Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08136


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1842.
Quinta Feira 22
Todo agora depende le mis mejmo< ; da aosaa prudencia muderacao e enerjria : con-
tjuaeinos como priacipiaKoa e seremos apuntados" com arinraco entre Naooes mais
.u|:as. (Proclamaco da AssrmbK-a Geral do araul.)
PARTIDAS DOS C0RRE10S TERRESTRES.
Inianna Paiaiba e Kio grande do Norte, aegandaae senas (eirtt.
Bonito e Garanhuns a 40 e 24-
Cabo Serinhaem Rio Formoio Porto Calve Macei e Alagoas no 1. 1t,
boa-vi"1"1 e Flores 43 e 2S. Santo Ani.i.i quintas feiras. Olinda todos oa dias.
DAS da semana.
49 Se*. I"1''0 B. M- A tul. dj J. de T). da 2. t.
21' l'vc). jejun1 n Eustaquio M Re. And. do J. de D. dal. r.
21 Quart Trmporas jejum s. Mallieus Ap. e Kvang.
22 OuDt. Mauricio M. And. do juii de I) da 2. v.
21 SeXt. Templaras jcjim a. Lino P. M. Aud. do J. de D. da 1'. T.
24 Sab. Temp. jejum \. S das Merec. Ral. Aud. do J. da D. da 3. t.
25 Poaa. s. Firraino B. M.
de Setembro. Anno XVIII. N. 204-
Kl .. m,l. os dias une nao foret ganlifieadoa : o preo0 ala aaaigaatiira ba
O Diario publu-a se .0 lo, <*'< Qf nunc,n, do. .sa.Ra.ale. ao ..aarido.
da tres ...1 re,, por V^ ,"0 da 0 rei. por 1..... A. recl.m.ooe. deve- aer
&r.J:^*?Zol> 3, au a ira,, da ladapende... loj. da Urro.
"* Numero 37 e 38. .________________
CVMRIOS no da 20 de SF.TEMnno.
OOo-Mo.d.d.6,4O0V. ,200
, N. 4>.00J
, da 4,000
PaUfft. Palacea
a Peoa C.oluaanaraa
> dito Meaicaaoa
aiiuda
Cambio aohr. l.ondre. 24 i a 25 Nominal
Paria 3SB reis p. franco.
, Lisboa 100 |>or 100 nominal,
Moeda de cobre 4 a por 100 de des.onto.
Ida de letras de boas firmas 1 | a f.
compra venda.
45.400
15.100
8.600 8 HHO
l.TfiO
1.700
1,7*10
1,620
4.780
1.7M
4.780
4.0M
Preamar dn da 11 de Setembro.
1. a fi horas 54 m. da manha.
2. a 7 lioras t 18 m. da tarde.
PHA.SF.S DA LA NO MEZ L)E SETEMBRO.
Lu. No, a 4 a 7 hora. 22 m. da t.rd
Quart. cr.ac. a II -- a i horaa 42 ai. da lar*.
La ehaia a 19 *a 4 horaa a 5 m. da lard.
Quart. atine a 27 a 0 horaa e 47 m. da tard.

1>E P K R A IIB HiL
PARTE OFFICIAL.
MINISTERIO DA JFSTICA.
Illm. e Exm. Sr.S. M. o Imperador ,
Dezejando, com a solicitude com que vela so-
bren bem geral de todos os setis subditos faci-
litar aos mora lores das Provincias commodos
meiosde recursos a Sua Imperial Pessoa, pa-
ra que independente de extraordinarias des-
peaos com que podem ser gravados com pro-
cuiadores na corte, possfio ser deferidos com
brevidade mediante s as indispensaveis in-
formaQOS : Ha por bem ordenar que os rc-
querimentos das pessoasque pertenderem of-
licios de JustiQa da competencia do Governo
(ieral venhfio instruidos da competente ha-
bilitacfio de folha corrida certido de ida-
de e mesmo de titulo de nomea^o interina,
equando o tenha baviilo os quaes nesla con-
formidadedever subir pelo intermedio de
V. Ex. acompanhados de informago sui ,
a AugUOta presenca do Mesmo Senhor por
via dBta secretaria d'Estadodos Negocios da
Justina bem como quaesqueroutros requeri-
mentas sobre objectos cujo expediente ilella
dependa, afim de roderem ser com perfeito
t-onhecimento de causa deferidos, e expedi-
rem-se as partes os seus respectivos Titulos
Oquecommunroa V. Ex., para que faca
publicar esta Imperial determinadlo pelo
meio que Ihc parecer mais conveniente para
conhecimento de todos os habitantes dessa
provincia.
Dos guarde a V. Ex. Palacio do Rio de
Janeiro em 17 de Agosto de .812. Paulino
.loza Soares de Souza. Snr. Presidente da
Provincia de Pernambuco.
GOVERNO DA PROVINCIA..
EXPEDIENTE DO DA 17 DO COMIENTE.
Officio Ao commandante das armas, de-
terminando expeca suas ordeno para que
a Corea da guarJa nacional, destacada em U-
inda preste-se a qualquer requisigo que
pelas autoridades policiaes d'aquefia ci.lade ,
e bem das diligencias da polica llie Corem
' lito Ao cheCe de polica intelligenci-
ando-o da expediefio da ordein antecedente em
resposta ao seo ollicio de 16 do mez presente,
em quea requisitava.
Dit0 __Ao Exm. e Reverendsimo Rispo
Diocesano participando achatan -se em po-
der do capello do batalho provisorio as al-
fa ias pertencentes aoextincto hospital mi-
litar chavar communicado a Irman.lade da
Solidada ter resolvido collocar na respectiva 1-
greja o S.mo Sacramento; e rogando-llie, baja
de conceder a precisa Cuculdade para a men-
cionada collocacAo.
Dito Ao commandante das armas sci-
entilicando-o do conteudo no precedente of-
ficio.
Dito AoExm. e Reverendissimo Direc-
tordo liceo, communicando haver prvido
na Corma da le em a cideira vaga da regu-
sia da Roa-vista a substitua das cadeiras de
meninas d'esta cidade Leonor Carolina de
Vasconcellos ; e di/.-ndo que Caga por em
concurso a substituic/io.
Dito Ao inspector da thesouraria das
rendas provinciaes, inielligenciando-o da no-
meac'io supra.
COMMANDO DAS ARMAS.
EXPEDIENTE DO DA \\ DO CRRENTE.
OCficio Ao Exm. Presidente, transmet-
tindo-lheem duplcala o mappa da torga ef-
fectiva de Linha da Provincia pertencente
ao mez de Agosto prximo lindo e declaran-
do que o tenenle dado como Calecido no
mappade Junho, era de guardas nacionaes
destacado e cbamava-se Joze Jernimo Fer-
nandos Cuimares.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. enviando-
Ibe informado o requerimento de Joze Luiz
deFaria, do batalbao de infautaria de guar-
das nacionaes destacado que pedia ser do
mesmo excluido.
Dito Ao mesmo Exm. Snr., informan-
do o requerimento de Joao Carnciro Lefio, ex-
seo-undo tenente de artilheria desla provincia
que pedia o pagamento dos sidos que se lhe
(con devendo
Dito Ao delegado do termo de Santo An-
ta o commiinicando-lhe, que os papis de
contabilidade do destacamento relativos ao
mez de Acost tinhao sido remettidos a the-
souraria alim de seren pagos e previnindo-
o. que os vencimentos do ollicial comman-
dante deste mez em diante serian cobra-
dos e doua recibos contando um o sido ,
e outro a BratiGcaco addlconal.
Dito__Ao inspector di thesouraria re-
mettendo-lhe para seren pagos no caso de
estarem conformes os papis de contabilida-
de do destacamento do termo de Santo Anlo.
Dito Ao tenente coronel commandan-
te do batalbao provisorio envi.ndo-lbe os
conselhos de jirecofio feitoa aos soldados
Francisco de Lemos Duarte e Joaquijn
Domingos de Souza para que os entregarse
aos referidos soldados que para seren reco-
nhecidosprimeiros cadetes, cumpria-lhes sa-
lisCazer as exigencias expressas no alvar de
lude Marco de 1757, que nao prehenclio-
rSo as justificaees que dero de suas no-
bresas.
DitoAo mesmo communicando lhe que
linha nomeado aos capitfies S e Teixeira
Campos para servirem no conselho de guer-
ra a que tinba de responder UTO soldado do
batalhfio de infantaria de guardas nacionaes
destacadu.
Portara Ao major commandante inte-
rino do terceiro batalbao de artilharia api ,
mandando reconhecer cadete da primeira
classe ao soldado Francisco RaCael de Mello
Reg.
Dita-Ao commandante do deposito man
dando reconhecer primeira cadete ao soldado
Leocadio dAquino Cavalcante.
Ollicio Ao tenente coronel com maullan-
te do batalbao dinfuilaria de guardas nacio-
naes destacado mandando excluir do mesmo
por se terem oflerecido para assentar praca
na companbia de cavallara de linha o cabo
Felippe Joze do Reg Barros e guardas Ma-
uoel Francisco Alves Fernando Francisco da
Silva Joo Francisco de Paula Guilherme
Francisco da Silva e Antonio Joze Paes
Rarreto.
dem do da 15.
Ollicio Ao Exm. Presidente requisi-
lando-lhe a expedicao de suas ordena para
que o batalho provisorio osse ndemnisado
da quanlia de 240 reis diarios importancia
de urna rarao de etape que tem abonado a
lodos os remitas que havifio sido postos em
custodia pelo lempo de tres dias.
Dito Ao delegado do termo do Brejo ,
arcusandoorecebmenlo de 12 recrutas que
forfio apresenlados pelo capilao Cardial, dos
quaes um Col posto em liberdade por estar
isemptodo recrulamento e communcando-
Ihe que o mesmo Cardial levava adiantados
os vencimentos do destacamento pertencentes
ao mez correle e providenciando a respei-
todo pagamento para o futuro.
Dito Ao inspector da thesouraria re-
meltendo-lhe ja informados os papis de
contabilidade do destacamento de lluribeca,
deconformidadecom a nota do commissario
fiscal do ministerio da Guerra.
Dilo Ao mesmo alim de mandar en
tragar ao capitfio Cardial a importancia dos
vencimentos do destacamento do Brejo per
(.[cenles ao correle mez conforme orde-
nara o Exm. Snr. Presidente.
Dito Ao mesmo, alim de mandar entre
zar ao thesoureiro da irmandade da Concei
cSo dos militares a quantia de 04. reis im-
portancia de 10 sepulturas dadas pela dita
irmandade a igual numero de pracas que
l'.ilererfioem todo o mez de Agosto ultimo.
Dito Ao tenente coronel commandante
do batalbao provisorio, mandando que o fur-
riel branles recebesse as pecas de Cardamen-
to que Ibes fossem mandadas entregar pelo
corpo de polica e que elle indemnisasse com
i possvel brevidade a caixa do dito corpo a
quanlia de 1 i500 importe de um jaque de
pao azul e um par de polainas que extra-
viara devendo proceder aos discontos em
seus vencimentos, quando semelhante in-
demnisaco nao Cosse logo Ceita.
Dito Ao commandante geral do corpo de
polica, conimunicando-lhe o exposto no pre-
cedente ollieio com o que ficava respondido
n seo de I i do correte.
Portara Ao tenente coronel comman-
dante do batalbao de guardas nacionaes des-
tacado, mandando excluir do mesmo ao sol-
dado Luiz Joze Monteiro por se ter olTere-
cido para servir na companbia de cavallara
de linha onde passava a verificar sua praca.
DEM do iiia 16.
Officio Ab Exm. Presidente commu-
nicando-lhe, que o commandante do bata-
lhfio provisorio j cstava de posse das alfaias
do extincto hospital militar que estavio a
cargo da administracao dos estabelecimentos
de caridade e rogando-lhe suas ordf-ns a-
lim dequeseobtivessedoExm. e R."0 Bis-
po a necessaria Caculdade para se collocar na
eapella mor da groja da Solidade o S."e Sa-
cramento. .
Dito Ao desembargador cheCe de polica,
sobre um desertor.
Dilo Ao capitfio Adelo Lopes de San-
ta Anna, alim de Cazar entrega ao capitfio en-
genheio G. A. F. P. da Cunha, dos papis e
mais objectos, que por ventura existissen em
seo poder, relativos ao reconhecimento, medi-
rao e demarcarlo tos terrenos de mariuha ,
.le cuja commissfio Cora dispensado por officio
do Exm. Snr. Prezidente de 12 de Agosto
ultimo.
DEM D0 DA 17.
Ofiicio AoExm. Presidente, remetten-
do-llie inCormado o requerimento do ex-sar-
gento Joo Baptista d'Araujo que pedia o
pagamento de Cardamentos que se Ihes (icou
devendo quando teve demic&O em 1832.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. enviando-
Ibe competentemente inCormado o requeri-
mento de Joo Baptisla Guimares Poixoto ,
e Joze Antonio da Silva Grillo que na qua-
lidade de administradores de suas mulheres ,
nicas herdeirasdo Calecido sargeuto mor Jo-
ze Femandes Portugal peden o pagamento
dos sidos que se lhe licou devendo a con-
tar do primeiro de Marco de 1817 a 17 de
Dezembrodo mesmo anno.
Dito Ao mesmo Exm. Snr., enviando-
Ibe para seren deCeridos como en tendease de
juslica os requerimentos de Francisco Xa-
vier dos Santos Antonio Barbosa e Manoel
Machado de Sampaio que pedifio ser desli-
gados do batalho de inCantaria de guardas
nacionaes destacado.
Dito Ao mesmo Exm. Snr., informan-
do o requerimento do ex-soldado Joaquim
IFQLEHIITS
O AMOR MATERNO. (*)
Mas essaengenhosa illusfio bem que con-
soladora nao podia Cartar-lhe o coracao :
esses tres anuos ti O h fio causado bastante, ai-
teraedea: antes p.rm que as notemos, cum-
predizer que lord Philipps hav.a morr,do
m seu desterro das consequencia* de um du
Mistriss Philipps j de ha multo que se nfio
ergue da cama a sen lado Juas **"***
tfio sempre oceupadas urna e de Sarall ou-
,ra dodoutor Voung : victima lamben, da
destruicfio do lempo c dos pezares ja bim
enfermo e quasi cgo o doutor Young paa-
sa seus fias a cabeceira de sua amiga.
Eslava se no verfio ; alegres raios do sol
( ? ) VdT Diario N. 201 c 102.
brilhavo na cmara cmara de enfermo ,
atmosphera de ether e de remedios 5 garra-
ras cobrifio as mal dispostas mesas. A cama
eslava virada para a janella de modo que a
claridadedavaem cheio.sobre as faces maci-
lentas e paludas da enferma ; seus olhos a-
zues conservavao algn bnlho mas tmhao
perdido sua vivacidade eeatavo innovis j
urna mosca importuna vinlia obstinadamente
pausar sobre seus labios descorados, l'm ber-
ro vazio esta va ao p da cama.
Que bello da doutor para aquellea
q;:eestau no campo !
_ E' prazer de que ainda havemos gozar
ncsle verfio.
_ Doutor j.i nao tenho peinas.
_- Ah sen hora se eu podesse recuperar
a perdida vista cono estoucerlo que recupe-
rareis o uso das pernas de alegre que -
brariaj e j estes oculos. Mas paciencia ;
vs me guiareis, e apoiar-vos-hi is em nin.
__ E quem me carregara a mim que mal
posso mover-me por causa de meus rheuma-
lismos ? interromneu Sarah endir. itando o
travisseiro que erguia a cabeca de sua ama.
Ser esse pobre Rog tfio velbo tfio maltrata-
do alem de cgo ?
Adniracfio deve causar que o nome de Lu-
cy nao tivesse sido proferhio entre estas tres
pessoas que coslumavo sempre t-Io na
boca : que ha um anno o doutor obleve de
mislriss Philipps, sob pena denfiovoltar
mais a sua casa que della se nao fallara ,
pois bastava proferir esse nome para desper-
tar na rr.i interminaveis crises nervosas e
mortal abatimento : para condescender com o
amigo a mfli s fallava de sua lilba a Dos ,
a Dos que se nfio cansa de oiivir as mais.
__Doutor, continuou ella affectando
um ar alegre tenho que pedir-vos um favor.
__ Que favor nie jiediris que vo-lo nao
conceda !
_ Piometteis-m'o .'
Sin fallai.
___ M
E o doutor pegou na mo de sua amiga e
fngindo que escuta va o que dizia escu-
tava a reveladora arteria.
Eu desejava conversar com um sacerdo-
te nosso excellente pastor, M. Burney. Nfio
ralbis comigo.
E'j bem tarde! disse o doutorcomsigo
mesmo e em voz alta. Eu ralhar ron-
voseo !
__ Doutor, eu sei que nfio estou muito
mal ; mas um desejo que tenho. ( Ella
sentia-se ir morrendo mas queri Iludir O
doutor).
Muito ml! pelo contrario acho-vos
melbor ( e duas lagrimas ifio-se engrossando
nos olhos do doutor).
Sin doutor eu me sinlo melhor. ( E
! is extremidades do corpo lhe estavo enrege-
lados.) Comtudo ide buscar o pastor.
Sim sin en vou : mas, por isso que
! vos nbedeco com tan la nromptido nfio ima-
gineis que vos acho em porigo.


^
*fe
rf-
2
Ferreira de Moura que pedia o pagamento
da graticaQ8o que devia de ter pelos das que
trahathou no concert da coxa como ar-
pia.
Dito Ao desembarga Jor cliefe de poli-
ca dizendo-Ihe que fora posto em custodia
o recruta Francisco Borges que remetiera
com seoofliciode hontem.
Dito Ao tenenle coronel commandante
do batalho provisorio mandando conside-
rar praeas effectivas do mesmo batalho aos
addidos Joo Fidelles Fidelles domes J-
nior e Joaquim Joze Barbo/a visto se nao
verificar serem desertores dos corpos desta
provincia.
Dito Ao mesmo exigindo urna refaci
dos recrutas poslos em custodia desdo Fevc-
reiro at o fim dome/ prximo passado ti-
rando-Ihes a importancia das raques abonadas
por tres dias, afim de ser paga pela tho-
souraria.
Dito Ao tenente coronel commandante
do batalho de infantaria de guardas nacio-
naes destacado mandando desligar do mes-
mo logo que tossem apresentados os com-
petentes substitutos, Carmo e Joze de Faria, devendo a esse
fim entender-so com os respectivos comman-
dantes dos corpos.
Dito Ao commandante da companhia de
artfices mandando que fosse apresentado
na inspecco do dia 30 do corrcnle o sol-
dado Simo Joze C.orreia devendo desde ja
snspender-lhe as gratificarles como volunta-
rio at a final deciso.
para acceitar e pagar no dia de seu venci-
mento J. Pinto de Azevedo conforme
determinou a ordem do tribunal do thezouro
publico nacional urna letra de 5:0fJ0,> rs.
DitoAo mesmo sr. para pagar ao ma-
jor J. M. J. Jaco me da Yeiga Pessoa, 20,> rs.
dos juros de cinco por cento do conliecimen-
to n. 95 da quanlia do lOO* rs.
TRIBUNAL DA~BELAC4<~>.
sfssvo df 20 Dr setembro i>f. 1842.
A appellaco crime do Crato appellante o
juizo appellado Antonio Ferreira Lima .
escrivo Postumo; se manlou remeter a o
juizo de Direilo respectivo para tomar conhe-
cimento.
A appellaco crime do juizo de paz dn G-
qui daeidade da Fortaleza, appellante o
juizo appellado Antonio Joaquim de Carva-
llio ex juiz de paz escrivo Ferreira ; te-
ve o mesmo deforimrnto.
A appellaco crime do juizo de paz da cida-
de da Fortaleza appellante o juizo appel-
lado o Padre Antonio de Castro Silva es
crivao Posthumo ; foi deferida da mesma ma-
neira.
A appellaco crime da mesma cidado ap-
pellante o juizo appellado Joaquim Ferrei-
ra de Souza Jacaranda escrivo Jacomo ;
teve o mesmo destino.
O aggravo de petco do juizo do civel da
3. vara desta cidade appellante D. Maria
Jozel.insSorianno aggravado Joo Fran-
cisco Duarte leve provimento.
A carta testemunhavel do juizo dos orfos
de Olinda de D. Mara da Paiohao e Mallos ,
escrivo Bandeira ; tobem teve provimento.
ForAo mandados descer em cumprimento
do decreto e instrucoes de 3 de Abril para
se proceder na respectiva avaliaco os seguin-
tes autos.
A appellaco civel do juizo c comarca do
BioFormozo. apppllante Manoel da Bocha
Vieira appellado Manoel Bezerra Cavalcan-
te escrivo B ;go Piangel ; para o juizo A
qu.
Dito-Ao mesma Exm. Sr. dem os de A appellaco civel daeidade d* Goianna ,
F. da Silva Nevos J. da Cosa Bibeiro J. appellante Manoel Carneiro de Olivera An-
PorlaraAo sr. Jliezoiirciro da fazendaI gem ; descubro a exprcsso dos sentimentos
THESOUBABIA DA FAZENDA.
EXPEDIENTE DO DIA 1. DR SETEMBRO.
OflicioAo Exm. sr. Baro Presidente da
provincia informando que por a thezouraria
nada constava relativamente ao fornecimen-
to de cavados e forragens para os clarins do
esquadrao de guarda nacional dest- munici-
pio por ter sido semclhante de*pesa consi-
derada como provincial.
DitoAo mesmo Exm. Sr., idem o reque-
1 ment do ex soldado A. Bispo da Villa.
rei-
A. de Azevedo e Silva .1. Manoel de Ol- jdrade appellado Manoel de Andrade Pe. _
reir, L. Antonio de Souza, B. Pinto de Ira, escrivo Bandeira; para o juizo da 1.
Alineida e .1. Goncalves J.ages em que
pedio o lugar de continuo da allandega.
DitoAo mesmo Exm. Sr. dizendo que
com a informac/io dos requerimenlos do pre-
cedente olficio havia cumprido oque se
Ihe determina em ollicio de 25 de Agosto
passado.
Dito-Ao sr. inspector da thezouraria da noel do Carmo Inojoza escrivo Postumo
fazenda da provincia do 15 io Grande do Norte, : para o juizo da 1. vara desta cidade.
remettendo por copia a ordem do tribunal' A appellaco civel desta cidade appellan-
do Ihezouro publico nacional n. CA) -de 12: le a fazenda publica appellada Anna Bitta
de Agosto prximo findo relativa aos sup- do Espirito Santo para o juizo da 1. ins-
prmentos de humas a outras provincias. [tanda ( escrivo Postumo. 1
DitoAo inspector do arsenal de marinha ,' A appellaco civel desta cidade, appellantes
pedindo houvesse de proceder a venda ein
hasta publica de 12 arrobas de plvora ar-
ruinada existentes na fortaleza do Buraco .
que pela escuna- i. de Abril foro entre-
gues aquella reparlico.
idkm no da 2.
DitoAo Sr. inspector da alfandega par-
ticipando para sua inteligencia ter S. M o
Imperador ordenado por avizo de lide Ju-
lho passado expedido pela secretaria de es-
tado dos negocios da marinha que seja re-
conhecido como transporte Britnico o pa-
tacho brasileiro Santo Amaro ullimamen-
le comprado por conla do governo Britnico.
Igual participarlo se fez ao sr. administra-
dor da mesa do consulado.
de que o meu coracio est penetrado e un
novo penhor d'aquella unio de todos os p >-
deres do Estado que serve de base seguran-
za do presante o de garanta para o futuro
contra os perigos a que poderia expo-los o
golpe cruel que me ferio.
( Journal des Pbts. )
FUNERAL I>0 111 OTE D'ORI.EANS.
( Continuaco.)
Depois de termos descrpto a composico do
cortejo deveriamos contar a sua marcha.
Deveriamos segui-lo a travez d'essas prodi-
giosas ondas de povo espalhadas no espaco de
mis de duas legoas e cobrindo as alamedas de
duas immensas avenidas erguendo-se so-
bre as calcadas e pontcs amontoando-se as
ras pen lurando-se pelas janellas e telhas
dos das casas e conservando em toda a parlo
urna attilude de tristeza recolhida, de sympa-
thia profunda e de ordem admiravel, que foi e
caracteristicold aquelle grande dia de luto. Ma-
falta-nos para isso o tempoassim como oes-
pago. Os directores d'aquella solemnidade
dolorosa nao tinho ordenado seno urna pom-
pa militar e religiosa ; a cida le de Pariz a-
juntou ao seu programma urna pompa toda
civil. Toda a popularlo Pariziense quiz con-
correr com os chefes da Beligio e do exer-
cito para as honras decretadas memoria do
Ilustre herdeiro da cora de Julho e confi-
amos que esta demonstradlo patritica re-
sOara al as extremidades da Franca como um
testemunho de ostensiva adheso dynastia
de que o Sr. Duque d*Or!eans era depois do
Bei o mais firme apoo e a mais solida espe-
ranza Nao nunca a populaco de Pari/
se tinha mostrado mais sabia, mais a (Vedij-
osa mais recolhida, mais senhora de si, mais
respeitosa.
Todas as cabecas se ilescobrio ao passar do
carro fnebre. Ilomens do povo choravo ;
obreiros ccfcrio-se de luto. Nem um grito
hostil nem urna desordem velo perturbar
n'uma multido lo grande a unanimidade
desla nobre e tocante inanifestadio.
Entretanto o cortejo tinha chegado altu-
ra do Arco de Tnumpho da Estrella. Todas
as tropas desilaro por baixo d'este glorioso
monumento das nossas victorias. O carro
fnebre passou por baio da abobada... Ah !
o Sr. Duque d'Orleans tinha direito a passar
por all depois de morto !' Em vida elle s ti-
nha all parado urna vez um instante a 4
de Junhode 1837, quando condozia para Pa-
riz a sua joven Senhora que a or do exerci-
lo da grande cidade tinha ido receber n'aquel-
la mesma avenida onde apresenta boje as ar-
mas ao seu atade.
Porm o fretro conlinuou a sua marcha ,
\ossa Senhora de Pariz o espera. A multi-
do immensa no atrio. Comecjlo os cnti-
cos no altar.
A hora nos insta compre aoressarmo-
Joze Gomes de Mello, e Bicardo Bomualdoj nos. Eis-aqui as Tulherias. Aqu muda a
da Silva appellado Miguel Francisco de Que-, srena. Em vez d'aquella multido sollicila ,
para o juizo A qu. d'aquella curiosi lade triste e consternada ,
mas impaciente e vida porque razo este
solido melanclica '.' 0 jardim est fechado
As janellas de palacio as sacadas, nos ter-
rassos ninguem. Tudo est deserto. Co-
nhece-se que a morle visitou esta morada
real e que s ella a habita n'este momento.
No Louvre no palacio das artes a mesma so-
lido o mesmo silencio. Oh posso as
artes chorar ao menos o r.obre protector que
perderio !
F.ntramos na Igreja de N. Senhora. OAr-
cebispo de Pariz a frente de todo o sen cle-
ro bispos suffraganeos curas de todas as
vara desta cidade.
Aappeilaco civel desta cidade appellan-
tes Joze Gomes de Mello e outros appel-
lado Manoel Francisco de Queiroz escrivo
| Jacomo ; para o juizo A qu.
1 A appellaco civel de Izabel Theotonia de
Miranda Varejflo appellante, appellado Ma-
estabelecimentos civis c militares conegos
do S. Diniz e Seminaristas de S. Sulpicio
vem receber ocorpo de S. A. R. o Sr. Du-
que de Orleans porta principal onde vm
ipear-se os Principes.
E' um momento triste e solemne. A rea
do atrio est coberta de bomens e de caval-
Ios ; ella scintilia d'armas do velludos (je
horbaduras, ella estremece de movimenlo.
palpita d'emoco e resto as salvas com que
artilharia sa la a chegada do augusto morto.
Dentro da Igreja tudo sombro lgubre
immovel como a immensa abobada que do-
mina de to alto esta scena da inmensa fra-
girdade humana eda dflr real. A velha Catlie-
dral est toda revestida de luto e geme pela
voz dos seus cantores que recito os versculos
do De profundis.
Agora descreveremos a decoraco fnebre
da Igreja. Ella magnifica e digna do seu ob-
jecto : urna engenhosa -lisposico respetou o
carcter do edificio, um gosto excedente pre-
sidio a todos os trabalhos da arma^o religio-
sa e funrea que as circunstancias exigio.
Dahi resullou urna unio do effeito o mais
grandioso e ao mesmo lempo o mais lugu-
bre que se pode imaginar. A eca est arma
da sobre um cnvasamcnlo a quo se sobe por
urna escada de vinte e si neo degros ,- e une
alistenUtO quarloze caryatides de prata do
mais maravilhoso Irabalho. Fm docel coi
37 metros de elevadlo de velludo bordado
de arminho desee maRcslosamente sobre o
mausoleo que elle envolve em suas immensas
dobr^s. Quinhentos cirios ardem em torno.
Gincoenta bandeiras esto suspensas na abo-
bada com a cifra do nome do Prncipe : ( F.
P. O. ) Outras fazem recordar todos aquefies
nomes longinquos e gloriosos Medeah, M-
lianah as Portas de Ferro Mascara que o
Sr. Duque d'Orleans visitou com o exercilo
Francez e a viel nia !
A appellaco civel da comarca das Alagoas ,
appellante Manoel Pereira Birboza Graca ,
appellado Antonio da Bocha .ins e sua mu-
Iher escrivo Bandeira ; para o juizo da 1.
vara desta cidade.
KXTERIOB.
Besposta que do o Bei dos Francezes men-
sagem da Cmara dos Pares no dia 20 de
Julho .
Senhores Pares ,
(( Sinto-mo bem commovido desta mensa-
Os principes cutanlo na cathedral em se-
guimento do clero. O fretro carregado por
vinte e quat.ro ofilciaes inferiores condecora-
dos foi coi loca do debaixo da eca e coDerto
com osen grande panno fnebre.
No momento em que o corpo entrn na I-
groja urna batteria d'artilhara execubm
urna salva de vinte e um tiros de pega e o si-
no grande da Igreja de N. Senhora do sign4
a todos os sinos Je Pariz.
A urna que couliiiha ocoraijo do Principe
foi levada pelo tenente general Marbot para o
Choro da cathedral.
Depois SS. AA. BB. enllocaro-se n'uma
lileira defronle da eca. Ferio entoadas as
vesperas pido arcebispo e cantadas pelo clero
da metropole. A ceremonia durou urna hora.
Os principes forflo reconduzidos sua car-
ruagem com o mesmo ceremonial e poze-
ro-se outra vez em caminlio para Neuilly as
trez horas e meia.
Assm se conelnio esta triste c grande so-
lemnidade.
O Sr. Duquo d'Orleans repousa hoje real-
mente dcbaixo da abobada da Igreja de N. Se-
nhora nomeio de todos aquellos simulacros
da grandeza humana que a Bdigio nao per-
uiilte nos seus temlos seno porque levSo a-
toco, diz Bossnet o magnifico testemu-
nho do nosso nada.
Durante hez dias, o despojo mortal do Prin-
cipe receber as homenagens e as lagrimas da
pcpulaco de Pariz. Depois vira a Beligio
solemnemente orar sobre estes restos inani-
mados no meio de todas as grandes .mino-
ridades do paiz e d.^ todas as pompas da Igre-
ja e do Estado. E finalmente esta longa sce-
na de luto ser transportada para os sepul-
chros de Dreux para acabar ah.
Neuilly N. Senhora e Dreux laes sao
paroquias de Pariz capelles de lodos os pois as ultimas trez pirases d'esle astro real

Ah como o illudi, disse comsigo a j mas sem vida da ii-m que com ellas brinca-
misera quando o vio sabir sinto que nao va : mistriss Pbilipps as beijava as faces que
tenho duas horas que viver. sua filha as havia beijado: e depois desdobra-
Ah como a illudi! disse odoutoren- va as camisinhas e beijava-as no lugar por
trando em seu carrinhu : daqui a duas horas onde devia passar a cabeca de sua filha e
ella lera cessado de pauecer. Farewell! dizia-lhes Farewell esse to
Sarah Sarali abre depressa esse ar-! terno e to comprido adeos dos Inglezes. E
mario depresss d-me o bahusinho de depois abra os vestidos beijava-os dobra-
cedro. va-os de novo, e dizia-lhes adeos ; e depois
Sarah obedecen : Mistriss Philipps eslava pegava as pequeas meias infiava-is em seus
branca como seu travesseiro; ella poz as mftos I bracos descarnados, beijava-as, dizia-lhes
em cima do bab abrio-o sustentando a adeos adeos tambem ( e seus ohos io fe-
tampa : mas as loicas lhe falta rao a lampa i chando se ) adeos aos sapatinhos adeos s
cabio, o cofre lechou-se. Ella o abri de toncas adeos tudo adeos adeos. E ella
novo, e com a veneraco devota de quem j nada va e anda procurava beijar o que
pega em reliquias santas com a avidez inge- lhe restava de sua filha e j nao podia acer-
rura de noiva que contempla seus atavos ,
ella tirn do bab o enxoval de sua filha. Ca-
misinhas bordadas toiicas graciosas ; sapa-
linhosque mais ando na algbeira das amas
'\r> niie "S p< da criaiica brinquedos ir::;-
nieros ponecas de todos os tamanhos ir-
Toda a Qdalguia ingleza preceda o enterro
de mistriss Philipps.
O rei tinha para honra-la mandado su-
as carruagens. Delraz dos grandes detraz
dos nobres detraz dos ricos detrae do po-
vo detraz dos pobres que choravo ia um
eo rgo.
Entre os papis de mistriss Philipps achou-
se este testemento : Todos os meta bens ,
excepto a casa em que more i que (ca per-
tenecido a Sarah sero para aquelle que
com o favor de Dos meu senbor misericor-
dioso acbar minha I.iicn".
Os que me amo perdoar-me-ho nao ter
feto esse sacriliciocinquanlo fui viva: meu ma-
rido tambem vivia e por isso eu nao poda
dispor seno da metade de minha fortuna...
E oito annos depois, em um passeiode
cai-so-se de espanca-lo <; elle se nao cansa
de soflrer ; sua cabera est toda ensanguen Ja-
da sangue e lagrimas sahem das cavidades
de seus olhos. A moca bem que assusta-
da pode lr na coleira do cao a palavra
- Bog ella diz :
Rog .
O cao larga o vestido que eslava dilaceran-
do e julg.indo-se reconhecido salta pula
de alegre pfie-se a andar e obriga a mo-
ca a segui-lo. Ella vai pouco a pouco recor-
dando cousas de que i se nao lembrava :
esta parede branca nao Ide cstranha esta
porta... O cao poz se a latir.
A porta abrio-se e Sarah que a veio -
brir, recuoii : a moca era Lucy.
Lord Philipps a havia mandado lonbar pa-
ra i m possibil lar que mistriss Philipps o pri-
tar com a boca... Adeos !
E a tampa do bab cabio.
Sarah fechou os cortinados, accendeu u- Londres, a mu tidSo se apinhou n'um ponto, vasse por sua morle da adminislracodoi bens
ma lampada e orou. enesse ponto vio-se um cao puxando pelas de sua filha.
I doutor Voung ao entrar nocarrinho, mor- j mangas pelas sias de una moca de i an-
rcu atacado de apople.xia. nos. Espanco-o e elle nao a abandona ; j FIM,
4-i


5
que eomecando no desterro restituido depois
a atmosphera da patria affagado muito tem-
po pela fortuna collocado por urna revolucfio
no primiro degro d'um tirono embelleci-
.do e engrandecido por todas as venturas da
t<>rra e por todos os dotes da intelligencia, te-
ve finalmente o seu occaso na calcada onsan
guentada de Sablonville Astro deploravel !
cpiandose reflecte no seu fim ; astro hrilhan-
te e digno de inveja quando se reflecte no
tem que semeou na sua rbita na saudade
que deixou nos corac.es as pungentes an
gustias de que seguida a sua rpida dcclina-
<;Ao e quando se rellecte tambem que este
oven Principe de trinta annos leva consigo ao
tmulo inteira e intacta a mais radiante au-
reola de boa fama que tem luzido sobre um
fretro !
- ( Tradu/.ido. )')
A PEDIDO.
III." Snr. Tendo de deixar por alguns
dias a delegatura (Posta cidade he de meo
dever dar conta a V. S. do que tenho feilo ,
depois que d'ella me encarreguei. Logo que
lomei a meocargoaadministracAoda polica,
Iralei de preparar-me para dar um golpe nos
ladros de escravos, que inuniiavao esta ca-
pital e que com inaudita insolencia exerciao
quaze em pleno dia este meio de vida crimi-
no/o ; s agoardava um insejo favoravel, este
ehegou com a aprehenco, que liz de um
preto furtado na ribeira da freguezia de San -
lo Antonio. Ordenei a prizao de nina mulher,
que o guardava e esta revelou-me os auto-
res do furto, os quaes sendo igualmente pie-
ros, desoubrirao-me os seos cmplices, e ma-
l ifestariio-me os segredos de sua infame so-
ciedade.
Orientado por similhante discobeita adi-
nntei as minlias pesquizas e consegu dar
um golpe senAo fatal no todo ao menos
em grande parte n'essa assooiacAo de mal-
liitores ; prendi a muitos que se acho reco-
Ihidos cadeia, summariei-os, eoulros con-
tra os quaes tenho denuncia nAo licaro izemp-
tos de igual destino logo que hajo provas ,
que aothorizem o proeedimento da juslica.
Xo tempo em que me oceupava d'esta espi-
nhoza tarefa ehegou ao meo conhecimento ,
que urna especie de ratoneiros minios exis-
ta no dislrictode minha jurisdieco. os quaes
eom quanto nao furlassem em grosso pre-
iudicavAo coni ludo as classes indigentes ,
que contra elles faziao claniorozas reprezenta-
vt'n's ; erao fustes os monopolistas das substan-
cias alimentarias vulgarmente chamados a-
revessadores : tratei de averiguar qual fosse
i natureza do seo proeedimento e cheguei a
saber que sendo pela mor parte reos de po-
lica vagabundos e de moral estragada ,
elles apinhavfio-se no mercado, e ah exerciao
toda a casta de violencias evexacoes contra
o povo : dei sobre essa gente inutilizei seos
clculos criminozos obriguei-a a tomar urna
oocupacao honesta e tive o prazer de ver
sessar a ladroeira. Em quanto assim obra-
ra observei que os inspectores de quarteirao
i'salvas algumas excepcoes) poueo ou nada
l'azio a pretexto de nao terem instrucQes
por onde se regulassem, e para satisfazer es-
ta necessidade organizei nos poneos mo-
mentos queme restavo dmeos habiluaes
trabalhos. as de 2 le Agosto lindo que fo-
ro aprezentadas a V. S. e que merecer o a
apprnvacao do Governo. Em urna palavra
tenlio formado trinta e tantos a juarenta
Processos por differentes crimes e mais de
vinte ecnco I'accinorozos se achao recolliidos a
Cadeia e por mim devidamente pronuncia-
dos. Sao estes os trabalhos que tenho exe-
eutado no decurso tic cinco mezes posteriores
a minha nomeaeAo e devo confessar que
muito tenho sido coadjuvado pelos meos Sub
lelegados e particularmente pelo la Fre-
'uezia de S. Fre Pedro Goncalves o pelos
supplenlesdas Freguezias le Santo Antonio ,
o Afiogados tenente Joo Arcenio Barboza e
major Luir. Antonio Alves Mascarenhas as-
sim como pelos inspectores de quarteiro, An-
tonio Luiz de Freitas Ignacio Lopes da Sil-
va a outros cujos valiozos serviros sao dig-
nos de todos os encomios. Dos Guarde a V.
S. Cidade do Uecife 19 do Setemhrode 1812.
Illm. Sr. Dezembargador Antonio Ignacio
de Azevcdo, Chefe de Polica d'esta Pro-
vincia. =a Francisco Carlos BranilAo.
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
Rendimento dodia20de Selemb. I3:l80608
DESCARREGA HOJK 22 DT. 6KTEMBRO.
ro barras e feixes de dito e fari-
nha.
Polaca Sarda = Sommarive= Papel,, co-
miolios ervadoce, vinho muscatel,
e massas.
Escuna Americana = Rozario = Taboado.
Brigue Francez= Bey = Vinho agoa arden-
te e azeiie.
HO VI MENT DO PORTO.
NAVIOS ENTRADOS NO DA 1".
Aracaty ; 17> dias Hiate lrasleiro Flor das
Larangeiras de oi tonel. Cap. Francisco
dos Res Augusto, equp. 8 carga cou-
ros e sola : a Bernardo le Son/.a
Dito ; Ifidias, Sumaca Rrasileira Felicida-
de de 7"> tonel. Cap. Joze Rodrigues Pi-
nheiro equp. 10, carga couros e sola
a Antonio Joaquim de Souza libeiro.
DECLARA COKS.
= D"ordem do Snr. inspector se faz publi-
co que no dia 2( do corrente pelas 11 horas
da manda se Contractar o forneciniento ,
pelo tempo ue trez mezes a lindar no ultimo
de dezembro prximo, dos seguintes objeclos,
para o arsenal e navios la armada : feijao lou-
cinho arroz vinagra e bacalho.
As pessoas a queni convier contractar o for-
neci:i;ento de cada um d'estes objeclos sao
convidadas a apresentar as suas propostas al.
0 referido dia e hora declarando n ellas o
menor preco. Secretaria da inspeccao do ar-
senal de marinha de Pernambuco em 20 de
setembro le 1 s 42
Alexandre Rodrigues Secretario.
=0 Administrador dameza da recebedoria
das remlas geraes infernas, tendo anriuncia-
do por muifas vezes, aos moradores dos ba ir-
rus do Rerifo, S. Antonio, e Boa -Vis la, para
aprezentarem nesla reparlicAo una rclaco
dos escravos que possuem ou que verem
em seo poder por aluguel ou adniinisliacAo ,
' servicocom Jeclaraco dos nomes sexos cor,
idade sabida ou presumida, naturalidades e
oflleios como determina o art. .Vo lo regula
ment de 30 le novembro de 1842, muito
poueas relac"es tem recebido Causando esla
demora grande transtorno colecta pie se
vai proceder do I." de outubro prximo vin-
douro ; e por esla omisso elle anniiucia pela
ultima ve/a todos os moradores dos mencio-
nados bairros cima declarados para que ve-
nho trazer nesta reparlicAo suas relae~>es ate*
o fim do mez correte pena le se por em
vigor o art. 6 do mesmo regulamento que
determina que lindo os .10 dias iienhum es-
cravo alem dos ja matriculados, o ser de no-
vo sem que o dono aprozenteo titulo por que
o possue.
Francisco Xavier Cavalcanti d'Albuquerque.
AVISOS DI VERSOS.
Sahio luz o carapuceiro X. .">0. Tra-
cla d'hum assumpto alias mui fallado, qual
he. a troca dos sexos e oondic/fs havendo
homens que desejario ser mulheres e
mulheres, que antes quizerAo ser homens.
Vende-se na pra^a da Independencia N. T7
e'8.
es Xo da Tl do correle ou no I." do
tnliiro mez deve chegar a Barca de vapor
S. Sebastio commandante .los Alvos Fal-
cAo, dos porfos do norte as pessoas que qu-
zerem ir n'ella de passagem para os do sol ,
poilero com antecipac/io nscrever os seus
nomes n'Ageneia ra de Apollo, para se llie
reservarem os seus lugares. Tambem se re-
cebem escravos a frete a 22>000 rs. estan-
do munidos com as respectivas guias da po-
lica.
Preciza-se de um caixeiro para taberna,
a fallar na Boa-Vista ra da ("onceie.o a Ru-
fino Gomes da Fonceca.
Snrs. Bodaclorcs.
-!
tar Preci/.a-sc de um caixeiro, que tenia
pralica de venda e que de fiador sua con-
ducta ; na ra do Raime! D. ">'. Xa mesmu
casa ha para vender barricas vazias que forio
de l'arinha.
tsr" A pessoa que annunciou venJer urna
preta com urna cria molatinha; dirija-se ao
atierro da Boa-vista primiro andar da casa
do Sr. Dr. Eslaquio Gomes.
= Domingo 18 do corrente axou-se nm
quarto com cangalha o cambilos; quem
for seu dono dirija-se a ra da Gloria caza D.
7>ique danlo ossignaes Ihe ser entregue ,
adverte-se que deve ser paga a despeza que
se tem feito.
\r Pede-se ao Snr. J. G. C. o favor de
nAo se empollar tanto com a vida dos mais ,
do contraro o seu nome ser publicado por
esta folha e os seus feitos &C. &c. Vc.
cy Thomaz Latham snbdifo Inglez retira-
se para Inglaterra.
t^f Adverte-se aos socios da sociedada A-
mizade nos Cnc que o Snr. ex 1. (......)
compra o que llies tocar em ratcio quando
for a final quilacSo da sociedade, a razAo do
quinze mil reis cada una parle. Que nego-
cio da costa da mina .Mas que fim ter esta
esporte/.a .' Ser talvez para ter tantos voto
em assembla geral quanto for o numero das
parles que tiver comprado. Relio, como he
sabicho o tal Sr.
jt Aluga-sc um sobradinlio de um andar
com cmodos para urna pequea familia no
bairro le Santo Antonio ; quem o pertender
dirija se ra estreita do Rozario D. 7>.
cr Aluga-se urna grande caza no Poco da
Tenho liilo com admiraco os commun-
calos do Snr. (i. (i. sobre o thealro e o seu
I dono e nao sei como bou ve pessoa. ou pf-.s-
' soas queso animasseni a dezafiar a colera,
e raiva de lautas pessoas respeitaveis como
sejAo os nossos actores tocando inda que de
leve nessa cazinha de maribonifos oh que
arrojo !! que afoiteza pois ha por ah quem
deixede temer, edelremer vista la pres-
petiva arrogante e medonha do Sr. Gam-
boa : o Sr. G. ti. nao sabe no que se meleo !! j panella envidracada e pintada de novo, com
e com quem hulio olhe que Ihe hade custar j cacimba senzaia o elribaria alera de ou-
suores frios pois o Snr. Camboa pie a tan- i tros muitos commodos : a tratar na ra do
tos annos desfructa na santissima paz do Se- Hospicio com Joao Rufino da Silva Ramos],
nlior os bem reiiu'ozos lucros do seu theafro defronte do Coronel Brito Inglez.
impingindo-nos tudo quanto Ihe sujere a suaj = O bacharel formado Luiz Paulino Ca-
j aferventada imaginac^O, pudera agora sof va lea ule Vellez de Guivara, mudou o seu es-
' l'rer a sangue fri, que Ihe lizessem publico critorio da rua das Cruzes para n do Collegio ,
algumas das tantas e tantas mazellas la sua 1. andar do sobrado junto botica do senhor
emplaza thealral nada, nada isso nAo he Cipriano Luiz do Paz onde continua a advo-
sofrivel; o Snr. (. (. socegue, mela-se com-1 gar no crime e cive!.
sigo e dcixe os mais viverem da forma pie! tsy Bernardo Joze Pcreira Ramalho, sub-
pu'derem por que se nao eu unido aogran- dilo portuguez : retira-sc para o Rio de Ja-
le protector do desvalido theatro. edo aspo- n"iro.
vinho=qoa gosta de hraellesem os mil; =Doseja-se falar ao snr. Manoel Ignacio
res o puderemos arrazar, e fazer calar. Ora! Pereira da Silva, proprietario de urna caza
baver por ventura ja nAo digo no Brasil na rua Augusta e como signora sua mo-
nem na Europa mas em lodo o mundo ha- radia rogase-lhe o obsequio de a declarar
| ver um milhor theatro que o actual de Per- por este Jornal.
nambuco.' baver em todo o orbe um segun-
do emprezario como o nosso e nem que cum-
pra tanto risca os seus deveres !' Em <|iie
parte diga-me Sor. G. G. havero milhores I moradora no jr.teo Matriz de s. antonio I).
Preciza-sc de umcaxeiro no botequim
junto ao theatro.
t*T Madama Sonjan parteira france/.a ,
AVI SOS MARTIMOS.
= Para o Aracaty imprelerivelmente segu
viagem al 30 do corrente o patavo S. Joze,
devendo anda recebar alsuma carga : trata-
se com Manoel Joaquim Pedro la Costa.
= Para o Rio de Janeiro a sabir com
muita brevidade, o hergantim nacional Re-
lmpago-, capitAo jos Antonio de Carva-
Iho : para carga passageiros e escravos ;
trata-aa com Joaquim Baptista Moraira em
seu escrptorio na rua de Apollo ou com o
capitao a bordo.
SSJ* Para Maranho o Brigue escuna Laura
bem conhecido nesta praca pela velocidade
de suas viagens e seguranca. Pertcndc se-
guir com brevidade quem no mesmo qui-
zer car regir ou hir de passagem para o <|uc
tem excelentes commodos dirija-sn ao Ca-
pitAo Luis Ferreira da Silva Santos ou a
Fermino Joze Felis da Roza rua da rr.oe-
da D. 140.
LE LOES.
e mais novas vistas, mais aceiados camaro-
tes (que at agora apre/.enlo urna nova pers-
pectiva; mais limpa plala, mais talentudos,
e abelidozos cmicos ? Ora em parte alguma
ser capaz lachar coiza milhor isto he ine-
gavel, e milita gente o sabe. Qual ser o di-
rector o^emprezario d'um theatro, que
saiba guardar entre si e seus subordinados
tanto respeito tanta attenco, e lo boa or-
dem como sabe o Snr. Gamboa. Ora que
mundo este isto he que se chama vonta-
8., faz sciente ao respeitavel publico que
se acha prompta nao so a exercer a facul-
dade de parteira como de sangrar, e vac-
cinar para o que as pessoas que se quise-
rem aproveitar de seu prestimo a acharo
sempre prompta a toda o qualquer hora que
seja chamada tanto para a praca como para
o matto e mostrar o grande conhecimento ,
que tem de sua f culdade do que bastante
prova tem mostrado para com as pessoas
por quem tem sido chamada s quaes tri-
de de fallar mas eu c que son puramente | buta os mais sinceros reconbecimrntos pelo
Joo Stewart agente dos seguradores
Loyds e consignataiio da Barca Ingleza
Mi'ldlesex lar venda por leilao publico
a quem mais der por conta de quem p'i-
tencer B por intervencao do corredor Oli-
veira le urna porcao de sacas de 1A de car-
neiro avariadas salvailas da lila Barca
naufragada no rio Formozo na viagem que
l'azia de Sidne\ a Londres : boje -il lo
corrente s 10 horas da inanha infalivel-
mente no seu escriplorio na rua da Cruz
D. 3>, onde os pertendentes poderlo esa-
Rarca Ingleza = Columbus -=Taxas de ftr- minai as amostras,
s= imparcal = e que alem disso tenho nti-
do de cahir no dezagrado dessa classe respei
lavel, e temivel, commandada pelo Sr. Gam-
boa, direi, e direi sempre que tudo est mui-
to o muito bom senao fosse o Sr. Gamboa
nAo sei o que seria de tanta gente e se nAo
fossem as suas reprezentacOes gratuitas to
amiudadas, muita genth nunca pescara o seu
cosmorama ; em fim Senhores se nao fosse
o Snr. Gamboa nos nao teriamosintertenimen-
tos tao brilhantes, to honestos e to diver-
tidos como os quo tomos quazi todas as nui-
les no theatro publico e he por isso que eu
rogo ao mesmissimo Snr. que em vez de fazer
trez vezes por semana fac,a todos os dias, todos
os dias porque hade ter muita concurrencia
pelo menos l nunca faltar o
Szinho.
tssr As pessoas que tiverem contas com a
casa de A. Scharamm queiro aprsenla-
las antes do fim do presente mez visto a
dita casa finalisar suas transares at aquella
data.
' Dezapareceo ro dia 17 do corrente um
quartao de ctr russa magro, linas cortadas
do lado direto marcado no quadril esquer-
do com o ferro t] e um travesso marcado
bom crdito que da mesma tem divulgado.
= Osnr. Mane! Jozo Ferreia queira fa-
zer o favor dirigir-se a rua Direita N. 82 a
fim de ser-1 he entregue urna carta viuda
da Pama iba que se (irou do cor re o por ser
de igual nome do annunciante
ss 0 Snr. A. F. A. B. haja no prazo do
quatro dias entregar a Joo BaptisU Cru-
ja as dezenove duzias de papis de ribi-
que que o mesmo snr. levou para procu-
rar quem as eomprasse ; e como fa/.em mais
de dois mezes e nao tenha dado compn-
mento do que se engarrgou por isso se
faz o prezonte do contrario ver o seu no-
me por estenco nesta folha.
or Furtarao ha dois mezes poueo mais
ou menos um allinclede brilhante ao qual
estava prezo outro de ouro por urna corrate
mui fina ; a quem for offerecido roga-ae
encarecidamente o obsequio de entrega-lo
na rua Nova primeira caza de dois andares,
no primiro andar ; que se dar alguma gra-
ti(ica?Ao.
ssy Preciza-sc de um menino portuguez;
para caxeiro de venda de idadn de dezaseiK
annos para baixo quem estiver nessas cir-
cunstancias: dirija-se a rua direita padaria
tao le fresco que nao estava anda com cahe- i de fronte do Terco N*. 51.
lo, julga-se ter sido furtado por se achara- = Vende-se ou troca-se urna negra por outra
marrado em urna carroca, porta da casa jun-l que saiba cozinhar e engomar, cozer. que nao
lo a da cunara no pateo do collegio e de-i lenha vicios, voltando-se-lhe alguma coiza;
zaparerao ao meio lia ; quem o axar ou dis-t dirija-se a rua da Vloeda N. 151. na mesma
cobrir 0 poder levar ao negociante Antonio caza vende-seo descobrimento do brazil em
Joaquim de Mello na rua do Livramento le- jl volumes, a obra domeninodaselvaem 4di-
frvuteda sacrestiada Igreja lado da sombra I tos, o Panorama de 1830 tudo por preco com-
que se recompensar. | modo e papel pautado para msica.


4
tsr Quera annunciou querer comprar 12
cadeiras de j icarand dirija -s io pateo da
S. kruz caza ao p 'la do Sr. Ptrette.
tST" A p;ssoa que annunciou querer com-
prar urna espingarda ingleza dirija-so a ra
Nova D.34.
CS" Aluga-se um primeiro andar e loja na
ra da Praia e as lojas do sobrado dos 4 can-
tos da Boa vista : a fallar cun Manoel Cieta-
no Soares Carneiro Monleiro.
O*" Bento Antonio Torres subdito Hes-
panhol retira se para fora da Provincia.
tsr a ra da Cruz armazem de trastes
n 31, precisa-sede um bom ofllcial de mar-
cineiro que seja capaz de fazer qualquer
obra com toda a perl'eigo, paga-se-llie be ni;
assim como tambera se recebe aprendiz^s que
tenho pratica do ollicio paga-se conforme
o seu trabalbo.
tr~ Joze Cerqueira Mano, relira-se para
a provincia do Cear.
tar No da 9 do crranle seguio para S.
Anlo o maiordos facinorosos e ladro, Fe-
lis Gomes de Oliveira ( o b -m conliecido bar-
ba de ouro ) e Simo Gomes de Suuza, ambos
aqui acusados por Silvestre Joa(|uim do NiS-
cimento por terem assassinado um seu es-
cravo e foro pelo Jury desta Capital sen-
tenciados o primeiro a pales perpetuas, c o
segundo a 23 anuos de priso appeliaro pa-
ra novojulgamento eo meritissimo Juiz o
Sr. Dr. Moraes e Silva que louvores I he se-
ju dados. Ibes marcou o Jury de S. Anlo
ao que elles muito se opo/.ero por terem es-
tas feras sdenlas do singue e das fortunas
alheias all comettido varios Crimea e se-
rem bem condecidos dos honrados CidadAos
daquella Comarca. Consta-DOS que de novo
requerero aos Srs. Juizes Aunicipaes Dr.
Rigueira Costa e Dr. Sette para nao irem
para aquella Comarca e estes honrados Ma-
gistrados indeferiro essa preteiico fazendo-
ns seguir para a mesma. Queira o Ceo que
desta vez seapart' mdenssemelhatites mons-
tros e sja o crime castigado e a justiga tri-
unfante, para exemplo de seus consocios.
PIULAS VBGEK4E8 E BNIVEftSAES IMBRICABAS
C3- 0 nico deposito dolas lie era caza de
D. knolti, agente do Aulhor, na ra da Cruz
n. 37.= N. B cada caixinha vai embrulha-
da cm seu receiluario com o sello da caza
em lacre prelo.
SS^ Cma pessoa ehegada a pouco do Rio ,
tem cartas para entregar ao Sr. Vicente Fer-
reira Fon les, e como se ignora a sua mo-
rada queira a annunciar.
CT Precisa-so de urna ama para caza de
homem solteiro : na ra do Arago da Boa
vista tenda de marcineiro D. 27.
tsr M. S. Mawson cirurgio dentista in-
glez avisa ao respeilavel publico que el-
le mudou sua residencia da ra da Cruz ,
para a praca .lo Corpo Santo por cima do
armazem do Sr. Davis junto a lgreja do Cor-
do Santo aonde continua a exercer sua pro-
lisso.
sgy Felis Antonio da Silva e Ricardo de
tal deixaro de ser caixeiros do botequira da
Unio desde o da 9 do corrente ; no mes-
mo botequim precisa se de um caixeiro de
42 a 14 annos para o servido do mesmo ;
assim como se aprompto comidas para fora,
com todo o asseio e commodo prec ; e to-
dos os Domingos e dias Santos liaver rafio de
vacca e cabiiiella.
ss?" Deseja-so saber aonde existe Antonio
Joze de Sampaio natural da Freguezra de
S. Verissimo de Lagares ( era Portugal ) ,
ou quem suas vezes li/.er para se Ihe com-
municar negocio de importancia; quera delle
tiver noticias queira annunciar por este dia-
rio ou dirigirse a ra da Cruz n. 22 era ca-
za de Manoel do Nascimcnto l'ereira.
s?^" Quem precisar de um caixraro portu-
guez para venda que ja tem alguma prati-
va ed fiador a sua conducta, annuncie.
cr Quem precisar de una ama para casa,
a qual da fiador ; dirija-se ra do Arago ,
tenda de marcineiro.
XSf Qui.rai precisar de um caixeiro poru-
fitiH d ilade de Di a 18 anuos para enge-
Tibo. ou utra qualquer arrumaco no mato ,
dirija-so ruado Rangel venda D. 17.
SW Um rapaz portuguez se oflerece para
caixeiro de loja le fazendas, ou de ra de que
tem'bastante pratica ou qualquer arrumaco
qiiR nao seja venda ou padaria ; quera pre-
cisar annuncie que d liador sua conducta.
KST" S^is quadros agradando ; na botica de
Gypriano Luiz da Paz na ra do Collegio D.
3 ou annuncie.
tsr Urna vara ou vara e meia decordo
d'ouro de lei sera faitio e que o pezo nao ex-
ceda de 5 oitavas ; na ra do Collegio D. 10,
segn lo andar.
ssy Quatro a seis garrotes filhos do pasto ,
preferndo-se dos pastos da parte da piranga
por ser para o mesmo lugar em que devem ser
em pregados ; na ruadosQuarteis D. 3.
cy Cadeiras de Jacaranda uzadas ; quem
tiver annuncie.
ttr Pira (ora da provincia escravas com
habilidades ou sem ellas, sendo sem achaques
de 15 a 3oannos: na ra Nova loja D. 13 ,
de manh at as 4 horas da tarde.
or Dous pretos de nacao que sejo mo-
cos e de bonitas figuras: na ra do Cal-
dereiro sobrado de um an lar D. 1.
VENDAS.
E3- Ura cavallo por estar magro : na qui-
na da pracinha do Livramento caza da viuva
do Burgos.
SS&" Cortes de lanzinha de no vos pvires ,
e de superior qualidade : na loja de M. G.
Vicgas na quina da ra do Crespo.
G?" Metas sacas de farinha da Murib;ca de
superior qualidade : na ra do Colegio D. 2
loja do Menezes.
ssr Superior cha isson a 2360 a libra e
urna porgo de meiascaixas servidas de cha-
rutos, carne de totictnho a 80 rs a libra,
e toucinho de Sanios a 160 rs. azeite doce
superior a 600 rs. a garrafa e licor francez
de roza a 3() a garrafa, e era caada a 1280:
no Beco da Polo I). 7 quina da ra dos Quar-
ters.
ss^" Uma preta da coila moga lavadei-
ra sadia e sem vicios : a fallar com o Go-
mes no Correio.
G7" Urna barcaca a pouco acabada de cons-
truir de boas madeiras que pega de 20 a
50 caixas, e muito velleira : a Iratar com
Joze l'ereira da Cunha na ra da Cadeia do
Recito n. 58.
t2y Farinha Americana nova e de mui-
to boa qualidade em porgo ou a rctalho ,
por prego commodo : no armazem de A. F.
Bidtar ra de Apolo n. 21.
C3" Relroz de todas as cores era libras e
oitavas litas de seda lavradas a 200 e 210
rs. a vara bicos de todas as larguras, e ren-
das, espingardas de espoleti a 3<*800 abo-
tuaduras de massa a GlO pentes de tartaru-
ga para marrafa a I440 o par estojos de
navalhas em caixas com os proparos neeessa-
rios e otitras niuitas miudezas por prego
commodo : na ra do Cabug loja de miude-
zas n 4.
SW -4 oscravos para todo o servico sen-
do um bom canoeiro ; um molecote de 18 an-
nos sem vicio algum urna escrava de na-
cao mucambque engomma perfeitamente ,
cose cozinha e lava com dous filhos um
de dous mezes e nutro de 5 annos ; ; 5 es-
cravas com habilidades : na ra de agoas
verdes D 58.
ssr l'm terreno com 32 palmos de frente
e l2"> de fundo, na ruados Coelhos na quina
da ra dos Prazeres ; e um terno de pesos
de bronze i na rita da S. Cruz venda da qui-
na da ra da Alegra a fallar com Joze Fer-
nandes Lima.
cr Duas pretas de 18 a 20 annos en-
gommo cozinhao e ensaboao ; dous pre-
tos do 20 annos de boas figuras para to-
do o servido urna negrinha e urna mua,
tinha de 15 annos: urna preta de idade de 20
annws perfeita cozinlteira e engommadeira ,
cose eensaboa muito bem para fora da pro-
vincia : na ra do fogo ao p do Rozario D-
cima 23.
tsr l ma escrava de 20 annos engomma,
lava, cose, e cozinha: na ra dos tanuei-
ros D. 11 segundo andar.
tas" As pandectas de Justiniano traduzidas
em Francez com o texto latino cm frente ,
m sete columnas infolio aind i sem uzo e
Superior palha de carnahuba milita a|-
va em porgo o a ret dho : na ra da Cruz
numero. 32.
BSf No fim da ra da Roja um terreno
com 120 palmos de frente cora alicorees
fundados a 16'annos ecom lio palmos de
fundo : a tratar no sobrado que tem lam-
piojunto ao ferreiro.
tw Um bonito molecote de 18 annos ,
propriopira pagem ou qualquer servicio ,
muito robusto e sadio : ni ra do Cdraga lo-
ja da quina de Thomaz de Aquino.
tssr Vende-.se ou aluga-se urna canoa a ber-
ta cora pouo uzo e que pega em 300 lij-
los Je al venara : na ra Augusla caza que
faz frente.com o beco do Peixoto das 6 as
8 horas e meia da manh e d is duas da tar-
de as 6.
C?" Charutos de fumo da America feito
no paiz a 720 o cento em porgo e a reta-
Iho e cobre-se charutos que ja estejo fu-
rados a 440 o cento : na ra eslreita do Ro-
zario loja de cera D. 15.
SST Tasas de ferro coado e batido em bom
sortimento por prego commodo ; farinha em
sacas de alqueire a 5810 a saca : na ra do
Vigario n. 7.
tar Poj Parisienses purgativos anti-sy-
phililicos, antidartrosos, c anti-biliosos. E>-
tes pos obtivero urna grande celebridade em
toda a Europa ; eos seussucessos maravillo-
sos de cada Jia Ihe mcrecem aprovago gera
cora curraes boa caza de vvonda, bom cer-
cado e dous assudes com boa agoa de beber, e
tem todas as commodidades para situar urna
boa fazenda de criar : os pretend rates dirijo-
se ao msrao sitio a fallar cora o dono ou en
Pao d'Alhocom" o Cipito Mmoel Francisco
Ramos.
135- Collecorjs completas das leis do Impe-
rio desde 1822 a l8il inclusive, por junto
ou em volumes separados : em caza de E. A.
Dubourcq ra do Vigario n. 16; onde se
sabscreve tatnbjm para o Jornal do Commer-
ciodo Rio de Janeiro.
Of" Uraa caza na Cidade de OlinJa por
prego commo Jo : na ra Augusta venda da
quina.
S25* Sacas com farinha da Ierra cotn al-
queire da medida velha por prego comino-
do : no armazem do Braguez.
j3j"Um caza terrea na ra do Cjtovelo na
Boa vista D. 16 : a tratar na ra do Ran-
gel D. 7.
tsr Uma caza lerrea na ra Je S. Miguel
nos Afogados : a tratar na ra Dirtita Dci-
ma 85.
ESCRAVOS FUGlb~0s7
tw No da iGdo corren te pela manh ,
fugio da casa de Joaquim Gongalves ^ eir
Guimares um prelo escravo de Manoel Jo-
ze de Castro Araujo; par pome Joze dos San-
o que prova que nenhuma preparago gosa de (S j de nagJ0 An;;[a t|t ba8tanta he[n
barbado alguma couza bamho Jas pernas ;
propriedades to eminentemente depurativas.
Os pus parisienses sao o verdadeiro espec-
fico as molestias secretas recentes ou inve-
teradas. Como depurativos do sangue sao da
maior efflcacia em todas as moletias entre ti:
das por ura virus qualquer quaes as infer-
midades da pelle, as empigens as sarnas an-
tigs ou repercutidas as dores rheumatis-
maes, as afiVccoes escorbticas e escrofolo-
sas em fim em loda acrimonia do sangue
annunciada por comichees calores nodoas
amarellaso vermelhas, hemorroides, pre-
gos pstulas no rosto aphtes ulceras na
boca ou dentro da garganta, cor lvida do
rosto olhos avermelhados llores brancas ,
humor melanclico plidas cores ataques
de ervos idade critica das mulheres. 0
uzo permanente destes pus entrelem a fres-
cura do rosto a liberdado do ventre. Vo-se
segundo o exposto que acabamos de fazer que
estes pos sao utilssimosem mutas afi'ecgoes
acrimoniosas, desta: que nao tem um car-
cter suspei'o e de mais sao recunheeidos
como um dos mais poderosos ant'biltosos.
Maneira de fazer uzo driles.
O modo ile uzardelles he muito simples :
toma-se urna papel que se pfle dentro de um
bule derrama-sc nelle tres chicaras d'agoa
fervente ; deixa-se lazer a infusso como pa-
ra cha. QuanJo licar resfriada coa-se. Be-
be-se uma chicara desta infusso antes de se
deitar, outta ao levantar e a ultima uma
liora e meia ao depois do almoco. Continua-
se assim durante loa 20 dias e at 30 dias
consecutivos se for a molestia ou infermida
le antiga. Porem quan lo ura a pessoa tem
simplesmenteum embarago gstrico basta o
uzo de dous ou 3 papis.
Estes pos nocoutetn nenhuma preparago
mercurial o resguardo he fcil a observar :
abstem-.se de comidas salgadas ; o lei le e os
l'arinhosos Ihe sao preferidos ; elles nao in-
terrompem de poder girar : na ra lardado
Rozario botica D. 10 de Manoel Felipe da
Fonseca Cande.
tST1 Sacos vasios proprios para farinha: no
armazem de Machado & Basto na ra de
Apolo D. 13.
tsr Duas espingardas de dous canos ja
experimenta las por prego commodo : na
ra Nova armazem D. 34.
C^ Prtmeiras licoes a minha Discipula ,
para uzo das meninas que principiad a 1er ,
pelo mdico prego de OO : na ra do Quei-
inado D. 13 loja de Carioca & Sette.
ts^- Um batelad* que carrega 5 pessoas,
pintado de novo e bem construido por
prego commodo : na olarta dos Coelhos jun-
to a malanga.
S2T Um cavallo melado apatarado de
COMPRAS.
ty Os Diarios do anuo d> 1838 nmeros
91 92, c 94.; na rus da Florentina riov.i
na ultima caa (|ue faz quina para a ra de S.
Amaro.
boa encadernaco pelo prego de 32ji rs. ,
que foi o cusi ; quem quizer annuncie.
S25- Um sitio com caza de sobrado livre e j muito bonita figura como poucos se tem vis
desembargado na passagem da Magdalena, to muito gordo, carrega bem baixo al
entre as duas pontes ; a falar na ra da Glo-lmeio e mesmo para carro he ptimo : na
ria, com oseo proprietario Joze Joaquim Bi-^Soledade o p do Quartel D. Ib*.
zerraCavalcante. tss- Uma caza na povoagfiO dos Afogados ,
tsr Excellente azeite doce de Eisboa a i de pedra e cal Ierra propria com 2 quar-
a4()0 reis a caada e por garrafa 5(J0 reis I tos quintal grande e murado e cacimba
e quem tomar porco sedar mais era conta ; com boa agoa : no ra de S. Joze D. 18.
na na dos Quarteis I). 5. ssy* L'n alias geogrfico com O carias
CtExc lente taboadodn pinho americano, grandes de ptima e moderna imprrsso por
B da suecia, por muito commodo prego epor prego commodo na luja de livros do pateo
se precizar do armazem] que o mesmo pinho do Collegio D. 7.
oceupa ; por detraz do Theatro no telheirc da ssr Um sitio de criar gado na cacimba,
parle da niare. distante uma legoa da Villa de Cabiceiras ,
levando vestido camisa decidla e caiga do
cor chapeo de pello ; suppoe-se ter toma-
do o caminho do Rto-formoso quem o apre-
hender ou delle tiver noticia o leva rao a
casa do annuncianle ra da cadeia velha,
junto ao arco da Conceigo I). 31. ou no
Rio Formoso em casa de Lino Joze do Castro
Araujo que ser recompensado do seo tra-
balbo.
tw Fugio a 16 do mes prximo passado ,
o prelo de nome Joaquim de 50 annos de i-
dade pouco mais ou menos estatura regu-
lar ; cheio do corpo cor meia fula e com
todos os dentes quem o pegar leve o seu se-
nhor Francisco Alves da Cunha na ra es-
lreita do Rozario D. 17, que gratificar o pa-
gar toda a despeza.
ss^ Fugio nodia 18 do corrente uma es-
crava crioula de nome Benidicta de 24 ann"s
de idade estatura regular bastante beiguda,
pernas arquiadas muito regrisla e quando
foge dizque f. niarello de listras pao da costa ja uzado ;
i]Ui 111 a pegar leve-a a ra do Livramenlo bo-
tica D. 11 que ser recompensado-
SS* No anuo de 1831 fugio desta cidade
uma escrava de ntime Calhanna de nago An-
gola de 19 annos de idade quando fugio,
lula da cor, estatura mediana dentes li-
mados boca pequea e no brago esquerdo
uma grande marca de quetmadtira de fogo ,
consta que est era urna casa nesta cidade co-
mo forra ; por tsso roga-se a pessoa que a ti-
ver mande entregar na ra da Florentina na
ultima casa do lado do nascenle que ser
>em gratificado c o nao fazendo o dono
da mesma escrava cobrar das de servgo
desde o ten.po em que fugio.
si?" No dia !G do corrente fugio do abai-
xo assignado um escravo creoulo de nome
Goncalo dflicial de pedreiro estatura regu-
lar cheio do corpo cor meia fula com
marcas de hexigas sem barba com cabellos
nos peitos de 22 annos de idade caigas e ca-
rniza dealgodo da Ierra jaquela de ganga
amarella desbotada e mais urna calca de ris-
cadoazol nova. Julga-se ter sido seduzido
por alguma pessoa para compra ou furto ,
contra a qual se pretende proceder na forma
da le; quem o pegar ou delle der noticia cer-
ta leve a ra da Praia serrara do abatxo as-
signado, ou na ra do Rangel ae pe' do Sin.
Joze Maria da Cunha Gniniares que sera
recompensado.
Antonio Dias da Silva Cardial.
ir Dezapareceo em Mato de 1840 urna ne-
grinba de nome Luiza nago sungo de ida-
de de 12 a 14 annos estatura baixa cor bem
preta cara redonda e pontuda olhos abugalha-
dos peitos pequeos e bem em p pez pequeos
e secos nadgas empinadas quando de-
zaparecfu estava bastante gorda e supe-se
que foi birlada pois nunca sabio ra, e nem
to pouco noticia se tem tido; por isso se ofle-
resea quem a troucer 011 .lela der noticias
certas, guafdando-se lodo o segredo 50,i000
i'is do ;;ralilicago. na praga da Independen-
cia numero 35 e 54, 011 na ra da Ale-
gra D. 10.
RECIPE NA TYP. DE M. F. DE F. = 1812


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EITGNTENP_A5O04G INGEST_TIME 2013-04-26T21:31:20Z PACKAGE AA00011611_08136
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES