Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08157


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno de 1844.
Quarta Fera 18
I .JE-i.aBSEBKaraS
O i'iaRil | be de Irea mi! ra. por quarlcl pagos adiantadna. Oa annunciosdos asaignanlea sao inaeridof
fratia, c US dos que dju lorem l rano de 80 rea |>or linha As reolama.-e derem ser diri-
gidaau ala iyp., ra daa Cruzea n. 34 ou a praga a Independencialoja de lisroau I 8
PARTIDA JlOS COKIIKIOS TERRESTRES.
GoiANKa, a l-arahyba.aecundas,. MUli feiraa.Hio Grande do INorle, cht-g a 8 Zi o par
te n 10 -.Cabi., Serinhaem Kio i'ormoso, Macey, Porte Cabo, e Alagoaa: IU> *.
Va C m"~ G*""'1""" Bonito a d _'l de oada me! goa-riata t Flor
M 130 j dliO.-. Cidade da Vio toril quimas fei rus. Olinda lodoa os dias
4R. das da skmaka.
10 bef;. Corneho. Aud. do J. de 1). da '_'. t,
17 lerca s Pedro. Kel. aud. do J. de 1 da 3. t
18 yuarl. a, TlioD?aa Aud do J. de D. da 3. r,
i) Qniola a. Jauuario. Aud. do .1 de I) '_>. t,
80 Sena k, Kusloquio. Aud do J de D da _>. t.
21 San a .Miitlicus.
t Do* Pesia d.a Dores do N S. /
*' "T?^3gniiWMimEa?pg9g3g.RB^
DIARIO DE
'iiitj.
Auno XX. K. 209.
de Scciribro
aSi(iBmgswa^esc% *1i sjrg-vr'V I b'"^1^^'"i *^MiaajBytMrriPlHr'^,^~'*^^"*IUJJMMMM'^
'"do a/rora depende do ne mesmos: da Boai ca. eodofOfjSo' enerjia : cen-
U'moe 00*0 prineipianioi o aereas! aponl......um adn>ira . i. ... o m*|>0
I: Jt i f CAMUO NO 1)1
I >' Canbiof tobra Londroa I l( : nom.
" Pan 5v rea j,.,, frMCo
" Lisboa 10 poi iOi> de praui
la la ara ao par
dem da letras b.iaa nrtaai I pro..
ciinoi tro DIV 17 DI
compra TOflda
Our. : V. 17. 00 17,' 0
> N 17.000 17. O
y 00 M500
, a "<)(
fif 1,980 2.000
i
l'ratj lia. >'r.
.i Peaoa i .
i I* itOa neaicanoi
I'IJAS! S D V LA NO MEZ DE SETE.URRI.
.V.-u.ni, 1 ., 7 hora, e n..n Urde [Craacen.e j> 5 ,, ,, ,,
PfWiMr li .1 ,.
V mairi u 'J !, |S ,; ,; ,
i... .. 1. '.' iioraa i.' miiiuloi da H.
S*. aa.*.
ITITTTH1""~"'"*THffI(l>inif'nlV 'i
. _.1^.'._ J-jri

r
a
II
ioverno da Provincia.
BIPBOIBHTB DE 1.3 DO COKRKM'E.
OicioAo Juiz do Pe da regueiia do Li-
root'iro. declarando eni resposta ao seu odicio
de 9 doste mes, que a procuracao. de quo falla
o parecer do Coneelho d'Estado, referida no
aviso, expedido pela Secretaria d'Estado, dos
Negocios do Imparioem 17 do Julho do corren-
rente anno, da direito para ser recebido o voto
do constitu Ote, independento de carta ou offi-
cio dirigido respectiva Mesa; e quo a expres-
sao do voto nao podo ser ossignada pelo Procu-
rador.
DitoAo Coinmandante das Armas, deter-
minando i?m cumplimento d'ordem imperial,
que mande nullificar o assenlamento de praca
do re-ruta Tilomas Benedicto Lourenco, vi'ndo
de S. Paulo e remettido para esta provincia na
fragata l'araguuss.
\) to Ao Engenlieiro cm Cliefo das Obras
Publicas, significando em resposta ao seu oi-
cio de 5 do correte, que o lugar de Engenhei-
ro Ajudante, deixado vago por Alfredo de .Vlor-
nay, nao pode ser prvido, som quo para ello
ba|a concurso; e que faca annunciar este con-
curso para o dia 30 do andante mez.
Dito Ao Commatidanto das Armas, remet-
iendo copia do aviso de 26 de Agosto, que man-
da suspender, at 2a ordom, a disposigao da 2*
parte do regulamento do 8 de rMaio de 183,
que autorisa os Commandarites das Armas a
concederem iiaixa as pracas voluntarias, que ti-
verem concluido o teiiipo do seu contrato.
Tkeso s'aria da Pazenda.
EXPEDIENTE DO DIA 2 DO COMIENTE.
OicioAo Exm. Presidente da provincia,
rogando se dignasso expedir as suas ordons ,
ao Coinmandante do paqueto de vapor, que
acabava de ebegar do norte para receber na
Tlies iQraria, cetn contosde ris porconta do
saldo do exercicio de 1843-44; o dez contos
de ris em notas substituidas para entregar
n l'hesour Publico Nacional.
Diti \o Secretario do estabelecimenlo do
Monto fio dos Servidores do Estado, necusan-
do a recepcao do seu oicio de 10 do Julho ul
timo, que ncompanhou trez exemplares das al
teracCes fei tas ao decreto de 22 deJunho de
1836, e que ficava na inteligencia de que o
quartel adiantado de que tratava o artigo 6.
para os contribuintes, que residiio as provin-
cias di vii lercomeco no lode Janeiro de 1845.
fecbando-so e ajuntando-.-e as conlas at o
fi n de Dezembro do corrento anno ainda
mesino aquellos, quo pagavii > suas mensalida-
desem diversas pocas : de forma que ficassem
todo, igualados em s-us pagamentos at o ul-
timo do mesino mez de Dezembro, a fim de
que em Janeiro de I8*> em diante icasssem
pagando a quarle s certos e adiantados.
dem do da 3
OicioAo Exm. Presidente da provincia ,
a respeito da autorisaco quo tinba a Tliesou-
rarii, para supprir as da Paraliiba, Hio Gran-
de do Norte e Cear com as notas necessarias
para a substituic > das que se mandrao retirar
da circula?o.
Portara Ao Tliesoureiro dos ordenados
para pagar ao Escrivao nomo-ido do Almoxari-
fado da ilia d<: Fernando seis mez.es adianta-
dos de seu ordenado
Dita Mandando abonar ao Tbesourciro da
Fazenda, u auantia de com contos de ris, que
receben o Cnmmandante do paquete de vapor
Paraetut. pan entregar no tbesouro Publico
Nacional, porconta I > laMo disponivel oxis-
leule na caixa d I exercicio de 1843-44.
LM i dem a iguantia de dei coritos cont o
mi ris ei* notas substituidas do diver-
indaa da Thesouraria do Cear ,
para e itregar no mesmo Tiiesouro.
inKM do oa 4.
oicio AoExm. Presidente da provii
'informando sobro a requisicao, que fez no of-
icio, que acompanhava, o Commaiidanle das
Armas, dosartigos, que j se faziao indispen-
saveis para o Hospital Militar.
Dito Ao mesmo Exm. Sr., devolvendo,pa-
ra se dignar dar novainente as ordens quo jul
gasseconvenientes, opretdo destacamento da
(Guarda Nacional do Municipio do Brejo, por
nao so adiar nos tormos de ser pago, som que
se satisfi/essem as exigencias do Commissario
Fiscal do Ministerio da Guerra exaradas no
mesmo pret.
DitoAo Inspector da Thesouraria da pro-
vincia do Hio Grande do Norte participando ,
quo pela mala do paquete do vapor Paraenst ,
nao veic o masso lacrado com a quantia de
cinco contose vinte mil ris em notas inutili-
sidas de 5* 10ji e 20j rs. que aecusava
em seu oicio de 22 de Agosto prximo indo,
sendo provavel que nao osse recebido polo Ad-
ministrador do Correio d'aquella cidade, visto
nao ter vindo descripto na respectiva guia.
DitoAo Engenheiro em Chefe encarrega-
do das obras publicas, para communicar tudo
quanto occorria pela sua parte, a cerca da con-
veniencia da demoligio do Forte doBom Jess,
i- da capella a ello anexa, a lim de satisfazer a
exigencia do Exm. Presidente da provincia em
oicio de 6 de Agosto prximo indo.
DEM Do DIA 5.
OicioAo Exm. Presidente da provincia,
informando o oicio do Exm. Presidente da
provincia do Hio Grande do Norte, relativo a
providencia, quo julgava conveniente adoptar
para facilitar o tornar niais frequentes as rela-
jos e o commercio entre esta e aquella provin-
cia, e a da Parahiba.
DitoAo mesmo Exm. Sr., informando,
que os prets, que acompanbavao o oicio do
Delegado do termo do Limooiro, estavSo exac-
tos, e por isso as circumstancias de pagur-so o
da quantia do 15j928rs. porlencente ao anno
linanceiro de 1843-44, o dar-so titulo do de
33*480 rs. relativa ao ultimo exercicio j en-
cerrado para quando se desse a- consignadlo.
DitoAo uicsino Exm. Sr., a respeito da
bandeira, que requisitou o Tenente-Coronel
Coinmandante da Guarda Nacional do munici-
pio do Brejo.
DitoAo Procurador Fiscal do Thesouraria,
convidando-o.do ordem do Exm. Presidente da
provincia, para comparecer ao cortejo, e assis
tira grande parada do dia 7 do corrente, Ari-
niversario da Independencia deste Imperio.
Iguaes convites se fi/ero ao Inspector da Al-
landoga, Administradores da Mesado Consula-
do, da Recebedoria do Rendas Geraes nter
as, do Correio o aoCoininissario-iscal do Mi
nisterio da Guerra,
DitoAo Inspector do Arsenal de Murinha,
para comprar eeclaar, e embarcar para a liba
de remando 800 saccas de farinba de man-
dioca.
DituAo Inspector da Alfandega, para or-
denar ao Tbesourciro da niesina, recolhesse a
Thesouraria as notas, que tivesse em seu poder
de valores inferiores a cen uniris, a fim de
screm aplicadas a substiluicao das do 5,| 10,f
e20 rs., que so mandrao retirar da circu-
lado.
Mi
PORTUGAL.
Tratado de commercio e nacegagdo entre S. M.
a Ruinha de Portugal e dos .-/Igarves, e S.
M. El- Hei de, Prussia.
D. Mara por Graca de Dos, Rainbs de Por-
tugal e dos Algarves, daqueme d'alem Mar,
em frica Senbora do frttin e da conquista,
Navegat'wo e commercio da Ethiopia, Arabia,
Persia a da India,etc. Fa<;o saber aos que a pr-
senle Carta da Confirmadloe RatificacSo virein,
que sos vinte dias do mes de Fevereiro do
prosete anno seconcluto o assignou, na cid,ele
rj llerlim. entre mim e S. M. El-Rei de Prus-
ipolenciarioa, muni-
dos dos competentes poderes, um tratado de
commercio e navegac-io, cujo theor be o se-
guinte :
S. M. a Rainha de Portugal e dos Algarves,
S. M. El-Rei de Prussia igualmente animados
do desejo de estreitar cada voz mais os locos de
misado, que unein as duas Coras, o ampliar
as relacos coiumerciaes entre os seus respecti-
vos subditos o estados, tendo resolvido concluir
um tratalo de commercio e navegadio, nomea-
ro para este fim por seus plenipotenciarios, a
saber:
S. M. I'i.lclissima, o Sr. Simio da Silva
Forra/ de Lima e Castro, BarSo de Renduffe,
Par e Grande do Reino do Portugal, do seu
Coneelho, seu Enviado Extraordinario, o Mi-
nistro Plenipotenciario junto de S. M El-Rei
de Prussia, Coininenilador das Ordens de
Ghristo, e de Nona Senbora da Gonceicao de
\ illa Vicosa; e
S. M. Prussiana, oSr. Henriquc Ulric Gui
Inerme, Barao de Bulow, seu Ministro d'Es-
tado, do Gabinete e dos Negocios Eslrangeiros,
(rram-Cruz da Ordem da Aguia vermelha de
Prussia, das de Leopoldo d'Austria, e da Corda
de Baviera, (rain-Cruz da Ordem Real dos
Guelphos de Hanover, oda do Luil de llesso
Gram-Ducal, Commendador da Ordem do Fal-
cao Branco de Saxonia Gram-Ducal, Cavallei-
ro das Ordens de Santo Alexandre Newsky, de
Santa Anua de Pnnieira Classe, de Santo Esta-
nislao da Segunda Classc, e da de Santo Wla-
dimiro da Quarta Classe da Bussia, Gram-Cruz
da Ordem do Leo Neerlands, e Ja de Leopol-
do da Blgica, condecorado com a Grande Or-
dem do Nichani-Iftiar.
Osquaes depois do baverem reciprocamente
comniunicado osseus plenos poderes, adiados
em boa ti devida forma, convierao nos arligos
seguiotes:
Artigo I'llavera liberdade reciproca de com-
mercio o navegacao entre os Estadosde S. M.
I'idelissima, e o do Sua Magostado El-Rei de
Prussia. Os subditos de cada una das duas Al-
tas Partes Contratantes poderlo entrar nos lu-
gares e rios dos territorios da outra, em toda a
parle onde o commercio eilrangeiro be permit-
lido, ou o fordo luturo. Poder5 demorar-so,
e residir em qualquer parle dos ditos territo-
rios, para alli trataren! dos seus negocios, e go
sarao para este fim da mesma segranos, e da
inesnia proteocSo que os nacionaes, pagando to-
dava os meamos imposto.*), e conlormando-se
com as l-'is e ordenandos do paiz, assim como
com os tegul tinentos commcrciaes qne nelle es-
tilo ou estiverem em vigor.
Art. 2Os navios portuguezes e prussianos
chegados de qualquer parte, em lastro, ou car-
regados, aos portos da outra das Altas Partes
Contratantes, serao nelles tratados, tanto na
sua entrada, como durante a sua estada, c na
sua sabida, do mesmo modo que os navios na
cionaes viudos da mesma parte, assim pelo que
respeita aos direitos de porto, de t melagem, do
faros e pilotagom, como aos emolumentos dos
oliciaes pblicos, e a todo o direito, ou encar-
go do qualquer especie ou denominadlo quo so-
ja, cobrados cm nome ou em proveito do Go-
verno, das autoridades lcaos, ou do quaesquer
estbelecimenlos particulares.
Art 3o Sorao considerados navios portugue-
zes ou prussianos aquellos quo forem r6conhe-
cidos comotacs, no estado a que perteneci, se-
gundo as Icis e rcgulamentos em vigor. As al-
tes partos contratantos se reservao enviar reci-
procamente declaraces que contenho urna
enumeradlo clara e precisa dos papis e docu-
mentos do que um e outro Estado exigem queos
seu navios sejao munidos Se depois desta reci-
proca remessa.que lera lugar o mais tardartres
mezes depois da assignatura do presente trata-
do, una das altas partes contratantes se adiar
no caso de mudar ou modificar a sua legislado
a este respeito, communical-r-ha oficialmente
outra.
Art. 4'N3o se imporSo outres, nem maio-
res direitos, sobre a mporta'co do Reino de
Portugal dosartigos pr >u da
industria do Reino do Prussia; o nao se impo-
r3o outros, nom maiores direitos, sobro a im-
portacSo do Reino de Prussia dos arligos prove-
nientes do solo, ou da industria do Reino de
Portugal, o dos seus dominios o possesses, do
quo os que sao ou lorem impostos sobre os mes-
mos arligos provenientes do solo, ou da indus-
tria de qualquer outro paiz eslrangeiro.
O mesmo principio ser observado a respeito
dos direitos do exportadlo.
As altas partes contratantes se obrigSo a nao
estabelecer prohibii oes, nem na importadlo de
arligos provenientes do solo, ou da industria do
outro paz, nem na exportarlo de arligos de
commeicio para osse outro paiz, salvo quando
as mesmas prohibieoe.- se eslendo igualmente
a lodos os Estados eslrangeiros
A exportacilo do sal do porto de Selubal con-
tinuar a ser subordinada aos rcgulamentos que
Iho sao peculiares.
Art. 5o Todos os productos do solo, ou da
industria do Reino da Prussia, importados di-
rectamente, o em navios prussianos, dos portos
do mesmo Reino nos do Reino do Portugal,
comprehendondo sllhas da Madeira, Porto
Santo o Acor s, como lambem lodos os pro-
ducios do solo, ou da industria do Reino do
Portugal, e seus dominios e possessoes, impor-
tados directamente, e em navios portuguezes
nos porlos prussianos, nao pagara nos porlos
respectivos outros ou maiores direitos de entra-
da ou de transito do quo se a importadlo dos
mesmos productos fosso feila debaixo de ban-
deira nacional, ou da nacao mais favorecida.
[Continuar-te -ha.)
aaaa^aBii|yaaiiii4iii4Waiiiaiiii iiaa.ii iiaiiiijaia^MaaaaaaMaaat.
ni
IUCO.
Tribunal da fllclac.o
Julgamento do dia 17.
(Des. do semana o ^r. Ponce do Le5o.)
Confirmrao a sentones na appellaeao civel
em quo he appellante l nibelina Joaquina de
Albuquerquc, o appeilado AnlonioToaquim do
Mello Pacheco.
Confirmrao a sentenca appellada no recur-
so crime vindo do Juizu de Direito da 2.*vara
desta cidade-cm que be recorrento o Juizo o
recorrido Francisco das (hagas.
.Mandrao dar vista as partea na appellac,5o
civel em quo sao appellantes Jos da Silva
Oliveira e Francisco Jos de Freilas o appel-
l.idos Manoel Joai|uim Felis da Costa e outros.
Confirmrao a sentones na appellacao civel ,
em que he appellante Mara Francisca Benedic-
ta Torres, e apjiellado Manoel da Cimba Gui-
maraes Forreira.
Mandarn dar vista asparles na appellacao
civil em que he appellante 0 Padre Malheos
Fernandos de Souss Leo, e appellado Antonio
Jos Forreira Cape!!.
Confirmrao a sentenca na flppellaciio civel
em que he appellante Antonio Albuquerquc ,
e appellado Andr de Albuquerquc e Mello.
Julgrao improcedente o recurso interposlo
na appcllaciio crime em que be appellante o
Jui/o e appellado Jos dos dantos Nogueira.
Julgrao procedente o recurso interposlo na
appellacao crime em que he appellante o Juizo
e appellado Manoel Philippe.
Juigrao procedente o recurso interposto na
cousa do dia de aparocer, vinda do Juizo Muni-
cipal da Comarca de Baturite, na provincia do
Cear. em que he appellante Jos Mendos da
Cru/. Guimaries e sppollados Luiz Coelho da
Silva e Paulo Coelho da Silva.
Julgrao procedente o recurso interposto na
sppellacBo crime ejn que he appellante o Pro-
motor Publico, e appellado Jos Fernandos da
Silva (reo preso).
MJJ1LJ!W
Correspondencias.
Sr$ i' i,N3o procuro ler peridico
praieiro ; por quo Desta latina nao possoacbar


zesso declarar francamente desdo ja que nin-
guem, lora da su i clientella, ha de'votar, far-
nos-hia a o menos o favor de nao perdermos o
nosso lempo, j i que perdemos os nossos dire-
tos. Ora, Sr. Juizinlio, faca-nos esto favor, por
quom hu E se nao est anda em certo grao
de dcsembaraco, consulto os doutores da propa-
ganda e vera que da para a cousa.
Com a publicarlo destas linhas, Srs. Redac-
t seo II mea.
nem utiliJade nem dislracao eso indignaeao
ou tedio, mas quiz o acaso que eu ouvisse un
treclio do l> ">, no ,j,i;1! iratando-seda cor
respondencia que Ibes anviei ba das o que
Vmc. me (izerfio (Tbbsequio do publicar umi-
tas insolencias o mentiras se dizijio ra forma
do inveteradooostu na da faccio praieira ese
me i'tipul ivio nlencdes c motivos, que s nel-
la se achilo.
Esses bandulbos que s i por empregos fazom
gritara que se tem visto ousfio dizer que a \ torea, far-mo bao Vms., &c. &c.
chuehadeira be quem nos movo : forte corja Jim que temmaisque faitr.
Os verdadeiros governiUs os amigos da or-i___________________________________
dem da monarcha e da lei cm cujo nume-*
ro tenho a honra de me contemplar tem a mira
principal em desviar do nosso paiz a anarebia ,
que tanto nos perseguoem outro tempo, e que
agora quer de novo lanear-nos as garras;esta no-
bre ideia be que fez que tanta gente se inters-
sasse pela Presidencia do multo digno Bario da
Boa-vista pois que durante ella nao houve
um da que os infames anarchistas podessem
incutir-noso menor susto, entre tanto que bo-
je inculcando-se ministerialialas trazem a popu-
lacho cm continuo terror.
NSo sou eu nem os verdadeiros govemstas
que imputaremos ao actual Exm. Presidente es
tes malc; pelo contrario be a sucia praieira
quem disto se encarrega o isto pela raso de
que < aspirando aos empregos e especia I men
'e aos oais gordos e nao adiando rjisposiedes
em S, E\ para Ibes fartar a fome que os devo-
ra vao-lhe tasquinhando o procedimento jus-
ticeiro e empreando as suas intrigas para.o
desacreditar. E para seus fins vio insuflando
os vadios a ociosos, e agetando'-os p^ra urna
septembrizada.
0 tambor he militar ) nao pode querer
emprego; o que elle quer be que nao bajito ro-
volucOes por que nao quer ir deportado para
Fernando como cabano nem quer ser preso
algum aperfeicoamento nos manejos, e se qui- I territorios!oxelamarao o congressos. E com
por calan is, como foi por um alias mijito
honrado (o finado Capita i-roor Torres (alin-
do), nao intriga para se insinuar no animo de
opposicionistas (va a quem toca) por que seus
principios sao defender o Governo que sim-
boliza a ordem e representa o Monarcba.
Desculoem os Srs. Redactores as minhas ma-
lalinbavada expresados, pois que como militar
ignorante apenas sei encordoar a minha cai-
vi o nSoalinhar frazes, por quinto na fiJci-
ra dosgovernistass u U Tambor.
Srs. Redactores. Londo o
do correte deparemos com um artigoque tin
CAUTAS SOliKK A AMERICA DO SUL.
O Diario do /lio publicou urna serie de cartas,
com este titulo as quacs julgamos de grande
interesse e por sao passamos a transcreve-las
em nossa folba.
I.
A emigracao.
Eis-aqui, Sr.,qual foi o voto que expri-
ma o congresso goral do Venezuela em seu ine-
moravel manifest de independencia de 30 de
Julli i de 1811 :A America, livre em fin do
jugo que sobre ella pesava desde trez seculos ,
abrir seus bracos lio pitaleiros aos Europeus ,
victimas da oppressio ou da miseria ; esses nao
Iba trar&o a guerra e a tyrannia virio palo
contrario procurar entre n<'>sa paz e o bem es-
tar fructo da liberdade e do tr..balho. Nos
os veremos ebegar, nao j como senhores, mas
sim como supplicantes e os acolberemos como
irmius, vindos para fundar e nao para des-
truir:
Vos sabis se este appello, formulado n'essa
poca pela America llespanbola como urna es-
perance longinqua. achou chos rpidos na Eu-
ropa. Forao primeramente os aventureiros ,
gente disfarcada pela mor parte com o ti-
tulo de philanlropos e de defensores da liberda
iie, que, nao tendo podido arranjar lugar n'es-
sa pausa ern que a Europa de entilo procurava
resta beleccr-se do suasagitaedesedesuasfadigas,
forao levar i America a inquielaco de seus de-
sengaos e a ambicio de suas esperancas ; or-
ganisarao urna especie de cruzada poltica, que
torriou porsenbao nomo demasiado glorioso de
Bolvar. Qulros pelo contrario, desesperando
de urna causa que nao tinbao podido fazer tri-
umpliar e nao querendo irais viver no meio
D. novo de 10 de um novo estado s .cial que reprovavao, bus-
carao aliii di Ocano um desterro voluntario :
por titulo Us Baronitta conspirando, no qual I ao menos esses nao querao senao o repouso pa-
u seu diyno autor, acobertado com a capa do
annimo, depois de prodigalisar com liberali-
dade insultos, e despejadamente calumniar ao
nosso cunbado, o Major Aguiar, leve a impu-
dencia de tancar tambem sobre nsalguns sal-
picos da sua viperina penna, quaudo diz O
Jo? o Pedro cujos cunbados, mcsclados no
quarlel entre os soldados, vio alli introduzir a
zisania c insubordinado Nao be pois nosso
intuito provar a falsidadedo nosso provocador ;
mas sim desifiar a esse Sr., para que tire a
mascara que o oculta, e aprsenle em termos
habis os indicios ou provas desta sua vil aecu-
sacio, a fin de promovermos a nossa deieza pe
rtnte o publico ; na certeza de que se assim o
nao li/er passar.i por um impostor, comis
infame calumniador.
Nao he possivel, Srt Redactores, alguem
escapar as injurii s de lao torpe prelo ; nada se
respeila, nem mesmo as repulacdes daquellas
pessoas que, longe de se tornarem notaveis.
procuro nao se envolver em quesles bem
albeias ao sou estado ; em sunima, o I). noro
tem votado guerra a berta ao genero humano,
e foreoso era que nos tambem apparecessemos
em srena : fiat voluntat sua ; e desta maneira
nio admira vermo nos envolvidos nesse artigo
bem frtil em improperios, dignos partos dos
lusidos e ruui dignos redactores de urna tal
folba.
Serio obligados, Srs. Reductores, pela in-
serido deltas linhas, os seus Bfleicoados
J. P. J. G.
Mur.oel Norberto lorgt Gongalve$,
Julio Jorge Goncalves
Srs. Redactores Duas palavrnhas ao Sr.
Juiz le Pai de Jaboalo, com permissio de
Vina. O Sr. Juz para conseguir as passadas
eleices, nao aflkou isla, compoz a Mesa sem
ra suas fadigas a solido para suas dores. As
sim se formou p r exemplo, a colonia france-
za do Texas, recrutada entre alguns soldados
dispersos da derrota imperial. Em fim seguio
se a massa d'aquellos que correm sem fim em
busca da fortuna que Ibes falta e do bem-estar
que Ibes foge.
(.ionio quer que seja esta febre do emigra-
do que se apoderou da classe necessitada da
Europa desde o Bltico at ao Mediterrneo ,
desde o Danubio al ao canal de S. Jorge, per-
manecer com o laclo o mais grave da nossa -
poca. Este mistar de mudanca de lugar o (Tec-
la ainda li je (be importante fazer constar islo)
a parte intelgente e esclarecida da sociedade
europea. Depois da revolucio franceza nao
ha mais nesla sociedade felo menos em cer
tos limites, nem patronos nem cuentea; os
lioinens sendo chamados a gozar dos mesmos
ilireitos, tenderao lodos a por sua ambicio ao
nivel d'esses direitos : n'estus condices novas
veio a eaucacio a ser o primoiro c nico meio
de elevar-se. Por cedo que a causa da cvilsa-
caoganhou n'eslo movimento goral dos espiri-
los, e o progresso intellectual poz em relacio
todas as condices de cima abaixo da escala so-
cial; mas aeducacio, creando prelencss novas,
piodu/io igualmente misteres novos, appctites
maioros. Em breve as carreiras liberaos forao
cnlulbadas, ecm todas as avenidas de empregos,
do lugares e de posiedes se estabelecerio con-
currencias formidaveis. E foi entioque as de-
propor^des do fortuna apparecerio, mais sensi-
vois do que nunca em ncnbunia outra poca da
historia.
He la hez a todas essas pretencoes n5o satis-
feitas que se do>em altribuir esse dosassocpgo o
essa inquietacao que tralialbao o espirito publi-
co, esses descontentamente! cegos qu*' correm
poltica
n*oito, Sr., assim sera. Vede antes es Estados
Unidos, os primeirosem dala Quanlo lempo
Ibes foi mister para decluparom sua populacao ,
havendo apenas meio secuto que sobre su. s soli-
does paira a liberdade? Os obstculos que '
prosperidado das colonias oppunbao os gover-
nos metropolitanos, e a oppressao que sobre el-
las faziao pesar, pelo temor em que estavao de
perdel-as, tinhao at ento detido o movimenlo
de emigracao que comecava a manifcslar-se na
Europa; por isso esse movimento se desenvolveo
lodo pora esjas regioes novamcnlc libertadas,
c que ja tocavao em seu pon ir como com a
mao. Se n'este accrescimo inaudito de popu-
lacho fizesseis o halanco das ebegadas com os
nasc; men tos, v criis em que prnporcdes gigan
testas n'elle parlicipou a emigracio.
Agora he a vez da America do Sul; e, ao ver
o movimento ascendente que se opera na emi-
gracao, poder-so-ia quasi determinar o ins-
tante cm que so achara realisada esta propbo-
cia : A liberdade compete pocoar a America
Com tudo, devo di/el-o, al aqui a emigra-
cao nao tem explorado nem se quer os accessos
d'essas Ierras da promisso; lem-so detido ms
margens. Nao tem portanto podido quasi for
nacer America doSulsonao operarios, es-
peculadores o mercadores de varejo. Por isso
emquanto as cidados, que todas san situadas
ras bordas do mar, apresentao urna phy^ono-
mia inteiramenle europea, o interior permane-
ce desorlo, o o campo sem povoacao, como se
ainda a America seacbasse debaixo do peso des-
sa fatal lei de partido que soba dominacao hes-
panhola, vodava o accesso das colonias Para
altrahir os colonos o a familia, base de loda a
colonisaco. seria preciso que ossas repblicas,
apenas nascidas, pudessein olerecer seguranza
sofliciente aosestrangeiros que so quizessem fi-
xar em seus vastos territorios; ntao ho porm lao
codo, desgracadamente, que isto devo aconte-
cer !
A America levada do um so golpe da extre-
ma servidio a um rgimen de extrema liberda-
de, solTre a pena do urna mudanca lao radical
o tilo sbitamente operada. Nao se aberra as-
sim impunemente das leis da natureza que, tan
lo nos desenvolvimentos do organismo social
como no desenvolvimento do individuo, quer
gradaedes o niio alalos. A pnmeira cousa que
da nos olhns, quandose poern o p no continen-
te americano, be a inteira desbarmonia, sao as
anomalas profundas que existem entre as ins-
tituicoos o a sociedade. A cifilisacio, tal qual
a atamancarao, nao prende ao solo por nenbu
ma raz; he toda artificial: be urna importando
estrangeira, imposta por sorpresa, e cujo desti-
no (o (alseado, uu, o que be mais verdadeiro a
gisse do que insurgentes Aos vexames dos v-
ce-Rcis o povo nao oppunha senao sua torca do
inercia, (guando um regiment realista so upo-
derava do urna cdade, os habitantes a abando-
navaosom procurar defendol a contra as incri-
veis atrocidedes da oceupacao; o quando nclla
toynavao a entrar, era para fazerem pesar a pe-
na de talio sobro o partido bcspanbol. iUas es-
ta guerra do protestaco o do represalia poda
durar ilimitadamente.
l~'l"'sJ"~~-~*= I .-j'-UT'JElaaw-.,!,
^ .**'& StA tU B~' u i? i-
nIME ^
:bi
Aiandega.
Rendimento do dia 17........12;7o2iC77:J
Descarregao hoje 18.
Patacho Conceicodiversos gneros.
BrigueScienciaidem.
> .....".--
Movimento do Porte
Vacio sahido no dia 16.
Liverpool ; escuna maleza Emancipalion, Ca-
pilao Roberto Winter, carga a inesma quo
trouxe.
Navios entrados no dia 17.
Genova; 48 das, polaca sarda Boa Intclligm-
ca, de 193 toneladas,, Capitao Joao Bap-
lista Gorleiro, equipagem 12, carga lastro :
Joao Pinto de temos & Eilho.
Liverpool; 4o dias, brigue inglez RebeceaJane,
de 215 toneladas, Cap. PetexLeMessuriers,
equipagem 13, carga lastro: a Me. Calmont
Navios sahidos no mesmo dia.
Barcelona por Porto Rico; brigue escuna bes-
panhol Hrilhante Cataln, Capitao Jayno
Estape: carga algodio.
Norte Eroupa; barca americana Sumatra, Ca-
pitn Jos Rowell: com a mesma carga qjo
trouxe de Sumatra.
L._.....___!_ OIJIl'!'".'!B1BI
Edteles.
muitos respeitos, una infusao inopportuna
violenta, que deixa cbagas sobre o corpo, sem
poder penetrar os vicios.
Loncai os olhos para os rnesmos Estados-U-
nidos A estrada do ferro costea o deserto, a
religiao do pai de familia so abriga debaixo do
mesmo tacto que a venalidade do homem pu-
blico; o patrian-la be agiota, o mesmo homem
be cultivador e mercador : este bomcm honra-
do o probo, como proprietario, tem um escrip-
torio defallidofraudulento Levao-se aexcesso as
constituices as mais liberaesda Europa, e con
servao-se os escravos; e, emquanto se vota o
melbor metbodo de legislacao, assassina-se ao
meio da as ras. Aperfcicoa-se o rgimen pe-
nitenciario, e vai-se ver applicar a penado al-
ca! ro.
Estas contradices entre o fado e o direito
sao rnuto mais manifestas o mais flagrantes na
America do Sul. Eu nao investgarei porque
(eve lugar n liberdade das colonias besparibolas.
porm sim como teve lugar : a origcm aqui
nao be nada, sao smenteos meos que im
portao.
Esta liberdade dovia fazer-se pela orca mes-
ma das cousas a invasao franceza e os embara-
cos polticos que em seguida vierao onfraquecer
a Ilespanba nao forao n>ais que circunstancias
propicias; cera isso tilo evidente para lodos,
que no momento preciso se achou um numero
consideravel de bomens do pai/ preparados a ti-
rar partido d'esle levanto inevitavel. Foi por es-
ses bomens, exclusivamente penetrados das
dras polticas da Europa, que se operou a re-
volucio americana : por isso nesta curiosa his-
toria adiis mais planos de consltuicao do quo
planos de campanha, mais juntas o congressos,
e manobrao.
da Columbia
be votar a liberdade da imprensa.
A liberdade da imprensa para populncoes er-
rantes, para homons que niosabem lr e 15o-
var, que se queixa ingenuamenle n'umn pro
na poltica e que incossan temen te vio a/odando
dar f do Rev. Parocb, de quatro cunbados j a opinio como levaduras corruptas. Porm i que deliberoslo que exercitosqu
seus, primos osobrinhos entre s, levou para j entre esses desbordados da fortuna, os quean- Assim, o primoiro acto do governo
sua casa a urna com a nica chave que tinha ; les querem obrar do que queixar-se etrabalhar
isto para a primeira : na segunda formou a em ves de agitar-se, procurarSo campos inei-
Mesa de seus cunhados.c mpequeadifferenca, plorados onde pudessein aprovetar as luzes quo
niandou alixar un.a lista, que logo desappare i Ibes dora a educacio.
eco; recebeo votos de quem quera ou tinbn At aqu foi a America que ^trvo de canal I clamacio de que se nfio aproveilom desta/*r-
nomo na lista encantada, despretou todos os nico a todas essas mudancas da populacSes que \dad$ I Mas os libertadores que chega vio da Fu
mais sob pretextos Inv,los, rejeiou lodosos acabo de assignalar. I ropa com planos | feitos Dio quer o levar em
protestos que se Ihe fizero, &c. &c. Qual se Depois da sua emanciparan, as colonias bes- corita as impossibild oles de applicacflo : ideiat
r agora a farca que pretende representar no pan bolas se asustaro de seu isoiamento no tio escellentes em throria nio podiio lalhar na
da 22 ? Cesteiro que luz n n cesto fi umeen meio dss immensas solidos que as cercavo.__ execucao.
to; masa babilidade duSr. Juiz promctie-uos, lie pela liberdade que se povoaro os nossos, Cousa singular achou so mais quem insur-
O Illm. Sr. Inspector, em cumprimen-
to das ordens do Exm.Sr.Presidente da provin-
cia de 21 de Agosto ultimo c de 3 de Setem-
bro corrente manda fazer publico, que no
dia 30 i rio praca. conformo o rcgulamento
do 11 de Julbo do 18i3, a sob as clausulas es-
licciaes abaixo transcriptas as trez seguinlos
empresas :
L'ma carnada de barro, que cubra os dous
leos do empedramento da aroias do Giquii,
oreada na quantia de u'270-00 rs.
Areiamento do 1.. 2. o 3. leos da ostra-
da Jo Pao do A Ib oreado na de 242j000 rs.
Reparos das ponles da estrada do Sul, orea-
dos na de 1:320S000 rs.
Os licitantas dovidamente habilitados com-
parecao nesta Thcs'iuraria no mencionado dia
2 de Oulubro prximo vindouro a hora do meio
dia.
Secretara da Thesouraria das Rendas Pro-
vinciacs do Pornambuco, 14 de Solembrode
18-H. O Secretario ,
Aiz da Costa Portocarreiro.
ESTRADA DA VICT0MA.
Empedramento das ateias do Giqui
Fctura de urna carnada de barro para cubrir
os dous hincos dos ditos empedramento.
Clausulas especiae- d'arremalaco.
L* A dita cam da de barro far-se-ha pola
forma, sob escondios e do modo indicado
nos dous orcamentos appresentados n'esta data
dooito d'Agosto ao Exrn Presidente da pro-
vincia polo proco de seis ceios vinle sote mil
e dusenlos res.
2.* O arrematante enmelar as obras no
praso de quinte dias conlado em conlormida-
de do artigo 10 do rcgulamento das arrema-
taees; o as concluir no peaso de dous mozos ,
senio houvor empale por causa de nao estar a-
inda acallado o primoiro lenco dos empedra-
inenlos, o se houver empate no praso de quin-
te das depois da |iarticpavTio que Ihe for feita
do cabamentodo empedramento do dito pr-
rrieiro lanco pelo rospe tivo arrematante.
3." O praso do losponsabilidade sera de dous
mozos.
'l.' O pagamento se realisar.'i do modo indi-
cado o as pocas determinadas pelo artigo
lo do regulan cuto das arremalacocs
o.' Piiiii ludo u mais que nao determinin as^v
presentes elausulas s gur-se-ha inteirarnente o
que d ispeo o regula ment de ll do Juiho do
184.1,
Repartirlo das Obras Publicas, 8 d'Agcsto
de 1844. O Engenheiro rm Chefe .
Yauthier.
MUTILADO


ESTRADA DE PA O DO ALBO.
Areamento dos i o, 2. e 3. lanos da estrada.
Clausula* especiaes da arremataco.
1." As obras dependente* desta arrematadlo
arso-hao de conformidaiocomo orcamentoap-
provado cm 13 d'Agosto correte pelo Exm.
Sr. Presidente da provincia, pelo preco de du-
sentos e <|uarenta e dous mil ris.
2." O arrematante comecar as obras no
praso de um me/, e as concluir no praso de
trez me/es, ambos contados ein conformidade
do art. ludo regulamento para as arrematacoe.
3.a O pagamento do importo da arremata-
cao sera faite de urna s vez, no fim das obras,
sendo nullo o praso de responsabilidade.
i." Para tudo o mais (|ue nao est delermi
nado pelas presentes clausulas seguir se-ba in-
teramente o que dispie o regulamento das ar-
remataces de 11 de Julho de 1843.
Reparticao das Obras Publica, 1G de Agos-
to de 1844 O Engenhelro em Chefe ,
Vauthier.
ESTRADA DO SUL.
Reparos indispensaveis a fazer se no exercicio
do 1844 18i5 a bem da eonservacao
das pontea da dita estrada.
Clausulas especiaes da arremalacao.
1.' As obras dependentes desta arrematadlo
sero (Vitas de conformidade com o orcamento
approvado em 13 d'Agosto correte pelo
Exm. Sr. Presidente da provincia, pelo preco
de um cont tresentos e vinte mil ris.
2.* Durante a execueao das obras respectivas
o arrematante esta na obrigacao do iio' inter-
romper o tramito, e de zelar que nunca se tor-
ne perigoza a passagem das ponles.
3.* O arrematante comecar i as obras no pra-
so de um me?, e as concluir no praso de qua-
tro meses: ambos contados cm conlormdade
do artigo 10 do regulamento das arremata-
cCes.
4. O praso de responsabilidadeser de qua-
tro mezes.
5.* Para tudo o mais que nao est-' determi-
nado pelas prsenles clausulas seguir-se-ha
nleiramenleo que dispSe o regulamento das
arrematarnos le 11 de Julb de 18i3.
Reparticao das Obras Publicas, 10 d'Agosto
do 1844. O Engenbeiro em Chefe ,
Vauthier.
A Cmara 'Municipal da cidade de Olindu e
seu termo cm virtude da lei, Igc.
Faz saber que nos dios 27, 28 e 30 do
correle se ha de arrematar por quem mais
der por lempo de um auno temi principio
oo primeiro deOulubro do mez pr ximo vin-
douro ao ultimo de Miembro de 1845 as ca-
sinbasda Ribeira o reposo dos acouguet, o
subsidio dos porcos, casa da plvora do Man-
guinho, afericio e revs&o dos pesos o medida ,
o contrato dos mscales e boceleiras e o im-
posto sobre as oeooas de agoa do Varadouro ;
eomparecendo os pretendentes habilitados e
muid,s de seus fiadores nos referidos das a -
cima. Y. para que ebegueao conliecimeiito de
todos nmmlou a Cmara fazer o presente que
ser publicado nos lugares do costume e pela
imprensa Cidade de linda. 13 de Setem-
bro de \%%\. Jo$ Joaquim de klmeida Que-
des Pro Presidente. Jo&o Paulo Ferreira,
Secretario (12
2 OEngcnheiro em Chefe da provincia
manda fazer publico que i in virlude da or-
dem do Exm. Sr. Presidente com data de 13
do correnie, acba-se aberlo um concurso para
0 lugar de Ajudante dos F.ngonheiro que
existe vago nesla reparticao conforme as clis-
posicoes additivas ao artigo -21 do regulamento
da* Obras Publicas, o qual concurso lera lugar
no dia 30 deste mesmo mez no palacio do lio-
vergo e constar das marerias ab-ixo especifi-
cadas. Reparticao das Obras Publicas, 14 de
Setembro de 1844.L. Jj. Vauthier.
Principios geraesde geometrja, das linhas,
planos e solidos.
Principios geraes de arilhmelica, compre-
bendendo as quatro QporacSes elementares so-
bre nmeros intoiros e quebrad.s, a exlrsccao
das raizes quadradas as proporccles e pro-
gressoes.
Execuco de um desenlio linear com a regoa
e o compaco.
. Explicaciio do uso dos diversos instrumentos
grapbicos, como sejfio alidada, bussola, gra-
phoinetro, o nivel d'agoa
Lingo nacional e ortographia.
O concurso sera verificado por um conselho
d'esame composto do Engenbeiro em Chefe.
d Inspector Fiscal o d'um outro Eugenhei-
ro O Escripturarioheo Baptittadi S. [Sil
Declaracoes
1 AdministracHo do Patrimonio 'los OrphOQi,
\ Admini.-traco do Patrimonio dosrpl
mamb la/er publico, que, nao tendo-se eflec-
tuado o arrendamonto da casa n 4, no dia 1G| do D novo, qual he a edic&O mais verdadeira ilhs esturai uses herdeirs do dito Mil
i do corrente em conseque nrin de nao h verem
; licitantes a renda de 600)000 is. em que li-
nha sido avahado; vai de novo i praea o dito
i arrendamento no dia 19 do corrente mez pelo
preco de 500,000 rs. annuses, e pelo lempo
que decorrer do dia da arremalacao ao fim de
.luuho 1846 : portante as pessoas que qui/e
rem licitar p deraocomparecer no dia mencio-
I nado as 4 horas da tarde na casa das sessoes
I da Administracao, com os seus fiadores. Rcci-
le, 17 de Setembro de 1844./. M. da Cruz,
Escripturario. (16
2 Oabaixo assignadolembra aosSrs.proprie-
tarios de predios urbanos dos trez hairros des-
ta cidade e da povoaco dos Afogados ; e
assim tambem aos proprietarios de estabele-
cimentos de commercio e industria, que pagao
impostes provinciaes; taes como serraras, ola-
rias, fabricas de tabaco, de chapeos e de cha-
rutos, casas de moda e de cambio que se (em
de proceder cobranca executivamente daquel-
les que se acharem debitados: portanto convi-
da aos meamos Srs. para comparecerem a sal-
dar seus debites na Mesa de Rendas Internas
Provinciaes. Recife, 13 de Setembro de 18 44.
O." Escripturario servindo de Fscrivaoe
Administrador, JosGuedes Salgueiro. (15
4 O Sr. Inspector do Arsenal de Ma-
rinlia, em ooservancia do imperial aviso de 59
de Agosto (indo, manda fazer publico que cn-
gaja dous moldadorcs de obras de ferro
para servirem na fundicilo de Ierro esta
belecida no Arsenal de Marinba da corte, pelo
lempo de dous ou mais annos, se nisso convie-
rem. As pessoas de semelhanle profissio a quem
convenha o engajamento sao corfr'Kladass pelo
mesmo Illm. Sr. Inspector a comparecerem
quanto antes n'esta Secretaria, a fim de trata-
rcn d'esse negocio, e assignarem o respectivo
termo.
Secretaria da Inspecco do Arsenal de Ma-
rinba de Pernambuco 12 do Setembro de
1844. O Secretario ,
Alexandre Hodfigutt dos Anjos. (16
THEATR0 PUBLICO.
Ouarfcira 18 do corrente a beneficio de
Manoel Vieira de Jess e Joaquim de Sania
Anna Pereira Candozo haver oseguinte diver-
timento. Depois de executada urna das nie-
Ibores simphonias, abrir escena a muito n-
teressante e sempre aplaudida peca Acmet e Ma-
chima ou os trez lleroismos davtrtude. Jul-
gamos desnecessario o tecer elogios a esla in-
signe comedia, por quanto basta dizermos que
lie prodi.rc.ao do grando autor Antonio Xavier
parase temar digna da altanlo dorespeita-
vel publico. Os intervalos serao intertidos
com ptimas pecas de msica. Terminar o
espectculo com a jocosa Fnrca Taful fra de
lempo.
He este o divertimento que os beneficiado!
pretendem apresenlar aos seus protetores de
quem espero acolbimenloe amparo.
[Principiar as horas do costume.) -
3 PUBLICACAO LITTERARIA.
Archivo Medico Bratileiro.
Gazeta mensal de medicina, cirurgia e seien-
cias eccessorias-, redigida e puhliccda no Riu de
Janeiro sob a direccao do Dr Ludgerioda Ro-
cha Ferreira Lapa. Cada numero constar de
24 a 32 paginas de impressao em quarte gran-
de
Subscrcve-se nesta cidade na Prarja da Inde-
pendencia livraria n. 6 e 8 a nove mil ris por
anno, e no mesmo lugar serao entregues os
nmeros livres de porte; os Srs. que dereja-
ren) ver o Io. numero pdem dirigir o a dita
lo]a onde serao salisfeilos. (14
Avisos martimos
__Para o As-. pretende sabir at 20 do cor-
rente o brigue nacional S. Manoel Augusto :
quem nelle quizer carregor dirija-se a Mano. I
Ign ciode Oliveira. ra d'Apollo, OU Ma-
noel SinifieH, na casa de I.uiz Antonio Rarboi
de Brito na Praca do Commercio.
MgMM ymti
S.-t?iires.
2 Antonic os d> Maaalhaes Bastos por seu
procurador bastante far leilao, por interven-
cao do correter Oliveira, de toda a mobilia e
mais pertencesda sua casa na Cidade sita na
esquina da ra do Qeimado, por cima da lo|a
que foi de Novaes & Bastos e ora pertencenle
ao t. J. A. M. Novaes; sexta feira, 20 do
crrente as 10 hora da manbSs, em ponto ,
(9
na mesnia casa.
ilvfsos i\ rsos..
11" "tu .mi a
la historia da accao dos Afogados, e da glorio- a mulher do annunciuiiti^ D. Mara /eferina
ia entrada de Ss.Sg nesta cidade; se com e licito da Cunba Miranda; o para que ninguem con-
a ultima edicSo be a mais verdica |ior ser a Irale a cerca dos bens dj referida beranca, e n5o
mais correcta e emendada; e, sendo assim, se obame depois a ignorancia, faz se o presen-
c|uando he que Ss.Ss.acabo de narrar esle fac- le annuncio. Jote Paulino d'.{hnnda (11
lo, vislo que, desde Sal honleni 17. sabe lo- 1 Eugio ou furlarao de urna casa da ra
dos os dias no 0. novo urna narracao differente, de Santo Amaro, um gala do rita to. que
e sempre da mesma accSo patritica de seu par- cbamlo maracaj, muito mansa o pequea;
(ido ? Convem pois quedeclarem aos seus pos quem soul er da dita gal i, ou quem a tiver a-
Icitores e crdulos ouvinlcs, qual o numero do < hado, quereudo re*tituil-a. pode levar na ra
l>. novo que merece crdito cerco deste facto Nova n. 60 que ser generosamente gratili-
glorioso. cado. (7
Pergunta-se ao praieiro dos cacetes, queL.2- Prec isa-se de amas de lei te na casa dos
pelo bater disorelhas seconhece ser dobalulbao
ligeiro, que faz urna per^unta aos Srs. Andra
da e Garvalho no iariv da praieiracla n. 202,
se o antigo rifo quelembra aos niesmos Srs.he.
s applieavel cites e lodos qontos g istarem
do partido ordeir.', ou se tambem o f:de ser
aos Portuguezes Pedro Antonio Teixeira Gui-
marSes, Jlo (por alcunba, pateiota)e Manoel
Ribeiro Bastos; com a sua resposta lemhrar-
Ihe-hci mais alguns seus correligionarios da
Praia, para que S. Me com seu cacetinho Ihe
applique a dose que indica com seu rilo, para
que os mesmos su nao percao, como o Ore!has.
Hoje (18 do correnie) pelas 4 horas da
(arde tem lugar aanemataco da morada de
casa na ra de S. Goncalo, da metade de um
sitio, e olaria que so acha arruinada, noneco
das Barreiras, e 60 palmos de terreno alagado
no atierro dos Afogados, em praca do Juizo da
2." vara do civel, porexecucao de Manoel An-
tunes Villana contra os herdeiros de Manoel
Jos de Medeiros.
1 Aluga-se urna casa terria na ra da
Mangueira da B avista, com commodos para
urna grande familia, por ter 6 quartos, sendo
uS dous da Irente forrados, salla aira/, e adrante
com cesinba fra, c quintal e cacimba; trata
se na ra da Aurora n. 48, ou na ra da Ca
deia do Recife loja de Manoel Cardoso Ayres.(7
1 CJuem quizer crear um moleque de um
mez. em sua casa, pagando se o que se ajusl ir,
dirija se ra do \ icario n. 19. (3
Precisa se saber a moradia do correspon-
dente, ou pessoa encarregada nesta praca dos
negocios do Sr. GapitSo Antonio Pereira Frei-
r, para se tralar de negocio que a esleSr. diz
rospoite.
1 Aluga-se urna casa terrea na Boa-vista,
ra da Gloria, com duas sallas, tres quartos,
cosinha fura, quintal murado c cacimba, e seus
arvoredos, com portas para a ra do Alegra ; a
tratar na ra Nova n. 63. (5
.() abaixo assignado faz sciente ao respei-
tavel publico, que .Manoel Jos de Oliveira dei
\ou d< ser seu socio d sde o dia 15 do correnie,
0 avia a todas as pessoas (|ue ilevem venda da
Hoa-vista na ra da Conceic,ao, onde o dito
Oliveira eslava, que nao paguen! ao dito, sim
ao abaixo assignado. Rufino Gomes da Fon-
dea.
A pessoa que se achar as circunstancias
de tomar conta de Ulna venda por balance, dan-
do fiador contento, dirijase Boa-vista ra
da ConceicSo, Rufino (lomes da Eonccca.
Quem annunciou no /'iario de segunda
leira precisar de 200000 a premio, com hypo-
iheca uuma mci'agua, procure na ra do lo
zario estreila, venda que faz esquina para o
pateo do Carino.
O Sr. capilo de campo que pegou urna
negra na noute do sahbado para o domingo no
caminho do l.ucca, haja de azer o favor de tra
zel a ra do Rangcl n. 52, que sera recom-
pensado.
No dia 17 do corrento desappareceo um
caderno de capa de pape liio e rom bstanles
folhas ja escripias,e algumas laudas ja sumadas
as de conlas de venda;julga-se que quem o car-
re^ou foi algum menino: quem o tiver adiado,
se o quizer restituir, dirija se a venda da ra
do Bozario n. 21 ou na esquina dos C^uarleis .
poisaoulra pessoa nao serve de nada : giatifi
ca-se a quem entregar.
- Perdco-se do Varadouro de Olinda alea
ra dos Guararapes una carleira conlendo den-
tro duas sedulas de 50. rs. e mais duas ordens:
urna de 18,900 rs., e oulia de 10.995 rs.; as-
sim como tambem mais alguns papis de nen-
huma importancia ; quem a achou ou a quem
for flerecida dita carteira ou de noticia della ,
lera 20,000 de gratificacao sendo entregue
com as referidas sedulas ; em Fra de Portas,
ruado Pilar n. 108.
fe
de amas di
poslos; as pessoas que quizaren criar. diri-
I-o-se a mesma casa! (3
3 Aluga-se ou vende-se adinheiro, ou a-
Iroco de lijlos d'alvenaria grossa, urna canoa
que carrga 1200 lijo.os da mesma slvenaria
com muito pouco uso e mu lo bem construi-
da; a tratar na travessa do CJueimado com Ma-
noel Firmino Ferreira. (6)
3 Francisco Eduardo Alvcs Vianna, mu-
dou a sua residencia ca ra d'Apollo n 9, para
a ra da Senzalla-velha n, 110. (3
3 CJuein precisar de um rapaz Brasileiro
cazado oom pouco familia para caixeiro de
qualquer arruinacAp, anda mesmo para fura
da praca em qualquer engenbo au feitor ,
pois de tudo tem pratica por jtcrcocujW-
do todos os lugares, e he bastante alul e del-
gente para todos osservicos e.presta (ador n
sua conducta; quem do seu prestimo se quizer
utilizar, dirija-so a ra do Coluvello n. 29,
que se dir quem pretende. (H)
3 Roga se pessoa que na Passagem da
Magdalena, cas>a n. 27, que volta para O Ca-
jueiro, acbou urna cadeira de palbinha na nou-
te de 13 do corrente, que por csquecimenlo
nao se recolhco, querendo rcstiluil-a, dirija-so
mesma casa, quesera recompensado. (6
LOTERA DE S. PEDRO
WAUTYll DA CIDADE
DE OLINDA
Em consequencia da grando influencia das
eleii.oes nao pode ter lugar o andameuto das
rodas no dia 12 do crente como se linha an-
nunciado porm lera agora inlalivelmenle no
dia 10 de Outubro prximo vindouro ou an-
tes se vendern) se bem o resto dos bilhetes que
falli: por assim ter determinado o lixm. Sr.
Presidenle'da provincia os bilhetes existem a
venda no Recile lojas de cambio dos Srs. Vieira,
Manoel Gomes; Santo Antonio ra do Gabuga
lojas defazendas dos Srs. Pereira tt Guedes ,
botica do Sr. Jofio Moreia Boa-vista b ja do
ouriveisdo Sr. Jacinto, e em Olinda, nos qua-
tro canlos loja do Sr. Domingos : ra de S.
Bento sobrado n. 12. (19)
3 Aluga-se urna casa para assougue sita
no becodo Padre, com giades, tarimba, pesos
e todos os mais pertcnecs do mesmo,como tam-
bem se vendeui os mesmos pertences: trata-so
na Praca da Independencia n 28. (5
;j Precisa-te alugar urna boa prela qui-
tandeira para vender na ra, quem tiver an-
nuncie. (d
CARROS DE
ALLGLia.
3 Frederico iansen abri um eslabeleci-
menlo de carros e cavallos de aluguel na ra do
Passeio Publico n. 15, os pessoas que precisa-
rem poderS dirigir-se fabrica de chapeos
da ra do Collegio n. &, onde aiharaocom
quem tratar: piumetle-se muito asseio e
promptidao. (10
7> O Sr. Ignacio Jos d'All.uqucrque Ma-
raiibo dirija se roa do Sol n. 1, para receber
urna caria vinda de Lisboa. (3
3 Aluga-se, para passar a festa, urna casa
lerria sita na povoacSo do Monleiro, com 4
quarios, cosinba lena, com sua cacimba, quar-
tos para negros, dous quintaos murados, com
porlo e sabida para o rio, e duas estribaras ;
quem a pretender dirija se travest do\eias
(na Roa-vista) sobrado n. 15. (7
2=Conlina a estar au/eute a prela Floren-
cia de naci Angola de 1i para 15 annos, seca
do corpo cabeca mal feita, naris chato, e gre-
co, boca grande, beicos gromos p^s grandes e
meios apalhelados,' e pellos emp, falla desen-
baiacada.e ao mesmo lempo muitosonsaquando
assim Ibo convem; cujaescrava foi de urna Se-
IscPreeita-te de urna mulher que saiba bem nhora D. Anna Joaquina Bizarra que j.i morou
co/er de alfaiate para ir n'uma casa Irabalhar
em Oiinda e bairroda Boa-vista e costumava
viajar, ou tambem morar para o Norte, em Lu-
celia, e Parahiba, e esta escrava quando da di-
ta Senhora vendia llores pola ra, por isso ho
do mesmo ollicio das 7 horas da manhaa at
a noute da-se almOCo e jantar e bom ordena-
do ; quemesliver nesta circumstancia annun-
cie. (3 desuppor que alguem a conhe^a, e no caso de
2 Jos Paulino d'Almeida faz. publico que a verem ou dola terem noticia (o mesmo te roga
tem intentado peloJuizodal."varadociveldesta dita vra.) de o deelararem na ruu do Crespo loja
cidade um libello contra os Srs. Jos-Antonio dos n. 10, ou no Recife ra da Cruz n. 26, venda de
Santos Silva e Jos Joaquim Pires, para eflei- S Araujo e Irmao que se agradecer, e quem
Pebgunta-sb aos Srs. Urbano, Ante- (oda annullar o (eslamento com que faleceo a pegar a. leval-aem qualquer dos lugares rece-
nio Mlonso, Nunes Machado e mais redactores Manoel da Cunba Miranda e habilitar como ber 100SOOO ris do gralilicafo. (19j


r
I
Manoel Ferreir liamos embarca para o
Ri de Janeiro o seu esc avo Miguel, de afio
Angola.
O Jult e mais tostel ros da Senhora do Li-
vrasBPntn s do nicho; la/.om sciento a iodos o
fiis detotos, que coadjuvario rom suas asmlas
para a festa da mesma Senhora que p >r mo-
tivos justos naopOde aer festejada orno dia ja
annunciado e porisso (ka transferida para os
(lias 2fM 2! do crrante Setembro.
Quem quizar alugar urna casa do lugar da
Vanea com 3 quartos cosii h i. quintil oom
larangeiras bananeiras e jaqueiras rom o
fundo para o rio Cauibaribe, dirija-se a ra \ e-
llia n. 00.
Offerece-se urna mulher branca para o J
servico interno de urna casa ; quem a preten-4
der, dirija-se a ra Direita n. 52 ; na mesma
casa tinje-so toda' a qualidades de obras por
preco com modo.
Offerece-se um moco Portuguez de 22
annos, que sabe ler e escrever, para caixeiro de
venda do que tem bastante pratica ou mes-
mo para outro qualquer negocio ; quem o pre-
tender annuncie.
Quem annunciou querer comprar um me-
thodo de msica para vi >lao pelo autor Caru-
le, dirija-sc a ra da Aurora armasen) do
louca.
Quem annunciou precisar de -200/ rs. a
premio, bypolhecando ansa meia-agoa dirija-
se a ra larga do Rozarlo n. 52, segundo andar,
ate as lo horas da maobSa,
-* Desoja-se fallar ao Sr. Manoel Dantas Cr-
rela de Gois a negocio de seu intorosse ; na ra
da Cadeia do Reoife n. (io.
1 Quem acbar ou liver noticias de urna
can^a roela aborta concertada de novo o pin-
tada por fra toda do preto o por dentro de
verdeja vclbo ; quem der parle noarmazem do
caos da Alfandega n. 5, ser recompen-
sado. (G
3 Aluga-se um, ou mais andares do sobra-
do n. 16 no Trapirhe-nuvo ; a fallar no se-
gundo andar do mesnio sobrado. 3
1 Ofl'erece-se urna mulher parda, de boa
conducta para ama de urna casa de hoincm
solteiro ou depouca familia para o servico
interior a qual sabe coser, engommar e cosi-
nhar ; quem a pretender dirija-se a ra de
S. (Jornalo n. '. ((
1 Alngo-se por preco coinmodo dous es-
clavos robustos um delles tem pratica do ser-
viro de padaria ; quem os pretender dirija-se
a prara da Independencia n. 17. (4
1 Tem-se contralado a compra das partes
da casa de dous andares e solio, sita na ra
larga do Rozario n. 48 pertencentes aos ber-
deirosda fallecida I). Antonia Joaquina de Je-
ss se alguem ha que se julgue prejudicado
com este contrato baja declarar ou dirigir-
se a Joo Leite Pita Ortigueira (7
i O Sr. Antonio Jos de Miranda dirija-se
a ruado Collegio n. 14 para um negocio de
importancia. ;,'{
1Urna parda do bons costumes que en-
gomma bem e cosinha soffrivel se offerecc pa-
ra ama de urna casa de pequea familia; quem
a preciar annuncie. (4
lAluga-se o primeiro andar da casa n. 37,
da ra do Quoimado com bastantes commo-
dos e com duas vistas ; a tratar na mesma ra
D. 39, com Antonio da Silva GusmSo. 4
1 Aluga-se urna cxcellente rasa torrea jun-
to ao Chora-menino n. 7, com 4 salas, 0 quar-
tos grande cosinha e quintal e um pequeo
sitio contiguo a este ; no pateo da S. Cruz, to-
ja de funileiro n. i4. (o
1 SOCIEDADETHEATRALPHILO-THAUA.
O primeiro secretario interino faz sciento aos
Srs. Socios que a reuniao geral da sociedade
foi transferida para amanha, 19 do corrente, as
C lloras o meia da larde e roga aos mesmos
Srs. nao deixem de comparecer a dita reunan ,
pois tem a tratar-se de objectos de grande trans-
cedencia. (8
1 Alugao-se o segundo o terceiro andares
do sobrado da roa Direita n. 3, com bastantes
commodos pora urna grande familia multo
frescos ecom bonita vista ; a tratar no primei-
ro andar do mosmo sobrado. (g
1 Precisa-so de um criado que seja Por-
tugus ; no Atierro da Roa-vista n. 3.
-Precisa-sede um bom cosinheiro que
ondas de forra deicavallos liax o alta pres-
s8o, ludo por preco commodo : na ra da Ma-
ro de Dos n
5.
. ra etiyo couti u os falsificadores.
EstevSo Gassp), sabendo que em algumas lo-
j is e vendas desta cidade so vende um rap
feito nesta provincia com o titulo de princesa ,
o falca imtacUo do botos rtulos do sua fabrica,
-revine no publico seus freguezesque a bem de
rlireito de proprlodade sua, acrossenta nos ver-
jadeiros botes lo sua fabrica um sello com sua
firma e jisnuacBodo nico deposito do legiti-
mo rap princesa nesta provincia. A vista do
oxposto, qualquer outro rap inculcado com a
enominacao assima ho falsilicacao as fabricas
"e Estevao Gnsse nico inventor o propriotario
do rap princesa (foit) no Brasil), tanto no Ra
de Janeiro, Babia, e ern deposito no Mara-
nhao Para, assim como em Pernambuco na
ra da Cruz do Becife n 38. T6)
CAUTELLA CONTRA AS FALSIFI-
CA CO ES.
Constando a Meuron V C, quo em algumas
vendas o tojas d'esta cidade so vende um rap,
coma falsa denominara.) de rap ara prela ,
com astuciosa mtaco dos botes, rtulos o sel-
los da sua fabrica fa/em sciento aos seus re-
guezes e 80 publicd que em resguardo da sua
propredade, e dos seus direitos, accrescento
firma ao sello do nico deposito do legitimo ra-
p arda prela, que permanece no mosmo lugar,
ra da Cruz n 2G
Perianto qualquer outro rap queso incul-
que debaixo dcsta denominadlo be urna falsi-
ficado dos productos da fabrica de Meuron '
('. inventores, e nicos proprietrios das fa-
bricas do rap ara prela, tanto na Babia no
Rio de Janeiro e Maranhao, como em Pernam
buco o rogSo aos Srs compradores do a cau-
lellarem-so contra as fraude*, sendo as maiores
no rap, que se vendo a rclalho. (21)
Compras
Compra-se urna mesa de jantar, que es-
leja em bom uso ; na ra da Cadeia do Itecife,
toja de fasendns, queflea na esquina da ra da
Madre de Dos, do lado direito.
conhecidos os preceitos para a conservacao da
sade, as plaas, a preparaco dos remedios
caseiros, &c. ; dous volumen em quarto, coo-
iendo 950 paginas por 10/ rs. (13
2Vendem-se apparolhos de porcelana dou-
rada v>ditos azucs e do mais cores para cha ,
ditos para mesa de jantar azues c oulras co-
res garrafas lapidadas para vinho compotei-
ras para doce, copos para agoa clices para
vinho, ditos para Champanbe, ditos para cer-
veja sendo todos estes vidros de cristal c la-
pidados mangas do vidro lapidadas inglozas ,
frascos de bocea larga canecos com figuras ,
todas estas e outras muitas fazendas, por preco
mais commodo, do que em outra qualquer
parte: na ra do Livramonlo n. 6. (12
2Vende-se urna morada de casa de um an-
dar sotao com quintal e cacimba na ra da
Guia n. 7 ; a tratar na ra da Crus n. 48. [i
2 Vendo-so urna cama do condur por
14/ rs. ; na ra do Arago toja do marcineiro
n. 37. (3
2Vendcm-se presuntos frescos para fiam-
bro chegados ltimamente de Inglaterra a 400
rs. a libra ; na ra do Trapiche, armasen) n. 40
Vendo-sea venda da esquina da ra Im-
perial n. 2, com os fundos quequizerem, ou s
a armacao ; um braco de balauca grande com
conchas e oorrentes de ferro ; urna poroto de
caixas vasias do Porto, ludo muito barato ; a
tratar com Joaquim Pinheiro Jacome, na mes-
ma venda.
Vendo-se urna casa terrea sila na ra da
malriz da Boa-vista ; a tratar na mesma ra
n. 35.
Vende-so urna cama de angic por pro-,
co commodo ; no patoo de S. Podro n. 10.
Vendem-se travs de camacari e louro do
a
tra-
/3
15 muito propria para principiante
tar na mesma venda.
i Vende-se nica vallo de estribarla, novo
gordo e de bons andaros, por preco commodo
por seu dono o nao poder possuir pr fjilta de
commodos; na praca da Independencia luja
.SI. |:i
I Vende-sc bolaxa a 7 patacas n arroba
dita superior a 3520 rs., dita fina a 3SIQ rs.
na ra do Rozarlon, 2, junto a botica. ;
1Vende-so urna inorada do casa de um an-
dar o sotSo, com terreno ao lado, quintal gran-
de edificada delronto do Amparo em Olinda ,
aonde tem padaria o Sr Silvestre Antonio do
Laago Jnior ; na ra da Cadeia -velha n. 60.15
1 Vendo-se um sobrado de .1 andares e dous
sotaos ; com armasen) lageado de pedra mui-
bem edificado o de ra a na sito na ra da
Praia; a tratar na ra da Cadeia-velha n. 60 [4
Escr#.vos futidos
2 No dia lodo corrente fugio da casa do
Rufino Jos Corroa do Alrneida um osrravo
crioulo, de nomo Francisco estatura regular,
choto do corpo com um defeito no olho di-
reito o outro na mao esquerda tem a Orel ha
esquerda torada easvezes traz nella um brin-
co, tem um carosso na cabera quasia chegar ao
pescoco oeste bem visivel, a pouco acaDou do
ter bechigas das quaes existen) bastantes sig-
naes no rosto, ps grandes o mao andar, ho
muito regrista de 40 annos, ja andou embar-
cado e as vezes usa do offlclo do cosinheiro e
serrador ; quem o pegar, leve ao pateo da S.
Cruz casa do annuncianlo quo alm de ficar
obrigado recompensara. (.;
32 a 36 palmos, de palmo em quadro e de pal- I tll! '"S! f S< JS 5 ^"^
;de Maranguapc ha 10 das, o moleque An-
I tonto, novo, magro, lulo, pernas finas, agos-
ta do beber ago'ardonte ; quem o pegar, levo
Vendas
saiba bem cosinhar forro, ou captivo, paia o
se
; a
em
botequim da ra larga do Rozarlo n, 27.
2 No sitio do Cajueiro ha casa pjra
alugar para so passar a testa ou por anuo
tratar no mesnio sitio do Cajueiro.
2 Aluga-se algum andar de sobrado
urna das seguintes roas de S. Antonio ; Nova ,
Crespo, Cadeia, Collegio, Rozario Quoimado '
Livramento e Larangeiras ; quem liver annun-
cie. (5
2 Antonio Joaquim Novaos, subdito Por-
tuguez retira se para o Rio de Janeiro. 2
LOTERA DO GilADELUPE.
Os biihetos da pequea e mui acreditada lo-
tera do Guadelupe que mdi prximamente
deve correr, acbao-soa venda as tojas de cam-
bio da ra da Cadeia do Reeffe, dos Srs. Vieira
e Cunha; na de miudesasda praca da Indepen-
dencia, do Sr. Fortunato Pereira da Fonsect
Bast s ; na botica do Sr. Moreira
pe
ci
OH
Silva. (12
7=Jolinston Patera C. tocmconstante
3=; Vende-so farinba de mandioca do supe-
rior qualidade, chegada ltimamente de Crave
las, e S. Matheos, e por proco mais commodo
do que qualquer outra pessoa vende, por se
querer concluir com osso negocio ; no tanque
d'agnaquc loi do dolunto Joaquim Jos da Cos-
ta Olivoira, junto ao thoatro velho. (7)
3Vendem-se 5 torneiras de metal, proprias
para qualquer liquido ; dous toneis de duas
pipas e meia cada um um foi de azeite de car-
rapato e o outro de ago'ardenle ; no pateo do
Hospital, venda n. 14. (4
3Vendem-se moihos de ferro para moer
caf, superiores vinhos engarrafados de Madei-
ra-secca Malvasia e Bucellas do 1832, por
preco commodo; as obras completas do Vol-
taire em 7 volumes, cm quarto nova edicao
com estampas, eencadernada, pelo baixo pro-
co de 15/ rs. cada obra ; as obras completas
de Cantos em 3 volumes ultima edicao por
6400 rs. cada obra ; na ruada Cadeia do Beci-
fe n 37, primeiro andar. (10
3 Vende-se, ou aluga-se por preco com-
modo para so passar a festa um sitio com casa
de taipa ; com commodos para familia tem
varias fruteiras e hj perto do banho ; a tratar
no mesmo sitio; que fica entre a Casa-forte e
Monteiro, confronte ao sitio do fallecido Joao
Rodrigues de Miranda. r
3Vende-se urna bomba de cobre por pre-
go commodo; na ra da Calva-alta n. 12, ao
p de S. Jos, (3
3Vendem-se cortes de seda escocesa para
vestido sciim lavrado brancoede cores, man-
tas escocesas para senhora, ditas do seda boida-
das de matf (lilas de laa capellas mui finas.
ramos de fiordo laranja tovas de pellica co/11
uarnicao, ditas curias ditas do cores para
homem e senhora; calcado de duraque do Lis-
boa para senhora dito francez para senhora o
meninas b.itinsde bezerro para homem, o ou-
tras muitas fazendas chegadas ltimamente do
Franca; na ra Nova, toja francesa n. 6, de
J. F. Mamede de Alrneida. {)%
2 Vende-se urna duzia do cadeiras de Jaca-
randa urna par de bancas de dito um par
de mangas do vidro um globo do vidro para
meto de sala ludo com pouco uso e por pre-
co commodo ; na ra Velha n SO. (5
2 Vendem-se cera do carnauba do superior
qualidade, em purcao ea relalho ; no Becife,
boceo do Capim n. 60.
2Vende-se na toja de Joao Lardoso Aires ,
na roa da Cadeia-velha, urna obra publicada no*
a
mo o torno ; na ra do Amorim n 50.
Vendem-se pecas de bretanba de linho com
'! varas a 3200 rs. ditas de rolo com 10 varas
a 1900 rs. ditas de chitas oscuras a 5/ rs. o
o covado a 140 rs. ditas de riscadinho a 6/rs.
eocovado 1G0 rs. riscadinhos e chitas escu-
ras muito finas e padroes novos a 200 o 220 rs. ,
lencos de cambraia bordados de cor, mui gran-
des a 320 rs. lila prela a "80 e 320 rs. ma-
dapolao entestado a 5O0 rs. fustes para col-
Irte a 320 e 480 rs. dito braoco a 040 rs. a-
senda do laa e seda para colleto a 1440 rs., sus-
pensorios do seda a 1/ rs. cambraias adamas-
cadas bordadas de cor a 4500 rs. ditas bran-
cas a 4500 rs. ditas do flores o listras a 560
rs,, ditas lisas a 040 rs. e a poca com 6 varas
e meia a 4/ rs. algodosnbo trancado de lis-
tras muito iargo a 240 rs. castores para cal-
cas muito encorpado a 220 o 240 rs. lanzi-
nha para calcas a 400 rs. casimiras muito
elsticas a I2S0 rs. chales do laa de padroes
modernos a 2000 rs. o outras muitas fazendas
por preco commodo ; na ra do Crespo toja
n. 14, de Jos Francisco Das.
Vendem-se caixas de vinho de duasduzias
do garrafas das excellentes qualidades ; Arin-
tho, Lavradio, Moscatel e Carcavellos tu-
dochegado ltimamente do Lisboa ; na ra do
\ gario n. 21 casa de Mendes & Oliveira.
Em casa do Domingos Jos Vieira, na pra-
Ca do Conunercio n. 6, contina-se a vender o
precioso vinho do Porto de 1820 em caixotes
de duas duiias de garrafas.
1 Vende-se cha bisson da melhor qualida-
de superiores charutos regala, Havana, Ma-
nilha Cachoeira e baha finos e ordinarios a
I500elfi(0 rs. a caixinba de "200 charutos,
ditos regala vindos pelo ultimo vapor a 2500
rs a caixinba chapeos do Chile a 3500 4000
4500 rs.
a fasenda a cima ou no Hospicio a casa da
viuva de Jos de Plnho Borges. r,
2 Desapparecoo nodia 10 do corrente, pe-
las Ave-Ufarlas, um oseravo do nome Jos, do
naejo Mutombo cara larga, boleos bastantes
grossos corpo reforcado pos grandes e 1 ha-
tos olhos grandes levou camisa de algodSo
velha osuja calcas de brifh pardo jaquota de
dilo branco e chapeo de palha pintada do \vr-
nizpr. lo ; quem o penar, leve a ra do Torres
n. 18, quo ser gratificado generosamente. (9
2 Fugio um'prcto do nome Joaquim Ma-
ranbao, do 30 annos, estatura regular, choto
do corpo com algumas marcas do bechigas
pelo rosto falla muito de vagar ; quem o pe-
gar, leve a ra do Vigario n. 3, quo ser grati-
ficado. ('(j
3 Fugio cm Julho p. p. o preto Manoel,
do naco Angola alto, magro pernas finas ,
com urna cicatriz do una ferida em urna dolas
o outra no pescoco de um taino ma cas do
bechigas apagadas no rosto, com ofticio de car-
nicero ; quem o pegar, leve a ra do Sebo n.
18, que ser recompensado. (7
I Em odia segunda feira do Espirito San-
to deste anno fugio a prcta Catharina do
nacao Angola ladina alta bstanlo secca
do corpo soio pequeo, cor muito prela bem
feita de rosto olhos grandes e vormelhos, com
todos os denles na frente ps grandes o met-
tidospara dentro muito conversadera c riso-
nba do 22 annos tem sido encontrada com
trouxas de roupa para as paites de Cainpu-
grande e Rebiribe a qual pertenco a Manoel
Francisco da Silva quo generosamente gratifi-
'cara a quem Iho aproentar. :\2
1 Nodia 15 do corrente, desapparecoo um
asi. s : na botica do Sr. Moreira Maruues ,-m T ----- ...... i'UII-,aaa no
! da matriz; na Boa-vista, botica de3 tona '"m" Th \ T? d" ,8f8' inlitul^
o Jos do Couto; a no Quairo-cantos o ,, ,,cc,!,nan" >o Medicina Popular patoDr.
IVrl- fv ,,. ......_______ >
a venda laixas de ferroUtido le coado mo- sbitos, os contra-venenos de tod
mas, as causas e o trataincnto das molestias os
Mrenos. que se devem prestar nos accidentes
us os venenos
I Vende-so cera de carnauba em porcao e
a retalho ; na ra da Cadeia do Recito, toja
n. 20. (3
1 Vende-se urna mulata para todo o ser-
vico de urna casa pode dar discanco a senho-
ra pois disto tem bastante pratica a qual
cose, engomma e cosinha, nao tem vicio algum;
na ra da Cadeia do Recite toja n. 20. (5
i Vendo-se urna batanea j usada, propria
para armasen), por ser grande, ecom pesos
competentes; na ra do Trapiche novo n. 8.
1Vende-se um preto do 20 annos muito
robusto, com principios de carpi. o tamben)
do machado o onch; na ra da Ai ra n. 44. (3
1Vende-so por preco coma .0 um
dobanquinhasde angico, muito bt.n leitas
ra do AragSo toja do marcineiro n. 25
no paleo do S. Jos n. 47.
1 Vende-se um escravo de nacao Angola'
cosinheiro, e entende do servico do sitio ; na ra
Direita sobrado de um andar n. 42, oo(j0 tem
um nicho.
1 Vendem-se meias barricas
o porcao de barricas (cintura segurando-lho as calcas, o chapeo do
na ra do Vigario !couro a moda dos matulos, do 2i a 28 annos ,
(4 faz-so maluco quando falla suppe-so andar
do I pelos arrebalch'Sdo Recifo ; quem o pegar, levo
Araujo, por detraz do Corpo
02
eichosde pinho abatidos
promptas para assucar;
armasen) n. 7.
IVende-se urna escrava de 18 annos
bonita figura, cose, engomma, faz renda e he a venda da viuva
mui deseinbaracada ; na la do Cabuga n. 16. | Santo, que, sei gratificado*
1 Nodia 16 do corrente desapparecoo o
preto Bento de nacao Cacaoge, alto', secco do
corpo rosto pequeo u bastante chupado ,
orelbas pequeas, tendo a esquerda torada o
nella umargolinha de metal, he tomador do
tabaco macis eps bastante comp/idos ca-
nelas finas reprsenla 30 annos ; osle preto bu
padeiro, a pelas mitos se reconhece tanto pelos
signaes como pelos calos deamassar ; levou ca-
misa o ceroulas de algodioameiicano; mas he
muito provavel quelonha mudado de trago, por
j ter feito islo algumas vezas, pondo-sa de
calcas o folleto de seda velho e chapeo de palha,
ou de couro ; quem o pegar, leve a ra dos
Qoarteis. padaria n. 18 que sera recompen-
sado generosamente. 10
1 No da 13 docorronlo fugio urna prela
do nome Joaquina denacio Cacange de 30
par
; na
ou
vasins t pr0.
prias para assucar, em grandes e pequeas
porcoes por proco commodo ; na ra da Moe-
da armasem n. 11. /,
I Vendo-se >aTdo Ass a bordo do bri-
gue Sagitario ou a tratar na ra da Moeda
armasem n. 11, (3
1 Vendo-se a venda da ra
annos, estatura balsa, cheia do corpo, fula,
tem as nadegas um tanto sahidas para lora ,
peitos mrenos com falta do dous denles do
lado superior sendo um de cada banda nariz
'hato com carnes sobro os olhos tem urna
pequea costura do lado esquerdo do rosto, com
algumas cicatrizo as costas; levou vestido no-
vo de dula azul miada, epanno da Costa; quem
a pegar, leve a seu senhor Domingos da Silva
Campos, na ra dasCruzes n. 26, que
generosamente recoinpens ido. 'i,
do Rangol o. I fisura wTir. o MF. m. k* a.- 1H.
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8FGKLUA8_1VJ130 INGEST_TIME 2013-04-26T21:58:06Z PACKAGE AA00011611_08157
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES