Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08122


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1842.
Sabbado 5
Tno agora depende de ne mensos ; di doiii prudencia modetacSo, e energa : rnn-
,juUWi( como principiamoa e icremoj apontadoa con admiraran "entre aa NaciV* ai a i
C11|ias. (Proclamaco da Asiembla Geral do Iraiil.)
PARTIDAS DOS GORREIOS TERRESTRES.
nna Pataifc eflio grande do Norte, aegnndas e aexlaa feiraa.
Bonito t Garantais ,- 40 e 24
Cabo, Serinhaen *' FOIo Pono Caira, Macei e Alagoaa no 4.
faie'^3- Santo Antao qainlaa feira*. Olinda lodoa oa diaa.
DAS DA SEMANA.
JO, ge# Drrjolacito de a. .loiio Raptiita. Aud. da J. de D. da y.
30 fer?. a. Ro> de Lina. Re. Ad do J. de D. da i. .
31 Qitrt. Raimundo Nonato Card. Aud. do J. de T>. da 3. T.
\ Ouint. a. Egydio Ab. And do juix de D. da J. .
2 Scl. Eatefio Re. And. do J. da D. da 4 t.
3 Sab. s Eufemia V. M. Re. Aud. do J. de D. da 3. t.
6 Don. N. S d. Peaha.
, e 21
Preamar do dia 3 de Sctcmbro.
4. a 2 hora a M m. da nanhi.
2. a 3 hora e 18 m. da tarde.
de Sefemb-o. Anno XVITT. N. 190.
O Diario publira-ae lodna da diaa fjae nao forero Santificado o preeo da aasi 'rulara lio
de tres mil rei por quartel pajoe adiantado. Os annuncioa dos asaignmtea sao inserido
Rrati-! e os llanque O iii.i brea i raan de 80 reis por linha. As reclamaiioea deven ser
dirigidas a ela Typografia rus dasCrutes D. 3, eu a pfaf* da Independencia luja de litro*
Numero 37 e 38.
Cambio eohre feondrea 25 nomino!.
a Paria 37.S reis p. franco.
> Lisboa 100 por 100 da pr.
Moeda de cobre 4 por 100 de descomo.
Idea de letras de bas firmas 1c a 1 e ,.
^E setemkro. compra venda.
ORO Moeda d* 6,400 V. 4fi,S0O 16..,00
1} N. C.IOJ 46.300
a* > da 4,000 11.100 1,300
PniTi Pn tacos 1,880 4,890
Peros Columnart 1,880 4.8O
a dito Mexicanoe 4,880 4.81H
miuda 4,690 4,730
Lna Nora
Quart. creac.
La eheia
Quart. mir.;
PHA8F.S DA LA NO MEZ UE .SETRMBRO.
a i s 7 horas e 22 m. da tard.
41 1 horas a 42 n. da lar'.
a 19 la 'i huras a 5 n. da tard.
. a 27 --a 0 buras e Ti m. da lard
DIARIO IIE PEKIVAIIBUEO.
PARTE OFFICIAL
G0YERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 51 DO PASSAD0.
Olficio Ao comman Jante das armas ,
scientificando-o de que determina que a
tropa de linha existentente nesla cidade se
forme em grande parada no dia 7 de Sctem-
hro juntamente com o corpo de polica e a
primeira legio da guarda nacional d'este
municipio a qual commandada por seoche-
fe tomar o lugar que Ihe compete pelo ar-
tigo 70 da lei de 18 de Agosto de 1851 : or-
denando-lhe que commando toda a Ib ir a ,
e que depois de ter indicado o lugar o hora
da sua reunio faga, que lia se poste nn.
ra do Collegio as 11 horas da manli alim
de se fazjr o cortejo efigie de S. M., e da-
rem-se as salvas do estilo: disendo que
communique as suas disposiges tanto ao
commandante superior da referida guarda na-
cional como ao'commandante geral do cor-
po de polica aos quaes ton. ordenado que
com S. S." entendo-se respeito : e inlel-
ligenciando-o de que a guarnido da praga
ser no dia 6 feita pela torga da guarda nacio-
nal aquartelada em olinda e rendida no
dia 7 tarde pela lo ir a de primeira linha.
Dito Ao commandante superior da guar-
da nacional d'este municipio determinando
que expeca suas ordens para que aprima-
ra legio da guarda nacional do seo comman-
do superior se aprsente no lugar e hora ,
que Ihe designar o commandante das armas ,
lm de marchar na grande parada do supra
referido dia : e intelligencando-o de que o
mesmo commandante das armas commanda-
r toda a tropa que marchar de que a
mencionada legio tomar o lugar que Ihe
competir pelosupracitado artigo \ c de que a
guarnido d'esta cidade ser feita no dia 8 do
supradito mez pelo batalho da guarda nacio-
nal do seo commando superior a quem to-
car tal servico.
Dito Ao commandante geral do corpo de
polica, ordenando que entendendo-se com
o commandante das armas haja de apresen-
FQLMETri
DOLS ERROS,
POR A. DROZ DESVOYES. (*)
Mas segura de si para com Maria susten-
tada pelo titulo de esposa que a autorisava
a fallar sem temor e com a fronte erguida
ao mesmo passo que a sua rival seduzida e
publicamente deshonrada nao poda seno
tremer e corar decidio-se aira casa de Ma-
ria e exigir quer por ameagas quer por
supplicas aquelle sem o amor do qual nao
podia viver. TenJo-se bem assegurado de
um dia e de urna hora em que julgava nao
poder encontrar Autony em casa de Maria ,
foi ter a pequea habtago do arrabalde Mont-
martre.
Maria ao v-la experimentou um mo-
vimento de horror que nao nVle reprimir.
Peranteella se achava essa mulher causa
primaria da sua deshonra, que Ihe linha rou-
bado a ellaum esposo a seu I i I lio um pai.
Sabis sem duvda mademoiselle Ihe
disse Ciernen a aff'ctando carregar sobre esta
pdavra a que motivosdeveis a minha pre-
senta em vossa casa.
( ) Vid. Diarios Ns. 181, 183, 184,
186, e 189.
tar-se com o corpo de seo commando para!
formar em grande parada em o ja mencionado!
dia as horas, que o mesmo Ihe houver de de-
terminar.
Dito Ao inspector da thesouraria da fa-
zenda remettendo as ordens do tribunal
do thesouro publico nacional sob nmeros 00,
70, 71, e72.
Dito Ao inspector to arsenal de mari-
nha ordenando que remella a thesouraria
urna segunda via de conta do brigue = Cap -1
baribe com declararlo do que ruslou a i
sua couslruco e do que se despendeo com ;
seo aparelho.
D>toAo commandante das armas ti
tellig*mciando-o d'haver sido approvado pelo
governo imperial a licenga que a Presiden-
cia cedoo ao primeiro cadete d'arlilharia a p,
Francisco Joze Martins para tazar os seos es-
tud >s preparotorios com isempgo do servico
do batalho.
Portara Ao director do arsenal de guer-
ra determinando que entregue ao comman-
dante do brigue escuna ='Nictcroy = ou
a sua ordem quatroarmas do adarme 17 com
baionetas em indemnisago Jas que o dito
commandante forneceo guardad os recrutas
doexercito que a bordo do vapor = Para-
ense = foro transportados a corte do im-
perio.
Officio Ao supra mencionado comman-
dante, participando a expedigo da preceden-
te ordem em resposla ao seo olficio em que
a sollcitava.
DitoAoengenheiro em chefe das obras
publicas ordenando que nos pedidos que
enderecar thesouraria das rendas provin-
ciaes faca especial menso dos ordenados dos
empregados do governo e dos \rncimentos
dos que os percebem por contracto sem
confundil-os com os fundos necessaros para
as obras publicas as quaes devero serhpre
ser declaradas.
Portara Ao director do arsenal de guer-
ra determinando que receba do comman-
dante do batalhAo de infantaria de guardas
nacionaes destacado tresentas armas e Ihe
fornega em troca iguil numero das que foro
ltimamente compradas.
Officio Ao commandante das armas ,
communicando ter expedido a ordem ante-
cedente.
Pito Ao director do arsenal de guerra .
autorisando-o em atengo a urg-mcia de
preparar a (ropa para a grande parada do dia
7 de Seteinbro para comprar dous bolt'S
dourados, qu informa serem de proco de !V.
reis groza os, que forem necessarios para
o fardamenlo rico do batalho de infantaria
de guardas nacionaes destacado.
Dito Ao commandante do brigue escuna
= Nicleroy =, communicando-lho haver
sido reformado o segundo tenante da armada
tirardoJoo Damasio do Souza Freir? o
ordenando, em cumprimento do aviso da se-
cretaria d'estido ilos negocios da maiinha de
l2do corrente que mande dar guia de de-
sembarque ao dilo segundo lente, e de-
lermine-lhe quBse recolha a corte.
Dito Ao inspector do arsenal de marinha
inlelligencian lo-o do conteuJo no preceJente
oflico.
Ainda nao os se responden ella, mas
supponho-o.
En^to mais do que sullicientc para
que possa explicar-me desde j e vos respon-
der-me sem rodeos.
Nao conheco rodeos senhora ; e ,
sem ter sangue nobre as veas por ellas me
corre um to altivo como o vosso ; e qual-
quer que tenha sido a minha conducta nun
ca procurarei cerca-la de trevas.
Comtudo talvez rrjais valesso que o ti-
vesseis feilo replcou Clemencia : quando
nossa conduca nao confessavel bom oc-
culta-la.
Cada qual juiz na sua causa senho-
ra at que Dos tenha sentenciado em ulti-
mo recurso...
Conheceis Antony ? interrompeu Cle-
mencia.
Vos o sabis, senhora pois que o vi ,
e pela primeira vez em casa de vosso pai.
Vos o vedes a miudo ?
Todos os das.
__ Todos os dias Ento muito vos ama
elle disse Clemencia rom osolhos incendia-
dos e a colera pintada em todas as s-.;as fei-
ges.
__ Creo-o senhora, replicou Maria com
dcura.
Credes-lo mas sabis que casado ,
que me pertence que c um crime arrancar
um hornea) ao lago sagrado que o liga .
Com que im semelhante audacia ?
Antony amava me, senhora antes d*1
COMMANDO DAS ARMAS.
EXPEDIRME DO DIA 29 DO PASSAD0.
Ofiicio Ao Exm. Presidente infor-
mando o requerimento de Braz M trcellino do
Sacramento, quena qualidadede procura-
dor do actual boticario da ilha de Fernando ,
supplicava o pagamento do que se lite eslava
a dever.
DitoAo mesmo Exm. Snr., enviando-Ihr
urna representado do sub-delegado supplente
do termo deScrinhilem, aeompanhada d'outia
do oflicial commandante do destacamento da
guarda nacional acerca do fornecimonto de
luzes e agoa durante os 57 dias que du-
rou o mesmo destacamento, e rogando-lliea
expedigo de suas ordens para que fosse pa-
ga a dispesa feita com tal fomecimento.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. remellen-
Ihe in'ormado o requerimento do alferes de
linha Joze Alvos Pimentel, que sollcitava
mirar no goso ., e vantagens do posto de l-
ente ,. a que fora elevado por decreto de 27
de Maio deste anno publicado no jornal do
Commercio de 29 do mesmo mez.
Dito Ao reverendo vgario da freguesia
deS. I.ourengo da malta, agradeccndo-lhe
vos pertencer disse Maria ; linha delle um
tildo antes que vos fosseis sua mulher. Nao
o affastei de vos elle quem vollou.
Queouco um filho Vos tendea delle
um lilho ? Oh que vergonha que infa-
mia !
Ah senhora replicou Maria : nao
fostes vos quem causou lodo esse mal.' Se nflo
tivesseis casado com Antony qual de ni se-
ria a mais infame accrescerrtou ella ai ai-
xa ndo a voz e abafando quasi inteiramente
estas ultimas palavras como se se livesse ar-
rependido de repente do que Ihe linha es-
capado na sua indignacao
Clemencia olhoii para illa com profunda
sorpreza mas logo lornou a si, e pensan-
do que ella empreslava observago que ac-
bava deouvir nina allusao que nao podia ter
e que nao tinha paradla upplicagoseno por
simples effeito do acaso :
Agora conlinuouella queseiasre-
laces que exslem entre vos e meu marido ,
rcagoesde que nao podereis jamis gloriar-
vos entregar-me-hei a vos com conlianga.
__ Fallai senhora disse Maria ludo
me ordena que vosescule.
Nao vos admire este meu procedimen-
to que nao foi dictado nem pelo orgulho ,
nem pelo amor proprio. Amo meu marido ,
.uno Antony ; percebei-me vede como cho-
ro O corago de Antony -me indispensavel,
iiau porque a lei m'o den mas porque nftc
poderla viver sem elle! Nao existo depois que
elle me foi roubado ; pai, mfti ; lilho a
o bom acolhimento, e tractamento gratuito
que dera ao soldado Francisco Ribeiro do
Souza do tt. batalho de cacadores, qno
tendo adoecilo em sua marcha para o centro,
Ihe Cora entregue pelo capit&o commandanto
ilrt e\pedicr0.
Dlo Ao commandante interino do forlo
lo buraco para que informassesobre urnas
pedras de cantara deque tratava o enge-
nheiro cm chefe no olficio que Ihe re-
el lia.
Dilo Ao ten ule coronel commandanto
do bilalho provisorio, ord-mando-lhe que
mandasse pelo reverendo capello padre An-
tonio de Faria Neves roceb'.-r da adminis-
: Irac'to dos eslabelocimenlos de caridado as
alalas que outr'ora pertencerfio ao extinelo
[hospital militar, informando depois acerca
do estado d'ellas e requistando o que jul-
gasse de mister para ser com decencia eolio-
cado na igreja da Solidade o Santissimo Sa-
cramento devendo para este lim o referido1
capello enlender-se com a pessoa o cargo do
quem estivosse a dita igreja.
Dilo Ao commandanto do batalho do
infantaria de guardas nacionaes destacado ,
scientilcando-o que o capitao reformado A.
R. d'A. P. eslava nomeado instructor par-
cial do secundo batalho da guarda nacional
do municipio d'Olinda cun a obrigagao de
urna vez por da dar ao batalho do seo com-
mando a instnigo de que lano careca.
DEM DO Dl\ 30.
Olficio AoExm. Presidente, para que
houvessa de mandar receber no arsenal de
guerra 300 espingardas do adarme 17 nao
proprias para a arma de infantaria pesada e
fornecer ao batalho destcalo outras 500
em substiluico as (pie recothia.
Dito Ao Exm. General commandanto
em chefe do exercito do sul communicando-
llio que em virlude de requisico do seo an-
leressor feita ao Exm. Snr. Presidente des-
la provincia fora elevada a 18,) reis men-
saes a contar do primeiro de Outubro do
IS")(I omdiaiite, a prestaco de Mji reis,
tpie nesla cidade havia (feixado a sua familia
0cirurgioajudant' Joze Felis de Moraes.
Dilo Ao commandante do forte de Pao
amarello disendo-lhe que fieava sciente do
ludo lenho sido indifferentc : nunca sent a-
mor seno por osle homem ; foi depois que
Ihe pertengo que minha intelligeocia desper-
tou que me veio alma '. Tocado de tanto
amor, iacoinprehende-lo, comprebenda-o,
quando de repente desvanecero-se m-
nhasesperangas e nao encontrei seno um so-
nho no que por um instante foi para mim u-
ma realidade to bella Julgai se son digna
de lastima julgai se sou desgracada com
esta fatal descoberta !
A mesmo lempo o seu semblante inun-
dou-so de lagrimas os solucos abafa rao-a %
e cabio em urna cadeira de bracos quasi sem
sentidos.
Maria ajudou Clemencia a tornar a si; mis
a ella mesma a razo Ihe faltava : era esta a
lilha doSr. de St.-Yves ; e quem tinha as-
sim dado voo s suas faculdades i' O amor ,
o amor que linha concebido por Antony.
Ouanto teria ella querido romper esta entre*
vista, e quanlo receiava que Antony noas
viesse sorprender.
Cala i-vos replicou Clemencia ; nio
ve les que agora invoquei a vossa generosi-
d?. le a vossa compaixo que 6 mister que
ir restiluais aquelle que me est ligado pe-
! '; lagos os mais sagrados e que seria digno
;.; va, digno de um anjo tornado a trazer
a neiis bracos !
Pode-lo-hia senhora c consentira
elle ?
Mas dizei Ihe que o seu dever, que a
Ma honra Ih'o ordeno.
fl


l^r (Jo sii vr na prxima scssAo dos jurados
na cdade dcOlinda'.
Dito Ao mesmo para que se enten-
desse com a anlorida.lc j oficial do lugar ,o
obslasse o rendeiro das Ierras confinantes a
edificar plantar cKc. no solo da fortificacAo ,
isto em distancia de G00 bragas como
manda a lei do 12 de Fevereiro do 1812a mo-
nos que para tal plantado 011 odiieaoAo l-
vosso licenca precisa pola secretaria de esta-
llo los negocios da guerra.
Dito Ao Drogado do termo dcsla cdade,
dizeiido-llifi.que icava inleirado da prisAo do
guarda nacional destacado Jozo Per reir dos
Anjos, participada em seo cilicio de hontem.
Dito Ao comniand.inle interino do lor-
eoiro batalhao de arliiharia para que con-
_ siderosse elevada a IS. us, dodia primei-
ro de Outubro de 1859 em diante a pres-
fago do 11,, res mensaes que deixou a
su familia ocirurgio ajitdanto Jozo Falte
d9 .Moraes, cobrando o excosso do 7. reis ,
que- a dita familia tem deixndodfl receber o
desde aquello dia al-'-o fin dome/ proxim,
passado.
Dito Ao lente coronel commandante'
do balalho de inlantaria de guardas nacio-
haes destacado communicando-lho a prisao
dosohhdo J, P. dos Anjos pelo crimo de of-
l'enoa f",U na pessoa do portuguoz liento
Goncalves dcvenJo mindd-o apresentar ao
sub-delegado dos AlTogados sempre que
for reclamado para assistir aos interrogato-
rios e formago da culpa.
Hito Ao mesmo para que mandasse
relaxar da prisao o furriel ,\ la noel Soarcsde
.Mello qus fora dispronunciado.
l>ilo Ao capilo commandante do de-
posito acerca do desertor Joze Folippe da
Silva qu; se aclia preso cm Tamandar por
crimo civil.
Dito Ao commandante do halalhAo pro-
visorio, para que lizess; constar ao cajiilao
mandante do mesmo balalhio que deve es-
perar pida decisao imperial acerca do abo
no da cabalgadura e fjrragom que solicilou
da Presidencia.
REPARTIDLO DA POLICA.
Parle das occorrencias do dia l. deSe-
Icr.ibro.
Da parte dada pelo commandante eral do
corno de polica consta nao ler occorridu no-
vidade.
Dis paites do Commandante Ceral do Cor-
pa Policial, das semanaes communfeaedes
reeebidas do interior da Provincia nada cons-
ta relativamente a ordem o trauquiji lade pu-
blica Suciedad: Eulerpilia.
2
curso do Throno. As Cmaras proseguiAo
cm seus trabalhos serenamente sendo as
primeirassesses oocuppaJas'com a verfica-
go de poderes o discussAo sobro validado
das eleignei nos diferentes circuios do Pieino.
As noticias de Ilospanha chegavAo a 21
mas nao erar de maior interesse. As de In-
glaterra at 1G e as de Franca at" 1 i do pret-
rito mez.
Alm dos arligosque levamos transcriptos ,
no seguinto numero publicaremos mais al-
gum quo parecerem dignos da atengao dos
nossos subscriptores.
DISCURSO.
v Dignos Pares do Reino p Senbores De-
pulados da .NacAo Portugueza.
O Voto Nacional espontneamente ma-
nifestado nesles Reinos Me determinou. em
desempi'ulio do mais sagrado dever, a Decla-
rar em vigor como !,e Fundamental do Es-
tado a Carla Constitucional da Monarchia ,
oulorgada por meu Augusto Pai deSaudosa
Memoria. E' vossa missAo consolida la, e eu
confio cm que a desempenhareis.
Contino a receber dos Soberanos meus
A Miados, salisfatorias dcmonstrag"es deam-
sade c harmona ; e nao cessa o meu Coverno
de procurar eslender as nossas rolages poli-
ticas e conimercia"s.
Com plena sntisfaeSo minha vi chegar a
esta Corteo Internuncio deSua Santidade. As
muitas virtudes, e luzes do Summo Pontifico,
sao mni seguro pcnbor de concordia, o de quo
a Igreja Lusitana sem quebra das prerogati-
vas da Cora, que o meu Governa ha de sem-
pre rnanter gosar da paz de quo tanto se
carece nara a oonservago da ordem publica ,
e tranquilidadodasconscicncias. E' tambem
com grande prazerquo vos nnnuncio haverom
igualmente chegalo a esta Corto c terem a-
presentado. as suas Credenciaes os Represen-
tantes do Roi da Prussia, e do de Sardenha..
ic Eslo assignados o vos sero presentes
i m media lamente dopos de ratificados, dous
iniciados que Celebrei com Sua Magestadc
a Rain ha da CrA-Bretanha; um delles pa-
ra a repressAo do trafico da escravalura; o ou-
tro para firmar as mutuas relagoes de com-
mercio e navegagAo.
O Ornamento da reoeita c despeza para o
correnle anno econmico vos ser apresen -
lado.
Espero do patriotismo das Cortes todo o
desvelo no desempenho das suas funegoes, pa
ra se lixarem urna vez as bases do Systcma de
Fazenda, desenvolver de novo os importantes
recursos das Possessoes.l'l trama rias; e aper-
licoar loilos os ramos do AdministraoAo des-
tes Reinos.
'i Est aborta a SeSho.
KXTRIIIOR.
As folhas de Portugal reeebidas boje ( 2 de
Setembro ) a sabe: o Diario do Coverno c o
Nacoml de Lisboa, pelo Brigue) Concci-
qo de Mara alcango a 28 de Julho p.p.
e dao not.cia da ahedura das corles a lo
d quelle mez. Abaixo Iranscrovemos o Dis-
Dizer-lh'o nunca senhora : desva-
lo disso nunca lamb-m eu vo-lo juro.
-*- En Uto ulianduuo-o !
Abandona-lo oh nflo : sei quanlo
soffri quanlo elle me esqueceu.
Deixai Pars, deixai a Fran-.a.
E se me seguisse scnliora .'
Estaisenlao mili segura dellc iulcr-
ro ipen vvamo< te. (demencia (po, conhe-
cendo que nada obteria por meio de rogos e
lagrimas, deixaya-sc dominar pida colera :
mas de repente ahifnu-a e teutn um novo
esforco.
Mara disse ella Anlony nao pode
prtcncer a nos ambas anda menos a vos
s do que a mim. Nos sois pobre tendes
Um fillio. cuja existencia agora mesmo po-
'deTsassegurar urna bella existencia I'ar-
ii part com elle. Anlony dcixou-mese-
nhora de toda a fortuna de meu pai : tenho
riO.O.O'-O (Vaneos a ofl'orccer-vos mus anda
*so quizerdes: mas parli, e immndiatamenle
vo-lo's dou.
Mara, bnmada levmtoa-so altiva-
mente e sin procurar fazer sentir a Cle-
mencia o que os seus ofierccimenlos linhSo
lid) de nlensivo pira ella respond u-lhc :
Anda agora senbora eu vos dizia :
.( Esc Anlony me seguisse! agora dir VOS
liei : Elle me seguir. ,
o muito : exclamou Clem ncie lo-
vanJtaDdo-.se precipita.lamente Envoquci a
"\irtude cm vosso ccrarAo: ali procurci a com-
u Htcrcsne cm vio
Secretaria de Estado dos Negocios do Reino.
Por ordem superior so annuncia que Sua
Magostado Fidelissima a Rajnlia ,em demons-
tracilo de senlimento pela morle de Sua Alteza
Real o Serenissimo Duque de Orleans Toma
luto por lempo de um mez a contar de boje,
sendo os primeiros qunze das de luto rigoro-
so c os segundes de luto alliviado; o tem re-
sol vido quo a Corte c os seus Creados to-
sempreem vAo Appellarei para as les : co-
nhecer-se-bo vossas indignas machinac-Oes ;
vossa deshonra lornar-se-ha publica e pe-
di rei.i justica oque ousais recusar-me.
:\ao o farcs scnliora, disse Mara com
socego.
.Nao o farei replicn Clemencia ele-
vando a voz ; o meu casamento pois millo ,
nao sois mis urna concubina e nao sou eu a
mulher legtima eu quem viria pois lan-
car-se entre mim e a lei que me protege ?
E" que antes de o fazer des scnliora ,
Anlony vos tena deshonrado.
A mim a mim exclamou ella.
A vos disse Maria e se nao o fez a-
gradecei m'o pois ulgiiei que a infamia que
mem o mesmo luto pelo referido tempo. Se-
cretaria U'Estado dos Negocios do Heino om
25 de J:ilho de l8i2.=iWo do Tilheiras.
NOTICIAS DO PAQFETE.
O Parlamento Britnico continuava a oceu-
par-so principalmente dos meios do occorrer
miseria das classes indij;entes cuja silua-
cio dava o mais sorio cuidado ao Coverno o
a lodosos bomons aquem os sentimenlos de
humandade c patriotismo apresenlavo esla
queslo como o mais grave que o paiz offere-
en actualmente. O Ministerio tinha apresen-
tado ao Parlamento um <> bil para reforgar
as garantas de seguranca da Rainha contra
qualquer especie do tentativa criminosa ,ag-
gravando as penas dos aggressoies.
Nao bavia ulteriores noticias da India ,
nem da Chinaas dos Estados-Unidos nada
diziam de positivo sobre as importantes nego-
eagcs pendentes entro o governo da l'nfio e
o da Gram-Brctanha ; esperava-sc comtndo
cada vez com mais fundamento quo a solugo
dolas sena de um carcter salisfalorio.
As correspondencias de Conslanlinopla con-
tinuam a argir a obslinagAo da Porta Olio-
mana na sua poltica acerca dos negocios da
Syria e insinuo serios reccios de quo o es-
tado de eomplicaco cm que so acham as
queslfesdo Orionto produza alguma crso de
grandes consequencias.
Amo:lo desastrosa do Duque de Orleans
nao somente cncheu do consternaco a Fran-
ca ; este fatal acontecimento objeclo das
mais tristes apprehenses para a Europa in-
te ira. ^
Quarla feira l docorrente ao nico dia
O meia hora sahindo o malfadado principe
de Ncnly para Plombiers onde se achava a
Duquesa sua esposa partiram precipitada-
monto e sem soverno, oscavallos do car-
rinho emque hia e querendo elle previnr
algum perigoso accidente determinou-so a
saltar em trra. Infelizmente no acto do o
fazer prenderAo-se llie as esporas no capote ,
ou como outros dizcm embaragando-sc
na espada cahionochAo, dando urna pan-
cada tao violenta na cabega que perdeu logo
os sentidos, sem que os mais assiduos cui-
dailos da arte podessem fazor-lhos recobrar ,
e poucas horas derois expirou. O Rei e a
Rainha informados immediatamente des-
la desgraca correram ao lugar em que se
achava o seu filho moribundo o a sua pre-
senga apenas servio para tornar mais doloro-
so tao alllictivo espectculo. O Rei receben
esto golpe com urna resignago verdadera-
mente heroica e sublime. Praza a providen-
cia, prolongando a sua vida tflo preciosa,
affastar para longo da Franca o da Europa
ascalamidades a quo poderia dar origem
menoridade do berdeiro presumplivo da co-
ra !
O Calecido Duque de Orleans era o filho pri-
mognito do Roi dos Franceses o da actual
Rainha sua mulher lilha de Fernando ,
Rei das duas Siciliasnasceu cm Palermo i
2 de Setembro de 1810. Pela restaorago
do throno dos Rourbons o ramo daquella fa-
milia Orleans regressou immodiulamenle
da eslima daquello por quem so nosso cora-
cao palpita !
E'uma outra existencia senhora.
Ai de mim para quem todai existen-
cia acaboii mas agradego-vos Maria por
me terdes esclarecido ; vos me tiris da igno-
minia... Sabia-o ah nao mo ver corar om
sua presenca !... corar de vergonba perante
nunca anles mil
. Ado ;s Maria, adeos
aquello a quem se ama !
vezes a morto !
nao vos aecuso mais. Quando nos tornarmos
a avistar sjr em urna patria onde so diz que
ao verdadeiro arrepentimiento qualquer erro
6 perdoado. Adeos !
E sabio tAo precipitadamente, que nSo
ouvio Maria quo lhe dizia : que Dos no-do
sobro vos se dorramasse nAo mo lavara do j mundo tinha o sen tribunal emqueperdoa-
meu orro e ped perdAo para vossa honra, va as culpas mesmo sobro a trra.
Anlony scnliora sabe qual foi vossa con-f Masque fazia Anlony durante esla secna
duela antes do o desposardes sabe que o (i- j que a posico dcstas duas mulheres tornava
llio que tendes nao seu e as provas tem- to tocante? Eslava no tribunal, oblendo
aa em seu poder.
Ah desgragada ,
Sabe-o .... e o meu amor !
lsua patria onde o joven Principe come-
gou a sil a educaco nos lyccns pblicos <|t
Pars por quanlo sen pai quo nos seus
primeiros anuos fora educando de M. de Gen-
lls quz quo seu fillio livos.sd.uma educaco
completa, e assim vo-se, pela primeira
voz entrar um principo francez em una
classe acadmica e rm convivencia com ou-
tros esludan tes competindo com os ilhos
dos nohrese dos particulares deFranga co-
mo acnl ce u'uma casa do educagao publica.
O Prncipe distingui -se menos na lillera-
lurado que na carreira das armas, servin-
tlo com grande reputacAo na guerra da A-
frica.
Quando recebeu a noticia da n volugo quo
sentn seu pai sobre o throno de Franga es-
lava elle em Joigny com o sou regiment e
devo bom supor-sequo nAo se demorara em
reunir-so aos seus prenles ; entretanto foi
dolido pelo Mairo de M tntreuza ; mas sendo
lo;o desMiibarassado por ordem do Lafayotte
julgou conveniente regressara'o seu regimen-
t, em vez de dirigir-so a N.'iilly onde seu
pai ento se aehava.
Na sua volia ao regiinonto encontrn a
Duqueza d'Angouleme que lhe mnifestou
a esperanca de que elle suslentari i a cansa
do ramo da familia a que ella pertencia. A
sua reposta carcWisica foi queem quaes-
quer circunstancias faria o seu dever sem
allender s consequencias.
Luiz Felippp I.", Roj dos Francczcs lem
actualmente seis filhos, qu tro dos quaes sAo
varoes. O duque de Nemours, o Principe de
Jomville o Duque d'Aumale, e o Duquo de
Montpensier. O actual berdeiro presump-
livo da Gorda de Franga o infante Conde de
Pars, lilln) primognito do fallecido Duque
de Orleans que nasceu em Agoslo do 1838 .
o que por conseqiienca vai para qua.tro ali-
os : o seu irm n Duquo d Charlre, nas-
ceu a O de Novembro de 1840, O fallecido
Duque de Orleans casou cm Junlio do 1837
com a Princ.za llellena do Mecklemburgo
ScInVcrin do quem leve x>s mencionadas li-
llios. Mostruii sempre decidid prcdilocgo
pela vida militar o gratule amor de gloria ,
passando por ser muito querido dos soldados
(po servia m debaixo d is suas ordens mu i tos
dos junes, veteranos dos exercilos de apo-
lio ver lera m lagrimas ao passar do seu ca-
dver quando o levavam di sitio do fatal de-
sasir.
E' para notar a sorte desgracads que tem
tido alguna dos primognitos da familia real
de Franga.
Lem tiraremos em prmeiro logar o infeliz
Delflm, filho de Lurz 1G.", que dopois de sef-
frer os mais barbaros trattauentos morreu
no Templo na idade de oiloannos jiouco mais
ou monos. Posto que nunca subisse as thro-
no deu-se-lhe o nmade Luiz 17."
O seguidlo hordeiro corda d. Franca foi
o Duque de Rcchsladl, ou como lhe hma-
vam o Rei de Boma. a quem NapoleAo per-
lenibVa col locar na throno quando abdicou
em 181 i c l8lo. A isto nao quizeram de
modo algum annuir os Soberanos colligados ,
o por consecuencia foi o joven Principo obri-
gado a rclirar-so com a mporalriz, sua uii
fia
i
um novo Irumpho em urna das mais bellas
exclamou Ciernen-1 causas que ltimamente tiiiho sido plelea
das. Seu pai o honrado Crespo ,'obom
Oh
vorgonha como poda ciioouvir mo e quan- recebedor do (onlribuiges mais orgullloso
lo devo ser desprczivcl a seus olbos |ue nuuca de um tal filho o tinha ncompa-
Culpadas ambas sen hora a ambas o nliado para gozar da sua brilhante victoria.
ro puni, mas difibrentemenle a mim o | Terminado o negocio vollava com rilo todo
mundo infamon-me o me repulsa ; a vos radiante efixandocada pessoa que passava fl
ello vos acolho porcm aquella a quem a- parecendo dizer-lhes : Olhai para nnm eu
mais... i que sou seu |)a. Anlony triste e soco-
Nao pt'ide mais eslimar-me interrom-i gado marchava silenciosamente nfiopen-
peu Clemencia: o castigo mais severo pi- sandn j na causa que acabata de ganhar.
ra mim o que c opiniao do mundo a par Pelo meio da Ponte Nova a mttltidfio ob trufa i
i passagem ; o recebedor, curioso como um
provinciano, o depondo por um momento
sua gloria paternal meteu se por diversos
grupos o olhoii para oque lodos o'.havAo. Era
una p quena embarcagao que couduza urna
mulher que tinha do procurar a morle no
finido las aguas. vido destes aconteciincn-
los lo bequentes era Pars lao raros na
provincia o pai de Anlony segua a embar-
cagao com um vivo inleresse quando le re-
pente julgou reconht:cer Clemencia. Imme-
dialamcnto leu um grilo, e, sahindo da
multidAo corren a seu filho :
Anlony gritn elle Clemencia a
quem tirAoda agua 5 Clemencia que so a-
fogou !
Clemencia disse Anlony rom o sem-
blante cheio de espanto.
Clemencia replicn o recebedor cu
a vi cu a vi 5 apressemo-nos corramos ,
talvez anda s-, ja lempo de salva-la.
Ah coitada disse Anlony a minha
vinganca nao ia tAo longo !
Desceran margem do rio apprOxitnrAo-
se do harqueiro, ajudrAo-o a tifArClemen-
cia ta embarcagSo : eslava inorta.
Anlony foi casa confiou Julio a seu pai,
sem lhe descohrir o niysloro do fi\ nasci-
menloe an:iunciou-lhe que lhe abandonava
toda a fortuna de sua inAi ; ao dejiois nunca
mais lornou a a jipar eco r naquella casa.
I IM.
ornal do '


para a Austria ondo viveu alguna annos, de-
baixo da protecgo do fallecido Imperador
Francisco!. Morreufinalmoned'umapthysica
pulmonar em 1832, tendo do idade vinte e
Din anuos.
Morto Luiz XVIII em 1824 sem descenden-
cia sticcedeu-lhe seu irmp Carlqs X que,
romo todos sabem foi forjado a deixar o
Ihrono em Julln de 1830. O seu filho pri-
mognito o D.dfim Duque de Angouleme,
resignou o seu direilo ao throno em favor de
seu sobrinho o Duque de Bordeaux cujo pai,
o Duque de Berry fra assassinado ao sair
do tlieatro por Douvel em 1820--O queofere
ce outroexemplo do fatal destino do* primo-
gnitos da raca dos Bourbons.
0 Duque de Bourdeaux foi obrigado, como
o filho de Napoleo, a peregrinar por trras
estranhas longe da sua patria, com bem pou-
ca probabilidad^ de jamis recuperar o thro-
no descusantepassados.
As armas francesas tinhnm alcanzado m-1
portantes vantagens na frica. Urna victo-
ria que deve ter vastas consequencias poli-
ticas em favor do dominio l'ranccz naquella
grande colonia acabava do entregar-lhes
5:000 prisioneiros 20:000 cabreas de gado
c de trazer a sua obediencia e allianca algu-
mas das mais poderosas tribus.
Osjnrnaes de Par* tractam at ao dia 13
exclusivamente das eleiges em que parece
nao ter o Governo a maioria que se suppu-
n lu.
(Diario do Governo.)
na arrecadagam de taes mercadorias das quaes
formar huma Relaco rom declarado da
quantidade dos volumes. sua qualijade, mar-
cas e nmeros; o se possivel for a quahdadee
quantidade das mercadorias qu* cada volume
contem os quaes far embarcar as lanxas
que o Agente do seguro Jo > Huirt, ora p ra
ali remetto e far seguir para este porto a
companhsdas de Guardas o relaco fetxada.
O mesmo Sr. Guarda-mor se no lera entender
com o referido Agente do seguro e com o Mes-
tre da Barca naufragada que aqui se acha so-
bro os mais promptos meios de sua viagem ,
e salvamento das merca lorias cujas despe-
zas serilo pagas pelo mesmo Agente. E requi
sitar das Authoridadcs lcaos qualquer auxi-
lio de que possa precizar para e melhor dc-
sempenho desta Conimissao.
Alfandega 2 de Setembro de 1812 assig-
nado Camargo.
dosGer.es os Ilustres Can.ua, ,, diflV ^^Z^^J* fl?Z.
rentes Collegios da Provincia e havendo es-
capado absolutamente a votaoo que lave no
Collegio doLimopiro o Sanhor Djutor Joze
Bento da Cunta Figueiredo advirto que o
mencionado Snr. Dr leve votos (todito Co-
legio do Limooiro,como ver-sc-ha da acta, que
deve existir na Cmara Municipal d'esta Ci-
dade.
Por este favor muito ohrigard ao seu cons-
tanto Mor s_ ^ y>
COVIMEKCIO.
1NTKKIOK.
PRUNAMBICO.
Naufragio da Galera ingleza Middlesex.
lllin. e Exm. Snr Participo a V. Ex.
que hontem pelas 4 horas da tarde nesta bar
ra do Gamella(Comarca do Rio-formoso) deo
costa, por haver quebrado o lomo, a galera in
gleza Middlesex perleneentea Deshat, de q' he
capilo Slialbart, carregada de l de carneiro ,
azeite de peixc e aspas de baleia; c que ape-
nas fui informado deste suocesso marchei
imniediatamcnlc para este lugar onde ainda
me acho acompanhado de 12 pracas do des-
tacamento desia comarca commandadas por
un Inferior alim de dar as providencias que
me fossem exigidas por parte do. Capito da
mencionada galera o qual apenas me ha pe-
dido unta guarda collocada a bordo da dita ga-
lera da qual uo tem querido at o presente
tirar colisa alguma a excepeo de seus mo
veis tic. sen que receba ordens de seo res-
pectivo cnsul dessa capital, para onde a pun-
co se dirigi em una pequeo paquete ( janga-
da ). No entretanto julgo conveniente a mi-
nlia presenca neste mesmo lugar afim de a-
caulellar e providenciar o que for necessario ,
al que tenha o devido deslino. Curapre-me
mus declarar a V. Ex. que a dita galera v-
iiha da Nova-Uollanda com deslino a Lon-
dres, trazendo a seu bordo a tripulado e pas-
sageiros constantes da nota inclusa. Levan-
do o exposto &c. &c. Barra de Gamella 31
d'Agosto de 18i2. Illm. e Exm. Snr. Bu-
ro da Boa-vista Presidente desta Provincia
- Fernando ATonso de Mello Delegado de
J'oJicia.
Relacjo da cquipagem o passageiros.
James Charles 1. Commandante. Charles
Rold 2.'dito. AlerandreGambell Carpinteiro.
Jhomas BUnchaid Disper.seiro. Edward Bi-
ckusCuzinheiro. Jonh Beals Marinheiro h-
bil. John Sonulc dilo. Dowds Boberto dito.
Tilomas Sittle dito. Henry Clussevell dito.
George Gurnisle dito. Wliliam Hocalhoock
dito. Charles Haylock dito. Ni'holas Chris-
lopher Erydito. J..mes Bensbonou dito. Ro
lici t Bylie dito. Daniel Cresswell dito. Stle-
pheirPeilabledilo. A. P. Keathdito. Tbo-
nias Scoll dito. William Anderson dito. Jas
M.a Cabe dito. Eduard Saurie dito.
Passageiros de R
Mr. Snmsdaine, Capt. Curry J. Bulev-
lustto(Cirurgio) Mr. Carie, Mr. Ircaver ,
Mr. Scoll. Gowen.
Passageiros de Proa.
Mr. Ho'iihill J. Robins D. Eno, Mr
lin-rreson Servanto 2 criadas Mr. Inorles,
Jhomas A reste Daniel Lucy, Emanscel Las-
liau John Wetson.
Tendo naufragado na Barra do Rio Formo-
so a Barca Ingleza -- Mnld'esex e convimlo
fascr anealar com urgencia e conduzir
promplamente para Alfandega as mercadori-
as eslrangeiras que se poderem salvar das que
ella conuuz, no meio em virtudedo art, 501
do Regulamento das Alfandegas o Snr. Aju-
dante do Guarda-mor, para derigir-se aquel-
lo lugar, levando em sua companhia seis
Guardas de si ja esculla alim deoeoadjnvarem
NOTICIAS ELEITORAES.
Resumo Ha volao.o dos ollejioi anteriormente
Minados c incluido o de Tacarat
Os Scnhorcs.
Etm ffnr*o da tfoa-vist*
('oncclliciro Seliastilo do R. Barros
, Dr. Pedro P de P. C. d'Albuqiierqiie
Etm. roncelh--iro Antonio P M. Monteiro
r Fclix Pcivoto de Arito c M.
rtr. Alvaro B D Cavalcante
Dr. I.niz de Carvallto P. le Andrade
Or .lozc Thomnz Nalmeo <1e Aran jo
Dr Manoel Joaquim C. ia Cunlia
Dr. .lo.'o Jo/e l-'erreira de \ciliar
Dr Urbano Sabino P. de Mello.
nfzemlMia.lor Manoel Ignacio C. I.accrda
Dr Manoel Mendes da C Azcvcdo
Manool Iri.co C Mendonra
Dr. Jonquim Nones Vlar'iado
Or Agostinlio da Silva Neves
Padre Venancio II de Hcsende
Apolinaiio F de A. M.
Dr. Francisco loo L ila ...
Dr Jo'o nte Pinto
A. J de Mello
Maior Antonio Comes leal
Padre Miguel do S Lopes .ama
Or Aletandre Bcrnaidino.
Dr Cetano da Slvd S. Tliiago
Dr. Filippe Lopes Netto
Collegio de Tararatu12 Eleitores-Autentica
pn-
873
750
r.r,7
50C
450
422
3nri
.185
169
MI
:'.i7
;i:i
21)5
M6
280
289
280
287
28i
258
258
232
203
100
189
Exm. Raro da Roa-vista.
Cons. Sebasliodo R. B.
Major A. G. Leal.
A. J. de Mello.
Dr. J. F. d1 Amula Cmara.
Lourenco Bezerra C. d'A.
Dr. F. de P. Baptista.
Dr. B. BabcllodaS. P.
Dr. J. P. dos Santos Castro.
Apolinario F. d'A. MaranhSo.
P. Venancio II. de Rezende.
Dr. J. Q. de C.stro Leao.
Dr. Urbano S. P. de Mello.
Dr. J. J. F. dAguiar.
Antonio da Costa R. M.
Dr. Felis Peixolo de B. e M.
Dr. J. Nunes Machado.
Dr. Pedro F. de P. C. d'A.
Dr. Filippe Lopes Nelto.
Dr. A. P. Maciel Monteiro.
Alvaro B. U. C
Dr. L. F. d'A. Catanho.
P. F. Muniz Tavarcs.
Dr. Agoslinho da S. Neves.
Dr. M. T. Coimbra.
Dr. M. d'Hollanda Cavalcante.
Dr. F. J. Carneiro da Cunta.
Manoel Carneiro de S. Lacerda.
12
12
n
12
42
12
II
11
10
0
H

;>
\
A
\
7,

3
2
2
2
i
1
i
i
1
i
1
ALFANDEGA.
Renlimonto do dia 2de Setemb. 11:241*801
DF.SCAmiF.GVO" MOJE T> DF. SF.TF.MItnO.
Barca Ingleza = W. Russ-II = Fazenlas,
taxas c maquenismo.
IMPOltTXQA.
O Brigue portugue = Jozefina Emilia =
vindoda Figueira entrado no mez prximo
passado, consignado a Tliomuz d'Aqdlno
Fonceca.
Manifestou o Seguinte.
lsaccascom fMJio 10 ditas com bata-
tas 4 ditas com nozes I dita com grao de bico,
5caixascom peras seccas ~* barra com toa-
cinho 1 dita com carnes, GO resteas d'a-
Ihos 0300 sebollas 12 saccas com cevada j
a Guilherme Antonio Hall.
170 pipas com vinho 28 meias ditas com
dito 20 qtiartolas com dito 23 Inrrisn-om
dilo, 21 ancorlas com dito a Tiiomaz d'A-
qnino Fonceca.
0 barrlS com azoile doce ; a Izidoro Airis
de Souza.
Fora do Manifest.
1 canastra com batatas, i ancorla com
vinho : a Manoel Percira de FiguereJo Tor-
della. ( -
1 caixinha.om rap ; a Joao Joze da Lruz.
1 dita--ignora-se-, -a Carlos Martina de
Almeida.
lgaiolacom passaro ; a Thomazd Aquino
Fonceca.
cha, Brigue escuna Bella Marilia : quem qui-
/.er carregar e ir de passagern dirija-se
ao Consignatario Gaudino Agoslinho de Bar-
ros pracinlia do Corpo Santo D. 7. nu
abordo ao Capito Manoel Igrweio da Terra.
= Para Liverpool seze viagem com bre-
vi la le a Barca Ingleza William Russcll, tem
lugar para 50 caixas de assirar; quem na
mesma quiser carregar dirija-scaos seus con-
signatarios Russell M.'llors & Companhia.
== Para o Rio de Janeiro subir breve o
brigue escuna Fama capililo Manoel Anto-
nio de Souza ; quem quher carregar podo
en tender-so com Amorim IrmSos ruada
CaJOlaD. 21.
t^1 Para o Ass preler.de seguir viarjem
cmi brovidade o Brigue S. Jo'10 ILiplista de
que hecapilSo Joo Gonsalves Rocha, par
carga o passageiros trata-se com Joze Gon-
salves Cascao na ra da Cadeia do Recife n
15 ou com o dito capito a bordo.
AVISOS DI VERSOS.
HOVI MENT DO PORTO.
NAVIOS SAIIIDOSNO DIA 2.
Rio de Janeiro ; Rarca Brasileira Firmeza,
Capilo Narcizo Joze de S. Atina carga
diversos gneros. ,
Havre de Grace ; Barca Franceza Casimir De-
lavigne, Capito Lasserre; caga algodo
Falmouth Paquete Inglez Pengnin Com-
mandante Leslei.
E D I T A L .
CORRESPONDENCIA.
Snrs, Redactores.
Em abono da verdade e para confuzo da
calumnia facjio-mr.o favor declarar si as
paginas de seo bem eonoeituado Diario ou
em separado, e destribuido com elle se im-
primi algum arligo pi ou contra o Exm.
Senador Francisco de BritJ Guerra em que
en tenha parte ; salvo urna correspondencia
assignada -O Rio Grandense do Norte--que
a favor do mesmo Snr. sabio em suas paginas
pelos tins do anno de 11*37 ao princio do de
1858. Faco-me Snrs. RR. este favor, e nao
temi a maledicencia que nesta Provincia
se lem declarado contra Vms. por terem da-
do publicidado alguns escndalos pralicados
nclla as passadas eleQilea. Carabas no Mu-
nicipio do Apodi da Provincia do Rio Grande
do Norte. 27 de Jando de I82.
U Padre Florencio Gomes d'Oliveira.
O Snr Padre Florencio Gomes d'Olivei-
ra nunca fez imprimir nem nesta folha, nem
em sua tipografa correspondencia alguma
contra a pessoa designadas em sua forres-
pondencia. Os Redactores.
Snis. Redactores.
Tendo-se publicado nos peridicos d'esta
Cidade a volaco quo obtivero para Deputa-
Vicenta Thomaz Pires de Fiffueredo Camar-
go Commendador da Ordem de Chi isto
inspector d'Alfan.lega &c.
Faz saber q" boje 5 do correle ao meio dia,
e na porta da mesma se hade arrematar 1
caixa com 24 frascos com charope medicinal,
12 frascos com essencia de salga parrilha 2o
ditos com agoa forte no valor deob W.. \
dita com 2i meias garrafas de charope medi-
cinal e 20 meias ditas de dito de grosella no
valor de 30* rs., urna dita curt oO meias gar-
rafas agua desdelitz,50 meias ditasd limonada
gazoza no valor de 2i,> res, 1 dita com 16an-
cas de oxtrato de papoulas no valor de ~,i rs. ,
48 libras de azul da prussia no valor de 18>
reis 1 libra de extrato de hadiano 8 libras
paslilhasd'allhea 50 caixo.es COM bufe do y-
lella 30 ditos com pasta de naf 2i meias
garrafas charope de naf 30 rolos tafet de
Leperdiel, 49 caixas paslillia de fe.ro, 7 di
tos com 100 libras de pasta de jnjubas 12
meias garrafas de racahut no volor de I55>rs.,
2 dilos com 200 libras amarello no valor
de 6o* reis \ impugnadas pelo Guarda
Vicente Ferreira de Farias, no despacho por
factura de Cezar Ki ugern. 788, sendo a ar-
rnoiatafo sugeita a direitos, e expediente.
Alfandega 1." de Setembro do 182.
V. T. P. de F. Camargo.
DECLARACOES.
K37- Sabio o n. 43do Cirapuceiro : enti-
le se ver "om grande aplauzo a Acta da Ses-
so Preparatoria para abertura da Cmara das
Sanhoras Depuladas. A viriedade tracta das
queixas das Senhoras contra o Cirapuceiro ;
uconcluecom nina ancdota. Vende-se na
iraca da Independencia loj i de livros nume-
ro 37 e 38.
ssy Ollerece-sc un cstrangeiro de 22 an-
nos para b)lieiro doque tem bastante pra-
Uca o tem ptima figura para ocupar esto
lugar, e da Qador a sua conducta quem pre-
cisar dirija-se" a fin Nova D. 16.
52y Precisa-se de um rapazinho portiiguez
para caixeiro de urna venda e que disto te-
1 nlia alguma pralica : na ra dasenzala velha
o 52.
tgr Precisa-so de dois offioiaes de canteiro;
na ra da Guia D. 0.
= Altiga-so por pre^o commodo, o arma-
zem da casa de sobrado do 2 andares junto a
casa da esquina com assougue no beco do
Campello do Recie, a fallar no mesmo ra
da ConCHQBO loja da casa N 28.
= Qnem quizer dar a juros de um e meio
por cenlo, epolhecando-se huma propneda-
de annuricie para so procurar.
= Aluga-se um cilio com casa do pedra e
cal para grande Tamilia, diflerentesarvoredos,
e cacimba; cito no piincipio da estrada do
Anaial ; a tratar com Marcelhno Joze Lopes.
= Preciza-se de urna ama de leite forra ou
cativa quem estiver na circunstacia, dirija-
se na rui velha da Boa-vista D. 20.
= Quem annunciou querer comprar urna
cadeira v a ra do Caldcreiro D. 23.
= OThezoureiroda Sociedade Theatral
Philo-Thalia- avi/.a aos Senhores socios que
no dia 3do corrento principia a destnbuiro*
bilhetes para a recita do dia 7 na ra do
Quei.nadoD. 13 guardada a dispozodoj
(j, art. 4t dos Estatutos.
= A abaixo assignada nao tendo noticia de
seu marido Joaquim Joz Tavarcs o qual
se ausentou sem o dar a sal>er a pessoa algu-
ma : faz isto mesmo scienle aos credores do
dito seu marido, para de commum accoruo
lumarem ( se quizercm ) conta de seusbens-,
devendo comparecerem tere reir b do cor-
rele : na ra das Larangeiras loja U. t5.
re Albina Emilia Tavares.
Perciza-se do 300,000 reis a^ premio
por seis mezos com l.ypoleca sobre una parte
,1o um sbralo de dous andares na ra do
Rozar.o larga quem livor e quizer dar, din-
oa na do fagtindc, sobrado de tres anda-
res no primeiro andar, a fallar com Antonio
Francisco Ruuno ou annuncie.
= Quem annunciou a compra de um pa-
lanqun, em bom uzo dirija-se a praca da
Uoa-vista botica D. 10, quo dir quem o tem
uor prego commodo.
= Quem liver tuna canoa de "rregw -
goa o a queira alugar annuntie oui dir^a
earuadoCardereiroD. 45-, "Z
existem as chavs de urna casa pan'**
a qual de 8,000 mil res mencaes e otTeroce
commodidade por ser em lugar perto de ds
peijo e onlras vmtagens para o Poore-
' l Por se nao l.aver reunido a corom.ssao
dpinialradora no dia primeiro do corrent".:
|Cl u ti-.nsle.ida a sesso para hoje (
Imiasda larde : e convida-se aos Snrs. socios
, .resentarem suas proposlos para con>iaa-
Brcvement" se bao de ellixar editaos
de consurso is fieguezias vagas desta Diorese.
Retire 2 le Setembro de 1842. O Padre
Francisco Joze lavares da Gama, Secreta-
rio deS. Exe. Reverendsima. f (' t pariia je 17 deste mez
CT A Cmara.Municipal desta Capital faz o ,-mciro Secretario.
sesso extraordinaria hoje 3 do corrente. __ N;l raca d1 Boa-vista D. 12 preciza-se
* .:.. um .apas de 12 a 14 annoa Portuguez.
0 Senhor que se offerecc a ensinar pnmeira
1< tras Latim o Francez annuncie a sua mo-
rada.
AVI SOS MARTIMOS.
Para ss o Rio de Janeiro segu viagem


m
r
wa\wma*u.
4
y
%&" Francisco Joze da Silva .obo reti-
ra- se. para-o Para.
er A tuga-su a casa de 5 andares tojas
quintal defronte da Igreja do Livramento ,
junto ou separado para di ver vos, inquili-
nos para os quaes tem ora cada andar a-
comodacuens necessarias : cujas chaves van
. ser entregues ero uns das pelo actual in-
quilinooSr. M. F. de Moraes: os pretenden-
ts se pndem entender coro o proprietario ,
Nuno Mara do Seixas na ra do Vicario
l>. 12-
= Aluga.se a casa terrea da ra do Coto -
velo D. 512, com militas acomodares, quin-
tal &C; o armazem da casa del andares da ra
do Aniorim de fronte do Ferreiro Caelano ,
. proprio para qualquer estabeleeimento : eo
primeiroe segundo andar do sobrado a mare-
lo da ra Augusta recentemente edificado;
n tractar na ra do Vigario, com o proprietario,
Nuno Maria de Seixas.
PILULAS VEGETAES K UNIVERSAES AMERICANAS.
Estas plulas ja bem conliecidas pelas gran-
des curas que tem feto, nao requerein nem
dieta e nem resguardo algum ; a sua com-
- posigao to s mples que nao fazem mal a
mais tenia enanca : cm lugar de debilitar ,
fortilico o systema punlico o sangue ,
dugmento as secregoes em grral : tomadas ,
seja para molestia chronica ou somente co-
mo purgante suave; c o melhor remedio que
tem apparecido por nao dcixar o estomago
naquelle estado de conslipago, depoisdesua
operago como quase todos os purgantes fa-
zem e por seren mui facis a tomar e no
causaretn incommodo nenlium. O nico de-
posito dellas 6 em casa de I). Knolli, agen-
te do aulhor: na na da Cruz N. 57.
N. B. Caila caixinha vai embrulhada em
seu receituario com o sello da casa em la-
cre preto.
V-j- Aluga-se um escravo boni trabalha-
dor d<* eneliada e tratador de ineloes e ti-
rador de leile pois tem bastante pratica ;
quem o pretender dirija sea na de S. don-
ralo a fallar a Manuel Elias de Moura. Na
. mesma casa precisa-sc de um podador de
parreira.
t- Francisco Rodrigues dos Santos, re-
lira-so para a Cidad>> Januaria do Acarar.
Ignacio Rodrigues natural da Itha deS. Mi-
guel estoseauzenlou sem ajffsar contas e> na ruado Trapiche novo n. 17caza de Henry
doixando-o bastante prejudicado, e para que o
dito seu caixeiro que foi nao v engaar a
outra pessoa, por isso o baixo asstgnado faz o
presentean nuncio.
Joaquim de Oliveira Barros.
COMPRAS.
Escravos de ambos os sexos e taui
bem corn officios carpinas pedreiros e fer-
reiros para fora da provincia : na na da
f adeia de S. Antonio sobrado de um andar
de varanda de pao D. 8.
t^ Un transelim e urna cruzinha de ouro
bom com meio feitio : na praga do Com-
mercio no botequim do Almeida.
stj Urna ou duas colchas de damasco ou
setim da India sendo ricas : na praga da
Independencia na luja de Joaquim Pereira
Arantes.
Ncrma ortografa deMadurcira quem a
tiver annuncie.
ssr Um rozarinho fino de ouro sem feitio:
quem livor annuncie.
C^" Um escravo cozinhoiro nao sendo
velho e nem tendo achaques nem vicios ,
oom acondicode se ter ljdias para se co-
nhrcer de sua babilidade e comportamenlo :
na ra da praia arraazem do Antonio Caldas
da Silva.
barricas e eixes, papel de peso de Londres:
Forstr 'tfi Companhia.
te* Salitre refinado em barris e a relalho,
por barato prego : na ra das Larangeiras so
brado D. 3 de Claudio Dubeux.
t^ Um refe para G. N. : na ra Nova
lojaD. 12.
IJF Metade de urna caza terrea na ra do
Jardim do bairro do S. Antonio, D. 1 no
fim da ra com 5 portas de frente com so-
lo quintal e porlSo : a tratar na ra do
Bozario da Boi vista D. \\.
tm" Bolaxa linissima em qualidade da
melhor farinha que aparece no mercado por
prego commodo attendendo a sua boa qua-
lidade, osfreguezes se desenganaro compran-
do-a : na ra Direita na nova padaria D. 55
junto da do Machado.
tar* Urna porgao de sacos vasios, novos ,
que servem para farinha : em caza de Herma
Ihador de campo : na ra do fogo ao n.? do ft
zario I). 25. ,0*
xsr Amanh llavera carne de vitolla mui-
to gordo e carne de porco a 140 a libra ; na
ruadas trincheiras no assougue francez.
xsr Urna escrava de nago cozinha, en-
gomma e lava outra dita quitandeira l
urna negrinlia de 15 annos, cose engo'm-
ma e cozinha : na ra Direita D. 20 lado do
Livramento,
xsr Potassa Bussiana, nova em barris
ile 4 arrobas : na ra da Cruz D. 23 caza de
Hermano Mehrtens.
W Galo fino largo amarelloe branco
dito para divisa de dous canutos para'
no Mehrtens ra da Cruz D. 23.
Urna olaria bastante grande de podra
e cal, com um bom forno o com barro pa-
ra (oda qualidade de obra ; a fallar no lugar
da Magdalena com Joo Anastacio Camelo
Pcssoa.
t^ A posse de um terreno pouco alagado
ja cm partes aterrado foreiro ao Sr. Gadault,
no lugar dos coelhos no correr da ra do ra-
zer confrontando a otaria do Sr. Marauno
Joze da Costa com 520 palmos e cento e \
tsr Um par de castigaes de prota em bom (,e fun,,0> correndo em linlu os fundo pelo
uzo sem feitio : ao lado do Corpo Santo
numero G9.
xsr Urna escrava que saiba coser com per-
feieo embora nao tenha outras habilida-
des : na ra do Livramento no segundo an-
dar por cima da bolica de Lourengo Mano I
de Camino.
C^" Para fora da provincia urna escrava ,
que saiba coser com perfeigo : na ra do
Livramento botica D. 15.
VENDAS.
C3* Vende-se ou arrenda-se um dos me-
Ihores sitios no lugar da Boa viagem que
foi do fallecido Custodio Moreira dos Santos,
pT Francisco Ferreira Pimentet retira- com caza de pedia e cal o caixo ; assim
se para a Cida.le Januarja do Acarac, levan ; como outra caza de pedra e cal no lugar de
ua companhia um seu escravo por i settiba com 17 ps do coqueiros: a fallar
nome Raimundo.
pr Margal Francisco Jozo d Silva reli-
ra-se para a Cidade Januaria do Acarar.
XZT Pedro Ferreira Machado, retira-sopa-
ra a Cidade Januaria do Acaracii.
xsr Ncdialodo corrente sao convida-
dos os eredores da caza falida de
na ra do Livramento com Felis Vianna.
XST Cia porgao de prata de boa qualida-
de conten lo varias obras pipas que foro
de agoa ardente por prego commodo um
berco de condur 2selinscom arreios liza-
dos um alfiuele de topazio e diamante 2
Maiiod Pe-] taboleiros para vender verduras nina game-
reira GigmsrScs \ Companhia para se reu-j la grande e funda para banho urna meza de
nirem noescnplorio da Administracao as 10 abrir envernisada um relogio de cima de
horas da manh para decedirem sobre a fi-1 meza um realejo quo toca so dando-se cor-
nal liquidacao da mesma caza e cileco da da e um relogio inglez com caixa de prata Bange'l D. 7
muro velho do sitio do dito Sr uadault at a
baixamar da camboa que entra para as
barreiras, proprio para olaria ou oulro qual-
quer arranjo : na ra do Bozario da Boa-vis-
ta D. 14; e na mesma um sobradinho na
ra do Arago envidragado, varanda de ferro,
com tripoira que rende inensalmente ICy
com D. 19.
Cr Superiores cordas de tripa para vioio
chegadas prximamente : na praga da Inde-
pendencia loja n. 2.
tW Urna negra de bonita figura sem
achaques nem vicios prenhe de seis u 7
mezes com duas crias sendo um moleque d<
G annos ; e urna negrinha de 10 mezes pro-
pria para todo o servigo prefere-se que soja
vendida para engenho ; na ra dos Burgos
no segundo sobrado que fica antes de chegar a
caza do Padre Primo no segundo andar.
SS7" L'm escravo de nago mogo de boni-
ta figura muito bom trabalbador de enxada,
e entende de lodo o servigo de campo e he
muito deligerde ao comprador so dir o mo-
tivo da venda : na ra eslr.;ita do Bozario i:o
terceiro andar do sobrado D. 20.
tsr 80 meios do sola de melhor qualidade:
a tractar na venda da Senzala velha quina do
beco do porlo das canoas.
C? Velas de carnauba do G 7 e ll por
libra pelo prego o mais barato : na ra do
administracao caso assim o julguem
t'tST Furlarflo da obra do Theatro Publi-
co urna linhauV pitia com A'i palmos de
fouipriinento 11 e K polegadas de grossura;
quem delta tiver noticia queira partecipar ao
administrador da mesma obra que ser re-
compensado.
5^" Segunda fcira 5 do corren le a porta do
Sr. Dr. Juiz de Orfflos no atierro da Boa
vista, hdese arrematar por ser a ultima
praca duas moradas ile cazas na ra de S.
as 5 ponas D. 25.
Vtar A obra de Moral pelo Exm. Bispo do
Bio de Janeiro : na ra de Borlas D. 11.
C^ Uma porcao de ouro em difieren tes
obras e dous relogios de ouro, horisontaes :
na ra larga do Bozario D. 9.
W Amanh liavor carne de carneiro
muito gorda a prego commodo : na ra lar-
ga do Bozario assougue D. 1.
MT Urna negra de 2u annos, cozinha, ven-
de na ra e faz todo o servico de orna caza :
Joze que forao do fallecido Padre Linojem fora do portas n. 152.
avalladas em 500j rs. cada una, as quaes vfio XSS' Amanh matar-se um porco capado ,
a praca por venda.
Ti2^ Na padaria da viuva de Joaquim Lopes
Machado na ra Direita ). 3i coulinua-sc a
fiz:rj como amigamente a bun acreditada
bolaxa fabricada s das melliores larir.lias e
pregos muito favorareis odiando para seu as-
seio e qualidade.
S2^ fffrece-se urna ama com muito bom
eitea pnssoa que quiser dar algum menino
para criar : atraz de S. Joze D. 3.
de raca ingteza extraordinariamente gordo,
sendo o toucinho a 200 rs. e a carne a IGO rs.
no assougue defronle da cadeia.
S^ Urna canoa de amarello nova mui
bem construida quecarrega 800 a 900 li-
jlos ite alvenaria grossa ou se aluga : na
ruada praia ao pe da ribeira no eslaleiro de
Joaquim Joze dos Santos ou na ra velha
da Boa vista venda D. 19; na mesma venda
um braco de balanga grande ptimo para ar-
S23- (Juem annuiiciou no Diario de 2 do inazem de assucar ou de couros, e oulro
corrente, querer comprar um palanqun) em
bom uzo querendo um acabado de novo,
me anda nao foi servido e he muito bem
aburado e de gosto dirija-se a ra da Cadeia
(J Recite n. 12.
ssr A p.:ssoa que no Diario do primero do albos sacas com arroz e caixas com" cia-
corrente n. 18 animnei u querer tOOj re-j rulos tuilo bum e por preco commodo.
15 a premio, com hypotheca em urna caza tsr Urna escrava crela de 18 a 19 annos
drija-se
mais
pequeo todos com suas conxas e correntes,
e 2 a 5 lernos de pesos do 4 arrobas.
t*r No armazem grande quo foi de An-
tonio Joaquim Pereira defronte das escadi-
nhas da alfandega vende-se canastras com
K^" Una meza para jantar feila a moder
na a qual anda nao foi servida na ra Direi-
ta D. 5.
crUm escravo muito robusto, proprio
para qualquer servigo o motivo da venda se
dir ao comprador: na ra Direita padaria
D. 15 sobrado de 3 andares.
tw Lina sobrado de um andar na ra das
Trincheiras com chlos proprios e grande
quintal murado com cacimba no meio, com
grandes commodos: na ra da Cadeia do Be-
cife n. 12.
SS^-Na passagem da Magdalena junio a pon-
te grande urna propriedade de olaria com
1G moradas de pequeas cazas, inclusive
um sobradinho a bcra do rio carculadas as
suas rendas actualmente em 1:000 por nnno;
assim como tambem se vende em pequeas
porgues de 30 palmos d< frente de ra, e 150
ditos de fundo inclusive a obra' que dentro
destas porges se adiar ; dando-se a todos
porto re embarque : na ra da Glora sobra-
do de um andar junto ao convento das reco-
lliidas.
tsy Vende-so ou hypotheca-se duas mota-
das de cazas de um sobrado e um terrino
annexo, na ra da Guia do lado do norte, no
bairro do Becifo : quem quiser annunrie.
ror Urna venda cita na entrada da ra do
Bangel sobrado D. 58 com muito bous pone-
ros e sem alcaides e com poucos fundos ,
a dinheirocu com boas firmas : a tractar no
5
capiao dito para alferes, urna par de adra-
gonas para tenente os jenuinos pos anti-
biliosos e purgativos de Manoel Lopes, apa
relhos de cavallaria bandas para officiaes
tudo chegado do Rio de Janeiro, por prego
commodo : na praga da Independencia loia
do Antonio Felippeda Silva n. 11.
ss^" Sapatos inglezes para homem i na ra
da Cadeia do Recife loja t\ 10.
3** Aparelhos para cha do porcelana don-
rados e pinlados finos ditos azues, ditos cor
de roza aparelhos de meza azues e outros
de mais cores de muito bom gosto e mancas
de vidro lapidadas e ditas lizas ins;lez. ternas de vidro de divercos gostos ditas de
casquinha e chicaras de porcelana finas e
caslic.ies de vidro campoteiras pira doce, do
cristal fino garrafas para vinho copos pa-
ra agoa calis para vii,ho e tudo de muito
hom gosto, frascos de boca larga para bichas
de divergos tamanhos e outras muitas fa-
zendas por prego commodo : na ra do Liyra-
nionto D. 5.
uw Farinha de mandioca e. do Mag de
superior qualidade prximamente chegada ,
por prego commodo e maisem contado que
em outra qualquer parte poi se ter recebido
ordem de seu dono para sem demora liquidar
esta negociago : na ra doCotlcgio D. 11.
SW Una escrava de nago angola emgo-
ma lizo cozinha o ordinario e lie lavadeira,
e tem bonita figura: na ra do Palacete a fal-
lar com Manoel Joze Galvo.
t* Presuntos inglezes clisados ltima-
mente e lonas da Bussia : na ra da Cruz
D. 00.
rar Moendas de vapor, d'agoa e do bes-
tas para engenho : na ra da Cruz n. 27.
ts?" Urna comenda da Ordem de Chrislo :
na rila do lre t^1 D. Joanna do Rozario Guimares Ma-
chado com os mais administradores da caza
do falecido Joaquim Lopes Machado ven-
dem para pagamento de dividas o sitio do
mesmo nosaflbgados com caza de vivenda ,
senzala para e.-crayos onde tem um quarto
forrado para enfermara caza para feitor,
estribara para tres cavallos duas cacimbas ,
murado na frente com gradiamenlo de ferro ,
poi to tem um jardim com boas flores 200
ps de parreiras que todas do uvas de muito
boa qualidade ps de larangeiras limoei-
ros romeiras guiabeiras friicta pao co-
queiros cajueiros planta de capim sold-
enle para dous cavallos e um bom viveiro no-
fundo : para ver enlendo-se com a mesma
Senliora na ra Direila e trata-sc com Hen-
ry Foister & Companhia.
SS^ Superiores e muito lindos cortes do
lanzinha para vestidos : na na do Crespo
D. o lado do sul.
Cadei as de h.ilanro coin ossento de paibi-
nha e ene su d<< mesina inarrjuczas de condu-
i mezas de jantar camas de vento coiu anua-
CO earteias com assento de pallim'a nmeiicanas,
ama! de vento muito bem leitas a foo, citas ie
pinito a ifSoo i pinbo da Suecia cam 3 pol-gada
dograMur*, dito senado, tudo mais cm roma do
'lie em outr.i parle ; na roa da Florentina em caa
de J Teii-iigcr
ESCRAVOS FGIDOS.
guarda louca quenn.to anda por 120,> re-j para todo o servigo : na" ra de Agoas verdes
i.s dirija-se no mesmo lugar na 'juina da pra-| lado do nascfntecaza terrea D. 17.
cinlia lo Livramento caza da viuva do Burgos. pr Harneas e meias ditas com farinha de
''{) gig-* com garrafas pretas lonas e
brins da Itussia pregos americanos para
O ibat! nado faz publico, que
tendo totu; io para seu cm'xeiro a Antonio
Est fgida urna escrava de nome Jo
zefa de n;go cabinda com o s> quintes sigria-
fs um dedo da mo esquerda corlado que
he o dedo do meio ambos os ps lambern
os dedos defeituozos lias costa marca de fu-
go feila na Ierra della cuja marca finge um X
por pegar dos omhros para o.quadril; quem
a pegar dirija-se na loja de cabos ao la-
do do Corpo Sanio n. G9 que ser berem-
com pensado.
tar Boga-se as Authoridades Policiaes,
capites de campo e p ssoas particulares da
Paralaba do Norte a iprehengo da escrava
Joanna de n(o angola cor fula que foi
lo Capitao Nicolao IMenlino de Vasconcellos
da mesma piovincia
aleic de ser ali conhe-
signal
stante
mestre
oflicio ; um preto de bonita figura traba- RECIFE NA TYP. DE M. F. DE F.= 18 J2.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EURRH3442_TOAWAT INGEST_TIME 2013-04-27T00:12:54Z PACKAGE AA00011611_08122
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES