Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08176


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-"--I
s*lAnno de 1846.
Quarta feira 14
n 0MHr0pubHc-se todos oa tilas que
o fore.u de guarda: o prer,o da aiaignn-
mra he de 4/ rJ. por riuartel dijo, daafri-
Ltos. O annuacio do* algnnt, mojum-
vno 'dilferente, e aa repeticnes pela mrtade.
^|!nu(.iiSo forern aiatguanles- pigao 80 n.
for linha, e 160 em typo diferente.
PIUSES DA WJA. NO MEZ DE JANEIRO.
L,Moente a i aos 5 minutos da tarde.
,,. cheii a IJ a 11 hor. e 41 uiin. da man.
6ine..antea*> 1 hor. e 31 in. da tarde.
ua novaa27ae7h,e2mln. da manhaa.
PARTIDAS DOS CORRE10S.
Goiaona, Parahyba, e Rio Grande do r>orte
Segundas e Sextas felras.
Cabo, Ssr'.nhssa, Rio Formse, Port ^al-
vo, e Macey, no 1. 11 e 21 de cada me.
Gacanhuns e lonito a 10 e 24.
Boa-Vista e Florea a 13 e28.
Victoria as Quintas fciras.
Olinda todos os das.
PREAMAR DE HOJE.
Primeiraa 6 h.e min. da manhaa.
Segunda a6h. e 3u minutos da tarde.
de Janeiro*
Anno XXII N. 10.
DAS DA SEMANA.
12 Serunda S. Satjrro, aud. do I dos orf.
edoJ. do<:. da 2. v., do J. M. da 2. v.
13 Terc.a S. Hilario, aud. do do civ. da
f I. t c do J. di- pai Jo 2 di-i.. .!o i.
14 Quarta S. Halaejulaa, aud do J.doclv.
lia 2." v., e do J. de paz d i 2 dist. de t.
15 Quinta S. Amaro, aud. do J. de orf.
c do J. M. da I. r.
IB Sexta S. BVrardo aud. do J. do civ. da 1.
V., e> do I. de paz do 1. dist. de t
17 S lobado S. Eleuiipo, aud. do J do civ.
da I. v., e do I. do paz do 1. dist. de 1.
20 Domingo S. Fabio
CAMHIOS NO DA 13 DE JANEIRO.
Camb. sobre Londres. 27 '/, d. p. 1/ a 80 d.
Parla 317 rla por Tranco.
Lisboa 112 p c. pr. p. m.
Desc. de le. r bOU firmas I '/.. p. % nPZ-
Oero-Oncas hespinliolas 30*500 a 3'*H0I)
Moeda de ti^oo vel. lO^iOO a Ifi^iH1
i) de6lrtl nov. IGOiO a I6*'00
de 4a\M)l) STiOO a 8**7fH
Prala Patncoes .... Inio a 1*930
. Pesos :oluoiuares. Ifila l/TMO
. DHoa Mexicanos. l#8*i a I/H60
Prali niiiid. lfViO a 1/71
Acc6es da C do Beberibe de 50#000 ao par.
lTTTw
DIARIO DE PERN AMBUCO

mam
PARTE OFF.CML.
Governo da provincia.
KXPEDIENTE DO DI 7 DO COURBNTB.
OITicioAo commindanie superior da guarda ntcio-
|nal de Olinde elguarees. declarando em resposta so
Iseu ofBcio de 3 'leste mei, que para substituir o coro -
Inel befa de legito. Joaqun) Cavaloanti de Albuquer-
Ique. drente o leu impedimento, he oomeedo o len-
te coronel Manoel Pereire de Moran.
JJjtoAo engonheiro etn chefe dss obre publicas,
lorisando oa enender proceder aoa reparoi.de que d-
dupeniaselmente carece a ponte dos Afogadoe, e que
S. mo orcou em2:500l Partioipou-ie eo impec-
Lrde Ihetourtrie das rendas proviociaes, iospeccio
liscsl (lis obras publicas.
DitoAo mesmo, orJenindo, que enctrregue oar-
jemaitanieda prirr.sira parto do dcimo lenco da estre-
lla de Victoria d eoairuceio do pequeo arco, que,
alero das obras pare e dte ponte projectedts, julga de-
ver-seslli faier. e eujo orcameoto fot pela presidencia
ipprovado.Communicou-se e tbeaouraria dea rendas
provinciana, e eo iospeccio fiscal das obras publicas.
DitoAo commisserio pagador, determinando, que
ara pagamento doa pete, etapes e outra despeisi com
j torca, que ae echaem servico aoiul da provincia, fa
na entrege ao espillo Pedro Ivo Velloso da Silseira. que
lamsphia para Mi mucha a tomar coota do commando
Ido urna tal (orce, da quantia de l:000ji ri. etn notaa de
[pequeo valor. Partioipou-se ao commandinle das
[finas
DitoAojuia dosorphioe do tormo de Iguaran,
laccuiando remesse da certidio de bito do cidadio Jlo
ICavalcaoti de Albuquerque, envisds a pieaidenoia pelo
cnsul geral do imperio em Portugal.
DitoAo presidente do conceibo geral de nlubrida-
Ide, exigindo, pere iransmittir ao presidente do ftio-
[Grande-do-Noite, algumas laminas de pus vaccinieo.
DEM DO DI \ 8
OfficioAo deaembargadur da corda aoberania e la-
Izenda nacional, exigindo o seu parecer sobre un reque-
Irimenlo dos arremetUntea do imposto das cunea verdea
I neste cidade.
DitoAo rom mandante da ilba de Fernando, en vi -
lando copia de um offlcio do coronel pagador militar,
I para que pelo aeu coatedo se regule nos casos, sobre
Ique ii aniestou duvidss em "lido ''o 1 de novembrodo
'enno lindo; e remetiendo um exempler do decreto n.
' 421 de 26 de juobo do dito anno, e urna copia do avi
I aode 27 do niesmo mez, que recommendou a sua exe
[cuco.
PortaraNotneando para, durante o impedimento
Ido inspector do arsenel de marinhs, dirigir aquella re-
Iparticio ao lente coronel de primeira classedo esta-
Ido-niaior do exercito, Manoel Ignacio de Csrvalbo
JMendonca, Perticipou-se eo nomeado, ao commsn-
Idanto das srmas, ao inspector da theaouraria da (aienda,
|e ao secietario da inapecriodu arsenal de maiinba.
Comraando dasArm;is.
EXPEDIENTE D" DA 5 DO CORENTE.
Ofllcio. Ao preaiilriile de protineia, infurinnndo o
rei|iirrmenlo doalreres de teC'dnrea do exercito Aolo-
ii de M 'raes Pinriilel, actiialniente nddido n.i 4. bala-
ll'in il'ai nlliiirin a |>e. siipplieando n S. M. o Iiuperailor
le groca d'o cunlemplar em qo.nlquer dos corpos de ca-
tadores, vista que por fulla de esludos se veri privad,
cmaeus acresaus, ae pur ventura cuiitinu.isso a servir
eiu diffurenlu arma.
Dilo. Ao mesmo, enviandu-lhe ero proprin origi-
nal o fio que enderezara av quarlel-generel o bri-
ESdeiro Francisco Sergio O'Oliveira, no qonl deelarava
que catava proniplo a aeguir para a illio de Fernando, e
pomar neoiiimnnalo iiue I lu fra confiado pelo governo
imperial, servindo-se pnrtanio S. Ex. do hnbililar ao
I ci.o.inundo das armas par* o fin que ficava rxpressad
Dito. Ao generol presideuto e conimandante da>
armas da provincia da Bahin, reqnisilando-lhe a rei-
dlo rt'oliito do *.0 cmlele Bxequiel Cardlo Percira de
ilello, do 4.0 balalho d'artilliana a p, para visla
deste documento poder-se averbar em os assentne do
dito cadete a compoienlo nota, que, para ser laucada.
nao Ibe pareca stiUlcienle a coramuiiioacao ofTlcial que
fieera ocommandaule dn deposito, onde eslava addido o
ndete, ao lenente-coronel enmmandante do referido
balalhSo.
Dito. Ao leneole-ooronel commendanle do 4. ba-
lalha d'arlilharia p, etnnmnnioaiidii-lhe o expusto
no ..llleio preeedenle, com o pie finava respondido n
aeu, datad de 30 do mea de detembro ultimo.
Dilo, Ao meamo intelligem iando-o do que a prcai-
dencia noneedra ao sargento ajudanle do baiallilo sb
seo enniinaiiilo, Queiros Maeedo, por drapaolio do 4 do
rorrele. Ir metes de lieenca regislada pare ir a pro-
vinea de Sergpe iraisr de anua ulereases.
Dilo, Ao coronel onmmaiidanle do 1. batalhlo de
ruinara n p. ntelligencando-o do que pela presiden-
ei so mandarlo f.iter oa preciaos eonoertoa indioadoa
pe qaarlel-Hie.Ire do batalhlo do ee.i ooiumaiido. no
(piarlo que na fortaleta do Brusa aorvo de arrouadnclo
do meamo balalhlu.
Dito. Ao uiesmo, iMimmunicaado-lbe pare aua in-
lelligenoia, que pela presidenoia foi posto d'accord o
oomiuiaaario pagador, para Iho levar em oonla a i|uan-
lia du 1:0008 r. que entregara ao majur Cosaeirn no
.u'.lo de paaa.ir-llio o comiuando do forca em servicu ao
ul da provincia.
Q OAETEt-GENREU. NI CIDADE DO EECIFE 12 DE JANBIRO
DE 1846.
Orden do dia a. 76.
D'ordem do Sr. general comiunndante das anona se
publica, para conheoiiueiilo da guariiici, o iiviao abai-
iii iranacri|ilo, que por copia llie f.ii reioettido poro
Exm. 8r. |iresidcnlo da provincia em oflloio de 10 do
crreme.
cop-ja. 1." Scelo.
Hita, e Etm. Sr. Reeonliecendo o governo impe-
rial a neneaaid.ide que ha de |>rovidencar-so sobre a
grande irregularidade, que se nula aa direnclo que aa
diversas r parlicOea |ioblirns oosiuuilti dar a oorreapon
deuoia odicial, que enviAo a adminialracao do oorrcio
para Ihe dar o compleme deatino : lia por bem deler-
inii.ir S. M. o Imperador, que as eale{5ea aubjeilas ao
uiliisterio da guerra d'ura em dianie deaignem .empre
uo aobrearriplo de todas as carina e pa|ieis de objoolu do
aervico publico o eiupregti d auturidadu, ou emprega-
do piibiiuo, a (jniiu lio dirigidos, e i. numo ou empreg"
de quein os dirige, escrevendu-se no alio do mesmo so
breaeripto declaraclo de-servico publico-O que com-
ruunico a V. Ex. para que assim oentenda, oneata omi-
formiilado expeca as neeeaauriaa rdeos as mencionadas
rsiaccs uessa pruvini a.
Dos guarde a V. Ex. Palacio do Rio-de-Janero em
16 do dexembro do 1845. Antonio Francitao da fau-
a e Hollanda Cavalcanti d'.ilbnqurrque. Sr. pres-
deme da provincia do Peruambuoo.
Esta conforme. Antonio Jg de Oliveira.
Jote dn Silva Guimardcs,
Ajudanle d'ordcus.
EXTErtlR.
|A RAINHA MARG.OT. (*)
por 2llriaiioi Dumas.
TERCE1RO VOLUME.
CAPITULO H.
o AxoJAMnrro dz mesthx bxn,
O PERFUMEIRO.
(Continuando).
i L Mole rioou petrificado ao avistar sua ranha \
finias litera uru detluiubrameiil* ao ennhecor ma-
^a de Nevera i mu fiurou-sc-llie 411U aa feiticorisa
Vide fliarie n.# 9.
NOTICIAS DIVERSAS.
A 5 do correte (dezemhro) encerrou-io em aples
o eongresso identifico Termoou-ee acereinonia cum
d illeienle discursos em louvor do momreba, queaisim
proiegie aa iciencias. No mesmo da deo o rei um antar
de 80 lalberes a que Torio convidadoe muilos meaibros
do coogiesso. A'noute houve serio musical, a que foi
presente todo o coogresso, corpo diplomtico, elo : o
numero doa convidados ebegou a 2,000. Omarquez do
Brignole Sales (01 nomeado presidente do futuro eon-
gresso, que se ba de reunir em Genova,- e oulros di/cm,
que em Veneza, porque assim o deseja o imperador de
Austria.
Todoaoi jornaea eilraogeiroa falli com exalla-
ciodi viagero da impeatriz da Rusea, mandada pelos
mdicos i Italia. A esposa do c/ar viaje com urna mag-
nificencia verdaderamente oriental. As sus* bsgagens
lio mmeosai, e aeaegura-ie, que a aua mesada be de
20 milhaes de francos O imperador Nicolao veioen-
conlrar-ie com aua esposa a Millo, depois de ter aire
veaaado como urna eiabilscio toda a Allemanha desdo aiiumptoemdeisccordo com isconvenieneiae acoro
ai margena do Mar-negro.
A marinhs de vapor em Inglaterra tem duplicado
de 1831 a 184V. Esta nsclo conta boje 107 vapores de
todoi 01 tamanhoi com uma forca igual a 20.000 eival-
loi; e tem noa irmaxena um numero de vapores igual I
forca de 10,000 cavalloi.
Em Franca anda esta marnlia por metade.
N01 Estados-Uoidoi ba muilo poucos vaporea de
guerra.
Na Blgica ha 3, 7 na Hollanda, 5 na Dinamarca, 9
na Suecia, 25 na RuMa, 2 na Pruaiia, 3 na Hespanbo,
2 na Austria, 3 ns S.rdenh* e3em Portugal.
Nio se conlio senio os vapores armados em guerra, e
eotrio neste numero mu (Da tieviita Unncrial Luboninte )
INTERIOR.
do mostr Rene linhlo evocado o fantasma de Mlrgari-
ila ; 11 oulfo, que Vira inda meia ubi lia a (loria fela
qual oa ennaniadnrea fiuiiasniaa nublo entrad, em bre-
ve aeliou a ex|ilicaoao dosic prodigio uo mundo vulgar
e material.
Em quanln La Mole se bernia e suspirava mover
compaixau aa me.nina pedral, Cocannaa que liera ludo
o lempo de faier ns suas rrflexoes |>bili'Sophiraa, e de
eneliolar o rapirilo maligno Cal a ujuda do jiysofte, qm
ae chama iuereduldade, Cocannaa au lr pelo raag&o di
cortina o |iasmo de madama de Nevera, e o Sornao un
(iouom sardnico de Margarida, pereebou qua n momeii-
lu era deeiaivo, e coio|irrhenilendo quq |n>r um amigo
sm ..,.,1 da*" o une se nlo iiuaa por ai recamo, em vev
de dirigir-se a madama de Nevera, foi dirrilo a Marga-
rida, e pondo tina joelbo em Ierra, a muneira, par qun oa-
farcaa burleac.na das feras era reprraeulad.i o grande
Ariaxerxes, exelaimiu ooin vos cujo aibilar nio deixava
de leraua nllooinia :
Senhur*, neale mesmo instante, a pedido de meu
ligo o enndo de La Mole, rocsiro Rene evoisva a
sombra de V. insgeaiade; ora, com grande admirec'o
iiiinlu, a vossa mimbra ap|inreceo acompanhada de um
corpo, que me he bem charo e quo eu reoomiuendo ao
neu amigo. Sombra deS. inagesiade a rainba de Navar-
RIO-DE-JANEIRO.
3.* 9ECCA8.N. 8. Rio-de Janeiro. Minitterio dot
nryocot ettranqeirot. em 21 da hovembro de 18*5.
O abano asiiunado, do concelho de S. M. o Impera-
dor, ministro o secretario deeitsdodos negocios eslrsn-
geiroi, accuia a recepcio da nota, que o t D. Tho
maz Guido, enviado extraordinario e ministio pleni-
potenciario da Coofederacio Argentina, Iho dirigi
com a dala de 22 do crtenle mez, em resposla a do a-
baixo assignado, datada do da 17.
Eipde nests nota o Sr. l'homiz Guido, que, depois
das explicaces e eiclarecimentos do sbaixo assignado,
ponderando ao mesmo lempo quinto connnba a inteies-
isva, que nio ficassem interrompidsi ai relc5ei entre o
governo imperial e o da Confederadlo Argentina, nal
circumitanciai da inteivengio de dual potencial da Eu-
ropa no Rioda-Prala, o Sr. Guido, por esta rneimi
consideracio, e i villa dai oceurrencias supervenientes,
lioha julgsdo dever iguardir novas ordeni doieuno-
verno, a quem darii conta, na primeira opporlunidade,
da ola do abaixo aisign-do. e que entretanto Ibe seria
altamente grato continua1 no em|ienbo de estrellar a
amiiide entre o imperio ea confederaiio, nio duvidan-
do encontrar no bnuo esiignado senlimenlus adequa-
dns a este inlereste commum e Iranscedenle
Por esta occasiio accrescenta o Sr. Guido, que nio
pode prescindir de chamar a alinelo do abaixo assig
nado para um periodo da sus nota de 17 do crrente,
que lh pareceo, segundo a sus redaccio, dar lugar a in-
lerpretstSea deifavoiaveii, que o Sr. Guido deleja e-
vitar.
O periodo, a que allude o Sr. Guido, be aquello em
que o abaixo aiiignado, refer'.ndo-ie em parte so que se
passara entre elle e o Sr Guido, em conferencio de 21
de agosto, decan, que o abaixo assignado respondeo ao
Sr. Guido que demorara os pssseportes, ficando a no-
ta em segredo (a ds legaclo argentina de 17 de agosto),
e esperando que seria retirada, mas que ha poucoi dial
tinlia constado ao abaixo aisignado, que o Sr. Guido t-
n'.a mandado imprimir a sua ola, e que um exemplai
della for sublrshido, aeudo decrer, que brevemenlo
viria e ler publicidade.
.NuppSe o Sr. Guido que desla eiposisio poderi de-
duzu-ie aem violencia que o Sr. Guido fallou a algu
ma dsicondces dovidas a sus posicio publica, e 10
seu proprio decoro, e psssou a explicar que a impres-
sio da nota de 17 de agosto foi dispoita pelo Sr. Guido
ao lempo, em que pedio os pssssportei, conforme a or-
dem do leu governo, pare ler distribuida o corpo di-
plomtico eslrangeiro nesta corle, quando se retirasse s
legacio; que o Sr. Guido nio poupou preesucio pira
evitar, que a ola podesse transpirar no publico, e que
quando ebegou aoieu conhecimento. que da imprensa
imlia sido elanHestinamenle sublraliido um exemplsr,
avisara disto ao abaixo aisignsdo, prevenindo-o deque
se faiiio leriaa diligencias para recolh-lo, emanifei-
lando-lbe o seu profundo desgoslo por um incidente
imprevisto e absolutamente albeio aosdeiejos ds lega-
cio. O Sr. Guido conclue pedindo ao abaixo assigna lo,
que declare ae ha na sua expositio alguma nexacldio,
ou se exilie alguma circuautancia relativa ao mesmo
circumipeccio, que o Sr. Guido se tinha imposto na
conlercncia do da 21 de agosto com o abaixo assig-
nado.
O abaixo assignado, tondo prestado a devida alinelo
i nota do Sr. Guido, est sulunsado para responder,
quaoto primeira parta que o goveroo imperial ouvio
com atisl icao. que o Sr. Guido nio pretende insistir pe-
los passaporles, concorrendo por esta loruia para conti-
nuaron!, aem nterrupcl >, as acluaes graves circuma-
lancias, as relaedes entre o imperio e o governo di coo-
federacio
U abaixo assignado nio se esmerar i menm que o Sr.
Guido no empenbo de estieilar eslss relaces.
Pelo que perlence i segunda parle da nota, o abaixo
assignado nio hesita em ettabelecer, que do periodo da
nota que o Sr Guido transcrove nio deve tirar-se dia-
rio alguma que esteja em desbsrmonia com ascondi-
eei, que o Hr. Guido rolere, e a que ae comprometiera
na conferencia, quo leve com o abaixo assignado no dia
21 de agosto.
He conviccio do abaixo assignado, que contra a von-
tadedoSr. Guido e a deipeito de todas as precaucdei,
que tomou, foi suMrahido um doi exemplare da nota
de 17 de sgoito, que o Sr. Guido linha maodido im-
primir, pelel rsioel e para o lim que indica.
('.11111(111', poro n, ao al'iiui assignado recordar ao Sr.
Gilo, que o faci da subtracco do exemplar da rte-
rida nota fain'umacon/trencia communicado prime-
ramente pelo abano asiignado aoSr. (uido, lendo
cerlo, que na mosma occasiio declsrou o Sr. Guido ao
sbsixo assignado, quo vinha faier-llie igual communi-
cacSo. palenleando o seu prolundo desgoslo por esta oc-
rurrencia, e as diligencias, que faita para reculher o di-
lo exemplar; ao que o abaixo assignado observou, que,
segundo as informar/cVa que linbi ublido, labia, que o
exemplar da ola estivora em poder la legaclo da Re-
publica Oriental do Uruguay nesta edite, e que, ou o
mesmo exemplar ou umi copia, linha sido remetilo
por ella para Montevideo para aer publicada no Mi-
cional.
O abaixo sssignsdo aproveila esla occasiuo para reile-
rar a > Sr. Guido os protesto! da sua perleiU eslima o
lisliin la consid raiio.
AITCWIO Paulino Limpo de Adrep.
liiBitfiii PERSiSrcor
O jornacs. que nos trouxe o hngue Hobim. (llega-
do bonlem de Liiboa, alcaneio a 10 de de/embro ul-
tima.
Narrto de Portugal niobavia novidide.
No dia 2, anniveranno do nosso augusto Monarcha,
bouverio all manifeslacSea do regosijo publico, e deo-
se um banquete no paco.
Em llespanba eiio indigitados para a presidencia
dn cmara doa depotados Castro, Orosco, e Bravo
Morilho ; ehavia-se installado o concelbo d'eslado.
cujos membros presentes prestarlo o juramento naa
mius do general Narvaei, presidente do mesmo con-
celho.
Falleceoem Leao D. Thomai Zsdiio de Guevara,
bispo eleilo da Nova Cscerea.
Eslava a sor nomeado grando de Hespsnb o duque
de Hiantnres (marido da rainho Chrislios).
Em l'loreiica havia sido reorgaaiando o gabinete,
sendo encarregado Mr de Cismptni do ministerio doa
negocios estrangeiros, o Mr. de Hsmbourg do da
guerraUs nomeado) lio de lentimentoa eminente-
mente liberaos.
ra,
ibe
laude a bondado de diser ao corpo de voaaa compa-
ra que pns>e (lira o oulro lado da cortina.
Margarida poi-se a rir, e fe* aignal a Henriquetla que
pasaaaae no nutro lado.
La Mole, meu amigo, disseCocannos, seluquente
como Demosllienea, como Cicero, como o ehsnoeller de
l'Hoapital, e lembra-te, que |>erderei a vida, ae nio per-
auadirea sombra da senbor duqueta do Nevera que eu
son o aeu niaia devolado, m.iia obedieole e niiii fiel ser-
vidor.
Mas?..... balbuciou La Mole.
Fase o que te digo ; e vos, iiiealre Rn, vigiai que
ninguein noa interrumpa.
Rmi fes u que Conannaa I lie pedia.
Com oadiaboal Sr. conde, diaae Margarida, sais
mu boiiieiu engeiibuso. Eu vua eaculu ; vejamua, que
leude a diser-ine ?
Tenlio a dizer-vos, senhora, que asombra do meo
.10:51!, porque auiii effeiio he urna sombra, o a (irova
be que nio da a maia pequea palnvra ; lenlio pola a
dixer-Voa, que ea.a auiubra me pedo nao eu dn faculdade
|ue team 111 corpos de fallar inlelligiveloienlo, para di-
Correspondencii.
Sn. Rtdaetoret.Um qudam, Jos de S Beierra,
assignou uma carta, que aa o impressa no Jornal do
Commercio n 301. de 8 de novembro ultimo, na qusl
ent.eoulraeileivonaidi, que o Exm. presidente del-
ta provincia, doulor Casimiro J01 de ftloraes Sarmen-
t, mandou chibslir, sem man veriguacOes, um ca-
bo e leu loldadoi, que, eilando deilacadoi em Goiaoni
niaaombra. le fosieia vl meima, pedira eu antea a
ineatre Rene que me abiaroaase em alguioa cova aul|iliu-
rois, do que me servira de tal lingoagcra para fallara
tilh.i do el-re Henrique II. 1 irmla de cl-re Carlos IX,
e esposa de el-re. do Na vana. As a.-mbraa pareo per-
dem indo o orgullio terrealre, e nio ae enfadiu deque
aaamem. Eia, senhora, ped ao voaao corpo, que amo
um punco a alma deaae pobre La Molo alma em pena,
ae laroaia 1 houve, alma poraogoda primero por causa
daamit.de, que por ui.i. de urna re Ihe enierruu lio
eiire alguma. pollegada.de ferro; .1,. abrasada |m.|o
fugo de vi..., oll.os. fago mil veie. m... devorador que
lodo o do inferno. Tenaa ,... epaiUo des pobre
alma. Ama. .... |."ur o .0 .,00 f". e.o oulro lempo o bel-
lo La Mole, e se nao panilla .... pnlavr., o... do S"
lo do aorria.. uaai. He urna alma mullo inirll.genle a
lald meu amigo, e ludo oomprehendera. Sun, aervi-
uadeum deaea inlicioa, 00111 oa diaboa I senloaira-
taara oom a e|iada mealre Rene, para que em virlude
lo (nidr que lem .obre a. ombraa, obr.gue a vossa,
jue elle ja evooou tanto a propoiilo. a faier couaaa pou-
1:0 decoro..' para uma honrada sombra coiuo a vossa
ier-vos: Bella aorubra, 1. geniili.o.nein q.ieasaim per-j me parece a-lo. .______a-
deo o oorpo, a com elle o io,.ro da vida, .offreo ,. de.- A' esla perora,!., de Coca,....., que havto toM*J
gruca por cus. do rigor do vo.w. olhea. Souio fo.aeia|allitude. de Enea, de.cendo aua lofernoa, alo pode Mar-
I MUTILADO


2
nha, d'alli lorio remedidos presos polo respectivo de-
lrRdilo Jos da Costa \ illar, por mativoi que anda o
publico ignora He verdade, Srs. Redactles, que es
le cabo fui catligido com du/entis aradas, e cada uma
da> seis pracas, qua com elle estavo destacadas em a
dila villa, com cenlo e inte, e nao cenlo t encomia,
como diz o tal Jote de S ; maso que he lalsu be que
esta pena llies huuvesse sido inflingida (em tnais averi-
guecao conforme asseveraocalumniador; porque su
loi depois de bem examinado e veotilado o caso, que S
Exc. detrrminou o castigo, que sem duvida alguma foi
menos rigoroso, menos forte do que o mereca > 01 delin
quenles. e enl'-ndrio todos osufficiaes, com quem ti.
Exc. conferencioua tal respeito ; cujo voto nio segnio,
porque o seu coracSo he por extremo scnsivel ; porque
sempre que be loriado pela lei e pelos leas deveres e
mandar castigar, ou se quer tomar uma medida oais
forte, deplora e lastima to dura necessidade O 5r.
duulor Sarniento be ana conhecido nessa cidade, Srs
redactores, e por tanto dgio todos os que o tratarlo
de perto, se pode haver quem saja mais humano, mais
plulantropo, mais benigno do que elle !!! O publico
ignora o motivo pur que estas piacat ordo remeilidat
de Goiannmha para aqu, diz o mesmo Jos do Sa.
He menina, porque lio pequea be esta cidade, que
nao ha aconteci.enlo algum, por mais insignificante,
que nao se assoallie inmediatamente, qoe nao seja
gf ramente sabido com todos os pellos o signaes. Como
pois poderio ficar ignoradas as raides gravissimas. que
or.rigarin o dito delegado a pieniler as mencionadas
pracas ? Dado, porm, e nSo concedido, que o publico
com i'lli'iio ignora, quem tem culpa disto ? O que que-
ra Jos de SA, ouessequelhe diclou a citada carta?
Quera que o Exm. pre idente mandasse publicar por
editaes, ou a toque de caixa, os motivos do procedimen-
to do delegado, e do seu ? Onde be que Jos de SA ja
vio isto Nao declarou por ventura S Exc. em ordem
do da os fundamentos, em que baseou a sua delibera-
Sao ? Quo mais deveria ter feito S. Exc ?
Mas nio houve processo anlogo, (proceso anlogo
he asneira.) Parece me, que quizdizer, que 080 liou-
veconcelbo. Hecerto: mas tenboeu culpa da igno-
rancia de Jos de S, de que aliento saiba (mas sabe
roubar Aficanos, e faxercontrabando de pAo-hiasil),
que pelas leis militares pde-se proceder do modo, por
que S. Exc procedeo, aein forma de procesto ? Nio
(abe este calumniador, que as delongas, a morosidade
de um conceibo, principalmente aqui onde nao ba ofli-
ciaes para os compor, obslio oelTcito rpido e ejem-
plar, que be de mister para que se mantenha a sudor
dinarao e a obediencia da tropa de linha ? Nio sabe,
que com tropa insubordinada e rebelde nio se pdecon-
servar a Iranquillidade e a seguranca publica de quo o
primeiro responsavel he o presidente da provincia ?
Nao sube Jos de S, que todos os diss e em lorias as
parles se fazem castigos de semelbante modo, e muit
mais rigorosos ? Se nio sabe procure mestre, que o
inslrua, que eu nio estou para isso, e ruin lenhotal
obrigncio ; sendo que o meu proposito, be desmasca-
ra-lo e piovar ao respeitavel publico, que o releitio
presidente ordenou o dito castigo pur mui solidas e
valentes ra/oes, como parece-me, que tica fura de du-
vida i vista dos documentos inclusos, que Vmcs. me la-
no o obsequio de inserir na sua prestimosa e bem con-
ceituada lolha, na qual, permittindo-me Vmcs., conli-
nuare a demonstrar, que sio igual".ente calumnio-
sas as outras imputarles, que elle fez a S. Exc, contra
quem debalde dupararSO suas hervadas sellas Josa de
Sis, Jeionymos, Octavinos o mais sucia n. rlist.* A
torca do actual presidente do Rio Grande nio consiste
nos louvores drste, ou d'aquelle, esta no seu humado
procediincnto, na sua vida immaculada, no seu carc-
ter si'udo e firme; e por isso com razio zumba dos io-
vejosos, dos zoilos, dos pngoentos, dos malvolos, que,
alioc ,niiu!ulo-o, perseguindo-o, nio lazem senio o
seu dever,desempenbiou missio, para que vierio a
este mundo que por certo nio loi outra senao
atormentar o bons e pOl-osem provacio. -
Disponbio, Srs. Ileddctores, de quem he com parti-
cular i-t.tiiDOco de Vmcs., e O fio Graneme.
Cidade do Natal, 17 de dezembro de 1815.
DOCCMBKTOS.
N. I.
Illm. 1 Exm. Sr. Honlem a larde veio remedi-
do do Goianninlia o recrula Eugenio, cuja conducta
consta do oflic.io incluso do delegado, que o mandou.
TaniLem cbegaiio presos os soldados, que all esta-
vao destacados, peios motivos que V. Exc. v< ra do
oflicios, nmeros 3 e 5. os quaes, bem como o re-
cruta, seach.) no colabou^o a disposigi > deV. Esc.
Releva dizer a V. le, que, nio s ndo o delegado
bem explcito acerca dos motivos, que d.rio lug.r a
insubordinacio o rebelda dos suldados, estou com ludo
informado, que, tornando-se aquelles soldados verda-
deiros reos de polica, fuilando e perturbando a ordem
publica, nio quizerao tolerar, que o delegado pren
denso o cabo delles, quo nio quiz entregar um furto,
que acabava de fazer a um individuo, tendo o arrojo
de armarem-se o insultaiem ao delegado, que, pru
denciando no momento para nio succeder alguma ca-
tsstropbe, no da inmediato foi qut os pode prender
iiorida conler asna gargalhada, e aem romper o silencio,
cuno 1 uinn real sombra ei.iivinha em si'iiiclhaulu cmi-
jeclura, calendeo n man n Cocaonas.
1m.ii" a receben com delioudeza, e chamando La Mul:
Sombra du meu aimgn, bradun elle, chcgui c de
irrua.
La Mole, todo embado, lodo palpitante, obedecen.
Mmlo bem! dase Cueannae pegando-llie |mr Irs
da cabec.1 agora ehegai o vapor de vosao bello rusta
moreno a eata branca e vaporuaa mo que voa apre-
aeiit.
E tmindo o valo s palavras, ohegou a delicada mi
boea do La Mola, e por alguna tosanles na leve aatiin
rctpeiluaameiile encostadas uma oulra, aem que a mao
jjrocuraase d?seiubracr-ae do dooe coulacto.
Nao ce.ar Marganda de sorrir-se, porm madama
de Nevera, anda trmula da inesperada ap;.nric*u dos
dona lidalgos, nao ao ra. E > aeu iiioiuuroodo e eug-
menlava nmu a telo-e docHine, porque Ib" pareca que
Ci'Oainiaa uto devora eaquecer lauto os scua proprio
nlrreases pelos ell.eiot.
Vio-llie Lii M"le avontrarcJo d.i fronle, auaprndeo-
]ho o raio siueacador dos olbos, c apelar da embring-
tlora turbaflo em que a vlupliiotidade o aronarlliav
ae cunsajrvasac, cumprelirndeo o pengu que corra o
(em risco algum. V. Exo. dar-lhes-bi o castigo, que
merecern, e que airva do exemplo aos destacamento
de fi'ira, quedevem reconhecer a autoridade do dlo
gado, de quem ellx recebem ordens. Dos guarde a
V. Exc. Secretaria da polica em 10 de setembro de
1845. illm. e Exn>. Sr. doutor Casimiro Jo de
Moraes Sarment, presidente desla provincia. Joo
Paulo de Miranda.Conforme.0secretario di pro
sideucia, Joio Carlos Wanderlty.
N."8.
Illm.Sr. Sempre quo o agente de polica le v
destituido de recursos proprios, em que deposita plena
confiaOca vacila em suas opinSes e desde logo pOe
duvidosa a seguranca individual do cidsdio, por ficar
uma e outra cuusa dependente e aubjeita ii violencias
de asssssinio; uto, pois, tem por lim levar ao conheci-
mento de V. S. o acontecido nesta villa, por causa da
ni qualidade das pravas aqui destacadas, asquaes,zom-
bando d'ordeos, que Ihes sio encarregadas, nio besitio
lazer soltar qualquer preso a ellas confiado, como pre
entrnente acaba deaconlecercom a prisio. que esta de-
legalura tez a Antonio I'oliz, ptimo recruta.solteiro e
indiciado como membro de um coito, que se vai for-
mando no lugar do J rdim.e que,sendo remettido a V.
S. no da 28 de agosto lindo, por as pracas Manoel
Francisco Leite, e Bernardo Jos Teixeira,o_ luerio sol-
tar uma legoa alm da villa de S -Jos, e'por 40,000
rs., segundo anouncia a fama publica; assui como pa-
ra o amanbecer o da de hnjo hierio evadir-se da pri-
sio desla villa o criminoso Luiz Jos Gomes Caj, que
sol suas vigilancias se acbava ; vista do que tenbo
de rogar a V. S., para que, tomando em considerarlo o
etpen 1 ido, d suas ordens, para que seja mudado di-
to destacamento e substituido por gente melbor, aug-
mentando-so o numero do dez pracas, para com ellas e
com mais seguranca poder a polica obrar, e ir desal-
fombrando a tranquilizado publica deste lugar.
Drus guarde a V. S por 01 u i los annos. Delegalura
da villa de Goianninba, 5 de selembro de 1845. Illm.
Sr. doulor Joio Paulo de Miranda juiz de direito eche
fe de polica da comarca do Natal, provincia do H10-
Grande-do Norte. /os da Costa Filiar Jnior, de-
legado supplente.
Conformo O secretario da presidencia, Joto Car-
loe tVanderlty.
N.3.
Illm. Sr. Por ofliciu de 5 do correnle, sob n. 3,
que agora vai ser entregue a V. S., ver o que por aqui
tem occorrido, e as circunstancias, em que me acho,
pela mi qualidade de tropa, que aqui se acha destaca-
da. \ai uutro olciode ti sob n 4, que serve de guia
para o recrota no .nesmo declarado, e conduzido p>lo
cabo Antonio Claro Beterra, commandante da patru-
!ha, que de guarnan vai entregar a V, S., e igual-
mente o mesmo destacamento, que acabo de prender a
ordem de V.S., por formal desobediencia A mim feila,
oa occasiio de mandar recolher o cabo por insubordi-
nacio e fallas continuadas no cumprimento de suas 0-
liiigacoes, cuja ordem fui resistida polo mesmo cabo, e
eu amentado d'armas de seos companheiros alm dos
insultos dirigidos a minha pessoa; cujo procedimeoto
sem duvida me poria em tristes cnllisOes, a nio me re-
vestir de toda aprudencia, econbecor que semelbante
ultraje ser punido por V. S. com todo o rigor da le,
segundo o caso merece, mesmo para exemplo dos que
os teem de substituir, j que atrevidamente e sem res-
peito tudo prslicrio neste lugar, tornando-so meros
perturbadores, e dignos do setem processados, pois que
forio seus feitos assislidns em grande parte por leste-
munhas presenciar*: porm eu acbei mais conveniente
prende-loa e remelle los a V. S., taes insubordinados,
incBpazes de merecerm o nonie de soldados regulares;
(ican.lo sobro o cuidado de V.S. ornecer-me ranas-
llior destacamento, como ped no cilaJo ofcio de 5. Os
mosmus soldados condurem todo o corrame, e os guar-
das nacionaes o armamento.
Dos guarde a V. S. Secretaria da delegatura da vil-
la de Goianninba, 8 de setembro de 1815. Illm Sr.
doulor Joio Paulo de Miranda, juiz de direito e ebefe
de polica da provincia do llio-Grande-do-Norte.
Jotr da tosa Filiar Jnior, delegado supplente.
Conforme. O secretario da presidencia, Jou Car-
loe Wanderley.
N." 4.
Illm. e Exm. Sr. Em desempenho da commisslo,
de que V. Exc. trve a bondade encarregar-me, dirigi-
me a villa de Goianninba, e procurando informa'-me,
nio 16 das autoridades, como de todas as pessoas gra-
das do lugar acerca das occurrenciis aqui bavidas ,
soulie que o destacamento de 1.'linha, que se acbava
estacionado na mesma villa, sob o commaudo do cabo
Romio Jos Rodrigues, deslembrando da obediencia,
que ena as autoridades, eemmenos-preco da disciplina
militar, commetlra toda sorle de violencias, cercando
por propna autoridad as casas de alguna cidadaos pa-
cficos do lugar, exlorquiodo, por meios violentos, di-
nheiro e outros obiedos, dando tiros lora de horas, e
pralicando outros fados inauditos Accresce, que, tendo
u delegado de polica d'aquella villa Jos di Costa Vil-
lar Jnior, sob cujas ordens se acbava o mesmo desta-
camento, procurado obstar i continuaco de laes Tactos,
ousaro as prafas do dito destacamento armar-se con-
tra o referido delegado ameacando a sua propria exis-
aeu mingo, rprenentio o que dcvia fairr para (lv-lo.
Ergm-tidn-ae pois, e drizando n aiafi>> de Margarida na
le Coralinas, fei pegar na da duquesa de Nevera, e pon-
do um joclliu em Ierra :
O' va, a mais bella o mais adoravcl das niullie-
res, diste ello, fallo das mullirres vivas, e niu das som-
bras, i'deiion i Marganda unaulhoa e um si.rriso ex-
presivos, permiUi a urna alma deaprendnU do seu groa-
neirii envoltorio reparar a auarnoias de um oorpu todo
baorvido por urna smisade material. M. deCoeannaa,
que aqui vedes, 11*0 lio n.ais do que 11111 homem, dees-
irncinra fieme u audaz, he uma Dame bella a visla lal-
ez. poim mortal tnm l"da a rarno : omnie caro
fecnum. Anida qoe esle griitilhooiem me falle desde ma-
nlida al inte com o maiur eiilliuaiaamo vosso reapei-
lo, bem que o tenliais visto distribuir oa mais duros gol-
l>es, como jamis em Franca forio dados, osle ennipe"
II forte em elocuencia ame urna sombra, nu iius fal-
lar Ssurna mulrr. He por isso quoserlle dirigi asombra
iia rainlia, oncarregando-mu do fallar au vosso uro
corpo ; de dizer-vos que depon aos vossoa pes, alma e
nuraclo; que pede i vussoa divinos ollioa, que se liso
,,|va,. flonipaasiv-.a; vossos deliead.-s desloa que Iba
f.ijo Igiun sigual animador asusta vos hanuoniusii
que Ibe diga dessas palavras que nunca mais se esque-
lencii! Nestes termoi o delegado, usando, (inda de to-
los os meios brandos para evitar maiores disturbios, po-
de conseguir a cspturi do dito desUeament, envisn-
do-o preso para a capital, e participando a V. Exc. to-
do o acontecido, como aqu deixo expoito. Depois dis-
to nada mais tem occorrido ; podendo asseverar a V.
Exc, quo o destacamento sob meu commiodo se por-
tar! do modo a inspirsr toda a cooliaoca aos habitantes
desta villa, os quses se mostrio salisfeitos di acariasis
medida, que V. Exc. tomn, de enviar otni nova (oree,
que por certo Dio tora o procedimento d'aquella, i quem
veio tucceder.
Dos guarde a V. Exc. Quirtel do cotnmsndo do des
tscamento na villa de Goianninba, 13 de setembro de
1845. Illm. e Exm. Sr. doulor Casimiro Jos de
Moraes Ssrment, presidente dests provincia. Jos
Antonio de Souza Caldas, tenante eommindante do
destsesmento.
Conforme. O secretario da presidencia, Jodo Car-
los Wanderley.
N.5.
Sala das ordene do govtrno, em 11 de telembre
de 1845.
Ordem do da.
Constando oflUcialmeole a S. Exc. o Sr. presidente da
provioeia, que o destacamento, que existia na villa de
Goianninba, composto de um cabo e cinco soldados da
compsnbia provisoria do cacadore de 1 linha, se amo-
tinara contra o delegado, a quem cobrio da injurias e
doestos, sto por querer prender o mesmo esbo, pelos
crimei por elle commettidos nsquella illa, deixando
fugir dous presos, que estavio sob sua guarda, medi-
ante certa quintil, que recebeo, Ionio alem disto o
deitieimenlo ni maior relaxarlo posivel, e com elle
commettido furtos e oulros actos indignos e reprebensi-
veis, pelo que forio remeltidos presos palo mesmo de-
legado i esta capital, e escoltados por guardas nicio-
naes, para cuja pristo Ibo loi neerssario reunir a armar
os meamos guardas : ordena o mesmo Exm. Sr. presi-
dente da provincia, qua o Sr. capillo commandaole da
compaohia provisoria de catadores de 1 lioba mande
boje, as tras horas da tarde, 00 quidndo di nesma com
paohii, rebexar o cabo, e dar Ibe duzentas varadas, e
amanbla.as lOboras do dia.oo mesmo qusdrado, man
de dir cento e vinte em cada um dos soldados, depois do
que os conservar presos at segunda ordem. loo da
Gama Lobt fenles, i. tenente ajudante d'ordeos.
de Ssot Elena, Manoel Josqoim da Silva Jola
Guilherme de Azevedo, Francisco Saturnino de A-
zevedo, com 1 esersvo; para o Rio-de-Janeiro, Gui- |
Inerme Rodrigues Brekeufields, Luiz Pires Ferreiri,'
Briiiieiros.
Genov ; polios urda Legure, capillo Joio Bapliilij
Lipete, carga assucar e cooros.
Cotnguiba ; sumaca brasileira FIr-de-Agelim. cap. I
tio Bernardo de Souza, carga bacalho e luoea. Pas-
ssgeiros. Jos da Cruz Vieira Scipilo Castro de Quei-
roz Macdo e 1 cadete. Brssileiros, Antonio Machi-
do da Silva, Portugus.
Trieste; galera dioamsrqueza Adelkaid, espillo M.
V.Jorynsen, csrga assucar.
1 Edita!.
COMMEttClOa
Alfa n ilega.
Rknmmkito dd du 13................2:480jB32
Desearrega hoje 14.
BarcaConless-of Miniocsivio.
HorcaEspiruo-antoaicos de pi eeebollsi.
BarcaUsprafarinbs.
BarcaFirmetarsp.
ririgueSevernineresdorias.
BarcaBtlla-Pernambucanadem.
BrigueCarlota $ Ameliaidem.
Consulado.
ENDIIIKNTO DO DU 18.
Geral.......
Provincial....
2:949*919
1:074*820
4:024(739
Movilcenlo co l'orlo.
Navios entrados no dia 13.
Copip ; 92 dias, brigue ingles Sun-B^am, de 250
toneladas, capillo Jobn Mougau, equipigem 12,
carga cobre ; ao capillo
Genova; 48 dial, patacho saldo Gemmo, de 182 lons-
lidis, capillo Jos Canepa, equipagem 12, carga ca-
bos, fructas e man gneros do paiz; a Dean Youlle
& Compsnbia.
Salem ; 52 dias brigue americano Mtimaid, de 190
toneladas, capillo D. Marsboll. equipagem 11, car-
ga farinbs, cbi e mais gneros ; ao sobre-carga.
Parahiba ; 41 horas, bri.ue-eicuna de guerra brasi-
leiro Andofinha, commandante o capillo lente
Rafael Mandes do Moraes e Valle Passageiros, Joio
Luiz Peraira Lima, Brasileiro, 6 recrutas de mari-
nba, 2 desertores d'srmada el soldado invalido.
Terra Nova ; 36 dias, birca inglesa Jamee Siieart, de
214 toneladas, capillo John Loird, equipagem 13,
carga bacalho ; Jamei Criblree Compinbii.
,isboa; 29 dial, brigue portugus Hobim, de 170 to-
neladas, capillo Antonio Pereirs Burgas Jnior, e-
quipagem 12, csrgs vinbo, pedra, cal e mais gneros
do paiz ; a Thomax de Aquino Fonseca. Passsgei
ro, Pedro Regmie (agricultor), Francez.
A'atio sainaos no mesmo da
eei, Babia e Rio-de-Janeiro ; vapor brasileiro To-
doi-os Santos, commandante Joaquim PeixoloGui-
msries. Pstsageiros: para Mtcei. D. Escolstica
Naroisa de Franca, D. Florimla da Roza, com 4 li
Ihos menores ; para a Babia Francisco Jlo Baptista
M
neni-, e quandu nao, pediu-mo elle ninda outra cuusa;
que na coso de uto poder elle enternecer-voe, o tras-
pasan eu. prla segunda ves, com a minha espada, que s
un sombra quandu esl aosnl ; pnrqoo ellu nao puderi
mer so o nlu auturisardes a viver exclusivamente pa-
ra va.
Tanta facundia e ohocarrice havia Cooannts desen-
volvido no aeu discurso, quanta scusibilidade, frca eia-
briagad-rn, o nieiga liumildado hara La Mole niualrado
na sua sopplioa.
Oaulboade Ueurquelia se desviarlo onlo de La Mo-
le, quo ella esrulira lodo o lempo que fallara, e se Vul-
lro para Cocsnnaa a lim de vr se a expreasio du ros-
to do genlilhumein eslava em harmona tan orv
amorosa do aru amigo. E parece que fioou aatisfeila
porque vermellia, alelos, vencida, disse a Cocamias
eum um soiriso quo Ihe descubra duaa linbaa de pero-
las c.ivadas em roral:
He verdade ?
Com osdubosl exelamon Cocannaa tatemado por
esse olhar, e abrasado oro Fogoa du mrtino fluido; se he
verdadel....... Oh! tira, roinha SrnUura, he vrrdade.
lio verdade pela vossa vida, ho verdade pela imulia
mura! ,
Eolio, vnde, disse-lbe Honriquetta, osiendendu-
O doutor Jos Thomaz fabuco de Araujo, juix del
direito da 2.' vara do civel nesta cidade do Reei~ \
/e.ele.
Fas saber aos que o presente virem, em como por
este juizo se ha de arrematar em hasta publica a quem
mais der, (indos os dias da lei, orna casa de sobrado di]
dous andares sita ni trivessi da iui Bella, cuja ti
de largura 18 palmos, e de fundo 80 palmos, cozinhi I
lora no 1,' indar, e cacimba na lo|i, que serve otra o
1.' andar, a eblos foreiros, avahada a dita casi, a vista
do estado delta, m quintil de 3:550,000 rs., penhon-l
da Joio de Souzi Lima e iui mulher, por exerucio da I
D. Cithirim Fnncisoa do Espirito Ssnto. Toda i pea- [
sol, queem diti cesa de sobrido quizer lincir, o po-
der lazer. compirecendo em o dii di 1.' praca, a i do
mezprximo de fevereiro. Recife, 10 de Janeiro da I
1846. Eu, Antonia Francisco Hodriguie Magalhiut
escrivio interino o subscrevi. Jas Tkomai Nabueo
de Araujo. Ao sello 100 rs. V. S. S. x-casua
Nabucode Araujo.
et Iaracoes.
Pelo juizo dos feitos ds lazen li, e na porta do
respectivo jais, na Urde do dii 15 do correnle mrx.ss
bada ai rematar, por venda, umi cesa terrean. 4. oa 1
ra de Santa Rita, cbios proprios, iviliadi por
650.000 rs., um terreno ni rui da Pnii de Saats
Rila com 50 palmos de largo, avaliado em 1:100,000
rs., uma escrava de noine Mara de naci Aogico, a-
valisda em 200.000 rs. um rscrsvo cabra da noms
Joaquim, avaliado por 450.000 rs., e da rends sa-
nual. as casas, n. 7 na ra do Crespo, avahada por |
800,000 rs. annuaes, n. 16 de tres andares na rus di
Madre-de-Dros, avallada em 360.000 n., n. 6 ni
ra do Vigario, avaliada em 210,000 rs. por anno,
n. 30 di rui do Amorim, iviliada em 96,000 por an-
no; tudo por eiecuclo da fa;enda provincial, contri
diversos devedores.
O solicitador da fazenda publica, Jlebelle.
O Illm. Sr. coronel director do arsenal de guerra,
em cumprimenlo da ordem do Exm. concelbeiro presi- j
dente da provincia, tem de remoller para a provincia do
Maranbio 50 lampeos do servico de illuminauio pu-
blica em "!> caiioes, e convida a qualquer Sr consigna-
tario ou dono de ambretelo, que primeiro para a men-
cionada provincia tenba transporte, comparece na diieo-
toria do mesmo srsenal psra tratar o frote dos meamos.
Directora do srsenal de guerra, 13 de Janeiro de 1846.
O escripturario,
Francisco Serfico le Atis Carvalho.
A administradlo dos eslabelecmenlos de caridads
convida as pessoas, que quiserem fornecer vveres psra o
mesmo estabelecimento.que se dirijao a sais de suas tes-
sOes, na cass n. da ra dos Coelbos ss 4 boras di
tardado da 14 do correle mez (boje).Sala dis sss-
s5es dos estabelecimentos de caridide. 10 de Janeiro, di
1846. Joo Francisco llanos,
Escrivio.
0 arsensl de guerra comprs torqurzes lacas in-
glesas, lovelassoitidas cravadore csixis de sedt
de sapateiro e pelles de cabra psra lorro: -qoetn IseJl
objeclos tiver para vender ,, maooe amostra e propos*'
ta em carta fechada a directora dete arsenal, al
da 14 do correnle mez (hoe).
Directora do srsenal de guerra 12 de Janeiro di
1846 O eicrptunrio', Francisco Serfico de As
Carvalho.
A adminislwclo dos estabelecimentos de csndsdij
convids as pessoss, que quiserem foroecer drogaa psnl
a botici do mesmo eslibelecimenlo que se dinjio il
sais dai suas sessSea na casa n. da rus dos Coelhoii
as 4 boras ds tsrde do dia 14 do correnle mes (boje)/
Saladas sesioes dos estabelecimentos de caridad!,
10 de Janeiro de 1846. Jodo Francisco Bastos, >
crivlo. A
= 0 4. biUlbio de irlilbirii a p deprimein linkil
precisi engajar muiicos porcoolrito ou com prifi, obrcl
gindo se a dar umsgratificacioilmdo sold e maislas-l
cimentos, que Ibes perteocerem, conforme a olmo, ql
Ibes for designada: as pessoas, que, acbsndo-ie psra r
sobsbililsdas.se quizermcontratar para o indicado fin,I
podem comparecer no quartel do Hospicio, das 9 boriil
di minbii at as 2 da tarde Leopoldina da Aim'I
Azevedo, segundo-tenante inspector. _
heaniio com um abandono que na languidez de soiill
.ihos ae rrvelava. ,
Cucaimaa atirou a ar a gorra de veludo, e de urn '
lo arhon-te au p da joven dama, em quantu La"1.'!
aueMargarida chamara pur mn gesl.t para jonlo dos.I
formava com o seu amigo um ohaaaez-oroises aai-i
roso.
Nesle momento apparrt-eo Rene porta. ..:,
Silenriu! ditseclle oum u.ua vos quo extingu
da esta ohamma..... silencio! mdel
Eumaom seoiitio no interior da parede, m.ra
frrro que rango na frrhadura, e o estrrpito de uma {<"
la que roda naa rouceiraa. .,,..ml
1 Mas, rfisse Margarida org..lh..|.menle, pareif I
que ninguem tom o direilo de entrar aqu. qu" I
'"""^m mesmo a rainh.-mii? disse-lbe Rene.oou-
do. i icsd*
I.n.nediai menlo Margarida escapou-s '*!r|ill,rii s|
.ilrriar, levando com sigo La Mul; e cu Cocannaa tegiiirio-lbe oa paasoa ; lodos qua ^
veluoidade coi quo, au primeiro "iarr" ^ ^
vuao na rngracadua pssarnboa que se beijoc s
igravadus passari
um Hundo raiuu.
que
(CtfiH.mtar-*-*)-



COMPANHIA DE BEB1RIBE.
A admiitracJo da companhia de Bebi-
ribe avisa aos Srs. accionistas, que no di*
a0 do correte se inda o ulimo prazo
concedido para se realiaarem as prestacSes
lexigi'la* at o presente ; e que nesse din
Isero impreterivelmente eliminados do
Inuniero de accionistas os que nao tiveiem
Icompletado to por cento sobre o valor de
Istias acedes, e revertendo as suas entradas
lem favor da companhia. Escriptorio d
Icompanliia, 10 de Janeiro de 1846.-
| secretario B. J- Fernandes Barros.
C0SIP4NHU ITLIMV*.
A01 Srs. apaisonadoa da oantoria.
\Juarla-/tra2\ de Janeiro
Representar-se-ha lirilbante peca
LIXlR D8 AMOR,
em tre actos do Sr Cu. Donizetli.
Uj bilhetes de camarotes a platea veodem-ie 4 em
casa >lo director, ra Nova, a. 7,
Esla reoiU he 11 para oa Sn. aisigoaotes.
N. B. Ets-se apromptando para beneficio de se-
Dhora MarielU Msrinaogeli a eogracadiaeima prca a
\l-'ilha do rrgimenio.O direrlor. G Uarinanget
i visos manlimos.
- O brigue Fiel, de que li capillo Manuel Maman -
DO Farreira. ai para o Rio de Janeiro, boje 14 do
tente : roga *e aoi Sr.. que por elle teem a remet-
|ter esciavo, oslevem o bordo t ao rneio da, e o co-
ahecimentos em caa doi consignatario Fifniino Jote
.. da Ron&Irmio.
s*-0 bngue Paquete de-Pemambuco aegue pera o
-ear no dia 17 do correla recebe nicamente fi-
le pipaa : quem at quif.er remetler Irety, falle com
Leopoldo Jote da Coila Araujo
P.rao Rio-Grand-do-Sulsabiri, ateo dia 18
lio correle o brigue Umbelina ; reoebe carga e es-
eravos a (relee passageiros para o que tem excelleo-
es commodoi: Iraia-se com M. D. Rodrigue! oa ra
llu Trapiche o. "6.
O bergsotim Echo tai para o Rio-de-Janeiro at
1 da 16 do correte mez; recebe unioamecte escravos
rele e piisageiroi, para 01 quaei tem excellontes
lommodos: os preteodeoles dinilo se a ra da Ca-
pein-Velba, srma/em, O. \i.
Para o Bio-de-Jouiro satura com brevidade 0
nuil vuleiro patacho nacional %-Jo i-Americano;
guem 00 meimo qui/er carregar, ir de pissagem, ou
lunJar escravos, falle omn Caudino Agoslinho de
iBarrui. oa ra da Crac, o. 6t, ou com o capillo a
ibardo.
=Vende-ia o muito veleiro hiate americano Almi
1 de lote do 9 i toneladas forrado e encavilbado de
cobro prompl'i a aegoir viagem para qualquer porto :
1 tratar com Matheua Auilioa & Companhia oa ra
ja Alf*n .avisos diverso.
Na ra do Bozario estreita n. i5
Irecebem-se meninas para se ensinar a
[coser, bordar, e marcar : tambem ensina-
Ise a ler, escrever e contar : quem preten-
lder se poder dirigir mesma casa, que
lachar com quem tratar.
JoioGonfalve Nelo, teoeole do primeiro bata-
llhao, embarca para o Rio-Graode-do-Sul aua escrava
Lucrecia.
Doua mocinboi bratiloiroa que itbem ler, ci-
crever e contar offerecem-ae para caixeiros de toja de
jfa/endss e ferragens ou de ra ; 01 quaea lio irmios
i de urna conducta eumplar para o que dio fianca :
quem de teua prealimuaie quizer utilisar dirija-ae a
ra da Assumpcio, o. 16.
Receb do Sor. Julo Vat de Oliveira o esersvo
Manoel do qual eu toa depositario e que te acha-
ii fgido conatanie do annuncio inaerido no Diario
te l'ernambuco n. 88. Recife, 25 de dezembro de
1845. Jodo Pacheco de Queiroga
1 Jos Joaquim de Souza laz idete ao publico ,
que, por baver outro de igual nome le chamara de
pra em dianle Jos Joaquim de Souza Castro.
A peaioa, quo annuociou um palanqoim para
pender, dirija te a ra da Cadtia de S. Antonio ,
19 ou annuncieaua morada.
No dia 3 de feverciro vindouro brese a aula
publica de lalim do bairro da Boa Vista : as pssoas ,
que quizerem matricular seus filhos deverid enten-
der-secom o respectivo prolrsor, na ra Velha, n. 55,
Na ra eatreita do Bozario o. 25, ha um aoia
para rasa de un bomeni lolteiro.
= O Sr. atieres Manoel Pedro da Fonseca baja de
tirar o seos penhoies que se achao em poder do abai -
lo assignado, no prazo de 8 dias contado da pulili-
s(io d.'sle ; do contrario serio ditos penhores vendi-
dos para pagamento da quanlia que recebeo Jo mes-
nio como laoibeo ficar dirige lo p- lo que reatar ,
para completar dita quaotia e juros, que occorrerem ;
pois o Sr oio ignora o papel de trato que o lez per
Elido, e quedit, que, oiu pagando os juros no diadeseu
^encmenlo o abano aasiiinado laucara mi de lodos
os peohorea Manoel Flix A/ves da Cruz.
i O Sr. que ajuatou um relogio de patente, na
na da SeozalU-Velh. o 94, baja de o ir buscar oes-
tes 3 dias alias lica aem elfeilo o ajuste.
= Precisa sede urna ama forra, ou captiva que
sibaco/iohare eogooimar para casa de pequea fe
'"lia ; na ra do Sebo n. 22, lado do norte.
Francisco Ferreira Hallar embarca para o Rio-de-
Janeiro a aua eacrava do geoiiu de A>! de oumr
igoez.
Dio se 300000 rt. a premio sobro penhores de
I ouro o pra la ; na rna Dio ita 69.
= Precisa-se elugar urna lipoia por lampo de 16
lias : na travesa doQuVimedo, n. 3.
Na ra da Cruz, n. 29, precisa-sede um aproo
[diz para i prender a sspaleiro forro ou captivo.
Manoel Antonio \ lega Jumor e ,1 s Rodrigues
I de Suma relirio- se para o Rio-de-Jsnoiro.
Antonio Ramos (ai seieote ao publico, que ami-
ve I monte a parlou a sociedad que lniha com Jos
Goocalves Beltrio, em urna venda oa ra do Pilar em
Fra-de-Portas j a qual gyrava debaiio da firmado
Antooio Ramos Companhia e fica a mesma veoda
pertencendo ao socio | Jos Goncalves Delirio, oeste
ubjeilo a dividas que se deverrm a prega.
Aluga-se a casa terrea o 66. oo Aterro da-Boa-
Vista com quintal murado cacimba ecotinha fOra ,
por preco muito commodo : quem a preteoder, an-
nuocie.
Vai pela ultima vet a praca. hoje (14) urna ca-
na aila por detrs do Calabouco n. 2, avahada por
250r r*. em aedieucia dodouUr Nabuco.
Aluga-se o segundo andar do sobrado siria da
matriz da Boa-Vista n 26 omito Iresco com el
celleotescommodos para grande familia, por preco
commodo : a tratar oa mesma rus o. 22.
Lotera de S. Pedro Martyr
de Oliiria.
As rodas da 1.' parle da 3.' lotera correr imprele-
rivelmente no dia 30 do correle moz oa forma esta-
belecida pelo oovo regula ment das loteras, e talve
antes dewe da, se eectuar se com promplidios venda
dos respectivos bilhetes. Estas serio encontrados pelos
compradores as tojas de cambio doa Srs. Vieira a Ma
noel Gomes no baiiro do Reoife, e no de aoto-Antu-
nio. na dos Srs. Menezes, rus do Collegin, Gusmio,
ra do Queimado, e as boticas doa Srs Moreira, pa-
teo da Matriz, eCh'gas, ra do Livramento.
Furtarin.no dia seila-leira da semana passada.
da ra da Penba, ioja de surrador, um par da espora
de prata, e roga-se a penca a quem fr offerecido, lo-
ma-lo e entrega-lo oa mesma ra, que se dsri de
gratifieaclo lO rs.; a no caso de alguma pessoa oler
comprado, se dar a quantia por que o comprou, ese
guardar segrrxfo.
'-Manoel Jos Teixeira Bastos, filbo do finido An-
tonio Jote Teueirs Bastos, veodo aonunciado por este
Diarto ns. 7 e8, que comparec, na ra do Baogel n.
11, um individuo de nome igual ao seu.i realisar n go
co, que nio ignora, comida pelo pieseole ao annuo-
ciante, baja de declarar, se este anouncio se enlende
com elle; pnis que, nio teodo Irsosaccoes ulgumas com
quem quer que annunciou, a teodo de repellir qual-
quer ideii desfasoravel, que taes tramadles possio ao-
carretar-lbe, roga, baja de farer esta declarado em
lermo lirov< e em ludo eipreasivo.
- Maooel Jos Teixeira Bastos, filbo do finado An
tooio Jos Teiseira Bastos, para evitar equvocos e
luvidns com individuo, que tem igual nome, pelo
presente fi publico, que de ora em diaota se assig-
nira Maooel Bsslos de Abreu Lima.
No dia 11 do correnta, p-rdeo-se um par de
brincos de ouro, chatos, levmdos, com tres diamantes
cada un; a pessoa, que os tiver acbado, ou tiver noti-
cias dos ditos briocos, dirija-se a ra do Fogo, so-
brado o. 18, primeiro andar, qua ser gratificada cun
geoerosidade.
TIAGKM CURTA E EXTRAORDINARIA.
Tenbo a maior aatinlacio em anounciar ao publico
um sem ejemplo e denodado feito, eseculado pelo Sr.
Daniel Greeo, rommandante do celebre oavio Colum-
bus de Londres, chegado a este porto, iodo de Liver-
pool, no dia 9 de jaoeiro de 1846, drpoisde urna
succeniva corrida de 21 das e 7 horas, e o qual leve
a bondade de me fornecer o seguinte extracto da sus
derrota.
l'ei-ie de vela de Liverpool em 18 de deumbro de
18-15, pelae 4 Aorai da larde.
Dalas. Distancias observadas. Venios.
Da 19dedez.'de18<5 1l6milbas. lY E. ao S. W.
146 N. W.
173 N.N W.aoN.N.E
199 NN.E.aN.W'AN
238 N. E A N. ao N.
225 .) N ao N. J?.
233 N. E.aE S.E.
193 E S. E. a E.
231 E.
253 E.
276 E ao E. '/ S.
271 E.'/SaE.N.E.
263 E.'A S
5 257 E. S. E.
E. JA S.
E. S. E.
S.
S. '/E.
a S. S E.
S. S. E.
S.E. 'AS.
S. E.
20
21
22
s 23
24
D 2o
26
27
28 k
29
30 >
31
. Ide sne
1) 2
3
4
11 5 ii
6
7
8 i)
175
219
187
171
171
197
195
7 borai 59
Que a superior navegacio do sobredito commin-
dsotee a eitraordiosria leloeidade do oavio Colum-
bue sirvi de exemplo e utildsde i geracio do se
culo prosete e futuro, he o sincero desejo do amigo
do dito Sr. capillo Greeo. Pernambuco, 13 de Ja-
neiro de 1846.
Fred. Robilliard
AO PUBLICO.
Sendo do iateresse dss pessoss que morio lora da
corte e oss proviocias mas que leem dependencias e
nejpscioi n'ellas e as vezes negocios de muilo grande
ponderacio coohecer e ter as suas ordeos, median
te um mdico bonorsrio um advogajn hbil inte-
ligente e honrado a quem possio confiar todos os seus
negocios, deicancaudo o sua probidade o abaiio
asignado bacharel formado em direito advogado
acreditado e estbil- cido na corle ha 8 aooos com
ampias relar;o>s e com cabal conbecmeoto de todos
os nossos tnbunae superiores e mais reparlicdes pu-
blicas olferece seu prestimo a todis ss pessoas, que
d'elle necessitirem para todos e quaeiquer negocios,
de qualquer genero que forem oa certea de que ba
de desempenbar diligentemente toda e qualquer com-
inisio, do que for eoearregido.
O abiixoassigosdo incumbe-te de agenciar e pro-
mover eficaimenle todos os negocios das pesioaa .
que, ou oio liverem procuradores certos na cOrle. ou
que a ella oio possio vir por qualquer motivo, certas Mi
de que o abano assignauo e=::Mrgs se de rc-rcref;
assembla geral o que fr a beo de seus interesaesj de
solicitar do goveroo imperial empregos pblicos, re
formas,aposentsdoriss. peos6es, ordenados.meios sidos
le viuvss. ttulos, mercas,coodecoraedes honorficas.etc.
etc., mandando tirsr os respectivos diplomas, carias
de naluralsacio, patentes de officiaes militares, etc
ele. : incumbe-se alm disto de lodas ss causas civeis,
ou crimes que por appella(ao viereru i relacio da cor-
te; d todas as que lorem puramente militares, e forero
anecias ao coocelho supremo militar, dando a todas
seus competentes destinos, e o devido andamento, a
firo de nio carem elernisadas, como quasi sempre a-
coolece; incumbe-se man de todas as revistas civeis
ou crimes, que liverem de ser preseotes so tribunal su-
premo de justica, ludo com o maior cuidado e dis-
velo. Eocarrega-so finalmente de defetas no jury
para qualquer parle para onde for envidado, com
tanto que seja para oa lugares mais prximos das pro
vinrias do Rio de Janeiro, S. Paulo, e Miois-Geraea.
Todss as pessoas, que qui'erem honrar o abano as--,
signado com a sua confianza, podem diiigir-se-lhe
pessoalmente, communicando-lhe detalhada e minu-
ciosamente todos os seus negocios, remetleodo-lhe to-
dos os documento oecesssrios, assim como a respec-
tiva procuraclo, e ordem para se Ihe sdiaotsr as qun-
lias dedinheiro, nicamente para as despt-zas, qua fo-
rem necessarias ; e qusndo isso oio possa ser, osbai-
so assigosdo suppriri, com dinbeiro ssu, com tanto
que alguem aqu se responiabilise.
Oabaixo assignado nio exige de seus constituales
dioheiro algum adiantado i titulo de paga de seu traba-
Ibo, senio depois de concluido o negocio, de que se
encarregar. O abaixo assignado promelle cumprir i
risca tudas as suas p'omessas, esperando que as pessois,
que o bonrarem com a sua conlianga, bio de licor sa-
lisfeilas com o seu servico.
Todas as pessoas por tanto, que se quizerem utilisar
do seu prestimo, dirijio-se-lbe pessoalmente por car-
ta segura, oa forma jii dita, pondo-a oa administracio
do rorreio com diruccio ao abaixo assignado, na corte
do Rio-de-Jaueiro morador na ra do Hospicio ,
o.64.
Rio-de-Janeiro. 22 de desemhro de 1845.
Francisco de anta Barbara Carda.
= Precisa-se de um sitio, que leoha bastantes ar-
voredose casa de viveoda: quem tiver para alugar, sen
do por mdico preco, aoouncie por esla folba para se
tratar do aluguel.
- Aluga-se urna casa de sobrado de
quatro andares, com um grande armazem,
e muito fresca, com nimio boa vista para
o mar, na ra do Tiapiche : tratase na
ra da Aurora, n. 5 D se dinheiro a premio oom penhores de ouro
mesmoem pequeas quaolias; na ruado Rangol,o. 11
Um moco brasileiro se oderece para caixeiro de
ra, oesta cidade ; quem precisar, annuncie
= Aluga-se o primeiro andar da c Boa-Vista defronle da matriz n 86 : a tratar na
rus daCadeia do Recita casa de camino n. 34.
Quem precisar de urna ama de leste, parda, mo-
ca e de muito bomcostumes, parida, ba 15 dias, e sera
peosio de filbo, por Ihe ler morrido dias depon do seu
meinianto e por estar desimpedida dinja-se a ra
do Jardim o. 1 defroote do sohradu do lallccido
Monteiro.
= O abaixo assignado fsx sciente a quem coovier
que eolregrio por engao oo da sexla-feira, um
belaio com dous vestidos : quem for seu dooo dirija
se a Ioja de hvrus, da praca da lodepeodeocia ns. 6
e 8, que, dando os aigoaes, Ihe sera entregue.
Jos Nunei de Faria.
Precisa-se de om menino de idado de i a 12
aooos, para venda e quo da mesma leoba alguma
pralica ; na ra Formse, o. 1.
= Urna mulher se offerece para ama de casa de urna
pessoa solleira'; quero de seu presumo se quizer uti-
lisar dirija-seso pateo do Terco, o 13,
Aluga-se o armazem o 34, oa ra de Apol-
lo com embarque o desembarque : a tratar na ra
de Semclla-Nova n. 40 ou oo taoque d'agoa oo
fim do Becco Largo, junto as tanas de Ierro.
Narciso Jos da Coiti tem oovameote estame-
nba legitima para terceiros franciscanos e choco-
late oovo, muito superior a 6400 rs a arioba ; oo
largo do Carmo veoda da esquina da rus de Hur-
tas o. 2.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da ra
Nova n. 41 : a tratar na mesma ra n. 33.
Jeronymo Fernaodes da Silva relira-se para f-
ra da provincia.
Pelar Short retira-se para fra da provincia.
tassuasaolasde primeirsa lellras, tsnto de meninos
como de menioss e continua recebar, como de sotes,
mrninos pensionistase meios pensionistas empregan-
do todo odis>elooo adiantamento e tratameoto dos
meimos, como lem sido imbliro
Potycarpo Nunee Correia
0 rapas portugus que se oltreoi-o oo Diario
de sexta-fera para trsbalhar em urna refinacio de -
lucir, dirija se an pateo da Penba, veoda, n. 33,
e ahi se dir quem precisa.
Casa da-F,
Na ra estreita do llozu-io. n. 43.
Nesta casa achio-se a venda as cautelas da lotera da
S. Pedro Martyr de Olinda; corrersS cujas rodas oo dia
30 do corrale mez. Decimos, a 1000 rs., e vigsimos,
a 500 ra.
Di-se sociedade em urna venda a om rapaz, que
lenha algum dinhro para entrar de socio, pois a dita
"il j he muito i-ropria para principiar, por ler muito
barato o alugui-l da caa : a i|iiem convier este negocio,
dirija-sea ruado Rosario, o. 2, depcmto de bolacha.
0 .rreinalantedo unpo-lo de 20 por cenlo lobra
o consumo das agoas-ardentes de pmdurcio brasileira
avisa aos Srs. que anda nio pa^i'lo dito consumo,
vHiihio faie-lo nos dias 14 15 e 16 docorrenle, na
ra Direita n. 80 : lindos os quaei, se proceder oa
forma d le contra os que deixarem de pagar.
Aluga se, pelo diminuto preco de 10# rs., o
segundo andar do sobrado n. 3 da ra do Raogel ,
co>n excedente vista para o mar e commodoi para pa-
queos lamilia.
AotonioJos da Silva subdito portugus, reti-
ra-se para a Babia.
Arrenda-se um sitio por um a 3 annos sendo
perlo d. >i.i cidade e Ion lo bos sgos de beber casa
de viveoda estribara o arvored. com preferencia ,
tondo alguma liana para plantar eapim ; o proprieta-
rio dinja se a Firmino Jos Flix da liza oa ra
do Vigario o. 23, segundo andar.
Oabaixo assigoado a/ saber ao respeitavel publi-
co que de boje em diaoto abre em sua casa, no Ater-
ro-da- Boa-Vista n. 82. e em casas particulares oa
cursos de geograpbia e de lingoa francesa : as pemoas,
que desej*rem seguir qualquer destas aulas, podem
dirigirse a indicada residencia, de manliia das 9 borss
as 11 e de Urde das 3 as 6.
I)r. J. de Oliveira Soma Jnior.
Aluga-se, na travessa do Martina no bairro da
Roa-Vita um bom aimarem enm grande quintal
murado e plantado tolo de capim, proprio para caval-
larice ou outro qualquer estabelecimento : a tratar na
ra do ArK&o o. 1, segundo aodar.
Aluga-se um sitio na estrada de Belm com ca-
sa de sobrado muila ierra para planlaci > de lavouras
e para psstagem do viccas; tambem se alugio duas ca-
sa terreas na Passageni-da-Magdalens junto a pon-
te grande : a tratar na ra da Gloria sobrado, o. 69.
Alugio-se cavallos e tambem recebem-ie para
se trataren! por pre(0 commodo : oa ra da Gloria ,
sobrado, n. 59.
Joidao Jos Fragoso embarca para o Rio de-Ja-
neiro a ua escrava Martha, crioula.
= Friederic Pask Prussiano, vai ao Rio-de Ja-
neiro.
LMA FORTUNA.
Agencia de passaportes.
m Na ra do Collego,botica n. lO.eno Atterroda-
lloa-Vista Ioja o. 48. tirio-se passsporlespars dentro e
forado imperio,assim como despacbio-seescravos:tudo
com brevidade.
(Jfleruce-se uma mulber para ama de casa que
sabe engorme! muito bem e cozinba loflrivelmente
toda a qualidade de manjares; adverle-ie que leja
dentro da pr.^a : quem de seu prestimo se qui/er uti-
isar diri|-se ao becco do Azeite-de-Peixe, n 14.
.. Aluga-se o segundo andar do sobra
do da ra Direita n. ao, catado e pintado
de novo, com commodos bstanles, muito
fresco : na ra do C'ollegio, segundo an-
dar do sobrado n i).
= Quem precisar de uma ama para coxinhar
fazer algum engommado, dirija so a ra do Amorim ,
o. 28.
am Ouem annunciou querer vender uma cass ter-
rea sita oa ra da Roda desla cidade leoba a bon-
dade de aonuociir o numero dalla, e aoode deve ser
procurado ou dirija-se a ra do Padre Floriaooo ,
o. 38.
a Quem for nesta cidade o procurador ds S. Casa
da Misericordia de Loanda queira annunciar para
ser procurado a iolerease mesma casa.
Precisa-se de uma ama de leile : oa ra dss Cru-
;es, n. 20.
_= Preeiss-.e H um feitor queontenda de borla ,
ede|rdim; emeasa de Luiz Gines Ferreira, no
Mondego.
A'uga-9e rima caa terrea atrs da matriz da Boa-
Vista com duas salas, 6 quarios coriobs fra, um
bom quiotal murado : a tratar na ra da Aurora ,
0.68.
asa Oabaiso assignado avia ao publico, e principal-lia ,
mantelos pas dasaus alumnos, que ja se achao aber-l
O abaixo assignado morador na rus doi Quarleii,
n. 11, se offerece ao publico desla capital para dar lo-
das as receilas seguintel: como eosinar perfeitameo-
le a (o/i'i mechas pho ra qualquer peiSoa fazer sem perigo obrigaudo-se a
dai ao meimo lempo, todos os rnalenaes necesaanos ,
para I.linear al 3 grosas de macos e juntarneole 2
dunas j pi limpias receliendo apenis 0 valor dos pre-
liaiatitus, pois que nio he o amor do lucro que Iha
dita este espediente mais sim o detejo de salvar o di-
nheiro que lem empr gado para a composiciu das di-
las mechas em a qual nao Ihe possivel continuar por
serein muitos os irabalho que o cerejo
Assim. obriga-se a dar os preparativos &c. como
lodas as receilas seguintes p-la diminuta quanlia da
12*000 rs. ; s salir:
Do verdadeiro cognac
V inio, a 30 rs. a garris
ii de caj
de laranja
de ananas
de Muscatel
de CLampagne moosseux
Classlicar os vinhos em 24 horai
Cerveja de gengibirra
grega
Orebata
Capill
Agoa gelada para sorvetes.
vineles de marscujii &c &c.
Fazer do mel de furo charope fino
Faxer o stbo de boi con.o cera
Fazer do Icite manteiga de vacca
Sabio ordinario de lavar- roupa
>abio para tirar lodas as nodoas
Sabio lino de Wiodsor para a barba
Grasa de sapatos frtnceza e iogleza
Plvora fina e cacar
Colla (orle da B.hia
Finta preta leita oo instanlo
Para conservsr os esnos de sgos da ferrugem
Para destruir as lorung.s chamadas nianivis
Para destruir as lagartas
Para apanbar os mosquitos
Para apanbir ratos vivos
Psra fzer os cebados oio beberem msis
Para oio embebedar-se a beber muito.
Para restituir aos embreigados a rizio
TodaieiliireceilMsiomuilo fsceil'a executar 00
Brasil, e ol erecem ao mesino lempo graodel interesses,
pas quem lor amigo da industria.
O annuncianle espera que os habitantes destai ca-
pital aprotoilem esla boa ocaiiio para adqurirem
um conbecinieoto que lio til Ibes pode ser. esssia
o animem da proseguir em oulrai empresas.
Para mai. idforniaSes existe uma nota do mer-
mo oa botica do Sr. Harlholomeo Francisco de Sou-
o oa d j Sr. Vicente Jos de Unto
Joto Duboie.



Faz-ae scienlr ao publiro que o nome de Fran-
cisco Bornes de Auumpcao, inserto nos Diario* di. 7 e
8 do crrente mez nao te enlende coro o Sr. Fren-
cisco Borgei deAssumpcio, filho do Sr. Jos Ignacio
da Anumpdo, que he presentemente camino do St.
. H. Lultkeni, mas su com outrode igual oonie.
I'rtcisa-se do uin caiaeiro de 14 anuos, para
urna venda ; na ra d.. Guia n. 36.
II i9, 14 do crrenle mea, na audiencia do Sr.
doutorjuizdocivelda segunda ara ero palacio, se
ha de arrematar, para ser adjudicada urna casa terrea
na ra dos Pires penboradaa Dummgo Pires Fer-
reira por exocutio de Manoel Antonio Cardoso.
Compras.
Compra-se um braco de batanea que posss pe-
sar 8 arrobas em cada concha mesmo sem conchas ,
na ra da S^nzalla-Velha n. 96.
= ComprSo-so escravos de ambos os setos ; sendo
mocos paxio se bem : no caos do Colegio deposi-
to de 11riiiha de porta larga.
Compra-se o litro Medicina Curativa de
lerceira edicio.doautor Le Roy; na ra de Apollo, tan-
que d'agoa, n. 28, a tallar cuiji Joao Esleves da Silva.
ComprSo-se para fra da provincia, escravos
do 13 a 20 annos, sendo de bonitas figuras pagSo-se
bem: na ra da Cadea de S, Antonio, sobrado de um
andar devarandade pao n. 20.
Compro-se dous escravos, um pedreiro e ou-
tro earpina para urna encommenda do Rio-Grande-
do-Sul ; na ra do Collegio armarem n. 19.
Compra-so urna casa terrea que tenha quintal
e cacimba e que seja as seguintes ras : S. Rita, S
Ion1. o Nogueira : na, ra do Livramento n. 38, ten-
da junto ao lampeio.
= Compra-se um jogo de glohot geographicos, om
bom uso: na pr.ica da Independencia, livraria. os. 6 e8
*<8 ?> *l#-S>.-eBa>"a-5#
h Compra-se, para fra de l'ernam- &
^ Luco, um hbil olicial de carpintei- '
L ro, preto, e que seja moco sem a- &
g chaqus ou vicios e nao se ollia ^
T dirija-se ra da Cruz, n. 45, em
t? casa de Nascimento SchaelTcr & C. ,
Os %
Compra-se urna preta moca,
que seja boa engommadeira, e costu- V
reir; e um oficial de ferreiro : na
ra da Cruz, n. 45, em casa de as- ft
cimento SchaeFer & C. V
t'

*a>*>tfr8aa>-46 -
Vendas.
FOLHINHAS
DE
Porta e Algibera
Vendem-se na praga da ln*
dependenca, luja de livros n. 6
e 8; na ra da Madre de Dos,
venda da esquina defionte da
i^ieja; na Boa-Vista, def onte da
matriz, botica do Sr. Morara;
no paleo do Collegio, lo ja de li-
vros da esquina; e no largo do
Terco, venda n. 7; em Olinda,
botica da ru do Amparo, e loja
do Sr. Domingos, nos Quatro
Cantos.
= Vendcm-se moendas de ferro pare engenbosde
assucar, para vapor agoa e bestas de diversos tsma-
nlii s por preco commoHo ; e igualmente lonas de
eiro emulo e batido de todos os tamanbus : na pro-
ra do Corpo Santo n. 11, em casa do Me. Cahnont &
Companbia ou na ra de Apollo armazem, n. 6.
-= \ rnde-se putatsa ameriana, ltimamente ebe-
gada em barris grandes e pequeos ; lencos pretos,
de s (l,i da India ; seiim preto de Macao ; velas de es-
permacete de 4. 5 e6 em libra ; cera amarella ; al-
godo grosso para saceos ; tudo por prego commodo :
em casa de Matbeus Austins & Companbia na ra di
Alandega-Velba n. 36.
= Vendem-se saccas com farinha de Mag a 4800
is. ; dita de S. Matheus a 4200 rs. e alqueire me
dido a 5800 c 4500 ri. ; saccas com milbo a 3000
e 4500 rs. ; arroz branco a 2000 rs. a arroba ; sac-
eos de estopa, runo, para farinha, ou milbo a 500
rs. ; gouima de engommBr a 10,000 rs. o alqueire :
na ra da Cadeia de S. Antonio deposito de farinha ,
n. 19.
Farinha dt mandioca.
No deposito de porta larga, no caes do Collegio,
ba para tender farinha de S. Cslbarina eS. Matbeus,
muito nota e boa por menos preco do que em outra
qualquer parte em grandes e pequeas porches en-
secada ou medida pela medida velha ; assim como
arroi pilado e milbo.
ai Vende-te ferinba superior, ebegada recente
mente de S. Catharina, tende-se pela medida velha aos
alqueires meios e quartas por preco muitissimo ba-
rato e conforme as poreia e far proporcional aba-
te : a bordo do lirigje Sagitario ancorado prozimo
ilbarga do caes do Paaseio-Publico. Abaler-se-b 160
rs, por alqueire ios compradores qoe cbamarem e
forem conduzidus pela canoa do referido brigue.
= Vendem-se doces de calda em barris de 8 libras,
como sejio : caj, sidrio, groarlas, pitanga, laranja ,
uosnaz calda de tamarindos, baris de 4 arrobas de
polpa de ditoi; na ra do Trapiche, o. 38.
- Vende-se vinagre branco
nacional, a 400 rs. a caada ve-
Iba: na fabrica da ra Imperial,
n. 7; ra Direita, n. 53, venda
de M. Miranda; no Alerro-da-
lioa-Visla, fabrica de licores de
l'rederico Chaves; e na ra do
Trapiche, armazem de moihados
do icolle.
=Vende se superior farinha de S.-Catbarini, a
bordo do brigue Libo, fundeado defronte do trapiche
doalgodSo.ed'allise pode chamar um bote do navio para
ir a bordo, onde se vende a preco commodo: e mais ba-
rato se vende chamando o dito bote, por se nio pagar a
mandinga aos botes e canoas de aluguel : tmbense
vende na ra de Apollo n. 18.
*Si* *a,* VNDESE,
iVrz ra da Matlre-de~Deos, n. 5,
primeiro andar,
cera em velas recebirla directa-
I mente de urna das mclhores fabri- \
4 cas do Bio de Janeiro ; he de onti-
| mo sortimento por ter velas de 3
^ at 16 em libra, e vende-se por
? preco mais commodo do que em ou-
4 tra qualquer parte.
Vendem-se pelles de be
zerros francezes,grandes c de
superior qualidade: na ra da
Cadeia do Kecife, u. 55.
A 4^500.
Saccas de lardo de tres arrobas cada
urna, chegadas ltimamente : no armazem
de Uraguez, ao p do arco da Concei-
c3o, e no de Guimaraes, no caes d'AI-
landega.
Vende-se potassa ameri-
cana,
chegada ltimamente, e de superior
qualidade em barris pequeos a a5o
rs. a libra ; em casa de J. J. Tasso J-
nior.
= Vende-se a bordo da sumaca Lagarto, Tundeada
defronte ao caes do Collegio, (arinba de mandioca,
de superior qualidade e por menos preco de que em
oulra qualquer parte por se ter de descarregar a dita
sumaca com brovidade.
=.Vende-se potassa muitonotae de superior quali-
dade em liarns pequeos ; na na da Ctdeia-Velha ,
armazem do assucar n. 18.
J\o caes dv Collegio, n. 9
etiste um noto anuazem com farinha de S. Matbeus e
milbo, ludo, tanto a relaibu como em porgues, e rude-
se a tontade dos compiadorcs, medida telba rasa, ou
caulado cmodo matuto, e por monos do queem outra
qualquer paite : os pretndante* dirijio-ae ao mesmo
arma/em, ou a ra da Cruz, n. 54, a tallar com Manuel
Antonio l'inlo da Silva.
EMPRIMEIRV MAO.
Vende-se CERA EM VELAS da melhor fabri-
ca do Kio de-Janeiro em caizase as libras, surtida
a votitadedncompiadur ; COLLA DA I AIIIA, supe-
rior, as ai robase as libras ; \ INAGRE E YINHO
TINTO a 500 rs. a caada velha : na ra da Sen-
lalla-Velba n. 110.
Vende-se um palanquim duas banquinbss de
Jacaranda una mesa de meiode sais ; quem quizer ,
annuucie.
VENDE-SE TODO O ANNO
aieite de carrapeto em granuea porioes e a* caadas,
por menos do que em parte alguma : no deposito da
ra da Seozalla-Vellu n. 110.
b Vende-se o u ios lindo tshoado de pinbo ameri
cano que reste tremolo tem vindo sendo tsboas de
10 a 40 palmos de comprido e at 3 de largura ,
muito alto e reforcado em gibssura sem nos pro-
prio para envernisar assim dbmo da Suecia costado,
cosladinhu assualho e luiro pura fundos de barricas,
ludo por |\o ron modo : atrs do tbeatio arma-
zem de Jeaquim Lopes de Almcida caiieiro do Sr.
Jou Matbeus.
= Vendem-ae 4 escravos macis duas cwem, cozi-
nbao, e eogomm&o ; urna crioula de 16 annos, boa
para se educar ; 4 escravos bons para o trabalbo do
campo; um mulatinbo de 16 annos, bom official de
sapnleiro c bolitiro ; um preto telbo por lOOff rs. :
na ra do Crespo n. 10, primeiro andar.
Vendem-se chapeos linos de castor; na ra do
Trapiche-Noto, n. 5, casa de Jo3o Stewart.
= Vende-se, por barato preco um appaselho no-
vo de louca azul inglesa de boa qualidade e padrio
bonito ; na ra da Cruz, no Recite n. 47, botica de
Luiz Pedro das Neves.
Vende-se o melhor junco, que aqui
tem viudo para tecer cedeiras ; charutos
regaba, meia regaba, e superfinos, che-
gados ltimamente da Babia saccas com
larinha de superior qualidade, chegada
ltimamente de S. Matheus : tudo por
menos do que em outra qualquer parte t
na ra da C ruz, armazem, n. 4. a follar
com Manoel Antonio Pinto da Silva.
= Vende-se um sitio na calzada dos A filelos
que tica contiguo ao lado iieito da cata do M. P.
(uinletle oa ra do Aragio, o. 1, segundo aodir.
Vende-se um preto canoeiro e aneslra eaboquei-
ro por precisio ; no pateo de N. S. do Terco, a. 15.
= Vende-se a casa de dous andaros e solio, na rus
lo Amorim n. 33, com bom armazem da ra a ra ;
urna armacao com balcio propria para loja : a tratar
om Antonio Marlins de Couto Vianoa, na ras da Ma-
dre-de-Deos, o. 18,
= Vende-se urna vanda na ra da Praia, n. 46, com
bastantes commodos para lamilia e be em bom lugar,
por (car no meio dosarmazens de carne: a tratar oa
ra do Rozario venda, n. 1.
= Vendem-se 8 escravos pecas, para o trabalbo do
campo oda praca um bom official da earpina, um
dito de sapatoiro ; dous mulaliohos de ptimas figuras
para pageos, "um de 10 annos oiilro da 13 : na ra
do Crespo, n. 10 primeiro andar.
b Veadem-ie embonoa de cedro para barcaoa; em
Fra-de-Portas ra do Brum asa de Gaspar Jos
dos Rea
= Vende-se plvora de muito boa qualidade das
marcas F. E. II. ; em casa da Fredericu Robilliard ,
ra do Trapicbe-Novo n. 16, primeiro aodar.
Na loja do bom barateiro oa ra Nova, o. 11 ,
de Guerra Silva & Companbia acba-se a tenda un
completo sortimento de objeclos necessarios para bor-
dar de la cbegadoi ltimamente do Hamburgo, con-
sistiodo em talagarca de todas ai larguras ate para mais
de 3 palmos, sendo ezcelleolemente preparada para o
ditos bordados; laas de todas ai cores e de superior
qualidade ; quadroi a principiados em dita de dilfo-
i entes tauanhos e detenboi como leja de bomem, 80-
nbora arbustos, animaet, de suspensorios, e de s-
palos dtc., vindoa de proposito por acabar, para coas
maia facilidade poderem continuar as senhoraa e me-
nina que se applicioa tto linda arte: tamben) teiu
muitos uulros deaeobus em papel com ai dimeotoei ne
cessarias para lerem eioculadoi na dita talargaca e lu-
do so vende por precos razoateis. Veio tambera um
quadro grande ja complato, obra primorosa, que igual-
mente se vende.
ss V'endem-w 45 espanadore de numero sortido
muilo bem feilos e de peonas muito novas por pre
co.modico ; na ra do Cabuga lojai de latendas da
Pereira & Guedei.
Vende so um sobrado de om aodar e solio, sito
no pateo do Terco n. 26 ; a tratar no mesmo piteo
n.7l.
Vende-se rap de Lisboa em libra
e as oilavas, mais barato do que em outra
qualquer parle: afianca-se a boa qualidade
ao comprador: na ra do Queimado n 3g.
= Venda-se urna preta de naci moca bem pa-
recida engomma liso, lava de sabio cozioha bem o
diario de urna caa e be perila oompradeira ; na ra
do Rangel n slilacao, o. 54.
= Venda-se, a diobeiro oa a preso a vendada
ra da Crin n. 51 ; dous escravos, sendo um pardo
carreiro, a um preto, altos a de bonitas figuras ; cera
decarnauba; dita de abelba ; sola; courinlios deca-
bra ; pennss de ama ; ludo por prepo cosaavodo pira
liquidacio de sontas i a trotar na meeoaa venda.
=Vendem-se de corles cassa de cores.cheajedas palo
ultimo navio pelo barato prego de 4000 rs.; chita
linas com alguui sujo a 140 rs. o covado : no Ater-
ro da lioa-Vista loja, n. 14
= Vende-se urna casa no becco da Camboa-do-Car*
mo ; na ra Direita, n. 81.
= Vende-se um escroto cabra muito robusto, al-
to o vistoso ptimo oflicial de earpina coas princi-
pios de pedreiro e muito habilidoso ; na rus do Ca-
buga n 16.
c=Vende-sesctimde Macu da superior qualida-
de ; na ra da Ciui, n. 3 cssa de Geo: kenworihy
d Coinpaahis.
= Vende-se urna escrava parda de 25 annos de
bonita figura engomma, cose, cozinba e lava de sa-
bio ; una escrava de nar;io Angola, de 20 annos, de
bonita figura coiinba, lava de sabio e servo bem a
urna casa ; urna dita de 30 annos com as mesmas ha-
bilidades; um crioulo, de SOannos ptimo boliero
e de elegante figura ; um pardo do 24 annos ptimo
para todo o servico tanto da praca como de campo ;
um eseravo, de 40 annos, ptimo padeiro : oa ra daa
Cruies, n. 22, segando andar.
Vende se urna linda escrava crioula de idade de
18 annos, com habilidades ; na ra estreila do Roza-
rio, n. 31, piimeiro andar.
as Vendem-se duas moradas de cssss terreas em
Olinda sitas na ra da Roa-Hora com chaos pro-
arios: a tratar na ra doCaDral, com Antonio Jua-
quim Pereira da Silva.
sa Vendem-se 12 esdeiru 1 par de bancas 1 so-
phs tudo de Jacaranda urna commoda de angico ,
I palanquim tudo em bom uso ; na ra da Viracao,
n. 21.
= Vende-se doce de msrmelada muito bem feilo,
cbegsdo ltimamente de Lisboa, pelo brigue lltrcu-
lu, em latas de 6 libias cada urna por 2 rs. ; oa ra
Direita, refioacio n. 10.
=Vendem-se 8 escravos, seodo um preto bom
official de sapaleiro oulro pedreiro dous pardos, um
delles carreiro e oulro proprio para pagem; um mo-
leque de n.uilo bos figura ; 3 pelos para todo o ser-
vido de campo ; urna negrinba de muito boa figura ;
urna dita de 20 annos, pouco maisou menos; outra
dita para o servico de casa e de campo ; urna parda
com as piendas, que se diraoao comprador: na ra
da Cadeia de S. Antonio o. 25.
= Vende-se um par de n angas de tidro laviadas;
muilo boas bichas hemburgurisa tambem se alugio
e vio-se applicarpara mais commodo dos pretndanles:
na ra estreila do Rozario, detronte da ra das Laran-
geiras loja de barbeiro o. 19.
= Vende-se urna duzia de cadeirss de oleo, urna
commoda de angico um leito de condur, urna mai -
queza 3 bancas pequeas ludo em bom esiau'u, por
preco raioavel ; na ra Bella, n. 3.
Vendem seduas duzias de camisas de madapo-
lio a 1400 rs. cada urna : na ra do Fogo o. 27.
, Vende-se o romance completo do Judeo Errante:
as memorias de Laflarge ; as. E>csvac.oes Poticas;
quadros historeos de Portugal ; Methamorphozes de
Ovidio ; Livraria classics portuguera ; as 2B prisdes do
Sr. A. E. de C ; Direilo Mercantil; Say (catbecis-:
mo); Voloej; Danou: oa roa da Centalla-Velhs, if-j
mazem, n. 100.
= Venden se 3 oasaes de pomboa de Lisboa, sendo
um dito de cauda de leque, todos muito bonitos; 4
ditos da trra muito hiladores : na ra da Aurora,
o. 50.
= Vende-seavenda da roa de Iiortas qoe tai es-
quina para o becco que vai para a ra de Agoas-Verdas,
com poucoa fundos a dinheiru ou a prszo ; a tratar
com Bernardmo Francisco de Azevedo Campos ao
pateo do Carino
Vende-se um molecote de 18 annos, de bo-
nita figura e sem deleito ; duas pardas de 20 annos ,
com habilidades ; urna oegrinhe de 14 annos re-
colbida e com habilidades; um moleque de 13 annoi;
urna preta da Cosa, mee! -e D0* quitandeira : n. roa
dss Flores, o, 21.
= Vende-so if it Lisboa ; Jiiu Je o.ouiun ;
dito Pernambueano e de Bandeira bamhuguei e ,
italiana, em libras e asoitavas; charutos da Baha,
regalas e oulros finos : d'fronlo da iareja do Roiario,
deposito do rap do Bandeira e fabrica de charutos,
n. 6.
Vende-se om acravo. muito em canta por lar
urna lerida em urna peros porm servo para sitio, ou
para guardar vaccas; ao Corredor-do-Biipo, n. 8.
as Vende-se urna preta, de meia idade, sadia a par
lodo o servico de urna casa ; na ra larga do Roiario,
n. 35.
.sa Vende-se cers psra limas de cheiro, a Ij rs. 1
libra ; na ra do Rangel 0. 52.
a Vende-se a refinacio do Aterro-da-B la-Vists,
0. 21, com lodosos pertenees novos: a tratar na mes-
111 a refinacio.
=Vende sa urna rica manta de veludo para sen Lo-
ra ; um vestido de fil todo guarnecido ; om panno de
mesa de meio de sala ; um rico cristal de por luz en
cima de mesa; 3 jarroa para flores ; urna porcio da1
varas da Irania *, tudo perfeito e por preco commodo :
na ra do Rangel, n. 11.
= Vende-se urna venda no pateo do Paraso o.
14, bom alreguezada para a torra : a tratar na mesan
vanda.
== Vende se, na roa do Brum um terreno ( que
antigamente eslava para a ra) com 30 palmos de fren-
te e 300 e tantos de tundo aleo rio o qual se ach
fechado com la boas : na ra do Apollo, armazem,
n. 28.
Venda-se urna preta erioula, da idsde de 18 an-
nos, propria para todo o servico ; a vala do compra-
dor se dir o motivo da vanda : na travesa de S. Jos,
n. 31.
a Vende-se fsrinbs ensseosda per preco commo-
do e gamelas de amarello : no arco de S. Antonio,
casa de Manoel Jos Goncalves Brags.
Vende-se um preto ct ionio, moco,
de boa figura, e bom olicial de pedreiro;
o motivo da venda se dir ao comprador:
na ra da Praia, serrara n. 17 de An-
tonio Das da Silva Cardial.
Escravos Fgidos
Fugio, na noute da 24 para 25 do paseado ds
bordo do brigue brasilairo Umbelina fundeado junto
ao caes do Collegio o preto Gabriel ; representa 18
a 20 annos, estatura liana sem barba, de naci Ca-
binda; cscravo de Jos dos Sanios Ribeiro. do Hio-ds-
Janeiio: quem o pegar, levea Manoel Uuarte Rodrigues
na ra do Trapiche, o. 26 que gratificar generosa-
mente.
Pugirio, oo da 26 de deiembro p. p. doen-
genbo Livramento dous escravos, com os 8>gnses se-
guintes: Anlooio de naci Angola baiso, cor as-
sis p[cta rosto talbado 1a piolando representa tw
SO annos de idade : Josepha crioula, alta secca do
corpo cor luis disfaresda ; tem um calo de relho
antigo as costas; represento ter 30 annos de idade. Es-
tes escravos pertencem s Joio Marinlio Felcio Sicupiri,
da protincia daa Alagss. Roga-se porlanlo a lodaml
suroridsdes policiaes, que os apprebeadio, e a qusl-l
quer que titer noticia lete a ra do Crespo loi|
n. 7 que seri generosamente recompensado.
saa Fugio a preta Catharina de naci Cscsogs,!
baila, cor um pouco lula ; tem falta de um denle nal
frente peilos pequeos ps curtos e grossus ; bebial
agu'ardonlo, e dte representar boje 28 annos, ti
(altez tenba filhos: quem a pegar, ou queira dar no-I
ticias dirija-se a Jos Luiz Pereira morador oaroil
Nota atesta cidade que gratificar generosamente.
Do < baiio assignado fugio no dia 26 de dezem-l
bro de 1845 o seu esersvo crioulo de nome A0I0J
nio de idade de 25 anuos, pouco msis ou mcnoi,
com os signaes seguintes: estatura regular, cbciodil
corpo olbos amortecidos, falla descancads ; fui com-|
prado a Manoel Galdioo Wanderlev Lins como conili
do papel abaiio transcripto morador no lugar Brejo
Novo, em Scrinbaem em cujo poder diz.em acbar-xl
o mesmo eseravo : roga por tanto o mesmo abaiioiH
aignado as autoridadea policiaca a apprebenvio doi
seu eseravo, e prometi gratificar generosamente 1
quem o levara ra Direita, n. 40 segundo andsrJ
ou no engenbo Pintos. Jote Firmando da Crut.
Digo eu absizo assignado qoe entre 111 mais r
que possuo de mansa e pacifica posse litro e deten
baracado de bypolheca e penhora be bem assim '
cravo crioulo de nome Antonio, o qual o bouve por b
raoca do meu fallecido par; cujo eseravo vendo, eoiaj
de fado vendido tenho de boje para sempre, ao Sr. Joj
se Femando da Cruz pelo prevo e quanlia de owi
ra. que recebi ao faier deste em moeda correotaj
para que cedo e traspasso toda posse e dominio 'l1
nelle tuilia ao sobredito comprador. o qual o p
suir como seu que be a fica sendo de hoje para x*
pre, pagando o mesmo comprador a cisa o por
verdade ped e roguei ao Sr. J aquim da Fonsecs S1'
res de Figueired" rti pr rr>im eicrevw" 00 quaI *J
aasigoocomastestemunbaa abaiio aaaignadas. H
genbo Pintos, 26 de junbo de 1844. Manoel Os
dio Wanderlev Lins. Como leatemunbas '"\
Jerooymo Barreiro Rangel Joaqnim da Fonseca "o'J
res de Figueiredo. Pagou a cisa como consta do <" r
Ihete n. 18.
PKRN.
NATTP. DE M. F. DE Fa.HU
_.8/,6.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EA7JSXFYI_S21VX8 INGEST_TIME 2013-04-26T23:29:52Z PACKAGE AA00011611_08176
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES