Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08087


This item is only available as the following downloads:


Full Text

ANNO DE 1837. QUARTA FEIRA
21DEJUNHO. N. 132.
. U -i I T
PERN. naTYP. dM. F. nrFARIA. 1837
.
i'
tes do
Clianc.
DIA8 DA SEMANA.
19 9ennda anta iilianna. \ui- dos juiz
Cr. de m. c de t. sel. da Thez. Publica c Cl
de t.
20 Terfa 8. Silvestre P. Re- te m. e aud. do
J. de 0. de I.
21 Quaria S; Luiz Gonzaga. Ses. da Tlies mraria.
22 Quinta h. Paulino h. lid. de ni. aud. do J
do C. de m-e Ch. de t.
23 Sejta jejum a". Joiio sacerdote Ses. da Th.
Pul), aud. do J. de O. de i.
?4 Sbado f Nascimento de S. Joo Baptista.
25 Domingo \ Pureas de N. S. Quartos ming. as 3
horas c S9 m. da m.
TlIo agoradapsnde de nos mesmoida nniisa pru-
dencia, moderado, e energiaicominuemoa com.
principiamos, e itumoi ap.ontadoa com admira,
gao entra as Nagoea mais cultas.
Pruclamafi da Autnblta $)tral $ Brrntt1
Snhacreve-ae a lOOOra.mensaes pagoaadiantadoa
uesta TvpcKrft, ra das Cruees D. 3, e na Pra-
ca da Indtpendencia N. 37 e 38 j ondee recebem
correspondencias U^aliaadaa. e annunciosi inserin-
do se eme* rris lendo dos proprios aaaig-lianiea.
tulId aaaignadna.
CAMBIOS.
Junho 19.
JLiOndres 58 l|2 a 28Ds.St. poi l.ced.
Lisbua65 |ioru|<> premio, por metal, Noiu.
Franca 330 a 333 Its. por trauco
Itio de Jan. b' p. c- de preni.
Moedas ue 6,400 l4,Ouo as velhas, novas
4,000 7,400 a7.20O
Petos Colimare* I 50o l,5(i0
ditto Mexicanos i,440 1,000
Patacoes Brasileiros l,50a 1,56o
Premio da lellra, pin inea i l|2 p0r o|0
Cobre a par das aedulas
13,600
PARTIDA DOS CORHRIOS.
Oh oda Todita <>t dias ao meio dia.
Ooiana, Alhandra. Paraiba, Villa do Conde, Ma-
maiffuape, Pilar, Reai de S. Joo, Brejo d'Area,
R'aiiiha, Pombal, Nova de Soma, Cidade do Natal.
Vil>as de Goianninha, e Nova da Prineeta, Cidade
da Fortaleza, Villas do Aquirs, Monte mor novo,
Aracatv. Cascavel, Canind. (ranja, lmperatria.
S- Bernardo, S. Joo do Principe, Sobrar, Novad'
Blltev, Ico, S. Matheus, ileachodosangue, S.
Antonio do Jardim, Quexeramoltira. e Parnahiba
Segundase Sextas fcirai. ao meio dia por via da
Paraiba. Santo antao Todas as quintas feras ao
meio dia. Garanhunt. e Bonitonos dias 10 e 24
de rada mea ao meio dia. a-'oresno dia 13 de
cada me* ao meio dia- Cabo.Serinliaem, Rio Fi.r-
mozo, e Porto Calvo nos dias 1, II, e 21 de cada
mea- ___
e pprovou-se
PARTE OFFICIAL.
RIO DE JANEIRO.
CMARA dos SENADORES.
Ses sao do dia if de Moio.
Presidencia do Sr. Maiquei duluhambu-
Aberta a Srs io, leu-sa,
a icta da antecedente.
O Sor. primeiio Secretario Fez otxpe-
diente.
Orden do dia
Fora approvados em d bato em ultima
discussio a Emendas fu:tas ao parecer
da Coruinissio di Mesa, sobre o reque-
r ment de Ignacio Diogenes Mximo'da
li s.i, p<-'diudo augmento de Ordenado ,
como guarda das galeras do Senado.
Seguio-ie a primeira discussio do Pro-
jeoto de 11 sposta a Palla da Assemblea Ge-
ral, 'e 0 Snr. Carneii o de Carop s niandou
a Mesa a seguinte
Emenda.
Em vea das palabras o Senado espe-
ra diga sa o Senado presume.
Nao bavendo quem impugnasse nem
a redacefo do diicun-o, nem a emenda,
Ib i posto tudo a votacio, e api ovada huma
e otatracousa.
Te ve lugar a primeira discus-o do Pa-
recer da Ooodmis.io de fasenda, sobre o
requerimento de Fermiod He 'culano e
Brito, em que pede seja incluido na lei
do Orcarreuio o ordenado de40Q$rtis
qua Ihe compete pela sua aposentaduria,
quo foi approvado.
Entiou em discoasaS o Parecer da Cm-
inissf o da Mesa sobre o requerimento dos
Oficiaes daSecrataiia do Senado em que
pedem augmento de ordenado ; e leu se
hum novo requerimento dos roeinusOffi-
ciaes aeerea da sua pertencad.
OSr. Maiquez de Baibscena mandn a
mesa a seguate emenda que fti afina!
approvad.
Piopouho que va o rerfuerimenlo a
Comis5a5 da Mesa.
Sendo a ultima parte da ardem do dia
Trabalhos da Commissa, p/^aara, por
on vite do Seobor Presdanle os Nobres
Senadoras aosssus Gabinetes.
Reunido o Senado as duas horas, o Snr.
Presidenlo de>ignou para a ordem do da
o seguinte: approva9a5 da redacca da
ResolacaS sobre a neuce5 do Doulor Ro-
nue,Scbucli,
U.tima discussad da resposta a Falla do
Throno.
2. M discussad do Projeto BU de i836
sobre diitiLs heredilaiius dos filhes Ile-
gitimo..
a. discu-so da ReoIui A de-
clarando nullo o aclo numero 2o da Aa-<
emblea Provincial do Rio Grande do
Nort>.
Ultima disrussaS da-ResolacaS AA
sobre a petisa5 da Fre Pedro de Sa5 Jo-*
a5. *
E bavendo tempo Trabalho* de Com-
OaaOfS.
Levaotoa a S.ssio as a hora da tarde.
CMARA dos DEPUTADOS.
Scssfto do dia ia de Mato de 183*i.
Presidencia do Seobor Aiaujo Lima.
k'n io harn Feita a chamada echndo-
se numero sufficiente de Sors. Depotados,
o S'.'nhor Presidente declara aberta aSes-
slo.
Lida a acta da antecedente foi appro-
vada.
O Senhor primeiro Secretario fez o ex-
pediente.
Ordem do Dia.
ContinnacaS da discust-io do a. pe-
riodo da Resposta a Fallado Throno. poi
interompida a discubsaS pela entrada do
Ministra da Justica, [qii rendo intiodu-
zid com as formalidades do eslilo leu n
relat rio da ReparticaS o teu cargo. O
Relatnrio foi enviado Commissa de Jus-
tes Civil e Criminal) e o Ministro se re-
tirou com as formalidades competentes.
A huma hora da tarde sendo introdu-
zidocom as mesmas formalidades o Mi-
nistro interino da Guerra, e tendo lido o
relatorio, se retiroo, sendo o nlitoiio ie-
mettido a Commissio de Marinha e
Guerra. ,
Continuando a discussiS nterromp'ds
fcoa adiada pela. hora. O "Snr. Pi evi-
dente den para ordem do dia seguinte a
rnesma de boje. Levantou a Sessio den is
de duas horas da tu de.
Contininco do Relatotio da Repaiticao
dos Negocios da Fa-enda.
B ALAMPO.
Nao possoaflirmar y; foi to superior
esta a Rt ceita do anno de 1835 1836,
nio a por me faltarem os Batneos do
Para', e S. Pedro como por nio estarem
os outros ajnda apurados, alguns dos
quaes chegaraS ha pouuo ao Tbesouro ;
nas creio que Igurn acrasoimo ha vea'
mesrno sem a Receita, que por ventura
hoavesse uaquela. duas interesantes Pao-
vinoiat.
A Receita do anno que corre, tendo si-
do desfalcada da parte da importante
Renda do Ditimo, que passou para a
Provincial, nio he de esperar que na sua
totalidsdc chegue a do snno pastado, nio

oh lenta baver a Lei do orcaraento aug-
mentado a quota dealguns impostos ; mas
comparadas alas entre si, principalmente as
de importarlo, nio he duvidosu, a vi-ta do
extrato dos Galancetes mensaes q' Tossera
presante rom o orcamento, birem ellas em
progressivo augmento naquellas Provincias,
que se tem coniervado livresdo fligelloda
da anarqua. *""
Pelo que pertenr.e
Despeza, a do Mni te-
rio na Lei, foi de......
. A raMsada.......
4.653:085^)160
b,3i:83o6&8
1.688:745^508
Excesso.........
Posto que este excedente sej.i anda
maiordo que o re-ultanio do B.ilanqo, 'su
precede de haveiem os Miuisterioa do Im-
perio Justica e Guerra despendido menos
do que o lijado,
Nd*vos cause "tranheia, Snrs. hum
tal excesso na de-pa-.i : tanta, e-ainda
mais, e tuda indi>penavel se acha auto-
nsada na rae-na Lei, e emontrai, sem qua
se lbe deiigoasse qusntii certa. O Ar-
tigo 34 autorison (osuprimento para Des-
pesas Provinciaes com o qual se despen-
den no anno........ i,3g5:6i3$036
As Lei> lelaiivas ao
resgate da moeda de
cobie, e substitucio *
das Notas aurtori io
a daspesa com essas o '
bjectos, e rutros que *
delles derivio, taes co-
mo a factura e pronti-
i-acio Ndo" novo pa-
pel,q'em se despendeu
por corita..........
O descont de 5 por
ci m equebra da nioe-
d de cobre existente
as Thesodrarias ao
lemp de se eff-ctuar
o primeiro re-gafe....
As Leis que autoi i-a-
rao a- rel randeras e M-sas de
Rendas, a c *a.'io de
Recebedorias, e Collec-
torias com as quaes se
taz a tnaior despes^
de .*...............
A qual, se se nio li-
Sasae, mal poderia ha-
Vjr nsste anno o arr s-
cimo de Randas de
i 860 000$ alem do q' '
ja tem liavido nos ante-
cadentes.
i,843:854^i50
Por e&tes artigos, e culioj qqc dcixo d
enumerar demonstrados na conta do
rsped i vo Miuisierio veris quo a des*
i sa p ra elle legalrnen'.e autorisada Tai
muito alem da que apparece no sea de-
bito; eA-esso este, que pela faculdade
couctdida no artigo 43 da lei foi suppri*
do com ss sobras de outros artigos.
Cabe a qui informa-vos que dos........
3a8:431$66S despendidos no Munici-
pio da Corte, perienre somente a minha
"A Jniinistr.'cao Rs. aO^-'SaG^t ti, sendo
o restante despendido pelo meu Anteceasor
e por conta de aun s anteiiorea.
Portaoto nio se deve olhar ae foi mu-
ta a dtspesa feita mais sim s; foi legar :
e bo receio assegurar que o exama do
BalaDCO ,e das contas que Ihe servem de
baze, demonstrara' que os dioheiros p-
blicos a minlia dispofcico, nio for.'6 iu-
dividamente destribuidos.
Notar-se-ba lalvez que o BalanQo nao
sppresenta a total despeza pertem ente au
anno, lando ficado por pagar huma par-
te della : he esse o principal inconvenien-
te das contas como as oossas, que se na
prestio por txercicios annuses. A cori-
ta do resto a pagar remediara completa-
mente esse defeito, sem os inconvenien-
tes talves mairosem nossas circunstan-
cias daqualle outro sistema de conta-;
belidade, se ella se podesse dar exacta:
mas te ii sido isso at agora irapraticavel,
provavelmente o bira' sendo, pel'a d-
ficuldade de se extremar dese resio, o
que realmente Gcou em div da x eoque
por varias caafts, que nio efugio or
muito tempo ao reconbacimento do Tbe-
souro ficoi) extinelo, ouse tornoaioex-
igivel. Todava aa exceptuar mos a di-
vida externa, cuja amortisacio tem es- I
tado parausada dasde ic!30, o queoo Ba-
lance apnarece como nio pago, nio foi
porq'o Tesoureiro demorasse o pagamento,
foi sim porque boma grande parte s po-
Ide, e deve ser pago no principio do anno
seguinte, por sa vencer no fim do anno
do ezercicio, e ootra parle por qua os
Credores se nio apresen tai o a recaber em
tempo
Nio cansarei mais a vossa itencio cora
este objecto ; t acrescentarei rjai- posto
se nio po8so di.-er airda peifeitas estas
ontas, ellas moilra ao oienis, compara-
das com as dos a'noos antecedent *, que
algum progiesso sa tem le lo, atientas as
diticuldades da roa tai a dilliculdades
com que lutara> por largo tempo Nar,6es
mais adiantadas do que nos na pratic, da
Sciencia Administrativa oellas recon ~a-
ccreis a boa vontad<*, econitantes esfor-
cosda Admnislra-*a6 para as levar per-
feiclo comftative! com as nossas circuns-
tancias. Quaesqoer esclarecioieutos qae
precisardes para a plena inteligencia del-
las, sti: vos hc ministrados com a fran*
109:996S5880
a60,575^98a
I
I

I

i
/



DIARIO DE PBRMAMBUCO.
quesa, e lealdade que o (i o ver no se li-
sonjea de profe-sar.
(C< nlinuar-se-ha).
PERNAMBUCO.
GOVERNO 1).\ FltOViNCUl
Expediente do dia i9 de Junbo.
Oficio" Ao Commandante das Ar-
mas commuoieaii to-lhe que fica deso-
bligado do encargo do furnei im>nto d >s
preses pobre* de J<.rti;a r < olhidos a For-
lalesa de Tamanda o Sargento Almo-
isrife da mesma D.niia Jos de Albuquer-
que cojo rtqur. imenio se lhe devolva
roo o competente bcfei unento ; podendo
t-ncarrvgar do ref.iido fomecimento ad
Sargtnts fla Guarnica debaixo d*s v i-ts
do Cb"j mandan te d'aquella Fortaleza co-
mo pro; o em eo oilicio da 16 do cor-
red .
Portara Nomeando o a. Tenante
Antumo Eg'ditda Silva para coadjuvar o
1 nspectir G 'ral das Ooras Publivas nos tra-
b Inos do recoobeciioento mcduad e
demarcaca dos terrenos de lYlaiinha.
OITi',io Ao Inspeitor Geral das O-
bratPublcas, p.trteci| ando-lbe t nome-'
;icao deque trata a antee* din te Portara.
Dito Ao Administrador Fiscal
das Obras Publjcas aseudo ig tal partici-
paca.
.- l.)ito A Cmara Municipal de 0-
linda approvando as arremataces das
Passagens do Cl Je eir<, c- Cordeiro a
qae procedeu a 1. por i5o$ooo rs. e
a 2. por 2 '$100 rs. como panecipou
emoBoio da 16 do con ente.
Da ao-
OJfrcio Ao In.-peclor Gerll das O-
bras -'Pub'icas communieando-lhe que
para se poder esolver sobre a arremata-
ras da Obra da nova Cdeia do Limoeiro,
hemister que remella as cnndiccdes de
quetrata tm seooficio de i9 do corren-
le.
Portara Nomeando a Roma Mi
gueis, para Piloto Commandante. do Pa-
ttcho Conccicio que vai seivir neste
Porto de Barca de Viga Vela na forma do
Art. 137 do Regulamento das Alfandegis
rio Imperio, co u os vencimentos, que
llie compettiiem que.seiio pago pela
Alfandega como determina o Aviso da 18
ce Ab' deste noo expedido pela Secra
taria d'Estadodos Negocios da Fasenda.
Oilicio Ao Inspector da Alfaiidega,
convi.iMiican',o-lhe o conteudo na P,urla-
ria precedente.
Dito Ao Inspector do Arsenal de
Marinha Caserillo igual c.raraniiicaca.
Porlaria Ao Director do Arsenal
de Guana para mandar encarnar as Ima-
geus d Senhcr Santo Christo, e da Se-
nbora da Com < icio qua vieraS re netti-
das pelo Commandaute da llha de Fernan-
do para 0 indicado fim.
AN NUNCIO.
No da 8 de Jolbo p. futuro ter lugar
n exame dos oi>poiloras scadeiras vagas,
de pi mi iras Ladras o qual ser leito em
conlormidade do dispo-.to na Lei Provin-
cial de 10 do coi rente raez.
Secretaria da P-ovincia de Pemambuco
19 de Junbo de 1837.
No impedimento do Secretario da Pro-
vincia, mnoel Izidro de Miranda.
Official da Secretaria.
B1SPADO DE PERNAMBUCO.
EDITAL.
Dom Joa5 da Porlica'ca Marques Perd-
gao C mego Regente de Santo Ag >sti
jili > por Grac de Dos, o da Sauta
S Apo>lolic bispo de Pernambuco, o
Couselbo de S. M. I. e C." etc.
Por especial man lado da S. M. o Im-
perador > ommuncado palo Imperial A-
v so de 14 da Mao de i8*2o. expedido pe
la Secretaria d'E tadodos Negocios de Jus-
tica romis Concurso palo presente Ej-
tal as seguinteg Igrejas planamente vagas
deste Bispado. AdeN. Sra. dos Reme-
dios do Rio do Peixe, a de N. Sra. da
Conceic d'Aguas Bellas a de N. Sra.
d'Asmmpc <5 da Villa do mesmo nome a
de S. Mana da Villa do mesmo nome, a'
de S. ft-ta do Rio Preto a d- N. S; da
Gloria do Rio das Eguas a de S. Anna do
Sacramento do Augical a de N. S. da
Pinado Buriiy adeS. Miguel da Br_
reirs id N. S. da Conceica6 do Por-
to Rial dos Indios, a de N. S. d < Cjncei-
qIo do Monte-mor o Velho, a de S. Cos-
me a Damio da Serra do Pereira a
de S. Qiiteiia, adaAtalaa, adeN. S.
do Destino da Villa Flor adeN. S. da
Gloria da Povnaca de Maiia pereira a
de N. S. do O'do pono da -Faiha a de
N. S. da Gloria da Villa do porto de pe-
dra), a deS. Concalo a de S. JoaS do
Principe, a deetmaragiba a de S Joa-
quina das L*rangeiras a de S. Aaje da
Ribeira do Pn; tada a de.S. Roma da Manga a da
Birra do Acarac a de S. Josa de Mssa
Velba a de N. S. da Gloria do Goit e
a de N. S. da Coocej^aS da Mttta-Gran-
de.
Todo Reverendo Sacerdote pois ou Ce-
ligo que queira fas-r opposic.io as referi-
das Igrejas apprtsente-se cora seus pipis
promptos, eaorrentes na forma doc-tiilo,
para seren admiltidos fasendo termode
oppo8ca5 dentro do prasode serentadias,
tiudos osquaes se fai o Concurso em
o qul responderlo os Reverendos oppo-
sitores a note rasos de Moral, e conscien-
cia e fatio umaexposica ou Homrlia
ao F.vangelho, que Assignar-mos para
Propormos ao Exms. Presidentas fm vir-
tud* da Lei de ii.de Junlio de i83l, onq'
se julgarem miit dignos, na forma dos Sa-
grados Canon, s e Concilij Tri lentino.
Dido em O inda sol) o Sello da ChanoU-
ria e No so Signad aos i9 de Junho 1837.
E en P. Joaquim d'A*omp<;o, Escrivo
da Cmara Episcopal a i>ubscrevi.
Joo Biapo Diocesano.
COMMANDO DAS ABJUS.
Expediente do dia 17 de Junho.
Oilicio Ao Em. Presidente, re-
mettendo o requerimento do 1. Cadete
J. M. P. Barreto, que pedia umannode
1 cenca na forma da Le p*ra no goso del la
cuidar de seos particuWes nteresses, e
informando, que o Supplicante pela ne-
ce^sidade que tinba da licenca eslava n
caso d'a oblar nao na forma da Lei por
que taes Iicencas t, ero extencivas aos
OBciaes, e Inferiores: mas sim rtesta-
da.
-- Dito Ao mesmo Exra. Sr. de-
volvendo a representacio do Comaiaudan-
te da Legio d'Olinda fosend 1 ver o direi-
toque assiolia aos Guirdas do a. Ba-
talba da mesma *Legia que serviraS no
Catui para recebeiem o quantitativo que
aLeimaica para Fardamento du ante o
lempo que uarfuele seivigo estivaro em-
preados, como se tmha praticado com
os Guardas Nacionaes de Barreiro, e in-
firmando que em face di Lei de 18 da A
gostode i83iTit. 4. Cap. i., e do
Art. 21 do Decirlo da 25 d'Outubro de
i832 eifootborisa;los taes ab.nos em
destacamento] dentro e fora do Munici-
pio q ando excede^sem de tres das.
Portal a- Ao Capito Commandante
da Fortalesa do Brum mamiantfo dirnit-
tir o soldado do Deposito Jo. 5 P. da Di-
cha por cer quinquegenarin, a achaca-
do da molestias c ouicas ficando todava
recluso na Fortalesa.
Dia 19.
Officio Ao Exru. Piesideote, re
qiiisitando um Pedreiro para hir ao Forte
do Buraco faser um ligniro conceito ( iptn
s mattri.es ali existente* ) em a pareda
da prisid, oude actualmente so arhad
coldidos os presos de Justica e in-tan-
00 pela brevida !e de tal concaito em rt-
teuc.' a seg'jranca dos pre^o .
Dito A mesmo Exm. Sr. ,
reinviando o requeiimeoto docomttta da
G. N. do a. Batalha do Pocv, que
eclamiva o.pagamento de seos sidos e
infsrmando, que nao pertencendo dito
cmela ai.- Linha, e na6 podando por
isso saber quanto a seu respeito tem occor-
jido, o respectivo Commandante de
Batalba ou LegiaS poderia salisfasec a
exigtoria que Iba tora feita.
Ao mesmo Exm. Snr. enderes-
sindo o requerimento de Feliz Francisco
da Par que a S. M. I. pedia a confirma-
ca5 do Posto d'Alf'res do 5. Batalhsm de
Milicias dasta Provincia a que fora pro-
movido pelo Governo Temporario de Go-
ianna baseando sua pretencaS as dis-
posigoens do eiiielo del3 de Setembrode
183s c exemplo de outros Ollieiaes
igualmente com elle promovidos e con-
firmados. Informandb.que ao Suppliaan-
te n.<5 poda approveitar as disposcd8
do dito de Decreto por ter contra ti as
do Airar do t.'d'Abrl de 1808 que
aujboiisou as da Real ordem de i795,
que roandava ficar sem effaito as Patentes
que nao fotsem confirmadas dentro de
um anno pelo C. S. M. o que os prova-
va n-of allegava como devia p.-ra facer
prevalecer o seo direito. so' por urna
Graca especial do Governo Imperial pode-
ria ser benignamente difn ido era atten-
Q' a seos servicof. -
Ao mesmo Exm. Sr. enviando o
requerimento do Alfeies J. B. F. Gama,
que.solicitava entrar no goso da li.-enca
que lhe fora ca sada visto o seo estado
de saude, e informando que o Supplicante
tinha neces.-idade da licenca que vequiria,
nao tanta quanto pedia porque tal con-
cec/5 nao poda deixar de ser abusiva pelo
rasovel principio de que lando de ser go-
sada dentro da Provincia lite poderia ser
prorogada todas as vts'.s que preciso lhe
f >sse morraenfe podendo-se disvanecer
em pouous meses a sua molestia empre-
girrlu com) afirmara um tractamento r-
.g'.roso e untando este seo pirecer al-
gniiias refiexoens sobre espirit de- insu-
bordinaca que o Spplicante patentiava
em saos allegados e qua por ora despre-
xava.
Ao Tenente Coronel C. da 5. Classo
communoando bvtr concedido a Praca
por homeuagem sos Tenentes presos, No*
berto Alves Cavalcaiiti e Joaquim Joza
de S-'Uia j a te por despacho de 17 e
a aquelle de 8 todo de.to mes, devando
ambos nos das Sbados de cada semana
-presentaren) seao Ajudaute a'Ordens na
Societaria Militar.
Ao Commandaute interino da*Forta-
le-a de Tamandar, re-podendo os seos of-
ficios de 4, e 9 do corrate, e mandado 1 e-
dusir ai luses da quella Fortalesa a 7 co-
mo outr'ora..
. Ao mesmo desoivendo o requenri-
mento do Sargento Almoxirife da Furia-
le-a ia despachado favoravelmtnte
pelo Exm. S Presdante e orde-
nandn-lbe que fosse encar regado do fot*
necimento dos presos pobres de Juatica
ali reculli idos, o Sai genio da Guarnigad de
baixo da suas vistas, continuando como
at agora a enviar a couta legalisada das
dispesas fsitaa com semtlhantea foroeci-
ment.
Ao Commandante interino do Forte
do Buraco communicando haver lejui-
sitado ao Exm. Snr. Presidente o Pediei-
ro que devia faser o concert na parede
da pris-5 dos piejos de Juatica.
Portai a Ao Major Commandante do
Bata.liam 7^ de Cas-alore, mandando
dimittir o soldado Marc'ulino Jos da Co-
ceicad filhn de F li'ppe Rodrigues dos San-
tos, em attencad a serounco q'lhdresta
dequatro que erviradno Eiercito e a-
lecera, eachar-se tm ayancada idade*
ARCENAL DE MAR1NH1,
ANNUNCIO-
Nao do correte mez concorrentea para a arre-
matado da boUxa e pao para o anno fi-
nanceiro, novare enta se anuncia para o
dia al do presenta n.ei.
Arsenal de Marinba i9 de Junho de
i837.
Antonio Pedro de Carvalbo
Inspector do Arsenal.
Havendo p/erissS de 3 Officiaes e 3
Mancebos de oarpinteiro e a ditos de
caipna paraserem empregados as Obras1
Peste Arsenal convido aos individuos a
quera pos<>a iuteresar o presente annuncio
para que corapc rr ule nesta Repai tipa a fim desercm em-
plegados em dito servico.
Antonio Pedro do Carvalbo
Inspector do Arcenal.
OBRAS publicas.
KDITAI,.
Tendo-iP de proceder ao reconhecimen-
to, medicad, edemarcaca dos terrenos
de Marinbas desta Provincia, o Sr. Ins-
pector Geral das Obras Publicas manda
faser srientequees Instruccoeos de i4 de
NoTembrode.i832, Art. 2., d nad quq lhe sejafl entregues os ttulos das
oonceisoans faitas aos particulares pelo
que convida aos Concesionarios dos refe-
ridos terrenos hajaS de lhe entregar os res-
pectivos titulo-.
Inspecca5 das Obm Publicas I9 de
Junho de 183?.
JoaS Francisco Bastos.
Esriva iuliiino.
ABJNUNClO.
O Tenante Coronel Firmino Hercula-
nodeMoraes Ancora, eocarregado pelo
Exm. Sr. Presidente de ensinar Topo-
graphia convida as pessoas que a qui-
saiem aprender a apieentaiem ae na
Inspeccio das Obras Publicas munidas dos
documentos que provem estar habitadas
na forma do art. 27 do respectivo Regula-
ment fim de sereno matriculadas.
Iaspercae das Obras Publicas ao de Ju-
nho de 1837.
Moran Ancora.
DIVEHSAS R^PARTICOKNS.
COftRElO.
A Sumaca S. Jos Patafox da o,ual he
Caap. Ignacio Marques si pira o iacati
no dia 29 dcorrente.
O Bi.gue Amparo sai para o Rio G.
do Sul no dia 24 do corrent*.
O Patrio Novo Especulador receba a
mala para o Rio de Janeiio amaob aa as
10 horas da manha.
aduinlitraca do patrimonio dos or-
pa'os. "
Perante a Adrainistraca do Patrimo-
nio dos O: fas se hio de arrematar a qoem
mais der, e por tempo de 3 annos que
ho de ter principio rio 1. de Julbo do
c ocente annos as rendas das seguinles ca-
sas --
N. 54 na ruado Amorim do Bairro do
Pee i fe.
7a idem do Vgario iJem.
74 idem do Encantamento idem.
75 idem "idem.
76 idem idem.
78 idm da Sensalla idem.
81 idain idem.
82 idem dem.
S) idem da Guia idem;
84 idem idem.
35 idem do Trapiche idem.
As pesso's que as quiserem arrtmalar
podeao comp-rripr no dia ai do corri-
te me as 4 horas da tarde na t a-a das S'-.1-
toe-iba mesma Admiuisti cao rom seos fi-
adores.
Ca-a das Ses 5e* d'Adminstraca8 do
I'.hi imoiiio oa Orlaos i7 de Junbo de
1837.
J. M. da Cu:/
a ---------
lisciipluraiio.
M88A OS UlVKIiaAS RENDAS.
A pauta be a mesma 'do N, ia5.
rnnFEiTURA.
. Parte do dia 19 de Junho.
Illro. e Exm. Sr. Sou a paitcipar
a V. Exa. que forad presos a minha er-^
derii e livoii os cora 1 tientes destinos :
Thomaz Joaquim br.-nco, rerasttidb pe-
lo Commandante da 1. Patiulha de
Polica do Sacrami uto de S. Antonio, por
ler espancado a urna mulher; Antonio



DIAKIOBK PIRNAMBUCO
Merlina, tambero forneo entregue por
um soldado por estar em desordeno ; A-
lexandre da Ora preto, e Joaquina Ma-
ra branca remettidos pel<> Commi-sa-
rio de Polica do d stricto do Jardim 'por
briga ; e Paulo Jos d'Araujo pardo re-
mullido pelo Commandante da Guarda da
Ribeii ada Boavista por insulto.
Nada mais consta.
Dos Guarde a V. Ex. Prefeitura da
Comarca do Recife 19 do Junho d_ 1837.
lllm. e Exm. Senhor Vicente Tbo-
niai Tires de Figueredo Caraargo, Pre-
sidenta da Provincia Francisco Antonio
de Sa' Brrelo, Prefeito da Comarca.
Da 2o.
Illm. e Exm. Sr. Mandei prender
Joaquim Pinto Judo por dennucia de
ser tratante, e ter commetido um furto no
Ciar d'ondese retiiou para esta cida'de,
e Marcos Jos Joaquim preto, por ser de
conducta mi. Fora5 presos igualmente a
minha ordem Jos Joaquim da 3. Anna, e
icarianna das Mer medidos pelo Cotnroandaote da Guarda
da Ribeira da Boa-vLta*por iosultoa mes-
ma Guarda, e Francisco de Paula Carnei-
10, branco, remettido pelo Commandante
lo Destacamento da Magdalena, por deser-
tor de Poiicie. '
Nao occorreo mais novidade.
Dos Guarde a V. Exa. Prefeitura da
comarca- do Recife 20 de Junho de 1857.
Illm. e Exm. Sr. Vicente Tilomas Pies
de b'igueiredo Camargo Presidente d.1
Provincia. Franciaco Antonio de S
firtelo, Prefeito de>ta Com nuca.
EDITAL.
Francisco Antonio de S B to d'tsta Cummarca.

Faco saber que se acha em vigor o .
7. c doTit. 8. c das Postures Muuicipie,
que proibe os fagos sollos, roqueiras, e
bombas ; e que em coocequeocia fare
prender os que Ibrem encontrados em fla-
grante como contraventores das ordem ,
owquaes teao de pagar a mulla da qua-
iro mil rs. que Ihes importa.
Secietaiiada Prefeitura da Comarca do
Recife 19 de Junho de 1837.
Francisco Antonio de S Brrelo.
EDiTAL
O Fiscal do Bairro do Recife Felis Bi-
sorra de Mello Leitad em viitude co Tit.
B- "7. das Posturas Muniuipaes, que
prohibe o uzo de logo sollo, fas si. ote
por meo dopreseuteao respetavel publi-
co que as pessoas que loreo encontradas
dentro do dito Bairro soltando taes fogos ;
serio multados na conformidade das refe-
ridas v simas : e para que se absten h.-5 de
lium bnnquedo alias u5 prejudicial, e
iu5 pretextem ao depois ignorancia, he
que os adverte.
Rail 1 o do Recife 2o de Juubo de 183;.
Felis Biserra de Mello Leilao.
Fiscal.
Cmara Municipal de Olinda.
3. SeccSo ordinaria. Presidencia do Sr.
Guedcs em 28 de Abril de i837.
Ab.'i ta a Secio comparecern os Snrs.
Ferreira, La.-ge- Jnior, Miciel Mon-
ten o, Reselles, Litando os mais Senh ores
com Ciu^a e lida a acta antecedente foi a-
P'ovada.
O Secretario dando contt do expedien-
te iiiein ion u liutn oflicio do Exm. Sor.
Piesidente da Provincia, iemet-.ndo as
cootas financerat do anno de i8.5G vod s
da Asamblea Provincial, e nao as coatas
de 1835 come o mesmo oicio e parecer
da mbina Asvemblta acusa ; a Cmara -
fou in tenada e resol veo que se remetesee
as mesmas rontas ao mesmo Exm. Sr.
ORciando-lbe o fasendo ver o engao que
havia na retnessa que fez a mesma As -em-
bica. Oulro djocesmo Exm. Sr. reme-
leudo um parecer d 1 Assembiea sobre va-
rios perteiidentes que querem aforar ter-
renos devolutos pertencenle a) Patrimo-
nio desta Ganara : inteiravU. Outro d o
Dr. Lourenco Trigo Loureiro pedindo es-
cuza do Cargo de Veriador para que fora
chamado : iateirada e o ouve por escuso
aeguudo 06 motivos que pondere em seo
oflicio .e resolveo que se chamassa o im-
mediato em votos.
Olivera 6 varios reqoerimentos de partes
que forao despachados e por ser riada a
hora o P. levantou a Secca de que 6/ es-
ta Acta em que assignario. Eu Jos Joa-
quim de Figueiredo a esojrvi. Gueries P.
Laages Jnior. Maciel Monleiro. Ferreira.
Esta'conforme.
O Secretario Jos Joaquim de Figuei-
redo.
VARIEDADES.
Um episodio do etreo do Porto.
0kApenas o primeiro alvrda msnhC de
a5 dejulho dei833- comecava a pene-
trar na9 fisgas da janella do meo quarto
de dormir quando.o som da chamada me
obrigou a levant.-r em sobresalto Vesti-
roe, armei-roe pressa e salando com
passos decelerados para ir ao quarto do
meo sizudu an0 e cOmpaubeiro de
quarlel encoatrei na escada o osso
honrado p'tra o qual me diise que o
rebate soava em toda a linha eprezagi-
a va um ataque geral. Chegado^o apo-
sento do meo amigo o achei j de todo
prompto romo que me esperava. Oseo
rosto pllido iffdicava ter passado mal a
noite e urna nevoa de presaga melanco-
la se de* i-ava em suas feicoens.
Vamo! me disse elle ao entrar; omeu
coiaci* ja desdehontem me aonunciava
isto mesmo. Vamos experimentar as pro-
ezas do heie de Argel.
Vamos! I lie toinci eu. Nos n6
somos Argelinos ntm D. Pedro be um
bey.
-- D. Pedro! exclamouelle fixamlo-me
com ar melanclico t> pareceudo agitado
de urna inspirace interna D. Pedro be
lmm heroa maior do que o se seculo;
mas, D. Pedro conhece mal os hbitos ser-
vis dcste povo enervado.
Disendo isto safoimf'S aprrs'iadanjent*
para o reducto dopasteleiro. O meo a
migo pareca absolvido em profondas me-
ditacoens, e eu respeitei por algum teui
po oseo silencio. Ao desembocronos ,
porem d'entre os muros das quintas de
Villar divisamos o sol que apona va no
oriente limpo de vapores, e fa-ia com seo
clarad orisontal, sobresabir o esplendor
da verdura e das bonines cas extensas cam-
pias do arredor.
-- Bonita manli exclamei', procuran-
do a-sim dispertal-ode teu letbargo.
Sim me re>pondeo e'le : bonita pa-
ra rort.r e morrer.... He as-im que o
borneo) it-gia'o abasa dos favores do Cri-
ador. Estes campos tad feriis, ta6 de-'
leiUvei, ser dentro em pouco um
vasto cemiti-rio e por longos annos ha
de oaiado levolver nelle os ossosencane-
cidos dos defensores da Lberdade e d<>s
e-cravosda tyiania misturados noseio da
trra, nos-a n,ii rommnm. E qutm
sabe se os nossos lambemali alvejai.
M Ihe responder quando utni multida de
espanio-os relmpagos parti simultana-
te] de vares pontos do horisonle d'entre
outras tantas nuvens de um >o negro ,
as qiiaes conglobando se e oilatando-se ,
prendendo-se um>-n?s outras em quao-
to seos medoohos berros se confundan I fi acabava de se preparar para morrer
com o sssoluo das balas formavaS um coi'- I (pois com qaanlo joven nunca o vi ca-
da5 de nevoa em frtnle das baterasinmi- prichar de espirito forte achincalhando a
gas. Vio-se romper Ho m^io desta nevoa; religi6 deseos pais) Todos festejaras a
um redemoinhode p qae pareca arao- noticia ; ninguem mais do que o doeto-
jado por um iurac<5 contra o pequeo te em cujo rosto macilento pela perda
reducto, a que correndo nos iamos che- j do sanguee yi5iohansa da morte eu di-
sando senlindo ja de quando em quando v-e>i um jubilo momentneo.
to menos vosos, trovoada permao^nte, j que elle se;a por rnujto lempo grato, -
de que Bourmont se circundavat. Urna
acea d inferno se mostra em roda de nos,
quando chegamos ao reducto e no mes-
mo instante embate irre-i.stivel da pezada
cavallara de Clouet veio augmentar-Ihe
a agitaeaS a desordem e eobrir o- (am-
po de cadveres. Quem ha ah que igoo-
ie a horenda moitandade ezeculada em
fJaSterrivel ensejo nesse famoso reducto,
por 3 vezas QediJoe retomado, al^qaeo
patriotismo teoaz de poucos valentes (ho-
ja olvidados) se vio triunfar da forca e da
pericia militar L.... Na5 entrarei, pois ,
nos dominios da historia ; a voltarei a fal-
lar do meo amigo. Bastante lempo havia,
que o sol declina va do meridiano as .cor-
netas e tambores de D. Miguel soava5 a
retirada : por entre o espesso fumo q'
cobiia todo campo, se enxergava a cor-
ria incessante dos generaes e seos ajuman-
tes, trabalbaudo para reunir os grupos
dispersos que anda tiroteavaS Iraca-
mente um diversas guaridas protegidos p-
Ja ai-tilh'. i'ia que nao cessava ae nos lu -
minar. Um desles offciaes quem o
seo grandd penacho denunciava por en-
tre nevoa ia passar perto de nos ;
o meo am'go cone^deligentea barrar-lbe
a passagem : eu estiva olbando em outra
diraccaS, rollo acara: v-jooseo movi-
nienlo; procoio spguil-" ; mas ueste me
ment urna granada iolammada chiaDdo
horrivelmeote se precipita entra nos col
urna ave de rapia : eu me prosto imme-"
diata. oetite ao lado dla e grito ao m u
amigo que se acoite: elle acabava de (fi-
zar a sua pontoria a o seo tiro parti
sem demora ao mesmo lempo que o mal-
vado proj.cU elevando-se um pouco no
ar,como o acor que paira sobre a victi-
ma que escolbe, arrebenta com medo-
nbo e-t-ampido despende a mil,, partes
as frreas fi accoens de seo negro boj .
Os dous estouros* se confundirio : o pe-
nacho do officia I ioimigo de sapare tre a Cumeca e o meo amigo cabio por
ierra. Ergo-me corro a elle e o en-
rontro bmhado no seo proprio sangue :
um mor 1 i Tero estilbaco Ihe havia rasgado
o baixo veniee despeaeado a coxa es-
querda : logo conbeci com inaxplicavel
angiasti que a ferida era mortal, apesar
do pacifico soi rio com que o meo amigo
me aoolheo Correr ao. reducto traser
urna mca e couduzi-lo ao hospital de
sangue, foi ob a do momento. Ali se cha-
va um cirurgia nosso amigo commum q'
e enearregou neo so' de Iha por os pri-
meaos apparelos como, tambem de o la-
zer couduzir depois a nossa pousada.
Lendo porem nos ahos do facultativo a
sentenca de morte do noss infeliz ami-
go eu voltei traspasstdo de dr p'ara o
meo posto. Havia ali agora im pequeoa
larefa para reparar os estragos causados
pela artilheria initniga, e desatulbar os
pequeos fossos dos cadveres e cavlos
que os cegavaS; de orto que quando me
foi po---vJ retirar-me, je a noite havia
oceultado com seo negro veo as acensa de
horror, que o da occasionra. No ca-
ramba para o meo quartel me foi dada a
notiiia, que ja corra na cidade, da to-
mada de L:sboa pelo Duque da Terceira.
Electi i^ado com ta boa nova eu nao pu-
de rieix.tr de comecar por um tal annnn-
cioestiabd no quarto do meo amigo.
Elle esteva no seo leito. O cirurgia p8-
srava na cmara pensativo e triste tando
cedido a cadeira da cabeceira a um respei-
tavel sacerdote com oqual o meo ami-
quelles que Ihe desped.'cra os ferros. Eu
vou dentro em pouco receber do Dos
dos excluios o premio ou o castigo que
hei merecido. Masvique sobreviveis,
nao vos faltar occasia de coonecer qual
be a ingralidaS de um vulgo insaciaTel
de novidades a quem pezados benefici-
os recebidos. F. -sa liis'e gloria que tu alar
deas, .-ei um motivo de aver-a paraa-
quel'esqiieaedaqinhorio comligo. Esse
mesmo Pedio, a quem devemos ludo ,
ha de ser elle e os seos amigos duran-
te longo lempo, alvo dos tires da
malignidade (e prasa aos Ceos que nao se-
je de oulros ) e a ingralidaS Ihes ha de
cavar as sepulturas, at que a posterida-
de lhs faca urna Justina tarda. Mas...1
nao importa... fase o bem ue5 cales a
quem. Eu o que pude pela carta o
pea patria. Agoia be necessario a-
prompt.-r paia a viajen?.
Dizendo isto me chamou ao seo lado ,
donde o ecck* ias ico ehavia levantado; a
(lop-)is le me luver leito vaiias tecom-
m-ndacoeos parlicuiaie> relativas sua
iacaia ( compusla de urna mi j velba ,
e dous ii'maos menor s), com aquella
placidez c espirito, apauagio de urna
jilmtem lemor.-os se dsspedo de mim,
chamando noVamenteo rumi-iio de Deo
paiao pede si. Antes de amaohecer,j
orneo amigo nao existia. Nunca me es-
quecerd tata momelos. Eu cumprims
con todas as sus* vuntades ; e mil Teses
me lenho recoidudu das suas propheci-
as.
Um dos 7,5oo.
( O Examinador. )
(Do Correio Mercautil.)
AVIZOS DIVEROSS.
sibillar sobre nossas cabeeasos negros par
tos dos ranhdes tenantes. Detrez dessa
massa de sombra e de poeira do bojo da
qual perlia ossons agudos do ciara, e
logo depois os relincbos dos cevallos e
sa voses estrang- iras dos olfiriaes e a-
vistava urna extensa columna movedica
de ac cujas ponas acacaladas resplan-
decido aos pi iniviios raios do sol. As
nossas bateras nao bavia mostrado hesi-
tar einacceitar o desafio, e ja de toda> as e eirravag.ncia de um povo que ae ve Ji-
parles se respond! bem que com mui; viede um puado caliveiro, para esperar
Eu tos ebaoco meo Daos, exclamou
elle com urna voz Iraca mas fervente ,
de me faseies morrer na pe sua cao qu
os nossos estoicos nad tem sido inuteis
para o liviamento de tanto victimas!
E para a nossa propia gloria repli
que t u e para gosarmus as ben^ios de
urna uictj agradecida.
Is o nao mo tornou elle com voz pe-
zade : cu -e muilo bm qual ha a ligereas
S. DANIELS respeituosameote informa
aos Srs. Negociantes, e Mercadores d'es-
ta p:ace que se tem eatabelicidocomo Cor-
relor. Geral. para compra de fazendas e
gneros de todas as qualidades, dedican-
do-se tambem a negociar Letras de cam-
bio sobre Paue.1 e-lringeros, ageiiciar
discontos, e troco de maedas, e tudo
mais inherente a este lio til como neces-
sario emprego. A longa pratica que ad-
queriu por espapo de iO aonos em urna
das casas mais repetaveis de Londres e
que eulrelinha vastas relaces para o Bra-
sil, leunidasque Ihe tem franquiadoa
sua residencia n'esta (iraca ja pelo perio-
do de quazi 8 annos, cabalmente o ha-
belila a bem desempenhar as obrigaces
do seu cargo. As pessoas que o quiserem
honrar com a nua conlianca seguras do
fiel e pontual desetnpeaho, riirija-se ao
sen Escriptorio ruada Cfuz n, 3i.
i^ Na ra das Flores t). 3 precisa-
se oe urna ama que seje capaz de servir
tanto de portas dentro como p'ra fora.
iT^ Precisa-se de 300$000 ra. a pre-
mio de um e meo poscenio e por lem-
po de dous. annos-, com seguranza em
eteravos, e dando-se iO$000 fii to-
dos os mezes por contr, e o resto no
finido lempo: quem cte negocio quiser
fazer aonuncie.
j^ Piecisa-se.de um portugus at
a idade de 14 annos e que seiba ler, es-
crever e contar alguma cuiisa para ser
empregado em um estabelecimento den-
do fiedor a sua condupta ese tiver ebega-
do prximamente de porlugal meihor; em
a ra da praia venda da quioa defronle
do Marroquin.
^> O Snr. Antonio ,P queira dirigir-se ao armasem do Rufino, a
fallar com Malinas de Macedo Cibial,
para Ihe entregar ums| carta vinda do
Ass.
ejqy Um professor de desuni ensi-
na por casas particulares esta Arte como
tueihodoque em pouco lempo se aprende;
quemoe quiser ulilisar do sen presumo,
dirija-se ruado Livramcnto loja D. 35.
*JP* UmaSeolioraprop5e-sea ensinar
tiesta prava ou fora dclla ler, escrever.
contar, coser costuras chans e. bordar de
todas as quaiides, alcocboar, levarioto,
bordar de oslo cacund toucados, e
mais .afeites para^Seuhora ; aisim coa o


4
DI.A RIO DE PBRNAMRUCO
i
coser de alfaiate ; quem a pretender au-
nan ci.
8^> A peSsoa de furas de portas que
apprehendtu urna canoa de carreira di-
rija-sea ruadiieita oo tercairo andar do
sobrado D. i3 a entregar, ke redber a
qgantia que pedio pelo mu uabolho ou
annuncie a sua morada para ser procura-
da.
%jy Na ra do Nogueira D. 29, ha
urna ama com muito bom leite que se
offerece para criar.
JTJJP- Precisa-se de alugar duas prttas
para vender na 1 u* e que seja finia : na
ma de lionas 47.
jCLT* Quem precisar de um caixiro
portugus para venda do que tein bas-
laute pralic*', dirija-seao attearo da Boa-
vista no bolequim ao p da ponte.
1W Um professor de Arathmetica ,
Contabelidade Cramraatica FranceZa e
Portugueta ,1er, e e^crever que eosma
por casas particulares; quem precisar di-
r/a-se a ra do Livi amento loja O. 25.
jrjP" Quem annunciou querer comprar
um cod'go comraercul purtuguez diri-
ja-se a ra da Santa Cruz n. 3a.
ayaja No da i9 do crrente foi um
menino de esculla no sei de .quem e se
ignora tambemo nume do dito minino,
que no quiz declaiar-lo ,,offerecer um
alfioti e de paito de ouro pelo prcj de
980 e se ofiei eeendo 32 elle proaJpta-
mente o quia dar, e conbecendo-ae que
5 1 ia tirado por e porguntar ao menino
quem era seo pae e que s Ibe dara o
dioheiro se dissesje d'onde era, ao que logo
poi-se a cortar deixando o dito alfineite ;
quem for seu dono, diiija-se a ra do
Qaeimado D. 1 que dando os biguaes
certos Ihe sera' entregue.
a/y PreciM su d'umco-inheiro: na ra
nova. D. 11
|Sfe Quem quser um negro para ala-
gar ocrroiiiprai em meia idade annncie
ou diriga-se a ra da moeda n. iii.
*jry Apcssoa que annunciou ter para
vtnder alem de oatros gneros urna
commoda com urna estante moderna, e
um relogio de ouro; qoeira anounciara
sua morada para se verem os objeclos, e
tr.itai -se de Sua compra ou dirija-se ao
Trapicbe novo%asa a. 13 segando *od*r.
iy Quem annunciou querer veoder
os fivros, O lando furroao piolho via-
jaule D. Quixote, viagen de altinha,
; romboio de mentiras, dirija-te a ma du
Vigario n. 21.
I jr^p OU'oiece-se urna mulber parda
para ama dcima casa a pessoa qupa pre-
cisar dirr)a-se a ra da sanzall 1 nova ca-
sa n. iO.
s/y Qaem annunciou queier comprar
uruglobo lerreste dirija-se a esta Ty-
pograBa.
yy precisa-ee de um caixeiro da 10 a
12 annos de idade para bir para ipjuca:
na ruada cadeia loja de Joio da Cunba
Mg-lhies.
yf> O Tabeliio Bezerra faz cente que
no dia 21 do crreme fiea o eu caiturio
estabelecido na ra daa rruseirasa > en-
trar pela roa do Carmo lado direito pri-
meira casa tenea defronte dos Escrivies
Ferreira e Alm 1 i.
ajry frecisa-se de urna ama de leite ,
escrava coru prtfeieucia; amada Cruz
no segundo andar da casa n. 48
Wjpi Na noite do di! 9.4 deMoio, fu-
tarad do Poco da Panilla d Cilio de Tht-
maz Antonio Nuues, doua cavallos, buat
iuqo rodado, bom pcairo, cara de car-
iieiro bum quaito bom tanto marcho; e
cutro pequeuo de menioo lazozinho"
bom p*c<.-iro, e gordo, quem dos mesrno,
boubeiein dar-e -ha de achado I2$>oo
rs. e podeio levar no meamo logar en-
ditado ao Senhor dos ditos Alexandre
Lopes Rebciro ambos os Cavallos sao de
earivaua.
NAVIOS A CARGA.
Para a Baha
A Sumaca S. Jos T.innpho Capito
Francisco Caelano de Alaieida, ae>ue
viagem para a Babia com toda bre*idade,
pois qua se acba ja em meia carga ; quem
nella quisar carregar ou Inr de pasiagara,
dirija-se ao Escriptorio de Mauoel Jua
quina Eanw e Silva, ao b.c? da ccimba.
Urna mulata moca ,
ejemplar -cose,
Para Macei
< Hr A Sanaca Feliz Americana segu
viagem at a6 do crrente e recebe al-
guroa carga; quem quisar carregar ou
ir de passagem, dirija-te ao Capito, ou
Manoel Joaquim Pedro da Goala,
COMPRAS.
Palaces Brasileiros e* Columntrios
por pataedes IVIexicanos, detraz do Cor-
po Santo principio da roa da Cruz casa
D. 67.
iy Tres ranoas-de carreira : na ra
Direita no teiceiro andar do sobrado D. i3
ou.annunoie.
9" Urna cadeirinba da Babia, que
nao seja muito rica : quem a tirer aonun-
cie.
W^ Estamenha para habito deterceiro
de S. Francisco; quem o tiver annuucie.
VENDAS.
*jt^ Sabio a luz o numero 19 do Ca-
rapuceiro vende se, na Pracada inde-
pendenrit n. 37e38>*
de rondurta
ava engorama e co-
zinha rom limpesa e peri'<.ica5: quem a
pretender annunce.
tJT Um selim com fieio e cabegadaa,-
tudo com pouco uto : na ra da sanzalla
elha n. 46.
ajry Urna porcaode pedrasde fogo :
del)ixo do hospital da ordein terceirajde S.
Fraocis o, na frente da mesma ordern.
*xy* Trez escra^os e urna preta : no
beco da lmgoeila venda n. 4- de Manoel
Gonsalves Pereira. f
|f Um cav.-llo rasianho bem esqui-
padoi' e com outrs andares e moilo
manco: as 5 pontas ra do Peixotj em
casa de Francisco Antonio.
jry Diariamente capim de planta cm
booa feixo a 80 rs. cada um urna barre-
lina par- G. N.: na ra nova D. 56.
W* Madeiras de diversas qualtdades,
a saber caibros de 30 e 4,0 p.lmcs tra-
ves freixae, coutmioa, rniollos de em
benba curvas, travessas para conoas e
proprias para hlenles, enxameS de ao
palmos, de loiro e outras qualidades* as-
simromo aprompta se com brevidade m-
comeadas de madeiris e por preco comino-
do: cafa 5la0arroha, e 18O r-. a libra:
- no pa'tj das canoas da ra nova casa da
quina que volta para a ra das Flores.
*X9* Chapeos de paliaba para senboras
e menioas firelleaabertas de muito bom
got : na ra nova D. a2.
19" Um esctavo crioulo da 30 an-
nos de idade cosinha cose [engomma ,
e lava bem de sabio: na roa do Vig.rio
n. 2i.
j3P Urna rica cadeira e de bom gos- )
o: na ra Direita nb teiceiro aodar do
sobrado ) i3
jqaji Cmaescrava de 18 a aO annos de
it'ade cosinha engomma e coje: um
op'imo escravo proprio para todo o seivi-
c>: na ra do Fug-j D. llt
ajy Urna escrava de naci angola, que
entende de padariae ousnba : na ma Di-
leitaD. 43.
yy Duas grandes ca xas de amarello ,
vtlhas proprias pfa suardar fariuba : un
1 ua Direita em casa de Girino Marques de
Araujo
DT Spalos virados de bezerro por 1
palacio, dito-de sola e Gra a 1600, d-
t a da Senhor* a 720 dito de duraque de
Lisbon20, bolins de meninos de iod*s
as qualidades a naO, e mU cabado de
todas as qualidades e por praco commodo:
em Olinda na ra de S- Bento, leja de
couros de Jos AI vas da Fsrias.
V9*'Urna venda com poneos fundos ;
o 1 armacio e p 1 tencua da mesma pur
pieco ctmoJo na ra da cacimba a fallar
com Jo> Francisco Morera,
yf Salla da matta superior qualilada
pr preco cmodo na praca da Boa-viata
D. 44
t^> Urna cama grande de j-caranda',
nova e moderna : na ra do. Quciioado
. 7.
W ps de coqaeir\>s em porefo avul-
tada : nal ha de Anua Bazerra.
sjry* Dina bonita escrava cose faz
renda cosinha : atrs da Matriz da
Boa vista pas>audoo sobrado n. a no ira
midiaio.
tfly Urna escrava crioula de i5 a 16
annos: na ruadoCabuf a fallar romo
caizeiio do Sr. Tbomaz de Agoino, que
dir quem a vende.
%rj^ Para lora da Provincia um preto
crioulo de a5 annon de dado bom official
de sapateiro : na B a-visia roa velha a
fallar com SabjkSo Ribeiro.
VOT Um siti bastante grande com
casa de sobrado anda por araba', na e-
Irada de JoaS de Barros : na roa da Con-r
cicio da Boa-visia casa que faz quina pi-
ra a ra* d<> Rosario.
S2^ Uma escrava crioula de 16 a 17 .'
de idade cose e faz renda: na iua Di-
reita D. 11.
|rjr para forana provincia um pre
to da naco mucambique de a6 annos de
dade: nofjite do mallo prenda do C^r-
deiro.
t^ Exrellente Sacas com farra ha do
Rio de Janeiro e de aorui superior, a
da mu beca e panno de algudaS de
Minas prop o para nebros de engenho no
armazem de Santos Bragia, ra da Moe-
da N. i#i.
^ Em foras da porta uma morada de
caaa de sobrado novos na roa de S. Amaro
d parte da mar pequen* : na >u* do
Queimtdo quina que vira para, a ra do
collego por cima da loja de ferragem.
JT Farinba de mandioca de bo qua-
lidade, a bordo da Samara Temeaii*
fun liada defronte do Trem por-pr*o
muio commodo emporefo se dar por
menos: a bordo da dita Sumaca ou a G.
A. de Barros, atetraz do Corpo S.# D. 67.
trjJP* PranxSes de amarello sendo ue
dous palmos, e oulros de palmo e meio
da largur% : no fjrte do mallo, prensa do
C -rdeiro.
tjrjP Uma crioalinha de i3 %nnos de
idade ja com principios de co tura : na
ra dos Qaarteis D. 6.
iy Quarenia b-rriz para asmear :
no beco do peixe frito venda D. 3.
. a/JBB Uma escrivania de duas laces com
os seus competentes mouxos oatra dita
paquena de urna so l'..ce duas mesas te
amaiello um armario de vatro de guar-
dar papis duas rancdlas 4 soraors
de asquear v louc.i d < Babia, enchadasdo'
porto feixaduras dito grandes meians ,
pequeas, um cavaletede pau de b>tar
selim, fivellas pa selim um meio bal-
co, duas pipas, um cspelho domado
com a sua competente mesa doarada ,
uma pedra de marino*e ferragens de en-
genho tambores de ferros, agulh5 varar ditos dos lados oarretas de bron-
zes, cadeirasde Jacaranda', um engenho
de tirar agoa com muta facihdade, e 4
mappas Geogra.os: na roa da moeda
n. i4i.
%W U'na cabrinha de idade de 121
i3 anuos id'i t sodid com principio de
costura: ni ra estieita do Rosario D. 29 ,
teiceiro aniar.
aHJ Duas negras ; cosjnhio e uma
sabe coiere lser doce ua ra das Cruses
D.$.
fgq> Por preco commodo ama mulata
boicustmeia que avista do compiador
.se dir'u motivo da venda : um 1 elogio
de caixa de ourw muito bom 1 (guiador,
na ra ro cilderero D. a6, oaoa que faz
frente com o fundo da Ig eja djs Mai tirios
ary Un e.-cravo cnoulo bum ilus-
tro desapatriro de al anuo-> de idada ,
bonita h^ur.* e s m vicios : ua B01-
vi-t* em casa do Sr. Cata.
t^ Caixis de traqws de 40 magos ca-
da una por preco commodo, a rttalbo ,
ou a,tacado : na ra da C u< n. 56.
fOf Vella decebo da trra a ibOa du-.
za : ni poteo do Carmo quina duTja de
II ras D. 1.
i^p> Uma escrava da c nos oe id.de ; cosinha o diario de uma ca-
aa e faz toda a quahdade de boliuhos :
em lora de portas no quinto sobrado pin-
tado de amarello do lado direito.
V9? \J na casa torrea sita atraz'da Ma
trzde S. Aiuon o D. a com bons com
modos : na meuua casa acbar com quem
tratar.
<^> T.boadode pinho de todas as lar-
guras e comprmentos para assoalho e por-
last preco muitu commodo j as^im como
um^pouco de refugo : no armazem do be'
co largo do fallecido Bento Jos da Costa.
ftc^ Um pianno novo com muip boas
vo^ses boa coristrugo e todo de i caran-
da : na ra nova D. ai casa de Tbomaz
de Aquino Fonseca.
fcjr* Galochas de todos os lama ribos: na
praca da Ihdepeudencia loja n. 7 e 8.
|TJa>* Uma escrava idade de 23 a4 an-
uos sabe vender na ra, e lavar roupa
desabade varrella: na ra da Cruz do
Recife armasem da assacar n. 5r>.
^C^ U.na rede de maquira com va-
ran das de penas, propria para tipoia :
oas Cinco-ponUs loja D. 26.
W Por preco commodo o se>uinte:
uma cmoda com uma estaute moderna ,
um relogio de oiro e oj livros ; O. lando
Fu lioso, Piolho viaj.u'e, D-. Qusote,
Viajen* de Altina Comby de Mentiras,
Diccionario Francez e Portoguez A-
venturas de TJem.-qoe, Gramtica Fran-
cesa e oatros muitos livros todos de mui-
to boa enqiiadernacaS e novos uma ca-
bra (bixo) com sua competente cria :
quem pertender qualquer destas coisaa an-
n >n i :
ESCRAVOS FGIDOS.
4
Um preto de mci angola d
nomeJo, muito preto, barbado, le*ou
vestido camisa de xilla calsa de e-topa,
cbapeu de palba ; qualquer Capitio de
compoqueo pegar, levem-o ao engenho
do Jiquia' ao Coronvi Manoel Cavbante,
qu sar lecompeu&ado.
f^P" Fugio no dia 19 de Marco do an-
nopassado, um piel crioulo de nomo
Joaquim, qua represt n'a ter 3o annos de
idade, com os signaos sega i n les : altara e
corpo regular rosto redonJo cor fulla ,
e no roto algumas marcas de bichiga,
pora barba pernaa finas, ps pequeos,
falla bera e muito desembarazado, este
pelo foi nascdo ecriado no matto, tem
parentes al ns ertoens ; quem delle
sonber ou dar noiicia tem de gratificacao
i00^)000 na pracinha jJo Liframento
[ja defazendas D. i9.
WW Fugio 00 da 2o do crrante Maio
de am cilio noBaibalho do Senhor Joio
de S Le lio um preto idoso, com carni-
za e siroulla de estopa, um chapeo de
seda velha, barba branca-, e cnssida ,
c bellosum tantosolto, alguma coosa que-
brado das verilbas e com- um sorrab de
courode viado oude leva a sua roupa, e
urna xoupa eocostada em hum borda,
julga-se lar hido para o sitio da' xarnena
do Engenho Perapama alem da Villa do
Cabo meia legoa ou para a Cidade da
Parahiba do Norte : a pe-soa que o apre-
hender le feo aomesmo sitio ou no At-
terrodo AII'.gado lado esquerdo ao sabir
desta Praca casa de daas portas D* i2quo
ser recompensado.
faboat dat mares sheiat no Por o a
Fernambue,
i7 Segunda
glfl -T:
319 Q
3*o -Q:
a S:
5 2a -S:
23 :
- 8h. 6n
- 8 54.
- 9 /ja a
- jO-5o
- II 18
- la 6
- 0- 54
. \Tardt.
'Manb

*
noticia* martimas.
Navio Saludo no dia aO.
LIVERPOOL; B. Inglez Mapi M- Jm-
nal j Maxivell carga varios genero).
TUO GRANUE DO QORTE ; Sumaca N
Temeridade M- Joaquim Jo; de Souza
carga varios gneros ; passageiros 7.
PORTO; B.P^Boa viagem, Cap. Ma-
uoel Autonio caiga assucar.
PlRN. tuTlf{DE U. F. FAK1A. 1837.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ESHH8PJ6Z_J2TJF9 INGEST_TIME 2013-04-26T23:09:49Z PACKAGE AA00011611_08087
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES