Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08137


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Annode 1842.
i
Sexta Feira 25
Di
.
Tudo ajora depende- de n murooa ; di noasa prudencia moderarn, eenerga : ron
linuemim como prinripiair.na e seremoa apontadua con admiraejo enlre aa Narea mai
Cillas. (Froclamaeao da Awmbl.'a Oral do Iraiil.)
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
<; marina Paraiba e Kio grande du Muric aegandaa e sexlaa feiraa.
Bm.iio t Garanhuns Oe 24'
rabo Serinnaem Rio Pnrmoio Porto Cairo Macei e Alagoaa no. .
|tu:i-vUl e Florea 43 e 28. Santo Anli'io quintas feiraa. Oliuila todoa oa das.
DAS DA SEMANA.
49 Se;. Januario B. M. Aud. di J. de I), da 2. y.
21) l'eic. jejum a Eustaquio M Re. And. do 3. de D. da 4. r.
21 Quart HH Tmporas jejum a. Matlieus Ap. e EvanR.
22 Ouint. Mauricio M. Aud. do juii de 1) da 2. V.
21 Si-xt. Tmporas ji'jiim s. Lino P. M. And. do J. de D. da i' r.
2'i Sab. Temp. jejum N. S das Merec, Ral. Aud. do J. dt 1). da 3. .
25 Don. s. Firmino B. M.
Preamar do dia 23 de Sctembro.
4. a 7 hnraa e \2 m. da manha.
2. a S hnraa e 6 m. da arde
de Setembro. Anno XVIII. NT. fOK.
O DUo publica-ae todoa o. diaa qoe nao orem Sntneadoe : o prec da aaa.gaatara bt
de tre mil reia por quartel pac, adi.ntadoa. Oa aanunc.na do. aaatpa.ft, to meando.
Mil e na d.s que o n.io forem rar.io de 80 rei por linha Al rwlaaiaoo aere. a,r
d.nsidas aesi.Typ,.srafi. ru. das Crurea D. 3, a a praca da Ldependeacia loja da I ir roa
Numero 37 e 3S.
CAMBIOS no da 22 dk setemcro.
Cambio aobra Londrea 24 i a 25 Nominal.
Paria 3S5 reia p. franco.
J.iahnalOO por 100 nominal.
Moeda ile cobre 4 a por 4110 de deir-onlo.
dem di-letras de hual firmas 4 -I -1 -
Ooa.o-Mo.da da .400 V. *.,200
. N. l.i.OOJ
> da 4,000
l'a.n Palacea
a P.ioaColunaaraa
dito Mxicanoa
a miiila
compra venda.
4S.40O
n,oo s **e
4,im i.'ho
4,70 .'S
4,700 4,7*0
4,40 l.6W
La Nora
Quart. ereac.
Loa cbaia
Quart. in(t.
PHASF.S DA LA MJ MEZ UE SETEMBRO.
a 4 a 7 hnraa a 22 m. da lard.
4 1 h 4 horaa 42 n da lard,
a 19 4a 4 horas !i da lard.
a 27 a 0 he.ras a 47 m. da tard.
diar
DE PERNAMBUCO.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DIA 19 DO COR I! ENTE.
Oflicio Ao commandante das armas. sg-
nilicaniio em resposla ao seo oflicio de lT do
corrente que os capelles e cirurgifles ,
interinamente empregados nos corpos de li-
nhad'esta provincia no polem obter con-
firmado deseos lugares por serem provi-
sorios os batalhfcs em que servem ; e que
.sendo oppostos as ultimas ordena do governo
imperial os vencimentos que actualmente
se abono aos supraditos cirurgies deve
fazel-os cessar contraciando a continuado
'ios seos servicos atienta a necessidade, que
d'elles ha "mediante unja razoavel gra-
tificarlo.
Dito Ao inspector da thesouraria da fa-
zenda fazendo-lhedeclaracao iguala que
constitue a primeira parte do antecedente of-
licio ; e intelligenciando-o do conteudo na
segunda.
I)to Ao commandante das armas de-
terminando expeca suas ordens para que
pelo batalho que pertence o destacamen-
to de primeira linha villa do Rio-formoso.
soja entregue Virissimo Antonio de Mallos ,
procurador do respectivo delegado, a quan
lia de 4000 em indemnisacJo do que este
fcspendeo com a conducho do cadver da pra-
<;a do dito destacamento Odorio Pereira ,
que, segundo-p irtt-cipa o referido delegado
morrera em a noite do dia primeiro do corren-
te em consequencia d'uma queda que de-
ra de um p de coqueiro em a praia do Gamel-
la onde com mais 11 companheiros seos ha-
via ido por occasio do naufragio da galera
Iiudeza ss Midlesscx.
Dito Ao supramencionado delegado sci-
enlificando-o da expedieco da precedente or-
dem em resposta ao seo oflicio de 6 do corren-
te em que a requisitava.
Portara Ao commandante do vapor =
Guapiass ss ordenando, que faca entre-
srarordemdo commandante das armas os
50 recrutas rebeldes de S. Paulo, que con-
duzio da certe para esta provincia.
Ollicio Ao commandante das armas di-
aendlo que mande rece be r do commandan-
te do referido vapor, e em cumprimento do a-
viso da secretaria da guerra de 31 d'Agosto
'Ultimo, assentar praga aos recrutas, mencio-
nados na antecedente portara.
Dito Aojuiz dedireilo docivel do Ca-
bo remoliendo copia d'um olTicio do viga-
rio da Muriboca doqual consta que o pa-
dre Antonio Pedro de Souza se tem assenho-
readodosrendimontos das caixinhas dfisSe-
nhoras das Dores e do Roza rio e das almas ,
e os obstculos que encontrado lem na ar-
recadaQo do producto das fabricas de sua ma-
triz e meias fabricas das respectivas capel-
las filiaes afim de que proceda tal respeito
na conform idade da lei.
Dito Ao commandante das armas, orde-
nando que mande substituir por outro e
desligar do batalho destacado o guarda do
mesmo Antonio Barboza.
Dito Ao tmgenheiro em chefe signifi-
cando que nao podem ser approvadas as
condicGes por S. m. impostas aos proprie-
tarios Joze Antonio da Silva, e D Mara
Francisca Monteira para fornecerem arela
para os atierros da estrada de Parnameirim.
Ditos Do Secretario da provincia ao che-
fe de polica aos juiesde direito do crime,
b aos delegados remetiendo um impresso ,
que conten as pecas ollieiaes acerca da im-
portante noticia da paciicaco da provinc i
de Minas, para que iatodeem a maior puh-
cidade aquellos em suas comarcas .. e est.-s
tu s<'iis '-'irnos.
THESOURARIA DA FAZENDA.
EXPEDIENTE DO DA 5 DT SETEMBRO.
OllicioAo Exm. Presidente da Provin-
cia, pedindo se dignarse expedir as suas or-
dens ao director .do arsenal de guerra .para
satisfazer algumas duvidas postas nos docu-
mentos das dispesas militares, dos mezes
ile Janeiro e Fevereiro pela contadoria geral
de guerra.
Dito Ao commandante das armas da pro-
vincia com os prets do destacamento da Muri-
beca para dignar-se de mandar reformar
porjiSo estarem conformes.
Dito Ao inspector da alfandega, remet-
iendo por copia para sua intelligonciae ex-
ciiQo a ordem do tribunal do lhesou.ro publi-
co nacional de o de Agosto prximo passado ,
a qual em consequencia de ter-se 'rarificado
a hypothesedo artigo 2o*i do regula.ment de
22 de Junho de 1836 ordena, que se aug-
menten, os precos da pauta actual com mais
cinco por cento., a que dos procos as.sim aug-
mentados se cobrem os respectivos direilos.
Dito Ao mesmo idem para ter o devi-
do cumprimento outra ordem da mesma
data providenciando sobre a dfiCfirga p
despacho da carne secca sebo, o desembar-
que de volumes no ancoradouro de franqua.
Dito Ao mesmo idem idem outra da
mesma data com sois expropiares do decre-
to de 22 de Julho sob numero 205 alterando
as disposQoes do 6. do art'go 145 to re-
clmenlo de 22 de Junho de 1836, e copia
do aviso expedido aa ministerio tos negocios
eslrangeiros sobre as doclaracos que mais
devem fazer os meslres das embaroacO''.s para
aoompanharem os respectivos manifestos.
Dito Ao administrador da mesa do con
sulado idem outra da mesma data man-
dando que toda e qualquer emharcaeo cos-
teira que vier do porto do imperio e de-
pois de estar alguns dias ancorada comocar
a receber carga para porto fora do imperio ,
pague os dias de ancoragom que tenha ven-
cido corno cosleira e os mais que principiar
,i vencer desdo o dia em que iomecar a rece-
ber carga para fora do imperio ate cincoenta
dias.
DEM DO DIA 5.
OflicioAo Exm. Presidente da provin-
cia informando o requormento de J. Lins
salgado de Albuquerque Maranho em que
pedio o lugar de conferente da meza do con-
sulado.
Dito Ao mesmo Exm. Sor. com a re-
presentado do commissano fiscal do ministe-
rio da guerra relativa aos vencimentos do
cirurgio de partido M. Bernardino Montei-
ro e d'outros que se acho em iguaes cir-
cunstancias.
Dito Ao commandante das armas da pro-
vincia com os prets do destacamento de Igua-
rass para dignar-se de maridar reformar
por nao estarem conformes.
Dito Ao Snr. Silvestre Antonio de Laage
Jnior, para mandar fazer os concertos na ra-
vallariga nacional de Olinda de que por ar-
rendamento est do posse.
Portara Ao contador da thesouraria pa-
ra mandar fazer os necessarios assentos da
quantia de 7lj800 reis que se devem ao ca-
bo de cavallara reformado C. Joze dos An-
jos afim de ser pago quando se derem os
fundos competentes.
IDEM DO DIA (5.
Oflicio Ao Exm. Presidente da provin-
cia informando o requeran nto de F. da
Cosa Ros em que pedio ser prvido em
um dos lugares vagos de guarda da alfan-
dega.,
ptoAo mesmo Exm. Snr; dizendo,
que por sor provincial o lugar de fiel ta Ba-
tanea ta nspeceo do algocao que S. Bar-
roso de Carvalho, pedio, nenruim esclafo-
cimento podia dar sobre a sua prelenco.
DitoAo escrivo da chancellara para
informar com a brevi lade possivel, com o
que Iho occorresse soltre as con tas to ex-re-
cebador 1disima da chancellara L. Fran-
cisco Barbalho como requisitava o procu-
rador fiscal da fazenda ; e bem assim sobre o
roquerimsnto do mesmo ex-recebedor que
as ac m pan ha va.
IDEM DO DA 9.
Dito Ao procurador fiscal da thesoura
ria enviando com o mandado do soquestro ,
que acoro pan hou o seo ollicio do i do corren-
te, a informago dada polo administrador da
recebedora das rondas geraes internas.
IDEM 1)0 DIA 10.
Oflicio Ao Exm. Presidente ta provin
ca informando sobre os vencimenlos que
s devem ao ex-soldado de artfices A. Joze
tos Santos.
DitoAo mesmo Exm. Sur. dem so-
bre o adiantamonto de dousannos d monto a tres cadetes do balalho provisorio
Je caladores de primeira linha.
dem do da 11.
Ollicio Ao contador da thesouraria, par-
ticipando a liconca do quatro mezes concedi-
da ao bacharel Joaquim N. Machado juiz
tle diroito da primeira varado crime, com
os soiis respectivos vencimentos para tratar
de sua saude.
DEM DO DIA 12.
Oflicio Ao Exm. Snr Visconde de A-
brantes presidente to tribunal do thesouro
publico nacional envan lo com os ImIuiious
da receita e despesa geral desta provincia ,
do mez de Agosto ultimo do exercicio lindo ,
e do eorrente os das rendas com applicaco
especial.
Dito Ao Exm. PresiJente da provincia,
informando o requenmenlo de VJw, capi-
to da galera Dinamarqueza = Harpyo = ,
ern que pertende ser aliviado da mulla dos o
por cento que no despacho do carvo de po-
dra se Ihe exig6 pola alfandega por falta de
manifest.
|jto Ao mesmo Exm. Snr. idem os
deJ. da Cruz Lima e J. da Costa Bastos ,
em que pedio o lugar de continuo da alfan-
dega.
Dito Ao inspector da thesouraria da fa-
zenda da provincia do Para participando -
car certo de ter sido applicada as despesas ge-
nios d'aquella provincia, a quantia de reis
4:522*804 do rendimenlo de um por cento
de armazenagem addicional por ella arreca-
dado em o segundo semestre do exercicio Pin-
d afim de proceder-se na forma da ordem
do tribunal do thesouro publico nacional de
29 de Oulubro de 1839.
Dito Ao director interino do curso jur-
dico de Olinda para servir-se de dar o seo
parecer a respeito da duvida posta pelo the-
soureiro dos ordenados ao pagamento do ho-
norario do bacharel formado M. Ferreira da
Silva professor de geografa e historia do
dito curso.
Dito Ao inspector do arsenal de mari-
nha para remetter a thesouraria os balan-
cetes dos mezes de Maioa Agosto afim de
se fazer a devida clasificacfio.
IDEM DO DIA 14.
Oflicio Ao Exm. Presidente da provin-
cia informando os requermentos do capitao
J. Saraiva do Araujo, e do alferesF. J.
Goedes Alcanforado.
Portara Ao administrador da recebedo-
ra tas rendas gomes internas para licar na
intelligoncia de que na conformidade do 4.
da tabella annexa a lei numero 215 de 30 de
Novciihrodc I Si 1 sodeve cobrar desde
que esta leve exercicio os cinco por corito
de direito dos vencimentos rjoS empwgoa
gO|f
IDEM DO DIA 15.
Officio AoExm. Presidente d provin-
cia informando o requerimento do cirurgio
J. Soares de Souza.
Dito Ao mesmo Exm. Snr., com a
con la das despesas feitas com recrutas pelo
delegado da polica da comarca do Brejo. qut
devia ser primeramente enviado a S. Ex.
Dito Ao contador da thesouraria, so-
bre oassentamentodo meio sold, que se
havia mandado abrir a F. de Jess Mara.
IDEM do da i 6.
Olficio Ao Exm. Presidente da provin-
cia com a representado que dirigi o com-
missario fiscal do ministerio da guerra M
qual expende os embaracos que occorrem
para no poder continuar a receber como pro-
curador do lente coronel do Para Joo Va
Cama Lobo d'Anvers, a quantia mental de
30,y res que por aviso imperial se man-
dou abonar a seo filho do mesmo nome pa-
ra estudar nesta Provincia.
dem do da 17.
Oflicio Ao commandante das armes da
provincia reenviando os papis de contabili-
dad.' do destacamento de guardas naciooaes
da Muribeca alim de expedir suas ordens
para serem dissolvidas as duvidas que offe-
receo ocommissario fiscal do ministerio da
guerra.
fcXTKI.IOK.
INGLATERRA.
Tratado de Commercio com o Rrszii.
AO EDITOR DO ALBI0N.
Senhor. Tendo apparecido alguma de-
sintelligenca ou antes falsa informaco em
difiranles gazetas modernas a respeitdas
ntences do Qoverno Brazileiro reformar a
sua Pauta das fandegas eoomo os nossos
negociantes e manufactores sao profunda-
mente interessados em que se estabelec> o
preciso estado da questo ser um acto de
benevolencia e de favor retifica-los e ao pu-
blico sobre este importante assumpto. Com
este proposito tenho examinado os trabadlos
do Parlamento Brazileiro durante a sur ulti-
ma sesso e o resultado de tal investigarlo
o seguinte.
Parece que a opiniSo decidida do Ministro
da Fazenda com a qual se conformarlo as C-
maras, era que o tratado feito com este pait
em 1827 por quinze anuos havia de oxpirar
em Novembro p. f. equeentao o Brazil nio
ficava mais adslricto a impor smente quinze
por cento de direitos sobre os productose
manufacturas Inglezas; e por conseguinte
( propz-se e approvou-se urna alteradlo upS
direitos sobre os diflerentes gneros, a come
Car da expirado Jo tratado existente, sem
com tudo se especificar data alguma particu-
lar licando subentendido que se deixtva ao
arbitrio do Governo Brazileiro qualquer deci-
so a esse respeito.
Por tanto parece que o Governo Brazi-
leiro nao obstante a dissolucao da Cmara
transacta est armado de plenos poderes
para por em execuo a nova Pauta quan-
do quer que julgue nullo e vio o tratado.
Depois da reforma que fizemos na nossa Pau-
ta nao podemos negar ao Brazil o direito .
ou o poder de reformar a sua. Na verdad* ,
elle tem maior necessidade de o fazer do que
mis. Na fall de quaesquer outros meias pa-
ra augmentar as suas rendas e fazer fa as
suas despezas a imposico d'uma taxa sobre
i ronda paiticular all seria o signal para urna
errla do Governo que a propozesse.
Quaes sero as alteraces da Pauta Bflzilei-
i a um segredo e isto com lodo o treiio.
Sem duvida far-se-ha sulBciente avizo aos
importadores para seu futuro governo sem
o, ciisionar aquella estagna^aq que certamen*


5

11
le preduzira urna revelaco prematura on
parcial.
At. que s decida a questo relativa cx-
piraco do actual tratado os nossos negoci-
antes e manufactures devem de ficar n'um
Atado de inquieta suspenso e de prejudicial
inaeco. Mni poneos pontos poder haver
a negociagod'um novo tratado corcmercial
queexijo grande discussao pois que quasi
todo o vexame da parte do Brazil e a nica
anxiedade da parte da Inglaterra refere-sn
a suppresso do trafico da escravatura ; pa-
ra cujo elteito ha outro tratado existente entre
os dous soberanos com o qual nao tem con-
nexo algunia o que agora est para expirar ,
o qual continuar a ter plena forca e vi-
Yflr quer se renov quer nao o tratado com-
mcrcial v.
Conseguintemente pouca ou nenliuma
demora deve de haver na concluso d"outro
tratado ; pois que o ponto de controversia re-
lativo admissao dosassueares e aguasarden-
tesde Brazil para consummo interno depen-
der dos regulamentos fiscaes que a Inglater-
ra julgar necessario ou conveniente adoptar a
esse respeito ; ou com o intuito de dar pre-
ferencia a iguaes productos das nossas col-,
nas ou com a mira de induzir o Brazil a
adoptar medidas mais fortes para a extingan
do trafico da escravatura. O Brazil nao podo
objectar a esses regulamentos iscaes pois
que elle funda a sua razo de dezejar a expi-
rarlo do tratado existente na inlervengao da
Inglaterra n'elle estabelecida sobre a sua
independencia ou prerogativa fiscal.
O Brazil nao um paiz cultor de trigo ; por
tanto a nossa lei prohibitiva d'esse genero
nao tem infidencia alguma sobre o commer-
cio entre os dous paies ; visto que nao tendo
nos do receber trigo do Brazil nao ha embara-
ce algum para que elle receba as nossas ma-
nufacturas : mas se recebessemos os seus
assucares, sem duvida receberia elle mais
fazendas nossas d'algodo la linho feria
"ens laucas &.c. ; e demais se tivesse-
nos um commercio franco de trigo e farinha ,
receberia elle d'este pai?. maior quantidade
d'ella do que ora recebe da America ou d'ou-
tros paizes.
Nasactuacs crcunstancas como o dira
Mr. Pitt quando os nossos districtos ma-
nufacturemos lutao com tamanha penuria que
corta o corago e os nossos lavradores mal
pdera ganhar quantobasle para salisfazer as
precisoes da natureza lorna-se summamen-
te conveniente seno absolutamente ne-
cessario da nossa parte obrarmos do modo o
mais franco sincero e amigavel para com
um paiz que um dos nossos melhores fre-
guezes de benvolas disposiges para com-
nosco oque nao requer sacrificios pecunia-
rios nem dispendios onerosos para conservar-
se umaallianca com elle ; mas smente exi-
ge aquella reciprocidade e generosidade a que
como potencia amiga ealliada tem perfeito ,
pleno e rigoroso direito.
0 Brazil j nao se acha n'um estado d'in-
fancia ( como quig o vimos a principio) que
baja mister criago. E" cli "gada a sua ma-
luridade ; est completamente independente ,
livre e florecen te; dota-Jo de immensos recur-
sos naturaes que s deraandao o auxilio de
mos expertas e industriosas para se desen-
volveren) ; e ento nao pode elle deixar de
mostrar-se com eminente direito ao maisdis-
lincto lugar entre as nages civilisadas cul-
tas e Ilustradas. C. R.
P. S. A Secretaria do Interior tem de-
clarado a sua intenco de fazer guerra aos
groas e outras aves domesticas. E' de espe-
rar que antes da Secretaria dos Estrangeiros
comecar hostilidades contra as gallinbolas e
outros passarosde arribaco se queira ap-
plicar no adiamento do Parlamento a dar
solugao s nossas questes com o Brazil para
que os nossos commereiantes e manufactures
.saibao que jogo nao de fazer e se persuado
que o Coverno nao est brincando com elles
o fazendo (folies jogo.
( Tradnzido. )
INTERIOR.
TO RIVERA.
riac-
Com tanta furga lavra por ahi a conviego ,
que compartilhamos que a rebelliio do Bio
tirando do Su! est terminada apenas alliappa-
rega um general que.ssim o queira por por
obra ,' que nao fura raso tardar agora em
robustecer o que a respeito anda escripto. A
partir (Teste ponto vamos snbjeitar aos juisos
.OS <':
(Oes'que
merecer
i.-.
!,!f; :e >::
l.. I.
;;!_:i.is cousidera-
hlicas se oceupo. Sempre havems de dizer
que ardemos na impaciencia de ver para !
marchando o general quem h de caber essa
gloria porqne para operar em novembro
mister dispr e preparar o exercito e inda
que nos dgito que o que aii est bem pode
isso fazer tornaremos em resposta o que nos
parece muito natural, que ao gosto e apra-
znenio d'aquelleque ha de mandar em chele
e que devem estar as cousas dispostas e nao
desrasoavel suppor que baja encontr no
modo camo um ou outro cuide mais adopta-
do ; pelo que mais seguro fura dar ao gene
ral em chefe esse alvitre, e maiormente si fr,
como geralmente se ere. o Sr. barode Ca-
xias quem seria fazer violencia o nao dar-
Ihe espago para conhecer e avahar os olficiaes
superiores e generaes de quem ha de confiar
ocommando de brigadas divisoes etc., por-
que em fim ajuisado ser nao equivocar ja-
mis os rebeldes do Sul com os do S. Paulo c
Minas. Nascido n'aquella provincia temos
talvez demasiado ompenho cm que nao v
perdido mais este vero, porque isso equiva-
le a ruina de mais alguns centenares de fami-
lias. Este receio sem duvida infundado ,
nos transviou do objecto em que ora vamos
entrar. No systema de guerrear que os re-
beldes tem adoptado cousa va e estlida seria
o esperar que o nosso exercilo anda repar-
tido em divisoes, alcangasse batel-os: por on-
de mais de presumir que sejo levados de
vencida at trauspor as raias do imperio, lsto
lieilo se poder dizer que est o Rio Grande
pacificado ? Nao seremos nos quem tal di-
ga nem presuma. Derramados por urna ex-
tensao de mais de duzentas leguas elles re-
passar furto a linlia para accommetter al-
gum destacamento alguma forga policial, e,
(piando mais nao seja algum cidado pac-
fico de modo que aos moradores da c< mpa-
nha ha de fallecer segurauga e ao commer-
cio amplido e desenvolvmento afora o con-
tinuo rebate e acaso risco a que fico expos-
tos nossos soldados. Nao faltar quem nosi
diga que estamos alcvanlando castellos em
llespanha e nos de1 grandes esperangas de j
que Fructuoso Rivera instado pela diploma-
ca imperial e mais anda pela aproximagoi
de nosso exercito s fronteiras ha de desar-
mar os rebeldes. Cabega que inda hoje se
franquee tal spposigo deve ser de tarro,
e si fosse de hornero poltico certo esse a nao
leria sa.
Eructo apezar de matreiro tem andado
to pouco sabido e to despejadamente tem
quebrantado seus deveres que por mais que
se hoje queira disf rgar j nao ha acredi-
Ul-o. Sem fazer aqui mengo dos soccorros
de armamento e pelrechos de guerra por elle
enviados aos rebeldes sem referir os vexa-
mes e perseguicoes exercitadas contra os Bra-
sileros porque de ludo ha de tero governo
de S. M. conhecimento c por outra parte a
imprensa da corte onde sobreieva o mais
lustrado patriotismo, tem-o estigmatisado!
com aquella forga que em peitos brasileiros,
faz o sentimento da dignidade nacional ultra- i
jada smente delataremos ao publico suas
ambiciosas bem que ridiculas prelenges.Com
a arrogancia e descaro que o caracteriso ,
frequen temen le recorda Eructo aos seus se-
quazes ( muilas vez.es prezenles Brasileiros)
que a verdadeira linho divisoria com o imperio
a que estabeleceo o tralado de 1777, que ca-
ducou ainda em tempos que ambos os paizes
ero colonias um de Portugal outro da Hes-
panha.
Pode haver por aqu quem nos lo negu :
mas nao ha Brasileiro no Estado Oriental que
nao lenha ouvido tranzdo de indignago ,
esta dea Fructo ou aos seus. E foi j ta -
manha sua impudencia que em conversago
particular com o Sr. Pedro Chaves ( que
servia ali de encarregado de negocios ) teve o
descomedimento de dizer que o Brasil Itie ha-
via de ceder fas ou nefas o territorio de
Misscs porque aos seus pertencia ; ao que
o digno Brasileiro j de si assomado con-
testn com muito justa o nobre ira. Nem tem
lieado smente em tengo a tendencia usurpa-
dora da repblica Oriental : de feito nos ho
uzurpado toda a extenso de terreno compre-
hendido entre os rios Quaraym e Arapehy,
tributarios ambos do Uruguay ; terreno que
ao Brasil pertence pela convengo de 1819 ,
nica vigente sobre demarcago de limites ,
em quanto se nao realisar o tratado definitivo
de que trata a convengo preliminar de 27 de
agosto de 1828, o que ludo achara judiciosa e
bem claramente demonstrado quem quizer
consultar osAnnaesda provincia de S. Pedro
pelo Ilustre literato brasileiro o Exm. Sr.
visconde de fj. Leopoldo.
Nao obstante estatuir a citada convengo de
1810 a divisoria por aquella parle, pelo ga-
. em nosso humilde conceito podem
um Relance aos que das cousa pu-; Iho principal do Vrapeby at desaguar no l
ruguay um pouco abaixo da povoag'd de Re- (
lem Fructo cm sua primeira presidencia
com eco u a mandar partidas at oQuaraym ,
e o fallecido marechal Brrelo ento com -
mandante das armas posto que d'isso ad-
vertido tdlero-se por condescendencia ,
dando aviso aogjverno qile entrn: em recla-
magoes ento Iludidas, e depois amortecidas;
tolerancia foi esta que para logo se converteu
em direito de que ainda est de posse a-
quella repblica com grande detrimento dos
subditos brasileiros, e maior brecha na dig-
nidade e pundonor nacional. Andamos or-
denando estes fados que escrevemos com mui-
to grande amargura para mais seguramente
concluir que o homem que apascenta e faz
garbo de intenees to infensas ao Brasil, nao
ha de ser por certo quem veja com resigna-
go, e menos concorra para o restabelecimen-
to da ordem na provincia do Rio Grande do
Sul. Grandemente versado no manejo das
perfidias ecom impudor sem igual bem po-
de ser que com falsas aparencias busque Ma-
quear a boa fdos agentes do Brasil em quan-
to acorogoando os rebeldes emigrados ten-
ia semear elle mesmo a intriga entre os che-
fes do nosso exercilo que elle insigne
n'esse ramo e bem pude ter patente de mes-
tranga. Digo os Ilustres e desgragados res-
tos do exercito do general Lavalle ; e digo
tambem os bravos vencedores de Caaguas ,
que depois da victoria foro rotos c dispersos
sem combater.
A' estas ponderages de naturesa graves ,
se ha de ajuntar outra, que igualmente avul-
ta. Os rebeldes conto em suas filas cerca de
mil escravos : na hypothese de emigrarem
lambem o governo do Brasil est na obrga-
go e tem ndisputavel jus de reclamal-os co-
mo propriedades que o sSo de seus sub-
ditos. Fructo porem que anecia por fazel-
os seus soldados de modo algum ha de sa-
lisfazer as reclamages : erescem pois e sea-
pinho os embaragos de sorte que difficilmen-
te terao um remate favoravel ao Brasil si o
seu governo carecer de firmeza e energa.
Necessario nao portanto ter meditado Ion-
gamente sobre a repblica do Uruguay nem
haver como ns a propria cusa aprendi-
do a conhecer Fructo e seu paiz para prever
com ares de certesa que a desastrosa lula do
Sul nao ha de terminar dentro dos limites do
imperio.
Spposigo to amplamenle justificada nos
impelle mo grado a propria insufliciencia ,
a levantar a voz para advertir o governo de S.
M. que se nao illuda a respeito dos negocios
do Sul: que o tempo precioso e mister a-
proveilal-o para estar o exercito as frontei-
ras antes que Oribe passe o Uruguay por
que ento tomaremos nsa vantajosa posigo,
que elles podem oceupar se conseguem dse-
maranhar-se antes de pacificado o Bio Gran-
de; e por ultimo, bem que sejamos ns quem
primeiro reconhecc a flaqueza e impotencia
da repblica do Pruguay j nao para levar
suas ridiculas pretengi-'s ao cabo mas ainda
mesmo para poder sustentar-se a si, sempre
havemos de dizer o que sobejas experien-
cias tem provado, que o fraco por o des-
piezar o forte chega a fazer-se forte e supe-
ral-o. Aqui se abre a porta consideragoes
de mais de um genero, sendo a principal que
no.Rio Grande onde tao longos infortunios
tem j quebrado os nimos mais fortes se
ho de pr os meios de atrahir nao de es-
curragar a povoago compromeltida afim de
evitar por este modo que com aquelles mea-
mos: que devio ser nossos soldados v en-
grossando o numero de iuimigos estranhos.
Muito se deve esperar das paixoes nacionaes
dos filhos do Rio Grande : nasce com elles ,
e com elles se cria um rancor profundo por a-
quelles visinhos que em continuas guerras
Mies tem fello daino e que no remanso da
paz ostento insolencia brutal; assim que so-
mente levados a urna extremidade desespera-
da elles se subjeitaro a servir Fructo e a-
inda bao de ser smenle aquelles que liverem
perdido todo o sentimento de dignidade pro-
pria de honra e de vergonha. Erna politi-
a previdente pode pois poupar e naocompel-
Iir esses desgragados to degradante Immi-
liagao.
Em igual caso nao csto os negros que. nao
alimentando a mesma reluctancia e antipathia
nacional sem custo sero attrahidos pelos
engdos de Fructo tanto mais fcilmente
quanto se arreceio de tornar casa de seus
senhores. Entretanto seria muito conveni-
ente estorvar que fossem ser soldados de nos-
sos inquietos visinhos e para esse lim nao
seria sem fructo tentar os seus commandan-
tes em quem refervem os senlimentos de
malquerenca a elles. isto porm w hVfa de
ensaiar antes de emigrarem porque urna vez
emigrados, Fructo ter o bou cuidado de
encartar-Ibes olficiaes seus para assim melhor
assegnral-os.
la do huter quem nos lache de pouco ad-
vertido, porque las circunstancias actnaes 0
Brasil aventamos queslo Je guerra mas di-
remos que justamente porque a nao quere-
mos que aponamos meios que em nosso
entender ho do tornal-a realmente imprati-
catef< Tomemos as avenidas ao nosso inimi-
go, e vel-o-hemos mais humilde que um cor-
deiro. Si porm nos descuidamos podem
chegar as cousas a ponto tal que a dignidade
do throno aconselhe imperiosamente romper
por lodas as consideragoes. Ha sem duvida
alouteza no aventurar nossas fracas ideas, co-
lindas na lico de bem dolorosa experiencia .
mas quem tiver seu animo desassombrado ha
de relevar nol-a em favor da puresa de nossas
intenees.
S. R.
( Diario do Rio de Janeiro.)
NOTICIAS SCIENTIFICAS.
PERIDICOS EM I.ATIM.
De todos os paizes em que a lingua latina
se cultiva pode dizer-sc que a Hungra a-
quelle em que ella sempre esteve mais em
honra. O latn) t.d como os Romai.os an-
tigamenleo fallaro nao hoje fallado per
povoalgum; porq'a especiedesarrabulho alali-
nado que se falla n'uma parle do can to dos!
Grises o a que do o nome de lingua ro-
mana est j de lal maneira barbarisado
que nao possivel que fosse esta a linj-ua-
gem do povo re. Em Hungra porm a
lingua que todo o mundo aprende mesmo
as escolas primarias he o latim e o bom
lalm ; de maneir.i que se se disssr que
a grande parte da populago hngara in-
eluindo as mulheres, falla latim nao se
dir na.la de mais* Nao ha cousa mais or-
dinaria nos regimentos hngaros que fazem
a guarnigo do reino lombardo-veneziano
do que encontrar companhias inteiras em
que os soldados que nao fallo latim passo
por excepg>s ( ). Isto nao obstante a-
inda em parte nenliuma ( nem mesmo em
Boma onde a boa poltica o exiga ) tnho
apparecido peridicos em latim natural-
mente por se pensar que nao tero leitores.
pois urna grande novidade scientifica a no-
ticia communicada por urna folha franceza
da fundago de um peridico escripto na
bella lingua de Cicero. Esta innovago a-
caba de ter lugar na Hungra e na cidade
de Pesth queo centro da litteralura do
reino e urna das cidades mais scientficas
Ja Europa. A nova folha chama-se Sion,
e o primeiro, numero tem duas epgraphes,
urna em hebraico e outra em grego.
( J. do C. )
A PEDIDO.
Pede-se-nos a publicarlo das segunles
Garlas.
III."8 Snr. M. do N. Bodrigues Barreto.
Bio de Janeiro 10 de Margo de 18-42.
Depois de haver-lhe escripto dando conta
da commissao que V. S." me havia encarre-
gado, reeebi a incluza do Oficial Mor deS.M.
O Imperador, pela qual conhecer V. S.-1 Iia-
vr-se com efleito realizado a entiega dos
objectos por V. S. enviados os quaes foro
acceitus por S. M. pelo modo na citada carta
exarado.
Fico sempre a sua dsposigo e son
Att. Vr.'eCr."
Antonio Joaquim do Cotilo
(*) E.n Dollanda ha tambem urna cidade
em que as expresses latinas sao muito fami-
liares ainda entre o povo. E' a cidade de
Leyden sede da universidade lugduno-bata-
vense donde Sahiro os Musschenbroeks, os
(>ampers os Ruyscbs, os Boerhaavese mul-
los outros homens immortaes. Nao ha cousa
mais ordinaria, quando se falla em Leyden
com urna pessoa do povo do que ouvir-lhe
dizer a cada momento salvni salvni "
quando na conversa occorre fallar-se de al-
gum objecto menos decente como um por-
co um burro etc. Esta expresso salvni
a corrupgo das duas palavras latinas salva
venia, que em portuguez crrante querem
dizer : com perdo de Vm.
Qualquer easa de pasto em Leyden em
lugar de ser annuneiada ao publico por al-
guma legenda fia ligQa do paiz. diz o le-
Ik 110 da tboleta : Uynius refectionis. Se
em algum edificio ha quartos pira alugar ,
faz-se saber isso a quem p.issa do mesmo
modo que entre nos, por um cartaz aflW*
na jiorta ; mas, em lugar de se dizer em hol-
landez correnle: Gestofer de K'ammer le
hiitir, escreve-se em latim : Cubicula locanda.


5
IIIm.eExra. Snr. = Tivea honra do le-
var Augusta Prczenca a carta que a V. Ex.
dirigi Manocl do Nascimento Rodrigues Bar-
rulo rom os objectos contidos n'ella o na
caixa feixada, e S. M. 1. Dignou-so Acei-
t ir com a Renignidade que Iho he propria
os votos d'adheso e respeito que o dito Bar-
jeto Ihe dirigi symbolisados em os sobredi-
tos objectos de industria Nacional.
Devolvendo a Carla a V. Ex. reitero os
protestos de estima respeito e considerado
.corr. queme preso ser.
De V. Ex..
Illm. e Exm. Snr. Antonio Joaquim do
Couto. Am. Obr." e Cr atleeituoso. Paco
;>8de Abril de 1 8 4 2.
Paulo Barlioza.
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
Rendimento dodia22de Setcmb. 5:3i,70i
DESCARREGAO HOJE 23 DE SETF.MBRO.
Barca Ingleza = Columbus = Farinha, fer-
ro e carvo.
Brigue Francez= Bey = Vinho e amen
doas,-
Polaca Sarda = Samarivo = Papel co-
minhos e ervadoce.
IMl'ORTACAO.
A Polaca sarda Somma iva vinda de
Genova entrada no crrente mez consig
nada a Mendes & Oliveira
Man i festn o seguinte.
254 bailas com papel, 21 caixas dito 210
bailas dito d'embruiho, 3 caixas com mann,
'6000 ladrilhos de marmore 150 caixas com
vinho, 16 sacas com cominhos, 12Jitascom
erva doce, 14 barricas com amendoas 6 di-
tas com alpista, 28 pipas com vinho, 8 meias
ditas dito 635 caixas com massas 2 bar-
ricas com agoard^nte, 15 ditas com azeile
doce, 1 porgo de resteas d'aMos a Mendes
& Oliveira. /
O brigue francez Le Bey vindo de Cet-
te, entrado no corrente mez consignado a
L. Bruguiere
Manifestou o seguinte.
180 pipas com vinho 56 meias ditas dito,
71 barris dito, 30 quartolas dito, t ditas
com vinagre 1 dita agoardente 20 barris
dita 30 caixas dita 484 ditas vinho 20
litas ahsinto 32 ditas licores 5 fardos com
amendoas 200 caixas com massas .*9 di-
las conservas 37 ditas passas 4 ditas a-
goa de flor 50 pedras de amolar 7 barri-
cas com amendoas 1 barril com crmor de
trtaro 300 cestos com azeite 50 barri-
cas com dito duas caixas com maon, 2000
1>ilogramas de louca \ caixas com enxofar,
4 ditas com cartas de jogar 7 fardos com
papel, 2bahuscom perfumaras, 7> caixas
com fazendas 37 ditas com frutas 1 dita
com legumes 30 arrobas de batatas ; L.
Bruguiere.
A barca ingleza -- Columbus vinda de
Liverpool entrada no corrente mez con-
signada a Me. Calmont & C.
Manifesfou o seguinte.
7 rolos de chumbo ; Ordem.
li caixas com fazendas d'algodo 21 far-
dos com ditas de dito 6 ditos de dita de li-
nho IjOO caixas com sabo 13 taixasde
Ierro 1 canos do dito ; Johnstou Pater
c\ C.
1 pessa de ferro 1 caixa com selins j
fardo com fasendas d'algodo ; G. Kenwor-
thy & C.
50 toneladas de carvo de pedra, 1560 bar-
ricas com farinha de trigo 1 barrica com
xas com dita 2 ditas de linho : Jones Pa-
tn iS: C.
8 caixas com fasendas de algodao ; Rov-
le & C. 3
120 queijos, 56 presuntos, 150 gigos com
batatas; ao CapitSo.
2 barrilinhos com lingoas ; Royle & C.
1 embrulho ignora-se- Willars-
HOVI MENT DO POBTO.
Capito
a varios
Di. P
NAVIOS SIIIADOS NO DA 20.
Cear ; Brigue Rrasilciro Empresa
Francisco Ferreira Borges ca
gneros : passaseiros brasileiros
d ro Pe re ira da Silva Guimares e sua f,i-
milia Augusto Goelho de Amorim e um
escravo o portuguez Francisco Soares
Barboza e o Hamburguez Ro/cmond.
Rio de Janeiro ; Brigue Brasileiro Fama
Cap. Emidio Henrique Mafia carga va-
rios gneros.
New York ; Brigue loglez Syren Cap. Be-
jamim, em lastro:
Calcult ; Patacho Hamburguez Paradies.
Cap. P. Sybrantz carga a mesma trouxe.
dem noniA 21.
Marnho e Cear ; Cter de Guerra Brasi-
leiro Esperanza de B"beribe Comman-
danteol. Tenerite Joo Manoel de Mora-
res Val|p.
Goianna ; Hiate Brasileiro Coneeico do Pi-
lar Cap. Joao da Costa Falco. carga va-
rios gneros ; passageiros Brasileiros Ben
to Joze da Silva e Theodora Joaquina da
Silva Braga.
EDI TAI..
= Pela administrado da meza do consu-
lado se faz saber que no dia 26 do corren-
te mez se ho de arrematar porta da mesma
administrarlo duas caixas de assucar mu-
de branco, eoutra de mascavado, aprehen-
didas pelos respectivos em pregados dos trapi-
xesdo pelloirinho, c Angelo por inexatido
das taras ; sendo a arremataco livre de des-
pezas ao arrematante. Meza do Consulado de
Pernambuco22desetenibro de 1842. Miguel
Arcanjo Monteiro de Andrade.
DECLARACES.
drogas, 1 caixa ccmdita 1 pessa de cabo ,
32 toneladas de ferro em barra c arcos ;
Me. Calmont C.
6 barricas com louca 2 dita com dita 2
ditas com drogas ; Veitok & C.
100 barris com manteiga -. James Cocks-
hott i C.
.' fardos com lona James Crabtree &
Compauhia.
1 caixa com fazendas de algodao ; Alex
Me. Kay & C.
8 fardo com fasendas de algodao ; R.
Lasserre & C.
50 barris com manteiga ; N. O. Bieber
&c.
1 caixa com obras de prata ; Fox Slo-
dart.
i embrulho com papis para escriplorio ,
12 caixas com fasendas 'aigodo ; Deane
Yonde & C.
2 fardos com fasendas do algodao, 8cai
= Pela suh delegatura de polica da fre-
guezia de Santo Antonio se faz publico que
no lugar do carino velho apareeeo boje (22)
pelas 6 horas da manh urna gaveta com al-
guns papis carreleis de sengueiro com re-
troz e urna nota de mil reis. Recife 22 de
setembro de 1842.
= D'ordem do Snr. inspector se faz publi-
co que no dia 26 do corrente pelas 11 horas
da manh se contractar o fornecimento ,
pelo tempo ue trez mezes a lindar no ultimo
de dezembro prximo, dos seguintes objectos,
para o arsenal e navios da armada : feijo tou-
cinho, arroz vinagre e bacalho.
As pessoas a quem convier contraelar o for-
necimento de cada um dVstcs objeclos sao
convidadas a apresentar as suas propostas al'
o referido dia o hora declarando n'ellas o
menor preco. Secretaria da inspeccaouo ar-
senal de marinha de Pernambuco em 20 de
setembro de 1812
Alexandre Rodrigues dos Anjos
Secretario.
LEILftES.
= Ocorretor Oliveira far leilo segunda
l'eira 26 do corrente s lo horas da manha ,
no primeiro andar da caza onde existe o tan-
que d'agoa prximo ao theatro, de urna
mobilia e mais trastes da caza de urna pes-
soa que se retira para fora da praca con
sistindoem urna meza redonda para meio de
salla com pedra marmore, bancas, sof, e
cadeiras de Jacaranda cadeiras do mogno ,
lois berros de Jacaranda com seus pertences.
mezas de meio de salla com lampo de Jacaran-
da dita de amarcllo envernizada com apa-
radores nm lindo guarda-louca leito d'an-
gico e outro de Jacaranda caixa para eos
tura de senhoia ditas para guardar joias ,
toucadores, cspelhos grandes com molduras
domadas um excellente jogo de pistolas,
lanternas mangas de vidro frasqueiras de
cristal porlalicor louca garrafas o co-
pos do cristal, campoteiras, galheteiro, gar-
fos, e facas de cabo de marlim bandejas
linas, tapete, urna colxa de damasco bor-
dada de retro/., frouteira de brilliantes re-
logio para cima de meza dito despertador ,
urna excellente espingarda urna burra de
ferro, um preto de meia idade, o muitos
objectos de grande apreco.
E7" O leilo de fazendas ferragem oar-
neiras, bizerros &C. deJ. P. Adour A C",
lera, lugar hoje 23 do corrente s 10 horas
da manh no seo armazem dama da Cruz.
AVISOS DI VERSOS.
THEATRO.
Dia 21 de Septembro a Renelicio de um
particular. O Drama os 7 Infantes de Lara ,
ou a Epocha Sanguinolenta.
O Reneliciado espera prolecco do respeita-
vel, e benigno Publico desta Cidade ; pro-
testando-lheo seo eterno reconhecimento.
AVISOS MARITIM OS.
= ParaoAracaty sai empreterivelmente
no dia 30 do corrente o hiate nacional =
Flor de Larangeifas= forrado de cobre de
primeira marcha tem o seu carregamento
quaze completo ; quem quizer carregar ou ir
de passagem para o que tem excedentes com-
modos dirija-se a bordo do mesmo fundeado
defronte do trapixe novo, ou na ra da Cadeia
do Recife loja de fazendas n. 17.
Companhia brasileira de paquetes de vapor
- O paquete de vapor S. Salvador, dever
chegar dos portos do Sul at o dia 21 do cor-
rente o mais lardar e deve seguir para
o Cear Maranho e i'ar : rerebe-se pas-
sageiros e escravos a frote na agencia da
ra d'Apollo.
M. S. Mawson cirurfio dentista in-
fflez avisa ao respeitavel publico (pie el-
le mudou sua residencia da ra da Cruz ,
para a praQa do Corpo Santo por cima do
armazem do Sr. Davis junto a Igreja do Cor-
do Santo aonde continua a exercer sua pro-
tisso.
OT O Director da Sociedade Euterpina tem
designado o dia 1. de Outubro para partida,
e conviila aos Snrs. Socios a aprezentarem
hoje, a Commisso Administradora, as pro-
postas de seus convidados para a referida
partida.
cr 0 Snr. Antonio Joze d'Oliveira Cas-
tro queira fallar com Dias Ferreira & Com-
panhia no armazem dos mesmos ; no Caes
d'AII'andega defronte das escadinhas a ne-
gocio de seo interesse.
- Aluga-seum pequeo sitio para se pas-
sar o vero ou annualmente conforme con-
vier ao alugador, na estrada nova da Capun-
ga que vai para o rio Capibaribe e nao he
amito lonje do rio o sitio anda tem poucos
arvoredos, tem trra para plantagdes mu-
rado na frente com porto de ferro boa
caza acabada a pouco lempo urna boa salla
a liante e outra a traz duas alcovasedous
quartosa traz soto em sima com janellas
no oilo muito frecas, cosinha fora com
fugo inglezcom seu forno, mais um quar-
to para pretos tanque para lavar outro
para banho cacimba com urna exelente a-
goa para beber cocheira para 2 a 5cavallos ,
alugi-se por cmodo preco ; quem o perten-
der dirjase ao beco da lingoeta no sobradi
nho de um andar por sima da venda do Sr.
Aires que l achara com quem tratar.
= Aluga-se por preco cmodo um bom
| armazem na ra da moda no fundo da
(venda do sr. Alexandre, levam-se em conta
I os comerlos necessarios : na ra do Noguei-
ra D. 2"., e 19.
Quem p ecizar de um hornera espanhol
chegado a pouco de Portugal para feilor de
algum sitio oqual entende de plantantes
de toda a qualidado assim como de jardim,
do qual tem bastante pratica ; annuncie por
este Diario ou dirija-se ao atterro da Roa-
vista venda D. 11.
= 0 primeiro secretario da sociedade The-
alral Philo-Thalia faz scientc a todos os Srs.
socios que a direceo da mesma tem marca-,
do o dia 26 do corrente pelas 6 horas da tar-
de para reunio geral na caza do costme ,
a lim de tractar-se sobre a mudanca de caza ,
e outros objectos de grande importancia e
por isso roga aos mesmos snrs. socios o ob-
sequio de nao faltareui a referida reunio.
ssy Preciza-se de um orneiro que seja
apto para se encarregar da administrac.o d'u-
ma padaria e que tenha bastante pratica
desta oceupaco ; no pateo da Santa Cruz
padaria defronle da igreja.
C7* Luiz Joze de Souza com loja na ra
do Queiniado D. 7 tem para vender vin-
do Arucali 6O couros de boi salgados 400
meios Je sola 10 couros de bizerro ou al-
tanado, 5K0 palacoes brazileiros.
=Ullerece-se una prela forra de bons cos-
tutnts para ama de caza na ra do cano nu-
mero 6.
ssrO sr. Francisco de Paula Rodrigues S
Viann." queira hr buscar urna carta em caza
de Fox AStodarl, ra da sanzala D. 1.
w Quem quizer dar C00 a 800 mil reis
a premio de 1 112 por mez com hipoteca era
urna parte de um sobrado, ou em um sitio ;
annuncie ou dirija se ra do Jardim D.
63 a talar com Jos Bizerra.
ssr A pessoa que no Diario de 13 do eor-
renlo annunciou querer comprar um sitio ,
caso queira um muito perto desta praga cora.
todos os n quizitos que apontou dirija-se pra-
cinha do l.ivramenlo esquina do beco daCon-
gregaco I). 21 ou annuncie a sua morada.
t^r 0"cn> preciar de mandar ompalhar
marquezas sofaz, cadeiras, e qualquer obra
de palhinha. com toda a perfeicao, e por me-
nos que em outra qualquer parto procure
na ra do Mundo Novo D. 2S.
saiiio v' ktl
Novo compendio para meninas que prin-
cipio a 1er, com o titulo de Primeira K-
coes rainha dissipula.Este compendio mais
resumido as enfadonhas partas de sylabas ;
porem muito mais rico de imagens proprias
dos verdes annos por isso o mais proprio,
para os meninos que entro as escolas por
que elles leera com gosto e sem se enfastia-
ren! as suas lices sendo este o milhor meio
de cnsiiiar e com o qual, o seu auctor tem
conseguido os milhores resultados. Alem das
imillas e variadas historias apropriadas ao
gosto de meninos, junto-se pequeos versos,
para variejar ainda mais o prazer da leitura.
Acha-so por ora venda em casa dos Snrs.
Carioca e Sette e de Jos Riheiro Simos.
tsr O Snr. Francisco Jos Rodrigues, na-
tural da freguezia de S. Pedro de Rubiaens ,
ou seus herdeiros pode dirigir-se ra da
Gloria primeira caza do lado do recolhimento
indo para S. Goncalo, para negocio de seu
muito particular interesse.
cy Ouem pretender alugar urna preta, que
sabe linter o diario de urna casa dirja-se
ra da Gloria na casa junto ao Recolhimento.
tZ3~ O abaixo assignado aviza aquellas pes-
soas que com elle tem freguezia que admetio
por seu contramestre a Joo Chrizostomo dos
Sanios, o qual se acha autorizado para rece-
ber qualquer conta que seja da casa.
M?oel do Amparo Caj.
ss Jos Bernardo de Lima retira-se para
Mamangoape provincia da Parahiba, a tratar
de seus negocios.
= Jos Lino Alves Coelho, proprietario da
maquina de estampar rezistos cartas de Sit-
iabas, treslados, hilhetes de botica, e todas
as mais obras pertencentes a estampara faz.
lembrar aos senhores thesoureiros das Irman-
dades, ou pessoas encarregadas do Testas ,
que querendo rezistos para qualquer festa ,
os devem mandar encommendar com antece-
dencia para ter tempo de se apromptarem ,
assim como se roga aos senhores vigarios de
fora da capital advirtr islo mesmo aos seus
freguezes encarregados de qualquer festa para
se mandar dirigir ao annunciante na ra do
lo/ario estreita casa D. 20 da parte do nor-
te, segundo andar ; assim como a quaesquer
outros senhores de outras provincias, que se-
ro servidos com toda a promptido; na mes-
ma casa cima se preciza de um menino bra-
zileiro ou portuguez de 1 i a 15 annos de ida-
de que queira trabalhar na dita maquina de
estampar rezistos cuja oceupaco he muito
fcil de comprehender.
S3" Os Snrs. que se acho devendo contas
loja de alfaiate de Joo Donelly queiro no
prasode ,"0 dias mandarem satisfazer na mes-
ma loja a Francisco Doney ; findos os quaes
se tractar de receber judicialmente visto a
dita loja se achar em liipiidacao.
S^-0 baxarel formado Luis Paulino Caval-
car.te Vellez Guivra, mudou o seu escriplo-
rio da ra das Cruzes para a do Collegio, 1.
andar do sobrado junto botica do Snr. Cy-
priano Luiz da Paz onde contina advo-
gar no crime e civel.
l'm mo^o portuguez que sabe ler,
escrever contar e falla a lingoa franco. ,
se olerece para caxeiro de alguma casa ex-
trangeira, ou mesmo armazem de molhados ,
ou para cobranca ; quemo pertenderannun-
cie para ser procurado.
Urna preta de bons costumes se offe-
rece para ama de casa : no beco do maris-
co D. 6/
Quem quiscr alugar urna canoa aberta,
de oitocentos lijlos por preco de dez mil
res por mez, pode-se dirigir no trapiche no-
vo a fallar com o rendeiro ou com os ca-
xeiros.
Ofierece-se para ama de portas a den-
tro urna mulher ; quem de seu presumo $n
quizer ulilisar dirija-se a ra que fica por de-
lta / da Roda pausando o primeiro e segun-
do beco, na casa D, 6.



A
li $ rodas da lotera do
Hoza rio correm infa-
livclraeute a 5 de Outii-.
bro, os bietes acho-sea
venda ; na da Cadeia Sr.
Cambista Vieira ra do
Collegio Sr. Menezes, ra
do Cabug botica do Sr.
Moreira praca da Boa
vista Sr. Saraiva junto da
Matriz.
S" Domingos Gonsalves de Moraes sub-
dito portuguez relira-se para o Rio de Janei-
ro a tratar de seus negocios.
tST Na na da Cruz armazem de trastes
n 31, precisa-sede un bom ollicial de mar-
cineiro que seja capaz de fazer qualquer
obra com toda a perfeico, paga-se-lhe bem;
assim como tambem se recebe aprendizes que
lenho pratica do oficio
o seu trabalho.
paga.se conforme
PIM'LAS VEOETAES E LNIVEP.SAES AMERICANAS
0 nico deposito dolas he cm caza de
D. Knoth, agente do Author, na ra da Cruz
n. 57.= N. R cada caixinha vai embrulha-
da ero seu receituario como sello da caza
em lacre preto.
COMPRAS
= Urna caxa de prata para rap que
esteja em bom uzo : na rea Direita Deci
ma 87.
= Mil grozajde botoes de Iinha para ca-
rnizas dos quecostumo vir do Porto ; quem
tiver annuncie, ou na praga da Independen-
cia D. 1.
oe l'm par de castanholas que sejo boas:
na ra da Conceioao da Roa vista caza de'Ru-
fino Gomes da Fonseca ou annuncie.
VENDAS.
tsr Lista geral dos premios da lotera do
Itioatro : na prega da Independencia loja de
livros n. 57 e 38.
ir A noticia verdica dos acontec mentes
que tivero lugar no cerco do Porto vida ,
trabadlos e acees de D. Pedro durante es-
te u.emoravel sitio, gloriosos fetos dos h-
roes liberaes as illias dos Acores,, a 240 rs.
cm broxura c -180 enradernado ; Kpitho-
me de Geometra pratica exlrahido de varios
authores com 3 mappas explicativos por S.
J. de Albuquerque por 480 : na praca da
Independencia loja de livros n. 37 e 38*
tsr Dous pares de castigaes de prata lavra-
dos obra moderna e bem feita un mis-
sal ricamente encadernado e um violo so-
frvel por 5 : na ra das Trincheiras sobra-
do D. 9.
tsy Urna negrinha de naco de 16 an-
uos com algumas habilidades oulra dita
engomma, co/.inha, e lava ambas se do a
contento : na ra Direita D. 43.
Um negro de naco de 20 annos
, _.....,., ,
ptimo para todo o servico : na ra atraz dos
Martirios caza de 5 portas verdes.
ts* Dous escravos de naco costa ambos
de meia idade um excedente earreiro e o
outro ptimo trabalhador de cnchada ven-
dem-se por nao seren precisos ; na ra de
Agoas verdes D. 12.
tsr Ura escravo serrador e earreiro : na
ra Direita obrado D. 25.
' tsr Urna porgo de miudezas e ferragens
muito barato que faro copla aos compra-
dores para tornarem a vender; assim como
tambem se vende a retalho : na quina da
pracinha do Jvramcn'.o loja da viuva do
Rnrgos.
*&? tTrn cavallo de estribara muito em
rrflftta por estar muito magro : na loja da
viUv.i do Burgos.
ty Urna esorava de naco muito moga,
de iKjnita figura engomma com perfeico,
cose e cozinhn : na rua do Queimado em
cazado Antonio da Silva Guimo das 6 as
10 horas de manh.
tsy l'ma venda com pomos fundos na
rua do l'ogo, milito boa. para retalho: a
tratar na rua do Vigaroconi Lima Jnior &C
1^- L'ma aiva para padre, muito rica ,
bordada tfe susto, feita em panno de es-uio,
varas de iiicii de ruis de paimo, tambem
rico tima pipa o tima quarlola arquiada de
Orr_ do sen-ico de azeite, :', dandi
medida pon tas n. IM,
A propriedade da Ibura, distante des-
ta desta praga legoa e meia : com mulla tr-
ra de plantado grande cercado que pode
admittir 60 a 80 vccas de leite conservan-
do todo anno gordas com multa matta de
madeiras deconstruegoes boa caza de sobra-
do com trapiche para embarque, senzala
para escravos e urna capella cujo sitio tem
proporges para engenho : na rua do Livra-
mento sobrado D. 9; adverto-se que esta pro-
priedade tem urna pequea parte que he de
outro eom-sonhor.
tsr Vende-se ou arrehda-se a di nheiro ou
a praso com boas firmas a principal caza de
negocio tanto de fazendas como de algodo ,
na Villa de Nazareth com todas as commo-
didades possiveis : a tratar com Joze da Costa
Mcdeiros na mesma Villa.
E3T I ma cadeirinha de rua feita na Ba-
bia chegada a pouco, por isso com pouco
uzo, da-secom algum abatimento do seu cus-
i: a fallar com Antonio Joaquim de Mello ,
defronte da Igreja do Livramento.
ty Um deposito de assucar refinado no
largo da praca da Boa vista o tambem se
trapassa as chaves do mesmo com consen-
limentodo seu proprietario Pedro Ignacio
Raplista ; urna carteira de diias faces ; urna
venda com poneos fundos em fura de portas ,
junto a intendencia da Marinha ; assim co-
mo tambem urna,refinago com seus utenci-
lios est ibelecida no quintal dos fundos da
mesma venda : na rua da senzala velha pa-
daria n. 51.
tsr Um escravo serrador de 24 annos :
na rua do Cabug loja de miudezas n. 5. *
"^^sr Lm Cornelio, e urna Fbula em latim,
por prego com modo e urna barretina com
ornatos para ollicial de artilheria : na rua de
Agoas verdes D. 42.
tsr Um escravo sem vicios nem achaques:
na rua do Fagundes n. 17.
c&" Urna negra de 13 annos cose cozi-
nha ensaboa e engomma e he recolhi-
da : na camboa do Carme D. 10.
tsr Um sobrado de 2 endares com soto
corrido formando 5 andares, anda novo ,
mnilo bem construido e de boas madeiras e
feito a moderna e o armazem lodo ladri-
llado de pedra proprio para qualquer es-
tbbelecimenlo por tero embarque no fundo a
qualquer hora tendo 120 palmos de fundo,
e 55 de largo por isso que oferece grandes
va n lagens ao comprador pela loca I idade em
que se acha : no arco de S. Antonio : a fal-
lar com Joo Henriques da Silva.
'"'Cr Roas abolladuras de massa a 800 rs
ditas para casacas de brim a 480 a duza, pa-
pel de peso a 2800 a resma e quadernos a
50 rs. transelim de burra di a a 80 rs. the-
souras linas a 200 o 240 rs. pedras para
menino de escola a 120 e 200 rs.., muito
grandes, suspensorios de burracha a 320 ,
uvas de seda a 480 e de algodo muito linas
a 520 de pe ira a .'00 rs. chapeozinhos
para meninos a 3200 tinteiros de vidro la-
pidados bicos e rendas, colxetes a 80 rs. a
caixa agulhas alincles agoa de colonia
superior e outras militas miudezas baratas:
na rua do Livramento D. 5.
tsr Verdadeira Kstamenha fazenda nica-
mente de lii e propria para hbitos de ter-
ceirodeS. Francisco: na rua Nova D. 25
loja de alfaiate do Coimbra.
tsr Azeite de carra pato em barris : na
rua da Moeda armazem n. 140.
tsr Duas rotulas em bom estado o muito
em conta e duas janellas de geluzias : na
rua da Glora caza terrea onde tem refinago.
es" Urna rebeca boa e um roquete cres-
po mu delicado tudoem conta : no fim da
rua da Gloria junto a refinago.
"- tsr Um transelim de filagr de ouro ; um
aderego urna cruz e um anelo tambem
de ouro : na rua do Livramento D. 3.
tsr 1 ma negrinha crela de 14 annos,
.faz renda e tem bons principios de costura :
na rua da Alegra fabrica de chapeos.
tssr Urna preta de naga angola de 18
anuos propria para todo o ser vico : as 5
puntas n. 27 segundo andar.
tsr ', pipas com agoa ai dente branca : na
ruada praia porbaixodo escrivaO do \;rime
tsr Um preto c&noeiro e urna canoa
iberia porfJOO. : na rua Nova lado do norte
na penltima loja.
= Urna negra que sabe vender na rua e
i cosnha o diario de urna casa idade 18 an-
nos: to bem se troca por um moleque; quem
pertender dirija-se ao beco da lingoeta venda
de Joaquem Jos Rebello N. 126.
= Urna collego ue oilo quadros grandes
com a moldura dourada e lavrada obra de
gosto ; um par de jarros grandes de flores e
um par de lanternas com castigaes de vidro :
D 'na rua da virago caza de marcimnro.
j Selc.vicps rom arroz pilado rom al- j
qneiro da medida velha a 11 ^ rs. a saca e
todas por junto a 10ji rs. : na rua da Conce-
gio da Roa-visfa D 8.
= Superior salitre refinado eul barricas,
lea retalho a 200 a libra : na rua das laran-
geiras sobrado D. 5 de Claudio Dub^ux.
= Rugas de carnauba bem feitas al-
vas ,^le boa luz e de 8 em libra a 320 res :
cartas e taboadas a 80 e 40 rs. pautas de
50 e 00 rs. : na rua do Nogueira D. 19.
== Saccas com milho \ no caes da alfande-
ga e no armazem de Antonio Annes Jac-
mo Pires a 2. rs. a sacra.
= Um molalo de bunita figura de 16 a 18
annos de idade, Jpioprio para pagem sabe
bolear tem principio desapateiro bom co-
sinheiro e sem vicio ; ao comprador se di-
r o motivo porque se vende : na rua da ca-
deia do Recfe loja D. 55:
= Urna porgo de latas com tabaco si mon-
te de muito boa qualidade, e por prego c-
modo ; um brago de balanga grande, pro-
prio para armazem de assucar de autor Ro-
mio; barrigas com azeite de carrapato, azei-
te doce em caada a 4400, e em garrafa 560
res ; presuntos inglezes proprios para fiam-
bre ; quejos londrinos frescaes ; tudo por
prego cmodo : na rua nova venda de Mano-
el Ferreira Lima.
tw Potaga da Russia nova em barris
pequeos em caza do Hermano Mehrtens ,
rua da Cruz.
=Ferro Hamburguez a 7^500 o quintal na
rua da Trinxeiras D. 5.
sss" Duas moradas de cazas novas na rua
do Sebo, urna tem duas portas duas janollas,
na frente com bastantes commdos quin-
tal cacimba e chaOs proprios e a outm no co-
elho mais pequea chao proprio quem as
pertender dirija-se'a ponte velba sobrado D.
2 fallar com Joo Francisco Perera.
= Gordas de tripa e bordoens para violo
e raheca de superior qualidade na praga
da Independencia loja N. 2,
tST Urna escrava de 20 annos engomma.
lava cose e cozinha : na rua dos tanuei-
ros D. 11 segundo andar.
SST Farnha Americana nova e de mui-
to boa qualidade em porgo ou a retalho ,
por prego commodo : no armazem de A. F.
I tallar rua de Apolo n. 21.
ts^1 Um cavallo melado apatacado de
muito bonita figura como poucos se tem vis
to muito gordo earrega bem baixo at
meio e mesmo para carro he ptimo : na
Soledade ao pe do Quartel D. 16.
vtgr Um atlas geogrfico'com 40 carias
grandes de ptima e moderna impresso por
prego commodo na loja de livros do pateo
do Collegio D. 7.
"isy Colleges completas das leis do Impe-
riodesde 1822 a 1841 inclusive, por junto
ou em volumes separados: em caza de L. A.
Dubourcq rua do Vigario n. 16; onde se
subscreve tambem para o Jornal do Commer-
co do Rio de Janeiro.
tsr* Urna "caza na Cidade de Olnda por
prego commodo : na na Augusta venda da
quina.
tsr Sacas com farnha da trra com al-
queireda medida velha por prego commo-
do : no armazem do Rraguez.
ss?"Um caza terrea na rua do Cotovelo na
Roa vista D. 16 : a tratar na rua do Ran-
gel D. 7.
tsr 8 quadros ordinarios e uns Panora-
mas o Filho de minha mulherv. pa-
teada do theatro 1 v. e um balco para lo-
ja : na rua atraz dos Martirios caza de 5
portas verdes.
5^7* Cadenas de balanco com assento de patin-
aba e enciU da mesma inarquczas de condu
r mezas de jautar camas de vento com amu-
ra o cadeiras c.iw atseoto de palliinlia americanas1
cama, de vcnio mnilo bem leitas a oo itas :*
piuho a 3#5oo e pinho da Suecia com 3 polegada'
de grossura, dil serrado ludo mais em coma do
que em outra parte ; na rua da Florentina em cazo
de J. eranger.
ESCRAVOS FGIDOS.
tsr Um caiira acabocolado de nome S-
tiro, de 50 annos feio do rosto e tristo
nho estatura baixa ; quem o pegar leve a
rua do Vigario n. 7 que ser recompensado :
adverle-se que he pescador do alto.
O^ Fttgio no dia 18 do corrente o pre-
to Fernando crelo natural do serta le-
vou vestido camisa e caigas de algodo da ier-
ra alto grosso do corpo, cor fula bem
barbado quando desapareceo tinha singas
por baixo do queixo nao tem denles da par-
te de cima rio ladodireito e quando falla pa-
rece abestado : quero i pegar leve a caza de
Vlanoel I.uiz Genital ves na rua da senzala
velha que ser recompensado.
t^* No dia 13 do correntn, fogio do n
nhoJardimem Paratibe sendo encontrado
no Recfe um moleque do nome Luiz, creo
lo de 15 a 18 annos estatura mediana ,
grosso do corpo com urna marca na testa de
um" taino antigo embigo grande que parece
quebrado julga se ter hdo para S. Anlo ,
onde tem mi.; quem o pegar leve a seu sur.
no mesmo cngenlio.
tsr Do engenho Cumbe dcima, distan-
te 6 leguas da Villa de guarass no dia 21
do p. p. desaparecero 2 moleques crelos ,
um de nome thorn bem parecido de figu-
ra de 13 annos falla branda e agradavel ,
queixo de baixo comprido beigo cahdo, tem
um lobinho no rosto; o outro de nome Joo,
bem preto de 9 annos, cabega redonda ,
cambado ; furtados por Joo Perera dos San-
tos pardo viuvo ollicial de purgador de
25 annos alto secco natural das Alagoas ,
e seu prente Manoel Thom de Miranda,
pardo alvo, casado de 2a annos os qua-
es foro vistos passar com os ditos moleques
pela povoago de Rngalas no dia 26 talvez
buscando a provincia das Alagoas como nalu-
raes que'so della eonde eslava um delles
muito criminoso que por isso tambem pode
ser que elles procurassem antes os sertoes ;
roga-se as aulhoridadescm que estes escra-
vos se acharem as provindencias e seguran-
gas precisas, 'fazendo remette-los ao dito en-
genho a cusa de seu dono ou na praga do
Recife ao Rrigadeiro Antonio Rodrigues d
Almeida, do que se ficar com eterno agra-
dec ment e ser generosamente pago no
caso de ser alguma pessoa do povo que os ap-
prhendo.
tsr No da primeiro do corrente desapare-
ceo urna moleca Vlogambique de 16 annos,
venda mel de furo com vestido de algodo
trangado azul ja uzado, camisa de algodo-
znho, tem um = A = na p esquorda, ps
grossos nao tem beigo furado, cabellos sol-
tos olhos grandes tem falta de 2 denles
queixaesde cada lado ; quem a pegar leve a
rua Augusta caza de Francisco Gonsalves do
Cabo que dar 2o, rs. de ^ratilicago.
tsr No da 28 do p. p. fugio urna negra
crela de.nome Momea, baixa grossa do
corpo cara e nariz redondo olhos encarni-
gados, tem algumas faltas de unhas nos de-
dos dos ps anda sempre de cabega baixa ,
nao he velha tem falta de denles na frente-,
quem a pegar leve a rua velha D. 9 que sera
recompensado.
t^ Fugio no fim de Junho p. p. da po-
voago da Tellia contigua a Villa do lc o
escravo de Francisco Alfonso Ferreira de
nome Joze de estatura ordinaria clieio do
corpo, cabellos crespos rosto tirado e largo,
acabocolado com todos os den tes da frenle,
pequeas cicatrizes de rclho no espiuhago e
de idade de aO annos : qqem o pagar leve
ao Seminario em Olnda que ser gratificado.
S3?* No dia 18 do corrente fugio o mo-
leque Joo, de nago Mogambique de ll
annos baixo, grosso cara redonda olhos
prelos e vivos mos pos grossos e curtos,
muilo pronostico, levou vestido calcas "de
ganga azul, camisa de algodo americano sem
colarinho tudo muilo sujo ; assim como se
protesta com todo o rigor da lei contra quem
o tiver oceulto : quemo pegar leve a praga
da Roa vista n. 5 a seu snr. Joaquim Pinto
do Azevedo que recompensar.
tsr No dia 22 de Agosto p. p. dezappare-
ceo urna negra de nago benguella de nome
Maria estatura regular, seca do corpo, cara
comprida e abocetada, lem as costas da mo
direita um carogo pequeo tem ambos os
ps apalhetados, um delles tem o dedo grande
mais virado e sem unha, ella sabio com un
tabolciro novo a vender pao de l, e podins
levou vestido cabego de algodozinho j ve-
Iho saia de chita roxa e pao 1a costa no-
vo debruado as cabeceiras com niatames
brancos : qualquer capito de campo ou au-
thoridades polciaes a podf-ro pegare leva-la
na rua da Cadeia velha do Recife D. 22 que
sero recompensados assim como se protes-
tar contra quem a tiver oculta pois disto lia
alguns indicios.
tsr No dia 10 do corrente. pela manh,
fugio da casa de Joaquim Gongalves Vieira
Guimares um preto escravo de Manoel Jo-
ze de Castro Araujo; por nome Joze dos San-
tos do nago Angola Ito bastante bem
barbado alguma couza bamho das pernas ;
levando vestido camisa decidla e caiga de
cor, chap-o de pello ; suppoe-sc ter toma-
do o camnho do Rio-formoso quem o apre-
hender ou d-lle tiver noticia o leva ro a
casa do anniineiiinle rua da cadeia velha,
junto ao arco da Conceicio D. 31. ou no
Rio Formnso em casa de Lino Joze de Caslr
Aran o que ser., recompensado do seo tra-
balho.
RECIFE NA TiP, DE M. V. E F, =1842.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZTFQWYUO_MQGPNN INGEST_TIME 2013-04-26T23:30:31Z PACKAGE AA00011611_08137
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES