de seda para seobora,
ai mais superiores, que teem appareeido pelo barato
preco de 3000 a 12f rs. cada urna ; sarja de seda pre-
ta para vellidos, a 1440 rs. o covado ; dita beipanbo-
la larga e muito superior a 2600 rs. o covado ,
meias do seda do peso, brancas e pretas a 3000 rs. o
par ; ditas pretas para hornera, a 2c ri. o par; ditas de
algodio pretas para homem imitando teda a 520
rs. o par; meias de linho para homem muito finas ,
a 500 rs. o par; luvas pretas sem dedos as mais su-
periores que ba, a 1000 rs. o par ; casimiras para cal-
cas a 1000 rs. o covado ; dita elstica muito supe-
rior e de duas larguras', a 4200 n. o covado ; cessa-
cbitas para vestido a 3a rs. o corte ; esmbraias; pa-
risienses ; chitas francezas largas e estrellas para
vestidos; ludo por preco muito barato assim como
um bom sorlimento do Iszendas para calcas, e outras
muitas fasendas por preco muite em eonta : na ra do
Crespo loja nova, n. 12, de Jos Joaquim da Silva
Mai
=Vende-se um cosmonma e um livro intitulado
= Missa da Formiga = ; na ra larga do Bozario ,
n. 22 antigamente ra doiQuarteii.
= Vendem-se dous inoleques, de 16 annos, com
bonitas figuras, ambos do servico de campo; um par-
do bom carreiro ; 6 eicravos, com bailante pritica de
servico de campo ; urna esc ra va de 22 annoi, cozi-
nba bem e lava ; urna parda ptima para ama de urna
casa : na ra Direita, n. 3.
MUITO BARATO!
No Attrro-da-Boi-Viita n. 10,
vende-se tarja de teda beipanbola muito superior a
2000 rs.; gros de aples preto para vellido de senbo-
ra pelo barato preco de 800 n. o covado ; merino
preto superfino a 4a rs. ; franklim preto com 7
palmos de largura a 1400 rs. ; casimira de lia, com
quadros e liitrss, muito boa fazenda e de lindos pa-
drdes a 460 rs. o covado ; bros de linho com lis-
tras de cores e muito fortes, a 320 e 400 rs. e tam-
bem branco a 240 rs. o covado ; ricos cortes de chi-
ta a turca a 3800 rs. ; chitas finiiimas de padres
ohinezes, a 2S0 ri. o covado; ditos rouxn avelluda-
das, a 200 rs. ; e oulras de varios padrdes e cores fi-
las a 180, 100 e 140 rs. o covado ; meias de seda
preta para homem muito superiores, a la rs. o par;
esguidesdos mais finos e superiores em qualidade ,
ptimos para peitos de camisas, a 1000 e 1600 rs. a va-
ra; ricas platilbas de linbo puro e muito finia, a 640
i, s vara ; e outras muitas fazendas por preco mais
commodo do que em nutra qualquer parte.
= Vende-se urna linda eicrava de naci Angola ,
de idade de 18 annos, com habilidades; o motivo da
venda se dir ao eomprodor: na ra estreita do Roza-
rio n. 31 primeiro andar.
= Veude-seum moleque, de idade de 14 annoi ,
pouco mais ou menos; um dito de 8 annos; urna ne-
grinha tambem de 8 annos, sadios, de bonitas figu-
ras, e livre de vicioi : na rus da Cadeia-Velba, n. 30.
= Vendem-se os escravos seguintes chegadoi pro-
limamento do Aracaty : 3 pretas dj bonitas figurai,
com habilidades, de idade de 20 annos ; um moleque,
de 15 annos; urna negrinha de 12 annos; um ca-
brinbe, de 9 annos ; urna parda de 30. annos, com
habilidades, com2l1lbos, sendo um bonito mulati-
nho claro de 6 annos e ina mulatinba de 8 an-
nos ; todoi por preco commodo, para liquidarlo; na
ra da Cruz, n. 51,
= Vende-se urna casa grande e com bons commodos,
quintal bastete grande e com varios arvoredos na
ra da Conceicio, n. 14 : a tratar na dita casa.
Tivolly da ra do Crespo.
sj |ioj aiag apas Jouadns ep euiq uioo sojjno
100 ra,; ma espingarda para lamento de guarda na-
cional ; urna cama nova de armacio, por 15# re ; urna
banca de ler ao p da cama com sua pedra 10/ r.;
lia beipanbola de earneiro a 6000 rs. a arroba: na
ra do Crespo loja da escadinba n. 11.
AZEITE de CARRAPATO.
Vcndc-sc iodo o anuo, cm
grandes porcoes e s caadas,
a vontade do comprador, e
sendo de 5200 caadas para
cima cinco por cento menos
no deposito da ra da Senzal
la-Velhan. 110.
= Vendem-se os livroi seguintes :
Almeida Recreacio.
Cartas de Ganganel.
Vida da Madre Tberea.
Virtuosa Portugueza.
Carcter* da verdadeira religiio.
Seculos ebristios.
Vida de D. Fr. Barlholomeo dos Msrtyres.
Historia Romana.
Viageosde Henrique Vaniton.
Guia doi peccadore.
Os Desvarios da razio.
Pensamentos deja mi m.
Ouadro de douUina.
fclemenloi da polica geral.
Eatreteoimentosde Theopblo e Fuginio.
2 globoi para meio de sala.
2 apparelboa fiaos e domados.
1 oculo de ver ao longe muito superior.
Tudo por preco commodo, por haver precalo.
Na ra Direita, n. 61.
Vende-se potassa americana, ltimamente (ne-
gada em barris grandes e pequeos; lencos pretos,
de seda da India ; aelim preto de Meci ; velas de es-
permaeele de 4, 5 e 6 em libra ; cera amarellu ; al-
godio grotso para saceos; tudo por preco commodo :
em casa de Malbeua Auitini & Companhia na ra da
Alfandega-Velba n. 36.
= Vendem-se moendas de ferro para engenbos de
aasucar, para vapor agoa e beatas de diversos tama-
nhos por preco commodo; e igualmente laiai de
ferro coado e batido de todos os lmannos : na pra-
ca do Corpo Santo o. 11, em casa de Me. Calmont *
Companhia ou na ra de Apollo armazem, n. 6.
nais superior sana
Vende-se a
laiga despatillla, los de linho pre-
los muito superiores, lencos de se-
da de cores muito bons-, pelo bara-
to preco de isuo, e outras muitas
fazendas, por preco mais em conta
que em outra qualquer' parte : na
pracinha do Livramento, boje ra
do Queimado, na segunda loja por
baixo do sobrad grande de tres
andares, n. l\0.
o 'Sj soiuaquinb e |iui oouio a apas ep [os ap soad
J. Taiio Jnior.
*- Vende-se muito superior potassa
da Russia, em barris pequeos, pelo m-
dico preco de a4 r'm a libra : na ra do
-tqa ornes sepaeitj sejinuj sujno a '. suajau ezop a
apas a opositan soJuaj huissj a -s lojuasojio a
Ijiu snop a pu||oq aiaui |sda4 i9ju|oi asq|in9
ada sapuaj : soojiS : saino sasipoi appiajij ato
-japn 'uijiei ep itiutiu aaoq iapopnnb se ispoj ap
ioiua| a ii|iip ap oiuamujos uoq tun '. opuoo o asa)
sd a lojjnisopeasu o iez>je| ezesuuj sijiqD i opai
-oa o suajuii azop a 'lajpaz ep ivzooujj sajip : aajuu
aiou a sojnasa sagjped moa sopioi so!)ja|iopii3iij
! opuoo o aaejsd eieui a oqaiQ op oijaqoy ep ssijqs
! opeaoo o sesaisd oj)anb a oji ap ioui|id moa a)
-bj zaaujid ,' opaioa o isaaiid osu|3 a sassssa-ajqos
a iiama ajad audojd ojmu aaad|a : opuioa o 'sj |;m
zajj a ejnije| ep sou|ad moa ojajd puiisui '. opom
-moa oJaid jod 'toq ojinu 'e|oquadaaq aiip opaaoa
o 'aj |iui snop a soqsrj ma sepeauqaj sipud siliis
Jtd o susiuu azop. e ejoquas ajad saudojd aap,a
uiaaa topap lojam uioa sejpa ap a ajajd tpat ep san|
'. opaios o eieui a atsaiad oiianb a op)ia md zajp
ai ap apea es-epuai o;ao)ay ep oajs o ejtd aj
-uajj uioa oibb||o;) op anj ap uinhsa ap ijop i
= Vendem-se aa obras de Paoteio 1 v., 3# rs. e
aria* obres usadas para eitudo por preco commo-
do ; coeiros de casimira bordados; botoes braceos e
pretos a 300 rs. a grosa ; relroz preto e aiul-ferre-
100 rs. oitava ; ahs de carretel fina j,m.,
== Vende-ie por preco commodo no beeco
Rozario sobrsdo de um andar, n. 8 urna duzia
cadeiras, um soph um canap urna banea urna
mesa redonda de meio de sala um par de mangas de
vidro, urna commoda ; ludo em bom uso e um vio-
lio.
* Vendem-io, na ra Nova n. 38 os seguintes
livros: um diccionario de Moraes da quinta edicio ;
e ai Aventuras de Telemaco em Irancez.
= Vendem se panos fortes dos bem conheoidos
autores John Broadwod & Filhos de Londres k por
preco mais barato do que at agora e um forte piano
dos racimos autores muito em conta ; em casa de M.
Calmont & Companhia na prac,a do Corpo Santo.
=Vende-se folha de (landres em poredea grandes
e pequeas; emcasadeM.' Calmont & Companhia,
na prica do Corpo Santo.
= Vende-se urna guarda-roupa novo que ser-
ve para bomem sojteiro por preco commodo ; na ra
dos Piral, casa de maceneiro n. 46.
= Vendem-se couriobos miudos, muito superio-
res tola bezeiroa surradoa, charutos regala : na
ra da Cruz, no Recile, n 24.
= Veodem-se aa seguintes semcntei, chegadas l-
timamente de Lisboa : coeotro, rbanos, rabanetea en-
carnados salea, nabos, ede alface; na ra da Cruz,
no Recife botica, n. 60.
= Continuio-se a vender chapeos-finos de eastor, a
retaibo; na ra do Trapiche, n. 5, casa de Jlo Slvrart.
= Vende-se superior sement de coentro em por-
fo e a retalho ; na ra estreita do Rozario, o. 11,
antigamente dos Quarten.
=Vende-ie um moleque crioulo de idade de 18
annoi, pouco mais ou menos de bonita figura, pro-
prio para o servico de campo ; na ra do CJueitnado ,
loja n. 9.
= Vendem-M chapcoa de castor de abas largas; pan
Vende-ae uan preta de 30 annos no vi|
de 400/ra. ; o comprador s dar* 200 ra. pur ,ef '
preta cortada em 200# r.; cala preta d 480 M- '
dia : atril da matiizde S. Antonio n. 16.
= Vendem-se vaso para flores mu hem fei(0,
o de moilo bom barro; anim como quatro paiir,
oplirmn canladore, sendo urna patatua da Parabiba
um curij um bigode oum eicelieate bieudo : n
ra da Florentina n. 16.
= Vende-ae arroz de ceaca medido, por bam
preco ; na ra da Praia venda n. 46.
=Vende-e ou arrenda-ie oeogenho Caicira S'
to na comarca de Nazareth com ptimas e sclle'n(i^
trras ; a tratar na roa das trincbeirai n. So, ou ,,]
cidade do Olinda com seo proprietsrio Manoe
Ionio dos Paasos e Silva.
t= Vendem-M duai eteravas de naci moi
bonitsi figoraa, sio ptimas quilandeirai ; dous riiu
ladinos de bonitas figuras, de 17 annos, ptimos p,
ra pagena e um dalles he bastante claro da cor u
escravo de oaco de 30 annos, muito ponite, con'
oflicio de serrador : na ra das Cruzas, o. 22, secun-
do andar.
as Vende-ae una porfi de sola e eouroi miados
por preco commodo por o dono estar de visgem pjr'
a Parabiba : no armazem de Bailar Oliveira, ui ruj
da Cadeia do Recife, n. 12.
b Vendem-se 5 escravos sendo duas negriohis
urna de 16 annoa e a outra de 13 orna tnulatinha
de 12 annos todsa cosem bem; um preto bem moco
de bonita figura e he bom carreiro; um cabrinha,d
10 annos; no pateo da matriz aobrado n. 4.
Ao barato, fregmzti I
= Vendem-se borzegoins de ponte para icohori
a 2000 rs. ; sapatos de lastro para bomem, a 1000 n.
botina para meninos a 320 rs. ; sapatos para ditos
a 160 rs. ; ditos de marroquim para rapases, a 600 n,
peitos para camisas e 320 ra. ; espartilboi par te!
nbors a 1000 ra.; spalos de selim a 200 ri.; dito*
desetim, de Lisboa a 480 rs. ; luvas para sanhora
160 rs. : na prara da Independencia, ni. 13J
15 lojado Arantes
= Relogios de ouro palente ingfez jienmini-
doi e approvados aqui vendem-te a dinheiro por
prego muito baixo ; correntinbas da ultima moda, pi-
dro= Principe Alberto = e tambem um corono-
metro: na ra do Trapiche n. 40.
=Na ra do Trapiche, n. 40, cerveja branca e pre-
lado Londres, fabrica do 15arelay & Companhia, a
melhor, que ba em barricas do 3 duziis; ha um lo-
te menos estimado da branca que se vende mui ba-
rato para fechar urna conta; tamtem se vendem viabos
superiores para gasto particular sendo de Teneride,
Heipanha e do Porto ; casa de Cbriitopbers & Dooald-
iOf!.
Casa da F,
Na ra estreita do Hozario, n. 43.
Neste eslabelecimento contnua-se com a vend
das cautelas da lotera de S. Pedro Marlyr de Olinda;
cujaa rodaa devem correr no dia 17 do corrente infil-
livelmente, se se venderem todos os bilbeles, que exii-
lem. A ella para nio haver motivo de se mudare
dia.
No armazem do Braguei ao p do arco da Con-
ceicio vendem-se boas batatas dss ilhaa a 800 rs, i
arroba.
Escravos Fgidos
no de linho muito Gno ; boceles de doce e 640 rs.;
vinho engarrafado no aono de 1825 ; latas com lin-
guicas; muito finas toalhas de linbo para roalo : na
ra da Cadeia-Velha o. 6, por cima da loja de louca
do Sr. Fragoso, primeiro andar.
Vende-se um preto ptimo irabalhador de en-
uda sem vicioa neto achaquea; um quarlio de caa-
galha mui possante : aa ra do Hospicio n. 44.
Veuiioui-.o.accas com milhft, a 4000 i a. ; so'-
mezem do Breguet eo p do arco da Conceicio.
m Vende-se urna crioula de idade de 25 aanos,
de bonita figura e aem vicio alguma sabe lavar, eo-
aoamar, ccsinbsr ecoser, psr !" da provincia, ou
para aqui ;l a vista do comprador te dir o motivo da
venda : em Fra-de-Portae n. 95.
Venda-ae um preto de bonita figura do 18 a
'" annoi; na ra do Vigaiio o. 17.
Fugio, na madrugada do dia 7 do paliado di
cidade da Olinda, urna parda de oome Coima, pare-
cendo branca por aer bailante clara cabellos corla-
dos o corrido* estatura mediana, nio mal parecida,
olhos pretos e grsndea sobrancelhaa grouu com
falta dedentes na frente peitos grandes, pis e niaoi
regulere ; em um dos ps tem urna peqaena ferida en-
tre os dedos, que nio a deizava andar bem ; o dedu
do meio da mo direita, na ultima junta, be defeiluoso
de um psnaricio; representa 20 a 22 annos de idsdr.le-
vou alm da roupa do corpo, urna Irousa com um vei-
tfdo de chita novo e algumas camisas sendo 3 de na-
dapollo fino anda em folha e 45f rs. em cdula-
quem a pegar, Teve a sobredila cidade de Olinda ni
ra do Paaio-Caitelbano cisa contigua ao theilro,
ou no Recife na ra da Aurora n. 12, que ser g-
neroiamenle recompensado.
= Fugio, no dia 12 de fevereiro p. p. urna preta
de oome Joanna do gento de Angola, de ididode
48 annos pouco mais ou menos alta, grossa do cor-
po cor fula ; nio tem denles na frente ; lem ti per-
nea ps incbados proveniente de eryspela, que I'
costuma dar: roga-sea qualquer capillo de caroso -
ou autoridade policial que e encontr a eonduzi
sua senhora, que presentemente est na ra da Cadeia
do Recife n. 25 e recompensar o seu trabalbo.
- Fugio, no dia 26 de fevereiro p. p. urna "'
crava do commendador Manoel Mara Caroeiro di Cu-
nba de nome Roza de naci Benguela alia, cheia
do eorpo, falla grossa ; lem urna chsga na canalla di-
reita um Irinco na parte superior da orelha eiquf-
da ; levou duas laiet, urna de cbila e outra de algo-
dio da (erra quatro esbecoes, um panno n0*
Coila ; ealava na botica da ra dae Convertida!, n. 60,
de Antonio Thornaz Carne'uo da Cumia pira "'
cbaga tratada por professores : quem e pegar, le" "
engenho Tibiri ou na botica cima dita que
bem recompensado.
= Fugio, no dia 4 do correle mz da can
abaizo signado um preto crioulo de nome I *u '
de 30 e tantos annos pouco mais ou.meooi, '
regular, preto da edr, barbado ; lem uro olho "80^
be natural do Aracaty ; foi eicravo doSr. Joi e J-
bra dono da venda da eiquina da ra o Co"*?10'
por baizo do sobrado novo do tallecido Cunba ; cl'
eicraro o Sr. Sobra vendeo-o ao Sr. Francisco
zo que mora defronte da Cadeia a quem o
t
do
fila coijjfuu o dita Ccrivo : quem o "**'
ra de Agoai-Verdei tobrado n. 70 quc
pensar, Francisco Joti uarie.
Rsp"-
aonun-
. lew
recoui-
T____l ,_____j_ i.^/ on i a lOOrs.soiUva ; eaa deearreiinnaetroi. =Vendem-ie. por oreco commoao caiaei ue rolas
irapfcfco, armazem de Jos Teiss.-rs 5j >idugif s30. s rrsis!; a'a i~i-~\d iaih,hnwv,Vmm*m: un* d **oh-\*-
Basto.
crever, a 320 rs. a garrafa ; bilbele para banho aldea, n. 36.
PERN.
NATVP. OE ai. F. OE FAMA
-i8.'|6.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E1TM0BEMU_PTRSDQ INGEST_TIME 2013-04-26T22:17:31Z PACKAGE AA00011611_08199
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES