Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08140


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Armo de 1842.
Terja Peira 27
TadoiROr. depende *.Biii,;smo. d. no*, prudencia moderecSo e-ner-i. co..
li.gMoi como pniw.p.Moi e ereoiee.pont.do. co. .dm.r.ca. entre .. N.ooe. ..i.
.,..,,....,. iim .omirar.io en ir i.noe. ai
(Procl.anacao daAaaembla Ger.l H nuil.)
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
fioianna ,Paraib e grande do Norte, WR.nd. t .en., (.ir...
Bonito e Garanh a 40 24-
Cabo Serinbae m Rio Formo Porto CaWo, Macelo e AI.ro.. no 1. ii,
Bui.v,,W e g..wMa.. S.nto An.ao qui, fcirM. Olind. todo. o. dia..
DAS DA SEMANA.
2" SeC. Cy.iriano e Justina Mm. And. dj J. de D. da ?. -.
27 ftij. s, Tornee D.imiaoln Re, Aid. do J. deD. mi. f.
JS Quart. Venee.Uo Duque M. Af.d. do J. de D. da'3. t.
Jtf Quint. .. Miguel Archanjo.
30 Sext. .. Jernimo B Bou! da Igr. Aud. do J. de D. da 4 t.
i Sab. .. VirUsimo. Mar.-.m.. r- Julia Ir. Mm. Ral. Aud. do J. d D. da 3. .
2 Dom. O SS. Rotano i'.e N Senhora.
de Setembro. Anno XVIII. N. SKiff.
O Diario publica-%r todo. o. dia. qoe i3o forem S.ntific.do. : o preeo d. uaign.tur. lio
detm mil rei por quartel pac, adianiadoa Oa .anuncio, doa aaai'n.nie* .jo inwridoa
rali. f o. da. que o nao forem a rat.io de 80 rei> por linha. A.recl.ot.cra derem acr
dirigida, a r.ta irpngrafia roa daa Crute. D. 3, *u a prora da Independencia' bija de Hrroa
Numero 37 e 38.
Cambios no da 2c de setembro.
Odio
Cambio obro Londraa 25 Nominal.
.Paria 385 raia p. franco.
Liahoa IOCi par 400 nominal,
Moada do oobra 4 a 5 por 400 de Heaconto.
IdamdrUtraida boaa firma. 11 af.
compra
Moada da 6.400 V. Jfi.fiOO
ti. d.-i,VU
a do 4,000
Pat* Patacea
P.toa ('olumn.ro.
dito Mexic.noe
aaiuila
8,800
4.MM)
4,800
4,800
i.MO
venda.
4..80O
45.600
!.0O0
i.sio
4.840
4.810
4, Preamar do dia 27 de Setembro.
4. Iil bora. a 54 a*, da manai.
2. a 11 horas e 48 a. da tardo.
PHASES DA LOA NO MEZ E SETEMBRO.
La* Noto o 4 ia 7 boraa o 22 m. d. tard.
Quart. eroae. a 44 -- a 4 boraa a 42 m da tard.
Loa eboio a 40 4a 4hora. 5 m. d. tard.
Quart. aaiag. a 27 --ia 0 boraa a 47 m. da tanl.
IHM.IO DE PER NA II lite O.
M"*> -==----------------^=r=----------=-------_,-----------------------------------
PARTE OFFICIAL.
GOVERNO DA PROVINCIA
EXPEDIENTE DO DIA 25 DO COR RENTE.
Officio Ao Exm. commandante das ar-
mas da corte, significando, que dos 28 re-
beldes cuja relacao nominal acomparihou o
seo officio de 31 do mez findo e que deviAo
chegar no vapor = Guapiass = forAo uni
camentu entregues pelo respectivo comman-
dante 13, cujos nemes constAo da relacao que
Me remelle.
Dito Ao director do arsenal de guerra ,
autorisando-o comprar por quarenta e cin-
tro mil res o busto de S. M. o Imperador.
que em officio de 15 do corrente requisita pa-
ira ser collocado em a salla d'aquella Direc-
tora.
Dito Ao mestr.o dizendo que pode
comprara plvora, deque precisa aquelle ar
seal para a conlinusQo do fabrico de car-
tuxame e para satisfazer a requisic/io do
ommandante da fortaleza do brum : e intel-
hgenciando-o de que nesta data expede or-
dem ao commandante do forte do buraco,
para vista do despacho d'alfandega deixar
saira referida plvora.
Portara Ao commandante do supracita-
do forte dando a ordem que no antece-
dente officio se disse Ihe bia ser expedida.
Officio Ao delegado do termo do Bonito ,
devolvendo as con tas do despendido com o
sustento dos presos pobres de justica d'aquel-
le termo de Janeiro Junhu do corrente
anno afim de que as faga reformar sob a
bazc de 120 reis diarios mximo da quan-
tia que se pode despender com o sustento
diario de cada preso.
Dito Ao inspector da thesouraria das
rendas provinciaes communicando ter no-
meado ao amanuense d'aquella tiiesouraria ,
Antonio Cardoso de Queiroz Fonceca Jnior
para o lugar vago de terceiro escripturario ,
e Joze Cavalcante de Albuquerque para o
de Amanuense.
Dito Ao inspector da thesouraria da fa-
zenda remetiendo a nota do contribuinte do
reir, para que com elle pratique oque se
acha estabelecido para com os oulros.''
Dito Ao director secretario do supraci-
tado Monte pi scicntificando-o do conteu-
do no anterior officio.
DitoAo vigario da freguesia de Santo
Anto approvando as propostas que fez
do cidado Francisco Lucas Ferreira para es-
crivo e JoiH Joze de Carvalho Moraes para
thosoureiro da lotera concedida favor das
obras da matriz d'aquella freguesia.
Dito Ao commandante das armas re-
metiendo o officio do inspector d'alfandega .
em que parteen haver o ajudante do guar-
da-mr da mesrna presentemente em com-
missAo no tprmo do Rio-formoso requisita-
do do respectivo Delegado a sabida da guarda
de primeira linha que achou em a praia do
Gamella por promoverem desordena as pra-
cas, queacornpnnho e at fazerem alguns
rouhos ; para que averiguando o fa:to,
proceda respeito na conformidade das leis.
Dito Ao commandante da escuna sss Le-
galidade = aecusando recebido o seo offi-
cio em que partecipa haver nomeado o Im-
perial marinheiro, Francisco Joze Moureira,
para substituir o fallecido encarregado da ar-
tilharia da mesma escuna; e significando-lhe,
que levon este objeto ao conheeimento do
Exm. ministro da marinha.
DitoAo inspector da thesouraria da la-
renda Iransmillindo a ordem do tribunal
do thesouro sob numero 7.
Dito Ao mesmo participando ter no-
meado a Luiz Antonio de Souza para o lugar
de continuo d'alfandega : e determinando-
Ihe que o faga constar ao respectivo ins-
pector.
COMMANDO DAS ARMAS.
EXPEDIENTE DO DIA 22 DO CORRENTE.
Officio Ao Exm. Presidente, remellen"
Monte po Doutor Casimiro de Sena Madu-
FQLLHUETTI
A SEPARACAO.
do-Ihe as guias das praras do Rio-grande do
norte que forfio embarcadas no vapor =
Paquete do Sul = com destino a capital do
Imperio.
PortaraAo lente coronel commandante
do hatalhao provisorio, mandando excluir do
mesmo por terem de embarcar para a corte
no vapor= Paquete do sul= 1 segundo sar-
Era urna bora depois da meia noite e a-
ndd a senhora Meyran relava defronte da
chamin pensativa e triste. A sua criada
particular veio perguntar-Ihe se quera dei
tar-se.
Nao Luiza ; vai para o teu quarto e
nao durmas que tal vez anda precise de ti.
A crala relirou-se e a senhora de Mey-
ran fui a um pequeo armario gothico li-
rn de dentro um punhal ricamente enclava-
do } e depois de examinar a ponta ; reco-
Iheo-o bainha de veludo metteo-o no seio,
e tornou a sentar-se. Que pretenda ella fa-
zer ? To bella lo rica e to moga pre-
para-se com aquelle instrumento mortfero!
De quem era o sangue odioso que ella preten-
da derramar ?
Porque nao mandarei um. s eu te-
nbo direito de me vingar disse ella. De-
pois levanlou se repentinamente, desem-
bainhou o punhal, deitou a bainha fura e
sabio do seu quarto por urna porta uceulta
que abria no corredor o por onde o primei-
ro andar communicava com o segundo. >nl>io
a escada,tirouumachavinbadaalgibeira, abriu
a porta sem fazer bulla,e entrounoquarloon-
de o senhor de Meyran, desprezando sua mu-
Iher viva ha seis mezes corno se fora sol-
teiro. Nao havia lume na chamin : mas no
quarto, allumiado nicamente por urna bru-
xa havia um dos calorferos inventados por
Chevalier que espalhSo urna quentura igual,
lo macia, q' desenvolvem noar a menor frac-
co de perfume. A mulher ultrajada que
cntrava clandestinamente no asylo que seu
dono linha por inviolavel sentindo-sequasi
embriagada pelo aroma delicioso que embalsa-
va o aposento parou pensando se convi-
ra misturar-lbe os vapores do sangue ; po-
rem vendo no loito.de seu marido um pes-
coqo alvo e algumas madeixas louras que
fugio da touca em que as nutras ticavo pri-
sioneras deo um salto chegou-se ao p do
leitocom o punhal erguido, prompta a des-
carregar o mortal golpe ; e semelhanle
gata que espreita algum murganho ficou
odiando milito atienta para a sua branca ri-
val balangando a mo em que o ferro scin-
lillava. Ella dizia corosigo :
Ilei de tingir de purpura todo este bello
marlim-.. Mas o horror de tirar-lhe a vida ptV
de ni;is do que a paixao ; e tocando com
um dedo no .rosto moca adormecida, que
immediatamente despertou Ihe disse :
Levante-se e venha com migo. Se
voce o acorda, se elle faz o mais pequeo mo-
vimento malo-a no mesmo instante.
gento e 10 soldados cujos nomos se Ihe
indicava devendo passar-ll.es guia e re-
mette-las a secretaria militar afim de terem
conveniente direccAo.
dem do da 22.
OfficioAo Exm. Presidente, remet-
tendo-lhe em proprio original a participa-
do quo fizera em data de 11 do corrente ,
o captao commandante das forjas destacadas
em Serinhiem e Rio-formoso da prisao ,
de um pretodenome Domingos, oscravo de
D. Francisca de tal, senhora do engenho
Serra d'agoa, cujo escravo fora solt d'ordem
do delegado no acto de querer outro escra-
vo da mesma D. Francisca, armado de urna
faca de ponta e um ccete toma-lo do po-
der da escolta que o conduzia perante o dilo
delegado.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. communi-
cando-Ihe queem conformidade de sua or-
dem de 19 do corrente proceder a novo
contracto com os capellaes e cirurgioes ,
que provisoriamente serviao nos corpos cu-
jo resultado fora o seguinte. 0 cirurgio Ma-
noel Barnardino Monteiro encarregado da
direccao do hospital regimental 95j reis de
ratiflcacAo mensal ; o cirnrglo Joo The-
motheo da Rocha GalvAo empregado no ba-
lalhfio provisorio e que com o primeiro al-
terna no servigo do hospital 70. reis ; o ci-
rurgiAo Joze Soares de Souza nomeado para
servir na llha de Fernando de Xoronha 80ji
reis e os capellaes padre Antonio de Faria
Neves padre Chrislovo d'Olanda Caval -
cante este do Batalhflo de infantaria de
guardas nacionaes destacado e aquelle do
batalhAo provisorio 50# reis cada um. Que
estas gratilicacoes devem principiara ser a-
bonadas do primeiro deste mez em diante ,
sendo-lhes pagos at o lim do mez prximo
passado os vencimentos a que tinhao direi-
to pelas anteriores nomeaedes e contracto.
Dito Ao mesmo Exm. Snr., communi-
cando-lhe que em virtude de suas ordens ,
foro desembarcadas de bordo do vapor =
Guapiass = treze recrutas rebeldes de S.
Paulo, constantes da relacao que enviava ,
nicos que Ionio entregues pelo commandan-
te da dita barca advertindo que a ordem
para o desembarque traclava de 30 recrutas ,
a quem i8o dirigidas : to devagar as pro-
ferio a ofiendida condessa.
A moca, com os olhos fitos no punhal, sus-
penso defronte do seu coraco escorregou
entre o leito e as cobertas e poz-se em p ,
sem fazer o mais leve susurro.
Venha Ihe disse a senhora de Meyran,
sem Ihe dar lempo de se vestir.
A senhora quer-me tirar a vida em
estando longe de Alfredo.
0 pronomedito em tal occasiAo ia-lhc dis-
tando caro. J com as sobrancelhas franzi-
das o braco levantado a senhora de Mey-
ran ia cravarlhe o ferro homicida .. porem.
dominando a ira Ihe respondeo em voz
baixa :
Aqu he que voc corre maior perigo ,
se Alfredo... se aquelle homem acordar. Saia,
saia quanto antes alias morre !
A pobre rapariga obedeceo tremendo e a
condessa depois de fechar a porta sem rui -
do pegou na mo sua rival, e foi-a con-
duzindo at chegar ao seu quarto. All tirou
ao candieiro o guarda vista ; e luz que
esclareceo repentinamente o quarto poz-se
a mirar a rival.
Poda ter dezoito a vinte annos era mui
bonita na verdade; porem os bracos e-
ro magros as mos descarnadas e malfei-
las o pescoco delgado, os ombros estreitos ,
e o semblante mesmo a pesar de mui engra-
nado faltva-lbe aquella perfeiyo que
Estas palavras nao podi&o passar da pessoa | belleza costuma dar o taque da intelligencia.
e a relaQo que por copia a acompanhou (!
2.X so i ne u Le.
Dito Ao mesmo Exm. Snr., remeltendn-
Ihe as lili.tct.'S das cinco pravas do Rio-gran-
de do norte que deserta rao do batalho pro-
visorio onde se achavao a Id i das icando
assim prehenxida a sua exigencia feta em of-
ficio de bontem datado.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. transmet-
lindo-lbeo ornamento novamenle feito para
os reparos das obras das fortifi.jacoes de Ta-
mandar Gaib e Nazareth e pedindo
no caso de approvacAo ordem para dar con-
tinnacao a taes obras que foro parausadas
at a conclusAo do dito orcamento.
Dilo Ao major commandante dn tercei-
ro batalhAo de artilharia a p participando-
Ihe o falecimento do soldado Odorio Pereira ,
que se achava destacado no Rio-formoso a
(im de ser averbado em seos assentos.
Portara Ao tenente coronel comman-
dante do batalhAo provisorio man lando de
ordem de S. M. o Imperador communica-
da em aviso da repartirn da guerra de 16 de
Agosto ultimo dar baixa aos soldados Maca-
rio Joze Rodrigues Sebaslio Juze Machado,
Miguel Matheos da Vera-Cruz Manoel da
Cruz e Jernimo da Costa Santos, todos
por incapazesdo servico militar.
Dita No mesmo sentido ao commandan-
te da companhia de artfices mandando dar
baixa ao segundo sargento Rraz Joze da
Silva.
Dita No mesmo sentido ao commandan-
te do deposito mandando dar baixa ao sol-
dado JoAo Joze Ribeiro.
Dita Ao major commandante do tercei-
ro batalho de artilhaiia a p mandando ,
d'ordem de S. M. n Imperador expedida
pela repartirn da guerra em data de 26 do
Agosto deste anno considerar addido com
os seos respectivos vencimentos a Antonio
da Cruz soldado que foi do extinto regi-
ment de artilharia de linha desta provincia,
afim de esperar sua reforma.
THESOURARIA DA FAZENDA.
EXPEDIENTE DO DIA 19 DE SETEMBRO.
Officio Ao Exm. Presidente da provin-
cia informando o requerimeuto do padre
O termo de compararlo eslava perto : a con-
dessa olhou para sua imagem relectida no
espelho da chamin. As trancas de cor de
bano a fronte nevada as feices finas e
delicadas o pe leito oval do rosto as pro-
porgues de nympha o col o peito os
bracos cheios e lomeados, Ihe da vAo immen-
sas vantagens contra o objeclo da sua ira a
quem muito favoreceo o prazer que em se
ver lo bella achou a irritada esposa. Do
espelho volvendo os olhos tmida rapari-
ga teve compaixAo della.
Ah pobre crianca disse a condessa,
est ampiada com fri coitadinha ... Lui-
za I.m/.a .
A criada correo a estas vozes.
D um vestido de baixo e outro acol-
choado para vestir por cima a esta pobre
moga que bate os queixos com fro ; trazo
tambem um chale.
A criada vestio a rapariga e voltou para
o seu quarlo segundo a ordem que recebeo.
Como se chama '.' pergunfou a condes*
sa moca j um pouco animada.
Adelia Nicaut.
Ha que tempo conhece o senhor de Mey-
ran ?
Alfredo ?
0 senhor de Meyran o senhor Alfredo
de Meyran que he meu marido.
Seu marido um estudante que more
na ra de La Harpe que ba tres mezes...
Ha tres mezes ? ... Aonde se encontr-
M



2
Albino de Carvalho Lessa ex-capel!5o da j mo determina o art. 11 das instrucgfles de6|
lllia de Fernando de Noronha em que pedio
o pagamento da clapo.
Dito Ao mesmo Kxm. Snr. sabendo
se approvava a arrematago da plvora ava-
riada pelo prego de 160 reis a libra.
Dito Ao inspector da thesouraria da fa-
/enda do Para com a primeira via da letra
de 2:000* reis, a 30 dias vista saccada por
Nuno Maria de Seixas e abonada por Ma-
noel de Suiza Raposo sobre Vicente Rodri-
gues ausente Antonio Joze Machado por
conla do supprimento determinado pela or-
10 de Janeiro deste anno.
Portara Ao thesoureiro da fazenda pa-
ra pagara NunoM. de Sixasa importancia
da letra de que trata o precedente olTicio.
dem no da 20.
Officio Ao Exm. Presidente da provin-
cia, informando o requerimentodi Joo Da-
maceno segundo marinheiro desembarcado
do brigue = Caliope.
dem do da 22.
Officio Ao Exm. Presidente da provin-
cia informando o requerimcnto de D. Maria
iozefa Clemente C. Conies vuva dosargcn-(
lo mor I. J. Correia Comes em que pedio,
o excesso do meio sold que percebe.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. rogando ,
no caso de alguna dos vapores que so acho
no porto tivessem de seguir viagem para o
Rio de Janeiro se dignasse dar as suas or-
densao respectivo commandante para na
vespera de sua saluda liir rcceber na thesou-
rariaum caixole com aquantiade 20:000,*
reis em notas inutilisadas j que tem de ser
remettido ao thesouro publico nacional.
Dito Ao mesmo Exm. Sur. informan-
do o requerimento do alferes Antonio de llol-
landa Cavalcante de Albuquerque em que
pedio como em pregado as ordens da pre-
sidencia desta provincia as mesmas vanta-
gens que percebem os ajudanles de ordens
do commando das armas
de abril de 1841, de que se llie remetteo um
exemplar.
Dita Ao thezoureiro da fazenda paraac-
ceilar e pagar no dia do seu vencimento em
cumprimento ordem do tribunal do thozou-
ro publico nacional de 30 do agosto proxia:o
findo urna letra de 4:000ji reis a 8 dias pre-
cisos sacada pelo thezoureiro geral do dito
thezouro a favor de Joaqun. Pinto d'Azeve-
do auzente a Caudino A. de Rarros.
INTERIOR.
O SENADOR PAULA SOI SA.
se poderia conseguir a liberdade do paiz ,con-
solidando-se a mouarchia constitucional re-
presentativa nica forma de governo que
semprejulguei apropriada ao Drasil. E' isto
tanto verdade, que tendo tido o Brasil j tan-
tos movimi utos revolucionarios de 1821 para
ca nunca jamis tive parte em algum a
excepgo do movimenlo geral da independen-
cia. Aindamis: at desapprovei e mes-
mo na tribuna, alguns quando triumphan-
tes como o de 7 de abril e 22 de julho.
Como pois poderia eu agora j no (im da vi-
da e to enfermo ter parte ou mesmo ap-
provar movimentosanarchicos quaes os que
houveram nesta provincia i' Quaes os funda-
mentos que se apresentam para se me impu-
tar tao atroz calumnia ? nom-uns : apenas se
Entre os senadores rebeldes cumpre distin-
guir como de todos o mais esperto o Sr. Pau-
la Sousa; hbil em tirar a sardinha com a mo
do gato S. Ex. serve-se de toda a astucia
da palavra para inflamar os elementos de com-
busto que abundam no paiz ; porem na oc-
casio do perigo retira-se acolhe-se sua
cama acha fingidas palavras cheias de unc-
go e vae-se salvando a pretexto de doente.
Ainda aturdidos pelos brados provocadores
da guerra civil que esse homem soltou no se-
nado brasileiro e no conventculo faccioso
de S. Paulo quando vemos as palavras do
energmeno realisarem-se em revolta, quan-
do o esperamos frente de seus soldados eil-
o que nos responde sou innocente estou
moribundo !
Actualmente fez esse Sr. distribuir o se-
guinte manifest.
Sr. redactor.
Constando-mc que em folhas desta cidade ,
e da corte sou apresentado como envolvido
na revoluco porque infelizmente acaba de
passaresta provincia e devendo tomar mui-
- to maior vulto esse boato por ter eu sido man-
, e que lhe foro dado pelo governo da provincia sabir della
suspensas em cumprimento ao imperial Avizo( nao tendo ainda podido sabir pelo estado
de 6 de dezembro do anno prximo passado. quasi moribundo em que me acho) ; era do
Dito__\0 mesmo Exm. Snr. dem e de meu dever e da minha honra fazer urna ex-
Manoel Lu Concalves, em que pedio por i posigo minuciosa de toda a minha conducta ,
aforamento 250 palmos de terreno alagado I antes e durante a crise revolucionaria ; mas ,
a tr >z da ra da Senzalla velha do bairro do \ nao me sendo sso possivel presentemente pe-
Recifo. aclua' estado de minha saude e reservan-
Dito Ao procurador fiscal da thezouraria,
com diversas coritas de devedores fazenda
publica para proceder contra elles bu seos
(adores como adiar conveniente de maneira,
-_---------------_ -,------......., --------7------------------
do-me a fazel-a logo que minha saude o per-
mita limito-me agora ao seguinte :
1-.\o natural que quem sempre ..desde a
mocidade leve certa conducta e sustentou
no
uauores ivuw ....-.-------------------- -------------^---------------------------. --
que a mesma fazenda publica seja prom- certos principios e opinioes ven ha ja
pamente embolsada. '' fim da vida e sem motivos mudar de repen-
Dito__Ao administrador da recebedoria de te de conducta de principios de opnioes.
rendas geraos internas, dissolvendo a duvida ; Ora eu appeilo para quantos me conhecem ,
que expoz em seu officio de 12 do corren te ,, ou de mim tem noticia, desde 1821 ( em que
sobre a dizima da chancellara de que tracta comecou minha vida publica como deputado
o regulamento de 9 de abril deste anno.
Porlaria Ao collector de diversas rendas
do municipio do Rio formozo, recommendan ..
do novamente em cumplimento do officio outras opnioes que nao fossem para fazer o
do Exm. presidente da provincia de 1G do consorcio da ordem com a liberdade : so al-
corrente que pelos rendimentos a seu cargo gum dia pensei que se poda obter a prospe-
Lsboa ) e que digam se algum dia profes-
sei e suslentei outros principios que nao
fossem os da legalidade : se algum dia tive
satisfaga ao delegado do mesmo municipio
a importancia das despezas que se fizerem
com a condugo de recrutas para esta capital,
sendo ludo em vista de conlas legahsadas. co-
roesta noite ? cerlamente nao cuida adiar-
se na ra de La llarpe !
Nao, senhora...foi no baile da Reinis-
sanee aonde Alfredo me disse que o fosse
eu esperar... .
Alfredo Alfredo! ... Quando voce en -
trou nesta casa que vio um porteiro espe-
ra de sen amo um grande pateo com varias
carruagens um cao que em vez de ladrar,
quando o senhor de Meyran entrn havia
provav luiente festeja-lo nao conheceo logo
que um estudante difficultosamento havia
morar n'um aposento desta ordem ?
_ Sim senhora ; mas elle disse-me que
esta casa pertencia a certo amigo que foi hon-
tem cacar e lhe deixou a chave do seu
quarlo.
Pois saiba que est em minha casa, me-
nina... em casa da condessa de Meyran, mu-
llir do senhor Alfredo e que pouco faltn
para semelhante engao lhe custar a vida. .
Sim senhora eu tinha direito .le a matar
em minha casa e juntamente a esse i ligia lo
que est dorniindo mu tranquillo. apesar de
a ter exposto ao meu justo ressentimento.
Seaeslas horas aquelle punhal hoiivera tirado
a vida a voces ambos mandava ahur as por-
tas desta casa toda chamava todos os cria-
dos avisava um magistrado mostri va-lhe
u lugar eoi que me tinlia vingado e licava
.ihsolviJa. tem me poda sentar cabecena do
ensangrentado leilo sem a mais leve res-
ponsabilid.u'e. O scntior Alfredo estudan-
ridade do paiz por meio da loica bruta : se
nao foi sempre minha conviego intima que
s pelo desenvolvimento da razo publica e
pelo progresso das luzes e moralidade que
diz ( e nao se prova) que eu'tive parte. Se-
r porque no senado e assembla provincial
ou liz opposigo algum as das disposices
das leis da reforma judiciana e concelho de
estado ? >r mas merece acaso resposta um tal
fundamento ? por tal motivo poderia en ser
taxado de erro mas nunca de crime : o pu-
blico illustrado e justo que o decida. Ser
porque se envolveram na revolugo amigos,
e parentes meus ? mas elles que digam ( e
muitos aqu se acham ) quantas vezes procu-
rei fazer calar nelles ( e em outros muitos )
as minhasconviecesa respeito ; quantas ve-
zes fiz ver os males e horrores de urna revo-
luco : elles que digam se eu soube acaso
que ella tinha de romper e o que eu disse a
quantos comigo fallaram logo que cu soube
do rompimento.
Os que me conhecem sabem quanto eu te-
nho soffrido de saude nestes ltimos annos ,
tendo por sso faltado s sessOes do senado
em 1839 e 1840 : sabem que ainda no an-
no passado estivo muito mal no Rio ; que
voltei ainda muito enfermo recolhendo-me
por isso ao meu engenho, d'onde s sah ,
quando depois d monsagem da assembla
provincial, sejulgou, e pediu-se-me que vi-
esse ella porque minha assistencia podia
ser til ordem publican e foi ento opino
corren te nesta que de facto o foi e todos
que ento comigo fallaram podem dizer quan-
to me esforcei para evitar movimentos mate-
riaes, e conduzir os nimos irritados ao cam-
po nico da opposico legal. Findi a sesso
tornei a recolher-me ao meu engenho on-
de sempre estive e muito enfermo, moti-
vo porque nao fui a sesso do senado este an-
no. Minha enfermidade foi-se aggravando
cada vez mais de sorte que desde princi-
pios de maio estive quasi sempre de cama ,
como publico no mMi paiz e em uso cons-
tante de remedios. Pode-se pois em tal esta-
do appetecer ou entrar em revoluges ? Foi
ento e sem eu esperar que rebentou em
18 de maio o movimento revolucionario em
Yt que eu s soube no engenho na noite
dessedia quando ento foram alguns ( sen-
do um governista ) levar-me para a povoa-
co com o fundamento de que se quera e
tentava assassinar-me ento. Minha delibe-
raefio foi logo vir nessa mesma hora para a
capital : ha muilas testernunlias disto mas
nem meu estado de saude me permitlia ento,
nem minha familia o consentiu receando
esse boato de aasassinato : e fui levado em li-
te... o seu estudanle nao sabe isto perfeita
mente ? ... e vos menina, ignoris tambem
que os bomens quando apauho suas nui-
llieres da mesrna sorte que eu vos surprehen-
di matao os adlteros e lavo em sangue
as manchas da sua honra ? pois as leis nao
eslabelecem difierenca nestecaso, ntreos
bomens e as raulheres. Porque vos nao le-
vou elle para a ra de La llarpe ? escusava de
vir expr-vos morle e de profanar a mi-
nha habitaco !
Todava quanto mais a condessa repara-
va na sua rival mais se applaudia de haver
suspendido oseffeitosda colera que o chime
lhe tinha inspirado. A moga nao valia a pe-
na e nem se quer podia entender a dilleren
?a que existia em passar a noite na ra de La
llarpe ou em casa da condessa de Meyran.
Quando olhava para a offendida esposa, ain-
da alteradas a cor e as feices do rosto pelo
tumulto uos seniimentosoppostos em que ti-
nha fluctuado pareca lhe estar vendo a mi
rahugenta do quem fugira e provavelmente
esprava recober alguns carolos sementan-
tes .ios que ella miudas vezes lhe coslumava
applicar. Agora que nao receiava morrer
que ja nao sen lia o rigor do fri mira va o
quartoda b-lia condessa e pouco a pouco
deixou descahir os olhos para o cabo do pu-
nhal, que fitou longo lempo com estpida sa-
tisfaco. A senhora de Meyran, que tudo is-
to observava disse l comsigo :
Oh meu Dos quanto soffrem as mu-
te ira e alta noite para a povoaco e nel-
la estive recluso em casa, to smente tres
ou quatro dias at poder viajar e logo que
pule retirei-mede Yt para diversos sitios,
vivendo sempre retirado e cada vez peior de
saude ( mesmo pelas emoges violentas, e
profundas que o estado do paiz me fazia sen-
tir ) nao tendo mais podido vir ento capi-
tal porque j se achavam as estradas todas
lomadas de torgas quasi todas indisciplina-
das e nao se permitta a communicacSo com
ell-.- Logo porem com o Sr. baro de Csxias escrevi-lho em
11 de junho pedindo me faciltasse meios de
retirar-me capital : e com sua satisfacto-
ria resposta ,para aqui vm cijegando a 20 ,
e aqui tenho estado. quasi sempre de cama,
e cada vez pe ir e com bem poucs esperan-
za de vida.
Tudo quanto acabo de ex por a pura ver-
dade : desafio a quem quer que fAr queme
desminta : desafio a que aprsente um s ac-
to meu de participigo ou mesmo approva-
co da revolta : como pois nao me encherei
le indignaQo vista desse boato que me
faz envolvido nella ? Mas eu espero que a
verdade brevemente triumpho e que ainda
os rneus maiores inimigos caro plenamente
convencidos que sou nisso atrozmente calum-
niado. Publicando estas linhas Sr. redac-
tor praticar um acto de justica e far
grande favor a este seu venerador e criado.
Francisco de Paula Sousa.
S. Paulo 30 de julho de 18t2.
Um pensamento domina nesta justificacao
__estou muiio doente estou para morrer.
Ovdetudnario senador que sempre com
esse prembulo comecou os seus discursos no
senado ainda o nao esqueceu. Condoemo-
nos desse Sr., realmente soflrer tanto no phy-
sico c ter tanta inquietaco moral tanta
ambico tanto desejo de governar por de-
traz da cortina E o que seria.o senador
Paula e Sousa se gozasse saude perfeita ? .
O segundo pr-nsamento que sabem seus a-
migos que elle nunca gostou de rovoluces ;
infelizmente se seus amigos o sabem noo
sabe o paiz e notavel que sejam to apsi-
xonados de revuluces os amigos de um per-
sonagem poltico que diz nao gosta dellas
notavel que esse personagem nao divorciasse
essas amizades ou nao praticasse em tempo
algum acto publico que de si arredasse esta
lernvel solidariedade.
Confessamos que contra S. Ex. embora te-
nhamos a mais completa conviegao moni de
sua participago no crime de seus amigos ,
nao sabemos que baja por ora prova judicial ,
prova que s pode resultar das pesquizas da
juslica e talvez das declaragOes dos co-ros
para as quae appella o ex-senador. Costa-
mos porem sobre modo de ouvil-o desculpar
diminuir a importancia dos seus ataques ao
partido da ordem a pretexto da lei da refor-
ma judicarii e da do concelho de estado.
S. Ex. que ainda ha dous dias eslava ISo
ufano dessa opposico, agora j simplesmen-
ti acha que fez opposigo a algumas das dis-
posiges .
Mas deixemos S. Ex., com quem nos ha-
vemos de encontrar no senado.
Hieres A urna boneca semelhante he que
meu esposo me sacrifica !
Ero tres horas da madrugada.
Podis sentar-vos disse a condessa
rapariga.
Se a senhora quizesse mandar buscar o
meu vestido de mascara eu voltava para mi-
nha casa respondeo Adelia Nicat
Ainda vos nao posso dispensar.
Elle nao he meu e ...
Calai-vos ..Luiza Luza !
Luiza que nao tinha perdido urna pala-
vra daquella scena cuiiosa apparecco im-
mediatamente ; e a senhora de Meyran lhe
ordenou que a toucasse e vestisse com lodo
o esplendor appropriado a quem pretende fa-
zer urna viagem. Em tempo algum ella se
apurou tanto como nesta occasio. Depois
de vestida sentou-se na sua grande cadeira,
e poz-se a meditar.
A condessa bella e rica tinha casado
com inclinadlo com o senhor Meyran que
possuia apenas urna figura juvenil agrada-
vel e que era ou inostravn ser seu apaixo-
nado ; porem passado anno e meio as in-
chnages vis do conde entraro a mostrar o
que elle com arte escondeo em quanto pre-
tndeme e a condessa longe de correspon-
der indiferenga com que era tratada se
nao as claras, ao menos com muito pouco dis-
forc desprezava os rendimentos e vassa-
lagens que por toda a parte lhe oflerecifio .
conservando sempre illSQ amor dos seus
(Drasil.)
deveres. Estas considerages lhe humede-
ce rao os olhos de lagrimas que lhe fazia der-
ramar a perda irreparavel da liberdade, mul-
to sunsivel depois de se ver atraigoada por
um modo to infame. Einfim chamou uro
criado ; e ordenou-lhe que fosse apromptar
a carruagem e ao escudeiro do senhor Mey-
ran que fosse dizer a seu amo que ella que-
ra fallar-lhe.
Passado um quarto de hora appareceo o
senhor de Mevran e, com tudo o desem-
bargo lhe pergunlou para que o mandou
chamar to cedo.
Espero senhor conde que evitara
toda a publicidad* e que ha de entregar ao
meu notario o consentimento de separago
absoluta, que elle lhe pedir ; alias; eu te-
nho testemunhas Alem disso queira fa-
zer o obsequio de sabir desta casa, que h
minha e meu he tudo o que dentro d ella
existe. Como entre nos nao houve commu-
nicaco de hens nenhuma demanda he po-
svel!. Todava como esta rapariga preci-
sa detlfinetes darei ao senhwr para repar-
tir com ella... urna ...siilficiente mezada. A-
deos, senlmr conde.
Disse e sabio. Poucos instantes depois ,
a caleca deixou o pateo da casa.
- Foi-se ? melhor disse Adelia : &>
susto me causn esta noite com aquello pu-
nhal! Ento, Alfredo, vais-me buscar o meu
vestido ?
F1M.


jMiiijiiiMiiiiir;
m
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
Rendimento dodia26Je Setemb.j 4:778*297
DESCAR REGA0 HOJE 27 DE SETEMRBO.
Brigue Francez = Boy = Vinho.
Brigue Escuna =Rozario= Taboado.
HOVIMENTO DO PORTO.
NAVIOS SAll DOS NO DA 24.
JJahia e Rio de Janeiro-, Vapor Brasilein de
Guerra Guapiass Commandanteo Capi-
to Tente Joaquim Joze de Alraeida ; on-
duz 130 soldados do RatalhAo provisorio.
Rabia; Vapor de Guerra Inglez Giowler ,
Comraanante Buckly.
dem do da 25.
Genova ; Polaca Sarda Giove Cap. Joo R.
Gbiozza Carga assucar.
Maranhao; Briguo Brasileiro Mrquez de
Pombal, CanitaO Fernando Joze de Almei-
da carga diversos gneros.
dem do da 26.
Jersey 5 Patacho Inglez Amicus Cap. Geor-
geOrange carga couros e assucar.
EDITAES.
O Blm. Snr. Inspector da Thesouraria da
Faz*nda desta Provincia temdo em confor-
midadedo Begulamento de H de Janeiro de
corrente anno, a diante transcripto de con-
tractar o corte e conducho para esta Cidade .
dedezmil quintaes de Pao Brazil convida
aos proprietarios dos terrenos, que produ/em
este genero, e bem assim as pessons que
quizerem encarregar-se do corte nos terrenos
devolutos para dentro do prazode.3 mezes virom
appresentar mesma Thesouraria suas pro-
postas. Secretaria a Thesouraria da Fazenda
de Pernambuco 8 de Abril de 1842.
Joaquim Francisco Bastos ,
Oficial Maior.
Regulamento.
O Visconde d'Abrantes Presidente do Tri-
bunal do Thesouro Publico Nacional ordena
que na execug.80 do Art. 11 da Lei n. 243 de
50 de Novembro del8tl seobserveoseguinte.
Art. 1. O corte do Pao Brasil as Provincir
as, em qua for permittido pelo Governo,
ser nicamente Jeito pelos proprietarios dos
terrenos que o produzem conlorme as exi-
gencias das Thesourarias.
ArU2. No caso porem de que o proprieta-
rio recuse encarregar-se do corte, sendo con-
vidado pela Thesouraria a que o faga esta
depois de reeeber delle resposta negativa ou
nenhuma dentro de um prazo rasoavel que
I he ser marcado poder encarregar n mes-
mo corte quem se propozer a faze-lo com
inais vantagem a favor da Fazenda Nacional
Art. 5. Nos terrenos devojjutoshe permit-
tido o corte a quaesquer pessoas que fo-
r*m para isso devidamerite autorisadas pelas
Thesourarias respectivas.
Art. 4. O Tribunal do Thesouro sobre pro-
postas e informagoes das Thesourarias po-
der elevar o prego actual do corte do Pao Bra-
sil at ao mximo marcado na Lei.
Art. 5. As pessoas que se proposerem ao
corto, assignarAo termo por si 011 seu pro-
curador em que se dever declarar o preco
dcada quintal e a quantidade que se obri
gao a cortar sujeilando-se expressamente a
nao traserem para o (deposito se nAo o Pao
Brasil de superior qualidade pena de Ihe ser
rcigeitada e queimnda a porgAo que for
qualificada como inferior.. E prestarAo alem
disto banca idnea salvo se forem proprie-
tarios dos terrenos.
Art. 6. IIum dos Feitores da Mesa do con-
sulado nomeado pelo Inspector da Thesou-
raria ser incumbido de examinara quali-
dade do Pao Brasil trasido pelos encarrega-
dos do corte, o regeitar todo o que nao lor
de superior qualidade. Vencer por este tra-
balho humagralificagAo marcada pelo Tribu-
nal do Thesouro sobre proposta do Inspector
la Thesouraria; e quando se verifique de m
qualidade o Pao Brasil recebido pelas Thesou-
rarias e remedido para a Europa o refe-
rido Feitor ser por isso responsabilizado.
Art 7. O Feitor certificar no recibo de en-
trega feita nos respectivos depsitos a supe-
rior qualidade do Pao Brasil que or recebi-
do : e sem esse certificado sobre a qualidade
rifm se far pagamento ncm ser abonado
adiantamento aljjum feito aos ditos encarre-
gados do corte.
Art. 8. No fim de cada trimestre o Inspe-
ctor da Thesouraria remetiera ao Thesouro
Publico um mapa assignado pelo Feitor no-
m.eado declarando os nomes dos proprjeta -
ros ou outros encarrega Jos do corte do Pao
Brasil, o prego e quantidade a que se obri-
grAo as porgoes que tiverem trazido ao de-
posito, as regeitadas,equeimadas as embarca-
das para Europa, onome do Navio, e seu desli-
no e finalmente o estado do deposito, Rio de
lanairoem 11 de Janeiro de 1812. Viseon-
de d'Abrantes.
0 Illm. Snr. Inspector da Fazende desta Pro-
vincia manda fazer publico a ordem do Tri-
bunal do Thesouro Publico Nacional adi-
anto transcripta. Secretaria da Thesoura-
ria de Fazenda de Pernambuco 11 do A-
bril de 1842.
Joaquim Francisco Rastos,
Ollicial Maior.
oi'.df.m n. r>t).
O Visconde de branles ; Presidente do
Tribunal do Thesouro Publico Nacional, par-
ticipa ao Snr. Inspector da Thesouraria da
Provincia de Pernambuco que em obser-
vancia do Art 1." do Decreto de 22 de Julho
de 1841 n. 188 mandn abrir novo iroco
na caixa d'Amortisago por quatro mezes
das notas do extincto Raneo, quedeixarAo de
ser trocadas no praso marcado pelo art. 7."
1. da Lei de H de Outubro de 1837 ob-
servando-se nesta operagAo as disposigoes do
Regulamento de 29 da Novembro do mesmo
anno: em observancia do Art. 2.* do dito De
creto mandou tambem abrir do novo o troco
das notas de 50ji000 terminado em virtude
da Portara do 1." de Dezembro de 1838 ti-
xando at 31 di Dezembro do corrento anno
o praso dentro do qual posso as ditas notas
ser apresentadas na sobredita ca sagAo : e finalmente em conformidado do
Art. 21 da Lei de 30 de Novembro passado
n. 243 marcou o mesmo dia 51 de llezem-
bro para terminar a substituico das olas de
30*000 a 500,>000 mandada Uiev por occa-
zio do roubo do Thesouro; licando os possui
doresdepois dello sujeitos s penas marcadas
no Art 5.* da Lei n. 53 de 8 de Outubro de
1835. Oque oSr. Inspector far publicar
por editaes, e nos Jomaos para conhecimen-
to dos interessados ; repetindo os annuncios
amiudadas vezes at o im deste anno. The-
souro Publico Nacional em 18 de Margo de
1842. Visconde de branles.
DECLARACES.
Companhia do Bebiribe.
_ Os Snrs. Accionistas da Companhia do
Encanamento d'agoas potaveis p ra ,esta
Cidade sao avzados pelo prezente para que
haja de realizar dentro de 50 dias contados
desta data dois por sent sobre o valor das ac-
ges que sobscreverao por con la da 1.
prestagao": no escriptorio do caixa da compa-
nhia o Snr. Manoel Gonsalves da Silva na
ra da cada do Recifo. Escriptorio da com-
panhia 26 de Septembro do 1842.
O Secretario
Joze Benlo da Cunha Figueredo.
AVISOS MARTIMOS.
tsr No dia 30 do corrente mezsairpara
Maceioo HyateEsperanga de MaranhAoquem
quizer carregar ouirde passagem dirija-se
a ra do Trapixe na venda de Joze Virissimo
da Rocha ou a bordo a fallar com o mostr de
fronte do Trapixe do Algodo.
= Para o MiranhAo com milita brevidade
sahir o Rrigue Escuna Laura bem conhe-
cido nesta praga tanto pela velocidarte do suas
viagens como seguranga do navio ; os pre-
tendenles para carga e passageiros para o que
tem excellontes coinmodos trat -se com o
CapitAo Luiz F. da Silva Sanios ou com Fir-
mino Joze Ft lis da Boza na ra da Moeda
U. 140.
tsr Para Lisboa a sahir nos principos do
fncturo mez de Outubro a barca Real Prin-
cipe D. Pedro commandanle Jernimo Ro-
mero da melhor e mais magnifica cons-
truego e muito veleira pode reeeber algu-
rua carga a frete a prego commodo e tam-
bem recebe passageiros para o que tracta-se
no consulado de Portugal na ra de Apollo,
ou com o commandanto a bordo
tsr Para o Rio de Janeiro segiid no dia 50
do corrente o brigue escuna Bella Maria rece-
be passageiros, e esreravos a frete e para car-
ga do pequeo volume dirija-se a Gaudino
Agostinho de Barros pracinha do Corpo Santo
D. 7.
= Para Montevideo com toda a brevidade
a muito velleira e bem conhecida l'ollaca
Sarda = Sommariva = quem nella quizer
carregar ou hir de passagem, para o que tem
muito bons commodos entenda-se com os
seus consignatarios Mendes i\ Olivejra : ra do
VigarioD. 15, ou com o capitoda mesma,
Jacomo Ramella.
A VI SOS DI VERSOS.
tsr Quem precisar de 400ji a premio so-
bre pinhores de ouro oa prata pelo tempo
do 5 mezes, a 2 por cento ao mez annun
ci.
tsr O primeiro secretario da sociedade na-
talence avisa aos Snrs. socios que boje (27)
ha sessAo pelas 0 e meia horas da tarde.
tsr Arrenda-se urna caza no melhor lugar
da povoaga do Monteiro pelo bom golpe de
vista que Ihe d o ponto em que est coloca-
da, le bastante fresca e tem duas boas sa-
las, 41 quartos dispensa cozinha grande
com forno quarto pira preto estribara
para dous cavallos quintal com serventa
independente para acza e um r^creio na
frente da estrada que vai pa Apipucos ;
quem pretender annuncie.
tsr Roga-se ao senhor Manoel Joaquim
Anlunes Correia o favor de declarar a sua
morada por este Diario para negocio do seo
interesse.
tsr Dezeja-se falar com os Snrs. Joze Fran-
cisco do Reg Rarros e Jos Aprigio Pereira
da Silva Castro Sicupra a negocios de seus
interesses na ra Nova D 33.
tsr Qualquer Snr. mestre alfaiate de loja
aborta que se queira utilizar de um bom con-
tramestre annuncie para ser procurado.
VST O padre Antonio Alvares de Souza mu
cordialmento agradece ao auctor do commu
nicado inserto no novo diario N. 45.
tS^Pelo prezente annuncio declara-so a
qupm conver que no sitio do Hospicio do
Exm. Snr. dezemharsador Concelheiro Maciel
Monteiro existe urna porgAo de semen tos
d'arvore denominada angico bastantemem-
te prodigiosa e medicinal e que se perten-
d-> destribuir gratuitamente, sem nenhum
interesse mais do que o sen augmento por
esta cidade : declara se mais que existo urna
porgAo d pes da dita arvore j em estado de
serem mudados e que tambem se destrihu-
ir gratuitamente : as pessoas que pretende-
re m dirijSo-se ao dito sitio.
tsr* Tendo de serem removidas as naderas,
e refinages de assucar do bairro da Boa-vista,
para o lugar do Manguinho e havendo neste,
duas grandes propnedades terreas abarraca-
das e proprias para taes estabelecimentos ,
offerece-se a quem convier para as arrondar ,
e por pregos razoaveis: tracta-se na ra de
HortasN. 140.
= OfTerece-se urna ama para caza do pouca
familia : na ra do Rangel D. 22.
Mr No dia 6 de Oi:tubro prximo vindou-
ro se ha de arrematar na porta da morada do
Sr. Dr. Juizda I. vara doCivel por exe-
cugo do Manoel Fernandes da Cruz contra
seus devedores Joaquim da Fonceca Soares de
Figueiredo e sua mulher os bens seguin-
tes : urna grande e-excellente caza na estrada
do Monteiro ladrilhada de pedra marmore ,
com um pequeo sitio e sahida para o rio ,
outra grande caza por acabar no lugar do Cal-
dereiro tambera com um pequeo sitio e sa-
hida para o rio e tres otarias no mesmo lu-
gar do Monteiro ; urna pequea com forno de
cozer telha outra grande com forno grande,
o outra com forno de cozer lijlos acompa-
nhadas de urna senzala e caza de feitor o
tambem se arrematar urna escrava de na-
gflo da Costa. As pessoas que quiserem ar-
rematar os predios ditos dirijAo-se ao lugar
do Monteiro para os examinar e ao porleiro
dos auditorios para verom as competentes ava-
liaces.
T Pergunta-se ao Snr. primeiro e nao
ex primeiro secretario da defunta sociedade
Amizade nos une o seguinte : qual o corno
morto que urna de suas partes vegeta '.' qual
a escola dos Zanges ? qual o Zango que la-
dra ? e finalmente qual o Diario ladrador e
arremessador de luvas ; e se isto nao pozer
em trocos miudos bem apropiado Ihe ser o
proverbio quem te manda a ti sapateiro to-
car rabecAo.
O ignorante.
tsr Roga-se ao Senhor Bernardino Joze de
Serpa a bondade de se dirigir ra Nova D.
6, a fallar com Cals Ain para negocio de
interesse.
MT Dezapareceo desta praga um menino
forro por nome Joze Jacintho de idade de
12 anuos punco mais ou menos com os signaes
seguintes : cor de canella cabellos crespos ,
oihos pequeos e redondos nariz grossu, boca|
pequea beigos dobrados ps grandes, ca-
rniza azul e jaquela bonet azul dezapare-
ceo no dia 16 do corrente: quem delle sou-
ber faga o favor de dirigir-se na ra da Ma
dre de Dos loja D. 2l que se Ihe ficar o-
brigado,
tsg^ Para negocio do grande interesse do
Snr. Joze Wenceslau Aflonco Regueira Pe-
reira Bastos preciza-se saber qual o seo cor-
respondente n'esla cidade o por isso se roga
a quem quer queo for faga favor annunciar
sua morada.
Ktr O encarregado da destribuico, e co-
branga dos bilhetes do thcatro em beneficio
da familia disvalida, roga aos Snrs. queso
dignarlo aoceilar os bilhetes datera a dia)
cerlo no cobrador, para o nlo esfafarom, 1<
contrario far publicar os seus nomes.
13^ A possoa quo amiuncioii precizar do
urna ama pira casa do pouca familia sendo
seja de portas dentro dirija-se ra do N'o-
gueira I). I dffronto do nixo casa da quina.
U^ Aluga-so nina pela para criar com
muito bom leite ; na ra da Florentina na
ultima casa do lado do uascenle.
cr O abaixo assignado faz sciento que
ninguom contrato negociu algum com a mai
do abaixo assignado a Sur.' Francisca Xavier
do Espirito Santo moradora na ra do (^no
do bairro de Santo Antonio sobro urna es-
crava de nomo Mariana de i tade do 1S anuos
poiso abaixo assignado protesta anular qual
quer venda 011 iiypotlieca que por acazo possa
aparecer.
tST" Aluga-se um sotan corrido de janeilas
muito fresco com dois quarlos ; as pessoas
que pprlonderem pod"in vir cntender-se na
ra da Boda sobrado da quina.
tsr Aluga se urna casa terrea com bastan-
tes commodos para grande familia salla for-
rada o pintada na ruada 'onceigAoda Boa-
Vista : quem a porten lor dir.ija-se mesma
ra ao seo proprielario Biilino Gomes da
Fonceca.
cr Preciza-se de um pequeo de 12 a 14
annos, para caix< iro de venda em lora de por-
tas D. 21, a tratar na mesma.
tsr Aluga-se o segundo o lerceiro andar
e rozinha do urna casa esla em urna das
melhores ras do Becife, com linda vista pa-
ra o mar annuncie.
tsr l'm pequeo brazileiro de 10 annos
de boa conducta pertende aplicar-se em
pra tira nte de botica, a pessoa quo per tender
annuncie por esta Mha.
Para o Snr. F. J. do B. ler.
Nunca forAo de minhas inlenQes escrever
para o publico e se agora o fago he s para
responder ao tresloucado annuncio encorido
no Diario N. 206 de 21 do corrente mez.
Nao faliarei sobro ser ex secretario ou se an-
da he 1. secretario posto quo exista um 1.
secretario nomeado pela mesma sociedade A-
mizade nos uno em X do correte mez a qual
se acha com vida e nao defunta como diz o
meu Dontorzinho lalarei sim sobre a sua
bi|h Buopoqus o pergunlarei ao deslustrado
campiao em que parlo do mundo conhecido
deu ossusexames preparatorios.' E porque
infortunio nao se formou em algumas das sci-
oncias ou artes ? E se sua iierc nAo tom es-
tudos nenliuns o que he innegavel como la-
xar de ignorantes aos seus collegas (caixoiros)
s por nAo serem do seu partido.1 igualmente
l com bastante admiragAo que o Snr. B. se
tem tornado um outro Boldo pois tem re-
cebido ja 23 luvas pelo que se pode colegir
da sua nova o mu insigne Arithmetica do
contar o N. c 23, o que destes 25 dnellos
tem tido o competente destino dez que tal o
nosso Ferrabraz A polica deve olhar com
alguma allengo para aquello annuncio ; po-
rem como eu nao me temo que \m. conle
comigo o n. 20 nao s porque sci que o co
em qnanto ladra nao morde como por me nAo
lemer de em buscadas sempro Ihe drei que a-
pezar do nAo ser cu o autor do annuncio qiiK
merecen tAo extravagante resposta sahi a cam-
po por nAo poder ver alardiar do sabedona ,
e valenta quando nunca levo nem urna 110111
outra couza, o he melhor que se dcixe de en-
terter o res|>eitavel publico com escriptos pu-
eris e cuidemos anles as nossas obrigages :
quem Ihe escreve he o socio que mais impar-
cialddo lem mostrado na luta dos dois par-
tidos da sociedade Amizado nos une o seu
amigo J. V.
= Joze Miguel dos Santos subdito portu-
guez relira-so para Lisboa a tratar de sua
saudo.
tsr Novo depozilo de rap princesa da Ba-
ha. Acaba-so de eslabelecer na ra da Cruz
do Becifo escriptorio N. 10 : esto rap da
grande fabrica da Baha que pela sua boa
qualidade sempre mereceo a geral estima do
respeitavel publico d'esta cda le assim como
do Rio do Janeiro Baha &c. o para que
venha a rezultar mais alguma vantagem aos
consumidores desle rap, o fabricant** manda
estipular no seo novo eslabelecmento o prego
de 900 res por libra quando se compre de
o arralis para cima (valor (la mesma fabrU
ca na Baha.)


4
5H5SESE35
AS rodas da lotera do
Rozarlo correm infa-
livclraente a 5 de Outu-
bro, os bilhetes acho-se a
venda ; rua da Cadeia Sr.
Cambista Vieira rua do
Collegio Sr. Ifenezes, rua
do Cabug botica do Sr.
Moreira praca da Boa
vista Sr. Saraiva junto da
Matriz.
=: Aluga-se huma grande casa na povoa-
vaodo Monteiro fronteira ao oitao dofnorte
da Igreja a qual tem quatro salas, seis quar-
tos soto e coziuha fora com hum gran-
de quintal: a tratar na rua atraz da Matriz de
Santo Antonio no segundo andar do ultimo
sobrado prximo ao Quartel de Polica.
t^Preciza-se de um feitor de cilio quem
estiver as circustancias de bem desempe-
nhar esse officio, derija-se a rua do Hospicio,
caza ao lado esquerdo do Cuartel do mesmo
nome.
Eduardo Comber, st:bdito de S. M
B. retira-se para foroo Imperia.
PILl'LAS VEGETAES E l'MVERSAES AMERICANAS
GT 0 nico deposito dellas he em caza de
D. knoth, agente do Author, na rua da Cruz
n. 57.= N. B. cada caixinha vai embrulha-
da em seu receituario com o sello da caza
em lacre preto.
ts^ Quem tiver para alugar um sitio an-
nualmente que tenha pasto para quatro a-
nimaes eque seja nos lugares seguintes :
Salgadinhoou Tacaluna ; annuncie para ser
procurado.
cr Precisa-se de urna criada para todo
o servido de urna casa ; na rua da camboa do
Garmo sobrado de dous andares no primei-
ro andar de grades de ferro.
tsr Precisa-se de um ou dous ofliciaes de
marcineiro, para trabalhar em urna loja fa-
zendo-lhe todo o interesse : na loja D. 10 na
praca da Independencia achara com quem
tratar na mesma compra-se pennas encar-
nadas para fazer llores.
kst Precisa-se de urna ama de leite pa-
ra a C3sa dos expostos.
oy Aluga-se por prego com modo um
hom armazem no liedle na rua da moeda no
fundo da venda do senhor Alcxandre e le-
va -se em conta os concertos necessarios : a
tratar na rua do Nogueira D. 2o ou i9.
ny Precisa-se de um pequeo de idade
dei2al4 anuos, para caxeiro fora desta
praca dando-se ordenado ; quem so adiar
nesta circunstancia dirija-se a rua do I.Tra-
piento D. 6 para se tratar do ajuste.
ar Joaquim Joze. Gil, subdito porluguez;
retira-so para Alagoas.
S3T C cirurgio Francisco Joze Cirilho Le-
al mudou a sua residencia para o pateo de
S. Pedro sobrado da quina D. 1.
ts^ Precisa-se de aforar um terreno per-
to da praca que tenha proporges para O a 8
vacas de leite de invern a vero e com-
pra-se tambem alguma casa de taipa que
estiver em alaum terreno com estas propor
ees ainda que seja vclha ; na rua de Mor-
as D. 48. Xa mesma casa Iroca-se urna i-
magemda Conceigo que tenha um palmo.
COMPRAS
ar Urna morada de caz* terrea nesta Ci-
dade : no atierro da Moa vista n. 2fl sobrado
de Manoel de Souza Rapozo.
tST Mil grozas de botoens de linha para
camisa dosquecostumo vir do Porto e
um silho uzadoem bom estado de servir para
viagem : na praca da Independencia n. 1.
VENDAS.
== Excellente tinta de escrevrer a 480 reis
a garrafa, e acceita-se se nao agradar ao com-
prador: na praca da Independencia luja de h-
vros n. 37 e 38.
CT Urna caza de pedra e cal com trra
propiia na povoaco dos afogados : na rua
de S. Joze D. 18.
tsr l'ma venda com poucos fundos a di-
nbeiro ou a prasp defroute da Igreja de S.
Hita nova : a tratar na mesma.
OT >>m sobrado de 2 andares na rua
estreita do Rozario D. 24 : a tratar na mes-
ma rua D. 55.
ar l roa porgo de salea parrilha assim
como outras muilas fazendas por commodo
preco na rua Nova I). 3.
t-T" Um preto robusto e bem .pessoado ,
por necessidade para pagamento de urna
divida : na rua do Cabug D. 7.
tsr L'm Candieiro de maza cn 3 luzes, e
um do parede, por prego muilo commodo :
na rua do Cabug n. 4.
sw Manoel Antonio da Sjlva.lVtp.ttf vende,
o seu sitio da ponte de Uxoa a dinpeiro ou
a praso, com boa caza de passar a festa, bom
caes que deita para o riocapibaribo coxeira,
estribara chaos proprios: a tratar com o
mesmo na rua da Cadeia do Recife n. 6 ou
no forte do Mallos com o Sr. Manool Caeta-
no Soares Carneiro Monteiro.
es Um terreno com 120 palmos de frente
com alicorees e 140 de fundo a 20* rs. a
palmo, noalinhamento da rua da Roda : a
tratar na mesma rua sobrado de frente ama-
rea.
tsr Urna caza de Iouc8 de barro na rua do
Rangel : a tratar na entrada da mesma rua
D. 37 loja de cera.
c?" Um negro de nago de 20 annos ,
proprio para todo o servico : atraz dos Mar-
Uros caza de 3 portas verdes.
ss" Urna burra de ferro batido : na rua da
Cruz D. 4 na mesma caza compra-se um
bom cavallo para carro com preferencia
russo com dinas nietas.
tsr Urna preta de idade propria para
vender na rua por ter disso pratica lava
de sabo ao comprador se dir o motivo da
venda : na rua da Conceicao da Boa vista D.
10 do lado do Rozario.
tsr Chocolate vindodo Maranho : no ar-
mazem de assucar defronte do Corpo Santo.
tsr Urna venda com poucoe fundos na rua
do Fogo muilo boa para retalho ; quem a pre-
tender diriia-se a Lima Jnior & Companhia
na rua do Vigario.
tsr Familia de mandioca muito nova ,
da Provincia e de fora, a li, 12 e 14 pa-
tacas a saca : no armazem de Vieira Guima-
r3es junto ao arco da Conceicao D. 31.
tST" Ladrilhos de niarmore com os com-
pententes cantos serrados para obras : na
rua do Vigario D. 15.
d* Um ptimo relogio do sabonete com
caixa de prata, pelo prego de 12tf rs. por
haver preciso : na rua Direita D. 87.
cy Um negro crelo de 50 annos bom
carreito : na loja de cabos ao lado do Corpo
Santo, n. 69.
cyUm negro possante para servico de Tor-
cas : na rua do Vigario n. 16.
vsr Urna negra cozinha, ensaboa, o faz
todo o mais servico de urna caza : na rua da
Moeda n. 151.
xsr Urna excellente canoa de amarello rom
34 palmos de com primen lo e 5 e meio de
boca muito propria para abrir ou para car-
reira : na rua do Cabug D. 7
s-y Dous hbitos de S. Rento de Aviz ,
de ouro obra rica : to Coelho sobrado de
Anadeto Joze de Mendonga.
ar Urna negrinha crela de 14 annos ,
muilo linda e ptima para mumbanda on-
gommaliso, e cose outra dita de nago,
de 25annos, engomma bem cozinha e la-
va bem de sabo o outra dita quilandeira :
na rua Direita N. 43.
K2f Urna mulata de 25 annos, cozinha
bem e lava ; um molecote de 14 annos ,
bonita Figura um moleque de 12 annos ; e
urna preta de 18 annos de bonita figura e
ptima para todo o servico de nina caza : na
Camboa do Carino D ll segundo andar.
C^" Bugias Je carnahuba de 6 e8 em li-
bra bem feitas, alvas o de boa luz a 520 rs.
a libra cartas e taboadas a 40 e 80 rs. ,
pautas grandes e pequeas a 50 e 60 rs. : na
rua do Nogueira D. 19.
\-~j~ Na rua do Queimado loja'nova D. 11 ,
acha-se a venda por preco mais commodo que
em outra qualquer parleborzeguins gaspiadus
para homem e Scnhora ditos sem ser gaspi-
ados, sapatos de marruquim, couro de lustro ,
setim e duraque para Senhora sapalinhos
para menina, de couro de lustro duraque
e marruquim em im um completo sorlimen-
lo de calcado Irancez como de Lisboa on-
de o comprador achara alem da commodidade
dos precos a vantagem de ser ludo muito fres-
co e por cons^quencia de mais duraco.
= 1 ma caza de tijollo e cal, com duas sa-
las quatro quartos cozinha telheiro para
recreio cacimba de beber perto do banho
do caldeirciro : tambem se a luga por80j000
reis. Dous escravos boas figuras, de 20 e 24
annos trabalhao em todo o servico decampo,
e as caldeiras dr engenho de assucar: na rua
do Rozario larga sobrado de 4 andares que
tem botica.
tsr Urna armago de venda mui bem
Celta e segura cuja armago serve para
quem se quiser estabelecer : no pateo de S.
Pedro D. 2, existe pertences a mesma venda.
=; Um escravo de 20 annos boa fi-jura,
bom .cozinhoiro do diario de urna casa, e com-
prador ; um dito por 00 rs. bom para todo
otrbalho; urna preta mossa engoma, co-
zinha, lava roupa ; duas ditas por 300^000
rs. cozinhao avo roupa e boas vendedei-
ras : naru de Agdas verdes n. 44 .
= Cptims grelhas londrinas de patente de
nova invencao chegaJas ltimamente de In-
glaterra pois he obra mui bem trabalhada as
quaestema singularidade de acar carne ou
bifes de todas as qualidades e juntamente apro
veita se os molhosda dita carne pois a lim-
peza o descanco e a economa das ditas gre-
lhas merece toda attenco as quaes tem con-
corrido muito para a sua extracto ; na rua no
va loja de ferragem D. 15.
= Selins Hastieos forrados de couro de co-
res estribos de metal branco, de ac mo-
dernos, cabezadas rulicas com a fivela cu ber-
ta e todos os pertences de selins, chicotes
de cana da india de estallo inglezes e sem
ser de cana bandas com bacalhos de ouro
vindas do Rio ditas mais singelas talins
e cananas de couro branco, e de lustro preto,
barretinas de todos os padres tanto para guar-
das nacionaes como de primeira linha, e lu-
do quanlo pertence loja de seleiro por
prego muito commodo : na rua Nova D. 5 ,
loja que foi do Labotier.
tsr Urna caza bem construida de pe/a e
c.d o de boas madeiras cita no Pego da Pa-
nella a margem do rio Capibaribe tem na
sua entrada 8 degros elo^o um lerrasso ,
porta no centro duas janellas e outras
duas no oito da parte do poente boa sala
duas alcovas di frente corredor no meio ,
despensa sala de jantar e cozinha fora :
na rua de Hortas sobrado de um andar n. lOO
da parte do poente.
r Urna molata com idade de 2 annos.
engoma, cozinha e faz renda urna preta
crioula com idade 34 annos propria para
todo o servigo ; na rua da Cadeia do Recife
loja de JoAo Joze de Carvalho Moraes.
s^"Na rua do crespo do lado do sul loja D. 6
de Bento Magallifies ha para vender ricos
corles de lanzinha para vestido de senhoras ,
d muito lindos padres chales adamasca-
dos de cores a i mi tagao de seda, guarnigs
de franja para camas e janelas Damascos de
lan para eolxas de cama e coeiros cassas e
cambraias lizas o mais superior que pode ser,
para vestidos de senhora e outras muitas fa-
zendas de bom gosto e modernas.
ESCRAVCS FGIDOS
tsy* Fugio nodia 25 de Agosto do corrente
anno os escravos seguintes : Luiz mulato
bem claro com ofliciode alfaiate e sapatei-
ro com urna orclha finada dentes perfei-
tos, falla branda e agradavel nariz afilado,
com bastante barba peloqueixo e bogo, al-
tura regular, com grossura correspondente ,
cabellos encolhidos erescidos cacastanha-
dos, tem as mos alguma couza caheludas.
Lucas, negro crelo, com falta de dentes
tanto da parte de cima como de baixo, tem
urna orelha furada com seu brinco, cra lus-
trosa bem alto e grosso com officio de car-
pina tem muito pouca barba nadigas im-
pinadas e sorra las pelo seuantigo Sr. que
CT No da 18 do corrente fugio o escravo
Joze Quarema de nago africana, de 48 an,
nos estatura e grossura ordinaria cor fula,
tem amiios os ps e mos foveirasou malhadas
de branco falla desembarassada : quem o
pegar leve a botica de Bartholomeo Francisco
de Souza na rua larga do Rozario quese-
ra recompensado.
tsr Do engjnho novo de Agnustias f co-
marca de Nazareth da matta fugio nodia 5
do corrente um escravo de nomo Cacimiro ,
de nago angola^, de 26 a 28 annos cor fu-
la bonita estatura corpoletito, bem barba-
do e deixa tambem crescer a barba por bai-
xo do queixo ao tizo tem um dente falto na
frante rosto largo pernas finas, ps gran-
des bastante ladino : quem o pegar leve a
rua Novaem linda caza da quina que vol-
ta para o convento da Conceigo, ou no mes-
mo engenho que ter 50, rs. de gralificago.
$w Roga-se aos Snrs. Delagados e Sob-De-
legados desta e mais comarcas Authoridades
i'olii'iaes, e pessoas particulalares, a apre-
henso dos escravos abaixo declarados Fran-
cisco nago rebollo cujo escravo foi do fal-
lecido Gervazio Pires Ferreira, apelida-se por
Francisco de. Veras ; por ter sido escravo tam-
bem de um tal Veras cujo escravo he oflicial
de pedreiro e trabalhou muito lempo as
obras publicas com os siguaes seguintes ,
baixo cabga sobre o grande olhus tambem
grandes e abugalhados-, e afumagados nariz
mais afiliado que chato boca regular bei-
gos grosssos peitos batidos idade em que
fugio de 22 a 25 annos fugio a 25 de Setem-
bro de 1839. Valentim nagao costa com os
siguaes seguintes, cor preta corpo secco,
cabega e orelhas pequeas, olhos grandese
afumacados e meios vesgos nariz mais
afiliado que chato boca abicudada dentes
acangulados, pescogo comprido peito ouvado
mos ps proporcionaes pernas finas ida-
de em que fugio do 16 a 17 annos leudo o
seu comego a 10 de Abril de 1837 quem o
aprehender mande-os ou leve-os a rua de S.
Gongalo a entregar a Manoel Elias de Mou-
ra que gratificar o primeiro com 0 reis ,
e o segundo com lOOjf reis
tar Do engenho Jundi comarca de Naza-
reth da malta fugio no dia 12 de Agosto da
corrente anno um negro de nome Rafael ,
crelo de 2o annos beigos grossos e vira-
dos principia a barbar rosto largo per-
nas finas, altura menos que regular bem
fallante enm tanto ronco, levou vestido camisa
e ceroulascompridas de algodo; quem o pegar
conduza ao mesmo engenho de Jundi que
ser bem recompensado.
tsr No da 24 do corrente fugio urna ne-
gra crela de nome Benedita alta magra,
as maraes do rosto altas, e nariz chato ,
olhos pequeos e com muita carne sobre elles,
dentes alvos bragos e mos compridas ps
grandes alguma couza fula por comer bar-
ro levou vestido saia de chita de cor, e
pao preto carniza de algodaozinho ; roga-
se aos Snrs ca pitaes de campo fago del i gen-
ca para a pegaren) e conduzi-la a rua da
Praia sobrado de um andar e soto a seu Sr,,
Francisco Martins de Lemcs ; que serao bem1
recompensados.
cy Um escravo de nago angola por no-
me Francisco foi escravo do Sr. Joze Bitan-
court, hera canoeiro de canoas de tijolo de
i 40 annos, tem olhos arregalados o rcaior si-
sendo o Padre Periquito Vigario de Pajau',
deste passou ao Sr. Tenente Coronel Leonar- nal que tem he ter um dedo do pe direito cor-
do Bezerra de Siqueira Cavalcanti que mo-
ro u na Pesqueira e deste snr. passou a Joa-
quim IguacioCorreia de Brilo morador nesta
praga e como este snr. o livesso vendido ao
abaixo assignado do que nao exitou em o com-
prar estes se posero cm fuga em poucos di-
as depois de sua venda e tendo roubadoen-
linitas conzas: quem os pegar leve-os a rua
de Agoas verdes D. 12 que ter 200.i rs. de
gralificago, sendo 100> porcada um.
Francisco Joze Duarte.
xsr Roga-se as authoridades policiaes e
capites de campo ou outra qualquer pes-
soa que souber ou tiver noticia de urna escra-
va de nome Izabel, de nago Baca com a
marca A. P. no brago direilo alta fula ,
com 2 a 5 den tes de menos na frente, peitos
pequeos bem parecida desapareceo a 10
de Agosto do corrente anno foi captiva de
Antonio Cordeiro Muniz Tavares ha notici-
as de ter sido seduzida para o serto do Li-
moeiro ou Brjo da Madre de Dos, contra
quem sn verificar se proceder com o rigor da
lei : quem a pegar leve na rua do Livramen-
lo D. 7 quesera recompensado.
tST Fugio o mulato Manoel, do snr. Fran-
cisco Joo tem ollieio de alfaiate, cor tre-
tinla cabellos trocidos urna orelha fura-
da estatura baixa : quem o pegar leve ao
forle do Brum que tora 2fb rs. de gratifica-
gao. -^
lado quem o pegar ou delle souber leve-o ao
Mundo Novo na caza do Sr. Eiras que ser
recompensado.
ss^" No dia 20 do corrente fugio a escra-
va Luiza de nago Mogambiquo de 24 an-
nos alta fulla nao magra levou vesti-
do branco e saia preta de lila com panno
da costa uzado e anda com um taboleiroen-
vernisado de encarnado, a titulo de andar ven-
dendo : quem a pegar leve a rua larga do
Bozario quina da luado Cabug no lercei-
ro andar que ser recompensado.
vsr Matheus do gento de benguela de
estatura um punco menos de regular cor fu-
la com algurr.as marcas de bixigas pelo ros-
to bons dentes reprezenta ler de 22 a 25
annos muito pouca barba pernas um tan-
to arquiadas ps e mos pequeas corpo
proporcionado de tnaneira que nem gordo
nem magro, com urna coroinha no alto da ca-
bega procedida de carregar pezos, falla muito
atrapalhada que parece novo ou bucal ; fugio
ou foi furtado nodia 24 do corrente das 9
para as 10 da noiteda rua da Praia aonde foi
levara Senhora em palanqun) indo vestido
com calca e carniza de algodaozinho velbase
sojas quem o pegar ou dellle souber dinja-se
a rua de Aurora sobrado de 3 andares D. 5 que
ser genvrozamenle gratificado.
BFXIFE NA TVP. DE M. F. DE F. =1842.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E6EFSRPH8_RETYF0 INGEST_TIME 2013-04-26T22:53:40Z PACKAGE AA00011611_08140
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES